Issuu on Google+


Glória do futebol. Um diamante gigante. Um olhar distraído. Jude e Lucy são dois felizes noivos, mas isso não significa que a vida é um mar de rosas. Mais uma vez, Jude e Lucy são separados por treinamentos de futebol e um emprego de verão que cria novas tensões. Agora é a vez de Jude ter problemas de confiança. Será que as notícias da mudança de vida de Lucy irá uni-los ou terminar o seu relacionamento para sempre? Pode o amor triunfar para sempre ?


Capitulo 01

A

ltos e baixos. Indo e voltando. Uma e outra vez. Esse era o nosso padrão. Esse era nosso mundo. Com um cara como Jude Ryder ao meu lado, os

baixos da vida eram mais baixos e os altos eram mais elevados. Esta era a nossa realidade, a nossa história... Nossa história de amor. Nós brigamos, nós nos exaltamos. Nós erramos,

nós

pedimos

desculpas.

Nós

vivemos,

nós

aprendemos. Jude e eu tínhamos cometido um monte de erros na história da nossa relação, mas uma coisa que sempre me pareceu certa? Nosso amor que consumia um ao outro. Esta era a minha vida. E você sabe o quê? A vida era malditamente boa. Mesmo apesar do fato de que eu não tinha ideia de onde eu estava. — O que você está fazendo? — sussurrei de volta para Jude, continuando a deixá-lo me levar para o buraco negro.


— Algo que você vai amar. — ele respondeu, apertando meus ombros enquanto me guiava. Meus saltos começaram a ecoar em torno de mim. Então nós estávamos em um túnel, mas qualquer coisa para mim pareceria um túnel escuro porque Jude me fez fechar os olhos no momento em que tinha atendido a porta esta noite. Era mais do que apenas vagar por aí dentro da velha caminhonete dele, que fazia um barulho tão familiar para mim, era a melhor parte de um encontro em uma sextafeira à noite, aqui dentro eu já tinha perdido o rumo de todas as maneiras que uma garota poderia perdê-lo. Levando em consideração o fato de que Jude Ryder era meu noivo, meu comportamento tem estado um pouco fora de ordem nos últimos anos, mas eles estavam especialmente descontrolados esta noite. Será que este túnel tem um fim? Quanto mais seguimos

para

baixo,

mais

alto

os

meus

passos ecoavam em torno de nós. — Isso que você está fazendo é ilegal? — perguntei, não sabendo se eu realmente queria saber. — Essa pergunta é uma pegadinha? — disse ele, parecendo divertido. — Essa resposta é uma pegadinha? Ele não respondeu imediatamente. Em vez disso, eu senti sua boca quente na pele na base do meu pescoço. Uma


respiração completa para fora, e uma respiração completa para dentro, lenta e profunda e sufocante, antes que seus lábios roçassem uma parte aquecida da pele. Eu tentei não reagir quando o seu toque em mim serviu para deixar cada pedacinho de mim como louca, mas mesmo depois de anos juntos, Jude ainda poderia me desvendar com um toque. Minha pele estava pinicando com pequenos arrepios que percorriam a minha parte inferior das costas quando sua boca se afastou. — Certamente há alguns pontos que poderiam ser classificados como ilegais de acordo com a Bíblia. — disse ele, em voz baixa com desejo. Não tão áspero quanto ficava quando ele precisava de mim ali mesmo, ainda era contido o suficiente para que eu soubesse que ele não ia me jogar contra a parede mais próxima e começar a subir a minha saia antes de darmos mais um passo adiante. — Será essa a resposta para sua pergunta? —

Não.

eu

disse,

tentando

soar

controlada.

Tentando soar como se ele não tivesse feito o meu estômago se apertar com o desejo de um beijo. — Isso não responde

a

minha

pergunta.

Então,

vamos

tentar

novamente... — limpei minha garganta, me lembrando de que eu estava tentando soar inalterada. — Em qualquer corredor interminável que você está me levando adiante, em uma direção e local qualquer que você está nos levando, poderia qualquer um desses

delitos

ser considerado ilegal se

tivéssemos que ser julgados no tribunal?


Ele não fez barulho, mas eu sabia que ele estava tentando conter uma risada. Uma das baixas e retumbantes, aquelas que vibravam através do meu corpo quando ele estava pressionado contra mim. — Já que você colocou dessa forma... — ele começou, me parando de repente. Suas mãos deixaram meus ombros e bateram nas minhas pálpebras. — Sim. Pode ser. No entanto, — ele disse: — Eles têm que nos pegar primeiro. Abra os olhos, amor. Pisquei os olhos algumas vezes para ter certeza de que o que eu estava vendo era real. Depois de mais meia dúzia de piscadas, eu poderia estar razoavelmente certa de que o que os meus olhos estavam vendo era, de fato, real. Estávamos dentro do Carrier Dome, apenas na boca de um dos túneis. No entanto, eu nunca a tinha visto desta forma nos últimos três anos assistindo quase todos os jogos em casa. No centro do campo, logo linha das cinquenta jardas, estava um cobertor espalhado, e o que parecia ser uma cesta de piquenique descansava em um canto. Um punhado de velas brancas em frascos claros estavam espalhados ao redor do cobertor. Isso era calmo, silencioso, e em paz. Nem as três primeiras palavras que você costuma usar para descrever uma arena de futebol da faculdade.


E este não era o lugar que a garota esperava que seu noivo fosse levá-la em um grande e surpreendente encontro, aquele que você se arrumou toda para sair. Eu sorri. Não é o que eu esperava, mas exatamente o que eu queria. — O que você acha? ‘Ilegal’ se enquadra? — ele perguntou, enrolando seus braços ao redor da minha cintura e colocando o queixo sobre meu ombro. Eu não conseguia tirar os olhos da cena à luz de velas em frente a mim. Um piquenique na linha de cinquenta jardas. Eu sabia que isso não entraria da lista dos dez tops encontros mais desejados pela maioria das garotas, mas isso certamente seria o número 1 para esta garota aqui. — É apenas ilegal se formos pegos. — eu respondi, virando a cabeça para que ele pudesse ver o meu sorriso, antes de me libertar de seus braços e correr para o cobertor. Esta era a primeira vez que eu tinha estado dentro do campo desde que Jude e eu ficamos noivos no nosso primeiro ano de faculdade, mas realmente parecia que tinha sido a apenas um punhado de dias atrás. Eu descobri mais um dos clichês da vida por estar com Jude: Quanto mais feliz você está na vida, mais rápido ela passa por você. A vida era uma vadia louca se pessoas felizes eram recompensadas com uma


vida que parecia curta demais. Vida curta ou vida longa, isso não importa, eu não estava desistindo de Jude de qualquer maneira. Na

linha

de

vinte

cinco

jardas,

eu

me

virei,

continuando a correr para trás. Jude ainda estava na boca do túnel, me olhando com um sorriso, parecendo como se fosse apaixonado por mim do mesmo modo que ele tinha estado, no dia em que ele confessou o seu amor. Aquele olhar, mais que qualquer um dos outros, tinha me pegado de todas as maneiras que o olhar de um homem deveria ‘pegar’ sua garota. Eu olhei para as arquibancadas mais uma vez para ter certeza de que estávamos sozinhos. Eu me sentia tão malditamente exposta aqui, o que era irritante, mas quantas garotas poderiam dizer que estavam na linha das cinquenta jardas tendo um piquenique com o quarterback universitário número 1 do país? Yeah, isto era uma daqueles momentos únicos da vida, e eu não ia deixar isso passar por mim. Inalando uma respiração lenta, peguei a barra da minha blusa e comecei a deslizá-la para cima do meu estômago. A expressão de Jude mudou instantaneamente. Sua testa formou vincos mais profundos e um canto de sua boca se contorceu.


Levantando uma sobrancelha, eu levantei o resto da minha blusa, puxando-a sobre a cabeça e jogando-a sob a grama sintética. Minha adrenalina estava bombando. A antecipação de ter Jude comigo me incendiava, e a emoção de estar aqui estava atirando-me nas alturas. Enrolando meus braços nas minhas costas, eu soltei meu sutiã. Ele estalou livre, deslizando pelos meus braços para se juntar a blusa aos meus pés. Jude não estava apenas olhando para o meu rosto por mais tempo. Molhando seus lábios, ele começou a vir até mim. Eu comecei a minha jornada para trás novamente, mostrando um sorriso tímido. Eu estava indo me divertir com ele, o atraindo para isso. Eu estava fazendo com ele o mesmo que ele tantas vezes fez por mim. Ele parou assim que eu comecei a afastar-me, olhando para mim como se soubesse exatamente o jogo que eu estava jogando, e ele tanto amava e odiava ser um peão nisso. Parando apenas tempo o suficiente para sair dos meus saltos, deslizei meus dedos sob a cintura da minha saia e baixando-a

nos

meus

quadris,

diminuindo

apenas

o

suficiente para ela se juntar a parte superior da minha calcinha. Eu deixei tanto a saia, como a calcinha se juntarem em meus tornozelos.


Os olhos de Jude voaram para baixo, seu peito subindo e descendo visivelmente, mesmo a partir de onde eu estava a trinta metros de distância dele. Quando seus olhos mudaram de volta para os meus, eles estavam escuros com uma única coisa. Necessidade absoluta. Seu corpo saltou para a ação quando ele invadiu o campo atrás de mim, correndo no mesmo ritmo que ele fazia quando estava jogando uma partida. Virei-me e ri com cada passo que eu corria para longe dele. Foi um esforço inútil, correr de Jude, - tanto agora quanto na vida em geral. Jude sempre me alcançava. Às vezes, ele me dava um bom começo de vantagem, mas ele nunca me deixava ir muito longe. Desta vez, eu quase consegui correr dez metros antes de sentir braços fortes em torno de mim. Um grito de surpresa pontuando o meu riso quando ele me puxou com força contra ele. Não só conseguiu cobrir trinta metros no tempo que eu tinha levado para correr menos de um terço, como ele também tirou a camisa no processo. O calor saindo do seu peito aquecendo as minhas costas, e o movimento de seus músculos contra mim, quando ele inspirava e expirava todo o resto. — Indo a algum lugar? — ele disse, cutucando o meu pescoço até que eu dei-lhe um melhor acesso a ele.


— Qualquer lugar, — respondi, deixando minha cabeça cair para trás contra ele quando sua boca alisou o arco do meu pescoço. — Enquanto você estiver comigo. Senti o seu sorriso contra a minha pele. Suas mãos deslizaram para baixo, parando quando chegaram aos meus quadris. — Como você se sentiria sobre 'qualquer lugar' ser aquele cobertor ali? Tudo ao sul do meu umbigo se apertou. — Diria que, mesmo que eu não tivesse tanta certeza, você continuaria tentando me convencer. — eu disse, deslizando minhas mãos para baixo nos seus braços, fazendo uma pausa para enrolar meus dedos em suas mãos que ainda repousavam sobre os meus quadris. Ele pressionou mais forte contra as minhas costas. — Você estaria certa. — ele disse, deslizando a suas mãos para cima do meu estômago quando ele nos guiou na direção do cobertor. Suas mãos não pararam até que caíram sob um dos meus seios, moldando-os em torno dele. Beliscando a pele do meu pescoço, ele acelerou o passo até que estávamos entre das velas incandescentes. Na ponta do cobertor, Jude me virou. Sua boca se abriu enquanto ele sugava correntes de ar em estouros rápidos. Este era o seu olhar de tortura. Quando ele não podia me ter rápido o suficiente. Era um olhar que eu tentava saborear, porque nunca durava muito tempo. Eu só conseguia segurar Jude tempo o


suficiente antes de mim, ele, ou ambos desistissem de tentar prolongar o inevitável. — Droga, Luce. — ele respirou, acariciando meu rosto com a mão. — Você é tão bonita. Eu sorri. Não tanto pelo que ele disse, mas com a maneira como ele disse. Jude transmitia suas emoções e intenções em palavras e expressões que faziam coisas saudáveis para o coração das garotas. — Se você está tentando me convencer com um pouco de preliminar, vou te dizer um segredo. — eu disse , enrolando meus braços ao redor da parte de trás do seu pescoço. — Você está tendo sorte, não importa o que você diga ou faça, então pode guardar as palavras doces para um momento em que você me deixar puta e esteja tentando conseguir um pouco de sexo pra amenizar a situação. Ele riu, seus olhos cinzentos escurecendo com cada toque. — Eu não consigo me lembrar de dizer palavras doces para poder ter você. — Oh, cale-se já. — interrompi, sorrindo para ele. Um canto de sua boca superior se curvou. — Por que você não me cala? — ele desafiou, seu olhar caindo para os meus lábios. Pressionando mais firme contra ele, deixei meus dedos esquiarem até o plano de seu estômago, liquidando em tempo real os seus jeans. Apertando o botão livre, eu deslizei minha


mĂŁo para dentro enquanto meus lĂĄbios cobriram a sua boca, um gemido escapou. Isso certamente o calaria.


Capitulo 02

A

cabeça de Jude estava reclinada no meu colo

enquanto ele mastigava uma maçã e olhava para o teto da cúpula. Ele ainda estava nu da cintura

para cima, mas o jeans não tinha feito todo o seu caminho para fora. Aparentemente, nós não tínhamos sido capazes de justificar a espera de três segundos que ele teria levado para libertá-lo deles antes que pudéssemos chegar até o ponto do negócio. Nós não éramos conhecidos por sermos pacientes. Eu reclamei em voz alta para obter o meu suéter e saia de volta antes de trocarmos uma fome pela outra e mergulharmos na cesta de piquenique, embora minha calcinha e sutiã ainda estivessem na linha de trinta jardas. — Amanhã é o grande dia. — disse ele em torno de outra mordida na maçã. O ar cheirava com a doçura picante da fruta na boca. Não sendo capaz de resistir, eu me inclinei para beijá-lo, querendo provar o aroma. Era ainda melhor combinado com o sabor de sua boca. Ele estava derramando o ego do notório Jude Ryder quando eu me inclinei para trás. Ele sabia o que fazia comigo. E ele adorava. Eu adorava também, embora não amasse o quão bem ele sabia disso.


— Amanhã eu posso virar um jogador de primeira linha, Luce. — continuou ele, circulando meu tornozelo com os dedos. — Nós poderemos ser milionários em 24 horas. Eu

tive

que

me

esforçar

para

não

estremecer

visivelmente. Esta conversa, – o acordo, o dinheiro, o estilo de vida, - tinham sido uma área de contenção no ano passado, com a probabilidade de Jude estar sendo convocado para times profissionais. Eu não tinha tanta certeza de como eu me sentia sobre isso, mas Jude tinha certeza por nós dois. O problema era que a sua confiança não estava passando para mim. De qualquer forma, quanto mais confiante ele se tornava, menos eu me sentia. Dinheiro tinha o potencial de mudar as coisas. Ele tinha o potencial de mudar as pessoas. Eu estava preocupada sobre como tudo o dinheiro poderia mudar. Eu o amava. Eu, nós, do jeito que estávamos agora. Jude estava em seu primeiro ano de faculdade quando começaram a surgir um milhão de tipos de oportunidade, o tipo de coisa que jogadores universitários iriam vender a sua alma para conseguir. Mas também significava que ele estaria abandonando a escola. Ele chegou até aqui, uma parte de mim queria vê-lo colar grau, brilhando para todas as pessoas da nossa cidade que o tinham sempre o rotulado como um elevado abandonador escolar. Jogar na liga profissional tinha sido sempre o sonho de Jude. Eu não poderia adiar o seu sonho mais do que ele poderia ser meu. — Do jantar de sanduíches de pasta de amendoim esta noite para em 24 horas, termos de prato principal um filé


amanhã à noite. — continuou ele, com o rosto quase brilhando quando seus olhos caiam na terra do dinheiro. — Nós poderíamos ter um apartamento novo, um novo carro de luxo. Nós poderíamos tirar umas férias no Havaí. Voar de primeira classe e toda essas merdas. Pense nisso, Luce. Tudo o que quisermos, tudo que podemos ter. Sempre que quisermos. Não mais lutando em por aí melando as unhas de graxa ou servindo mesas tarde da noite para pagar a conta de energia. — Ele fez uma pausa, um sorriso satisfeito se tornando mais profundo em seu rosto. — Nós poderíamos ter tudo, amor. Engoli em seco. — Pensei que nós já tivéssemos. — Minha voz soou mais triste do que eu quis dizer a ele. A pele entre as sobrancelhas de Jude se enrugou. — O que você quer dizer? — ele perguntou, seu olhar se concentrado em mim. — Pensei que nós já tivéssemos tudo. — repeti. — Eu estive em ambos os lados da linha de dinheiro, e a única coisa que muda é o seu código postal. Isso não pode fazê-lo feliz se você não estiver bem sem ele também. — Bem, eu estive no lado perdedor do jogo do dinheiro toda a minha vida, e, sei que o dinheiro pode tornar a sua vida melhor, se você não pode sequer encontrar o suficiente para ter um quarto com travesseiros na cama ou levar uma muda de roupas nas lavanderias locais em Washington. — soltando sua maçã para o lado, ele sentou-se e virou-se até que estava de frente para mim. As velas piscaram à sua volta, sombreando as fendas de seus músculos, com destaque para


os picos deles, e fez as linhas nítidas de sua mandíbula ainda mais definidas. Um homem como Jude não deveria ser classificado como bonito, mas em momentos como este, ele meio que era. Jude Ryder. Meu lindo noivo. Ele estava esperando por minha resposta. — Ok, então o dinheiro pode tornar a sua vida melhor, se você for pobre. — eu disse, erguendo meus olhos de onde as ranhuras traçavam os seus músculos abdominais. — Mas não

estamos

desamparados,

Jude.

Somos

estudantes

universitários com um teto sobre as nossas cabeças, temos gasolina em nosso tanque, roupas em nossos armários, e casacos em nossas costas. Eu não poderia imaginar ser mais feliz do que sou agora, e se fosse possível, o dinheiro seria certamente a última coisa em uma lista que poderia me fazer mais feliz que isso. — peguei o copo plástico que Jude tinha enchido de uma garrafa de vinho espumante barata e dei um gole. Estava uma delícia. Eu estava tão feliz com uma garrafa de cinco dólares de vinho espumante de um mercado qualquer

como

eu

estaria

com

a

melhor

garrafa

de

champanhe que o dinheiro pudesse comprar. — Não, nós não estamos desamparados, mas também não estamos prosperando no departamento de dinheiro, Luce. — disse ele, pegando a minha mão e puxando-a em seu colo. — E você está certa que dinheiro não poderia me fazer mais feliz do que eu já sou agora. — Ele sorriu tão grande que fez a cicatriz em seu rosto enrugar. — Mas isso significa que posso finalmente me livrar do pedaço de merda que


chamo de caminhonete e comprar um jacked up1, de trezentos e cinquenta cavalos, preta, um monstro de caminhonete. Eu revirei os olhos e o empurrei. — E nós podemos negociar esse seu pequeno kart para um conversível cheio de energia. — ele continuou. —

Eu

gosto

do

meu

Mazda. —

eu

murmurei,

arrancando uma uva da videira e jogando-a na minha boca. — E podemos comprar uma casa com um quarto para cada dia do ano, com tantos empregados e mordomos que você não teria que levantar um dedo novamente. A menos que fosse para pedir um suco fresco e natural de laranja. — Ele estava realmente em um rolo, as palavras saindo de sua boca, seus olhos brilhando com as visões. Meus próprios olhos estavam se estreitando quando meu estômago revirou. — O dinheiro muda as pessoas, Jude. — sussurrei, olhando para o meu copo. Ficamos em silêncio quando deixamos isso se resolver entre nós. — É com isso que você está preocupada? — disse ele, sua voz suave. — Que o dinheiro vá mudar você? Balancei minha cabeça, concentrando nas bolhas que se infiltraram nas laterais do copo. — Não. — eu disse, antes de olhar em seus olhos. — Que mude você. Seus olhos se estreitaram por um breve segundo antes de se arregalaram com entendimento. Enrolando um braço em volta do meu pescoço, ele me puxou para ele. — Venha 1

Um modelo de caminhonete turbinada, quatro portas, com rodas altas.


aqui. — ele sussurrou na minha orelha, passando o outro braço em torno de minhas costas. — A única coisa que poderia me mudar é você, Luce. — disse ele. — Você, e mais nada. Incluindo montanhas de dinheiro. — ouvi o sorriso em sua voz. — Não importa o que aconteça amanhã, ou quantos milhões sejam atirados em mim, eu serei o mesmo cara que eu sou agora. — Ele esfregou as minhas costas, pressionando círculos lentos na minha espinha. — Eu só vou te buscar em uma caminhonete que você não terá mais vergonha de ser vista dentro. — Eu nunca estive com vergonha de ser vista com você. — disse, deixando-o dobrar minha cabeça sob o seu queixo. — Nem mesmo daquela sua lata velha. Ele soltou uma gargalhada. — É bom saber, Luce. Bom saber.


Capitulo 03

C

omo você não está nervoso? — Eu perguntei a Jude, onde ele estava casualmente encostado contra uma parede. Estávamos na infame sala

verde na primeira noite das convocações. Alcançando a sua mão na minha, ele ergueu um ombro. — Os treinadores já sabem quem será escolhido. Não há nada que eu possa fazer agora para mudar isso. — Uma vez que eu agarrei a sua mão, ele me puxou para perto e dobrou, me apertado contra ele. — No entanto, estou começando a ficar nervoso, você está prestes a surtar a qualquer momento. Eu não chegaria tão longe. Lembrei-me de respirar. — Contanto que você me mantenha segurada assim, pelo menos não vou quebrar a minha cabeça ao meio, se eu surtar. Seus braços se apertaram em volta de mim, antes que ele

começasse

a

balançar

no

tempo

de

uma

batida

imaginária. — Você pode dançar na frente de centenas de pessoas e nem sequer transpirar. — disse ele. O movimento foi me relaxando. — Mas seu noivo está aguardando o telefonema para ver para qual cidade ele vai estar se mudando para que ele possa chutar algumas bundas grandes do time de futebol, e então fica a uma linha fina surtar. — Apertando um beijo na minha têmpora, ele encostou a testa


na minha, com um pequeno aceno de cabeça. — Justamente quando eu acho que sei tudo sobre você, Lucy Larson. Minha risada soou maníaca. Provavelmente porque era assim que eu me sentia. — Eu tenho que segurar você em seus pés de alguma maneira. As sobrancelhas de Jude se moveram contra a minha testa. — Você é excelente nisso, Luce. Esse tom novamente. A corrente que revelava que ele estava

tentando

dizer

algo

mais.

Tinha

havido

uma

quantidade crescente de ‘correntes’ nos últimos meses. — O que isso significa? — perguntei, levantando minhas próprias sobrancelhas para que ficassem tão altas quanto as dele. Eu me lembrei que não estávamos sozinhos, que estávamos cercados pelos melhores jogadores de futebol da faculdade, junto com suas famílias e amigos mais próximos. Este não era nem o lugar nem o momento de entrar em uma de nossas brigas. — Significa, se você não me mantivesse sob meus pés a cada segundo de cada dia, eu já teria descoberto uma maneira de levá-la ao altar até agora. — disse ele, e tudo se encaixou no lugar. Ele estava de mau humor porque ele não me tinha descalça e grávida na cozinha ainda. Ok, então ‘descalça e grávida’ pode ter sido um exagero, mas não havia como negar que Jude queria que eu fosse sua mulher no segundo depois de eu ter concordado em casar com ele. Ele só estava pedindo, implorando, e depois,


quando eu negava, respondendo ‘Ainda não’, ele ficava todo mau humorado. Não era que eu não queria me casar com ele. Jude iria ser o meu marido. Eu ia ser a Sra. Jude Ryder um dia. Eu simplesmente não estava pronta para que esse dia fosse hoje. Ou ontem. Ou amanhã, se quer saber. Eu queria terminar a faculdade e ter alguns anos de experiência em um trabalho real na dança antes de me tornar uma senhora. Eu não quero ser conhecida na história do século XXI como a menina que concluiu a faculdade para obter um grau de SENHORA. Então, a minha resposta era: — Ainda não. Mas o dia virá. No entanto, isso não era o que Jude gostava de ouvir. Então, ao invés de discutir novamente a minha lista de razões válidas para adiar o casamento, eu redirecionava a conversa para outra coisa. Eu tinha me tornado uma ninja nisso. — E se eu não o tivesse mantido em seus pés nos últimos três anos, você não estaria prestes a fazer uma escolha na primeira-rodada e teria assinado a sua vida para longe das montanhas de dinheiro. — respondi, jogando suas palavras de volta para ele. — Vamos lá, Luce. Estou ficando cansado da sua rotina, parar, soltar, e desviar do assunto. — ele disse,


olhando para mim, mas ainda assim mantendo-me perto. — O casamento não é o fim do mundo. — Então por que você continua agindo como se o meu fosse acabar se eu não quiser me casar amanhã? — Porque o seu falar ‘agora não’ é o fim do mundo. — disse ele, lutando contra um sorriso. — Vamos, baby. Case-se comigo. — disse ele, não como uma pergunta, mas como um comando. Eu não respondi, deixando os segundos assinalar para fora o silêncio ao nosso redor. — Case comigo, — ele repetiu, desta vez como uma súplica. Ele me esmagava um pouco de cada vez, Jude suplicando-me para casar com ele. — Eu vou me casar com você. — respondi. Ele sorriu para mim. — Quando? Eu sorri de volta. — Em breve. — Posso ter isso por escrito? — ele perguntou. — Talvez

uma

data,

uma

hora

e

um

local?

Sabe, apenas para que eu possa ter certeza de estar lá quando o clima de casamento acertar você? — Ele desviou o olhar, a leveza indo embora de seu olhar, deixando-o sombrio. Caramba. Nós oficialmente cruzamos a linha de ‘ficando ligeiramente chateados’ para ‘completamente feridos’. Eu odiava que Jude se sentisse assim, mas eu não podia desmoronar. Eu não poderia casar-me, porque eu me sentia culpada. Isso seria um casamento fadado ao fracasso, e


quando eu dissesse: — eu aceito. — isso seria uma coisa de uma única vez. — Jude Ryder, — eu disse, inclinando seu queixo até que ele estava olhando para mim. — Você está tendo um momento de insegurança? Pensei que fosse imune a eles. — tentei um sorriso, mas o senti superficial. — Você está preocupado que não vou me casar com você? — Até o meu tom de voz soava artificial, muito mel com açúcar para ser acreditável. Inclinando a parte de trás de sua cabeça contra a parede, ele levantou o rosto para o teto. Ele não podia olhar para mim, ou não queria, mas seus braços nunca se afrouxaram. E eu sabia que, não importava o que foi dito ou feito, ele nunca o faria. Essa era uma das das muitas razões pelas quais eu amava esse homem. — Estou começando a me preocupar. — disse ele, finalmente, mudando seu olhar ao redor da sala, fingindo que estava interessado em um punhado de jogadores andando pela sala como leões enjaulados, e seus respectivos séquitos familiares e amigos tentando, e falhando, em acalmá-los. — Jude. — eu disse, puxando seu queixo de volta para mim — Jude olhe para mim. — esperei que ele se voltasse para mim. Eu peguei um vislumbre de quão vulnerável Jude Ryder era. Quão aterrorizado que ele estava de um dia ser abandonado

pela

pessoa

que

mais

amava.

Como

os

fantasmas de seu passado - sua mãe abandonando o seu pai, deixando de ser preso - isso tinha sido ressuscitado por


minha indecisão. Ao vê-lo desta forma eu quase corri para o casamento na capela mais próxima. Quase. Tive que morder a língua para não dizer às palavras que eu sabia que iriam acalmar a dor instantaneamente. Eu cuidadosamente pensei em outras coisas que esperava que o apaziguassem. — Eu vou casar com você um dia. Um dia, mais cedo ou mais tarde. — comecei, segurando o seu olhar, nem

mesmo

permitindo-me

um

piscar

de

olhos

que

quebrasse o contato. — Nunca houve uma pergunta para isso, eu sou sua. Sim, nós não somos marido e mulher ainda, mas eu sou sua. E você é meu. Será que um novo título e um pedaço de papel realmente importam tanto assim? — Eu já sabia a resposta de Jude para isso. — Sim. — ele disse, sua mandíbula apertando enquanto seus olhos brilharam. — Merda, sim, isso importa, Luce. Eu vacilei a partir da intensidade de sua voz. — Eu quero você de todas as maneiras que uma pessoa possa estar com a outra. Em todos os sentidos. — disse ele, sua voz baixa. — Eu quero você como minha esposa. Minha. Esposa. — ele repetiu, quando o Jude territorial estourava livre de sua gaiola. O Jude territorial tinha um jeito de trazer à tona a Lucy temperamental.


— E então o quê? Recebo um novo avental e espátula a cada Natal e xixi em minha perna todos os dias antes de ir trabalhar, para marcar seu território? — atirei para trás, ciente que havia outros ao nosso redor a uma distância audível, mas não me importando neste ponto. — Droga, Luce. — Jude fervia, trabalhando a língua em sua bochecha. — Não faça essa sua coisa louca de ‘Luce temperamental’ e torça as minhas palavras todas para o inferno. Se eu quisesse alguém submissa, uma dona de casa respeitosa, tenho certeza como merda que não teria caído de amor por você. — Ele estava alguns graus abaixo de um grito, mas eu sabia que não iria durar, desde que eu estava planejando lhe responder com uma escolha de poucas palavras de quatro letras, seguido por dizendo-lhe para meter a cabeça onde o sol não brilha. E, em seguida, seu celular tocou. Um silêncio caiu sobre a sala. Nossa discussão foi embora tão rapidamente quanto tinha começado. Deslizando o telefone do bolso, Jude olhou para mim. Seus olhos estavam

arregalados

com

excitação,

brilhando

com

antecipação. Esta era a ligação que ele esperou por boa parte dos três anos passados. Ele havia deixado o seu coração, suor e sangue em campo após cada jogo em sua carreira universitária e, agora, os sacrifícios estavam prestes a serem pagos em um naipe de espadas. Ou notas de dólar.


Ele me deu um sorriso rápido e me aproximei com o braço que ele ainda tinha em torno de mim. Seus olhos brilharam ao seu telefone. Eles ficaram ainda mais largos. — San Diego. — ele sussurrou, examinando a tela novamente. Seu sorriso dividiu seu rosto pela metade. Inclinando a cabeça para trás, ele piou com toda sua força, enchendo a sala em silêncio com a celebração. Eu balancei a cabeça em encorajamento, reunindo–me com um sorriso para ele. Isto era o que ele queria; este time era a sua primeira escolha. Ele merecia isso. Ele precisava do meu apoio. Respondendo a chamada, ele segurou-o ao ouvido. — Senhor, você acabou de adquirir o melhor filho da puta que poderia ter conseguido. Minha boca caiu, mas só um pouco. Eu tinha aprendido há anos que quando Jude chegava, ele nunca dizia ou fazia o que era esperado. O interlocutor do outro lado disse algo, ganhando algumas risadas de Jude. — Vou ganhar alguns campeonatos para você, senhor. — disse ele, sorrindo ao telefone. — Obrigado por me dar uma chance. Além da voz de Jude e meu coração batendo para fora do meu peito, a sala ainda estava quieta. Todo mundo tinha parado seu ritmo e virado para nos ver. A maioria dos


jogadores parecia feliz por ele, balançando a cabeça em reconhecimento, embora alguns usassem expressões ácidas, sem dúvida confusos quanto ao porquê de Jude Ryder ter recebido a chamada antes que eles tivessem. Eu poderia dar-lhes uma resposta: Era porque Jude, ainda na universidade, foi considerado o melhor quarterback do país e ele acredita no trabalho em equipe, ao contrário de um número crescente de jogadores estrelas que pensavam que o futebol era um esporte de um homem só. Terminando a chamada, o rosto de Jude estava em branco com o choque, então ele rapidamente se transformou na pessoa mais hilariante que eu já tinha visto. Pendurado com a cabeça para trás, Jude abriu a boca e soltou um grito de coiote no volume que fez a sala tremer. A sala irrompeu em aplausos, mas mesmo com dezenas de outros gritos, o grito de Jude ainda dominava a sala. Eu não poderia me impedir, vê-lo assim, superado pela emoção, tive que juntar-me a ele. Nem mesmo toda a minha apreensão e ansiedade poderiam turvar minha alegria neste momento. Inclinando minha cabeça para trás, eu gritei junto com ele e joguei meus braços para o ar. Ele tinha conseguido. Ele não apenas tinha conseguido isso, ele tinha sido um chute único logo na primeira rodada. De repetente, de conturbado e criminoso, para, embora ele não tivesse me dito o número ainda, provavelmente, um dos jogadores de futebol mais bem pagos do país.


Este era o negócio em que os sonhos americanos foram feitos, e eu tinha que experimentá-lo ao seu lado. Levantando-me no ar como se eu fosse nada mais substancial do que uma bola de futebol, Jude me girou. — Nós conseguimos, Luce. — ele gritou para mim, sua cicatriz beliscou profundamente em seu rosto a partir do sorriso que ele usava. — Nós realmente conseguimos. E este era o lugar onde Jude e eu tínhamos opiniões diferentes. Eu pensei que estávamos bem, indo muito bem, o tempo todo. Mas devolvi o sorriso e balancei a cabeça. — Sim, baby. — eu disse. — Nós conseguimos.


Capitulo 4

E

stávamos no aeroporto tendo outro angustiante adeus. Uma sensação de déjà vu. Pelo menos dessa vez o Jude não apareceu

furando a segurança usando apenas uma bata de hospital, embora eu estivesse chorando agora tanto quanto eu tinha chorado daquela vez. — Por que você está chorando, Luce? — Jude sussurrou no meu ouvido, me apertando como se ele estivesse com medo de me soltar. Apertei os meus braços em volta dele, fungando em sua camiseta molhada. Não úmida, nem mesmo manchada de lágrimas, ela estava totalmente encharcada de um lado. — Eu tenho algo no meu olho. — Aí está a minha menina durona. — ele disse, o sorriso aparente em sua voz. A última coisa que eu me sentia agora era durona, mas se era mais fácil para ele acreditar que eu era, então eu podia fingir junto. — Você vai perder o seu voo. — eu disse, engolindo o caroço que estava alojado no meio da minha garganta. — Há outro. — ele disse. — O treino só começa amanhã, então não importa que horas eu chegue essa noite. — Ele não estava sendo impertinente. Jude não teria


problema nenhum em perder o voo e pegar um mais tarde se isso significasse ficar assim um pouquinho mais. Mas se ele chegasse tarde essa noite, ele estaria acabado amanhã de manhã para o seu primeiro treino, e ele precisava estar no seu melhor. San Diego tinha que saber desde o primeiro dia que eles tomaram a decisão certa. As primeiras impressões eram tudo e segundas impressões não significavam nada. — Não. — eu disse, forçando-me a levantar a cabeça do peito dele. — Você não pode perder o seu voo. Então é melhor você ir. — dei um tapinha no traseiro dele e olhei em seu rosto. — Sim, eu sei. Eu choro feio. — admiti, fingindo um sorriso. — Eu não posso te deixar assim. — ele disse, limpando uma lágrima com seu polegar. — Eu já te deixei sozinha muitas vezes quando não deveria ter deixado. Quando você precisava de mim. Eu não farei isso de novo. Estas não eram apenas palavras para ele. Jude nunca dizia ou fazia algo como uma mera formalidade. Ele estava falando totalmente sério que ele não iria embora, com ou sem voo, comigo nesse estado atual de choradeira. Eu precisava ser forte por ele, como ele tinha sido por mim inúmeras vezes. Piscando meus olhos, eu os limpei com a barra da manga da minha blusa. Forçando minha boca no que parecia ser um sorriso convincente, eu encontrei o seu olhar. Os cantos dos olhos dele estavam enrugados de preocupação, o resto de sua expressão um degrau abaixo de torturada. Esse


deveria ser um momento de celebração, mas eu estraçalhei tudo, graças às minhas lágrimas. Nossas vidas estavam prestes a mudar, a dar uma reviravolta, e enquanto qualquer outro ser humano que andava na terra teria considerado um contrato de sete dígitos para jogar em um dos melhores times na liga era o melhor tipo de reviravolta que um casal podia ter, eu sentia o oposto. Dinheiro e fama faziam coisas às pessoas. As transformavam. E enquanto eu tinha completa fé no Jude, eu não tinha fé no mundo que ele estava prestes a se enfiar. Jogadores de futebol são uma espécie que atraem as mulheres. Atacantes que ganhavam milhões jogando nos domingos à noite eram cercados de todo tipo de fantasia feminina já criada. Jude estava indo para a Califórnia, a meca das meninas bonitas, e a última imagem que ele teria de mim era uma Lucy com o rosto vermelho com seu cabelo embaraçado preso em um rabo de cavalo, de pijama, já que nós havíamos dormido até mais tarde e quase perdemos o voo. Falando de voos... Jude precisava passar seu traseiro pela segurança em cerca de dois minutos. — Vá. Estou bem. — Ele fez uma careta. — Melhor do que bem. — esclareci, dando um sorrisinho para ele. — Vá chutar alguns traseiros famosos. Mostre a eles que são um monte de mariquinhas que ganham dinheiro demais e sem talento. — Ficando na ponta dos pés, pressionei meus lábios nos dele. Faminta por mais Jude em torno de mim, como sempre acontecia quando nos beijávamos.


Quatro anos juntos, e eu ainda sentia cada beijo até a ponta dos meus dedos dos pés. Ele tinha um dom, e eu não era tímida sobre aceitá-lo. — Duas semanas para eu te ver novamente. — ele disse contra a minha boca, colocando as duas mãos nos meus quadris. — Melhor aproveitar bem. Realmente bem. Meu sorriso se curvou contra a boca dele. Melhor aproveitar bem tinha sido a nossa despedida nos últimos quatro anos sempre que nós tínhamos que dizer adeus por qualquer período de tempo. Era um momento agridoce, mas um que eu nunca deixava passar por mim sem me entregar totalmente. Desta vez, especialmente, não era exceção. Passando meus dedos pelo pescoço dele, eu o puxei para mais perto. — É bom mesmo que você aproveite bem. — Sim, senhora. — ele disse, colocando a mão no meu traseiro e erguendo-me no ar. Eu coloquei minhas pernas em volta da cintura dele, e nossas bocas se moveram uma contra a outra de forma que deveriam ser reservados para o quarto, não cercados pelas massas que faziam o seu caminho pelo aeroporto. O que tinha de grande tabu em demonstrações públicas de afeto, por falar nisso? Não era como se nós tivéssemos forçando ninguém a assistir. Jude se mexeu para que ele pudesse me segurar com um braço enquanto o outro percorria a minha nuca. Massageando a base da minha nuca, ele me puxou para mais perto. Nossos lábios se esmagaram com mais força um no


outro. Abrindo a boca dele, minha língua deslizou para dentro, saboreando-o. Explorando-o. Clamando-o. Os dedos do Jude se curvaram mais profundamente no meu traseiro enquanto nós continuávamos a nos beijar, seu gemido baixo engolido pelo coro de aplausos que se irrompeu ao nosso redor. Os jovens agentes da segurança foram os que gritaram

mais

alto,

embora

um

fluxo

de

recrutas

uniformizados não estivesse disposto a serem deixados de fora do concurso de gritos. A mão do Jude deixou o meu pescoço e se estendeu atrás de mim. Das risadas que seguiram os aplausos, eu podia imaginar que sinal ele estava dando a todos. — Bastardos tarados. — ele murmurou contra a minha boca, colocando-me de volta no chão. Ultimamente, o Jude estava cada vez menos demonstrando afeto em público, enquanto eu aproveitava cada chance que eu tinha. Onde quer que seja. Ele disse que tinha algo a ver com ele não concordar com um monte de caras se masturbando com o rosto da noiva dele mais tarde naquela noite. Ele olhou feio para o mais escandaloso dos ofensores, em seguida ele olhou de volta para mim. Apenas imaginar ele indo embora para longe de mim, eu podia sentir aquelas malditas lágrimas retornando. — Eu queria poder ir contigo. — sussurrei, antes de eu perceber o que eu estava dizendo. As sobrancelhas dele tocaram o céu. — Você pode, sabia. — ele disse rapidamente, já olhando para o balcão de venda de passagens.


— Tenho mais umas duas semanas de faculdade para terminar. — ofereci tão rapidamente quanto ele, virando a cabeça dele antes de ele começar a ir em direção ao balcão. — Então venha quando a faculdade terminar. — ele disse. — Eu te mandarei a passagem e você pode passar o verão na praia enquanto eu trabalho igual um louco no campo. — Exatamente. Você estaria tão ocupado com o treinamento, eu nunca te veria. — Mas pelo menos eu poderia rastejar para a cama contigo toda a noite. — ele disse, colocando-me novamente no chão. Por mais estranho que parecesse, meus pés no chão firme pareciam menos naturais do que quando eles estavam em volta do Jude. —

E

entrando

em

um

coma

depois

dos

seus

treinamentos duplos. — eu discuti. Um canto da boca dele se curvou. — Eu posso estar acabado toda noite, mas nunca estaria tão cansado para aquilo. — suspirei em exasperação. — Você apenas terá que ficar por cima. Eu o empurrei, ganhando nada mais do que uma risada. — Ter o meu traseiro chutado no campo de dia, e curtindo uma rodada de sexo estilo vaqueira à noite. — Seus olhos escureceram. — Soa como o meu tipo de verão. Olhei feio para ele, não impressionada, mas era de se admirar que eu pudesse olhar para o lindo rosto dele com alguma coisa que não fosse reverência, até mesmo agora.


— Vamos lá. — ele disse. — Venha comigo. — Eu já estava abrindo minha boca para protestar quando ele me cortou. — Quando você terminar suas aulas. — Vou pegar aulas no verão, Jude. — eu disse, desviando o olhar. Pode ser que eu tenha me esquecido de mencionar isso. — O quê?! — ele resfolegou. — Quando você decidiu isso? — Ele parecia igualmente irritado e magoado. — Quando decidi que eu queria ser a melhor dançarina que eu pudesse ser. — vociferei em resposta. Jude pausou antes de responder. — Mate as aulas. — ele disse enfim. — Você não precisa ir para a faculdade. Você pode apenas dançar. Eu

podia

sentir

as

pontas

das

minhas

orelhas

começando a esquentar com o sangue pulsando através de mim, —

Sem uma

conseguisse

dançar

graduação, eu em

um

palco

teria de

sorte

uma

se eu

faculdade

comunitária como uma substituta. — eu disse, cada palavra uma onda emocional. — Eu preciso fazer isso. Preciso trilhar o meu próprio caminho da mesma forma que você está trilhando o seu. — Sim, mas o meu caminho nos dará milhões, então por que você não cruza para o meu? — ele disse sem um pingo de remorso. — Não tem nada a ver com o dinheiro, Jude. — eu disse, um degrau abaixo de um grito. Por que ele não estava entendendo isso? Dinheiro era dinheiro, nada a não ser isso, nada mais.


Ele se mexeu, parecendo querer esfregar suas têmporas em frustração. — Então do que se trata? — ele perguntou. — Porque você admitiu que não tem a ver com o dinheiro. Não tem a ver comigo. Não tem a ver com casamento. — A voz dele estava ficando mais alta. — Então de que porra se trata todo esse negócio de 'trilhar o meu próprio caminho', Luce? Porque pensei que éramos um time agora. Pensei que nós tomávamos as decisões que fossem melhores para nós como um casal. Abri minha boca para responder com algo, mas teria sido uma mentira. Quando eu falhava em tudo mais, quando a merda realmente estava acontecendo, eu tornei prioridade nunca mentir para o Jude. Eu mordi meu lábio enquanto eu enrolava por uma resposta. Os ombros do Jude caíram enquanto o resto do corpo dele relaxava. — Vamos lá, amor, do que se trata isso? Balançando a cabeça, afundei mais alguns dentes no meu lábio. — Eu não tenho certeza. — admiti, e enquanto eu sabia que era uma resposta imbecil, pelo menos era a verdade. Eu não tinha certeza do por que era tão importante para eu trilhar o meu próprio caminho no mundo, mas era. Eu não pensei que eu veria o Jude parecer tão frustrado. Limpando a garganta, ele pegou o meu cotovelo e me puxou para mais perto dele de novo. — Case comigo, Luce. — ele sussurrou, seus olhos implorando aos meus para encontrá-los. Droga. Ele não estava fazendo isso de novo. Ele sabia que a minha fraqueza por ele era profunda, e juntando isso


com o tom pedinte e aqueles olhos torturados, ele estava fazendo um belo trabalho de demolir a minha resolução. — Eu vou. — eu disse, ainda me recusando a olhá-lo nos olhos. Ele não deixou a poeira baixar com as minhas palavras. — Nesse momento? — Tanta esperança era sagrada. E eu iria acabar com ela com um golpe rápido no pescoço. — Num momento mais tarde. — sussurrei, formando um meio sorriso que era mais uma careta do que um sorriso. Ele ficou em silêncio pelo que pareceu ser uma hora, como se estivesse esperando que eu voltasse atrás, ou processando as palavras e o significado por detrás delas. Finalmente, ele suspirou... longa, e profundamente, e de uma forma que deu vida a novas lágrimas nos meus olhos. — Te amo, Luce. — ele disse, pressionando um beijo na minha testa. — Se você mudar de ideia, você sabe onde me encontrar. Eu caso contigo no meio da noite em uma capela aos pedaços em Las Vegas se essa é a única opção que nós tivermos. O que você quiser, quando você quiser. Eu estarei lá. — Enterrando seu rosto no meu cabelo, ele inalou profundamente antes de se virar e ir em direção aos portões da segurança. Minha garganta estava muito apertada para deixar as palavras passarem, e os meus olhos estavam tão cheios de lágrimas que eu não via nada a não ser uma sombra alta se afastando de mim. Dois segundos haviam se passado desde o


Ăşltimo toque dele, e o meu corpo jĂĄ estava tremendo pelo afastamento. Seriam duas longas semanas.


Capitulo 5

D

uas semanas... quatorze dias... não haviam apenas passado lentamente. Tinha sido como viver um ano no inferno a cada segundo. Jude

havia ligado toda noite, soando tão cansado como era esperado de um jogador novato da Liga Nacional de Futebol Americano após uma diária dupla esgotante no calor de quarenta graus. Eu vivia por essas ligações, mas eu meio que as temia também, porque eu sabia que nós estaríamos desligando logo depois e o relógio iria recomeçar até nós conversarmos novamente. Outras vinte e três hora e meia no relógio, por favor. Eu tentei me manter ocupada, mergulhando nas últimas semanas de aula, dançando até tarde da noite para audiência nenhuma, apenas um auditório vazio. Eu havia terminado minha última prova final ontem e estava me sentindo confiante que o meu terceiro ano da faculdade havia sido o meu maior sucesso até agora. Eu havia passado a primeira parte do dia agendando entrevistas na esperança de que pudesse arrumar um emprego temporário de verão que pudesse funcionar com o meu horário das aulas. No entanto, muitas faculdades já haviam terminado suas aulas, e parecia que a maioria dos


trabalhos, ou pelo menos os melhores que não pagavam migalhas já haviam sido preenchidos. Eu teria sorte se eu pudesse arrumar um trabalho de meio período sendo garçonete em um café tarde da noite. Eu aceitaria. Eu não era exigente, especialmente nestes dias. Eu aceitaria qualquer tipo de emprego que eu pudesse encontrar, especialmente com o Jude longe o verão inteiro. Eu precisava de algo, — na verdade, muitas coisas, — para manter minha mente longe de sentir saudades dele. E se isso significava servir café e bolinhos em lanchonetes até eu estar azul, eu faria bem isso. Depois de agendar umas duas dezenas de entrevistas, eu parei em alguns mercados de especiarias a procura dos ingredientes certos para o jantar dessa noite, porque hoje era o dia número quatorze. A volta muito esperada do Jude para casa. Deixa para o coral de aleluia, porque eu estava balançando e acenando minhas mãos aos céus o dia inteiro. O voo do Jude iria chegar tarde, então não era exatamente ‘jantar’, mas eu nunca vi o Jude recusando um bom prato de comida não importando qual hora do dia, — ou noite, — fosse. Desde o início da faculdade eu havia aprendido a cozinhar. Bem, meio que aprendido a cozinhar. Não por curiosidade, mas por necessidade. A comida do refeitório era o último recurso, especialmente depois de comer as obras culinárias do meu pai por anos. Na verdade, eu estava


bastante certa que o ingrediente número um na macarronada do refeitório era papelão. A outra opção era comer fora toda noite, o que, com um apetite como o do Jude, era impossível com o salário pífio de um estudante universitário. Então eu aprendi a cozinhar. Nada sofisticado, mas bom, uma comida caseira nutritiva. O cardápio dessa noite consistia em frango assado, purê de batata com alho, e feijão verde assado, — o prato favorito do Jude Ryder. Como os fins de semana durante o ano letivo e os dois últimos verões, quando eu havia me mudado para o apartamento meu e do Jude em White Plains. Este ano, no entanto, eu estava planejando em morar nele durante o meu último ano e usar o transporte público para chegar à cidade. Eu estava farta de viver nos dormitórios. Farta. O

apartamento

era

um

pouco

melhor

do

que

considerado condenado, mas, Deus, eu o amava. Era nosso. Onde nós podíamos ficar juntos. Onde nós formamos mais memórias do que a maioria dos casais conseguiam numa vida inteira. Era um lar, e eu estava feliz por estar aqui por mais um verão. Eu teria ficado mais feliz se o Jude estivesse aqui também. Mas essa noite eu o teria por quase vinte e quatro horas, porque ele tinha um raro dia de folga do treinamento e teria que voltar na segunda pela manhã. Então logo que ele passasse pela porta, eu não iria me fixar no fato de que ele estaria indo embora em menos de vinte horas. Eu iria viver


cada momento como se fosse um ano. Eu iria fazer do tempo a minha cadela, ter a minha vingança pelo que ela tinha feito comigo pelas últimas duas semanas. Eu verifiquei o horário no meu novo iPhone que o Jude havia mandado na semana passada, o primeiro do que ele havia dito que seriam muitos presentes legais. Depois de ter avisado-o que era melhor que ele não começasse a me tratar como algum tipo de amante cara que ele havia enfiado do outro lado do país, eu o agradeci profusamente e dei a ele dezenas de beijos pelo meu novo lindo telefone. — Merda! — gritei quando minha mão acidentalmente encostou-se à caçarola que estava com os feijões verdes que havia acabado de assar na temperatura de duzentos graus por mais de uma hora. Eu estava prestes a passar a queimadura embaixo da água quando a hora se registrou no meu cérebro. — Dupla merda! — Jude estaria aqui a qualquer minuto e eu não estava pronta. Essa noite eu queria que tudo estivesse perfeito. Normalmente eu teria ido pegá-lo no aeroporto, mas então eu não conseguiria surpreendê-lo com o que eu estive planejando pelos últimos dias. Ele tinha soado magoado quando eu disse que ele teria que pegar um táxi porque eu estava planejando algo. Mas quando repeti que estava planejando algo, com a quantidade certa de inflexão, eu conseguia sentir o seu sorriso clássico através do telefone.


Cobrindo minhas mãos com luvas térmicas, levei apressadamente o feijão para a nossa mesa de jantar. Não era nada mais do que uma mesa para uso artesanal de plástico de dois metros de comprimento cercada por uma mistura variada de cadeiras desencontradas, mas quando você a cobria com uma toalha de mesa bonita, ela melhorava um pouco,

então

nós

parecíamos

menos

com

estudantes

universitários pobres e mais como recém-formados com seus primeiros empregos remunerados. Colocando o prato sobre a mesa, eu ouvi passos caminhando pela escada. Passos fortes. As paredes eram finas assim e os passos do Jude eram bem altos assim. Afrouxando o nó do meu roupão, eu o deixo deslizar pelos meus braços e o atiro no sofá. Depois de verificar duas vezes que as velas estavam acesas, a mesa posta, e a música tocando no volume certo ao fundo, eu sento na cadeira. A cadeira está fria, enviando uma corrente fria da minha espinha até o meu traseiro. Uma cadeira de metal dobrável provavelmente não era a minha melhor opção para sentar para uma garota que estava nua. Bem, nua exceto pelos saltos de camurça azul turquesa que eu escolhi para combinar com a gravata que eu tinha frouxamente amarrada em volta do meu pescoço. Uma gravata que tinha SAN DIEGO escrito acima de um raio amarelo apenas uma dezena de vezes. Recostada na cadeira, eu coloquei meus pés na mesa, cruzando os tornozelos enquanto eu girava a gravata entre os


meus dedos. Era um momento muito Uma Linda Mulher. Na verdade, aquele filme, que estava sendo reprisado toda noite na TV, tinha sido a minha inspiração. Os passos estavam ficando cada vez mais altos, apenas mais alguns passos da nossa porta. Eu respirei fundo, tentando me acalmar, já que eu estava agora alcançando novos níveis de uma antecipação épica. Fora a vez que nós nos separamos no colegial, esse tinha sido o tempo mais longo que nós ficamos sem nos ver. Deveria ser considerada uma forma de tortura ficar separada de um cara como o Jude Ryder por duas semanas. Bambu sendo enfiado embaixo das unhas era uma brincadeira de criança em comparação ao que eu havia passado. Mexendo no meu cabelo, eu observo a porta sem piscar, esperando que os passos parem na frente da porta... então, logo que eles continuaram pelo corredor, esperando que eles fizessem a volta e retornassem. Eu esperei um minuto, muito depois que os passos haviam desaparecido dentro de um apartamento. Ok, alarme falso. Mas ele estaria aqui logo. Talvez ele tivesse ficado preso no aeroporto, ou talvez o tráfego estivesse horrível essa noite. Ou talvez... Não, eu não iria me deixar pensar nisso. Ele estava vindo. Ele tinha que vir. Nada poderia parar o Jude do que


ele

queria

muito

menos

a

Liga

Nacional

de

Futebol

Americano. E foi aí que o meu telefone tocou, fazendo-me saltar. Eu ainda não estava acostumada com o toque do meu novo telefone. Atrapalhando-me para pegá-lo, eu sorri quando a foto do Jude apareceu. — Onde você está? — eu disse logo que atendi. — Tenho uma baita de uma surpresa esperando por você. Ele ficou em silêncio por uns dois segundos, e então ele suspirou. Meu coração se afundou. — Você não vai vir. Não é? — tentei não soar tão desapontada como eu estava me sentindo. Outro suspiro. — Eu sinto tanto, Luce. O técnico decidiu passar uma sessão obrigatória de treinamentos extra para os novatos no fim da tarde, e ele chamou uma sessão matutina amanhã, também. A voz dele estava laboriosa, como se ele estivesse correndo, além de que havia um tumulto ao fundo. — Eu tentei te mandar uma mensagem entre os treinos para te avisar, mas parece que não foi enviada. Não. Definitivamente não. — Onde você está? — perguntei, descruzando meus tornozelos, e colocando meus pés no chão. Não tinha sentido em manter uma pose se ele não iria aparecer para apreciar a vista. — No vestiário. Eu te liguei no


segundo que cheguei aqui depois de terminar o treino do dia. — ele disse, tentando falar por cima das vozes de cinquenta de seus companheiros de equipe. — Você está me ouvindo bem? — Sim, eu consigo te ouvir. — disse, mas ele não esperou pela minha resposta. — Ei, caras! — Jude gritou, as palavras abafadas do que eu achei que fosse sua mão sobre o bocal do telefone. – Vocês se importariam de falarem mais baixo um pouco? Eu estou com a minha garota no telefone! Gritar exigências para os seus colegas de equipe pode não ter sido a melhor maneira de forjar relações como o novato no time, mas depois de um coro inicial de Uh e ah e beijos ecoando em volta do vestiário, os barulhos ao fundo diminuíram. Incrível. Duas semanas no time e ele já conseguiu o comando e o respeito de seus colegas. Não que eu precisasse de

outra

confirmação,

mas

o

Jude

realmente

havia

descoberto sua vocação na vida. — Luce, assim está melhor? — Sim. — eu disse, franzindo a testa para a mesa e toda a comida que eu passei metade do dia preparando. — Está ótimo. — Sinto muito, amor. Eu sinto, muito mesmo. Você não pode imaginar o quanto preciso te ver agora. — ele disse


com tanta firmeza, que eu podia sentir sua dor. Era a mesma dor da separação me atravessando nesse momento. — Eu preciso da minha dose de Luce. Muito. Eu mordo minha bochecha; eu não iria chorar por causa disso. — Eu preciso da minha dose de Jude, também. — digo. — Então, quando você acha que nós vamos poder nos ver de novo? — Se ele disser mais duas semanas, eu não tenho certeza de que eu irei conseguir segurar a minha sanidade. — Você pode pegar um vôo na próxima quinta-feira? — Ele não espera pela minha resposta. — Tenho um dia tranquilo na sexta e apenas metade de um dia no sábado. Nós podíamos passar cada minuto que não estiver no campo juntos. Eu prometo. Você virá? — Por que ele estava me suplicando, eu não sabia. Eu precisava vê-lo com a mesma urgência que ele queria me ver. — Claro. Eu vou. Vou marcar um voo essa noite. — Já está feito. — ele disse. — Eu vou te enviar por email as informações sobre o voo depois. Claro que ele já havia marcado. — Tão confiante que eu fosse dizer sim? Eu podia sentir seu sorriso através do telefone. — Estava confiante de que eu poderia te persuadir, não importando qual fosse a sua resposta.


Embora ele não estivesse ali para ver, eu sorri em resposta a ele. — Você não está mais no campo, Ryder. Não esqueça de deixar o seu ego lá. Ele riu baixinho agora, aquela risada retumbante dele. — Você de todas as pessoas deveria saber que esse ego vai onde eu for, Luce. — Uma garota pode sonhar. — foi minha resposta. Isso me valeu outra risada dele. — Então... — ele disse, sua voz tornando-se suave, — O que você está usando nesse momento? Se apenas ele soubesse, ele estaria correndo para o aeroporto e alugando o primeiro voo para cá. Eu olhei para o meu corpo. Não muita coisa. — Algo. — Algo? — ele disse, soando ofendido. — Como algo vai fazer um cara sobreviver por outra longa semana longe de sua garota? — Use sua imaginação, — sugeri, girando a gravata enquanto eu arquitetava um plano. — Estou sem imaginação nenhuma. — ele disse com um resmungo. — Preciso de detalhes. Detalhes detalhados. — Sua voz havia se tornado baixa novamente, como se ele estivesse com medo de que um de seus colegas estivesse ouvindo. — Para começar, que tal a cor, material, e estilo da calcinha que você está usando.


Calor subiu pelo meu corpo. Era um amigo bem-vindo. — Isso pode ser difícil de detalhar. — eu disse, abaixando minha voz. — Já que eu não estou usando nenhuma. — O quê?! — A voz do Jude explodiu pelo telefone. Segurei o telefone longe do meu ouvido no caso de outro grito estar a caminho. Quando ele falou novamente, era numa voz controlada e sussurrada. — Você está falando sério, Luce? — Você não desejaria estar aqui para descobrir? — provoquei, o que foi prontamente seguido por outra gemido. — Eu não achei que pudesse me sentir pior sobre não estar aí esta noite, mas eu deveria saber. — ele disse. — Que mais você está ou não está usando? — foi a próxima pergunta. Eu sorri. Era bom saber que eu podia deixá-lo louco do outro lado do país depois de ele ter acabado de aguentar dez horas de treinamento. Eu observei meu corpo novamente. Sapatos? Uma gravata? E então eu percebi que uma foto valeria mais do que mil palavras. — É meio difícil descrever. — eu comecei. — Por que não tiro uma foto e envio para você? — Eu gostei desse plano. — Parecia que ele estava com o seu sorriso diabólico. Então eu o fiz. — Ok, eu vou desligar e então eu vou te enviar uma mensagem com a foto. Parece bom? — Parece ótimo, — ele disse.


Logo que eu desliguei a ligação, coloquei meus pés de volta na mesa. Ajustando a gravata para que ela ficasse no meio do meu peito, eu dobrei meu braço sobre a cabeça e agarrei

o

topo

da

cadeira.

Experimentando

algumas

expressões na tela da câmera, eu me decidi por uma que eu imaginei que o Jude gostaria mais: um sorriso suave coberto por olhos expectantes. Tirando a foto, eu olhei duas vezes para me certificar que ele veria o que-eu-estava-ou-nãousando na foto. A foto inteira. Sim, era quente. Digitando uma rápida mensagem que se lia, QUERIA QUE VOCÊ ESTIVESSE AQUI, eu apertei o enviar antes de me convencer do contrário. O aviso de entrega de mensagem apitou, e eu mal tive chance de morder meu lábio inferior quando o meu telefone tocou. A foto do Jude apareceu na tela de novo. Isso foi rápido. Eu o deixei tocar algumas vezes antes de atender. — Então, — respondi. — O que você achou da gravata? A respiração dele estava esbaforida novamente. — Que gravata? Eu ri, ele soava sério. — Ah, você quer dizer a gravata que está enterrada entre esse lindos seios seus? — A voz dele não era nada mais


do

que

um

sussurro.

Se

eu

não

estivesse

tão

fervorosamente com ciúmes dela, eu poderia até ter gostado. Passei meus dedos por ela novamente. — Bem, eu a comprei para você, então eu me certificarei de levá-la na semana que vem. Sei que você tem o total de uma gravata em seu nome, então agora você terá duas. — E a primeira coisa que eu vou fazer é te amarrar com ela e transar com você até que nós dois estejamos azuis. Sim, eu senti essas palavras até as minhas partes íntimas. — Jude. — eu avisei. — Pode não ser a melhor hora para discutir servidão e transa quando você está cercado pelos seus colegas de time. Eles vão pensar que nós temos algum tipo de coisa pervertida acontecendo. — Eles estariam errados? — Há um certo grau de provocação na voz dele, mas apenas uma fração. — Sim. — eu enfatizei. — Eles estariam. Nós não usamos chicotes, correntes, ou seja lá que outras coisas existam. Eu sou uma purista do sexo. — Você acabou de usar as palavras sexo e purista na mesma sentença? — ele disse, soando ofendido. — Isso seria afirmativo. — respondi, tomando um gole de água para me acalmar. — Por favor, Luce, pelo amor do meu orgulho e ego masculino... Por favor, nunca use as palavras sexo purista para descrever o que nós temos novamente. Quer dizer, qual


é a próxima? Você vai nos comparar com sorvete de baunilha? — Não. — eu disse, me divertindo que ele havia ficado tão insultado. Quando se tratava do que eu e o Jude fazíamos entre os lençóis, ou em cima da cadeira, ou contra a parede, ou inclinados sobre o capô da caminhonete dele, etc, etc, etc, não havia espaço para reclamação. Mas eu tinha que me divertir um pouco com ele. — Eu diria que a nossa vida sexual era mais na linha da baunilha francesa, se eu tivesse que atribuir-lhe um sabor. — É isso. — ele disse, determinação florescendo em sua voz. — Eu vou te apresentar para o primo safado da baunilha francesa, o chocolate trufado. — O barulho ao fundo de repente começou a diminuir enquanto eu podia ouvir o eco de suas chuteiras correndo por um corredor. — Ryder, que esquema doido você está aprontando agora? Eu vou mesmo querer saber? — Uma das muitas coisas que eu amava a respeito do Jude era a sua habilidade de me manter no suspense. Ele era a definição de espontâneo, e eu havia me rendido a ele em algum lugar ao longo do caminho. — Baunilha francesa. — ele repetiu, soando ofendido enquanto ele continuava sua corrida. — Estou insultado. — Jude, qual é. — eu disse, balançando a cabeça. — Você já me ouviu reclamar? Porque nem um sussurro de reclamação já cruzou a minha mente quando se trata de eu e você e... — Nosso sexo de baunilha francesa. — ele interrompeu.


Eu cobri minha boca para conter a minha risada. — O que você está tramando? O suspense está me matando. — Eu já te contei. — ele respondeu, quando o trote de suas chuteiras parou. — Vou te apresentar para o primo mais legal da baunilha francesa. — Um rangido estridente esmaeceu em um gemido baixo... era um som que eu estava familiarizada. — O que você está fazendo na sua caminhonete? — eu perguntei, inclinando-me para frente no meu assento. Essa conversa tinha tomado um rumo do devastador para o intrigante em dois minutos. — Você não está planejando atravessar o país nesse ferro velho, está? Porque você pode pensar

que

essa

velharia

tem

outros

duzentos

mil

quilômetros nela, mas você ficará sem carro antes que possa cruzar a linha do estado da Califórnia. Ele bufou. Jude se ofendia seriamente quando alguém tentava tirar sarro do segundo amor de sua vida: sua caminhonete enferrujada que estava tão desgastada por causa da idade que você não conseguia dizer qual tinha sido sua marca e modelo original. Jude pode querer uma caminhonete mais sofisticada algum dia, mas essa sempre teria um lugar especial no coração dele. — Não, por mais que eu gostaria de quebrar todas as leis de trânsito e velocidade que existem para te dar uma introdução em primeira mão do chocolate trufado, você apenas terá que esperar até a próxima quinta-feira para isso.


Eu precisava de outro gole de água. — Você sabe o que eles dizem? A chave para a felicidade é ter algo para se esperar. — eu disse, tomando outro longo gole para garantir. — Eu vou te mostrar algo para você esperar. — Jude tinha dominado a arte de inflexão; essas palavras não eram exceção. Que se dane beber... eu iria ter que mergulhar na água se ele continuasse esse tipo de conversa. — Ainda mais para ficar ansiosa. — Eu vou desligar, Luce, e te ligar logo em seguida. — ele disse. — Ok? — O... k? A linha ficou muda e, antes que eu pudesse me perguntar o que ele iria fazer agora, o meu telefone estava tocando de novo. Ao invés da foto do Jude que normalmente apareceu sempre que ele ligava, o telefone me mostrou em tempo real, solicitando uma chamada de Face Time. As peças do quebra-cabeça do que ele estava tramando estavam começando a se juntar. Aceitando o pedido de Face Time, eu me encarei na tela por mais alguns segundos antes de eu desaparecer e alguém que eu adorava observar muito mais apareceu. Eu ajustei o telefone para que ele apenas pudesse ver do pescoço para cima. O sorriso infame dele apareceu imediatamente. — Hey, Luce. — Hey, Jude. — respondi, erguendo uma sobrancelha. Vê-lo deixou o meu coração tão feliz quanto o fez doer. Queria ser capaz de alcançar através daquele telefone e tocá-


lo e ter as mãos dele em mim. Parecia uma eternidade desde que nós estivemos juntos. O dia que os fabricantes de celulares descobrissem uma maneira de programar uma opção de teletransportação ou uma realidade virtual nesses tais de ‘Smartphones’, seria o dia que eu os chamaria de 'Smart', antes disso eles não eram inteligentes em nada. — Bela camiseta. — eu disse, elogiando-o. Sua pele havia escurecido devido ao sol do sul da Califórnia, e seu cabelo, que ele normalmente mantinha curto, havia crescido mais longo e com um tom mais claro. Seus olhos cinzentos estavam de um tom metálico essa noite, em algum lugar entre a prata e o chumbo. Um brilho de suor pontilhava seu rosto, sujeira marcava seu pescoço, e suas ombreiras faziam-no parecer ainda mais sobre humano em tamanho do que normalmente parecia. — Belo rosto. — ele disse, seu sorriso se tornando ainda mais pronunciado. — Eu sei o quanto você o ama. — respondi, — Então eu queria te dar um close-up. — Amor, esse rosto é tão lindo que um homem poderia morrer feliz só de olhar para ele, mas você não pode fazer isso comigo quando sei o que está à mostra abaixo dele. — A pele entre as sobrancelhas dele se enrugou quando seus olhos se estreitaram. O rosto de sofrimento do Jude era quase tão sexy quanto o seu sorriso. — Você quer dizer isso aqui? — eu disse, inclinando o telefone para que ele passasse pelo meu corpo. Lentamente.


Eu vi o rosto do Jude mudar de sofrido, para expectativa, para excitado, terminando no voraz. Ele permaneceu em silêncio, a não ser pela tensão em sua respiração intercalando com a minha. — Porra. — ele sussurrou quando eu voltei para o meu rosto. Sorri timidamente para ele. Eu não sei o que era... Jude já havia me visto nua mais do que eu havia me visto, mas algo sobre compartilhar isso pelo telefone, quando não havia jeito de ele me tocar, fez a experiência se tornar dez vezes mais íntima. — Você é um bastardo sortudo. — citei o ditado favorito dele. — E eu não sei disso? — ele disse, lambendo os lábios. — Tem algo que você possa usar para apoiar seu telefone? — ele perguntou, ajustando o dele e fazendo o mesmo era a minha aposta. — Talvez? — Luce. — ele disse, exasperado. — Tudo bem, — eu cedi, pegando a garrafa de vinho espumante e deitando-a sobre a mesa. Colocando o meu telefone contra ela, eu o ajustei para que ele tivesse uma vista de tudo. — Eu improvisei e usei o vinho que nós deveríamos usar para celebrar hoje à noite para deixar minha mão livre. Feliz agora? — Sempre feliz. — ele disse, se mexendo no assento de sua caminhonete. — Porque você vai precisar de suas mãos livres para o que nós estamos prestes a fazer.


Engasguei com o gole de água que eu estava tomando. Outro pedaço do quebra-cabeça deslizando no lugar. — Do que diabos você está falando, Ryder? — Eu disse depois de limpar minha garganta. — E o que diabos você está fazendo se mexendo tanto? — A cabeça dele desapareceu da tela enquanto ele se levantava. As mãos dele deslizaram pelas laterais, puxando a costura de sua calça de elastano. — Tirando minha calça. — ele disse, sem rodeios. Sem vergonha... nem mesmo um pouco. O torso dele abaixou bem a tempo de eu pegar a versão explícita desse vídeo. — Por quê? — eu disse, minha voz falhando. Os lábios dele se abriram, revelando um sorriso que fez minhas coxas se apertarem. — Porque eu estou prestes a fazer a baunilha francesa sofrer um pouco. Merda. Ele estava louco. Totalmente louco. — Eu gosto da baunilha francesa. — respondi, minha voz tão trêmula que você poderia pensar que eu era uma virgem na noite do baile. — Se você gosta de baunilha francesa, Luce, eu posso te garantir que você vai amar isso. Merda duas vezes. — Vou amar o quê? — Eu me amaldiçoei. Por que eu tinha que me fazer perguntar para as quais eu já sabia a resposta? — Você se tocar para mim. — ele respondeu, sua voz tão profunda que era obscura. Merda três vezes até ao infinito. — Eu não vou fazer isso. — disse firmemente.


Vadias fazem sexo por telefone. Eu certamente não fazia isso. Eu faria qualquer coisa pelo Jude, com talvez a exceção disso. — Sim, você vai. — ele disse, sua confiança era o oposto total do que eu estava sentindo. — Apenas finja que é minha mão em você. — Eu não teria que fingir se você estivesse aqui como deveria ter sido. — disse, erguendo as duas sobrancelhas. — Você está toda mal-humorada essa noite, Luce. — ele disse. — Um orgasmo resolveria isso. — Ele me interrompeu antes que eu pudesse discutir. — Você sabe que sim. Vamos lá, amor. Por mim? E então ele me deu o olhar... aquele olhar. Aquele que seus olhos ficavam claros e carinhosos. Na batalha do homem contra a mulher, esse olhar não deveria ser permitido. Eu cedia toda maldita vez. Desta vez também. — Tudo bem. — eu suspirei. — Por você. O sorriso dele explodiu por um momento, bem antes de ser substituído por desejo. —

Quem

é

o

bastardo

sortudo?

ele

disse

retoricamente, apontando um dedo para si mesmo. — Isso aí. Este cara. Eu ri, relaxando agora que eu havia aceitado o desvio que essa noite havia tomado. Na verdade, eu não estava apenas relaxando, eu estava ficando animada. Precisava de outro gole de água, mas eu havia esvaziado o meu copo antes da conversa sobre o sexo pelo


telefone. Mordendo meu lábio, senti meu rosto esquentar. Como a pessoa fazia isso? Eu não tinha um manual. Se eu tivesse uma taça de vinho comigo teria me sentido mais desinibida. Medindo o alargamento das pupilas do Jude, eu acho que não haveria tempo para isso. — Então... — comecei. — Quando nós começamos? Eu teria sido a pior profissional do sexo do mundo inteiro. Meus pais teriam ficado orgulhosos. Um canto da boca do Jude se ergueu. — Eu já comecei, Luce. Maldição, sabendo que o Jude estava se tocando nesse momento fez o meu corpo sair do controle de um jeito familiar. Não precisaria de muito 'toque' para me fazer chegar até o final. — Suponho que esse sorriso bobo no seu rosto deveria ter entregado. — eu disse, deslizando minha mão no lugar. — Essa é minha garota. — ele disse, sua voz rouca. Meus olhos se fecharam no começo, enquanto o meu corpo se adaptava ao meu toque. — Que diabos nós estamos fazendo? — eu disse, minha própria voz rouca. — Fazendo o melhor que nós podemos com o que nós conseguimos essa noite, Luce. — foi sua resposta imediata. — E mostrando à baunilha francesa como é que se faz, — eu acrescentei, deslizando minha outra mão pela minha barriga antes de dar um puxão sugestivo na gravata. — Merda. — Jude balbuciou, os músculos em seus ombros aumentando a velocidade.


Deixando minha cabeça cair para trás, eu comecei a massagear o meu seio, apertando o mamilo entre os meus dedos. — Puta merda. — Os olhos do Jude não podiam ter ficado maiores. — Nós estamos mostrando à baunilha francesa como é que se faz, amor. Se não fosse pela confiança dele, combinado com a maneira que eu já havia aceitado a sua ideia, eu teria tentando me convencer a não fazer a coisa toda. Mas eu já estava muito longe para frear agora. — O que você está imaginando nesse momento? — eu perguntei, olhando nos seus olhos, fingindo que eram as mãos dele passando em mim. — Com a vista que eu tenho agora? — ele disse, piscando. — Quem precisa imaginar? Isso bem aqui, uma linda mulher se tocando da maneira que você está, é o sonho americano, Luce. As palavras dele enviaram uma outra onda de prazer no meu corpo. — Vamos apenas dizer que você esteve aqui hoje à noite... — eu comecei. — E você acabou de entrar no apartamento. O que você teria feito? — Quer que eu fale safadezas para você, Luce? — ele perguntou com um sorriso. — Porque tudo o que você tem a fazer é dizer a palavra e eu felizmente direi coisas muito sujas para você. — A palavra. — eu provoquei.


— Se eu não estivesse prestes a gozar, eu estaria te dando um sermão sobre a sua falta de capacidade no departamento de comédia. — Espere por mim. — eu disse, afundando meus dentes no meu lábio inferior. Isso sempre o deixava louco. — Sempre, Luce. — ele disse. — Sempre. — Ok, então eu acabei de passar pela porta. — ele começou, seus ombros perdendo a velocidade. — E lá está você, nua, exceto pela gravata linda no seu pescoço, se tocando e olhando para mim com esses olhos de foda-me. Um dos muitos dons do Jude, do DNA conquistador do Jude, era sua voz. Era grossa o bastante para fazer o interior de uma mulher vibrar, mas era clara o suficiente para atravessá-la. No entanto, sempre que nós ficávamos íntimos, aquela voz dele ficava o mais profunda possível, vibrando em todos os locais certos. — Eu teria atravessado a sala em dois segundos, e ter você contra a parede mais próxima em outros dois segundos depois disso... — ele disse, os músculos do seu pescoço aparecendo. Ele estava se forçando a se segurar. Ele não teria que se segurar por muito mais tempo. — Eu tiraria essa gravata do seu pescoço, seguraria seus pulsos atrás de suas costas, e amarraria os dois tão apertados que eu poderia fazer o que quisesse contigo, da maneira que eu quisesse fazer. — Ah, Deus. — suspirei, colocando minha perna em cima da mesa para me dar melhor acesso.


— Depois, no tempo que demoraria para você colocar suas pernas ao meu redor, eu teria aberto meu zíper e a minha boca estaria na sua. E então, amor... — ele disse, sua própria cabeça indo para trás. — Eu não daria a você até você vir pegar. Nesse ritmo, com esses tipos de palavras, eu não iria aguentar por muito mais tempo. — Então, meus pulsos estão amarrados atrás de mim, minhas pernas em volta de você, eu me abaixaria, te provocando até eu fazer você vir pegar. — Aquelas palavras tinham acabado de sair da minha boca? Nessa hora, com o meu êxtase se aproximando cada vez mais, eu não poderia ter certeza. — E você estaria tão pronta para mim, que eu me enterraria profundamente dentro de você que eu poderia gozar naquela hora mesmo. — ele continuou, gemendo no final. — Mas então você começaria a se mover, fazendo aquele giro com o quadril que você sabe que me deixa louco, e então... — Como o idiota rápido que você não é, — eu interrompi, sentindo o meu clímax crescendo, — Mas como a deusa sexual que eu sou, eu sussurraria algumas palavras safadas em seu ouvido ao mesmo tempo em que eu me apertaria em torno de você, e você gozaria com tanta força que você me mandaria pelo abismo. — Ah, Deus. — ele gemeu, seu rosto se alinhando. — Eu não posso esperar Luce. Eu vou gozar com força, — ele disse, seus olhos ficando em mim. — E vou imaginar


que estou enterrado totalmente dentro de você quando eu o fizer. Era só isso que eu precisava. O empurrão final antes de eu o seguir. Meu corpo ficou tenso antes de eu me soltar, e então eu estava tremendo pela intensidade do orgasmo me atravessando. — Jude. — suspirei de novo e de novo enquanto ele fazia o mesmo com o meu nome, pareado com outras duas palavras de quatro letras. Enquanto

as

últimas

ondas

de

prazer

estavam

atravessando o meu corpo, coloquei minha perna novamente no chão. A parte inferior do meu corpo estava tremendo e a minha

respiração

estava

entrecortada

na

melhor

das

hipóteses. — Eu posso ter me enganado, Luce. — Jude disse depois que nós dois começamos a respirar normalmente de novo. Ajustando-me na cadeira, eu dei a ele um sorriso pósorgásmico. — Enganado sobre o quê? — A sua dança sendo a coisa mais linda que eu já vi. Meu sorriso ficou mais largo. — Ah é? — Ah. É, — ele enfatizou. — Porque o que eu acabei de ter o prazer de assistir pelos últimos cinco minutos foi uma coisa de outro mundo. Eu ri. A expressão em seu rosto estava séria. — E eu quero te parabenizar pela sua improvisação em conseguir transformar uma noite horrível em algo... não tão horrível. —


Ele se inclinou para frente. — Parabéns para você, Luce. — ele disse com uma piscadela. Eu fiquei mais corada do que já estava. Eu estava um desastre físico. O tipo bom de desastre. As partes internas das minhas coxas estavam ainda tremendo, meu mamilo esquerdo estava dolorido da dor que eu havia desencadeado sobre ele, e o meu pescoço ainda estava dolorido de me mexer tanto. — Então. — eu disse. — Mesma hora amanhã à noite? — Eu estava parcialmente brincando, mas em grande parte estava falando sério. As sobrancelhas do Jude se ergueram. — Quem disse que nós precisamos esperar até amanhã à noite para repetir? — ele disse, inclinando-se contra o assento da caminhonete novamente. — Eu tenho a noite inteira, Luce. Pegando o telefone, segui em direção ao quarto. Eu teria que ficar confortável para essa rodada. — Eu também.


Capitulo 5

E

u dormi demais. Soube disso porque acordei com aquela sensação de pânico, consultando meu telefone pela hora. Ao invés de me mostrar isso,

no entanto, a imagem no meu telefone era do quarto do Jude. A conta do Face Time ainda estava ligada, chegando nos seis dígitos. Colocando minha cabeça novamente no travesseiro, eu exalei. Pela primeira vez desde setembro do ano passado, parecia, que era aceitável que eu dormisse além da conta. Eu não tinha que estar em nenhuma aula nesse horário, ou um ensaio que eu tinha que encaixar antes do café da manhã. Tirando as minhas aulas de verão, o meu horário estava aberto para eu preencher como eu quiser. Virando de lado, eu olhei para o quarto dele. Ele deve ter deixado o telefone para trás para que eu pudesse acordar desse jeito. Era um pequeno gesto que parecia ser gigantesco. A equipe o colocou em um hotel durante o treinamento da

pré-temporada

permanente,

o

até

que

que

ele

encontrasse

aparentemente

alguns

algo

mais

jogadores

reclamavam sobre a devida falta de espaço. Pela aparência, o quarto de hotel do Jude era quase tão grande quanto o nosso


apartamento. Além disso, ele era cinco vezes mais legal e não tão antigo. Depois da segunda rodada ontem à noite, o Jude sugeriu que nós mantivéssemos o Face Time ligado para que nós pudéssemos dormir juntos. Bem, foi mais uma exigência, mas foi uma que eu fiquei ansiosa para concordar. Com o tempo que demorou para ele seguir de carro para o apartamento dele, eu já tinha quase caído no sono, cansada de correr o dia inteiro, dos dois orgasmos, e discutir com ele sobre o quão cara a conta de telefone dele ia ficar se nós fizéssemos esse negócio de Face Time todos os dias, a noite inteira, como ele queria. Ele disse que não estava nem aí sobre a conta, ou o dinheiro; ele se importava em me ver dormir toda a noite. Sim, eu derreti e cedi naquele instante. Me enroscando no travesseiro, eu encarei a cama vazia dele. Os lençóis dele estavam retorcidos, as cobertas no pé da cama, e os travesseiros estavam amontoados em uma torre inclinada. Jude nunca havia sido de dormir bem, nunca dormindo mais do que duas horas de cada vez antes de algo o acordar. Ele sempre tratava isso como ele sendo um quase insone,

mas

eu

sabia

o

motivo

de

ele

acordar

tão

repentinamente, engolindo um grito, seu corpo coberto em uma camada de suor. Jude tinha pesadelos. O mesmo tipo que eu tinha... o dele apenas vinha de um ponto de vista diferente. Ele estava no lado da arma e do homem que havia matado o meu irmão, e eu estava do outro.


Nos finais de semana que nós dividíamos a mesma cama, ele dizia que dormia melhor, mas sabendo quantas vezes ele pulava no meio da noite quando eu estava ao lado dele, eu odiava pensar em como suas noites eram quando eu não estava ao lado dele. Jude tinha um treino logo cedo. E um treino noturno. Igual a todos os dias. Na verdade, se ele não estava no campo, ele estava em um dos três lugares: no restaurante do hotel enfiando comida goela abaixo, sentado em uma cadeira gigante no telefone comigo, ou tentando e não conseguindo dormir na cama que eu estava olhando. A vida dele era ocupada, suas horas cheias com lugares para estar e pessoas para interagir. Meus dias pareciam ser o oposto. Sem o Jude, eu tinha a dança, estudos independentes, e alguns amigos que estavam, na maior parte do tempo, muito ocupados com suas próprias vidas para arrumar tempo para sair comigo. Meses se passaram desde que eu vi a Holly pela última vez, a amiga mais antiga do Jude; algo sobre um emprego em tempo integral, viver do outro lado do país, e ter um filho de quase quatro anos mantinham uma garota ocupada. Quando a Indie, minha antiga colega de quarto, não estava dormindo com corretores e médicos do plantão em um dos clubes que ela frequentava na cidade, ela estava em Miami dançando até o pôr do sol, dormindo com latinos que ela tinha uma queda secreta. Thomas, o meu parceiro de dança, era barman à noite na cidade e estava tendo


problemas de garota com a dançarina que ele estava saindo há um ano. O que ele chamava de problemas de garota, o resto do mundo chamava de traição. Thomas gostava de acreditar no melhor de todos, Deus o abençoe, e essa era uma qualidade honrável para se ter... Quando você não estava namorando com uma garota que acreditava que dormir com uma série de caras por trás das costas de seu namorado era aceitável. Depois de eu pegar o meu telefone de sua base, eu demorei alguns segundos antes de eu ser capaz de terminar a ligação. Eu tinha uma janela para o quarto do Jude, e eu não queria fechá-la. Mas a vida tinha que continuar; eu não podia permanecer embaixo das cobertas o dia inteiro encarando uma cama desfeita do outro lado do país. Eu tinha que levantar, passar por uma rotina, e fazer o meu melhor para fingir que o meu coração não tinha ido para San Diego com ele. Esse não era um conceito estranho para mim, fingir até conseguir; eu havia feito isso por cinco anos, logo depois do assassinato do meu irmão. Eu sabia que isso era diferente. Jude não havia sido morto a sangue frio; eu sabia disso. Mas meus pulmões pareciam que iam entrar em colapso a cada respiração; e o lugar onde o meu coração costumava bater sentia como um vazio oco. Não que eu precisasse de mais prova, mas maldição se eu não amava aquele homem mais do que era saudável para mim.


Eu digitei uma mensagem rápida, apertei o enviar, e então eu me forcei a sair da cama. Chuveiro ou café primeiro? Depois de pensar nisso por um bom minuto, percebi que eu aparentemente estava incapaz de tomar até as menores das decisões. Depois de mais uns dois minutos de indecisão, escolhi a opção do café. Eu tinha várias entrevistas para marcar, sem mencionar uma bagunça na cozinha e na sala de jantar para limpar. Em seguida, eu tomaria banho, e então iria para o estúdio de dança, e então... Ah, meu Deus. Eu estava vivendo a vida como se fosse um programa passo-a-passo. Não é legal. Para provar a mim mesma que eu não estava me tornando uma pessoa passo a passo. Eu agi. Tomei banho primeiro, e então fui correr atrás das entrevistas enquanto esperava o café coar. Eu já tinha tomado metade do café quando terminei de fazer a inscrição da oitava e última entrevista. Balançando o pulso, certa de que eu estava experimentando os primeiros estágios do túnel de carpo daquela maratona de preencher as lacunas, joguei uma muda de roupas na minha mochila de dança e eu não poderia ter saído do apartamento rápido o bastante.

Duas

semanas

e

eu

ainda

não

havia

me

acostumado a ficar sozinha nele. Eu não tinha certeza se um dia eu me acostumaria. Duas horas depois, eu entreguei todas as inscrições. Metade dos lugares disse que as vagas já haviam sido


preenchidas, a outra metade disse que daria uma olhada e me ligaria se quisessem me entrevistar. Quando eu disse que ligaria na próxima semana para me informar, eu era prontamente respondida com alguma variação da resposta não-ligue-para-nós-nós-ligamos-paravocê. A perspectiva no departamento de emprego de verão não estava parecendo boa. Sem o Jude por outra semana. Sem trabalho por sabe se lá quanto tempo. Sem amigos dentro de uma viagem de meia hora. Quando cheguei ao estúdio, eu estava sentindo todas as gamas de pena de mim mesma. Havia uma única maneira de parar esse trem de autopiedade. Eu estava vestida e pronta para ir em tempo recorde. Eu me movi sem o acompanhamento da música, cada movimento uma extensão do que eu estava sentindo. Quando comecei a suar, a minha fase do ‘que-dó-de-mim-mesma’ já havia terminado. E quando os meus dedos começaram a formigar,

eu

havia

acumulado

endorfinas

positivas

o

suficiente para me lembrar que a vida era muito boa. Dando um tempo para beber água, verifiquei meu telefone. Eu estava vendo se havia ligações perdidas ou mensagens, mas o horário chamou minha atenção. Meus olhos esbugalharam. Eu deveria parar de ficar surpresa em como eu perdia a noção do tempo quando dançava da maneira que eu havia feito hoje, mas perder quatro horas no


espaço do que pareceram ser duas danças não era algo que eu me acostumaria. O estúdio ficava tranquilo nas noites do fim de semana, e, fora a funcionária adolescente obcecada por seu telefone, eu era a última pessoa no lugar. Depois de trocar os meus sapatos, eu me apressei para o carro, para voltar correndo para um apartamento vazio. Liguei cada luz, até mesmo a TV apenas para ter um pouco de barulho ao fundo. Terminei de limpar a bagunça do jantar fracassado de ontem à noite, eu me servi de uma tigela de granola e aconcheguei no sofá, o meu telefone balançando no meu colo. Tentei não olhar para a tela dele a cada cinco segundos. Uma hora depois, a autopiedade havia começado a passar pelas minhas veias. Jude deve ter tido um dia absurdo de treino; ele normalmente conseguia me mandar uma mensagem rápida ou duas durante o dia. Mas não hoje. Eu estava decidida a não me tornar uma daquelas namoradas grudentas que ficavam ligando atrás do namorado a cada hora, embora que hoje á noite, eu estava perigosamente perto de entrar nesse trem. Depois de muitos toques na tela do meu telefone, enrolando, me convencendo a não ligar para ele, apenas para me convencer a ligar para ele no próximo segundo, o telefone toca. Eu estava tão animada que quase derrubei o telefone. Eu estava com tanta pressa, não olhei a tela para ver quem estava ligando.


— Senti tanto a sua falta hoje. — cumprimentei o Jude, meu sorriso esticando. Silêncio por um segundo do outro lado. — Eu também senti muito a sua falta? — foi a resposta incerta. A resposta feminina. — Holly? — Na maioria dos dias. — ela respondeu. — Ah. — eu disse, tentando não soar chateada. — Desculpa. Pensei que você fosse o Jude. — Desculpe te desapontar, Lucy. — ela disse, enquanto o pequeno Jude começava a falar sem parar ao fundo. — Não. Estou feliz que é você. — eu disse, contando uma meia verdade. — Mentirosa. — Ela pausou, silenciando um pouco o Jude, e pedindo a ele para ir brincar com os blocos de montar dele. — O quê? Você e o Jude tiveram algum tipo de encontro sexual por telefone essa noite? Revirei meus olhos. Se a Holly soubesse. — Quantas vezes tenho que te dizer que a nossa vida sexual não é da sua conta? — Você pode me dizer quantas vezes você quiser. Eu nunca vou parar de meter o meu nariz nos negócios escandalosos seus e do Jude, — ela disse. — Eu sou uma mãe solteira, Lucy. Tenho uma chance melhor de morrer em um acidente aéreo do que transar de novo, então pare de agir como uma freira e deixe-me viver perigosamente através de você.


Outra virada de olhos, mas apenas porque nós estávamos no telefone. Holly não tolerava revirar de olhos em sua presença, especialmente se fosse direcionado a ela. — Vá achar outro casal para viver vicariamente. Jude e eu estamos oficialmente fora dos limites vicários. — disparou como uma sirene novamente. Ela o deixou estar dessa vez. — E agora eu sou oficialmente uma mãe solteira desempregada. — ela disse com um suspiro. — Você foi demitida do salão? Você trabalha lá há anos. O que aconteceu? Ela limpou a garganta. — Eu posso ou não ter 'acidentalmente' misturado minhas tintas de cabelo. — Eu 'posso' ter aplicado um cor de cabelo verde neon em uma cliente que por um acaso também era a ex-namorada do meu irmão, que se tornou ex depois de dormir com metade da população masculina do país por trás das costas dele. — Eu podia ouvir o sorriso zombeteiro na voz da Holly. — Foi uma total coincidência. — É claro que foi. — brinquei. —

De

coincidência

qualquer ou

não,

forma, uma

meu

chefe

cabeleireira

disse

que

misturar

loiro

platinado e verde neon era plausível de demissão por justa causa. — Por favor. Como se todas as cabeleireiras não tivessem uma história parecida. — eu disse. — Pelo menos a sua 'coincidência' veio com um chute ligeiro no traseiro do carma na sua cliente traidora.


Holly riu. — É por isso que te liguei Lucy. Eu sei que animação não é realmente um negócio seu, mas você sempre consegue me animar sempre que eu preciso. — Animação de lado, — eu disse, — Estou contente de poder ajudar. Holly respondeu com algo, mas ela foi abafada pelo pequeno Jude que batia em algo que soava como tambores. Ou pratos. Ou algo que estava à altura da tarefa de fazer os meus tímpanos zumbirem. — Então o que você vai fazer agora? — perguntei, a explosão musical ao fundo havia parado. Outro suspiro da Holly. — O único outro 'salão' nessa cidade, e eu estou usando a palavra de maneira solta, é o Super Cortes, — ela disse. E eu podia vê-la encolhendo. — E já que eu não posso me dar ao luxo de ter qualquer tipo de orgulho quando eu tenho leite e sapatos para comprar ao homenzinho, eu já passei por lá para ver se eles estavam contratando. Isso seria um grande nada. Desta vez, eu suspirei com ela. — Isso é horrível, Holly. Você trabalhou tanto para ser independente e sustentar o pequeno Jude... — Minha mãe estava certa o tempo todo. Desde quando eu era uma garotinha, ela sempre dizia que eu estava destinada a coisas não tão boas. Ela previu que eu estaria grávida e usando bolsa alimentação antes do meu aniversário de dezenove anos. Ela pausou, sua voz mais baixa do que o normal.


— Grávida antes dos dezenove, bolsa alimentação alguns anos depois. Parece ótimo saber que eu vivo de acordo com as expectativas da minha mãe. — Ah, Hol, — eu comecei, me sentindo inútil estando do outro lado do país. Eu queria dar um grande abraço nela, fazer uma xícara de chá e descobrir o que fazer. Se ela estivesse aqui, eu poderia fazer mais do que apenas oferecer algumas palavras vazias. E foi aí que a resposta de uma qualidade de gênio veio até mim. — Vem morar comigo. — As palavras tinham saído um momento depois de a ideia ter surgido na minha cabeça. Holly ficou em silêncio do outro lado. Tão em silêncio que eu tive que verificar se a ligação não havia caído. — O quê? — foi sua resposta. — Você me ouviu, — eu disse apressadamente. Eu estava ficando cada vez mais animada com a ideia. — Empacote suas coisas e venha para cá. Você pode viver comigo sem pagar aluguel, e há diversos salões próximos onde eu tenho certeza que você poderia trabalhar. Mais silêncio. — E o pequeno Jude? Eu demorei alguns momentos para entender o que ela estava perguntando. — E não há nada que o pequeno Jude possa fazer com esse lugar que poderia possivelmente deixálo em piores condições do que ele já está. — Eu estava surpresa, e um pouco magoada, que ela tinha pensado que teria que perguntar sobre o pequeno Jude. Eles eram um pacote. Eu não convidaria um sem o outro.


— Você faria isso? — ela disse, seguido por uma fungada. Se eu não a conhecesse melhor, eu pensaria que a muralha de pedra que era Holly Reed estava próxima às lágrimas. — Você realmente deixaria esse homem das cavernas doido e destrutivo e eu morarmos contigo? — Hol, — eu disse, — Eu estive dividindo esse lugar com um doido e destrutivo homem das cavernas, até ele ser convocado e se mudado para o outro lado do país. Eu tenho uma vaga para homem das cavernas que precisa ser preenchida o mais rápido possível. O pequeno homem das cavernas escolheu aquela hora para gritar, — Eu tenho que fazer cocô, mãe! — Você sabe como ir ao banheiro sozinho, — Holly respondeu. — Eu não consigo tirar minha calça! — foi a resposta do pequeno Jude. — Preciso da sua ajuda! — Eu estarei aí em um minuto! — Viu? — eu disse rindo. — Ele vai preencher os sapatos de homem das cavernas do Jude perfeitamente. — Eu te amo tanto, Lucy. — ela disse. — Não sei o que eu faria sem você e o Jude. — Por favor. Você é a garota mais durona que eu conheço. Você é uma lutadora, Holly. Você se sairá bem. — Cara, como eu te enganei bem, — ela respondeu baixinho. Tão parecida com o Jude. Longas extensões de dureza, interrompida por breves lapsos de vulnerabilidade. — Sabe, se você precisar de dinheiro... — comecei, limpando a garganta. — O seu melhor amigo acabou de


conseguir um emprego bem decente, e eu tenho um pouco de dinheiro guardado também. Tudo que você tem a fazer é pedir, Holly. Ela ficou em silêncio por um tempo. E então ela fungou novamente. — Te. Amo. Tanto, — ela repetiu. — E essa foi a coisa mais legal que alguém já me ofereceu, mas eu não posso aceitar dinheiro de vocês, Lucy. Eu apenas não posso. Ok? Eu não precisava de uma explicação. Eu entendia. — Ok. — eu disse, percebendo que a Holly era tão parecida comigo como ela era parecida com o Jude. — Mãe! — Santo grito, homem das cavernas. — eu disse, fazendo uma nota mental de começar a assar bolinhos para os meus vizinhos para que eles estejam de bom humor quando o garotinho que gosta de gritar se mudar. — Eu tenho que ir. Eu tenho trinta segundos antes dele fazer cocô na calça. — ela disse, soando como se ela estivesse correndo pelos cômodos. — Me ligue amanhã para combinarmos os detalhes? — Me ligue hoje à noite depois que você colocar o homem das cavernas para dormir para que você esteja aqui amanhã, — eu disse, pulando do sofá. Eu precisava começar a me preparar para os novos colegas de casa. Holly riu. — Alguém está com um caso sério de solidão? Eu soltei a respiração. — O pior caso.


— Não se preocupe. Logo você terminará a faculdade casada com um dos bem mais pagos jogados no país, e vivendo em uma casa do tamanho dessa merda de cidade. Essa declaração, exceto a parte de casar com o Jude, deixava o meu estômago enjoado.


Capitulo 7

M

esmo parecendo que a quarta-feira à noite nunca chegaria, ela finalmente estava aqui. Depois de uma sessão vespertina esgotante no

estúdio de dança, eu tinha voltado para o apartamento e saboreado uma porção para uma pessoa só de tofu frito. Eu estava solitária. Morbidamente solitária. Eu nunca tinha pensado que eu seria a garota que não suportaria ficar sozinha, mas essa era a primeira vez que eu vivia sozinha. Sozinha. Totalmente sozinha. Eu era uma dessas garotas. No entanto, hoje à noite era a última noite que eu teria que passar somente comigo mesma, porque eu estaria com o Jude amanhã à noite e pelo final de semana inteiro, e então a Holly e o pequeno Jude estavam vindo de avião na segunda à tarde. No curso de quatro dias, Holly havia conseguido arrumar um trato bom nas passagens aéreas, encontrado alguém para comprar o seu trailer, empacotar tudo, marcado entrevistas em todos os salões em White Plains, e começado a procurar por uma creche para o pequeno Jude. Eu demorei um pouco com os pratos do jantar, decidindo o que fazer comigo mesma pelas próximas duas


horas. Era muito cedo para ir dormir, eu havia esfregado e desinfetado cada superfície no apartamento três vezes nesta última semana, e nós estávamos em plena época de reprises na televisão. Eu estava indo em direção ao banheiro para tomar um longo banho de espuma quando uma batida soou na porta. Eu pulei, havia se passado um tempo desde que eu tinha recebido visita. — Estou indo! — falei enquanto seguia para a porta. Eu não estava esperando ninguém, e nenhum amigo meu ou do Jude vivia próximo o bastante para dirigir tão tarde da noite apenas para dizer oi. — Vamos logo! Coloque um roupão, e traga um de seus traseiros para a porta! — uma voz familiar gritou do outro lado da porta. — Eu estou criando pés de galinha aqui fora. Eu estava sorrindo quando abri a porta. — Ei, Indie. — Ei, garota, — ela disse, colocando uma mão no quadril. — Por que você demorou tanto? — Ela olhou por cima do meu ombro. — Ele não está aqui. — eu disse. — Mas se estivesse você teria esperando bem mais tempo do que esperou. Muito mais tempo Combinei o meu rosto com a Indie, esperando que uma de nós cedesse. Ela o fez primeiro.


O canto da boca dela se moveu. — Aí está minha garota. Agora mova esse traseiro ossudo aqui e me dê um pouco de amor. Rindo, eu coloquei os meus braços em torno dela. Ela estava

usando

salto

plataforma,

então

ela

estava

assustadoramente alta... tão alta que o queixo dela passava por cima da minha cabeça. — Esta é uma surpresa. — eu disse, fazendo sinal para ela entrar no apartamento. Indie entrou, olhando para o quarto como se ela não acreditasse que o Jude não estivesse lá. — Uma surpresa boa ou ruim? — Quando se trata de você, Indie, — eu disse, caminhando para a cozinha. — O melhor tipo de surpresa. Ela piscou. — Sim. Eu sou muito legal, não sou? — Como se você e a metade da população masculina da costa leste não estivessem conscientes disso. — eu provoquei, enchendo uma chaleira com água. — Você quer um pouco de chá? — Apenas se você tiver o tipo que eu gosto. Soltando sua bolsa na mesa de jantar, ela sentou-se. Revirei meus olhos enquanto olhava o meu estoque de chá. — Será que isso serve. Sua Alteza? — perguntei, acenando o pacotinho no ar.


Indie o inspecionou antes de assentir. — Perfeito. Eu acendo a boca do fogão e coloco a chaleira nele. — Tão previsível, — eu repreendo. — Vamos lá, Lucy. Você conhece a minha regra. Eu gosto do meu chá da mesma forma que eu gosto dos meus homens. — Escuro e forte. — eu murmuro, dando a ela um olhar. — Sim, bem, pelo menos eu não tomo o meu chá verde e sem gosto igual você. — ela atira de volta. — Quer dizer, o que isso diz a respeito do Jude? — Com certeza eu senti sua falta, Indie. — eu disse. — Claro que sentiu, — ela disse, verificando seu telefone. — Como não sentir? Indie e eu poderíamos ir por mais cinco rodadas facilmente, mas eu tenho que ir para cama essa noite ainda, e, julgando pela maneira que ela está vestida, ela tem planos de dançar a noite inteira em alguma danceteria. — Não querendo soar rude, porque você sabe que eu amo um pedaço de torta da Indie, mas o que você está fazendo aqui? — eu pergunto, colocando os saquinhos de chá em duas xícaras. Indie era uma garota da cidade grande. Ela evitava estar em subúrbios como se isso indicasse a ruína social.


Ela ergue um ombro enquanto mandava mensagem rápida. — O meu irmão está aqui a trabalho, e um antigo colega dele da equipe da lacrosse que está trabalhando com ele é gostoso. E solteiro. E Porto Riquenho. — Ela ergue as sobrancelhas para mim, seus olhos brilhando. — Claro que seria um homem que te atrairia para os subúrbios. Não a sua colega de quarto de dois anos e boa amiga. — Eu bato o meu dedo no balcão, sabendo que era inútil tentar fazer a Indie se sentir culpada. Não estava no DNA dela. — Garota, nenhum homem ou amigo poderia me trazer aos subúrbios sozinha. — ela disse, — Mas um homem muito gostoso e uma amiga espertinha podem. Pelo menos eu era a metade da razão para ela estar aqui. — Quanto tempo você vai ficar na cidade? — eu perguntei, achando que ela estaria no primeiro voo da manhã para Miami. — Algumas semanas mais ou menos. Anton está gerenciando um novo ramo de atendimento ao consumidor aqui na cidade, e como a humilde segunda filha, o meu trabalho é ficar fora do caminho e fingir parecer ocupada. — Ela fez um giro com o dedo. — Se você vai entrar no negócio da família, por que você está se formando em música? — O bule começou a assobiar, então eu desligo o fogo e alcanço a panela quente.


— Estou me formando em música porque é o que eu amo. Vou entrar no negócio da família porque eu quero ganhar dinheiro de verdade, — ela diz, bufando. — Umagino que se eu cumprir um tempo esse verão e um ano ou dois depois que eu me formar, mamãe e papai não irão se importar enquanto eu vivo de música e da minha poupança por umas duas décadas. Eu coloco a água quente em duas xícaras. — E a sua primeira tarefa nesse novo emprego é ir festejar a noite inteira com um lindo Porto Riquenho? — eu digo, tentando esconder o meu sorriso. — O que eu posso dizer? Estou vivendo o sonho. — O telefone

dela

apita

novamente.

Era

um

barulho

que

combinava com a Indie. Alguém sempre estava mandando mensagem para ela, a qualquer hora do dia. Eu pego as duas xícaras e as carrego até a mesa. — Ei, você quer vir conosco essa noite? — ela disse, olhando para o seu telefone. — Será apenas eu, o Anton, e o Ricky.

Nós

vamos

a

melhor

danceteria

da

cidade,

aparentemente, o que não é muita coisa. Eu ficarei surpresa se eles ainda tiverem uma garrafa de Cristal para nós celebrarmos. — Que horror, — brinquei, colocando a xícara na frente dela. — Como a senhora pediu. Escuro, e forte o bastante para arrancar sua calcinha.


Piscando, India ergueu sua xícara até seus lábios. — Neste caso, vou querer outra. — Obrigada pelo convite, e uma noite na cidade é exatamente o que eu preciso, mas vou pegar um voo no início da manhã para ir ver o Jude, — eu disse, tomando um gole do meu chá verde. — Onde o Jude está? — San Diego. Ele teve que ir fazer um treinamento prétemporada umas duas semanas atrás. — eu disse. As sobrancelhas dela se levantam. — Então se o Jude está em San Diego, que diabos você está fazendo aqui nesse buraco infestado de ratos? Eu mostro a língua para ela, o que faz eu ganhar outro giro de olhos. — Estou tendo uma aula de verão. — Aula de verão? Por favor, — ela disse, fazendo um som com seus lábios. — Você tem tantos créditos extras que você poderia se formar um semestre mais cedo se você quisesse. Fiz uma nota mental para não ser tão aberta com a Indie no que se tratava de quaisquer aspectos da minha vida. Ela havia nascido com um detector de mentiras integrado nela. — Estou procurando um emprego, também. — eu acrescentei, concentrando-me na minha xícara de chá.


— Por favor duplo, — ela disse, fazendo o mesmo som com a sua boca. — Por que você precisa de um trabalho horrível ganhando um salário mínimo quando o seu homem é o novo membro do clube dos milionários? Eu suspirei. Bem, era mais como um gemido. — Não, você também não, Indie. — Eu já tive que dar uma explicação digna da equipe de debate ao Jude; eu não estava ansiosa em oferecer uma repetição. Abaixando sua xícara, ela estudou o meu rosto por um momento. — Ah, — ela disse afinal, — Entendi. — Você entendeu o quê? — respondi, sem realmente me importar contanto que eu não tivesse que explicar o que eu inteiramente não entendia. Sorrindo, ela jogou suas mãos no ar. — ‘Todas as mulheres

que

são

independentes...’2

ela

cantou,

balançando no ritmo da música imaginária. Eu ri e me juntei. — ‘Levante suas mãos para mim’, — eu cantei de volta, lembrando-me do motivo pelo qual eu estava me formando em dança e não música. Eu não conseguia cantar uma nota, nem para salvar a minha alma. — É esse o problema? — ela perguntou baixinho. — Parcialmente. — E qual é a outra parte? — ela perguntou, pegando a minha mão. 2

Trecho da música do Destiny Child, Independent Woman.


— Eu ainda estou tentando entender a outra parte, — admiti. Contrário ao que eu havia pensado, eu me senti bem ao contar a alguém que eu não tinha ideia do por que eu precisava

conquistar

o

meu

próprio

caminho

financeiramente, mas sabia que tinha que fazer. — Então, que trabalho de salário mínimo você estará sendo escravizada pelo resto do verão? — ela disse antes que eu pudesse tomar outro gole. Eu ergo um ombro. — Não encontrei um. Ainda. — Eu estava determinada a encontrar, no entanto, e se eu havia aprendido uma coisa na vida, era que a determinação obstinada da Lucy Larson frequentemente conseguia o que queria. O rosto da Indie enrugou antes de ela colocar o telefone na orelha. — Isso está prestes a mudar. — ela disse. — Eu quero saber? Ela ergueu o dedo em sinal para eu esperar enquanto eu ouvia alguém responder do outro lado. — Estou a caminho, — ela rosnou. Boa saudação. — Bem, o Ricky terá que esperar um pouquinho mais, — ela corta antes que a voz do outro lado consiga falar mais algumas palavras. — Você terá que esperar também, irmão mais velho.


— Ei, Anton. — eu disse alto o bastante para que ele pudesse me ouvir por cima da voz da Indie. — Sim, essa era a Lucy. — ela respondeu. — Sim, Lucy Larson, minha antiga colega de quarto. — A primeira e única, — eu disse, seguindo para o fogão para pegar o bule. India também bebe seu chá da mesma forma que ela passa pelos seus homens: rápido e vorazmente. — Lucy mora aqui, — Indie e continuou a explicar. — Não, obviamente não o ano inteiro, idiota. O apartamento aqui é o ninho de amor dela e do noivo no qual eles fazem as coisas mais sujas. — Indie, — eu sibilei, colocando mais água em sua xícara, — Se controle. — Não, ele não está aqui. — Indie disse, dando um tapa na minha bunda enquanto eu sigo de volta para a cozinha. — Ele está em alguma coisinha tipo treinamento de futebol americano. — Coisinha? — inquiri. Ela me dispensa com um aceno. — Eu já a chamei. Ela tem um voo logo cedo pela manhã, então ela vai passar essa noite. — Da próxima. — eu falo novamente para que Anton possa me ouvir.


Eu ainda não conheci o irmão da Indie, mas eu já estive em várias dessas conversas de três lados que sinto como se o conhecesse. De muitas maneiras, ele me lembra do meu irmão. Ele cuidava da India, falando com ela quase que diariamente, tinha um senso de humor de matar, e nunca parecia não ter assunto. Em uma palavra, o Anton era carismático. — Você pode fechar sua boca por dois segundos para que eu possa chegar ao motivo pelo qual estou te ligando? — Indie interrompeu depois de alguns momentos. Sentando-me novamente, eu ouço Anton responder. — Fechando a boca. — Obrigada. — Indie diz, acomodando-se em sua cadeira.

Você

está

procurando

por

um

assistente

administrativo? Indie esperou pela resposta dele. — E quanto você está planejando pagar por hora? O

rosto

de

Indie

se

enrugou

quando

o

Anton

respondeu. — Vamos fazer o seguinte. Você aumenta isso para dezoito dólares por hora e eu tenho a melhor assistente administrativa que você poderia sonhar em encontrar. — Você gostaria de entrevistá-la primeiro? — ela disse, erguendo seus ombros. — Ok. Entreviste-a. — Erguendo o telefone na minha direção, ela pressionou o botão do viva-voz.


— Oi de novo, Anton, — eu disse, fazendo cara feia para a Indie por me colocar nessa situação repentina. — Desculpe que a minha amiga é tão louca. — Lucy? — ele respondeu, soando tão surpreso quanto eu. — Não se preocupe com isso. Desculpe que a minha irmã seja uma maníaca insistente. — Sem problemas. Já estou acostumada depois de três anos. — respondi, enquanto sorria inocentemente para ela. Ela me mostrou o dedo. Anton riu. Sua voz era tão profunda que quando ele ria, soava mais como um estrondo do que uma risada. — Então você realmente está procurando por um emprego, ou a India tem comido bolinhos ‘especiais’ de novo? Indie olhou feio para o telefone. — Eu realmente estou procurando um emprego, — eu disse, sentindo-me como se eu tivesse que livrá-lo dessa ao dizer que não estava interessada em ser uma assistente, para que ele não se sentisse obrigado a me dar o emprego, mas eu precisava de um emprego, e trabalhar para o irmão da Indie durante o verão seria melhor do que cerca de 99% de quaisquer outros empregos que eu possa encontrar. — Você tem qualquer experiência administrativa? — Não. — eu disse. — Mas eu aprendo rápido. Indie fez sinal de positivo para mim.


— Quantas palavras por minuto você consegue digitar? — Anton perguntou em seguida, soando totalmente como um homem de negócios que ele havia se tornado desde quando ele se formou na faculdade há alguns anos atrás. Eu

olhei

para

a

Indie,

procurando

ajuda.

Ela

balbuciou. — Eu não sei. — Hum... algumas. — eu disse, fazendo uma careta. Anton

ficou

em

silêncio

por

um

momento.

Provavelmente tentando descobrir uma maneira de me rejeitar gentilmente. — Qual é a sua proficiência com o Microsoft Office Suite? — Bem. — eu disse, tentando manter uma voz nivelada. O negócio é tentar me divertir um pouco com essa entrevista improvisada. — Eu já fui a dançarina principal no Quebra-Nozes três vezes. Indie deu uma tapa em sua perna, balançando com sua risada silenciosa. Dei um chega para lá nela, pronta para explodir na minha risada não tão silenciosa quando o som do Anton engasgando com suas próprias risadas através do telefone. — Ok, Sr. Poderoso. — eu disse. — Eu nunca trabalhei em um escritório antes, e não sei quantas palavras eu consigo digitar por minuto ou qual é a minha proficiência no Microsoft Office Suíte... – fiz um sinal de aspas com as mãos... – Mas eu sou esforçada. Eu chegarei no horário, e


não irei embora até que eu tenha digitado a quantidade de palavras que você precisar. Ok? —

Mais

alguma

coisa?

Anton

perguntou,

parcialmente controlado. — Sim, mais uma coisa. Se você está procurando uma daquelas tontas sorridentes que só pegam café, eu não sou sua garota. — Essa era positivamente a pior entrevista de emprego na história das entrevistas. Caiu e se quebrou Lucy. De volta aos classificados. — Já que eu não gosto muito de garotas tontas. — Anton disse depois de alguns segundos. — E eu realmente odeio café e sorrisos, eu diria que você acabou de arrumar um emprego. O quê? Encarei o telefone, certa de que eu não havia ouvido o que pensei ter ouvido. Indie deu um soco no ar enquanto eu permaneci em silêncio. — Você pode começar amanhã logo cedo? Anton estava todo homem de negócios novamente. Eu dei uma sacudida rápida da minha cabeça. — Eu vou viajar amanhã de manhã, mas pode ser na madrugada de segunda-feira.


— Nem mesmo um dia no emprego e você já está pedindo dias de férias? — Anton provocou. — Que tipo de funcionária acabei de contratar? A realidade estava começando a aparecer. Eu tinha um emprego. Um emprego com salário bom trabalhando para o irmão de uma das minhas melhores amigas. — O tipo de funcionária que você vai agradecer aos céus por ter. — eu joguei de volta, pronta para pular da minha cadeira e fazer um passo de dança. — Lucy Larson, assistente administrativa. — Anton disse. — Eu gostei do som disso. Te vejo na segunda de manhã. — No primeiro horário da manhã. — eu disse. — Obrigada, Anton. Você não vai se arrepender. — Não, Lucy, — ele respondeu, — eu tenho certeza que não.

Você sabe aquela pessoa que é a primeira a pular de seu assento no instante que o avião ‘para totalmente?’ Sim, essa seria eu. Eu era a primeira pessoa em pé e a primeira pessoa que saiu do avião naquela quinta-feira em San Diego. Enquanto eu me apressava pela área de retirada de


bagagens, eu tive que lembrar a mim mesma para andar, não correr. Mais do que uma vez eu esqueci. Eu vi o Jude antes de ele me ver. Ele estava girando em círculos, e seus olhos caíram em mim depois de mais uma volta. Seus ombros relaxaram quando ele sorriu. — Oi, Lu-cy! — ele gritou... igual ao Rocky, o lutador... acima do barulho do aeroporto, começando a correr em minha direção. Eu não me importei que nós estivéssemos chamando a atenção de todo mundo por perto; nem me importei sobre o espetáculo que nós estaríamos dando a eles logo. A única coisa que eu me importava era o cara correndo com toda a velocidade e colocando seus braços ao meu redor. Eu não estava andando mais. Minhas bolsas estava batendo contra mim enquanto eu desviava das pessoas, e os cantos dos meus olhos arderam com as lágrimas que estavam se formando. Você pensaria que ele tinha sido mandado para a guerra no Oriente Médio durante o último ano pela maneira como nós estávamos atacando um ao outro. Quando o Jude me alcançou, ele me agarrou e me ergueu e me girou. Eu aproveitei o passeio, me perguntando como outra pessoa conseguia fazer eu me sentir inteira novamente. Quando o Jude finalmente me colocou no chão, eu deixei a minha bolsa e mala cair no chão. Me apertando em seu abraço, ele se pressionou contra mim com a mesma intensidade, tão apertado quanto era possível. Deus, eu me senti tão bem.


— Merda. — ele sussurrou no meu cabelo. — Eu não consigo passar tanto tempo assim de novo. — A mão dele segurou a base do meu pescoço e seu outro braço pressionou a parte inferior das minhas costas. Meus próprios braços estavam apertados em um abraço mortal ao redor da cintura dele. — Eu também não. Enquanto as pessoas pegavam suas bagagens da esteira de bagagens ou esperavam na fila por uma xícara de café, Jude e eu ficamos parados ali, congelados no tempo. Cinco minutos, dez minutos, nenhum minuto? Eu não sabia. E eu não me importava. Ele tinha o mesmo cheiro, sabonete e masculino, e sua pele havia escurecido outro tom por causa do sol da Califórnia. — Prometa-me agora mesmo que nós nunca ficaremos tanto tempo sem nos vermos novamente, — ele disse, aninhando-se no meu pescoço. A respiração dele contra a minha pele me deu arrepios. — Prometa. — ele repetiu, olhando com firmeza em meus olhos. — Eu somente prometerei o que eu posso garantir que vou cumprir. — eu disse, lembrando-me do porquê a honestidade era uma faca de dois gumes quando o rosto dele caiu um pouco.


O polegar dele roçou sob a gola da minha camiseta. — Prometa-me que você casará comigo. Eu exalei. Essa era fácil. — Eu prometo. O rosto dele foi de desanimado para animado no espaço de duas palavras. — Prometa que você casará comigo nos próximos seis meses. De volta à zona de perigo. Eu respondi com uma erguida da minha sobrancelha. Ele riu. — Sim, sim. Você é tão difícil, Luce, — ele disse, mantendo-me enfiada embaixo de seu braço enquanto ele se virava em direção ao carrossel de bagagens. Havia apenas uma mala restante girando nela. Pegando minha mala, Jude fingiu estar sobrecarregado pelo seu tamanho. Ou peso. Ou os dois. — Deus, Luce, — ele disse, olhando de mim para a mala. — Se eu não soubesse, eu acharia que você estava pensando em ficar por algum tempo. A teatralidade contínua do Jude com a minha mala chamou a atenção de algumas pessoas esperando pela próxima leva de bagagens. Um menininho em particular. — Duas noites é algum tempo para uma garota, — eu disse, incapaz de tirar os olhos do menininho olhando o Jude boquiaberto. Não importa onde nós fôssemos Jude ganhava várias expressões boquiabertas. Os menininhos o encararam divertidos; eu apenas tolerava as mulheres encantadas


porque eu não conseguiria matar toda a população feminina mundial sozinha. — Além disso, eu tenho um presente ali para você que ocupou pelo menos metade do espaço. — Presente? — Os olhos dele brilharam. — Um presente sem motivo especial? — Esses não são os melhores? — eu disse, pegando a mão dele e o arrastando pela loja do aeroporto. Eu tive uma ideia. — Eu também tenho um presente para você, — ele disse, orgulhosamente enquanto eu olhava a loja. — Um presente sem motivo especial? — eu perguntei enquanto encontrava o que eu estava procurando. Puxando a mão dele, eu fui em direção do presente. — Esses não são os melhores tipos? — ele disse. — Sim, eles são, — eu disse, pegando a bola de futebol roxa e amarela antes de seguir para o caixa. — Luce, eu posso arrumar uma dessas para você de graça, — ele disse, soando confuso. — Uma oficial com os autógrafos de todo o time se você quiser. O caixa me cobrou, e, antes que eu pudesse entregar o dinheiro para ela, Jude deslizou um cartão preto lustroso na mão dela. — Deixa comigo, — ele disse.


Está tudo bem. Sem problemas, eu tive que dizer a mim mesma. Ele está apenas pagando por uma bola de futebol. Eu agradeci ao caixa, e então revirei minha bolsa até eu encontrar uma caneta. Entregando a ele a caneta, eu segurei a bola no lugar. — Eu só quero um autógrafo. Ele fez aquele meio sorriso, meia risada própria dele que era de longe a expressão mais sexy no maldito mundo inteiro, antes de assinar o nome dele do lado direito dos laços. — Eu acho que a minha fã número um deveria ganhar melhor do que uma bola de futebol do aeroporto. — ele disse, me seguindo enquanto eu seguia para o carrossel de bagagens. — Ah, acredite em mim. — eu falei por cima do ombro, — A sua fã número um estará exigindo que você dê a ela algo melhor mais tarde à noite. Ele riu, aquela risada com timbre baixo dele. — Eu vivo para te servir. Empurrando os meus pensamentos para o lado que estava deixando o meu corpo todo formigando, eu fui em direção ao garotinho que ainda estava olhando boquiaberto para o Jude. O garoto não estava nem piscando. Eu me ajoelhei ao lado dele, segurando a bola para ele. — Você parece ser um fã do Jude Ryder, — eu disse, sorrindo enquanto os olhos do menino se arregalaram mais ainda quando ele viu a assinatura.


— O maior fã dele. — o menino disse, sua voz alta e excitada. — Nós dois, garoto, — eu disse, mostrando a bola quando ele ficou congelado. Quando ele finalmente agarrou a bola, seu rosto se iluminou de uma maneira que uma criança poderia. Era incrível como a assinatura de um cara que eu amava poderia fazer o dia de uma pessoa. Era uma coisa pesada, e algo que eu não tinha certeza de estar pronta para processar ainda. Jude havia sido alguém importante em Syracuse, claro, mas agora jogando para a Liga Nacional de Futebol Americano iria significar um nível totalmente novo de fama. Eu pisquei para o garoto antes de levantar. — Obrigado. — ele falou enquanto eu seguia para onde o Jude estava parado com as minhas malas. Eu acenei para o garoto enquanto ele corria para os seus pais e enfiava a bola na cara deles. — Eu sei que você não quer que isso se torne conhecimento público, mas você é provavelmente a pessoa mais doce por aqui. — Jude disse sua voz e olhos carinhosos. Fiz uma careta com o exagero em relação ao doce. — Acho que você acabou de fazer o ano daquele carinha. — ele disse, colocando minha mochila em um braço e pegando minha mão na sua outra. — Uma linda estranha o escolhe dentre uma multidão. Essa é uma história que ele


estará contando aos amiguinhos dele pelos próximos dez anos a partir de agora. — Aquele garoto não tinha olhos para nada a não ser você e aquela bola. — provoquei enquanto nós seguíamos para o estacionamento. — Eu teria me aproximando e o cumprimentado, mas o carinha parecia já estar quase hiperventilando já. — Sim, eu acho que foi uma boa coisa você ter ficado para trás. — Eu ri. — Estou certa que o coração dele não teria conseguido aguentar se você tivesse conversado com ele. Pegando

as

chaves

do

bolso,

Jude

parou

repentinamente na frente de uma caminhonete preta grande. — E eu estou certo de que o meu coração não aguentaria se eu não te beijar. — ele disse, descansando a mão no meu quadril. — Bem aqui. Nesse momento. — Ele se aproximou, até que eu consegui sentir seu corpo contra o meu. — E, Luce? Eu quero que você me beije até eu estar com as pernas bambas. Aquela sensação de derretimento que eu tinha sempre que ele olhava para mim da maneira que ele estava olhando agora

começou

a

se

espalhar

pela

minha

barriga.

Entrelaçando os meus dedos atrás de seu pescoço, eu me apoiei nas pontas dos pés. — Eu vivo para te servir. — eu sussurrei, citando sua frase anterior, antes de pressionar meus lábios aos dele.


Esse não foi um beijo suave. Não foi doce ou um beijo tímido também. Esse era o tipo de beijo que você dava quando você sabia que a morte estava próxima. Esse era o tipo de beijo que você conseguia sentir em cada parte de você, e o tipo de beijo que estava perigosamente perto de me fazer explodir bem naquele local no estacionamento do aeroporto. Mesmo estando completamente vestida. Minhas mãos moveram-se do seu pescoço para a borda da camiseta dele. Passando meus dedos por dentro, eu brinquei com a pele que seguia ao longo de sua calça jeans. Nossas línguas se enroscaram enquanto meus polegares seguiam para baixo. Gemendo dentro da minha boca, Jude enfiou suas mãos nas minhas costas, empurrando-se contra mim. Ok, sim. Se ele continuasse pressionando e se movendo contra mim desse jeito eu estava a dois segundos de arrancar as roupas de nós dois. Quando ele me levantou, eu coloquei minhas pernas ao redor

dele.

Pressionando

minhas

costas

contra

a

caminhonete, ele inclinou o meu pescoço sobre o capô para proporcionar a ele um melhor acesso. A boca dele saiu da minha e foi para o meu pescoço, beijando e sugando a pele sensível até que eu não conseguir mais respirar. Em

algum

lugar

no

fundo

da

minha

mente

sexualmente enlouquecida, eu percebi que o dono da caminhonete provavelmente não estaria de acordo com o


Jude e eu mandando ver, fazendo sexo vestidos no capô, mas eu estava além de palavras... e de me importar. Então

quando

as

cliques e

flashes

de câmeras

começaram a crescer de volume, eu nem prestei atenção. Tudo o que eu sentia era a boca do Jude e o corpo dele se movendo em cima do meu. Era óbvio que era só com isso que estava se importando também, porque não foi até que as pessoas e as câmeras estavam a alguns carros de distância que um de nós tomou conhecimento. — Jude! Jude! — eles estavam gritando. — Lucy! Lucy! — Mais gritos e disparos, tanto que acabou nos tirando da nossa névoa de pegação. Os músculos do Jude ficaram tensos em cima de mim, e, quando o seu rosto se ergueu do meu, eu vi uma expressão familiar que eu não havia visto há muito tempo. Dr. Jekyll, conheça o Sr. Hyde. — Jude. — eu implorei. — Acalme-se. — eu o persuadi enquanto ele me colocava no chão. Os fotógrafos continuaram a gritar para nós. Alguns comentários eram muito vulgares para serem repetidos. As câmeras dele nunca pararam de disparar. Angulando-se na minha frente, o Jude ficou ainda mais tenso.


Merda. Isso não acabaria bem para todas as partes envolvidas se eu não pudesse convencer o King Kong a descer do Empire State Building. — Jude. — eu disse, agarrando seu braço e tentando virá-lo. Ele não se mexeu. — Está tudo bem. São apenas fotos. Deus, os músculos no braço dele pareciam que iam explodir através da camiseta dele. — Elas são fotos de você e eu, Luce. — ele respondeu agitado enquanto as câmeras continuavam a disparar. — Fotos de você e eu fazendo algo que eu não quero que todo mundo veja. Por que ele estava apenas parado ali, deixando que eles tirassem mais fotos dele prestes a explodir? — Essa não é a primeira vez que nós estivemos sob o escrutínio público. — eu disse. — E não será a última. E eu com certeza não vou parar de deixar você me beijar daquela maneira quando e onde der vontade, então é melhor que nós nos acostumemos agora. — não sei onde eu estava achando razão para ser razoável. — Como ela é na cama, Jude? — um dos fotógrafos, que não tinha senso de preservação, pediu. — O que você disse, idiota? — Jude andou alguns passos para frente. Eu não o soltei, então ele teve que me arrastar junto.


— Jude, pare. Pense! — gritei, percebendo que ele somente

havia

ficado

mais

forte

nessas

semanas

de

treinamento de verão. — Pare e pense! Meu corpo não conseguiria pará-lo, mas minhas palavras poderiam. Parando abruptamente, Jude olhou para mim. Foi o olhar mais rápido, mas seu rosto inteiro se transformou naquela troca silenciosa. Ele fechou os olhos e respirou algumas vezes antes de olhar novamente para os fotógrafos. Mexendo os ombros para tentar diminuir a raiva, ele tirou o telefone do bolso. Segurando o telefone, Jude tirou uma foto. — Pronto. Eu tenho o rosto de todos vocês na minha câmera agora, — ele disse, sua voz controlada. Por pouco. — Se eu ver ou ouvir sobre algumas dessas fotos sendo impressa, eu vou atrás de cada um de vocês. — Jude apontou seu dedo para o fotógrafo que havia sido estúpido o bastante para perguntar sobre as minhas habilidades na cama. — Começando contigo. Depois de eles recolheram o queixo caído no chão deles, os fotógrafos começaram a se dispersar. Um arriscou tirar mais uma foto, mas pensou melhor quando assassinato relampejou no rosto do Jude. Apenas quando o último deles havia saído de vista, os ombros do Jude pareceram relaxar. Virando-se, ele teve a decência de parecer tímido. — Desculpa? — ele disse, esfregando sua nuca.


Eu o empurrei, orgulhosa de sua restrição. — Se eu tivesse uma moeda para cada vez que eu disse... não, que eu gritei... ‘Jude!’ e ‘Pare!’ na mesma frase, eu seria uma mulher rica. Pegando minhas malas novamente, ele colocou um braço por cima do meu ombro. — Você já é uma mulher rica, — ele disse, fazendo o meu estômago cair. Eu não era uma mulher rica. Ele era rico. — E se eu tivesse uma moeda por realmente te ouvir quando você gritava as palavras ‘Jude!’ e ‘Pare!’ na mesma frase... — Ele sorriu para mim. — Eu ficaria na classe média. — O que você acha que o dono diria se ele soubesse o que

nós

acabamos

de

fazer

no

capô

da

sua

nova

caminhonete? — eu disse enquanto o Jude me girava para o lado dela. —

Ele

provavelmente

pediria

para

repetir

a

performance. Eu ri. — Provavelmente. Apenas pervertidos tarados dirigem caminhonetes assim. Pegando a maçaneta do carro, Jude abriu a porta. — Eu concordo contigo na parte do tarado, mas nós poderíamos esquecer a parte do pervertido? Eu realmente não quero que a minha noiva pense em mim como um pervertido. Minha boca se escancarou enquanto Jude situava minhas malas no bando de trás. — Isso é seu? Quando você o


comprou? Onde está a sua velha caminhonete? — Eu não conseguia parar o fluxo de perguntas. Estendendo sua mão para mim, ele me ajudou a subir na caminhonete. Eu tive que pular para entrar. — Essa é minha. Eu comprei há uns dois dias. E a minha antiga caminhonete será desmanchada logo que for possível. — Fechando a porta atrás de mim, ele deu a volta pela frente e subiu no assento do motorista. Até mesmo o Jude com o seu tamanho de gigante teve que pular para entrar. Quando ele ligou a ignição, o motor ganhou vida. Era tão alto, que ele vibrava o carro. — Agora, nessa caminhonete nós poderíamos mandar ver. — ele disse, observando os assentos de passageiros, onde havia mais do que o bastante de espaço para ‘mandar ver’. — Nós não tivemos nenhum problema na sua outra caminhonete. — murmurei, prendendo o meu cinto de segurança. Jude parou no meio de dar a ré para fora da vaga, observando o assento vazio, e então olhando para onde eu estava sentada no meio do assento. — Você odiava aquele balde velho enferrujado, — ele disse, visivelmente magoado que

eu

não

estava

sentada

ao

lado

dele

como

eu

normalmente fazia. Desapertando

meu

cinto,

eu

deslizei

até

estar

pressionada contra ele. O corpo do Jude percorrendo o


cumprimento do meu era a única coisa familiar nessa caminhonete. — Era uma relação de amor e ódio. — eu disse na defensiva. — Que era mais amor do que ódio. Claramente apaziguado, ele colocou o braço por cima dos

meus

ombros

e

continuou

a

sair

do

local

de

estacionamento. — Bem, eu ainda tenho a lata velha, então você pode se despedir antes que ela vá para o céu das caminhonetes. — Eu não estou preparada para ela ir para o céu das caminhonetes. — fiz bico, me perguntando por que eu estava tão chateada. Jude estava certo: eu não era a maior fã da sua antiga caminhonete. Mas agora, vendo que ela havia sido trocado por algo novo e lustroso, me deixava ansiosa por razões que eu não queria admitir para mim mesma. — Eu te comprei um presentinho, — Jude disse. — Está no porta luva. Quando ele estava livre da garagem, ele se lançou. Você teria pensado que a caminhonete estava com um motor de Fórmula 1 pela maneira que ela decolou. — O meu presente sem motivo? — Só porque eu te amo. — ele disse, claramente ansioso para eu abri-lo. Eu estava nervosa, até mais depois de ter visto a nova caminhonete, o custo o qual eu não poderia nem imaginar.


Quando eu abri o porta-luvas, uma caixa azul com um laço branco apareceu. Eu a peguei, já quase sem conseguir respirar. Eu nunca havia recebido um presente em uma caixa azul e branca, mas era irônico. Toda mulher sabia de que loja ela vinha e o que estava dentro. Era um ritual de passagem feminino identificar este específico tom de azul. Eu trouxe a caixa para o meu colo e a encarei. — Abra. — ele encorajou. — Eu estava morrendo para te dar desde que eu comprei na semana passada. Eu sorri. Era impossível não sorrir com esse olhar juvenil no rosto dele. — Essa é uma caixa muito chique, Sr. Ryder, — eu disse, desatando o laço. — Walmart faz os melhores pacotes de presente, não é? Eu dei uma cotovelada nele. — Boa tentativa. — Eu duvidava que fosse ganhar outro presente do Walmart dele novamente. A ideia me deixou triste. — Abra. — ele disse. — Nada é bom demais para a minha garota. É bom saber que eu finalmente posso bancar as coisas que você merece. — Jude... Antes que eu pudesse dizer seja lá o que eu estava planejando em falar, a boca dele estava na minha, rápida e com força. E tão rapidamente quanto, havia acabado. Eu poderia ter pensado que eu havia inventado tudo se eu não tivesse ainda o gosto dos lábios dele nos meus lábios.


— Abra. — ele disse, seu rosto presunçoso. Ele sabia exatamente o que ele estava fazendo e usou isso para sua vantagem. Ele poderia ter me pedido para pular de um penhasco, e eu estaria tão confusa que eu teria feito isso. Eu respirei fundo e abri a tampa. Acomodada dentro estava um bracelete de prata. Simples e elegante. Algo que eu teria escolhido para mim, se eu me permitisse escolher algo tão bom. — Uau. — eu sussurrei, puxando-o para fora. Ele era pesado e frio ao toque. — Você gostou? — Ele olhou entre a estrada e eu. — Agora, isso sim é um bracelete, — eu disse, sem ter que fingir a minha animação para ele. — Vire do outro lado — ele instruiu. — Há algo mais. Enviando a ele um olhar curioso, eu girei o bracelete. Havia uma gravação na parte interna, e as palavras me deixaram fraca em todos os lugares que uma garota poderia ficar fraca. — Para a minha Luce. — eu li. Na palavra Luce havia duas pedras brilhantes ao redor. Meu pai teria amado a referência ao ‘Lucy in the Sky with Diamonds’. — Que possui todas as primeiras vezes que importam. Uau, — eu repeti. As palavras estavam me falhando.


— O que você acha? — ele perguntou, olhando para o bracelete com orgulho. — Jude. — eu comecei. — É... é... — eu não conseguia balbuciar mais do que uma palavra. Deslizando o bracelete para o meu pulso esquerdo, eu procurei pelas palavras certas que iriam expressar o meu agradecimento. Nada. Totalmente de língua presa. Eu era uma dançarina, não uma escritora; o meu corpo expressava a maneira como eu estava me sentindo cem vezes melhor do que as minhas palavras jamais poderiam. E então eu tive uma ideia. Aproximando-me, eu beijei a cicatriz dele. Uma vez, duas vezes, e então uma terceira vez antes de eu mover para a sua boca. Eu havia pegado-o de surpresa. Isso era aparente pela maneira como seus músculos ficaram tensos. Pegar o Jude Ryder de surpresa era raro, e eu iria aproveitar. Enchendo sua boca inteira de beijos suaves, eu saboreei o momento. Nossos outros beijos eram tão apaixonados e inflexíveis. Eu me sentia consumida por eles, mas este eu me segurei nele. Eu apreciei o aroma salgado em sua pele. A sensação da plenitude de seu lábio inferior na minha boca. O sabor da sua língua contra a minha. Eu pressionei um último beijo no centro de sua boca. — Obrigada, — eu disse. — Eu amei o meu bracelete. — Ok, um último, último beijo. — E eu te amo.


— Maldição, mulher, — ele disse, assobiando pelos dentes. — Tenha piedade. Se é esse o agradecimento que eu recebo, eu te darei joias todos os dias. Enquanto eu inclinava a minha cabeça em seu ombro, eu admirei o bracelete. Ele tinha um dedo, e agora um pulso. E ele tinha o meu coração. Jude Ryder estava lentamente tomando conta de mim, uma parte de corpo por vez. — E disponha. Nós ficamos sentados em silêncio por alguns minutos. Eu deslizei meus dedos pelos dele enquanto ele estava feliz por desenhar círculos no meu braço. Era pacífico, e apesar de que

estes

tipos

de

momentos

silenciosos

estivessem

aumentando durante o nosso tempo juntos, a paz não era uma coisa comum em nosso relacionamento. Eu esperava que um dia isso mudasse. — Ei, eu preciso que você vista uma coisa. — ele disse, tirando algo de seu bolso. Meus olhos se estreitaram na coisa que ele estava pendurando em seu dedo indicador.

— Uma venda? — eu disse. — Uma venda de cetim preta? O que eu estava dizendo mesmo sobre você ser um pervertido tarado?


Ele balançou a cabeça. — Isso não tem nada a ver com tesão, bizarrice, perversidade, — ele disse, ficando cada vez mais inquieto a cada palavra. Eu segurei a minha risada. — Maldição, — eu provoquei. — Aí está uma maneira de estragar o dia de uma garota. — Tão difícil. — ele disse baixinho. — Apenas coloque. Eu tenho outra surpresa para você. Pegando a venda, eu a coloquei. — Essa surpresa tem a ver com alguma diversão tarada, perversa e bizarra? — Não. — Ele deu risada. — Maldição dupla. Mais risada. — Luce, você está acabando comigo hoje. — Isso é porque eu gosto desse tipo de coisa. Sabia? O tipo de coisa tarada, perversa e bizarra. — Se eu ia ficar vendada para que ele pudesse me levar para outra surpresa, eu iria deixar o meu lado sarcástico correr solto. Não demorou muito até a caminhonete parar. — Nós chegamos. — ele disse, sua voz toda juvenil e animada novamente. — Nós chegamos aonde? Pegando minhas mãos, ele me ajudou a sair da caminhonete. Felizmente, ele me ergueu da caminhonete,


porque eu não queria pular vendada sem saber onde infernos eu iria parar. — Aqui, — ele respondeu, guiando-me pelos ombros. Nós estávamos nos movendo por uma superfície dura. Concreto? Asfalto? Pedra, talvez? Fora o som da água corrente, fontes possivelmente, era silencioso. Ele não poderia ter me levado para uma loja; nós não estávamos na praia... onde diabos nós estávamos? De repente, ele me pegou em seus braços e correu até o que eu presumi ser a escada, antes de eu ouvir uma porta abrir. Me virando de lado, Jude caminhou para dentro antes de me colocar no chão. O meu coração já estava na garganta antes de ele retirar a venda. A primeira coisa que eu vi foram seus olhos. Eu queria continuar olhando para eles, e nunca desviar o olhar, porque eu já sabia o que eu iria ver quando eu o fizesse. Eu estava amedrontada de mudar o meu olhar. — Eu não consegui encontrar um laço grande o bastante para colocar ao redor dela, — ele disse, virando-me. — Espero que você não se importe. Felizmente o Jude estava com os braços ao meu redor, então quando eu vacilei no lugar, ele me manteve de pé. Nós estávamos parados em um cômodo cavernoso, um espaço que poderia caber uma casa de tamanho decente, e nós estávamos apenas no hall de entrada. Um cômodo que uma pessoa poderia atravessar para chegar aos outros que era do


tamanho do chalé dos meus pais. Havia duas escadarias que subiam para o segundo andar. Uma para subir? Uma para descer? Eu não tinha ideia, mas não era a única coisa exagerada sobre esse lugar. O lustre pendurado no centro do cômodo era do tamanho de um fusca, os móveis eram tão ornamentados que passava do ponto de serem ofensivos, e os pisos de mármore eram tão lustrosos que eles quase que se parecia com pistas de patinação no gelo. — O que é isso? — eu sussurrei, esperando que a resposta que eu havia chegado fosse errada. — O que logo será a residência do Sr. e Sra. Ryder, — ele respondeu, enfiando seu queixo por cima do meu ombro. Ele estava sorrindo como um louco, mas isso mudou quando ele viu o meu rosto. — Luce? — ele disse, a animação sumindo da sua voz. — O que está errado? Fechei os meus olhos. Eu não conseguia continuar olhando ao redor. Cada nova coisa que eu via me deixava muito mais perto de ter um ataque de pânico completo. – O que é isso, Jude? — Nossa casa. — ele disse lentamente. — Não. Nossa casa está lá em Nova Iorque. A testa dele se enrugou. — Não, aquele lugar é um apartamento condenado que nós alugamos. Aquele lugar é uma vacina de tétano esperando para acontecer, — ele disse,


soando na defensiva. — Você está parada na nossa casa. O lugar que será nosso daqui um ano. — Eu gosto do nosso apartamento. — sussurrei, saindo de seu abraço. As coisas estavam mudando muito rápido. A Liga Nacional, a mudança para o outro lado do país, o dinheiro, a casa... Tudo estava se movendo em

grande

velocidade e eu não conseguia nem começar a manter o ritmo. Nós tínhamos procurado trocados embaixo do sofá para pagar a nossa conta de energia elétrica no mês passado, e esse mês nós estávamos parados dentro de um hall de entrada de uma casa que era do tamanho de um país pequeno. — Você odeia aquele lugar. — A voz dele estava ficando mais alta, e ele estava olhando para mim daquela maneira novamente. Como se ele não me reconhecesse. Eu odiava aquele olhar. — É uma relação de amor e ódio que é mais... — Que diabos, Luce? — ele interrompeu. — Que tipo novo de loucura você pegou? Isso acionou o meu temperamento, como o dele, que chegou a superfície. No entanto, como o Jude, eu estive controlando o meu. Eu entendi que na cabeça do Jude, ele havia escolhido esse lugar pensando que eu amaria. Eu sabia que no fundo de cada decisão que o Jude tomava, a minha felicidade estava no topo das suas prioridades, e eu amava isso nele. Eu sabia que o coração dele estava no lugar certo


quando ele decidiu nos transformar em um casal rico do dia para noite, mas eu estava chateada com a maneira que ele havia feito isso. Como ele podia tomar essa enorme decisão de vida sozinho sem nem mesmo me consultar primeiro? Nós éramos um time. Nós deveríamos estar tomando essas decisões como um. Mordendo a minha língua, eu respirei lentamente antes de ousar responder. — A mesma pergunta de volta para você: Que tipo de loucura você pegou? — eu disse, nada de antagônico na minha voz, porque não era dessa maneira que eu queria dizer. Eu realmente estava me perguntando que tipo novo de loucura o Jude havia contraído para sair e comprar um lugar como esse. Estalando seu pescoço de um lado para o outro, Jude levou um tempo para responder. Nós dois estávamos trabalhando para manter o nosso nervoso preso. — Estou alugando o lugar nesse momento até eu conseguir o meu primeiro grande cheque, e então o dono concordou em vendêla para mim totalmente mobiliada. — Ele parou e respirou fundo novamente. — Você deveria ver a lagoa e a quadra de tênis no fundo. O lugar é ótimo. — Lagoa? Quadra de tênis? — A minha barriga estava cada vez mais enjoada. Eu me lembrei mais uma vez que o Jude havia feito isso porque ele me amava. Não porque ele queria me irritar até não querer mais. Engoli o que eu queria dizer. — Jude, nós temos vinte e um anos.


— Nós somos milionários de vinte e um anos. — ele disse dando de ombros. — E agora que eu tenho os meios para te dar tudo e qualquer coisa, eu vou fazer isso. Eu quero te fazer feliz, Luce. É só para isso que eu ligo, — ele disse, apontando para mim. — Você. Feliz. Para sempre. — Feliz? — repeti, cruzando meus braços. — Você acha que é isso que me deixa feliz? O que você fez? Foi até a biblioteca local e verificou o O Guia do Idiota para Fazer a Sua Mulher Troféu Interesseira Feliz? Tentei morder a língua de novo. Cara, eu tentei, mas aparentemente atingi a minha cota de mordidas na língua de hoje. — Porque se eu fosse uma mulher interesseira então imagino que isso me deixaria muito feliz, — eu disse, estendendo meu braço ao redor do cômodo. — Mas eu não estou. Apesar de você querer que eu seja uma garota que queira o seu dinheiro, eu não sou essa garota! O que estou dizendo? Porque eu estou tão brava? O rosto do Jude foi de chocado, para triste, para bravo em dois segundos. — Não, você não é essa garota, Luce. Parece que não consigo fazer nada para te fazer feliz esses dias. Talvez você apenas não queira ser feliz. Aquelas palavras eram como um tapa na cara. Eu me lembrei de novo que essa casa era a maneira do Jude mostrar o seu amor por mim, mas o meu temperamento havia estourado e eu não conseguia mais controlar. — Aqui vai


uma dica. Se você está procurando fazer alguém feliz, talvez você devesse pensar sobre o que eles querem, não o que você quer que eles queiram. Colocando suas mãos na nuca, Jude se afastou de mim. — E aqui vai uma dica para você. Você tem que estar disposta a deixar a felicidade entrar quando ela vem no teu caminho. As palavras dele me fizeram vacilar. — Como que comprar uma casa para nós no sul da Califórnia sem me perguntar primeiro equivale a felicidade? Eu moro em Nova Iorque, Jude. Nova Iorque. — Você mora em Nova Iorque por mais um ano. — ele disse, encarando a parede mais próxima como se ele quisesse bater a cabeça dele contra ela. — Quando você terminar a faculdade você pode ir embora e se mudar comigo. Isso não foi um tapa. Isso foi um soco. Um soco forte na barriga. — Eu posso ir embora de Nova Iorque e vir morar contigo aqui? Na Califórnia? Numa mansão do tamanho da mansão da Playboy? — Como poderia haver tal desconexão entre nós? De onde ele havia tirado que ele poderia mapear a minha vida inteira para mim sem nem se consultar comigo primeiro? — Quem disse que eu quero mudar para o outro lado do país para viver aqui contigo na terra dos peitos e sorrisos falsos? Pelo olhar na cara dele, você poderia pensar que eu havia acabado de dar um soco no estômago dele. — Quando


você concordou em casar comigo. Quando você me deixou colocar aquele anel no teu dedo. — Suas palavras eram lentas e controladas. Tanto que elas eram assustadoras. — Então o que você ouviu quando eu disse sim para me

casar

contigo

é

que

eu

voluntariamente

-

não,

alegremente, - largaria mão dos meus sonhos, de planos futuros, etc, etc, para que você pudesse viver o seu? — Eu gritei. — Porque acho que eu não li as entrelinhas. Jude fechou os olhos. — O que você quer, Lucy? — Eu me encolhi internamente. Ele me chamava de Lucy só quando ele

estava

realmente

puto

ou

magoado.

Porque

aparentemente eu não tenho uma maldita ideia. Então me conte. O quê. Diabos. Você. Quer? — Eu quero terminar a faculdade. Estou fazendo faculdade de dança, então sei que pode parecer louco, mas eu quero realmente dançar depois que eu me formar. — Eu mal podia olhar para ele naquele momento. Não por causa do que ele estava dizendo, mas por causa do que eu estava dizendo a ele. Eu não queria magoá-lo; na verdade, eu queria o oposto. Então quando eu o magoava, eu me odiava. — Ok, você quer dançar. — Ele estendeu seus braços nas laterais. — Boa notícia, Luce. Você pode dançar aqui em San Diego. Problema resolvido. Eu bufei. — O problema não está resolvido. Se eu quiser dançar em alguma porcaria de versão de Lago dos Cisnes em um teatro comunitário uma vez por ano, eu posso


dançar aqui. Eu não trabalhei um monte, dançando pelos últimos quinze anos da minha vida, para executar danças meia boca na frente de senhores roncando que pagaram dez dólares por um ingresso. A testa do Jude se enrugou. Bem, ela ficou mais enrugada. — Então o que você está dizendo? Você quer ficar em Nova Iorque quando você terminar a faculdade? Como nós não conversamos sobre isso antes? Talvez porque nós estávamos muito ocupados vivendo no momento, ou tropeçando em nossos passados, nós esquecemos de olhar para frente. Nós perdemos a parte do futuro em nosso relacionamento. — Nova Iorque. Paris. Londres, — eu disse, dando de ombros. — Essas são as cidades onde os dançarinos querem ir para dançar. Eu podia ver a batalha interna do Jude. O mesmo QUE PORRA É ESSA que eu estava vivenciando. Por que nos levou tanto tempo para descobrir que o que eu queria e o que ele queria poderia não se alinhar? — Bem, merda, Luce. Eu não fui escolhido pelos Jets. Ou os Giants. Ou alguma liga Europeia, — ele disse, balançando a cabeça. — Eu fui escolhido pelos Chargers. Eu ficarei em San Diego por um tempo. Assenti. — Eu sei. — Você sabe do quê?


— Eu sei que você está em San Diego. Eu sei que eu estou em Nova Iorque. Eu queria, - eu precisava, - de um tempo nessa conversa. Algumas horas para descobrir o que estava acontecendo, o que havia sido dito, e para onde ir depois disso. Eu sabia das minhas prioridades, e o Jude estava acima da dança, mas o Jude me colocava acima ou abaixo do futebol em sua mente? Acho que não. Ele havia provado que eu vinha em primeiro

lugar

várias

vezes,

mas

isso,

-

a

casa,

a

caminhonete, as expectativas, as presunções, - tudo isso estava começando a me preocupar. Eu precisava pensar seriamente sobre algumas coisas, e eu não podia fazer isso com ele me olhando da maneira que ele estava agora. E eu certamente não podia fazer isso dentro desta mansão usuária de esteroides. — Onde isso nos deixa então, Luce? — ele disse, sua voz baixinha e seu rosto cansado. Ele parecia que precisava de um tempo para pensar nas coisas com tanta urgência como eu. Onde isso nos deixa? San Diego? Nova Iorque? Algum lugar enfiado no meio? — Numa encruzilhada. — eu disse dando de ombros. — Uma encruzilhada? — ele repetiu, vindo na minha direção. — Depois de tudo que nós passamos, você está me dizendo que nós estamos em uma encruzilhada quando eu


coloquei uma aliança no seu dedo e todos os nossos sonhos estão finalmente se tornando realidade? Respirei fundo antes de responder. — Não. Todos os seus sonhos estão se tornando realidade. Eu ainda estou trabalhando nos meus, então sim, nós estamos em uma encruzilhada. As veias em seu pescoço estavam subindo para a superfície. Ele estava puto, e eu estava apenas deixando tudo pior. — Nós não estamos em uma encruzilhada, — ele falou entre os dentes. — Ah, sim, nós estamos em uma maldita encruzilhada! — eu gritei em resposta. Seu rosto ficou um pouco vermelho. — Não. Nós. Não. Estamos. —

Sim. Nós. Estamos!

— Deus, nós realmente

estávamos fazendo isso? Uma briga com repetição de palavras, como um casal de adolescentes? — Droga, Lucy Larson! — ele gritou. — Não, nós não estamos! E acabou. Então pare de falar sobre encruzilhadas. Na verdade, apenas pare de falar, porque tudo que está saindo da sua boca é totalmente louco! Eu senti as lágrimas chegando a superfície e eu não iria deixá-las cair aqui. — Você é realmente um idiota às vezes, sabia? — Eu disse, antes de correr pelo enorme hall de entrada, seguindo em direção à parte de trás da casa. Eu


precisava escapar do Jude, respirar um pouco de ar puro, e endireitar minha mente novamente. Eu estava uma bagunça e iria ficar apenas pior se eu ficasse no mesmo cômodo que ele por outro minuto. Eu ouvi o Jude xingar do fundo dos seus pulmões antes de seus passos soarem atrás de mim. — Espera Luce. — ele disse, mas eu não podia. Não dessa vez. Correndo

pelo

corredor,

eu

me

encontrei,

aparentemente, no quintal. Mas esse era um quintal como nenhum outro. Como a casa, ele era espaçoso e elaborado. A ‘lagoa’ que eu ouvi tanto sobre ela estava na minha frente. Havia uma rocha natural saindo de dentro do centro da lagoa, com tobogãs que davam para a piscina. Isso me lembrou da piscina do hotel onde nós ficamos em Bahamas quando eu tinha dez anos. Eu e o meu irmão não saímos daquele negócio a semana inteira. Atrás da piscina havia outra estrutura, essa era mais do tamanho de uma casa normal. Eu acho que era a casa da piscina. Eu ouvi os passos do Jude se aproximando, mas eu não estava pronta para ele. Ele gostava de conversar sobre as coisas primeiro, e pensar nelas depois. Eu era exatamente o oposto,

e

eu

sabia,

dado

o

tema

quente,

se

nós

continuássemos de onde nós paramos antes de eu ter umas duas horas para me acalmar, outra briga com gritos estaria a caminho. Eu posso não ter amadurecido o suficiente para evitar gritar, mas eu era sábia o bastante para tentar evitar quando


eu pudesse. Avançando pelo quintal, eu esperava que seja qual fosse a parte do quinta que estava atrás da próxima virada me trouxesse algum tipo de proteção temporária ou esconderijo. No instante que virei, eu sabia que a paz e tranquilidade não estariam na programação de hoje. Juntos

sobre

um pátio

amplo estavam

algumas

dezenas de corpos. Bebidas na mão, conversando uns com os outros, eles não me notaram logo de cara. E então Jude veio correndo, ainda gritando o meu nome. E então eles me notaram. — Que... — Mer... — Quando eu comecei, o Jude terminou.


Capitulo 8

U

au.

Nós

somos

terríveis

dando

uma

festa

surpresa. — Um cara que parecia que poderia mover uma carreta avançou com um par de taças

de champagne na mão. Eu ainda estava tentando determinar se eu tinha desembarcado em Oz quando o gigante, cujos ombros e andar pomposo revelavam-no como um linebacker3 de partida, me entregou um copo. Eu o peguei automaticamente, tentando ignorar todos olhando para mim como se eu fosse um experimento que deu errado. — Podemos ter estragado toda a parte da surpresa, mas nós certamente não vamos estragar a parte “festa”. — O gigante entregou o outro copo para Jude, tirou então um frasco do bolso da jaqueta. Desapertando a tampa, ele levantou. — Pela nova dona e senhora deste castelo Califórnia. Que as festas sejam selvagens e o sexo ainda mais. — Piscando o olho de volta para nós, ele gritou, — Saúde! Um coro de “Saúde!” explodiu, mas eu estava além das palavras. Mesmo de uma sílaba. Eu não estava certa sobre essa zona nebulosa que me encontrei, mas eu queria sair.

3

Posição defensiva no jogo de futebol americano.


Agora. — Terrell, — Jude disse vindo por trás de mim. Eu podia sentir o calor de seu corpo, ele estava tão perto, e eu queria tanto ter esses braços me segurando agora... então eu me afastei alguns passos. Eu estava e não estava pronta para seus braços em volta de mim. — Que diabos é isso? — Jude não soava zangado, mas ele não estava feliz. —

Uma

tentativa

de

festa

surpresa,

Terrell

respondeu. — A equipe queria batizar seu novo berço apropriadamente. E o que diz de um batismo melhor do que trinta de seus colegas desordeiros, as suas quentes mulheres, namoradas, amantes, encontros e tudo mais... — suas sobrancelhas balançaram em sugestão, — Além da bebida. Atrás de mim, Jude suspirou. Ele parecia tão cansado quanto eu me sentia. — Além disse, queríamos conhecer a infame Lucy. — Terrell continuou, sorrindo para mim. — Eu sou o cara que impede seu homem de ter sua bunda chutada, Lucy, — disse ele, estendendo a mão. Era tão grande, que ele envolveu toda a minha. — Nosso QB4 aqui supõe que os movimentos extravagantes dele, e não meus, irão impedi-lo de cair, mas vou deixar você por dentro de um pequeno segredo. — Terrell inclinou-se. — Ele está errado. Uma rodada de riso passou pela multidão. — Jude faz um monte de suposições, — eu disse, dando-lhe um olhar aguçado. 4

Quarterback.


Terrell olhou entre mim e Jude antes de pegar o copo da mão de Jude e direcioná-lo para uma mesa com mais garrafas de álcool do que pessoas. — Suponho que você precisa de algo mais forte do que isso, — Jude olhou dele para mim, mas ficou com Terrell. O Jude que eu conhecia não teria deixado ninguém puxar ele longe de mim. Especialmente quando eu estava chateada e desconfortável. — Senhoras! — Terrell gritou. — Façam de Lucy uma da gangue. Eu fiquei lá por mais alguns instantes, sentindo como se eu fosse a última pessoa a ser escolhida para a bola, quando uma das meninas se afastou do jogador que estava e se aproximou. Ela não estava vestida como as outras, que aderiram à política de menor-é-melhor quando se trata de escolher

um

vestido.

Ela

estava

usando

um

vestido

transpassado arejado e sandálias douradas, e, ao contrário do resto dos rostos femininos olhando para mim como se eu fosse chiclete na parte inferior de um sapato, ela tinha um sorriso no rosto. Um sorriso sincero. — Então você é a Lucy sobre a qual Jude não consegue parar de falar. — disse ela, em vez de apertar minha mão, puxou-me para um abraço. Como seu sorriso, seu abraço era verdadeiro. — É bom conhecer a garota sobre qual um cara não consegue se calar. Lembra-me da forma como meu marido costumava ser sobre mim antes de nós termos quatro filhos e nos tornamos os românticos mais preguiçosos do que nunca. — Ela fez sinal para o grupo de rapazes ao qual Jude tinha sido escoltado. Um cara mais ou menos da altura e


peso de Jude inclinou a cerveja em nossa direção. — Eu sou Sybill, e aquele é meu marido, Deon, bem ali. — Ei, Lucy! — Deon inclinou a cerveja para nós novamente. — Eu sou o que ganha o salário deles. Esses outros posers5 só gostam de gastá-lo. Deon

recebeu

uma

rodada

de

empurrões

dos

indivíduos ao seu redor. — Está certo, baby! — Sybill disse, antes de volta sua atenção para mim. — Então... Como você está aguentando? Como

prudente

que

sou,

eu

normalmente

não

derramava minhas entranhas para estranhos, mas o sorriso caloroso de Sybill cortou direto através de minhas regras e restrições de derramar-entranhas. — É muito para assimilar. — comecei. — Semanas atrás, Jude era um estudante universitário, e agora ele vai estar jogando em milhões de televisores em alguns meses. — Isso certamente é muito para assimilar. — disse ela. — Quando Deon foi convocado, estávamos nos formando na faculdade. Eu fiz as malas e me mudei atravessando o país e, não estou brincando, descobri que estava grávida uma semana antes de seu primeiro jogo. — Ela riu, olhando para o marido de uma maneira que eu estava acostumada. Era o jeito que eu olhava para Jude. — Eu estava com tanto medo de falar que eu não disse a ele até o jogo acabar. Nós nos casamos um mês mais tarde e decidimos que era tão divertido, que poderíamos muito bem ter mais três. 5

Pessoa que diz ser o que não é, ou diz fazer algo que não faz.


— Isso soa como um inferno de um monte de coisa para absorver de uma vez, — eu disse, movendo uma garrafa de água da mesa. — Mas olhe para você agora. — Fiz um gesto entre eles, porque palavras eram inúteis quando se tratava de descrever a sua ligação óbvia. — Um casal que tem que agendar uma transa para ter certeza de que temos tempo para fazer isso. — Ela piscou para mim. — Mas é uma boa vida. E tenho um bom homem que me deu quatro crianças que amo tanto que eu me sinto um pouco doida às vezes. Ok. Eu estaria roubando Sybill nesses eventos e não a deixaria ir. Nunca. Nós poderíamos balançar nossos jeans e camisetas juntas enquanto o resto das meninas pavoneariam em torno de cetim e lantejoulas. —

Falando

dos

meus

quatro

pequeninos...

Vasculhando a bolsa, Sybill tirou um telefone e atendeu. — O que há Jess? Franzindo a testa, ela apontou para o marido. — Ok, dê a Riley um pouco de Sprite e uma bolacha de água e sal. Estaremos em casa em meia hora. — Pequenino doente? — adivinhei. — Pequenino vomitando espaguete-e-almôndegas, — disse ela. — Hey, Deon! Riley está doente. — Deon acenou e correu para dentro. — Sinto muito que seu homenzinho está doente. — eu disse. — Espero que ele fique melhor logo.


— Conhecendo Riley, ele vai estar de pé e jogando Wii no momento em que nós chegarmos em casa. — Ela acenou para

alguns

dos

convidados

atrás,

batendo

no

meu

antebraço. — Não deixe que as outras meninas a intimidem, Lucy, — ela disse calmamente. — Não há muita coisa acontecendo aqui — ela encostou em sua cabeça — ou aqui, — sua mão se moveu para seu coração, — mas elas são facilmente controladas. Elas são tão rasas, tudo que você tem a fazer é dizer-lhes sobre sua bolsa nova, ou vestido, ou implante de silicone, e você será uma da gangue. Leve elas no papo e você estará dentro. Olhei para onde o resto do grupo estava, então, para Sybill, que se dirigia para dentro da casa. — Eu não acho que quero entrar. Ela me deu um sorriso. — É, eu também não. Obviamente nunca fui ou serei “aquela” menina, — disse ela com um encolher de ombros — Eu gosto de você, Lucy Larson. Vamos ser amigas. Foi uma forma tipo jardim de infância de colocar isso, mas tão honesta. Uma coisa boa tinha vindo deste dia, eu tinha uma nova amiga. — Eu gosto de você também. Amiga. Ela acenou antes de olhar para trás para Jude. — Agradável apartamento, QB! Sinto muito por comer e correr, mas a vida chama. Jude olhou entre Sybill e eu, não fazendo um bom trabalho tanto quanto eu estava de fingir que nós não tínhamos acabado de ter uma discussão a minutos atrás. —


Obrigado, Sybill, — ele respondeu. — Estou feliz que você finalmente conheceu Luce. Com Sybill fora, e Jude começando a fazer o seu caminho em direção a mim, aquele grupo de meninas à minha direita era uma distração bem-vinda. Eu ignorei o fato de que seus vestidos eram tão brilhantes que, juntos, eles criavam uma bola de discoteca coletiva. Também ignorei que eu seria a garota de menores seios no grupo. Menor por uma vitória esmagadora. Tudo que eu sabia era que eu não estava pronta para falar com Jude ainda, eu não estava pronta para deixar para trás as coisas desagradáveis que nós dissemos um para o outro, e eu certamente não queria uma repetição daquela explosão. Eu passaria por isso, - eu sempre fiz, - mas não agora. Enquanto Jude se aproximava, eu me aproximei mais das meninas. Eu deveria ter me lembrado de que “pular” não era exatamente um jeito casual de fazer o seu caminho para um grupo. Cada cabelo alisado por chapinha e loiro-platinado virou-se para mim. Quantas vezes eu precisava estar no local em meus 21 anos de vida? Sério? No entanto, a minha jogada não-tão-furtiva tinha funcionado. Jude não estava mais marchando em meu caminho. Homem esperto. De fora da panela, para dentro do fogo. Diga alguma coisa, Lucy, ordenei-me enquanto todas esperavam, olhando para mim, como se eu não pertencesse


ali. Então lembrei-me das palavras de sabedoria de Sybill. Eu me agarrei na primeira coisa que me chamou a atenção. — Amei seu anel, — eu disse, apontando para a garota ao meu lado, com a mão enrolada em torno de uma taça de champanhe. Houve um momento de silêncio antes de um coro de “awww’s” passar pelo grupo. — Isso é tão doce de você dizer, — A garota do anel disse, colocando a outra mão em seu peito. Uau. Eu tinha visto peitos grandes em meus dias, mas essas coisas. Eles poderia ter tido seu próprio código postal. — Chad deu-me pelo nosso aniversário. — Quantos anos vocês tem de casados? — Eu perguntei, sentido-me como se estivesse nessa coisa de pequena conversa. — Não nosso aniversário de casamento, boba, — disse ela, rindo como se eu fosse algo fofo. — Oh! — eu disse. — Quantos anos vocês têm estado juntos? — Dois meses hoje. — Ela diz orgulhosamente. — Vocês têm saído por dois meses, e ele deu a você isso? — Quem quer que fosse Chad, ele era um idiota certificado. Ou quem quer que esta menina do anel fosse, ela era bastante talentosa no que fazia. — Não, ela ganhou isso, porque ela está lhe fazendo boquetes por dois meses. — a menina a minha esquerda


disse baixinho atrás de risinhos. — Ela é, obviamente, muito boa com a boca. Todas as garotas se juntaram com ela em risinhos, mesmo a garota que fez os melhores boquetes do grupo, aparentemente. — Uau, — eu disse. — Bom para você. — Eu não tinha outra

resposta.

Sybill

estava

certa:

Não

havia

nada

acontecendo lá em cima, em suas cabeças. — E você? — A menina de cabelos escuros na minha frente saltou. — Vamos ver o seu anel. Segurando minha mão, eu não podia evitar o sorriso que se formou. Um que eu sempre fiz quando eu olhava para o meu anel de noivado. Ele tinha um jeito especial de me lembrar de Jude e meu passado, bem como a promessa do nosso futuro. Havia uma coisa poderosa naquele anel. — Quão grande é? — Ela perguntou. Continuando a admirá-lo, eu disse. — Um terço de um quilate. Algumas risadinhas agudas, seguidas por um silêncio. Quando eu olhei para cima, encontrei a garota de cabelo escuro lutando com um sorriso. — Oh, — disse ela, mostrando seu anel, que era dez, se não vinte vezes maior que o meu. — Eu não sabia que eles faziam diamantes tão pequenos. Outra rodada de risadinhas. E agora eu estava irritada mais uma vez. Pelo menos não era com Jude. Ele trabalhou a


bunda para economizar dinheiro suficiente para comprar meu anel de noivado, e essas cadelas hipócritas que provavelmente nunca tinham trabalhado um dia em suas vidas estavam indo mijar no seu trabalho duro? Yeah, não no meu turno. — Eles vêm em todas as formas e tamanhos, — eu disse, encontrando seu olhar com o meu. — Assim como tipos de cérebros. — Arqueando uma sobrancelha, girei em meus calcanhares e sai. Eu não poderia fugir rápido o suficiente. Parecia que eu ia ter uma amiga nesta multidão este ano. Uma verdadeira amiga valia mais do que cinquenta amigas da onça que riram do meu anel de noivado. Cadelas. Depois da não-tão-casual escapada do covil das leoas, eu vaguei pelo quintal. Desde que era mais como um parque do que um jardim, deveria ter sido fácil encontrar um local tranquilo. Eu ainda podia ouvir o rugido maçante da festa quando meu telefone soou na minha bolsa. Supondo que era Jude, eu estava pronta para ignorar quando um número de telefone diferente, mas um familiar apareceu na tela. Eu não estava realmente com vontade de falar, mas a pessoa do outro lado não era uma de longas conversas de qualquer maneira. — Oi, Papai. — respondi, enquanto continuei a tecer meu caminho através da paisagem. Eu tinha certeza de que havia ainda uma outra desagradável fonte exagerada a espera no fim do meu caminho, então troquei as direções.


— Olá, my Lucy in the Sky, — ele cumprimentou, soando como o pai da minha infância. O pai que não tinha se tornado um preso emocional e físico pela totalidade de minha adolescência. — Eu só estou ligando para dizer oi e checar como você está. Eu sorri o maior sorriso que eu era capaz no momento. Papai ligava toda semana, no mesmo dia, na mesma hora. Você podia programar um relógio para as chamadas de papai. — Oi para você, e obrigada por me checar. Estou em San Diego visitando Jude. Eu não ofereci nada mais. Se eu dissesse ao meu pai sobre Jude e nossa briga na Super Mansão, ele não estaria desligando o telefone tão cedo. — Como está Jude? — ele perguntou ansiosamente. Eu não era a única grande fã de Jude Ryder na família Larson. Meu pai era o segundo nesse departamento. — Jude está... — procurei pela palavra certa: Uma sombra acima de louco e bebendo o California Kool-Aid6 provavelmente eram frases que eu deveria guardar para mim. — Ele tem estado muito ocupado, pai. Eu acho que todo o sol, as longas horas no campo e cifrões estão o deixando um pouco louco. Papai riu para si mesmo. — Mais louco do que o normal, — esclareci.

6

Um drink.


— Alguma atualização da frente nupcial? — perguntou papai, fazendo uma transição suave, não-tão-suave. Eu gemi. — Você também, não. — eu lamentei. — Se não é você, é mamãe. Se não é mamãe, é Jude. Se não é Jude, é outra pessoa. O que acontece com todo mundo querendo saber todos os detalhes sobre o nosso próximo ou não-tão-próximo casamento? — Eu não queria ser tão malhumorada com o meu pai. Foi apenas um caso de pergunta errada, na hora errada. — Lucy in the Sky, — Papai disse, soando a imagem da calma, — Eu não quero só saber cada detalhe do seu casamento, próximo ou não. Eu quero saber cada detalhe de toda a sua vida. — Eu podia ouvir aquele sorriso fraternal em sua voz. — Mas desde que você não é mais uma aluna de jardim de infância, que tal eu apenas resolver saber se você está feliz? Eu exalei. Papai tinha um jeito de me acalmar somente com a sua voz. — Isso funciona para mim. — Eu quis dizer isso, docinho. Sua felicidade é tudo que eu me importo, — ele disse. — Se faz você feliz ficar noiva pelo resto de sua vida, eu estou bem com isso. — Eu ri vivamente. Papai pode estar bem com isso, mas conheço outro homem que não estaria tão satisfeito. — Se um casamento às pressas em Vegas faz você feliz, então que seja isso. — Obrigada, papai. — eu disse.


— O que quer que você e Jude decidam, sua mãe e eu estamos bem com isso. — ele disse. — Ok? Era um peso fora dos meus ombros, saber isso, mas o problema era que eu não podia decidir o que eu queria agora. Eu precisava de um tempo e de uma xícara de chá para me ajudar com o meu mar de indecisão. — Tudo bem, papai. Obrigada, isso significa muito para mim. — eu disse. — Bem, você significa muito para mim, Lucy in the Sky.

Quando eu saí do banho, eu espreitei pela janela do banheiro. Os últimos retardatários da festa tinham ido embora. Hoje tinha sido um inferno de um dia, e eu sabia que amanhã seria, também. Portanto, esta noite eu queria esquecer tudo correndo em torno da minha mente e dormir um pouco. Eu precisava fechar a porta desse dia e abrir uma nova de manhã. Eu tinha desligado todas as luzes na casa da piscina na esperança de que Jude estaria muito bêbado ou muito cansado para vir me procurar. Claro, eu sabia que isso era uma ilusão. Eu sabia que ele viria. Eu só esperava que quando ele fizesse, ele me daria o espaço que eu dissesse que precisava. Jude não era o maior fã de “espaço”, dada a nossa experiência passada com isso. Eu estava pegando um copo do armário quando a batida soou na porta da casa de piscina.


— Luce? Você está aí? — Sua voz era estridente. Antes que eu tivesse a chance de responder, a porta se abriu e ele entrou. Seu rosto estava tão preocupado quanto sua voz tinha soado. — Eu estive procurando por você em todos os lugares, — disse ele, dando mais alguns passos para dentro. — O que você está fazendo aqui fora? Escondendo-me

de

você.

Tentando

colocar

meus

pensamentos em ordem. — Quase indo dormir. — Eu respondi, largando o copo. Água tinha soado bem até Jude chegar. Agora, a única coisa que parecia boa, era ele. Especialmente com o jeito que ele estava olhando para mim. — Você está se escondendo de mim. — ele declarou, enfiando as mãos nos bolsos. — Não. — eu disse, apertando o laço do meu roupão. — Eu estou me escondendo deste lugar. O queixo de Jude apertou. — Esse lugar é a nossa casa, Luce. É minha e sua. — Não, Jude. Esse lugar pertence a você e a pessoa que você quer que eu seja. Não a pessoa que eu realmente sou. Batendo na parede com o punho, ele caminhou em minha direção. — Tudo bem. Esse não é o lugar que você quer, vamos nos livrar dele. — disse ele, olhando para mim como se eu fosse todo o seu mundo. Ele sabia que eu derretia


sob esse olhar. Fazia dias, semanas, e ele estava usando minha falha contenção a seu favor. Fechei os olhos e respirei lentamente para me acalmar. Eu já podia sentir o sangue correndo em certas partes do meu corpo por tê-lo sozinho e nesta distância. Eu não podia, eu não iria dormir com ele até que eu tivesse trabalhado através dessa porcaria na minha cabeça. — Diga-me o que você quer, Luce. — ele disse, parando a poucos pés em frente a mim. Eu podia sentir seu cheiro, eu podia quase sentir seu gosto em meus lábios. Eu podia quase senti-lo... Eu balancei minha cabeça, mantendo meus olhos fechados. — Eu não sei. — eu admiti, sentindo ele parar mais perto. — Diga-me o que você quer. — ele demandou, e agora seu corpo pressionado no meu. Droga.

Minha

enfraquecida

determinação

estava

prestes a ser uma causa perdida. Então sua boca se moveu para o lado do meu ouvido, e o calor da respiração dele quebrou em meu pescoço. — O que, — ele sussurrou, — você, — seus dentes se afundaram em minha orelha, — quer? — Seus quadris flexionaram em mim, e quando eu senti ele duro contra mim, esse último pedaço

de

contenção

que

eu

tinha

estado

agarrada

escorregou direto pelos meus dedos. Abri meus olhos. Agora que eu tinha pulado, eu estava indo desfrutar da queda.


Eu esperei até que ele olhou para meus olhos. — Eu quero você, — eu disse, meus dedos se movendo para seu zíper. Eu estava muito além do ponto de preliminares. — Aqui. Agora. — Deslizando o zíper para baixo, eu descansei minha boca fora de sua orelha. — E duro. Jude respirou afiado, mas isso era toda a surpresa que ele se permitiu. Suas mãos fizeram um rápido trabalho de desamarrar meu robe. Agarrando meus quadris, ele me ergueu e carregou-me até a mesa. Sua boca encontrou a minha e ele me beijou como se ele nunca tivesse me beijado antes. Ele estava desesperado, e com fome, e quase doloroso. Mas a dor me caiu bem. Eu precisava sentir isso agora Depois de abrir o botão de sua calça, puxei-a para baixo. Agarrando-o em minha mão, eu deitei de volta na mesa. Jude olhou para mim, com seu rosto em uma mistura de emoções. Minha mente, pela primeira vez desde esta tarde, estava clara. E contente. Enquanto eu o guiava para mim, ele fez uma pausa. — Tem certeza que você está pronta? — Disse ele, sua respiração tensa. — Venha descobrir. — eu respondi, envolvendo minhas pernas ao redor de sua cintura para atraí-lo mais perto. Seu rosto enrugou quando a minha mão se moveu para cima e para baixo, mas ele se conteve. — Jude, — eu sussurrei, — Por favor. — Eu levantei meus quadris até que eu podia senti-lo exatamente onde ele deveria estar.


Movendo apenas um pouco lá dentro, ele gemeu. Eu gemia mais alto. A tortura era uma loucura, e se ele ia jogar agradável e lento, eu tinha acabado de modificar sua ideia. Agradável e lento não estava na agenda para hoje à noite. Ao mesmo tempo, eu apertei minhas pernas em volta dele, flexionei mais os quadris, efetivamente tomando o resto dele dentro de mim. — Oh, Deus. — Eu suspirei, sentindo como se eu pudesse gozar agora que ele foi todo o caminho dentro de mim. Quando os seus quadris flexionaram, eu quase fiz. — Merda, Luce, — disse ele, respirando pesadamente fora da minha orelha. — Você realmente estava pronta. Realizando essa coisa de giro do quadril que o levou até a parede, movi a sua mão do meu quadril até que ele estava cobrindo meu peito. — Então o que você está esperando? Suas mãos apertaram tanto meu quadril e meu peito, e então ele começou a mover mais seus quadris. Eu queria duro, e isso era o que eu recebi. Cada vez que ele empurrou para dentro de mim eu tinha certeza que ia gozar, mas eu não fiz. Desta vez, eu era a única esperando por ele. A mesa começou a balançar embaixo de mim quando ele pegou o ritmo. Meus dedos perfurando suas costas, tudo que eu podia fazer era esperar e apreciar a forma como ele me fazia sentir. Ouvi cada rosnado baixo quando ele deslizou para dentro, junto com cada gemido torturado quando ele deslizou


para fora. — Venha, baby, — ele respirou, balançando em mim mais rápido. — Eu quero sentir você gozar. Sua mão deslizou do meu quadril mais para baixo, até que o polegar estava circulando sobre o meu clitóris. Eu sabia que estava perto, mas meu orgasmo veio no instante seguinte. O corpo de Jude me tocou dentro e fora de todas as maneiras e me mandou por cima da grande borda tão poderosamente, eu me senti como se estivesse sendo rasgada por dentro. Eu gritei o nome dele, sentindo o meu músculo contrair em torno dele quando ele bateu em mim uma última vez. Ele suspirou meu nome tantas vezes que perdi a conta, antes de cair em cima de mim.


Capitulo 9

E

u ainda podia sentir o cheiro de Jude no meu travesseiro,

mas

sua

cabeça

não

o

estava

compartilhando com a minha a noite toda. Bem, a

noite toda depois de nossa escapada sexual para fazer as pazes em cima da mesa. Mas ele estava perto. Sua voz fora do tom, cantando a música tocando no rádio era um grande prêmio. Enquanto eu rolava, um sorriso já estava no local. Quando meus olhos pousaram na parte traseira, de uma bunda nua, usando a máquina de café, meu sorriso ficou mais amplo. — Eu mencionei recentemente que bela bunda você tem? — Eu disse, apoiando-me sobre os cotovelos, porque se o traseiro nu de Jude estava em exposição para o meu prazer e admiração, eu estaria indo apreciar a vista. Ele sorriu para mim enquanto servia café em um copo. — Só ontem à noite, quando você estava agarrando-o enquanto gritava o meu nome. — Minha nossa. Alguém acordou do lado arrogante da cama esta manhã. — Eu estava tentada a ver a hora em meu telefone, mas isso teria significado desviar o olhar. A hora podia esperar, um Jude nu fazendo café não podia.


— Eu acordo nesse lado da cama todas as manhãs, Luce, — disse ele, virando-se. Como a menina má que eu era, meus olhos se concentraram em um determinado ponto. — Sim, você certamente acorda. — O meu sorriso não poderia esticar ainda mais, sem doer. — Bom dia, — disse ele, estendendo a xícara de café, enquanto eu continuei com o meu concurso de encarar. — Sim, é. — eu respondi, sentando-me. — Ok, Luce, você tem que parar de olhar para mim desse jeito, ou então eu vou me atrasar para o treino. — Ele esperou até que meu olhar moveu-se para ele antes de me entregar o café. Esse era provavelmente o melhor, olhar pasmo de mulheres e vapor de copos de líquidos não vão bem juntos. — Se você não me quer olhando para você assim, você deveria ter colocado algumas roupas. — levantei uma sobrancelha para ele quando eu tomei um gole. — Obrigada pelo café. Muito doméstico da sua parte. Arrebatando suas boxers7 descartadas ontem à noite, ele as subiu em posição antes de apressar-se ao meu lado. — Eu gosto de servir você dos pés a cabeça — disse ele, os olhos percorrendo meu corpo. — E todo o resto.

7

Cueca.


Suspirei em meu copo. — Aqui está uma dica. Se você não quer se atrasar para o treino, você não deve dizer essas coisas também. Seus olhos clarearam e voltaram-se para os meus quase que imediatamente. Como ele poderia ir de estar encharcado de sexo em um momento para todo negócios no próximo, eu não sabia, mas era algo que eu duvidava que eu alguma vez seria capaz de dominar. — Você não exatamente me deu a chance de dizer-lhe ontem à noite, já que estava ocupada me devastando na mesa que agora se tornou oficialmente a minha parte favorita de móveis, — ele estudou a mesa enquanto um lento sorriso se formava, — Mas eu sinto muito por tudo ontem, Luce. Eu queria que o dia inteiro fosse perfeito e não poderia ter sido mais errado. Não, ele não pôde ser. Bem, pelo menos até a noite. Peguei a mão dele e a apertei. — Eu sinto muito, também, — eu disse, tão familiarizada com as palavras que eu poderia ter sido uma especialista certificada até agora. Na história do nosso relacionamento, "Eu sinto muito", "Perdoame", e "eu errei" vinham quase tão frequentemente como "eu te amo". — Se você não gosta da casa, tudo bem. Nós vamos encontrar uma outra. — disse ele, colocando um braço sobre meus ombros. — Eu quero que você seja feliz, Luce, e eu nunca teria escolhido este lugar se achasse que ele iria aborrecê-la.


Eu suspirei de alívio. Ontem tínhamos brigado por causa dessa conversa. Hoje, podemos falar sobre isso com calma e de forma construtiva. Talvez fosse assim que precisávamos abordar esses tipos de minas terrestres no futuro: nus e na cama. — Eu sei disso, Jude. Isso apenas me pegou de surpresa. Tudo está vindo para mim tão rápido, e às vezes eu sinto como se eu não tivesse a chance de recuperar o fôlego. — Fiz uma pausa para tomar outro gole. — Você sabe? — Acredite em mim, eu sei, — ele respondeu com um aceno de cabeça. — Você não precisa explicar isso para mim, Luce. Eu entendo, e eu sinto muito que eu fiz toda essa coisa mais difícil para você. Vou ligar para o meu agente imobiliário esta tarde e ele vai começar a procurar um lugar diferente. Ok? — Ele me puxou para mais perto, enfiando a minha cabeça debaixo de seu queixo. — Será que este agente imobiliário está procurando por três quartos, dois banheiros? — Comecei a dizer a mim mesma para ficar calma, então quando e se isso mudar para o aquecimento, eu poderia controlá-lo melhor. Jude gemeu, mas não era o seu pleno direito de um, como ele também estava tentando acalmar a si mesmo antes de qualquer um de nossos temperamentos esquentar. — Você percebe quanto dinheiro eu vou fazer este ano? Certo, Luce? E o quanto estarei fazendo a partir de agora. — Eu sei. Eu sei. — eu disse, mordendo minha língua para que meus próximos comentários ficassem internos. —


Mas como é que isso muda quem você é? E quem sou eu? E o que nós queremos? — Eram, o centro de tudo isso, as perguntas que eu precisava de respostas. — Isso não me muda, ou você, ou o que nós queremos, Luce. — ele disse calmamente. — Tudo que isso muda é nosso estilo de vida. E quantos carros maneiros nós teremos em nossa garagem de cinco carros. Eu coloquei o meu café para baixo na mesa de cabeceira. Ele não estava entendendo, ou eu não estava sendo clara. Eu não queria mais carros do que eu tinha dedos. Eu não queria mais garagens do que eu tinha cabelos na minha cabeça. Eu queria Jude. E um teto acima de nós, junto com um carro confiável e alimentos nos armários estaria bom. — Eu não quero mudar o nosso estilo de vida, — disse. — Pensei que o nosso estilo de vida atual estava muito bem. — É muito bom, Luce. É bom pra caralho. — disse ele, mantendo-me perto. Este era o jeito para ter uma conversa difícil, me segurando com força contra ele. — Mas poderia ser muito melhor. Todas as vezes que eu queria ir para a loja de joias e comprar a maior, e mais brilhante maldita coisa que puder, todas as vezes que eu queria levá-la para algum restaurante chique e pedir a coisa mais cara do menu só porque eu queria que você tivesse o melhor. Todos os invernos que eu queria pegar você em uma SUV, então passaríamos o inverno todo nos divertindo. — Ele fez uma


pausa e inclinou a cabeça na cabeceira da cama. — Estou cansado de não ser capaz de dar as coisas que você merece. O que ele estava dizendo estava puxando meu coração, mas isso não fez nada para aliviar a tensão que construiu quando ele começou a falar sobre dinheiro. — Eu sei que você está, amor. Eu sei que você está, — disse. — Mas a coisa é, todos esses anos que você acha que estava me dando a segunda melhor... — Mais como a quarta melhor. — ele murmurou. — Bem, então eu devo ser uma garota do tipo quarta melhor, porque eu nunca me senti enganada, nem achei que estivesse saindo perdendo. Ficamos em silêncio por um momento, embora os nossos pensamentos estivessem tão altos que não era exatamente em silêncio. — Luce? O que há sobre o dinheiro que te faz tão desconfortável? Merda. Ele poderia muito bem ter me colocado de volta na mesa, pois me senti como nua e vulnerável com essa pergunta em aberto. Jude tinha essa estranha capacidade de cortar o papo furado e ver o que estava no coração do que eu estava tentando esconder. Alguns dias eu amava este dom dele. Alguns dias eu odiava. Eu não tinha certeza que tipo de dia era ainda. Eu inspirei e expirei, empurrando as meias-verdades que eu estava escondendo atrás de mim, tentando chegar ao


que realmente estava me incomodando. Agora eu estava pronta para dizer o que sentia enquanto estava perto do coração dele. — Eu venho de um lugar onde eu sei o que é ter muito dinheiro no banco, você nem sequer percebe que poderia se preocupar com algo como dinheiro, — comecei, torcendo em seus braços para que eu pudesse me enrolar mais. — E venho de um lugar onde eu sei o que é ter tão pouco no banco que você não tem certeza se você vai ter uma casa para chamar de sua casa no próximo mês. Eu conheço os altos e baixos. O dinheiro não pode fazê-lo feliz. Eu não quero fingir que pode, ou vai. — Luce, eu sei disso, — ele interrompeu. — Eu sei que não posso te fazer feliz, se você já não estiver. Mas você e eu, nós criamos algo tão fodidamente grande antes de tudo que isso só pode ficar maior com um pouco de cha-ching8 no banco. — Não, — eu disse abruptamente. — Vê? É isso. Eu não quero que meu medidor de felicidade na vida esteja amarrado a algo como dinheiro. De maneira nenhuma. Eu os quero separados. — levantei uma mão, estendendo-a para a direita. — Aqui está Lucy e a montanha russa que são minhas emoções. — Jude foi inteligente o suficiente para não sorrir seu reconhecimento. — E aqui está o dinheiro, — eu disse, levantando minha mão e segurando-a para a extrema esquerda. — Eu não quero que eles estejam ligados. Nunca.

8

Som da caixa registradora, de dinheiro entrando.


— Nunquinha? Ou nunca, nunca? — Agora ele estava sorrindo. — Porque há uma diferença. Eu lhe dei uma cotovelada antes de responder. — Nunca, nunca, nunca. Ele contemplou por um momento antes de assentir. — Ok. Acho que posso administrar isso. — Ele soou tão sincero quanto parecia. — Sim? Agarrando as minhas mãos estendidas, ele beijou cada uma. — Sim. Quem teria imaginado que uma rodada de sexo selvagem na mesa e uma noite de sono poderiam preparar o caminho para uma conversa produtiva sobre algo que nós havíamos estado gritando ontem? Oh, sim. Homens imaginam isso. Desde o tempo do homem das cavernas, quando mesas não eram nada mais do que pedras planas. Até o momento que eu, como mulher, descobri isso e comecei a usá-lo a meu favor. — Você não precisa de mais nada? — Ele beijou minha testa antes de rolar fora da cama. — Se eu não sair nos próximos trinta segundos, eu vou me atrasar para o treino. — Eu preciso... De uma coisa, — respondi, atirando o lençol para o lado, — Mas parece que você tem lugares para ir. Os olhos de Jude ficaram em meu rosto, mas eu podia dizer que estava o matando fazer isso.


— Você é cruel, Luce. Você sabia disso? — Mm-hmm, — eu disse, rolando para o meu lado para lhe dar uma visão melhor. Sorri quando seu olhar desviou no menor segundo. Batendo em suas bochechas, ele virou-se e agarrou seu jeans. — Por que você não vai às compras ou algo assim, enquanto eu estou no treino? — disse ele, puxando a carteira. — Há uma porrada de lojas ao redor que estariam ansiosas para atender uma futura esposa de um quarterback da NFL. — Deslizando o cartão preto brilhante, ele o segurou fora. Puxei o lençol sobre mim. Ele fez uma careta. — Você estava aqui na conversa que acabamos de ter? — perguntei, olhando para o cartão preto. Sua careta foi para outro tom mais escuro antes de passar. — Sim, eu estava. — Colocando o cartão de volta em sua carteira, ele ficou ali, olhando desamparado. Eu não queria que ele se sentisse assim. Eu sabia que Jude queria cuidar de mim; isso estava à frente de sua mente com tudo o que ele fez. Eu só não precisava ou queria ser cuidada com um cartão preto brilhante. — Você acha que eu poderia pegar emprestada sua caminhonete? — perguntei, esperando que isso facilitasse a sua

necessidade-de-fazer-algo-para-Lucy.

pensando em ir para a praia e vegetar o dia todo.

Eu

estava


— É claro, — ele disse, cavando a mão no bolso novamente. Como previsto, ele pareceu aliviado por ser capaz de fazer algo para mim que eu estava disposta a aceitar. — Está com o tanque cheio, então leve aquele bebê para dar uma volta. — Ele estendeu as chaves da sua nova caminhonete. Elas eram brilhantes, também. Tudo era tão malditamente brilhante agora. Eu nunca pensei que seria tão anti-brilho. — Vamos lá, eu não conseguiria ver por cima do volante daquela coisa, Jude, — eu disse, piscando para tornar o golpe mais fácil. — Isso é, se eu fosse realmente capaz de subir nela sem sua ajuda. Eu precisaria de um banquinho ou uma escada. — Você quer que eu chame um motorista ou algo assim para você? — ele perguntou, e então seu rosto se iluminou. — Ou por que você não vai comprar para você aquele carro esporte novo que eu tenho vontade de te dar. Desta forma, você pode escolher a sua própria cor. Eu levantei minha mão e mordi minha língua. — Obrigada. Por todas as ofertas, — disse, — Mas eu estava pensando que eu poderia apenas ter o seu velho balde de ferrugem. Jude franziu a testa. — Então, se eu cochilar na praia durante todo o dia, não vou ter que me preocupar com algumas crianças idiotas arranhando sua nova caminhonete. — Esta era parcialmente


a razão pela qual eu queria ter a caminhonete velha, mas certamente não era o principal motivo. Um flash de aborrecimento apareceu em seu rosto, mas passou. — As chaves estão na ignição, — disse ele, deslizando em seus jeans. — E eu só mudei o óleo e dei-lhe uma

melhorada,

então

você

não

deve

ter

quaisquer

problemas com o ferro velho. Olhei para a camisa que ele estava pegando. Eu sabia que as roupas eram a exigência, mas elas deveriam ser exceção no caso de Jude Ryder. — Troca de óleo? Melhorada? — Eu disse quando ele puxou a camisa sobre a cabeça. — Esta é a caminhonete pela qual você estava inflexível sobre demolição ontem? Ele revirou os olhos quando ele deslizou para os seus tênis. Pelo menos esses eram os mesmos velhos maltrapilhos que eu estava acostumada. — Você está arrebentando as minhas bolas, mulher. — Eu serei sua esposa em breve, — eu disse. — Estou só fazendo o meu trabalho. Ele congelou a abotoadura na metade. — Em breve? — Ele repetiu, com os olhos piscando. Uh-oh. Não como amanhã ou na próxima semana. — Tão breve quanto eu sou capaz disso, — eu disse, meu coração vibrou um pouco do jeito como ele estava olhando para mim. Com um olhar, Jude era capaz de derreter todos os músculos antes de apertarem em antecipação.


Jude sorriu. — Eu vou aceitar isso. — disse ele, e agora, em vez de para cima, a braguilha estava indo na direção oposta. Meu pulso já estava correndo. — O que você está fazendo? Atravessando o quarto, ele saltou para a cama. — Eu vou me atrasar. — ele disse, antes de sua boca e corpo cobrirem o meu.

Se havia

alguma coisa que eu poderia ter me

acostumado no Sul da Califórnia? As praias e o sol. Umas boas oito horas tinham passado quando eu tinha feito nada mais físico do que virar de um lado para o outro. Isso, e abrir a tampa da minha garrafa de água. Eu poderia me ver aqui. Agora, se o Sul da Califórnia fosse só conhecido como um dos principais locais de dança do mundo, eu teria estado favorável. O sol estava começando a cair no céu, mas havia pelo menos mais uma hora boa de raios UV para absorver, e eu não queria perder, graças a um caso grave de fome. Para influenciar o voto saia-ou-fique, meu estômago roncou novamente. — Tudo bem. — eu resmunguei, fazendo uma nota mental de que da próxima vez que eu viesse para a praia, eu precisaria trazer mais do que uma barra de granola.


Antes que eu pudesse começar a arrumar as minhas coisas essenciais de praia, meu telefone tocou. Eu o agarrei e li a mensagem. “Todos os caras estavam me perguntando por que eu tinha esse sorriso estúpido no meu rosto todo o dia.” Seguido por uma carinha feliz. “Eu culpei você.” “Eu levarei com prazer a culpa por esses sorrisos estúpidos”, eu digitei, vestindo meu próprio sorriso estúpido quando algumas memórias saltaram à mente. “Espero que você não se importe de usar outro desses amanhã”. Seguindo por uma carinha piscando. Sua resposta foi instantânea. “Infernos, não”. Eu ri e, antes que eu pudesse digitar uma resposta, meu telefone tocou novamente. “Onde você está? Nunca é muito cedo para começar trabalhar ou fazer aquele estúpido sorriso de novo.” Nunca tinha ouvido uma afirmação mais verdadeira. Eu digitei, “Ainda na praia. E eu já estou sorrindo só de pensar em fazer você sorrir.” Sentei-me e joguei meu protetor solar em minha bolsa, quando sua resposta veio. “Eu vou encontrar você e pegar o jantar no caminho...” Sua mensagem terminou com três pontos e, então meu telefone soou com outra mensagem. “E eu estou sorrindo por você sorrir pensando sobre me fazer sorrir.” Eu ri, imaginando ele com o sorriso em sua cara, pressionando o acelerador, e ajustando suas calças. “Já


chega de sorrir,” eu digitei. “Apresse-se, porque eu quero que você me faça gemer.” Como se eu estivesse em perigo de ser pega passando bilhetes em sala de aula, eu olhei para os dois lados. Quando sua resposta veio, eu quase pulei. “Planejando isso, Luce.” Eu me movi no meu assento, sentindo gotejar calor em todos os lugares certos. Alguns assobios soaram na minha frente. Eu olhei para cima, quando uma dupla de rapazes carregando pranchas de surf passaram, boquiabertos — Sim, — gritei, dando aos surfistas um olhar de “sério?”, — São peitos! Um deles teve a decência de afastar o olhar. O outro apenas sorriu mais. Esse era o Jude dos dois. — Não, bebê, — o presunçoso respondeu, — São mamilos. Eu olhei para baixo. Merda. Sim, definitivamente eram mamilos aparecendo para todos da Praia La Jolla ver. Maldito Jude e todas as suas mensagens eróticas direto para os raios do inferno. Eu não tinha uma resposta mal-humorada, mas eu não podia deixar o surfista ter a última palavra. Embrulhando meu braço em volta do meu peito, eu mostrei o dedo do meio com a outra mão. Inclinando

o

continuou andando.

queixo

em

resposta,

ele

piscou

e


Os homens eram criaturas irritantes. Em todas as esferas da vida. Mesmo quando você estava sozinha, descansando na praia. Desnecessário dizer, que eu passei a próxima meia hora descansando de barriga para baixo. Pelo menos até que eu avistei uma forma familiar arrogante em seu caminho em direção a mim. Eu levantei e corri até ele, como se eu não tivesse o visto em meses. Ele tinha um saco de papel e um moletom debaixo do braço e parecia ter recém tomado banho. No entanto, o modo como ele estava me olhando era o oposto de limpo. — Onde está aquele sorriso estúpido que você me disse em mensagem? — Eu disse enquanto me aproximava. — Ele sumiu quando vi o que você estava vestindo, — ele respondeu com firmeza. — Ou o que você não está vestindo. — Ele correu os olhos pelo meu corpo, parecendo que não podia decidir se desaprovava ou aprovava. Eu sabia a forma de decidir sua mente. Enrolando meus braços ao redor do pescoço dele, eu levantei na ponta dos pés e dei um beijo em sua boca, começou suave, mas não acabou dessa forma. — Aqui, — Jude disse, cortando nosso pequeno beijo, — Coloque isso. — Ele estendeu seu velho moletom Syracuse e esperou. — Por quê? — perguntei, fazendo-me de boba. Em qualquer outra ocasião eu teria alegremente deslizado para o


extremamente grande moletom de Jude, mas não quando eu estava sendo mandada. — Porque você me deixou duro umas cem jardas atrás nessa coisa. — Ele apontou para meu biquíni. — Eu não gosto da ideia de um monte de outros caras saírem olhando para a minha garota. — Ele balançou o moletom para mim. Não. Não vai acontecer. — Quem se importa? — baixei o seu braço estendido e sorri para ele. — É só a sua ereção que consegue ir para a cama comigo. Jude bufou e cruzou os braços. — Diga isso para os idiotas que estarão se masturbando para você entre os lençóis deles hoje à noite. O ato autoritário cresceu rápido. Eu cruzei os braços e segurei meu chão. — Eu não sei por que você está tão nervoso. Isto não é nem mesmo meu biquíni pequeno. — Não era. Quando se tratava de biquínis, este era realmente inofensivo. Ele franziu a testa enquanto inspecionava o meu biquíni de novo. — Tudo o que eu estou vendo é um pequeno triângulo e um bocado de cordão, Luce. — disse ele, parecendo torturado mais uma vez. — E você está tentando me dizer que isso não é pequeno? Respondi com um encolher de ombros evasivo. — Só há uma maneira de resolver o debate de pequeno... — Os olhos de Jude varreram de cima a baixo o


calçadão, estreitando algumas vezes ao longo do caminho. — Eu ganhei, — ele disse, por fim. — Cada bastardo dentro da distância de vista está olhando você, Luce. Olhei ao redor da praia. — Nós vamos ter que concordar em discordar, — eu disse. — Porque eu tenho certeza que não sou eu, mas você que eles estão olhando. Ele fez uma careta. Ele tinha chegado a uma conclusão diferente. — Não, não por essa razão, — eu disse, dando a ele um leve empurrão. — Você acha que talvez, só talvez, eles estão olhando para você porque acontece de você ser o mais novo quarterback do Chargers? — Isso não importaria se eu fosse Peytom Manning9, — Jude disse, pressionando seus lábios. — Com você correndo por aí nesse mais-cordas-do-que-biquíni, — suas mãos gesticularam de cima a baixo para mim de novo, — Nenhum olho estaria virado em minha direção. Tentei segurar, mas eu não consegui evitar que o riso saísse furtivamente. Era fofinho quando ele ficava levemente chateado. Não era tão fofo quando ele ficava completamente chateado. Os olhos de Jude pegaram algo atrás de mim. — Hey, idiota! — ele gritou, estreitando seus olhos. — A menos que você queira estar lendo sua edição mensal da revista Playboy

9

Grande quarterback que quebrou vários recordes na NFL.


em braile pelo resto de sua vida, é melhor você virar seus olhos agora! Eu descansei minha mão em seu lado e corri meu polegar em círculos lentos. Lentos, círculos calmantes. — Você poderia ficar mais territorial? — provoquei. — Já ouviu falar do Oriente Médio, Luce? — Disse ele, sorrindo. — Da cabeça aos pés cobertos por camadas sobre camadas de material. — Ele fez cócegas em meus lados. O pior já tinha passado. — Já ouviu falar da Europa? — Eu respondi, entre acessos de riso. — Banho de sol de Topless? Achei que você tinha dito uma vez que era um fã disso. — Espertinha, — ele murmurou, antes de segurar o moletom de volta. — Vamos lá. Coloque isso, — ele pediu. Ele pediu. Ele não ordenou, exigiu ou comandou. Ele pediu. Bem, ele quase implorou. — Ok. — eu disse, porque eu não podia dizer não. Eu agarrei o moletom dele e o vesti. Quente, confortável, e cheirava bem como ele. Eu estava meio que considerando levar ele amanhã, quando eu voltar para NYC10. — Ok? — Ele estava olhando para mim como se estivesse esperando o final da piada. Deslizei o capuz em posição para dar ênfase. — Ok. — Justo quando eu acho que

já entendi você

totalmente, Lucy Larson, — disse ele, enrolando o braço em 10

New York City, tradução em português: Cidade de Nova York.


volta do meu pescoço e me puxando para perto, — Você vai e faz algo totalmente inesperado. Como me ouvir. Enfiei minha mão no bolso de trás da calça jeans dele enquanto nós íamos em direção ao meu pequeno lugar à beira-mar. — Ainda nas letras miúdas, ballbusting11, — eu disse, batendo quadris com ele. — Futuras esposas são obrigadas a manter seus futuros maridos em alfinetes e agulhas em todos os momentos. — Ahh, — ele disse, — Eu realmente preciso verificar tudo nessas letras miúdas. — Se você não conseguir ler isso, eu tenho certeza que vou conseguir dar-lhe uma demonstração real de cada ponto no meio do caminho. — eu disse quando nos aproximamos da minha toalha de praia. — O que há para jantar? E por favor, não puxe lata de caviar e uma garrafa de champanhe desse saco ou então eu estou chamando uma intervenção. Ele me estendeu o saco de papel. — Porque eu sabia que isso iria... — minhas sobrancelhas levantaram. — Absolutamente não fazer você feliz ou infeliz, porque dinheiro não tem qualquer influência em seu medidor de felicidade, — ele bateu as sobrancelhas, obviamente satisfeito consigo mesmo, — Eu peguei alguns tacos de peixe de um vendedor ambulante e um pouco de cerveja barata de um posto de gasolina. Ele sorriu como o diabo e sacudiu o saco. Eu o agarrei e me sentei na toalha antes de rasga-lo. — Tacos de peixe de 11

É uma prática agressiva em que as mulheres chutam, torcem e maltratam o saco escrotal masculino.


um vendedor de rua e cerveja barata? — eu disse, não tendo certeza se ia para a cerveja ou os tacos primeiro. Meu estômago fez a decisão por mim. — Isso, meu amor, me faz muito, muito feliz. — Tirei um taco embrulhado e joguei em seu colo quando ele se sentou. — É claro que um jantar que me custou dez dólares faria você feliz, — ele disse, rasgando a embalagem. — Você pode ser mais exasperante? Essa era a pergunta de um milhão de dólares. Pegando uma cerveja do saco, eu torci a tampa e entreguei a ele. — Uau. Você realmente perdeu as letras miúdas se você não sabe a resposta para isso, baby. Ele mordeu metade do taco e revirou os olhos. — Coma seu jantar. — disse ele com a boca cheia. — Eu posso ouvir seu estômago reclamando daqui. Rasgando a minha embalagem, eu o toquei antes de dar uma mordida. Maldição. Ok, então Cali12 poderia ser foda pelo sol, pela praia, e pelos tacos de peixe. — Bom? — Jude perguntou enquanto eu continuei o caso de amor em minha boca. Eu lembrei minhas maneiras e esperei até que eu engoli minha comida antes de responder. — Bom é um insulto para a grandeza desse taco de peixe. — eu dei outra mordida enquanto Jude agarrou outra cerveja fora do saco. 12

Califórnia.


Depois de torcer a tampa, ele a tirou. — Termine com um gole disto e a vida vai ter novo sentido depois de experimentar isso, Luce. Eu nem sequer espero terminar de mastigar antes de tomar um gole. Santo orgasmo pelo paladar. — Sim, essa é a coisa. — ele disse, batendo sua garrafa contra a minha antes de tomar um gole. — Eu. Amo. Você. — eu disse, dando outra mordida. — Muito. Muito mesmo. Enchendo a outra metade do taco em sua boca, ele olhou para mim dessa maneira que eu já tinha me acostumado. Como se eu fosse tudo que ele queria e tudo que sempre vai querer. Eu não sei como seus olhos eram capazes de expressar isto, mas eles faziam. Terminando sua enorme mordida, ele moldou a mão contra a minha bochecha. — Eu te amo. Muito. Pra caralho, Luce. Inclinando-me em sua mão quente, eu toquei minha garrafa contra a dele. — Saúde.


Capitulo 10

D

ois tacos de peixe, duas cervejas, e duas horas mais tarde, eu ainda não estava pronta para sair. Nem mesmo de perto dele.

— Você quer o último? — perguntou Jude, segurando um taco. — É todo seu. — eu disse. Lançando-me atrás dele, eu deslizei minhas mãos para cima em sua camisa. — Você quer uma massagem? — Não era tanto uma questão como uma formalidade. Em quatro anos, eu nunca tinha visto Jude negar uma massagem. — Claro que sim. — disse ele com a boca cheia de taco de peixe. Aplicando pressão, eu trabalhei meus polegares para cima dos músculos de sua coluna vertebral. Ele suspirou, inclinando-se para o meu toque. — Será que está bom? — Claro que sim. — Ele largou o taco e abaixou a cabeça. Eu pressionei meus dedos nos músculos expostos de seu pescoço. — Que tal isso? — Eu disse, nunca tenho certeza quanto a pressão que ele deseja aplicar. Alguns dias era qualquer pressão, quando ele só gostava da sensação de minhas mãos nele. Outros dias eu não conseguia punir os


músculos o suficiente. — Será que ainda está bom? — Eu perguntei, apertando os músculos do pescoço até os ombros. Ele gemeu. — Claro que sim. — Parece que esta será a noite do ‘claro que sim’. Ele pendurou no pescoço inferior, me dando melhor acesso. — Claro que sim. Já estava escuro por um tempo, nós tínhamos assistido ao pôr do sol mais cedo e tinha sido uma visão incrível. Eu sabia que nunca iria esquecer. Estava começando a entender o que fazia com que dezenas de milhões de pessoas que viviam aqui, fossem apaixonados pelo lugar. — Você pode se imaginar fazendo isso todas as noites? — Eu disse, trabalhando ao longo de um nó desagradável em torno de seu ombro. — Tacos e cerveja barata na praia? — Soa como uma vida fodidamente boa, Luce, — respondeu ele. — Eu estaria completamente dentro. — Eu vi uma pequena casa à beira-mar para alugar um pouco mais abaixo na praia. Devemos alugá-la por algumas noites durante as férias de Natal e então poderíamos ver o pôr do sol todas as noites. — Tendo trabalhado com sucesso um nó, me mudei para o próximo. — Vendido. — disse ele. — Você, eu, Natal, praia, sol. Onde é que eu assino? Debrucei-me sobre seu ombro enquanto eu continuava a massagear suas costas. — Bem aqui.


Seus lábios roçaram os meus. — Eu não posso dizer se tudo isto aqui são nós, — disse eu, passando atrás dele de novo, — Ou se seus músculos estão apenas incrivelmente duros, mas você definitivamente tem algo que precisa trabalhar para tirar. Ele riu quando voltei a trabalhar em um nó que era tão grande quanto o meu punho. — O quê? — Luce, — disse ele, pegando uma das minhas mãos e enrolando-a em torno de sua cintura. — Eu sempre tenho algo que precisa trabalhar para fora. — Minha mão roçou pelo sua calça jeans, até que ele resolveu a questão sobre algo que me senti tão duro como os músculos que eu estava tentando aliviar. — O trabalho de uma menina nunca termina, — disse eu, agarrando-o. Ele virou a cabeça, a boca procurando a minha, mas eu tinha outros planos. Na pegada, eu puxei o capuz sobre minha cabeça. — O que você pensa que está fazendo? — Ele perguntou,

seus

olhos

ficando

escuros

enquanto

eles

desnudavam meu corpo. Cheguei para o centro das minhas costas, e dei-lhe um puxão. — Eu estou indo trabalhar em algo aqui na praia.


— Aqui? — Sua voz foi uma oitava mais alta. — Não. Não, você não está. — Suas palavras poderiam ter sido contra ele, mas seus olhos não estavam. — Além disso, sexo na praia é altamente superestimado. Eu nivelei-o com o meu olhar. — Pelo que eu ouvi, — acrescentou, dando-me um sorriso inclinado, — A areia fica em todos os tipos de lugares que não deveria. Agarrando a gravata em volta do pescoço, eu puxei ele. — Eu não estou pensando em ter sexo na areia. — eu disse, deixando meu top cair na areia. Jude ingeriu. — Estou mais para uma menina de água. Sem outra palavra, eu comecei a caminhar para as ondas trovejantes. — Há tubarões e merdas por aí, Luce, — ele me chamou. Eu sorri enquanto continuei no meu caminho feliz. Até onde ele iria me deixar ir antes que não pudesse ficar de fora? Captando meus dedos nos fundos de meu biquíni, eu os deslizei pelo meu corpo. Uma vez que eles estavam jogados na praia, eu me virei para ele. Ele engoliu em seco novamente e se levantou. Seus tênis já estavam fora.


— Então é melhor você vir me salvar, — Falei de volta. — Desses tubarões e merdas do tipo. Dei um balanço sobre a onda, e me virei em direção à água. Jude amaldiçoando atrás de mim, e um olhar sobre o meu ombro revelou que ele estava tirando suas roupas tão rapidamente quanto as roupas poderiam ser tiradas. Eu estava de joelhos diante a temperatura da água registrada. Frio mal descrevia. Número da nota mental de um milhão e um: O mar é mais agradável da praia do que da água. Senti seu sorriso em meu pescoço antes que sua língua tomasse o seu lugar. As mãos de Jude viajaram até meu estômago, até que encontraram os meus seios. — Belas marquinhas. — ele respirou no meu pescoço. — Eu trabalhei nelas durante todo o dia, — eu respondi, deixando minha cabeça cair para trás contra ele. Quando suas mãos e boca se moveram sobre mim, eu não sentia mais o frio da água. Lá não havia nada, além do calor. Um calor que era sentido profundamente em cada nervo. Uma de suas mãos se moveu do meu peito e arrastou para baixo do meu estômago. Quando fez uma pausa abaixo do meu umbigo, seu dedo se moveu contra mim. Minha respiração engatou em meus pulmões. — E eu estou pensando em trabalhar em você a noite toda.


Capitulo 11

E

u

estava

tão

cansada

de

dizer

adeus

nos

aeroportos. Se Jude me pedisse para ficar com ele, felizmente eu teria perdido meu vôo.

Pisquei e dois dias e duas noites se passaram. Eu sabia que o próximo par de semanas antes de Jude estar programado para voar para Nova York passaria como se cada dia fosse um ano. — Luce? — Jude colocou a cabeça para dentro do caminhão depois que ele pegou minha mala da cama. — Não que eu me importe, mas se não apressar, você vai perder o seu voo. Segurei meu suspiro e coloquei uma cara brava. Lançando-me para baixo do assento, eu dei um tapinha no volante. — Essa lata velha me traz muitas lembranças boas, — eu disse. —Não vá desfazer-se dela enquanto eu estiver fora. Jude balançou a cabeça quando ele pegou minha mão e bateu a porta. — O que você vê nesse pedaço de merda? — disse ele, chutando o pneu traseiro enquanto andamos pela garagem.


Sorri para mim mesma antes de responder. — Eu gosto de coisas um pouco ásperas em torno das arestas. Além disso, é o que está dentro que conta. — É o que está dentro que conta, — repetiu ele. — Quem disse isso? — Um cara que eu conheço. — Coloquei meu ombro debaixo do braço e envolvi meu braço atrás dele. — Ele deve ser incrível, — disse ele, sorrindo para mim de lado. Eu fiz uma careta e acenei com a mão de uma forma mais ou menos. Ele riu, verificando os dois lados antes de cruzar a estrada para o terminal. — Isso não é o que você estava dizendo ontem à noite, — disse ele. Agarrei seu lado. — Eu não estava falando muito, que eu bem me lembre. — Não, você não estava falando muito. Houve uma porrada de gemidos, no entanto. Isso lhe rendeu algumas pitadas mais difíceis. — ‘Jude’, — ele gritou, me imitando ontem à noite. — ‘Sim! Sim! Sim! Você é incrível!’ — Eu não conseguia nem fingir estar irritada com ele. Estava rindo tanto que um par de lágrimas começou a vazar dos cantos dos meus olhos. — ‘Jude... Incrível... Ryder! Sim! Sim! Siiiiiimm!’


Ele estava fazendo uma cena à medida que se aproximava da calçada do check-in, mas eu estava muito histérica para notar. Meu gigante noivo estava pulando, agitando, gritando, não se importando com o que ninguém pensasse. — Controle-se. — pedi no meio o meu riso, golpeandolhe o braço. — E se o que acabou de fazer �� um pouco parecido com o que eu faço durante o sexo, devo parecer um hipopótamo prestes a dar à luz. Deixando de lado o ‘Lucy Larson Orgásmico Show’, ele riu comigo. — Nah. — Ele riu mais uma nota antes de sua expressão mudar. — É a coisa mais sexy que eu já experimentei, Luce. Felizmente, as suas palavras não eram mais alto do que um sussurro, mas quando nos aproximamos do balcão, eu tinha certeza de que o calor correndo em meu rosto, emparelhado com o sorriso torto de Jude, deu a essência do que ele tinha acabado de sussurar em meu ouvido. Pelo sorriso malicioso no rosto do funcionário, ele pegou mais do que apenas a essência. Enquanto eu esperava o meu bilhete, Jude entregou minha mala e deu uma olhada no meu rosto. Em apenas um mês atrás, essa dica teria pago por um filme e jantar, o funcionário do balcão entregou-me meu bilhete, mas ele tinha olhos para ninguém além de Jude. Eu conhecia aquele olhar,


mas era estranho compartilhá-lo com os homens de meiaidade. — Você é Jude Ryder. — ele disse, parecendo e agindo como um fã intimidado. — Não é? Enfiando as mãos nos bolsos, Jude piscou para mim. — Jude Incrível Ryder, — ele conseguiu com uma cara séria. Eu não poderia realizar a mesma façanha. Chegando-se atrás de mim, Jude passou os braços em volta de mim. — O que é tão engraçado? Ele brincou. Empurrando uma caneta e um jornal em nós, o pobre rapaz parecia que estava prestes a estourar um vaso sanguíneo. Era tão estranho o modo como as pessoas tratavam Jude agora, como eles o idolatravam. — Posso ter o seu autógrafo? — Sua voz estava trêmula. —

Pode

apostar

que

sim.

respondeu

Jude,

destampando a caneta enquanto o funcionário abriu a primeira página do jornal local. Nele havia uma enorme fotografia de um homem e uma mulher à noite. No oceano. Mar. E bundas. — Merda. — eu murmurei, torcendo nos braços de Jude, esperando que ele não tivesse visto ainda. Nada de bom viria de Jude ver isso. Seus olhos estavam fechados na imagem, como se ele não tivesse certeza do que estava vendo. A confusão


deslocando para a raiva com o rosto vermelho no tempo que me levou a plantar minhas mãos em ambos os lados de seu rosto. — Jude. — eu disse, tentando soar calma. Tentando manter a calma para ele, quando não senti nenhuma. Calma era impossível, quando um foto nua frontal de mim estava estampada em quem sabia quantos milhares de papéis. — Está tudo bem. Acalme-se. — continuei, tentando desviar seus olhos para se concentrar em mim. Mas ele não desviava o olhar da imagem abaixo do título. ‘Ryder tem jogado dentro e fora do campo’. O fotógrafo deve ter pegado a imagem certa quando ele se juntou a mim na água e me virei. Além de seu rosto e braços, era tudo de Jude que o estúpido tinha apanhado. Mas comigo, eles tiveram que fazer uso da ferramenta fotoborrão em um par de lugares. Jude arrancou o papel da mão do homem e olhou com raiva para ele. — Que porra é essa? — Virando, Jude enfiou o papel na parte de trás da calça e esperou. Uma vez que o funcionário percebeu que Jude não ia se mover até ter uma resposta, ele encolheu os ombros. — Um jornal. — Ele teve a decência de parecer envergonhado. — Isso não é um jornal. — Jude disse, fervendo. Os músculos de sua mandíbula rolaram sob minhas mãos. — Isso é um retrato nu de minha noiva.


Caramba. Seu rosto tinha acabado de passar do vermelho para o roxo. Logo estaríamos além do ponto onde qualquer coisa que eu poderia fazer seria falar com ele para se acalmar. — Tem mais desses aí atrás? — Correndo atrás do balcão, Jude inspecionou a área. Seguindo-o. — Jude. — eu disse, — Pare. — Não, não, — disse o funcionário, erguendo as mãos. Eu poderia dizer que ele não tinha a intenção de qualquer desrespeito quando pediu para Jude assinar uma foto nua minha e dele, mas eu também sabia que o homem nunca, jamais, tentaria algo como isso novamente. — Quem mais tem um desses? — Jude exigiu depois que ele ficou satisfeito que não houvesse mais jornais atrás do balcão. O

homem

olhou

de

Jude

para

mim

com

as

sobrancelhas juntas, sua expressão se transformou em algo como, É sério que você está me perguntando isso? — Quem o assina ou apenas comprou a edição de domingo? — Sugeriu ele, esgueirando-se longe de Jude. Jogada inteligente. Só então, o olhar de Jude afastou dentro do terminal, onde um homem em um terno estava depositando partes de um... Merda.


Jude virou-se e correu para longe antes que eu pudesse oferecer um sorriso de desculpas para o funcionário dos tickets. — Jude! — gritei quando entrei no terminal. Além de despedidas, eu também estava cansada de fazer cenas. Ele não olhou para trás, ele nem sequer desacelerou, apenas manteve o radar no homem que estava levantando a porta da máquina de venda para pegar seu jornal da manhã. Antes que ele tivesse a chance de desdobrá-lo, Jude estava sobre ele. Merda, merda. Eu estava correndo agora, também, mas ainda assim foi uma centena de metros de distância. Arrebatando o papel das mãos do homem, Jude se elevou sobre ele, carrancudo como se ele fosse o único responsável por meus dentes, mamas, e os dedos liquidados na frente da página. — Jude! — gritei mais alto desta vez, tentando chamar sua atenção. Funcionou. Seu olhar se voltou para mim por um curto momento, mas foi suficiente. Os ombros de Jude foram diminuindo e a raiva em seu rosto havia esmaecido enquanto eu cheguei a ele. Ofegante dos meus duzentos metros rasos, eu atei as mãos em torno de seu antebraço.


— Respiração profunda para dentro, — eu instruí. — Respire fundo para fora. Pense. — levei a minha própria respiração, observando seu peito subir e descer. — Pense. Quando eu estava certa de que Jude não ia martelar o cara no chão, afrouxei meu aperto em seu braço. — Desculpe por isso. — disse, dirigindo-se ao homem, que estava olhando estupidamente para Jude como se ele fosse um tigre que escapou do zoológico. No entanto, ele não parecia assustado, apenas

intrigado.

Esse

cara

não

tinha

instinto

de

sobrevivência nenhum. — Posso sugerir amenizar a raiva de vocês, com um pouco de ioga e meditação, jovem? — disse o rapaz, com uma voz incrivelmente calma. Como se ele não tivesse apenas sido coagido por 250kg de músculos e fúria. Arqueando uma sobrancelha, ele inspecionou Jude mais um momento antes de se virar e tomar sua alegre, forma não-sobrevivência de instinto. — Droga, Jude. — eu assobiei, arrancando o papel das mãos. — Você poderia agir mais equilibrado? Ele não precisa me responder. Nós dois já sabíamos a resposta para isso. Assistindo o homem de terno a uma certa distância, Jude inspirou. — Você pode acreditar nisso?


— O quê? Yoga e meditação? — Eu disse, esperando aliviar o clima. — Soa como se pudesse fazer maravilhas para o seu temperamento. Quando Jude virou-se para mim, os olhos estreitando ainda mais, percebi que aliviar o humor não estava na agenda do dia. — Não é a merda da yoga, — disse ele, sacudindo o jornal roubado na frente do meu rosto. — Esta merda. Eu estremeci quando eu olhei para a foto novamente. Esse fotógrafo não poderia ter estado em uma posição melhor. Se o meu cabelo fosse dois tons mais claros e meus seios três tamanhos maiores, eu poderia ter sido uma Coelhinha da Playboy. — Oh. — eu disse, rezando pros meus pais não verem esse flagra. Quero dizer... foto. — Essa merda. Sim, isso é uma merda. — Que porra é essa? — Jude não poderia estar mais espantado com a minha atitude blasé. Verdade seja dita, é claro que eu estava chateada, mas o que eu poderia fazer? Perseguir todo mundo e olhar cada maleta? Perder minha calma não ajudaria Jude a se acalmar. Eu precisava me controlar para ele, porque era evidente que ele não poderia fazê-lo por si mesmo. — Isso é uma merda. — ele repetiu, batendo a foto com a mão. — Você está nua para todo o maldito mundo ver, Luce. Minha noiva vai ser a fantasia de todo punheteiro da


cidade hoje. E você não tem nada mais a dizer do que ‘Isso é uma merda’? Contei até cinco antes de responder, porque a resposta que queria rolar direito da minha boca não ia ajudar a acalmá-lo. Teria feito o oposto. Calma, calma, calma, eu me lembrei antes de responder. — Há uma outra palavra que você gostaria que eu use para descrevê-lo? — perguntei, trabalhando para manter minha voz plana. — Existe alguma maneira que você gostaria que eu agisse agora? — Bom trabalho, Lucy. Mantenha a calma em sua gaiola. — Porque, se 'que merda' não funciona para você, como você o descreveria? — Isso é uma guerra. — disse ele, com os olhos ônix. Merda. Ele definitivamente estava puto. Puxando seu telefone do bolso, ele deu um soco em um número, ao mesmo tempo ele colocava dinheiro na máquina de jornais. Ele poderia estar prestes a estourar, tanto quanto ele poderia ter estado prestes a incendiar algo. Quando Jude estava na zona de raiva, eu nunca soube o que ele poderia fazer. A única coisa que eu sabia era que o resultado final não seria coisa boa. No entanto, o que ele fez em seguida não estava nem na minha lista top-10. Enfiando algumas moedas na máquina, deixou cair a porta e, em vez de quebrar a máquina em pedaços, pegou toda a pilha de jornais em seus braços.


Ok, ele estava na zona de raiva que se inclinou em direção a mais louca do que com raiva. Isso foi tão ruim, se não pior. — Jude. — eu assobiei, olhando para algumas pessoas que tinham parado para assistir ao show. — Que diabos você está fazendo? — Estou tomando todos os jornais desta maldita máquina, — ele respondeu, depositando sua braçada no lixo mais próximo possível, — E então eu vou encontrar qualquer outra máquina de jornal no aeroporto e fazer o mesmo. E então eu vou para cada máquina maldita de jornal na cidade e destruir cada um destes filhos da puta até que a única cópia que reste seja a minha própria. Minha boca estava aberta. Ele tinha caído em algum ponto durante seu pequeno discurso, mas eu não tinha certeza de quando. — Hammon. — Jude fervia no telefone. Eu senti pena de quem estava no outro lado. — Você verificou o jornal da manhã...? — O rosto de Jude escureceu. — Se você não for rasgar essa porra dessa primeira página agora, você não será meu agente na hora do almoço. Ele ficou em silêncio por alguns segundos, enquanto Hammon foi dizendo ou fazendo que o que sabia. Eu não duvido que ele estivesse, na verdade rasgando o jornal agora. Dado o anual salário de Jude e o contrato de vários anos, Hammon poderia se aposentar como um homem feliz em


cinco anos, se ele jogar suas cartas direito e não mijar fora de Jude Ryder. — Pronto? — Jude disse, cruzando os braços. Porra,

ele

realmente

estava

esperando

enquanto

Hammon rasgou a minha foto pornográfica. — Assim que eu desligar o telefone com você, eu quero que você ligue para o jornal e quero que você descubra o nome,

endereço

e

número

de

telefone

do

editor,

o

proprietário, o escritor babaca que escreveu isso, e o fotógrafo que está prestes a ser um homem morto. Apenas quando eu pensei que ele tinha trabalhado além do temperamento extremo, lembrei-me como a raiva de Jude corria profunda. Foi como um vulcão: mais latentes do tempo, mas quando se explodia... Ele realmente explodia. O passado fez a ira de Jude uma parte do seu presente e futuro, era um fato. No entanto, ele teve uma escolha sobre se deixava a raiva governar a sua vida. Até agora, ele tinha feito um inferno de um trabalho em mantê-la contida, bem, controlada, pelo menos. Mas agora ele estava realmente se perdendo de um modo assustador. — ‘Por quê?’ — Jude disse, estalando seu pescoço. — Isso é uma pergunta que você tem certeza que quer me perguntar? Demorou um segundo para Hammon responder.


— É hora de ganhar sua comissão. — Desligando, ele guardou o telefone e olhou para o chão. Sua raiva era desenfreada. Ele perdeu todo o controle e estava correndo em nada, mas que impulsos. O que eu poderia dizer ou fazer para acalmá-lo? Eu sabia que nada menos do que um milagre iria funcionar nesta fase. Então, o que, em todo o mundo das palavras e respostas, me levaria isso? Talvez o pior. — Gibão. Jude não poderia ter parecido mais assustado do que se eu tivesse tirado a minha roupa e começado a correr pelo terminal. — Gibão. — eu repeti, porque agora que eu estava indo por este caminho insano,

poderia muito bem continuar

apitando. Além disso, seus olhos já haviam aliviado para um aço cinza. — Luce? — Jude se aproximou e tocou a parte traseira de sua mão contra a minha testa. Ele passou as mãos em cima de mim como se eu fosse um degrau abaixo de um quarto acolchoado. Teria sido irritante se ele não estivesse tão visivelmente preocupado. — Eu estou bem. — assegurei a ele. — Realmente.


Me puxando para ele, ele continuou a me estudar. — Então por que você está divagando isso? Revirei os olhos. — Gibão. Outro lampejo de preocupação em seus olhos. — Gibão? — Disse ele lentamente. Acenei com a cabeça. — Luce, que porra é um gibão? Até agora, como era, meu plano para enganar o monstro de Jude e devolvê-lo para sua gaiola estava funcionando. — É um tipo de macaco. — eu disse, passando os braços ao redor dele. Cada músculo seu estava em estado de alerta. — Eu costumava vê-los no zoológico quando eu era uma garotinha. Ele ergueu a mão. — Você sabe que eu adoraria saber cada pequena coisa que você está disposta compartilhar comigo, Luce, mas o que diabos um gibão ter a ver com seus peitos estarem na primeira página do jornal? Fingi que não estava falando com um homem alterado. — Se você ficar quieto por um minuto para que eu pudesse falar mais de três palavras, então você aprenderia o que um gibão e meus seios têm em comum. — Fiz uma pausa e estampei um sorriso para ele.


Ele ficou quieto. Jude tinha aprendido muito nos anos que estiveram juntos. — Lembro-me de saber que gibões são principalmente monogâmicos. Eles escolhem um acasalam e passam o resto de suas vidas com esse companheiro. Eles cuidam de seu companheiro, protegem-no, limpam-no, alimentam-no. Tanto o macho quanto a fêmea. Não há uma distinção entre sexo. — As sobrancelhas de Jude franziram juntas. — Estes gibões vivem em seu próprio mundinho. Eles não deixam nada, ou qualquer outro gibão ficar no caminho do vínculo que eles formaram. Eles vivem em sua bolha, fora do resto do mundo, e não deixam que o que esteja acontecendo fora de sua bolha entre. O que diabos eu estava dizendo? Eu realmente estava prestes a ter um total e irreversível chilique. E então cada ruga no rosto de Jude achatou. Olhando nos meus olhos, vi seus olhos irem de aço a cinza prata. Quando sua mão roçou minha bochecha, eu sabia que a minha loucura tinha apelado para a sua e, de alguma forma conseguiu anulá-lo. — Luce, — disse ele, com um canto da boca transformando-se, — Você está dizendo que somos dois gibões? Meu sorriso se formou. Eu tinha meu Jude volta. — Bem, você pode ser um deles. Você é um peludo.


Algumas risadas depois, sua boca caiu para a minha. — Vem cá, minha linda, inteligente, gibão sexy. — E calma, — acrescentei, em torno de seus beijos. — Eu sou um gibão calmo. — Eu não poderia começar qualquer outra coisa, porque sua boca fez as palavras impossíveis. Quando ele me beijou, senti a tensão abandoná-lo. Cada vez que nossas línguas se tocaram, todos os lados dos nossos lábios, cada toque, esmaeceu sua raiva. — Pelo menos a nova e melhorada calma Lucy Larson ainda pode beijar o inferno fora de mim, — disse ele, depois de pressionar um último beijo na minha testa. — Me diga como você foi capaz de ficar sem explodir tudo? Eu sorri para um homem sobre o ombro de Jude que estava esperando para pegar seu jornal da manhã. Não hoje, não agora. — Yoga e meditação. — respondi, fazendo o meu sorriso de Jude. Seus olhos rolaram. — Bem, o que for responsável por isso, acalma meu lado louco, estou orgulhoso de você, Luce. — disse ele, antes de seus olhos vagaram pelo meu corpo. — Sua testa enrugou. — Apesar de estar orgulhoso de você por um lado, não entendo como você pode estar tão bem sobre tudo isso, Luce. Havia um monte de ‘tudo isso’ ocorrendo agora. Mais do que o normal. — Tudo o quê?


— Uma foto nua de você estampada na primeira página. — disse ele, mantendo a voz controlada, embora os tendões de seu pescoço estivessem surgindo. — Suas mamas à mostra para o mundo inteiro. Quero dizer, merda, esses são os meus peitos. Nem todo mundo deve desfrutar. A raiva se transformou em dor, e, no caso de Jude, que nada em torno de nós significava algo, tudo estava em perigo de ser destruído. Deixei-me exalar. Parecia que eu estava segurando a respiração por dez minutos seguidos. Falando de tempo... Se não acabar com isso logo eu ia perder meu voo. — Não, querido, — eu disse, olhando para eles, — Estas são as minhas mamas. Eu apenas te dei um total acesso a eles. — Ele fez uma meia careta, meio sorriso para mim enquanto eu continuei. — E a única razão que eu sou capaz de ficar bem com isso é porque eu sei que sempre vai haver esse tipo de coisa, Jude. Você está no olho do público em uma grande escala agora. Vai haver escândalos, ou fotos, ou rumores, ou qualquer outra coisa que vem com ser um quarterback figurão. — Soltando a minha mão da dele, eu teci meus dedos com o seu. — Mesmo antes da NFL, não havia escassez desse tipo de merda em nossas vidas. Fiz uma pausa e deixei-o trabalhar essas palavras. Nosso caminho nunca tinha sido bom, e, apesar de muitas vezes eu me ver desejando por isso, o nosso futuro provavelmente não seria. Eu percebi isso no primeiro ano fora, escolhi e aceitei, e fiquei com minha vida... Com Jude.


Havia coisas piores do que solavancos na estrada. Além disso, eu tinha um homem como Jude, que me amava como se não houvesse amanhã. Solavancos na estrada eram um pequeno sacrifício a fazer para esse tipo de amor. — Okay. Duas coisas. — Jude disse, esfregando a parte de trás do seu pescoço como ele gostava de fazer quando estava trabalhando em algumas coisas. — Um, eu acredito que quando você aceitou ser minha esposa, aquela coisa de ‘tudo que é meu é seu’, aplica-se, portanto, aos seus peitos que são, de fato, meus. — cruzei os braços, enquanto ele continuava andando sobre gelo fino. — Do jeito que o meu corpo pertence a você, Luce, — acrescentou com uma piscadela. — E dois, você está dizendo que está bem com viver em nossa própria pequena bolha gibão? As palavras gibão e bolha vinda da boca de Jude Ryder deixava essa conversa muito engraçada. Mas ele quis dizer o que disse. Sério. — Se eu chegar a viver nessa bolha com um certo cara que eu amo. — corri meu polegar para baixo a cicatriz em sua bochecha. — Então sim, eu quero viver em uma bolha. — Foi a única opção, realmente. A menos que eu quisesse ser derrubada em alguns difíceis percalços narcóticos antes de eu completar vinte e dois anos, Jude e eu teríamos que descobrir uma maneira de separar-nos dos olhos do público e do escrutínio que, com certeza, nos seguiria. — E você? Como a bolha lhe parece?


— Com você, Luce, — disse ele, pegando a minha mão quando ela deixava seu rosto. Segurando-a em sua boca, beijou minha mão suavemente. Aquele beijo, pressionado para que o pedaço de pele na minha palma, tivesse uma linha direta com todas as terminações nervosas do meu corpo. — Eu vou tomar qualquer tipo de vida, contanto que eu tenha que fazer isso com você ao meu lado. — Ao seu lado. Do seu lado. Lado a lado... Ele levantou a mão. — Você está dizendo que você está comigo, Luce, não importa o que venha? — Estou dizendo que eu sempre estive com você, Ryder — beijei um canto de sua boca, e depois o outro, — E sempre estarei. Seu

sorriso

era

tão

grande,

que

sua

cicatriz

desapareceu em seu rosto. Este era o meu sorriso favorito dele. Não porque fazia a cicatriz desaparecer, mas porque ele deixava tudo fácil, mesmo que por alguns momentos. Seu sorriso arrogante era meu segundo favorito. — Você. — Ele apontou para mim antes de virar o dedo sobre ele. — Eu. Bolha. — Seu dedo agora circulou em torno de nós, antes de fazer um movimento sacudindo. — O mundo. —

Parece

perfeito.

respondi,

meus

olhos

se

deslocando em direção ao posto de controle de segurança. Eu ia perder meu vôo se eu não saísse agora. Quando olhei para


ele e vi aquele vislumbre familiar de saudade e vontade naqueles olhos cinzentos, o meu estômago foi ao fundo do poço. Ok, trinta segundos. — Três semanas. — disse ele, seguido por um gemido. Eu gemia minha resposta. Agarrando-me perto, ele baixou a boca no meu ouvido. — É melhor fazer valer a pena então. Eu fiz o meu melhor.


Capitulo 12

N

a segunda-feira seguinte, eu me encontrei em uma situação difícil. Não apenas porque o último dia e meio havia

passado dolorosamente lento desde a última vez que eu vi o Jude, tanto que não parecia justo, e eu ainda tinha mais dezenove

dias

para

aguentar,

mas

porque

eu

estava

despreparada para o código de vestimenta em meu novo emprego. Eu tinha meia hora antes das oito, e eu sabia que a única coisa pior do que aparecer para o primeiro dia mal ou bem vestida demais, era estar atrasada. Mandei uma rápida mensagem para a Indie, rezando para que ela tivesse alguma ideia se a minha posição nas Indústrias Xavier era o tipo de lugar que requeria mais uma saia e uma blusa ou era mais calça e camisa. Enquanto esperava pela resposta dela, eu esperava que a empresa fosse mais do tipo algodão livre de amarrotados. Enquanto eu estava ajeitando o meu sutiã no lugar, meu telefone apitou. Eu franzi a testa quando eu li a resposta dela. O ANTON É DA VELHA GUARDA, IDIOTA DO ESTILO MAD MEN.


COMO SUA AMIGA, EU TENHO QUE TE ACONSELHAR A SE VESTIR BEM. MAS COMO SUA IRMÃ, EU REALMENTE QUERO QUE VOCÊ APAREÇA DE MINI-BLUSA E SANDÁLIA SÓ PARA IRRITÁ-LO. Eu suspirei e peguei a minha saia social preta do cabide. Quando estava vestindo-a, meu telefone apitou com outra mensagem da Indie. BOA SORTE, TORNE A VIDA DELES UM INFERNO. Eu digitei O MESMO e apertei no enviar antes de pegar a minha camisete branca do guarda-roupa, juntamente com meus saltos pretos. Quando terminei de me trocar, eu me apressei para sair do apartamento. Embora, graças ao aperto da saia, ‘se apressar’ para ir a qualquer lugar era uma piada. O mais rápido que eu podia ir era em um trote. Quando cheguei ao Mazda, demorei dez minutos para chegar ao escritório. Quando passei por um prédio familiar, percebi que o meu novo emprego tinha outro privilégio... O meu estúdio de dança era próximo. O tempo seria curto esse verão, e se eu quisesse a dança como prioridade, eu teria que criar algum tipo de programação criativa. Talvez eu pudesse encaixar algumas manhãs antes de ir para o trabalho, ou durante o intervalo do almoço, ou quando eu conseguir uma ou duas horas depois do trabalho. Felizmente, a minha aula de verão era um estudo independente, então contanto que eu acumulasse quatro horas no estúdio toda semana, eu passaria no curso.


Depois de verificar duas vezes o endereço do lado de fora do prédio com o endereço e o número que eu tinha no telefone, encontrei uma vaga no estacionamento e segui para o meu primeiro dia de trabalho. Eu sempre fico nervosa no primeiro dia de qualquer coisa, mas essa manhã fui consumida por borboletas. Eu teria pensado que estaria mais calma, já que eu meio que conhecia o Anton, mas isso pareceu criar o efeito oposto. Talvez porque ele fosse o irmão da Indie, e eu não queria colocar nenhum deles em uma posição delicada se as coisas não dessem certo, ou talvez eu estivesse nervosa porque ‘Assistente administrativa’ soava como um trabalho bem profissional para uma aluna universitária. Enquanto eu estava passando pela porta giratória, meu telefone apitou. Eu o tirei da minha bolsa. E parei no meio do hall de entrada para que pudesse admirar a foto. Jude estava com sua vestimenta de ginástica dentro do vestiário, estendendo uma mão cheia de rosas. Rosas vermelhas. O texto lia, DESCULPA NÃO PODER ESTAR AÍ PARA ENTREGÁS-LAS PESSOALMENTE. E só assim, o nervoso sumiu. Uma foto e lindas palavras do Jude e eu estava tão calma quanto eu poderia estar. Antes de seguir em direção ao elevador, eu respondi a mensagem, EU SOU UMA VADIA DE SORTE.


Eu tinha sorte por tantos motivos. Todos esses motivos começando e terminando com o Jude. Uma vez dentro do elevador, eu não pude resistir e olhei a foto novamente. Quando desviei o olhar, algumas das pessoas ao meu redor estavam me encarando como se elas não conseguissem imaginar por que eu estava radiante em uma manhã de segunda-feira. Se apenas eles soubessem. As portas se abriram no quinto andar e eu segui pelo corredor, ainda carregando sorrisos e alegria. Quando cheguei a uma porta que lia, INDÚSTRIAS XAVIER, eu passei a mão pela minha saia, endireitei meus ombros, e apenas quando tive certeza que eu parecia como uma assistente administrativa deveria parecer, eu abri a porta. O escritório não era enorme, nem era excepcionalmente acolhedor, mas era como eu imaginava que um escritório de repartições deveria parecer. Ele tinha cheiro de máquina copiadora, e havia até mesmo uma planta seringueira enfiada no

canto

de

trás

de

onde

ficava

um

bebedouro.

Aparentemente, eu era a primeira a chegar, porque eu não havia visto uma única cabeça sobre o labirinto de paredes dos cubículos, ou computadores ligados. As luzes estavam acesas, no entanto, e alguém havia destrancado a porta, então eu não poderia ser o cavaleiro solitário nas Indústrias Xavier. Dando mais alguns passos para dentro, eu vi o que eu imaginei que seria a minha mesa, situada do lado de fora de um grande escritório fechado.


Eu não sabia disso por causa da placa de identificação que dizia: LUCY LARSON; nem tinha a ver com a placa de identificação na porta atrás da minha mesa que dizia: ANTON XAVIER. Eu sabia que era o meu espaço porque havia dezenas de vasos espalhados pela mesa, transbordando de rosas vermelhas. O grande sorriso que estava começando a machucar os meus músculos do sorriso estourou novamente quando eu alcancei um envelope branco em um dos vasos. Para que eu pudesse meio que estar aí pessoalmente. O bilhete estava assinado com um, Beijos, Sr. Maravilhoso. Por falar sobre uma ótima maneira de começar o primeiro dia no trabalho. Fora que o papai e a mamãe haviam me deixado um correio de voz na vinda para cá, me desejando sorte e um ótimo primeiro dia. — Gostaria de poder dizer que essa ideia foi minha, — uma voz soou atrás de mim. Eu me virei, e minha boca foi ficando escancarada. Eu poderia estar olhando para uma versão masculina da Indie, apenas uns dois centímetros mais alto, talvez um tom mais escuro. Eu poderia ter confundido Anton e a Indie por gêmeos se eu não soubesse que Anton era alguns anos mais velho. — Que ideia? — eu disse, imaginando que se ele não ia começar com uma saudação comum, eu não precisava também.


— As flores. — Anton respondeu, apontando para a minha mesa. — É o seu primeiro dia e o seu chefe não pensou em pedir flores para te receber. Ainda bem que alguém pensou nisso. Decidi não mencionar que se o Anton tivesse pensado em me mandar flores e o Jude descobrisse, Anton estaria falando com a voz mais fina pelo resto da vida dele. — Eu não estava certa sobre o que vestir, então eu espero ter acertado. — eu disse, olhando para a minha roupa. Em contraste, Anton estava com um elegante terno azulmarinho e uma gravata listrada marrom. Eu definitivamente estava mal vestida, se esse era o padrão. — Você não poderia estar melhor se eu tivesse te vestido. — ele respondeu com um sorriso. — Ah — eu disse, desviando minha atenção dele. Ele estava me encarando daquela maneira sem piscar, não sexualmente, mas de uma maneira inquisitiva que me deixou desconfortável. Eu não queria ser inspecionada. Eu queria bater o ponto, ganhar dinheiro, e bater o ponto novamente. — Isso é bom. Anton veio em minha direção e estendeu sua mão. — Que bom finalmente te conhecer pessoalmente, Lucy Larson, — ele disse, seu sorriso tão branco e perfeito que não parecia real. — E se eu soubesse que você era ainda mais bonita pessoalmente do que apenas em fotos, eu nunca teria te contratado.


Eu revirei meus olhos. Ele flertava. Tal irmão, como a irmã. — E por que isso? — disse, percebendo que o meu eu espertinho iria encaixar muito bem aqui. — Porque você não estaria mais na disputa por funcionário mais bonito aqui do escritório? A cabeça do Anton inclinou para trás enquanto ele ria. Sua risada, assim como sua voz, era limpa e quase musical. — Indie me avisou que você era esquentadinha. Pela primeira vez, eu estou feliz que ela estava certa sobre algo. — ele disse, seus ombros ainda mexendo. — Mas não, essa não é a razão. Pelo menos, não a razão principal. Meu pai mantém uma regra, e apenas uma única regra, nos negócios. Ele diz que todo o resto pode ser dobrado ao longo do caminho se necessário, menos uma coisa. — Ele pausou, me estudando novamente. Eu observei as pupilas dele, e nenhuma vez elas vagaram ao sul do meu rosto. — O que é? — eu disse, já que ele obviamente não iria dizer nada mais até eu perguntar. — A regra do cinquenta/cinquenta em contratar um assistente. — ele disse, com um dar de ombros como se fosse de conhecimento comum. — Isso vai ser bom. Anton deslizou uma mão em seu bolso da calça. — Ter certeza que ela tenha mais de cinquenta anos e cinquenta quilos acima do peso.


— Não percebi que eu tinha vindo trabalhar com um chauvinista. — eu disse, seguido por um suspiro exagerado. — Por que essa é a regra número um? Ele imitou o meu suspiro. Nós tínhamos falado algumas frases, mas eu tinha uma sensação que eu tinha encontrado o meu oponente. — Para que não haja tentação, — ele disse. Balançando minha mão esquerda na frente dele, eu esperei que ele visse o anel em um certo dedo importante. — No caso da Indie ter esquecido de mencionar, eu estou noiva. Então não haverá qualquer tipo de tentação. Anton me estudou por outro momento antes de dar um largo sorriso. — Fruta proibida. Querer o que o homem não pode ter. Eu não acho que isso funcionou tão bem para o Adão e todo aquele negócio de anjo caído. — O sorriso dele se abriu mais enquanto ele esperava pela minha resposta. Ele estava gostando dessa brincadeira. Já que era o meu primeiro dia no trabalho, decidi segurar o que eu queria dizer a ele. — Quando você estiver pronto para me dizer o que eu tenho que realmente fazer... — eu disse, gesticulando para a minha mesa e computador. — Eu não me arrumei toda para nada.


— Não. — Anton deu uma risadinha, dando a volta na minha mesa. — Você certamente não o fez. — Passando pela mesa, ele abriu a porta de seu escritório e caminhou para dentro. Quando ele chegou à mesa, ele olhou de volta para onde eu estava parada na porta. — Quando você estiver pronta para eu te falar o que você terá que fazer de verdade... Ele apontou para a cadeira na frente da mesa dele e esperou. — Eu não sabia que estávamos brincando. — eu murmurei, apenas alto o bastante para ele ouvir. Ele sorriu e ligou seu computador. O escritório do Anton era elegante... Se você gostasse do toque de modernidade de década de 60. Como a Indie havia dito, era uma cena tirada de Mad Men, as garrafas extravagantes de cristal de licor exibidas em uma prateleira atrás de sua mesa. Assim como sua irmã mais nova, Anton tinha um gosto caro. Eu sentei-me na cadeira em frente a ele e esperei. — Você sabe alguma coisa sobre o que nós fazemos aqui nesse escritório? — ele perguntou, seus olhos fixados em seu computador, todo profissional. Ele podia trocar de humor tão rápido quanto eu. Eu deveria ter feito uma pesquisa? Era tarde demais agora. — Não. — Legal. Está soando bem inteligente, Lucy.


— Eu amo uma mulher honesta. — ele disse, seus olhos passando rapidamente sobre mim. — E uma que não se envergonha disso. De negócios para brincadeiras em dois segundos. Anton iria me deixar no escuro. — E eu amo um homem que chega ao ponto, — eu disse. — Ainda hoje. Voltando ao seu computador, ele começou a digitar. — Aqui está um resumo rápido sobre as Indústrias Xavier, filial de White Plains, — ele disse, digitando furiosamente. Seus dedos eram quase um borrão naquele teclado. — Nós somos um centro de atendimento de suporte ao cliente aqui. Nós temos

vinte

funcionários

e

fazemos

a

triagem

de

aproximadamente oitocentas ligações por dia. — Um call center? — eu estava confusa. — As Indústrias Xavier eram uma empresa de desenvolvimento de jogos de tabuleiro, certo? — Eu poderia ter jurado que era isso que a Indie havia dito. — Isso mesmo, mas desenvolver, distribuir, e vender jogos de tabuleiros é apenas metade da batalha. A outra metade é manter os lojistas e clientes satisfeitos. — A guerra dele com o teclado chegou ao fim. Apertando uma última tecla, ele se inclinou em sua cadeira de espaldar alto. Graças aos céus eu não estava me formando em administração, porque isso não fazia sentido para mim. — Feliz? Não é por essa razão que eles estão comprando um de seus jogos? Para que eles fiquem... Felizes?


— Sim, a felicidade é definitivamente um efeito colateral desejado. No entanto, os humanos, enquanto espécie, têm essa necessidade de denunciar ou rever ou descarregar suas opiniões para alguém que se importa. — Ele acenou suas mãos antes de dobrá-las por cima da mesa. — É para isso que estamos aqui. — Para nos importar? Anton olhou para mim como se a minha confusão fosse bonitinha. — Para fingir nos importar. — C-certo — eu disse, mexendo em meu lugar. Eu entendi

porque

tantos

políticos

tiveram

origem

em

administração. Eles estavam mentindo em seu caminho até o topo por décadas. — E o meu trabalho é fingir me importar? — Não, você não vai atender qualquer uma das ligações dos clientes. Você vai trabalhar para mim. — Ele se inclinou para frente. — Então o seu trabalho é se importar com entusiasmo. Quanto mais ele dizia, mais pelo buraco eu caía. — Você pode definir ‘se importar’ em deveres básicos do trabalho? — perguntei. — Como apontar lápis, fazer cópias, esse tipo de coisa? Abrindo uma gaveta, Anton deixou cair uma pasta grossa na minha frente. — Para começar, eu gostaria que você passasse por essas folhas de ligações e tome nota de quanto tempo durou cada ligação, juntamente com quantos


minutos quem ligou teve que esperar antes de chegar a um colega. Olhei de boca aberta para a pasta... Ela era maior do que qualquer livro escolar que eu já havia visto. — É para eu terminar isso até o final do verão? Aquele sorriso lento do Anton voltou para o lugar. ─ Eu te darei até o almoço.

Eu estava ganhando o meu salário aqui nas Indústrias Xavier. Eu tinha certeza de que tinha feito um bom negócio, mas percebi na hora do almoço que foi o Anton que tinha feito um bom negócio. Eu não sabia como eu tinha feito, ou quem havia parado o tempo para eu conseguir terminar, mas eu estava na minha última folha daquela pasta do tamanho de um dicionário quando a porta do Anton se abriu. — Hora do almoço. — ele anunciou, colocando seu casaco que possuía um tipo de brilho suficiente para eu saber que havia custado uma pequena fortuna. Olhando para a hora no meu computador, eu senti os meus olhos se esbugalharem. Era quase uma hora. — Ah, cara. Eu sinto muito, Anton. Eu fiquei tão imersa nesse projeto que eu nem reparei no horário. — eu disse, girando


na minha cadeira para encará-lo. — O que você normalmente come no almoço? Eu vou e compro agora. As sobrancelhas dele se juntaram como se ele tivesse sido insultado. — Se a Indie descobrir que eu reduzi você, de qualquer maneira, forma, ou jeito, a uma copeira com salário bom, ela iria me escalpelar e me deixar na floresta para os ursos. Tampei minha caneta e a coloquei novamente no suporte. — E se você me der novamente outro projeto como esse e esperar que eu termine antes que o ano acabe, pode ser que eu faça o mesmo contigo. — sorri docemente. — Você fala com todos os seus chefes desse jeito? — ele perguntou, inclinando-se na minha mesa. Eu ergui uma sobrancelha. — Apenas com aqueles que merecem. Balançando a cabeça, Anton apontou para a porta. — Vamos lá. Hora do almoço. — Hein? — Outra joia brilhante da boca de Lucy Larson. ─ Comida. Sustento. Você. Eu. ─ Ele apontou para a porta novamente. ─ Agora. Duas coisas me pararam de aceitar o convite do Anton naquele momento. A primeira era o Jude. E a segunda era o Jude. Ele era tão territorial quanto eu, e eu sabia que não


estaria de acordo se outra mulher estivesse levando-o para almoçar por capricho. — Acho que vou ficar e terminar isso aqui. — menti. — Eu trouxe um lanche comigo. — Já chega de protestar. Você lutou bem, mas é inútil, porque eu sempre consigo o que quero. — Os olhos do Anton brilharam, enquanto senti o meu humor implorar para virar. — Além disso, é tradição da empresa que foi passada pelo meu pai. Regra número dois no mundo dos negócios: Você sempre leva o funcionário para almoçar no primeiro dia. Isso é apenas bom para os negócios. Várias vezes na minha vida eu havia me sentido como uma idiota. Essa seria uma dessas vezes. Esperando que o Anton não pensasse que eu estivesse agindo muito como uma louca, coloquei os meus saltos novamente e me levantei. — Longe de mim ficar no caminho das tradições consagrados pelo tempo e bons negócios. — eu disse, pegando minha bolsa antes de dar a volta na mesa. Anton estava com a porta aberta e esperando. Quase todos na cidade dos cubículos tinham voltado do almoço, e assim como hoje de manhã, sempre que eu olhava por cima do meu monte de papelada, eles estavam me observando. Encarando fosse talvez uma melhor palavra. — Ficarei com o meu celular se alguém precisar falar comigo. — Anton anunciou antes de fechar a porta atrás de


nós. — Não se preocupe. Eles se acostumarão contigo em alguns dias. Eu o segui em direção ao elevador. — Com o que eles se acostumarão? — Eu não estava ciente de que era algo ou alguém que era necessário se acostumar. — Eles estão um pouco deslumbrados. Não é todo dia que você começa a trabalhar em um call center com uma garota que namora com um dos atacantes mais falados da Liga Nacional de Futebol Americano, e uma que acabou de ser fotografada pel... Ele pausou quando os meus olhos se esbugalharam antes de se estreitar nele. Merda, merda, merda, merda, merda. Merda no palito. O escritório inteiro viu aquela foto? Anton havia visto aquela foto? Alguns dos olhares masculinos faziam um pouco mais de sentido agora. Eles estavam me encarando como se tivessem me visto pelada porque eles tinham, de fato, me visto pelada. Merda. — Você viu? — Não era realmente uma pergunta, mas eu precisava de confirmação. Anton teve a decência de parecer envergonhado. Bem nesse momento as portas do elevador se abriram.


Salvo pelo elevador. — Você quer conversar sobre isso? — ele perguntou, tentando, mas falhando, em não sorrir. — Não. — eu vociferei, cruzando meus braços. Acho que não tinha pensado que aquela foto teria se espalhado pelo país todo. Eu deveria saber. — Não se preocupe. Eu não olhei. — ele disse, sua voz baixa. — Não consegui evitar que os outros vissem, mas eu não vi. Sinto muito que isso aconteceu. — A expressão dele demonstrava sinceridade. A primeira que eu havia visto no Anton. A raiva saiu em ondas de mim. — Sim, eu sinto muito também. — eu disse quando as portas se abriram no primeiro andar. Sentindo que eu não queria falar sobre isso mais, ou ele mesmo não queria mais falar nisso, Anton acenou para alguém que passava. — Tem um lugar ótimo bem na esquina. Eles fazem de tudo. Sopas, pães, sanduíches, esse tipo de coisa. — Ele esperou eu passar pelas portas giratórias primeiro. — Parece bom? — ele perguntou quando ele se juntou a mim na calçada. — Parece bom. No final das contas, o café ficava na metade do quarteirão do escritório. Embora tivesse passado do auge da hora do almoço, o lugar ainda estava movimentado. O cheiro


de pão fresco e manjericão me atingiram com força total logo que nós entramos. Anton teceu um caminho até a única mesa disponível, acenando para algumas das garçonetes atrás do balcão, que coraram quase imediatamente. Como se esperava, Anton gostava de flertar. Um mulherengo de marca maior. Nós mal tomamos nossos assentos quando uma das garçonetes sonhadoras colocou copos de água na nossa frente. — Ei, Anton. — ela disse, colocando o cabelo atrás da orelha. Eu acenei minha mão em saudação, mas eu estava invisível. — Ei, anjo. — ele respondeu. Quando ele olhou para ela, você teria pensado que ela tinha acabado de morrer e ido para o céu pelo olhar sonhador em seu rosto. Tão

rápido

como

ela

chegou,

ela

saiu.

Anton

obviamente deixava a maioria das garotas sem palavras. Ainda bem que eu não era como a maioria das garotas. — Anjo? — eu disse, dando a ele um olhar nem um pouco impressionado. — Isso é o melhor que você pode dizer? Ele tomou um gole de água, a expressão divertida dele se acomodando em seu rosto. — Você está questionando a minha jogada? — ele disse. — Porque eu tenho mais jogo do que eu consigo manejar.


— É o que diz você e cada outro homem na história, — eu rebati. — Mas para um homem que diz ter uma jogada ótima, isso foi fraco. Acho que o meu namorado da sexta série me ganhou com um ‘Ei, anjo’. — Bem, Srta. Sabe Tudo... — Anton se inclinou para frente... — Acontece que Angel é o nome dela. — Uma sobrancelha subiu e ele esperou. Eu não tinha nada. Eu não sabia nada também. Obviamente. — Então... — eu disse, tomando um gole d’água, — E esse tempo hein? Anton riu, claramente mais entretido do que insultado pelo meu último ataque de ‘sabe-tudismo’. — Por que você, a Indie e eu não nos juntamos e brigamos verbalmente a noite toda? — ele disse. — Nós vamos ter que resolver isso. — Parece que nós já estamos fazendo isso. — eu disse, sorrindo o meu pedido de desculpas. — Ei, Anton. — A mesma saudação e os olhos apaixonados, garçonete diferente. — Oi, Mel13. — ele cumprimentou, me dando um olhar de soslaio. — Tão doce quanto o nome. Você poderia anotar o nosso pedido?

13

O nome dela é Honey, foi adaptado para Mel por causa da piadinha de cantadas e nomes.


Mel não ficou tão estupefata quanto a Angel havia ficado quando o Anton nivelou o olhar nela com aqueles olhos castanhos claros. — Ao seu serviço, — ela respondeu, mordendo seu lábio de uma maneira sugestiva e nada inocente. — Lucy... — Anton acenou para mim... — Já escolheu o que você quer? — Eu quero a salada Caprese, por favor. — eu disse. Mel não olhou uma vez para mim ou para longe do Anton enquanto ela anotava o meu pedido. A equipe do restaurante obviamente estava bebendo a água do Anton e estava sedenta por mais. — Anton. — Mel disse, suas pálpebras se abaixando, — O que você gostaria? Peguei meu copo e tomei outro gole de água. Essa garota estava realmente se esforçando. Eu duvidava que ela se oporia se o Anton dissesse para ela encontrá-lo no banheiro masculino em cinco minutos. — Qual é a sua sopa do dia? — ele perguntou, respondendo aos seus olhares flertivos. — Creme de tomate. Nunca pensei que creme pudesse soar tão lascivo. — Hum, eu vou querer isso. — ele disse. — Eu estou vivendo no limite hoje.


— Homem selvagem. — eu disse, entregando o menu a Mel. — Cuidado. — Então, Lucy, — ele disse, — Já que minha irmã nunca para de falar de você, eu sinto como se já te conhecesse. Eu podia apenas imaginar o que a Indie havia contado para ele. Na verdade, eu não queria imaginar. — Ok, eu vou tirar o chapéu de ‘chefe’ e colocar o chapéu de ‘amigo’ e te perguntar algo que eu provavelmente não deveria... Ele pigarreou e se inclinou para frente. — Me conte sobre o seu namorado... — Noivo, — esclareci. — E a Indie te contou tudo sobre mim e nada sobre o Jude? — A garota amava o Jude. Bem, todas as garotas amavam o Jude, mas a Indie o amava de uma forma platônica, não da forma faça-me gemer. — Aqui está o que eu sei sobre o Jude através da Indie. E essas são as palavras dela, não minhas. — ele disse, mexendo-se em seu lugar. — Ele é ótimo, tem uma bunda legal, e pode fazer você corar depois de quatro anos juntos. — Indie. — suspirei. — Todas essas coisas por um acaso são verdades, mas há muito mais no Jude do que isso. Anton assentiu com a cabeça. — Eu espero que sim, — ele disse. — O que fez você se apaixonar por ele?


Essa não era a conversa que eu estava esperando ter com o meu chefe no meu primeiro dia, mas expectativas, em minha opinião, era um esforço desperdiçado. Decepção estava no final de cada expectativa. — Não foi tanto o que fez eu me apaixonar por ele, — comecei, olhando para a janela. — Era como se eu não pudesse não me apaixonar por ele. — Todo aquele negócio de, ‘as estrelas se alinharam e destino predestinado’? — ele adivinhou, seu sorriso me dizendo que ele pensou ter acertado. Mas ele estava errado. — Não. Mais como se nós tivéssemos feito as estrelas se realinhar e o destino não teve nada a ver com isso. Antes que ele pudesse responder, o meu telefone tocou. — Desculpa, — eu disse, prestes a apertar o ignorar quando o Anton me deu um aceno. — Atenda, — ele disse. — Você não está no horário de trabalho, e eu ainda estou com o meu chapéu de ‘amigo’. — Ok, — eu disse. — Eu serei rápida. Anton assentiu e acenou para mim. — Alô, — eu respondi, virando-me no meu assento. — Quem fala é o Sr. Maravilhoso? A risada baixa do Jude veio através do telefone. — Pode acreditar, Luce, — ele disse. — Como foi o seu primeiro dia?


— Está cerca de dez vezes melhor agora, graças a esse cara que me mandou cerca de um milhão de rosas. — Um milhão de rosas vermelhas. — ele disse. — Obrigada. Você é verdadeiramente incrível, tanto dentro como fora... — Eu substituí o pigarreio da garganta pela palavra que eu queria... — do quarto. — Estou tão orgulhoso de você, Luce, — ele disse, por cima de alguns gritos e gemidos ao fundo. Ele deve ter dado uma parada durante o treino para ligar. — Um trabalho e tanto que você arrumou. — Espera. Você está orgulhoso agora? — eu disse, agradecendo a Angel com um aceno quando ela deixou a salada na minha frente. Anton a agradeceu com uma piscadela, o que a deixou nas nuvens. — Quando isso aconteceu? — Quando decidi parar de ser um idiota egoísta, — Jude respondeu. — Eu preferiria você aqui comigo para que eu pudesse me arrastar para cama contigo toda noite? Claro que sim. Mas se é isso que você precisa fazer, eu não preciso entender para te apoiar durante o caminho. Fiquei com os joelhos moles naquele momento. Ainda bem que eu estava sentada. — Olha como estamos maduros? — respondi, olhando para o Anton. Ele não havia começado a sopa dele e estava obviamente esperando por mim antes de começar.


Eu o encorajei com um aceno. Muito cavalheiro dele, mas não tinha sentido a sopa dele esfriar enquanto eu terminava a ligação com o Jude. — Então o que você está fazendo agora? — Jude disse. — Você não vai ficar em apuros se o chefe te pegar no telefone, vai? — O chefe já me pegou no telefone. — respondi, sorrindo para o Anton. — Mas acho que ele não se importa, já que ele está sentado na minha frente no almoço. Jude ficou em silêncio do outro lado, por tanto tempo, que eu tive que verificar que eu não havia perdido a ligação. – Jude? — Você está almoçando com ele? — A voz dele era baixa, controlada. Nada bom. — Sim? — Sozinha? — A voz dele ainda era baixa, mas estremeceu um pouco. Nada bom mesmo. — Sim? Jude exalou bruscamente. — Ele sabe que você está noiva? A voz dele estava fazendo eu me contorcer no lugar. Como se eu tivesse feito algo errado. — Sim.


Ele respirou fundo algumas vezes antes de responder. — Me deixa falar com ele. — Por quê? — perguntei, sabendo que era uma ideia ruim de longe. — Porque ele precisa de um lembrete que você está noiva, minha noiva, — ele disse. — E, portanto, fora dos limites para ele. Eu olhei para o Anton. Ele ainda estava esperando pacientemente, ignorando o cara do outro lado do telefone que de bom grado teria passado através do alto-falante e o estrangulado se fosse possível. Empurrei a minha cadeira para trás e abaixei minha voz, esperando que o Anton se tocasse e pedisse licença para ir ao banheiro ou algo assim. — Jude, — sussurrei, — Mesmo que ele saiba ou não, aceite, ou se importe que eu esteja noiva. Eu. Sei. — Eu disse firmemente. — Eu sei que estou noiva, e é só com isso que você precisa se preocupar. — lancei outro olhar ao Anton. Era óbvio que ele estava fingindo não estar intrigado pela minha conversa. — Você sabe que você está noiva? — Jude disse, fungando. — Então porque está concordando em almoços privados com o seu chefe? Ele estava começando a esquentar. Eu também. A diferença foi que escolhi deixar o meu fogo brando.


Nunca pensei em ser classificada como uma das pessoas calmas, e controladas que existem por aí, mas eu estava começando a me surpreender. Eu abri os meus punhos antes de responder. — Porque eu estava faminta. Porque ele convidou. Porque é tradição da empresa levar os novos funcionários para almoçar. Porque não há nada remotamente íntimo entre nós. Porque eu tinha certeza que você confiava e me apoiava o suficiente para fazer minhas próprias escolhas sábias. E... — certamente havia mais centenas de razões... — E porque eu estava faminta. Anton pigarreou. — Lucy. — ele disse, saindo de seu assento — Eu deveria ir? Balancei a cabeça. — Sim. — Jude vociferou, tendo ouvido-o. — Sim, pode apostar que ele deveria. — Jude. — eu avisei. — Coloque-o no telefone, Luce, — ele disse. — Eu preciso falar com ele. Anton se levantou para ir e eu balancei a cabeça novamente, e apontei para o seu assento. Eu não iria deixar essa discussão entre o Jude e eu ser resolvido por desistência. Ele precisava confiar na minha discrição, minhas escolhas, e minhas decisões. Ele precisava confiar em mim.


Anton sentou-se novamente hesitantemente, parecendo tão desconfortável quanto uma pessoa poderia estar. — Não. — Luce. — ele respondeu. — Jude, — eu devolvi. — Não. Ele meio que suspirou, meio que gemeu, e ficou em silêncio novamente. Eu estava familiarizada o bastante com a frustração dele para saber que ele estava esfregando a nunca agora, enquanto cada centímetro de seu rosto estava enrugado. — Eu estou do outro lado do país, Luce. Completamente desamparado enquanto você está almoçando com o seu chefe que provavelmente é um bonitão de terno que pensa que só porque todas as garotas antes de você cederam ao charme dele, você irá também. — Eu estava feliz que ele não estava aqui para me ver, porque um pequeno sorriso abriu minha boca. Jude havia acertado em cheio; Anton era um bonitão de terno. — O que você espera que eu faça, Luce? Essa era uma resposta fácil. E quase impossível de ser conseguida. — Confie em mim. Algo curto e baixinho veio da extremidade do Jude, mas eu não entendi. Mais alguns momentos de nada. Eu juro, metade da ligação dele havia sido em silêncio enquanto um de nós processava o que o outro estava pensando.


Eu acho que você poderia dizer que nós finalmente nos graduamos da Faculdade Pense Antes de Falar. — Maldição. — ele disse baixinho. Eu entendi totalmente essa resposta. — Viu por que isso é tão difícil para mim? — Sim. Eu estou começando a entender porque você ficou tão louca em outras épocas, — ele disse, entendendo o que eu havia me tornado ‘em outras épocas’. Psicótica, raivosa, uma lunática que atirava-chamas-pelo-nariz teria sido uma descrição mais precisa. — Ok, eu confio em você. Eu não confio nele, ou em qualquer outro homem que acha que está tudo bem levar uma mulher que está noiva de outro homem sozinha em um almoço. Isso não é legal no meu livro. Meu sorriso não era pequeno mais. Eu tinha a confiança do Jude, mesmo em uma situação onde ele realmente não queria oferecê-la. — Essa é alguma regra masculina que eu perdi? —

Regra

masculina

número

dois,

ele

disse

solenemente. — Você não pode mexer com a mulher de outro homem. Nunca. — E qual é a regra número um? — Não mexa comigo. — Só pelo tom dele, eu sabia que aquele sorriso arrogante estava em plena floração.


— Palavras para se viver, — eu disse. — Embora eu ache que eu mexi bastante contigo. — Em mais de um sentido. — Você, e apenas você, é a única exceção à regra, Luce. — Bem, há uma exceção a todas as regras, — eu disse, percebendo que eu já estava além de ser rude, tendo estado tanto tempo no telefone. — A conversa foi boa, mas eu tenho que voltar para o meu... — Encontro. — Almoço, — eu esclareci. — Eu te amo. Obrigada pela ligação, as flores, e a confiança. Eu te ligo mais tarde à noite quando a Holly e o pequeno Jude estiverem acomodados. — Dê um abraço na Hol por mim. Você pegou a bola para o pequeno Jude, certo? — Eu vou, e sim. — respondi. — Mais uma coisa. — ele disse. — Qualquer coisa. — Coloque ele no telefone. — ele disse, apenas parcialmente brincando. Eu

resmunguei.

Você

pode

falar

com

ele

pessoalmente quando vier para cá, daí eu posso monitorar o que você está dizendo. — Estraga-prazeres. — ele murmurou.


— Te amo. — Te amo, Luce. Terminando

a

ligação,

eu

ofereci

um

sorriso

envergonhado para o Anton. — Sinto muito sobre isso. Ele ergueu a mão, acenando como se não fosse grande coisa. — Não, sério. Eu sinto muito. — Meu primeiro dia no trabalho, e eu havia acabado de discutir com meu noivo no telefone por quase dez minutos durante o almoço. Não era algo que me garantiria a placa de funcionária do mês a qualquer momento em um futuro próximo. — Foi divertido. — ele disse. — Eu não acho que vi tanto drama assim desde que a Indie me forçou a ver a última temporada do Na Real quando eu estava no ensino médio. Eu não tinha certeza se ele pretendia que isso fosse uma brincadeira ou uma provocação, mas doeu. Não era da conta do Anton, mas eu tinha que esclarecer as coisas. — O Jude é dramático. Eu sou dramática. Juntos nós formamos uma grande produção. — Cortando a minha salada Caprese, eu dei uma mordida. Comida, até que enfim. Anton finalmente baixou sua colher para sua sopa. Um cavalheiro. Não era exatamente o que eu esperava de um irmão da Indie. — Isso não soa saudável.


Minhas sobrancelhas se juntaram. Eu não iria deixar um cara que pensava que pedir um creme de tomate era viver no lado selvagem me dissesse o que era e não era saudável. — Talvez para você, mas não para mim. Pronto. Essa era uma maneira de resumir todas as explicações da tarde em uma única sentença. — Me perdoe por falar o que eu penso, mas eu sou um Xavier, — ele disse. — Como ser controlador é saudável para qualquer um? — O Jude não é controlador, — eu disse, dando um suspiro. — Ele é protetor. — Há uma diferença? — ele perguntou, saboreando uma colher cheia de sopa. Ela provavelmente já estava fria. — Sim, há uma diferença enorme. Controlar é completamente diferente de proteger. Eu estava tentada a pegar meu telefone e jogar nele. —

O

Jude

é

protetor

comigo

porque

ele

sabe

exatamente que tipo de coisas horríveis acontece lá fora no mundo e não quer que eu passe por nada daquilo. E se eu passar, ele é capaz e disposto a me proteger. — tentei não soar na defensiva. Eu gostava do Anton, mas suas perguntas estavam começando a me incomodar. — No entanto, embora eu saiba que ele deseja que eu deixe-o fazer isso, ele me deixa tomar minhas próprias decisões. A única pessoa que me controla sou eu.


Anton franziu os lábios. — Controlador, protetor, possessivo.

Eu

jogaria

todas

essas

coisas

na

mesma

categoria, — ele disse, me observando. — Não é saudável. Esse cara não sabia quando recuar. Nem eu. — No que você se formou na faculdade? — perguntei, esperando que se eu tentasse um caminho diferente para explicar, eu poderia ganhar essa batalha de conversação. — Eu me formei em ciências políticas e economia, — ele disse, parecendo não se incomodar pela minha abrupta mudança de assunto. — Ok, então em termos de ciências políticas... — eu meditei, rolando os dedos sobre a mesa. Lâmpada de alerta. — Jude não é um tirano. Ele não manda em mim ou espera que eu obedeça cada palavra dele. Ele é mais como um conselheiro, — eu expliquei. — Um conselheiro que não apenas oferece bons conselhos mas que sabe quando chutar umas bundas se necessário. Anton tomou mais uns dois goles de sopa, enrolando. —

Então

você

tem

todo

o

drama,

ele

é...

ele

propositadamente limpou a garganta —... Protetor, e você não consegue me explicar exatamente por que você o ama, apenas que você não conseguiria não amá-lo. Lucy, não me bata com muita

força,

mas

isso

soa

como

uma

paixão.

Ou

encantamento. Não amor. Cara, eu não estava conseguindo um descanso essa tarde. Do Jude para o Anton, estes caras iriam fazer eu


perder a paciência. Eu inalei e contei até cinco. Não importava o que o Anton pensava, nem importava o que qualquer um pensava. Eu não iria deixar a dúvida se rastejar para dentro da minha mente. Eu amava o Jude. Ele me amava. Ele havia se provado mais de uma vez, ao longo de quatro anos. Eu estava farta de duvidar. — Nós teremos que concordar em discordar, — eu disse, abaixando meu garfo, porque eu tinha terminado o almoço e essa conversa. — Nós provavelmente deveríamos voltar. — Lucy, — ele disse, — Eu não quis te ofender. Eu falo o que penso, quando na maior parte do tempo eu não deveria. — Porque você é o irmão da Indie, meu chefe, e um cara bem legal, acho que nós deveríamos fazer um pacto de não falar sobre o meu relacionamento novamente. — olhei bem nos olhos dele. — Porque eu não vou, nem por outro segundo, deixar você tentar rebaixar o que eu e o Jude temos. Você não nos entende. Não tem problema. Você não seria o primeiro e com certeza você não será o último. Mas eu não posso ser sua amiga se você continuar a dizer essas coisas. — Você não pode ouvir nada que você não queira ouvir? — Não, não é isso. Com o Jude e eu, nós passamos por mais coisas nesses quatro anos do que a maioria dos casais passa

em

quatro

vidas

juntos.

Eu

entendo

que

as

probabilidades não estão ao nosso favor. Eu também não me


importo. — Uau, eu estava empolgada. Hora de voltar ao normal. — Estou cansada de ouvir as pessoas nos dizer como somos errados um para o outro. Só porque você não entende não quer dizer que não é verdadeiro. Anton ergueu suas mãos em rendição. Boa escolha. — Isso é justo. Eu acho que consigo fazer isso. — Veremos, — eu disse. Eu tinha minhas dúvidas de como o Anton ‘conseguiria’.


Capitulo 13

P

arecia que uma manada de rinocerontes tinha sido solta dentro do meu apartamento. O

pequeno

Jude

estava

fazendo

seu

xará

orgulhoso, gritando e grunhindo como um homem das cavernas. Eu tive um dia longo no trabalho, meus pés estavam me matando e eu estava exausta, mas eu não conseguia chegar ao meu apartamento rápido o suficiente. Parecia uma eternidade desde que eu tinha alguém ansioso para me ver quando eu chegasse a casa. Tanto tempo desde que outras vozes que não as vindas da TV ou a minha própria voz enchia o meu apartamento. Parando em frente a porta, eu bati. Parecia um pouco estranho estar batendo na minha própria porta. Até que ouvi o trotar dos pezinhos do pequeno homem das cavernas trovejando em direção à porta. — Tia Luce chegou! Tia Luce chegou! — Apesar de Luce ter soado mais como Woose. A porta abriu com tanta força que ricocheteou contra a parede. — Tia Luce! Eu sustentei uma mão no meu quadril.


— Você viu um garotinho, senhor? O nome dele é Jude, e ele tem mais ou menos esta altura. Eu estendi minha mão na altura dos ombros dele — O tio Jude e eu temos um presente para ele. — Tia Luce, sou eu! — O quê? De jeito nenhum. Você é grande demais para ser o pequeno Jude. Ele revirou os olhos. Nem mesmo quatro anos de idade e a criança podia administrar um sólido revirar de olhos. Sem duvida ele aperfeiçoou esse movimento com sua mãe. No entanto, ele era a cara de Sawyer, o pai dele. Tanto que quando seu rosto se ergueu para cima com seu sorriso, eu esqueci onde eu estava e quem estava na minha frente. — Mamãe diz que eu estou crescendo como uma erva daninha, e eu não sou mais o pequeno Jude. Eu sou LJ14. — Ele declarou, se esticando e ficando um pouco mais alto. — LJ, eh? — eu disse. — Quem disse? — Thomas disse. — ele diz, apontando para trás, para o apartamento. Um estrondo, seguido por Holly, disparando uma sequência de disparates, bobagem...

14

Little Jude, que quer dizer: Pequeno Jude.


Parecia que precisavam de mim. — LJ é muito grande para dar aqueles abraços realmente bons dele? LJ levou um momento de reflexão antes de balançar o tufo de cabelo dourado. — Nah. Eu abri meus braços e ele mergulhou bem entre eles. — Bom. Porque eu estava morrendo por um bom abraço. — Plantando um beijo em sua bochecha, me dirigi para dentro. — Você já vai demolir o meu apartamento? — Eu gritei para Holly, que estava furiosamente recolhendo os antigos troféus de football de Jude que tinham sido derrubados da prateleira. — Eu tenho um garotinho que acredita que é um T. rex15 na maioria do tempo. — Ela replica, colocando o último troféu de volta no lugar. — A questão não é se esse lugar será demolido; é quando. Holly atravessou a sala, parecendo mais exausta do que eu já vi. Suponho que viajar através do país com um pequenino faça isso com uma garota. — Você tem certeza que não quer repensar isso, Lucy? Não é tarde demais, você sabe. Eu ainda não terminei de desempacotar.

15

Tyranosaurus Rex


— Se você apenas pensar em ir embora, eu vou literalmente amarrar você e te manter prisioneira. — Eu digo, abraçando LJ mais apertado. Dando-me um abraço de lado, Holly bagunça o cabelo de LJ. — Bem, este é o seu depósito de segurança e sanidade. Aparentemente

duas

garotas

agindo

como

mães

cuidando dele era seu limite. Fazendo uma careta, LJ se contorceu para fora dos meus braços. —

Como foi a viagem?

Foi bem melhor do que poderia ter sido graças ao

meu amigo pequeno Benadryl16. Holly disse, vendo LJ indo direto para a cozinha. — Hey, Thomas! Não tem nada melhor para fazer esta noite? — perguntei em direção a cozinha. Eu não tinha percebido que ele ficou ao redor depois de pegar Holly e Jude no aeroporto quando entrei, mas Holly e LJ tinham um jeito de conseguir a atenção das pessoas. Balançando uma colher no ar, Thomas sorriu. — Eu disse a Holly que eu poderia ficar por aqui e relaxar com LJ enquanto ela se estabelece. — Ele disse, bem antes de LJ agarrar as pernas dele. —

Jude Michael Reed! — Holly gritou. Droga, ela

tinha o tom de mãe tão certo que eu estremeci. — Se você não 16

Remédio infantil para Alergia.


se acalmar e começar a agir como o doce, e bom garotinho que eu sei que pode ser, o pobre Thomas nunca voltará para nos ver. Os olhos de Thomas deslocaram-se para Holly, e mesmo eles sendo marrom escuro, eu teria julgado que eles ficaram um pouco suaves. Holly já tinha deixado uma impressão nele. Ele balançou a colher de novo. — Eu tenho três irmãozinhos, então eu garanto a você, não há nada que ele possa fazer comigo que já não tenham feito. Desligando o fogo, Thomas pegou LJ e o jogou por sobre seu ombro antes de galopar ao redor da sala em círculos. Pobres vizinhos no andar de baixo. — Então esse é seu parceiro de dança? — Holly diz, assistindo os dois pulando e gritando ao redor da sala. — É ele. — Eu posso ver por que Jude virou um idiota quando ele o encontrou despindo você. — Ela diz, voltando para a sua mala. — Isso não é exatamente uma revelação, Holly. Jude iria, e irá virar um idiota sobre qualquer coisa que lembre remotamente um homem e que tente me ajudar a me despir. — Eu a sigo e sento no sofá.


— Yeah, mas Thomas é fofo. — Ela diz, roubando um olhar para ele. Minhas sobrancelhas se juntam. Thomas era bom de se olhar de uma bela forma. Cabelo preto e longo, olhos quase tão escuros quanto, e pele de alabastro impecável. Ele era suave para os olhos e tinha prendido a atenção de mais da maioria das dançarinas na escola, mas a definição de fofo delas e fofo de Holly não se parecem,e não parecia que iriam se alinhar. Holly estava mais na mesma página que eu: ela gostava do brusco, áspero, bonito, tipo todo-macho. — Você pensa que Thomas é fofo? — perguntei. — Você não? Eu encolho os ombros, vendo Thomas e LJ agora lutando no chão. — Sim. Mas... — Sim, Sim, eu sei, — Holly interrompeu. — Ele joga no outro time. Isso é óbvio. Olha o quão atencioso ele é, como ele se veste bem, e como seus olhos nunca vagam abaixo do meu pescoço. Eu estava prestes a esclarecê-la quanto à orientação sexual de Thomas quando LJ veio como um alarme de


incêndio. Eu faço uma nota metal de pegar algum Excedrin17 na próxima vez que estivesse na loja. — Tia Luce, isso é para mim? — ele perguntou. Bem, ele gritou. — LJ. Você estava mexendo nas coisas da Tia Lucy? — Holly disse enquanto ele corria em nossa direção com o presente na mão. Jude até mesmo tinha embrulhado com papel amarelo e azul. — Estava no quarto dela. — ele disse, girando o presente em suas mãos. — O que você estava fazendo no quarto dela? Eu disse que o quarto da Lucy está fora do limite. — Eu esqueci de te dizer. — Eu digo, pegando LJ e jogando-o em meu colo. — Vocês irão ficar com meu quarto e eu ficarei aqui fora. — O quê? — Holly diz, como se ela tivesse ouvido errado. — Não. De forma alguma, Lucy Larson. Nós viemos sob um entendimento que não seríamos um inconveniente para você, não queremos que se desloque por nós. Thomas cai bem ao meu lado. O cabelo dele parece que girou num liquidificador algumas vezes. — Você irá me escutar uma vez, sua pirralha teimosa? Você e LJ ficarão com meu quarto. Ele precisa de um lugar 17

Remédio para dor de cabeça.


calmo onde possa dormir, e há dois de vocês. Eu já encomendei um colchão de solteiro e um par de divisórias de quarto para colocar aqui para mim, então está feito. — Eu arqueio uma sobrancelha e espero. Holly gosta de discutir comigo tanto quanto Jude gosta. Embora o que ela fez depois eu não estava esperando. Eu estava pronta para mais cinco rodadas desse vai-evem. Em vez disso, ela se jogou ao meu lado e me puxou para um abraço que estava tão apertado que quase cortou minhas vias respiratórias. — Não sei o que eu teria feito sem você e Jude. — Ela fungou no meu cabelo. Eu nunca a tinha visto chorar. De fato, eu havia chegado à conclusão de que ela não podia chorar. — Você ficaria bem, Holly. — Eu a assegurei, assim como Jude e eu fizemos quando ela tentou nos dar mais crédito do que merecíamos. Holly tinha atravessado o Nilo proverbial todo por conta própria, Jude e eu estivemos apenas ali para fornecer um pouco de ajuda pelo caminho. Acariciando suas costas algumas vezes, eu pisquei para LJ. — Bem. Você vai ficar encarando essa coisa a noite toda ou você vai rasgar o embrulho? O rosto dele se iluminou bem antes de um furacão de papel rasgado voar pelo ar.


— Uma bola de futebol! — ele disse, pulando para cima e para baixo. — Uma bola de futebol de verdade. Não uma para bebês. Arqueando o braço para trás, ele lançou-a diretamente no estômago de Thomas. Thomas resmungou, desastrado com a bola, como se ele não soubesse se devia jogá-la ou piruetar com ela. — Santo snickies.18 — Holly diz, examinando a bola nas mãos de Thomas. — Tem assinaturas nessa coisa? — Snickies, sim. — respondo, percebendo que eu teria de vigiar minha boca agora que um inocente conjunto de orelhas estava por perto. Isso, mais do que qualquer coisa, pareceu que seria a parte mais difícil dessa situação. — Como as assinaturas de um certo Jude Ryder e o resto de seus colegas do time? Holly estava boquiaberta com a bola agora. Eu atiro para ela um sorriso malicioso. — Não. Jude Ryder e o resto dos membros do Bad Boys Club. — Nessa caso, — ela disse com um sorriso lento, — Onde estão os números de telefone? Thomas estendeu a bola para LJ antes de saltar em pé do sofá. Concentrando sua atenção na porta, ele se moveu. — É melhor eu voltar, — ele diz. — Tenho uma hora de estrada pela frente. 18

Time de futebol americano.


Holly e eu trocamos olhares. Thomas parecia pronto para passar a noite no sofá, e agora ele não podia sair daqui rápido o suficiente. Pulando em pé, eu o segui. — Obrigada de novo, Thomas. — eu disse, abrindo a porta para ele. Devo-lhe muito. Ele pausa no caminho para a porta e olha para onde LJ estava jogando sua bola para Holly. — Não, você não deve. Eu não tenho me divertido tanto assim desde a noite do karaokê, quando você cantou uma versão bêbada de ‘Hey Jude’ antes de cair do palco. Eu fiz uma careta para ele. Essa foi uma noite que eu não gostava de lembrar. Jude estivera na cidade naquele fim de semana, e o bartender esteve com uma mão pesada nas minhas bebidas naquela noite. O resultado não foi bonito. Thomas ainda não conseguia tirar seus olhos de Holly, então comecei a bolar um plano. — E que tal se você me deixar preparar seu jantar sexta de noite, então? Como uma forma de expressar meus agradecimentos eternos. Esperei enquanto ele trabalhava algo em sua cabeça. — Vamos lá. Você pode passar a noite aqui, então você não terá que se preocupar em dirigir tarde da noite. Seus olhos se arregalaram com isso. — Tem certeza?


— Hol. — chamei por sobre meu ombro, — Você tem certeza de que queremos que Thomas venha jantar aqui sexta? Depois de lançar a bola para os braços de LJ, ela olhou para nós. E eu jurei que ouvi uma aceleração do coração de Thomas. — Sete horas. — ela diz — Não se atrase. Sorri vitoriosa para Thomas e aguardei. — É um encontro. — ele diz enfim, antes de seu rosto ficar vermelho. — Quero dizer, é um jantar. Um jantar encontro…— Um outro tom de vermelho. — Sexta é o encontro, e jantar é o evento. — Estremecendo, ele se vira. — Eu vou morrer agora — Obrigada por tudo! — Holly gritou enquanto ela vinha para o hall, — Foi bom conhecê-lo Thomas. Ele coloca a cabeça dentro do apartamento. — Foi legal conhecê-la, Holly. Ela atirou para ele um sorriso que fez o pobre garoto ir para um tom mais escuro. Dando-me um aceno, Thomas se apressou para descer as escadas. Ele só não fez isso duas portas abaixo antes que tropeçasse... Em seus próprios pés. — Você está bem aí embaixo, Grace? — perguntei enquanto ele se impediu de cair.


— Eu não estou exatamente me sentindo como eu mesmo essa noite. — ele responde, olhando para seus pés como se eles o tivessem traído. — Eu me pergunto por quê. — dou a ele um sorriso torto. Ele balança a cabeça. — Boa noite, Lucy. — Boa noite, Grace. Ele me dá um ‘joinha’ com as mãos antes de descer o resto de uma vez só. Eu nunca vi Thomas viajar desse jeito, nem uma vez em nossos três anos de performances juntos. — O que você fez com o garoto? — perguntei assim que fechei a porta. — O fiz pensar duas vezes sobre ter filhos. — Holly diz, voltando ao trabalho de desempacotar sua mala. — Não, ele foi picado pelo mosquito Holly tão forte que… — Jude! — Holly gritou, correndo até onde LJ estava na frente do meu vaso de samambaia. Sua calça estava ao redor dos tornozelos. — Por favor, por favor, por favor, não me diga que você acabou de fazer xixi na planta da tia Lucy. LJ levantou suas calças e fez careta. — Ela parecia com sede. Eu explodi em risadas, mas fui silenciada rapidamente quando Holly voltou seu olhar poderoso para mim.


Dando-me um olhar que dizia ‘Ria apenas mais uma vez, eu te desafio’ ela marchou para LJ. — Onde você supostamente deveria ir? — Ao banheiro. — LJ disse, como se fosse obvio. — Especificamente. — Ao vaso. — Ele acenou. — Então por que você acaba de fazer xixi na planta da tia Luce? — Eu te disse. Ela estava com sede. Intervenção de tia em ação. Pegando o regador de um canto, eu segui para onde HOLLY se erguia sobre LJ. — Você está certo; ela estava com sede. Mas eu sei que minha pequena samambaia é alérgica a xixi de garotinhos. — dei uma cotovelada em Holly antes que ela me desse uma cotovelada de volta, — Então da próxima vez que ela estiver com sede, você pode usar isso para dar um pouco de água. — Eu estendi o regador para LJ. — Esse será seu trabalho aqui. Manter a planta feliz e saudável. Acha que consegue fazer isso? LJ inspecionou o regador, girando algumas vezes antes de assentir. — Yeah. Eu vou cuidar da planta, Tia Luce. — ele disse, soando tão solene quanto um garoto de quase quatro anos de idade poderia soar.


Então seus olhos foram para a TV na frente do e sofá e eles se iluminaram. — Mãe? Posso assistir Yo Gabba Gabba19!? Holly checou o relógio na parede da cozinha. — Vá lá. Depois de colocar cuidadosamente o regador ao lado da planta, LJ saltou para a TV e agarrou o controle remoto. — Ele precisa de ajuda com isso? — perguntei. — Está brincando? Ele sabe quando e em que canal passa Yo Gabba Gabba! desde que tinha dois anos. — ela disse, olhando da planta para mim. — Desculpe-me sobre isso. Como eu disse, um pequeno homem da caverna. — Não se preocupe. — Eu disse — E se isso faz você se sentir melhor, eu tenho bastante certeza que essa não foi a primeira vez que urinaram ali. Eu estou quase certa de que Jude teve a honra após tomarmos um par de garrafas de champagne no ano novo e o banheiro estava longe demais para ir quando ele precisou. — Homens. — Holly diz, franzindo o nariz para a planta. — Eles procuram por qualquer desculpa que possam para tirar aquela coisa fora da calça. Idade não é um fator. Obviamente. — Seus olhos pousaram em LJ, que estava extasiado por um programa que parecia se passar durante uma jornada amarga.

19

Programa educativo exibido pela Disney.


— Vamos lá. Vamos levar suas coisas para o quarto assim vocês podem dormir um pouco. — Eu disse, pegando outra mala deles. — Tenho certeza que você está batida. — Como um saco de pancadas. — ela disse, agarrando outra mala e me seguindo. — Tia Lucy e eu iremos terminar de desempacotar. Deixe-me saber se você precisar de algo, LJ. — Os brownies estão prontos? — LJ perguntou, seus olhos colados na TV. Holly olha para o relógio do microondas. — Outros vinte minutos. — Tá. — ele disse, soando como se vinte minutos fosse uma eternidade. — Eu te amo, mamãe. Todas

as

linhas

de

tensão

no

rosto

de

Holly

desapareceram. — Eu te amo, Jude. — É LJ. — ele diz, olhando para longe apenas por tempo suficiente para encontrar o olhar de Holly. — Desculpa, eu esqueci. — ela diz. — Eu amo você, LJ. Droga. A Criança poderia fazer xixi em toda e qualquer superfície do apartamento se ele continuar a dizer coisas assim. Eu me senti completa novamente. A maior parte. Eu sabia que não importava quantas pessoas eu colocasse no lugar, nunca seria o suficiente para encher o vazio que Jude deixou para trás... Ninguém poderia preencher exceto ele.


Com a mala em cima da cama, eu abri e comecei a trabalhar, eu já havia colocado lençóis limpos e esvaziado o armário e as gavetas para Holly e LJ. — Lucy, eu ainda não me sinto bem pegando o seu quarto. — Holly diz, jogando sua bolsa por cima da cama. — Quero dizer, é seu espaço. Você deveria ficar com o quarto. — Quer parar? — Eu falei, forçando a gaveta superior antes de colocar as calças dobradas de LJ dentro. — Está feito. Minha decisão final. Fora de questão. — Eu amo quando você fala como uma vadia comigo. — Holly diz, fazendo movimentos bruscos com o cabide no closet. — Isso me deixa excitada. Eu ri e joguei o casaco de LJ para ela pendurar. — Como está a procura por emprego? Alguma sorte? Eu amava que eu fosse amiga de uma mulher que acreditava em criar seu próprio destino. —

Eu

começo

amanhã

de

noite.

ela

diz

orgulhosamente, deslizando um pequeno vestido em um cabide. — Maravilhoso. Você pode encontrar um trabalho nessa cidade do outro lado do país em um fim de semana. Eu levei semanas e mesmo assim precisei ter o irmão mais velho de uma amiga me jogando um osso.


Holly fez careta. — Eu precisei ter ajuda de amigos também. — Ela sorriu para mim antes de colocar alguns cabides dentro do armário. — Qual salão você conseguiu o emprego? — Les Cheveux Chic. — ela diz. — E é apenas, tipo, meia milha daqui, então eu posso andar para o trabalho. — Wow. Esse é um dos melhores salões na cidade, Holly. — Eu falo impressionada. — Longo caminho a se percorrer. — Sim, bem, eu acho que eles estavam desesperados por alguém, com todos os novos negócios que eles têm conseguido, então quando a proprietário ouviu que eu estivera cortando e pintando minha cota de cabeças por cinco anos, ela logo me contratou pelo telefone. Holly pegou uma braçada de sutiãs e calcinhas de sua mala. Eu acho que todas as cores do arco-íris estavam representadas, assim como todo padrão e tecido. Não é uma coleção ruim para uma menina que afirmou não usar roupa intima na metade do tempo. — No entanto minha agenda foi sugada. Estou trabalhando noites e fins de semana e tenho um grande total de um dia de folga. — Abrindo uma gaveta no armário que pertencia a Jude, ela largou suas não mencionáveis coisas atrevidas dentro. — Que horas da noite?


— Das seis às dez de segunda a quinta. — ela respondeu. — Aparentemente o salão está tentando ser mais amigável com as mulheres que trabalham. — E aqui eu estava impressionada sobre as mulheres que trabalhavam a noite. — Eu brinquei, indo para a próxima gaveta. — Quem está falando de mim? — Holly joga de volta, acertando uma calcinha amarelo brilhante no meu rosto. Eu me esquivei antes que tocasse em mim.

— Eu

aposto que trabalhando nesses turnos da noite quando você tem

tantos

profissionais

entrando

e

saindo,

você

vai

conseguir uma tonelada de gorjetas. — Provavelmente. — Ela disse com uma careta. — Mas eu estou levando a merda de um tempo para achar uma creche para Jude. Parece que toda creche nesta cidade fecha às seis horas, e se eu não posso encontrar uma creche, então eu não posso pegar o trabalho... Eu sorri. Era bom ser capaz de ajudar. — Acontece que eu conheço uma certa creche da titia que tem uma vaga e está aberta vinte e quatro horas e sete dias na semana. Holly congela, bem antes de seu rosto enrugar. — De jeito nenhum, Lucy. Não, não e não. — ela disse. — Você já fez mais do que o suficiente. Não há nenhuma possibilidade de que eu fosse deixar você de babá para meu homenzinho quatro noites na semana e mais o fim de semana inteiro. De jeito nenhum.


Eu reviro os olhos. Holly não entendeu que eu não estava fazendo isso estritamente pela bondade do meu coração. Eu queria alguém para preencher meu tempo então eu não iria ficar deprimida querendo Jude. Eu não podia imaginar alguém que fosse tão qualificado para essa tarefa de me distrair que LJ. — Sim, desse jeito. — Eu respondo, Fechando a gaveta. — Nem mesmo pense em argumentar comigo sobre isso, Lucy Larson. — Holly avisou, sacudindo um dedo para mim. — Porque eu vou ganhar. Eu não estava planejando argumentar. Eu estava planejando ser vitoriosa. — Holly, você e LJ são como família. Eu amo vocês dois. Deixe-me fazer isso. Meu pedido estava funcionando. Um pouco. — Vai lá. Isso resolve ambos os nossos problemas. Você precisa de alguém para cuidar de LJ e eu preciso de alguém para me fazer companhia. — Segurando alto uma pequena camisa dele escrito HOMEM DAS GAROTAS, Eu continuei. — Todo mundo ganha com isso. A boca de Holly tinha caído aberta mais ou menos na metade do meu último discurso. Balançando a cabeça ela olhou para mim como se tivesse se certificando. — Você está falando sério, Lucy? — ela perguntou. — Você percebe que, o que acaba de testemunhar não foi


proporcionado por açúcar, certo? Essa é a forma que ele é durante todo o dia, todos os dias. É incessante, uma supervisão fora de jogo. Eu cruzo os braços. — Você já acabou? — Pergunto. — Já acabou? — ela imitou. — Não, não acabei. Eu posso passar toda a noite, baby. Eu digo — Eu não estou desistindo até que eu consiga, então por que você não nos poupa tempo e esforços e apenas aceite logo. Alguns momentos se passam em silêncio. Nada, apenas o som daquela música trippy-ass20 enchendo o apartamento, antes que seus olhos ficassem úmidos. — Vem aqui, sua teimosa e doce mulher. — ela diz, abrindo seus braços. Eu deixo Holly me abraçar até que senti que fosse desmaiar novamente.

Algumas horas depois o apartamento estava escuro, com exceção do ronco do homenzinho LJ. Em duas horas conseguimos desempacotar, trabalhamos num cronograma semanal que detalhava quando eu estaria de babá, assim como uma lista de afazeres e de compras, demos banhos em LJ (o que foi mais ou menos como eu imaginara que seria 20

Música estilo reggae, muito escutado por fumantes de maconha.


lutar com um leão-marinho escorregadio) e limpamos não só um, mas dois copos de leite derramados. Nem eu, nem LJ choramos sobre o leite, mas Holly ficou perto de chorar quando o derramamento número dois foi acabar no meu casaco. Eu tinha a mandado ir para a cama, prometendo que enviaria LJ assim que ele tivesse terminado sua terceira tentativa com o copo de leite. Eu adicionei copo à prova de derramamentos de líquidos no topo da lista de compras antes de levá-lo para perto de Holly, que já estava num sono tão profundo que nem mesmo reagiu quando LJ cambaleou para o lado dela. Até que minha cama chegasse, eu estaria acampando no sofá, que ficava bastante confortável quando você emparelha com um par de aconchegantes cobertores e travesseiros. Quase assim que minha cabeça atingiu o travesseiro, eu me senti caindo no sono. O dia havia sido exaustante para mim também. Foi quando meu telefone tocou. Saltei acordada. Eu não podia acreditar que eu tinha quase esquecido de Jude e meu telefonema noturno. Piscando para clarear meus olhos sonolentos, eu aceitei o pedido de Face Time. — Ei, bonitão. — Eu disse, soando tão cansada quanto me sentia.


— Merda. Acordei você, Luce? — Sua testa franziu, mas seu rosto continuou num sorriso. — Se você tivesse esperado outros trinta segundos você teria. — Eu disse, me apoiando em meu cotovelo. — Foi um inferno de dia. — Um inferno de dia bom ou ruim?’ — Muito bom, na verdade. Apenas ocupado. E exaustivo. — Eu disse, — Melhor agora que vou terminá-lo com você. — eu disse a ele deixando-me absorver o tanto de Jude quanto eu pudesse através do telefone. Isso era tudo o que eu teria por outras vinte e quatro horas. Ele estava de volta no seu hotel depois de finalmente entrar em seu senso que nós não precisávamos de uma casa de dez mil metros quadrados para ser a nossa primeira. Jude estava sentado na cama, e ele estava sem camisa. Eu realmente estive cansada a menos de um minuto atrás? Isso não parecia possível pelo jeito que meu sangue estava sendo bombeado através de minhas veias agora. — Então... — ele começou, seu sorriso entortando, — Você parece bem cansada, mas eu queria ver se você se sente como se fosse ter alguns doces sonhos essa noite. Minhas coxas se apertaram. — Eu não estou mais exatamente sozinha. — sussurrei, lançando um olhar para o quarto. — Eu não posso ter sexo por telefone regularmente com você com um garoto de três anos de idade sob meu teto.


— Apenas fique quieta. — ele sugeriu. Eu ri alto antes de me parar. — Quando foi a ultima vez que eu fui capaz de me manter quieta durante... isso? Com uma sobrancelha arqueada. — Nunca. Mas há uma primeira vez para tudo, Luce. — Ele estava tão malditamente confiante, eu quase queria dizer-lhe não só por princípios. Mas eu sabia que eu não iria. Meu corpo já tinha começado a aspirar ao topo somente com as suas palavras. — Você sabe que se eu tiver que tentar essa coisa toda calma, não vou ser capaz de falar sujeira com você. Certo? — Eu disse, roçando meus dedos pela minha barriga. Minha pele estava extrassensível de antecipação. Jude se mexeu na cama antes de colocar sua boxer na frente da câmera. — Esse é um sacrifício que estou feliz em fazer. — E então ele jogou a boxer de lado, me dando uma visão completa. Eu engoli em seco, e então escorreguei minha mão dentro de minha calça. — Tia Luce? Eu saltei, jogando o telefone no processo. — LJ?! O que está fazendo em pé? — Minha voz estava duas oitavas mais alta.


— Eu ouvi vozes e quis ter certeza de que estava tudo bem. — ele disse, vindo para o lado do sofá com seu pijama dos vingadores. O telefone havia escorregado atrás das almofadas do sofá, mas eu podia ouvir a risada baixa de Jude vindo dele. — Estou bem. — eu disse enquanto pegava o telefone — Estava apenas dizendo boa noite para o Tio Jude. — Verificando a tela para certificar-me de que a visão tinha mudado, eu coloquei-o em frente a LJ. — Tio Jude! — Seu rosto se iluminou parecido com o de Jude. — Ei, homenzinho. Como está indo? — Bem, mas não fale muito alto, ok? — Ele pediu, erguendo o dedo à boca. — Minha mãe não sabe que eu escapei da cama. — Você escapou por Tia Luce? LJ assentiu. — Bom trabalho. — disse Jude. — Você é o homem da casa agora, então eu estou confiando em você para cuidar de sua mãe e tia Luce. — Jude, ele tem três anos. — Eu disse, virando a tela em minha direção. Ele havia colocado uma camiseta mais rápido do que eu poderia tirar a minha. — Tenho quase quatro anos. — LJ disse com orgulho.


— Sim, Luce. Ele tem quatro anos. — Tá certo, homem da casa. — Eu disse, virando a tela em direção a LJ.I. — Diga boa noite. Já passou muito da sua hora de ir para a cama. — Mais um minuto? — LJ implorou. — Sim, mais um minuto? — A voz de Jude se uniu a dele. Suspirei. — Tudo bem. — LJ fez uma pequena dança. — Toca aqui — Jude disse erguendo uma mão, enquanto LJ fazia um toca aqui para a tela comemorando. — Obrigado pela bola, tio Jude. Você vai me ensinar a jogar mil metros? — Estava escuro, mas os olhos de LJ estavam brilhando. — Eu vou te ensinar a jogar dez mil metros. — Wow. — LJ respondeu pasmo. — Vou levá-lo ao parque quando eu for visitá-los em algumas semanas. Nesse meio tempo, pratique colocando seu braço para trás e dando prosseguimento a seu lançamento. Os olhos de LJ se estreitaram enquanto ele armazenava as instruções. — Você vai estar jogando como um profissional antes de perceber.


— E… O tempo acabou. — Eu interrompo, percebendo que se eu estiver prestes a cuidar desse garoto seis dias na semana, eu teria que me acostumar a ser uma adulta responsável. LJ gemeu e encolheu os ombros. — Escute sua tia Luce, homenzinho. — Jude disse. — De homem para homem, aqui está um conselho. Você terá que descobrir quais batalhas vale a pena lutar. E essa não é uma que você vai ganhar. LJ contemplou essa pérola de sabedoria por todo um segundo antes de assentir. — Certo. Boa noite, tio Jude. Boa noite, tia Luce. — Ele acenou e começou a ir para o quarto. — Eu te amo. Eu virei o telefone, assim Jude poderia assisti-lo indo. — Amo você, homenzinho. Quando eu ouvi o click da porta do quarto se fechando, eu girei o telefone. — Esse foi um grande aviso. — provoquei, enquanto seu sorriso crescia quando me viu. — Isso, Luce, foi apenas um atraso. — ele implicou, deixando essas palavras pairando. Jude Ryder, um otimista esperançoso. — Não, Jude. — Eu disse, sustentando o telefone contra uma pilha de porta copos na mesa de café. — Esta foi uma situação ‘corta o clima’.


— Luce, de jeito nenhum. — Ele gemeu. — Você me deixou todo excitado e agora está quebrando meu pênis por ondas telefônicas? Virei para o meu lado, tentando não rir. — Não. Eu vou dormir. — respondi, soprando-lhe um beijo. — Boa noite. Amo você, Jude. Um bom minuto depois que eu fechei meus olhos, ele suspirou. Eu nunca soube que podiam residir tantas emoções em um suspiro. — Boa noite. Amo você, Luce. Nesta noite, meus sonhos escolheram continuar onde Jude e eu havíamos parado. Êxtase.


Capitulo 14

E

u cai no sono segunda de noite e era sexta quando eu acordei. Era maravilhoso como o tempo podia passar rápido quando nossas vidas

têm um emprego num escritório das nove às cinco, jantares de macarrão de forno com queijo, e Yo Gabba Gabba! Compromissos, preciosas horas apertadas no estúdio de dança, e os telefonemas noturnos do amor da minha vida. Além

disso,

Holly

amava

seu

trabalho,

e

eu,

geralmente, ficava ansiosa para ir para casa. Então eu poderia acabar com um três-quase-quatro anos de idade toda noite. Era impossível sentir algum grau de autopiedade quando você está na presença de um garoto que é tão feliz e energético quanto LJ. Além de que, depois de persegui-lo por todo lugar durante quatro horas, eu era capaz de cair no sono tão cedo quanto minha cabeça atingisse o travesseiro. Para desgosto de Jude. Eu estava sorrindo comigo mesma enquanto brincava com as diversas caras de cachorrinho de Jude quando ele avançava, quando Anton saiu bruscamente do seu escritório. — Gravata xadrez ou listrada? — ele perguntou, balançando duas gravatas na minha frente. Aparentemente, consultora pessoal de guarda-roupa era um dos muitos chapéus que eu usava aqui nas indústrias


Xavier. O trabalho tem ido bem. Eu estava aprendendo as manhas, e eu estava tão ocupada que os dias passavam voando. Eu tenho digitalizado e criado tantas planilhas que eu tinha certeza que podia concluir meu trabalho com os olhos fechados. — Qual a ocasião? — perguntei, desligando meu computador. Era alguns minutos depois das 5hs na sexta. — Jantar com um encontro às cegas. — ele disse, inspecionando as gravatas criticamente. — Uma garota com quem minha amiga foi para escola. Ela é uma designer gráfica, gosta de glam rock21, e corre em maratonas. Isso é tudo o que sei sobre ela, que é o porquê de eu vir aqui sem experiência no esforço de escolher a gravata. Se Anton achou que escolher a gravata certa era tudo quando se tratava de conseguir um segundo encontro, eu entendia por que ele continuava solteiro. — A xadrez. — Eu disse, dando um toque com o fim do meu lápis. A pele entre suas sobrancelhas formaram linhas. — Tão confiante. Tão certa. — ele disse, segurando a gravata xadrez no alto. — Como você decide? Eu usei o teorema de Pitágoras e usei um gráfico. Eu era uma espertinha insuportável. — É o que eu gosto. — Eu disse, fazendo careta. O rosto de Anton relaxou assentindo, ele avaliou a gravata com novos olhos. — Será a xadrez. — ele disse, indo de volta para seu 21

Abreviação de Glamour Rock subgênero musical de rock.


escritório. — Obrigada, Lucy. Tenha um bom fim de semana. — Você precisa de qualquer outra coisa? — Eu perguntei, já com a bolsa em meu ombro. Eu tinha o nosso primeiro jantar de sexta para preparar para cinco hoje e, enquanto Anton tem sido verdadeiro com sua palavra e não trouxe meu relacionamento a tona novamente nesta semana, eu me senti desconfortável em estar a sós com ele. E isso me deixou maluca. Além de um flerte inofensivo de vez em quando, Anton tem sido um verdadeiro cavalheiro, tanto que até caminha comigo até meu carro todas as noites para ter certeza de que eu cheguei segura. Eu não devia me sentir inquieta por estar perto de outro homem, e o fato de que eu me senti assim me deixou ainda mais inquieta. — Não, é hora de ir. — ele disse do escritório. — Eu também estou saindo daqui. — Reaparecendo com a gravata xadrez no lugar e vestindo um colete, em vez de seu paletó, ele segurou a porta do escritório aberta e esperou por mim. Eu desliguei as luzes e fui até a porta o mais rápido que pude. Ele tinha colocado um pouco de colônia que era picante e doce, e o fato de eu ter percebido isso me deixou nervosa. Nós andamos em silêncio para o elevador, e nosso silencio se arrastou enquanto esperávamos. — Eu lhe deixo desconfortável? — Anton perguntou. — Quando você faz esse tipo de pergunta, sim, me deixa. — Eu disse quase me jogando dentro do elevador assim que as portas se abriram.


Anton deu um passo gigante para dentro e parou na minha frente. — Por quê? Eu achei difícil de acreditar que ele precisava me perguntar o porquê. — Pela forma que você está me olhando agora. E por causa das coisas que você diz. — dei alguns passos para trás até que estava contra a porta do elevador. — Você é meu chefe. É irmão da minha amiga. Você não pode me olhar desse jeito, ou dizer esses tipos de coisas para mim. — Por quê? — ele perguntou, inclinando a cabeça. A sua calma, suas perguntas de uma palavra só estavam me irritando. — Porque... — a gênia dentro de mim respondeu. — Eu já estive num relacionamento com uma mulher que trabalhava comigo, Lucy. — Ele disse, olhando para mim intensamente. — E eu já estive em um relacionamento com amigas da minha irmã. Acredite em mim, isso não é o que está me impedindo de te perseguir. Merda. Esse olhar no seu rosto, combinando com o tom de sua voz, me fez desejar poder colocar outros cinco pés de espaço

entre

nós.

Agradecidamente,

o

elevador

parou

bruscamente e as portas se abriram. Eu estava fora daquelas portas mais rápido do que eu pensei que pudesse me mover. — Então, bom, aqui está. — Anton disse, caminhando ao meu lado. E iria levar “Get a Clue”22 por mil anos. — Eu estou atraído por você, Lucy. Eu quero ter você, e eu quero que você queira que eu te possua. 22

Filme americano, com suspense e várias perseguições.


Se eu não responder, eu poderia acordar amanhã e fingir que nada disso aconteceu? Eu disparei pela porta giratória e disparei em direção ao Mazda. — Mas eu não vou agir com a minha atração, faltando o respeito com... Eu girei para ele. Isso era demais, e tarde demais num dia. — Desrespeito com uma cara que iria te matar nesse mesmo lugar em que você está se ele ao menos descobrisse o que você acabou de dizer? Ele balançou a cabeça. — Não. Desrespeitoso com você. Eu ri asperamente. — Você tem um jeito dos infernos de mostra respeito por mim. — Eu disse, mexendo com as minhas chaves. — Eu respeito você o suficiente para te dizer a verdade. — ele falou, indo para o lado quando abri a porta. — Eu quero que você saiba que tem opções. Mordi minha bochecha para me impedir de cravar nele palavras que eu iria me arrepender depois. — Eu não quero opções. — Claro que quer. — ele disse. — Toda garota quer. — E essas palavras, junto com sua expressão, que era condescendente

demais

pro

meu

gosto,

trouxeram

as

palavras que eu tenho tentado manter em segredo bem para a superfície. — Vá se foder, Anton. — atirei antes de bater a porta e sair do estacionamento, sem checar o retrovisor nem uma vez. Eu estava tremendo. Tremendo pelas emoções que


estavam se derramando de mim. Senti como se todas as emoções possíveis estivessem presentes, entretanto, as mais barulhentas eram a raiva e a confusão. Raiva por razões óbvias. Anton não tinha direito de dizer essas coisas para mim, uma mulher noiva. Para não mencionar, uma noiva que era

também

sua

empregada.

Nenhum

direito

mesmo.

Confusa por não ter entendido por que Anton havia dito elas em primeiro lugar. Ele era inteligente e determinado para uma falha dessas. Ele não fazia coisas por capricho, então eu podia assumir que ele havia planejado toda essa coisa de derramar seus sentimentos no elevador. E isso me deixou mais confusa e estressada. Minha vida já estava complicada o suficiente. Eu não precisava de um cara que eu conheci cinco dias atrás confessando sua atração por mim. Anton nem tinha um parafuso a menos ou excesso de confiança. Nem mesmo era uma opção aceitável, como ele disse. Não que quisesse opções em primeiro lugar. Merda. Agora eu estava pensando sobre opções, graças a meu amável chefe me fodendo a cabeça numa sexta à noite. Eu queria ligar para Jude. Eu queria dizer para ele tudo o que aconteceu e tudo o que eu estava sentido em relação a isso. Eu queria falar com meu melhor amigo sobre tudo isso. Infelizmente, nesse caso, meu melhor amigo acabaria por perder as estribeiras e atravessar o país numa batida de coração se ele soubesse que qualquer outro homem, Anton especialmente, tinha dito essas coisas doces para mim. Então, eu não liguei para ele. Em vez disso, encarei a estrada e dei alguns socos no volante. Quando cheguei a casa eu me


sentia melhor. E pior. Melhor por que eu me lembrei de que não importa o que qualquer cara diga ou faça eu nunca tinha amado ninguém além de Jude. Senti-me bem em lembrar disso. E me senti pior porque eu iria ficar desempregada novamente na segunda de manhã. Eu não poderia... Não, eu não iria trabalhar para um cara que confessou ter algo por mim. Esse era todo o monte de drama que eu não precisava na minha vida agora. Sem mencionar que eu acabei de mandar meu chefe se foder. Eu posso não ter uma tonelada de experiência em trabalhos, mas eu sabia que estava no caminho para ser despedida. Enquanto segui para meu apartamento, eu me forcei a arquivar o assunto Anton e esquecer sobre isso até domingo de noite, quando eu tiver que ligar para ele e dizer para colocar um anúncio no jornal para uma nova assistente. Eu iria aproveitar essa noite. Não era frequentemente que eu era capaz de ter alguns dos meus melhores amigos no mesmo lugar, e eu não estava prestes a arruinar isso me deprimindo. Então Anton estava atraído por mim. Grande coisa. É um país livre e ele poderia ficar atraído por qualquer uma que ele quisesse. A partir de agora, sua atração estava fora de minha mente. Seguindo pelo corredor, eu já podia sentir o cheiro de jantar e ouvir as risadas vindas do apartamento. Eu estava sorrindo quando abri a porta. — Tia Luce! — LJ me recebeu assim que eu passei pela porta, como se ele estivesse de guarda.


— LJ! — Eu o cumprimentei de volta, cheirando o ar. Enchilhadas23 de galinha, um dos meus preferidos. — Por aqui. — ele disse numa voz digna, antes de pegar minha mão e me puxar para o banheiro. — O que você está fazendo, seu homem louco? — Eu ri enquanto ele me rebocava. Ele era forte para um garoto de quase quatro anos. — Eu escolhi um pijama e chinelos para você. — disse ele, apontando para eles equilibrados na borda da pia — Quando você estiver confortável, nós podemos jantar e eu vou até mesmo te trazer seu prato. — Seu rosto estava tão iluminado com animação que passou para mim. — Obrigada, gentil senhor. — Eu disse, curvando-me formalmente. — Mas a que devo a honra de todo esse tratamento especial? — Mamãe diz que você tem trabalhado duro por toda semana e você é nosso anjo e você merece um pouco de DLC. — ele recitou, saindo do banheiro. — Você quer dizer TLC? Ele rolou os olhos para mim. — Nope. DLC. Eu cobri minha boca para me impedir de rir. — Bem, eu estou ansiosa para minha noite de DLC24. Ele sorriu radiante antes de fechar a porta. A próxima coisa que ouvi foram seus passos em direção a cozinha enquanto ele gritava. — Ela está ficando confortável! Ela está ficando confortável! Eu quero encher o copo dela com suco de maçã 23 24

Uma panqueca de milho mexicana, muito condimentada. Era realmente TLC, que é um canal de TV americana.


agora! Eu não poderia sair da minha saia e da minha blusa rápido o suficiente. Eu tinha vestido a mesma saia preta duas vezes essa semana, graças a minha falta de vestuários para trabalhar, e eu tinha esperança de remediar isso em algum momento deste fim de semana. Talvez agora, ao invés de conseguir alguns trajes novos, eu poderia conseguir para LJ um novo par de sungas para que ele possa nadar na piscina pública. LJ tinha realmente escolhido meus pijamas a dedo sem qualquer ajuda de Holly. O top estava bom. Eu sempre vesti uma variedade de camisolas. Entretanto, ele combinou com um par de boxers de Jude que tinha escrito, TENHA SORTE, e então, para terminar, LJ tinha me emprestado suas pantufas na forma mais aterrorizante do Gabba Gabba! O vermelho e escamoso cara de um olho. Assim que eu deslizei em meu top e subi a boxer de Jude, eu me apertei nas pantufas. E apenas por que eu não podia resisti, eu dei uma boa olhada no espelho e explodi em

risadas. Esse traje era demais para não

compartilhar. Tirando uma foto com meu celular, eu escrevi uma mensagem rápida: APOSTO QUE VOCÊ DESEJAVA ESTAR

AQUI

PARA

DESFRUTAR

DE

TODA

ESSA

SENSUALIDADE, antes de enviar para Jude. Abrindo a porta, eu pus os ombros para trás e transformei o corredor numa passarela. Indie foi a primeira a visualizar meu trabalho, e a cerveja que ela estava bebendo disparou em jatos de seu nariz. Cuspindo e rindo ao mesmo tempo, ela cutucou Holly, que estava cortando um pé de alface.


— Isso aí, garota! — Indie disse, estalando os dedos. Holly, seguida por Thomas, explodiu em risadas logo depois, lançando alguns assovios e ovações. Eu fui parar na cozinha e fiz uma pose. Mais risadas. Indie até mesmo deixou sair um ronco, o que, é claro, apenas fez todos rirem mais forte. Enquanto eu estava mantendo a pose, uma mãozinha pegou a minha. — Você está linda, Tia Luce. — LJ disse, sua voz e seu rosto cheios de admiração. — Tudo graças à você. — Eu disse, batendo meus calcanhares como Doroth antes de seguir para a pia. — Vocês precisam de ajuda com o quê? —

Apenas

fique

fora

do

caminho.

Thomas

sussurrou, me cutucando enquanto ele abria uma sacola de batatinha e despejava numa tigela. — Indie estava prestes a virar uma cadela quando eu derrubei o coentro no chão. — Eu ouvi isso, fadinha. — Indie disse, atirando um olhar para Thomas. — Claro, vá para o insulto simples. Sim, Sim. Eu sou um dançarino me formando em ballet. — ele disse, jogando uma batata na direção de Indie — Você está apenas com ciúmes porque minha bunda fica melhor num par de jeans que a sua. — É o suficiente, vocês dois. — Holly ordenou, trazendo uma tigela de guacamole. — Eu tenho estado brincando de árbitro a tarde toda e eu estou cheia. — Ele insultou minha bunda. — Indie disse, colocando uma mão em sua cintura.


— Eu não insultei sua bunda. — Thomas respondeu. — Apenas coloquei que a minha, de fato, é melhor que a sua de se olhar. Quando percebi que estivera lavando as mãos durante todo o tempo que Indie e Thomas estavam no vai e vem eu desliguei a torneira. Gemendo, Holly bateu a tigela no balcão. — Ok. Indie vire-se. — Ela mandou, sacudindo o dedo no ar em círculos. Indie não reclamou, ela até mesmo rebolou para deixar a bunda na direção dela. — Legal. Eu vou dar um nove de dez. — Apenas Indie ficaria insultada que sua bunda tivesse sido um nove numa escala de dez. — Ok Thomas virese. — Holly disse, esperando, mas Thomas não estava se movendo. Ele congelou no lugar. Familiarizada com os cervos-de-cara-para-os-farois, eu ajudei ele. Agarrei seus ombros e o virei. Até mesmo prendi sua camiseta e destaquei seu traseiro com minhas mãos, estilo, Vanna White style25. Inspecionando Thomas, Holly inclinou sua cabeça para um lado, depois para outro, antes de seus olhos ficarem um pouco sonhadores. Vindo por trás dele, ela bateu ambas as mãos nas bochechas de Thomas e apertou. Thomas se sobressaltou de surpresa, mas não argumentou. — Thomas vence. — Holly anunciou, dando um tapinha carinhoso na bunda de Thomas antes de recuperar a tigela de Guacamole. — Tanto faz. — Indie falou amuada, carregando uma bandeja de enchiladas para a mesa. — O que eu tenho aqui atrás é um perfeito dez, baby. 25

Estilosa apresentadora de TV.


— Experimente isso. — Holly disse, — Prove. — Holly disse, com um dedo coberto por um montão de guacamole na frente da minha boca. — Eca, de jeito nenhum. Eu não gosto de abacate. — Enruguei meu nariz e pisei longe dela antes que ela enfiasse o dedo na minha boca. — Thomas, então você experimenta. — Levando seu dedo para a boca de Thomas, ela parou. Talvez pela forma que Thomas estava olhando para ela, ou talvez pela forma que ela estava olhando para ele, mas estava claro que eles estavam bastantes autoconscientes um do outro. A outra mão dela pousou na curva do cotovelo dele bem antes dele abrir a boca. Holly deslizou deu dedo dentro da boca dele, bem quando Thomas fechou a boca, LJ veio correndo para a sala. — Eu não derramei nem um pouquinho. — ele anunciou orgulhosamente enquanto ele pegava uma jarra do balcão. Isso sacudiu os dois do estupor. Limpando sua garganta, Holly puxou seu dedo de volta. — O que você acha, muito picante? Thomas parecia como se precisasse de uma madeirada em sua cabeça para clarear sua mente. Eu estava prestes a procurar por uma quando ele sacudiu a cabeça. — Não. — suponho que uma reposta coxa de uma palavra era melhor que nada. — Talvez sem sal suficiente? — Holly sugeriu, olhando para todo lugar menos para Thomas. Repentinamente seus


olhos ficaram alérgicos a Thomas. — Há definitivamente algo faltando. O rosto de Thomas ficou deliberativo. — De onde estou. — ele disse, — Está bom pra caralho. Eu estava começando a me sentir como um terceiro peão. Então comecei a ir para a mesa quando uma batida soou na porta. — Yeah! Ele chegou. — Indie disse, batendo palma enquanto corria para a porta. — Alguém que vai concordar comigo. Eu não sabia que Indie ia convidar seu último brinquedo para o jantar. Não que ela fosse se importar se eu soubesse, ou se aprovasse ou não. Eu estava planejando escapar para detrás da divisória para me trocar quando ela abriu a porta com tudo. — Anton! — Ela disse, jogando seus braços ao redor do pescoço dele. Anton. Exatamente a mesma resposta que eu, soque com menos entusiasmo. Na verdade, completamente oposto de entusiasmo. Ele ainda usava a gravata xadrez e o colete quando Indie o puxou para dentro. Ele teve a decência de fazer cara de culpado quando olhou em minha direção. Isso foi até que ele me viu. Ou viu o que eu estava vestindo. Ele estava sorrindo no momento em que viu as pantufas. Mas o sorriso morreu assim que ele percebeu o olhar que eu estava lhe lançando. — O que você está fazendo aqui? — perguntei, soando tão mal educada quanto uma pessoa poderia ser, — Achei que você tivesse algum tipo de encontro quente às escuras essa noite.


— A vadia cancelou no ultimo momento. — Indie respondeu por ele. — E quando meu irmãozinho me mandou uma mensagem pela primeira vez que ele levou um bolo, eu não poderia não convidá-lo para nosso primeiro jantar de sexta-feira para lamber suas feridas. Aliás, trouxemos cervejas e mamãe fez alguns drinques de Jell-O26 para a festa depois que o pequenino for para cama. — ela disse, acenando com a cabeça em direção a LJ, que estava muito ocupado jogando sua bola de futebol para cima para nos dar atenção. — Você não se importa, não é, Luce? — Indie perguntou, finalmente tendo um segundo para olhar para mim. Em vez de bater no rosto de Anton como eu queria, estampei um sorriso no rosto. — Não, por que eu me importaria? — Eu disse, indo para a cozinha pegar outra cadeira. — Porque não iria querer que meu chefe, irmão da minha amiga se unisse a nós para o jantar? — Eu estava mentindo muito mal, era óbvio pela forma que Holly e Thomas estavam me encarando, como se eu tivesse arrebentado um fio no meu cérebro ou algo assim. — Estou sentindo sarcasmo. — Indie disse, quando eu marchei de volta à mesa e joguei os pratos em cima desta. — Quer dizer que eu não fui sutil? — Não exatamente. — ela disse, enquanto eu colocava para fora um pouco de frustração no guardanapo que eu dobrava. — Dia ruim no trabalho? — Ela adivinhou. — Eufemismo. — murmurei antes de olhar para cima e 26

Bebida forte e adocicada.


pegar Anton olhando para o meu decote. Então o Santo Anton era imune ao sul do pescoço de uma mulher. — Eu estou indo embora. — Anton disse, levantando as mãos e recuando em direção à porta. — A melhor ideia que você teve no dia inteiro. — Eu disse, cruzando meus braços. — Calma aí, vocês dois. — Indie disse, agarrando o braço do irmão e arrastando ele para trás. — O que I-N-F-ER-N-O está acontecendo aqui? Thomas e Holly foram para a mesa e estavam assistindo a coisa toda como se fosse um grande acidente de trem que não conseguiam desviar o olhar. — Posso responder essa com quarto palavras. — Eu disse, cruzando meus braços mais apertados. — Anton é um C-U-Z-Ã-O. — soletrei meu xingamento, lancei um olhar para LJ, óbvio. Nada além dele e sua bola de futebol. O rosto de Indie se franziu enquanto o de Anton despencou. — Você está certa. Eu fui um... — ele lançou um olhar a LJ. — C-U-Z-Ã-O. Um grande e insensível C-U-Z-Ã-O, e eu sinto muito. — Ele deu alguns passos em minha direção, mas parou uma vez que eu endureci. — Você vai me perdoar? — Você vai prometer parar de agir como um grande e insensível C-U-Z-Ã-O? — Eu não posso garantir isso. — ele disse. — Mas posso prometer que vou tentar. — Alguns passos mais perto, até que eu pude cheirar a colônia perigosa dele. — Então? Perdoado? — Perdoado? Não sei. — respondi sinceramente. — Mas


você pode ficar. — Querendo por algum espaço entre nós, eu voltei para a cozinha. Fiquei tentada a cortar a outra metade da cabeça de alface só para colocar um pouco da minha frustração para fora, mas me contive. Ao invés disso, eu estalei meu pescoço, estalei meus dedos e agarrei uma Corona. Não me incomodei com o Limão. — Lucy, minha garota, eu não sei como você conseguiu obter o primeiro pedido de desculpas do meu irmão que eu já ouvi em minha vida, mas isso deve te tornar elegível para ter o seu próprio feriado nacional. — Indie disse, pegando um lugar na mesa. — O dia em que Lucy Larson põe C-U-Z-Õ-ES em seu lugar. — Indie, isso faria todos os dia da minha vida serem feriado. — Eu disse, escolhendo um lugar tão longe de Anton quanto possível. Holly levantou sua cerveja e bateu-a contra a minha. — Amém, irmã. — Posso sentar perto de você, tia Luce? — LJ perguntou, contorcendo-se ao meu lado. — Está tudo bem para mim se estiver tudo bem para sua mamãe. — Mãe? Está tudo bem? — Divirta-se. — ela disse, cortando a enchilada de LJ em pedacinhos pequenos. Thomas distribuiu a todos uma enchilada antes de tomar o seu lugar em frente a Anton. — Então qual a sua história, Anton? — ele perguntou. — Outra que não seja a de C-U-Z-Ã-O?


Anton riu. — Eu vou te salvar dos detalhes, já que são bastante entediantes. — Eu duvido disso. — Thomas disse enquanto dava uma mordida na enchilada. — Quero dizer, como pode um cara com nome Anton, que é o próximo na linha para comandar uma companhia multi milionária, sem mencionar o cara que pode tirar Lucy Larson do sério, ter uma história entediante? É impossível. Mergulhei no meu jantar na esperança de que se eu tivesse a boca cheia de comida eu não iria disparar tudo o que era melhor manter para mim mesma. — Acredite em mim, é tão excitante quanto Sorvete de baunilha francês. Engasguei com minha comida. Realmente engasguei. LJ ficou em pé em sua cadeira e deu algumas batidas em minhas costas enquanto eu bebia suco de maçã. Quando eu olhei para cima depois do meu incidente, todos estavam me encarando. — O quê? — Eu disse, expressando minha gratidão a LJ com um sorriso. — Sempre achei sorvete de baunilha francês mais gostoso. Isso é tudo. — Você acha que a unidade psiquiátrica está fechada para a noite? — Indie murmurou. Fiz uma careta para ela enquanto eu refletia se comer o meu jantar ia ser mais perigoso do que não comê-lo — Já que meu irmão mais velho está tendo esse raro momento de honestidade, eu darei os detalhes sobre a Anton Shaft Xavier.


— Espera. — Thomas acenou com o garfo. — Seu nome do meio é Shaft? Anton deu de ombros. — Nossos pais são grandes fãs dos Shaft. Thomas bateu palmas, claramente em reverência. — Não tem como sua história de vida ser entediante com o nome do meio sendo Shaft. — A única pessoa cuja historia de vida é mais excitante sou eu. — Indie disse, tomando um gole de sua cerveja. — Certo.

Então,

ASX27

em

poucas

palavras...

O

que

é

estranhamente irônico, já que é bem próximo é um C-U-Z-ÃO. — Ela sorriu como se fosse uma revelação. — Ele era o capitão do grupo de lacrosse no ensino médio. Presidente do corpo estudantil em seu último ano. Namorou toda e qualquer líder de torcida até que fez dezoito anos. Anton suspirou, e agarrou a cerveja de Indie antes que ela pudesse pará-lo. Ele tomou um longo gole. — Ele conseguiu uma bolsa de estudos em Dartmouth, graduated summa cum laude, se graduou com honras, foi para as olimpíadas no time de Lacrosse; ele escalou o monte Godwin-Austen três anos atrás, atravessou o Atlântico por conta própria dois anos atrás, e há um ano ele perdeu sua noiva. Anton

engasgou

com

a

cerveja.

Um

monte

de

engasgamento estava acontecendo hoje. — Merda, Indie. — ele disse, antes de Holly igualar seu olhar ao dele — Quer dizer, M-E-R-D-A, Indie. 27

Anton Shaft Xavier. ‘Cuzão’ foi traduzido do ‘Ass’ em inglês.


— O que você quer dizer com ‘ele perdeu sua noiva? — Thomas perguntou, inclinando-se para frente. — Tipo, um dia ele acordou e não podia encontrá-la? Anton levantou a mão. — Vamos apenas deixar... — Não, tipo de perder ‘um dia ele acordou e recebeu o telefonema dizendo que ela havia morrido num acidente de carro. — Indie explicou. — M-E-R-D-A. — Anton suspirou, balançando a cabeça para Indie. Eu me senti um pouco enjoada. Enjoada em meu estômago e minha cabeça. Anton havia estado noivo e ela tinha morrido. Recentemente. Eu nunca teria imaginado que Mr.Suave-demais-para-seu-próprio-bem tivesse um passado tão trágico. Anton parecia mais com o tipo de cara ‘amigos com beneficio’, não o tipo de casar. — Por que você não disse a ninguém? — perguntei a Indie. Ela havia compartilhado cada detalhe pessoal de sua vida comigo. Eu não conseguia entender que ela tenha esquecido de mencionar esse detalhe. — Anton não quer que eu fale para o mundo sobre isso. — ela disse. — O que obviamente funcionou fantasticamente. — ele disse, mantendo seu olhar grudado em sua direção. — O quê? — ela disse. — Faz um ano, Anton. Eu sei que não é algo que você esqueça, mas eu gosto de pensar que é algo que você irá, eventualmente, seguir em frente. — Por mais divertida que esta conversa seja. — Ele disse, sorrindo apertado. — Eu acho que poderíamos deixar


para lá e mudar para tópicos que não envolvam morte e noiva? Indie bufou, aparentemente não pronta ainda para deixar para lá. O que quer que seja simpatia ou empatia ou alguma combinação dos dois, eu falei. — Alguém viu algum filme bom ultimamente? — perguntei, tentando soar natural. — Eu não tenho visto um faz muito tempo e não tenho nem ideia do que está passando. Estou pensando em levar Jude para ver um quando ele estiver na cidade. — Tanto para não falar sobre noivos... — Então Deus me ajude, Indie. — Eu me mexi. — Eu vou te colocar de castigo e te deixar lá a noite toda se você não baixar um nível, ou três. — Eu deixo você emprestar meu lugar se você quiser. — LJ saltou, apontando para o banquinho no canto em que ele passou momentos difíceis. —

Dê-me

um

pouco

de

amor.

Indie

disse,

estendendo a palma da mão para LJ. — Você é como meu irmão no crime. LJ bateu na mão dela com as duas e então Indie voltou a jantar, como se estivesse planejando ficar em silêncio por um tempo. Reparei. Eu deveria saber sobre colocar Indie perto de um garoto de três anos de idade se eu quisesse fazêla se comportar. — Eu tenho escutado ótimas coisas sobre esse novo filme de espionagem filmado nos anos quarenta. — Thomas


disse, limpando o ar. Como agradecimento a Thomas, fui até a geladeira pegar para ele uma cerveja gelada. — Oh sim. — Holly disse, apontando com o garfo para Thomas. — O trailer daquele filme pareceu assustador. — Vocês deveriam ir na próxima sexta depois do jantar. — Eu disse, estendendo a cerveja para Thomas. — Eu poderia ficar com LJ e vocês dois poderiam tomar uma bebida e ver a sessão da noite. Holly estava olhando para mim como se eu tivesse três cabeças. Thomas, entretanto, ergueu sua cerveja para mim. — Isso soa ótimo. O que você acha Holly? Você topa? O olhar curioso de Holly se deslocou para Thomas. — Claro,

mas

você

realmente

quer

bancar

o

motorista

novamente semana que vem? — ela disse finalmente. — Você tem certeza que quer ir comigo? Não há alguém que você preferiria... — Tenho certeza. — Thomas interrompeu. Olá, Sr. Óbvio. — Okay, então. — Holly disse. — É um encontro. Thomas engoliu. — É… Sim. Eu sorri para meu colo... Esses dois estavam tão quentes um com o outro, que eu estava morrendo por um deles descobrir e apenas admitir de uma vez. Eu não tinha certeza sobre quem seria o primeiro a fazê-lo, mas eu esperava que acontecesse logo. Depois disso, o jantar foi bem; Sem mais momentos estranhos, seguidos por silêncios ainda mais estranhos. Uma


hora depois, nada sobrara do jantar a não ser alguns pedaços de batata. Holly e Indie clamaram por misericórdia e desabotoaram os jeans meia hora atrás, mas eu com aquele boxers de cós elástico estava bem. Anton lavou os pratos enquanto Thomas limpava a mesa. LJ e as meninas amontoaram uma pilha de cobertores e travesseiros no chão da sala antes de fazer a fortaleza mais legal do mundo, com até o ultimo lençol que eu tinha na casa. — Eu tenho que tirar uma foto disso. — Anton disse, rolando suas mangas para baixo enquanto ele saía da cozinha. — Sem fotos! — LJ disse, rastejando para fora da fortaleza. — Isso é super secreto. — Bom ponto. — Anton respondeu, guardando o celular no bolso. — Se isso ficar público, todo garotinho terá um desses. Mexendo com os controles, eu consegui fazer o DVD player cooperar. — O que você está assistindo? — Thomas perguntou. Enquanto se jogava perto de Holly. Coincidência? Eu acho que não. — Era do Gelo! — LJ respondeu, se jogando bem entre Holly e Thomas. Indie já havia clamado seu lugar e já estava no segundo Jell-O quando eu rastejei para o lado dela. Quando Anton pôs sua cabeça para dentro, eu fiquei autoconsciente de novo. É claro que seus olhos pararam bem em mim, e um sorriso se pôs em posição quando ele viu que


eu também estava olhando para ele. — Espaço para mais um? Eu estava prestes a dizer não quando LJ o silenciou. — O filme está começando. — ele disse. — Sem conversas a menos que queria acabar no canto do castigo. — Indie. — Eu sussurrei, sacudindo ela. Ela estava quase adormecendo. — Indie. Troca de lugares. Sem resposta. Ela estava pressionada entre eu e Thomas, que tinha LJ e Holly ao seu lado, o que deixou o espaço perto de mim vazio. Embora não tenha ficado vazio por muito tempo. —

Esse

lugar

está

vago?

Anton

sussurrou,

rastejando pro meu lado. — Você acreditaria em mim se eu dissesse não? — Okay. Agora você está apenas machucando meus sentimentos. — ele disse, colocando alguns travesseiros em posição. — Eu não acho que você tenha algum. Ele riu. — Será que você vai me deixar saber quando você estiver pronta para superar esta tarde? Você sabe, eu não estou segurando a minha respiração. Meu humor estava melhorando, e eu não tinha certeza de como me sentia sobre isso. — Você começa a prender o fôlego agora, e eu direi ‘quando’ eu estarei pronta para te perdoar. — Se eu fizesse isso, temo que estaria morto antes mesmo de você considerar. — ele sussurrou. Aparentemente,


nem mesmo sussurrar era permitido. LJ sentou-se reto e nos silenciou. — Tia Luce. — ele disse naquela voz de aviso que eu usei com ele meia dúzia de vezes num dia. Eu movi meus lábios num, ‘Desculpe’, antes de fechar minha boca com um zipper imaginário e jogar a chave longe. — De quem é esse telefone? — Holly disse, olhando para a fileira de corpos. — Mãe. — lamentou LJ antes de pular para cima e apertar o pause do DVD. Enquanto ele correu para o banheiro, eu chequei meus bolsos pelo meu celular. Espera, eu não tinha bolsos. De fato, eu não tinha visto meu telefone há algumas horas, desde quando eu me troquei no banheiro. Era tarde, então isso significava que era um certo alguém fazendo suas ligações noturnas. Eu murmurei uma maldição bem antes de LJ dobrar a esquina, com o telefone na mão. — Ei, tio Jude. — ele cumprimentou com um aceno. Eu xinguei de novo, quando o que eu deveria estar fazendo era estar saltando e indo o mais longe de Anton que o apartamento permitisse. Não escutei o que Jude disse, mas eu pude dar um palpite pela resposta de LJ. — Sim. Ela está bem aqui. — Virando o telefone pela sala, LJ veio em minha direção e estendeu-o. O rosto de Jude foi do branco para o preto no tempo que seus olhos levaram para se mover de mim para o espaço


perto de mim. — Luce. — ele disse, o músculo de sua mandíbula trabalhando. — Quem porra é esse cara? — Jude. — Eu disse, sentindo meu temperamento acender. — Bom ver você também. Holly deu um salto e impediu LJ de dar play no filme. — Vamos vestir seu pijama, LJ. — ela disse, indo pelo corredor. Uma coisa que Holly havia aprendido sobre Jude através dos anos: Quando ele estava puto, ele não perderia tempo em cuspir certas palavras que não eram feitas para pequenas orelhinhas. Thomas correu atrás deles. — Seria bom te ver também, se você não estivesse tão horizontalmente perto de outro cara... O olhar de Jude não desviou de Anton nem uma vez, como se achasse que ele fosse entrar em combustão se o encarasse por tempo suficiente. — Deixe-me adivinhar quem é esse idiota... — ele disse. — O homem cuja lápide está prestes a ter escrito: Anton Xavier. Eu sabia que deveria estar envergonhada por meu noivo estar agindo desse jeito. Eu sabia que deveria estar mortificada. Mas eu estava com raiva demais para isso. — E você deve ser o sem controle Jude Ryder. — Anton respondeu, sentando em seus calcanhares. Se havia uma fresta de esperança para este confronto de

testosterona, era

que os

golpes não

iriam deixar

hematomas. — Anton. — Jude disse, sentando mais ereto. — Você é


mais baixinho do que imaginei. Mate-me. Mate-me agora mesmo. Por que eu não estava clicando no botão de encerrar a conversa? Por que eu não tinha clicado no instante em que LJ estendeu aquela merda para mim? Por que eu era uma idiota, esse é o porquê. Eu levantei e fui para a cozinha, esperando que Anton fosse ficar onde ele estava então eu poderia começar o controle de danos. É claro que Anton calou a boca e estava apenas dois passos atrás de mim quando eu parei na cozinha. — Jude. — Anton disse, movendo-se para frente da tela. — Sua cabeça é menor do que eu achei que seria. — Fofo. Realmente fofo. — As veias no pescoço de Jude pareciam prontas para explodir. — Eu espero que você seja corajoso o suficiente para dizer algo assim para mim pessoalmente. — Eu sou corajoso o suficiente. Jude sorriu um pouco loucamente demais para o meu gosto. — Algo para pra eu ficar ansioso de ver. — Eu estava começando a me perguntar se a próxima exibição de masculinidade iria incluir eles tirando seus pênis fora da calça e comparando os tamanhos. Eu cotovelei Anton, esperando que ele pegasse a pista. Não aconteceu. — Você planeja vir sexta feira a noite para jantar daqui a duas semanas? — Jude perguntou. — Se eu estiver convidado. — Você não está. — eu disse instantaneamente.


— Sim, ele está. — Jude disse com aquele sorriso louco aumentando um pouco. — Isso é, se você for corajoso o bastante. — Eu estarei aqui. — Anton fez o que eu imaginei ser uma olhada de cima para Jude. — Não, você não vai. Você não foi convidado. — Eu disse. — Eu o convidei, Luce. Eu trouxe o celular mais para perto, até que meu rosto era tudo o que aparecia na tela. — E eu acabo de desconvidálo. — Desculpe, Luce. Mas esse apartamento é tanto meu quanto seu. E eu o convidei. Eu estava perdendo meu aperto. Meu noivo e meu chefe estavam lutando por mim como se eu fosse algum troféu brilhante. Essa foi a última gota. — Tudo bem. Você quer convidar Anton? Convide Anton. — Eu me mexi, enquanto minhas mãos começaram a tremer. — Se divirtam, porque eu tenho certeza que eu não estarei aqui. — as linhas na testa de Jude suavizaram quando ele olhou para mim. — Agora, se vocês rapazes tiverem acabado com a briga de galos, vocês irão embora agora mesmo. — Eu mandei, apontando Anton a direção da porta. — Eu estou terminando com você. E desligando você. — eu disse, estreitando meus olhos para Jude. — Luce. — ele começou, mas eu era fiel a minha palavra. Antes que Jude pudesse falar mais uma palavra, eu fiz o que eu devia ter feito há três minutos.


Eu apertei desligar. — Lucy, me desculpe. — Anton disse. — Fora. — Eu disse, apontando para a porta — Apenas Saia. Eu tive o suficiente por um dia. Anton pareceu como se quisesse falar mais, mas pela primeira vez ele ficou quieto. Depois de deixar escapar um longo suspiro, ele foi em direção à porta e não olhou para trás.


Capitulo 15

A

s ligações de Jude começaram a chegar cerca de 30 minutos mais tarde. Eu não as atendi. Eu não estava pronta.

Indie tinha dormido durante toda a chamada infernal do Face Time, e Holly, Thomas, e LJ ficaram escondidos até a barra ficar limpa. Quando ficou, Thomas voltou para a sala, envolvendo-me em seus braços, e não soltou até que eu tivesse quase adormecido. Ele me carregou para minha cama e me botou para dentro antes de rastejar de voltar e ele mesmo adormecer. Era um pouco depois da meia-noite, e eu estava emperrada naquele lugar entre o sono e o despertar, quando eu finalmente atendi a ligação de Jude. Não seria exagero supor que ele me ligou pelo menos 50 vezes. — Ei, Sr. Persistente. — eu digo com uma voz de sono. — Luce. — ele suspira. Eu posso sentir seu alívio nessa única palavra. — Você estava fora da linha ontem à noite, Ryder. — eu digo, lembrando a mim mesma para ficar calma. — Eu sei. — ele respondeu sua voz toda baixa e áspera, como se ele não tivesse falado uma palavra em dias. — Mas assim como você, Luce. — Huh? — eu sento-me na cama. — Eu não fui aquela que verbalmente ameaçou matar um homem.


— Não, não foi você. Mas você foi a única que estava aninhando-se com ele e praticamente dividindo um assento. — Sim, Anton estava perto de mim. Assim como estava Indie. E Thomas. E Holly. E LJ, também. Nós estávamos todos acampados no chão assistindo A Era do Gelo em uma fortaleza incrível. Como em todo Face Time convido Jude, sempre faço isso e parecia estranho simplesmente conversar com ele. Eu não podia ler a expressão em seu rosto; eu apenas podia adivinhar como ele se sentia pela sua voz. — Aquele cara está a fim de você, Luce. Eu sei que você não acredita em mim, e eu sei que você quer acreditar que ele é só um amigo, mas amizade é a última coisa que vem em sua mente quando se trata de você. — sua voz estava tão controlada, tão contida. Eu estava orgulhosa dele... Ainda irritada, mas orgulhosa. — Nós não estávamos nem mesmo perto o suficiente para tocar os cotovelos Jude. — Mas isso não muda o fato que ele queria tocar você e facilmente poderia ter feito isso, desde que estava deitada bem ao lado dele. Com tudo o que aconteceu esta noite, eu tinha deixado de lado a bomba que Anton soltou depois do trabalho. Eu tinha planejado contar para Jude. Porque isso não era uma coisa que eu pensei que eu deveria esconder dele, mas agora, depois que Jude já estava chateado, ele certamente fretaria um avião e voaria através do país, só assim ele poderia


chutar a bunda de Anton pessoalmente. Seria uma mentira se eu omitisse isso por talvez uma semana? Pela culpa que corria pelas minhas veias, eu acho que seria. — Agora, Luce. Desculpe o jeito que enlouqueci essa noite. Isso é tudo sobre mim. – ele diz interrompendo os meus pensamentos. — Mas preciso que você mantenha distância de Anton. Eu sei que você acredita no melhor de todo mundo, mas nem todo mundo tem as melhores intenções, Luce. — Como você espera que eu mantenha distância? Ele é meu chefe. Eu arquivo a papelada dele e apresento seus relatórios de despesa e faço as apresentações de PowerPoint dele de segunda à sexta. — depois de levar algumas horas para me acalmar, eu percebo que foi um pouco precipitado querer sair. Eu tinha um emprego, um bom, um remunerado, eu não queria arrumar minha caixa de papelão porque meu chefe tinha admitido que ele estivesse atraído por mim. Anton certamente não tem sido o primeiro chefe que tinha uma queda pela secretária. — Lembre-me de novo porque você foi tão insistente em ter seu próprio emprego? Eu suspiro minha resposta. — Tudo bem, tudo bem. Então você não pode manter uma distância física dele, mas você pode se manter emocionalmente distante dele. Isso é tudo o que estou dizendo, Luce. — ele diz soando mais cansado que qualquer outra coisa. Que era do mesmo jeito que eu me sentia. — E não deitar mais perto dele com um monte de cobertores e


merda, vestida com nada além de uma regata minúscula e minha cueca. Tudo bem? — Você está pedindo ou falando? — Você realmente precisa que eu peça Luce? — Depois de toda a coisa hoje à noite... — eu digo tentando não repetir isso na minha cabeça. — Sim eu preciso que peça. — Pedir. Estou sempre pedindo, Luce. — ele diz. — Algumas vezes eu apenas peço com um pouco mais de entusiasmo. Eu ouvi um quase sorriso em sua voz e podia sentir o meu próprio começando a nascer. — Algumas vezes? Mais como o tempo todo. Ele deu uma risada baixa. — Sim, você está certa. Mas a única razão que estou pedindo com entusiasmo é porque eu me importo com você, Luce. Eu me importo com você mais que eu jamais me importei com qualquer outra coisa. Eu teria feito qualquer coisa, sacrificado qualquer coisa, e eu digo qualquer coisa, para proteger você. — Eu não colocaria Anton Xavier no topo da lista do que preciso ser protegida. — eu replico. — Eu colocaria. — ele responde instantaneamente. — E se você está tendo um tempo difícil para entender onde eu quero chegar, só coloque-se em meu lugar. O que você faria se você descobrisse que eu estava trabalhando para alguma garota bem rica, que faria qualquer coisa para me levar para a cama, e então você ligou uma noite para dizer boa noite e me encontrou aconchegado ao lado dela? — ele pausa


provavelmente para guiar o seu ponto do que para respirar. — Sua reação seria tão diferente da minha? Eu queria atirar de volta um, É claro que seria, ou, Inferno sim, mas eu não consegui. Porque eu sabia que ele estava certo. Jude me fez entender o seu ponto de vista, e isso era um feito digno de um Nobel da Paz. — Não, não seria. — eu admiti relutantemente. — Eu teria arrancado o olho da vadia para fora pelo telefone se precisasse. Jude estava realmente rindo agora. Ouvir sua risada me fez rir alto também. — Então nós entendemos um ao outro, Luce. — Sempre. — eu digo bocejando sobre a minha risada. — Algumas vezes só demora um pouco para chegarmos lá. — Algumas vezes? — ele diz. — Que tal o tempo todo? Eu me deito e me enterro no meu travesseiro. — Obrigado por ligar 50 vezes e se desculpar. — Obrigado por atender na quinquagésima ligação e aceitar. No momento depois disso, nós desligamos, eu estava livre para descansar/acordar na terra do limbo. Eu não acordo até meu pequeno-carinha-despertador estar saltando na minha cama, carregando panquecas na forma de bolas de futebol.

Era noite de sexta novamente. Nossos jantares de final de semana com nossa reunião em família, já parece ser uma


tradição de longa data. Semana passada nós fizemos manicotti e pão de alho, e essa semana estávamos fazendo nossa refeição favorita para convidados especiais: X-Burgers e batatas fritas. Jude tinha voado cedo esta tarde, e mesmo que eu tivesse lutado com unhas e dentes para tirar o dia de folga e poder pegar ele no aeroporto, Anton teve um dia cheio, lotado de reuniões e chamadas em conferência, e disse que se alguma vez ele precisou de secretária, hoje era o dia. Então eu estava presa no escritório hoje quando Jude desembarcou. Eu

sabia

que

ele

estava

provavelmente

no

nosso

apartamento, apenas esperando. Eu estava assistindo a tela do meu computador como um falcão, então ele mudou para 5 da tarde, eu estava fora da minha cadeira e no meio da porta antes que alguém tivesse desligado seus computadores na cidade do cubículo. Anton tinha ido para uma reunião fora do escritório uma hora atrás, então eu não tinha que checar com ele para ver se ele tinha alguma tarefa de última hora para mim antes de sair. Uma vez que estava dentro do Mazda, eu lutei contra todos os seus instintos para NASCAR28 em meu caminho de volta para o apartamento. Eu me forcei a seguir o limite de velocidade, e até me forcei a encostar no shopping para fazer uma compra rápida. Minhas noites e fins de semana olhando LJ estavam funcionando melhor que qualquer um de nós poderíamos ter imaginado. Ele me escutava tanto quanto um 28

National Association for Stock Car Auto Racing. (associação automobilística norte-americana que controla os campeonatos de stock car.)


mini homem das cavernas poderia, ele me ajudava com tarefas ao redor do apartamento, e eu poderia até mesmo sair com ele em público sem ter que me preocupar em deixar para trás um rastro de caos. Contudo, a loja que eu estava me dirigindo agora não é uma que queira levar um garotinho. Não demorou muito para escolher o que eu pensava que Jude gostaria mais, desde que ele não era difícil de agradar quando se tratava de lingerie. Eu paguei por ela, e estava de volta ao Mazda em menos de dez minutos. Uma vez que eu estava no estacionamento, eu me chequei no espelho. Aplicando uma camada de batom e adicionando um toque de blush, eu estou usando uma saia cobalto e uma blusa sem mangas, emparelhado com um potente de couro par de saltos vermelhos, que estava certa que estaria deixando Jude um pouco selvagem. Esses são os meus sapatos que ele mais gosta, apesar de preferir quando eu estou sem nada. Eu estava esperando que fosse exatamente isso que ele estava planejando para hoje à noite. Sabedoria da logística, nós íamos ter que ser criativos, mas você sabe o que dizem: Necessidade é a mãe da invenção. Eu subo as escadas tão rápido quanto eu ousei nesses saltos de 10 cm, e continuei até caminhar pelo corredor. Como estava se tornando normal, eu podia ouvir risadas enquanto me aproximava do apartamento, mas pela primeira vez em semanas, meu Jude foi jogado na mistura. Meu


coração apertou por ouvi-lo sem o filtro do telefone. Sua voz, sua risada, foi feita para ser experimentada sem filtro. Eu escancaro a porta e estouro para dento. O cômodo ficou em silêncio seguido da minha entrada dramática. Eu não noto ninguém mais; eu não poderia ao menos dizer quem estava lá e onde eles estavam. Tudo o que eu vi foi ele. E tudo que ele viu fui eu. Eu mal tive tempo de jogar minhas bolsas antes dele atravessar a sala. Seus braços feridos ao meu redor e ele me puxou forte contra ele. Eu estava em casa. — Luce. — ele respirou, tecendo meu cabelo com seus dedos. Passei meus braços em torno de seu pescoço e deixei meu rosto cair na curva de seu pescoço. Eu inalo o seu aroma. Eu o inalo. — Senti sua falta também. — Senti sua falta mais. — Ah é? Sua boca desce até minha orelha. — Sim. — Então prove. — eu digo pressionando meus lábios em seu pescoço. Inclinando-se para trás, ele aninhou meu rosto em suas mãos, segurando-o firme enquanto sua boca descia lentamente para a minha. Ele me beijou gentilmente, quase ternamente. Foi doce e suave, e o tipo de beijo que poderia ter me derretido para uma pilha de mingau se ele não tivesse me segurando tão fortemente.


Seus lábios moviam os meus e os separaram antes que sua língua entrasse na minha boca. Quando ela tocou a minha, deslizando e explorando com a excitação do primeiro toque e a familiaridade do último, um gemido devagar escapou de mim. Minhas mãos deixaram seu pescoço, vagueando pelo resto do seu corpo como se elas não pudessem chegar ao próximo lugar rápido o suficiente. Suas mãos seguiam a minha liderança, para cima, para baixo, ao redor e em torno. Deslizando, apertando, escavando. Foi o suficiente para minha cabeça girar. Quando meu dente roçou a ponta da sua língua, o fôlego foi apanhado de seus pulmões, antes de ele me empurrar contra a parede. Seu corpo pressionado na minha frente era mais duro do que a parede pressionada nas minhas costas. Ele era duro nos lugares certos. Todos os lugares que fez o calor surgir no centro do meu corpo. — Tudo bem, esse é um jantar em família e noite de filme. — a voz de Holly entrou no mundo que Jude e eu criamos sempre que estamos juntos. — Não a noite do swinger em um teatro decadente que tem uma porta dos fundos. Eu gemo em protesto quando a boca de Jude deixa a minha, mas as suas mãos não. Elas ficam na curva do meu quadril de tal modo que eu ainda podia sentir o desejo entre as minhas pernas crescendo. — Como foi isso para aquele ‘então prove’? — ele disse seu peito subindo e descendo arduamente.


— Vou deixar você saber mais tarde esta noite. — eu digo. — Depois que todo mundo estiver no quarto e você for me encontrar. — levanto uma sobrancelha em sugestão. Seu pênis se balançou. — Você acha que seria rude se nós disséssemos para todo mundo dar o fora? Eu rio e agarro a mão dele na minha. — Talvez só um pouco. — rebocando ele atrás de mim, eu rodo. Holly está de pé atrás de LJ com suas mãos cobrindo os olhos dele. — Vocês dois acabaram? — ela disse com um piscar de olhos. — Sem promessas. — Jude responde. — Sim. — eu digo acotovelando ele. — Por agora, pelo menos. — Coelhos insolentes. — ela murmurou com rolar de olhos antes de descobrir os olhos de LJ. LJ estava com uma camisa do Chargers Jersey29 que era uns dois números maior, e sua língua estava azul de lamber o pirulito em sua mão que era tão grande quanto o seu rosto. Se ele estava esperando que esse pequeno cara fosse para a cama e dormir antes da meia-noite, tio Jude não deveria ter carregado ele com milhares de gramas de açúcar algumas horas antes da hora de ir pra cama. — Porque tia Luce e tio Jude são coelhos insolentes? Meus olhos incharam quando Jude tentou abafar sua risada atrás de mim. Isso não funcionou tão bem. Holly congelou no seu caminho para cozinha. — Porque eles gostam de ser... Acariciados. — Holly sacudiu sua 29

Jogador de futebol americano.


cabeça. Ver ela assim, com a língua para fora, era tão raro quanto um eclipse solar. — Porque eles gostam de... — Porque eles são bonitinhos e fofos. — Thomas interrompeu. As sobrancelhas de LJ se juntaram por um segundo antes de ele voltar a trabalhar em seu pirulito. — Oh, ok. — Correndo para sua caixa de brinquedos, ele começou a vasculhar. Crise evitada. Holly agradeceu Thomas com um sorriso. — Boa defesa, Thomas. — eu digo, agarrando uma cerveja da geladeira para Jude. Pescando a cerveja do balcão, eu dirijo minha mão para baixo sobre ela. A tampa bateu para fora, tilintando quando caiu no chão. — Maldição. — Jude diz, quando eu entrego-lhe a cerveja. — Você sabe quão excitado eu fico quando você faz isso. — Oh, Deus, vocês dois. Sério? — Holly gemeu soando mais ciumenta do que irritada. Agarrando alguma coisa para fora do chão, ela marchou em direção a Jude e eu. Segurando a bola saltitante do Homem-Aranha de LJ, ela olhou para nós dois. — Vocês se lembram de quando usavam balões entre os meninos e meninas nos bailes da escola para ter certeza de que eles mantinham distância? Eu dei a ele um sério? Olhar. — Você não está forçando essa coisa contra os meus peitos. — Você está certa, eu não estou. — ela me deu um sorriso doce antes de esmagar a bola entre Jude e eu. Ao sul em nossos umbigos. — Pronto, agora o resto de nós pode


realmente comer hoje à noite, desde que vocês não serão capazes de se esfregar um ao outro a cada dois segundos. Jude olhou para baixo para a bola entre nós e estourou em uma risada. — Meu Deus, Luce. Você tem falado sobre mim de novo? — ele disse flexionando seus quadris contra a bola, me empurrando com sucesso contra a geladeira. — Você sabe que eu gosto disso pervertido, mas mesmo para mim, isto pode ser um esforço. Eu suspiro. — Eu tenho certeza de que isso não impediria você. — Não. — ele disse inclinando a cerveja para mim. — Não impediria. — Mãe?! — LJ gritou da caixa de brinquedos. — O que é pervertido? O rosto de Jude congelou em surpresa. Holly deu um empurrão nele antes de limpar sua garganta. — É quando uma corrente fica enroscada30. — Thomas disse todo prosaico. —

Oh.

LJ

respondeu

antes

de

voltar

para

descarregar todo o conteúdo da caixa de brinquedos. — Boa defesa, meu homem. — Jude disse levantando seu queixo para Thomas. Thomas balançou sua cabeça enquanto ele continuou empilhando x-burguers em uma bandeja de servir. — Então hoje eu sou “seu homem”, mas não muito tempo atrás eu era Peter Pan. O que fiz para merecer essa promoção?

30

A palavra usada por Jude para dizer ‘pervertido’, tem realmente o duplo sentido de ‘enroscado’.


— Primeiro, eu chamava você de Peter Pan porque eu sou um idiota ciumento que apenas achou você despindo a minha garota. — Jude explicou. — E você é “meu homem” porque você tem cuidado das três pessoas mais importantes da minha vida. Thomas lutou com um sorriso. — Quem poderia saber? O atleta estúpido é profundo. — Sim, Sim. — Jude disse tomando um gole da sua cerveja. — Já ouvi piadas de atleta burro suficiente pela eternidade. — E eu tenho ouvido piadas de Peter Pan suficiente para pelo menos as últimas duas eternidades. – Thomas atirou de volta, antes de se dirigir para a mesa com a bandeja segurando mais X-Burguers do que nós poderíamos comer em uma semana. Jude tomou outro gole antes de examinar a garrafa. – PBR31? — ele disse, olhando a impressão. — Luce, você sabe como me tratar direito. Eu envolvo um braço ao redor dele porque, depois de três semanas separados, eu não mais quero ser separada. — Nada além do melhor para o meu homem. — Vamos lá. Vamos comer, — ele disse rodeando um braço ao redor do meu pescoço. — Estou faminto. — Eu também. — eu digo, abaixando a minha voz desde que jovens ouvidos e insinuações sexuais não devem andar juntos. — Mas não de comida.

31

A PBR é uma empresa norte-americana que promove competições internacionais de montaria em touros.


Jude parou no lugar. Sua boca abaixou do lado de fora da minha orelha. — Você pare com esse tipo de conversa ou eu vou derrubar você e mandar ver nessa mesa mesmo. Arrepios já começaram a subir, mas quando seu dente roçou no lóbulo da minha orelha, esses arrepios explodiram para a superfície mais rápido. Tudo bem. Dois podem jogar esse jogo. Eu subi na ponta dos pés para colocar minha boca em sua orelha. — Eu estou tão pronta para você que minha calcinha estaria molhada... — eu falo, indo um passo mais longe e chupando a ponta de seu lóbulo da orelha entre os dentes. — Se eu estivesse vestindo alguma. Sua respiração fica presa entre os dentes. Iluminando-o com um sorriso inocente, eu continuo para a mesa. Somente quando eu estava sentada, ele veio atrás de mim. — Graças a você e essa boca indecente, eu tenho que levar um pequeno tempo fora no banheiro. — O quê? — eu digo girando minha cadeira. — Nós estamos prestes a comer o jantar. Um banho frio pode esperar. Eu marco um ponto para Lucy Larson. Ela venceu essa rodada de preliminares verbais. — Meu pau está tão duro que um banho gelado não poderia nem mesmo começar a ajudá-lo. E eu não vou sentar para o jantar com uma ereção de barraca nos meus jeans. — ele falou no meu ouvido. — Estou indo esfregar isso para fora. E já estarei de volta. Falando de calcinhas molhadas...


— Vou ajudar. — eu digo pulando para fora da minha cadeira. Ele agarrou a minha mão e me puxando. — Bom. Suas mãos são mais suaves que as minhas. Nós tínhamos acabado de chegar perto do banheiro, tão perto que eu já estava alcançando o botão da calça jeans de Jude, quando uma única batida soou do lado de fora da porta da frente. Uma única batida seguida por três mais rápidas. Eu

queria

tivéssemos

sido

chorar dois

de

desapontamento.

segundos

mais

rápidos,

Se nós

nós já

estaríamos atrás daquela porta fechada e minha mão estaria deslizando para cima e para baixo... — Olhem aqui. Nós temos um comitê de boas vindas. — Indie disse e depois a porta oscilou aberta. Com Anton do lado dela. — Merda. Será que isso apenas deslizou para fora da minha boca? — ‘Olá’. ‘Bom ver você’. ‘Legal de sua parte fazer isso’. — Indie disse entrando. — Estas são algumas saudações geralmente aceitas ao receber alguém em sua casa. — sorrindo para mim ela deu um rápido abraço em Jude. — É claro que é legal ter meus braços ao redor do seu corpo sexy de novo. Alguma ideia porque nós tivemos que empurrar através de um mini exército de paparazzi acampados lá fora na calçada?


— Ei, Indie. — Jude disse com seus olhos travados em Anton. — Eu espero que você tenha chutado alguns desses sanguessugas para o lixo no seu caminho pra cá. Suspirei. Eu deveria ter estado muito absorvida e focada em chegar ao apartamento que não notei que a pequena multidão de pessoas do lado de fora do nosso apartamento tinham câmeras ao redor dos seus pescoços. Parecia que onde quer que Jude Ryder fosse assim faziam os fotógrafos.

Parecia

que

nós

não

poderíamos

deixar

o

apartamento por todo o fim de semana, o que na realidade... Não era um negócio tão ruim. — Eu espero que você esteja se conectando com minha garota hoje à noite, porque ela precisa de algum doce, doce amor. — Indie disse, dando uma palmadinha na bochecha dele e passando para o corredor.

— Tem sido um tempo

desde que eu vi rosto bonitinho de Lucy recém F-O-D-I-D-O. — Não se preocupe. — Jude a responde, continuando sua encarada em Anton, que não parecia nem um pouco intimidado. — Eu planejo tomar contar da minha garota. A. Noite. Inteira. Eu coro tão forte que eu poderia sentir o sangue correndo no meu pescoço. — Oi, Anton. Bom te ver. — eu digo envolvendo as duas mãos ao redor do braço de Jude. — Mesmo para você, esse é um inferno de movimento corajoso. — Lucy. — ele replica com um sorriso divertido. Eu atiro a ele um sorriso apertado antes de puxar o braço de Jude. Bem, isso não estava acontecendo. — Agora, se você já terminou de falar sobre a minha vida sexual com o


meu chefe... — eu puxo novamente, mais forte dessa vez. Não. Uma das desvantagens de estar com um homem que poderia empurrar um ônibus escolar era se sentir como a maior covarde do mundo. — Eu tenho uma meia dúzia de xBurguers com o meu nome neles. Jude endireitou-se na frente de Anton, não caindo na isca do x-Burger. — Você deve ser Anton. Como ele conseguia fazer algumas palavras inofensivas soarem como uma ameaça de morte? Anton olhou diretamente para o braço de Jude enrolado sobre mim. — E você deve ser Jude. — Em carne e osso. — ele disse. — Não há mais telefones

nos

mantendo

separados

se

você

tentar

se

aconchegar com a minha garota novamente. — Jude. — eu avisei possivelmente pela milionésima vez na minha vida. — Tudo bem. Como vamos fazer isso? — Anton disse deslizando as mãos em suas calças. — Eu não tenho brigado por causa de uma menina desde quinta série. Nós vamos fazer isso lá fora? Derrubarmos bem aqui na soleira da porta? Agendar um compromisso? Estou em território desconhecido aqui. Eu poderia ter rido, mas toda a situação não foi tão engraçada. Onde estava todo mundo quando eu precisava da ajuda deles para separar esses dois? Uma espiada sobre o meu ombro revelou a minha resposta. “Alheio” era o nome do jogo que estava rolando na cozinha.


— Vamos esclarecer uma coisa agora mesmo. Nós não estamos brigando por uma garota. Luce é a minha garota. Ela sempre será a minha garota. — as veias do pescoço de Jude estavam começando a inchar. Estávamos a duas etapas de distância de punhos voando. — O motivo que nós estamos brigando é sobre o jeito que você olha para a minha garota. O jeito que eu sei que você pensa sobre ela. O jeito que eu sei que quer tê-la. É por isso que estamos brigando. — Jude endireitou as costas para ficar um pouco mais alto. Ele tinha um jeito de fazer seus 7,5cm de vantagem parecer que ele estava elevando-se sobre Anton. — Mas vamos ser honestos. Desde que eu e você sabemos que você não tem chance em uma luta contra mim, porque nós não fingimos que eu acabei de chutar a sua bunda até o ano que vem e você para de tentar seu caminho para o julgamento, coração ou calças de Luce. Você entendeu? — Eu nunca fui daqueles que pegam o caminho fácil. — Anton replica tão calmo como se ele estivesse conduzindo uma reunião de negócios. — E eu não gosto de fazer o que me dizem então eu temo que isso seja inútil, grandalhão. — Anton. — eu silvo, imaginando se ele tinha vontade de morrer. Pelo o que ele estava dizendo, eu acho que ele tem. — Então como nós vamos fazer isso? — Anton repete, dando um passo adiante. Eu tinha subestimado Anton. Eu o imaginava mais como um tipo de cara pacifista e antiguerra. Eu não poderia estar mais errada. Ele não iria desistir de uma briga tão cedo tanto quanto Jude iria. Anton só usava um terno para a batalha.


— Eu vou bater em você. — Jude respondeu, dando o seu passo adiante. Sim. Eles estavam indo fazer isso. Bem aqui na soleira da porta. — O jantar está pronto! — Holly gritou. — Se vocês não me querem atirando o jantar de vocês para fora da janela é melhor vocês terem seus traseiros em seus três assentos. Quando o fim dos tempos estava sobre nós, Holly Reed estava aqui para nos salvar. — Mais tarde então. — Anton disse considerando Jude como passado. — Esperando por isso. — Jude disse seu olhar fazendo buracos nas costas de Anton. — Muito maduro. — eu disse cutucando ele. — Pensei que você disse que esse cara não tinha uma coisa por você, Luce. Ainda não contei a Jude o que Anton disse para mim aquela tarde a duas semanas atrás no escritório. Nenhuma hora parecia ser a certa para descarregar esse pequeno segredo sujo. Muito menos agora. — Qual o seu ponto? — Aquele imbecil tem uma coisa séria por você. Uma coisa séria. Eu esfrego o seu braço tentando acalma-lo. — Como você sabe disso? — perguntei fingindo que eu não tinha certeza se ele estava certo. — Porque quando ele olha para você, me lembra do jeito que eu olhava para você quando nos conhecemos.


— E como era isso? Jude agarrou minha mão na sua e me levou para a mesa. Ele suspirou. — Como se tudo tivesse acabado. Como se a garota que eu estava olhando fosse a única que eu iria passar o resto da minha vida. — E você não olha mais para mim desse jeito? — eu brinco. — Eu ainda olho, mas existe uma confiança atrás desse olhar agora. Uma confiança porque eu sei que você é minha. — Jude puxou minha cadeira para mim e moveu sua boca para mais perto da minha orelha. — Aquele cara olha para você com a incerteza que eu tive no começo. Quando eu não tinha certeza se eu poderia ter você. — ele diz tranquilamente. — Aquele cara quer você, tudo bem, mas eu vou ter a maldita certeza que ele saiba que ele nunca vai te ter. — Ei, Tarzan, — eu digo quando ele toma o seu lugar ao meu lado. — Baixe seu tom um degrau, ou dez. Ele me deslizou um sorriso. — Você sabe que esse não é o meu estilo, Luce. — Então porque você não pega um x-Burger e enche sua boca com ele antes de começar a atirar mais alguma ameaça de chutar a bunda do meu chefe. — gesticulo para a bandeja de burguers que Holly estava segurando para Jude. — Então Lucy. — Anton disse da outra ponta da mesa, posicionado de modo que ele e Jude não poderiam continuar exatamente de onde eles haviam parado em seu concurso de encarar. — Eu ainda não tive a chance de conversar com você


sobre isso ainda, mas eu estava imaginando se você seria capaz ficar no outono uma vez que escola começar. Minha nossa, isso não vai dar certo. — Lucy vai estar ocupada... Eu levantei minha mão, cortando Jude. — Eu posso responder por mim mesma, muito obrigada. Jude levantou sua mão em rendição, claramente divertido. — Eu vou estar ocupada, — atiro um olhar para Jude. — Com a faculdade. Eu realmente vou estar empilhada com trabalho de curso do meu último ano, e então eu vou estar indo e vindo para San Diego para ver Jude várias vezes também. A mão de Jude caiu no meu joelho. — Não tanto quanto eu vou estar indo e vindo para ver você. — Eu posso montar um esquema conforme o seu horário disponível. — Anton disse quando todos os outros estavam mastigando seu jantar em silêncio. Mesmo LJ sabia que algo estava acontecendo. — Em apenas três semanas, você já provou ser bastante produtiva para as Indústrias Xavier. Eu não posso simplesmente deixar você ir. Jude apertou meu joelho mais por irritação do que por reafirmação. — Eu vou dobrar seu salário. — Anton anunciou antes de dar uma grande mordida em seu x-Burger. Jude abriu sua boca, mas eu não estava deixando isso ir mais longe, sem acrescentar meus comentários.


— Isso não é sobre o dinheiro. — eu digo. Anton arqueou uma sobrancelha. — Bem, isso não é totalmente sobre o dinheiro. Eu apenas não tenho tempo. Eu quero me empenhar

nas

coisas

em

minha

vida

que

são

mais

importantes que dinheiro. — eu digo, agarrando o pote de ketchup e esguichando uma bola no meu prato. — Além disso, Jude tem montes de dinheiro. Eu tenho certeza que ele pode me emprestar alguns trocados se eu precisar disso. Eu espiei em cima para Jude. Esta foi uma fonte de desconforto para mim, uma questão de orgulho, e admitindo para uma mesa com os meus amigos mais próximos que eu estava disposta a depender de Jude para um suporte financeiro fez eu me sentir muito... Vulnerável. De uma maneira ‘estou-pelada-onde-está-a-palmeira-mais-próxima?’. Mas pegando um olhar do rosto de Jude, aliviou a maneira de que eu estava me sentindo. Ele não parecia feliz; ele parecia aliviado. Como se eu tivesse removido um peso dos seus ombros. Eu não entendia, mas eu não preciso disso para me sentir contente por fazer ele se sentir desse jeito. — Pensei que você gostaria de fazer seu próprio dinheiro. Ser independente. Noiva de um multimilionário ou não. — Ok, Anton não tinha um desejo de morrer por cortesia de Jude. Ele vai morrer com os cumprimentos de Lucy Larson. Desta vez foi a minha mão que moveu para a perna de Jude, dando um aperto. — Está certo. Eu gostaria de fazer o meu próprio dinheiro. — eu digo, querendo ensopar uma das minhas batatas fritas e através da mesa no rosto de Anton. —


Mas se Jude alguma vez precisar disso, então esse dinheiro será todo dele. E eu acho que ele sente do mesmo jeito sobre o dinheiro que faz. — Maldição, eu certamente sinto, Luce. Eu amei o modo que ele estava me olhando agora mesmo, como se ele nunca tivesse estado mais orgulhoso de mim. Eu queria mais do que qualquer coisa escarranchar nele naquela cadeira e beijá-lo até que nós dois estivéssemos com o rosto azul. Mas eu tinha alguém que precisava ser colocado em seu lugar. — Mais alguma coisa? — eu digo, desafiando Anton com meus olhos. — Tenho um monte de “mais alguma coisa”. — ele disse soltando seu hambúrguer em seu prato. — Eu tenho tantos “mais alguma coisa” que eu poderia ir por toda a noite. Mas para começar com uma palavra que soma tudo isso. — Anton sacudiu seu dedo entre Jude e eu. — Doentio. Jude disparou levantando do seu assento. Eu não sabia que rota ele tomaria para chegar até Anton, mas eu não estava descartando a voando diretamente sobre a mesa. — Já chega! — Holly levantou de seu assento também. — Meu garoto de três anos de idade se comporta melhor que todos vocês. — ela olhou para LJ, que estava tentando encher sua narina com uma batata. — E isso não quer dizer muita coisa. Ela olhou para Anton. — Comporte-se. — depois ela virou aqueles olhos doidos para Jude. — Comporte-se. — e


então para mim. — Comporte-se. — Tomando seu lugar, ela puxou a batata do nariz de LJ. — O que a mamãe sempre diz para você sobre usar palavras amáveis, bebê? LJ sentou-se na cadeira, muito satisfeito por ser incluído nesta conversa. — Se você não pode dizer nada bom, não diga nada. Holly despenteou toda a cabeça dele. — Alguma pergunta? — ela pergunta para a mesa. Nada. Além de um pouco mais de olhares de morte destinado ao outro, Jude e Anton não disseram outra palavra para o outro durante o jantar, embora não fosse exatamente uma experiência de jantar tranquilo. Entre LJ, Indie e Holly tentando falar sobre os outros enquanto Thomas tentou e falhou em adicionar seus comentários, meus ouvidos estavam zumbindo bem na hora que Jude começou o seu terceiro xBurger. — Onde você coloca tudo isso? — eu pergunto, terminando uma metade de um desses hambúrgueres. Ele deu os ombros enquanto mastigava uma mordida do tamanho de uma bola de tênis. — Eu tenho um pressentimento que vou precisar da minha energia esta noite. Ah. Aí estava aquela preliminar sedutora que eu tinha sentido falta. — Bom pressentimento. Ele sorriu para mim enquanto continuava a mastigar. Eu ainda não tinha ajustado isso: Jude sendo mega rico. Ele não tinha quase nenhuma maneira à mesa, vivia de jeans e


camiseta branca, e pensava que Hamptons32 era uma banda de rock dos anos 70. Você nunca poderia saber olhando para ele que ele era um milionário. E eu amo isso sobre ele. Eu espero que continue tendo jeans esportivo e camiseta daqui a dez anos. — Então, como foi o filme que vocês viram na última sexta-feira? — Indie perguntou acenando uma batata para Thomas e Holly. — Foi tudo bem, — Thomas disse. Holly não poderia parecer mais ofendida. — Mas a companhia foi fenomenal. — ele esclareceu dando a ela um piscar de olhos. — Foi isso o que eu pensei. — ela disse. — Vocês ficaram ou fizeram alguma coisa louca depois? Holly engasgou com o hambúrguer. Thomas ficou vermelho, um raro tom de escarlate, graças sua pele clara. —

Indie.

eu

digo.

Você

pode

ser

mais

constrangedora? — Essa é uma pergunta retórica? — ela perguntou, enquanto Jude bateu nas costas de Holly. — Sim. Eu suponho que seja. Indie soprou-me um beijo, antes de voltar para a grande inquisição. — Então? Desembuchem. — ela disse olhando entre Holly e Thomas. — Vocês dois tem tanta tensão S-E-X-U-A-L reprimida um pelo outro que eu quase desmaiei por falta de oxigênio.

32

Cidade litorânea conhecido por seus moradores milionários.


— Deus, Indie. — eu disse atirando uma batata frita nela, ela se esquivou então a batata voou para o peito de Anton. Eu sorri. Ainda mais. — Não. — Holly disse cobrindo as orelhas de LJ. — Nós não nos beijamos ou fizemos alguma coisa louca ou naturalmente pervertida, desde que você apenas tem que saber. Jude cobriu a boca, mas não estava mantendo seu riso contido. — E apenas para uma futura referência, nós nunca vamos nos beijar. — ela adiciona. A cabeça de Thomas chicoteado para o lado. — O quê? — ele diz para Holly. — Por quê? A pele entre as sobrancelhas de Holly se enrugam. — Porque eu sou uma garota. — ela disse devagar como se estivesse confusa. — E você gosta de garotos. A boca de Thomas e a minha caem no mesmo momento. Talvez eu devesse ter sido mais direta com Holly sobre a atração de Thomas por ela, mas eu pensei que era óbvio. Eu não tinha percebido que ela ainda pensava que ele era gay depois da primeira noite que todos nós jantamos. A julgar pelo olhar magoado no rosto de Thomas, eu não acho que ele nunca mais seria o mesmo depois deste golpe. — Você acha que eu sou... Sou... Gay? — Droga. Ele não poderia ter soado mais insultado também. Os ombros de Holly caíram enquanto suas mãos se afastaram de orelhas de LJ. — Você não é?


— Eu fico com o pequeno homem. — Jude disse, de pé e agarrando LJ. Ele atirou o garoto sobre seus ombros, para a alegria de LJ. — Você quer que eu te ensine como lançar uma bola de futebol por dez mil jardas agora? — Sim! — LJ respondeu rindo quando Jude andou com ele abaixo pelo corredor desaparecendo do cômodo. Esse homem estava conseguindo uma transa tão boa hoje a noite. — Então espera. — Holly sacudiu sua cabeça. — Você não é gay? Você gosta de mulheres? — Isto estava claramente balançando sua visão de mundo. — O que? Não! — Thomas se contorceu em seu assento. — Não, você não é gay, ou não, você não gosta de mulheres? — Holly perguntou. — Não, eu não sou gay! — essa era a primeira vez que eu ouvi Thomas levantar sua voz. Eu suponho que se existe uma hora para um cara perder a cabeça, era quando a garota que ele gosta pensava que ele era gay o tempo todo. — Uau. — Holly deu outro balanço em sua cabeça. — Esta revelação é... Profunda. — Inacreditável. Minha vida inteira pessoas tem assumido que eu sou gay porque sou um dançarino. Pessoas me julgavam porque eu me enfiei em outro tipo de elastano que os outros garotos no vestiário. — Thomas empurrou sua cadeira de volta, levantando-se e dirigindo-se para a porta. — Eu não pensei que você fosse uma dessas pessoas também, Holly.


— Thomas. — Holly chamando atrás dele. — Espere. — Eu acho que não. — ele disse continuando a esbravejar para a porta. — Eu vou achar alguns garotos para beijar. Quando ele bateu a porta, balançou as paredes. — Ele não é gay? — ela disse mais para si mesma que para qualquer outra pessoa. — Você sabia? — Ele tem sido meu parceiro de dança por três anos. — eu replico, encarando a porta. — É claro que eu sabia que ele não era. — Por que você não me disse? — Porque eu pensei que você descobriria depois da primeira noite que se encontraram. — eu disse odiando o jeito que Holly estava olhando para mim, como se eu tivesse a traído. — Eu pensei isso, até que fomos ao nosso encontro na sexta-feira. — ela disse. — Até que ele continuou trazendo à tona esse cara, Samuel. Ele estava falando sobre ele fazer o café da manhã naquele dia, e como ele sempre deixava suas toalhas molhadas pelo chão, e... – o rosto de Holly empalideceu. — Oh, meu Deus, Samuel é o companheiro de quarto de Thomas, não é? Eu estalei minha língua. — Bingo. — Merda. — ela disse batendo com o punho na mesa. — Você gosta dele, Hol? — perguntei, sentindo como se eu já soubesse a resposta. Ela mordeu o lábio e assentiu. — Muito?


Outro aceno. — Então o que você continua fazendo aqui? — eu digo. — Vá atrás dele. — Por favor, Lucy. Mesmo se ele gostasse de mim antes de eu chamá-lo de gay, ele nunca iria falar mais nada para mim. — Só há uma maneira de descobrir. — Indie saltou. Eu estava surpresa que ela tinha levado tanto tempo para dar seus conselhos não requisitados. Ela normalmente teria dado imediatamente. Além dela, Anton estava quieto uma vez na vida. — Você acha que eu tenho alguma chance no inferno que ele ainda goste de mim depois do que eu disse? — os braços de Holly estavam agitados um sinal claro que ela estava pirando. Indie apoiou o queixo dela sobre o seu punho e deu a Holly um olhar de cima a baixo. — Garota. Eu acho que aquele homem gostaria de você se você dissesse a ele para reverenciá-la toda vez que você a visse. Ele está caidinho por você, caidinho ao quadrado. — Lucy? — ela disse seus olhos passando de mim para a porta. — Ele definitivamente gosta de você. E eu acho que você gosta dele também. — eu digo. — Então porque você não vai atrás dele e definitivamente se ‘gostam’ um do outro? Os cantos da boca de Holly se contorceram. — Alguém tem um gloss labial à mão? — Indie deslizou um tubo para fora de seu bolso traseiro.


— Sempre a mão. — ela disse atirando-o para Holly, que conseguiu pegá-lo, apesar de estar no meio de uma daquelas jogadas de cabelo que ela adorava fazer. Aplicando uma camada de gloss, Holly caminhou para a porta como uma mulher em uma missão. — Boa sorte. — eu gritei. Depois que a porta bateu fechando em um total de duas vezes nos últimos dois minutos, Jude e LJ ressurgiram no cômodo, com a bola de futebol na mão. — Tio Jude me ensinou a segurar a bola de futebol como ele faz. — ele anunciou saltando para a mesa. — Tudo certo? — Jude perguntou, vindo atrás de mim e esfregando meus ombros. — Espero que sim. — eu digo sentindo como se meus olhos estivessem prestes a rolar na parte de trás da minha cabeça

a

partir

da

magia

que

seus

dedos

estavam

trabalhando em meus músculos. — Hora do filme! — LJ disse vasculhando através da coleção de DVD. — Eu posso ficar entre você e Tia Luce na fortaleza? Os olhos de Jude prenderam em Anton, e eles se estreitaram. — Você é o único homem que vai ficar entre Tia Luce e eu. Tanto para o drama voltar para nós.


Capitulo 16

H

olly

e

LJ

estavam

em

seu

quarto

provavelmente dormindo, já que eu não tinha ouvido um pio de lá nos últimos dez minutos.

Indie estava caída no sofá, imagino que em um estupor bêbada no qual as trombetas da segunda vinda poderiam ter explodido e ela não teria se mexido. O pobre Thomas ficou com o chão, mas eu tinha colocado alguns cobertores para que ele não fosse acordar com muita dor nas costas. Depois de reaparecer trinta minutos mais tarde, a mão de Holly na sua, ambos com as suas faces coradas e os lábios inchados, Thomas e Holly aninharam-se um ao lado do outro dentro da fortaleza e não tinham falado uma palavra. Tudo o que foi dito ou feito tinha sido eficaz. Felizmente, Anton tinha tomado a dica de que ele não era bem-vindo para a nossa festa do pijama de sexta à noite e tinha graciosamente ido embora, dizendo que ele tinha uma partida marcada de manhã cedo de tênis. Você pode imaginar a diversão que Jude teve com esse pequeno pedacinho de informação. O apartamento estava, enfim, tranquilo. Trancando-me dentro do banheiro com a minha compra de mais cedo, eu escovei meus dentes. Duas vezes.


Eu esfreguei um pouco de loção Satsuma e passei uma escova no meu cabelo. Eu me inspecionei no espelho. Malditamente quente. Após três semanas de celibato, Jude ia estourar alguma coisa quando ele me visse no meu pequeno número. Inferno, após três semanas de celibato, eu estava prestes a arrebentar algo apenas pensando sobre o que estava me esperando atrás de um par de divisórias. Peguei outro olhar no espelho de corpo inteiro na parte de trás da porta do banheiro. Algo estava faltando, mas eu não conseguia descobrir o quê. Meu sutiã era de um material rosa pálido puro. Tão puro que você poderia ver os meus mamilos através do tecido. Minha calcinha era da mesma cor, mas feita de rendas, e ainda tinha ligas que foram instaladas em um par de meias de nylon pretas puras que tinha costuras correndo até as costas. Saltos pretos de verniz terminaram a roupa. Se você pudesse chamar isso de uma... roupa. Tudo a partir do pescoço para baixo estava pronto; era do pescoço para cima que eu precisava de alguma coisa. Algo que fosse doce-e-sexy como o resto do meu traje era. A ideia surgiu. Puxando a gaveta que estava transbordando com produtos de higiene pessoal de Holly e prendedores de cabelo, eu vasculhei até que eu encontrei o que eu estava procurando. Assim que eu estava puxando-o para fora, uma batida suave soou do outro lado da porta.


— Luce? — Jude sussurrou. Meu corpo se apertou em antecipação apenas com a sua voz. — Se demorar mais tempo aí eu vou estourar a porta abaixo e tomar você na pia do banheiro. Essa imagem era atraente em muitos níveis. — Não seria a primeira vez — sussurrei de volta. — Basta ficar frio. Vou sair em trinta segundos. — Esses trinta segundos são tempo demais. — disse ele de volta, antes que eu ouvisse seus passos preenchendo o corredor. Mais do que depressa, acabei o grande lenço de cetim preto ao redor da minha cabeça, amarrando-o no arco perfeito que eu deslizei para o lado. Colegial inocente encontra sedutora-não-tão-inocente. Sorrindo para mim mesma no espelho, peguei meu roupão de banho e coloquei-o antes abrir a porta. Estava escuro e silencioso. Jude estava a apenas seis metros de distância. Eu

não

queria

fazer

barulho,

o

que

realmente

necessitou um pouco de foco quando eu tinha um par de saltos de stripper em meus pés, de modo que seis metros pés podia muito bem ter sido seis milhas. Na ponta dos pés nos últimos passos, eu deslizei entre as divisórias do quarto. Jude estava descansando no colchão, só de cueca. Sua pele era bronzeada, e contra todas as leis da física conhecidas


pelo homem, seus músculos haviam crescido. Seus olhos estavam fechados, mas eles se abriram no momento em que eu escorreguei dentro do quarto. —

Desculpe por manter você esperando.

— eu

sussurrei. — Eu também — disse ele, colocando os braços atrás da cabeça. — Minhas bolas estão tão malditamente azuis que vão acabar criando um novo tom de azul. Eu comecei a rir, mas me controlei. A última coisa que eu queria era acordar um dos quatro corpos adormecidos neste apartamento, porque eu não poderia lidar com uma porção de gratificação noturna atrasada. Se eu tivesse bolas, eu poderia garantir que as minhas teriam estado mais azuis do que as dele. — Deixe-me te compensar por isso. — eu disse, encolhendo os ombros do meu robe. Antes que ele tivesse alcançado o chão, os olhos de Jude haviam aumentado além de sua capacidade. — Considere-se perdoada — disse ele, os olhos correndo em cima de mim. Eu tentei ignorar o que estava subindo em sua cueca, mas eu não podia. Eu precisava disso dentro de mim. Eu queria isso agora. Eu rastejei através do colchão para ele, segurando-me em cima dele para deixá-lo de propósito um pouco louco.


Quando o meu rosto estava diretamente acima do dele, eu parei. Eu sorri para ele, divertindo-me com o poder que eu obviamente tinha sobre ele. — Como vão as coisas lá em baixo? — eu disse, abaixando minha boca para que ela estivesse um pouco acima da dele. Tão perto que eu podia sentir sua respiração vindo de seus lábios. Suas mãos agarraram meus quadris enquanto seus quadris flexionaram-se até encontrarem os meus. — Vai estar muito melhor quando eu estiver enterrado profundamente dentro de você. Eu não tinha certeza se o gemido que me escapou foi devido as suas palavras ou a contínua pressão de seus quadris contra os meus, mas eu colocaria uma aposta igual em ambos. Cheia de coragem, eu me abaixei para ele, deixando toda a minha curva de peso contra ele. Senti sua ereção correr do fundo da minha calcinha para o topo do meu umbigo. Eu subia e descia contra seu corpo. Sua boca estava já não deslizando contra a minha; ela estava chupando e beliscando. Quando eu deslizei para cima dele uma terceira vez, eu quase gozei logo em seguida. Eu estava tão pronta que estava molhando as boxers dele, mas eu não queria chegar tão longe sem que ele estivesse dentro de mim. Eu levantei meus quadris para remover a tentação do atrito, e tentei recuperar o fôlego.


Tentei e falhei. — Esse é um bom sutiã, Luce. — Jude disse, parecendo quase tão ofegante como eu me sentia. Uma mão deixou meu quadril e viajou até o meu estômago antes de colocar-se no meu peito. O polegar e o dedo pegaram meu mamilo e deram-lhe um puxão suave. — Eu me pergunto que gosto seus mamilos tem através dele. Em um movimento bem sucedido, a boca de Jude tomou o lugar dos dedos. Sua língua brincava com meu mamilo antes de ele tomá-lo em sua boca. Começou suave, mas mudou. Quanto mais ele chupava, mais perto eu ficava de um orgasmo. Inclinando-me para trás, eu me libertei de sua boca. Eu não viria, até que ele estivesse se movendo dentro de mim, e uma vez que era óbvio que eu não poderia adiar por muito mais tempo, peguei o cós da cueca e puxei-o para baixo. — O quê? — Jude sussurrou, sorrindo para mim. — Já chega de preliminares? Como não poderia ser? Eu senti como se estivesse prestes a explodir se eu tivesse que esperar mais um minuto, e

ali

estava

ele,

casualmente

relaxado

e

reclinado,

aparentemente feliz em mover e chupar a noite toda. — Eu preciso de você dentro de mim, Jude, — eu disse, agarrando-o. Isso teve uma reação nele. — Por favor.


Eu estava abaixando minha mão quando ele levantou seus quadris, com sucesso me tirando dele. Eu estava de costas e ele estava pairando sobre mim antes que eu soubesse como eu tinha chegado lá. — Diga isso de novo. — ele sussurrou, antes de colocar a sua boca no meu pescoço. — O quê? — Eu respirei. — Implore-me. — disse ele, bem antes de seus dentes se afundaram em meu pescoço. Eu vacilei, mas mais de prazer do que de dor. — Por favor — eu disse, apertando minha região pélvica contra ele. — Por favor, Jude. Sua

boca

ficou

no

meu

pescoço,

sugando-o

suavemente. Suas mãos deslizaram para baixo da minha cintura, continuando pelos meus quadris e deslizando em torno da frente da minha calcinha. Seu dedo polegar parou sobre o meu clitóris e circulou. — Sim. — Eu suspirei, flexionando contra seu toque. — Por favor, amor. Foda-me. Seu polegar parou, logo antes dele rasgar as rendas. — Com prazer. — disse ele, pouco antes de entrar em mim. Eu praticamente gritei de alívio antes da mão de Jude cobrir minha boca. — Shhh — ele sussurrou, sua voz rouca enquanto ele se movia mais fundo dentro de mim. — Eu vou te fazer gozar


duro, Luce, mas preciso que você fique quieta para não acordar a casa inteira. Ele deslizou para fora, e eu queria chorar. — Você pode ficar quieta? — Ele perguntou, esperando. — Quando foi a última vez que eu fui capaz de ficar quieta? — Eu disse, tentando levá-lo de volta para dentro. Mas ele não estava concordando com isso. Ele não ia entrar em mim novamente até que eu concordasse. — Eu vou ficar quieta — disse eu, mais rapidamente como eu já tenha dito três palavras. — Bom — disse ele, mal me entrando, — Mas apenas no caso de... — Pegando o lenço de cetim que eu tinha amarrado no meu cabelo, ele deslizou-o para baixo sobre o meu rosto até que ele estivesse cobrindo minha boca. Isso, com a menor quantidade dele dentro de mim, quase me fez gozar novamente. Sua boca encontrou meu outro mamilo neste momento, e assim que ele o tomou, seus quadris flexionaram-se e empurraram ainda mais fundo dentro de mim. Eu quase gritei de novo, mas a minha promessa fresca em minha mente, juntamente com o lenço cobrindo minha boca, serviu para mantê-la contida. Seu ritmo pegou até que ele estava respirando tão fortemente quanto eu. Eu estava orgulhosa de mim mesma que eu tinha conseguido segurar meu orgasmo, mas quando a sua boca se moveu do meu peito para fora da


minha orelha e ele começou a sussurrar palavras, começou um espiral fora de controle. — Assim mesmo, amor. Assim mesmo. — ele respirou, não só se movendo mais rápido, mas mais duro agora. — Eu quero sentir você gozar, Luce. Meu corpo perdeu todo o controle, e eu era incapaz de contê-lo por mais tempo. Eu senti todos os meus músculos se contraírem em torno dele quando ele afundou dentro de mim mais uma vez, encontrando sua própria liberação. Meus gemidos começaram a escorrer ao redor do lenço, crescendo tão alto que Jude teve que cobrir minha boca com a mão. O corpo de Jude tremeu sobre o meu, enquanto o meu estava tremendo mais violentamente. Um brilho de suor cobria seu rosto quando ele levantou acima do meu. Mesmo que ele estivesse respirando rapidamente, ele ainda era capaz de sorrir. Ele desamarrou o lenço cobrindo minha boca antes de seus lábios tomarem o seu lugar. A maneira como ele me beijou, com tanta paciência e ternura, não ajudou a acalmar o meu corpo tremente. — Case-se comigo — disse ele no espaço entre nossas bocas. Graças ao êxtase no qual eu ainda estava nadando, esta questão não me colocou na borda como normalmente fazia. — Em breve. — eu respondi-lhe. Ele passou os dedos pelo meu cabelo e me deu um último beijo. — Vou aceitar isso. — disse ele, reunindo-me em


seus braços enquanto ele ficou confortável. — Essa é uma melhoria em relação a ‘algum dia’. Eu não sabia se em breve significava amanhã, ou no próximo mês ou no próximo ano, mas... — Droga, vocês dois. Isso foi malditamente quente. Jude e eu ficamos tensos ao mesmo tempo. — Como é que uma garota deveria conseguir dormir depois disso? — Indie continuou. Eu teria estado constrangida se eu não estivesse ainda no meu estupor pós-sexo. — Bons sonhos, uma vez que você o tiver. — eu respondi. Jude riu na parte de trás do meu pescoço, e, com os braços em volta de mim, eu estava dormindo antes mesmo que eu soubesse que eu estava caindo.


Capitulo 17

E

u pisquei os olhos e quando eu os abri de novo, o verão tinha passado por mim. Era o primeiro dia de aula do meu último ano.

Entre trabalhar mais de quarenta horas por semana, cuidar de LJ mais quarenta horas por semana, tomando mais um par de voos para visitar Jude, dando jantares de sexta-feira e noites de cinema, e tentando espremer um par de preciosas horas de dança todas as manhãs, eu senti que tinha um caso grave de mono. Depois da sexta à noite com fogos de artifícios de Jude e Anton, Anton apareceu somente quando Jude estava em San Diego. Foi uma jogada inteligente. No geral, Anton era um bom rapaz, e enquanto ele seguiu a minha regra e não falou de Jude, nós conseguimos passar a maioria dos dias. Graças ao trabalho que ele me deu, eu tinha sido capaz de construir um fundo de dia chuvoso decente, e nós ainda descobrimos uma maneira de me deslocar daqui a algumas horas durante o ano letivo. Jude não estava entusiasmado com a ideia, mas ele sabia melhor do que me empurrar sobre o assunto. Anton era meu chefe, irmão da minha boa amiga, um conhecido amigável. Nada mais. Depois

de

algum

malabarismo

criativo

no

meu

cronograma, eu ainda era capaz de ajudar Holly com LJ, e


Thomas era capaz de preencher as quartas-feiras, quando eu tinha uma aula de noite. Thomas e Holly são um casal, um casal quente, desde aquela noite em que eles descobriram que Thomas é hétero, ambos admitiram que estavam atraídos um pelo outro. Thomas tornou-se um elemento permanente no apartamento. Eu estava prestes a convidá-lo a mudar-se, mas estava preocupada com os problemas que poderiam surgir de compartilhar um banheiro entre quatro pessoas onde cada uma gostava de tomar banhos longos. Minha última aula do dia tinha terminado mais cedo, e como eu tinha algum tempo antes que tivesse que estar de volta para cuidar de LJ, fui para o estúdio de dança em White Plains. Eu quase não tinha chegado a ter tanto tempo para a dança como eu queria neste verão. Com o circo que a minha vida tinha se tornado, parecia que em algum lugar ao longo do caminho, as minhas prioridades tinham começado a mudar. Não necessariamente mudar, mas realinhar-se. Eu estava começando ter uma melhor compreensão sobre o conceito de que o mundo não gira em torno de Lucy Larson. Um conceito que eu ainda estava tentando trabalhar em minha mente. O estúdio estava vazio, e eu levei um momento para apreciá-lo. Momentos de quietude e solidão eram tão raros agora que eu saboreava-os. Era irônico como alguns meses atrás, tudo o que eu sentia era solidão, e agora eu ansiava por alguns minutos de solidão.


Eu amarrei os minhas pontas33 e levei o meu tempo no alongamento. Eu estava no meio de um trecho quadrangular quando o meu estômago revirou. Seguido por um aperto e um estrondo. Peguei meu estômago, esperando que isso fosse passar. Quando tudo girou, apertou, e o estrondo se repetiu, corri para fora do palco e fui para o banheiro dos bastidores. Eu não tinha vomitado em anos, mas eu acho que uma pessoa nunca se esquece da maneira que ela se sente enjoada antes que ela vomite. Essa foi uma série de acontecimentos desagradáveis que ficaram para sempre marcados em minha mente. Eu poderia provar a bile subindo na minha garganta enquanto eu corria para dentro do banheiro. Não havia um segundo a perder antes do meu estômago se apertar mais uma vez quando eu alcancei o vaso sanitário. Tossi e pairei ali, apenas no caso. Depois de um minuto tinha passado e eu estava bastante certa de que não haveria quaisquer réplicas, eu dei descarga antes de ir para a pia para ligar a torneira. Lavei minha boca e encharquei o rosto com água fria. Eu já estava me sentindo melhor em cada vez que eu secava meu rosto, mas eu não ia arriscar. Se eu tivesse contraído algo, era melhor cortar o mal pela raiz antes que piorasse. Troquei minhas pontas para as minhas sapatilhas, deslizei meu suéter por cima da minha camisa, e voltei para o Mazda. Eu ia tomar conta do LJ toda a noite, e estava 33

Sapatilha de ponta de ballet.


esperando para tirar uma soneca rápida antes de eu começar a ir 60 milhas por hora até dormir. Enquanto eu subia as escadas para o apartamento, o sentimento de revirar o estômago estava voltando. Até o momento em que eu estava destrancando a porta, ele voltou com uma vingança. Depois de mais uma corrida para o banheiro, eu quase não consegui a tempo de lançar-me pela segunda vez em uma hora. Felizmente eu não almocei, ou então este teria sido um calvário ainda mais desagradável. —

Lucy?

Holly

bateu

na

porta,

parecendo

preocupada. — Você está bem aí? Eu gemia quando o meu estômago revirou novamente. Desta vez, ele teve misericórdia de mim. — Eu estou bem se você considerar morrer como bem. — eu disse, perguntando-me por que a pia parecia tão longe. A porta se abriu e Holly entrou. — Onde está LJ? — perguntei, não querendo que o pequeno homem testemunhasse isso. O garoto nunca mais seria o mesmo. — Desmaiou debaixo da mesa. — disse ela, parecendo preocupada. — Você ficou doente? — O que te faz pensar isso? — Eu disse, feliz que eu tinha limpado o banheiro ontem, uma vez que o meu rosto estava descansando no vaso. Ela olhou para o banheiro, com


seu nariz torcendo. — Oh, droga. Desculpe. — eu disse, corando. Holly pegou uma toalha e correu um pouco de água sobre ela. Ajoelhou-se ao meu lado e envolveu-a em volta do meu pescoço. Foi legal e me fez sentir melhor imediatamente. — Eu devo ter comido algo ruim. —

imaginei.

Meu

estômago estava seriamente chateado comigo e revoltado. — Você comeu cereal Kashi no jantar na noite passada e sua maçã padrão no café da manhã. — disse ela, puxando meu cabelo para trás e trançando-o. — Eu não acho que seja algo que você comeu. — Então, deve ser algum tipo de vírus da gripe. — disse eu, começando a me sentir melhor. Por quanto tempo, eu não tinha certeza. — É o início de setembro, Lucy. Esta não é a temporada de gripe. — Ela colocou um laço em torno do fim do meu cabelo antes de deslizar a trança debaixo da minha camisola. — Então, eu devo ser uma das poucas afortunadas que pega essa leva de verão raro. — eu disse, não querendo falar sobre porque eu estava doente, mas como eu poderia ficar melhor. Rápido. Holly suspirou e deslizou ao redor até que ela estava olhando para mim. — Quando foi a última vez que você teve a sua menstruação?


Fiquei surpresa em primeiro lugar por sua pergunta, que era tão abrupta como aleatória. Dois segundos depois eu entendi aonde ela queria chegar. — Você acha que eu poderia estar grávida? — Agora, além de se sentir mal do meu estômago, eu me senti um pouco fraca, também. — Bem, não é como se você estivesse exatamente abstinente, Lucy. — disse ela. — Estou tomando pílula. — respondi, sentindo-me como se eu estivesse tentando convencê-la tanto quanto a mim

mesma.

Esqueci

uma

pílula

aqui

e

ali,

mas

normalmente eu era muito cuidadosa. — Sim, mas você perdeu a parte em que diz que a pílula é apenas noventa e nove por cento eficaz na prevenção da gravidez? — Sua voz era tão suave como Holly nunca tinha sido. Ela não estava dizendo isso para me chatear, mas chateada era do jeito que eu me sentia. — Mas às vezes nós usamos camisinha, também. — Apesar de muitas vezes não. — Então isso significa que às vezes não. — disse ela, agarrando minha mão. — Eu não sou médica, mas eu tenho certeza de que ‘às vezes’ não é uma garantia de que você não vai ficar grávida. Eu estava começando a entrar em pânico agora. Eu estava começando a suar frio, e minhas mãos tremiam,


porque eu sabia que o que Holly estava dizendo poderia ser uma possibilidade. Eu

estava

tomando

pílula, e

usamos camisinha

durante às vezes em que era suposto ser mais provável ficar grávida, mas ela estava certa: eu não estava abstinente, então, eu não poderia excluir a gravidez cem por cento, dado o jeito que eu estava me sentindo hoje. Por mais que eu quisesse. — Quando foi sua última menstruação? — Ela perguntou de novo. Eu não conseguia pensar. Eu mal podia respirar por isso me levou um tempo para responder. — Um... um par de meses atrás. Eu acho. — Isso não estava acontecendo. Não podia ser. — Mas eu não menstruo todo mês. É irregular. — Era uma coisa comum para os dançarinos ter períodos esporádicos, ou até mesmo parar completamente. O estilo de vida, combinado com o baixo teor de gordura do corpo, realmente mexia com os nossos ciclos. — Sim, mas você ainda tem o seu período, de modo que você pode estar grávida. — Holly fugiu em direção a pia e puxou uma das gavetas. Remexendo-a, ela tirou uma caixa de papelão rosa e branca. — Só há uma maneira de saber com certeza. Essa coisa toda ficou ainda mais surreal quando Holly acenou o kit de gravidez na minha frente.


Eu balancei minha cabeça. — Eu não acho que posso fazer isso. — Uma parte de mim já sabia que Holly provavelmente estava certa, e eu não estava pronta para isso ser confirmado. Eu não estava preparada para pensar em como minha vida mudaria totalmente e para sempre de todas as formas. Ela abriu a caixa e tirou um pedaço de palito branco. — Eu vou ajudá-la. Eu não sei quanto tempo eu olhei para essa vara branca, mas Holly tinha que me ajudar, porque eu não era capaz de me mover. Depois de me dizer o que fazer, ela esperou comigo enquanto eu fiz xixi no teste. Um teste que parecia que estava segurando a minha vida inteira na balança. Como todos os meus sonhos e esperanças, e meu futuro repousava sobre o resultado de uma ou duas linhas cor de rosa. Depois de nivelá-lo, Holly colocou-o na pia. — Temos que esperar dois minutos. Dois minutos poderiam muito bem ter sido duas décadas. Eu queria dar uma espiada tanto quanto eu não queria. Holly abraçou-me o tempo todo, esfregando a parte de trás do meu pescoço e acariciando minhas costas. Era em momentos como estes que você ficava mais grata por seus amigos, porque não havia nenhuma maneira que eu pudesse ter passado por isso sem ela.


— Ok, eu acho que é hora. — disse ela, dando à minha trança um puxão suave. — Apenas me diga. — eu disse, fechando os olhos. — Eu não posso olhar. — Tudo bem, Lucy. — disse ela. Ouvi-a colocar a vara em cima do balcão. Ela quase engasgou, mas saiu como uma sirene em meus ouvidos. — Lucy... você está... Eu abri meus olhos no último minuto. Duas linhas cor de rosa. — Grávida. E, então, eu desmaiei.

As vozes ao meu redor pareciam que estavam vindo através de um túnel. Eram todas ecos. Eu queria abrir meus olhos, mas eu não podia. Não porque estavam pesados, mas mais porque eles se sentiam como se tivessem sido grudados fechados. Eu queria fugir da escuridão, mas eu não podia. E então eu ouvi um nome. Isso era tudo que eu precisava para chutar através da escuridão. — Temos que chamar Jude. — disse uma voz masculina familiar. — Sim. Sim, está bem. Vou pegar meu telefone.


Este foi o impulso final que eu precisava para abrir os olhos. — Não. — eu disse minha voz quebrando. — Não ligue para ele. Eu estou bem. — Eu estava deitada no sofá, e minha cabeça estava apoiada em um par de almofadas. Holly e Thomas pairavam sobre mim, olhando para mim, como você imagina que alguém iria olhar para um cadáver. — Quando você chegou aqui, Thomas? — Eu tentei sentar, mas o meu corpo não estava querendo nada disso. — Apenas um par de minutos atrás. Eu estava pensando em levar Holly para o trabalho. — disse ele, ajoelhando-se diante de mim. — Mas é uma coisa boa que eu estava adiantado e estar acostumado a carregar você, ou então você estaria acordando no chão do banheiro frio agora mesmo. — Um pequeno sorriso se formou, mas não tocou seus olhos. — Você sabe? — sussurrei. Eu não podia dizer a palavra. Eu nem sequer me deixava pensar nela, mas eu podia sentir a palavra fazendo o seu caminho sinuoso através da minha mente. Isso era tudo o que eu via quando eu pensava sobre o meu futuro. — Sim, Lucy. — ele disse, pegando minha mão. — Eu sei. Holly não disse nada, mas era meio difícil ignorar o teste de gravidez positivo em cima da pia.


Mordi o lábio, duro, esperando que isso mantivesse as lágrimas contidas. Meu método testado e aprovado estava falhando comigo. Holly se ajoelhou ao lado de Thomas. Seus olhos estavam vermelhos como eu imaginei que os meus estavam. Ela segurou o telefone para cima. O número de Jude estava na tela, junto com sua imagem. — É preciso ligar para Jude. Ele precisa saber o que está acontecendo para que ele possa estar aqui com você. — Não. — eu disse, balançando a cabeça. — Agora não. — Sim. Sim, agora. — disse Holly, segurando o telefone para mim. — Ouça Lucy, eu sei que você está assustada como a merda e confusa como o inferno, mas Jude vai ajudála a passar por isso. Você precisa dele para ajudá-la a passar por isso. E eu sei por experiência própria que Jude é uma boa pessoa para se apoiar neste tipo de situação. — Que tipo de situação é essa? — Eu disse, virando para o meu lado para que pudesse olhá-la de frente. — A situação não planejada da gravidez? Ou a situação eu-sótenho-vinte-e-um-anos?

Talvez

a

situação

eu-não-sou-

casada? E não vamos esquecer-nos da situação meu-futuroarruinado. — estava em uma perda de palavras prépassagem, mas agora eu não conseguia dizer o suficiente. — Mãe? — LJ enfiou a cabeça para fora do quarto. — Posso sair já?


— Não! — Thomas e Holly responderam ao mesmo tempo. — Eu vou ficar com o homenzinho. — Thomas disse, dando um aperto de mão antes de pressionar um rápido beijo nos lábios de Holly. — Vocês, meninas, não precisam de mim aqui para oferecer soluções de qualquer maneira. — Tia Luce? Você está bem? — O doce pequeno rosto de LJ estava enrugado com preocupação. A resposta para isso eu não poderia dar a uma criança de três anos de idade, então, menti. — Sim, LJ. Eu estou bem, amigo. — Oh. Lucy? — Thomas parou abruptamente e estalou os dedos. — Só pra constar, eu acho que você seria o inferno de uma boa mãe. — Esse mesmo pequeno sorriso apareceu novamente, mas desta vez foi refletido em seus olhos também. Antes que eu pudesse responder, ele estava entrando no quarto para ocupar LJ enquanto Holly e eu discutimos o que ela estava pensando em discutir. A coisa é que eu não estava em um estado de espírito de falar. Eu necessitava processar. Eu precisava pensar. E, então, talvez pudéssemos discutir. — O que está acontecendo aí dentro, Lucy Larson? — Perguntou Holly, batendo na minha cabeça.


— Um monte de tudo e um monte de nada. — eu disse, perguntando-me se eu caísse de volta dormindo, eu poderia acordar e descobrir que tudo isso foi um enorme pesadelo. Holly suspirou e se sentou no chão ao lado do sofá. — O que você vai fazer? Eu não podia pensar nisso agora. Eu não queria pensar nisso nunca. Mas eu sabia que teria que enfrentar não só essa pergunta, mas respondê-la. — Eu não sei. — E quando é que você vai dizer para o Jude? — Ela começou a acariciar o topo da minha cabeça de uma forma que minha mãe costumava fazer quando eu era pequena e tinha medo dos monstros que eu estava convencida que estavam à espreita debaixo da minha cama. — Eu não sei. Holly exalou. — Como você se sente? — Eu não sei. — estava vendo uma tendência em desenvolvimento nas minha respostas. Eu sabia um monte de nada. Tudo o que eu sabia era que eu me sentia confusa e assustada e perdida. — Eu sei que está acontecendo tudo muito rápido, que você não teve tempo para processar ainda, Lucy, e eu posso ver o quão aterrorizada está agora, mas você é forte. Você é mais forte do que eu, e eu sei que isso provavelmente não vai consolá-la, e talvez eu seja todos os tipos de idiota mesmo por


dizer isso, mas se eu posso criar uma criança, eu sei que você pode também. Você tem Jude, e sua família e amigos, e... — E não há futuro. — eu interrompi, vendo todos os capitulos que eu ainda experimentaria na vida em chamas. Como eu poderia dançar quando eu tinha uma barriga redonda e grande? Como eu poderia dançar e viajar pelo mundo com um bebê no meu quadril? O que eu tinha trabalhado pra caramba para em um ano antes de eu concluir a graduação de uma escola de dança de prestígio, acabar grávida? — Como você pode dizer que você não tem futuro? — Holly disse, parecendo insultada. — Você tem o tipo de futuro que a maioria das pessoas sonha. — Um futuro que a maioria das pessoas costuma sonhar. — Espere. Você está dizendo que porque você vai ter um bebê, toda a sua vida está em ruínas? Parecia que era o que eu estava dizendo, mas eu estava muito malditamente confusa para ter certeza. — Porque, sim, um bebê vai mudar as coisas, mas isso não vai acabar com sua vida. Eu não tinha certeza se acreditava nela. — Eu amo que você esteja aqui para mim e está tentando me fazer sentir melhor, Holly. Eu realmente o faço.


Mas eu meio que só preciso de algum tempo para ficar sozinha e resolver minhas merdas. — eu disse. — Tudo bem? Parecia que ela queria discutir comigo, mas conseguiu controlar-se. — Eu vou pedir a Thomas para levar LJ hoje, assim, você pode ter um pouco de paz e tranquilidade. — disse ela. — E, então, amanhã eu e você vamos encontrar um médico e fazer uma consulta, porque não sei se você está com quatro semanas ou quatro meses. — Eu estava a ponto de desmaiar novamente, pensando que eu poderia estar grávida de quatro meses. Certamente, a vida não seria tão cruel. Eu precisava de tanto tempo quanto possível para envolver minha mente em torno desta granada que tinha acabado de explodir na minha vida, e só cinco meses e meio não seriam suficientes. — E, depois disso, vamos descobrir uma maneira de dar a notícia a Jude e... — Holly. — agarrei o braço dela. — Muita coisa, muito rápido. Eu preciso de algum espaço para respirar. — Você está certa. — disse ela, levantando as mãos. — Eu só vou te dar um abraço gigante — ela colocou os braços em volta de mim e me deu um abraço extremamente grande. — E então eu vou pegar os meninos e vamos sair daqui. — Obrigada, Holly. — eu disse, encolhendo-me mais fundo no sofá. — Por tudo.


— Sabe, Lucy, só pra constar, eu estou na mesma página com Thomas. — disse ela, descendo o corredor. — Eu sei que você vai ser uma mãe incrível. Tentei devolver o sorriso dela, mas eu não poderia fazêlo. Tudo o que eu conseguia pensar era em sonhos despedaçados. Tudo o que eu podia ver era o rosto chocado de Jude quando eu lhe dissesse que estava grávida. Eu estava chorando em silêncio no meu travesseiro antes da porta se fechar atrás de Holly, Thomas, e LJ.

Eu vivi de bolacha água e sal e refrigerante de limão durante uma semana. Meu estômago estava incapaz ou sem vontade de deixar qualquer coisa descer. Essas foram as primeiras coisas que eu pedi quando eu entrei no avião na manhã de domingo, e a aeromoça me deu um sorriso, dizendo-me: ‘Isso fica melhor’, e manteve os biscoitos chegando. Eu passei todo o voo tendo apenas uma pausa para vômito no banheiro, e felizmente, o motorista que encontrei no aeroporto para me levar ao Qualcomm Stadium mantinha um saco de papel no banco de trás para fins de emergência. Eu tive uma emergência.


Era o primeiro jogo de Jude da temporada, e quando ele tinha comprado o bilhete para mim, ele queria fazê-lo durante todo o fim de semana. Mas eu pensei que eu estaria dançando em uma produção na escola no sábado à noite, e eu tinha aula na segunda de manhã, assim, eu estava fazendo uma viagem de Nova York para San Diego e de volta em um dia. Eu não tinha dançado na noite passada. Eu não tinha nem ido e aplaudido a menina que tinha sido a minha substituta. Eu estava em uma espécie de ‘estado delicado’. Depois de marcar uma consulta para mim, deixandome lá, e, basicamente, empurrando-me para a sala de espera, Holly fez com que eu visse uma ginecologista na quinta-feira. Depois de cutucar, cutucar, e um ultrassom rápido, ela foi capaz de determinar de quanto tempo eu estava. Quase quatro meses nesse dia. Apenas quando eu pensei que não tinha mais lágrimas dentro de mim, naquele dia, na sala de exame, eu provei a mim mesma que estava errada. Eu ainda não tinha dito nada a Jude. Na verdade, eu estava tentando evitar seus telefonemas durante toda a semana. Eu só não acredito que se ele me pegasse no telefone por muito tempo, ele não seria capaz de descobrir qual era o problema comigo. Por isso, mandei muitas mensagens, e o tempo ajudou bem, porque ele estava loucamente ocupado se preparando para seu primeiro grande jogo.


Foi assim que eu tinha convencido Holly a manter a boca fechada, quando deixei a minha consulta na quintafeira. Ela insistiu que Jude precisava saber. Tipo, agora. Ela disse que ele precisaria de tanto tempo como eu para se acostumar com a ideia de ser pai em menos de seis meses. Isso tinha, é claro, começado um novo lote de lágrimas. Eu culpava meus hormônios pelas minhas emoções, mas eu sabia que apenas desempenharam um papel muito pequeno. Eu disse à Holly eu não poderia dizer a Jude um par de dias antes que ele estivesse jogando seu primeiro jogo como quarterback na NFL que eu estava grávida. Fale sobre bagunçar o jogo de um cara. Holly tinha visto a razão nisso, mas insistiu para que eu dissesse a ele na semana seguinte, ou, ela me ameaçou que iria dizer-lhe ela mesma. Eu tinha comprado tempo, mas não muito. Enquanto eu não queria mexer com a cabeça de Jude bem antes do jogo, era mais uma questão de não saber o que eu diria para ele. Uma garota não acaba de descobrir que estava grávida aos vinte e um anos e se acostuma com a ideia em poucos dias. Passei por quase todas as fases de enfrentamento: medo, raiva, depressão, incerteza e tudo mais. Às vezes, eu tenho uma pontada de emoção, - eu estava tendo o bebê de Jude, afinal de contas, - mas então eu tinha uma pontada da realidade. Eu tinha estado em um passeio de montanharussa emocional no tempo de uma semana, e estava exausta. Eu estava tão cansada que eu desmaiei na segunda metade da viagem para o estádio. O motorista teve que me


acordar e me lembrar de onde eu estava. Era oficial. Eu era um desastre. Quando eu estava fazendo meu caminho através das portas, eu recebi uma mensagem de texto de Jude. VOCÊ JÁ ESTÁ AQUI? Seguindo o porteiro para onde quer que eles deixem as esposas e namoradas dos jogadores, eu mandei uma mensagem para ele de volta. ACABEI DE CHEGAR. VOCÊ ESTÁ NERVOSO? Sorri quando recebi sua resposta. NÃO MAIS. Seguindo o porteiro em um elevador, digitei a minha resposta. TÃO ORGULHOSA DE VOCÊ, AMOR. CHUTE ALGUNS TRASEIROS LÁ FORA. Sua resposta veio imediatamente. TE DIGO O MESMO. VOU CHUTAR SIM. AMO VOCÊ, JUDE. AMO VOCÊ, LUCE. Eu não sei como ele teve tempo de enviar mensagens de texto, já que o jogo estava marcado para começar em poucos minutos, mas eu sabia desde o início que Jude fazia o que Jude queria. Era bom ter um sorriso em meu rosto. Um real. Poderia não ganhar nenhuma fita azul para o maior ou o melhor, mas era um genuíno. Aquele sorriso fugiu no momento em que o porteiro me acompanhou até uma grande sala forrada com


janelas. O campo de futebol parecia que era uma milha abaixo de nós. E se eu tivesse confundido uma boate por um estádio de futebol? A maioria das mesmas mulheres com as quais eu estava saindo durante todo o verão, e algumas caras novas, andava pela sala, bebendo seu champanhe ou água com gás, usando vestidos e saltos. Elas tinham posto suas joias suntuosas e suas maquiagens de noite. Eu estava usando o meu padrão de vestuário de dia de jogo: legging preta, botas de montaria, e uma camisa com nome e número de Jude nas costas. Eu parecia uma caipira em comparação com essas Glamazonas34 da Rodeo Drive. Após os olhares iniciais, ninguém reparou em mim enquanto eu caminhava pela sala. Bem, elas me notaram, mas elas tentaram manter os narizes empinados e sua expressão ‘que porra é essa?’ para elas mesmas. Tudo o que eu queria fazer era assistir a um jogo de futebol, torcer por Jude, e esquecer sobre a minha vida por algumas horas. Eu queria desaparecer na multidão. Desvanecimento não estava nas cartas quando você aparece aparentando como se estivesse indo para uma festa do pijama, quando todo mundo estava indo para uma festa da Miss Janeiro na Mansão Playboy. Peguei uma garrafa de

34

Glamorosas + Amazonas.


água do final da mesa que estava repleta de alimentos e bebidas, e segui para a cadeira final no canto. Obriguei-me a esquecer sobre a sala e todos nela e focar no jogo. Achei Jude imediatamente. Era engraçado como ele finalmente misturou-se com os jogadores. No colégio, ele parecia um gigante híbrido no campo. Na faculdade, ele ainda tinha alguns centímetros e umas boas vinte libras a mais que um monte de jogadores, mas agora, lá no campo com os melhores do país, ele era equivalente. Eu quase me levantei e comecei a torcer, mas me contive. Ninguém aqui estava torcendo. Ninguém estava nem mesmo vendo. Claro, o pontapé inicial não tinha acontecido ainda, mas um levantamento das arquibancadas mostrou que as pessoas estavam buzinando e gritando, porque isso era exatamente o que você faz em um jogo de futebol, a partir do momento em que você entra no estádio até o momento em que o deixa. Eu sabia que deveríamos ter os melhores assentos da casa aqui, mas eu tinha ciúmes até das fãs se esgoelando lá embaixo. Tenho que falar com Jude e ver se ele poderia me arranjar alguns bilhetes nas arquibancadas. Eu sentia falta do meu banco da frente e no centro, onde eu poderia gritar o nome dele e fingir que ele me ouvia. Eu senti falta de ver sua bunda ajustadas ao shorts de perto, e eu sabia que ia sentir falta do nosso beijo pós-touchdown ainda mais. Um minuto mais ou menos antes do apito inicial, a porta se abriu e um rosto familiar apareceu dentro — E aí


vadias? — Sybill disse, enchendo a sala com a sua voz e energia. Fui capaz de liberar a respiração que eu estava segurando por não sei quanto tempo. Cumprimentando algumas das meninas enquanto se dirigia para a mesa de comida, ela parou quando me viu. Eu acenei. — Que diabos você está fazendo escondida no canto, Lucy? — Disse ela, pegando uma coca da mesa quando ela atravessou a sala em minha direção. Outro sorriso, um real, floresceu quando eu chequei seu guarda-roupa: calça jeans, tênis e uma camisa. — Essas cadelas te puseram de escanteio por suas ofensas de moda? — Ela piscou quando ela se sentou ao meu lado. — Quero dizer, vamos lá. O que você está pensando, aparecendo em um jogo de futebol sem o seu melhor vestuário de sábado à noite? Foi uma risada que eu acabei de ouvir? Vinda de mim? Não podia ser. Eu não tinha estado em um humor de rir durante toda a semana. — Yeah. Meu erro. Acho que da próxima vez, eu vou ser banida para as arquibancadas com o restante dos desastres de moda. — Isso soou com um pouco de humor. Seria a Lucy Larson sarcástica fazendo um retorno? Eu queria me levantar e dançar. E então me lembrei de que eu tinha que dar uma pausa. Porque eu estava grávida. Ordens do médico.


O sorriso e o sarcasmo nunca tinham desaparecido tão rapidamente. Jurava que eu podia sentir a minha barriga crescendo sempre que eu lembrava que havia algo lá dentro. — Você está animada? — Perguntou Sybill, cutucandome quando ela abriu sua coca. — Yeah. Animada, nervosa, nomeie como quiser. — eu disse. — Sim, somos sempre nós que nos preocupamos muito. Os caras estão tranquilos como pepinos lá fora. — disse ela. — Mas não se preocupe. Eu assisti o aquecimento de Jude, e o menino está preparado e pronto para nos levar a um e zero esta noite. — Você foi vê-los se aquecer? — As crianças e eu sempre aparecemos uma hora antes do jogo para ver os jogadores ficarem prontos. — Você trouxe as crianças? — Voltei-me no meu lugar, à procura de um punhado de munchkins35. — Onde eles estão? — Se Deus quiser, eles ainda estão em seus lugares ouvindo a minha mãe. — disse ela. — Mas provavelmente estão a ponto de saltar no campo e pedir para o pai deles cantar 'We Are the Champions'. — Ela tomou outro gole de

35

Personagem do livro Terra de Oz.


refrigerante. — Não que isso tenha acontecido na temporada passada... — Espere — peguei o braço dela — você se senta nas arquibancadas? — Na fila da frente, baby. — ela disse com orgulho. — Por escolha? — Principalmente. Mas seria tão engraçado ver a expressão no rosto dessas cadelas se eu arrastasse meus quatro pequenos atrapalhados aqui, eu poderia fazer isso uma vez para me divertir — disse ela, olhando para algumas das meninas e agitando sua cabeça. — Isso tudo é um pouco demais ‘Cidade Esmeralda’ para mim, sabe? Eu sou mais o tipo de garota jeans-e-hot-dog. — Sybill, eu sei que isso pode parecer precipitado, uma vez que eu conheci você há pouco tempo, mas eu te amo. — eu confessei. — Você se importaria se eu me sentasse com você em futuros jogos? — Eu adoraria uma pequena companhia que não fosse a minha mãe ou a minha desova. — Legal. Vou falar com Jude sobre eu marcar alguns bilhetes com você, porque eu não acho que posso lidar com a brigada da Barbie pelo resto da temporada. — Tenho certeza de que ele não vai ter um problema arranjando para você um bilhete. Deon iniciou-me aqui também. — Ela riu, parecendo perdida em uma memória. —


Deus sabe que eu amo esse homem, mas às vezes ele é simplesmente muito malditamente superprotetor. — Eu conheço o sentimento. — Jude disse que você esteve muito ocupada esta semana, estando de volta à escola e tudo mais. Como você tem passado? O sistema hidráulico começou a se torcer. Que uma questão pudesse me reduzir a uma confusão de choro era mais uma prova de que eu era um naufrágio emocional hormonal. — Não está ruim. — eu disse, olhando para longe. — Mas não tão ótimo também, né? — Perguntou Sybill. Eu tinha ido de estar feliz ao vê-la para desejando que ela fosse embora, no espaço de algumas perguntas. — Não é tão ótimo também. — eu admiti. — Então... — Ela se retorceu em seu assento para me enfrentar. Seus olhos caíram para o meu estômago. — De quanto tempo você está, querida? Eu não tinha certeza se foi a minha boca ou as minhas lágrimas que caíram primeiro. — Está tudo bem, querida. — disse ela, pegando a minha mão. — Como você sabe? — perguntei, olhando ao redor da sala. Ninguém estava prestando atenção em

nós. Eu


duvidava que elas prestassem atenção em nós mesmo se eu ficasse nua e começasse a fazer polichinelos. — Estive grávida tantas vezes na minha vida, Lucy, que eu posso dizer quando uma mulher está grávida antes que ela possa. Olhei para o meu estômago. Eu não estava mostrando. Ainda. Mas eu estaria em breve. O médico disse que eu poderia esperar um surto de crescimento começando no próximo mês. Mesmo se eu quisesse, eu não seria capaz de manter isso em segredo por mais tempo. — Então? — Ela perguntou quando fiquei quieta. — Estou de quase quatro meses. — eu disse, sentindome mais leve só de ter admitido a alguém. — E eu entendo que desde que Jude não estava se vangloriando e falando sobre o pequeno precioso bebê antes, ele ainda não sabe? Eu balancei minha cabeça. — Isso faz de mim uma pessoa horrível? — Oh, Lucy, claro que não, querida. — Sybill envolveu o braço em volta dos meus ombros e enfiou minha cabeça debaixo de seu queixo. Ela não poderia ter mais do que dez anos a mais do que eu, mas o gesto foi tão estimulante, ficou claro que ela tinha sido mãe por um tempo. — Isso faz de você uma pessoa assustada. Uma pessoa preocupada. Mas não uma horrível. Nem perto disso.


— Então, por que me sinto como uma pessoa horrível? — Eu disse, sufocando um soluço. — Você se sente assim porque está grávida ou porque não disse para Jude ainda? — Ela continuou a manter-me perto e não me deixava afastar. Eu parei de tentar. — Ambos. — admiti. — Posso perguntar por que você não disse a Jude ainda? — Eu realmente não sei. — eu disse. — Estou com medo de dizer a ele, eu acho. Estou com medo de qual sua será reação. Estou com medo de que seus sentimentos possam mudar. Estou com medo de que ele pode não estar pronto para ser pai ainda. Estou com medo que ele não vá querer uma gorda da faculdade quando ele é... — Eu acenei para baixo no campo, onde o pontapé inicial estava começando. — Tudo o que ele é. Sybill suspirou enquanto derramei algumas lágrimas. Quando deveria ter estado de pé aplaudindo, estava enrolada em torno de si, uma tentando manter a outra junta. — Sei o que é ter medo, Lucy. Deus sabe que eu sei — disse ela, observando o campo comigo. — Vou lhe contar uma história. Não é nenhum conto de fadas, mas tem um final feliz. E eu sou uma espécie de especialista sobre ela, já que é a minha história. — Ela fez uma pausa e tomou um gole de refrigerante. — Deon e eu nos conhecemos quando estávamos na faculdade. Senhor, eu amava aquele homem no momento


em que o vi, mas... Ele não exatamente me via. Não num primeiro momento, de qualquer maneira. — disse ela, rindo de si mesma. — Uma noite, nós dois estávamos na mesma festa, e graças à minha prima que me emprestou um vestido pequenino e me mostrou o que era rímel, Deon e eu acabamos

dançando.

Depois

de

algumas

danças,

nós

estávamos nos beijando. E depois do que pareceram algumas horas

nos

beijando,

estávamos

perdendo

roupas

e

procurando um quarto vazio. Fizemos sexo naquela noite. Foi a minha primeira vez, e eu estava meio que horrorizada na manhã seguinte porque tinha sido com um cara que eu mal conhecia, durante uma festa selvagem bêbada. Ela estava certa: Isso definitivamente não estava soando como um conto de fadas, mas eu adorei. Amei a sua história. Eu amei a forma como sua voz era toda mole quando ela disse isso. — Eu fiz da minha missão evitar Deon a todo custo depois que acordei naquela manhã. E funcionou. Por todo um dia. — Ela riu. — Esse rapaz foi em uma cruzada perguntando a quem passasse se sabia quem era a menina com a qual ele tinha estado na noite anterior. É claro que muito poucos em seu círculo íntimo sabiam, porque eu era uma perdedora em seu status de elite. Ele secretamente ‘correu’ para minha prima na cafeteria naquela noite, e ela deu-lhe o número do meu telefone, o dormitório onde eu morava, meu aniversário. Inferno, praticamente tudo, exceto o meu número de seguro social. Assim, ele apareceu na


minha porta, flores na mão, com aqueles enormes olhos de cachorrinho dele, pedindo-me para deixá-lo me levar para sair em um encontro. Um encontro de verdade. Eu estava começando a sorrir neste momento. Deus, essa história era diferente, mas a mesma que a minha e de Jude. — Então, nós saímos em nosso primeiro encontro, e um segundo e um terceiro. Começamos a passar cada minuto livre que tínhamos juntos. Era algo que eu sabia que era especial, algo que eu sabia que era para durar para sempre. Dois meses depois, Deon foi convocado. Estávamos em êxtase, e ele me pediu em casamento no mesmo dia. Eu estava vivendo o sonho de toda menina, tanto quanto eu estava preocupada, e então descobri que estava grávida. Yep. Isso era muito semelhante à minha história e de Jude. Tanto que eu quase me belisquei para ter certeza de que não estava sonhando. — Eu tinha certeza de que Deon ia me deixar. Por que ele quereria ser amarrado a uma menina grávida quando acabara de assinar um grande contrato com a NFL? Eu não contei a ele em primeiro lugar. Não queria que o conto de fadas chegasse ao fim. Eu não lhe disse até que comecei a aparentar. Lembro-me de estar tão assustada que quase desmaiei. — Mais algumas lágrimas escaparam dos meus olhos. — Eu disse a ele na noite após o seu primeiro jogo. Eu até tinha um ‘adeus’ pronto para ser recitado. E você sabe o que ele disse logo depois que eu lhe disse? Quais as primeiras


palavras que saíram de sua boca quando eu lhe disse que sua namorada de dezenove anos de idade, com a qual ele estava há cinco meses, estava grávida? — Sybill deve ter começado a chorar ao longo do caminho, também, porque eu senti uma lágrima caindo na minha testa. — Ele disse, 'Eu sempre quis ter uma família grande. Acho que é uma coisa boa que começamos mais cedo’. — Ela balançou a cabeça e riu. — Então, ele me disse que me amava e nos casamos um mês mais tarde. E, dez anos e quatro filhos depois, o resto é história. — disse ela, varrendo a mão para baixo em direção ao campo. — Você teve que sair da faculdade? — perguntei, percebendo que Sybill era a melhor possível pessoa que eu poderia pedir conselhos. — Deixei a faculdade porque eu queria estar com Deon e passar mais tempo com o bebê. Mas fui capaz de fazer cursos on-line e consegui meu diploma ao longo do caminho. — Você nunca se arrependeu? — sussurrei. — Ficar grávida? Abandonar a faculdade? Desistir de seus sonhos? — Nem um único dia. — disse ela. — Eu nunca me arrependi de nada. Não vivo me lamentando, Lucy. É venenoso. Lutei por certas coisas que senti que tinha que lutar. Eu perdi? Claro que sim, perdi. Mas, se eu empilhar tudo o que eu sinto que eu perdi e comparasse com tudo o que ganhei ao longo do caminho, há um pequenino monte de o-que-poderia-ter sido parado na sombra de uma torre sem fim de o-que-tem-sido.


Eu já não estava chorando uma lágrima ocasional. Eu era uma bagunça chorosa quente. — Sim, eu já perdi coisas. Mas a vida é assim, Lucy. É o que eu não perdi que conta em meu livro. Quando olho para o rosto da minha família, eu sei que não mudaria absolutamente nada se eu tivesse escolha. — Então, você está dizendo que eu deveria ficar com o bebê, dizer a Jude, e devemos criá-lo juntos? — perguntei entre soluços. Eu não tinha certeza se alguém notou a menina chorando no canto, e eu não teria me importado neste momento. — Não, eu não estou dizendo isso. Você é a única que pode tomar essas decisões, — disse ela, — Mas eu sei que quando você estiver pronta para tomá-las, você vai tomar as decisões corretas para você. Eu não sabia quem ou qual entidade divina trouxe Sybill até o camarote esta noite, mas eu estava agradecendo a quem quer que fosse. Eu me senti um milhão de vezes melhor e mil quilos mais leve. Eu não tenho as respostas, mas eu não estava mais com medo delas. — Obrigada, Sybill. — eu disse, enxugando os olhos com as costas do meu braço. — Eu mencionei que te amava mais cedo, né? — De nada, menina. — disse ela, dando aos ombros mais um aperto antes de subir. — E eu vou mandar um monte de amor de volta para você. Agora, eu realmente tenho


que encontrar a minha mãe antes que ela tenha um colapso nervoso, mas se você quiser conversar, é só me dar um toque, ok? Eu balancei a cabeça. — Ok. — Você está bem? — Disse ela, olhando ao redor da sala. O jogo tinha começado, e ainda ninguém estava olhando. A misericórdia era que ninguém estava me olhando também. — Sim, eu estou bem. — Pela primeira vez esta semana, foi a única vez que eu tinha respondido a esta pergunta sem mentir. — Espero te ver com a gente no próximo jogo. Você entendeu? — Disse ela, agarrando outra coca enquanto se dirigia para a porta. — Preciso de toda a ajuda que puder conseguir. — Eu estarei lá. — eu disse, — E eu sou malditamente boa com crianças. Sybill me deu um sorriso. — Eu posso imaginar isso, Lucy Larson. Eu posso imaginar isso. — Ela lançou um aceno antes de sair. Todo mundo ainda estava ocupado falando sobre o que era tão importante que não poderia ser interrompido para assistir ao jogo de futebol, e, enquanto eles estavam todos agrupados em torno da mesa da comida, ninguém comia nada.


Meu

estômago

roncou.

Bolachas

água

e

sal

e

refrigerante não eram uma dieta especial de enchimento. Pela primeira vez esta semana, tive um desejo quando meus olhos pousaram

na

fruteira.

Eu

sabia

que

eu

poderia

me

arrepender, mas eu queria uma maçã. Levantando-me, passei por alguns corpos para chegar à minha cobiçada maçã. Eu fiz meu caminho de volta para o meu lugar ao mesmo tempo que Jude entrava no campo. Eu esqueci a maçã. Eu esqueci tudo, exceto ele agachando na posição. Não parecia possível que quatro anos atrás, ele tinha sido um relutante jogador de ensino médio, e ali estava ele, prestes a fazer seu primeiro jogo no grande campeonato. Lembrei-me de respirar. O central caminhou; Jude pegou sem esforço e parou por alguns segundos, dando tempo aos receptores para entrarem em posição. Seu braço estalou de volta e quando ele lançou a bola, eu comecei a gritar. Torcendo. Tinha uns bons segundos de tempo de espera, mas eu sabia que iria pousar exatamente onde Jude pretendia que pousasse. Eu assisti suficientes jogos dele para saber que ele raramente, ou nunca, perdia sua marca. Quando a bola caiu nos braços do receptor nas vinte jardas, eu gritei ainda mais alto. Eu era a única torcida, eu era a única a fazer barulho, mas não estava preocupada com isso. Jude tinha apenas


jogado sua primeira partida pela NFL, um cara que tinha apenas como objetivo ficar fora da prisão na escola, e lá estava ele agora, vivendo o sonho, sendo observado e celebrado por milhões de pessoas em todo o país. Outra lágrima escorria do meu olho. Enquanto ele se transformou

em

um

deus

do

futebol,

eu

tinha

me

transformado em uma seiva emocional. Quando eu parei de torcer por tempo suficiente para recuperar o fôlego, senti todos os olhos da sala em mim. — Vocês viram isso? — perguntei ao grupo, acenando para o campo. Eu não esperei por uma resposta. Eu tinha um jogo para assistir. Eu não parei de torcer. Eu sabia que nunca estaria de acordo com o que esta Cidade das Esmeraldas considerava normal, e o que era mais importante para mim era que eu nunca quis isso.


Capitulo 18

E

u estava sentada ao lado do homem mais falado do país esta noite. Depois de completar quatro passes

de

touchdown,

sem

ter

uma

única

interceptação durante o jogo todo, e levando seu time à vitória que os analistas diziam precisar de um milagre parecido com a ressurreição, Jude Ryder tinha provado a si mesmo dez vezes mais em seu primeiro jogo da NFL. Ele tinha se tornado um herói nacional hoje, mas ele ainda envolveu seu braço sobre mim, enquanto fomos para o aeroporto em sua caminhonete, como se ele fosse o mesmo antigo bad boy de Southpointe High. Eu estava exausta, mas isso tinha valido muito a pena, fazer essa cansativa jornada de um dia, e eu sabia que era muito importante para Jude. Principalmente porque ele não tinha parado de me dizer isso. — Eu já te disse quão orgulhosa estou de você? — eu disse, desejando que todas essas luzes perto não fossem o aeroporto. — Só cinco minutos atrás. — seus braços apertaram em volta de mim. — Obrigada por vir. Isso apenas não é o mesmo quando você não está aqui para me assistir jogar, Luce. — Isso significa muito para mim, também.


— Você confirma sua presença daqui duas semanas a partir de agora? Não temos jogo no próximo fim de semana, mas temos outro jogo em casa no seguinte. — Eu estarei lá. — eu disse, pensando que essa seria a oportunidade que eu usaria para dizer a Jude sobre estar grávida. Eu não queria fazer isso por telefone, e eu não estava nem um pouco pronta para dizer a ele hoje. Mesmo se eu estivesse pronta, não havia literalmente nenhum tempo. Quando nós chegamos ao aeroporto, eu seria sortuda de ter uns poucos dez minutos antes de ter que começar fazer meu caminho para o meu portão. Esta era uma notícia que eu não queria apressar. Eu não queria sentir como se eu estivesse correndo contra o relógio para deixar sair. Eu queria todo um dia se nós precisássemos disso, para falar as coisas, ou não falar nada e apenas estar um com o outro enquanto nós processávamos o desvio que nossas vidas estava tomando. — E você poderá ficar aqui por todo o fim de semana, certo? — Todo o fim de semana. — eu disse, enquanto Jude estacionava dentro da garagem. — Eu estou tão cansado de dizer adeus para você, Luce. — ele disse, batendo a palma da mão no volante. — Estou cansado de rastejar em uma cama fria, e estou cansado de enviar mais mensagens de texto para você do que falar com você. Estou com saudades. Eu estava exausta, e grávida. E emocional. Suas palavras me fizeram chorar instantaneamente.


Estou

cansada

disso,

também.

eu

disse,

mantendo minha cabeça pressionada contra seu ombro, então ele não veria minhas lágrimas. — Eu tenho a solução para isso, você sabe. Para isso de nós dois estarmos cansados de estar longe. — ele disse, soando hesitante. — O que? Me sequestrar, sumir comigo e nos casar? — eu disse, não tendo que adivinhar que isso era onde sua mente estava. Ele acenou contra minha cabeça. — Eu faria isso por você, se eu pudesse. — e agora sua voz soava triste. — Mas eu nunca te pediria isso. — respondi. — Você tem compromissos e eu tenho compromissos. Só é uma droga que os nossos compromissos devam estar em lados opostos do país. O rosto dele cutucou o meu. Ele queria que eu olhasse para ele, mas eu não podia. Eu tive que colocar uma rolha nessas malditas lágrimas antes de olhar para ele. — Meu compromisso número um é você, Luce. — Eu sei. — eu disse, limpando meus olhos com meu braço. — O que você está me pedindo para fazer, Jude? Eu sei que sou sua prioridade número um, mas eu também sei que você assinou um contrato com uma pequena franquia chamada de San Diego Chargers. — Está certa, eu tenho um contrato. Por três anos. Se no fim disso, você quiser que eu saia para que possamos passar os próximos trinta anos mudando-se de uma dança sagrada para a próxima, isso é o que eu vou fazer.


Soltei uma respiração lenta. — Você faria isso? Desistir do seu sonho para que eu pudesse ter o meu? — Amor, futebol não é meu sonho, — ele disse, beijando minha testa. — Você é. Uh-oh. Eu engasguei com o choro. — Não me entenda mal. Eu amo futebol. Muito. Mas não posso comparar isso com você, porque não há nada para comparar. Eu assinei o contrato porque sou bom nisso, e eu vou fazer muito dinheiro em três anos, nós estaremos estáveis pela vida inteira, e você pode dançar através de todo e qualquer palco que quiser e não ter que se preocupar com dinheiro. Eu sabia que eu deveria ir, mas não conseguia. Eu estava cansada de deixá-lo. — Três anos de futebol. Então, três anos de dança. E assim por diante. É o que você está propondo? — Eu estou propondo três anos de futebol, e você pode ter o resto de nossos anos juntos dançando se isso é o que você quer. — ele disse. — E se nós quisermos iniciar uma família algum momento ao longo do caminho? — perguntei, aumentando a aposta. — Como fica o fator ‘bebê’ em nossa programação de três anos dentro, três anos fora? Seu corpo relaxou contra o meu. — Eu não posso esperar pelo dia de nós termos filhos, Luce, porque você estará me fazendo os mais lindos bebês, mas nós ainda somos tão jovens. — o sorriso que estava formando em meu rosto vacilou. — Nós mal temos 21 anos. Nós temos toda uma


década a frente antes de precisarmos começar nos preocupar sobre aparecer algumas crianças. Nós temos tempo, então vamos usá-lo. — ele disse, tentando virar seu rosto para que ele pudesse ver o meu — Ok? Respondi a ele com um aceno, porque eu não confiava em mim mesma para falar. — Luce? — ele disse preocupado, quando ele teve um vislumbre do meu rosto. — Você está bem? — ele girou em seu assento e segurou meu rosto para que eu não pudesse afastá-lo. — Sim. — eu disse, soando tão chateada como eu pensei que faria. — Estou apenas cansada. — Então porque parece que você está chorando? — ele perguntou, deslizando o dedo sobre a minha bochecha. — Porque eu derramo lágrimas quando estou cansada. Ele fez uma careta. — Desde quando? — Desde agora. — eu disse, precisando sair dessa caminhonete, e não apenas porque eu tinha que ir para meu voo. Eu sabia que se Jude não recuasse e tivesse a grande inquisição, eu estava indo para a cova e dando-lhe a grande notícia. A grande novidade que ele acabara de admitir não estar pronto e não querendo por mais dez anos. Como eu poderia dizer a um homem que pensou que teria uma década sólida para se acostumar com a ideia de ser pai de uma criança que estava prestes a ter em um pouco menos de seis meses? A resposta era: eu não poderia dizer a ele. Não agora. Não com essas palavras tão frescas em minha mente.


— Qual é o problema? — O rosto de Jude escureceu quando ele me viu. — Fale comigo, Luce. Olhei

para

baixo,

incapaz

de

encarar

aqueles

torturados olhos por mais tempo. — Eu não posso. Não agora. — eu disse. — Em breve. Ele bufou. — Eu tenho ouvido essa palavra em breve de você por três anos. Acho que a sua definição e a minha são diferentes. Eu não tinha três anos. Eu não tinha nem três meses. Meu breve, neste caso, seria o breve dele. — Breve. — eu disse. — Eu prometo. — Eu não vou segurar minha respiração, — ele disse com um suspiro. Mordi o lábio. — Tenho que ir. — Sim, sim, eu sei. Essa é a história de nossas vivas. — ele disse, estudando-me como se ele estivesse tentando ver dentro de mim. — Sei que você está cansada e precisa pegar seu voo e não quer falar sobre o que quer que seja que está te incomodando, mas depois de uma boa noite de sono você se sentirá melhor. Eu quero que você me ligue qualquer hora, Luce, qualquer hora. Não me importo se eu estou no meio de um treino ou dormindo ou no banho. Eu vou atender. Apenas me ligue. Amanhã, ou no próximo dia, ou no dia depois desse, quando você estiver se sentindo melhor, e nós falaremos sobre isso. Vamos trabalhar isso da maneira que sempre fazemos. — Ele parou e esperou. — Ok, Luce? Nós vamos trabalhar isso. Tudo vai ficar bem. — ele disse,


puxando-me de volta para seus braços. — Apenas me ligue e nós vamos arrumar essa coisa juntos. Eu o abracei de volta, eu não conseguia segurá-lo forte o suficiente, mas eu nunca fiz aquela ligação no dia seguinte, ou no dia depois desse, ou até mesmo do dia depois.

Mais uma semana passou, uma semana mais perto do dia-P36, como Holly e eu tínhamos considerado isso. Jude e eu tínhamos conversado todos os dias, mas nunca tivemos ‘a conversa’. Fingi que tudo estava bem e me esquivava de suas perguntas, mas eu sabia que não tinha enganado ele. Eu estava mesmo evitando ligações dos meus pais, porque como eu poderia falar sobre a escola e dança quando eu estava guardando o segredo que eu estava em meu segundo trimestre deles? Então quando Anton perguntou se eu seria capaz de trabalhar sábado, eu tinha dito sim sem um segundo pensamento. Quando eu estava na faculdade ou trabalho, minha mente estava distraída apenas o suficiente para eu fingir que minha vida não era uma espiral fora de controle. Anton tinha encontrado um novo administrador por tempo integral uma vez que eu tinha voltado para a faculdade, mas eu ainda trabalhava no sábado ou domingo na maioria dos fins de semana. Havia sempre algum relatório que precisava ser preenchido ou concluído ou iniciado. Havia sempre uma 36

Dia do parto


apresentação que precisava ser feita, e Anton não só não tinha um problema com deixar-me trabalhar uma agenda flexível, como ele encorajava isso. Não importava se eu aparecia cedo ou tarde, sábado ou domingo, o cara sempre estava lá. Eu estava começando a me preocupar se ele morava no escritório. Hoje, Thomas tinha estado livre para ver LJ enquanto Holly estava no trabalho, então eu apareci na Xavier Indústrias às oito da manhã. Eu não tinha levantando a cabeça do computador quando Anton saiu do seu gabinete no final da tarde. — Obrigado de novo pela ajuda hoje, Lucy. — ele disse, colocando uma garrafa de água na minha mesa. — É incrível o quanto mais eu posso fazer quando não tenho alguém mergulhando sua cabeça em meu escritório a cada dois segundos. — Sem problemas. — eu disse, salvando o relatório que eu tinha estado trabalhando nas últimas horas antes de desligar meu computador. Estava ficando tarde, e eu tinha prometido pegar o jantar para todos hoje a noite. — Como você tem estado ultimamente? — perguntou Anton, com uma expressão séria. — Indie me disse que você está perdendo um monte de aulas. Traidora. Sem sobremesa para ela na próxima sexta à noite. — Estou bem. — eu disse com um encolher de ombros. — Apenas passando por alguns problemas da vida.


— Jude é responsável por esse problema? — ele disse, inclinando-se em minha mesa. Um flash de raiva. Havia passado tanto tempo desde que eu tinha sentido algo assim que o sentimento foi bem vindo. Como um amigo por muito tempo perdido voltando para casa por uma visita. — Deixe-me responder isso com uma resposta de duas partes. — eu disse, cruzando meus braços. — Não é da sua conta. E não é da sua conta. — Levantando, peguei minha bolsa e fui para o cabide pegar minha jaqueta. Eu queria sair daqui antes que Anton ficasse esquentado. — Eu faço você ficar desconfortável. Bufei. — Isso não está qualificado exatamente como a revelação do ano. Anton riu. Irritante. — Bem, talvez isso vá estar. — disse ele vindo em minha direção. — Eu sei por que eu faço você se sentir desconfortável. — Eu também sei por quê. — eu disse, olhando-o de cima a baixo. — Tudo. Todo o pacote Anton Xavier me deixa desconfortável. Super. Eu acabei de mencionar Anton e pacote na mesma frase, e então eu me sinto um pouco pervertida, e esse era um sentimento antigo também. Um lado de sua boca já estava levantando. — Eu te deixo desconfortável porque alguma parte de você gosta de mim. Alguma parte de você está atraída por mim e isso te irrita. Alguma parte de você sabe que se não


estivesse com ele, você e eu estaríamos juntos. — Ele disse isso tudo sem um pingo de remorso, nem mesmo vergonha. Eu estava puta. Muito puta. Eu não tinha certeza se era por quão errado ele estava, ou quão certo. Isso tudo era muito confuso. — Talvez. — eu disse com um preguiçoso encolher de ombros. — Mas essa é a resposta para cada questão no universo. Talvez. Talvez você e eu pudéssemos ter ficado juntos em alguma realidade alternativa onde não houvesse Jude, mas esse não é o caso. Existe um Jude. E eu estou apaixonada por ele. — eu estava ficando exaltada apenas com um grito tímido. Levantei minha mão esquerda, piscando o anel na frente dele. — E nós vamos nos casar. Anton guardou suas mãos em seus bolsos — Quando? — Em breve. — fiz uma careta na minha escolha de palavras. Ele notou isso também. — Quanto tempo vocês estão noivos? — Ainda a imagem da calma. — Três anos. Ele deu um passo até mim, eu dei um passo para trás. — Pelo que vocês estão esperando? Por que eu não o tinha cortado com toda a abordagem não-é-da-sua-conta? — Pela graduação da faculdade. — Não, eu não acho que é isso. — disse ele, confiante. — Eu acho que você está esperando porque está insegura. Algo está lhe dizendo que este homem não é o caminho certo para você, e você não pode matar essa voz.


— Uau, bom. — eu disse, batendo palmas. — E o prêmio de delirante vai para... — parei de bater palmas para varrer as minhas mãos de forma dramática para ele. Quanto mais eu me exaltava, mais frio ele parecia. Nada que eu dissesse ou fizesse poderia derrubar sua máscara calma. — Você disse, nós nunca poderíamos estar juntos, mas isso é apenas porque você nunca esteve aberta para essa ideia. — Ele deu outro passo até mim e desta vez, quando eu dei um passo para trás, eu estava contra a parede. Conveniente. — Eu não quero me abrir para essa ideia. — eu disse, avisando ele com meus olhos. Avisando-o para não dar outro passo para perto. Ele não prestou atenção no aviso. — Então eu vou ajudá-la. Antes que eu tivesse tempo para processar a sua intenção,

seus

lábios

estavam

nos

meus,

suas

mãos

seguindo. Apesar de sua boca estar inflexível, suas mãos caíram suavemente na minha cintura e ficaram lá. Eu tentei empurrá-lo imediatamente. Era um esforço inútil com Jude, mas eu pelo menos consegui mover Anton, embora não o suficiente. Seus lábios continuaram o ataque contra os meus, como se fosse um náufrago implorando por uma tábua de salvação, mas eu tinha jogado minha salvação fora há muito tempo com um cara diferente, e nunca pedi ou quis de volta. Eu sabia que o que Anton tinha dito era parte verdade. Nós dois poderíamos muito bem ter terminado


juntos em um mundo sem Jude Ryder. Mas não era assim. Anton era o substituto de Jude. Anton era o meu o quepoderia-ter-sido, mas Jude era o meu foi, é, e será, para sempre. —

Anton,

pare.

protestei contra

seus

lábios

incansáveis. Ou ele tinha ficado surdo ou estava me ignorando. Nenhum funcionaria para mim. Levantando a minha mão, eu dei um tapa duro em seu rosto. — Pare com isso! O tapa chamou sua atenção. Coisa boa, porque o meu próximo passo teria sido uma joelhada afiada em sua virilha. Quando Anton afrouxou o aperto em mim o suficiente, dei-lhe outro forte empurrão, empurrando-o de volta a poucos metros. — Você é um idiota. Que tal isso como uma resposta do por quê não estarmos juntos? — Empurrando-o e passando, só porque ele merecia, marchei em direção à porta. — E mais uma coisa. Eu me demito! Eu não esperei por uma resposta. Corri para o elevador, esperando que eu estivesse no carro antes dos dois últimos minutos me alcançar. Como aconteceu, eu senti como se eu estivesse hiperventilando. O que Anton disse poderia ser verdade, mas nada disso importava. Eu estava com Jude. Eu queria Jude. Não havia Anton e Lucy quando eu tinha dado o meu coração para Jude Ryder há quatro anos. Eu não tinha dúvidas de que, se você conectasse Anton e eu em um computador de compatibilidade, nós sairíamos


do outro lado juntos. Eu sabia disso, mas isso não mudava nada. Ele esfregando na minha cara quando o meu noivo estava do outro lado do país, enquanto eu estava um naufrágio emocional e hormonal, não era o que eu precisava agora. Assim que as portas do elevador abriram, eu corri através do lobby, passei pela porta giratória, e continuei a minha corrida até o Mazda. Eu estava puxando o meu telefone da minha bolsa antes que eu soubesse que eu tinha ido procurá-lo. Como se meus dedos tivessem uma mente própria, eles socaram um número enquanto eu me arrastei para dentro do carro. Jude atendeu no primeiro toque. — Hey, Luce. Só de ouvir a sua voz desencadeou a avalanche de emoções que eu estava tentando segurar. Comecei a chorar. Muito, balançando, sufocando os soluços. O tipo que eu tinha experimentado apenas nos dias após o assassinato do meu irmão. — O que aconteceu, Luce? — A voz de Jude estava cheia de preocupação. — Merda. Está tudo bem? Onde você está? — Ele estava frenético e parecia que ele estava correndo. Eu inalei e contei até cinco, tentando me recompor o suficiente para tranquilizá-lo de que eu não estava a morrer em algum beco. — Eu preciso de você, Jude. — solucei. — Sinto muito. Sei que já é tarde e sei que você tem treino na parte da manhã, — era impossível conseguir as palavras, e cada uma parecia uma vitória — Mas eu preciso de você.


Ouvi-o xingar baixinho. Não sei se a minha ideia de me recompor o tinha acalmado ou o deixado mais em pânico. — Eu estou chegando, amor. Estou chegando. — ele disse, definitivamente correndo agora, porque eu podia ouvir o ar cortando o telefone. — Eu estarei aí assim que eu puder. Eu odiava me sentir tão fraca, como se eu precisasse de alguém para me segurar, mas tentei não focar nisso. Tentei me concentrar em como tinha sorte de ter alguém para chamar quando eu precisava ser segurada apertada. — Obrigada. — sussurrei enquanto eu tentava ligar o carro. Minhas mãos tremiam, tornando-se difícil. — Você está segura, Luce? — ele perguntou. — Você está ferida? Eu sabia que ele estava falando sobre a segurança e machucados físicos, então foi por isso que eu respondi: — Sim, estou segura, e não, eu não estou ferida. — Onde você está? — Perguntou ele, antes de falar em um tom cortante com alguém. Um motorista de táxi, talvez? — Estou no meu carro. Estou voltando para o apartamento. — Você está bem para dirigir? Tomei algumas respirações mais profundas até que minha agitação parou. — Sim, eu vou ficar bem. — Ok, Luce. Espere por mim no apartamento. Eu estou no meu caminho até você, amor. — Obrigada. — Não havia mais nada que eu pudesse dizer.


— Eu amo você, Luce. — Sua voz ainda estava ansiosa, mas ele me acalmou. — Eu sei, Jude. — eu disse. — Eu sei. Eu esperava que ele se sentisse da mesma forma uma vez que dissesse a ele tudo o que eu estava escondendo dele. Depois de uma viagem para casa com lágrimas, eu achei Holly esperando por mim. Thomas e LJ estavam sumidos. — Você saiu do trabalho mais cedo? — perguntei, forçando um sorriso. — Jude me ligou. — disse ela, puxando-me em seus braços. — Ele estava em pânico e me pediu para encontrar você aqui até que ele voasse para cá. — Sinto muito que você teve que deixar o trabalho mais cedo. — eu disse, derretendo-me em seus braços. — Isso não é com o que eu estou preocupada. — disse ela, guiando-me em direção ao sofá. — Estou preocupada com você. O que aconteceu? — Ela me inspecionou enquanto ela me sentava. — Jude disse que você disse a ele que estava tudo bem, mas ele não estava tão convencido. — Eu estou bem no jeito que ele estava preocupado. — eu disse, enquanto deslizava meus calcanhares. — Jude está preocupado com você estar bem em todas as maneiras que você pode estar, Lucy. — ela disse, agarrando o travesseiro e o cobertor sobre a cadeira. — Eu sei que está. E acho que estou tanto bem como mal. Se isso é mesmo possível.


Deixei Holly abaixar-me no sofá até que minha cabeça bateu no travesseiro. — O que aconteceu? — Ela perguntou enquanto mergulhava o cobertor em cima de mim. De repente, bastou eu ter meus pés e minha cabeça no travesseiro, eu me sentia exausta. Totalmente gasta do mês, do dia, e da última hora. Isso tudo tinha me pegado, e meu corpo ia se revoltar se eu não o deixasse se desligar por um tempo. — Vou te dizer mais tarde, Holly. — eu disse, bocejando enquanto fechava os olhos. — Me acorde quando Jude chegar aqui? — Claro Lucy. — disse ela. — Durma bem. — Ela deu um beijo na minha testa, e então eu estava dormindo.


Capitulo 19

-Q

uanto tempo ela tem estado dormindo? — A voz de Jude quebra através dos meus sonhos, mas não me liberta totalmente deles. Sonhos

que eram mais escuridão do que luz, mais pesadelo do que sonho. — Desde que ela basicamente entrou pela porta. — Holly replica de longe. — O que está acontecendo, Hol? — Seus dedos começam a acariciar meu cabelo. — Ela não falou, mas tenho algumas poucas ideias. — Que ideias? — A voz dele estava tão cheia de preocupação, e algo mais. Exaustão, talvez? — Não, não é meu dever dizer. Lucy pode te falar o que está acontecendo quando ela acordar. A boca de Jude pressionou contra minha testa e ficou lá por um tempo, como se ele estivesse tentando respirar em mim. — Eu estava tão preocupado, Hol. Tão fodidamente preocupado. — Vai ficar tudo bem, Jude. O que quer que seja que Lucy precisou de você, vocês dois vão resolver. — Sim. — ele disse contra minha pele. — Eu sei.


Devem ter sido seus lábios, ou devem ter sido suas palavras, mas um desses dois libertou-me, finalmente, da cortina da terra dos sonhos. — Luce? — O rosto de Jude estava embaçado enquanto meus olhos se ajustavam. — Amor? Você está bem? — Você veio mesmo. — eu disse, sorrindo para ele. Eu já me senti dez vezes melhor apenas por tê-lo perto. — Eu disse que viria. — Eu sei. — Eu disse, movendo-me embaixo dele. — Que horas são? — Um pouco antes da meia noite. — Como você chegou aqui tão rápido? Seus dedos continuaram correndo através do meu cabelo, tranquilizando-me. — Eu fretei um avião. — ele respondeu. — Um rápido. Dessa vez, o preço não me incomodou. Ele estava aqui menos do que oito horas. — Obrigada. — Eu disse, sabendo que essa palavra era inadequada, mas não sendo capaz de oferecer a ele nada mais agora. Jude sorriu em resposta. Ele estava tão perto que eu podia sentir o cheiro do seu sabonete preferido. Tendo ele aqui, sua presença, seu sorriso, seu cheiro... Eu estava em casa. — Sei que eu deveria provavelmente te deixar acordar e dar a você um minuto, mas eu estou morrendo aqui, Luce. Eu tenho estado morrendo desde que recebi sua ligação. —


Sua voz apertada novamente. — Qual o problema? O que aconteceu? Por uma das poucas vezes em minha vida, ele parecia assustado. Medo das perguntas e medo das respostas. — Antes de tudo. — Holly apareceu atrás de Jude segurando um copo de suco de laranja e um punhado de biscoitos. — Você não comeu nada por horas, Lucy. Coma isso. Beba isso. Ou mais. — Ela piscou enquanto ela esperava eu sentar. Eu virei para que pudesse encarar Jude e pegar o suco de laranja e os biscoitos. — Obrigada, Holly. — De novo, havia tanto pelo que eu tinha que agradecer a ela, mas uma palavra de gratidão era tudo que eu tinha agora. Jude esperou eu tomar um gole e engolir um pedaço de biscoito de sal, mas eu poderia dizer que o jogo de esperar estava matando ele. Como eu poderia contar gentilmente o que me aconteceu essa tarde? Se houvesse uma maneira de aliviar o golpe que o homem que Jude estava tão certo que tinha uma coisa por mim tinha acabado de engessar seus lábios nos meus, eu não estava encontrando uma. Suave... amenizar... suavemente. — Anton me beijou. Suave, aparentemente, no meu livro, é ruim. As linhas de preocupação do rosto de Jude se aprofundaram,

até

que

cada

ruga

de

seu

rosto

se


transformou em um grande Canyon37. — Quando? — Sua voz era tão áspera que me assustou. — Antes de eu te ligar. — tomei outro gole do meu suco e esperei. — Onde? — Sua mandíbula estava travada e seus ombros estavam tensos. — No escritório. E agora as veias em seu pescoço estavam pipocando contra sua pele. Nós tínhamos batido o auge da raiva. — Onde ele está agora? — Eu não sei. — eu disse. — E não me importo. — Bem, eu me importo, e estou prestes a procurá-lo. — Ele puxou seu celular do seu bolso e começou a procurar através da sua lista de contato. Eu sabia para quem ele ligaria primeiro nessa caça ao Anton. — Não. — eu disse, querendo arrancar o celular de suas mãos e jogá-lo pela janela. Mas então ele apenas iria encontrar o meu. — Você não está indo encontrá-loe para que possa ensiná-lo uma lição e chutar a bunda dele. — Isso é exatamente o que eu estou indo fazer. — ele disse instantaneamente, parando quando ele chegou na letra ‘I’ em seu celular. — Não, você não está. — Eu disse firmemente. Colocando meu suco e biscoitos para baixo. Minha atenção e mãos eram necessárias em outro lugar. — Eu não preciso de 37

Vale extenso e profundo.


você, ou ninguém mais, para provar a algum outro cara que eu pertenço a você. — Ele te beijou, Luce. — Jude disse seus olhos imediatamente estreitando. — Parece que você precisa de mim para fazer isso. Gentilmente tracei a cicatriz que eu tinha memorizado anos atrás. — Não importa quantos caras queiram, tentem, ou efetivamente tenham sucesso antes de sentirem o tapa da minha mão em suas bochechas. — eu disse, forçando ele a olhar em meus olhos. — Porque o único deles que eu quero beijar é você. E isso é o que importa. Para provar, eu baixei meu rosto até nossas bocas estarem apenas um fio de cabelo distantes. Nossos lábios não tinham se tocado e a eletricidade já estava pulando entre nós. Quando meus lábios cobriram os dele, aquela eletricidade tornou-se algo mais. Nossos lábios juntos, suaves e sugando, até minha respiração começar a pegar em meus pulmões. A mão de Jude segurou meu rosto cuidadosamente, mas havia uma corrente se formando nesse toque. Eu terminei nosso beijo correndo minha língua ao longo da ‘costura’ de seus lábios antes de pressionar um beijo leve no canto da sua boca. — Esse é quem eu quero beijar, e como eu quero que ele me beije, até o dia que eu não puder beijar mais. — eu disse, olhando dentro de seus olhos. A escuridão nele foi embora. — Então não sinta como se você precisasse chutar Anton na próxima semana para defender minha honra. Eu


posso defender minha própria honra. Apenas fique aqui. Comigo. — Eu disse, batendo no sofá. — Beijar-me seria um bônus. Ele sentou do meu lado e agarrou minha mão. — Você sabe que deve estar me matando não dar àquele pequeno idiota um pedaço da minha bota, certo? Eu acenei. De fato, eu estava surpresa que ele ainda estava aqui, relativamente calmo, e falando em sua voz normal de Jude novamente. Esse beijo deve ter feito um milagre, porque o Jude que eu conheço já teria seguido o cara e quebrado seu nariz. — Mas eu quero você feliz. Nada é mais importante para mim do que isso. — ele disse, suspirando. — Então eu vou resistir a cada instinto, e não pendurá-lo na borda do Empire State Building. — Outro suspiro, esse mais longo. — Feliz agora? — Você não tem ideia. — Eu disse, correndo meus dedos através do meu cabelo. Estava uma bagunça, revestido de lágrimas e ranho, com mais as horas de revirar no travesseiro. — Eu tenho uma rápida solução para isso. — Jude disse, dando um tapinha em minha perna enquanto ele levantava. — Vou caçar uma dessas coisinhas que amarram o cabelo que você deixa por todo o lugar. — Banheiro é um bom ponto de partida. — eu falei atrás dele. Eu sorri. Jude tinha ido do fortão Hulk para meu caçador de rabicó em menos de um minuto. Além disso, ele


estava aqui. Eu não me importava do porquê, ou os eventos que levaram até o fretamento de um avião e voar através de todo o país. Porque ele estava aqui. — Impressionante. — Holly murmurou para mim da cozinha, tomando um gole de uma xícara de chá. — Achei que eu ia estar varrendo vidro por semanas a partir desse tom especial irritado que ele ficou. Antes de eu ter a chance de responder, eu ouvi um estrondo de gaveta antes de Jude vir pisando para fora do banheiro. — Porra, Hol. — disse ele, segurando algo em seu punho. — Você ficou grávida de novo? O rosto de Holly ficou confuso antes de ela perceber o que estava na mão de Jude. Então seu rosto caiu. — Que porra é essa? — Disse ele, segurando o teste de gravidez na frente dela. O teste de gravidez que eu tinha escondido na gaveta onde eu guardava minha pasta de dente, protetor labial e rabicó. Merda. — Jude. — eu disse, mas ele não me ouviu. — Como diabos você cuidará de duas crianças sozinha, Hol? — ele disse, soando realmente chateado. — Jude. — eu disse novamente, dessa vez mais alto. Holly estava encarando entre eu e Jude, não falando nada. Ela não podia mentir, mas ela não queria me entregar. — Diga alguma coisa. — Jude disse, agitando o teste. — Jude! — Aí. Eu soei mais alto do que ele.


— O quê? — ele gritou, virando-se. Seu rosto suavizou um pouco quando ele percebeu que virou para mim. — Não é da Holly. — Eu disse, inconscientemente passando minhas mãos sobre meu estômago. — É meu. Nenhum registro imediato. Demorou um minuto. Mas quando o rosto de Jude mudou de vermelho para branco, eu sabia que minhas palavras se fixaram nele. — É meu. — repeti, olhando para o teste. — Espere... — Ele balançou sua cabeça, encarando o teste, então de volta para mim. — O quê? Eu rezei para que ele não ficasse chocado, porque eu nunca tinha visto essa aparência pálida e fria em seu rosto, e isso é certo como o inferno que parece como chocado para mim. — O teste de gravidez é meu, — Ele realmente foi um a um grau a mais de branco na palavra gravidez. — Não brinque comigo, Luce. — disse ele, congelado no lugar. — Eu não estou. — eu disse com minha voz calma. — Estou grávida. Ele vacilou, mas se conteve. Oh, Deus. Ele estendeu as mãos sobre o rosto, deixando-as lá. — Quando foi que você descobriu? Ele aceitou que eu estava, de fato, grávida. Nós estávamos fazendo progressos, embora esta não era a resposta que eu estava esperando. Eu sabia que ele não


estaria pulando de alegria, mas eu esperava um abraço e um ‘Nós vamos passar por isso juntos’. — Duas semanas atrás. Suas mãos caíram de seu rosto. — Por que você não me contou? Essa era a pergunta de um milhão de dólares. — Por muitas razões. — respondi. — Muitas razões que não importam mais. Ele olhou para baixo para o teste em sua mão. — Elas importam para mim. Ok, eu poderia fazer isso. — Eu estava com medo. — Do quê? — ele perguntou, não conseguindo tirar seus olhos daquelas duas linhas rosa. — Tudo. — eu respondi, porque era verdade. — De mim? — Sua voz e a expressão em seu rosto me quebraram. Eu o machuquei. A única coisa que eu nunca quis fazer, mas nunca poderia escapar de fazer. Esse era meu calcanhar de Aquiles: magoar Jude. — Sim. — engoli o caroço se formando na minha garganta. Ele se encolheu. — Com medo de que eu viria a ser algum pedaço de merda de pai como o meu foi? Desta vez, eu vacilei. Esse pensamento nunca tinha passado

pela

pensamentos

minha ansiosos,

mente.

Eu

tive

preocupações

o

um

monte

suficiente

de para


preencher toda a vida de uma pessoa, mas esse não tinha sido um deles. — Não, Jude. — eu disse, querendo levantar e ir até ele, mas eu não estava certa de que minhas pernas funcionariam nesse ponto da conversa. — Isso nunca cruzou minha mente. — Então por que você estava escondendo o fato de que você estava grávida de mim por duas semanas? Duas malditas semanas! Ele parecia perdido. E o tipo de perda onde ele não estava esperando ser encontrado. — Por causa disso. — eu disse, apontando para ele, sentindo meu temperamento ferver até a superfície. — Porque eu estava com medo de qual seria sua reação. Ele virou o pescoço e olhou para longe de mim. — Sim, bem, você estava certa em estar com medo. — Óbvio. — eu respondi, perguntando-me se eu poderia voltar para dois minutos atrás e contar a Jude eu mesma que estava grávida antes de ele achar o teste. — É meu? Agora foi a minha vez de um golpe seu demorar um pouco para estabelecer. Claro que eu ouvi ele errado, eu disse, — O quê? — É. Meu? Não, eu não tinha ouvi ele errado.


— Jude! — Holly gritou da cozinha, marchando até ele como se estivesse indo dar um soco em seu estômago. — O quê? — ele disse seus olhos loucos. — Se ela esconde o fato de que está grávida, quem sabe o que mais ela esconde de mim? Essas palavras, essa insinuação, cortaram-me como nada tinha feito antes. Jude implicando que eu poderia ser, ou ter sido, infiel a ele... Esse era um tipo de corte que nunca curaria. — Dê o fora. — sussurrei, encarando meu colo. — Apenas dê o fora daqui. Quando ele não se moveu, eu levantei da minha cadeira e apontei para a porta, enquanto eu olhava para ele com tiro de fogo em meus olhos. — Cai fora! Eu vi seus olhos piscarem antes dele se virar, mas eu não poderia dizer se tinha sido um lampejo de raiva ou mágoa. Mas eu estava muito ferida para descobrir. Jude invadiu o corredor e bateu a porta tão forte, que eu pensei que ia cair de suas dobradiças. Antes que eu caísse de volta para o sofá, eu ouvi uma série de palavrões, então o que soou como um punho passando por um pedaço de parede de gesso.


Capitulo 20

E

scola, baile, casamento, carreira... Jude. Minha vida

toda

eu

senti

como

se

isso

estivesse

pendurado na balança. Não havia mais uma coisa

que eu tivesse certeza. Bem, exceto por uma: eu estava certa de que eu ainda amava Jude. Eu queria estar com ele, casar com ele, viver e morrer com ele. Quando a vida te joga uma bola curva como tinha me jogado, você percebe exatamente o que é importante e o que não é. Jude, e agora nosso bebê, estavam no topo dessa lista. Depois de Jude ter saído furioso no sábado passado, eu não vi ou ouvi dele desde então. Quatro dias e meio tinham se passado sem eu saber o que ele estava pensando, ou onde sua cabeça estava ou se nós íamos nos acertar, ou se ele ainda queria casar comigo. Se eu não tinha desenvolvido uma úlcera ainda, eu estava perto. Quando eu tinha gritado para Anton, — Eu me demito! — sábado passado, eu quis dizer isso. Ele tinha enviado um buquê de flores e uma nota para desculpar-se, mas eu estava forçada a não perdoar e esquecer por agora. Um dia, talvez, mas não poucos dias mais tarde. Anton tinha cruzado uma linha e provado que ele não poderia ganhar um não como resposta. Era óbvio que nós não poderíamos apenas ser


amigos, então tomei uma decisão e cortei todo contato. Até mesmo Indie me protegeu. Quando ela descobriu que ele tinha me beijado, ela foi balística. Depois eu matei aula de novo, Holly e Thomas basicamente arrastaram-me para o estúdio terça feira de manhã. Não durou muito tempo, no entanto, porque assim que eu escorreguei em meu collant de dança eu podia ver a menor das saliências esticar o tecido em cima da minha barriga. Isto trouxe-me perto de um colapso. Não foi apenas a saliência do bebê, foi tudo o que tinha empilhado nos dias anteriores. Uma caixa de lágrimas depois, Thomas me levou até minha conselheira acadêmica e informou ela da minha ‘frágil’ condição enquanto eu derramei outra caixa de lágrimas. No final do dia, nós tínhamos sido capazes de elaborar um cronograma modificado que me permitisse continuar o semestre sem ter que aderir a uma rigorosa carga horária do curso de dança. Eu nunca tinha verificado antes, porque eu não queria fazer nada além de dança, mas descobri que havia muito poucos cursos teóricos que eu poderia ter para contar para a minha licenciatura. Desde que o bebê era esperado em algum momento de fevereiro, eu não tinha certeza do que eu poderia fazer sobre meu último semestre, mas estava tudo bem. Eu não conseguia pensar tão à frente. Eu ainda não tinha envolvido minha mente em torno de ter uma criança crescendo dentro de mim, ou que, uma vez que eu desse à luz, eu poderia estar criando-a sozinha.


Holly e eu tínhamos discutido os dois As, como ela chamava eles: aborto e adoção. Eu não estava indo julgar o que era certo para alguém mais, mas aborto apenas não era uma opção para mim. Eu não poderia fazer isso, simples assim. Nós conversamos sobre a adoção, até que percebi que isso, também, não era uma opção para mim. Eu não tinha planejado, eu não tinha visto isso chegando, nem sabia o que eu estava tendo, mas era o meu bebê. E o bebê de Jude. Eu não poderia dar a alguém. Eu sabia que isso estaria destruindo os planos da minha vida, no presente e no futuro, mas não era culpa do bebê. Então eu iria tê-lo e criá-lo. Esperançosamente com Jude, mas sozinha, se isso fosse minha única opção. Então mesmo que a minha vida fosse como um gigante ponto de interrogação, eu ataquei as poucas coisinhas que eu poderia colocar um ponto. Eu li alguns livros sobre toda a gravidez e parto, um tinha fotos, imagens detalhadas, do real nascimento, que ainda me assombrava. Montei uma escala de sono para ter certeza que eu dormia o suficiente, o que era bastante fácil, considerando que meu corpo estava cansado 24 hora por dia, 7 dias da semana. Peguei minhas vitaminas pré-natais, andei, fiz meus alongamentos, e bebi tanta água que eu estava fazendo uma visita ao banheiro a cada meia hora. E segui em frente. Todo o conceito de ter um bebê crescendo dentro de mim havia se estabelecido. E eu ia fazer tudo em meu poder para me certificar de que estava saudável. Havia momentos da noite, quando eu acordava e um lampejo de emoção


piscaria através de mim. Então eu encontraria o local vazio ao meu lado e veria o meu telefone e não encontraria as chamadas não atendidas ou mensagens de texto, e aquela centelha de felicidade iria fracassar. Não importa o que aconteceu, não importa o que Jude fez ou não fez, eu sabia uma coisa: Eu ia ser a melhor mãe que eu poderia ser. Eu duvidava de um monte de coisas, mas isso era uma coisa que eu sabia de certeza. E não estaria sozinha. Eu tinha Holly, que tinha um monte de experiência de primeira mão para me ajudar. Eu tinha Indie e Thomas para encorajar-me ao longo do caminho, dando tapinhas nas minhas costas quando eu precisasse chorar, ou dizer-me para se foder quando eu precisasse disso. Mesmo que eu não tivesse dito a eles sobre o bebê ainda, eu tinha Papai e Mamãe, também, e eu sei que eles estariam lá por mim. Eles ficariam tão chocados quanto eu tinha estado no início, mas eles se recuperariam, assim como eu fiz, e me ajudariam a encontrar meu caminho nesta estrada assustadora. Concentrei-me em pedaços da minha vida que eu poderia controlar e tentei não me fixar nos que eu não podia. Eu vivi a vida uma hora de cada vez, porque se olhasse um dia sequer para o futuro, eu sentia o despertar de um ataque de pânico. Essa manhã era o dia do meu primeiro ultrassom. Poderia descobrir o sexo do bebê se eu quisesse saber. Eu senti como se tivesse acabado de acordar ontem, que eu tinha acabado de descobrir que estava grávida, e hoje eu saberia se


estaria comprando macacão azul ou rosa. Como tantas outras coisas da minha vida, isso era tudo muito surreal. Até ontem à noite, eu não tinha tentado ligar para Jude desde que ele saiu. Eu não conseguia me lembrar de quantas vezes meu dedo pairou sobre o botão de chamada antes de eu me acovardar, mas o medo de minha chamada ir para o carreio de voz, ou de nunca ouvir ele de novo, era demais para contemplar. Mas deixá-lo saber sobre o ultrassom era a decisão certa. Eu, pelo menos, tinha que lhe dar a opção de aparecer, porque mesmo se ele não quiser ter nada a ver comigo, eu esperava que ele não sentisse o mesmo sobre o bebê. Eu deveria ter dito a ele na hora que descobri que estava grávida, eu entendo isso. Entendo por que ele estava tão chateado. Mas ele deveria ter me ligado no minuto depois que percebeu o quanto ele havia sido um idiota naquele dia. Eu ainda estava esperando por ele para entender isso. Quanto mais tempo eu esperava, mais brava eu ficava. Mas acima de tudo, mais triste eu ficava. Depois de uma hora de ir para frente e para trás, eu me conformei com uma breve mensagem de texto. Eu o deixei saber o endereço de onde era o ultrassom, e a hora, e contra o meu melhor juízo, terminei com um ‘DESCULPA. EU TE AMO’. E cliquei em enviar antes que eu pudesse agonizar sobre a mensagem por mais uma hora. Eu não recebi uma resposta, nem mesmo quando chequei meu telefone quando me sentei para preencher a


papelada na sala de espera, cinco minutos antes da minha chamada, eu não tinha parado de ter esperanças. Holly e Indie se ofereceram para vir dar apoio moral, mas eu tinha dado meia dúzia de desculpas porque eu queria ficar sozinha hoje. Eu estava preenchendo tanta papelada que minha mão estava começando a ficar dormente quando cheguei ao último capitulo. ‘Apoio Paterno’. A primeira pergunta foi fácil, embora as palavras cortantes de Jude soassem em meus ouvindos quando eu marquei a caixa ‘sim’: ‘Você sabe quem é o pai do bebê?’. A segunda e terceira não eram tão fáceis. ‘O plano do pai é desempenhar um papel ativo na vida do bebê?’. E ‘O pai está apoiando a gravidez?’. Tão logo eu estava prestes a marcar sim para ambas, eu me convenci que a resposta era não. Depois me encontrando presa nas mesmas duas questões quando a técnica de ultrassom me chamou, criei minha própria alternativa de ‘Não sei’, para ambas. — Oi, Lucy. — A jovem técnica me cumprimentou. Ela não parecia muito mais velha do que eu. — Eu sou Amy. Por aqui. Eu a segui pelo corredor cheirando a antisséptico, sentindo-me como se estivesse em um sonho. Ou um filme. Minha vida eu já não sentia mais como minha, mas como se eu fosse uma espectadora passiva observando, incapaz de controlá-la.


— Como você está indo? — Ela perguntou quando abriu a porta. A sala estava escura. Eu estava pronta para responder com a minha resposta padrão recentemente, ‘bem’, quando eu me parei. — Estou apavorada. — eu disse, piscando-lhe um sorriso de desculpas. Amy riu. — Pelo menos você é honesta. — disse ela, apontando-me para a cama de vinil coberta. — Acho que pode se qualificar como a melhor resposta que eu ouvi durante toda a semana. — Ela se sentou em uma cadeira de rolamento ao lado da cama e começou a digitar em um computador. — Vá em frente, sinta-se confortável e vamos começar. Eu inalei e tentei ficar confortável enquanto eu me reclinava. Nada estava realmente confortável sobre isso, no entanto. O quarto estava muito frio, o travesseiro estava duro, o papel cobrindo a cama rangeu alto enquanto eu me movia contra ele, e havia algo tão definitivo sobre descobrir se eu estava tendo um menino ou uma menina. Eu também sabia que eu não poderia estar confortável, porque Jude não estava aqui comigo. — Vá em frente e levante sua camisa, — disse ela, pegando um tubo de seu carrinho. — E você vai ficar feliz em saber que algum gênio inventou um aquecedor para esta gosma lubrificante, então você não vai atingir o teto quando eu esguichar um pouco em sua barriga.


Eu quase sorri quando eu puxei minha camisa para cima. — Gosma lubrificante de barriga? É esse o termo técnico para isso? Amy sacudiu o tubo e apertou uma gota de bom tamanho um pouco acima do meu umbigo. — Tão técnico quanto eu sempre vou conseguir. — disse ela, agarrando o leitor de ultrassom e baixando-o para o meu estômago. — Eu vou dar uma olhada rápida nos pulmões do bebê, no coração e na coluna vertebral, e então nós podemos determinar o sexo, se quiser. — Eu quero saber. — eu disse, enquanto ela distribuía a gota ao redor. Amy apertou um botão em um controle remoto e a TV à minha frente clicou ligada. Era nada mais do que um monte de linhas escuras e estáticas, até que, de repente, uma pequena coisa em forma de feijão branco com braços e pernas apareceu na tela. — Aí está o seu pequeno amendoim. — ela disse, revirando o instrumento para dar uma visão diferente. Engasguei com um soluço que saiu do nada. Foi primitivo, tudo sobre minha reação ao ver o bebê dentro de mim na TV foi primitivo. Amy me deu um par de lenços logo antes das minhas primeiras lágrimas caírem. Ela era uma profissional. Estas lágrimas não tinham nada a ver com hormônios ou ser uma quente e gigante confusão pela maior parte do mês. Estas lágrimas eram do tipo que vem de dentro da sua


alma. Eram as lágrimas de quando uma vida era criada ou levada embora, e eu não tinha certeza se elas alguma vez parariam. — É um bebê saudável que você tem cozinhando aqui, Lucy. — disse Amy, depois de um tempo. — Tudo parece ótimo. Outro ataque de lágrimas. — Você está pronta para descobrir se é menino ou menina? — ela perguntou mudando o ponto de vista mais uma vez. Eu balancei a cabeça, porque eu estava sem palavras. A porta se abriu, enchendo a sala com um raio de luz branca afiada quando um corpo deslizou para dentro. — Eu estou muito atrasado? — perguntou Jude, fechando a porta. — Não. — Amy respondeu, — Você está na hora certa. — Luce? — ele disse, chegando perto de mim. — Eu cheguei tarde demais? — ele repetiu com um monte de significado entre as palavras. Levou

um

momento

para

os

meus

olhos

se

reajustassem, mas quando eles fizeram e eu vi a expressão em seu rosto, meu coração meio que quebrou e caiu no mesmo instante. Ele tinha vindo. Ele não me decepcionou. Ele estava aqui por mim quando eu mais precisava dele, parecendo torturado e ansioso e tão assustado quanto eu. Era a visão mais bonita que eu já vi.


— Não, Jude. — eu disse, estendendo a mão em direção a ele. — Você não chegou tarde demais. Ele pegou minha mão e se ajoelhou ao meu lado. — Eu sinto muito, Luce. — disse ele, envolvendo a outra mão ao redor da minha. — Eu te amo pra caralho. E eu amo esse bebê na sua barriga para caralho. — Ele fez uma pausa, mordendo o interior de sua bochecha. Parecendo uma perda de

palavras,

ele

encostou

a

testa

em

nossas

mãos

entrelaçadas e fechou os olhos. — Eu tinha tanta coisa que eu queria dizer, mas eu sinto muito, e eu amo você... vocês dois, muito. Eu estava convencida de que no mês passado os meus canais lacrimais haviam se revoltado e se renovado pelos oitos anos de tentar não chorar. — Eu sinto muito, e eu amo você, também. — eu disse. Ele estava certo: Essas duas frases realmente dizem tudo. — Eu assumo que você seja o pai? — Amy disse, lutando contra um sorriso enquanto nos observava. Os olhos de Jude abriram. Ele levantou os ombros. — Sim. Eu sou o pai. — Bem, então, papai. — Amy disse, olhando para a tela de seu computador. — Você está pronto para saber o que você está tendo? O olhar de Jude deslocou para a TV e seu rosto ficou em branco. Branco com admiração. Ele tinha estado tão centrado na nossa composição desculpe-amor que ele não


tinha notado o bebê na tela. Mas ele notou agora. E não podia desviar o olhar. Ele mal conseguia piscar. — Olhe para isso. — Amy disse, balançando a cabeça. — O bebê está acordado agora. Ela deve gostar da voz do papai. Minha cabeça virou para o lado. — Ela? — Vocês vão ter uma menininha. — Amy disse, piscando para mim antes de olhar para Jude. Ele ainda estava paralisado, totalmente apaixonado, enquanto observava os braços do nosso bebê e as pernas se moverem. Então uma lágrima borbulhou no canto do olho, antes de cair pela sua bochecha. Foi a primeira lágrima que eu tinha visto Jude derramar. — Como você está? — perguntei em voz baixa. — Sem fala. — ele respirou, estudando a tela como se não fosse real. — Essa é a primeira lágrima que eu vi você derramar — eu disse, deslizando o polegar para baixo na pista úmida que ele havia deixado pelo seu rosto. — Essa é a primeira lágrima que eu já derramei — disse ele, limpando a garganta. — Não posso imaginar um melhor momento para deixar uma cair do que descobrir que eu vou ter uma menina com você, Luce. — Sim, — eu disse, — Eu também não.


— Bem, nós terminamos tudo aqui, — disse Amy. — Mas vou imprimir algumas fotos para vocês colocarem na sua geladeira e mostrar para todos seus amigos, esse tipo de coisa. Então, digam tchau, Mamãe e Papai. — Tchau, bebê. — sussurrei, olhando para a tela. Ela ainda estava se movendo, quase dançando. Ela realmente era a minha filha. — Tchau, bebezinha. — Jude disse, antes de a tela ficar preta. — Vocês podem ter alguns momentos aqui, — Amy disse, enxugando minha barriga com alguns tecidos antes de se levantar. — E aqui estão as primeiras imagens do bebê. — Ela me entregou uma fita de seis fotos tirada a partir de ângulos diferentes. Todas elas trouxeram um sorriso ao meu rosto. Este era nosso bebê. Nossa menina. Surreal é a palavra do dia. — Você tem uma tesoura aqui? — Jude disse, enxugando os olhos com as costas de sua mão. — Eu quero colocar uma na minha carteira. Amy sorriu e tirou uma de seu carrinho. Cortando a parte superior de uma, ela entregou a ele. — Eu não preciso de muito tempo para saber quando um bebê vai ser bem amado e cuidado. — disse ela, entregando a imagem para Jude antes de ir para a porta. — Eu não preciso mais do que alguns segundos com os dois para saber que sua menina é


uma bebê de sorte. — Ela sorriu e começou a fechar a porta. — Levem o tempo que quiserem. Jude cuidadosamente dobrou sua foto antes de deslizála em sua carteira, sua expressão pacífica. — Eu sinto muito que não lhe disse imediatamente, Jude. — eu disse, balançando as pernas ao redor enquanto eu me sentava. — Eu nunca quis... — Luce, você não tem nada que se desculpar, — ele disse, olhando para minha barriga antes de encontrar meus olhos. — Mas eu tenho. Eu me comportei como um idiota. Eu fui um idiota. Levantei minha mão, porque eu não ia deixá-lo levar toda a culpa como ele sempre faz. — Deus sabe que eu te amo por dizer isso, mas tenho muito pelo que me desculpar. Então, por favor, deixe-me. Ok? Ele sentou-se ao meu lado na beira da cama e acenou com a cabeça. — Eu deveria ter lhe contado no minuto depois que eu descobri que estava grávida, — comecei, passando minhas mãos pelas minhas pernas. — Mas eu estava com medo. Aterrorizada. Eu não conseguia envolver minha mente em torno do fato de que eu estava grávida, e me garanti de que eu te diria assim que eu me acostumasse com a ideia. Eu acho que descobri que você não se ‘acostuma’ com a ideia de estar grávida quando é uma garota solteira de vinte e um anos de idade, tentando terminar a faculdade.


Talvez ninguém, não importa qual seja sua idade ou lugar na vida, acostuma-se com a ideia, porque era algo tão além da compreensão. Algo épico. Criar vida. Sustentar vida. Dar vida. Não era um conceito que fosse fácil para envolver qualquer mente. — Depois que uma semana se passou e eu não estava me sentindo melhor, eu sabia que precisava dizer a você, mas não queria que fosse por telefone, e eu não queria que fosse algo que eu tivesse que ter pressa, por exemplo quando eu voei para o seu primeiro jogo. Eu queria que houvesse um momento

e

lugar

perfeito

para

dizer-lhe,

para

que

pudéssemos entender essa bola curva juntos, mas eu deveria ter me lembrado do meu histórico de ‘horas ruins’. Jude pegou minha mão e teceu seus dedos nos meus. — Eu deveria ter lhe contado antes. Desculpe-me que eu não fiz. E sinto muito que você descobriu desta maneira. — apertei sua mão. — Mas eu estou tão, tão feliz que você está aqui comigo agora. — Eu também, — ele disse, levantando minha mão até os lábios. — Você terminou agora? Com seu pedido de desculpas? — Seus lábios roçaram pelos meus dedos, aquecendo a pele ao longo do caminho. — Porque eu tenho algo como um pedido de desculpas monumental para fazer, também. —

Você

tem

cerimoniosamente.

o

palco,

Sr.

Ryder.

eu

disse


Pressionando um último beijo em meus dedos, ele abaixou as mãos em seu colo. — Eu fugi de você sábado à noite porque eu estava com medo também, Luce. — disse ele. — Eu estava com medo das razões que você tinha para manter isso em segredo, em primeiro lugar. Eu estava com medo que você sempre me culparia por ter ficado grávida. Eu estava com medo que eu não tivesse o que é preciso para ser um pai. Eu estava com medo de tanta coisa, mas o que eu estava com mais medo era de perder você. — Sua voz era firme enquanto os olhos abaixavam para a minha barriga. — E perder nosso bebê. Eu corri aquela noite, porque eu estava com medo, e o fato de que eu fugi quando você mais precisava me deixou mais assustado ainda. Então isso é o que eu tenho pensado sem parar, todos os dias, todo o dia, desde sábado à noite. E você sabe o que eu descobri? — ele perguntou, inclinando a testa na minha. Nessa proximidade, seus olhos pegaram todo o meu campo de visão. — O quê? — eu disse, quase beijando-o porque nossas bocas estavam perto. — Que não importa porque eu fugi, — ele disse, olhando para mim sem piscar, — Porque eu voltei. Eu vou sempre voltar, Luce. Não importa quantas estrondosas brigas nós tivermos e não importam quantas falhas de comunicação nós tivermos. Eu vou sempre voltar, porque você é onde eu pertenço. — São bastante revelações por aqui, Ryder. — Eu disse. — Você tem um monte dessas, não?


— Eu não consegui ir tão longe com você sem ter uma boa epifania batendo-me sobre a cabeça de vez em quando. — Então, — eu disse. — Algo mais ou nós podemos apenas nos beijar e fazer as pazes agora? Sua testa saiu da minha. — Uma coisa a mais, — ele disse,

enquanto

seu

rosto

enrugava.

Você

estava

preocupada que eu fosse ser o tipo de pai que o meu era? — Eu poderia dizer que ele estava tentando não mostrar o quão difícil era essas palavras saírem, mas eu tinha visto esse homem através de quatro anos de altos e baixos da vida. — Eu falei sério no sábado, Jude, — eu disse, tentando apagar as linhas de preocupação de seu rosto com meus dedos. — Isso nunca foi uma das minhas preocupações. Nunca, e você quer saber por quê? — Por quê? — Porque você está ciente disso, porque você está preocupado com isso. Esse medo de tornar-se seu pai vai levá-lo a ser o melhor pai que pode ser, — eu disse, assistindo ao primeiro lote de rugas desaparecerem do rosto. — Sabe o que me preocuparia, então? Se você fosse esmagadoramente confiante de que nunca poderia tornar-se ele. Se você fosse tão positivo que você nunca poderia, em um milhão de anos, ser como ele, eu estaria preocupada que esse tipo de confiança fizesse você preguiçoso. E isso ia tornar mais fácil de cair em armadilhas quando os tempos difíceis vierem. — parei para repirar. Eu estava realmente enrolada, mas eu tinha muito para falar. — Mas isso não é como você


é, e isso é o porquê que eu não estou preocupada. E, Jude? Eu não escolheria outro homem se eu tivesse o mundo inteiro para escolher para ser o pai do meu bebê. As últimas rugas restantes desapareceram. — Droga, mulher, — disse ele, — Se continuar dizendo esse tipo de coisa e eu vou derramar outra lágrima. — inclinando-se, ele me beijou novamente, mas este durou mais tempo do que o último, embora ainda fosse curto demais para o meu gosto. — Então, nós estamos bem agora? Tudo fora de nossos corações que precisa estar fora? Como o distorcido cara que ele era, seus olhos moveram-se para meu peito. Um sorriso largo apareceu. Eu o empurrei em resposta. — Então talvez eu tenha mais uma coisa para tirar do meu peito. — Há sempre mais uma coisa com você e eu. — Sim, mas isso vai me apoiar por um tempo, se você concordar com isso, — disse ele, esfregando a parte de trás do seu pescoço. — Você está nervoso? — Eu disse, chocada. A última vez que eu conseguia me lembrar dele visivelmente nervoso tinha sido na linha de cinquenta jardas, quando ele me pediu... — Casa comigo, Luce, — ele começou, soprando uma respiração. — Eu preciso fazer o que puder para fazer essa


coisa toda certa, e da maneira que eu sei, o jeito é nos transformar em uma família. — Nós já somos uma família, amor. — eu disse, perguntando-me se ele estava indo esfregar a pele em carne viva de seu pescoço. — Eu sei que somos, mas quero ser o tipo que pode emoldurar sua certidão de casamento e pendurá-la acima da lareira, — ele disse. — Eu quero que a nossa menina tenha uma mãe e um pai que estão comprometidos um com o outro, casados entre si. Eu quero que ela tenha um ambiente estável e carinhoso que eu não tive. Eu quero que você seja minha esposa e eu seu marido para a nossa menina, Luce, mas eu estaria mentindo se não admitisse que tenho razões egoístas para querer casar com você. — Você tem o direito de ser egoísta, — eu disse, pegando sua mão e puxando-a para longe de seu pescoço. — Você foi um homem paciente comigo por três anos, enquanto eu mantive toda a coisa de ‘em breve’. — Sim, eu não acho que a sua ideia de ‘em breve’ vai funcionar, Luce. Eu não quero que a nossa filha tenha idade suficiente para se casar antes de nós. — Seu nariz enrugou. — Espere. O que diabos estou dizendo? Nossa filha nunca vai se casar. Ela nunca irá para um encontro. Na verdade, ela nunca vai saber o que é mesmo um garoto, porque eu enlouqueceria se ela trouxesse para casa um cara como eu. Eu estava rindo. Aquela risada boa e verdadeira que faz o corpo todo balançar. Eu não tinha rido assim há algum


tempo. Eu sorri para ele. — Eu ficaria feliz se ela trouxesse para casa um garoto como você um dia, — eu disse. — Ela faria sua mãe orgulhosa. — Eu não penso assim. Toda a coisa de atração por pedaço-de-merda termina com você. Nada além do melhor para a minha filha. — Ok, ok, — eu disse, segurando minhas mãos em sinal de rendição, porque este era um tema que Jude e eu poderíamos ir discutindo por dias e ninguém jamais seria declarado vencedor. — Então, quando a gente se casa? As sobrancelhas de Jude foram pra muito alto. — Espere... Você está dizendo que você está pronta? Gostaria de definir uma data e enviar os convites? — Eu estou pronta. — eu disse, tentando não rir de sua expressão. Ele quase parecia tão surpreso quanto quando ele descobriu que eu estava grávida. — O que você está pensando? Semanas? Meses? — Ele estava torcendo as mãos, ele estava ficando tão animado. — Estamos em um hospital, não estamos? — Eu disse, encolhendo os ombros. — Tem que ter um capelão ou um ministro ou alguém que pode nos fazer oficial. Aquele olhar de choque que tinha estado no rosto de Jude alguns segundos atrás? Sim, não tinha nada a ver com o novo que ele tinha no momento.


Ele abriu a boca, mas nada saiu. Dando a sua cabeça uma sacudida forte, ele tentou novamente. — Você está dizendo o que eu acho que você está dizendo? Eu sabia que estava louca, e amigos e familiares bateriam em nossas cabeças quando descobrissem, mas eu culparia os hormônios e o jeito que os olhos de Jude estavam olhando para mim agora. A vida era sobre compromisso. Era dar e ganhar, e com Jude e eu, eu tinha estado mais ganhando do que dando em nosso relacionamento. Ele tinha me dado tudo e faria tudo isso de novo. Era minha vez de facilitar. Se eu casasse com ele hoje ou daqui a dez anos, eu estava casando com Jude Ryder. Era hora de eu deixar meus medos infundados e dúvidas e agarrar o que era garantido: Jude. — Se isso envolve você e eu dizendo ‘eu aceito’ essa tarde, então sim, eu estou dizendo o que você pensa que eu estou. Eu nunca tinha visto ele sorrir do jeito que ele estava agora. — E quando eu penso que eu não posso amar você ainda mais... — Eu vou e proponho um casamento apressado em uma capela de hospital quando eu estou grávida e vestindo uma camiseta e saia xadrez? Seu sorriso ficou maior. — Exatamente. — Então, antes que eu soubesse o que tinha acontecido, Jude me tinha em seus braços e estava saindo pela porta.


Quando nós chegamos no corredor, ele começou a correr. As cabeças das enfermeiras e médicos e pacientes estavam girando ao redor para apreciar nós dois, rindo e correndo o nosso caminho até a capela. — Nós vamos nos casar! — Jude gritou entre o riso. — Puta merda!

Jude não tinha me colocado no chão até que tínhamos chegado na capela do hospital, no primeiro andar. Ele me deixou na loja de presentes, dando-me um ótimo beijo longo que fez meus dedos enrolarem nos meus sapatos, antes de correr para encontrar o ministro. Ou o pastor. Ou o padre. Ou quem quer que tenha a capacidade de nos casar. Nós não nos importávamos. Eu andei até o balcão da loja, esperando que eles tivessem algo que servisse como um anel de casamento temporário até que eu pudesse encontrar um adequado. Minhas orações foram atendidas. Haviam vários anéis escovados de titânio na vitrine. Perfeito. Perguntei a mulher atrás do balcão se eu poderia vêlos, e, depois de tentar três deles em meu dedo para comparar, eu tinha certeza que eu tinha encontrado o que caberia em Jude. Foi um colossal montante de trinta dólares, e depois de garantir à vendedora que eu não precisava dele embrulhado para

presente,

pois

estaria

deslizando

em

um

dedo,


esperançosamente, em menos de dez minutos, corri para a capela. Olhei para cima e para baixo no corredor, mas não vi Jude, então eu empurrei a porta e achei quem eu tinha estado procurando. Em pé na frente de um altar. Havia um sorriso em seu rosto que me fez pensar sobre as coisas que, provavelmente, poderiam me atingir por um raio para tê-los em uma igreja. Ele tinha enfiado sua camiseta branca, mas que era tão formal como a ocasião exigia. Eu não estava melhor. Eu ainda não tinha feito uma parada no banheiro das mulheres para pentear meu cabelo ou colocar um pouco de gloss. Era parte da beleza de hoje. Parte da beleza de Jude e eu. Nós viemos como estávamos, sem os babados e as perfumarias, aceitando o outro como é. — Olá, minha linda noiva corando. — Jude disse acenando com a cabeça para trás. — Eu arrumei um padre. — Um homem idoso usando colarinho branco e um sorriso estava por trás do que parecia ser mais um pódio do que um altar. — E uma testemunha. — Ele apontou para um homem de meia-idade sentado na primeira fila de bancos. — Você achou um anel? Eu levantei meu polegar, onde o anel pendia. — Tudo o que resta é um par de assinaturas e ‘Eu aceito’, então. — Jude disse, inclinando a sua cabeça, incentivando-me a caminhar até o altar.


Jogando os ombros para trás e colocando um rosto dramático, eu segurei um imaginário buquê de flores em frente de mim e comecei a minha marcha nupcial em direção ao homem que eu estava prestes a prometer uma eternidade. — Baaa-bum-ba-bum, — Jude cantou em voz baixa, imitando uma marcha nupcial. — Ba-bum-ba-bummm. Mesmo em uma caminhada lenta, eu estava na frente dele antes que ele terminasse de cantar. — Eu não disse a você, Padre Joe? — Jude disse, encaixando sua mão contra minha bochecha. — Ela não é a coisa mais linda que você já viu? O sorriso caloroso de Padre Joe cresceu. — Eu diria que você é um rapaz de muita sorte. — Infernos sim, eu sou... — A voz de Jude parou quando ele deu ao padre um tímido sorriso. — Sinto muito. Padre Joe apenas riu e cruzou as mãos na frente dele. — Vamos começar? — Inf... — Jude se conteve neste momento. — Pode apostar. — Obrigada por nos casar. — disse eu. — Eu aposto que você não tem muitos casamentos apressados em um lugar como este. Padre Joe inclinou-se como se ele estivesse me contando um segredo. — Você ficaria surpresa. — Esta é sua última chance de fugir gritando, Luce, — Jude disse, segurando sua mão na minha.


Estudei a porta antes de virar para ele. Peguei suas mãos. — Que tal quando acabarmos aqui, nós fugirmos juntos? — Fechado. — Ele respondeu, acenando com a cabeça para o Padre Joe. — Sr. Ryder disse que gostaria de manter os votos breves. — Padre Joe começou. Eu ri. — Claro que disse. — Se está tudo bem com você, Senhorita Larson. — Uou. — Os olhos de Jude se arregalaram. — Você percebe que é a última vez que você vai ser Senhorita Larson? — Sim, isso é meio que a razão pela qual eu estou aqui, — eu disse, rindo da ironia que o nosso casamento era tão pouco convencional quanto todo o nosso relacionamento. — E sim, Padre Joe, eu estou muito bem com manter as coisas breves. — Algo me diz que vocês dois tem uma relação muito dinâmica. — Padre Joe disse, com os olhos brilhando. Jude e eu olhamos um para o outro e sorrimos. — Você não faz ideia. — dissemos em uníssono. Padre Joe limpou a garganta e inclinou-se em direção a Jude. — Filho, repita depois de mim... — Oh, eu estou bem, Padre, — disse Jude, levantando a mão. — Eu memorizei os votos há tempos. — O quê? — Eu não deveria ter ficado surpresa.


— Eu nunca poderia saber quando ia finalmente casar com você, e tinha que estar pronto para quando esse momento chegasse, — disse ele. Levantei-me na ponta dos pés e dei um beijo em seus lábios. — Bem quando eu acho que não consigo me apaixonar mais por você. Ele piscou e soltou um suspiro lento pela boca. — Eu, Jude Ryder Jamieson, tomo você, Luce Roslyn Larson, — mordi o lábio para não sorrir, — Para ser minha esposa, para ter e manter deste dia em diante, no melhor e ou no pior, na riqueza, ou pobreza, na saúde e na doença, para amar e valorizar até que a morte nos separe, — Ele soltou um longo suspiro. — Que tal? — Praticamente a coisa mais romântica que você já me disse, — eu respondi. — Muito bem, meu filho, — Padre Joe disse antes de virar em minha direção. — Lucy, gostaria de repetir depois de mim, ou você memorizou os votos também? — Eu memorizei, Padre. — eu disse, apertando as mãos de Jude. Surpreendentemente, nenhuma das nossas mãos estavam pegajosas. Nenhum de nós estava nervoso sobre fazer promessas de ‘para sempre’ ao outro. — Eu, Luce Roslyn Larson, — agora foi a vez de Jude de não parar de sorrir, — Tomo você, Jude Ryder Jamieson, para ser meu marido, para ter e manter deste dia em diante, no melhor ou no pior, na riqueza ou na pobreza, na saúde ou na doença, para amar e respeitar até que a morte nos separe.


Quando terminei meus votos, eu me perguntei o que tinha me tomado tanto tempo para chegar aqui. O que eu esperava que me fez tão preocupada? Jude era tanto meu agora como tinha sido até então. A simples troca de votos não deveria mudar nada. Mas, enquanto eu estava aqui diante dele, depois da troca de nossos votos, isso meio que mudou tudo, também. — Eu entendo que vocês têm anéis que vocês gostariam de usar? — Nós temos, — Jude respondeu, tirando algo do bolso. Era um pequeno anel prata. A aliança de casamento com três pedras alternadas. Parecia que ele tinha estado esperando por esse momento, quando ele se vestiu hoje. Segurando minha mão esquerda na dele, ele colocou o dedo acima do meu dedo anelar. — Essas pedras representam você e eu, Luce, e nossa menina, — disse ele. — Esmeralda para o seu aniversário, rubi para o meu, e ametista para o mês que é suposto ela nascer. Eu queria que fosse especial, sabe? Ele colocou uma séria quantidade de pensamento para este anel. — Eu sei, — eu disse, lutando contra o nó na minha garganta. — É lindo, Jude. Ele colocou o anel no meu dedo. — Com este anel, eu nos caso. O anel de casamento com os três membros de pedras dos signos da minha família brilhavam acima do anel de


noivado que eu tinha usado solitário durante três anos. Ele estava feliz por ter seu companheiro. Eu tive que limpar meus olhos antes de pegar sua mão esquerda.

— O meu não é tão significativo, mas ele vai

funcionar. Por agora. — Ele vai funcionar para sempre, — disse ele, admirando o anel. Quando eu deslizei o anel no seu dedo, percebi que ele iria funcionar para sempre. Convinha-lhe. — Com este anel, eu nos caso. Padre Joe olhou para nós. — E agora, pelo poder investido em mim, eu vos declaro marido e mulher. Você pode... — Yeah, Padre, — Jude disse, colocando seus braços ao redor de mim e me puxando para perto. — Eu memorizei essa parte, também. — Sua boca cobriu a minha, e ele me beijou. Foi um pouco como nosso primeiro beijo, tímido e faminto, e um pouco como se fosse nosso último beijo, lento e dedicado. Meu primeiro beijo como uma mulher casada foi malditamente incrível. Só quando nós precisávamos de ar que os lábios de Jude deixaram os meus. Ele suspirou. — Finalmente. — Yeah, — eu disse, beijando sua cicatriz. — Finalmente.


— Parabéns, — Padre Joe disse seus olhos ainda brilhando. — Sejam bons um para o outro. — Dando-nos um último sorriso, ele saiu de trás do altar e caminhou para fora da capela, junto com nossa silenciosa testemunha. — E agora? — perguntei, puxando-o para a porta. — Agora que você já me fez uma mulher honesta, o que você tem em mente? — Nós provavelmente deveríamos pegar aquela coisa de certidão oficial de casamento para que eu possa pendurá-la na parede, — disse ele, sorrindo de orelha a orelha. — Nós somos tão oficiais como eu e você precisamos ser. — disse eu, — Mas uma certidão de casamento emoldurada seria um toque agradável para a casa da família Ryder. — Onde quer que a casa fosse. Nós estávamos em uma espécie de fase ‘para ser decidido’ no departamento casa. — Mas, quando eu perguntei ‘e agora?’, eu estava me referindo às próximas horas futuras, não nos próximos dias futuros. — Neste caso... Que tal um bom jantar? Velas? Uma garrafa de champagne? — ele disse, parando. — Ou uma garrafa de água com gás? Aparecendo através da porta, eu puxei ele. — Jantar parece bom, — eu disse, puxando ele mais rápido pelo corredor, até que nós tínhamos passado o elevador e a mesa da enfermeira. — Mas eu tinha uma ideia melhor. — Parando na última porta no fim do corredor, eu deslizei para dentro e dei uma rápida olhada ao redor. Estava vazio, e tinha uma


chave na porta e uma cama de hospital, recentemente arrumada, contra a janela. — Eu estou aberto a melhores ideias, Luce, — Jude disse quando eu puxei ele para dentro, — Mas o que nos escondermos em um quarto de hospital tem a ver com isso? Trancando a porta atrás de nós, eu o empurrei contra a parede. — Isso, — eu disse, beijando-o. Duro. — Melhor ideia, — disse ele entre meus lábios frenéticos. Minhas mãos agarraram a bainha da minha camisa e puxei-a sobre a minha cabeça. — Ideia muito melhor. Sua camisa estava quase fora, e então, seus dedos estavam liberando meu sutiã. Suas mãos deslizaram para frente, cobrindo meus seios. — Merda, Luce. — Jude se afastou de mim, seus olhos caíram para onde as suas mãos tinham acabo de estar. Eles arregalaram. — Que porra é essa? — Estar grávida tem suas vantagens, — eu disse, olhando para baixo, onde a minha bebê tinha feito meu peito passar de P para M em seu caminho para o crescimento. — Claro que sim, isso tem. — disse ele, levantando as mãos de volta para a posição. — Além disso, aumentou o desejo sexual, — eu acrescentei com uma piscadela. — Nós estamos falando de


louco,

ofegante,

fazer-de-manhã-tarde-e-noite

tipo

de

aumento do desejo sexual. — Se eu não entrar em você logo, vou estourar alguma coisa, — ele disse, levantando-me e colocando-me reta na cama. — Seus peitos enormes e sua boca suja estão fazendo seu ponto em mim. — Bem, é melhor se apressar, então, — eu disse, beijando seu pescoço enquanto minha mão deslizava para dentro da frente de suas calças. — Merda, amor, eu estou falando sério. — Ele gemeu quando minha mão apertou ao redor dele. — Eu também. — respondi, deslizando minha mão para baixo dele. Então ele me tinha na cama e estava rastejando para o espaço entre as minhas pernas. Seu rosto assumiu uma expressão séria de repente. — Podemos estar fazendo isso? — Disse ele, ainda ofegante. — Com você estando grávida e tudo mais? Se não fizéssemos isso, eu tinha certeza que eu iria explodir em chamas. Peguei o botão superior da sua calça jeans e puxei-o livre. — Parece estranho para você querer abster-se do ato que fez o bebê por causa do bebê? — Eu trabalhei em seu fecho. — Você está falando na minha cabeça de novo, — disse ele.


— Então, por que você apenas não cala a boca e faz já amor com a sua esposa? — Agarrando o cinto de seu jeans, eu o puxei para baixo. — Ok. — Seus dedos escorregaram para dentro da minha calcinha, e ele tirou-a pelas minhas pernas. A saia teria que ficar, porque eu não podia esperar mais. — Vamos ver como a Sra. Ryder é na cama. Pairando sobre mim, Jude apoiou seus braços em volta de mim e abaixou seu peito até que ele esmagou contra o meu. Um pequeno sorriso estúpido formou em seu rosto. — Eu acho que posso me acostumar com essas coisas, Luce. Levantei meus quadris até que eu podia senti-lo duro contra mim. — Chega de falar. Seu tonto sorriso se transformou em algo mais quando ele empurrou dentro de mim. Eu estava tão pronta para ele afundar todo o caminho dentro. Sua boca desceu para o meu pescoço, sugando a pele sensível na sua boca, torturando-me com cada beijo lento quando ele parou imóvel. — Seja legal, — eu disse, tentando flexionar os quadris contra os dele, mas ele tinha me parado. Eu estava a sua mercê. — Eu sou sua esposa, afinal. Jude deu ao meu pescoço uma mordida final antes de seu rosto mover-se sobre o meu. — Já que colocou dessa maneira.

— ele disse, olhando fixamente nos meus olhos

enquanto ele deslizava de volta e, justo quando pensei que ele estava saindo, ele empurrou para dentro.


Meu braço se debateu para o lado, enrolando ao redor da parte de metal da cama. Parecia que, juntamente com o aumento do desejo sexual veio a diminuição do impulso até o orgasmo. Minha outra mão enfiou-se em seu traseiro, enrolando em sua carne enquanto ele pulsava dentro e fora de mim. — Eu não posso esperar, amor. — gemi quando ele enterrou dentro de mim novamente, já sentindo meu clímax chegando. — Eu não posso também, — ele arquejou, pegando o ritmo até os meus gemidos virem ao mesmo tempo que os seus. Seus dedos teceram se prenderam atrás do suporte da cama enquanto eu pulsava em torno dele. Envolvendo seus braços ao redor de mim, Jude virou e me embalou para ele. Sua respiração era tão dura quanto a minha enquanto nossos peitos subiam e desciam com a mesma contagem. — Eu te amo, Luce Ryder, — ele respirou, correndo os dedos para cima e para baixo nas minhas costas. — Eu te amo, Jude Ryder, — Eu olhei para ele. — Então... Como foi a Sra. Ryder na cama? Aquele mesmo estúpido sorriso apareceu em seu rosto. — Fodidamente fantástica. Eu ri na curva do seu braço. — Que bom, já que você vai estar preso a fazer amor com ela até murchar e morrer.


— Que bom, — ele disse, parecendo feliz, satisfeito e cansado. Isso era uma poderosa combinação. — Então, Sr. Jude Ryder. — levantei minha cabeça em seu peito e fingi falar em um microfone cerimoniosamente. — Você acabou de casar com vinte e um anos, vai trocar as fraldas de seu bebê antes de ter vinte e dois anos, e acabou de ter sua lua de mel em uma cama de hospital. — Eu segurei o microfone imaginário. — Como você se sente? — Como o maldito bastardo mais sortudo do mundo. Eu podia me identificar. — Bem colocado, — eu disse. — Muito convincente. Ele passou os dedos pelo meu cabelo e me olhou como se eu fosse a coisa mais especial do mundo para ele. — Eu tenho que ser convincente. Eu tive você dizendo sim poucos minutos atrás, não é? Pensei em todas as formas que ele tinha me arrancado um sim. Naquele primeiro dia na praia, quando eu soube que ele não era bom para mim, mas não poderia ficar longe. Naquela

manhã

no

meu

armário,

quando

ele

tinha

conseguido me fazer dizer sim para ir ao baile com ele. Seu pedido de casamento na linha de cinquenta jardas na frente de

cinquenta

mil

torcedores.

E,

finalmente,

no

altar

tornando-me sua esposa, quando eu não podia dizer sim rápido o suficiente. — Yeah, Jude. — Eu disse. — Você com certeza teve.


EPÍLOGO Jude estava na linha das cinquenta jardas novamente, sendo aplaudido por dezenas de milhares de fãs, mas desta vez eram uns poucos jogos em sua segunda temporada jogando para o Charges. Eu ainda estava sentada no banco da frente e no centro, torcendo junto com o resto dos fãs. Mas desta vez a nossa agitada bebê de seis meses estava no meu colo. Nenhuma surpresa que ela tinha sua própria agenda quando veio no dia que ela queria sair e conhecer o grande mundo. Jude e eu éramos os pais dela, afinal. Ela nasceu três semanas mais cedo, e eu não sei se Jude respirou todas às doze horas do parto. Mas ele nunca saiu do meu lado. Quando ela finalmente saiu, Jude mal podia olhar para longe dela o suficiente para cortar o cordão. Ele tinha chorado sua segunda lágrima nesse dia. E sua terceira, e talvez mesmo uma quarta quando o médico disse que nossa menina era perfeitamente saudável. Após o semestre de outono, eu me mudei para San Diego para ficar com Jude. Para ter nosso bebê e descobrir o nosso futuro. Depois que ela nasceu, a vida tinha sido uma loucura, mas eu tinha acabado de matricular-me em alguns cursos em uma faculdade local que iria contar para a minha licenciatura, então lenta, mas com segurança, eu ia me


formar. Terminar meu curso era mais uma questão de orgulho e obstinada determinação. Nós tínhamos chamado a nossa menina de Annalise Marie Ryder. Não era um nome de família, nem tivemos que agonizar sobre escolher apenas o significado certo. Jude tinha se apaixonado pelo nome uma noite quando tinha estado procurando livros de nomes de bebês, tipo, realmente apaixonado. Eu sabia que ele teria recuado se eu dissesse que não gostei ou que queria um nome diferente, mas Jude teve um total zero de parentes de sangue em sua vida. Ele ganhou o direito de nomear a menininha que era a metade de seu DNA e estaria para sempre em sua vida. Então era Annalise Marie. Ela se parecia comigo, mas tinha os olhos cinzentos de seu pai, e podia formar expressões em seis meses que eram estranhamente idênticas ao Jude. Falando de um certo Sr. Ryder... Jude ficou em posição, pronto para a corrida. Eu estava prestes a aparecer e pular e animar com um pacote Annalise de quinze quilos quando alguém me virou de lado. — Posso segurá-la, tia Luce? LJ tinha crescido em um não-tão-pequeno homem no período de um ano. Ele e Holly ainda viviam no antigo apartamento em White Plains, mas agora Thomas vivia lá, também. Ele pediu Holy em casamento no mês passado e estariam se casando neste inverno. Nós não conseguimos vêlos tão frequentemente como eu gostaria, mas vinham


algumas vezes por ano para um dos jogos de Jude ou para brincar na praia, e nós fazemos o nosso melhor para voltar ao leste. — Claro, LJ, — eu disse colocando Annalise em seu colo, mas mantendo minhas mãos perto. — Ela é um pouco agitada, então segure firme. — Eu vou. — disse ele, enrolando os braços apertados em torno de seu tronco. Claro que ela acalmou quase imediatamente, agora que o primo LJ a tinha. O estádio estava barulhento desde o início até o fim do jogo. Para ajudar a abafar alguns desses ruídos nas orelhas do bebê, Annalise tinha seu próprio gorro de malha especial que ela usava para cada jogo. Ao contrário de Jude, o dela era rosa, e ela tinha um punhado de roupas do Chargers que ela balançava junto com a camisa que eu usava. Eu fiquei sentada ao lado de LJ apenas no caso de Annalise decidir dar um salto voando de seus braços, e acenei para baixo na linha de Sybill, que estava lutando com seus próprios quatro filhos. — Eu tenho que te dizer, Lucy, — Holly disse, me dando uma cotovelada do outro lado. — Aquela pequena casa na praia que Jude deu para você de presente de casamento é muito fantástica. Só para você saber, LJ, Thomas e eu estamos pensando em fazer o segundo andar em nossa casa de inverno. Vocês não se importariam, certo? Como estávamos jogando o jogo cotoveladas, dei-lhe uma das minhas. — Não, nós não nos importaríamos. Desde


que LJ não faça xixi em todas as minhas plantas e Thomas junte suas cuecas sujas. — Yeah, eu não vejo isso acontecendo, — disse ela. — Droga, eu acho que só vai ser eu! Eu ri, sabendo que ela estava parcialmente séria, não sobre deixar LJ e Thomas, mas sobre mudar-se. Eles sempre ficavam conosco quando voavam desde que nós tínhamos o quarto e a praia no nosso quintal, e quando vinham Holly, Thomas e LJ, era realmente melhor, e mais feliz. Papai e mamãe vinham nos ver bastante também. Algo sobre ter um bebê na família foi especialmente motivador. Como presente de casamento, Jude havia me surpreendido com as chaves da casa de praia que eu queria alugar para as férias. Exceto que em vez de alugar, nós compramos. Então nós permanecemos nela pelas férias do ano passado, e nós vamos ficar nela todas as férias depois disso. Jude ainda havia vendido sua caminhonete turbinada e teve seu velho piecer totalmente reconstruído. Eu não poderia chamá-lo de POS38 mais, porque estava lindo. — Como está indo o estúdio de dança? — Holly perguntou, enquanto observava o campo. Jude tinha pedido tempo no último minuto e foi fundo em uma aproximação com seus companheiros. — Ótimo. A pista de dança vem nesta semana e, ela foi muito bem feita, — eu disse, vasculhando a bolsa de fraldas 38

Point of Service, traduzido como: Ponto de serviço, que é o estado que algo é chamado quando precisa de melhorias, no ponto para receber tratamento ou serviço.


pela girafa de dentição de Annalise que ela gostava de roer. — Eu já tenho uma lista de bailarinos inscritos. — Essas pobres crianças irão para casa chorando depois de passar uma hora na sala de aula com você como professora. — disse ela, sorrindo para mim. — Por que você não se inscreve na minha classe de adultos e eu vou ter certeza de mandar você para casa chorando. — eu respondi, espelhando seu sorriso. — Não, — ela disse, cutucando Thomas ao lado dela. — Meia-calça e sapatilhas são para os homens. — Malditamente certa, bebê. — ele disse, puxando-a para perto e beijando-a nos lábios. Eu ri, e verifiquei o campo. Eles estavam fora do amontoado e voltando na posição. Como mais um presente de casamento, Jude tinha comprado um velho edifício degradado em uma parte artística da cidade. Ele me colocou no comando

do

projeto

e

da

renovação

para

a

sua

transformação. Enquanto eu estava terminando o semestre de outono, o estúdio de dança veio junto. Eu tinha feito alguns progressos sólidos com os meus problemas com dinheiro. Jude tinha prometido que o dinheiro e a fama não iriam mudá-lo, e ele estava certo. Ele ainda andava com seus velhos tênis Converse, com jeans Levi’s e bebia cerveja barata, mas, o mais importante, ele ainda olhava para mim como se eu fosse todo o seu mundo. Seus olhos ainda eram suaves quando ele dizia, ‘Eu te amo’, e ele não hesitava em


ajudar a mudar um pneu para um estranho encalhado na beira da estrada. Então Jude ainda era Jude, eu era ainda eu, e nós ainda éramos nós. Praticamente a única coisa que tinha mudado era nossa conta bancária, bem como ele tinha prometido. Entre torcer para meu time de futebol favorito e trocar fraldas, eu ainda estava empenhada em trabalhar em algum tipo de capacidade, mas eu vim a perceber que eu queria trabalhar não tanto porque eu precisava fazer meu próprio dinheiro, mas porque eu queria fazer a diferença. Emparelhar aquele desejo com a minha obsessão pela dança... bem, o estúdio de dança foi o resultado. Saber que um dia eu poderia influenciar um jovem do jeito que Madame Fontaine me influenciou me fazia sentir como se eu fosse a cereja no topo de um muito gratificante sundae. — Vai, Tio Jude, — LJ disse, cuidando para não gritar com Annalise em seus braços. — Aqui, amigo, — eu disse, chegando até ela. — Deixeme pegar ela para você poder levantar e pular e gritar para Tio Jude. Você sabe que ele consegue ouvir você aqui, certo? — Eu sei, — LJ disse, deixando-me pegar Annalise. — Venha aqui, docinho. Vamos torcer por seu papai. — Beijando a cabeça de Annalise, eu levantei assim que o jogador central levantou a bola. Jude nem sequer fingiu um passe, ele apenas segurou a bola contra si mesmo e correu para a zona final.


Eu segurei minha respiração enquanto todo mundo ao redor da arena explodiu. Quando ele bateu na dez eu me deixei exalar. Ele estava indo fazer isso. Quando seu pé alcançou a zona final, o teto do local parecia que ia explodir de barulho. Eu estava lá e sorri para ele. Ele ainda era um exibido. Deixando a bola, virou-se e correu até a margem. Ele cumprimentou alguns de seus companheiros passando, mas não podia ser parado. Parando em nossa frente, ele sorriu. — Aquele foi para as minhas meninas, — ele disse, deslizando o capacete para fora. —

E

considere

suas

garotas

suficientemente

impressionadas, — eu gritei, inclinando-me para frente. Annalise realmente estava se contorcendo agora que ela viu o pai dela. Ela estava sorrindo e fazendo bolhas de saliva pela sua excitação. — Vem cá, bebê, — disse ele, levantando os braços. Eu entreguei-a as suas fortes mãos. — Você quer ver o melhor lugar da casa? Annalise sacudiu, balançando seus braços de bebê. Ela era uma filhinha de papai. — Ok, ok, — Ele riu, trazendo ela para perto dele. — Mas primeiro eu tenho que ter uma pequena coisa de sua mãe.


Sorrindo aquele sorriso dele que faz o meu estômago cair, ele inclinou a cabeça para mim. Inclinando-me, eu o beijei e, não diferente da primeira vez que tinha feito isso, o resto do mundo desapareceu. Era apenas Jude, eu e nossa garotinha. Isso era o que você chamaria de uma espécie de momento, um círculo completo. — Amo você, Luce, — disse ele depois da pequena mão de Annalise ter se enfiado entre nossas bocas. Ela agarrou o lábio inferior de Jude e não largava. — Amo você, Jude. Virando-se, Jude carregou Annalise para o campo. Ele não parou até que chegou ao meio da linha de cinquenta jardas. Embalando-a em seus braços, ele fez um lento giro. Câmeras estavam piscando, os fãs estavam gritando, e era uma controlada anarquia, mas eu sabia que não havia ninguém além de Jude e sua menina lá fora agora para ele. Enquanto eu os assistia, eu sentia a mesma coisa. Nós estávamos em nossa própria bolha, e era uma boa. Minha vida não estava como eu tinha planejado que seria. Não estava nem perto. Estava umas mil vezes melhor. Sybill tinha estado certa: As poucas coisas que eu tinha sacrificado, ou colocado em espera, para estar com meu marido e bebê valeram a pena. Aquele menino quebrado na praia parecia como uma vida atrás. Anos se passaram, a


faculdade e a NFL, casamento e um bebĂŞ, mas de vez em quando, quando Jude olha para mim e me da aquele lento, conhecido sorriso dele, eu sou aquela menina em um biquĂ­ni preto de novo, desejando um menino que eu nunca pensei que poderia ser meu.

Fim!


Tradução: Dayane, Serena, Catty, Ingrid, Nina, Débora, Thaluana,

Revisão Michelle, Nathy

Formatação Anne


A trilogia Crash ĂŠ composta por :



Crush vol. 3 (revisado) - Nicole Williams