Issuu on Google+


Série

The Coincidence 1 - The Coincidence of Callie & Kayden 2- The Redemption of Callie & Kayden 3- The Destiny of Violet & Luke 4 - The Probability of Violet & Luke 5 - The Certainty of Violet & Luke 6 - The Resolution of Callie & Kayden 7 - Seth & Greyson

Baixe a série The Coincidence em: MinhaTeca/edienywilliams


The Resolution of Callie & Kayden (A resolução de Callie & Kayden)

As coisas estão indo bem para Callie e Kayden. Eles ainda estão lidando com o passado e a dor ligada a ele, mas na maior parte eles seguiram em frente. A maior decisão que eles têm no momento é o que querem fazer com suas vidas futuramente. Eventualmente, porém, o passado pega-os e eles ficam de frente com escolhas difíceis. Mas Callie e Kayden sabem que, enquanto tiverem um ao outro, eles podem fazer praticamente qualquer coisa. E, no final, irão descobrir o que realmente querem da vida.


#103 Ultrapasse seus demônios.

KAYDEN Corra. Jogue. Apanhe. Pare. Corra. Corra. Corra. As palavras do meu pai soam atrás de mim como um fantasma enquanto eu corro ao redor do campo. Eu não consigo ultrapassá-las, escapar delas, me esconder. Meus pés pisam contra a sujeira enquanto meus pulmões se apertam, meu corpo inteiro coberto de suor, mesmo que seja apenas cinquenta graus e eu esteja usando shorts. Meu pulso está batendo, meu membros doloridos, implorando-me para parar. Isso é o suficiente. Mas nada parece ser o bastante. Eu não consigo fugir dele. Da sua voz. As palavras que ele usava para me perfurar.


Eu quero estar livre disso. Livre dele. Da minha mãe. Do meu passado. Os anos de abuso. O que eu quero é a minha resolução. Mas para obtê-la, eu preciso deixar ir e eu não consigo quando tudo é tão desconhecido. Eu não sei onde ele está - o que ele está fazendo. Se ele está vivo. Morto. Se ele está arrependido pelo que fez. E eu nunca poderia saber. Assim como eu nunca poderia ser capaz de deixar ir. Então, tudo o que posso fazer é correr. Até que eu não consiga mais respirar. Até que minhas pernas não consigam mais se mover. Até que meu coração pare de bater. Até que talvez sua voz desapareça.


01 #101 Pule na cama. Muito.

CALLIE O inverno é lindo. Flocos de neve caindo do céu, flutuando através do ar. Eles me lembram que o mundo está sempre mudando, que as pessoas estão sempre mudando, que eu estou sempre mudando. Este lembrete é o que me mantém feliz, avançar na minha vida, deixando de lado o que aconteceu com Caleb, e viver minha vida pensando no futuro. Um futuro que está cheio de infinitas possibilidades. Apesar da minha positividade, eu sinto que algo está faltando em minha vida ultimamente, mas não consigo descobrir o que é exatamente. Não é necessariamente uma coisa ruim. Na verdade, pode ser bom. Como tristeza e dor talvez. Ou, eventualmente, que eu estou me movendo mais livremente através da vida do que nunca. Ou talvez eu esteja apenas procurando algo para explicar este estranho sentimento novo em meu coração, porque o passado parece tão distante agora. A pessoa que me machucou desapareceu e, embora não há nenhuma resolução para o que ele fez para mim, eu sinto que meus demônios internos conectados a ele o que ele fez - foram resolvidos. Sim, as memórias ainda estão lá, cicatrizes do meu passado, mas elas não me definem mais. E eu me sinto... Bem, feliz.


Eu quero compartilhar isso com Kayden, porque ele parece um pouco triste ultimamente. Não como antes, embora. Não, ele está muito melhor do que era um ano atrás, quando eu o conheci na clínica naquele dia horrível, o lugar onde ele foi enviado porque os enfermeiros e os médicos pensavam que ele tinha cortado a si mesmo. Que ele tinha se machucado, quando seu pai foi o único que começou e que tinha quase matado-lhe e quase arruinado o que temos agora. O belo futuro que temos agora. — Toc, toc, toc. — Seth bate na porta enquanto a abre e enfia a cabeça para dentro. — Ei, por que você não está respondendo as suas mensagens? Eu defino a caneta na coluna do meu diário e pego meu celular da cama. — Desculpe, eu esqueci que deixei no modo silencioso na sala. — Eu aumento o volume enquanto ele finge uma careta e entra no meu quarto de dormitório. Ele parece todo elegante como sempre em seu suéter preto e cinza, jeans azul escuro, e tênis Converse, seu cabelo loiro desgrenhado em destaque com perfeição. — Encontro quente hoje? — Eu pergunto, colocando meu celular na mesa de cabeceira e fechando meu diário. — O que você quer dizer com isso? — Ele bate o seu dedo sobre os lábios, fingindo ignorância, como se ele não tivesse falado sobre seu encontro com Greyson durante toda a semana, o encontro para comemorar o primeiro aniversário de quando eles consideraram estar oficialmente namorando. Enfio meu diário embaixo do meu travesseiro, saio da cama e fico de pé, ajeitando minha blusa violeta listrada com preto. — Quero dizer, o encontro que você esteve falando durante a semana inteira. O encontro. O que marca o primeiro mês de namoro.


Ele fecha a porta com um chute. — Você precisa parar de prestar tanta atenção em mim. Isso arruína toda a minha diversão e mistério. — Você nunca é misterioso, — eu digo, colocando meu cabelo marrom longo em um rabo de cavalo. — Mas podemos refazer a cena, se você quiser. Você pode sair e entrar novamente, e eu posso fingir que não tenho ideia por que você está todo vestido. Então você pode anunciar a notícia para mim e podemos celebrar e saltar para cima e para baixo e gritar: "Oh meu Deus!"— Eu agito minhas mãos na minha frente enquanto salto para cima e para baixo. — Vai ser incrível! Ele olha para mim por um momento, fingindo não estar se divertindo, mas, em seguida, os cantos da sua boca se curvam e ele começa a saltar para cima e para baixo comigo. — Vamos pular para a parte boa, — ele diz, rindo enquanto pula na minha cama e salta sobre o colchão, oferecendo sua mão para me ajudar a subir. — Ora, muito obrigado, senhor. — Eu pego sua mão e ele me puxa para cima com ele. Continuamos a pular na cama como crianças, gritando sobre o seu aniversário de namoro até a minha companheira de quarto, Harper, entrar no quarto. Ela para com a visão de nós, de pé sobre a cama, com os rostos vermelhos e ofegantes com as mãos no ar. — Ei, Harper. — Eu aceno para ela enquanto paro de pular no colchão. Seth continua, porém, sem se importar em parecer como um completo lunático, mas ele também não tem que dividir um quarto com ela durante o ano inteiro. Harper dá um olhar intrigado para mim e Seth, entrando no quarto e fecha a porta atrás dela. — O que vocês estão fazendo?


Seth começa a saltar exageradamente na cama. — Se exercitando, — ele brinca, sem fôlego. — Boa ideia. Vou ter que tentar algum dia. Embora, Eu sou o tipo de garota que prefere quando duas pessoas estão pulando-na-cama de outra forma. — Harper diz dando uma piscada, mas algo parece errado, como se ela estivesse apenas representando um papel no momento, sendo como ela acha que precisa ser. Ela é muito assim. Em seguida, ela caminha até a mesa perto da janela para definir seus livros lá. Seth ri da sua observação, enquanto eu sinto um blush subir nas minhas bochechas. Mesmo agora, depois de fazer sexo, eu ainda fico envergonhado sobre insinuações sexuais. Eu costumava pensar que era porque fui estuprada quando tinha doze anos pelo até então melhor amigo do meu irmão, e ele tinha deixado esse tipo de marca em mim, mas agora estou começando a perceber que poderia ser apenas a minha personalidade. — Então, o que vocês dois têm planejado para o dia? — Harper pergunta, amarrando seu cabelo louro longo em um coque bagunçado antes de pegar seu iPod da sua cama. Seth dá de ombros enquanto pula da cama para o chão em um baque. — Nada até agora. Por quê? Você está procurando um companheiro de festa outra vez? Ela oscila, ligeiramente distraída enquanto percorre através da lista de músicas no seu iPod. — Eu estava pensando em ir a uma festa da fraternidade hoje à noite, mas ainda estou em dúvidas. Seth faz uma careta enquanto zomba. — Garotos de fraternidade? Eca. — Eu sei, — ela concorda, estendendo a mão para pegar os fones em seu travesseiro. — Mas preciso sair deste quartopequeno-como-uma-caixa por uma noite ou vou enlouquecer.


— Bem, desculpe, mas você vai ter que ir sozinha dessa vez, — Seth diz a ela. Os dois ocasionalmente vão à festas e saem juntos, mas isso é quase tão longe quanto a amizade deles vai. — Que droga. — Ela sorri para mim, mas não alcança seus olhos. — E você, Callie? Você quer ir para festa? — Eu estou com Seth dessa vez, — eu respondo, me sentindo meio culpada quando ela franze a testa. — Eu não vou em festas de fraternidades. Ela dá de ombros, parecendo um pouco deprimida. Mas uma vez que percebe que estou observando sua expressão para baixo, ela força um sorriso brilhante, em seguida, coloca os fones de ouvido. Eu não sei por que, mas Harper parece solitária o tempo todo, mesmo que ela esteja sempre rodeada de pessoas. Ela continua sorrindo enquanto se move para sua cama, mas eu dei sorrisos falsos o suficiente na minha vida para reconhecer um quando vejo. Quando ela se deita e começa a fazer sua lição de casa, Seth sendo como é, agarra meu braço e me puxa para a porta. — Vamos tomar um café, — ele diz, pegando meu agasalho de cabeceira da cama e empurrando-o para mim. — E eu vou te dizer sobre o presente que fiz para Greyson. Colocando meu casaco, eu sigo Seth para fora da porta e pelo corredor até os elevadores. — Então, é uma coleção de coisas que fizemos juntos, — ele diz quando eu pressiono o botão para o piso inferior. — Como filmes que nós assistimos, música que escutamos e comida que ambos concordamos que são impressionantes. — Esse pode ser o presente mais legal de sempre, — eu digo a ele quando chegamos ao piso inferior e saímos para a área do salão.


— Eu sei certo? — Ele diz enquanto caminhamos em direção à porta. É um dia ventoso, mas bonito para andar sob o céu azul cristal. Neve se agarrando aos galhos das árvores secas que rodeiam o edifício e a grama congelada faz toda a cena parecer como uma das maravilhas do inverno. — Então, o que há de novo com você? — Seth pergunta, me orientando na direção do café mais próximo, que fica na esquina com a Universidade de Wyoming - a faculdade que ambos frequentamos. — Parece que se passaram anos desde que falei com você. Eu rio porque só se passou um dia. — Não muito. — Como está o novo emprego? Eu suspiro. Eu consegui um estágio para escrever para um jornal on-line no início do semestre. Eu adoro escrever e tudo, mas... — Meio que não é o que eu estava esperando, — eu digo a ele quando nós saímos do gramado e pisamos sobre a calçada escorregadia. — O que isso quer dizer? —Ele pergunta, entrelaçando nossos braços antes que um de nós acabe caindo. Dou um encolher de ombros. — Eu só queria poder escrever... Não sei, sobre o que eu quisesse, em vez de certas coisas. Isso parece como um trabalho. — Eu suspiro. — Isso me faz soar egoísta, não é? E ingrata. Seth ri enquanto nos manobra em torno de uma grande mancha de gelo no centro da calçada. — Não, isso faz você soar normal. Você não tem que gostar de um emprego só porque é o seu trabalho. Enfio a mão livre no bolso de minha jaqueta quando o vento penetra em minha pele. — É, acho que você está certo.


— Não, eu não acho, eu estou certo. — Ele me lança um sorriso vaidoso. — Estou sempre certo quando se trata de conselhos. — Um olhar pensativo aparece em seu rosto. — Falando em conselhos, por que você ainda não falou com Kayden sobre morar juntos? Eu pensei que nós tínhamos conversado sobre isso um par de semanas atrás, e você estava indo finalmente... — Ele faz aspas no ar com a mão livre. —"Seguir em frente". Eu tremo internamente com a lembrança dolorosa. — Eu já te disse que não me decidi ainda. — Eu sei, mas estava esperando que você tivesse mudado de ideia. Acho que você está errada sobre Kayden não estar pronto para dar um grande passo. E mesmo que ele não esteja, eu ainda acho que você deve saber se ele está, — ele me diz quando paramos na calçada, esperando para atravessar a rua. — Vocês estão juntos há mais tempo que Greyson e eu, ou Luke e Violet. — Sim, mas vocês vivem todos juntos. — Eu sei que estou lhe dando uma desculpa e não a verdade, mas não quero sequer pensar sobre a verdade agora, porque isso meio que dói. — Você quer que conseguimos um lugar para todos nós morarmos juntos? — Seth pergunta enquanto nós pisamos no meio-fio e atravessamos a rua para o café de aparência pitoresca que tem um dos melhores Cappuccinos Mocha que eu já experimentei. Eu balanço minha cabeça. — Seis pessoas sob o mesmo teto é demais. — Bom, porque eu realmente não queria, — ele diz me dando uma cotovelada de brincadeira. — Eu só não queria parecer um idiota.


— Você não é um idiota, — eu digo a ele, saltando para cima do meio-fio. — Você é o melhor amigo de sempre. — Você está tão certa. — Ele aponta o dedo para mim. — Assim como eu estou tão certo sobre a necessidade de você falar com ele, ver onde o seu futuro está. — Ele nos orienta em torno de um carro parado do lado de fora do café. — Eu amo o garoto até a morte, mas ele precisa começar a expressar como se sente em vez de sempre deixar você ter que adivinhar. — Kayden é bom para mim, — eu digo na defensiva. — Mas um monte de coisas aconteceu com ele e isso torna meio difícil para ele confiar nas pessoas, eu acho. Aborrecimento enche a expressão de Seth. — Então, você também e isso é algo que você precisa se lembrar. — Seth, por favor, apenas esqueça, ok? — Espero que ele consiga me ler, assim como ele normalmente faz, porque eu não quero falar sobre isso. Ele me estuda de forma suspeita. — Você está escondendo algo, — ele diz quando chegamos ao café, mas em vez de continuar andando, ele para um pouco antes de alcançar a porta e me faz parar com ele. — Ok, senhorita Callie, se confesse. O que você não está me dizendo? Uma mecha da minha franja cai em meu rosto enquanto eu tento manter o meu olhar longe dele, mas nunca fui uma boa mentirosa e acabo encontrando seu olhar fulminante dentro de segundos depois. — Certo, tudo bem. — Eu solto uma respiração, olhando para Seth. — Eu sei com toda a certeza que Kayden não quer morar comigo porque eu perguntei a ele no início do ano. — O quê! — Seth exclama, me soltando. — Por que eu estou ouvindo isso só agora?


Eu dou um passo em direção ao corrimão quando alguém sai pela porta do café. — Porque eu realmente não me sinto a vontade de falar sobre isso. Ele franze a testa, colocando os cotovelos no corrimão e reclinando contra ele. — Bem, o que exatamente Kayden disse? Apenas foi direto como eu não quero viver com você? — Bem, não tão direto assim, — eu explico. — Eu apenas disse algo sobre como seria legal morar em um apartamento com um companheiro de quarto no próximo semestre e como eu estava pensando sobre isso, mas que eu precisava de um companheiro de quarto... E ele não disse nada. Seth relaxa e balança a cabeça, reprimindo um sorriso. — Minha querida, ingênua Callie. Implicar algo não é o mesmo que perguntar. — Ele dá um tapinha na minha cabeça como se eu fosse uma criança. — E quando se trata de pessoas, você tem que ter certeza de ser realmente simples com o que quer. Confie em mim, eu tenho que lidar com isso o tempo todo com Greyson. — Sim, provavelmente você está certo. — Eu me viro quando ele anda em torno de mim e abre a porta para que eu entre. — É realmente muito difícil colocar isso para fora assim, porque, e se ele não me disser um não? Seth me segue para dentro, em seguida, fecha a porta, afastando o ar frio. O lugar cheira a café fresco, canela e sons de teclados vibram em torno de nós uma vez que muitos alunos vêm aqui com seus laptops por causa do acesso grátis ao Wi-Fi. — Eu acho que ele não vai, — Seth diz quando entramos na fila. Eu fico olhando para o menu acima da bancada, tentando descobrir o que pedir. — Eu não estou tão certa... — Eu dou


um passo em frente com a fila. — Ele tem estado muito triste e meio distante ultimamente. — Então, pergunte-lhe o porquê. Callie, vamos lá. Eu sei que esta é a sua primeira relação, mas vocês estão próximos o suficiente para que não deva haver espaço entre vocês. — Quando eu começo a abrir a boca para protestar, ele acrescenta, — ei, você tem que me escutar. Eu agora sou oficialmente um grande psicólogo e você sabe do que estou falando. Eu engasgo com uma risada. — Eu odeio dizer isso para você, mas só porque você está se formando em psicologia não significa que você saiba de tudo. As aulas não ensinam tudo. — Eu sei disso. — Ele coloca dois dedos em seu templo. — É este menino mau aqui que me torna tão malditamente perspicaz. Eu balanço minha cabeça, mas sorrio. Independentemente de Seth ser um sabe-tudo, ele está certo - eu preciso falar com Kayden. — Tudo bem, eu vou fazer isso. — É o melhor para você. E, além disso, viver em um apartamento é muito, muito melhor do que viver nos dormitórios. E você pode ser super barulhenta sempre que quiser. — Ele move as sobrancelhas para mim. Apesar do meu blush, eu decido ser direta. — Oh eu sei. Essa é a principal razão que eu quero morar com Kayden - para que possamos ter algum tempo a sós sem se preocupar com companheiros de quarto em torno de nós. Ele me dá o maior sorriso que já vi. — Olhe para a minha menina; toda crescida.


Fico reta. — Agora, se eu conseguir bolas o suficiente para criar coragem de perguntar ao Kayden. O rosto de Seth fica vermelho enquanto ele trabalha para abafar uma risada, mas torna-se incontrolável e ele se apressa e coloca a mão sobre sua boca. — Eu não posso acreditar que você acabou de dizer bolas. — Sabe de uma coisa? — Eu digo, alcançando o caixa. — Eu posso acreditar. Não sou a mesma garota que eu costumava ser. Ele abaixa a mão da boca e o humor se dissolve da sua expressão. — Você está tão certa. Tão mudada. Você está muito mais forte agora. Mesmo que seja a nossa vez de pedir, nós damos um abraço. — Nós dois chegamos tão longe, — eu digo a ele porque Seth teve suas próprias batalhas, bem e ainda estamos aqui felizes, saudáveis, e curtindo a vida. Os sobreviventes, que é o que nós somos. Eu só queria que Kayden pudesse ver isso sobre si mesmo. Perceber o quão longe ele chegou. Talvez Seth esteja certo. Talvez seja hora de diminuir aquele pequeno espaço entre Kayden e eu. Afinal, enfrentei coisa pior do que perguntar ao meu namorado se ele quer morar comigo. Muito, muito pior.


02 #107 Tenha um momento mágico de inverno no país das maravilhas.

KAYDEN Eu estou com um terrível mau humor ultimamente. Está longe de ser o mesmo quando eu ficava tão para baixo que me trancava no banheiro e cortava a minha própria pele e me deixava sangrar. Eu não vou voltar para aquele lugar, não importa o que aconteça comigo. Eu me recuso a viver naquele buraco escuro novamente. Eu quero que as coisas permaneçam claras. Eu só desejo poder agarrar totalmente como Callie se agarra a vida, mas há algumas coisas - medos me segurando. Uma abundância de coisas me incomodando quando eu realmente começo a analisá-las. Como o fato de que a ação de graças está em menos de um mês, tornando quase um ano desde que meu pai me esfaqueou em seguida, fugiu com minha mãe antes que pudesse pagar pelas consequências. Foi o ano em que a minha vida se desfez em ruínas. O ano em que eu quase desisti e acabei com tudo. Mas não fiz. Eu sobrevivi e deveria ser grato - o que eu sou mas ainda me incomoda que meu pai e minha mãe estão só Deus sabe onde, fazendo sabe-se lá o que, talvez sem nenhum cuidado no mundo. Depois, há o fato de que meu irmão mais velho, Dylan, me convidou para um jantar em família de Ação de Graças em sua


casa. Eu não tenho certeza do que fazer, como reagir à palavra família. Eu não consigo nem me imaginar sentado ao redor da mesa com o meu irmão e sua esposa e toda a sua família, rindo e conversando enquanto enchemos nossos estômagos. Dylan disse que iria convidar Tyler, também, mas nenhum de nós o viu faz um tempo, e nós nos preocupamos que ele esteja viciado em drogas, vivendo nas ruas em algum lugar como fez no passado. Ou pior, talvez ele nem esteja vivo. Eu sinto que estou preso no passado, e quero seguir em frente. Meu terapeuta me disse que eu preciso de tempo. Mas é mais complicado do que parece e deprimente às vezes - a falta de família e o fato de que eu nunca realmente tive ninguém lá por mim. Há uma pessoa que sempre está lá por mim no meu desespero, no entanto. Callie Lawrence. Ela é a melhor coisa que já me aconteceu. Meu raio de sol através da chuva, as nuvens e tempestade que está pairando sobre a minha cabeça. Ela pode me fazer sorrir quando estou para baixo, rir quando estou infeliz. Ela é a única pessoa que já me amou, e que eu completamente e totalmente amo de uma maneira que mal posso entender às vezes. Sinceramente, pensei que nunca iria amar alguém do jeito que eu a amo. Que eu nunca saberia como amar uma vez que nunca aprendi realmente como. No entanto, Callie me mostrou como abrir meu coração - pelo menos - quando se trata de amá-la. Ela faz com que seja tão fácil e, as vezes, confunde-me, por que a minha família não fez isso - amou um ao outro em vez de ser tão cheios de ódio? — Kayden, coloque sua cabeça no treino! — meu treinador grita enquanto acena para mim levar o meu traseiro até o


campo. Eu estive em pé olhando para o campo quem sabe por quanto tempo, perdido em meus pensamentos. Consegui colocar minha cabeça de volta no modo de treino, eu corro para o centro do campo, ajeitando o capacete enquanto me junto aos meus outros colegas. Estamos em nossos uniformes de treino, o campo congelado com a queda de temperatura de ontem à noite, e ainda está fodidamente frio. Mas é bom estar ao ar livre, me distrair dos pensamentos que me assombram sempre que estou no meu quarto sozinho. Jogar deixa minha cabeça limpa mais do que qualquer outra coisa, exceto talvez quando converso com Callie, que vou ver assim que o treino acabar. Ainda assim, mesmo quando estou jogando, eu posso ouvir a sua voz fraca me dizendo o que fazer. Está sempre lá quando estou fazendo algo atlético e, por vezes, quando estou dormindo. Eu odeio ouvi-lo, mas depois de anos está perfurado em minha mente, eu não consigo me livrar do som. Corra. Faça melhor. Vá mais rápido. Jogue com mais força. Continue até você quebrar. É só quando estou pingando de suor e completamente no jogo que mal posso ouvir a voz do meu pai na minha cabeça, meu coração batendo tão alto que mal posso ouvir qualquer coisa, apenas a batida em excesso. Faz-me amar/odiar o futebol - amar por mim, mas odiar por causa dele. Ainda assim, eu foco no que preciso fazer no treino, colocando meu coração, executando os exercícios, jogando, travando, jogando tão bem como sempre faço. No momento


em que terminamos e eu estou indo para o vestiário, o suor encharca através do meu uniforme e meu cérebro está exausto demais para pensar, assim eu estou me sentindo muito bem. O treinador me puxa de lado antes de eu entrar e diz-me o quão bem eu estou indo, mas, em seguida, dá-me algumas coisas para trabalhar. Ele geralmente faz isso, mas tem estado muito no meu pé este ano desde que começamos a jogar tão bem. Tem havido muita conversa sobre o meu futuro no futebol, apesar de eu ainda ser um estudante do segundo ano e ainda ter um caminho a percorrer antes do projeto entra na minha mira. Eu sou grato pelo tempo, também, porque nem tenho certeza do que quero fazer de qualquer maneira. Toda a minha vida o meu pai me fez praticar esportes e eu sempre fui bom neles, por isso sempre pareceu que era o meu caminho a segui. E eu amo jogar, mas às vezes me pergunto se há mais na vida do que isso. Se talvez haja algo lá fora, para mim, que não esteja ligado ao sonho do meu pai para mim e o som da sua voz sempre me assombrando com cada corrida e arremesso que faço. Depois de ir para o vestiário, eu tomo um banho rápido e coloco um par de jeans e uma camisa. Então coloco minha jaqueta e caminho até meu carro no estacionamento. Não é o carro mais bonito do mundo, mas é melhor do que a minha moto e me leva a qualquer lugar. Além disso, a melhor parte é que eu comprei sozinho, a partir do trabalho de meio expediente que consegui no ginásio local. É tudo meu; meu próprio pequeno orgulho e alegria. Não do meu pai. Eu entro e ligo o motor, jogando minha mochila no banco de trás. Está ficando tarde; o sol já está atrás das montanhas, então eu acendo os faróis e dirijo para a estrada. Estou prestes a sair do estacionamento quando recebo uma mensagem de texto, o meu celular apita no meu bolso


Pressionando o freio, eu paro o carro perto da saída para pegar meu celular do bolso, sorrindo porque sei de quem é a mensagem antes de verificá-la. #Callie: Ei! Onde você está? Eu pensei que nós deveríamos nos encontrar no seu dormitório às sete, mas você não está aqui... #Eu: Desculpe, eu me atrasei um pouco. O treinador queria falar comigo sobre algumas coisas. Eu franzo a testa para evitar o assunto. Eu não falei com Callie sobre a incerteza do meu futuro no futebol - ou a incerteza do meu próprio futuro. Ela é sempre tão positiva e sabe exatamente o que quer da vida; torna-se difícil falar com alguém que sabe o que quer. #Eu: Você está em meu dormitório agora? #Callie: Sim, no seu quarto... Niko me deixou entrar. Eu faço uma careta com a menção do nome do meu companheiro de quarto. Não que eu não goste dele nem nada, mas ele tem alguns problemas sérios e está chapado metade do tempo maldito. #Eu: Ele está com você agora? #Callie: Não, ele acabou de sair... Por quê? #Eu: Só para saber... Estou indo. Chego em 10 minutos. #Callie: Ok :) E eu tenho algo realmente importante que quero falar com você sobre... Sobre nós. Eu fico inquieto, querendo saber o que é, que ela pode querer um tempo a partir de nós ou qualquer outra coisa igualmente tão ruim. Eu realmente não acho que seja isso, mas minha mente sempre parece ir para aquele lugar escuro sempre que há o desconhecido na minha frente. Eu não posso


deixar de me preocupar que Callie vá me machucar, porque ela tem esse poder. Ela é dona completamente do meu coração e alma e ela poderia facilmente quebrá-lo. Perdido em minhas preocupações, eu entro na estrada e dirijo em direção ao meu prédio de dormitório. Até o momento que estou estacionando o carro, está nevando como uma nevasca. Flocos de neve caindo contra o para-brisa e imediatamente mergulhando através das minhas roupas quando pulo para fora e corro pelo gramado até as portas de entrada. Eu inspiro o calor quando passo pelo salão. Está se aproximando do Halloween e tudo está decorado com teias de aranha preto e laranja, enfeites em todos os lugares, junto com um esqueleto estúpido que faz barulhos assustadores cada vez que alguém passa por ele. Existem algumas pessoas sentadas em torno da área de descanso, rindo e conversando, alguns que conheço, então dou-lhes um aceno e digo olá antes de ir para o elevador. Quanto mais perto chego do meu quarto, mais ansioso e querendo tocar em Callie eu fico, desejando poder fazer isso o tempo todo. Infelizmente, não estou no mesmo edifício de dormitório que ela e faz com ficar juntos toda a noite se torne uma dor na bunda. Honestamente, seria mais fácil se nós apenas vivêssemos juntos, mas isso é um inferno de um grande passo e não tenho certeza se estou - estamos - pronto para isso ou se ela até mesmo quer. Quando chego ao meu quarto, eu digito o código e entro, sorrindo, mesmo antes de vê-la. Mas então franzo minha testa no momento que passo pela porta e descubro que o quarto está vazio, apenas duas camas desfeitas, alguns sacos de Dorito vazios, e um monte de latas de Coca-Cola no chão, o que me faz sentir falta de Luke como um companheiro de quarto e sua mania de manter tudo limpo e organizado. Há também uma pilha de DVDs na minha mesa de cabeceira, que


estou supondo que Callie trouxe uma vez que não estavam aqui. Eu estou coçando a cabeça, perguntando-me onde ela foi quando meu celular vibra dentro do meu bolso. Minhas sobrancelhas se unem quando tiro-o e passo meu dedo na tela. #Callie: Coloque o seu casaco e me encontre do lado de fora, no lado leste do campus. #Eu: Por que isso soa tão desconfiado... Você não está planejando me assassinar, não é? #Callie: Não esta noite. Guardei o meu rolo de fita adesiva e pá para outra ocasião ;) Eu não consigo me parar, mas rio do seu jeito adorável. #Eu: Tudo bem, apenas contanto que nenhuma pá e fita estarão envolvidas, chego aí em alguns minutos :) #Callie: Ok, vejo você em breve :) Eu coloco meu celular de volta no bolso, imaginando o que ela está fazendo. Ela está tão feliz ultimamente, mesmo com o fato de que Caleb - o cara que a estuprou quando ela tinha doze anos - ainda está por aí em algum lugar no mundo, vivendo sua vida, sem pagar por aquilo que fez não apenas com Callie, mas com a irmã de Luke, e juntamente com algumas outras. Ele provavelmente nunca vai ter que pagar pelo que fez com elas. Ele vai continuar vivendo sua vida, fazendo o que quer, enquanto suas vítimas são deixadas para lidar com a destruição. A falha enorme na vida de uma maneira que eu entendo muito bem. Agitando o pensamento deprimente da minha cabeça, eu coloco o gorro sobre o meu cabelo castanho antes de sair para o frio novamente. Eu tento ficar otimista enquanto pego o


elevador para o piso inferior, saio e ando em torno do edifício, indo para o lado onde Callie me instruiu a ir. As árvores secas em torno do edifício estão decoradas com luzes que refletem contra o gelo que cobre tudo. Está congelando aqui fora, minha respiração sai em uma nuvem na frente do meu rosto. Eu deveria ter usado um casaco mais pesado. Mas uma vez que entro na área aberta no lado leste entre alguns bancos e fileiras de árvores eu paro de me importar que estou ao ar livre e congelando pra caramba. Callie está de pé no meio das árvores e luzes, olhando para o chão. Ela está com a cabeça inclinada para baixo, o casaco abotoado até o queixo, e está chutando a neve com a ponta da bota. O capuz abaixado e os flocos de neve grudados em seus longos cabelos castanhos, mas ela não parece se importar, perdida em seus pensamentos. Ela é linda. Incrível. Perfeita. Eu me dou um momento para apreciá-la antes de caminhar em sua direção e fazer a minha presença ser notada. Ela deve ouvir meus passos contra a neve, porque seu olhar levanta e encontra-me antes de eu chegar até ela. Neve pontilham seus cílios, suas bochechas estão rosadas, e ela tem um sorriso no rosto, os olhos tão cheios de amor que eu seriamente quase viro e olho por cima do ombro para me certificar de que não há mais ninguém para quem ela poderia estar olhando desse jeito. — Ei, você, — ela diz, ainda sorrindo para mim. Então muda seu peso e uma pitada de nervo desliza através da sua expressão, o que me deixa nervoso também. Por que ela estaria nervosa?


— Ei você, de volta. — Meus pés se movem em direção a ela por conta própria, querendo - precisando - estar perto dela. — Por que você está aqui fora no frio? Ela ergue seu dedo, indicando para mim esperar apenas um segundo. Então olha para uma árvore coberta de neve ao seu lado antes de se abaixa por trás dela. Um segundo depois, uma música me envolve. Quando recua de trás da árvore, ela está sorrindo enquanto os flocos de neve flutuam em torno de nós, quase se movendo com o ritmo lento da música. — O que você tem aí atrás? — Eu pergunto. — Um iPod ou algo assim? Ela balança a cabeça enquanto caminha pela neve em minha direção, reduzindo o espaço entre nós, algo que eu sou ridiculamente grato. Na verdade, quero que todos sumam que não haja uma única gota de espaço deixado entre nossos corpos. — Não, é o estéreo de Luke. Seth emprestou dele para que eu pudesse usá-lo para isso. Meu sorriso aparece, é a primeira vez que eu sorrio durante todo o dia. — Deus, ele é tão estranho com todas essas porcarias velhas que ele mantém ao redor, certo? — Como todas as aquelas fitas? — Ela diz com uma risada suave enquanto para na minha frente e inclina a cabeça para olhar para mim. Eu elimino o resto do espaço entre nós e coloco minhas mãos em seus quadris. De repente, me aqueço no meio do frio. — Acredito seriamente que ele pertence à década de oitenta. — Talvez ele pertença. — Ela envolve seus braços ao redor do meu pescoço e se aproxima. — Em que década você acha que nós pertencemos se pudéssemos viver em uma diferente?


Eu considero o que ela disse. — Que tal sobre os anos sessenta? Ela sorri para mim. — Nós seriamos todos paz, amor e felicidade. — Eu acho que soa muito parecido com você. — Enfio uma mecha do seu cabelo úmido atrás da orelha. — Eu não tenho certeza sobre mim, no entanto. Sua testa se franze enquanto eu acaricio sua bochecha com o meu dedo, hipnotizado pela suavidade da sua pele. Já lhe toquei mais de mil vezes, mas cada vez é tão surpreendente quanto o primeiro. — Você parece um pouco para baixo ultimamente. Tem algo incomodando você? — Eu só tenho pensado sobre algumas coisas. — Eu traço um caminho da sua mandíbula até o seu templo. — Sobre coisas de família? — Sim... Eu não consigo me parar... Com as férias chegando. Só me faz pensar nisso. — Sobre sua família? Eu engulo o caroço estúpido que se formou em minha garganta. — Sim, sobre a falta de uma. — Eu realmente não quero dizer isso porque não quero ser um infortúnio quando ela claramente tinha planejado algum tipo de noite de diversão, mas simplesmente desliza para fora. — Você tem a mim, — ela diz baixinho, colocando uma mão no meu rosto barbado. — Você sempre terá. Meu coração se aperta no meu peito. — Eu sei que tenho, — eu digo, desejando que fosse assim tão simples, que eu


acreditasse plenamente que ela sempre estaria aqui comigo, que nada mudaria, e que isso poderia ser o suficiente na vida. Mas eu já fui abandonado antes, por isso há um pouco de incerteza sobre mim. Ainda assim, estar aqui com ela momentaneamente empurra meus problemas à distância, e eu me inclino para beijá-la, incapaz de deixar o espaço entre nós por mais tempo. No entanto, ela se afasta, parando meados do beijo, e me deixando ofegante por ar. — O que há de errado? — Eu pergunto. Ela solta um suspiro trêmulo, nervoso e tremendo de frio. — Eu tenho que te perguntar uma coisa... Algo muito, muito importante. Eu procuro seus olhos e vejo os mesmos nervos que notei quando lhe encontrei. — O quê? Ela solta outra respiração instável e seu aperto sobre mim se aperta, os dedos cavando no tecido do meu casaco, como se ela estivesse com medo de me soltar. — Ok, então, tem algo que eu quero que você pense, mas não quero que me responda esta noite. — Ok? — Eu estou tentando não ficar preocupado, mas é difícil quando ela está agindo dessa maneira. Seus olhos estão arregalados e cheios de terror, mas ela se recusa a olhar para longe de mim. — Então, eu tenho pensado muito sobre a nossa... Nossa situação. — Seu peito sobe e desce rapidamente, causando uma nuvem de nevoeiro em torno do seu rosto. — Lembra-se no início do ano letivo quando eu mencionei algo sobre o quanto seria mais fácil se estivéssemos morando juntos? Eu vacilo, porque realmente não me lembro do que ela está falando, mas parece que talvez eu devesse. — Eu me lembro


vagamente de você dizendo algo sobre querer sair do dormitório e obter o seu próprio apartamento. Um alto exalo escapa dos seus lábios. — Bem, o que eu quis dizer quando disse isso... Ou o que eu deveria ter apenas dito é que talvez nós devêssemos apenas... Você e eu, — ela gesticula entre nós. — Morar... juntos... — ela faz uma pausa, mordendo o lábio, que se tornou um pouco azul por causa do frio. Eu engulo em seco, sem saber como responder. Eu não tenho nenhuma ideia de como me sinto sobre a ideia. Excitação. Querer. Deus, o querer. Mas estou fodidamente em conflito porque dentro de mim há um certo medo. Estou pronto para isso? Sim. Não. Sim. Não. Pode ser. Merda. Por que não posso apenas dar o que ela quer? Ela merece isso. Merece mais. Estou sentindo muito no momento. O velho Kayden iria fugir e correr de volta para seu quarto para encontrar uma navalha porque seria a maneira mais fácil de lidar com isso - ou não lidaria com isso de qualquer forma. Mas não quero ser aquele cara - tornar-me aquele cara de novo.


Callie me olha com esperança em seus olhos enquanto eu me esforço para me acalmar através de toda a confusão que flui através da minha mente. Meus lábios se abrem para tentar explicar a ela o que está acontecendo, mesmo que eu esteja supondo que vai ser um amontoado de bobagens, mas ela cobre rapidamente a minha boca com a mão. — Não me responder agora. — Ela abaixa lentamente a mão dos meus lábios. — Basta pensar sobre isso. Fale com o seu terapeuta e descubra se você realmente deseja fazer isso ou não, — ela diz com um encolher de ombros. — Eu estava apenas deixando você sabe o que eu quero. Concordo com a cabeça, deixando escapar um suspiro preso dentro do meu peito. — Ok, eu vou pensar sobre isso. Seus lábios se curvam em um sorriso então ela fica na ponta dos pés para colocar um beijo na minha boca. Seu gosto me afoga, e por um momento me libera, me faz esquecer de tudo. O beijo é muito rápido, embora, e quando ela começa a se afastar, eu seguro a parte de trás do seu pescoço e puxo-a de volta para mim, recusando-me a deixá-la ir, querendo sentir a serenidade dentro de mim um pouco mais. Ela não protesta quando deslizo minha língua profundamente dentro da sua boca, explorando cada polegada enquanto agarro seus quadris, segurando suas laterais. Ela me agarra com mais força, alinhando nossos corpos enquanto a neve cai em torno de nós, ensopando nossas roupas, a nossa pele e a música suave continua tocando no fundo. É um daqueles momentos fáceis onde é ela que eu vejo quando olho para frente e desejo poder ficar assim para sempre. Mas por alguma razão eu tenho um sentimento de que a neve vai parar de cair e a vida vai seguir em frente. Movendo-me para frente. Para o futuro.


Sรณ gostaria de saber o que diabos eu deveria fazer.


03 #117 Não deixe o cursor torturar você.

CALLIE Está ficando perto do Halloween e eu quero me fantasiar nele. Eu realmente não faço isso desde que tinha onze anos, a última vez que me senti como uma criança. Eu sei que não sou uma criança agora, mas tendo a minha infância roubada tão cedo de mim, eu quero ter um pouco de diversão. E Seth quer que eu vá para um concerto de Halloween com Greyson, ele, Luke, e Violet. Halloween/ dançar/concerto/fantasia de casal. Eu concordei, mas disse-lhe para falar com Kayden, sem saber se é o seu tipo de coisa. Eu gostei muito da ideia provavelmente, e não quero ter muita esperanças até que eu tenha certeza de que ele vai, mas nunca cheguei a fazer essa coisa toda de baile de formatura, nunca cheguei a usar algo que me fez ficar bonita, nunca realmente acreditei que eu era bonita, nem quero estar no momento ou querer esse tipo de atenção. Nunca cheguei a dançar com um cara que eu amava e que me olhou como se eu fosse a coisa mais linda do mundo. E quero apenas isso por uma noite. Seth me convenceu a ir comprar uma fantasia antes de eu ter a chance de perguntar a Kayden, mas não me importo. Na verdade, estou me divertindo à procura de algo para vestir. Embora, Seth parece pensar que precisa dar sua opinião, e


vamos apenas dizer que suas ideias de fantasias são... bem, um pouco ousadas demais e corajosa para o meu gosto. — Sim, eu não tenho certeza se Kayden irá querer usar essa coisa de Peter Pan/Tinkerbell, — eu digo a Seth quando ele segura uma fantasia que inclui calças justas verdes e sapatos encaracolados na ponta. Ele me dá um sorriso inocente, empurrando a fantasia para mim. — Por que não? Eu rolo meus olhos enquanto continuo procurando na prateleira à minha frente. — Hum, porque inclui collants. É por isso. — Eu movo os cabides para o lado enquanto olho através das opções. — Além disso, eu não quero ser a Tinkerbell. Seth franze a testa, desapontado. — Sim, mas Kayden já usa aquelas calças super apertadas quando ele está jogando futebol, o que é praticamente o mesmo tipo de calças justas. Eu rio enquanto verifico as opções de fantasias que parecem muito indecentes, algo que eu não estou pronta, nem acho que vou estar para isso. Mais uma vez, eu acho que é a minha personalidade. — Sim, e eu peguei você verificando-o antes naquelas calças super apertadas, amigo. Você não é tão discreto quanto pensa. — Quem disse que eu estava tentando ser discreto? — Ele diz, colocando a mão em seu quadril. — Eu estava apenas admirando a vista. E não finja que você não faz o mesmo, também - admirar uma bela bunda quando vê uma. Minhas bochechas coram e ele ri de mim, segurando o meu embaraço. Ainda rindo, ele vagueia em torno das prateleiras enchendo a pequena loja, procurando por uma fantasia. A seleção é bastante agradável e há um monte de pessoas folheando a oferta já limitada. Há um tipo de música de


Halloween tocando nos alto-falantes para adicionar as decorações assustadoras de morcegos, bruxas e fantasmas. — Então, você já decidiu? — Seth pergunta, afastando-se da prateleira e esfregando seu estômago. — Porque eu estou ficando super faminto. Eu balanço minha cabeça enquanto puxo um pequeno pedaço de couro que é suposto para ser um vestido, mas parece realmente uma camiseta curta. — O problema é que eu não quero ser algo assustador ou indecente e isso é tudo o que realmente temos aqui. Ele olha para a parede de máscaras, em seguida, para a prateleira que eu estava olhando. — Isso meio que elimina um monte de opções, se não todas elas. — Eu sei, — eu suspiro, olhando ao redor da loja. — Eu só quero uma coisa bonita. Algo que não seja indecente, mas meio que sexy de uma forma que eu não tenho que mostrar muita pele, se isso faz algum sentido. Algo que vá deslumbrar... Kayden. — Eu sorrio para o meu uso da palavra porque deslumbrar é uma das palavras favoritas de Seth. Ele balança a cabeça para cima e para baixo com a música enquanto olha ao redor da loja, pensando. — Isso realmente faz todo o sentido para você. — Ele pega a minha mão. — Venha comigo, bonita; Acho que tenho uma ideia de fantasia perfeita para você. Uma que vai fazer você... — ele sorri para mim, — deslumbrar todo o mundo. Eu sorrio enquanto sigo-o para fora da loja, na esperança de que os esforços de hoje vão valer a pena, que talvez de alguma forma eu possa tornar a noite mágica, ou pelo menos consegui fazer Kayden sorrir. Por si só isso faria todos os esforços valerem a pena. ***


Mais tarde naquele dia, eu volto para o meu quarto de dormitório com uma sacola que está guardando o que eu acho que vai ser a fantasia perfeita. Eu sei que estou sendo boba, que tenho quase vinte e não devo ficar tão animada sobre uma bobagem de festa, mas estou. No último Halloween, Kayden e eu não estávamos tecnicamente namorando. Sim, estávamos saindo, mas era apenas isso. E cerca de um mês depois, em torno da ação de graças, tudo se desfez quando Kayden bateu em Caleb pelo que ele fez comigo e, em seguida, seu pai bateu-lhe e esfaqueou-lhe por ele ter entrado em apuros com a polícia. Foi um terrível, horrível tempo. Eu sei que Kayden ainda pensa muito sobre isso, mesmo que não fale comigo. Então, quero que o final deste ano e do futuro sejam divertidos. Divertidamente puros e simples. Depois que eu coloco minhas compras de canto, ligo o iPod, no aleatório antes de colocar meus fones de ouvido. "Winter Song" de Sara Bareilles e Ingrid Michaelson começa a tocar, totalmente adequado com a tempestade lá fora. Então pego o meu laptop da mesa de cabeceira e pulo em cima da cama. Eu escrevo um pouco para o meu estágio, mas depois fico entediada de alterar os documentos e resolvo trabalhar em um dos meus projetos de ficção para o meu portfólio no final do ano. O tema é ficção, mas o professor Gladsyman disse que devemos escrever sobre algo que pareça real, algo que esteja entre ficção e não-ficção. Às vezes, eu me sinto... Sim, isso é tudo o que tenho até agora. Não é como se eu tivesse o bloco do escritor. Ok, bem, talvez eu tenha, mas não é só isso. Escrever sobre a verdade vaga, que é a parte difícil. Mas não estou e nem deveria estar escrevendo a verdade, estou? Honestamente, estou meio confusa com qual a rota que eu deveria seguir, especialmente desde que o professor


continuou fazendo aspas no ar quando disse ficção. Juro que ele queria que nós lêssemos sua mente ou descobrir o que ele queria. Suspirando, eu apago as três palavras e, em seguida, fico olhando para a tela em branco e o cursor que pisca pra caramba, o qual eu juro que está sussurrando, é melhor você encontrar uma ideia, uma e outra vez, me torturando. Toda vez que eu tento fazer isso parar, a voz fica mais alta e juro por Deus que estou ficando louca - uma escritora louca. Depois de um tempo, eu me levanto e faço uma busca na minha gaveta da cômoda, então tiro o meu vestido - aka minha fantasia - e admiro de novo, totalmente ganhando tempo. Quando experimentei o vestido na loja, me senti como uma princesa gótica. Sim, foi um pensamento clichê - bem, menos a parte gótica - mas não me importo com isso, lembrando-me de como eu costumava sonhar em ser uma princesa e ir ao baile. Depois que fui estuprada, desligar-me completamente, vivendo apenas dentro de mim. Eu cortei o meu cabelo e só falava o que sentia para o meu diário na maior parte do tempo, tudo o que eu estava sentindo se inundando através da pena. Isso é o que eu fiz até que vim para a faculdade, o que significa que eu me convenci de que todas as coisas do ensino médio eram bobagem, quando na verdade eu queria participar. Mas nunca aconteceu. — Pode ser como o baile do colegial para você, — Seth tinha dito quando estava tentando me convencer de que essa era de fato a fantasia que eu precisava usar. — E você poderia ser como a Cinderella e perder o seu sapatinho de cristal, então Kayden teria que encontrá-lo e devolvê-lo. Eu estava segurando o vestido à minha frente e olhando para meu reflexo no espelho da loja. — Seth, é apenas uma


festa. E isso definitivamente não é um vestido que a Cinderella usaria. — Então seja Callierella, — ele disse com uma piscadela. — Ou Calliepunzel e você pode se trancar em seu quarto até Kayden implorar para que você deixá-lo entrar. Eu tinha deixado escapar uma risada. — Você está bêbado? Quero dizer, eu sei que você tomou uma margarita na hora do almoço, mas, geralmente, leva muito mais para você ficar embriagado. — Eu não estou bêbado, — ele disse, pegando o vestido da minha mão. — Eu só estou tentando dar-lhe o conto de fadas que você merece. — A vida não é um conto de fadas, — respondi. Mas no fim, eu acabei comprando o vestido, meio que desejando que fosse. Se a vida fosse um conto de fadas, eu penso comigo mesma enquanto penduro o vestido no armário, seria escuro e torcido. Então, novamente, alguns desses contos de fadas têm um lado escuro, um vilão, um dilema perverso mais como uma maldição. Mas eu nunca iria querer ser uma princesa, pelo menos do tipo que espera por príncipe salvá-la. Eu gostaria de me salvar. E talvez o príncipe também. Talvez possamos salvar um ao outro, juntos. Uma ideia brilha dentro da minha mente e eu solto um aplauso animado e alegre. — Caramba, eu tenho isso! Logo em seguida, Harper entra no quarto com uma sacola pendurada no ombro. Ela me dá um olhar estranho quando coloca suas coisas sobre a cômoda e sua bolsa na cama. Está tudo bem? Ela murmura porque eu estou com meus fones de ouvido.


Concordo com a cabeça ansiosamente enquanto pulo de volta na minha cama. — Sim, só tenho uma ideia muito legal. — Então volto para o meu laptop e coloco meus dedos no teclado, ouvindo a voz dentro da minha cabeça que não pertence a um cursor, mas um personagem, quando escrevo as três primeiras palavras. O Verídico Conto de Fadas.


04 #101 Não deixe sua família chegar até você.

KAYDEN Trabalhar no ginásio não é o que eu quero fazer para o resto da minha vida, mas me dá um fluxo extra. O som está alto e sempre tem esse cheiro estranho que eu nunca percebi quando estava me exercitando, mas mal consigo respirar quando estou trabalhando. Geralmente leva pelo menos uma hora antes das minhas narinas se acostumarem com o cheiro. Hoje, porém, está me dando uma dor de cabeça, ou talvez seja apenas porque eu não dormi muito bem ontem à noite. Quero deitar-me no chão e dormir, mas em vez disso tenho que ficar na frente do balcão durante quatro horas seguidas e falar com as pessoas quando elas precisam de ajuda. Meu celular apita no meu bolso durante todo o dia, mas eu não posso verificá-lo até a minha pausa. Acho que pode ser Callie, e isso está me deixando louco, porque eu quero falar com ela, mas não consigo. Depois da nossa conversa no outro dia sobre a mudança, eu estive preocupado com o que ela vai dizer, com medo que ela vai me perguntar qual é a minha decisão e eu vou ter que dizer a ela que não tenho ideia. A única esperança que me resta é talvez a minha sessão de terapia amanhã.


Finalmente, um pouco depois das duas, eu recebo a minha pausa. Depois de colocar meu casaco, saio pela porta de trás para o ar frio. O céu está cinzento e a neve está se recusando a parar ou derreter, acumulando-se nas estradas. Eu me pergunto o quão intenso o inverno vai ser. Normalmente, nem sequer começar a nevar até novembro, mas é o final de outubro e já há uma porrada de neve. O meu celular vibra novamente e eu ando em frente ao estacionamento congelado em direção ao meu carro, enfiando a mão no meu bolso para pegá-lo. Estou me preparando para ver o número de Callie quando olho para a tela e percebo que todas as chamadas perdidas não são dela, mas sim do meu irmão mais velho Dylan. — Isso é fodidamente estranho, — murmuro, pegando as chaves do meu bolso quando chego ao meu carro. Dylan e eu conversamos uma vez por semana, mas geralmente se eu perder sua ligação, ele não liga de volta até alguns dias mais tarde. Hoje, no entanto, ele tentou ligar mais de oito vezes e enviou mensagens. #Dylan: Ligue-me o mais rápido possível. Eu disco o número dele enquanto entro em meu carro e ligo o motor, ligando o aquecedor com o celular pressionado no meu ouvido. — Ei, — ele responde com sua voz apressada. — Eu estava indo realmente tentar ligar novamente. — Sim, eu estava no trabalho, — eu respondo, olhando pela janela. — E aí? — Nada... Bem, tudo. — Ele hesita, então suspira. — É sobre Tyler. Minha frequência cardíaca acelera à menção do nome do meu outro irmão. — O que aconteceu com ele?


Dylan suspira de novo e é mais ponderado neste momento. — Eu recebi um telefonema dele alguns dias atrás, e ele disse que precisava de ajuda, que está vivendo nas ruas. Eu poderia dizer que ele estava fora da sua mente - mal consegui entender metade das palavras que ele disse. — Vivendo nas ruas onde exatamente? — Eu ainda não tenho certeza. Não cheguei tão longe. — Dylan suspira pela terceira vez e eu sei que é ruim. Seja lá o que está acontecendo, é muito, muito ruim. — Ele realmente estava em Virginia quando me ligou. Acho que ele descobriu onde eu morava e começou a pedir carona para chegar até aqui. Ele estava fora da sua mente e nós estamos tentando ajudá-lo com a desintoxicação, mas não tenho certeza se vai funcionar. — Onde ele está pedindo carona? — Atrevo-me a perguntar, pensando que pode ser onde meus pais estão. E se for? O que isso significa? Que eles vão entrar na vida de Dylan novamente, também? Será que ele vai deixar? Milhares de perguntas correm em minha mente enquanto Dylan responde: — Eu não tenho ideia. Em algum lugar no sul, eu acho, mas ele age como se não se lembrasse. Eu aperto o volante, tentando controlar a frustração mexendo dentro de mim, mas nunca fui bom em controlar minhas emoções e começo a suar a partir da ansiedade que estou sentindo. — Ou talvez ele saiba, mas não está dizendo, porque a mamãe e o papai lhe disseram para não contar. — Sim, eu meio que estava me perguntando a mesma coisa. Me perguntei isso por alguns meses depois que você me disse o que estava acontecendo, mas, novamente, Tyler é, bem, Tyler. E ele apenas poderia estar vivendo nas ruas chapado pra caralho que mal conseguiria se lembrar onde estava.


— Sim, acho que sim. — Dylan é direto. Tyler poderia facilmente ter apenas estado nas ruas, mas parte de mim quer que seja o contrário, quer que ele saiba onde eles estão. Eu não sei por que, apesar de tudo. Não é como se eu quisesse de volta aquela minha vida. Eu não quero nem vê-los novamente, a menos que seja ver o meu pai atrás das grades. Assim como seu pai - meu avô - está agora. — Eu sei o que você está pensando, Kayden, — Dylan diz interrompendo meus pensamentos. — E você precisa parar de pensar sobre isso. Você precisa tentar esquecer. Não se preocupe com a mamãe e o papai mais. — Eu não estou preocupado com eles, — eu minto e bem. Eu sempre fui bom em mentir, que não é uma coisa boa, mas é algo que eu tive que aprender a fazer em uma idade precoce, quando as pessoas perguntavam sobre minhas contusões e ossos quebrados. — Bem, eu realmente não quero dizer preocupado. Mais como, deixá-los chegar até você. — Estou bem. Realmente, — eu minto novamente. Não me sinto bem. Sinto raiva. O tempo todo. — Você ainda está vendo seu terapeuta? — Ele pergunta com cautela. — Sim. — Eu desligo o aquecedor. — Uma vez por semana. — Bom. Eu acho que é bom para você. Eu ainda vejo o meu, por vezes, quando as coisas ficam ruins, como no outro dia quando eu tive que falar com Tyler. — Quando eu não digo nada, sem saber o que dizer, ele muda de assunto. — Mas de qualquer forma, eu só queria ligar para que você soubesse o que está acontecendo. Podemos colocar Tyler em uma clínica de reabilitação se conseguimos convencê-lo a isso, assim ele pode estar em torno da Ação de Graças, quando você vier.


Eu franzo a testa. — Ação de Graças? — Sim, você está vindo, certo? — ele pergunta. — Quero dizer, eu pensei que foi isso o que você disse. O que eu disse foi que iria pensar sobre isso, mas ainda estou em dúvidas, — Sim, eu acho. Meus pulmões começam a se contraírem enquanto penso sobre a Ação de Graças anterior e o que aconteceu. Tinha começado bem, cheguei a passar um tempo com Callie, e então nós tínhamos tido relações sexuais pela primeira vez. Mas as coisas ficaram feias a partir de então, um belo momento manchado pela realidade. — Olha, eu tenho que ir. Acabou meu intervalo, — eu minto para Dylan pela terceira vez durante esta conversa. — Mas deixe-me informado sobre o que acontecer com Tyler. — Eu irei. — Ele hesita enquanto eu desligo o motor e saio do carro. — E Kayden, só para você saber, ele perguntou sobre você - o que você está fazendo, se está bem. Ele continuou dizendo que quer falar com você, mas não vou deixar até que ele fique sóbrio, só para ter certeza que ele não diga... bem, qualquer coisa que não deva ser dito. — Eu acho que ele pode estar tentando me proteger, mas não tenho certeza uma vez que ninguém nunca realmente fez isso por mim antes, pelo menos, ninguém da minha família. — E você só tem que falar com ele, se quiser. Não tenho certeza de como responder. Dylan e eu ficamos bem ao longo do tempo, mas agora ele está mostrando muita emoção direcionada para mim. É estranho e desconhecido, especialmente desde que passei muito tempo pensando que ele me odiava quando eu era criança, depois que ele foi embora quando tinha dezoito anos e me deixou com nosso pai e nossa mãe, sem até mesmo ligar para dizer onde estava vivendo. É algo que nós realmente não conversamos muito


também, embora meu terapeuta ache que possa ser saudável se nós fizermos. No entanto, eu não quero ir por esse caminho ainda - abrir essas cicatrizes antigas que ainda estão tentando se curar. — Tudo bem... Obrigado por me contar tudo, — Eu digo sem jeito enquanto tranco a porta do carro, porque é tão antigo que precisa de um chaveiro. — Sim, não há problema, — ele responde, parecendo desconfortável. Eu ouço alguém dizer algo no fundo e ele diz rapidamente, — Oh, e Liz quer saber se você vai trazer alguém na Ação de Graças. Eu quero dizer a ele que ainda nem sequer estou certo de que vou, mas em vez disso digo: — Eu não tenho certeza, mas vou deixar você saber em breve. — Tudo bem, mas só para você saber, nós adoraríamos tê-lo aqui e Callie se ela puder vir. — Ele soa como se quisesse dizer isso. Mais uma vez, sou jogado para fora da minha zona de conforto por este seu estranho comportamento comigo. Mas mantenho minha compostura, embora, e digo adeus antes de voltar ao trabalho, apesar de ter mais dez minutos de pausa. Eu tento não pensar sobre Tyler, mas não consigo me parar. E se ele realmente sabe. Sabe onde meu pai está.


05 #134 Convide alguém para o baile **tosse** festa de Halloween.

CALLIE — Realmente? — Eu digo a Seth quando leio o que ele acabou de escrever no meu quadro. Seth e eu criamos esta lista de coisas para fazermos desde o início do ano de calouros quando nos tornamos amigos. Não há nenhuma regra para o que tem lá, só precisa ser algo que pelo menos um de nós tem que tentar. Esta versão de quadro branco realmente começou desde que a lista ficou grande e tivemos que transferir alguns deles para um pedaço de papel. — Sim com certeza. — Ele bate o marcador contra o número cento e dezessete. — Não é mais estranho do que este. — Ei, eu totalmente fiz isso no outro dia. — Eu pego o marcador da sua mão e risco uma linha através do número cento e dezessete. — Você é tão estranha, — ele diz, eu coloco a tampa no marcador e deixo-o de lado. Eu rolo meus olhos para ele. — O sujo falando do mal lavado. — Totalmente, — ele concorda, seu olhar à deriva para a janela. — Então você está pronta para isso? Meu rosto se contorce em confusão. — Pronta para quê?


Ele bate seu dedo contra o quadro onde ele escreveu o número 134. — Duh, o que você vai fazer hoje. Balançando a cabeça, eu afundo na cama. — Eu não vou fazer isso. Ele coloca as mãos nos quadris e olha fixamente para mim. — Você vai. Cruzo os braços e aponto um olhar desafiador para ele. — Não vou. — Você tem, — ele insiste. — O show é amanhã e eu já disse a Greyson que você estava vindo. — Tudo bem, eu vou perguntar a Kayden, — digo-lhe, derrotada. — Mas não na forma de um baile estranho, extravagante como as pessoas fazem na escola. — Você vai, Callie Lawrence. — Ele agarra meu braço e me puxa para os meus pés com tanta força que eu tropeço. — Isso é algo que você precisa. Dou-lhe o olhar mais desagradável que posso. Quando percebo que ele acha que eu preciso reviver meus tempos de colégio, uma vez que foi uma grande merda, e eu quero, mas ao mesmo tempo... — Tenho medo de estar vivendo no passado se eu fizer isso. Sua determinação suaviza, mas ele ainda me puxa para a porta, jogando o meu casaco para mim no processo. — Não. De modo nenhum. — Ele abre a porta e orienta-me para o corredor com ele, navegando em torno de um grupo de pessoas nos corredores. — Veja, isto é o que você e eu estamos fazendo, nos afastando do passado e seguindo para o futuro. — Você está falando metaforicamente, não é? — Eu pergunto quando chegamos ao elevador e ele aperta o botão.


— Eu tive a minha aula de filosofia hoje, — ele admite quando as portas do elevador se abrem e damos um passo para dentro. — Agora, por favor, faça isso por mim? — Seu dedo paira sobre o botão do andar térreo, esperando que eu concorde, porque no final, independentemente de quão agressivo ele seja, ele sempre vai estar do meu lado se eu pedir. Essa é a coisa com Seth e por que ele é um bom amigo. — Oh, tudo bem. Vamos ser extravagante, — eu digo como se estivesse séria, mas, no final, ambos riem. E realmente, isso é uma espécie de ponto, de qualquer coisa, não é? *** — Então é isso que as pessoas fazem quando convidam uns aos outros para ir ao baile, hein? — Eu fico olhando para frente do edifício de dormitório de Kayden enquanto Seth arranca um ramo de uma árvore, fazendo um monte de neve cair em sua cabeça. Varrendo a neve fora do seu cabelo, ele acena com a cabeça, em seguida, se agacha e desenha um coração na neve. — Sim, você tem que ser criativa com essas coisas. Na verdade, quanto mais criativo, melhor. — Enquanto fala, ele escreve na neve: Kayden, você quer ir a um concerto de Halloween comigo? Eu iria desmaiar até a lua se você aceitasse. Ele se levanta com uma expressão orgulhosa depois que termina. — Veja, agora tudo que você tem a fazer é ir buscá-lo. — Ele joga o ramo no chão e espana a neve das suas luvas. — Desmaiar até a lua? — Eu questiono e ele me dá um olhar sério. Eu pego minhas luvas do bolso e coloco-as. — Eu tenho uma ideia melhor. — Eu pego o ramo e escovo minhas mãos em toda a superfície da neve, apagando o que ele escreveu e rindo quando ele começa a reclamar. Então me ajoelho e escrevo algo que vem realmente de mim.


— Se eu vou fazer isso, então eu deveria escrever, — eu digo enquanto traço a ponta da vara em toda a neve. Quando termino, me levanto e admiro minha obra. Seth para ao meu lado e lê o que eu escrevi. — "Kayden, deixe-me impressioná-lo em um show de Halloween. P.S: Seth me obrigou a fazer isso porque colocou na lista". — Ele me dá um olhar questionador. — Isso é realmente o que você quer escrever? Eu escovo a neve do meu cabelo que está caindo das árvores. — Sim, eu acho que é perfeito. Ele suspira, mas está sorrindo, então sei que achou divertido. — Aqui, dê-me o seu celular. Eu pego meu celular do meu bolso e dou a ele, sem realmente pensar muito sobre isso. — Por quê? Onde está o seu? Ele está rindo baixinho enquanto digita algo. — No meu bolso. — Então por que você precisa do meu? Rindo, ele devolve meu celular. — Conte-me como foi e se você vai precisar de uma carona mais tarde. — Ele anda em direção ao estacionamento. — Seth, o que você fez? — Eu grito para ele, mas, em seguida, viro a minha cabeça para meu celular e coloco em minhas mensagens para ver por mim mesma. — "Ei, namorado. Encontre-me fora do seu edifício de dormitório às dez. Eu tenho uma pequena surpresa impertinente para você".— Eu leio em voz alta, sem saber se devo ficar com raiva ou achar divertido. Eu decido ir para a última, uma vez que Seth não quis dizer nada com isso e Kayden não deve pensar muito nisso. Pelo menos, eu espero que ele não faça... Ou talvez eu.


#Kayden: Hmm... Estou intrigado. Vou descer em um segundo. Suspirando, eu coloco meu celular longe e espero por ele vir até mim. Me pergunto se ele pensa que estou indo bombardeá-lo com outra pergunta como fiz no outro dia. Se meio que tornei um hábito. Mandando mensagens para ele me encontrar aqui fora no meio do pátio que parece um paraíso de inverno. Eu realmente deveria encontrar outra maneira de fazer essas coisas. Um par de minutos depois, Kayden aparece, enfiando as mãos nos bolsos do casaco. O vento soprando através dos fios do seu cabelo castanho em frente dos seus olhos e viram-se em seus ouvidos. Seus ombros fortes, todo o corpo magro e em forma, mas coberto de cicatrizes, colocadas lá tanto por ele quanto pelo seu pai. Ainda assim, ele é absolutamente lindo. Eu sempre pensei assim, mesmo quando éramos mais jovens. Nossos pais realmente se conheciam - coisa de cidade pequena - e tinham um monte de festas que participavam, mas Kayden nunca me notou até um tempo após a formatura, quando seu pai estava lhe batendo. Quando eu ainda cortava meu próprio cabelo e usava roupas de tamanho muito grande, então eu não iria ser notada por ninguém. Mas naquela noite, ele me notou, como eu sempre tinha o notado. E eu - nenhum de nós - foi o mesmo novamente. — Você sabe que pode entrar em meu quarto, certo? — Ele brinca enquanto chega até mim. — Não há a regra de "garotas não são permitidas". — Ele brinca, parando em minha frente, cheio de sorrisos. Eu posso ver em seus olhos que ele está escondendo algo de mim, no entanto. Algo que está lhe incomodando. Não é a mesma tristeza que eu tenho visto ultimamente. Esta é diferente. Ele está carregando mais peso


em seus ombros, como quando estávamos juntos pela primeira vez e eu não sabia sobre seus problemas. — Então, qual é a coisa impertinente que você queria me mostrar? — Seu olhar desliza pelo meu corpo e faz minha pele sentir como se estivesse em chamas. — Sim... Sinto muito por isso, — eu digo com um suspiro exagerado. — Foi Seth quem enviou a mensagem. Ele ri baixinho. — Eu estava meio que pensando isso. — Ele olha em volta das árvores e para o estacionamento. — Onde ele está? — Oh, ele já foi, — eu digo quando seus olhos pousam de volta em mim. Ele espera que eu explique, então dou um passo para trás e deixo que ele leia a minha pequena nota na neve. Primeiro ele parece confuso, e então começa a rir. — Vocês dois são tão estranhos. — Sim, eu sei... — Eu paro, desejando não estar tão nervosa. — A festa começa às oito. Nós podemos ir ou encontrarmos lá porque eu sei que você tem treino e outras coisas. Ele olha para mim e coloca suas mãos em meus quadris. — Eu adoraria ir com você, mas vamos ter que nos encontrar lá se estiver tudo bem? Eu não posso perder o treino ou treinador vai pirar. A ansiedade dentro de mim se alivia. — Está perfeitamente bem. E obrigado ir comigo. E desculpe sobre a nota estranha. Seth apenas achou que desde que eu nunca fui ao baile de formatura, esse tipo de coisa seria divertido, mas não que eu pense assim. É meio estranho. — Eu paro. Não sei por que, mas me sinto estupidamente em êxtase no momento. Não é como se nós não tivéssemos ido em encontros antes - nós tivemos uma tonelada deles - mas desta vez eu vou usar o vestido que comprei. Se alguém me perguntasse um ano atrás se eu ficaria animada em fazer uma coisa dessas, eu teria lhe


dito não. Mas aqui estou eu, abrindo minhas asas e voando por conta própria. Ele me dá um olhar simpático. — Callie, eu sinto muito... que você não pôde fazer isso. — Não é sua culpa. E além disso, você está me ajudando a fazer essas coisas agora. — Bom. Fico feliz que você pense que eu estou. — Ele me dá um sorriso triste, que eu não gosto. Ele está sentindo pena de mim e eu não quero isso dele. — Kayden, está tudo bem - Eu estou bem. — Eu prometolhe. — O que aconteceu... está no passado e eu estou seguindo em frente. Avançando. Ele parece ainda mais triste, mas não tenho certeza se isso tem a ver comigo. — Avançar é bom. — Ele limpa a garganta, em seguida, afasta o que está sentindo. — Eu tenho que me fantasiar, embora? Para a festa? Eu balanço minha cabeça. — Não, se você não quiser. — Você vai? — Sim. Ele considera momentaneamente algo. — Vou ver o que posso fazer. — Seth queria que você usasse calças justas, — eu digo a ele, beliscando sua lateral de brincadeira. — E fosse o Peter Pan. Ele balança a cabeça rapidamente. — Não vou fazer de jeito nenhum. — Está tudo bem, — eu asseguro-lhe. — Eu não quero ser a Tinkerbell de qualquer maneira.


Ele cutuca meu pé com o seu, mudando seu humor triste. — O que você vai ser? Eu pisco para ele, tentando ser suave, mas acho que sai mais complicado do que qualquer coisa, mas sua risada faz valer a pena. — É uma surpresa. Seus olhos encontram os meus e acho que ele vai dizer algo profundo, como talvez o que está acontecendo, mas então ele decide ir contra isso. — Você quer entrar? Eu tenho Doritos, Coca-Cola, e podemos usar o Netflix. — Awe, você sabe o caminho para o meu coração. — Meu sorriso quebra completamente e, por um momento, tudo parece perfeito, se apenas Kayden pudesse sentir isso também. Mas o toque de tristeza em seus olhos me diz que ele não sente.


06 #115 Partilhe um beijo apaixonado com Doritos/Coca-Cola.

KAYDEN Eu sou um namorado de merda na história dos namorados. Sério. Callie está sempre colocando seu coração para fora por mim e eu não consigo nem mesmo dizer-lhe sobre a ligação que recebi de Dylan hoje. Eu nem sei por que não consigo simplesmente dizer a ela. Ou talvez eu saiba. Talvez eu saiba que Callie vai me fazer falar sobre isso porque esse é o tipo de pessoa que ela é, e eu não quero falar sobre isso. Depois que eu aceitei ir para a festa/concerto com ela, nós vamos para o meu quarto. Eu me sinto como o maior idiota depois de toda a sua declaração sobre o baile. Eu fui para cada um dos meus, fiz toda merda na escola que era para significar algo, mas tinha como certo. E aqui está Callie, tentando fazer tudo o que perdeu com um concerto do Dia das Bruxas, um que ela me convidou para ir. Eu preciso começar a fazer mais coisas por ela, fazer-lhe se sentir mais especial, deixar de ser um namorado de merda. Uma vez que nos estabelecemos em minha cama com meu laptop em nossa frente, nós escolhemos um filme, e, em seguida, lanches e bebidas. Meu companheiro de quarto saiu por isso temos o quarto só para nós, que normalmente eu tiro vantagem disso, explorando cada polegada do corpo de Callie, mas hoje minha cabeça está em um lugar estranho.


Callie deve sentir minha distância também - é claro que ela faz - porque no meio do filme, ela se move para fora dos meus braços e faz uma pausa na tela. — Ok, o que foi? — Ela pega um punhado de batatas chips e enfia-as em sua boca. — Nada está acontecendo, — eu minto, contente que o abajur é a única iluminado assim ela não pode ver meu rosto claramente. Ela toma um gole do seu refrigerante, me olhando o tempo todo. — Você sabe que eu posso dizer quando você está mentindo, certo? Sento-me na cama e descanso contra a cabeceira. — Como? Ela se inclina sobre mim para definir o refrigerante na mesa de cabeceira e eu respiro o perfume dos seus cabelos, morangos com um toque de baunilha. — Porque a sua mandíbula se contrai quando você não está sendo honesto. Meus dedos distraidamente viajam para o meu queixo. — Eu não faço isso. Ela morde o lábio para não sorrir. — Faz, até demais. Eu balanço minha cabeça enquanto estico minhas pernas. — Então por que você não mencionou isso antes? — Porque você ia tentar controlá-lo e eu não teria meu detector de mentiras, — ela diz, colocando uma perna em cima de mim e montando meu colo. — Mas estou te falando agora porque quero saber a verdade. — Ela coloca as mãos no meu peito e reduz seu corpo em direção ao meu, me olhando diretamente nos olhos. — O que está incomodando você? Eu estou oprimido por sua proximidade e a intensidade em seus olhos. Mesmo depois de quase um ano estando com ela, isso ainda fica sob minha pele da melhor maneira possível.


Minha cabeça se torna nebulosa e encontro-me contando tudo, mesmo sem querer. — Eu recebi um telefonema de Dylan hoje. Suas pernas se apertam em torno de mim enquanto seus músculos ficam tensos. — Eu sei que ele te liga, várias vezes, mas pelo seu tom... Eu estou supondo que pode não ter sido uma chamada normal. Eu aceno, sabendo que tenho que dizer-lhe o que aconteceu; caso contrário, eu estaria mentindo em vez de apenas manter as coisas para mim mesmo. — Não foi. Ele ligou para me dizer... — Eu agarro seus quadris porque tocá-la torna tudo mais fácil. — Que ele encontrou Tyler. Ou, bem, Tyler o encontrou, eu acho. — O que quer dizer com encontrou? Onde ele estava? Eu dou de ombros. — Dylan ainda não sabe ao certo. Tyler estava chapado e acho que está morando nas ruas... — Eu paro, ainda não tenho certeza se acredito nessa história. — O que, você acha que ele pode estar vivendo em outro lugar e está mentindo? — Callie pergunta, me lendo como um livro aberto. Eu dou de ombros novamente. — Eu não tenho certeza, mas talvez. — Eu não quero mais falar sobre isso e acho que ela pode entender. — O que posso fazer para torná-lo melhor? — Ela coloca sua mão no meu rosto e passa seu polegar ao longo do meu queixo. Meus dedos deslizam sob a parte inferior da sua camiseta e acaricio sua carne macia. — Eu posso pensar em algumas coisas.


Um suspiro escapa dos seus lábios enquanto meus dedos derivam-se da sua camisa em direção aos seus seios. São os pequenos ruídos que ela faz cada vez que estamos juntos, que me deixa mais louco do que qualquer outra coisa. Eles são o que tornam o momento mais rápido do que eu quero porque não consigo me manter sob controle. Assim como agora. Emaranhando os dedos pelo seu cabelo, eu inclino sua cabeça para frente e puxo-a para um beijo apaixonado com gosto de Doritos/Coca-Cola. — Kayden, — ela geme, seus dedos tensos por um breve momento no meu peito, exatamente onde meu coração está batendo. Eu sei que ela pode senti-lo, sentir o que faz comigo, e espero que a faça entender o que ela significa para mim. Enquanto meus dedos deslizam sob seu sutiã e escovam em seu mamilo, ela se rende instantaneamente em meus braços, abrindo a boca e me permitindo aprofundar o beijo enquanto rola seus quadris contra o meu. Agora eu sou o único que está gemendo, enquanto puxo seu cabelo, beliscando seus lábios, mordendo seu pescoço, lambendo sua clavícula. Eu estou sendo um pouco mais áspero do que normalmente sou, mas vou parar no momento em que ela pronuncia a palavra. Ela nunca faz, no entanto, em vez disso quebra o beijo para agarrar a parte inferior da minha camisa e puxá-la sobre a minha cabeça. Seus dedos encontram instantaneamente as cicatrizes no meu peito e eu me esforço para respirar enquanto ela traça os padrões irregulares e beija cada uma. Seus lábios seguem o caminho que seus dedos fazem, plantando beijos na minha pele. Callie sabe de onde minhas cicatrizes vieram, sabe que algumas eu fiz a mim mesmo enquanto outras meu pai quem fez. Eu não lhe dei todos os detalhes sangrentos do que aconteceu, querendo poupá-la da feiúra delas.


Depois que Callie termina de beijar praticamente cada polegada do meu peito, ela se inclina para trás e levanta os braços acima da sua cabeça para que eu possa remover sua blusa. Eu amo que ela confie em mim o suficiente para fazer isso, sem enrijecer mais. Uma vez que sua blusa sai, eu solto o sutiã e minha boca prontamente encontra seu mamilo. Ela solta um suspiro misturado com um apelo delirante enquanto os dedos deslizam pelo meu cabelo, puxando as raízes, tanto puxando-me e empurrando-me para mais perto. Suas pernas reprimem a meu lado e ela balança seus quadris novamente, fazendo um gemido gutural escapar da minha boca. Eu praticamente perco o controle, ali mesmo. Não sou capaz de suportar a pouca quantidade de roupa em nossos corpos por mais tempo, eu me afasto, só para arrancar sua calça jeans e calcinha, e então ela me ajuda com o botão da minha calça para que eu possa tirá-la. Ela está tomando pílula agora, então não tenho que pegar um preservativo do bolso como costumava fazer, o que é uma coisa muito boa, porque um monte de vezes ficamos tão entusiasmados no momento que provavelmente iríamos esquecer da proteção. Depois que tiro minha cueca boxer, eu cubro seu corpo com o meu. Ela está praticamente ofegando enquanto arqueia seus quadris e agarra minha bunda para que eu possa facilmente deslizar para dentro dela, mas eu continuo dolorosamente lento apenas para ver o olhar em seu rosto, o que eu já vi muitas vezes, os olhos vidrados e ela se perdendo, agarrando meu ombro, apunhalando minha carne, se segurando em mim enquanto se deixa ir. E não há mais nada a fazer, apenas me juntar a ela, desejando que esta seja a forma como as coisas poderiam ser sempre. Apenas eu e ela e nada mais.


07 #116 Espere.

KAYDEN Depois da noite que passei com Callie, parece que as coisas vão ficar bem. Que talvez eu possa deixar toda essa merda ir e não me preocupar mais com isso. Que talvez eu nunca vá chegar a resolução para o que aconteceu comigo e que eu só preciso seguir em frente. Eu quero, mas não tenho certeza se posso. É de manhã e estou enfornado no meu quarto, tentando recuperar o atraso em algumas tarefas, quando meu celular começa a tocar. Eu tremo quando vejo o nome de Dylan na tela, minha mente imediatamente pensa que o telefonema vai ser ruim. Eu quase não atendo, mas sabendo que ele vai me enlouquecer se eu não fizer, pego o celular e pressiono em ATENDER. Niko está sentado à mesa do computador, jogando algum tipo de jogo, então caminho para o corredor para falar. — E aí? — Pergunto a Dylan quando fecho a porta atrás de mim. Eu estou pensando que é uma chamada sobre Tyler, por isso, quando ele diz: 'Pai', meu cérebro quase não registra. — Huh…? O quê…? Você falou…? — Estou sem fala. Dylan diz, parecendo que está dando muito de si, — Kayden, eu sinto muito. Talvez eu não devesse estar lhe dizendo isso.


Eu viro à direita em direção ao banheiro, manobrando através das pessoas, praticamente empurrando-as para fora do meu caminho. — Dizer-me o quê? — Porque eu realmente não ouvi nada, apenas sobre meu pai. Há o suspiro novamente. — Eu encontrei a mamãe e o papai, Kayden... e é ruim... Bem, ruim dependendo de como você olha para isso. Eu entro no banheiro e tranco-me em uma das cabines. — Como assim? — Eu me encosto contra a porta, dizendo a mim mesmo para respirar, mas meu coração está ocupando todo o espaço no meu fodido peito. É como se eu tivesse levado um chute no estômago e um soco no rosto uma e outras vezes. Eu encontrei a mamãe e o papai. — O papai está no hospital. — Ele faz uma pausa e posso dizer que está lutando para manter a voz equilibrada. — Eu não tive muita informação, considerando que a mamãe é a rainha da mentira sobre as merdas que ela não quer falar. — Outra pausa. — Você está bem? Eu tomo uma respiração profunda. Em seguida, outra. E outra. — Sim… Eu encontrei a mamãe e o papai. — Kayden? O papai está no hospital. É esta a minha resolução? — Eu tenho que ir, — Eu engasgo depois encerro a ligação. Meu pulso está batendo, minha pele úmida com suor, e eu não consigo obter ar em meus pulmões. Tem sido um tempo desde que me sentir assim - tão mau - mas não consigo me parar. Os pensamentos passando pela minha cabeça... Eu queria minha resolução, mas não desse jeito.


Ou queria? Eu sou esse tipo de pessoa? Que deseja dor a outra pessoa? Sou como meu pai? O último pensamento é fodidamente horrível. Eu sinto que estou prestes a cair novamente, cair no escuro, pegar aquela lâmina e cortar minha pele para afastar tudo o que está dentro de mim. Eu não quero, mas preciso. Eu quero isso. Eu quero isso. Eu quero isso. Eu quero apenas ser capaz de aguentar.


08 #122 Dance como se fosse o seu baile.

CALLIE Era uma vez, havia uma garota que pensava que era uma princesa. E realmente, não são todas as garotas que pensam assim? Ela cresceu feliz, com amor, talvez mais da sua mãe coruja, e um pai que cuidava dela. Seu irmão mais velho não era tão ruim na maior parte, tanto quanto qualquer irmão mais velho era. E ela não cresceu em um castelo cercado por colinas de pastagens desabrochando com flores e árvores, sua casa simples parecia como um palácio em sua pequena cidade. Isso a fez se sentir protegida e segura de todo o mal que ela tinha ouvido, ainda não tinha certeza se ele existia, já que nunca tinha visto nada disso por si mesma. Sim, tudo estava indo bem no mundo da princesa. Mas em seu décimo segundo aniversário... Tudo mudou quando o mal entrou nas paredes do seu palácio. Ele não quebrou o lugar ou forçou seu caminho em como nos livros ou filmes. Ele simplesmente entrou pela porta e foi recebido de braços abertos. E ele não tinha presas ou dentes afiados que advertiam a princesa de que talvez ele não fosse bom, mas um monstro. Não, ele usava roupas normais, tinha dentes normais e até mesmo um sorriso normal. Ele era


simplesmente um cara normal. Pelo menos, foi o que a princesa pensou. Mas a princesa estava errada e em breve, e muito tragicamente, descobria que as coisas ruins que ela apenas tinha ouvido eram reais. Em uma casa cheia de balões e presentes, o cara a prendeu em um lugar que ela uma vez se sentiu segura e quebrou a princesa em mil pedaços que nunca se encontraram novamente. E ele não só quebrou-lhes, mas levou algumas partes, bem como, mantém-lhes em algum lugar que ninguém podia vê-las. Depois que tudo acabou, a princesa quebrada não existia mais. Ela simplesmente se sentia como uma garota invisível. Princesas deviam ser felizes, bonitas, ter um monte de amigos, e ir a festas. Não ser tão quebradas. Mas a garota não fazia ou sentia qualquer coisa dessas. Seu palácio era agora uma prisão. E a família que uma vez tinha trazido felicidade, se sentia como nada mais do que fantasmas em um mundo escuro e desconhecido que tinha sido forçado a ela. Videiras invisíveis cresceram ao redor da casa, cheias de espinhos, o que tornou doloroso tanto para sair e para ficar. Em nenhum lugar ela se sentia segura. E foi assim que ela acreditava que as coisas seriam para sempre, que ela iria sofrer com o mal sozinha para o resto da sua vida. Mas seis anos depois, em um ambiente aconchegante, uma noite de verão, a garota descobriu que não era a única que está sendo quebrada pelos monstros assustadores. Eles estavam por toda parte, destruindo paredes e pessoas destruindo um cara em particular. Ele não era apenas um cara, embora, mas o cara mais bonito e quebrado que a garota já tinha visto. Ela sabia que no momento em que o viu


tinha que salvá-lo do monstro que estava em sua frente com suas presas para fora... — O que você está fazendo? — Seth pergunta quando entra em meu quarto sem bater. Ele está vestido da cabeça aos pés de preto, com tachas em seu cinto e uma série de faixas de couro em seus pulsos. Suas botas são desajeitadas, sua jaqueta com fivelas na moda. Eu nem tenho certeza do que ele deveria ser. Nós meio que entramos em uma loja gótica e começamos a escolher os artigos de vestuário que não eram normais para nós. — Porque é isso que Halloween está suposto a ser, certo? — Seth tinha dito e eu tinha acordado. Nós realmente tínhamos levado Violet, a namorada de Luke, para escolher sua fantasia, apesar dela ser muito diferente de mim e, honestamente, a garota parecia que pertencia à loja. Eu olho para cima do meu laptop. — Escrevendo um conto de fadas não tradicional para minha carreira de escritora. Ele olha por cima do ombro e lê algumas frases na tela. — Tenho a sensação de que o título desta introdução feliz está indo para a escuridão. — Ele faz uma pausa, olhando para mim. — Você está escrevendo uma história sobre si mesma? Eu balanço minha cabeça e fecho o laptop, sentindo-me constrangida. — Não, só escrevendo sobre coisas que eu conheço. Ele levanta as sobrancelhas em ceticismo. — Sabe, você seria corajosa, se contasse a sua história. Eu defino o laptop na mesa de cabeceira. — Mas não é a minha história. É para uma atribuição de classe. Nada mais. Nada menos. — Hmmm... — Ele não acredita, mas acaba deixando o assunto de lado de qualquer maneira, o que é bom, porque a


sua acusação está me deixando um pouco desconfortável. — Então, você está pronta para esta noite? Concordo com a cabeça enquanto atravesso o quarto e abro a porta do armário. — Sim, devo me vestir-me agora, embora? Ou levar o vestido comigo e me trocar em outro lugar? — Eu pego o vestido do gancho e volto para o centro do quarto. — Não tenho certeza se eu deveria andar por aí vestida assim. Seth revira os olhos para mim. — Oh, minha querida Callie, é o Dia das Bruxas. Você poderia andar nua e as pessoas não se importariam. Minhas bochechas começam a aquecer. — Bem, eu não vou fazer isso. — Sim, nós podemos deixar isso para mim. — Ele move as sobrancelhas com um brilho provocante em seu olhar que me faz rir. — Tudo bem, vou colocar o vestido agora. — Eu fico atrás do esconderijo mais próximo e tiro minha calça e blusa. — Então, Greyson vai fantasiado de quê? — Seu adorável eu normal, — Seth responde. — Ele não quis se fantasiar? — Eu deslizo o vestido do cabide e hesito, decidindo se realmente quero usar isso. Sim, é apenas um vestido, mas é mais curto do que os poucos que tenho usado ao longo dos últimos meses. É lindo, embora azul escuro com linhas pretas decoradas com tachas de metal que correm verticalmente e horizontalmente na região do busto. Para completar, eu tenho um par de meias até o joelho, botas pretas de cano alto, e uma gargantilha de veludo. Quando o comprei, eu tinha uma imagem de uma garota roqueira gótica, que é totalmente o contrário das habituais coisas que uso.


Decidindo que preciso fazer isso, eu me visto depois solto meu cabelo, deixando algumas mechas enquadrarem meu rosto. Mesmo que minha jaqueta realmente não combine com tudo isso, pego-a do gancho, sabendo que vou congelar até a morte sem ela. — Ta-da! — Exclamo enquanto salto para fora do armário com minhas mãos para cima, fazendo uma pose. Seth está brincando com seu celular, e quando olha para cima, seu queixo cai. — Puta merda, você está quente. Eu envolvo meus braços em torno de mim imediatamente. — Talvez eu deva me trocar. Balançando a cabeça, seus olhos passam pela minha fantasia. — De jeito nenhum. Está perfeito. — Ele anda até mim, enfiando a mão no bolso da jaqueta. — E eu tenho mais duas coisas a acrescentar para o seu traseiro quente. — Seth, — Eu repreendo porque seus elogios estão me envergonhando, — pare de dizer isso. Quando abre sua mão, ele tem dois itens em sua palma - um tubo de batom e delineador. — Bem, é melhor você se acostumar, porque você vai ouvir bastante isso hoje à noite, especialmente a partir de Kayden. — Ele sorri enquanto acaricia uma cadeira. — Agora sente e coloque isto. Eu pego o batom, que é um vermelho escuro, e o delineador. — Onde você conseguiu isso? Ele dá de ombros enquanto me dá o meu compacto e, em seguida, senta-se na cama. — Eu peguei emprestado de Violet. Eu abro o compacto e coloco-o sobre a mesa. — Pediu ou apenas pegou?


— Eu disse a ela para o que era, — ele diz, apontando para mim começar a me mexer. — Agora apresse esse seu traseiro. Nós vamos nos atrasar. Inclino-me e começo a aplicar o material. — Violet realmente não se importou que era para mim? — Não, era o mínimo que ela podia fazer depois que você a ajudou com o kickboxing e a comprar uma fantasia hoje, — ele diz enquanto aplico o batom. Eu esfrego os lábios, colocando a tampa no batom. — Ela não me deve nada, Seth. Fiquei contente em ajudá-la. — Eu sei, mas ela não se importou. Além disso, eu acho que, mesmo que ela não vá admitir isso, ela gosta de ter amigos. — Sim, talvez. — Embora, eu ache que há muito mais do que isso. Quando conheci Violet, pensei que ela era má. E honestamente, eu tinha a impressão de que ela poderia ser uma vadia. Mas agora, depois de conhecê-la e ver as coisas no noticiário sobre a morte dos seus pais, acho que Violet tem ainda mais problemas do que eu. Entrego de volta a Seth a maquiagem em seguida, coloco a minha jaqueta, desejando que Kayden poderia ir comigo em vez de nos encontrarmos lá, mas entendo que ele está ocupado com o treino e outras coisas. Seth deve sentir algum tipo de vibração estranha vindo de mim porque entrelaça seu braço no meu e me puxa para fora da porta. Está muito calmo, o caminho no elevador, mas uma vez que chegamos ao primeiro andar, todas as apostas estão fora. — Então é assim que os jovens comemoram o Halloween, hein? — Eu pergunto, meus olhos arregalados enquanto observo a área do salão cheia de pessoas usando tantos tipos diferentes de fantasias que é uma loucura. As fantasias de


fantasmas de antes se transformaram em enfermeiras indecentes por causa da aparência estranha de hoje. Há música tocando e as pessoas estão conversando e rindo, e alguns estão até mesmo correndo e gritando enquanto bebem algo em copos de plástico que tenho certeza que não são preenchidos com suco. Onde está o supervisor, eu não tenho ideia, mas estou supondo que em nenhum lugar dentro de um raio de milhas desde que tenho certeza que o barulho pode ser ouvido de tão longe. — Espere até chegarmos ao concerto, — Seth promete, notando o meu olhar chocado. — Eu nunca fui a um concerto, — Eu admito quando nos voltamos para a saída e saímos para a brisa gelada. O chão está congelado, fazendo com que as botas de salto alto que estou usando seja um pouco complicado para andar. O sol se pôs; a lua e as estrelas estão brilhantes no céu e brilhando junto com todo o laranja, preto, e luzes roxas ao redor da área. — Eu sei que você nunca foi. — Seth nos conduz para o gramado coberto por uma fina camada de neve e começamos a fazer o nosso caminho para o estacionamento. — Eu prometo que você vai amar, no entanto. Na verdade, eu acho... — Ele para com a visão de uma figura cruzando o gramado em nossa direção. Leva-me um ou dois segundos para perceber quem é. — Ei, o que você está fazendo aqui? — Eu pergunto, liberando o braço de Seth e indo no encontro de Kayden no meio do caminho. — Eu pensei que você tinha treino. Ele não responde até me atingir. — Eu sei. Saí mais cedo... Eu queria vim te buscar. — Ele puxa a parte inferior das suas mangas, parecendo nervoso e animado. Eu jogo meus braços em torno dele e abraço-o com força. — Você não tinha que fazer isso.


Ele parece incrível esta noite em sua camisa preta e cinza xadrez que está desabotoada o suficiente para que eu possa ver a camiseta preta que ele está usando por baixo que mostra seus músculos. Para completar uma jaqueta de couro, jeans preto e botas, seu cabelo castanho um pouco menos confuso de maneira mais sexy possível. Não é realmente uma fantasia de Halloween, mas não é totalmente o seu habitual e torna-o ainda mais bonito do que já é. — Eu sei que não. — Ele beija meu templo, em seguida, se inclina para me olhar nos olhos. — Mas eu queria... — Ele abre a boca para dizer alguma coisa, mas então seu olhar vagueia pela minha fantasia. Eu ainda não coloquei o casaco, mesmo que esteja congelando, então ele recebe a visão completa. — Puta merda, — ele suspira, os braços caindo para os lados. Ele coça seu pulso, os olhos em mim. — Você está... — Não diga quente, — Seth adverte, passeando em torno de nós. — Ela parece levar isso como uma ofensa. Os cantos da boca de Kayden se curvam. — Eu estava indo realmente dizer linda. — Mentiroso, — Seth tosse, mas depois sorri. Reprimindo um sorriso, Kayden levanta um dos seus braços em minha direção. A primeira coisa que noto é que há algo escapando para fora da manga da sua camisa... Um pedaço de gaze talvez. Mas então meus olhos viajam para o que está na sua mão. Uma rosa. Ele levanta-a e enfia no meu cabelo ao lado do meu ouvido, fazendo-me sentir bonita. Eu nunca fui fã de parecer dessa forma. Isto é, até agora. Mas acho que tem mais a ver com a maneira como Kayden está olhando para mim, com desejo ardente. Dane-se o baile. Isto é muito, muito melhor.


Eu estou prestes a dizer-lhe o quanto o amo quando meus encontram uma pálida figura correndo pela grama, gritando, — WOO HOO! Viva o fodido Halloween! Ele parece familiar e eu aperto os olhos para obter um melhor olhar para o que está acontecendo. — Espera. Ele está… — Eu paro quando percebo a razão pela qual a figura é tão pálida. — Ele está nu! Os olhos de Kayden ampliam quando ele segue o meu olhar, em seguida, coloca a mão sobre meus olhos. — Que diabos há com *streakers e Halloween? Eu juro que vejo um pelo menos uma vez por ano. Seth ri. — É a liberdade no ar, ser quem você quiser ser. — Eu tenho certeza que ele está na minha aula de Inglês, — eu digo. — E acho que nunca vou ser capaz de olhá-lo nos olhos de novo. — Por quê? — Seth pergunta. — Você não é a única que o viu sem roupas. Você deve manter sua cabeça erguida, garota. — Eu sei, mas cada vez que eu olhar para ele, vou imaginar o seu... — eu mordo meu lábio, incapaz de terminar a frase, muito menos obter a imagem do que acabei de testemunhar. Desta vez Kayden ri e abaixa a mão dos meus olhos. — Você é tão adorável. — Então ele me beija e eu não me sinto tão tímida ou envergonhada. Adorável eu posso lidar. Kayden me beijando eu posso lidar. Ver mais pessoas nuas esta noite, eu não tenho tanta certeza. *** A noite teve uma transformação surpreendente. A atmosfera elétrica, a decoração vibrante da maneira mais estranha da possível, e a combinação do rock com a orquestra


que a banda está tocando é assustadoramente poético ao ponto que me dá calafrios. Violet chama de Rock Sinfônico. Estamos dançando por um tempo - Seth, Greyson, Violet e eu. Kayden e Luke estão tomando conta da nossa mesa. Luke parece distraído por algo e Kayden continua mandando mensagens para alguém, por isso, ambos estão vivendo em seu próprio mundo. Isso me deixa um pouco triste que Kayden não está aqui comigo, mas não tenho tempo para lamentar quando Violet decide que vai me ensinar a dançar por sugestão de Seth. — Não há nenhuma maneira que eu possa dançar como ela, — eu digo a eles, não porque estou com medo, mas porque realmente não acho que eu possa. Violet dança em uma mistura entre uma bailarina e uma metaleira balançando a cabeça da forma mais elegante possível. Ela parece como se pertencesse ao palco com um microfone na mão, uma banda de guitarras e violinos tocando no fundo. — Claro que você pode, — Violet diz com um sorriso encorajador que parece estranho, porque ela quase nunca sorri. Ela parece de bom humor esta noite, assim eu decido jogar junto e seguir seu exemplo. — Não, mova seus quadris, — ela instrui, colocando a mão na minha cintura e me guiando no ritmo. Eu não gosto quando meu espaço pessoal é invadido, mas não me afasto, já que estamos em pé no centro de uma multidão, espremidos de qualquer maneira, e tento fazer o que ela diz. — Deixe a música possuir você. Não pense muito. — E dance enquanto diz isso! — Seth grita sobre a música enquanto levanta as mãos no ar. Eu tomo uma inspiração profunda e tento fazer o que eles disseram, mas eu nunca fui uma boa dançarina.


— Você está pensando demais isso, — Seth diz-me, seus olhos vagando sobre meus ombros. — E agora você tem a distração perfeita. — Minhas sobrancelhas se unem em confusão quando ele murmura, dance como se fosse seu baile. Tudo o que posso imaginar quando ele diz isso é o que vi em filmes. Música e decorações ruins, pessoas agasalhadas demais e com as mãos uns sobre os outros ou fazendo algum tipo de dança estranha. Mas, em seguida, Kayden vem até mim, pega a minha mão e me gira ao redor, provocando risos em erupção dos meus lábios. — Ah, aí estão os secretos movimentos de dança, — eu digo, rindo quando ele me gira novamente e depois me bate contra seu peitoral. Kayden me disse uma vez que secretamente sabia dançar porque sua mãe o usava como parceiro de dança quando ele era mais jovem. Seus braços se envolvem em torno de mim enquanto eu descanso minha cabeça em seu ombro. — Isso era para ser um segredo, — ele sussurra em meu ouvido, dando uma mordida suave em meu lóbulo. A banda faz uma pausa e o DJ coloca uma canção que eu conheço. "My Immortal" da banda Evanescence. É lento e relaxante e eu me vejo me encostando em Kayden enquanto balanço com a música e afasto-me da realidade. — Eu espero que você esteja se divertindo esta noite, — ele sussurra em meu ouvido, com a mão na parte inferior das minhas costas, me puxando para mais perto. Há algo em seu toque - um desespero. — Claro que estou. — Minhas pálpebras se fecham quando o calor do seu corpo me inunda e eu puxo-o para mais perto, desejando que ele saiba que tudo vai ficar bem. Se eu pudesse fazê-lo ver que de alguma forma, ele sempre terá a mim, que ele nunca vai estar sozinho.


��� Bom. Isso é tudo que eu quero para você. Apenas diversão. — Sua respiração falha. — Você merece ser feliz. Eu levanto meu queixo para olhar nos seus olhos. — Eu estou feliz. — Ao contrário dele. Que parece está com dor, a ponto de chorar. — Para quem você estava mandando mensagens? Ele fecha os olhos e balança a cabeça. — Eu não quero falar sobre isso agora, não quero torna mais uma das suas noites deprimentes. Onde diabos está vindo isso? — Você não torna qualquer uma das minhas noites deprimente. Que porra é essa, Kayden? — É raro para mim praguejar, então quando faço, tem um propósito. Agora, eu estou entrando em pânico, porque ele parece com um cara que está prestes a terminar com sua namorada. — Você vai... terminar comigo? Seus olhos se ampliam em horror. — O quê? Não! Por que diabos você acha isso? — Porque você parece como se estivesse prestes a fazer! — Eu nunca faria isso com você! Nunca! Nós estamos gritando por cima da música e eu odeio isso. Nunca gritamos, mesmo atrás das portas, só falamos apaixonadamente. Mas estamos gritando agora e é o pior sentimento do mundo. Como se ele de repente percebesse que estamos em um lugar lotado, ele abaixa sua voz e pega a minha mão. — Você vem comigo? Eu tenho uma coisa... — Ele exala alto e passa a mão livre pelo cabelo. — Eu tenho algo que preciso falar com você.


Engolindo o nó na minha garganta, eu aceno e sigo-o para fora da pista, acenando para Seth no meu caminho. Seth me dá um olhar preocupado e, em seguida, levanta o polegar até o seu rosto como um telefone. Concordo com a cabeça, entendendo que ele quer que eu ligue para ele depois. Então, volto-me e me concentro em meus passos, porque isso é mais fácil do que se concentrar no que diabos fez Kayden e eu gritar um com o outro pela primeira vez. Depois que recolhemos nossos casacos, saímos para o ar zumbido que belisca a minha pele. Eu deslizo instantaneamente minha jaqueta e fecho-a, tremendo enquanto Kayden me leva até seu carro. Ele abre a porta do passageiro para mim sem dizer uma palavra, em seguida, caminha até o lado do motorista, entra e liga o motor, ligando o aquecedor. Ele olha para fora da janela, segurando o volante com tanta firmeza que suas mãos começam a tremer. — Eu fodi tudo,— ele finalmente diz, tirando suas mãos do volante e limpando as palmas em seus jeans. Estou prestes a perguntar o que ele fodeu, mas ele arregaça a manga da sua camisa e me mostra a resposta. Mais cedo, quando ele foi me pegar, pensei em ter notado um pedaço de gaze se espreitando para fora da sua camisa, mas eu estupidamente fui distraída pela rosa e o cara nu e tinha esquecido completamente de perguntar a ele sobre isso. Deus, eu deveria ter perguntado a ele. — O que aconteceu? — Eu sussurro, mesmo que, infelizmente, saiba a resposta. Ele fecha os olhos e esfrega sua mão pelo rosto, liberando uma respiração ponderada. — Eu estava sentindo muita pressão ultimamente e, em vez de lidar com isso, eu deixei-a me dominar. Então uma merda aconteceu hoje... e eu... Eu meio que simplesmente perdi o controle, — Ele abre os olhos,


mas olha para frente em vez de para mim. — É por isso que eu fui capaz de te buscar hoje. Tive que perder meu treino para que eu pudesse ir falar com o meu terapeuta. Eu sei que a terapia é boa para ele, feliz que ele faz isso, mas ainda assim, às vezes eu queria que ele falasse comigo, também, sobre tudo. — O que foi que aconteceu hoje? Ou você não quer falar sobre isso? Ele esfrega a mão pelo rosto novamente, desta vez de forma mais forte, estou preocupada que ele esteja fazendo isso para causar dor física a si mesmo. — Eu deveria ter falado com você, para começar, em vez de fazer o que fiz. O terapeuta disse que isso acontece, no entanto. As recaídas acontecem. — Ele fecha os olhos, uma lágrima ou duas deslizam para fora. Eu não tenho certeza do que fazer ou dizer, se há alguma coisa que eu possa fazer ou dizer desde que não sei do que se trata. Eu o conheço o suficiente para saber que seu corte vem quando ele não quer sentir dor emocional, mas o que lhe causou dor emocional? Estou prestes a pergunta-lhe, para tentar fazê-lo falar comigo de novo, mas desta vez ele dá sem eu precisar perguntar. Seus olhos se abrem e ele olha para mim, sem se preocupar em esconder as lágrimas. — Dylan encontrou minha mãe e meu pai.

N/T: *Streaker: uma pessoa que corre nua em um lugar público a fim de atrair atenção.


09 #145 Se apaixone pela mesma pessoa outra vez.

KAYDEN Eu sempre fui bom em fingir. Fingi que meu pai não era um idiota abusivo durante dezoito anos da minha vida. Que minha mãe não era um zumbi sedado durante a mesma quantidade de tempo. Durante doze anos, eu fingi que não me cortava porque a dor física era mais fácil do que a emocional. Fingir na frente de Callie sempre foi difícil, no entanto. Ela não é tão fácil de persuadir em coisas que ela sabe que não são reais apenas porque é mais fácil de lidar do que a verdade feia. Callie quer sempre a verdade, não importa o quão crua e dolorosa seja. E eu preciso aprender a dar isso a ela, que é algo que meu terapeuta e eu conversamos depois que fui para uma visita de emergência. Por causa da ligação de Dylan as emoções que vieram à tona me enviaram sobre a borda. Raiva. Dor. Culpa pelo sentimento de alívio. Isso corroeu minha alma e coração, e em vez de sentir, mesmo lutando, eu perdi o controle e passei uma navalha em minha pele. Mas ainda me sentia culpado depois de fazer. Então procurei ajuda, o que foi melhor do que eu costumava fazer. E isso está me ajudando através das mensagens que Dylan me envio com atualizações sobre o que ele descobriu.


E agora eu estou procurando Callie, mesmo que eu esteja cagando de medo de colocar tudo para fora. — O que quer dizer com ele os encontrou? — Os olhos de Callie estão enormes contra o luar pálido. Ela continua redirecionando seu foco do meu rosto para o meu pulso que está envolto de gaze. Eu quero tocá-la, mas tenho medo. — Quero dizer, que ele os encontrou. — Eu dou de ombros, em seguida, faço novamente, meus ombros parecendo tão pesados quanto milhares de rochas. — Eles estão em um hospital. Já estiveram lá por um tempo. Eu acho que houve algum tipo de acidente e machucou muito ruim ou algo assim o meu pai. Se for mesmo possível, seus olhos se ampliam ainda mais. — O que exatamente há de errado com ele? — Eu não tenho certeza. — Eu arranho meu pulso, fazendo o corte recente arder. A sensação é calmante e assustadora, uma coisa de amor/ódio. — Dylan não sabe todos os detalhes ainda, provavelmente porque a minha mãe não lhe disse, mas acho que ele esteve no hospital por algumas semanas. Não tenho certeza porque ainda. Não sei exatamente o que há errado com ele. Callie coloca a mão sobre a minha, provavelmente para que eu pare de coçar o meu pulso. — Como você sabe de tudo isso, porém? Quero dizer, como seu irmão conseguiu entrar em contato com eles? Eu engulo o caroço na minha garganta causada por seus dedos tão perto do meu corte, um corte que ambos sabemos que veio da minha própria parte. — Tyler pirou e contou tudo para Dylan. Eu acho que ele tinha estado com eles por um tempo, mas depois do acidente com meu pai, ele fugiu e começou a pedir carona para chegar à casa de Dylan.


— E onde estão sua mãe e seu pai agora? Quero dizer, eu sei que eles estão em um hospital, mas onde exatamente? — Eu não tenho certeza. Dylan disse que tudo o que Tyler deu foi um número de telefone. Ele disse que ainda está tentando obter todos os detalhes da minha mãe, mas é como arrancar os dentes. — Eu aperto meus lábios com tanta força que eles ficam dormentes. — É assim que a minha família é, Callie. Eles guardam segredos. De qualquer um. Do mundo. Ninguém sabe quem são os Owens, nem mesmo o Owens às vezes. — Estou prestes a começar a chorar novamente, o que é fodidamente ridículo. Eu não preciso chorar sobre qualquer coisa, não é? Eu não sei o que sentir. Todos aqueles anos de agressão, tanto mentalmente e fisicamente, tornaram-me incapaz de sentir as coisas certas neste tipo de situação. — Eu acho que estou quebrado, — eu sussurro, enquanto uma lágrima ou duas caem dos meus olhos. Eu me sinto como um maldito maricas. Isso é ridículo. Chorando sobre algo tão estúpido. Algo que eu não deveria estar chorando de novo. Balançando a cabeça, Callie sobe ao longo do console e se senta no meu colo, de frente para mim com uma perna de cada lado. — Você não está quebrado, Kayden. Por que você nunca disse isso? — Porque... — Minhas mãos começam a tremer enquanto ela orienta meus braços ao redor da sua cintura. — Porque uma pequena parte de mim nem sequer se sente mal por ele. — Antes que eu possa ver sua reação, que eu tenho certeza que está preenchida com nojo, eu abaixo a minha cabeça em seu ombro e respiro seu aroma reconfortante. Depois de alguns minutos de emoções e lágrimas, eu consigo manter meu choro sob controle, mas o silêncio no carro é mais pesado do que as minhas lágrimas. Eu não tenho certeza do que dizer a ela, o que ela está pensando, sentindo.


Deus, eu desejo poder ler sua mente, ver sua alma como eu juro que ela pode vê a minha. — Se lembra do dia em que você bateu em Caleb? — Ela finalmente pergunta, com a voz ligeiramente embargada. Não é o que eu estava esperando que ela dissesse, mas ainda me inclino para olhar para ela enquanto aceno. — Claro que eu me lembro. Foi o dia em que eu finalmente senti que fiz algo por você, em vez do contrário. Eu tinha perdido o controle naquele dia, quando descobri que Caleb Miller, um cara que era um pouco mais velho que eu e cresceu em nossa cidade, foi quem estuprou Callie quando ela tinha doze anos. Eu queria que ele pagasse de alguma forma, então fiz a única coisa que eu poderia fazer - bati a merda fora dele. — Bem, eu me lembro quando ouvi sobre isso - sobre o que você fez. — Sua voz falha. — Eu odiava admitir isso, considerando todas as coisas ruins que aconteceu depois com você, mas uma parte de mim se sentiu aliviada, talvez até um pouco grata. — Mas você merecia se sentir dessa forma: — Eu assegurolhe. — O que ele fez com você foi horrível, fodidamente doente e errado. — Assim como o que seu pai fez com você, — ela diz com os olhos prementes. Quando eu começo a desviar o olhar, ela coloca a mão no meu rosto e me obriga a olhar para ela. — Kayden, eu ouvi algumas das histórias sobre as coisas que ele fez, e tenho certeza que você não me contou as piores, considerando... — ela olha para o meu peito. — O quão grande algumas dessas cicatrizes são. — Mas eu não quero ser como ele, — eu digo em um sussurro estrangulado. — Eu não quero ser cheio de raiva e ódio como ele.


— Por que você pode sequer pensar que é como ele? Você não é de maneira nenhuma, forma ou grau. — Mas estou aliviado por ele está machucado, como se ele merecesse isso de alguma forma. E é algo que ele faria - se sentiria alívio por machucar as pessoas. — Isso é diferente, Kayden. Muito, muito diferente. E você não o machucou. Ela está falando muito parecido com o que meu terapeuta me disse hoje, quando eu fui falar com ele sobre como estava me sentindo. E parte de mim fica aliviado por eles me dizerem isso, mas a outra parte - aquela que teme se transformar em meu avô e meu pai - não consegue entender o ódio em minha reação. — Eu sei, mas... — Eu não consigo encontrar seu olhar, meus olhos sobre o estacionamento, as estrelas no céu, em qualquer lugar, menos nela. — O que foi? — Ela pergunta, me fazendo olhar para ela, encerrar o que está no passado. E eu quero dar isso a ela. Eu realmente quero, mas preciso descobrir como. — E se eu continuar onde parei? — Eu digo, finalmente, forçando minha atenção de volta para ela. Seu olhar me inunda. — Eu não tenho certeza do que você quer dizer. Eu levanto o meu pulso. — E se as coisas só piorarem e retornar a isto. A última vez que meu pai estava em minha vida, essa merda me pertence. Preocupação enche seu rosto. — Mas ele não está mais em sua vida.


— Ele poderia estar. Quero dizer, e se o resto da minha família aceita-lo de volta. E Dylan... Ele quer que eu fique lá por uma semana. Eu acho que ele sugeriu isso porque pensou que iria ajudar ficando perto dele enquanto passamos por isso, mas eu não sei. — Eu dou de ombros. — Eu nunca pensei que a minha família poderia me ajudar de qualquer maneira. Mesmo Dylan. — Então não vá, — ela afirma simplesmente, cobrindo meu rosto entre suas mãos, fazendo-me olhar para ela. — Você não tem nenhuma obrigação de ir até lá. Você já sofreu o suficiente. E se acha que isso vai ser difícil, então não deve ir. Você tem a mim, Seth e Luke, todos aqui por você, então você não está sozinho em nada disso. Você nunca, nunca estará sozinho. Eu forço para baixo o caroço enorme na minha garganta. — Eu sei disso, mas me sinto culpado que vocês tenham que aturar minhas merdas. E me sinto culpado pela minha família. — Bem, você não precisa se sentir culpado por nada. — Sua voz treme com raiva, me assustando. — Você não deve nada a eles, só a si mesmo, então faça o que você quer fazer e nada mais. — Mas e se... E se ela me ligar? — Você quer dizer a sua mãe? — Sim, eu não tenho certeza se quero falar com ela novamente. — Eu odeio soar como um garotinho assustado, mas não consigo controlar. Minha mãe era o tipo de mulher que fingia não ver nada, embora visse tudo. Todos esses anos ela deixou meu pai me bater, até mesmo falava que eu estava doente quando eu estava muito machucado para ir à escola. — Às vezes, eu sinto como se a odiasse tanto quanto odeio meu pai. — Eu levanto minhas mãos entre nós e coloco minha


cabeça entre elas. — Deus, eu não quero fazer isso - voltar para essa merda. Eu pensei que tinha seguido em frente. — Você não tem que deixá-la entrar em sua vida. Se isso não te deixa feliz, então não deixe. A vida é tudo sobre a felicidade, Kayden, e você nunca deve se contentar com menos. — Callie abre a porta do lado do motorista para que possa sair do carro. — Agora vamos. Eu vou te levar em um lugar. Eu levanto minha cabeça para olhar para ela. — Mas e o concerto? Você estava ansiosa por isso e eu posso voltar para dentro. É provavelmente melhor se eu fizer de qualquer maneira, em vez de ficar aqui me lamentando em lágrimas. Ela revira os olhos, aliviando o clima. — Você não está se lamentando em lágrimas. — Ela envolve seus braços em volta de si, tremendo enquanto sua respiração sopra para fora. — E, além disso, não foi pelo concerto que eu estava ansiosa e sim para passar um tempo com você toda fantasiada. — E eu quero dar isso a você. Você merece ter o que quiser. Seu olhar intenso está bloqueado o meu. — Eu tenho isso todos os dias. É possível se apaixonar por alguém, mesmo quando você já está apaixonado por ela? Porque eu tenho certeza que posso. — Onde estamos indo? Ela faz um sinal para o banco do passageiro. — De jeito nenhum. Não vou dizer. Você vai ter que confiar em mim. Só leva uma batida para mim concorda. Porque no final, eu confio nela mais do que qualquer outra coisa na minha vida.


10 #146 Reviva a melhor parte do passado.

CALLIE Ele me assustou. Não com o que ele disse sobre o seu sentimento por sua família - isso é compreensível - mas ele cortou-se novamente e tem aquele olhar em seus olhos como tinha no ano passado, quando me empurrou para longe. E enquanto ele não está tão mal como era, ainda me deixa preocupada que eu posso perdê-lo para si mesmo se ele decidir voltar para aquele lugar escuro dentro da sua cabeça. Sim, sei que eu poderia viver sem ele se eu tivesse, sei que a vida teria que seguir, mas porra, eu não quero viver minha vida sem Kayden. Ele significa mais para mim do que qualquer outra coisa que tenho ou já estive em minha vida. Se ele percebe ou não, ele me salvou mais de uma vez, quando eu estava presa em um lugar escuro. E eu quero mostrar-lhe para ele entender o quanto significa para mim, que ele é importante, que ele é uma boa pessoa, e que a felicidade existe todos os dias quando ele está comigo. O primeiro lugar que eu o levo é para o campus. Sei que ele está completamente confuso quando eu dirijo para o estacionamento principalmente e estaciono o carro o mais perto que posso da entrada principal.


— Você sabe que é quase meia-noite, certo? — Kayden diz, desafivelando o cinto de segurança. — Se alguém vê-nos, eles podem chamar a polícia, considerando que é o Halloween. — Eu sei. — Eu tiro o meu próprio cinto de segurança, abro a porta, e a brisa da noite me inunda com rajadas. — Mas vale a pena o risco. Eu prometo. Confuso, ele sai do carro, em seguida, me encontra na frente do carro e entrelaça sua mão na minha. Nós andamos em silêncio até o outro lado do gramado gelado, de mãos dadas, e contando as estrelas. À distância, eu posso ouvir os sons de gritos e música, provavelmente a partir de uma festa, mas ainda assim, o vazio em torno de nós faz-me sentir em paz. — Isso por si só está fazendo-me sentir melhor. — Kayden tira sua jaqueta. — Além de você parecer como se estivesse morrendo de frio. — Estou bem, — eu digo, mas ele me faz pegar sua jaqueta de qualquer forma. Eu deslizo meus braços nas mangas e respiro o cheiro almiscarado da sua colônia. — Cheiro bom? — Ele me dá um sorriso pela primeira vez quando percebe que estou farejando o tecido da sua jaqueta. — Eu gosto do seu cheiro, — eu admito, tomando outra inspiração profunda. Seu sorriso se expande e faz o coração em meu peito fazer a mesma coisa. — Estou feliz que você esteja sorrindo; Eu estava ficando preocupada. Ele suspira, o sorriso desaparecendo do seu rosto. — Eu odeio fazer você se preocupar tanto. — Você se preocupa comigo o tempo todo, — eu indico, — e se ou não estou conseguindo o que mereço, que eu sou. Seus lábios se abrem para discutir, mas, em seguida, ele fecha-os de volta quando eu faço uma parada no centro da


calçada. A única coisa próxima é a aparência antiga da entrada de tijolos para o escritório principal da Universidade de Wyoming que está rodeado por árvores e alguns bancos. — Portanto, isto, — faço um gesto para o chão com a mão, — é a primeira coisa que eu quero te mostrar. Sua testa se franze enquanto ele olha para o concreto. — Tudo bem... É realmente uma agradável calçada, eu acho. — Ele levanta o olhar de volta para mim. — Estou tão confuso. — Eu posso ver. — Eu estou tentando não rir dele, mas sua perplexidade é bonitinha. — Este é o lugar onde você esbarrou pela primeira vez em mim. Literalmente. Reconhecimento surge em seu rosto. — Merda, eu me lembro disso. Eu estava tentando pegar uma bola de futebol americano que Luke jogou e totalmente levou a isso. — Ele balança a cabeça, mas a rigidez em seu corpo está começando a desaparecer enquanto sua mente divaga para outra coisa. — Eu não posso acreditar que você saiu comigo depois disso. — Eu não queria, — eu admito. — Ou eu estava com medo de você de qualquer maneira. — Eu não culpo você. Estou surpreso que você não tenha se machucado. — Não, eu não estava com medo de você por causa disso. — O que você quer dizer? — ele pergunta, ficando confuso tudo de novo. — Por que você estava com medo de mim, então? Eu dou um puxão em seu braço, puxando-o na direção do carro. — Vamos lá e eu vou lhe mostrar. ***


— Ok, eu conheço este restaurante, — ele diz com orgulho após a garçonete nos dar um assento em uma mesa no canto que está decorada com uma abóbora e velas roxas e pretas. É tarde o suficiente para que quase não haja ninguém, com exceção de alguns universitários bêbados na área do bar usando fantasias de Halloween. — Este é o lugar onde nós tivemos nosso primeiro jantar. Mas não era um encontro. Luke e Seth estavam aqui. — Eu lembro. — Eu sou só sorrisos enquanto abro meu cardápio. — Mas foi a coisa mais próxima que eu tive de um encontro. — Callie, eu sinto muito, — ele franze a testa, — por você estar tão sozinha por tanto tempo. — Eu não trouxe você aqui para sentir pena de mim, Kayden. — Eu olho para cima a partir do cardápio e encontro o seu olhar. — A culpa de eu estar sozinha foi baseado no fato de que eu não confiava em ninguém. Mas naquela noite, eu confiei em você. — Realmente? — Ele pergunta em dúvida, abrindo o cardápio à sua frente. — Parecia que você não queria ter nada a ver comigo, especialmente quando eu estendi a mão para pegar a sua. — Isso é porque eu estava apavorada. Eu tive que correr para o banheiro para esvaziar o meu estômago, — eu explico. Quando ele começa a dizer algo, eu acrescento: — Eu não trouxe você aqui para falar sobre meus problemas do passado. Eu já fiz o suficiente em uma vida. — Eu me inclino para o outro lado da mesa e coloco minha mão sobre a dele. — Eu te trouxe aqui para mostrar-lhe isso. — Aceno com a cabeça para minha mão sobre a dele. — Isso é possível por sua causa.


Ele balança a cabeça. — Não, isso foi possível porque você é forte. Você é a pessoa mais forte que eu já conheci, Callie. Eu juro por Deus, eu não sei como fazer isso. — Eu faço isso porque tenho boas pessoas em minha vida que fazem tudo valer à pena. Ele suspira, desanimado. — Você está sempre brilhando com positividade. Eu queria poder ser assim. — Sim, agora eu sou. Mas se você tivesse falado comigo antes da faculdade, você não iria pensar assim. Eu era fraca naquela época. Sua mão começa a tremer sob a minha. — Isso não é verdade. Lembra daquela noite... A noite que você me salvou... — ele abaixa a voz, — quando meu pai estava me batendo. Precisa ter uma força para fazer isso. — E precisa ter muita força para sobreviver a isso, — eu pressiono, dando um aperto suave em sua mão. — E para dizer a alguém sobre isso. Como você fez. Ele range os dentes. — Eventualmente, mas eu tive que passar através do inferno até que eu fiz. — Levou-me um longo tempo com Caleb. — Meu tom premente encontra seu. — Levou quase sete anos para contar a alguém. E não me colocou no inferno. Ele não sabe o que dizer. Kayden tem sido excelente em tentar me dar confiança, mas receber sempre foi uma luta para ele. No colégio, eu nunca teria acreditado. O lindo quarterback namorando a garota mais popular da escola, achava que ele irradiava auto-estima. Rapaz, eu estava errada. — Eu gostaria que as coisas pudessem ter sido diferentes para você, — ele pronuncia suavemente, traçando meus dedos


com o polegar. — Eu queria que você pudesse ter sido feliz toda a sua vida. — Sim, teria sido bom, — eu concordo. — Eu sei que pode parecer loucura - e confie em mim, desejo mais do que qualquer coisa que eu nunca soubesse quem era o Caleb - mas a coisa é, o que aconteceu comigo aconteceu e eu não posso mudar isso, então não adianta deixá-lo arruinar a minha vida. Eu não preciso dar a Caleb esse tipo de poder sobre mim. E além disso, eu não poderia estar aqui com você, se minha vida tomasse outro rumo, para que eu possa olhar para o mau como algo que eu tive que percorrer para chegar ao bom. Você é o meu bom, não importa no que você queira acreditar. Estou aqui, mais feliz do que já estive, por sua causa. Você é a minha felicidade. Seu olhar vagueia dos meus olhos para a minha boca... Dos meus olhos a minha boca... Olhos... Boca. — Posso te beijar agora? — Ele sussurra quando está fixo unicamente em meus lábios. — Eu realmente preciso te beijar. Concordo com a cabeça ansiosamente. — Sim, por favor. Ele se inclina sobre a mesa e eu encontro-o no meio do caminho, pressionando meus lábios nos seus e de bom grado afundando em um beijo apaixonado ali mesmo em público. Nós não nos separamos até que a garçonete nos interromper para anotar nossos pedidos. Depois que ela se foi, Kayden olha para mim do outro lado da mesa com um olhar contemplativo em seu rosto. — O quê? — Eu toco meu rosto conscientemente. — Eu tenho algo no meu rosto? — Afinal, estou usando batom o suficiente para ficar parecendo um palhaço. Ele balança a cabeça. — Não é nada. — Ele estende a mão para mim e descansa-a no lado do meu rosto. — Ouvi você dizer, as coisas que você disse, a sua maneira de olhar para a


vida, você sempre me faz sentir melhor quando estou para baixo. Você é incrível. — Você também é. — Eu relaxo com seu toque. — Somos um casal perfeito. Ele engole em seco e acho que ele vai voltar para o seu estado de dúvida sobre o seu valor, por isso ele me choca quando diz: — Eu acho que quero... Eu quero morar com você... Você e eu juntos. — Ele faz uma pausa, em seguida, sacode a cabeça com determinação. — Não. Risque isso. Eu sei que quero. Meu coração acelera dentro do meu peito. Eu não quero ficar muito animada, mas estou. — Você tem certeza? Porque eu não quero que você se sinta pressionado ou qualquer coisa. Eu posso esperar. Os cantos da sua boca se curvam, sua expressão cheia de calor. — Eu nunca estive mais certo sobre qualquer coisa na minha vida do que sobre você. Eu nunca quero te perder... Eu só quero ter certeza de que você esteja feliz. — Eu estou feliz. Eu prometo. — E eu quero morar com você. Eu prometo. Incapaz de controlar minha emoção por mais tempo, eu sorrio como uma grande brincadeira. Ele sorri para mim, um sorriso genuíno, também. E nós permanecemos dessa forma, sorrindo como dois bobos, universitários apaixonados até que a garçonete volta com nossas bebidas e alimentos e dá-nos um olhar interrogativo, provavelmente pensando que a expressão pateta e eufórica que temos é porque estamos chapados. Depois que ela define nossos pratos e bebidas em nossa frente, Kayden pega seu hambúrguer e dá uma grande mordida. — Então esta é a nossa última parada da noite? Ou há mais?


Eu pego um punhado de batatas fritas. — O que você acha? — Eu acho que, considerando o caminho que você está seguindo, ainda há mais. — Ele abre a boca e dá outra mordida em seu hambúrguer, aparecendo muito mais descontraído do que estava vinte minutos atrás. Isso me faz querer continuar por este caminho. — Então, se você tivesse que adivinhar o próximo lugar, onde você acha que seria? — Eu tiro a cebola do meu hambúrguer enquanto espero sua resposta, me perguntando se ele desvendou o código do meu caminho. — Você acha que eu não sei, — ele diz, divertidamente, — mas eu sei. Eu dou de ombros, igualmente divertida. — Estou curiosa para saber se você se lembrar. Sua testa se franze. — E o que eu ganho se estiver certo? — O que você quiser, — eu brinco, em seguida, dou uma mordida em meu hambúrguer. Ele parece satisfeito, um grande sorriso estampado em seu rosto. — Prepare-se para perder, então. — Ele se inclina através da mesa para limpar a maionese dos meus lábios. — Corrida, tinta spray, e pegadas verdes. Ele não tem que dizer exatamente onde fica - nós dois sabemos o que essas palavras significam. Uma noite tão simples, pelo menos no ponto de vista de um estranho, mas para mim foi uma das noites mais mágicas da minha vida.


11 #149 Canalize seu lado imprudente.

CALLIE Trinta minutos mais tarde, nós estamos entrando em uma loja que fomos antes quando queríamos marca uma rocha em uma área muito famosa, e logo após Kayden e eu dançarmos pela primeira vez mais de um ano atrás. Eu estava um pouco tonta naquela noite e me senti tão livre por sair com Kayden, Seth e Luke, porque foi a primeira vez que sentir que eu tinha amigos. A loja ainda é a mesma, um pouco pequena e com coisas por preços baixos. Nós instantaneamente fazemos o nosso caminho para o corredor onde pisei em uma lata de tinta spray verde e manchei todo o chão uma vez. Foi durante uma espécie de luta livre entre Kayden e eu depois que Luke tinha transformado a noite em um jogo. — Puta merda. Eu não posso acreditar que ainda dá para ver isso. — Kayden diz quando olhamos para a leve mancha verde no piso de linóleo sujo. Eu coloco a mão sobre a minha boca quando uma risadinha escapa. — Eu deveria me sentir mal, certo? Kayden balança a cabeça enquanto eu movo meu pé sobre a impressão - o ajuste perfeito. — De jeito nenhum. Na verdade,


você deve se sentir orgulhosa. Você marcou aquela noite para sempre. — Bem, enquanto existir esta loja, mas foi definitivamente uma noite para ser marcada. — Faço uma pausa e, em seguida, decido admitir a verdade. — Sabe, quando estávamos no táxi sozinhos, eu meio que queria que você me beijasse. Embora, eu provavelmente teria me apavorado, talvez por isso foi bom que você não fez. Eu acho que não estava pronta para isso ainda. Enquanto ele processa as minhas palavras, caminha em minha direção, nossos corpos apenas polegadas de distância um do outro. — Eu queria te beijar aquela noite, mas estava com medo. Eu dou um passo em sua direção, diminuindo o pouco espaço que permanecia entre nós. — De quê? — De gostar, o que seria errado, porque eu tinha uma namorada na época, que eu não fosse bom o suficiente para você. — Ele molha os lábios com a língua, sua atenção fixa em meus lábios. — Deveríamos reverter isso? Eu aceno com entusiasmo e sem qualquer hesitação, sua boca se choca com a minha com tanta força que eu me pergunto se o impacto vai deixar contusões. Mas eu não me importo. Deixo-me contundir. Tudo o que posso me concentrar agora é na língua separando meus lábios enquanto ele me consome. A força me envia para trás e eu bato contra uma prateleira atrás de mim, outra contusão, talvez, mas, novamente, não importa. Eu não planejo parar este beijo por qualquer motivo. Mas a plataforma é forrada com latas de tinta spray e quando bato contra ela, uma fileira tomba e cai no chão, fazendo muito barulho.


Eu engasgo com um riso enquanto paramos de nos beijar e olhamos para a bagunça que fizemos. — Caramba, — eu digo. — Nós estamos amaldiçoados. — De jeito nenhum, — ele respira, as palmas das mãos espalmadas nas minhas costas debaixo da minha blusa. — É o destino, permitindo-nos ter uma segunda chance na noite que eu devia ter te beijado. Suas palavras me levam para longe da realidade e eu agarro sua camisa para puxá-lo para outro beijo. Quando nossos lábios estão prestes a se tocarem, alguém grita: — Que diabos está acontecendo? Nossas cabeças se viram em direção da voz. No final do corredor há um funcionário, com o rosto vermelho e irritado quando olha para a bagunça que acabamos de fazer. Ele tem cerca de trinta anos ou mais, com o cabelo na altura dos ombros, e usando uma etiqueta em sua camisa que diz Ed. — Nós vamos limpar, — eu digo, mas Ed vem irritado em nossa direção. — Eu estou tão cansado quando vocês vêm aqui e pensam que é engraçado sujar minha loja. — Enquanto Ed caminha em nossa direção, ele pressiona o dedo em seu peito enquanto repete: — Minha loja. Não de vocês. Minha. Eu vou fazer vocês pagarem por cada maldita lata spray. Eu não tenho certeza do que fazer. O cara tem este olhar assustador em seu rosto como se estivesse fora da sua mente e é assustador, mas engraçado ao mesmo tempo. Um riso nervoso escapa dos meus lábios enquanto Kayden agarra a minha mão e me puxa com ele enquanto decola na outra direção. O funcionário grita para nós: — Tirem suas bundas punk daqui, agora! — Nos movemos mais rápido e rimos ainda mais.


Nós não paramos até estarmos em segurança no carro e dirigindo pela estrada em direção às montanhas, os faróis do carro de Kayden iluminando o caminho. Eu ainda sou a motorista, apesar dos protestos de Kayden, porque quero ser a pessoa a levá-lo nesta jornada. — Então, onde você está me levando agora? — ele pergunta. — Você não sabe? — Eu pergunto, me perguntando se ele está falando sério. Considerando a direção que estamos indo, tem de ser óbvio. E, além disso, nós tivemos alguns bons momentos neste lugar, o que torna uma parte super importante do nosso passado. Ele olha para mim com um olhar diabólico enquanto levanta a mão. — Na verdade, eu sei. — Em sua mão está uma lata de spray, o que significa que ele sabia onde estávamos indo antes mesmo de entrarmos no carro. Eu ficaria feliz com isso, e eu estou, menos... — Você furtou uma lata spray? — O cara era um idiota chapado; Eu poderia muito bem não ter pagado por isso porque ele estava pronto para nos atacar, — ele diz, e quando eu suspiro, ele ri. — Relaxe, Callie. Eu joguei alguns dólares no chão antes de sairmos. — Ele desenha uma linha na minha bochecha com a ponta do dedo, provocando uma vibração em mim. — Eu sei que você é boa demais para aceitar furtos. — Ei, eu posso ser uma rebelde, — eu digo, meio brincando, meio séria. — Eu bebi quando era menor de idade. Ele ri da minha declaração. — Você é tão adorável. Agarro o volante com uma mão e aponto o dedo para ele. — Ei, senhor, eu não sou sempre adorável. E vou provar isso para você. — Eu vou?


Isso faz com que ele sorria, o que me faz sorrir também, embora eu não tenha ideia como realizar as minhas palavras. Ainda assim, eu procuro em meu cérebro uma maneira de mostrar-lhe esse lado de mim que nem eu tenho certeza se já descobri ainda. A ideia só chega a mim quando eu paro no estacionamento na parte inferior do morro. Lembro-me de Seth sempre fazendo piadas sobre como as pessoas vêm até aqui e têm relações sexuais. Eu costumava corar como uma louca quando ele brincava com isso e então me disse que Greyson e ele vieram aqui uma vez. Eu nem tenho certeza se consigo ir até o fim. Sim, sou uma pessoa diferente do que eu costumava ser. Muito mais forte e menos constrangida. Além disso, não há mais ninguém aqui esta noite, por isso temos todo o lugar para nós. — O que está acontecendo nessa sua bela cabeça? — Kayden pergunta, interrompendo meus pensamentos. Eu tiro minha atenção das árvores na frente do carro e giro no assento para encará-lo. Os faróis ainda estão ligados e entre isto e a luz da lua eu posso ver o seu queixo firme, lábios macios e olhos maravilhosamente familiares. — Callie, — Ele começa a se contorcer sob o peso do meu olhar. — O que está acontecendo? Há algo errado? Balançando a cabeça, eu engulo meus nervos e apago os faróis. Somos sufocados pela escuridão, o que torna mais fácil fazer o que estou prestes a fazer. Ou talvez seja a fantasia me fazendo sentir como outra pessoa, alguém que pode assumir riscos, ser corajosa. Eu realmente não me importo de onde vem o sentimento de; Eu só faço o que Seth está sempre dizendo - inclinando-se sobre o console e beijando Kayden sem qualquer aviso. Ele suga uma respiração afiada quando escovo meus lábios nos seus e, em seguida, ele ri baixinho


quando minha língua varre seu lábio, sinalizando que eu quero que abra a boca. — Eu sinto como se você estivesse prestes a me mostrar o quão não-adorável é, — ele diz com uma voz baixa e rouca que envia uma emoção através de mim. — Você está completamente certo, — digo a ele enquanto tiro as minhas botas, em seguida, passo por cima do console e monto em seu colo. Com um joelho de cada lado dele, em seguida, pressiono meus lábios contra os seus. Desta vez, ele abre e suga minha língua em sua boca, me beijando de volta com igual intensidade. Ele morde meu lábio inferior, envolvendo seus dedos em volta da parte de trás da minha cabeça e me orientando para mais perto, até que não há espaço entre nossos corpos. Quando começamos a embaçar as janelas eu começo a desabotoar a sua camisa, mas ele pega a minha mão. — Callie, espere. Nós não temos que fazer isso, — ele murmura contra meus lábios, soando como se parar é a última coisa que ele quer fazer. — Eu não queria te incomodar com o comentário adorável. — Você não me perturbou. Eu prometo. — E é a verdade. Neste momento, a minha mente está se movendo à um milhão de milhas por hora, meu corpo totalmente em execução com algum tipo de adrenalina e eu quero continuar, continuar fazendo coisas novas com Kayden, fazer valer cada momento, assim como estou sempre dizendo. Antes que ele possa fazer mais um protesto, eu deslizo minha mão em sua camisa e abro outro botão. Eu continuo meu caminho até que todos estão desfeitos, então ele desliza a camisa xadrez para fora e atira-a no banco de trás. Estou prestes a chegar à bainha da camisa que ele estava usando por baixo, quando ele se inclina para o lado do passageiro e vira a chave para que a bateria ganhe vida e ligue o aquecedor.


— Confie em mim. Você não vai querer deixar congelar aqui. Isso pode causar efeitos estranhos para as minhas partes de homem, — ele brinca e, em seguida, tira sua camiseta enquanto eu rio do seu comentário. Ele está rindo enquanto segura o zíper da jaqueta que estou usando e puxa-o para baixo. Depois de tirá-la, ele puxa as alças do meu vestido para baixo, o suficiente para que meu sutiã esteja exposto. Em seguida, empurra-o para baixo também, para que os meus seios estejam livres no ar. Antes que eu possa sequer reagir ao ar um pouco frio, sua boca está sobre mim, chupando e beliscando e deixando meu corpo louco. É incrível como, mesmo depois de um ano, ele ainda me faz sentir a mesma emoção esmagadora e vulnerável que senti na primeira vez que estivemos juntos. Isso nunca cansa, estando em sua cama ou no assento abarrotado de um carro. Minha cabeça se inclina para trás enquanto ele continua a me devorar com sua boca, indo e voltando entre os meus seios, só parando quando estou prestes a desmaiar por falta de oxigênio. Em seguida, ele desfaz o botão da sua calça jeans e antes que eu possa sequer perguntar o que ele está fazendo, ele atinge o fundo do meu vestido. Eu decido ajudá-lo e levanto meus quadris, soltando uma risada quando bato minha cabeça no teto. Mas todo o humor some quando ele desliza a borda da minha calcinha para o lado e empurra-se para dentro de mim. Se é o ângulo dos meus quadris ou a forma como as minhas pernas estão dobradas eu não sei, mas ele afunda profundamente e juro por Deus que cada uma das minhas terminações nervosas explodem enquanto eu suspiro, agarrando-me na parte de trás do assento. É intenso. Não, além de intenso, até o ponto onde eu acho que não consigo respirar.


— Jesus, — Kayden pronuncia em um sussurro rouco, apertando minha cintura por baixo do meu vestido. — Isso é... — Espetacular, — eu termino para ele, em seguida, começo a balançar meus quadris, incapaz de esperar um segundo a mais. Nós nos movemos ritmicamente, completamente em sintonia, como se fossemos feitos um para o outro, o que, em minha opinião, nós somos. Não há ninguém no mundo que vai me fazer sentir do jeito que Kayden faz. Eu nunca vou confiar em ninguém mais. Nunca quero estar com mais ninguém. Ele é tudo para mim e eu espero que seja da mesma forma para ele. Que ele queira morar comigo, como disse. Ficar comigo, talvez para sempre.


12 #150 Reescreva palavras bonitas em sua própria maneira.

KAYDEN — Isso foi... — Eu mal consigo respirar, muito menos terminar a frase. Não depois disso. Sexo em um carro com Callie. Como diabos uma noite realmente de merda se transformou em algo tão incrível? Eu estava tão chateado com todas as coisas com meu pai e como ele me faz sentir tão feio por dentro. Além disso, eu tinha tido uma recaída. Eu senti como se estivesse afundando em direção ao fundo do desespero e agora sinto que estou nas nuvens em direção do fodido arco-íris. Mas acho que não é apenas sexo; são as memórias que estão fazendo isso comigo, também. Através de todas as loucuras que aconteceram, de alguma forma perdi a visão de todas as coisas boas que aconteceram e ainda está acontecendo. — Devo ser muito boa se deixei você sem palavras. — Ela tenta brincar, mas mesmo no escuro eu ainda posso ver que ela está corando pela forma como vira a cabeça e permite que mechas caiam em frente do seu rosto. — Você é perfeita. — Eu provo seus lábios mais uma vez antes de ajudá-la a colocar seu sutiã de volta no lugar, em seguida, as alças do seu vestido. Ela treme enquanto meus dedos escovam em seus ombros e sorrio por saber que meu


toque ainda faz isso com ela depois de quase um ano. — Você sempre é. Ela sorri enquanto volta para o banco do motorista para que eu possa colocar minha camisa de volta. — Eu sinto como se estivesse em êxtase, — ela admite enquanto eu coloco a minha jaqueta de volta. — Então você gosta de ser impertinente, — eu brinco, abotoando a minha camisa. Deslizando o pé em sua bota, ela dá de ombros, mas seus lábios se curvam. — Pode ser. Eu quero dizer que ela é adorável, mas foi essa palavra que começou toda essa coisa. Ok, talvez eu devesse chamá-la assim de novo. Inferno, eu preciso começar a chamá-la assim mais vezes. Antes que eu possa dizer qualquer outra coisa, porém, ela abre a porta para sair. — Você está pronto para visitar o próximo lugar? — Ela pergunta, colocando a outra bota antes de pôr seus pés para fora. Concordo com a cabeça, pegando a lata de tinta spray a partir do console central antes de saltar para fora do carro com ela. Eu agarro sua mão assim que chego ao seu lado, incapaz de me impedir de tocá-la. Essa é a coisa com Callie algo tão simples como o seu toque pode aquecer o frio dentro de mim. Suas palavras são muito mais poderosas. Elas não só aquecem o frio, mas derrete-o em uma poça. É o que suas palavras fizeram por mim no restaurante. É por isso que eu disse que quero morar com ela. Eu acho que sempre quis, mas não fui capaz de dizer até aquele momento quando percebi o quanto ela significava para mim, e o quanto eu significo para ela. Eu posso lutar contra isso, posso me preocupar, posso não ser bom o suficiente para ela, mas no


final, sou quem ela parece querer e ela merece ter o que quer, então eu estou dando a ela - me dando a ela da melhor forma possível. — Nós provavelmente deveríamos ter trazido lanternas, — Callie diz assim que começamos a caminhar em direção as montanhas, fazendo as luzes da cidade abaixo desaparecerem e uma sombra a nossa volta. Enfio mão no bolso para pegar meu celular e passo meu dedo na tela para que ele acenda. — Que tal isso? — Eu seguro-o e aponto para o caminho à frente. — Você é brilhante, — ela diz, em seguida, acelera o ritmo, praticamente pulando no escuro. — Cuidado. — Eu seguro-a quando ela começa a escorregar em um pedaço de gelo. Ela continua pulando e eu acabo embaralhado atrás dela até chegarmos à rocha íngreme onde estive uma vez com ela antes mesmo de nos beijarmos. Há uma leve camada de neve em algumas das rochas e manchas de gelo no chão. — Eu não tenho certeza se devemos subir nesse escuro, — eu digo a ela, puxando-a para mim até que suas costas estejam pressionadas contra o meu peito. — Mas nós já a escalamos no escuro, com Seth e Luke, — ela diz enquanto eu círculo meus braços ao redor da sua cintura. — Eu sei, mas eu te amo agora e morreria se algo acontecesse com você. — Eu beijo o ponto sensível atrás da sua orelha e ela suspira. — Tudo bem, você ganhou, mas apenas porque tem um belo argumento. — Ela se senta em uma pequena pedra e


encara o caminho que acabamos de passar. — Lembre-se da vez que viemos aqui e você teve que me ajudar a subir? Concordo com a cabeça e sento ao seu lado, colocando meu celular no temporizador assim vamos ter dez minutos de iluminação. — Eu também me lembro que tive um sonho quente onde eu estava te ajudando a subir as rochas. — Eu coloco meu celular ao lado dos meus pés e tento ficar confortável, embora meu traseiro esteja congelando. Sua cabeça se vira em minha direção. — O quê? Quando? — Depois que estivemos aqui. — Mas você ainda estava namorando com Daisy, não é? — Isso não significa que eu não estava atraído por você, — eu digo a ela. — Confie em mim, eu estava. Muito, muito atraído por você. Ela aperta os lábios como se quisesse dizer algo, mas está lutando contra isso. — O que está em sua mente? — Eu passo meu dedo em seu pulso. Seus ombros levantam e caem enquanto ela encolhe os ombros. — Sabe, eu nunca percebi que você estava atraído por mim quando você estava namorando com ela. Quero dizer, eu sei que você me ama agora, mas nunca fez sentido você terminar com ela, em seguida, querer namorar comigo logo depois. Quero dizer, eu sei que ela era uma cadela, mas ela era... Bem, ela é muito, muito bonita. — Mil protestos passam pela minha mente, mas antes que eu possa dizer qualquer coisa, ela acrescenta, — Eu não estou dizendo isso para você me paparicar. Eu sei que você me ama agora. Eu queria apenas dizer como me sentia antes, uma vez que esta é uma noite sobre o passado.


Demoro um momento para encontrar a minha voz, mas só porque ainda estou chocado com o que ela disse. — Primeiro de tudo, vamos esclarecer uma coisa. De todas as formas, você é mil vezes melhor do que Daisy jamais vai ser. A garota era mais do que uma cadela. Ela era má e egocêntrica. Ela nunca perguntou sobre minhas cicatrizes, nunca tentou conhecer-me da maneira que você fez, quando eu me sentia completamente e totalmente vulnerável, mas de uma maneira que eu precisava estar. Você me salvou Callie, não só do meu pai, mas de mim mesmo e de uma vida cheia de miséria e constrangimento. E sim, eu sei que ainda tenho um caminho a percorrer, mas você ainda me ajuda, mesmo agora. — Bom, eu estou feliz. Eu amo ajudar... Eu cubro sua boca com a mão, silenciando-a. — Ainda não terminei. — Eu posiciono minhas mãos para que seu rosto esteja preso entre elas, desejando que não estivesse tão escuro para que eu pudesse ver a minha parte favorita nela seus olhos. Eles são um espelho para suas emoções e amo ser capaz de ver o que ela está sentindo sempre que olho para eles. — E em segundo lugar, você é um milhão de vezes mais bonita do que Daisy nunca vai ser. — Ela começa a protestar, mas eu interrompo-a. — E não apenas bonita por dentro, o que eu sei que você está prestes a dizer, mas porque você é fodidamente linda de uma forma que quase parece irreal. — Kayden, eu aprecio o que você disse, mas sei que não sou, — ela diz. — Eu sei que tenho a aparência média, no entanto, estou bem com isso. — Você nunca vai ser média, Callie. — Eu gostaria que ela entendesse a extensão do que estou tentando dizer. — Daisy era como uma boneca de plástico, cheia de unhas postiças, cabelos oxigenados, e roupas extravagantes - nada sobre ela era real. Você... — eu aproximo seus lábios dos meus, — você é real. Todas essas suas sardas, esses lindos, lindos olhos, esses lábios malditamente perfeitos. Você é linda fora do


normal, o tipo de pessoa que não consegue sequer compreender que é linda porque não é genérica. É apenas assim. Ela fica em silêncio pelo que parece uma eternidade, o som suave da sua respiração enchendo o silêncio entre nós. — Você está se transformando em mestre com as palavras, — ela diz baixinho. — E só para deixar esta escritora envergonhada. Meus lábios se curvam, mas não estou pronto para sorrir ainda. — Mas você entendeu o que eu disse, certo? Você entendeu como é linda por dentro e por fora? Ela balança a cabeça e eu sinto suas bochechas se moverem quando ela sorri. — Mas só se você entender o quanto eu preciso de você e quanto eu mereço você. É preciso muito para mim dizer isso, mas sei que tenho - sei que é certo para o momento. — Tudo bem, é um acordo, — eu digo, em seguida, inclino-me para beijá-la, tomando o meu tempo, saboreando a sensação dos seus lábios. Eu me afasto cerca de oito minutos depois, quando a tela do meu celular desliga e a escuridão nos rodeia. Pego-o, redefinindo por mais dez minutos, em seguida, pego a lata de spray do meu bolso. — Então, o que você está pensando em colocar sobre a rocha desta vez? — Eu pergunto, dando a lata para ela. — Hmmm... — Ela bate seu dedo contra os lábios, em seguida, entrega o spray para mim. — Eu acho que você deve ser o único a fazer isso. — De jeito nenhum. Você é a escritora. Ela fica de pé e escova a sujeira e um pouco de neve fora da sua bunda. — Não. Eu estou dando-lhe a honra esta noite, uma vez que você foi muito bem com palavras bonitas. — Quando


eu não aceito de imediato, ela oferece sua mão para mim. — Vamos lá, Kayden. Depois do que você acabou de dizer para mim, isso deve ser como tirar doce de criança. Eu entrelaço meus dedos com os seus e fico de pé, agitando um pouco a lata. Então olho para a rocha. E olho para a rocha. E olho fixamente. E olho fixamente. E olho fixamente. — É como quando eu olho para a tela do meu computador, às vezes. — Ela alegremente me cutuca. — Só que em vez de um cursor para atormentar é uma lata de tinta. Eu levanto o spray para escrever algo, mas a pressão está me intimidando. Minha mente está em branco até que de repente eu tenho uma ideia quando me lembro da noite em que vim até aqui pela primeira vez. Callie tinha escrito sua própria citação na parede... Uma citação surpreendente. Sorrindo, eu pressiono o bocal e movo minha mão sobre a rocha. Ela aponta o celular para que eu possa ver melhor, e para que ela possa ler o que estou escrevendo. Quando termino, estou de volta ao seu lado e ela ler em voz alta. — "Na existência de nossas vidas, há muitas coincidências que unem as pessoas, mas há apenas uma pessoa que pode possuir seu coração para sempre." — Ela lê em voz alta e eu juro que quase chora perto do fim. — Alguém muito inteligente escreveu isso uma vez, — eu digo, enquanto coloco a tampa no spray. — Ela não disse isso exatamente. — Ela se vira para mim. — E eu acho a sua versão muito melhor. — Que bom. — Eu seguro sua mão e agarro-me a ela por mil razões diferentes - para tocá-la, sentir conforto, me manter em pé, viver, respirar. É louco como a noite passou de uma bagunça para uma das melhores noites que tive em um longo tempo. Isso me faz perceber o quanto preciso dela e


quanto preciso continuar trabalhando para ser o cara que ela merece. — Porque eu quero dizer isso. Tudo isso.


13 #153 Ajude alguém mesmo quando eles necessariamente não pedirem.

CALLIE As próximas semanas passam como um borrão de folhas caindo, faculdade e jogos de futebol americano. Antes que eu saiba, a Ação de Graças se aproxima. Kayden e eu não conseguimos nosso próprio lugar ainda, nem temos conversado muito sobre isso desde aquela noite. No entanto, ele parece estar indo muito melhor depois que passamos um tempo revivendo alguns dos nossos momentos passados, e isso é realmente tudo o que importa, certo? Eu também não tenho notado quaisquer cortes novos em sua pele e ele não ficou chateado com alguns problemas da sua família, então as coisas estão indo muito bem. Então, novamente, eu acho que não aconteceu muita coisa que não seja Dylan ligar para checar e ver se Kayden está pensando em ir para lá, para as férias de Ação de Graças. — Então, você já decidiu o que vai fazer? — Pergunto a Kayden. Ele passou pelo meu dormitório depois do treino de futebol quando eu estava no meio da tarefa de dobrar as minhas roupas. Há pilhas de roupas sobre a cama e eu ainda estou trabalhando na pilha no cesto. Até o momento que termino, provavelmente vai ter mais para limpar e dobrar.


Kayden está deitado no chão, uma vez que não há espaço em qualquer outro lugar, jogando uma bola de futebol no ar e capturando-a. — Sobre a Ação de Graças? Eu aceno, dobrando uma blusa e adiciono-a a uma pilha perto do pé da cama. — Eu só estava me perguntando se você já decidiu se está indo para a Virgínia ou não. — É um assunto sensível, então mantenho a minha voz leve. Ele joga a bola de futebol americano no ar e pega-a antes de responder. — O que você acha que eu deveria fazer? — Ele pergunta, inclinando a cabeça para olhar para mim. Eu pego um par de jeans da cesta. — Kayden, eu realmente acho que eu não deveria fazer essa escolha por você. — Sim, eu acho que me expressei errado. — Ele define a bola para baixo e rola para o lado para que possa facilmente olhar para mim. — Eu só quis dizer... Quero dizer, o que você vai fazer? — Na Ação de Graças? — Eu dou de ombros enquanto dobro meu jeans. — Indo para casa. Você sabe como é a minha mãe com os feriados. Ela ficaria super chateada se eu não fosse para casa. Você pode vir comigo, embora, se não quiser ir para a Virgínia. Ele balança a cabeça para cima e para baixo, contemplando alguma coisa. — Sim, eu acho que não estou voltando para casa realmente. — Ele parece culpado, o que não deve estar. — Você não tem que pensar como voltar para casa. Apenas ir visitar a minha família na Ação de Graças. — Sim, mas não pensar nisso é parte do problema, porque nunca foi minha casa realmente. — Ele vira de bruços e empurra-se para seus pés, sua camiseta cinza subindo o suficiente para que eu possa ver um pouco do seu estômago firme. — E, acho que quero encontrar algum tipo de lugar que


eu possa chamar de lar. — Ele oscila. — Então, acho que talvez eu devesse ir para a Virgínia e experimentar essa coisa toda de férias com Dylan. Quero dizer, ele não tem falado qualquer coisa sobre minha mãe ou meu pai ultimamente, então não devo estar aprovado. Eu acho que, talvez seja uma boa ideia. E além disso, acho que é hora de tentar lidar com essas coisas. — Ele olha para a cicatriz curada em seu pulso. — Assim eu não vou escorregar de novo. Eu sinto uma pitada de tristeza em meu estômago com a ideia de passar uma semana longe dele. Além disso, não seria um país inteiro de distância entre nós. No entanto, eu sei que essas são as duas razões egoístas e, no final, seria muito bom que ele fosse capaz de conviver com Dylan, especialmente se ele quer. — Se você sente que deve ir para a deve ir para Virgínia. — Eu seguro uma para colocar no armário. — Seria bom Dylan e talvez até mesmo Tyler se ele quiser vê-lo.

Virgínia, então você pilha de calças jeans para você conhecer estiver lá e se você

— Ele ainda está na reabilitação. — Ele pega a bola de futebol do chão enquanto eu abro a gaveta e coloco minhas roupas. — Mas eu poderia ir vê-lo. Eu acho de qualquer maneira. — Bom. — Reunindo o meu melhor sorriso, eu me viro para encará-lo. Estou feliz por ele e tudo, mas só espero que tudo corra bem para ele. Eu me preocupo. — Eu vou sentir sua falta, no entanto. — Você pode vir comigo, — ele diz com esperança, agarrando a bola de futebol. — Eu gostaria de poder, mas já disse à minha mãe que iria para casa. Além disso, Jackson vai estar lá e eu não o vejo desde o Spring Break. E fiz um número na lista para tentar ter


um melhor relacionamento com ele. — Eu aponto para minha porta onde o quadro com a lista de tarefas em geral fica, mas franzo a testa quando percebo que ele se foi. — Que diabos. Onde está a minha lista? — Eu olho para Kayden. — Estava aqui quando você veio? Ele dá de ombros, girando a bola de futebol em sua mão. — Eu não faço ideia. Eu coço a cabeça. — Talvez Seth pegou por algum motivo. — Eu começo a pegar o meu celular. — Eu deveria ligar para ele e perguntar. — Mas de qualquer maneira, — Kayden diz, claramente me cortando, — é bom que você esteja tentando consertar as coisas com o seu irmão. — Ele pega a minha mão quando eu dou-lhe um olhar interrogativo. — Eu sei que tem sido difícil para você, considerando de quem Caleb era melhor amigo. Eu decido ignorar a troca estranha de assunto - por agora de qualquer maneira - mas vou chegar ao fundo da questão. — Ele tem sido muito bom desde que eu finalmente disse o que aconteceu, — eu digo enquanto Kayden dá um puxão no meu braço e me puxa em sua direção. — Eu não quero ficar brava com ele mais. Era muito desgastante e não há nenhum ponto em guardar rancor. O canto da sua boca se curva em um meio sorriso. — Você sempre diz coisas que eu sinto que se aplica a mim. — Oh, não é isso que eu quis dizer, — eu começo a protestar enquanto nossos corpos se pressionam um no outro. — O que aconteceu entre Jackson e eu não é o mesmo que seu pai e sua mãe fizeram com você. Em tudo. — Eu me sinto horrível pelo que acabei de dizer. Kayden deve ser capaz de guardar rancor contra o seu pai e a sua mãe, para sempre em minha opinião. Depois que seu pai esfaqueou-lhe e quase


o matou - coisas como essa não se pode apagar. A grande cicatriz na lateral de Kayden prova isso. — Callie, relaxe. Eu sei que você não estava se referindo a mim. — Ele puxa suavemente uma mecha solta do meu cabelo. — Eu estava apenas brincando com você. Eu avalio-o com cuidado. Ele parece está sendo honesto e parece quase feliz. — Você parece de bom humor. O que aconteceu? Ele revira sua língua em sua boca para não sorrir. — Não é nada. Estou tão feliz, estando aqui com você. Eu inclino minha cabeça e estudo-o com desconfiança. — Não, alguma coisa está acontecendo. Você está tipo super feliz e propositadamente me distraiu do fato de que a lista sumiu a partir da porta. — Ok, talvez haja algo sobre. — Ele é tão bonito, tentando conter um sorriso. — Mas não posso te dizer agora. — É ruim? — Não. É bom, eu acho. — Ele está totalmente gostando disso. — Ok, agora eu realmente quero saber. — Eu faço um beicinho. — Por favor. Rindo baixinho, ele se inclina e toca meu lábio inferior com a ponta do dedo. — Esse truque não vai funcionar comigo. — Que truque? — Eu pergunto inocentemente. Ele me dá uma olhada. — Você está tentando me dizer que não está propositadamente usando o truque do beicinho para tentar arrancar informações? — Ele pergunta e eu sinto um olhar de culpa se formar no meu rosto. — Sim, veja. Eu posso te ler tão bem quanto você pode me ler. — Ele pisca para mim,


então me puxa para um beijo, deixando a bola de futebol cair no chão. Nossas línguas se emaranhado de imediato e em poucos segundos ele está me carregando e me levando para a cama. Tenho toda a intenção de retirar suas roupas e reexperimentar o momento que nós compartilhamos no carro, há algumas semanas, mas, em seguida, a porta se abre e Harper entra. — Ah merda. — Ela para na porta quando nos vê na cama, com as pernas entrelaçadas, corpos pressionados, as mãos um sobre o outro - felizmente as roupas no lugar. — Desculpe, — eu peço desculpas, sentando-me enquanto Kayden permanece deitado, seus dedos esboçando de cima para baixo em minhas costas. — Nós estávamos apenas... — Como é que eu vou terminar essa frase? Nós estávamos prestes a ter sexo quente e suado? Sim, essa frase não está saindo da minha boca. Harper permanece na porta, abraçando os livros em seu peito. — Eu posso voltar outra hora. Eu balanço minha cabeça e saio da minha cama. — Não, está tudo bem. Eu precisava ir para a loja de qualquer jeito. — Pego meu casaco enquanto Kayden de contragosto sai da cama e pega sua bola de futebol americano. — Ei, você poderia por acaso comprar um rolo de fita para mim? — Harper pergunta como ela coloca seus livros sobre a cama. — A minha acabou na noite passada. Eu concordo. — Certo. — Obrigado. — Ela força um sorriso quando começa a desabotoar a jaqueta. — Na verdade, Callie, antes de sair... Eu poderia falar com você? — Ela passa rapidamente para o último botão em seguida, define o casaco sobre a cabeceira da


cama, com os olhos passando rapidamente para Kayden antes de pousar em mim. — A sós, talvez? — Hum, sim, com certeza. — Viro-me para Kayden que me lança um olhar perplexo. — Posso te encontrar no carro? Ele acena com cautela. — Certo. — Ele suavemente beija minha testa, em seguida, olha para Harper antes de sair pela porta. Uma vez que ouço-a se fechar, eu encaro Harper. — Então, o que foi? — Não é nada realmente. — Mas sua expressão sugere o contrário enquanto ela afunda-se na cama, com os ombros caídos. — Honestamente, eu não sei como falar sem deixar você com raiva. — Eu não vou ficar brava. — Eu não sei mais o que dizer, pois não sei onde isso vai dar. Suspirando, ela brinca com uma mecha do seu cabelo, torcendo-a em torno do seu dedo. — Outro dia eu ouvi você e Seth falarem sobre algumas coisas. — Ela está olhando para a mecha do seu cabelo, completamente fixada nela. — Sobre algo que aconteceu com você. — Eu não tenho certeza do que você quer dizer. — Sentome na minha cama assim estamos enfrentando uma a outra. — Seth e eu dissemos um monte de coisas, — eu digo a ela e, em seguida, tento fazer uma piada, porque ela parece tão triste. — Particularmente Seth. Ele gosta de falar. Um pequeno sorriso aparece em seus lábios, mas seus olhos ainda parecem cheios de tristeza enquanto ela olha para mim. — Bem, foi no outro dia. Acho que vocês pensaram que que eu estava ouvindo música porque estava com meus fones, mas eu estava realmente tentando encontrar algo para ouvir, então eu ouvi um pouco da conversa... Sobre um cara fazer coisas com você. — Ela estremece quando diz isso, e mesmo que eu


esteja acostumada a falar sobre isso em voz alta, eu ainda estremeço. — Sim... — Mais uma vez, estou sem saber o que dizer. — Desculpe, — ela diz rapidamente. — Tenho certeza que você está se perguntando por que eu estou dizendo isso e a verdade é... Bem, a verdade é que eu ouvi você dizer algo sobre como está se sentindo muito melhor e que tem sido assim desde que falou com seus pais sobre isto. Eu estava meio que me perguntando, — seu olhar cai para o espaço no chão entre os pés, — como você chegou a esse ponto? — Dizer aos meus pais que eu fui... estuprada? — Ainda é tão difícil dizer em voz alta, embora eu tenha sido mais aberta a falar sobre isso por um tempo. Novamente, ela estremece. — Sim... isso. — Ela olha para mim e, embora não diga nada sobre isso, acho que de repente eu entendo por que ela está trazendo isso a tona. Eu conheço a expressão de dor que ela está tentando manter presa dentro dela, porque eu fiz a mesma coisa anos atrás. Não tenho certeza se eu deveria perguntar se ela foi estuprada. Coisas como essas podem ser complicadas conseguir fazer alguém dizer a verdade pode ser complicado. Eu deveria saber, uma vez que me levou quase sete anos carregando um peso escuro dentro de mim, com medo de deixá-lo sair porque eu estava com medo do que as pessoas pensariam sobre mim e honestamente, eu estava com medo de Caleb, também. — Você não tem que me dizer se não quiser. — As palavras de Harper são apressadas. Neste momento, ela parece ser uma pessoa completamente diferente, mas isso é porque ela está vulnerável e com medo. — Não, está tudo bem. — Eu levanto os meus ombros para reunir alguma confiança. — Quando fui dizer aos meus pais,


eu meio que sentei-lhes e disse-lhes. Não há realmente uma maneira certa ou fácil de fazer isso, a não ser fazer. Eu acho que chega ao ponto onde você decide que dizer a alguém é a parte mais difícil, no entanto. — Será que você lutou com isso? — Ela pergunta. — Quero dizer, para conseguir coragem de contar a alguém. Eu chupo uma inspiração pelo nariz para manter as emoções dentro de mim e não assustá-la. — Sim, me levou quase sete anos. Seus olhos se ampliam. — Quantos anos você tinha quando isso aconteceu? — Doze. — Jesus, Callie, isso é horrível. — Sim, foi, mas eu estou tentando seguir em frente. — Faço uma pausa, perguntando-me se é o momento certo para pergunta-lhe, mas então percebo que pode não haver um momento certo e eu só tenho que fazer. — Quantos anos você tinha? Ela suspira, seus ombros caindo. — É tão óbvio por que estou perguntando tudo isso? — Pode não ser para outras pessoas, mas você tem esse olhar em seu rosto agora que é meio que familiar para mim. — E que olhar é esse? — Medo... Dor. Trocamos um olhar de compreensão. Eu sempre soube que o que aconteceu comigo aconteceu com outras pessoas, mas realmente nunca discuti isso com qualquer uma que teve de viver através dessa experiência infernal.


— Eu sinto essas coisas, — ela diz baixinho, os olhos se enchendo de lágrimas. — Eu odeio fazer isso, no entanto. Todo mundo acha que eu sou tão feliz, porque é isso o que eu mostro a eles, mas não sou tão feliz quanto pareço. — Todos achavam que eu era louca, — eu digo a ela. — Porque eu cortava meu cabelo com uma tesoura e parei de falar com as pessoas. Ela me oferece um olhar simpático. — Callie, isso é tão triste. — Assim como fingir ser feliz o tempo todo, — eu digo. — Todos devemos se sentir bem o suficiente ser nós mesmos. Ela balança a cabeça, concordando. — Sim, mas a minha história não é tão triste quanto a sua. Eu tinha quatorze anos e era mais velha. — Isso não a torna melhor. — Eu me levanto da cama e atravesso o quarto para me sentar ao seu lado, minhas pernas nem um pouco vacilante. — O estupro é uma coisa horrível não importa o que e você deve dizer a alguém sobre isso. — Eu não tenho certeza se posso dizer a minha mãe. — Ela franze a testa e isso faz-me perguntar se talvez foi alguém que vive sob o mesmo teto que ela. — E para um irmão ou irmã, então? — Eu sugiro. Ela balança a cabeça. — Eu não tenho nenhum. — Para o seu pai? Sua expressão endurece enquanto ela cerra seus dentes e aperta suas mãos em punhos. — Eu não estou dizendo ao meu padrasto. Ok, eu tenho certeza que isso é provavelmente quem fez isso com ela, mas não quero pressioná-la, ou fazer suposições


porque posso dizer que ela está prestes a rachar e eu poderia estar errada. — E quanto a um outro parente ou um terapeuta? Ela considera o que eu disse por alguns minutos. — Você falou com um terapeuta, certo? Quero dizer, eu acho que ouvi você é Seth falarem sobre isso no início do ano escolar. — Sim, eu costumava ir até um par de meses atrás. Eu posso lhe dar o número dela. Ela é muito agradável e compreensiva e torna as coisas assim. — Ok, sim, eu posso ter o número? Balançando a cabeça, eu pego meu celular do bolso e envio uma mensagem para Harper com as informações de contato da minha terapeuta. — Você deve ligar para ela hoje, também, enquanto você está sentindo que pode falar sobre isso. — Mas eu realmente não falei sobre isso, — ela diz com um suspiro desanimado. — Na verdade, não. — Isso não é verdade. — Enfio meu celular no bolso. — O que você disse hoje foi um grande, grande passo. Seus lábios se curvam e parece que ela poderia estar me mostrando um vislumbre do seu verdadeiro sorriso. Eu percebo bem ali que nunca vi isso antes. — Bem, eu vou ligar, mas vamos ver como vai ser quando chegar a hora de ir até lá, — ela diz. — Eu tentei isso antes e nunca tive a coragem de fazer. Eu só ousei trazer a tona depois que ouvi você falando com Seth sobre o que aconteceu com você, porque isso me fez sentir como se você fosse... — Ela agita uma pulseira que está usando. — Entender, eu acho. — Um monte de gente vai entender. — Faço uma pausa, perguntando o que mais eu posso fazer para ajudá-la, porque eu quero ajudá-la - quero ajudar as pessoas que estão lutando


como eu estava uma vez. Só de pensar em outras pessoas passando por isso como eu e Harper me faz querer encontrar todos eles e dizer-lhes que tudo ficará bem. Eu nem tenho certeza de como fazer isso, mas preciso, de alguma forma. — Se você quiser, eu posso ir com você na sua sessão. — Realmente? — Ela se anima, parecendo genuinamente feliz. Eu concordo. — Claro. Ela parece totalmente aliviada. — Obrigado, Callie. E não apenas pela oferta, mas por não ficar toda estranha. Você é realmente boa nisso, sabe. Falar e entender e tudo. Suas palavras aquecem meu coração. — Obrigado. E você é bem-vinda, — eu digo a ela e caminho para a porta. — Deixeme saber quando estiver programado sua sessão e se você precisar conversar, eu estou do outro lado do quarto. Ela balança a cabeça, em seguida, eu caminho para o corredor, fecho a porta atrás de mim, e inclino-me contra ela. Eu me sinto estranhamente em paz comigo mesma. Nem tenho certeza se é porque eu fui capaz de falar com alguém sobre o que aconteceu comigo sem entrar em pânico ou se é porque tentei ajudar alguém que nem pediu. — Está tudo bem? — A voz de Kayden me puxa para fora dos meus pensamentos. Viro a cabeça e encontro-o em pé ao meu lado, a bola futebol americano debaixo do braço. — Ei, eu pensei que você estava no carro. Ele olha da porta dos fundos para mim. — Nah, eu pensei em esperar por você aqui. Parecia que você poderia precisar de mim depois de tudo o que estava acontecendo lá dentro.


Eu fico reta. — Não, eu estou bem. Ela só queria conversar sobre algumas coisas. — Que tipo de coisas? — Ele pergunta enquanto nós nos movemos em direção ao elevador, de mãos dadas. — Coisas que ela está passando, — eu digo vagamente. — Coisas que eu entendo. Felizmente, eu acho que ele percebe o que estou insinuando sem que eu tenha de dizer em voz alta, uma vez que não tenho certeza se Harper iria querer que eu falasse com alguém sobre isso. Eu aperto o botão do elevador com o polegar, em seguida, encarando-o enquanto esperamos as portas se abrirem. — Então, você vai me dizer agora por que parece tão feliz hoje? — Não. — Seus lábios se contorcem em diversão. — Você é a pessoa mais malvada do mundo. — Eu salto para dentro do elevador quando as portas se abrem, puxandoo comigo e ele acaba tropeçando em seus pés. — Mas isso é bom, porque eu te amo. Ele ri enquanto eu fico na ponta dos pés para beijá-lo, mas ele rapidamente se afasta quando o seu celular começa a apitar dentro do bolso de trás da sua calça jeans. Normalmente, ele ignora ligações e mensagens de textos quando estamos em um bloqueio de lábios, por isso estou um pouco surpresa quando ele se afasta para pegar seu celular. Ele medita sobre alguma coisa enquanto lê a mensagem na tela. Eu me inclino contra a parede e casualmente pergunto: — Quem é?


Ele olha para a tela por um segundo antes de escrever algo de volta. — Ninguém. Eu não tenho certeza de como responder à sua resposta, então brinco. — Bem, claramente é alguém; caso contrário, seu celular não teria apitado. Ele digita pela última vez algo na tela, em seguida, retorna o seu celular ao bolso antes de olhar para mim. — Foi apenas uma mensagem de Seth. — O que foi que ele disse? Ele dá de ombros, apoiando uma mão na parede ao lado da minha cabeça. — Nada importante realmente. — Ele se inclina para me beijar, mas eu coloco a mão em seu peito sólido e detenho-o. — Seu maxilar se contraiu, — comento, um pouco divertida, mas um pouco chateada. Ele me dá um olhar ofendido simulado, empurrando-se para trás na parede para pressionar a mão ao peito. — Você está me acusando de mentir? Eu estreito meus olhos para ele, mas é um gesto brincalhão. — Sim, isso é exatamente o que eu estou fazendo. — Eu aponto o dedo para ele enquanto chegamos ao piso inferior e as portas do elevador se abrem. — Eu sei que você está escondendo alguma coisa de mim e eu vou descobrir. Ele está completamente entretido agora, me seguindo para fora do elevador e para as portas de saída. — E como você planeja fazer isso? — Ele me lança um sorriso arrogante. — Uau, estamos um pouco arrogantes hoje. — Eu digo, enquadrando meus ombros de forma arrogante enquanto enfio minha mão no bolso. — Mas vamos ver quem é a pessoa arrogante depois que eu enviar uma mensagem para Seth.


Sua diversão muda repentinamente para preocupação quando eu pego meu celular. — Seth sabe que não é para dizer-lhe nada. Eu levanto o meu celular em nossa frente e movo-o ao redor, provocando-o. — Seth é terrível em guardar segredos. Você e eu sabemos disso. — Eu realmente não tenho qualquer intenção de enviar uma mensagem para Seth. Estou simplesmente me divertindo e esperando que ele vá me dizer o seu pequeno segredo. — Callie, não, — ele adverte, mas está lutando contra um sorriso. Eu deixo-o para trás, porém, sorrindo enquanto corro em direção à porta. — Estou totalmente indo fazer isso. — Eu rio então giro ao redor e passo através das portas. A neve está caindo do céu e o vento está uivando, mas eu continuo a correr pela calçada em direção ao estacionamento. Eu sei que ele vai me pegar em breve, minhas pernas curtas não têm chance contra as suas longas, muito em forma, mas ainda vou tentar o meu melhor porque é divertido e estou me divertindo. E realmente isso meio que é o ponto de tudo, não é? Aproveitar a vida e me divertir. Passei tanto tempo sem sorrir, rir, desfrutar de qualquer coisa, e sinto que perdi muito, mas isso não significa que eu não posso compensar agora, ou para o resto da minha vida. — Você acha que pode me superar? — Kayden grita, rindo, seus passos pesados logo atrás. — Claro que posso! — Risos escapam dos meus pulmões enquanto viro à direita e tento correr pelo gramado nevado, mas é frio o suficiente para que a neve congele no momento que toco o solo, tornando-o escorregadio e complicado para correr. Eu amaldiçôo enquanto meus pés tentam se separar de


debaixo de mim e levanto meus braços aos meus lados em uma tentativa de manter o equilíbrio. Certamente quando estou prestes a cair de bunda no chão, um par de braços fortes se envolvem em torno da minha cintura. Uma fração de segundo depois, um peito quente pressiona contra minhas costas enquanto estou tentando ficar de pé. — Você estava realmente pedindo por isso, não é? — Kayden sussurra em meu ouvido, arrastando os dentes através do ponto sensível logo abaixo da minha orelha enquanto me ajuda a ficar na posição vertical. Eu tremo e não por causa do frio. — Pode ser. Seus dedos escavam em minha carne logo abaixo da barra da minha camiseta preta. — Eu vou tomar o seu celular como forma de pagamento por salvar sua pequena bunda bonita de cair no chão. Eu aperto meu celular em minha mão, meus cílios trêmulos contra os flocos de neve. — De jeito nenhum. Ele ri humilde, um ruído profundo que vibra em seu peito e eu tenho que morder meu lábio para não choramingar. — Ok, eu acho que nós vamos ter que fazer isso da maneira mais difícil. — E este caminho já não é o mais difícil? — Eu digo ofegante. Ele ri de novo e, em seguida, sem aviso, os dedos deslocamse em minha blusa e ele começa a fazer cócegas em mim. — Pare! — Eu grito através do meu riso, minhas pernas perdendo o equilíbrio. Eu quase caio no chão, mas ele está lá para me segurar e continua fazendo cócegas em mim até que eu quase faço xixi na calça.


— Tudo bem! Eu me rendo! Eu me rendo! — Eu suspiro através da minha risada quando estou cerca de um segundo de ter um acidente. Seus dedos param instantaneamente e ele beija a parte de trás da minha cabeça enquanto toma o celular da minha mão, em seguida, me liberta dos seus braços. Eu giro ao redor e cruzo os braços sobre o peito. — Isso não foi justo. Ele sorri com orgulho, escondendo meu celular no bolso do seu casaco. — De jeito nenhum. Isso foi completamente justo. Não é minha culpa que você é pequena e adorável. — Ele me cutuca nas costelas. Eu olho para ele, fingindo que estou chateada. — Se não fosse pela neve, eu teria sido capaz de correr mais rápido. — Sim, mas eu não estava realmente correndo. Apenas caminhando rapidamente. — Ele está tão presunçoso agora. Eu nunca o vi agir assim - tão confiante. É sexy e eu não posso me parar, mas salto em cima dele e beijo-o ali mesmo no meio de uma nevasca. Ele não hesita, beijando-me de volta com a mesma fome, as mãos correndo debaixo de mim e agarrando minha bunda. Ele geme quando mordo seu lábio inferior, e suspiro enquanto sua boca trilha um caminho até meu queixo, deixando um rastro de calor contra a minha pele gelada pela neve. A combinação de calor e gelo envia uma combustão de sensações que rodam através do meu corpo. É uma felicidade incrível. Surpreendente. Eu quero mais. — Devemos ir para o seu dormitório, — eu digo, minha cabeça se inclinando para trás enquanto sua boca encontra meu pescoço. Eu emaranho meus dedos pelo seu cabelo molhado e puxo-o para mais perto. — Ou em algum lugar onde podemos estar sozinhos... — Eu paro quando seu celular


começa a apitar em seu bolso e desta vez eu não estou tão surpresa quando ele quebra o beijo, mas ainda estou igualmente decepcionada. Eu suspiro, pulando de cima dele enquanto ele recupera seu celular. Ele lê a tela e então sorri. — Sabe de uma coisa? Isso soa como uma grande ideia, — ele diz, entrelaçando nossos dedos enquanto me puxa para o estacionamento. — E eu conheço o lugar perfeito.


14 #156 Bem-vindo em casa.

KAYDEN Levei um par de semanas para configurá-lo e ainda mais para obter bolas para fazer isso. Mas depois daquela noite que passei com Callie, conversando e revivendo o nosso passado, eu sabia que tinha que fazer. Eu tenho que dar a Seth a maior parte do crédito, embora, por me ajudar e por manter segredo. No final, foi o meu discurso sobre como Callie merecia isto que ganhou seu sigilo. Estou nervoso durante todo o caminho, não apenas porque eu não sei como ela vai reagir, mas porque estou incerto de como vou reagir. Parece que as coisas estão se movendo tão rapidamente, tão de repente, não apenas a minha relação com Callie, mas com a vida. Eu sinto que às vezes estou correndo o melhor que posso acompanhá-la, exceto quando estou com Callie. Com ela, eu sinto como se estivéssemos andando, curtindo cada momento. E é assim que eu decido. Já era tempo. — Onde estamos? — ela pergunta, inclinando-se para dar uma olhada melhor onde estamos através do véu de neve batendo na janela. Eu desligo o carro e os limpadores param, tornando ainda mais difícil para ela ver. — É uma surpresa.


— Em um parque? — Ela questiona enquanto tira o cinto de segurança. Balançando a cabeça, eu agarro a maçaneta da porta e abroa. — Sim, siga-me. O parque é apenas parte da surpresa. O resto é o que está atrás do edifício onde o parque está conectado. Sua perplexidade torna isso ainda mais divertido à medida que saímos do carro e ela me segue através da neve e em torno do balanço até um escorrega. Eu sou ainda mais recompensado quando começo a subir a escada e seu queixo cai. — Que diabos você está fazendo? — ela pergunta, surpresa, enquanto me observa subir. Eu olho por cima do meu ombro para ela. — Se você quiser saber, vai ter que me seguir. Ela olha para a escada encharcada com ceticismo, mas eu sei que ela vai fazer isso - ela é muito corajosa para deixar um pouco de metal molhado entrar em seu caminho. E, assim como eu sei que ela faria, ela começa a subir. Quando eu chego ao topo, eu pulo no túnel e escorrego, sendo recompensado com uma poça molhada na parte inferior e um galo na cabeça da lista de afazeres que Seth deixou seguro no escorrega pouco antes de chegarmos Aqui. Ok, talvez não foi uma boa ideia colocá-lo lá. Estendendo a mão, eu desengato do lugar e retiro o pequeno quadro branco. Seth apagou a lista inteira, exceto o número #155, que poderia ser o meu número favorito. Enfio o quadro no meu lado, virado para baixo para que não fique manchado pela neve.


— Você quer que eu deslize nisso? — Callie grita de cima do escorrega com perplexidade em seu tom. Eu coloco a cabeça no túnel do escorrega e grito, — fodidamente sim! Há uma pausa e então eu ouço seu grito enquanto ela abaixa os pés em seguida, desliza. — Caramba! — Ela pula quando atinge a parte inferior e sua bunda se molha na poça. — Isso está frio. — Uma vez que ela fica de pé, ela olha de mim para o que está em minhas mãos. — O que você está segurando? — Sua surpresa. — Eu entrego-o, ainda virado para baixo, mas é mais por causa dos meus nervos do que o medo de que ele vá ficar molhado e em ruínas. Ela esfrega os lábios enquanto levanta as sobrancelhas para mim. — Você roubou meu quadro? — Não. Seth emprestou para mim. — Eu toco a parte de trás dele, observando que há um ligeiro tremor nos meus dedos, algo que culpo a neve, completamente mentindo para mim mesmo. Uma nuvem de neblina envolve seu rosto enquanto ela libera um grande suspiro. De repente, ela está nervosa, como se tivesse percebido que isso não é mais um jogo, mas, um momento muito grave que irá altera a vida. — Eu estou com medo de pegá-lo, — ela sussurra, mas pega-o de qualquer maneira. Eu prendo minha respiração enquanto observo-a ler as duas palavras simples, mas muito importantes escritas com um marcador vermelho, juntamente com a seta apontando para o complexo de apartamentos em frente de onde estamos


parados. Ela deve lê-lo algumas vezes, porque leva um tempo para olhar para mim. — Bem-vinda à nossa casa? — Suas sobrancelhas se arqueiam e sua cabeça se vira para o lado enquanto ela olha de mim para o quadro, em seguida, seu olhar segue em direção onde a seta está apontando. Eu sei o momento que se encaixa em sua cabeça o que estou tentando dizer com toda esta farsa porque sua respiração falha. — Você e Seth estão sempre fazendo coisas malucas como essas, sempre me convidando para sair ou tentando me animar, — eu digo a ela e dou de ombros com indiferença quando seu olhar fixa no meu, embora eu esteja me contorcendo em minha pele. Ela não mostrou quaisquer sinais de felicidade e estou ficando preocupado que talvez isso não é o que ela realmente quer. — Eu pensei que talvez fosse a minha vez, — afasto o cabelo dos seus olhos, — Para fazer algo surpreendente para você. Ela fica em silêncio pelo que parece uma eternidade, embora seus olhos nunca deixem os meus. É como se ela estivesse tentando ler minha mente ou ver minha alma ou algo assim. Se alguém pudesse isso, seria Callie. Eu só desejo poder fazer o mesmo com ela agora, porque sua tranquilidade está se tornando enlouquecedora. — Isto é o que você quer? — Ela aponta para o quadro, em seguida, o complexo de apartamentos, sem olhar para longe de mim. Eu concordo. — Mais do que qualquer coisa. — Então eu hesito. — É isso o que você quer, embora? Ela me olha por um momento ou dois, como se tivesse à procura de uma resposta oculta em algum lugar dentro de mim. Ela deve achar, porque de repente está jogando o quadro no chão e envolvendo os braços em volta de mim.


— Claro que é isto o que eu quero. — Ela me abraça com mais força do que poderia se esperar que seus braços magros sejam capazes de fazer. — Eu queria isso por um longo tempo. Eu abraço-a de volta com tudo o que tenho em mim. — Acho que eu também, mas tinha medo de admitir isso para mim, com medo de me deixar ter algo bom. — Me inclino para trás para olhar para ela. — Desculpe se demorei tanto tempo. Você me perdoa? — Não há nada para perdoar. — Ela desliza a mão pelo meu braço e enfia os dedos, sorrindo enquanto olha para mim. — Agora, vamos vê-lo. Eu pego o quadro do chão, agora encharcado e lidero o caminho em frente ao parque até a calçada onde nós subimos pelas escadas do edifício até número três. Quando chegamos ao segundo andar, eu pego a chave do meu bolso e nervosamente destranco a porta, mexendo algumas vezes antes de finalmente me controlar. — Bem-vinda em casa, — eu digo, em seguida, abro a porta.


15 #156 Bem-vindo em casa. (Sim, eu sei que é o mesmo que o #155, mas parecia tão épico que precisava ficar em dois números. Além disso, na primeira vez ele ficou apagado).

CALLIE — É realmente pequeno, — Kayden diz, ficando de lado para me deixar entrar no nosso apartamento. Sim, o nosso apartamento. — Mas é o que podemos pagar, então... — Ele faz uma pausa, despenteando seu cabelo úmido enquanto fecha a porta. — Está bem. — Eu olho ao redor do espaço que agora irei chamar de casa. Ainda não está mobilhado, por isso provavelmente parece maior do que realmente é. Há uma sala de estar, onde estou de pé, e é ligado à sala de jantar/cozinha que tem uma porta que assumo que leva para o quarto. O espaço em frente à mim é cerca de duas vezes o tamanho dos dormitórios, que soa grande, mas realmente não é. Eu não me importo, no entanto. Em tudo. — Eu poderia viver em uma sala de armazenamento e ficar bem com isso contanto que você estivesse lá. — Eu estou começando a soar como um daqueles livros de romance bobos, mas tudo bem - parece apropriado para o momento. — Então você está bem com isso? — Kayden enfia as mãos nos bolsos da calça jeans, parecendo ansioso. Seu cabelo castanho ainda tem gotas de neve e suas bochechas estão


vermelhas por causa do frio, e eu só quero jogar meus braços em torno dele e abraçá-lo com força novamente. Então eu faço. — É perfeito, — eu digo-lhe, apertando-o com força para que ele saiba exatamente o quanto estou feliz. Seus braços circulam ao meu redor e nós compartilhamos nosso primeiro abraço em nossa primeira casa. — Mas eu tenho que ter certeza... — Me inclino para trás e levanto meu queixo para olhá-lo, — que você está bem com isso, porque nós falamos pouco sobre o assunto e, em seguida, de repente você conseguir um lugar, e só quero ter certeza de que é o que você realmente quer, porque eu não quero que você se sinta pressionado ou qualquer coisa. Eu posso esperar, se for preciso. Ele bufa uma risada, e quando minhas sobrancelhas se arqueiam, ele diz: — Desculpe. É só que você meio que soou como uma adolescente tentando convencer seu namorado que ele deve esperar para ter relações sexuais. Meu rosto cora, mas eu começo a pensar se ele já usou esse caminho com Daisy e minha alegria afunda. Mas então percebo que não importa o que aconteceu com Daisy, porque eu e ele estamos aqui e agora ele é meu, não dela. — Você quer me mostrar o quarto? — Eu dou-lhe o meu melhor olhar sujo que provavelmente sai mais como um olhar confuso. Pelo menos, isso é o que eu acho até que seus olhos me aquecem e ele morde o seu lábio inferior com força. — Você está começando a ter uma mente suja. — Seu olhar ardente e voz rouca enviam arrepios quentes em toda a minha pele. — Deve ser a influência de Seth. — Minha voz está fora de si. — Às vezes, é como se ele ainda estivesse atravessando a puberdade.


Kayden balança a cabeça, rindo baixinho. — Tudo bem, não vamos mais falar sobre isso. Vamos ver o nosso quarto. Estamos na metade do caminho do outro lado da sala de estar quando nossos lábios se conectam e as roupas começam a sair. Camisas são descartadas, sapatos são jogados, e acabamos deixando um rastro de roupas pela sala. Está um pouco frio, mas não me importo. Kayden pode manter-me aquecida, o que é exatamente o que digo a ele quando nós afundamos nossos joelhos no tapete e eu arranco seu cinto. — Devemos fazer isso todas as noites, — ele diz, desengatando meu sutiã e puxando-o para fora. — Apenas em uma cama. — De jeito nenhum. Devemos fazer isso totalmente no chão, — murmuro entre os beijos que ele está dando em meus lábios, no meu pescoço, no local onde o meu coração bate. Ele murmura algo mais, mas para quando meus dedos roçam do seu peitoral até o topo do seu jeans. Abrindo rapidamente o botão, eu deslizo meus dedos em sua cueca boxer e ele geme, mordendo minha pele. — Callie... — O som do meu nome em sua voz rouca enche meus braços de arrepios. Eu torno-me impaciente, mais do que jamais estive. É uma loucura, mas as últimas semanas têm sido intensas, e eu posso sentir-me mudar, tornando-me mais confortável comigo mesma e quem eu sou com Kayden, assim deixo minhas mãos vaguearem para baixo e agarro sua dureza, algo que eu nunca fiz tão corajosamente antes. — Foda-se... — Ele usa esse tom novamente e eu realmente não aguento mais. Estou prestes a rasgar sua calça jeans, literalmente rasgar o tecido em pedaços, quando ouço uma porta abrir e fechar em algum lugar dentro do apartamento.


Nós dois congelamos, ofegando por ar enquanto nos ajoelhamos no centro do quarto, meio despidos, nossas mãos segurando um ao outro. — Você ouviu isso? — Eu sussurro, os olhos correndo para a porta. Kayden balança a cabeça, os lábios partidos, mas ele é cortado pelo som de uma voz. — Olá, apaixonados, — Seth grita. — Vocês estão aqui? Kayden e eu olhamos assustados um para o outro ao mesmo tempo. Então, de repente estamos lutando para conseguir nossas roupas, mas é inútil, uma vez que ambas as nossas camisas e sapatos estão em algum lugar entre a sala e o corredor. Meu sutiã está nas proximidades, embora, assim eu o coloco enquanto Kayden abotoa sua calça. — O que devemos fazer? — Eu sussurro. — Minha blusa está lá fora. Kayden dá de ombros, ainda parecendo em êxtase pelo momento. — Peça-lhe para entregar as nossas roupas. Eu envolvo meus braços em volta de mim. — Ele vai fazer um monte de piadas, — eu aviso. — Ele já está indo fazer piadas, — Kayden, afirma dandome um meio sorriso sexy. — Então, nós poderíamos muito bem ir conforme a música. — Toc, toc, toc, — Seth diz enquanto bate na porta do quarto. — Oh, Callie querida, eu encontrei algo que pertence a você, eu acho. — Oh, deixe-a em paz, — diz Greyson. Em seguida, a porta se abre minimamente e seu braço aparece com nossas camisas na mão. — Aqui.


— Obrigado, Greyson. — Eu pego a minha blusa e entrego a Kayden a sua antes de colocar a minha. Uma vez que ambos estamos vestidos, saímos juntos e os enfrentamos. — O que vocês estão fazendo aqui? — Pergunto à medida que caminhamos para a sala. Greyson olha ao redor da nossa cozinha e Seth está observando o pequeno pátio anexado à sala de estar através de uma porta de vidro deslizante. — Eu vim ver como as coisas estavam indo, — Seth diz, virando-se para nos encarar. — E ver se vocês queriam ir jantar e comemorar. — Ele nos encara; cabelos bagunçados, camisas amassadas, e meu zíper desfeito. — Mas estou supondo que correu tudo bem, considerando o quão quente e incomodados vocês parecem agora, graças a minha interrupção. — Ele pisca um sorriso sem remorso. — Podemos ir, — Greyson diz, pegando a mão de Seth e puxando-o para a porta. Greyson sempre foi o mais sensato dos dois e tenta manter Seth sob controle quando ele puder. — Na verdade, nós devemos ir e dar a eles um pouco de privacidade — Não, está tudo bem. Nós acabamos de qualquer maneira. — Eu não queria que saísse da forma que saiu e me sinto um pouco envergonhada. — Você está? — Kayden ergue uma sobrancelha. — Porque eu não estou. Meu constrangimento aumenta ainda mais e eu dou um soco em seu braço de brincadeira, esperando que isso vá desviar a atenção do meu rosto corado.


— Está tudo bem. Podemos ir buscar o jantar, — diz Kayden através das suas risadas, então seu olhar se fixa no meu. — Podemos terminar mais tarde. Todos os três riem e eu deveria ficar ainda mais envergonhada, mas encontro-me mais calma do que qualquer coisa. Porque assim que a vida é, eu acho. Momentos como estes. Agora, tudo está perfeito.


16 #103 Continue tentando superar seus demônios.

KAYDEN No dia seguinte, eu tenho um jogo. Estou animado e nervoso e com medo, mas é sempre assim para mim. Há sempre uma lista de coisas que se passam pela minha cabeça que podem atrapalhar e uma que posso fazer para não estragar tudo. Mas às vezes eu só desejo poder fazer essas listas pararem e apenas jogar, porque eu amo jogar. Eu jogo fodidamente bem durante quase todo o jogo, mas quando se aproxima do fim isso realmente importa. A multidão fica selvagem. Todo mundo está gritando, gritando, torcendo por mim, incluindo Callie, Seth, e Greyson, que eu sei que estão sentados à frente, me apoiando como sempre fazem. Há jogadores alinhados em ambos os lados, eu estou na parte de trás, pronto para arremessar em um piscar de olhos. As luzes estão brilhantes em cima de mim, mas há uma sombra sobre mim que ninguém mais pode ver. Nós estamos a um touchdown de ganhar e há menos de um minuto no relógio. A pressão sobre mim está me fazendo bem, meus companheiros de equipe, meu treinador, o estádio inteiro esperando que eu faça o arremesso perfeito. Mas é pequeno em comparação a voz que ouço na minha cabeça. Meu pai.


Está ficando pior desde que Dylan o encontrou, agora gritando em vez de sussurrar. Corra! Faça o arremesso perfeito! Vença a porra do jogo! Eu ouço o estalo. Sinto a adrenalina. O grito. É melhor fazer isso! Ele ecoa na minha cabeça. Eu sinto a bola em minhas mãos e corro de volta, em busca de uma abertura. Meu coração está batendo no meu peito enquanto os jogadores se movem em torno do campo e eu estou ciente de todos eles. Mas não tão consciente com a voz dentro da minha cabeça. É melhor não foder isso! Não há nenhum lance limpo. Todo mundo está coberto. O tempo está passando. Meu coração está batendo. É melhor não estragar isso, Kayden! Eu me movo para a direita e corro, meus pés martelando contra o gramado enquanto me concentro em apenas uma coisa - ultrapassar aquela voz maldita. Meus pés se movem mais rápido do que nunca enquanto esquivo-me para a


esquerda, em seguida, à direita. Há pessoas em minha frente, atrás de mim, vindo minha direção a partir de diferentes direções, mas eu me concentro em passar a linha. É tudo o que importa. E, quando o relógio continua martelando, um jogador agarra-me por trás, eu passo pela linha em um salto. Touchdown! A multidão vai à loucura! Minha equipe vai a loucura! Todo mundo está correndo em minha direção. Ganhamos! Ganhamos!Ganhamos! Mas eu sinto que perdi de alguma forma, porque no final ainda posso ouvir a maldita voz. Você poderia ter feito melhor. Depois que eu tomo um banho e me troco, caminho para fora do vestiário, embora a minha equipe esteja implorando para que eu saia com eles. — Vamos, cara, — Tyrel Buliforton, o Running Back do time, diz enquanto eu jogo a alça da minha mochila por cima do meu ombro e caminho até a porta. — Você jogou fodidamente bem. Precisamos ir comemorar. Eu balanço minha cabeça. — Não, eu já tenho planos, — eu minto, porque tudo o que quero fazer é encontrar Callie e abraçá-la, sabendo que isso vai me ajudar a deixar a voz do meu pai para trás. — Para alguém que fez o touchdown da vitória, com certeza você parece super deprimido, — Luke Price, meu melhor amigo, diz enquanto me segue para fora do vestiário, fechando seu casaco. Luke tem sido meu melhor amigo desde que éramos crianças e tem seus próprios problemas com seus pais. Nós não falamos sobre isso, no entanto. Eu acho que ele conversa com sua namorada, Violet, assim como eu faço com Callie.


— Você não está saindo também, — eu digo a ele enquanto caminhamos para fora e de encontro ao frio. Ele dá de ombros. — Vida noturna não é... ou pode não ser mais a minha praia, sendo um alcoólatra em recuperação e tudo. — Você está bem com isso? — Eu pergunto, passando meus dedos pelo meu cabelo úmido enquanto procuro Callie no meio da multidão de pessoas ao redor, usando as cores da universidade. — Sim, mas eu me conheço o suficiente para saber que vou estar bem o suficiente se eu for para casa e não sair. — Ele enfia as mãos nos bolsos e então sorri quando vê Violet encostada num lugar não muito longe de nós. É engraçado, mas ele nunca sorri assim, exceto quando está com ela. Eu me pergunto se é da mesma forma comigo quando estou com Callie. Como se para responder a minha pergunta, Callie emerge da multidão, empurrando seu caminho através das pessoas, e um grande sorriso aparece em meu rosto. — Ei, você, — ela diz, apressando-se para chegar até mim enquanto algumas vaias e gritos surgem da multidão. — Você jogou muito bem. — Sim... Eu poderia ter feito um pouco melhor, no entanto. — Eu envolvo meus braços em torno dela quando ela me atinge e puxo-a apertado contra mim. Seu calor se espalhando por todo o meu corpo e eu respiro em paz. — Você foi perfeito, — ela sussurra em meu ouvido e, em seguida, se inclina para trás. — Devíamos celebrar. — Eu fui bem, — eu pressiono. — Imperfeito.


Seus lábios se curvam em uma carranca. — Sem mau humor ou eu vou ter que te forçar a fazer coisas divertidas até que você esteja rindo tanto que faça xixi em sua calça. Eu rio dela, roçando a ponta do meu polegar em seu lábio inferior. — Tudo bem, você ganhou, — eu digo. — Joguei perfeitamente bem. Seus lábios se curvam novamente e há um brilho em seus olhos que coincide com as estrelas acima de nós. — Você fodidamente arrebentou. Eu não posso me parar. Eu rebento-me de rir. Callie raramente xinga, por isso, quando ela faz, é divertido. — Oh meu Deus, é tão engraçado quando você xinga. Ela sorri, mas suas bochechas se transformam em uma pequena sombra rosa. — Eu sabia que isso iria te fazer rir. — Você sempre consegue, — eu digo, não achando mais a nossa conversa engraçada, mas pessoal e íntima. — E, na verdade, eu estava pensando que poderíamos dar uma volta e depois irmos para o nosso lugar. — Nosso lugar. — Ela diz as palavras lentamente, deixandoas rolarem para fora da sua língua. — Isso soa como uma ótima ideia para mim se estiver tudo bem. Talvez Luke e Violet poderiam vir com a gente. — Olho para os dois conversando perto da multidão. — Pode ser, agora que você e Violet estão se dando bem. Callie acena com a cabeça. — Soa perfeito. — Ela entrelaça os dedos nos meus e me puxa para longe do estádio - longe da voz do meu pai - e pelo tempo que chegamos ao carro, ele desapareceu completamente. Eu só queria que fosse desse jeito.


17 #157 Conheça sua família, mesmo quando isso pareça impossível.

KAYDEN Callie e eu conseguimos fazer algumas coisas antes que tivéssemos que nos separar na Ação de Graças, mas entre trabalho e aulas, ainda temos um caminho a percorrer. Nós conseguimos passar uma noite no nosso apartamento juntos, aninhados em um cobertor e assistindo filmes no meu laptop, antes que ela me deixasse no aeroporto para que eu fosse para Virginia na Ação de Graças. Eu não estou feliz em passar o feriado sem ela, mas entendo que ela precise ir para casa e ver seu irmão, enquanto eu preciso ir ver o meu. É parte do crescimento e fica cada vez melhor, acho que - aprender a fazer coisas por sua própria conta. Eu só queria que fazer as coisas do meu jeito significaria que eu ainda poderia segurar a mão de Callie, porque me sinto estranho sem ela perto de mim. A esposa de Dylan - que insiste que eu lhe chame de Liz, em vez do seu nome completo - que é Elizabeth - está pirando, tentando deixar a casa em ordem para a chegada dos pais dela, enquanto tenta cozinhar tudo de uma vez. A cozinha tem cheiro de torrada queimada e o ar está pesado com fumaça, fazendo com que os detectores de fumaça apitem.


— Será que ela precisa de ajuda? — Pergunto a Dylan. Estamos sentados à mesa jogando cartas, o que enlouquece minha mente porque é tão normal e deixa-me desconfortável, já que eu não estou acostumado a isso. O que estou acostumado, pelo menos, na última vez que estava em um evento de família, era gritos, lutas, porradas, quebrar. Dylan avalia suas cartas enquanto toma um gole de cerveja. — Você pode perguntar a ela, mas ela vai pirar com você. — Ele define duas cartas de face para baixo sobre a mesa e pega mais duas do baralho. Dylan parece muito comigo; cabelo castanho, alto, com uma configuração média, e é provavelmente o meu futuro. Bem, exceto a coisa toda do ensino. Eu não consigo me ver fazendo isso. Honestamente, eu não tenho certeza se posso me imaginar fazendo isso tampouco, sentado à mesa, enquanto Callie cozinha o jantar. Parece tão fodidamente rude deixá-la fazer isso. Além disso, Callie não gosta muito de cozinhar. — Você precisa de alguma ajuda? — Eu finalmente pergunto enquanto Liz corre de volta entre o fogão e uma tigela que ela está misturando algo. Ela tem cabelo loiro, olhos azuis, e está usando um avental sobre seu jeans e camiseta, e ela não parece muito confortável na cozinha. Ela acena para mim, correndo para uma toalha quando derrama leite no balcão. — Não. Você é o convidado e deve sentar e relaxar. Dylan ri baixinho enquanto reorganiza as cartas em sua mão. — Não se preocupe. Ela vai desistir em cerca de meia hora e nós vamos acabar indo para fora. — Então, esta é a sua tradição? — Eu examino minhas cartas. Eu não tenho uma mão muito boa, mas não estamos jogando por dinheiro, apenas diversão. Eu sei por que, também. Quando éramos mais jovens, nosso pai nos fazia jogar por dinheiro. Se ele vencesse, tomaria todos os nossos


ganhos e se perdesse, ele bateria a merda fora de nós, porque em suas palavras, "nós estávamos trapaceando". Então, realmente, nós sempre perdíamos. Dylan acena com a cabeça, colocando suas cartas para baixo e eu faço o mesmo. Acho que gosto de Dylan um pouco mais quando, em vez de se vangloriar por vencer, ele diz. — Sim, se ela me deixar ajudar, porém, não seria um problema. Eu sou um excelente cozinheiro. Enquanto Liz passa pela mesa, ela bate de brincadeira em Dylan com o pano de prato que está transportando. — Isso é uma mentira. Você igualmente tão ruim na cozinha, que é por isso que temos pelo menos cinco restaurantes que fazem entrega na discagem rápida. — Um para cada dia da semana? — Eu brinco, reunindo as cartas. Liz acena com um olhar sério em seu rosto e que me faz sorrir, porque eles têm a sua própria coisa acontecendo que não parece em nada com os meus pais. Eles não são desagradáveis um com o outro. Eles sorriem. Riem. É bom, e uma espécie de alívio, porque me dá uma pequena esperança de que eu não vou ser como o meu pai, que eu possa ter essa normalidade, essa felicidade, que posso ter um futuro cheio do que eu quiser, e com quem eu quiser. — Você quer ir ver o jogo? — Dylan pergunta, apontando para a sala de estar enquanto pega sua cerveja e empurra sua cadeira para trás da mesa. — Certo. — Levanto-me e nós caminhamos para a sala de estar e sentamos sobre o sofá de couro em frente à TV de tela plana. A parede está coberta com fotos deles dois - em seu casamento, na praia, no alto de uma montanha. Isso me deixa triste, porque eu não tenho fotos onde pareço feliz. Callie e eu nem sequer temos fotos de nós na parede.


— Então, você acha que está indo fazer isso? — Dylan pergunta depois de ficarmos em silêncio por um par de jogadas. — Fazer o quê? — Eu pergunto, inclinando a cabeça para tomar um gole do meu refrigerante. Ele tira o rótulo úmido da garrafa de cerveja. — Jogar profissionalmente... — Ele se inclina para frente para definir a cerveja na mesa de café, então se vira para mim, inclinando-se contra o braço resto. — Liz diz que você é muito bom. Eu batuco meus dedos contra o lado da lata de refrigerante, um nó se formando em minha testa. — Quando ela me viu jogar? — Ela assiste seus jogos na internet. — Todos? — Estou pasmo. Ela me ver jogar? Sério? Por quê? — A maioria deles, — ele diz. — E eu já assisti alguns, também. Gostaria de ver mais, mas estou trabalhando para conseguir meu mestrado agora, então não tenho muito tempo livre. — Ele me dá um tapinha no braço. — Não fique tão surpreso. Nós nos preocupamos com você, Kayden. — De repente, o clima muda quando ele solta um suspiro alto. — Eu sei que pode parecer como se eu não fizesse, uma vez que não nos falamos durante anos, mas se eu soubesse o que estava acontecendo naquela casa... Que ele tinha se tornado tão ruim assim... Que ele iria realmente tentar... — Ele não pode sequer obter as palavras e acaba desistindo, passando os dedos pelo cabelo antes de dizer: — Eu não teria estado ausente por tanto tempo. Eu não deveria ter e é um dos meus maiores arrependimentos. — Eu meio que entendo por que você fez isso, porém, — eu digo, olhando para o refrigerante em minha mão. — Eu tive um tempo duro só para vir até aqui... A coisa de família toda é


estranho para mim, porque é bom, mas me lembra de como as coisas ruins podem ser. E não significa que seja você. Você nunca foi ruim. E Tyler, bem, ele foi ótimo até que começou a usar drogas e se transformou em uma bagunça. Mas eu quero dizer a mamãe e o papai. Dylan pega sua cerveja novamente. — É difícil, não é? Levei uma eternidade para descobrir como estar em uma casa com Liz, como agir como uma família, porque eu não tinha a menor ideia maldita. Eu me sentia tão perdido, sabe? — E agora? — Eu me pergunto. — É melhor agora? Porque parece que é. Ele balança a cabeça. — Agora estou feliz. — Ele me dá um sorriso, em seguida, toma um gole de cerveja antes de perguntar: — E quanto a você, Kayden? Você está feliz? Eu dou de ombros. — Sim. Eu acho. Ele franze a testa. — Você acha? Eu dou de ombros novamente. — Às vezes eu sou, mas desejo poder descobrir como ser o tempo todo, sabe? — Ele me dá um olhar triste e eu explico melhor. — É só que eu não tenho nenhuma ideia do que quero fazer com minha vida. Quero dizer, com o futebol, eu sou bom no que faço e gosto de jogar, mas só entrei por causa do nosso pai. E essa é a coisa. Tudo... — Eu solto uma respiração. — Tudo se volta para ele. Eu não quero ter nada a ver com ele e cada vez que algo está ligado a ele, eu não estou feliz... eu juro por Deus, às vezes posso ouvir a sua voz na minha cabeça quando estou jogando... Eu só quero ser capaz de jogar por mim... — Eu paro de falar, sem saber por que decidi dizer isso em voz alta - eu nem disse a Callie sobre isso ainda. Os ombros de Dylan caem, provavelmente a partir do peso das memórias do nosso pai. — Kayden, você não deve deixar que - ele - faça qualquer coisa com você. Ele só terá mais


poder sobre sua vida. Se o futebol faz você feliz, então faça isso. Eu sei que é difícil, mas você precisa deixar essa coisa com o nosso pai ir. Deixe o passado ir. E eu acho que uma vez que você fizer isso, você vai parar de ouvir todas as merdas que ele dizia para você o tempo todo. Você vai ser capaz de viver por você. — Você praticamente declarou palavra por palavra que o meu terapeuta disse. — Digo-lhe, em seguida, solto um suspiro pesado. — E eu sei que deveria... e estou tentando. Só vai levar algum tempo para que eu descubra essa merda. — Eu defino a lata em cima da mesa, em seguida, cruzo os braços enquanto me inclino no sofá, pensando se algum dia haverá um tempo em eu possa jogar por mim e adorar/amar o jogo. Eu com certeza espero que sim. — Eu tenho um caminho a percorrer, embora... Eu quero dizer, eu ainda fodo tudo, por vezes, com certas coisas. — Eu não estou indo mais longe que isso, não estou pronto para falar com ele sobre o meu transtorno com o corte. — Todo mundo faz isso. É chamado de vida, Kayden. — Sim, eu sei. Uma lacuna de silêncio se passa e eu começo a me concentrar de volta no jogo. Alguém marcou um touchdown e a multidão fica selvagem. A visão me coloca em um estado de contentamento, o que sempre acontece quando estou jogando. — E sobre aquela garota, Callie, que você está namorando? — Ele pergunta, puxando minha atenção de volta para ele. — Você ainda está com ela? Eu movo-me para pegar o meu refrigerante. — Sim, nós realmente conseguimos o nosso próprio lugar antes de eu vim para cá.


Seus olhos se arregalaram de espanto. — Puta merda. Sério? — Ele pergunta e eu aceno a cabeça, pego de surpresa por sua excitação. — Uau, eu não sabia que vocês estavam tão sérios. Você nunca realmente pareceu quando estávamos no telefone. Então, novamente, você quase não fala sobre sua vida privada ou, então... — Ele para, parecendo meio triste. — Não ache que isso é pessoal, — eu digo. — Eu só falo sobre essas coisas com Callie. Ele balança a cabeça, relaxando um pouco. — Uau, você está ficando sério com esta menina, não é? — Quem está ficando sério com uma garota? — Liz interrompe a nossa conversa enquanto caminha com um prato cheio do que parece ser abóbora queimada. Eu nem sabia que dava para queimar abóbora. — Kayden, — Dylan diz-lhe ao mesmo tempo em que eu digo: — Ninguém. O sorriso de Dylan é conivente enquanto ele olha de mim para Liz. — Callie e Kayden estão morando juntos. — Realmente. — Seus olhos brilham enquanto ela define o prato sobre a mesa do café. — Isso é tão grande, Kayden. Por que você não disse para nós? Mais uma vez, Dylan parece machucado e isso me faz sentir um pouco arrependido. Talvez eu tenha entendido errado sobre esta coisa toda de conhecer-a-sua-família. Talvez eu não devesse ter deixado-os de fora. Mas é difícil deixar as pessoas entrarem quando eu sei o quanto elas podem te machucar. Ainda assim, eu decido tentar, porque eu sei que se Callie estivesse aqui, que é o que ela quer que eu faça. — Desculpe, eu acho que apenas escorregou da minha mente. Eu não estou acostumado a dizer coisas às pessoas, eu acho.


— Bem, eu posso, — ele diz, nervosamente estalando os dedos. — Na verdade, eu tenho necessidade de falar com você sobre algo. Eu posso dizer pelo seu tom do que se trata. — Você descobriu mais sobre nossos pais, não é? — Eu recebi um telefonema da nossa mãe esta manhã, mas eu tive que esperar para dizer a você porque não queria estragar essa viagem. Mas acho que nunca vai ser um relacionamento se nós não começarmos a falar um com o outro, certo? — Ele pergunta, e mesmo que eu não esteja muito emocionado ao ouvir mais sobre nossos pais, eu aceno. Ele oscila, incerteza enchendo sua expressão. — Ela realmente queria me dizer sobre o nosso pai. — Outra longa pausa enquanto ele se remexe na cadeira. — É ruim, Kayden. O nosso pai, eu quero dizer... Ele está mal. Estou bastante certo de que um conjunto de comerciais do jogo na TV se passa antes que eu seja capaz de conseguir dizer e minhas emoções suficientes para responder. — Quão ruim? Resolução. Isto é o que você queria, certo? Você é uma pessoa terrível. — Muito, muito ruim, — Dylan diz, soltando um suspiro exausto. É estranho, mas parece que deveríamos estar chorando ou algo assim, mas nossos olhos estão secos. Meu coração se sente da mesma forma também, e esses pensamentos de que eu tenho que ser uma pessoa ruim chega de volta até mim, porque isso não pode ser normal - não sentir nada pela pessoa que te criou. Independentemente disso, é assim que me sinto. Absolutamente nada.


— Eu acho que ele vai morrer, — Dylan diz calmamente. E, novamente, nada. Eu acho que Callie poderia ter estado errada, porque não há nenhuma maneira que eu não esteja quebrado.


18 #159 Não entre em pânico quando as coisas ficarem feias.

CALLIE É dia de Ação de Graças e a casa que eu cresci já está brilhando com luzes de Natal, uma árvore de decoração, e toneladas de flocos de neve. Minha mãe é uma daquelas pessoas que ama os feriados ao ponto onde pode ser uma obsessão doentia. No entanto, após anos e anos disso, meu irmão, meu pai, e eu aprendemos a tolerar isso. Nós também aprendemos como evitar inúmeras horas enfeitando a árvore com bolas de prata e de ouro. — Eu não posso acreditar que ela acreditou em sua mentira, desta vez, — meu irmão Jackson diz a partir do banco da frente da caminhonete do meu pai enquanto ele se agita com o aparelho de som. — Disse-lhe que íamos comprar alguns pisca-pisca de substituição para a iluminação, mesmo que todos eles estejam ótimos. Eu ainda não posso acreditar que você, na verdade, fez alguns desses pisca-pisca não funcionarem. Jackson parece melhor do que ele costumava ser; menos maconheiro e mais moderno. Ele está cursando a faculdade comunitária na Flórida, onde meus avós vivem e trabalham como gerentes em uma loja de eletrônicos. Eu estou contente de vê-lo assim, em vez de quando ele estava drogado e passava tanto tempo com Caleb.


Meu pai ri enquanto liga os limpadores no para-brisa. — Eu fiquei mais criativo com as minhas desculpas para sair da casa. Pegar Callie foi uma. — Ele sorri para mim por cima do seu ombro. — E uma boa, também. Eu sorrio de volta, em seguida, assisto os flocos de neve caírem contra a janela. A neve não parou desde que ele me pegou em Laramie três dias atrás. Ninguém sabia que eu estava vindo dessa forma e Kayden estava preocupado se seu carro era seguro o suficiente para que eu chegasse até aqui com a situação ruim das estradas. Quando disse isso ao meu pai, ele não ficou apenas animado em ir me buscar, mas também percebeu o quão grande cara Kayden era por pensar em minha segurança. — Você está muito quieta, — meu pai diz enquanto virá à direita pela rua principal. — Isso é porque ela está doente de amor. — Jackson sorri para mim e eu mostro-lhe a minha língua. — É isso? — meu pai pergunta e eu prometo me vingar de Jackson por isto. — Você sente falta de Kayden? — Claro que eu sinto falta dele, — eu digo, abrindo o zíper do meu casaco porque Jackson superaqueceu o carro com o quanto ele aumentou o aquecedor. — Mas eu sou sempre quieta. — Isso é verdade, — murmura Jackson. Ele cruza os braços e olha pela janela para os edifícios que fazem fronteira com a rua. A cidade é pequena, mas é dia de Ação de Graças e as vendas das lojas estão causando estragos nas ruas. — Devemos ir esquiar na neve ou algo assim neste fim de semana, — diz Jackson de repente para mim. Eu sei o que ele está fazendo. Desde que eu disse a minha família sobre o que aconteceu com Caleb no meu décimo segundo aniversário, Jackson agiu quase bem demais. Eu acho que ele se sente


culpado porque Caleb era seu amigo e, portanto, estava em casa por causa dele. Eu não culpo-o, no entanto. Não é como se ele soubesse que ia acontecer. Caleb tinha enganado a todos. — Eu realmente não sei como esquiar na neve, — Eu admito enquanto nosso pai estaciona no estacionamento lotado da loja de ferragens localizada no coração da cidade. — E eu não tenho esquis. — Você pode pegar o meu antigo. E nós vamos descer a pequena colina. Eu franzo a testa. — Você quer dizer no Bunny Hill? Ele tira o cinto de segurança. — Veja, você já até sabe onde. Você vai ficar bem. Eu rolo meus olhos, mas concordo em ir. Em seguida, nós três saímos do carro e enfrentamos a loucura da loja. Há tantas pessoas que temos que ficar em uma fila só para entrar. — Uau, as pessoas são loucas, — murmura Jackson, puxando o capuz do seu casaco sobre a cabeça enquanto esperamos até chegar às portas. — Você deveria ter pensado em outra coisa pai, que não exigisse entrar em lojas. — Sim, provavelmente você está certa, — ele concorda, colocando um par de luvas. — Mas eu entrei em pânico quando ela veio até mim com o Papai Noel inflável. Eu estou rindo dele quando meu celular vibra dentro do meu bolso. Eu pego-o à medida que avançamos na fila, já adivinhando quem é. E eu estou certa. #Kayden: Então, como vai por aí? #Eu:Super bem, exceto a coisa toda de evitar-minha-mãe-louca que se

transformou em entrar-em-uma-loja-louca.


#Kayden: ??? #Eu: Meu pai inventa uma desculpa a cada ano para nos tirar de casa,

quando minha mãe se torna uma ninja louca de Natal. Mas desta vez ele não pensou o suficiente porque nos trouxe para uma loja. E as pessoas são loucas. Há uma fila apenas para entrar na loja. #Kayden: Sinto muito que você não esteja se divertindo :( #Eu: eu realmente estou. É bom ver o meu pai e Jackson. Na verdade, ele se

ofereceu para me levar para esquiar na neve neste fim de semana.

#Kayden:Você deve ir. É muito divertido. #Eu: Eu disse a ele que iria, mas tenho certeza que vou apenas

passar o dia caindo de bunda.

#Kayden:Pelo menos você vai parecer adorável fazendo isso ;) #Eu: Hmm... Eu não tenho tanta certeza. Acho que sou adorável apenas por seus

olhos.

#Kayden: De maneira nenhuma. Você apenas não vê isso. Eu estou a ponto de mandar uma mensagem de volta quando percebo que Jackson e meu pai estão olhando para mim com sorrisos bobos em seus rostos. — O quê? — Pergunto-lhes. Jackson rir, balançando a cabeça, enquanto meu pai continua sorrindo. — Não é nada. — Ele se vira para frente e se move com a fila. Estamos quase lá. — Como Kayden está? — Bem. Mas como sabe que eu estava mandando mensagens para ele? — Eu pergunto, puxando o capuz sobre a minha cabeça quando o vento aumenta.


— Porque você tem esse olhar doente por amor, o olhar de filhote de cachorro, — Jackson diz presunçosamente quando nós finalmente, finalmente entramos na loja. — Eu não estou, — Eu protesto enquanto outra mensagem chega em meu celular. Eu tenho que manter meus cotovelos dobrados enquanto digito apenas para evitar me chocar contra alguém. #Kayden: Você ainda está aí? #Eu: Sim, meu pai e Jackson me interromperam. Desculpe. #Kayden: Assim, além das compras, como foi o seu dia? Meu pai tem um olhar nos corredores congestionados e, em seguida, dá uma palmada alto com suas mãos. — Tudo bem, quem está pronto para isso? — Quando nem Jackson e nem eu responde, ele bate as mãos novamente, então se inclina para baixo como se estivéssemos em um amontoado. — Tudo bem, Jackson. Você vai até o corredor esquerdo e na parte de trás para obter as lâmpadas. Callie, eu estou sem grampos também, assim você vai para a direita, até meio caminho para o fundo da loja, em seguida, vire outra direita. Eu vou entrar na fila e assim não estaremos esperando o dia todo. — Ele bate as mãos pela terceira vez seguida, diz, — Vão. Jackson e eu trocamos um olhar oh-meu-Deus, porque estamos tão acostumados a isso. Crescemos com um pai que é um treinador de futebol da escola, tudo é sobre o jogo. Ainda assim, nós caminhamos para nossas áreas designadas, nos dividindo e empurrando nosso caminho através dos compradores enlouquecidos. Enquanto faço meu caminho para o corredor, mando uma mensagem para Kayden. #Eu: Bom. Nada muito emocionante está acontecendo. Bem, exceto pelo fato de

que meu pai acabou de dar ordens como em um jogo através da loja para mim e Jackson.


#Kayden:Deve ser o treinador nele. #Eu: Eu acho que sim. Ou ele está ficando louco com a idade avançada. #Kayden: Deus, eu queria poder estar aí. Eu estou sentindo sua falta pra

caralho.

#Eu:Eu estou sentindo sua falta também. Está tudo bem? #Kayden: Sim. Na verdade, as coisas estão indo bem. Liz acabou queimando o

jantar, mas nós comemos em um lugar realmente agradável. E Dylan e eu temos conversado bastante. Eu até mesmo fui ver Tyler e ele parecia muito melhor. #Eu: E sobre os seus pais? Você ouviu falar mais alguma coisa deles? Leva um tempo para ele responder. E pelo tempo que leva, eu caminho para a prateleira com uma pequena seleção de grampos nela. #Kayden: Sim. Dylan falou com a minha mãe ontem. Meu pai está muito

ruim. Não tenho certeza se ele vai sobreviver. Minha mãe ainda não disse como ele nesse estado em primeiro lugar. Mas descobri que eles estão na Carolina do Norte.

Estou chocada. Não vai sobreviver? Oh meu Deus, como é que devo responde a isso? Normalmente, eu diria que sinto muito, mas sei que a partir da conversa que tive com Kayden no carro, seus sentimentos sobre tudo isso estão em uma confusão criada por anos de abuso físico. #Eu: Eu sinto muito. Você quer que eu te ligue quando eu sair da loja? Eu pego uma caixa de grampos e volto-me para deixar o corredor, pronta para sair daqui para que eu possa ouvir bem o suficiente para ligar para Kayden e certificar-me que ele está bem. Eu estou distraída com meu celular, sem prestar atenção para onde estou indo, e acabo batendo em alguém.


A caixa de grampos e meu celular deslizam dos meus dedos. — Merda, — Eu amaldiçôo, curvando-me para pegálos. — Me desculpe por isso. — Não se preocupe com isso. O som da voz envia arrepios até para os cabelos na parte de trás do meu pescoço. Eu não ouço aquela voz faz mais de um ano. É uma voz que eu desejo nunca ter ouvido, para começar, peço a Deus para não está ouvindo agora. — Porra, — murmuro sob a minha respiração, lutando para pegar meu celular e os grampos sem olhar para Caleb. Ele não pode estar aqui. Ele não pode estar aqui. Ele não pode. Mas ele está, algo que eu tenho que reconhecer dolorosamente depois de recolher minhas coisas e dá um passo para trás. Ele está bem na minha frente, com aquele olhar estúpido em seu rosto, aquele que diz que acha que tem controle sobre mim. Mas ele não tem mais. Eu tenho. — Que porra você está fazendo aqui? — Estou surpresa com o quão estável a minha voz sai. Eu faço-me levar seu olhar, mas aqueles olhos escuros ainda são difíceis de encarar. — Uau, você desenvolveu bastante essa boca, — ele diz. Ele parece diferente, olheiras sob os olhos, buracos em seus jeans e casaco de grandes dimensões que quase engole seu corpo magro. Este não é o Caleb que eu conhecia, mas ele ainda faz meu coração disparar de medo. — Ou seja, duas porras e uma merda saíram dos seus lábios no último minuto. A Callie que eu conhecia não poderia nem mesmo dizer porcaria sem ficar perturbada.


— A Callie que você conhecia não existe mais. — Eu chupo uma respiração, sentindo meu coração tremer no meu peito. — E, honestamente, você realmente nunca a conheceu. — Eu não disse? — Seu olhar fixa através do meu corpo. Eu não estou usando nada revelador - jeans, um casaco e botas mas de repente eu sinto que estou em pé na sua frente com a minha fantasia de Halloween, vulnerável como se ele estivesse vendo tudo de mim. E não é para ele ver. Nunca mais! — Estou indo embora. — Eu esquivo-me para o lado para passar em torno dele. Eu vou encontrar meu pai e Jackson onde sei que vou estar segura, e, em seguida, chamar a polícia. Caleb violou sua liberdade condicional quando fugiu da cidade depois que acusações de drogas foram pressionadas contra ele, assim ele está em apuros. Eu só gostaria que fosse pelo que ele fez comigo. Antes que eu possa passar em torno dele, ele se move para o lado e bloqueia o meu caminho. Há um par de pessoas nas proximidades, mas elas estão muito distraídas pela venda de néon brilhantes para perceberem o que está acontecendo. Ou estão apenas com muito medo de fazer algo sobre isso. — Relaxe, Callie. Eu só quero conversa. — Seus lábios se curvam em um sorriso, revelando o lado do monstro dele. Isto é o que ele sempre fez comigo, tentou me torturar e ficar sob minha pele apenas olhando para mim. Eu acho que ele realmente gosta de ver-me entrar em pânico, mas não vou lhe dar a satisfação que eu costumava dar. Levantando-se em linha reta, dirijo-me na direção oposta. No entanto, as coisas ficam brutalmente feias quando agarra meu braço e os dedos cavam através do tecido do meu casaco. Uma queimadura e um turbilhão frio passa através de mim ao mesmo tempo, o frio decorrente do medo, mas o fogo me dando raiva, me dando força.


Sem sequer pestanejar, eu me viro e empurro-o com a raiva reprimida dos últimos sete anos. — Não me toque. — Minha voz é calma, mas firme enquanto ele tropeça para trás em estado de choque. Eu não espero que ele diga alguma coisa, porque não me importo com o que ele tem a dizer. Nada do que ele faça. Ele não é parte da minha vida. Eu estou no controle. Eu sou forte. Ainda assim, pelo tempo que levo para chegar até onde meu pai e Jackson estão, estou a ponto de chorar. Não porque estou com medo, mas porque estou com tanta raiva. — Merda, Callie. O que há de errado? — Jackson pergunta quando eu chego até eles. — Chame a polícia. Diga-lhes que Caleb está aqui, — eu digo, enxugando minhas lágrimas com as costas da minha mão. As pessoas estão olhando para mim como se eu fosse louca, mas agora, eu não me importo. Eu só me importo em sair desta loja. — Ele machucou você? — Jackson pergunta então decola na direção que acabei de vir sem esperar pela minha resposta. — Eu vou chutar o traseiro dele. Eu agarro a manga do seu casaco antes que ele possa ir muito longe. — Ele não me machucou. Basta ligar para a polícia, ok? É muito melhor do que chutar o traseiro dele e então entrar em apuros por isso. Ele olha para trás e para frente entre os corredores e eu, em conflito. Eventualmente, ele cede. — Tudo bem. — Ele pega o celular, murmurando, — foda-se, ele deve estar escondido na


casa dos seus pais. Ele corre em direção as portas, empurrando as pessoas para fora do seu caminho, colocando o celular em seu ouvido. Eu tento respirar tranquilamente, mas começo a lutar por ar. Eu continuo procurando na loja por sinais de Caleb, esperando que ele apareça novamente. Finalmente, meu pai remove os grampos da minha mão trêmula e define-os e as lâmpadas na prateleira mais próxima. — Nós podemos esperar lá fora, — ele diz, em seguida, coloca um braço em volta de mim e orienta-me até sua caminhonete, embora posso dizer que, como Jackson, ele quer bater a merda fora de Caleb . Ele me pergunta milhares de vezes se eu estou bem. Jackson faz a mesma coisa quando desliga seu celular. Eu continuo dizendo que sim, porque realmente estou bem. Sim, Caleb é uma pessoa horrível que fez coisas horríveis, mas eu o confrontei por mim mesma, finalmente. Não entrei em pânico, não o deixei vencer. Levei sete anos para chegar a este lugar, e mesmo que eu ainda esteja aterrorizada, eu também estou forte. Mais forte do que costumava ser. Mais forte do que o monstro.


19 #160 Chegue até ela - chegue em casa, não importa o quê.

KAYDEN É dia de Ação de Graças e estou sentado no sofá, assistindo um pouco de televisão com Dylan e Liz, e mandando mensagens de texto para Callie durante os comerciais. Tem sido um dia difícil, mas decente, enquanto todos nós lutamos por nossos sentimentos sobre o meu pai estar em coma durante a tentativa de desfrutar da companhia um do outro. Eu acho que qualquer um de nós não sabe o que fazer com as informações sobre o meu pai, por isso, estamos apenas em um estado tranquilo, com medo de ser o primeiro a falar, dizer o que todos estão pensando - que não estamos tão chateados como deveríamos estar. Eu posso ver nos olhos de Dylan quanto mais nós conversamos e vi nos olhos de Tyler, também, que estavam menos obscuros do que da última vez que os vi. Nós não ficamos com ele por muito tempo, mas foi bom vê-lo quando ele não está chapado e fora da sua mente. Ele meio que me lembrou do Tyler que me ensinou a andar de bicicleta, não o que foi embora e se tornou um viciado em drogas. — Eu vou fazer um pouco de pipoca, — Liz anuncia durante um comercial, levantando-se do sofá. — Kayden, você precisa de alguma coisa?


Eu balanço minha cabeça. — Não, eu estou bem. — Eu pego meu celular e mando uma mensagem para Callie novamente. Ela não respondeu as minhas duas últimas mensagens e estou começando a me perguntar o que está acontecendo. Isso está me deixando desconfortável, mas esse sentimento também pode ser decorrente do fato de que estou sob um monte de estresse emocional e não peguei uma navalha ainda. #Kayden: Ei, sou eu de novo. Você está bem? Eu estou começando a ficar

preocupado.

Eu olho para meu celular por um tempo, esperando por uma mensagem para se concretizar, mas em vez disso ele começa a tocar. O nome de Callie aparecendo em toda a tela e um sorriso aparece em meus lábios enquanto me levanto e volto para o quarto onde passei minhas noites. — Estou feliz que você ligou, — eu digo, fechando a porta atrás de mim. Eu não me incomodo em ligar a lâmpada, uma vez que o sol ainda é o suficiente para iluminar o quarto. — Eu estava começando a ficar um pouco preocupado. — Eu sei que você estava, — ela responde com remorso. — Desculpa. Eu deveria ter ligado mais cedo. — Há uma tensão em sua voz e sei imediatamente que algo não está certo. — Algo está errado, — eu empurro algumas das minhas roupas sujas fora do caminho, em seguida, deito-me na cama, — não é? Ela solta um suspiro trêmulo. — Mais ou menos. Quero dizer, agora está tudo bem. Meu corpo fica rígido. — Mas não estava em um tempo atrás? — Não, não realmente.


Hesito, sem saber se eu deveria perguntar por causa do tom relutante em sua voz. — Você… Você quer falar sobre isso? — Não realmente, — ela suspira. — Mas eu provavelmente deveria. — Outro suspiro. Em seguida, outro. Está me deixando louco sabendo que algo aconteceu, mas sem saber o quê. — Encontrei com Caleb hoje. — Sua voz é quase um sussurro. Eu fico ereto na cama, completamente pego de surpresa. — O quê? Onde? — Minhas mãos se apertam em punhos e eu tenho que apunhalar minhas unhas em minhas mãos para me impedir de perde o controle. Eu preciso me acalmar. Preciso de alguma forma, porque eu estou me sentindo sendo puxado novamente, em direção a minha navalha... a minha carne... a dor... o sangue... o alívio. Eu aperto meus olhos fechados. — Por favor, me diga que você está bem. — Eu estou bem, Kayden. Eu prometo. Eu só esbarrei com ele na loja, enquanto estava mandando mensagens para você. Foi por isso que parei. — Sua pausa parece durar para sempre. — Eu estou bem, no entanto. Eu totalmente o enfrentei e até mesmo o empurrei quando ele tentou me agarrar. — Ele tentou te agarrar? — Estou com tanta raiva que tenho que erguer minhas unhas longe das minhas mãos e agarro um travesseiro nas proximidades para apertar a merda fora dele. — Em uma maldita loja? — Sim, mas está tudo bem, — Callie diz rapidamente. — Eu o enfrentei como sempre quis fazer. E Jackson chamou a polícia e eles o prenderam. Deus, eu não posso acreditar que ele está atrás das grades. — Ela parece feliz com isso, mas eu não estou, ainda preso na parte em que ele colocou as fodidas mãos sobre ela.


— Eu quero bater a merda fora dele agora, — eu admito, lançando o travesseiro na parede, — por tocar em você. — Mas você não precisa desta vez, — ela diz com orgulho. — Eu cuidei dele por mim mesma. O enfrentei e Jackson chamou a polícia e ele foi preso pelas acusações de drogas pressionadas contra ele no ano passado, então ele pode acabar na cadeia. E sei que não será o suficiente pelo que ele fez comigo, mas ainda parece como se eu estivesse tendo um pouco de resolução. — Callie... — Eu luto com o que dizer, com o que fazer, com a forma como me acalmar, e não ter outro deslize. — Kayden... — Seu tom está mais leve do que seria de se esperar que esteja. Como ela pode estar tão calma? Enquanto eu estou pirando? E isso nem mesmo tem a ver comigo. — Diga-me o que fazer, — eu digo num sussurro tenso. — Eu preciso fazer alguma coisa; caso contrário, vou perder o controle. — Você pode me dizer sobre como você está, — ela sugere. — Eu preciso de uma distração. — Realmente? Isso é tudo o que você precisa. — Sim. — Eu posso fazer isso. — Eu solto um suspiro e tento relaxar e dizer-lhe sobre a minha viagem, apesar de já ter mandando uma mensagem para ela falando sobre a maior parte. Mas ela me pediu para fazer isso e é tudo o que realmente importa no momento. Não a minha necessidade de acabar com Caleb ou a minha raiva. Não é sobre mim, mas sobre ela. Depois de falar por cerca de uma hora, tempo suficiente para que o sol esteja descendo lentamente atrás das


montanhas, eu paro para dar-lhe algum tempo para falar, perguntando-lhe quais são seus planos, além de esquiar na neve com seu irmão. — Bem, eu provavelmente deveria dizer que estou voltando para Laramie amanhã de manhã, — ela diz e eu posso ouvi-la digitando em seu computador, provavelmente escrevendo uma história para classe ou um artigo para seu estágio. — Mas pensei que você não ia voltar até segunda-feira de manhã? — Eu tiro meus sapatos e chuto-os para fora da cama. — Sim, mas Jackson quer que eu mostrar-lhe toda a diversão das festas e outras coisas para fazer em Laramie no sábado e, em seguida, ir em algumas pistas no domingo. Honestamente, eu estou pronta para sair desta cidade. Tão divertido quanto enfeitar árvore de Natal, eu estou com saudade da nossa casa. Eu sorrio enquanto me inclino contra a cabeceira e estico minhas pernas. — Estou com saudades da nossa casa também, mas tenho que perguntar, você vai mostrar a Jackson as festas? Realmente? Ela ri e é o som mais sereno que eu já ouvi, como o que a música faz para algumas pessoas. — Sim, louco, certo? Eu me preocuparia em decepcioná-lo, mas ele parece ter esfriado nas festas e acho que tem sido um tempo, por isso estou esperando que signifique que não vai demorar muito para ele se divertir. Além disso, Luke e Violet estão indo. Eu não posso conter meu riso. — Então você, Luke, Violet e Jackson estão saindo juntos? — Ei, eu sou amiga deles também, — ela protesta, ofendida. — E eu já mandei uma mensagem para Luke para lhe dizer o que está acontecendo e ele me mandou relaxar.


— Eu sei que você é amiga deles. — Eu deixo meu riso morrer. — Desculpe, foi um pouco inesperado. Tenho certeza que você vai se divertir, embora eu esteja com ciúmes porque não vou poder estar lá. — Sinto muito por isso, mas eu estou totalmente indo me divertir, — ela diz maliciosamente. — Eu vou usar aquele vestido que usei no Halloween e ser selvagem na festa. — De jeito nenhum. Não use aquele vestido sem mim ao redor. — Você parece com ciúmes. — Eu estou. — Você deve vir para casa mais cedo, também, em seguida, e eu vou colocar aquele vestido para você. — Ela faz uma pausa. — Ou talvez só as botas e nada mais. Eu mordo meu lábio com força, um rosnado subindo na minha garganta. — Você está tentando me seduzir com sua sensualidade? — Pode ser. — A malícia em sua voz está me deixando duro. — Está funcionando? Eu tenho que me ajustar enquanto imagino o que ela está descrevendo. — Fodidamente sim. Eu estou duro como o inferno. Eu ouço-a recuperar o fôlego do outro lado e posso imaginá-la corando. — Então você acha que você pode fazer isso? — Ver você naquelas botas? — Eu pergunto. — Com certeza. Ela bufa uma risada. — Não. Quero dizer voltar para casa mais cedo.


Deus, o que eu daria para estar em casa com ela, especialmente depois do que aconteceu com Caleb. Independentemente se ela diz que está tudo bem, eu ainda preciso ver por mim mesmo - estar lá por ela. Mas como? — Eu gostaria de poder, mas não tenho certeza se posso me dar ao luxo de mudar meu vôo. — Eu suspiro. Não é como se eu quisesse ficar longe do meu irmão, apenas sinto falta dela. As coisas estão começando a mexer comigo aqui, e sei que se eu estivesse com ela, não seria tão difícil de lidar. — Sim, eu sei. Você provavelmente também não deveria. — Ela suspira. — Eu só estava sendo egoísta. — Você não estava sendo egoísta. Você está autorizada a me querer. Seu riso macio vibra através do meu ouvido e me faz querer estar perto dela ainda mais. — Bem, eu quero você o tempo todo, mas acho que se eu tiver, eu posso esperar até segunda. — Ela faz uma pausa e eu ouço alguém dizer algo. — Desculpe, mas eu tenho que ir. Minha mãe quer que eu vá ajudá-la a assar tortas. —Ela soa menos excitada sobre isso. — Divirta-se, — eu brinco, porque eu sei que ela odeia cozinhar. — Ha, ha. — Ela não acha nada engraçado. — Eu te amo. Meu coração incha dentro do meu peito. Essas palavras nunca vão ficar velhas e eu quero ouvi-las pessoalmente para que eu possa beijá-la logo após elas serem proferidas. — Eu também te amo. O silêncio começa a mexer comigo no momento que desligo, como os meus problemas, juntamente com o que aconteceu com Callie, vêm correndo de volta para mim. Eu me sinto tão só, tão confuso, tão necessitado de vê-la, só para ter certeza que ela está bem. Estou tentado fazer coisas para obter minha


mente fora da sobrecarga emocional. Hรก apenas duas coisas que sinto que posso fazer para isso - ver Callie ou pegar minha navalha. E uma parece muito mais fรกcil de fazer no momento que a outra.


20 #161 Volte para casa quando você precisar. Não há nenhuma vergonha em sair mais cedo.

KAYDEN Eu não estava pensando em sair mais cedo, embora eu realmente queria. Eu disse a mim mesmo para ficar fora disto, que Callie estaria bem, mas por alguma razão, eu não conseguia afastar a sensação de que as coisas estavam prestes a mudar. De que algo ruim estava para acontecer. Depois de anos sentindo esses sentimentos por causa do meu pai desencadeou. Eu acho que de alguma forma ele construiu um alarme dentro de mim. Na maior parte, o dia vai bem. Estamos sentados jogando Scrabble, rindo sobre a palavra pervertida que meu irmão apenas previu e conseguiu quarenta e poucos pontos por pau. — Deus, sinto como se eu estivesse casada com um adolescente, — diz Liz, lançando uma batata chip em Dylan, que ri quando a batata bate em sua testa. — Você gosta da minha mente suja, — ele responde. — Não minta.


Ela está prestes responder quando o telefone toca. E todos nós apenas meio que congelamos. Eu nem tenho certeza por que fazemos isso. Não é como se nós soubéssemos quem está ligando, ou talvez sabemos. Talvez haja algum tipo de advertência silenciosa que nós percebemos, como o alarme silencioso dentro de mim. Eu posso dizer que Dylan não quer atender, mas ele faz. E dentro de trinta segundos, sua pele empalidece. Seja o que for, é ruim. Ele parece perdido para palavras, passando os dedos pelo cabelo enquanto balança a cabeça e afunda-se na cadeira. — Uh. OK. Eu estou olhando-o como um falcão, esperando que ele mostre um sinal que vai deixar-me saber o que diabos está acontecendo. — Kayden, por que você não vem me ajudar a mover o sofá, — Liz diz de repente, empurrando-se para trás da mesa. — Eu estava morrendo de vontade de reorganizar a sala de estar e poderia usar um par extra de braços fortes. Eu não me incomodo em dizer que seria mais fácil se Dylan e eu fizéssemos isso desde que claramente ela está tentando me tirar da cozinha e longe de Dylan e o telefonema. — Tudo bem... — Eu levanto-me hesitante da cadeira e sigo-a para fora da cozinha até a sala de estar. — Então, como você está? — Ela pergunta enquanto me inclino para agarrar a lateral do sofá. — Bem eu acho. — Eu dou um olhar por cima do meu ombro para a cozinha antes de levantar o sofá, intencionalmente ficando com a maior parte do peso, porque,


como Callie, Liz é pequena e magra. Mas ela parece ter força própria enquanto levanta quase com a mesma facilidade que eu. — Apenas bem? — Ela pergunta enquanto nos guia na direção oposta. Eu dou de ombros, deixando escapar um suspiro alto quando definimos o sofá no chão. — Tem sido divertido visitar vocês. Ela enxuga o suor da testa. — Não quero dizer com esta viagem, — ela diz. — Quero dizer sobre sua mãe e seu pai. Eu não tenho certeza de como responder e, felizmente, eu não tenho porque Dylan aparece na sala de estar. Ele tem o telefone na mão e está cobrindo o receptor. — Um... — Ele luta para falar, — ela quer falar com você. Ele não tem que dizer quem é ela. Eu sei que é minha mãe e me empurro para trás enquanto ele caminha em minha direção. — N-não, — eu gaguejo fracamente. — Eu não quero falar com ela. Ele parece rasgado enquanto responde, mas acho que é porque discordar com a minha mãe é a pior coisa possível, pois, em seus olhos, ela está sempre certa. — Um... — Dylan, você não deve sequer perguntar a ele, — Liz sibila. — Basta dizer que não. Dylan pisca enquanto sai do transe, então, rapidamente coloca o telefone no ouvido. — Ele não quer falar com você. Eu não tenho certeza do que ela diz a ele, mas seus ombros parecem mais pesado a cada segundo. Quando finalmente desliga, ele parece mais velho enquanto desaba no sofá que Liz e eu acabamos de me mudar de lugar. Ele abaixa a cabeça em suas mãos e pressiona as palmas em seus olhos.


— O que a cadela queria agora? — Liz pergunta, sentado atrás de Dylan. Eu decido ali mesmo que gosto de Liz. — Ela queria dizer-nos que... — ele levanta a cabeça e olha para mim. — Que nosso pai, provavelmente não vai passar dessa semana. — Ele aperta os lábios e eu não consigo dizer se ele está chateado com nosso pai ou por ter que falar com a nossa mãe. — Ela quer que a gente vá para a Carolina do Norte para nos despedi. Eu rapidamente sacudo minha cabeça, flexionando os dedos, lutando contra o desejo de perfurar minhas unhas em minha carne. — Não, eu não posso fazer isso. — Eu sei que você não pode. — Sua expressão suaviza. — E isso é exatamente o que eu disse a ela. Meus músculos se apertam ligeiramente. — E você? Você vai? Liz parece tão ansiosa para ouvir sua resposta quanto eu. — Não, — ele diz com firmeza. — Eu me despedi no dia em que completei dezoito anos. Fechando meus olhos, eu aceno. Eu sinto que estou a ponto de chorar, pensando em como nunca consegui dizer adeus. Que a última imagem real que tive do meu pai foi quando ele olhou para mim com os olhos cheios de ódio enquanto eu sangrava no chão da cozinha. Eu me pergunto se ele pensou que eu iria morrer. Eu me pergunto se ele estava feliz por isso. Quero parar de me perguntar sobre tudo isso. Eu quero dizer adeus como Dylan fez, mas não do meu pai, do passado. E eu quero ir para o meu futuro. — Eu preciso ir para casa. — Eu não quero dizer isso em voz alta, mas assim que faço é o momento que percebo o quanto preciso disso.


Felizmente, Dylan vê também, porque ele se levanta e atravessa a sala, dando-me um abraço estranho, estranho, mas bem-vindo. — Eu sei que você precisa. E acho que eu tenho uma ideia.


21 #162 Tenha uma louca, furiosa guerra de bola de neve.

CALLIE Antes de Jackson e eu irmos para Laramie, ele e meu pai colocaram na caminhonete alguns mobiliários que minha mãe decidiu me dar que estavam no quarto - o que ainda não está terminado. Consiste em uma cama queen size e um colchão, uma cômoda e mesa de cabeceira, juntamente com um par de banquetas para a cozinha. Ela também jogou alguns dos seus antigos materiais de cozinha, mesmo que eu disse a ela que não gosto de cozinhar. Eu acho que realmente quebrei seu coração quando disse isso, mas fez-me sair mais cedo. Ela chorou o tempo todo enquanto me abraçava e, em seguida, enquanto Jackson e eu estávamos saindo para a garagem. — Graças a Deus isso acabou, — comenta Jackson enquanto dirige para Laramie. Ele só vai estar lá por dois dias, mas continua insistindo que vamos "esquiar na neve e festejar como estrelas do rock" enquanto estivermos lá. — Ela vai ficar bem, — eu digo, pegando meu laptop da mochila para tentar termina o trabalho do meu estágio, desde que não fiz nada na Ação de Graças. — Ela pode ficar bem, — ele diz, parando em um posto de gasolina para que possa encher o tanque antes de pegarmos a estrada, — mas ela é louca.


Eu rio, mas não vou muito longe em tirar-sarro-da-nossamãe. Ela pode ser um pouco intensa, mas no fundo eu acredito que sua atitude arrogante ultimamente é pelo que aconteceu comigo. Eu acho que ela sente que precisa me sufocar, então ao invés de lutar contra isso, eu decidi deixá-la continuar. Claro, meu irmão disse isso só para me provocar por ser a filhinha da mamãe. Quando Jackson sai para colocar gasolina no carro, eu fico no banco de trás com meu laptop no colo. Mas mesmo quando ele volta e começa a dirigir novamente, eu ainda estou olhando para aquele cursor maldito e juro que está implorando-me para escrever outra coisa. Assim, embora eu sei que não deveria, eu mudo para minha história ficçãoainda-meio-que-não-ficção e de repente meus dedos ganham vida.

Este monstro não estava disfarçado como o que ela tinha conhecido há muitos anos. Ele rosnou e ergueu os punhos, pronto para quebrar tudo em seu caminho. Sabendo que ela só tinha uma chance, a garota correu para frente antes que pudesse voltar e fugir. — Pare. — Sua voz era tão fraca como ela se sentia, e quando o monstro virou-se para olhá-la, ela queria correr. Mas, honestamente, ela estava cansada de correr, tão cansada de deixar os monstros vencerem. — Posso ajudar? — O monstro perguntou, suas presas desaparecendo, seus olhos suavizando enquanto ele se transformava em sua forma enganosa. Ele pensou que a garota não poderia ver o que estava por baixo do disfarce, mas ela podia. O monstro.


Em seus olhos. — Estão te chamando lá dentro, — a garota mentiu, sua voz surpreendentemente firme e os pés firmemente plantados no chão. Ela olhou para o garoto, que estava tão quieto que ela pensou que ele poderia estar congelado. O monstro olhou para o garoto também, e ela não conseguia mais ver seus olhos, mas pela forma como o garoto se encolheu, ela sabia que o homem tinha mostrado-lhe o vislumbre do monstro que ele tentou camuflar quando ela apareceu. Quando o homem se virou para a garota, seu disfarce estava de volta enquanto ele sorria e acenava com a cabeça antes de caminhar para dentro. A garota prendeu a respiração quando ele passou por ela, com medo de que o monstro pudesse saltar para fora e atacá-la. Ele nunca fez. Ele guardou isso para o garoto, pensou tristemente. Uma vez que o monstro entrou em seu palácio, que mais parecia um calabouço escondido debaixo de paredes fantasiosas, torres altas, e luzes brilhantes, ela finalmente enfrentou o garoto. — Você está bem? — ela perguntou timidamente. Tinha sido sempre desde que a garota tinha que falar com um rapaz - com qualquer um realmente - e ela estava nervosa. — Eu estou bem, — o garoto disse, a frieza em seu tom assustando-a. Talvez ela estava errada. Talvez o garoto realmente não conseguiu ver o monstro dentro do homem. — Oh... Tudo bem. — Sua voz tremeu quando ela abaixou a cabeça e virou-se para voltar para casa e sair dos espinhos que a cercavam pelo palácio torturante.


— Espere, — o garoto gritou antes que ela pudesse ir mais longe. O som da sua voz acalma, e quando ela olhou para ele novamente, ela estava quase sorrindo pela primeira vez em seis anos. O rapaz manteve distância, como se temesse a garota e estava com medo de se aproximar. Mas estava tudo bem; ela temia sua proximidade também. — Porque você fez isso? — ele perguntou, envolvendo os braços em torno de si. — Porque... — Ela pensou no que dizer a ele. A verdade? Parecia muito aterrorizante para proferir seus segredos em voz alta. Talvez ela pudesse ser vaga, no entanto. — Ninguém nunca fez isso por mim. — Você conheceu um monstro, também? — O garoto perguntou, e desta vez ele deu um passo em direção a ela. A garota estava com medo. Mas ela também estava curiosa. Então ela ficou. — Sim, — ela disse, — eu conheci. — Será que ele... te machucou? Ela queria correr, mas se viu assentindo. — Ele fez. O garoto parecia triste e com dor quando se moveu em direção a ela novamente, desta vez de forma mais rápida e com sua mão estendida. — Sinto muito se ele fez.


A garota olhou para a mão, sem saber o que fazer. Ela estava com medo de tocá-lo, com medo de que o garoto poderia estar usando seu próprio disfarce e que, de repente um monstro iria aparecer em seu lugar. O garoto deve ter lido sua mente porque ele se afastou e envolveu os braços em torno de si novamente. — Obrigado, — ele proferiu em voz baixa. — Pelo quê? — Por afastá-lo. Mais uma vez, a garota quase sorriu e ela podia jurar que o rapaz fez, também. —De nada, — ela respondeu, em seguida, os dois ali no escuro, as luzes distantes dos castelos parecendo de longe, mas pela primeira vez ao nosso alcance. Eu acabo escrevendo até que meus dedos e meus olhos estejam doendo e meu cérebro como se estivesse sangrando. É o sentimento mais cansativo e gratificante que nunca. Até o momento que estou saindo do banco de trás para mostrar a Jackson meu apartamento, eu me sinto elevada e não posso me parar, mas acho que, isto é o que eu quero para sempre. Só o meu computador, meu minúsculo apartamento, e Kayden. Eu só gostaria de ter ele aqui comigo agora. — Então, com quem você estava conversando no telefone durante toda a viajem? — Pergunto a Jackson enquanto nós marchamos até a escada. Está em torno do meio-dia, mas o céu tempestuoso faz parecer como se fosse muito mais tarde, juntamente com o sossego do complexo de apartamentos. Ele dá de ombros, arranhando a parte de trás do seu pescoço. — Ninguém.


— Era a sua namorada, hein? — Eu provoco enquanto pego as minhas chaves da minha bolsa. Ele olha para mim. — Como você sabe? — Devido à forma como a sua voz soou. Toda melosa. — Eu fecho minhas mãos e faço a minha melhor imitação. Jackson, na verdade, cora e é tão engraçado que eu me rebento de rir. — Oh meu Deus. Eu não posso acreditar que eu apenas descobrir sobre ela. — Eu coloco a chave na fechadura quando nós chegamos à porta. — A mamãe e o papai sabem? — Não, — ele diz rapidamente. — E eu prefiro que você não diga nada por enquanto. Eu apenas comecei a vê-la e não quero que a mamãe se apegue muito à ideia, no entanto, considerando como ela é com essas coisas. — Não parece justo para mim fazer isso, considerando o quanto você me provocou por causa de Kayden em frente deles por toda a semana. — Eu empurro a chave na fechadura e giro-a, animada por estar em casa. — Callie, por favor, — ele implora, coisa que ele nunca faz. É super engraçado, mas eu decido ser agradável. — Bem. Por favor é a palavra. — Abro a porta e dou um passo para trás para deixá-lo entrar. — Mas pare de me provocar, ok? Ele balança a cabeça enquanto entra. — Então, este é o lugar onde você mora? — meu irmão declara enquanto faz um pequeno círculo ao redor da sala. Não há muito para olhar; um pequeno sofá de camurça que nós compramos em uma loja de segunda mão, juntamente com uma televisão novinha em folha - que foi barato. — Foi uma coisa boa a mamãe mandar toda aquela merda com a gente, não é?


Eu inspiro aquele cheiro doce de lar enquanto fecho a porta atrás de mim. — Sim, foi realmente legal da parte dela. — Eu só estou tentando descobrir como vamos conseguir trazer todo o mobiliário para cá pra cima. — Jackson olha para a janela enquanto esfrega o queixo. A janela é pavimentada com gelo e os flocos de neve que caíram contra ela. — Porque a lona não vai funcionar se continuar nevando assim e não há nenhuma maneira que nós vamos conseguir trazer tudo para cá com seus minúsculos, pequenos braços. Eu faço uma careta, mas depois deixo isso de lado porque ele está meio que certo. — Tem sido um inverno muito duro, não é? — Eu sento-me no sofá com o celular na minha mão. — Eu não sei, pois eu moro na ensolarada, impressionante Florida. — Jackson sorri presunçosamente enquanto se senta no braço do sofá. — Quando Kayden deverá chegar por aqui? Ele e eu provavelmente conseguiríamos carregar toda essa merda pelas escadas. Eu estou super aliviado que você não está no terceiro andar, mas você deveria ter escolhido o primeiro. — Kayden não vai estar aqui até segunda à noite, — eu digo a ele, abrindo meus contatos para enviar uma mensagem a Luke, porque ele é o único outro cara forte que eu conheço. — E eu não escolhi o andar. Ou o apartamento realmente. Ele levanta as sobrancelhas para mim, enfiando as mãos nos bolsos da sua calça. — O que você quer dizer com isso? — Quero dizer, Kayden escolheu este lugar com Seth, — eu digo com um encolher de ombros. — Como uma surpresa para mim. — Mas ele sabia que você queria morar com ele, certo? Ele não apenas assumiu isso? — Ele quase parece está perguntando para o conhecimento próprio, como se talvez ele


estivesse pensando em fazer isso com sua namorada ou algo assim. — É claro que ele sabia que eu queria. Eu tinha perguntado a ele um par de semanas antes, em seguida, e ele disse que iria pensar sobre isso, mas então me surpreendeu com isso. — Eu gesticulo ao redor em meu palácio com orgulho, mesmo que Jackson não pareça impressionado. Mas eu não me importo. Este é o meu palácio e ao contrário do que na história que estou escrevendo, ele não tem videiras e espinhos, mas o calor e promessas de felicidade. Ele me dá um olhar estranho que eu não consigo decifrar. — O quê? — Eu pergunto. Ele dá de ombros. — Não é nada. — É algo; caso contrário, você não estaria olhando para mim como uma pessoa estranha. Isso faz com que ele ria. — Realmente não é nada. Eu estava pensando sobre como você parece feliz. — Seus ombros se mantém elevando e caindo. — É bom, e você merece. — Obrigado, Jackson. — Eu sorrio para ele enquanto mando uma mensagem para Luke para ver se ele pode vir ajuda. — Embora, eu tenho que dizer, eu não diria a mamãe toda essa história dele surpreender você, — diz Jackson. — Ela vai pensar que você está noiva. — Ele faz uma pausa, então sorri para mim. — Embora, eu não ficaria surpreso se vocês estivessem indo por esse caminho. — Ok, mãe. — Eu rolo meus olhos para ele, em seguida, rio, mas Jackson não participa.


— Só dando-lhe um aviso, — ele diz, com um elevar indiferente de seus ombros. — Você parece esse tipo de garota com estas coisas. Eu ficaria ofendida, mas estou muito distraída por outra coisa que ele disse. É por esse caminho que Kayden e eu estamos indo? Por que eu nunca pensei sobre isso? Eu provavelmente teria ficado lá durante todo o dia, presa nos meus pensamentos, se o meu celular não começasse a enlouquecer na minha mão.

#Luke: Sim, estou indo. Eu não estou no meu apartamento, embora, por

isso vai demorar um pouco.

#Eu: Ok, obrigado. Te devo uma :) Eu deixo meu celular de lado, em seguida, me levanto. — Eu consegui para você algum apoio, sem-pequenos-braços. Meu irmão me olha como se eu tivesse perdido minha mente. — O que diabos você está falando? — Luke está vindo para te ajudar a mover o material pesado, — eu digo, abrindo a porta da frente. — Mas, enquanto esperamos, esta pequena garota com seus pequenos braços está indo trazer o que ela pode, porque ela não é tão fraca quanto parece. — Eu sei disso, Callie. — Meu irmão me segue para fora e para baixo da escada. — Você é mais resistente do que um monte de gente. — Uau, dois elogios em um dia. — Eu brinco, pulando da última etapa e em uma pilha macia de neve que atinge as minhas botas. — É um milagre.


— Vai ser um milagre se parar de nevar. — Ele fecha seu casaco até o queixo e olha para o céu nublado. — Eu estou quase congelando caramba. — O tempo na Florida transformou você em um bebê. — Eu pego um punhado de neve e formo uma bola na minha mão. — Você sabe disso. Agora ele está olhando para mim. — Se você jogar isso em mim, você vai pagar. Eu deixo a neve na minha mão uma bola firme, então dou a volta na calçada congelada. — Eu só vou pagar se você conseguir me pegar, mas tenho um sentimento de que o garoto da Florida vai falhar quando eu correr até o banco de neve. — Então eu mostro-lhe a minha língua e lanço a bola de neve nele. Eu acho que ele pensou que eu não tivesse coragem de fazer isso, porque ele nem sequer se protege. Ela atinge-o diretamente no rosto e eu me sinto meio mal, mas não o suficiente para me impedir de rir. Parecendo chateado, ele limpa a neve do rosto com a manga do seu casaco. — Você vai pagar por isso. — Ele abaixa seus dedos enquanto caminha em minha direção. — Acho que você esqueceu o quão bom eu costumava ser na louca, furiosa guerra de bola de neve. — As palavras-chave para serem usadas. — Eu saio correndo antes mesmo de terminar a minha frase, sabendo muito bem que isto provavelmente vai acabar com a minha cara enfiada na neve. Ele costumava fazer isso o tempo todo quando éramos mais jovens e Jackson cresceu o suficiente para fazer isso agora. Assim como eu previa, até o final da nossa louca, guerra de bola de neve, Jackson está esmagando a neve no meu rosto. Eu estou de costas no banco de neve perto da lixeira, rindo


enquanto ele está sobre mim, pressionando a neve no meu rosto. Com o canto do meu olho, eu vejo a caminhonete de Luke parar e estacionar sob a garagem perto do prédio. — Tudo bem, eu desisto! — Eu rio, chutando Jackson, sentindo-me como uma criança novamente, se divertindo com meu irmão mais velho, algo que deixou de acontecer quando eu tinha doze anos. — Simplesmente pare! Luke está aqui. — Eu avisei para não se meter comigo. — Suas bochechas estão vermelhas porque eu consegui jogar mais algumas bolas de neve em seu rosto. Apenas para ser um idiota, Jackson joga um punhado de neve no topo da minha cabeça antes de me ajudar a ficar de pé. Em seguida, descemos a colina íngreme e caminhamos de volta para a área da garagem. Meu casaco está cheio de neve e eu tento agitá-lo, enquanto Jackson rir de mim. — Isso é tão frio, — eu digo enquanto nos aproximamos da caminhonete de Luke. — Basta esperar até chegarmos as encostas, — Jackson responde, arrancando alguns flocos de neve fora do seu cabelo. — Você provavelmente está indo obter um rosto cheio de neve cada vez que tentar parar. Meu nariz se enruga. — Obrigado por aumentar a minha confiança. A boca de Jackson se espalha em um sorriso. — A qualquer hora. Estou pensando em um retorno quando a porta se abre e Luke pula para fora. Ele está vestindo uma jaqueta de couro de aspecto vintage, um gorro, e botas pretas. — Tem que estar nevando para fazer bonecos de neve, — ele observa, deslizando um par de luvas.


Luke usou essa aparência para me assustar quando eu o conheci. Ele só tem que olhar para alguém para assustá-lo. Mas quando cheguei a conhecê-lo, percebi que ele era realmente muito bom e que essa aparência veio dos seus próprios demônios interiores. — Eu espero que você não se importa, mas eu trouxe algumas pessoas comigo. — Assim que ele diz isso, Violet sai do lado do passageiro. Como Luke, ela está usando um gorro sobre seu cabelo selvagem com mechas vermelhas, botas e uma jaqueta de couro, a única coisa contrária de Luke, é que ela tem piercing. Violet é realmente a combinação perfeita para Luke e não apenas quando se trata de aparência também. Embora eu possa imaginar seriamente duas réplicas deles em pé sobre o topo de um bolo de casamento gótico. — Quanto mais, melhor, — Jackson diz, tirando um pouco de neve das suas botas. — E quanto menos eu tenho que carregar. — Bem, você é um cavalheiro, — Violet diz sarcasticamente para o meu irmão, não impressionada. Meu irmão responde verificando-a, seus olhos rapidamente passando pelo seu corpo. Eu dou-lhe uma cotovelada. — Ew, pare com isso, — eu assobio sob a minha respiração. — Ela é a namorada de Luke e você tem a sua, lembra-se? Jackson me dá um constrangido. — Desculpa.

olhar

culpado,

totalmente

Estou surpresa com o quão fácil ele aceita isso e me viro para Luke e Violet, enfiando minha mão no bolso do casaco para pegar minhas próprias luvas. — Prontos para começar a festa?


— Sim, assim que eu me juntar. — A voz não vem de qualquer um deles ou do meu irmão, mas do lado do passageiro da caminhonete. Minha cabeça se vira na direção, meu coração pulando no meu peito antes mesmo de vê-lo. — O que diabos você está fazendo aqui? — Eu pergunto enquanto corro ao redor da parte de trás da caminhonete, quase tropeçando em um pedaço de gelo, mas recuperar o meu equilíbrio e lanço-me nos braços fortes de Kayden, com um pouco de força demais, porque ele solta um grunhido. Seus braços se envolvem em torno de mim e ele me segura firmemente contra ele. — Eu não aguentava mais. Eu precisava estar aqui com você. — Eu precisava de você aqui, também, — eu digo, porque mesmo que eu enfrentei a coisa com Caleb muito bem, eu precisava dele, algo que estou descobrindo agora. — Eu sei. — Ele me abraça apertado. Para todos os outros, provavelmente parece que estamos felizes em nos encontrarmos. Que, como o apartamento, esta foi mais um incrível surpresa. E é de uma maneira. Mas só eu posso ouvir o desespero na voz de Kayden, o apelo silencioso para que eu nunca deixei-o ir. E é exatamente o que eu faço.


22 #164 Celebre Dance como uma estrela do rock.

KAYDEN Dylan tinha deixado-me usar suas milhas de passageiro para trocar meu vôo e voltar para casa mais cedo, mas só se eu prometesse fazer-lhe uma visita no Natal e levar Callie. Espero que Callie não se importe que eu tenha concordado, porque eu realmente só queria voltar para casa com ela. O vôo para casa, estou uma bagunça e tenho que continuar repetindo para mim mesmo todos os motivos que eu não preciso me cortar. Callie. Eu não quero voltar para aquele lugar onde me tornei aquela pessoa novamente. Eu não fico mais feliz quando faço isso. Não é saudável, tanto mentalmente e fisicamente. Callie. Vou ter que começar tudo de novo. Meu corpo já tem muitas cicatrizes. Eu quero ser melhor.


Eu preciso deixar o passado ir. Callie. Callie. Callie. Essa lista corre pela minha cabeça por toda a viagem e me mantém intacto e mostra claramente o que é importante para mim. At�� o momento que chego no apartamento - com Callie eu sou um desastre emocional, mas em um bom caminho. Eu realmente não consigo falar muito com Callie pelo resto do dia, embora estou desesperado por isso. Passamos a maior parte da tarde descarregando a caminhonete, em seguida, fazemos uma pausa na sala de estar antes de sairmos para comer alguma coisa, porque todo mundo está "morrendo de fome." — Você precisa de algumas fotos em sua parede, — Jackson diz, sentando-se no sofá e olhando em volta para as nossas paredes brancas nuas. Ele tira o gorro que está usando e jogao de lado. — Ia fazer este lugar parecer melhor. — Nós vamos chegar lá, — Callie responde, sentando em uma banqueta ao lado da que estou sentado. Luke e Violet estão esparramados no chão, bochechas vermelhas e parecendo tão exaustos quanto eu me sinto. Há peças de mobiliário e caixas em todos os lugares, mas parece que fizemos um grande progresso em transformar este lugar em uma casa. — Eu ainda estou trabalhando para conseguir algumas. — Eu acho que não temos nenhuma, — eu digo, tirando o rótulo da minha garrafa de água. — Pelo menos qualquer uma minha e sua.


— Você acha que eu não tenho tirado fotos sua, — ela diz , apertando a mão ao peito, fingindo estar ofendida. Eu me viro para descascar o rótulo úmido e coloco-o sobre o balcão. — Você tem algumas minha? — De nós. — Ela me cutuca com o cotovelo e sorri. Mas quando eu não sorrio de volta, ela vacila. — O que há de errado? — Não é nada. — Eu dou de ombros e digo em voz baixa para que ninguém mais possa me ouvir. — É apenas, fotos em uma parede? É isso o que as pessoas fazem? Porque nós certamente não fazemos. — Mas eu não posso deixar de pensar na casa de Dylan e todas as fotos que eles têm na parede - uma vida, e uma boa. É para onde estou indo? Posso ter isso? É uma loucura que eu não tenha que dizer, para que ela possa realmente ver o que estou pensando. — Isso vai tornar este lugar não apenas um apartamento, mas uma casa. — Ela se inclina e me dá um beijo na boca. Estou prestes a puxá-la para um beijo mais profundo, mas Jackson pigarra. — Ok, eu digo que é hora de obter comida. Callie suspira contra os meus lábios. — Conversamos mais tarde? Concordo com a cabeça e, em seguida, todos nós saímos do apartamento e entramos no carro do pai de Callie que é mais espaçoso do que o meu carro e a caminhonete de Luke. Luke ainda consegue colocar um rock clássico que todo mundo finge que não sabe, mas que acabamos cantando as letras. Até o momento que chegamos à um bar local, mais maduro na cidade, todo mundo está rindo, de bom humor, mas também exaustos, o que leva um bom tempo para entrarmos.


— Tanto para a festa como uma estrela do rock, — Callie brinca com Jackson enquanto nos sentamos em uma cabine. Há alguma música alternativa tocando no fundo e algumas pessoas dançando. — Você deve estar tão decepcionado comigo. Jackson pega o cardápio situado entre os saleiros. — Nah, eu estou meio cansado disso. — Ele abre o cardápio. — Deve estar ficando velho. — É melhor ver isso, — ela brinca. — Você está à um passo de ficar sentado ao redor em um moletom no fim de semana e gritando com a televisão quando sua equipe se atrapalhar com a bola. — Ei, eu faço isso às vezes, — eu me meto na conversa. — Bem, menos a parte do moletom. — Eu dou-lhe um sorriso sedutor e uma piscadela. — Eu apenas fico nu. — Fico feliz em saber que vou ter isso no meu futuro, — Callie diz depois pisca para mim. Fazendo-me rir pela primeira vez desde que voltei da Virginia. — Meu Deus, por favor não vá até lá, — murmura Jackson com toda a sua atenção no cardápio. — Eu realmente não quero ouvir sobre o que a minha irmã e seu namorado fazem à portas fechadas. — Me desculpe, cara. — Na verdade, eu costumava odiar Jackson pela forma como ele tratava Callie e por ter colocado Caleb em sua vida. Ainda tenho um pouco de desprezo por ele, mas Callie parece ter deixado isso de lado, então estou tentando ser legal. Mas quero falar com Callie abertamente, sem seu irmão escutar, então deslizo para sair da cabine, Luke me dá um olhar de frustração quando tem que sair do meu caminho. — Aonde você está indo? — Callie pergunta quando eu levanto-me e estico meus braços acima da minha cabeça,


constrangendo-lhe um pouco quando noto-a verificando meu estômago que se espreita para fora da parte inferior da minha camisa vermelha. — Dançar. — Eu aceno em direção da área de dança. — Quer vir? Ela balança a cabeça. — Nah, eu meio que quero ver você tremer o solo. — Quando começo a implorar, ela ri. — Claro que eu vou acompanhá-lo, garoto bobo. — Ela está sentada entre Violet e seu irmão, e tem que passar por Violet para poder sair. Uma vez que ela está em seus pés, ela entrelaça os dedos com os meus e me puxa para a pista de dança, onde os casais estão se moendo um sobre o outro. Ela está usando um jeans skinny preto, com botas e uma blusa vermelha. Seu cabelo está amarrado e pouca maquiagem que está usando nos olhos. Ela provavelmente é a mulher mais vestida aqui e a mais bela. Quando chegamos ao centro da pista, eu puxo-a para mim e ela descansa a cabeça no meu peito quando começamos a balançar ao ritmo de 'Hey Ho' da banda The Lumineers. — Então, por que você realmente veio para casa mais cedo? — ela pergunta em uma voz tão baixa que mal posso ouvi-la sobre a música. — Porque eu queria ter certeza de que você estava bem. — Eu pressiono minha mão na parte inferior das suas costas, a outra em seu quadril enquanto descanso meu queixo no topo da sua cabeça. — Mas há mais do que isso. — Não é uma questão, mas um comunicado.


Minha reação inicial é mentir, mas então percebo que não quero mais mentir para ela, não quero ser esse cara. — Porque eu não estava lidando com as coisas muito bem. Ela aperta os braços ao redor do meu pescoço, me puxando para mais perto dela. — Você se... — Não, — eu a corto para que ela não tenha que perguntar. — Eu queria, no entanto. As coisas já estavam difíceis quando descobri sobre meu pai e sobre o que aconteceu com Caleb, mas depois piorou quando minha mãe ligou e queria falar comigo. Seu poder sobre mim se aperta. — Você falou com ela? — Não... eu não podia. — Bom. Estou feliz. Você não deveria. Não até que nós sabemos onde ela está. E talvez nem mesmo assim. — Eu te amo, — eu digo, porque isso é tudo o que posso dizer no momento. O jeito que ela sempre está me protegendo, é demais, às vezes, até mesmo incompreensível. Ela se inclina para trás para me olhar nos olhos. — Eu acho que você não deveria sequer considerar falar com ela novamente, a menos que você queira, não importa o que aconteça. — Eu não vou, — eu digo. — Embora, eu esteja um pouco curioso com o que ela tinha a dizer... Provavelmente algo ruim, mas ainda assim... — Ela é a sua mãe e se você sentir que tem que falar com ela, — Callie termina para mim. — Mas ela precisa começar a agir como uma mãe antes de querer se tratada como tal. — Eu não tenho certeza se vou querer de qualquer maneira.


— Então, não. Você não deve nada a ela. Suas palavras são exatamente o que eu preciso ouvir, e não quero mais me debruçar sobre coisas de família. Eu quero desesperadamente deixar ir, então mudo de assunto. — Você e seu irmão parecem estar se dando bem. Ela encolhe os ombros, olhando para mim com aqueles belos olhos. —Foi bom sair com ele. — Bom. Estou feliz. É bom te ver feliz em torno da sua família. — Minha mãe quer que você vá visitá-la, — ela diz, ressaltando seu ponto que estou incluído nisso. — Dylan quer que façamos a mesma coisa, — eu digo, imitando sua ênfase. Ela percebe e rir, os olhos enrugando nos cantos. — As famílias são carentes, não é? — Assim que ela diz isso, ela parece preocupada, como se tivesse me ofendido ou algo assim. — Callie, você não tem que ter cuidado comigo. Você pode dizer a palavra família e eu vou ficar bem. — Eu percebo seu olhar em meus pulsos, que tenho orgulho de dizer que estão livres de quaisquer cortes novos. — E além disso, eu estou aprendendo que família nem sempre significa que eu pensei que era. Dylan e sua esposa são agradáveis, e Tyler não é um idiota. — Mantendo uma mão nas suas costas, eu coloco a outra em sua bochecha. — Mas, honestamente, você é mais minha família do que qualquer um. Tudo que eu preciso é de você e nosso minúsculo apartamento, e estou bem com isso. Eu percebi isso enquanto estava na Virginia. Ela engole em seco, seus olhos lacrimejando, mas ela parece feliz. — Bom, porque é tudo que eu preciso, também. — Em seguida, ela se levanta na ponta dos pés e planta um beijo


suave na minha boca. — A partir de agora, — ela sussurra contra meus lábios, — nós vamos em todas as viagens e férias juntos. — Feito, — eu digo, então abro seus lábios com a minha língua para que eu possa beijá-la tão profundamente quanto quero. Nós continuamos em movimento e nos beijando até a música terminar. Quando muda para uma mais rápida, eu decido intensificar minhas habilidades. Como a primeira vez que dançamos, eu deslizo minha mão em seu braço, empurroa para frente em seguida, giro-a em torno até que ela volte para meu peito. Ela começa a rir, jogando sua cabeça para trás. — Sabe, nós podemos não curti as festas como estrelas de rock, mas tenho certeza que podemos dançar como eles. — Nós com certeza podemos, — eu digo, girando em torno dela e ao redor até que ela esteja rindo tão forte que esteja chorando. — Nós podemos fazer qualquer coisa - você e eu quando estamos juntos. Sua risada para enquanto ela olha para mim. — Eu quero isso... Você e eu... para sempre. Eu molho meus lábios com a minha língua, notando o quanto meu coração acelera, percebendo o quanto eu não quero fugir. Fique. Fique. Fique. Meu coração bate. Para sempre.


E sempre. E sempre. — Eu também, — eu digo, em seguida, beijo-a com tanta paixão enquanto meu coração está acelerado, deixando-a saber o quanto a amo, e que sempre lhe amarei.


23 #165 Aceite o telefonema que você estava temendo.

KAYDEN Uma semana se passa sem nada importante acontecer, e acho que, talvez minha vida está finalmente indo obter alguma normalidade. Meus dias consistem em treino, aulas, Callie, trabalho, Callie, e treino. Eu amo a rotina e começo a me perguntar se talvez Dylan estava certo, talvez seja hora de deixar tudo com o meu pai ir. Seguir em frente. Aceitar o futebol poderia ser a minha coisa e apenas ele próprio. Ele não precisa ser associado com o meu pai se eu não quiser que seja. Sim, tudo está indo muito bem nessa coisa que chamamos de vida até que eu recebo essa ligação maldita. A coisa é, eu sabia que estava chegando, sabia que isso iria acontecer eventualmente. Mas o que eu não estava preparado era quem iria entregar a notícia para mim. Talvez se eu soubesse, poderia ter me preparado mais. O número desconhecido deveria ter sido uma bandeira vermelha, mas eu estava trabalhando em um teste final e então estava um pouco distraído quando atendi. Deus, eu gostaria de não ter estado tão distraído. — Seu pai está morto. — O som da voz da minha mãe quase me desvia do que ela disse.


— Como diabos você conseguiu meu número? — Empurro os livros didáticos para fora do meu caminho e sento-me na cama minha e de Callie. — Será que Dylan deu a você? — Se for assim, então eu estou super chateado. E ferido. Ela solta uma gargalhada vazia. — Ok, certo. Como se ele fosse fazer isso. Ele acha que está protegendo você de nós. Eu relaxo um pouco, aliviado que Dylan não me traiu. E estou um pouco chateado comigo mesmo por tirar instantaneamente essa conclusão. — Ele está, no entanto. — Bem, você pode acreditar no que quiser, — ela diz, seu tom gelado perturbadoramente familiar. — Mas as pessoas não devem negar sua família. — Eu não nego. Você optou por sair e eu escolhi não te deixar volta. — Eu balanço minhas pernas sobre a borda da cama, colocando meus pés no chão. — E estou muito bem com essa escolha - melhor do que estive em toda a minha vida. — Bem, eu sinto muito que nós tornamos tão miserável. — Ela não soa arrependida. Irritada, sim. Arrependida, não. Há uma pausa e acho que ela está esperando que eu discorde com sua afirmação, mas não vou. — Bem, de qualquer maneira. Eu pensei em ligar para que você saiba que agora está oficialmente órfão. — Ok. — Mais uma vez, eu não sinto nada. Nada. Vazio. Frio. Sem um coração. Só que eu tenho um coração.


Ele só bate por outra pessoa. Pela pessoa que o merecem. Callie. — Jesus, Kayden, você poderia pelo menos fingir parecer chateado com isso, — ela diz em um tom surpreendentemente até mesmo para alguém que acaba de perder o marido. — Sim, bem, eu acho que não sou tão bom em fingir como você. — Eu abaixo minha cabeça em minha mão, querendo retirar o que eu disse porque foi rude e rancoroso, e não quero ser assim. Mas eu não posso retirar o que eu estou sentindo realmente e fingir. — Eu não posso acreditar em como você está agindo, — ela diz. — Eu te criei para ser melhor do que isto. Que você fosse o tipo de pessoa que, pelo menos, viesse dizer adeus ao seu pai antes dele falecer. Você sabe o quão estranho pareceu para os médicos e enfermeiros que nenhum dos seus filhos apareceram? — Minha mãe sempre foi de aparências, seu lema é que, enquanto todo mundo ache que tudo está perfeito, então está. — Sobre tão mal como pareceu para toda a cidade quando eu fui preso, tenho certeza. Ou quando eu fui acusado por causar o meu corte. — Eu não posso acreditar que você está trazendo esse assunto. — E eu não posso acreditar que você me ligou. — Eu me levanto da cama e começo a caminhar pelo quarto, tentando canalizar minha adrenalina da forma mais saudável que posso pensar. Eu não vou desistir. Eu não vou. — Dylan poderia ter me dado a atualização.


— Atualização? Eu não posso acreditar que você acabou de ligar a morte do seu pai a uma atualização. — Ela está quase chorando. Eu deveria me sentir mal, mas não consigo encontrar vontade de sentir emoção por ela. — Depois de tudo que ele fez por você; colocar-lhe em esportes, colocar um teto sobre sua cabeça, comprar-lhe todas as coisas que você precisava. — Há muito mais na vida do que materialismo, mãe. E muito mais para ser um pai do que comprar aos seus filhos merdas que eles precisam, como, digamos, amá-los e não batelhes ou para esfaquear-los. — Eu não fiz nenhuma dessas coisas. — Ela tenta parecer calma, mas posso dizer que ela está chorando, quase perdendo o controle completamente, algo que eu nunca a vi ou ouvi fazer antes. Eu deveria parar. Eu deveria me importar o suficiente para parar. Mas não consigo. — Não, você apenas deixou isso acontecer, — eu digo com os dentes cerrados, — que é tão ruim quanto. — Nós não somos maus pais! — ela chora histericamente, me chocando porque eu honestamente achei que ela não possuía emoção. — Nós não somos... — A última parte soa como se ela estivesse tentando convencer a si mesma, não a mim. Eu não aguento mais. Má mãe ou não, eu não quero ser o tipo de pessoa que leva dor aos outros. Não quero ser como eles. Não quero levar este peso em mim mais. Eu quero deixálo ir - ser livre. Então faço uma escolha, uma que vai a me libertar.


— Sinto muito. — Pelo quê? — Por dizer todas essas coisas... — Mesmo que seja verdade. — Bom. Agora, vamos falar sobre o funeral do seu pai e que você pode me ajudar. Eu paro de andar. — Não. — O quê? — Ela parece chocada. — Eu não estou ajudando você com nada disso. — Mas ele é seu pai... — Isso é o melhor argumento que ela pode consegui e é triste. — E você disse que estava arrependido. — É, por dizer coisas ruins, — eu digo, respirando com a dor rasgando meu peito, através das lágrimas começando a cair. Eu estou deixando ir - aceita o que é. Eu posso sentir-me à beira das lágrimas. Mas a coisa é, eu estou deixando ir e estou preocupado que vou explodir quando eu finalmente dizer adeus a tudo isso - ao ódio, a dor, o ressentimento. — Mas não por sentir da maneira que sinto. Eu nunca vou estar muito nisso, nem vou ajudar com o funeral. — Então você não está vindo. — Ela ainda está chorando, mas ela parece irritada. — Eu poderia, mas ainda não tenho certeza. — Levanto-me e pego as chaves do carro e casaco antes de sair do quarto. — Você pode dar a Dylan todos os detalhes e, em seguida, ele pode repassá-los para mim. — Você é um filho terrível.


As únicas coisas que me impedem de listar as coisas terríveis que ela é, são: 1) Ela está sofrendo e mesmo que eu a despreze, não quero ser essa pessoa. E 2) Não importa; ela é meu passado se eu optar por deixá-la ser. E acho que é isso que faço. — Essa é a sua opinião, — eu abro a porta da frente, me dizendo para continuar respirando, continuar fazendo o que estou fazendo. Avançando... Avançando... Um passo de cada vez, e eu posso viver com isso. Eu faço uma outra escolha e desligo, não dando-lhe mais espaço para me insultar ou deixar-me irritado. Eu vou para o meu carro e, em seguida, para a direção possivelmente da melhor escolha que já fiz.


24 #166 Segure alguém enquanto ele coloca tudo para fora.

CALLIE Nós terminamos a pausa de Ação de Graças esquiando na neve e saímos antes que Jackson retorne para casa. Então Kayden e eu começamos a passar algum tempo juntos finalmente - em nossa nova casa. Eu ainda visito Harper um par de vezes para me certificar de que está tudo bem com a terapia. Ela parece um pouco menos fingida e um pouco mais real, então quando ela me diz que tudo está indo bem, eu acredito nela. Isso me deixa feliz por ter lhe ajudado, quase como se fosse um processo de cura. A faculdade continua. Futebol continua. Escrita continua. A vida continua. A próxima semana é bem monótona. Mas Kayden e eu sabíamos que algo iria chegar, bem no meio dessa fase final. Na verdade, estou terminando um teste em Oceanografia quando recebo uma ligação de Kayden. Eu só sei que é ele por causa do toque, mas não posso atender se não quero ser acusada de trapacear. Me apresso e termino a última das perguntas, em seguida, pego minha bolsa e saio correndo da sala de aula, jogando o exame sobre a mesa do professor enquanto caminho para fora. Assim que eu estou no corredor quase vazio, eu pego meu celular do meu bolso e ligo para ele de volta.


— E aí, o que foi? — Eu pergunto quando ele atende. Ele toma uma respiração profunda e imediatamente eu sei que o que ele tem a dizer é ruim. — É o meu pai. Ele está morto. — Eu estarei lá, — eu digo, praticamente correndo para as portas de saída no final do corredor. Tudo o que posso imaginar é ele trancado no banheiro com uma navalha na mão. — Você está em casa? — Não, eu estou realmente no estacionamento. — Emoções superfícies passam através da sua voz, rachando para baixo da linha, e juro que posso realmente sentir isso. — Eu precisava te ver, por isso estou aqui fora esperando por você sair da classe. — Estou chegando. — Eu passo pelas portas e corro pela neve, agarrando minha bolsa. — Onde você está estacionado exatamente? — Na frente. — Há uma vulnerabilidade em sua voz, como se ele estivesse lutando para não quebrar antes de eu chegar lá. Eu faço uma varredura no estacionamento e quando acho seu carro, eu viro à direita, não parando até alcançá-lo. Eu abro a porta e entro. Ele está sentado no banco do motorista, olhando à frente para o campus, sua mandíbula definida apertada, como os movimentos em seu peito e falhas. Ele está em sua calça de pijama e um moletom com capuz, o que significa que ele provavelmente saiu de casa com pressa. O ar quente beija a minha pele, mas o silêncio dele arrepia meu coração. Eu não tenho certeza do que dizer - se há alguma coisa que eu posso dizer. O que se diz a alguém nesse tipo de situação? Sinto muito.


Que você perdeu o seu pai. Perdeu o monstro em sua vida. Que você está sofrendo. Que você está confuso. Que você tem que passar por isso. — Eu te amo. — É tudo que eu consigo pensar e parece ser exatamente o que ele precisa ouvir, porque ele se vira para mim, olhos suaves enquanto se inclina e envolve seus braços em volta de mim, me puxando para ele. Meu estômago se aperta no console, mas eu deixo-lhe me puxar para mais perto, quase em desespero. — Eu também te amo, — ele sussurra com a cabeça enterrada no meu pescoço. — Deus, eu te amo porra. E realmente, isso é tudo que importa. — Eu posso sentir o momento exato em que ele começa a chorar, não porque posso sentir as lágrimas ou até mesmo ouvi-lo. Eu posso sentir isso por causa do quão apertado é o seu poder sobre mim, como cada um dos seus músculos está forçando a emoção fora dele. Eu envolvo meus braços em torno dele e corro meus dedos pelo seu cabelo, mantendo-me em silêncio enquanto ele chora porque não há muito mais que eu possa fazer. Ele precisa colocar tudo para fora e estou feliz que ele esteja fazendo isso. É quando ele esconde que as coisas se tornam um problema. Eu nem tenho certeza de quanto tempo nós ficamos assim, como até à noite talvez, mas não me atrevo a me mover, com medo que ele vai sugar toda a emoção de volta dentro de si e prende-la lá. Até o momento em que ele se afasta, o céu se abriu, mas o sol está se abaixando por trás das montanhas, lançando seu


brilho laranja contra a neve no chão. Quase não existem pessoas no campus e o estacionamento está quase vago. — Você está bem? — Eu pergunto enquanto ele limpa os olhos injetados de sangue com as costas da mão. — Sim, sinto muito por isso. — Sua voz é rouca — Eu simplesmente perdi o controle por um segundo. — Você sabe, não há problema em perde o controle, — eu digo, estendendo a mão para enxugar algumas lágrimas restantes. Estou prestes a me afastar quando ele se inclina no meu toque, então mantenho minha mão lá. — E não há problema em chorar. — Eu sei disso, — ele diz, deixando escapar um suspiro pesado. — E acho que eu precisava fazer isso - deixar tudo para fora. Eu precisava disso durante os últimos vinte anos. Há uma pausa e estou prestes a perguntar se ele quer falar sobre isso quando ele se inclina para trás no assento, de frente, em seguida, coloca o carro em marcha à ré. — Eu sei que você tem perguntas, — ele diz enquanto eu coloco meu cinto de segurança. — E vou respondê-las, mas só quero estar em casa quando fizer isso, se estiver tudo bem? Concordo com a cabeça, virando-me para frente no meu próprio assento. — Claro que está tudo bem. Ele parece aliviado quando dirige para fora do estacionamento e para a rua. No caminho de volta para o nosso apartamento, nós paramos para comprar alimentos, porque nenhum de nós é um grande cozinheiro - nem desfrutamos de cozinhar. Em seguida, nos depositamos no sofá com os nossos hambúrgueres, batatas fritas e bebidas, e comemos em silêncio, embora isso me deixe louca.


— Foi a minha mãe que ligou, — ele finalmente diz enquanto pega sua bebida e mexe com o canudo. — Ela descobriu meu número e me ligou para dizer. — Ela foi... — Eu pego meu hambúrguer. — Ela foi agradável? Ele balança a cabeça enquanto toma um gole da sua bebida. — Não, ela foi exatamente ela mesma. Ok, agora eu estou realmente preocupada. — Kayden, eu... Ele me corta inclinando-se e escovando seus lábios nos meus. Quando ele se afasta, parece satisfeito. — Eu estou bem, Callie. Eu prometo. — Como que para provar este ponto, ele define sua comida para baixo e pega a minha mão. — Eu disse a ela um monte de coisas que nunca tive bolas o suficiente para dizer e então percebi que eu estava feito. — Feito? — Com tudo isso. Com ela. Com odiar ambos. Com deixá-los ainda afetarem minha vida, mesmo que não estejam aqui. — Ele toma a minha comida da minha mão, define-a na mesa de café, e se aproxima de mim até que nossos joelhos estejam se tocando. — Eu vou deixa isso ir. — Determinação inunda seus olhos e me domina ao ponto que sinto que estou me afogando nele - a dor que está lançando-se deles. — Vou focar no futuro. Continuar indo para a faculdade e jogar pelo meu coração e espero conseguir. E se eu não fizer isso, eu vou ter meu diploma. — Ele se inclina em minha direção, colocando mechas do cabelo atrás da minha orelha, antes de colocar a mão quente no meu rosto. — E eu vou cuidar de você e fazer você muito feliz. — Emoção irradia através dos seus olhos enquanto seu olhar firmemente detém o meu. — Eu quero continuar por este caminho com você. Eu quero que nós tenhamos um futuro. Você e eu.


Talvez Jackson esteja certo. Talvez nós estamos indo na direção do casamento. Deus, e se nós estamos? Eu quero isso? Concordo com a cabeça ansiosamente. — Eu quero isso, também, mais do que qualquer outra coisa. — Faço uma pausa. — Mas... Suas sobrancelhas se arqueiam, sua confiança vacilando um pouco. — Mas o quê? — Mas... — Eu hesito novamente, nervosa por trazer esse assunto a tona. — Mas e quanto ao funeral? Você está… Você está indo? — Eu ainda não tenho certeza. — Ele não está com raiva ou triste, apenas confuso. — Bem, de qualquer forma, eu te apoio por isso. — Viro a cabeça e delicadamente beijo a palma da sua mão. — Eu estou aqui para você, se você quiser ir e dizer adeus. Obter algum encerramento, talvez. Seus olhos são suaves, sua expressão cheia de nada além de amor. — Eu sei que você vai. — É nesse momento que percebo que nós vamos ficar bem. Claro, provavelmente vai ter solavancos no caminho para nós - sempre haverá quando se trata da vida - mas ele finalmente deixou-me amá-lo como merece e isso é um grande passo, épico para nós. Uma vida cheia de mudança. O resto da noite é relaxante, caindo em nossa rotina. Nós comemos. Nós conversamos. Então, depois que Kayden adormece na cama, eu escrevo. Eu estou começando a amar a nossa rotina. Assim que meus dedos tocam as teclas, eles ganham vida, ansiosos para escrever e ser livre.


Depois que a garota salvou o garoto, eles não se viram há muitos amanheceres e entardeceres. Não porque eles escolheram, mas porque tinham ido por caminhos diferentes e fazendo as suas coisas separadas, o que é o caso na maioria das vezes na vida. A garota tinha saído do seu palácio e encontrou um novo lugar para morar - uma nova vida para si mesma onde ela não era constantemente assombrada pelas memórias do monstro. Ela realmente se sentia mais feliz do que tinha em um longo tempo, em parte porque tinha sido capaz de deixar seu passado para trás, mas também porque a noite em que ela salvou o garoto, algo mudou dentro dela. Ela enfrentou um monstro e mesmo que não era o seu, isso a fez se sentir mais corajosa e com menos medo em um mundo que parecia tão assustador o tempo todo. E o garoto... Bem, ela não sabia o que tinha acontecido com ele, se tinha escapado do monstro ou não, mas ela esperava que sim. Esperava que ele estivesse se movendo como ela. Esperava que ele encontrasse a felicidade para seus olhos tristes. Foi durante um dia quente de outono que ela descobriu o que ele estava fazendo. O reencontro não foi nada mágico, mas ainda era importante, uma colisão literalmente quando estavam no mesmo lugar ao mesmo tempo. Baque. Eles correram na mesma direção, o impacto intenso, mas não tão intenso quanto se verem novamente. Eles estavam em choque. Atordoados.


Ofegantes. Mas acima de tudo, eles estavam apenas contentes de ver um ao outro vivo e respirando. — Ei, — disse a garota enquanto o vento e as folhas dançavam em torno deles. — Ei, — respondeu o garoto, parecendo melhor do que antes. Seus olhos, embora ainda carregavam tristeza, também traziam felicidade. Suas primeiras palavras não eram as melhores linhas de abertura, não como nos contos de fadas que a garota tinha lido quando era uma princesa. Histórias que prometiam fantasias de princesas e príncipes, cortando corações com palavras e às vezes músicas. Mas estava tudo bem. Ela não precisava ser cortejada. Ela não precisava de músicas. Porque ela não era uma princesa. E o garoto não era um príncipe. Ela era apenas uma garota. E ele era apenas um garoto. E este não era um conto de fadas. Mas a vida real. E contos de fadas eram superestimados de qualquer maneira. O resto da conversa foi leve, cautelosa, nenhum deles estava confortável o suficiente para se abrir naquela


noite. Eles logo se separaram, com um aceno e um sorriso que carregava esperança que em breve se veriam outra vez. Não era o fim para estes dois. Não havia muito mais para se preocupar. Agora que seus monstros estavam fora de suas vidas. Não começou imediatamente - a relação entre os dois. Eles tiveram uma aula juntos e suas conversas foram preenchidas com, "pode me emprestar uma caneta?" e "Você quer ir para o meu jogo na sexta?" e "Você realmente deve ir para o meu jogo". A garota queria dizer mais, assim como o garoto, mas levou algum tempo apenas para trabalhar até conseguir coragem de dar esse passo extra. Mas, finalmente, chegou a hora. — Então eu estava pensando, — o garoto disse um dia quando eles esbarraram no corredor. Ele estava de pé reto estes dias, mais confiante agora que ele não estava sendo espancado. — Que deveríamos sair. — Como em um encontro? — A garota nunca tinha ido a um encontro e ela estava confusa. Sim, eles tinham conversado um pouco e ela não conseguia parar de pensar nele - seu diário estava cheio de páginas das suas pequenas conversas e, claro, os detalhes dos seus olhos, porque eles eram sua parte favorita - mas diferente do que pareciam, eles estavam indo se tornarem amigos, que foi muito melhor do que não ser nada. Mas agora, sua expressão mostrava sinais de alguma outra coisa, como se ele tivesse tentando lutar contra isso, mas tinha desistido e deixado-o livre. Eu gosto de você, sua expressão transmite.


Eu gosto de você, também, a menina queria dizer. — Sim, em um encontro. — Ele parecia se divertir com a garota, quase indiferente sobre a coisa toda, mas seus olhos diziam, eu gosto muito de você. Eu gosto muito de você, também. — OK. — Foi difícil para a garota dizer, e quando as palavras saíram dos seus lábios, isso a surpreendeu. Ela surpreendeu o garoto, também, como se ele tivesse pensado que ela iria dizer não. Se ela não soubesse melhor, podia jurar que ambos estavam em êxtase. — Tudo bem, então, — disse o garoto. — Eu vou te buscar esta noite. — OK. Eles se separaram, a mente da garota inundando com possibilidades. Mas ela podia confiar nele? Porque em um mundo cheio de monstros, era difícil dizer quem era o quê.


25 #167 Diga adeus.

KAYDEN Foi até Dylan me ligar no dia seguinte que eu decidir ir ao funeral, porque ele disse que vai. Tyler não vai, no entanto, porque ele estava preocupado que poderia fazê-lo ter uma recaída, o que eu entendo. Eu honestamente continuo esperando que algo me desligue e eu faça a mesma coisa, mas sinto-me estranhamente bem. Acho que Callie ficou aliviada quando eu disse a ela que estava indo ao funeral, como se ela achasse que vai me dar uma sensação de encerramento. Eu não tenho certeza se ela está certa, mas é a única chance e vou agarrar, então vou levála. O funeral é na Carolina do Norte, onde acabei de descobrir que minha mãe cresceu, razão pela qual meu pai e ela tinham se escondido lá - porque conheciam pessoas. Callie vem comigo, felizmente, mas só podemos ficar por dois dias porque as provas finais estão acontecendo e não há nenhuma maneira que eu vá estragar minhas notas ou as dela por isso. Com o tempo limitado que temos, nós simplesmente ficamos na praia perto do nosso hotel. E estou bem com isso. Na verdade, está tudo perfeito.


— Estou começando a me tornar uma fã do oceano, — Callie diz na manhã do funeral. Ela está sentada entre minhas pernas na areia, recostando-se contra o meu peito, o sol irradia em nós. — É tão pacífico. Eu estou brincando com seu cabelo enquanto o mar bate contra a costa à nossa frente. — Sim é. Ela repousa a cabeça contra mim e deixa escapar um suspiro de satisfação. — Devemos vir mais vezes. — Ela ajusta seus óculos de sol sobre os olhos. — Bem, não para a Carolina do Norte, mas para o oceano. — Nós poderíamos viver à beira-mar, — eu digo, colocando um braço em sua volta e deixando o outro na areia para apoiar o nosso peso. — Depois que nos formamos, e talvez eu tenha sorte e seja convocado para uma equipe que seja perto à Costa. — Eu adoro ouvir você falando sobre o seu futuro. — Ela vira a cabeça e me fuça. — Eu sempre me preocupei quando você não fazia isso. Corro os dedos pelo seu cabelo e afasto-o dos seus olhos para que eu possa ver seu rosto. — Sinto muito que levou tanto tempo para chegar a esse ponto, mas eu estou feliz que você tenha esperado por mim. — Você vale a pena esperar, — ela diz, me inspirando. Então começa a sorrir em diversão, sacudindo a cabeça para si mesma. — Você também me transformou em uma novela romântica, para sua informação. — Eu não tenho certeza do que você quer dizer. Inclinando-se para trás, ela tira os óculos escuros para olhar para mim. — Eu continuo proferindo essas frases bregas cada vez que estou perto de você. Está se tornando ridículo.


Eu rio baixinho. — Eu acho que é bonito. — Bem, você faz isso também, — ela diz, achando graça. — O tempo todo. Eu começo a torcer meu nariz em protesto, mas então percebo que ela está certa. Então, ao invés disso, fico de pé, escovo a areia fora das minhas mãos, e jogo-a por cima do meu ombro. — Kayden, que diabos! — Ela choraminga através do seu riso, batendo nas minhas costas enquanto eu corro em direção ao mar e entro até que esteja na minha cintura. Nós não estamos no nosso trajes de banho, mas em bermudas, e a água está morna, e ainda não é confortável. Ainda assim é divertido. — Isso é por você ter me transformado em um maricas, — eu provoco, beliscando sua bunda antes de me abaixar e entrar no mar. Ela solta um grito quando o oceano salgado se infiltra através das suas roupas por todo o caminho até um pouco abaixo do seu peito. — Você é um garoto mal. — De jeito nenhum. Eu sou um cara sentimental, graças a você. — Dou-lhe um sorriso torto enquanto agarro a frente da sua blusa e puxo-a para perto de mim. Seu cabelo está todo molhado, sua pele molhada, e suas roupas se agarrando ao seu corpo. Ela é ridiculamente sexy e eu só quero lamber cada gota d'água da sua pele. Então eu faço. Mergulhando a cabeça no seu pescoço, eu lambo um caminho através da sua clavícula, ignorando o gosto salgado. — Kayden, — ela suspira, emanharando os dedos pelo meu cabelo.


Ela me puxa para mais perto e eu sorrio contra sua pele, abaixando minha cabeça enquanto minhas mãos deslizam até seu estômago. Eu beijo um caminho no colarinho da sua blusa, em seguida, puxo-o para baixo para sugar a curva dos seu seio. Ela se esforça para ficar de pé contra a intensidade das ondas que rolam em nossa direção, assim eu me inclino para baixo, agarro sua coxa, e engato ao redor do meu quadril. Ela suspira e balança seus quadris contra mim, em busca de mais. O momento é perfeito e estou prestes a dar ao nosso corpo tudo o que estamos almejando quando uma grande onda bate contra nós e nos joga para frente. — Puta merda. — Eu me esforço para conseguir continuar de pé enquanto Callie nada para fora do mar. — Bem feito, — ela ri e nada em direção à costa — por me jogar lá para começar, — ela diz enquanto se arrasta para fora do mar e cai na areia esgotada. Eu nado para fora e deito-me ao seu lado, completamente despreocupado que a areia esteja endurecendo na minha roupa. Em seguida, olho para o céu, me perdendo na paz de apenas estar perto um do outro. Mas enquanto as nuvens se movem eu sou lembrado por que estamos aqui. — Nós provavelmente deveríamos nos preparar para ir, — Callie sussurra suavemente com o braço sobre sua testa. Eu lentamente aceno. — Sim, provavelmente você está certa. — Leva-me um minuto para mover-me, no entanto, e no final, eu desejo poder ter ficado. Apenas eu e ela. Callie e eu. A areia quente. O oceano pacífico.


Isso é tudo que eu quero. Mas, no fundo, eu sei que é hora de ir dizer adeus. Dylan e Liz aparecem no nosso hotel algumas horas antes do funeral para nos levar para almoçar. Callie está usando um vestido preto que parece muito com o de Liz, Dylan e eu estamos usando calças pretas, camisa branca e gravata preta. Nenhum dos nossos humores parece tão triste quanto nossas roupas, no entanto. — Eu não posso acreditar que você é uma escritora, — Liz diz a Callie do outro lado da mesa no fast food que estamos comendo. — Isso é tão legal. Callie parece um pouco constrangida com a atenção focada exclusivamente sobre ela. — Sim, eu acho. Mas ainda tenho um longo caminho a percorrer se vou querer seguir essa carreira. Eu envolvo meu braço em torno dela e passo meus dedos pelo seu cabelo que ainda tem cheiro do oceano. — Você vai ser uma. É o que você ama fazer. Ela torce o rosto. — Eu só não quero pensar nisso como um trabalho, sabe? O estágio é grande e tudo, mas eu não sei. Não é tão divertido quanto escrever histórias. — Você deve escrever histórias, então. Se é isso que você quer fazer, — eu digo, pegando uma batata frita e enfiando em minha boca. — Mais fácil falar do que fazer. — Ela pega uma batata frita da minha cesta. — Você sabe o quão difícil é entrar nessa carreira? — Você pode fazer isso, — eu digo com um sorriso. — E eu vou cuidar de você enquanto isso. — Prometo cuidar de você, eu murmuro.


— Vocês são adoráveis, — Liz interrompe o nosso pequeno momento. Quando eu olho sobre a mesa, percebo que ela e meu irmão estão nos observando com fascinação. — A coisa mais fofa que já vi. Dylan revira os olhos. — Não se preocupem. Ela acha que tudo é adorável. Os filhotes de cachorro, gatinhos, roupas de cama, carros, filmes, pessoas idosas. — Ele dar-lhe um sorriso e ela sorri de volta, dando um tapa de brincadeira no peito dele. — Oh, olha quem fala, — ela diz. — Você fica com os olhos cheios de lágrimas durante esses filmes, também. Ele continua sorrindo para ela e ela joga uma batata frita em seu rosto, mas ele abre a boca e pega-a. Estamos todos nos divertindo e eu quase esqueço por que estamos aqui, até que Liz se levanta da cabine. — É hora de ir, — ela diz com um suspiro enquanto olha para o relógio na parede. Este silêncio sombrio cai sobre nós enquanto somos forçados a voltar à realidade e a verdadeira razão do por que nós estamos aqui na Carolina do Norte. Para dizer adeus. — Eu acho que sim, — Dylan murmura, se levantando e se dirigindo para a porta, desastrado para tirar as chaves do carro do bolso. Todos nós seguimos em silêncio e entramos no carro. O caminho até a igreja não parece suficientemente longo. Eu gostaria de poder fazer isso durar para sempre. Nós estamos no carro do meu irmão, sentados no banco de trás onde eu seguro a mão de Callie o caminho inteiro, o que me ajuda a respirar mais facilmente. O ar é úmido, o mar é o cenário na maior parte do caminho. É calmante, mas ainda sinto meu


coração batendo com mais força dentro do meu peito quanto mais nos aproximamos do lugar. É isso. Posso lidar com isso? Finalmente, chegamos à pequena igreja que fica centrada no meio da pequena cidade com o cemitério na mesma rua resumindo a aparência. O estacionamento quase não tem carros, o que me faz pensar se estamos no lugar certo. Mas não digo nada enquanto Dylan parece certo onde está, uma vez que "este é o lugar onde o GPS nos levou." Quando estamos andando pela calçada, porém, ele agarra meu braço e me puxa para trás, apontando para Callie e Liz irem na frente. Liz e Callie nos dão um olhar estranho quando fazem uma pausa na frente das grandes portas. — Está tudo bem, — Dylan diz ao mesmo tempo que eu digo, — eu estou bem. Com relutância, ambos caminham para dentro, deixando Dylan e eu em pé na parte inferior das escadas nas sombras das árvores. — Então, se as coisas começarem a ficar muito pesadas, é só dizer e vamos partir, — ele diz, brincando com o relógio em seu pulso. Ele parece tão desconfortável como eu me sinto. — OK. — Olho para a porta e, em seguida, de volta para ele, percebendo que uma vez que eu der um passo para dentro, as coisas vão mudar. Um capítulo em minha vida vai ser fechado e no entanto eu me sinto bem sobre isso, no final, eu estou dizendo adeus para sempre, como quando Dylan saiu de casa aos dezoito anos. — Eu tenho uma pergunta, embora... Sobre como nosso pai morreu... — Eu não tenho ideia por que estou perguntando, apenas parece que eu deveria saber antes de


entrar, antes de dizer adeus e fechar esse capítulo. — Você sabe o que aconteceu exatamente para colocá-lo no hospital? Dylan parece desconfortável, apreensivo afrouxando a gravata. — Eu tenho, mas você tem certeza que quer saber? Leva-me uma batida para responder, mas no final parece que eu deveria saber. — Sim, eu acho que preciso, para o encerramento. Ele suspira, em seguida, passa a mão pelo cabelo, olhando para o estacionamento. — Eu não sei todos os detalhes, mas foi uma briga. Choque passa através de mim e bate contra o meu peito. — O quê? Dylan suspira, olhando de volta para mim. — Ele finalmente entrou em uma briga com alguém que lutou contra ele. —Ele balança a cabeça e, em seguida, olha para os grandes carvalhos ao redor do pátio em frente à igreja. — É meio trágico quando se pensa sobre isso. Tanta raiva inútil e desnecessária por todos esses anos, finalmente levou-o até o fim. Foi um desperdício, viver a vida desse jeito. — Eu sei que foi, — eu digo em voz baixa. — Ser feliz é muito melhor, não é? Balançando a cabeça, Dylan olha para mim e o nervosismo em seus olhos desaparece e tudo o que resta é pena. Não por mim, mas pelo nosso pai. — Sim, realmente é. Pena que ele nunca pôde descobrir isso. O silêncio envolve em torno de nós, e, embora nós não concordamos que é hora de entrar, nos movimentamos para a porta ao mesmo tempo e entramos na igreja. Está quase tão vazia como o estacionamento, com algumas pessoas sentadas aos bancos, caras que eu não reconheço, exceto uma pessoa que eu sei que estaria ali, e que eu estava temendo ver.


Minha mãe. Ela está sentada na frente, vestida de preto, com um chapéu na cabeça e um véu sobre o rosto. Ela vira a cabeça quando entramos, as dobradiças da porta da igreja anunciando nossa presença. Trocamos um olhar que eu não sei o que significa, nem me importo em descobrir. Porque quando ela começa a se levantar, eu tiro meu olhar dela e sento-me ao lado de Callie, porque é onde eu pertenço. Estou surpreso que a minha mãe toma a sugestão e se senta novamente, olhando para o caixão. Ele parece tão solitário lá em cima sem flores ao seu redor, sem foto para representar o homem que ele era. Callie segura minha mão o tempo todo. Nós não dizemos muito, mas não há muito a dizer. Além disso, ela está aqui comigo e isso é tudo o que realmente importa - que ela me ama o suficiente para estar aqui por mim. Enquanto o funeral se passa, o vazio, a Igreja sem choros. Não há elogio comovente dedicado a ele. Ninguém tem nada a dizer. Não é apenas o silêncio. O vazio Assim que foi realmente a sua vida, certo? É nesse momento, eu sinto pena do meu pai. Que desperdício, viver a vida com tanta raiva que não há espaço para o amor. Sou grato que não sou como ele. Grato que tenho a oportunidade de seguir em frente de toda a dor e ódio que ele infligiu em minha vida. Grato que sou capaz de amar. Grato por Callie, meu irmão, Liz, Luke, Violet, Seth, Greyson, e até mesmo o meu treinador. Porque no final, eu percebi que não sou o meu pai. Sou simplesmente eu.


E isso é o suficiente. Eu desejo poder ter dito algo no final do seu funeral quando nós o levamos para o cemitério para colocá-lo em seu lugar de descanso final. Para encontrar algo em meu coração para dizer algumas palavras que significam algo. Mas eu não consegui. Tudo o que eu podia dizer era adeus. E deixar o passado para trás. Para sempre.


26 #168 Tente não ficar com vergonha nas situações mais embaraçosa.

CALLIE Desde o funeral, Kayden parece estar indo muito melhor. Eu não pergunto a ele por que realmente não importa. Tudo o que realmente importa é que a escuridão que sempre o perseguia parece estar sumindo. Não me interprete mal, ele não é feliz o tempo todo, mas ninguém é realmente. É Natal, o que nós estamos comemorando na casa dos meus pais. Estivemos lá por alguns dias e planejamos uma estadia até o Ano Novo. Eu tinha sugerido irmos para a Virgínia, não só porque sei que seu irmão queria que ele fosse lhe visitar, mas porque eu sabia que minha mãe estava indo agir como uma pessoa estranha, ele perguntou se poderíamos ir para a minha casa. Além disso, havia o fato de que eu estava preocupada em encontrar Caleb novamente, mas minha mãe me garantiu que ele estava atrás das grades, aguardando seu julgamento. E Kayden disse que era justo que nós viéssemos para cá desde que eu já passei um tempo com seu irmão. Eu não me senti muito bem sobre isso, porém, uma vez que o tempo que passei com seu irmão e cunhada foi no funeral, mas ele me prometeu que realmente queria ir visitar a minha família. Pobre rapaz, não sabia o que estava lhe esperando.


— Eu amo o Natal, — minha mãe cantarola enquanto caminha ao nosso redor, pegando pedaços de papel de embrulho e colocando-os em um grande saco de lixo. Ela tem um suéter verde, calças Tan, e suas meias têm árvores de Natal sobre elas, e ela está dançando a música de Natal que está tocando no gravado antigo no canto da sala. — É a melhor época do ano. — Você diz a mesma coisa sobre o Halloween e a ação de graças, — eu digo, olhando para Kayden que tem um punho fechado na frente da sua boca para esconder seu riso da loucura da minha mãe. É tão embaraçoso, mas eu estou tentando o meu melhor para não ficar envergonhada, porque preciso me acostumar com isso - Kayden descobrir todos os pequenos truques da minha família. — E Dia dos Namorados e o quarto de julho, — meu pai diz a partir da pilha de presentes que acabou de abrir em um canto. Ele está em um suéter vermelho e verde que minha mãe o fez usar para celebrar as festividades. — Sem mencionar o Ano Novo. — Oh, eu tenho tantos planos para o Ano Novo. — Minha mãe define a sacola no chão e caminha até mim, radiante. — Eu estava pensando que você e eu poderíamos ir às compras, fazer os nossos cabelos, então todos nós poderíamos sair para jantar. — Ela olha para Kayden antes de olhar para mim. — Todos nós quatro. Eu abro minha boca para dizer... Bem, algo que vá nos tirar dessa bagunça, mas meu pai entra na conversa, me dando um olhar diabólico. — Na verdade, querida, eu tinha algo realmente especial planejado para você e eu. — Realmente? — Minha mãe bate palmas e corre até ele para dar-lhe um grande abraço.


Fuja, meu pai murmura de cima do ombro da minha mãe com um sorriso. Fuja enquanto pode. Ele não tem que dizer duas vezes. Eu agarro a mão de Kayden e puxo-o para fora da sala de estar. — Oh meu Deus, — eu assobio, orientando Kayden pela manga da sua camisa em toda a cozinha e para a porta de trás para longe da minha mãe. Uma vez que estamos fora da casa, eu aumento o ritmo, correndo em frente a entrada da garagem, preocupada que minha mãe vai nos seguir. — Acredito seriamente que ela está a um passo de nos trancar em casa para que possa nos manter aqui para sempre. Kayden ri, divertido com o meu embaraço enquanto aperta meu rosto, como a minha mãe fez umas mil vezes. — O que posso dizer? Eu sou amável o suficiente para querer me manter para sempre. — Ele está citando algo que minha mãe disse-lhe antes, quando fomos abrir os presentes. — Você é amável, — eu digo a ele uma vez que entramos no quarto de hóspedes em cima da garagem e a porta está fechada com segurança atrás de nós. E trancada. — Mas ela não precisa dizer isso a cada minuto. — Eu deito sobre o colchão de ar, que é a única peça de mobiliário, além do aquecedor e banheiro. Eu não estou reclamando, porém, uma vez que a razão que está tão vazio é porque o mobiliário agora enche o nosso apartamento. — Ela está apenas sendo gentil, — Kayden diz, olhando para mim. Seu cabelo está bagunçado, seu queixo desalinhado, e ele parece tão feliz. — E é bom que ela quer ser tão agradável. Poderia ser pior do que ter uma mãe excessivamente exigente. — Sim, eu sei, — Eu suspiro, sabendo que ele está certo, que poderia ser pior, que eu poderia ter pais como os seus. — Eu só queria que ela fosse apenas um pouco menos


embaraçosa. — Eu levanto minha mão e faço um gesto com os dedos. — Talvez apenas um pouquinho. — Sim, eu duvido que isso aconteça. — Kayden desliza sua camisa e atira-a de lado. Sua calça jeans abaixo dos seus quadris, me dando uma visão do seu abdômen e peitoral com cicatrizes. — Eu achei engraçado quando ela continuou fazendo piadas sobre nós nos casarmos durante todo o jantar. — Ele se ajoelha sobre o colchão, empurrando meus joelhos com os seus até que eu abra minhas pernas para ele. — Oh, Deus. — Balançando a cabeça, eu cubro meu rosto com as mãos. — Estou feliz que você ache isso engraçado, porque tenho certeza que a maioria dos rapazes estariam correndo por suas vidas. O colchão se move enquanto ele se inclina sobre mim e coloca uma mão em cada lado da minha cabeça. Eu faço uma abertura com meus dedos e olho para ele. Ele tem estado muito mais feliz desde o funeral, já que disse adeus a sua mãe, uma vez que colocou seu passado para trás. Ele parece respirar mais livremente, sorrir mais, e é provavelmente a mais bela vista que eu já vi. — Bem, apenas certifique-se que você realmente quer isso, — eu digo enquanto ele move uma das minhas mãos para longe dos meus olhos, — porque você ainda tem tempo de fugir. Ele balança a cabeça, sua língua deslizando para fora da sua boca para molhar os lábios. — Sem mais fuga aqui, — ele sussurra em uma voz rouca que eu sei que significa uma coisa - ele me quer. — Nunca. — Ele move a outra mão do meu rosto, em seguida, segura meus braços acima da minha cabeça. Um tempo atrás, o movimento teria feito meu coração acelerar e não em um bom caminho. Mas agora... Bem, é com


um pássaro no céu, nunca mais querendo voltar à terra. Ele voa porque é libertador. Ele voa por ele. — Você me quer, — Eu provoco quando ele se inclina para me beijar. — Você está certa, — ele diz. — E então quero dar-lhe o seu presente. — Mas você já me deu meu presente. — Eu bato levemente no meu bolso, dentro do qual estão os ingressos para o concerto que ele me deu. Ele disse que era para refazer uma noite que deveria ter sido especial, mas ele não pôde darme. Ele está pronto agora para me dar tudo o que eu mereço suas palavras não minhas. Minha mãe praticamente desmaiou quando ele disse isso. E eu... Bem, eu acho que me apaixonei ainda mais por Kayden. — Sim, mas isso era apenas a primeira parte. — Ele me beija suavemente, em seguida, morde meu lábio inferior antes de se inclina para trás. — Há mais, — ele respira contra meus lábios, dando-me outro beijo, — mas você tem que esperar. — Até quando? — Pergunto, meu coração pulando uma batida, enquanto suas mãos vagueiam no botão da minha calça jeans. — Até acabarmos de fazer isto. — Ele me dá um sorriso perverso enquanto desabotoa minha calça. — Isso parece chantagem... — Minhas costas se arqueiam quando os nós dos seus dedos escovam meu estômago. — Ainda bem que eu gosto de ser chantageada por você. — Deus, eu amo esse olhar em seus olhos quando eu toco em você, — ele diz suavemente contra meu ouvido antes de morder meu lóbulo.


Estou prestes a me perder nele quando me lembro de algo. — Espere. — Eu coloco a mão em seu peito, empurrando-o um pouco, fazendo-o soltar um rosnado sexy, fazendo a área entre meus lábios formigarem. — Você não quer seu presente? Ele se empurra para trás e arqueia a sobrancelha. — O quê? Eu pensei que o suéter era o seu presente. — Ele está totalmente divertido com ele mesmo. Eu olho para ele. — Você não pensou. Eu nunca, nunca iria dar-lhe um suéter de malha com elfo nele. — Ei, eu gostei do suéter, — ele insiste, na verdade, sendo verdadeiro. — Ninguém jamais me deu um suéter. Foda-se, ninguém nunca me deu um presente antes. Uau, eu posso sentir a pressão. Talvez eu devesse ter conseguido algo melhor. — Bem, não fique muito animado, — eu digo, saindo de debaixo dele e rolo para fora do colchão. — Não é grande coisa. —Eu abro minha mochila para pegar seu presente. Ele senta-se no colchão, parecendo tão ansioso como um garoto sentado em frente de uma árvore de Natal. — Eu vou ficar feliz com o que você me der. Eu sei que ele está dizendo a verdade, mas ainda assim, quando entrego-lhe o pequeno embrulho, retangular, sinto que não é o suficiente. Eu prendo a respiração em antecipação e sento-me ao seu lado enquanto ele rasga o papel e atira-o para o lado. Eu espero por sua reação, mas ele apenas continua lá, congelado, olhando para seu presente. Ele olha. E olha. E olha.


Com a cabeça baixa e não posso ler sua expressão em tudo. — Eu disse que tirei fotos nossas. — Eu bato no quadro que está ao redor da imagem de Kayden e eu nos beijando no parque de diversões que fomos neste verão. É realmente uma imagem muito bonita, as luzes de néon piscando e os brinquedos de diversões atrás de nós contrastando perfeitamente com a noite estrelado acima de nós. — Bem, Seth realmente tirou com meu celular, mas é uma linda foto nossa. Totalmente digna para a parede, eu acho. Ele apenas continua olhando para o retrato e eu sinto que estou a ponto de perder minha mente enquanto penso em todas as coisas que podem estar erradas. Talvez eu estou lembrando-o do seu passado demais. Talvez eu esteja lembrando-o de tudo que ele não tinha. Mas quando eu finalmente crio coragem de dizer alguma coisa, uma lágrima desliza do seu olho. Ele está chorando e eu estou com medo. Talvez seja muito emocional. Talvez tenha sido a coisa errada. Enquanto minhas dúvidas caem em cima de mim, ele levanta o olhar para encontrar o meu e percebo que eu estava errada. Ele não está chorando porque está triste. Ele está chorando porque se sente amado. E Deus, isso é bom por que eu o amo. Mais do que qualquer outra coisa no mundo. Ele não diz nada. Ele só me ataca, os lábios colidindo com os meus e roubando o fôlego dos meus pulmões. Mas isso é


bom; Eu vou dar-lhe o meu ar, meu coração, minha alma, o que ele quiser. A única coisa que importa é o que ele queira. — Você se lembra da última vez que estivemos neste quarto? — Ele diz através da sua respiração ofegante quando se afasta. Concordo com a cabeça, olhando para seus lábios inchados antes de permitir que meus olhos encontrem os seus. — Eu lembro. — Foi a primeira vez que fizemos amor. — Foi um dos momentos mais incríveis da minha vida, — ele diz em voz baixa, o calor do seu corpo aquecendo cada polegada do meu. — Você sabia disso? — Ele pergunta. Quando eu balanço minha cabeça, ele sussurra: — Bem, foi. E mesmo que eu não sabia disso na época, foi o momento em que eu me apaixonei por você. Suas palavras afundam através da minha pele e dispara direto no meu coração. — Eu acho que foi quando eu me apaixonei por você, também, — eu sussurro. Há uma pausa. Uma troca silenciosa que as palavras não podem expressar. Então começamos arrancando as roupas um do outro. Botões voando. Tecidos sendo jogados. Estamos rindo e sorrindo e ele está chorando e eu também por razões que não consigo nem entender. É como eu estivesse sentindo tudo ao mesmo tempo e é tão avassalador e poderoso, e eu não trocaria isso por nada no mundo. E quando ele entra em mim, seu corpo sobre o meu, tudo o que posso pensar é como me sinto segura em um lugar que uma vez senti que estava cercada de espinhos e videiras. Um lugar que me sinto tão insegura. Um lugar onde eu perdi tudo, mas agora estou recebendo tudo de volta e muito mais. E não, Kayden não é meu príncipe. Também não tenho que tornar-me uma princesa novamente.


Eu sou simplesmente Callie. E ele é simplesmente Kayden. E somos simplesmente nós. E é a forma mais real de perfeição que já existiu. *** — O que você está fazendo? — Kayden pergunta quando eu me sento no colchão e estico meus braços sobre minha cabeça. É tarde, bem depois da meia-noite, e eu estive deitada pelo que parece horas, tentando adormecer, mas não estava funcionando para mim. Meu cérebro está ligado. E eu quero dizer, em diante. Com palavras e frases implorando para serem escritas. — Nada. — Eu procuro sua camisa e coloco-a sobre a minha cabeça. — Eu estava indo escrever um pouco, porque não consegui dormir. Ele rola para o lado e se sustenta em seu cotovelo enquanto eu caminho até minha bolsa para pegar meu laptop. — Então, quando eu vou poder ler esta história misteriosa? — Ele pergunta, traçando os dedos para cima e para baixo na minha espinha. Eu considero o que ele disse enquanto corro de volta para o colchão, apressando-me porque o chão está congelando meus pés. — Quando estiver concluído. Ele olha do laptop para mim, em seguida, levanta a sobrancelha. — E quando será isso? Eu me inclino contra a parede e posiciono o laptop no meu colo. — Provavelmente esta noite. Eu posso sentir o fim se aproximando. — Eu abro o notebook e ligo a tela. — Ou, pelo menos, o final em aberto.


— É sobre o quê? — Ele se inclina e lê o título na tela. — O conto de fadas verídico. — Seu olhar percorre até mim. — Parece que é sobre uma princesa e um príncipe. Eu balanço minha cabeça enquanto coloco um travesseiro nas minhas costas e estico as pernas. — Não. Apenas um garoto e uma garota. Ele me dá um olhar curioso. — Mas você vai me deixar ler, certo? Eu adoro ler suas coisas. Eu juro que me dá um pouco de conhecimento sobre o que se passa na sua cabeça. — Com toda certeza. — Eu faço a minha melhor voz de vilão mau e ele ri. — E sim, eu prometo que você vai poder lê-lo quando tiver finalizado. Parecendo satisfeito, ele se deita e fica confortável. Eu só realmente começo a escrever, porém, quando ele cai no sono; caso contrário, eu sinto que ele está me observando. O primeiro encontro foi mágico. Eles comeram. Eles dançaram. Eles riram. Eles sorriram. Até o final da noite, o ar estava tão elétrico que a garota teve de olhar ao redor, porque seriamente sentida que fadas estavam escondidas nos arbustos, jogando pó de pirlimpimpim onde quer que eles fossem. — Eu estou feliz que fizemos isso, — o garoto disse, enquanto caminhavam por um caminho que nunca tinham tomado antes, lado a lado. — Estou feliz, também, — ela respondeu. — Eu diverti-me muito. — E era a verdade. Ela tinha se divertido e quase fez a noite surreal. Talvez ela estivesse sonhando. Talvez ela tivesse adormecido e nada disso era real. Se fosse esse o caso, então ela esperava nunca acordar. As estrelas e a lua brilhavam acima deles e as casas ao redor estavam em silêncio. Era apenas eles. Não havia


monstros. Sem expectativas. Não havia reinos, rainhas, reis e palácios. Era perfeito. E, pela primeira vez em muito tempo, a garota se sentiu segura. Talvez até mesmo ousada. Com toda a bravura ela conseguiu criar, ela se aproximou e pegou a mão do garoto. Ela meio que esperava que ele recuasse a partir do contato, meio que esperava fazer a mesma coisa. Em vez disso, o garoto a segurou e ela segurou mais apertado. Não havia uma faísca ou um choque a partir do contato, apenas uma corrida de energia quando a pele deles se tocaram pela primeira vez. — Sabe, eu nunca estaria aqui se não fosse por você, — ele diz de forma tão abrupta que a pega desprevenida. — O que você quer dizer com isso? — Ela pergunta, parando com o garoto debaixo de um poste de luz. Era a única luz na rua e os cercavam. Ele olhou para ela com tanta paixão em seus olhos, implorando para que ela entendesse. — Naquela noite, quando você pareceu... Quando você me salvou, mudou o rumo da minha vida. A garota assentiu ofegante. — Como assim? — Porque eu tinha desistido, — ele disse, passando seu dedo pelo rosto dela, fazendo-a tremer e seu coração pular uma batida. — Eu pensei que o mundo estava cheio de monstros e não havia realmente um ponto em combatê-los mais. Que onde quer que eu fosse, eles estariam lá para


quebrar-me, mas você... Você me mostrou que nem todo mundo é um monstro. — Você me mostrou isso, também, — respondeu a garota. O garoto olhou para ela, confuso, e ela queria explicar, mas não podia ainda. Talvez essa fosse a chave para tudo, não é? A chave para voltar a ser uma princesa. Ela não queria ser uma princesa mais, sabia que não devia acreditar em tais coisas. Mas ela queria ser uma garota normal que poderia apreciar as mãos de um cara sem sentir nojo. Ela só queria ser feliz em seu próprio mundinho. — Eu gostaria de poder fazer mais, — ele respondeu com uma expressão triste. Ela não queria que ele ficasse triste, no entanto. Ela queria que ele fosse feliz. Ambos. Mas ela tinha que saber se talvez ele pudesse fazer mais. Ou talvez ela tivesse que fazer isso sozinha. Talvez ela fosse a pessoa que tinha que ser corajosa, para salvar a si mesma. Sem sequer pensar, ela começa a inclinar-se para beijá-lo, esperando não assustá-lo. Para sua surpresa, ele se inclina, também, e os dois se encontraram no meio. A união dos seus lábios não desencadeia uma explosão de fogos de artifício. Não havia música anunciando este ponto feliz para sempre de suas vidas. Na verdade, a luz acima deles não cintilava e não havia nada além de escuridão. Mas não poderia sufocar a luz causada pelo fogo escondido dentro do


coração um do outro, um fogo que muito possivelmente poderia queimar para sempre se eles escolhessem deixá-lo. E foi um começo. Para felicidade. Para uma vida sem monstros que os controlam. E realmente, isso é tudo o que os dois sempre quiseram. Não um felizes para sempre. Apenas um feliz após. Eu não tenho certeza quanto tempo olho para a tela, decidindo se é isso, mas tenho certeza que é, pelo menos, por uma hora. Após a hora que se segue, porém, eu decido que estou feliz com isso e guardo-o no meu arquivo. Então, me inclino para colocar o computador de lado no chão, não querendo sair da cama e de debaixo das cobertas. O quarto está escuro, a única luz é da janela onde posso ver a lua no céu. — Eu esqueci de te dar o seu presente, — Kayden diz tão abruptamente que deixo escapar um grito de gelar o sangue. — Oh meu Deus, você me assustou. — Eu solto minha respiração através de um riso histérico. — Eu pensei que você estava dormindo. — Não, eu estava acordado. — Ele sufoca o riso e senta-se, pegando a mochila que está ao lado da cama. — Durante todo o tempo? Ele abre o zíper da mochila. — Sim, eu estava assistindo você escreve.


— Isso soa super chato. — Deito-me na cama e viro-me de lado para encará-lo. — Na verdade, foi super divertido. — Ele pega algo da sua bolsa, acende uma lâmpada nas proximidades, e então se vira para mim. Há uma pequena caixa prata em sua mão e um brilho em seus olhos. — Feliz Natal. — Ele me dá a caixa enquanto permanece deitado ao meu lado. Eu espero um ou dois minutos, tentando não pensar muito sobre o que está dentro da caixa. Finalmente, eu apenas abro. Então paro de respirar. — Oh meu Deus, você não tinha que fazer isso... — eu sussurro em reverência. — Eu sei que não, — Kayden diz, me olhando com um sorriso no rosto, — mas eu queria. Dentro da caixa está provavelmente um dos colares mais legais que eu já vi. É de nenhuma maneira tradicional, o que me faz amá-lo ainda mais. O pingente de prata tem a forma de um livro, e quando eu pego-o, noto que está gravado na frente por Callie Lawrence. Ele também se abre como um medalhão, mas o interior está vazio, como páginas prontas para serem marcadas com uma história. — Você gostou? — ele finalmente pergunta e percebo que, sob seu sorriso, ele está esperando por minha aprovação. — É perfeito, — eu digo, então inclino-me para beijá-lo. — Bom, — ele diz entre beijos. — Estou feliz que você tenha gostado. É para quando você escreve sua história. Para mostrar que eu acredito em você. Eu quase começo a chorar ali mesmo. — Eu amo isso. — Eu coloco o colar, prometendo nunca mais tirá-lo. Então me deito


e aconchego-me contra ele sob as cobertas, sentindo-me mais satisfeita do que nunca. Estou prestes a adormecer quando ele pergunta: — Posso lê-lo agora? Minhas pálpebras se abrem. — Ler o quê? — Sua história, — ele diz com um sorriso torto enquanto olha para mim com expectativa. — Eu vi você digitar "fim". De repente eu fico nervosa e as palmas das minhas mãos ficam tão suadas que tenho que limpá-las na frente da minha blusa. — Você quer ler agora? Ele acena com entusiasmo. — Eu quero. — Hum... Tudo bem. — Eu me viro e me inclino para pegar meu laptop, sentindo-me ainda mais ansiosa. Espero que ele goste, espero que ele entenda, porque realmente, ele é metade da história. E uma das partes mais importantes. Ele me diz que posso ir dormir enquanto lê, mas não há nenhuma maneira que eu possa fechar meus olhos. Então acabo encontrando-me ali, olhando para todas as manchas no teto até que ele termine. Eu sei o momento exato em que ele faz, porque posso ouvir sua respiração irregular. Em seguida, ele define o laptop de lado e rola para mim. Ele apenas me olha e eu não consigo ler sua expressão em tudo. — Então o que você achou? — Eu pergunto, querendo soar indiferente, mas acaba saindo como um feixe de nervos. Ele fica em silêncio para sempre, a cada segundo que passa é quase dolorosamente lento. — Eu acho que é belo e significativo e real, — ele finalmente diz, seu tom irradiando


cada emoção que está sentindo. — Embora, eu tenho certeza que podemos ter um felizes para sempre. — Você acha? — Eu pergunto com um sorriso suave. — Porque isso é uma grande promessa. Seu sorriso reflete o meu. — Não, eu sei que sim. E então ele me beija. Mas este não é o fim da nossa história ainda. Na verdade, meio que parece como o começo.


27 #103 Deixe seus demônios interiores para trás e encontre seu amor pelo jogo.

KAYDEN É o último jogo da temporada e estou me sentindo muito bem. As coisas têm sido incríveis com Callie e tenho vindo a apostar no futuro em vez do passado. Tem sido assim durante o último mês, desde que eu disse meu adeus. Eu não estou feliz o tempo todo, embora, ninguém realmente é. Eu ainda sinto uma pequena parcela de culpa e tristeza sempre que penso em meu pai e como tudo acabou, mas isso acontece muito raramente. O que quase sempre acontece é que estou feliz, não apenas com Callie e nosso relacionamento, mas comigo mesmo. Levei uma eternidade para chegar a este lugar, para deixar ir, mas consegui encontrar a minha própria forma de paz interior com tudo o que aconteceu comigo. E posso dizer honestamente que a minha vida é grande no momento. Agora, eu estou fodidamente empolgado, embora, enquanto me preparo para fazer o último jogo. Se não fizermos isso, nós perdemos, mas eu não estou apostando em perder, na verdade, eu posso sentir isso no ar, nos gritos da multidão, nas luzes tão malditamente brilhantes que está cegando. Estou amando pra caralho cada minuto disso.


Minha equipe está alinhada e eu estou curvado, esperando o estalo. Meu coração está batendo, minha pele úmida com suor, os meus pés prontos. E minha mente... Está silenciosa. Eu ouço tudo. A partir do som dos passos, do meu treinador gritando algo à margem. Eu também posso ouvir minha própria voz interior. Você pode fazer isso. Eu sei que pode. Meu coração bate contra o meu peito enquanto a bola é agarrada em meus sentidos. Meus dedos perfeitamente se envolvem em torno dela e, em seguida, estou correndo para trás, procurando o arremesso perfeito. Mas então percebo que não há perfeição completa, mas por pouco. Então levo meu braço para trás e deixo a bola escapar dos meus dedos e voar para longe. Eu deixo tudo se afastar enquanto respiro livremente pela primeira vez, à espera de que aconteça. A bola sobe ainda mais e assim como minha pulsação. Eu juro que a multidão está segurando a respiração, mas talvez seja porque eu esteja segurando a minha, enquanto assisto a bola atingir o seu pico e depois cair. Ele cai. E cai. E cai. Em seguida, pousa perfeitamente nas mãos do receptor. Perfeito. Touchdown!


A multidão começa a aplaudir e assim como meus companheiros de equipe quando nós ganhamos o jogo. E dessa vez eu me junto a eles, torcendo e contente quando olho para a multidão onde sei que Callie está me observando com orgulho. Mas apenas uma parte da minha alegria é porque eu fiz isso e tocou meu coração. A outra parte é porque eu finalmente deixei meus demônios internos para trás e encontrei o meu amor pelo jogo.


Um pouco mais de um ano depois... #595 faça que o feliz após seja oficial (porque já era hora)

CALLIE A vida é ótima. Não é perfeita, mas a vida nunca é. Mas a perfeição seria chata de qualquer maneira. Na maior parte, as coisas estão bem, no entanto. Kayden e eu ainda estamos vivendo juntos, e pretendemos continuar assim por um tempo. Nossas paredes são cobertas de fotos nossas como um casal, com família, com os amigos. Mostra como toda a nossa vida é e o quão longe nós chegamos. Tem havido muita conversa sobre isso sendo elaborada no próximo ano, embora, e nós tivemos a conversa embora seja cedo. Só levou-nos como dois minutos para colocar para fora todas as razões do por que ele precisa de mim se ele deixar Laramie, e levou como meio segundo para mim gaguejar que iria segui-lo em qualquer lugar, já que eu posso escrever em qualquer lugar, que é o que eu venho fazendo e planejo continuar fazendo. Que uma vida sem ele seria uma vida triste que eu nunca mais quero ter. Nós temos um pouco de rotina agora, onde nossos feriados são alternados entre a casa dos meus pais e do seu irmão na Virgínia. Eu conheci um Tyler sóbrio seis meses atrás e foi bom. E Kayden não cortou-se em pouco mais de um ano. A tristeza em seus olhos se foi, exceto em algumas ocasiões, como quando ele recebeu um telefonema aleatório da sua


mãe. Ele nunca a respondeu, porém, ou ligou de volta, e suas mensagens de voz são nada, apenas para persuadir. Mas diferente da tristeza ocasional e brigas bobas, Kayden e eu estamos firme e forte. Ele me diz todos os dias que me ama e eu digo-lhe o quão importante ele é para mim. Nosso feliz após está funcionando muito bem para nós e parece só melhorar com o tempo. Isso me deixa animada para o que o futuro nos reserva - o nosso futuro. Deixa-me animada que temos um futuro. — Escrevendo novamente, eu vejo, — Seth interrompe meus pensamentos enquanto entra na minha sala de estar, sem sequer bater. Ele não se preocupa em fechar a porta, mesmo que esteja congelando lá fora e uma rajada de vento com neve entre. — E se eu não tivesse vestida? — Eu brinco, fechando meu diário. Está preenchido com tantas páginas com minha caneta de tinta que está seriamente começando a manchar as arestas. Ele revira os olhos. — Ok, certo. Você nunca iria ficar nua na sua sala de estar. — Ele faz uma pausa, em seguida, me dar um olhar escandaloso em seu rosto. — Eu, por outro lado, posso tornar isso um ritual diário. Agora eu sou a única revirando os olhos. — Oh, o que quer que seja. — Eu lanço meu diário na mesa de café e fico de pé. — Então, você está indo fechar a porta ou você está tentando adicionar mais na minha fatura de aquecimento? — Eu sorrio para ele. Ele balança a cabeça, mas está divertido. — Na verdade, é hora de ir para o jogo. Minha testa se franze quando olho para a hora no meu celular. — Mas é super cedo. — Como muito adiantado.


— Eu sei, — ele diz, pegando meu casaco do apoio e jogando-o para mim. — Mas fui instruído a te levar até lá mais cedo. — Por quem? — Eu pergunto enquanto deslizo meus braços nas mangas do meu casaco e fecho-o. — É um segredo. — Em seguida, ele pisca para mim e dirige-se a porta, deixando-me totalmente confusa. Eu sigo-o para fora, trancando a porta antes de descer as escadas atrás dele. Há uma leve geada no chão e o ar está congelando, mas o sol está brilhando e o reflexo dele contra a neve faz tudo brilhar. Eu não posso me parar, mas respiro o ar mágico antes de entrar no carro. Encaro Seth pelo tempo em que fecho a porta quando ele liga o motor e depois dirige. — Você está agindo de forma estranha, — eu digo a ele, colocando meu cinto de segurança. — O que foi? Ele dá de ombros quando vira o volante e dirige para a rua. — Nada. Eu conheço Seth o suficiente para saber que ele está mentindo. — Você está tão cheio de si. O que está acontecendo? Por que você está me levando para o jogo mais cedo? — É uma surpresa, — ele diz, entrando na rua. — Por favor, por favor, me diga. — Eu imploro com as minhas mãos em minha frente. Ele balança a cabeça. — De jeito nenhum. Agora não. — Eu não vou contar a ninguém.


— Não importa, Callie. Eu ficaria com raiva de mim mesmo se eu arruinasse uma surpresa para você. Eu faço um beicinho enquanto me ajeito no assento. — Oh, tudo bem. Vou jogar junto. — Eu mexo no aparelho de som até encontrar uma boa música, então tento relaxar, mas quando passamos por uma livraria me lembro de algo. — Oh droga. — Eu coloco a mão na base do meu pescoço. — Eu esqueci meu colar. É o que Kayden me deu no Natal que tem um pingente em forma livro com meu nome nele. — Você vai ficar bem, Callie, — Seth me corta. — De jeito nenhum. Temos que voltar. Traz-lhe sorte sempre que eu uso. Seth ri quando vira para fora da estrada principal em direção ao estádio de aço brilhante. — Vocês dois e suas superstições. — Não é uma superstição. — Eu digo, o que não é bem a verdade, mas Kayden diz que sempre que eu uso-o, traz-lhe sorte, quando ele joga. Cresci com um pai treinador de futebol, eu conheço o suficiente para tolerar essas superstições. — Relaxe, Callie, — Seth me diz enquanto estaciona o carro perto da entrada do estádio. — Eu estou com o seu colar. — Por que está com você? — Eu me pergunto. Há uma pausa e eu sinto a mudança no ar. Alguma coisa está acontecendo. Algo importante. Seth parece que está prestes a chorar quando se aproxima, pega a minha mão, coloca minha palma para cima, e descarta o colar nela. — Não olhe para ele até que você esteja dentro do estádio. — Ele fecha meus dedos em torno do colar, em seguida, inclina-se para trás em seu assento. — Agora vá.


Eu olho para a minha mão e, em seguida, para o estádio, sabendo sem realmente saber que algo mágico está prestes a acontecer. Incapaz de formar palavras, eu saio do carro e faço a minha jornada em direção ao estádio com o colar em minha mão. O segurança pergunta o meu nome, em seguida, me deixa passar quando digo a ele. Eu ando pelo túnel e para o campo, sorrindo quando me lembro da noite em que Kayden trouxe-me aqui mais de dois anos atrás, para jogar bola. E para me pressionar contra o poste do campo. Parece menor desta vez, porém, menos esmagador. Honestamente, eu sinto que o lugar é aqui. O sentimento só amplifica quando Kayden emerge atrás de mim. Eu observo seu cabelo castanho caindo nos olhos lindos que juro que podem ler a minha alma agora. E os seus braços magros e ombros largos que me seguram sempre que me sinto triste. Ele não está em seu uniforme, mas em jeans, botas, e seu casaco, o que acho um pouco estranho. — Ei, você veio, — ele diz, enquanto caminha até mim casualmente, como se tudo isso não fosse totalmente estranho. — Sim, mas estou querendo saber por que eu precisava fazer isso, — eu digo com desconfiança, inclinando a cabeça para trás para olhá-lo enquanto ele me atinge. — Eu estou supondo que você e Seth têm algo grande planejado, embora, desde que os dois planejaram juntos tem que ser algo épico. — Oh, é definitivamente épico, — ele diz em um tom arrogante, mas seus olhos revelam o contrário. Ele está nervoso e isso me deixa nervosa também. — OK… — Meus dedos apertam em torno do colar. — Você gostaria de compartilhar comigo o que esta coisa épica é? Ele balança a cabeça, mas engole em seco, sua pele de repente empalidecendo. — A verdade é... — Ele começa a


gaguejar, mas, em seguida, limpa a garganta e balança a cabeça para si mesmo. — Ok, deixe-me tentar isso de novo. — Nós dois rimos, mas não porque é engraçado - porque estamos nervosos. — Você se lembra da última vez que você e eu estivemos aqui? — ele pergunta, apontando para o campo e as arquibancadas que o cercam. Eu concordo. — Sim, eu chutei sua bunda no ataque. Ele ri com os olhos brilhantes, mas seus nervos ainda estão lá. — Você fez, não é? — Ele faz uma pausa, passando os dedos pelo cabelo. — Bem, eu pensei em trazer você aqui para que pudéssemos reviver outra boa memória do passado desde que não fizemos isso antes. É disso que se trata? — Você quer brincar de pegar de novo? Ele balança a cabeça. — Não, eu quero te perguntar uma coisa. —OK…? — Estou tão confusa. E ele está parecendo mais pálido a cada segundo. — Você está com o seu colar? — Ele pergunta, com a voz quase tão suave quanto um sussurro. Concordo com a cabeça, em seguida, abro a minha mão. — Sim, Seth me disse para não olhar para ele até que eu chegasse ao estádio. —Há uma pausa e então ele nervosamente espera que eu faça. — Oh, certo. — Eu rio de mim mesma enquanto olho para o pingente em forma de livro em minha mão. E então eu vejo isso. Tudo isso se trata disso?


— Por Callie Lawrence-Owens. — Eu leio em voz alta, soando mais nervosa do que ele. — Abra-o. — Desta vez, ele sussurra. Com os dedos trêmulos, me atrapalho com o fecho e, finalmente, ele se abre. As páginas não estão em branco. Elas são preenchidas com a promessa de uma história. E é a história mais incrível de sempre. Seu feliz após. — Sim! — Eu digo, antes que ele possa até mesmo pedir. Então jogo meus braços em volta do seu pescoço e abraço-o com tudo o que tenho em mim. Ele ri de mim e sussurra: — Graças a Deus, — soando extremamente feliz quando retorna meu abraço igualmente, dando-me a melhor coisa do mundo. Não apenas o meu feliz após. Mas ele.


Seth & Greyson (The Coincidence #7) Depois de ser traído por alguém que ele achava que o amava, Seth vai para a faculdade na esperança de obter um novo começo. Mas deixar seu passado para trás é mais complicado do que ele esperava, e debaixo da sua atitude otimista, Seth luta para deixar as pessoas entrarem. Então ele conhece Greyson. Seth é imediatamente atraído por Greyson e sua personalidade doce e encantadora. Mas mesmo que ele sinta uma forte ligação com Greyson, Seth ainda hesita em abrir seu coração para o amor. Com ajuda da sua melhor amiga Callie, Seth percebe que precisa superar seu medo de compromisso. Mas ele vai ser capaz de finalmente admitir como realmente se sente sobre Greyson?


Olá! Meu nome é Edieny Williams e esse e-book tem a tradução e revisão efetivada por mim, sem qualquer forma de obtenção de lucro, direto ou indireto. O leitor fica ciente de que o download destina-se somente ao uso pessoal e privado, e que deverá abster-se de postagens ou hospedagens em qualquer rede social. Email para contato: edienywilliams@outlook.com Faça download das minhas traduções pelo: MinhaTeca/edienywilliams


The Resolution of Callie & Kayden vol. 6 (revisado) - Jessica Sorensen