Issuu on Google+


Tradução: Tais Revisão Inicial: Gis Cabot, Marielle, Ana Catarina, Nathu, Diah Persan, J., Scal, Marilia, Srta Vi Revisão Final: Nadina e Marcia Silveira Leitura Final e Formatação: Lola Verificação: Anna Azulzinha


Este livro é dedicado a Cindy Flory. Sem você, os Andersons

perdidos

nunca

teriam

sido

encontrados.

Obrigada por compartilhar o seu sonho comigo, por confiar em mim para transformá-lo em uma história, e ter a fé que eu iria fazer direito. Realmente espero que você goste deste próximo capítulo na história da família Anderson. Que você e sua família continuem a sonhar grande. Nota do Autor Os Andersons estão de volta, e estou muito feliz com isso. Eu perdi Joseph e George e toda a sua intromissão. Eu não sei quantas pessoas sabem disso, mas os Andersons perdidos surgiu porque uma das minhas fãs, Cindy Flory, teve um sonho que Joseph e George estavam sentados ao redor de uma mesa quando viram um artigo de jornal com a foto de um homem que se parecia exatamente como eles. Ela escreveu seu sonho e o enviou para mim, e eu fiquei inspirada. Eu estava tão completamente impressionada. A maior parte do prólogo é de seu sonho. Eu fiz algumas mudanças, mas não muitas. Eu amei seu sonho do começo ao fim. É por isso que você tem agora Richard, que eu espero que vocês amem tanto quanto amaram Joseph e George. Se você ainda não leu sobre os Andersons, no entanto, você pode começar aqui, nenhuma leitura de fundo é


necessária. Mas você não deve perder o resto dessa família barulhenta. A história toda começa com Joseph Anderson, que quer que seus filhos se casem e produzam filhos. O primeiro livro da série é gratuito em todos os sites de e-book, se você quiser experimentá-lo. Obrigado a todos aqueles que fazem o meu trabalho tão maravilhoso: o meu cunhado Jeff, que é o melhor assistente do mundo e me ajuda sete dias por semana; meu designer e editor, Nikki, que lida com as minhas loucas demandas às 2:00 da manhã; meu mais novo editor, Alison, que é um gênio e agora está passando por minha coleção inteira; minha irmã Patsy, que está sempre disposta a me dar uma mão; minha tia Linda, que mantém minha casa de cair aos pedaços; Ray White, que deu a minha filha um partido de graduação incrível para que eu ainda possa escrever e não me sinta como a pior mãe do mundo; meus filhos, para os quais eu faço tudo isso. Eu não digo o suficiente, mas ao meu marido, que me faz uma massagem nos pés totalmente sem nenhuma razão, me abraça quando preciso chorar, cozinha para mim à meia-noite, e me diz para colocar o laptop longe para que ele possa me segurar. E um grande obrigada sempre, sempre, sempre, para meus fãs!! Amo vocês!! O escritor precisa de uma equipe, e eu sou a mulher mais sortuda do mundo de ter um grupo de apoio de muitos amigos, familiares e fãs ao meu redor para me certificar de que sou capaz de fazer o que eu amo tanto. Espero que você goste e ame os Andersons perdidos!!


Os Andersons estão de volta nesta excitante nova linha da série best-seller que todo mundo está falando. Nesta nova série, você vai conhecer Richard Storm e seus cinco filhos, e as circunstâncias que o arrancou de seus irmãos, Joseph e George Anderson. Veja como eles finalmente se encontram. Os laços de uma linhagem Anderson são demasiado forte para manter a sua família distante para sempre. Richard Storm está triste que seus filhos estão jogando

fora

as

suas

vidas,

e

oferece-lhes

um

ultimato. Eles têm dois anos para dar um jeito nos negócios e torná-lo um sucesso ou perdem seus fundos fiduciários, e ficam por conta própria. Seus filhos teimosos acham que ele ficou louco, mas eles não sabem o segredo poderoso que pode batê-los a seus joelhos e rasgar sua família distante. Será que eles irão se unir como deveriam, ou será que o egocentrismo já consumiu seus corações, separando a sua família para sempre?


Crew Storm abre um resort exclusivo nas Ilhas Catalina fora da costa da Califórnia, e orgulho incha dentro dele enquanto ele realiza o impossível. Tudo está indo no caminho certo até que uma loira entra em sua vida e pede a ele para ensiná-la a ser a sedutora perfeita. Haley Sutherland está farta de seus medos, farta de ser solitária e farta de ser invisível. Ela surge com uma

ideia

brilhante

para

encontrar

a

pessoa

perfeita para ensinar-lhe a forma de seduzir o homem que ela realmente quer. No entanto, a pessoa que ela escolheu para ser seu professor é Crew Storm, logo ela descobre que está esquecendo o nome de seu primeiro amor. Esta história vai levar você a uma viagem através do coração quando Crew ensina Haley mais do que ela jamais imaginou, e ganha mais do que ele pensava que precisava. Se

reúna

com

os

Andersons

quando

eles

descobrem novos parentes e atendem a essa nova filial na linha de Anderson. Será que o amor realmente conquista tudo, ou será teimosia fazê-los perder tudo o que eles não sabiam que tinham.


—Eu não posso acreditar na forma como os netos estão crescendo como ervas daninha. Jasmine já está com quase quinze, e menino, ela é uma beleza—-, disse Joseph. Sentado no convés com o sol da manhã escorrendo sobre eles, Joseph e seu irmão George estavam desfrutando do café da manhã leve enquanto viam as notícias sobre as crianças e sua semana. —Eu sei irmão. Molly está com pouco mais de dez anos de idade agora. Parece que foi ontem que Trenton estava lutando com unhas e dentes para não se casar e se estabelecer, e agora ele e Jennifer têm uma bela família com dois filhos. Sem mencionar o seu cão turbulento, Scooter, e gato mal-humorado, Ginger. —Não se esqueça do ganso Dang. Da última vez eu estava lá, o patife me acertou no traseiro, eu preciso levar meu rifle de caça na próxima vez que eu visitar—- Joseph ameaçou. —Se você trouxesse algum milho como eu, ele não iria correr atrás de você—, disse George, nem mesmo tentando esconder sua diversão.


—Eu não estou subornando um maldito pássaro, e certamente não vou fugir de um! —Ah, deixe pra lá, irmão. Tenho a sensação que o ganso não será seu fim, não é como se você tivesse um problema fundamental aqui, e você ainda não bateu no fundo. Então esqueça o bicho atrevido e deixe o incidente para trás—, ele gargalhou, alegre em fazer de Joseph o alvo de sua piada. Ele tendia ir muito para cima quando encontrava algo tão divertido. Joseph resmungou algo muito pouco fraternal sob sua respiração, mas ele segurou sua ira contra George e os animais na casa de seu sobrinho. Ele tinha problemas muito mais importantes para discutir, como o que eles iriam comer naquela noite. —Quais são os planos para hoje? —, Perguntou George. —Com Katherine e Esther às compras, podemos fugir, estou farto de jogar golfe. Por que não corremos de karts de novo? Foi uma emoção! —Eu acho que você está tentando me matar, George. Você me bateu contra a parede na última vez que fomos— Joseph bufou. —Você está agindo como um homem velho, Joseph. Nós ainda temos muita vida nesses velhos ossos. —É verdade, George, totalmente verdadeiro. Bem, eu vou tentar correr de kart outra vez, embora espere que estes ossos velhos não se tornem velhos ossos quebrados. Vamos ver quantos dos netos podemos reunir para ir com a gente.


Os homens continuaram a sua refeição da manhã quando George pegou o jornal e passou para a seção de negócios. Embora o filho de George, Trenton agora estava a cargo de Anderson and Sons Incorporated, George ainda gostava

de

se manter

informado

sobre o que estava

acontecendo na área de Seattle. Joseph olhou para cima a tempo de ver George ofegar, o rosto branco. Congelado de medo por alguns segundos intermináveis,

Joseph

sentiu

suas

pernas

finalmente

começarem a trabalhar novamente e ele pulou para ajudar seu irmão. —George! O que está errado? Está sem ar? É o seu coração? Fale comigo, irmão—, ele pediu se inclinando para ver o que ele poderia fazer. Teve o suficiente de susto sobre saúde por toda a vida, Joseph não acha que poderia lidar com outra experiência de quase morte em sua amada família. Assim quando Joseph começou a se mover para correr para o telefone, George fez um gesto descontrolado com o jornal, Joseph parou em seu caminho e leu o maior título na página: —Bilionário compra firma de tecnologia: Richard Storm vende negócio de transporte da costa leste, e traz milhares de empregos para Seattle. Não foi o artigo que fez Joseph ficar tão branco quanto seu irmão. Era a fotografia de um homem que parecia ser da sua idade, e que parecia quase idêntico a eles, apenas um penteado diferente, algumas rugas adicionadas ao redor dos olhos, e uma barba curta cobrindo o rosto.


—O que é isso? — Joseph engasgou quando ele se sentou na cadeira ao lado de George. —Eu não sei. A imagem apenas me assustou isso é tudo. Tenho certeza de que não é nada. — George tentou argumentar, mas não conseguia parar de olhar para os olhos do homem olhando para a câmera. Era como olhar para um espelho. —Bem, leia a maldita coisa—, Joseph quase gritou quando ele recuperou a voz. Ele apontou para um parágrafo no meio da primeira coluna. —Storm, que nasceu em Seattle, se mudou para a Costa Leste com seus pais adotivos quando ainda era bebê. Ele diz que adquiriu a sua ética no trabalho com seu pai, que foi um médico em Seattle por 25 anos antes de se mudar para Portland, Maine. Storm ficou órfão aos 18 anos, quando seus pais morreram em um acidente de barco, e ele usou sua herança modesta para se tornar um exportador de relíquias históricas, principalmente as difíceis de encontrar e artefatos europeus a partir do século 15. Até o momento que ele fez 30— o jornal deu uma data —ele valia mais de 10 milhões, quase 60 milhões de dólares hoje, e ele continuou a aumentar sua fortuna de forma dramática. Storm é agora várias vezes um bilionário. —Ele nasceu aqui no mesmo dia que nós? Isso não pode ser uma coincidência. —Deixe-me terminar a leitura.


—Vá em frente—, disse Joseph, ainda olhando para a foto. —Aparentemente, ele se casou jovem, teve cinco filhos, quatro meninos e uma menina, e então sua mãe os deixou. Ele se mudou para cá, porque ele sente que é a coisa certa a fazer para sua família. —Precisamos de respostas, e eu quero elas agora, George. —Eu não poderia concordar mais. Os dois homens entraram para grande sala de Joseph e olharam através da estante contendo velhos álbuns de família. Quando eles vieram sobre o álbum do ano em que nasceram, se sentaram com ele em frente à lareira. Menos de uma hora mais tarde, os dois homens ficaram mudos com o choque. O pai adotivo de Richard Storm era o mesmo homem que ajudou Joseph e George a nascerem. A mãe ainda tinha notas no álbum sobre seu médico, dizendo como bom ele era e como ela se sentia triste que ele e sua esposa eram incapazes de ter filhos. Só pareceu provável uma conclusão. Este médico deve ter aproveitado a oportunidade para dar a sua esposa um filho,

muito

desesperado

para

se

preocupar

com

as

consequências de rasgar outra família. —Este homem, Richard, pode muito bem ser o nosso irmão—, George engasgou quando ele olhou para as fotos de sua mãe segurando eles pela primeira vez.


—Mas como é possível que ela tivesse um terceiro filho sem perceber? — Joseph respondeu. —Você sabe como os tempos eram naquela época, Joseph. Eles não tinham ultrassons, e a mãe sofreu complicações durante o parto. Ela perdeu muito sangue e eles tiveram que sedá-la. Papai não estava no quarto, naquela época, o pai não pertencia aquele lugar, seus pais não moravam aqui, a única pessoa no quarto com o médico era a sua enfermeira, que também passou a ser sua esposa. Eles poderiam ter facilmente visto o terceiro filho e aproveitado a oportunidade para criar sua própria família. Por que mais eles se mudaram tão de repente? —Simplesmente não posso imaginar isso acontecendo. —Isso porque, se é verdade, temos um irmão lá fora, que não conhecemos, e nossa mãe tem uma criança que ela nunca soube—, disse George, ultrapassado pela tristeza. —Uma coisa eu sei com certeza, nós precisamos conhecer este homem e descobrir se ele realmente é da família. —Mas o que você acha que vai fazer com ele, Joseph? Gostaríamos de causar agitação na sua vida, mudar tudo o que ele acredita sobre si mesmo e seus entes queridos? —, disse George. —Vamos tentar ser razoáveis. —Você

pode

honestamente

ficar

sem

fazer

nada,

enquanto um homem que pode ser nosso parente está tão perto? Ele tem filhos, George, e eles estão propensos a serem


nossos sobrinhos e sobrinha. Temos que descobrir a verdade, mesmo que seja doloroso. —Você está certo, Joseph, é claro que você está certo. Eu só não sei se a nossa visita será bem-vinda a este homem, realmente não sabemos nada sobre ele. E se o homem que poderia ser nosso irmão for uma pessoa terrível? —Ele não pode ser terrível, George. Não importa o que sua certidão de nascimento diz, ele é um Anderson e Andersons são boas pessoas—, disse Joseph com confiança. —Você está certo, Joseph. Bem, você sabe o que isso significa, não é? —Claro que eu sei. Corridas de kart estão fora da agenda de hoje, parece que é hora de fazer uma visita a Richard Storm. —Eu vou pegar o meu chapéu, você lidera o caminho irmão. Estou bem atrás de você. Os dois homens saíram pela porta, subindo na Mercedes de Joseph e foram para os novos escritórios da Storm Corporate. Sorrisos esperançosos espalhados em seus rostos enquanto eles se aproximavam de seu destino. Com certeza, seria devastador saber que tinha um irmão que não teve o prazer de crescer ao seu lado. Mas ainda assim, se fosse verdade, eles estavam agora abençoados com uma linha inteira de membros da família para conhecer. Joseph sorriu, pensando em toda aquela primeira qualidade de sobrinhas e sobrinhos. Mais e mais bebês no horizonte e os possíveis casamentos por fazer.


Dois anos antes —Algum de vocês tem alguma ideia sobre o que isso se trata? —Nenhum palpite. Parece que o velho tem algo em sua cachola novamente. Não fui para a cama desde ontem. Eu considerei seriamente não aparecer. —Você pode muito bem parar de reclamar sobre isso, porque você sabe como o pai fica. Você não quer que seu precioso fundo fiduciário seja cortado agora, não é? —Cala a boca, Brielle. Você é a única que estaria prejudicada se perdesse o dinheiro do papai. —Todos vocês deveriam calar a boca antes que o velho entre. Quanto mais complacentes formos, mais cedo a nossa reunião de família pode acabar, e mais rápido podemos seguir com nossas vidas. —Isso é muito bom saber, Lance. Eu sei o quanto é importante para você fugir da minha presença.


Os cinco jovens se viraram surpresos para encontrar seu pai em pé na porta. Richard teve que disfarçar rapidamente a tristeza em seus olhos. Este não era o momento de mimar seus filhos, que, embora crescidos, foram completamente estragados. Era hora de fazer o que ele deveria ter feito anos atrás, antes que fosse tarde demais. Ele não tinha muito tempo, e temia que seus filhos nunca fossem mudar se ele não agisse agora. Será que eles se importariam que o médico tivesse lhe dado o sombrio diagnóstico de apenas mais três anos de vida? Neste ponto, ele duvidava. O entristecia ver o quanto ele falhou com eles e ele estava certo de que seus fracassos como pai causaram a distância entre todos eles. —Tudo bem, você nos ouviu reclamando. Sentimos muito, pai, mas não estivemos todos juntos em anos, então qual é a grande emergência? — Richard viu sua filha mais nova, Brielle, caminhando até o armário de bebidas e se servindo com uísque. Ela estava apenas com 24 anos de idade, mas possuía tanta amargura dentro de si. Por que não deveria? Sua mãe largou todos eles, mas Brielle era a única que não conseguia se lembrar dela, ela tinha apenas três anos na época. Isso a fazia se sentir como se tivesse realmente perdido mais que os outros. Lance tinha vagas lembranças, já que estava com cinco anos, mas Tanner, Ashton e Crew lembravam mais. Todas as crianças tinham dois anos de diferença entre suas idades, sua exmulher os produziu quase como que em um cronograma rigoroso.


Logo após Brielle nascer, Suzanne cansou de ser mãe e os deixou para nunca mais voltar. Richard esteve ocupado demais durante anos para namorar outra mulher, e quando tentou, foi desastroso, já que ele estava exausto demais para colocar qualquer esforço real. Eventualmente, ele apenas desistiu. Ele era rico e trabalhou longas horas para se tornar ainda mais rico, deixando as crianças com babás durante o dia. No entanto, ele se sentia culpado o suficiente para ficar em casa à noite e nos fins de semana para que ele pudesse passar o máximo de tempo possível com sua prole. Foi só quando eles ficaram mais velhos que ele começou a trabalhar por ainda mais tempo, e foi aí que eles começaram a se afastar dele. Ele só esperava que não fosse tarde demais para reverter os danos. Agora, aqui estava ele em um quarto com filhos adultos, com idades entre 24-32, e ele não gostava deles. Ele os amava como sempre iria, mas eles se tornaram egoístas e mimados, e pior ainda, justificados. —Vocês todos já foram cortados do meu testamento e eu estou congelando seus fundos fiduciários. Richard observou enquanto, lentamente, cada um de seus filhos virou-se para ele com diferentes expressões de incredulidade. Claro que foi Crew que finalmente limpou toda a expressão de seu rosto enquanto ele se firmava e enfrentava seu pai. —Você se importa de elaborar?


—Meus pais trabalharam duro suas vidas inteiras. Eles construíram não só uma clínica médica, mas duas. Eles economizaram, e me deram uma boa educação. Quando eles se foram, eu fiquei arrasado, mas peguei a minha herança e criei algo com que ambos teriam orgulho. Infelizmente, eu tenho mimado e paparicado demais vocês cinco, fazendo vocês pensarem que a vida não é nada mais do que uma grande festa, e que vocês merecem ter tudo entregue em uma bandeja de prata. Bem, isso acaba hoje. Como acabei de dizer, vocês foram cortados do meu testamento. Os seus fundos fiduciários congelados, e seus cartões de crédito cancelados. —Você não pode fazer isso! — Gritou Ashton. —Posso e fiz. Pode sair da sala agora e seguir o seu rumo, ou você pode ficar e ouvir. Nenhum deles se moveu, e Richard fez questão de olhar cada filho nos olhos. Ele se recusou a voltar atrás desta vez, não importando quantas lágrimas Brielle derrame, ou quão convincente o encantador do grupo, Tanner, tente ser. Ele perderia seus filhos para sempre, se ele não se mantivesse firme e lhes mostrasse que a vida era sobre muito mais do que eles fizeram dela. —Você realmente não nos deu uma escolha que não seja ouvi-lo, não é? É este o seu jeito de dizer que você precisa de alguma atenção? Você poderia apenas ter agendado um almoço—, disse Lance, tentando fazer uma piada, mas a ansiedade na sala não permitiu nenhuma quebra na tensão.


—Você sempre tem uma escolha, Lance. É a sua decisão de fazer o caminho certo ou não. Eu realmente sinto muito que vocês se sentem assim, no entanto. Sinceramente me parte o coração. Nós já fomos uma família muito unida uma vez,

riamos

juntos,

falávamos

frequentemente,

vivendo

nossas vidas. Eu não sei onde eu errei, mas em algum lugar ao longo do caminho vocês se perderam, e agora eu estou permitindo que vocês se encontrem novamente. Espero que façam. —OK, OK—, disse Brielle com um rolar de olhos. —Qual é esta jornada que você quer nos levar? —Estou feliz que você perguntou Pêssego—, respondeu ele, revertendo para o apelido que ele deu a ela no nascimento por causa da cor de raios de sol que tinha seu cabelo, que era tão impressionante como os verdadeiros raios iniciais de um pôr-do-sol. Seus olhos de um azul profundo se arregalaram com o uso do nome que ele e seus irmãos sempre a chamaram. De alguma forma, ao longo do caminho eles pararam. Brielle se recompôs e olhou para seu pai com uma raiva evidente em seus olhos que agora se estreitavam. —Eu não tenho sido chamada de Pêssego em quinze anos, pai, mas se você quiser falar sobre os ‘bons e velhos’ tempos, então eu vou em frente e jogar o seu jogo. O sarcasmo e desprezo perfurou Richard no coração. —Eu vendi o negócio da família. Eu decidi que é hora de um novo começo, e eu escolhi fazer na Costa Oeste. Não há


nada no Maine para me segurar por mais tempo, e eu estou cansado da temporada turística. Acabei de finalizar a papelada de uma empresa de tecnologia que está falindo, e eu pretendo reverter essa situação. Fazer isso me deu uma ideia para vocês cinco. Richard esperou para afundar a notícia que seu império de transporte foi embora. Ele sabia que Lance seria o que estava mais chateado, já que foi o que investiu mais tempo nos escritórios corporativos. Richard sentia falta daqueles dias em que Lance, ainda no colegial, estava ansioso para aprender tudo o que podia ao lado de seu pai. Uma vez que o menino foi para faculdade, e então se formado, o interesse diminuiu e ele agiu como se estivesse apenas esperando para assumir o negócio, mas não mais ansioso em se esforçar para isso. Nos últimos anos, ele se tornou tão mimado quanto seus irmãos, mas Richard, pensando adiante em uma aposentadoria confortável, ainda mantinha a esperança de que um dia o garoto iria tomar as rédeas. Agora, isso não iria acontecer para seu filho mais novo. —Isso pode ser revertido? — A voz de Lance estava tensa com a quantidade de controle que ele tinha que exercer para controlar seu temperamento. —Não. — Richard não deu mais detalhes. —O negócio era para ser meu. —Então você deveria ter tido orgulho dele. Você deveria ter me provado que você merecia uma participação no


negócio da família. Eu tinha a esperança de passá-lo para você um dia, mas a partir de agora, você é indigno de tomar as rédeas de qualquer negócio meu. Outro filho interrompeu. —Você não acha que isso é um pouco duro, pai? —Não, eu não acho, Crew. E você não é diferente de seu irmão. Nenhum de vocês trabalhou para merecer um dólar sequer, e eu preferiria ver meus recursos repassados para pessoas que podem realmente apreciá-los do que deixá-los para vocês da maneira como vocês vêm agindo agora. Vocês têm tempo para descobrir isso. Bem, por enquanto, pelo menos. —O que isso quer dizer, ‘por enquanto’? —, perguntou Tanner. Richard respirou calmante. Ainda não era hora de dizer aos seus filhos de seu câncer de próstata. O médico disse que ele fez tudo o que podia fazer. Claro, eles iriam continuar tentando, mas o seu médico também era um bom amigo, e ele advertiu Richard para pôr seus assuntos em ordem por conta de seu prognóstico sombrio. Três anos. —Nada, Tanner. Você só precisa prestar atenção. Eu quero que vocês provem a si mesmo, façam algo de suas vidas. Mostrem que são mais do que estas crianças mimadas que vejo diante de mim agora. —Como é que vamos fazer algo se não temos dinheiro? O que você quer que façamos para provar a nós mesmos? —, Perguntou Tanner, jogando as mãos para o ar, exasperado.


—Essa é a pergunta mais inteligente que você me fez até agora—, disse Richard com um sorriso antes de uma pausa para olhar para cada um de seus filhos. Um vislumbre de esperança o encheu diante do espírito de luta que viu em cada um deles. —Eu comprei mais cinco empresas falindo. Vocês podem brigar entre si para escolher com qual vocês querem ficar. Eu criei um orçamento suficiente para que vocês possam fazer o que precisa ser feito para trazer as empresas de volta para a rentabilidade. Se vocês fizerem isso, e fizerem

bem, só então vou colocá-los de volta

no

testamento. Se vocês falharem, estarão por conta própria. —Bem, e se a sua ideia de um negócio bem-sucedido for diferente da nossa ideia? —, Perguntou Ashton. —Quando você verdadeiramente sentir sucesso pela primeira vez em sua vida, você vai saber o que é. Você nunca mereceu essa honraria antes. Pois vai aprender agora, de uma forma ou de outra. Estou cansado de explicar isto. Você pode vir me ver quando você estiver pronto. Estabelecendo as pastas das cinco empresas que ele comprou, ele notou que nenhuma das crianças pulou para ver as suas escolhas. Ele sabia que iriam, no entanto. Mesmo com chances de que eles não fossem bem-sucedidos, o que lhe quebraria seu coração, ele permaneceria fiel à sua palavra e iria cortá-los. Ou eles seriam bem-sucedidos ou não. As decisões agora estavam fora de suas mãos. Richard saiu da sala, bloqueando seus filhos atrás dele, tentando persegui-lo. Embora ele não tivesse os deixado ver o


fardo que estava pesando em seus ombros, a conversa o machucou de maneira que ele não poderia começar a descrever. Ele sabia que estava fazendo uma grande aposta, mas que outra opção tinha? Se ele não chutasse seus filhos para fora do ninho, eles nunca aprenderiam a voar, nunca se orgulhariam de uma verdadeira vitória. Ele poderia acabar os perdendo para sempre, mas já sentia que eles eram tão egocêntricos que sua única ligação com a sua família era através do sangue. Richard tinha fé de que seus filhos logo encontrariam suas asas, que iriam encontrar o caminho de volta para ele e para uns aos outros. Só então ele seria capaz de descansar em paz. Fechando a porta do seu escritório na cara dos seus filhos, ele olhou para a foto emoldurada de seus pais posicionada em lugar especial na sua mesa. Os olhos de sua mãe estavam cheios de alegria enquanto ela o aconchegava perto de seu coração. Ele tinha apenas seis meses de idade na época e seus pais demoraram tanto tempo para tê-lo que eles o adoraram por toda a sua vida. Ainda

assim,

eles

lhe

ensinaram

os

valores

fundamentais que fizeram dele quem ele era hoje. Ele sempre trabalhou duro, conquistou tudo com que ele se dedicou, e apreciou a vida que ele foi criado para liderar. Ele foi preguiçoso na criação de seus próprios filhos, mas ele sabia que não era tarde demais. Ele só tinha que ter fé e manter-se no plano.


Todos iriam levar um dia de cada vez, e depois uma semana de cada vez. Se tentasse pensar além disso, se tornaria esmagador demais para ele. Ele sempre protegeu seus filhos, ainda estava fazendo isso, apenas em um tipo de amor um pouco mais duro. Ele estava certo que eles agradeceriam isso a ele, algum dia. Richard sorriu enquanto se lembrava das expressões impagáveis de raiva e choque que seus filhos ficaram. Eles não estariam agradecendo-o tão cedo; isso era uma certeza.


Dias de hoje Apreciando o sol da manhã fresca e a suave brisa do mar, Crew Storm ficou na frente de seu resort e sorriu. Nunca iria admitir a seu pai o quão bem ele se sentia, quanto mais vivo, forte e feliz que ele se tornou desde que assumiu a tarefa monumental de reformar um resort à beira-mar na ilha de Catalina. Ele não podia dar ao homem muito incentivo ou ele iria se intrometer em toda a sua vida de agora em diante. No entanto, Crew se sentia grande. Talvez ele tivesse que dar ao velho um pequeno agradecimento. Era o mínimo que podia fazer, já que seu pai lhe colocou no caminho certo. Por um tempo Crew ficou perdido, mas isso era coisa do passado, e agora ele só olhava para frente. Nos últimos dois anos, Crew cresceu realmente, e por causa dele estava subindo para o topo, aprendendo a lutar por aquilo que ele queria, e descobriu que ele não era de recuar frente a um desafio. Orgulho borbulhou dentro dele quando se virou para olhar para seu projeto acabado. Quando ele puxou o arquivo do resort, tudo o que sentia era extrema raiva, ressentimento e uma determinação de fazer o oposto do que seu pai queria. Tudo foi nada mais do que um jogo, e era um em que tinha que ganhar. Ele planejou


fazer o mínimo, obter o seu fundo fiduciário de volta, e nunca falar com seu pai novamente. Que tolo ele foi. Agora... Agora mudou. Crew se sentia como um homem totalmente novo. Era mais do que bater o seu velho, foi sobre ter orgulho em realizar uma grande tarefa e sentir a satisfação da vitória sobre si mesmo. Ele concluiu uma tarefa onde muitos outros teriam falhado e se sentiu incrível em ver o resort em toda a sua glória anterior, melhor do que a sua antiga glória, na verdade. Ele era uma joia brilhante, pronto para trazer a ilha de Catalina de volta para o destino final das férias. Nos anos trinta a Ilha Catalina estava em seu auge, o melhor lugar para detectar as estrelas, e para férias como um rei. Este resort foi o início de reinventar os anos trinta com um bangséculo XXI. Crew sempre foi tenaz, não disposto a recuar frente à um desafio. Seu pai disse que era porque ele veio de um bom estoque e seu pai parecia ter o toque de Midas. Crew encontrou-se emocionado em saber que ele fez escolhas inteligentes e teve o melhor relacionamento com seu pai do que ele jamais imaginou que teria novamente. Seu pai jogou ele e seus irmãos fora para voar ou morrer, e mudou todas as suas vidas para sempre. Nunca antes ele olhou-se no espelho e sentiu vergonha, mas após os primeiros seis meses de suar batendo pregos na madeira no resort quebrado, ele acordou um dia para perceber que ele


era um homem diferente. Depois de um ano, ele chamou seu pai para se desculpar. Agora, finalmente, ele estava pronto para abrir seu novo resort, e estava orgulhoso de ver as pessoas caminhando através de suas portas. Sim, essa coisa de beleza antes dele não poderia ser chamado de qualquer coisa, além de uma mulher, porque suas curvas eram suaves, suas linhas impecáveis, e foi transformado por seu sangue, suor e.... Bem, não lágrimas, mas conseguiu tudo o que podia para fora dele. Quando ele olhou em adoração na entrada elegante e brilhante, ele sentiu uma pontada no coração. Ele sabia que vendê-lo seria agridoce, mas esse era o negócio. Obter o negócio em funcionamento, virar o jogo e, em seguida, fazer lucro. Não seria fácil, mas um sorriso cruzou seus lábios quando ele pensou em fazer tudo de novo. Seu pai previu a lei, definindo o derradeiro desafio, e o velho ganhou, porque Crew foi mudado para sempre agora, e um homem que seu pai poderia ter orgulho. Crew descobriu que ele se destacou e iria abraçar esse dom, mesmo que deixasse um pedaço de si mesmo para trás cada vez que ele deixou o velho e se aventurou em um novo projeto. O antigo resort estava em frangalhos, a empresa iria à falência e estavam indo embora, deixando o lugar para cair no mar. Ele não era alto, apenas dez andares de altura, mas cada andar tinha um tema e cada quarto foi adequado para a


realeza. O andar favorito de Crew era dos anos trinta flamboyant. Ele teve que dedicar uma palavra ao ano, que o resort inaugurou originalmente, é claro. Os corredores largos foram decorados com belas peças de arte e antiguidades vintage que descobriu em sua poderosa caça. As flores frescas decorando mesas delicadas, os buquês coloridos chamando a atenção de todos os clientes que saiam dos elevadores forrados de madeira. Grades esculpidas à mão nas escadas largas e as paredes foram pintadas em tons dourados suaves. Lustres deslumbrantes brilhavam no centro de cada quarto e descendo os grandes corredores. Ele derramou toda a sua alma no local e queria que sua clientela passasse pelas portas e sentisse de imediato, como se estivessem em um país das maravilhas de luxo. Sua equipe iria tratar cada um como o convidado mais importante no edifício, e todos eles iriam querer voltar uma e outra vez. Ele contratou apenas os melhores cozinheiros, e seus restaurantes

em

breve

seriam

famosos

por

entradas

tentadoras e ambiente atraente. Uma pequena sala de teatro foi decorada com cores escuras, iluminação suave e cortinas de veludo vermelho acima de um palco onde bandas ao vivo e os vocalistas profissionais iriam se apresentar. O resort foi planejado para atender a todos os caprichos dos seus hóspedes, não deixando ninguém sentir necessidade de sair para a ilha para qualquer coisa, exceto os abundantes dons da natureza.


Metade

dos

quartos

tinha

vista

para

um

trecho

requintado do Oceano Pacífico, e a outra metade para o funcionamento interno da ilha. A preferência de Crew, é claro, foi a água, mas houve muitos que gostariam de abrir as suas portas francesas e sair na varanda para ver o entretenimento abaixo de uma cidade que jogou duro e nunca parou de se mover. O preço não era barato, mas a clientela que ele atraiu não iria bater um cílio. Eles iriam retirar suas carteiras, abrilas de bom grado, e, por sua vez, iriam começar a experimentar uma vida de férias. Uma estadia em seu pequeno recanto de Catalina os levariam flutuando de volta para casa, sonhando em cores vivas com animação digital, por onde antes chegaram apenas em preto-e-branco. O desejo de um retorno, para o paraíso recuperado, iria começar no momento em que deixasse o resort. Uma explosão de adrenalina foi causada no estômago de Crew quando ele deu um passeio em torno do exterior do edifício. Sua equipe estava ocupada, fazendo todos os preparativos de última hora, necessários para uma grande inauguração bem-sucedida. Quando a pequena ilha acordou para um novo dia, ele aguardava a hora que as portas do resort abririam ao público pela primeira vez em dez anos. Embora o resort não fosse seu por muito tempo, quando ele finalmente o fizesse um sucesso, os meses que o teria seriam gloriosos, e ele iria definir o padrão para a equipe a


seguir. Quando ele finalmente vendesse, sob o acordo com seu pai, seria apenas para alguém que gostaria de dar ao Couture Catalina Resort o mesmo amor e carinho que ele fez. Quando ele voltou para dentro, estava satisfeito como seus pisos de mármore brilhavam, muito limpo para admitir um único germe em sua superfície intocada. O vitral detalhado brilhava em cores brilhantes, as flores com majestosa fragrância encheram a sala, e os balcões de granito italiano brilhavam. O último dos aperitivos estava sendo preparado na cozinha, e a inspeção final estava sendo realizada em todos os quartos. Seu projeto foi um trabalho de beleza e ele logo iria abrir suas portas.


Olhando para o homem andando a partir do resort, Haley sentiu o sangue correndo quando ela firmou os ombros e deu-se uma conversa de vitalidade, que, infelizmente, não era incomum para ela. Embora ela estendesse a aparência de uma mulher que tinha tudo junto, ela não sabia como puxálo. —Eu não posso fazer isso—, ela sussurrou para si mesma, em seguida, sentiu raiva por dentro. Ela estava cansada de recuar, cansada de ter medo da rejeição. Ela não era o ser horrível que seus avós continuamente a fizeram acreditar que era. Ela era uma mulher forte, bonita, que podia falar com um estranho bonito, sem temor. Por uma questão de fato, Crew Storm não parecia um estranho para ela, porque ela pesquisou o homem. Ela precisava saber tudo sobre ele, se ela fosse perguntar a ele o que ela estava prestes a perguntar, se ela não saísse correndo antes. Seu professor universitário sugeriu uma atribuição de verão apenas para ela. Ela iria abordar um estranho e pedir um encontro. Não precisa ser nada mais do que um café de dez minutos, mas ela ainda tinha que convidar um homem para sair. Ele achou que isso iria ajudá-la a superar seus


medos. No início, ela pensou que ele ficou louco, mas quando a ideia afundou, ela percebeu que ele estava certo. Ela poderia e gostaria de convidar um homem para sair. Ela só precisava de alguém para ensiná-la a fazer corretamente. Por que ela tomou o curso de sexualidade humana em primeiro lugar? Não era como se fosse ser uma parte de sua carreira. Ela era uma grande arqueóloga, ansiosa para explorar as ruínas de civilizações antigas. O problema era com as pessoas vivas. Haley queria focar os mortos. Ou ela fez? Ela sabia por que tomou o curso. Ela estava cansada de ter medo dos homens. Era ridículo ter vinte e seis anos e ainda ser virgem. Ela foi apaixonada por um homem na faculdade por dois anos e ainda assim não poderia trabalhar a coragem para convidá-lo para sair. Agora, ela estava na ilha de Catalina com uma estadia de duas semanas em um resort exclusivo, e era o momento perfeito para aprender a ser uma sedutora consumada. Se ela pudesse convencer este homem a ensiná-la, poderia voltar para seu colégio e convidar o cara dos seus sonhos para almoçar, talvez até mesmo jantar, se trabalhasse a coragem o suficiente. Haley

assistiu

cautelosamente

como

Crew

Storm

verificava cada polegada de seu resort, a menor falha possível não passaria invisível aos seus olhos azuis exigentes. Se havia algo de errado, ele iria encontrar. Os passos do homem eram longos e poderosos, como se cada passo que dava tinha


um propósito, e não havia nenhum desperdício de energia em seus movimentos. Ele era alto, com um pouco mais de 1,82, fazendo-a se sentir quase uma anã com seus 1,52 de altura. Trabalhar na ilha obviamente foi bom para ele. Seu bronzeado era uma cor dourada cremosa, fazendo com que o azul de seus olhos brilhasse debaixo de seus grossos cílios escuros. Sem dúvida, no entanto, seu cabelo era sua melhor característica, apenas o suficiente para uma mulher passar seus dedos através dele, em seguida, pegar um punhado e orientar a boca na direção que ela mais desejava. Embora ela não tivesse falado em voz alta, o rosto de Haley corou, ela olhou ao redor, com medo que alguém por perto pudesse realmente ouvir seus pensamentos. O que havia de errado com ela? Ela não queria apreciar a beleza de Crew Storm, queria contratá-lo. Ela poderia fazer isso. Quando descobriu que ganhou o sonho de férias, ela pulou em seu computador e pesquisou tudo o que podia sobre a ilha e o resort. Ela descobriu que o proprietário era um solteirão. Ele tinha uma nova mulher em seu braço a cada semana e era exatamente o tipo de homem que ela precisava para ensiná-la a ser o que ela queria ser. —Não desista agora! —, Ela resmungou baixinho antes de sair das sombras e ir pela bela passarela de ardósia. Ela estacionou na esquina, uma vez que o resort não estava aberto ainda e a gestão não estava permitindo os carros, tentando impedir uma multidão mais cedo.


Embora ela devesse estar tentando ser uma femme fatale, no momento, estava lamentavelmente mal vestida em sua blusa de linho e calças jeans capri soltas. Ela esteve na escola durante os últimos três anos, além de trabalhar em tempo parcial em uma pequena loja estacionária, nunca teve energia para se vestir ou se preocupar com roupas. Levou cinco anos de terapia para trabalhar a coragem de ir para a faculdade, em primeiro lugar, ou ela não teria terminado com a sua educação até agora. Embora ela tivesse recebido uma grande herança quando tinha dezenove anos, ela odiava usar o dinheiro porque

seus avôs

não queriam que ela

tivesse.

Eles

simplesmente nunca fizeram um testamento, e porque ela era sua única herdeira, o dinheiro veio para ela. Tinha certeza de que, se tivessem tido tempo para designar beneficiários, eles teriam deixado tudo para suas preciosas aves ao invés dela. Ainda assim, houve momentos em que era necessário ela mergulhar em seus fundos substanciais. Este foi um desses momentos. Era agora ou nunca. —Você está perdida? — Haley parou e um arrepio lutou para viajar abaixo na sua coluna vertebral a partir apenas do profundo timbre de sua voz. Oh sim, ela escolheu bem. Este homem poderia ensinar-lhe tudo o que ela queria saber. Ele era o sexo personificado. —Não. Eu estou procurando por você, Sr. Storm.


A tensão nervosa a encheu enquanto seus lindos olhos passearam pelo seu corpo de cima a baixo. Quando chegaram ao rosto, ela teve a sensação de que ele verificou e encontrou algo do seu querer. Muito ruim! Ela planejou isso até o mais ínfimo detalhe, e ela o faria ajudá-la. —E o que eu posso fazer por você, menina? Oh, a promessa em seu tom era de sonhos molhados. Ela sabia que ele falava com cada mulher dessa maneira. Ela o estudou, leu sobre como ele flertou sem esforço, como as mulheres caiam a seus pés. Com um estalar de dedos, as fêmeas jovens e velhas estavam ofegantes, e babando. —Haley Sutherland—, disse ela um pouco sem fôlego, quando estendeu a mão. Depois de uma pequena pausa, ele agarrou seus dedos e apertou,

em

seguida,

levantou

lentamente

as

mãos

entrelaçadas à boca e correu os lábios do outro lado da parte superior de seus dedos, seu hálito quente passando acima de sua pele. —Isso! — Haley praticamente gritou quando excitação a encheu. Crew parecia estar abalado, ele olhou para ela em confusão. A expressão em seu rosto era quase cômica, como ele ficou congelado com os lábios apenas um par de polegadas de sua pele.


—Eu quero que você me ensine como seduzir alguém. Eu tenho lido sobre você, estudando sua maneira de flertar, como você pode ter qualquer mulher que deseja. Eu quero que você me ensine como obter um homem, como fazer com que ele me queira tanto que ele não possa ver em linha reta, como fazê-lo cair de joelhos. —Ummm... Você está bêbada? — Crew perguntou depois de uma longa pausa quando ele deixou cair sua mão e deu um passo em retirada. Haley não duvidava que ele achava que ela era louca. Talvez ela estivesse no momento. No entanto,

agora

que

ela

estava

aquecida,

não

conseguia segurar. Ela seguiu os seus passos, sem perceber o que estava fazendo até que ele bateu contra a parede exterior do seu resort e sua mão estava pressionada contra seu peito. —Eu sei que isso parece estranho, e talvez eu devesse ter facilitado para ele, mas eu amo um homem que não sabe que eu estou viva e meu professor de psicologia sugeriu que eu o convidasse para sair como uma maneira de controlar os meus medos, mas eu fico com a língua amarrada em torno dele, simplesmente não pode acontecer. Eu quero que você me ensine a fazê-lo me querer, me desejar, precisar de mim! Eu tenho dinheiro. Lotes do mesmo. Eu vou pagar qualquer quantia que você quiser se você concordar em ser meu professor. Haley não sentiu um traço de medo quando ela olhou nos olhos de Crew. Tudo o que ela sentia era alegria. Ela sabia que ele poderia fazer, ele poderia transformá-la a partir


da tímida que sempre foi em uma sedutora que iria receber o seu homem. —Deixe me ver se entendi. Você quer me pagar para ensiná-la a seduzir um homem? —Sim!

—,

Ela

suspirou

aliviada

que

ele

estava

começando a entender. —Eu honestamente não sei o que dizer. — Seu tom de voz não a alertou em tudo o que ele estava pensando. —Diga sim.


Crew não conseguia se lembrar de algum momento de sua vida em que ele ficou sem fala, nem mesmo quando seu pai lhe deu o horrendo ultimato há dois anos. Essa pequena mulher, que parecia um pouco demais com uma adolescente, estava pedindo a ele para ensiná-la a ser uma sedutora. Se fosse um pouco mais tarde, ele pensaria que estava sonhando. Ela era uma criança, e ele estava sendo zoado? Ou ela era uma louca que escapou de um hospital psiquiátrico? Quem quer que fosse ela não poderia estar falando sério. Quem andaria até um estranho e perguntaria tal coisa? Certamente não uma pessoa racional, alguém com o cérebro funcionando perfeitamente bem. Quando ele parou para tentar descobrir como fazê-la ir embora, ela retirou a mão e se inclinou para a sua direita, a outra mão apoiada em seu quadril, dando-lhe um vislumbre das curvas sob a blusa folgada. Seu pé começou a bater no chão, e ele notou os tornozelos finos, e a pele suave de suas canelas bronzeadas.


Dando a Srta. Haley Sutherland um pouco mais que uma avaliação minuciosa, ele percebeu que ela não poderia ser um adolescente. Não com o corpo de mulher que escondia por trás de todo aquele tecido, e as faíscas irradiavam de seus olhos enevoados, de um verde tão claro que eles eram quase translúcidos. Seu cabelo estava preso em um coque bem desleixado, com mechas de seu longo cabelo loiro flutuando sobre seu rosto. Ela era bonita, ele decidiu, mas obviamente louca também, a que poderia ser uma das principais razões deste homem que ela estava apaixonada evitá-la a todo custo. Era muito ruim, realmente, desde que ela era atraente o suficiente para deixar um homem de joelhos, se ela soubesse como parar com a conversa maluca e talvez escolher outra roupa. Seus pensamentos interiores o divertiam, e um sorriso espontâneo

apareceu.

Ele

odiava

decepcionar

qualquer

pessoa do gênero feminino, mas parecia que ela era uma donzela em perigo que ele não seria capaz de ajudar. —Bem, você vai apenas olhar para mim o dia todo, ou você vai me dar uma resposta? —, Ela bufou em seguida, e antes mesmo que ele pudesse dizer qualquer coisa, ela ergueu a mão. —E antes que você pense que eu sou louca, eu garanto que não sou. Eu estou apenas cansada de ficar sentada num canto, cansada de ser essa pessoa invisível. Esta é uma tarefa que eu estou determinada a obter um dez, mesmo que isso não valha pontuação alguma. Você não sabe como é ser sempre invisível, já que você é lindo e rico e tem mulheres babando por você, mas sou muito consciente. É


solitário e decepcionante e eu só quero uma nova vida para mim mesma. Crew ergueu a mão para fazê-la se calar. Cara, a mulher podia falar e falar e falar. Para sua surpresa, o balbuciar dela foi ficando em algum nível insano em seu cérebro. Ele ficou intrigado com o seu pedido. Como ele poderia ensiná-la a pegar um cara? Não era como se houvessem livros por aí sobre como seduzir um homem. Ou talvez houvesse. Deus, ele não sabia. Afinal de contas, ele nunca teve de aprender a arte da sedução. Ela só veio naturalmente para ele, pensou com orgulho. —Por que você acha que eu ia mesmo pensar em fazer uma coisa dessas? — ele finalmente perguntou surpreso que estava de fato inclinado a aceitar sua proposta maluca. Ele não tinha tempo para isso. Não havia nenhuma maneira. Tinha um resort para administrar, e depois vender. Quando o projeto estivesse preso de forma segura nas mãos de outra pessoa, ele teria que começar tudo de novo em seu próximo projeto. Ele não tinha tempo para mulheres loucas com pedidos mais malucos ainda. —Porque eu estudei sobre você. A maneira como você flerta com as mulheres é sem esforço algum. Se você me ensinar a ser uma daquelas mulheres com quem você gostaria de estar, então eu sei que posso ganhar o meu cara. Ele não vai nem saber o que o atingiu. —Até onde exatamente você quer levar isso?


—O que você quer dizer? — Pela expressão inocente de seu rosto, ele podia ver que ela realmente não tinha ideia do que ele estava falando. Com movimentos rápidos, ele decidiu mostrar a ela. Em um movimento suave, seus braços a cercaram, e ele a apoiou contra o lado do resort, colocando-os nas sombras e trazendo

seu

rosto

para

muito

próximo

do

dela.

O

alargamento dos seus olhos e ingestão rápida de sua respiração enviou uma onda de adrenalina aquecendo suas entranhas. A deixaria ver o que acontece quando ela decide brincar com fogo. No momento em que ele terminasse com sua lição, ela teria fugido antes que ele tivesse a chance de piscar, e sua ideia ridícula seria totalmente esquecida. —Você quer que eu te ensine como ser uma sedutora, ou ensiná-la a seduzir? Eu posso te ensinar muitas coisas, Haley, mas acredite em mim, eu não preciso ser pago pelas minhas aulas, pelo menos não em dinheiro. Quando suas bochechas coraram e suas pálpebras caíram, Crew estava sobrecarregado com o desejo de beijá-la. Desde que ela

estaria fugindo e gritando em alguns

momentos, ele estava debatendo sobre provar dos lábios dela apenas uma vez. Assim que ele estava pronto para fechar a lacuna entre eles, seus olhos se arregalaram e um enorme sorriso

espalhou

em

momento. O que aconteceu?

seu

rosto,

fazendo-o

perder

seu


—Sim! Isso! É isso que eu quero que você me ensine. Oh, meu Deus, eu não podia respirar por um segundo lá quando você estava todo sensual e sexy e pressionando contra mim. Parecia que meu estômago estava pegando fogo e meu coração estava indo a mil batidas por minuto. Me ensine a fazer a mesma coisa com o Walker! A emoção saltando dela foi um verdadeiro golpe no ego de Crew, especialmente quando ela deslizou para fora de seus braços e dançou em um pequeno círculo na frente dele. Mas a inocência dos olhos arregalados em sua expressão fez querer guardá-la e salvá-la de si mesma. —Eu não posso fazer isso. Por uma fração de segundo o seu sorriso permaneceu no lugar, e em seguida seu rosto caiu. Ele sentiu como se tivesse acabado de dar um tiro no seu gatinho favorito. Ela estava obviamente arrasada. —Compreendo.

Eu

sabia

que

tinha

apenas

uma

pequena chance de convencê-lo a ser meu professor, mas ninguém pode culpar uma garota por tentar, certo? Eram lágrimas em seus olhos? Ele odiava lágrimas femininas, odiava o poder que elas exerciam. Todo mundo chorava, então por que ele sentia como se fosse um tirano quando uma estranha derramava uma lágrima ou duas? Até poucos minutos atrás, ele nem sabia da existência de Haley Sutherland, então porque ele se importava que ela estivesse chorando?


—Eu sinto muito, Haley. Eu realmente sinto, mas eu sou um homem ocupado e eu não sei a mínima coisa sobre como ensinar esse tipo de... lição. Tenho certeza que você pode encontrar um bom livro de autoajuda, isso vai lhe dar todas as respostas que você precisa. Eles estão publicando tudo hoje em dia. —Tenho certeza de que você está certo, Sr. Storm. Eu agradeço que tenha me escutado, mesmo que tenha sido apenas por um segundo—, disse ela, apertando os olhos no final de sua sentença. Sem dizer mais nada, a Srta. Haley Sutherland se virou e se afastou dele. Ele assistiu o balanço de seus quadris curvilíneos, e estupidamente, ele queria gritar que ela já tinha alguns movimentos capazes de seduzir um homem, mas ele sabia que seria um erro. Quanto mais longe a louca estivesse, mais rápido ele seria capaz de esquecê-la. Uma vez que ela virou a esquina, ele voltou a admirar o seu resort, a sua realização. Infelizmente, ao longo do dia em que suas portas se abriram oficialmente, a pequena mulher e sua proposta ridícula permaneceram em sua mente. Ele sabia que a loucura passaria em breve.


Haley afastou o sentimento de derrota por cerca de cinco minutos. Uma vez que ela estava fora de vista do resort, ela se virou e olhou na direção geral de onde ela assumiu que Crew Storm estivesse. Ele foi o único homem que encontrou até agora que poderia ensiná-la a ser a sedutora perfeita, mas ele não era o único homem capaz de ensiná-la. Com a determinação implacável construída dentro dela, Haley caminhou até seu carro e olhou para a papelada. Ela iria ficar em um paraíso tropical no verão. Teria vários homens solteiros se hospedando no resort de luxo. Pelo menos um deles deveria aceitar a sua oferta. Com um sorriso, ela se dirigiu a um pequeno café onde ela poderia esperar confortavelmente o resort abrir. Olhando em volta, ela pensou, é tudo ou nada. A educação de Haley foi material de horror. Levara anos de terapia e em seguida a faculdade para aprender como errado seus avós foram na forma como a trataram. Foi vergonhosa a maneira com que a trataram e ela não deveria se sentir tão inadequada. Quando eles morreram e ela herdou seu dinheiro, não parecia uma vitória, mas um fardo. Até agora, ela não tinha se disposto a usar sua herança para outra coisa senão a sua educação, então ela deixou o dinheiro de fora, vivendo com pouco, enquanto trabalhava em conseguir seu bacharelado. Agora, ela já estava quase terminando o seu curso, mas sua linha de estudos não estava fazendo muito para ela neste momento particular. Ela tinha


um longo caminho a percorrer antes que pudesse se manter com isso. Algumas pessoas poderiam ter pensado que ela era vã ou irresponsável por se apressar em uma busca para aprender a arte do amor, mas se eles soubessem sobre o desespero, a solidão absoluta e a negligência que ela sofreu na infância, ou sobre os muitos anos de se sentir invisível, eles

provavelmente

lhe

dariam

um

alívio.

Ela

queria

reinventar-se, e nada ficaria no seu caminho. A primavera mal terminando, estudando para as provas finais e com o entusiasmo sobre sua viagem, ela não teve uma noite de sono decente em semanas, e ela não conseguia se lembrar da última vez que pensou em comer algo diferente de miojo e comida congelada. Seria bom ficar no resort, onde ela poderia dormir sem medo de faltar à aula e comer com o pressionar de um botão. Uma

vez

que

suas

necessidades

básicas

fossem

cuidadas, a busca por alguém para ensinar o que ela queria saber iria seguir. O lugar perfeito para começar seria o salão do resort. A partir de suas observações, os homens depois de algumas doses eram muito mais dispostos a aceitar ofertas de mulheres estranhas. Depois de terminar sua refeição e observar a hora, Haley voltou para o resort, surpresa com a enorme fila de pessoas que desfilavam pelos caminhos pitorescos. Felizmente, o estacionamento com manobrista não estava muito ocupado, e


ela teve de esperar cerca de cinco minutos antes de um jovem de boa aparência abrir a porta do carro. —Desculpe a demora, senhorita, mas a inauguração foi bastante agitada. Você vai ficar conosco hoje à noite? —Sim, eu vou, e a espera não foi tão ruim. — Ela lhe deu um sorriso enorme e ficou encantada quando seu rosto corou. Pena que ele era tão jovem e tão tímido. Ela precisava de um homem, não de um garoto. —Hum... Apenas leve essa valise com você e nós levaremos as malas para o seu quarto, — ele gaguejou, dando a Haley confiança que ela não sabia que tinha. —Obrigada...—, disse, fazendo uma pausa enquanto olhava seu nome —... Sammy. Tenha um bom dia. A vida já estava melhorando. Quando ela entrou no saguão luxuoso do resort, Crew estava longe de ser visto, mas estava OK para ela, porque havia muitos homens para tomar seu lugar. Quando ela olhou ao redor, de repente sentia como se fosse se afundar no chão. O local era tão diferente da sua realidade, era um pecado estar de pé sobre o piso tão magnífico. Apesar de ter sete dígitos no banco, a clientela aqui gastava essa quantia em um mês, com casas de veraneio, carros caros, e doações de caridade. Quando seus avôs morreram, uma grande parte de seus investimentos foi tomada em impostos e pagamento de dívidas, mas ela ainda não iria reclamar do que tinha. Ela poderia viver confortavelmente sozinha, se assim escolhesse,


mas ela não seria capaz de chegar a resorts como este com o dinheiro em sua conta bancária. Membros

da

equipe

lindamente

vestidos

estavam

andando em torno do lobby lotado, carregando bandejas cheias de aperitivos atraentes e copos cheios de vinho em comemoração à inauguração. O lobby exalava elegância e perfeição. Cada último toque parecia ter sido planejado, até os mínimos detalhes. Sobrecarregada e esperando que não tivesse cometido algum erro, Haley descobriu que não podia se mover. Ela não estava vestida apropriadamente e se sentiu como um peixe fora d’água na sala cheia de pessoas sofisticadas. Até mesmo o pessoal da limpeza estava vestido melhor do que ela. Em todas as direções que olhasse homens bonitos em ternos sob medida estavam de pé ao redor, conversando com outras pessoas também vestidas com esmero, ou inclinandose contra as grades românticas que revestiam as escadas extravagantes. Este era um local de alta classe, onde até mesmo os andares

destacavam-se

com

seus

padrões

únicos

de

mármore, e ela sentia uma animação por ser um hóspede. Não inteiramente uma boa emoção, mas ela se recusou a permitir ser intimidada. Embora ela sentisse um impulso intenso de virar e correr de volta para fora, lutou contra ele e estava ganhando. Ela não era aquela garota que era autorizada a associar-se apenas com os criados e certamente ninguém de qualquer posição social, não mais.


Ela não estava vivendo com os avós tiranos, a muito estavam longe. Ela tinha dinheiro, e podia ir para onde quisesse. Ainda assim, seu entorno encheu com a emoção esmagadora de não ser boa o suficiente. Era impossível atravessar a vida do lado de fora, e então de repente se sentir como se você fosse uma parte da ação. Não importava o quanto tivesse em sua conta bancária, ela sabia quem ela era e simplesmente não se encaixava com essa multidão de diamantes-e-caviar. Recusando-se a se acovardar, ela ergueu o queixo e os ombros, caminhou até a recepção com tampo de granito, onde uma mulher sorridente a cumprimentou. —Bem-vinda ao Resort Catalina Couture. Estamos muito satisfeitos em tê-la em nosso dia de abertura. —Obrigada—, respondeu Haley enquanto ela enfiava a mão na bolsa procurando seus documentos e cartão de crédito. Embora o quarto dela estivesse pago, ela com certeza gostaria de aproveitar as opções de serviço de quarto. Estas eram as férias de uma vida e ela iria desfrutar de cada momento, mesmo se tivesse que engessar um sorriso falso no rosto. —A sua reserva está pronta, Srta. Sutherland. Só tem de assinar aqui, e nosso carregador irá guiá-la até o seu quarto e explicar sobre os nossos serviços. — Com um sorriso que ainda atraía um toque de admiração, Haley agradeceu à mulher, grata por sua bondade genuína que de alguma forma


acalmaram seus nervos, depois seguiu um jovem aos elevadores, onde ele apertou o número para o décimo andar. Quando ela ganhou essas férias, ela não pensou que iria ficar no andar superior. Este foi realmente um prêmio. Ela teria uma bela vista para o oceano ou para a ilha. Enquanto eles faziam a curto trajeto para o andar superior, Haley virou-se para o garoto. —Você gosta de trabalhar aqui? Seus olhos olharam para baixo, mas não antes de se estabelecer uma fração de segundo mais longo do que o habitual em seu peito quando ele respondeu. —Temos feito apenas treinamento até agora, mas sim, este lugar é peito... Quero dizer... Hum... perfeito! —, Exclamou, seu rosto ficou vermelho e ele olhou para seus sapatos em mortificação. Haley poderia compreender plenamente os sentimentos do pobre garoto. Ela trocou os pés pelas mãos mais frequentemente do que ela se importava em pensar. Afagando seu ombro, ela esperou que ele olhasse para cima novamente, o que fez com óbvia relutância. —Não

se preocupe com

o deslize.

Eu

faço

isso

frequentemente—, disse ela com uma risada. Bem, não aquele deslize em particular, mas... Ele respirou

um

suspiro de alívio e seus olhos

praticamente a idolatravam. Se ao menos pudesse falar com homens que ela era atraída com a mesma facilidade que ela falou com os funcionários do local. Era apenas que ela se


sentia mais próxima dos trabalhadores, como se fossem seus parentes, porque ela foi criada por membros da equipe de seu avô. —Você tem uma de nossas maiores suítes, reservada para os nossos convidados VIPs, — o menino disse ao sair do elevador. Acompanhou-a uma curta distância para o corredor antes de deslizar um cartão-chave e, em seguida, segurou a porta aberta para ela andar na frente dele. —Perfeito—, Haley engasgou quando olhou ao redor da espaçosa área da sala de estar. O perfume de rosas derivava do grande buquê na mesa de café - com uma caixa de chocolates ao lado dele. Os móveis eram antigos, combinando muito com a decoração do resort. Do outro lado da sala, que se abria para uma varanda privada, eram ornamentadas portas francesas mostrando um panorama espetacular do oceano. Pelo menos, se ela não pudesse encontrar um homem para lhe ensinar tudo o que ela queria saber, ela passaria duas semanas fabulosas em um completo paraíso. Este quarto era bom demais para ser verdade, e ela nem sequer viu o quarto ainda. O jovem mensageiro começou a lhe contar sobre todas as comodidades do resort: Spa, academia, serviço de quarto, salas de estar e muito mais. Ela realmente não se importou. Ela poderia aprender tudo aquilo olhando através do catálogo na pequena mesa do canto.


Ela só queria um pouco de comida e uma grande quantidade de sono. Quando ele terminou de falar, ela lhe entregou uma boa gorjeta e o guiou em direção à porta. Ele sorriu de alegria, antes de finalmente partir. Não querendo esperar o serviço de quarto, Haley abriu a caixa de chocolates, em seguida, caminhou até a pequena geladeira e encontrou uma CocaCola. Agarrando sua sobremesa açucarada, ela os levou para o quarto, onde sorriu de pura felicidade. A cama king-size com dossel era o paraíso com pés de madeira. Ela tirou suas calças e camisa, mergulhou na cama e se contorceu alegremente sob as cobertas. Não demorou muito tempo para devorar metade da caixa de chocolates e empanturrar-se de Coca-Cola. Ela sabia que deveria, pelo menos, levantar-se e escovar todo o açúcar para fora de seus pobres dentes, mas os travesseiros de plumas chamavam seu nome. Com um suspiro, ela desistiu da luta. Fechando os olhos, ela tirou sua primeira boa soneca em séculos. Como ela podia fazer outra coisa senão relaxar em um lugar tão fantástico? Hoje à noite, ela precisava estar totalmente alerta quando ela fosse à espreita.


Haley acordou com um enorme bocejo, esticando os braços acima da cabeça até que ela agarrou a cabeceira da cama. Deixou as cortinas abertas e observou quando os últimos raios de um espetacular pôr do sol brilhavam através das enormes janelas abertas, uma brisa salgada soprando do Oceano Pacífico. Um sorriso cruzou seu rosto enquanto ela se sentava na madeira profunda de cor cereja. Seus dias finais na escola e planejar sua atribuição de verão não a deixaram descansar bem no que pareciam eras. Ela teria que descobrir onde Crew comprou suas camas porque o colchão era simplesmente divino. Quando um grunhido alto de seu estômago interrompeu seus pensamentos felizes, Haley riu, então saiu da cama. Ela adorava acordar, encontrando-se em todo um dia novo, bem, uma noite inteira nova, uma vez que estava começando a ficar escuro lá fora. Rapidamente se movendo para o banheiro, ela saltou para o chuveiro de grandes dimensões, gemendo quando os


jatos fortes fizeram o seu trabalho de acordar totalmente e de lavar a sujeira do dia pelo ralo. Talvez fosse hora de mergulhar em sua herança para mais do que sua escolaridade. Ela tinha a sensação que depois de ficar em um lugar tão agradável, seria difícil voltar para seu pequeno apartamento em Seattle. Se ela pudesse transportar o chuveiro, poderia não ser tão ruim... As luminárias de bronze e granito brilharam e o vidro chanfrado era cristalino. O banheiro tinha até uma área de beleza separada com um banco de veludo escuro, onde ela poderia sentar-se se quisesse se maquiar e fazer o cabelo. Não era

o

estilo dela

ficar

pronta,

mas talvez

deva

experimentar, passar mais algum tempo na tentativa de parecer melhor. Era evidente que Crew insistiu apenas no melhor, porque o xampu era incrível e o aroma de pêssegos e mangas flutuava em torno dela como espuma envolta de seu cabelo. Talvez houvesse algo de aroma terapia. Haley foi energizada para enfrentar a noite e o Plano B nas estacas de sedução. Dentro de uma hora, ela estava vestida e pronta para buscar uma conversa e talvez um pouco de comida, então ela decidiu no bar de jazz dentro do resort. E desde que Haley trabalhou vários anos em restaurantes, ela sabia que era sábio fazer amigos na equipe do resort, especialmente, os cozinheiros. Se você fosse amigável com eles, você poderia comer muito melhor e começar a experimentar pratos que mais ninguém sabia que existia.


Antecipação apressou seus movimentos. Ela colocou algum dinheiro em seus bolsos, junto com sua chave do quarto, em seguida, pegou sua bolsa pequena. Ela preferia deixá-la para trás, mas nela tinha um par de itens essenciais que ela não poderia ir sem. Pronta para rolar. Ela tinha um conjunto determinado a sua boca enquanto ela fechou a porta da suíte atrás dela e foi em direção aos elevadores. Era hora de encontrar um professor. O lobby estava ainda mais movimentado agora do que quando enquanto

chegou, se

com

sentavam

pessoas nas

falando

cadeiras

de

animadamente espaldar

alto

circulando pequenas mesas com vasos deslumbrantes em cima deles. As flores tinham que ser reais, fazendo-a querer tocá-las para ter certeza, mas ela continuou a avançar, em uma missão para encontrar um simpático membro da equipe para dar-lhe informações. Ela desejou ter a coragem de se sentar e começar uma conversa com os outros hóspedes do hotel, mas não o fez neste momento. Talvez em breve... Coloque um uniforme sobre ela, e poderia abrir-se como um livro pirateado, mas um homem vestindo em um terno de negócios como seu avô usara a fez querer se esconder no canto mais distante. Ela iria trabalhar com isso mesmo que levasse certo tempo, como a mudança muitas vezes fez, ela acabará por ganhar a coragem de pisar fora de sua zona de conforto.


Aproximando-se do bar agitado, ela viu e ouviu um músico atraente tocando música suave no canto. Seus dedos acariciaram as chaves do piano de cauda, e vários convidados nas mesas próximas aplaudiram quando ele terminou uma peça. Hmmm. Aqueles dedos mostraram a promessa. Haley poderia imaginar-se sentando ao lado dele no banco, suas cordas lavam sobre ela como seus próprios dedos subiam sua coxa. Uau! Tais pensamentos não estavam ajudando. Ela tinha uma missão, uma missão de perguntar a um homem se gostaria de sair em um encontro, para não bater em cada bacharel elegível neste lugar. Tudo que precisava era encontrar um homem disposto a dar-lhe algumas indicações, dar-lhe alguma confiança, ensinar-lhe a forma de seduzir o homem que ela queria. Até agora, esta noite, a sorte estava com ela: ela encontrou um banquinho de bar livre na parte de trás do balcão, um lugar quase garantido, em sua experiência, para obter o máximo de atenção do barman. Vendo um cinzeiro nas proximidades, ela sabia que este era o lugar onde ele iria passar

despercebido

sobre

quando

ele

tivesse

alguns

momentos para arrastar em algumas baforadas de nicotina. —Boa noite. O que você está bebendo? — Ele perguntou às pressas, mal olhando para ela. Isso, Haley estava acostumada. História da minha vida. —Que tal você me surpreender? Você se parece com um homem que sabe como fazer uma boa bebida—, disse ela com


um sorriso aberto, e ela tirou seus cigarros de emergência. Ela odiava essas coisas malcheirosas, mas ela descobriu que poderia ser um grande quebra-gelo, quando ela estava com um fumante. Que ganhou sua atenção. Ele olhou ansiosamente para o cigarro branco fino quando ela o acendeu com um movimento de seu isqueiro de plástico mais leve. Certificou-se de que não iria inalar - ela não queria começar a tossir em todo o pobre homem - ela deu uma tragada superficial, enquanto esperava por ele para responder. —Ah, uma mulher aventureira. Eu gosto disso—, disse ele com um sorriso, mostrando que ele tinha um dente em falta no canto de sua boca. Ele acrescentou personagem para suas bochechas coriácea. Dentro de um minuto, ele trouxe um grande cocktail em camadas com fruta em uma vara. Que diversão! —Este aqui eu chamo de Marlin especial—, disse ele com uma risada. —Você quer abrir uma aba? —Eu estou supondo que você é Marlin? — Quando ele assentiu, ela continuou. —Bem, Marlin, é adorável. Você precisa do meu cartão de crédito ou chave do quarto? — Quando seus olhos desviaram-se para o cigarro pendurado novamente, Haley lembrou de tomar um trago, antes de pegar seu olho. —Eu estou sendo tão rude. Quer um?


Marlin olhou ao redor para ter certeza que nada precisava ser feito em seu bar, e, em seguida, estendeu a mão. —Isso seria ótimo, e sua chave do quarto é suficiente. Isso! Haley pensava. Sim, ela sabia como falar com a equipe. Dentro de uma hora Haley sabia que Marlin tinha uma esposa e era casado há trinta anos, dois filhos adultos e dois inesperados, mas querida surpresa. Ele mudou-se para a ilha de Catalina, dez anos antes, e ele estava feliz por voltar a trabalhar no Catalina Couture Resort, dizendo-lhe que era o bar mais legal que já trabalhou. Ela teve que concordar com ele. —Tente isso, querida—, disse Marlin enquanto colocava uma tigela de sopa na frente dela. Haley nem se incomodou de perguntar o que estava nela. O aroma inebriante fez seu estômago roncar e suas glândulas salivarem. Com sua primeira amostragem, ela não pôde reprimir um gemido de êxtase. —Há um chef especial que ele só faz para o chefe e equipe. Não pergunte o que ele coloca nisso. A ignorância é a felicidade—, disse ele com uma gargalhada. —Posso pegar uma tigela disso? — Um homem sentado dois lugares para baixo perguntou quando ele olhou a sopa de Haley. —Desculpe, não servimos comida—, Marlin disse a ele. O homem ergueu as sobrancelhas enquanto olhava de Marlin para a tigela de sopa na frente de Haley. Ele, obviamente, não


queria chamar Marlin de mentiroso, mas a prova estava bem ali. —Um...— o homem limpou a garganta. —Haley trabalha aqui. Esta apenas em pausa—, Marlin mentiu com um sorriso perfeito para o homem, e Haley teve que esconder sua risadinha. Sim, ela e Marlin iam ser grandes amigos. Ela destemidamente terminou a tigela antes de passá-la de volta com relutância. Tirou um pouco de sua fome, mas não totalmente. —O que quer que seus ingredientes secretos sejam eles estão trabalhando para ele. Obrigada, Marlin. Eu sei onde eu estou passando minhas noites fora de agora em diante. —Eu não vou reclamar sobre isso. Você é um prazer para visitar. Quanto tempo você vai ficar com a gente? —Bem, eu tenho duas semanas que eu ganhei de graça, mas realmente o tempo que for preciso! — Quando as sobrancelhas subiram em questão, ela riu antes de encher ele. —Eu estou procurando um homem para me ensinar a ser a sedutora perfeita. A mandíbula de Marlin caiu e ele engasgou com seu café. Haley limpou o spray de seu rosto quando ele olhou nos olhos dela, obviamente tentando descobrir se ela estava brincando ou não. Quando ela olhou para trás, ele finalmente caiu na gargalhada.


—Bem, eu ofereço meus serviços, mas, em seguida, minha esposa iria cortar minha cabeça fora—, disse ele entre os risos. —Oh, Marlin, eu acho que você é um homem para me segurar de qualquer maneira—, disse ela com uma piscadela. —Você tem certeza de ser boa para o meu ego, mel. Agora, me diga sobre seus planos—, ele insistiu quando pegou outro cigarro e encostou-se ao balcão para que seus rostos estivessem juntos. —Bem...— Ela hesitou. —Meu plano original era para o seu chefe me ensinar, mas ele não está cooperando—, ela fez beicinho. Os olhos de Marlin arregalaram por um segundo antes de ele começar a rir de novo. —Oh, Haley, eu estou muito satisfeito que eu conheci você. Tenho a sensação de que você irá agitar as coisas por aqui—, ele gargalhou. Ele estava tirando sarro dela? Haley não estava certa, mas ela chegou longe demais para voltar atrás agora. —Faleme sobre ele. Como posso obter Crew Storm para me ajudar? Marlin olhou para o bar, novamente se certificando de que seus funcionários estavam fazendo seu trabalho e que os clientes estavam todos felizes antes de virar e se inclinar ainda mais perto. —Crew é um bom rapaz. A maioria em lugares como este - meio arrogante, para dizer a verdade - dá uma olhada em mim e segue em frente para baixo da linha. Eles querem meninas muito jovens ou jovens estudantes para cuidar dos


contadores, imaginando que vai atrair mais pessoas. Eles não olham para a experiência; tudo o que importa é a forma como uma pessoa parece. Infelizmente, Haley sabia que isso era verdade. —Mas não Crew. Ele não mede suas palavras, no entanto. Ele me perguntou de primeira o que aconteceu com o meu dente em falta. Eu disse a ele que eu era jovem e entrei em uma briga. Você quer saber o que ele me perguntou, então? —Sim—, disse Haley. Ela não tinha a menor ideia. —Ele perguntou se eu ganhei ou não—, Marlin disse com uma risada. —Eu disse a ele orgulhosamente que o outro cara foi embora sem três de seus dentes. Haley caiu na gargalhada quando ela olhou para o sorriso escancarado de Marlin, mas sua diversão não foi completa. Ela já sabia que ela iria perder este homem quando ela seguisse em frente. Ela poderia escolher apenas viver aqui, mas, em seguida, ela nunca acabaria o curso. Ela sentiu um pouco de desgosto sobre o inevitável: as pessoas sempre disseram que iam escrever, mas, em seguida, amizade iria desaparecer lentamente se tornando nada. Sacudiu-se fora de sua melancolia. —Uau! Você deve ter ficado surpresa—, disse à Marlin. —Eu sabia, que assim que ele me deu aquele sorriso Crew Storm que ele era um tipo diferente de homem - um dos mocinhos. Ele me disse que teve vitórias e derrotas em sua


própria quota de lutas. Então, ele era um verdadeiro profissional e me perguntou o que eu poderia fazer para tornar este o melhor bar em toda a ilha. Levei um minuto, então eu disse a ele o que eu fazia melhor. Ele me contratou no local, nem sequer hesitou. Ele disse que só tinha um sentimento sobre as pessoas, e ele poderia dizer que eu era o homem certo para o trabalho. —Quanto tempo você o conhece, então? —Há três meses. Ele entrevistou e então eu comecei a trabalhar para descobrir como eu queria que meu bar parecesse. Ele tinha suas ideias, e deixe-me dizer-lhe, Srta., ele não gosta de nada que não seja o melhor. Ele tem verdadeiro sabor agradável. Eu teria uma jukebox no canto com algum bom 'rock' n 'roll, mas Crew insistiu em um piano. Eu odeio admitir isso, mas eu gosto do piano. É muito legal. —Será que ele paga bem você também? —Oh sim. Eu não tenho queixas. Ele nos dá mais do que qualquer outro lugar aqui e ele mesmo me ofereceu a suíte nupcial. Não agora, porque ela vai estar muito ocupada por um tempo, mas na baixa temporada para ficar longe das crianças e vir ser tratado na vida de luxo. Ele trabalha duro e joga ainda mais difícil. Wow, as senhoras o amam! Eu não o vi passar um único dia aqui sem pelo menos uma menina quente tentando pendurar em cima dele. Não parece como se ele desse atenção. Nem um pingo—, Marlin terminou com um sorriso maroto.


—Eu só aposto—, respondeu Haley, estreitando os olhos. Ela aprendeu sobre ele, ela mesma. É por isso que ela queria que ele fosse seu professor. —Bem, não se preocupe, querida, ele simplesmente dálhes um beijo, depois de uma noite de amor, então ele desliza para fora de seu alcance, e elas nunca sabem o que o bateu. Elas pensam que ele é o homem dos seus sonhos, mas elas acordam e tudo é apenas uma grande fantasia. Mas de alguma forma elas estão gratas pelo menos por uma noite. Ele ainda está disponível para você. Talvez você possa até fazer o ladino sossegar—, Marlin disse com uma risada. —Eu não quero Crew para mim. Eu estou no amor com outro cara. Eu só quero que ele me ensine seus segredos - me mostre como ser uma dessas mulheres que os homens não podem resistir. Mas, você sabe o quê, eu vejo um bar cheio de homens que, provavelmente, estariam mais do que dispostos a me ensinar o que eu preciso saber—, disse ela enquanto ela olhava ao redor da sala. O pianista estava procurando seu lugar, e antes que ela se virasse para Marlin, o homem deu-lhe uma piscadela. Ah, sim, era hora de sair de seu canto e buscar um professor. Quem disse que não poderia misturar negócios e prazer? —Claro, senhorita, com certeza. Isso é o que todos dizem. Se você acha que pode dançar em um penhasco sem o vento empurrando-lhe mais, então seja minha convidada, mas uma noite com um homem como Crew e você vai


esquecer tudo sobre esse outro cara que você está tentando ganhar. —Nós vamos ter que ver isso—, disse Haley com confiança. —Eu acho que eu vou pedir uma música, — ela terminou com uma piscadela para Marlin. Ele simplesmente riu e entregou-lhe uma bebida fresca. Quando Haley se levantou, sentindo-se um pouco vacilante das muitas bebidas de Marlin, ela desejava que soubesse caminhar como uma modelo, com o balançar de seus quadris provocativamente. Ah bem. Ela teria que fazer o seu

melhor.

Com

os

olhos

cintilantes

e

um

passo

determinado, ela se aproximou do músico, e ele não tirava os olhos dela. Invisível? Agora não.


Tudo estava funcionando perfeitamente. Os funcionários de Crew, todos os quais ele escolheu a dedo, eram eficientes, discretos, e especialistas em antecipar as necessidades dos hóspedes. Os clientes estavam sorrindo e elogiosos sobre seu belo resort. Acima de tudo, eles estavam gastando, e gastando muito. Os funcionários da cozinha estavam trabalhando sem parar preparando pratos estelares, e os pedidos de serviço de quarto não paravam. Foi uma abertura magnífica e perfeita. Mas de alguma forma, Crew, finalmente, encontrou-se com alguns minutos de sobra. Ele foi atraído para o bar, em parte porque adorava passar alguns minutos com o bar tender responsável pelo local. Marlin não era uma visão bonita, mas ele era astuto e conhecia o negócio. Toda vez que Crew passava por lá, o negócio estava em pleno andamento. Entrando na mal iluminada sala, ele fechou os olhos por um breve momento e apreciou o som do tilintar do gelo nos vidros enquanto murmúrios, gargalhadas e risinhos enchiam a sala. Os pedidos de bebidas estavam intensos, e a caixa registradora estava fazendo horas extras. O negócio estava bom.


Quando o potencial comprador entrasse, não teria nada a

temer

em

comprar

este

estabelecimento.

Era

um

investimento certo para quem se dedicasse a continuar o que Crew começou, porque Crew fez tudo com perfeição. Perto do bar, ele olhou para trás por um breve momento, começou a olhar para frente de novo e, em seguida, virou a cabeça para trás olhando ao redor. Ele reconheceu o cabelo dourado,

mesmo

à

distância.

A

mulher

estava

se

aproximando propositalmente para perto de seu pianista, e o cara não parecia importar-se nem um pouco. O que isso deveria importar para Crew? Ele não a conhecia. Se ela continuava tentando encontrar o próximo homem tolo o suficiente para conceder seu pedido, então, bom para ela. Isso significava que ela iria deixá-lo em paz. Se ele se sentia assim, por que estava de repente mudando de sentido e indo em direção ao casal feliz? Ele era o proprietário deste estabelecimento, era por isso. Ele não poderia deixá-la seduzir e prostituir sua equipe. Este lugar não era para esse tipo de negócio. Quando se aproximou, ele viu a mão dela elevar e passar sobre a perna de Sid. Seu pianista apenas deu-lhe uma piscadela enquanto seus dedos continuavam a tocar as teclas. —É adorável, — ela ronronou, com o rosto a polegadas da orelha do cara. Crew ouviu o suficiente. —Senhorita Sutherland, — ele disse, sua voz calma, mas dura.


Ele tinha que dar crédito à mulher, porque os ombros ficaram tensos pela surpresa por apenas um breve momento, antes de se virar - lentamente, muito lentamente - para olhar para ele. —Olá, Sr. Storm. Que bom ver você de novo. — Sua voz não revelava nada, mas seus grandes olhos verdes estavam bem eloquentes. A mulher não precisava de um professor; seus olhos tinham o poder de seduzir. —Eu não estava esperando vê-la novamente - nunca. — Sua voz deve ter sido mais fria do que ele queria que fosse, porque o seu pianista errou algumas notas antes de se recuperar rapidamente. —Eu sou uma mulher determinada, Sr. Storm. Agora, se você não se importa, eu estava tendo uma conversa com Sid. Sua música é de tirar o fôlego—, ela suspirou antes de virar as costas a Crew dando uma encostada nele. Ele não tinha ideia de que por dentro ela estava tremendo terrivelmente. Crew não gostou de sua atitude arrogante. Ele estava fumegando,

embora

ele

não

conseguisse

descobrir

exatamente o porquê. Embora não quisesse nada com ela, ainda tinha a mulher em sua mente durante todo o dia, pensando em um milhão de maneiras que ele poderia ensinála, e agora ele a encontrou em seu resort em busca de um homem para encher sua… conta. Ele não era apreciativo, nem um pouco. —Eu gostaria de falar com você em particular, Srta. Sutherland. — Não era um pedido, mas uma ordem.


—Estou conversamos

um

pouco

amanhã?

ocupada

Com

agora. isso,

ela

Por o

que

não

dispensou

novamente. Duas vezes em um minuto não estava fazendo muito bem para o seu ego. —Por que não fazemos agora? — Ele a pegou pelo braço e a puxou do banco. O pianista covarde continuou tocando como se Crew não tivesse acabado de maltratar sua potencial saída de uma noite. Crew teria de encontrar um novo pianista - ele estava aborrecido com Sid. Os olhos de Haley iluminaram. —Se você insiste—, disse ela, um pouco sem fôlego, a cabeça inclinada para trás para que ela pudesse olhar para ele. Seu corpo inteiro ficou tenso. Por que ele estava atraído por esta mulher louca? Ela estava vestindo uma camiseta larga, outro par de calças capri soltas e sem um pingo de maquiagem. Não havia nada sobre ela que gritava a sirene do sexo, e ainda assim ele se viu mais do que intrigado; o que ela estava tentando esconder com todas aquelas roupas soltas? Quando ele começou a conduzi-la do bar para o lobby, o som de sua respiração não deveria ter deixado seus nervos em alerta. Ela simplesmente não era o tipo dele, de qualquer maneira. No entanto, mesmo o cheiro de pêssegos derivando de seu cabelo, o deixou alerta. Talvez tivesse passado muito tempo desde que ele passou a noite com uma mulher. Aqueles em torno dele


poderiam pensar que ele era um pegador, mas poucas mulheres realmente estiveram em seu quarto. Ele era exigente. Sim, ele tinha uma noite ocasional, mas sua reputação era muito mais boato do que realidade. Ele gostava de mulheres, não gostava de maltratá-las, não gostava de usá-las por uma noite, só para ir embora ao dia seguinte. Seu pai lhe ensinou a ser um homem melhor do que isso. Se o mundo queria acreditar que ele era um playboy, então, deixe que acredite. Isso só trazia mais pessoas para fora da toca tentando descobrir o que ele estava fazendo. Era bom para os negócios, e isso significava mais dinheiro para ele. Apesar de seu fundo fiduciário ter mais dinheiro do que a maioria das pessoas já sonhou em ter, seria apenas seu, se ele passasse no teste ridículo de seu pai. Um problema: Crew apenas não se preocupava com o desafio mais. Ele se preocupava com o caminho que sua vida estava levando. Se isso significava que estava velho, então que assim seja. Antes de iniciar este resort, Crew não percebeu isso, mas ele realmente não foi capaz de olhar-se no espelho sem sentir vergonha do que se tornou. Tanta coisa mudou, e ele teve que admitir que era grato a seu pai. Ele passou pelo balcão da frente, sua equipe mal o olhando antes de voltar para o trabalho. Felizmente, Haley decidiu manter a boca fechada enquanto ele a levava para seu escritório particular.


Ele colocou a mão na parte inferior de suas costas e a deixou andar na frente enquanto ele apreciava o balanço suave de seus quadris. Uma vez lá dentro, fechou e trancou a porta. Ele não queria interrupções. Esta mulher só tinha que ir embora - ele estava muito ocupado para lidar com seu pedido, ou para vê-la tentar alcançar seus objetivos com outros homens. Crew ofereceu-lhe uma cadeira, em seguida, foi para trás de sua mesa, pensando que era mais sábio colocar um pedaço sólido de móvel entre os dois. Ela tomou seu tempo sentando, ele notou seus olhos observando tudo ao redor. Ela estava atenta, bem consciente do que a rodeava. Esta era uma boa qualidade para ter, algo para admirar. —Eu pensei que meu quarto era bom, mas esse escritório é espetacular. Eu aposto com você um mês de alimentação que as pinturas são reais—, disse ela com um assobio. Crew estava prestes a fazer um comentário sarcástico quando suas palavras o atingiram. —O seu quarto? — Ele queria esclarecimentos. —Sim. Eu tenho que te dizer, você sabe como decorar. Meu quarto é fantástico, e eu não vi um minúsculo grão de areia dentro de todo este resort. Isso é impressionante, considerando que estamos na praia. —Por que você está aqui? —, Ele rosnou indo direto ao ponto.


—Porque eu ganhei um pacote de prêmio fantástico em Seattle e eu recebi duas semanas espetaculares aqui. Você está dizendo que eu não sou bem-vinda? — Perguntou com um pouco de inocência. —Eu lhe disse que não estava disposto a jogar os seus jogos, Haley, e ainda assim você me perseguiu. Porque não basta sair? —Eu aceito a sua contestação, Sr. Storm. Eu estava seguindo você hoje à noite? Será que eu fui procurá-lo? Não, eu não fui. Só porque você não vai me dar o que eu quero não significa que eu vou simplesmente desistir. Eu tenho uma missão a cumprir, e há uma abundância de homens por aí que podem ajudar. Talvez eu não tenha visto nenhum tão charmoso quanto você - OK, charmoso às vezes - ou com o seu conhecimento do que é que faz uma mulher sexy, mas seus conselhos e ensino devem ser suficientes para guiar-me a me tornar a mulher que desejo ser. Além disso, quem em sã consciência iria desistir de duas semanas grátis aqui? — Perguntou ela, olhando-o como se ele fosse certificável. A visão de Crew estava começando a ofuscar. Ela falou com tanta convicção, que ele não duvidava de que ela teria sucesso em encontrar um homem adequado. Isso não deveria ser uma coisa boa para ele? Ela estaria fora da vista, longe de sua mente, não era seu problema. Infelizmente, ela era problema dele - por nenhuma razão que pudesse entender, ele realmente se importava com o que aconteceria com ela, e ele não deveria. Ele conheceu esta mulher nesta manhã.


Ele tinha plano - metas - e não poderia ter qualquer distração no momento. Seu pai estaria aqui em breve, e Crew não se importava com o seu fundo fiduciário estúpido por mais tempo, ele precisava provar ao homem quem o levantou, que nenhum deles desperdiçou seu tempo e esforço. —Quem é o homem que você quer atrair? Por que você quer alguém que não quer você por quem você é? Eu apenas estou realmente curioso. —Quem ele é não importa. Quanto a mim querendo alguém por quem eu sou, isso é mais difícil. Você não sabe nada sobre não ser tratado como um Storm, não ter uma vida privilegiada, a partir do momento em que você nasceu. Você sempre teve tudo, nunca teve que lutar; você nunca passou por problemas. Você nasceu rico e bonito. Você não tem uma pista de como é para nós, que vivem do outro lado—, ela cuspiu. —Eu não sou um esnobe. — Ele foi insultado, ela não tinha sequer alguma ideia dessas coisas. —Ha! Eu sempre me perguntei se as pessoas esnobes percebem que são esnobes. Será que eles vão para a cama à noite pensando que eles são melhores do que outros? Será que eles pensam nas pessoas que são menos afortunadas que eles e saem de seu caminho para tornar a vida dos pobres miseráveis? Ou será que eles não sabem a dor e o sofrimento que causam? Ao olhar para a confusão em seus olhos, eu acho que eu tenho a minha resposta. Talvez alguns deles fizessem, alguns deles não. Mas vou te dizer isto: meus anos


na escola foram uma miséria. As meninas me atormentavam, xingavam, me faziam sentir horrível a respeito de mim mesma. Elas procuravam alegria infligindo dor em mim e nos outros. Será que isso as fazia se sentir melhor sobre si mesmo, superiores? Talvez sim. Talvez não. Eu realmente não me importo. Minha vingança é ter uma boa vida agora. Eu me vingo através do meu sucesso. Parte disso é mudar a menina que foi tão perseguida que tinha que se esconder nas sombras para que elas não me notassem. Eu cansei de ter medo. Eu cansei do que as outras pessoas pensam sobre mim prevendo minhas ações. Eu também cansei de falar com você. Não existe maneira de fazer você entender isso. Haley começou a levantar e Crew sentiu um momento de pânico. O que ela disse para ele o dilacerou. Se ele tivesse feito

alguém

se

sentir

assim?

Quer

consciente

ou

inconscientemente? Se ele tivesse, era inaceitável e seria sua vergonha eterna. Ele nunca poderia estar OK com ferir outro ser humano para seu próprio ganho pessoal ou prazer. —Por favor, sente-se. — Seu tom acalmou; sua ira se esvaiu. Como ele poderia estar zangado com essa mulher, uma mulher que tinha tanta dor evidente em seus olhos? Como ele poderia mandá-la embora? Embora ele soubesse que não devia aceitar sua oferta, de alguma forma ele não poderia afastar o desejo de ajudar. E ele sabia que ele iria se arrepender antes das palavras saírem da sua boca. —Vou te ajudar.


No início, ela apenas olhou, mas a alegria rapidamente se espalhou pelo seu rosto. Crew balançou a cabeça suavemente. —Espere, antes de ficar muito animada. Você tem muito mais dentro de você do que você imagina Haley. Há fogo em suas veias, paixão em seus olhos, e eu tenho certeza que há um corpo espetacular debaixo de suas roupas ridiculamente largas. Vou ajudá-la a ver a si mesma - não a ajudar a mudar quem você é. Não há nada que eu vejo que precise mudar. Ele podia dizer pelo olhar chocado em seu rosto que ela não acreditou nele por um segundo. Como as pessoas devem ter sido cruéis com ela. —Eu preciso saber um pouco mais sobre você—, continuou ele. —Onde você cresceu. Quais são seus sonhos. Por quais coisas você é atraída. Antes que eu possa mostrar quem você realmente é, eu preciso saber quem você pensa que é. Confusão cobriu o rosto dela. Era óbvio que realmente não tinha ideia do seu encanto. Seus olhos verdes olharam para ele através de sua perplexidade. Seu cabelo loiro suave em cascata pelas costas, a maior parte dele estava solto de seu coque desleixado. Mesmo sem maquiagem, ela era uma beleza. Com isso, ela se parecia com qualquer uma das mulheres que com tanta confiança se atiravam para ele. Preferia do jeito que ela estava agora - bem, talvez com a roupa mais apertada.


—Eu sou apenas eu. Você sabe, o meu nome é Haley Sutherland. Tenho vinte e seis; fui à escola no estado de Washington. Eu cresci com meus avós, que faleceram há vários anos. Eu não tenho nenhuma ideia de quem é o meu pai e minha mãe morreu durante o parto. Não tenho outros membros da família. Minha vida tem sido chata até agora. Estou pronta para a emoção. —Esses são fatos que eu poderia encontrar por aí, na mais básica pesquisa. Eu só vou concordar em fazer isso se você compartilhar comigo - realmente compartilhar. Eu cresci com uma irmã mais nova que gostava de falar, e falar frequentemente, então eu sei um pouco sobre o que as mulheres gostam. Eu quero saber seus sonhos, o que a excita, o que faz o seu coração bater. Eu preciso saber seus medos, seus desejos mais sombrios, as coisas que você pensa, mas nunca imaginou dizer a ninguém. Eu quero te conhecer, Haley, não a imagem que você mostra ao mundo. Crew observou como as pálpebras desceram sobre os olhos dela, fechando-o para fora. Ela estava escondendo alguma coisa dele e o homem competitivo nele queria saber todos os seus segredos mais profundos. Ele a queria nua, conhecer cada pedacinho, e, em seguida, ajudar a construir sua mudança. Afinal de contas, é isso que ele faz, não é? Ele faz as coisas se tornarem inteiras novamente. Não poderia ser mais difícil do que consertar um negócio fracassado. —Eu não quero uma reforma mental. Eu quero que você me ensine a seduzir um homem. Se eu quisesse falar sobre a minha vida patética, eu veria um psiquiatra.


Sua resposta mordaz mostrou-lhe o quanto ela estava escondendo. Bem, ele apenas teria que chamá-la de covarde. Se ela desistisse, era isso. Não havia nada que pudesse fazer sobre isso. Ele temia que a curiosidade o comesse vivo, mas apenas por enquanto. Ele eventualmente iria esquecer. —Então não temos mais nada para discutir. Você pode desfrutar de sua estadia no resort, mas eu tenho coisas mais importantes para fazer. — Crew olhou para sua mesa, abriu uma gaveta e tirou um charuto, em seguida, cortou o fim. Ele não fumava frequentemente, mas quando o estresse era grande, o sabor suave de um bom cubano poderia aliviar seus nervos. Haley estava sentada e nervosa enquanto ele esperava por ela para tomar uma decisão. Embora ele não lhe desse nenhum sinal do que estava sentindo, enquanto se inclinava para trás e apoiava os pés sobre a mesa, como se ele não tivesse uma preocupação no mundo, seus músculos estavam tensos. Crew jogava para ganhar. Não havia por que entrar neste jogo com ela, se ela não estava colocando todas as cartas na mesa. Quando o silêncio se tornou muito longo, ele olhou diretamente para seu relógio, e depois para o rosto dela. Ele quase temeu o fogo disparado por seus olhos quando ela percebeu que precisava se comprometer com isso. Para ela desistir mesmo quando ele concordou com sua


proposta, deveria estar furiosa, ela claramente queria dizerlhe para ir para aquele lugar.


—Bem. Se você insiste em tentar entender, eu vou te dizer, mas eu estou cansada agora e não sinto vontade de falar—, Haley respondeu. —Tem sido um longo dia. Ela queria se levantar e chutar os pés da mesa, em seguida, pegar seu charuto estúpido e dar uma grande tragada para si mesma. Mas isso só iria acabar com ela cortando um pulmão, então ela se sentou rigidamente enquanto esperava o que ele tinha a dizer. —Bom. Agora que temos os aspectos práticos para fora do caminho, posso aprender um pouco mais sobre você. O homem simplesmente não ouvia. Ela não queria discutir qualquer coisa sobre si mesma. Ela precisava de tempo para inventar uma história convincente para ele. Não havia nenhuma maneira que ela iria dizer a ele sobre o inferno que ela passou ao viver com avôs psicóticos que gostariam que ela estivesse morta a cada dia de sua vida. Ela enterrou o passado, e desenterrá-lo novamente faria muito dano. Ele iria destruir tudo pelo que ela trabalhou ao longo dos últimos oito anos. No momento em que eles enterraram seus amargos avôs no chão, ela foi libertada. Acabou de tomar-lhe um longo tempo para descobrir isso. Para dizer a verdade, ela ainda estava aprendendo.


—Eu não penso assim, Haley. Eu acredito que você precisa de tempo para se reagrupar, tempo para inventar uma história inteligente. Eu não quero dar-lhe esse tempo. Eu não vou forçá-la a me contar toda a sua história de vida, mas eu, pelo menos, gostaria de saber algo sobre você. Dê-me um pequeno pedaço e eu vou chamá-la de noite. Haley se esforçava para chegar a algo que não era muito revelador, mas o homem parecia ter construído um radar para mentiras. Parecia que ela não tinha escolha, mas dividir alguns detalhes honestos. No final, tudo iria valer a pena, porque então ela seria uma daquelas mulheres que sempre admirou, e ela estaria livre do passado. —Estou pensando em descobrir uma cultura antiga que ninguém jamais descobriu antes. Eu não me importo onde, mas eu quero fazer uma escavação arqueológica. Os povos antigos me fascinam - como eles trabalharam tão bem juntos, como eles sobreviveram em tais condições adversas, e como eles continuaram a procriar. Eu também tenho um fascínio por jornais velhos e as vidas de pessoas que viveram antes de eu ter nascido. — Talvez tenha revelado apenas um pouco mais do que planejou, mas quando falava de seu sonho, tendia a ficar animada. Ele levantou as sobrancelhas e os cantos de seus lábios apareceram. Ela teve a súbita vontade de bater o olhar de seu rosto. O pensamento a surpreendeu; ela nunca sentiu o desejo de bater em ninguém, nunca, nem mesmo quando essas crianças horríveis na escola a fizeram se sentir com duas polegadas de altura.


—Você tem um jornal que eu posso ler? Agora ele estava zombando dela! Ela terminou. Haley se levantou rapidamente e começou a se mover em direção à porta. Não havia nada que a faria ficar sentada aqui

por

mais

tempo.

Ela

preferia

morrer

a

ser

constantemente humilhada. —Haley, eu estava apenas brincando. Você tem que aprender a diferença entre uma piada e a intenção de prejudicar outra pessoa. Eu não estava tirando sarro de você—, disse ele enquanto a alcançou na porta e agarrou seu braço. Um incêndio sensual derramou pelo seu braço a partir do toque de seu aperto firme em sua pele nua. Suas pernas estavam fracas e ela tinha medo de olhar nos olhos dele. Não era o que ela queria. Ela não queria sentir uma enorme sensação de desejo por um homem que ela precisava apenas como um professor. —Haley.

O tom

profundo

de sua

voz

enviou

borboletas em seu estômago. Ela precisava se reagrupar. Subjugando os sentimentos estranhos com toda a força que pôde, Haley endireitou os ombros e levantou a cabeça, entortando o canto de sua boca e olhando para ele com total desprezo. —Você não feriu meus sentimentos, Crew. Eu só acabei por essa noite. Podemos começar minha transformação amanhã. — Ela estava muito orgulhosa de seu desempenho.


Ela sabia quando ele agarrou seus dois braços e puxoua para perto dele, porém, que não o enganou. Ainda assim, ela não revelou o efeito que ele tinha sobre ela. Isso seria darse muito, e ela não podia deixar a mesa virar completamente a seu favor. Ela tinha orgulho, e ela afundou um preço tão baixo quanto ela estava disposta a permitir-se. —Mmm, Haley. Quanto mais eu penso sobre isso, mais eu estou gostando. Você pode sentir as faíscas? —Que faíscas? —, Ela blefou. —Você não tem que dizer isso em voz alta. Eu posso ver o fogo em seus olhos, e eu posso sentir suas coxas tremendo. —Me solta, — ela exigiu, enfurecida que ela estava expondo tanto de si mesma e seus sentimentos para ele quando tudo que ela queria era correr e se esconder. Afinal de contas, isso é o que ela fazia de melhor. Crew a segurou por um momento mais, apenas tempo suficiente para deixá-la saber que ele era mais forte, e que poderia tomar o que seus olhos estavam oferecendo-lhe então, ele finalmente a soltou. Haley queria correr para o quarto, fechar a porta e, em seguida, deslizar para baixo e dobrar-se em si mesma. Ela queria fazer o que ela sempre fez. Mas, não era esta sua reforma na arte da sedução? Não era hora de ela ser a mulher devassa que ela imaginou? Antes que ela pudesse desembaraçar-se dele, Haley estendeu a mão e agarrou seu pescoço, puxando sua cabeça


para a dela. Ela se glorificou com o olhar chocado em seus olhos apenas segundos antes de seus lábios se ligarem. —Lição Um: Pegue o que quiser—, ela sussurrou. Quando

seus

lábios

tocaram

os

dela

e

sua

língua

rapidamente exigiu entrada, Haley quase foi derrubada. Estava grata por haver uma porta atrás dela, porque ela teve de se inclinar contra ela com o calor que estava reunindo dentro dela. Sua mente apagou enquanto seu corpo inflamou e suas línguas dançavam para trás e para frente entre eles. Era o melhor beijo que ela já compartilhou - não que ela compartilhou muitos. Dois, na verdade, antes desse. Quando seu cérebro começou a entrar em um curtocircuito completo, ela sabia que era hora de puxar para trás. Com extrema relutância ela parou a conexão de seus lábios, com a língua emergente automaticamente uma última vez para lamber o sabor de sua boca. —Bem, isso não foi desagradável—, disse ela com uma risada que estava muito ofegante, e não tão casual como ela pretendia. Se ela pudesse limpar a névoa de seu cérebro atordoado, ela poderia pensar o suficiente para virar e sair da sala. Eventualmente, ela tinha os pés para cooperar. —Oh, não—, disse Crew com um enorme sorriso enquanto suas mãos enrolaram em torno dela e ele agarrou-a por trás. —Lição Dois: Quando você brinca com fogo, você se queima.


Antes que Haley pudesse responder, ele a puxou com força

contra

seu

corpo,

a

prova

de

sua

excitação

pressionando em seu estômago quando ele se inclinou para baixo e começou a beijá-la novamente, como se eles nunca tivessem parado. Dando um passo para trás, ele apertou-a contra a porta, em seguida, moveu as mãos para baixo até curva de seu traseiro quando ele levantou-a do chão para que ele pudesse pressionar sua masculinidade lutando contra seu calor. Sua boca arrebatou a dela, não mostrando nenhuma misericórdia quando ele roubou o ar direto de seus pulmões e um arrepio chiou por sua pele. Ela esqueceu por que ela precisava permanecer no controle, esqueceu tudo enquanto ele continuava levando-a mais e mais no auge da paixão. Se ela soubesse anos antes, como um beijo explosivo poderia ser, ela não teria permanecido virgem, não teria deixado a voz constante de seus avós em sua cabeça a mantendo de desfrutar de algo tão incrível. Pela primeira vez, ela estava viva, querendo apenas afundar mais e mais a sensação, sentir a paixão que ele tão facilmente inflamava. Ela apertou contra ele, suas mãos em seu cabelo enquanto ela silenciosamente implorou-lhe para continuar,

jamais

parar,

enchendo-a

com

as

emoções

mágicas em que ela estava perdendo-se. Quando um rosnado baixo retumbou profundamente em seu peito, uma sensação de poder surgiu através Haley por sua sorte de iniciante. Ela virou este homem numa torção


animalesca apenas ao cumprir suas necessidades. Ela trouxe o belo e poderoso playboy a um estado de não retorno. Quando sua boca se suavizou na dela, ela queria gritar de paixão. Quando ele se afastou, deslizando sua língua sobre seu lábio inferior antes de puxar de volta e colocou-a no chão, sentiu-se desorientada, nem tinha certeza se poderia ficar em pé. —Você ainda acha que não existem faíscas, Haley? —, Ele perguntou, sua voz deslizava sobre ela enquanto seu fôlego esquentava seu pescoço. Ela pensou que ela sentiu o mais desencapado de beijos, mas, em seguida, ele se afastou para que ela estivesse olhando em seus olhos. Haley não sabia como responder. Ela deveria ser leviana? Rir? Ou ela

deve apenas fugir

até que ela

descobrisse? Não. —Eu tive melhor—, ela finalmente conseguiu responder, sua voz não particularmente grossa e desigual. Ele estreitou os olhos antes de inclinar-se para ela para o mais breve dos momentos, mostrando-lhe novamente o que seus beijos lhe fizeram, o quão duro ele foi. —De alguma forma eu acho que não—, ele respondeu com confiança. —Vá descansar um pouco. Você vai precisar de seu descanso—, foram suas últimas palavras antes que ele agarrasse a mão dela e a puxasse para longe da porta para que ele pudesse abri-la. —Você gostaria que eu a escoltasse para cima?


O tom de conhecimento em sua voz teve suas contas composta. —Eu sou capaz de alcançá-lo com segurança em seu resort bem protegido—, disse ela, atuando casualmente enquanto saía pela porta. —Bons sonhos—, ela jogou por cima do ombro enquanto seu olhar deslizou por seu corpo e caiu incisivamente na calça distendida. O palavrão que a seguiu pelo corredor levantou o seu espírito. Poder. Ela agora sabia que gostaria de sentir o poder nos braços de um homem. Enquanto Haley foi até o elevador com ar sonhador e entrou em sua suíte, nem percebeu que não pensou sobre Walker, o homem que ela… Queria.


Dois meses antes Joseph e George puxaram até os escritórios da Storm Corporate e se entreolharam. O edifício era elegante e moderno, não excessivamente grande, mas charmoso e bem construído, se encaixa perfeitamente com a área de negócios ocupado. Grandes painéis de vidro refletiam o sol, anunciando sua presença entre as outras estruturas ao redor. Os irmãos foram para dentro e assentiram com apreciação o mármore cinza apelativo. O esquema de cores prata e preto e uma decoração moderna do interior do edifício dava as boasvindas aos visitantes, mas os enchia de admiração ao mesmo tempo. —Parece que nosso irmão tem o verdadeiro sangue Anderson correndo em suas veias. Ele tem bom gosto. —Certamente tem. Agora se lembre, nós não queremos dominá-lo— lembrou Joseph a George. —Acho que ele vai ficar muito chocado quando ele nos enfrentar, Joseph. Não há como passar a boa aparência que está em nosso sangue—, George brincou. —Bem, quando você está certo, você está certo—, disse Joseph com uma piscadela.


Aproximaram-se da recepção, onde uma linda jovem secretária olhou para cima com um sorriso profissional antes de sua expressão congelar e ela fazer uma dupla tomada. Era quase cômico ver os olhos piscarem entre George e Joseph. —Hum...

Como...

Como

posso

ajudá-los?

Ela

gaguejou enquanto tentava reunir sua inteligência. —Estamos aqui para ver Richard Storm. —Vocês... Hum... Tem um horário? —Não, querida, nós não, mas acho que ele vai querer nos encontrar—, disse Joseph quando ele se inclinou para frente e deu-lhe o seu sorriso mais atraente. Ele era um negociador mestre, depois de tudo. —Ele normalmente não vê as pessoas sem um horário— , respondeu ainda um pouco chocada. —Eu acho que ele vai fazer uma exceção. Basta deixá-lo saber que são seus parentes—, George disse a ela com uma piscadela. A mulher se atrapalhou no telefone e apertou um botão. Ela se afastou, falando em voz baixa, mas os dois homens tinham certeza de que ela estava dizendo algo como sósias de Richard estão aqui. Eles tiveram algumas horas para processar a possibilidade de ter um irmão. O resto do mundo estava em um grande choque. —A secretária executiva dele disse para subirem. Ele está no décimo segundo andar. Ela verá vocês lá—, disse a mulher e entregou a eles um passe de elevador.


Depois de agradecer a ela, os dois foram direto, mas não rapidamente para o elevador. Nenhum deles iria admitir que borboletas

de

nervoso

dançavam

em

torno

de

seus

estômagos, mas apertaram o botão para o décimo segundo andar em silêncio e apenas olharam para as portas de metal. Eles tiveram a mesma reação da mulher atrás de outra moderna

e

eficiente

escrivaninha

quando

eles

se

apresentaram como Joseph e George Anderson. —Qual é o seu negócio com o Sr. Storm? — Ela estava um pouco mais composta do que a primeira mulher, mas eles podiam ver que ela não conseguia parar de olhar para os dois com um olhar atento e avaliador. —É um negócio familiar, privado, senhora—, George calmamente disse. Depois de um momento no telefone, ela desligou e enfrentou-os. —Sigam-me, por favor. — Nenhum deles ficou surpreso. Eles não estavam acostumados a ser negados em qualquer coisa que quisessem, então eles teriam ficado mais chocados se não conseguissem. Quando a secretária bateu na porta, uma voz gritou dizendo-lhes para entrar. O homem estava de costas para eles olhando pela janela, para a vista panorâmica do Puget Sound. Tanto Joseph quanto George passavam um monte do seu tempo em uma posição semelhante na frente de suas janelas do escritório.


A mulher saiu do escritório, embora eles pudessem ver a sua relutância e a curiosidade em seus olhos enquanto ela casualmente partiu. Eles notaram que ela deixou a porta aberta. Joseph também notou o guarda não muito longe, preparado para correr para frente em um instante se ele fosse necessário. Quando Richard Storm virou com um sorriso indulgente em seu rosto, como se estivesse prestes a apaziguar um par de velhos extravagantes, não demorou muito para que sua mandíbula

relaxasse,

enquanto

olhava

para

os

dois

estranhos. —Olá Richard. Este é o meu irmão, George, e eu sou Joseph. Nós acreditamos que temos muito a conversar—, disse Joseph quando ele se aproximou do homem que ele não tinha nenhuma dúvida que era seu irmão. Depois de um momento de pausa, Richard se recompôs e estendeu a mão. —Já nos encontramos antes? —Não. Confie em mim, nós todos lembraríamos—, George interrompeu quando tomou a mão do homem ao lado. —Acreditamos que estamos relacionados, apesar de tudo. — Não havia necessidade de rodeios. Eles já perderam sessenta e tantos anos. —Eu posso ver porque você pensaria assim. Como você sabe sobre mim? Tenho sido cuidadoso ao longo dos anos para ficar fora da mídia. Quem é você? — Como se ele fosse incapaz de suportar mais, ele mudou-se para uma área de


estar no canto de seu escritório espaçoso e afundou-se em uma cadeira. Os irmãos Anderson se juntaram a Richard. —Deixe-me explicar...—, disse George. Joseph tirou os documentos que trouxeram e George disse a Richard que eles colocaram tudo junto naquela tarde, com Joseph preenchendo as eventuais lacunas. Richard não disse absolutamente nada. Depois de meia hora, os três homens estavam sentados lá apenas olhando para o outro. —Isto não pode ser. Meus pais... Eles eram pessoas boas—, Richard finalmente engasgou quando ele olhou para a evidência convincente diante dele. —Nós sempre podemos fazer exames de sangue—, disse Joseph, com firmeza, mas com cuidado. —Eu acho que seria uma boa ideia, mas é como olhar em um espelho olhando para você. Você pode ver a imagem de nosso pai aqui. Tomamos mais depois dele. —Meu pai era Thomas Storm não importa o que um exame de sangue diz—, disse Richard automaticamente. —Sim, ele o levou e, obviamente, você o amou, mas eu acredito que você é nosso irmão. Creio que a nossa mãe e pai nunca souberam da sua existência. — Joseph disse as palavras da maneira mais gentil que pôde, mas Richard tinha que saber a verdade. Eles não poderiam perder mais tempo. —Eu só não entendo. Se isso for verdade, talvez seus pais não quisessem três crianças. Talvez eles tivessem feito


um acordo com os meus pais...— O homem estava se agarrando em palhas, não querendo acreditar que seus pais seriam capazes de sequestro. —Isso é algo que nunca vai saber Richard, e é algo que não temos de saber. Seus pais, obviamente, te amaram, como os nossos nos amaram. Nós só queremos que você seja uma parte de nossas vidas, se você é nosso irmão. A família é muito importante para nós—, disse George quando ele se inclinou para frente. —Eu não sei o que dizer. Eu preciso de algum tempo. Vou enviar para vocês exames de sangue imediatamente, apesar de tudo. Eu nunca fui um homem de me esconder da verdade, e se vocês são meus irmãos, eu gostaria muito de saber sobre vocês e suas famílias. —Isso vale o mesmo para nós, irmão. Eu não sei o que fez você decidir voltar para Seattle, mas estamos gratos que aconteceu—, disse George com um grande sorriso. Os homens conversaram por mais alguns minutos antes de Joseph e George saírem. Eles tiraram o sangue para teste no dia seguinte e, com a ajuda de sua riqueza e influência, tiveram a sua resposta naquela tarde. Richard Storm era de fato seu irmão, com DNA idêntico. Isso não respondeu à pergunta de como ele foi separado deles no nascimento, se os pais adotivos de Richard o levaram, ou se seus pais biológicos desistiram dele, mas Joseph e George conheciam seus pais - sabiam que nunca se desfariam de um dos seus.


Eles não precisam repetir para Richard, no entanto. O passado não pode ser mudado, e tudo o que podiam fazer a partir deste momento era conhecer um ao outro, se tornar a família que deveriam ter sido o tempo todo. Pode ser uma longa jornada, mas os laços familiares eram difíceis de quebrar, e determinação estava no sangue Anderson. Os corações de todos os três homens correram quando eles consideraram a perspectiva de conviver uns com os outros e suas famílias prósperas.


Crew sentou e terminou o seu charuto, enquanto esperava seu corpo voltar ao normal. Haley Sutherland pode ter pensado que precisava de treinamento sobre como se tornar a sedutora perfeita, mas se a forma como ela beijou era alguma indicação, ela estava milhas à frente de qualquer mulher que ele poderia pensar no ponto mais alto de sua cabeça. Droga, seu corpo estava em chamas, e ele não o via retornar a um estado de funcionamento tão rápido. Ela começou seu giro mundial, e ele suspeitava que não ia parar até que ele lhe ensinasse algumas lições horizontais. O sorriso se espalhando por todo seu lábio causando fracos pés de galinha para enrugar os cantos de seus olhos. Ele apostaria seu resort que ela era fogo sob os lençóis. Toda aquela energia reprimida iria explodir quando ele afundasse profundamente dentro de seu calor. Ele gemeu. Esses pensamentos não ajudaram em nada sua ereção já estava pulsando dolorosamente em suas calças. Ele precisava desesperadamente de algo, qualquer coisa como uma distração. Como uma sugestão, seu telefone tocou e ele pegou sem pensar. —Crew Storm.


—Estou indo em breve, e eu tenho companhia. —Pai? — A excitação do vivo tom de seu pai o surpreendeu. Ele não conseguia se lembrar de ouvi-lo tão feliz, não em anos, pelo menos. —Claro que é seu pai. Quem mais? —, Perguntou ele com azedume. —Desculpa. O que está acontecendo? —Você se lembra de quando eu liguei um par de meses atrás sobre aqueles dois homens que param no meu escritório? —Vagamente. Você disse que eles poderiam ser parentes nosso ou algo assim.— Crew foi amarrado em preparativos de última hora para o resort. Ele mal conseguia se lembrar da conversa. —Bem, eles estão relacionados. Isso é tudo que eu vou dizer até chegarmos. Eu quero que você veja por si mesmo. E lhe digo que eu comecei a conhecê-los e eles são homens bons, muito bons homens. Eu acho que você vai gostar deles. Eu acho que eles podem até rivalizar conosco em grandes famílias—, disse ele com uma risada maliciosa. —Parece bom, pai. É bom para você encontrar alguns parentes há muito perdidos. Mas eu pensei que seus registros de adoção foram selados. Tem certeza de que quer abrir tudo isso? —Estou absolutamente certo, filho, — ele respondeu. —Isso é bom. — Crew não sabia mais o que dizer.


—Como foi a sua inauguração? Estou ansioso para ver o que você conseguiu. —Foi ainda melhor do que eu esperava. Muita coisa mudou desde que você esteve aqui há seis meses. Vou perder este lugar...— Ele suspirou enquanto olhava ao redor seu escritório. Quanto mais pensava sobre isso, mais ele não queria deixá-lo ir. Ainda assim, ele tinha certeza de que seu apego iria desaparecer como a emoção de novos começos. —Você não tem, Crew. Eu sei que eu lhe disse que era o negócio - que todos vocês tinham que fazer lucro vendendo as empresas - mas eu acho que você já aprendeu o que eu queria de você. Estou muito orgulhoso de você. No final, você tem que escolher se você quer se contentar em um lugar, ou se você encontrou a sua paixão e quer fazer isso de novo e de novo com novos projetos. A asfixia súbita na voz de seu pai veio através da linha telefônica alta e clara. Crew não sabia o que dizer. Em toda sua vida, ele nunca ouviu seu pai chorar. Simplesmente não acontecia. Crew rapidamente mudou de assunto. —Dê-me as datas que você está vindo para que eu possa ter certeza de ter os nossos melhores quartos disponíveis para você. —Vamos precisar de três quartos, e qualquer um servirá. O ponto é ver você, não as férias—, disse Richard, então ele prometeu dar a seu filho um aviso quando ele soubesse o tempo mais exato de sua chegada.


—Três quartos? Vou ter de verificar, mas eu salvei um bloco para emergências, então eu acho que nós vamos ficar bem. — Ele fez uma pausa por um momento. Ele precisava dizer, mas era difícil para ele conseguir fazer as palavras sair. —Pai, você fez uma coisa boa, uma coisa muito boa. Crew não ia dar mais detalhes. Seu pai tinha uma cabeça grande o suficiente já. Quando Richard ficou em silêncio por vários segundos, Crew pensou que eles poderiam ter perdido a conexão. Então, ele percebeu que seu pai estava apenas tentando recuperar a compostura. —Obrigado, Crew. Agora, foi suficiente falar de negócios. Você já conseguiu encontrar uma mulher? Clássico. A declaração fez Crew sorrir no receptor de telefone. —Não, pai. Eu não estou procurando o amor. Um passo de cada vez. —Você sabe, você não está ficando mais jovem, menino. Você vai fazer trinta e cinco anos em seu próximo aniversário. É hora de se estabelecer e manter o nome da família vivo. Uma boa mulher vai acrescentar anos à sua vida. Algo sobre a tristeza de seu tom alertou Crew que algo estava errado, mas ele não conseguia descobrir o que poderia ser. Era mais provável que fosse apenas a sua imaginação, de qualquer maneira. Seu pai era tão forte e vibrante como sempre. Se alguma coisa o preocupasse, ele diria a seus filhos, apesar de seu comportamento repreensível antes de Richard finalmente estabelecer a regra.


—Eu não estou completamente pronto, pai, mas eu vou deixar você saber quando eu encontrar o caminho. Em relação às crianças, eu não vejo isso acontecendo. Eu não sou o 'tipo pai'—, ele disse, tomando uma grande baforada de seu charuto e soprando o ar para fora. —Isso é um total absurdo, menino! — Seu pai retrucou, soando muito mais como ele. Os

músculos

tensos

no

pescoço

relaxaram.

Uma

preocupação a menos. E pelo menos não estava pensando na cama de Haley Sutherland. Infelizmente, se não fosse um tipo de estresse, era outro. Sua excitação desapareceu, e seu pai parecia muito bem, mas, mais uma vez, teve seu pai nas costas, empurrando-o para se casar e sossegar. Parecia que não haveria relaxamento para ele hoje. —Pai...— alertou. —Eu estou começando a ser um homem velho, Crew, e exijo ter alguns netos antes que o bom Deus decida me levar a partir desta terra. Eu não vejo o que há de tão errado com esse pedido. Ora, a maioria das pessoas da minha idade têm pelo menos dez netos, mas oh não, não eu. Os meus filhos não pensam em levantar a próxima geração. Eles não pensam em trazer alguma felicidade em meus anos de declínio...— Richard continuou a reclamar por vários minutos, fazendo Crew colocar o telefone para baixo e correr para o armário de bebidas, onde ele serviu-se uma dose de uísque. Ele precisava de algo quente e calmante em sua corrente


sanguínea. Ele sabia que esse discurso estúpido de coração ele ouviu isso há anos, e ele sabia que não iria perder nada. Quando Crew pegou o telefone de volta, seu pai estava se aproximando do fim de sua lamentação. —... E é por isso que você precisa se acalmar! —É melhor você não estar fazendo mais intriga. Eu ainda não o perdoei por esse tempo que Sue Ellen e eu conseguimos ficar trancados na garagem de barcos durante a noite, quando eu tinha vinte e quatro anos, — Crew lembrou seu pai. —Eu não sei do que você está falando. Não fui eu quem te trancou, se é isso que você está insinuando. Mas, com a idade de vinte e quatro, você estava mais do que pronto para se casar. Raios, por agora, você deveria ter pelo menos três filhos. Eu não me importaria se cada um de vocês tivesse uma dúzia de pequenos. —Eu entendo pai. Você quer seus netos. Fale com Lance. Ele é mais propenso a dar-lhes a você do que o resto de nós. Crew sentiu uma ligeira pontada em vender o seu irmão, mas Lance era mais do tipo pai, se houvesse tal coisa. O pai deles, com sua dedicação incrível, deu a seus filhos um grande exemplo do que um pai deveria ser, não que Crew não queria filhos; era apenas algo que ele não antecipou em um futuro previsível. Hora de terminar esta chamada. —Olha pai. Sinto muito, mas estou recebendo uma chamada na outra linha—, disse ele, grato pela luz vermelha


piscando. Ele não iria dizer uma mentira deslavada, mas ele sofreu com sentimento de culpa por seu pai tempo suficiente; relatórios de zumbis na piscina do SPA poderiam ter soado bom em comparação. —Bem, bem. Mas você não tem escolha, apenas ouvir quando eu aparecer ai em baixo—, disse Richard. —Sim, você pode falar o que quiser sobre obrigação com a família novamente, e novamente, muito em breve, — Crew disse a ele. Seu tom era genial, e ele esperava que sua observação não fosse deixar seu pai chateado. Felizmente, isso não aconteceu, e ele foi capaz de dizer adeus. Crew perdeu a chamada recebida, mas não estava muito preocupado com isso. Depois de desligar o telefone, ele olhou para o relógio e descobriu, para sua surpresa, que estava se aproximando da meia-noite. O tempo realmente voa quando você não estava se divertindo. Desde que ele tinha uma reunião amanhã cedo, ele decidiu dar boa noite. Mudando seu telefone para a mesa de emergência, Crew se trancou no escritório e se dirigiu para sua suíte privativa. Se ele soubesse que ele ia passar a noite suando na cama com sonhos eróticos estrelados por Haley, ele teria ficado acordado e se afundado no trabalho em vez disso.


Crew acordou de mau humor. Ele se debateu e virou a maior parte da noite, finalmente desistindo de dormir às cinco da manhã, tropeçando da cama e indo direto para o chuveiro. Ele teria apenas gargalhado, uma cartomante colocou para fora as suas cartas de tarô e disse: —Eu vejo no seu futuro uma mulher loira louca vestindo roupas disformes. Ela vai se aproximar de você com uma proposta indecente, e você será incapaz de fazer qualquer coisa, senão pensar nela. Tanto acordado quanto dormindo. Depois de lavar o suor de seu corpo, Crew planejou seu dia. Não havia nenhum tempo como o presente, ele decidiu começar suas aulas de perdição. Para Haley tornar-se a sedutora que ela queria ser, ela precisava primeiro se sentir como uma mulher bonita. Isso era algo que Crew sabia como fazer. Ele amava o jogo do cortejo, apesar de ter sido há um tempo. Um homem que não quisesse estragar a sua mulher ou tratá-la como seu mais valioso tesouro não era digno de seu amor. E isso poderia ser divertido. Romântico nem sempre significa grandes gestos. Muitas vezes eram as pequenas coisas que mais importavam. Uma


nota dizendo como ela era bonita, uma única rosa colocada sobre seu travesseiro à noite, um chocolate sentado ao lado de sua xícara de café. Pequenas coisas para deixá-la saber que estava sempre em sua mente. Crew foi confundido frequentemente por seus colegas homens. Ele não entendia como os caras eram tão cegos para o que as mulheres queriam e precisavam. Haley queria fazer os homens migrarem para ela, mas queria ajudá-la a descobrir, e ela estava prestes a isso, por que as mulheres migram para ele, e como ele escolheu uma mulher. Uma vez que ela

soubesse o quão incrivelmente

intoxicante ela era, ela seria o tipo de garota que ele teria se aproximado uma semana atrás. Sua única falha foi a sua falta de confiança. Ela não percebeu isso, mas a única coisa que ele a estava ensinando era como amar a si mesma - todo o resto iria facilmente cair no lugar para ela depois disso. Em primeiro lugar de tudo na sua lista foi encomendar um grande buquê de rosas e lírios roxos, certificando-se que o verde combinava com a cor de seus olhos e as flores eram perfumadas o suficiente para que cada vez que ela entrasse na sala, seu cheiro iria provocar e encantar seus sentidos. Ele

também

pediu

um

pequeno-almoço

para

ser

entregue, indo diretamente a própria cozinha para garantir que não fossem cometidos erros. Ele ainda tinha que encontrar uma mulher que não poderia ser seduzida pelo chocolate acetinado e flores vibrantes. Quanto mais tempo ela


estava com ele, mais caros os presentes, mas no começo, sutileza era melhor. Deslizando as trufas de chocolate delicadas em seu prato e anexando uma nota, Crew sorriu e esperou pela chamada. Não demorou muito tempo - cerca de vinte minutos, de fato. —Crew? —, Sua voz sonolenta flutuou através da linha telefônica, ao seu ouvido. —Fale—, ele disse suavemente quando foi em direção a seu quarto. —Você tem uma maneira impressionante de um convite para café da manhã—, disse ela, sua voz suave e rouca de sono. —Eu faço o que posso—, respondeu ele quando se aproximou de sua porta. —As flores são lindas, e esse chocolate é o melhor que eu já tive—, ela murmurou ao redor da mistura doce na boca. Crew ao imaginar ela enchendo a boca com muito mais do que chocolate, teve sua virilha apertada. Oh homem, ele queria seus doces lábios carnudos em torno de seu eixo, em todo o seu corpo, mas especialmente seu eixo! —Você vai me convidar para entrar? — Praticamente sussurrou. Para si, disse: Para baixo, menino! —Bem... Você fez ser enviado um pequeno-almoço para dois. Eu odeio ver uma boa refeição desperdiçada....


—Convide-me, Haley. Esta é a Lição Três—, ele disse, com a voz propositadamente baixa e sedutora. Satisfação o encheu com o engate em sua voz. —Eu preciso de tempo para me vestir. —Então, o nosso pequeno-almoço vai ficar frio. Você está bem, tenho certeza—, ele disse com um toque de impaciência. Ele realmente queria saber o que ela usava para dormir. Seria absolutamente nada? O pensamento repentino teve seu sangue correndo. —Bem. Suba—, ela admitiu. —Eu já estou aqui. Abra a porta. — Crew desligou e esperou. Ele tinha a chave mestra no bolso, mas ele não iria utilizá-la. Ela precisava ter a confiança em si mesma para deixá-lo ir através de sua porta. A porta se abriu apenas uma fresta e Crew viu pela primeira vez os olhos verdes grandes espiando para ele. Ele não disse nada, apenas levantou as sobrancelhas, enquanto esperava por ela para abrir totalmente a porta. Ele queria empurrar, levá-la em seus braços, e saborear o chocolate em sua língua, mas ele deveria estar ensinando a ela. Isto não era sobre suas próprias necessidades, embora ele prometesse a si mesmo que iriam ser satisfeitas. Até o momento que ele tivesse terminado com Haley Sutherland, ela nunca iria pensar novamente sobre esse outro homem que esteve tão desesperada para capturar. Claro, não era como se Crew queria se encontrar sendo capturado

também.

Ele

precisava

de

alguns


estreitamentos de sua pele perfeita, alguns gritos de paixão de sua garganta esbelta, e alguns gemidos e suspiros para o ar quando ela se desfizesse em seus braços. —Você vai me deixar entrar, Haley, ou vai apenas ficar atrás da porta aberta para mim? —, Ele perguntou com um sorriso. Ela estreitou os olhos, em seguida, rolou-os quando ela deu-lhe espaço suficiente para avançar. Crew esperou pacientemente pela porta se fechar firmemente atrás dele antes que fizesse contato com os olhos. Ele estava agradecido por sua decisão, porque quando ele se virou e a viu, sua mandíbula quase caiu. Ela estava vestindo nada além de um par de shorts e um top apertado, mostrando exatamente o que ela escondeu debaixo dessas roupas largas. Para piorar a situação, o top de algodão branco era fino e apertado, mostrando-lhe a sombra de seus mamilos escuros sob o tecido macio. Sua garganta secou e ele deu um passo involuntário em direção a ela. Como

se

soubesse

exatamente

o

que

ele

estava

pensando, ela se virou rapidamente e correu em direção ao banheiro, gritando que ela

já voltava. Droga! Ela foi

provavelmente cobrir toda a pele bonita. A Lição Quatro estava vindo bem rápido, porque se ela queria seduzir um homem, ela certamente era mais do que qualificada para fazê-lo.


Crew se sentou à mesa, servindo-se de uma xícara de café quente e soltando um profundo suspiro enquanto ele se sentou em sua cadeira e esperou. Não demorou muito tempo, mas

quando

ela

voltou,

ele

descobriu

o

que

previu

corretamente: ela estava usando roupas demais. —Você deveria ter ficado em seu pijama—, disse ele, desapontado com a camisa de malha de grandes dimensões que ela jogou por cima. Pelo menos as pernas esbeltas ainda estavam em exposição. —Eu estava com frio—, ela mentiu. —Não, você não estava, Haley. Essa camisa não escondeu nada, e se você estivesse com frio, eu saberia sobre isso—, ele sorriu. Suas bochechas coraram; ela pegou um croissant e começou a mordiscar em seu canto na esperança de esconder o embaraço. —Obrigada pelos lírios - eles são os meus favoritos, mas você realmente não precisa fazer isso. Eu fui a única que lhe pediu para me ensinar a seduzir um homem. Não há absolutamente nenhuma necessidade de você tentar me seduzir—, disse ela secamente enquanto servia o chá em uma xícara e acrescentou um pouco de limão e açúcar. Crew esperou até que ele tivesse toda sua atenção antes de falar, certificando-se de capturar os olhos com seu olhar. Ele queria que ela não tivesse nenhuma dúvida com o que estava indo.


—Eu não faço qualquer coisa por meias medidas, Haley. Eu concordei com seu pedido ridículo, mas eu vou ser o encarregado aqui. Se você está indo se tornar qualquer coisa como o tipo de mulher que você está me pedindo para fazer de você, então nós faremos do meu jeito - sem queixas. A lição de hoje: é preciso perceber o seu próprio valor. Uma mulher que se sente sexy é sexy. Você não tem que ser uma modelo, você pode ser muito fina ou muito grande, e você não tem que ter a altura perfeita ou ter as curvas perfeitas. Você apenas tem que saber como usar o que você tem, e exibir na melhor luz possível. Haley

olhou

como

se

estivesse

catalogando

seus

melhores pontos. Em seguida, ela balançou a cabeça e franziu a testa. —Quais são os meus bens, então? Que ela sinceramente não sabia fez respiração de Crew ficar presa em sua garganta. Homem, ele estava ligado. Ele não sabia se ele iria fazê-lo através dessa —lição—. Sua inocência era... Emocionante. Em vez de lhe responder, Crew levantou-se da mesa. Ele perdeu todo o seu apetite... Para o alimento. Ela ficou tensa quando ele circulou em volta dela e se ajoelhou atrás de sua cadeira. Mas, para seu crédito, ela não se afastou quando ele descansou as mãos em seus ombros. —Em primeiro lugar, o seu cabelo. É impressionante. A cor é dourada, e os fios são longos e macios. — Enquanto


falava, seus dedos deslizaram através de seu cabelo. Mesmo depois de uma noite de sono, era elegante e suave ao toque. —Depois, há os olhos, o verde suave brilha com vibração e vida quando você não está olhando para baixo. Flashes de fogo quando você está determinada ou irritada. Paixão derrama deles quando você está ligada. — Sua mão se moveu para as maçãs do rosto enquanto ele falava, seu corpo pressionando contra o encosto da cadeira. Ele não queria que ela olhasse para ele, apenas sentisse suas mãos acariciandoa, e deixou suas palavras irem como uma cascata através dela para que ela pudesse se concentrar inteiramente em si mesma. —Não se esqueça do seu pescoço; sua pele esticada, cremosa, com o seu pulso batendo logo abaixo da superfície pode conduzir um homem a ser selvagem—, ele sussurrou em seu ouvido quando ele se inclinou para frente e circundou suas mãos em torno de sua garganta, seus dedos suaves enquanto ele acariciava. Seu pulso estava acelerando, fazendo sua própria corrida. Mudou-se para o lado da cadeira para que ele pudesse acariciar seu rosto e correr os lábios em sua pele lisa. Suas respostas a ele estavam alimentando seu desejo, mas ele se recusou a se deixar ficar fora de controle. Isso era a respeito de ensiná-la a abraçar sua sexualidade, e não sobre seduzi-la, mesmo que o matou. —Então, é claro, começamos a alcançar a perfeição de seus seios. Quando você não os esconde, eles podem deixar


um homem de joelhos. Eles são firmes e altos e apenas o ajuste certo para as grandes mãos de um homem—, ele gemeu enquanto suas mãos se moviam para baixo e pastavam sobre a parte externa de sua camisa, moldando suas curvas exuberantes com as palmas das mãos. Seus mamilos se endureceram sob seu toque; seu corpo ficou mole na cadeira e sua cabeça caiu para trás. Crew sabia que podia levantá-la nos braços e levá-la para a cama, fazer dela sua agora. Com uma vontade que ele não sabia que tinha, ele se forçou a continuar a sua demonstração. —Seus quadris são curvas perfeitas, levando um homem a querer agarrá-los firmemente em suas mãos enquanto ele te puxa contra seu corpo e se encaixa bem à beira da glória. Eu poderia levá-la agora para sentir um profundo prazer gratificante da minha cabeça aos meus pés—, disse ele, enquanto esfregava as mãos por seus quadris antes de vir ao redor da frente da cadeira. Ele se ajoelhou diante dela, em seguida, levou seus quadris novamente e a puxou para frente, as pernas se espalhando ao redor de suas coxas, alinhando seu calor perfeitamente com sua masculinidade terrivelmente dura. Agarrando sua parte traseira, ele apertou firmemente suas nádegas suaves quando seus olhos se abriram a menor fração de uma polegada e ela olhou para ele com fogo saltando das belas profundezas verdes dela. —Eu não vou continuar te dizendo sobre as peças mais atraentes de você, porque se o fizer, esta lição vai acabar


comigo te levando duro e rápido, e nós não estamos lá ainda, Haley. Mas, eu quero que você vá para o banheiro, se dispa e corra suas mãos sobre seu corpo. Eu quero que você feche os olhos quando você se tocar, sentir o que estou sentindo. Eu quero que você sinta o que a faz tão sexy. Sentir o que fará com que um homem rasteje sobre brasas para te tocar. Crew a puxou contra ele por apenas um momento, apenas um breve segundo, parecia, para tentar aliviar a dor latejante em sua virilha. Em seguida, saiu de suas costas e levantou as mãos, colocando as duas em seu peito, fazendo com que seus olhos se a abrissem, excitação nublando sua visão. —Vá fazer isso, Haley. Complete a sua lição—, ele gemeu quando ela flexionou os dedos automaticamente, fazendo com que o músculo em sua mandíbula saltasse a partir da quantidade de contenção que ele estava exercendo sobre si mesmo. Atordoada, Haley ficou de pé, com as pernas trêmulas. Sem uma palavra, ela virou-se e foi em direção ao banheiro. Ele não sabia se ela faria o que ele pediu ou não neste exato momento, mas ele sabia que iria afundar e que ela, eventualmente, seguiria adiante. Ele sentou-se, pensando seriamente em pegar um copo de água gelada sobre a mesa e despejá-la para baixo em suas calças ridiculamente apertadas. Quando ele ouviu um gemido macio do banheiro quando o chuveiro começou, ele quase se perdeu.


Esta lição foi demais. Crew levantou-se e pegou um moletom que ele viu pairando sobre uma cadeira. Colocando através de seu braço, ele escondeu a enorme ereção que ele estava brincando e praticamente correu de seu quarto. Apenas um funcionário tentou falar com ele, ele foi direto para sua suíte. Ele ignorou a mulher e correu para seu quarto. Ele trancou a porta atrás dele e quase não fez uma pausa antes de ir direto para o chuveiro, espalhando suas roupas ao longo do caminho. Esta aventura com Haley não ia ser boa para seu corpo - nem um pouco.


Para os próximos cinco dias, Crew testou os limites do que ele poderia suportar. Ele não sabia se ele era um glutão de castigo ou se ele estava determinado a andar por aí com certas partes do corpo ao sul do equador para sempre inchada. Haley era uma aluna ansiosa, que fez tudo, ser.... mais difícil. Se ela tivesse sido impaciente ou esnobe, teria sido muito mais fácil para ele. Ele poderia escrever – disse a ele mesmo, tentou e, em seguida, tirá-la da cabeça. Mas a luz de excitação brilhando em seus olhos cada vez que ele lhe mostrava algo novo era inebriante. No momento em que se aproximava quando ele iria levá-la para o mais distante que ela poderia imaginar. Essa

era

uma

lição que deveria

ser

ensinada

-

pessoalmente. Embora ela não fosse admitir a ele quantos parceiros sexuais que ela teve, ele sabia que não poderia ser muitos. Ela era muito tímida, muito consciente de seu próprio corpo para ter dormido com mais de alguns homens. Raios, ele não ficaria surpreso se ela tivesse estado com apenas um ou dois. Bem, pelo tempo que ele tivesse ensinando a ela, ela seria

uma

sirene

regular

na

cama.

Infelizmente,

o

pensamento dela usando essas habilidades, as habilidades que ele ensinou, com outro homem provocou uma pontada


desagradável em seu intestino. Mas ele não estava indo se debruçar sobre isso agora. Enquanto caminhava em direção à porta, ele estava determinado a manter suas mãos para si mesmo. O toque foi uma parte de ensiná-la a apreciar-se, mas que não estava no programa para hoje. Hoje era Lição Dez - ou era Doze? - Ele não conseguia se lembrar. De qualquer forma, eles estavam indo fazer compras. A roupa frouxa tinha que ir. Ela era linda, e precisava mostrar isso. Ele a colocaria em um vestido que abraça o corpo, escolheria algumas roupas, e, em seguida iria levá-la para um jantar romântico e dança. Todo homem na sala teria ciúmes e toda mulher gostaria de ser Haley Sutherland. Se ela não se sentisse viva no final do dia, ele estaria ganhando uma nota negativa. De olhos brilhantes e sorrindo, ele quase saltou de seu escritório, e foi imediatamente interrompido por seu gerente geral, que pôde suprimir a surpresa dele à animação estranha do chefe e não seria desviado de uma discussão de alguns documentos. Típico. Mas o negócio sempre veio antes do prazer, ou deveria.

Olhando para as ondas do mar batendo contra a costa da ilha, Haley estava animada para fugir do resort por um

tempo. Ela perseguiu fortemente Crew e foi persistente em


convencê-lo a ser seu professor, mas ela sentiu como se ela não conseguisse respirar na sua presença. O homem era tão avassalador – e o que era pior, ela queria o seu toque, queria mais dele. Ela gostava quando ele a tocava - queria mais do mesmo. Ela estava tentando se lembrar do por que ela o contratou - seria ainda contrato se ele não aceitaria pagamento? - Oh, bem, isso não importa. Era apenas uma questão técnica. O ponto era que ela o contratou para que ela pudesse pegar seu homem, não para que ela pudesse ser pega por seu professor. Mas ela tinha que se lembrar a cada minuto que passava com ele. E isso era um monte de minutos. Como ele conseguiu executar o seu resort com tanto sucesso quando ele estava constantemente ao seu lado? Ele reuniu uma equipe surpreendentemente eficiente, e ele trabalhava

duro na

parte da manhã.

Ele manteve o

cronograma com seus empregados quando eles estavam dentro e fora do resort durante o resto do dia de negócios. Eram as noites as mais difíceis. Quando ele estendia a cadeira para ela e empurrou-a, seus dedos deslizaram sobre seu pescoço e sua pele se arrepiou por longos minutos depois. Quando a palma de sua mão descansava na parte inferior das costas ou quando ele sussurrava palavras evocativas em seu ouvido, oh, sua resistência foi baixa. Ela nunca teve intenção de dormir com ele, mas sua vontade estava quebrando.


Qual seria a sensação de ter mãos de um homem acariciando seu corpo, para ter sua boca viajando para o lado de seu pescoço e, em seguida, capturar o mamilo inchado, molhando-o com sua língua? Parecia que era tudo o que ela pensava recentemente. Antes, quando ela imaginava um homem deitado com ela, as imagens não foram quase tão vívidas e o rosto não pertenceu a Crew Storm. Para essa matéria, o homem foi sempre sem rosto. Ela nunca realmente pensou sobre o fato. Ele certamente não tinha o rosto de Walker, o homem que ela acreditava que ela queria muito mal. Risca isso. Ela o queria, ela teria! Esta foi apenas uma questão de ela passar muito tempo com Crew. É claro que o homem estava indo para ficar dentro de sua cabeça. Crew era perigosamente masculino - pecaminosamente, na verdade. Ele era tudo o que ela devia evitar, mas ele era seu professor, assim como ela poderia ficar de fora? Ela sorriu para o pensamento. Não era culpa dela se ela estava apenas seguindo através de seu plano, certo? Se algo acontecesse entre os dois, era apenas Crew ensinando a ela, não era? Se ao menos ela não tivesse a voz de seus avós ainda em sua cabeça, fazendo-a se sentir tão culpada por seus pensamentos. Ela estava pensando em ter relações sexuais, por isso o que importava se era com seu professor ou o homem que ela pretendia seguir? Nada parecia fazer mais sentido.


Bem, ela não seria uma tola. Não era como se ela tivesse uma queda por ele. Ela estava sofrendo de um caso menor de luxúria; isso foi tudo. Era perfeitamente normal - nada para se preocupar. Com seu espírito renovado, Haley se virou da magnífica vista para o mar de sua varanda e se dirigiu para o banheiro, derramando o manto que foi um presente de Crew. A seda rosa suave deslizou sobre sua pele, fazendo-a se sentir feminina e sexy. Era bobo, realmente, como apenas um pedaço de material - mesmo material caro - pode mudar a forma como você se sentia sobre si mesma. Quando ela amarrou o cinto macio em torno de sua cintura e olhou no espelho, ela se sentiu... Sensual. Não demorou muito tempo para tomar banho e, em seguida, foi nua para seu quarto, onde ela abriu as portas do armário e olhou para dentro com desgosto. Nunca antes ela deu muita atenção ao que ela usava, mas quando ela olhou para sua roupa sem graça, tudo em tons de pastéis de bege e branco maçantes, ela desejava algo diferente. Depois de usar a camisola e robe ultra femininos, ela queria algo agradável para o dia, também. Encarando irremediavelmente em seu armário, ela sabia que não poderia usar uma varinha mágica e de repente mudar o que estava lá dentro, por isso ela precisava apenas fechar os olhos e tomar a primeira coisa que ela tocasse.


Mas uma súbita inspiração bateu nela. Crew fez apreciar as pernas quando ele correu as mãos para cima delas, comentando sobre o bom tônus muscular que tinha. Então Haley agarrou uma de suas saias longas e um par de tesouras, juntamente com o pequeno kit de costura no banheiro. Deslizando sua bata de volta, ela colocou a saia na cama e começou a arrancar pontos para fazer uma longa fenda de um lado, para parar na parte superior de sua coxa. Com um largo sorriso, ela colocou a saia sobre a tábua de passar fornecida em sua suíte. Ela foi rápida para garantir as bainhas com um ponto invisível, e quando ela escorregou para a saia e deu um passo, ela se sentiu ousada e corajosa. Se um vento forte soprasse, as pernas ficariam em exposição. Pela primeira vez, ela sentiu o desejo de vestir algo tão sexy. Virando-se para olhar no espelho, ela mexeu os quadris, sentindo-se um pouco atraente, mesmo com as coxas muito brancas tão descaradamente reveladas. Pelo menos ela se raspou, ela pensou, quando ela fez a perna dançar, amando o efeito da fenda improvisada no material macio. Seu próximo dilema era uma camisa. Apenas suas camisas de dormir eram do mesmo tipo de montado, então ela teria que ser criativa novamente. Ela pegou uma de suas blusas de botão e cortou as mangas, tomando cuidado para não cortá-la demais, e ela revirou as bordas do corte e lançou outro trabalho de bainha rápido. Então, colocando a blusa, ela deixou os cinco botões de fundo desfeitos e puxou os cantos para frente, dando um


nó frouxo, assim a camisa ficaria descansando um pouco acima da cintura de sua saia. Cerca de uma polegada de pele mostrou quando ela se movia. Melhor e melhor. Então, por que não ser ainda mais ousada? Haley desabotoou os três botões de cima, então olhou no espelho, corando um pouco com o que viu. Se Crew não fosse batido por uma volta, ela seria esmagada. A forma como a saia ficava baixa em seus quadris e a blusa estava amarrada em sua cintura a fez parecer ter uma figura de ampulheta. —Nada mal—, ela murmurou quando ela se virou para voltar para o banheiro e amarrar o cabelo em um coque um pouco sexy com uma pequena trança por ele, e tufos de cabelos voando ao redor do rosto. Sim, Crew disse a ela que ele amava o jeito que seu cabelo caia em cascata até o meio das costas, mas era um dia quente e ela não queria ficar desconfortável. Ela o usava para baixo durante a noite, embora ele a deixasse um pouco louca quando ele continuava a cair em seu rosto. Decidiu que ela estava tão pronta para o dia como ela estava e olhou para o relógio; a mãozinha no onze a surpreendeu. Ela recolheu o dinheiro, deslizando-o em sua pequena bolsa, em seguida, pegou os óculos escuros e chegou à porta. Não demorou muito tempo para chegar ao saguão e ela pensou que poderia realmente escapar quando a rica voz de barítono de Crew a pegou na porta. Ela planejou vê-lo depois de sua compra, esperando obter um pouco de cor em suas


bochechas, e tempo para pensar sobre o quão longe ela estava disposta a ir com ele em suas aulas. Mas parecia que se esgueirar para longe dele em seu próprio resort era mais fácil dizer do que fazer. —Não preciso ter aulas de compras, depois de tudo. Hesitando apenas por um momento antes de se virar com um sorriso falso, Haley respondeu sem pensar: —Eu estou indo para fora agora para olhar roupas— Não deveria ter dito a ele seus planos. —Boa. Estou pronto para sair. —Eu não estava convidando você neste momento. Até onde eu sei, homens desprezavam fazer compras—, disse ela com um ar de indiferença, tentando sugerir que ela não estava incomodada se ele vinha junto ou não. Ela não queria que ele soubesse o quanto ele estava ficando sob sua pele. Ela precisava dele por mais algum tempo - ela sabia por isso ela não podia deixar transparecer que ela estava realmente atraída por ele. Homens como Crew Storm gostavam de mulheres na bobina, e depois lançá-las de volta para o mar assim que eles fizessem a sua captura. Contanto que ele pensasse que ainda estava na caça, ele continuaria

ajudando.

Uma

vez

que

ele

sabia

como

apaixonada ela estava se tornando, a facilidade com que ela estava mordendo a isca, ele iria para as montanhas em horror.


Apoiando a mão no quadril, ela tomou uma posição casual. Resista! Resista! Disse a si mesma. —Eu adoro fazer compras. E isso passa a ser nosso plano de aula hoje—, disse ele quando ele agarrou seu braço e, em seguida, entrelaçou seus dedos. —Desculpe, Crew, mas a missão de hoje é de solo. Eu vou encontrar com você mais tarde esta noite. Você pode me ensinar como parecer para homens bonitos. — Ela riu quando tentou puxar a mão da dele. —Resistente. Eu quero estar com você esta tarde. Além disso, eu sei o que os homens gostam de ver em uma mulher, e não é por isso que você 'me contratou'? Ensiná-la a ser uma deusa do sexo. Ele a tinha lá. Ela ainda não percebeu isso, mas enquanto ele estava a bajulando, ele também a moveu para fora, e logo ele estava segurando aberta a porta do passageiro de seu carro. —Onde você está pensando em me levar? —, Perguntou ela, submetendo-se ao inevitável. Seu dia para si mesma acabou. —Shopping, é claro—, respondeu ele. —Eu disse isso antes. —Isso não é uma resposta, mas tudo bem. Se você insistir em me levar, então você está comprando. — Ela achou que iria fazê-lo reconsiderar. Errado.


Ele sorriu quando ele a ajudou a entrar. —Vai ser o meu prazer—, disse ele com um arco antes de correr para o outro lado do carro e entrar. Quando eles chegaram à pista poucos minutos mais tarde, ela se virou com desconfiança. Ele não disse nada quando ele saltou do carro, em seguida, deu a volta para o lado dela. Não foi até que eles estavam indo em direção ao helicóptero que ela percebeu que ele planejava levá-la no ar na armadilha mortal. —De jeito nenhum! —, Ela gritou e começou a se afastar. —Oh, você realmente precisa viver um pouco—, disse ele, rindo quando ele levantou-a em seus braços e a levou o resto do caminho, sem cerimônia estatelando-a no banco. Antes que Haley pudesse protestar mais, ele a amarrou, e

logo

a

miserável,

geringonça

claustrofóbica

estava

levantando-se no ar. Ela apenas fechou os olhos e orou que não iria acabar como alimento para os peixes do oceano Pacífico.


A chegada de Haley na ilha de Santa Catalina foi por balsa - uma maneira agradável e segura de se viajar através de um oceano, insistiu para si mesma. E resistiu à viagem de trem de trinta e sete horas de Seattle para Long Beach, não tentada por quaisquer companhias aéreas que prometessem levá-la do ponto A ao ponto B em menos de três horas. Jurou nunca, nunca voar em um helicóptero, não querendo ter essa sensação de não estar no controle. No chão, se você caísse, não precisava ir muito longe, mas lá no céu... Splat! Não ficava tão aterrorizada com enormes aviões quanto ficava por pequenos helicópteros, que tinha uma taxa de falha muito maior do que jatos, mas ainda assim, só voaria se fosse uma questão de vida ou morte. Ir às compras no continente certamente não seria uma emergência. Poderia, no entanto, acabar sendo uma questão de morte se o piloto errasse mesmo na menor forma. Um arrepio a percorreu quando ouviu o giro dos rotores. Felizmente, a viagem não demorou muito. Não se importava com o que Crew fosse dizer - nem escutava. Não havia nenhuma maneira que fosse voltar para ilha, a menos que fosse de barco.


Ela olhou-o enquanto a ajudava no helicóptero. Mas porque sua prioridade foi deixar as lâminas das asas letais muito atrás dela, ela decidiu esperar antes de deixá-la tê-la. Não queria nenhuma chance de que pudesse forçá-la de volta nessa maldita máquina, se o deixasse tão zangado, que decidisse cancelar o dia todo. —Se você tentar, tentar, tentar mesmo tentar me colocar de volta naquela coisa, vou perder todos os vestígios de civilização e sujeitá-lo a uma morte rápida, mas agonizante, — disse a ele, desejando que sua voz tivesse saído estrondosa e não vacilante. Quando Crew parou e olhou-a, realmente a olhou, ela viu seu rosto cair, e toda a sua indignação derreteu. Maldição, o homem realmente se importava. —Sinto muito, Haley. Pensei que tinha medo de voar, como a maioria das pessoas normais. Vamos voltar por balsa. — Seu pedido de desculpas sincero acalmou-a, o que foi melhor, ela não teria que voltar a voar! Haley tentou dizer a si mesma que seus medos eram irracionais, mas simplesmente não podia deixá-lo ir. Mesmo sabendo que a chance de uma queda para a morte em uma espiral de fumaça num helicóptero seria inexistente, ainda teria a sorte de ser um número em qualquer coisa. —Ok. Onde estamos? — Finalmente percebeu que deveriam ter voltado para o continente, mas não tinha ideia da cidade em que estavam.


—Estamos em Long Beach. Há algumas grandes lojas na ilha, mas quero levá-la para algumas lojas melhores para encontrar

algumas

roupas

maravilhosas

e

mais

especialmente um vestido assassino, — disse ele. Haley estava preocupada. Estava agindo como um moleque quando lhe disse que teria que pagar, mas sabia os preços em algumas das lojas nesta área, e não queria acabar explodindo dez mil em alguns trapos alegres. Se sentiria muito melhor indo a um shopping e encontrando uma Macy. Eles tinham roupas grandes que não lhe custariam uma fortuna. Não importa o que disse na ilha, não o faria pagar por sua roupa. Quando ele pegou-lhe a mão, levando-a para um carro, um belo Mercedes GL com um motorista segurando a porta traseira aberta, sentiu um nó no estômago. Não iria lutar com ele novamente, a não ser que houvesse uma razão para isso.

Uma hora mais tarde, houve definitivamente uma razão!

—Você está brincando comigo?! Não há nenhuma maneira que estamos fazendo compras na Rodeo Drive. Posso não ser a mais mundana das pessoas, mas já vi bastante filmes para saber que não posso olhar nem a calcinha em nenhuma dessas lojas! — Haley trovejou.


Crew imaginou que poderia querer deixar o comentário da calcinha passar. Haley estava furiosa. De qualquer forma, descobriu que o fogo cintilando em seus olhos era bastante divertido. Também queria que tivesse o vestido perfeito, e não havia nenhum lugar melhor do que o linda e famosa Rodeo Drive. —Você não está pagando, lembra? Esse foi o acordo, — lembrou ele. —Não estava falando sério, Crew. Exijo que você chame o motorista de volta neste minuto. Não acho que pessoas como eu sequer são autorizadas a andar na frente dessas lojas, — sussurrou, enquanto batia o pé. —Mesmo que não fosse uma prostituta com um coração de ouro. Maldição, a mulher esquentava quando se animava. Poderia pressioná-la contra uma das vitrines imaculadas agora e levá-la - bem, poderia se fosse um exibicionista. E não queria que o seu tiro certeiro se espalhasse por todo o site Smoking Gun. O

dia

estava

quente

e

suas

bochechas

estavam

vermelhas, e com seu cabelo ligeiramente despenteado, parecia que acabou de se arrastar da cama de um homem de sorte. Ignorando seu comentário Pretty Woman (Uma linda mulher), tentou argumentar com ela. —Olha, Haley, estou em uma missão. Você pode deixar acontecer do modo fácil ou difícil, mas isso vai acontecer. Não


mudo de ideia uma vez que ponho na cabeça, então o que vai ser? Esperou enquanto fervilhava. Ela não tinha nenhuma escolha real, a sequestrou por essa tarde. Esperou para vê-la superar ou lançar-se em uma birra. Foi tanto um teste de seu temperamento quanto uma missão para o vestido perfeito, e algumas lingeries indecentes se conseguisse esgueirar-se dentro. Finalmente, ela soltou o fôlego, enviou-lhe um olhar penetrante, e então descruzou os braços. Parecia que a batalha acabou. —Bem. Ok, mas insisto em pagar. —Não. —Então, não vou fazer isso. — Olhou-a em seus olhos para tentar intimidá-la e recuar, mas isso não estava acontecendo. Ele gostava de sua coragem. No entanto, se insistisse em comprar suas roupas, não poderia levá-la para onde queria originalmente. Não estava disposto a deixar seu orgulho teimoso quebrar sua conta bancária. Sim, lhe ofereceu dinheiro para ser seu professor, mas fez uma verificação completa do fundo nela. Não era pobre, mas estava vivendo de uma herança de seus avós e o pouco dinheiro que fazia em seu trabalho de tempo parcial, enquanto frequentava a escola. Desde que escolheu vir nesta viagem que ganhou, provavelmente nem sequer teria o emprego de tempo parcial por mais tempo. E quando essa acabasse, precisaria fazer a sua herança durar até que


terminasse com sua escolaridade e poderia conseguir um emprego decente. —Tudo bem. — Crew segurou sua mão e começou a passear pela rua com ela. Então a inspiração bateu. A melhor amiga de sua irmã trabalhava em uma das melhores lojas de vestido. Iria puxá-la de lado e se certificar de que desse a Haley uma quantidade razoável para pagar enquanto se encarregava do resto. Seria vantajoso para ambos. Haley não parecia convencida, mas foi em frente e permitiu-lhe que a levasse pela rua abaixo. Com ambos vestidos casualmente, algumas pessoas torceram o nariz, mas notou que Haley relaxou quando viu outras pessoas passeando pela bela rua com roupas semelhantes. —Nem todo mundo com o dinheiro é um esnobe, Haley. Isso é algo que deve aprender, — disse ao se aproximarem da loja. Precisava descobrir por que tinha problemas com pessoas ricas, por que tinha essas questões de dinheiro. Pelas informações que foi capaz de se lembrar, sabia que ela cresceu em um lar bastante rico. Não era pobre, por qualquer meio. Então, novamente, se fosse inteligente, poderia ser dentro de um par de anos. Enquanto adentravam, sentiu os músculos de Haley tensos. Então, quando Celia apareceu e o notou, seu rosto se iluminou e ela correu. —Crew Storm! O que está fazendo aqui? — Gritou quando jogou os braços em volta do seu pescoço e lhe deu um beijo estalado na boca.


—Cuidado, Celia. Vai arruinar sua reputação, — disse ele carinhosamente quando retribuiu o abraço. —Eu sei. Eu sei, — disse ela rolando os olhos, antes de sua atenção voltar-se para Haley. —Essa é minha amiga, Haley. Procuramos algumas roupas e o vestido de noite perfeito. Não algo muito exorbitante, mas um vestido que vai fazê-la se sentir como um milhão de dólares, — disse ele. Os olhos de Celia brilharam. —Ficarei feliz em ajudá-lo a aliviar a carteira um pouco, Crew. —Eu vou pagar, — Haley falou com firmeza, e então percebeu que estava sendo rude. —Sinto muito. Só estou um pouco nervosa. Prazer em conhecê-la. —Qualquer amigo de Crew é um amigo meu. Eu o conheço desde que tinha cinco anos de idade. Sua irmã, Brielle, e eu somos melhores amigas. Mudei-me para a Califórnia, há quatro anos. A mesma velha história triste de sempre, querer me tornar grande em Hollywood. Claro, isso nunca aconteceu. — Suspirou dramaticamente, lembrando a Crew que era uma excelente atriz. —Em vez disso, estou trabalhando no varejo, mas as coisas poderiam ser piores. Pelo menos há uma grande coleção de homens seminus que recebo para cobiçar em uma base diária. Com essas palavras, sentiu Haley relaxar. Sabia que estar perto de Celia faria o truque. Era uma menina doce, sempre foi. Precisava se concentrar mais, isso era tudo. Em


um ponto, tinha certeza de que ela e Tanner iriam acabar juntos, mas simplesmente nunca aconteceu. A hora seguinte foi um borrão quando Celia agarrou uma variedade de roupas, fazendo Haley experimentar cada uma delas, então balançando a cabeça o tempo todo. Ele teve que concordar. Claro, parecia bem em todas elas, mas nenhuma delas chamou sua atenção ainda. Queria algo que pudesse soltar faíscas. Embora não soubesse exatamente o que estava procurando, uma vez que fosse encontrado, apenas saberia. Estava olhando para baixo, lendo o New York Times, quando Celia limpou a garganta. Haley estava diante dele com saltos de três polegadas e um vestido azul esverdeado cintilante. A parte superior era estreita, com alças finas, segurando-o no lugar, e acentuando seus deliciosos seios. O vestido moldando seu corpo até logo abaixo de seus quadris, onde se estreitava um pouco, depois terminava quatro polegadas acima dos joelhos. —Perfeito, — disse em voz alta, sua língua quase saindo de sua boca. Em suas palavras, Haley sorriu ao fazer um giro completo e ele conseguiu sua primeira vista de dar água na boca, às costas nuas e primorosamente tonificadas. Nenhum tecido

bloqueava

a

visão,

e

enquanto

seus

olhos

mergulhavam para baixo, ele ansiava por correr os dedos sobre a parte superior do material, que descansava um pouco acima da curva de seu traseiro perfeitamente arredondado.


—Nós vamos levá-lo! — Não havia dúvida. Este era o vestido. —Isso foi o que pensei quando a vi nele, — Celia suspirou sonhadora. —Os sapatos são perfeitos, também. —Não poderia concordar mais. Agora, aonde vamos para comprar lingerie, Celia? —Crew perguntou. Haley corou quando se virou para ele surpresa. Sua própria pergunta estava tomando-o de surpresa, também. O pensamento dela em uma cinta-liga e meias com nada mais sobre os saltos o fez deslocar-se em seu assento. Oh, sim, estariam fazendo compras de lingerie. Certamente trabalharia em uma lição que envolvia seu ajuste a rendas e ligas para ele. Antes de muito mais, estaria levando este jogo para um nível totalmente novo. —Você deve ir para a Agent Provocateur. Nenhuma mulher pode usar qualquer uma das suas peças sem se sentir como uma absoluta deusa do sexo, — Celia insistiu, enquanto levava Haley para trás. Quando chegou a hora de pagar, escorregou para Celia seu cartão de crédito, sentindo-se um pouco culpado sobre a fraude, mas se Haley soubesse o verdadeiro custo do vestido, teria tido um pequeno ataque. Nunca pensou em dinheiro antes do dia que seu pai lhe dissera que sua herança e fundos foram retirados. Sempre teve de sobra. A vida como filho de um bilionário... Naquele primeiro ano esteve por conta própria, no entanto, lhe ensinou muito. Não tomava a riqueza como


concedido, e agora sabia o quão importante poderia ser para alguém que não tinha muito. Mas havia alguns itens que valiam a pena esbanjar. O vestido perfeito foi um deles. Surpreendentemente, Haley não lutou com ele sobre a calcinha. Estava fascinada desde que entraram na Agent Provocateur. O único problema que teve, foi a sua recusa em lhe permitir que desse a sua opinião. Nesta loja, não foi capaz de deslizar seu cartão de crédito. Haley nem sequer o deixou saber a quantia. Sabia que não ia ser barato, mas descobriria uma maneira de fazer tudo certo com ela, para suavizar o golpe financeiro. Passaram o próximo par de horas comprando mais algumas roupas, agora em boutiques menos caras, e aproveitando o belo sol da Califórnia. Quando a noite chegou, Crew levou Haley de volta a Long Beach, onde desta vez eles embarcaram em um barco particular para o passeio de 35 quilômetros para a ilha. —Vocês dois estão com sorte esta noite. Os golfinhos vieram entreter os hóspedes. —Ooh, adoro golfinhos. Tenho a intenção de aproveitar um dos passeios oferecidos na ilha, mas ainda não tive uma chance. Devo fazê-lo, antes de ir embora. Não posso acreditar que só tenho pouco mais que uma semana aqui—, disse Haley com uma careta. Crew se paralisou com suas palavras. A conheceu por menos de uma semana e já estava afeiçoando-se de forma


estranha. Era tão cheia de vida, tão cheia de felicidade. Seu entusiasmo por tudo à sua volta foi contagiante. No meio do caminho para a ilha, viram os golfinhos dançando na água ao lado do barco, exibindo-se para Crew e Haley, quando o capitão reduziu a velocidade para que pudessem apreciar o show um pouco mais. O sol estava começando a se pôr e Crew não podia lutar contra a vontade de deslizar o braço em volta dos ombros de Haley e puxá-la com força contra o seu lado. E quando ela olhou para cima, não pode resistir, curvando-se e capturou seus lábios por apenas um breve momento. Quando ela suspirou em sua boca, sentiu seu controle vacilante estalar. Iriam fazer fogos de artifício inflamar quando finalmente ficassem juntos - não poderia ser breve.


Enquanto caminhava em direção ao elevador, Haley sentiu a mordida de suas antigas inseguranças. Aqui estava ela em um vestido deslumbrante, cabelos presos num coque chique, perfeitamente maquiada. Ela até se borrifara com a essência sutil do perfume que encontrou no banheiro. Isso era o que ela queria. Ela queria virar cabeças. Ela queria sentir-se linda. Então, por que tudo dentro dela estava lhe dizendo para se virar e correr de volta para o quarto? Ela apenas queria fugir e se esconder de novo numa camiseta folgada e shorts velhos. No entanto, decidida a não deixar que seus medos ditassem suas ações, Haley marchou firme através do saguão em direção ao bar, suavemente iluminado, onde Marlin estava trabalhando. Crew apenas a instruiu para encontrá-lo às 10h no bar; tudo o que sabia era que ele a levaria para jantar. Se ela, ao menos, pudesse se animar um pouco, sentir-se menos receosa... —Porra! Você está realmente sexy! —, Haley olhou para cima para encontrar Marlin lhe dando uma piscada das mais


exageradas. —Para mulheres bonitas somente o banco ‘vip’ do bar - primeira classe—, finalizou ele ao sair de trás do balcão para lhe puxar a cadeira. —Ora, muito obrigada, gentil senhor—, recatadamente ela respondeu. E, então, tão graciosamente quanto pôde se sentou, embora tenha levado alguns minutos a mais para ficar confortável, tentado ajustar o vestido ao mesmo tempo em que posicionava os saltos no tamborete. —Gostaria de uma surpresa ou uma taça de champanhe seria o ideal para uma mulher de alta classe como você? — —Surpreenda-me. E pode parar com a bajulação, Marlin. Você está me fazendo corar—. Ela sussurrou enquanto espiava por cima dos ombros. O bar estava lotado, mas, felizmente, a multidão estava mais próxima do novo pianista e da grande lareira a gás do outro lado da sala; ninguém de longe prestando atenção a qualquer um deles. —Hei, um vestido quente, cobrindo um corpo que é ainda mais quente, merece um pouco da minha atenção especial. — —Vou contar a sua esposa—, disse ela. —Na verdade, ela está bem ali. Marlin olhou em volta, apavorado, fazendo com que o nervosismo de Haley se perdesse numa gargalhada. Ela estava aliviada porque Crew ainda não chegou, isto deu a ela os momentos necessários para relaxar.


—Eu estava apenas me divertindo um pouco. E, isso foi absolutamente cruel—, ele fez cara feia enquanto começava a misturar a bebida. —Não mexa com uma mulher de saltos, Marlin. Você perderá a parada sempre—, disse ela, ainda rindo. —E eu não sei...—, confidenciou ele ao colocar um Martini

na

frente

dela.

Ela

ergueu

as

sobrancelhas,

questionando a escolha, mas assim mesmo pegou o incrível coquetel

prateado,

mexendo-o

e

fazendo

balançar

as

azeitonas no copo. —Eu imagino que se o vestido é elegante, então você precisa de uma bebida elegante—, ele concluiu. —Entendo... Então, se eu estou com meu jeans rasgado, nada de atendimento VIP, apenas um tipo ‘meia-boca’? —Eu nunca pensaria em fazer isso com você, mocinha. Você quer que eu lhe arrume um Brazini 1 com purê de ervadoce? É delicioso. —Eu adoraria, porém vim aqui para encontrar o Crew, ele vai me levar para jantar. — Se bem que para ela o ‘Brazini’ soa muito melhor. —Isso explica o vestido novo. Eu sabia que o chefe iria atirar suas garras sobre você. Ele tem um bom olho para as mulheres bonitas. —Não é o que parece... Ele está apenas me ajudando numa situação particular – e, apesar dele ser um pé no saco,

1

Tipo de peixe


eu tenho que admitir que ele esteja fazendo um ótimo trabalho até agora—, ela reconheceu. —Mmm, isso é o que eu gosto de ouvir. Você cheira divinamente. — A tensão de Haley retornou assim que a boca de Crew pousou em seu pescoço e ele, delicadamente, lhe mordeu a pele. Num instante, ela se arrepiou toda e teve que lutar contra o desejo de se apoiar ainda mais naquele peito rígido e firme apertado contra suas costas. —Você não deveria bisbilhotar—, disse ela ao encontrar a voz. —Você nunca ouviu que não é ‘bonito’ falar sobre as pessoas pelas costas? —, informou ele. —Nós estávamos apenas discutindo meu mais recente encontro misterioso—, ela se defendeu. —Falando nisso, tudo está pronto. Sinto muito por tê-la feito

esperar.

Minha

irmã

estava

ao

telefone

e

ela

simplesmente não me deixava desligar. Melodrama é nome do meio de Brielle. —Ela está bem? —Sim, ela está bem. É apenas um ‘teatrinho de família’, Brielle está apenas tentando fazer mais do que é realmente capaz de fazer. Na verdade, isso é até divertido. Ela sempre foi a ‘caçulinha da casa’, super mimada. Terei que visitá-la, em breve, para ver como sua fazenda está funcionando. —Você disse fazenda? —, Haley perguntou. —Sim, realmente eu disse.


—OK. Você definitivamente vai ter que me dar mais detalhes. Eu preciso saber como um rico e pomposo membro da família Storm acaba trabalhando no meio da lama e do esterco. —Como você sabe que eu sou rico? —, perguntou ele com um sorrisinho idiota. Haley revirou os olhos. —Bem, vamos ver, talvez seja por conta de todos os artigos nas revistas, ou então, das inúmeras doações à caridade que a família faz. Ou, possivelmente, porque você dirige um ‘resort’ top de linha. Não, não...acho que é o Rolex—. Ela riu ao colocar seu braço no dele para que ele pudesse guiá-la.

—Noite, Marlin—, ela gritou antes deles

saírem. Para sua surpresa, ao invés de Crew levá-la em direção à entrada do resort, ele a conduziu para as portas de trás. Ela se manteve em silêncio enquanto os dois caminhavam, lado a lado, rumo às portas do pátio ornamentado atrás da elegante sala de estar. Um violinista tocava para um pequeno grupo de pessoas que bebiam vinho e comiam uma variedade de queijos e frutas. O local era incrível. Eles, então, alcançaram um pátio iluminado por luzes de velas, uma área que ela nunca viu, onde foram dispostas estrategicamente

grandes

fogueiras

rodeadas

por

espreguiçadeiras, plantas e árvores que, pelo posicionamento, ofereciam, a todos, privacidade. Ao ouvir o riso solto e vozes felizes nos diferentes recantos, Haley começou a imaginar abraços apaixonados, beijos lascivos e corações acelerados.


—Eu estou tão contente por jantarmos aqui, Crew—, disse ela suavemente. —Você escolheu muito bem. —Estou feliz que você pense assim—.

Seus olhos

seguraram os dela num intenso olhar, fazendo o coração dela quase parar. Isso realmente não estava saindo conforme o planejado...Mesmo tendo plena consciência de estar se deixando levar pelo momentâneo ‘aqui e agora’, era difícil conseguir se preocupar, com tamanha excitação. Quando o caminho terminou, ela engasgou ao observar um rico tapete vermelho estirado sobre a areia. Erguendo seu olhar para ele, sua visão embaçou ligeiramente. Que lição ele poderia estar tentando lhe ensinar agora? Sem lhe dar sequer um segundo para respirar, ele a guiou através do tal tapete até uma magnífica cabana à beira do aconchegante Oceano Pacífico. Dentro, uma mesa para dois, tendo com iluminação uma única corda suspensa, cheia de pequenas luzes cintilantes, cujo brilho tornava o ambiente íntimo e suave. Ela suspirou quando ele lhe indicou um dos assentos, deslizando-o facilmente para fora da mesa. O piso de vidro era como uma janela para a praia e dava a sensação de se estar sentando diretamente sobre a areia sem, no entanto, se arriscar a afundar nela. Depois de acomodá-la, depositando um suave beijo em sua nuca, ele se sentou à sua frente. Em pouco tempo, apareceu um garçom apresentando uma garrafa de vinho para submeter à apreciação de Crew.


—Eu espero que você não se importe, Haley, mas eu já fiz o nosso pedido. Gostaria de tomar um copo de ‘PouillyFuissé’. Tem um sabor como nada que você já provou antes. Haley assentiu com olhos arregalados e curiosos, pegando a longa taça e experimentando o refrescante líquido branco, que possuía um tentador odor de frutas e carvalho. A explosão de sabores na boca foi divina. Os vinhos que até então bebera sempre foram comprados em supermercados. Mas ela não poderia beber aquela coisa novamente, não depois disso. O garçom trouxe os pratos e desapareceu. Crew mergulhou uma colher de prata numa pequena tigela, passou alguma coisa sobre uma torrada e, em seguida, levou aos lábios dela. Instintivamente, ela deu uma mordida, torcendo o nariz para o gosto muito salgado. —Eu não gosto disso—, ela exclamou, engolindo rápido o que comeu e tomando um grande gole de vinho. Rindo, Crew deu uma grande mordida na torrada, suspirando com prazer. —Nem todo mundo aprecia caviar, nem mesmo ‘Golden Osetra’2—,comentou ele com um sorriso. —As pessoas sempre dizem que é um gosto que se adquire. Não um que eu gostaria de adquirir, Haley murmurou para si mesma, esperando que a comida melhorasse dali para frente. Aparentemente iria, porque a seguir o garçom pousou

2

Marca de caviar


um prato com salada de aspargos e pimentões vermelhos assados. —Qual é a lição nisso tudo, Crew? Eu não quero parecer ingrata porque, sem dúvida, esta é a noite mais romântica que já tive na vida, mas estou curiosa para saber o motivo disso tudo—, ela finalmente perguntou. —Esta é a maneira como uma mulher deve ser tratada, Haley.

Uma

mulher

deve

ser

idolatrada,

degustada,

saboreada. Quando uma mulher bonita toma o seu tempo para se arrumar, colocando-se num vestido estonteante, a ela deve ser dispensado um tratamento real. Homens devem cair aos seus pés, apenas por uma chance de estar em sua presença. De modo que a lição aqui é lhe ensinar como você deve esperar ser tratada por um homem. Se você quer atrair o seu homem, primeiro precisa sentir-se digna de sua atração. Uma noite de romance é uma honra. Quando um homem realmente a quer, não existem limites, ele fará de tudo para estar, nem que seja apenas uma noite, em sua presença. O tom grave e profundo de sua voz combinado às palavras proferidas deixaram Haley sem fala. - Ela estava linda?!? Claro que, quando ela se olhou no espelho naquele reluzente

vestido

azul

petróleo,

ela

bem

que

se

sentira...diferente, mais atraente. - Mas será que ela iria tão longe ao ponto de dizer-se bonita? Ninguém jamais lhe dissera isso, certamente, nunca seus avós, deste modo, como ela poderia pensar assim de si mesma?!?


Ela bem que queria acreditar que o brilho intenso nos olhos dele era real, no entanto, não era isso tudo apenas uma encenação? Ele se recusou a aceitar pagamentos para ser seu professor, mas era isso apenas um jogo para ele?!? Ela não poderia culpá-lo em nada, exceto que, e se ele a colocasse em uma situação embaraçosa, planejando apenas quebrá-la?!? Ela poderia nunca mais se curar, poderia jamais reaver a confiança em si mesma, e ela lutou desesperadamente por ela. —Eu posso ver a dúvida em seus olhos; é a sua maior fraqueza. Você tem que ter fé em si mesma. Você me pediu para ensiná-la a seduzir um homem, mas isso não é uma resposta que pode ser dada. Para seduzir um homem você tem que ter confiança em si mesma. Lembra-se do que lhe disse? Não importa se você é esbelta, atlética ou curvilínea. Não importa a cor dos seus cabelos ou olhos. Nada importa...exceto você saber e sentir-se sexy. Se você olhar nos olhos de um homem e o fizer saber que você é ‘boa demais’ para ele, então você o possuirá. A regra mais importante é que você é o que você acredita ser, por isso seja cuidadosa sobre o que pensa e como se sente sobre si mesma. Conforme ele falava a verdade brilhava em seus olhos. Haley podia perceber que ele não estava jogando com ela, não estava mentindo só para torná-la sua escrava. Era realmente assim tão simples? Poderia ela apenas acreditar ser uma recompensa digna de ser conquistada e, de repente, qualquer homem que ela quisesse seria seu ou, pelo menos, aquele que ela desejasse o suficiente?


O garçom apareceu, retirando a salada que mal foi tocada, substituindo-a pelo próximo prato: vieiras ao molho ‘soubise’3. Embora o cheiro fosse magnífico, ela estava por demais perdida no olhar de Crew para se preocupar com a comida. —Após o jantar, quando estivermos juntos ao fogo, nós nos aprofundaremos mais neste assunto. Agora, eu quero que você experimente este prato, porque eu fiz meu cozinheiro chefe prepará-lo especialmente para você—. Ele disse, abocanhando uma porção. Finalmente, desviando-se do seu olhar, Haley espetou uma vieira e a deslizou para dentro da boca, ronronando de prazer, ela praticamente derreteu em sua língua. Durante o tempo em que saborearam a refeição, Crew manteve uma conversa amena. Graças ao vinho, no momento em que o garçom entrou, trazendo a sobremesa e mais daquela extraordinária bebida, Haley estava se sentindo mais confiante. A primeira mordida nos ‘beignets’

4com

creme de café foi, sem dúvida, uma

experiência quase transcendental. O problema era que, embora a comida fosse excepcional, não havia meios de saboreá-la ao máximo, quando seu corpo inexperiente encontrava-se em tal estado de excitação, toda essa vibração era nova para ela.

3 4

Molho de cebolinhas verdes Espécie de bolinhos ou donuts


—Então, diga-me como sua irmã conseguiu acabar em uma fazenda? —, perguntou, entre uma mordidinha e outra, prolongando seu êxtase. —Eu não quero aborrecê-la durante o nosso encontro—, ele se esquivou. —Garanto que você não vai. —Bem, não diga que eu não lhe avisei—, disse ele com uma risada. —Há tempos atrás, meus irmãos e eu éramos... bem, acho que a palavra certa é....mimados. —Vocês? Mimados?!?—Ela arfou dramaticamente para depois sorrir. —Simplesmente não consigo imaginar. —Ok, sim, eu era meio estragado... Mas, isto é sobre Brielle, não sobre mim—, disse ele apertando os olhos. —Sinto muito, vou me comportar—, retrucou ela. —Como dizia, meu pai decidiu nos ensinar uma lição: senão seguíssemos suas regras, perderíamos nossa herança e fundos fiduciários. Por óbvio, isso não nos deixou escolha... e embora, muito irritados porque achávamos que nada em nossas vidas precisava mudar, acabamos fazendo da maneira como ele indicou. —Você ainda se ressente da atitude que seu pai tomou? —Não. Seis meses após suas determinações, toda minha indignação desapareceu e eu percebi que ele estava certo. Nós tínhamos nos tornado uns fedelhos mimados, pessoas realmente fúteis, sem qualquer serventia para a sociedade como um todo...Mas, veja bem, se você, em algum momento,


repetir isso que lhe falei para alguém, eu negarei até a morte—, ele acrescentou. —Os meus lábios estão selados. —Bem, o ‘projeto’ de meu pai, por assim dizer, nos obrigava a tomar um negócio arruinado e o transformar numa organização de sucesso—. Ela aguardou a continuação do relato, mas ele apenas ergueu seu copo e tomou mais um gole de vinho. —Como foi que você acabou com um hotel e sua irmã assumiu uma fazenda? —Meu pai nos deu o ‘dossiê’ de cinco diferentes empreendimentos falidos e mandou que decidíssemos entre nós o que cada um tomaria sob sua supervisão, a fim de fazer valer sua vontade. Minha irmã ficou horrorizada e se recusou a examinar qualquer das operações ali descritas. Então, tempos depois, quando ela ‘caiu no real’ e percebeu que viver na miséria não era seu forte, o que restava era apenas uma fazenda em ruínas...É claro, que ela teve um chilique e aí tentou subornar, persuadir e chantagear cada um de nós para que trocássemos nossa escolha pela famigerada fazenda. Ninguém aceitou. Então, resumindo, ela ficou atrelada a uma fazenda. —E como é que ela se sente agora? —, Haley acreditou que ela poderia se dar muito bem com o pai de Crew, porque ele parecia ser um homem de bem. —Ainda que não admita, talvez nunca o faça, ela adora. Em sua primeira semana, ela me telefonou umas dez vezes,


aos prantos, dizendo que não merecia aquilo pelo qual estava passando. Mas, decorridos alguns meses, a frequência das ligações diminuiu. Eu tinha minhas dúvidas de que ela conseguiria ‘sobreviver’, no entanto, agora, estou muito orgulhoso dela. Eu acredito que ela cresceu mais do que o resto de nós. —Ela me parece uma boa mulher. —Ela é.... Agora, porque antes, ela era nada mais do que uma pequena bruxa egoísta. E se, a lição mudou a todos nós para

melhor,

no

caso

de

Brielle,

provavelmente,

a

transformação foi ainda mais acentuada. Meus irmãos e eu estamos muito mais próximos e, neste último Natal, pela primeira vez, nós nos reunimos porque assim o desejávamos, não por mera imposição familiar. O corretivo valeu 100% e eu sou grato ao meu pai por nos dar este chute na bunda—, afirmou Crew com um pequeno sorriso. Este homem diante dela era tão firme quanto o aço sólido, quer em relação ao seu amor pela família, quer se seu foco de interesse fosse ajudar um estranho. Ele também era amável e gentil, quando necessário, além de ser leal e compassivo. Como Haley poderia se proteger de não se apaixonar por ele? Um erro fatal, isso ela sabia. O que ela não sabia era como voltar atrás e se resguardar de todas essas novas emoções que nunca antes experimentara. De alguma forma, ela teria que tentar. Será que poderia se concentrar apenas em Walker?!?... Quem??? Como? Onde? Por

quê???

Ai...Neste

momento,

ela

sequer

conseguia


visualizar o rosto do homem que motivou todo este processo bizarro, ao qual ela deu início. Enquanto

comiam,

perdidos

em

seus

próprios

pensamentos, uma silenciosa paz os rodeou. Ela torcia para que Crew nunca se tornasse um bom leitor de mentes, porque ela não queria revelar muito sobre si mesma. Terminada a sobremesa, Crew a guiou até um par de espreguiçadeiras colocadas lado a lado, numa daquelas áreas íntimas com fogueiras. Haley tirou os sapatos e deixou a areia macia e fresca deslizar por entre os seus dedos dos pés. Observando ao redor, ela notou que estavam completamente sozinhos. Esta deve ser a área privativa dele. Reclinando-se sobre a cadeira, Haley apreciava a brisa suave quando sentiu o leve roçar da mão de Crew sobre sua barriga.

Foi

o

suficiente

para

que

as

‘borboletinhas

esvoaçantes que dançavam em seu estômago’ se espalhassem por todo seu corpo, dos pés à cabeça. —Seduza-me, Haley, —, ele sussurrou. Ela virou a cabeça na direção dele, com os olhar subitamente carregado. —Eu não sei como. Você é quem deveria me ensinar—, ela murmurou. —Seduza-me, —, ele repetiu. O calor ardia entre eles. —Eu não posso...—, ela balbuciou. —Seduza-me.


Alguma coisa dentro dela ganhou vida e o seu corpo se moveu. E, ainda que ela nĂŁo soubesse o que estava fazendo, seu instinto, de algum modo, assumiu o controle, ansioso por extinguir com o fogo que queimava em suas entranhas.


Crew assistiu a chama em seus olhos quando ela fez sua decisão. Havia paixão nessas profundezas verdes, mas também havia coragem e determinação. Ela estava cansada de ser invisível e estava pronta para explorar o que estava trancado dentro dos reinos mais profundos do seu ser. Por mais difícil que era para ele manter suas mãos para si mesmo, ele recuou e esperou. Ela precisava se libertar, e para ela fazer isso, teria que fugir de sua concha. Ele não se deixaria ir longe demais, não longe o suficiente para que ela tivesse arrependimentos. Ele iria deixá-la ver o efeito que ela tinha sobre ele. Depois do seu último curso, ele dispensou seus garçons, para eliminar a possibilidade de interrupção. Ele poderia agora lhe dar uma lição participativa do que uma mulher poderia fazer a um homem. Porra, mas ele estava atraído por ela, e isso era um problema para seu nobre plano. Ele nunca teria acreditado que esta era a mesma mulher que entrou na sua vida em uma calçada e lhe ofereceu dinheiro. Ela já cresceu, e agora era hora de ele mostrar exatamente o quanto.


Levantando o tecido da saia acima dos joelhos, Haley se moveu sobre ele, montando seu colo e posicionando sua saborosa boceta para trás, diretamente contra sua ereção crescendo rapidamente. Um gemido escapou de sua garganta, e ela sorriu na vitória. Observando suas expressões enquanto ela timidamente moveu seus quadris em um círculo lento estava prestes a ter a maldita coisa mais sexy que ele já testemunhou em sua vida. Ele estava certo de que ele não iria sobreviver a sua exploração. —O que eu faço? —, ela perguntou enquanto suas mãos repousavam sobre o peito. Ele não quis dizer a ela. Ela tinha que ouvir o que seu corpo estava exigindo dela. Ela precisava deixar ir suas inibições e dançar na batida de seu coração. —Você

precisa

me

seduzir.

Faça-me

pensar

em

nenhuma outra mulher além de você—, sussurrou. Ela ficou tensa como se não soubesse a próxima etapa, em seguida, lentamente se inclinou para frente. Ele quase suspirou de alívio quando seus lábios se aproximavam dele. Ele queria provar seu sabor, devorar sua boca. Mas ela beijou apenas o canto dos lábios antes de passar para o queixo. Quando a boca dava beijos delicados ao longo de sua mandíbula, e depois sua língua alisou ao longo de seu pescoço, sua ereção saltou dolorosamente enquanto tentava escapar dos limites de sua calça. Ela poderia, obviamente, sentir sua emoção, porque ela empurrou seus quadris mais


duro contra ele enquanto os dois jogavam um jogo muito perigoso. Não sendo mais capaz de evitar tocá-la, Crew ergueu as mãos e as correu através dos fios de seu cabelo loiro macio. Retirando os grampos e a faixa que o prendia, ele suspirou quando seu cabelo caiu em cascata para baixo, criando uma cortina de incandescência entre seu rosto e seu corpo. Haley se inclinou para cima, e ele queria protestar enquanto sua boca deixou a sua pele, mas os dedos, em seguida, se mudaram para desabotoar o botão de cima da camisa, e seu coração parou por um instante antes que ele recomeçasse a bater com intensidade. Um por um, ela desabotoou os botões até que o material caiu para os lados. Em seguida, as unhas rasparam escovando ao longo dos claros cabelos no peito e ela desenhou padrões em sua pele, em seguida, circulou seus mamilos duros. Quando ela se abaixou e passou a língua sobre a pele bronzeada do seu peito, as costas se arquearam ao longo da cadeira. Ela estava aprendendo rapidamente. Ele ia ter que acabar com isso logo, antes que não pudesse. Assim quando ele estava se preparando para dizer a ela, Bom trabalho, você teve sucesso em seduzir-me, seus lábios viajaram mais baixo e o hálito quente de sua boca estava agora no seu estômago. Nenhuma palavra poderia escapar de sua garganta apertada.


Quando ele pensou que ela iria parar, ela deslizou a mão mais baixo, correndo pela dureza implorando para ser libertada. Ela deslizou os dedos hábeis em toda a cabeça de sua excitação coberta pela roupa e ele podia sentir-se perder o controle. Quando ela teve o cuidado ao abrir seu botão e zíper, sua sanidade voou para fora da janela. Ele sabia que deveria parar com isso, sabia que isso não era parte do negócio, mas ele era humano, afinal. Graças a Deus, ele sempre teve proteção com ele, planejando sexo ou não. Foi apenas algo enraizado nele, o velho lema de escoteiro. Antes que ele perdesse a cabeça completamente, juntamente com as calças, ele pegou o pacote do bolso e agarrou-o firmemente dentro da sua palma. A primeira tentativa furtiva de sua língua ao longo da ponta de sua excitação era o último de sua ruína. Sua mente ficou em branco enquanto ela trabalhou sua magia inocente. Quando ela o chupou nos recessos quentes de sua boca, ele viu estrelas. Missão cumprida. Ele desfrutou o prazer inacreditável de sua boca completamente ao redor de sua cabeça por mais alguns momentos antes que ele não aguentasse mais sem passar vergonha. —É a minha vez—, ele engasgou, em seguida, sentou-se e agarrou-a pelos quadris, puxando rapidamente seu corpo de modo que ela estava sentada em seu colo.


—Você tem um gosto salgado e doce, sedoso... Ainda tão duro. Eu quero fazer isso um pouco mais. Seu

entusiasmo

tinha-lhe

pulsando

ao

ponto

de

loucura. —Baby, você pode fazê-lo muito, mais tarde, mas agora, eu preciso provar você—, disse ele antes de puxá-la para ele e, finalmente, fechar a boca sobre a dela. Quando sua língua deslizou

dentro

simplesmente

de

não

sua

boca

conseguiria

quente, o

ele

suficiente.

sabia

que

Nada

era

suficiente. Não profundo o suficiente. Não o suficiente. Não rápido o suficiente. Não lento o suficiente. Não o suficiente de sua abertura para seu toque. Suas mãos encontraram o fecho atrás de seu pescoço e ele rapidamente o desfez antes de deslizar as alças para baixo de suas costas nuas e encontrar o zíper para desfazer a saia de seu vestido. Em poucos segundos, os seios nus estavam pressionados contra o peito nu. Com seus mamilos duros esfregando contra a sua pele, ela gemeu em sua boca, e esfregou seus quadris contra ele. Levantando seu vestido, ele rapidamente o puxou por cima da cabeça e jogou para o lado, em seguida, levantou os quadris e empurrou para baixo suas calças. A única coisa o impedindo


de entrar nela era um incrivelmente pequeno pedaço de renda preta. Enquanto sua ereção pulsava contra ela, tão quente! Ele decidiu que seria melhor mudar de posição rapidamente, antes que ele mergulhasse e satisfizesse apenas a si mesmo. Ela fez o seu trabalho de seduzi-lo, agora era a sua vez de seduzi-la. Haley engasgou ao encontrar-se de costas, olhando para Crew, cuja forma foi envolvida no céu negro com estrelas brilhantes salpicados em torno dele como uma aura. Crew sorriu para ela, tremendo de entusiasmo por ele. Beijando-a novamente, ele se deitou em cima dela, apreciando a forma como suas curvas suaves se ajustavam diretamente. Quando ela empurrou seus quadris para cima em direção a ele, seu corpo dizendo-lhe exatamente o que ela desejava, ele moveu sua boca para baixo em sua garganta, tomando um momento para sentir seu pulso animado contra sua língua enquanto seu sangue corria. O primeiro gosto de seus mamilos escuros era mágico, e ele os chupou profundo dentro de sua boca enquanto ela gemia sua aprovação. Se esbanjando em seus seios com beliscões, beijos, pinceladas de sua língua e o golpe de seus dedos enquanto suas mãos passavam em seu cabelo, Crew se sentiu a beira de quebrar. Mas só quando ele a fizesse vir que ele iria tomar o seu próprio prazer. Enquanto ele continuou acariciando seus seios generosos com uma mão, ele mudou a outra para baixo,


facilmente afastando sua calcinha a distância, em seguida, deslizando um dedo dentro o calor úmido. Quando o polegar começou a acariciar sua feminilidade inchada, ela contraiu contra sua mão, sua respiração superficial, ofegante. Ele mordeu suavemente o mamilo quando ele jogou o polegar através da sua carne macia abaixo, e depois se mudou bem a tempo de capturar seu grito com seus lábios enquanto seu corpo libertava-se, seus dedos encharcados com seu orgasmo. Antes que ela tivesse terminado, Crew mal conseguiu colocar a camisinha, após isso ele abriu suas pernas largamente e se posicionou. —Abra os olhos—, ele pediu, mal reconhecendo a sua própria voz tensa. Quando Haley pode abri-los, apenas o suficiente para ele ver como ela estava se sentindo, ele mergulhou totalmente dentro dela, quase explodindo com sua pele apertada fechada em torno dele. Antes que ele se afastasse para mergulhar de novo, a dor em seu rosto foi registrada em algum lugar em sua mente. Sua boca estava aberta enquanto suas unhas se enterraram na pele de seus braços. Crew ficou tão chocado, ele não conseguia se mover. Ela era virgem. Era evidente pelo aperto, a dor que cruzava sua face, o olhar chocado em seu rosto. —Por quê? Como? — Ele sussurrou enquanto ele se acalmava, ficando conectado dentro dela.


—Ai—, foi sua resposta. Nobre? Ha. Ele decididamente se sentiu um não herói. Finalmente recuperando uma aparência de controle, Crew puxou ternamente fora dela, em seguida, abaixou para a poltrona e pegou um cobertor que ele colocou lá antes. Ele virou-se de costas e puxou-a firmemente contra ele, em seguida, cobriu ambos. Seu corpo ainda estava pulsando perigosamente,

ele

poderia

estar

arriscando

danos

permanentes? Mas ele não terminaria até que ela falasse com ele, explicasse. Ela acabou de lhe dar algo tão especial, um presente indescritivelmente sagrado. O mínimo que ele poderia lhe dar em troca era uma chance de explicar. A única coisa que ele não daria a ela era a liberdade. Em um piscar de olhos, ela acabou de se tornar sua, e não havia nenhuma maneira que ele a estava ensinando como seduzir outro homem. Ela era sua agora, apenas sua.


Enquanto Haley estava nos braços de Crew, sua mão esfregou suavemente para cima e para baixo suas costas. Ele não disse nada enquanto ela se organizava através das emoções que variavam enchendo seu coração e girando em sua mente. Ela estava em um pouco de choque, um pouco de dor, e um monte de prazer. Seu corpo estava doendo, mas a queimação já tinha ido embora, e agora ela estava mais cheia com confusão do que com qualquer outra coisa. Ela nunca esteve antes com um homem, contudo, os seus murmúrios suaves de seduzir a transformaram em uma devassa. Não tinha sua avó uma vez lhe dito que todas as mulheres eram putas? Ela disse que a mãe de Haley foi uma prostituta e é por isso que ela engravidou. Ela culpou a mãe de Haley por ser uma prostituta, e culpou Haley por estar viva. Haley era uma abominação que nunca deveria ter nascido, e foi tudo por causa do sexo. Senhor, só de lembrar aquelas tiradas amargas nas poucas vezes em que sua avó até

mesmo

se

dignou

a

falar

com

ela

enviou

seus


pensamentos

caindo

uns

sobre

os

outros

descontroladamente. Mesmo sabendo de tudo isso, Haley ainda se deitou com um homem, ainda estava deitada em seu peito. Ela pode não ter quinze, como sua mãe teve, mas ela não pensou sobre a proteção. Suas palavras de sedução a derreteram de dentro para fora, e o instinto afogou todo pensamento racional. Seu corpo alcançou às cegas para o alívio. E ela sentiu um alívio cortar, embora Crew não tivesse. Como algo que me fez sentir tão maravilhosa poderia estar errado? E se sua avó estivesse errada? O mundo acabaria se as pessoas não fizessem novos filhos, não é? Assim, o sexo não poderia ser a coisa ruim que sua avó lhe ensinou que era. A velha tinha, obviamente, tido relações sexuais. Haley nunca pensou em questionar se sua avó pensou em si mesma como uma prostituta também. Talvez a velha hipócrita só tivesse feito isso uma vez por dever. Não surpreenderia Haley. Enquanto Haley estava nos braços de Crew, não sentia vergonha, ela se sentiu... algo indescritível. Sentia-se segura e confortada. Ela sentia como se o que estava fazendo fosse certo. —Fale comigo, Haley. Por que você não me disse que era virgem? — Quando ela estava em silêncio, ele continuou. — Eu não queria que isso fosse tão longe... Não, pelo menos esta noite. Eu só queria que você visse quão desejável você é.— Ele parou enquanto um suspiro profundo surgiu de


dentro de seu peito e vibrou através de seu corpo. — Obviamente, não há problema nenhum, porque você me fez perder a cabeça. Eu ainda estou queimando por você, embora eu saiba que não deveria estar. Sim, você é uma sedutora incrível. Curiosidade para ver se ele estava dizendo a verdade fez Haley se mover. Sua mão deslizou por seu peito, ultrapassou o seu estômago, que tremeu ao toque dela, e então foi sobre sua masculinidade ainda com o preservativo, que, fiel à sua palavra, estava duro como pedra. Sem medo, ela segurou a mão em torno de seu eixo grosso e suavemente apertou. —Haley...—, alertou. —Eu estou tentando conseguir que isso vá embora...— Sua sentença terminou com um gemido. Mas ela não queria que ele fosse embora; ela queria que ele experimentasse a mesma tempestade que sentiu. —Desculpe-me que eu não disse. Eu não estava esperando... Quer dizer, eu não pensei que nós...— As palavras dela sumiram. —Se você continuar me acariciando assim, eu não vou ser capaz de continuar a ser um cavalheiro—, alertou. Em vez de recuar, ela apertou os dedos em torno dele e moveu a mão para baixo, e, em seguida, novamente em torno da cabeça de sua excitação. —Haley—, ele gemeu quando levantou a cabeça e gentilmente tomou seus lábios nos dele. Ela não hesitou,


apertando sobre sua boca macia e aceitando a carícia de seus lábios, suas mãos finalmente se deslocaram de seu eixo unicamente para que ela pudesse apertar a cabeça. Ele trocou, então eles estavam deitados lado a lado debaixo do cobertor, sua mão subindo para segurar seu peito, mexendo as brasas mais ardentes de desejo do que nunca em seu estômago. Ela sentiu uma vibração começando a pulsar em seu núcleo, como se implorando para tê-lo dentro de seu corpo novamente. O medo da dor de sua entrada foi desaparecendo à medida que uma de suas mãos esfregou seus mamilos inchados, e a outra correu ao longo de suas costas e, em seguida, para baixo para agarrar ela seduzindo para trás. Ela mexeu em suas mãos, não sendo capaz de chegar perto o suficiente para ele. Mais. Ela precisava de mais. —Nós não devemos fazer isso. Eu não quero te machucar—, alertou. —Todo mundo faz isso, e a ligeira dor então vale o prazer—, ela respondeu. Com um gemido, Crew lentamente virou-a de costas, inclinou-se e beijou-a até que ela estava sem fôlego, então sugou o lábio inferior em sua boca. Seus quadris se levantaram, em busca de seu toque. Seus dedos se moveram para baixo em seu estômago e, em seguida, usando a umidade de seu corpo, ele esfregou os dedos sobre tão agradável local, tirando dela um gemido


lascivo. Assim enquanto ela estava apertando, se preparando para cair de cabeça sobre aquele maravilhoso penhasco novamente, ele se afastou e ela gemeu agora expressando seu protesto. Uma risada baixa em sua impaciência retumbou em seu peito. —Vamos passar por cima juntos—, disse ele enquanto ele deslizava sobre ela, seu corpo mais uma vez pronto acima dela, a cabeça de sua ereção impressionante descansando entre suas coxas. Sim. Isso era o que ela queria. Ela queria voar com ele, subir alto para o paraíso. Muito mais controlado, Crew deslizou um par de polegadas dentro de seu calor, seu corpo esticou para acomodá-lo. Sentia apenas a menor pitada de desconforto, mas ele aparentemente podia ler seu corpo melhor do que ela poderia, porque ele era lento e fácil quando ele empurrou graciosamente polegada por polegada. No momento em que seus quadris estavam nivelados contra os dela, tudo que Haley podia sentir era uma pulsação precisa para ele se mover, para atiçar as chamas do desejo que foram irradiando através de sua queima. Ele se acalmou quando ela colocou as pernas em torno de sua volta, e puxou-o com as mãos. Ela poderia ser inexperiente, mas seu corpo não estava tendo problemas para contar a ela o que precisava. Seus membros estavam se movendo como se eles tivessem um cérebro próprio.


—Eu estou tentando ser cuidadoso, Haley, — ele gemeu enquanto ela continuava puxando ele. —Leve-me, Crew. Por favor, agora—, ela implorou. —Eu preciso de você. Observando seus olhos piscarem com a necessidade, ela gritou

quando

ele

começou

a

mover-se,

lenta

e

progressivamente, dentro e fora de seu calor, fazendo com que seu corpo pulsasse. Mais próximo. Mais alto. Mais rápido. Ela estava tão perto de explodir. Ela precisava de mais, um pouco mais. Interpretando-a como um mestre, ele acelerou, batendo seu corpo contra o dela em todos os lugares certos. —Seu

corpo

é

tão

sexy,

Haley.

Eu

quero

estar

profundamente dentro de suas dobras dia e noite. A curva de seus quadris na minha mão, a esperteza de seu calor me cercando. — Crew respirava pesadamente enquanto ele continuava a empurrar dentro dela. Haley não conseguia formar palavras, só podia gemer quando

ele

os

ergueu

mais

elevados,

suas

palavras

empurrando-a ainda mais perto do limite da glória. Seus seios doíam enquanto eles esfregavam contra seu peito sólido, seu corpo totalmente inflamado.


Assim quando ela o sentiu tenso, sentiu seu corpo enrijecer, e seu eixo começou a pulsar contra as paredes do seu núcleo, Haley voou à parte, o corpo dela segurando-o com força enquanto ela vinha em espiral para baixo um longo túnel em um abismo escuro. A primeira explosão foi maravilhosa e os olhos abriram. Crew se acalmou acima dela quando os dois voaram para baixo da montanha, seus orgasmos minando sua última gota de energia. Haley mal registrou o movimento quando ele puxou de seu corpo e mudou suas posições de modo que ela estava mais uma vez em seus braços. —Obrigado por esse presente, — ele murmurou. Ela não entendia o que ele estava falando, mas ela estava envergonhada por sua inexperiência e não queria que ele percebesse o quão pouco sabia do amor. —Por que você não dormiu com um homem antes? —, Ele continuou. Isso que ela poderia responder. —Eu disse quando te conheci que eu queria aprender a seduzir um homem. Eu não sabia como. — Foi muito simples. —Só porque você não sabe como seduzir um homem não significa que os homens não estão correndo atrás de você, — disse ele, a sensação suave das pontas dos dedos continuando a trilhar preguiçosamente para cima e para baixo sua coluna, adicionando ao seu relaxamento em seus braços.


—Eu não quero que você saiba quem eu realmente sou. — O pensamento a aterrorizava. Ela estava confortável, satisfeita, feliz neste momento. Ela não queria que isso nunca acabasse. Ela não queria passar a estragar o humor para qualquer um deles. —Por favor, me diga. — Ele não estava exigindo respostas, mas parecia honestamente querer saber. Se ele corresse gritando, então, pelo menos, ela poderia dizer que ela aprendeu muito sobre si mesma. Havia uma necessidade queimando dentro dela para lhe contar, para deixá-lo dentro de seu desgosto de infância. Ela realmente não tinha ninguém para conversar antes, ninguém como um amigo. Não era suposto ser terapêutico trazer as coisas para fora de seu peito? Aqui vai, ela pensou, quando ela começou a deixar que a história derramar. —Minha mãe tinha apenas quinze anos quando ela ficou grávida de mim. Ela era de uma família muito rica e seus pais ficaram furiosos quando eles descobriram, mas ela manteve escondido tanto tempo que eles não poderiam forçá-la a fazer um aborto. Seus pais lhe disseram que ela era uma pecadora e iria queimar no inferno. Eu nasci um mês mais cedo e houve complicações graves e ela acabou sangrando até a morte em cima da mesa—, ela começou. —Oh, Haley, eu sinto muito...—, disse ele, mas ela segurou um dedo em sua boca. Se ela ia passar por isso, ela não poderia tê-lo interrompendo, ou ela desmoronaria.


—Ambos os meus avós achavam que eu era uma abominação, um pecado vindo à vida. Eles tinham vergonha de minha mãe, mas alguns de seus supostos amigos descobriram sobre mim, de modo que não poderiam me dar para adoção ou eles arriscariam trazer vergonha para sua família. Eles ficaram presos com um bebê que eles não queriam e odiavam ao olhar. —Haley—,

ele

tentou

novamente,

suspirando

e

apertando os braços em volta dela em conforto. —Eles contrataram uma babá, o que solidificou a verdade que eles nunca realmente queriam me conhecer. A única vez que até mesmo os vi foi quando eles vieram para me dizer como terrivelmente eu estava fazendo, ou que decepção eu era. Eu cresci com os funcionários, que eram bons para mim, me levando sob suas asas e me ensinando tudo o que eu precisava aprender. Meus avós não me enviaram para a escola até que eu fosse grande o suficiente para um colégio interno, e só fizeram isso para que eu estivesse fora de sua casa e eles não teriam um lembrete constante na frente deles da vergonha que sua filha trouxe sobre eles. — Haley fez uma pausa para esperar o caroço ir embora. Crew não disse nada, apenas acariciou delicadamente suas costas e esperou ela continuar. —Eu estava tão envergonhada de quem eu era, mesmo que os funcionários tentaram por anos me dizer que meus avós estavam errados. Muitos deles ficaram unicamente para


que pudessem olhar por mim quando eu estava em casa durante as férias escolares, e eu sou grata que eles fizeram. É por isso que é muito mais fácil para mim falar com as pessoas na indústria de serviços. Eu nunca fui de mostrar minha cara quando meus avós iam entreter os convidados. Eles não queriam lembrar a comunidade que eu estava por perto. Eles fizeram seu dever, oferecendo um teto sobre minha cabeça e comida, mas isso era o quão longe eles estavam dispostos a ir. —Como foi a escola? Será que ela lhe deu a liberdade? — —Não. Escola foi pior do que em casa. Meus avós pagaram meus estudos e me deram o mínimo de suprimentos e roupas, mas eu estava indo para uma escola de ricos, onde todas as outras crianças tinham muito dinheiro para gastar em atividades e socialização. Eu não tinha nada e fui deixada para trás. Todos olharam para mim como um caso de caridade, e eu fiz zero de amigos enquanto estive lá. Era solitária, é claro. Eu sempre fui. Fiquei interessada em meninos, embora eu tivesse a voz de minha avó na minha cabeça me chamando de vagabunda para sequer pensar sobre o desejo de beijar um deles. —Ela estava errada! —Eu sei disso agora. Eu honestamente sei, mas isso levou anos. Meus avós morreram quando eu tinha dezoito anos. Houve um vazamento de gás na casa e eles morreram dormindo. Mesmo que eles fossem horríveis para mim, eu


ainda sentia tristeza. Nenhuns dos empregados morreu, eles dormiam em quartos separados atrás da casa. Eles se mudaram, e nós perdemos o contato. Um casal vinha me verificar por um par de anos após a morte de meus avós, mas então eles tinham que se preocupar com suas próprias vidas. A casa ficou vazia, apenas um jardineiro vinha para garantir que a grama não crescesse. —Então, você se agarrou a isso por seis anos? —Eu não a vendi ainda. Eu honestamente não sei por quê. Demorou mais de um ano para toda a propriedade finalizar e para eu receber a minha herança uma vez que não havia testamento. Eu sempre planejei me livrar dela. Não há memórias felizes lá para mim agora, eu só não fiz isso ainda. Eu irei… —Eu não sei como posso fazer isso melhor para você, Haley. Eu não posso mesmo dizer que eu entendo, porque eu não sei. É inconcebível a mim pensar nas pessoas que tratam um de seus próprios parentes, alguém que é suposto amar, dessa forma cruel, desumana. O silêncio se estendeu entre eles quando ela tentou empurrar suas emoções cruas para baixo. Ela compartilhou sua história apenas com outra pessoa, sua conselheira na faculdade, e ela a ajudou a ver que não era uma criança do Satanás, que não merecia viver. Ainda assim, não foi fácil chegar além dos horrores da sua vida mais cedo. Odiava admitir tudo isso a Crew, uma vez que ela queria que ele a visse como algo mais do que uma criança nas


sombras, mas também se sentia bem em colocar para fora de seu peito, compartilhar esse fardo com outro ser humano, alguém que não era pago para ouvir. Por muito tempo, falar com a sua conselheira ajudou, a mulher tinha apenas sentado atrás de sua mesa e tomado notas, não esfregou as costas de Haley deixando-a saber que estaria tudo OK. Ainda assim, sem ela, Haley nunca teria tido a confiança para conseguir um emprego ou tomar estas férias que ela ganhou, ou jamais seria capaz de se aproximar de Crew para pedir sua ajuda. Levara anos para ganhar a coragem para tentar mudar quem ela era. Ela queria encontrar um homem que olhasse para ela, desejasse, talvez até amasse. Cada filme romântico que ela assistiu teve um herói correndo para salvar o dia, e ela ansiava por isso, sendo politicamente correto ou não. Ela queria seu príncipe encantado para salvá-la. —Então, você decidiu mudar a sua vida, e então você me encontrou. —Não. Não é bem tão rápido. Levei anos para trabalhar até ter a coragem de realmente encontrar um homem para me ensinar—, ela admitiu. —Eu vim aqui porque eu ganhei a viagem, e eu percebi que este era um bom lugar para encontrar um professor, porque é uma ilha, muito mais difícil para um homem escapar, — ela terminou com uma risada. —Eu não quero escapar de você. — As palavras soaram maravilhosas, mas ela não era estúpida. Ambos foram apanhados nesta noite mágica, neste momento surreal. Eles,


provavelmente, veriam as coisas de outra luz, uma vez que o amanhecer se aproximava. —Você está ensinando a me sentir diferente sobre mim, Crew. Eu senti coisas na última semana que eu nunca imaginei que eu iria, mas tudo isso é apenas uma fantasia, um jogo que eu vim para mudar quem eu sou. Ele pode funcionar, e não pode, mas eu não quero pensar no passado agora. Eu preciso permanecer na realidade. — Ela insistiu com ele para entender. —Não vamos fingir que isso é algo que não é. Após uma breve pausa, ele respondeu. —Vou concordar em viver o momento se você concordar em sair do jogo e me der uma chance. Eu não sou um cara mau, e embora me surpreenda ao dizer isso, eu gosto de você, Haley... Muito. Vamos esquecer esse outro homem que queria seduzir, e nos concentrar em ter você seduzindo somente a mim a partir de agora. Você está bem danada de boa nisso! Haley sabia que havia uma razão pela qual ela deveria protestar, sabia que ela ia descobrir o que isso era, ela pensou sobre isso por muito tempo, mas enquanto suas mãos a acariciavam, enquanto seu calor a manteve saciada e segura, ela não conseguia encontrar a falha no que ele estava pedindo a ela. Após uma breve pausa, ela balançou a cabeça. —Diga isso, Haley. — O aceno de cabeça não era bom o suficiente.


—Eu vou esquecer o outro cara... Por agora. — Ela sabia que sua resposta não era boa o suficiente para Crew, mas pelo menos ele não a estava pressionando. Os dois estavam nos braços um do outro pela próxima hora, ou duas, eles não sabiam, ouvindo o som suave das ondas do mar até que o ar frio da noite os fez admitirem que era hora de ir, quando Crew a levou ao seu quarto naquela noite, ela não lutou com ele. Ela não estava pronta para deixá-lo ir ainda. Puxando-a em seus braços para abraçá-la e nada mais, ela sentiu os primeiros sinais quentes em seu coração ignorante. Mas ela não podia estar caindo no amor com ele. Ela não sabia o que era amor, não tinha exemplos disso em sua

vida.

Suas

emoções

estavam

claramente

apenas

ultrapassando por causa de tudo o que ocorreu durante o dia e à noite. Adormecendo com um sorriso no rosto e com os braços de Crew envolvidos em torno dela, ela dormiu melhor do que já fez antes.


—Acorda. Nós estamos indo em um dos meus lugares favoritos almoçar. Haley sentia como se pesos de uma tonelada estivessem pressionando contra suas pálpebras. Acordar? De jeito nenhum. Ela estava quente, satisfeita, muito dolorida, e sem vontade de levantar da cama de novo. Talvez se ela o ignorasse, ele acabaria indo embora. Valia a pena a tentativa. —Fingir estar dormindo não vai fazer nenhum bem. Já é meio-dia. Eu comecei a trabalhar faz quatro horas e corri dezesseis quilômetros na praia, além de acalmar minha irmã em um telefonema de meia hora de duração. Crew estava parecendo muito alegre. —Exibido—, ela murmurou baixinho. Ela queria jogar um travesseiro em seu rosto, e enterrar a cabeça debaixo de outro. Ela não estava se mexendo. —Haley, eu posso ver seus músculos tensos. Eu sei que você está acordada. —Eu não estaria se você gentilmente calasse a boca—, ela resmungou, selvagemente torcendo seu corpo longe do


som de sua voz e aconchegando-se mais profundamente na suavidade do colchão. Normalmente, Haley era uma pessoa muito feliz no período da manhã, mas ela ficou acordada até tarde da noite. E de qualquer maneira, sedutoras precisavam de seu sono de beleza. —Vou levá-la para o meu lugar favorito na ilha para comer. Agora levante-se—, disse ele antes de golpeá-la de brincadeira em seu traseiro nu. Ela ficou tão chocada, que se sentou na cama, segurando o lençol contra o peito, com os olhos arregalados olhando para o rosto sorridente. Este não era o mesmo homem que ela conheceu uma semana antes. —Eu vi e provei suas curvas exuberantes ontem à noite... Duas vezes. Por que escondê-las agora? —, Ele perguntou quando se sentou na cama e passou o dedo ao longo do lençol em uma tentativa de libertá-lo de seu aperto. —Isso foi... bem, isso foi...— Ela não sabia o que queria dizer. —Algo que vamos fazer de novo e de novo—, ele terminou para ela. Haley estava em choque. Ela não sabia o que esperar esta manhã, mas certamente não esse brincalhão, alegre Crew. Esperava que ele olhasse para ela com pena, ou não olhasse para ela em tudo, tendo feito a sua conquista.


—Esse não foi o nosso acordo—, ela finalmente disse enquanto seus dedos se agarravam ao lençol, sua única proteção no momento. Ela teve um desejo repentino de vestir um de seus tops largos e se esconder durante a próxima semana. —O negócio mudou—, ele respondeu simplesmente. — Se você continuar olhando para mim com esses olhos grandes e inocentes, parecendo tão deliciosa, eu vou me esquecer de levá-la para sair, e em vez disso, vou apenas me aproveitar de você durante todo o dia. O desejo se formou instantaneamente na expressão dos redondos olhos verdes dele. Ela não estava tão certa de que era uma má ideia. —Mulher! —, Ele gemeu quando se levantou e caminhou até a porta como se fosse de alguma forma protegê-los. — Você era uma virgem e você teve um treino sério ontem à noite. Seria fazer mais mal do que bem para nós termos mais uma rodada. Por favor, pelo bem da minha saúde, também, se banhe e se vista antes de eu mudar de ideia. Com essas palavras, ele se virou e deixou o quarto da suíte, deixando Haley recostada contra a cabeceira da cama com um sorriso em seu rosto pensativo. Isso era o que ele estava falando, esta sensação de poder, de saber que ela era responsável por fazer seu corpo endurecer, por fazê-lo querê-la. Ela estava tendo uma pequena amostra do que era a sensação de ser uma sedutora, e ela gostou.


Totalmente desperta agora e pronta para seu dia com Crew, ela pulou da cama, deixando o lençol cair, sem sentimentos de vergonha quando entrou no banheiro e foi para o chuveiro. Ela não percebeu o que ele estava falando até que sua mão correu sobre a parte externa de seu centro, quando estava se lavando. Ela estava sensível, e agora grata por sua consideração. Suspeitava que caminhar ao redor seria difícil o suficiente para ela. Em pânico por um momento, quando percebeu que estava na suíte de Crew, voltou para o quarto, em seguida, suspirou de alívio quando encontrou suas roupas recémadquiridas sobre sua cama. Ele pensou em tudo. Felizmente, ela comprou algumas calcinhas de seda que não iriam raspar contra suas regiões mais baixas. Com cuidado, ela as deslizou, e, em seguida, escolheu uma saia e blusa. Haley estava feliz com o que viu no espelho. Suas novas roupas coloridas a fizeram se sentir feminina e atraente. Decidiu colocar um pouco de maquiagem, que encontrou depois de vasculhar as gavetas do banheiro em busca de uma toalhinha. Quem trouxe aqui e como sabia que ela se hospedou na suíte do proprietário? Era muito humilhante para pensar. Estava terminando de colocar seu cabelo em um coque frouxo quando Crew se juntou a ela.


—Você parece boa o suficiente para lamber de cima até embaixo, todo o seu corpo. Você cheira tão deliciosa? —, Ele perguntou quando a puxou em seus braços e abaixou a cabeça. Quando puxou seus lábios nos dela, Haley esqueceu tudo sobre dor e empurrou seu corpo contra o dele. Isso era algo que ela podia se acostumar. Com um grunhido, Crew a puxou para trás e olhou profundamente em seus olhos. —Sim. Sim, você faz—, disse ele antes de puxar para trás e segurar suas mãos. —Obrigada por trazer minhas coisas aqui—, disse ela timidamente. Ele deve ter visto o rubor em suas bochechas, porque ele respondeu a sua pergunta facilmente. —Eu fui ao seu quarto e peguei o que pensei que você pudesse precisar. —Obrigada, Crew. Eu não sei se muitos homens teriam sido tão atenciosos—, disse ela e o seguiu até a sala de estar. —Você gostaria de uma xícara de café e um bolo antes de irmos? Ela sentou-se e alegremente serviu-se de um copo, em seguida, acrescentou creme e açúcar antes de tomar um gole. Suspirando de prazer com a cafeína muito necessária, ela puxou um pé e abraçou sua perna enquanto tomava pequenos goles e tentava soprar a fumaça de seu café. Passando o bolo para que ela não arruinasse seu almoço, levou um momento estudando como Crew conduzia


um telefonema. Ela não entendia como os dois chegaram a este lugar tão rapidamente, como ela teve a ousadia de fazer amor com ele, mas ela descobriu que não se arrependia. Mesmo que seu tempo juntos acabasse logo, sabia que ia levar as memórias com ela para os próximos anos. Haley tinha a sensação de que a obtenção de mais um homem como Crew não seria uma tarefa fácil. Não importava, porém, e não valia a pena ficar pensando nisso. Ela estava vivendo no aqui e agora, e era um ótimo lugar para estar. O que aconteceu, aconteceu. Ia ser seu novo lema. No mínimo, ela iria embora com mais confiança e sabendo que estava bem satisfeita e bem tratada. Sua avó sempre disse que todos os homens iam embora depois do sexo e não se preocupavam com quem dormiam. Mesmo se isso fosse verdade, ela o tinha neste momento, e isso era algo que certamente valia a pena. Além disso, ela ia embora depois do sexo, também, pensou maliciosamente. Ninguém

poderia

prever

com

precisão

o

amanhã

perfeito. Tudo que você podia fazer era dar um palpite, fazer sua aposta, e esperar o final desejado. E isso era o que ela faria todos os dias, enquanto durasse. —Você está pronta? —, Ele perguntou quando desligou sua chamada. —Sim. Vamos ver se este restaurante é tão bom quanto você pensa que é.


—Sua fé em mim é humilhante—, disse ele, rindo, e Haley adicionou mais um item à sua lista de coisas que ela gostava sobre Crew. Ele podia rir de si mesmo.

—Pode parecer uma espelunca, mas eu estou dizendo a você, tia Mae faz a melhor comida que eu já provei, e eu tenho viajado muito. —Você não viveu aqui por muito tempo, não é? Eu pensei que você se mudou para cá há apenas dois anos. —Eu me mudei para cá há dois anos, mas a minha família é proprietária de uma casa do outro lado da ilha e passamos pelo menos um par de semanas durante o ano aqui. Descobri o café da tia Mae quando eu tinha dezesseis anos, e tenho voltado desde então. —Bem, eu espero que seja tão bom como você diz, porque agora sinto que eu poderia pegar uma faca e um garfo de um urso pardo. Crew parou e riu antes de abrir a porta do restaurante. Ficou aliviado ao vê-la querer uma refeição decente, por demasiadas vezes ela só remexia sua comida. Se ele achasse por um momento que era porque ela estava fazendo por vaidade

ou

preocupação

com

sua

figura,

desgostoso. Mulheres que faziam isso o irritavam.

ele

ficaria


Com Haley, ele suspeitava que o estresse era o maior problema. Se ela estava preocupada com alguma coisa, ou assustada, não funcionava direito. Quando ela estava feliz ou satisfeita, ele fez um bom trabalho sobre isso ontem à noite, então ela tinha um apetite sem fundo. Bem, ele a trouxe para o lugar certo. Tia Mae gostava de uma grande quantidade de comida. Ele nem sequer se preocupava em fazer o pedido quando vinha aqui. Tudo o que ela decidia trazer era sempre de alto nível. Ele podia ver a surpresa nos olhos de Haley enquanto caminhavam pela frágil porta, com altas e exuberantes plantas a moldando. O edifício precisava de uma nova camada de tinta e estava necessitando desesperadamente de móveis novos, mas não importava quantas vezes ele oferecia sua ajuda, implorava para aceitá-la, ou mesmo a forçava a aceitar, tia Mae o ignorou. As mesas estavam com marcas, mas ela apenas disse que era parte da atmosfera. Ele sabia que um destes dias, as frágeis cadeiras o deixariam com sua bunda no chão, mas a comida era divina e a decoração era apenas parte da experiência. Crew e Haley tiveram sorte de encontrar dois bancos de bar vazios, sentaram e descansaram seus braços em cima do balcão limpo, mas desgastado. Atrás havia uma janela aberta com um homem gigante limpando a testa com o antebraço enquanto virava hambúrgueres no ar.


Crew assistia Haley olhando os cartazes coloridos anunciando vários itens do menu; não havia um menu de mão à vista. As tortas ficavam em uma pequena vitrine de exibição na extremidade do balcão, e os aromas do forno derivavam para fora atormentando seus sentidos, e fazendo o estômago de Haley dar um estrondo alto. —Eu acho que você está com fome—, disse ele com um sorriso, enquanto a tia Mae se aproximava deles. Os olhos de Haley se arregalaram com a figura de vara fina que não podia chegar a um metro e meio de altura se estivesse usando saltos. Tia Mae colocou as mãos no balcão, então se inclinou para frente e deu a Crew um beijo na bochecha antes de virar os olhos suspeitos para Haley. Crew nunca trouxe uma mulher aqui, para que ele pudesse ver a surpresa nos olhos da mulher e sabia que ela estava julgando Haley. Ele não estava preocupado. Havia algo sobre Haley que atraia os outros para ela, e ele tinha certeza de que até o final de seu almoço, tia Mae estaria tentando mimá-la e mandá-la para casa com um saco carregado com alimentos. —Você não me visitou em semanas, Crew Storm. O que faz você pensar que eu vou servir qualquer coisa para você comer? — Ela fez beicinho, e Crew podia ver a surpresa nos olhos de Haley, ao ouvir a voz profunda e rouca que não combinava com o pequeno rosto e corpo. Anos de bebidas e cigarros baratos deram a ela o que era apenas um de seus muitos encantos aos olhos de Crew.


—Eu estive ocupado colocando o novo resort em funcionamento, tia Mae. Notei que você não aceitou a minha oferta de estadia de uma noite para testar meus chefs—, ele respondeu, e ela corou. —Eu não posso ficar no seu resort pretensioso. Eu nunca seria capaz de dormir de novo no meu pobre pequeno quarto no andar de cima. Irei visitá-lo alguma noite para obter uma refeição grátis. No entanto, eu não estou dizendo a você quando irei. Não quero você dizendo-lhes para fazer algo especial. A melhor maneira de ver se eles são bons o suficiente em cozinhar para você é eles não saberem quem eu sou. Embora não fosse muito conhecida, tia Mae foi uma crítica de comida com a melhor nota quando ela era mais jovem. Ficando farta com todos os terríveis pratos que ela teve

de

suportar,

desistiu

de

seu

trabalho

altamente

remunerado e acomodou-se para abrir o seu próprio lugar quase trinta anos antes. O edifício era velho então, mas em boa forma. Tempos de crise econômica fizeram os anos ásperos, mas ela ainda tinha um fluxo constante de clientes regulares. De uma forma ou outra, Crew iria ter certeza de que ela mantivesse o lugar, desde que ela gostasse, mesmo se tivesse que amarrá-la enquanto os trabalhadores entravam e faziam os reparos. —Eu não sonharia em tentar enganá-la, tia Mae. Você é muito sábia para uma mulher.


—Não seja insolente comigo, rapaz! Agora, quem é essa menina bonita que você trouxe? — Ela perguntou, virando seu olhar completamente para Haley, que deu um grande sorriso para ela. —Haley Sutherland. Prazer em conhecê-la. Crew ficou chocado com a facilidade com que Haley falou com a tia Mae. Um monte de gente era intimidado por ela à primeira vista, apesar de sua baixa estatura. Haley parecia em casa. —Bem, bem. O que você está fazendo com este vadio? O sorriso de Haley nunca falhou. —Ele disse que ia me alimentar com a melhor refeição que eu já tive. Eu mal pude resistir—, disse ela facilmente quando Tia Mae pegou um cigarro e acendeu, a fumaça rodopiando no ar. Um homem de uma mesa próxima resmungou e os olhos da tia Mae viraram, disparando diretamente para ele. —Este é o meu lugar. Se você não gosta da atmosfera, você sabe onde está a porta—, disse ela agradavelmente enquanto dava outra tragada. O sujeito olhou para baixo, espetou um pedaço de peixe e continuou a comer. Parecia que ele estava disposto a arriscar sua vida com o fumo passivo pela comida... Que devia ser alguma comida, Haley pensou consigo mesma. —Então, Haley, o que você faz? —Nada no momento. Eu parei meu trabalho para que eu pudesse encontrar um homem bom o suficiente para me


ensinar a ser a sedutora perfeita—, ela respondeu, como se estivesse falando de nada mais casual do que ir ao correio. Os olhos de Crew arregalaram em estado de choque, e ele engasgou com a água que acabou de beber. Ele balbuciou, olhou dela para a tia Mae, querendo saber o que sua amiga de longa data ia dizer sobre essa observação. Após uma breve pausa, ela apagou o cigarro e depois riu. O som era rouco, um pouco ofegante e asmático, ele sempre se preocupava se ela ia desmaiar quando fazia isso. —Eu gosto desta, Crew. Eu gosto muito dela, muito mais do que algumas dessas moças que eu vi com você na cidade. Percebo que você foi inteligente o suficiente para não trazer nenhuma delas aqui—, disse ela com conhecimento de causa. —Eu não gostava delas o suficiente para mostrar o tesouro de sua cozinha, tia Mae. —Essa

é

uma

boa

resposta,

menino,

uma

boa

resposta—, disse ela. O estômago de Haley rugiu novamente e tia Mae voltou os olhos para ela. —É melhor eu alimentá-la antes de se transformar em um esqueleto bem aqui nesta cadeira. — Com isso, ela se virou e rabiscou algo em seu bloco de notas antes de ver outro cliente, que conseguiu roubar um lugar no final do balcão. —Eu gosto dela—, Haley comentou, o fazendo ruborizar. Não deveria lhe importar o que Haley pensava da tia Mae, mas ele se importava. Sem perceber, ele estava testando ela. Timidez ele poderia entender, mas se ela empinasse o


nariz para a mulher, Crew se preocuparia profundamente, ele não queria estar com ela. —Ela é uma cabeça quente. Embora esteja na casa dos sessenta, você nunca saberia. Acho que ela vai sobreviver a todos nós—, disse ele, quando Tia Mae colocou um prato entre eles. Ao ver o olhar de cobiça nos olhos de Haley sobre o escaldante aperitivo de queijo, alcachofra e espinafre, ele caiu um pouco no amor. Ela mal tocou a sua refeição com cinco pratos, mas o menu secreto da tia Mae a estava fazendo babar. Haley comeu a maior parte do aperitivo, em seguida, devorou sua massa de camarão quando foi colocada na frente dela. Quando ela olhou para o sanduíche dele, de frutos do mar, com desejo, ele ofereceu-lhe uma mordida, em seguida, sentiu-se ficando duro com o profundo gemido de prazer quando ela engoliu. Sem sexo hoje, ele lembrou a si mesmo. Amanhã. Ele teria uma abundância de sexo com ela amanhã. E de alguma forma seria melhor mantê-la longe de sua cama o restante do dia se quisesse manter essa promessa a si mesmo. Quando os pratos foram limpos, Haley se inclinou para trás com um sorriso satisfeito. —Você estava certo. Acho que essa é a melhor refeição que eu já comi. Eu vou ter que vir aqui mais e mais enquanto eu estiver na ilha. Mas agora, eu não acho que eu poderia comer mais nada.


—Eu não duvido, — ele respondeu com uma risada desde que ela devorou a própria refeição, em seguida, comeu um quarto do seu sanduíche. Foi bom ver suas bochechas coradas e um olhar descontraído em seus olhos. —Aqui está a sua sobremesa, Srta. Haley. Esta é minha torta de frutas especial. Nem sequer tente adivinhar o que está nela; apenas desfrute o sabor celestial, — Tia Mae disse enquanto colocava uma tigela quente na frente de ambos com frutas açucaradas sob uma crosta e sorvete de baunilha derretendo no topo. —Eu não sei se podemos...— Crew começou a protestar. —Obrigada, tia Mae—, Haley interrompeu quando pegou a colher e deu uma grande colherada, colocando-a na sua língua. Quando seus olhos rolaram e ela suspirou em êxtase, o sangue correu para a virilha de Crew mais uma vez. Este almoço o estava matando. Se ele soubesse que comer uma refeição poderia ser tão malditamente erótico, ele teria levado Haley na esquina para um grande cachorro-quente com cebolas extras. Quando ela estava na metade da torta, ele observou o suco das frutas escorrendo pelo canto de sua boca e sua língua saiu para lamber, da melhor maneira que conseguia. —Deixe-me—, disse ele quando levantou o polegar e esfregou o traço do suco deixado para trás por cima do queixo e, em seguida, pelo lábio inferior úmido. Sem pensar, ele não podia parar a si mesmo, se inclinou para frente e chupou o lábio, o sabor de frutas e sorvete doce


em sua língua. Quando a ponta da língua dela deslizou sobre seu lábio, ele teve que lutar para não se agarrar firmemente a ela e beijá-la do jeito que ele queria. Não, não na frente da tia Mae. Isso era para mais tarde. Puxando para trás, ele trancou seu olhar com o dela e encheu seus olhos com promessa. Ele estava indo levá-la para atingir o mais distante do céu e nunca a deixar pensar em voltar para baixo ao chão novamente. A agitação constante dentro de seu corpo fazia valer a pena um pouco de dor, porque ele se sentia vivo e pronto para conquistar o mundo. —Crew Storm, esse tipo de olhar deve ser reservado apenas para o quarto— Tia Mae repreendeu enquanto colocava um saco sobre o balcão na frente de Haley. Crew não poderia ajudar com seu largo sorriso, conhecendo a mulher tão bem. Ela não podia deixar de alimentar aqueles que

achava

que

precisavam

de

um

pouco

mais

de

privacidade. —O que é isso? —, Perguntou Haley alegremente. Crew não sabia como ela poderia sequer pensar em querer mais comida após a refeição que comeu, mas ela ansiosamente abriu o saco e olhou para dentro. —Isso é um deleite para mais tarde. Você volte e me faça uma visita em breve, Srta. Haley, e deixe Crew em casa. Eu quero ter uma conversa de menina. —Ei...— Crew disse com mágoa simulada.


—Eu prometo que vou estar de volta em breve—, Haley sorriu. Crew não duvidava de que ela estaria lá amanhã se ela pudesse fugir. —Eu tenho que limpar agora, mas é melhor eu ver vocês dois muito mais cedo do que a seu habitual visita a cada duas semanas, Crew— ela disse com um leve brilho em seu olhar, antes de se inclinar para frente e beijá-lo na bochecha novamente, em seguida, afagando a mão de Haley. Crew puxou a carteira e colocou duas grandes notas na caixinha de gorjetas quando a tia Mae não estava olhando, e Haley pegou o apreciado saco para viagem. A brisa quente soprando lá fora era perfeita para uma caminhada. Passear de volta ao resort levou meia hora, mas tudo o que eles fizeram foi deixar o saco na recepção, certificando-se de que a equipe o entregasse no quarto de Haley e o refrigerasse. Crew a levou em uma caminhada pela área turística que ela ainda não visitou, e eles passaram o próximo par de horas entrando e saindo de lojas pequenas. Quando ela encontrou uma exótica loja antiga, correu para dentro e começou a acariciar pequenas quinquilharias e antiguidades. Em seguida, um velho fogão a lenha com uma frigideira de ferro fundido do século dezoito, chamou a atenção de Haley; Crew caminhou até uma pequena caixa de vidro. Dentro havia um diário velho, o couro estava desgastado na capa e nas bordas, mas estava aberto e ele podia ver


claramente o escrito dentro. Ele tinha certeza de que as histórias que ele continha seriam fascinantes. Num impulso, ele comprou o item precioso e o teve embrulhado, sabendo que iria encontrar um bom momento para dar a Haley como um presente. Com seus sonhos de ser uma arqueóloga, ela gostaria de receber as palavras de um antepassado colono. Quando saíram, ele também levava a compra dela, um moedor de café velho com uma caixa de madeira desgastada e uma pequena alça de ferro fundido. —Por que você iria querer isso? — Ele não viu um uso para isso. —Porque é incrível. Imagine as histórias que poderiam ser contadas sobre esta caixa. Tem bem mais de cem anos de idade, e colonos usaram para moer grãos de café nas primeiras horas da manhã, enquanto aqueciam água no fogão. Talvez uma avó tenha balançado um bebê recémnascido de sua filha enquanto a mãe descansava por alguns minutos do outro lado de uma cortina. O passado não o fascina? Você não quer saber como nossos antepassados sobreviveram a invernos rigorosos, a devastação de colheitas arruinadas, e os ataques inimigos? Crew sinceramente nunca pensou em nada disso, ele estava meio dormindo durante suas aulas necessárias de história, mas ele não queria admitir isso para ela. Que ele ignorou de onde veio, o fazia se sentir superficial e egocêntrico.


—Nós vamos ter que ir visitar o museu daqui, e mais algum no continente. —, Disse. —Ah, sim, isso seria muito divertido. Quando eu era adolescente, queria ter uma loja de antiguidades, mas eu percebi que nunca iria querer partilhar qualquer um dos itens, assim eu nunca seria capaz de ter uma loja. Minha segunda carreira dos sonhos provavelmente seria trabalhar com documentos do passado, ou em um museu. É tudo tão fascinante. Mas, se eu conseguir meu caminho, vou conduzir uma escavação arqueológica, descobrindo uma antiga cultura desconhecida. Esse é o anel de bronze 5, até onde eu estou preocupada. Crew sorriu para ela e bateu no bolso. Ele escolheu bem o presente, sabendo que ela se debruçaria através das páginas por horas. Prestar atenção quando as mulheres falavam era uma habilidade crítica de sobrevivência. Ele aprendeu

cedo

que

não

prestar

atenção

poderia

ter

consequências terríveis. A ira de sua irmã quando a ignorava foi mortal. Crew e Haley continuaram a passear pelas ruas, mas quando o sol começou a se pôr, seu telefone tocou com uma pequena emergência no resort e ele teve que voltar. —Vou encontrá-la em um par de horas—, ele prometeu antes de acompanhá-la até o elevador. Quando as portas 5

O anel de bronze era originalmente um jogo de recompensa. O objetivo do jogo era simples, um cavaleiro se senta no carrossel e quando o carrossel gira, o cavaleiro agarra um dos anéis de metal do distribuidor. Uma vez que nem todos os anéis eram de bronze - tipicamente um anel de bronze entre muitos anéis de latão – quem pegasse o anel de bronze tinha tratamento especial. O anel de bronze normalmente dava direito ao seu titular a mais um passeio no carrossel, ou poderia ser mantido como um amuleto de boa sorte, lembrança, etc.


fecharam, ele suspirou. Seu dia foi muito agradável para sequer pensar em trabalho agora. Mas, quando seu gerente veio correndo em sua direção, ele guardou seus sentimentos pessoais e focou em sua outra mulher, o resort, e sobre o homem que confiava tão bem.


O menor percalço de Crew acabou sendo um casal no quarto andar que deixou sua banheira em execução. No momento em que foi descoberto, o quarto abaixo dele estava inundado, também. Ele tinha que ter certeza que a bagunça foi limpa, seus convidados incomodados foram transferidos para um novo hotel, oferecido reembolsos totais, além de estadias e comodidades do resort livre, e o encanador foi conseguir o dano corrigido rapidamente. Então, de repente, era três da manhã. Embora exausto, ele queria ir direto para a suíte de Haley, mas ele não quis acordá-la, em vez disso, marchou para seu próprio quarto onde ele tomou um banho de dois minutos para lavar a sujeira de trabalhar na lama, em seguida, caiu de cara na cama deprimentemente vazia. Pensando que o sono seria difícil de chegar, ele ficou chocado quando acordou na manhã seguinte, às oito horas, duas horas mais tarde do que o habitual. Não teve tempo para o café da manhã com Haley que ele prometeu a si mesmo na noite anterior, ele correu para seu escritório, onde


ele foi empurrado para toda uma série de problemas que o fizeram querer arrancar seus cabelos. O dia se arrastou, ele ligou para seu quarto quando ele teve um minuto, mas quando ele não recebeu uma resposta, ele percebeu que era hora da mulher entrar na era do celular. Colocou um pedido em ordem, ele tinha um smartphone entregue no resort em seu quarto, em seguida, enviou mensagens para ela várias vezes, mas sem resposta. Onde ela foi? Ele não possuía nem ela e nem seu tempo, mas como o passar do dia, ele se manteve sentindo falta dela, que era estranho em si. No momento em que o sol estava se pondo, ele se encontrou vagando pelo resort, em busca de sua companhia. Ele estava caindo muito profundamente, ele sabia, mas não tinha vontade de puxar para trás. Os rostos em constante mudança dos novos clientes em check-in e check-out normalmente iria excitá-lo, mas nada parecia

agitar

sua

antecipação

estes dias,

exceto um

punhado de uma loira que, no papel, estava tudo errado para ele. Nada disso importava. Ele apareceu em seu bar favorito e encontrou Marlin ocupado como sempre com uma multidão cheia circulando no bar e enchendo as mesas com seu novo pianista atraindo as pessoas. A atmosfera era especialmente animada porque esta noite era o primeiro dia do Catalina Film Festival, e as multidões se reuniram na ilha na esperança de avistar uma


estrela de Hollywood. O tapete vermelho foi desenrolado, limusines

viajavam

pela

cidade

e

as

ruas

estavam

congestionadas. Crew teria sorte se conseguisse cinco minutos a sós com Haley ao longo dos próximos cinco dias. Com determinação, ele sentou-se no bar, determinado a obter informações de Marlin. Seu bartender e Haley pareciam ser bastante sociáveis, por isso esperava que seu fiel empregado pudesse saber onde ela estava. Enquanto ouvia o tilintar de copos e as vozes alegres de seus patronos, ele esperou por Marlin ter um momento livre, Crew tirou um charuto. Ele não se importava em esperar, o que significava que seu local de trabalho estava ocupado e um fluxo constante de dinheiro estava fluindo. —Desculpe ter demorado tanto, Sr. Storm. Temos sido inundados durante toda a tarde e à noite. Eu não espero que nós

iremos

abrandar

a

qualquer

momento

no

futuro

próximo—, disse Marlin enquanto ele puxava uma garrafa especial de scotch. Ele pegou um copo e serviu em três dedos do licor. Marlin fingiu estar prestes a entorpecer a experiência com cubos de gelo, mas Crew não cairia nessa piada mais. Crew pegou o vidro e saboreou o primeiro gole, apreciando a queimadura quente em sua garganta. Com a noite e o dia que ele teve, ele poderia colocar para baixo a garrafa inteira e ainda não perder a tensão em seus ombros, mas não, ele queria estar sóbrio quando ele encontrasse Haley.


—Você já tomou qualquer pausa? — Crew perguntou, desconfiado. Ele sabia que teria que trabalhar duro Marlin se não quisesse ser pego. Crew admirava a ética de trabalho do homem, mas ele não queria que seu bartender ficasse desgastado quando mais precisasse. —Por quê? Você está oferecendo para assumir? Eu acho que as senhoras iriam desfrutar. Você poderia ter minha jarra cheia muito rápido—, Marlin ofereceu com uma gargalhada, depois acendeu um cigarro e deu uma tragada. Obviamente, Marlin não teve uma pausa, ou mesmo o tempo para esgueirar-se em um de seus amados cigarros. Crew trabalhou no bar antes, e ele sabia bem o que fazer, mas esta noite ele estava em uma missão e que não incluía afastar socialites bêbados que tinham mais dinheiro do que cérebro. —Talvez outra hora, mas eu estou na ativa desde a noite passada com o sono de algumas poucas horas. Eu estou começando a sentir isso—, disse Crew quando ele soltou uma baforada de fumaça de charuto perfumado, que Marlin se inclinou para cheirar. —Você notou as duas notícias bombásticas sobre no balcão? Elas estão de olho em você desde que entrou. As gatas têm mais plástico nelas do que uma boneca Barbie, mas homem, elas são quentes! Se não fosse por minha senhora, eu poderia dar-lhes uma piscadela ou duas. Não que eu seja o seu tipo. — Marlin cacarejou novamente a sua própria marca de sagacidade.


—Sim, eu notei imediatamente. Elas são o tipo difícil de não notar nos trajes que elas estão... 'Vestindo’. Fique de olho, e se ficarem muito embriagadas, tenha a segurança as escoltando ao andar de cima. Eu não preciso que nada aconteça com duplo D gêmeos—, disse ele com uma piscadela. —Por que você não apenas as acompanha você mesmo? Eu sei como você gosta de meninas com nada além de sexo em sua mente, e acredite, essas mulheres estão querendo ficar com alguém. —Eu acho que vou passar, Marlin. Elas vão encontrar sua próxima vítima em breve—. Enquanto falava, uma das meninas

começou

a

digitalizar

o

espaço

para

novas

perspectivas, uma vez que era óbvio que Crew não estava interessado. A outra não estava desistindo tão facilmente. Ele tinha um mau pressentimento de que se ele ficasse no bar muito tempo, ela ia trabalhar a energia para se aproximar. Mulheres como ela não estavam acostumadas a fazer o primeiro movimento. Elas normalmente tinham que afastar caras. Bem, ele não era qualquer cara. —Sim, isso é o que eu pensava, especialmente com a forma como você foi todo encantado sobre Srta. Sutherland, — disse Marlin quando ele soprou fumaça, em seguida, mudou-se para o outro lado do bar rapidamente para substituir uma cerveja na frente de um cliente e um gin tônico na frente do outro.


Mesmo que Marlin não parecia estar prestando atenção, o homem tinha os olhos na parte de trás de sua cabeça. Ele manteve as bebidas vindo para que os clientes nunca tivessem a oportunidade de pensar em sair. Era por isso que este salão estava fazendo mais dinheiro no resort, ou a ilha para o assunto, por um tempo longo. —Falando de Haley, você a viu hoje? — Crew tentou perguntar casualmente, mas pelo olhar triunfante nos olhos de Marlin, ele não conseguiu minimizar a maneira como ele se sentia. É por isso que as mulheres eram nada além de problemas, Crew advertiu a si mesmo. —Sim, ela estava aqui há uma hora. Teve um pouco de sopa e biscoitos, em seguida, disse algo sobre ver o show hoje à noite. Eu aposto que você está querendo se juntar a ela nesse agradável teatro escuro. — Marlin zombava dele, fazendo um som de beijo. Sério, o homem era velho demais para estar agindo como um adolescente com tesão. —Talvez—, disse Crew sem se comprometer. Ele não podia dar a todos os seus segredos, depois de tudo. Assim como ele se levantou para sair, seu telefone tocou. Com um gemido frustrado, Crew pegou, deu adeus a Marlin, em seguida, se dirigiu para seu escritório. Perfeito. Um pouco mais até que ele chegasse a encontrar-se com Haley.


A sorte de Crew estava fora novamente, as coisas não estavam indo sem problemas em seu outro salão. O negócio não estava nem perto de ser tão bom quanto o de Marlin, e pior, um dos funcionários entrou em uma briga com um cliente e o gerente teve de demitir o homem no local. O cara teve sorte de Crew não ter sido o único a lidar com ele. Crew não poderia suportar quando a equipe ficava desagradável com seus clientes. Mesmo que o cliente estivesse errado, havia maneiras profissionais de manuseá-lo sem fazer seu resort parecer de classe baixa. Adicionando insulto e injúria, uma das garçonetes ficou doente, e seu outro bartender escorregou e torceu o tornozelo. Esta era certamente uma daquelas noites em que a lei de Murphy governava, qualquer coisa que poderia dar errado, deu. Então Crew estava atrás do bar derramando bebidas, e ele não estava feliz com isso. Seu gerente estava lutando para chamar pessoal de substituição. Isso fazia parte de possuir um resort, no entanto. Todos tinham que trabalhar de vez em quando, até mesmo o proprietário ou, por vezes, os membros


da família do proprietário. Crew daria qualquer coisa, ou quase tudo, para ter Ashton lá com ele. Cristo, seu irmão mais novo passou vários anos no Havaí como bartender, tendo aulas de surf, festas e sendo um playboy idiota. O garoto era um

profissional, mas ele virou as coisas,

felizmente. Para desgosto de Crew, não demorou muito para que o Duplo-Ds caçá-lo. Ele viu seus olhos se iluminarem quando o viram preso atrás do balcão. A dupla felina propagou um sorriso por seus rostos enquanto iam até o bar. Dois homens ansiosamente saltaram para dar-lhes suas cantadas e, em cima disso, pagaram por suas bebidas. Crew não podia reclamar. As mulheres tinham gostos caros, e os cartões de crédito dos seus admiradores acumularam alguma renda séria para ele. Se ele queria vender o resort, as margens de lucro necessitariam ser boas. Então, suprimindo os tremores de nojo, ele colocou seu sorriso mais gentil e bem-humorado quando ele se inclinou em direção a elas. Certamente flertar um pouco não poderia levá-lo em apuros. —As senhoras estão apreciando sua estadia aqui no Couture Catalina? —, Ele perguntou, mantendo a voz baixa e quente. —Mmm, bem, a noite com certeza tornou-se muito melhor agora. Estávamos no filme que ganhou o Prêmio 'Grande Comunicador'—, respondeu uma delas.


Crew mal conseguiu manter sua risada. De alguma maneira ele as imaginou em um tipo muito diferente de filme do que aquele que iria ganhar um prêmio da Fundação Presidencial Ronald Reagan. —Sim, nós poderíamos ser vistas sentadas no bar durante uma cena muito intensa—, a outra entrou na conversa ansiosamente. —Após a filmagem, outro diretor veio e falou conosco. Ele ficou muito impressionado. Vamos nos reunir na próxima semana. Em breve, estaremos no centro do tapete vermelho. — Crew não duvidava de que tipo de diretor queria se encontrar com elas. Ele tinha certeza de que se ele mesmo estivesse interessado em filmes triplo-X, ele veria as duas frentes e no centro e abertas. —Isso é maravilhoso. Eu tenho certeza que vou vê-las no próximo grande sucesso de Hollywood—, disse ele, surpreso que ele foi capaz de manter uma cara séria. As duas sorriram para ele. —Eu sou Kadence, e esta é a minha melhor amiga, Roxanne. Ele não poderia se importar menos do que com seus nomes. Mas um homem de negócios tinha que fazer o que deveria ser feito. —Nomes bonitos para senhoras encantadoras, — ele disse quando reabastecia seus copos. Mantenham-se a beber, meninas. Os tolos foram completamente ignorados, mantidos


em gastar dinheiro, e provavelmente iria trabalhar em favor dos homens. —Você é tão encantador, Crew. O que você está fazendo hoje à noite? O convite em ambos os olhos foi lido facilmente. Ele não tinha nenhuma dúvida de que um pequeno aceno de cabeça o teria na cama com ambas. Não. Ele nunca gostou de trios e nunca faria. —Ah, senhoras, vocês são demais para mim. Uma noite com vocês e eu nunca seria o mesmo homem novamente—, disse ele, como se preenchido com pesar. —Não precisa ser apenas uma noite, açúcar...—a ponta da unha vermelha de Kadence arrastou para baixo de seu antebraço e Crew estava chegando ao fim de sua paciência. Seu

flerte

não

iria

ganhar-lhe

algum

prêmio

grande

comunicador. —Crew, você está livre para ir fazer o seu trabalho de verdade agora. — Crew virou com alívio quando sua substituta mostrou-se com um sorriso no rosto. Ela podia lêlo bem, e ela sabia que ele não estava se divertindo. As duas meninas estenderam seus lábios inferiores com um beicinho. Sem dúvida, elas aprenderam isso na escola de atuação para créditos extras. —Tem

sido

um

prazer

servir

vocês

esta

noite,

encantadoras senhoras, mas o dever me chama—, disse ele, recuando.


Seus suspiros desapontados cresceram cada vez mais fraco quando ele fugiu do bar e foi direto para o teatro. Era hora dele encontrar Haley. Se ela tivesse ido para outro lugar, ele iria persegui-la de uma forma ou de outra. Escorregando dentro do salão mal iluminado, Crew olhou em volta, imaginando como ele estava indo encontrar Haley na multidão de pessoas que se aglomeravam nas mesas íntimas dispostas estrategicamente ao redor do ambiente acolhedor. Como o resto do seu recurso, a sala estava cheia com uma mistura do moderno e o charme do velho mundo. Mesas para dois e quatro foram posicionadas de modo que todos tinham uma visão perfeita do palco, mas as pessoas não estavam batendo um no outro. Ao longo da parede de trás, onde as luzes estavam no seu mais baixo, bancos corridos redondos circulavam mesas que eram apenas grandes o suficiente para armazenar bebidas e aperitivos. Ele viu casais se aconchegar ao escutar a voz mágica de sua última cantora, uma jovem mulher a quem ele não ficaria surpreso de ouvir no rádio muito em breve. Sua voz carregava os clientes para um outro mundo enquanto ela cantava de amor perdido e pontes queimadas. Ele não era normalmente um fã de canções de amor piegas, mas com sua voz, não importava o que ela estava cantando. Entregá-la ao Registro do Congresso e eles ainda ouviriam...


Crew finalmente avistou Haley em uma pequena cabine no canto de trás. Desde que ela não o notou ainda, ele tomou um

momento para

apreciar

sua

beleza

discreta,

mas

profunda, o brilho ofuscante da iluminação deixando metade do rosto nas sombras. A vocalista tinha Haley hipnotizada como o resto de seus hóspedes; como os deles, seus olhos ficaram colados ao pequeno palco na frente. Crew ficou gratificado ao ver que sua equipe se deslocava

silenciosamente

de

mesa

em

mesa,

não

perturbando o desempenho de qualquer maneira, mas mantendo os convidados fornecidos com bebidas e pratos de petiscos,

ambos

quentes

e

frios

para

evitar

qualquer

estômago roncar alto na baía. No meio de uma canção original sobre o jovem desgosto, Crew deslizou ao lado de Haley, finalmente capturando o seu olhar e vendo seus olhos crescem cheios de prazer. Ele sabia que era um caso perdido. Em um ridiculamente curto espaço de tempo, ele estava caindo de cabeça nesta mulher. Ela tirava seu fôlego, e ele se viu querendo dar a ela a lua e as estrelas. Oh, bom sofrimento.

Balançando

a

cabeça,

ele

culpou

seus

pensamentos bobos as letras e voz fascinante da sala. Quem não gostaria de pensar em felizes para sempre depois daqui? Ele criou o quarto com apenas isso em mente, embora não para si mesmo.


Tentando ganhar de volta a respiração que parecia ter deixado seu peito, Crew inclinou-se e tomou os lábios de Haley, passando a língua ao longo das linhas suaves de sua boca exuberante até que ela levantou as mãos para cima e agarrou seu pescoço, aprofundando o beijo como se seu tempo recentemente separados foi doloroso para ela também. Antes de que seu abraço ficasse muito aquecido para o público, ele relutantemente se afastou e olhou em seus olhos brilhantes. A luz das arandelas e lustres de gotejamento macio

fazia

quase

translúcida.

Perdendo-se

neles

era

exatamente o que ele queria fazer. —É bom ver você, — ele sussurrou enquanto aninhou seu pescoço. —Vou passar o dia longe de você a qualquer momento se eu conseguir outro beijo assim—, disse ela com voz rouca. Ele queria levá-la a partir da sala à direita, em seguida mostrar-lhe o quanto ele sentia falta dela. —Boa noite, Sr. Storm. Devo levá-lo a seu habitual? — Com um suspiro, Crew se inclinou para trás e acenou para sua garçonete. —Adicione o molho de espinafre e batatas fritas assadas frescas e consiga Joey colocando em uma tigela de sopa. — Ele estava morrendo de fome. Normalmente, apenas os aperitivos foram servidos no teatro, mas não se aplicava a ele. —Oooh, eu vou ter o mesmo, mas eu posso ter um pouco de pão, também? — Haley pediu. Sua garçonete assentiu com a cabeça e saiu correndo.


—Você ainda não comeu? —, Perguntou. —Não. Eu estava correndo ao redor da cidade hoje e esqueci. Então, eu estava tão extasiada com o show, a comida era a coisa mais distante da minha mente. Agora que você tocou no assunto, embora, eu não posso pensar em outra coisa. —Podemos sair e eu vou levá-la para um jantar de verdade. Ou, melhor ainda, podemos ir para o meu quarto e pedir o serviço de quarto. Eu tenho um desejo repentino de morangos e champanhe, de preferência comido sobre sua pele. Os olhos de Haley brilhavam enquanto ela considerava seriamente a sua sugestão. Uma palavra, e ele teria de bom grado deixado a mesa e a arrastado para longe. —Não. Seria indelicado sair em seu desempenho. Ela está fazendo um belo trabalho. Nós vamos ter a sopa como um antepasto, então os morangos para a sobremesa—, prometeu. O corpo de Crew instantaneamente endureceu com as suas palavras corajosas. Onde estava a mulher tímida, mas determinada que ele conheceu na primeira vez? Parecia que ela estava lentamente sendo substituída por esta mais confiante, fascinante fêmea, e ele mal conseguia manter as mãos longe dela. Embora

o desempenho da

vocalista

permanecesse

impecável, Crew não parava de olhar para o relógio. Seu


corpo superaquecido foi pressionado contra o dela por apenas uma noite, e agora ele precisava de uma repetição. A comida veio e ajudou a aliviar um pouco pelo menos uma das suas fomes, mas não fez nada para a necessidade insaciável ainda rasgando as suas entranhas. Quando a canção final terminou, Crew aplaudiu ruidosamente, um pouco por sua cantora, e muito, porque agora ele poderia obter Haley sozinho. —Vamos—, disse ele com urgência; ele levantou-se e estendeu a mão. —Você está ansioso! — Ela sorriu e deixou ajudá-la a partir da cabine intimista. —Você não pode imaginar—, ele gemeu quando ele começou a levando em direção às portas. —Eu

sei

que

você

quer

chegar

em

cima

imediatamente, Crew, mas eu estou tão quente agora. Poderia dar um pequeno passeio lá fora comigo primeiro? Haley deve secretamente odiá-lo e queria que ele expirasse frustração sexual, ele pensou. No entanto, incapaz de negar seu pedido, ele bateu para baixo o monstro arranhando para ser liberado dentro dele, e levou-a através do lobby para as portas de trás, movendo-se rapidamente para a praia. Este seria o passeio mais rápido que ele já tomou, não que ele fosse um homem que normalmente tomou passeios. Ele estava correndo tanto ou dormindo; que não parecia haver um meio-termo com ele.


—Amari é uma bela cantora. Eu podia ouvi-la durante toda a noite—, disse Haley. Quando chegaram à beira da água, ela tirou os sapatos e deixou as ondas espirrarem sobre os dedos dos pés. Ele foi forçado a recuar um passo para trás ou arruinaria seus sapatos de couro favorito. —Sim, eu tive a sorte de encontrá-la antes de uma gravadora pegá-la. Não vai demorar muito tempo - ela é incrivelmente

talentosa.

Tenho

um

contrato

por

oito

semanas, embora, de modo que este pode muito bem ser seu último show pessoal antes que ela grave alguma coisa e se torne uma estrela. Ele não queria falar sobre o ato de sua atração principal. Ele queria falar sobre os dois, mas ele podia ver que Haley estava evitando o assunto por algum motivo. Os alarmes soaram em sua mente e em sua virilha. Se ele não levá-la hoje à noite, ele teria de tomar um longo mergulho na água fria atualmente acariciando seus pés - algo que ele preferia estar fazendo a si mesmo. —Eu cresci a menos de cem milhas do oceano, mas ainda assim eu nunca cheguei lá até um par de anos atrás. Como é triste isso? Eu me pergunto quantas pessoas têm histórias semelhantes para contar. Há apenas tanta beleza no mundo, e a maioria de nós nem sequer vê um por cento do mesmo. Algum dia vou viajar pelo mundo inteiro e olhar o mais antigo dos museus e tocar as muitas das maravilhas do mundo — antiga, medieval e moderna — que puder. Estou sentindo uma necessidade para viajar agora, pensando que posso apenas deixar a escola por um tempo e viajar...


O suspiro sonhador lhe disse que faria isso, mas ele não queria que ela saísse sem ele. Quando os sonhos das pessoas eram grandes o suficiente e sua vontade forte o suficiente, eles poderiam fazer qualquer coisa acontecer. Ele

viu

inúmeras vezes antes. Foi quando as pessoas desistiram que suas vidas reduziram-se a nada. Qual foi o ponto de existir neste mundo se realmente não viver a sua vida ao seu potencial máximo? Que se dane a distância entre eles. Crew tirou seus sapatos e meias em segundos e entrou na água com ela. A parte inferior da calça personalizada foi instantaneamente encharcada, mas ele não se importou. Talvez uma parte dela estivesse tentando mantê-lo à distância, mas ele não queria isso e se ela fosse honesta, ela não queria que ele quisesse. Ela estava apenas protegendose, voltando aos seus velhos hábitos. Ele podia sentir seu humor melancólico. Ele não sabia o que o trouxe, mas ele estava determinado a descobrir, e se recusou a deixá-la escapar. —Nada é tão belo como você, e eu posso garantir-lhe que em qualquer lugar que você quiser ir pode acontecer—, disse ele, sua mão subindo para acariciar sua bochecha. Embora possa parecer um pouco brega - para o curso daquela noite - ele realmente sentiu essas palavras quando olhou em seus olhos. Ela tirou seu fôlego muito mais do que qualquer pôr do sol, do que qualquer uma das Maravilhas que ele teve sorte


suficiente para uma visita. Ela foi uma visão, e ela era sua por agora. Crew esperou, seus dedos esfregando a pele delicada, mas ele queria que ela escolhesse beijá-lo, ele a queria no controle. Ela precisava disso, e então ele não iria sentir a culpa de saber que ele a coagiu. Ele precisava dela para escolhê-lo. Sim, ele poderia seduzi-la, facilmente. Mas, ele queria mais do que na noite anterior, mais do que hoje. Ele queria estar com ela sem pensar em um fim em vista. Lentamente, ela cedeu; enfiou a mão em seu cabelo e puxou a boca na dela, sua língua exigindo entrada. Bastou tê-lo a segurando que foi o suficiente para aliviar o fardo invisível que ela estava carregando sobre os ombros. Ela sabia que ele era forte o suficiente para levá-lo para ela, se ela ao menos tivesse coragem para deixá-lo. Ele quase perdeu o equilíbrio nas ondas do mar batendo suavemente como sua fome crua despertando com um gemido vicioso. Fogo lambeu seu estômago, e não importa o quanto ela o tocou, ele ansiava por mais, seu corpo exigindo seu cumprimento total. Deixando-a levá-lo por mais alguns instantes, Crew sabia que seu controle não iria durar muito mais tempo, então ele começou a caminhar para trás para fora da água fria. —Venha para o meu quarto. — Ela estava pronta - ele também estava. Ele não queria começar sua vida amorosa na


areia. Ele não avisou sua equipe para deixá-los sozinhos, e iria matá-lo ser interrompido uma vez que ele começasse. Ele estava faminto por ela. Ela não falou, mas o leve aceno de cabeça era melhor do que canções de amor para seus ouvidos. Segurando sua mão, ele a levou de volta até a praia e através das portas francesas, fazendo um caminho mais curto para o elevador. Ele olhou para frente, não querendo arriscar contato visual com ninguém. Desta vez, ele não se importava se o local pegasse fogo. Ele não ia ser chamado para longe de seu lado. Fazendo algo que ele não fez uma vez nos últimos dois anos, Crew tirou seu telefone celular quando eles entraram no elevador e apertou o botão de energia. Ele sentiu a vitória total como a imagem pequena na tela desapareceu e seus principais meios de contato com o seu pessoal foi encerrado. Uma pequena lâmpada ardia em seu quarto, apenas luz suficiente para que eles não topassem com os móveis, mas não o suficiente para estragar o momento. Hesitando apenas tempo suficiente para desligar o telefone do resort também, ele a levou em direção ao seu quarto. Seu corpo tremia quando ele empurrou-a gentilmente, mas com firmeza, fazendo com que ela pousasse com um salto satisfatório em seu edredom macio. Hoje à noite seria muito mais mágica do que sua primeira vez. Ele agora sabia como ela era inocente, então ele iria tomar seu tempo e fazêla não pensar em nenhum outro homem, a não ser ele. Ele


iria acabar com todos e quaisquer pensamentos que ela tinha de deixรก-lo para trรกs.


Haley queria se cobrir, mas resistiu à vontade enquanto estava deitada nua diante dele. Crew obviamente a desejava, não havia como esconder que ele esteve pronto para levá-la no momento em que se tocaram, e eles não poderiam fazer amor

enquanto

ainda

estivessem

vestidos.

Mas

a

autoconsciência suprema em que ela viveu por tantos anos não desapareceu durante a noite. Ele não lhe deu tempo para se debruçar sobre isso, porém. Ela suspirou de prazer quando as mãos de Crew deslizaram por seu torso, deslizando sobre sua cintura, em seguida, movendo-se para cima e deslizando sobre as laterais de seus seios. Ele usou apenas as pontas dos dedos para excitar sua pele, fazendo seu coração pesar e sua respiração crescer irregular. Ele sabia como dar prazer, e por sorte, ela era o único foco de seu desejo. Aceitando que este era o lugar onde queria estar, era o lugar onde ela sempre desejou estar, tirou o peso da culpa que seus avós inculcaram nela. Ela nunca realmente conheceu prazer antes de se deitar nos braços de Crew, e


temia

que

nunca

conheceria

novamente

quando

esse

romance esfriasse. Afugentando esses pensamentos negativos, ela abraçou a mulher dentro dela e tomou avidamente tudo que ele estava disposto a dar enquanto a boca dele começava a correr por sua mandíbula, apenas roçando seus lábios enquanto seu hálito doce aquecia seu rosto. Era tanto tormento e prazer, e ela já estava começando a voar. Quando sua língua começou a preguiçosamente a acariciar seus lábios, ela tentou puxá-lo para ela, tentando fundir suas bocas juntas, precisando dar fim ao tormento, mas ele tinha outras ideias. Ele, obviamente, não tinha pressa. Considerando o ritmo em que eles estavam se movendo, eles provavelmente ainda estariam fazendo amor quando o sol da manhã estivesse alto no céu. Ah bem. Poderia haver coisas piores. Relaxando na suave carícia que ele oferecia, ela o apertou quando ele começou a mordiscar seu lábio inferior, aplicando pressão suave enquanto ele tirava sua camisa, em seguida, se encaixava em seu corpo. —Sexo é tudo sobre o tato, paladar e olfato. Confie em mim—, disse ele. Ela estava com as mãos levantadas acima de sua cabeça e, em seguida, sentiu que não podia movê-las. O que era isso? Ela lutou contra suas amarras improvisadas enquanto seus olhos se abriram. —Crew? —, Ela choramingou.


—Diga-me para parar se a qualquer momento você não estiver sentindo prazer—, disse ele e beijou cada uma de suas pálpebras antes de deslizar a gravata sobre os seus olhos e fazer o quarto escurecer. —Eu acho que não gosto disso, — ela sussurrou enquanto a mão dele deslizava entre os seios e para baixo em seu estômago liso. —Você quer que eu pare? Quando Haley não disse nada, ele continuou a falar. —Eu não penso assim. Esta é a sua próxima aula toque. Se você quer um homem desejando você, então você precisa saber o que você gosta Haley. Você precisa se desligar do mundo ao seu redor e se concentrar apenas em seu corpo e suas necessidades—, disse ele antes de capturar seu mamilo tenso e chupá-lo profundamente. —Você gosta disso? —, ele perguntou enquanto fazia uma pausa antes de passar para o outro seio e dando a seu outro mamilo pontudo igual atenção. —Sim—, ela suspirou enquanto suas costas arqueavam. —E, isso? —, ele perguntou enquanto se movia mais para baixo roçando o estomago com os lábios. —Sim. — Ela respondeu com um gemido enquanto as mãos dele deslizavam até suas coxas, ela espalhou-as aberta. —Diga-me o que você gosta. Ela fez uma pausa, sentindo seu rosto ficar quente. Como ela poderia fazer isso? Ela não sabia o que gostava, ela


só sabia que em todos os lugares que ele tocava enviava fogo em suas veias. —Se você não me diz o que você gosta, não me diz como tocá-la, então eu não saberei. Lembre-se de sentir o prazer, pense sobre onde ele começa e se ramifica. Pense sobre o que vai conduzi-la ao longo do limite. Suas palavras sedutoras foram hipnotizando-a, e seus músculos se afrouxaram, enquanto suas mãos deslizaram para cima e para baixo em suas coxas, fazendo-a em chamas, enviando tiros de calor através de cada polegada de seu corpo. Quando a boca de Crew voltou para seu torso, ela estava frustrada e decepcionada que ele não continuou indo para o sul e deu a ela o prazer que ele deu a última vez. Ela não podia dizer-lhe que, poderia, no entanto? A medida que seus lábios roçaram os dela, provocandoos a se abrir, ela tomou sua língua dentro da boca com gratidão, entrelaçando-a com a sua. Necessidade ardente se enfureceu profundamente dentro dela, e agora sabia que ele estava certo – estar cega e incapaz de mover as mãos eletrizou seus outros sentidos, os fez ganhar vida com novo vigor e intensidade. Concentrando-se em cada toque de suas mãos, corpo e boca a fez tremer em seus braços enquanto ela aguardava ansiosamente a sua próxima jogada. —Onde quer que eu te toque? —, perguntou ele enquanto se movia mais, agora pressionando o calor de seu


peito contra o seu lado e rodando sua língua ao redor da orelha. —Em todos os lugares—, ela engasgou. —Isso não é bom o suficiente, Haley. Diga-me onde você queima, onde você me quer para aliviar a dor—, ele sussurrou em seu ouvido, causando tremores através dela. Depois de uma pausa, ela jogou fora seu embaraço. —Meus seios—, ela suspirou, seus mamilos duros e doloridos,

alongando

enquanto

seu

corpo

se

arqueou

lindamente para ele, precisando de sua língua calmante para extinguir o incêndio. Ele rapidamente obedeceu, sua língua lambendo um mamilo até que brilhasse, então o seguinte, antes trancando em cada um deles, de cada vez. Ele circulou a língua sobre sua auréola rosa, em seguida, mordeu suavemente o pico endurecido, antes de repetir no outro lado. Ele aliviou a dor de lá, mas fez seu estômago tremer com a necessidade. Ele não se moveu, forçando-a a tentar torcer em seus braços. Se ela tivesse as mãos livres, ela teria empurrado a cabeça dele para baixo, levando-o aonde ela agora precisava de sua boca tão desesperadamente. Sabendo que ele não iria para outro lugar até que ela lhe pedisse a enchia de frustração, e ainda poder, também. Ela estava no controle aqui com nada, além de suas palavras. —Desça—, ela engasgou enquanto ele chupava seu mamilo mais difícil.


Crew obedeceu, passando a língua ao longo de seu estômago, arrastando beijos leves para cima e para baixo em seu torso e os lados. Ele traçou cada polegada de sua pele lá, alimentando seu calor, colocando camada de necessidade em cima de camada de necessidade até que ela sentiu que iria explodir. —Desça—, ela gritou sem fôlego, e ele mudou-se para suas coxas, sua língua deslizando ao longo do interior de suas pernas, lambendo a pele sensível apenas fora de seu núcleo. Ele chupou em sua carne trêmula, mas ele ainda não daria a ela o que ela realmente queria. O pulsar dentro dela parecia estar assumindo vida própria. Ela poderia explodir se ele não aliviasse a pressão sempre crescente? Tinha certeza de que poderia acontecer. Se uma caldeira gerasse muito vapor sem alguém puxando a válvula para liberá-lo, haveria uma cratera gigante no chão. Ela só tinha que fazer uma coisa, dizer uma coisa, agora. —Chupe-me Crew, por favor—, ela implorou. Sua língua corria ao longo de suas coxas. —Não! Pegue o meu calor; me faça gozar em sua boca! —, ela pediu, sacudindo a cabeça de um lado para o outro. —Oh, meu...—, ela gritou quando seus lábios apertaram o cerco contra seu núcleo inchado. A textura da ponta de sua língua corria em círculos ao redor de sua carne úmida, e ela sentiu o acúmulo de pressão ir para a zona vermelha.


—Sim, Crew, sim! —, ela elogiou. Este era o local. Este era o lugar onde ela queria, precisava de sua técnica magistral agora. Com alguns passes mais requintados de sua língua, Haley explodiu em um paraíso de todos os seus próprios. Não houve queda suave. Esta foi uma detonação de luz e som, de pura adrenalina quase ao ponto de dor, uma maravilhosa, dor alucinante. Nunca imaginou que ela sentiria com tanta intensidade. Ela tremeu quando suas mãos se moveram para baixo, agarrando seu traseiro trêmulo enquanto ele passava a língua através de sua pele flexível um par de vezes mais. Quando a soltou, ela derreteu-se na cama, com os olhos rolando na parte de trás de sua cabeça por trás da gravata de seda ainda amarrada lá. Quando ela sentiu as mãos em seus braços, ela pulou, seu corpo sentia-se como uma grande zona erógena. Ela não podia fazer mais nada. De repente, ela estava livre. Seus braços caíram moles para a cama, e ela sentiu dedos suaves esfregando sobre eles, fazendo o sangue correr através de seu comprimento. Em seguida, a gravata saiu e ela olhou para ele sob a luz fraca enquanto ela forçava os olhos abertos. —Isso

foi

magnífico—,

disse

e

ele

sorriu

preguiçosamente. —Trata-se de chegar a um nível totalmente novo, Haley. Eu só comecei.


—Ooh—, disse ela em uma lufada de ar. O pensamento de mais deveria ter deixado ela aterrorizada, mas a agitação começou na boca do estômago, onde seu corpo ainda tremia da poderosa liberação que ele acabou de lhe dar. —O que você quer agora? Seus olhos se arregalaram. Ela ainda estava no controle, capaz de exigir qualquer coisa que ela quisesse dele. Quando ela olhou para baixo em seu corpo perfeito, sabia que queria apenas uma coisa. —Você. Dentro de mim. Crew parecia falar outro idioma, suas palavras eram tão inarticuladas antes de ele imediatamente embainhar a si mesmo e, em seguida, deitar em cima dela. Pensando que ele iria bater dentro sem preliminares, ela ficou tensa, esperando a dor inicial novamente. Quando ele lubrificou a ponta de sua ereção com sua umidade e, lentamente, avançou, ela sentiu-se relaxar, desfrutando o alongamento de sua pele, enquanto polegada por polegada ele a encheu. —Mais profundo—, ela chamou, —mais rápido. — Ela estava cansada de lento e constante. Quando seu estômago ficou tenso com uma necessidade renovada, ela queria velocidade e atrito, ela queria a liberação ardente que ela recebia apenas dele. —Assim....? —, Ele perguntou sedutoramente enquanto empurrava para frente, enterrando-se profundamente dentro dela.


—Sim, Crew. Sempre assim, sempre! Leve-me—, pediu ela, enquanto seus pés se enredavam em torno dele. Ela não sabia mais quem era, mas sua presença dava vida a um monstro insaciável, uma verdadeira devoradora de homens, e ela esperava que essa criatura não partisse. —Abra os olhos, Haley. Quero ver o prazer explodir neles quando eu bater contra o seu corpo. Ela fez como ele pediu, olhando profundamente dentro de seus olhos quando ele começou a mover os quadris, trazendo-a mais perto e mais perto do pico novamente. Ela poderia fazer isso dia e noite e ainda não iria compensar os anos que ela perdeu sem ele. Como ela poderia de alguma forma experimentar algo tão mágico e nunca fazê-lo novamente? Ela achava que jamais poderia deixá-lo sair da cama depois desta noite. Sons de prazer e acoplamento liso encheram o ar, aumentando seu desejo por mais. Sua mente só tinha um pensamento, como encontrar o caminho para outro delicioso orgasmo. Quando ele apertou contra ela e gritou seu nome, ela caiu com ele, perdida em um abismo das trevas, seu corpo virou líquido e satisfeito ao máximo. Enquanto

ele

se

afastava

dela,

ela

virou-se,

aconchegando-se profundamente, decidindo que ela nunca iria deixar a suavidade segura de sua cama novamente. Sua mão acariciou ao longo de seu lado, e Haley sorriu, amando seu toque, completamente satisfeita neste momento perfeito.


—Terceira rodada, Linda. Nós ainda não terminamos—, ele sussurrou, fazendo arrepios aparecerem em sua pele. Ele tinha que estar brincando. Ela estava exausta. Sim, ela acabou de dizer a si mesma que não queria que isso acabasse nunca, mas certamente havia limites para a sensação humana. De jeito nenhum ela poderia fazer isso tudo de novo. Seu sistema nervoso simplesmente não aguentaria. Haley ignorou suas palavras, mas como Crew continuou acariciando

sua

pele,

inacreditavelmente,

seu

corpo

despertou de novo, e ela se viu voltando-se para ele. Era um par de horas antes de, apesar de um toque de dor, ela encontrar o doce prazer do esquecimento. Seu último pensamento antes que adormecesse era que um pouco de dor valeria a pena em troca de uma maravilhosa noite de amor.


Acordando com o sol da manhã que fluía através da janela de Crew, Haley esticou os braços e conectou-os com os músculos firmes do peito nu de Crew. Delicioso. Por apenas um momento, ela praticamente ronronou, mas a realidade rapidamente caiu como um baque. Ela não sabia as regras de um jogo como este. Ela deveria deslizar silenciosamente para fora da porta? Quando ela dormiu com ele antes, ele a acordou e a colocou para fora da porta tão rápido, que ela não teve tempo para pensar sobre qualquer uma dessas coisas. Crew Storm poderia ter qualquer mulher que ele quisesse, e ele tinha muito delas figurativamente entalhadas em sua impressionante cabeceira. Ela sabia que ela era uma novidade, a virgem que o convidou para ser seu professor. Pensando para trás, ela foi bastante ingênua e sem ideia do que estava pedindo. Ele a ensinou, no entanto. Ela podia sentir a confiança fluir através dela. Embora não seria fácil, ou mesmo possível, ser uma pessoa totalmente nova, pelo menos, ela se sentiu


atraente, e sabia que não pertencia a um canto. O problema era que ela queria pertencer ao lado dele. Ela deveria levar isso numa boa? Agir como se isso não fosse grande coisa? Ele estava bem ciente de que não era algo que ela fazia o tempo todo, mas ele parecia preferir socialites confiantes, que é o que ela leu, de qualquer maneira, assim que ela deveria tentar moldar-se em uma delas para ficar ao seu lado por mais algum tempo? Não. Mesmo se isso fosse o que ele queria, não podia fingir ser uma daquelas mulheres superficiais. Ela era apenas Haley Sutherland, uma garota que perdeu a vida enquanto o resto do mundo continuou girando rapidamente em torno dela. Eu sou o que sou. Assim enquanto ela estava decidindo que era hora de levantar-se e esgueirar-se para o seu quarto e esperar por seu próximo passo, seu braço serpenteou pra fora e puxou-a com força contra o seu lado. —Bom dia, minha pequena sereia. Espero que tenha dormido bem—, ele murmurou contra o seu pescoço, fazendo com que todos os tipos de formigamentos dançassem em seu estômago. —Muito bem, obrigada. —Eu poderia consumir uma grande xícara de café, e um café da manhã gigantesco. Eu sinto que eu corri uma maratona—, disse ele com uma risada.


Seu humor positivo foi uma coisa boa. Ela acabou de seguir a deixa dele. —O café soa maravilhoso, mas eu preciso de um chuveiro quente em primeiro lugar, — ela disse enquanto esticava as pernas e sentiu a dor em suas coxas. Sentindo que um sorriso se espalhou pelo seu rosto. Ela levaria seus treinos debaixo dele todo o dia ao invés de estar em cima de uma esteira. —Esqueça o que eu disse antes. Vou acompanhá-la, o café pode esperar— Sua boca estava fazendo coisas más para seu corpo, mas ela não podia ir lá novamente tão cedo… Talvez depois de um dia de descanso... —Eu acho que eu vou tomar o chuveiro sozinha por causa dos meus músculos doloridos...—, ela respondeu, rindo. —Ah, você não tem imaginação—, disse ele com um sorriso de lobo, mas seu aperto afrouxou quando ele se sentou na cama, em seguida, delicadamente segurou-lhe debaixo dos braços para ajudá-la, atirando um de seus braços em torno dela para que ela ainda se aconchegasse contra ele. A sensação de sua mão massageando suas costas a teve se derretendo nele. Seu toque poderia transformá-la em fogo, ou ajudar a aliviar seus medos. Um homem muito talentoso. Seu coração sofreu uma súbita pontada de alarme, enquanto ele a segurou em seus braços. Muitas vezes ela via amantes se abraçando em um parque, ou aproximando-se


juntos no cinema. Ela invejava sua facilidade óbvia na companhia um do outro. Agora que ela estava tendo um gosto desse sentimento, ela temia ter de desistir dele. De braços cruzados, seus dedos acariciaram ao longo de seu

peito,

memorizando

o

mapa

de

seus

músculos

tonificados. Ela poderia sentar-se assim o resto do dia e sentir que não havia melhor coisa a fazer no mundo. Quem precisava se levantar e trabalhar quando tinha um homem forte para mantê-la em seus braços durante todo o dia, em vez disso? —Eu estou amando apenas segurar você, Haley, mas meu corpo tem outras ideias. Eu não sei como, mas ele faz. Se você não fugir para o chuveiro em breve, eu não me responsabilizo por minhas ações—, ele advertiu com um estreitamento brincalhão no ombro dela. Que se dane o se machucar. Valeu a pena tê-lo pressionado contra ela. Como se ele pudesse ler seus pensamentos, ele gentilmente mudou-a para longe e se levantou da cama com uma expressão de dor, mas resoluto através de seus belos traços. Quando ele se virou, seus olhos estavam grudados em seu magnífico traseiro, enquanto ele caminhava em direção a suas roupas descartadas e inclinava-se. Os músculos flexores em suas pernas eram um espetáculo para ser visto. Ela nunca foi interessada em pintura, mas com o sol da manhã brilhando em seu corpo duro como rocha, de repente ela


tinha um desejo de um pincel e tela. Perfeição como a sua devem ser registradas todo o tempo. Inspiração a atingiu quando viu seu telefone celular novo na mesa de cabeceira. Com um movimento rápido, ela pegou-o e focou em seu traseiro nu, em seguida, tirou um par de fotos. Ele virou os olhos incrédulos para ela quando ouviu o clique. —Tudo bem, mulher, obtenha o seu chuveiro. Eu vou estar com o café da manhã a espera quando você sair—, disse ele, olhando para o dispositivo preto pequeno antes de voltar e dar-lhe um beijo. Um rosnado baixo escapou de sua garganta, mas ele se virou e saiu do quarto. Haley

saboreou

o

momento,

fechando

os

olhos,

inclinando a cabeça para trás, e inalando profundamente. Ela se permitiu apenas absorver tudo isso e pensar em outra coisa senão o andamento rítmico acelerado de seu coração. Ele era um destruidor de corações, ela não tinha nenhuma dúvida sobre isso, mas ela estava muito satisfeita, muito relaxada para se preocupar com isso agora. Finalmente

levantou,

tomou

banho

rapidamente,

ansiosa por uma xícara de café. Encontrando seu robe de grandes dimensões, ela envolveu-o em torno de seu corpo, em seguida, seguiu seu nariz com o cheiro de rico café expresso. Crew estava sentado à mesa lendo o jornal, enquanto bebia em uma caneca fumegante, e ela se juntou a ele, preparando uma xícara antes de pegar um rolo de canela quente e tomar uma mordida, suspirando enquanto a canela


fresca, o açúcar e manteiga derretida pingavam em sua língua. —Vamos mudar suas coisas—, ele disse, sem tirar os olhos do jornal. Os olhos de Haley vagaram, seu pedaço de rolo de canela desfazendo-se em serragem em sua boca. Ele estava falando com ela? —Desculpe-me? —, Ela conseguiu murmurar depois de uma pausa tensa. —Eu quero que você saia do seu quarto e venha ficar comigo—, respondeu ele quando ele colocou o papel para baixo, seus olhos olhando firmemente de volta para ela. Como é que ela respondia a isso? Ela não o conhecia o suficiente para ficar em sua suíte. Isso era insano, não era? —Eu, ah, não acho que seria sábio—, respondeu ela, levantando automaticamente sua xícara e tomando um gole fortificante de seu café, esperando que a cafeína pudesse limpar as teias de aranha de seu cérebro. —Estou pensando em passar todas as noites com você de qualquer maneira, por isso não seria muito mais fácil simplesmente ter suas coisas aqui? Este é um resort, Haley. Não é como se eu estivesse pedindo para você desistir de sua casa—, disse ele, como se estivesse fazendo a declaração mais lógica de todos os tempos. —Bem, eu apenas gostaria de ter o meu espaço—, ela murmurou.


Ele parou por um momento, olhando-a com curiosidade. —Onde você mora, afinal? Era uma questão perfeitamente racional, mas ela pareceria patética se ela lhe dissesse a verdade. Medo que ele pudesse perceber que ela era de fato lamentável, e, em seguida, acabasse com o que eles mal começaram a encheu. —Isso não importa. Acho que estamos muito bem do jeito que estamos. Assim, quaisquer bons artigos em seu jornal? — Talvez ela pudesse desviá-lo com uma mudança de assunto. Sua tática não funcionou. —Vamos, Haley. Dê-me alguma coisa—, disse ele, então se inclinou sobre a mesa e agarrou sua mão livre. Ela tomou outro gole de café, escaldando a língua ligeiramente. —Eu moro em Seattle, em um apartamento, — ela murmurou, sua voz quase um sussurro. —Isso não é tão ruim. Por que você está hesitante para me dizer? —Eu não sei. Eu só não gosto de dar muita informação sobre mim mesma. Eu acho que isso vem de todos os anos de ter

que

ser

independente.

É

difícil

para

mim

para

compartilhar...— Ela parou. Crew olhou para ela estranhamente, como esperou dele. Ela era difícil de entender. Cristo, ela não podia realmente compreender a si mesma. Como ela deveria explicar isso para ele?


—Você tem alguma outra família que você poderia recorrer? Eu sei que seus avós deveriam ter sido arrastados e esquartejados pela forma como trataram você, mas não tinha mais ninguém em sua vida, afinal? Este era um assunto que Haley absolutamente odiava falar. Não. Ela não tinha ninguém em sua vida, além dos criados

na

casa

de

seus

avôs,

e

até

mesmo

esses

relacionamentos falharam ao longo dos anos. Ela odiava pensar sobre o quão só ela realmente era. Ela fantasiou sobre ser parte de uma família grande, amorosa, mas desistiu desses

sonhos

anos

atrás.

Ela

não

queria

que

ele

compreendesse plenamente quão desarrumada sua vida era. Esta partilha de seu passado e presente não foi o que ela assinou no contrato. —Eu tive alguns anos ásperos com meus avós, como você sabe. Eu lutei contra todas as dúvidas que incutiram em mim desde que fiquei longe da 'casa', mas eu tendo a pensar sobre isso com muita frequência. Ir para a escola realmente ajudou, mas no final do dia, quando eu olho no espelho, eu ainda vejo essa pessoa a quem ninguém queria. Eu prometo que estou ficando melhor, mas eu só tenho que fazer o que for preciso para levar dia após dia. Se eu pensar muito à frente, eu fico sobrecarregada, e é aí que eu começo a afundar dentro de mim. — Ela prendeu a respiração, esperando que ele revirasse os olhos e desistisse dela. Ela era muito louca para um homem como Crew, que tinha tudo junto.


Agora que ele sabia que ela estava se esforçando, ela nunca iria obter o privilégio de dormir em seus braços novamente. O pensamento era horrivelmente deprimente. O olhar de Crew não mudou quando ele pegou a xícara e tomou um gole. —Mais uma razão para você morar comigo. Você precisa ter alguém cuidando de você. Vamos arrumar suas coisas depois do almoço. — Tratando o assunto como encerrado, ele abaixou a caneca, colocou seu jornal para cima e começou a ler novamente. Haley passou as mãos pelos cabelos e olhou para a parte de trás de seu jornal. Ele era o único que estava louco? Por que ele não estava tentando aprofundar, entrar em sua cabeça, e simplesmente mandou-a empacotar suas coisas? Se ela sabia que não estavam completamente juntos, por que ele não podia vê-lo? Ela não estava super racionalizando tudo, e tentando buscar serpentes em seu paraíso temporário? Não era como se ela não pudesse simplesmente mudar-se novamente quando seu relacionamento, ou qualquer que fosse o nome do que eles tinham, seguisse seu curso. Ele não mencionou nada sobre as duas semanas de férias dela. Será que ele queria que ela ficasse mais tempo? Duvidoso. Poderia ser melhor evitar lembrar-lhe que ela estava aqui apenas porque ganhou um sorteio. Se ela trouxesse isso agora, ele poderia sair dessa magia em que ele parecia estar e dizer que ele, pessoalmente, faria suas malas e a levaria ao


aeroporto para mandá-la embora. A ideia de deixá-lo em um par de dias virou seu estômago de dentro para fora. Com um suspiro, ela olhou para o café da manhã, o uma vez delicioso rolo de canela agora revolvia em seu estômago. Parecia não haver necessidade de responder a Crew mais, uma vez que ele fez a sua mente, e para dizer a verdade, ela queria dormir ao seu lado a cada noite. Pelo menos por um tempo, ela poderia fingir que isso era uma relação normal, e que este homem incrível a apreciava. Um pouco de fantasia iria ajudá-la a dormir nas noites em que a solidão a estivesse comendo viva. Tomando sua decisão, ela afastou seu prato e levou pequenos goles de sua xícara enquanto ela tentou se convencer de que era certo buscar o prazer da vida. Estava tudo bem em não se preocupar com o que o amanhã trará. Ela veria isso até o seu natural fim, e ela cresceria como pessoa. Isso era tudo o que ela poderia pedir de si mesma e Crew.


Poucos dias depois, Haley se sentiu obrigada a dizer a Crew que seu tempo estava acabando. Sua passagem de trem era para o dia seguinte, e embora não quisesse ir, ela precisava voltar para o mundo real. Ela sempre acreditou que a palavra —dor de cabeça— era uma metáfora, mas não havia como negar a dor física em seu peito enquanto ela estava no banheiro praticando seu discurso de adeus. Será que ele nunca pensaria nela de novo? Com o tempo, ela acabaria superando-o? Ela e Crew estavam juntos há

apenas duas

semanas,

mas foram

duas

semanas

gloriosas, e ela sabia que nunca seria a mesma. Isso foi tudo graças a ele, e as suas maravilhosas lições. Sua melancolia não impediu que um sorriso satisfeito se espalhasse em suas feições quando pensou na magia que ele criou dentro dela. Ela agora sabia que não era um pecado desfrutar do sexo; que não era um crime se sentir como uma mulher. Seus avós foram tão errados, de muitas formas, e ela desejava que eles ainda estivessem vivos para que ela pudesse confrontá-los com a sua crueldade. Sempre foi


errado pensar mal dos mortos? Eles tentaram duramente destruí-la, e quase conseguiram, então, neste caso, ela não pensava assim. Enquanto ela não herdasse a raiva e a amargura, eles não a controlariam do além-túmulo. Era incrível o quanto pode mudar dentro de uma pessoa em um curto espaço de tempo. Ela sabia que tinha um longo caminho a percorrer antes de ser a pessoa que ela queria ser, mas por causa de Crew, ela estava mais perto do que nunca estiveram. Tomando uma respiração calmante, ela agarrou a maçaneta da porta e saiu do banheiro quente. Ela podia ouvir o ruído do papel enquanto Crew virava a página. Depois de fechar os olhos um momento para guardar tudo em sua memória, ela foi para frente. Não importava o quê, ela não choraria. Por que fazê-lo se sentir culpado por sua dor? Tudo o que ele já fez era para ajudá-la a se sentir melhor sobre si mesma. Ele murmurou um bom dia quando ela se sentou, serviu-se de uma xícara de café, e pegou um croissant de chocolate. Com a agitação em seu estômago, ela duvidou que fosse ser capaz de comer, mas era um hábito agora, se sentar nesta mesa pequena, enquanto ele lia o jornal e ela mordiscava as guloseimas antes de derramar xícaras de café expresso. —Eu estava pensando em dar uma escapada hoje, Haley, e levá-la para passear, para conhecer a ilha de Catalina Conservancy, para que você possa ver o bisão. Você


me disse na semana passada que queria fazer alguma exploração. Crew abaixou o jornal para concentrar toda a sua atenção sobre ela. Normalmente, ele terminava de ler em primeiro lugar, em seguida, dava-lhe atenção. Na manhã em que ela tinha que lhe dizer adeus, sua atenção extra doía ainda mais. Poderia o homem ficar mais perfeito? Ele era realmente tão perfeito quanto ela o fez em sua mente, ou ela estava apenas colocando-o em um pedestal? Não houve necessidade de arrastar isso, então ela puxou um sorriso falso no rosto. —Eu realmente preciso fazer as malas hoje. Meu trem parte amanhã cedo—, disse ela, orgulhosa de que foi capaz de dizer as palavras sem tremer. Crew congelou e seu rosto perdeu toda a expressão; seus olhos perfuraram os dela. Depois de alguns momentos, ele finalmente colocou sua xícara para baixo. —Eu não quero que você saia. — Ele foi simples, e direto ao ponto e seu coração começou a inchar com alegria... Mas espera. Talvez ele estivesse apenas dizendo isso por dizer. —Eu sei, Crew. Estou tendo um tempo maravilhoso aqui também, mas o pacote que eu ganhei foi por apenas duas semanas, e meu tempo acabou...— Disse, sua voz começando a rachar apenas um pouco menor. —Dane-se o concurso. Você está feliz de estar aqui comigo?


—Claro que estou—, respondeu ela com exasperação. Não era sobre a sua felicidade; era sobre o seu tempo ter acabado. —Você tem um trabalho para voltar? — Ela balançou a cabeça negativamente. Ela saiu para vir nesta viagem. —Você não está em pausa da escola agora? — Mais uma vez, ele estava correto, então ela balançou a cabeça. —Mas, Crew... —Eu não vejo nenhuma razão para você ir. Eu quero que você fique. Você quer estar aqui, e você não tem obrigações chamando você de volta a Seattle agora. Vamos cancelar o seu retorno e ir ver o bisão. Ela queria tanto, mas... —Olha, Haley. Não vamos fazer isso complicado, OK? Nós gostamos um do outro. Ainda é novo e excitante, e eu não estou pedindo que você fique aqui para sempre. Eu estou pedindo que você me dê uma chance. Vamos nos divertir juntos, acender as folhas em chamas, e não jogar isso pra fora da janela apenas por causa da semântica. Ele se levantou da cadeira e deu a volta para ela, ajoelhando-se na frente dela e acariciando as coxas. Ela não podia pensar quando ele tocava-a desse jeito. Ela sabia que deveria protestar, só um pouco, mas ela de repente esqueceu o porquê. E ela queria estar com ele, queria sentir o seu toque, dormir em sua cama, ouvir suas palavras de encorajamento. Ela queria continuar a ter os sentimentos de amor e carinho que sentia enquanto estava em seus braços -


fosse quente e pesado no quarto ou apenas abraçando na praia. Ela estava pedindo demais? Realmente, que mal faria ficar mais uma semana ou duas? Ele não iria alterar a sua vida, no mínimo. Pode até fazê-la muito mais forte no final. —Eu

não

sei...—,

ela

hesitou,

tentando

não

ser

precipitada. Como se já tivesse ganhado, Crew sorriu antes de se levantar e puxá-la em seus braços. —Deixe-me convencê-la, então, — ele disse enquanto a levantava e levava-a para o quarto. —Eu preciso pensar, Crew, — ela sussurrou enquanto ele colocava-a na cama. —Não, você não precisa. Obviamente você tem ideias medíocres em sua cabeça quando você tenta argumentar qual a escolha certa. Deixe-me lembrá-la do por que você não pode sair—, respondeu ele enquanto abria seu roupão e começava a mordiscar seu pescoço. —Ohh, — ela gemeu, tentando se concentrar, mas rapidamente perdendo a batalha. O homem fazia coisas malucas para sua mente louca, o que estava bem pra ela. Quando ele começou a mover a cabeça para baixo de seu corpo, ela desistiu de qualquer ideia de ir embora. Seu coração estava bem aqui em —casa. — - Pelo menos por enquanto.


Eles não foram ver o bisão... Haley continuou verificando o calendário, contando os dias, e balançando a cabeça em descrença. Agosto acabou e ela ainda estava com Crew. Marlin disse a ela que Crew era exigente sobre suas mulheres, que os escândalos sobre ele nos jornais eram mentiras montadas. Ainda assim, mesmo tia Mae ficou surpresa com a quantidade de tempo que ela e Crew estavam juntos. Ele não era conhecido por relações longas. Haley ainda devia ter medo? Ele não disse nada de uma relação mais permanente, mas ele também não parecia com nem um pouco de pressa para ela ir. Ela tinha que tomar uma decisão sobre a possibilidade de voltar para o mundo real ou não, no entanto. A escola começava em um mês. Ela precisava escolher isso ou viajar... O mais incompreensível de tudo foi que ele continuou suas lições com ela. Ela encontrou pequenas bugigangas na mesa de cabeceira, flores no balcão do banheiro, seu café favorito esperando por ela quando ela acordou depois que ele teve que correr para fora e perdeu seu café da manhã juntos. O maior presente que recebera foi o dia em que ele a levou em seu barco privado a uma praia isolada na ilha. Eles tiveram um piquenique, e ele presenteou-a com um mapa que ele fez, em seguida, caminhou com ela enquanto ela foi a uma caça ao tesouro.


No

final

da

caçada,

ela

encontrou

um

baú

de

antiguidades, e dentro havia um belo jornal velho, uma antiga taça de prata esterlina e um lenço do século XVIII. Ela valorizaria esses itens para sempre. Embora ela tenha gastado incontáveis horas debruçada sobre as palavras do jornal, com lágrimas caindo enquanto lia sobre o desgosto da mulher escrevendo sobre como ela perdeu seu filho bebê. Nesta nova era, era difícil imaginar que doenças comuns que simplesmente eram fáceis de tratar hoje, poderiam levar à morte naquela época. Ainda assim, mesmo que tenha partido seu coração ler as palavras desta mulher corajosa, ela não poderia se desfazer do jornal, sabendo que ela iria valorizá-lo para sempre. Por duas vezes, Crew teve que sair por um par de dias, e quando voltou, não foi de mãos vazias, trazendo para ela um cordão glorioso de safiras e ouro que ela se recusou a tirar, e uma tornozeleira que era a própria piada pessoal deles. Ele disse a ela que, se estivessem no século passado, ele a teria acorrentado à sua cama, onde ele poderia banquetearse com ela a qualquer hora do dia ou da noite. Ela respondeu que seria um buffet aberto para ele qualquer hora que quisesse, sem necessitar de correntes. Ainda assim, cada vez que olhava para o pequeno cadeado em seu tornozelo, ela sentiu-se crescer quente enquanto imaginava a qual nova aventura ele a levaria naquela noite. O sexo era de outro mundo. Às vezes era quente e apaixonado, com roupas rasgando e voando em seu frenesi


apaixonado para se fundir com o outro. Em outras ocasiões, era lento e doce. Ele lambia seu corpo todo enquanto suas mãos acariciavam sua pele quente. Não importava como eles faziam amor, a conclusão era sempre a mesma - explosões e fogos de artifício e uma fosforescência que os ligava e a deixava mais perto dele. Mas não podia durar. Haley sabia que as coisas boas nunca duravam. Uma vez um servo de seus avós lhe deu um gatinho de pelúcia, encontrado em um brechó de caridade. Ela adorava o animal surrado, manchado e recheado com toda a sua alma faminta. Então um dia ele simplesmente desapareceu. OK, Crew não poderia ser comparado a seus avós. Ele era gentil e atencioso, mas ele era simplesmente maravilhoso demais, bom demais para ela. O outro sapato estava prestes a cair. Afinal, o Catalina Resort Couture estava à venda, e havia um comprador muito interessado. Mas tinha que ser grata. —Viva este dia como se fosse o último, Haley. Viva, ame, ria—,

disse

ela

a

seu

reflexo

no

espelho.

Viver

verdadeiramente feliz, mesmo por um curto período de tempo era muito melhor do que andar pela vida como uma concha vazia. Não havia tempo para se debruçar sobre o futuro. Ela não sabia o que iria fazer. Tudo que ela sabia com certeza era que hoje ela era uma pessoa feliz - despreocupada e com um homem fantástico. Bem, ela estaria despreocupada e feliz, se


ela parasse de se estressar sobre cada pequena coisa durante dez segundos. Crew teria reuniões de negócios durante todo o dia, de modo que ela planejava ir às compras. A ilha não era um lugar para bons negócios - para isso, você precisava ir para o continente - mas a preguiça estava vazando através de seus ossos. Ela passearia pelas praias e conferiria algumas das lojas de presentes aqui na ilha, parte de um tour privado para absorver tudo antes de se mudar de volta para casa. Uma coisa que ela sabia com certeza era que sua vida mudou para sempre. Ela não iria mais se esconder no canto, e não teria medo de ir atrás do que queria. Uma vez que ela tenha deixado a ilha de Catalina para trás, ela avançaria, concluiria seu curso na faculdade e iria aproveitar isso algum dia. Ela não ia desistir de si mesma nunca mais. Ei, talvez ela ainda conseguisse uma pequena casa bonita ou um belo apartamento com acesso a uma piscina. Onde quer que terminasse, ela seria uma adulta e tomaria

decisões adultas.

Não

haveria

necessidade

de

permanecer com medo de que ela era essa pessoa que seus avós convenceram que ela era, uma abominação que ninguém queria. Agora que ela teve uma pequena amostra de segurança e amor, ela o queria em uma base mais permanente. As provocações de seus avós eram coisa do passado; ela não deixaria essas pessoas assombrá-la da sepultura.


Saindo da sala com um sorriso no seu rosto, e um futuro cheio de infinitas possibilidades, Haley deixou de lado seus medos do amanhã com Crew enquanto entrava no saguão, em seguida, decidiu sair pelas portas do fundo e caminhar para a cidade através da praia. A brisa era um pouco quente, mas as ondas estavam chamando por ela. Pisando no pátio, ela olhou para a direita e congelou. Crew estava de pé no centro de um grupo de pessoas com grandes sorrisos em seus rostos enquanto uma ruiva delicada tinha seus braços apertados em torno dele. Com a mandíbula escancarada, ela viu como a mulher beijou-o com força na bochecha e, então, disse-lhe o quanto ela

sentia

falta

dele e da

vida

civilizada.

Com

uma

gargalhada, Crew levantou-a do chão e girou-a em um círculo. Depois do choque inicial, o fogo corria nas veias de Haley, e ela lutou contra o impulso de correr para frente e arrancar o cabelo da menina fora. Como ele se atreve a humilhá-la

desse

jeito!

Não,

ela

e

Crew

não

eram

comprometidos, não houve promessas de para sempre, mas ele poderia pelo menos ter a decência de acabar com ela antes de passar para sua próxima conquista. Ela certamente lhe deu sexo suficiente para apaziguar dez homens, e ainda assim ele sentiu a necessidade de traíla. Ela queria destruir os dois, então chutá-lo tão duro que ele nunca seria capaz de agradar outra mulher.


Antes que ela pudesse guinchar e agir em seu impulso, ela respirou fundo e voltou a pensar todas as lições que ele lhe ensinou sobre como ser mais confiante, como fazer um homem desejá-la tanto, que ele não poderia ver em linha reta. Endireitando os ombros, ela entrou na pequena alcova, observando como os olhos de Crew levantaram e encontraram o dela. O idiota não teve sequer a decência de parecer envergonhado por ter sido tão descaradamente pego. —Eu vejo que suas reuniões matinais estão indo bem. Parece que você ainda fez a sua próxima grande aquisição—, ela cuspiu. Ela estava tentando controlar a voz, mas o veneno correndo selvagem em seu sangue escoou através de suas palavras. Seu sorriso desapareceu, substituído por um olhar de surpresa. O patife traidor nem ao menos removeu o braço de cintura daquela vadia pequena. Ele era realmente assim tão cruel? —Eu

sei

que nós

nunca

conversamos sobre ser

exclusivos, mas eu percebi que se você pode dormir na mesma cama comigo toda a noite, o mínimo que poderia fazer é ficar longe de prostitutas durante o dia. — Haley tremeu de tanta frustração; as lágrimas brotaram em seus olhos. Tentando acalmar-se e manter a calma, ela tomou algumas respirações profundas. Ele não valia a pena as lágrimas. Quando sua boca levantou e uma faísca brilhou em seus olhos, ela viu vermelho e levantou a mão para bater o


sorriso de seu rosto. Ele facilmente a pegou e a puxou contra seu lado, finalmente liberando a mulher ao lado dele. E a pequena ruiva também passou a sorrir. Quão cruéis essas pessoas poderiam ser? Celebrando. Eles estavam celebrando. —Haley, eu gostaria que você conhecesse minha irmã, Brielle. Levou vários segundos para as palavras de Crew afundar, e uma vez que elas fizeram, o rosto de Haley inflamou. Agora, ele saberia com certeza quão louca ela era. Ela não podia sequer olhar nos olhos da mulher sorrindo. Ela acabou de chamar sua irmã de prostituta. Quem faz isso? —É bom conhecer você, Haley. Não se preocupe com isso; sei como meu irmão pode ser. Você tem todo o direito de assumir o pior, embora eu vá te dizer, ele estava apenas jorrando sobre você, cinco segundos antes que você andasse em toda a sua glória aterrorizante. — Brielle estendeu a mão. De repente, incapaz de falar, Haley encontrou a mão estendida de Brielle e sacudiu, sentindo-se como uma tola. Era culpa de Crew, ela simplesmente não conseguia descobrir como. Nunca antes ela desejou um desastre natural, mas ela estava orando para um furacão aparecer instantaneamente e levá-la profundamente dentro do mar. Ou, uma caldeira poderia explodir... —Desculpe, — ela finalmente murmurou quando o seu desejo não foi concedido e o céu permaneceu claro.


—Meu pai queria me surpreender aparecendo do nada. Da última vez que conversamos, ele apenas disse que estava chegando em algum momento. Eu imaginei que ele iria dar um aviso prévio, mas ele gosta de aparecer sem aviso prévio. Este é o meu pai, Richard—, ele introduziu. —É um prazer conhecê-la, Srta. Sutherland. Como Brielle lhe disse, Crew falava muito sobre você momentos antes de você aparecer. Espero que você vá se juntar a nós esta noite para o jantar, para que possamos conhecê-la melhor. — O brilho nos olhos parecia familiar, mas Haley não podia confiar em qualquer coisa que ela estava vendo agora. Ela mal conseguia encontrar os olhos do homem, muito menos tentar descobrir por que ele se parecia com alguém que conheceu antes. Haley preferiria cair de um penhasco a passar tempo com as pessoas que ela acabou de insultar, mas ela balançou a cabeça e sorriu, tentando furiosamente pensar em qualquer desculpa para correr de volta para o resort. Ela se enterraria sob um monte de cobertores e inalaria um galão de sorvete. —Excelente. A nossa família tem muito que falar e muito a comemorar—, disse Richard, tomando seu aceno de afirmação, e, em seguida, olhando para seu filho. Haley também falou um pouco brilhantemente. —Isso é maravilhoso. Eu realmente preciso voltar para dentro. Eu vou deixar vocês pegarem tudo—, disse ela, puxando contra Crew, pronta para fazer a sua fuga.


—Mmm, eu gosto dessa raia ciumenta. Talvez você possa me punir mais tarde—, ele sussurrou em seu ouvido, fazendo suas bochechas aquecer novamente. —Pena que a tornozeleira não cabe em mim. Como ele poderia dizer isso na frente de sua família? Mesmo que não pudessem ouvir, ela ficaria apavorada se eles soubessem exatamente o que ele estava sussurrando em seu ouvido. Sem outra palavra, ela conseguiu desembaraçar-se dos braços de Crew, e fugiu para dentro. Ela não sairia novamente por mais dez anos. Talvez seu rubor tivesse desvanecido até então. Ela duvidava, mas milagres se tornavam realidade, de vez em quando.


Não era frequente Crew não ter uma palavra a dizer, mas isto foi demais para ele. Como poderia ser possível? Coisas como essa aconteciam apenas em ficção, não na vida real. —Eu entendo o seu choque, filho—, disse Richard. —Eu não podia acreditar nisso, mas é verdade. Assinado, selado e entregue, e cientificamente verificado. Eu não queria dar essa notícia por telefone, e eu certamente não queria te dizer até que soubesse que era verdade. Já falei com Ashton, Tanner e Lance. Brielle foi pega logo antes de virmos para cá. Ela insistiu em se juntar a nós. Ainda assim, Crew sentou lá e olhou para estes homens, estas semelhantes duplicatas de seu pai, seus tios. Como o filho mais velho, Crew sempre quis uma família maior quando era jovem, primos para brincar, contar segredos. Agora que era um homem adulto, descobriu que eles estiveram ali o tempo todo, do outro lado dos EUA. Sua família tirou férias na Califórnia, e ido através de Seattle. Ele poderia ter sentado ao lado de seus primos em uma mesa, e nunca os reconheceria. Era tudo tão esmagador.


—Você está levando isso tão bem quanto o meu filho mais velho, Lucas, fez—, disse Joseph. O crescente som da sua voz finalmente despertou Crew de seu choque. —Me desculpe, eu estou sendo tão desrespeitoso. Eu... É só muito para assimilar—, ele murmurou. —Bem, é claro que é, rapaz. Não é todo dia que você descobre que tem tias e tios, e um monte de primos. Estamos planejando uma reunião de família então você pode encontrar todos. Eles vão te amar como se você nos conhecesse desde o primeiro dia. Família significa tudo para George e eu. Além disso, tem sido um verdadeiro privilégio para nós encontrar nosso irmão, Richard. Queremos conhecer a nossa nova sobrinha e sobrinhos. A forma como este homem aceitou imediatamente uma nova família como sua própria era humilhante. Quantos anos Crew levou para

aceitar

sua

família

verdadeiramente?

Quantas vezes saiu e em nenhuma vez pensou em chamar seus irmãos? Foi somente após o ultimato de seu pai que ele se recompôs - finalmente vendo o que tinha a perder. Não o dinheiro. Claro, em primeiro lugar, isso foi o pior de tudo, mas quando ele e seus irmãos sentaram para conspirar contra seu velho homem, outra coisa aconteceu. Eles se ligaram novamente - um vínculo que foi esticado finamente ao longo dos anos, mas nunca arrebentado. Agora, eles falavam pelo menos uma vez por semana. Sabiam o que estava acontecendo nas vidas uns dos outros. Eles eram uma família novamente, apoiando-se uns aos outros para dar


apoio moral durante a tarefa difícil de transformar as dificuldades das empresas. Agora, eles tinham ainda mais família, e Crew queria conhecer todos eles. —Quando é o mais rápido que podemos fazer isso? — —Eu quero todos lá na ação de graças. É o meu feriado favorito, porque é quando eu consigo olhar ao redor de uma mesa farta e contar minhas bênçãos. Eu espero que você planeje sobre isso—, respondeu Joseph. —Sim, claro—, respondeu Crew. —Há uma configuração extra para a sua namorada cabeça quente, também—, disse Joseph, e enviou a Richard uma piscadela. Crew olhou incrédulo de Joseph a seu pai e, em seguida, caiu na gargalhada. Apesar de estarem distante toda a vida, os homens eram mais parecidos do que parecia possível. Estava nos genes da família? Em seguida Joseph falaria sem parar sobre netos... Não. Não é provável. Ninguém poderia ser tão ruim quanto o pai dele era quando se tratava da insistência sobre a próxima geração a nascer. —Vou considerar isso—, disse ele, recusando-se a satisfazer a curiosidade óbvia dos velhos intrometidos. Deixálos suar. Sim, ele era apaixonado por Haley, mas ela ainda estava assustada. Ele estava esperando o momento certo para dizer a ela que ela nunca estaria fugindo dele. Ela poderia correr e ela poderia se esconder, mas ele nunca iria deixá-la fugir.


—Teimoso. Isso é definitivamente sangue Anderson, — George resmungou. Crew sentou-se presunçosamente, tirou um charuto e acendeu. —Bem, não seja egoísta, garoto. Ofereça aos seus tios, também, — Joseph gritou. Com Crew dando risada, entregou charutos para os três homens. —Hábito nojento—, disse Brielle quando moveu a cadeira para longe da fumaça. —Você não sabe o que está perdendo, Brielle. Estes são magníficos, veio a mim da Colômbia. —Eu estou saindo desta sala cheia de testosterona. Acho que vou encontrar sua namorada, Crew, e ver as sujeiras que eu posso obter sobre você. Eu tenho algumas histórias para contar a ela, também. Crew considerou tentar impedi-la, mas sabia que estaria desperdiçando seu tempo ou pior. Sua irmã era uma força da natureza, e quando ela ia atrás de algo, era perigoso ficar em seu caminho. Em vez disso, ele sentou-se e virou a cabeça para frente e para trás, ouvindo os três irmãos zombarem em conjunto, como se nunca tivessem passado um dia sem se ver. Seu pai

não seria solitário nunca mais.


Brielle tomou seu tempo explorando o resort de seu irmão. Ela não podia negar que sentia um pouco de inveja de que seu projeto era um hotel de luxo, enquanto ela estava presa em um rancho. Então ela sorriu, pois não havia nada de fazer beicinho sobre isso. Ela não trocaria de lugar com Crew se pudesse. Ela nunca admitiria que a vida do rancho era adequada, mas seu

vizinho

incrivelmente

quente

era

certamente

uma

vantagem em mantê-la nas selvas de Montana. Ela deixaria seu vizinho vir ordenhar suas... Vacas a qualquer momento! Quando ela passou pelo bar, um som curioso chamou sua atenção. Avançando pela porta aberta, ela deslizou para dentro da sala mal iluminada, então se levantou pela parede de trás, enquanto observava Haley no canto da sala, com seus longos dedos acariciando as teclas do piano. A pobre mulher estava fazendo um trabalho terrível em tocar, mas o homem por trás do bar não parecia se importar, nem um pouco. Quando ele avistou Brielle, se aproximou. —Desculpe, mas não estamos abertos por mais duas horas—, disse ele amavelmente quando fez um gesto para a porta. —Estou aqui para ver Haley—, disse Brielle. Os olhos do homem se estreitaram de forma protetora, e teve a curiosidade de Brielle aguçada. Quem era esta mulher que tinha os homens em sua vida tão prontos para saltar em sua defesa? Brielle estava determinada a descobrir isso.


—Que negócio você tem com a Senhora Sutherland? —Eu prometo a você que não é nada mal. Deixe eu me apresentar antes de telefonar para os seguranças. Meu nome é Brielle Storm - irmãzinha de Crew— Ela estendeu a mão, e depois de um momento de pausa, os ombros do homem relaxaram. —Marlin. É bom conhecer você. —Você não tem um sobrenome, Marlin? — Brielle perguntou com uma risada baixa. —Sim, mas eu não gosto dele. Apenas me chame de Marlin. Vou deixar as senhoras por alguns minutos. Eu tenho que correr para a parte de trás de qualquer maneira para deixar os caras saberem o que trazer para fora. —Com isso, o homem saiu pela porta. Haley não notou sua troca enquanto continuava a se atrapalhar com os acordes do piano. A menina também decidiu cantar, e Brielle não sabia o que era pior, ela tentando tocar piano, ou seu canto. Ela não iria ganhar um Grammy em breve, embora certamente estava entusiasmada. Agora era a hora para chegar ao fundo do que estava acontecendo entre ela e Crew. A partir do vapor voando entre Haley e seu irmão, Brielle suspeitava fortemente de que ela era mais do que apenas uma namorada. Esta mulher era digna de seu irmão? Um sentimento profundo em seu interior disse-lhe que sim. —Espero não estar interrompendo você—, disse Brielle quando saiu das sombras. Haley bateu as teclas com um


solavanco, terminando assim a sua —canção— com uma impressionante variedade de notas dissonantes. Brielle podia ver que Haley esperava que seu esconderijo seria seguro, mas quando Brielle queria algo, nada poderia detê-la, e agora ela queria descobrir quem era Haley e exatamente o que ela representava. —Não. Claro que não. Eu não deveria realmente estar aqui, mas o bar está fechado no momento. Marlin me deixa ficar um pouco porque eu gosto de brincar no piano, embora eu obviamente sou terrível nisso. Eu fiz uma aula na faculdade de apreciação musical e peguei o básico. O instrutor, que tocava muito bem, me ensinou algumas canções simples— Haley deixou de mencionar o piano impressionante na casa de seus avós - afinal, ela foi proibida de tocá-lo, enquanto eles estavam vivos. —Eu sei— Frosty the Snowman6 —e— Silent Night7—. Meu pai sempre faz questão de canções de Natal ao redor do piano, assim cada um de nós foi obrigado a aprender um par de canções—, disse Brielle com um sorriso esperançoso. Ela sentou-se no banco ao lado de Haley e começou a tocar — Frosty— desde que Haley estava chocada demais para tocar logo em seguida. —Quais são as canções que Crew sabe? —, Perguntou Haley, os olhos arregalados e boca aberta. —'The Drummer Boy8' e Friendly Beasts9.' 6

https://www.youtube.com/watch?v=k6zW225k_O0 https://www.youtube.com/watch?v=nEH7_2c644Q 8 https://www.youtube.com/watch?v=X54m7niH0aU 7


—Eu amo ambas as músicas. Vou ter que ver se ele vai tocá-las para mim—, ela disse com entusiasmo e prazer. —Bem, se você está pensando em vir para o Natal, você vai ouvi-lo—, disse Brielle maliciosamente e observou a reação de Haley. Havia

esperança

no

rosto

da

menina,

verdadeira

esperança de que ela ainda estaria com Crew no Natal. A preocupação no peito de Brielle evaporou-se quando ela viu quanto esta mulher foi ferida. —Isso é daqui vários meses de distância—, disse Haley, recompondo-se rapidamente e olhando para as teclas. —Bem, eu queria procurá-la para me certificar de que você estará lá no jantar hoje à noite. Eu quero que você saiba que achei que você foi excelente não deixando Crew sair com qualquer uma. Se eu fosse alguma piranha em vez de sua irmã, você provavelmente teria agarrado meus olhos. Uma vermelha Haley olhou para Brielle, então golpeou algumas teclas com Brielle em uma terrível versão de —Silent Night—. —Eu não sei porque eu fiquei tão chateada—, ela murmurou. —Não é como se nós já dissemos que isso é algo oficial. Nós só estamos juntos um par de meses agora... —Eu acho que você ficou tão chateada porque você gosta do meu irmão, por mais difícil que seja de acreditar, e talvez até o ame.

9

https://www.youtube.com/watch?v=YxqTrmGqEIA


Haley agora empalideceu, e Brielle sabia, sem dúvida que ela acabou de conhecer sua futura cunhada. Ela e Crew eram loucos um pelo outro. Agora, eles só tinham que admitir e Brielle teria sua primeira cunhada. —Eu... Uh... Não o amo—, disse Haley. —É complicado, mas ele está me ajudando com algumas coisas. Homens como Crew casam com meninas da alta sociedade ou da Ivy League10. Eles podem sair com mulheres como eu, mas eles se casam com damas. —O que você quer dizer? As palavras cheias de dor de Haley cortaram o coração de Brielle. —Eu não sou exatamente da mesma classe do Crew como você. Eu não sou estúpida demais para perceber isso. Eu gosto dele, e ele têm sido maravilhoso para mim, mas isso é uma coisa de verão, nada mais. Nós estamos apenas nos divertindo—, ela vagueou. Brielle a estudou, querendo saber os segredos dessa mulher, querendo saber o que aconteceu em sua vida que a encheu de tanta insegurança. Culpa a consumia enquanto lembrava de todos esses anos que foi nada mais que uma pirralha. Ela pegou tudo o que foi dado como certo - a melhor educação, melhores roupas, um carro novo em seu décimo sexto aniversário, tudo 10

Ivy League é um grupo formado por oito das universidades mais prestigiadas dos Estados Unidos: Brown, Columbia, Cornell, Dartmouth, Harvard, Princeton, Universidade da Pensilvânia e Yale.Em 1954, quando foi criada, a Ivy league era apenas uma agremiação que reunia os grupos esportivos das instituições. Hoje, ganhou importância e virou sinônimo de excelência acadêmica.


o que sempre quis. Como ela foi superficial. Que desperdício de vida. Aqui estava uma mulher que obviamente teve muito menos, ainda estava orgulhosa e forte e cuidava de si mesma. Brielle tinha a sensação de que as duas seriam amigas próximas, e ela mesma seria a única a ganhar com a amizade. —Haley, você deve saber que o amor não se preocupa com a sua classe social. Ele não se importa que escola frequentou, ou se você pode tocar piano. O amor é mágico e honesto e vai encontrá-la quer você queira ele ou não. Não desista de si mesma, porque é bastante óbvio para mim que meu irmão pensa que você é a garota da mais alta classe que existe. —Eu... Uh...— Haley não podia falar. —Eu adoro o meu irmão. Ele e os meus outros três irmãos sempre me estragaram me mimando, mimando demais, eu estou com medo, mas isso é uma história para outra hora. Eu só queria encontrar a mulher por quem ele está obviamente apaixonado. Brielle irradiou ao ver uma Haley boquiaberta. Se nada mais, ela começou a fazer Haley pensar no assunto. Às vezes, os homens são grandes palhaços que simplesmente não sabem como se expressar, e as mulheres tem que tomar o assunto em suas próprias mãos. Na verdade, ela sabe de um homem em particular em Montana que poderia se beneficiar ao ouvir seus pensamentos.


—Eu não vou desperdiçar mais o seu tempo, Haley, mas eu realmente espero vê-la hoje à noite no jantar. Tem sido um verdadeiro prazer falar com você. —Com isso, Brielle levantou e deixou a mulher perturbada sozinha. Haley tinha muito em que pensar, e Brielle estava esperando por um casamento no inverno. Não havia nada como um chão coberto de neve, quando duas pessoas começavam suas vidas juntas. A nova noiva e o noivo iriam literalmente forjar um novo caminho para si próprios a partir do momento em que saiam do calor da igreja e faziam o caminho de casa, as pegadas demarcavam seus progressos na pura neve branca. Sim, apesar de alguns solavancos na sua própria estrada, Brielle era uma romântica. Era esplendido ser ela mesma novamente e ainda mais esplendido ter sua família de volta, todos muito unidos e cheios de amor. Sorrindo para si mesma quando foi em direção ao seu quarto, ela nem percebeu os homens que pararam para olhar para ela. Ela sabia que era atraente - ela não era idiota -mas ela não tinha ideia de todo o poder que possuía.


OK,

ela

estava

apaixonada.

Irremediavelmente,

irrevogavelmente apaixonada. O coração de Haley brilhava com o calor, enquanto observava os três homens saborear seu scotch e encher a sala com fumaça de charuto e gargalhadas. Eles eram um motim e ela não poderia obter o suficiente deles. —São quatro cartas iguais. Eu ganho! — Haley puxou a pilha dos doces Skittles para si mesma. Tinha mais ou menos os limpados. —Eu acho que você está trapaceando, mocinha—, disse Joseph com uma careta simulada quando ele colocou seus humildes dois pares. —Você,

meu

bom

senhor,

está

sendo

um

mau

perdedor—, ela provocou. —Se ao menos eu não estivesse tão apaixonado pela minha Katherine, eu lutaria com meu sobrinho pelos seus afetos.


—Eu poderia lutar com Katherine por você—, disse Haley com uma piscadela, amando o brilho rosa suave em suas bochechas. —Ah, minha jovem, você sabe como fazer um homem velho se sentir jovem. — Ele se inclinou e beijou a bochecha dela. Os homens estavam hospedados por uma semana, e ela os procurou regularmente quando Crew estava ocupado executando o seu resort. Os potenciais compradores estavam lá, e eles fizeram uma oferta oficial. Parecia que seu tempo no paraíso estava quase no fim. Ela iria perder este lugar além da expressão, mas pelo menos ela teria memórias incríveis para levar para casa. As noites picantes com Crew, e esta preciosa semana com seu pai e seus tios. Era como se ela estivesse ficando com um gostinho do que uma família normal era, oh, como ela ansiava por tal coisa. Uma história, uma bela história - trigêmeos reunidos depois de mais de sessenta anos. E poucos dias foram tudo o que tomou para eles se relacionarem. Haley ficou encantada que tanto Joseph e George eram felizes homens casados, e simplesmente não entendia como o pai de Crew poderia estar sozinho. Richard era suave e aventureiro, e tinha uma atitude diabólica. Ela certamente poderia ver de onde Crew herdou não apenas sua boa aparência, mas também os seus modos


casuais mais polidos. Ela estava em cima de sua cabeça com esta família Anderson / Storm. E quando ela não visse nenhum deles mais...? —Eu sempre disse que uma mulher que pode jogar é uma força a ser reconhecida. Vamos deixá-la em dois dias, mas eu espero que você venha nos visitar, mocinha, — George disse enquanto olhava nos olhos dela. Haley não queria arruinar o humor. —Eu acho que você só quer ganhar de volta o seu doce. Você continua tentando, mas simplesmente não pode me bater—, brincou ela enquanto levantava algumas peças coloridas e deslizou em sua boca. —Você pare de tentar mudar de assunto, — Joseph respondeu incisivamente, não enganado por suas táticas. — Você ainda tem que me dizer que você vai estar lá para ação de graças. É em apenas um par de meses e eu gosto de um monte de senhoras bonitas sentadas em volta da minha mesa. —Eu irei se eu puder—, disse ela, sem elaboração. Ela queria muito dizer que ela estaria lá, mas ela tinha que lembrar que esta não era a sua família. Ela estava simplesmente com eles emprestados por um tempo muito curto. —Sim, Haley, eu quero que você esteja lá, também. Você trouxe um brilho nos olhos de meu filho que não tenho visto em anos. Você é boa para ele—, disse Richard. Ele era o mais quieto dos três irmãos, mas não menos poderoso.


—Isso é porque eu dou-lhe tantos problemas. Agora, se você quer fugir comigo, podemos encontrar uma ilha deserta e nos esconder para sempre—, ela acrescentou com uma piscadela, fazendo Richard corar. —Oh, se eu fosse trinta anos mais jovem, eu iria jogá-la por cima do meu ombro e levá-la ao paraíso a qualquer momento—, disse ele com uma risada; Joseph e George juntaram-se. —Essa

está

tomada,

papai—,

disse

Crew,

surpreendendo Haley com a sua abordagem tranquila. Ela olhou para cima em suas feições sorridentes. —Não significa que eu não posso duelar com você por ela—, disse Richard. —Gostaria de ter a certeza de perder para um homem tão bom—, disse ao grupo antes de levantar Haley da cadeira e apreendendo a sua boca tão rapidamente que ela não teve tempo nem para pensar em protestar. Quando seus lábios cobriram os dela, ela se esqueceu de seus três homens favoritos e se derreteu nos braços de seu amante. Perdendo a noção do tempo ou lugar, ela apenas aguentava a turbulência de emoções que ele causava em seu corpo. —Agora, isso é um beijo—, disse Richard com uma risada. Haley despencou de volta à terra firme. Era a sua vez de corar quando Crew lentamente a soltou. —Eu odeio tomar Haley de vocês, mas tenho planos que não envolvem três homens intrometidos—, disse quando ele


apertou

a

mão

dela.

Haley

tentou

puxar

de

volta,

desconfortável com o brilho malicioso em seus olhos. —Menino. Você dá a essa garota algum bom romance. E não se atreva a deixá-la ir. Eu não criei um tolo como filho—, disse Richard. Joseph enfaticamente concordou. —Uma boa mulher não é algo a tratar com leviandade. Você segura firme e ora pra ela nunca deixar você ir. Eu estive com a minha Katherine por mais de 40 anos agora, e não passa um dia que eu não sou grato por tê-la encontrado. —Sim, eu fui abençoado por ter dois grandes amores na minha vida. Os últimos dez anos com Esther têm sido uma bênção, e eu não sei o que eu faria sem ela—, acrescentou George. —Eu daria qualquer coisa para ter uma mulher ocupando

meu

coração.

Eu

não

desisti—,

Richard

acrescentou com tristeza. —Não se preocupe, irmão! Vamos encontrar uma noiva—, disse Joseph com excitação. —Oh, não, você não vai, Joseph. Se o amor tiver de me encontrar, então ele irá, mas eu não preciso de meus irmãos se intrometendo na minha vida—, disse Richard com um olhar. —Vocês três discutam sobre isso. Vejo vocês hoje à noite. — Com isso, Crew carregou Haley em seus braços e


saiu da sala. Os sons dos assobios dos homens os seguiram até a porta. O ato de homens da caverna de Crew a envergonhou, mas ela se derreteu contra ele. A força de seus braços por baixo dela enquanto flexionado para trás, a sensação de seus abdominais firme pressionando contra seu lado, e o olhar de fome em seus olhos deixaram sua respiração presa na garganta. —Você está de muito bom humor, não é? —, Brincou ela enquanto ele percorreu um corredor por trás do bar e se dirigiu a seu escritório. —Eu senti sua falta—, ele respondeu simplesmente. Seu coração aquecido com o pensamento. —Eu gosto de passar um tempo com seu pai e tios. Eles são teimosos e queridos e eu amo cada minuto com eles. — —Eu adoro estar com eles, também, mas agora eu vou amar estar com você—, disse ele enquanto atravessava a porta do escritório, rapidamente fechando-a e trancando-a atrás dele. Depois que ele a colocou no chão em sua mesa, sua boca rapidamente prendeu a dela, e ela esqueceu tudo sobre scotch, poker, e três senhores divertidos. Fome lavou por ela enquanto Crew desabotoou sua blusa, expondo seu sutiã de renda dentro de segundos. —Bem, por que você não só disse? —, Ela engasgou enquanto sua boca se moveu para baixo em sua garganta, e


depois chupou um mamilo endurecimento através do laço delicado. Ela se inclinou para trás e soltou um grito de prazer. Ele estava se movendo rapidamente, e Haley não teria tido, ou ele, de qualquer outra forma. Ela queria que ele a levasse rápido e duro, fazendo-a gritar de prazer novamente e novamente. Sua mão encontrou seu fecho frontal e lançou seus seios para que ele pudesse lhe dar um acidente vascular cerebral, provocado por fazer borboletas em seu estômago com a necessidade. Correndo o braço sobre a superfície da mesa, ele jogou tudo

o

que

havia

no

desabotoando sua saia

chão,

em

seguida,

e arrancando a

a

sua

deitou, calcinha,

deixando-a nua diante dele. —Eu

não

posso

superar

cada

vez

mais

como

impressionante você é. Eu olho para você e quero saber como eu cheguei a ser o sortudo que se enterra profundamente dentro de seu calor, beija cada pedaço delicado de sua pele, e depois a segura durante toda a noite enquanto você sonha com o amanhã—, ele sussurrou, seus olhos movendo-se lentamente através de seu corpo. Oh, meu Deus, o homem sabia o que dizer. Ela era uma bagunça tremendo quando ele passou as mãos até as coxas e as empurrou, deixando-a aberta para seu faminto olhar. De repente sua boca desceu, e ela de fato gritou quando ele a colocou em sua feminilidade inchada e transformou o


calor em um inferno. Deitada de costas em seus cotovelos, ela gritou seu nome enquanto ele acariciava suas chamas superiores, trazendo-a para a beira do prazer... Antes de parar. —Beije-me, — ele exigiu quando ele mudou de seu corpo, sua roupa desapareceu. Quando na Terra isso aconteceu? Ela não sabia. Em vez de saquear sua boca como ele fez anteriormente - que ela passou a gostar, muito - ele pairava sobre ela, roçando levemente seus lábios nos dela enquanto suas mãos emolduravam seu rosto. O momento doce trouxe lágrimas aos seus olhos. O calor e a paixão ela poderia tomar, receber, e tirar. Esta exploração amorosa, lenta de sua boca a deixava de joelhos. Tentando não gritar seu amor por ele, ela aprofundou o beijo, sabendo que ele estava perto de perder todo o controle. —Eu preciso de você, Haley. Eu sempre preciso de você—, disse ele enquanto alinhava seus corpos juntos. Quando ele descansou a cabeça dura de sua ereção contra ela por um momento, seus olhos se encontraram, e eles eram um só. Ela era sua para ser tomada, e ela não iria deixar ir até o momento em que ele a forçasse. Chamas a rasgaram de novo quando ele lentamente afundou profundamente dentro de suas dobras, e, em seguida, bateu contra sua carne, balançando-a para mais


perto e mais perto do limite de puro prazer. Ela sentiu os músculos flexionarem para trás enquanto ele empurrava dentro dela, e ela chupou em seus gemidos de desejo com suas línguas entrelaçadas. Quanto mais rápido e mais difícil ele empurrou contra ela, mais alto ela gritou. Mais. Sempre mais. Ela não conseguia o suficiente dele. Pouco antes de ela se desfazer, Crew ergueu a boca e olhou profundamente em seus olhos. —Minha, Haley. Você é minha. Hoje. Amanhã. E depois. Eu não vou deixar você ir. Ela tentou recusar suas palavras, tentou não deixá-las plantar

dentro

de

seu

coração,

mas

quando

ele

se

despedaçou, ela sentiu as lágrimas ameaçando derramar. Sim. Ela queria ser sua para sempre. Mas não era isso que as pessoas diziam no calor da paixão? Eles sentiram emoções em um nível muito mais profundo, mas essas emoções se esgotavam rapidamente. Ainda assim, ela se permitiu estimar uma pequena esperança de para sempre quando ele a envolveu em seus braços e a levou para a sua cadeira de grandes dimensões no canto, segurando-a enquanto ela se recompunha. Talvez ela não tivesse que deixá-lo ir. Talvez hoje fosse durar uma eternidade.


—De que você tem tanto medo, Haley? Agarrando sua camisa e cobrindo-se, ela se virou quando ela procurou sua calcinha. Onde estavam as suas coisas estúpidas? Não havia nenhuma maneira que ela iria deixar este escritório sem ela e arriscar o embaraço de ter uma empregada do resort aspirando isso. Foi ruim o suficiente quando eles foram pegos fazendo na sauna como um casal de adolescentes. Ela estava totalmente mortificada. Crew, maldito ele, apenas sentou-se com um grande sorriso em seu rosto enquanto seu pobre empregado saiu da sauna com desculpas e um rosto corado. Mas, realmente, por que ela estava pensando no incidente agora? Provavelmente porque ela tinha medo de enfrentar a conversa que ele estava tentando ter. Se ela se abrisse para


ele apenas para ser deixada para baixo, ela seria ferida, assim como ela sempre foi. Ele tinha uma família em que poderia se apoiar - ela não tinha ninguém. Por que ele não conseguia entender isso? Mesmo sabendo o tempo todo que não era inteligente fazer qualquer coisa com ele diferente de levá-lo como um professor, ela

ainda conseguiu deixar seu coração se

envolver. Portanto, agora ela estava lutando para construir algum tipo de defesa contra a dor inevitável. Ele estava vendendo o resort, provavelmente uma questão de dias, e após a venda fechada, ele passaria para sua

próxima

grande

aventura

e

ela

estaria

sozinha

novamente. Ela costumava lidar com isso muito bem, mas isso foi antes de conhecer Crew. —Eu não tenho medo de nada, Crew. Eu gosto da forma como as coisas estão entre nós, e eu não vejo por que você continua me empurrando—, ela finalmente disse quando ele bloqueou a porta. —Por que é errado em admitir que nós somos bons juntos? — Seu rosto estava sério, mas ela compartilhou tanto já. O que ele pensaria se soubesse a profundidade de seus sentimentos? Ele era o homem para ter por um bom tempo e não um feliz para sempre depois. —Nós somos bons juntos. Eu não nego isso—, disse ela, dando-lhe algo tão esperançosamente que ele deixou o assunto. Ela tentou fazer o seu tom leve, mas seus crescentes níveis de estresse não estavam fazendo mais fácil.


—Eu amo estar com você, Haley, — ele disse a ela quando a agarrou por trás e deslizou sua mão ao redor de sua cintura, os dedos que abrangiam todo o plano de seu estômago quando ele a puxou de volta contra seu peito. A forma como o polegar descansou um pouco abaixo de seu peito teve seu corpo se aquecendo de novo. Esta era uma tortura inacreditável. Ela precisava de algum tempo para pensar, se recompor, e tentar descobrir o que tudo isso significava. —E

eu

amo

estar

com

você,

também,

Crew.

Honestamente. Eu só não acho que devemos tentar colocar um rótulo sobre o que temos. Nós dois estamos em um ponto instável em nossas vidas e isto é suposto ser divertido e despreocupado. Você é meu professor, lembra? —, Disse ela com uma tentativa de humor. Ele caiu de bruços. —Você quer poemas e chocolates? —, Ele perguntou, sinceramente perplexo. —Eu não estou sendo sarcástico, Haley. Eu preciso saber. A verdadeira confusão em sua voz quase derreteu. Ele era tão bom para ela, antecipando suas necessidades, se preocupando com o que ela sentia, e fazendo seu corpo cantar para ele. Se ao menos pudesse segurá-lo para sempre. —Não quer cada mulher? —, Ela riu quando ela se virou em seus braços e deslizou os lábios nos seus em câmera lenta.


—Feito. Vou limpar a loja de doces e têm um poeta voando hoje à noite. Ela desejava saber se ele estava brincando ou não. —Que tal você apenas me surpreender com uma grande barra de chocolates e nós não perseguirmos escritores—, ela respondeu, enquanto suas mãos deslizavam pelas costas. Em seguida, ele pegou a cabeça e virou a suave carícia dos lábios em um ataque dimensionado em sua boca. Parecia que ela fez um bom trabalho de distraí-lo; ela não sabia, no entanto, a possibilidade de ser feliz no seu sucesso. Quando o telefone tocou naquele momento, Haley sentiu uma mistura de alívio e frustração. Seu corpo tinha apenas começado a aquecer novamente, mas ela estava feliz que ela pudesse escapar dessa conversa estranha. —Você termina a sua chamada, e eu vou dar um mergulho—, Haley disse a ele. Fogo estava apenas começando a incendiar em seus olhos, então ela recuou vários passos, para manter a tentação de conquistá-la. Ela chegou à porta antes que sua voz a detivesse. —Haley. — Ele fez uma pausa enquanto ela se virou. — Essa conversa está longe de terminar. Quando saiu do escritório, ela sentiu a batalha do medo pela esperança. A esperança era mais aterrorizante. Se ela se deixasse pensar em um futuro real com ele, estaria nadando sem um colete salva-vidas no meio de um mar tempestuoso, e provavelmente seria mais fácil apenas ceder e deixar a água arrastá-la.


Com um aceno de cabeça, ela reprimiu as lágrimas confusas e foi para sua suíte. Um bom mergulho e treino iriam colocar sua mente de volta aos trilhos. Isso era tudo o

que precisava, ela se convenceu.

Crew saiu do telefone, e depois descansou a cabeça em suas mãos. Ele conhecia e compreendia seus medos do futuro, mas ele esperava que ela tivesse um pouco mais de confiança nele até agora. Ele daria a ela uma ou duas semanas para trabalhar com suas emoções, e então ele ia atacar. Haley mudou sua vida para melhor; ele não poderia deixá-la ir agora. Será que todo mundo tem um companheiro perfeito lá fora em algum lugar? Ele só sabia que sem ela, sua vida seria vazia. Os dois poderiam ter uma boa vida juntos. Sua insegurança ainda a segurou de volta, mas ao longo do último par de meses, ele a assistiu vir à vida, abriu-se e enfrentou muito dos demônios que existiam em seu passado. Um por um, ela estava matando seus dragões, e ele prometeu estar lá lutando ao seu lado.


Crew acabou dando à Haley uma pausa de apenas um dia. Ele planejou dar-lhe mais tempo, mas ele tinha notícias, e ele não podia esperar para contar a ela. Seus compradores

advogados

e

empurraram

aqueles através

contratados da

papelada,

pelos e

ele

precisava deixar Haley saber que no final do mês, era hora de seguir em frente. Ele esperava que ela não se importasse de ir embora com ele para um novo local. Embora ela tivesse sua instrução para terminar, ela estava tomando este semestre fora, e ele acharia a melhor escola possível. O que era importante para ela, era importante para ele também. Crew decidiu que seu próximo empreendimento ia ser em Oregon. Houve um grande resort nas praias de Tillamook,


e ele queria restaurá-lo. Ele estaria mais perto de sua família recém-descoberta e poderia conhecer os primos que ele nunca conheceu. Haley amaria lá. O tempo era quase idêntico ao de Seattle, adicionado a que ela ainda estaria na praia, ele raciocinou. Esse tipo de notícia exigia um jantar à luz de velas com pelo menos algumas dúzias de rosas, e um monte de chocolate. Mulheres, ele teorizou, eram muito mais propensas a ouvir se elas tinham bom chocolate em suas mãos. Haley provou certamente isso muitas vezes. Um

flashback

de

uma

noite,

quando

eles

experimentaram com calda de chocolate e chantilly inundou sua memória, e Crew perdeu o trem de pensamento. Droga. Balançando a cabeça, ele voltou a trabalhar. Havia um monte de planejamento, e isso precisava estar apenas certo. —Senhor Storm. —Senhor Storm. Crew virou-se para encontrar as gêmeas Stanther balançando na direção dele. As duas senhoras idosas estavam em seus oitenta e cheias de vida, embora, sem dúvida, um pouco mais lentas do que estiveram em anos passados. Elas devem ter sido verdadeiras belezas nos seus dias. Conhecimento e risos brilhavam em seus olhos, e ele tinha prazer em tê-las no resort para a semana passada. Ele


raramente tornou-se ligado aos hóspedes, mas ele fez uma exceção com as duas pessoas irascíveis. —Como posso ajudá-las senhoras bonitas? — Ele disse quando deu a cada mulher um beijo na mão. —Oh, você é tão encantador. Se eu tivesse a energia que eu costumava ter— Bertha Stanther disse: —Eu iria arrastálo até a minha grande suíte agradável comigo. É apenas muito ruim que a idade me pegou. —Ah, idade só a fez mais marcante—, disse ele com uma piscadela. As duas senhoras deram uma risadinha, e blushes suaves apanharam suas bochechas. Penélope agora falou: —Nós só queríamos dizer adeus. Nosso sobrinho-neto está nos pegando hoje e nos levando de volta para casa. Nós adoramos o nosso tempo com você, Sr. Storm. Eu espero vêlo novamente em um par de meses. —Infelizmente, eu não vou estar aqui, senhoras. Mas quando

eu

tiver

o

meu

próximo

resort

instalado

e

funcionando, vocês tem uma semana livre comigo—, ele prometeu, entregando-lhes a cada uma o seu cartão de visita pessoal. —Ooh, vamos certamente levá-lo sobre isso. Umas férias soam divinas—, disse Bertha. As mulheres viviam pingando em joias e tinham mais dinheiro do que jamais precisariam gastar, mas elas passaram por tempos difíceis em suas vidas,


e apertaram moedas de um centavo onde contava 11. Ele teve a honra de dar-lhes uma semana de férias a suas custas. —É melhor você vir, porque eu vou sentir tanto sua falta. Que tal um beijo? — Ele se inclinou para baixo para que cada uma delas pudesse dar-lhe uma mancha de beijo de batom rosa em sua bochecha. —Vamos ver você em breve, Sr. Storm—, chamaram quando se viraram para ir em direção ao jovem bem vestido que deu a cada uma delas um abraço e começou a perguntar como a viagem foi. Crew esperava vê-las novamente. Ele realmente gostou de seu senso de humor e atitudes positivas. Nenhuma delas estava deixando a idade impedi-las de aproveitar a vida, e ele esperava que ele fosse do mesmo modo quando ele batesse seus oitenta anos. Depois de assistir as irmãs serem escoltadas à distância com segurança, Crew virou-se para caçar seu pai e tios. Sua família estava saindo no dia seguinte e, embora ele odiasse confessar, a facilidade com que eles entraram no coração de Haley não o fez nem um pouco ciumento. Cada momento que ela poderia encontrar, ela estava com os três homens velhos, e ela e sua irmã realmente se deram bem, mesmo juntando-se com sua equipe para causar o caos para ele. Ele não poderia estar com raiva, porém, porque Haley não tinha família, sem amigos, ninguém. Isso foi antes dele

11

Um dito popular como o nosso “apertar os cintos”


entrar em sua vida, é claro; agora ela nunca estaria sozinha novamente. Cada dia que estava com ela, ele caiu ainda mais no amor. O desejo mais profundo de seu coração era segurar firme e nunca deixá-la ir. E, sim, ele sentiria saudades dos homens velhos intrometidos, uma vez que partissem, mas ele tinha Haley e sentia que nunca iria perdê-la. Crew estava quase surpreso ao encontrar os três sentados no bar, com seu barman favorito, com quem eles se deram bem rapidamente. Não era um choque, uma vez que tanto eles como Marlin praguejavam por bebida fina e charutos caros. Crew já decidiu oferecer um pacote para Marlin, bom demais para recusar, se ele viesse para o próximo resort com ele. —Última vez que verifiquei, este era um local de negócios—, disse Crew, tentando soar áspero, mas não conseguindo. —Oh, pare os berros e se junte a nós para fumar um cigarro—, seu pai disse dando espaço na cadeira para Crew se sentar. Neste momento na parte da tarde, havia poucos clientes, e teve a chance de relaxar. —Não importa se eu fizer—, disse ele aceitando um charuto do seu tio Joseph e acendendo. Inclinando-se para trás na cadeira, ele notou que todos os olhos estavam sobre ele. Os homens estavam olhando para ele como se tivessem procurando algo.


—O

quê?

—,

Ele

perguntou

finalmente,

não

normalmente autoconsciente, mas lutando para não se contorcer sob o calor de seus olhares severos. —Nós

estávamos

discutindo

você,

menino,

e

perguntando o que diabos está errado com você que você não pediu Haley em casamento. Deixou para seu pai para ir direto ao ponto. —Eu não vejo como isso é da sua conta. Isso vale para todos vocês. — Crew incisivamente olhou cada um deles no olho, dando a Marlin um olhar extra para uma boa medida. Mas o homem não recuou uma polegada, quando foi que Crew perdeu seu toque? —Bem, é claro que é o nosso negócio. Nós somos uma família e queremos ter certeza de que você está OK—, Joseph gritou, soprando uma nuvem espessa de fumaça de sua boca. Crew soube da existência do homem a apenas um par de semanas e ainda assim Joseph já estava confortável em seu papel de tio. Para grande surpresa de Crew, ele descobriu que não se importava em tudo. Ele sentiu como se conhecesse Joseph e George toda a sua vida, e ele estava grato por ser parte de sua família agora. —Não que eu deva admitir isso para qualquer um de vocês, mas eu não vou deixar Haley escapar por entre os dedos. Talvez eu tenha feito algumas decisões estúpidas em meus anos mais jovens, mas quando você tem em suas mãos uma mulher boa, você certamente não a deixa ir embora.


—E, além disso, já está na hora de alguns netos...— a voz de Richard sumiu quando as palavras de Crew foram registradas em seus ouvidos. Um enorme sorriso apareceu em seu rosto quando ele olhou para seu filho mais velho. Crew nunca teve prazer nas pessoas de sua família, mas ele sentiu uma onda de orgulho no ligeiro brilho de lágrimas nos olhos de seu pai. —Uh... Bem... Isso é muito bom, Crew. Eu estou muito orgulhoso de você—, disse Richard finalmente batendo nas costas de seu filho. —Sobre o que você está tão orgulhoso, pai? — Brielle perguntou quando ela se juntou a eles, estatelando-se numa cadeira e pegando o charuto de Crew, muito a seu desânimo. —Eu pensei que você odiava estes—, ele estalou quando ele tentou agarrá-lo de volta. —Eu estou tentando ampliar meus horizontes—, disse ela, e levou um sopro, em seguida, dobrou quando a fumaça entupiu seus pulmões. —Você não deveria inalar, sobrinha querida; apenas saborear o fumo doce em sua língua. — George bateu em suas costas e ofereceu-lhe um pouco de água. —Obrigada pelo aviso, — ela engasgou com um olhar para Crew. —Você não me deu uma chance—, ele respondeu com um sorriso quando ele tomou o seu charuto. Isso mostraria a ela por tomar um dos seus.


—Está bem. Ok. Você me pegou. Então, sobre o que você está orgulhoso? —, Ela perguntou novamente. —Crew vai casar—, Joseph disse. Crew olhou ao redor em pânico. —Shh. Eu não falei com Haley sobre nada disso, e ninguém disse nada sobre o casamento. Eu só disse que eu não ia deixá-la ir—, ele sussurrou. —É melhor você não planejar apenas sair com a menina. Ela é uma senhora e merece um anel em seu dedo, —George advertiu ele. —Vocês são tão intrometidos, — Crew rosnou quando ele levantou-se e esmagou o charuto no cinzeiro. Ele tinha que encontrar Haley antes de os velhos fazerem seu plano de jogo. Ele apostaria sua fortuna que nenhum deles poderia guardar um segredo. Por que ele disse alguma coisa, ele não sabia. —Bem, nós não teríamos se você não fosse tão malditamente tolo —, Richard gritou. Crew não se incomodou de responder enquanto o riso deles o seguiu para fora da sala. Foi uma coisa boa que Marlin se manteve quieto; caso contrário, ele poderia tê-lo enlatado no local. Ele não teria, claro, mas era um pensamento agradável, de qualquer maneira. Com um passo determinado, Crew foi para seu quarto. Era hora de dar a Haley o romance que ela queria. Ele tinha


grandes planos para eles, e o mais apertado que

ele

tecesse

sua

rede,

maior

a

probabilidade de que ele seria capaz de mantê-la presa nele para sempre.

Várias horas mais tarde ele encontrou Haley lendo um livro lá atrás de um dos fogos a céu aberto. Ele adorava a maneira como seu rosto se iluminou quando ela veio para uma boa parte da história, e as diferentes formas de lágrimas caindo durante as cenas alegres e tristes. Ele nem sequer precisava pegar o livro. Ele poderia lê-lo através de suas expressões. Se ela apenas fosse tão fácil de ler quando falavam. Ela cresceu muito boa em mascarar suas emoções na frente dele. Ele esperava que pelo final da noite ela confiaria nele o suficiente para nunca mais fazer isso de novo.


—Boa noite, linda—, ele disse quando ele se sentou ao lado dela e esfregou seu pescoço. —Oi, Crew. Lamento não ter vindo antes. Perdi a noção do tempo. —Não foi muito difícil encontrá-la. Você está pronta? —Sim. Estou ficando com sono. A ajudando a levantar, ele colocou seu braço ao redor dela e começou a levá-la em direção aos elevadores. —Você teve um bom dia? —Sim. Fui jogar golfe pela primeira vez na minha vida. É uma coisa boa seu pai e tios serem tão pacientes; estava com medo que eles poderiam me jogar em uma das armadilhas de água. Sou terrível nisso—, disse a ele com uma risada. — Correção. Eu sou muito boa em encontrar as armadilhas de água. —Eu vou dizer-lhe um pequeno segredo. Eu sou terrível, também. Ele podia ver que ela não acreditou nele. —Você sabe que aqueles velhos são loucos por você. Eu pensei que por um tempo eu poderia ter que lutar contra meu pai por você. Ele é muito apaixonado. —Oh, os amo, Crew. Todos eles são tão engraçados e gentis. Sempre que eu sonhei em ter um pai, eu o imaginei sendo a mistura perfeita de todos os três. Eles podem latir bem alto, mas todos eles têm um coração de ouro, e são


realmente apenas grandes e macios—, disse ela com um suspiro. Crew era grato que amava sua família tanto. Agora que ele encontrou o seu caminho de volta para casa, ele nunca poderia estabelecer-se com uma mulher que não achava que família era tão importante quanto o seu relacionamento. Eles andavam de mãos dadas. Crew acreditava que se você não tivesse família, sem ninguém ao seu lado para te amar, você era apenas metade de uma pessoa. Ele foi para os dois lados, no entanto. Se você tivesse o amor verdadeiro, mas nenhuma família para voltar para casa, também, você ainda era apenas metade de uma pessoa. Para sentir o efeito completo de um feliz para sempre, você precisava de seu verdadeiro amor e sua família para mantê-lo de pé e forte. Eles seriam os únicos que iriam segurar sua mão em uma tempestade, cair de joelhos com você quando o resto do mundo te colocar para baixo, eles eram tudo que o faria uma pessoa inteira. Pobre Haley teve muitos anos sem essa ligação especial. E, embora ele tivesse tido o tempo todo, durante anos ele tomou para concedido aqueles que mais importavam. Pelo menos não era tarde demais para qualquer um deles. Eles chegaram ao quarto, e ele lentamente abriu a porta e a conduziu para dentro. Ela parou surpresa. Crew estava orgulhoso de si mesmo. Desde que ele queria desenraizar sua vida, ele iria tornar esta noite especial, fazê-lo da maneira correta. Nada além de velas


perfumadas iluminaram o quarto; elas lançavam sombras dançando na parede e um doce aroma de jasmim no ar. A mesa estava posta no meio da sala com prata e cristal e a melhor garrafa de champanhe que poderia obter em suas mãos. Um menu de salada fria, lagosta fettuccine e mousse de chocolate estava pronto para ser servido quando eles chegaram, e vasos transbordantes de flores sobre as duas mesas finais. Algumas rosas jaziam sobre seu prato. —Qual é a ocasião? —, Ela perguntou em um sussurro. Ela olhou para ele com os olhos brilhando. Sim, ele fez bem, ele pensou quando ele a puxou para perto. —Todo dia que estou com você é uma ocasião para celebrar, — ele disse a ela, surpreso com o quanto significava as palavras. —Crew, você me faz derreter—, disse ela quando o beijou em apreciação. Antes de se perder em seu toque, ele a levou para a mesa, onde pegou uma das taças delicadas e derramou um copo de vinho espumante. —Para ontem, hoje e amanhã. Que cada um e todos os dias nos pareçam ser tão mágicos como este momento—, ele se ofereceu como um brinde e ela tocou seu copo contra o seu. Ele estendeu sua cadeira e ela sentou-se então, mudou para o outro lado da mesa, logo ele poderia saboreá-la, cada


gesto e expressão. Quando ele a viu pegar o garfo com seus dedos longos e finos e começar a mordiscar em sua salada com sua boca deliciosa e dentes brancos minúsculos, gemendo sua aprovação, seu corpo não tinha escolha, mas apertar. Ele tinha que se lembrar mais uma vez que havia um propósito para esta noite. Sim, ele planejava levá-la para cama depois, mas ele precisava dela para aceitar a sua oferta para mover-se com ele. Ele se recusou a deixar a ilha sem ela. Sentindo o interior do bolso, onde uma pequena caixa de veludo descansava contra seu coração, ele não podia acreditar que estava trabalhando acima de um suor. Por que diabos ele estava tão nervoso? Porque, pela primeira vez na sua vida, estava indo para algo do qual não sabia o resultado. Ele normalmente nunca jogou em qualquer coisa; era tudo sobre vitórias garantidas. Com Haley, no entanto, sentiu que ela o amava, e se ele estava simplesmente vendo o que tão desesperadamente queria ver? Ela falou de seus temores, mas Crew encontrou-se com medo, medo de perdê-la. Era impensável. —O

resort

foi

vendido—,

ele

disse

a

ela.

—Os

documentos foram assinados hoje e os novos proprietários irão assumir no final deste mês.


O garfo de Haley caiu no seu prato. Ela rapidamente pegou de volta para cima e jogou um de seus sorrisos falsos com marca registrada. —Isso é maravilhoso, Crew. Estou muito feliz por você—, disse ela, com a voz quase convincente. Ele não entendia por que ela estava chateada. Ele disse a ela durante meses que estava em andamento. Ela era tão apegada à Ilha Catalina? Se ela fosse, ele provavelmente poderia

encontrar

uma

outra

propriedade

em

desenvolvimento nas proximidades. Não na ilha, como ele assinou uma cláusula de não concorrência, dizendo que não iria construir um outro resort lá que poderia ser melhor do que este. Mas o continente da Califórnia era a apenas 35 quilômetros de distância, e ele poderia facilmente comutar a outro ponto na costa para fazer o que agora era sua paixão, a restauração. —Está tudo bem, Haley? Você parece um pouco... Eu não sei... —Estou muito feliz por você, Crew. Muito feliz—, disse ela, levantando-se da mesa. Quando seus braços torceram em torno do seu pescoço e ela se sentou no colo dele, ele não lutou contra ela; nem quando seus lábios se moviam sobre os dele. Mas depois de alguns momentos, ele se afastou e tentou fazer a situação ficar sob controle. Sexo viria mais tarde. Agora, ele tinha uma pergunta muito importante.


—Faça amor comigo—, ela implorou, mexendo-se contra ele. Isso foi difícil; ele estava duro. Mais duramente. Rígido. Não! Ele não podia fazer isso agora. Ele tinha que pensar. A noite foi planejada por uma razão. —Haley...— Ele gemeu quando seus seios empurraram em seu peito e seus dedos começaram a desabotoar sua camisa. —Sem mais conversa, Crew. Faça amor comigo—, ela exigiu escorregando no seu colo e se ajoelhando diante dele, ela desabotoou as calças liberando sua ereção pulsante. Ele pretendia detê-la, ainda moveu suas mãos em seus cabelos para afastá-la, mas quando sua doce boca quente circulou sobre ele, sua cabeça caiu para trás em êxtase. Depois. Eles falariam depois...


Crew acordou sozinho na cama. Os lençóis estavam frios onde Haley normalmente dormia, e uma sensação de malestar o pegou em cheio. Perdeu a cabeça por

um tempo ontem à

noite,

totalmente e completamente perdido. No entanto, como ele poderia recusá-la quando ela estava implorando-lhe para fazer amor com ela? Ele nunca alegou ser um santo e ela empurrou-o para além dos limites do que ele poderia suportar. Ele alegremente faria tudo de novo. Ela foi espetacular. Agora Crew estava sentado na cama rapidamente. Não importa o quão bom foi, não estava nem perto de valer a pena se ela tivesse de alguma forma conseguido esgueirar-se para longe dele. Ele a sentiu se afastar, e deveria ter pensado em mais do que suas necessidades sexuais. Precisava de Haley em sua vida. Alívio correu através dele quando ele viu que todas as suas coisas ainda estavam lá no quarto. Ela não o deixou, ainda não, pelo menos.


Ele sabia que ela estava planejando correr, mas ele não ia deixá-la ir longe. Ela o colocou sob seu feitiço na noite passada, mas mesmo que tivesse que encontrar um cinto de castidade maldito para si mesmo, ele não ia deixá-la puxar esse truque novamente até que o anel em seu bolso estivesse em seu belo dedo. Olá, chuveiros frios.

Os pés de Haley gostaram de sua liberdade sem sapatos, saboreando a sensação da areia molhada entre seus dedos. Ela deixou um padrão atrás dela enquanto ela caminhava preguiçosamente ao longo da praia. Ela foi a várias milhas e era hora de começar a virar-se, mas ela não teve coragem de fazê-lo ainda. Ontem à noite foi especial, algo que ela pudesse se lembrar de Crew. Ela o amava. Como ela não poderia quando ele não foi nada mais que gentil com ela, nada, além de mostrar-lhe como ser uma pessoa melhor? Tudo o que ele fez até agora foi sobre ela, para ela, e agora ela lhe devia sua liberdade. Ela estaria OK. Ela não sabia como, mas ela iria passar por isto. Ele ensinou-a a respeitar a si mesma, para ser confortável com a pessoa que ela estava lá dentro. Ele ensinou-lhe que ela era uma mulher bonita. Embora não viria facilmente para ela, ela nunca iria se colocar em um tampão de burro e ficar em um canto novo. Isso foi tudo graças a Crew Storm.


Nos recessos longe de sua mente, ela sabia que estava fugindo. Ela sabia que era muito mais medo de sua rejeição de realmente ouvi-lo dizer as palavras que ele não a queria mais. Se ela fosse a única a ir embora, talvez, apenas talvez, não faria mal, tão mal. Afinal o que passaram juntos, se ele se virou para ela, empurrou-a para longe dele, ela teria um tempo difícil em superar o passado. Ela foi rejeitada toda a sua vida por aqueles que deveriam ter sido os primeiros a abraçá-la. Ela merecia ser um pouco fraca só desta vez, não é? Se ela nunca mais encontrasse o amor — duvidoso — e se encontrasse novamente

com

falha

mais

provável

—ela

tentaria

enfrentar a rejeição adiante. Depois de mais de oitocentos metros, Haley se virou. O sol estava nascendo no céu, e a última da névoa se dissipava, trazendo um belo novo dia para o resto das pessoas na ilha. Haley desejou que a névoa em torno de seu coração limpasse também, deixando-a pronta para começar uma nova vida. Ela pegou o ritmo para seu retorno em direção à Catalina Couture Resort. Era melhor ficar e apenas acabar com isso. Ela arrancaria o curativo e, em seguida, ela e Crew poderiam avançar. O que viria a seguir, ela só não sabia, se era para voltar para a escola, mover ou manter as coisas do jeito que foi antes de chegar a este pequeno paraíso. Mas depois de sua conversa, ela simplesmente não poderia ficar aqui por mais tempo. Vê-lo seria desgostoso. Talvez ela fosse para a Itália


ser uma turista, encontrar um emprego em um pequeno café e tentar sua mão em arte. Quando chegou ao resort e entrou pelas belas portas francesas do lobby, seu coração bateu. Não importa como ela tentou se preparar para o que estava por vir, seu coração ainda doía, e o medo subiu mais alto em sua garganta. De alguma forma, ela colocou um pé na frente do outro e conseguiu devolver os sorrisos amáveis dos associados da recepção, e, em seguida, ela caminhava pelo pequeno corredor para o escritório. Talvez ele não estivesse lá e ela poderia apenas deixar-lhe um bilhete, e tomar o caminho mais covarde. Não. Ela não faria isso. Depois de tudo o que ele fez por ela, ele merecia ouvi-la dizer adeus a seu rosto. Crew estava sentado em sua mesa, seu telefone no ouvido, quando ele olhou para cima e viu-a na porta. Um largo sorriso se espalhando pelo rosto, ele fez um gesto para que ela entrasse. Por que ele tem que ser tão perfeito? Por que todos os músculos do seu corpo estavam pedindo a ela para apressarse em seus braços? Se ele tivesse sido cruel mesmo uma vez, isso não seria tão difícil. Mas então, se ele tivesse sido cruel, seu coração não estaria quebrando agora. Tentando o seu melhor para parecer otimista, ela mudou-se para a frente e sentou-se, cruzando as pernas e inclinando-se para trás quando ela esperou por seu apelo ao fim.


—Desculpe por isso, Haley. Eu estava pensando em te procurar esta manhã, mas então eu fui chamado para uma reunião de equipe mais cedo. Desde então, eu não fui capaz de desligar o telefone por mais de cinco minutos a uma hora. Onde você foi? —Oh, eu precisava para dar um passeio. Não era grande coisa. Agora eu só preciso falar com você, por apenas um minuto—,

disse

ela,

adotando

um

tom

alegre

ainda

profissional. —Deixe-me mudar os telefones e eu vou levá-la para um pequeno-almoço tardio—, disse ele, enquanto se levantava. —Nós não precisamos fazer isso, Crew. Isso não vai demorar muito. Eu só queria que você soubesse que eu estou indo embora amanhã. Tenho tudo organizado e já não queria ocupar muito de seu tempo hoje. Eu sei que você tem muita coisa acontecendo com a venda. Eu preciso passar o resto do dia embalando, e então eu vou estar fora de seu cabelo antes que perceba—, disse ela. Ela se recusou a reconhecer as lágrimas ardentes no fundo de sua garganta, e muito menos ceder a elas. Crew passou de sorrindo no espaço de dois segundos para cara de pedra. Ela não conseguia ler nada em seus olhos quando ele se recusou a deixá-la olhar para baixo, recusou-se a quebrar o seu olhar. —Gostaria de explicar melhor? —O que você quer dizer? ���, Ela perguntou, decidindo que é mais fácil que jogar de mudo.


—Por que a súbita urgência para sair? Um arrepio percorreu sua espinha na fúria fria em sua voz. Ele estava chateado e não tentou esconder. Talvez ela devesse ter apenas fugido durante a noite. Sem saber seu próximo passo, Haley ficou ali sentada, congelada.

Crew estava furioso. Ele não se lembrava de estar com raiva. Ele não sabia se ele queria levá-la em seus braços e rasgar as roupas dela, lembrando-lhe quão bom eles estavam juntos, ou a dobrar sobre seu joelho e bater em sua bunda. Como seus grandes olhos verdes se arregalaram e ele viu o brilho de insegurança e autodúvida, seu temperamento foi instantaneamente resfriado. Ela estava tentando o seu melhor para agir de forma legal e recolhida, mas ela obviamente não estava em tanto controle quanto ela queria que ele acreditasse. Outra coisa estava acontecendo aqui, e ele estava indo para descobrir o que era. —Por que o súbito desejo de fugir, Haley? Eu pensei que você parou de se esconder. Seu comentário fez a cor subir nas bochechas dela; ela olhou para ele e parecia ter perdido as palavras. Emoções, ele poderia lidar com isso; o silêncio, ele não podia. E não havia nenhuma maneira que ele poderia estar tão errado sobre ela.


Verificando de mais perto, ele teve o prazer da tensão de seus ombros. Ela estava longe de estar bem, e, com o último de sua apreensão desaparecendo, ele estendeu a mão e puxou-a para mais perto. Ela deu um passo vacilante para trás enquanto tentava se

reagrupar,

mas

ele

não

lhe

deu

a

oportunidade.

Acompanhando-a enquanto ela esbarrou-se contra o seu telefone, ele delimitou, em seguida, estava sobre ela. —Eu preciso de algum espaço! —, Ela gritou enquanto tentava contornar ele. —Eu acho que eu dei-lhe espaço suficiente para respirar. Eu fiz uma pergunta e eu quero saber do que se trata—, disse ele, sua mão subindo para traçar o contorno de sua bochecha. Ela se encolheu como se seu toque fosse doloroso. Boa. Ela estava sofrendo. Ela não queria deixá-lo. Seus sentidos estavam intensificados e ele pegou na menor contração de seus músculos, em seu rosto, seu corpo, quando ele procurou por pistas sobre por que ela iria dizer algo tão aleatório e ridículo. —Isso não é nada mais do que sua dignidade ficando esmagada—, ela bufou. —Bem. Se você quiser ser o único a chamá-la, seja meu convidado. Nós dois sabemos que você está me deixando em um par de semanas. Então, você não quer perder

o seu tempo restante aqui. Bem, muito

malditamente mal. Eu estou indo. — Ela terminou com apenas o menor percalço em sua voz.


Era isso. Ela tinha medo de afastar-se dele. Homem, é que ela tem tudo errado. Crew empurrou contra ela, desavergonhadamente, aglomerando-se no último espaço restante entre eles. —É isso que você acha? Você honestamente acredita que isso tudo não significava nada para mim, que eu vou apenas me afastar de você, sem nunca olhar para trás? —Isso é o que você faz, não é? Você gosta das senhoras, para jantar e beber vinho, mostrar um bom tempo, e, em seguida, dá no pé. Eu já ouvi todas as histórias. Bem, eu estou dando-lhe a sua liberdade, Crew. Você está livre para passar para sua próxima mulher—, ela forçou a sair por entre os dentes. Ele balançou os quadris para frente, roçando sua excitação em rápida ascensão contra ela, apreciando o choque em seus olhos com seus corpos conectados. Os dois nunca tiveram um problema quando se trata de sexo. Ela estava respondendo a ele como sempre fazia, e ele foi forçado a recuar apenas um fio de cabelo antes que ele ficasse muito ligado e esquecesse o que era mais importante. Isso aconteceu antes... Haley puxou contra ele, tentando desesperadamente escapar de seu alcance. Crew não deixaria. Ele agarrou seu braço e segurou firme. Ele não estava deixando-a ir a qualquer lugar, a não ser que ela realmente queria deixá-lo. Ele estava cheio com ela tentando se esconder dele. Ele queria tudo ou nada daqui em diante.


—Deixe-me ir, Crew. Eu tenho coisas para fazer. —E se eu não quero deixá-la ir? E se eu gosto de você exatamente onde você está? —, Ele disse com um sorriso cúmplice. —Isso é ridículo. Pare agora! —, Ela gritou, à beira das lágrimas. Boa. Eles estavam finalmente chegando a algum lugar real. —Parar o que, Haley? Parar de me preocupar com você? Parar de fazer amor com você? Parar de sonhar com um futuro com você? Parar de te amar? Que emoção, que tentação, que sensação deveria parar? Ela arregalou os olhos com as lágrimas, que em seguida, começaram a escorrer pelo seu rosto. —Por que você está tentando me machucar? —, Ela implorou, dor piscando em suas feições. —Eu não sou o único empunhando a faca, Haley. Você é. Tudo o que eu queria para o mês passado foi o de mostrar que você não pode viver sem mim. Eu te amo. Eu preciso de você do meu lado. — Ele não via como poderia ser mais claro do que isso. —Mas, por quanto tempo, Crew? Você acha que você me ama, mas você não sabe a verdade sobre mim. Você não sabe como

confusa

eu

realmente

sou.

Eu

estive

em

bom

comportamento com você... Mas eu tenho tantos problemas, tantos problemas... —Eu não me importo. Eu te amo, Haley.


Quando ela ficou em silêncio e uma esperança inocente começou a encher seus olhos, ele pressionou. —Eu te amo, Haley. — Ela ainda não disse nada. —Você entende o que eu estou dizendo? Eu te amo. —Eu... Eu... Como? —, Ela engasgou. —Como eu não posso? Você me faz querer ser uma pessoa melhor. Você é gentil com estranhos, ama e doa-se. Você me faz rir e queimar ao mesmo tempo. Eu te amo porque você me torna a pessoa que eu sempre quis ser, mas não sabia como me tornar. Você é especial e talentosa, e seria um prazer se você ficasse ao meu lado mesmo quando eu sou um tolo, mesmo quando eu não faço sempre a mais sábia escolha. Quero construir uma vida com você, levá-la para toda e qualquer das Maravilhas sobreviventes do Mundo, fazer amor com você nas pirâmides antigas. Você me faz querer voar e levá-la comigo. Crew a deixou ir para que ele pudesse cair de joelhos. Extraindo do bolso o anel que ele escolheu, ele abriu a caixa e estendeu-a para ela, seu coração para ela pegar. O corpo de Haley congelou quando ela olhou para a caixa, e engasgou. Quando ela finalmente levantou a cabeça para voltar o seu olhar, seus olhos estavam transbordando de emoção. Crew chegou até ela. O peso em seu peito erguido quando ele olhou para sua beleza crua. Ele teria o resto de sua vida para adorá-la, mostrar-lhe o quão especial ela realmente era.


—Case-se comigo, Haley. Por favor, diga que você vai ser minha esposa. Por favor, não fuja de mim. Eu não posso sempre dizer o suficiente, mas você é meu mundo agora. Haley caiu de joelhos para estar ao nível dos olhos com ele, e muito emocionada para falar, ela simplesmente assentiu com a cabeça, soluçando quando ele apertou a mão dela e deslizou um requintado diamante no lugar. —É isso que você realmente quer? —, Ela perguntou. —Esta é a lição final, Haley. Basta ser você mesma, sempre, e seu homem vai cair de joelhos para honrar e cuidar de você. —Eu te amo, Crew. Eu pensei que estava fazendo a coisa certa indo embora, deixando você viver sua vida, porque você me deu mais do que qualquer outra pessoa. Mas estava me rasgando pensar que nunca mais iria vê-lo novamente. — Ela passou os braços em volta do pescoço e encostou a cabeça no ombro dele. Foi mais, a dor, tristeza e medo acabou. Alívio e amor não adulterado o consumiram quando ele percebeu que nunca teria que se separar dela. Crew

levantou

a

mão

e

acariciou

seus

cabelos,

segurando-a enquanto ela chorava baixinho contra ele. —Você

nunca

estará

sozinha

novamente,

Haley

Sutherland. Não só você tem meu amor para sempre, mas agora você tem a família que você sempre deveria ter tido. Nós estaremos sempre lá para você.


Erguendo a cabeรงa, ela lhe deu um sorriso aguado e agradeceu-lhe com um beijo antes de ele se levantar e a erguer em seus braรงos. Eles iriam forjar esse caminho na neve pura juntos, e ele manteria suas promessas de a acalentar para sempre.


—Isso é absolutamente o melhor sexo de noivado que eu já tive—, Crew disse com um sorriso satisfeito. —O quê? — Haley engasgou. O pensamento de que ele foi noivo antes perfurou seu coração. —Eu só estou brincando, Haley... Bem, não sobre o sexo. Isso foi incrível. Estou brincando sobre sexo de noivado. Você é a única mulher com quem eu já quis passar o resto da minha vida—, ele apaziguou. Haley relaxou contra seu peito, agradecida de que ele não a deixou ir embora. Que tola foi por sucumbir aos seus medos. Ela olhou com adoração para o anel na mão esquerda, e não conseguia deixar de pensar em quão longe ela chegou nos últimos meses. No início do ano ela estava fazendo um curso de psicologia, e graças a Deus seu professor sugeriu a atribuição de fazer algo fora de sua zona de conforto. Se ela nunca tivesse ido a esse leilão, ela não teria encontrado o homem agradável que deu a ela um bilhete para duas semanas no Catalina...


—Oh, meu Deus, eu sabia que eu vi seu pai antes! — Haley exclamou enquanto se sentava. —O que você está falando? — Crew olhou para ela como se ela estivesse ficando louca. —Seu pai. Eu o conheci antes de vir para cá. Eu estava em um evento de caridade.... —Calma. Desacelere. Você precisa começar desde o princípio—, disse Crew, suas sobrancelhas desenhadas juntas. Então Haley se inclinou para trás e começou a

contar-lhe a história...

Nove meses atrás —Para o seu projeto final, cada um de vocês vai sair de sua zona de conforto, e se aproximar de um estranho, iniciar uma conversa, e pedir que a pessoa responda três perguntas. Aqui estão os lugares que vocês podem escolher. Vocês devem escolher as três perguntas, mas elas podem não ser simples e impessoal, como ‘Qual é a sua cor favorita?’. Elas têm de ser complexas ou pessoais, tais como ‘Onde você passou sua lua de mel? ’. Haley

sentou-se

congelada

na

cadeira.

Como

perguntaria a um completo estranho coisas íntimas?

ela


Como se o professor pudesse ler sua mente, ele falou de novo. —Não deixe que isso os oprima. Cada um de vocês se inscreveu para minha classe porque algo estava faltando em suas vidas. Vocês queriam ir um pouco mais profundo. Após este prazo, cada um de vocês vai passar por novas e emocionantes

aventuras.

Esta

pessoa

de

quem

se

aproximarem será um estranho a quem vocês provavelmente nunca mais verão novamente. Este é um bom teste para entrevistas de emprego futuro, para sua confiança, e para a sua educação em geral. Se você tiver alguma dúvida, me veja depois da aula. —O

que

exatamente

estamos

procurando

como

resposta? —, Alguém perguntou. —Essa é uma boa pergunta. Você irá tomar nota de sua reação. Qual a expressão em seus olhos? Será que eles param de olhar quando você perguntou a eles? Eles estão abertos ou fechados? Será que sua mandíbula está tensa, eles estão desconfortáveis, ou eles riram e relaxaram? Como você lê as pessoas é importante quando você for mais tarde realizar entrevistas e atuar em empresas. —O que você espera no papel? —Eu quero fazer um diagnóstico do estado emocional do desconhecido. Pense em si mesmos como psicólogos, e as pessoas que questionaram como seus pacientes. Faça uma dissertação de cinco a sete páginas sobre como eles


respondem, não apenas as suas respostas, mas o seu comportamento. Olhem para além da caixa. Haley olhou para a pequena lista de eventos colocados à sua frente. Ela não chegou tão longe apenas para falhar, então parecia que ela estava indo colocar suas habilidades recém-adquiridas em teste. Ela escolheu um leilão de caridade, e sentiu os primeiros

sinais

de

mal-estar

se

estabelecer

em

seu

estômago. Não. Ela empurrou a ansiedade há distância. Ela poderia fazer isso. Saindo da aula, ela foi ao shopping local e passeou por um tempo, procurando o vestido preto mais básico que ela pudesse encontrar. Era uma sensação estranha não se preocupar com dinheiro, mas ela ainda era frugal. Anos de não saber o que o dia seguinte traria lhe ensinaram a ter cuidado. Ela não pode mudar no decurso de alguns anos. Ela não queria mudar. Ela nunca seria tão egoísta e amarga como seus avós. Encontrou um vestido do qual gostava, e pagou ao caixa, em seguida, levou para casa. O evento era naquela noite e ela imaginou que seria melhor acabar logo com isso, ou então perder a coragem. Se isso acontecesse, ela teria que tentar outro evento, e assim por diante, até os eventos acabarem. Ela poderia fazer isso. Tomando um pouco de tempo para aplicar um ponto de blush e rímel, ela jogou os cabelos em um coque e escorregou


no vestido e saltos baixos, em seguida, pegou uma bolsa e se dirigiu de volta para a porta de seu apartamento. Chegando na festa beneficente, ela encontrou-se em uma fila de carros esperando para o estacionamento com manobrista. Não demorou muito para ela chegar à frente na fila, e ela ofereceu um sorriso genuíno ainda nervoso para o garoto que abriu a porta do carro. —Boa

noite,

minha

senhora.

Tenha

uma

noite

agradável—, ele disse quando ela entregou-lhe uma gorjeta e saiu do carro. Andando pelas portas duplas abertas com as pernas trêmulas, ela se encontrou em um salão de festas glamoroso, e as borboletas em seu estômago quase voaram para fora de sua boca. Para ser mais exato, ela sentiu como se algo estivesse indo sair de sua boca... E provavelmente não eram borboletas. Havia tanta coisa para levar em torno dela. Os

homens

estavam

vestidos

em

smokings

impecavelmente adaptados, e mulheres vestidas em todos os estilos e cores, embora nenhum deles chegou perto de seu vestido peça de liquidação de sessenta dólares. A quantidade de brilho dos diamantes pingando das mulheres foi o suficiente para cegá-la, mas ela manteve a cabeça erguida enquanto examinava os itens acima para a oferta. Embora ela tenha dinheiro suficiente para pagar por qualquer um dos itens a venda, ela nunca iria gastar dez mil dólares em um bracelete de diamantes ou vinte mil por uma


noite na cidade com um mega star de Hollywood. Ela então escolheu o lugar errado para vir fazer seu papel de psicologia. Assim quando ela estava pensando que era hora de abandonar esta missão, seu olho pegou um cartaz mostrando uma ilha com um resort exclusivo com céus azuis e praias brilhantes. Intrigada, ela se mudou para lá e encontrou um senhor mais velho que estava por perto. Sua expressão era amigável; ela se perguntou se ele poderia estar disposto a responder a algumas perguntas, mas sua timidez assumiu e ela se virou para olhar para o anúncio. Não era um item de leilão, mas um período de férias que seria ganho apenas por sorteio. No final da noite, um nome seria sorteado, e o vencedor iria passar duas semanas no novo resort na ilha de Catalina, quando abrisse em maio. Ela estava tentada a investir alguns dólares na chance de ganhar. —Parece o paraíso, não é? Haley se assustou quando o senhor mais velho falou. Ela timidamente olhou para cima e percebeu que ele estava falando com ela. —Sim. Depois das provas finais, eu poderia tirar um período de férias—, respondeu timidamente. —Finais? O que você está estudando? Esta foi a oportunidade perfeita para lhe fazer algumas perguntas. Respirando fundo, ela pensou, aqui vai.


—Entre outras coisas, eu estou tendo uma aula de psicologia no momento. —Eu amo cursos de psicologia. Lembro-me de aprender mais

sobre

mim

do

que

qualquer

outra

coisa—,

ele

respondeu, e ela relaxou. Uma barba macia cobria as bochechas e queixo, e ele usava óculos escuros. Ela se perguntou por que, e pensou que seria uma boa pergunta, mas mais do que um pouco rude. —Sim, eu acho que eu tenho crescido ao longo dos últimos quatro meses, embora nosso professor goste de nos dar atribuições que muitos considerariam fora da caixa—, disse ela com uma leve risada. —Ah, eu tive alguns professores como esse. O que este homem ou mulher faz para atormentar você neste momento? Sua risada fácil fez Haley se sentir um pouco mais confortável. —Eu tenho que fazer perguntas a estranhos—, disse ela, nervosa. —Mmm, isso soa interessante. Ela não podia dizer se ele estaria disposto ou não, mas ela não tinha nada a perder por perguntar. —Você se importaria de responder algumas perguntas para mim? Embora as perguntas sejam toda a razão pela qual eu estou aqui hoje à

noite, eu prefiro morrer,


honestamente, a abordar as pessoas. — Seu coração batia forte enquanto esperava sua resposta. —Nunca é uma dificuldade falar com uma mulher tão bonita como você—, ele respondeu suavemente. Corando furiosamente, Haley tirou seu bloco de notas e uma caneta. Se ele achou estranho, ele não disse nada. Ela realmente deveria ter planejado melhor, porque ela não tinha nada escrito. Ela honestamente não pensou que ela ia chegar tão longe. Ela começou fácil, e só pediria um pouco mais do que as três que ela deveria, em seguida, escolheria o que ela escreveria no papel. —Você cresceu em Seattle? —Não, eu não cresci. Eu nasci aqui, mas depois meus pais se mudaram para a Costa Leste quando eu era um jovem garoto. Eu apenas recentemente me mudei de volta—, disse ele antes de fazer a sua própria pergunta. —Agora minha vez. Por que demorou uma aula de faculdade para chegar aqui, e por que você está sozinha? Haley estava nervosa ao ponto de náuseas, mas ela sufocou-a e sorriu para ele. —Eu não gosto de eventos públicos, especialmente as partes como este, embora eu não devesse dizer isso. Eu só sinto que tenho muito sobre a minha cabeça. Eu prefiro estar em casa no meu pijama estudando—, ela respondeu com uma risadinha nervosa. —Agora você me intrigou. Conte-me mais.


—Não há muito a dizer. Eu vou para a escola, trabalho a tempo parcial, e assedio estranhos quando saio—, ela tentou brincar. Quando seus lábios se contraíram e uma risada escapou de sua boca, ela sentiu o aumento das náuseas. Ela não podia ter uma conversa sofisticada com um homem em um smoking. Ele foi até agora acima de sua posição na vida, não era mesmo engraçado. Não importava o quanto ela tinha em sua conta bancária. Isso não era realmente seu dinheiro; era uma herança, e para piorar, seus avós estavam certamente rolando em seus túmulos pelo jeito que ela estava usando. Eles nunca pensaram que ela seria digna de ir para a faculdade, de ser outra coisa senão um fardo para a sociedade. —Bem, nós não queremos que você não passe no seu curso, agora, não é? Pergunte-me qualquer outra coisa que você gostaria—, disse ele. Haley sorriu para ele e ergueu o bloco de notas de volta. —Você tem filhos? Um sorriso feliz espalhou suas feições. —Sim. Tenho cinco deles, mas há momentos que eu quero jogar cada um para o oceano e fazê-los nadar de volta para a praia como fuzileiros. —Sinto muito. Existem problemas familiares em casa? — Percebendo que era muito pessoal para perguntar, Haley recuou. Quando ela sentia que alguém estava com dor, ela queria ajudar, desde que ela passou por tanta coisa do seu


próprio trauma, mas este homem era obviamente bem sucedido e não precisava de sua ajuda. —Peço desculpas. Isso foi rude. Por favor, me ignore e deixe-me perguntar outra coisa. Antes que ela pudesse dizer algo mais, ele a cortou. —Sim, existem alguns problemas. Meus filhos podem ser muito mimados. Eles estão fazendo muito melhor agora, mas alguns ainda estão lutando um pouco. Eu tenho fé que tudo vai dar certo, no entanto. —Eu teria adorado ter irmãos. Eu realmente adoraria ter minha mãe e meu pai. Às vezes não é dado o que realmente queremos, ou acho que precisamos de mais, mas acho que, no final, tudo funciona para o melhor—, disse ela ao levantar sua

mão

e

colocá-la

em

seu

braço

em

um

toque

reconfortante. Por apenas um momento, se esqueceu que este homem não quer ou precisa de seu conselho, ou seu conforto. —Qual é o seu nome, mocinha? —Haley

Sutherland.

Ela

percebeu

que

estava

segurando seu braço e tentou imediatamente remover a mão. —Quais outras perguntas você tem para mim—, ele perguntou ao colocar a mão sobre a dela. Ela relaxou, sentindo uma conexão estranha com este homem gentil. —Qual é a única coisa que você mais quer do que qualquer outra coisa? Por um breve momento, ele ficou em silêncio, e Haley esperava que ela não tivesse ultrapassado novamente.


—Eu quero que meus filhos sejam felizes e casados, tenham seus próprios filhos e vivam suas vidas ao máximo sem jogar fora o seu futuro—, disse ele com uma nota melancólica em sua voz. —Eu não acho que é pedir demais. A partir de apenas falar com você por alguns momentos, eu tenho uma sensação de que você vai ser um avô maravilhoso. — Ela lhe deu seu melhor sorriso, em seguida, decidiu que ela monopolizou o suficiente do tempo do homem. —Você é uma menina doce, Haley. Deixe-me dar-lhe um pequeno presente adiantado de graduação—, disse ele. —Oh, eu tenho três semestres à frente—, corrigiu ela, não querendo aceitar qualquer coisa de um estranho que lhe mostrou nada além de bondade. —Bem, isso é porque é um presente adiantado. Eu tenho alguns bilhetes extras para o sorteio de duas semanas na Catalina Couture Resort —, disse ele, colocando os bilhetes na mão e dobrando os dedos sobre eles. Dizer não outra vez seria rude, então Haley sorriu para ele, sem imaginar que ela poderia ganhar. —Obrigada. Você foi muito gentil. — Com um sorriso, Haley virou e desapareceu em torno do salão. No final da noite, quando seu nome foi chamado, ela estava tão atordoada que ela não sabia o que pensar ou fazer. Não foi até que ela estava escrevendo o seu relatório que ela percebeu que esqueceu de perguntar o nome do homem. Era tarde demais agora. Ela esperava que seu professor ainda


aceitasse o papel e não a faria sofrer por algo assim novamente.

Tempo presente —Esse era o meu pai? —Sim, eu não o reconheci quando ele estava aqui porque ele estava barbeado e não usando os óculos, mas sua voz soou tão familiar que eu sabia que eu devia tê-lo encontrado antes. Eu só não sabia onde. —Você acha que...? Não. Não há nenhuma maneira... — Ele parou. —O quê? —, Perguntou ela, a necessidade de saber por que ele de repente parecia tão cheio de desconfiança. —Ele não poderia ter arranjado isso, poderia? Haley pensou sobre isso por um momento e não via como isso era possível. —Não. Por que ele iria querer, afinal? —Talvez ele estivesse tentando nos unir. —Mas... Ele não sabe nada sobre mim. Isso não faz sentido, absolutamente nenhum. Além disso, como ele poderia saber que minha próxima aula era a sexualidade humana e que eu teria que abordar outro estranho e pedir um encontro?


—Você não estava me pedindo um encontro. Você estava pedindo para ensiná-la a sair com outro homem—, ele rosnou quando ele a imobilizou no colchão. —Essa foi a melhor decisão que já tomei—, disse ela. Como ela amava o homem que lhe ensinou muito. —Sim, foi. Agora, eu tenho mais algumas lições para ensinar você.... Ele passou o resto do dia ensinando a ela o quanto ele a honrou com seu corpo. Podemos também começar a lua de mel agora, ela pensou com um sorriso satisfeito. Sim, Haley mudou. A menina assustada e tímida estava lentamente sendo substituída por esta mulher confiante a qual ela estava se tornando. Foi tudo graças à fé de um homem velho e solitário, que passou a gostar de se intrometer na vida de seus filhos, e, claro, graças a Crew, que seria para sempre seu verdadeiro amor por sempre ter confiança e fé nela.


Três meses mais tarde —Oh, meu Deus, sério, vocês não são adolescentes! Lucas olhou para cima e sorriu para sua filha de quinze anos, Jasmine. Ele não podia acreditar quanto tempo se passou desde o dia em que nasceu. Quase dezesseis anos agora e quase tão bonita quanto a mãe. Ela também era tão teimosa quanto qualquer um dos machos Anderson. —Estou simplesmente dando a sua mãe um beijo—, disse ele e acariciou o pescoço de Amy. —Honestamente, eu vou precisar de terapia—, disse Jasmine com um rolar de olhos, mas havia um brilho neles também. Apesar de todos os seus protestos, ela viveu em uma casa muito carinhosa, e ela era uma jovem vivida e idealista. Ela simplesmente não podia deixar seus pais saberem que ela achava que sua constante necessidade de segurar um ao outro, mesmo depois de dezesseis anos era linda. Dizendo ewwww era mais divertido. —Você em breve vai estar escapando para beijar meninos, moça—, disse Amy, tornando Lucas tenso. —Sobre o meu cadáver! —Oh, Lucas. A nossa menina não é mais um bebê. Se você quiser parar de assustar todos os seus amigos do sexo


masculino, ela pode realmente ter seu primeiro beijo—, disse Amy, correndo uma mão reconfortante sobre seu braço, embora não estivesse fazendo nada para acalmá-lo. —Jasmine é muito jovem para estar beijando alguém—, declarou enfaticamente. —Ah, então você não beijou ninguém pela idade de dezesseis anos? — Amy desafiou. —Isso não vem ao caso—, disse ele. —Eu acho que eu vou beijar um garoto no momento apenas para mostrar-lhe como é grosseiro olhar você fazendo isso o tempo todo, e na minha frente—, disse Jasmine com um sorriso. —Boa. Eu preciso de alguém para matar. — Mark entrou na conversa quando ele entrou no quarto. —Oi, tio Mark. Chegou na hora certa. Eu mal posso esperar para vir passar o fim de semana com você e tia Emily, — disse Jasmine e se lançou sobre seu tio favorito. —É bom ver você, fofa. Que diabos é essa conversa de você beijar meninos? —, Ele perguntou, embora seus olhos fossem suaves quando ele olhou para ela. Eles tinham um vínculo estreito. Mark tinha um local mais suave para Jasmine do que qualquer um dos outros sobrinhos e sobrinhas. —Eu só estava tentando provar um ponto para meus pais sobre como repugnante é ver pessoas adultas se beijando o tempo todo. Não que você vá ajudar, porque você e


a tia Emily são tão ruins quanto. Mas, por alguma razão, não é tão bruto pegar vocês dois. —Isso é porque eu sou muito mais jovem e mais bonito do que seu velho pai—, disse Mark e estufou o peito ainda magnífico. —Você ainda é bastante espetacular, querido—, disse Emily, juntando-se a eles e dando-lhe um beijo rápido. —Ugh. Eu vou encontrar o tio Alex. Pelo menos ele tem algumas boas maneiras— Jasmine disse-lhes, em seguida, pulou fora. —Devo dizer a ela que ele está atualmente escondido no armário com Jessica? —, Disse Mark com riso. —Nah,

deixe

ela

enfrentar

mais

um

momento

traumático quando ela os encontrar—, respondeu Lucas. Colocando seus braços ao redor de suas esposas, Lucas e Mark levaram-nas para a sala grande, onde sua família estava reunida. Nos últimos quinze anos, a família Anderson certamente cresceu muito. Com Lucas se casando com sua bela esposa Amy, e, em seguida, Alex e Mark seguindo seus passos, o clã tinha mais do que dobrado de tamanho. Quando seu tio George voltou à cidade com seus quatro primos, cresceu ainda mais, especialmente porque os primos se casaram um por um, e, em seguida, começaram a ter seus próprios filhos.


As férias nunca eram tranquilas, e a casa de seu pai, Joseph, era cheia de amor e riso, assim como ele queria. —Ei, Primo, você pode me dar uma mão? Isabelle está jogando um ajuste maior, e você sabe como ela adora você. Lucas riu do olhar de pânico no rosto de Austin. Isabelle, que tinha cinco anos agora e era filha única, era um verdadeiro terror. Lucas adorava. —Claro. Ela só precisa de seu tio Lucas—, disse ele com confiança. —Obrigado—, Austin disse alto. —Eu jurei de modo pendular e contraditório para Kinsey que eu tinha tudo sob controle. Eu não sei como ela consegue manter tudo funcionando tão eficientemente, tiro meu chapéu para essa mulher—, disse ele enquanto os dois saíram da frente, onde as impressionantes cordas vocais de Isabelle podiam ser ouvidas ecoando a partir da calçada da frente. Dois dos funcionários estavam montando guarda no veículo, mas ambos pareciam como se preferissem ser esfolados vivos a que chegar ao carro e tentar pegar a criança gritando. —Por que ela está tão chateada? — Lucas perguntou quando eles se aproximaram. —Eu esqueci o seu cobertorzinho, — Austin disse, como se temesse que o mundo fosse implodir porque o cobertor rosa favorito de Isabelle foi deixado para trás.


—Ooh, eu vejo o quanto de problema você tem. É uma coisa boa tio Lucas poder fazer tudo melhor. — Andando até o grande SUV, Lucas inclinou-se e sorriu para a Isabelle gritando. —Ei, querida, seu pai deixou você louca? Ela acalmou assim que ela viu Lucas, e, em seguida, as lágrimas começaram a sério enquanto olhava tristemente para ele com seus grandes olhos azuis. Ela já poderia ordenhar uma situação para tudo que valesse a pena. —Papai... Esqueceu... Meu... Cobertor—, ela fungou entre soluços. —Eu sinto muito, baby. Deixe o tio Lucas levá-la para dentro, porque eu tenho uma surpresa para você—, disse ele. Ela olhou para ele com um pouco de curiosidade e seu choro

esmaeceu.

Lucas

podia

ouvir

Austin

suspirar

pesadamente atrás dele. —Su... Su... Surpresa? — Ela perguntou, ainda não tendo certeza se estava disposta a deixar o carro. —Sim, surpresa. Mas somente as meninas grandes conseguem. — Isso era tudo que precisava. Porque ela era a mais nova de todos os primos, o objetivo principal de Isabelle na vida era ser uma menina grande. Lucas sabia que a avó Katherine e avó Esther e todas tias e mães das crianças passaram todo o ano fazendo novas colchas. Elas usaram pedaços de suas roupas e cobertores dos recém-nascidos de berçário, e outros tecidos queridos. Suas avós queriam dar esses presentes para cada um deles


na Ação de Graças, não no Natal, quando a abundância de brinquedos faria as colchas parecer menos especiais. As mulheres colocaram seus corações no projeto, e Lucas tinha a sensação de que ia se tornar uma tradição familiar para todos os novos membros da família receber um no ano em que nasceram. Enquanto Lucas acalmou Isabelle e Mark caçava Alex para oferecer ajuda na sala de estar, seus novos primos começaram a chegar. Toda a família estava feliz por conhecer novos parentes, e sabia que Joseph, George e Richard estavam especialmente eufóricos. À medida que dobrava a esquina, Lucas esbarrou em alguém que ele ainda não conhecia. —Sinto muito—, disse quando trouxe a mão para proteger a cabeça de Isabelle. —Esta casa é enorme, e eu estava admirando a pintura, por isso não estava prestando atenção. Sou Crew Storm— disse o homem, cujo braço estava em torno de uma loira pequena. Lucas mudou Isabelle para seu quadril para que pudesse apertar a mão de Crew. —Lucas Anderson.

Eu sou um dos seus muitos

primos—, ele respondeu. —Eu ouvi tudo sobre você, Lucas. É um prazer finalmente colocar um rosto ao nome. Esta é a minha noiva, Haley Sutherland.


—Olá, Crew—, disse Amy quando ela se juntou a eles. — Haley, você gostaria de se juntar a nós mulheres na biblioteca? Lucas sorriu para sua esposa. Ela sempre tinha um sorriso amigável para todos, e ele sabia que ela daria boasvindas a sua nova família de braços abertos. Haley deu um sorriso hesitante a Amy quando ela soltou o braço de Crew e seguiu Amy a distância. —Parabéns primo. Ela é linda—, disse Lucas e lhe deu um tapa nas costas. Os dois foram para a sala de jogos para que eles pudessem entregar Isabelle a sua avó e depois ir juntos para um charuto e uma bebida. Enquanto isso, Joseph, George e Richard sentaram na sala para beber conhaque em copos de cristal enquanto gozavam o calor do fogo. —Richard, eu não posso mesmo dizer-lhe como eu sou grato este ano que nós descobrimos um novo irmão. Você é uma pessoa que eu chamaria de amigo, mesmo se não fosse de

sangue—,

disse

Joseph,

sua

voz

embargada.

Ele

rapidamente tomou um gole do seu copo e olhou para as chamas pulando. —Eu não poderia estar mais feliz de conhecer você. Mas eu decidi perdoar meus pais. O que eles fizeram foi errado em tantos níveis, mas eles me amavam, e eu sei que eu sou o homem que sou hoje por causa da maneira como eles me criaram.

Entristece-me

ter

perdido

a

oportunidade

de

conhecer os meus pais verdadeiros, mas eu vou aprender


tudo sobre eles através de todos vocês. Nossos filhos agora vão ficar e conhecer uns aos outros, e os nossos netos vão estar perto, também. — —Falando

de

seus

netos,

parabéns

pelo

futuro

casamento de Crew e Haley. Isso é maravilhoso. Você pode ter o seu primeiro neto até o Natal no próximo ano—, disse George. —Eu gostaria que nossos filhos casassem sem termos que empurrá-los. —Oh, Crew precisava de um empurrãozinho. Eu conheci Haley e dei um jeito para ela ficar duas semanas no resort de Crew—, disse Richard com um sorriso radiante. —Irmão, você é um homem segundo o coração. Você deve nos dizer o que aconteceu—, disse Joseph, inclinando-se para trás. Os três ficaram morrendo de rir no momento em que Richard terminou seu conto. —Portanto, agora que você tem um filho se casando, quais são seus planos para os outros quatro? —, Perguntou Joseph, e seus olhos se iluminaram. —Bem, há alguns meses atrás eu conheci essa menina doce, que está se formando no final da primavera em bioquímica. Ela está começando um mestrado em ciências da oceanografia, mas ela tem o verão para descansar, e ela está fascinada por tesouros afundados. Acontece que o meu menino Ashton possui um negócio de passeios de barco fora de Seattle. Eu dei-lhe um cartão e disse a ela que ficaria mais do que feliz para algum trabalho.


—Parece que ela vai estar muito ocupada para uma família—, declarou George quando ele tomou uma baforada de seu charuto. —Bobagem, irmão. Ela é uma coisa tão doce, e precisa de um homem para ajudá-la a deixar para baixo seu cabelo. Eu acho que faíscas vão voar entre os dois. —Bem, então, nós temos algum trabalho a fazer—, exclamou Joseph, e ele saltou de sua cadeira. O pensamento de ser

casamenteiro novamente enviou o seu sangue

correndo. Não havia nada como uma família, e encontrar o amor verdadeiro para aqueles que você tanto ama. Os três homens saíram do quarto para o calor e o riso de seu clã ainda em expansão. Era um novo dia, e o sol continuou a brilhar para os Andersons.

Fim



Unexpected Treasure vol. 1 (revisado) - Melody Anne