Issuu on Google+


Disp. e Tradução: Rachael Revisora Inicial: Tina Revisora Final: Rachael Formatação: Rachael Logo/Arte: Dyllan

Ela pensa que conhece este jogador — mas ele tem alguns movimentos de surpresa. Para Alicia Riley, seu trabalho como um terapeuta esportivo para o time de beisebol dos Rivers St. Louis é um home run1 — até que ela se torna a terapeuta principal da estrela o arremessador, Garrett Scott. Fora da programação com uma lesão, ele possui pavio curto, é duro de lidar, e possui cada centímetro sólido de um homem. Agora, a única exigência que ele está fazendo para Alicia é que o consiga pronto para arremessar com afinco a tempo da abertura da temporada. Exceto que a química sexual entre eles está tão carregada, que Alicia obriga Garrett quase a qualquer coisa. Mas ambas carreiras estão em jogo — um movimento ruim, o jogo acaba para os dois. Garrett também sente as faíscas quentes entre eles, e a maneira que ele descobre isto, que a melhor terapia é o sexo? Agora tudo que ele tem que fazer é convencer a mulher com o poder para fazer a ligação.

1

No beisebol, home run (denotado HR) é uma rebatida na qual o rebatedor é capaz de circular todas as bases, terminando na casa – base. 2


Este livro é dedicado para as pessoas incríveis em Fisioterapia, especialmente Bret, meu terapeuta, que trabalhou muito diligentemente em meu ombro por tantos meses assim eu podia continuar a fazer meu trabalho. Penso que você possui todos os tipos de milagre e aprecio tudo que você faz. E obrigado por tudo e por vezes doloroso, mas útil, e ajudar nos conceitos e técnicas.

Revisoras Comentam...

Tina: Uauuuu!!! O livro é quente! Como todos os outros jogadores da série Garrett não fica nada a desejar. Se delicie com este jogador ele é tudo de bom. Garrett tem que se recuperar de uma lesão para poder voltar a arremessar, mas a equipe de terapia não o tem ajudado, até que Alicia Riley a terapeuta teimosa e dedicada acaba encarregada de sua recuperação. O problema começa quando não é somente de sua recuperação que ela está se encarregando. A química entre eles é muito grande. Adorei quando eles têm um estádio de beisebol inteiro para eles. Adivinhem... Rachael: Ohhhh Deus, que livro quente!!! Essa história flui tão bem que ela te envolve desde a primeira linha. O Garret tem uma lesão que o tirou dos jogos e está acomodado na sua terapia. A Alicia em uma reunião o desafia a voltar a sua antiga forma e ele acaba aceitando o desafio. Nisso a química explode, eles pegam fogo juntos e entre erros e acertos vamos nos encantando com esses dois. Amoo essa família!!!! E vocês terão a oportunidade de conhecer os amigos do Garret que irão ganhar a sua história também!!! O primeiro deles é o Gray!!! Que venha esse piloto então!!!

RECONHECIMENTOS Para meu editor, Kate Seaver, e meu agente, Kimberly Whalen, por sua dedicação inabalável de fazer um livro difícil. Vocês são os meus salvadores. Obrigado, obrigado, obrigado.

3


Capítulo Um GARRETT SCOTT SENTOU-SE NA SALA DE TERAPIA DO RIVERS DE ST. LOUIS enfrentando toda uma equipe de especialistas em medicina esportiva, todos tinham olhares de desolação em seus rostos. Desde o médico da equipe para os terapeutas que estava trabalhando em seu ombro pelos últimos seis meses, os seus rostos diziam tudo — ele não estava pronto para arremessar ainda. Ele estava cansado disso. Cansado de ser moldado e manipulado e picado e incitado como uma espécie de experimento. Seu ombro não estava ficando melhor, e ainda não conseguia fazer um arremesso. Ele estava perdido. Sua carreira acabou, e nenhuma quantidade de expressões de esperança falsas iria fazê-lo acreditar de forma diferente. “Vamos até as roldanas,” disse Max. “Se nos aumentarmos o peso...” “Não. Isso não vai ajudar. Não tenho a extensão completa do movimento, nenhuma roldana, nenhuma bola pesada, nenhuma terapia da água, e nenhuma quantidade de alongamento estão indo para obtê-lo de volta.” “Você não sabe disso, Garrett,” disse Max. Como chefe da equipe de medicina esportiva, quando Max tinha um plano, todo mundo escutava. “Nós não terminamos o seu tratamento, e a temporada ainda não começou. Há tempo de sobra.” Phil, o médico da equipe, acenou com a cabeça. “Max está certo. Você não tem dado tempo suficiente.” Garrett olhou para os dois. “Eu disse que não. Isso não tem levado a lugar nenhum, e todos nós sabemos disso.”

4


Todos começaram a falar ao mesmo tempo, mas era tudo ruído branco 2 para ele. Eles estavam soprando a fumaça em seu traseiro3 como se ele estivesse indo lançar em abril. Ele tinha ouvido isso antes, todos os tapinhas nas costas e o incentivo que não significavam nada se você não pudesse obter uma bola ao longo da caixa do batedor. Eram apenas palavras. Promessas vazias. O único que não disse nada era uma mulher pairando no fundo. O cabelo escuro estava puxado para trás em um rabo de cavalo, ela usava a mesma camisa polo da cor do time e calças cáqui, como os homens, e segurava um notebook. E estava lhe dando um olhar. Um olhar irritado. “Você não disse nada,” disse ele, focando seu olhar sobre ela. “O que você acha?” Ela piscou e segurou seu notebook perto de seu peito. “Eu?” “Sim.” “Não sou a responsável por sua recuperação. Há pessoas aqui com muito mais experiência do que eu.” “Você assistiu a minha terapia, não é?” “Sim.” “Então o que você acha?” Todos se viraram para ela, observando e esperando. Ela finalmente encolheu os ombros. “Acho que a sua equipe está certa. Você vai lançar.” Ela mexeu-se para frente, e ele deu uma boa olhada nela. Apesar dos uniformes feios que todos usavam, ela era bonita, uma das duas mulheres da equipe de terapia esportiva. Ele passou várias vezes por elas e não tinha prestado muita atenção, pois ambas eram morenas, apenas borrões passando enquanto ele estava fazendo terapia com Max e alguns dos outros membros seniores da equipe. Agora que estava mais perto, realmente a percebeu. Ela tinha

2

Um ruído produzido por um estímulo que contém todas as frequências audíveis de vibração; “ruído branco é um bom agente de mascaramento”. 3 Tentando obter uma reação. 5


olhos azuis impressionantes e uma boca bonita, ele definitivamente estava prestando atenção agora que ela tinha falado. “Meu braço está duro.” “Porque você está o mimando, porque não dá tudo de si. Seus terapeutas sabem o que estão fazendo, mas você luta com eles.” Assim que ela disse isso, seus olhos se arregalaram. Max cruzou os braços, e Garrett poderia dizer que ele estava chateado. Garrett não estava. Seus lábios se curvaram. “Vá em frente.” “Olha, eu não tive a intenção de insultá-lo.” “Sim, você fez. Você sentou-se em silêncio durante todos esses meses, e obviamente tinha algo em sua mente. Derrame isso.” Ela olhou para Max, que balançou a cabeça. “Não olhe para ele,” disse Garrett. “Diga-me o que estou fazendo de errado.” Ela sentou-se ao lado dele no banco e colocou seu notebook para baixo, e levantou seu olhar. “Tudo bem. Você é argumentativo, confrontador, e uma dor grande no traseiro para se lidar. Honestamente, ninguém quer trabalhar com você, porque você luta com a sua recuperação. Metade da cura é mental, e sua cabeça é o maior obstáculo para voltar para o monte de arremesso.” Huh. Ele olhou para os outros, que fizeram o seu melhor para desviar o olhar. “Eu vejo.” Mas quando se virou para ela — não tinha ideia de qual era seu nome. “Qual é o seu nome?” “Alicia.” “Ok, Alicia. Você acha que pode me fazer um lançador novo?” Ela lhe deu um sorriso confiante. “Sei que posso, se você puxar a sua cabeça para fora de sua bunda e trabalhar comigo.”

6


Ele gostava de sua confiança. Gostava dela. Com certeza era melhor do que o resto do grupo de medicina esportiva que tinha trabalhado todos esses meses. E ela cheirava bem. “Alicia,” Max avisou. “Por que você não vai até o escritório, e vou terminar aqui com Garrett?” Alicia acenou com a cabeça, em seguida, levantou-se e saiu da sala. Garrett riu, a primeira vez que ele riu por um maldito longo tempo. “Está tudo bem, Max. Eu gosto dela. Ela é honesta.” Assim que a porta se fechou, ele virou-se para Max. “Eu quero ela no comando da minha terapia.” “Absolutamente não,” disse Phil, interpondo-se na conversa. “Como médico, estou aconselhando contra ela. Max é o chefe de medicina esportiva da equipe. Ele é o melhor. Alicia não tem a experiência que ele tem.” “Eu não dou a mínima se ela é a garota da água. Ela é confiante. É uma especialista em medicina esportiva, certificada para fazer terapia, como o resto de vocês, não é?” “Bem, sim,” disse Max. “Então, quero trabalhar com ela.” “Você tem um braço multimilionário, Garrett,” disse Max. “Não estou confiando isto a ela.” Garrett levantou e se espreguiçou, depois olhou para Manny Magee, o treinador do Rivers de St. Louis, que estivera sentado no canto da sala, em silêncio, observando tudo isso. “Esses caras estão todos trabalhando em mim por meses, e não vi os resultados necessários para poder lançar uma única vez maldita. Quero que Alicia possa tentar.” Manny levantou-se e caminhou de novo. Ele era duro e sempre honesto, por isso Garrett sabia que Manny daria isso a ele. “Isso é porque ela está certa. Fisicamente, você está curando bem da lesão. Um monte de seu problema é que você está resistindo ao tratamento.“ Talvez Manny estivesse certo, mas Garrett duvidava. O que ele precisava era de um novo terapeuta.

7


Se Alicia e sua boca inteligente poderia fazer o trabalho, então talvez sua carreira não acabasse. Ele olhou para Manny — e em todos eles. “Eu preciso de uma mudança. O que estamos fazendo não está funcionando. E talvez alguém novo possa ajudar com isso.” “Eu não dou a mínima se um palhaço de circo faz sua terapia, enquanto você estiver no dia da abertura no monte,” disse Manny. “Basta estar pronto para a temporada. Precisamos do seu braço.”

***** MERDA. MERDA. MERDA. ALICIA MASSAGEOU A DOR DE CABEÇA GIGANTE que se refugiava entre os olhos enquanto contava os minutos até seu chefe entrar no escritório e a dispensar. Ela sempre tinha uma boca inteligente, sempre falava primeiro e pensava depois. Mas ao insultar toda a equipe de medicina de esportes do Rivers de St. Louis em uma frase tinha sido uma séria imprudência colossal. Ela teve algum grande sucesso como terapeuta e tinha recebido um excelente retorno de seu chefe na época que estava aqui. Este era o trabalho de seus sonhos, e para piorar a situação, seu primo jogava para esta equipe. Gavin estava indo para matá-la. A parte frustrante era que ela sabia que estava certa. Garrett Scott era um incrível lançador. Sua lesão tinha sido ruim, mas não havia nenhuma razão para pensar que ele não iria voltar e ser um grande lançador de novo, desde que cooperasse com a sua reabilitação. O problema era que ele era o pior paciente que já tinha visto em termos de cooperação. Resistia à terapia, discutia com o plano de tratamento, e ela sabia muito bem que ele não estava fazendo seus exercícios em casa. Era um daqueles atletas que pensava em si mesmo como uma espécie de super-herói. Ficar ferido, fazer a reabilitação e ficar bem em poucas semanas. 8


Infelizmente, as lesões sérias não eram assim que funcionava, não importava quão jovem ou viril fosse. Você tinha que trabalhar em sua própria recuperação. A equipe fez um bom trabalho da sua parte. Garrett só não tinha feito nada de sua parte. Ele explodiu seus terapeutas com piadas e prometendo fazer melhor da próxima vez. E todos eles gostavam dele, então eles o aplacavam. Ugh. Ele não estava respondendo ao tratamento tradicional. O que significava que precisava de um novo plano, algo que ela vinha trabalhando durante seus dias de folga. Queria apresentá-lo a Max e Phil, mas seus métodos eram um pouco além do normal, e ela sabia que nunca iriam aceitar isso, especialmente Garrett. Agora, isso não importava mais, já que ela não ia fazer parte do tratamento de qualquer dos jogadores Rivers por mais tempo. Idiota. Ela deveria ter apenas mantido a boca fechada e dizer a Garrett que ele deveria ouvir o que Max falava para ele. Isso ia ser a sua penitência por ter uma mente própria. E uma boca grande. Ela levantou a cabeça quando Phil e Max entraram pela porta, junto com o treinador do Rivers, Manny Magee. Grande. Eles trouxeram o treinador com eles. Estava definitivamente demitida. Manny tinha uma reputação de ser impetuoso e forte. Ela endireitou-se e ergueu o queixo, determinada a levá-lo como a profissional que era. Correção. Se ela era uma profissional, provavelmente não teria dito ao lançador estrela do Rivers para puxar a cabeça para fora de sua bunda. “Alicia,” disse Phil. “O que você disse para Garrett lá embaixo...” “Sim, senhor. Eu sei. Eu sei que sai da linha. Sinto muito.” “Na verdade,” disse Manny. “era exatamente o que ele precisava ouvir.” Ela franziu o cenho e desviou o olhar para o treinador. “Desculpe-me?”

9


“Garrett tem sido o espécime perfeito de um lançador por cinco temporadas,” disse Manny. “Nós o arrancamos do torneio da faculdade, ele passou seis meses na AAA4 antes que o trouxéssemos para cima, e ele tem estado na nossa rotação desde então, com uma das menores Eras5 de qualquer arremessador da liga. Ele ganhou o Prêmio Jovem Cy6 duas vezes, lançou um jogo quase perfeito no ano passado, e detinha o recorde strikeout7 nas duas últimas temporadas. Ele é o garoto de ouro.” Ela reviu seu arquivo. Conhecia seu registro. Mas ouvir isso de Manny dava-lhe um entendimento. “Ele nunca falhou.” Manny assentiu. “Em nada. Ele não sabe como. Portanto, esta lesão atirou-o para um nó, sabe? O garoto é uma das melhores pessoas que já trabalhei, portanto, não tome seu humor negro para o coração. Ele vai ter aquela bondade de volta assim que encontrar o equilíbrio.” Ela olhou de Manny para Phil e para Max. “Espere. Não estou demitida?” Max não sorriu para ela. Poderia dizer que ele ainda estava com raiva sobre o que aconteceu na sala de tratamento. “Não, Alicia. Você não está demitida. Em vez disso, estamos colocando você no comando da reabilitação de Garrett Scott.” Mais uma vez — oh, merda. Isso é o que ela conseguiu por abrir sua boca. Phil e Max passaram sua nova atribuição. “Quero tentar alguns métodos de tratamento não convencionais com ele,” disse ela a Max.

4

Triple-A (ou Classe AAA) é o mais alto nível de jogo na liga menor de beisebol nos Estados Unidos e no México. Principal objetivo triplo A é preparar os jogadores para as ligas principais. 5 Corridas ganhas pelo adversário. 6 O prêmio Cy Young é uma honraria concedida anualmente no beisebol dos melhores arremessadores da Major League Baseball (MLB), cada um para a Liga Americana (AL) e Liga Nacional (NL). 7 No beisebol, um strikeout ou strike out (denotado por K ou SO) ocorre quando o batedor recebe três strikes durante sua vez ao bastão. Strikeouts são associados com dominância da parte do arremessador e/ou incompetência da parte do batedor; embora para rebatedores de potência seja reconhecido que o estilo de swing que gera home runs também o um tanto suscetível a sofrer strikeouts. 10


Max empacou, mas ela imaginou que se não sugerisse isso agora, poderia muito bem mandar Garrett de volta para ele. “Olha. Ele está resistindo. E, sim, muito é do que está na sua cabeça. Mas um pouco de seu problema é o tédio. Seu tratamento é repetitivo. Ele está acostumado com o plano que você executa para ele passar, e assim está o seu corpo. Deixe-me tentar isso. Se isso não funcionar, vamos alterar o plano.” Max olhou para Phil, que deu de ombros. “Concordo que não é um plano padrão, mas as terapias alternativas têm uma taxa elevada de sucesso com alguns atletas. Poderia trabalhar.” Max deu de ombros, em seguida, virou-se para Alicia. “Dê uma chance. Eu quero relatórios semanais.” Excitada, ela balançou a cabeça. “Sim, senhor.” Quando Garrett veio poucos minutos depois que eles saíram, ela se levantou, de repente nervosa. Ela sempre foi uma fã. Os Rivers eram, afinal, a equipe de sua cidade natal. E Garrett era nada menos que o homem mais lindo que ela já tinha colocado os olhos. Um metro e noventa e três de altura, cabelos escuros, a intensidade dos olhos escuros, com um corpo que era uma obra de arte. Ela passou sua vida adulta estudando a mecânica do corpo. Adorava esportes e jogadores de esportes, e Garrett era um dos melhores. Ela observou-o na sala de treino, dia após dia, suando através de sua terapia. Desde o primeiro dia de sua lesão, quando ele mal conseguia mover seu ombro, ela ansiava por ele, desejava que pudesse estar lá ajudando. E agora ele era todo dela. Falando de uma enorme responsabilidade. “Eles te contaram?” Ela engoliu em seco. “Sim. Minha pergunta é... Por que eu?” Ele deu de ombros. “Porque você me enfrentou. Preciso trabalhar com alguém que não vai aceitar a merda de mim. O resto deles me diz o que acham que quero ouvir. Eles me apaziguam. Eu não acho que você vai fazer isso.” 11


Ela precisava relaxar. Pensar nele como um paciente, não um homem quente de pé apenas alguns centímetros de distância. “Não, eu definitivamente não vou fazer isso. Não vou levar desaforo de você. Mas vou te ajudar. Você tem que acreditar nisso. E acreditar em si mesmo. Esse é o primeiro passo.” Ele estudou-a, em seguida, assentiu. “Claro. Limpei sua programação, assim você só vai trabalhar comigo.” Ela arqueou uma sobrancelha. “Você sabe, eu posso trabalhar com mais de um jogador.” “Provavelmente. Mas preciso de você se concentro na minha recuperação.” Um pouco de ego lá. Compreensível. Ela lidaria com isso. “Certo.” “Então vamos começar.” “Nós vamos. Na segunda-feira. Vou precisar de alguns dias para desenvolver o seu plano de tratamento. Desde sexta-feira de hoje, o fim de semana vai me dar o tempo que preciso.” “Tudo bem.” Ele pegou o telefone. “Qual é o seu número?” Ela deu a ele. “Ok, bom. Eu te ligo no domingo, e podemos figurar as coisas. Isso funciona para você?” “Claro.” Ele deu-lhe o seu número, e ela puxou o telefone do bolso para adicioná-lo. Ele socou a informação em seu telefone, em seguida, ergueu os olhos para ela. “Qual é o seu sobrenome?” “Riley.” Seus lábios levantaram. “Qualquer relação ao Gavin?” “Na verdade, ele é meu primo.” Ele olhou para cima. “Não merda. É assim que você conseguiu esse emprego?” Ele não era a primeira pessoa a fazer essa pergunta, e sempre a incomodava. “Não. Tenho esse trabalho porque sou boa em medicina esportiva. Sou tão boa em medicina 12


esportiva que você estará arremessando em abril, Garrett. Que não tem nada a ver com o meu primo e tudo a ver comigo.” Ele riu. “Cara, você tem alguma atitude. Eu gosto de você, Alicia.” Ela não tinha certeza de como se sentia a respeito dele. Júri ainda estava fora. Ela se dirigiu para a porta. “Você não vai gostar de mim quando eu começar a chutar o seu traseiro, Garrett.”

13


Capítulo Dois ALICIA PUXOU ATÉ O MEIO-FIO DA CASA DE SUA TIA E TIO. Ela era, obviamente, a última a chegar, porque a calçada já estava lotada. Esperava que não tivessem começado a jantar sem ela. Ela estava morrendo de fome. Havia trabalhado todo o fim de semana, enterrada no arquivo de Garrett, passando por cima de tudo sobre sua lesão. Passou a sexta à noite e sábado revendo suas notas e escrevendo seu plano de tratamento, de modo que estaria livre no domingo para aproveitar o tempo com a família. Além disso, não tinha visto seu primo Mick e sua esposa, Tara, uma vez que ela tinha saído do hospital, e Alicia estava morrendo de vontade de colocar as mãos sobre o novo bebê. Quando ela entrou pela porta, os gritos do bebê arrastaram em seu coração. Ela se dirigiu para a sala e encontrou Tara, sua mãe e sua tia, debruçadas sobre um pequeno embrulho azul. “Ok, vocês já o tiveram demais saiam do meu caminho,” disse ela enquanto tirava o casaco e jogava a bolsa sobre uma cadeira próxima. “Preciso segurar Sam, um pouco.” Tara se virou e deu um sorriso cansado, mas vertiginoso em seu caminho. “Pegue um número. Você pode ter que lutar contra a avó e a tia Cara por ele.” “Elas chegaram a vê-lo mais do que eu.” Ela esguichou um pouco de gel antibacteriano nas mãos, e esfregou, em seguida, estendeu os braços. “Vamos, tia Kathleen. Eu sei de um fato que você está acampado sobre a porta de Mick e Tara desde que ele nasceu há três semanas.” Kathleen suspirou. “Pode apostar sua bunda bonitinha que eu tenho. Tem sido um longo tempo desde que tive um bebê na família. E o pequeno Sam aqui é a coisa mais brilhante que aconteceu, desde que comecei a ganhar novas noras.” Ela deu uma piscadela para Tara, que se sentou no sofá. 14


Kathleen entregou Sam para Alicia. Ela levou-o e puxou-o contra o peito. Ele estava acordado, e seus grandes olhos azuis olhavam para ela com um olhar curioso. Suas bochechas eram cheias e rosa. Ele tinha cabelos escuros como Mick, mas ela viu um monte de Tara nele, também. Alicia foi até o sofá e sentou-se ao lado de Tara, que parecia prestes a desmaiar. “Ele é lindo,” disse ela, deslizando os dedos sobre seu macio, rosto gordinho. Tara se inclinou para frente e sorriu. “Acho que sim. Ele se parece com Mick.” Alicia mudou o olhar do bebê para Tara. “E você. O queixo e a boca são, definitivamente, seus.” “Você acha? Eu só vejo Mick quando olho para ele.” “Oh, definitivamente que vejo. E Nathan.” Tara suspirou. “Nathan diz isso também. Tenta agir como se ele não se importasse, pois é quase um homem agora. Mas está na lua sobre ter um irmãozinho. E quando ele vê Mick brincando sobre o bebê, é como se Mick lhe desse permissão para fazer o mesmo.” “Bem, você sabe como são os homens.” “Eu faço. Ainda tenho um tempo difícil envolvendo minha cabeça em torno do fato de que sou a mãe de um recém-nascido e também de um filho que vai ter dezoito anos este ano. Isso é um grande diferencial.” Alicia colocou as mãos sobre Tara. “E não é maravilhoso que você teve uma segunda chance para fazer tudo de novo?” Tara olhou para ela. “Quando você coloca isso assim... você está certa. Tenho tanta sorte.” Seus olhos encheram de lágrimas. “Oh, merda. Aí vêm os hormônios novamente.” Kathleen riu. “Espere os por um tempo, querida. Eu disse que eles vêm e vão.” Tara pegou um lenço de papel da caixa que a tia de Alicia estendeu para ela. “Eu sei. Faz tanto tempo e esqueci como era. Pobre Mick. Como se a minha gravidez não fosse ruim o suficiente, agora ele tem que lidar com essa tolice de pós-parto.” Alicia abraçou o calor de Sam contra o peito. “Oh, mas olhe para o resultado. Como ele poderia reclamar?” 15


“Não há queixas aqui,” Mick disse quando entrou e caiu no sofá ao lado de Tara. Ele deu um beijo nos lábios de Tara e puxou-a contra o seu lado. “Você pode chorar o quanto quiser, ou gritar comigo a qualquer hora que os hormônios agirem.” Mick olhou por cima de Alicia e deu-lhe um sorriso gigante, enquanto olhava com orgulho para o filho. “Porque olha o que você me deu.” “Olhe o que fizemos juntos,” Tara disse, levantando um olhar amoroso para Mick. “Certo, está ficando tudo nauseante aqui. A sala está tão cheia de amor e hormônios de bebê que eu poderia ter de dar um passo para fora apenas para tomar um pouco de ar frio.” Alicia riu. Deixando isso para a esposa de Gavin, Elizabeth, quebrar o clima meloso. “Hei, Liz.” “Ei, você mesmo. Vejo que você está segurando o meu novo sobrinho. E tempo de soltá-lo.” Alicia se levantou. “Você quer a sua vez?” Elizabeth pegou o bebê dela. “Querida, o bebê provavelmente nunca vai ter um minuto de paz quando ele estiver aqui para as reuniões de família.” “Isso não é a verdade?” A mãe de Alicia disse, jogando o braço em volta de Kathleen. “Acho que devemos ir verificar o jantar.” “Tudo bem,” Kathleen disse com um suspiro. “Eu, obviamente, não vou ter outra vez Sam por um tempo.” “Você vai ter a sua vez muito, mamãe,” disse Mick. “Tara ama que você venha para ajudar. E ela precisa. Ela está fora de prática com essa coisa de nova-mãe, como você pode dizer.” Alicia olhou para ver a cabeça de Tara descansando no ombro de Mick. Ela estava dormindo. “Oh, coitada,” disse Kathleen. “Ela ficou acordada até tarde novamente na noite passada?”

16


“Sim. Sam come a cada três horas, e já que ela está amamentando, ela também. Eu faço as trocas de fraldas, no entanto.” “Agora, quem teria pensado em troca de fraldas e cocô seria algo que você estaria animado?” Gavin perguntou quando entrou na sala. Ele olhou por cima do ombro de sua esposa. “Você é tão natural segurando o bebê, querida. Talvez devêssemos ter o nosso próprio filho em breve.” “Isso exigiria que você ficasse em um lugar por tempo suficiente para fazer muito sexo para que você pudesse me engravidar.” “Eu não estou ouvindo isso,” disse Kathleen. “Vamos lá, Cara. Vamos trabalhar no jantar.” “Fazendo bebês, não é?” Perguntou Alicia. Liz encolheu os ombros. “Estamos praticando em fazer bebês.” Gavin passou os braços em torno de Liz. “Essa é a parte divertida.” “Não quero ouvir isso,” disse Mick do seu lugar no sofá. “É uma pena. Você está ai pego com a sua esposa desmaiada,” disse Gavin. “É isso que acontece quando elas dão à luz? Elas dormem o tempo todo?” “A esposa ou o bebê,” perguntou Alicia, cutucando Gavin nas costelas. “Ambos,” Mick disse com um largo sorriso. Alicia revirou os olhos. “Vou até a cozinha para ajudar a mãe e a tia Kathleen. Onde está Jenna?” “Ela ligou,” disse Liz. “Disse que ela e Ty chegarão alguns minutos atrasados.” Alicia acenou com a cabeça e saiu pelo corredor, encontrando sua mãe e sua tia na cozinha. “Onde está o pai e o tio Jimmy?” “Mexendo em algo na garagem com Nathan,” sua tia disse, dando a Alicia um olhar compreensivo. “Ah.” Em outras palavras, evitando as mulheres. Não que ela pudesse culpá-los. Ficava um pouco lotado aqui, quando toda a família aparecia. “Cole e Savannah estão bem?” 17


“Eles estão bem,” disse a mãe. “Ainda tirando umas férias prolongadas após o fim da temporada de futebol. Acho que da última vez que tive notícias deles estavam em... O que foi que eu disse a você, Kathleen?” “St. Lucia? St. Thomas? Não lembro qual era.” Sua mãe acenou com a faca no ar e deu de ombros. “Eu não me lembro. Eles estão tirando algumas semanas, passando por algumas ilhas para estarem sozinhos. Isso é tudo que sei.” “Parece divertido,” disse Alicia. Os dois mereciam. Tinha sido uma temporada difícil, mas uma grande. A equipe de seu irmão tinha feito todo o caminho até a final do campeonato antes deles perderem. Cole tinha estado chateado, mas ele realmente estava funcionando com a equipe. Estava feliz. O encontro com Savannah tinha mudado sua vida de uma maneira que nenhum deles poderia ter imaginado. Ela não só tinha mudado a sua atitude profissional, os dois também se apaixonaram no processo. Alicia estava feliz por ambos. “Como está o trabalho, Alicia?” Sua mãe perguntou, entregando-lhe uma faca e alguns tomates para que ela pudesse ajudar a fazer a salada. A única coisa sobre jantares em família era que assumiam se você entrasse na cozinha, que você estava lá para ajudar. Ninguém sequer piscava quando lhe entregavam uma tarefa. Ela lavou as mãos e começou a trabalhar. “Oh, certo? É... interessante.” Sua mãe fez uma pausa quando ela abriu a porta do forno. “Isso significa que você está gostando?” “Claro. Amando. É tudo o que eu queria e muito mais.” “Estou tão contente de ouvir isso.” Ela não queria falar sobre essa nova atribuição com a mãe ou com a tia. Mas quando terminou a salada e se dirigiu ao fundo do corredor, Liz estava chegando. Alicia agarrou-a pelo braço. 18


“Preciso falar com você.” “Certo. Claro.” “Vamos lá para cima.” “Tara está lá em cima. Ela acabou de subir para alimentar Sam.” “Bom. Ela pode ouvir isso.” Jenna espreitou a cabeça em torno da parede da sala de estar. Ela estava tirando o casaco. Suas bochechas estavam vermelhas, e ela estava esfregando as mãos. “Oooh, fofoca? Posso entrar? Preciso de algo quente e suculento para me aquecer. Está congelando lá fora.” Alicia a abraçou. “Claro que você pode vir.” “Ótimo.” Ela virou-se para Ty, que estava bem atrás dela. “Você está por conta. Encontre os homens.” Ty acenou com a cabeça e caminhou pelo corredor. “Primeiro vou encontrar a cerveja.” Jenna revirou os olhos e as seguiu até as escadas. Liz bateu de leve na porta do quarto de tia Kathleen. “Tara, estamos invadindo.” “Ei, pessoal, entre. Estou apenas alimentando Sam.” Liz abriu a porta, e todas elas amontoaram, enquanto Tara estava na cadeira de balanço da tia Kathleen, Sam ao peito. Alicia suspirou. Tara parecia tão serena enquanto balançava o bebê em seus braços. “Você tem certeza que não estamos te incomodando?” “Nem um pouco. Adoraria companhia. Caso contrário, eu poderia cair no sono de novo.” Alicia riu. “Certo.” “Então, o que está acontecendo,” perguntou Liz. “Fui designada para a reabilitação de Garrett Scott.” Liz arqueou uma sobrancelha. “Garrett Scott, hein? Isso é interessante.” Jenna rolou para o lado dela na cama. “Ele é um gato. Lesão no ombro, certo?” 19


“Sim. Ele esteve na reabilitação por vários meses sem nenhum progresso.” “Então, qual é o problema?” Perguntou Tara. “Ele estava trabalhando com um dos membros seniores da equipe. Na verdade, vários membros seniores. Até que eu abri a minha boca grande, e disse que ele tinha a cabeça enfiada em seu traseiro e não estava cooperando com o plano de tratamento.” Liz bufou. “Isso soa como algo que você diria.” “Eu sei, certo? Simplesmente não consegui manter minha boca fechada. Então, novamente, não foi totalmente minha culpa. Ele pediu minha opinião.” “Então você se sentiu livre para dar a ele,” Liz disse com um sorriso. Alicia suspirou. “Eu fiz. E antes que eu pudesse piscar Garrett disse que me queria atribuído a ele. Apenas eu. Pensei que ia ser demitida e, em vez disso, estou no comando de sua recuperação.” Jenna sentou-se e cruzou as pernas. “Uau. Isso é grande. Você está se sentindo intimidada?” Era por isso que ela precisava de suas meninas. Elas sabiam exatamente como ela se sentia. “Mais do que intimidada. Estou morrendo de medo.” “Você pode lidar com isso, Alicia,” Tara disse enquanto levantava Sam por cima do ombro e esfregava as costas. “Você sabe o que está fazendo.” “Tara está certa.” Liz apertou a mão dela. “Nós já conversamos sobre isso. Você entrou neste campo, porque isso é tudo que você sempre quis fazer. Você gosta de esportes e medicina. Esta é sua chance de fazer algo monumental. Reabilitando Garrett e ser bem sucedida poderia ser um grande passo em sua carreira.” Ela olhou para todos eles. “E se eu estragar tudo? Garrett é o seu lançador número um.” “Você não vai estragar tudo,” Tara disse, sorrindo quando Sam deixou escapar um pequeno arroto. “Você sabe o que está fazendo. Isto é o que você treinou.” “Tara está certa,” disse Jenna. “Você está indo para obter o ombro de Garrett em forma e levá-lo de volta ao monte do arremessador.” 20


Liz assentiu. “Tenha um pouco de fé em si mesma. E vá chutar a bunda dele.”

21


Capítulo Três SEGUNDA FEIRA AMANHECEU NUBLADA, CUSPINDO FLOCOS DE NEVE e prometendo uma grande tempestade até o final do dia. Estes eram os tipos de dias que faziam o ombro de Garrett doer como um filho de uma cadela. Então, quando ele chegou à equipe na instalação de treino cedo, ele estava feliz em ver que Alicia já estava lá. Ela tinha seu notebook na mão, seu cabelo puxado para trás num rabo de cavalo habitual, e estava vestindo o uniforme horrível que todos da equipe de medicina esportiva usavam. Nenhuma maquiagem, muito simples, exceto que ela não era simples. Como não tinha notado antes? Apanhado na sua própria miséria, provavelmente, porque Alicia era bonita. Havia algo nela que o fazia ver através do uniforme feio e falta de maquiagem. Talvez tenha sido a promessa que tinha feito para ajudá-lo a lançar novamente. Mas era mais do que isso, porque também gostava do brilho em seus olhos — lembrava-lhe do céu no verão. E sua boca — realmente gostava da boca dela, especialmente quando sorria. Ele queria vê-la sorrir mais. Apostava que era linda, quando sorria. Não doeu que ela era bonita, e não se maquiava ou se vestia como se quisesse ser levada para almoçar ou fazer compras como as mulheres que ele geralmente saia. Ela veio para encontrá-lo quando ele empurrou a porta. “Bom dia. Você está pronto para isso?” Ela perguntou. “Estou duro, e dolorido, e meu ombro odeia esse tempo.” Ela assentiu com a cabeça. “Não se preocupe. Vamos colocar um pouco de calor sobre ele para aquecê-lo primeiro, então vamos começar a trabalhar.” Ele a seguiu até uma das salas privadas. 22


“Tire o casaco e fique confortável na mesa. Vou pegar uma almofada aquecida. Se você trouxe um pouco de música com você, pode ligar.” Ele trouxe seu MP3 player, e era óbvio que Alicia não iria conversar com ele. Normalmente, ele e os caras iriam conversar a merda por cerca de uma hora, em seguida, fazer alguma terapia. Isso ia ser diferente. Ele colocou seus fones de ouvido e virou numa música. Alicia voltou colocando compressas quentes sobre o seu ombro, abaixou as luzes e saiu da sala sem dizer uma palavra. Bom. Qualquer que seja. Ele não precisava dela para ser sua melhor amiga. O calor se sentiu bem, então se estabeleceu, fechando os olhos e mergulhou na música. Os dez minutos passaram muito rápidos. Ele poderia ter ido dormir, mas ela puxou as almofadas, deixando-o gelado. Ele pegou o casaco, mas ela o deteve. “Você não vai precisar disso agora. Venha comigo.” Ela o levou para a sala de treino e sentou-se na bicicleta. “Isso vai levá-lo aquecido. Estarei de volta em breve.” Ela estabeleceu o tempo de cinco minutos e foi embora. Novamente. Não foi divertido? Pelo menos, a TV estava ligada, nas notícias esportivas. Ele pedalou e ficou preso nos esportes, mas também viu Alicia com o canto do olho. Ela entrou no escritório, conversou com Phil e Max. Eles analisaram tudo o que ela tinha em seu notebook. Houve muitas concordâncias. Falando sobre ele, sem dúvida. Quando a campainha tocou, ela estava bem ali ao lado dele. “Pronto,” ela perguntou quando ele desceu da bicicleta. “Eu já estou pronto.” “Bom. Venha até aqui.” Ela o levou até a porta. “Alcance seus braços para o topo da barra,” disse ela. Ele se virou para ela. “O quê?” 23


“Levante os braços para cima, direto para cima. Toque a barra.” Ele fez. Seu braço esquerdo foi muito bem, mas ele fez uma careta quando ajeitou a direita. E não estava endireitando tão facilmente como o braço esquerdo. “É apenas uma extensão, nada muito extenuante. Mantenha lá em cima e tente endireitar o seu braço direito, mantendo o braço mais próximo ao seu ouvido que você puder.” Ela estava atrás dele, em silêncio, observando. “Vê alguma coisa?” “Sim. Agora, solte os braços, sacuda-os por alguns segundos, e faça novamente.” Ele deu-lhe um olhar por cima do ombro. “Isso não parece fazer qualquer coisa.” “É por isso que você é o arremessador e eu sou a terapeuta. Faça novamente, e segure por uma contagem de dez de cada vez.” Ele deu de ombros, mas estendeu a mão para a parte superior da entrada novamente. Ela tinha-lhe feito fazer cinco vezes mais. Pela última vez, parecia que sua forma era muito melhor. Ela veio por trás dele e agarrou seus ombros, empurrando os músculos e tendões. “O lado direito se sente apertado,” disse ele. “É claro que se sente apertado. Você não se move o suficiente. Você não estica o suficiente. Quanto mais você manter o braço imóvel, mais formação de tecido de cicatriz. Isso é metade do seu problema.” Ele virou-se para encará-la. “E a outra metade é?” Ela bateu na lateral de sua cabeça. “Você pensa que sua carreira acabou. E por causa disso, não precisa fazer seus exercícios em casa como deveria. E por não fazer seus exercícios em casa como deveria, seu ombro não cura. Profecia auto-realizadora e tudo isso.” Garrett não gostou de como facilmente Alicia o tinha atrelado. Então, novamente, não era essa a razão pela qual tinha escolhido a ela, em primeiro lugar? Ela tinha visto através dele, lhe tinha dito o que ele precisava. E o que precisava era de alguém para empurrá-lo.

24


Ele precisava voltar para o monte. Tinha vinte e nove anos de idade e ainda tinha um monte de anos para lançar. Não ia deixar essa lesão atrapalhar sua carreira. Estar fora de serviço tanto tempo tinha fodido com a cabeça, e ele não sabia como mudar isso. A única coisa que sempre tinha era o controle — sobre seus passos, ao longo de sua carreira, e sobre sua vida. No ano passado, ele tinha perdido tudo, e queria de volta. Todos os médicos da equipe e diretores esportivos e terapeutas não o ajudaram a recuperar. Os terapeutas que ele tinha amizade tinham feito nada além de capacitá-lo, permitindo-lhe dar desculpas e não obtendo a força em seu braço. Era isso que ele queria? Talvez Alicia fosse a chave. Ela parecia confiante em sua capacidade de ajudá-lo, então tinha que confiar nela. Estava ficando sem opções. Ele olhou para ela, perguntando-se o quanto poderia desafiá-la. “Você é meio pequena.” Ela bufou. “Ah, mas eu sou poderosa. Só espere e verá.” Ele gostava que ela não se insultava fácil. “Você deve ter irmãos.” “Um. E primos. Você não me assusta.” “Não estava tentando.” “Vamos dar um passeio,” ela sugeriu. “Você não vai trabalhar no meu ombro?” “Em boa hora.” “Você sabe que é inverno lá fora.” Ela inclinou a cabeça para o lado. “Sim, eu faço. Com medo um pouco do clima?” “Não.” Ele odiava o tempo frio. Se quisesse estar no frio, teria jogado futebol. “Bom. Coloque o seu casaco.” “Isso faz parte da minha terapia?” Ela pegou o casaco. “Não. Eu amo congelar minha bunda e achei que você poderia querer se juntar a mim.”

25


“Você é uma espécie de espertinha,” disse ele enquanto deslizava em seu casaco de inverno pesado, então o seu gorro. “Sim, eu nunca ouvi isso antes.” Ela colocou o chapéu na cabeça. “Tudo o que eu faço com você é parte de sua terapia. Vamos.” Eles caminharam do lado de fora da instalação, e Garrett se esgueirou mais em seu casaco. A escuridão da manhã não havia dado lugar a qualquer luz do sol, e o vento tinha pegado ainda mais, por isso sentiu mais frio. Subiram as escadas e desceram a rua. Alicia estava praticamente pulando quando levantou o rosto para o céu. Ela se virou para ele. “É suposto nevar hoje.” “Sim, como uns trinta centímetros ou algo assim.” “Eu sei. É emocionante.“ Ele pegou o sorriso no rosto, e assim como havia imaginado, deixou-a muito bonita. Suas bochechas arredondadas, e seus lábios se curvaram em algo tão sexy que roubou seu fôlego. Ele tentou não notar, mas era difícil. “Você gosta de neve.” “Eu amo isso. Amo todos os climas, na verdade. Não há nada como uma grande tempestade de neve, enquanto você está quentinha dentro da casa de pijama com uma xícara de chocolate quente e um grande romance.” E agora ele tinha que ter essa imagem mental em sua cabeça. Ele se perguntou como ficaria seu cabelo fora daquele rabo de cavalo, ondas de cachos escuros derramando sobre os ombros. Embora a fantasia fosse melhor se ela estivesse reclinada no sofá nua. Ele decidiu que esta coisa toda de terapia iria muito melhor se não a achasse sexy. Roupão de banho, chinelos de penugem, o rosto coberto com algum tipo de creme facial verde, e talvez o cabelo em rolos. “Alcance e agarre essa parte fina na árvore,” disse ela enquanto caminhavam. Ele parou e puxou sua cabeça para fora da fantasia. “Huh?”

26


“Esta parte da árvore em frente. Continue caminhando, mas basta pegar o galho enquanto andamos por aqui.” “E o que fazer com isso?” “Aqui. Eu vou te mostrar na primeira vez.” Ela passeou à sua frente, em seguida, abrandou quando entrou debaixo de uma árvore com galhos baixos pendurados. Ela estendeu a mão com o braço direito e agarrou um dos galhos mais finos, puxando enquanto ela passava. Ah. Ele conseguiu isto. “Você quer que eu estique a parte de trás do meu ombro, agarrando em galhos de árvores.” “Sim, mas não empurre isso. Faça-o suavemente. Abrande o seu ritmo à medida que caminhamos sob as árvores. Apenas pause, estique o membro, e realmente sinta o alongamento.” “Entendi.” E ele fez, da próxima vez, e a próxima, ela tinha escolhido uma rua muito arborizada. “Isso é muito menos chato do que as polias.” “Mesmo se você está congelando seu traseiro fora,” ela perguntou, com um sorriso irônico. “Mesmo se.” “É sempre bom sair da instalação. Eu gosto de estar ao ar livre, respirando ar fresco. Além disso, você precisava de uma mudança em sua terapia. E precisa sair de sua cabeça. É muito tristeza e melancolia lá dentro.” “Então você acha que puxando galhos de árvores vai enganar meu corpo — e meu estado mental — a pensar que isso realmente não é terapia?” Ela riu. “Não. Eu sei que você não é idiota. Você ainda sabe que isso é terapia. Estou só usando diferentes mecânicas.” No momento em que tinha caminhado uma milha, ele definitivamente poderia sentir seu ombro. Além disso, ela o fez fazê-lo inclinando-se para o lado e de frente. Eles entraram

27


na instalação, e ele não estava mais frio. Tirou seu gorro e seu casaco, e foi para a sala de descanso por uma garrafa de água. Alicia o encontrou na porta. “Pronto para um trabalho sério agora?” Ele fez uma pausa no meio da bebida. “Achei que tínhamos terminado.” “Isso foi apenas um aquecimento. Agora que seus músculos e tendões estão quentinhos, estamos realmente indo para trabalhar.” “Sim, eu não penso assim. Estou um pouco dolorido.” Ela marchou até ele e empurrou nas costas. “Ser covarde não é permitido. Vá sobre as polias.” “Pensei que puxar sobre os galhos de árvores, fosse em vez das polias.” Ela

ajustou os

pesos

para

ele.

“Você pensou

isso,

não

é?

Mas

não.

Três séries de dez.” Ele olhou para os pesos, os quais foram definidos mais pesados do que tinha sido antes. Então olhou para Alicia. “Isso não vai destruir meu ombro?” “Não. Comece a levantar. Estarei aqui assistindo o seu progresso.” Ele passou pela rotina, esperando para um pouco de dor cortante afiada para sinalizar que ele estava certo, que os pesos eram muito pesado. A dor não veio. Doeu, mas a terapia sempre fazia. Porém, era muito menos doloroso, até agora, porque ele tinha Alicia para empurrá-lo ao redor. Talvez isso poderia funcionar.

***** ADMITIDAMENTE, ALICIA ESTAVA NERVOSA. NÃO APENAS UM pouco nervosa, mas todo um conjunto de tensão que se instalara diretamente entre as omoplatas

28


enquanto trabalhava através desta primeira sessão com Garrett. Havia um monte de pressão sobre ela para fazer isso direito, e um monte andando sobre esta — ser a carreira de Garrett. Se ela não conseguisse seu ombro trabalhando novamente, e não apenas trabalhando minimamente, mas totalmente o suficiente para que ele pudesse arremessar, arremessar bem, então ela provavelmente estaria fora de um trabalho. Especialistas em medicina esportiva eram contratados — especialmente por um time de beisebol — porque eram os melhores. Ao longo de seu tempo na escola e na clínica ortopédica que ela trabalhou antes de ser contratada pelos Rivers, ela se orgulhava de ser muito boa em medicina esportiva. Estudou anatomia e fisiologia antes pisar em uma sala de aula da faculdade, tinha trabalhado nas dores e lesões de seu irmão e primos, e tinha visto a mecânica dos atletas e estudou suas lesões. Isto é o que ela passou a sua vida em formação. Agora era sua chance de provar a si mesma. Ela colocou Garrett no leg press8 para dar ao ombro uma pausa e também para equilibrar o seu treino. Ela tomou um momento cobiçando seus músculos quando ele deitou e empurrou uma quantidade considerável de peso. Desde que ele estava aquecido, ele tirou seu moletom ficando de bermuda, suas coxas dobrando quando empurrava para cima da imprensa. Se ela não fosse uma empregada da equipe, estaria em cima dele como tinha certeza de que muitas mulheres estavam. Mas fantasiar sobre o homem quente não ia acontecer, não importava o quão incrível seu corpo era ou como sexy eram seus olhos enquanto ele olhava para ela. Ele era seu paciente, e estava indo para permanecer firmemente enraizada nesse ponto. Sentou-se depois de colocar os pesos no lugar. 8

O leg press é um treinamento de peso exercício em que o indivíduo empurra um peso ou resistência longe deles usando suas pernas. O termo pressão de pernas também se refere ao aparelho utilizado para realizar este exercício. O leg press pode ser usado para avaliar global menor força do corpo de um atleta (do joelho ao quadril). 29


“Então, quanto você é experiente nisso, Alicia?” “Tenho muita experiência terapêutica.” Ele deixou cair o queixo, em seguida, ergueu os olhos. “Certo. Toneladas, eu aposto.” Esta não era a primeira vez que ela tinha sido questionada por um dos atletas sobre seu passado. “Tenho mestrado em medicina esportiva. Trabalhei para alguns dos melhores cirurgiões ortopédicos lá fora antes de ser contratada pelos Rivers. Tenho trabalhado nesta área há sete anos. Mas se você tem alguma dúvida sobre trabalhar comigo, pode se sentir livre para—” Ele ergueu as mãos. “Assunto delicado, obviamente.” “Ei, você é o único que me queria. Se você mudou sua mente, deixe-me saber e vou te entregar para Max novamente.” “Eu não tenho.” “Bom.” Ela pegou o notebook e se sentou em um dos bancos. Ela estava irritada, mas mais por si mesma do que em Garrett. Ela estava sendo excessivamente sensível, e sabia disso, e não era culpa dele. Bem, indiretamente, isso era, porque ele a colocou nesta posição por destacá-la e colocá-la no comando de sua recuperação. “Por que eu?” Ele franziu a testa. “Huh?” “Por que você me escolheu? Você tinha que saber que eu não tinha a metade da experiência de alguns outros membros da equipe.” “Eu disse a você por que. Porque não aceitou nenhuma da minha merda e disse a mim exatamente como lidaria comigo.” “Eu vejo.” “Ent...” Ele olhou para o ombro, em seguida, de volta para ela. “Lide com isso.” Ela realmente queria que não tivesse pegado a insinuação sexual em que ele disse. Que provavelmente era tudo de sua mente e não estava em suas palavras. Ela desejou que ele fosse feio ou desagradável para lidar.

30


Mesmo quando ele estava choroso e reclamando, havia ainda um charme subjacente sobre ele. Podia ter dor em algumas áreas de sua recuperação, que o fez irritadiço, mas ela poderia suportar. Ele também era amigável, e oh, meu Deus, ele era lindo e sexy, e tinha um corpo que ela queria ter as mãos em muito mais do que uma forma terapêutica. Mas esta era a sua oportunidade de ouro, de modo que ia ter de separar... impulsos de seu trabalho. “Então... terminamos aqui,” ele perguntou. “Boa tentativa. Nosso tempo junto ainda não acabou.” “Meu ombro se sente como um macarrão flácido.” “E você não é o terapeuta, então chupe isso e sente-se lá até que eu te diga que você está terminado.” Ela afastou-se para obter as faixas de estiramento e a bola, principalmente para criar distância. A menos que ela conversasse com ele, a menos que ela pensasse sobre ele em um nível pessoal. Quando trouxe as faixas, ele deu-lhe um olhar duvidoso. “Nós deveríamos estar, além disso.” “E você gosta de cortar caminhos. É por isso que o seu tratamento não está progredindo. Vamos fazer isso.” Ele soltou um sonoro suspiro de frustração, mas fez a rotina que ela pediu. Ela colocou um pouco de música relaxante. “Eu prefiro algo mais duro.” Ela não tentou estremecer. Por alguma razão, tudo que ele disse conjurou sexo em sua cabeça. Ela gostaria de algo mais duro, também, mas não era a música que ela estava pensando. E ela precisava parar de agir como uma adolescente com luxúria, pelo amor de Deus. “Isto é relaxante. Quero seus músculos em líquidos, não tensos.” “Você sempre pode me dar uma massagem depois.” “Você quer um massagista, vou trazer uma. Isso não é o que a equipe está me pagando para fazer.” 31


“Ah, então você vai trazer um massagista para mim?” Ela estava ao lado dele, observando e tomando notas enquanto ele puxava as faixas. “Se eu achar que é necessário.” “Sim? E como você vai saber?” “Depois que eu acabar com você, vou ver como seus músculos se sentem.” “Por que você não vai fazer a massagem? Meus outros treinadores faziam.” “Bom para eles.” “Mas você não quer subir em mim e me massagear. É muito pessoal para você.” Agora isso eram insinuações. Simples e clara. Ela deu-lhe um olhar. “Bem, agora eu sei que tipo de massagens você recebia.” “Huh?” “Suba?” Ele riu. “Certo, eu estava exagerando. Mas sei que todos vocês dão massagens. Exceto você, obviamente.” Ela encontrou seu olhar e não podia dizer se ele estava brincando com ela, desafiando-a, ou simplesmente tentando irritá-la. Ela riscou sua atitude até os músculos doloridos e decidiu dar-lhe uma pausa. “Eu não quis dizer isso.” “Eu sei que todos vocês são treinados em massagem, porque um dos caras me contou.” “Sim, somos. Mas esse não é o nosso foco principal, como terapeutas. Eu tendo a franzir a testa em fazê-lo, porque não quero que os meus pacientes olhem para mim como uma massagista glorificada.” “Você quer dizer, porque você é uma mulher.” “Não, porque trabalhei muito para me tornar um terapeuta. E não uma massagista.” “Mais uma vez... sensível.” “Não sou sensível. E você está acabado aqui. Vamos seguir em frente.” Ela colocou-o através de uma rotina de treinamento em circuito com várias máquinas na parte superior do corpo, com o objetivo de fortalecer o ombro. 32


“Você me deu pesos pesados quando começamos,” disse ele enquanto arrastava a polia para frente. “Eu sei.” Ele franziu a testa enquanto tinha que fazer uma outra rotina com apenas vinte quilos de peso. Quando se inclinou para ajustar o pino para um peso maior, ela o impediu. “Estes são muito leves. Não estou recebendo qualquer benefício.” Ela inclinou a cabeça para olhar para ele. “Da última vez que olhei, você não estava no comando. Faça um outro conjunto com este peso.” Ele deu-lhe um olhar através de seu olhar que a levou a acreditar que eles estavam prestes a discutir o ponto, mas depois ele se endireitou e fez sua rotina. “Sua forma está boa, então vamos até o peso.” “Finalmente.” Mordeu de volta uma resposta. Ele estava frustrado, e ela sabia disso. Ela tinha um plano. Aumentou o peso em dez quilos depois de cada rotina, até que ela o viu lutar. Impressionante. E encorajador. Seu ombro podia suportar muito peso, pelo menos na polia. “Agora, vamos puxar de lado. Esta será mais difícil.” “Eu sei.” Mais uma vez, ela começou com pesos leves e gradualmente aumentou. Ele não conseguia lidar com tanto peso, mas estava o monitorado por sinais de dor. Quando ela o viu estremecer, encerrou a sessão e marcou em suas notas. “Eu poderia fazer mais. Agora que estamos nisso, posso ver o benefício. Não está doendo tanto, e meu ombro pode lidar com isso.” “Isso é o suficiente para a nossa primeira rodada.” “Preciso me esforçar,” disse ele enquanto a seguia para o próximo circuito. “Você mesmo disse isso.” Ela se virou para encará-lo. “E se você machucar o ombro, você estará de volta puxando de quilos novamente, e vai perder a temporada. É isso que você quer?” 33


“Não.” “Tudo bem, então.” Ela levou-o pelo resto do circuito, discutindo com ele o caminho inteiro sobre quanto peso ele poderia segurar. Ela manteve-se firme, recusando-se a permitir que ele pressionasse ou levantasse mais peso do que o que estava em seu plano de tratamento, para sua irritação. “Estamos terminados,” ela disse finalmente depois de uma hora. “Só isso?” “Há pouco tempo atrás você já queria ter terminado.” Ele fez uma pausa. “Bem, isso foi antes. Tomei um segundo fôlego, e posso ir mais longe.” “Nós terminamos. Agora, vou esticá-lo. Vá deitar-se.” “Isso não é o suficiente. Precisamos fazer muito mais.” “É o suficiente por agora. Vou te dar uma boa extensão, e você vai estar implorando para deixá-lo sozinho para o resto do dia.” “Vamos ver.” Alicia deu-lhe um sorriso malicioso. Garrett passou os dedos pelo cabelo e ficou de costas sobre a mesa acolchoada. Logicamente, Garrett sabia como a terapia funcionava. Era um processo lento e metódico, e nada mudou drasticamente no primeiro dia. Mas, porra, ele esperava milagres. Ele precisava de um milagre para começar a lançar novamente. Ele estava investindo muito em sua decisão de ir com Alicia como sua terapeuta. Ele não tinha estado cego por sua beleza ou grande corpo. Ele dependia totalmente do instinto e da forma como ela falou com ele. Agora, enquanto ela pairava sobre ele, ele respirou fundo e esperava o melhor. “Você está pronto para isso?” Ela perguntou. Ele deu de ombros. “Claro.” Ela ergueu o braço sobre sua cabeça, fazendo os alongamentos básicos que ele estava acostumado. Nada machucava, sempre se sentiu bem para se estender após uma sessão de

34


terapia. Ele fechou os olhos e imaginou-se no monte, jogando uma bola curva para o batedor, em seguida pelo árbitro sinalizando um strike9. Sim, é aí que ele precisava colocar o seu foco, se tinha que montar Alicia duramente para ela o empurrar, isto é aonde ele iria— “Jesus Cristo!” Seus olhos abriram quando ela curvou seu braço para trás, e depois para o lado. Dor pungente quente fez seus olhos lacrimejarem. “Essa porra dói.” “Respire fundo,” disse ela, com a voz suave, enquanto fazia a mesma coisa com o outro braço. Ele não era um covarde, e tinha uma tolerância muito alta para dor, mas que merda isso era doloroso como o inferno. “O que você está fazendo?” “Quebrando o tecido da cicatriz. Empurrando os seus limites. Isso é o que você quer, não é?” “Sim. Mas eu pensei—” “Shhh,” disse ela, tomando-lhe o braço para trás em posição de rotação de um arremesso. “Apenas respire e tente relaxar por isso.” “Quanto tempo você vai me esticar?” “Cerca de trinta minutos.” Ele poderia estar morto em trinta minutos, se ela continuasse assim. Ele cerrou os dentes e sugou como um homem, tentando não gemer quando ela se ajoelhou ao lado dele, e ele estava certo, puxou o ombro diretamente fora de seu lugar. Certo, talvez ele tenha exagerado, mas com certeza sentiu como se estivesse torcendo o ombro em posições não naturais. E ele não gostou. A sala estava ficando quente, a dor mais intensa. Ter algo para morder não faria mal, tampouco, porque Alicia era implacável. E ela não iria parar. Ele precisava apenas de uma pausa de um maldito minuto, para que pudesse tomar uma maldita respiração, mas ela continuou e assim por diante, até que ele estava ofegante como se estivesse preste a dar à luz.

9

Batedor erra a bola. A cada três erros o batedor está fora. 35


“Conte-me sobre o melhor jogo que já lançou,” ela perguntou, enquanto trabalhava em seu braço. Momentaneamente distraído da dor, ele ergueu os olhos para ela. “O quê?” “Qual foi o seu melhor jogo?” Ele pensou por um segundo. “Contra Chicago. Amarrado na nona10. Eu tinha armado todo o jogo. Extenuante de um para o outro. Treinador quis me puxar várias vezes, pensando que eu estava ficando cansado, mas ele cedeu e me deixou ficar.” Ele fez uma careta quando ela puxou o braço para trás para uma longa extensão. “Só respire fundo,” disse ela, sua voz suave e reconfortante. “Você está amarrado na nona. Jogo em casa?” Ele respirou dentro e fora, ela lançou a tensão em seu braço. “Sim. Então encarei o primeiro batedor, que girou em uma curva e rebateu a bola para o chão. Segundo batedor acertou para o centro. O terceiro era mais difícil, livrando-se das infrações nas minhas bolas rápidas, mas percebi que eu poderia fazê-lo porque o seu controle de tempo estava desligado. Ou isso ou ele ia espancar um grande fora em mim. Mas cavei e acertei um direto por ele. Ele bateu para fora balançando.” Ela parou e olhou para ele. “É difícil ter esse tipo de vitalidade em sua bola no final do jogo.” Ele sorriu para ela. “Sim. Nossos rapazes marcaram uma corrida na próxima rodada, e ganhamos o jogo.” “Bom jogo, então.” “Sim.” Ela estendeu a mão. “E boa sessão. Estamos terminados aqui.” Aliviado como o inferno, ele sentou-se. “Obrigado.” Ela se inclinou contra a parede em seguida, colocando uma bolsa de gelo no ombro dele.

10

Nona jogada/rodada/tempo. 36


“Dez minutos com a bolsa de gelo, então você está todo terminado.” Ela o distraiu durante a parte mais difícil da extensão, fazendo-o falar com ela. Ele observou-a enquanto digitava em seu notebook, parte dele a odiava pela dor na extensão, a outra parte dele só não era capaz de entendê-la ainda. Ela olhou para cima e encontrou seu olhar. “Você está me dando olhares estranhos. Foi muito difícil para você?” “Foi tudo bem.” Seu ombro ainda estava pulsando. “Sua mandíbula apertou. Você deve tentar relaxar.” Ela puxou a bolsa de gelo para longe e sentou-se em frente a ele. “Isso só vai ficar mais difícil daqui para frente. Pensa que você pode lidar com isso?” Por uma fração de segundo, ponderou voltando aos outros treinadores. Ele tinha estado acostumado com a outra terapia. Esta tinha sido... diferente. Tinha sido dura. Mas havia algo sobre Alicia que clicava para ele. E ele pediu isso, então iria levá-la. “Você tem certeza de que isso vai funcionar.” “Positivo.” “Então posso lidar com isso.” “Bom. Se você estiver dolorido mais tarde, vou massageá-lo.” Mais tarde? Ele estava dolorido agora. “Pensei que você não desse massagens.” Ela deu-lhe um olhar por cima do ombro enquanto saia do quarto. “Vou fazer uma exceção, desde que você olha como se estivesse preste a chorar. Mas avisei que trabalhar comigo não ia ser um período de férias, não foi? Eu não vou pegar leve com você, Garrett. Se não quer trabalhar comigo, diga isso agora, e vamos fazer ajustes.” Ela esperou, o desafio em seus olhos realmente malditamente claro. Gostava disso sobre ela, e de jeito nenhum ele iria correr. “Se você pode lidar, eu posso levá-lo. Vamos fazer isso.”

37


Capítulo Quatro TINHA SE PASSADO UMA SEMANA E MEIA. DEZ DIAS horríveis de terapia que Alicia pensou que poderia matá-la. Fisicamente, Garrett estava fazendo tudo certo. Estava tomando um pedágio em seu estado emocional, no entanto, porque o seu desabafo constante era uma dor em sua bunda. Ela ou estava trabalhando muito duro ou não duro o suficiente. Nada do que ela fazia era certo. Não admira que a equipe o mimava. Eles, obviamente, faziam o que ele pedia para fazê-lo calar a boca. Ele pode ser bonito por fora, mas ela tinha pensamentos de correr uma fita adesiva em sua boca quando ele aparecia para a terapia. Pior ainda, todos os outros tinham partido no início da semana para o treinamento de primavera na Flórida, o que a deixou sozinha com Garrett. Os primeiros dias ela teve os outros terapeutas para falar quando as coisas tinham chegado ásperas. E eles até se compadeceram, porque todos trabalharam com ele. Agora ela estava sozinha, embora ambos, Phil e Max lhe tivessem dito que ela poderia chamá-los se uma situação de emergência surgisse em relação à condição de Garrett ou se ela tinha uma pergunta. Annamarie, uma das outras terapeutas e uma boa amiga, disse para chamá-la, se somente precisasse desabafar. Ela

provavelmente

teria

que

chamar

Annamarie

apenas

para

lamentar.

Provavelmente, todos os dias. Como hoje, porque Garrett estava uma hora atrasado. Ela usou o tempo para atualizar suas notas e trabalhar em seu próximo plano de tratamento para ele, mas quando outra meia hora passou, ela discou em seu celular. Ele respondeu sonolento, “Sim.” “Era para você estar aqui a mais de uma hora atrás.” “Quem é?” 38


Alicia chupou em uma respiração difícil. “Sua terapeuta.” “Oh.” Ele fez uma pausa, e ela ouviu um bocejo. “Desculpe, Alicia. Devo ter dormido demais.” “Sem brincadeira. Que tal ter sua bunda aqui?” Outro bocejo. Ela bateu o pé. “Que tal pular hoje? O meu braço está dolorido de qualquer maneira.” “Não penso assim. Pegue um pouco de café e se vista.” Ela podia jurar que ouviu um ronco. “Garrett. Você está aí?” “Huh? Oh, sim. Estarei ai amanhã. Prometo, ok?” Então ela ouviu um clique. “Olá? Garrett? Garrett?” Ela olhou para o telefone. “Aquele filho de uma cadela.” Ele tinha desligado na cara dela. Inacreditável. Que o jogo poderia ter funcionado com outra pessoa, especialmente quando a instalação tinha outros jogadores lesionados para se concentrar. Será que ele achava que ela ia aproveitar o dia de folga e ir às compras ou talvez ler um livro? Inferno que não. Ele pediu por ela, e goste ou não, ia buscá-lo. Ela puxou seu endereço de seu arquivo, pegou o casaco e as chaves do carro e saiu correndo pela porta.

***** HAVIA UMA IMPLACÁVEL PULSAÇÃO NA CABEÇA de Garrett. Ele tomou algumas cervejas na noite passada, mas não se lembrava de qualquer uísque ou tequila, por isso ele não devia ter uma ressaca. Puxou o travesseiro sobre a cabeça, mas então ouviu o toque do sino. Ele procurou debaixo do travesseiro do outro lado da cama e pegou o telefone, rachando as pálpebras abertas para espiar o display. 39


Não, não era o telefone. Havia alguém batendo novamente. O quê. O. Foda-se? Demorou alguns segundos para descobrir que era a porta. E a campainha. Simultaneamente. Ele baixou a cabeça no travesseiro novamente. Quem quer que fosse ia embora quando ele não respondesse. Só que não fizeram. O bater e o tocar continuaram. Merda. Ele rolou para fora da cama e deslizou em sua calça de moletom, foi até a porta e espiou pelo olho mágico. “Sério?” Ele destrancou a porta e abriu-a. Alicia estava lá com um sorriso no rosto. “Bom dia, luz do sol. Pronto para terapia?” “Uh, não. Eu estava dormindo.” Ela empurrou a porta. “Não mais. Então, assim você pode se vestir.” Ele não podia acreditar que ela tinha ido a sua casa. Queria fechar a porta na cara dela. Mas desde que ela estava aqui... “Eu preciso de café.” Ele passou por ela, e desde que ouviu seus passos atrás dele enquanto fazia o seu caminho para a cozinha, assumiu que ela entrou. Pelo menos ela estava tranquila. Enquanto o café estava sendo preparado, ele pegou duas xícaras, pegou o creme e açúcar, e virou-se para encará-la. Seu olhar vagou até onde seu moletom estava em torno de seus quadris. Ele percebeu, então, que estava mal vestido, com apenas com o moletom grudado nele para que pudesse ver quem estava na porta. E ela tinha notado. E ele percebeu que ela estava olhando. Ele esboçou um sorriso por isso. Cruzou os braços enquanto ela fazia uma inspeção visual de seu abdômen e peito. Quando seu olhar alcançou seu rosto, ela corou. Bom. Mas ela permaneceu em silêncio. “Poderia muito bem tirar seu casaco.” 40


“Isso não é necessário. Posso esperar enquanto você se veste.” “Preciso tomar um banho.” Viu-a fazer uma verificação rápida de sua pele exposta novamente. Se ela não parasse de cobiça-lo, estava indo para deixar-lhe duro. Ela parecia tão bonita toda empacotada em seu casaco e boné e luvas, com as bochechas rosadas de corar. “Tire seu casaco e tome uma xícara.” Ela tirou o boné e tirou o casaco. “Tudo bem.” Ele riu, quando seu cabelo voou em todas as direções a partir de estática, o que a fez encará-lo. “O quê?” Ele andou até ela e alisou o cabelo para baixo. “Você parece presa com seu dedo em uma tomada de luz.” Seus olhos arregalaram, e bateu as mãos dele, pegando um elástico para o rabo de cavalo de seu pulso, e recolheu o cabelo em cima. “E você não está me fazendo mais feliz esta manhã.” Ele caminhou até a cafeteira e serviu duas xícaras. “Talvez você é a única que precisa voltar para a cama. Você está mal-humorada.” “Você está certo. Estou mal-humorada porque você está fazendo pouco caso do que eu considero um negócio sério, que é a sua recuperação e sua carreira.” “Sua xícara está sobre o balcão. Creme e açúcar estão lá, se você quiser.” Ele encostou-se ao balcão e tomou um gole. Em seguida, outro, esperando que a onda de cafeína desse-lhe o golpe que precisava para lidar com Alicia esta manhã. Felizmente, ela vagou, pegou a xícara, e acrescentou um pouco de açúcar, em seguida, inclinou-se ao lado dele para beber em silêncio. Silêncio. Ele gostava dessa palavra. Tinha tomado a sua primeira xícara e estava na segunda antes de falar novamente. “Você acha que isso é divertido para mim?” Ele olhou para ela, sentindo-se muito mais caridoso agora que estava completamente desperto. 41


“Provavelmente não. Mas você poderia ter deixado um dia passar.” Ela colocou a xícara sobre o balcão e virou-se para encará-lo. “Um dia pode fazer toda a diferença na sua recuperação. Estudei seu gráfico. Não é apenas um dia, Garrett. Você deixou um monte de dias passarem desde a sua lesão. E a equipe o deixou. Isso não vai acontecer comigo. Se eu tiver que acampar à sua porta e arrastar a sua bunda preguiçosa da cama todos os dias, então eu vou. Se tiver que morar com você e chutá-lo para fora da cama para levá-lo a colaborar, então é isso que vai acontecer. Mas de um jeito ou de outro, você está indo para obter o tratamento que precisa para obter o seu braço em forma até chegar o dia do jogo.” Agora que estava suficientemente desperto, estava preparado para a batalha. Ele se virou para ela. “Eu não preciso de uma babá maldita.” “Então pare de se comportar como uma criança e aja como um adulto. Aquele que leva a sério suas responsabilidades.” Ele arqueou uma sobrancelha e cruzou os braços. “Então eu durmo em uma manhã, e eu de repente falhei?” “Você cancelou as suas sessões de terapia trinta e quatro vezes antes de eu assumir.” Ele arqueou uma sobrancelha. “Você contou?” ”Sim. E quando você acha que faltar numa sessão não faz a diferença, faltar trinta e quatro sessões faz. É por isso que não está melhorando. É por isso que não está no monte jogando arremessos ainda. Você já teve uma bola na mão desde que você foi ferido?” Ele mudou de ideia. Ele não gostava de Alicia afinal de contas, e, francamente, odiava sua merda de atitude. “Responda-me. Você fez?” “Não.” “Então pare de me soprar fora e comece a tomar esta terapia a sério. Talvez, então, nós vamos chegar a algum lugar.” Cansado de ouvi-la, ele a empurrou para fora do balcão. “Eu vou tomar um banho.” Ela parou atrás dele. 42


Virou-se para ela no meio do corredor. “Você vai me seguir para o chuveiro?” Ela parou. “Vou esperar aqui.” Ele a olhou de cima a baixo. Apenas o pensamento dela se despindo para continuar o seu argumento no chuveiro foi o suficiente para fazer seu pau contrair para a vida. Ele precisava se afastar dela antes que fizesse algo realmente estúpido, como sugerir que utilizassem sua energia em algo mais produtivo, como o sexo. Então realmente estaria chateado com ele. Ele girou e se dirigiu para o quarto, tirou o moletom e ligou o chuveiro, soprando um suspiro frustrado quando entrou debaixo da água fumegante. Sempre odiou que falassem o que tinha de fazer. Sendo neste negócio, era tudo sobre as regras, incluindo onde você se encaixava na rotação. Inferno, como estava indo, ele teria sorte de estar na rotação em tudo. Se ele não fizesse bem a reabilitação, poderia acabar perdendo seu emprego de início, um trabalho que tinha trabalhado muito para chegar e agarrar. Em vez disso, poderia acabar como um jogador mediano, jogando alguns arremessos a cada dois jogos, quando necessário. Se ele arremessasse. Ou ele poderia acabar gastando nesta temporada reabilitando o braço e indo jogar num time intermediário. Ele empurrou o rosto sob o spray e pensou sobre o que poderia ser. A única coisa que sabia sobre a liga principal era que uma vez que você ia para trás, você raramente tinha a chance de voltar para cima. Ele puxou sua cabeça para longe da água e esfregou a mão sobre o rosto, desligou o chuveiro e pegou uma toalha. Depois que o vapor sumiu do banheiro, ele deu uma olhada no espelho. Talvez Alicia estivesse certa. Deus, ele odiava admitir isso, mas talvez fosse a hora de levar essa coisa de terapia mais a sério.

43


Ou pelo menos pensar em levá-la mais a sério. Ele ainda não estava convencido de que nada disso estava fazendo nenhum bem. Mas talvez devesse dar-lhe mais tempo — darlhe mais tempo — para fazer tudo funcionar. Ele vestiu roupas limpas, penteou os cabelos e saiu do quarto. Alicia estava olhando pela porta de trás em seu quintal. Ela virou-se quando o ouviu sair. “Ok, vamos começar com essa coisa de terapia.” Ela se aproximou para pegar o casaco. “Já era o maldito tempo.” Ele sorriu enquanto tirava o casaco das costas da cadeira. Sim, ele ainda gostava do seu atrevimento. Ele a seguiu até o complexo de tratamento e saiu de seu carro. “Espere,” disse ela enquanto se dirigia para a porta. “O quê?” “Você não comeu.” “Não. Não tive tempo.” “É preciso alimentar-se em primeiro lugar.” Ele encostou em seu carro. “O quê? E arruinar a sua linha de tempo cuidadosamente elaborada?” “Engraçado. Vamos.” Eles atravessaram a rua para o Denny. Alicia pediu uma xícara de café e um pouco de suco, enquanto Garrett ordenou que o café da manhã completo. “Nada para comer para você,” ele perguntou. “Eu já tomei café. Cheguei no horário certo e fiquei esperando por você na instalação por duas horas.” “Tudo bem, eu entendo. Eu fui um idiota,” ele disse quando bebeu um copo de suco. Ela não respondeu, então, obviamente, concordou com ele. Então, ficou em silêncio. Ela trouxe seu notebook, para que ele se contentasse em jogar um jogo em seu telefone. “Você sabe que tudo isso é para o seu benefício, certo?” 44


Ele esperou para responder a ela, enquanto a garçonete entregava sua comida. “Parte de mim faz. A outra parte de mim só queria dormir nesta manhã.” “Aquela outra parte de você precisava de uma chamada para acordar.” Ele cavou em seus ovos. “Sim, bem, essa parte de mim não gosta muito de você.” Ele engoliu em seco. “Sinto muito.” “Não preciso de você para gostar de mim, Garrett. Eu só preciso de você para seguir o planejamento.” “E qual é o planejamento para hoje? Mais do mesmo?” Ela sorriu. “Não. Eu tenho algo divertido em mente para a terapia de hoje.” Divertido, hein? Nada sobre a terapia era divertido. Depois que ele terminou de comer, voltaram para a instalação. Alicia parou em seu carro. “Entre!” “Nós não estamos indo para treinar lá?” “Não hoje.” Ele subiu em seu carro e colocou o cinto de segurança. “Então, para onde estamos indo?” Ela saiu do estacionamento, mantendo seu olhar para frente. “Não muito longe.” Ele teve a chance de vê-la enquanto dirigia. Cuidadosa. Com as duas mãos no volante, e nunca tirando sua atenção da estrada. Ele também notou que ela não tinha o uniforme hoje, algo que não tinha prestado muita atenção quando tinha aparecido em sua casa. “Nenhum uniforme da equipe hoje?” “Não.” Ela saiu da estrada e puxou para o que a princípio parecia um ginásio. Então percebeu que não era um ginásio em tudo. “Sério?” Ele perguntou quando ela estacionou. “Uma instalação de escalada?” Ela finalmente se virou para ele. “Vai ser uma grande terapia. Mais, toneladas de diversão.” 45


Nada do que tinha “terapia” era sempre divertido. Mas ele saiu do carro e caiu em passo ao lado dela. “Já escalou uma parede antes,” ela perguntou quando eles se dirigiram para dentro. Ele não sabia o que esperava, mas toneladas de paredes com pedras coloridas de tamanhos diferentes, com certeza não era isso. “Uh, não. Você?” Ela pegou uma prancheta na recepção. “Por uma questão de fato, eu tenho. É uma tremenda forma de exercício para todo o corpo, especialmente para seus ombros.” “Hei, Alicia.” Garrett olhou quando um cara musculoso veio para a mesa. Alicia sorriu para ele. “Oi, Dave.” “Eu tenho tudo pronto para você e Garrett. Oi, eu sou Dave.” “Prazer em conhecê-lo, Dave.” Garrett apertou sua mão. “Sou um grande fã dos Rivers. Entendo que você está fazendo alguma terapia no ombro. Espero que você consiga voltar ao monte em breve.” “Eu também.” Foi-lhe entregue uma prancheta e de uma forma basicamente dizia que se ele caia para a morte, não era culpa deles, juntamente com algumas outras informações sobre segurança. Ele preencheu e assinou. “Por aqui,” disse Dave. Garrett caminhou atrás de Alicia e Dave que estavam perto juntos, conversando. Ou melhor — Dave falava. Alicia inclinou a cabeça para trás e riu. E Garrett sentiu como uma terceira roda, mas não tinha ideia do porquê. Não era como se Dave e Alicia estivessem em algum tipo de encontro. Tanto quanto sabia, de qualquer maneira. Não sabia nada sobre sua vida pessoal. Dave poderia ser seu namorado, e a estava ajudando com a terapia de Garrett. Cara de sorte se fosse esse o caso. Fora do uniforme largo da equipe, ela teve um inferno de um corpo. Calças apertadas de treino e uma camiseta abraçava seu corpo de uma maneira que os uniformes da equipe nunca teve. 46


Ela era esbelta, mas não magra. A mulher tinha os músculos e curvas em todos os lugares certos. “Ok, Garrett, vamos levá-lo em um equipamento,” Dave disse, e começou a enganchá-lo num. Alicia parecia saber o que estava fazendo quando subiu alinhando-se, em seguida, com ele. “Você está subindo comigo?” Perguntou Garrett. Alicia sorriu. “Claro. Estarei ao seu lado o tempo todo. Preciso ver a sua forma e certificar-me que você não machuque o seu ombro.” Ela levou-o a uma das paredes e inclinou-se contra ela, levantando os braços. “Vamos esticar em primeiro lugar.” Depois de esticar, ela colocou o pé em uma das rochas. “Basta seguir junto ao meu lado. Vamos fácil no início.” Ele inclinou a cabeça para trás e olhou para o topo da parede, seu ombro doeu com a ideia de quanto trabalho iria levar para chegar lá. Alicia colocou a mão em seu ombro. “Nós só vamos ir tão longe quanto você ache que pode lidar e — tanto quanto acho que você pode tomar — não mais, ok?” Ele estudou no topo, em seguida, deslizou suas luvas e pegou a corda. “Não se preocupe. Eu posso lidar com isso.” Os primeiros dez metros ou mais foram muito fáceis, um trecho que se sentia muito bem em seu ombro. E tinha que admitir que isto era muito mais divertido do que fazer exercícios repetitivos no centro de treinamento. No momento em que eles estavam na metade da parede, porém, ele estava encharcado de suor, e seu ombro parecia que estava preste a estalar fora do encaixe. Alicia, por outro lado, subiu o muro como uma aranha em corrida. Ela fez parecer fácil e não estava nem mesmo sem fôlego. Agora ela estava em cima dele, balançando, segurando em uma rocha com uma das mãos, enquanto olhava para ele. 47


“Como vai?” Ela perguntou. Ele rangeu os dentes. “Ótimo.” “Qualquer dor?” Ele bateu a testa com as costas de seu braço. “Eu estou bem.” Ela desceu até nivelar com ele. “Garrett. Se você está com dor, eu preciso saber. Nós não estamos fazendo isso por diversão, você sabe.” “Sério? Eu pensei que nós estávamos fazendo isso por diversão.” Ela inclinou a cabeça para o lado. “Sério. Como você se sente?” “Meu ombro dói.” Ela franziu a testa. “Dói muito ruim, dói um pouco, ou algo entre os dois?” “É tolerável. Não é tão ruim.” Ela se aproximou e colocou a mão na parte de trás do seu ombro, deu-lhe um apertão. “Os músculos não estão muito apertados. Tem certeza de que quer continuar?” “Sim.” “Okay. Deixe-me saber se chega a ser demais.” “Vamos apenas manter em movimento.” Seus lábios se curvaram. “Eu acho que você gosta do desafio.” “Você quer ficar aqui e falar, ou você quer chegar ao topo da parede?” “Vamos começar a escalada.” Ele tinha de admitir, observar sua bunda era uma boa distração, e desde que ela estava por cima dele, tinha uma maldita bonita visão de seu belo traseiro e suas pernas enquanto balançava de uma rocha para outra. Ela vestia uma regata que exibia os músculos de suas costas. Ele gostaria de levá-la nua e ver como seu corpo realmente parecia. Talvez ele pudesse convencê-la a não usar aqueles uniformes feios. Ela era muito mais agradável de se olhar neste equipamento. “Ainda fazendo tudo certo,” ela perguntou. 48


“Ótimo.” Eles fizeram isso três quartos do caminho. Mesmo Alicia estava suando agora, e o ombro de Garrett não tinha qualquer sentimento nele. Ele não tinha certeza de quando pegasse uma pedra se ele seria capaz de segurar. Mas seria condenado se iria parar. Se Alicia podia fazê-lo, ele também podia. Ela esperou enquanto ele pegava a pedra mais próxima e se levantou. Ele nunca diria a ela que usou suas pernas para içar-se. “Você está olhando um pouco instável. Está o ombro doendo?” “O inferno, sim, está doendo. Mas estamos perto do topo. Eu posso fazer isso.” Ela atravessou várias rochas acima dele e acabou no seu lado esquerdo. Ele reuniu tudo o que tinha dentro dele para manter o ritmo com ela. E quando o pé de Alicia escorregou em uma pedra, apesar do cinto e as cordas dos manipuladores segurarem firme, ele estendeu o braço esquerdo para agarrá-la pela cintura. “Merda,” disse ela, mantendo-se perto da parede. Ele puxou-a com força contra ele. “Você está bem?” “Aqui eu estava pensando que era um macaco. Faço isso o tempo todo, e nunca cai uma vez.” Ela ainda estava tremendo. Ele manteve o braço ao redor dela, apesar da pressão sobre o outro ombro. Ele podia lidar com isso. “Basta tomar respirações profundas. Nós estamos em nenhuma pressa para ir a qualquer lugar.” Ela levantou o olhar para ele, e ele ficou impressionado com o azul claro de seus olhos. Olhos que detinham mais do que um pouco de medo no momento. “Eu sou a única que deveria estar cuidando de você,” disse ela. “Eu não escorreguei,” disse ele, os lábios curvando-se. “Asno esperto. Obrigado por me pegar.” “Você não estava em perigo desde que está aproveitado e eles tem o controle no chão.”

49


“Verdade. Mas ainda é muito assustador perder o equilíbrio neste ponto para cima. Eu sou grata que você estendeu a mão para mim, mesmo que não deveria ter. Poderia ter machucado o ombro.” Ele arqueou uma sobrancelha. “De jeito nenhum eu ia deixá-la cair — ou balançar-se — ou o que fosse que poderia ter acontecido com você.” Ela olhou para ele, e então, como se percebesse que ele estava a segurando, gentilmente se afastou. “Estou bem agora, mas se está tudo bem com você, podemos descer?” “Claro. Meu ombro está muito bem, de qualquer maneira.” Descendo era um inferno de muito mais fácil do que deveria ter sido, embora eles ainda tiveram que tomar o seu tempo. Garrett manteve seu foco em Alicia o tempo todo, certificando-se que ela tomava cada passo lento e constante. Ela, não lutava em torno sobre as rochas do jeito que fez no caminho para cima. “Você está bem?” Dave perguntou quando chegaram ao chão desengatado. Ela deu um sorriso brilhante a Dave. “Estou bem. Meu pé escorregou. Estou tão feliz que Garrett estava lá para me pegar.” “Você estava perfeitamente segura lá em cima com seu equipamento e nós aqui em baixo ancorando com a corda, você sabe,” disse Dave. Garrett leu a defesa na voz de Dave. Ele cruzou os braços e tentou não sorrir com isso. Embora Dave estivesse certo e Alicia tinha estado segura, Garrett gostou de saber que tinha sido o único lá para pegá-la. Há meses se sentiu inútil, seu ombro sendo um vagabundo fazendo-o sentir inadequado. Ele podia não ter pegado ela com o ombro machucado hoje, mas segurou a pedra com o braço dolorido, e agarrou-a com a sua boa. Para Garrett, isso soletrava vitória. “Logicamente, sei que eu estava bem lá em cima,” disse Alicia. “E não há nenhuma maneira que eu pudesse ter caído desde que estava ligada a um equipamento. Mas não há nada como ter alguém lá para agarrar. Garrett foi um herói para mim hoje.” Ela se virou para ele e colocou a mão em seu braço. “Obrigado mais uma vez.” 50


“Não tem problema.” Ele saiu com um grande sorriso em seu rosto, deixando Alicia para embrulhar tudo com Dave. Depois que ela terminou, pegou sua bolsa e eles saíram. “Então, qual é o próximo?” “Precisamos voltar para o complexo para que eu possa avaliar o seu ombro e colocar gelo.” “Ok.” Eles voltaram e, quando chegou, ela o deitou em uma das mesas de terapia. “Quero fazer um estiramento leve e verificar a sua amplitude de movimento.” “Não há outros exercícios hoje?” Ela balançou a cabeça. “A escalada foi suficiente tortura em seu braço, você não acha?” Ele certamente pensava assim, mas não tinha certeza do que seu plano era. Depois que ela trabalhou em seu braço um pouco, ele tinha que admitir, o bloco de gelo se sentiu bem em seu ombro latejante. Alicia se sentou no banco ao lado dele, com foco em seu notebook. “Isso foi divertido hoje.” Ela levantou a cabeça e sorriu. “Estou feliz que você tenha gostado. Seu braço tem uma extensão fabulosa. Isso realmente ajudou a sua amplitude de movimento.” “Então... podemos fazê-lo novamente algum dia?” Suas sobrancelhas subiram. “Claro.” Ele não sabia quais eram seus outros planos para a terapia, mas qualquer coisa diferente desta besteira do no dia-a-dia que ele estava sofrendo há meses parecia uma boa ideia para ele.

51


Capítulo Cinco DEPOIS QUE GARRETT PARTIU PELO DIA, ALICIA ficou para trás para limpar a sala e revisar a sessão de hoje. A sessão que não teria acontecido se ela não tivesse ido correndo atrás de Garrett. Que não tinha se mostrado muito mal depois de tudo. Ele podia ser uma dor na bunda sobre começar a terapia, mas uma vez que começava, ia com tudo. Ela tinha que admitir que se divertiu hoje. Mesmo que tivesse monitorado Garrett e seu progresso, a escalada era uma de suas coisas favoritas a fazer. E foi uma boa terapia para o ombro, então por que não combinar algo que ele parecia se divertir com algo terapêutico? Talvez isso não ia ser tão difícil como pensava. E talvez aliens eram reais. Ela sabia melhor. Hoje tinha ido muito bem, apesar do início promissor. Isso não queria dizer que ia ser tudo sol e rosas. Tinha lido no arquivo de Garrett, sabia que sua reabilitação era uma das mais difíceis. Ela ia ter que vê-lo bem de perto, todos os dias, se ela estava indo para ter sucesso na obtenção dele voltando no monte em abril. Sem pressão nem nada. Precisando de uma pausa do pensamento estressante, ela decidiu ter um bate-papo via telefone com Annamarie. Ela ficou feliz em falar e disse que eles estavam todos se divertindo muito na Flórida. Encheu-a de ciúmes. Eles estavam se divertindo em um clima quente e ensolarado, enquanto Alicia estava sozinha aqui congelando com um cliente difícil que teve que caçar esta manhã como o Bigfoot11 indescritível. Seu celular tocou. Ela olhou para a tela, a satisfação de ver que era Phil. 11

Pé Grande. Um muito grande, peludo, criatura humanóide habitava o noroeste do Pacífico e do Canadá. Também chamado de Sasquatch. 52


“Olá, Alicia. Eu só liguei para obter um relatório sobre Garrett.” Ela contou sobre o progresso de Garrett. “Então, ele ainda está arrastando os calcanhares,” disse Phil. “Um pouco, mas, apesar da manhã áspera, tivemos um bom dia de tratamento. Sua recuperação está indo bem. O tempo frio não está ajudando-lhe, no entanto. Ele está duro, e eu sei que isso o afeta. Realmente gostaria de trabalhar com ele em algum lugar mais quente, onde eu pudesse fazer algumas atividades ao ar livre com ele.” “Você tem um ponto. Vamos trazê-lo para Flórida. Concordo que você pode fazer um melhor avanço com ele aqui.” “Quando devemos ir?” “Assim que possível. Eu gostaria que você e Garrett se reunissem e planejassem isso. Quero você por perto para ele, Alicia. O seu tratamento é importante. Portanto, descubra um plano, e a equipe vai lidar com isso a partir daí.” “Okay. Eu vou deixá-lo saber. Obrigado.” Ela desligou em seguida, discou o número de Garrett. Desta vez, ele pegou o telefone. “O quê? Você quer uma segunda rodada hoje?” Ela não conseguiu deixar de sorrir. “Você está livre para o resto do dia.” “Sorte a minha. Então, o que está acontecendo?” “Conversei com Phil, e ele sugeriu irmos para a Flórida para continuar sua reabilitação em um clima mais quente.” “Parece ótimo para mim. Quando é que vamos?” “Assim que possível. Gostaria de discutir isso agora? Precisamos fazer planos de viagem, descobrir quando vamos partir, onde estamos indo ficar, e discutir seu plano de terapia para quando chegarmos lá.” Ele parou um minuto. “Sim, nós podemos fazer tudo isso. Olha, eu vou ter pizza esta noite. Por que você não vem, e nós vamos planejá-lo pessoalmente, ao invés sobre o telefone?” 53


Seu lugar para o jantar? Isso soou assim... pessoal. Então, novamente, toda a sua existência estava centrada em torno Garrett agora, por que não? Isso lhe daria a chance de vêlo e ver como estava se saindo após a escalada de hoje. “Okay. Claro. Que horas?” “Seis está bom para mim.” “Eu estarei ai.” Ela desligou, em seguida, mordeu o lábio inferior, lembrando-se de como era estar perto dele, naquela manhã, o primeiro choque de consciência ao vê-lo com o moletom mal pendurado na cintura e o resto dele gloriosamente nu. Ela teve que se esforçar para envolver o seu cérebro e se concentrar em por que estava lá. Mas oh, a imagem dele ficou queimando na parte de trás de sua cabeça. Garrett Scott era tão sexy, e tinha um corpo incrível que ela adoraria ter nas mãos. Embora ela colocasse as mãos sobre ele, não foi? Pena que só tinha que sentir o seu ombro. Até o momento que tinha terminado o trabalho para o dia, decidiu que seria melhor obter os lascivos pensamentos de outras partes do corpo de Garrett fora de sua cabeça. A única parte dele que se permitiria pensar era em seu ombro. O resto dele estava fora dos limites. Antes que ela fosse para Garrett, foi para casa tomar um banho e trocar de roupa, decidindo vestir seu favorito jeans escuro skinny12, botas pretas e um suéter. Embora ela não tivesse certeza por que não bastava ir diretamente para sua casa. Que diferença fazia o que usava ou como cheirava? Isto era apenas pizza e planejamento da viagem para a Flórida. Desgostosa com ela por ser uma menina, também enrolou seu cabelo e colocou maquiagem e brincos. Garrett abriu a porta, e ela teve o prazer de vê-lo totalmente coberto desde a sua imaginação já tinha ido selvagem uma vez hoje. Ele usava calças de cargas e uma camisa de

12

é a calça com modelagem ajustada ao corpo até os tornozelos. 54


mangas compridas, que se agarrava ao seu tronco, destacando todos os contornos musculosos que ela queria correr as mãos sobre. Fora dos limites, lembre-se, Alicia? Certo. Ombro somente. Ela não teria sequer olhar para o seu corpo, exceto sua incrível bunda enquanto se afastava. Ela suspirou. “Hei. Você olha... diferente,” disse ele quando ela deslizou para fora de seu casaco e entregou a ele. “Não uso esse uniforme o tempo todo, você sabe.” “Sim, isso notei quando estávamos na escalada hoje. Você deve sair daquele uniforme com mais frequência.” Ela inclinou a cabeça para o lado. Ele tinha notado? Ele pendurou o casaco no armário à direita da porta. “Sente-se na sala de estar. Você quer uma cerveja ou algo assim?” “Não, obrigado. Eu estou dirigindo.” “Certo. Okay. Vou pedir a pizza. Eu gosto de pepperoni. E você?” “Uh, eu sou uma vegetariana. Então, queijo para mim.” Ele deu-lhe um olhar. “Não, merda. Ok, pizza de queijo então.” “Você pode colocar a carne do seu lado, ou sobre a coisa toda. Eu só posso tirá-lo fora, você sabe.” “Eu gosto de pizza de queijo. Você gostaria de um refrigerante? Tenho chá gelado também. Ou poderia fazer o café.” Ela tomou um lugar no sofá. “Chá gelado seria ótimo. Mas não vá para nenhum problema. Posso pegá-lo por mim mesmo.” Seus lábios se curvaram quando ele passou. “Tenho certeza que posso pegar um copo de chá, Alicia. Você quer açúcar?” “Não. Puro está bom para mim. Obrigado.”

55


Ela mal prestou atenção ao seu lugar quando invadiu nesta manhã, porque estava tão concentrada nele em fazê-lo ter à terapia. Agora que estava mais relaxada, olhou em volta. Uau. Era bom aqui. Espaçosa sala de estar com um corte, televisão de tela grande, um monte de jogos de vídeo, som surround. A sala era artisticamente decorada em tons de bege e marrom, que davam um toque masculino ao ambiente. O piso de madeira só contribuía para a harmonia do lugar, e havia tapetes espalhados de uma forma que parecia casual, mas sabia que era deliberado. Alguém tinha decorado. A menos que Garrett tivesse esse tipo de talento. “Será que você decorou o lugar por si mesmo?” “Huh?” Ele perguntou quando veio com suas bebidas, em seguida, olhou em torno de onde ela apontou para a sala de estar. “Oh. Claro que não. Se fosse por mim, não teria mais que uma mesa dobrável aqui, eu estaria sentado no chão. Uma garota na loja de móveis recomendou um decorador, que cuidou de tudo.” “Ela fez um bom trabalho. Acho que estou surpresa que você mora em uma casa bem decorada, você é um cara único e tudo. A maioria dos caras que conheço vivem em apartamentos ou um condomínio.” Ele riu quando se jogou no sofá ao lado dela. “Eu gosto de grandes espaços. Tive o meu tempo em apartamentos. Muito apertado para mim.” “Bem, você é um cara grande. Eu podia ver por que isso não iria funcionar para você.” “E você?” “Um apartamento. Não sou um cara grande, por isso combina com os meus propósitos.” Ele deu-lhe um longo olhar, do tipo que um homem dava a uma mulher que estava definitivamente notando. Ele fez a sala parecer terrivelmente quente. “Não, você não é definitivamente grande... ou um cara.”

56


Ela riu. “Não, eu não sou. Mas vivi com um cara grande. E compartilhar um banheiro minúsculo com meu irmão crescendo não era divertido. O apartamento que eu vivo agora é como um castelo, por comparação.” “A faculdade foi assim para mim. O banheiro era compartilhado com outros três rapazes. Não uma coisa que quero fazer de novo.” “Eu fiz isso na faculdade, também, embora dividimos um banheiro com cerca de quinze mulheres.” Ele fez uma careta. “Todos esses produtos para o cabelo.” Ela riu. “Hei, nós conseguimos. E como você foi para um apartamento?” “Dormitório Atlético. Não foi tão ruim.” “Sem brincadeira. Você teve sorte. Você foi para a faculdade em Oklahoma, certo?” “Sim.” Ele se recostou no sofá com sua bebida. “Na verdade, há uma reunião com alguns dos caras do meu dormitório chegando. Ainda não vi alguns deles em um tempo.” “Você vai?” Ele deu de ombros. “Eu não pensei muito sobre isso. Estava focado na coisa do ombro, você sabe.” “Você deveria ir. Seria bom para que poder se reconectar com seus amigos da faculdade.” “Talvez.” Ele tomou um longo gole de sua bebida, e ela estudou, a maneira como seu corpo se movia. Era a natureza do seu trabalho. Ela viu o corpo de cada atleta, sempre à procura de sinais de lesão, observando sua mecânica do corpo para ver se poderia corrigir qualquer coisa que fizeram e isso podia indicar uma fraqueza. Mas com Garrett descobriu que simplesmente gostava de observá-lo... e seu corpo. Ela agitou o pensamento longe. “Eu sinto hesitação. Quanto tempo se passou desde que você tenha visto os seus amigos?” “Eu não sei. Como disse. Tem sido um tempo.” “Oh, você deve definitivamente ir. Adoro sair com meus amigos da faculdade.” Ele bufou. “Você é uma menina.” 57


“O que isso tem a ver com isso?” “As meninas gostam de tudo o que remoam o passado. Rapazes... nem tanto. Nós nos movemos para frente.” “Isso é uma porcaria. Caras têm aparecido nas nossas confraternizações, e eles têm apenas uma hora tão boa como as mulheres fazem. Então, o que está prendendo você?” Ele não respondeu. Em seguida, isso bateu nela. “É a sua lesão, não é? Você quer voltar para seus amigos como um grande sucesso. E agora se sente como um fracasso.” Ele estreitou os olhos para ela. “Não é isso. Eu te disse, esqueci o assunto até agora, porque tenho vindo a apostar na reabilitação.” Ela não acreditou nele. “Você tem sido um sucesso. Você é o número um. Olhe para a sua carreira.” “Isso está no passado.” “Oh, por favor. Olhe para as suas realizações em uma idade tão jovem. Você é um vencedor do prêmio Jovem Cy. Vamos. Você não quer comemorar isso com seus amigos?” “No esporte você só é tão bom quanto a sua atual temporada.” Ela queria bater-lhe no ombro — o ileso — de qualquer maneira. “Isso soa como uma linha alimentada pela mídia. Você assiste muito canal de esporte. Quantos atletas que você conhece que nunca foi para a liga principal, que nunca arremessou nos grandes jogos? Você fez, e você jogou muito bem. Não deixe que esta lesão o defina quando não é nada mais do que uma colisão na estrada.” Garrett olhou para Alicia. Ela deu um bom discurso, mas ele não tinha certeza se acreditava nela. Ele queria, mas ela simplesmente não sabia como era no esporte. Um dia você estava no topo do mundo, o próximo estava fora da porta. Você era tão bom quanto o último arremesso que você jogou, e ele não tinha jogado um desde agosto do ano passado. Não só a sua equipa media o seu sucesso dessa forma, isso era a mídia. E os fãs. E seus amigos.

58


Ok, seus amigos não julgava seu sucesso ou a falta dele. É por isso que eles ainda eram seus amigos. Mas ele julgava a si mesmo, e isso era suficiente. Só não queria ter que... explicar. “Quando é a sua reunião?” “Eu não sei. Em algum momento deste mês. Não é um grande negócio.” Ela soltou um suspiro. “Então, quando é que é?” “Nossa, eu não sei. A data está em um e-mail que Gray — um dos meus companheiros de quarto enviou.” Alicia revirou os olhos. “Oh, meu Deus, Garrett. Você o tem isso acessível, onde você possa procurá-lo?” “Está no meu telefone.” “Vá buscá-lo. Saiba quando é.” “Por que você está tão interessada?” Ela lhe deu um sorriso. “Basta considerar que seja terapia. Você vai pegá-lo?” Ela era bonita quando sorria. Muito bonita. Como não fazê-lo pensar em como sua terapeuta era o Átila o rei dos Hunos. Ele se levantou e foi ao fundo do corredor, voltou com seu telefone, verificando o e-mail de Gray enquanto fazia o seu caminho de volta para o sofá. “É neste fim de semana, na verdade. Agora é tarde demais. Nós temos que ir para a Flórida.” Ele entregou o seu telefone para que ela pudesse ler o e-mail. Ela olhou para ele, em seguida, levantou a cabeça para olhá-lo. “Não é tarde demais em tudo. Isso só iria atrasar a viagem para a Flórida por alguns dias. Você deve definitivamente ir. São todos os seus amigos jogadores de beisebol?” “Não. Nós tínhamos caras de todos os esportes escondidos juntos no dormitório atlético.” “Isso é muito interessante. Quantos deles continuaram a jogar profissionalmente?” Ele sorriu. Ele não tinha pensado sobre os caras em um longo tempo, não tinha visto em algum tempo. Seria bom recuperar. “Do meu grupo — todos eles.” 59


Ela arqueou uma sobrancelha. “Sério? Isso é incrível. E agora a minha curiosidade é grande. Eu quero saber como esses caras são.” Ele pensou por um minuto. Ideia ridícula. Ele não estava indo. Mas se ele estava... “Você pode vir comigo.” Ela parecia tão surpresa com o comentário dele como ele estava quando a ideia surgiu em sua cabeça. “O quê?” Mas agora que ele tinha dito isso, fazia sentido. “Claro. Venha comigo. Vou apresentá-la.” “Oh, eu não penso assim. Quer dizer que você deve ir totalmente. Vai ter um bom tempo. E realmente deve se reconectar com seus amigos.” “Isso foi ideia sua.” “Eu sei. Foi ideia minha para você ir.” Ele gostava que ela parecesse tão desconfortável, como um cervo-em-faróis, expressão de olhos arregalados. Desde que ela o fez tão danado de desconfortável o tempo todo, foi bom para virar o jogo em cima dela. “Ei, você deveria estar comigo o tempo todo mesmo. Você não vai me deixar explodir um dia de terapia. Você me deixaria um fim de semana de três dias para ir a esta reunião?” Ela abriu a boca, em seguida, fechou. Perfeito. Ele teve o seu momento. “Ok, você pode ter um ponto ai.” Ele nunca fazia um argumento sem um. “Uh, onde estaríamos indo exatamente?” “Não muito longe. Central Oklahoma. Apenas uma pequena viagem pela estrada. E nós poderíamos trabalhar na instalação do chalé. Existe equipamento de última geração lá.” Ela inclinou a cabeça para o lado, ponderando sobre isso. “Ok.”

60


A campainha tocou, e Garrett foi pegar a pizza do entregador. Eles comeram, enquanto planejavam a logística tanto para o fim de semana chegando e para a viagem seguinte para a Flórida. “Eu vou precisar encomendar alguns equipamentos para os seus treinos. E realmente gostaria de ter acesso a uma piscina.” “Há uma na casa de praia que eu fico. Podemos usar isso.” Ela arqueou uma sobrancelha. “Sério? Você tem uma casa de praia?” Ele sorriu. “Eu alugo a partir de um casal que conheço. Não gosto de hotéis. É ruim o suficiente que tenho que lidar com eles durante toda a temporada. Pelo menos durante a prétemporada tenho a casa de praia.” “Tudo bem. Eu posso trabalhar com isso.” “Na verdade, você poderia ficar lá, também. Há uma pousada.” Ela ponderou a ideia. Achou que ia ficar no mesmo hotel que a equipe, mas isso faria mais sentido, especialmente se havia uma pousada. “Ok, isso funciona. Nós podemos usar junto às instalações da equipe.” “Sim, nós podemos fazer isso. Mas há também uma sala de ginástica que tem um monte de equipamentos de exercício.” “Sério?” Ela saiu de seu bloco de notas. “Diga-me o que está lá. Eu vou ter a certeza de pedir tudo aquilo que precisamos.” Ele deu-lhe uma lista, e ela fez algumas anotações. “Isso vai funcionar muito bem. Vou precisar chamar Max e ter as coisas resolvidas pelo atraso. Ele estava nos esperando para fazer planos para ir para lá imediatamente.” “Faça a chamada.” “Agora?” “Eu não vejo porque não. Se Max ou Phil tem um problema comigo tomando essa viagem para Oklahoma, eles vão deixar você saber. Então vou convencê-los.” Ela revirou os olhos. “Você sempre terá o seu caminho?” “Nem sempre, mas é bom quando eu faço.” 61


Ela pegou o celular e discou o número de Phil. Como médico da equipe, ele tinha a palavra final. Como Garrett suspeitava, Phil estava bem com o atraso e estava feliz que Alicia ia com Garrett para continuar sua terapia. Ela desligou e colocou seu telefone para baixo. “Estamos combinados.” “Bom.” Ele recostou-se na cadeira da sala de jantar. “O que vai acontecer quando você não conseguir o que quer?” “Você acha que tudo vai do meu modo o tempo todo?” “Parece desse modo.” Ele balançou a cabeça. “Querida, se tivesse tudo que eu queria, estaria na Flórida jogando arremessos agora.” Ela colocou a mão sobre a dele. “Vai chegar lá, Garrett. Eu prometo.” Ele olhou para a mão dela, tão pequeno sobre a dele. Difícil de acreditar que aquelas mãos poderiam causar tanta dor em seu ombro. Ele levantou o olhar para ela. “Eu vou continuar tentando acreditar nisso.” Ela olhou em seus olhos. “Você tem que acreditar em mim e confiar em mim. Vou fazer o que for preciso para ter você de volta no monte.” Por algum motivo, o baixo tom de voz, a ligeira aspereza nele juntamente com a intimidade de sua mão na sua fez suas bolas tremerem. Ele queria fazer alguma piada sobre fazer o que fosse preciso, mas o inferno, ele não era mais um adolescente e insinuação sexual seria estúpido. Ele já estava atraído por ela, e agora a convidou para passar o fim de semana com ele. Ele tirou a mão e começou a limpar os restos de seu jantar. “Você comprou. Por que você não me deixe cuidar de limpar essa bagunça?” Ela recolheu os pratos e a caixa de pizza antes que ele pudesse protestar. Então ela lavou os pratos, enquanto ele se encostava ao fogão e observava. “Eu posso fazer tudo isso, você sabe.” Ela lançou-lhe um olhar por cima do ombro e sorriu. “Eu também posso. Há somente alguns pratos e uma saladeira.” 62


Quando ela terminou, secou as mãos na toalha e encostou as mãos contra a pia. “Eu acho que é isso.” “Obrigado por limpar os pratos”. “Obrigado pela pizza.” Ela inclinou a cabeça para trás, e ele queria beijá-la. Seu pau tremeu com o pensamento de empurrá-la contra o balcão e sentir seu corpo pressionado contra o dele. Ele estava quente com a súbita onda de desejo, e não tinha ideia do que fazer com isso. Seu olhar bateu, e ele sabia então que ela percebeu o que estava pensando. Ela lambeu os lábios, o que só fez seu pau ficar mais duro. Ela respirou profundo. “Bem, eu deveria ir. Tenho muito a fazer para preparar estas duas viagens.” Ela era, obviamente, muito mais inteligente do que ele, ou pelo menos mais lúcida. Ele deu um passo para trás. “Okay. Claro.” Ele nunca tinha visto alguém fugir da cena tão rapidamente. Ela pegou o casaco. “Eu vou falar com você amanhã, então. Obrigado mais uma vez pela pizza.” Ela estava fora da porta como alguém com superpoderes, atirando-lhe uma onda sobre sua cabeça enquanto corria para seu carro. Ele permaneceu na porta depois que ela saiu da garagem, precisando do jato de ar frio para esfriá-lo. Movimento idiota, Garrett. A última coisa que ele precisava era se envolver com Alicia. Ou até mesmo pensar sobre ela de qualquer outra forma que não fosse como sua terapeuta. E agora ele ia passar o fim de semana com ela. Grande.

63


Capítulo Seis ISSO ERA O QUE ALICIA RECEBIA POR ABRIR A BOCA e se intrometendo. Se ela não tivesse empurrado Garrett sobre e reencontrar com os seus amigos, poderia ter tido um fim de semana fora. Em vez disso, estava trabalhando neste fim de semana. E não só estava trabalhando, estava indo para uma cidade estranha com alguém que realmente não conhecia muito bem, para encontrar um monte de outras pessoas que ela não conhecia. Parecia divertido. Então, novamente, sempre gostava de aventura, por isso decidiu que ia a olhar para isso como uma nova perspectiva. Além disso, ela deveria estar trabalhando todos os dias no braço de Garrett, até que ele fosse capaz de tomar o monte, então ele estava certo quando disse que ela teria que começar a segui-lo aonde quer que fosse. Não havia pressão nem nada. E para adicionar a isso, a outra noite em sua cozinha, ele olhou para ela de uma maneira que tinha certeza de que tinha cruzado a linha do profissional em algo perigosamente pessoal. Ela podia jurar que ele queria beijá-la. E uma vez que tinha olhado para ele da mesma forma, sentia uma química física súbita com ele que não tinha nada a ver com o negócio da terapia, ela correu de lá antes que tivesse feito algo realmente estúpido, como deixá-lo beijá-la. Isso teria sido desastroso. Mas também provavelmente teria sido muito, muito bom. Ela não conseguia deixar de olhar para sua boca. Garrett tinha um incrível, lábio inferior cheio, que apenas pedia para ser beijado. Ela queria puxar com os dentes em seguida, esfregar o rosto contra o restolho de barba que sempre parecia surgir em sua mandíbula inferior. Ela perguntou como a ligeira barba sentiria esfregando contra suas coxas.

64


Aquecendo no pensamento, ela poupou um olhar para ele enquanto ele dirigia. Eles estavam na estrada durante oito horas, ela estava cansada, o seu bumbum estava dormente, e Garrett tinha estado estranhamente quieto o tempo todo. Fantasiando sobre sua boca — e aquela mandíbula — não estava ajudando em nada. “Como está indo o seu ombro?” Ela perguntou, decidindo colocar seus pensamentos para uma utilização mais eficiente. Ele olhou em sua direção. “Está tudo bem, obrigado.” “Você precisa de mim para dirigir?” Ele bufou. “Não. Acho que tenho isso.” “Você não tem que começar todo viril em mim. Sou perfeitamente capaz de partilhar os deveres da direção.” “E eu estaria com as articulações brancas o tempo todo. Eu prefiro dirigir.” Ela arqueou uma sobrancelha. “Você foi no carro comigo. Sou uma motorista muito boa.” “Você dirige como uma velha senhora.” Ela engasgou. “Eu não faço.” Ele riu. “Sim, você faz. Todo cuidado, conduzindo no limite da velocidade, as duas mãos no volante.” Ele estava tirando sarro dela. Mas com certeza parecia quente atrás do volante com seu tom escuro e seu corpo grande, ocupando o lugar do motorista em sua SUV. Ela estava tão acostumada com seu muito antigo carro compacto, este era como estar em um tanque de luxo com assentos de couro, um grande sistema de som, e um sistema de navegação. E uma vez que a paisagem ao longo do caminho era agradável e Garrett se contentou em fazer a condução, ela recostou-se no banco e apreciou a vista. Desde que tinha chegado cedo e ela não tinha dormido muito na noite anterior, estava com sono e adormeceu. Quando acordou, Garrett estava puxando para um posto de gasolina. Ela se esticou e saiu do carro para usar o banheiro e pegar algo para beber. Ele a

65


seguiu para dentro, pegando uma bebida para si mesmo, juntamente com alguns lanches. Ela olhou para o saco, ele entregou-lhe depois que pagou por suas coisas. “Batata chips e uma barra de chocolate?” “Alimento de estrada,” ele disse enquanto subiam de volta para o carro. “Nada nutritivos.” Ele rasgou o saco de batatas fritas. “Vai servir até chegarmos à cidade e pegarmos algo mais substancial.” Ele colocou o saco no console central. “E eu vou compartilhar.” As batatas tinham um cheiro bom, mas ela não era uma grande comedora de batatas fritas. Mas estava com fome, então cavou e comeu. Ela nunca poderia resistir à tentação de batatas salgados, e depois de comer um punhado, lambeu o sal fora das pontas de cada um dos seus dedos. Pegou-o olhando para ela, percebeu que ele estava olhando para ela lambendo os dedos. E não com nojo como: Por que-não-usou-um-guardanapo? Mas mais de um: Vocêpodia-estar-chupando-meu-pau ao invés nesse tipo de caminho. Que conseguiu ela pensando sobre seu pênis. Sua barriga apertou, seus mamilos formigaram, e de repente ficou muito quente no carro. Ela pegou um guardanapo e limpou a mão, em seguida, olhou para fora da janela para se distrair, mas seus pensamentos não se afastaram. Ela fechou os olhos, e as imagens mentais de seus dedos e a boca de Garrett estava tudo misturado em sua cabeça. Preferia estar lambendo os dedos, a ter o pensamento sobre sua boca de novo. Esse era o problema com longas viagens na estrada. Muito tempo para a imaginação correr solta, e tinha uma imaginação muito vívida. Haveria muito tempo na estrada para ele pegar a mão dela e perguntar por que ela estava lambendo seus próprios dedos, quando ele poderia fazer isso por ela. Ela poderia se inclinar sobre o assento e deslizar seu dedo sobre o lábio inferior, deixando sua língua para fora até que ele chupasse um de seus dedos na boca. Ele diria a ela que seus dedos tinha um gosto bom, e ela lhe diria que queria seu pênis em sua boca. Sua respiração acelerou, e os mamilos endureceram. Ela soltou um gemido suave. 66


“Algum problema?” Seus olhos abriram, e ela virou para encará-lo. “O quê?” “Você... gemeu ou algo assim. Você está tendo algum tipo de dor?” “Oh. Não.” Ela esfregou sua têmpora. “Apenas um pouco de dor de cabeça.” Ele franziu a testa. “Você deve tomar Tylenol.” “Sim. Eu vou fazer isso.” Meu Deus, ela era um imbecil. Sem mais devaneios sexuais para ela. Concentre-se, Alicia.

***** DOR DE CABEÇA, SUA BUNDA. ALICIA ESTAVA PENSANDO EM SEXO. Ele sabia quando uma mulher estava com dor e quando uma mulher estava excitada, e ela estava definitivamente excitada. Seus olhos estavam fechados, e ela praticamente estava se contorcendo em seu assento. Que fez com que ele quisesse gemer. E o pau dele estava tão duro de vê-la. Ele não sabia o que ela estava pensando, mas entre assistir a lamber os dedos e, em seguida, retorcer em torno de seu assento, ele estava preste a entrar em suas calças. Foda-se. Toda essa viagem era uma má ideia. Ele estava o deixando louco, e eles ainda não tinham chegado ao chalé ainda. Ele nunca ia sobreviver ao fim de semana. Ele nunca deveria ter concordado em fazer esta viagem, e muito menos trazer Alicia com ele. Primeiro, ia ter que explicar para os caras por que não estava na Flórida para o treinamento de primavera, e então ia ter que explicar quem era Alicia. Ele nunca trouxe mulheres para conhecer os caras. Naturalmente, uma vez que sabiam sobre a lesão, deveria explicar que Alicia seria discutível de qualquer maneira. Ele tinha acabado de lhes dizer que ela era sua terapeuta, e que iria cuidar disso. Pelo menos não estava levando a namorada com ele. Os caras eram todos solteiros e ainda bastante selvagens 67


e loucos. Eles odiavam a ideia de uma mulher — ou de alguma esposa ou namorada — vindo junto para estes fins de semana. Ele passou os dedos pelo cabelo, já imaginando o pesadelo que viria. Parou na frente da pousada. Tinha sido um longo tempo desde que esteve aqui. Nada havia mudado. Ainda tinha aquele clube rural com seus gramados e arbustos perfeitamente esculpidos. Ele sempre pensou que o prédio principal se assemelhava a um castelo, com seu rosto de pedra escura e torres. A primeira vez que veio, esperava ter que atravessar um fosso para chegar ao edifício principal. “Isso é realmente incrível,” disse Alicia, desabotoando o cinto de segurança para entrar com ele. “Sim, ele é.” Ele esteve aqui muitas vezes antes com Gray, cujo pai tinha um clube. Era legal por dentro, e Alicia colocou as extremidades de seu casaco em volta dela. Isso no início da temporada não ia ter muitos jogadores de golf, exceto para os teimosos que jogavam durante todo o ano. Se não houvesse neve no chão, eles estariam jogando em seus dezoito buracos, não importando o quê. Ele viu alguns deles passando, aparentemente alheio às temperaturas de quarenta graus lá fora. Alguns até usavam camisas de manga curta. Garrett era um cara de tempo quente mesmo e não podia esperar para as temperaturas mais suaves da Flórida. Ele foi até a recepção e fez o check-in, solicitando quartos adjacentes. “Obrigado por isso,” disse ela depois que ele entregou a chave do quarto para ela. “Isso vai torná-lo mais fácil para entrar e cuidar de você, se você precisar de mim.” Ele estremeceu numa expiração quando sua mente nadou com visuais de apenas como gostaria que ela cuidasse dele, mas afastou esses pensamentos de lado quando viu Gray vindo em sua direção. Hora do show.

68


***** ALICIA PAROU EM SEU CAMINHO QUANDO UM HOMEM SEXY puxou Garrett em um abraço de urso. Ela pensou que os olhares de Garrett poderiam parar o trânsito, mas esse cara? Uau. Ele era a revista pronta, parecia que poderia possuir esta pousada. Com seu olhar aristocrático, rosto perfeito, e marcantes olhos castanhos uísque. Ele era tão alto quanto Garrett, com o mesmo olhar magro, mas musculoso. Calça jeans desgastada abraçando seu corpo magro e sua camisa pólo de manga longa agarrada a todos os músculos esculpidos de seu peito e braços. “Achei que você não estava vindo,” disse o homem. “Você não deveria estar na Flórida?” Garrett deu de ombros. “Lesão no ombro. Ainda trabalhando na reabilitação.” “Ah, certo. Ouvi sobre isso. Sinto muito, cara. Isso é péssimo.” O olhar do homem deslocou-se para Alicia, e ele ofereceu um sorriso que fez os dedos de Alicia enrolar. “E quem é esta?” “Sinto muito. Alicia Riley, este é Gray Preston.” Ele apertou a mão dela. “Prazer em conhecê-la, Alicia.” “Mesmo aqui, Gray.” “Alicia é a minha fisioterapeuta.” O sorriso de Gray virou-se para algo um pouco mais sexy. “É isso que estamos chamando esses dias?” Alicia riu. “Não, eu sou sua terapeuta. Eu trabalho para a equipe.” Gray arqueou uma sobrancelha e desviou o olhar para Garrett. “Então, a equipe paga por ela? Completamente um privilégio.” “Você é um idiota, Gray,” disse Garrett. “Isso é o que meu pai me disse.” “Seu pai é um idiota.” 69


Gray lhe deu um tapa nas costas. “E é por isso que você sempre foi um dos meus bons amigos. Vá em frente e se instale, Trevor já está no bar, provavelmente o centro das atenções.” Garrett riu. “Claro que ele é. Que tal Drew?” “Não o vi ainda.” “Okay. Vemo-nos em breve.” Ele levou Alicia para o elevador e, uma vez lá dentro, apertou o botão para o segundo andar. “Gray é interessante.” Ele acenou com a cabeça. “Sim. Seu pai é o senador Mitchell Preston.” Ela virou-se para ele quando saíram do elevador e caminharam pelo corredor. “Eu ouvi sobre o Senador. Muito firme e sem tolices. Gray não parece em nada com ele.” “Ele não é. Espere até que você comece a conhecê-lo.” Garrett parou em um quarto. “Este é o seu.” “Oh. Okay. Vou desfazer as malas e me trocar. Encontro-o fora em quinze minutos?” “Claro.” Ela entrou no quarto e colocou a bolsa em cima da cama, desligou tudo e foi para o banheiro para desempacotar seus produtos de higiene pessoal. Ela ajustou a maquiagem e escovou os cabelos, depois foi para o armário refletindo sobre o que vestir. Eles estavam reunidos no bar, por isso ela decidiu, em jeans, uma camisa de mangas compridas e botas, sendo discreta seria uma boa escolha. Quando saiu de seu quarto, Garrett não estava lá, então bateu em sua porta. Ele abriu. “Sinto muito. Tomei um banho rápido.” Seu cabelo ainda estava úmido, as extremidades escorrendo. Ela inalou seu aroma fresco e pinho, o que a fez querer ficar mais perto e enterrar o rosto em seu pescoço. Em vez disso, ela deu um passo para trás. “Tudo bem. Você está pronto ou eu devo ir esperar no meu quarto?” “Não, eu estou pronto.” 70


Ele fechou a porta e ficou ali, olhando-a. Ela franziu a testa e olhou para suas roupas. “O que há de errado? Eu não estou bem vestida?” “Uh, não. Você está muito bonita.” Aliviada, ela relaxou. “Obrigado. Eu não tinha certeza do que estava acontecendo no resto do dia, então achei que eu iria casual.” “Você está bem. Vamos.” Ele estava agindo de forma estranha. Talvez fosse a longa viagem. Ele podia estar desconfortável. “Devemos entrar em um treino hoje, certifique-se que pelo menos esticar o seu ombro.” “Okay. Nós vamos fazer isso mais tarde.” “Nós estamos perdendo a luz do dia já.” “Vou ter certeza de lamentar e reclamar o quanto machuca, para que você não se esqueça.” Ela riu. “Você pode fazer isso, mas confie em mim, eu não vou esquecer. Essa é a razão pela qual eu estou aqui, lembra?” “Certo. Apesar que Gray acha que foi contratada por outra razão.” Ela riu. “Sim. O que eu achei engraçado descontroladamente. Imagine alguém como eu, uma acompanhante.” Ele deu-lhe um longo olhar. “Você poderia passar.” “Não em calças de yoga com o meu cabelo em um rabo de cavalo.” Ele parou porque saiu do elevador no primeiro andar. “Você não se dá crédito suficiente, Alicia.” Ela ficou boquiaberta com ele. “Eu não tenho certeza se estou sendo lisonjeada ou insultada.” “Sendo lisonjeada.” Ele colocou a mão na parte inferior das costas e dirigiu pelo corredor escuro com painéis, longe da entrada principal. O bar estava escondido dentro de apenas algumas portas que levavam para fora para que ela imaginava era o campo de golfe. 71


O bar estava pintado com a cor vinho e creme, separados por lambris ao longo da parede. O lugar parecia tão caro como todo o resto que tinha visto da pousada, com mesas de madeira e cabines espalhadas, algumas mesas de bilhar e televisões espalhadas acima do bar e por toda a sala mostrando vários esportes. Era uma espécie do Bar Riley, da sua tia e tio, só que mais sofisticado. Havia um bar de carvalho grosso servido por dois garçons vestindo camisas de mangas compridas e coletes. Suas camisas ainda tinham pregas. Fantasia. Definitivamente não era o tipo de bar que ela normalmente frequentava. Não havia mesmo qualquer amendoim no chão. Na verdade, tinha certeza que poderia comer neste piso. Gray estava sentado em uma das cabines no canto, junto com vários outros caras. Quando seus olhos se adaptaram à escuridão, ela se perguntou se estava sendo a acompanhante. Todos eles se levantaram, e foi como entrar em uma sessão de uma capa para uma revista. Vários homens quentes sorriram para ela enquanto ela e Garrett se aproximavam. Talvez ela devesse ter vestido mais. Colocado algum perfume ou algo assim. Porque, maldição. “O sempre evasivo Garrett Scott finalmente mostra-se,” disse um deles, estendendo a mão. “Fiquei surpreendido ao ver você aqui, Trevor,” disse Garrett. “Achei que estaria despojado de sua cueca fazendo outra sessão de fotos para uma revista ou um outdoor em algum lugar.” Agora Alicia sabia por que aquele cara parecia familiar. Corpo oh-tão-quente de Trevor Shay estampado... em todos os lugares. Em outdoors, em revistas, nas laterais do ônibus, e em comerciais. Ele tinha sido um artigo quente para os últimos anos, porque estava jogando futebol e beisebol, e era muito bom para os dois. Também era um conhecido homem das senhoras. Trevor sorriu. “Sim, bem. Tirei o fim de semana para beber cerveja com vocês babacas.” Finalmente percebendo Alicia, ele disse: “Oh. Desculpe. Não queria xingar.” 72


“Está tudo bem. Eu sou Alicia Riley.” “Trevor Shay. Prazer em conhecê-la. Então, você é a namorada... Garrett?” “Terapeuta,” ela corrigiu. Trevor levantou uma sobrancelha. “Terapeuta? Problemas com a sua mãe, Scott?” “Há há. Ela é minha fisioterapeuta. Ela trabalha para os Rivers.” “Oh, sim. Você fodeu seu ombro, porque não pode jogar uma merda.” Garrett balançou a cabeça. “Não estou indo para dignificar o comentário com um insulto de retorno sobre como alguns de nós não podem fazer as nossas mentes sobre que esporte jogar quando crescer.” Trevor sorriu. “Sim, e talvez alguns de nós seja tão bom que consegue jogar os dois.” Garrett revirou os olhos. “Você fica pensando isso, amigo. Onde está Drew?” “Ele não pode vir,” disse Trevor. “Ele tem um jogo hoje à noite. Disse para dizer a todos para beijar sua bunda e não falar sobre ele, enquanto não está aqui para se defender.” “Então, o que significa que vamos falar sobre ele, certo?” Perguntou Garrett. “Você sabe que sim,” disse Gray, levantando um copo num brinde. Garrett apresentou-a aos outros caras. Alicia estava feliz que era boa em lembrar nomes e rostos. “Dê lugar, seu jumento, assim podemos sentar.” Eles fizeram, e Alicia deslizou na cabine. Garrett se inclinou. “Sinto muito, mas esses caras são todos idiotas. Não vai haver palavrões e xingamentos.” “Sim. Sinta-se livre para participar, especialmente se você tem sujeira de Garrett,” disse Gray. Alicia riu. “Oh, não. Eu pretendo apenas ouvir. E fazer anotações mentais. Talvez escrever um livro contando tudo no futuro.” “Eu gosto dela,” disse Gray para Garrett. “Ela é uma espertinha como nós.” Alicia apenas sorriu, e quando um dos garçons veio — impecavelmente vestido, como os bartenders — ela pediu uma bebida. Um refrigerante.

73


“Oh, vamos lá, Alicia. Você está aqui para relaxar e se divertir,” disse Trevor. “Diversão significa bebida destilada.” “Difícil de ficar lúcida e tomar essas notas mentais se estou confusa com o álcool. Soda para mim.” “Desmancha-prazer,” disse Trevor. “Você é a única mulher no grupo, como é que vamos deixá-la bêbada e tirar vantagem de você?” “Você não vai,” Garrett disse, e então pediu uma cerveja. “Pensei que você disse que ela trabalhava para a equipe?” “Ela faz. O que significa mãos, Trevor. Eu quero dizer isso.” Alicia tipo que gostou da firmeza de sua declaração, mesmo que estava plenamente consciente que Trevor estava apenas brincando e Garrett só estava protegendo um empregado dos Rivers. Não alguém que lhe pertencia. “Talvez não seja apenas uma coisa de trabalho.” Trevor pegou sua cerveja e lançou um olhar em direção a Gray e os outros caras. “Talvez não seja,” disse Gray, inclinando sua cerveja para Trevor. “Mas, se assim for, isso significa que Alicia está disponível. Então, você está saindo com alguém?” Como ela deveria responder a isso? “Hum... não, eu não estou.” Garrett virou-se para ela. “Você deve correr agora, enquanto ainda tem uma chance. Um fim de semana com esses palhaços e quem sabe como vai acabar.” “Ela vai ficar apaixonada por mim até o final do fim de semana,” disse Trevor, balançando as sobrancelhas. “Eu sou irresistível, você sabe.” “Hei. Eu sou o único com todo o dinheiro. E o charme,” disse Gray, dando a Garrett um sorriso presunçoso. “Um par de dias em torno de mim e ela vai despejá-lo como lixo tóxico.” Alicia não pode deixar de rir. “Lembre-se, rapazes, sou apenas um terapeuta. Não há ninguém para despejar.”

74


“Uh-huh.” Trevor inclinou a garrafa aos lábios, seu olhar mudando de Alicia para Garrett quando ele tomou um longo gole de cerveja. “Você diz isso, mas já estou de olho em vocês dois.” Ela ergueu o olhar para Garrett. “Ajuda.” Ele ergueu as mãos. “O que eu posso dizer? Esses idiotas são meus amigos.” Mas ela pegou o olhar. Este deve ser um fim de semana divertido e interessante.

***** GARRETT NÃO QUERIA VIR NESTE FIM DE SEMANA POR uma série de razões, a principal que ele se sentiu menos digno, porque não era um jogador agora. E muitos de seus amigos eram os jogadores importantes, todos bem-sucedidos em seus jogos. Ele deveria ter sabido melhor. Tinha estado com Gray, Drew, e Trevor na faculdade. Eles haviam se ligado do primeiro ano, e nada mudou nos quatro anos antes da formatura. Compartilhando o dormitório como irmãos, e desde que ele não tinha irmãos, esses caras sabia todos os seus segredos — tanto os bons e os ruins. Ele sentiu falta de passar tempo com eles, mas isso é o que a idade adulta e a carreira em esportes fazia. Nem todos os caras do seu dormitório tinha acabado no esporte profissional, mas todos os seus companheiros tinham, algo que surpreendeu o inferno fora de todos eles. Garrett e os caras nunca deixaram de apreciar o quão sortudos todos tinham sido, mas também lhes tinha causado a dispersão em diferentes direções, como folhas ao vento. Com Gray em automobilismo, Drew no hóquei, e Trevor malabarismo no futebol e beisebol, encontrar tempo para todos eles se reunir era quase impossível. Apenas estar neste fim de semana juntos significava sacrifícios, pelo menos, alguns dos caras. “Então, como está indo sua lesão?” Gray perguntou quando se fartaram de bifes suculentos na sala de jantar do hotel. 75


“Você deve perguntar a Alicia essa pergunta. Ela é especialista em minha recuperação.” Alicia olhou para cima de sua sopa. “Ele está progredindo muito bem.” Trevor bufou. “Isso soa como uma resposta padrão. Como é que ele realmente está indo? Será que ele vai lançar nesta temporada?” “Acho que ele é um lançador incrível, e pode estar novinho se ele trabalhar tão duro em sua recuperação, como ele lança.” “Ohhh,” disse Trevor, deslocando sua atenção para Garrett. “Isso soa como se ela estivesse anunciando um desafio, amigo.” “Sim. Ela me empurra. Ela me disse que tinha a minha cabeça enterrada no meu rabo com a minha recuperação e eu não trabalhava duro o suficiente.” Ele levantou o garfo e apontou para ela. “Ela veio até a minha casa e bateu na porta certa manhã, quando eu tentava explodir a terapia.” “Não me diga,” disse Gray, com algo que se parecia muito com admiração em seus olhos. “Não me diga,” disse Garrett. “Ela é mais difícil do que parece.” “Eu poderia usar alguém como você na minha equipe de corrida,” disse Gray. “Minha equipe precisa de um motivador chutando as bundas, às vezes. E eu pago bem. Interessada em desertar?” “Hei,” disse Garrett. Alicia riu. “Não. Estou feliz onde estou no momento, mas obrigado, Gray. Vou mantê-lo em mente.” “Sério?” Garrett arqueou uma sobrancelha para Alicia, que sorriu timidamente e deu de ombros. “Tenho que manter minhas opções em aberto, você sabe.” “Oh, ela é cruel,” disse Trevor. “Eu poderia estar apaixonado por ela.” “Você não sabe o significado da palavra,” disse Gray. “Você é mais um tipo de mulher-de-semana.” 76


“Verdade. Mas se eu fosse me apaixonar, seria com alguém como Alicia. Bonita, inteligente, talentosa, e maligna. O meu tipo de mulher.” Alicia riu. “Sou dificilmente maligna.” “Eu não sei nada sobre isso,” disse Garrett. “Estive no fim de recepção de uma de suas sessões de terapia.” “Agora você vai dar aos caras a ideia errada sobre mim, Garrett. Eu sou um marshmallow. Realmente.” Ela bateu seus cílios. “De alguma forma eu acho que ela é uma mistura de ambos,” disse Trevor, estudando-a. “O que só me faz gostar mais dela.” “Você deve manter um aperto nela, Garrett, antes que alguém se mova furtivamente e roube seu direito debaixo de você.” Garrett deslizou um pedaço de carne na boca e não respondeu ao comentário de Gray. Era diferente de seus amigos estarem tão tomado com uma mulher. Na verdade, ele teria jurado que ficariam chateados que trouxe Alicia com ele. Em vez disso, eles tinham sido acolhedores e pareciam totalmente apaixonados por ela. Ele não conseguia entender. Ah, claro, sabia que ela tinha um corpo assassino. E um belo rosto, cabelos sedosos, pernas longas e uma bunda perfeita. Era inteligente e tinha um senso de humor que os homens naturalmente caiam. Ele tomou um longo gole de cerveja e lembrou-se que Alicia não era sua namorada, uma mulher que ele estava namorando, ou até mesmo tendo relações sexuais com ele. Ela era uma profissional, e estava aqui neste fim de semana para torturar seu ombro. Nada mais.

77


Capítulo Sete “DEVEMOS TRABALHAR EM SEU BRAÇO,” ALICIA disse quando eles fizeram o seu caminho de volta para o quarto. Era meia-noite, e saíram do bar depois do jantar, trocando histórias de vida universitária. Garrett teve um bom tempo e várias cervejas, e depois de um longo dia, ele estava exausto. “Eu não penso assim. Estou acabado.” “Uh-huh. E a razão pela qual eu vim foi para que você não perdesse um dia de terapia. Aposto que seu braço está duro.” Estava, mas ele seria condenado se admitisse isso. “Sei que é tarde, e não estou falando de um treino. Mas se não, pelo menos, esticá-lo, você vai ficar ainda mais duro na parte da manhã.” “Ok.” “Abra a porta adjacente do quarto depois de trocar de roupa, e vou levá-lo a se soltar.” Depois que ela fechou a porta, ele entrou em seu quarto e colocou um moletom, deixando a camisa. Ele abriu o seu lado da porta adjacente do quarto, em seguida, estendeu e se sentou na beirada da cama. Alicia veio através de alguns minutos mais tarde. Ela tinha mudado em suas calças de ioga e tinha colocado uma camiseta que se encaixava perfeitamente contra seus seios. Não que ele iria perceber o que sua terapeuta estava usando. Mas ele definitivamente percebeu tudo o que Alicia fez. Ou usava. E quando ela se inclinou sobre ele, ele respirava o cheiro dela, algo almiscarado que o fez querer agarrar seu cabelo e enterrar o rosto em seu pescoço.

78


“Estou feliz que você deixou sua camisa. Eu posso colocar um pouco de loção de massagem em seu braço e realmente trabalhar nisso depois que eu esticá-lo. Então vou pelo corredor e encher o balde de gelo e gelarei você.” Ele fez uma careta. “Parece divertido.” Ela sorriu. “Não, não vai ser, mas vai soltar seu ombro.” “Vamos acabar com isso.” “Deite-se de costas no lado da cama, para que eu possa chegar ao seu ombro. Vamos colocar um pouco de calor primeiro, e então eu vou esticá-lo.” Ele se deitou e Alicia se ajoelhou ao seu lado para colocar a almofada de aquecimento em seu ombro. Ele virou-se para encará-la. “Você está indo para esticar se ajoelhando no chão desse jeito?” “Sim.” “Isso não pode ser confortável para você.” “Vai ficar tudo bem. Estiquei pessoas em posições mais desconfortáveis do que isso. E confiem em mim, vai ser muito mais desconfortável para você do que será para mim.” Isso o fez sorrir. “Então, o que você está dizendo é que eu não sinto pena de você.” “Nem um pouco.” “Okay. Espero que sofra.” Ela riu. “Esse é o espírito.” “Você teve um bom tempo hoje à noite?” Ela inclinou-se sobre os calcanhares. “Eu fiz. Surpreendentemente.” “Por que você está surpresa?” “Achei que eu não estava preparada — o quão agradável e quanta diversão seus amigos iriam ser.” “Sim? O que você esperava?” “Não sei exatamente. É difícil entrar em novas situações, estar cercada por um bando de estranhos. Estes são todos os seus amigos, e é o seu reencontro. Eu era a intrusa.

79


Isso poderia ter ido mal. Eles podiam não ter levado bem você arrastando uma mulher estranha. Eles foram muito bons. Tão engraçados e tão acolhedores para mim.” “Estou feliz que você gostou deles.” “Eu faço. Você tem grandes amigos. Você devia vê-los com mais frequência.” “Tudo bem, mãe.” “Hei.” Ela empurrou para ele. “Não é como qualquer um de nós tem tempo para encontros regulares. Todos nós temos carreiras bem ocupadas. Ou pelo menos os que fazem.” “Você vai, também, uma vez que eu deixar você em forma.” “Não me sinto muito em forma agora. Apenas chicoteado.” Ela soltou uma risada suave. “Assim que terminar de trabalhar juntos, você vai ser uma estrela no monte novamente.” Isso é tudo o que ele queria. Ela puxou a almofada de aquecimento fora e começou a esticar levemente seu braço. Ela estava certa — ele estava duro, e quanto mais profundo no alongamento, santa merda doeu. Ele acabou apertando o queixo enquanto ela puxava pelo braço nessas posições malignas, não naturais que acabavam fazendo-o suar. Mas no momento em que ela terminou e foi pegar um pouco de gelo, ele estava mais solto. Ele já estava vendo melhora em sua amplitude de movimento, e pela primeira vez em muito tempo, sentiu-se esperançoso. “Aqui está.” Ela trouxe envolvendo o gelo, então colocando em seu ombro enquanto ele inclinava contra a cabeceira da cama. “Obrigado por fazer isso. Meu braço realmente se sente mais solto.” Ela secou as mãos em uma das toalhas do quarto de hotel. “Não é nenhum problema. E isso é uma coisa boa, certo?” “Sim.” “Deixe isso por dez minutos, depois basta despejar o gelo. Eu vou voltar para a capa da manhã.” 80


“Você está indo embora?” Seus lábios se curvaram. “Sim, estou cansada. E a menos que você tenha algo cedo para fazer com os caras na parte da manhã, eu gostaria de ir ao centro de fitness com você para um treino completo em seu braço.” “Não, nada planejado no período da manhã.” “Bom. Que tal cerca das oito?” “Isso vai trabalhar.” “Vejo você, então. Boa noite, Garrett.” “Noite, Alicia.” Ela fechou a porta adjacente. Ele esperou que ela clicasse a fechadura, efetivamente o bloqueando. Ela nunca trancou. Por alguma razão, isso o fez sorrir. Alicia estava na zona na manhã seguinte. Depois de trinta minutos na esteira e outro trinta de bicicleta, além de musculação e exercícios de alongamento agora, ela tinha Garrett encharcado de suor e trabalhando o inferno fora de seu braço quando um cara entrou. Ela realmente tinha que fazer um duplo olhar, porque ele se parecia muito com Garrett. Alto, cabelos negros desgrenhado, mas com os olhos mais penetrantes que ela já tinha visto. Ele se concentrou neles com um sorriso arrogante no rosto. “Você parece uma merda,” disse ele quando parou ao lado de Garrett. Garrett levantou a cabeça. “Obrigado.” “É está e a dominatrix, e ela que sempre agenda as sessões de manhã cedo para bater a merda fora de você no ginásio?” “Sim, é o meu programa favorito de novo treino. Drew Hogan, conheça Alicia Riley, minha fisioterapeuta.” Ele estendeu a mão. “Oi, Alicia. Quem pode fazer Garrett parecer que está preste a chorar é um novo amigo meu.”

81


Ela balançou a cabeça. “Prazer em conhecê-lo, Drew. Agora saia daqui para que eu possa continuar a torturá-lo,” ela brincou. “A menos que você gostaria de ser o próximo.” Ele balançou o dedo para Alicia, mas olhou para Garrett. “Eu gosto dela, Garrett. Você deve se casar com ela. Ou ter pelo menos uma semana de sexo entorpecente com ela. Por que vocês dois não me encontram no café da manhã após o seu... uh... sessão?” Garrett olhou para Alicia para a confirmação. “Claro,” ela disse. “Nós vamos estar por aqui mais trinta minutos, então por cerca de uma hora?” “Ótimo. Vejo vocês no restaurante.” Alicia riu quando Drew saiu do ginásio. “Ele é uma espécie de força da natureza, não é?” Garrett agarrou a toalha e passou-a sobre o rosto. “Você não tem ideia.” Eles terminaram o seu treino, em seguida, foram até seu quarto para tomar banho. Drew estava esperando por eles no restaurante, junto com Trevor e Gray. “Onde estão os outros?” Garrett perguntou enquanto segurava uma cadeira para Alicia. O garçom estava ali para servir café para eles. “Lincoln, Hull, e Ted levantaram cedo para cair no campo de golfe,” disse Gray. Alicia olhou para fora. O sol estava fora, mas não poderia estar mais de quatro graus lá fora. “Jogadores obstinados?” Ela perguntou. “Você tem que ser para jogar quando está tão frio,” disse Trevor. “Não vou arrastar minha bunda fora até atingir, no mínimo, vinte e um graus.” “Maricão,” disse Gray. “Não vejo sua bunda lá fora fazendo um quarteto,” Trevor atirou de volta. “Eu tinha alguns negócios a fazer esta manhã. Não poderia fazê-lo.” “Você está mentindo. Você só não queria que suas bolas congelassem no frio.” Drew deu a Gray um olhar presunçoso. “Talvez seja necessário usá-los — quem era aquela coelhinha que eu vi quando estava dando essas entrevistas?” Gray ergueu o queixo, mas sorriu. “Não sei do que está falando.” 82


“Qualquer que seja. Quem você está atualmente tendo relações sexuais, você não quer que seu equipamento não funcione corretamente.” Gray tomou um gole de café. “Não tenho coelhinha, apesar do que pensa Drew. Eu estou muito ocupado trabalhando. Ao contrário de Garrett aqui, que traz seu trabalho e jogar com ele.” Garrett revirou os olhos. “Eu já expliquei quem Alicia é. Acredite em mim, ela é toda trabalho. Não joga.” “É verdade,” disse Drew. “Ela o tinha saltando e chorando como uma menina no ginásio esta manhã. Ela definitivamente o tinha pelas bolas, mas não de um jeito divertido.” Alicia lançou um sorriso para Drew, que piscou para ela. “Não estava chorando. Eu estava na reabilitação. E se Alicia me tivesse pelas bolas, confie em mim, eu sei disso. Seria para me divertir.” Alicia revirou os olhos. “É sempre assim com vocês?” “Sim,” disse Gray. “Desde a faculdade. É como um esporte.” “E eu sempre venço,” disse Garrett. “Toda vez.” “Em seus sonhos, Scott,” disse Drew. “Quantas vezes você teve que comprar a cerveja?” Perguntou Drew. “Não muito frequente. Porque eu ganhei.” Trevor inclinou-se para sussurrar em seu ouvido. “Eu nunca tive que comprar a cerveja. Acabei de deixar esses palhaços discutindo isso até que alguém declare o perdedor. Então eu colho os benefícios.” “Ouvi isso,” disse Garrett. Alicia riu, em seguida, sentou-se e ouviu enquanto eles brigavam. Era como estar na faculdade novamente, festas nas casas de fraternidade. Lotes de superioridade, quem vencia o argumento, quem era o melhor nisto ou naquilo. Mas ficou claro que Garrett estava relaxado e se divertindo. Ela estava feliz. Ele precisava dessa liberação de tensão. Este fim de semana seria muito bom para o seu estado de espírito, que era tão essencial para sua recuperação. 83


“Eu não sei o que esses idiotas têm planejado para o dia, mas vou conseguir Alicia saindo daqui por um tempo. Nós estamos indo para a cidade para que ela possa se divertir que não inclui absorver toda esta testosterona.” Alicia virou-se para ele. “O quê?” “Você iria tirá-la de tudo isso?” Drew perguntou, apontando para si mesmo. “Sim. Especialmente de você.” “Divirtam-se,” disse Gray. “Mas estejam de volta hoje à noite tem pôquer.” “Não perderia por nada.” Ele empurrou a cadeira para trás e segurou a dela fora, enquanto ela levantava. “O que você está fazendo?” Ela perguntou. “Levando-a para um dia de diversão.” Ela parou no corredor. “Por quê?” “Porque isso é chato para você.” “Não, não é. E mesmo se for, não sou sua namorada, Garrett. Não estou aqui para me divertir com você. Estou aqui para trabalhar em sua terapia. Se estou entediada, posso sempre ir até o quarto e trabalhar em minhas anotações do plano de tratamento ou ler ou ver TV.” “Oooh, parece divertido.” “Pare com isso.” “Não, você pare. Eu me sinto mal o suficiente por arrastar você aqui neste fim de semana. Pelo menos me deixe fazer-lhe um pouco de diversão e levá-la para fora mostrandolhe ao redor da cidade.” Ela inalou, então suspirou. “Você não gostaria de sair com seus amigos? Não é esse o principal motivo que está aqui?”

84


“Verei muitos deles. E acredite em mim, um pouco desses caras vai um longo caminho. Além disso, não vamos ficar fora tanto tempo. Vou levá-la para Bricktown13 depois para o Outlet shopping center.” Isso chamou a atenção dela. “Há um Outlet shopping center?” “Não há. A menos que você prefira o shopping regular. Há um realmente agradável.” “Oh, não. Eu amo outlet shopping center.” Ele apertou o botão do elevador. “Outlet shopping, então.” Alicia subiu as escadas, entrou em suas botas e uma camisa, em seguida, pegou sua bolsa e encontrou Garrett no corredor. Ela estava ridiculamente animada para sair para explorar, ela nunca tinha estado em Oklahoma City antes. Certo, ela nunca tinha estado em Oklahoma em tudo, por isso tudo aqui era uma nova aventura. “Você é do tipo... borbulhante e animada,” Garrett disse quando o manobrista trouxe o carro dele. “Eu sei. É ridículo, na verdade,” ela disse quando deslizou para o banco. “Diga-me.” “Adoro viajar. É um dos destaques de estar com a equipe. Estou tão ansiosa para cair na estrada. Quando estava crescendo, não tínhamos muito dinheiro, então quando eu tinha amigos que voltavam depois das férias de verão e falavam sobre todas essas viagens fantásticas que faziam, a única coisa que podíamos fazer era ir acampar. Localmente.” Ele riu. “Não é engraçado.” “Oh, eu sei que não é. É apenas a expressão que você fez como a degustação de uma comida podre.”

13 A área já é um dos destinos turísticos mais populares da região, e tornou-se líder de entretenimento da cidade. De esportes ao teatro, jantar de dança, Bricktown continua seu rápido crescimento. 85


Ela apontou para ele. “Foi exatamente assim. Imagine como me senti quando a minha melhor amiga chegou em casa, bronzeada e bonita, de passar o tempo com seus avós na Flórida. Eu? Tinha picadas de mosquito de viajar algumas horas até a estrada para um parque de campimg.” “Pobre de você.” “Foda-se.” Ele balançou a cabeça. “Essa sua boca, Alicia. Eu deveria reclamar com o seu patrão.” “Vá em frente. Basta lembrar quem torce seu ombro. Eu posso fazer doer ainda mais.” Ele lançou um olhar em sua direção. “Oh. Chantagem, também?” Ela ergueu o queixo. “Não estou salvando a minha própria bunda.” “As coisas que estou aprendendo sobre você. E você parece tão inocente.” “As aparências enganam.” “Hmm, não é mesmo?” Desta vez, ele deu-lhe um longo olhar que fez o calor do corpo subir. Talvez fosse apenas porque o aquecedor do carro finalmente começou a contribuir. Ou talvez fosse porque ele estava a avaliando de uma forma que a fez querer verificar o seu brilho labial e alisar seu cabelo, que era decididamente como uma namorada. Ou um encontro. E nenhuma dessas situações se aplicava. Ela não sabia o que esperar, decidiu que gostava de Oklahoma City. Era mais amplo, menos congestionada do que a maioria das grandes cidades. Um pouco como St. Louis, na verdade, e ela adorava, onde morava. Ele a levou para os shoppings primeiro. Quando estacionou, ela se virou para ele e colocou a mão em seu braço. “Tem certeza que você sabe no que está se metendo?” Ele riu. “Eu levei a minha mãe antes para fazer compras. Eu posso lidar com isso.” “Okay. Mas tenho que avisá-lo — sou uma compradora. Sou implacável, e vou em todas as lojas.” 86


“Fique à vontade.” Era um grande shopping center com super pechinchas. E se havia uma coisa que Alicia adorava, era uma venda. No momento em que tinha passado a primeira metade do shopping center, ela tinha quatro sacolas cheias de roupas e sapatos. E cada vez que saia de uma loja tinha uma sacola, Garrett tirava de suas mãos e as segurava para ela. “Tem certeza que você não se importa de segurar essas,” ela perguntou. “Não. Vá em frente e faça compras.” “Tem certeza que você é um macho humano? Sua espécie principalmente não gosta de fazer compras.” Ele riu. “Você está tendo um bom tempo, não está?” “Bem... sim.” “Então, não se preocupe comigo. Gosto de observar as pessoas.” Ela encolheu os ombros. “Ok.” Ele ainda deu opiniões quando ela perguntava algo. Surpreendentemente, era muito bom para ela, balançando a cabeça ou franzindo o nariz quando não gostava de alguma coisa, e acenando com a cabeça ou sorrindo quando fazia. Pelo menos ele não era um daqueles homens evasivos ou desinteressados, que dizia tudo o que ela experimentava que parecia “bom”. E as vendedoras quase desmaiavam nele. Um homem lindo que carregava as sacolas e oferecia opiniões de especialista em roupas? Ele era quase perfeito. Mas ela não podia continuar a tirar proveito. Se deixasse, ela poderia passar o dia inteiro aqui entrando e saindo de cada loja. Certamente, Garrett devia estar chateado. E ele precisava voltar para os seus amigos, que era toda a razão para o fim de semana. “Você está com fome?” Ela perguntou depois que eles deixaram uma das lojas de esquina, perto do estacionamento. “Estou bem. E você?” “Morrendo de fome. Nós estivemos nisso por horas, você sabe.”

87


Seus lábios se curvaram. “Estou ciente. Você não estava brincando quando disse que estava falando sério sobre essa coisa de compras. Você poderia ser um mestre sobre o assunto.” Ela enganchou seu braço no dele. “Vamos sair daqui e ir comer alguma coisa.” Ele parou e olhou para ela. “Você nem mesmo olhou a outra metade do shopping center.” Ela riu. “Eu posso viver sem o reivindicar. Eu prefiro ter o almoço.” “Há uma grande lanchonete.” Ela deu-lhe uma olhada. “Hei, eles têm sopas e saladas.” “Tudo bem. Lanchonete então.” Tinha sido um dia lindo, com temperatura nos quinze, por isso Garrett a levou para Bricktown, que era uma área ao ar livre, repleto de lojas e toneladas de restaurantes. Havia até um rio e um táxi aquático para levá-lo ao redor da área. Ela adorou, e podia imaginar o quão divertido este lugar era no verão, com multidões, as arenas nas proximidades cheias de pessoas ansiosas para assistir aos eventos, então vindo aqui depois para beber algumas cervejas. “Isto é incrível,” disse ela à medida que entraram em uma lanchonete. Eles se sentaram em uma mesa com uma bela vista para o mar, o sol radiante, em seu rosto e corpo. Estava quente e bom, então ela se virou para Garrett. “Obrigado por isso. Foi um grande dia, mas me sinto um pouco culpada.” Ele tomou um gole do chá gelado que a garçonete trouxe. “Por quê?” “Porque este é o seu fim de semana para estar com seus amigos.” “Este é o meu fim de semana para fazer o que diabo quero fazer. Queria levá-la para fora para que você pudesse fazer algo divertido. Você se divertiu nas compras?” Ela se inclinou para trás com sua limonada e sorriu como um gato em uma janela cheia de sol quente. “Eu me diverti.” “Ok, então. Vamos almoçar sem ter culpa e nenhuma crise.” 88


“Tudo bem.” Ele balançou a cabeça. “Mulheres.” “Cale a boca.” Ele abaixou a cabeça, mas ela pegou o seu sorriso. Deus, ele era sexy quando sorria daquele jeito. Tudo ao sul de seu umbigo estremeceu quando lhe deu aquele olhar semicerrado e o sorriso malicioso. A salada gigante que ela comeu acabou sendo deliciosa, como as batatas fritas, e no momento em que eles saíram, ela estava cheia e exausta. “Eu poderia tirar uma soneca.” “Estenda no carro no caminho de volta e durma.” ”Não. Está tudo bem.” “Você pode confiar em mim. Não vou agarrá-la ou qualquer coisa enquanto você está dormindo.” Ela se virou para ele e soltou uma risada suave. “Eu não acho que você faria.” “Eu poderia cobiçar seus seios, se você cair no sono, no entanto.” Ela soltou uma gargalhada. “Você é tão imprevisível, Garrett.” “Sim? Bom.”

89


Capítulo Oito GARRETT DEIXOU ALICIA — E SUA MONTANHA DE PACOTES — em seu quarto, quando voltaram para a pousada. Ela disse que estava cansada e queria tirar um cochilo. Quando acordasse, prometeu que iria encontrá-lo. Ele fez algumas chamadas de negócios, relaxando em frente a televisão por um tempo, em seguida, desceu para o bar e encontrou Gray, Trevor, e Drew, que tinha acabado de chegar de jogar golfe desde que o tempo tinha aquecido. “Você perdeu um grande jogo hoje, Garrett,” Trevor disse, apontando para o garçom para trazer a todos uma rodada de cerveja. “Sim?” Garrett puxou uma cadeira à mesa. “Suponho que todos arrebentaram.” “Nós estávamos assassinos lá fora,” Drew disse, inclinando a garrafa e tomando o último gole da cerveja antes de responder. “Fizemos nossos melhores jogos.” Ele sabia que estavam mentindo. Sempre mentiam sobre seus jogos de golfe. Era tradição. “Desculpe, eu perdi.” “O que você fez?” Perguntou Gray. “Levei Alicia até o outlet. Depois fomos para o almoço.” Gray arqueou uma sobrancelha. “Compras. Como... emocionante para você.” Drew lhe deu um olhar que dizia que sabia tudo. “Você tem certeza que ela não é sua namorada? Porque me parece que ela tem você muito bem enrolado em seu dedo.” “Sim? Como assim?” “Ela chama, você vai correndo.” “De que maneira?” “Quando ela quer que você trabalhe fora, você vai, não é?” 90


Ele recostou-se na cadeira. “Principalmente. Ela controla meu destino profissional a esse respeito.” “E a trouxe com você neste fim de semana,” opinou Trevor. “De quem foi a ideia?” “Minha, na verdade.” “Oh.” Trevor tomou um longo gole de sua garrafa de cerveja. “Ainda assim, as compras? Cara.” “Eu queria levá-la para longe de todos vocês, mostrar-lhe a cidade e ter um bom tempo. Ela foi muito boa por vir comigo para o fim de semana.” “Não é o seu trabalho,” perguntou Gray. Garrett deu de ombros. “Pego,” Drew disse para os caras. “Ele está já ou quer estar em suas calças bem ruim o suficiente para beijar a bunda dela.” Garrett balançou a cabeça. Não havia nenhum ponto em discutir com eles quando tinham a mente voltada em uma direção. Se queriam acreditar que ele estava dormindo com Alicia ou queria dormir com ela, não havia nada que pudesse fazer sobre isso. “Por que não vamos falar de você em vez disso?” Perguntou ele, voltando sua atenção para Gray. “Qual era o nome daquela supermodelo que você estava namorando? O nome dela me lembra a uma vitamina — Niacin ou algo assim?” “Nisema,” Gray corrigiu. “É um nome real?” Trevor perguntou, virando-se para Gray. “Parece uma lavagem de cara.” “Nós terminamos há alguns meses. Sua carreira e a minha não combinavam.” Drew arqueou uma sobrancelha. “Desde quando os atletas e modelos não combinam?” “Ela estava sempre fora em um trabalho, e eu estava sempre trabalhando. Então descobrimos que nenhum de nós sentia falta um do outro quando estávamos separados. Nós dois estamos muito focados na carreira para estar envolvido, de modo que apenas terminamos. Foi muito fácil.” 91


“Ela provavelmente faz tanto dinheiro quanto você. É por isso que era tão fácil.” Drew empatou em sorriso com Gray. “Tenho certeza que ela faz mais dinheiro do que eu. Devo ser o único chorando sobre o rompimento.” Garrett bufou. “Certo. Como você já estaria arrependido por ter perdido uma mulher.” “Poderia acontecer. Talvez.” Gray olhou para os caras. “Ok, talvez não irá.” “Eu vejo você como alguém que nunca vai se casar, se não por outro motivo que não seja para ofender o seu pai, que está olhando para o “herdeiro Preston”, uma vez que é óbvio que você nunca vai andar em seus passos no Senado,” Garrett disse. Gray riu. “Você está certo sobre isso. A política não é coisa minha.” “Não. Você gosta de motores de alta velocidade e de graxa sob os seus dedos,” disse Drew. “E pensar que você começou com uma bolsa de beisebol. Eu ainda não sei como diabos você acabou em corridas de stock car.” “Oh, isso soa como uma grande história. Posso sentar-me?” Garrett olhou para cima para ver Alicia de pé ao lado de sua cadeira. “Teve uma boa soneca?” Ele fugiu mais e abriu espaço para ela se sentar na cabine, então sinalizou para o garçom. “Eu fiz. Amo fazer compras, mas não faço com muita frequência. Acho que eu estava cansada. Foi ótimo deitar por alguns minutos.” Ela se virou para Gray. “Mas agora quero ouvir sobre você e beisebol e corridas.” Gray encolheu os ombros. “Não há muito a dizer. Vim para a escola com uma bolsa de beisebol. Agora corro para a vida.” “Você não gostava de jogar beisebol?” “Adorava.” Alicia franziu a testa. “Eu sinto um “mas” em algum lugar.” O garçom aproximou-se, e todos eles pediram as bebidas.

92


“Joguei beisebol todos os quatro anos e até fui procurado por várias equipes profissionais. Mas sempre gostei de corridas, fazia isso no meu tempo livre. Um amigo do meu pai corria competitivamente, então trabalhei com ele em seus carros e corria com eles sempre que podia. Quando o meu amigo ficou doente num fim de semana, entrei em seu carro e correu por ele. Fiquei em segundo. Quase venci a corrida.” “Isso era para mim. A única coisa que eu queria fazer, ficar atrás do volante de um carro, chegar em primeiro. Beisebol ficou em segundo lugar, e eu sabia que não poderia jogar nos principais campeonatos. Estive correndo desde então.” “Muito era para irritar seu pai,” disse Garrett. Os lábios de Gray levantaram. “Sim. Mas isso é apenas um benefício.” “Ele não gosta de você jogando beisebol, se bem me lembro,” disse Trevor. “Não. Ele odiava que eu tinha uma bolsa de beisebol em Oklahoma. Ele queria que eu fosse para Harvard e estudasse Direito.” Gray fez uma careta. “Seu pai estava um pouco chateado que ele não quis a bolsa acadêmica de Harvard,” Drew disse a ela. “Direito e política é o legado da família Preston.” Alicia olhou para Gray. “Realmente. Você tinha uma bolsa para Harvard?” Gray encolheu os ombros. “Como eu disse. Beisebol era a minha coisa naquela época.” “Acho que você não queria ser um advogado,” disse Alicia. “Oh, inferno não. Essa bolsa de beisebol foi a minha passagem para fora da sombra da família Preston. Eu corri tão longe e tão rápido quanto pude.” “Então papai cortou você fora.” Drew ergueu a cerveja e sorriu antes de tomar um gole. “Sim. Graças a Deus.” Os olhos de Alicia se arregalaram. “Ele fez?” “Sim, ele fez. Melhor coisa que poderia ter acontecido. Sem ele me ameaçando com o dinheiro, eu poderia ser livre para fazer o que inferno queria.”

93


“Sim, como o resto de nós, pobres otários,” Trevor disse com uma risada. “Pobre é a palavra apropriada.” “Você conseguiu muito bem sem ele, não é?” Garrett perguntou. “Pode apostar que fiz. Tenho a minha própria equipe agora.” Mas Alicia notou algo distante e triste nos olhos de Gray. Ela amava sua família tanto. Perguntou o que romper com sua família havia lhe custado. “Você vai jogar pôquer com a gente hoje à noite, Alicia?” Drew perguntou. “Oh, eu não quero me intrometer no seu jogo.” “Então isso significa que você sabe como jogar.” Trevor esfregou as mãos. “Eu sei um pouco sobre pôquer.” “Então, vamos começar o jogo. Estou pronto para tomar o seu dinheiro,” disse Garrett. Eles se mudaram para a sala de carteado, que era mais tranquilo e privado. Tinha até o carteador e tudo mais. Incrível. As bebidas foram servidas, cartas foram distribuídas, e Alicia não estava prestes a dizer-lhes quão boa ela era no pôquer. Pôquer era um evento semanal da família Riley. Ela aprendeu a jogar quando era uma criança, mais tinha jogado muito na faculdade. Podia não ser uma Profissional de Las Vegas, mas era sagaz, e muitas vezes ela ganhava. Após cerca de duas horas de jogo, ela tinha uma quantidade considerável de fichas à sua frente e quatro homens muito irritados olhando em sua direção. “Você toma passeios de fim de semana para Las Vegas em algum casino?” Trevor perguntou a ela, terminando a cerveja e sinalizando para o garçom para mais uma rodada para a mesa. Sentada confortavelmente, Alicia ofereceu-lhe o rosto típico de pôquer enquanto examinava suas fichas. Dois valetes e um às. O carteador tinha virado uma carta em cima da mesa. Valete. “Não, eu apenas joguei na faculdade. Provavelmente estou um pouco enferrujada.” 94


“Enferrujada, minha bunda,” Garrett resmungou, jogando algumas fichas para apostar. Quando o carteador puxou um às, Alicia ficou perfeitamente imóvel enquanto colocava suas fichas e esperava para ver o que todo mundo ia fazer. Gray dobrou, o resto deles apostou. “Eu aposto tudo,” ela disse, empurrando suas fichas no meio da mesa. “Foda-se,” Drew disse, jogando suas cartas na pilha. “Estou fora, também,” disse Trevor. “Vou ver o que você tem.” Garrett entrou com a sua aposta. “Mostre-me.” “Full House, ases e valetes.” “Filho de uma cadela. Três rainhas,” Garrett disse, jogando suas cartas para a pilha. Os outros riram dele. “Será que você propositadamente trouxe Alicia para jogar pôquer com a gente, sabendo que ela ia chutar nossas bundas?” “Se eu soubesse que era tão boa, eu nunca a convidaria,” disse Garrett. “Você viu a mão que eu tinha?” Alicia sorriu e arrastou as fichas vencedoras para o lado dela. “Obrigado, pessoal.” Eles foram comer, e enquanto os caras comiam bife, ela contentou-se com uma incrível salada de tofu e nozes. Em seguida, voltaram para o pôquer, onde ela se esforçou para não matá-los. Surpreendentemente, eles ganharam algum dinheiro de volta. Não muito, mas um pouco. Ela ainda ganhou um monte. “Você é realmente boa nisso,” disse Drew. Ela encolheu os ombros. “Eu tive um monte de jogo na faculdade. E tenho uma família muito perspicaz jogando pôquer.” “Aparentemente,” Garrett disse, revirando seus ombros. Eles estavam nisso por sete horas. Ela finalmente se levantou e deu um passo para trás de Garrett, apoiando as mãos em seus ombros. Ela sentiu os nós lá quando apertou em

95


seus músculos. “Tão divertido quanto foi os despir de todo o seu dinheiro, preciso abusar do seu amigo aqui um pouco antes de eu dormir na mesa.” Um coro de vaias e oooh subiram. Ela revirou os olhos. “Idiotas,” Garrett disse, em seguida, empurrou a cadeira para trás. “Podemos ir até a porta e ouvir,” disse Drew. “Você pode vir assistir, se quiser,” disse ela. “Garrett. Você sabia que ela era tão exibicionista?” Drew falou enquanto se afastavam. “Você tem que perdoar os meus amigos,” Garrett disse quando se dirigiram até o quarto. “Na verdade, não tenho que perdoá-los. Eles são idiotas.” Ela riu. “Eles são divertidos.” “Sim, eles são. E você foi ótima nisso. Aprecio isso.” “Não foi um problema. Eu gostei.” Ela deslizou o cartão chave para o quarto dela. “Vou pegar a almofada de aquecimento e um pouco de loção, e estarei lá.” “Ok.” Ela vestiu roupas mais confortáveis, pegando as coisas dela, em seguida, bateu na porta adjacente. Abrindo-a, ele já estava em seu moletom e nu da cintura para cima, que por sua vez sacudiu sua consciência, ela tentou não ser tão consciente — mas a parte feminina dela estava achando cada vez mais difícil para parar. “Vocês se dão tão bem. Foi sempre assim,” ela perguntou enquanto esperava que a almofada aquecesse para fazer seu trabalho. Garrett riu quando se encostou contra a cabeceira da cama e travesseiros. “Não. Nem sempre. Jovens rapazes com cabeças duras e muita testosterona. Você pode imaginar o quanto vagueavam esses idiotas em seu primeiro ano. Levou algum tempo para encontrar o nosso equilíbrio.” “Posso imaginar. Mas vocês são tão bons amigos agora, você, obviamente, encontrou uma maneira.” 96


“Sim, achamos. Era muito bonito afundar ou nadar quando você tinha que viver juntos. Então tivemos que aprender a... viver juntos.” “Oh, eu não sei. Vocês estavam longe de casa, sem ninguém para depender, exceto uns aos outros. Provavelmente, não demorou muito para que vocês quatros se relacionassem.” Ele olhou para ela. “Você tem uma visão bastante boa para alguém que não estava lá.” Ela encolheu os ombros. “Eu fui para a faculdade, também, você sabe. Tive a mesma experiência. A vida da faculdade é como sendo despejado em um planeta alienígena. Você se sente tão sozinho, e a primeira coisa a fazer é agarrar-se a qualquer pessoa que você pode. Para mim, foi minha companheira de quarto. Nós ficamos grudadas desde os primeiros meses solitários e nos tornamos boas amigas. Nós ainda somos amigas hoje. Imagino que seja o mesmo para você e seus amigos. O fato de que todos praticavam esportes deu-lhe ainda mais de uma referência comum e os colou juntos.” Ele acenou com a cabeça. “Acho que você está certa sobre isso. Nunca teria passado por meio desse primeiro ano sem os caras.” Alicia tirou a almofada aquecida fora e esticou Garrett. “Eu sei. É incrível o quanto essas relações nos mudam.” Ela enfiou a mão no ombro, observando seu rosto para qualquer expressão de dor. Ela o fez estremecer, então cavou mais difícil nesse local para soltar o tecido da cicatriz. “Você faz isso de propósito,” disse ele. “O quê?” “Assim que você conhece uma área que dói, você massageia mais difícil para me causar mais dor.” “Eu faria isso?” Ele deu-lhe um olhar. “O inferno, sim, você faria isso. Acho que você deve gostar de causar dor.” Ela riu. “Então, estou na profissão certa, não estou?” 97


“É sadismo uma das exigências de trabalho?” “Oh, com certeza. Amo saber que estou te machucando. Isso me alegra.” Ele deu-lhe um olhar. “Sério?” Ela revirou os olhos. “Não, não realmente. Infelizmente, a dor às vezes significa progresso. Quando encontro um lugar que sei que está duro e me concentro nessa área, isso significa que estou trabalhando em romper o tecido da cicatriz para soltar o seu braço.” “E aqui eu pensando que você estivesse recebendo algum tipo de gratificação sexual por todo esse tormento.” “Agora que seria um bom privilégio do trabalho, não é?” Ela lhe deu uma piscadela e focou sua atenção em seu treino. Quando terminou a terapia, ele estava suando e rangendo os dentes. “Você está gostando disso.” “Eu amo meu trabalho, mas estar lhe causando dor não é o que gosto, Garrett. É o resultado final que será o mais gratificante para mim.” Ela alisou suas mãos sobre seu ombro e sacudiu a tensão. “O resultado final será eu arremessando novamente.” Ela assentiu com a cabeça. “Claro. Isso é o que mais quero para você. Você pode sentar-se agora.” Ele virou-se e apoiou-se nos cotovelos. “Essa deve ser a melhor parte para você, o fim do jogo. Ser capaz de se afastar de um atleta que está totalmente reabilitado.” “Sim. Estou ansiosa para o dia em que possa terminar o seu tratamento e vê-lo lançando de novo.” “Então, você e eu teremos acabado um com o outro.” Ela sorriu. “Tenho certeza de que você está ansioso para ver esse dia. Não haverá mais tortura.” “Eu não sei. Sou do tipo que se acostumou a ter você por perto.” Ela riu. “Claro que você é. Você não pode esperar para se livrar de mim.” Ela estendeu a mão para ajudá-lo para sair da cama. 98


Ele segurou a mão dela, mas em vez de puxar para cima, ele surpreendeu o inferno fora dela empurrando-a para cima da cama, em seguida, virou-se ao lado dela. “Garrett. O que você está fazendo?” “Eu não tenho certeza.” Ele colocou a mão em seu estômago, e tinha certeza que ele podia sentir as batidas de seu coração fora de controle. Ela deveria enfiar a mão e saltar para fora da cama. Era sua terapeuta, e não deviam estar perto assim, e ela tinha a maldita certeza que não deveria estar deitada no meio da cama. Mas oh, a pressão de sua mão quente em seu estômago e a sensação de seu quadril colado ao dela era insuportavelmente quente, e ela só não queria se levantar. Não quando seu rosto pairava sobre ela e queria alcançar e acariciar com a mão sobre o pequeno restolho de barba no queixo. Havia tanta coisa dele que ela desejava tocar, que tinha negado a si mesma. E ele lançou o desafio. Ele fez uma pausa, sem dúvida esperando por ela protestar, para afastá-lo e saltar para fora da cama. Mas ela não o fez, porque estar ao lado dele assim, se sentia muito bem, atendia todas as fantasias que ela tinha sobre ele. E quando ele se inclinou e roçou os lábios nos dela, tudo nela explodiu com a necessidade e desejo e querer. Ela segurou a nuca de seu pescoço para mantê-lo lá como ele explorando sua boca, sua língua se lançando ao deslizar o lábio inferior, abrindo-a para ele. Oh, Deus, era tão bom. Seus lábios eram firmes, persuadindo, e ela flutuava sobre um mar de êxtase erótico. Ela poderia ficar tão perdida em Garrett. Estava tremendo. Isso era errado e ia mudar tudo. Ele podia perder o foco, e ela podia perder o emprego. Ela apertou em seu peito, e ele quebrou o beijo. “Pare,” ela sussurrou, mal conseguindo deixar escapar a palavra, porque a última coisa que ela queria agora era que ele parasse.

99


Ele pulou da cama, e a primeira coisa que viu foi sua ereção muito boa que ela gostaria nada mais do que passar a noite explorando. Mas ele agarrou a mão dela e puxou-a para fora da cama, e assim mesmo, tudo estava acabado. “Desculpe,” disse ele, arrastando os dedos pelo cabelo. “Eu não sei por que fiz isso.” Ela ajeitou a camiseta sobre seus quadris. “Não se preocupe. Você não era o único naquela cama. Mas é um erro. E nós dois sabemos por quê.” Ela caminhou até a porta que levava para o quarto dela, depois parou, incapaz de encará-lo. “Obrigado por ser um cara tão bom nisso.” Ela se virou, e ele estava ali, apalpando a parede ao lado de sua cabeça, seu corpo a centímetros do dela. Testosterona saia dele em ondas. Se ele entrasse em cena um pouco mais perto, eles se tocariam. Se ele se inclinasse um pouco, sua boca seria dela novamente. Ela não tinha certeza de que neste momento se ela quisesse ou não. Oh, com que ela estava brincando? Ela queria isso, queria ele. Se ele a beijasse novamente, não iria impedi-lo neste momento. Seus olhos eram reflexos duros de aço enquanto ele pairava apenas uma polegada de distância dela. “Não se engane, Alicia. Não sou um cara legal. Sabia exatamente o que eu queria na cama. Ainda quero você.” Ela inalou uma respiração profunda, seu desejo por ele em guerra com o que ela sabia que era o melhor para ambos. Ela deslizou para fora de debaixo do braço. “Vejo você pela manhã, Garrett.” Ele não se moveu, apenas balançou a cabeça enquanto ela fechava a porta para ele. Ela deitou a cabeça contra a porta fechada. Sim, ela tinha que ser a lógica. Que monte de merda que era. Pela primeira vez, ela realmente odiava seu trabalho.

100


Capítulo Nove ALICIA DEIXOU IR A CHAMADA DE GARRETT e concentrou-se sobre o próximo passo em sua recuperação, que aconteceria em — graças a Deus — Flórida. Desde que era o auge do inverno, Alicia teve que cavar o fundo de seu armário para todas as suas roupas de verão. Normalmente, seria louca em ir para a Flórida no final de fevereiro, mas isso era trabalho, e não férias. Ela iria ficar em sua casa de hóspedes, bem próxima com ele todos os dias. Trabalhando juntos, dormindo nas proximidades. Depois do que tinha acontecido no outro dia, iria tornar a situação entre eles ainda mais difícil. Ela teria que reforçar suas defesas internas e certificar-se que Garrett entendia que sua recuperação tinha que ser seu foco principal. Ele tinha ido alguns dias antes para obter a casa em ordem, dando-lhe uma pausa e prometendo-lhe que ia para a instalação da equipe e fazer terapia diária com Max. Que lhe deu um pouco de espaço para respirar, felizmente, e algum tempo para fazer compras e embalar e ver sua família antes de sair. Ela teve um jantar há duas noites com seus pais e disse adeus a eles. Hoje, ela ia ver Liz, Tara e Jenna no almoço, antes que ela pegasse o avião. Tara insistiu em que fossem para o seu lugar, porém como ela conseguiu organizar tudo com o novo bebê estava além de Alicia. Mas Tara tinha uma mesa agradável definida com mini sanduíches e três tipos diferentes de saladas. “Eu não sei como você faz isso,” Alicia disse enquanto abraçava Tara, então Liz e Jenna. “Jenna e Liz ajudaram.” “E não diga a ninguém que ajudei na preparação de alimentos ou vou cortar sua garganta,” Liz disse com um olhar afiado. 101


Alicia riu. “Seu segredo está seguro comigo.” Sentaram-se e comeram. O pequeno Sam estava dormindo no berço na sala de estar. “Como ele está?” Perguntou Alicia, morrendo de vontade de ir lá, fazer cócegas em seus dedos, e despertá-lo para que pudesse segurá-lo. Mas ela sabia melhor. Bebês dormindo necessitavam ser deixados em paz, para que suas mães cansadas pudessem comer alguma coisa. Tara suspirou. “Ele é perfeito. Tenho tanta sorte. Ele dorme bem e come bem e é ridiculamente saudável. Não poderia pedir mais.” “Sorte sua,” disse Liz. “Ela teve um bebê de Stepford14. Nem sequer chora.” “Você não está aqui, quando ele chora. Acredite em mim, ele tem um conjunto muito saudável de pulmões, e os usa com frequência.” “Então você o entrega para Mick, certo?” Perguntou Jenna. “Diga-me que faz isso.” “Claro que faço.” Tara deu a todos um sorriso perverso. “Que tipo de mulher eu seria se não deixasse o grande forte, cara, macho lidar com um bebê gritando?” “E ele desmorona,” perguntou Jenna. “Ele é um marshmallow total.” “Ah. Eu sabia.” Jenna deu-lhes um olhar presunçoso. “Os homens são esses bebês quando se trata de, bem, bebês.” “E como é seu homem,” perguntou Alicia. “Delicioso,” Jenna disse, colocando uma uva em sua boca. “Ela está recebendo um monte de sexo. Você pode dizer pelo olhar de conteúdo em seu rosto,” disse Liz.

14

Filme em português com o título Mulheres Perdidas – A história se passa em Stepford, cidade fictícia onde vão morar a fotógrafa nova-iorquina Joanna Eberhart, seu marido Walter e o casal de filhos Pete e Kim. No novo lar, Joanna percebe que as mulheres são extremamente passivas, belas e ocupadas apenas com afazeres domésticos. Quando faz amizade com Bobbie, outra moradora recente de Stepford, que foge dos “padrões” da cidade, ambas tentam mobilizar as demais mulheres, sem sucesso. A desconfiança surge depois que outra mulher que conhecem, Charmaine, também muda seu comportamento e se torna uma dona de casa exemplar. As duas começam a investigar a situação em Stepford e descobrem uma conspiração dos homens da cidade, com conseqüências surpreendentes e fatais. 102


“Por favor, não fale sobre sexo. Eu não tive nenhum por um tempo, e estou prestes a morrer.” Liz acariciou a mão de Tara. “O lado ruim de levar um bebê de quatro quilos em sua vagina.” Tara olhou para Liz. “O seu dia vai chegar.” Liz estremeceu. “Eu não quero nem pensar nisso.” “Você está grávida?” Perguntou Alicia. “Ainda não. Eu te disse, nós estamos praticando. E aproveitando o inferno agora, por isso não me apresse.” “Seja o que for,” disse Tara. “Mas assim que ficar grávida, eu tenho que ser a primeira, a saber.” Liz revirou os olhos. “Você vai ser a primeira a saber. Assim que o esperma de Gavin fizer a sua explosão mágica em meu ovo, eu vou ter a certeza de chamá-la, dia e noite.” “Caras. Eu estou morrendo de fome.” Jenna fez uma careta. “Wuss. Então, conte-nos sobre a Flórida, Alicia,” Tara disse, tomando um gole de chá. “Estou tão animada que você começa a deixar o nosso inverno sombrio.” “Estou completamente ciumenta,” disse Jenna. “Estou animada,” disse Alicia. “Nervosa, é claro, uma vez que isto é trabalho. Há muita coisa em mim conseguindo Garrett em forma.” “Ele parece em boa forma para mim,” disse Jenna. “Pelo menos a partir do vídeo e fotos que vi. Ele é quente?” “Totalmente,” disse Liz. “Victoria Baldwin é seu agente, e ela é uma grande amiga minha, então tive a oportunidade de conhecê-lo. Acredite em mim, ele é quente.” “Puta sorte,” disse Jenna. “Por favor,” Tara disse a Jenna. “Você tem Ty.” Jenna colocou outra uva em sua boca. “Eu faço. Ele continua me fazendo muito feliz. O que não significa que estou morta e não posso apreciar outros homens sensuais. Como Garrett Scott.” 103


“Amém a isso,” disse Liz. “O dia que eu não puder cobiçar uma boa carne de homem só porque tenho um homem quente é o dia em que vão me enterrar.” “Você acha que os homens falam sobre as mulheres da forma como falamos sobre os homens,” perguntou Tara. “Claro que sim,” disse Liz. “Você acha que eles têm antolhos quando há alguma mulher com decote, ou com sexys minivestido-esportivos entrando no bar do hotel quando eles estão jogando jogos fora de casa? Claro que não. É claro que eles olham. Eles não tocam, mas com certeza olham. Eles teriam que estar quase morto para não olhar.” “Você está certa. E nós também, até que estejamos velhas demais para olhar.” Jenna virou-se para Alicia. “E você? Você está tomando vantagem de ser capaz de colocar as mãos sobre Garrett?” Alicia fez uma pausa, o garfo cheio de salada de frutas quando todos os olhos se voltaram para ela. “Hum... Claro que não. Ele é o meu trabalho.” Liz estreitou seu olhar. “O que significa exatamente? Que você não consegue senti-lo de um jeito divertido?” “Eu nem sequer penso nisso.” Tara bufou. “Gostaria de pensar totalmente assim. Toda vez que coloquei minhas mãos em seu ombro, eu gostaria de explorar todas as partes dele, principalmente mais abaixo, como para baixo em suas calças.” “Garota, você está tão precisada de ter sexo,” disse Liz. Tara abaixou a cabeça. “Eu sei. Estou muito envergonhada.” “Você não têm vergonha,” disse Jenna. “Você já está pensando em quando meu irmão vai voltar para casa assim vai poder saltar nele. E não posso acreditar que eu disse isso.” Tara riu. “Está tudo bem. E você está absolutamente certa. Tem sido muito longo tempo para mim, e estou tipo loucamente apaixonada por Mick.”

104


Alicia estava contente o tópico dela e Garrett tinha estado momentaneamente fora da mesa. Porque o que iria dizer a elas? Que estavam certas, que ela estava pensando em outras partes dele que não era o seu ombro, e não sabia o que fazer sobre isso? Talvez devesse falar com as meninas sobre Garrett. Obter alguns conselhos, perguntar o que elas pensavam. Embora baseado na conversa do almoço de hoje, ela sabia qual seria o consenso. Vá em frente. Se fosse assim tão simples. “Então, vou estar indo para a Flórida para ver Gavin em breve. Eu vou vê-lo lá?” Liz perguntou a ela. “Definitivamente. Você vai ficar na casa de praia?” Liz sorriu. “Claro que sim. Particular e isolada, só nós dois. Muito tempo para o sexo.” Jenna suspirou. “Eu deveria parar de vir a estes encontros.” “Cale a boca, Jenna,” disse Liz. “Você sabe o que falar. E você ama a todos nós de qualquer maneira. “ “Você está certa. Eu te amo. Acho que vou começar a falar em detalhes gráficos sobre a minha vida sexual com Ty.” “E isso nos incomoda, como?” Perguntou Tara. Jenna suspirou novamente. “Não iria. Vocês chupam.” “E engolimos,” Liz acrescentou. Alicia riu, e Jenna começou a rir. “Eu desisto,” disse Jenna. “Desejava que Savannah estivesse aqui. Pelo menos ela não está no amor com o meu irmão.” “Não, ela está no amor com o meu irmão,” disse Alicia. “E não quero ouvir sobre sua vida sexual.”

105


“Oh, vamos lá, Alicia,” Jenna disse, inclinando-se para ela. “A miséria adora companhia.” “Tudo bem, Jenna. Eu gosto de sua miséria muito melhor.” Jenna franziu o nariz. “Eu te odeio.” Elas terminaram o almoço, e em seguida, Sam tinha acordado de seu cochilo, então tudo o que elas faziam eram ooh e ahh sobre o bebê, que estava preenchendo e tornando-se cada vez mais adorável Alicia o viu. Ela tinha que segurá-lo depois que Tara o alimentasse. Contente, ele olhou para ela, bem acordado, e estava certa de que sorria para ela. Ela suspirou e olhou para Tara. “Ele é lindo.” Os lábios de Tara curvaram. “Eu acho que sim. Não sei como eu acabei com essa de felizes para sempre, mas agradeço a Deus todos os dias por Mick.” Alicia ficou com lágrimas nos olhos. “Ele tem sorte, também, você sabe. Estamos todos muito felizes que você faz parte da família.” Então os olhos de Tara se encheram de lágrimas. “Obrigado.” “Ok, todo mundo,” disse Liz. “Se nós vamos ter um festival de choro aqui, vou embora.” “Na verdade, tenho que estar no bar, por isso estou indo embora. Embora não seja tudo sobre emoção. Sempre fico feliz de ter uma crise de choro com vocês, garotas,” disse Jenna. “Eu tenho que ir também,” Alicia disse, entregando cuidadosamente Sam para Tara. “Eu tenho que terminar de fazer as malas.” Ela abraçou a todas, agradeceu a Tara pelo almoço, e disse suas despedidas, em seguida, saiu com Jenna. “Hei,” Jenna disse quando ela estava em seu carro, que estava estacionado atrás de Alicia. “Eu a peguei desviando toda a conversa sobre Garrett.” Tentando jogar de mudo, ela franziu a testa. “Eu não tenho certeza do que você está falando.”

106


Jenna inclinou seu quadril contra a porta do carro. “Olha, sou a melhor na tentativa de negar o que está bem na minha frente, e perdi um monte de tempo valioso com Ty por causa disso. Você tem sentimentos por Garrett?” Alicia poderia negá-lo, mas qual seria o ponto? Ela estava mais perto de sua família do que ninguém. Eles eram melhores do que amigas em manter seus segredos. “Honestamente? Há uma química rolando entre nós. Química louca. Mas isso me assusta porque meu trabalho é para a reabilitação dele, não saltar sobre ele, você sabe?” “Sim, entendo isso. Você está com medo pelo seu trabalho.” “E o seu. Preciso dele para se concentrar em seu ombro, e não em entrar em minhas calças.” Jenna riu. “Mas se ele está relaxado — e todos nós sabemos que o sexo pode ser relaxante — isso não iria ajudar na sua concentração?” Alicia sacudiu um dedo para Jenna. “Você não está ajudando.” Jenna piscou para ela, em seguida, abriu a porta do carro. “Divirta-se, na Flórida, prima.”

***** ALICIA CHEGOU À FLÓRIDA, PEGOU O CARRO ALUGADO, e se dirigiu para a casa de praia, mas estava tentada a sair do curso e apenas ficar na praia por algumas horas. Era lindo aqui e totalmente diferente do frio em casa. Preparando-se com antecedência para a mudança climática abrupta, ela tirou seu casaco e moletom, sapatos e meias, e rolou para baixo a janela para respirar o ar fresco do mar, enquanto ela fazia a viagem ao longo da estrada costeira. Quando chegou na casa de praia de Garrett, estacionou e pegou suas malas. Ele veio fora, já parecendo bronzeado em seu calção e camisa sem mangas.

107


Ela ignorou a agitação em seu estômago quando ele a cumprimentou com um sorriso largo. “Como foi o voo?” Ele pegou as malas e puxou-as para a porta da frente. “Foi bom, obrigado. Você parece bronzeado.” “Eu? Venho correndo na praia duas vezes por dia.” “Isso é bom.” Ele levou-a para dentro. “Vamos lá dentro vou levá-la numa turnê.” Alicia estava certa de que entrou no paraíso. A casa térrea, totalmente mobiliada, era aberta, expansiva, arejada, com pisos de madeira e mármore e mais janelas do que ela jamais iria querer limpar em sua vida. Havia tanta luz, e era tão quente aqui. Ela estava tão cansada do frio que queria sair para o deck de volta, estacionar seu bumbum em uma das confortáveis espreguiçadeiras, e ficar lá por pelo menos um mês. Ela se virou para Garrett, tentando mais uma vez não notar as pernas e os braços e seu — oh, Deus, seu tudo. Tanta pele estava exposta aqui. Talvez gostava do inverno melhor. Embora soubesse o que estava por baixo dessas roupas, pelo menos a metade de cima, e gastou mais do que o suficiente de seu tempo pessoal fantasiando sobre a metade inferior, algo que não deveria estar fazendo. Ela também passou os últimos dias pensando sobre o beijo que tinham compartilhado, apesar de sua promessa de erradicar essa parte de sua mente para sempre. Decidindo que essa linha de pensamento não iria levá-la a lugar nenhum, exceto em problemas, ela se virou para encará-lo. “É... incrível. Você fica aqui todos os anos para o treinamento de primavera?” Ele colocou as malas para baixo. “Sim. Conheço as pessoas que são os donos. Eles são grandes fãs de beisebol, então eles estão acomodando.” “Como é conveniente.” “É um bom local de férias. Infelizmente, às vezes eles arrancam minha bunda quando querem vir para assistir alguns jogos durante o treinamento de primavera.” 108


“Puxa, isso é difícil.” Ele riu. “Bem, isso é o seu lugar de férias.” Infelizmente, como lembrou a si mesma, isto era trabalho, e não suas férias, de modo que ela vagou pela casa, encontrando a sala de ginástica. Era enorme e cheia de suas especificações, com todo o equipamento que precisava. “Muito bom ginásio.” “Sim. Trouxemos o material extra que você pediu. Os proprietários vão fazer uma remodelação no final deste verão, transformar isso em algum tipo de sala de yoga ou meditação ou algo assim, então eles estavam bem com isso.” “Excelente.” “Há um problema, porém.” Ela virou-se para olhar para ele. “Sim, o que é?” “O chalé foi destruído.” Decepção fez seu estômago apertar. Agora ela teria que ficar em um hotel. Ela realmente sentiria falta de ficar fora nesse deck. “Oh.” Encostou-se a parede que levava para o quintal. “Sim. Eu não sabia disso, quando fiz as reservas para este lugar, mas Bill e Margaret — os proprietários, basicamente, desmontaram uma vez que não estavam usando. Eles vão usar o espaço para alguma coisa orgânica, jardinagem.” Alicia cruzou os braços. “Okay. Eu posso ir para um hotel.” Ele franziu a testa. “Olha, Alicia, há quatro quartos neste lugar. Você pode ficar em um deles. Um dos quartos tem seu próprio banheiro. É a mesma coisa que você teria, só que na casa, em vez de alguns metros de distância daqui. Mas se você está desconfortável com isso, eu entendo.” Alívio tomou conta dela. Indo e voltando de um hotel até aqui teria sido um problema de logística. Ela gostava da solução de Garrett melhor. “Não, está tudo bem. Não estou desconfortável em tudo.” “Você tem certeza? Entendo se você preferir ficar no hotel.” 109


“Agora isso me faria desconfortável. Além disso, seria inconveniente para nós dois, com você estando aqui.” Ele acenou com a cabeça. “Isso é verdade. Olhe, Alicia. Sinto muito.” Estava saindo de seu caminho para se desculpar, e ela sabia o porquê. Mas ele ia ter de superar seu desconforto, e ela também, para que eles pudessem voltar para o trabalho, uma mão estava trabalhando em seu ombro. Ela teria que acalmar as coisas para ambos. “Está tudo bem, Garrett. Por que você não me mostra?” Visivelmente aliviado, Garrett virou-se e pegou suas malas. “Os quartos estão por aqui.” Além da sala de ginástica haviam outras três salas. Nossa, essa casa era enorme. Havia três quartos de bom tamanho e a suíte principal, que simplesmente tirava o fôlego. Decorado em tons quentes, isso apelou a ela em todos os níveis. A cama king-size, com a coberta branca eram tão convidativos, especialmente com o ponto de vista assassino do oceano. E o banheiro era realmente algo para ser visto. O chuveiro tinha jatos em ambas as paredes, e a banheira enorme a chamava. Mas esse era o quarto de Garrett. “Você pode ficar neste quarto,” disse ele. Ela empurrou seu olhar para ele. “Não. Esta é a sua casa. Seu quarto. Você já esteve aqui alguns dias. Você está acomodado.” Ele riu. “Eu posso ficar em qualquer lugar.” “Essa banheira vai ser bom para a sua terapia. Assim como o chuveiro. Eu sou a empregada, não uma convidada.” “E a convidada devia ter o quarto agradável.” Ela cruzou os braços. “De jeito nenhum vou ficar neste quarto. Como sua terapeuta, insisto que você faça uso desse delicioso chuveiro e banheira convidativa.” Ele inalou, então deixou sair. “Você está sendo difícil.”

110


“Não, você é o único sendo difícil. Vou te dizer quando precisar de um banho na banheira. E acredite em mim, quanto mais entramos isso, mais grato você vai ser por ter a banheira e chuveiro.” “Você sempre ganha nos argumentos?” Ela sorriu. “Nem sempre, mas vou ganhar este aqui.” “Tudo bem.” Ele a colocou em outro quarto grande que tinha a seu próprio banheiro. Além disso, tinha uma vista deslumbrante sobre o oceano também. Era lindo, decorado em malvas pálidos, e era grande e espaçoso. Quem era essas pessoas, afinal? Pessoas com dinheiro, obviamente. Ela desarrumou a mala, colocando uma calça capri e um top, em seguida, partiu em busca de Garrett. Ele estava no deck. Apesar da lesão no ombro, ele ainda estava em grande forma. Ele não teve que parar o seu programa de treino normal, o que era bom. Ficar em forma era fundamental para sua recuperação. Agora, se ela pudesse obter a sua mente para cooperar com o seu corpo, ela o teria de volta competindo ferozmente mais do que tinha antes. Ela andou do lado de fora e ficou ao lado dele, respirando o ar salgado, orientandose para o novo local. Um novo começo. Novo começo profissional. Garrett viu Alicia respirar e tentou não notar a forma como os seios pressionavam contra o top colado que ela tinha mudado. Ele não a tinha visto por alguns dias e, apesar de estar ocupado viajando e, em seguida, reunião com Phil e Max, estaria mentindo para si mesmo, se não admitisse que pensava a respeito dela. Aquele beijo que tinham compartilhado no hotel em Oklahoma tinha ficado com ele, e tinha pensado muito sobre isso, sobre a maneira como ela o beijou de volta, a forma como seu corpo tinha respondido como se quisesse mais do que estava oferecendo. Seu pau se contorceu toda vez que pensava sobre aquela noite. Provavelmente deveria parar de pensar nisso. 111


Tinha a sensação que Alicia não iria apreciá-lo ficando duro agora. Ele já podia sentir as frias paredes, profissionais que ela estava tentando colocar entre eles, de modo que entendeu o que estava acontecendo. Nada. Isso é o que ia acontecer entre eles. Sim, precisava se concentrar em sua recuperação, e não se concentrar em sua terapeuta, que também era contratada pela equipe? Provavelmente um movimento muito ruim, além de que iria colocar seu emprego em perigo. Ele não era um idiota, sabia que ela gostava de seu trabalho e não queria prejudicá-lo. Além disso, ela não era a única na cidade. Se ele quisesse transar, havia um monte de maneiras de chegar lá. Somente precisava obter o seu jogo em outro lugar e deixar Alicia sozinha. “Só para que você saiba, Max me deu um treino bastante completo esta manhã.” Ela finalmente voltou seu olhar para ele. “Para você saber, se tem alguma de suas torturas famosas agora em mente.” Seus lábios levantaram. “A única coisa que tenho em mente agora é chegar perto do mar. Sua terapia começa amanhã. Estou muito cansada até mesmo pensar sobre isso hoje.” “Bom. Eu estava pensando sobre obter algo para comer. Que tal fazer isso primeiro, e então nós podemos andar na praia depois?” Ela olhou ansiosamente para a praia, mas balançou a cabeça. “Eu também estou morrendo de fome, e a fome sempre vence. Vamos comer primeiro.” “Tudo bem.” Ele realmente tinha perdido a briga com ela, apesar de tudo. Ela o desafiou, e ele gostava disso. E era tão maldita bonita, e tinha uma boca inteligente, e o inferno, cheirava tão bom pra caralho. E depois havia os seios empinados... “O que você está fazendo?” Ela perguntou. Ele piscou. “O quê?” “Você estava me cobiçando.” “Eu estava?” Ele estava. “Sim. E você deve pará-lo.”

112


Ele deveria. Mas provavelmente não o faria. Um funcionário da equipe ou não, ela tinha um corpo quente, apenas o tipo que ele gostava. Ele não podia deixar de notar isso. “Então, você gosta de frutos do mar e massas?” Ela deu-lhe um olhar duvidoso. “Adoro massas. Frutos do mar eu vou passar, pois você sabe que sou uma vegetariana.” Ele sorriu. “Estava apenas testando para ver se tinha se convertido nos dias desde que te vi.” Ela revirou os olhos para ele. “Devo trocar de roupa?” Isso deu-lhe uma oportunidade de olhá-la de novo. “Não, você está muito bem para onde estamos indo.” Eles entraram em seu carro alugado, e ele dirigiu da praia para a cidade. Havia um restaurante no cais que servia o melhor marisco que ele já tinha comido. “Este lugar não é fantasia nem nada,” disse ele depois de ter estacionado no outro lado da rua. “Eu não preciso de fantasia. Eu só preciso de comida.” Era depois das cinco agora, e ele estava com tanta fome que não seria capaz de servilo rápido o suficiente. Não tinha comido no almoço, e em seguida, houve o treino. Ele não poderia ir tanto tempo sem alimentos. Era um cara grande. Eles pegaram uma mesa perto de uma das janelas, bem a tempo de ver o último dos raios do dia desaparecer. Assim que a garçonete apareceu, eles pegaram menus e olharam. Alicia deve ter visto tão faminto como ele estava, porque ela ordenou a comida, ao mesmo tempo que sua bebida. Assim ele fez. “Talvez eles vão trazer a comida mais rápido,” disse ela quando a garçonete se afastou com o pedido. “Eu ficaria feliz se eles trouxeram as saladas. Ou pão.” Ela riu. “Estou com vergonha de ser estar fome. Meu estômago está roncando tão alto que você, provavelmente, pode ouvi-lo.” 113


“Eu não posso ouvi-lo sobre o meu próprio estômago. E sinto muito. Eu deveria ter pensado sobre a coisa de comida assim que chegou. Poderíamos ter saído para comer de imediato.” “Está tudo bem. Sou uma menina grande, e tenho uma voz. Estava muito ocupada oohing e ahhing sobre a casa e a praia para sequer pensar em comida. Isso é o que geralmente acontece comigo.” “O que acontece com você?” “Fico ocupada ou distraída, então me esqueço de comer.” “Isso deve ser porque você fica tão magra.” Ela assentiu com a cabeça. “Isso e meu metabolismo rápido. E correndo o tempo todo. Também faço ioga, que adoro. Além disso, minha mãe ainda é magra, por isso deve ser uma coisa genética. Eu sou muito sortuda.” A garçonete trouxe suas saladas — e pão — de modo que ambos comeram, o que significava que a conversa parou por um momento. Uma vez que ele tinha comido a salada e pão, sentia-se mais humano. Ele sentou e observou Alicia. Ela comeu toda a salada e três pedaços de pão. “Você realmente queima isso.” Ela engoliu em seco, em seguida, bebeu um pouco de água. “Espere até você ver-me lidar com o prato principal.” Ele riu. Ele preferia as mulheres que gostavam delas mesmos. Havia algo sobre autoconfiança que era sexy. Obviamente, Alicia não tinha quaisquer problemas com seu corpo, pelo menos não que ele tinha visto. E quando seu prato principal de massas e legumes chegou, ela comeu isso com tanto entusiasmo como devorou a salada, o que significava que ele estava livre para mergulhar em sua lagosta e caranguejo. Finalmente cheio, ele sentou-se e limpou a boca e as mãos, e tomou um gole de chá gelado. “Conte-me sobre sua família, Alicia.” 114


Ela o olhou com cautela. “Isto não é para ser pessoal?” “Vamos lá. Nós não somos robôs aqui. Estamos passando todos os dias juntos. Conte-me sobre sua família.” “Tenho dois pais maravilhosos que estarão casados para sempre e têm sido muito favoráveis na minha carreira. Meu irmão, Cole, joga futebol para os Traders, e meu primo Mick joga pelo San Francisco. Ele é casado, tem um filho adolescente, e acabou de ter um novo bebê. E você já conhece Gavin desde que ele joga para o time.” “Então você tem uma família inteira de atletas.” “Sim.” “Isso é conveniente. Será que você pratica seus movimentos de terapia com eles?” Ela ergueu um sorriso. “Por mais que eles me deixassem, o que não era frequente. Eles preferiam que lhes dessem massagens, que é o que eles achavam que era a coisa toda de medicina esportiva.” “Isso é o que eu costumava pensar do que se tratava, também.” “Sim, bem, até que esteja envolvido nisso, realmente não sabe tudo o que vai para isso.” “Eu não acho.” Ele pegou a conta da garçonete e jogou para baixo algum dinheiro. Eles deixaram o restaurante e voltaram para a casa. “Você está pronta para essa caminhada agora,” perguntou Garrett. Ela olhou para ele. “Definitivamente. Preciso depois daquela comida. Deixe-me ir pegar meu suéter.” Ela voltou com um casaco com capuz em seu lugar. “Não foi possível encontrar o meu suéter. Eu sei que arrumei isso.” “Podemos ir às compras, se você precisar de alguma coisa. Há um shopping center a poucos quilômetros de distância.” “Você iria oferecer para fazer compras comigo de novo?” “Não voluntariamente, mas se você precisar de alguma coisa, não me importo de levá-la.” 115


Ela balançou a cabeça. “Como é bizarro.” Ele abriu a porta de trás, e caminhou em direção à praia. Alicia jogou o capuz por cima da cabeça. “Como sou bizarro?” “Os homens não compram. Não é natural.” “Eu estava apenas oferecendo para levá-la lá. Não disse que ia fazer compras ou qualquer outra coisa.” “Ainda assim, é um gesto tão bonito.” Ele olhou para ela enquanto vagavam pela praia. “Nem tenho certeza de como fazer isso. Nenhum cara nunca a levou para o shopping?” “Não.” Ela deslizou as mãos nos bolsos da frente de sua calça. “Isso é coisa de mulher.” Ele riu. “Você tem algumas noções estranhas. Você vê os homens no shopping quando está lá, não é?” “Eu suponho.” “E os homens com mulheres — juntos.” “Sim. Nunca acabei indo fazer compras com um cara. Exceto com você, é claro.” “Você percebe que não quero dizer para escolher unha polonês com você, certo?” Ela lançou-lhe um olhar. “Uh, sim. Acho que entendo.” “Então acho que vou ter que levá-la de novo, só para provar que não estamos apenas interessados em sentar na frente da televisão, bebendo cerveja e jogando videogames.” Ela parou, inclinou a cabeça para cima. “Estamos aqui para trabalhar em seu ombro, Garrett. Isto não é um período de férias.” “Não acho que você vai gastar vinte e quatro horas por dia me reabilitando.” “Você está certo, é claro. Mas precisa quebrar a cabeça em torno do fato de que nós estamos indo para empurrá-lo duro junto enquanto estamos aqui.” O jeito que ela disse isso fez seu pau contrair. Ele deveria olhar para ela como um profissional, mas em seu casaco com capuz e as calças elásticas que se agarrava a bunda 116


grande, era difícil pensar nela como uma fisioterapeuta. Eles estavam indo para estar sozinhos em uma casa juntos, e ela era uma mulher atraente. E aquele beijo... “Você está fazendo isso de novo,” disse ela. “Fazendo o quê?” “Olhando para mim.” Ele balançou a cabeça. “Então, agora eu não deveria olhar para você?” “Não desse jeito.” Ela virou e dirigiu-se para a praia. Ele viu sua bunda movimentar enquanto caminhava. Podia ser seu paciente, e ela podia ser sua terapeuta, mas ele ainda era um homem. E ela ainda tinha uma bunda grande que ia ser difícil para ignorar.

117


Capítulo Dez ALICIA IMAGINOU QUE A MELHOR MANEIRA DE obter Garrett para parar de dar a ela aqueles olhares — os que a fizeram aquecer de dentro para fora — era começar a sua rotina de tratamento o mais rápido possível. Ele tinha esquecido quão terrível era — quão terrível ela era. Um lembrete rápido que devia tomar cuidado com seus olhares quentes que continuava a dar-lhe. Quanto mais cedo ele a odiasse, mais rápido iria considerá-la como se fosse o diabo. E realmente precisava dele para odiá-la, pois com certeza gostou da maneira como ele olhava para ela. Depois de sua caminhada na praia na noite passada, ela voltou para a casa e foi para seu quarto para terminar o trabalho em seu plano de tratamento. Acabou caindo no sono de lado na cama, e tinha acordado esta manhã desorientada e ainda em suas roupas. Tinha levado um minuto para se lembrar de onde estava. Isso é o que uma cama confortável fez com ela. Ela tomou um banho e se vestiu, e depois fez o seu caminho para a cozinha e preparou um bule de café, batendo com os dedos no balcão enquanto respirava o perfume. Quando derramou uma xícara e tomou seu primeiro gole, ela gemeu. “Isso está bom?” Ela olhou por cima para encontrar Garrett encostado na parede. Ele devia ter saído para uma corrida esta manhã, estava suado e seu cabelo ainda estava úmido, enrolando em seu pescoço. Usava moletom, uma camisa sem mangas e tênis. Seu estômago apertou enquanto bebia à vista de seus braços musculosos. Vê-lo na instalação da equipe para trabalhar em seu ombro era uma coisa. Viver com ele e passar cada minuto de cada dia com ele? Algo completamente diferente.

118


Queria dizer-lhe para ir embora, mas não tinha nenhuma razão válida para lhe dizer que diferente do que incomodava o inferno fora dela que ele era assim tão sexy. “Sim, está muito bom. Você gostaria de uma xícara?” “O que eu gostaria mesmo é de um suco de laranja.” “Vou buscá-lo para você.” Grato por ter uma desculpa para virar as costas para ele, levantou um copo do armário e derramou o suco para ele. “Obrigado.” E lá estava ele, seu corpo tão perto que ela sentiu algum tipo de vibração vindo dele. Inalou e lhe soprou o cheiro do mar e o almiscarado masculino suado, que infelizmente não foi um desvio para ela. Química sexual definitiva. Ela estava com medo até de olhar para ele, e não era covarde. Mas Garrett Scott representava o seu trabalho, e se ela fizesse o seu trabalho bem, estaria lançando bem futuramente para os Rivers. Como uma das terapeutas no escalão mais baixo, ela realmente precisava fazer bem isso. Ter tesão por seu cliente era uma maneira terrível de começar. Ela empurrou para fora do balcão. “Estava pensando em omeletes para o café da manhã. Sei que você é uma vegetariana, mas você come ovos?” Ela parou, virou-se, obrigando-se a encará-lo. “Eu faço. Você quer que eu faça o seu café da manhã?” Ele riu. “Não. Eu estava indo para fazer o café da manhã. A menos que tenha alguma objeção a isso.” “Uh, não. Nenhuma objeção.” “Bom.” Ele colocou seu copo vazio na pia e pegou uma panela debaixo do balcão. “Eu vou fazer bacon. Espero que não te ofenda.” Ela não conseguiu evitar o sorriso que curvou seus lábios. “Eu não vou sair correndo e gritando, enquanto você não me faça comer isso.” “Tudo bem. Você vai para o trabalho ou algo assim. Eu cozinho.” 119


“Como é que você sabe o que quero?” “Ovos. Vou misturar alguns legumes com ele. Então vou cortar algumas frutas também. Quer um pouco de iogurte?” Ela suspirou. Ele era muito bom nisso. Teria que manter distância, quando não estava trabalhando com ele. “Isso tudo soa muito bem, mas eu posso ajudar.” “Está tudo bem. Eu tenho isso.” Ela entrou no quarto e pegou seu notebook, levando-o para a mesa, e tentou terminar o seu plano de tratamento, mas era difícil de trabalhar quando Garrett estava cozinhando. Homem quente na cozinha? Não havia nada mais sexy. Ele quebrou ovos, frutas em fatias, e ela estava certa de que ele chiou mais quente do que o bacon, o que realmente cheirava delicioso. Pena que ela parou de comer carne há cinco anos. Ela finalmente não poderia ficar sem fazer nada, então se levantou, derramou o suco, e colocou a mesa. Até então o café da manhã estava pronto, e Garrett encheu seus pratos. Sentaram à mesa e comeram. As omeletes estavam deliciosas. “Você é muito bom nessa coisa de cozinhar.” Ele acenou com um pedaço de bacon para ela. “Incrível o que um cara pode fazer quando tem que cuidar de si mesmo.” “E você tinha que cuidar de si mesmo muito?” “Totalmente. Você devia sentir pena de mim.” “Este é o lugar aonde você vai me dizer que era um sem-teto, que tinha a forragem nas ruas, você sobreviveu usando sua esperteza, e você fosse uma espécie de prodígio do beisebol. É assim que você teve a sua bolsa, certo?” “Você deve ter lido o artigo da revista Time sobre mim. Droga, e queria impressionála com a minha história de fundo. Agora você estragou tudo.” “Ha, ha. Sério, me fale sobre sua família. Tenho certeza de que foram criados por pais amorosos e você é tão chato como eu.”

120


Ele riu e enfiou uma garfada de ovos na boca, seguido de um par de goles de suco de laranja. “Sim, assim como a sua história. Muito calmo.” “Estou muito desapontada.” Ele sorriu. “Estou surpreso que você não está chorando em seu guardanapo.” “Então, o que você está me dizendo é que teve uma infância muito feliz, criada por dois pais que adoravam um ao outro, e não há esqueletos no seu armário.” Estalou um pedaço de melão na boca. “Isto sou eu. Sou muito chato.” Ela terminou a sua omelete e permaneceu. “Isso não é o que eu li. Eu li que você gosta de festa, todas as mulheres adoram você e querem ter seus bebês, mas firmemente permanece solteiro. Você não teve um único relacionamento sério, apesar de sua imensa popularidade com o sexo oposto, e vai estar virando os trinta este ano.” “Idoso, eu sei. Eu poderia muito bem pendurá-lo agora.” “Normalmente, todos os famosos dos esportes continuam com alguma atriz famosa ou modelo.” “E ainda estou aqui, solto.” “Talvez você seja gay.” Ele arqueou uma sobrancelha, queimando-a com seu olhar. “Dê-me uma hora no quarto e vou provar que a teoria está errada.” Todo o corpo de Alicia pegou fogo. Ela sabia que não deveria ter brincado com Garrett dessa maneira, mas eles estavam tendo como uma tarefa fácil, conversa divertida. Ele gostava de provocá-la, e apesar de suas tentativas de querer estabelecer limites com ele, não podia deixar de responder a ele. Então, brincou de volta. Toda à distância que tentou criar tinha evaporado com aquele comentário. O olhar que ele tinha dado a ela, do jeito que disse as palavras e o desafio nelas encheu sua mente com imagens do que ele poderia fazer com ela no quarto durante essa hora. Percebeu que tinha sido um período de seca muito, muito longo para ela no departamento de sexo. 121


Entre terminar seu mestrado e receber seu certificado e, em seguida estagiar e trabalhar, o sexo tinha sido mais ou menos um adendo por um longo tempo. Foi apenas natural para o seu corpo — e sua mente — querer saltar por todo o primeiro cara realmente quente que estava presa próximo. E ela e Garrett estavam muito juntos — focado em seu corpo. Claro que ela iria se sentir conectado a ele de uma maneira tão física. Infelizmente, esse cara quente ligado ao referido corpo quente estava definitivamente fora dos limites. “Então... você está no jogo?” Percebeu que ele ainda estava olhando para ela de uma forma bastante predatória. Ela piscou algumas vezes para limpar a cabeça de todos esses pensamentos sujos que sua mente tinha conjurado. “O quê? Jogo para quê?” “Provar a minha heterossexualidade absoluta para você.” “Uh, não. Definitivamente, não.” Ele riu. “Eu achava que não. Você só tem que tomar minha palavra para isso, então.” Ela não precisa levar a sua palavra para isso. Ele já provou isso uma vez, quando a beijou. A memória disso estava gravada em cada parte de seu corpo. Ele se levantou e limpou a mesa. Em uma perda para um retorno, ela ajudou-o, empurrando-o para fora do caminho para que pudesse limpar os pratos. “Você cozinha. Eu vou limpar.” “Soa como um negócio. Preciso de um banho, de qualquer maneira.” Quando ele saiu da cozinha, ela exalou. Talvez seu desaparecimento permitisse que a sua pulsação voltasse ao normal. Embora não sabia o que fazer com seus mamilos formigando e boceta latejante. Esse problema provavelmente teria de ser resolvido, na privacidade do seu quarto esta noite. Ou talvez Garrett fosse deixá-la ter seu incrível chuveiro com todos os jatos pulsantes.

122


Ela poderia ter um baita de um orgasmo, em algum momento se pudesse dirigir um desses jatos na direção de seu clitóris. E mais uma vez, pensava nele no chuveiro, onde estava agora. Só que ela estava pensando em entrar no chuveiro com ele, passando a mão em torno de seu pênis, e massageando sua dor, ao mesmo tempo ela teria fora a sua. Ela apostava que, assim como o resto do corpo, seu pênis era espetacular e que quando ele ficava duro, sabia exatamente o que fazer com isso. Quando ela deslizou as mãos sob a água quente, deslizando o prato para lavá-lo, pensou como seu pênis se sentiria enquanto a água do chuveiro caia sobre ambos. As mãos de Garrett alisando as costas para a sua bunda, puxando-a mais perto de sua ereção. Ela abrindo as pernas para que ele pudesse lançar seu pênis dentro dela, empurrando-a contra a parede. Sexo com ele seria duro. Apaixonado. Todo consumindo. Oh tão satisfatório. Sua vagina apertou na visão mental, e aproximou-se do balcão da cozinha, precisando de um orgasmo tão mal que quase qualquer tipo de atrito iria levá-la lá. Mas suas mãos estavam molhadas, e não tinha ideia de quão rápido Grret tomava um chuveiro, então não iria arriscar. Se estivesse sozinha, não se importaria. Mergulharia as mãos molhadas na frente de seus shorts e cuidaria do assunto aqui. Em seu estado atual, não iria demorar muito para vir. Se ela corresse em terminar os pratos, poderia correr para o quarto e cuidar do problema, e então talvez pudesse se concentrar em seu trabalho, em vez de pensar sobre Garrett e seu quente, espesso — “Eu me sinto muito melhor agora.” Ela se virou, água voando por toda parte. “O quê? Eu estava apenas limpando os pratos.” Seus lábios se curvaram quando ele entrou, “Eu vejo isso. Precisa de ajuda?” “Não. Terminando o último aqui.” As faces coradas quentes, mas não tinha ideia do por que estava corando. Garrett não tinha ideia do que ela estava fantasiando sobre ele, de modo que precisava se acalmar. Ela terminou de lavar a panela e secou as mãos. 123


“Eu vou... uh... escovar os dentes e usar o fio dental. Estarei de volta.” Olhou para cima a partir do ponto que ele tinha tomado no sofá. “Claro.” Ela fugiu para o corredor e fechou a porta do quarto, trancando-a atrás de si. Dois minutos. Isso é tudo o que ela precisava. Facilmente iria vir. Uma vez que ela tivesse isso, pararia de pensar nele, e seria normal novamente, em vez de alguma louca, libido, impulsionado-a louca à beira de um colapso. Ela deitou-se na cama e deu um suspiro profundo, soprou, em seguida, deslizou a mão dentro de sua bermuda. Ainda estava quente, incomodada, e latejante, o simples toque de sua mão em sua boceta enviou seus quadris arqueando-se para cima. Ela engoliu o gemido, embora o quarto estivesse a um longo caminho a partir da sala de estar. Ela provavelmente poderia gritar bem alto, e Garrett não iria ouvi-la. Mas não estava confiante de que ele ia ficar lá, então ficou em silêncio enquanto deslizava os dedos sobre sua carne inchada. Fechou os olhos, imaginando Garrett empurrando-a contra o balcão da cozinha, arrastando os calções para baixo, e colocando a boca em seu sexo dolorido. “Sim,” ela sussurrou. “Sim, bem ali.” Ele tinha uma boca sexy, e a queria em sua boceta. Ela mordeu o lábio e esfregou seu clitóris, já tão perto de chegar, cravou os calcanhares no colchão. Mas queria atrasar, apenas mais alguns segundos, para aproveitar o acúmulo de como imaginou ele mergulhando dois dedos dentro dela enquanto capturava seu clitóris entre os lábios. E quando ela enfiou os dedos em sua vagina, não conseguiu conter o gemido que escapou, nem podia reprimir o grito de prazer quando gozou, os dedos profundamente dentro dela e com a palma da mão esfregando contra seu clitóris. Ela deixou cair seus quadris contra a cama e respirou dentro e para fora, percebendo que tudo o que tinha feito era tomar a borda fora. O desejo, a necessidade — ainda estava lá.

124


***** FODA. GARRETT SABIA QUE ELE NÃO DERERIA TER IDO EM direção ao seu quarto. Se tivesse ficado na sala de estar, não teria caminhado pelo corredor passado o quarto de Alicia, não teria ouvido o gemido claro que ela tinha dado, não teria descoberto que ela estava lá se masturbando. Seu pênis tinha ido totalmente duro em cerca de três malditos segundos. E como algum voyeur maldito, em vez de dar-lhe privacidade para vir, ele permaneceu na porta e ouviu, na esperança de ouvir mais. Ouviu a respiração dela, sussurrando, e ofegante quando ela gozou. Ele nunca tinha ouvido nada tão doce ou qualquer coisa que o excitou mais. Assim que ouviu ela se movimentando tinha empurrado de volta para a sala de estar, então percebeu que deveria ter ido para o seu quarto e se masturbado. Agora tinha uma ereção que precisava se livrar e depressa. Mas e se ele tentasse ir para o seu quarto agora, e ela saísse? Seria difícil explicar a ereção brotando em suas calças. Alicia era inteligente — descobriria que ele a tinha escutado. Então, agora estava preso sentado no sofá com a porra de um travesseiro em seu colo, sentindo-se como um idiota. Nada de bom jamais veio de espionar. Ele só precisava respirar e pensar em coisas desagradáveis. Como uma terapia. E talvez nunca lançar novamente. Deixando sua equipe e seus fãs para baixo. Sim, isso cuidou de sua ereção. Até que Alicia saiu do quarto, fazendo o seu melhor para olhar inocente, como se nada tivesse acontecido. Só que ele tinha estado com muitas mulheres em sua vida, e tinha dado um monte de orgasmos. E aquele olhar de bochechas rosadas em seu rosto era uma prova. 125


“Desculpe,” disse ela, não encontrando seu olhar. “Terminei de desarrumar as coisas, enquanto estava lá.” Uma vez que as bolas estavam amarradas em nós, ele estava um pouco ressentido com ela estar feliz, eu-acabei-de-vir-e-você-não-gozou. “Espero que tudo ocorreu bem lá dentro.” Ela inclinou a cabeça para o lado. “Huh?” “Quero dizer, existem cabides suficiente? Você tem bastante espaço no armário?” “Oh. Sim, é um quarto incrível.” Sim, ele tinha soado bastante impressionante. Ela colocou as mãos nos quadris. “Então, você está pronto para começar?” Ele agarrou o travesseiro apertado. “Vou precisar de alguns minutos.” Ela franziu a testa e veio sentar-se ao lado dele. “Você está com dor?” Ela não tinha ideia. “Não. Eu só quero digerir o café da manhã. Que tal um passeio pela praia primeiro?” “Ótima ideia. Vai deixar o sangue fluir. Deixe-me ir buscar os meus sapatos.” Seu sangue estava fluindo muito bem. Para seu pau. E se ele não conseguisse sua mente fora do sexo e logo, não ia deixar o sofá o resto do dia. Mas no momento em que Alicia voltou, ele conseguiu lutar contra seu pênis e sua imaginação hiperativa, sob controle. “Pronto para caminhar?” Havia cerca de dez outras coisas em sua lista agora, e todas elas envolviam Alicia nua. Infelizmente, não era isso que ia acontecer, e precisava obter os efeitos visuais de sua cabeça fora, porque não achava que queria lutar contra outra ereção. “Sim, vamos sair.”

126


Capítulo Onze APÓS A SESSÃO DE TERAPIA, ALICIA TINHA RECUADO para a mesa para trabalhar em algumas notas e planos enquanto Garrett tinha se jogado no sofá e assistido a um filme. Ele parecia inquieto, porém, e tinha levantado várias vezes para tomar uma bebida ou algo para fazer um lanche. Eles fizeram sanduíches para o almoço, mas ela ficou na mesa de trabalho. “Vamos sair para jantar,” disse ele. Ela ergueu os olhos do livro que estava lendo em seu e-reader e percebeu que estava começando a ficar escuro. “Ok, com certeza.” “Eu preciso sair de casa.” Ela colocou seu e-reader para baixo. “Onde você gostaria de ir?” “Você gosta de comida italiana?” Ela riu. “Eu sou meio italiana, então sim.” “Bom. Coloque um vestido. Eu poderia querer ir para um clube depois.” Ela arqueou uma sobrancelha. “Uh...” “O quê?” “Nós devemos nos socializar juntos?” Ele soltou um grunhido. “Por que não deveríamos estar socializando juntos?” “Porque sou uma empregada da equipe.” Certamente ele estava tão ciente das regras quanto ela. “Então? Assim como eu.” “Exatamente. E a equipe está na cidade, você sabe.” Ele franziu a testa. “Não estou recebendo o seu ponto. Você nos vê passando o tempo junto fora da terapia como um conflito de interesses?” 127


“Sim, poderia absolutamente ser visto dessa maneira.” Ele veio até ela. “Você está... desconfortável em estar perto de mim? Se você quiser ficar sozinha, eu posso ir buscar o meu próprio jantar, e você pode comer aqui ou ir para algum lugar por conta própria.” Ele encostou-se à mesa. “Você sabe, eu nunca perguntei se você tinha um namorado ou alguém em sua vida que poderia não gostar de mim pendurado em cima de você. É por isso que me empurrou aquele dia em Oklahoma City?” “Não.” Seus olhos arregalaram. “Não. Não é nada disso. Sem namorado, ninguém. Eu só não quero causar problemas para o meu trabalho, ou para o seu.” Ele pareceu relaxar. “Okay. Olha, nós vamos estar gastando todo o nosso tempo juntos, enquanto estamos aqui. É apenas natural que nós vamos sair para comer juntos, e se eu quiser relaxar e me divertir um pouco, achei que você iria querer sair de casa e vir comigo. Você está sob nenhuma obrigação de fazê-lo. Se não quiser, vou ter você de volta aqui e ir sobre o meu negócio. Claro o suficiente?” “Definitivamente.” Ela entrou em seu quarto para trocar de roupa. Aquilo tinha sido estranho, mas tinha sido ela a fazer. Garrett não viu nada de estranho em sair com ela. Até onde ele estava preocupado, ela poderia ser apenas mais um dos rapazes. Em um vestido. Vestiu um vestido de algodão de manga curta e colocou um par de sandálias, então colocou um pouco de maquiagem e puxou os lados de seu cabelo para cima em uma presilha, alguns dos cachos caíram em direção a seu rosto. Ela acrescentou brincos e uma pulseira, por algum motivo, tinha a necessidade de se sentir feminina, mas não tinha ideia do porquê. Talvez por isso ele não iria pensar nela como apenas um dos caras hoje. Péssima ideia, Alicia. Ignorando a voz de advertência em sua cabeça, ela saiu do quarto e encontrou Garrett no deck traseiro. Ele colocou jeans desgastados e uma camisa de mangas compridas de abotoar.

128


Mesmo vestido casualmente, ele era de tirar o fôlego. Então, ela inalou outra respiração e deixou sair, determinada a pensar nele como apenas um dos caras. Um cara muito sexy que não podia tocar com exceção de uma forma terapêutica. “Estou pronta, quando você estiver.” Quando ele se virou, ela pegou o olhar apreciativo revelador que deu a ela, e não podia evitar, além de formigam por toda parte. “Você parece... muito bem,” disse ele, dando-lhe uma olhada da cabeça aos pés. Mais de uma vez, na verdade. “Obrigado. E você também.” Ele riu. “Apenas um jeans e uma camisa.” Ela olhou para si mesma. “Só um vestido.” “As mulheres são mais bonitas.” “Oh, eu não sei. Tenho um apreço muito mais para os homens do que posso fazer por outras mulheres.” “Bom saber.” Ela pegou um xale, e entrou no carro. Garrett levou-os ao longo da rodovia da praia. Alicia olhou para dar uma olhada, mas estava muito escuro agora. “É muito ruim o sol já ter ido para baixo,” disse Alicia. “Sim? Por quê?” “Eu teria gostado de ver o oceano.” “Nós vamos ficar aqui por um tempo. Vou levá-la pelo caminho um dia na praia.” Ela puxou o olhar para olhar para ele. “Eu gostaria disso. Eu amo o oceano.” “Eu também. Amo tirar férias na praia.” “É o meu tipo favorito de férias. Acho que é porque sempre fui cercada por terra.” “Há o Rio em St. Louis.” Ela bufou. “Não a como colocar os dedos dos pés nisso, que graça tem. Minha ideia de um período de férias é tempo quente, um belo mar azul e areia debaixo dos meus pés.” “Já foi para o Caribe?” 129


“Eu nunca deixei os EUA.” Ele olhou em sua direção. “Sério?” “Sim.” “Você deve corrigir isso. Há um monte de lugares bonitos fora dos EUA.” “Eu sempre tive a intenção de ir. Tenho estado ocupada com a escola e depois conseguir um emprego depois disso.” “Já foi para o Havaí?” “Não, não, tampouco. Mas hei, estou aqui, e isso é ótimo.” Ele franziu a testa. “Este não é um período de férias, como você me disse hoje.” Ela soltou um suspiro de contentamento. “Há uma praia e um oceano. É perto o suficiente.” Ele virou uma vez, em seguida, puxou para o estacionamento do restaurante. O manobrista estacionou o carro, e eles entraram. O restaurante era bom. Ambiente acolhedor, e oh, ela podia sentir o cheiro do pão já. Seu estômago roncou de prazer. O menu era amplo, e ela teve um tempo difícil em escolher. “Você gostaria de um pouco de vinho?” Ela olhou para cima a partir do menu. Garrett estava lendo a carta de vinhos. “Eu adoraria um pouco de vinho.” Ele entregou a lista para ela. “Eu vou deixar você escolher já que não sou um grande bebedor de vinho.” “Obrigado.” Ela passou por cima da lista, e quando o garçom apareceu, ela selecionou um Chianti. “Isso é bom?” “Eu sou uma tradicionalista. Cresci tendo Chianti com meu macarrão.” Ele arqueou uma sobrancelha. “Quando criança?”

130


Ela riu. “Na verdade, algumas famílias italianas servem vinho a seus filhos, com moderação e misturado com refrigerante branco. Eu tive algum em tenra idade. Minha mãe é muito antiquada no estilo italiano.” “Interessante. Acho que eu gostaria de sua mãe.” Ela sorriu. “Ela definitivamente gostaria de você.” “Por que isso?” “Você é um atleta, por exemplo. Ela adora grandes, caras atléticos. Com apetites. Tal como o meu irmão, Cole. E você gosta de comer. Minha mãe ama as pessoas que gostam de comer.” “Então, descobriu meu segredo, depois de um curto período de tempo juntos.” “Tenho estado em torno de você tempo suficiente para saber que durante a sua terapia, você está sempre reclamando sobre o desejo de parar para que possa pegar algo para comer. Ou era apenas uma desculpa para sair de fazer seus exercícios?” Ele pegou o pão assim que o garçom colocou sobre a mesa. “Não, estou sempre com fome.” Ela riu. Eles comeram o jantar e ela tomou um gole de vinho, que estava delicioso. “Agora que nós estabelecemos que você tenha sido bloqueada nos Estados Unidos toda a sua vida, diga-me a sua lista de desejos para viagens,” Garrett perguntou enquanto comiam suas saladas. Ela levantou o olhar para ele. “Itália, definitivamente, está na minha lista. Meus avós maternos eram da Sicília. Eu adoraria ir lá um dia.” “A Itália é bom.” “Você já esteve lá?” “Roma e Milão. Cidades bonitas.” “Estou com ciúmes. Onde mais você esteve?” Ele balançou a cabeça. “Ainda estamos em sua lista de desejos.”

131


“Oh, tudo bem.” Ela limpou os lábios com o guardanapo e pensou sobre isso. “A Inglaterra, França, Escócia, Irlanda, toda e qualquer das ilhas do Caribe, Havaí — embora eu sei que esteja nos EUA, mas nunca estive em qualquer uma das ilhas. Suponho que foi a todos elas.” “Nunca fui para a Big Island. Ouvi dizer que é ótimo.” “Diga-me todos os lugares que já esteve.” “Eu fui a alguns lugares.” O garfo equilibrou na ponta dos lábios. “Vá em frente.” Ele deu de ombros. “Alguns pontos da Europa e Havaí, é claro.” Enquanto mastigava, ela olhou para ele. “Você está tentando minimizar as suas viagens para que eu não me sinta mal.” Ele levantou o copo de vinho aos lábios e sorriu. “Talvez.” “Não faça isso. Estou perfeitamente satisfeita com a vida que eu vivi.” “Tudo bem. Gosto de viajar durante o período fora da temporada, então fui para a Inglaterra, Portugal, Itália e França, alguns países da América do Sul, e várias das ilhas do Caribe. Havaí, é claro..” Alicia ouviu Garrett contar suas viagens. Ele era um bom conversador, o que a surpreendeu. Alguns atletas só poderiam falar sobre si mesmo, seus esportes, e suas estatísticas, mas ele estava bem entrosado. “Você gosta de viajar.” Ele sorriu. “Sim. Eu gosto de conhecer pessoas. Você pode aprender muito visitando outras culturas.” “E em casa?” “Eu gosto disso também.” “Conte-me sobre onde você é.” “Nevada. Muitos jogos de azar.” Ela riu. “Então, você é a partir de Las Vegas.” “Nessa área.” 132


“É a sua família ainda está lá?” “Metade deles. Meu pai está.” Ele parou parcialmente com o copo aos lábios. Havia algo que não estava dizendo a ela. “Espere,” disse ela. “Onde está sua mãe? Pensei que você disse que seus pais ainda estavam juntos.” Ele colocou a taça de vinho sobre a mesa e deu de ombros. “Oh. Eu disse?” “Sim. Você fez.” “Huh.” “Garrett.” “Eu não me lembro dessa conversa.” “Sim, você fez. Acabamos de falar sobre isso. Você perguntou sobre minha família, e eu disse-lhe tudo sobre eles. Então perguntei sobre a sua, e você me levou a acreditar que sua família era exatamente o mesmo.” Ele não disse nada, apenas pegou outro pedaço de pão e colocou manteiga. “Vindo para pensar sobre isso, você nunca contou sobre sua família em tudo.” Ele não estava olhando para ela, estava arrancando pequenos pedaços de pão e deixando-os no prato. “Meu mal. Meus pais se divorciaram quando eu tinha dezoito anos.” “Eu sinto muito.” Ele deu de ombros. “Está tudo bem. Foi um bom negócio para eles. Eles lutaram muito. As águas têm estado mais calmas desde o divórcio.” Ele parecia tão verdadeiro, quanto tinha, obviamente, magoado e, provavelmente, ainda fazia. “Não devia ter sido fácil para você.” “Não é grande coisa.” Ela colocou a mão sobre a dele. “Diga-me sobre isso.” Ela doeu por ele, porque viu um homem ainda sofrendo sobre o rompimento do casamento de seus pais. “Nada a dizer, realmente. Terminou há muito tempo atrás.” 133


E lá foi mais uma vez, seu olhar fixo para o seu Chianti, como se isso tivesse todas as respostas. Ela apertou sua mão. “Garrett. Fale comigo.” Ele levantou o olhar e encontrou o dela. “Tentando ir pela faculdade e toda a coisa do beisebol enquanto a merda descia em casa, tipo que chupou, mas eu passei por isso. Ambos estavam muito favoráveis a mim, não querendo que eu achasse que o meu mundo estava chegando ao fim apenas porque o casamento acabou.” Ela empurrou o prato para o lado e tomou um gole de vinho. “Tenho certeza que você pensou que acabou.” “Eu tinha dezoito anos, e não era uma criança.” “Dezoito ainda é um garoto. É difícil para qualquer um ter o casamento dos seus pais quebrando. Eu não acho que importa quantos anos você tem.” Ele olhou para ela por cima da taça de vinho. “Eu sobrevivi a isso.” “Você está se esforçando para minimizar o que tinha que ser um momento muito traumático em sua vida. Por quê?” Ele estudou-a, em seguida, pegou a garrafa e encheu sua taça. “Não é algo que eu gosto reviver. Francamente, é sugado. Eu estava chateado com eles por acabar com seu casamento. Queria que eles ficassem juntos.” Agora, ela compreendeu. “Os pais da minha melhor amiga se divorciaram quando ela tinha dezesseis anos. Isso a devastou. Eles discutiam muito, e Casey se preocupava com eles, desejando que eles parassem de brigar. Mas nunca lhe ocorreu que eles se divorciariam. Quando o fizeram, ela foi esmagada. Isso rasgou seu mundo à parte. Eu odiava vê-la tão infeliz.” “Sim. Eu já estava na faculdade, mas quando chegava em casa nos feriados, vendo a vida que você conhecia desmontada e colocada em caixas, como se nunca tivesse acontecido...” Alicia não podia imaginar a dor de ter a relação entre as duas pessoas que mais contatava desmoronar bem na sua frente. Forte o suficiente para lidar com uma criança. 134


Tinha que ser mais difícil quando isso acontecia com um adulto. Ela estendeu o braço e colocou a mão sobre a dele. “Eu sinto muito.” Ele olhou para a mão dela, em seguida, ergueu os olhos para ela. “Está tudo bem. Foi há muito tempo atrás.” “Mas, obviamente, não gosta de falar sobre isso, e eu trouxe isso. Sinto muito por isso.” Ele riu. “Ei, não é como se meus pais estivessem mortos. As pessoas perguntam sobre eles. Eu tenho que falar sobre isso.” “Vou mudar de assunto.” Ela começou a retirar a mão, mas ele agarrou-lhe a mão, apertou-a como uma tábua de salvação. “Não faça isso. Está tudo bem.” Talvez ele não achava que queria falar sobre isso, mas ela achou que ele realmente fazia. “Você disse que seu pai ainda vive em Las Vegas. E a sua mãe?” “Ela se mudou de volta para o sul da Califórnia, perto de onde meus avós vivem.” “Oh, bem, isso era provavelmente bom para ela, para estar perto de sua família.” “Sim. Eu a visitava durante o período fora da temporada e sempre temos jogos lá.” “E o seu pai?” Ele deu de ombros. “Não com tanta frequência.” Havia uma história em algum lugar lá. Ela não tinha certeza se deveria perguntar sobre isso. Mas tinha chegado tão longe. Ele poderia sempre lhe dizer que não era seu assunto ou se recusar a responder. “Por que não com tanta frequência?” Ele fez uma pausa, olhou para a taça de Chianti. “Ele traiu a minha mãe.” Ela deixou seus olhos fecharam por uma fração de segundo, desejando que não tivesse feito a pergunta. Quando os abriu, ele estava a olhando. “Oh, Deus. Sinto muito, Garrett.” “Não há nada que se desculpar. Você não fez isso. Meu pai é o único que terminou com o casamento dos meus pais.” 135


Talvez seja por isso que ele não queria mudar de assunto. Ela se perguntou se já teve alguém para conversar sobre isso. Ela tomou um gole de vinho, então se inclinou para frente, feliz que eles estavam no tipo de restaurante onde as vozes não sobressaiam. O lugar era lindo, mas era barulhento, o que significava que eles poderiam ter uma conversa que ninguém iria ouvir. “Você ainda está com raiva de seu pai sobre a dissolução do casamento?” Ele não encontrou o seu olhar. “Foi há muito tempo. Ambos os meus pais se mudaram.” Ela se inclinou para trás. “Como assim?” “Minha mãe se casou novamente cerca de cinco anos atrás. Bom cara que ela conheceu onde trabalha.” “Oh, bom para ela.” Ele sorriu. Finalmente. “Sim. Ela realmente ama Henry. E ele a trata como um diamante precioso.” “Então, você, obviamente, o aprovou como padrasto.” Ele riu. “Sim, ele é ótimo. E ama beisebol, que é bom. Embora ele seja um fã dos Los Angeles, então tenho que deduzir pontos.” Ela soltou uma risada suave. “Bem, sim, eu podia ver como isso seria desvirtuar a sua pontuação geral. Mas estou feliz que ela encontrou a felicidade.” “Sim. Eu também.” “E o seu pai?” “Ele se casou com a mulher que traiu a minha mãe. Menos de um ano depois que ele e minha mãe se divorciaram.” “Ah.” Ela deixou que resolvesse um pouco e trabalhou em sua refeição. Garrett não ofereceu mais detalhes sobre o seu pai e sua madrasta. Perguntou se ele via seu pai em tudo ou se cortou todos os laços. Não queria perguntar, e, obviamente, ele não queria falar sobre o seu pai, então deixou ir.

136


Seus pratos estavam apurados, e ambos se recusaram a sobremesa. Garrett pagou a conta, e eles deixaram o restaurante e voltaram para a casa. Ele ficou quieto na viagem de volta. Alicia sabia que ele devia estar pensando em seus pais. Dor que não ia longe, especialmente se você nunca lidava com isso. Quando voltaram para casa, pegou uma cerveja na geladeira e saiu para o deck de volta. Abriu uma garrafa de água e seguiu-o. Estava uma noite agradável. Um pouco arejada, então ela voltou para dentro e colocou o suéter, chutou as sandálias fora e puxou os pés para cima da chaise, pronta para ouvir os sons das ondas do mar. Garrett inclinou-se contra o poste do deck, de costas para ela, dando-lhe a oportunidade de admirar a sua bunda grande sem que ele percebesse. Ela estava preocupada com ele. Poderia dizer que ele não estava relaxado enquanto tomava um gole de cerveja. Seus ombros estavam tensos, sua postura rígida. Tensão não ia ajudar sua terapia. Ela empurrou a cadeira e veio ao seu lado. “Seus músculos estão se sentindo duros?” Ele olhou para ela. “Se eu disser que não, você vai me deixar em paz?” Ela riu. “Isso significa que sim. Vamos. Deixe-me dar-lhe uma boa extensão. Isso vai aliviar um pouco da tensão.” “Ugh.” “Sim, qualquer que seja, covarde. Segure isso.” Ela entrou em seu quarto, escorregou para fora do vestido e colocou suas calças de ioga e um top em que ela ficaria mais confortável. Quando entrou na sala de treino, Garrett já estava lá, sem camisa e em calças de moletom de cintura baixa. Ele ainda fazia seus joelhos ficarem fracos, mas ela engoliu e tomou um gole de água, mentalmente se preparando. Ela colocou Garrett através da sessão de alongamento de trinta minutos. Ele cerrou os dentes e sofreu, mas estava duro, e seu corpo estava tenso. Quando ela terminou, ele sentou-se e pegou uma toalha para limpar o rosto e corpo. 137


“Que tal uma massagem?” Sugeriu. Ele lançou um olhar em sua direção. “Eu pensei que era contra as regras.” “Você está tenso. Você olha como se pudesse precisar.” Ele pegou uma garrafa de água e bebeu dois goles. “Estou bem.” Ele não estava bem. “A massagem vai relaxar. Ordens da terapeuta.” Ele soltou um suspiro resignado. “Claro.” Ela criou a mesa de massagem com toalhas. “Face para baixo,” disse ela. Ele sorriu para ela. “O quê?” Ele balançou a cabeça. “Nada. Nada disso, de qualquer maneira.” “Eu não tenho ideia do que você está falando.” “Eu sei.” Ele subiu em cima da mesa, e ela pegou a loção de massagem, em seguida, virou numa música. Ele levantou a cabeça e olhou para ela. “Sério? Você vai jogar essa merda de novo?” “Bem, sim. É muito calmante e relaxante.” “Isso vai me colocar para dormir.” “Não há nada de errado com você dormindo enquanto eu massageio você.” “Realmente não sinto como dormir agora. Que tal algo um pouco mais ousado?” Ela inclinou seu quadril contra a mesa. “Mais ousado, não parece muito relaxante, Garrett.” Ele levantou-se em seus braços e lançou-lhe um sorriso. “Talvez não para você.” “Okay. Vou encontrar alguma coisa... mais ousada.” Ela percorreu através de sua música até que bateu em algo que abalou. “Isso vai servir,” disse ele, e colocou o rosto para baixo sobre a mesa. Não... Não relaxante, mas se isso funcionava para Garrett, que assim seja. “Vou colocar um pouco de calor em seu ombro ferido em primeiro lugar. Dessa forma, na hora que eu chegar a essa parte, vai estar aquecido e pronto para mim.” 138


Ele levantou a cabeça de novo. “Deus, você não vai esticar fora novamente, não é?” Seus lábios curvaram. “Não, eu não estou indo para esticá-lo. Esta será uma massagem suave. Eu prometo.” “Bom.” Ela colocou a almofada aquecida em seu ombro. Depois de esfregar a loção entre as mãos para aquecê-la, começou no centro de sua parte superior das costas e trabalhou seu caminho para baixo, querendo deixar seu ombro para o último, porque sabia que é onde a tensão estaria pior. Ela estava indo para fazê-lo se sentir melhor e derreter os nós em todos os seus músculos. E talvez ajudá-lo a relaxar. Apesar de tocá-lo assim não ia ser relaxante para ela. Não. Em. Tudo.

139


Capítulo Doze GARRETT NÃO GOSTAVA MUITO DE MASSAGEM, entretanto um monte de seus companheiros de equipe confiava nisso. Um monte de caras tinha massagens semanais para ajudar com os músculos doloridos. Garrett ficava na banheira de hidromassagem ou um chuveiro de água quente absorvendo isso. Mas Alicia estava certa. Falando sobre seus pais esta noite tinha amarrado a tensão entre as omoplatas, e agora o ombro doia. É claro que alguns provavelmente tinham a ver com a forma como Alicia trabalhou nele em suas sessões de terapia. Não que iria dizer isso a ela. Ela era mais dura com ele do que qualquer um de seus terapeutas anteriores tinham sido. Ele tinha vontade de chorar. E nunca chorava. Esperava que o inferno de tudo o que ela estava fazendo com ele resultasse em algo de bom. Porque tomaria qualquer dor que ela distribuísse se isso o colocasse de volta no monte. Agora, porém? Tudo o que ela estava fazendo lá era puro prazer. Ele se concentrou sobre a varredura de suas mãos suaves sobre as costas dele, do jeito que parecia atingir todos os músculos doloridos, persuadindo-o em sua pressão com o polegar ou a palma da sua mão. Ele tentou massagem uma vez ou duas vezes antes e sempre parecia ter alguma pequenina mulher que parecia boa, mas depois passava a empregar algumas técnica de massagem de Marquês de Sade15, determinada a superar seus colegas em quanto eles poderiam prejudicar seus clientes. Alicia não fazia dessa maneira. Suas mãos deslizavam sobre suas costas, até que ele não podia evitar, além de deixar escapar um gemido de puro prazer.

15

Seu nome surgiu o termo médico sadismo, que define a perversão sexual de ter prazer na dor física ou moral do parceiro ou parceiros. 140


Ela revirou seu punho para baixo de sua coluna, todo o caminho até onde seu moletom descansava abaixo em sua bunda. Ele queria suas mãos por todo o corpo, esfregando-o da frente para trás. Quando ela pegou a almofada aquecida fora e alisou as mãos sobre ambos os seus ombros, ele se afundou mais na mesa almofadada. “Você tem mãos mágicas.” Ela riu. “Claro que eu faço.” “Não, realmente. Esta é uma ótima massagem.” “Seus músculos estão cooperando. Fique quieto agora. Você não deve falar, enquanto estou massageando você. Respire fundo, dentro e fora.” Não, ele não devia falar. Não devia pensar, especialmente sobre Alicia. Se ele pensasse sobre ela, sobre as mãos movendo-se sobre seu corpo e sobre o que ele gostaria realmente as mãos para fazer, ia acabar ficando duro. E se não bastasse senti-la, tinha que ouvi-la, os sons que ela fazia enquanto tocava. Só de ouvi-la respirar o excitava. Parecia sexo, o fez pensar sobre empurrando quando ela colocava força contra seus músculos. E quando exalava... Jesus. Ele realmente tinha que parar de misturar Alicia e sexo juntos. Foi o que aconteceu quando a sua mente ficava em branco e ele relaxava. A música estava bombando, mas não estava ajudando a tomar sua mente fora de Alicia, com as mãos, e os sons que ela fazia. Se pudesse cantar uma nota, ele iria, mas isso só iria mandá-la gritando fora da sala, de modo que não fez. Ela se inclinou para colocar um pouco de pressão sobre seus músculos. Ele sentiu o cheiro de seu perfume. Não, não era perfume. Sabonete ou xampu, talvez. Algo cítrico. Ele respirou profundo. Ela parou. “Isso está um ponto áspero?” Ele rangeu os dentes. “Não. Eu estou bem.” Ela colocou as palmas das mãos e desceu as costas, depois para cima. 141


“Fale comigo, Alicia.” Talvez se eles tivessem uma conversa, ele pararia de visualizar. “Você não deveria estar falando. Deve estar respirando. Profundo, mesmo respirações que levam oxigênio para os músculos.” “Não estou falando. Eu quero que você fale.” Ela fez uma pausa. “É tão difícil para você relaxar?” “Sim. Eu gosto de conversa.” Ela soltou uma risada suave. “Okay. O que você quer falar?” “Eu não sei. Eu sei sobre Gavin já que jogamos juntos. É assim que você se interessou em medicina esportiva?” “Mais ou menos. Eu vi um monte de esportes, quando era mais jovem, obviamente. A família está enraizada no esporte com Cole e meu primo Mick jogando futebol, e Gavin no beisebol. Mesmo as meninas sempre praticaram esportes.” “As garotas?” “Minha prima Jenna e eu” “Que esporte você jogava?” “Estava na equipe de dança. E jogava tênis e golfe.” Ele levantou a cabeça e olhou para ela. “Você gosta de golfe?” “Eu posso jogar.” Ele sentou-se. Ela franziu a testa. “Nós não terminamos.” “Meus músculos estão relaxados. Vamos falar de golfe. Você não me disse, então poderíamos ter jogado nesse fim de semana que estávamos em Oklahoma.” Ela encolheu os ombros. “Você não me perguntou. Além disso, de jeito nenhum eu teria jogado naquele tempo. Muito frio para mim.” Ele riu. “Para mim, também. Então, você acha que é boa, não é?” “Não, eu não acho que sou boa. Eu sou boa.” “Devemos jogar.” 142


Ela cruzou os braços. “Você acha que está pronto para balançar um taco?” “Eu não sei. Você é a terapeuta. Eu estou?” Ela estudou-o por um pouco e depois disse: “Na verdade, seria bom para o seu ombro, e ajudaria a soltar para o arremesso. Devemos jogar.” Se havia uma coisa que Garrett amava, era competição. “Bom. Vou arranjar um tempo nos buracos para nós.” “Eu não tenho meus tacos comigo.” “Nem eu, então nós dois estamos em desvantagem.” “Tudo bem. Nós vamos jogar. Agora deite para baixo. Não terminei com você ainda.” Ele revirou os ombros. “Honestamente, eu me sinto bem.” Ela apontou para a mesa. “Deite-se. Eu não te dei toda a massagem de Alicia Riley ainda.” Ele queria gemer. Mais de suas mãos sobre ele e estaria duro o resto da noite. “Não, na verdade.” Ela deu-lhe o brilho que ele estava ficando acostumado a ver. O que significava que ela ia ganhar, então ele podia muito bem não discutir. “Okay. Venceu.” Ele virou, e ela colocou mais loção em suas mãos, em seguida, voltou a trabalhar com ele, desta vez abrindo os braços para fora e rolando as mãos sobre seus bíceps. É certo, que se sentiu muito bem. Ela bateu os lugares ásperos e derreteu o último de sua dor da terapia de hoje. Mas seu toque e cheiro ainda o colocavam duro, por isso, enquanto ele estava relaxado, ainda estava consciente dela. “Isso deve dar,” ela disse finalmente. Ele se levantou e se espreguiçou. Alicia olhou para ele, então, rapidamente se virou. “Tudo bem, então. Vou limpar aqui, e você pode ir. Você deve beber mais água.” “Por quê?” “A massagem libera toxinas e pode fazer você suar. A água vai encher você.” 143


”Tudo bem.” Talvez ele não era o único consciente. Ele a pegou verificando seu abdômen e inferior. Seu pênis vibrou com a ideia, mas ele afastou de lado. Neste moletom esconder uma ereção não seria possível. Ele saiu do quarto e foi até a cozinha para pegar um copo de água, bebeu alguns goles, em seguida, saiu para tomar um pouco de ar. Alicia estava certa. Ele havia quebrado em suor, e a brisa fresca da noite ajudou. “Sente-se bem?” Ele se virou para ela. “Sim. Sentindo-me muito bem agora. Obrigado pela massagem.” “De nada.” Ela tomou um gole de água, em seguida, colocou o copo sobre a mesa e sentou-se. Ele parou no degrau mais alto, virando assim estava metade de frente para ela, metade de frente para o oceano. “Se eu morasse aqui, acho que nunca sairia de casa,” disse ela. “Este lugar tem um fascínio definitivo.” “É muito bom, mas acho que você ficaria entediada.” Ela riu. “Lembra-se de onde cresci. Este é o céu. O sal no ar, a vista deslumbrante sobre o oceano que nunca termina. Longas caminhadas na praia. Duvido que eu jamais poderia ficar entediada com um lugar assim. É claro que é um pouquinho fora da minha faixa de preço.” “Você nunca sabe. Você poderia acabar se tornando famosa em medicina esportiva, e ter um lugar como este seria fichinha para você.” “Obrigado por isso.” “Por quê?” “Por pensar que eu podia pagar um lugar como este um dia em vez de pensar que eu ia casar com alguém rico que ia comprar para mim.” Ele riu. “Tenho certeza que você é uma força a ser contada, Alicia. Não acho que você realmente precise de um homem para cuidar de você, financeiramente ou de outra forma.” 144


“Obrigado mais uma vez. Você está cheio de elogios hoje à noite.” “Bem, estou cheio de alguma coisa.” Seus lábios levantaram, e então ela olhou para a escuridão. Mas quando revirou os pulsos e flexionou suas mãos, ele franziu a testa. “Será que a massagem fez doer suas mãos?” Ela olhou para suas mãos e colocou-as no colo. “Não, estou bem. Apenas libertando a tensão neles. É uma prática normal.” Ele se levantou e foi até sua cadeira, em seguida, ajoelhou-se na frente dela e lhe tomou as mãos. “Eu não quero que você se machuque trabalhando em mim.” Ela soltou uma risada suave que fez suas bolas tremerem. “Eu não me machuquei. É o meu trabalho.” “Seu trabalho tem que ser duro em suas mãos.” Ele as massageou, esfregando os polegares sobre seus pulsos. “Oh, Deus, isso se sente bem. Agora quem é o massagista?” Ele gostava de fazê-la sentir-se bem. Surpreendeu-lhe o quanto gostava de fazê-la sentir-se bem. Não queria que ela se machucasse, a fim de consertá-lo. “Quão difícil é a terapia em você?” “O que você quer dizer?” “O que você faz para mim, esticando os músculos e tendões, isso leva alguma força, e você não é exatamente uma grande pessoa. Quão difícil é isso no seu corpo?” “Estou treinada para fazê-lo, Garrett. Eu não me machuco.” Ele flexionou os pulsos. “Sim, mas quem lhe dá uma massagem no final do dia?” “Eu não preciso de uma.” “Aposto que você fica dolorida trabalhando em atletas. Sei que o nosso corpo sente. Você está trabalhando em alguns músculos rígidos. E após esta lesão estudei um pouco de anatomia — que você está trabalhando com tendões e músculos e algumas de outras merdas. Você tem que cavar bem fundo — é por isso que faz doer tão maldito ruim em mim, certo?”

145


Ela estudou-o. “É bom que você esteja tão bem informado. Isso ajuda a sua recuperação. Mas, honestamente, não há nada de errado com as minhas mãos.” Ela puxou-as para longe dele e mexeu os dedos e flexionou os pulsos. “Está vendo? Elas estão muito bem.” Ele não acreditava nela. “Você tem certeza?” Ela fez um movimento para levantar, então ele levantou-se para sair de seu caminho. “Eu estou bem. Não estive nisso, como alguns dos terapeutas veteranos. Agora eles podem ter alguns problemas depois de anos e anos de prática. Mas eu? Estou bem. Cuido bem de mim.” “Vire-se.” Ela franziu a testa. “O qu��?” “Vire-se.” “Por quê?” “Quero ver se você está tão dura como eu estava.” “Absolutamente não. Você não consegue ser o meu terapeuta. Estou aqui para cuidar de você, lembra?” Ignorando-a, ele girou em torno dela, e antes que ela pudesse protestar, colocou as mãos sobre ela. Ele não era um especialista, mas caiu instantaneamente sobre os músculos duros entre o pescoço e os ombros. “Assim como eu pensava. Seus músculos estão duros.” Lutou para virar, mas ele a prendeu entre a cadeira e o seu corpo. “Garrett. Você absolutamente não vai esfregar meus ombros. Você sabe quanto dinheiro seu braço vale?” “Sim. Meu agente quebrou para mim pelo número de anos do meu contrato. E depois por mês. Ela é muito cuidadosa.” “Exatamente.” “E se eu quiser dar uma massagem, eu posso.” Ele já estava pressionando em sua pele, usando os polegares e dedos para tentar aliviar a tensão. “Basta pensar nisso como mais uma terapia para mim.” 146


“Estou pensando que você não está me ouvindo.” “Sim, qualquer que seja. Nem sempre tomo bem uma ordem.” Tê-la perto assim era uma tortura. Seu nariz estava em seu cabelo, e aquele cheiro cítrico o deixava louco. Sua pele era suave, e com a bunda aninhada contra sua virilha, ele ia ter que fazer alguns cálculos de ganho médios de corrida, a fim de evitar ficar duro. Alicia continuou respirando mais profundo, o que impulsionou seu corpo mais perto do dele. E ela parou de falar — não era um bom sinal. Isso significava que estava se concentrando no movimento de suas mãos. Ela queria realmente gostar da massagem, ou tinha percebido o que estava acontecendo em suas calças. Ele deu um passo para trás, e ela limpou sua garganta, ergueu as mãos de seus ombros, e se virou. Grande erro. Porque ele esta ali, a ereção que não podia ser evitada. E seu foco foi direto para ele, então seu olhar atirou, os olhos arregalados e chocados. “Hum, acho que devemos ir para a cama.” Ele levantou uma sobrancelha. “Não juntos, claro. Isso seria... totalmente inadequado. Quer dizer, eu estou indo para a cama. No meu quarto. Sozinha. Obrigado pela massagem. Foi ótimo. Vejo você pela manhã.” Ela passou por ele, seu corpo roçando a ponta do seu pênis quando fez. Foi doloroso e emocionante ao mesmo tempo. Era como estar com quatorze anos de idade novamente, pego no vestiário com um tesão porque estava fantasiando sobre a senhorita Smith, o quente professora de ginástica, de vinte e três anos de idade, que lhes tinha dado a todos sonhos molhados. Quantas vezes ele tinha — inferno, todos os meninos — tentou disfarçar ereções quando estavam na pista de corrida, enquanto a Srta. Smith tinha se destacado no centro do campo trabalhando com as meninas? Mas ele não era um adolescente mais. Ele era velho o suficiente para controlar sua libido em torno de uma mulher desejável, especialmente uma mulher que tinha uma relação de trabalho com ele. 147


Foda-se. Ele passou os dedos pelos cabelos e desceu os degraus, decidindo que precisava de um passeio à beira-mar para resfriar seus hormônios em fúria. Ficou na praia, seu pau duro e latejante e, aparentemente, não tinha pressa para ir flácido. Grande. Se ele pudesse obter os pensamentos longe do corpo de Alicia, seu cheiro, de sua cabeça, ele ficaria vazio. Em vez disso, sua cabeça estava cheia com ela, e seu pau ficou duro. Como é que ele ia explicar isso, se corresse para ela quando voltasse para dentro? Ela já estava nervosa e arisca em torno dele, e acenando com sua ereção em torno, sem dúvida, a enviava em seu casulo. Ele não queria assustá-la. Talvez tivesse que se masturbar aqui na beira do oceano. Não havia outras casas dentro de quilômetros da propriedade da praia isolada, sem barcos na água, o que lhe dava muita privacidade. Estava duro e dolorido, e não levaria muito tempo para gozar. Ele abaixou o moletom parcialmente e tirou seu pênis, levando-o firmemente em suas mãos. Puxou em sua mão, e rolou seu polegar sobre a cabeça. Garrett imaginou Alicia saindo agora, vendo-o assim. Ele sabia como ela provavelmente iria reagir, mas imaginou como ele iria querer que ela reagisse. Queria que ela caísse de joelhos e colocasse a boca nele. Suas bolas apertaram com a imagem mental de seus lábios em torno da cabeça inchada, com a língua para fora sacudindo e lambendo as gotas de pérola de fluido que se espalharam a partir da ponta. Ela tinha uma boca linda. Tinha pensado em beijá-la de novo, muito. Com certeza, ele se concentrou em suas mãos, porque ela tocou, mas sua boca, sim, queria a boca dela. Em sua boca, em sua pele, e definitivamente em seu pênis. Suas bolas apertaram, e ele agarrou seu pênis, apertando-o quando empurrou a mão sobre a pele macia. Ele inclinou a cabeça para trás e fechou os olhos, tão perto da borda que estava pronto para explodir. Mas a fantasia de Alicia sobre os joelhos era doce demais para deixar ir. 148


Apenas mais alguns minutos.

***** ALICIA PRESSIONOU UM PANO FRIO EM SEU PESCOÇO, jogou água no rosto, andou para trás e para frente em seu quarto e, finalmente, abriu a janela, esperando que o ar da noite fosse fazer algo para trazer a temperatura interna do corpo para baixo. Mas nada funcionou. Tendo as mãos de Garrett nela não tinha ajudado, e por mais que tentasse convencêlo a parar, ele não tinha. Primeiro as mãos, em seguida, o pescoço e os ombros. Tinha-lhe dado arrepio. No treinamento de terapia, todos tinham tocado uns aos outros. Ela teve muitos homens atraentes colocando as mãos sobre ela, e nunca tinha ficado excitada. Nem uma vez. Afinal, esse era o seu trabalho. Ela nunca tinha sido atraída para qualquer um dos homens que tinha ido para a escola ou trabalhado, quer na qualidade de colega ou com um paciente. Até agora. Ficar aqui em casa só ia piorar as coisas. Isto tinha sido um erro. Mas era mais forte do que a sua libido e suas fantasias, e poderia ganhar controle sobre eles. Não poderia? Ela apertou as mãos frias no rosto quente. O que havia de errado com ela? Devia obter um controle sobre si mesma, tinha que colocar alguma distância entre eles, colocar o fogo sexual para fora, ou ela nunca seria capaz de fazer seu trabalho. Porque a distância física era uma impossibilidade. Ela tinha que ser capaz de tocar Garrett e não ficar em chamas cada vez que fazia. Ela abriu a porta de trás, deixando a brisa fresca ventilar as chamas. E depois parou, seu queixo caiu quando viu Garrett. Ela piscou os olhos, certo de que estava imaginando o que viu. 149


Mas à medida que seus olhos se adaptaram à escuridão do lado de fora, ela viu a forma de Garrett na beira da água. Seu moletom estava abaixo em seus quadris, e ele tinha seu pênis em sua mão, puxando-o lentamente através de seu punho. Ele tinha a cabeça jogada para trás e os olhos fechados, a tensão em seu corpo era evidente quanto se tocava sozinho. Sua garganta ficou seca. Ela não conseguia engolir, não queria se mover, com medo que o menor movimento chamasse sua atenção. Ela tinha que sair da luz, então deu um passo para trás, vergonha que estava olhando para ele neste momento particular, mas tão encantada com o que estava fazendo, ela não podia se virar. Ele era lindo, seu peito nu, de costas inclinado enquanto empurrava seu pênis em seu punho, imitando o ato sexual enquanto golpeava seu eixo para frente. Sua vagina apertou, o clitóris vibrou, exigindo sua atenção. Ela enfiou a mão em seu short e espalmou seu sexo, a necessidade de liberação. Ela sussurrou um suspiro enquanto observava sua excitação aumentar, desejando que ela fosse ousada o suficiente para andar lá fora, e enfrentá-lo, mostrar-lhe o que ela precisava. Queria dar-lhe tanto o que obviamente queria. Mas não podia. Ficar escondida foi emocionante, fazendo-a pulsar com quer e precisar, mas era totalmente insatisfatório quando o que realmente queria estava lá fora, na praia, satisfazendo a si mesmo. Ele a queria esta noite, a prova tinha estado tão claramente delineada. E ela se afastou. Agora, ele estava cuidando de suas próprias necessidades, quando ela poderia estar lá fora, de joelhos na areia, com a boca em seu belo pau, lambendo a crista, levando-o entre os lábios e sugando-o até que ele explodisse. Até que ambos explodissem. Seu corpo ficou tenso com a necessidade, e as pernas tremeram quando varreu os dedos sobre sua boceta doendo, sua pulsação batendo quando ela escorregou os dedos para dentro, imaginando qual seria a sensação de Garrett empurrou-a para a areia e mergulhando seu pênis dentro dela.

150


Ela soltou um gemido baixo, os dedos molhados e sua boceta agarrando-os apertado ao vê-lo. Seu corpo era a perfeição absoluta, enquanto ele rapidamente puxava seu pênis. Ele parecia um deus do mar lá fora, seu corpo banhado pelo luar, com a cabeça inclinada para trás enquanto se movia com a graça fluida de alguém que conhecia suas próprias necessidades — muito bem. Ele estava perto de vir. Então, ela estava enquanto esfregava a palma da mão contra seu clitóris. Queria que ele fodesse com ela, queria sentir seu corpo musculoso quente e escorregadio contra o dela, dirigindo sem parar dentro dela, rolando contra até que ela estilhaçasse. E enquanto ele empurrava seus quadris para frente e vinha atirando de seu pênis, ela mordeu o lábio e forçou a voltar o gemido quando ela veio, enterrando seus dedos dentro de sua vagina quando ondas de orgasmo derramaram dela. Eles estavam vindo juntos, e tudo o que ela queria era Garrett dentro dela, agarrando seus quadris enquanto batia a sua libertação dentro dela. Úmida e abalada, ela virou-se, encostada à parede. Puxou a mão de seu short, prendeu a respiração e fechou os olhos, revivendo o momento uma e outra vez enquanto seu corpo pulsava com as sequelas do orgasmo incrível. Quando alguns minutos se passaram e ela se atreveu a dar uma olhada para fora da janela, Garrett tinha ido embora. Ela entrou no banheiro e olhou-se no espelho. Suas bochechas estavam rosadas, sua pele estava úmida, e todo o seu corpo tremia. Tanto para fugir aqui para resfriar seu corpo. Ela era um naufrágio. Seus mamilos formigavam e sua boceta tremia. Ainda estava excitada, a imagem em sua cabeça não ia embora. Diante de Garrett amanhã ia ser muito difícil. Fugindo dele hoje à noite não tinha ajudado em tudo. Somente tinha feito pior.

151


Capítulo Treze GARRETT SE LEVANTOU E FOI PARA UMA CORRIDA CEDO, então pegou um pouco de suco e foi direto para a academia para um treino de elevação. É aí que ele encontrou Alicia, que estava vestindo calças spandex apertadas de ioga e um top. “Se importa se eu trabalhar com você,” ela perguntou, colocando a toalha e água engarrafada sobre a elíptica. Masturbar ontem à noite não tinha colocado ele no melhor humor. Imaginou que a corrida poderia gerar algumas endorfinas, mas ainda estava de mau humor. “Você pode fazer o que quiser. Há uma abundância de equipamentos aqui.” Ela não parecia aborrecida. “Ok, obrigado.” Ela colocou os fones de ouvido, ouvindo o que ele assumiu ser música, e começou seu treino. Em vez de se concentrar em sua bunda, movendo para cima e para baixo sobre o elíptico, ele estava determinado a se concentrar em seu treino. A única coisa que sempre podia contar para distraí-lo era treinar seu corpo. Trabalhou com os pesos, pelo menos aqueles que ele tinha permissão para fazer por conta própria, o que significava pernas e abdominais. Treinar o corpo superior estava fora dos limites, exceto sob a direção de seus treinadores ou sua terapeuta, então teria que esperar por Alicia. Tinha perdido a noção do tempo, mas não tinha perdido o caminho de Alicia, que depois de trabalhar até suar no elíptico havia se mudado para pesos. Ela era forte. Não tinha nenhuma vez pedido para ajudá-la, e apesar de ser pequena, poderia levantar uma quantidade razoável de peso por conta própria. Ele ficou impressionado, e gostaria de ficar vendo seu corpo. Ele não deveria estar fazendo nada disso, já que é o que o tinha colocado em um mau humor para começar. Talvez devesse cobiçar menos a sua forma e dar mais atenção para a sua própria. 152


“Você está pronto para que eu possa trabalhar em sua parte superior do corpo,” ela perguntou, passando a toalha sobre seu pescoço e no peito, o que o fez se concentrar em seus seios, que não eram grandes, mas ainda o fez querer correr a sua língua através de seu decote. Ela estava úmida de suor, o fazendo pensar em fazê-la suada de outras maneiras. Nua. Maldição. “Claro.” Quanto mais cedo ele terminasse este treino, mais cedo poderia evitá-la, o que era o seu novo plano. Evitar. “Vamos começar com um banco de supino para aquecê-lo,” disse ela, e eles partiram para o trabalho superior do corpo. Ele foi pelos movimentos, e fez o treino, em seguida, agarrou a toalha. “Nós não terminamos, Garrett,” disse ela. Ele franziu a testa. “Essa é a rotina normal.” “Pensei em mudar hoje, adicione um pouco mais de peso.” “Realmente.” “Acho que o ombro precisa ter algum stress adicionado a ele. Precisamos levá-lo aquecido até começar a jogar os arremessos.” A ideia de lançar um arremesso fez doer à boca do estômago. Desde a lesão, era tudo o que podia pensar. Isso era tudo o que ele estava trabalhando. E tudo o que temia. Mas se recusou a recuar, se recusou a deixar o medo o controlar. Ele estaria voltando para o jogo novamente ou teria que aceitar que seus dias como um lançador acabaram. E só havia uma maneira de descobrir. Ele jogou a toalha para baixo, animado para ser desafiado. O dia já estava olhando melhor. “Tudo bem. Vamos fazê-lo.” Duas horas mais tarde, o seu entusiasmo havia diminuído. Entre os pesos e os exercícios terapêuticos e mais do que isso o alongamento horrível que estava começando a 153


lembrá-lo de alguma forma do sadismo por parte de Alicia, ele estava mole como um macarrão cozido demais. Sentou-se afundou no sofá da sala, enquanto a terapeuta atualizava seu notebook. “Acho que você está tentando me matar.” Ela momentaneamente ergueu o olhar para ele e sorriu. “Covarde.” “Admita. As outras equipes em nossa divisão pagaram a você para me destruir.” Outro olhar rápido. “Oh, chupe isso. O seu não é mesmo a pior lesão que já vi.” Ele ficou em silêncio por alguns minutos, observando enquanto ela se concentrava, digitando, mordendo o lábio inferior, em seguida, fez mais algumas notas. Ele percebeu quando ela estava concentrada, poderia se fechar de tudo, incluindo suas reclamações constantes, as quais estavam, obviamente, caindo em ouvidos surdos. Cansado de si mesmo, ele levantou-se e fez sanduíches para o almoço. “Hei,” ele finalmente disse, gritando para ela da cozinha. “Sim?” “Almoço.” Ela se levantou e entrou na cozinha. “Sério? Você fez o almoço? Eu poderia ter feito isso.” “Você estava trabalhando. E posso colocar um sanduíche de peru juntos. Embora o seu seja sem o peru. Espero que você não se importe de abacate e todas essas coisas de vegetais e grama.” Ela riu. “Eu amo abacate.” Ela sentou-se à mesa e deu uma mordida, em seguida, fez um gemido que fez suas bolas tremerem. “Oh, você tem habilidades de fazer sanduíches loucos. Obrigado. Eu estava ficando com fome.” “Você estava trabalhando longe de lá.” Ela engoliu em seco e assentiu. “Eu tenho grandes planos para você.” Seu ombro estremeceu em resposta. “Ótimo.” “Você vai gostar. Eu prometo.”

154


Ele duvidava. “A única coisa que vou gostar é quando os Rivers me colocar de volta na rotação da partida.” Ela tomou uma mordida de seu sanduíche e estudou-o como um experimento científico. Ela estava, sem dúvida, pensando sobre novas maneiras que poderia rasgar seu ombro. Ele terminou seu sanduíche, tentando não vê-la olhando para ele. Tinha que admitir que o deixava nervoso. “Por que você não me diz como você se machucou?” Ela perguntou. “Tenho certeza que toda essa baboseira está no meu arquivo. Você o leu, não é?” “Sim, mas não é o mesmo que ouvir isso de você. Quero saber o que estava fazendo, o que lembra sobre sua mecânica do corpo. Queremos ter a certeza que não aconteça de novo quando você lançar no monte de novo.” Ele deu de ombros. “Eu estava lançando.” “Que lance?” “Um deslizante. Recuei, joguei dando o passo, e senti um beliscão. Depois disso, eu estava dolorido.” “Mas você não saiu do jogo imediatamente.” “Não. Terminei o turno.” “E armou outro depois disso.” Ele fez uma careta, lembrando a caminhada do primeiro jogador, a chegada à base, e as três corridas para o home run, antes que o treinador o tirasse do jogo. Tinha sido um pesadelo. Sabia que seu ombro estava machucado, sabia que estava jogando nada, além de merda e não tinha havido nada em sua bola rápida. Mas quando o treinador dos lançamentos saiu após o jogador chegar a base, ele prometeu ao treinador, que ainda tinha, que poderia obter o próximo batedor fora. Nada como lançadores e seus egos. Eles nunca queriam admitir a derrota. Mas isso tinha sido diferente. Ele estava ferido e sabia disso, e continuou a lançar. E isso custou a sua equipe.

155


“O treinador devia ter puxado você. E pior ainda, você devia ter dito a eles que estava machucado. Você custou à equipe por causa de três corridas.” Era como se ela estivesse lendo sua mente. “Uau, você não puxa qualquer socos, não é?” “Não vejo nenhuma razão para soprar fumaça no seu traseiro quando você sabe que é a verdade. Uma das coisas que tento trabalhar com os atletas e ler os sinais do seu próprio corpo. Quando você está ferido, o tempo de recuperação pode ser muito mais rápido se você descer tão logo você sente dor.” Ele revirou os olhos. “Oh, vamos lá, Alicia. Se eu parasse de lançar cada vez que eu sentisse uma dor ou uma fisgada, eu estaria fora do jogo.” “Não me alimente com essa linha de besteira. Você sabe a diferença entre o desconforto, fadiga por excesso de uso, e o “Oh, não, eu realmente me machuquei.” Você sabia disso naquele dia, não foi?” Ele não respondeu. Ela se inclinou para trás, obviamente confiante de que estava certa. “Isso é o que eu pensava. Você não queria sair do jogo, o que é normal. Entendo isso. Meu irmão e primos são teimosos como você. Eles jogam machucados. Vocês todos fazem. É parte de sua constituição psicológica, como os atletas a pensam que são impermeáveis. Mas olha onde você está agora. Você perdeu a segunda metade da temporada com esta lesão. Você tem sorte que essa lesão não lhe custou sua carreira.” Irritação atravessou suas terminações nervosas. “Não é a primeira vez que ouvi esta palestra, você sabe.” “Tenho certeza que não é. Mas pode não ser a última vez se isso não entrar em sua cabeça. Quantas vezes você acha que o ombro vai aceitar esse tipo de abuso? Você tem um braço de foguete e uma bola perversa. Romper como o desenvolvimento do tecido cicatricial, e uma repetição de uma lesão como essa vai terminar a sua carreira.” Bem, ela pintou este quadro em letras grandes de merda em um céu azul claro, não tinha? 156


Os médicos tinham pelo menos mais agradáveis com ele com sorrisos e pensamento positivo, disse que ele estaria de volta na rotação, em algum momento com todos. Só que ele não tinha voltado na rotação, e todos estes meses mais tarde, não se sentia como se tivesse estado pronto para lançar novamente. E a abertura da temporada estava caindo sobre ele como um maldito Armageddon. “Essas são as palavras mais suaves de encorajamento que você gostaria de me dar?” Ela empurrou o prato para o lado. “Vamos lá, Garrett. Você não me escolheu porque eu te dei tapinhas na cabeça e dize-lhe o quão incrível isso tudo vai ser. Você me escolheu porque sabia que eu ia ser franca com você, assim como eu estava naquele primeiro dia. E a única coisa que pode sempre contar e com a minha honestidade. Eu também estou indo para forçá-lo a ser honesto consigo mesmo, e isso significa reconhecer o quanto é importante para aprender a ler os sinais do seu corpo.” “Odeio ser retirado de um jogo.” “Claro que você faz. Você é um atleta e um bom arremessador maldito.” “Mas fodi tudo naquele dia, e isso me custou o meu braço.” Ela lhe deu um sorriso. “Não permanentemente. Nós vamos corrigi-lo, e você vai lançar novamente. Acredito nisso. Agora você tem que acreditar também.” Depois do almoço, Alicia desapareceu, alegando que precisava fazer algumas ligações. Garrett saiu e tomou um passeio na praia para limpar sua mente. Revivendo o dia da sua lesão não tinha sido um piquenique. Nunca quis pensar nisso, porque quando fazia, o fez perceber que babaca arrogante tinha sido aquele dia. Deveria ter ido fora do monte assim que soube que estava machucado. Em vez disso, achou que era invencível, que poderia salvar o inning 16, salvar o jogo, e que nada poderia detê-lo, nem mesmo a dor. Que merda de idiota tinha sido. Desapontou a sua equipe e ferrou-se ao longo do processo. 16

Uma das nove divisões ou períodos de um jogo regular, em que cada equipe tem uma volta no bastão limitado por três foras. 157


Ele sempre tinha que aprender as lições da maneira mais difícil. Alicia estava certa. Ele tinha que fazer melhor em ouvir o seu corpo, porque não queria passar por isso novamente. Quando ele voltou, depois de sua caminhada, ela estava o esperando. Ela puxou o cabelo em um rabo de cavalo e colocou o tênis. Tinha uma bolsa de ginásio pendurada no ombro. “Indo para algum lugar?” “Nós estamos indo para algum lugar. Vá se trocar.” Ele arqueou uma sobrancelha. “Em?” “Roupas de treino confortável.” E agora? Enterrando-o na areia e fazendo-o suar? Talvez o amarrando em algum lugar ou esticando-o em um daqueles suportes de tortura medieval? Ela podia ser muito inventiva. E assustadora. “Para onde estamos indo?” “Você vai descobrir quando chegarmos lá.” Ele mudou, e entraram no carro. Ele se virou para ela. “Onde?” “O estádio de beisebol.” Agora isso ele não esperava. Medo e emoção bateram em seu estômago. Ele ligou o carro e dirigiu pela estrada em direção ao estádio. Treinamento de primavera estava em andamento, e ele não fazia parte disso. Deus, ele realmente queria fazer. “A equipe não está aqui hoje, você sabe,” disse ela quando ele puxou para o estacionamento vazio. “Eles têm um jogo fora de casa.” Ele desligou a ignição. “Conheço o calendário.” Ele sabia cada jogo, onde a equipe foi jogar, e o fato de que ele não estava jogando com eles. A cada dia que passava sentiu a temporada escorregar por entre os dedos. Treinamento de primavera estava em curso há algum tempo. E estava perdendo. Contou os dias até o início da temporada. Que sempre tinha sido sua data prevista para voltar ao monte. Agora essa data estava respirando no seu pescoço como uma feia besta — o sombreando todo santo dia e fazê-lo perder o sono à noite.

158


Ela pegou a bolsa e foi para a porta. Eles mostraram as suas credenciais para o guarda, que os deixou entrar para o estádio. Quando pisou no campo, seu estômago revirou e ele começou a suar. Alicia pegou uma luva de beisebol e uma bola fora de sua bolsa. O coração de Garrett saltou em seu peito. “O que é isso?” “A minha luva. Uma bola. Meio óbvio, não acha?” Ela tirou a luva de sua bolsa e jogou-a para ele. Ele franziu a testa. “Onde você conseguiu isso?” “Do seu treinador.” Ele não tinha trazido junto, achou que não iria chegar longe o suficiente para que pudesse precisar. “Pensei em jogarmos um pouco de captura hoje.” Ele arqueou uma sobrancelha. “Você vai jogar a bola.” “É claro.” “Que tipo de bola um lançador pode atirar em você?” Ela riu. “Você não está pronto para jogar uma bola rápida, no entanto, lançador. Vamos devagar, para começar, em seguida, começar a trabalhar em sua mecânica.” Ela mexeu-se atrás da caixa do batedor e esperou. Garrett olhou para sua luva, em seguida, sobre o monte. “E então?” Ele desviou o olhar para Alicia, que estava jogando a bola no ar e pegando-a em sua luva. “Vamos aquecer o braço,” disse ela, em seguida, atirou-lhe a bola. Instintivamente ele pegou, então caminhou até o monte. Ele ficou no monte, a palma da sua mão enrolada em torno da bola, seu alvo a poucos metros de distância. Tudo era tão familiar, mas se sentiu tão foda de estranho para ele. Onde uma vez se sentiu tão confortável — o monte do arremessador era como uma 159


segunda casa para ele — afinal de contas, agora se sentia como se nunca tivesse estado aqui antes. Como se fosse a sua primeira vez. De certa forma, era uma primeira vez. Seria a primeira vez que jogaria uma bola desde que se machucou, desde que sentiu aquela pontada de dor que tinha se transformado em algo maior que ameaçou deixar de lado sua carreira. Suor escorria pelo seu rosto. Ele bateu com as costas de sua manga e focou em Alicia que esperava pacientemente por ele para atirar-lhe uma lenta, passo simples, dissimulado. Ela não sabia, não tinha ideia de como monumental maldito este momento era. Ou talvez realmente não fosse um grande negócio em tudo. Ele estava fazendo mais por isso do que era. Basta jogar a porra da bola, idiota. “Tudo bem aí?” Ela perguntou, sua voz leve e fácil, mas ele sabia que estava preocupada. “Tudo bem. Apenas começando... minha cabeça está se organizado. Estou um pouco enferrujado.” “Leve o seu tempo. Eu não tenho pressa.” Tinha sido um dia quente como o de hoje — só o calor do verão e em Cleveland — quando recuou e jogou o controle deslizando onde tinha começado tudo. Ele virou a bola na mão, lembrando desse dia como se tivesse sido ontem, em vez de meses. “É só lançar, Garrett. Sem pressão.” Era mais do que captura. Isto era o seu futuro, a sua carreira. Se ele não pudesse fazer isso, algo simples como isso... tudo estava acabado para ele. Ele apertou a bola na mão, congelado, incapaz de se mover. “Você quer tentar novamente um outro dia?” Ela começou a ir em direção a ele. Ele endireitou-se, estendeu a mão. “Não. Apenas me dê um segundo.” Ela parou, depois assentiu. “Claro.” Ele nunca lançaria novamente se não jogasse — se não tentasse, pelo menos. Ela estava certa. Era só jogar. 160


Ele engoliu em seco, ou tentou a garganta tinha ido — como areia seca. Estava suando, e suas pernas tremiam malditamente, mas segurou a cabeça e balançou a cabeça. “Ok.” “Sem arremessos ainda. Não coloque qualquer astúcia na bola. Apenas atire para mim. Comece dissimulado.” “O quê? Isto não é futebol.” “Eu sei disso. Mas precisamos aquecer seu braço, incluindo todos os músculos e tendões que não tenham obtido o uso em um tempo. Vamos jogar um pouco dissimulado, então vamos seguir em frente a partir daí.” Não era exatamente a mecânica do arremesso que ele estava procurando, mas era um começo. Ele respirou fundo e jogou a bola — dissimulado — para ela. “Como você se sentiu?” Ela perguntou. “Como uma garota.” Ela revirou os olhos e jogou a bola para ele. “Bom. Jogue-me mais alguns arremessos garota.” Ele fez, seu braço não estava tão duro ou dolorido, como esperava. E não doeu. “Posso jogar uma com efeito agora?” “Não. Vou deixar você saber quando.” Frustrado, ele jogou mais arremessos. Dissimulado. Fracamente. Mais de vinte e seis vezes até que seus dentes estavam cerrados com tanta força que sua mandíbula doia. Alicia finalmente concordou. “Isso está bom. Agora jogue uma com efeito. Suavemente. Eu não posso enfatizar o suficiente da palavra suavemente, Garrett.” “Então você quer que eu lance um foguete de uma bola tão duro em sua luva que eu vou jogar você na sua bunda?” Ela nivelou-o com um olhar. “Não, se você quer lançar este ano.” Ele finalmente relaxou os ombros e sorriu, um pouco da elevação de tensão indo. “Você não tem senso de humor.” 161


“Não quando estou trabalhando, eu não sei. Gentilmente.” Ela até baixou a voz quando disse a palavra, como se ele fosse tão maçante de raciocínio que não entendia o conceito. Ele não tinha passado por meses de reabilitação esgotante para acabar com isso com um arremesso. Ele revirou os ombros, se sentiu bem, então jogou a bola com efeito. Suavemente. Não doeu. Porra, não doeu jogar uma bola, mesmo que tinha jogado como um maricas. “Como se sente?” “Senti-me bem.” “Sem pontadas ou dores repentinas?” “Nenhuma.” “Bom. Faça novamente. Calma, ainda.” Animado, ele atirou novamente, fazendo o seu melhor para seguir suas instruções e manter seu lance tão suave quanto podia. Sem dor. Eles lançaram a bola para trás e para frente por cerca de quinze minutos, até que Alicia lhe disse que eles estavam fazendo uma pausa. Frustrado, ele saiu do monte em direção a ela. “Estava apenas se aquecendo.” Ela enfiou a mão na bolsa para duas garrafas de água. “Vai ser uma pequena pausa.” Eles se sentaram no banco e Garrett tomou vários goles de água, olhando para o monte, ansioso para voltar lá fora. Ele se virou para ela. “Quero fazer um arremesso. Um verdadeiro arremesso, Alicia.” Alicia balançou a cabeça. “Você não está pronto ainda.” “Nós já estamos no treinamento de primavera. E estou perdendo. Joguei a bola e me senti bem.” Ela levantou o olhar, e ele viu a compreensão em seus olhos. “Jogar algumas bolas a poucos metros não é a mesma mecânica de arremessos, e você sabe disso. Aqueles não foram ainda arremessos de aquecimento. Não houve velocidade neles. Estamos apenas esticando seus músculos agora, deixando o seu braço bom para atirar de novo.” 162


Decepção o corroeu. Ele olhou para o monte, um lugar que, de repente sentiu a um milhão de milhas de distância. “Quanto tempo para poder lançar?” “Nós vamos voltar lá em poucos minutos, e você pode jogar novamente.” “Quero dizer no campo. Uma curva, mais efeito, uma mudança de direção.” “E uma bola rápida?” “Sim, isso também.” Ele estava realmente ansioso para lançar um pouco de calor, ver como se sentia. Sentiu a falta de arremessar. “Mais cedo do que você pensa.” “Isso significaria hoje. Meu braço se sente bem.” Ela se levantou e colocou a água para dentro da sacola. “Seu braço não está pronto hoje. Vamos jogar um pouco mais.” Ele queria discutir, e quando chegou ao monte, queria tirar uma conclusão e explodir um lançamento em sua luva. Logicamente, entendeu o que ela dizia fazia sentido. Apressando-se a sua recuperação poderia prejudicar o seu progresso. Mas caramba, se não tomava cada grama de contenção que tinha para puxar para trás e arremessar as bolas suaves. Mas, quando continuou a jogar, começou a ver a sabedoria em sua abordagem. Depois de trinta minutos o braço se sentiu cansado. Ele não quer sair, porque, filho de uma cadela, não estava mesmo jogando arremessos. Eles estavam jogando bola e nada mais. Mas Alicia tinha algum tipo de sexto sentido estranho. Ela se aproximou do monte, a bola na mão. “Acho que isso é o suficiente por hoje. Vamos voltar para a casa e colocar gelo.” Ele não queria admitir a derrota. “Eu posso ir um pouco mais.” “Não, você não pode. Isso é o suficiente por hoje.” Sem esperar por seu próximo argumento, ela girou, deixou o monte, e arrumou a bolsa. Fim de jogo. 163


Ele voltou sobre o monte. Lanรงou uma bola. Mas certo como inferno sentiu como uma perda hoje.

164


Capítulo Quatorze ALICIA TINHA LIDO A DERROTA NO ROSTO DE Garrett depois de deixar o campo. Ela pensou que ele estaria animado para chegar lá e jogar de novo, mas não contou com o fator que ele queria arremessos — arremessos reais — e o quanto não ser capaz de fazê-lo iria devastá-lo. Quando ele foi pela primeira vez no monte, ela tinha lido o medo em seu rosto, e por um tempo lá ela estava com medo que ele não ia ser capaz de reunir a coragem até mesmo de lançar bolas dissimuladas. Mas ele tinha. Então tinha o visto animado, e ela tinha ficado animada por ele. Até que ele descobriu que não ia ser capaz de lançar seus arremessos padrão. Então, tinha ficado chateado. Ela entendia a sua frustração, mas também sabia o que era melhor para a sua recuperação, mesmo que ele não fizesse. Homens e seus egos. Já era ruim o suficiente que para grande parte dos homens consideravam que sua auto-estima estava amarrada a seu pênis. Havia também a questão não-tão-pequeno de carreira. Sexo e carreira eram os disjuntores do negócio. Perder a capacidade de executar qualquer um desses, e ela soletrou a desgraça para um homem, pelo menos em sua mente. Ela estava certa, embora fosse um palpite e, provavelmente, uma fantasia de sua parte, que Garrett era um mestre no departamento de sexo. Sua carreira, no outro lado? Essa parte ainda estava no ar. Ela teria adorado o deixar lançar hoje. Tinha visto os filmes do jogo. Inferno, tinha ido para os jogos e assistido. Garrett era magnífico. Tinha um controle deslizante sorrateiro e uma bola perversa. Ela queria vê-lo jogar esse calor novamente. Mas ele ainda não estava pronto. No fundo, sabia que ele estava ciente disso, mas odiava ver a decepção no rosto. 165


Ele estava indo para estar pronto em breve. Seu braço se moveu facilmente hoje em dia, e não tinha exibido qualquer sinal de dor. Não demoraria muito para que eles pudessem começar a aliviar em lançar arremessos reais. Mas ele não ia ser paciente, o que significava que ela ia ter que encorajá-lo e dar-lhe um plano realista que ele ia ficar a bordo e não tentar apressar as coisas. Ela sabia que ele estava impaciente, e a última coisa que queria era que Garrett sofresse um revés. Isso podia destruí-lo. Depois de arrumar seu equipamento, ela entrou na sala de treino para tirar o bloco de gelo que colocou no ombro de Garrett. Ela parou na porta, impressionada com a visão dele reclinado sobre o colchão almofadado, com as costas contra a parede. Suas pernas estavam esticadas, os olhos fechados, apenas a quantidade certa de restolho salpicando sua mandíbula, o que obviamente atraiu atenção para sua boca. Esse conjunto teimoso para sua mandíbula também era parte do que o fez tão sexy. Ela gostaria de ficar em cima dele e colocar os lábios nos dele, saborear sua boca, só para ver o que ele faria. Então ela balançaria contra ele e descobriria quanto tempo levaria para chegar duro. Percebendo que ela tinha tomado sua fantasia visual até sua virilha, agarrou-se fora de seu devaneio sujo, chocada ao descobrir que seus olhos se abriram. Ele estava olhando para ela com um olhar de fome que enviou uma pontada de desejo em seu núcleo. Ela passou uma noite muito mal dormida lembrando-se que ele era um paciente, ela era sua terapeuta, e ia parar de fantasiar sobre ele ou pensar nele, de qualquer maneira pessoal. Essa resolução não durou por muito tempo, tinha? Que rocha você é, Alicia. Ela limpou a garganta e entrou, mantendo seu foco sobre um pé acima de sua cabeça. “Acho que você já gelou o suficiente.” Ela estendeu a mão para o bloco de gelo, mas sua mão serpenteou e envolveu em torno de seu pulso, obrigando-a a olhar para ele. “Eu não estou gelado.” 166


Ela sentou-se ao lado dele e colocou a mão em seu ombro. Estava frio do gelo. “Você está sentindo dor?” Seus lábios se curvaram. “Sim, você poderia dizer isso.” “Diga-me onde está doendo.” “Exatamente onde você estava olhando, quando peguei você olhando para mim.” Seus olhos arregalaram, e ela começou a se afastar, mas a mão em seu pulso a parou. Mortificada, ela tentou se afastar novamente, mas ele a segurou ainda. “Por que você está lutando contra isso? É o que nós dois queremos.” Ela finalmente olhou para ele. “Eu não quero isso. Deixe-me ir.” Ele soltou o pulso, e ela saiu do quarto, sentindo-se como uma covarde. Porque ele estava certo. Ela o queria. Muito, seu corpo todo pulsava. Ela entrou em seu quarto e fechou a porta, subiu na cama e colocou seu rosto entre as mãos, sentindo-se ridícula por fugir. Ela não era uma adolescente assustada que não sabia como ter uma conversa com alguém do sexo oposto. E certamente não era virgem. Deveria ter ficado e tido uma conversa racional com Garrett, explicando o óbvio conflito de interesses. Que sua carreira era mais importante para ela do que satisfazer a impulsos sexuais e que ele precisava gastar seu tempo focando em sua recuperação, que tinha de permanecer sua prioridade número um. E que tudo o que ela podia querer — ou ele podia querer — não ia acontecer. Era tão fácil de jogar a conversa fora em sua cabeça após o fato. Era tão simples. Afinal de contas, assim como disse que não, ele a deixou ir. Não era como se ele estivesse sendo difícil. Garrett de todas as pessoas compreendia a importância de sua carreira. Ele podia querer, mas lidaria com o fato de que nada nunca iria acontecer entre eles. Era simples e lógico. Ele era um homem. Os homens não eram emocionais. Ele pegaria isso. Armada com nova determinação, saiu da cama e foi em busca dele, encontrando-o na cozinha, verificando na geladeira. “Garrett.” 167


Ele não olhou para cima. “Sim.” “Nós precisamos conversar.” “Prefiro comer. Estou morrendo de fome.” Ele fechou a geladeira, então olhou para ela. “Quero um bife. Posso fazer uma daquelas coisas de tofu para você. Talvez com uma batata cozida e salada?” Ela vagamente registrou sua lista de itens do menu. “Uh, sim. Claro. Mas nós precisamos conversar.” “Podemos falar durante o jantar, quando meu estômago não estiver roncando. Vou acender a churrasqueira. Que tal você fazer a salada?” Ele saiu da cozinha e a deixou ali, seu ardente discurso preparado murchou tão rápido quanto a sua confiança. Talvez ele tivesse conseguido passar mais rápido do que ela pensava. Ou talvez se sentiu rejeitado, seus sentimentos estavam feridos, e ele estava escondendo isso dela, fingindo que a conversa na sala de treino não tinha acontecido. Isso era provavelmente como ela lidaria com isso. Mas ele era um cara, e ela era uma mulher, e as mulheres eram emocionais, de modo que não tinha ideia do que ele estava realmente pensando. Merda.

***** O JANTAR FOI... NORMAL. OH, A COMIDA ESTAVA BOA, mas Alicia mal se lembrava de comer. Recusando-se a deixar a conversa que pretendia ter com Garrett ser empurrada para o lado, ela fez uma lista na cabeça de todos os pontos que queria discutir com ele. Depois do jantar, porém, apenas no caso que resultasse em aborrecê-lo. Não havia sentido em arruinar a refeição. 168


E tudo bem, estava protelando porque ia ser desconfortável. Mas em algum ponto esta noite os dois estavam indo para conversar. Quando terminaram, lavaram os pratos. Ela mal tinha colocado o pano de prato quando se virou para ver que Garrett tinha desaparecido. Ela apagou a luz e o encontrou vendo o canal de surfe no sofá. Alicia pairou nas proximidades, pronta para rastejar para fora de sua pele. Ela fez algumas anotações sobre a sessão de lançamento de hoje até Garrett finalmente encontrar um filme e parar de trocar os canais. Ela pegou uma taça de vinho e pescou alguns pedaços de chocolate da tigela na mesa de café, o tempo todo observando. E esperando. E esperando um pouco mais. Não queria interromper seu filme, mas era um antigo, e ela estava certa de que ele provavelmente tinha visto isso antes. Agora era o momento. “Garrett.” Ele a ignorou. Ela tentou novamente. “Garrett.” Ele franziu a testa. “Sim? O que foi?” “Nós precisamos conversar.” Seu olhar virou para ela e para a televisão e vice-versa. “Não pode esperar? Estou assistindo a esse filme.” Ela suspirou. “Claro.” Uma hora e meia depois, ela tinha tomado duas taças de vinho e mais chocolate do que pretendia. Também tinha lido metade de um livro e o filme acabou. Garrett pegou uma bebida e retomou ao canal de surfe. Oh, não. Isso não estava acontecendo. Ele não podia evitá-la para sempre. Mexeu-se e pegou o controle remoto dele. “Hei. Eu estava—” “Evitando ter uma conversa comigo.” Ele revirou os olhos. “Tudo bem. O que você quer falar?” “O que aconteceu antes. Na sala de treino.” 169


“Não aconteceu nada. Você deixou claro que não queria que nada acontecesse. Não sou nenhum cientista, Alicia, mas ouço a palavra não quando é afirmado.” “Okay. Isso é bom, e aprecio isso.” “Mas você sabe tão bem quanto eu que o que saiu de seus lábios não é o que o seu corpo está lhe dizendo.” Ela estremeceu em uma respiração. “O que eu quero e o que vou ter, não tem que ser mutuamente, inclusive. Sou sua terapeuta. Este é o meu trabalho. Você é meu paciente. Sua recuperação é primordial. Envolver-se um com o outro iria alterar o nosso relacionamento com cliente / paciente e poderia acabar machucando algum de nós — profissionalmente e pessoalmente.” Ele se esticou no sofá, olhando preguiçosamente sexy. “Nós não temos que ficar 'envolvidos',” ele disse, usando aspas em torno da palavra. “Mas podemos aliviar um pouco a tensão e se divertir ao mesmo tempo.” “Eu tomo sexo muito a sério, Garrett.” Ele empurrou para fora do sofá, aproximando-se ao seu lado. Sua respiração era quente em seu rosto enquanto colocava um de seus cachos atrás da orelha. “Oh, acredite em mim, Alicia. Eu também faço.” Oh, Deus. Ela não deveria ter dito isso. “Não foi isso que eu quis dizer.” Seu olhar vagou sobre seu rosto, seus olhos ternamente sensuais, seus lábios apenas alguns centímetros do dela. “Então me diga o que você quis dizer.” Ela engoliu em seco, a garganta tão seca que mal conseguia falar. Seu coração batia tão forte que mal podia ouvir, sua lista cuidadosamente formada esquecida pela proximidade de Garrett. Ela colocou a mão em seu peito para afastá-lo, mas a sensação dele a tentou de forma que já não podia negar. Ela agarrou sua camisa na mão em vez disso, suas unhas cavando a parede sólida, testando e provocando. Queria raspar as unhas em sua pele nua enquanto ele golpeava implacavelmente contra ela. “Alicia.” 170


Sua voz, sua respiração, sussurrou em seu rosto. Ela levantou a cabeça para olhar para ele, umedeceu os lábios e, como uma presa de animal, seu olhar seguiu. “Eu amo meu trabalho, Garrett. Não vou fazer nada para prejudicá-lo. Você sabe quais são os riscos para ambos se nos envolvermos.” “Nunca faria nada para prejudicar o seu trabalho. Se isto não é o que você quer, eu vou recuar.” “Você tem que pensar sobre sua carreira, sobre a sua recuperação.” Seu olhar estreitou. “Estou tão cansado de pensar nisso. É tudo que tenho pensado sobre por meses. Quero desligar por um tempo e pensar em outra coisa, como segurar uma bela mulher em meus braços.” Alicia estremeceu. Dividida entre saber que não deveria e desejá-lo tão mal, vibrou com a necessidade por ele, ela não sabia o que fazer. Engoliu em seco, todo o seu corpo consumido com fome para ele. Estava cansada dessa batalha, não tinha esperança de ganhar. A única opção era a rendição. “Maldição, Garrett.” Ele arqueou uma sobrancelha. “Isso é um sim ou um não?” Ela segurou um punhado em sua camisa e puxou-o mais perto. “Beije-me.”

171


Capítulo Quinze “VOU TOMAR ISSO COMO UM SIM.” Apertado com a tensão, Garrett deu um suspiro de alívio, então tomou sua boca em um beijo, sentiu como se tivesse estado à espera por meses. Seus lábios eram doces e úmidos e afundou o beijo, deslizando sua língua entre os lábios para prová-la. Ela tinha gosto de vinho e chocolate — doce e sexy, assim como sabia que seria. Seu pênis saltou para a vida, endurecendo quando puxou Alicia através dele, dobrando-a em seus braços para aprofundar o beijo. Seu corpo era perfeito contra o dele. Ele estava morrendo de vontade de tocá-la, para correr suas mãos sobre seus quadris e pernas. Ela trocou a calça jeans em shorts de algodão, e suas coxas eram suaves enquanto ele a acariciava. Garrett se perguntou se seu peito estava tão apertado quanto o dele, se achava tão difícil de respirar como ele fazia. Ele nunca foi à loucura por uma mulher. Gostava delas, e adorava fazer sexo com elas. Felizmente, havia sempre muitas mulheres ao redor, e teve a sorte de não ter que trabalhar duro para conseguir uma em sua cama. Isso devia principalmente ao fascínio de sua carreira e seu sucesso, e ele sabia disso. Mas Alicia era algo diferente, e tinha sido desde o primeiro dia em que a tinha notado no bando de terapeutas quando todos afirmavam saber o que era melhor para ele. Apesar dos uniformes feios, ele a escolheu, gostava de sua boca inteligente, e estar com ela nas últimas semanas só tinha aumentado seu desejo por ela. E agora que a tinha em seus braços e ela estava enrolando as mãos em seu cabelo, gemendo enquanto esfregava seus lábios nos seus? Sim, isso era o prêmio. Que ela se rasgou em fazer isso com ele só aumentou seu desejo por ela. Era um erro que sua batalha interna alimentou a sua fome, e ele sabia disso, mas não havia uma maldita coisa que pudesse fazer sobre isso. Ele a queria, e ela disse que sim. A menos que mudasse de 172


ideia, ele ia tocar e beijar e lamber cada centímetro de seu corpo hoje à noite, porque aquém do seu objetivo de voltar ao monte do lançador, ela tinha sido tudo o que tinha pensado. Ela se mexeu, e seu perfume fluiu ao redor dele. Fosse o que fosse que ela usava no banho ou no cabelo isso o deixava louco, e quando trabalhavam juntos, encontrou uma maneira de respirar mais profundo. Ela passava seus dedos através de seu cabelo, deixando as unhas massagear o couro cabeludo, enquanto se inclinava para o beijo, esfregando os seios contra o peito dele. Seu toque era um bálsamo mágico para o ombro dolorido, e cada dor parecia derreter quando ela colocava as mãos sobre ele. Ele sabia a diferença entre um toque medicinal e um que significava para o sexo, e quando Alicia tocou-lhe agora, não havia uma ternura que não tinha nada a ver com a terapia. Ou talvez ela sempre tinha aquele toque mágico, e ele estava tão envolvido em sua própria mente, que nunca tinha notado. Tudo o que sabia era que dividia algum tipo de ligação com ela. Talvez fosse química básica. Ele não queria definir isso. Sabia que gostava de suas mãos sobre ele, de qualquer maneira que o tocasse. Ele afastou-se, amando o jeito que seus olhos tinham mudado. Ela sempre foi assim... no controle. Agora, seus olhos estavam meio pálpebras, sonolentos de paixão, e seus lábios eram macios de beijar. Seu cabelo estava bagunçado, e desejo estava escrito por todo o rosto. Ela não tinha controle agora, e ele gostava dela desse jeito. Se alguém pudesse engarrafar esse olhar e vendê-lo no mercado aberto, eles fariam bilhões, porque nada podia acelerar um sujeito em cima mais rápido que uma mulher que olhava para um sujeito do modo como Alicia olhava para ele agora. Ela fez suas bolas apertarem, e queria jogá-la no sofá e enterrar seu pênis dentro dela, até que ela gritasse seu nome. “Mudou de ideia já?” Ele perguntou, acariciando o lábio inferior com a ponta do polegar. Ela balançou a cabeça. “Não.”

173


“Bom. Porque estamos inteiros agora, por isso, se você quiser parar, agora seria a hora de me dizer.” Ela soltou um suspiro. “Não pare.” Ele puxou a alça da parte superior do top de seu ombro, depois o outro, deixando-os em seus cotovelos. Havia algo sobre uma mulher seminua que ele achava tão sexy. Ele se inclinou e apertou um beijo para o lado de seu pescoço. Ela estremeceu. “Frio,” ele murmurou contra a coluna suave de sua garganta. “Não. Basta continuar fazendo isso.” “Isso,” ele perguntou, sacudindo sua orelha com a língua. “Tenho certeza que vou gostar de qualquer coisa que você fizer com a sua boca.” Ele rosnou uma risada. “Espero que sim, porque a minha boca vai estar em todo seu corpo hoje à noite.” Ela segurou firme a sua camisa, agarrando-se a ele como se estivesse com medo que ia cair. Gostava que pudesse deixá-la louca. E ainda não tinham começado ainda. Mas estavam prestes a fazer. Ele beijou seu caminho através de seu ombro, tomando um tempo para beliscar fora de sua pele, sentindo os arrepios aparecerem lá. Ele era incapaz de resistir a um sorriso. Seu corpo estava tão sensível, que não podia esperar para chegar a todas as partes boas. Ele puxou sua blusa para baixo. Seus seios estavam contidos em um sutiã preto e rosa muito quente de cetim que fez apertar seu pênis. Um arco xadrez correspondente estava no centro do sutiã. Ele levantou o olhar para ela. “Meu palpite é que é jogo com a calcinha.” Ela olhou para ele e agraciou-o com um meio sorriso malicioso e um aceno de cabeça. “Vamos dar uma olhada.” Ele caiu de joelhos e agarrou seu short, em seguida, puxou-o, sentado sobre os calcanhares para admirar a vista. “Uau.” “Pare com isso,” disse ela. “Alicia. Você é linda.” 174


Especialmente quando tinha essas duas manchas brilhantes de cor em suas bochechas, acrescentando o efeito global de seu corpo esguio, seios pequenos, e belas pernas longas. Seu cabelo escuro, um pouco despenteado, derramado sobre os ombros, um cacho provocando em seu seio direito. Ele espalhou suas pernas e cutucou entre elas, ficando mais próximo para que pudesse jogar com esse cacho, provocando os seios com isso, vendo-os subir e descer com suas respirações ofegantes. E quando se inclinou para beijar os montes, ela soltou um curto suspiro. Ele levantou a cabeça, estudando-a. Ela estava respirando rapidamente. “Quanto tempo tem sido para você?” Ela pegou o lábio inferior entre os dentes, obviamente, decidindo se devia ou não queria dizer a ele. “Cerca de um ano.” Ele arqueou uma sobrancelha. “Isso é muito tempo.” “Eu tenho estado muito ocupada.” Ele colocou a palma da mão contra sua boceta. Sua boca abriu, e ela gemeu. “Você nunca deve estar ocupado demais para ter relações sexuais.” “Eu não disse que eu não tive um orgasmo.” Ele esfregou o polegar sobre o clitóris, soltando um suave gemido. “Dando a si mesmo não é o mesmo que ter alguém fazendo isso por você.” “Não sei disso.” “Vou cuidar de você hoje à noite, Alicia. Vou te dar muitos como você pode conseguir levar.”

***** OH, MEU DEUS. GARRETT IA MATÁ-LA, E ELA IA ESTAR morta antes que pudesse vir. A maneira como ele falava com ela em voz baixa, sexy, fazendo promessas sobre 175


dar seus orgasmos... Ela poderia morrer no local. Ou apenas vir sozinha com a sua voz. Ela empurrou de lado todas as reservas, aquela voz irritante em sua cabeça que lhe dizia que eles deveriam se concentrar na recuperação de Garrett, que devia ser profissional. Provavelmente sofreria uma grande crise, amanhã de culpa. Hoje à noite, estava indo para tê-lo, mas agora ele estava com ela, desenhando círculos sobre seu sexo com os dedos. E ele ainda não tinha tirado sua calcinha ainda. Seu corpo pulsava e ela ergueu os quadris, arqueando-se em direção ao centro do prazer. Tudo o que ele tinha que fazer era manter esfregando, e ela viria. Seria tão fácil. Afinal, estava pensando nele, fantasiando sobre ele, ansiando por ele. Não demoraria muito para enviá-la direto sobre a borda. Seu corpo era um inferno, um nó apertado de terminações nervosas reprimidas apenas esperando para estourar. Algumas carícias de seus dedos mágicos, ela chegaria lá. Em vez disso, ele moveu suas mãos sobre seus quadris, a barriga, a intensidade só piorando enquanto descansava os dedos em seu peito, o olhar vagando por seu corpo como se nunca tivesse estado com uma mulher antes, quando ela sabia muito bem que não era o caso. Mas tinha que admitir, gostava do jeito que olhava para ela. Isso causou aumento em seus seios e seu sexo explodiu com a necessidade. E quando ele revirou as mãos sobre os seios, ela se curvou para trás, oferecendo-lhes para suas mãos explorar. Com um movimento ágil, ele lançou o fecho na parte da frente do sutiã e puxou os copos de lado, mostrando-a. “Tão bonita,” disse ele, inclinando-se para tomar uma gema entre os lábios. Assistindo o mamilo desaparecer em sua boca era uma tortura, a sensação foi como um raio quente entre as pernas. Ela arrepiou toda, e nunca aconteceu isso. Então, novamente, nunca fez um monte de coisas, gostava de fantasiar sobre um homem, invadindo sua privacidade, observando-o sair, ou comprometer a recuperação de um paciente por se envolver pessoalmente. E ela fez — estava fazendo — todas essas coisas.

176


Era como se ela estivesse no corpo de outra mulher, um corpo que tinha perdido todo o controle sobre. E tinha dado o controle a Garrett, que magistralmente puxava em seu mamilo, arrancando suspiros que ela não tinha esperança de segurar. Ele deixou seu mamilo deslizar para fora da boca e ergueu o olhar para o dela, dando-lhe o tipo de sorriso mau de garoto mau que a fez tremer de antecipação. E quando ele enterrou a cabeça entre seus seios e começou uma caminhada lenta pelo corpo dela com a língua, sabia o que ele estava oferecendo, não iria querer perder um momento disso, não importava as consequências. “Você tem um cheiro tão bom, Alicia,” disse ele, murmurando contra seu estômago enquanto serpenteava a língua fora para provocá-la no umbigo. Ela suspirou, observando como ele aliviou em direção ao topo de sua calcinha e deu um beijo em seu osso do quadril. “Eu gosto de sua boca lá.” Ele levantou a cabeça. “Você vai gostar da minha boca um pouco mais abaixo daqui um minuto.” “E agora?” Seus lábios se curvaram. “Impaciente?” “Sim.” “Bom. Eu quero fazer você gritar.” Ela estava preste a fazer... frustração. Antecipação construiu, fazendo um nó no estômago. A respiração dele soprava quente sobre o ventre, e quando deu um beijo no topo de seu sexo, ela quase arqueou para fora do sofá. Ela estava molhada, latejante, e embaraçosamente perto de um orgasmo, e ele ainda não tinha colocado a boca na dela ainda. Esta sedução lenta estava fazendo-a perder a cabeça.

177


Mas ele tinha todo o controle aqui. Ela não queria ser rude e exigir que ele lambesse sua boceta, mas merda, tinha sido um tempo muito longo. E agora que decidiu fazer isso com ele, queria agora. Não precisava de sedução suave e lenta, precisava de um orgasmo maldito. Então, quando ele retirou a calcinha por suas pernas, ela soltou um suspiro. E quando lhe segurou a bunda e passou a mão sobre suas coxas, ela mordeu o lábio inferior, esperando que ele não fosse rir quando ela viesse tão rapidamente. Porque sabia que faria. Ela já estava formigando, já podia sentir que ia ser assim— “Oh, Garrett. Sim.” Ele colocou sua boca na dela, sua língua quente e deliciosa quando encontrou seu clitóris. Ela lutou contra o tremor, mas as sensações eram esmagadoras. E maldito se ele não tinha os lábios e língua mais experientes que já sentiu, toda quente e úmida, sabendo exatamente onde apertar seus botões quentes. Ele não cutucava com um dedo ou golpeava, apenas preguiçosamente lambia ao longo, girando em torno de seu sexo como se tivesse todo o dia, do jeito que ela gostava. Ela levantou, alimentando sua boceta para ele, e quando ele deslizou dois dedos dentro dela, já podia imaginar o que ia ser quando ele fodesse com ela. Sua imaginação tinha ido lá antes, e quando ele começou a mover os dedos e chupar seu clitóris, ela voou, seu orgasmo batendo nela com toda a força que esperava — e então mais. “Oh, estou vindo,” ela gritou, resistindo contra o rosto com prazer descarado. Garrett respondeu com um sussurro contra sua boceta e enterrou os dedos dentro dela enquanto cavalgava os impulsos selvagens, lambendo-a através do orgasmo mais intenso que ela teve em um tempo muito longo. Ele segurou-a com a boca firmemente preso ao seu sexo, enquanto ela balançava contra as ondas pulsantes que parecia interminável. Quando acabou, sentiu-se tonta, passou, mas ainda queria mais. Ele a levou para baixo fácil, beijando o osso do quadril e barriga enquanto se movia por seu corpo, trazendo-a de volta pela pressão em seus seios, usando os polegares para ajustar seus mamilos, quando seu corpo foi para a vida mais uma vez. Isto tinha sido apenas um aperitivo. Ela estava pronta para o prato principal. Estava pronta para Garrett. 178


Capítulo Dezesseis SENTINDO O CORAÇÃO DE ALICIA BATER AO LADO DE SEU rosto era doce satisfação para Garrett. Ela tinha sido tão sensível, o corpo como um fio vivo enquanto resistia contra sua boca quando gozou. Ele adorava ouvi-la, saboreá-la, sentir seu corpo tremer contra ele. Mas eles estavam apenas começando, e tinha a intenção de acelerar o seu ritmo cardíaco durante toda a noite. Ele levantou-se, em seguida, agarrou a mão dela e puxou-a para fora do sofá. “Vamos acabar com isso no quarto.” Antes que ela pudesse dizer qualquer coisa, a pegou em seus braços. “Eu posso andar, você sabe.” Ele sorriu para ela enquanto a levava para o corredor. “E arruinar a minha chance de jogar de cavaleiro de armadura brilhante?” “Estou mais preocupada com o seu ombro.” Ele deu-lhe um olhar. “Se eu não puder levar alguém tão leve quanto você, poderia muito bem me aposentar.” “Tudo bem, tudo bem. Não estou machucando o ombro. Mas isso é um pouco... provincial.” Ele chutou a porta entreaberta parcialmente aberta e depositou-a na cama. “Você está estragando o meu momento, Alicia. Você não é grande em gestos românticos, não é?” Ela sentou-se na cama, e ele teve que admitir que gostava de vê-la nua. Ela tinha um corpo bonito. E essas pernas longas que não podia esperar para sentir em volta dele. Apenas o pensamento de estar enterrado dentro dela tinha seu pau lutando contra seu moletom.

179


Ela agraciou-o com um suave curva de seus lábios. “Sinto muito. Foi muito romântico. Você deve ficar nu agora.” Ele soltou uma gargalhada. Ele tinha que lhe dar crédito por ser prática e direta ao ponto. Não precisava ser varrida fora de seus pés ou tomar as suas refeições. Ela queria sexo. Assim fez. Isso fez com que fosse toda a coisa muito mais fácil. E, caramba, ela era sempre uma criatura sexual. Descendo sobre ela lhe deu muito prazer. Ela era sensível e quente, e tinha um gosto tão bom que, assim que ela veio, ele queria tirar seu pênis e mergulhar dentro dela. Mas havia algumas coisas que um cara realmente precisava ter, e pela primeira vez com uma mulher, era uma dessas coisas. Então, se ela gostava ou não, estava indo para obter o melhor que ele tinha a oferecer. Começando com ele ficando nu. Ele arrancou sua camisa, em seguida, puxou as calças no chão. Seus olhos brilharam e ela sorriu em agradecimento. Ele subiu na cama. “Tenho uma confissão a fazer,” disse ela. Ele varreu seu cabelo atrás da orelha. “Sim? O que é isso?” “Eu vi você na noite passada. Na praia. Quando estava se masturbando.” Seus lábios curvaram. Ele gostou da ideia de que ela o observava. “Você fez?” “Sim.” “O que você achou?” Sua respiração saiu em suspiro suave. “O que eu achei? Isso me excitou.” Ele empurrou-a de volta na cama e colocou a mão em seu estômago. Sua pele era tão macia, queria tocá-la por toda parte. Serpenteou seus dedos para cima, provocando os pontos apertados de seus mamilos. “Sim? Você fez alguma coisa sobre isso quando me viu?” “Sim. Deslizei minhas mãos em minha calcinha e me toquei.” Seu pênis contraiu no visual dela olhando para ele, estando tão excitada com o que viu que tinha de mergulhar a mão dentro de sua calcinha para tocar a si mesma. “Será que você gozou?” 180


Sua respiração aprofundou. “Sim.” “Mostre-me.” Ela lhe deu um sorriso fora de forma. “Bem, eu não estou usando calcinha agora.” Ele deu um de seus mamilos um beliscão provocante. “Espertinha. Mostre-me como você se toca. Você assistiu, mas eu não o fiz. Apesar de ter uma confissão própria para fazer.” Seus lábios separaram, sua respiração vindo mais rápido quando ela deslizou a mão entre as pernas dela. Suas bolas apertando enquanto ele a olhava espalhar os lábios da boceta para provocar o sexo. “Que tipo de confissão?” “A tarde você se trancou em seu quarto e me deixou fora? Eu estava na porta escutando.” Ela engasgou, mas não de indignação. Ela levantou os quadris e varreu os dedos sobre o clitóris. “Você ouviu? Eu tentei ficar quieta.” “Não bastante quieta. Andei e podia ouvir sua respiração. Não apenas a respiração regular ou tendo um ataque de asma para respirar, mas estou tendo sexo e não consigo uma respiração.” Ele cobriu a mão dela com a sua. “Confie em mim, bebê, tenho um radar que me diz quando uma mulher está à beira do orgasmo.” Ela suspirou. “Bom saber. E você se divertiu?” Ela estava molhada, e ele revestiu seus dedos com os dela, deslizando-os sobre os lábios macios. “Estava duro por pensar sobre o que você estava fazendo lá. Ouvindo, mas não sendo capaz de vê-la me deixou louco. Tive que usar minha imaginação.” Quando ele deslizou seus dedos dentro dela, ela soltou um gemido. Ele apertou seu pênis contra seu quadril e balançou contra ela, a necessidade de estar dentro dela quase o quebrando. “E o que você fez depois?” “Mais tarde naquela noite, fui para o meu quarto e me masturbei.” Ela levantou a mão e envolveu-o em torno de seu pênis dolorido. “Outra oportunidade perdida.” 181


Ele empurrou a mão, usando o polegar para circular seu clitóris. Alicia ergueu os quadris e ele sabia que poderia fazê-la gozar. Mas desta vez, queria estar dentro dela quando ela o fizesse. “Acho que é hora de fazer um com o outro em vez de nós mesmos,” disse ela. “Eu quero seu pau dentro de mim.” Ele não poderia estar mais de acordo. “Gosto da maneira que você pensa, Alicia.” Ele virou-se e beijou-a, mergulhando em sua boca como se estivesse morrendo de fome por um gosto dela. Ela encontrou seu beijo com um fervor que o levou entre as pernas dela, a ponta de seu pênis pairando perto da entrada para a sua boceta. Seria tão fácil mergulhar dentro dela agora. Mas ele se afastou e colocou a mão no criado-mudo para um preservativo. Alicia lambeu os lábios, seu corpo tremendo de antecipação, enquanto observava Garrett rolar o preservativo. Ele colocou uma mão em cima da dela, os dedos juntos, e avançou para dentro dela. “Gosto do jeito que você fala comigo,” disse ele, em voz baixa e cru, enrolando em torno de sua barriga e fazendo-a apertar com a necessidade. “Gosto que você seja honesta comigo, e diga o que você quer, o que pensa, o que precisa.” “O que eu preciso? Isto.” Ele enterrou-se profundamente depois parou, seu pênis pulsando. “Você é o que eu preciso, também, Alicia. Tudo o que precisava, desde que te conheci.” Ele varreu seu cabelo longe de seu rosto. “Você se sente bem ao meu redor.” Ela apertou em torno de seu pênis, suas palavras fazendo com que sua barriga murchasse. Ela esperava que ele fosse dar a ela um duro e rápido. Ela veio com pressa, sabia disso.

182


Em vez disso, ele aliviou para fora, em seguida, empurrou novamente, um processo lento, tormento deliberado que a fez sentir tudo dele, cada sensação, como se estivessem fazendo amor em câmera lenta. Tomando isso vagarosamente a destruiu. Uma foda furiosa rápida teria sido emocionante. Assim, seu olhar fixo ao dela, era tão íntimo, tomou tanto dela. Mais do que estava disposta a dar. Ela fechou os olhos e sentiu, deixando cada golpe levá-la para um lugar onde nada importava, exceto as incríveis sensações ameaçando levá-la para a beira e mais. “Alicia. Olhe para mim.” Ela não podia. Era muito maldito de bom, e já estava em cima da cabeça. Ela não esperava isso. Não com Garrett, e não tão cedo. Mas quando seus lábios roçaram os dela e ele tomou sua boca em um beijo que era tão profundo que os dedos dos pés enrolaram, ela colocou suas pernas em volta dele e apertou sua mão. “Abra os olhos,” ele sussurrou contra seus lábios. “Faça isso comigo.” Ela suspirou, e então ergueu as pálpebras. Seus olhos a encontraram. Tão claro, tão cheio de desejo e uma fome que combinava com a dela. Ela não devia ser uma covarde, mas ele pedia muito. E quando a puxou e empurrou novamente, muito lentamente, ela soltou um suspiro abalado, certo de que ele estava indo para possuí-la de maneira que nunca deixaria alguém possuí-la antes. Isto lento, o ato sexual íntimo a rasgou. Ela queria isso divertido e sexy e atrevido, não esta ternura, esta facilidade com que ele escorregava através de suas defesas e fazia querer gritar seu nome e começar a chorar. Ele se inclinou para lamber os mamilos, tomando goles longos, lentos ao mover-se com a intenção deliberada dentro dela, rasgando-a com cada impulso, levando-a cada vez mais perto do clímax que sabia que ia ser monumental. “Garrett.” 183


Seu nome caiu como um sussurro de seus lábios. Ele beijou ao longo da coluna de sua garganta, provocando arrepios ao longo do caminho para sua boca. Ele a beijou novamente, ainda segurando a mão dela, e quando rolou contra ela, alavancando seus quadris para que ela obtivesse a quantidade certa de fricção, ela apertou. “É isso aí,” disse ele, o desespero em sua voz inflamando sua necessidade. “Deixe ir, Alicia.” Ela arfava, levantou seus quadris, e combinou com seus movimentos, o desafiando a foder com mais força, para fazer isto menos pessoal. Mas ainda assim, ele moeu contra ela, dando-lhe sensações de fusão de ossos que foram feitos para fazê-la explodir. Ela segurou para trás, até que ele roçou seus lábios nos dela e ela encontrou seu olhar novamente. “Confie em mim,” disse ele. “Você não está sozinha neste barco.” Ele sabia. Ele sentiu isso também. Ela soltou. Viu-a entrar, e ela deixou. Sabia que lhe deu tanta coisa neste orgasmo, revelou muito, mas não era capaz de parar de deixar Garrett ter esse nível de intimidade. E quando ele começou a empurrar duro, mergulhando e saindo dela em rápida sucessão, ele deu-lhe tudo, em troca, encontrando seu olhar com abandono feroz quando isso rolou através de seu próprio clímax. Ela agarrou sua mão e a segurou firme quando ele estremeceu. Ela nunca se sentira tão ligado a ninguém antes. Ele finalmente desmoronou e enterrou o rosto em seu pescoço, mas mesmo assim continuou a beijá-la na garganta, e nunca uma vez soltou sua mão. Quando ela desceu, um pensamento continuou a girar em sua cabeça. O que aconteceu? Ela estava perdida, completamente gasta, e surpreendeu como o inferno que tinha sido tão emocionalmente íntimo.

184


Sexo sempre foi físico e diversão, mas teve uma conexão emocional com Garrett, que chocou. E quando ele se virou, a puxou contra ele. Ela sentiu a forte batida de seu coração. Ele ainda não tinha dito nada, e ela não iria. Não sobre isso. Ela também estava deitada em seu ombro lesionado. Levantou a cabeça, em seguida, afastou-se e sentou. “Estou machucando você?” “Meu ombro é forte, Alicia.” Ele agarrou-a e puxou-a. “Coloque sua cabeça em mim e pare de agitar em cima de mim.” Ela estava sendo muito preocupada, sabia. Sabia de suas capacidades e suas limitações. Deitar no ombro dele não iria machucá-lo. Talvez ela estivesse à procura de distância, especialmente depois que — não tinha ideia do que tinha acontecido entre eles. Certamente o que fosse tinha sido algo que ela tinha imaginado. Fizeram sexo incrível, isso era certo. Mas não tinha sido épico, nem nada. Só que ele tinha sido grandioso. E monumental. E isso é tudo o que tinha sido. Apenas realmente um ótimo sexo. Ele não abalou seu mundo ou qualquer coisa. Além de como um terremoto. Isso era ridículo. Ela precisava parar de ficar pensando em sexo com Garrett e voltar à realidade, o que significava a primeira coisa que tinha a fazer era sair da cama. Aconchegada nua ao lado dele deixou sua mente vagar em lugares perigosos, como imaginálo como uma espécie de deus do sexo. Que certamente não era. Ele era apenas um médio — certo, fazendo dele um amante acima da média. Ela sentou-se e deslizou para a borda da cama. “Onde você está indo?” Ela mal conseguia encontrar seu olhar, mas não era covarde. Poderia muito bem enfrentar a situação, de modo que olhou para ele, tentando manter sua expressão leve e fácil. “De volta para o meu quarto.” Ele arqueou uma sobrancelha. “Por quê?” “Para dormir.” 185


Agora, ele sorriu. “Eu estou fedendo?” Ela riu. “Não.” “O sexo foi mau?” “Oh, Deus, não. Foi realmente... wow, foi sexo incrível, Garrett.” Agora, ele sorriu, levantou-se e veio para o lado dela da cama. Empurrou-a de volta na cama, em seguida, subiu atrás dela. “Achei que foi muito bom pra caralho, também.” Ele puxou as cobertas sobre ambos, em seguida, colocou-a contra o seu lado. Alicia olhou para o luar e respirou fundo. “Mas eu realmente deveria dormir na minha própria cama, Garrett.” “Por quê?” Ela abriu a boca, em seguida, fechou. O inferno se ela poderia vir com uma resposta boa o suficiente para ele. “Eu desisto. Não tenho a menor ideia.” “Bom.” Ele a puxou contra ele. “Porque se você dormir comigo, eu posso fazer isso.” Ele balançou contra ela, seu pau endurecendo novamente. Uma onda de desejo inundou seu corpo, seus mamilos apertaram e sua boceta tremeu. Quando ele segurou-lhe o peito e deslizou seu pênis entre suas pernas, ela arqueou de volta esfregando sua bunda contra ele. “Agora isso vai me dar ideias.” Ela riu. “Você já teve ideias.” “É verdade.” Ele esfregou seu polegar sobre o mamilo, fazendo-a ofegar quando o prazer floresceu. Ele lambeu sua orelha, depois o pescoço. “Quero transar com você desse jeito. Abra para mim, Alicia.” Já ansioso para sentir seu pênis dentro dela novamente, levantou a perna, enquanto ele colocava outra camisinha. Ele estava de volta com pressa, desta vez correndo dentro dela com um empurrão. Sua conexão era apaixonada e furiosa quando ela moeu contra enquanto ele golpeava seu pênis profundamente, a fodendo com golpes rápidos e duros que a fez desejar um 186


orgasmo. Quando ela chegou entre as pernas para esfregar seu clitóris, Garrett abrandou seus impulsos. “Faz-te vir. Deixe-me sentir sua boceta apertar e gozar direto em mim.” Ela adorava o tom baixo e escuro de sua voz. Ele estimulou seus movimentos e trouxe cada vez mais perto do clímax, que ela estava buscando. E quando Garrett puxou-a para os joelhos, ela foi por vontade própria. Colocando o peito e cabeça para o colchão, e levantando a bunda no ar, deixando-o dirigir seu pênis profundamente dentro dela, necessitando-o dentro dela, tanto quanto poderia ir. Ela passou a mão sobre seu clitóris enquanto ele batia nela com seu pênis. Ele agarrou seus quadris com os dedos, a dor e o prazer combinado enviou-a em espiral sobre a borda. “Garrett, estou gozando,” ela gritou, sua boceta apertando seu pênis como um vício quando sentiu a pressa de seu orgasmo. “Vou gozar com você, Alicia,” disse ele, seus dedos cavando para ela quando golpeou seu pênis profundamente, então estremeceu contra ela. Ele passou o braço em volta dela, e ambos caíram no colchão enquanto cavalgavam seus orgasmos. Alicia prendeu a respiração quando Garrett os rolou, então pegaram um pano e uma toalha para limpar. “Obrigado,” disse ela com um sorriso. “Você me fez suar,” disse ele. “Você está sempre me fazendo suar.” “Uh, de nada. Ou eu sinto muito.” Ele roçou os lábios nos dela. “Não há desculpas para essa sessão de suor.” Ele a beijou profundamente, tão profundamente que os dedos dos pés enrolaram. Ela sentiu-se tonta e ridiculamente contente.

***** 187


GARRETT OUVIU O SOM DA RESPIRAÇÃO DE ALICIA e sentiu seu corpo quando ela se aninhou contra ele na cama. Ela estava tensa. Alguns orgasmos deveriam ter tomado conta daquela tensão, mas, aparentemente, estar na cama com ele a fez ansiosa. Ela demorou cerca de meia hora para adormecer. Seu corpo finalmente relaxou e sua respiração tornou-se profunda e uniforme. Mas tinha lutado em adormecer. Isso não tinha vindo fácil para ela. Talvez ele devesse ter dado a ela outro orgasmo. Ela precisava se soltar um pouco mais. Afinal, não tinha sequer querido dormir com ele. Talvez ele não era tão bom quanto gostaria de pensar que era. Mas sabia que não era o caso. Ele gostava de vê-la chegar, e caramba, se gostava de senti-la gozar quando estava dentro dela. Isso queimava lentamente a agonia que tinha sido para ele, mas valia cada segundo. Uma transa rápida era sempre divertida, e ele realmente precisava gozar, mas adorava sentir cada centímetro dela, o aperto de sua boceta em torno de seu pau, apertando-o cada vez que deslizava dentro dela. Seu pênis endureceu enquanto pensava sobre o que sentia ao estar conectado a Alicia dessa maneira. Ele fodeu um monte de mulheres em sua vida, mas não tinha feito amor com muitas. Inferno, quase nenhuma. Ele não era muito de conexões emocionais profundas. Elas só estavam no caminho para ter um bom tempo. Mas havia algo sobre Alicia, que pedia mais do que apenas uma transa rápida, e gostando ou não, ele estava dentro dela. Ele sabia que não poderia durar. Ela era sua terapeuta. Já havia um conflito de interesses, e, eventualmente, eles teriam que se separar. Mas hoje eles tiveram um inferno de um bom tempo, e queria mais do mesmo. Então, enquanto estavam trabalhando juntos, também poderiam jogar juntos. Porque somente tinham apenas começado, e ele não estava terminado. E hei, o sexo era bom para a recuperação. Algo sobre orgasmos e aumento do fluxo sanguíneo para os tecidos de cura ou algo assim, certo? Discutiria isso com sua terapeuta de manhã. Ele sorriu e fechou os olhos. 188


Capítulo Dezessete ALICIA SAIU DA CAMA ANTES DO AMANHECER, queria levantar-se antes que ela e Garrett acordassem juntos. Evitar o constrangimento inevitável era sempre melhor e, apesar de dormir com ele na noite passada, agora era a luz do dia, e estava muito mais lúcida agora sobre onde à coisa estava. Ela não se arrependia do que tinha acontecido entre eles. Era adulta e tinha feito uma decisão adulta. Não tinha sido coagida, teve sexo com Garrett mais do que com boa vontade. O que não significava que ia se repetir. Caindo em um relacionamento com ele — sexual ou de outra forma — seria um grande erro. Seu trabalho era se concentrar em sua recuperação, e isso significava tê-lo no monte do arremessador. Esse era o seu objetivo número um, e ela não podia permitir-se se desviar. Ela tinha uma agenda para manter, e passar dias — ou noites — brincando com ele poderia ser desastroso para esse cronograma. O que não seria bom para a sua carreira ou a dela. Ela estava esperando que ele visse dessa mesma forma, esta manhã. Ele esteve, provavelmente, como um monte de gente quando se tratava de sexo. Uma vez foi ótimo, mais do que isso significava um relacionamento. Certamente ele estava mais interessado em voltar ao trabalho do que repetir a performance de sexo, certo? Ela entrou em seu quarto para tomar um banho. Quando se vestiu e saiu, ele estava longe de ser encontrado. Isso lhe deu um momento, por isso fez um pouco de café e pegou seu notebook. Estava na sala de jantar traçando algumas notas quando Garrett veio dentro de sua corrida. Ela arriscou um rápido olhar para ele enquanto se dirigia para a cozinha. Ele estava de costas para ela quando enfiou a mão no armário para um copo para derramar seu suco de laranja. Seus braços estavam brilhando de suor, o cabelo molhado da corrida. Ele usava

189


shorts e uma camiseta e quando se inclinou contra o balcão, ela ainda se lembrava de como se sentia quando ele estava se movendo dentro dela na noite passada. Seu corpo respondeu com um aperto. Ela empurrou o sentimento de lado e focou em seu plano de tratamento. “Eu acordei sozinho esta manhã.” Ela piscou os olhos fechados. Estava esperando que ele quisesse evitar o assunto. Obviamente que não. “Sim. Acordei cedo e não queria incomodá-lo.” Ele veio até a mesa da sala de jantar e sentou-se em frente a ela. “Foi quente na cama. Poderíamos ter tomado onde paramos ontem à noite.” Seus mamilos apertaram, seu corpo todo indo nessa ideia. Ainda era cedo. A cama provavelmente ainda estava quente. Não. Ela não ia lá. Eles não estavam indo lá, e era melhor que tivesse essa conversa com ele agora. Ela levantou o olhar para ele. “Você sabe que não é uma boa ideia.” Ele sorriu. “Desde quando o sexo não é uma boa ideia?” “Você realmente vai me fazer ser o cara mau aqui?” Ele terminou seu suco e colocou-o sobre a mesa. “Acho que eu sou. Porque não vejo nada de errado com o que fizemos ontem à noite. Ou com a continuação hoje. Nós dois nos divertimos. Ninguém se machucou.” Ele moveu o braço ao redor. “Até o meu ombro sobreviveu.” Ela resistiu ao impulso de sorrir. “Não é uma boa ideia. Seu principal objetivo está em arremessar. Não ter uma relação sexual com a sua terapeuta.” Mas ele sorriu. “Oooh, você faz parecer sujo quando diz isso dessa maneira.” Ela revirou os olhos e levantou-se, em seguida, se dirigiu para a cozinha para fazer o café da manhã. Garrett desapareceu, o que permitiu que ela respirasse e levasse a libido desenfreada sob controle. Ela poderia ter mentalmente resolvido que não ia fazer sexo com ele novamente, mas seu corpo ainda não havia chegado aos acertos com essa decisão. Então,

190


estava indo para tomar um pouco de tempo e, provavelmente, mais do que um pouco de força mental. Ela nunca teve somente uma noite. Sempre teve relacionamentos. Desta vez, seria um caso de uma noite. Eles tiveram um ótimo sexo, ela conseguiu a liberação que precisava, e agora poderia seguir em frente. Estava totalmente sobre isso. Era forte, e poderia trabalhar perto dele. Tocando-o e não o tendo seria difícil. Assim como ele era duro — seu corpo estava duro — e ela gostaria de deslizar as mãos sobre ele e... “Aqui, Alicia, deixe-me—” Ela quase deixou cair um ovo no chão, quando Garrett chegou ao lado dela para ajudá-la a cozinhar. “Eu posso fazer isso.” “Não há razão para que você seja minha cozinheira quando sou perfeitamente capaz.” Ele quebrou os ovos sobre a panela, em seguida, começou a mexer. “Vou fazer o bacon, então.” “Claro.” Ela colocou o bacon em outra panela, e eles trabalharam lado a lado. Ela jogou pão na torradeira, enquanto ele pegou o suco de laranja. Era sociável. Estava consciente dele, de seu corpo roçando o dela no espaço confinado. Toda vez que ele a tocava queria que a agarrasse, empurrasse contra o balcão, e a beijasse como na noite passada. Sim. Ela deixou isso para trás, certo. Ele havia tomado um banho e cheirava a sabão limpo e delicioso — e ela queria lambê-lo todo, em seguida, enrolar a mão ao redor de seu pênis e deslizar para dentro dela. Estava praticamente vibrando só de pensar nisso. Ela não podia lidar com isso. Seu cheiro, seu corpo perto do dela, estava a deixando louca. Ainda o queria. Ontem à noite tinha sido apenas uma amostra, e queria mais. Ela afastou-se.

191


“Eu não mordo, você sabe,” ele finalmente disse. “Bem, eu mordo. Você pode gostar disso.” Ela encostou-se ao balcão. “Eu não posso fazer isso.” Ele franziu a testa. “Fazer o quê?” “Isso. Você e eu. A noite passada foi um erro e nós dois sabemos disso.” “Eu não concordo.” Ele se moveu para mais perto, e ela recuou. “Estou falando sério, Garrett. Estou falando sério sobre você ficar pronto para lançar e eu não posso fazer isso e...” “E o quê?” “E fazer sexo com você.” “Por que não?” “Porque tenho que focar. Tenho que pensar em você como meu paciente, não meu amante. Tenho que ser imparcial e objetiva, não estando envolvida emocionalmente. Simplesmente não posso.” “Ok.” “Você entende isso?” Ela perguntou a ele, enquanto não o olhava. “Eu vou estar de volta.” “Claro.” Ela se afastou do fogão e saiu da cozinha, precisando de alguns minutos em seu quarto para se recompor. Ela fechou a porta e começou a andar, seus braços em volta de sua cintura. Isso não tinha ido bem. Isso era ridículo. Ela era uma terapeuta prática e ia ser impraticável correr para fora da sala cada vez que estivesse a poucos centímetros de Garrett. Tempo para absorver isso e lidar, Alicia. Você fez esta cama. Mais como ela tinha desfeito a cama. Ela respirou fundo, em seguida, voltou para a cozinha. “O café está pronto,” disse ele. 192


“Ótimo. Obrigado.” Eles encheram seus pratos e comeram na sala de jantar. Alicia estava feliz pelo espaço entre ela e Garrett, embora soubesse que só iria durar tanto tempo quanto o café da manhã terminasse, porque depois eles tinham terapia. Pelo menos ele parecia contente em parar de falar sobre o que aconteceu entre eles na noite passada. Depois que comeram, ela limpou os pratos. Garrett disse que estava indo para a sala de treino para aquecer, enquanto ela demorou um pouco demais sobre esfregar a frigideira. Finalmente desistiu. Era hora de fazer algum tipo de terapia, então pegou seu notebook e se dirigiu para a sala de treino. Garrett estava no supino. Ela colocou seu notebook para baixo e foi até ele. “Você não devia fazer isso sem eu estar aqui.” Ele não deu atenção a ela, assim que colocou os dedos sob a barra enquanto ele levantava o peso. “Isto é um peso maior do que você normalmente levanta.” Novamente, ele não lhe respondeu, mas não parecia estar se forçando, então ela o deixou ir, mas ainda estava em cima dele para monitorá-lo. Ele fez doze repetições, e ela ajudou a guardar a barra, quando terminou. Ele sentou e inclinou-se para tomar algumas respirações profundas. “Como sentiu em seu ombro?” “Senti-me bem.” Ele inclinou a cabeça para trás para olhar para ela. “Eu não estou tendo nenhuma dor.” “Isso é bom. Mas não adicione peso sem me consultar.” Ele arqueou uma sobrancelha. “Você acha que eu não sei o que posso lidar?” “Acho que você tem uma terapeuta por uma razão. E quanto a você, deixe-me ser a terapeuta, e você o paciente?” “Acho que você estabeleceu as regras básicas sobre quem era quem nessa relação muito claramente mais cedo,” disse ele. “Não preciso de você para me lembrar disso, Alicia. Entendi isso.” 193


Ele se levantou e foi para as polias, então esperou por ela. A temperatura do quarto parecia ter caído cerca de dez graus, o frio entre eles era evidente. Ok, ela poderia lidar com isso. Quando veio e escolheu um peso, ele disse: “Seus pesos são muito leves. Adicione mais.” Agora ele estava agindo como um paciente. O atleta frustrado ranzinza. Que ela podia envolver em torno da cabeça. Que poderia lidar. Enquanto se concentrasse em Garrett como apenas mais um atleta, poderia mantê-lo impessoal. Ela olhou para suas anotações e mudou o peso para cinco quilos. Ele inclinou a cabeça e deu-lhe uma olhada. “Vamos lá, Alicia.” “Inicie. Faça doze repetições.” Ele soltou um suspiro e fez doze. Facilmente. “Está vendo? Sem problemas. Agora, adicione mais.” Ela acrescentou mais cinco, e ele fez mais doze. Também sem esforço. Ela tinha que fazer mais dois jogos, em seguida, veio por trás dele e sentiu o ombro, cavando profundamente para ver se ficou tenso com a dor. Ele não fez. Isso era um bom sinal, de modo que o colocou através de um treino mais rigoroso, ajustando suas notas enquanto ele passava sobre o circuito. Ele estava fazendo melhorias drásticas, mas veria como ele se sentia no final do dia. Empurrando os músculos e tendões era uma coisa enquanto ele estava fazendo o treino. Os efeitos colaterais que a preocupava mais. Ela realmente queria que ele lançasse, no entanto, ele precisava girar o braço. Isso ia ser o verdadeiro teste para saber se ia passar por esta lesão ou não. Mas gostou do que viu. E queria ver mais. Depois dos pesos, ela o fez correr através de seus exercícios terapêuticos, empurrando-o mais difícil do que tinha anteriormente. Ele tinha tomado sem reclamar. Então comeram cada um, um sanduíche, compartilhando o espaço da cozinha, e não de uma forma hostil, mas não da mesma forma particularmente amigável, qualquer um. 194


Então, depois do almoço, ela disse: “Vamos para o campo.” A única resposta que ela teve foi um encolher de ombros, seguido por ele indo embora para ficar pronto. Distância era bom, certo? Isso foi o que ela pediu. No caminho até o estádio, ele ficou em silêncio. Ok, então alguns caras não gostavam de ser dispensados. Não que ela estivesse exatamente dispensando-o uma vez que eles ainda estavam indo para ver um ao outro todos os dias. Esse era o problema com o trabalho em conjunto e dormindo juntos. Isso nunca trabalhava. Não que ela já dormiu com um colega ou, Deus me livre, um paciente antes. Ela sempre manteve sua vida profissional separada da vida pessoal, jurando nunca misturar os dois. Ela sempre percebeu que era uma complicação que não precisava. Deveria ter ficado assim. Garrett tinha que confiar nela. Eles tinham que ser parceiros na sua recuperação. Como isso iria acontecer com esta tensão adicional entre eles? Empurrou o dilema de lado e focou no monte do lançador, repetindo o que ele achava que eram os mesmos arremessos de aquecimento desleais de ontem, seguindo-se com alguns arremessos com efeitos suaves. Poderia dizer que ele estava entediado e frustrado, e ela precisava para desafiá-lo. Sua recuperação estava indo bem, e queria saber agora antes de chegar mais longe como seria sua mecânica de arremesso. Ela segurou a bola com as mãos. “Agora, entrar em sua windup17, mas não jogue duro. Apenas mais um aquecimento, jogue um pouco mais difícil do que o que estamos fazendo. E não quero um arremesso sério. Apenas um pouco mais rápido.” Ele olhou para ela. “Acho que eu entendi, Alicia. Não preciso de você para me desenhar um mapa do caminho.”

17

Os movimentos de um lançador, incluindo a parte de trás do braço oscilante e a elevação do pé para a frente, preparatório para lançar a bola. 195


Oh, sim. Ele estava irritado. Ela entrou na posição do apanhador normal, de cócoras e preparou para receber um lançamento. “Você gostaria que lhe desse um sinal?” “Engraçado.” Ele fez uma pausa, acabou, em seguida, jogou uma bola que bateu duro em sua luva. Doeu, mas ela tinha tomado arremessos com os profissionais em reabilitação antes. Ela sabia que ia doer. Ela ficou de pé. “Como se sente?” “Tudo bem.” Ele acenou para ela com sua luva. “Volte para lá e deixe-me jogar alguns dos meus outros arremessos.” “Okay. Novamente, nenhuma velocidade séria sobre estes.” “Sim, sim.” Ele queimou os próximos cinco arremessos em sua luva, e nem uma vez ela puxou para cima ou fez careta como se estivesse tendo qualquer dor. Ela pegou a última bola e se levantou, puxando a bola para fora de sua luva. “Sua forma parece ser boa. Como é que isso se sente?” Ele desceu do monte. “Como eu poderia lançar pelo menos seis bons innings.” Ela sorriu-lhe encontrando-o na metade. “Bom. Vamos jogar um pouco mais, mas ainda não muito duro.” Ele acenou com a cabeça, pegando a bola com ela, e deu um passo para trás no monte. Eles foram por cerca de quarenta e cinco minutos, e fez o que ela pediu, através de arremessos corretos, mas não jogando muito duro. Alicia continuou observando para ter certeza de que ele não estava favorecendo o braço direito ou emitindo algum sinal de que ele estava com dor. Quando jogou o que ela achava que fosse arremessos suficientes, ela o impediu. “Isso é o suficiente por enquanto.” Mais uma vez, ele não reclamou, apenas jogou a bola e deixou o monte, para pegar uma garrafa de água e esfriar. “Como está o braço?” Ela perguntou como eles entraram no carro. 196


“Está bom. Um pouco dolorido, mas esperava isso depois de não lançar por tanto tempo.” “Nós vamos colocá-lo no gelo quando voltarmos para casa. Então vou massagear você.” “Ok.” Ele estava sendo estranhamente cooperativo. E profissional. O que era exatamente como ela gostava que seus pacientes fossem. Mas não era como seu relacionamento com Garrett tinha sido desde que se conheceram. Agora não havia nenhuma brincadeira, nenhuma conversa fácil. Ela efetivamente fechou tudo com sua decisão e a relação que tinha começado. Na verdade, ela sentiu falta, mas era assim que deveria ser — como ele deveria ser. Ele estava obviamente se confrontando com o fato de que eles não estavam indo para ter um relacionamento pessoal. O que a fez sentir-se triste e vazia — dura. Era exatamente o que ela queria, então poderia muito bem se acostumar com isso. Colocou a bolsa de ginástica no chão quando voltaram para a casa e, em seguida virou-se para ele. “Pronto para um pouco de gelo?” Ele deu de ombros. “Claro.” “Vamos lá. Vamos para a sala de treino.” Ele a seguiu até a sala. Ela estava consciente dele atrás dela, olhando-a enquanto se dirigiam pelo corredor. Ela queria voltar para ele ou esperar por para que eles caminhassem lado a lado, mas não fez. Em vez disso, continuou andando até que estavam dentro da sala de treino. Ele passou direto por ela e para a cama acolchoada onde se esticou e esperou por ela. Ignorando a pontada no estômago, ela pegou o bloco de gelo do congelador, envolveu em uma toalha, e trouxe-a para ele. “Dez minutos,” disse ela. Ele agarrou seu aparelho de música e colocou os fones de ouvido. “Entendi.”

197


Ele a dispensou, aprofundando essa dor no estômago. Ela saiu da sala e buscou seu notebook. Colocou um cronômetro e começou a digitar as notas de hoje no arquivo de Garrett. Os dez minutos passaram muito rapidamente. Mas quando ela entrou na sala de treino, encontrou apenas o bloco de gelo ali. Garrett estava longe de ser encontrado. Ela carregou o bloco de gelo de volta para o congelador e saiu da sala. Pensando que Garrett tinha ido para seu quarto, ela saiu para o corredor, mas a porta estava aberta. Espiou a cabeça dentro. Ele não estava lá. “Garrett?” Ele não respondeu, e não ouviu o chuveiro ligado, então foi aos fundos onde o encontrou de pé na beira da areia olhando para o mar. Andou do lado de fora e ficou na borda da plataforma, olhando para ele. Que imagem ele apresentava de pés descalços, sem camisa, o sol batendo nele enquanto o vento soprava seu cabelo. Ela perguntou o que estava pensando enquanto estava lá examinando as ondas. Tinha sido um dia difícil, tanto fisicamente como emocionalmente. Ele estava pensando sobre isso, irritado com ela, ou apenas pensando no futuro de sua carreira? Estava pensando sobre ela? Definitivamente pensava muito sobre ele, hoje, mais do que apenas seu ombro. Teve seu corpo na noite passada, sentiu cada cume de rocha dura e plana. Ele estava dentro dela. Ele a saboreou e a fez gozar — mais do que uma vez. Eles tinham acabado de começar a conhecer o corpo um do outro, e não importava o quanto ela falou sobre essa conversa de profissionalismo e como eles deviam ficar longe um do outro, o resultado final foi, sentiu-se enganada. Havia muito mais que queria saber, saber mais sobre Garrett, seus desejos e necessidades, o que o transformou e o que conseguiu. Ela agarrou a borda da grade, o desejo acendendo dentro dela como um incêndio. Ela brilhou quente para Garrett. Ninguém mexia com tão rapidamente quanto ele fazia. Bastava um olhar, um pensamento, e era consumida. Todo pensamento racional fugia, e todas as paredes que construiu com tanto cuidado ao longo do dia se desintegrou ao seu redor. 198


Ele estava certo. Que diferença fazia se fizeram sexo? Conhecia o seu trabalho, sabia o que seria necessário para deixá-lo pronto para lançar. Poderia fazer seu trabalho de forma eficiente e os dois ainda poderiam ter uma relação sexual quente. Seria insana de se afastar de algo como isto. Sabia que ele não estava à procura de uma namorada. Tinha sua carreira para retornar após a sua reabilitação, uma vez que acabasse. Isso iria consumir todo o seu tempo. E ela com certeza, não estava à procura de um relacionamento sério. Ela estava construindo uma carreira que tinha sido o seu foco principal durante anos. Assim, ambos trabalhavam para a mesma equipe. Não era como se fosse estar envolvida com ele em uma base um-a-um depois que ele terminasse sua reabilitação e tivesse o início da temporada. A menos que ele fosse ferido, eles não teriam muito contato. Ela poderia proteger seu trabalho, e ninguém jamais saberia sobre os dois. Ela era adulta. Então era ele. Eles poderiam gerir a sua relação sexual. Ela tirou os sapatos e pisou fora da varanda.

199


Capítulo Dezoito A TEMPESTADE ESTAVA A CAMINHO. GARRETT ESTAVA observando as nuvens se reunirem, escurecendo o céu e mudando a atmosfera de claro e ensolarado para sinistra e cinzenta. Ele conhecia o sentimento. O seu próprio escureceu ao longo do decorrer do dia. Mas isso estava nele. Não em Alicia. Sabia que ela estava no deck olhando para ele. Ele não se virou, não iria para ela, caso tivesse algo a dizer que viesse falar com ele. Ele manteve no profissional as coisas entre eles hoje. Isso é o que ela pediu, e sabia que seu trabalho era importante para ela, então fez o seu melhor. Foi difícil. Inferno, ela o fez duro. Estaria mentindo para si mesmo, se não admitisse que ele queria mais dela, e muito mais do que tiveram na noite passada. Mas se ela não o quisesse teria que respeitá-la. O problema era que sabia que ela estava rasgada, e seria fácil fazê-la mudar de ideia. Poderia ser convincente se colocasse sua mente — e seu charme — para isso. Mas isso faria dele um idiota, e gostaria de pensar que não era um deles. Assim, recuou mantendo as coisas entre eles só negócios. Se tivesse que passar por essa coisa da terapia com um latejante pau duro, isso era o seu problema. Eventualmente, ele superaria isso. Além disso, tinha problemas maiores para lidar. Como estar no monte do arremessador. Era hora que começasse a se concentrar nisso. Então, quando avistou Alicia pisar fora da varanda e vindo em sua direção e percebeu que ela estava indo para arrastá-lo para dentro e realizar algum tipo de alongamento de tortura em seu braço. Virou-se para encará-la, esperando que dissesse alguma coisa. Não fez. Uma rajada forte soprava do oceano, fios de seu cabelo batiam em seu rosto. Ela não se incomodou em afastá-los. Seu olhar estava fixo no dele, e leu a intenção em seus 200


olhos. Reconheceu o calor, porque tinha estado fervendo dentro dele todo o dia. Seu desejo se chocou contra ele com uma força mais forte do que o vento. Ele não entendia a reviravolta súbita. Poderia questioná-la, especialmente desde que ela tinha sido a única a colocar a parede entre eles. Agora estava derrubando isso? Mas percebeu que realmente não dava a mínima por que ela mudou de ideia. Ele só precisava saber uma coisa. “Você tem certeza disso?” “Sim.” Ela não hesitou, e ele não ia perguntar novamente. Ele passou as mãos sobre o rosto e afastou os cabelos, então inclinou os lábios nos dela, precisando de sua boca na dela. Não havia como descobrir isso, tudo entre eles o deixava louco — e provavelmente ela também. Somente sabia que a queria com uma força primal tão forte quanto o vento batendo neles. Ele puxou seu braço em volta da cintura para mantê-los estável. E quando a primeira gota de chuva bateu no rosto, ele quebrou o beijo, agarrou a mão dela, e correram como o inferno para a casa enquanto o céu se abria, encharcando-os na curta distância até o deck. Alicia ergueu o olhar para ele. Seu cabelo estava grudado em sua cabeça, sua parte superior da blusa estava moldada para o peito, e gotas de água deslizavam para baixo de seu corpo. Ele nunca tinha tido o desejo o socando no intestino, como fazia agora. O relâmpago arqueou no céu quando um trovão bateu à sua volta, sacudindo a fundação da casa. O céu se tornou tão escuro como a noite. A chuva veio com tanta força que ele não podia nem ver a água mais. A força da tempestade misturada com sua fome por ela, então a empurrou contra a parede da casa e fixou seus lábios nos dela. Ela encontrou seu beijo com igual força. Talvez fosse o tempo, a tempestade trazendo desejos primordiais. E talvez só quisesse ela tanto. Ele levantou a blusa e passou a mão sobre o estômago, sentindo as ondulações em seus músculos, abraçou com o braço para que pudesse trazê-la mais perto de seu corpo. Ela gemeu contra sua boca, puxou o lábio inferior com os dentes.

201


Ele rosnou em resposta, sua necessidade era feroz quando puxou sua camisa molhada fora e abriu o fecho de seu sutiã. Não havia ninguém do lado de fora, sem vizinhos a uma curta distância. Mesmo que houvesse, ninguém podia ver nada na chuva de qualquer maneira. Alicia não parecia se importar quando o ajudou a tirar o resto de suas roupas, então a sua. Alimentado pela tempestade, os dois do lado de fora, e encostados à varanda, seus corpos molhados vapor subindo quando a chuva refrescou o ar em torno deles. Ele não se importava, mas ela estava arrepiada. Ele passou o braço em volta dela e usou seu corpo para protegê-la do vento, os lábios e as mãos para lhe dar calor. Ele agarrou o peito em sua mão, usando o polegar para pastar um mamilo já endurecido do molhado e frio. Ela estremeceu e passou a língua ao redor dele, chupou em sua boca, e quase o levou até os joelhos. Ele gemeu e puxou os lábios dos dela, olhando para o rosto dela. Seus lábios tremiam. “Eu preciso estar dentro de você,” disse ele. Ela levantou o olhar para ele. “Sim. Agora.” Se não fosse a falta de um preservativo, teria empurrado dentro dela ali mesmo — na varanda, na chuva. Mas pegou a mão dela a puxando para dentro da casa, ambos molhados quando correram para o quarto. Ele ligou o chuveiro, esperou até que a água estivesse quente fumegante, e puxou Alicia dentro, empurrando-a no spray. “Fique aquecida,” disse ele. “Vou estar de volta.” Ele pegou uma camisinha e colocou na prateleira, então entrou no chuveiro. Seus olhos estavam fechados, a água derramando sobre sua cabeça. Ela abriu os olhos e alisou o cabelo para trás, em seguida, estendeu a mão para ele. Ele deu um passo em seus braços, seu corpo gelado até os ossos. Ela encontrou seus lábios em um beijo ávido que o fez estremecer, e não era por causa do frio. Ele passou a mão em suas costas, lembrando o que sentiu ao segurar seu corpo contra o dele ontem à noite. Não foi o suficiente, então, agora, mapeava suas curvas enquanto movia sua boca sobre a dela, perguntando-se o que seria necessário para satisfazê-la. O vapor os envolvendo, 202


e ela colocou a mão em torno de seu pênis, acariciando com movimentos suaves, fluidos, o fazendo doer para estar dentro dela. Ele apoiou-a contra a parede e deslizou a mão entre as pernas dela. Era tão suave como a pétala de uma flor. Ele quis ser gentil, mas ela cravou as unhas em seus braços, em resposta, seu corpo tremia quando ele começou a aliviar a mão para trás e para frente através de seu sexo. “Oh, Deus,” disse ela. “Sim, assim mesmo, Garrett. Coloque os dedos dentro de mim e me faça gozar.” Amava que conversava com ele, dizendo-lhe como lhe dar prazer. E, apesar de quão frágil ela se sentia em sua mão, exigiu mais do que apenas um golpe leve. Ele aumentou a pressão, resultando em seu gemido, que fez suas bolas em nós e fez seu pênis contrair. Ele se inclinou para ela, esfregando-se contra quando ele moveu os dedos e rolou o calcanhar de sua mão sobre seu sexo, dando a ela o que pediu. “Ohhh,” disse ela, inclinando a cabeça para trás enquanto quebrava contra seus dedos, sua boceta apertando em torno dele. Seus lábios abriram, as unhas marcando pelo braço quando ela inclinou a pélvis em direção a seus dedos empurrando enquanto balançava através de seu clímax. Ele estendeu a mão para a embalagem de camisinha, rasgou, embainhou a si mesmo, em seguida, abriu as pernas. “Você sabe o que faz para mim ver você gozando?” Ela engoliu em seco, depois lambeu o lábio inferior. “Diga-me.” “Minhas bolas apertam como um punho, e meu pau fica ainda mais duro. Isso me faz pensar em nada, além do que vou sentir gosto em estar dentro de você, e te foder com golpes longos, lentos.” Mesmo com a água batendo sobre eles, ouviu as curtas, respirações ofegantes, que ela lhe deu em resposta. “Sim. Eu quero isso. Pensei em você o dia todo, Garrett. Senti faltado seu corpo contra o meu.” Ele levantou os braços acima da cabeça e deslizou dentro de sua vagina. Ela gemeu contra seus lábios e envolveu uma perna ao redor de seu quadril, puxando-o mais profundo. 203


Droga, era bom estar tão perto dela, sentir seus mamilos esfregar contra seu peito enquanto ele bombeava dentro dela. Entrelaçou os dedos com os dela e passou a língua ao redor dela, moendo contra até que ela apertou ao redor de seu pênis, apertando-o. Ele inclinou a cabeça para trás, observando a maneira como seus olhos se arregalaram quando empurrou profundo. Ele alcançou entre eles e encontrou seu clitóris, querendo que ela viesse os levando para o orgasmo. “Sim, me toque lá,” disse ela, entrelaçando sua mão ao redor da nuca para trazer de volta para a boca dela. “Faça-me gozar.” Beijou-a profundamente enquanto apertava ao redor dele, gemendo de satisfação estimulando-o a empurrar profundamente e se juntar a ela em seu orgasmo. Ele passou o braço em volta da cintura dela e segurou-a enquanto ele estremecia empurrando dentro dela. Ele prendeu a respiração, ainda sentindo o aperto da boceta com a pulsação de seu clímax. “Você me mata,” disse ele, descansando a testa na dela. “Dificilmente sou um feixe de energia aqui.” Ele riu. Eles lavaram, saíram do chuveiro e secaram. Quando Alicia começou a sair da sala, ele pegou a mão dela e puxou-a em sua cama. “Você tem algum problema por dormir comigo?” Ele perguntou. “Preciso amarrá-la à cabeceira da minha cama?” Ela arqueou uma sobrancelha, mas deitou em seu lado. “Ideia intrigante. Não sabia que você tinha esse tipo de torção em seu repertório.” “Há muita coisa que você não sabe sobre mim, senhorita Riley.” Passou a mão sobre o braço dele quando ele aninhou perto dela. “É isso mesmo? Não diga.” “Mantenha-se em minha cama e você pode descobrir.” Ela não se mexeu. Em vez disso, contorceu sua bunda contra ele e fez um zumbido contente. Ele chamava isso de uma vitória. Para hoje à noite, era bom o suficiente. 204


Capítulo Dezenove APÓS A TEMPESTADE DA NOITE ANTERIOR, O DIA amanheceu ensolarado e seco, com apenas um toque de uma brisa fresca. Alicia descobriu que hoje era um grande dia para jogar golfe desde que tinha desafiado Garrett mais cedo e lhe disse que era uma jogadora melhor do que a média. Além disso, acrescentaria uma variedade para sua terapia e seria uma boa maneira de trabalhar no ombro. Acordar em sua cama esta manhã tinha sido estranho. E emocionante, especialmente da maneira como ele a despertou antes do amanhecer com a mão acariciando seu peito e seu pênis duro aninhado entre suas pernas. Eles fizeram amor lentamente e fácil, até que se tornou mais aquecido, e Garrett a tinha puxado para cima dele para acabar com ambos tanto dentro como fora. Então tomaram banho juntos, rindo enquanto lavavam um ao outro, então se esquivou da espuma voando durante uma batalha de sabão. Tudo somado, não era uma má maneira de começar o dia. Agora, no décimo oitavo buraco do campo de golfe, ela estava no modo terapeuta, observando cada movimento de Garrett. Seu balanço era fácil e não parecia apertar para cima ou estremecer. Um sinal muito bom. “Como você está se sentindo, campeão?” Ela perguntou quando ele teve uma tacada. Ele desviou o olhar da bola para ela. “Você está tentando jogar fora a minha concentração?” Ela encostou o eixo no seu taco. “Você está dez tacadas à minha frente, idiota. Eu não tenho a menor chance de vencer você, então não acho que distraí-lo é uma estratégia viável para mim.”

205


Ele deu um sorriso sexy, em seguida, virou-se e deu uma tacada, uma bela que arqueou indo reto e pousando no meio do fairway18. Merda. Ela deu sua tacada, uma decente, mas não tinha nem de longe atingido à distância que a dele tinha ido. Pegaram seus tacos e foram procurar suas bolas. No momento em que chegaram ao putting green19, ela teve uma boa oportunidade para fazer par20. Garrett tinha cerca de seis metros do buraco com uma boa chance de bater um tiro birdie21. Ele perdeu por apenas um centímetro. “Foda-se,” disse ele, em seguida, bateu a bola para o par. Ela perdeu e bogeyed22 o buraco. “Idem,” disse ela. Eles pediram o almoço na sede do clube. “Você estava certa,” disse ele depois de tomar um gole de chá gelado. “Você é boa.” “Não foi nem perto de ser o meu melhor jogo,” disse ela, tomando uma colher de sopa, “mas não tenho jogado faz tempo. Você é bom, também. Como é que o ombro se sente?” Ele revirou os ombros. “Surpreendentemente bom, considerando que não tenha jogado golfe por alguns anos.” “Isso é um grande sinal. O golfe é uma boa terapia para você, agora que está curando muito bem. Você deveria jogar mais.” Ele espetou sua salada e deu uma mordida. “Você deveria jogar comigo.” “Você não é bom para o meu ego. Preciso jogar com alguém que eu possa vencer.” 18

A parte de um campo de golfe coberto com grama curta, perto do buraco. Área no final de um curso de fairway de golfe no qual o furo é colocado, tendo mais de perto relva cortada do que o resto do curso. 20 O número de tacadas de golfe considerados necessários para completar um buraco ou curso em jogo especialista, 21 Uma tacada abaixo do par para um buraco no golfe. 22 Termino do buraco com a pontuação acima do par. 19

206


“Covarde. Absorva isso.” Ela riu. “Em seguida, temos de fazer a sua terapia. Então vamos ver quem é o verdadeiro covarde.” “Você me persegue assim depois que eu apenas coloquei meu ombro através de dezoito buracos de golfe?” “É o meu trabalho, você sabe.” “E você se diverte tanto.” “Eu faço.” Ele deu-lhe um olhar falso sobre a borda do copo. “Acho que deve haver um pouco sádico em terapeutas.” “Você acha?” Ela esperava que houvesse alguma tensão entre eles, silêncios desconfortáveis. E talvez que estava — seus próprios medos sobre o que ela achava que poderia acontecer depois que dormisse com ele. Não havia nenhum. Eles tiveram uma divertida manhã e estavam à vontade um com o outro. Tanto para suas preocupações. Quando voltaram para casa, lavou-se e mudou para a roupa de treino. Garrett estava no ginásio, quando ela chegou lá, sentado em um dos bancos, bloco de gelo já em seu ombro. Ela encostou-se em um dos equipamentos. “Fazendo o meu trabalho para mim agora?” Ele olhou para o bloco de gelo, em seguida, virou para ela, dando-lhe um sorriso. “Eu acho que estou bastante familiarizado com a rotina agora.” “É isso mesmo? Talvez você não precise mais de mim.” “Oh, preciso de você, tudo bem. Tenho uma dor.” A partir do olhar que ele deu a ela, sabia exatamente que tipo de dor que ele estava se referindo, e não tinha nada a ver com o ombro. Calor a espetou, necessidade enrolou abaixo em sua barriga. Ela veio na direção dele. “É isso mesmo? Diga-me onde você dói.”

207


Ele colocou a mão entre suas pernas. “Bem aqui. Você acha que você pode fazer qualquer coisa para me fazer sentir melhor?” Ela o montou, o cume duro de sua ereção pressionando contra sua boceta tremendo. “Oh, eu posso definitivamente fazer você se sentir melhor.” Ele agarrou seus quadris e balançou contra ele, puxando sua boceta tremendo contra o seu eixo. Ela lambeu os lábios e colocou as mãos em seu peito. “Eu poderia gozar assim,” disse ela, a voz baixando o desejo liberado através de suas terminações nervosas. Garrett percebeu que não havia nada melhor do que uma bela mulher se ela mesma moesse em seu pênis. Tendo Alicia contorcendo totalmente vestida em seu colo o tinha de semi-rígido para duro completamente em questão de segundos. Ele estava pensando sobre ela, enquanto colocava o bloco de gelo. Ela olhava quente hoje no campo de golfe. Ele nunca tinha achado o golfe sexy em tudo até que tinha jogado com Alicia. Ela era competente em seu balanço, e não doeu que ela usava aquelas calças capri que mostrava suas pernas tonificadas. Além disso, a deixou andar na frente dele para que conseguisse uma vista incrível de sua bunda grande enquanto ela mexia com confiança ao longo do curso. Quem diria que o golfe iria levá-lo quente? Mas tê-la sentada sobre ele, isso estava definitivamente derretendo o gelo em seu ombro. Ele deu de ombros fora do pacote de gelo e puxou Alicia contra ele para um beijo que abalou todo o caminho até suas bolas. Ela estava totalmente nisso, deslizando os dedos em seu couro cabeludo para dar um puxão em seu cabelo. Deu arrepios e fez seu pau tão duro quanto às barras de metal erguidas aqui no ginásio. Mas então ela se afastou dele e caiu de joelhos. “Deslize suas pernas,” disse ela, olhando para ele. Ele sentou-se à frente e varreu as pernas para o lado do banco, colocando os pés apoiados no chão. Os ombros de Alicia entre eles, em seguida, puxou seu moletom, atraindoos e seu boxer para baixo e fora. Suas bolas apertaram enquanto ela agarrava seu pau e começava a acariciá-lo da base à ponta, nunca uma vez puxando o olhar de seu rosto. Ele se inclinou e beijou-a novamente, 208


roçando seus lábios nos dela, persuadindo-a a abrir para ele. Seus lábios tremiam, sua excitação era clara. Deus, que transformação. Ele mergulhou sua língua dentro, lambendo e saboreandoa até que ela se afastou. “Deixe-me provar você,” disse ela, revirando seu polegar sobre sua cabeça. Ele estremeceu, e depois se inclinou para trás e colocou as palmas das mãos no banco, dando-lhe acesso a ele. Estava fascinado, vendo-a como sua língua deslizava entre os lábios. Ele encontrou-se engolindo, a garganta seca quando antecipou seu próximo passo. Ela lambeu a parte inferior de seu eixo, começando pela base até chegar à ponta. Em seguida, cobriu a cabeça com os lábios e sacudiu sua língua sobre ele. Ele não conseguiu conter o gemido de puro prazer. Nunca se sentiu tão duro ou tão pronto para disparar uma carga de gozo. Sofria com a sua necessidade, e quando ela se moveu, então, levando-o profundamente em sua boca, ele soltou uma maldição. Ela o tinha. Ela o possuiu, e ele lhe daria qualquer coisa, contanto que continuasse chupando-o assim, banhando-o com a língua e cobrindo seu pênis com sua doce boca quente. Ele varreu seu cabelo para o lado para que pudesse assistir as bochechas ocas quando ela apertasse os lábios e aumentasse a pressão, subindo e descendo sobre o seu eixo, até que ele enfiou os pés no tapete e segurou. O suor escorria e rolava das costas quando empurrou contra sua boca. “Estou indo gozar, querida,” disse ele, incapaz de controlar o impulso de seus quadris quando ela o chupou totalmente em sua boca. “Deus, você vai me fazer gozar.” Deu-lhe a opção de puxar de volta, mas ela agarrou seu eixo e levou-o profundamente. Incapaz de segurar, ele segurou a cabeça e deixou ir, explodindo em sua boca enquanto o que parecia litros de gozo para eclodir dele, fazendo-o estremecer e gritar quando veio. Estava tremendo quando lançou, e Alicia levou tudo, até que ele caiu para frente, e segurando nela para o que parecia ser sua maldita vida. 209


Ela deitou a cabeça sobre a coxa dele e o deixou se recuperar. Quando ele pode formar palavras, tudo o que podia dizer era: “Cristo, isso foi bom.” Ela inclinou a cabeça para cima e lambeu os lábios. Isso fez seu pau contrair. Maldição, ela era insaciável. “Você está me matando, Alicia.” “Então, você está dizendo que não quer levantar pesos agora?” Ele riu. “Uh, não. Mas adoraria um copo de água gelada.” Ela levantou-se. “Eu também. Vou buscar. Você deve se vestir.” Antes que ela pudesse fugir, ele agarrou seu pulso e puxou-a para o colo dele para um beijo profundo. “Obrigado.” “Foi o meu prazer.” “Oh, o seu prazer está chegando.” Ela sorriu. “Estou contando com isso.” Enquanto ele colocava as roupas de volta, Alicia voltou com dois copos de água e entregou-lhe um. Ele bebeu em cerca de três goles gananciosos enquanto bebia dela. “Você realmente precisa fazer um treino, você sabe”, disse ela. “Eu sei. Somente preciso de um minuto para recuperar o fôlego. E eu não sei, talvez um lanche. Você esgotou todas as minhas forças com esse boquete.” Ela bufou. “Endurecer. Nós estamos trabalhando em sua resistência, lançador.” “Acho que você está tentando me matar.” Mas ela cedeu, e eles tiveram um lanche, em seguida, passou a trabalhar em sua terapia. Ele tinha que admitir, a terapia era muito mais divertido depois do sexo, embora seu pau mantivesse contraindo enquanto fantasiava sobre todas as diferentes maneiras que gostaria de ter Alicia na sala de treino. Ela percebeu, também, lançando um olhar para sua virilha e levantando o olhar para ele. “Exercício com um pau duro não tem seu sangue fluindo para os músculos certos. Eu preciso dele em seu ombro — e não no seu pau.”

210


Ele deu de ombros enquanto trabalhava nas polias. “Não posso evitá-lo. Eu continuo pensando em você dobrada sobre o banco. Ou jogando-a no chão e te fodendo.” Ela deu-lhe um olhar, mas era apenas um indiferente. “Bem, pare com isso. Estamos em modo de trabalho agora. Podemos ter sexo mais tarde.” “Uma espécie de recompensa pelo trabalho é isso?” “Será que vai fazer você parar de pensar em sexo, se eu disser que sim?” “Talvez. Seria bom se eu pudesse ter um pouco de provocação agora.” Ele andou longe das polias e em sua direção. Alicia recuou. “Não, Garrett. Trabalhando agora.” Ele avançou sobre ela. “Basta um pouco de jogo. Em seguida, voltaremos ao trabalho.” Ela riu quando a apertou contra a parede. “Estou falando sério.” “Ah, então estou falando sério sobre ter minhas mãos para baixo de suas calças e—” “Então, esta é uma nova forma de terapia?” Garrett virou com pressa, sua ereção latejante morrendo quando enfrentou a única pessoa que realmente não queria ver agora. Sua agente — Victoria Baldwin.

211


Capítulo Vinte ALICIA QUERIA MORRE LÁ MESMO. À MULHER que tinha entrado e os interrompido era linda e bem vestida em um terno de negócio, marrom, cabelo na altura do queixo perfeitamente penteada. Alicia se sentiu em desvantagem, especialmente de ser pega de surpresa. “Victoria,” Garrett disse, obviamente, não chocado com tudo que alguém havia entrado na casa sem avisar. Mas recuou vários passos de Alicia. “Já pensou em tocar a campainha?” Victoria deu um sorriso irônico. “Eu toquei a campainha. Ninguém respondeu. Eu vi o carro e percebi que você podia estar na praia, então vim ao redor. Sua porta estava aberta, então entrei. Não sabia que você estava — uh — ocupado com outros modos.” Ela inclinou aquele meio sorriso a Alicia. O rosto de Alicia inflamou com mortificação. Ela não tinha ideia de quem era Victoria, mas, obviamente, era alguém que Garrett conhecia bem. “Bem, já que você está aqui—” ele se virou. “Alicia Riley, esta é a minha agente, Victoria Baldwin. Alicia é a minha fisioterapeuta. Ela trabalha para os Rivers.” Victoria se aproximou, com a mão estendida. “Muito prazer em conhecê-la, Alicia.” Oh. Sua agente. Grande. Santa merda. A última pessoa que queria que pegasse Garrett e ela quase fazendo sexo na sala de treino. Ela estava condenada. “Prazer em conhecê-la, também, Victoria. Gostaria de algo para beber?” Victoria acenou com a mão. “Não vá se aborrecer. Eu só apareci para verificar o progresso de Garrett. Não tinha ideia de que eu estava interrompendo algo mais.” Alicia corou por todo o caminho até os dedos dos pés. Ela queria desaparecer no chão.

212


“Não é nenhum problema. E você não estava interrompendo nada. Vou pegar um pouco de chá gelado.” Eles deixaram a sala de treino e se dirigiram para a cozinha. Foi óbvio para Alicia que não ia desaparecer em uma nuvem de fumaça e evitar este momento bastante embaraçoso, então só ia ter que lidar com isso. “Então, como está indo o treino?” Victoria perguntou a Garrett. “E ainda mais importante — Como está o braço?” “Meu braço se sente muito bem. Alicia está fazendo um trabalho fantástico.” “Sim,” Victoria disse com um sorriso irônico. “Certamente pareceu dessa forma.” Alicia se encolheu enquanto enchia uma bandeja com bebidas. Isso era o que estava com medo que acontecesse se acabasse se envolvendo com Garrett. Ela não tinha ideia se podia confiar em Victoria, mas a última coisa que precisava era de Phil ou Max descobrindo que ela estava dormindo com um de seus clientes. Maldição. Ela estava condenada. Condenada e demitida e desonrada, e nunca conseguiria outro emprego novamente. Colando um sorriso agradável, ela se virou. “O chá é sem açúcar, então coloquei açúcar normal e dietético, e um pouco de limão na bandeja. Você pode corrigi-lo da maneira que quiser. Por que não vamos para a sala de estar?” Alicia colocou a bandeja, em seguida, bateu as palmas das mãos suadas na calça, nervosa como o inferno sobre a agente de Garrett estar aqui. E ela os encontrou trocando carícias e beijando na sala de treino. Falando sobre um mau momento. Alicia queria vomitar. Victoria fixou um copo de chá e tomou um gole, seu olhar alternando entre Garrett e Alicia, o tempo todo sem dizer uma palavra. Mas estava sorrindo, em um eu-sei-exatamenteo-que-você-dois-estão-fazendo. Mate-me. Mate-me agora. Alicia necessitava se controlar, se colocar em seu comportamento profissional, e depois entrar em pânico. 213


“O ombro de Garrett está mostrando sinais claros de melhora,” disse Alicia, incapaz de suportar o silêncio constrangedor. “Ele está mesmo jogando alguns arremessos. Sem dor. Estou realmente animada sobre quão bem seu desempenho está indo.” “Ele está agora?” Victoria arqueou uma sobrancelha. “Assumo que o desempenho que você está se referindo relaciona-se com o seu ombro?” “Tori.” O tom de Garrett saiu como um aviso. Victoria riu. “Vamos lá, Garrett. Eu só estou brincando.” “Alicia não te conhece como eu.” “Está tudo bem.” Alicia odiava as pessoas falando sobre ela como se não estivesse lá, e não podia lidar com o suspense. “Tenho certeza que se Victoria tem algo a dizer, ela pode dizer isso.” “Oh, querida. Tudo o que você está fazendo com Garrett fora de trabalhar em seu ombro não é absolutamente da minha conta. Garrett e eu nos conhecemos. Eu assinei quando ele era um garoto chato com mais atitude do que talento.” “Hei,” disse Garrett. Victoria ignorou, mantendo seu foco em Alicia. “E nós estivemos perto desde então. Tudo o que você tem acontecendo é entre vocês dois. Meu único interesse em Garrett está na forma como a sua lesão está progredindo. Preciso dele de volta no monte do arremessador.” Alicia relaxou um pouco. “Meu principal objetivo é chegar lá.” Victoria assentiu. “Bom saber.” Ela virou-se para Garrett. “E você tem certeza de que o braço está bom?” Garrett enrolou ao redor de seu braço. “É uma sensação ótima.” Ele contou a ela sobre os diferentes tipos de terapia que Alicia tinha empregado, uma vez que tinha começado. “Alguns dos que tem sido bastante incomum, também, incluindo escalada.” Victoria arqueou uma sobrancelha. “Você escalou com um ombro ferido?” Alicia assentiu. “É bom para o alongamento dos tendões e músculos. Muitas vezes, alguém com uma lesão irá favorecer essa área. Meu objetivo é fazê-lo usar o braço, e não 214


apenas com os exercícios terapêuticos médios e levantamento de peso. Gosto de fazer atividades como golfe, natação e até mesmo escalada. Isso vai fazer Garrett usar o braço sem perceber.” Victoria realmente balançou a cabeça e olhou impressionada. “Estou admirada com o seu talento, Alicia. Ele precisava de alguém para chutar a bunda dele um pouco.” “Só estou fazendo o meu trabalho.” “Espero que você o faça bem. Precisamos ter o nosso cara de arremesso.” “Essa é a minha intenção.” “Isso é tudo o que me interessa, então.” Então, por que Alicia ainda se sentia tão tensa? E defensiva? E morrendo de medo de que tudo estava preste a mudar? Ela precisava obter um equilíbrio sobre esta situação e conseguir a cabeça no foco novamente. “Você está aqui para ver outros clientes, também, Victoria?” Ela perguntou. Ela deu um sorriso a Alicia. “Sim. Tenho vários jogadores aqui. Então estou fora para o Arizona para verificar mais alguns.” “Você deve ter muitos clientes. Quantos jogam para os Rivers?” “Apenas dois. Garrett e o novo defensor externo Raul Hermosa.” “Já ouvi coisas boas sobre ele. Ele tem uma velocidade incrível e um inferno de um braço jogando.” Victoria sorriu. “E ele é todo meu. Bem, tecnicamente, ele pertence aos Rivers, agora, também, mas eu o peguei primeiro.” “Ele é um bom garoto,” disse Garrett. “Gavin disse que ele tem um braço de foguete e um bastão assassino. Eu não posso esperar para vê-lo em ação.” “Então pegue a sua bunda de volta no monte,” Victoria disse com um sorriso irônico. Garrett encostou-se no sofá. “Estarei lá. Nenhuma dúvida sobre isso.” “Você está cantando uma música muito diferente do que a última vez que te vi.” “Estou?” “Sim. Você estava deprimido e inseguro sobre lançar meses atrás.” 215


“Tenho curado desde então. E feito muito mais terapia,” Garrett disse, lançando um olhar para Alicia. “E ele fez uns lançamentos. Agora, está ansioso para chegar lá com sua equipe,” Alicia disse, sentindo-se um pouco mais confortável agora que o tema da conversa tinha se afastado dela e Garrett, e foi sobre beisebol e a recuperação de Garrett. “Você acha que ele está pronto para isso,” perguntou Victoria. Alicia desviou o olhar para Garrett, que parecia tão esperançoso e expectante como Victoria. “Acho que ele está pronto para começar a trabalhar com a equipe.” Victoria estava. “Essa é a melhor notícia que ouvi hoje.” “Você está preocupada com o meu contrato,” disse Garrett. “Ou a continuação do meu contrato.” “Para isso que você me paga, não é?” Garrett deu de ombros. “Sim.” “Bem, não se preocupe. Primeiro, o seu contrato não é por um tempo. E segundo, eu tenho toda a fé em você — e Alicia, aqui — você estará lançando nesta temporada, para que o seu contrato não vai ser um problema.” Alicia gostava de Victoria. Ela colocou Garrett à vontade sobre o seu contrato e deu-lhe confiança. A única coisa que ele não precisava era mais alguma coisa para estragar sua cabeça. “Obrigado, Tori. Você está certa. Não quero me preocupar com essa merda.” “É por isso que você me tem. E por que você me paga muito do seu suado dinheiro.” Garrett riu. “Você está certa.” “E agora tenho que ir para que possa verificar meus outros caras.” “Já?” Alicia franziu a testa. “Tem certeza que não quer ficar e jantar com a gente?” “Isso é tão doce de você, mas não posso.” “Você tem certeza que não posso convencê-la a ficar,” perguntou Garrett. “Posso jogar alguns bifes na grelha. Não é uma cozinha gourmet, mas não vai sugar.”

216


“Você é tão doce. Você já cozinhou para mim antes,” disse Victoria. “Foi hambúrgueres na grelha se bem me lembro, e não me lembro de você me envenenando. Infelizmente, não posso ficar. Vamos pegar quando você estiver de volta à cidade para a abertura da casa.” Ela colocou a mão em seu braço. “E vou estar te esperando para lançar.” Garrett deu-lhe um sorriso. “Eu vou fazer o meu melhor.” “Tenho certeza que você vai.” Eles caminharam até a porta. Victoria virou-se para Alicia. “Foi um prazer conhecêla.” “Você também, Victoria.” “Trabalhe sua bunda, ok?” “Estou fazendo o meu melhor a cada dia.” Victoria deu-lhe um olhar. “Você sabe, de alguma forma eu acredito que você realmente é. E acho que ele precisava de alguém como você — em mais maneiras do que apenas a reabilitação.” Alicia não tinha ideia do que Victoria queria dizer com isso, mas não entrou em detalhes, apenas acenou e saiu pela porta. “Bem. Ela é interessante,” disse Alicia depois que Victoria partiu. “Ela é uma agente foda. Ela não estava brincando quando disse que me tirou da obscuridade. Ela me fez ter a minha chance com os Rivers, quando era apenas um garoto. Devo-lhe muito. Ela é uma boa amiga.” Alicia fechou a porta e encostou-se nela. “Sua boa amiga quase nos pegou fazendo sexo na sala de treino.” Garrett sorriu. “Sim, ela fez. E vai ser discreta sobre isso, então você não precisa se preocupar com ela dizendo qualquer coisa para Manny ou Max ou Phil.” Ele era como um leitor de mentes. Ela empurrou a porta e seguiu de volta para a sala de treino. “Estou pensando que ela provavelmente estava preocupada que eu estava prestando mais atenção ao seu pau que ao seu ombro.” 217


“Acredite em mim, se Victoria tivesse uma preocupação com isso, teria manifestado. Ela sabe que estou em um lugar muito melhor agora do que a última vez que ela me viu. E se não estivesse aliviada sobre quão bem eu estava indo, teria ficado em vez de fazer isso uma curta visita. Em seguida, ela teria me grelhado e você, por horas sobre todos os aspectos da minha terapia, o que teria incluído teleconferências com Max e Phil.” Alicia parou o que estava fazendo para olhar para ele. “Isso é verdade?” “Sim. Ela é profunda como o inferno, onde seus jogadores estão em causa, e não tem nenhum problema em se intrometer se acha que essa merda não está sendo feita. Então confie em mim quando lhe digo, ela tem confiança em suas habilidades, e não se importa com o que está acontecendo pessoalmente entre nós.” Ela relaxou. “Ok, então.” “Ok, então,” reiterou. “Agora, deixe-me lhe fazer uma pergunta.” Ela fez uma pausa nas polias. “Tudo bem.” “Estou realmente pronto para começar a trabalhar com a equipe?” Ela estava esperando essa pergunta. “Eu não digo coisas que não quero dizer, Garrett. Nunca teria dito algo caso fosse o contrário. Quando a equipe voltar a cidade amanhã, vamos começar a integrar os treinos com eles.” Ela viu o flash de esperança em seus olhos, a emoção em seu rosto. Ela colocou a mão em seu braço. “Não quero que você tenha muitas esperanças muito rapidamente, apesar de tudo. Você não está pronto para lançar um jogo ainda. Esta será apenas aquecimento e exercícios.” “Entendo isso. Mas vou estar com a equipe, e isso é um passo na direção certa. Eu sei que vou lançar em breve.” Ela esperava que sim, e esperava que seu plano de tratamento desse certo, porque se ela o desapontasse, ou se o braço dele ainda não estivesse pronto, ficaria arrasado. E não tinha certeza se iria recuperar isso.

218


Capítulo Vinte e Um GARRETT AMAVA O CHEURO DE UM ESTÁDIO. THE ONE aqui na Flórida não era mesmo o mais importante estádio da liga, mas ainda era um campo de beisebol. O cheiro da sujeira e da sensação da grama sob as chuteiras enquanto saía para o campo lembrava do dia da abertura, do que ele passou os últimos oito anos, preparando-se para, o início de cada temporada. Ele tinha tanto medo que ia perder isto, que, pela primeira vez desde que se formou na faculdade, ele seria deixado para trás e ser forçado a passar a temporada sentado no banco. Ainda podia acontecer, mas, pela primeira vez, tinha esperança, e era a única coisa que tinha sido faltado todos esses meses desde a sua lesão. No começo, tinha estado assustado, e então quando seu braço não tinha curado imediatamente, tinha estado para baixo e deprimido, certo que sua carreira tinha acabado. Toda a terapia no mundo não tinha entrado em sua cabeça ou tinha sido chutado na bunda, forçando-o a trabalhar para o objetivo. Alicia tinha, no entanto. Ela sabia o que ele ia levar para chegar lá, para alcançar o que queria, e realmente trabalhou para isso. Todas as ferramentas que tinha estado ali em suas mãos, tudo o que ele tinha a fazer era fazer o esforço. Eles estavam longe de terminar. Sabia disso. Mas, para Garrett, era mais do que apenas a chance de voltar ao trabalho. Estava no estádio de novo, cercado por seus companheiros. E a multidão. Deus, ele amava os fãs, os sons que faziam, mesmo as vaias quando tinha um mau jogo. Ele tinha estado isolado por tanto tempo que não se importava mesmo que tomasse um emocionante coro de vaias, contanto que pudesse estar aqui. 219


Mesmo melhor, Alicia estava aqui com ele, trabalhando com ele nos bastidores. Não podia estar jogando arremessos de aquecimento com seus companheiros, mas ele estava, pelo menos, jogando arremessos hoje. Ainda não eram os tipos de arremessos que queria jogar, mas tinha que se concentrar em sua recuperação e seu braço, e não em Walter Segundo, o impetuoso destro que era seu mais feroz concorrente e, sem dúvida, um bloqueio para iniciar o dia da abertura. Walter estava atualmente jogando fora no monte e disparando bolas na luva do apanhador. Sua precisão era fora das cartas, e sua média era quase tão boa quanto Garrett tinha sido antes de sua lesão. Garrett sabia que ele tinha sido o melhor arremessador que os Rivers teve — antes que ferrasse seu ombro. Ele seria tão bom de novo? Essa era a pergunta de milhões de dólares, não era? “Hei.” Ele desviou o olhar para Alicia, que estava ajoelhada com uma luva de apanhador na mão. “Sim?” “Puxe a cabeça para fora de sua bunda e se concentre em mim, não em Walter ou os outros jogadores. Você quer estar aqui no estádio? Então olhos em mim.” Ele queria fazer uma observação inteligente sobre como preferia ter os olhos em sua grande bunda ou talvez seria melhor se ela estivesse nua ou várias outras observações completamente inadequadas, mas havia outros caras pairando nas proximidades. Então, em vez disso, ele balançou a cabeça e disse. “Sim. Entendi. Concentre-se.” “Bom. Jogue uma lenta para mim.” “Estive jogando lentas em você pela última hora.” “Bom. Arremesse um pouco mais, e pare de choramingar sobre isso.” Ele ouviu as risadinhas de seus companheiros, que não o incomodou nem um pouco. Não seria a primeira vez que tinham arreliado uns sobre os outros num treino com um

220


instrutor. Inferno, se Manny não estivesse mastigando seu traseiro para fora em uma base diária, você sentia que não gostava mais de você. Alicia era um gatinho, por comparação. Falando do treinador dos Rivers, ele fez o seu caminho para eles, quando o resto da equipe fez uma pausa. Alicia olhou com os olhos arregalados e aterrorizados com a abordagem de Manny, que divertiu o inferno fora de Garrett. Ele lhe deu crédito para continuar com o que estava fazendo, o que estava tomando passos dele. Manny levantou-se e observou por um tempo, e depois passeou para Garrett. “Eu vejo que ela está finalmente fazendo você jogar alguns arremessos.” “Alguns dos mais fracos, mas sim, eu finalmente estou jogando.” “Eles parecem uma merda,” disse Manny. Alicia olhou horrorizada. Garrett sorriu. “Sim, eles fazem. Mas é mais do que eu joguei desde a lesão. E meu braço se sente muito bem.” Manny examinou Garrett, em seguida, Alicia. Garrett sempre pensou que Manny parecia um velho pirata grisalho quando dava aquele olhar de soslaio. Manny finalmente balançou a cabeça e deu um tapa em Garrett nas costas. “Bom o suficiente. Mantenha isto.” Quando ele se afastou, Alicia caiu e deixou cair sua luva. Garrett caminhou pelo campo em direção a ela, em seguida, inclinou-se. “Você está respirando?” Ela levantou a cabeça. “Eu não posso evitar. Ele assusta a merda fora de mim.” “Você? A pessoa que estava na sala de terapia naquele dia e me disse que eu tinha minha cabeça no meu traseiro, então se levantou na frente de Manny, seu chefe, o médico da equipe, e a equipe de terapia toda e disse-lhes que o seu método de lidar comigo sugava? E você tem medo de Manny?” Ela se levantou, chutou o chão. “Eu tive um momento de loucura. Não sabia o que inferno estava falando.” “Então você está dizendo que não tem ideia de como me tratar.” Ela ergueu o queixo e olhou para ele. “Sei exatamente o que estou fazendo.” 221


Quando ela ficava desafiadora assim, ele queria empurrar em seus braços e beijá-la. Era um tesão quando ela estava toda ardente e independente. “Bom. Não deixe Manny intimidá-la.” Ela piscou. “Você sabe o quê? Você está certo.” “Claro que eu estou.” Alicia revirou os olhos e apontou. “Volte a trabalhar. Como está sentindo seu braço?” “Muito bom, na verdade.” “Ok, lance algo mais duro. E por mais duro, Garrett, eu não quero uma bola de rápida ou—” “Deus, Alicia. Sei o que você quer dizer. Coloque um pouco mais de esforço para isso, mas não force a situação. Só um pouco mais duro do que o que eu estava jogando.” Ela assentiu com a cabeça. “Agora você está recebendo a imagem.” Ele se virou e foi embora. “Você não tem que me dar um roteiro de merda. Eu não sou um idiota maldito.” “Eu ouvi isso.” Ele virou-se para encará-la. “Eu sei. É por isso que eu disse isso alto o suficiente para que você pudesse ouvir.” Ela agachou-se na posição. “Vamos falar o dia todo, ou você vai me lançar uma bola?” Mais risadinhas de seus companheiros de equipe. Ele balançou a cabeça, acabou, e lançou uma bola dura o suficiente para que Alicia fizesse uma careta quando bateu com a luva. Isso podia calá-la por um tempo. Ela fez uma careta para ele, mas jogou a bola para trás, sem dizer uma palavra. “Não bastante duro ainda, idiota.” Mais risos de outros lançadores, mas os risos ainda eram dirigidos a ele. Bom. Exatamente onde ele queria.

222


***** GARRETT ESTAVA FORA FALANDO COM OS OUTROS LANÇADORES, assim Alicia levou um momento para atualizar suas notas. “Você olha toda oficial e parece toda terapeuta.” Ela se virou e sorriu para seu primo Gavin, em seguida, deu-lhe um abraço. “ E você olha todo como beisebol. Como está indo?” “Bom. Como está indo a recuperação de Garrett?” “Ótimo. Ele está vindo junto.” “Isso, eu ouvi. Entre outras coisas.” Alicia arqueou uma sobrancelha. “Outras coisas.” “Oh, você sabe. Palavra fica em torno muito rápido, em um clube de bola.” Porcaria. “Diga-me o que você ouviu.” “Alguns dos caras falando sobre o quão fácil é entre vocês dois, um monte de rir e... as coisas.” “As coisas? Que coisas?” “Olha. Eu não presto muita atenção a fofocas e boatos, você sabe disso. Mas eu vi vocês dois juntos hoje. É bastante óbvio que há alguma linguagem corporal entre os dois.” “A linguagem corporal?” Ela sabia que tudo o que estava fazendo era repetir o que ele disse, mas estava afundando rapidamente. Não tinha nada a dizer em sua própria defesa, então quanto mais poderia atrasar o inevitável, o melhor. “Sei que não é da minha conta, mas há algo acontecendo entre vocês dois?” Não haveria como negar a Gavin. Ele descobriria eventualmente de Liz, que lhe contaria tudo. “Uh... mais ou menos.” Agora foi a vez de Gavin levantar uma sobrancelha. “O que significa “mais ou menos” quer dizer? Isso não é escola, Alicia. Não é ou é. Você sabe que não vou dizer a qualquer um dos caras da equipe. Você pode confiar em mim.” 223


Ela sabia que seu primo não iria falar. “Sim, há algo acontecendo entre nós. Eu só não sei o que realmente ainda, e realmente aprecio isso se você pudesse fazer o que pudesse para não promover qualquer conversa entre os outros jogadores. Sou um pouco afeiçoada ao meu trabalho.” “Ei, você sabe que não vim aqui para obter fofocas de você.” Ela assentiu com a cabeça. “Eu sei. É por isso que lhe disse.” Gavin olhou para Garrett. “Ele é um cara bom, você sabe.” “Sim, ele é. Mas o meu foco principal é sobre a sua recuperação, e não em sair com ele. Quero dizer, nós não estamos nem namorando. Nós somos apenas—” Ela deu a Gavin um olhar vazio. “Não posso ter esta discussão com você.” Gavin parecia tão horrorizado como ela fazia. “Graças a Deus. Porque não quero discutir sexo com você.” Ela riu. “Que bom que Liz está na cidade,” disse Gavin. “Poderia ser melhor se você falasse com ela sobre essa merda.” Ele tirou o boné e passou os dedos pelo cabelo. “Por que não nos reunimos para o jantar? Você pode vir a nossa casa de praia.” “Eu adoraria ver a Liz.” Então pensou sobre isso. “Você não vai para grelhar Garrett sobre o nosso relacionamento, não é?” “Uh, não. Porque, então, todo o tema de sexo viria de novo, e, acredite, essa é a última coisa que quero falar com o seu cara.” Seu cara. Ele não era realmente seu cara. Era? “Ok, vou falar com Garrett sobre isso e chamá-lo.” Ele beijou sua bochecha. “Mais tarde.” Quando o aquecimento terminou, eles ficaram e assistiram ao jogo. Ela manteve o olho em Garrett para ver como reagia ao ser relegado para assistir ao invés de jogar. Felizmente, como um lançador, ele não estava sempre na rotação. Parecia lidar com isso muito bem, aplaudindo os jogadores enquanto os Rivers batia no Atlanta, por 3-2.

224


Ele fez muito bem, fazendo o seu caminho até o campo para se reunir aos lançadores no monte, enquanto ela ficava no banco. Enquanto a multidão saia e o time ia para o vestiário, Alicia passou algum tempo com as outras pessoas da medicina esportiva, para saber sobre o que estava acontecendo. Annamarie estava lá, a única mulher terapeuta de medicina esportiva. Alicia e Annamarie haviam sido contratadas na mesma época e tinha se conectado como mulheres em um mar de testosterona. Annamarie era durona e capaz e também muito linda, Alicia sempre pensou. Ela tinha uma atitude atrevida para ir com sua herança italiana / mexicana / alemã. Enquanto o cabelo de Alicia era uma espécie da mesma cor, as duas jamais poderiam ser confundidas. O cabelo de Annamarie era grosso como o inferno, e muitas vezes trançava para mantê-lo fora de seu caminho. Além disso, tinha a pele oliva e lindos e belos olhos e o tipo de corpo exuberante que não podia ser escondido sob uniformes médicos horríveis da equipe. Ela e Annamarie tinham-se tornado boas amigas e sempre lamentando sobre seu estado inferior na equipe. “Senti sua falta,” Annamarie disse, sentando ao lado de Alicia no banco. “Nós não tivemos a chance de conversar uma vez que você foi atribuída a Garrett. Sorte sua. Ele é quente.” Alicia riu. “Sim. Tem sido um caso interessante.” “Como é que ele vai?” “Ele está indo bem.” “E você tem tudo isso um-em-um tempo com ele como especialista. O que é um grande passo na sua carreira. Isso coloca você na frente e no centro dos olhos da equipe. Eu estou tipo ciumenta.” “Sim. Também na frente e no centro dos olhos da equipe, se você sabe o que quero dizer.”

225


Annamarie levantou a cabeça e franziu a testa e disse: “Oh. Certo. Você é como um alvo gigante.” “Exatamente. Se eu não levá-lo em cima do monte do lançador, não vai ficar bom para mim.” Annamarie virou no banco para encará-la. “Pare de se preocupar. Eu vi você trabalhando com os caras, Alicia. Você é muito boa. Tem esse sexto sentido sobre a terapia e reabilitação, e seus resultados são os mais elevados percentuais. Você tem alguma dúvida de que vai ter Garrett lançando nesta temporada?” Naquele dia, em St. Louis quando Garrett pediu a ela sua opinião — ela sabia com certeza que poderia consertá-lo. Ainda se sentia assim. “Não. Nenhuma.” “Veja, isso é onde você é diferente de um monte de terapeutas, onde você e eu discordamos. Eu sei que ainda há tanta coisa que tenho que aprender, mas você sempre teve essa confiança. Você mergulha de cabeça em tudo o que está fazendo com essa convicção estranha que o resultado vai ser um jogador reabilitado cem por cento.” Alicia olhou para Annamarie. “Eu nunca tinha pensado nisso dessa forma. Devo estar fora da minha mente maldita. Não há certeza, como isso, especialmente neste campo, porque há muitas variáveis, incluindo os próprios jogadores. Você sabe tão bem quanto eu que o seu nível de cooperação é fundamental para a sua recuperação.” Annamarie riu. “É claro que faço, é por isso que não sou tão confiante como você é. Mas acho que a sua confiança decorre de sua capacidade doce de convencê-los a cooperar. Olha como isso está trabalhando com Garrett. Você fez progressos incríveis com ele, até agora, não é?” “Suponho que tenho.” Ela tinha. Muito disso tinha a ver com a vontade de Garrett de cooperar e a maneira como se aproximou de sua terapia. Tinha sido difícil para ele, mas tinha sido igualmente difícil para si mesmo. “Então, não muda nada do que está fazendo. Isso está trabalhando.” Ela apertou a mão de Annamarie. “Obrigado. Eu precisava disso. Tem sido um impulsionador de confiança real.” 226


Annamarie riu. “Isso é para o que amigos e colegas são. Chame-me a qualquer hora. E quando esta crise terminar, nós precisamos almoçar juntas. Eu senti sua falta.” “Eu sentia a sua, também.” Depois que Annamarie saiu, Alicia pensou sobre o que sua amiga tinha dito. Fazia muito sentido, mas também a assustou. Era realmente tão destemida em seus planos de tratamento e da forma como lidava com os jogadores? Ela estava com Garrett. E até agora isso estava trabalhando, talvez por isso ela não devesse pensar demais. Olhou ao redor. Onde estava Garrett, afinal? Percebeu que estava falando com Annamarie tanto tempo que o estádio tinha esvaziado. “Estamos prestes a desligar as luzes, senhorita. Você vem?” Ela olhou para cima para ver um dos membros da equipe do estádio. “Na verdade, estou esperando por um dos jogadores. Acho que ele ainda está no campo. Garrett Scott. Ele poderia estar lá fora com um dos treinadores.” O empregado pegou o telefone e suspirou. Obviamente, não era algo que precisava fazer. “Vamos travar se você precisa ir. Tenho certeza de que Garrett ou o treinador que ele ficou para trás para trabalhar pode pegar as chaves com você amanhã, já que vou estar de volta aqui mais cedo. Quero trabalhar com ele em seu arremesso antes que a equipe comece o aquecimento.” “Você tem certeza?” “Positivo. Vá em frente.” Ele acenou com a cabeça. “Okay. Obrigado. Eu vou cuidar das luzes do estádio. Você pode desligar as daqui antes de ir.” Ele entregou-lhe as chaves, e ela entrou e trancou as portas atrás dele. Depois que as luzes desligaram, estava escuro e um pouco assustador no banco. Ela esperou, imaginando assim que as luzes do estádio se apagaram, Garrett iria aparecer. Ele não fez. 227


Eles tinham vindo no mesmo carro. Certamente, ele não teria a deixado aqui sozinha, ou teria? Ela foi para o vestiário, mas estava vazio, então ela caminhou fora para fazer a varredura no estacionamento, só para ter certeza. O carro ainda estava lá, mas Garrett estava longe de ser encontrado. Ela voltou para dentro, através do vestiário, e de volta para o banco. A única luz ainda acessa no outro lado do campo era para o monte. Ela atravessou o banco de reservas e pegou o telefone que o treinador costumava chamar para os lançadores. O telefone tocou várias vezes antes que Garrett pegasse. “Sim?” “Estava esperando que você estivesse lá fora, considerando que nos trouxe até aqui.” “Sinto muito. Ainda estou aqui.” “O que você está fazendo aí?” “Pensando.” “Você está sozinho?” “Sim.” Huh. “O que você está pensando?” “Algumas coisas.” Ela perguntou onde seu estado mental estava. “Você está bem?” “Sim, estou bem. Fiquei para trás para falar com alguns dos caras. Quando eles saíram, encontrei-me não querendo ir.” Ela sentou-se no banco. “Okay. Você quer conversar?” Ela ouviu seu riso suave. “Sobre?” “Eu não sei. Eu vou deixar você decidir. Poderíamos falar sobre a sua terapia. Ela está indo bem, Garrett.” “Não quero falar sobre a terapia. Ou meu ombro. Ou qualquer coisa que tenha a ver com a minha recuperação ou reabilitação. Estou tomando a noite fora de pensar sobre isso.” “Tudo bem. Que tal nós conversamos sobre o jogo ao invés.” 228


“Foi um bom jogo. Desculpe eu fugi de você. Queria estar aqui com os outros caras.” “Você não tem que ficar para mim como cola, você sabe. Você estava certo onde era suposto estar — com os outros lançadores.” “Obrigado. Foi bom estar de volta aqui. Gostou do jogo?” “Eu fiz. Estou feliz, o time venceu. Eles estão bem nesta temporada.” “Sim. Eles fazem.” Essa conversa era superficial. Havia algo que ele não estava dizendo a ela, algo incomodando. “Garrett — nós levaremos você lá. Esta ainda é a pré-temporada.” Ele fez uma pausa. “Eu sei.” Ela tinha que obter a sua mente fora do beisebol e ele não foi capaz de fazer agora. “Ent... o que você está vestindo agora?” Ele riu. “Você está tentando ter sexo por telefone, senhorita Riley?” “Talvez.” “Estamos sozinhos?” “Sim. Equipe já se foi.” “Nesse caso, estou nu aqui.” Se esse fosse o caso. “Realmente. Desde que você está nu, você deve levar seu pênis em sua mão e acariciá-lo para mim.” Ouviu-o tomar uma respiração profunda. “Você sabe que vou fazer isso. Aqui fora. Se você deslizar suas mãos em suas calças e tocar a si mesma.” Agora, sua respiração acelerou. Ela sabia que eles estavam sozinhos. Estava escuro no banco. Ninguém poderia vê-la. Ela deslizou a mão na frente da calça. Garrett estava tão perto, mas não podia vê-la, também. “Toque-se para mim, Garrett.” “Eu estou duro já. Você sabe que vou transar com você aqui.” Ela espalmou seu sexo, já molhado e tremendo em antecipação dele fazer isso. 229


“Então venha aqui e faça isso.” “Desligando agora.” Ela desligou, também, e sentou-se no banco. A luz no monte apagou, banhando todo o estádio na escuridão. Ela ouviu o barulho da porta e pouco tempo depois, ela avistou Garrett, fazendo uma caminhada determinada através do campo para o banco de reservas. Ela não se levantou, não até que ele desceu os poucos passos em direção a ela. Então, ela se levantou. Ele puxou-a contra si e beijou-a. A paixão em seu beijo nunca deixou de incendiá-la, levá-la direto para o turbilhão de desejo e necessidade, onde queria estar nua e senti-lo dentro dela imediatamente. Ela chutou fora seus sapatos e freneticamente desceu seu zíper enquanto Garrett virava-a para que estivesse de costas para ele. Ele segurou-lhe o queixo com uma das mãos, inclinando a cabeça para trás enquanto ela baixava as calças no chão. “Eu realmente odeio esse uniforme de vocês, Alicia,” disse ele, lambendo o lado de seu pescoço. Ela tremeu. “Eu também.” “Você deveria estar em uma saia esta noite. Ou um vestido que eu pudesse levantar para que pudesse enfiar meu pau em você e foder duramente.” Seu sexo tremia com a imagem mental enquanto ela deslizava para fora da calcinha. “Você não está fazendo isso mais fácil.” Ele se sentou no banco e abriu o zíper de suas calças. “Sim, bem, estou ficando mais duro. Vem sentar em mim.” Graças a Deus ela tinha preservativos em sua bolsa. Ela poderia ter chorado, se não tivesse nenhum. Ela montou nele, dobrando os joelhos para deslizá-lo todo com o banco de cada lado de seus quadris. “Sempre faz amor em um estádio?” Ela riu. “Esta é definitivamente uma primeira vez para mim.” 230


Ele passou as mãos sobre as coxas, segurando-a no lugar enquanto aliviou para baixo em seu pênis. “Eu gosto de ser a primeira,” disse ele, deslizando a mão sob sua camisa. Ele era definitivamente a primeira vez. Para um monte de coisas. Ele levantou o sutiã sobre os seios, enchendo as mãos com eles, enquanto ela se sentava em seu eixo. “Cristo,” disse ele, acalmando quando enterrou dentro dela. Ele apertou seus seios, roçando os polegares sobre os mamilos, em seguida, a levou para frente para lambê-los. Quando soprou sobre eles, seu hálito quente provocou um fogo queimando dentro dela. Agarrou seus braços e trouxe um mamilo à boca. “Faça isso de novo.” Seus lábios curvaram, e ele pegou um dos botões entre seus lábios, sugou-o entre os dentes, e passou a língua sobre ele. Tão dolorosamente sensual, o prazer doloroso a queimou. A noite estava quente e úmida, nem um pouco de ar soprando para esfriar sua pele aquecida, Garrett começou a empurrar para cima. Ela segurou em seus ombros e levantou, em seguida, afundando novamente, as sensações aquecendo-a. “Sua pele é prata ao luar,” disse ele, passando a mão em torno da nuca para puxá-la para baixo para um beijo. Quando a beijou e fez amor com ela, os dedos dos pés enrolaram, e seu pelo ficou em pé, tudo mais inflamou. Ela cravou as unhas em seus ombros e montou nele, bombardeando com sensações que a levaram a ponto de ruptura. E quando ele se afastou, ela arqueou as costas, dando-lhe acesso às partes mais íntimas dela. Ele esfregou seu clitóris e ela quebrou, apertando seu pênis quando ondas de orgasmo convulsionaram dentro dela. “Cristo, Alicia.” Ele passou o braço em volta das costas para puxá-la contra ele. Empurrou profundamente dentro dela e seus gemidos eram os sons mais doces na noite tranquila enquanto ela cavalgava seu clímax, em seguida, levando-o para o passeio. 231


Apertando firmemente para ele, ela acariciou as costas encharcadas de suor. Ele deu um beijo em seu pescoço, então a puxou de seu colo e a colocou sobre seus pés. Ela se agarrou a ele. “Minhas pernas estão tremendo. E não tenho certeza se sei onde minhas calcinhas estão.” Ele riu. “Nós provavelmente deveríamos encontrá-la ou vamos ter algumas explicações a dar à equipe amanhã de manhã.” “Sim, e falando da equipe, estou com as chaves para as portas, o que significa um treino mais cedo para você de manhã.” Ele colocou o braço em volta dela e a puxou contra ele, seus olhos ainda fortemente cheios de paixão. “Valeu a pena, você não acha?” Ela estremeceu e apertou as mãos contra o peito. “Definitivamente. Eu nunca tive sexo num banco de reservas antes.” “Eu também.” Ele a beijou profundamente, os dedos mergulhando em seu cabelo para mantê-la firmemente contra sua boca enquanto sua língua a saqueava. No momento em que se afastou, ela estava mais do que pronta para a segunda rodada. Mas eles provavelmente deviam sair de lá antes que pressionasse a sua sorte e alguém aparecesse. Não que ela esperava que alguém assombrasse o estádio depois de horas, mas nunca se sabia. Eles procuraram e encontraram a calcinha debaixo do banco. Vestiu-se e tirou as chaves do bolso para que pudessem sair e trancar. No caminho de volta para casa, ela se lembrou de sua conversa com seu primo mais cedo. “Oh, a propósito, Gavin sugeriu que todos jantemos juntos.” Garrett arqueou uma sobrancelha. “Ele sabe sobre nós?” “Sim. Aparentemente, os rumores estão flutuando em torno da equipe sobre o quão perto nós nos tornamos.” “Sim? Huh.”

232


Ele não parecia incomodado com isso. Talvez ela não devesse estar, também. Gavin disse que seria discreto. Enquanto isso, ela tentaria ficar menos... perto de Garrett no futuro. Pelo menos publicamente. “De qualquer forma, Liz está na cidade, e quer nos reunir na casa dele.” Garrett não disse nada por alguns minutos. Ela se perguntava se estava preocupado com a coisa toda dos boatos. “Gavin vai me grelhar sobre o nosso relacionamento, não é?” Ela riu. “Não. Ele está ciente que estamos... tendo relações sexuais, e disse que é a última coisa que quer falar. Acho que você está salvo.” “Bom. Em seguida, jantar soa bem.” “Por quê? Porque você está com medo de enfrentar o meu primo, ou com medo de responder a perguntas sobre o nosso relacionamento?” Ele poupou-lhe um olhar rápido enquanto dirigia. “Nenhum dos dois. E as duas coisas.” Confundindo a resposta. Ela não tinha certeza do que fazer com isso, ou se ela gostou. Uma parte dela entendia seu raciocínio por estar desconfortável. Afinal, Gavin era seu primo. Família sempre era complicado. Mesmo que ela não podia definir seu relacionamento, se eles ainda tinham um relacionamento. Eles estavam tendo relações sexuais. Além disso, tinham uma relação de trabalho. É tudo o que havia entre eles. Não era?

233


Capítulo Vinte e Dois GARRETT APROXIMOU-SE DA PORTA DA FRENTE DA casa de praia de Gavin Riley com mais do que um pouco de ansiedade. Gavin era, afinal, o primo de Alicia. Família. Protetor de Alicia, sem dúvida. Além disso, era companheiro de equipe de Garrett. Eles jogavam juntos há anos, tinha saído para cervejas após os jogos, tinha se dado bem. Garrett tinha que ser capaz de contar com Gavin, precisava saber se Gavin tinha suas costas. Relacionamentos em beisebol era tudo. Então, era a confiança. Todas as coisas que Garrett não tinha pensado nisso quando arrastou a prima de Gavin para a cama. Claro, Gavin não tinha estado na frente e no centro em sua mente quando ele tinha conseguido Alicia nua. “Você está bem?” Alicia perguntou enquanto esperavam na porta da frente. Ele parou olhando para a porta por tempo suficiente para inclinar o olhar para ela. Ela estava linda hoje à noite, com os lados de seu cabelo puxados para cima, e o restante em cascata pelas costas em ondas suaves soltas. Ele queria enterrar o rosto em seu cabelo, então enredar os dedos nele. Mas manteve a distância. “Eu estou bem. Por quê?” “Você está nervoso. Eu lhe disse para não ficar nervoso. Isso vai ser divertido.” Sim. Como a decapitação era divertida. A porta se abriu e Elizabeth Riley estava lá. Ele fitou-a várias vezes antes, ambos com Gavin e acompanhando a sua agente, Victoria, já que as duas não eram apenas colegas, mas amigas. “Ei, era hora de vocês dois aparecerem,” disse Elizabeth. “Nós não estamos atrasados,” Alicia disse, abraçando Elizabeth quando ela entrou. “Você conhece Garrett.” 234


“Eu faço. Aquela vadia da Victoria tem você como cliente. Você não está atualmente chateado com ela ou qualquer outra coisa, não é?” “Não.” “Droga,” disse ela, em seguida, piscou para Garrett. “Quem quer uma bebida? Tenho cerveja, vinho e chá.” “Cerveja está bom para mim,” disse Garrett quando Elizabeth levou-os para a cozinha. Vestindo capri, uma blusa de seda sem mangas, e ridiculamente saltos altos, Elizabeth era um espanto com o cabelo e as curvas que qualquer homem ficaria feliz em colocar as mãos, um nocaute. Gavin era um homem de sorte. Ela entregou-lhe uma cerveja. “Obrigado, Elizabeth.” “Me chame de Liz. O outro é demasiado formal.” Gavin saiu lá fora. “Oh, vocês estão aqui. O que está acontecendo?” Ele apertou a mão de Garrett e pegou Alicia em torno da cintura, puxando-a para um abraço. “Você está bronzeado,” disse ela para Gavin. “Sai de barco por um tempo hoje, já que tivemos um dia de folga.” “Eu, é claro, não estou bronzeada, sendo uma daquelas ruivas de pele clara que queima. Então, ensaboei sobre o protetor solar e não tentei fritar lá fora. Senhor, que estava quente.” “Cadela, cadela, cadela,” disse Gavin, mas deu a Liz uma piscadela. “Sim, mas quem pegou o peixe hoje, idiota,” ela perguntou. “Você fez, minha linda, mas não bronzeada esposa. E você nunca vai me deixar esquecer isso, vai?” “Pode apostar que não vou.” Alicia riu enquanto dava a Liz um olhar incrédulo. “Você pegou um peixe?” Liz puxou uma cadeira no bar. “Sente-se. Fiquem à vontade. E sim, peguei o peixe. Estou ficando muito danada de boa nessa coisa de pesca.” “Ela até aprendeu a colocar a isca sozinha no gancho sem xingar ou reclamar,” Gavin disse, tomando um gole de cerveja. 235


“Ou querer vomitar,” Liz acrescentou. “Sim, isso também.” “Estou muito orgulhosa, Liz,” disse Alicia. “Nós vamos ter que ir para o lago no verão. Eu amo pescar.” Garrett olhou para ela. “Você gosta de pescar?” Ela levantou o olhar para ele. “Eu amo isso. Minha família sempre foi para o acampamento. O meu pai ensinou-me e a Cole pescar quando éramos crianças. Você pesca?” “Eu fiz isso aqui e ali.” “Você vai ter que vir, também.” Ela fez parecer como se ele ainda estaria em sua vida no verão. Será que estaria? Ele não tinha pensado muito para além do aqui e agora, porque essa era a forma como a sua vida tinha sido sempre. Relacionamentos nunca tinha sido de longo prazo para ele, o que lhe convinha muito bem e tinha se encaixado com seus objetivos de carreira. Era difícil ter um relacionamento e fazer o que fazia para viver, estar sempre na estrada. Além disso, nunca sabia se alguém estaria lá para ele ou para quem ele era e o que fazia. Alicia era diferente, no entanto. O relacionamento deles havia sido tudo menos tradicional. Eles nunca sequer tinham o que ele consideraria um encontro. Não sabia como se sentia sobre o que estava acontecendo entre os dois. O sexo com certeza era quente, e ele definitivamente sentia alguma coisa, mas o que era? Talvez fosse hora de começar a descobrir isso, porque em algum momento essa coisa de terapia ia terminar, e eles ficar com... O quê? “Tenho bifes na grelha — exceto para você, Alicia, é claro,” disse Gavin. “Você está tendo essa salada de macarrão incrível que Liz fez para você.” Alicia sorriu para Liz. “Awww, você cozinhou.” “Eu cozinhei, misturei, piquei, e atirei. Gavin que é o cozinheiro,” Liz corrigiu. 236


“Não deixe ela te enganar,” disse Gavin. “Ela é um inferno de uma cozinheira. Garrett, quer pegar sua cerveja e vir fora comigo enquanto eu grelho esses bifes?” Oh, merda. Era a hora da inquisição. “Claro.” A noite estava clara e quente, e todas as estrelas visíveis no céu sem lua. Garrett seguiu Gavin descendo as escadas e para o lado do pátio, onde a grelha estava localizada. Ele tomou um longo gole de cerveja e contemplou a sua vida tal como se apresentava no momento. E se ele nunca jogasse de novo? O que ele faria? Ele nunca tinha pensado muito sobre a vida após o beisebol, mas não ia fazer isso para sempre. E se não conseguisse fazer o braço trabalhar, teria de descobrir alguma coisa para fazer. Talvez devesse começar a planejar isso, mais cedo ou mais tarde e ter uma estratégia em ordem. “Senti falta de você na equipe, homem,” disse Gavin. “Senti falta de estar lá. Como está indo?” Gavin encolheu os ombros. “Pré-temporada típica. Altos e baixos. Claro que poderia usá-lo.” Garrett tomou um longo gole de cerveja. “Trabalhando muito para voltar.” “Como está seu ombro?” “É um inferno de muito melhor, mas não tive a chance de lançar em uma situação de jogo ainda, então não há muito no ar.” Gavin se inclinou contra o deck. “Merda assustadora, cara. Eu acho que todos nós que jogamos sabemos o que você está passando, como está se sentindo. Somos todos preocupados com esse grande 'e se'.” “Sim. É definitivamente me fez pensar sobre o que vou fazer se não puder lançar mais. Empurrei-o para o canto mais distante da minha mente por um longo tempo agora, mas tenho que encarar a realidade e chegar a um plano de substituto.” “Nenhum de nós quer pensar sobre a vida depois de beisebol.” Gavin olhou para ele. “Você ainda tem um plano substituto?” Garrett riu. “Ainda não. Acho que é hora de descobrir isso.” 237


“Você vai lançar novamente. Minha prima é muito boa em seu trabalho. Ela é dedicada e feroz. Vai ter você nesse monte, bom como novo.” Ele adorava que Gavin acreditava em Alicia. “Ela é boa em seu trabalho. Ela me empurrou com mais força do que ninguém — o inferno, mais duro do que eu jamais pensei em me esforçar.” Gavin sorriu quando tomou um gole de cerveja. “Isso soa como Alicia. As palavras não e eu não posso não estão em seu vocabulário. Quando foi contratada para a equipe, eu sabia que se me machucasse, queria ela como encarregada da minha recuperação.” “Sério?” “Claro que sim. Tanto quanto a conheço, ela quer ajudar as pessoas. No colégio, ela sabia que queria ir para medicina desportiva, mesmo intimidar o treinador de futebol em deixá-la ser um aprendiz da equipe atlética, apenas para que ela pudesse ter alguma prática de trabalho antes de ir para a faculdade. Este é o sonho de sua vida. Ela é tão maldita dedicada para ter certeza que os atletas se mantém saudável, recuperar e jogar no topo de seu jogo. É mais do que apenas um salário para ela, você sabe.” “Posso ver isso. Já a vi em ação. Ela coloca um monte de coração no que faz. E sou realmente grato pelo que fez por mim.” Gavin fez uma pausa enquanto virava os bifes, em seguida, virou-se para Garrett. “Eu sei que isto é realmente território complicado, porque você e eu somos amigos, e ela é minha prima. Não quero me intrometer, porque não é da minha conta. A única coisa que vou dizer sobre isso é que, não quero que ela se machuque.” Ele sabia que Gavin diria algo. A responsabilidade de cuidar da família e tudo mais. Não que ele tinha muita experiência nesse departamento uma vez que raramente via a sua família. Mas pelo que tinha ouvido falar de Alicia e sua dinâmica familiar, sabia que eles estavam pertos, então esperava por isso. “Não quero que ela se machuque, também. Eu vou fazer de tudo para não deixar que isso aconteça.” Gavin olhou para ele por um minuto, em seguida, assentiu. “Acredito em você. Você não é um daqueles idiotas.” 238


Garrett riu. “Uh, não. Eu não sou. Não vou machucá-la, Gavin. Não é disso que se trata.” “Okay. Boa conversa. Vamos passar à forma como vamos chutar o traseiro de Baltimore amanhã.”

***** ALICIA TENTOU OLHAR PARA A ESCURIDÃO, PARA que pudesse ter uma leitura sobre o que estava acontecendo entre Gavin e Garrett. Ela não podia vê-los, no entanto. E também não podia ouvi-los, o que era um bom sinal, não havia como discutir o que estava acontecendo. “O que você está olhando?” Liz perguntou-lhe quando elas sentaram no bar bebendo vinho. Ela puxou seu olhar para Liz. “Tentando descobrir se eles estão se golpeando.” Liz bufou. “Gavin não vai dar um soco em Garrett só porque vocês dois estão tendo sexo de macaco selvagem.” Os olhos de Alicia se arregalaram. Ela pensou em negar, mas essa era Liz, que iria picar e erguer até conseguir a verdade de Alicia. “Como você sabe?” “Por favor. Conheço esse olhar nervoso. Além disso, Gavin me contou. Você está com medo que Gavin vai ir todo primo protetor sobre Garrett.” “Talvez.” Liz acenou com a mão. “Não vai acontecer. Acredite em mim, a última coisa que Gavin quer falar e sobre a sua vida sexual.” Ela relaxou os ombros. “Você provavelmente está certa sobre isso.” “Como vão as coisas com vocês dois?” Alicia tomou um gole de vinho e sorriu para Liz. “Ombro de Garrett está indo bem. Ele está começando a jogar arremessos.”

239


Liz lançou-lhe um olhar. “Boa evasão, mas você sabe que não era o que eu estava perguntando.” Ela não tinha pensado que iria funcionar, mas valia a pena tentar. “Eu não sei como isso aconteceu.” “Eu faço. Você é quente, e assim ele é. É Chemistry 10123, querida.” “Isso não deveria ter acontecido. Ele precisa se concentrar em sua recuperação, não no sexo.” Liz bufou. “Sexo é ótimo para a recuperação. Todo aquele sangue produzindo em suas veias. Você é a perita. Um jogador de bom humor não é uma coisa ruim, não é? Quer dizer, um monte da sua recuperação é mental, não é?” “Isso é verdade, mas seu pênis não tem nada a ver com o seu ombro.” “Oh, vamos lá, Alicia. Se você está o mantendo satisfeito, ele está relaxado e mais apto a trabalhar mais duro em sua reabilitação. Ele está menos tenso desde que você foi fazer sexo com ele, não é?” Alicia estreitou seu olhar para Liz. Ela estava certa naquele assunto. “Bem, quem fez a porra de uma especialidade como em todas as coisas medicina esportiva?” Liz riu. “Querida, não sei porcaria nenhuma sobre medicina esportiva. Mas sei muito sobre sexo e como manter o meu homem relaxado e feliz. E quando ele está relaxado e feliz, ele joga um fodido grande beisebol. Então pare de adivinhar todos os seus movimentos com Garrett, e aprecie o que está acontecendo entre vocês dois.” Alicia levantou a garrafa de vinho e encheu o copo e Liz. “Alguém já lhe disse como você é inteligente?” “Muitas vezes o suficiente.” Liz ergueu o copo e tilintou contra Alicia. Talvez Liz estivesse certa e seu relacionamento era bom para a recuperação de Garrett. Ela disse a ele no início para tirar isso de sua cabeça. Quando ele não estava tão

23

Química 101 – Chemistry 101 é uma compilação de artigos gerais e introdutórios de química. 240


focado em seu ombro e cada etapa do processo, ela poderia fazer incursões com a sua reabilitação. Qual era a melhor maneira de fazer isso do que com o sexo? Uma vantagem definitiva — para ambos. Porque não havia nenhuma desvantagem por ter relações sexuais com Garrett.

***** ELES JANTARAM E TIVERAM UMA BOA CONVERSA, e Alicia passou a noite sem se preocupar com nada para uma mudança. Aparentemente, Garrett descontraiu, também, porque quando veio dentro depois de estar com Gavin, colocou seu braço ao redor dela. Ele ainda beijou-a na frente de seu primo, o que ela achava que era mais do que um pouco monumental. Ela achou que poderia até chamar esta noite de um encontro. Eles riram, tomaram bebidas, falaram de beisebol, e ela não conseguia se lembrar de ver Garrett tão relaxado. Ele ficou perto dela durante toda a noite, tocando-a em pequenas ocasiões que faziam seu estômago ondular com desejo. Ele arrastou os dedos para o lado de seu pescoço ou esfregou o polegar sobre o dorso da mão, todos os gestos aparentemente inocentes que despiu suas terminações nervosas e fez desejosa que estivessem sozinhos, para que ela pudesse tocá-lo de forma íntima e o fazer sentir metade das coisas que ela estava sentindo. “O que você está fazendo?” Ela perguntou a ele em algum momento da noite, quando ele colocou a mão contra o baixo de suas costas, os dedos rastejando perigosamente abaixo para sua bunda. Ela manteve sua voz em um sussurro, para Gavin e Liz não poderem ouvir. Deu-lhe, um sorriso inocente sexy e um “eu não tenho nenhuma ideia do que você está falando,” como resposta. Tinha a sensação de que ele sabia exatamente o que estava fazendo com ela. Em troca, ela envolveu a mão sobre a parte superior de sua coxa, deixando os dedos oscilar

241


muito próximo de seu pênis. Então tamborilou com os dedos enquanto carregava em uma conversa com Liz. Quando olhou para Garrett, ele olhou para ela. Ha. O retorno. Até o momento que eles deixaram Gavin e Liz, ela era um feixe de tensão tensa. Garrett podia parecer sereno enquanto se recostava no banco enquanto dirigia, mas ela estava enforcada com a necessidade de levá-lo nu e subir em cima dele. Ele também sabia disso. Ela poderia dizer pela carícia preguiçosa de seus dedos abaixo de sua perna para sua postura relaxada em seu assento. Ele era arrogante e confiante, e ele sabia exatamente o que estava fazendo com ela a noite toda — dirigindo-a diretamente à beira do abismo. Ela não estava disposta a deixá-lo saber que estava pronta para explodir. Somente olharia pela janela e fingiria que estava tudo bem. Até seus dedos começarem uma caminhada lenta até a coxa, levantando seu vestido. Ela tirou o olhar para ele e puxou a bainha de seu vestido para baixo. “O que você pensa que está fazendo?” Dando-lhe um olhar inocente, ele disse. “Eu? Estou apenas te tocando. Gosto de tocar em você. Você quer que eu pare?” “Sim. Não. Sim. Eu não sei.” Ele arqueou uma sobrancelha. “Importa-se de esclarecer?” “Você está me deixando louca a noite toda.” “Estava?” “Sim.” “Sim, bem, você estava fazendo o mesmo comigo.” Foi bom saber que ela tinha algum efeito sobre ele. “Eu gosto de você me tocando.” “Então me deixe, Alicia. Incline o banco para trás. Abra suas pernas.” Ela olhou para fora. “Nós estamos no carro, Garrett. Você está dirigindo.” “Em uma estrada de duas pistas. É tarde, e quase não há carros. Confie em mim para protegê-la.” 242


Ela confiava nele. Excitação bateu quente pulsando entre as pernas. “Alicia. Deixe-me tocar em você.” “Você deve se concentrar na estrada.” Seus lábios curvaram. “Eu posso fazer as duas coisas.” Ela respirou profundo. Tinha acabado de apostar que ele podia. “E se eu prestar atenção à estrada por você?” “Você não vai estar observando a estrada. Você vai se concentrar no que estou fazendo.” “É um desafio?” Ele deu um sorriso rápido, mau, mas, para seu crédito, manteve os olhos na estrada. “Incline seu banco atrás, Alicia.” Ela inclinou o banco atrás e abriu as pernas, mordendo o lábio o tempo todo. “Levante o seu vestido para que eu possa ver o que você está vestindo por baixo.” Ela puxou o vestido, revelando a calcinha rosa quente que tinha usado para combinar com o vestido rosa pálido e branco que tinha vestido. “Sexy.” E esse foi o único olhar que lhe deu. Olhos na estrada, seus dedos se apoderando de sua coxa e entre suas pernas, causando um choque de prazer quando ele segurou seu sexo. Derreteu contra ele, arqueando-se em direção a seus dedos exploradores. “Isto me faz duro, Alicia, me faz pensar em todas as coisas que quero fazer com você quando voltarmos para casa.” O contorno de sua ereção era visível contra seus jeans. “Quero tocar em você.” Ele balançou a cabeça. “Não. Quero fazer você gozar. Apenas relaxe.” Ela soltou um suspiro e deu meia volta em direção a ele, dando-lhe melhor acesso. Ele aproveitou, deslizando a mão para dentro da seda, tocando sua pele nua. Ela gemeu e agarrou seu pulso quando ele encontrou seu clitóris, em seguida, deslizou os dedos mais baixos, provocando sua boceta. Ela não sabia se devia fazer isso no carro, a ideia de ser tão público, mas estava latejando, formigando seu clitóris com pulsos de necessidade. 243


“Você está molhada, querida,” disse ele, tomando um rápido olhar para ela. A fome em seus olhos desfez dela enquanto girava sua umidade sobre o clitóris. “Eu vou fazer você gozar.” “Sim,” ela disse, deslizando a mão sobre a dele, ajudando-o a levá-la lá. Ela pressionou sua mão e empurrou os dedos mais profundo dentro dela. “Mais duro.” Ela engoliu em seco, a garganta seca quando ele aumentou a pressão. Não conseguia controlar o desejo agora, e não se importava com quem pudesse estar olhando. Ela ondulou contra as sensações mais requintadas quando quebrou contra a mão dele com um grito. “Oh, sim,” ela ouviu-o dizer, mas estava perdida, resistindo contra seus dedos quando veio selvagem, rajadas aparentemente interminável que a deixou quente e tremendo. Foi somente após que o tremor parou, que Garrett tirou a mão. E quando ele lambeu os dedos, um por um, ela estremeceu, esperando que estivesse de volta a casa com pressa. “Fico feliz que você manteve seus olhos na estrada o tempo todo,” ele brincou. Ela percebeu Godzilla poderia ter saído para o mar e para a estrada na frente deles e ela teria estado totalmente alheia a ele. Ela alisou seu vestido para baixo sobre suas pernas. “Ok, eu poderia ter estado um pouco distraída.” Ele armou um sorriso. “Do jeito que gosto de você.” Agora era a vez dela. Ela inclinou-se e colocou a mão sobre sua coxa, querendo certificar-se que sua ereção não ia a lugar algum. Sua mandíbula apertou enquanto ele dirigia o resto do caminho de volta para a casa. No momento em que entrou na garagem, sua mandíbula estava apertada trabalhando em uma contração decidida. Ela estava um pouco orgulhosa disso, porque ele a tinha levado absolutamente fora de sua mente com prazer, então se sentiu obrigada a devolver o favor. Seus dedos dançaram sobre seu totalmente pau duro, e se ele não estivesse dirigindo, ela teria aberto sua calça e teria acariciado ou chupado ele. Mas preferia que ele prestasse atenção à estrada, pelo que esta provocação foi suficiente para torturá-lo. Ela lhe deu pontos por ser um bom motorista. 244


Ele abriu a porta do carro e puxou-a para fora, pressionando-a contra a lateral do carro para colocar seus lábios nos dela e pegar um punhado de sua bunda. Ela estava mais do que pronta para ele, e quando ele a puxou do lado do carro para coloca-la no capô quente, pressionando seu corpo, quente e duro contra ela, tinha certeza que ele estava pronto para levá-la ali mesmo, seu corpo surgindo contra dela. Não que ela objetivasse — muito. As palmas das mãos contra o peito e deu-lhe um pequeno empurrão. “Não deveríamos prosseguir com isto lá dentro?” Ele pressionou um beijo contra sua mandíbula. “Não sei se posso esperar tanto tempo.” Ela amou que ele queria muito isso. O sentimento era mútuo, e se não tivesse deixado a luz da varanda acessa e não fosse tão iluminado aqui, então poderia considerá-lo, porque ele estava esfregando seu pênis duro contra seu sexo. Mais alguns minutos, ela estaria pronta para explodir. Felizmente, ele a puxou para cima e quase a arrastou para a porta da frente. Eles não foram muito longe no interior, no entanto, porque assim que ele fechou a porta da frente, puxou-a para o chão, puxando-a para baixo em cima dele. Ela desembarcou com a saia sobre os quadris. Garrett aproveitou, deslizando a mão em sua calcinha para vaguear sobre seu bumbum nu. “Tenho vontade de colocar minhas mãos em sua bunda a noite toda.” Ela levantou-se, apoiando as mãos no peito. “Devemos ir para a cama para que eu possa tocar em você.” Ele balançou a cabeça. “É muito longe para o quarto. Toque-me aqui.” “Dispa-se.” Dentro de alguns segundos, sua camisa estava fora, expondo seu bem abdômen esculpido. Ela abriu as mãos sobre eles, então se inclinou sobre ele para pressionar um beijo para seus mamilos. Ele deu-lhe um olhar. “Isso não é onde eu quero a sua boca, Alicia.” “Realmente.” Ela beijou seu pescoço. “Aqui?” 245


“Um pouco mais baixo.” Ela deslizou sua língua até a sua caixa torácica e mexeu ao longo de seu estômago. “E aqui?” “Você está ficando um pouco mais perto. Continue indo.” Quando ela colocou a mão em seu pau, ele ficou tenso. “Sim. Ai. Com sua boca.” Ela adorava que ele não tivesse nenhum problema em dizer-lhe o que queria. E como queria. Ela bateu o botão em suas calças e lentamente abaixou o zíper. Ele tirou os sapatos, e ela levantou momentaneamente para que ele pudesse puxar as calças, liberando seu pênis para ela agarrar em suas mãos. Ele estava nu, e ela adorava em apenas olhar para ele. Ela sempre gostou de vê-lo nu, sendo capaz de passar as mãos sobre seu corpo magnífico, como fazia agora, serpenteando as mãos até seu abdômen e no peito. “Agora você.” Ela puxou o vestido por cima da cabeça, deixando sua roupa íntima, que ela cuidou permanecendo montado nele. Ela bateu o fecho de seu sutiã, tirou-o e lançou de lado, em seguida, deslizou sua calcinha para baixo de suas coxas. Garrett agarrou de seus tornozelos enquanto ela saia de sua calcinha e jogou-a na pilha. Ela se levantou, olhando para ele. Ele sorriu para ela e respirou fundo. Sabia o que ele estava olhando. Nunca foi tímida sobre seu corpo, mas oh, o jeito que estava olhando para ela a fez corar de seus dedos dos pés até as pontas de seu cabelo. “Agora, há uma bela vista. Vem senta em mim.” Ela agachou-se e sentou em suas coxas, segurando seu pênis com as duas mãos. “Na verdade, esta é uma bela vista. Adoro tocar em você, Garrett. Por toda parte.” Ele riu. “Eu gosto de suas mãos em mim.” Ele enfiou a haste para cima. “Quando você me toca, faz meu pau pulsar.”

246


Ela torceu as mãos em volta, vendo seu rosto ir escuro. Quando ela se inclinou para frente, com os cabelos derramados em torno dele. Ele segurou em sua mão, forçando-a olhar para ele. “Chupa-me, Alicia.” Sua vagina apertou em seu comando, excitando, deixando-a molhada, enquanto ela movia os lábios na cabeça do pau dele. Ela lambeu os lábios, em seguida, colocou a boca sobre ele, sua língua girando em torno da grande cabeça. “Cristo,” disse ele, subindo para frente para impulsionar seu pênis em sua boca. Ela assumiu o controle, em seguida, fechando o punho ao redor da base de seu pênis e sugando-o profundamente em sua garganta. Seus gemidos altos lhe disseram que gostava do que ela fazia. Ela queria que ele viesse duro, como fez com ela no carro, então apertou o céu da boca apertado contra sua língua, sugando quando trouxe o seu eixo mais profundo, tocando suas bolas, e dando-lhes um aperto. “Isso vai me fazer disparar gozando em sua boca, querida,” disse ele, bombeando em sua boca com golpes duros, rápidos. Ela segurou firme nele, apertando-o até que ele soltou um gemido áspero e veio, derramando sobre a língua. Ela engoliu em seco e segurou-o enquanto ele estremecia e gritava o seu nome. Segurou firme nela até que caiu no chão e relaxou o corpo. Ela deu um beijo suave ao seu eixo, em seguida, subiu seu corpo para colocar ao lado dele enquanto ele se recuperou. “Jesus Cristo, eu não consigo nem respirar.” Sua voz era rouca. Ela sorriu e levou a mão sobre o peito, alisando o brilho de suor que havia se reunido ali. “Eu vou ter um pouco de água.” “Eu vou encontrá-la no quarto.” Ela levou a cada um deles um copo de água gelada. Ele tinha as cobertas para baixo e o ventilador ligado, a porta para o deck aberto parcialmente para permitir a brisa da noite entrar. Garrett estava na cama esperando por ela, então lhe entregou o copo, que ele bebeu em cerca de quatro goles rápidos. Ela subiu na cama ao lado dele e aconchegou ao seu lado. 247


“Eu não tenho certeza que tenho força para fazer amor com você,” disse ele. Ela sorriu. “Não é necessário. Além disso, eu acho que você já fez.” Ele colocou o copo vazio na mesa e virou-se para ela. “Mentira. Isso foram apenas as preliminares.” Antes que ela pudesse piscar, ele a havia mudado debaixo dele, seu corpo quente e duro cobrindo o dela. Ele emoldurou o rosto dela entre as mãos. “Quero tanto você como eu posso conseguir, Alicia.” Havia algo que ele não estava dizendo. Como a queria, enquanto eram apenas os dois, antes que eles voltaram para St. Louis, antes do início da temporada, antes da vida real se intrometer e eles irem dilacerados? Ela sabia que o que eles tinham era apenas temporário, e estava vivendo em um mundo de fantasia com ele agora. Logicamente, sabia disso, de qualquer maneira. Eles não iam ficar juntos por muitos motivos diferentes, uma delas suas carreiras. Ela estremeceu e afastou o temporário de seu relacionamento. Por enquanto, ele era dela, e iria tê-lo por tanto tempo quanto podia. E quando chegasse a hora de ir embora, ela o faria. Porque sua carreira vinha em primeiro, tal como a sua. Ambos eram adultos, e poderiam lidar com isso. Ela podia lidar com isso. Agora, só queria Garrett, apenas queria se concentrar em seu corpo movendo-se sobre o dela, dentro dela, e sobre a maneira como a fez sentir. Ela despertou tão rapidamente com ele, e gostando ou não, era diferente quando estava com ele. Ele trouxe tanta paixão por ela, a fez se sentir tão livre. E quando ele apertou sua mão com a dela e passou por cima da borda juntos, ela sabia o que sempre soube. Ele era algo incrível. Inegavelmente especial. E a fez se sentir especial. E ela estava apaixonada por ele. Que iria fazer no final na hora de ir embora malditamente muito difícil.

248


Capítulo Vinte e Três GARRETT ABORDOU A VIAGEM DE VOLTA PARA CASA EM ST. Louis com tanto entusiasmo e tremendo de terror. Treinamento de primavera tinha terminado, e enquanto tinha chegado em algum trabalho com a equipe e sabia que tinha feito progressos significativos, não lançou em nenhum jogo. No fundo de sua mente, pensou que talvez fosse forte o suficiente para lançar antes do fim do treinamento de primavera. Alicia não tinha feito nenhuma promessa para ele e, de fato, lhe disse que provavelmente isso não iria acontecer, mas ela faria o seu melhor para prepará-lo para que ele pudesse lançar na temporada regular. Fez uma nota mental de que ela não tinha dito que ele estaria pronto até o início da temporada. Ele se recusava a lembrar-lhe disso, quando começaram a trabalhar juntos, ela lhe disse que o teria no monte até o início da temporada. Ele considerou uma promessa na época. Ele acreditava nela, e tinha chegado mais adiante do que ele pensava. Isso era bom o suficiente. Considerou um milagre que estivesse tão perto para lançar novamente. Mas a temporada regular estava preste a começar, e isso significava que ou ia arremessar ou tinha acabado para ele. Queria estar no monte na primeira jogada. Se não pudesse ser o primeiro arremesso do jogo, então queria na rotação. Não havia dúvida que seu ombro estava em grande forma. Sua terapia com Alicia estava indo bem. Eles mudaram a partir dessas pequenas sessões de arremessos e tinha começado o trabalho com os treinadores novamente. Ele começou a jogar arremessos novamente regulares neste momento.

249


Tudo parecia bom. Seu ombro era forte, estava ficando com velocidade em seus arremessos, e cada dia se sentia melhor e melhor, como seu antigo eu novamente. Alicia ainda o colocava através de suas sessões de terapia esgotante, e cada dia doia menos e menos. Alicia lhe disse que era uma coisa do dia-a-dia e tudo uma questão de tempo. Ele esperava como o inferno que não era um discurso padrão de besteira, que dizia a todos os jogadores em recuperação, porque ele estava tão maldito pronto para lançar que poderia prová-lo. Hoje eles estavam em treino da posição no campo. Ele acabou aquecendo com os lançadores, apesar de Alicia estar lá com ele, juntamente com o treinador dos lançadores, que observava suas mecânicas. Quando ele jogou uma bola curva ao apanhador com a luva, Bobby Sloane, o treinador dos lançadores, franziu o cenho. “Faça novamente.” Ele fez. E Bobby franziu a testa. Novamente. “Mais uma vez,” disse Bobby. Depois que Garrett lançou várias, Bobby ainda não parecia feliz. Não que Bobby nunca sorria, mas se você lançasse as bolas direito, Bobby saia e ia aterrorizar outro lançador diferente. Desta vez ele ficou. “Alguma coisa está fora de sua curva. Você não está atingindo a zona de strike. É o seu ombro?” Garrett revirou os ombros. “Ele se sente bem.” “Jogue alguns sliders24“. Ele fez então algumas mudanças no ritmo e bolas rápidas, tudo de acordo com as instruções do treinador. Bobby assistiu a todos, então balançou a cabeça. Em vez de falar com Garrett, ele se virou para Alicia. “Ele está fora, Alicia. Eu não gosto desses arremessos ainda. Eles não têm a marca de Garrett Scott.”

24

Um passo rápido lançado com o dedo indicador e médio juntos e ligeiramente fora do centro para que ele quebra na mesma direção, como uma bola curva que se aproxima da base. 250


Alicia deu um passo ao lado de Bobby e assentiu. “Vou trabalhar com ele na sala de tratamento. É provável que ele ainda esteja um pouco duro, desde que não tem jogado tanto tempo. Terapia e trabalhar através dos arremessos vão levá-lo de volta na marca.” Bobby se afastou e Alicia se aproximou dele. “Você está com alguma dor?” “Não.” “Você jogou um monte de arremessos no treino de hoje. Como é que o seu braço se sente?” Ele saiu do monte com ela. “Você tem alguma ideia de como fodido estou cansado de ouvir essa pergunta? Nunca mais quero ouvir essa pergunta maldita de novo.” Seus lábios levantaram. “Bem, adivinhe? Não é a última vez que você vai ouvir. De mim ou da comissão técnica. Então lide com isso.” “Sim, sim.” Estava rabugento e ele sabia disso. Tinha esperado para chegar no monte e começar a jogar arremessos da mesma forma que tinha antes de se machucar. Não estava parecendo que ia acontecer, e isso o irritou, que havia motivo para atacar Alicia. “Hei,” disse ele, fazendo uma pausa apenas no interior do túnel que levava em direção ao vestiário. “Eu sinto muito.” Ela inclinou a cabeça para o lado. “Pelo quê?” “Por atacar você.” Ela riu e tocou em seu braço. “Este é um grande negócio para você, Garrett. Você tem direito a ficar tenso sobre isso.” Ela entendia. Claro que fazia. Agora o conhecia e melhor do que ninguém. Ele se inclinou e roçou os lábios nos dela. “Obrigado.” Exceto que alguns dos jogadores tomou esse momento para entrar no banco. “Whoa, Garrett.” Tommy Maloney, um lançador companheiro, deu um empurrão a Garrett. “Vocês dois não deveriam obter um quarto ou algo assim?”

251


“Eu não sei, Tommy.” Dedrick Coleman cruzou os braços, a luva pendurada em seus dedos. “Eu diria que temos um muito bom show acontecendo aqui. Talvez eu queira ficar e assistir.” “Foda-se, Deed,” Garrett disse, aparentemente despreocupado que tinha acabado de ser pego fazendo no túnel. Dedrick riu, e ele e Tommy se dirigiram para o vestiário. “Desculpe por isso,” Garrett disse, voltando-se para Alicia. Seus olhos estavam arregalados com o choque. “Oh, Deus. Isso é a pior coisa que poderia ter acontecido.” Garrett fez uma careta. “O quê? Oh, os caras? Não se preocupe com isso.” “Você está falando sério? A última coisa que preciso que aconteça é para o meu chefe saber mais sobre o... sobre o que está acontecendo entre nós dois.” Ela deu dois passos gigante para trás. “Isso não pode acontecer novamente. Vou encontrá-lo dentro da sala de terapia.” Ela correu para longe, e ele perguntou o que ela queria dizer com “isso”. Beijá-la em público ou estar com ela em tudo. Seu tempo juntos na Flórida, tinha sido quase perfeito. Eles tiveram muito tempo sozinhos, especialmente juntos em casa. Ele tinha estado livre para tocá-la, saboreá-la, fazer amor com ela, sem ninguém por perto. Sim, uma vez que haviam chegado ao estádio, tinha sido profissional e nada de toques. Exceto no banco naquela noite... Ele sorriu lembrando a maneira como seu corpo arqueou quando ele esteve dentro dela, os sons que tinha feito, quando gozou. Gostaria de fazê-lo novamente. Aqui neste banco. Ou talvez na área onde os arremessadores aquecem. Seu pênis apertou, mas ele empurrou de lado suas próprias necessidades. Alicia estava chateada. E com medo.

252


E tudo o que ele estava pensando era fazendo sexo com ela outra vez, aproximar-se dela, tocá-la. Ele precisava respeitar seus limites. Entrou na sala de treinamento e encontrou-a de cabeça baixa nesse notebook maldito onde traçava — o que diabos ela traçava sobre ele. Sabia que suas notas eram todas sobre ele, pois agora ele era o único que ela trabalhava. Ela olhou para cima. “Deixe-me soltar o seu ombro. Você teve um treino duro hoje.” “Claro.” Ele se mexeu, e ela o aqueceu, em seguida, soltou-o com uma série de alongamentos que há muito tempo não causava agonia. Agora era bom ter os músculos e tendões esticados. Além disso, ter as mãos de Alicia sobre ele tinha um significado totalmente diferente do que era naquela época. Ele ansiava por seu toque, o caminho de suas mãos deslizando por cima do ombro e para baixo do braço. E o tempo todo, ela nem mesmo fez contato visual com ele, nem mesmo quando se abaixou para empurrar profundamente em seu músculo, quando seu rosto estava tão perto dele, se ele erguesse um pouco, seus lábios iriam se tocar. “Alicia.” “Sim.” “Você pode olhar para mim, você sabe.” Ela deu-lhe um breve olhar, mas se afastou primeiro. “Estou machucando você?” “Não.” Mas eles não estavam sozinhos na sala de tratamento, e ele sabia que ela estava assustada com o que tinha acontecido mais cedo, com Dedrick e Tommy. Ele não ia ser capaz de falar com ela sobre isso agora, porque havia outros atletas e outros terapeutas aqui. Mais tarde. Eles falariam mais tarde. Exceto que mais tarde, depois que eles tinham terminado — percebeu que ela fugiu de lá assim que terminou com sua terapia — ele a chamou e perguntou se queria vir para o seu lugar. Ela lhe disse que estava ocupada com algumas coisas da família e não podia vê-lo esta noite. E tinha desligado o telefone com ele em uma pressa. 253


Um nó frio se formou em seu estômago. Talvez ela estivesse sendo honesta, e realmente tinha obrigações familiares. Ou talvez ela estivesse criando distância em mais lugares do que apenas o estádio. E para Garrett, isso simplesmente não era aceitável. No dia seguinte, ele tentou novamente. Depois dos exercícios e terapia, certificandose de que estavam sozinhos na sala de tratamento, perguntou a ela. “Quais são os seus planos para hoje à noite? Pensei que talvez pudéssemos sair para jantar.” Ela fez uma pausa, em seu braço. “Hum... o quê?” Ele inclinou a cabeça para trás para olhar para ela. “Jantar. Aquela coisa que você consegue a comida. Eu consigo comida. Nós comemos. Conversamos. Você se lembra disso, não é?” “Claro que conheço o jantar. Mas eu não posso. Na verdade, ia falar com você sobre hoje à noite.” “Você ia?” “Sim. O novo clube de música da minha prima Jenna estará abrindo esta noite. A família toda vai estar lá. Queria saber se você gostaria de vir.” Agora era a sua vez de fazer uma pausa. Ele sentou-se e ela deu um passo para trás, enquanto balançava as pernas sobre a mesa. “O quê?” “Estou convidando você para vir comigo para a abertura do clube da minha prima.” Ele queria um tempo com ela. Sozinho. Não com toda a sua família. Ele não fazia essa coisa de família. A coisa toda de família era estranho e desconfortável, como com sua família. “Oh. Não, obrigado.” Ela arqueou uma sobrancelha. “Por que não?” “É a sua família. Estaria me intrometendo.” “Não é uma coisa privada, Garrett. O clube está abrindo para o público esta noite. Minha família vai estar lá para ajudar a comemorar. Jenna e Ty — inferno, minha família inteira tem trabalhado duro para fazer isso acontecer. Eu adoraria que você estivesse lá.” 254


“Sim, eu não faço a coisa de família. Mas obrigado por perguntar.” Ela fechou seus sentimentos por trás de um olhar vazio. “Okay. Deite-se de volta para que eu possa terminar de alongar você.” Ele tinha a machucado. Ela recuou, ele perseguiu, e, em seguida, quando ela cedeu e convidou-o de volta, ele a rejeitou. Que tipo de idiota era ele, afinal? Maldição. Como poderia explicar que reuniões de família eram desconfortáveis para ele? Toda vez que via sua mãe, apesar de como estava feliz com seu marido, ela o lembrava da dor da separação de seus pais e como isso o tinha destruído. E seu pai? Sim, isso raramente ou nunca sequer acontecia. Seu pai estava fora em seu próprio mundo, sua própria vida com a mulher que havia deixado tudo. Seu pai não podia ser incomodado com o seu filho. Ele gostava do primo de Alicia, Gavin, principalmente porque tinha sido companheiros de equipe antes de Alicia e eles já haviam se reunidos. E talvez ele nunca pensou que o que estava acontecendo com ele e Alicia nunca ia ser nada mais do que apenas um certo tipo de coisa, agora. Nada de longo prazo, e com certeza nada que envolvia a interação com as famílias de cada um. “Ok, estamos terminados aqui. Vou pegar o bloco de gelo.” “Alicia.” Ela parou. “Sim?” “Sobre este evento esta noite. Deixe-me explicar.” Ela ofereceu um sorriso que não virou em seu rosto — como seus sorrisos típicos faziam. “Nenhuma explicação é necessária, Garrett. Volto com o bloco de gelo.” Merda. Ele passou os dedos pelo cabelo. De alguma forma teria que trabalhar em torno disso. Não queria magoá-la, mas nada o faria se lançar no meio de sua família esta noite. Mas depois de expressar seu temor sobre os dois serem vistos juntos, ela ofereceu um ramo de oliveira. 255


E ele sรณ quebrou o galho em dois. Talvez ele era um idiota, afinal.

256


Capítulo Vinte e Quatro ALICIA NÃO ESTAVA ACOSTUMADA SE VESTIR BEM OU IR A CLUBES. Não que clube de Jenna fosse chique. Ela o criou para ser casual e acolhedor, assim como o bar original dos Rileys. Mas era à noite de inauguração, e isso era um grande negócio maldito, então ela comprou um vestido novo e sapatos de tiras de salto alto que eram caros e sexy como o inferno, assim como o vestido que roçava a coxa e mostrava muito mais da perna de Alicia que normalmente fazia. O clube Riley estava oficialmente aberto, e já havia uma fila do lado de fora para entrar. Jenna devia estar fora de sua mente com os nervos e emoção. Alicia ainda não tinha tido a chance de falar com Jenna, esta noite, além de um abraço quando veio há uma hora. Jenna estava linda em um vestido curto preto colante e botas de saltos alto pretos na altura dos joelhos, com os cabelos em seu habitual corte curto com as pontas roxas, e sua orelha esquerda adornava uma infinidade de piercings, o corpo era um mapa tatuado de suas experiências da vida. Jenna era uma ex-criança selvagem domesticada pelo amor de sua vida, a estrela do hóquei Ty Anderson, o sorridente, acalmando-a de pé ao seu lado agora, sua mão ao redor da cintura dela, enquanto ela recebia a todos no clube. “Eles olham deslumbrante juntos, não é?” Alicia acenou para Savannah Brooks, a namorada seu irmão Cole — não, noiva. Quando eles voltaram de suas férias prolongadas, Savannah tinha ostentando um inferno de um diamante em seu dedo anelar e um brilho em seu rosto que disse a Alicia que tinha sido uma muito especial férias muito romântica. “Eles parecem quase tão apaixonados quanto você e meu irmão.”

257


Savannah sorriu. “Aquele homem me derrete em manteiga. Desculpe, sei que ele é seu irmão, mas ele é mais do que eu jamais poderia ter sonhado.” Alicia entrelaçou os dedos com Savannah. “Acho que ele é muito sortudo, também, Savannah. Você salvou sua carreira.” Savannah acenou com a mão. “Ele virou a própria carreira ao redor.” “Ah, acho que você estava bem atrás dele com aqueles sapatos de salto alto impressionantes, dando-lhe o pontapé na bunda que ele precisava.” Os lábios de Savannah se curvaram em um sorriso. “Talvez de vez em quando. Ele não precisou ser chutando tanto quanto todo mundo pensou. Mesmo tanto quanto ele pensava. Ele é um homem muito especial.” E é isso que o amor era. As pessoas viam através de suas falhas e te amava de qualquer maneira, que o ajudavam quando você mais precisava, que estaria sempre lá para você, e que sempre estaria a sua volta. Alicia se perguntou se já tinha experimentado o amor assim. Ela nunca tinha se apaixonado antes. Escola e sua carreira tinham mantido seus relacionamentos principalmente superficiais. Até Garrett. Ela o deixou entrar, deixe-o envolver em torno de seu coração, e agora estava com medo que tinha cometido um grande erro, porque não havia muito que ela ainda não sabia sobre ele. Como por que ele estava tão relutante em estar em torno de sua família. Ele não teve nenhum problema em passar um tempo com Gavin e Liz. Então, novamente, que tinha sido um encontro mais íntimo. Com certeza, sua família em massa era nada menos do que esmagadora. Ela entendia isso, mas todo mundo estava focado em Jenna como o centro das atenções esta noite. Ela pensou que convidando Garrett iria puxar um pouco o foco para longe dele. Percebeu que após esse episódio no túnel no outro dia que ela provavelmente tinha exagerado. Ninguém da diretoria veio correndo para dizer que foi demitida.

258


Nenhum dos jogadores tinha sequer olhado para ela engraçada. Garrett ou disse algo a eles, ou a única pessoa que se apavorou com a coisa toda foi ela. Ela pensou que convidando Garrett para a abertura do clube de Jenna seria uma forma divertida para os dois saírem. Estaria super lotado aqui esta noite, poderiam se perder no meio da multidão, ele teria a chance de conhecer sua família ao mesmo tempo. Então, por que ele tinha recusado o convite? Foi apenas à coisa toda de reunião-defamília? Teria sido demais para ele? Talvez isso estava muito perto de um relacionamento para ele, e simplesmente não via os dois assim. Ela suspirou e foi para o bar antigo lindamente esculpido para pedir uma taça de vinho. Eric, um dos bartenders, tinha o cabelo loiro desgrenhado que caia sobre a testa e os olhos azuis marcantes, que pareciam olhar para a sua própria alma. Eric serviu-lhe vinho com um sorriso sexy. Na outra ponta do bar estava Penny, construída como um pôster, com uma cintura fina, pernas que percorriam todo o caminho para Ohio, e um inferno de um conjunto impressionante. Jenna então sabia escolher bartenders. Eles estavam indo para fazer um monte de clientes, e eles estavam indo para vender uma grande quantidade de bebida alcoólica. “O que você acha, Alicia?” Tia Kathleen perguntou a Alicia que ia para cumprimentar os membros da família. “Acho que este vai ser mais um sucesso Riley. Este lugar está repleto de ambos os curiosos e pessoas que querem cantar esta noite. Que ideia brilhante.” Seu tio Jimmy sorriu, um sorriso largo. “Estou tão orgulhoso de Jenna. Ela trabalhou tão duro para conseguir este lugar em forma a tempo para a abertura. Houve até uma nota no jornal sobre isso.” “Eu vi isso. Você deve estar orgulhoso. E estou animada. Não posso esperar para ouvir Jenna cantar. Ouvi dizer que ela é incrível.”

259


“Ela é incrível,” disse a tia, lutando para conter as lágrimas. Pescou em sua bolsa um lenço de papel. “Estou indo para chorar durante toda a noite.” Alicia bateu no braço de sua tia. “Eu acho que você merece.” A música já havia iniciado. O clube apresentou uma grande variedade de atos — qualquer um que queria uma chance para cantar ou tocar música podia. Agora um cara tinha o microfone e gritava para fora uma canção country-rock que tinha pessoas clamando para entrar na pista de dança. Depois de conversar com sua tia e tio por alguns minutos, Alicia se afastou novamente, correndo para os familiares e amigos da família onde quer que fosse. Mas não eram apenas os membros da família que se aglomeravam no clube. Havia pessoas que ela não conhecia. Obviamente, a palavra tinha saído sobre o grande novo clube, o que foi uma excelente notícia para o novo negócio. Ela decidiu que seria melhor fazer seu caminho em direção a porta da frente para que pudesse dizer algumas palavras de felicitações a Jenna antes que sua prima ficasse tão ocupada que não seria capaz de falar com ninguém, o resto da noite. O único problema com isso era a parede sólida de pessoas que estavam em seu caminho. Um empurra-empurra, estava presa onde estava. Em vez disso, se inclinou contra uma das vigas de madeira e decidiu saborear o vinho por um tempo. Ela falaria com Jenna depois. “Precisa de um guarda-costas para ajudá-la a fazer o seu caminho?” Ela riu e virou a cabeça, chocada ao ver Garrett ali. E oh, ele ficava bem de jeans escuro e uma camisa branca de botão que abraçava seu corpo, musculoso. “O que você está fazendo aqui?” Ele arqueou uma sobrancelha. “Fui convidado, lembra?” “Eu me lembro. Você recusou o convite.” “Eu fui um idiota. Sinto muito.” 260


Ela queria perguntar por que ele tinha recusado em primeiro lugar, mas estava tão barulhento lá que suas vozes teriam que ser elevadas, este não era o local para uma conversa particular. “Eu gostaria de saber o porquê, mas isso é um assunto para outra hora?” “Parece bom.” Ele segurava uma garrafa de cerveja em suas mãos, e parecia tão delicioso que ela queria se encostar e não deixa-lo ir. “Obrigado por terem vindo esta noite.” “Estou feliz de estar aqui. Leve-me ao redor e me apresente a sua família.” “Você tem certeza? Há muita coisa acontecendo por aqui. As chances são de que poderia se esconder no fundo da sala e não ser notado.” Ele deslizou sua mão na dela. “Alicia. Apresente-me à sua família.” Algo derreteu dentro dela. “Ok.” A coisa toda de introdução levou algum tempo desde que a família se espalhou e as pessoas estavam embaladas no clube como sardinhas. Mas ela encontrou seus pais e sua tia e tio juntos, então eles foram os primeiros. Sua mãe sorria de orelha a orelha quando Alicia apresentou Garrett. “Então você é o único que Alicia está trabalhando. Como está seu ombro?” Garrett enfeitou-a com a marca de seu sorriso. “Está indo muito bem. Sua filha é muito boa em seu trabalho. Estou esperando ser capaz de lançar em breve.” Isso fez com que o pai sorrisse para Alicia. “Fico feliz em ouvir isso. Assustou o inferno fora de mim quando você se machucou na última temporada.” “Acredite em mim, Sr. Riley, isso assustou o inferno fora de mim, também.” “Estou feliz que Alicia tenha convidado você,” disse a mãe. “E você e Gavin são amigos, também?” “Somos.” “Espero que você tenha um bom tempo,” disse a mãe. “Obrigado por ter vindo para apoiar Jenna. E olha — ela está preste a subir ao palco. “ Todos se viraram quando Jenna pegou um microfone.

261


“Quero saudar a todos ao clube hoje. Obrigado por virem a noite de abertura do Clube Riley e fazerem disso um sucesso tão empolgante. Eu não vou ficar aqui e dar um longo discurso desde que não é a minha coisa. Que tal um pouco de música?” Todo mundo aplaudiu. A banda começou a tocar, e Jenna começou a cantar. Alicia sabia que Jenna escrevia um monte de sua própria música. Esta canção era animada e divertida, o tipo de música que todos gostariam de dançar. Havia pessoas lotando a pista de dança, batendo palmas e balançando os quadris quando ela deu tudo de si. Ao final da canção, eles estavam assobiando e batendo palmas para ela. “Sua prima tem uma voz incrível,” disse Garrett. Alicia sorriu. “Sim, ela faz. Estou muito orgulhosa dela. Tão emocionada por ela. Não apenas pelo clube, mas porque ela está vivendo o seu sonho. Finalmente.” Garrett levantou uma sobrancelha. “É uma longa história,” disse Alicia. “Eu vou dizer-lhe algum dia.” “Tudo bem.” Ele se virou para os pais de Alicia, e sua tia e tio. “Parabéns. Este lugar vai fazer muito sucesso.” Sua tia não poderia sorrir mais amplamente. “Nós pensamos assim também. Jenna não é maravilhosa?” “Eu não sei por que ela está cantando aqui quando é melhor do que a metade das pessoas que vendem discos no momento.” “Isso é o que eu continuo dizendo a ela,” disse o tio de Alicia. “Mas ela insiste que este é o único lugar que quer estar.” Quando se afastou, Gavin virou para Alicia. “Nenhum questionamento?” “Ah, se eu te convidasse para o jantar de domingo, iriam te questionar. Estão dandolhe alguma folga hoje à noite, porque está lotado e barulhento aqui. Eles estão apenas sendo educado.” “Sorte minha, então,” ele disse, varrendo os dedos em sua bochecha. “Pelo menos onde meus pais estão preocupados,” disse ela quando viu seu irmão caindo sobre ela com uma decidida carranca no rosto. 262


Garrett endireitou quando Cole se aproximou. Garrett não olhou todo ameaçado quando casualmente deslizou o braço em volta da cintura de Alicia. “Estava procurando por você,” Cole disse, seus dedos ligados com Savannah. “Estive aqui por um tempo. Acho que nos perdemos no meio da multidão. Cole, este é Garrett Scott. Garrett, este é meu irmão, Cole, e sua noiva, Savannah Brooks.” Savannah apertou sua mão. “Garrett, tão bom conhecê-lo. Eu já ouvi coisas boas sobre você.” Cole apertou a mão de Garrett, também. “Você é a pessoa que ela está trabalhando. Lesão no ombro.” “Sim.” “Reabilitação acabou?” “Ainda não.” “Pensa que você vai lançar este ano?” “Claro que sim, eu vou lançar. E quando fizer isso, uma grande parte do crédito por isso vai para Alicia.” Ela sentiu um puxão de seu coração em sua declaração e levantou o olhar para ele. “Obrigado, Garrett.” Cole deu a Garrett os tipos de olhares que um irmão daria para qualquer cara que ela estaria... fosse o que fosse que ela e Garrett estavam fazendo. Ela sabia que Cole estava sendo protetor, mas realmente. Cole não sabia o que estava acontecendo, para que pudesse deixar ser todo Neanderthal sobre isso. “Eu li seu histórico de carreira, Garrett,” Savannah disse, obviamente, tentando acalmar a tensão. “Faço consultoria de imagem, especialmente para os atletas. Então, é uma espécie de especialidade minha para dissecar todos vocês. Você teve uma carreira incrível.” “Obrigado. Eu só espero que eu consiga continuá-la.” “Temporada vai começar em breve,” disse Cole. Mestre do óbvio, não era?

263


“Sim,” disse Garrett. “Entre Alicia e os treinadores, eles estão me preparando sem parar para lançar.” “Sim? E como é que vai?” “Os últimos meses estou vivendo no inferno. Estive sob o microscópio maldito tanto tempo e tudo o que quero fazer é desaparecer.” Algo em Cole parecia desligado naquele momento, e ele relaxou. “Cara. Já estive lá. Não que eu me machuquei—” Cole olhou para Savannah. “Mas sim. Já estive sob o mesmo microscópio. Eu nunca tive uma lesão antes. Deve ser um infortúnio ter que lidar com toda a incerteza.” “É uma merda.” Cole riu. “Quer agarrar estas senhoras um assento? E eu preciso de uma cerveja.” “Eu também.” Garrett mudou seu olhar para Alicia. “Pronta para se sentar?” Alicia estava tão aliviada ao sentir o descongelar do gelo entre Garrett e seu irmão. Ela acenou para Garrett. “Muito como você não iria acreditar. Meus pés estão me matando com esses sapatos.” Ele pegou a mão dela. “Vamos pegar uma mesa, então.” “Boa sorte nessa multidão.” “Vamos lá,” disse Cole. “Somos VIP. Nós vamos pedir a Jenna para nos encontrar uma.” Jenna achou um, em um local que tinha reservado perto do palco para os membros da família. Que deu a Alicia a oportunidade de apresentar Garrett tanto para Jenna e Ty, pelo menos por um minuto e meio que Jenna passou com eles antes que corresse para ver seus clientes e apresentar novos músicos para a multidão. Mas pelo menos eles tinham uma mesa. E assentos com o resto da família. Tara ficou emocionada ao ter uma noite sem Sam, mas ela mantinha mensagens de texto com Nathan, seu filho adolescente, que estava de serviço de babá. E apesar das garantias de Mick que Nathan podia competentemente lidar com o bebê, que havia sido alimentado e estava dormindo, Tara ficou olhando para o telefone. 264


Garrett parecia estar lidando bem cercado por membros de sua família também. Ele mesmo conectou com Cole, os dois falando de golfe de todas as coisas. “Ele é muito quente,” Savannah disse, mantendo a voz baixa, quando as duas amontoaram perto. Não que isso teria importância, uma vez que Garrett e Cole tinham se amontoado também. “Quem? Meu irmão? Demasiada informação, Savannah.” Savannah deu-lhe uma olhada. “Ha, ha. E você sabe que eu estava falando sobre o seu ardente novo namorado.” “Ele não é meu namorado. Ele é...” Ela não tinha ideia de como descrevê-lo. Savannah arqueou uma sobrancelha. “Não, vá em frente. Ele é o quê? Apenas o atleta atual que você está trabalhando e que decidiu convidar para um evento de família?” O olhar de sabedoria que Savannah deu a Alicia lhe disse que sua hesitação era ridícula. “Ok, então nós estamos envolvidos. Eu só não sei como descrever isso.” “Por que é tão difícil descrever?” “Eu não sei. Nós nunca definimos. Isso simplesmente aconteceu entre nós. Realmente não há nada acontecendo.” Ela percebeu ainda que quando disse a explicação soou estúpido. “Você parece com medo.” Savannah ofereceu um sorriso sereno e tocou sua taça de vinho com a ponta do seu dedo. “Você tem reservas sobre esta relação?” “Bem, nós trabalhamos para o mesmo time. E sou atualmente sua terapeuta. Há um grande conflito de interesses acontecendo aqui.” “Entendo. Acredite em mim. Eu tive muito do mesmo problema com a minha relação com Cole. Não da mesma forma como a sua, é claro. Mas você não pode deixar isso bagunçar o que vocês dois têm. Se, de fato, tem algo que acha que vale a pena o risco.” Savannah parou e atirou a Alicia um olhar direto. “É mesmo?”

265


Alicia olhou através da mesa para onde Garrett estava curvado em conversa com Cole. Só de olhar para ele isso causou borboletas tomando o voo em seu estômago. No curto período de tempo que ela o conhecia, ele tinha destruído completamente a sua bemgerenciada, rotina ordenada. Agora, ela não podia imaginar a vida sem ele. Ela voltou seu olhar para Savannah. “Estou loucamente apaixonada por ele.” Os lábios de Savannah curvaram. “Será que ele sabe disso?” “Oh, Deus, não. Nós não estamos lá ainda.” “Bem. Aprenda com a minha experiência. Cole e eu fizemos tudo errado, e isso nos custou muita dor. Fale com ele. Diga-lhe como você se sente.” De alguma forma, Alicia não achava que Garrett estava pronto para ouvir essas palavras dela ainda. Convidando-o aqui para conhecer sua família foi um grande passo. Que ele foi gentil o suficiente para aparecer, isso era um movimento para frente. Isso era o suficiente para agora.

***** OK, TALVEZ A FAMÍLIA DE ALICIA NÃO FOSSE TÃO desconfortável para se estar em torno de como Garrett tinha imaginado. Uma vez que tinha passado o desconforto inicial, ele e Cole tinham se ligado rapidamente sobre seu amor mútuo ao golfe e pôquer, então eles lançaram em uma discussão de alguns dos seus jogos de vídeo favoritos. Provavelmente poderia ter passado a noite toda conversando com ele, a não ser que a noiva de Cole, Savannah, se arrastou para longe, afirmando que a atual banda no palco tocava uma música lenta e ela queria dançar. Garrett percebeu que tinha praticamente abandonado Alicia, embora ela e Savannah pareciam envolvidas em uma conversa animada. Ele deslocouse para encará-la. “Desculpe deixá-la pendurada. Eu gosto do seu irmão.” 266


Ela sorriu. “Então, eu notei. Acho que ele gostou de você, também.” “Você gostaria de dançar?” Ambas as sobrancelhas se ergueram. “Você dança?” “Não na verdade. Mas gosto de ter minhas mãos em você, e essa é a única maneira que vou ser capaz de fazer isso com toda a sua observação de sua família.” Ela riu. “Então, por todos os meios, vamos dançar.” Ele puxou-a para o chão lotado e puxou-a em seus braços. Tinha uma banda tocando algo lento e tipo jazz. Ele acariciou suas costas, gostou do vestido que ela estava usando. Era curto e sexy e agarrava-se ao seu corpo, mostrando todas as suas curvas e suas grandes pernas. Ele ainda não tinha dito a ela o quão boa ela parecia esta noite. “Eu gosto disso,” disse ela. “A banda, ou minhas mãos em você?” “Definitivamente suas mãos em mim. Mas a banda é boa, também, agora que você mencionou.” Não havia muito espaço para manobras, o que lhe convinha muito bem desde que ele não tinha nenhuma perícia na pista de dança, para que eles, principalmente dançassem para frente e para trás no ritmo da música. O que ele realmente gostava era de ter o corpo de Alicia pressionado contra o dele, os seios apoiados contra seu peito. Com seus saltos altos, ela ficava muito mais alta. Ele não tinha de se curvar tão longe para ver seus belos olhos. “Você está quieto.” Ele sorriu. “Fazendo o inventário.” “O quê?” “Sentindo-a. Observando você. Pensando sobre o quão bonita você olha hoje à noite, que não mencionou mais cedo.” “Uau. Obrigado. Você se sente bom também. E parece incrível. Apesar de eu ter te visto em anúncios todo vestido antes. Houve aquela de smoking. Você estava vendendo colônia de homens, eu acho.” 267


Ele fez uma careta. “Maldita foto desconfortável de sair.” “Sim. Todas essas modelos seminuas estendidas sobre você. Tenho certeza de que era uma dificuldade.” “Sério. Essas coisas levam horas, e as modelos eram hostis como o inferno. Entre as tomadas para beber água, texto em seus telefones, e outra olhava entediada. Elas não tinham ideia de quem eu era e pensei que era por causa de ser um modelo iniciante tendo minhas primeiras fotos. Elas não podiam estar aborrecidas comigo.” Ela riu. “Sério?” “Realmente. Foi meio constrangedor. Mas não foi tão embaraçoso quanto a um comercial que fiz para um barbeador onde eu tinha que passar um dia inteiro com a minha cara revestia em creme de barbear enquanto vestia nada além de uma toalha em volta da minha cintura.” “Oh, eu vi esse comercial. Senhor, você olhava quente com a toalha pendurada abaixo em seus quadris. Eu tive fantasias sobre você enquanto assistia aquele comercial.” Ele sorriu. “Sim? Será que iria estourar sua bolha por saber que eu tinha as minhas cuecas boxer debaixo da toalha?” “Totalmente.” “De jeito nenhum eu ia nu com vinte membros da equipe lá. Fazendo os comerciais e anúncios impressos nunca são tão divertido ou tão sexy quanto o produto acabado. É tudo trabalho.” “Oh, pobre de você.” Ele apertou a mão dela, então ela girou em torno quando a música pegou. “Eu posso dizer que não estou indo para obter qualquer simpatia de você.” Ela riu. “Não. Pobre cara famoso.” “Se eu não começar lançar de novo, vou ser esse sujeito.” “Vocês estará lançando, no caso de você não ter notado.” “Estou praticando. Isso é diferente. Estou reservando o julgamento até que eu lançar um mínimo de seis vezes em um jogo real.” 268


“Oh, isso é um desafio?” “Ajudaria se eu dissesse que sim?” “Isso não vai me fazer trabalhar mais em você, então não. Estamos fazendo o melhor que pudermos para prepará-lo, Garrett.” “Eu sei que você está. Mas esta é a minha carreira. Inferno, é a minha vida.” Ela se afastou de seu abraço. “Você acha que eu não sei disso? Você acha que eu me aproximo de qualquer um dos meus clientes de forma diferente do que você? Que não levo isso a sério?” Ela caminhou para fora da pista de dança. Ele seguiu. “Alicia, não é isso que eu quis dizer.” Ela se virou para encará-lo. “Então o que você quis dizer? Veja, este é o problema com você e eu.” Como diabos eles tinham obtido a partir de uma dança para falar sobre sua reabilitação para algum tipo de problema em seu relacionamento? “O problema entre mim e você?” “Isso. O que temos vindo a fazer. Você acha que depois de nós—” Ela parou para olhar em volta, em seguida, mexeu-se para mais perto. “Você deve pensar que de alguma forma nós dormindo juntos me fez aproximar de seu tratamento de forma diferente. Como se eu estivesse em alguma maldita, férias. Como eu reduzindo a velocidade com você ao invés de dar tudo de mim.” “Não foi isso que eu disse. Quando eu disse isso?” Ela apontou o dedo para seu peito. “Bem, deixe-me dizer-lhe, idiota. Em nenhum momento, lhe dei menos do que tudo o que tinha para dar. Na verdade, já te dei mais. Um inferno de muito mais.” Ela foi até a mesa, pegou sua bolsa e se dirigiu para a saída, deixando-o ali com vários pares de olhos Riley sobre ele. Merda. O único a chegar para ele foi Cole, no entanto. 269


“O que foi aquilo?” Ele passou os dedos pelo cabelo. “O inferno se eu sei. Nós estávamos falando sobre alguns dos trabalhos de modelo que eu costumava fazer, e então começamos a conversar sobre a minha reabilitação, e a próxima coisa que sabia que ela está chateada como o inferno comigo e fez uma rápida saída.” Cole seguiu o olhar de Garrett em direção à porta da frente, onde Alicia tinha saído. “Huh. Mulheres. Quem pode entendê-las, às vezes? E minha irmã? Eu gostaria de oferecer alguns conselhos, homem, mas ela sempre foi um grande mistério para mim.” Garrett tinha pensado com certeza que Cole daria um soco nele por perturbar sua irmã. “Não sei o que eu fiz. Juro que eu não estava tentando aborrecê-la.” Cole ofereceu um sorriso irônico. “Não se preocupe com isso. Posso levá-la de zero a raiva demônio em cerca de quatro segundos apenas dizendo Olá.” De alguma forma, ele descobriu que Cole estava exagerando. “Tenho certeza de que fiz algo ou disse algo que a irritou. Preciso dizer que sinto muito. Bem, primeiro eu preciso descobrir o que fiz de errado. Então preciso pedir desculpas.” Cole riu e deu um tapinha nas costas dele. “Sim, boa sorte com isso.”

270


Capítulo Vinte e Cinco TALVEZ ELA ESTIVESSE DE TPM. ISSO FOI A DESCULPA QUE ALICIA DEU, por seu comportamento lunático no clube. Ela construiu uma boa cabeça ao sair do clube, carregando um corpo cheio de fumaça para o carro, mas pelo tempo que tinha chegado em casa, na garagem, o nevoeiro tinha desaparecido, e estava, infelizmente, muito mais lúcida. Mortificada que deixou suas emoções obter o melhor dela, que saiu do clube, na noite de inauguração de Jenna, sem dizer adeus a sua família e sem agradecer a Jenna e dizer a ela que grande sucesso o clube ia ser. Alicia devia a Jenna um grande pedido de desculpas, bem grande. Se ela já deixasse sua casa novamente, que neste momento era discutível considerando que espetáculo ela fez dela mesma. Esta foi a razão pela qual ela havia passado os últimos anos com foco em seus estudos e sua carreira e definitivamente não em homens e relacionamentos. Homens faziam as mulheres loucas. Ou pelo menos eles a faziam louca. Ok, um homem em particular a fazia perder a cabeça sempre amoroso. Enquanto ela se sentava à mesa da cozinha bebendo a xícara de chá quente que tinha feito para tentar abrandar, ela repetiu a conversa em sua mente. O que tinha sido o ponto de disparo? Tendo Garrett aparecendo no clube tinha sido maravilhoso, e estava grata e emocionada que ele tinha começado tão bem com a sua família, especialmente com Cole. E quando pediu a ela para dançar, estava feliz por ser capaz de tocá-lo e sentir seu corpo perto do dela. Eles conversaram, e a fez rir com suas histórias de publicidade e comerciais, até que tinha chegado sobre o tema da terapia...

271


É quando tudo tinha corrido mal, e ela subiu como um vulcão em erupção, porque ele desafiou suas habilidades. Ou pelo menos é isso que pensou que tinha ouvido. Em um clube lotado com a música tocando e pessoas falando ao seu redor, por tudo o que ela sabia ele poderia ter falado sobre a mais quente nova marca de queijo de cabra. Ela decidiu que iria culpar o vinho por tudo. Álcool fazia as pessoas fazerem coisas estúpidas o tempo todo. Pena que só tinha tomado duas taças por mais de quatro horas com várias águas entre elas, de modo que não estava nem bêbada. Nem mesmo um pouco tonta, como uma questão de fato. O resultado final foi, ela exagerou. “Ugh, Alicia. Você é uma idiota.” Ela deitou a cabeça na mesa da cozinha, decidindo naquele instante para se tornar uma eremita. Desistiria da sua carreira e se tornaria uma colecionadora. Ela gostava de fazer compras on-line de qualquer maneira. Uma batida na porta interrompeu sua festa de autopiedade. Ela pegou o telefone para olhar a hora. Era muito tarde. Quem poderia estar aqui há esta hora? Alarmada, o telefone na mão apenas no caso de que era alguém que não conhecia, ela se arrastou até a porta e olhou pelo olho mágico. Garrett. Ela deitou a cabeça contra a porta. Ela não podia encará-lo. Era uma idiota. O que diria? Oh, eu fui dramática esse tempo todo. Será que você gostaria de continuar a ter um relacionamento comigo? “Alicia. Eu sei que você está ai. Ouvi seus sapatos no chão.” Pior ainda, ela chupou a discrição, também. Ainda bem que ele não era um ladrão. Sem saber o que dizer a ele, mas sabendo que não ia deixar ele parado lá fora, ela abriu a porta. Ele ficou ali, as mãos enfiadas nos bolsos de suas calças e sua cabeça inclinada para o lado. Ele não estava sorrindo. “Hei,” foi tudo o que disse. Então, ela deu-lhe um “Hei” em troca. 272


“Posso entrar por um minuto?” Apesar de não ter ideia do por que ele gostaria de estar dentro de um quilômetro seu, no momento, ela deu um passo para longe da entrada. “Claro.” Ela fechou a porta e trancou-a depois que ele entrou, mas ficou perto da porta, apenas no caso de que tivesse que deixá-lo fora imediatamente. Ele virou-se para encará-la, parecendo tão miserável quanto ela se sentia. “Sinto muito,” disse ele imediatamente. “Eu fui um idiota. Não devia ter feito você duvidar do que está fazendo comigo — o que você fez por mim — tem sido nada menos do que um maldito milagre.” Grande. Agora, se sentia ainda pior. Ela se moveu em direção a ele. “Não, eu sou a única que está arrependida. Eu me comportei muito mal, agi como o tipo de mulher que absolutamente detesto, do tipo que joga birras e age como uma diva, porque as coisas não vão no caminho. Não posso me desculpar o suficiente pela reação exagerada ao que você disse.” “Você não exagerou. Eu fui um idiota.” “Você não foi um idiota. Estou apenas fazendo o meu trabalho, e você tem o direito de sentir sobre isso, contudo, você se sente sobre isso. É natural que tenha preocupações sobre sua carreira. Eu fiz isso por mim. Pior ainda, fiz isso por você e por mim. Eu deveria saber melhor.” Ele pegou um dos cachos que escapou do cabelo colocando atrás da orelha. “Eu acho que não há problema em falar sobre o que você e eu e gosto realmente que exista um eu e você.” Algo vibrou em sua barriga. “Existe?” “Eu acho que sim. Você não acha?” “Eu não sei o que pensar às vezes. Isso me assusta.” “O inferno, tudo me assusta, Alicia. O fato de não poder lançar de novo me assusta. Estar em uma sala cheia de sua família hoje? Isso foi terrível, dada a forma como me sinto

273


sobre a minha própria família. Você e eu? Isso definitivamente me assusta. Essa discussão que tivéssemos esta noite foi menor em comparação.” Adorava que ele estava sendo honesto com ela. Saber o que o assustou — aos dois e sua relação classificada no topo da lista — a ajudou entendê-lo melhor. Isso assustou também. Seus sentimentos por ele absolutamente a petrificaram, porque lhe deu o poder de magoá-la. “Você está certo, e eu te tratei mal. Isso não vai acontecer novamente.” Seus lábios levantaram. “Não faça promessas que você pode não ser capaz de manter.” Ela riu. “Ok, eu não vou. Tenho um pouco de chá quente feito. Gostaria de um pouco?” “Não. Eu quero beijar e fazer as pazes.” Ele a puxou para mais perto e segurou a parte de trás de seu pescoço, puxando os lábios nos dele. Havia poder neste beijo, uma paixão desesperada que ela agarrou como uma tábua de salvação. Talvez fosse um pedido de desculpas, mas cada vez que eles vieram juntos, isso sempre me pareceu mais poderoso do que o tempo anterior. Pode ser que era tudo em sua mente, que o seu amor por Garrett estava crescendo e é por isso que tocá-lo, beijá-lo e estar com ele se sentiu consumindo-a toda a cada vez que eles estavam juntos. Mas havia algo incrivelmente mágico sobre a maneira como ele acariciava seu pescoço. Certamente esses arrepios que sentia não eram sua imaginação. Ele deslizou os dedos ao longo de seu couro cabeludo para soltar a presilha que segurava seu cabelo para cima, em seguida, arrastou os dedos para baixo para encontrar o zíper de seu vestido. Com o zíper puxado a meio caminho, ele a levou para o quarto onde acendeu a lâmpada ao lado, então a colocou ao lado da cama e puxou-a contra ele novamente para tomar sua boca em um beijo ardente que a deixou sem fôlego. “Estive esperando a noite toda para você sair deste vestido, para ver que tipo de roupa você tinha,” ele sussurrou em seu ouvido, terminando o que tinha começado na sala de estar puxando o zíper de seu vestido o resto do caminho. 274


Quando ela saiu do vestido, seu olhar vagou apreciando sobre seu sutiã preto e calcinha fio dental. Ela não esperava vê-lo hoje à noite, mas escolheu a roupa interior de qualquer maneira, secretamente esperando que ele estivesse lá. “Uh... porra wow,” disse ele. “ E com aqueles sapatos de saltos altos sensuais? Wow dupla porra.” Ela corou sob o olhar aquecido. “Obrigado. Você é o próximo.” Ele desabotoou a camisa e encolheu os ombros, em seguida, tirou os sapatos e as calças, modelando sua cueca boxer preta para ela. Ela riu. “Sexy.” “Sim, não chega nem perto.” Ele baixou sua cueca, sua ereção subindo e fazendo-a tremer em antecipação. Ele brincava com as pontas dos dedos sobre a curva de seus seios. “Esta roupa é muito quente, Alicia. Será que você a estava usando para mim, esperando que me visse hoje à noite?” “Sim.” “Gosto disso. Obrigado. Por que você não deita na cama e deixe-me mostrar-lhe o quanto aprecio você?” Ela sentou-se e começou a tirar os sapatos, mas Garrett colocou sua mão sobre a dela e agarrou seus tornozelos. “Oh, não, querida. Estes sapatos têm de ficar. Quero que tê-los em minhas costas e minha bunda quando eu foder você esta noite.” Sua vagina tremeu. Ela colocou as mãos sobre a cama. “Deus, Garrett. Você me faz molhada quando diz coisas desse tipo.” “Gosto de fazer você molhada.” Ele deu-lhe ao ombro um empurrãozinho, e ela deitou-se na cama, com as pernas balançando sobre a borda. Quando Garrett levantou as pernas e deu um beijo em suas panturrilhas, ela estremeceu. “Realmente gosto desses sapatos, Alicia. Você deve usá-los com mais frequência.” Ele passou a mão sobre seus tornozelos, panturrilhas, as costas de seus joelhos, e sob suas 275


coxas, adorando uma perna, depois a outra, ignorando o ponto latejante entre suas pernas que implorava por seu toque. Quando ele tirou a calcinha sobre seus quadris e para baixo de suas pernas, ela estava pronta para ele tocá-la, acariciá-la, lambê-la até que ela gritasse. Mas ele só acariciava as pernas novamente, beijando seu caminho até as panturrilhas e joelhos, fazendo o seu caminho para a terra prometida, mas ignorando-o novamente para mover seus lábios sobre os quadris e as costelas. “Garrett.” O nome dele partiu de seus lábios com um suspiro trêmulo. “Mmm,” foi sua resposta quando chegou à curva de seus seios. Ele serpenteou sua língua sobre a borda dos copos do sutiã, provocando-a. Seus mamilos apertaram, e ela estava tão quente que sentiu como se pudesse entrar em combustão espontânea. Ele abriu o fecho na parte da frente do sutiã para puxar os copos de lado, liberando os seios. “Você tem os seios mais bonitos e gosto de chupar seus mamilos.” Suas palavras lhe enviaram em chamas. Ela o viu quando ele tomou um mamilo entre os lábios e chupou-o na boca, a sensação atirando diretamente para seu núcleo. Ela estendeu a mão para tocar-se, mas Garrett agarrou seu pulso e colocou a mão em cima da cama ao lado dela. “Uh-uh,” disse ele, antes de sacudir a língua sobre o outro mamilo, em seguida, agarrando-o com os dentes para mordiscar suavemente sobre isso. “Você está me matando.” Ele olhou para ela e quebrou-a com um sorriso perverso. Ele se moveu para cima e tomou seus lábios em um beijo que destruiu algumas células do cérebro que lhe restava. Ela estava mole, sem vida, com exceção de todos os nervos formigando pedindo-lhe para satisfazê-la, e quando ele fez a lenta caminhada para o sul novamente, ela queria cantar com alegria. Ela tremeu quando ele brincou com suas coxas e caiu de joelhos, colocando as pernas sobre seus ombros enquanto ele a deslizava para a beira da cama.

276


Quando ele, finalmente, colocou a boca em seu sexo, todo o seu mundo girou. Ela ergueu-se nos cotovelos, desesperada para ver o que ele estava fazendo para causar essas deliciosas sensações pecaminosas. Vendo as pernas jogadas sobre os ombros, sua língua deslizando sobre seu sexo, e a maneira como ele devorava sua boceta a fez convulsionar por todo o seu corpo com prazer. “Eu não vou durar, Garrett. Vou gozar, e eu vou vir rápido.” Ele murmurou contra seu sexo, colocando sua língua contra ela e, oh, Deus, ele estava vibrando contra seu clitóris? Ela explodiu em um orgasmo entorpecente, agarrando em seus cabelos e gritando seu nome enquanto balançava seu clímax contra seu rosto, sem vergonha de deixá-lo saber o quão bom ele era maldito. E quando ela desceu contra a cama, sem fôlego e sem energia, estava certa de que havia morrido. Mas, então, ele estava lá, emoldurando seu rosto com as mãos e beijando-a, renovando-a, sua ereção escovando seu quadril quando ele virou-se na cama. Talvez ela não estivesse morta afinal, porque a sua boca e a sua língua a trouxeram de volta à vida. Suas mãos percorriam seu corpo, roçando seus mamilos e tocando-a em todos os lugares. Então, ele rolou para o lado dela para que pudesse tocá-lo, também. Ela adorava a sensação de seu corpo, cada músculo e cume que tinha vindo a conhecer tão bem. Acariciou seu ombro, beijou, ainda levou uma pequena mordida. Ele rosnou em resposta, e os mamilos apertaram. Então ele a empurrou de costas e pegou um preservativo. “Preciso estar dentro de você.” Ela estendeu a mão para ele, guiando-o para dentro dela, amando o momento em que ele se enterrou dentro dela. A sensação dele enchendo-a, tornando-se um com ela, foi tão emocional, bem como uma sensação física que sempre trouxe um incrível senso de admiração. Queria dizer-lhe isso, dizer a ele como a fez sentir, mas agora não era o momento, e não com a paixão subindo tão rápido que a envolveu. 277


Ele levantou e curvou o joelho em direção a seu peito, acariciando sua mão ao longo de sua perna. Quando acariciou seu tornozelo, ele se voltou para ela, e seus lábios se curvaram. “Oh, sim. Eu amo a porra desses sapatos.” Ele empurrou para dentro dela, lento e fácil, tomando seu tempo deixando-a louca, levando-a diretamente a borda, enterrando-se tão profundo que ela pensou que poderia morrer de êxtase. Estendeu a mão para ele e enredou os dedos em seus cabelos, puxando-o. Ele gemeu e a golpeou inda mais profundo. Ele estava indo para fazê-la gozar, mas desta vez ele estava indo com ela. E quando aumentou o ritmo, a testa franziu e pálpebras caíram para meio mastro, ela soube que ele estava à beira. “Goze dentro de mim, Garrett,” ela sussurrou, e ele caiu em cima dela, pegou sua bunda e ergueu os quadris, trazendo-os ainda mais próximos. Foi quando ela cavou e fez ele foder mais, o fez dar-lhe tudo o que tinha. O suor escorria dele. Ele era implacável, músculos salientes em seus braços enquanto revirava os quadris em cima dela, quebrando-a. Ele beijou-a quando ela gritou, gemendo contra os lábios quando esvaziou dentro dela. Eles estremeceram juntos no clímax, seu corpo apertando ao redor de seu pênis enquanto cavalgavam, ambos puxando a respiração, como se tivesse acabado de correr uma maratona. Passou, ela deitou a cabeça em seu peito, ouvindo o som do seu coração batendo. Queria dizer a ele como se sentia. Havia tantas coisas que precisavam falar, mas agora estava contente e saciada e exausta. A grande conversa sobre coisas importantes podia esperar para outra hora. Por enquanto, ela só queria dormir.

278


Capítulo Vinte e Seis DEPOIS DE UM DIA EXTENUANTE DE EXERCÍCIOS E TREINO, Garrett tinha sido chamado no escritório do Treinador Manny. Eles estariam indo para Chicago amanhã para a abertura da temporada. Ele estava esperando que fosse começar a lançar nesta série. Ele já sabia que não era o motor de arranque do primeiro jogo. A bola tinha sido dada a outra pessoa. Mas queria lançar, estava pronto para lançar. Alicia tinha sido trazida com ele. Ele não tinha certeza do que fazer com isso. O olhar que ela deu a ele lhe disse que ela não tinha ideia, também. Manny entrou, juntamente com Bobby, o treinador dos lançadores, e Phil e Max. Manny, tomou o assento atrás de sua mesa, inclinou-se contra a borda na frente de onde eles estavam todos sentados. “Vamos direto a isso, Garrett. Estamos indo para o trabalho de volta para a rotação.” O estômago de Garret apertou. Excitação perfurou através dele. Isso era o que ele estava esperando. “Neste momento, nós queremos que você faça o apaziguador25 de meio turno. Nós não achamos que você está pronto para começar ainda. Nós queremos que você obtenha alguns arremessos, e tenha algumas entradas por jogo é uma boa maneira de aquecê-lo.” Seu estômago caiu. Foda-se. Não é o que ele queria ouvir. “Eu posso começar, treinador. Meu braço está bom. Estou pronto.” “Bobby e eu sentimos que meio tempo é bom para você agora.”

25

São arremessadores que comumente arremesso no quinto, sexto, sétimo ou innings. Geralmente vem depois do lançador principal. 279


“A ressonância magnética e exames que fizemos em você mostra que você se curou,” disse Phil. “Um muito bom sinal. Agora é só uma questão de tempo até obter a sua mecânica em ordem.” “Estou bem.” Garrett concentrou sua atenção em Manny. “Você sabe que posso lançar um jogo bom para você.” “Sei que você pode. Depois de fazer alguns jogos em relevo de meio-turno, vamos levá-lo de volta para a rotação de partida. Trabalhar com Bobby sobre ajustar o ritmo de seus arremessos e continuar sua terapia com Alicia.” Manny disse. “Você vai voltar lá, garoto.” A única coisa que não faria era discutir com o treinador Manny. Uma vez que ele tomava uma decisão, era a sua decisão. Se você não gostava dessa decisão, a sua próxima alternativa era bola AAA. Ou talvez um novo emprego fora de beisebol. A reunião acabou, e Garrett sabia. “Claro. Eu vou dar tudo de mim.” Manny deu um tapa nas costas dele. “Esperava isso de você, garoto.” Garrett saiu do escritório de Manny, incapaz de processar o que tinha acontecido. Lançar meio-turno? Foda-se. Ele preferia estar mais perto a passar o tempo como um apaziguador de meio-turno. Inferno, ele preferia não lançar nada. “Você está chateado,” disse Alicia, enquanto caminhavam pelo corredor depois que todos haviam se dispersado. Ele lançou-lhe um olhar. “Você acha?” “Garrett.” Ele estava comendo o corredor com passos rápidos, com raiva, Alicia apressando para se recuperar. Agora não. Ele não estava com disposição para conversar. Ele preferia ir até a sala de exercícios e tirar sua irritação em um dos sacos de pancada ou a bancada de peso. Talvez correr poucos quilômetros fora da pista. Havia um fogo maldito na sua barriga, e agora não era motivação. Era pura, fúria incandescente. Mas Alicia agarrou seu braço, obrigando-o a parar. “Ouça-me. Você vai lançar. Pelo menos você vai lançar. Esta é uma boa prática para você.” “A prática? Você acha que eu me importo com isso?” 280


Ela manteve a mão em seu antebraço. “Eu sei que não é isso que você queria.” “Não. Não é nada do que eu queria. O que eu queria era estar no monte e começar novamente.” “E você vai estar se parar de ser um bebê por não conseguir o que queria.” Isso chamou sua atenção. Ele olhou para ela. “Então você não está começando um jogo. Você acha que você é o primeiro arremessador a sair da reabilitação, e não começar imediatamente? Você tem sorte de chegar a lançar em tudo. Muitos deles se sentam no banco durante meses, incapaz de lançar uma bola. Seu braço está forte, mas sua mecânica não. Esta é uma maneira de obter de volta seu ritmo sem perder o controle do jogo. Então pare de sentir pena de si mesmo, preste atenção ao seu treinador de arremesso, deixe-me continuar a trabalhar com o seu braço, e vamos levá-lo de volta ao monte como um fermento.” Ele se virou e foi embora. “Garrett.” Ele não olhou para ela. “Estou indo para a sala de terapia. Venha trabalhar no meu ombro. Se sente apertado depois do treino de hoje.” Não havia nada pior do que ser chamada no título de seu terapeuta de todas as pessoas. Ela estava certa. Ele não tinha tomado bem a notícia. Queria começar na rotação, não meio-turno. Mas ele estava indo para lançar. E ela estava certa sobre isso. Poderia ter acabado mal. Então ele lidaria. Seria o melhor maldito apaziguador de meio-turno que tinham, e quando eles percebessem isso, iriam colocá-lo de volta na rotação da partida. Ele daria uma semana. Uma semana e seria titular novamente.

***** 281


UMA SEMANA DEPOIS, ELE AINDA ESTAVA ARREMESSANDO MEIO-TURNO. Ele fez bem no monte, tinha andado um pouco, lançado para fora algumas, colocou algumas para a base. Havia desistido de duas corridas, que sugaram. Ainda assim, teria gostado de ter deixado os jogadores na base. Mas estava de volta a sua forma, seu braço se sentia bem, e estava lançando algumas vezes. Apaziguador. Foda-se, isso o estava deixando louco. Para piorar a situação, tinha os meios de comunicação rastejando até o traseiro dele sobre seu ombro e sua nova posição como um apaziguador de meio-turno. Ele explicou, e o treinador explicou que isto era apenas temporário, que fazia parte de sua reabilitação, e que ele estaria começando os jogos novamente em algum momento. Que tinha colocado a mídia em um frenesi, especulando que ainda havia algo de errado com seu ombro e ele nunca seria um lançador principal novamente. Ele revirou os olhos sobre aquilo. Como se não tivesse já um monte de suas próprias dúvidas pesando-o, a mídia tinha que acrescentar? “Você está pronto para eu te esticar?” Ele olhou para cima para ver Alicia de pé sobre ele. Ele não tinha sequer percebido que havia mais alguém na sala de treino. Mas agora, havia outros jogadores antes do jogo de aquecimento. Era a estreia em casa hoje. Normalmente, estaria animado como o inferno sobre a torcida, o estádio. Normalmente, ele lançaria abrindo o primeiro jogo em casa. Ele sempre fez. Pelo menos desde que ele tinha sido um lançador de partida. Hoje, Walter Segundo iria começar o jogo. Talvez, se tivesse sorte, ele começaria a jogar alguns arremessos no meio dos innings, mas Segundo era um lançador forte e muitas vezes poderia levar o jogo até o mais perto e chegar a abrir o oitavo ou nono. “Garrett,” disse Alicia novamente. “Vamos esticar o ombro.” 282


Ele olhou para Alicia, perguntando se tinha feito a escolha certa alguns meses atrás, quando disse aos médicos e treinadores que queria trabalhar com Alicia. Talvez devesse ter ficado com Max, o chefe do departamento de esportes da medicina. Sentia-se desleal a Alicia apenas pensando. Ele estava lançando agora, onde antes tinha feito nada além de sentir pena de si mesmo, convencido de que nunca iria lançar novamente. Ele estava lançando de novo, só que não do jeito que imaginou. Certamente que não era culpa de Alicia. Ou talvez fosse. Ela era responsável por sua recuperação, não era? Ela disse-lhe que iria levá-lo ao monte novamente. Ela tinha feito isso, mas não da maneira que ele queria. Merda. Ele não sabia mais o que pensar. “Garrett?” Ele levantou-se e seguiu-a. “Sim. Claro.” Na mesa, ele manteve os olhos fechados, concentrando-se em seu braço, sobre o que deveria estar fazendo que não estava, enquanto Alicia o estendia. “Você está muito quieto hoje.” “Só pensando.” “Sobre o jogo?” “Sim.” “Espero que você vá ter algum trabalho hoje. Certifique-se de manter o seu braço solto.” “Eu não acho que você precisa me dizer o que fazer no aquecimento dos lançadores.” Ela não disse nada depois disso, o que foi bom para ele. Eles não tinham visto muito um ao outro durante a semana passada. Estavam na estrada, e os dois não tinham passado muito tempo juntos que não fosse ela fazendo o seu tratamento. Encontravam-se no campo e na sala de treino, mas não tinha havido tanta coisa acontecendo com entrevistas com a mídia e os jogos que não tiveram tempo sozinhos. Alicia estava dividindo o quarto com a outra

283


terapeuta do sexo feminino, e Garrett tinha um de seus companheiros de equipe como companheiro de quarto. Eles quase não tinham falado, que não fosse como jogador e terapeuta. Não desde que ele virou-se para ela quando descobriu que estava indo para ser atribuído como um lançador apaziguador do meio-turno. Que provavelmente tinha sido o melhor. Garrett não tinha sido exatamente a melhor companhia recentemente. Ele não a tinha chamado quando tinha voltado para a cidade, também. Muita coisa estava acontecendo em sua cabeça, e nenhuma delas era agradável. Ela provavelmente sabia, também, porque não tinha dito nada sobre isso, só apareceu na instalação com o rosto sorridente de costume, pacientemente trabalhando em seu ombro, como se nada tivesse mudado, quando na verdade tudo tinha. Pelo menos para ele. Ele não merecia ter alguém como ela em sua vida. Suas mãos sobre ele se sentiam bem, embora, e quando ela virou-o para massagear as costas e os ombros, ela tirou um pouco da tensão que ele estava segurando. Pelo menos fisicamente. Não havia nada que pudesse fazer para tirar as dúvidas em sua mente. “Tudo bem, sente-se,” disse ela. Ele pegou sua camisa e puxou-a sobre a sua cabeça. Ela olhou para ele, e ele se lembrou que, apesar dos feios uniformes de fisioterapia que usava, ela ainda era linda. Não sabia como não tinha notado em todos os meses. Ela lhe deu um sorriso. “Você vai fazer muito bem hoje.” “Sim, se eu ficar no monte em tudo.” Ela olhou ao redor da sala, em seguida, escovou os dedos em seu joelho. “Dê um tempo, Garrett. Recuperação nunca é rápida. Você vai chegar lá.” “Sim. Claro que vou.” Ele deslizou para fora da mesa, em seguida, saiu da sala de tratamento.

284


Durante o jogo, Garrett assistiu do lugar de aquecimento dos lançadores. Segundo armou uma shutout26 através de oito innings, e Maloney fechou o último inning para ele. Garrett nunca chegou a lançar. Ele nunca doeu tanto para estar no monte em sua vida. Ele teria dado qualquer coisa para ainda lançar os innings no meio-turno. Mas o que ele realmente queria era o seu próprio jogo. Queria começar tanto que doia. No vestiário, após o jogo, Garrett tomou banho, vestiu-se, em seguida, sentou-se na frente de seu armário, esperando como o inferno que a mídia estaria mais focada em Gavin e Dedrick e Stan, os armadores que tinham conduzido nas corridas vencedoras, e Segundo por sua vez estrela no monte hoje, e menos sobre o fato de que Garrett tinha sido inexistente. Ele não podia enfrentá-los, não tinha nada a dizer. Max entrou e sentou-se ao lado dele. “Você está bem?” Ele levantou a cabeça e assentiu. “Tudo bem.” “Seu ombro está bem, também, você sabe. Mas talvez seja hora de uma mudança.” Garrett fez uma careta. “Que tipo de mudança?” “Você esteve trabalhando com Alicia por um tempo agora, e enquanto ela trouxe você até aqui, talvez seja hora de você, deixar-me assumir e obter-lhe o resto do caminho.” “O resto do caminho?” “Sua mecânica é boa, mas você não está lá ainda. Tenho algumas ideias para ajustar a pequena quantidade de tecido cicatricial que ainda resta em seu ombro, e acho que você pode obter de volta a rotação da partida.” Isso significaria despejar Alicia. “Alicia tem sido um salva-vidas, você sabe. Ela realmente me fez voltar em forma. Eu não estaria onde estou agora sem suas habilidades.” “Oh, eu sei que ela fez. Melhor do que pensei que faria, francamente. Agora, deixeme levá-lo o resto do caminho.” 26

Refere-se ao ato pelo qual um único arremessador lança um jogo completo e não permite que a equipe adversária marque. 285


Garrett ingeriu. Esta era a sua carreira, e ele tinha que colocá-lo em primeiro lugar. Mesmo acima dos sentimentos de Alicia. Não era como se ela tivesse sido demitido ou nada. Ela tinha feito a sua parte, e Deus, ele era grato. Mas tinha que ser um lançador principal da partida novamente, e se Max poderia fazer isso acontecer... “Tudo bem. O que você acha que precisa ser feito, vamos fazer isso.”

286


Capítulo Vinte e Sete ALGUMA COISA ESTAVA ACONTECENDO COM GARRET. ALICIA não tinha ideia do que era, mas apostaria que tinha algo a ver com a sua insatisfação por ter estado preso a um apaziguador de meio-turno. Ela sabia que sua terapia do ombro ainda estava indo bem. Ele teve ampla extensão de movimentos e não apresentava sinais de dor ao jogar a bola. O problema era, que isso praticamente subiu em sua própria cabeça e se recusou a falar com ela. E quando um jogador tem em sua cabeça, isso nunca era um bom sinal. É aí que Garrett tinha estado quando ela começou a trabalhar com ele, e tinha tomado algum esforço para tirá-lo de lá. Infelizmente, eles não tinham tido qualquer momento a sós, primeiro por causa da viagem, em seguida, por causa da sequência de jogos em casa, mais o circo da mídia em St. Louis. Ela não podia sequer imaginar a pressão que Garrett devia estar agora, mas a última coisa que ela ia fazer era adicionar a ele qualquer tipo de material emocional relacionado com os dois. Ele tinha o suficiente acontecendo. Haveria tempo mais tarde para os dois para relaxar e conversar sobre o relacionamento deles. Agora ela estava mais preocupada com sua carreira e onde sua cabeça estava. Precisava convencê-lo de que seus dias de lançador não tinham terminado, apenas porque não era atualmente o lançador inicial da partida. Ela acreditava nele e no trabalho que tinha feito em conjunto. Sabia que ele ia começar de novo. A chave estava em convencê-lo. Saiu para o campo, onde os arremessadores estavam tomando treino de lances, pronta para trabalhar com ele e com o treinador dos lançadores. Ela e Bobby tinham entrado em um ritmo de diagnosticar a mecânica de Garrett e trabalhar nos ajustes que afetavam o

287


seu posicionamento. Bobby iria perguntar-lhe se isso iria ferir o braço de qualquer forma, e ela teria Garrett jogando e avaliando o seu nível de dor. Estes dias, nada parecia causar-lhe qualquer dor, que era um bom sinal, mas poderia dizer depois, quando fizesse a terapia, se qualquer uma da mecânica de arremesso teria um efeito adverso em seu ombro. A última coisa que precisava era de tomar qualquer passo para trás na recuperação de Garrett. Esta manhã, Max estava lá fora, e Garrett já estava jogando. Ela pegou seu notebook e abriu, verificando o tempo de aquecimento de Garrett. Não, ela não estava atrasada. “Bom dia, Max,” disse ela enquanto se dirigia para o campo. “Alicia. Garrett, por que você não vem aqui por um segundo? Dê-nos um minuto, Bobby,” disse Max. “Claro,” disse Bobby, que se deslocava ao longo para trabalhar com um dos outros lançadores. “Garrett e eu falamos ontem,” disse Max. “Você fez um excelente trabalho, Alicia. Mas, para efeito de mais progressos em sua recuperação, é hora de uma mudança.” Alicia olhou de Max para Garrett, que posicionou o seu olhar em algum lugar por cima do ombro, e não para ela. “Eu não entendo.” “Só para agitar um pouco as coisas. Tenho algumas ideias que acho que vai eliminar o restante do tecido da cicatriz no ombro de Garrett e vai levá-lo de volta no monte como um sucesso.” “Sim, Max, eu também” Ela abriu seu notebook. “Se você olhar aqui…” Mas Max acenou com a mão. “Está tudo bem, Alicia. Eu tenho isso agora. Transfira as suas notas sobre Garrett para a minha mesa. Por que não vai ver o tornozelo de Cleron? Ele está reclamando de alguma dor.” “Mas—” “Essa é a palavra final, Alicia. Você está fora do caso de Garrett.”

288


Ela olhou para Garrett, que lhe deu um breve aceno de cabeça. “Tenho certeza de que Max vai fazer um bom trabalho me levando o resto do caminho. Obrigado por tudo que você fez, Alicia.” Obrigado por tudo que você fez? Era isso? Era como se fossem estranhos. E, assim como se um abismo abrisse entre os dois, uma distância que ela sentiu por um tempo agora, mas ignorou. Ela colou um sorriso profissional e acenou para Max. “Ok, Max, com certeza. Vou ter essas notas transferidas para os seus arquivos imediatamente.” Ela virou-se e dirigiu-se para o vestiário para que pudesse agarrar o kit que tinha a fita para o tornozelo de Cleron. A cada passo, o vazio na boca do estômago cresceu. Não era pessoal, apesar da devastação que sentia. Isto era parte do seu trabalho, por isso a dor em seu estômago poderia simplesmente dar uma caminhada. Era hora de distância entre ela e Garrett, de qualquer maneira. Ele precisava se concentrar em seu arremesso, ela precisava voltar para o que fazia, que era um trabalho para a equipe de medicina esportiva em qualquer capacidade que eles precisavam. Seu tempo juntos estava chegando ao fim. Ou talvez tivesse terminado algumas semanas atrás, e Garrett tinha sido o único a notar isso enquanto ela estava trabalhando tão duro em seu braço, tentando desesperadamente colocar seus sentimentos em segundo plano. Porque tinha sido a sua carreira que tinha sido tão importante para ela, e seus sentimentos que tinha estado na ponta dos pés ao redor. Enquanto ele tinha acabado de esmagar ela sem pensar duas vezes. Lágrimas picaram os olhos. Ela as bateu, recusando-se a ser uma menina sobre a situação. Estava no trabalho e estava indo para ser uma profissional maldita. Isso não era sobre ela e Garrett como um casal, o era cerca de Garrett, seu paciente. Ficando envolvido pessoalmente com um paciente tinha sido o problema todo. Ela sabia que isso iria acontecer assim que os dois subissem na cama juntos.

289


Acabar com o seu relacionamento pessoal era o melhor. Ela sabia disso, e, obviamente, Garrett também sabia disso. Sabia desde o início que não seria capaz de trabalhar em conjunto, uma vez que seu ombro curasse. E estar juntos enquanto eles trabalhavam para a mesma equipe era um conflito de interesses. Não havia nenhuma maneira que ela estava desistindo de seu trabalho. Amava o seu trabalho com os Rivers, lutou duro para conseguir esse emprego. Era duvidoso com o seu primo jogando para a equipe. Ter um relacionamento com outro jogador? Se isso fosse descoberto por seus patrões, seria a morte de sua carreira. Era hora ela categorizar seu relacionamento com Garrett, onde pertencia, um interlúdio maravilhoso, algo que se lembraria com carinho, mas não algo que pudesse continuar. Isso tinha acabado. Porta fechada. Concluído. Já esquecido. Ela puxou o arquivo do tratamento de Garrett em seu notebook e enviou-o para Max. Quando saiu do vestiário, foi direto para o banco, focando apenas sobre Cleron. Ela não tinha uma vez olhado para cima, nem uma vez procurou Garrett. Ela tinha que fazer uma ruptura clara com ele, não deixando suas emoções nublarem sua lógica. Ela se ajoelhou na frente de Cleron. “Ok, Jeff. Vamos dar uma olhada nesse tornozelo.”

***** GARRETT ASSISTIU ALICIA TRABALHAR NO TORNOZELO DE CLERON. Ela nunca olhou para ele, nem mesmo um olhar por cima do ombro. O que ele esperava depois da maneira como a tratara? O choque em seus olhos quando Max lhe tinha dito que ele estava no comando, seguido pelo olhar de dor que atravessou seu rosto quando Garrett tinha basicamente lhe dado uma dispensa ainda estava preso em seu estômago como um soco duro. 290


“Garrett. Você não está se concentrando,” disse Bobby. “Você não bateu a zona de strike em seis arremessos.” Garrett saiu do monte, a sua concentração quebrada. Ele não devia estar centrado em Alicia. Esta era a sua chance de mudar seu estilo de arremesso, para ter Max terminando sua reabilitação, e finalmente — finalmente, voltando a iniciar o trabalho de lançador. Ele não podia levar isso pessoalmente, e nem devia Alicia. Não era pessoal, era sua carreira. E, infelizmente, o dela. Ela provavelmente tinha tomado pessoalmente, e provavelmente pensou que ele estava despejando-a pessoalmente quando a dispensou profissionalmente. Merda. Ele tirou o boné e enfiou os dedos pelos cabelos. Você não trata alguém que você ama assim. Espere. Ama? Ele lançou seu olhar em todo o estádio para o banco de reservas. Alicia tinha ido embora. Cleron estava de volta no campo externo, mas Alicia estava longe de ser encontrada. Ele já sentia o vazio. “Você vai contar margaridas aqui o dia todo, Scott, ou talvez se sinta bom em jogar alguns arremessos,” perguntou Bobby. Garrett examinou o estádio uma última vez, mas não viu Alicia. Ele não sabia o que faria se ele a visse. Ele tinha fodido tudo e não sabia o que fazer sobre isso. Em vez disso, se virou e deu um passo atrás para cima no monte de treino. “Sim, treinador. Vamos jogar alguns arremessos.”

291


Capítulo Vinte e Oito SE HAVIA UMA COISA QUE ALICIA NÃO FAZIA, era se esquivar. Ela era direta, em seu rosto, vamos colocar tudo para fora e resolver o problema. Coisas que inflamavam tendiam a ficar feio, e ela era um grande crente na comunicação. Que foi por isso que estava sentada na casa de sua tia em uma tarde de domingo assistindo os Rivers jogar beisebol em vez de estar no estádio. “Você não deveria estar trabalhando?” Perguntou o pai dela, mastigando um pretzel enquanto a família se reunia em torno da televisão de seu tio e tia para assistir ao jogo. “Nós ocasionalmente temos dias de folga, você sabe.” “Sim, quando o time está fora,” disse o pai. Ela revirou os olhos. “Há uma abundância de especialistas em medicina esportiva para tratar as lesões. Nós todos não trabalhamos em todos os dias de jogo. Não trabalho hoje.” “Mas você consegue ingressos grátis do jogo, e poderia ir para o estádio sempre que quiser, certo?” Perguntou Jenna. Alicia atirou em Jenna um olhar que dizia claramente: “Cale a boca.” “Sim. Só não senti vontade de ir hoje.” “Hmmm,” disse Jenna. “Hmmm, na verdade,” Savannah acrescentou. “Além disso, é aniversário do meu pai. Especificamente requisitei hoje para que eu pudesse estar aqui para a festa grande da família.” Seu pai agarrou outro pretzel. “Eu não sei, docinho. Preferiria estar no jogo.” Cole bufou. “Eu também, pai. Alicia devia ter dado seus ingressos.”

292


“Eu poderia ter assentos se você tivesse perguntado. Gavin poderia obter os ingressos, também.” “Isso é verdade,” disse o tio. “Embora estes são muito bons lugares, também.” “Melhores tem replay instantâneo,” disse Jenna. Alicia preferia estar assistindo algum romance antigo preto-e-branco na televisão em casa, enquanto chorava com um litro de sorvete de chocolate, mas era aniversário de seu pai, e sua tia e tio tinham decidido organizar um churrasco em sua casa hoje, então não tinha escolha a não ser assistir. Era isso ou ir para o jogo, e estar no jogo significava estar perto de Garrett, e agora esse não era um lugar que queria estar. “Tia Kathleen, posso fazer qualquer coisa na cozinha?” Qualquer coisa para evitar o jogo na televisão. “Não, obrigada, querida. Fiz a salada de batata e salada de repolho na noite passada. As costelas estão na imersão de molho barbecue, por isso tudo está pronto.” “Eu poderia grelhar as costelas.” Seu tio fez uma careta para ela. “Esse é meu trabalho, mocinha. Nem sequer pense nisso.” Jenna riu. “Bem, eu poderia usar um pouco de conversa de garotas no andar de cima.” Abençoada Jenna. “Claro.” Savannah se levantou. “Eu vou com você.” “Eu também,” Tara disse, entregando Sam para Mick, que sorriu e aconchegou o bebê na dobra do seu braço. “Liz vai ficar infeliz que está no jogo hoje e perdeu isso,” Tara disse depois que elas subiram as escadas e ficaram confortável no quarto da tia de Alicia. “Alicia parecia que precisava de uma pausa de todas as coisas de beisebol,” Jenna disse, olhando para Alicia para iniciar a conversa.

293


A última coisa que ela queria fazer era falar sobre isso, mas quando confrontada com a sua família, tudo vinha a tona. Disse-lhes tudo o que tinha acontecido com Garrett, sendo inclusive tirada do caso. “Que idiota,” disse Jenna. “Não posso acreditar que depois de tudo que você fez para ele terminou com você desse jeito.” “Os homens podem ser tão obtusos, às vezes,” disse Savannah. “Você falou com ele desde que isso aconteceu?” “Não. Ele ligou, mas eu não respondi. Não vejo o ponto.” Tara, tinha puxado para cima um ponto na cama ao lado de Alicia, afagou-lhe a mão. “Você não pode se esconder para sempre, você sabe. Eventualmente, os dois vão ter que ter uma conversa.” Alicia suspirou. “Eu sei. Não estou apenas pronta ainda. Nós já passamos por tanta coisa, e ele realmente precisa se concentrar em seu arremesso.” “Oh, merda,” disse Jenna. “Ele realmente precisa vir para sua casa, implorar seu perdão, e beijar sua bunda para o que fez com você.” Alicia soltou uma risada. “Eu não iria tão longe. Ele tem que fazer o que acha que é melhor para a sua carreira.” “Você é o que é melhor para a sua carreira.” Jenna ergueu o queixo, claramente do lado de Alicia, não importando o quê. E é por isso que Alicia a amava. “Max é o chefe de medicina esportiva. Não é como se ele sugasse o que faz.” “E você é a única que teve Garrett lançando de novo, não é?” Perguntou Savannah. “É possível que ele tomou sua frustração em não poder iniciar a partia lançando e deixou essa pessoa Max convencê-lo a mudar de terapeuta? Pelo que me lembro, Max não estava muito feliz sobre você tomando o comando da recuperação, em primeiro lugar, não é?” Savannah tinha um ponto que Alicia não tinha considerado. “Não, ele não estava.”

294


“Portanto, não poderia ter havido algumas manobras por baixo do seu nariz da parte de Max para trocá-la por ele de volta ao comando da terapia. Então, quando Garrett se movesse de volta para a rotação de partida, ele receberia todo o crédito,” perguntou Tara. “Max provavelmente faria,” Alicia admitiu. Tara balançou a cabeça. “Isso é o que eu pensava. Jenna e Savannah estão certas. Você precisa falar com Garrett.” Alicia olhou para todas elas. “E dizer-lhe o quê? Que estou chateada, que ele me empurrou para fora? É sua prerrogativa. Ele pode escolher qual terapeuta quer trabalhar. Max é o melhor.” Tara arqueou uma sobrancelha. “Ele é o melhor para Garrett? Ou você é a melhor para ele?” “Acho que sou a melhor para ele. Consegui ele parando de gemer sobre nunca lançar novamente. E porra, ele está lançando, mas não do jeito que pensou que estaria. E será uma perda novamente.” “Então lhe diga isso,” disse Jenna. “E quando estiver fazendo isso, também diga que ele agiu como um idiota.” “Alguém poderia pensar que ele viria a perceber isso por conta própria,” Savannah sugeriu. Alicia suspirou. Ela não sabia o que fazer. Mas definitivamente não estava indo para ir implorando para Garrett. Ele que compreendesse que precisava dela ou ele não o faria. Nesse meio tempo, ela tinha outros jogadores que foi designada e seu próprio trabalho para proteger. Seu próprio coração para proteger. “Mas é mais do que apenas o seu trabalho e sua relação de trabalho com Garrett, não é?” Perguntou Tara, adivinhando sobre o que realmente estava incomodando Alicia. “Talvez.” “Não, talvez sobre isso. Você está apaixonada por ele, não é?” 295


Ela se virou para olhar para Jenna. “Sim. Estou apaixonada por ele. Ou eu pensei que estivesse.” “Ele está apaixonado por você?” Perguntou Savannah. “Eu não sei. Nós nunca conversamos sobre isso.” Savannah lançou-lhe um olhar. “Alguma vez você disse a ele como se sentia?” “Isso nunca foi o momento certo.” Um coro coletivo de gemidos encheu o quarto. Alicia levantou os joelhos até o peito e os braços ao redor de suas pernas. “Portanto, agora o que eu faço? Depois do que aconteceu, tenho certeza que não vou dizer a ele que eu o amo. Pensara que estou implorando para o meu emprego de volta.” “Não, você não pode dizer a ele agora,” disse Savannah. “A bola está definitivamente em seu campo. Ele tem que vir até você. Ele lhe deve muito.” “Então, agora eu espero?” Jenna assentiu. “Desde que você está apaixonada por ele, acho que a espera é a melhor coisa a fazer. Concordo com todas as outras, você não pode ir até ele. Não com todos aqueles sentimentos que você tem. Então, se vocês dois acabarem juntos, você sempre vai ficar se perguntando. É definitivamente a sua jogada. Se ele vale a pena em tudo, você não deve ter que esperar muito tempo.” “E se ele não vem me ver?” Tara lançou-lhe um olhar de simpatia. “Então, ele não vale a pena esperar, querida.”

296


Capítulo Vinte e Nove TINHA SIDO UM DIA MUITO BOM. GARRETT LANÇOU dois innings sólidos. As coisas estavam indo bem. Estava trabalhando com Max, que parecia pensar que a terapia estava progredindo bem. Manny tinha dito a ele que seus arremessos foram ficando mais forte, atingindo a marca e, se tudo corresse bem, poderia estar girando no time titular no próximo mês ou assim. As coisas estavam indo para cima. Mas ainda sentia um vazio interior que não podia ser preenchido, porque Alicia não estava em sua vida, não era o centro do seu universo, e isso sugou simplesmente. Ele ligou e mandou uma mensagem a ela algumas vezes depois que Max a tinha removido do seu caso, mas ela não havia respondido. E como um covarde, ele parou de tentar, com foco em vez disso, em seu arremesso, imaginando que talvez tivesse sido o melhor, que talvez eles tiveram uma grande aventura e devia apenas olhar para frente, não para trás. O problema era, ela enchia sua cabeça à noite, quando estava deitado na cama, e na estrada tudo o que podia pensar era em falar com ela. Quando estava em casa, queria vê-la, estar perto dela. Ele a queria em seu lugar. Queria jantar com ela, sentar no sofá assistindo os filmes. Ele a queria em sua cama. Ele sofria por ela. Gostando ou não, ela se tornou uma parte integrante de sua vida que não tinha nada a ver com a reabilitação de seu ombro. Seu ombro estava bem. Ele estava quase cem por cento recuperado agora, e, eventualmente, não teria precisado dela para mais isso de qualquer maneira. Mas sempre precisaria dela para preencher o espaço em seu coração que se abriu e deixou-a entrar. 297


E isso é o que ele precisava dizer a ela. Não podia permitir que o medo o impedisse de ter algo — alguém — que significou muito para ele. Ela tinha estado ocupada trabalhando em reabilitação para alguns dos outros caras, então raramente tinha a chance de falar com ela durante o tratamento e treinos. Em um dia de folga, ele esperou até que ela terminasse e apareceu na casa dela naquela noite, esperando como o inferno que ela não tivesse se mudado, que não tivesse em um encontro quando tocou a campainha. Quando ela atendeu, estava vestindo calças de yoga justas e uma camisa de mangas compridas. Deus, ela parecia bem. Queria puxá-la em seus braços e beijá-la. Mas ele não podia. Perdeu esse direito, porque era estúpido. Seus olhos arregalaram quando viu que era ele na porta. “Oh. Oi,” disse ela. “Oi para você. Sei que deveria ter telefonado, mas você não respondeu as últimas vezes eu te chamei, então pensei em aparecer.” “Sim. Desculpe. Meus sentimentos estavam um pouco magoados por ter sido despejada de ser sua terapeuta.” Ele amava que estava sendo tão honesto. “Posso entrar?” Ela hesitou. Não sabia o que faria se ela falasse que não. “Claro.” Ele entrou na sala e se virou. “Sinto que estou sempre pedindo desculpas a você.” Ela não disse nada. “Talvez seja porque estou sempre estragando as coisas. Não sou muito bom nesse negócio de relacionamento. Nunca tive um antes. Já namorei, aqui e ali, mas nada duradouro. Você e eu — acho que nós temos algo especial, e sinto como se eu deixasse ir.” “Você não deixou ir. Você está misturando o aspecto de trabalho com o pessoal.” Ele tomou uma inspiração profunda. “Mas eles são misturados em conjunto. Ou eles estavam. Na minha cabeça, de qualquer maneira.” Ele passou os dedos pelo cabelo. “Eu me 298


acostumei a vê-la todos os dias. Acostumei com você cuidando de mim. E quando você não estava lá...” Ela franziu a testa. “Então você está chateado que não sou sua terapeuta mais?” Ele estava ferrando com isso. Balançou a cabeça. “Não. Quero dizer, sim. O que você fez para mim — Você mudou minha vida e minha carreira ao redor. Não posso agradecer o suficiente por isso. Manny pensa que vou ser um lançador inicial novamente em breve.” “Essa é uma boa notícia. Eu disse que você seria.” “Sei que você fez. Acho que quando comecei a lançar de novo, queria que isso acontecesse logo. E quando isso não aconteceu, tudo ficou confuso para mim. Procurei alguém para culpar por isso.” Ela cruzou os braços. “E eu era conveniente?” Ela não ia facilitar as coisas para ele. “Sim, acho que sim. Você foi responsável pela minha recuperação, por me ajudar a puxar a cabeça para fora da minha bunda e me fazer ver que eu poderia lançar novamente. E quando as coisas não vão do jeito que eu queria que fossem, eu culpei você. Quando Max veio até mim e me disse que poderia me levar pelo resto do caminho, eu agarrei a chance.” “Eu poderia ter levado você lá, Garrett.” “Eu sei. Que é isso o que disse Max. Ele é muito bom no que faz. Mas ele não é você.” Ela se aproximou. “Você disse a Max o que?” “Eu disse a Max que, enquanto eu apreciava seu trabalho comigo, já acostumei com você como minha terapeuta, e prefiro trabalhar com você.” Ela ficou boquiaberta. “Você não disse isso a ele.” “Eu fiz. Ele está bem com isso.” Seus lábios se levantaram. “Tenho certeza de que Max não está bem com isso.” “Eu não me importo se ele está ou não. O que me importo é como você se sente—” Ele cruzou a distância entre eles e pegou-lhe a mão para segurá-la. Ele tinha sentido falta de seu toque tanto. “Eu a feri naquele dia. Deixei você se afastar de mim. Sinto muito por isso. Eu senti sua falta.” 299


“Eu tenho... senti falta de você, também, Garrett.” “Eu te amo, Alicia.” Seus olhos arregalaram. “Você faz?” “Eu faço. Não posso te dizer o quanto isso me assusta. A dissolução do casamento dos meus pais me azedou em toda a ideia de amor e permanência. Você sabe como eu sou sobre a família. Inferno, nem sequer vejo a minha própria muito, porque isso me faz tão maldito desconfortável estar em torno deles. Isso me lembra da dor e da perda e coisas que não quero lembrar. Mas então vejo você com toda a sua família — e o amor que a rodeia — que me faz acreditar que talvez a gente pudesse ter algo parecido com isso, que talvez esse tipo de amor realmente exista.” Alicia foi inundada com tantas emoções ao mesmo tempo em que não poderia processá-las todas. Alívio que ele apareceu — que veio para ela e colocou seus sentimentos abertos — quando disse a ela que a amava. Ele até pediu desculpas e assumiu a responsabilidade por magoá-la. Era difícil para um homem forte enfrentar suas falhas. Um monte de homens não poderia fazer isso. Ela colocou a mão no peito de Garrett e inclinou a cabeça para trás para olhar para o rosto que ela tanto amava. “Você me fez mal. Eu coloquei tudo o que tinha para fazer-lhe um lançador novamente. E você jogou tudo fora, porque você teve medo.” Desta vez, ele não desviou o olhar. “Sim. Sinto muito.” “Você não pode sair correndo a cada vez que o mundo não gira na direção que você quer. Pode não se tornar um arremessador titular novamente no momento que acha que é certo para você, mas vai começar de novo, Garrett. Sei que você vai. Acredito em você. Eu sempre acreditei em você.” Ela sentiu o tremor. Ele cruzou as mãos sobre os dela, levou a mão à boca e deu um beijo lá. “Você sempre acreditou em mim, mesmo quando eu não acreditei em mim mesmo.” “Sim, eu fiz.”

300


“Obrigado por isso. E agora tenho que perguntar se você vai me perdoar por tê-la magoado, mesmo que eu não mereça isso. Porque eu te amo, e quero estar com você.” “Como isso vai funcionar, Garrett? Não posso ser sua terapeuta e sua namorada.” Ele arqueou uma sobrancelha. “Por que não? Não há nenhuma regra que diz que você não pode trabalhar para a equipe e ter um relacionamento com um membro da equipe, não é?” “Claro que há. Está no meu contrato com a equipe.” Ele deu um passo para trás. “Sério?” “Sério. Como você pode não saber disso? Presumi que você fazia, ou que está em seu contrato, também. Não posso confraternizar em uma base pessoal com qualquer membro da equipe, sem perder o meu emprego. Porque você acha que eu estava tão assustada quando os outros jogadores nos pegaram beijando?” “Você tem que estar brincando comigo. Por que você não me contou isso antes?” Ela encolheu os ombros. “Bem, em primeiro lugar, e de novo, porque eu pensei que você já sabia. E segundo, porque pensei que você e eu teríamos uma aventura, uma coisa temporária. Pensei que desde que escondesse bem, ninguém jamais saberia. Agora...” Ela estava exultante com a sua declaração de amor, e miserável ao mesmo tempo. Ele se sentou no sofá. “Isso é uma merda.” “Sim.” “E isso é inaceitável.” Ele puxou o celular do bolso e discou um número, olhando para ela a medida que tocava. “Victoria, é Garrett. Nós temos um problema.”

301


Capítulo Trinta ALICIA MORDEU O LÁBIO INFERIOR ENQUANTO ESPERAVA na sala de conferências da equipe com Garrett, sua agente, Victoria Baldwin, e Lucas Birdwell, um advogado que Liz havia contratado para representar Alicia neste assunto. Seu chefe, Max, Treinador Manny, e os advogados da equipe estavam presentes também. A garganta de Alicia tinha ido totalmente seca. Naquela noite, quando Gavin havia dito a sua agente que queria ser negociado, ela quase entrou em colapso em sua sala de estar. “Agora que temos descrito o problema, tenho certeza que você pode ver por que Garrett pediu para ser negociado,” Victoria disse, parecendo tão bem em seu elegante terno azul marinho e dourado sapatos de saltos altos que Alicia sentiu-se desalinhada em comparação em seu vestido preto simples e botas de salto alto pretas. Mas a última coisa que queria fazer era chamar a atenção para si mesma. Ela puxou o cabelo para trás em um rabo de cavalo baixo e não usava nenhuma joia. Era muito melhor para Victoria ter toda a atenção, ela tinha o cabelo cortado de forma inteligente curto, sua manicura era perfeita, e sua maquiagem habilmente aplicada. A mulher era absolutamente deslumbrante e completamente confiante enquanto se dirigia a todos os presentes. “Não seria mais simples para Senhorita Riley pegar outro emprego,” perguntou um dos advogados dos Rivers cujo nome Alicia não conseguia se lembrar uma vez que havia cinco deles. “Mais simples, sim. Mas Garrett pediu para ser negociado, então a Senhorita Riley não perderia o emprego. Como já discutimos, os dois estão em um relacionamento e determinamos que a senhorita Riley não perderia o emprego que está tão bem qualificada para executar. Ela gosta de seu trabalho com os Rivers e não quer comprometê-lo.” 302


“Espere,” disse Manny, com uma careta no rosto. “Então Garrett e Alicia têm caído no amor, eu tenho essa parte não é?” “Você tem, Manny,” disse Victoria. “E este é um problema, como?” “Contrato de trabalho da Senhorita Riley especifica que ela não pode confraternizar pessoalmente com qualquer um dos jogadores,” explicou o advogado de Alicia. “Que absurdo,” disse Manny. “Por que você não apenas reescrever o contrato então. Ela fica, Garrett permanece, e todo mundo está feliz.” Victoria olhou para os advogados. Aquele cujo nome Alicia não conseguia se lembrar disse: “Se fizéssemos isso, Sr. Magee, nós teríamos que fazer isso para todos os funcionários da equipe.” “O quê? Você acha que vai haver um monte de confraternização, então? Há apenas um outro membro feminino na equipe de medicina esportiva, e ela já é casada, não é?” “Sim,” disse Max. “Ela é.” Manny se recostou na cadeira. “Então, parece-me que o problema está resolvido. Eu prefiro não perder um dos meus melhores arremessadores só porque ele passou a se apaixonar por uma mulher que trabalha para a equipe. Regra idiota, se você me perguntar. Quem escreve esses contratos, afinal?” Ninguém da equipe de advogados do Rivers respondeu a essa pergunta. “É possível a revisão de contrato da Senhorita Riley,” perguntou Lucas. Os de ternos conferiram, então o Sr. Teers — Alicia finalmente se lembrou de seu nome, respondeu. “Acho que nós podemos fazer isso enquanto a Senhorita Riley e o Senhor Scott concordem que ela vai deixar de ser diretamente responsável pela terapia do Sr. Scott.” “Eu não penso assim,” disse Garrett. “Que diferença faz se ela e a minha terapeuta ou não? Ela é a única que me fez voltar ao monte do lançador.” “Garrett,” Alicia disse, colocando a mão sobre a dele. “Você não pode ganhar tudo. Está tudo bem.” 303


“Ela está certa, Garrett,” disse Victoria. “Tome isso como uma vitória. Alicia mantém seu trabalho, e você fica com os Rivers. Certamente existem muitos especialistas em medicina esportiva que trabalha para os Rivers que podem lidar com sua fisioterapia.” “Há,” Alicia disse, olhando para Max, que até agora não havia traído os seus sentimentos sobre o assunto com qualquer tipo de expressão. “Trabalhe com Max.” Garrett inalou, então suspirou. “Tudo bem.” “Então temos um acordo,” disse Lucas. Depois de algumas manobras de linguagem jurídica, a reunião terminou. Alicia descobriu todo o processo era cansativo, e ainda estava chocada que Garrett tinha sequer contemplado a negociação em primeiro lugar. Depois de agradecer a Lucas por sua vez, Alicia ficou fora com Garrett e Victoria. “Obrigado, Tori. Sabia que podia contar com você,” disse Garrett. “Você me faz querer beber, Garrett, você sabe disso?” Ele sorriu. “Duvidava que ia me deixar ir. Mesmo que não sou um lançador inicial da partida, no entanto, sou muito valioso para a equipe.” Victoria deu um tapinha no rosto. “Isso é o que eu amo sobre você. Todo aquele ego.” Ela olhou para Alicia. “Mantenha-o saudável, mesmo que seja lá em baixo.” Alicia riu. “Vou fazer o meu melhor. E muito obrigado.” “De nada, querida.” Ela colocou o braço em Garrett, mas chocou-se com Max e Manny no corredor. Ela começou a puxar-lhe o braço para longe, mas Garrett segurou sua mão, mantendo-os firmemente ligados entre si. Os lábios de Max ficaram apertados firmemente. Manny sorriu. “Isso acabou bem para todos, mas teria sido mais fácil se você tivesse vindo me falar sobre tudo isso,” disse Manny. Garrett deu de ombros. “Era o contrato de Alicia que eu estava mais preocupado. Precisava protegê-la.” Garrett olhou para Max, que deu de ombros.

304


“Nós não despejamos arbitrariamente nossos melhores terapeutas, Garrett,” disse Max. “Nós encontramos uma maneira de resolver isso. Vemo-nos amanhã, Alicia.” Chocada, Alicia só podia olhar chocada quando Manny e Max se afastaram. “Então, ele gosta de você.” “Aparentemente. Ou estava apenas soprando fumaça na minha bunda.” Garrett riu. “Não acho que Max fala elogios tão facilmente.” “Eu não tenho ideia. Isto tem sido um pesadelo. Vamos para casa.” “A sua casa ou na minha?” Ele perguntou. “Eu não me importo.” “Eu tenho uma ideia. Que tal levar a público nosso relacionamento?” Ele a levou para Charlie Gitto no Hill. Ela teve uma quantidade absurda de penne primavera, e ele comeu bife e massa. Ambos tomaram um maravilhoso Chianti, e pelo tempo que partiram, Alicia estava cheia. “Preciso andar,” disse ela. A noite estava fria, mas ela não se importava. Garrett colocou seu braço ao redor dela, e eles passearam ao redor do quarteirão algumas vezes. “Isso se sente bem não se preocupar com alguém nos vendo juntos.” Ele parou e puxou as bordas de sua jaqueta fechada, em seguida, deu um beijo em seus lábios. “Eu te amo. E você não precisa se preocupar em ser vista comigo. A não ser que eu seja rebaixado ou não possa lançar.” Ele disse com uma risada, mas antes que pudessem retomar a caminhada, ela colocou a mão em seu peito e parou. “Você percebe que eu não te amo porque você é um jogador de bola famoso, não é?” “Sim. Você me ama apesar disso.” Agora era a sua vez de rir. “Você tem esse direito.” Quando ela sentiu como se tivesse suficientemente calma da enorme refeição que tinha comido, eles subiram de volta para o carro. Ela esperava que iam para o seu lugar ou

305


dele, mas ela se surpreendeu quando ele ficou no centro e puxou para o estacionamento com manobrista do Lumiere, um hotel e casino. Ele levou-a para dentro e, embora não fosse exatamente como Vegas, os sinos estavam tocando, fichas estavam sendo trocadas, e ela estava pronta para jogar. Eles foram a sala de pôquer, e Garrett colocou algum dinheiro. Quatro horas se passaram antes que ela percebesse. Ela e Garrett fizeram bem. Ela estava várias centenas de dólares mais rica e pronta para esticar as pernas, de modo que vagou ao redor, jogando nos caça níqueis, e, infelizmente, perdeu dinheiro. “Acho que vou ficar com o pôquer,” disse ela. “Concordo. Você é um inferno de muito melhor no pôquer do que você está em caça níqueis.” Ela riu e se colocou contra o lado de Garrett. “Obrigado por ter me trazido esta noite. Eu tive um grande momento.” “Oh, a noite ainda não acabou.” Ele a levou para a recepção, mostrou a sua identificação, e foi dada a chave do quarto. Quando saiu, ela olhou para ele. “Temos um quarto aqui?” “Nós fazemos. E nossas bolsas estão sendo trazidas para cima. Pedi a Savannah para embalar uma bolsa de noite para você. Espero que você não se importe. Achei que quando essa coisa acabasse hoje, precisaríamos de uma fuga durante a noite, apenas nós dois.” “Eu não me importo. Obrigado.” O quarto era uma suíte, com vista para o St. Louis Arch e de frente ao rio. Era bonita e espaçosa, e ela adorou. O que mais amava, porém, foi estar sozinha com Garrett e não mais ter que se preocupar com nada além de estar apaixonada por ele, passar um tempo com ele, e, em seguida, ir para o trabalho e fazer o seu trabalho. Ela gostava da simplicidade de tudo. “Gosto desta cadeira,” disse ele, referindo-se a uma cadeira estofada perto da janela. “Sim? E por que isso?”

306


“Acho que é porque gostaria de vê-la segurando os braços da cadeira, enquanto você está dobrada.” Seu corpo aqueceu no visual. “Você gostaria de manter meu vestido, ou retirá-lo?” Ele se aproximou dela e puxou-a contra si, beijando-a bem até que o calor que sentia se transformasse em uma explosão de calor explosiva. Ele levantou seu vestido sobre sua bunda, alisando a mão sobre a calcinha de seda vermelha que ela tinha escolhido para vestir hoje. Ele olhou à sua volta. “Oh, o vestido definitivamente fora. Vire-se.” Ela se virou e ele abriu o zíper de seu vestido, puxando-o pelos ombros. Ele beijou cada ombro, em seguida, puxou o rabo de cavalo desmanchando-o, movendo seu cabelo para o lado para que ele pudesse beijá-la no pescoço. Ela estremeceu, arrepios eclodiram em sua pele. “Frio,” ele perguntou. “Definitivamente não é frio. Você me deixa quente.” Ele puxou seu vestido para baixo os braços e sobre seus quadris até que agruparam no chão, deixando-a em seus saltos de sapatos e roupa íntima. “Oh, sim,” disse Garrett, colocando as mãos nos seios, provocando os mamilos através do tecido de seda fina. Alicia recostou-se contra ele, observando suas mãos enquanto brincava com ela. Elas eram tão grandes que ofuscavam seus seios. Ela colocou as mãos sobre a dele e pressionou, amando a pressão. Ele puxou os copos para baixo e passou os polegares sobre os mamilos sensíveis. “Eu gosto de você me tocando.” Ele revirou os mamilos com os polegares e indicadores. “Gostou?” Ela engasgou. “Sim. Mais. Mais duro.” Ele deu aos mamilos um aperto, e ela esfregou a bunda contra sua ereção crescendo rapidamente.

307


“E gosto disso,” disse ele. “Adoro quando você esfrega a sua bunda doce contra mim. Curve-se, Alicia. Agarre a cadeira.” Ela segurou os braços da cadeira enquanto ele varria as mãos sobre seu traseiro, adorando-a com a mais leve das carícias. Quando ele deu um leve tapa, ela engasgou e virouse para olhar para ele. “Machucou?” “Não.” “Mais?” “Oh, sim.” Sua vagina apertou quando ele deu outro golpe, e quando tirou a calcinha até as coxas e espancou-a novamente, ainda suavemente, sentia-se impertinente. “Adoro vê-la assim. Isso me faz duro.” Ela olhou para ele, sua boceta tremendo de prazer neste rumo inesperado em seu jogo sexual. “Faz-me molhada.” “Gosto de você molhada e tremendo para mim.” Ela fez. Ele golpeou novamente, desta vez, um pouco mais duro. Ela gritou, mas foi de prazer, porque ele alisou a mão sobre o local, em seguida, inclinou-se e beijou-lhe onde ele tinha a espancado. “Você é tão quente, com sua calcinha vermelha puxada para baixo e seu bumbum vermelho onde bati. Não tinha ideia que ia gostar.” “Eu não fazia, tampouco.” “É a sua boceta está molhada?” “Sim.” Ele enfiou a mão entre suas pernas para tocar seu sexo. Ela quase morreu de êxtase de seu toque. “Sim, você está molhada.” Ele enfiou dois dedos dentro dela e usou o polegar para girar sobre seu clitóris.

308


“Oh, Deus,” disse ela, jogando a cabeça para trás quando ele começou a foder com os dedos. E quando ele bateu sua bunda com a outra mão, novamente, a sua boceta apertou ao redor dos dedos, como um torno. “Você gosta disso, não é, Alicia?” Ela não podia responder, porque ele estava indo para dar-lhe um orgasmo se continuasse fazendo isso. “Espanque-me. Esfregue meu clitóris e me espanque. Estou indo para gozar.” Ele fez, e oh, meu Deus, era demais. Ela chegou ao clímax em um grito selvagem, resistindo contra seus dedos, esperando que ele a segurasse ali porque era tão bom que não queria que ele parasse. As ondas continuaram rolando enquanto Garrett rasgava uma embalagem de camisinha. Em seguida, foi atrás dela, dentro dela, segurando seus quadris quando ele bateu nela com um glorioso, duro impulso. Ouviu-o gemer quando entrou totalmente dentro dela, e ela ainda estava pulsando a partir das sequelas do orgasmo incrível. Ele parou, e ela sabia que a sentia. “Deus, Alicia, você se sente tão bem.” Então ele começou a se mover dentro dela, levando-a lá de novo tão rapidamente que ela não tinha certeza se seria capaz de permanecer em pé. Suas pernas tremiam quando ele se retirou, em seguida, empurrou, alisando a mão sobre as costas, em seguida, inclinando-se sobre ela para beliscar a nuca de seu pescoço. Ela adorava estar fora de controle seu lado animalesco, e apaixonada por ele. Ela amava tudo sobre ele. E quando empurrou de volta contra ele para atraí-lo mais profundo dentro dela, ele gemeu, cavou seus dedos em seus quadris, e golpeou contra ela, sua bolas batendo contra ela quando deu o que ela pedia. Ela alcançou entre suas pernas para esfregar seu clitóris, necessitando de um outro clímax, precisando sentir o aperto em que sua boceta novamente. “Alicia,” disse ele, sua voz indo tensa com a tensão enquanto se aproximava da borda. 309


“Vem dentro de mim, Garrett. Faça-me sua.” Ela subiu os joelhos na cadeira e levantou a bunda para cima. Ele usou os dedos para roubar seus sucos e brincar com seu ânus. “Oh, sim,” ela sussurrou. “Mais.” Ele lubrificou sua bunda e introduziu um dedo em sua bunda enquanto ele a fodia. Ela esfregou seu clitóris, e a sensação de seu dedo dentro de seu ânus e seu pênis na boceta a mandou por cima. “Faça-me vir,” disse ela. “Eu preciso gozar.” Ela era um feixe de terminações nervosas, cada um em sintonia com o prazer desenfreado que ele lhe dava. Fora de controle agora, Garrett fodia profundamente, e quando ela sentiu que ele se aproximava do final, ela soltou, gritando com o orgasmo que ele lhe deu. Ele gritou quando veio também, e montaram a onda juntos. Ele a pegou e virou, pressionando os lábios e o corpo ao dela, envolvendo-a em um casulo de arrebol nebuloso. “Será que vai ser sempre assim,” ela perguntou, roçando seus lábios contra os dele. “Como o quê?” “Assim... intenso. Fazer amor com você queima algumas das minhas células cerebrais de cada vez.” “Sim, eu sei. E sim, isso vai ser sempre assim.” Ela amava sua confiança. Eles tomaram banho, vestiram seus pijamas, e subiram na cama. Garrett pediu serviço de quarto com sobremesa e café, então se estabeleceram entre as muitas almofadas para assistir a um filme — alguma comédia romântica que Alicia tinha visto, provavelmente, vinte vezes, mas Garrett afirmou que nunca tinha visto antes. Ele pegou um pouco de espuma de seu cappuccino e fez um bigode no seu rosto. Ela riu e pegou o guardanapo para limpar, mas não antes que ela fez um cavanhaque nele do último de sua espuma. 310


“Oh, eu gosto desse cavanhaque em você. Você deve deixar crescer um.” “Será que vou ter mais relações sexuais com o cavanhaque?” “Talvez.” “Então, considere-o feito.” Ela riu. Ele olhou para a TV. “Você gosta desta coisa sentimental, hein?” Ele perguntou quando alimentou Alicia com um morango coberto de chocolate. Ela saboreava a chocolate e morango misturados. “Totalmente.” Ela tomou um gole de seu cappuccino. “Você não?” Ele terminou o último cheesecake, em seguida, colocou o prato de lado. “Não estou dizendo. Mas aposto que ele acaba de conhecê-la na estação de trem, mesmo que ele lhe disse que ia levar esse trabalho na Europa.” Ela sentou-se. “Você já viu este filme antes.” “Não, eu não tenho. Estou apenas supondo. Não é que a forma como todos esses tipos de filmes terminam? Garoto encontra garota, eles têm um romance quente, falam que não vão se apaixonar, mas no final percebem que não podem viver um sem o outro, de modo que encontram uma maneira de fazer funcionar?” Ela deitou-se contra os travesseiros e esfregou os pés contra o seu. “Parece muito com a nossa história.” Ele olhou para ela e entrelaçou os dedos. “Se a pessoa que você se apaixonar vale a pena, você vai mover montanhas para fazer funcionar.” Deus, ela estava apaixonada por esse homem. Ele não poderia nunca ser fácil para ela, mas valia a pena lutar por cada passo do caminho. Alicia se aconchegou contra ele com um sorriso no rosto e se estabeleceram para assistir aos felizes para sempre.

311


Epílogo ALICIA NÃO ESTAVA NO DEVER DO JOGO DOS RIVERS HOJE. Em vez disso, sentou-se um pouco acima dos bancos dos jogadores, graças aos grandes bilhetes fornecidos pelo seu namorado quente incrível, Garrett. Liz estava com ela hoje, junto com seus pais e os pais de Gavin, que se sentaram na mesma fila. Liz apertou a mão dela. “Nervosa?” “Não, não estou nervosa. Aterrorizada é mais parecido com isso.” “Relaxe, querida. Garrett vai fazer muito bem.” Deus, ela esperava que sim. Ele ainda estava trabalhando com Max, mas ela não conseguia manter suas mãos fora dele, tanto a partir de uma perspectiva terapêutica e pessoal. “Ele parece estar bem, Alicia,” disse o pai. “Sim, ele faz.” “Ainda mais, ele parece pronto.” disse o tio. Ela sorriu. Eles estavam trabalhando em sua forma e seu movimento lançando há um mês, desde que Garrett tinha colocado sua carreira em risco e se ofereceu para ser comercializado apenas para que os dois pudessem ficar juntos. Agora ele estava na rotação da partida de novo, e hoje ele ia começar seu primeiro jogo desde sua lesão no ano passado. Tinha-lhe dado à notícia há dois dias, e desde então não tinha certeza de quem estava mais nervoso — ela ou ele. Ele disse a ela sobre isso após o jogo com Atlanta, encolhendo os ombros como se não fosse grande coisa. Ela arquejou e gritou e se lançou em seus braços. Naquela noite, eles celebraram com um jantar fora, então sexo quente depois. 312


Tinha sido sexo quente bastante memorável, também. “Não é ele,” disse Liz. A multidão gritou. Alicia saltou para seus pés, tão emocionada ao ouvir os aplausos quando Garrett tomou o monte. Ele parecia tão bom em seu uniforme, alto e magro e em grande forma. Ele parecia pronto para enfrentar qualquer coisa. Ela esperava que ele embebesse na adoração, e que ajudasse a alimentar o fogo que sabia que devia estar queimando dentro dele desde sua lesão no ano passado. Ele trabalhou tão duro em sua recuperação, e merecia este momento. Ela o amava muito e não queria nada mais do que ele tivesse sucesso. E ele iria, porque ela acreditava nele.

***** GARRETT ESTARIA MENTINDO SE FALASSE QUE OS aplausos da multidão da casa quando ele tomou o monte não tinha causado arrepios para baixo sua coluna vertebral. Ele esperou aparentemente uma vida inteira por isso, e agora que estava aqui, agora tinha o monte e a bola na mão, ele iria fazer maldição certamente para fechar Houston. Mas quando o primeiro batedor veio para a base, seus joelhos tremeram um pouco. Ele fechou os olhos e rolou a bola na mão. Concentre-se no familiar. Você vem fazendo isso praticamente toda a sua vida maldita, Garrett. Isto é tão familiar para você, como escovar os dentes. Você pode fazer isso. Ele abriu os olhos. Seu apanhador, Sanchez, pediu o sinal. Garrett acenou com a cabeça, respirou fundo, entrou em sua conclusão, em seguida, jogou uma bola difícil que passou zunindo junto o bastão e na luva de espera de Sanchez. Inferno, sim. 313


Sanchez pediu uma curva. A mesma coisa, e o bastão atingiu a bola indo para Gavin, que saiu na primeira base. Fora o número um. O próximo batedor veio e Garrett fumou uma bola rápida. Bateu no bastão de imediato, uma mosca pop para o campo. Fora o número dois. Sentindo-se um pouco mais relaxado, ele enfrentou o próximo batedor e experimentou sua chumbada. A primeira foi uma bola, então ele ajustou e jogou uma bola rápida. Falta um. Sanchez pediu a chumbada novamente. Garrett lançou novamente, e o bastão pegou jogando para fora. Falta dois. Desta vez, Garrett queria explodir esse cara para fora. Sanchez pediu uma curva, mas Garrett disse que não. Quando Sanchez sugeriu a bola rápida, Garrett acenou com a cabeça e acabou, jogou o calor, e o bastão virou. Nada além de ar. Falta três e ele estava fora. A multidão gritou e Garrett saiu do monte. Primeiro turno fácil. Ele permaneceu no monte por oito innings, permitindo apenas duas rebatidas e nenhuma corrida. Seu braço estava cansado e mostrou. Ele mandou fora dois batedores na oitava e Manny disse que ele não queria que ele estressasse seu braço. Embora quisesse lançar o jogo inteiro, também não queria se machucar. Manny trouxe Maloney para fechar. “Você armou um baita de um jogo, Scott,” Manny disse quando pegou a bola dele. “Bem-vindo de volta.”

314


Garrett não poderia evitar o leve sorriso no rosto. “Obrigado, Treinador.” Ele saiu do campo com uma ovação da multidão. Isso era muito bom. Eles ganharam o jogo de quatro a zero. Seus companheiros de equipe comemoraram a vitória no clube depois. A mídia perguntou-lhe como se sentia ao estar na rotação da partida novamente. “É uma sensação muito, mas muito boa,” foi tudo o que ele poderia dizer, dando muito crédito aos seus companheiros de equipe para sua rebatidas e posição, e o trabalho de Maloney como um lançamento de encerramento. Depois do jogo, ele se encontrou com Alicia no estacionamento. Ela jogou os braços ao redor dele e o beijou. “Eu sabia que poderia fazê-lo.” Ele a beijou de volta, longo e duro, segurando firme com ela por mais alguns segundos. “Porque você acreditou em mim, mesmo quando eu não acreditava.” Ela apertou os braços quando se afastou. “Como seu ombro se sente?” “Um pouco como espaguete cozido.” Ela riu. “Isso é normal, já que é a primeira vez que você armou tantas vezes. Vou darlhe uma massagem esta noite.” “Massagem nua?” “Veja, esse é o seu problema. Sempre pensando com seu pênis.” “Isso é um problema,” ele perguntou, arqueando uma sobrancelha. “Normalmente, isso resulta em um orgasmo ou dois para você.” “Hmm, você faz um ponto válido. Mas nós deveríamos encontrar meus pais e tios para um jantar comemorativo.” Ele suspirou. “Ok, jantar primeiro. Massagem nua mais tarde.” Ele passou o braço em volta dela e levou-a até o carro dela, incapaz de remover o sorriso do rosto. Ele teve um grande jogo esta noite. Era o lançador inicial da partida novamente, e tinha uma mulher incrível ao seu lado. Sua vida não poderia ser mais perfeita agora. Ele não 315


sabia o que tinha feito para obter a mesma sorte, mas quando puxou Alicia perto dele e beijou-a novamente, agradeceu o que o destino lhe havia trazido para ele. Ela salvou sua carreira e preencheu o buraco em seu coração. Ela o fez acreditar no amor de novo, e isso era mais importante do que qualquer coisa. “Eu te amo,” disse ele, roçando os lábios nos dela. Ela sorriu para ele. “Eu também te amo, Garrett. Agora vamos acabar com essa coisa de jantar para que eu possa levá-lo nu.” Ele sorriu. Como ele tinha dito... apenas maldito perfeito.

316


Jogada Curva vol. 5 (revisado) - Jaci Burton