Issuu on Google+

Nº 1 / Julho 2 0 0 8

Associação Humanitária dos

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS de VILA REAL e CRUZ VERDE

m boa hora os bombeiros da

irigir-me a todos os que vão

Cruz Verde decidiram pôr de

ter acesso a este boletim é

pé mais um projecto, que com

desde logo uma difícil tarefa, mas

certeza irá enobrecer esta

mais difícil terá sido a tarefa de o

Associação Humanitária, em que

editar. Lançado o desafio ao Grupo

todos dedicam o melhor do seu esforço para que Vila Real e

Desportivo, logo este foi aceite e de imediato se lançaram mãos à

as suas gentes se possam sentir um pouco melhor, sobretudo

obra, para que este sonho (de alguns de nós) fosse tornado

nas horas mais difíceis, em que uma mão amiga pode fazer a

realidade. Os tempos que correm não são, reconhecidamente, tempos de

diferença entre a segurança e o desespero, entre a vida e a morte. Fazem-no tantas vezes em condições extremamente

“vacas gordas”, mas a Cruz Verde sempre soube tornear as

difíceis, quantas vezes incompreendidos, muitas vezes

operações. Honrar os que nos precederam e que já não estão entre

desvalorizados, mas sempre disponíveis, sem pedir nada em

nós, reconhecer aqueles que muito deram e dão em prol da

troca. Eis a nobreza do bombeiro, o homem e a mulher que

Associação, é, portanto, o nosso grande objectivo. É ainda

coloca a vida dos outros, sempre em primeiro lugar, o exemplo de como este mundo poderia ser muito melhor, se todos ao olhar, conseguíssemos ver à nossa volta. Esta publicação a que todos desejamos longa vida, será certamente mais uma porta aberta, para que todos conheçam melhor a nossa Casa, possam entrar sem bater e se sentirem iguais. Aos que desde a primeira hora se propuseram levar por diante esta tarefa, conscientes da responsabilidade e do trabalho que os espera, bem hajam, e que o exemplo de todos os que ao longo de 117 anos serviram a nossa Casa, lhes dê força para ultrapassar as dificuldades quando elas surgirem. O Presidente da Direcção Carlos Moreira

dificuldades que lhe são presentes, nos mais variados teatros de

objectivo deste boletim levar para fora de portas um pouco daquilo que é a nossa história, o nosso dia a dia e daquilo que poderá vir a ser o nosso futuro, para o qual a todos exorto. Tal tarefa não se mostra fácil, estamos a tentar ser o melhor, pois aquele que tenta e nada consegue é infinitamente superior àquele que nada tenta. Sabemos que as críticas (negativas) vão chover de todos os quadrantes, mas, as grandes obras são sonhadas pelos génios, executadas pelos lutadores, desfrutadas por alguns felizes e criticadas pelos inúteis crónicos. É portanto, para vós, bombeiros de todos os quadros, sócios e todos os amigos em geral, que este boletim é editado. As vossas achegas serão bem vindas. Não somos fechados a sugestões, desde que estas sejam por vós feitas no sentido de melhorar a informação que vos queremos fazer chegar. O Comandante Fernando Mota


2

O Voluntário

Julho 2008

A.H.B.Voluntários de Vila Real e CRUZ VERDE

Da nossa história... A fundação

Avelino Patena Fundador e 1ºComandante dos B.Voluntários de V.R.

F

oi em 1856

dado que a expensas próprias adquiriu

que foi

todo o material de incêndios e respectivo

criada uma

fardamento, bem como pelo que

associação de

auxiliou a Comissão Iniciadora na

cidadãos para

realização do difícil empreendimento.

acudir aos

A 15 de Maio de 1890 foram efectuadas

incêndios. Já em

as nomeações para os diferentes cargos a

29 de Junho de 1864 foi aprovado

A bandeira s estatutos de 1890 fazem alusão a uma bandeira branca

desempenhar na corporação. Foi

tendo ao centro um

um regulamento que transforma

nomeado Avelino Patena para o cargo de

1ªBandeira da Associação

essa associação de cidadãos na

1º Comandante e António Gomes

escudete azul no qual era bordado a ouro o

“Companhia de Bombeiros

Névoa, para 2º Comandante.

emblema da Associação. O tempo, por

Municipais”.

Em 1 de Dezembro de 1890, foram

certo, debotou o branco dando-lhe um tom

Decorria o ano de 1890 quando, em

aprovados os Estatutos, em Assembleia

amarelado e o azul

sessão de 27 de Março, o Presidente

Geral, tendo sido assinados pelos seus

da Câmara Municipal, Avelino

fundadores.

Patena, propunha a demissão de

Desde os princípios de Dezembro,

vários bombeiros municipais dado

Rodolfo de Araújo dos BV do Porto,

ser lastimável o estado em que se

treinou os Voluntários. Este instrutor

encontrava o pessoal de bombeiros

era, ao tempo, considerado um dos

Chefe Artur e o

municipais, visto que a maior parte

melhores instrutores de Portugal,

Chefe Simão desenham no escudete, por

das vezes deixavam de comparecer às

A 1 de Janeiro de 1891 a Corporação

trás das letras V e R, uma Cruz Verde.

intimações feitas pelo seu comandante.

do

escudente

transformou-se em lilás. Mais tarde, já por volta de 1964, o Bandeira actual

apresentou-se publicamente,

Simbólica é a outra

percorrendo em cortejo as ruas de Vila

nossa bandeira

Em 10 de Maio de 1890 reuniu a

Real, passando este dia a ser

Comissão Iniciadora de um Corpo de

considerado o do seu aniversário. Os

Bombeiros Voluntários tendo o seu

Voluntários realizaram, neste dia, o

Presidente António Gomes Névoa

primeiro exercício geral no prédio onde

e baptizada por

apresentado os estatutos, por ele

actualmente está a Farmácia Barreira

D.Ester, esposa de

elaborados. Nesta reunião foi

tendo merecido os maiores elogios de

Carvalho Araújo a convite da Associação. A

proposto um voto de louvor e

toda a população.

profundo reconhecimento ao

cerimónia decorreu em 1931, aquando da

Ainda em Janeiro de 1891 a Câmara

inauguração da estátua de Carvalho

Presidente da Comissão e ao Presidente da Câmara Municipal Avelino Arlindo da Silva Patena,

Municipal extingue o serviço municipal de incêndios.

“FERNANDA”, que se diz ter sido bordada

Araújo. Esta bandeira tem como curiosidades a “Estrela Vermelha”, símbolo do quadro de saúde (1921) e uma âncora,

O Museu

símbolo da marinha.

D

esde 1 de Dezembro de 2008, o nosso Salão Nobre, cumpre mais uma função, é também o nosso MUSEU.

Este é um espaço de divulgação da nossa história, do nosso espólio e também de todos os que serviram a nossa Associação; é um espaço de exaltação aos Bombeiros

Visite o nosso MUSEU

Voluntários; e um espaço educativo, cultural e social que

Para Escolas ou grupos, marque já a sua visita.

convidamos a visitar.

Telefone: 259 330 510 * E-mail: www.cruzverde@sapo.pt


O Voluntário

3

Julho 2008

A.H.B.Voluntários de Vila Real e CRUZ VERDE

Histórias de Bombeiros... Salvar um a vida…no Rio M ondego História contada na abertura do M useu

E

stávamos no ano de 1970 quando nos deslocamos a Lisboa, a fim de Chefe Artur Costa assistir à cerimónia Crachá de Ouro da LBP de tomada de posse do Governador Civil de Vila Real, Engº. Tomás Rebelo Espírito Santo. Faziam parte desta comitiva o Comandante António Vaz, eu, o Chefe Félix e o porta-bandeiras, Bombeiro Roquete. Saímos de Vila Real a meio da tarde, na nossa ambulância Opel Olímpia e dirigimo-nos ao Quartel dos Bombeiros Voluntários de Coimbra, onde se tinha combinado deixar uma encomenda para o filho do nosso director Luís Faceira.

Quando íamos para arrancar chegou ao Quartel um carro de praça a alertar que um homem tinha caído ao Rio Mondego, junto ao cais da estação. O carro de praça arrancou e nós seguimos no seu encalço com a nossa ambulância. Ao chegarmos ao local virei os faróis para o rio e certificamo-nos que estava uma pessoa pendurada no cais, agarrada a uma argola de amarração dos barcos. Um de nós retirou um atado de corda de uma camioneta que estava estacionada no cais. De imediato, dobrou-se a corda em 2 ou 3 voltas. Eu deitei-me no chão e dei as instruções ao homem para que se agarrasse bem. Os outros elementos ficaram a segurar a corda prontos a puxarem, o que aconteceu logo que se

conseguiu laçar o homem. Após este ter chegado ao cimo desapareceu, não disse nada e nunca mais ninguém o viu. Passados uns tempos, numa das minhas visitas aos Bombeiros Voluntários em Coimbra, lembrei-me de falar do assunto e disseram-me que o indivíduo era Bombeiro desses Voluntários e que estava bem. Sobre o que se teria passado ainda hoje é um mistério o facto é que, com a nossa prontidão e determinação conseguimos salvar uma vida.

Grupo Desportivo Cultural e Recreativo Bombeiros Voluntários de Vila Real e Cruz Verde

F

O Presidente do G.D.C.R Fernando Lopes

oi com enorme honra, que o Grupo Desportivo Cultural e Recreativo da Cruz Verde, abraçou o desafio lançado, pela Direcção e pelo Comando dos B.V.C.V., para a criação do Boletim Informativo. É para nós motivo de orgulho, que tal tarefa nos tenha sido conferida. Somos parte integrante de uma instituição com 117 anos de história e de histórias que nos merece todo o respeito, e por tal, estamos

cientes da responsabilidade assumida. Consideramos, que só conhecendo o passado se compreende o presente e se projecta o futuro, e será essa a riqueza deste boletim, dar a conhecer a história desta Instituição, o seu presente e desvendar um pouco do seu futuro. Contamos com o contributo de todos os que humildemente se queiram juntar a este projecto, um projecto de bombeiros, com bombeiros, para todos aqueles que vêem em cada um de nós um amigo pronto a ajudar.

Consulte o nosso blog: grdespcruzverde.blogspot.com

As razões que me levaram a ingressar nos Bombeiros Voluntários de Vila Real - Cruz Verde

C

omo a própria frase nos descreve “ Vo l u n t á r i o s p o r o p ç ã o … . Profissionais na acção”, assim me senti desde o primeiro dia em que quis ingressar na corporação e, onde espero continuar por muitos anos. Na minha opinião, os bombeiros são uma mais valia na nossa sociedade, que intervém em situações de carácter emergente, urgente e social, e a quem, por vezes, o seu verdadeiro valor não é reconhecido. É uma profissão diferente, pois lida

com riscos que nem todos estão dispostos a correr. O facto de pertencer a esta corporação fez-me crescer a nível pessoal e ajudoume a dar os primeiros passos como futura profissional de saúde, mostrando-me as directrizes que pretendo seguir. Oferece muitas oportunidades, quer a nível de formação quer nas experiências que vão surgindo nos vários tipos de serviços. Mas acima de tudo, quis ser bombeira para ser útil à comunidade, quer na área

da saúde quer na preservação do meio ambiente, aprender a gerir as minhas emoções e superar alguns receios e para aprender a reconhecer e lidar com o risco. Ser bombeiro voluntário é dar sem esperar receber. Nina Lourenço nº164


4

O Voluntário

Julho 2008

A.H.B.Voluntários de Vila Real e CRUZ VERDE

Secção Justes

Espaço Leitor

Historia...

D

ecorria o ano de 1960 q u a n d o o S r. Comandante dos Bombeiros Voluntários Cruz Verde Vila Rea,l César Augusto Pinto dos Santos, visionariamente sugeriu a possibilidade de ser criada uma Secção destacada na Freguesia de Justes que dista cerca de 15 km da cidade de Vila Real. A distância que separa a corporação dos B.V. Cruz Verde e a Freguesia de Justes bem como toda a zona adjacente, foi certamente um dos motivos

mais relevantes para que essa possibilidade se transfor masse numa realidade. Foi então que a 12 de Novembro do ano acima c i t a d o q u e o S r. Comandante propôs ao inspector de incêndios da zona norte (Porto), a criação da dita Secção. Em resposta ao mesmo, o Sr. Major Alexandre Guedes Magalhães (inspector) não colocou qualquer entrave, desde que a corporação obtivesse

vantagens na montagem de uma brigada de socorro nessa freguesia. Assim sendo, o Sr. C o m a n d a n t e juntamente com o Sr. Fernando Carvalho e o Sr. Albertino Silva (elementos da junta de freguesia), deram início a todo o processo acabando por o concluir com êxito nesse mesmo ano a criação da secção.

CURIOSIDADES Repare Bem... No ano de 2007, as viaturas A.H. dos Bombeiros Voluntários Vila Real e Cruz Verde, fizeram os seguintes números de serviço correspondendo aos seguinte quilómetros. Nº de Serviços

km Percorridos

Saúde (ambulância)

5170

249081

Viaturas de Fogo

1800

57860

“Nenhum espelho reflecte melhor o Homem do que as suas próprias palavras.” É este o lema deste espaço, que tem por missão fazer valer a palavra, de quem faz com que seja possível existir este e demais infor mativos , dos nossos leitores! Queremos divulgar a sua opinião, seja ela informativa, apelativa ou mesmo crítica, pois assim, juntos, faremos deste informativo um meio de valorizar o voluntariado, a missão de ajudar o próximo e a paixão de todos nós por todos os gestos e acções que, reunidos, compõem a nobre denominação de “ Bombeiro”! Sendo esta a primeira edição, achamos por bem dedicar este espaço a todos vós, que, independentemente do cargo e/ou posição que ocupem na carreira de voluntário, ou mesmo na vida social, a todos interessa a vossa opinião! A todos um bem hajam!

...EXISTIMOS para o servir Contactos Úteis B.Voluntários de Vila Real e Cruz Verde ..........259 330 510 B.V. de Salvação Pública e Cruz Branca ......... 259 340 900 GNR ..............................................................259 303 290 PSP ...............................................................259 330 240 Centro de Informação antivenenos................. 808 250 143 Saúde 24/” Doi-doi trim-trim”........................ 808 242 400 SOS Criança ............................. .800 202 651 / 21 79316 17 Em caso de emergência ligue ....................................... 112 Em caso de Incêndio ligue ........................................... 117

AJUDE OS BOMBEIROS, TORNE-SE SÓCIO. Nós precisamos hoje, você poderá precisar amanhã.

RECOMENDA:

Ficha Técnica Boletim Informativo “0 VOLUNTÁRIO” Nº1 / Julho de 2008 Propriedade da: Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vila Real e Cruz Verde Sede: Largo dos Bombeiros Voluntários Telefone: 259 330 510 Fax: 259 374 473 E-mail: www.cruzverde@sapo.pt Tiragem: 1000 exemplares DISTRIBUIÇÃO GRATUITA


Boletim nº 1