Issuu on Google+

Prรณlogo


Este livro é fruto de tradução livre. Não vinculada à editora e portando não é oficial. É expressamente proibida sua venda e/ou troca em qualquer meio e de qualquer forma. Ajude a manter as traduções e digitalizações grátis, não venda esse exemplar, o distribua.

Tradução:Ellie Holt Revisão: Ane Holder


SOBRE DEEP Fique ligado a noite toda com os roqueiros sexys da Stage Dive, a série de romance rockstar épico da Autora Kylie Scott, New York Times bestselling, autora de Lick, Play e Lead. Na cidade do pecado, você tem que ir com tudo ou voltar para casa... Ben Nicholson é o único homem que alguma vez a garota comum Lizzy Rollins se sentir completamente segura e louca de desejo ao mesmo tempo. O problema é, Ben é o baixista irresistivelmente sexy da Stage Dive, e, não importa o quanto Lizzy deseje de outra forma, ele só está interessado em se divertir. Além disso, Lizzy nunca teve chance – a menos que ela possa fazê-lo ver além do fato de ela ser a irmãzinha do seu parceiro de banda. Quando Lizzy se encontra em problemas em Las Vegas, Ben está lá para ajuda-la. Mas depois de um grande erro, os dois rapidamente aprendem que o que acontece em Vegas nem sempre fica em Vegas. Agora Lizzy e Ben estão conectados da forma mais profunda possível... mas isso vai levar a alguma outra coisa?


Como sempre, para Hugh


AGRADECIMENTOS Obrigada a todos os leitores, avaliadores, bloggers, parceiros, leitores beta, amigos, família, editores, assistentes de edição, formatadores, artistas, modelos, fotógrafos, promotores, recepcionistas, assistentes de venda, livrarias e qualquer bicho de estimação que qualquer um de vocês tenham, por me acompanhar na jornada da Stage Dive. Eu não poderia ter feito isso sem vocês. Vocês arrasam.


PRÓLOGO Positivo. Eu reli as instruções, fiz o meu melhor para alisar os vincos da folha de papel com uma mão. Duas linhas quer dizer positivo. Apareceram duas linhas no teste. Não, não é possível. Meu olhar foi para uma e outra linha, desejando que uma delas mudasse. Eu sacudi o teste e o virei para cima e para baixo. Eu encarei e encarei, mas assim como o primeiro que estava abandonado ao lado da pia, a resposta permaneceu a mesma. Positivo. Eu estava grávida. “Porra.” A palavra ecoou pelo pequeno banheiro, batendo nas paredes brancas e voltando para a minha cabeça. Essa merda não deveria estar acontecendo. Eu não infringi as leis ou usei drogas. Não desde aquele incidente depois que o papai foi embora. Eu estava estudando muito para o meu grau de psicologia e eu me comportei. Na maior parte do tempo. Mas aquelas duas linhas definidas estavam ali realçadas e orgulhosas na janelinha do teste de gravidez, me provocando, a evidência irrefutável mesmo quando eu pisco ou desvio o olhar. “Porra.” Eu mãe de alguém. Não. O que diabos eu ia fazer?


Eu sentei na borda da banheira com a minha calcinha preta, com estampa de ganso. Do lado de fora, um galho sem folhas entrava e saia da vista, balançado pelo vento. Além disso o infinito céu cinzento de uma Portland em Fevereiro. Que tudo isso se foda. Todos os meus sonhos e planos, minha vida inteira, mudados pelo que dizia um estúpido pedaço de plástico. Eu só tenho vinte e um anos, pelo amor de Deus, nem ao menos estou em um relacionamento. Ben. Ah, cara. Nós mal nos falamos em meses, e quanto a eu fazer o meu melhor para evitar qualquer situação onde ele poderia estar presente? As coisas têm sido um pouco estranhas desde que eu o expulsei do meu quarto de hotel em Vegas sem as calças. Eu tinha acabado com ele. Terminado. Destruído. Meu útero aparentemente não concordava. Nós fizemos sexo uma vez. Uma vez. Um segredo que há muito tempo eu decidi levar para o túmulo. Ele nunca dizer a ninguém era um fato. Mas ainda assim, seu pênis entrou na minha vagina apenas uma vez, e eu o vi colocando a camisinha, maldição. Eu deitada esparramada na cama king-size, tremendo de excitação, e ele estava meio que sorrindo. Tinha um calor nos seus olhos, uma suavidade. Dada a tensão óbvia correndo pelo seu corpo grande, isso tinha parecido tão estranho e ainda assim maravilhoso. Ninguém nunca tinha olhado para mim daquele jeito, como se eu significasse tudo. Um calor indesejado preencheu meu peito com a lembrança. Fazia tanto tempo desde que eu pensei nele como qualquer outra coisa que ugh.


De qualquer forma, aparentemente alguém tinha estragado alguma coisa no seu turno na fábrica de preservativos e aqui estamos nós. Grávida. Eu olhava sem ver o meu jeans skinny, descartado no chão. Claro, elas ainda serviam. Bem, o fecho subia até a metade e o botão estava fora de cogitação. A pressão que ele fazia na minha barriga definitivamente era um não vai fechar. As coisas estavam mudando tão rápido. Eu estava mudando. Normalmente, eu ganhava mais peso na parte de trás do que na frente. Mas pela primeira vez na minha vida, eu tinha atributos. Não o bastante para conseguir um emprego no Hooters ou algo do tipo, mas ainda assim. E por mais que eu queira acreditar que Deus finalmente atendeu as minhas preces de adolescente, quando você soma todas as evidências, não era bem assim. Eu tinha uma pessoa crescendo dentro de mim. Um pequeno bebê com o formato de um feijão feito de partes iguais minhas e dele. Muito louco. O que vestir essa noite, entretanto, era a última das minhas preocupações. Se ao menos eu pudesse me esquivar de ir. Ele vai estar lá, em todos os seus 1,94 metros de estrela do rock. Só o fato de vê-lo me virava do avesso, me deixando nervosa. Meu estômago afundou, a náusea correu por mim. O vômito correu, enchendo a minha garganta e me dando ânsia. Eu simplesmente despejei no vaso bem na hora e perdia o pouco que eu tinha almoçado. Dois Oreos e meia banana, saindo, saindo... saindo em um jato quente. Eca. Eu gemi alto e limpei a boca com as costas da minha mão, dei descarga e cambaleei em direção a pia.


Whoa. A garota no espelho parecia lamentável, o rosto muito pálido e o cabelo louro longo caindo em mechas molhadas. Que bagunça. Eu nem ao menos podia me obrigar a olhar os meus próprios olhos. Eu não reparei que eu tinha deixado o teste de gravidez cair até que eu estava de pé em cima dele. Meu calcanhar o pressionou, fazendo sua própria música. O plástico estalou e se partiu, o barulho foi estranhamente bom. Eu apenas continuei pisando, de novo e de novo, estraçalhando o filho da puta, arrastando-o pelo chão de madeira. Deus sim, as boas vibrações fluíram. O primeiro teste irá ter o mesmo destino em breve. Eu não parei até eu estar ofegante e restarem apenas destroços no chão. Eu me sentia muito melhor. Então eu fui fecundada por uma estrela do rock. Grande coisa. Respire fundo. Okay. Eu vou lidar com isso como uma adulta, me recompor e ir falar com Ben. Nós fomos amigos uma vez. Ou algo assim. Eu poderia continuar falando com ele sobre as coisas. Especificamente, coisas relacionadas à nossa prole chegando em, oh... sete meses mais ou menos. Sim, eu poderia, eu iria. Assim que o meu ataque de raiva passasse. ***


“Você está atrasada. Venha aqui,” minha irmã, Anne, disse, agarrando a minha mão e me arrastando através da porta. Não que eu estivesse espiando lá de fora, me escondendo e hesitando. Muito. “Desculpa.” “Eu pensei que você ia me abandonar. De novo.” Ela me deu um apertão rápido e carinhoso, então tirou o casaco dos meus ombros. Ele foi jogado em uma cadeira próxima que já estava carregada com outros casacos. “Todo mundo já está aqui.” “Ótimo,” eu murmurei. Verdade seja dita, já tinha bastante barulho lá dentro do loft multimilionário no Pearl District. Anne e eu não tínhamos dinheiro. Muito pelo contrário. Se não fosse por ela me encorajando a procurar bolsas de estudos e me apoiando financeiramente pagando pelos meus livros, etcetera, eu nunca teria entrado na faculdade. No ano passado, porém, minha irmã normalmente sensível e moderada se viu de alguma forma amigada com a realeza do rock ‘n’ roll. Eu sei, certo? Como tudo isso aconteceu ainda me confunde, de alguma forma. Entre nós duas, eu sempre fui a que desempenhou o papel de animada. Sempre que Anne ficava para baixo, eu a colocava para cima de novo, preenchia o espaço com conversas e continuava sorrindo mesmo debaixo da chuva. E agora aqui estava ela, bem na vida e completamente apaixonada, feliz de verdade pela primeira vez desde sempre. Isso era maravilhoso. Detalhes sobre o romance selvagem deles variavam de vagos para nenhum. Mas um pouco antes do natal, ela e Malcolm Ericson, o baterista da Stage Dive (só a mais famosa banda de rock de todos os tempos), tinham juntado as escovas de dentes. Eu agora era contada


como parte da numerosa comitiva da banda. Para ser justa, eles me acolheram de braços abertos desde o início. Eles eram boas pessoas. Era apenas o pensamento de vê-lo que me reduzia a uma pilha de nervos com a super habilidade de vomitar. “Você nunca vai adivinhar o que aconteceu.” Anne passou o braço pelo meu, me levando em direção a mesa de jantar. Em direção a minha destruição. Um grupo de sete pessoas estavam sentadas com bebidas nas mãos, rindo e conversando. Eu acho que era The National que estava tocando baixinho no sistema de som. As velas brilhavam com luzes pequenas e cintilantes acima da cabeça das pessoas. Minha boca salivou apesar do meu estômago enjoado, com o cheiro de toda a deliciosa comida que preenchia o ar. Uau, Anne e Mal foram mesmo com tudo com a comemoração do aniversário de dois meses de casamento. De repente a minha calça preta justa e a túnica azul claro (um modelo de linha solto que de forma alguma abraçaria ou marcaria a cintura) parecia insuficiente. Apesar de que era difícil ficar glamorosa com uma sacola plástica no bolso apenas no caso de você precisar descarregar. “O que aconteceu?” eu perguntei, arrastando os meus pés cada vez mais lento. Ela se inclinou e sussurrou teatralmente, “Ben trouxe uma pessoa.” Tudo parou. E eu quis dizer tudo. Meus pulmões, meus pés… tudo.” Uma careta passou pelo rosto de Anne. “Liz?” Eu pisquei, voltando lentamente a vida. “Sim?”


“Você está bem?” “Claro. Então, um, Ben trouxe alguém?” “Você pode acreditar nisso?” “Não.” Eu realmente não podia. Meu cérebro tinha parado, assim como todo o resto. Não tinham outras pessoas no meu plano de falar com Ben essa noite. “Eu sei. Tem uma primeira vez para tudo. Eu acho. Todo mundo está pirando um pouco, pensando que ela é boa o bastante.” “Mas Ben não tem encontros,” eu disse, minha voz soando meio vazia, como se fosse um eco vindo de algum lugar distante. “Ele nem ao menos acredita em relacionamentos.” Anne inclinou a cabeça, sorrindo ligeiramente. “Lizzie, você não está mais apaixonadinha por ele, não é?” “Não.” Eu deixei sair uma risada. Como se fosse possível. Ele me desiludiu desses pensamentos idiotas, em Vegas. “Tanto é que a minha taça está cheia e o não está pingando no chão” “Bom.” Ela suspirou feliz. “Lizzy!” Uma voz profunda soou. “Hey, Mal.” “Diga oi para a sua tia Elizabeth, filho.” Meu novo cunhado jogou um filhote preto e branco direto para mim. Uma linguinha molhada passou pelos meus lábios, e um hálito quente de filhote, com cheiro de biscoito canino, foi em direção ao meu rosto. Nada bom. “Whoa.” Eu me inclinei para trás, tentando respirar através da urgência de vomitar novamente. Gravidez era ótimo. “Oi, Killer.”


“Passe-o para mim,” Anne disse. “Nem todo mundo quer beijar um cachorro de língua, Mal.” O homem louro e muito tatuado sorriu, entregando a bolinha de pelos. “Mas ele é um ótimo beijoqueiro. Eu mesmo o ensinei.” “Infelizmente, isso é verdade.” Anne colocou o filhote debaixo de um braço, fazendo carinho na cabeça dele. “Como você está? Você disse que estava se sentindo mal, no outro dia no telefone.” “Tudo bem,” eu menti. Ou menti parcialmente. Depois de tudo, eu definitivamente não estava doente. “Você foi ao médico?” “Não foi necessário.” “Por que eu não marco uma consulta para amanhã, só para garantir?” “Não é necessário.” “Mas –” “Anne, relaxa. Eu estou te dizendo, eu não estou doente.” Eu dei o meu sorriso mais brilhante. “Eu prometo, estou bem.” “Tudo bem.” Ela colocou o filhote no chão e puxou uma cadeira no meio da mesa. “Eu guardei um lugar para você perto de mim.” “Obrigada.” Então foi (comigo tentando não vomitar enquanto limpava saliva canina do meu rosto) quando eu o vi. Ben, sentado do outro lado, olhando direto para mim. Aqueles olhos escuros... e imediatamente olhei para baixo. Ele não me afeta. Ele não me afeta. Eu apenas não estava pronta para encarar isso. Essa situação entre eu e ele e aquele quarto em Vegas e as consequências que estavam crescendo na minha barriga. Eu não podia fazer isso, não ainda.


“Hey, Liz,” ele disse, a voz profunda calma e casual. “Hey.” Sim. Eu o tinha superado. A coisa do encontro tinha me balançado, mas agora eu tinha voltado aos trilhos. Eu apenas teria que reprimir qualquer sentimento de infelicidade sorrateiro, e os esquecer. Eu me aproximei, arriscando uma espiada apenas para encontralo olhando para mim cautelosamente. Ele tomou um pouco de cerveja e abaixou a garrafa, passando o polegar pela boca para limpar uma gota perdida. Em Vegas, ele tinha gosto de cerveja, luxúria e necessidade. A mistura

mais

vertiginosa.

Ele

tinha

lábios

lindos,

rodeados

perfeitamente por sua barba macia. Seu cabelo tinha crescido nas laterais raspadas e estava mais longo em cima em um corte hipster, e honestamente, ele parecia meio desgrenhado, selvagem. E grande, ele sempre parecia grande. Um piercing prateado na lateral do nariz e ele estava usando uma camisa xadrez verde, o botão de cima aberto para mostrar o pescoço grosso e a borda da tatuagem de rosa negra. Jeans caros e botas pretas acompanhavam. Tirando o casamento em Vegas, e mais tarde aquela noite no meu quarto, eu nunca o tinha visto sem jeans. Eu te garanto, não tem nada de mal nesse homem nu. Tudo era como tinha que ser e mais ainda. De fato, ele parece bastante com um sonho virando realidade. Meu sonho. Eu engoli, ignorando meus mamilos rígidos enquanto eu afastava a memória e a mandava para onde ela tinha que ficar. Junto com as canções da Hannah Montana, as histórias dos personagens de Vampire Diaries, e outras coisas inúteis e informações potencialmente perigosas


que eu reuni ao longo do tempo. Nada disso importava mais. A sala ficou quieta. Que estranho. Ben puxou o colarinho da blusa, e se moveu no seu assento. Por que diabos ele estava olhando para mim? Talvez porque eu ainda estava olhando para ele. Merda. Meus joelhos desistiram e eu caí na cadeira com um baque surdo. Eu mantive os meus olhos baixos porque olhar para baixo era seguro. Contanto que eu não olhasse para ele ou para o seu encontro, eu me manteria fina e elegante. O jantar não poderia durar mais de três ou quatro horas. Sem preocupações. Eu meio que levantei a mão em cumprimento. “Oi, pessoal.” Oi e olás e suas variações foram ditos. “Como você está, Liz?” Ev perguntou, de um lugar mais abaixo na mesa. Ela estava sentada ao lado do seu marido, David Ferris, o guitarrista e compositor da Stage Dive. “Ótima.” Merda. “E você?” “Bem.” Eu respire fundo e sorri. “Excelente.” “Você tem estado ocupada com a faculdade?” Ela pegou um prendedor e amarrou o cabelo louro em um rabo de cavalo. Deus abençoe a garota. Ao menos não era só eu mantendo isso casual. “Nós não te vemos desde o natal.” “Sim, ocupada.” Vomitando e dormindo na maior parte do tempo. Gestando. “Aulas e essas coisas, você sabe.” Normalmente eu tinha uma história interessante a contar sobre os meus estudos em psicologia. Hoje, nada.


“Certo.” Seu marido passou um braço em volta dos ombros dela e ela se virou e sorriu para ele, olhos amorosos e nossa conversa esquecida. O que era ótimo para mim. Eu passava a ponta da minha bota para lá e para cá no chão, olhando para a direita e para a esquerda e para qualquer lugar que não para frente. Eu brinquei com a bainha da minha túnica, enrolando um fio perdido no meu dedo até ele ficar roxo. Então eu o soltava. Isso provavelmente não era bom para o grão de feijão. Amanhã eu precisaria começar a aprender coisas sobre bebês. Ir a fundo, porque me livrar do grão de feijão... não era para mim. A acompanhante riu de alguma coisa que ele disse e eu senti uma dor aguda dentro de mim. Provavelmente gases. “Aqui.” Anne encheu a taça na minha frente com vinho branco. “Oh. Obrigada.” “Experimente,” ela disse com um sorriso. “É doce e meio que tonificante. Eu acho que você vai gostar.” Meu estômago virou do avesso só com o pensamento. “Talvez mais tarde. Eu bebi um pouco de água bem antes de eu chegar. Então... eu não estou com muita sede agora.” “Tudo bem.” Seus olhos se estreitaram enquanto ela me dava aquele-sorriso-estranho. O qual muito logo se transformou em uma linha infeliz. “Você parece um pouco pálida. Você está bem?” “Com certeza!” Eu assenti, sorrindo, e me virando para a mulher que estava do meu outro lado antes que Anne me arrastasse ainda mais no assunto. “Oi, Lena.” “Lizzy. Como você está?” A morena curvilínea segurava a mão do seu parceiro, Jimmy Ferris, o vocalista principal da Stage Dive. Ele


sentou na cabeceira da mesa, resplandecendo em um terno que sem dúvida foi feito a mão. Quando ele me viu ele me deu um daqueles cumprimentos de queixo que os garotos pareciam ser especializados. Isso dizia tudo. Ou ao menos dizia tudo quando tudo que eles queriam dizer era Hey. Eu devolvi o cumprimento. E todo esse tempo eu podia sentir Anne pairando ao meu lado, a garrafa de vinho ainda na mão e a preocupação de irmã mais velha crescendo, arranhando o chão e se preparando para atacar. Eu estava muito ferrada. Anne tinha me criado desde os catorze anos, quando nosso pai deixou a nossa mãe cuidando da gente – que um dia apenas foi para a cama e não se levantou de novo. Desde então a necessidade de educar de Anne saiu um pouco do controle. O que quer que ela diga sobre o grão de feijão eu não quero nem pensar. Não vai ser bonito. Mas um problema de cada vez. “Tudo bem, Lena,” eu disse. “E você?” Lena abriu a boca. O que quer que ela estava prestes a dizer, entretanto, foi perdido com o repentino soar de uma bateria e uma guitarra insanamente alta. Pareceu como se o inferno estivesse explodido ao nosso redor. O Armageddon tinha chegado. “Baby,” Anne gritou para o seu marido. “Nada de metal durante o jantar! Nós conversamos sobre isso.” O dito “baby”, Malcolm Ericson, parou de mover a cabeça na cabeceira da mesa. “Mas, Pumpkin –” “Por favor.” O baterista revirou os olhos e, com um estalar de dedos, silenciou a tempestade que saia do sistema de som. Meus ouvidos ficaram em silêncio.


“Cristo,” Jimmy murmurou. “Tem hora e lugar para uma merda dessas. Tipo nunca quando eu estiver por perto, tá?” Mal olhou por sobre o nariz para o homem elegante. “Não seja tão

rígido,

Jim.

Hemorrhaging

Otter

faria

uma

maravilhosa

apresentação de abertura.” “Você está falando sério, porra? Esse é o nome deles?” David perguntou. “Deliciosamente inventivo, não?” “Só tem uma forma de dizer isso,” David disse, com o nariz enrugado de desgosto. “E Ben já escolheu um ótimo número de abertura.” “Eu nem ao menos votei.” Mal resmungou. “Cara.” Ben lançou uma mão irritada no ar. “Tudo o que vocês querem é ficar com as suas mulheres. Eu vou precisar de algumas pessoas depois do show para eu conversar e beber uma cerveja, então eu fui em frente e escolhi. Aguente.” Resmungo amargo de Mal. Ev apenas sacudiu a cabeça. “Uau. Hemorrhaging Otter. Isso realmente é único.” “O que você acha, babe?” Jimmy virou para Lena. “Isso é nojento. Eu acho que eu vou vomitar.” A mulher engoliu forte, seu rosto ficando cinza. “Eu quero dizer, eu acho que realmente vou.” Huh. E então, ugh, eu conhecia aquele sentimento. “Merda.” Jimmy começou a esfregar as costas dela com movimentos frenéticos. Sem uma palavra, eu coloquei a minha sacola plástica de vômito sobressalente na mão dela. Solidariedade entre amigas, etcetera.


“Obrigada,” ela disse, muito feliz para se preocupar em perguntar porque eu tinha uma delas no meu bolso em primeiro lugar. “Ela teve um problema estomacal antes do natal.” Com a mão livre, Jimmy encheu o copo de Lena com água e deu para ela. “Continua bagunçando com ela.” Eu congelei. “Eu pensei que tivesse passado,” Lena disse. “Você terá que ir ao médico. Basta de desculpas, nós não estamos tão ocupados assim.” Jimmy deu um beijo suave na lateral do rosto dela. “Amanhã, tá?” “Okay.” “Parece sábio,” Annie disse, batendo no meu ombro. Puta merda. “Você tem estado doente também, Lizzy?” Lena perguntou. “Vocês deveriam experimentar chá verde com gengibre,” uma voz disse do outro lado da mesa. Uma voz feminina. Maldição, era ela. A acompanhante. “Gengibre gera calor e ajuda a acalmar um estômago irritado. Que outros sintomas vocês têm?” ela perguntou, me fazendo afundar imediatamente no meu assento. Ben pigarreou. “Sasha é naturopata.” “Eu pensei que você tinha dito que ela era dançarina,” Anne disse, seu rosto se contorcendo ligeiramente. “Uma performer burlesca,” a mulher corrigiu. “Eu faço ambas as coisas.” Yeah, eu não tinha nada.


Uma cadeira raspou o chão, e então Sasha estava de pé, olhando para mim. Qualquer esperança de evitar e/ou ignorar a presença dela me escapou. Cabelo de Bettie Page pintado em um azul vibrante, muito legal. Cristo, ela tinha que agir como se realmente soubesse? Eu poderia lidar com uma cabeça de vento, mas não com isso. A mulher era linda e inteligente, e eu era apenas uma garota estúpida que foi lá e engravidou. Que peninha. Eu sorri sombriamente. “Oi.” “Algum outro sintoma?” ela repetiu, o olhar indo de mim para Lena. “Ela tem estado muito cansada,” Jimmy disse. “Toda vez desmaia assistindo TV.” “Verdade.” Lena franziu o cenho. “Lizzy, você disse que perdeu algumas aulas, não foi?” Anne perguntou. “Algumas,” eu admiti, não gostando da direção que esse assunto estava tomando. Hora de um movimento suave. “De qualquer forma, como estão os planos para a turnê? Vocês devem estar excitados. Eu estou excitada. Vocês já começaram a fazer as malas, Anne?” Minha irmã só piscou para mim. “Não?” Talvez uma explosão súbita de diarreia verbal não fosse a resposta. “Espere. Você tem estado doente, Liz?” Ben perguntou, sua voz profunda suavizando levemente. Talvez fosse só a minha imaginação. “Um...” “Talvez você tenha o mesmo problema estomacal da Lena,” ele disse. “Quantas aulas você perdeu?”


Minha garganta fechou. Eu não poderia fazer isso. Não aqui e agora na frente de todo mundo. Eu deveria ter fugido para Yukon em vez de ter vindo aqui essa noite. Eu não estava pronta para isso. “Liz?” “Não, eu estou bem,” eu arquejei. “Tudo bem.” “Um, olá,” Anne disse. “Você disse que estava enjoada as últimas semanas. Se eu não estivesse longe eu teria te arrastado para o médico.” E graças a Deus ela estava em sua segunda lua de mel com Malcolm no Havaí. Descobrir sobre o grão de feijão com Anne do meu lado teria sido como assistir o quarto cavaleiro do apocalipse entrando na cidade. Terror, lágrimas, caos – todas essas coisas e mais. Definitivamente não era a minha melhor ideia de paz. A acompanhante, Sasha, fixou seu olhar inquisidor para uma Lena ainda engasgada. “Mais alguém teve isso?” ela perguntou. “Eu acho que não.” Anne olhou a mesa de cima a baixo, vendo várias cabeças balançando. “Apenas Lena e Lizzy.” “Nós estamos bem,” Ev disse. “Estranho,” Anne disse. “Liz e Lena não se encontraram desde o casamento. Já faz dois meses agora.” Murmúrios de concordância. Meu coração começou a correr. O meu e o do grão de feijão. “Bem, eu acho que ambas deveriam fazer um teste de gravidez,” Sasha anunciou, voltando para o seu assento. Um momento de silêncio atordoado. “O quê?” Eu balbuciei, o pânico me atravessando. Não aqui, não agora, e com certeza não desse jeito, porra. A bile subiu pela minha


garganta, mas eu a engoli de volta, procurando pela segunda sacola de vômito. A sobrancelha de Ben franziu e tosses e engasgos começaram dos outros. Mas antes que alguém pudesse comentar, um barulho estranho e estridente saiu de Lena. “Não,” ela chorou, a voz muito alta e determinada. “Não, eu não estou. Você retire isso.” O esfregamento de costas de Jimmy ficou enlouquecido. “Baby, acalme-se.” Ela não se acalmou. Em vez disso, ela apontou um dedo tremente para a estranha indesejável a nossa volta. “Você não tem ideia do que você está falando, porra. Eu não sei, talvez você foi atingida na cabeça por um desses grandes fãs de danças chiques ultimamente ou algo do tipo. Tanto faz. Mas você... você não poderia estar mais errada.” “Okay, vamos nos acalmar um pouco.” Ben levantou as mãos em protesto. Sasha ficou quieta. “Lizzy?” O dedo da minha irmã foi de encontro ao meu ombro, muito firme. “Não tem nenhuma chance, certo? Eu quero dizer, você é mais esperta que isso. Você não seria tão estúpida.” Minha boca abriu, mas não saiu nada. De repente, Lena agarrou a sua barriga. “Jimmy, no seu carro do lado de fora do casamento da minha irmã. Nós não usamos nada.” “Eu sei,” ele disse baixinho, o rosto perfeito branco como a neve. “A vez que fodemos contra a porta, uma noite antes de você ir embora. A gente esqueceu também.” “Sim.”


“Seus peitos estão bastante sensíveis.” Com uma mão, Jimmy esfregou a boca. “E você estava reclamando que o seu vestido não estava servindo no outro dia.” “Eu pensei que fosse apenas as tortas.” Eles olharam um para o outro enquanto todo mundo olhava para eles. Eu tinha certeza absoluta que eles tinham esquecido há muito tempo que eles tinham plateia para todos esses detalhes íntimos. Como um jantar comemorativo, esse se tornou em um inferno de um drama, e oh Deus, o horror disso. Minha cabeça começou a girar. “Lizzy?” Anne perguntou de novo. Okay, isso não era bom. Eu realmente não deveria ter vindo. Mas como diabos eu iria saber que Ben traria uma vidente ginecológica? Os cantos da minha visão começaram a borrar, meus pulmões trabalhando em excesso. Eu não podia ter ar o bastante. Não querendo soar paranoica, mas eu aposto que a vaca daquela Sasha tinha roubado tudo. Não importa. A coisa mais importante era não entrar em pânico. Talvez eu pudesse pular pela janela. “Liz,” uma voz disse. Uma diferente dessa vez, profunda e forte. Por mais que eu tenha imaginado eu e Ben tendo essa conversa, não foi dessa forma. Não essa noite, antes de eu processar isso tudo sozinha. Hora de ir. “Lizzy?” Também, uau, se esse era o resultado de ter um sexo maravilhoso eu nunca mais faria isso de novo. Nem mesmo sexo medíocre. Nada. Eu poderia até mesmo descartar a masturbação, só no caso. Você não poderia ser cuidadosa demais. Um ataque aleatório de esperma poderia estar em qualquer lugar, apenas esperando para colocar uma garota em problemas.


Eu fiquei de pé, as mãos suadas na mesa para me ajudar. “Eu tenho que ir.” “Hey.” Uma mão grande pegou o meu queixo. Linhas apareceram entre as sobrancelhas de Ben, ao lado da sua boca. Mas você apenas poderia ter um vislumbre delas através da sua barba, a insinuação. O homem não estava feliz, e era muito justo. “Está tudo bem, Liz. Nós vamos resolver isso –” “Eu estou gravida.” Uma pausa. “O quê?” “Eu estou grávida, Ben.” O silêncio que seguiu ecoou nas minhas orelhas, um barulho triste sem fim como algo saído de um filme de terror. Ben estava curvado sobre a mesa, respirando com dificuldade. Eu acho que eu olhei para ele procurando por força, mas agora ele parecia tão mal quanto eu. “Você está grávida?” A voz de Anne cortou o silêncio. “Lizzy, olhe para mim.” Eu olhei, apesar de não ser fácil. Meu queixo não parecia inclinado a ir na direção desejada, e quem poderia culpa-lo? “Sim,” eu disse. “Eu estou.” Ela ficou terrivelmente parada. “Eu sinto muito.” “Como você pôde? Oh Deus.” Por um momento ela fechou os olhos com força, depois os abriu de novo. “E por que você está dizendo a ele?” “Boa pergunta.” Cada vez mais lentamente, Mal levantou do seu assento e começou a andar para o outro lado da mesa. “Por que ela contou a você, Benny?”


“Liz e eu precisamos conversar.” O olhar de Ben foi para Mal, sua mão caiu do meu rosto. “Cara.” “Você não,” Mal disse, sua voz baixa e letal enquanto a tensão na sala virou para uma coisa bem pior. “Acalme-se.” “Eu te disse para ficar longe dela. Não disse? Ela é a irmã da minha garota pelo amor de Cristo.” Ben se ergueu. “Eu posso explicar.” “Merda,” David murmurou. “Não. Não, você não pode, Benny. Eu te pedi para deixa-la em paz, porra. Você me prometeu que ela estava fora dos limites.” Atrás de Ben, David Ferris ficou de pé, assim como Jimmy no final da mesa. Tudo isso aconteceu muito rápido. A acompanhante de Ben, Sasha, a dançarina burlesca de cabelo azul, pareceu entender finalmente a tempestade de merda que ela anunciou. Talvez ela não fosse tão vidente assim. “Nós deveríamos ir. Ben?” Ele nem ao menos olhou para ela, seu olhar estava colado em Mal. “Você é como um irmão para mim, Benny. Um dos meus amigos mais próximos. Mas agora ela é minha irmãzinha. Me diga que você não fez isso.” “Mal, cara –” “Não depois de você ter me dado a sua palavra. Você não faria isso, não comigo.” “Parceiro, acalme-se,” David disse, se movendo para tentar ficar entre os dois. “Vamos falar sobre isso.”


Ben era quase uma cabeça mais alto que Mal, definitivamente maior, mais forte. Isso não importava. Com um grito de batalha, Mal se lançou em direção ao homem. Eles caíram juntos no chão, rolando e lutando, punhos voando. Foi uma bagunça. Eu fiquei de pé, a boca aberta. Alguém gritou, uma mulher. O cheiro acobreado de sangue pairou no ar e a urgência de vomitar foi quase demais, mas não tinha tempo para isso. “Não!” eu gritei. “Não, por favor.” Eu fiz isso, então eu teria que consertar isso. Eu coloquei um joelho na mesa antes de mãos prenderem os meus braços, me segurando não importando o quanto eu lutasse. “Mal, não!” David e Jimmy tiraram Mal de cima de Ben, arrastando o homem lutando para o outro lado da sala. “Eu vou te matar, porra,” Mal gritou, seu rosto uma mistura de vermelhos de fúria e sangue. “Me soltem!” Mais sangue caia do nariz de Ben, traçando uma trilha para o seu queixo. Mas ele não fez nada para para-lo. Lentamente, o homem grande ficou de pé, e o olhar em seu rosto me partiu em duas. “Você disse que não iria atrás dela.” “Ele não foi,” eu atirei, ainda de pé com um joelho na mesa e as mãos de Anne nos meus braços. “Ele não queria nada comigo. Eu o persegui. Foi tudo eu. Eu sinto muito.” O silêncio caiu e eu estava rodeada por rostos perplexos. E um par de ensanguentados. “Eu praticamente o persegui. Ele nunca teve uma chance.” “O quê?” Mal fez uma careta, uma pálpebra inchando a um ritmo alarmante.


“É minha culpa, não de Ben. Fui eu que fiz isso.” “Liz.” Com um suspiro pesado, Ben baixou a cabeça. Os dedos nos meus braços deram um pequeno puxão. Eu me virei para olhar a minha irmã. “Me explique isso.”


CAPÍTULO UM QUATRO MESES ATRÁS Boas garotas não se apaixonam por estrelas do rock. Elas não fazem isso. “Pumpkin! PUUUMP-KIN!” “Oh Deus.” Minha irmã, a Pumpkin supracitada, riu. Eu fiquei boquiaberta. Esse parecia ter sido o meu visual do dia. O Senhor sabe, eu o vesti desde que eu entrei no apartamento de Anne essa manhã. Porque eu vivia no campus, nós começamos a sair para um brunch todo domingo de manhã desde que nos mudamos para Portland uns anos atrás. Era a nossa coisa de irmãs. Mas em vez de estar pronta para servir os ovos e o bacon essa manhã, eu tinha encontrado Anne dormindo em cima de um garanhão tatuado no sofá. Os dois estavam vestidos, graças a Deus. Mas, uau, que revelação. Quer dizer, eu nem sabia que Anne tinha encontros. Eu tinha pensado que arrasta-la para as festas no campus era toda a soma da vida social dela. “Bora, mulher,” Mal disse, seu namorado-novinho-em-folha. “Nós não podemos nos atrasar para o ensaio ou David vai tirar as calças pela cabeça. Você não tem noção do quanto os guitarristas podem ser rainhas do drama. Eu juro, semana passada ele teve um chilique só porque ele errou uma sequência de acordes. Começou a gritar e a atirar coisas nas pessoas. Verdade verdadeira.”


“Isso não é verdade,” Anne o repreendeu, sacudindo a cabeça. “David é um cara muito legal. Pare de tentar assustar a Lizzy.” “Não-o-o.” Mal fez aqueles olhos grandes e inocentes de filhotinho para ela, chegando ao ponto de bater o cílios. “Você acha que eu iria mentir para Lizzy, minha doce futura cunhadinha?” Anne só sacudiu a cabeça. “Nós vamos ou o que?” “Não acredito que você duvidou de mim, Pumpkin.” Nós seguimos o baterista louro maníaco para dentro de um prédio grande e velho margeando o rio. Um lugar tão bom para uma banda de rock barulhenta ensaiar como qualquer outro. Os únicos vizinhos eram construções industriais, abandonados pelo fim de semana. Do lado de dentro não estava mais quente, mas ao menos estávamos fora do vento de sacudir os ossos em Outubro. Eu enfiei as minhas mãos nos bolsos do meu casaco de lã cinza, nervosa agora que nós já estávamos aqui para conhecê-los. Minha única interação com os ricos e famosos começou essa manhã com o Mal. Se o resto da banda fosse como ele, eu nunca voltaria. “Como se alguém pudesse duvidar de mim. Isso machuca,” ele disse. “Se desculpe.” “Desculpa.” Mal deu um beijo barulhento na bochecha dela. “Você será perdoada. Mais tarde.” Alongando seus dedos e girando os pulsos, o homem foi em direção ao palco montado em uma extremidade. Instrumentos, amplificadores, e outros equipamentos sonoros cobriam toda a área ao redor, com roadies e técnicos de som ocupados em meio a tudo isso. Era fascinante, isso, ele, e toda a minha maldita manhã. Mal e Anne pareciam muito ligados um no outro. Talvez Anne e eu tenhamos


um toque apressado demais em nossa rejeição pelo amor romântico e afeto. Isso não tinha dado muito certo para os nossos pais. Inferno, aqueles

dois

eram

uma

piada

no

que

dizia

respeito

a

comprometimento e casamento. Mal e Anne talvez sejam um estudo de caso bem melhor. Fascinante. “Ele é quase louco, a propósito,” eu disse baixinho. “Tão maníaco.” “É. Ele não é ótimo?” ela sorriu. Eu assenti, porque qualquer um que a fizesse sorrir assim certamente era. A luz de esperança em seus olhos, a felicidade, isso era lindo. E o homem em questão? Nada menos que Malcolm Ericson, baterista da renomada banda de rock mundialmente famosa Stage Dive, tinha de alguma forma sacudido a minha irmã. Minha irmã calada, calma e certinha. Anne estava sendo vaga sobre os detalhes, mas os fatos ainda eram os mesmos. Seu novo namorado me surpreendeu. Talvez alguém tenha colocado alguma coisa no meu café lá no campus. Isso certamente explicaria toda essa loucura. “Não posso acreditar que você contou a ele sobre a minha queda por ele quando eu era adolescente.” Sempre tão gentil, Anne me acotovelou nas costelas. Eu gemi de dor. “Obrigada por isso,” ela disse. “De nada. Para que mais servem as irmãs?” Nós fomos em direção as mulheres sentadas nas caixas no fundo da parede. Muito legal, assistir o ensaio da banda. Anne tinha sido uma fã maluca, cobrindo as paredes do seu quarto com pôsteres do Stage


Dive. Em sua maioria do Mal, fazendo a descoberta de hoje ainda mais do caralho. Mas se alguém merecia algo incrível, tão bom de virar a cabeça, era a minha irmã. Eu nem posso começar a dizer tudo o que ela desistiu para nos trazer até aqui. A mulher loura sorriu em reconhecimento quando nos aproximamos, mas a morena curvilínea continuou brincando com o celular. “Olá, companheiras groupies do Stage Dive e companhia. Como está a sua manhã de domingo?” a loura perguntou. “Boa,” Anne disse. “Como você está se sentindo, sra. Ferris?” “Eu estou me sentindo muito, muito casada, obrigada por perguntar. Como você e Mal estão se saindo?” “Ah, bem. Tudo bem.” Anne se juntou a elas, se sentando em uma das caixas. “Essa é a minha irmã, Lizzy. Ela é aluna da PSU. Lizzy essa é a Ev, a esposa do David, e Lena… Ela é…” “Assistente do Jimmy. Oi.” Lena me deu um pequeno sorriso e um levantar de queixo. “Oi.” Eu acenei. “Prazer em conhece-la,” Ev disse. “Anne, rápido antes que eles comecem a tocar. Me conte a sua história com Malcolm. Eu ainda não ouvi sobre como vocês ficaram juntos, exatamente. Mas Lauren mencionou que ele basicamente invadiu o seu apartamento.” Lá no apartamento, eu tinha ouvido uma briga estranha entre ela e Mal. Alguma coisa sobre eles terem um “acordo.” Quando eu perguntei ela basicamente disse para eu não me meter, do seu jeito todo doce. Eu apenas poderia confiar na sua palavra que tudo estava bem, e tentar não me preocupar. Ainda assim, a pergunta e a reação de


Anne a isso me interessou muito. Eu sutilmente me aproximei um pouco mais. O branco dos olhos de Anne brilharam. “Ah, bem, nos conhecemos na sua casa naquela noite.” “É só isso?” Ev perguntou. “Sim, é bem isso.” O sorriso de Anne vacilou ligeiramente. “O que é isso, Ev, um interrogatório?” “Sim, é um interrogatório. Me dê mais informação, por favor?” “Ele é realmente ótimo e sim, ele meio que está morando comigo. Mas eu amo tê-lo ali. Ele é maravilhoso, sabe?” Então elas não teriam nada mais dela do que eu tinha. Nenhuma surpresa. Anne tendia a ter os lábios fechados, uma pessoa reservada. As garotas continuaram a falar. Lá no palco só restaram os membros da banda, o resto foi para o lado para lidar com vários tipos de equipamento. Eles estavam reunidos ao redor de Mal e de sua bateria, absortos na conversa. Então essa tinha que ser a banda. Jeans e camisetas pareciam ser o visual, e penteados desalinhados e muitas tatuagens. Um deles era pelo menos meia cabeça mais alto que os outros, e os outros não eram pequenos. Esse cara devia ser um gigante. E isso parece louco, mas tinha alguma coisa no jeito que ele se levantou, a solidez. Montanhas nunca pareceram tão fortes e imponentes. Grandes botas afastadas vários centímetros e uma mão agarrando o pescoço do baixo como se ele fosse sacudi-la a qualquer momento e subjugar algum urso perdido. A largura dos seus ombros e a tinta nos seus braços musculosos fez os meus dedos coçarem com a necessidade de explorar.


Isso não deveria ser saudável, mas eu tenho certeza que o meu coração pulou uma batida. Cada centímetro de mim vibrou com alguma tensão sexual louca só com a presença dele. Nunca só em olhar para um homem eu fiquei tão ligada. Eu não podia afastar os olhos. A reunião acabou e ele deu vários passos para trás. Alguém contou e boom! As primeiras notas profundas do baixo bateram em mim, vibrando em meus ossos. Não deixou nenhum canto de mim incólume. A canção que ele tocava era como um feitiço, afundando, me levando. Minha crença no amor ou na luxúria ou que quer que seja esse sentimento foi subitamente assegurada. A sensação de conexão foi tão real. Eu nunca tive nada definitivo na minha vida. Mas ele, nós, o que quer que isso seja, era único. Tinha que ser. Finalmente, ele se virou em minha direção, seu olhar no instrumento, uma barba curta escondendo metade do seu rosto. Me pergunto se ele estaria disposto a tira-la? Ele usava uma camiseta vermelha desbotada e jeans escuros, de acordo com o uniforme da banda. Enquanto ele tocava, batia o calcanhar, balançava a cabeça ou sorria para o vocalista, guitarrista, ou quem quer que seja. E eu estou certa de que cada um deles se apresenta como as estrelas de rock que eles são. Nenhum deles importa, apesar disso. Apenas ele. Claro, eu sabia quem ele era. Bem Nicholson, o baixista do Stage Dive. Mas a presença dele nos clipes ou na extensa coleção de pôsteres de Anne nunca tinha me afetado assim. Estar aqui, vendo ele em carne e osso, foi uma experiência completamente diferente. Meu sangue correu quente e a minha mente ficou vazia. Embora o meu corpo – era


como se ele estivesse em alerta vermelho, ligado em cada pequeno movimento que ele fazia. O homem era mágico. Ele me fazia sentir. Talvez amor, casamento e comprometimento não fossem todos uma estrutura social arcaica feita para dar aos jovens a melhor chance de sobrevivência. Talvez seja mais que isso. Eu não sei. O que quer que essa emoção seja, eu o quero mais que qualquer coisa que eu já quis na vida. A música continuou e continuou, e eu fiquei encarando, perdida. *** Horas mais tarde eles finalmente pararam de tocar. Rodies inundaram o palco, pegando o instrumento dos rapazes, dando tapinhas nas costas deles e conversando. Todo mundo conhecia o seu trabalho a perfeição e era fascinante assistir isso. Em seguida os quatro homens se aproximaram de nós, parecendo completamente suados e despenteados. Suor escorria do cabelo deles correndo por seus rostos cansados e sorridentes. Minha fantasia masculina andante tinha um energético preso aos seus lábios, o líquido da garrafa desaparecendo a velocidade da luz enquanto ele o engolia. Quanto mais ele se aproximava mais eu via, mais meu corpo queria. O jeito que a camiseta colava nele, escura com o suor, me fez começar a arquejar. O aroma salgado de suor vindo do seu corpo me deixou chapada. Eu honestamente amaria explorar qualquer coisa que ele gostasse de fazer que envolvesse ficar superaquecido. Inferno, eu me inscreveria para uma coisa dessas.


Dessa distância, eu podia ver o começo das pequenas linhas nos cantos dos seus olhos escuros. Então ele era um pouco mais velho que eu. Ele não poderia ter muito mais que trinta anos, com certeza, e o que eram dez anos entre caras metade? E sim, eu sabia que eu estava um pouco superexcitada. Eu apenas não podia parar, o jeito que ele me fez sentir não vinha em partes. Não havia moderação. Eu não me liguei na conversa, apenas nele. O resto do mundo poderia desaparecer. Eu ficaria feliz em ficar aqui encarando Ben Nicholson por horas. Dias. Semanas. Uma daquelas mãos grandes correram pelo cabelo curto e eu juro que o meu sexo lamentou de gratidão com a vista. Eu estava descontrolada. Se ele acariciasse a barba eu poderia desmaiar. “Eu estou morrendo de fome,” ele disse, sua voz profunda era uma coisa perfeita, maravilhosa. “Nós procuramos algum lugar para comer e beber?” “Sim.” Olhos escuros viraram na minha direção, olhando para baixo, me notando pela primeira vez. Oh Deus, foi como uma epifania, ficar presa em seu olhar. Era como a luz das estrelas e do luar e todas essas ridículas coisas fantasiosas que eu passei os últimos sete anos debochando no relacionamento dos meus pais. A existência desse homem jogou tudo na minha cara – esperança, amor, coisas assim. Ele me converteu. Então ele me deu uma olhada lenta. Eu fiquei parada, sorrindo, esperando, e incentivando a sua revista. O justo era justo, eu o comi com os olhos por horas. E enquanto eu não estivesse tirando o trabalho de qualquer supermodelo (altura média, não tão bem dotada na frente, mas cheia de curvas na parte de trás – assim como a minha irmã), ele


dificilmente poderia conseguir uma garota que me superasse pelo entusiasmo escrachado e feroz. Eu devo chegar só ao ombro dele, mas porra eu ia fazer o abaixar valer a pena. Lentamente, um sorriso surgiu nos lábios dele, fazendo meu coração pulsar de alegria. O homem me reduziu ao estado de uma adolescente lunática. Sim para cada coisa que possa possivelmente cruzar a mente dele. “Bem, okay então,” ele disse. “Você não tem que voltar para a faculdade, Liz?” Alguém perguntou. Anne. Certo. Tanto faz. Cara, ele era divino. Talvez Deus existisse depois de tudo. Talvez tenha alguns tópicos além do amor que eu tenha que reavaliar. Esse foi um dia de revelações. “Não, estou bem.” “Eu achei que você tinha um exercício para fazer?” A voz da minha irmã ficou tensa de um jeito que normalmente faria as luzes vermelhas gritarem em mim. Mas por mais que ela tentasse, eu não iria cair nessa. “Não.” “Lizzy,” ela ralhou. “Senhoras, senhoras,” Mal disse. “Nós temos um problema aqui?” Não havia problemas em lugar algum. Não enquanto o olhar de Ben ficasse fixado em mim, fazendo meu mundo girar. Meu sorriso foi ficando trêmulo enquanto nosso concurso de encarar com luxúria continuava. Então o homem sorriu brincalhão e as borboletas ficaram frenéticas no meu estômago. Maldito, eu não podia afastar o olhar. Eu podia e ia ganhar.


Mas de repente houve uma perturbação na felicidade. Alguma mulher estava perto de Mal, rindo e arrulhando e se jogando. E o problema era que, a mulher não era a minha irmã. Em vez disso, Anne ficou assistindo a cena com o rosto pálido e com um sorriso grudado na boca, uma linha resignada. Puta merda. Todos os pensamentos sobre Ben sumiram da minha mente como se eu estivesse acordando de um sonho. Os deveres de irmã chamaram alto e claro. “Hey, Mal,” eu disse, tentando soar alegre e provavelmente falhando miseravelmente. “Nós deveríamos convidar o Reece, amigo da Anne, para comer? Ele geralmente faz alguma coisa com a gente aos domingos.” Reece era o chefe dela e a paixonite da vez. Ao menos até Mal aparecer. Eu certamente não estava usando o ciúme mesquinho para ganhar a causa. As sobrancelhas de Anne franziram. “Eu acho que Reece disse que estaria ocupado.” Eu dei a ela o meu melhor olhar mais sincero. “Não. Sério? Por que você não liga para ele e confirma, Anne?” “Talvez outra –” “Porra nenhuma, Lizzy, quer dizer, eu não acho que vai ter lugar.” A estrela do rock idiota olhou em volta, finalmente notando os rostos embaraçados (dos seus amigos) e a cara de assassina (minha) para a audiência. A vaca bateu os cílios para ele. “Alguma coisa está errada?”


“Está tudo bem,” Anne disse. “Por que você não vai tomar uma bebida com a sua amiga e coloca o papo em dia?” “Eu pensei que a gente fosse fazer alguma coisa.” E Mal poderia ser muito lindo, mas certo como o inferno, ele não era a baqueta mais inteligente. “Sim, mas...” “Me desculpe, vocês iam?” a vaca perguntou em sua voz alta de garotinha. Ev pigarreou e anunciou de forma despreocupada, “Ainslie, essa é a nova namorada do Mal, Anne. Anne, esta é a Ainslie.” “Namorada?” Ainslie gargalhou, e eu com muita certeza queria sem sombra de dúvida mata-la agora. Lentamente. Dolorosamente. Você entendeu a essência. “Eu apenas estava dizendo oi para uma amiga,” Mal disse, continuando com a falta de bom senso masculina. “Qual é o problema?” “Não tem um. Está tudo bem.” “Sim, claro que tem um ou você não estaria olhando para mim assim.” “Você não deveria falar comigo com esse tom de voz,” Anne atirou. “Especialmente não na frente de outras pessoas. Saia com a sua amiga, divirta-se. Nós podemos falar sobre isso mais tarde.” “Nós podemos, huh?” “Sim.” Sua boca se curvou em um sorriso falso. “Foda-se.” Todo mundo meio que olhou para todo mundo, mas Anne apenas ficou ali. Seus dedos abrindo e fechando na lateral do seu corpo, assim como os meus. Maldição, isso não poderia estar acontecendo, não com a Anne, não agora. Apenas por uma vez deixe o mundo ser justo.


Logo o som de tambores raivosos preencheram as paredes. Tinha acabado. Deixe o animal entrar na sua pele. Parecia que ninguém mais tinha alguma coisa a dizer. Quase. “Droga, eu esqueci!” Meio dramaticamente, Ev segurou a sua cabeça. “Nós mulheres temos que nos encontrar com a Lauren. Noite das garotas.” Seu marido, o guitarrista, apenas deu um olhar vazio para ela. “Você tem?” “Sim. Nós vamos começar cedo.” E aleluia. Qualquer coisa para tirar Anne dessa situação horrível com um pouco do seu orgulho intacto parecia bom para mim. Eu ignorei qualquer conflito interno. Sim, o pensamento de desistir da minha chance com Ben doeu. Eu tenho certeza que o meu coração e a minha vagina nunca me perdoariam. Mas Anne parecia devastada, suas mãos tremiam. Eu agarrei o seu braço e a guiei em direção a porta. Um cara forte todo de preto saiu, deveria ser o segurança, nos encontrou do lado de fora em um Escalade brilhante. Todas subimos nele com o mínimo de conversa. O lado de dentro era todo de couro. Sério, o carro era bacana. Mas não bacana o bastante para tirar o gosto amargo da deserção de Mal da minha boca. “Eu não entendo,” eu virei o meu rosto para Anne, sentada de forma estranha no banco de trás. Cada centímetro dela estava tenso e contido, seus ombros curvados e as mãos entrelaçadas no seu colo. Era como se ela estivesse esperando por um outro ataque, para mais dor.


Eu odiava isso. Se Mal Ericson tivesse chutado um cachorro eu não estaria tão puta. “Isso,” eu disse, acenando para ela. “Ele te faz mais feliz do que eu já vi alguma vez. É como se você fosse uma pessoa diferente. Ele olha para você como se você tivesse inventado o chantilly. E agora isso. Eu não entendo.” Ela deu de ombros. “Romance relâmpago. Vem fácil, vai fácil.” Minha boca abriu para falar que isso era bobagem, mas eu não consegui. Eu conhecia Anne bem demais. Nós olhamos uma para a outra por muito tempo até o carro luxuoso começar a andar. Os últimos sete anos nos deixaram ainda mais unidas. Mais unidas do que qualquer uma de nós teria gostado, verdade seja dita. Amor e esperança doíam igual. Eles te fodiam completamente e te deixavam louca e seca. Estupidez acreditar em outra coisa. Essa era a verdade da nossa vida e nós aprendemos isso do jeito mais difícil quando nosso pai se levantou e saiu. O amor era um saco, e os homens... bem, parece que eles são tão confiáveis como sempre foram. Ainda assim, eu não poderia tirar a imagem de Ben da minha cabeça. O jeito que os seus olhos castanho escuros se fixaram nos meus e nunca vacilaram. Com toda honestidade, isso poderia ser nada. Nada, ou tudo, ou alguma coisa. Eu não sabia. *** “Eu não preciso dele,” Anne anunciou em cima da mesa de café, seu Martini de chocolate levantado bem alto.


Uma rodada de aplausos de Lauren. “Eu não preciso mesmo!” “Isso aí, irmã. Amém.” “Na verdade, eu não preciso de homem nenhum! Eu sou uma... eu sou uma...” ela estalou os dedos impaciente, o rosto profundamente concentrado. “Qual é a palavra mesmo?” “Você é uma mulher moderna.” “Sim-m-m,” minha irmã assobiou. “Obrigada. Eu sou uma mulher moderna. E pênis são estranhos. Sério, quem diabos já pensou nessa merda?” No chão, Lauren começou a rir tanto que ela apertou a barriga. Eu, nem tanto. Por que Anne não podia dar seu discurso com os pés no chão estava além de mim. “Não, sério. Pense nisso. Eles são bons quando estão duros, mas quando estão moles...” Com a testa franzida, minha irmã envergou o dedo mindinho e o mexeu. “Tão enrugado e estranho. Vaginas fazem muito mais sentido.” “Oh Deus.” Eu fechei meus olhos por um instante. Nós finalmente chegamos ao apartamento da minha irmã tarde, já que Ev precisava fazer umas paradas. Primeiro em uma loja de bebidas. Depois na Voodoo Doughnuts. E por último mas não menos importante, uma pizzaria no Pearl. O segurança grandalhão que estava nos levando fez tudo do seu jeito. Ele carregou várias sacolas, caixas, e garrafas necessárias até o pequeno apartamento de dois quartos de Anne. Quando isso se tornou uma festa improvisada de ódio aos homens, Evelyn Ferris já tinha todas as bases cobertas.


Minha raiva dirigida ao baterista em questão, Malcolm Ericson, tinha saltado de fervente para sísmica. O jeito que Anne estava balançando em seu assento me preocupou ainda mais. “Por favor não caia da mesa e não quebre nada.” “AimeuDeusdocéu.” Um líquido escuro escorreu pela borda da taça, se espalhando pelo chão de madeira, passando por um fio do rosto vermelho de Lauren. “Pare de ser tão madura, Lizzy. Eu sou a mais velha aqui. Você é a mais nova. Aja de acordo.” Eu abri a boca para dizer a ela o que eu pensava dessa ideia maravilhosa, mas uma mão cobriu os meus lábios. “Não comece,” Ev sussurrou na minha orelha, seu braço caiu sobre os meus ombros e a sua palma me silenciou. “Ela está bebendo por causa daquele babaca e discutir com ela não vai te levar a lugar nenhum.” A mão saiu, mas o braço continuou no lugar. “Era isso o que eu temia,” eu disse. Deveria ter sido estranho, ser tão amigável com ela no sofá de veludo impressionantemente macio de Anne. Eu acabei de conhecer Ev. Mas tinha alguma coisa nela. Nela e em Lauren (Eu tinha encontrado com Lauren uma vez, brevemente). Você tinha que admirar mulheres que exalavam um ar de bom senso. O que quer que tenha acontecido com o imbecil do Mal, eu esperava que elas ficassem com Anne. Ela precisava de amigos, não de dinheiro -, tempo -, e sugadores de energia que ela tinha atraído ao longo dos anos com o seu jeito de mamãe-ursa. “Me diga se eu estou errada, mas eu acho que a sua irmã não se permite explodir com muita frequência. Talvez ela apenas precise disso.” Eu franzi o cenho. “Talvez.”


Em cima da mesa, Anne cantarolava com a música que tocava baixinho. Perdida no seu mundinho. Ao menos a cara triste tinha passado. Eu vi o bastante disso para uma vida inteira. Só isso, eu fiz uma nota mental para bater em Mal Ericson até ele sangrar se eu alguma vez o vir de novo. Deve ter sido o bilionésimo pensamento desse tipo que eu tive hoje. “Você gostou de vê-los ensaiando antes que tudo fosse por água abaixo?” Ev perguntou. “Sim. Eu gostei de verdade.” Eu a olhei discretamente de lado. “O baixista... qual é o nome dele?” “Ben?” “Hmm.” Eu assenti, tomando mais cuidado ainda com a conversa. “Ele parecia interessante. Pena que não pudemos sair para comer.” “Foi uma pena. Não pude deixar de notar você o notando durante o ensaio,” Ev disse, acabando com qualquer sutileza. Ótimo. “Relaxa. Eu não vou dizer nada para a sua irmã.” A mulher suspirou. “Ben, Ben, Ben, como descrevê-lo? Ele é um cara ótimo, muito tranquilo.” Eu não disse nada. “Mas tome cuidado, ele não é conhecido por ter encontros.” Eu a olhei de lado. Ela me deu um pequeno sorriso. “Claro, nem David era até que nos casamos. Mas... Ben. O quanto você está interessada nele?” “Você está perguntando sobre as minhas intenções?” Uma risada assustada saiu dela. “Huh. Sim, eu acho que sim. Eu tenho um homem agora, então eu tenho que me meter e brincar de casamenteira. Aparentemente é o que as mulheres fazem. Mas sério, não é com ele se magoando que eu estou preocupada.”


“Você vai me dizer que eu sou muito nova para ele?” “Isso seria hipócrita da minha parte, considerando que eu me casei aos vinte e um anos. E você tem o que?” “Quase vinte e um.” Eu mexi em meu assento. “Bem ele tem quase vinte e nove, só para você saber.” Oito anos. Não é tão ruim. Eu olhei para o resto do meu Martini como se eu fosse achar alguma resposta lá. Você precisa de folhas de chá para prever o futuro. Vodka, creme de leite e licor de chocolate não servia para isso. “Eu provavelmente não vou vê-lo novamente, então...” “Você vai desistir assim tão fácil?” ela perguntou. “O jeito que você olhava para ele, eu pensei que você fosse mais determinada que isso.” “Ele é um astro do rock. Você está dizendo que eu deveria persegui-lo?” Ela deu de ombros. “Astros do rock também são gente. Mas eu não acho que ficar do lado de fora do hotel dele na chuva seja divertido.” “Não. provavelmente não.” Eu poderia me ver fazendo isso, triste, mas é verdade. A ideia não era totalmente estúpida. Talvez funcionasse. Ele definitivamente tinha ficado interessado. Ao menos, eu tinha certeza que ele tinha ficado, aquela encarada e o sorriso vago... Sim, okay, eu precisava descobrir. “Qual hotel, apenas por curiosidade?” Um certo brilho surgiu nos olhos de Ev.


“Yo,” uma voz gritou. Levou quase um ano, mas com movimentos dolorosamente lentos e deliberados, Lauren ficou de pé. “Deixe eu pegar outra bebida para você, garota.” “Eu estou b-” Meu copo foi tirado da minha mão e o bartender auto-intitulado da noite foi tropeçando para a cozinha. “É melhor eu ajuda-la com isso ou você terá vodka pura.” Ev se levantou, retirando o celular do bolso de trás. Seus dedos se movendo pela tela, então ela o jogou no assento ao lado dela, me dando um olhar significativo. “Eu vou deixar isso aqui. Eu tenho certeza que eu posso confiar que você não vai procurar pelo número de um baixista enquanto eu estou na cozinha, certo?” “Com certeza. Eu não tenho nenhuma intenção de procurar N de Nicholson na sua lista de contatos. “Tente B de Ben, em vez disso.” Ela piscou para mim. “Obrigada,” eu disse baixinho. “Sem problemas. Eu já vi esse olhar louco de olhos arregalados de seduzida-por-uma-estrela-do-rock antes.” Ela ficou de pé. “No meu próprio rosto nada menos. Use o número com sabedoria.” “Oh, pode acreditar. Eu vou.”


CAPÍTULO DOIS Lizzy: Oi, é a Lizzy. Irmã da Anne. Nos conhecemos no ensaio da banda no outro dia, lembra? Ben: Oi. Eu lembro. Como vc tá? Lizzy: Bem. Vc? Ben: Bem. Como vc conseguiu o meu número? Lizzy: Amigos em comum. Ben: Sua irmã e Mal não querem que sejamos amigos. Lizzie: Você já me jogou para a friendzone? Ai. Eu nem ao menos fiz um movimento inapropriado para cima de vc. Ben: Ha. Vc sabe o que eu quis dizer. Não sabia que vc só tinha 20 anos e era relacionada com Mal. Nos falarmos não é boa ideia. Lizzy: Que bom que estamos só trocando sms. Ben: Tchau Liz. Ben: Vc acabou de me enviar uma foto do seu almoço? Lizzie: Não. É uma representação artística expressa com fritas e ketchup da minha imensa tristeza por vc ignorar as minhas mensagens. Viu a cara no meio? Ben: O que é a coisa verde? Lizzy: São lágrimas de picles. Roubei do hambúrguer de um amigo. Ben: Fofo. Lizzy: Vc ficou mexido? Ben: Com certeza. Lizzy: Vc vai falar comigo agora?


Lizzy: Haha. Você está almoçando pizza? Ben: Parece triste ou feliz? Lizzy: Parece lascivo. Como você se atreve a enviar um peperoni tão explícito. Eu não sou esse tipo de garota. Ben: Ha. Tenho que trabalhar. Até mais, docinho. Ben: Não tem ninguém para fazer um som e o cenário musical da sua cidade é uma merda nas segundas. Lizzy: Nunca. Tente o The Pigeon. Um amigo vai para as suas sessões livres. Ben: Eu estou lá. :) Lizzy: Como foi na noite passada? Ben: Bem. Obrigado pela informação. Não é Nashville mas não é ruim. Talvez eu vá para Seattle uns dias. Amigos tocando lá. De qualquer forma, OBG. Lizzy: De nada. Dia cheio? Ben: Mal chegou. Não posso falar. Lizzy: Ok. Até + tarde. Ben: Tem merda rolando com ele. Lizzy: Nos falamos mais tarde. Lizzy: Oi! Como está o seu dia? Ben: Ocupado agora. Lizzy: Ok.


Lizzy: Eu vou assumir pelo silêncio na linha que você não está confortável com a gente sendo camaradas de sms. Não quis te colocar em uma situação ruim com Mal. Eu vou apagar o seu número. Ben: Não. Lizzy: ? Ben: Eu quero que vc saiba que se precisar de alguma coisa vc pode me ligar. Lizzy: Obrigada. Mas eu não quero complicar as coisas para vc. Ben: O problema é que eu gosto de falar com vc. Talvez se nós diminuirmos o ritmo? Lizzy: Ok. Eu gosto disso. Ben: Eu também. Ben: A foto em anexo é de um pôr-do-sol no Red Rock. Lizzy: Incrível. O que você está fazendo lá? Ben: Substituindo o tecladista para um amigo. O cara quebrou a mão. Lizzy: Droga. Não sabia que você tocava piano. Ben: Minha avó me ensinou. Mas Dave queria um baixista então eu aprendi. Lizzy: Uau. Toca para mim um dia desses? Ben: Que tal agora? Lizzy: Pelo telefone? Isso vai ser incrível. Ben: Ligando. Ben: No estúdio em LA por um tempo. Como vc tá? Lizzy: Estudando para uma prova. Me deseje sorte. Ben: Você consegue, docinho. Não quero te distrair. Até mais. Lizzy: :) Até mais.


Lizzy: Rosas são vermelhas, violetas são azuis, eu gosto de vc Ben, vc gosta de mim também? Ben: Vc é uma poetisa horrível. Lizzy: Verdade. Eu acho que vou ter que continuar na psicologia. Como está indo o seu dia? Ben: Lento. Tive uma reunião de negócios. Chata como o inferno. Lizzy: Vc só quer fazer música? Ben: Me pegou nessa. Como vc está? Lizzy: Tive uma aula incrível. Saí para trabalhar na livraria em seguida. E depois tive que fazer um trabalho. Ben: Fez todo o trabalho? Lizzy: Bem isso. Mas eu me diverti. Te enviar mensagens fez o meu dia. Ben: Porra vc é doce. Me diga uma coisa ruim sobre vc. Faz ser mais fácil para mim, ficar longe. Lizzy: Não vejo nenhum benefício para mim fazendo isso... Ben: Vamos lá. Estou esperando. Lizzy: Eu sou péssima com esportes e sou bagunceira. Ben: Não posso te imaginar bagunceira. Lizzy: Meu apartamento parece uma zona de guerra. Anne sempre arrumava. Me deixou com maus hábitos. E vc? Ben: Eu estou flertando com uma garota que eu não deveria. Tirando isso eu sou perfeito. Lizzy: Toda essa fama e fortuna e nenhum ego a vista. Ben: Exatamente. Lizzy: :) Ben: Tenho que ir, Jim está esperando. Até mais docinho.


Lizzy: Até mais Ben. Ben: O que diabos é essa foto? Lizzy: Me diz vc. Ben: Uma mistura de um leão, uma cerveja, e os olhos de uma garota (seus?) Lizzy: Acertou todas! Ben: O que isso significa? Lizzy: Estou usando meus estudos em psicologia para bagunçar a sua mente. Estudos mostram que associações com o medo encorajam os pensamentos românticos. Ben: Espertinha. Vc descobriu o meu medo de cerveja? Lizzy: Haha. O medo é o leão. Ben: Ok. Então o que é a cerveja? Lizzy: Você conhece o fenômeno do olhar de cerveja? Ben: As garotas ficam gostosas quando você está bêbado? Lizzy: Isso. Mas acontece que a pessoa com o olhar de cerveja não precisa estar bêbado. É apenas uma associação com a cerveja. Até mesmo uma fotografia. Ben: Eu olhar para a foto de uma cerveja vai fazer vc parecer mais gostosa? Lizzy: Você não pode argumentar com a ciência. Pobre homem infeliz. Você nunca teve uma chance. Ben: Liz, eu te acho maravilhosa. Guarde as fotos de cerveja para alguém que precise delas. Lizzy: Maldição vc é bom. Ben: Vc gostou disso? Lizzy: Muito.


Ben: Bom. Pobre mulher infeliz. Vc nunca teve uma chance. Lizzy: :) Ben: O que você acha? Lizzy: Eu acho que essa é a foto de um banjo. Seu? Ben: Deering Black Diamond. Estou pensando em compra-lo. Lizzy: Vc tb toca banjo? Uau. Ben: Quero aprender. Lizzy: E eu quero te ouvir tocar. Você é um virtuoso da música. Você canta? Ben: Ha. Vc não quer me ouvir cantar. Acredite em mim. Acha que eu devo compra-lo? Lizzy: Compre. :) Ben: Feito :) Lizzy: ===V=^=={@} Ben: Outro teste psicológico? Lizzy: Não. É uma rosa. Eu trabalhei nela a manhã inteira. Lizzy: Bem... por uns minutos entre as aulas. Ben: Linda. Lizzy: :) Por que nós não tomamos um café? Lizzy: A falta de resposta é um não ou vc está assustado? Ben: Assustado com o Mal atirando em mim. É melhor ficarmos só no sms. Lizzy: Justo. Ben: Pensando em vc. Fale comigo.


Lizzy: Eu adoraria. Ligando. Ben: Vc está bem? Não ouvi sobre vc ultimamente. Lizzy: Eu não queria parecer tão óbvia. O livro do perseguidor diz para pegar leve. Ben: Vc não é uma perseguidora. Vc é perigosa de um jeito diferente. Lizzy: Eu amo que vc tenha dito isso. Lizzy: Então vc realmente tem perseguidores de verdade? Lizzy: Exceto eu, quero dizer. Ben: Vc não é uma perseguidora de verdade. Eles acampam do outro lado da rua com binóculos. Lizzy: Isso é louco. Vc tem uma resolução mt melhor com um telescópio. Ben: Você é uma pateta. Lizzy: Sua honestidade é linda. Lizzy: Psicologicamente falando, muitos relacionamentos falham por causa da falta de críticas. Obviamente fomos feitos um para o outro. Ben: Você é uma pateta completa. Sério. Lizzy: Viu o que eu quis dizer? Lizzy: Mas nós estávamos falando sobre perseguidores. Ben: Eu não tenho muitos. Sou sortudo. Os outros caras não podem andar pela rua sem ser incomodados. Eu estou menos nos holofotes. Não tão reconhecível. Lizzy: Vc tá de sacanagem? Vc tem o corpo de um King Kong. Ben: Há. Jimmy tem perseguidores assustadores. Um invadiu a casa dele uns anos atrás e roubou algumas coisas. Ben: Mal teve um que acabou com uma ordem de restrição.


Lizzy: Uau. O que o perseguidor fez? Ben: Não, o perseguidor teve uma ordem de restrição contra o Mal. Ele continuou aparecendo no lugar que o cara trabalhava, tentando abraça-lo e deixando mensagens estranhas no telefone etc. Lizzy: Lol. Ben: Tenho que ir. Ensaio rolando. Lizzy: Eu fiz um pão de milho com queijo de matar. Ben: Sério? Lizzy: Eu fiz. E só aconteceu de eu fazer isso agora. Meus planos para noite são pão de milho com queijo e filmes ruins de zumbi. Tentado? Ben: Vc não acreditaria. Lizzy: Mas vc está ocupado com os rapazes? Ben: Não. Os caras estão com as namoradas. Eu estou ocupado matando pessoas. Lizzy: Online? Ben: Ha. Sim. Lizzy: Melhor eu deixar vcs então. Ben: Eu posso atirar e falar com vc. Como foi o seu dia? Lizzy: Nada mal. Muitas aulas. E vc? Ben: Gravando. Frustrante pra caralho. Jim está de mau humor. Isso é só entre nós, né? Lizzy: Absolutamente. Ben: Bom. Noite chata. Portland não é LA. Lizzy: Vem pra cá. Nós podemos jogar pão de milho nos não mortos na tv. Eu vou julgar a sua pontaria. Ben: Porra eu queria poder. Lizzy: Eu tb


Ben: Um dia Lizzy: Tá acordado? Não consigo dormir. Ben: Conte carneirinhos como uma boa garota. Lizzy: Não posso. Muito ocupada pensando em vc. Ben: Porra, Liz. Não. Lizzy: Não, o quê? Ben: Não me diga que vc está na cama às 2 da manhã pensando em mim. OK? Vc não pode me dizer isso. É tentador pra caralho. Ben: O quê vc está vestindo? Lizzy: Vc quer mesmo que eu responda isso? Ben: Sim. Ben: Não. Ben: Merda. Você está me matando. Você sabe disso, né? Lizzy: Você diz as coisas mais legais. Boa noite, Ben. Ben: Boa noite, docinho. Lizzy: Desculpa eu perdi a sua ligação mais cedo. Boa sorte com o seu encontro com a Lena essa noite. Lizzy: Na verdade, isso é mentira. Eu não quis dizer nada disso. Lizzy: Sobre o seu encontro. Não sobre ter perdido a sua ligação. Lizzy: Agora eu estou me sentindo culpada porque a Lena é legal pra cacete. Eu vou parar de agir feito louca e ir encontrar um amigo no Steel. É isso. Ben: O bar de mergulho no centro? É a porra de um mercado de carne. Lizzy: Acabei de chegar. Acho que vou ver por mim mesma.


Ben: Esse lugar é podre. Coloque sua bunda em um táxi e vá para casa. Vc não é velha o bastante para beber. Lizzy: Eu tenho identidade falsa. Não se preocupe. Vou ficar bem. Ben: Eu estou falando sério, porra. Vc não vai lá. Cheio de pessoas bizarras, caralho. Lizzy: Tenha uma boa noite com Lena. Vc merece alguém legal como ela. Sério. *** Nenhuma resposta de Ben para a minha última mensagem. Uma música indie emo gemia nos alto falantes, enquanto Christy, minha excolega de quarto, batia o melhor que ela podia no lugar ao meu lado. “Lugar maneiro, huh?” ela gritou. “É. Ótimo.” O lugar era um saco. Quero dizer literalmente – meus sapatos grudaram no chão. (NT. Trocadilho, no inglês suck - sugar, chupar). O bar sofria séria carência de higiene. Também estava superlotado e cheirava a décadas de bebidas derramadas, pegações questionáveis, e corações partidos. Bem nessa ordem. Minhas roupas iam feder por dias.

E

se

mais

alguma

pessoa

pisasse

nos

meus

dedos,

cuidadosamente expostos nos meus sapatos de salto estilo anos 50, eu vou gritar. Quando eu escolhi eu precisava me animar, eu queria me sentir bonita. Mas agora a nossa volta as pessoas estavam imprensadas. O suor escorria pela minha coluna, encharcando as costas da minha camiseta e o cós da minha calça jeans. Eca.


Eu queria muito ligar para uma daquelas equipes de perigo tóxico para me desinfetar, me descontaminar desse poço de cerveja e desespero. Ben talvez tivesse razão sobre esse lugar ser uma merda. Mas maldição, eu nunca iria admitir isso para ele. Não mesmo, eu ia me divertir mesmo que isso me matasse. Eu tirei o celular do bolso apenas para diversão, dando uma olhada na tela verde brilhante. Nada. Que surpresa. Hora de selar o velho cavalo da desesperança e seguir em frente. “Ele já respondeu?” Christy perguntou, se inclinando e gritando para ser ouvida por sobre a música. Eu sacudi a cabeça. Minha antiga colega de quarto engoliu um pouco de cerveja. “Fode com ele.” “Eu estou tentando.” “O quê?” “Sim,” eu me virei, dando um sorriso corajoso. “Ele que se foda.” “Você consegue melhor.” Pequenas linhas apareceram entre as suas sobrancelhas. “Você consegue.” “Obrigada.” Eu duvidava muito disso. Mas foi legal da parte dela dizer isso. Eu bebi um bom gole do meu terceiro Moscow Mule. Vodka era o único jeito de eu passar por isso. Meus sentimentos por Ben eram um estranho transtorno obsessivo-compulsivo. Ou não, um stress pós-traumático por ter conhecido o maníaco do Mal. Eu inadvertidamente direcionei meus sentimos para o primeiro homem solteiro, gostoso e barbado na sala. Uma análise completamente plausível. Freud e a sua cara barbada ficariam impressionados.


Não que eu iria transcrever essa análise nas minhas provas finais. Na verdade, meus livros de psicologia têm sido menos que úteis para descobrir o que era essa coisa do amor. Para ser justa, eu não aprendi nada divertido. Acontece que um rato menino e um rato menina, ambos virgens, se encontram pela primeira vez, podem fornicar imediatamente de um jeito bem eficiente. Sem bagunça, apenas trabalhando a mecânica, eles apenas estão nisso. Mas não é tão fácil com os primatas superiores como os macacos. Eles se atrapalham nas primeiras tentativas, investindo no relacionamento. Então era um alívio saber que não era só eu. Ou só os humanos. Macacos também fodiam nos primeiros encontros. E eles nem ao menos têm camisinhas ou alças de soutien para lidar. De qualquer forma, o ponto é, os livros eram bem extensos sobre os animais fazendo isso mas curtos nas particularidades no que diz respeito ao tipo de amor ou luxúria a primeira vista e eu estava assolando cada momento que eu tinha acordada – e uma boa parte dos que eu não estava acordada também. A nova colega de quarto de Christy, Imelda, olhou para mim por sobre a borda da sua bebida azul brilhante. Deus sabe o que tinha lá dentro para quilo ficar daquela cor. Eu me mudei para o apartamento de Anne há apenas duas semanas. Aparentemente, essas duas já estavam ligadas ao ponto de uma possessão esquisita. O bar tinha sido escolha de Imelda. “Chris disse que você conhece os caras da Stage Dive,” ela disse. Minha ex-colega de quarto mexeu nervosamente. Eu apenas dei de ombros. Fotos de Anne e Mal juntos tinham corrido pela internet algumas vezes. Era meio que um segredo aberto em Portland por esses


dias. Mas eu falando sobre as coisas da minha irmã não ia rolar. Nunca. E Christy estava ciente daquela política. “Eu acho que é mentira,” a garota continuou, estando tão perto que a respiração dela bateu na minha orelha. Eu resisti a vontade de recuar. “Pense o que você quiser.” Seus olhos se estreitaram. “Por que nós não vamos dançar?” Christy sugeriu, soando tão falsamente animada como poderia. “Rápido, bebidas para cima!” Nós fizemos como falado. Então, de repente, as mãos de Imelda estavam para cima acenando sem nenhum cuidado. Ela segurou a mão de Christy e começou a puxa-la pela multidão. Christy, por sua vez, agarrou o meu pulso, me puxando junto. Tudo bem então. Nosso progresso pela multidão não foi suave. Cotovelos e outras partes de corpos batiam em mim, me fazendo cambalear. Uma mão agarrou a minha bunda. “Hey!” eu rugi, girando. No mar negro de pessoas ao redor de nós poderia ter sido qualquer um. “Babaca.” Quando eu me virei, Christy e a sua nova melhor amiga tinham desaparecido. As luzes estroboscópicas me cegaram. Eu mal podia enxergar. Multidões me deixavam nervosa, e esse lugar estava lotado. Não era uma fobia, exatamente, apenas uma antipatia distinta que eu estava trabalhando duro para superar. Claro que Christy iria perceber que me perdeu e iria voltar. Com certeza. Esperei. E esperei. Alguma garota pisou com força no meu pé, trazendo lágrimas aos meus olhos. Eu tentei ficar em um pé para esfregar o outro e quase caí de bunda com a tentativa. Sim, Christy não


iria voltar. Além disso, eu meio que nunca amei multidões, mas nesse momento eu estava odiando. Deus, que se dane. Era ridículo. Eu estava a um suspiro de ter vinte e um anos e já tinha superado toda essa coisa de sair. Acho que eu vou voltar para o meu apartamento de garota solitária. Por mais que fosse legal ter mais espaço, eu nunca tinha morado sozinha antes. Não era solitário, exatamente, era apenas a falta de outra pessoa. Aposto que Ben e Lena estavam se pegando com tudo. Como eles não estariam, com Lena sendo toda divertida e maravilhosa e Ben sendo Ben. Outro corpo na escuridão bateu em mim, me enviando para as laterais. Desde quando você precisava usar armadura completa para estar em um bar? Talvez eu devesse voltar para o bar, para onde nós estávamos antes. Mas com certeza era melhor eu ficar aqui, onde Christy me viu pela última vez. Eu olhei decidida para os dois lados. Nenhuma opção me atraiu. Inferno, sair daqui foi o que me atraiu. Eu pisquei furiosa. Não chore, apenas... você sabe, meu dedo está doendo muito. Talvez seja hora de pegar um táxi. Eu tenho certeza que em casa eu tenho todos os ingredientes necessários para um nacho de levantar o humor. O bônus era não ter que dividir com ninguém. Me chame de gananciosa, eu não me importo, e traga o queijo derretido, baby. De repente, duas mãos enormes desceram pelos meus ombros e eu fui forçada a me virar. Algum tipo de montanha estava parado na minha frente. Um homem montanha.


“Ben!” eu chorei de felicidade, me jogando nele (o que obviamente não o moveu um centímetro). Seu corpo quente era divino, celestial. Eu envolvi os braços com força em volta da sua cintura e apertei cada vez mais. “Eu estou tão feliz em ver você.” Suas mãos ficaram tensas nos meus ombros, os dedos esfregando. “Eu disse para você não vir aqui.” “Eu sei.” Eu funguei, depois coloquei o meu queixo em seu peito e olhei para ele com adoração. “Mas você deve ter notado que eu tomo as minhas próprias decisões como um adulto de verdade?” “Não me diga?” ele me deu um olhar severo e colocou uma mecha de cabelo atrás da minha orelha. Um gesto tão simples e doce, e isso fez muito por mim. Claro, qualquer coisa envolvendo ele me tocando faria isso. “Como foi o seu encontro com Lena?” Sem resposta. “Foi bom assim, huh? Bom.” “Eu posso ver a sua verdadeira intenção nisso,” ele disse com um sorriso. “Sim. A dor é profunda. É muito bom ver você.” Ele me olhou por muito tempo. “Sim, você também. Mas mesmo assim, eu estou meio puto com você por vir aqui.” Que coisa ridícula. Eu levantei as duas sobrancelhas para ele e dei um olhar de Sério para ele. Começando como se quisesse dizer vá em frente e tudo mais. Porque não teria jeito que eu iria dizer ao homem onde eu fui e o que eu fiz. Confiança e respeito, etcetera. Ele deu de ombros, nada impressionado. “Você não gostou que eu saísse com a Lena. Eu não gostei que você tenha vindo aqui.”


“As duas coisas são verdade,” eu disse, cedendo só um pouco. “Mas o que vamos fazer com elas? Essa é a questão.” “Hmm.” Ele segurou a minha mão, dando um aperto. “Vamos lá, eu vou te levar para casa.” “Eu gosto disso.” Sem outra palavra, ele me conduziu através da multidão, abrindo caminhos com o seu corpo. Com seu jeans e camisa xadrez, ninguém parecia reconhecê-lo. Em Portland, ele era apenas mais um cara de barba e tatuado no meio de vários outros. Estando com Ben, ninguém mexeu comigo. Eu não estava sendo apalpada ou empurrada, graças a Deus. Ah, a união. Que coisa mais rara e bonita. Não me admira Anne ter ficado tão louca por Mal se era assim que ele a fazia sentir. Andar ao lado de Ben, fazia o meu coração tão leve e a minha cabeça bater no teto. “Até mais tarde,” o segurança cheio de piercing disse, abrindo a porta para nos deixar passar. “Obrigado, Marc.” Do lado de fora, o ar era fresco, decididamente frio. Eu me embrulhei no meu casaco. Ben não parecia ter trazido um. Ele apenas enfiou as mãos nos bolsos e encolheu os ombros. Uma caminhonete Chev detonada, na melhor das hipóteses dos anos 80, estava estacionada na esquina. Há muito tempo ela deve ter sido azul claro. Com toda a ferrugem e desbotamento, era difícil dizer. “É isso o que você dirige?” eu perguntei, surpresa. Em vez de responder, Ben abriu a porta do passageiro, e a segurou. “Huh.”


Eu entrei, sentando cuidadosamente no assento de vinil frio e rasgado. Fitas K-7 estavam espalhadas do lado de fora do porta-luvas. K-7 de verdade. “Atordoada” meio que descrevia a situação. O cara tinha dinheiro, muito dinheiro. Ele bateu a porta, então deu a volta até o lado do motorista. Em instantes o motor roncava com o mínimo de barulho. Era óbvio que o carro era mantido em boas condições. “Esperava um Porsche?” ele perguntou. “Não. Apenas alguma coisa bem menos velha que eu.” Ele bufou. Nós fomos para a rua, o murmúrio baixo de alguma velha canção do Pearl Jam soava. Fitas K-7. Cristo. “Era do meu avô,” ele disse. “Ele me ensinou como consertar, e me deu as chaves quando eu tirei a carteira.” “Legal.” Ele me olhou de lado. “Eu quis dizer isso, Ben. Eu não tive muito da família. Então eu acho que isso é legal.” Um leve sorriso. “Sim. Nós não tínhamos muito dinheiro então... eu pensava assim.” As sombras no seu rosto eram fascinantes embaixo das luzes da rua, os brilhos repentinos dos carros na outra direção, tudo. Ele tinha maçãs do rosto perfeitas. Você quase podia não vê-las embaixo da barba, mas as linhas do seu rosto eram nítidas e lindas. Seus lábios, por sua vez. Eu poderia olha-los por horas. “Você vai me contar sobre o seu lar?” Eu perguntei. “Não tem muito a dizer,” ele disse, eventualmente. “Minha mãe e meu pai tinham um negócio de limpeza então eles ficavam fora muito


tempo. Eles trabalhavam duro. O negócio era tudo para eles. Meus avós viviam ao lado e eles nos alimentavam e mantinham um olho nas coisas.” “Deve ter sido maravilhoso tê-los por perto. Uma influência estável como essa pode fazer toda a diferença para uma criança.” “Você está me diagnosticando ou algo do tipo, senhorita estudante de psicologia?” “Não. Desculpa.” Eu murmurei. “Por favor continue. Você disse ‘nós’?” “Eu e minha irmã.” “Você tem uma irmã? Como ela é?” Ele apertou os olhos, pequenas linhas apareceram ao redor deles. “Martha... Martha. Ela está morando em Nova Iorque ultimamente, curtindo as festas.” “Isso é muito longe.” Eu não poderia imaginar estar do outro lado do país, longe de Anne, vivendo sem o último pedaço de uma família por perto. “Você deve sentir saudade dela.” “É provavelmente o melhor,” ele disse. “Ela fez alguma merda um tempo atrás. Eu não ajudei muito de qualquer forma.” Eu fiquei em silêncio, esperando que ele seguisse falando. As pessoas normalmente são compelidas a preencher o silêncio, você só tem que ser paciente. “Martha e David namoravam no ensino médio, e depois, quando a banda começou a decolar. Então ela fez uma coisa idiota.” Ele sacudiu a cabeça. “Idiota pra caralho.” “O que ela fez?” Ele levantou uma sobrancelha. “Você não sabe?” “Não.”


“Huh. Pensei que Ev tivesse falado sobre isso.” “Eu só a encontrei algumas vezes.” “Sim, eu imaginei.” Seus dedos começaram a bater no volante. “Martha não gostava de Dave estar distante. Nós estávamos trabalhando muito, em turnê quando não estávamos gravando. Pensei que ela entendia...” Um caminhão dos bombeiros passou com as sirenes soando, nos distraindo por um momento. “Nós finalmente estávamos chegando em algum lugar, de verdade, tocando para grandes multidões, e tendo alguma publicidade.” Ele exalou pesadamente. “Enfim, ela deve ter pensado que ele estando na estrada todo o tempo que ele a estaria traindo. Ela ficou puta uma noite e o traiu.” “Oh.” “O cara não poderia estar mais apaixonado por ela, mesmo que ele tentasse. Eu nunca o vi com outra mulher. Eles estavam juntos há anos. Eu tentei falar com ela, mas ela tinha essa ideia estúpida na cabeça, e... bem.” Sua risada baixa era amarga, horrível de se ouvir. “Ela fez uma grande merda. Tudo foi para o inferno depois disso.” “Eu sinto muito.” “Eu também. Eu pensei que eles conseguiriam, se casariam, teriam filhos e tudo o mais. Viveriam o sonho. Ela trabalhou como assistente da banda por um tempo, mas quando Dave e Ev se casaram ela não aceitou muito bem.” “Foi quando ela se mudou?” “Foi quando ela se mudou.” Ele não disse nada por um momento. “Tentou mais uma vez voltar para ele, e eu fui idiota o bastante para ajudar. E isso não acabou muito bem. As coisas ficaram tensas entre eu e Dave por um tempo, e isso não foi bom para a banda.”


“Eu sinto muito.” Eu respirei fundo, escolhendo as minhas palavras cuidadosamente. Isso obviamente o tinha machucado. Estava no tom de sua voz, nas sombras no seu rosto. E também, eu não queria trata-lo como um paciente ou um estudo. Ele importava muito para mim. “Parecia que vocês eram mais irmãos que amigos, mesmo que ele e sua irmã não tenham ficado juntos,” eu disse. “Mas eu sinto muito que você tenha ficado no meio disso. Deve ter sido difícil.” “Sim. Eu não sei por que estou te contando tudo isso.” Ele me olhou pelo canto do olho. “É muito fácil falar com você, sabia?” Eu sorri. “Com você também.” “Você não me contou nada ainda.” “Ah, certo.” Eu esfreguei as mãos nos meus jeans, as aquecendo. O que dizer a ele? Sua honestidade e abertura significava que eu não poderia dar menos a ele. É só deixar sair. “Meus pais se divorciaram quando eu tinha catorze anos. Isso mexeu comigo por um tempo. Mas Anne me colocou nos trilhos, me ajudou a terminar os estudos e entrar na faculdade.” “Uma irmã muito boa.” “Ela é uma irmã incrível.” Seus olhos trocavam entre eu e a estrada. “Mas você também trabalhou duro.” “Sim. Mas a faculdade é cara e ela sacrificou muito para eu ficar lá, então ela merece grande parte do crédito.” “Parece que vocês ralaram para sair de uma situação ruim.” “Hmm.” Eu descansei minha cabeça no assento do carro. Era fácil demais falar com o homem. Eu gostava disso. “Isso é verdade. Eu trabalhava meio período na mesma livraria que Anne.”


Ele deu um meio sorriso, e até isso me deixou tonta. Deus, ele era lindo. Eu nunca quis tanto que essa carona não acabasse. Nós poderíamos dirigir até o Wisconsin pelo que me importava. Apenas seguir em frente até ficarmos sem gasolina. “Mexeu contigo de que jeito?” ele perguntou. Isso parou a felicidade. “Não é um assunto que eu queira falar.” Ele só esperou, me puxando, jogando comigo o meu próprio jogo. Sorrateiro. “Eu comecei a sair com uns fracassados. Bebia, usava drogas. Anfetaminas e maconha, nada muito pesado. Eu larguei a escola e fiz coisas que não deveria. Coisas perigosas. Saí com o cara errado por um tempo.” Minhas unhas cravaram em mim através do jeans. Todas essas lembranças eram ruins. Eu era tão nova e idiota. “Então eu fui pega por roubar. O cara que era dono da loja ficava dizendo que ia chamar a polícia, mas Anne conseguiu fazê-lo mudar de ideia. Isso me assustou muito. Mais ainda, ver Anne chateada foi o pior de tudo. Finalmente eu percebi que eu não fui a única magoada. Eu parei de escapar a noite e de fazer merda, e comecei a ir para a escola novamente. Eu estava tão brava que eles não podiam superar os problemas e serem pais normais.” “Eu aposto.” “Mas pense o que é normal? Parece que os pais de todo mundo são divorciados hoje em dia.” “Sim. É isso.” “Não serve muito como exemplo, né?” Ele fez um barulho concordando. “Então esse é o motivo de eu fazer psicologia. Uma dia eu espero estar apta a ajudar outras crianças problemáticas.” Ele sorriu.


“Bem, já basta de mim e da minha angústia adolescente.” Eu cruzei as pernas, virando em direção a ele no assento. “Quando você começou a tocar baixo.” “Catorze mais ou menos. Dave sempre foi louco por guitarras, e aí a mãe do Mal comprou uma bateria para ele. Jimmy já tinha decidido que seria o cantor. Eu tinha um tio que tinha um baixo velho. Meu avô pediu para ele dá-lo para mim.” “O mesmo avô que te deu a caminhonete? Ele parece incrível.” “Ele era, Lizzy. Ele era mesmo.” Nós paramos do lado de fora do meu prédio. Engraçado, eu nunca odiei tanto vê-lo como agora, eu não queria que a carona acabasse. Ficar sozinha com Ben, conversando, era especial. Eu cruzei as minhas mãos no meu colo, estudando as linhas do seu rosto. Um momento mais tarde, ele desligou o carro. “Obrigada por me trazer em casa,” eu disse. “A qualquer hora. Sério.” Ele descansou uma mão no volante, se mexendo levemente para olhar para mim. Um sentimento muito louco de felicidade agitou dentro de mim. Coisas loucas e luxuriosas me diziam para pular nele, subir em cima dele e encher seu rosto de beijos. Esfregar a minha mandíbula pela sua barba e ver se ela era ou não macia. Deixa-lo ver o quanto ele me afetava, o quanto ele seria adorado. “Me mata quando você me olha desse jeito,” ele murmurou. Eu só sorri. Minha língua estava muito enrolada para qualquer tentativa de sagacidade. A coisa era, eu não poderia não olhar para ele desse jeito. Só não estava em mim agir de outra forma, não com ele. Ele exalou forte, olhando para o para-brisa. “Eu vou àquele clube algumas vezes na semana para pegar garotas. Lugares como aquele? É


fácil pra caramba. Tenho certeza que as pessoas só vão lá para ficar bêbadas e transar.” “Entendo.” “Estou falando sério.” “Okay, Ben. Você não é virgem. Devidamente anotado. Eu também não sou, a propósito.” Olhos escuros e sonhadores me prenderam no lugar, me ganhando. Ele lambeu os lábios. Toda vez que ele fazia isso os meus hormônios

explodiam

de

alegria,

uma

orquestra

completa

acompanhada por um coro de anjos. A coisa toda. Era ridículo. “Porra, você é linda,” ele suspirou. “Me faz desejar coisas que eu não deveria.” “Quem disse que você não deveria?” eu perguntei, me aproximando. “Mal. Sua irmã.” “Isso não é sobre eles. É sobre você e eu.” “Docinho. Liz...” A forma profunda e suja que ele disse o meu nome, puta merda. Sua voz vibrou através de mim, acendendo fogueiras e causando o caos por onde ela passava. Eu nunca mais seria a mesma. “Sim?” Eu cheguei mais perto, e então mais perto, o coração trovejando e os lábios a postos. Nunca na minha vida beijar uma pessoa foi tão importante. Eu precisava da boca dele na minha. Seu fôlego e o seu corpo, ele todo. Nada mais importava. Eu me virei, colocando um joelho debaixo de mim para me ajudar com a diferença de altura.


Hesitante mas com um sorriso esperançoso no rosto, eu coloquei a mão no ombro dele, chegando mais perto. Eu não ia esperar por ele fazer o primeiro movimento. Era hora de ir atrás do que eu queria. “Liz.” “Oi?” Foi quando eu registrei. A linguagem corporal de Ben estava errada. O homem não estava se movendo para mim, me querendo. Eu estava sozinha nisso. “Você não...” As palavras ficaram presas na minha garganta, me sufocando. Eu baixei a minha mão. “Eu não posso.” “O quê?” Ele olhou para frente. “Você deveria entrar.” Qualquer expressão que eu tivesse, não era feliz. “Você quer que eu vá?” “É melhor.” “É melhor,” eu o imitei, parecendo perplexa com o ar obstinado no rosto dele. “Eu não posso fazer isso, Liz. Eu não posso fazer isso com a banda.” “E você pergunta para a banda com quem você pode sair?” “Nós não estamos saindo.” Eu pigarrei. “Não, nós não estamos. Mas Deus, nós passamos horas falando um com o outro e trocando mensagens.” O olhar que ele me deu era torturado. “Me desculpe, mas eu não posso.” “Certo.” Toda a emoção dentro de mim parecia enorme, avassaladora. Ainda assim a minha mente funcionava, pegando todas


as evidências, tentando descobrir quando eu me perdi. Como eu vim parar na porra da floresta. “Eu acho que você estava um pouco entediado, talvez um pouco solitário, então você brincou comigo.” Com uma careta, ele se virou. “Me diz que eu estou errada.” Nada. Pelo menos agora eu sabia onde a gente estava. Como se isso fosse de algum consolo. Eu abri a porta do passageiro, e desci. “Liz –” Eu bati a porta da caminhonete, o metal frio picando a minha mão. Estou farta disso. Eu estou tão farta disso. O ar amargo da noite bateu na minha cara, me acordando. Que porra embaraçosa. Eu sentia tanto e estava tão certa. Serve para mostrar o quanto eu sabia. Nada. Nenhuma porra de nada. Era hora de colocar meu coração e esperança de volta no gelo.


CAPÍTULO TRÊS Ben: Hey, como você tá? Ben: Está tudo bem? Tudo bem nos estudos e em tudo o mais? Ben: Vamos lá, Liz. Fala comigo. Eu ainda sou seu amigo. Ben: Então eu presumo que você vai estar no casamento? *** “Ele não vai vestir um desses macacões de cetim do Elvis, não é mesmo?” Minha irmã deu de ombros. “O que o fizer feliz.” “É, mas esse é o seu casamento.” “Nosso casamento,” ela corrigiu, aplicando uma última camada de batom e então tirando o excesso cuidadosamente com um lenço. “Deus, Anne. Você está incrível.” Ela estava mesmo. O vestido de renda vintage era divino. Com o seu cabelo vermelho brilhante puxado artisticamente para trás, ela parecia tão elegante. Eu tive que piscar uma vez ou duas, meus olhos estavam um pouco enevoados. Considerando o tempo que o maquiador levou no meu rosto, eu não me atreveria a bagunçar o trabalho dele. “Obrigada.” Ela se inclinou, apertando a minha mão. “Você também está muito linda, aniversariante.” Na verdade, o meu aniversário foi ontem. Anne tinha insistido até eu ter idade suficiente para entrar legalmente em um casamento em Vegas.


Era um prazer inesperado, desde que me tratar como uma completa adulta não era coisa dela. Ev, Lena, Ane e eu passamos o meu aniversário na hidromassagem do Bellagio, comendo coisas deliciosas e bebericando coquetéis. Porque é claro a suíte vinha com um mordomo particular. Oh, e a lareira do lado de fora estava acesa porque as noites eram frias no deserto em Dezembro. E por último, mas não menos importante, nós tivemos cake pops, porque nada poderia ser melhor que bolo em um palito coberto com doces. Essa merda ganhou a minha alma. Eu alisei a saia do meu próprio vestido vintage, um Dior azul caneta na altura do joelho que eu encontrei em uma feira umas semanas atrás. Ele era lindo. Feminino e sem frescura. Meu cabelo também tinha sido puxado para trás em um estilo simples e clássico. Imagino o que Ben pensaria. Não que isso importasse. Eu me sentia bem com a minha aparência e era isso o que importava. Meu mundo não parava e girava com base na aprovação dele ou de qualquer outro homem. Até os meus sentimentos por Ben diminuírem um pouco, eu vou continuar evitando-o. Até mesmo um coração teimoso como o meu tinha que desistir eventualmente. A escola e o trabalho tinham me mantido ocupada. Com Anne ocupada com os detalhes do casamento, Rhys me deu horas extras na livraria, então muitas coisas me deixaram ocupada. Ben Nicholson tinha sido pouco mais que um pensamento vago. Na maior parte. Seria legal mais tarde essa noite sair e deixar o meu cabelo solto. Ver como era Vegas. Sam chegou, me dando um aceno. Estava na hora. Qualquer pensamento aleatório sobre aquele homem me deixava alegremente


excitada. Uma conversa baixinha podia ser ouvida vindo da sala, o som fraco da música. “Okay, futura senhora Ericson. Todo mundo chegou então –” “Pumpkin!” uma voz familiar demais pranteou. “Pumpkin, cadê você?” O retrato da perfeita calma, Anne virou o rosto para a porta e gritou de volta, “Aqui dentro.” As portas se abriram e Mal apareceu, arrasando em um terno preto liso realmente incrível com All Star combinando. Que visão. Seu cabelo louro brilhava, caindo sobre os ombros. Deixado solto por um pedido da noiva. Mas até mesmo eu tinha que admitir, o homem estava com tudo em cima. “Você não deveria me ver antes da cerimônia,” Anne disse. “Eu não gosto de regras.” “Eu notei.” Ele caminhou até Anne com um sorriso ligeiro em seus olhos. “Sabe, eu estou bonito pra caralho. Mas, Pumpkin, você está muito melhor.” Minha irmã sorriu para ele. “Obrigada.” “Quer casar comigo?” “Pode apostar que sim.” Ele enterrou o rosto no pescoço dela. Um momento depois Anne gritou e bateu nas costas dele. “Não me dê um chupão antes do casamento, Mal, ou eu vou matar você.” Uma risada maníaca preencheu o quarto. “Eu estou falando sério!”


“Eu amo você. Vamos nos casar.” Como alguma coisa saindo de um filme, ele a pegou no colo e a carregou, parando brevemente na porta. “Você também não está mal, Lizzy. Vamos lá, vamos fazer isso.” Eu peguei o meu bouquet e o de Anne e os segui com um sorriso. Isso ia ser demais. Lá fora na sala de jantar super chique, a mobília foi posta de lado, abrindo espaço para a cerimônia. E o Papai Noel Elvis celebrando. O cara grande de peruca usava um cinto cheio de muitas pedras brilhosas que me fazia imaginar como as calças ficavam no lugar. Aquela coisa devia pesar uma tonelada. Vasos cheios de rosas vermelhas cobriam cada superfície disponível, o cheiro inebriante enchia o ar. Uma lareira crepitava no canto. Era perfeito, lindo e tinha tanta felicidade, rostos familiares estavam em volta, esperando para compartilhar o momento. Anne finalmente tinha a família que ela merecia. No canto, um quarteto de cordas começou a tocar, e o Elvis Papai Noel abriu a boca. A interpretação de “Love Me Tender” foi maravilhosa. Ou então me falaram mais tarde. Ben ficou no canto com Jimmy e David, todos eles vestidos com ternos parecidos. Apenas Ben tinha abandonado o paletó e a gravata. Ele tinha enrolado as mangas da camisa branca, deixando as tatuagens em seus braços grossos expostas. Deus, ele era glorioso. Tão… masculino, por não ter uma palavra melhor. O resto das pessoas estavam nos fundos. Ele parecia tão bem. Doía, e com raiva ou sem raiva eu tinha que dizer a ele o quanto, assim que eu achasse a minha língua. Ele olhou para cima e me viu encarando. Não havia censura em seus olhos. Apenas o de sempre, a vergonha tentou me afogar, deixando o meu rosto vermelho. Mas ele parou e me encarou também.


Se nossas respirações e o nossos corações estivessem batendo no mesmo ritmo, eu não ficaria surpresa. Era loucura. Eu já deveria ter me tocado a essa altura. Era só eu e ele. Coisas foram ditas e eu ouvi a gargalhada da minha irmã. Seus olhos deslizaram pelo meu vestido e subiram novamente. Pequenas linhas apareceram nas laterais de seus olhos, seu rosto estava tenso. Enquanto para mim, minha mandíbula doía pelas coisas que eu estava segurando, todas as palavras não ditas. Ou talvez fosse só mais do mesmo, a urgência de convencê-lo que tinha alguma coisa verdadeira entre nós dois que valia o risco. Algum amontoado sobre sexo e amizade e não sei mais o que. A trágica conexão. Com toda a probabilidade, ele não iria querer ouvir isso. O homem fazia a minha cabeça e o meu coração doerem. “Não, você não está fazendo isso certo.” O anúncio dispersou o meu foco, meu olhar foi para a frente da sala. Alguma coisa estava errada no reino do casamento. “Eu vou fazer isso,” Mal disse ao Elvis Papai Noel. O Rei só assentiu. Sabendo que ele ia receber de qualquer forma. “Claro que você, Anne, me aceita, Mal,” ele continuou, minha irmã ainda presa em seus braços. “Você é a minha Pumpkin, todo o meu maldito mundo. Você aguenta a minha música e toda a minha esquisitice, e você acha que eu sou divertido enquanto as outras pessoas só sacodem as cabeças imaginando que porra eu estou fazendo. Eu acho fofo quando você tem esses seus pequenos ataques de raiva, mas se você precisar que eu ouça e leve a merda a sério, eu prometo que eu vou. Nós temos bons e ruins, você vai estar comigo e


eu vou estar com você. Não importa o que, nós sempre vamos resolver as coisas juntos, okay?” “Okay,” a minha irmã disse, levantando uma mão para secar uma lágrima. “Você é a única mulher que eu quero ou preciso, e de jeito nenhum você vai entrar na onda de um outro cara, porque você tem a mim e eu sou demais. Estamos acertados?” “Estamos acertados.” “Certo,” Mal disse. “Estamos casados.” “Eles estão casados!” o Elvis Papai Noel gritou, dando um giro apenas por diversão. A música começou de novo e o quarto foi preenchido com o som de palmas e de felicitações. As bocas de Mal e Anne estavam grudadas. Eu queria aquilo, o que eles tinham juntos, e sem dúvida valeria a pena esperar por isso. Depois de sete anos acreditando que o amor não era nada mais que uma bobagem, eu não poderia desistir disso de novo. Essa era a verdade. Algum dia eu encontraria alguém que me fizesse sentir o que Ben me faz sentir. Eu só tenho que esperar. O Elvis Papai Noel começou a cantar “Viva Las Vegas” enquanto a audiência enlouquecia. Todo mundo exceto eu e Ben. Merda. Com certeza eu perdi toda a cerimônia. Graças a Deus, o pai de Mal parecia ter gravado. A pior irmã do mundo. Eu comecei a aplaudir, como todo mundo, depois lembrei que o ramo de flores ainda estava nas minhas mãos. Whoops, melhor não. Muitos rostos felizes e sorridentes – exceto um. Oh ótimo, minha mãe estava aqui. Do outro lado da sala, sua boca franziu e as sobrancelhas se levantaram. Parecia que a minha falta de atenção para


com a noiva e o noivo não escapou sem ninguém notar. Seu olhar se prendeu em Ben e eu, ela franziu o cenho. Talvez seja melhor eu evitar a querida mamãe o resto da noite. Talvez pela próxima década também, apenas para garantir. A última coisa que eu precisava era de Jan decidir começar a enfiar o nariz de novo na minha vida. Não, obrigada. “Irmãzinha,” Mal gritou, se inclinando para mim com os braços completamente abertos. Ele obviamente tinha posto Anne no chão, porque ela estava ocupada sendo cumprimentada por David e Ev. Meu novo cunhado basicamente me abraçou, me pegando pela cintura e me apertando incrivelmente forte. Respirar... para quê? “Isso vai ser ótimo. Eu sempre quis uma irmãzinha,” ele disse. “Irmãs mais velhas são boas, quer dizer, não me entenda errado. Mas irmãs mais novas sempre são mais divertidas, certo?” Eu meio que chiei. “E você espere para ver o que eu comprei para você de presente de aniversário. Melhor. Presente. De. Todos. Os. Tempos.” “Cara, coloque-a para baixo antes de você quebra-la porra,” Ben disse com um pouco de urgência. “O quê?” Mal me colocou de volta sobre os meus pés. Graças a Deus. Eu esfreguei as minhas costelas machucadas, dando várias respirações profundas. “Tinha um pouco de amor demais naquele abraço.” “Oops. Desculpa, maninha.” “Tudo bem.” Eu sorri, ainda recuperando o fôlego. “Parabéns.”


“É. Parabéns, cara,” Ben disse. Eles sacudiram as mãos vigorosamente, seguido por alguns tapinhas nos ombros. “Obrigado, cara.” Sem perder uma batida, o baterista foi em direção a próxima vítima do abraço amoroso. O que deixou eu e Ben olhando um para o outro novamente. Nada estranho. “Você está ótima, Lizzy.” “Você também.” Eu não podia mais encontrar os seus olhos escuros, então em vez disso eu estudei os seus sapatos. Era um alvo fácil. As botas pretas grandes faziam um contraste dramático com o chão de mármore creme. Ele não disse nada. E sim, okay, eu tinha acabado. “Tenha uma noite agradável.” “Liz, espera –” “Tenho que me misturar.” Sua mão prendeu o meu braço. “Espera. Eu quero falar com você.” “Eu não acho que seja uma boa ideia.” Eu livrei o meu cotovelo. “Por favor.” Essas únicas palavras conseguiram, me fizeram hesitar. A estupidez me amaciou. “Okay. Talvez mais tarde.” “Mais tarde.” Era bom querer coisas na vida. Não significava que você fosse consegui-las. Mas, o pensamento de ouvir o que quer que ele tenha a dizer fez a ansiedade correr solta.


Damas de honra eram pessoas ocupadas, eu tinha coisas a fazer. Ben Nicholson poderia esperar. Essa noite não era sobre eu e ele ou a bagunça persistente entre nós. Nem um pouco. Tinham mais ou menos vinte e cinco pessoas presentes, excluindo o Elvis Papai Noel e o quarteto de cordas. A família de Mal, seu pai e suas irmãs, maridos e filhos. Minha mãe de Anne (também conhecida como Aquela Que Deve Ser Evitada). Os membros da Stage Dive e suas parceiras, mais Lauren e Nate, claro. Muitas pessoas para encontrar e cumprimentar e se misturar. Mas primeiro eu queria abraçar a minha irmã. Segura-la forte e saber que coisas boas aconteciam com pessoas boas, e que ela seja tão feliz como ela sempre mereceu. Então foi isso que eu fiz. *** Depois de eu passar quase cinco horas conversando e sendo a melhor dama de honra possível, a recepção do casamento finalmente chegou ao fim. Graças a Deus, eu mais que merecia minha noite na cidade. Eu ignorei o Ben e a minha mãe nunca ficando parada por muito tempo. Minha tentativa de manter os sobrinhos e sobrinhas de Mal sob controle ajudaram bastante. Nota mental para nunca, jamais, ter filhos. Trabalhar com eles seria legal, mas eu queria poder sair no final do dia, muito obrigada. Eles podem ser fofos, mas eles também podem ser completamente maníacos. Eu tinha certeza absoluta que Mal teria que pagar por pelo menos uma peça de reposição de uma poltrona com estampa de onça. Eu tentei evitar a arte de pintar com patê, mas com pouco sucesso. O


autor desse crime em particular permaneceu escondido debaixo de uma mesa no corredor. Os casais tinham começado a ficar excessivamente amorosos, o que com o adiantado da hora, a comida chique e a bebida cara. Para mim, eu estava pronta para fes-te-jar! “Nós estamos prestes a escapar,” Anne anunciou, segurando meu cotovelo com uma mão. Seu outro braço estava ocupada descansando em volta do pescoço do marido. “Acho que sim.” Eu assenti. “O cara agarrado ao lado da sua cabeça meio que deixou isso claro.” Mal nem se importou em afastar para pegar um pouco de ar. Em vez disso, ele continuou a mordiscar a orelha de Anne. Mas ele disse alguma coisa. Alguma sequência de palavras murmuradas que eu não tinha nenhuma esperança de entender. “O que ele disse?” eu perguntei. “Ele disse que nós devemos ir consumar nosso casamento,” Anne disse. “Claro que sim. Divirtam-se.” “Nós iremos.” Mais murmúrios incoerentes do cara agarrado a orelha dela. “Eu pensei que era para ser uma surpresa para quando ela voltasse?” Anne perguntou. Mal finalmente veio a tona. “Mas é tão legal. Eu sou tão legal. Eu acho que ela merece saber disso.” “O presente é seu, é com você. Diga a ela se você quiser.” Anne riu. O sorriso que Mal me deu era super brilhante, cegador. “Eu te comprei um Mustang 1967 azul de presente de aniversário.”


“Você comprou?” eu gritei de alegria. “Exatamente. Eu não sou o melhor? OhmeuDeus eu sou maravilhoso pra caralho! Minha própria cabeça está explodindo por mim. Bate aqui, maninha.” Ele levantou a mão para um high five. Eu bati a mão com ele com muito entusiasmo. “Isso é demais, Mal!” “Eu sei, não é?” “Muito obrigada.” “Não foi nada.” Uma mão despreocupada acenou a minha gratidão para longe. “Sheesh.” Só Anne não parecia entusiasmada. “Você comprou para Liz um carro possante? Você me deu um Prius.” Com os lábios carnudos, Mal segurou o rosto dela com as mãos. “Porque você é a minha Princesa Pumpkin de Prius. Garotas como você não dirigem carros potentes.” “Garotas como eu?” “Lindas, inteligentes, boas garotas com um respeito muito grande pelos sinais de trânsito e outras merdas. Além disso, você tem a mim. Você não precisa de mais nenhuma potência na sua vida.” Eu não diria que Anne pareceu apaziguada, exatamente. Mas ela deixou o assunto de lado depois de outro beijo persistente. “O quê você vai fazer essa noite?” ela me perguntou eventualmente. “Eu pensei em ir dançar ou algo do tipo,” eu disse, batendo os meus saltos de excitação. Vegas, aqui vou eu. “Dar um bom uso à minha identidade verdadeira.” O sorriso de Anne vacilou. “Sim, certo. Olha, Sam estava pensando em ir a alguns clubes também. Você se importaria se ele fosse junto?”


Uh oh. “Sam o segurança?” “Sim.” Seu olhar vagou pela sala por um minuto, evitando o meu. “Ele não vai ficar no caminho, eu prometo. Ele é um cara muito legal e sair sozinha em Vegas não é a ideia mais inteligente. Você não se importa não é? Eu prometo que ele não vai se intrometer nem nada do tipo.” “Não, eu acho que não.” “Bom.” Ela relaxou visivelmente, se apoiando em Mal. “Eu acho que eles já levaram as suas coisas para a suíte presidencial, a propósito. Você tem a chave, certo?” “Sim. Tudo certo.” “E se você for a qualquer lugar sozinha, não se perca no hotel. Esse lugar é enorme.” “Eu vou ficar bem. Vá comemorar com o seu marido.” Eu dei um beijo suave em sua bochecha. “Parabéns. Foi uma noite maravilhosa. Você estava linda.” “E eu?” Veio de Mal. “Muito lindo.” Eu dei a ele um tapinha na cabeça. “Até mais tarde!” Eu tenho um homem para esquecer e uma cidade para explorar.


CAPÍTULO QUATRO “Qual você disse que era o seu nome?” “Liz.” “Lisa?” “Quase isso.” Eu dei um sorriso para o bêbado louro e dei outro gole na minha margarita. Ele podia ser fofo, mas fofura não compensa estupidez extrema ou a alta taxa de álcool no sangue, como se ele tivesse que ter. Ele me deu a sua versão de um sorriso de derreter calcinhas e eu não tinha dúvida que funcionaria se o cara tivesse sóbrio. Ou quando o seu objeto de afeição luxuriosa estivesse igualmente bêbado. Infelizmente, meu zumbido alegre de duas margaritas e meia ainda não tinha batido. Nós dançamos por mais ou menos uma hora, nos divertindo. Não teve nenhum toque ou esfregação ou qualquer coisa que o encorajasse. Porque eu tinha limites, não tinha? Sim eu tinha. O hotel tinha uma ampla variedade de bares e boates. Para não mencionar as pencas que tem nos hotéis próximos. Nós começamos do outro lado da rua antes de voltar para perto de casa. Boa música, muita dança, e alguns drinques. Eu encontrei a minha diversão, meu cabelo estava solto. De qualquer forma, era uma pena que ele tivesse que ir em frente e quebrar a corrente tentando transar. Sobre o meu ombro, Sam o segurança (que definitivamente não dançava) mantinha a mesma posição que ele teve nas últimas três horas, rondando o bar com um copo de whisky na mão. Ele queria ir em algumas boates o meu rabo. O


homem tinha sido colocado para me seguir sem dúvida. Não pela primeira vez nessa noite, ele estreitou seus olhos para o meu parceiro de dança e sacudiu a cabeça em descrença. Eu apenas sorri de volta para ele. Essa noite não era sobre ser séria. Era sobre rir, dançar, beber um pouco, e comemorar o fato de ser jovem e solteira. Meu companheiro bêbado escorregou um braço pela minha cintura, lambendo os lábios. “Então, Lila.” “Sim, Mike?” Ele franziu o cenho. “Mark. Meu nome é Mark.” “Oh, Deus, desculpa. Mark. Erro meu.” “Sem problemas, babe.” Um sorriso nebuloso cruzou o seu rosto mais uma vez enquanto ele se inclinava, se movendo para o abate. Eu acho que não. Eu virei o meu rosto e dei um passo apressado para o lado, escapando da sua tentativa de boca-na-boca. Uma vez que metade da minha tequila salgada e celestialmente gelada acabou, eu dei o fora dali. Sam e eu poderíamos achar algum outro lugar para ir. Se isso não garantisse que a minha cabeça ficasse leve eu iria embora. “Bem, isso tem sido ótimo.” “A festa apenas começou,” ele arrastou. O que sem dúvida era para ser um movimento suave, o idiota grudou em mim, batendo as minhas costas no bar. Pior ainda, minha maldita bebida caiu toda no chão. Essas coisas não eram baratas, e eu tenho certeza absoluta que eu não permiti que Mark pagasse alguma. Ele já tinha começado a ter muitas ideias. Idiota.


“Merda.” Eu empurrei o bêbado pelo peito, tentando tira-lo de cima de mim. “Sai.” Como se as minhas palavras tivessem criado superpoderes, o idiota voou em direção a multidão, caindo de bunda há vários metros de distância. Uau. É isso aí. Eu olhei com franca surpresa. Então, no amplo espaço aberto na minha frente surgiu Ben. Merda. “Hey,” eu disse, colocando o meu copo agora vazio no bar. “Oi.” Sua testa estava franzida, sua boca era uma linha severa e sem expressão. Deus, ele parecia bravo. Entre a barba e a expressão do seu rosto, ele parecia completamente bárbaro. Ele poderia estar vestido em peles e carregando um tacape, me presenteando com o javali que ele caçou para o jantar. Ah, o bom e velho romance da Idade da Pedra. “Como você está?” eu perguntei. Ele ainda não disse nada. “Você quer alguma bebida? Eu estava prestes a ir para outra boate, mas se você quiser ficar aqui um pouco, está tudo bem pra mim.” Ele colocou uma mão em cada lado meu, me prendendo contra o bar. Huh. “Está tendo uma boa noite?” eu perguntei. “Não realmente. Estava procurando por você.” “Isso é fofo. Mas você não precisava fazer isso.” “Você sabia que eu queria falar com você.” “Sim, eu sabia.” “Você disse que conversaríamos mais tarde.”


“Eu sei. Mas então: talvez eu não quisesse falar contigo de forma alguma, Ben. Talvez eu só quisesse esquecer o que aconteceu e seguir em frente.” Atrás dele, dois dos enormes caras da segurança do bar gentilmente escoltaram meu antigo parceiro de dança embriagado para fora das instalações. “Tchau, Mike.” Eu acenei com o dedo. “E que porra você estava fazendo com aquele cara?” ele grunhiu. “Dançando, até ele ficar um pouco inebriado demais. Minha segurança não é o problema aqui. Eu tenho o meu amigo Sam comigo, eu não poderia me meter em nenhum problema.” Eu acenei para o lugar onde o homem estava de pé no bar. Se alguma coisa, a presença dele pareceu deixar Ben ainda mais mal humorado. “Então por que ele não estava fazendo alguma coisa com aquele idiota subindo em você?” “Provavelmente porque ele sabia que eu daria conta.” Ele inclinou a cabeça. “Você daria conta?” “Sim.” “Engraçado, docinho. Porque eu poderia jurar que eu entrei aqui e encontrei algum idiota bêbado tentando te agarrar.” O homem, fulminava, as bochechas estavam ficando vermelhas e seus olhos ardentes. Isso era meio que impressionante. “Eu penso que parecia ruim, mas eu tinha tudo sob controle.” “Você tinha, huh?” Sua risada, não soava muito divertida. “Cristo. Você acabou aqui.” “Ah, não. Na verdade não. Agora veja, é aqui que temos um problema.” Eu cruzei os meus braços. Depois descruzei porque eu não ia parecer estar na defensiva. Era ele que estava errado, não eu.


“Você não está preparado para levar a mim, ou os meus sentimentos, a sério. O que você quer está muito distante da terra do Sr. Legal Demais para Compromisso e apenas brinca com a minha afeição quando lhe convém. Okay, eu aceitei isso. Mas nada disso significa que está tudo bem para você vir aqui e agir como se fosse o meu dono. Nada disso.” “Isso é tudo?” ele perguntou, se abaixando para ficarmos quase nariz a nariz. “Isso é tudo, baby.” Eu brinquei de soca-lo no ombro, o que teria sido notado, eu mal comecei. Okay, talvez o álcool ou um estômago bem vazio me fez meio/muito corajosa/boba. “Então porque você não leva o seu mantra de homenzinho das cavernas ciumento para outro lugar. Veja, eu faço essa coisa engraçada que eu gosto de chamar de qualquer porra que eu queira. Entendeu?” Ele apenas encarou. “E tanto quanto você seja lindo com a sua barba e os seus músculos, você é difícil demais e... complicado e uma merda para mim.” “Eu sou?” “Sim, você é. Você finalmente está vendo o meu ponto aqui?” “Pode apostar.” “Excelente. Então leve a sua gostosura para outro lugar, bom senhor. Eu não quero nada disso!” Huh. Eu tinha dito a ele. Bravata bêbada era tudo de bom. Ele assentiu uma vez, não tanto para as minhas palavras mas como se ele tivesse decidido alguma coisa. Não me levou muito tempo para descobrir o que foi. O homem me agarrou pelos quadris com força e se curvou, colocando seu ombro na minha barriga.


“Não –” E eu fui para cima. Depois a minha metade de cima foi para baixo. Baixada em seus ombros em um abraço de bombeiro. “Ben, me coloque para baixo.” Seus braços envolveram os meus joelhos, uma mão segurando atrás das minhas coxas. Não em uma altura muito legal. Embora nenhuma coisinha sobre isso era legal. Então o chão começou a se mover abaixo de nós. “Ben!” Ele nem ao menos desacelerou. “Eu presumo que você esteja encerrando a noite, senhorita Rollins,” Sam perguntou. “Faça-o me colocar para baixo,” eu guinchei. “Temo que eu não possa interferir. Você sabe, o senhor Nicholson também contribui com o meu salário.” “Você tá brincando comigo.” “Me coloca em uma situação meio difícil. Você entende.” Eu não tinha nada. “Para ser justo, ele me enviou um sms me perguntando onde você estava, horas atrás,” Sam disse. “Eu não disse a ele.” “Oh sim, você é um delator.” Sam sorriu. Idiota. “Eu cuido disso,” o idiota pré-histórico me carregando resmungou. “Certo,” disso o segurança incrivelmente inútil. “Talvez eu vá perder algum dinheiro em um jogo de cartas, então. Boa noite.” Ben apenas grunhiu. Então eu o estapeei na bunda.


“Você está sendo completamente ridículo. Me coloca para baixo.” “Não.” “Você tem alguma ideia do quão insano isso deve parecer?” “Eu não me importo.” “Eu me importo. Deus, Ben. Você está me deixando louca.” Outro grunhido. Que original. Minha risada saiu um pouco alta demais, descontrolada demais. Que noite. Tão tentador perder a linha, mas não. Resolução de conflitos. Eu era uma profissional nisso ao menos. “Ben, porque você não me abaixa e nós podemos conversar o que quer que você queira com uma bebida. Você obviamente tem a minha atenção agora.” “Eu acho que não.” “Olha, eu sinto muito não ter levado o seu pedido de conversa a sério antes. Deixe-me corrigir isso com você.” Ele me ignorou. Pena que as pessoas a nossa volta não. Eles riam e apontavam e acompanhavam como se nós fossemos um maldito número de comédia. Mas alguém pensou em tentar me ajudar? Não. Pessoas. “Eu estou tentando ser razoável aqui!” “Eu sei.” “O que é muito maduro da minha parte, dado que eu estou de cabeça para baixo falando com a sua bunda, Ben!” eu grunhi em frustração, estapeando o seu traseiro mais uma vez só por diversão. Algum homem alguma vez tinha nascido com a cabeça tão dura e um traseiro tão firme? Eu acho que não. “Continue com isso, que eu vou começar a te devolver,” ele avisou. “E as minhas mãos são muito maiores que as suas, Liz.” “Você é um grande idiota.”


“Sabe, você age toda fofa, mas você tem uma boca suja quando fica irritada.” “Vá para o inferno.” “Está tarde, Lizzy. É hora das garotas más irem para a cama,” ele disse. “Ouhn, Ben. Se você estava tendo problemas para transar, era só você ter dito. Nós poderíamos ter feito alguma coisa.” Sua risada era baixa e suja. “Isso é muito amável da sua parte, docinho.” “Não se preocupe. Eu acho que é uma vergonha uma estrela do rock grande, forte e peluda como você tenha que sequestrar mulheres dos bares para conseguir transar.” Ar fresco bateu nas minhas coxas enquanto a saia do meu vestido era levantada. Dentes passavam pela minha pele macia como um aviso, sua respiração perigosamente perto de áreas pertinentes. Ou talvez isso fosse só a minha imaginação. De qualquer forma, hora de pirar agora mesmo. “Não se atreva, porra,” eu gritei, me contorcendo. Braços se estreitaram a minha volta e os dentes afiados foram substituídos pelos lábios. “Pare de gritar.” “Pare de ser um grande babaca e me coloque no chão.” “Você disse para eu te morder.” O idiota provocou. (NT. O vá para o inferno anterior no original é bite me, a tradução literal é me morda, mas como gíria é vá para o inferno... outro trocadilho.) Tanto faz. Pessoas simples frequentemente são fáceis de distrair. Inferno eu estava há muito tempo para baixo. Era um pouco assustador. Nós seguimos por um corredor chique, o som de máquinas


caça-níqueis e o fedor fraco de cigarro indicavam que a enorme sala de apostas estava perto. Em seguida, um elevador brilhante com o anúncio de algum show, começou a repetir. O homem idiota tinha deixado a carteira no bolso de trás. Ao menos, algum entretenimento. Por que não, já que eu tinha saído para um passeio?” “Quem é Meli? E...” eu segurei o próximo pedaço de papel amassado perto do meu rosto. “Merda. Eu acho que é Karen. Eu não acho que você deva ligar para a Karen por um bom tempo. A pobre garota mal pode soletrar o próprio nome. Hey, se importa se eu roubar o seu cartão de crédito?” O Neandertal se abaixou e meus pés se encontraram com o chão. Ele segurou o meu cotovelo com uma mão forte. Uma coisa boa, uau, minha cabeça girava e girava como se o mundo lentamente se ajeitasse. “Me dê isso,” ele grunhiu, tomando a carteira das minhas mãos e colocando-a de volta no bolso. “Pare de agir como uma pirralha.” “Eu estou agindo como uma pirralha? Você tá falando sério?” “Dizendo

que

você

falaria

comigo

mais

tarde,

depois

desaparecendo.” Eu bufei. “Porque ouvir mais das suas desculpas parecia muito divertido.” “Não é dessa forma.” “Besteira,” eu disse, com as mãos nos quadris. “Vá procurar alguém que queira jogar os seus joguinhos, Ben.” “Porra.” Ele se virou, a boca franzida. “Eu queria me desculpar, okay?” Eu olhei e esperei. “Eu sinto sua falta, Liz. Eu não quis te machucar.” Ele pareceu sincero, os olhos torturados. “Me desculpe.”


“Okay. Mas eu ainda não posso fazer isso.” Seu olhar percorreu o meu rosto. “Você não pode o que?” “Ser sua amiga.” Ele não disse nada. “Eu sinto muito. Eu sei que você está sozinho e sente falta de L.A, mas eu não posso. Eu tenho sentimentos por você e eu não posso deixa-los de lado porque você não está preparado para ir lá.” Ele pressionou os lábios, forte o bastante para deixa-los brancos. Então ele virou as costas para mim. “Ben?” Silêncio. “Pelo que isso vale, eu também senti a sua falta.” O elevador apitou e as portas deslocaram lentamente. “Obrigada pela carona.” Eu imaginei que se eu pescasse a chave do quarto no meu soutien seria muito sutil. Ele estava certo. Era provavelmente melhor encerrar a noite. Pelo menos eu dancei um pouco e bebi um ou dois drinques. Eu vi um pouco de Vegas por conta própria e Anne e Mal estavam casados e felizes. Apesar de tudo, foi uma viagem bem sucedida. Então porque parecia que eu estava sendo partida ao meio por causa dele mais uma vez? Ben se arrastou atrás de mim, sem dizer nada. Ele podia fazer o que quisesse. Obviamente. Era por volta de meia noite, pegar ou largar. O dia hoje foi longo, com toda a preparação do casamento, com a comemoração do meu aniversário. O fato era, que a cama soava como uma ideia muito boa na verdade. Eu abri a porta da minha suíte presidencial e entrei. Era tudo mármore, e espelhos, e pompa. As cortinas estavam abertas exibindo a Strip toda acesa. Uma coisa linda.


“Uau.” O homem da montanha mal humorado encostou o traseiro na mesa, as pernas abertas e os braços musculosos cruzados sobre o peito. O que ele fazia comigo. Eu nunca tive uma chance. Meu coração fez um boom e o meu corpo acordou no mesmo instante. A tentação de subir nele, tocar e provar, era forte demais. Ele tinha que ir embora. “Você não deveria estar abatendo a Karen ou Meli ou quem quer que seja que tenha te dado o número de telefone?” Eu perguntei. “Está com ciúmes?” Eu tentei sorrir. Mas tenho certeza que falhei. “Qual seria o ponto?” Ele apenas olhou para mim, seu rosto em branco era um mistério. Inferno, ele todo era um mistério. Um que eu nunca resolveria. “Você já pode ir,” eu disse. “Eu não vou sair novamente.” O homem se espalhou no sofá. “Me dê um tempo. Eu tenho seguido o seu rastro pela cidade inteira nas últimas horas.” De novo e de novo. Tanto faz. Além da sala de estar e da de jantar tinha um quarto. Com uma cama enorme. Você teria que levar comida para a viagem se você quisesse tentar atravessar a coisa. Mais arranjos de flores e mobília chique. O banheiro era igualmente enorme e majestoso. Duas banheiras, por alguma razão. Bárbaro. Eu fui em direção a uma das pias, olhando a garota no espelho. Nada mal. Bonita o bastante, se não linda. Esperamos que a maior parte do tempo ela tenha metade de um cérebro na cabeça e um futuro promissor pela frente.


Mas, entretanto, tinha um coque com o qual precisava lidar. Então eu poderia começar a tirar toda a maquiagem do meu rosto. Talvez eu até experimentasse uma das banheiras. Ben apareceu na porta com uma cerveja aberta na mão. Outro botão da sua camisa branca tinha sido desfeito. É um pescoço de touro. Não tinha uma maldita ideia porque isso me afetava tanto. “Eu acho que você decidiu ficar?” eu me afastei, procurando pela primeira coisa que poderia ser sem dúvidas um monte de grampos. “Você se importa?” “Não, eu desisti. Mas o que Mal diria?” “Eu fico no sofá,” ele disse, ignorando minha pergunta totalmente. Eu continuei prendendo o cabelo. “Me deixe ajudar.” Ele se aproximou, baixando a cerveja. As sobrancelhas escuras ficaram de um jeito como se estivem dando uma boa olhada no meu cabelo. Então, com dedos cuidadosos, ele gentilmente puxou o primeiro grampo e o jogou no balcão. “Obrigada.” Sem falar nada, ele continuou o trabalho enquanto eu observava. Estranho. Eu mal chegava ao ombro do cara, mesmo de salto alto. O tamanho dele me fazia ser uma anã. Eu não era particularmente pequena, eu estava na média. Mas com ele parado atrás de mim eu parecia uma coisinha minúscula. O cara poderia me partir só com uma mão. Inferno, ele já tinha feito de longe um bom trabalho com o meu coração. “Eu não sei por que você fez isso tudo,” ele disse. “Ele parece muito bom solto.”


Minhas sobrancelhas se levantaram. “Eu não sabia que você tinha notado.” Nada. Eu roubei um gole da sua cerveja. Uma alemã chique em uma grande garrafa verde brilhante. Hoppy. Bacana. “Não precisa de toda essa merda no rosto também.” Ele tomou a cerveja de mim e deu outro gole antes de voltar ao meu cabelo. Nossos olhares se encontraram brevemente no espelho, então ele afastou o olhar. Ele respirou fundo, se ocupando. “Obrigada. Eu acho.” Um dar de ombros. Meus dedos começaram a brincar com a beirada do balcão, as unhas indo para lá e para cá. Um hábito nervoso. Ele se mexeu levemente, se aproximando mais um pouco. Eu podia sentir o calor dele nas minhas costas, a sua solidez. “Talvez eu deva fazer isso sozinha,” eu disse. “Você vai ficar aqui a porra da noite toda se tentar fazer sozinha. Quantos grampos eles colocaram nessa coisa?” “Eu perdi a conta depois da primeira dúzia mais ou menos.” Ele trabalhou em silêncio por um tempo. Sim. Maravilhoso. Nem um pouco estranho. “Feliz aniversário atrasado,” ele murmurou com a voz baixa e rouca. Mais grampos foram jogados no balcão. “Obrigada.” Cuidadosamente, ele começou a libertar as mechas do meu cabelo, deixando-as cair nas minhas costas. O olhar atento, o foco absoluto que ele tinha, estava quase me matando. O que diabos estava acontecendo aqui?


Fale sobre sinais confusos. Talvez eu precise de um banho frio, gelo, a coisa toda. Porque estava faltando muito pouco para as minhas calças pegarem fogo. “Feliz aniversário de vinte e nove anos pouco antes do Natal,” eu disse, a voz falhando. “Eu, um... eu sei que eu estava lá no jantar, mas...” “Mas você estava me evitando.” Os cantos de sua boca levantaram em um sorriso. Pareceu auto depreciador de alguma forma. Definitivamente não era divertido. “É.” Ele olhou para mim pelo espelho. E então ele olhou mais um pouco. Deus, eu queria poder lê-lo. Ao menos por um instante. Eu queria poder toca-lo um pouco mais. “Engraçado,” ele disse. “Nós estávamos apenas trocando mensagens, mas eu me acostumei com isso.” “Eu também.” “O que você quer de aniversário?” ele perguntou, mudando de assunto abruptamente. “Ah, nada. Você não precisa me dar alguma coisa.” “Eu quero te dar alguma coisa. Então o que você quer? O que você precisa?” Ele e ele com o seu coração em uma bandeja. “A alça da minha mochila se partiu outro dia. Acho que eu gostaria de uma nova, se você quiser me dar alguma coisa. Mas Ben, não precisa, de verdade.” “Uma mochila. Okay. O que mais?” “Nada mais. Obrigada. Só uma mochila nova está ótimo.” Ele sacudiu a cabeça. “A maioria das mulheres estaria pedindo diamantes.”


“Ben, eu não gosto de você porque você tem dinheiro. Eu gosto de você porque você é você.” Seu polegar esfregou o meu pescoço, mas ele se afastou no mesmo instante. Talvez tenha sido um acidente. “Obrigado.” Eu puxei um grampo do meu cabelo, assumindo o trabalho. “Melhor acabar com isso. Está tarde.” “Eu faço isso,” ele disse, focando no meu cabelo mais uma vez. “Okay.” Deus ele era lindo. Por que eu tenho que pirar toda vez que ele se aproxima? Seria legal se apenas uma vez eu não fizesse papel de trouxa quando tinha a ver com esse homem. “Eu acho que você deveria ir. Eu acho eu preciso que você vá.” Dedos grossos removeram outro grampo, como se eu não tivesse dito uma palavra. “Por que você está aqui?” eu alcancei atrás da minha cabeça e agarrei os seus pulsos, o parando. “Ben?” “Porque aparentemente eu sou uma merda em ficar longe de você.” “Então eu acho que nós temos um problema.” Nossos dedos se envolveram, segurando firme. “Isso é para dizer a porra do mínimo.” Minhas pálpebras começaram a piscar com loucura por algum motivo. “Eu te avisei para não flertar comigo de novo a menos que você quisesse isso.” Ele não respondeu, apenas soltou os meus dedos e se afastou para brincar com os meus cabelos, passando-o pelas costas da mão, colocando-o sobre o meu ombro. Um olhar tão severo no rosto, a carranca engolia as suas feições. Minhas mãos caíram nas laterais do meu corpo.


E me chame de completa idiota, mas lá vou eu de novo. Aparentemente eu não aprendia nunca. Com metade do cabelo para cima, metade para baixo, e o zumbido das margaritas desaparecendo muito rápido para ajudar como combustível de coragem. Maldição. Eu parecia louca – e inferno, eu provavelmente era. Quem estávamos enganando? “Hey.” Eu me virei, colocando as mãos nas suas bochechas. A textura da sua barba era incrível, meio macia mas não muito. O que era mais incrível, ele não estava me parando ou se afastando. “Fale comigo,” eu repeti. “Eu odiei ver aquele cara em cima de você.” “O quê? No bar?” Uma projeção do queixo e ele voltou a examinar o meu cabelo, extraindo cuidadosamente outro grampo. Minhas mãos escorregaram, os dedos indo em direção às laterais do seu pescoço quente. A pele era tão macia e suave. “Se isso faz você se sentir melhor, eu quero muito arrancar os olhos de Karen e Meli com as minhas mãos. Mas isso não muda a nossa situação agora.” Os cantos da sua boca foram para baixo. Porra. Eu fui para frente, chegando perto, me apoiando no seu peito largo. Não. Não. Aparentemente o cara realmente gostava do meu cabelo. Porque alguma coisa nas suas calças estava definitivamente se mostrando contra o meu estômago. O fogo nas minhas calças se transformou em um inferno escaldante. Eu estou surpresa por nós não termos sido incinerados. Tudo abaixo de mim ficou tenso, minhas pernas ficaram fracas e tensas ao mesmo tempo. Então era assim que era ficar ligada


tipo me-fode-agora-ou-eu-vou-morrer. E ainda assim, apoiada em seu calor e força, eu também me sentia perfeitamente segura. Apenas não com a rejeição. “Ben?” “Hmm?” “O que é isso? Você sabe o que está fazendo?” “O que eu não deveria estar fazendo.” Ele deslizou as mãos pelas minhas costas, me segurando firme contra a sua ereção. Oh sim. Eu enterrei as minhas unhas em seu pescoço, segurando firme. Se ele tentasse me afastar agora, eu o mataria. Sério. Morte por grampos. Faria uma bagunça mas seria altamente necessário. Sorte dele, que não se afastou. “Eu quero isso,” ele disse, a voz devastadoramente baixa, porém certa. Tão linda e perfeitamente certa. “Okay.” Ele cobriu as minhas mãos com as dele, segurando-as na sua pele. A pequena aceitação dele em me deixar tocá-lo me acendeu de um jeito que era quase como o calor do seu corpo. Eu me joguei nele, me esfregando na sua ereção. O homem parecia uma tempestade. “Caralho, Lizzy.” “Que boa ideia.” Minha cabeça pesada pendeu para o lado e a sua boca quente estava lá, chupando, lambendo e mordendo. Meu sangue correu quente, passando por mim a velocidade da luz. Seus dentes arranharam um pouco a minha pele, me fazendo gemer. Então as suas mãos deslizaram, prendendo a minha bunda através do meu vestido de seda, cravando os dedos. E isso tudo era bom, muito bom. Mas eu queria muito beija-lo.


“Me deixa...” eu me estiquei, envolvendo meus braços em volta do seu pescoço, puxando a sua boca para a minha. Uma vez, duas vezes, ele tocou os meus lábios com os dele. Provocador do caralho. E eu não tinha nenhum controle sobre ele porque, “Você é alto demais!” Ele riu profundo e sujo, as mãos escorregando pela minha bunda para me levantar. Genial. O homem era um baixista lindo pra caralho, barbado e um gênio de grandes dimensões. Minhas pernas envolveram a sua cintura e o sorriso em seu rosto – merda. Era um sorriso total. Apenas dessa vez, ele poderia ter isso, e apenas para lembrar, ficava bem pra caralho. “Melhor?” ele perguntou. “Sim.” Eu colei os lábios com os dele e coloquei a minha língua na sua boca e beijei o homem idiota. Bem do jeito que eu estava morrendo para fazer por muito tempo. Ele gemeu, uma mão pegando a minha bunda, a outra acariciando o meu pescoço. Me encorajando ou me segurando, eu não sei. De qualquer forma, era sublime. O que estava acontecendo entre as minhas pernas, enquanto isso, o cumprimento duro do seu pau esfregando, estava quase me deixando louca. Quando o sexo ficou tão bom? Minha abstinência de seis anos ou mais tinha muito a responder por isso, e mesmo assim eu estou feliz por ter esperado. Eu o beijei profundamente, provando e explorando. A sensação da sua barba esfregando o meu rosto, o toque suave do seu cabelo nas minhas mãos. Em vez de transar de verdade, eu tinha passado muito tempo dando uns amassos ao longo dos anos. Mas ninguém beijava como Ben. Apesar de eu ter começado no comando do boca-a-boca, a batalha estava mais empatada agora. Sua língua deslizou dentro da minha boca, me provocando e tentando, me acendendo ainda mais.


Eu nem tinha percebido que estávamos nos movendo até que as minhas costas bateram na parede. A parede do banheiro. Nós não iriamos transar no quarto dessa vez, e estava tudo bem, muito justo. Sua mão saiu do meu pescoço para se atrapalhar com o zíper, as juntas esfregando a minha virilha molhada. Elevando o meu excitamento a um ponto que era quase demais. Então o seu dedo enganchou as laterais da minha calcinha de cetim e o seu pau estava me esfregando bem ali. Bem ali porra. Sim, sim, sim. “Ben.” “Lizzy. Porra. Fica parada.” “Eu estou tentando.” Ele se pressionou dentro de mim, os lábios da minha buceta abrindo para toma-lo. E tinha bastante dele. Seus quadris flexionaram e eu gritei de surpresa. Mas não demorou muito para nós começarmos a gemer, de um jeito bom e mau ao mesmo tempo. A cabeça grossa do seu pau estava dentro de mim, mas não foi muito longe. Não sem uma dor forte, ao menos da minha parte. O quão grosso era esse cara? Ben descansou a sua testa suada contra a minha, arquejando. “Isso não vai funcionar.” “Eu não sou virgem, só que já faz um tempo. Isso deveria caber!” Eu me agarrei a ele mais forte, escondendo o meu rosto no seu pescoço. Eu não iria chorar de jeito nenhum, apesar da incerteza da presente situação com os meus dutos lacrimais, preenchidos com dor e necessidade. Isso era ridículo. Uma mão esfregou as minhas costas em círculos grandes e suaves. “Não precisamos ter pressa,” ele disse. Eu funguei.


“Calma,” ele saiu de mim, e até isso não parecia bom. “Está tudo bem.” “Eu quero muito isso.” Eu confessei em seu pescoço. “Você.” “E você vai me ter. Shh.” Nos movemos novamente, dessa vez para dentro do quarto. “E de qualquer forma, eu não tenho a intenção de entrar em você sem proteção.” “Estava bom. Até ficar ruim.” “Eu sei.” Uma mão buscou o zíper na parte de trás do meu vestido, puxando-o. O ar condicionado bateu na minha pele, enviando um arrepio através da minha espinha. Ou talvez tenha sido apenas a forma que ele olhou para mim, agressivo e suave tudo de uma vez. Eu estava deitada no colchão, Ben muito ocupado me deixando nua. “Nós não vamos parar mesmo?” eu perguntei, a luxúria queimando mais uma vez. Não que ela alguma vez tivesse desaparecido. Como poderia, com ele por perto? Minhas partes de menina eram tristemente previsíveis a esse ponto. “De jeito nenhum, porra.” Eu sorri, me balançando e rolando para lá e pra cá, tentando ser o mais útil quanto fosse possível. Sem hesitação. Meu soutien caiu, os saltos de bico fino e as meias-calças, então ele pairou sobre a minha calcinha chique de seda. “O que?” eu perguntei, corando um pouco. Dedos esfregaram a curva dos meus quadris, minhas coxas. O homem estava acostumado com modelos e vedetes, mulheres que não eram normais. De todas as horas para ter um ataque de nervos. Eu


cruzei os meus braços recatadamente em cima dos meus seios nus, mordendo o lado de dentro da minha bochecha. “Ben, qual é o problema?” “Nenhum problema.” Seu olhar encontrou o meu. Então ele notou os braços cruzados cobrindo o meu peito. “Não.” Minhas mãos tremularam, incertas do que fazer. Ele segurou os meus pulsos, curvando sobre mim para pressiona-los na cama, acima da minha cabeça. “Mantenha-os aí,” ele disse, a voz rouca, entrecortada, e os olhos muito sérios. “Tá?” “Okay.” Suas mãos trilharam pelos meus braços, sobre as minhas axilas, depois se abaixaram para as laterais. A tensão dentro de mim parecia insuportável. Minha mente estava girando, confusa e excitada. O que ele vai fazer? Polegares engancharam nos lados da minha única peça de roupa e lentamente as puxaram pelas minhas pernas. Enquanto o seu queixo barbado trilhava para baixo sobre o meu esterno, entre os meus seios, e sobre a minha barriga. Suavemente, ele colocou um beijo sobre o meu umbigo, então jogou a minha calcinha no chão. “Tudo bem?” ele perguntou. “S-sim.” O homem ficou de joelhos na lateral da cama, as palmas das mãos acariciando as minhas coxas. “Deus.” Sem mais preâmbulos, ele segurou os meus quadris, me puxando para a borda do colchão para encontrar a sua boca. E sim, minhas pernas estavam espalhadas, completamente abertas. Com a sua cabeça no caminho, ele tinha muitas poucas opções. A sensação da sua boca


quente e ansiosa na minha buceta... não tinham palavras. Ou ao menos, nenhuma o suficiente para expressar isso. “Porra. Ben.” Minhas costas arquearam, a cabeça empurrando contra o colchão. O prazer era mais do que o meu corpo podia suportar. Toda grama da minha consciência estava focada no zumbido crescente entre as minhas pernas. Meus calcanhares pressionaram as suas costas através do fino tecido da sua camisa chique. Ele envolveu os braços nas minhas coxas, me segurando. Como se eu quisesse me afastar. Sua língua arrastava pelo meu sexo, os lábios chupando e os dentes quase mordendo. Todo o lugar que ele ia seus pelos faciais seguiam, fazendo as minhas terminações nervosas formigarem e a minha barriga se apertar. Era demais e ainda não era o bastante e eu queria mais. Toda hora ele me dava um beliscão de aviso em algum lugar, como na sensível junção das coxas com o tronco, como se eu precisasse de um lembrete sobre quem estava no poder. Quem estava fazendo o que com quem. Ele apertou o rosto em mim, me comendo, perdendo o controle, e isso era maravilhoso pra caralho. De virar a cabeça, de tirar o ar. Tudo. Eu entendi agora. As barbas eram a melhor coisa. Sua língua era como uma trilha de calor, seus lábios suaves e tão fortes. Aquela barba, entretanto. Puta merda. Sensações demais, era muito, e tudo o que eu podia fazer era aceitar. O homem era habilidoso pra caralho, mas eu não queria pensar sobre com quantas mulheres ele tinha praticado. Esquece isso. Só importa o agora. Eu estava molhada pra caralho. Ele deslizou dois dedos grossos em mim, dentro e fora. Todo o meu corpo se tencionou inacreditavelmente mais, até parecer que talvez eu fosse quase


quebrar. Apenas explodindo em uma confusão de amor e caos. Depois ele agitou a língua para baixo e para cima no meu clitóris, parando para chupa-lo toda hora, lábios encarcerando o meu sexo completamente inchado e super excitado. Eu não poderia aguentar mais tempo. Meu corpo todo iria explodir. Eu gozei com um grito, os olhos abertos mas sem ver. Ele coloriu o meu mundo com luzes brilhantes. Pequenos raios múltiplos preenchiam a minha mente e me acendiam. Eu apenas flutuava, perdida na sensação química gostosa que ele causou. O sexo medíocre para ruim que eu tive na minha fase selvagem e idiota quando eu era mais nova nem começava a se comparar. Nada em comum com o jeito que Ben trabalhou no meu corpo. O prazer que ele me deu. Maldição, ele era bom no oral. Assustadoramente bom. Quando a neblima de luzes começou a ceder, ele estava ocupado puxando a camisa pela cabeça. Aparentemente desfazer os botões levaria muito tempo. Ele enxugou a boca, o olhar escuro colado em mim o tempo todo. Em seguida ele tirou as botas e arrancou as calças – cinto, botão e zíper. Cueca boxer preta delineava uma monstruosa ereção. Não me surpreende não ter cabido. E pelo jeito que ele me olhava, como se ele não estivesse certo se queria arrancar um pedaço meu ou algo do tipo. Eu não sei. Mas o seu olhar deslizou por mim tão aquecido, desmentindo a fome nos seus olhos. Então as boxers saíram e ele estava subindo em mim, enganchando um braço na minha cintura para me puxar para o meio da cama. “Nós vamos –”


“Sim,” ele disse, então abriu uma camisinha com os dentes. Com uma mão ele a desenrolou, e o látex escorregadio e macio esfregou entre as minhas coxas. “Bom... Isso é... Isso é bom.” Seus lábios úmidos cobriram os meus, me beijando com força. “Confie em mim,” ele disse, posicionando a larga cabeça do seu pau contra a minha abertura. Eu assenti. “Pernas e braços em volta de mim.” “Sim,” eu fiz como mandado, o envolvendo com força. “É isso mesmo, docinho,” ele murmurou, flexionando os quadris. Seus lábios brincavam com os meus, a língua lambia a minha mandíbula, o meu pescoço, enquanto ele enfiava o pau dentro de mim. Os braços rodeavam a minha cabeça e o seu rosto bonito estava muito perto, a bochecha áspera descansando contra a minha, os dentes mordiscando a minha orelha. Agora que eu estava completamente molhada, as coisas foram mais fáceis. Mas ainda assim, ele não era um homem pequeno. A sensação dele era boa, mas... considerável. Espessa. Talvez fosse levar um tempo para eu me acostumar com ele. E não há palavras suficientes para explicar o quanto eu queria me acostumar com ele, de todos os jeitos. “Espera.” Eu me contorci debaixo dele, levantando os meus quadris para leva-lo mais fundo. “Oh Deus, sim. Desse jeito.” “Aqui?” ele avançou, me preenchendo, seus quadris me pressionando profundamente no colchão. Eu suspirei e ele gemeu, a sua pélvis se movendo sem descanso contra mim. “É.”


“Porra você é gostosa,” ele disse, o rosto afundando no meu cabelo. “Gostosa pra caralho.” Eu flexionei os músculos das minhas coxas, estreitando ainda mais meu aperto nele. Se me desse a metade de uma chance, eu nunca o deixaria se afastar. Em resposta, ele gemeu, se afastando para investir novamente, lento e suave. O movimento calmo e preciso. Ben me fodia com tanta doçura, entrando dentro de mim com estocadas firmes e profundas. Me acostumando com a sua presença. Seu corpo tremia com o esforço, o suor escorria pelas suas sobrancelhas. Eu nunca experimentei nada mais perfeito do que estar na cama com ele. Sendo o foco da sua atenção. Era como se nós fossemos o mundo do outro. Nada mais existia além da cama. Sua boca se prendeu a minha, sua mão escorregando entre nós para explorar o lugar onde nos juntávamos. Dedos acariciavam os lábios esticados do meu sexo, bem acima do meu clitóris sensível. Eu engasguei e ele sorriu, ajustando-se levemente para que ele pudesse esfrega-lo. Então ele me fodeu com mais força, me empurrando para cima e para cima em direção ao clímax mais uma vez. “Ben,” eu ofegava. Seus braços se estreitaram, me enjaulando, me mantendo segura. Uma mão deslizou para a minha bunda e depois viajou pela minha perna, deslizando sobre a minha pele suada. Ele agarrou a minha coxa, forte, os dedos cravando-a. A maravilhosa tensão familiar se espalhou através de mim, me completando. Isso estava saindo do controle. Tudo sobre o sexo com Ben estava saindo do controle. O jeito que o seu peito duro esfregava contra os meus seios e a obstinação no jeito que ele me observava, avaliando cada resposta. Seu corpo enorme me cobria, seu pau me preenchia. Prazer era a única resposta possível.


Eu gozei, tremendo, mordendo o seu ombro. Eu sacudi e sacudi, e ele me segurou ainda mais firme. Ele investiu ainda mais profundo e gozou, uma mão no meu cabelo e a outra ainda atada ao redor da minha coxa. Nada poderia se comparar a isso. Ben desabou ao meu lado. Ele bateu com tanta força no colchão que eu saltei para o seu lado e fiquei ali, enrolada nele. Levou um tempo para o mundo parar de girar, para recuperarmos o fôlego. Minhas entranhas zuniam. Inferno, todo o meu corpo zunia. Eu escondi o meu rosto na sua pele, rindo feito uma boba. Que incrível para mim e para ele estar na mesma cama fazendo a coisa da alegria pós-coito. Eu estava muito feliz, se eu tenho certeza de alguma coisa, como nunca antes na minha vida. Isso não seria fácil, mas iria valer a pena. Mal e Anne iriam se acostumar, porque oito anos eram nada, na verdade. Eu virei de lado e me aconcheguei nele. O cara tinha calor o suficiente no corpo para aquecer nós dois no frio do ar condicionado. Então, de algum lugar próximo, veio um zumbido. Ben se esticou, abaixando para pegar o celular no bolso do seu jeans antes de joga-lo para o lado. Quando ele viu o nome na tela todo o seu corpo ficou tenso. O zumbido continuou. Seu polegar deslizou pela tela e ele levou o telefone para a orelha. “Hey.” Uma voz fraca vinha do telefone. “Não, não. Eu a deixei no quarto.” A pessoa falou mais alguma coisa. “Mas que caralho, cara. Quando você vai enfiar na sua cabeça que nada está acontecendo? A garota não é o meu tipo.”


Meu coração pulou uma batida. Isso dói. “Ha-ha. Sim, cai fora. Volte para a sua esposa. Eu estou indo para um bar na cidade. Shilly está tocando. Eu disse que eu iria passar por lá.” Mais conversa. “Sim, eu vou dizer que você mandou um oi. Até mais tarde.” Acima de mim, o teto começou a ficar embaçado, minha visão vacilou. Como eu sou boba, sempre tão surpreendida. Quando eu vou aprender? “Você vai ao menos dizer a ele?” eu perguntei baixinho. “O quê?” Ben sentou do lado da cama, a cabeça nas mãos. Ele estava dando um tempo, o sexo tinha sido intenso e essas coisas. Todos nós processamos momentos emocionais do nosso próprio jeito. “Você quer uma bebida ou alguma coisa?” “Não. Eu quero a verdade.” Estranhamente calma, eu me sentei, levando o lençol comigo. De repente ficar nua não me pareceu uma boa ideia. “Você ao menos planejou contar a Mal sobre nós?” “Nós só acabamos de transar. O cara está em lua-de-mel. É a sua noite de núpcias. Você realmente quer que eu o envolva nisso bem agora?” “Não. O que eu perguntei foi se você está pensando em envolvêlo nisso algum dia.” Ben olhou para longe, secando o rosto com uma mão. “É complicado.” “Sim. Mas eu não tenho certeza que você mentir para ele ajuda.” “E eu não tenho certeza que dizer a ele que eu acabei de trepar com a sua cunhadinha ajudaria também,” ele retrucou. “Merda. Liz, eu não quis que fosse assim.”


“Eu sei. É complicado.” Minha voz parecia tão baixa. Ele olhou para mim por sobre o ombro, o rosto em guarda. “Espera...” “Foi um acidente. Você ficou com ciúmes quando viu um cara comigo no bar, e explodiu. Eu entendo.” “Eu não quis dizer –” “Você nunca quis dizer.” Sem mais delongas eu rolei da cama, levando o lençol comigo. “Eu gostaria que você fosse embora.” “Lizzy.” Estava bem lá no seu rosto e em seus olhos. O jeito que os seus ombros estavam, e os dedos curvados apenas reforçaram tudo. Remorso. “Vá embora, por favor. Você sabe que você quer ir.” O jeans estava abandonado dentro do banheiro. Eu meio que o chutei para o lado, e me tranquei lá dentro. “Docinho.” Uma ou duas batidas tímidas. “Vamos lá, abra a porta.” Com as costas para a porta, eu deslizei, não parando até o mármore duro gelar o meu traseiro. Algodão egípcio não tinha propriedades termais tão boas, aparentemente. As lágrimas caíram, mas eu as ignorei. Que assim seja. “Me deixe explicar.” Eu acho que não. “Eu só... eu fiquei em pânico quando vi que era ele. Porra, Lizzy.” Uma batida nervosa na porta. “Você não sabe o quanto isso é duro. Eu gosto de você, mas...” Mas. Sem mas. Caralho. “Eu não estou dizendo que eu não teria contado a ele na hora.” Huh. Nem estava dizendo que teria.


“Cristo, posso ao menos pegar as minhas calças?” ele murmurou. Na verdade, não. Ele não poderia. De mim, ele não teria mais nenhuma coisa. Eu já tinha dado tudo o que eu poderia. Mais lágrimas caíram. Meu corpo ainda zunia mas o meu coração estava estilhaçado. Que confuso. Tanta coisa boa e tanta coisa ruim. Isso era complicado demais. Tudo ficou quieto lá fora; ele não disse mais nada. Eu acho, que no final do dia, eu não era o tipo de garota que “complicado” funcionava. Eu não estava procurando drama. Eu não ficava feliz quando chovia. Então em vez disso eu sentei no chão gelado do banheiro e chorei e chorei. Eventualmente, vagamente, eu ouvi a porta da frente bater. Pronto, acabou.


CAPÍTULO CINCO AGORA “Não.” “O que você quer dizer com não?” Anne perguntou, o rosto incrédulo. “Não. Eu não vou explicar o que aconteceu entre eu e Ben para você.” Ela apenas piscou. “É pessoal.” Eu fiquei erguida, apesar de me sentir a cinco centímetros do chão. “Eu só quero que você saiba que eu o persegui, não o contrário. Eu tinha sentimentos por ele e eu agi com base neles. Fim da história.” Então eu acho que eu explicaria o que aconteceu entre nós. Ao menos um lado da triste história. Esperemos que o suficiente para salvar a banda. Bom Deus, o meu orgulho estava em frangalhos, lá no chão. Mal não me olhava nos olhos, e o nariz de Ben ainda estava sangrando. Incrível. Que bagunça. Todo o jantar tinha degenerado para uma bagunça de sangue espalhado, briga do rock’n’roll, múltiploanúncio-de-bebês. Minha culpa. Eu deveria ter lidado com isso de outra forma. Não que eu tivesse alguma ideia de como eu faria isso, mas mesmo assim. Sem dúvida alguma ideia genial iria bater às duas da manhã. Todos os meus novos amigos e família se reuniram para assistir a explosão. Merda.


“Eu sinto muito,” eu disse e segui para a porta. Eu peguei o meu casaco e saí. *** Um barulho de batida. Eu abri uma pálpebra. Na escuridão o alarme marcava 3:18 da manhã em um verde brilhante. O que diabos? A batida continuou, seguido pelo som de vozes abafadas. Uma era alta e agressiva, a outra muito mais calma. Eu me levantei e acendi a luz da sala, tropeçando para a porta da sala. Quem quer que fosse apenas teria que me ver de meias, moletom velho e uma camiseta muito grande. Longe do calor da cama, arrepios cobriam os meus braços. “Liz?” uma voz familiarmente áspera ordenou. “Abra a porta.” Eu fiz como o ordenado, bocejando e esfregando os meus olhos ao mesmo tempo. “Uau. Você está uma bagunça.” “É,” Ben disse, oscilando ligeiramente. Ele ficou de pé na maior parte por causa da ajuda de David, um braço grande jogado sobre os ombros do outro homem. O cabelo caía pelo seu rosto, combinado com a barba meio que parecia uma cruza do pé grande com o Primo It. Através das mechas escuras, olhos vermelhos olhavam para mim. Oh, e antes que eu esqueça, ele também fedia como se ele tivesse tomado banho em um barril de cerveja, usando um sabonete com essência de Whisky. Adorável. “Desculpe por isso,” o guitarrista disse, meio que arrastando Ben pelo apartamento. “Ele insistiu em vir aqui.”


“Tudo bem.” “No sofá?” David Perguntou, o rosto enrugado pelo esforço. “Ah, tem que ser na cama, por favor. Ele é grande demais para o sofá.” “Seria bom se o seu estúpido rabo acordasse no chão.” David suspirou. “Deixa eu ajudar.” Eu escorreguei sob o outro braço de Ben, tentando levar um pouco do seu peso. Cristo, o homem poderia envergonhar um urso no departamento de massa muscular. “Hey, docinho,” o gigante bêbado disso. “Oi, Ben.” Eu agarrei a sua mão, segurando firme. “Como está se sentindo?” “Ótimo.” Ele riu. “Eu vou primeiro,” David disse, guiando nós três de lado para que pudéssemos passar pela porta do meu quarto. “Okay. Vá devagar.” “Tá.” Operação Arrastar o Filhinho de Papai Bêbado para a Cama foi um sucesso. Exceto quando Ben meio que tropeçou na metade do caminho. Ele foi para frente, sua testa batendo no umbral. Eu juro que eu senti a estrutura sacudir. Definitivamente tinha um amassado na moldura de madeira. “Ai,” ele disse, meio que contemplativamente. David só riu. “Merda. Você está bem?” eu perguntei, tentando puxar o cabelo de sobre o seu rosto para ver, enquanto tentava mantê-lo para cima e esperançosamente a salvo de qualquer dano. “Ben?”


“Ele está bem. O cara tem a cabeça mais dura que eu já vi. Uma vez quando éramos crianças nós fomos apedrejados em cima do telhado da minha casa. Ben caminhou direto pela borda. Nós estávamos todos pirando, mas na hora que chegamos lá embaixo ele já tinha subido na bicicleta e ido para casa. O grande idiota é basicamente indestrutível.” David nos direcionou para a lateral da cama. “Okay, pode soltalo.” Eu soltei, e o pai do meu filho ainda não nascido foi de cara no colchão. Ao menos foi um pouso macio. Ainda assim, ele ficou deitado completamente imóvel, sem contar o movimento das molas. Deus, eu espero que não o tenhamos matado acidentalmente. Se nós tivéssemos, ao menos a negligência não tinha sido intencional. Eu agarrei um dos seus tênis e o sacudi. “Ben, você ainda está respirando?” Um resmungo do homem na cama. Nada mal, valia como sinal de vida. “Não se preocupe,” David disse. “Ele está bem. Apenas o deixe dormir.” Eu assenti, e ao mesmo tempo franzindo o cenho. “Você está bem com isso?” David perguntou, as mãos nos quadris. “Eu posso enviar Sam aqui se você quiser. Ele está acabando de cuidar de Mal pelo que eu ouvi.” “Não precisa, obrigada. Ele está bem? Mal?” Seu olhar amaciou. “Desmaiou como esse aqui, aparentemente.” Sério, que bagunça. Anne e Mal provavelmente nunca mais falarão comigo novamente. Bem, Anne iria, mas ela era minha irmã, então ela teria que me perdoar, eventualmente. Mal era uma situação


completamente diferente. O pensamento de perder sua boa opinião e a sua afeição fácil doeu profundamente. Consequências eram uma vaca. Realisticamente, entretanto, eu não poderia me imaginar fazendo qualquer coisa diferente mesmo sabendo que Mal e Anne ficariam putos. Quer dizer, eu já sabia disso e nem por isso eu parei. Poucos amantes azarados e mais adultos deveriam ser permitidos a sair com quem eles quisessem. Talvez se eu soubesse que a noite iria resultar no grão de feijão... eu não sei. Só tinha uma coisa que eu tinha certeza: sexo nada mais era que caos e confusão. Era oficial. Eu esfreguei os meus olhos. “Você deve me odiar.” Dave franziu o cenho. “O quê? Por quê?” “Por causar de todo esse problema.” A vontade de mexer os braços em derrota foi enorme, mas eu resisti. Por agora. Em vez disso, eu me ocupei tirando os sapatos de Ben dos seus pés. De jeito nenhum eles entrariam em contato com os meus lençóis. “Eu presumo que você não precisou apontar uma arma para a cabeça de Ben para que ele transasse com você?” O cara me observou sem piscar, o rosto incrivelmente sério. “Um, não.” David deu de ombros. “Aí está.” “Isso não é ter uma visão um pouco simples demais da situação?” Ele sorriu. “Na minha experiência, essas merdas são muito mais simples quando você aceita. E quando isso tem a ver com o coração, você decide o que é importante e você fica bem. Simples. Ben quis estar aqui. Não pense que eu não tentei faze-lo mudar de ideia. O filho da mãe insistiu.” Talvez. “Imagino o que a nova namorada dele iria achar da sua teoria.”


“É.” Ele estremeceu, sua boca aberta em uma dor imaginária. “Eu vou deixar isso para vocês dois resolverem. Mas tente não se estressar. Pode não ser bom para o Ben Junior.” “Certo.” Eu revirei os olhos e joguei o tênis de Ben no chão. “Mas como isso vai afetar a banda, com os dois brigando?” Levou um tempão para ele responder. “Eu sinceramente não sei.” Porra. “Boa noite. Eu vou trancar a porta quando sair.” Ele levantou uma mão em saudação. “Ligue para Ev se você precisar de alguma coisa.” “Obrigada, David.” A porta da frente se fechou atrás dele, me deixando sozinha com Ben. Ele estava desmaiado ao longo da minha cama queen size. Ben estava na minha cama de verdade. Puta merda. Eu ainda não sabia o que fazer com essa informação. Uma pena que não tinha nada além de caixas e bagunça no quarto extra. Não que eu não o quisesse perto. Meu coração não era tão sensível. Já era tempo de eu começar a tomar decisões seguras quando tinha a ver com ele. Mesmo no passado. “Hey,” eu me deitei no colchão sacudindo a perna dele. “Role para lá.” Um grunhido. “Vamos lá, garotão. Se mova. Você está ocupando a cama toda.” Murmuro incoerente. Isso não estava funcionando, e de jeito nenhum eu iria dormir no sofá. Eu tirei uma meia e dei um puxão no seu dedão. “Ben. Acorda.”


Em câmera lenta, ele se agitou, levantando a cabeça desgrenhada e olhando em volta. “Role para lá.” “O qu –” ele se virou, se mexendo como foi solicitado. Ele piscou e sorriu e pareceu descontente com o mundo. Uma linha vermelha irregular dividia a sua testa. Tanto faz o que David tenha dito, aquilo tinha que estar doendo. “Lizzy?” “Acertou de primeira.” “Como eu cheguei aqui?” “David acabou de te trazer, lembra?” Ele coçou a barba. “Uh. Okay.” “Você precisa se mover, você está ocupando todo o quarto.” Confuso, ele se apoiou nos cotovelos e olhou em volta. “Essa é a sua cama?” “Sim.” “Nós fizemos…” ele levantou uma sobrancelha sugestivamente. “Não, eu já aprendi a minha lição, muito obrigada.” “Tem certeza?” ele me deu um sorriso vacilante. “Poderia ser divertido.” “É, parece que você teve diversão o suficiente para nós dois essa noite, parceiro.” “Talvez.” Ele contemplou o algodão fino da minha camisa por um bom tempo, um canto da sua boca se movendo para cima. “Hey, você não está usando soutien.” “Cala a boca e se mova, Ben.” Um grunhido. “Tudo bem.” Levou o que pareceu uma eternidade para ele torcer o corpo e rolar e finalmente colocar a sua cabeça enorme no travesseiro. No meu


lado favorito, maldição. Tanto faz. Eu deitei de costas ao lado dele, mantendo uma distância legal, divertida e celibatária entre nossos corpos só no caso de ele decidir tentar e conseguir. Dormir mais seria muito bom. Para cultivar o grão de feijão, eu precisava descansar de verdade. Minhas pernas estavam pesadas, letárgicas, minha cabeça cheia de merda. “Nós poderíamos nos abraçar,” ele sugeriu, as palavras se arrastando e borrando na ideia bêbada idiota. Cara, se ele estivesse mais um pouquinho sóbrio eu estaria em cima dele. Um abraço agora, me deixando saber que tudo ficaria bem, parecia sublime. Um desejo bobo e infantil, eu sei. As coisas já eram complicadas o bastante. “Eu não tentaria nada, juro.” “Boa dupla negativa. Não, Ben.” Um gemido de frustração. “Vai dormir.” O mundo parecia parado, quase perfeitamente quente. Um carro passou do lado de fora e o vento soprava pelo prédio. Todo mundo deveria estar adormecido a essa hora. Eu estudei a marca de água no teto, as sombras lançadas pelo velho abajur no meu criado mudo. Por alguma razão, estar sozinha com ele na escuridão parecia perigoso demais. A luz poderia ficar acesa. “Eu vou ser pai,” ele disse, os olhos fechados. Todo o meu corpo ficou tenso instantaneamente. “Foi o que eu ouvi.” “Não tinha planejado ter filhos.” “Você não tinha?” “Não.”


Bêbado ou não, ele soava tão preciso, tão certo. Foi como uma adaga no meu coração, a dor era esmagadora. Doía respirar. “Nem mesmo quando você fosse um pouco mais velho?” Um balançar forte da cabeça em negativa. Bem. Eu não sabia o que dizer. Minha garganta se fechou e os meus olhos arderam. Ele tinha menos escolha em se tornar um pai do que eu. Nós dois fomos jogados nisso, e tinham outros planos além dois meus sendo interrompidos. Ainda assim, não era o corpo dele que estava sendo implodido, para todos os efeitos. Não que eu não tivesse a opção de acabar com a gravidez. Eu podia fazer isso, mas eu não queria. Meu coração tinha decidido e não tinha volta. Ainda assim, era difícil não ficar amargurada e se sentir traída com o anúncio dele. Eu nem ao menos tinha o luxo de estar apta a ficar cega pela bebida. E acredite em mim, lidar com tudo isso sóbria era um saco. Minha parte racional cuspiu tantas desculpas plausíveis e razoáveis para ele – ele estava surpreso, ele estava bêbado, dê uma chance a ele de pensar nas coisas, bla bla bla. Mas que tudo isso se foda. Que ele se foda. Eu meio que já esperava o pior, estar nessa sozinha. Agora eu sabia. Ele já tinha me desapontado duas vezes, isso não era uma surpresa. Nada tinha mudado, nada mesmo. Eu deslizei a mão na minha barriga, espalhando os meus dedos sobre o monte suave que estava ali. Deve ter sido só a minha imaginação, mas eu podia senti-la se formando lá, crescendo. Nós ficaríamos bem. Nós iríamos lidar com isso. “Eu não queria casar,” ele continuou. “E crianças, elas precisam de estabilidade e essas merdas. Tempo, energia, todas essas coisas.”


“Verdade.” Minha voz soou vazia, um eco sem emoção. Ao menos eu tinha o apartamento pago por um futuro próximo. Reece poderia sem dúvida me usar mais na loja. Eu tinha sorte. Provavelmente seria melhor se eu saísse da faculdade e começasse a economizar. Dado o número de dias que eu tinha perdido aula por causa do enjoo matinal, minhas notas não iriam subir de qualquer forma. Eu engoli em seco. “Eu gosto da minha vida do jeito que ela é,” ele disse, a voz se enrolava. “É, eu também.” Eu dei um tapinha na minha barriga. “Me desculpe, Bean.” (NT. Na verdade, a Lizzy chama o feto de Bean, traduzi como grão de feijão anteriormente, mas já que virou um apelido, manterei Bean (Feijão) “Gosto da minha liberdade. Poder pular em um avião e ir fazer música com um amigo ou tocar no seu novo álbum. As coisas eram perfeitas do jeito que estavam.” “Hmm.” “Eu não poderia ficar longe de você.” “Por que não?” eu perguntei, honestamente curiosa. “Eu não sei. Você só... você ficava na minha cabeça.” “E outras mulher não ficavam?” “Não como você.” “Não?” Possivelmente o menino bêbado estava de volta querendo sexo. Já que o meu coração ficava estúpido no minuto que ele aparecia, era difícil de dizer. Ele expirou forte. “Eu queria você, mas... você era minha amiga também. Quer dizer, minha amiga de verdade. Você não queria nada além de mim. Falar comigo, passar tempo...”


Silêncio. “Eu sabia que você queria mais, mas você não insistia. Eu senti sua falta quando você se foi e eu não podia falar merda com você, falar com você sobre as coisas.” Minha vez de suspirar. “Liz?” “Sim?” “O que nós vamos fazer?” ele pareceu quase com medo. Eu desisti e rolei para o lado, tudo para vê-lo melhor. Se ao menos o perfil dele fosse mais feio. Em vez disso, o nariz dominante e os lábios macios pareciam quase majestosos de alguma forma. Filho da mãe. Eu me aproximei, o estudando. Pálpebras fechadas, os lábios selados. A sua testa tinha suavizado com o repouso, a curva pronunciada das suas maçãs do rosto. Eu nunca tinha realmente me cansado de olhar para ele. Todos os velhos sentimentos passaram por mim, só que agora tinha mais. Muito mais. Um pedacinho dele e meu estava crescendo dentro do meu corpo, criando uma conexão permanente entre nós. Isso era meio que aterrorizante. Eu imaginava se teria seus olhos ou a sua boca. O quarto permaneceu em silêncio. “Ben?” Eu esperei, mas ele não disse mais nada, sua respiração caiu num ritmo padrão e profundo. Então o ronco começou. Eu recuei de surpresa. Puta que pariu. Ele tem que estar de sacanagem. Eu cobri a minha cabeça com o travesseiro, resistindo a tentação de sufoca-lo com ele. Uma motosserra duelando até a morte seria mais silencioso que a comoção que estava saindo pela sua região nasal.


“Ben,” eu gritei no travesseiro, dando um grito ou dois de frustração, e mais algumas lágrimas. Esse cara e eu, nós estávamos condenados desde o início. *** “Hora de acordar.” Eu sempre tão gentil chutei a cama. O homem espalhado nela nem se moveu. Que triste pra ele, o tempo do Belo Adormecido tinha acabado. “Ben!” Sua cabeça levantou, os olhos atordoados e confusos. “Huh?” “Acorda. São quase onze horas.” Eu coloquei o seu café na mesa de cabeceira, depois fui para o outro lado do quarto para beber o meu. Também para abrir as cortinas, porque eu sou má quando tenho os sonhos desfeitos e sono limitado. Ele piscou, bocejou, e se protegeu da luz do dia como um vampiro. O cara definitivamente não brilhava. Nem cheirava particularmente bem. Apesar de todas as fantasias que eu tive com ele, ele acordando no meu quarto parecendo ter sido atropelado não fazia parte delas. Ainda assim, mesmo com as suas roupas e cabelo tortos, e o fedor de suor e cerveja, tinha alguma coisa nele. Alguma coisa magnética, me fazendo querer chegar mais perto, e ficar mais perto. Estúpida. Provavelmente sejam os hormônios ou algo do tipo. “Lizzy?” “Sim?” “Ah, merda,” ele resmungou. “Davie me deu ouvidos. Ele deveria ter apenas me despejado no hotel.”


Sem comentários. “O café está aí do seu lado.” “Obrigado.” Lentamente, ele se sentou, esfregando a cabeça. Então ele olhou em volta do quarto, absorvendo tudo como se fosse a primeira vez. O que provavelmente era. Seus olhos percorreram as xilogravuras japonesas baratas que eu tinha escolhido nas feiras, e minha estante cheia de livros. A pilha de roupas sujas esperando por um dia que eu não estivesse ocupada faziam eu me sentir prestes a começar a vomitar as minhas entranhas de novo. Sem dúvida a cena era uma dramédia comparado com o que ele estava acostumado. Eu tinha imaginado lustres, mármore, muito esplendor. Modelos glamorosas no lugar de uma garota com o rosto pálido de cabelo molhado e jeans velho e um suéter igualmente gasto que tinha encolhido na lavagem. Tanto faz. “Nós precisamos conversar,” eu disse. Ele congelou, e era justo. Honestamente, aquelas três palavras eram as mais detestadas entre as pessoas em todos os tempos. Elas eram basicamente uma sentença de morte, seguidas de perto pelo nós ainda podemos ser amigos. Exceto que eu e ele nunca tínhamos chegado tão longe. “Sim, nós precisamos.” Ele tomou um pouco do café, me observando por sobre a borda da sua caneca o tempo todo. “Por que você se escondeu lá? Ficou assustada que eu ficasse agressivo ou algo do tipo?” “Não.” eu sentei na beirada da cama. “Só quis me manter fora do seu caminho no caso de você sentir a necessidade de fugir novamente.” Ele tossiu com uma gargalhada. “Ai.”


Eu dei de ombros. Depois me senti culpada. Depois me lembrei do ronco e me mantive erguida mais uma vez. “Olha,” ele disse, virando a cabeça na minha direção. “O que quer que você precise de mim, okay?” Minha boca aberta se fechou. “Obrigada.” Seus dedos flexionaram em volta da caneca de café. “Você quer mantê-lo, certo?” “Sim.” Um aceno de cabeça. Eu respirei fundo, procurando dentro de mim por alguma força. Hora de seguir com o assunto de deixa-lo fora da minha vida. Sem lágrimas ou mágoas. Nós estávamos além disso agora. “Eu sei que você não queria ter filhos, Ben. Que você gosta da sua vida do jeito que ela é. Então se você –” “Eu nunca disse isso,” ele atirou. “Sim, você disse. Na noite passada.” “Lizzy.” Os olhos escuros me prenderam no lugar. “Alto lá. O que eu disse quando estava bêbado não conta, certo?” Dado o número de coisas interessantes que ele disse, eu não estava muito certa sobre isso. “Certo.” “Não use isso contra mim.” Suas narinas inflamaram quando ele respirou fundo. “Na noite passada... você meio que me pegou desprevenido.” “Isso me pegou meio desprevenida também,” eu disse, lutando para deixar a minha voz menos aguda. “Eu não queria te contar sob aquelas circunstâncias, Ben. Apenas aconteceu. Você pode agradecer a sua nova namorado por ser tão discreta.”


Ele estremeceu. Golpe direto, dez pontos. “Olha, o que eu estou tentando dizer é que ter esse bebê é uma decisão minha. E se você decidir que não nos quer impactando a sua vida, então eu entendo.” Eu curvei um braço em volta da minha barriga, me curvando. “Isso é tudo.” Lentamente, Ben ficou de pé, deixando a caneca de lado. “Você acha que eu faria isso com você?” “Nessa situação, eu sinceramente não faço ideia de como você vai reagir.” “Você só está esperando o pior.” “Na noite passada –” Sua mão cortou o ar. “Não repita o que eu disse na noite passada.” Eu não disse nada. Depois ele deve ter percebido o quão ruim isso tudo pareceu e soou. A raiva nos seus olhos amainou, sua postura relaxou. “Merda. Me desculpa. Eu não queria levantar a voz.” “O que você quer que eu faça, Ben?” eu joguei as mãos para cima. “Me dê uma dica. Eu estou grávida. Nenhum de nós planejou isso. Nós mal nos falamos aquela noite em Vegas, e agora você está saindo com alguém. O que eu faço?” “Me dê uma chance para acertar as coisas.” Eu apenas olhei para ele, tentando ficar calma. Precisam de dois para dançar o tango. “Eu estou falando sério.” Seus ombros foram para cima e para baixo. “Apenas me dê uma chance para acertar as coisas e eu prometo, Lizzy, eu vou te ajudar.”


Isso pareceu tão promissor. Honesto de verdade. “E quanto a sua namorada?” “Ela não tem nada a ver com isso.” Ele nem ao menos hesitou. “Isso é entre eu e você.” “Certo.” Qualquer problema que eu tivesse com a mulher e o seu lugar na vida dele, era meu. Era uma merda ser eu. “Okay.” Ele pegou o seu café, seu pomo de Adão balançando enquanto ele o bebia. “Eu vou, ah, ter os advogados começando a trabalhar em alguns papéis.” “Advogados?” Um aceno cortante. “Você vai precisar de dinheiro – despesas com moradia, essas coisas. Eles vão ter tudo isso resolvido. Tenha certeza que você está sendo cuidada.” “Oh.” Eu olhei para a cama desarrumada, minha mente em um turbilhão. “Está bem?” “Eu acho que eu esperava que mantivéssemos isso entre você e eu. Mas você está certo. Você precisa se proteger.” “Lizzy, eu não quis dizer que eu acho que você vai tentar me enganar ou algo do tipo.” “Eu espero que não, considerando que eu não te pedi uma única coisa.” Uau. Falando sobre se sentir desconfortável. Sua língua correu pelo lado de dentro da sua bochecha enquanto ele olhava pela janela do meu quarto. Acho que a árvore lá fora tinha entendido errado. “O aluguel desse lugar está pago e eu tenho um emprego, então eu estou bem por agora. Mas você pode ter os seus advogados fazendo


o que você quiser.” Eu esfreguei a dor súbita entre os meus olhos. Essa conversa era o suficiente para dar uma dor de cabeça em qualquer um. “Acho que é melhor eu conseguir um também.” Ele enfiou as mãos nos bolsos de trás do seu jeans. Então ele mudou de ideia, sentou, e começou a bater os pés. “É melhor a gente ter todas essas coisas legais resolvidas primeiro, sabe?” Não, com toda honestidade, eu não sabia. Ele só estava claramente demonstrando o quanto. Meu estômago deu uma cambalhota nauseante e eu engoli em seco, lutando contra a vontade de vomitar. Gah. Eu precisava de um cream cracker. Um cream cracker resolveria tudo. Com toda a pressa, eu empurrei a minha bunda para a cozinha minúscula e me ocupei em me alimentar. Isso pelo menos era o que eu tinha sob controle. Eu não poderia fazer nada sobre Ben e seus advogados e essas coisas. Mas comer um cream cracker? Isso estava sob meu comando. Bean e eu ficaríamos bem. Foda-se o mundo e todo o resto. “Eu tenho que ir,” ele disse, agora evitando os meus olhos da sua posição na sala de estar. Maravilhoso. Assim que ele sair, ele vai ter que encontrar um novo hobby. Talvez ele pudesse trabalhar em esquecer o meu nome ou algo do tipo. “Tem um ensaio que eu preciso ir. A turnê está chegando, então as coisas estão meio corridas agora. Obrigado por ter sido legal sobre eu ficar aqui. Não acontecerá de novo.” “Claro.” Eu disse. “E não se preocupe com o dinheiro ou ter que trabalhar mais horas. Eu vou cuidar disso tudo.” “Ótimo.” E isso era ótimo, mas isso também era frio e impessoal. “Obrigada.”


Ele murmurou alguma outra coisa, mas eu meio que desliguei. Não era nada que eu quisesse ouvir. O quão depressivo esse dia ficou. Eu odiava tudo e todo mundo e em tudo mais que eu pudesse possivelmente pensar. Exceto Bean. Ela era a inocente no meio de toda essa bagunça. Deus, sexo era um saco. Eu nunca, jamais faria isso de novo. Nem mesmo um pouco. Também, infelizmente faltava bolo nessa festa de auto piedade. Basta. Eu preciso sacudir essa merda. Recuperar a minha magia. Eu tenho certeza que uma mulher grávida brilha ou algo assim. Eu só preciso achar a minha luz. Talvez eu saia para dirigir, pegar um pouco de ar fresco. Um lugar seguro. Agora mesmo, estar tão longe daqui quanto for possível parecia delicioso, e o meu carro era uma coisa especial. Ele estava esperando por mim no aeroporto na nossa volta de Vegas. Mal tinha, como prometido, me dado um Mustang GT 1967 azul bebê de presente de aniversário. O melhor presente de todos os tempos. Era o carro mais bonito no estacionamento. Ben parecia vagamente em pânico cada vez que ele colocava os olhos no veículo. Mas é, meu carro era incrível. Uma pena que ele não serviria para transportar um bebê por aí, tendo apenas duas portas. Eu tinha que exibir a minha beleza enquanto eu podia. Já que eu tinha um dia inteiro para mim, isso significava que eu iria dirigir pela costa. “Até mais, Liz.” “Até mais.” Eu levantei um cream cracker em saudação, mas ele já tinha ido. E, por uma vez, meu coração não podia se obrigar a se importar.


CAPÍTULO SEIS As vozes me alcançaram assim que eu cheguei na porta do prédio. Vozes altas, várias delas. Estranho. Lauren não tinha dito nada sobre dar uma festa essa noite. Espera. Erro meu. Essas não eram vozes festeiras. Não, essas estavam putas da vida de um jeito nãoalcoólico. Eu corri pelas escadas, desabotoando o meu casaco. Para um carro

que

era

mais

velho

que

eu,

o

Mustang

funcionou

espetacularmente bem. Seu aquecimento pode ser um pouquinho duvidoso, no entanto, especialmente se você gostar de abrir a janela uma hora ou outra para sentir o vento frio no seu rosto. Besteira, eu sei. Foi apenas alguma coisa que eu senti a necessidade de fazer de vez em quando. O corredor estava mais iluminado que o habitual, uma luz brilhando no segundo andar. Eu apressei o passo. Puta merda. Minha porta havia sido arrombada. “...esperar que uma menina de vinte e um anos cuide de um bebê –” Essa era a voz da minha irmã. “Como eu disse antes, ela não vai fazer isso sozinha.” E essa foi a de Ben. “Porque você vai juntar as suas merdas e casar com ela. Certo, papaizinho?” Droga. Esse foi Mal, e ele parecia com mais raiva do que ele estava na noite anterior. “Você vai fazer a coisa certa e desistir desse estilo de vida de solteiro que tem uma mulher diferente cada


noite, não vai? Porque você é conhecido pra caralho por deixar as porras das coisas rolarem.” “Cara, a gente já falou sobre isso –” “Sim. E você ainda não está dizendo as coisas certas. Você entendeu?” A sala de estar estava bem cheia, isso era certo. “Ben, Anne e Mal estavam se encarando no meio. Claramente, dois contra um. Enquanto Sam, o segurança, e Lauren assistiam dos cantos, por alguma razão. “Pessoal,” eu disse. Eles continuaram discutindo. “Pessoal!” Nada ainda. Finalmente, eu coloquei dois dedos na boca e deu um assovio ensurdecedor. Um talento que eu tinha aperfeiçoado na juventude. Útil para aborrecer muito a minha irmã, se nada mais. O barulho abalou até a minha própria cabeça. Nada além do silêncio. “Oi. Como estão todos vocês?” eu estava de pé no que sobrava do umbral. “Eu gostaria muito de saber o que aconteceu com a minha porta.” “Lizzy,” Ben disse, exalando com força. “Obrigado porra. Ficamos mortos de preocupação com você.” “Onde você estava?” Minha irmã se adiantou, me envolvendo em um abraço apertado. “Eu tentei ligar para você o dia inteiro. Nós procuramos por toda parte e não conseguíamos te encontrar.” “Desculpa. Eu só precisava ficar um pouco sozinha.” Eu apertei as suas costas, incapaz de parar de sorrir. O pensamento de Anne virando as costas para mim tinha me assustado mais do que eu queria admitir.


“Bem, eu entendo você querer isso.” Ela deu um passo para trás. “Mas você poderia ter avisado alguém.” “Você não pode simplesmente desaparecer desse jeito.” E Ben manteve a testa franzida. “Merda, Liz, você está grávida.” “Não a aborreça,” Anne atirou. Ben a ignorou. “Eu não sei o que diabos está passando pela sua cabeça. Mas você precisa me deixar saber onde você está.” Minhas sobrancelhas subiram e minha boca se abriu, pronta para respondê-lo. “Ela não se reporta a você. Ela vai te deixar saber se e quando ela decidir deixar você saber,” Mal disse, estabelecendo a lei para o seu colega de banda antes de se virar em minha direção. “Você vai enviar uma mensagem de texto para a sua irmã na próxima vez que você decidir passear um dia inteiro, entendeu?” Minha boca, ainda estava aberta. “Cristo, cara.” De novo e de novo, as mãos de Ben se fecharam em punhos antes de abri-las novamente. “Você pode parar com essa merda e sair de cima de mim pela porra de um minuto?” “Não diga essas coisas para ele.” Minha irmã normalmente calma e sensível colocou o dedo bem no meio do peito largo de Ben. “Foi você quem causou essa bagunça, muito obrigada. Ela pode ser uma jovenzinha ingênua, mas você definitivamente é velho o bastante para saber das coisas.” “Está certo.” De pé tão alto quanto um arranha céu, apesar de só chegar até o nariz de Ben, Mal o olhou de cima. Ou para cima. Tanto faz. “Isso é assunto de família. Você pode ir, obrigado.” A batalha pelo controle estava no rosto de Ben. Ele forçou a sair, entre dentes, “Eu posso ir?”


“Sim.” Isso era insano. Alguém tinha que dar um passo a frente e ser a voz da razão. Infelizmente, essa pessoa era eu. “Okay. Espera aí, vocês todos. Por que nós não nos acalmamos só por um minuto.” Com toda a habilidade e velocidade de um stripper experiente, Mal virou em seus calcanhares. “E você, mocinha! Você está de castigo até segundo aviso.” “Eu estou de castigo?” “Baby.” Anne estremeceu. “Isso não vai rolar.” “E nunca mais vai falar com o Ben. Ele é claramente uma influência ruim para você.” O baterista continuou, absorto, zombando do seu ex-amigo. “Está entendido, Elizabeth?” Lauren riu. “Sim. Certo,” eu disse. “Bom.” “Saiam,” eu disse, minha voz bastante fria, bastante calma. Um pouco cansada, mas hey, esse está sendo um dia longo. “O quê?” Anne perguntou. “Eu amo muito vocês,” eu disse. “Mas eu quero que vocês dois saiam agora, por favor.” Seu rosto caiu e ela deu um passo a frente. “Você não tem que lidar com isso sozinha. Eu sei que as coisas ficaram fora de controle na noite passada, mas precisamos falar sobre isso. Estou preocupada com você.” “Eu sei, e nós iremos.” Um suspiro pesado. “Você vai me ligar amanhã para podermos conversar?”


“Sim.” Anne me deu um lento aceno com a cabeça. “Okay.” Com um leve sorriso, Sam se levantou do sofá e se espremeu passando por mim, através da porta. Ou o que restou da porta. Eu ainda precisava de um o que diabos por aquilo. “Alguém vira consertar a porta em breve, Miss Rollins,” Sam disse. “Obrigada.” “Grite se precisar de alguma coisa.” Lauren também saiu. “Obrigada.” “Mas eu não quero ir embora,” Mal silvou. Sussurros aquecidos continuaram entre ele e a minha irmã. Ele até tirou a mão dela dos seus braços tensos e cruzados. “Ela não sabe o que é melhor para ela. Não como nós. Eu em particular.” Mais sussurros. “Bem, Ben tem que ir também? Eu não vou embora a não ser que ele vá também.” “Mal,” eu lamentei. “Por favor? Se eu prometer conversar com vocês dois amanhã sobre tudo isso, por favor, você iria embora agora?” Seu nariz e sua boca se estreitaram. “Por favorzinho?” “Tudo bem.” Ele passou um braço em volta do pescoço de Anne, puxando-a para o seu corpo. “Nós sabemos quando não somos bem vindos. Não sabemos, Pumpkin?” “Sim, eventualmente.” Minha irmã me deu um pequeno sorriso. “Obrigada,” eu disse, dando um leve aperto em sua mão livre e me virando para Mal. “E eu preciso saber se eu não destruí a banda.” Mal fez uma careta e rosnou.


Ações tinham consequências. Eu tinha aprendido muito bem a lição. “Por favor.” “Tudo bem. Mas só porque você perguntou tão gentilmente. Fora do que tenha a ver com a banda, ele está morto para mim,” Mal disse para Ben, passando um dedo pela sua garganta. “Cara.” Ben suspirou. “Eu quis dizer isso. Eu estou muito puto com você, mano. Você engravidou a minha nova cunhadinha. Isso é muito pior do que a vez que você quebrou a minha bicicleta tentando dar aquele salto. E aquilo foi ruim.” Os recém-casados seguiram para a porta. “Te vejo amanhã no ensaio.” “Tá,” Ben disse, se jogando na poltrona. Sua cabeça foi para trás contra a parede e ele me olhou cansado. “Você vai me jogar para fora também?” “Provavelmente deveria. Foi você o que aconteceu com a minha porta?” Ele passou uma mão pelo rosto. “Sim. Me desculpe por isso.” “Eu não pude deixar de notar que ela meio que não está mais no lugar.” “Eu meio que a quebrei.” “Certo.” Eu vagueei e plantei a bunda em uma poltrona de couro preto em frente a ele. Mal e Anne me deixaram umas mobílias muito legais quando eles liberaram o apartamento. “Por que, posso perguntar?” “Anne ligou, dizendo que não podia te encontrar e você não estava atendendo o telefone.” Ele cruzou as pernas, seu tênis balançando pelo movimento constante. “Eu fiquei preocupado de você


estar aqui sozinha, pirando ou algo do tipo depois de hoje de manhã e se recusava a falar comigo.” “Ah.” “Eu exagerei.” Ele usava seu jeans e camiseta habituais. Maldição, ficava bem nele. você tinha pensado que por eu estar grávida os meus hormônios sossegariam um pouco. Mas essas coisinhas bobas continuavam a queimar em uma dança feliz toda vez que ele se aproximava. Era ridículo. Eu precisava prender o meu púbis, comprar um cinto de castidade ou algo assim. Em vez disso eu enfiei as mãos entre as minhas pernas, apertando as minhas coxas juntas. “Nós temos um problema,” ele disse. “É.” “Não, eu quero dizer um novo.” “O quê?” Ele se sentou, colocando os dois pés no chão. “Sasha não aceitou muito bem eu terminar com ela. Ameaçou contar a imprensa sobre você.” “Você terminou com ela?” Meu coração acelerou. Ele pausou. “Bem, sim.” “Por quê?” Oh, inferno. Minha boca. Eu deixei sair a pergunta sem nem ao menos pensar. “Quer dizer. Okay, não é da minha conta. Eu não quero saber.” Isso não era a esperança se acendendo na minha barriga. Sem chance que eu seria tão estúpida. De novo. Tinha que ser alguma outra coisa. Talvez fosse Bean fazendo exercícios hidro-aeróbicos ou algo do tipo. Ben meio que me encarou, ficando parado por um longe tempo.


“De qualquer forma.” “Sim?” “Você ficar aqui sozinha não é uma boa ideia. Especialmente agora que a porta precisa ser consertada.” “Verdade.” “A segurança aqui é bem ruim de qualquer forma. Então, eu estava pensando que talvez fosse melhor se...” “Se?” eu me empoleirei na beirada do assento, literalmente esperando com a respiração suspensa. Ele não estava prestes a me pedir para morar com ele. No seu próprio espaço pessoal. Ninguém nunca foi ao seu quarto de hotel ou onde quer que ele esteja morando. Eu tenho que confessar que eu estava curiosa. E mais, o pensamento de morar com ele me fazia começar a suar frio. “Se o que?” “Se você fosse morar com Lena e Jim até nós sairmos em turnê.” Seus olhos escuros nunca deixaram o meu rosto. “Quer dizer, eu só estou supondo que você irá com a turnê agora. Você pode não querer ir.” “Você me quer na turnê?” Mas ele não me queria na sua casa. Isso é muito confuso e desapontador. Ou talvez ele me quisesse na turnê para ficar de olho em mim, o velho padrão Lizzy-boba-e-jovem-nãopodia-cuidar-de-si-mesma. Cristo, isso me abalou. Eu ia ser mãe. Aparentemente, eu ia ser mãe solteira, não importa os barulhos calmantes que ele estava fazendo. Aconteça o que acontecer, eu só poderia depender de mim mesma. “Imaginei que com Anne querendo ir, e Lena estando grávida também, que você talvez fosse,” ele disse. “As pessoas vão empacotar para você, e tudo o que vai ter que fazer é entrar e sair do jatinho


alguns dias e depois relaxar. Esses lugares têm massagistas e tudo o mais. Terão médicos disponíveis para te examinarem. Eu vou ter certeza que estarão cuidando de você.” “Eu não sei...” Ficar para trás com Anne e as outras garotas indo não me faria feliz. Eu acho que fazer amigos não era o meu forte. Depois do meu período adolescente problemática, eu meio que me mantive para mim mesma. Anne e eu tínhamos aperfeiçoado a arte de colocar uma exterior normal. Qualquer um que olhasse além veria que não era bom, porque obviamente minha mãe não atuava como o adulto responsável. Quando Anne saísse de turnê, eu ficaria basicamente sozinha. Mais havia mais do que eu e o meu jeito de garota solitária para considerar. Haviam tantas histórias dúbias sobre o que acontecia em uma turnê. Ele e outra mulher. Eu não precisava ver isso. Nem nesse ano ou no próximo. A coisa com a Sasha tinha machucado o suficiente. Imagino por que ele terminou com ela? “Eu não quero ficar no seu caminho,” eu disse, as mãos se contorcendo no meu colo. “Seria estranho se nós ficássemos frente a frente todos os dias.” Eu ganhei um grunhido de homem das cavernas. Pareceu sério, do tipo que acompanha pensamentos profundos. Mas não me deu nenhuma dica. “O que você acha?” eu perguntei. O rosto que ele me deu era complicado, as sobrancelhas juntas, os lábios ligeiramente afastados. Parecia como se ele estivesse prestes a dizer alguma coisa. Esperei. “Desembucha, Ben.”


Ele ficou tenso. “Eu quero que você vá.” “Por quê?” “Para ter certeza que você vai ficar bem, pra eu poder manter um olho em você, pra você não precisar ficar aqui lidando com tudo isso sozinha. Muitas razões.” Como razões, elas não eram ruins. Mas como Mal apontou, Ben tinha problemas com seguir em frete. A história dizia que ele poderia eventualmente mudar de ideia e me deixar sozinha e triste. Que tipo de pai ele seria? Deus o ajudasse se alguma vez ele jogasse essa merda para o meu filho. Não importa o tamanho dele, a minha raiva seria épica. “Vamos lá,” ele disse, a voz firme. “Nós precisamos começar a resolver isso juntos. Como ir adiante e ser pais e tudo o mais. Eu não quero ser o cara que Mal me acusou de ser. Me dê uma chance, Liz.” “Eu realmente não sei o que é melhor.” Ele agarrou a cabeça. “Olha, se você quer ficar aqui, terminar a faculdade esse semestre, eu vou organizar uma segurança para você. Cuidar de tudo. A escolha é sua. Eu não quero te obrigar a nada.” “Segurança?” “Sim.” “Uau.” Eu acariciei a minha barriga, meu sorriso não estava mais no lugar. “Eu continuo esquecendo que eu estou carregando o bebê de uma pessoa importante. A próxima geração da Stage Dive.” Ele estendeu as mãos, um olhar indefeso no rosto. Ao menos ele estava tentando. Agora era comigo. “Tudo bem, eu vou. Eu estava pensando em largar a faculdade. Eu perdi muitas aulas com o enjoo matinal, e os dias


ainda podem ser um sucesso ou um fracasso. Eu não gosto das minhas chances de me recuperar com tudo o que está acontecendo.” Um aceno e um sorriso. Seus ombros largos caíram como se ele estivesse acabado de lutar em uma guerra. “Você quer que eu fique com Lena e Jimmy?” “Eu quero que você e o bebê estejam seguros e cuidados. Não que eu não queira ser o que vai olhar por você. É que é –” “Tudo bem. É complicado com a gente não sendo um casal de verdade e tudo o mais. Eu entendo.” Eu me inclinei no meu assento, tudo dentro da minha cabeça girando. “Não que eu não aprecie a oferta.” Seu olhar sério revelava nada. “Liz...” “Mm?” Eu esperei, mas ele não continuou. Graças a Deus Bean seria uma menina. (Eu podia sentir isso. Intuição materna, etcetera.) Os homens era muito misteriosos. Não que eu queira desvenda-lo agora. A vida já estava ocupada demais. Ao menos dessa vez não houve a menção de advogados. Passinhos de bebê – trocadilho pretendido. “Eu vou resolver as coisas sozinha. Eu vou para a casa de Mal e Anne,” eu disse. “Não falta muito para a turnê começar. Ele não vai conseguir me enlouquecer assim tão rápido.” Ele franziu o cenho. “Você tem certeza?” “Sim.” Eu assenti. “Okay. Mas você vai deixar eu te ajudar financeiramente, certo?” “Olha, eu passei algumas coisas pela cabeça hoje. Dado que o aluguel desse lugar está pago, e com o meu trabalho na –”


“Onde quer que você vá com isso, a resposta é não.” O homem me colocou no lugar com um olhar. Ou tentou. “Me desculpe?” “Não, você não vai passar por isso sozinha. E o mais importante, você não precisa. Você tem a mim.” “Mas eu não tenho você, Ben. Esse é o ponto.” Eu me sentei para frente, desejando que ele entendesse. Ele abriu a boca, mas eu fui mais rápida. “Por favor, apenas ouça. Eu vou ter um bebê, e isso é uma coisa muito grande. É tão grande, que quando eu tento pensar sobre isso eu sinto como se a minha cabeça fosse explodir. Mas eu vou lidar com tudo isso porque eu tenho que lidar, porque esse bebê está dentro de mim. O que eu não consigo pensar ou lidar é com você – você e a sua vida e como tudo isso o afeta. Porque eu sei, não importa o que você diga, ter esse bebê nunca teria sido a sua primeira escolha. Então eu senti culpa, e então eu fiquei com raiva porque eu me senti culpada, e depois isso só era uma bagunça horrorosa com a qual eu não queria lidar.” “Liz.” Ele esfregou o rosto com as mãos. “Merda. Essa não teria sido a minha primeira escolha. Ter esse bebê agora também não estava nos seus planos –” “Mas –” “Não,” ele disse, as mãos segurando forte as suas coxas. “Minha vez de falar. Sua vez de ouvir. Por favor.” Eu parei, então assenti porque era justo. “Okay.” Seus ombros largos subiram e desceram com a respiração profunda. “É o nosso bebê. Você e eu, nós o fizemos juntos, mesmo que tenhamos querido ou não. Esses são os fatos. Não importa


o quanto eu goste de como a minha vida é, isso está acontecendo. De jeito nenhum eu vou ser um pai ausente babaca não vendo o meu filho crescer ou deixar outro homem cria-lo.” “Ou filha.” “Ou filha.” Ele me deu um olhar significativo. “Sim.” Eu fingi fechar os lábios. “Obrigado.” Sim, seu tom não era nenhum pouco sarcástico. “E eu não vou deixar você fazer isso sozinha. Não importa o que Anne e Mal pensem de mim agora, eu vou ficar com você sempre que eu puder. Nós não estamos juntos, mas vamos dar um jeito. O único jeito que eu posso te ajudar agora é ter certeza que você não precise se preocupar com dinheiro.” Eu respirei fundo, isso tudo girando na minha cabeça. O cara tinha um ponto. Seria legal riscar as preocupações monetárias da lista. As correntes e complicações que viriam com os fundos era o que me preocupava. Mas ele era o pai de Bean. Se ele quisesse estar presente, como declarado, então eu tenho que aceitar e até mesmo abraçar isso. Dar a ele a chance solicitada. “Fiquei preocupado com você hoje, não sabendo onde você estava ou o que estava se passando... isso me fez pensar. Isso está fodendo com a sua vida muito mais do que com a minha. Nós não precisamos adicionar os advogados a mistura, dada a sua conexão com Mal e tudo o mais. Nós podemos manter isso simples.” “Hmm.” “Pare de franzir o cenho.” Ele franziu o cenho. “Eu estou pensando.” “Não tem nada a pensar. Já está tudo resolvido.” “O quê?”


Ele coçou a barba. “Transferi dinheiro para a sua conta hoje. Está tudo certo.” “Como você conseguiu o número da minha conta?” “Anne deu para mim. Eu acho que ela pensou nisso como um desafio.” Meus olhos se arregalaram tanto quanto eles puderam. “Quanto dinheiro?” “O bastante para você não se preocupar por um tempo.” “Por quanto tempo?” Ele só olhou para mim. Oh, uau. Alguma coisa me dizia que a versão de uma estrela do rock milionária de por um tempo era muito diferente da minha. O pensamento me fez entrar em pânico, meus dedos se contorceram no meu colo. Documentos legais eram assustadores, mas pensar nele me dando grandes quantias de dinheiro parecia pior ainda. “Mas e quanto aos advogados, contratos e essas coisas. O que você falou hoje de manhã.” “Nós vamos deixar isso entre nós, como você queria.” Ele parecia tão calmo, enquanto eu não estava nenhum um pouco. “Vai ficar tudo bem, Liz.” “É muita confiança que você está depositando em mim.” “Nós vamos ter um filho. Temos que começar por algum lugar, certo?” Tinham marcas nas minhas botas favoritas. Várias delas. Ao menos elas não ficariam pequenas. Minha roupas, por outro lado, provavelmente precisariam ser substituídas logo. Muitas das minhas coisas estavam bem usadas ou foram compradas de segunda mão. Não que eu fosse pedir a Mal ou Anne uma ajuda monetária para renovar


meu guarda-roupas materno. Eles já fizeram muito por mim. Seria bizarro não precisar me preocupar com dinheiro. Nós não tínhamos crescido com muito. Eu não poderia lembrar de quando o dinheiro não tinha sido um problema. “Certo,” eu meditei. “Não é grande coisa.” Eu não tinha muita certeza quanto a isso. “Eu agradeço por você estar nos ajudando financeiramente. Isso vai fazer uma grande diferença.” Eu falei para o chão, porque olhar para ele parecia muito difícil. “Tira muito peso das minhas costas.” “Ouça,” ele disse, “Eu sinto muito pela noite passada. E por essa manhã. Eu só... eu estava fazendo o melhor que eu podia.” “Claro.” Eu sorri tão brilhante quanto foi possível. “Nós seremos amigos pelo bem de Bean.” “Bean?” Meu sorriso foi genuíno. “Nos estágios iniciais eles meio que parecem com um grão de feijão.” “Oh. Certo.” Seus dedos se cruzaram, sacudindo um pouco. Por um segundo, seu olhar vagou pela minha barriga antes de se afastar. “Me dê uma chance para juntar tudo isso, me acostumar com a ideia. Então nós falaremos um pouco mais.” “Okay.” “E claro nós seremos amigos,” ele disse. “Nós somos amigos.” “Claro.” Ele sorriu de volta para mim. Mas eu não acho que nenhum de nós estava sentindo alguma coisa além de medo.


CAPÍTULO SETE Enquanto os garotos estavam no Chateau Marmont em L.A. sendo entrevistados pela revista Rolling Stone, aqui em Portland uma completa estranha estava checando os batimentos da minha menina. O diploma médico que estava pendurado na parede em uma moldura chique não fez nada para diminuir a esquesitice de onde ela colocou os dedos das suas luvas. É, ir ao Ginecologista/Obstetra não era a coisa mais legal. Tudo estava bem com Bean, pelo jeito. E ouvir seu batimento cardíaco pela primeira vez abalou o meu mundo. Ela era real. Isso era real. Eu ia ser uma mãe. Incrível. Com a turnê da banda e Ben banido do apartamento de Mal e Anne (também, eu tenho certeza absoluta de que ele está me evitando, apesar de todas as suas palavras gentis), foram quatro semanas cheias depois que ele preencheu a minha modesta conta bancária para queimar antes que colocássemos os olhos um no outro novamente. Tomou todo esse tempo para eu parar de vomitar constantemente e dar um adiante com a viagem. Já que eu tinha a minha cabeça em um sanitário, eu tinha perdido Vancouver, Seattle, Portland, San Francisco e L.A. Anne e eu nos encontramos com a banda em Phoenix. Nós chegamos quase no final do show, já que fomos atrasadas por uma tempestade. Sam nos encontrou e nos levou para os bastidores para assistir a apresentação. Foi legal ver a Stage Dive tocando ao vivo de novo. Eu estava sentada em uma caixa vazia atrás de uma tela enorme que


projetava o que estava acontecendo com o público. Eu não podia ver as pessoas, mas eu podia ouvi-las. Roadies, construtores de cenários e outros estavam conversando, esperando. No minuto que o show acabou, Mal atacou Anne. O homem estava em cima dela como uma assadura, esfregando seu ser suado nela e basicamente transando em público. Ela parecia não se importar. Nós não iriamos sair, todo mundo iria direto para o hotel. Aparentemente qualquer entrevista ou sessão de autógrafos era feita antes do show. Eu tive um aceno de queixo de boas vindas de Ben, então era isso. A fila de Lexus pretos e luxuosos parou enquanto nos aproximávamos da entrada do hotel pretencioso. Mãos batiam nas janelas, pessoas lutavam para se aproximarem o bastante para pressionar os rostos no vidro escuro. Era assustador. Dave e Ev já estavam do lado de dentro, já que estavam no primeiro veículo. Ben, Lena e Jimmy pularam do carro que estava na nossa frente. Imediatamente, Lena e Jimmy correram pelo corredor feito pelos seguranças, indo para dentro da segurança do hotel. Mas Ben ficou para trás, dando autógrafos e apertando mãos. Tinham tantas pessoas lá fora. Um verdadeiro mar de mulheres e homens, chorando, gritando e pirando. Eu sei o quanto os caras eram conhecidos, mas saber e ver são duas coisas completamente diferentes. Tinha até mesmo equipes de TV na multidão, câmeras gravando tudo. “Merda,” Eu sussurrei, me curvando. “Alguém não sabe guardar segredo,” Anne disse, sentada entre Mal e eu no banco de trás. Mal deu de ombros. “Onde quer que estejamos isso sempre acontece. É a lei. Acostumem-se senhoras.”


Um segurança vestido de preto abriu a porta e o tumulto me bateu. Era assombroso. Uma parede de chuvisco estúpido, no volume máximo. Suor escorria pelas minhas costas mas a minha boca secou do nada. Anne me cutucou gentilmente, acenando com a cabeça para a porta e a loucura da multidão adiante. Eu engoli em seco e assenti. Gostando ou não (não!), nós iríamos para lá. Geralmente, agorafobia não era um problema (ou enoclofobia, se você prefere um nome mais técnico - NT: Fobia de multidões). Isso não me impedia de fazer qualquer coisa. Mas me leve para qualquer lugar perto de uma multidão de pessoas gritando, e eu não vou ficar muito bem. Eu saí do carro com cuidado, sentindo o concreto sob meus pés. O flash das câmeras estava ofuscando os meus olhos. Merda. A multidão avançou, chegando mais perto, e a linha de seguranças lutou para mantê-los afastados. As pessoas estavam gritando merdas, nada que eu pudesse ouvir acima do batimento cardíaco nas minhas orelhas. Eles estavam entoando um nome, e pela forma dos seus lábios eu tinha certeza que era o do Mal. Eu fiquei congelada, boquiaberta, completamente imóvel. Porra. Não. Eu não podia fazer isso. E se de alguma forma eu tropeçasse ou pisasse em falso ou escorregasse e acidentalmente machucasse Bean? Antes que eu pudesse me virar e voltar para o carro um homem forte me envolveu, puxando o meu corpo para a segurança do dele. “Eu te peguei,” ele disse, sua respiração aquecendo a minha orelha. Eu não podia falar. Ben me conduziu rapidamente pelo corredor apertado formado pelos seguranças em direção ao prédio. Seus dois braços estavam em


volta de mim, me segurando firme até que ele teve que afastar um para pressionar o botão do elevador. O ar fresco esfriou o meu rosto quente enquanto eu me concentrava em recuperar o fôlego. Deus, eu era uma idiota, pirando por uma coisa dessas. Que ótima mãe ou psicóloga eu iria ser. Atrás de nós, Mal e Anne ainda estavam lá fora, mal visíveis através da multidão. “Vamos.” A mão de Ben deslizou até a minha, a envolvendo e me arrastando para o elevador. “Eles não vão vir? O quê eles estão fazendo?” As portas do elevador fecharam. “Com Mal, poderia ser qualquer coisa. Não se preocupe, eles ficarão bem.” Estiquei o meu pescoço, era necessário para olha-lo de tão perto. Seu cabelo estava um pouco mais longo, amarrado para trás em um pequeno coque masculino, sua barba bem aparada. Ainda lindo, maldição. Sua camiseta, completamente preta com um postal do Arizona estampado na frente, vestia bem, não era nem muito grande nem muito pequena. O aroma de suor salgado envolvia o ar em volta dele. Eu queria enterrar meu rosto em seu peito e respirar fundo, de novo e de novo, apesar do cheiro de bebida. Eu só queria chegar tão perto dele quanto fosse fisicamente possível. Algum dia esses sentimentos iriam diminuir. Espero que em um dia próximo. Ele olhou para mim com um sorriso apertado, ainda segurando a minha mão. O sorriso definitivamente não alcançou os seus olhos. Se tivesse que arriscar, eu diria que o homem parecia nervoso. “Desculpa pela loucura,” ele disse. Com um som digital baixo, as portas se abriram.


“Não se preocupe com isso,” ele disse, e largou a minha mão, em vez disso aplicou uma pressão gentil na parte baixa das minhas costas para me guiar para frente. Seus movimentos eram seguros, seus passos firmes. Tanto quanto ele tenha bebido, ele estava claramente coerente. “Vamos.” O carpete creme abafou nossos passos, pequenos lustres iluminavam nosso caminho. Não era muito diferente de Vegas, com a mesma aparência luxuosa e cara. Outro par de seguranças rondava por aqui, mantendo um olho nas coisas. “Não incomoda os outros hóspedes?” eu perguntei, acenando com a cabeça em direção a eles. “Esse andar é da banda. Você está duas portas abaixo na suíte do Mal e da Anne.” Ben ergueu o cartão para a coisa de deslizar. A luzinha ficou verde e ele abriu a porta. “Acho que você pode entrar por um minuto.” “Okay.” Não era exatamente uma recepção calorosa. Cara, isso era odiosamente estranho. Do lado de dentro, sua suíte era grande, com uma boa vista e vários sofás em variados tons de bege que pareciam confortáveis. Uma boa coleção de garradas de bebida cobriam uma mesa lateral, o único sinal visível do estilo de vida do rock’n’roll na sala intocada. Não era da minha conta o que ele tinha feito na noite anterior. Nenhum pouco. “Você está bem?” ele perguntou. “Sim.” Nós nos sentamos em lados opostos. “O enjoo matinal deu uma melhorada.” “Ótimo.”


“É.” Um aceno de cabeça. “Obrigada pelos sms,” eu disse. “Foi muito bom da sua parte.” “Não foi grande coisa.” Toda manhã e noite, ele me mandava a mesma pergunta breve e impessoal: Vc tá ok? E eu respondia: Bem! Ótima! Maravilhosa! Uma carinha sorridente antes e depois. Não era como se eu pudesse dizer a ele que eu passei a manhã vomitando, me sentindo como morta, com as minhas emoções descontroladas, meus peitos doendo, e meu cérebro virando lentamente uma conserva de hormônios. As coisas estavam muito estranhas entre nós para ser tão brutalmente sincera. Além disso, ele estava com a cabeça cheia, com os shows e tudo mais. Então em vez disso eu reclamava com Anne, e ela era boa o bastante para não me dizer que era tudo minha culpa. Estava lá em seus olhos, mas eu podia ignorar. Para cima e avante – ou pra fora como era o caso com o meu estômago. Minha mão acariciava meu minúsculo bebezinho, mal visível através da minha camiseta azul, e o olhar de Ben acompanhou. Ele esfregou a lateral da mão nos lábios, os olhos sérios. O olhar que ele lançou para a minha barriga foi um de grande medo. Eu não poderia suportar isso. “Você tem suco?” eu perguntei. “Claro.” O homem pulou do seu assento, obviamente ansioso para sair. Ele se moveu para o armário de canto onde estava o frigobar. O quarto estava muito silencioso. Quando ele abriu a pequena garrafa de suco, o barulho do ar sendo liberado me fez pular.


“Talvez eu devesse ir,” eu disse, me levantando. “Deixar você sozinho.” “Mas o seu suco...” De repente, a porta da frente se abriu e a festa entrou. Não podia haver outra descrição. Risadas, cerveja, homens e mulheres, todos eles entraram na suíte cara até o quarto estar próximo a sua capacidade total. “Show épico,” um cara magro de cabelo preto comprido e uma mulher agarrada aos lábios gritou. Ele e Ben bateram as mãos. “Foi bom.” Sua conversa foi engolida pelo som do Metallica. Um cara alto coberto de tatuagens tirou uma cerveja do seu pack e enfiou na minha mão. Eu a peguei por puro instinto, a lata molhada esfriou a minha pele. “Hey,” ele disse, me dando um sorriso. O cabelo vermelho claro espetado, e você poderia confessar, ele tinha um rosto agradável. “Eu sou o Vaughan.” “Lizzy. Oi.” “Eu não te vi aqui na noite passada. Eu definitivamente me lembraria de você.” Que cantada. Deve ser os peitos. Eu me saía bem no passado, mas eu não poderia me chamar de imã de homens. Especialmente em um quarto onde metade das mulheres pareciam e se vestiam como modelos de lingerie. “Ah, não,” eu disse. “Eu cheguei essa tarde.” Vaughan abriu uma cerveja para ele, colocando o pack na mesinha. “Uma fã, ou está ligada a alguém da banda?” “Ambos, eu acho.”


“Ambos?” Seus olhos acenderam com o interesse. “Bem, você está no quarto do Ben, então eu presumo que você é amiga dele.” Eu só sorri. “E você? Onde você se encaixa aqui?” “Eu toco baixo na banda de abertura, Down Fourth.” “Hey, uau! Eu ouvi vocês. Vocês são ótimos,” eu disse, batendo as mãos entusiasmada. Você diria que eu nunca tinha encontrado um músico famoso antes. Seu sorriso ficou mais amplo. Hora de me acalmar. “Eu realmente amo aquela música de vocês... Merda...” Ele riu enquanto o meu rosto começava a queimar lentamente. “Não, eu sei o nome.” Que embaraçoso e frustrante. “Eu sei. Eu a tinha na repetição outro dia.” “Tudo bem.” “Não me diga.” Eu fechei meus olhos, procurando a informação dentro da minha cabeça. Ter o meu próprio corpo se rebelando contra mim, me fazendo virar uma grande máquina de fazer bebês idiota. Isso não era justo. “Só me dá um minuto.” Ele riu de mim um pouco mais. “Gah. Hormônios de gravidez estúpidos.” Eu parei de tentar. O branco dos olhos de Vaughan pareceram enormes e brilhantes. Mais uma vez eu enfrentei o temor masculino. Eu não sei por que. Não tinha nenhuma chance de ser o filho dele que eu carregava. Eu não perdi a ironia de que o cara que tocava metal pesado ficou assustado com uma menina grávida. Que maneira de manter um segredo. No minuto que eu disse isso, eu quis me estapear. Ou isso ou me comprar uma focinheira. Minha gravidez esta sendo mantida fora do radar da população em geral, e eu realmente queria manter isso desse jeito.


“Eu prefiro que essa informação não seja repetida,” eu disse, abaixando a minha voz e me aproximando do cara. “Só está no início, e –” “Vaughan.” Ben apertou a mão dele com uma força excessiva. “Como você está?” “É, bem, Ben.” “Vejo que você conheceu a Liz.” Ele empurrou a garrafa de suco na minha mão livre, tirando a cerveja da outra. Então ele a abriu e deu um grande gole. “Sim, nós estávamos apenas conversando,” Vaughan disse, o medo de bebês felizmente tinha sumido do seu rosto, sendo substituído mais uma vez pelo seu sorriso amigável. Graças a Deus. Talvez ele não vá dizer nada. “Descobri que ela é uma fã.” “Ela é?” “Eu sou,” eu confirmei. “Eu tinha ‘Stop’ no modo de repetição na semana passada.” Acertei em cheio. “Que interessante.” O sorriso de Ben pareceu tão natural e confortável como uma calça de poliéster em Junho. O que quer que ele estava prestes a fazer, não era bom. Então, apenas para confirmar os meus pensamentos, ele deslizou o braço em volta do meu pescoço, me puxando para perto. Só que não como se eu fosse uma namorada ou amante. Não, nada desse tipo. “Liz é a nova cunhada de Mal. Não é, docinho?” “É.” Engraçado, eu sempre amava quando ele me chamava assim. Mas dessa vez, foi diferente. Eu tomei um gole do suco de maçã para tentar me acalmar.


Sobrancelhas cerradas, Vaughan olhou para lá e para cá entre nós dois, obviamente confuso. “Não percebi.” “É. Desculpe por usar o medo de Mal contra você, mas ela está fora dos limites. Okay, cara?” Ben deu um beijo no topo da minha cabeça, então deu um passo para longe e na verdade bagunçou o meu cabelo como se eu fosse uma criança catarrenta. “Posso falar com você no quarto, Liz?” “Claro que sim, Ben,” eu disse entre dentes. Ele me conduziu através da multidão, com uma mão na parte baixa das minhas costas mais uma vez. A porta para o quarto principal estava fechada – provavelmente a única razão para não estar cheio de gente. Eu não disse uma palavra até estarmos fechados lá dentro. E mesmo assim eu ainda não disse uma palavra. Em vez disse, eu joguei a minha bebida no rosto dele. “Mas que porra?!” ele rugiu, limpando o suco de maçã dos olhos. “Como você se atreve a esfregar o meu cabelo como se eu fosse sua irmãzinha ou algo do tipo.” Eu joguei meu copo vazio no carpete. “Como você se atreve?” “Eu estava te fazendo um favor.” “O diabo que você estava.” O homem colocou a cerveja para o lado e deu um passo a frente, elevando-se sobre mim. “O cara é a porra de um galinha, Liz. Quase toda noite ele tem uma mulher diferente.” “Que porcaria.” “Eu não estou mentindo para você. Ele estava flertando com você, tentando entrar nas suas calças. É isso o que ele faz.”


“Eu não estava falando sobre ele.” Ben piscou. “Você e eu, nós não estamos juntos, lembra? Se eu quero flertar com um cara, eu vou. Isso não é da sua conta.” “Você está grávida do meu filho.” A raiva em seus olhos – uma mulher mais esperta se afastaria. Dane-se. Eu fui nariz a nariz com ele. Bem, o mais próximo que eu podia chegar a isso, com a diferença de altura. Da próxima vez que brigássemos eu traria uma escada. “Está certo, Ben, eu estou carregando nosso filho,” eu disse, respirando fundo. “E eu estou nessa turnê para nos ajudar a descobrir como vamos nos dar bem e como ser pais. Algo que envolve respeito mútuo.” “Eu te respeito, Liz. O que eu não consigo é ter a habilidade de ficar parado enquanto algum galinha tenta te pegar.” “Ah é? Me diga que você não tem feito sexo com uma dessas senhoras que mal estão vestidas e são maravilhosamente liberais que estão lá fora. Me deixe saber se isso não é só alguma bobagem de dupla partida que você está tentando jogar para cima de mim.” Ele não poderia fazer isso. Seus lábios ficaram fechados e ele se mexeu, se afastando, colocando o quarto entre nós. Isso não deveria doer, mas doeu. Os corações eram estúpidos desse jeito. Ao menos ele não está tentando dar desculpas. “Não?” eu perguntei. Ainda nada. “Nós não estamos juntos. Você não tem o direito de tentar afastar um cara de mim. E me tratar do jeito que você me tratou – como uma criança, bagunçando o meu cabelo, me chamando de ‘docinho’ daquele


jeito...” Meus olhos estavam coçando, virando líquido. Que inferno. “Como você se atreve, porra?” Eu deveria ter saído. Eu queria ter saído. Mas o pensamento de me perder na frente de uma festa lotada, me parou. Tinha que haver uma alternativa. Só alguns minutos e eu poderia me recompor, e ir procurar o meu quarto. “Eu preciso usar o banheiro.” Minha dignidade estava pequena, mais ou menos do mesmo tamanho da minha bexiga desde que Bean foi feito. Eu tinha que fazer xixi o tempo todo, então isso não era uma mentira completa, apesar do aumento repentino da umidade nos meus olhos. Hormônios idiotas. Homens idiotas e seus malditos espermas. Eu entrei no grandioso banheiro e bati a porta. Uma lágrima caía pela minha bochecha, seguida de perto por outra. E a garota no espelho, ela ainda não brilhava. Que injustiça do caralho. Eu fui e resolvi as coisas no sanitário, lavei a minha mão e meu rosto. Todas as emoções dentro de mim pareciam transbordar, ameaçando a se romperem novamente. A situação com Ben não estava fazendo bem para a minha cabeça. Então eu fiz o que qualquer universitária de vinte e um anos grávida e sensível faria e entrei na enorme banheira de hidromassagem para me refrescar e reavaliar a minha vida. Não era muito confortável. Eu poderia ouvir a festa cheia de conversa e música. Você pensaria que um hotel sofisticado como esse teria paredes mais grossas. Por uns bons cinco ou dez minutos eu sentei ali, me acalmando, confrontando a situação. Talvez Ben e eu não devêssemos nos falar por um tempo. Nós não precisamos ser amigos para criar um filho juntos, se de fato era isso que iria acontecer. Ele mudar de ideia sobre se


envolver não surpreenderia ninguém. Duro, mas verdadeiro. Tanto faz. O que viesse eu iria lidar. “Cadê a Lizzy?” Uma voz abafada perguntou no quarto, masculina e abrupta. Jimmy Ferris. Por que ele estava interessado em mim eu não tinha ideia. “No banheiro,” Ben disse. “O que você quer com ela?” “Já que Mal e Anne estão ocupados recuperando o tempo perdido. Lena pensou que ela talvez quisesse ficar com ela.” “Nós estamos no meio de uma coisa agora. Eu vou perguntar a ela daqui a pouco.” Jimmy bufou. “Vocês estão tendo uma boa conversa, huh? É por isso que você está pingando e tem um copo vazio no chão? Tente novamente, Ben.” “Nada que seja da porra da sua conta.” “Você está certo sobre isso. Não é. Mas bem...” Por um momento não houve nada, durante o qual eu me ergui para ouvir alguma coisa, qualquer coisa. “Cara, você está fodendo as cosias com ela,” Jimmy disse, quebrando o silêncio. “De um jeito ou de outro, essa garota vai estar na sua vida de agora em diante. E o jeito que você está lidando com isso, não é um jeito bom.” “O que você sabe sobre isso?” Ben resmungou. “O que eu sei sobre foder as coisas com garotas? Você tá falando sério?” Sem resposta. “Quantas vezes você falou com a Lizzy no mês passado?” “Nós nos falamos.”


“Não cara-a-cara ou eu teria ouvido sobre isso através de Mal. Outra porra de bagunça que você não conseguiu arrumar.” “Eu estou trabalhando nisso,” Ben disse, sua voz cheia de raiva. “Vou amaciar as coisas com ele.” “Vou acreditar quando acontecer.” “Não me dê um sermão sobre bagunçar com a banda. Onde diabos você estava no último ensaio antes de Seattle, huh?” Jimmy zombou. “Levando Lena ao obstetra. Você ao menos sabe o que diabos é isso?” “Claro que eu sei porra.” “É? Você levou Liz para as consultas? Cuidou dela? Claro que não. Porque se você tivesse, cada membro dessa banda teria um grande respeito por você muito mais do que agora.” “Nós estamos em turnê,” Ben disse. “Algumas coisas são mais importantes, cara. Tomar conta da mulher carregando o seu filho, por exemplo.” “Jim –” “Quantas vezes você ao menos ligou para a garota desde que começamos a turnê?” “Mas que porra? Você é um conselheiro de relacionamento agora?” Jimmy riu. “Minha mulher não está jogando bebidas no meu rosto, tanto quanto você sabe, eu poderia ser.” “Ela não é minha mulher.” “Ela é a garota em quem você colocou um bebê, idiota. E se ela está passando pela metade da merda que Lena está lidando, então você é o zé buceta mais baixo que eu já encontrei na vida por deixa-la sozinha.”


Acho que Ben não teve resposta para isso. Tenho que admitir, eu me senti mal por ele. Ele ama esses caras como irmãos, e eu estava me saindo bem sozinha, dando ou recebendo. E sim, eu me sentia um pouco culpada por ouvir a conversa. Mas já que eu era o tópico... “O bebê deixa o humor dela oscilando o tempo todo. Um minuto ela está deprimida como o inferno, temendo sobre como lidaremos com isso, certa de que as coisas iriam a merda e eu a deixaria. Como se isso fosse acontecer. Então em seguida, tudo está bem e ela está feliz que vai ser mãe.” Uma pausa. “É difícil para ela, cara, todas as mudanças. E é assustador pra caralho encarar, eu sei.” “Jim –” “Não. Apenas cala a boca e ouve. Eu estou quase terminando.” Jimmy exalou forte. “Nenhum de nós planejou isso. Mas você tem que parar de concorrer ao prêmio de babaca do ano e se resolver antes que seja tarde demais.” “Okay. Eu vou falar com ela.” “Pensa, Ben. Só pensa. Como diabos você vai explicar isso para o seu filho daqui a cinco ou dez anos, humm? Que a sua mamãe não fala com você porque você passou toda a gestação escondido atrás de uma garrafa e sendo chupado por groupies?” Meu estômago se contraiu de uma maneira cortante. Aqui vamos nós. Eu sabia que ele tinha estado com outras mulheres, é claro. Mas isso ainda doía. “Não é assim,” Ben gritou.


“É bem assim. Me dê um tempo porra. Só porque eu não venho para as suas recepções noturnas não significa que eu não saiba o que acontece aqui. Inferno, todo mundo pode ver.” Ben ficou em silêncio de novo. “Eu não sei se você a quer ou não. Mas eu estou te falando agora, você vai perde-la, e você vai perder o seu filho, e qualquer resto de auto-respeito que você possa ter com eles. Seus pais foram inúteis, assim como os meus, então você sabe como é isso. Se recomponha porra.” A porta do quarto se abriu, o barulho da festa ficou mais claro. “Se Lizzy quiser ficar com Lena, apenas leve-a. Ela será bemvinda a qualquer hora.” Ben não respondeu. O barulho da festa diminuiu de volume mais uma vez quando a porta do quarto foi fechada. Então veio um boom. Uma vez, duas vezes, três vezes. Eu olhei para a porta do banheiro surpresa, apenas com um pouco de medo. Isso estava alto pra caralho. Talvez fosse hora de eu ir embora. “Liz, eu posso entrar?” “Não está trancada,” eu disse para a porta. Muito lentamente a maçaneta se virou. Então Ben enfiou a cabeça como se ele esperasse mais projéteis, líquidos ou algo do tipo, sendo arremessados em sua direção. “Está seguro,” eu disse. “Hey.” “Oi.” Ele não disse mais nada, em vez disso se virou para a pia e lavou o rosto e o pescoço. Acho que eu fiz um bom trabalho enchendo-o de


suco, porque ele tirou a camiseta do Arizona e a atirou para o lado. Em seguida, ele passou algum tempo lavando as mãos. Só então ele se aproximou. “Se importa se eu me juntar a você?” Com um suspiro, ele entrou e sentou do outro lado da banheira. Eu encolhi as pernas, assegurando que ele tinha espaço o bastante para não ter que nos tocar. Ele esticou as longas pernas em cada lado de mim, o olhar grudado no meu rosto. Que visão devemos fazer, eu completamente vestida em uma banheira vazia e ele de jeans e grandes botas prestas. Cara, ele tinha um peito bonito. Eu fiz o meu melhor para não notar, mas algumas coisas estavam além do meu controle. Um Ben meio vestido era quase definitivamente uma delas. Mas a briga com Jim me preocupava. Assim como as pequenas juntas rosadas na sua mão direita. Esses caras obviamente gostavam de bater nas paredes quando eles ficavam irritados. Eu podia lembrar de Mal fazendo isso uma vez. Homens. Tão violentos. Porque é claro eu não tinha jogado nada em ninguém ultimamente. “Presumo que você ouviu Jim e eu brigando,” ele disse. “Foi difícil não ouvir.” Eu assenti. “Ele estava certo sobre uma coisa: já faz um tempo que nos falamos. Quer dizer realmente nos falamos.” “É.” Ninguém falou por um tempo. Eu tenho certeza absoluta de que eu não seria a primeira. Bem agora, eu não estava assim tão corajosa. “Eu, um... as coisas estão bagunçadas com a turnê.” Ele esticou os braços em volta da borda da banheira, obviamente ficando tão


confortável quanto a cerâmica dura e a situação permitiam. Uma pequena linha de sangue descia pela sua mão direita, ignorei. “Semanas lidando com isso, Adrian nos fez falar com cada maldito repórter do país. Foi insano.” “Oh.” “Os produtores acham que a música se faz sozinha. Uma vez que Dave escreveu as canções, eles acham que é só uma volta ou duas pelo estúdio e acabamos. Mas isso é besteira. Leva horas, às vezes dias, para fazer certo.” O fervor brilhou em seus olhos, além da bebida e o que mais for. Sua paixão pela música. “Dave costumava ser perfeccionista sobre isso também, mas todos os caras estão distraídos agora, com os olhos no relógio, querendo chegar em casa para as suas mulheres. E sou eu quem fica lá sentado com Dean e Tyler até a porra das quatro da manhã, deixando tudo perfeito.” “Parece um monte de trabalho.” “E é. Jimmy e Mal ficam no palco e Dave ainda é o poeta escrevendo as músicas. Na banda, é tudo feito por mim agora, trabalhar com a música.” Ele coçou o queixo. “Sabe isso me faz parecer um artista geek se auto-parabenizando, mas isso é importante, sabe? Qualquer coisa que nós colocamos lá, eu preciso saber dentro de mim que aquilo é o melhor que a gente é capaz.” “Eu posso entender isso.” “Eu não estava evitando você, Liz, mas eu não estava fazendo nenhum esforço para vê-la, também. Você deve ter notado.” “Certo.” “Pensei que eu estava deixando as coisas com Mal e Anne se acalmarem. Mas isso é só outra desculpa.” Olhos escuros ficaram em mim, como se ele pudesse ver a minha alma. Quem sabe, talvez ele


pudesse. Eu sempre me sentia aberta demais, exposta demais, quando estava perto dele. Ele me deixava uma bagunça com todas essas vontades e necessidades. Eu não sabia se o que eu sentia por ele era amor ou luxúria. Mas o que quer que seja, era um saco. “Eu sinto muito, Liz,” ele disse, sua voz profunda e suave preenchendo o quarto. “Eu disse que cuidaria de você e não fiz isso. Eu desapareci outra vez, e dessa vez você estava passando por muita merda. Uma merda muito séria.” Huh. “Jimmy estava certo. Você não deveria passar por isso sozinha.” “Não é tão ruim assim.” Eu me virei. Um monte de emoção por um dia. “Eu tinha Anne.” “É, mas esse é o nosso bebê, e Anne não sou eu.” Eu inspirei pelo nariz e expirei pela boca, bem devagar, tentando acalmar meu coração disparado. Era verdade. Sua ausência deixou um machucado, e nenhuma quantidade de palestras "você-conseguegarota" no espelho do banheiro poderia alterar isso. “Ela é?” ele perguntou. “Não, Ben, ela não é.” Ele assentiu lentamente, como se tivesse decidido alguma coisa. “Então o quê?” eu perguntei. “Converse comigo.” Os dedos da sua mão esquerda estavam brincando com a borda da banheira. Nervos ou o que for, eu não fazia ideia. Ao menos o sangue escorrendo das juntas da mão direita estancou. “Sobre o quê?” “Todas as coisas que eu deveria ter ouvido no último mês.” O homem estava sério. Muito sério. “Nada mais dessas mensagens


inúteis, Liz. Fale comigo. Agora, cara-a-cara. Me ajude a provar que Jim está errado.” Dê outra chance a ele. Eu olhei para ele, perdida, meu cérebro procurando pelas palavras. Alguma informação facilmente recuperada que tinha falta tanto de dignidade quanto de força. Ah cara. Eu poderia confiar a ele as minhas fraquezas e problemas? Essa era a questão. “Vamos lá. Como você tem passado, de verdade? O que está acontecendo com você?” ele insistiu. Eu franzi o cenho para ele e ele franziu o cenho para mim. “Liz, por favor.” Eu gemi em derrota. “Tudo bem, eu estou um saco.” “Por que você está um saco?” “Tantas razões.” Eu puxei o cabelo para trás do meu rosto – nada mais de fugir. “A gravidez é um saco. É natural o meu rabo. Eu finalmente parei de vomitar, mas eu estou cansada o tempo todo. Desistir do café foi horrendo. Nenhuma das minhas roupas me servem por causa desses seios estúpidos, e eles doem o tempo todo. Eu tenho que fazer xixi a cada trinta segundos, e no topo de tudo isso, eu choro toda a vez que o comercial do Healthy Hound passa. Isso é ridículo.” Pequenas rugas apareceram em cada canto do seu nariz. “Você chora por causa de um comercial de comida de cachorro?” “Sim. Os filhotes pulam em cima dos outros para chegar até a sua mãe e isso é tão lindo, as suas caldas pequenas e fofas balançando e tudo o mais.” Ele só olhou para mim. “Eu sei que é louco, Ben. Acredite em mim, eu também estou preocupada com isso.”


“Hey, está tudo bem.” Ele escondeu o sorriso com a mão. Tarde demais, filho da mãe. “Você está tentando lidar com todos esses hormônios de merpadape. Droga. Merpedapa.” “Merpedapa?” (NT. Então, as palavras são apeshit e apeshoot, apeshit se traduz como enlouquecedor, mas apeshoot não existe, eu procurei, não tem em nenhum dicionário, como ela explica mais abaixo, usei a língua do p para a palavra desconhecida.) “Eu estou tentando não xingar,” eu expliquei. “Você quer que a primeira palavra que o nosso filho vai falar seja uma coisa ruim?” “Não. Saquei.” O homem era incrivelmente ruim em esconder o sorriso. “Sem xingamentos.” Imbecil. Eu estreitei os olhos para ele, segurando o meu próprio sorriso. “Eu estou te levando a sério. Estou mesmo.” Ele mentiu na cara dura. Embora fosse ser mais que legal vê-lo sorrir e ouvir a sua risada. Ao menos o mau humor foi embora. “E os meus tornozelos estão completamente gordos e inchados,” eu disse. “É ridículo.” “O quê? Me mostra.” Uma mão gigante agarrou minha perna, colocando-a no seu colo. Sem preâmbulos ele empurrou a perna do meu jeans e desatou a minha sandália, deixando-a cair no chão. “Parece bom. Não tem nada de errado com ele.” “Eu estou retendo líquido. É nojento.” Com uma mão, ele puxou para trás sua franja longa e escura, me lançando um olhar bastante duvidoso. “Solte o meu pé, por favor. Eu não quero que você o veja.”


Ele sacudiu a cabeça lentamente. “Era assim que você estava no mês passado? Falando merda para si mesma e chorando com comercial de comida de cachorro?” “Meu tornozelo está claramente mais grosso, Ben. E eu te expliquei sobre o comercial. Me devolve o meu pé.” “Não.” Ele passou uma perna por baixo da outra e descansou o meu pé em cima antes de começar a esfregar os meus dedos. Maldição, isso era bom. O homem tinha dedos incrivelmente fortes. Deve ser resultado de todo o tempo tocando baixo. Os dedos cravaram fundo no arco do meu pé e minha coluna basicamente derreteu. Paraíso, nirvana – eu tinha tudo ao meu alcance contanto que ele continuasse a fazer essa coisa. “Deus, isso é muito bom,” Eu suspirei feliz, me afundando na banheira. Ele fez um barulho áspero. Era quase como se fosse a palavra bom. “Está tudo bem com a sua mão?” eu finalmente perguntei. Ele olhou para mim por baixo das sobrancelhas escuras, os lábios fechados. Seus dedos mágicos pararam por um momento, então continuaram a massagem. “Talvez eu tenha feito um buraco ou dois na parede depois que Jim saiu.” “Oh.” “Ele estava certo. Você tem lidado com isso sozinha desde o início e tudo o que eu fiz foi jogar dinheiro em cima do problema, esperando que isso passasse.” Ele moveu para baixo para esfregar o meu calcanhar. “Eu não queria saber, Liz. Foi por isso que eu mantive distância. Eu só queria continuar como sempre, fingindo que nada disso estava acontecendo.”


“Eu também. Mas meu corpo continua a bagunçar as coisas para mim.” Eu ri, apesar de o tópico ser absolutamente sem graça. “Nós não somos diferentes, Ben. Essa situação nos pegou de surpresa, isso para dizer o mínimo.” “Não invente desculpas para mim,” ele resmungou. “Tudo bem, você é um cuzão e me colocou para baixo. Mais uma vez. Se sente melhor?” O sorriso foi muito maior dessa vez. “Pensar que nós não iríamos xingar.” “Oops.” Era incrível o que uma massagem no pé não fazia pelo meu humor. Bem agora, eu estava amando o mundo inteiro. A raiva estava além do meu alcance. Ele agarrou o meu outro pé, colocando o jeans para cima novamente, e jogando a sandália para o lado. Eu não iria lutar com ele – não senhor, não mesmo. “Posso te fazer uma pergunta?” eu disse. “Manda.” “Por que você nunca quis ter filhos?” “Porque isso sou eu, Liz. O que você vê é o que é. Eu gosto das coisas fáceis e tranquilas. Mas você e eu, nunca fomos fáceis. No minuto que eu vi você, isso ficou complicado. Primeiro com Mal, e você sendo um pouco mais nova, mais séria, e agora com a gravidez.” Ele sacudiu a cabeça. “Algumas mulheres não dão a mínima se eu vou ou se eu fico. E está tudo bem. Mas com você e o bebê, você precisa mais de mim que isso. E você merece mais.” “Nós estamos bagunçando o seu estilo de vida.” Ele olhou para mim por baixo das sobrancelhas cerradas. “É mais que isso. Merda. Nunca tentei explicar isso para alguém antes. Quando você era criança, você alguma vez teve algum jogo que jogasse e que


abalasse o seu mundo? E você acordava de manhã e percebia que hoje era o dia que você não faria nada além de jogar o dia inteiro, e era como se a vida não pudesse ficar melhor? É assim que a minha vida é. Todo dia eu acordo e faço música, eu consigo criar alguma coisa.” Eu assenti triste, finalmente entendendo. Ben era um homem vivendo o seu sonho. Como se ninguém pudesse competir com isso. Talvez ele gostasse da ideia de mim. A realidade, entretanto, é que nunca tinha tido espaço para mim na vida dele. “Quando os caras estão ocupados, eu posso subir em um avião e ir tocar com outra banda,” ele continuou. “Preencher um lugar ou ser um convidado no álbum. Até mesmo tocar com estranhos em algum bar de merda onde ninguém sabe quem eu sou. Essa é a minha vida, todos os dias. Eu tenho que fazer alguma coisa nova, aprender alguma coisa. E isso é incrível pra caralho. Não tem nada como isso.” “Parece ótimo.” “E é,” ele disse. “E é por isso que eu nunca pensei sobre crianças. Até mesmo uma namorada parecia uma grande distração. Não me entenda errado, eu gosto de mulheres. Mas era sempre mais fácil encontrar alguém por uma noite do que me comprometer com alguma coisa que iria me impedir de ser quem eu sou, de fazer o que eu amo.” Eu assenti. O que eu podia falar? Entrar em um relacionamento esperando que a pessoa mude é estupidez. Ben e eu tínhamos acabado antes de começar, eu apenas não tinha sabido, não tinha entendido, até agora. Sem dúvida que ele gostava de mim um pouco, mas não o bastante. “Mas não significa que eu não vou estar lá para você e para o nosso filho. Você disse que poderíamos ser amigos,” ele disse. “A oferta ainda está de pé?”


Ser amigos era a coisa certa a se fazer. Eu afastei o meu desapontamento e coloquei um sorriso no rosto. “Claro.” “Eu gosto disso.” Era só eu e Bean e Bean e eu. Aconteça o que acontecer, eu teria a minha menininha de volta. Seu pai poderia fazer o que fosse. E a verdade era que se ele continuasse massageando os meus pés desse jeito, eu seria a sua maldita melhor amiga, apesar do meu coração partido. Ele manteve o rosto abaixado, sua concentração em terminar a tarefa. No geral meus pés não eram tão fascinantes. Talvez ele tivesse tara por pés. Dedos traçavam círculos suaves sobre o meu tornozelo antes de voltar para o arco do meu pé. Felicidade total e completa. Eu poderia sentir meus hormônios loucos rolando e oferecendo a barriguinha fofa para ele, ganindo e o chamando de papai, coisinhas sujas. O que as mãos desse homem podiam fazer comigo. Cada parte de mim se sentiu leve e maravilhosa. Até mesmo com calafrios. Espere aí. Droga, eu estava excitada. Um coração machucado aparentemente não era competição para uma vagina ansiosa. A urgência por esperma não fazia sentido. Eu já tinha um bebê a caminho. Meus mamilos assanhados se ergueram orgulhosos sob a minha blusa, apenas implorando pelos lábios dele. A situação entre as minhas pernas não era muito melhor. Desde quando meus pés eram uma zona erógena? Suas mãos hábeis fizeram amor com os meus dedos, e meus músculos viraram geleia. Minhas pernas se abriram em convite.


Estava além do meu controle, eu juro. Isso tudo era tão impossivelmente bom. Puta merda. Ninguém tinha me alertado de que a gravidez causava tanto calor. Apesar do êxtase, eu não podia me impedir de notar que havia apenas sete... dez centímetros entre a ponta do meu pé e o volume atrás do fecho do seu jeans. Não daria muito trabalho para tocar. Por que, um pouco mais que uma mexida seria mais que o suficiente. Eu poderia apenas escovar os dedos contra a pobre virilha do homem e então arfar, fingindo ter sido um ridículo (maravilhoso) acidente. Oops, que desajeitada, acariciando a inocente e confiante genitália masculina com o meu pé. Que embaraçoso – apesar de que isso poderia acontecer com qualquer um. Não. E na verdade isso é parte do por que, na minha experiência, amigos não massageiam os pés dos amigos a menos que esteja rolando mais alguma coisa. Eu já estava confusa o suficiente sobre o cara, não precisava deixar isso pior. Um pequeno gemido escapou dos meus lábios, ecoando no espaço azulejado. “Você está bem? Ele perguntou. “Estou.” “Você fez um barulho.” “Não, eu não fiz.” Uma pequena linha apareceu acima do seu nariz. “Okay.” “Isso é ótimo,” eu disse, puxando as minhas pernas safadas para o lado seguro da banheira. “Obrigada. Foi muito bom da sua parte. Eu acho que seremos ótimos amigos.”


Ele me olhou por algum tempo. “A qualquer hora. Se você precisar de alguma coisa, eu quero que você me diga. Essa é a única forma de isso funcionar.” “Okay.” Eu preciso do seu corpo nu a minha disposição. Agora. “Eu quero honestidade total da sua parte, okay?” “Honestidade total.” Então me ajuda, eu montaria nele todo o caminho até em casa e voltaria. “De agora em diante, nós conversaremos,” ele disse. “Toda a porra do tempo. Bla, bla, bla. Somos nós.” “Entendido.” “Ótimo.” O jeito que os seus lábios e a sua língua brincaram com essa simples palavra, significou muito, muito mais do que ele pretendeu. E pode ter sido a minha imaginação, mas eu tenho certeza absoluta que suas pupilas estão duas vezes maiores que o normal. Elas são como piscinas gêmeas de sexualidade e desejo apenas me convidando para saltar e ficar molhada e selvagem e desenfreada. De repente, respirar pareceu ser um problema para mim. O mesmo com pensar, é claro. Eu não sei o que o cara tinha para me deixar toda poética. Mas isso precisava parar. “É melhor eu ir,” eu disse. “Que loucura...” ele murmurou. “O quê?” “Você.” Eu gemi de vergonha. “Vamos lá, me dê um tempo. Eu expliquei sobre o comercial. E hey, eu te contei isso em segredo. Não se atreva a repetir.” “Não falar sobre isso,” ele disse, a leve curva no canto da sua boca estava fazendo coisas terríveis comigo.


“E então?” eu perguntei, querendo e com medo de saber. Ele hesitou, escondendo outro sorriso atrás da mão machucada. “Honestidade total. Vamos lá.” “Tenho certeza que você não quer me ouvir falando sobre o meu pau.” “Seu, um, seu pau?” “É.” “Huh. O quanto você bebeu?” “Nem perto o bastante para isso.” O sorriso que ele me deu, eu quase gozei bem ali. O fato de que ele veio enquadrado em sua barba elegante quase me fez isso. Eu sabia exatamente como os seus pelos faciais eram contra mim. Tão estimulante. Nunca eu tinha querido esfregar a minha bochecha e outras partes pertinentes contra o rosto de alguém mais que agora. Quando tinha a ver com aquela noite em Vegas, minha memória era boa até demais. “Você perguntou se eu fiz sexo desde que eu descobri sobre o bebê,” ele disse. “A resposta é não.” “É, certo.” Eu ri. “Estou falando sério. Nada desde aquela noite. Nem ao menos cheguei perto.” Uau. “Por quê?” “Eu não sei. Acho que perdi a libido.” Ele coçou o queixo. “Nem ao menos estava interessado. Só... nada.” “Você não consegue levanta-lo?” eu perguntei, meio horrorizada, e muito curiosa. Ben sempre pareceu tão viril. “Eu não quero que ele levante,” ele disse. “Tem uma diferença.” “Huh. Mas Jimmy disse –”


“Jimmy não sabe de tudo.” Ele estalou o pescoço, o olhar irritado. “Queria que você não tivesse ouvido isso tudo.” Eu não poderia dizer o mesmo. A conversa deles foi bastante reveladora. “Eu não podia ficar interessado em foder com alguém porque eu estava preocupado com você e o bebê,” ele disse. “Lidar com isso tudo foi uma coisa grande, sabe?” “É. Sexo tendo consequências é meio que uma chateação.” Eu sorri. “Eu acho que eu já fui muito protegida, de verdade. Anne sempre lidou com as coisas sérias. Mas dessa vez ela não pode. É tudo comigo.” “E comigo.” “Sim.” O tempo vai dizer. “De qualquer forma,” ele disse. “Só pensei que você acharia isso divertido.” “Que você está sofrendo de disfunção erétil? Ben, não tem jeito de eu achar isso divertido.” “Não é disfunção erétil, Liz,” ele disse com um olhar ferido. “Não diga isso.” “Okay, okay. Desculpa.” “Eu só estou indiferente. Perdi o interesse em sexo por um tempo.” “Certo. Indiferente.” “De qualquer forma,” ele disse, ainda com o cenho franzido. Ego masculino. Que tocante. “Assim que eu fico perto de você, meu pau decide sair da hibernação. Excelente. Estava preocupado que eu teria que esperar até você ter o bebê para tê-lo funcionando.” “É. Que aborrecido.” Eu pensei na informação por um tempo. Não que tenham sido boas notícias – para mim, ao menos. As outras


mulheres do mundo provavelmente se beneficiaram muito com isso. “Bem, nós falamos sobre os nossos problemas, então é completamente natural que você esteja se sentindo melhor com a situação, eu acho.” Ele fez uma careta. “Docinho, eu não estou falando sobre nós sermos amigos, apesar disso ser legal e tal. Eu estou falando sobre o fato de você me deixar ligado. Desde o minuto que eu te conheci. Fisicamente, você me tem.” “Eu tenho?” “É, você tem. Eu apenas vou direcionar esse interesse para outro lugar.” Minha boca abriu, embora nada saiu dela por um tempo. Eu o tenho. Deus, se ao menos ele soubesse o quanto ele ainda me tem. Mas a esperança estava fora das apostas. Eu não podia me dar ao luxo de uma coisa física com ele. Minhas emoções já estavam envolvidas demais, e estava claro que o homem só estava querendo se divertir. Sem um pingo de dúvida, eu sabia disso agora. “Ben, tem certeza que isso não é algum bloqueio mental,” eu perguntei. “Toda a preocupação com a gravidez e como isso vai afetar as coisas, ao contrário de mim fisicamente?” Ele levantou a sobrancelha. “Hey, eu vi algumas das mulheres lá fora,” eu disse. “Elas são maravilhosas. E se elas estão pairando a sua volta noite após noite, então parece improvável que eu com a minha barriguinha de começo de gravidez e os meus tornozelos inchados de repente te trazemos a vida.” Sua língua brincou atrás da sua bochecha e ele não disse nada. Mas havia riso em seus olhos. “Eu só estou tentando ser racional,” eu adicionei.


“O problema é, racionalidade não funciona nesse caso.” O homem tinha razão. Paus obviamente não tinham emoções, coisinhas irritantes. “O ponto que eu baguncei aqui, Liz, é que você está certa. Eu estou com ciúmes. Eu quero você. Eu não vou fazer nada quanto a isso porque as coisas já estão complicadas o bastante e nós estamos nos esforçando para sermos amigos. Isso é o que é melhor para o bebê.” “Certo.” O que ele disse era nada além da verdade. Ainda assim, minha vagina ficou em depressão profunda. Meu coração não estava muito feliz com isso, também. “Os negócios são um inferno nos relacionamentos – todas as separações e tudo mais. Casais não duram. Vejo isso de novo e de novo. Eu não quero colocar o nosso filho nessa bagunça e nem a você.” “O quê?” eu inclinei a cabeça. “Você realmente acha isso. Mas e quanto a David e Ev?” “O tempo vai dizer.” Meus olhos se arregalaram. “Eu acho isso triste, Ben.” “Acredite em mim, Liz. O melhor para o nosso filho agora é você e eu trabalhando em uma relação a longo prazo com a qual ambos poderemos viver. Isso significa nós sendo amigos e descobrindo como sermos pais juntos, certo?” “Certo. Eu acho.” “Eu sei que eu não sou o estudante de psicologia aqui, mas eu também acho que realmente ajudaria se você não ficasse com nenhum dos meus amigos ou pessoas com as quais eu trabalho. Nunca. Eu acho que isso iria, ah, complicar as coisas.” “Sim. Muito justo.”


“E eu também não quero me envolver com nenhuma das suas amigas. Nunca.” “Obrigada.” Ele inclinou o queixo em reconhecimento. “Uau, nós nos saímos bem de verdade, estabelecendo os limites da amizade,” eu disse. Um sorriso. “Isso deve funcionar perfeitamente.” Só é de quebrar o coração. “Eu espero que sim,” ele disse. “Talvez seja melhor que não falemos sobre o seu pênis e sexo entre nós novamente no futuro. Talvez seja melhor revogar essa coisa de honestidade total um pouco.” Ele estremeceu. “Você está certa. Minha culpa. Não preciso confundir as coisas.” “Sem problemas.” Ele estendeu sua mão direita para mim, as juntas rosadas e os dedos grossos e calejados. “Amigos?” “Pode apostar. Sermos amigos será maravilhoso.”


CAPÍTULO OITO Ser amigos era um saco. Isso diz tudo, são trinta e cinco paradas na turnê – dezessete na primeira parte, antes de seguirmos pela Europa, então voltamos com a turnê pelos estados do norte. A banda tocava em uma cidade nova a cada duas noites sem uma pausa. Mas Ben estava certo, tudo o que poderia ser feito por mim foi feito. Tudo o que eu precisava me preocupar era com entrar e sair dos jatinhos e carregar o bebê enquanto o serviço de quarto atendia todos os meus desejos. A rotina era dura desse jeito. Nós chegávamos em um novo lugar e nos instalávamos no hotel enquanto fãs gritavam e desmaiavam lá na frente. Às vezes os rapazes tiravam folga o resto do dia, normalmente passando tempo com os entes queridos. Ou, no caso de Ben, tocando com a banda de abertura, Down Fouth, e uma ou duas caixas de cerveja. Não preciso dizer que os rapazes não saíam juntos. Mas parecia que alguns casais no seu primeiro ano juntos passavam grande parte do tempo transando. Com muito barulho. Jim e Ben iam para a academia com frequência, e eles todos se reuniam para um jantar ocasional cedo ou tarde da noite. Já que Mal ainda se recusava a falar com Ben o que não fosse relacionado com a banda, os jantares eram difíceis, para falar o mínimo. O grosso do tempo deles era gasto com publicidade. Programas de TV, estações de rádio, repórteres – você aponta, eles falam com eles. E então têm as passagens de som e ensaios e reuniões. Stage Dive deve


ter saído em turnê pelo país uma vez ou duas, mas o tanto do país que eles realmente conseguiam ver era muito pouco. Quando não era sobre sexo, parecia ser só negócios, o tempo todo. Isso me deu várias oportunidades de recuperar as minhas leituras e dar uma adiantada nas aulas do próximo ano, quando eu não estava com Ben, tentando descobrir como ele e eu poderíamos ser amigos. Não ajudava muito que a mera visão dele enviava os meus hormônios a loucura. As horas que eu passava me entretendo com a minha mão depois de uma das suas visitas eram simplesmente tristes. Gravidez era uma loucura. Em Albuquerque nós tomamos uma bebida juntos em uma manhã. Chá de ervas para mim e mais ou menos três litros de café preto para ele. A conversa foi estranha, em grande parte porque Ben só tinha tido três horas de sono. Não, eu não perguntei pelos detalhes. Em Oklahoma nós almoçamos no quarto dele. O problema foi que um fã muito dedicado conseguiu entrar no nosso andar e se algemou a porta da saída de emergência, em frente ao quarto de Ben. Entre a sua gritaria e o alarme de incêndio, ele conseguiu estragar tudo, o almoço foi cancelado e o prédio temporariamente evacuado. Em Wichita nós tentamos sair para uma caminhada, mas Ben logo foi reconhecido e nós tivemos que voltar correndo para o hotel. Ele pode não ficar muito em casa em Portland, mas nas outras cidades, ao avistar a Stage Dive, nós não tínhamos sorte. Eu odeio admitir isso, mas em Atlanta eu acho que nós estávamos começando a desistir. Não fizemos planos. E mais, eu estava espirrando.


Em Charlotte o meu resfriado decidiu ficar mais sério e um médico foi chamado, sem dúvida foi uma grande despesa. Eu poderia ter me dito para descansar e continuar tomando as vitaminas prénatais por muito menos. Meu nariz estava vermelho e escorria como um rio. Era lindo. Anne era a única que podia me ver. Ninguém mais podia se dar ao luxo de compartilhar os meus germes. Ela tendo o Mal enfiando a língua na sua boca a cada chance que ele tinha não parecia importar. Adrian, o empresário da banda, imediatamente me colocou em quarentena. Não era permitido eu colocar a cabeça para fora do quarto. Idiota. Como se eu fosse. Ben: Você está bem? Lena disse que você não podia receber visitas. Lizzy: Tudo bem. É só um resfriado. Ben: Que merda. O quão ruim? Você viu o médico? Lizzy: Sim. O enjoo matinal e carregar Bean me deixou para baixo. Tenho que beber mais suco, etc. Manter as vitaminas pré-natais. O sistema imunológico está cuidando mais dela do que de mim aparentemente. Ben: Ok. Precisa de alguma coisa? Lizzy: Não obrigada. Ouvi o coração dela de novo. Batia tão forte. Ben: Vc já pode ouvir o coração dela? Porra. Que incrível. Lizzy: Não é? Ben: Pode ser ele. Lizzy: Não tire onda com o instinto materno. Ben: Não me atreveria.


Lizzy: Eu nunca percebi que existiam tantos tipos de suco. Obrigada. Ben: Pense em qualquer coisa que você precisar e me diga. Lizzy: Eu vou. Obrigada mais uma vez. Lizzy: Obrigada pelas flores. Ben: Não foi nada. Se sentindo melhor? Lizzy: Não. Todos saúdam a Rainha do Catarro. Eles me receitaram antibióticos. Devo melhorar logo. Ben: Bom. Posso fazer algo por você? Lizzy: Não obrigada. Tenha um bom show. Merda pra você ou algo do tipo. Ben: Relaxa. Descanse. Lizzy: Mal te falou que eu vou ficar aqui? Ben: Você não virá para Nashville? Lizzy: Não. Eles não me querem no voo. Mal não te contou? Ben: Não. Lizzy: Droga. Desculpa. Ben: Não se preocupe. Vc ainda está doente? O quão doente? Lizzy: Nada sério. Eles só estão sendo cuidadosos. E mais, vcs rapazes não podem ficar doentes. Ben: Ligando. Lizzy: Perdendo a voz. Dói para falar. Ben: Merda. Vc tem certeza? Ben: O que o médico disse exatamente? Lizzy: É um resfriado comum. Dores de cabeça e nariz entupido. Sem febres altas o que poderia ser perigoso. Tudo normal.


Ben: Talvez nós devêssemos ter uma segunda opinião. Lizzy: Não se preocupe. Anne vai ficar cmg. Vj vc em Memphis. Ben: Me mantenha atualizado. Precisa de alguma coisa? Lizzy: Eu vou. Apenas dormir. Até mais. Ben: Como vc está hj? Lizzy: O nariz está soltando menos coisas verdes. Ben: Bom. Fiquei preocupado com você. Lizzy: Eu estou melhorando. Dormindo e passando muito tempo vendo tv. Ben: Ótimo. Pega leve. Lizzy: Com Anne no modo Enfermeira Ratched eu não tenho outra

escolha.

(NT:

Enfermeira

Mildred

Ratched é

a

principal antagonista do livro de Ken Kesey e no filme de Miloš Forman "Um Estranho no Ninho". Uma sociopata, tirana, cruel e sádica mulher que controlava seus pacientes com punho de ferro.) Ben: Haha. Família. Lizzy: Exatamente. Ben: Posso fazer alguma coisa por você? Lizzy: Eu estou bem. Ben: Desculpa perdi a sua ligação. O que houve? Lizzy: Só quis te desejar boa sorte no show. Como está Memphis? Alguma pista do Rei? Ben: Ainda não. Mas ele está aqui em algum lugar. Como vc tá? Lizzy. Bem melhor. Entediada. Quero sair da cama. O médico disse mais um ou dois dias. A pressão está um pouco baixa, me deixa tonta. Mas não é grande coisa.


Ben: Você desmaiou? O que aconteceu? Lizzy: Não, apenas me senti estranha. Está tudo bem. Tomando mais ferro. Ben: Cristo, vc tem certeza? Lizzy: Sim. Por favor não se preocupe. Está tudo funcionando bem. Ben: Merda. Ok. Fique boa para eu ver você. Lizzy: Você também. Estou cansada de estar doente. Me encontra em St Louis? Ben: Feito. Lizzy: Anne disse que vc ligou para ela. Corajoso. Ben: Quis ter certeza que vc estava bem. Lizzy: Eu sei. Mas eu estou te contando tudo. Ben: Sim. Apenas preocupado. Lizzy: O médico é bom. Se alguma coisa mudar eu vou te deixar saber em seguida. Te vejo em breve. Lizzy: Eu sou agora a orgulhosa dona de uma grande variedade de pijamas super confortáveis e a coleção de filmes de zumbi mais extensa do mundo. Ben: :) Lizzy: Você arrasa. Ben: Os pijamas foram ideia da Lena. Os zumbis, minha. Lizzy: Gostei de ambos. Obrigada. Ben: Que filme vc tá assistindo? Lizzy: Madrugada dos mortos. Ben: Original ou remake?


Lizzy: Remake. Amo os atores desse. Ben: Legal. Nunca o assisti. Lizzy: Não é Romero, mas é divertido. Ben: Me mostre um dia desses. Ben: Claro. Lizzy: Cheguei. Indo dormir. Ben: Ok? Lizzy: Sim. Só cansada. Tenha um bom show. Ben: Obrigado. Vejo vc de manhã. *** Sim, o triste fato era, Ben e eu provavelmente éramos melhores trocando mensagens do que nos comunicando cara-a-cara. Exceto naquela noite em Vegas. Oh, e aquela vez na sua caminhonete. E na banheira do seu quarto de hotel depois da briga com Jimmy, acho que ele tinha estado sob alguma influência aquela noite. De qualquer forma, o voo me derrubou. Eu fui direto para a cama quando eu e Anne chegamos a Saint Louis. Mas eu não consegui dormi muito na verdade. “Porra, cara!” foi o que me acordou. “Você não vai entrar aqui.” “Sai da minha frente,” alguém disse em uma voz distintamente profunda e muito puta. “Calma.” Outra voz masculina. Uma diferente dessa vez. “Ben, seja razoável. Ela ainda está dormindo.” Essa foi Anne, sua voz apaziguadora.


“É uma da tarde. Ela disse que estava melhor, por que ela ainda está dormindo porra?” Eu tinha certeza absoluta que eu não estava mais. “Anne, ele tem razão. Alguém deu uma olhada nela?” Eu acho que era Lena, mas o que ela estava fazendo aqui, eu não tinha ideia. “Alguma coisa está errada. Eu quero um médico aqui agora,” Ben disse. “Só um minuto. Todos estamos preocupados com ela.” Ev, talvez? Inferno, parecia como se todo mundo tivesse vindo me visitar. “Eu te falei, cara,” Mal disse. “Você não vai entrar nos meus quartos. Eu tenho que trabalhar com você. Mas eu não tenho porra nenhuma a ver com você fora de lá.” “Pelo amor de Deus...” “Você fodeu com a minha confiança.” “Eu sei,” Ben suspirou. “E eu sinto muito. Mas agora eu preciso saber se ela está bem.” “Eu estou bem,” eu disse, saindo do meu quarto. “Hey, vocês todos estão aqui.” E eu quis dizer todo mundo mesmo. David e Ev, Lena e Jimmy, e claro minha irmã e Mal, com quem eu estava dividindo a suíte. Graças a Deus que eu estava usando calças de pijamas novas e um top combinando, a pequena barriga apontando. “Liz.” Ben correu para mim, me envolvendo em seus braços grandes e fortes. “Oi.” Eu resmunguei em sua camiseta. Sim, eu estava meio fria. Geralmente, nós não fazíamos isso, mas também isso pareceu bom demais. Meu pobre corpo cansado ficou arrepiado de um jeito


bom. O homem só estava me pedindo para transar com a perna dele ou algo do tipo. O desespero realmente não era bonito. “Você está bem?” ele perguntou, estudando o meu rosto. “Eu estou bem. Só dormi demais. Desculpa ter preocupado todo mundo.” Ele franziu o cenho, as mãos grandes segurando o meu rosto, gentilmente o virando para lá e para cá para inspeção. “Você não parece bem. Parece cansada.” “Eu não pude dormir noite passada. Eu estou me recuperando muito bem do resfriado. Nada mais de Rainha do Catarro e essas coisas.” “Você tem certeza?” ele me deu um olhar duvidoso. “Vá se danar, cara. Eu estou brilhando.” O grande idiota me deu um olhar tímido. “Desculpa. Só fiquei preocupado com você.” “Aparentemente meus níveis de ferro estão um pouco baixos. Eu estou tomando suplementos agora, comendo mais. Eu vou voltar ao normal daqui a pouco. E eu me sinto bem, de verdade. Eu estou ótima! Estar de pé por aí é incrível.” “Por que você não conseguiu dormir?” Minha boca estava funcionando bem, mas na verdade meu cérebro estava ainda dormindo para eu inventar uma mentira plausível. Pior, meu rosto começou a pegar fogo. Droga. De todas as perguntas do mundo, eu não queria responder a essa particularmente. Nenhum pouquinho. “Por quê?” “Eu não sei, eu só não pude.” “Liz.”


“Ben.” “Me diga por que,” ele rosnou. “Porque as paredes aqui são finas, okay. Estava fazendo muito barulho. Agora chega de perguntas. Eu estou com fome.” “Ha,” Mal gritou com triunfo, as mãos nos quadris. “Sua noite de diversão infantil a manteve acordada.” “Eu estou do outro lado da porra do prédio,” Ben disse. “Como diabos eu poderia tê-la mantido acordada?” “Mas então, se não foi você...” As sobrancelhas de Anne subiram lentamente e ela cobriu a boca com a mão. “Oh querida. Desculpa, Liz.” Eu assenti, incapaz de olhar para ela. “O que,” Mal perguntou, os olhos cheios de confusão. “Do que vocês duas estão falando?” Jimmy bufou. Um momento mais tarde, seu irmão fez o mesmo. Ao menos Ev e Lena conseguiram manter suas reações para elas. Elas eram boas garotas. Eu nunca precisaria saber que a minha irmã era uma gritadora. Nunca. Que Mal fosse um gritador também meio que me confundiu. Se você ao menos pudesse apagar as lembranças do seu cérebro. Isso seria uma coisa extraordinária. “Pumpkin? Explique.” Anne puxou Mal para perto e sussurrou em seu ouvido. Então Mal começou a rir em silêncio. “Não é engraçado,” Anne disse. “Meio que é.” Ela sacudiu a cabeça, os braços cruzados sobre o peito. “Deus do Sexo pontua novamente!” “Cale a boca.”


Com um sorriso enorme no lugar, Mal a beijou nos lábios. “Então você conseguiu dormir bem?” Ben perguntou, ignorando a audiência. “Sim. Obrigada.” “É melhor conseguirmos um pouco de café da manhã para você. Está com vontade de que?” “Hmm.” Minha barriga roncou audivelmente. Eu não me importei. “Eu quero o maior omelete conhecido pela humanidade.” “Você vai ter.” Seus olhos baixaram para a minha cintura, então sua mão fez o mesmo, tentativamente cobrindo a minha barriguinha. Ainda eram dias novos no mundo de Bean. A barriga deve ter sido causada por má postura ou algo do tipo. Mas eu sabia que ela estava ali, crescendo e fazendo as suas coisas. Mágico. “Você se importa se eu...” ele perguntou. “Está tudo bem.” A palma da sua mão aqueceu a minha pele, seus dedos calejados passavam lentamente sobre mim, fazendo um pouco de cócegas (e me dando tesão, é claro. Gah.) A lateral do seu polegar ia para lá e para cá, os calos me dando arrepios. Na verdade, eu estou muito certa de que foi ele quem me deu os arrepios. Parecia não fazer diferença se as mãos dele estavam ali. E eu tive o pior sentimento de que eu tinha sentido falta dele semana passada. Sua voz, sua presença, ele todo. Eu olhei para o seu rosto, encantada. Isso veio tão natural quanto respirar, sentir por Ben. O que quer que ele tenha feito enquanto eu estava longe parecia não importar agora. O quão idiota era o meu coração? Enquanto isso, o silêncio estava começando a me deixar nervosa. “Quinze semanas,” eu disse.


“Uau.” Ele sorriu e eu sorri de volta para ele, perdida. O mesmo de sempre. “Acho que eu deveria me vestir.” “Nah,” ele disse. “Não se preocupe. Venha para o meu quarto e nós vamos pedir o seu omelete. Você pode me contar tudo depois do seu café da manhã.” “Okay. Eu gosto disso.” Nos viramos para encarar a audiência. Todos os olhos estavam na gente – aparentemente a nossa pequena conversa os tinha entretido. Eu meio que esqueci que a gente tinha público, pega no momento. “Cara,” David disse, sua mão segurando o ombro de Mal. “Vamos lá.” “O quê?” Mal fez uma careta. “Isso está sendo resolvido,” Jimmy anunciou. “Agora. É hora de se beijaram e fazerem as pazes, os dois idiotas.” “Vai se foder, Jimbo.” Ben soltou a minha mão, deu um passo para frente. “Eles estão certos. O que custa?” Com o ar de muito ferido, Mal virou para Anne. Ela assentiu, dando um pequeno sorriso para ele. “O que eu fiz foi errado. Eu te dei a minha palavra e eu não pude manter.” Com as mãos do lado do corpo, Ben encarou Mal. “Nós somos amigos desde criança. Nunca deveria ter te dado uma razão para duvidar de mim. Eu sinto muito.” “E você a engravidou,” Mal atirou. “É. Mas eu não estou me desculpando por isso. Nunca vou dar ao meu filho razão para ele duvidar que ele não é querido.”


Os olhos de Mal estreitaram enquanto ele avaliava Ben de novo. “Isso não é bom para Liz,” Ben disse, “ser pega nessa merda entre nós. Ela não precisa desse estresse.” Com uma respiração profunda, Ben levantou o queixo. “O que vai custar?” “Três,” Mal disse. “Não no rosto.” David se moveu para mais perto da dupla. “Certo?” “Tem que mantê-lo bonito para as fotos,” Jimmy disse. “Tudo bem.” Mal flexionou os pulsos, curvando a mão direita em um punho. “Não quero danificar essas mãos preciosas de qualquer forma.” “Espera!” Eu corri, compreendendo que fim aquilo ia levar. “Vocês não estão falando sobre bater nele. Só por cima do meu cadáver.” As outras mulheres pareciam resignadas, preocupadas, tudo combinado. Mas nenhuma delas iria interferir. Estava lá nos olhos delas. Que se fodam. Ben se virou, agarrando o meu braço e me colocando um passo para trás. “Fique aí. Só para garantir.” “Ben. Não.” “Nós precisamos acabar com isso.” “Você não vai deixa-lo bater em você.” “Liz –” “Eu estou falando sério!” “Docinho, está tudo bem,” ele disse, os olhos gentis, mas o rosto composto. “Se acalme. Nós somos amigos há muito tempo. Você tem que deixar a gente resolver isso do nosso jeito.”


Como se fosse possível. “Anne, me ajuda!” Minha irmã só fez uma careta. “Talvez ele esteja certo. Talvez nós precisemos ficar fora disso.” “Se fosse Mal, você iria ficar fora disso?” O pensamento de Ben sendo ferido, de Mal o ferindo, e eu ser o motivo... eu basicamente queria vomitar. “Mal, você encosta um dedo nele e eu juro que eu nunca mais falo com você de novo.” O idiota apenas revirou os olhos. “Por favor. Eu vi o jeito embasbacado que você olha para ele. Ele vai falar com você de novo.” Então, antes de Ben estar pronto, Mal esmagou seu punho na barriga do cara. A respiração saiu de Ben com rapidez e eu estremeci. Ele foi para frente, se protegendo instintivamente. Sem uma pausa, Mal deu o segundo soco, um jab na lateral do corpo. Ben gemeu, indo para trás, e Mal o socou mais uma vez na barriga. Minha própria barriga se contraiu em empatia. Ele fez isso, Mal realmente tinha feito isso. O silêncio que se seguiu foi colossal. A respiração difícil de Ben encheu o quarto enquanto Mal erguia a mão para um aperto. Estava tudo acabado. Eu

tinha

visto

algumas

brigas

na

minha

vida.

Uma

particularmente suja em uma rua deserta na minha fase selvagem. Então, claro, na noite que a minha gravidez foi anunciada. Ao menos o cheiro de sangue não fez aparição dessa vez. Violência nunca consertava nada. Mal não esperar Ben estar preparado, batendo nele antes que ele tivesse a chance de esperar pelo golpe, machucando o meu homem que eu gostava (demais)... A emoção me pegou, me


virando do avesso. Eu não sabia se eu começava a chorar descontroladamente ou se começava a atirar coisas. Hormônios estúpidos. Garotos estúpidos. “Tudo bem?” Mal perguntou. “Sim. Aquele golpe de abertura foi uma boa.” Ben se ergueu lentamente, a dor passando pelo seu rosto. Então ele apertou a mão do companheiro de banda. Os garotos bateram nas costas um do outro e as mulheres deram sorrisos de alívio. Essas pessoas eram insanas pra caralho. “Voe como uma borboleta, pique como uma abelha.” Com os pulsos para cima, Mal pulou em volta. “Lizzy, baby, vamos lá. É coisa de homem. Você não entenderia, criança. Você apenas tem que aceitar.” “Você…” eu procurei na minha cabeça mas não tinha uma palavra forte o bastante, um insulto ruim o bastante. Isso era violência. Eu queria tirar aquele sorriso do rosto dele a tapas. O lábio superior levantado em um grunhido, eu fui em direção a ele, minha mão pronta para estapeá-lo. Infelizmente, Ben estava a postos também. “Não, você não vai.” Ele me segurou em seus braços, me puxando contra ele. “Acabou.” “Me solta.” “Hora do café da manhã, lembra? Vamos.” Eu xinguei aos sete ventos, toda a linguagem de baixo calão há muito esquecida. O que eu podia dizer? Foi o calor do momento. “Whoa,” Mal disse, os olhos arregalados de surpresa. “Ela é um bicho feroz.” Do outro lado do quarto, Ev abriu a porta e nós passamos direto por ela. Involuntariamente da minha parte. “Não. Ben –” “O quê você quer no seu omelete?”


“Me solta.” “E quanto ao suco? Você vai querer suco também?” “Não seja condescendente comigo. Eu não sou uma criança.” “Acredite em mim, docinho, eu sei. Apesar da birra que você está fazendo agora.” “Isso não é birra! Essa sou eu ficando ultrajada por Mal bater em você.” A porta se fechou atrás de nós e nós ficamos em pé no longo corretor do hotel. Dessa vez o carpete era vermelho, com espelhos estilo arte decó alinhados na parede. As pernas longas de Ben nos levaram para longe da suíte de Mal e Anne tão rápido quanto elas puderam. Do lado de fora de outra porta ele parou, me abaixou cuidadosamente enquanto mantinha um braço em volta da minha cintura – se por acaso eu tentar escapar, sem dúvida. Do lado de dentro, ele fechou a porta, e caiu contra ela. Então ele só meio que me encarou. “O que?” Eu resmunguei, cruzando os meus braços. O canto da sua boca subiu. “Não é engraçado. Eu não consigo acreditar que você o deixou lhe machucar.” Com um olhar aquecido, Ben levantou os braços, enlaçando os dedos em cima da sua cabeça. Ainda encarando. “Isso não deveria ter acontecido,” eu disse. “E isso é culpa minha. Você foi ferido por um dos seus amigos mais antigos por causa de mim.” Ele piscou, o traço de um sorriso desaparecendo. “Não. Eu deixe Mal me dar alguns socos porque ele é um dos meus amigos mais antigos. Merda, ele é mais que isso. Ele é meu irmão. Quando as coisas


ficaram ruins entre Dave e eu no ano passado, foi ele que falou com Dave, suavizando as coisas. Agora, eu dei a Mal a minha palavra sobre você, e eu voltei atrás. Eu mereci ele ficando puto comigo, e meio que resolvemos tudo entre nós. Fim da história.” “Eu não gosto disso.” “Você não tem que gostar disso. Isso é entre eu e Mal.” “Então o que eu penso não interessa?” “Não, sobre isso, não,” ele disse, me olhando direto nos olhos. Idiotas. Eu virei as costas para ele por um minuto, me recompondo. Tudo dentro de mim estava correndo, uma bagunça louca. “Nunca tive uma mulher tentando me proteger dessa forma,” ele disse suavemente. “Mal estava certo, você é feroz.” Eu levantei o meu queixo, me virando para encara-lo. “Teimosa, leal.” Eu dei de ombros. “Faminta.” Ele riu, empurrando a porta com um pé, vindo na minha direção. Mais uma vez ele beijou o topo da minha cabeça. Sem pensar eu me inclinei contra ele. Ben de alguma forma começou a representar calor e segurança. Meio que um lar para Bean e eu, apesar dos meus melhores esforços para manter uma distância segura entre nós. Mas talvez lar não fosse sobre o coração, exatamente, mas sobre alguma coisa mais profunda. Nós fizemos uma criança juntos, faz sentido ter uma conexão. Não tem necessidade de eu me afastar. Eu não sei. Meus sentimentos por ele não me faziam exatamente mais sábia. Eles constantemente me empurram e me puxam em direções confusas e diferentes. Eu não sabia se alguma vez eu iria resolver isso.


Entretanto o que eu sentia por ele e o que eu sentia por Bean, era extraordinariamente grande. Eu nunca soube que tinha lugar em mim para tanta emoção. Se eu pudesse apenas me agarrar a ele, seria maravilhoso. Talvez ele precise de uma lapa de estimação. Ha! (NT Lapa é um desses crustáceos que ficam grudados nas rochas) Isso tudo provavelmente é outra coisa hormonal estranha e em cinco minutos eu vou estar indiferente a ele. Uma garota pode ter esperança. “Você está bem?” ele perguntou com um sorriso. “Tudo bem.” “Me faz um favor?” “O quê?” “Fique fora de brigas. Mantenha o nosso bebê seguro.” “Bom ponto,” eu resmunguei. “Eu meio que perdi isso lá atrás.” “É, você meio que fez isso.” “Desculpa.” “Eu sou um garoto crescido, Liz. Você pode confiar que eu sei cuidar de mim, okay? Eu não vou deixar ninguém mais dar um soco em mim. Eu vou a academia todos os dias com Jim. Eu não sou uma flor delicada que precisa de proteção.” “Okay.” Ele colocou as mãos nos meus ombros e olhou para baixo. “E eu entendo. Mesmo. Essa merda é complicada, mas se alguém colocar um dedo em você, eu vou perder a cabeça também. Mas você vai ter que superar isso e perdoar Mal. Eu quis dizer isso. Isso não é bom. Sem mais brigas com a nossa família. Eu quero acabar com isso.” Eu dei um aceno de cabeça. “Eu vou trabalhar nisso. Mas de jeito nenhum eu vou continuar vivendo com eles. Por várias razões. É hora de eu ter o meu próprio quarto.”


“Liz, você acabou de ficar tão doente que teve que ficar de repouso por uma semana. Anne disse que a sua pressão ainda será um problema por um tempo. Eu não acho que seja hora de você ficar sozinha. E se acontecer alguma coisa?” “Qual é a minha alternativa? Jimmy e Lena precisam de um tempo sozinhos agora. Eu não vou me impor a eles.” Respiração profunda. “É, você está certa. É melhor você ficar comigo.” “Com você?” Eu perguntei, surpresa. “Bem, é.” Ele abriu os braços. “Eu tenho uma suíte com dois quartos porque eu gosto do meu espaço. Há muito espaço para você.” “E quanto às suas festas? Eu não quero ser uma estraga prazeres, mas…” “Eles irão para algum outro lugar. Porra, Vaughan e a Down Fourth podem fazer as festas no quarto deles. Não é um problema.” Eu me afundei com o alívio. E isso também funcionou para disfarçar bem o raio de excitamento que passou em mim. Eu e Ben vivendo juntos. Uau. Que mudança. “Parece ótimo!” “Legal.” Ele juntou as mãos, as esfregando. “Isso vai funcionar muito bem. Nós estaremos convivendo, trabalhando em ser amigos e tudo. E mais, eu não vou ter que me preocupar com você ficando sozinha.” “Amigos. Que demais.” Essa palavra. Eu a tenho que traduzir como felicidade na minha mente. Fazer funcionar. Ben e eu seríamos amigos. Amigos amigos amigos. Ele levantou sua mão enorme. “Bate aqui, amiga.”


E eu bati, bati a minha mĂŁo contra a dele com um enorme estalo. Puta merda, isso doeu.


CAPÍTULO NOVE Depois de Saint Louis veio Washington DC, seguido por Filadélfia. Levou isso tudo para eu largar o meu rancor e perdoar Mal. Bem, a começar a perdoar Mal. Por mais que todo mundo tente diminuir isso, a lembrança dele enviando o seu punho nas vísceras de Ben ainda estava muito fresca. Minha mão começava a contorcer toda vez que ele se aproximava. Eu não poderia impedir. Ben e eu vivermos juntos não tinha sido o passo astronômico em direção a um futuro brilhante e lindamente romântico que eu tinha meio que secreta e idiotamente esperado. Mas isso era problema meu, não dele. Definitivamente não houve mais abraços. Como colega de quarto, ele era muito educado – e frequentemente ausente. Sim, Ben era um garoto ocupado. Ele saia do quarto maravilhoso e com a cara amassada às nove da manhã e tomávamos café juntos, o que era legal. Por mais ou menos uma hora nós conversávamos comendo panquecas ou ovos Benedict ou qualquer outra coisa. A conversa normalmente girava sobre a minha saúde e o filme que eu assisti na noite anterior. Então ele desaparecia para “fazer as merdas da banda.” Eu não sabia exatamente o que ele fazia, mas aparentemente isso tomava o dia inteiro e boa parte da noite. Então eu me sentava na frente da TV, esperando encontra-lo quando ele chegasse qualquer hora que fosse. Mas em vez disso, eu acordava na minha cama, e já era de manhã.


Tudo muito amigável. Eu só precisava me ajustar. Ainda. E maldição, essa noite eu iria. Essa noite, minha paixonite por ele iria acabar. Precisava. O homem infernizava o meu coração e genitália. “Me recorde novamente porque nós estamos aqui,” Anne disse, deslizando os braços em volta dos meus ombros. “Para festejar.” “Nós estamos aqui para festejar?” “Como você pode duvidar disso?” eu afofei a minha camiseta preta solta na minha barriga. “Contanto que nós não estejamos aqui para espionar Ben.” Eu zombei. “Como se eu fosse fazer isso.” “Porque você está muito em cima dele.” “Grande coisa. Realmente. Nós somos amigos.” Anne fez um barulho com o nariz. “Amigos não deixam amigos perseguirem os seus amigos.” “Você e eu não somos amigas, somos irmãs. Totalmente diferente.” Minha mandíbula se deslocou em um enorme bocejo. Ugh. Esse negócio de carregar um bebê realmente te suga. “Você tem que engolir e me apoiar não importa que besteira eu faça.” “Vocês dois ainda estão dividindo a suíte mas não o quarto, huh?” “Você realmente quer saber?” Eu perguntei, curiosa. Ela suspirou. “Você está grávida dele. Eu desisto. De todos os homens que eu teria escolhido para você, ele nem remotamente estaria na lista. Mas no final do dia, a escolha é sua, não minha.” Eu assenti, agradecida. “Eu só quero que você saiba que você tem opções.” Igual quando éramos crianças, Anne enrolou um cacho do meu cabelo em volta do


dedo e deu um puxão. Eu dei um tapa na mão dela, como eu sempre fazia. Ela agarrou os meus dedos e os segurou. “Mal e eu temos conversado. O que quer que você queira fazer com isso, nós estaremos felizes em te apoiar. Seja indo morar com a gente ou qualquer outra coisa.” “Eu agradeço isso.” “E se por um acaso você e Ben não conseguirem resolver as coisas, você não precisa se preocupar com dinheiro.” “Ben não me deixaria na mão desse jeito, Anne.” “Eu só estou dizendo –” “Eu sei. Mas acredite em mim, eu não preciso me preocupar com dinheiro.” “Não. Você não precisa.” “É, eu realmente não preciso,” eu disse, me virando para encarala. “Ele colocou seis dígitos na minha conta antes da turnê começar.” “Huh.” O branco dos olhos de Anne ficaram brilhantes. “Bom. Isso me faz ter uma opinião melhor sobre a maravilha barbuda.” “Mm.” Isso foi um passo para frente já que ela o chama pelo menos de Esperminador. Sentamos amontoadas em uma única poltrona, observando a festa pós-show rolar. Quando eu me mudei para a suíte de dois quartos de Ben, a festa se moveu para o quarto do vocalista do Down Forth. Ele compartilhava a suíte menor com a sua namorada, a baterista da banda. Ela foi mais que acolhedora, se não um pouco surpresa, quando nós batemos a porta. E eu tive o pior pressentimento de que Anne estava certa e eu não deveria ter vindo. Nem para esse quarto, ou para a turnê, nem nada disso. Também, aparentemente, meu humor geralmente estava em um nível de merda.


Instável. Não, isso não servia. Uma droga. Sim, uma droga servia como um substituto aceitável. “Eu odeio ter que ser vigiada, como se de repente eu não fosse mais eu, mas uma condição, uma máquina de fazer bebê.” Eu inclinei minha cabeça contra Anne com um suspiro de pobre de mim. “Deveria ter ficado em Portland e trabalhado na livraria. Eu não pertenço a esse lugar.” “Claro que você encaixa aqui. Não seja besta.” Eu dei um meio sorriso a ela. “Eu pareço patética. Rápido, me bata com um peixe fresco ou algo do tipo.” “Se ao menos eu tivesse um ao meu alcance. Esse bebê faz você uma pessoa interessante para se ter por perto. Eu nunca sei qual humor eu vou ter que encarar.” “Você não faz ideia. Eu preciso tanto transar... meus sonhos são só um fluxo interminável de pornografia.” “Oh-kay. Então vá em frente, me fale sobre ele. Eu vou tentar manter a mente aberta.” “Não tem muito a dizer.” “Vocês dois pareceram bastante confortáveis juntos quando ele invadiu o castelo para te resgatar da sua irmã malvada e do seu cunhado.” Eu levantei as sobrancelhas. “Desculpa,” ela disse. “Quando ele forçou a entrada porque estava preocupado com você – felicitações por ele se importar – pareceu que vocês estavam se dando muito bem. Eu vou tomar que esse não é o caso, já que você está obviamente infeliz e nós estamos aqui a espreita, esperando-o aparecer.”


“Nós fomos muito civilizados. Sempre trocando mensagens, ele me checava sempre, e se eu precisasse dele ali, ele estaria ali. Mas... eu não sei. Não é como se a gente realmente dissesse alguma coisa. Nós compartilhamos o mesmo espaço mas vivemos distantes. Ele faz as coisas dele, eu faço as minhas. Ele levanta e sai, volta tarde da noite depois de beber aqui com esses caras.” Ela franziu o cenho. Como vou explicar isso? Era tudo uma bagunça. “A coisa é, eu não posso esquecê-lo se ficar vivendo com ele. A proximidade não funciona. Ela me transforma em uma louca pervertida, cheia de hormônios de gravidez, cheirando a sua roupa suja.” “Você cheira a roupa suja dele?” Anne me deu um olhar julgador. “Foi só uma camisa.” Ela pigarreou. “Certo. Okay.” “De qualquer forma, isso não parece certo, do jeito que as coisas estão. Eu invadi seu espaço pessoal, aceitando a oferta de me mudar. Isso foi um movimento errado. Então eu estava pensando que ou eu vou para casa ou eu consigo um quarto só pra mim.” “Não vá embora. Volte a viver comigo e com o Mal. Eu prometo que manteremos o barulho de sexo sob controle.” “De jeito nenhum. Eu ainda tenho esses terríveis flashbacks daquela noite e acordo chorando, apavorada que algum macaco tarado vai me atacar.” O riso silencioso – eu não poderia contê-lo mesmo se eu tentasse. Então eu nem tentei. “Engraçado,” ela disse com secura. “Obrigada. Eu me diverti.”


“Eu odeio o pensamento de você ficar sozinha.” “Eu sei. Mas eu vou ser mão solteira, Anne. Eu estou por conta própria, é um fato da vida. É hora de eu me acostumar.” Eu dei de ombros. “Eu sei que você e Mal querem fazer o que podem, e eu agradeço. Sério. Bean é sortuda. Ela vai ter uma família postiça maravilhosa com todos vocês.” “Ela é sim.” Eu dei um aperto amigável no joelho de Anne. “Eu fico feliz por podermos falar sobre isso. Eu senti falta de falar com você.” “Me desculpa, eu fui tão julgadora. Isso foi muito difícil, com todos os seus planos de estudo e tudo mais.” “É, eu sei.” Nós estávamos quase sentando no colo uma da outra de tão perto que estávamos. Depois dos últimos meses, eu acho que a gente precisava disso. “Eu continuo dizendo para mim mesma que ele e eu só seremos amigos,” eu disse, deixando sair, despejando toda a história triste em cima dela. “Tem uma parte idiota de mim lá no fundo que ainda guarda esperanças, entretanto, eu não acredito nisso. Eu não posso ficar sentada em seu quarto de hotel esperando por ele chegar para nós termos um momento mágico juntos que vai consertar tudo e fazer isso ser certo. Ele e eu nunca seremos desse jeito. Eu só tenho que aceitar isso.” Minha irmã só me encarou. “Você tem sentimentos de verdade por ele, não tem?” Eu bufei. Eu não sei, só parece ridículo que ela ainda esteja em negação depois de tudo isso.


“Desculpa. Eu acho que eu sempre pensei que isso era uma paixonite que você ia superar,” ela disse. “Mas não é.” “Não. Mas já está mais do que na hora de eu seguir em frente. Você está certa. Portanto estamos aqui, esperando por ele fazer sua aparição. Eu vou vê-lo em ação, cantando mulheres sexys, e vou esperar perceber a profundidade da minha idiotice. Então eu vou dizer a ele que é hora de eu crescer e ter meu próprio quarto ou ir para casa.” Eu peguei meu copo de limonada de cima da mesa de café e tomei um gole. Anne inclinou a cabeça, me estudando. “Você está apaixonada por ele?” Boa pergunta. “Eu só pensei... talvez vê-lo em ação não seja o que você precisa,” ela disse. “Talvez tomar uma posição funcione melhor.” “Exigir que ele me ame? Eu não acho que isso vá funcionar.” “Hmm. Mas voltando a pergunta original. Você o ama?” “Eu não tenho certeza se eu ao menos sei o que é o amor.” “Isso dói?” O ar estava aparentemente escasso. Eu olhei para a minha irmã, confusa

com

a

pergunta

e

ao

mesmo

tempo

entendendo

completamente. E aquela pergunta – eu não queria responder. Eu precisava me concentrar nas minhas certezas. Bean. Ser mãe. Coisas como essa. “Bem?” ela perguntou. “Sim.” E Deus eu odiei isso. A verdade era um saco. Anne assentiu lentamente, nenhum sorriso em seu rosto. “Eu sinto muito.”


“De qualquer forma.” Meu sorriso era incrivelmente falso. Foi uma maravilha meu rosto não quebrar. “Quando ele chegar aqui, eu vou falar com ele. Nesse meio tempo, eu vou curtir a festa. E eu tenho o pressentimento que essa vai ser uma noite longa.” “É quase meia-noite. Eu estou impressionada que você conseguiu ficar acordada esse tempo todo.” “Você só está dizendo isso porque eu tenho caído no sono às oito todas as noites dessa semana.” Ela sorriu. “Espere. Mais tarde nós estaremos completamente loucas e tomando shots de leite quente. Vai ser incrível.” “Vivendo no limite.” “Eu sei, certo?” eu me virei para olhar por sobre o meu ombro para a minha nova e sempre presente sombra. “Você pode fazer as honras e servir, Sam.” “Estou ansioso por isso, Miss Rollins.” O segurança me deu um aceno de cabeça austero, nunca tirando os olhos da sala. Maldição. Ele sorri e faz piadas com os membros da banda. Eu testemunhei isso com os meus próprios olhos. Eventualmente eu vou cansá-lo. Do outro lado do corredor veio o grito inconfundível de Who Shall Not Be Named. A Stage Dive finalmente tinha chegado. Ou alguns deles. Mal explodiu no quarto, procurando por sua parceira, enquanto Ben estava com um passo mais calmo, conversando com um cara que eu não conhecia. O cabelo de Ben estava puxado para trás, sua barba bem aparada. Eu acho que ele trocou de camisa depois do show, porque essa era uma de botões pretos, com alguns abertos em cima.


Ele parecia adorável. Inferno, ele parecia como o amor. Arpas, anjos, tudo isso. Deus, eu era fraca. Eu realmente tinha que colocar isso sob controle, para o próprio bem da minha sanidade se nada mais. A multidão de repente pareceu aumentar. Eu acho que várias pessoas tinham ficado no bar do hotel, esperando as pessoas importantes chegarem. O baterista maluco ficou em um joelho na frente de Anne, estendendo uma mão. Com um sorriso, ela colocou os dedos nos dele. “Quem é essa sobrenatural criatura que eu vejo em minha frente?” ele perguntou. “Você ofusca os meus olhos, estranha misteriosa. Eu preciso saber quem é você imediatamente.” “Eu sou sua esposa.” “Pensei que você parecia familiar.” Ele beijou as costas da mão dela, se virando para descansar a coluna contra a parte debaixo da poltrona, entre as pernas dela. “Porra essa noite foi longa. Adrian marcou uma entrevista depois do show. Da próxima vez que aquele cara de doninha fazer isso, me lembre de mata-lo.” “Certo.” “Massageie os meus ombros, por favor, Pumpkin,” ele perguntou, estalando o pescoço. “Eu estou com dor.” Anne começou a esfrega-lo. “Agendo uma massagem para você amanhã?” “Você é a melhor.” Ele me deu um apertão no joelho. “Lizzy, você está falando comigo hoje?” “Eu ainda não decidi,” eu disse. “Não vai levar mais muito tempo, mamãezinha. Melhor aceitar isso.” Ele sorriu. “Benny-boy sabe que você está aqui?”


“Eu não tenho que me reportar a ele,” eu falei precipitadamente. Mal riu. “Não? Isso vai ser interessante.” “Diga a ele, Sam.” Eu engoli a minha limonada. “Miss Rollins

é uma adulta completamente crescida e

independente,” o segurança reportou obedientemente. “Por favo-or,” Mal disse. “Cinco pratas que ele vai puxar o rabo dela daqui nos próximos cinco minutos.” “Feito.” Sam sacudiu a mão dele. Danem-se os dois. Se eu tivesse que escolher, Sam seria o vencedor. Sem nenhuma graciosidade, mas cheia de propósito eu me contorci e me levantei, tentando sair da poltrona. “Eu vou ao banheiro.” “Ah, vamos lá. Você não pode se esconder dele,” Mal reclamou. “Isso não é justo.” Eu apenas sorri. “Benny-boy, olha quem está aqui! Por que, é a doce pequena Liz, e já passou da sua hora de dormir. Você não acha que deveria fazer alguma coisa sobre isso?” O imbecil. Amaldiçoando, eu calei Mal. De jeito nenhum ele iria ganhar a aposta. Eu iria falar com Ben quando eu estivesse bem e pronta. Com tudo esclarecido, eu abaixei a cabeça e fui para o banheiro. A ótima coisa sobre a gravidez era que você basicamente sempre queria fazer xixi. Isso era um hobby maravilhoso. Sam ficou de guarda do lado de fora enquanto eu abria a porta e passava por ela, a fechando e trancando. E uau, sobre isso. O banheiro estava ocupado. “Oi.” Eu levantei uma mão. “Liz, hey.” Vaughan riu, uma mão baixando para cobrir suas partes abundantes. “Acho que eu esqueci de trancar a porta.”


Meu rosto estava pegando fogo. “Acho que sim. Desculpa interromper.” “Minha culpa. Mas é bom ver você.” “É bom ver você também.” E por ver tanto dele. Eu encarei, atordoada. Whoa, o homem era sólido. O que isso fez com os meus hormônios necessitados e sobrecarregados foi preocupante. “É. Ha.” “Venho querendo falar com você. Como você está?” Ele perguntou, correndo a outra mão pelo cabelo molhado, todo relaxado. “Bem.” “Ouvi dizer que você estava doente,” ele disse. “Foi só um resfriado. Eu estou bem agora. Me sentindo ótima.” E com tesão. Com muito tesão. O garoto não entendia o quão próximo ele estava de ser atacado. “Isso é um saco. Espero que você fique melhor.” “Obrigada.” Contanto que os meus olhos ficassem em seu rosto eu estaria bem. É que já faz um tempo que eu tive alguma ação lá embaixo. Sem necessidade de as minhas bochechas ficarem termonucleares. Não seria muito legal ficar distraída. Claramente o próprio homem não sentia muita hesitação sobre ficar nu. “Como está sendo a turnê?” “Ótima. Realmente boa.” “Excelente.” Eu estudei o chão. “É. Eu deveria ir?” “Não, fique. Vai saber quando nós teremos outra chance de nos falar sozinhos.”


“Ah, okay, claro. Talvez você queira atar uma toalha em volta da sua cintura ou colocar as calças?” “Em um minuto. Eu quero te fazer uma pergunta primeiro,” ele disse, uma covinha aparecendo em sua bochecha. O homem era muito fofo. Também, era legal saber que ele era ruivo natural. Eu não planejei olhar, apenas aconteceu. Um olhar puro e não intencional quando eu entrei. Um homem de verdade nu sorrindo para mim de forma convidativa – meu corpo gostou muito da ideia. Hormônios enlouquecedores. “Manda,” eu disse, meu rosto pegando fogo novamente com o pensamento da sua virilha. Puta merda. “Você está mesmo grávida?” “Sim, eu estou.” Eu afofei novamente a camisa sobre a minha barriga. Daqui a pouco não teria nenhuma chance de eu esconde-la. “Maldição. E eu acho que o pai é o Ben, huh?” Minha boca ficou fechada. “Não é muito difícil descobrir.” Ele foi pegar uma toalha na prateleira, atando uma toalha em volta dos quadris estreitos. “Tinha uma tensão entre ele e Mal, mas ninguém dizia o porquê. Então você se juntou a turnê.” Eu dei de ombros. Não era da minha conta falar qualquer coisa sobre o comportamento de Ben. Era só por culpa da minha boca grande que Vaughan sabia que alguma coisa estava se passando. Eu acho que devo ser realmente bocuda. “O cara definitivamente não gostou que tenhamos nos falado aquela vez,” ele disse.


“Verdade.” Mas como eu poderia explicar o porquê de Ben dizer e fazer as coisas que ele fazia quando tinha a ver comigo? Eu duvidava muito que até mesmo ele soubesse. “Então as festas se moveram para cá porque você está dividindo o quarto com ele, tudo de repente. Até mesmo eu pude perceber isso, e eu aparentemente não sou o mais perceptivo.” Eu estreitei os olhos, ultrajada por ele. “Quem disse isso? Eu acho que você é ótimo.” “Obrigado.” Ele sorriu, as mãos nos quadris. Deve ter sido a minha imaginação, mas eu tenho certeza absoluta que a sua toalha escorregou um pouco. Cara, se eu só pudesse parar de olhar. Eu e minha mão precisávamos de um tempo sozinhas. De novo. “Eu te acho ótima também,” Vaughan disse, seus olhos se suavizando enquanto ele olhava para mim. “É um saco a situação ser desse jeito.” “É.” Não é? Com que frequência eu recebo uma cantada de um homem atraente com atributos tão invejáveis? “Quer dizer, eu e ele não estamos juntos juntos. Eu estou solteira. Mas é, definitivamente grávida.” Nós dois pulamos com a batida súbita. Então a voz profunda de Ben veio do outro lado da porta, “Liz, você está aí?” Vaughan e eu nos olhamos, alguma coisa inquietante movendo dentro de mim. Deus, era culpa? Eu não tinha razão para sentir culpa. Nenhuma mesmo. Entretanto a ideia para explicar como que acidentalmente eu fui em direção com um Vaughan nu e molhado poderia ficar para depois. Para sempre também serve. “Vou sair em um minuto,” eu falei. “Tá.”


“Ele está te tratando bem?” Vaughan perguntou, a voz baixando de volume. “Eu acho que ele será um bom pai.” “Não é isso que eu estou perguntando.” Ele deu um passo a frente, estudando o meu rosto. Do lado de fora, a música deu um salto dramático no volume. Ótimo timing. Eu não sabia o que dizer. Ou o que pensar. “Eu, um, eu agradeço você não ter contado nada sobre o bebê para ninguém ainda.” “Claro.” “É melhor eu ir.” “Claro,” ele disse. “Ben está esperando.” “Certo. É. Estou indo.” Eu me atrapalhei com a maçaneta da porta, dando a ele um sorriso levemente atordoado. Vaughan deu um passo para o lado, fora do campo de visão. Que encontro surpreendente. Acho que eu finalmente comecei a brilhar. Claro, devem ser os peitos. Depois de eu ter o bebê talvez eu coloque silicone, se esse for o tipo de atenção que eles conseguem para mim. Ha. Brincadeirinha. Na maior parte. No minuto que eu pus o pé para fora, Ben estava parado lá, esperando, agigantando-se. Imediatamente meu corpo ficou em alerta total. Eu vasculhei o seu rosto para saber o seu humor, li a sua linguagem corporal (meio impaciente com um traço de não cutuque o urso). Não havia dúvidas de que Vaughan era bem construído e bonito. Você deveria estar morto há uns dois dias para não ficar excitado com a visão de seu corpo nu. Mas mesmo assim, Vaughan não tinha me


afetado tanto. No momento que eu entrava na órbita de Ben Nicholson eu estava indefesa, sem força para resistir ao seu magnetismo. Coração e vagina imbecis. O cérebro era mais esperto, mas ninguém o escutava. As pessoas agora enchiam a sala e a música estava explodindo no estéreo. Ben se abaixou, colocando a boca perto da minha orelha. “Anne disse que você queria conversar. Vamos para o quarto, ok?” Eu assenti. “Está tudo bem?” Ele perguntou. E cara, ele me fez essa pergunta tantas vezes de jeitos tão diferentes. Eu estava cansada de fazer uma cara sorridente. “Vamos nos falar lá em cima.” Ele colocou o braço em volta de mim, me guiando com segurança através da sala lotada. As pessoas estavam dançando, bebendo, e quem sabe mais o que. Era uma festa rock’n’roll comum. Nós ficamos calados, esperando pelo elevador. Quando ele chegou, estava vazio. “Teve uma boa noite?” Eu perguntei, entrando no elevador. “Me explique uma coisa,” ele disse, me encostando na parede mais próxima. “Ah, o quê?” Com os braços musculosos apoiados a cima da minha cabeça, ele estreitou os olhos para mim. “Eu ouvi outra voz naquele banheiro. Uma voz de homem.” Eu não iria mentir para ele. Eu não tinha razão. “Sim, eu estava conversando com Vaughan.” “Você estava conversando com Vaughan no banheiro?” Sua cabeça abaixou, o nariz quase tocando a ponta do meu. O homem tinha


um olhar furioso nos seus olhos escuros, não estou brincando. Um ciúme de verdade, queimando vivo. “Você está falando sério?” Eu perguntei, profundamente confusa porque eu não podia me dar ao luxo de me exaltar. A qualquer minuto ele iria fazer o de costume e fugiria. Do mesmo jeito que na sua caminhonete aquela noite. Do mesmo jeito que em Vegas. Eu não acho que eu poderia lidar com isso novamente. Não agora. Minha vida já parecia precária o suficiente do jeito que estava, tão suscetível às mudanças bruscas. “Muito,” ele disse, claramente mal humorado. “Eu já o alertei sobre você.” “Mas você e eu somos só amigos, lembra?” Ele piscou, o ultraje momentaneamente esquecido por causa da surpresa. “Nós já tivemos essa conversa e foi isso que você disse que queria,” eu disse. “E agora parece que você gostaria de mijar no meu sapato para marcar o seu território.” Eu sacudi a cabeça. “O que está acontecendo aqui?” “Nós precisamos conversar.” “É, boa ideia.” “Ele te cantou?” “Não sobre isso,” eu resmunguei. “Ben, eu quero o meu próprio quarto. Você faz as suas coisas e tem o seu espaço, e eu vou fazer o mesmo. Eu acho que dessa maneira vamos conviver muito melhor a longo prazo. Foi o que a gente decidiu, certo? Então é isso que vai acontecer. Decisão tomada.” “Por causa do Vaughan?” ele perguntou, apertando os dentes.


“Vaughan não tem nada a ver com isso. É porque nós vamos ter um bebê. É por causa de você e eu e esse ciclo de merda onde eu tenho as minhas esperanças confirmadas e então você foge e se esconde atrás da coisa de amigos. Isso fez completamente a minha cabeça. Não é saudável.” Eu coloquei as minhas mãos em seu peito e o empurrei a um passo de distância. “Você sabe, você finge ser esse tipo de cara despreocupado, fácil de lidar. Nada de laços ou comprometimento, apenas vivendo o estilo de vida no limite que o rock’n’roll proporciona e tudo mais. E hey, isso é incrível, Ben. Bom para você. Mas se for dessa forma que você quer ser, então não estabeleça um conjunto de regras separado para mim. Porque isso é uma hipocrisia do caralho.” Whoops. Outro dólar para a jarra de palavrões. Sua mandíbula se deslocou de raiva. Ou a sua barba. Enfim. “Boa noite.” As portas do elevador se abriram e eu saí, andando tão rápido que eu estava quase correndo. Hora de embalar as minhas coisas. Se não tiver um quarto disponível, eu vou dividir com a Anne e com o Mal por essa noite, e fazer outros arranjos pela manhã. Cara, eu estava tão cansada. Poderia jurar que as minhas pernas estavam pesando mais que uma montanha. Se eu estava brilhando, eu tenho certeza absoluta que eu não estava me sentindo dessa forma a essa hora da noite. “Eu nunca quis estar em um relacionamento,” ele gritou através do corredor do hotel. “Parabéns. Você não está.” Eu mostrei o dedo do meio para ele, porque mostrar o dedo não era o mesmo que xingar. “Lizzy! Porra. Espera.” Eu deslizei a minha chave pela fechadura e arrastei o meu traseiro para dentro. Não o trancando para fora, apesar de que isso era


tentador. Mas inferno, um de nós dois precisava ser o adulto. Eu passei pela sala de estar e fui para o meu quarto, pegando uma mala no closet. Ela já estava meio cheia. Quando você só fica duas noites por vez, não faz muito sentido desfaze-la. Alguns itens estavam pendurados – um casaco e alguns vestidos. O resto tinha ido para a lavanderia. Havia apenas a minha maquiagem e outras besteiras, alguns sapatos jogados no chão, e eu estava pronta para ir. Desocupando as instalações, ahoy! “Você está indo embora,” ele disse, de pé na porta do quarto. “Sim.” “Liz...” “Hmm?” Eu me virei, esperando por qualquer besteira que ele planejava jogar para cima de mim. O homem grande só ficou ali, o rosto em linhas firmes. E ele não tinha nada. “Provavelmente seja melhor,” eu disse. “Eu não tenho certeza se tem alguma coisa que qualquer um de nós possa dizer agora que fosse ajudar. Vamos tirar um tempo para nos acalmar e nós conversaremos amanhã, okay?” Yeah. Escova de dentes, escova de cabelo, e toda essa porcaria foi jogada dentro da minha nécessaire, a qual foi jogada no canto da mala. Em seguida foi o meu All Star, Birks, e umas sandálias de salto chiques. E então tudo o que estava nos cabides. “Sabe, eu acho que se cada um de nós tiver o seu próprio espaço nós poderemos dar uma chance de verdade a esse negócio de sermos amigos.” Sem comentários. Coloquei tudo por cima na mala e comecei a fechá-la. Melhor ligar para alguém me ajudar a carrega-la, já que eu duvidava que Ben estava no clima de ser útil. Como se eu precisasse ser avisada mais uma


vez que eu não deveria levantar objetos pesados “na minha condição”, como já havia sido alertada umas mil vezes. Eu iria até a recepção e – as mãos de Ben escorregaram para agarrar a minha mandíbula, seus lábios pressionando os meus com força. Minha boca já estava parcialmente aberta; não levou muito para ele deslizar a língua e a esfregar na minha. Ele me beijou com determinação, me arrebatando. Cristo, eu podia sentir isso nos dedos dos meus pés. Eles se enrolaram, assim como as minhas entranhas. As bordas da sua barba escovavam o meu rosto e a sua outra mão agarrava a minha bunda, me puxando contra ele. O homem já estava endurecendo. Isso pareceu tão superlativa e inacreditavelmente bom. Tudo isso. E errado. “O quê você está fazendo?” Sua resposta foi a trilha da sua língua quente e molhada no meu pescoço. Cada terminação nervosa próxima pegou fogo, enquanto eu ficava na ponta dos pés, me inclinando para ele, chegando mais perto. Não. Malvada. Não era para estarmos fazendo isso de jeito nenhum. “Oh Deus. Talvez devêssemos conversar agora.” As mãos do cara, elas eram tão espertas. Por baixo da saia da minha malha e para cima na parte de trás da minha calcinha antes de eu ter ao menos a chance de saber onde ele estava indo. Dedos fortes envolveram a minha bunda enquanto seus dentes cravavam na parte de baixo do meu pescoço. Ele gemeu enquanto a minha respiração ficava irregular, meus pulmões contraíam dolorosamente. “Eu acho que eu devo ir.” Se eu pudesse manter as minhas pernas fechadas talvez eu ainda ganhe essa batalha. Parecia uma tarefa intransponível dada a variedade do seu arsenal. O tamanho da sua artilharia. Uma mão


mergulhou ainda mais, esfregando entre as minhas pernas, enquanto a outra segurava a parte de trás da minha cabeça. Eu estava indefesa, a batalha perdida. Deus, eu era patética. Certo, então eu estava muito ligada para pensar direito e meus hormônios estavam em franca rebelião. Qualquer tentativa de um pensamento racional e coerente foi jogado sem nenhuma misericórdia no altar da minha luxúria. Maldição. “B-Ben.” Em um movimento que provava que ele realmente era um dos grandes do rock’n’roll, ele chutou a minha mala para longe da minha cama queen com uma bota grande e preta enquanto me mergulhava em seus braços, enquanto movia sua mão pela frente da minha calcinha para aplicar pressão no meu clitóris do jeito mais incrível. Puta merda. As estrelas dançavam na frente dos meus olhos, eu estava pronta para explodir para ele. Vegas não foi nada. Mas alguém realmente deveria dar a ele um prêmio. Alguma coisa do tipo multitarefas e movimentos sexuais quentes e essa merdas. Porra. Minhas costas bateram no colchão e ele subiu em cima de mim, se colocando entre as minhas pernas. Porra ele era maravilhoso. As linhas fortes e limpas das suas maçãs do rosto e a escuridão temperamental do tipo preciso-transar nos seus olhos. Eu não conseguia respirar, mas isso não importava. Meus seios se tencionaram contra o seu peito era a sua própria recompensa. Era perfeitamente possível eu ter os mamilos mais duros e felizes de toda a criação. Eles estavam tão sensíveis. Quem disse que a gravidez não era divertida? Ele cobriu a minha boca com a dele, me beijando estupidamente mais uma vez. Cara. Ele


tinha um gosto bom. O tempo todo ele manteve seu peso nos cotovelos, não colocando pressão na minha barriga. As coisas que ele fazia com a sua mão livre eram deliciosas – correndo para cima e para baixo na minha coxa, indo para cima, por baixo da minha blusa para traçar as minhas costelas. Mas espera... eu não poderia desistir assim tão fácil. Era vergonhoso. Eu estava no meio de fazer um ponto e tudo mais. “Eu estava indo embora. Eu estava.” Nenhuma resposta dele. Em vez disso, seu pau duro esfregava entre as minhas pernas, fazendo as minhas costas arquearem. Uma calça jeans e uma calcinha a mais. Esse era o problema aqui. Eu engasguei. “Eu não acho que amigos que são só amigos devam fazer isso.” Sem comentar, ele sentou, pegando as costas da sua camisa de botão e a puxando pela cabeça. Seu peito era tão bonito. Tão duro e grande e tudo isso, ele fazia o meu QI cair ao tamanho do meu sapato. Tudo que dizia respeito a ele fazia isso. A máquina de sexo barbada me reduzia a uma idiota. Triste, mas era verdade. “Ben, eu não posso abrir as pernas para você no minuto que você decide que quer um pouco.” Sentando em seus calcanhares, ele agarrou as minhas pernas, as segurando para cima contra ele. Os meus sapatos saíram, seguidos rapidamente da minha calcinha. “Espera.” Ele não esperou. “Talvez eu não esteja interessada em fazer sexo com você.” Uma mentira descarada. Mas eu estava desesperada por algum tipo de comunicação com ele que não fosse do tipo físico. “Você pensou nisso?” Seu olhar no meu, ele levou a minha calcinha para o nariz. “Oh meu Deus, não cheire minha calcinha. Ben!”


Um sorriso lento se espalhou pelo seu rosto. “Isso é terrível. Você não me vê por aí fazendo coisas como essa, você vê? Não.” Já que eu não estava usando nenhuma calça, elas não poderiam pegar fogo. Sortuda. (NT. Liar liar pants on fire é um ditado Americano, traduzido ao pé da letra: mentiroso mentiroso calças pegando fogo) Ele jogou o material inocente e encharcado para o lado. “De qualquer forma, minha vagina está descontrolada. Isso não prova nada.” Ele deu um beijo suave nos meus tornozelos inchados, dando uma boa olhada neles. “E não olhe para os meus tornozelos. Você sabe como eu me sinto sobre eles.” Eu tentei encolher as minhas pernas, mas ele as segurou firme, envolvendo os dois braços nelas, as segurando no seu peito quente. “Por que você está fazendo isso?” Lentamente, ele começou a massagear meus dedos com uma mão. Bom, mas não era esse o ponto. “Diga alguma coisa.” “Você disse que não havia nada que eu poderia dizer que iria consertar as coisas,” ele murmurou, sua boca quente e molhada beijou a lateral do meu pé, sua barba fazia cócegas do jeito certo. “Eu imaginei que eu deveria te mostrar por que você deveria ficar.” “Sexo?” “Parece ser o que você precisa agora.” Eu bufei. “Você que começou.” O filho da mãe sorriu. “Me diga mais sobre a sua buceta estar descontrolada. Isso me interessou.” “Não.” Eu e minha boca idiota. “Nada a dizer.”


A combinação letal dos seus lábios quentes e suaves e a barba áspera estava fazendo eu me perder. O calor e a força do seu corpo. Toda vez que ele me tocava, eu poderia jurar que tinham luzes sob a minha pele. Pequenas luzinhas me queimando do jeito mais gostoso. Como diabos uma garota poderia competir com isso? O homem tinha superpoderes sexuais e eu era eu, disfuncional nos melhores tempos. “Por que você quer que eu fique?” Eu perguntei, a voz ligeiramente suplicante. E eu nem ao menos sabia pelo quê. Dedos envolveram os meus tornozelos, esfregando-os gentilmente. “Por causa do bebê?” “Não,” ele disse. “Por causa de tudo.” “E tudo é...” Sua testa ficou toda enrugada. “Eu não sei. Eu quis dizer o que eu disse. Eu nunca quis estar em um relacionamento. Mas então você nunca quis ter um bebê tão nova. Acho que nós dois só vamos descobrir a medida que avançamos.” “Um, não.” eu fechei meus olhos com força. “Ben, nós já estivemos aqui. Você acha que quer alguma coisa comigo mas então tudo é demais e você corre. E está tudo bem. Está ok para você só se concentrar na sua música e viver livre e solto e não querer um relacionamento permanente. O que não está ok é você me dar esperanças de novo, porque honestamente a recaída é uma porcaria de verdade.” E essa foi a minha opinião profissional de estudante de psicologia, na mosca. “Liz.” “Não. Eu não posso fazer isso de novo.” Ele ficou em silêncio.


Emoções demais corriam através de mim, meu corpo em desacordo com as minhas sensibilidades. Maldição, isso era difícil. Eu me afastei dele e comecei a sair da cama. Um bom choro e um banho quente, era tudo o que eu precisava. Mais sair daqui. Esse hotel tem uma ducha excelente e eu estaria fazendo tudo isso. E talvez um pouco de sorvete. Isso realmente era um excelente remédio para um coração partido. “Espera.” Um braço forte me parou, me puxando de volta para o seu corpo. Eu apenas fui. O homem tinha força para me colocar onde ele quisesse – ele já tinha demonstrado isso em várias ocasiões. Eu gostar de estar nos seus braços apenas seria ignorado. “Por que?” eu chorei. “Vamos lá Ben. Me dê uma razão legítima. Por que eu deveria ficar?” “Por causa disso.” Uma mão enorme espalhou sobre a minha barriga, sua pele bronzeada em contraste com a minha. “Por causa da gente. Nós fizemos um bebê, Liz. Você e eu.” “Ben…” “Sh… relaxa. Me dê um minuto aqui.” Fácil para ele dizer, ele não estava tendo uma crise emocional agora. Hormônios malditos. Eu o querer tanto não ajudava nenhum pouco. A frustração sexual parecia me possuir. Mas o risco de dano emocional era alto pra cacete. “Não tinha percebido que você estava tão grande.” Seus dedos esfregaram gentilmente a minha barriga. “Só faz uma semana.” “É,” eu funguei. “Eu meio que explodi.” Seu nariz cheirou o meu pescoço, os lábios dando beijos gentis. “Você alguma vez já viu uma coisa mais incrível na sua vida? Nosso bebê crescendo dentro de você.”


Eu assenti, cobrindo a sua mão com a minha. “Eu sei.” “Então compartilhe isso comigo. Eu quero te ver todo dia. Eu quero saber como vocês dois estão, e ser parte das coisas.” Apesar de suas palavras suaves, eu não pude me impedir de ficar tensa em seus braços. “Você está linda. Relaxa.” “Tente você relaxar com uma enorme ereção esfregando as suas costas. Eu estou tentando terminar com você – não que nós estivemos juntos – e o seu pênis não está ajudando.” Em seguida veio uma risada suave, mas ele não fez nenhum movimento para remover a dita ereção da área que rodeava as minhas nádegas. “Você vai ter que superar o seu ciúme,” eu disse. “Eventualmente eu vou conhecer alguém. Você não pode virar um homem das cavernas toda vez que um cara fala comigo. Com bebê ou não, você não tem o direito, Ben.” “Então me dê o direito.” “Para que você fique com medo e fuja? Não.” “Merda. Olha, eu não posso te superar, Liz. Esse é o problema.” Ele descansou o queixo no meu ombro. “Você é a única garota que eu quero.” Eu congelei. Bem, exceto pelo franzido na testa. “Isso é sobre o seu problema erétil? Porque não parece que você está tendo muitos problemas agora.” “Eu não tenho um problema erétil. Eu tenho um problema chamado você. Meu pau pensa que você é dona dele, aparentemente. Mas há mais do que isso...” “Paus não pensam. Nós já estivemos aí.” “Nós estávamos errados.”


“Huh. Então eu tenho um pênis de estimação. Okay, continue falando.” A curiosidade definitivamente tirou vantagem de mim. “O que mais?” O calor flutuou pelo lado do meu pescoço quando ele pressionou o rosto ali. “Eu não posso aguentar a porra do pensamento de outra pessoa te tocando.” Eu revirei meus olhos. Que neandertal. E mesmo que ambos fossem pontos interessantes, nenhum deles constituíam um motivo real para mudarmos nosso status de amigos. “Não é só sobre o bebê,” ele grunhiu. “Eu não estou certa sobre isso,” eu disse, descansando a minha cabeça contra ele. Boba de mim, mas isso era bom, confortável. Além disso, ele me agarrou primeiro. “É a verdade.” “Prove.” “Provar? Como eu vou fazer uma porra dessas?” “Eu não sei.” “Cristo. Certo. Eu só usei Sasha…” o resto era uma bagunça resmungada. Sua boca quente pressionada contra o meu pescoço, sufocava as palavras. “O que você disse?” Mais murmúrios. “Ben, fale claramente.” Com um gemido, ele levantou a cabeça, se afastando para olhar nos meus olhos. “Eu só usei Sasha para esquecer você. Eu sabia que você não podia ser só uma coisa casual, e Mal continuou perguntando o que tinha acontecido em Vegas, se eu tinha saído com você ou o quê.


Então ele começou a dizer que você estava saindo com outra pessoa e ele pensou que você iria leva-lo para a festa.” “O quê?” eu perguntei, franzindo o nariz. “É.” “Por que diabos ele faria isso?” “Por que você acha?” “Deus, aquele homem é um agitador de merda.” Outra moeda para a jarra de palavrões. Ia ser os fundos de Bean para a faculdade e sua primeira casa pelo jeito. Um ano pela Europa, talvez. “Sempre foi, sempre será. Então eu convidei Sasha para o jantar para tira-lo de cima de mim. E eu estava sentindo a sua falta, e você não falava comigo, e eu pensei que você estava levando outra pessoa.” Eu só sacudi a minha cabeça. “Eu não sei se isso foi só eu tentando te fazer ciúmes ou se em parte era eu tentando seguir em frente ou o quê. Ela era uma mulher legal.” Meu queixo se ergueu. “Você a achava legal?” “Você não?” “Eu não acho que ela é tão legal,” eu disse em uma voz sem um traço de esnobismo. Nem ao menos o mínimo. “Não?” “Eu só estou dizendo, eu achei que ela era um pouquinho sabetudo, na verdade. Arrogante. E o cabelo dela era idiota. Tão… azul.” O cabelo dela era muito legal, mas de jeito nenhum eu iria admitir isso. O silêncio atrás de mim foi ensurdecedor. “O quê?” “Nada,” ele disse em uma voz que implicava nada mais.


“Oh por favor.” Eu suspirei. “Tudo bem, ele era meio legal.” Em algum momento eu comecei a brincar com os dedos dele, envolvendoos com os meus, tocando e brincando com eles. Esse era o problema com Ben. Para mim, ficar a vontade com ele era fácil demais. “De qualquer forma,” ele disse. “Isso tudo foi antes de eu saber sobre o bebê.” “Isso foi uma coisa profundamente idiota e imatura para fazer com ela.” “É,” ele disse solenemente. “Não me surpreendo por ela ter ficado brava.” Um aceno de cabeça. Dedos acariciaram a lateral da minha cabeça com ternura. “Eu teria atacado friamente as suas partes de menino, se eu fosse ela,” eu disse. Suas sobrancelhas desceram em um olhar feroz. Eu apenas dei de ombros. Você colhe o que planta, baby. “Eu tive que paga-la para manter silêncio sobre você. Adrian e os advogados resolveram isso.” “Não! Que cadela.” “Hmm.” Eu deixei escapar um suspiro. “Então estabelecemos que nós nos comportamos como se estivéssemos de volta ao ginásio. O que isso prova?” “Que nós precisamos descobrir o que é essa coisa entre nós.” “Eu acho que é isso que estamos tentando fazer.” Uma mão segurou a minha mandíbula. “Eu não quis dizer brigar. Eu estou cansado de brigar. Eu quis dizer ir devagar e descobrir o que é essa coisa.”


Minha testa era uma massa de rugas, eu podia sentir. Eu duvido que meu coração estivesse muito melhor. “Docinho?” “Eu não confio em você, Ben. Eu sinto muito. Eu queria poder me sentir de outro jeito. Mas eu continuo tentando fazer isso com você, e pensar que você também quer isso, e...” “E eu continuar fodendo com tudo.” “Sim.” Eu pensei que ele iria me soltar, correr de volta para festa para lamber os machucados – ou talvez outra pessoa. Mas ele não fez isso. Em vez disso ele se sentou na cama com as costas na cabeceira, me levando com ele, me colocando em seu colo. Eu não lutei com ele. “Você está bravo?” Eu perguntei, iludida. “Como eles dizem...” ele fez um barulho baixo que era puro sexo com cordas vocais, estou te dizendo. “Lizzy, quando você diz que não confia em mim isso faz eu me sentir como se eu quisesse rasgar a merda toda e tacar fogo.” “Isso é uma reação entendível e meio violenta.” “Mas com a nossa história, essa merda é complicada,” ele disse, esfregando a boca e a barba áspera contra o meu pescoço, enviando arrepios pela minha coluna. Oh uau. Eu precisava usar meu cabelo para cima mais vezes. Isso era divino. “E como você disse, nós vamos ter um bebê,” ele disse. “Verdade.” “Mas eu não vou fugir dessa vez. Diga o que quiser. Me rasgue. Eu vou ficar.” “Você vai?”


“Sim.” Mãos habilidosas separaram as minhas pernas, pele quente percorrendo as minhas coxas. Cristo, eu amo quando ele me toca. Pra cacete. “O quê você está fazendo?” eu perguntei, meio ofegante. “Nada.” As costas dos seus dedos correram pela parte interna das minhas coxas, traçando um caminho com as suas juntas. Eu quase chorei quando ele parou perto da minha buceta e começou a voltar. “Eu não acredito em você.” Em seguida, ele dobrou a minha saia, exibindo tudo. Um som de puro sexo vibrou em seu peito, viajando pela minha coluna. “Porra, Liz. Olhe para você. Eu amo a sua buceta. Esquece isso.” “Mm.” Meus ombros ficaram tensos, subindo mais. “Ben...” “Está tudo bem.” “Isso parece perigoso.” “Não. Isso parece certo,” ele murmurou, os dentes mordiscando a minha orelha. “Você tem o meu pau em uma coleira. Acho justo ter o resto de mim.” “O que isso significa?” “Significa que eu estou desistindo de te superar e estou focando em ter você.” “Nenhum desses pronunciamentos estão me deixando segura, Ben.” Eu inclinei minha cabeça para trás, virando-a para o lado para eu poder ver o seu rosto. Parecia sincero. Mas eu já tinha cometido esse erro uma ou duas vezes antes. “Explique em um discurso não rock’n’roll por favor.” “E você disse que a Sasha teve uma atitude.” O canto da sua boca se contorceu. “Significa que eu vou fazer você voltar a confiar em mim.”


Eu? Eu não tinha nada. Olhando para mim o tempo todo, ele enfiou dois dedos na boca para molha-los. Então lentamente ele os levou para lá e para cá sobre os meus lábios vaginais, me fazendo engasgar. Tudo lá embaixo teve espasmos de alegria. Deus me ajude. Se o cara alguma vez soubesse o quanto ele já me tinha, eu estaria condenada. “Porra, docinho. Você realmente está fora de controle. Eu mal toquei em você.” “São os hormônios. Eles são loucos.” Ele sorriu. Aquele sorriso – eu não confiava nele. Mas puta merda, era lindo. Meu coração e púbis explodiram. Um raio de calor e emoção quebrou através de mim. Era inteiramente possível que eu estava apaixonada pelo idiota barbado, Deus me ajude. “Você realmente quer que eu confie em você?” eu perguntei. Ele traçou círculos lentos em volta do meu clitóris antes de escorregar a ponta de um dedo para dentro e para fora de mim. Pura tortura maravilhosa. “Sim,” ele disse. “Eu quero de verdade.” “Você está falando sério sobre isso? Sobre nós?” “Eu estou.” Ainda sem quebrar o contato visual, ele deslizou um dedo dentro de mim. “Você está bem molhada.” “É. Você sabe, é meio difícil focar em uma conversa sobre relacionamento quando você está me dedilhando.” “Nós podemos falar sobre tudo o que você quiser mais tarde. Eu prometo.” “Okay.” Eu fiz um ruído de lamento na minha garganta, meus músculos se apertando no seu dedo grosso. Minhas mãos eram garras, enfiadas em suas coxas grossas e cobertas por jeans.


“Quer dizer, você ficou quente para mim lá em Vegas. Mas isso... Docinho, Cristo, isso é maravilhoso pra caralho.” “Eu me masturbo. Bastante.” “Não mais,” ele retumbou. “Cuidar de você é o meu trabalho. Confie em mim, Lizzy. Eu não vou te deixar para baixo de novo.” Os dedos dentro de mim tocaram em um lugar maravilhoso e começou a massageá-lo com perícia. Simples assim, ele me virou do avesso. Foi um milagre os meus mamilos não furarem o tecido da minha camisa. Eles pareciam duros o bastante para isso. Meus ombros empurraram seu peito sólido enquanto a lateral do seu polegar escovava o meu clitóris. Relâmpagos e estrelas cadentes e todas essas coisas. O mundo inteiro ficou branco. Eu estrangulei o grito na minha garganta. Ou ao menos parte dele. Cara, maldição. Eu fiquei flácida em seu colo, minha pela supersensível, suor escorrendo pela testa e pelas costas. Que perfeição. Ele gentilmente segurou a minha buceta com as mãos. “Eu ainda posso sentir você latejar.” Eu me estiquei e bocejei, lentamente voltando a terra. Toda a felicidade era minha. “Você realmente precisava disso.” “É.” Eu me virei, me aconchegando em seu peito. Se eu ficasse meio que de lado, o contato seria bastante feliz. E que homem grande, bom e confortável ele era. Especialmente útil quando tinha a ver com orgasmos também. Seus dedos eram muito melhores que os meus, eu tinha que dizer. “Você vai dormir em cima de mim agora?” ele perguntou, incrédulo.


Eu assenti, fechando meus olhos. Maldição, ele cheirava bem. Ele poderia engarrafar o seu suor. Eu compraria uma grande quantidade. Enquanto isso a sua ereção continuava a pressionar os meus quadris. Que azar, camarada. Eu estava fechada para negócios. Nada a se fazer quanto a isso. “Você queria ir devagar,” eu disse. Um estrondo desapontado veio de debaixo de mim. “Você realmente quer ser meu namorado?” eu perguntei, meio abrindo um olho. Uma mão alisou o tecido da minha saia e ele nos deslizou para baixo um pouco, ficando confortável. “Namorado? Huh.” Sua voz profunda e áspera me transpassou, me embalando. “Nunca fui o namorado de alguém antes.” “Não?” “Não.” Braços me circularam, a aspereza da sua barba esfregando a minha testa enquanto ele se apoiava nos travesseiros. “Seu namorado,” ele meditou. “É uma grande decisão. Você deveria tirar um tempo, pensar sobre isso. Me deixe saber quando você estiver pronto para falar sobre isso novamente.” Sua testa enrugou. “Com certeza você está levando isso na brincadeira.” E por um tempo, francamente. Deus sabe, correr atrás desse cara não me levou a lugar algum. Uma garota só podia bater sua cabeça contra uma parede de tijolos por algum tempo antes de ser hora de repensar as coisas.


Eu dei de ombros e escorreguei a minha mão para a lateral de seu corpo, ficando mais próxima. Sua pele era tão suave, os pelos do seu peito eram uma delícia de se tocar. Na verdade, tudo nele era delicioso. Em toda a sua gostosura, até mesmo as unhas dos seus pés poderiam me dar tesão. Mas isso não significa que eu vou facilitar as coisas para ele. “Liz?” “Hmm?” “Essa posição de namorado… vem com regalias?” “Talvez.” “Eu vou poder dormir e tomar banho com você?” “Sim.” Ele fez um barulho de felicidade. “E quanto a tocar? Eu vou poder te tocar quando eu quiser?” “Dentro do razoável.” “Tenho que dizer, docinho, o seu corpo sempre foi lindo. Mas ele está lindo pra caralho agora. “Sério?” eu perguntei, levantando a cabeça para lançar um olhar curioso para ele. “Na maior parte eu me sinto inchada e estranha.” Uma mão grande segurou a minha bunda, esfregando. “Porra, não. Você é toda cheia de curvas suaves e você está carregando o meu bebê. Nunca pensei que isso seria uma grande fonte de tesão – nunca pensei nisso de qualquer forma. Mas, docinho, é assim.” “Huh.” “Mais o que está envolvido nessa coisa de namorado?” Ele perguntou, sua voz retumbando através do seu peito e para dentro da minha orelha. “Essa coisa de namorado? Sério?”


“Desculpa. Você sabe o que eu quis dizer.” Ele me deu um apertão. “O que mais? Vamos lá.” “Tudo bem. Me deixa pensar.” Eu passei os meus dedos pela sua barba, deslizando-os para lá e para cá através dos pelos macios. Eu poderia deitar em cima dele a noite inteira, feliz, ouvindo o seu coração bater forte e rápido em seu peito. Sentir as suas costelas subirem e descerem a cada respiração. Deitar ali e saber que esse cara especial estava vivo e escolheu estar comigo, aqui, agora. Isso parecia o paraíso. “Sabe, eu não tenho certeza,” eu disse baixinho. “Eu nunca tive um namorado de verdade antes. Mas nós temos que estar ali um para o outro, e nós temos que conversar. Eu não posso ver isso dando certo de outro jeito.” “Hmm.” “E obviamente, sermos exclusivos.” Um grunhido. “Se você decidir que é isso o que você quer, então nós levaremos isso devagar e descobriremos ao longo do caminho, eu acho.” “Sim.” Ele esfregou a palma da mão gentilmente para cima e para baixo nas minhas costas, suavizando a tensão. “Ben, eu não quero tomar a sua liberdade. Eu só quero um lugar no seu mundo. Um importante.” Ele inclinou o pescoço, segurando o meu queixo para me fazer olhar para ele ao mesmo tempo. “Docinho, você tem sido importante desde o primeiro dia. A única garota para a qual eu continuava voltando. Não importa o quão longe eu fui, eu não podia te tirar da cabeça. Nunca fiquei desse jeito por outra mulher.” “Não?” “Não.”


Dedos esfregaram o meu pescoço, trabalhando nos nós. O silêncio caiu sobre nós por um tempo. “Eu quero ser o seu namorado, Liz.” Eu não poderia ter segurado o sorriso mesmo se eu tentasse. “Eu gosto disso.” Ele tirou o cabelo do meu rosto, olhando para mim. “Okay.” “Okay.”


CAPÍTULO DEZ Eu dormi bem aquela noite. Um homem tatuado, barbado e que toca baixo facilmente superava os travesseiros do hotel em termos de conforto. Nós dormimos com nossas roupas de baixo por causa de toda a coisa de levar as coisas devagar. Eu nunca tinha passado a noite inteira com um homem, sexualmente ativo ou não. Mas o que poderia ter sido estranho, Ben fez ser certo. Ele se encaixou na minha vida como se ele pertencesse a ela. Meus sonhos eram adequadamente pervertidos, mas isso não é nenhuma novidade. Acordar com a cabeça de um homem entre as minhas coxas, no entanto, foi uma mudança dramática e ao mesmo tempo bem-vinda. Uma língua quente e molhada arrastando pelos lábios do meu sexo, me assustou como o inferno. Meus quadris recuaram, e os olhos se arregalaram de repente. “Ben. O que você está fazendo?” Eu engasguei, o cérebro ainda meio adormecido. “Chupando a buceta da minha namorada,” ele disse. “Privilégios, lembra?” Mãos seguraram as minhas pernas abertas, dedos cravando na carne das minhas coxas. Então ele fez isso de novo, a coisa de lamber. Eu gemi e me contorci, tentando me afastar, mas não de verdade, porque puta merda. Nirvana. “Vá em frente,” eu suspirei feliz. O sentimento da barba de um homem escovando as suas partes privadas não pode ser adequadamente explicada com palavras. É um


prazer tátil. Suave e delicado e incrível em todas as formas. Meus músculos ficaram tensos, os calcanhares cravando no colchão. Para onde a minha calcinha foi, eu não faço ideia. Nem um interesse. O que o meu

namorado

estava

fazendo,

entretanto,

me

preocupava

profundamente. Sua língua ia para trás e para frente sobre o meu clitóris, então seus lábios sugavam os lábios. As habilidades orais do cara eram fora do comum. Tanta atenção aos detalhes. E o entusiasmo – o cara estava faminto e eu era a refeição. Eu esfreguei a buceta na cara dele, precisando e tomando tudo o que ele estava me dando. Mas a energia crua entre os meus quadris, abaixo da minha coluna – não havia muito em mim para conter isso. A sensação gloriosa aumentava e aumentava, carregando todo meu ser, acendendo as minhas pernas. Eu gozei forte, chamando o seu nome. O prazer me partiu em duas, minha mente girando alto. Eu era tudo e nada. Apenas flutuando por aí, curtindo a altura. Mas ele não tinha acabado. Ele subiu pelo meu corpo, tirando suas boxers com uma mão. Uma vez, duas vezes, três vezes, ele bombeou o seu pau duro, lançando seu gozo quente nos meus peitos e na minha barriga. Sua testa pressionou contra a minha, o hálito quente nos meus lábios. “Hey,” eu murmurei, ainda tentando recuperar o fôlego. Ele me beijou, os lábios cobrindo os meus, a língua mergulhando. O sabor rico preencheu a minha boca enquanto seus dedos esfregavam a minha barriga, espalhando sua porra pela minha pele. “Bom dia,” ele sussurrou, ainda suspenso sobre mim em cima de um cotovelo. Aquela mandíbula perfeita, as curvas molhadas dos seus lábios, chamando pelos meus dedos. Eu poderia tocá-lo, feliz, o dia inteiro.


“Ben.” “Hmm?” Outro beijo, esse mais suave, mais doce. Eu deitei debaixo dele, dizimada. Tantas coisas que eu poderia dizer, que eu queria dizer. Mas devagar era a palavra chave aqui. O que ele fazia com o meu coração e com a minha cabeça não podia ser descrito. O jeito que ele preenchia o meu coração até transbordar me assustava pra caralho. “Bom dia.” “Não se toque,” ele pediu em uma voz baixa e áspera. “Cuidar de você é o meu trabalho agora. Se precisar de mim, liga. Chego até você o mais rápido possível, okay?” “Uh-huh.” Ele me beijou mais um pouco, fazendo a minha cabeça girar. “As coisas estão indo devagar o bastante para você?” “Claro.” Ele sorriu, e bom Deus, tudo o que eu pude fazer foi olhar. Já houve algum homem mais lindo em toda a criação? Eu acho que não. Seu foco em mim era completo, me fazendo sentir inebriada. Os olhos escuros nunca desviaram do meu rosto, como se ele estivesse me memorizando. “Nós estamos indo bem, Liz.” Sua mão cobriu a minha barriga, os lábios passando sobre a minha bochecha. “É.” Eu não tinha palavras. Não quando ele estava assim. Os cantos dos seus lábios subiram um pouco. “Vamos lá. Hora do banho.” ***


Eu ainda estava no banheiro, arrumando o meu cabelo e aplicando um pouco de corretivo e rímel para melhorar aquela coisa de brilho, quando eu ouvi Ben e Sam conversando na sala. Não que eu quisesse ouvir. Só meio que aconteceu. “Com Mal do jeito que ele é, a banda já está em xeque,” Ben disse. “Eu só não tenho certeza se deveríamos adiciona-la a mistura.” Espera, eles estavam falando sobre mim? Mas eu basicamente já estava vivendo e viajando com todo mundo. Isso não fazia sentido. “Eu amo a Martha, mas todos sabemos como ela é,” Ben continuou. “As coisas estão mais estáveis agora. Talvez seja bom para ela,” Sam disse. “Além disso, ela não vai conseguir se recompor lá por conta própria, agindo como a rainha das festas de Nova Iorque e queimando tanto dinheiro.” “Eu não sei.” Sam fez um som de humph. “Ela ainda cuida dos papéis de vez em quando. Da perspectiva de segurança, seria mais fácil ter todo mundo na mesma órbita, se não debaixo de um teto. As notícias sobre a gravidez irão sair eventualmente. Seria bom manter todo mundo perto. Esse é o meu único ponto.” “Tem certeza que a sua preocupação com Martha não é mais pessoal que isso?” “Não sei sobre o que você está falando sr. Nicholson.” Eu vaguei naquela direção, curiosa, interrompendo uma competição de encarar muito masculina. “Oi, meninos. Problemas?” Ben sacudiu a cabeça. “Para que servem as irmãs se não para foder com a sua vida de vez em quando, não é?”


“Apenas pense nisso.” Sam deu um tapinha no ombro dele, indo em direção a porta. “Até mais tarde, senhorita Rollins.” “Tchau.” Eu me virei para o meu namorado, dei um puxão carinhoso em sua camisa, e o puxei para perto para um beijo. “Alguma coisa que precisemos conversar?” “Não.” Ele me deu um sorriso suave e um beijo ainda mais suave. Seguido por uma batida calorosa na bunda. “Vá fazer as suas coisas de menina. Eu vou encontrar Jim para uma corrida.” Eu tentei um movimento na sua bunda, mas perdi por quase uma milha. “É, é melhor você correr, camarada.” Ele riu todo o caminho para a porta. Eu segurei o sorriso besta no meu rosto pelo mesmo tempo. *** “Eu acho que vocês estão imaginando porque eu chamei todas aqui hoje,” Lena começou, uma garrafa de água mineral equilibrada em sua barriga. Bom truque. Era por volta de meio dia. Nós quatro, Lena, Evelyn, Anne e eu, nos reunimos na luxuosa suíte de Lena e Jimmy, apenas batendo papo. Uma variedade de sanduíches, doces, frutas e queijos estavam postos na mesa de café a nossa frente. Nada de cake pops, mas haviam macaroons e madeleines, o que você tem que admitir são tão bons quanto. Ev limpou uma migalha de pão do canto da sua boca. “Eu pensei que nós só estávamos almoçando.” “Ela não teria feito esse anúncio se só estivéssemos almoçando,” Anne disse, colocando mais açúcar no seu chá.


“Verdade.” Lena estava sentada em uma chaise longue, nos espiando através dos seus óculos de armação grossa. A mulher estava um bom mês a frente das minhas dezesseis semanas. Deus me ajude quando eu ficar grande daquele jeito. Ben poderá apenas me rolar para os lugares. Gravidez. Tão anti-natural. “Não, não estamos aqui apenas para comer,” ela continuou. “Embora nós iremos comer, e depois mais um pouco. O que nós iremos fazer aqui é nos intrometer na vida de Lizzy, porque nós a amamos e nos importamos com ela. Também, porque estar em turnê fica chato depois de um tempo então eu imaginei por que não.” “Oh bem.” Eu tomei um gole do meu café com leite descafeinado. “Você notou que ela tem um chupão no ombro?” Ev perguntou, movendo as sobrancelhas. “Não há nada para ver aqui.” Eu puxei o colarinho da minha camisa. “Siga a diante, por favor.” “Ela parece especialmente brilhante essa manhã.” Incrível. Até mesmo a minha própria irmã estava entrando no jogo. Nenhuma lealdade. “Eu notei.” Lenna puxou um fio da bainha da sua camiseta de gestante da Stage Dive. Ela tinha que ser pirata, já que estava orgulhosamente exclamando em letras extravagantes, JIMMY FERRIS, EU APROVEI. Eu não poderia ao menos imaginar o cara concordando com o design nesta vida. “E percebi. Quando Ben passou para pegar Jim para ir malhar mais cedo, o cara barbado era um garoto feliz, feliz.” Minhas sobrancelhas desceram. “Sem comentários.” “Sobre isso,” Ev suspirou. “Ele tem estado mal humorado pra cacete ultimamente.”


“Não mais. Ela tem aquele garoto andando nas nuvens.” “Acha que ela usou magia de xoxota nele?” Ev perguntou, me olhando de um jeito terrivelmente indecente. “É o meu palpite.” “Vocês não são engraçadas,” eu disse, quase sem sorrir. “Anne, faça-as parar.” Minha irmã colocou seu cabelo vermelho brilhantes atrás das orelhas e sacudiu a cabeça tristemente. “Ah, hon. Não posso fazer isso. Você é parte da família Stage Dive agora. Círculo interno e tudo mais. Melhor se acostumar.” “Ben e eu não estamos casados. Nós nem ao menos estamos juntos, exatamente.” “Exponha o ‘exatamente’,” Anne disse, se inclinando em seu assento. “Eu não ouvi o que aconteceu na noite passada depois que vocês dois saíram da festa para conversar.” “Nós conversamos. Nada mais a contar.” Nada mais que eu estava preparada para contar. As muitas mudanças ainda estavam muito frescas. Eu ainda não repassei todas as informações vezes o bastante na minha cabeça para elas fazerem sentido. Assumindo que eu de fato conseguiria fazê-las ter sentido. Eu estava duvidando. Minhas palavras se encontraram com um coro de vaias e um pouco de assobios. Uma pessoa que permanecerá não mencionada (Lena) foi longe o bastante para jogar um Danish na minha cabeça. Doces como projéteis... eu nunca. Com sorte eu o peguei antes que ele fizesse contato. Cereja, nhami.


“Okay, okay! Acalmem-se.” Deus, essas senhoras. E eu usei o termo senhoras livremente. “A verdade é que eu não sei o que está se passando entre nós.” “Bem, o que você acha que está acontecendo com vocês dois?” Anne perguntou, roubando metade da minha sobremesa. A garota tinha sorte por eu ama-la. “Boa pergunta. Do jeito que eu vejo, existem muitas opções.” Eu parei para uma mordidela. Oh que delícia amanteigada crocante dos diabos – o meu terceiro do dia. Parece que o meu auto-controle enfraqueceu em todas as áreas pertinentes. É melhor eu vigiar ou o meu traseiro vai ficar duas vezes o tamanho da minha barriga. Por outro lado, essa delícia amanteigada crocante dos diabos me faz tão-oo feliz, e sério, a vida não é sobre a felicidade? Aposto que eles ficam ótimos com bacon por cima. “Continue,” Ev disse, juntando as mãos de uma forma majestosa. “Nos conte tudo.” “Tudo bem. Um, eu posso estar usando-o para sexo,” eu confessei, um pronunciamento que foi seguido de vários oohs e ahhs, e vários sorrisos maliciosos. “Eu não consigo evitar. Os hormônios me transformaram em algum tipo de ninfomaníaca e ele é tão lindo e gostoso e eu gostaria de apontar que foi ele que começou isso. Eu não fui atrás dele dessa vez. E honestamente, vocês não fazem ideia do quão boa aquela barba é. A sensação daquele pelo sedoso e áspero esfregando contra as suas coxas e –” “Whoa!” Anne cobriu as orelhas. “Para.” “Desculpa.”


“Cara. Gostaria que toda essa coisa de ninfomaníaca tivesse acontecido comigo,” Lena disse. “Eu só fiquei ainda mais obcecada com tortas. Isso é tão injusto.” “Hmm.” “Sorte o Jim ser um homem que gosta de seios. Ele parece uma criança no Natal, brincando com esses melões. Não consegue manter as mãos longe deles.” “Eles estão bastante impressionantes,” eu disse, limpando a minha mão em um guardanapo. “Os meus estão me irritando profundamente. Eu nem ao menos costumava me importar com soutien, agora de repente eu tenho essas coisas do tamanho de uma maçã. Isso não é legal.” “Qual é a opção dois nessa história sua-e-de-Ben?” Ev perguntou. “Oh. Bem, dois, nós deveríamos ir devagar e tentar namorar, mas eu não sei. Ele tem o péssimo hábito de mudar de ideia quando tem a ver comigo.” Eu olhei o nada, contemplando muito, mas alcançando muito pouca resolução. “Três, no final do dia nós seremos pais, e isso é o principal, aconteça o que acontecer. Então obviamente, colocando isso como o número três, eu listei as coisas em ordem crescente ou algo assim. De qualquer forma, se ele quebrar meu coração em pedaços novamente, nós teremos um problema. Até lá, minha resposta – já que todas vocês insistiram em chegar até esse ponto – eu deveria ao menos tentar alguma coisa além de amizade com esse homem?” “Ele quebrou seu coração em pedacinhos?” Os olhos de Ev ficaram brilhantes. “Isso é terrível.” “Eu tinha... eu tenho muitos sentimentos por ele. Cada vez que ele escolhe não levar as coisas mais longe comigo, dói.” Eu caí na minha cadeira, relaxando, dando a minha barriga a chance de continuar a


digestão. “Ugh, garotos são um saco. Assim como a vida. O que podemos fazer?” “Falou como uma verdadeira estudante de psicologia,” Ev disse com um sorriso. “Obrigada.” A loura deu um puxão no seu rabo de cavalo. Um hábito nervoso fofo. “Eu sinto muito por você ter se machucado. Eu provavelmente nunca deveria ter dado o número dele para você. Eu sabia que ele não tinha encontros.” “Não,” Eu a repreendi. “Eu estava um pouco obcecada por ele, verdade seja dita. De um jeito ou de outro eu teria o encontrado de novo. Ele mexe comigo. Eu nem ao menos pensava que eu tinha um tipo, mas de alguma forma é ele, da cabeça aos pés.” “Ele ainda tinha que ter pensado no que ele queria, muito antes de chegar perto de você com o esperma dele.” Os olhos de Anne se estreitaram de um jeito mortalmente familiar. “Você o ama?” Lena perguntou, inclinando a cabeça para o lado. Eu olhei para o teto, minha mente girando. “Ah, como eu disse, eu tenho sentimentos por ele.” “E esses sentimentos são amor?” “Eu não quero responder essa pergunta.” “Não?” Ev colocou o copo de volta na mesa, colocando os cotovelos nos joelhos. Eu estava perdida. Rodeada por amigas bemintencionadas. Agora eu entendi, porque Anne é tão apegada a essas garotas. Elas eram autênticas, boas e divertidas. E enquanto era legal, saber que as suas perguntas vinham porque elas estavam preocupadas, eu me contorci no meu assento com o pensamento de expor a minha


roupa suja e a de Ben. Eu quase não toquei na situação entre nós na minha cabeça, e por “quase” eu quis dizer não. “Porque eu não estou pronta,” eu falei para o lustre de cristal acima das nossas cabeças. A luz do sol refletia nas paredes, refletindo a luz branca em forma de vários arco-íris. Lindo. “Não precisa se apressar,” Anne disse, segurando a minha mão. “Vá com calma.” “Ir com calma,” eu concordei. A porta da suíte se abriu e Jimmy e Ben entraram, pingando de suor. Os shorts de basquete estavam pendurados nos quadris de Ben. Ele tirou a camisa e a estava usando para secar o rosto. “Oi, baby.” Lena levantou a mão e Jimmy a segurou, virando a cadeira para beijar a bochecha dela. “Camisa fofa. Como as minhas meninas estão?” Ele perguntou, escorregando a mão para cobrir a sua barriga. “Nós estamos bem. Pegando leve, do jeito que o médico recomendou.” “Meninas?” Os olhos de Ev se acenderam como duas luas cheias. “Oops. O segredo escapou,” Lena riu. “Uma menina! Isso é tão excitante!” Nenhuma resposta de Lena, já que ela estava ocupada trocando cuspe com Jim. Whoa, eles estavam realmente empolgados. Eu não estava tão certa de que a obsessão dela com tortas era a única aprimorada pelos hormônios. “Hey.” Ben ajoelhou do lado da minha cadeira, a camisa suada jogada sobre um ombro. Seu sorriso era todo para mim. Isso derreteu o


meu interior, me fazendo virar geleia. Que poder terrível ele tinha sobre mim. O homem deveria se envergonhar. “Oi.” Eu sorri. “Boa malhação?” “É, até Dave apareceu. Foi divertido.” Como se um sino para o jantar tivesse soado, Ev pulou para os seus pés. Cães Pavlov não teriam sido mais bem treinados. “O que significa que o meu marido gostoso está no chuveiro. Até mais pessoas.” E ela foi embora. “Um, é. Reunião interrompida,” Lena disse entre beijos. Com uma última olhada do mal para o meu novo namorado, Anne também ficou de pé. “Eu deveria ir ver o que o meu está fazendo. Deixa-lo sozinho por muito tempo pode ser desastroso. Vejo vocês no voo para Nova Iorque.” “Até mais tarde.” Eu acenei. “Eu vou ter que deixar a sua irmã me socar também?” Ben murmurou em uma voz rouca. “Ela vai superar.” “Pensei que deixando Mal me acertar tudo seria resolvido.” “Ela se preocupa comigo.” Eu coloquei a sua longa franja para o lado, deleitando-me com a liberdade para toca-lo como eu queria. Suado ou não, eu faria isso e mais um pouco. “Dê tempo.” Uma carranca. “O que? Não.” Jimmy latiu laconicamente do outro lado da cadeira. “Só uma pequenininha,” Lena disse, acariciando o seu rosto. “Eu não vou deixar a porra da barba crescer. Coça.” “Mas –”


“De qualquer forma, de onde diabos veio isso?” Jimmy me olhou mal humorado. “Você andou falando sobre barbas ou algo do tipo?” Eu dei a ele o meu olhar mais inocente. O vocalista mal humorado sacudiu a cabeça. “Vocês meninas não deveriam estar falando sobre sexo, pelo amor de Deus. Nós estamos vivendo um em cima do outro.” “Liz apenas mencionou o aumento dos benefícios no oral,” Lena disse, seu rosto o retrato da serenidade. “Você quer que eu seja feliz, não quer?” “Eu te mantenho muito feliz,” Jim disse, esfregando a nuca. “Claro que sim, baby. Eu só pensei que talvez você fosse pensar sobre deixar a barba crescer. Você sabe, apenas para tentar alguma coisa diferente.” Com o sorriso no lugar, Ben se agarrou a causa. Ou tentou. “Precisa de um homem de verdade para deixar a barba crescer. Você apenas não chegou lá ainda, Jim. Não se sinta mal.” “Vá se foder, raio de sol.” Jimmy escondeu um sorriso. “Vocês dois, para fora. Aparentemente eu tenho que provar minhas proezas orais para a minha garota, de novo.” “Desculpa. Minha culpa,” Lena disse, não parecendo nenhum pouco arrependida. Ben riu, ficando de pé, me puxando pela mão ao mesmo tempo. Ficar de mãos dadas era legal. O que era mais legal ainda era como ele não a soltava. Uma vez que saímos, a porta da suíte fechou atrás de nós com um barulho alto. “O que você andou dizendo?” ele perguntou, indo em direção ao nosso quarto. “Pensava que essa coisa de sexo era privada.” “Desculpa. Conversa de meninas. Eu só fui levada.”


“Hmm.” Suas sobrancelhas viraram uma linha infeliz. “Você está mesmo chateado?” Eu perguntei, mais do que um pouco preocupada. Relacionamentos eram tão complicados. Eu e minha boca precisamos tomar cuidado para não expor a ele ou seus pelos faciais. “Não. Valeu a pena por ver o olhar irritado na cara de Jim.” Ele riu. “Oh bem.” “Nós temos duas horas antes do voo,” ele disse, os olhos escuros olhando para mim. “Tempo o suficiente para ir muito devagar.” Meu pulso tomou lugar entre as minhas pernas. O homem tinha o número da minha buceta e o usava sem nenhuma hesitação. Namorado sábio ele estava todo afim de sexo, e eu tinha que dizer, eu realmente o respeitava por isso. “Pensei que nós temos que nos conhecer melhor,” ele disse. “Você pensou, huh?” Ele passou a chave pela fechadura, abrindo a porta. “Eu bati uma siririca para você ontem à noite e minha boca essa manhã. Se devagar significa sem penetração por um tempo, então docinho, eu preciso que você tenha misericórdia de mim. Eu estou com uma necessidade desesperada do seu punho envolvido no meu pau.” “Eu gosto disso.” “Acredite em mim, eu tenho pensado nisso o dia inteiro. Você sentada nua no meu colo, me punhetando enquanto eu brinco com seus seios maravilhosos e sensíveis. Aposto que eu posso te fazer gozar só com isso. O que você acha de a gente experimentar um pouco e descobrir?”


Meu corpo zumbiu, minha respiração acelerou. Eu juro, eu quase gozei só de ouvi-lo falar sujo comigo. O cara tinha talentos escondidos. “Okay.” “Essa é a minha garota. Quem sabe, talvez você até possa escrever um artigo sobre isso.” Eu caí na gargalhada. “Eu não sei.” Ele sorriu para mim, já passando a minha camiseta enorme pela minha cabeça. “Suas calças não estão servindo?” Ele perguntou, inspecionando o cós da minha calça virado na altura do botão. O único jeito de eu poder usa-las, já que o zíper estava completamente aberto. E essas eram de cintura baixa. “Nada mais serve desde que eu explodi.” “Você precisa de algumas roupas de gestante assim como Lena. Jim disse que ela achou umas paradas bem legais,” ele disse. “Trocar de soutien também. Não que eu não goste de como eles ficam, mas isso pode não ser bom.” “Você e Jim falam sobre roupas de garotas?” Ele me deu um olhar severo. “Jim estava apenas me dando umas dicas, já que Lena está mais adiantada que você e essas coisas.” “As roupas não são um problema. Eu posso fazê-las durar mais um tempo.” “Você não precisa ‘fazê-las durar mais tempo’. Eu quero que você fique confortável.” “Nós não íamos fazer sexo?” Eu perguntei, cruzando meus braços sobre meus peitos generosos e olhando o quarto. Por alguma razão eu não conseguia olhar para ele agora. “Você tocou o dinheiro que eu coloquei na sua conta?”


“Ainda não. Eu não precisei.” “Claramente você está precisando.” Ele cruzou os braços também. Não era justo – os dele eram muito maiores que os meus. O fato de que eles eram musculosos e cobertos de tatuagem me agradava muito. Para ser justa, Ben não parecia muito feliz. “O que está acontecendo aqui, Liz?” “Nada. Esse é o problema. Eu acho que nós estamos enrolando.” Ele só olhou para mim. “O quê?” Eu perguntei. Um longo suspiro sofrido. Então seus dedos lidaram com o cós da minha calça em menos de dois segundos, o jeans caindo aos meus pés. “Sai,” ele mandou, me levantando do chão. Por fim, sexo. Eu enrolei as pernas e os braços em volta dele, reencontrando a felicidade. “Você estava mesmo pensando em mim o dia todo?” “Sim, eu estava. E você com certeza está na minha cabeça agora.” Linhas cobriam a sua testa. “Então me diga, o que é essa besteira sobre você não tocar no dinheiro? É seu para comprar o que você precisa, e claramente você precisa de coisas.” “É para Bean.” “É para vocês.” “Eu não gosto de pegar o seu dinheiro.” Um grunhido de desaprovação. “Você não o pegou, eu dei para você.” “Parece a mesma coisa.” “Tudo bem. Okay.” Suas mãos seguraram a minha bunda, os dedos massageando. “Eu não quero que você se sinta estranha com isso. E relacionamentos são sobre compromisso, certo?”


“Ce-er-to.” Suspeita era o meu nome do meio. “Amanhã nós vamos às compras e passaremos toda a merda que você precisa no meu cartão.” “Isso não é comprometimento!” “Você não gosta de tocar aquele dinheiro que eu coloquei na sua conta, então não faça isso. De fato, você não precisa tocar nada do meu dinheiro de forma alguma. Eu vou lidar com isso.” “Ben.” “Liz. O fato é, você provavelmente nunca vai ter o tipo de dinheiro que eu tenho. Desde que a banda começou a faturar, tudo o que eu fiz foi investi-lo. Eu não sou como Jim e seus ternos chamativos ou Mal com a enorme casa na praia e as festas. Eu não preciso de muito, vivo de forma bem simples. Dirijo a mesma caminhonete. Eu tenho uma despesa, mas está sob controle.” Os olhos escuros foram para mim. “Você tomou a sua posição. Não tem nada em mim me fazendo pensar que você está comigo pelo meu dinheiro, okay? Agora, eu não vou ter essa discussão sempre que você precisar de alguma coisa. Você e Bean são minhas, e eu cuido do que é meu.” Eu respirei fundo. “Estamos entendidos?” Ele perguntou. “Eu vou tentar.” “Faça mais que tentar. Confie em mim. É para isso que eu estou aqui.” “Isso foi uma coisa muito doce a se dizer.” Meus olhos umedeceram. Hormônios loucos. “Eu acho que por eu não ter crescido com muito eu só... parece estranho até mesmo ter isso lá sem ter trabalhado por ele. Como se eu tivesse roubado ou algo do tipo.”


“Docinho, você não roubou o dinheiro. Você me roubou. O dinheiro vem comigo. Okay?” “Okay.” Uma lágrima correu pela minha bochecha. “Eu gosto de você de verdade, Ben. Pra caralho.” “Cristo, por que você está chorando? Vem cá, me dê essa boca.” Eu fiz como mandado. Depois disso, veio mais coisas do que chorar aquele dia.


CAPÍTULO ONZE Ben mais uma vez já tinha saído quando eu acordei na manhã seguinte, em Nova Iorque. Dado aos três shows agendados, nós ficaremos na cidade por quase uma semana. A coisa sobre estar em turnê eram as intermináveis possibilidades de acordar tarde. Eu vou estar preguiçosa quando voltar para casa. Teve um jantar da banda na noite passada, apesar da reclamação de Jimmy sobre todo mundo vivendo em cima de todo mundo. Eu acho que o seu eterno mau humor secretamente esconde um lado muito suave. E sim, essa era a minha opinião profissional. Eu o peguei coçando o queixo enquanto ele dava a Lena um olhar significativo, mais do que uma vez. Não me surpreenderia se tivéssemos outra barba a bordo em um futuro próximo. Com meu lado preguiçoso em mente, eu fui encontrar Anne na academia e nós fizemos alguns exercícios na bicicleta por meia hora. O último ginecologista que eu vi uns dias atrás tinha dito que exercícios leves eram bons e necessários. Apesar do desejo ocasional por comidas estranhas, e a festa de confeitaria de Lena ontem, eu não tenho me entregado muito. Muita salada e vegetais e uma viagem ocasional ao lado negro das sobremesas decadentes. Negação total não servia para mim. No final do dia, uma Bean saudável e feliz era mais importante do que o tamanho da minha bunda. Os homens da família tinham ido fazer uma passagem de som, seguida por várias aparições na TV antes de eles irem para o palco.


As compras de maternidade seriam deixadas de lado por um tempo, nada demais. Uma repórter de alguma revista de música renomada iria ficar junto com a banda, acrescentando mais ocupação. Aparentemente aprofundando o artigo Stage Dive on Tour: A História Real Por Trás da Fachada Pública que estava sendo feito. Ben tinha parecido singularmente não impressionado com a coisa toda. Mas então, pouco mudou nele. Ele tendia a assumir a maior parte das coisas. O que era ótimo. Eu podia, eu sei, ficar um pouco tensa às vezes. Pensar um pouco demais nas coisas. Apesar da carga genética que eu e Anne recebemos, é provavelmente uma maravilha não termos virado a louca dos gatos aos dezoito anos ou algo do tipo. Não que eu estivesse inventando desculpas ou sugerindo pôr a culpa no comportamento de uma pessoa. Mas para mim, eu acho que a aura calma e direta de Ben era uma coisa boa. Pessoas com baixa autoestima temiam o amor. (Sim. O curso de psicologia subindo à cabeça novamente.) Elas duvidam da capacidade de outras pessoas gostarem delas, porque eles não acham que valem a pena. Eu sabia que eu merecia coisas boas. Ou ao menos, eu não iria aceitar nada menos que bom. Nas minhas calças de ioga, camiseta um pouco pequena demais para conter os peitos e a barriga, e um rabo de cavalo suado, eu voltei para a nossa suíte. Cinza-chumbo com características de ardósia dessa vez. Uma bela vista de Manhattan. Muito bom. O que estava esperando lá dentro por mim, nem tanto. “Você tá de sacanagem comigo, porra,” a estranha rosnou, olhando para a minha barriga de grávida. Eu pus uma mão no meu meio, protegendo do frio.


A mulher era alta, morena, magra além da imaginação. Por volta dos trinta. Era difícil dizer, dada a maneira com a qual seu rosto de modelo e seus lábios de cereja se deformaram com o desdém. Acho que ela era o rolo de Ben em Nova Iorque, ou algo do tipo. Que estranho. Também, como diabos ela chegou aqui? “E você é?” Eu perguntei, com a minha voz no limite. “Se você acha que você vai tirar a porra de um centavo dele sem um teste de paternidade você está sonhando. E mesmo assim, ele vai brigar pela custódia.” Interessante. Ela parecia acreditar saber um monte de coisas sobre o meu namorado sem realmente saber alguma coisa. “Seu nome, por favor?” Eu perguntei. “Você não é a primeira putinha a tentar essa merda com um deles, e com certeza não vai ser a última.” A mulher, também conhecida como “a vaca,” olhou para mim dos seus Stilettos. “Por que Adrian não me deixou saber eu não faço ideia.” Ela era amiga de Adrian? Não era um bom sinal. Tudo que eu vi e ouvi sobre o empresário da banda me levou a crer que ele era um dos maiores cretinos de todos os tempos. “Ben está esperando você?” Com certeza ele não mencionou nenhum visitante para mim. “Eu sou bem-vinda aqui.” “É? Como você entrou, só por interesse?” “Os seguranças me conhecem.” Uma jogada desafiante do cabelo. Cristo, a mulher era exatamente como cada garota malvada que eu já tinha encontrado no colégio. Incrível como algumas pessoas param de se desenvolver depois de uma certa idade e ficam entaladas.


Por fora eu fiz o meu melhor para parecer calma e relaxada, mas por dentro eu era um soldado irritado e infeliz. O que diabos ela estava fazendo no nosso quarto? Eu acho que Ben não teve a chance de terminar com essa garota. Ótimo. “Você aceita um suco? Eu estou morrendo por um suco.” “Me deixe adivinhar: você é alguma vagabunda caçadora de fortuna que vive em um lixo de um trailer que pensou que ficando nos bastidores e chupando o pau de um dos caras iria te levar em algum lugar.” Acho que ela não queria uma bebida. Mas também, “Você não fica grávida por chupar pau. Eu não sou graduada em biologia nem nada do tipo, mas eu tenho certeza absoluta sobre isso.” A vaca apenas olhou para mim. Okay, então isso realmente não estava indo bem. “Eu sinto muito,” eu disse. Não sentia. “Não quis interromper o seu honrado discurso. Por favor, continue. Sinceramente, eu não posso esperar para ouvir o que você vai dizer.” O rosto bonito se contorceu em uma careta, a mulher realmente teve a audácia de vir para cima de mim, com as mãos em punhos. A garota tinha perdido a porra da cabeça. Meu coração acelerou, cada instinto de proteção aumentou com o alarme. Ser violenta comigo ou com a minha Bean? Eu acho que não. Felizmente, o bar tinha uma variedade de armas a postos. A minha favorita era uma garrafa de Chivas. Eu avaliei o peso passando de uma mão a outra. Três quartos cheia. Era pesado o bastante. De jeito nenhum eu ia pegar leve com essa merdinha. “Martha,” Sam, o segurança, gritou, salvando o dia. Não soube quando ele entrou, mas eu estava muito feliz em vê-lo. Se eu tiver meia


chance, eu vou cobrir o seu rosto de beijos. “Encoste a porra de uma mão nela e o seu irmão nunca vai te perdoar. Eu te garanto isso.” A vaca congelou. “Hey, Sam. Quer um pouco de Chivas?” Eu perguntei, oferecendo a garrafa ao homem musculoso de terno preto. “Perfeito. Eu vou pegar isso, posso, Srta. Rollins?” Ele colocou a garrafa de volta ao lugar cheio de uma fina seleção de bebidas. “Então você é a irmã de Ben,” eu disse, bebendo o meu suco de maçã mais uma vez. “Interessante.” Sam levou o celular à orelha, os olhos pareciam um pouco preocupados. O enorme guarda-costas nunca tinha demonstrado o mínimo traço de medo antes. Que virada para o bizarro que o meu dia deu. E que grandessíssima cadela a irmã de Ben era. Eu fiz uma rápida oração para que esses genes em particular pulassem uma geração ou três. Não me admira Dave ter preferido a Ev. Caramba. “De jeito nenhum ele está engolindo as merdas que ela falou para ele,” Martha cuspiu. “Sr. Nicholson,” Sam disse no celular. “Sua irmã veio fazer uma visita.” “Me deixe falar com ele.” Martha estendeu a mão. O olhar que Sam deu a ela. Whoa. Até mesmo fez Martha parar de novo. Qualquer que seja a história aqui, eu aposto que era uma excelente. “Sim, Srta. Rollins e ela se encontraram,” Sam reportou no telefone. “Eu apenas as interrompi trocando palavras. A situação está meio volátil.” Ele ficou quieto, ouvindo o que quer que Ben estivesse dizendo. Então ele virou para mim.


“Senhorita Rollins, ele quer saber se você está bem.” “Melhor de saúde, Sam. Tudo bem.” Eu sorri. Já faz uns bons seis anos ou mais desde que eu entrei em uma briga. A maior parte de nós cresce e acaba com essas bobagens. Se Martha estava inclinada a conhecer meus instintos maternais, então, que seja. Ben e Sam falaram. A maior parte da conversa do lado de Sam consistia em sim, senhor e em breve. “Senhor,” Sam disse eventualmente, “Eu imagino se talvez ajudasse a resolver a situação se eu tivesse uma conversa tranquila com a sua irmã?” E um último “Sim, senhor” e ele desligou o telefone. “Senhorita Rollins, você poderia dar a Martha e a mim um momento em particular?” “Claro, Sam.” Eu fui para o meu quarto, com o suco na mão. Minha orelha estava pressionada contra a porta fechada em dois centésimos de segundo. Ouvir a conversa dos outros é uma falha horrível, eu sei. Mas de jeito nenhum eu perderia isso. “O que diabos está errado com você?” Sam começou, sua voz baixa e mortal. “Eu vi você foder as coisas com o seu irmão e Dave por anos. Até o ponto de você ter que ser mandada para o outro lado do país para você parar de causar problemas.” “Quem é ela?” “Ela é a garota que o seu irmão pensa ser a porra do mundo, e ela está carregando o filho dele. Ele estava planejando te apresentar a ela amanhã, depois de te atualizar sobre a situação,” Sam disse. “Ele estava esperando que você a ajudasse a comprar algumas roupas de gestante, já que você conhece a cidade.” A vaca escarneceu. “Você tá de sacanagem.”


“Não. Agora vê que coisa triste. Seu irmão realmente acredita em você, acha que você só cometeu alguns erros, mas que você teria aprendido com eles e teria crescido. Ele não sabe a vaca amarga e egoísta que você é.” Aparentemente ele não tinha nada a dizer quanto a isso. “Mas então, o amor fode a forma com a qual as pessoas veem as coisas. E o seu irmão, ele amava você, apesar de toda a merda que você causou esses anos.” “Eu só quero protege-lo,” ela disse, a voz tremendo de fúria. “Ela o está enganando, ela tem que estar. Ben nunca foi do tipo que sossega, você sabe disso tão bem quanto eu. Ele é basicamente um preguiçoso profissional milionário. Ele mal pode ver através do próximo som e da garrafa de cerveja.” “As pessoas mudam.” “Bem, se ele está tão na dela então ele não está pensando claramente. Ele é suave, Sam. Ele não é como nós. Nós vemos o mundo como ele realmente é. As pessoas estão por aí apenas querendo usar os caras, elas sempre estiveram. E essa garota não é diferente, eu posso dizer só de olhar para ela.” No inferno que ela poderia. Sam xingou com fervor. “Você está certa sobre nós vermos as coisas como elas são. Do que você realmente está com medo, Martha? Está preocupada que se o seu irmão entrar em um relacionamento por uma vez, ter uma mulher e uma criança para cuidar, ele não estará mais inclinado a manter seu estilo de vida caro?” Silêncio. “Você que o está usando, Martha. Você sempre usou.” “Vá se foder. Ele é meu irmão.”


“É, seu irmão, não o seu banco. Talvez um dia você aprenda a diferença entre os dois.” De jeito nenhum. Puta merda. Então essa era a despesa da qual Ben falou na noite passada – manter a sua irmã com o estilo de vida que aparentemente ela tinha se acostumado enquanto vivia com a banda. A única família de verdade que ele tinha estava tirando o sangue dele. Que vaca. Não importa o que ele diga, eu duvido muito que qualquer coisa que envolva essa sanguessuga chupadora de dinheiro estivesse sob controle. Cara, eu queria tanto outra chance de jogar um objeto duro em seu lindo crânio. Mas era o dinheiro dele e a família dele, não a minha. Além disso, nada disso era da minha conta realmente. Não que eu tivesse parado de escutar ou de sonhar com as formas de fazer essa mulher desaparecer. Estranho, cuidar de Bean e de Ben realmente trazia o meu lado violento à tona. Eu juro que eu normalmente sou pacifista. “Aquela garota –” “Ama o seu irmão. E ele a ama. Eu nunca o vi desse jeito com outra pessoa, e ela é boa para ele. Ele está passando menos tempo sozinho, falando mais, interagindo. Ele está feliz, Martha.” “Por favor. O que diabos você saberia? Você é só a ajuda contratada.” “Não seja idiota. Se você realmente fosse tão estúpida nós não estaríamos tendo essa conversa.” “Ele não pode estar assim tão na dela. Eu não vi um anel em seu dedo.” “Isso vai acontecer. Eles só estão muito envolvidos pelo bebê para fazer a coisa oficial,” Sam disse, o martelar do meu coração quase o fez saltar para fora. “Você faça uma única coisa para causar


problemas a eles e eu vou ter certeza que você nunca mais será aceita de volta na banda. Sua exclusão será permanente.” “Eles são a minha família,” ela disse em um tom horrível. “Então comece a agir de acordo. Pare de tirar dinheiro do seu irmão e fique por conta própria. Trate Lizzy e todas as outras mulheres com algum respeito.” Nenhuma resposta. “Você nunca vai ter Dave de volta. Esses dias passaram. Aceite isso. Se você não quer perder o seu irmão também, você vai seguir o meu conselho.” Um momento depois a porta da frente bateu. Em seguida a batida na porta do meu quarto soou em minha cabeça. Ai. Xeretar era um passatempo perigoso. “Você pode sair agora, senhorita Rollins.” Eu saí, bebendo o último gole do meu suco, fazendo meu melhor para parecer blasé sobre todo esse drama. A diversão brilhou nos olhos de Sam. “É feio ouvir a conversa das outras pessoas.” “Eu não sei sobre o que você está falando,” eu disse, meu nariz para cima. “Claro que não.” Eu baixei o meu nariz para onde ele pertencia antes de eu dar um jeito no pescoço. “Você acha de verdade que eu o faço feliz?” O cara de terno preto sorriu. Foi a menor das coisas. Estava lá e desapareceu em um instante. “Você é a estudante de psicologia. Pense sobre isso. Cada um dos caras interpreta um papel na banda. Não apenas um instrumento, mas uma peça de quebra-cabeças que os faz funcionar. Dave é o poeta


sensível, Mal o palhaço barulhento, e Jimmy é o corrompido. Mas Ben, ele só continua com o trabalho, fazendo as coisas dele. Ele é o único que eu não tenho que vigiar quando sai em público. Não se interesse em ser o centro das atenções. O cara só se mistura, sabe?” “É. Eu acho que sim.” “Os outros caras compraram mansões e outras merdas, mas ele não. Ele apenas se muda, vive em hotéis, toca sua música.” Sam olhou para mim por baixo do seu nariz quebrado. Deus sabe quantas vezes ele foi quebrado. “Você está dando a ele um lugar ao qual pertencer, coisas a planejar, uma vida fora de tudo isso. O idiota nem ao menos percebe que ele precisava disso, mas ele precisa. Você está fazendo-o crescer. Ninguém deu isso a ele por muito tempo. “Você é meio um filósofo, Sam.” “Não.” Outro sorriso de milissegundo. “Eu apenas uso os meus olhos. É o que eu sou pago para fazer.” Eu sorri para ele. O meu durou mais tempo. “Se Martha voltar, me liga. Eu não acho que ela vá causar mais algum problema, mas com ela...” “Pode deixar.” *** Alguma coisa me acordou por volta de uma da manhã. A luz de um e-reader, bastante estranho. “Ben?” Eu bocejei, rolando para atingir a pele quente e firme. “Hey. Quando você chegou?”


“Não faz muito tempo.” Ele tirou o cabelo do meu rosto, continuando para esfregar o meu pescoço. “Não quis acordar você. Quer que eu vá ler lá na sala?” “Não.” Eu enfiei o meu rosto nas suas costelas, inalando o homem gostoso. Divino. Até mesmo o pelo macio das suas axilas servia para mim. Assim como o caminho da felicidade que seguia pelo seu umbigo até as suas boxers... paraíso. Impossível manter meus dedos longe de lá. “Você é uma abraçadora.” Ele riu. “Isso é um problema?” O pensamento dos meus membros agarrados a ele ser aborrecedor não passou pela minha cabeça. “Não. Eu gosto de te ter por perto. Significa que eu posso te manter longe de problemas.” Eu coloquei o meu queixo em seu peito. “E o que isso significa?” “Ouvi sobre o seu confronto com Martha hoje. Você realmente ia atingi-la com uma garrafa de um whisky de vinte e cinco anos?” “Se ela chegasse mais perto de mim e de Bean com a mão levantada, pode apostar. Aparentemente eu estou um pouco violenta esses dias, o que é uma preocupação. Mas eu não estou inclinada a ficar parada enquanto eu ou a minha filha possamos nos machucar.” “Hmm.” “Eu não comecei isso, Ben.” “Eu sei.” Os cantos dos seus lindos lábios abaixaram. “Eu sinto pra caralho por isso ter acontecido, docinho. Não tinha ideia que ela reagiria dessa forma. Quer dizer... eu sei que ela iria pensar o pior. Ela viu gente suficiente tentando conseguir alguma coisa com a banda através dos anos. Apenas pensei que eu estaria aqui para controlar essa merda.”


Eu escondi meu rosto do seu lado. Não haviam muitas maneiras educadas de dizer a alguém que a sua única família era uma idiota da pior espécie. “Estava esperando que você e ela pudessem ser amigas,” ele adicionou. Não é nada provável. “O que você está lendo?” Eu perguntei, tomando o caminho seguro. “Jim deu para mim. Lotado de livros de bebê.” “Ele fez isso?” “Sim.” Ben sorriu e levantou o e-reader de volta para o rosto. “Você sabia que as contrações são como as ondas no mar profundo, liberando energia pura e natural através de você? Você tem que se abraçar a ela e se abrir como uma flor ao sol da manhã para que o seu filho possa nascer.” “Isso parece uma bobagem fantástica.” “É, eu não sei se esse livro vale a pena. Melhor tentar outro.” “Eu não fiz muita pesquisa ainda sobre o sistema de entrega. Mas na maior parte eu imagino dor, drogas, e gritos aleatórios com qualquer um que esteja perto.” Um bufo. “Também, bebês precisam de coisas pra cacete,” ele foi em frente. “É melhor focarmos nisso. Jim contratou um especialista para ele e Lena, que vai trabalhar com eles para decorar o berçário e conseguindo tudo o que eles precisarem.” “Uau.” “É. Talvez valha a pena pensar sobre isso, já que vamos ficar em turnê por um tempo.”


Eu

esfreguei

meu

queixo

no

seu

peitoral,

pensando

profundamente. “Isso tudo parece ótimo, mas nós apenas decidimos tentar a coisa de namorado e namorada. Nós não fazemos ideia se vamos morar no meu apartamento ou em outro lugar.” “Verdade.” Ele jogou o e-reader para o lado e apoiou a mão nos meus quadris. “Eu estava pensando, alguns livros diziam que yoga era ótimo para passar pela gestação e para preparar para dar à luz e essas coisas. Eu me lembro de você dizer que gostaria de fazer isso, mas que não tinha muito tempo ou dinheiro quando estava estudando. Então – e não fique aborrecida comigo, porque você não precisa fazer isso se não quiser – mas eu pensei que talvez fosse legal se você e Lena tivesse um instrutor especialista por perto, para trabalhar com vocês quando quisessem.” Minha boca se abriu. “Você fez isso?” “Jim disse que Lena toparia, e eu pensei que talvez você gostasse. Mas a decisão é sua,” ele continuou. “Oh, e Jim disse que era para eu especificar que de jeito nenhum eu estou assustado pelo tamanho do seu traseiro ou algo assim, porque ele não está grande. Eu acho que a sua bunda é ótima. Se ela ficar maior, só vai significar que terá mais dela para eu brincar. Eu só quis fazer alguma coisa boa por você, e eu sei que estar em turnê fica um pouco chato às vezes. E eu pensei –” Eu aliviei as suas preocupações sentando em cima do cara e o beijando com força. E então eu o beijei com força mais um pouco porque ele tinha pensado em mim. Não importa se ele estava fora fazendo as suas coisas, totalmente não relacionadas comigo. Em algum momento do dia eu estava em sua mente. Eu importava para ele. Prova que isso era a coisa mais doce de todos os tempos. Respirando com


dificuldade, meu namorado me deu um sorriso lento. “Você gostou da ideia.” “Eu amei a ideia. Obrigada.” “Amanhã eu vou te levar às compras, okay? Prometo.” “Okay.” Meu peito encheu até transbordar com o calor e sentimentos difusos. Toda emoção inspirada por ele. Nós iriamos fazer isso. Nós iríamos. Ele, eu e Bean seríamos a melhor família de todos os tempos. Nossa garotinha nunca duvidaria que ela era amada e cuidada. “Eu sinto muito de verdade pela minha irmã hoje, docinho,” ele disse. “De jeito nenhum você deveria ter lidado com essa porra.” “Eu não quero falar sobre ela agora,” eu disse, escalando o seu longo corpo. “Não?” “Não. Eu estou com fome.” Eu enterrei o meu rosto em seu pescoço, respirando a sua essência. Deus me ajude, Sam estava certo, eu estava apaixonada por esse cara. Eu poderia evitar de dizer as palavras ou negar isso tudo. A verdade, entretanto, não iria a lugar nenhum. Devagar. Se nós apenas levarmos isso devagar, isso poderia realmente funcionar. “Você está com vontade de que? Eu vou pedir pelo serviço de quarto.” “Você” “Eu?” Sua voz baixou pelo menos uma oitava. Primeiro eu beijei um mamilo, depois o outro, revezando passando a minha língua por cada um. “Mm-hm.” Com a ajuda do meu pé, eu afastei o lençol, me arrastando lentamente mais para baixo e mais para baixo. As linhas de cada costela e a curva de cada músculo. O seu umbigo e aquelas linhas


laterais que saiam dos seus quadris. Logo eu estava cara-a-cara com a sua ereção, a qual estava forçando o algodão preto das suas boxers, eu juro que os olhos do cara estavam pegando fogo, observando os meus movimentos. Nada foi dito. Mas também, nada precisava ser dito. Uma enorme tatuagem de caveira de doces decorava seu lado esquerdo, os detalhes e as cores eram incríveis. Frases de uma antiga música do Led Zep cobriam o seu lado direito. O cara era uma peça de arte ambulante. Ele sempre tão útil levantou os quadris para eu poder deslizar a sua cueca até a metade das suas coxas musculosas. Eu nunca tinha realmente parado para pensar e refletir, na verdade eu estava muito próxima e íntima do seu pau. Uma puta vergonha. Ele era grosso e longo e coberto com veias, a cabeça larga clamando pela minha língua. Mas por agora, eu corri o meu polegar pela pele sedosa, sentindo o cume e indo para o lugar mais doce. Ben inspirou fundo quando eu o massageei, suas costelas subindo. Cara, ele era lindo. Seus olhos vibrantes e as linhas das suas maçãs do rosto. Sua boca perfeita e aquela barba. Whoa, aquela barba. As coisas que ela podia fazer. Se o cara alguma vez a tirasse, eu não iria liberar até ela crescer de novo. “Sobre o que você está pensando?” Ele perguntou, a voz um pouco mais que um rumor. Eu apertei mais o pau dele, aproveitando a sensação da sua pele suave e quente contra a minha palma. Eu o bombeei uma vez, duas vezes. “Nada.” “Sabe, você se comporta bem, mas você tem uma garota má aí dentro. Eu gosto disso.”


“Eu não sei sobre o que você está falando.” Bem devagar eu me inclinei e passei a minha língua pela cabeça do seu pau. Mm, pré-gozo salgado. Nhami-nhami. “Brincar comigo desse jeito, para começar.” “Você não gosta disso?” Eu tracei a minha língua ao longo do seu pau antes de afunda-lo na minha boca. A cabeça cabia muito bem na minha boca – tudo de melhor para chupa-lo. “Porra,” ele sussurrou, os quadris investindo, forçando o caminho. Eu desci nele com força, comendo-o. Não havia mentira no que eu disse, eu realmente estava com fome. E agradar o meu namorado era o número um do meu menu. Eu o levei o mais fundo que eu conseguia, tentando deixar a minha mandíbula solta. Isso requeria muita prática, dado o seu tamanho. De alguma forma, eu duvidava que ele se importava. Com meus quadris acima dele, usando apenas uma camiseta fina e calcinha, eu dei tudo de mim. Se a minha técnica era bagunçada ou se de alguma forma falhava tecnicamente, Ben nunca mencionou. Eu arrastava a minha língua para frente e para trás em todo o seu comprimento, traçando a veias e provocando a cabeça. Então eu abri completamente e o levei o mais fundo que conseguia. Provavelmente não foi muito, mas o que eu pude eu dei conta. Essa definitivamente era uma daquelas ocasiões em que chupar igualava o amor. Muito amor. O gosto salgado na minha língua e o seu gemido e as palavras de prazer que preenchiam os meus ouvidos confirmaram isso. Pagar boquete para o Ben era ótimo. O homem grande e peludo estava completamente a minha disposição. Seus quadris começaram a se agitar, obviamente incapaz de


segurar mais tempo, e eu caí nele forte. Ele gritou, as mãos emboladas no meu cabelo, puxando o tanto certo só para despertar o meu couro cabeludo. Aquele puxão suave funcionou para mim, muito. Ele me segurou no lugar para pegar toda a sua porra. Eu engoli o mais rápido que eu pude, limpando o resto com a língua e os dedos. Ele era meu, e cuidar dele definitivamente era uma recompensa. Com as bochechas coradas e o tórax trabalhando duro, ele me encarou em êxtase. Eu não sei se o que eu fiz foi tão notável, mas era legal ser apreciada. O homem certamente despertou a minha vontade de agradar. Ele parecia fofo depois de gozar. Todo atordoado e confuso, seu rosto relaxado, em paz. Eu subi por ele, deitando de lado no seu peito. Imediatamente os seus braços me envolveram, me segurando firme. “Desculpa por puxar o seu cabelo, e te segurar,” ele disse, ainda respirando pesado. “Nunca fiz isso antes.” “Está tudo bem.” “Nunca mais vai acontecer. Eu não sei que porra me deu.” “Hey,” eu disse, me levantando em um cotovelo para olhar o seu rosto. Havia pânico de verdade naqueles olhos. “Ben, eu gostei. Eu gostei que você estivesse tão envolvido, que eu podia fazer isso com você, te fazer perder um pouco do controle.” Ele apenas encarou. Eu dei um sorriso e rolei cuidadosamente. “Eu vou beber água. Você quer um pouco?” Um aceno de cabeça. “Você realmente não se importou?” “Eu gosto de ser suave com você. Eu gosto. Mas eu acho que ir um pouco mais áspero com você de vez em quando é divertido também. Eu


sei que nós estamos meio limitados sobre o que podemos fazer com o bebê a caminho. Eu afaguei a minha barriga. “Mas depois?” Outro aceno de cabeça, esse mais entusiasmado, ao ponto de eu achar que ele daria um jeito. Parecia que o meu homem gostava de brincar de verdade. “Ótimo,” eu disse. Depois de tudo, qual era o ponto de ter um namorado lindo e grande se eu não fosse capaz de brincar com ele? Era tudo outra forma saudável de exploração dos limites do nosso relacionamento. Nós na cama me deu um bom pressentimento. Me deu esperança. “Eu vou esperar ansiosa por isso.” Eu dei uma piscadinha para ele. Eu já tinha dominado essa coisa de namorada. Ponto para mim.


CAPÍTULO DOZE “Lizzy!” Mal pulou para mim, puxando Anne pela mão. “Oi, vocês dois.” Eu sentei, batendo os meus pés no café do hotel. Meu chocolate gelado coberto com sorvete e calda já tinha desaparecido do copo a minha frente. Não que eu estivesse mal humorada por ter ficado esperando. Tudo bem. Ele não me esqueceu, ele só ficou preso com alguma coisa. Eu confiava nele. “O que você está fazendo aqui sozinha?” Anne perguntou. “Ben vai me levar para comprar roupas de gestante.” “Quando?” Eu dei um meio sorriso a ela. “Em breve.” “Você não deveria ter Sam ou um dos seus capangas com você?” Mal perguntou, colocando seu cabelo louro comprido atrás da orelha. “Não precisa. Ben estará aqui em breve.” “Quando?” “Em breve.” “Você continua dizendo isso.” Mal franziu o cenho. “Especifiquese.” Meu telefone vibrou na minha bolsa. “Deve ser ele.” Mas não era. Estranhamente, o nome da minha ex-colega de quarto Christy apareceu na tela. Nós não nos falamos desde a coisa do abandono na boate. “Alô?” “Eu sinto muito. Isso é verdade?” Veio para mim em uma corrente de palavras.


“O que é verdade?” Eu perguntei. “Que você está grávida?” Ela disse. “Eu não planejei dar a foto a eles, mas então Imelda disse que estava tudo bem. Que todo mundo merecia seus quinze minutos de fama. Eles disseram que estavam fazendo um artigo sobre a vida no campus. Eu não pensei que você se importaria. Eu não tinha ideia que eles iriam usar dessa forma.” “Quem são ‘eles’?” Eu perguntei, meu interior revirando com um pavor cada vez maior. “Um repórter do The Daily.” “Olhe o The Dayle”, eu disse para Anne. Ela pegou o celular e se ocupou. “Christy, que foto você deu a eles?” Ela parou, engolindo. “Bem, eles só perguntaram se poderiam usar as fotos do meu Facebook. Eu não tinha pensado muito sobre o que havia lá. Eu estava meio que esperando que eles usariam aquela de nós duas no Crater Lake. Você lembra, eu sempre amei aquela foto. Mas eles acabaram usando aquela do luau havaiano do ano passado. Quando você estava falando com aqueles caras de Economia. Eu sinto muito.” Eu conhecia a foto. Todas as garotas estavam de biquíni e saias de sapê ou sarongues. Eu tinha usado jeans cortados, cobrindo mais que a maioria porque era assim que eu me sentia confortável. Cada um por si. Todo mundo estava bebendo em copos vermelhos de cerveja, decorados com aquelas sombrinhas bobas e pedaços de abacaxi. Um gosto interessante. Um membro do time de futebol americano tinha usado uma sunga amarela brilhante em um desafio. Tinha sido hilário. Boa música. Uma noite gostosa. Então eu tinha bebido um pouco em uma festa e conversado com uns caras, um deles tinha passado o braço


por mim para a foto. Todos nós estávamos sorrindo, curtindo a festa. Por que diabos isso iria excitar um repórter? As sobrancelhas de Anne subiram e ela me mostrou o telefone. Universitária grávida do bebê Stage Dive. Alegando que curtia a vida com seus amigos homens. Mostrava preocupação pela saúde do feto. Uma guerra sobre a custódia antecipada. Pedidos por milhares de dólares em pensão alimentícia esperada. Uma pessoa próxima da banda disse estar apavorada. Ben Nicholson se recusava a comentar o assunto. Com os dedos insensíveis eu continuei ouvindo uma Christy balbuciando. Alegando. Antecipada. Esperada. Foi tudo tão brutalmente redigido que interferia da pior forma possível a perfeição da foto. Imbecis. Eles não tinham ideia de quem eu era. Pior, eles nem se importavam. Qualquer mentira iria vender. Graças a Deus que eu não tinha uma ocorrência juvenil grave para eles cutucarem, aberta ou fechada. Ainda assim, se eles perguntassem para certas pessoas sobre o que eu estava fazendo durante aquele ano desperdiçado da minha juventude... pensamentos assustadores invadiram a minha mente. Se Ben e eu nos separássemos, se alguma coisa acontecesse e as coisas ficassem ruins, seria o bastante para ele pedir custódia total de Bean? Cristo. E quando eu fosse trabalhar? Quem diabos iria confiar seus filhos a uma psicóloga com um passado como o meu?


As pessoas estavam falando, mas eu não podia entender as palavras. Era como estar debaixo d’água, os sons distantes e cortados. As bolhas nas minhas orelhas faziam ouvir ser uma coisa impossível. Mãos seguraram o meu rosto, o erguendo. Então ele estava olhando para mim, os olhos escuros intensos. “Docinho?” As bolhas se romperam, a realidade invadindo, empurrando o choque para o lado. “Ben?” “Vamos para a suíte.” “Sim,” Eu disse, pegando a mão de Ben e deixando-o me guiar, me protegendo com o seu corpo. Tinha gritaria atrás de nós. Um tumulto repentino e o clique das câmeras. A segurança interviu. Tudo aconteceu tão rápido. Eu acho que os paparazzi estavam seguindo Ben, pensando que ele os levariam a mim – a garota festeira grávida, a puta gananciosa extraordinária em um biquíni. Mal e Anne seguiram atrás, entrando no elevador. Uma flauta suave enchia o ar. Ninguém disse nada. Ainda pior, ninguém ao menos parecia surpreso. Exceto eu, é claro. O branco dos meus olhos e o rosto pálido estavam perfeitamente refletidos nas portas brilhantes. Elas se abriram e Anne segurou o meu braço. “Me deixe falar com ela.” “Mais tarde,” Ben disse. “Agora ela precisa deitar e se acalmar antes que ela desmaie.” “Eu não vou desmaiar.” Mas eu segurei firme na sua mão só no caso. “Eu estou bem.”


Anne me soltou sem mais um comentário. Muito bom. Eu não poderia derramar tudo isso nela. Ela ainda estava no modo noiva resplandecente e recém-casada. De jeito nenhum eu iria bagunçar isso. Ultimamente ela tinha cuidado de mais de uma de suas obrigações de irmã mais velha, me levando as consultas médicas, ficando para trás comigo em Portland. A suíte parecia estranhamente quieta depois da comoção lá embaixo. Todo o barulho e pensamentos continuavam girando na minha cabeça. Atrás das janelas do chão ao teto a cidade se erguia. Cristo, isso estava mesmo acontecendo. “Venha e se sente.” Ele me levou para o sofá. Eu desatei a mão da dele, sacudindo com alguma emoção. Eu não tinha certeza de qual, por enquanto. “Não. Eu... Eu não quero me sentar.” Ben se jogou no sofá, cruzando as pernas. Seus braços espalhados ao longo das costas do sofá, me observando andar para lá e para cá. Muitas palavras estavam presas dentro de mim, lutando para sair. Se eu ao menos pudesse pensar com clareza. Não havia motivo para levar isso para o lado pessoal, os jornalistas e os fotógrafos estavam apenas fazendo o trabalho deles. O que não os fazia menos que um bando de fofoqueiros, mas aqui vamos nós. “Eu me sinto tão... impotente.” “Eu sei,” ele disse. “Eles basicamente me fizeram sair como se eu fosse alguma alcoólatra que fazia orgias todas as noites da semana que terminavam em A e O.” Eu esfreguei as mãos nas laterais do meu jeans. Ainda no lugar por causa de um elástico de cabelo. Apesar de que calças não


eram um problema na escala de coisas que estavam acontecendo agora. “Você não é,” ele disse, tão certo. “Meus numerosos amigos do sexo masculino,” eu zombei. “Isso é bobagem.” “Por que sempre tem a ver com sexo quando as mulheres saem na mídia? Com quantas pessoas você já dormiu?” eu perguntei, as mãos nos quadris. “Bem?” Sua língua brincava atrás da sua bochecha. “Eu, ah, eu realmente não mantenho uma contagem.” “Eles não se importam se você for algum tipo de piranhudo, e você provavelmente dormir com dúzias de pessoas a mais que eu.” Ele assentiu cuidadosamente. “Centenas?” eu arrisquei. Ele pigarreou, se virando para coçar a barba. “Certo. Isso não importa. E ainda assim eu sou a piranha porque eu sou a mulher. Como fosse da porra da conta deles com quantas pessoas cada um de nós dormiu ou se eu me divertia saindo para beber ocasionalmente. Eu não estava atrás de um volante dirigindo bêbada. Eu estava tomando algumas bebidas com amigos em uma festa e organizando para chegar em casa em segurança. E se eu estivesse levando alguém para casa, isso não é da conta deles. Esses filhos da puta hipócritas, me condenando por essas coisas. O que adultos conscientes fazem em privado não deveria ser entretenimento para o mundo inteiro. Nem isso é de forma alguma um jeito viável de julgar o caráter de uma pessoa.” “Liz.”


“Filhos-de-uma-puta.” Eu dei um afago de desculpas na minha barriga. “Me desculpa, bebê.” “Liz.” “Esse duplo padrão para homens e mulheres me deixa louca.” “É, eu entendi isso,” um lado da sua boca subiu. “Você quer que eu os processe por difamação? Eu posso ter os advogados trabalhando nisso agora, se você quiser. Ver o que podemos fazer. Mas provavelmente eles não possam fazer muita coisa. A imprensa teve um dia de campo com Jimmy, e nós não pudemos ter uma retratação em uma mínima coisa da qual eles escreveram. Mas se você quiser isso...” Com um suspiro, eu voltei a andar. “Já está lá fora. Não importa o que façamos, já está correndo.” Um aceno lento. “É, docinho. Já está.” “Eu só... eu nunca pensei que isso pudesse impactar nosso futuro desse jeito. Eu sei que os estudos ficarão de lado por uns anos por causa da maternidade.” Eu puxei o meu cabelo louro do meu rosto, dando um puxão forte. “Eu sei que Bean deveria vir primeiro, essa é a realidade. Mas eu pensei que um dia...” “Você vai terminar seus estudos e praticar psicologia. Não se atreva a desistir dessa merda.” Ben se inclinou, os cotovelos nos joelhos. “Sempre vai ter algum filho da puta lá fora dizendo alguma coisa, tentando te por para baixo só para ganhar uns trocados ou porque eles podem. Porque as suas próprias vidas são uma merda. Você não pode deixa-los ganhar.” “Eles estão dizendo isso para um público potencial de bilhões de pessoas na internet, Ben.”


“Eu não me importo,” ele disse, os olhos brilhando de raiva. “Você não vai deixar esses merdinhas ganharem. Você é melhor que isso. Mais forte.” Eu olhei para ele, maravilhada. “Você realmente acredita nisso?” “Eu sei disso. Do minuto que você contou que estava grávida, você não procurou alguém para culpar. Você estava se recompondo, planejando as coisas para o nosso bebê.” Eu fiquei mais alta só de olhar para ele. Foi como se eu ficasse mais forte só porque ele acreditava nisso. “Bem?” ele perguntou. “Para ser honesta, eu fiquei meio chateada com o seu pênis e com os testes por um tempo. Eu posso ter xingado o seu esperma de uns nomes bem ruins.” Ele riu. “É? Como você se sente sobre o meu órgão reprodutor agora?” Uma súbita urgência de apagar a energia de pânico correndo através de mim. “Eu acho que eu gosto muito de fazer com você.” Mais uma vez ele se apoiou no encosto do sofá, os braços abertos. Um sorriso lento e cheio no seu rosto lindo. “Só aconteceu, eu gosto muito de ser feito por você.” “Conversa suja apropriada para crianças. Tem alguma coisa muito errada com isso.” Eu pairei sobre ele, chutando os meus sapatos. Depois saiu o prendedor de cabelo da cintura então eu tirei as calças. Minha blusa e soutien desapareceram como um raio, deixando a minha calcinha por último. E todo esse tempo Ben ficou sentado lá, me olhando, a boca meio aberta em apreciação. “Porra, você é linda. E eu amo quando você começa as coisas toda nervosa e honesta.”


“Meu belo barbado.” Ele riu, as mãos alcançando os meus quadris. “Ao seu dispor, docinho.” “Vou te cobrar isso.” Eu montei em seu colo, o traseiro nu e perfeitamente contente por estar assim. Isso era verdade, vou me dar toda pra ele, sem deixar nada para trás. “Sem mais ir devagar.” Suas narinas inflaram quando ele inspirou fundo. “O que você quiser.” “Você. Só você.” Nossas bocas se encontraram, beijos duros e suaves, doces e ávidos. Tudo de uma vez. Perfeito. Eu deslizei as minhas mãos debaixo da sua camiseta, puxando-a por sobre a cabeça. Que aborrecido ter que deixar a sua boca mesmo que por um instante. Mas para o pele a pele, esses sacrifícios têm que ser feitos. E puta merda, a pele de Ben. Toda a arte das suas tatuagens e os músculos fortes. Suas mãos cobriram os meus seios, massageando suavemente. “Mais ou menos?” Ele perguntou. “Um pouco mais.” Dedos brincaram com os meus mamilos, me deixando muito ligada. “É isso.” Eu esfreguei a minha buceta contra a rigidez no seu jeans. Quem inventou as roupas? Que idiota. Meus hormônios corriam soltos, minha pele viva com a sensação. Dedos calejados escorregaram para rodear a minha barriga, espalhando-se sobre ela. “Você está linda pra caralho, carregando o nosso bebê.” “Fico feliz por ouvir isso.”


“Ah, docinho. Você não faz ideia. Você estava me deixando louco pra caralho.” Uma mão se emaranhou no meu cabelo, me segurando para a sua boca. Ele me beijou até a minha cabeça girar. Sua língua explorando a minha boca, me provocando e tentando. Eu o beijaria, feliz, para sempre. Se ao menos as minhas partes não se sentissem tão vazias e necessitadas. Um polegar brincou com o meu clitóris, escorregando para lá e para cá através da umidade, elevando a minha consciência sobre o quanto eu estava ligada. Como se eu precisasse lembrar. Ele em mim agora era a única coisa correndo pelo meu cérebro. O esfregar abrasivo da sua calça parecia... interessantemente bom. Com certeza eu deixei um lugar bem molhado atestando isso. Mas eu precisava muito chegar no que estava por baixo, e eu precisava disso agora. Eu me levantei tanto quanto eu pude nos meus joelhos, as mãos agarrando o seu cinto. “Fora!” “Onde estão as maneiras, docinho? Que tipo de exemplo você dará, hmm?” Eu grunhi. “Por favor, Ben, você tiraria as suas calças para mim? É meio que importante.” “Claro que sim, Liz. Obrigado por perguntar tão bem.” Ele se contorceu um pouco, lidando com o seu cinto e botão e zíper muito mais eficiente que alguma vez eu poderia ser. A cabeça grossa do seu pau cutucou a minha abertura molhada. “Calma. Já faz um tempo que nós fizemos isso.” “Eu não acho que iremos ter algum problema dessa vez.” Molhada como eu estava, meu único medo era molhar o sofá de suede. Mas de jeito nenhum eu ia parar. A mobilha cara que se danasse.


Lentamente, eu me abaixei nele. Os lábios molhados da minha buceta se abrindo, meu corpo se abrindo, deixando o comprimento grosso dele se aprofundar onde ele pertencia. “Oh Deus, isso é bom,” eu gemi. “É.” Dentes cravaram no meu pescoço, mordiscando, enviando um arrepio pela minha coluna. Finalmente, eu sentei nas suas coxas nuas, o cós e o zíper do seu jeans levemente roçando a minha bunda. Da próxima vez faremos isso no quarto. Ficar completamente nus e ir em frente. Da próxima vez. Porque vão ter outras e eu preciso que seja em breve. Eu enfiei a mão pelo cabelo longo do alto da sua cabeça, que se foda o seu penteado de estrela do rock, o puxando um pouco. Ele abriu mais a sua boca, mordiscando os meus lábios, sorrindo. Dois poderiam provocar. “Você quer brincar, Liz?” “Com você? Sempre.” “Você está me matando.” Apesar do meu desafio, ele chupou meu lábio inferior. Então as mãos fortes debaixo da minha bunda tomaram a liderança, me levantando suavemente, antes de me deslizar para baixo. Nós dois gememos. Puta merda, tudo era tão bom. O pau dele era uma coisa de pura mágica masculina. Não me entenda mal, somente este homem poderia fazer a mágica. Ele fez cada pedaço meu acender com a sensação, amando isso. Amando a ele. Não importa sua provocação com a sua força, ele era tão cuidadoso comigo. Até mesmo delicado. Ninguém nunca tinha feito isso, me fazer sentir preciosa. Apenas ele.


Eu entrei em ação, me levantando e abaixando com a sua ajuda, montando ele mais forte. Com cuidado era bom e legal, mas uma garota sabe do que ela precisa. Eu precisava dele. Ele preenchia o meu corpo de todos os jeitos, me dando o que eu preciso de um jeito que os meus próprios dedos ágeis nunca conseguiram. Também, emocionalmente, ele deixou a minha mão para trás. De jeito nenhum eu poderia me envolver me aquecendo e protegendo dessa forma. Os dedos cravaram na minha bunda, seu pau grosso investindo no meu corpo. Eu envolvi meus braços no seu pescoço, segurando firme. Sua barba roçava a minha bochecha, então a sua boca pressionava o canto dos meus lábios. “Você está perto pra caralho, eu posso sentir,” ele disse, a respiração quente na minha pele. “Ben,” eu ofegava. Eu deveria ficar envergonhada por ser tão fácil de agradar, mas os hormônios psicóticos, etcetera. Eu precisava tanto disso com ele, sem desculpas. “Eu preciso gozar.” “Vá em frente, docinho. Me mostre como se faz.” Ele escorregou para baixo, me dando mais espaço para subir e descer no seu colo, me movendo para uma posição melhor sem por pressão na minha barriga. Com uma mão no seu ombro e a outra entre as minhas pernas, eu fiquei ocupada. As coxas trabalhando duro, mantendo esse maravilhoso pedaço dele entrar e sair de mim. “Puta que pariu,” ele murmurou. “A coisa mais gostosa do mundo.” Sua linguagem era realmente terrível durante o sexo. Mais tarde, depois que eu gozar, eu definitivamente vou trocar umas palavras com ele sobre isso. Nesse meio tempo... “Mais forte,” eu pedi/implorei. Um ou outro. Com todo o arquejo era um pouco difícil dizer.


Só o sorriso nos lábios de Ben já era uma recompensa. “Essa é a minha garota má.” As mãos nos meus quadris me bateram de encontro ao seu pau. Eu concentrei meus esforços em volta do meu clitóris. Perto. Perto pra cacete. Parecia que o meu corpo estava prestes a bang. A energia correu da base da minha coluna por todos os lugares onde estávamos conectados. Eu queria tanto esse pico como se eu nunca quisesse que isso terminasse. Então o seu pau moveu alguma coisa maravilhosa dentro de mim e eu engasguei. Uma luz clara me cegou, todo o meu corpo ficou tenso antes de relaxar completamente. Minha cabeça caiu para frente em seu ombro, todo o meu corpo tremia e estremecia. Ben me segurou firme para baixo, seus quadris batendo, se enterrando tão fundo quanto ele conseguia. Incrível. Então, eu meio que morri. Ou fiz uma representação muito boa da morte, desmoronando em cima dele, totalmente flácida. Talvez eu apenas tire uma soneca ali, com ele ainda dentro de mim. Não tinha nenhuma inclinação a me mover. Espero que não tenha havido nenhum vazamento de fluidos corporais. Mas eu tenho que admitir, eu realmente não me importava. Mãos passavam pelas minhas costas, traçando cada nó da minha coluna, massageando a minha bunda, esfregando as minhas coxas. E continuou e continuou. Ele só tocando cada parte de mim que ele pudesse alcançar. Me acalmando ou me atiçando, eu não sei. Mas eu amava. O cheiro de nós dois pairando no ar, nossos corpos suados grudados juntos. Se eu ficasse meio que do meu lado teria muito espaço para a volta da minha barriga. “Confortável?” ele perguntou. “Aquecida o bastante?” Eu assenti.


“Eu sinto muito por eles terem vindo dessa forma para cima de você, dizendo essas merdas.” “Está tudo bem.” Eu suspirei. “Você vale a pena.” “Docinho.” Ele beijou o topo da minha cabeça, o lado do meu rosto. Nada precisava ser dito, não agora. Em breve, eu diria a ele. Mas se ele não pudesse sentir isso, comigo basicamente tentando entrar na sua pele, para chegar o mais perto que eu pudesse... então, o cara era um imbecil. Meus sentimentos por Ben Nicholson eram enormes. Épicos. Tanto quanto ele podia estar preocupado, com as mãos passeando sobre mim, me valorizando, eles tinham que ser bons e reais. Eles tinham que ser. Daqui a pouco nós seríamos uma família. Nós já éramos o lar um do outro. Acabou que Ben teve que pagar pela limpeza do sofá de suede. O cara jurou que tinha valido cada centavo, Deus o abençoe.


CAPÍTULO TREZE “O inferno de uma coincidência,” Jim disse, adicionando mais salmão assado e brócolis no prato de Lena. “Obrigada, baby.” Ela mergulhou direto no prato. Era lindo, o jeito que ele prestava tanta atenção nela. A mulher claramente era o mundo dele. Lena em momento algum tinha olhado para uma coisa que não ele a servindo. Ela se mexeu no assento e ele correu para pegar mais almofadas. Uma rainha não seria tratada melhor. O amor nos olhos dela e os sorrisos suaves toda hora que ela olhava para ele fazia o meu coração doer. Era um amor intenso, tão aberto e honesto. Todo amor, todo relacionamento, era diferente. E de jeito nenhum alguém que não estava ao lado entenderia como aquele casal funcionava. Deixe as pessoas julgarem. Elas não sabiam de nada. Merda. De qualquer forma eu não precisava ser o centro do mundo de Ben. Mas eu me conhecia. Eu precisava estar lá em cima, competindo pelo topo com a sua música, tendo a sua confiança. Um dia Ben e eu chegaríamos lá. Sem dúvida. Cada um dos casais da Stage Dive eram uma variação do mesmo. Talvez fosse o jeito que os músicos e os artistas amavam, como eles se comprometiam. Tudo ou nada. Eles estavam em contato com as suas paixões, então aquelas paixões corriam pelas suas vidas. Todos nós fomos ao show na noite passada para ouvir a primeira performance de uma das novas músicas da banda. Não uma balada romântica lenta, apesar de ter um monte de amor lá. Era mais um rock’n’roll quente e cru, daquele tipo fazendo-a-minha-garota-me-


fazer-feliz-pra-cacete. Um pouco estranho quando você conhece o cara e a garota em questão. David gostava de escrever músicas sobre a sua esposa, e maldição, ele fazia isso bem. A multidão foi a loucura. Ontem nós tivemos o dia de folga. Já que os jornais deram a notícia do meu esquema vulgar de fazer dinheiro apenas no dia anterior, Ben e eu ficamos no hotel. Foi legal. Nós dormimos até às dez e tomamos café na cama. Eu até mesmo lidei corajosamente com as chamadas perdidas da minha mãe. Teve um pouco de gritos e lágrimas da parte dela. Um monte de o que os vizinhos vão pensar. A coisa era, minha mãe tinha aberto mão da minha vida há muito tempo atrás, para Anne e para mim mesma. Eu ter permitido ela voltar foi meio que um milagre. A opinião dela na minha vida não era solicitada. Eu a deixei continuar por exatos cinco minutos e então eu disse a ela que eu tinha que ir e desliguei. Minha vida já tinha drama o bastante sem ter ela envolvida. Eu não queria magoa-la, mas não permitiria que eu fosse magoada por ela. Fim da história. Ben e eu assistimos filmes e fizemos um pouco de sexo. A tarde uma variedade de caixa e sacolas de lugares como A Pea in the Pod, Neiman Marcus e uma butique chamada Veronique chegaram. Todas roupas de gestante e mais alguma coisa. Eu não me atrevi a perguntar quanto custou tudo isso. Ben me deu o Olhar. O que agora estando num relacionamento e ter meu próprio Olhar, significava uma linha a qual não poderia ser cruzada, eu respeitava sua necessidade de ajudar Bean e eu e sabiamente deixei para lá. Às dezessete semanas, eu parecia muito bem naquela noite em meu jeans de gestante e bata preta, ambos me serviam de verdade para variar. Mas voltando a conversa do jantar.


“Marty definitivamente pode ficar raivosa quando ela coloca isso em mente,” Mal disse, seu braços em volta das costas da cadeira de Anne. “Não teria pensado que ela colocaria a imprensa atrás de alguém, mas como Jim disse, é o inferno de uma coincidência, bem cronometrada, para a história sair um dia após a sua visita.” Nós estávamos sentados em volta de uma enorme mesa de mogno na suíte de David e Ev, compartilhando um jantar extravagante. Os chefs desse lugar sabiam das coisas. Uma abundância de orgasmos gastronômicos. “Eu não acreditei nisso.” David se encostou, os dedos tocando os lábios. “Ela sabia que só iriam leva-los para cima de Ben. Apesar de todos os seus defeitos, ela ama o irmão. De jeito nenhum ela faria alguma coisa que iria foder com ele diretamente.” “Ela não fez isso.” Ben permaneceu inflexível. E um pouco irritado, se os sulcos na sua testa e os lábios franzidos indicavam alguma coisa. Eu coloquei a minha mão na perna dele, dando a ele um pequeno sorriso. Francamente, eu não colocaria nenhuma esperança nessa vaca louca. Mas agora, Ben precisava que eu ficasse do lado dele. Com nenhum evidência, eu seria cautelosa, mas eu não iria condena-la ainda. Nem a deixaria se aproximar de mim. “O que importa quem fez isso? Já está feito.” Minha irmã me deu um olhar longo e avaliativo. “Estava prestes a vir a luz mais cedo ou mais tarde, especialmente com a gente em turnê,” Anne disse, ficando do meu lado. “Deus sabe quantas pessoas diferentes a viram entrar e sair da suíte de Ben, ou apenas os viram juntos. E ela está mostrando agora. Não demoraria muito para por dois e dois juntos. Teria muito dinheiro por


aí para agarrar uma história como essa. Especialmente uma vez que eles tivessem a foto certa para vender.” “Exatamente. Eu duvido que a garota vai me dar um chá de bebê em breve. Mas não vamos assumir o pior até sabermos mais.” Ben deu um aperto de agradecimento a minha mão. “Pumpkin está certa. Estava prestes a acontecer. O fato é, provavelmente nunca iremos saber quem foi o imbecil que ajudou a quem delatou a Lizzy.” Mal girou um copo de vinho tinto antes de dar um gole. “Vamos apenas aproveitar a nossa noite de folga.” Vários acenos de cabeça e murmúrios de acordo. Graças a Deus. “Ouvi dizer que o Down Fourth vai se separar depois da turnê,” Ben disse, uma mão segurando a minha e a outra segurando a cerveja. “Não brinca?” Jim estava dando uma cereja coberta de chocolate na boca de Lena. “Continue com isso e eu vou ficar tão grande quanto uma casa,” ela disse depois de engolir. “Fazer bebês toma muita energia.” “Foi oferecido ao vocalista um contrato solo e a baterista vai mudar para a Ninety-Nine,” Ben continuou. “Que péssimo para Vaughan e Conn,” David disse. “Natureza do negócio. Algumas bandas são apenas uma parada no caminho para outras coisas. Mas é surpreendente. Eles estão juntos há muito tempo.” Mal estava batucando na mesa com o polegar e o indicador. “Na verdade Vaughan é um ótimo guitarrista com uma voz não tão ruim. Eu o ouvi outra noite. Acho que ele só ficou empacado tocando baixo para eles. Talvez seja uma chance para ele crescer.” “Nada errado com o baixo,” Ben disse, dando ao baterista uma olhada feia.


“Seja justo, Benny-boy. Também não tem nada certo com ele.” Mal sorriu. “É verdade que os baixistas não podem contar além de quatro?” “Disse o idiota que mal pode segurar dois paus.” “Basta,” David disse, levantando o queixo. “As garotas querem um bom jantar, sem brigas para variar.” “Um sonho nobre,” Mal riu. “Mas sério, bandas separando acontece o tempo todo. Toma muita energia estar com as mesmas pessoas dia sim dia não.” “Essa é a sua forma de dizer que está fora?” Jim perguntou, o sorriso no lugar. “Maldição, cara,” Ben disse com o rosto sério. “Nós vamos sentir sua falta.” “Espera, qual é o seu nome de novo?” David perguntou, coçando a cabeça. Mal deu a todos eles o dedo do meio. “Ha-ha. Seus fodidos inúteis. Vocês estarão perdidos sem mim.” David jogou um pão na cabeça do baterista. “Não,”

Ev

gritou.

“Sem

guerra

de

comida.

Nós

nos

comportaremos como adultos para variar. Parem com isso.” “Que maneira de ser a patrulha da diversão, esposa criança,” Mal repreendeu, colocando o profiterole de volta no prato. Um garçom em um terno chique entrou na sala, carregando uma bandeja de prata com um único cupcake com cobertura branca. Ele parou ao lado de Lena e com grande pompa e ostentação ofereceu a ela a sobremesa. “O que é isso?” ela perguntou para Jimmy, apontando para o bolo como se ele fosse tóxico.


“Nós falamos sobre isso.” “É, e eu discordei.” “Você não conseguiu discordar.” Uma linha distinta apareceu sobre o nariz dela. “Você perguntou, eu disse não. Fim da discussão.” Os olhos azuis claros não admirados, o cara recuou em seu assento, colocando o tornozelos sobre o joelho. “Claro que eu discordei. Ponha o anel, Lena.” Droga, ele estava certo. Eu não sei como eu perdi isso. Mas tinha uma pedra impressionante no topo da cobertura do cupcake. Puta merda, isso teria feito Liz Taylor chorar de inveja. Lena estreitou os olhos para o cara. “Eu disse não. Eu ainda estou dizendo não.” “Não se preocupe, baby. Você não quer se casar, nós não iremos nos casar. Mas você ainda vai usar o anel.” “Por quê? Por que isso é tão importante para você?” ela perguntou, a boca contorcida em frustração. Ou talvez ela também estivesse um pouco impressionada pelo tamanho da pedra. E eu pensei que os anéis de Anne e Ev fossem enormes. Esse beirava o ridículo de tão grande. “Porque você é minha, e eu sou seu. E eu quero deixar isso claro para todo mundo.” Jimmy foi para frente, olhando para ela. “Eu te amo, Lena. Ponha a porra do anel.” “Ponha a porra do anel,” ela murmurou, imitando o homem. Em um discreto show de emoção, a morena muito grávida fungou. “Francamente. Você nem ao menos disse ‘por favor.’” Jimmy revirou os olhos. “Por favor.” “Tudo bem,” ela resmungou, tirando a pedra do bolo e limpando a cobertura. Então ela deslizou o diamante enorme no dedo anelar. “Eu


vou usar essa coisa estúpida. Mas nós não vamos nos casar. Eu não me importo com o que você diga. Nós mal nos conhecemos há meio ano.” “O que você quiser, Lena.” Ela bufou. “É certo.” Teve uma espécie de silêncio atordoado em volta da mesa enquanto Jimmy bebia um pouco de água mineral e Lena continuava a comer o bolinho. Como se nada tivesse acontecido. Finalmente, David Ferris pigarreou. “Você dois acabaram de ficar noivos?” Lena deu de ombros. “É. Quase,” Jimmy disse. Mal segurando uma risada, Ben levantou sua cerveja. “Parabéns, pessoas.” Eu, David, Mal e Anne também levantamos nossos copos em saudação. Com um suspiro, Ev levou as mãos para a boca, os olhos brilhando de emoção. “Não faça disso uma grande coisa,” Lena disse. “É só um anel. Do jeito que eu estou retendo líquido, ele nem ao menos vai servir semana que vem.” Jimmy rolou os punhos da sua camisa branca sob medida. “Não se preocupe. Eu comprei um cordão combinando para você usar.” “Você pensou em tudo.” “Qualquer coisa por você, Lena.” Ela deu a ele um olhar sexo. “E quanto a vocês dois?” Mal perguntou, levantando sua taça recém-preenchida com vinho na minha direção e na de Ben. “Só falta vocês agora,” David disse, seu olhar divertido em Ben.


Meu namorado se contorceu no assento, largando a minha mão. Ele lambeu os lábios e se mexeu um pouco mais, claramente desconfortável com toda a atenção. Muito justo. Nós estamos namorando por duas das dezessete semanas da gravidez. Nós nos conhecemos apenas uns meses antes da concepção miraculosa. Agora definitivamente não era a hora de pressionar e correr para o casamento. “Eu não sei se eu realmente sou do tipo que se casa,” ele disse com uma risada profunda e não tão humorada. Merda. Todos os olhos no lugar exceto os dele, viraram para mim, esperando a minha reação. De todas as coisas que ele poderia ter dito, dos cento e um jeitos de ele responder a pergunta. Deus, rir sozinho teria sido melhor. Eu mantive meus olhos para baixo, me concentrando no meu prato quase vazio. Meu estômago se apertou, uma estranha sensação de náusea se agitou vagamente. Enquanto isso, você não poderia achar um silêncio mais profundo em uma igreja. O toque do celular de Ben quebrou o silêncio. Ele atendeu com um grunhido masculino. Eu ao menos queria casar com alguém que atendia o telefone com um grunhido? Eu não sei. E aparentemente eu nunca precisarei decidir. Ele não era do tipo que casava. De repente toda a segurança que eu sentia com ele pareceu precária. O abismo que o nosso relacionamento estava começou a ruir debaixo dos meus pés. “É... claro, mande-a entrar.” Ele se virou para mim, parecendo aliviado pela mudança de assunto. “Ah, Martha está aqui. Ela quer se desculpar com você pelo outro dia.” Eu apenas olhei para ele.


“Está tudo bem, não está?” ele perguntou, obviamente se referindo à sua irmã. Infelizmente, eu ainda estava empacada no seu maravilhoso pronunciamento. A porta se abriu e a mulher entrou, a cabeça alta e um grande bolsa de couro jogada sobre o ombro. Um breve raio de dor cruzou o seu rosto quando ele viu David, seu nariz enrugou para Ev. Ben empurrou a cadeira e ficou de pé, indo para o lado dela. “Faça isso direito,” ele pediu em uma voz baixa. Como se houvesse qualquer interesse bom ou ruim de se desculpar da parte dessa mulher. As palavras de Ben giravam e giravam dentro da minha cabeça. Nós nunca ao menos falamos de casamento, não realmente. Eu acho que os contos de fada estiveram brincando no fundo da minha mente, as fantasias normais de tule, seda e amor eterno. Uma pomba ou duas. Bolo. É. Não era muito, aparentemente. Eu precisava sair daqui agora. Ficar sozinha por um tempo até eu ter as coisas resolvidas de novo, agora que o meu futuro brilhante tinha ido pelo ralo. Martha tirou alguns papéis da sua bolsa e os jogou na minha direção. “Você quer que eu acredite que você não está usando o meu irmão e essa criança para conseguir um pouco de dinheiro? Me prove. Assine isso.” Os olhos de Ben se arregalaram. “Martha –” “O que é isso?” eu perguntei, o som da minha voz vindo de muito, muito longe. “É o

contrato

que ele elaborou,

cobrindo

a custódia

compartilhada e uma pensão mais que justa – mais um teste de paternidade, é claro,” ela respondeu.


“Claro.” “Não vai ser uma grande coisa para você assinar.” Ela deu outro passo para frente, ainda segurando os papéis. “Sua própria irmã assinou um acordo pré-nupcial. Você sabia disso?” “Era o que Anne queria. E isso não é da sua conta, Marty.” Mal lentamente ficou de pé, uma mão no ombro da minha irmã. “E eu estou muito descontente com Adrian por ele ter discutido essa merda com você.” “Ele não fez isso.” A cobra zombou. “Mas a sua nova secretária é bem falante. Mas não é muito brilhante infelizmente.” “Dê o fora daqui,” David disse. “Agora, Martha.” “Isso não é da sua conta,” ela disse sem olhar para ele. Ainda olhando para mim, ela continuou, “Você quer provar para mim que você ama o meu irmão? Que você tem os melhores interesses no seu coração? Assine isso.” Eu só olhei para os papéis, perplexa. “Martha!” David chutou a cadeira dele. “Quando?” eu perguntei para Ben, fazendo o meu melhor para encontrar os seus olhos, mas não estava conseguindo. Eu olhei por cima do seu ombro para as luzes da cidade. Era tudo muito cru, muito doloroso. “Você concordou que iríamos lidar com isso entre nós nem vinte e quatro horas depois que você descobriu que eu estava grávida. Então quando exatamente você pediu para esse contrato ser redigido?” Ele olhou para mim, sem se mover. “Me deixe adivinhar. Você o mandou redigir ‘só no caso’?” “Lizzy.” Seu pomo de Adão balançou. “Você achou que eu não entenderia sua necessidade de se proteger?”


“Você não gostou da ideia quando eu trouxe isso à tona da primeira vez.” “Eu mal tive a chance de me acostumar com a ideia,” eu gritei. “Cristo, Ben. A maioria das pessoas ficaria um pouco cautelosa à menção de ter advogados as cercando, você não acha?” “O que isso importa?” ele perguntou, sua mandíbula deslocando com raiva. “Eu não pedi para você assinar isso.” “Não banque o estúpido com ela, Ben,” Martha zombou. “Adrian te mandou uma cópia semanas atrás. Sua secretariazinha disse que ele perguntou para ela checar duas vezes se você ainda o tinha semana passada. Ele estava imaginando o que o estava prendendo.” Ben olhou furiosamente para Martha, mas ele não podia negar. “Só no caso.” Eu passei os braços em volta de mim, apertando firme. “Por que nós ao menos estamos fazendo isso? Eu quero dizer sério. Você mentiu para mim, Ben. Você só estava esperando isso ruir, não é? Você não é do tipo que se casa? Francamente, eu nem ao menos sei se você é do tipo que se relaciona. De várias formas você evitou se comprometer a cada passo. Eu só era estúpida demais para ver isso. “Confira isso, Ben,” Martha disse, em uma voz baixa e hipnótica. “Isso é o que acontece quando você lida com dinheiro. As garras saem e você percebe que elas estavam ali há muito tempo.” Ela se virou para mim. “Então vá em frente. Ponha para fora e se defenda o quanto quiser – mas todo mundo aqui viu você pelo que você realmente é agora.” “Deus, você...” Não tinham palavras ruins o bastante para esse tipo de cadela. Eu arranquei o contrato das mãos dela, batendo-o contra a mesa. Era impressionantemente fino, mais ou menos três paginas. “Caneta!”


Martha cavou a bolsa a procura de uma. “Não,” Ben disse, empurrando as palavras por entre os dentes. Eu agarrei a caneta que Martha estava oferecendo. Engraçado, não havia mais nenhum triunfo ou veneno no seu rosto agora. Se alguma coisa, seu olhar parecia confuso e cauteloso. Como se eu me importasse. Isso não tinha nada mais a ver com ela. Eu movi o meu prato para o lado e passei as páginas, achando o preço grande e suculento que deveria me comprar. Porra, ele já tinha posto meio milhão na minha conta bancária. Que ridículo. Sem hesitar eu risquei o número e escrevi um grande zero. Então eu li, dando uma olhada na custódia e outros detalhes. Como prometido, Bean seria partilhada igualmente entre nós dois. Qualquer disputa correria na vara de família, no caso de uma mediação falhar. Bom. Parecia tudo padrão. Aqui. Feito e assinado. Se eles precisassem de mais alguma coisa eles poderiam pegar comigo mais tarde. Em uma hora mutuamente benéfica quando eu não estivesse prestes a ter uma crise emocional, que possivelmente envolvia vomitar as minhas entranhas. A irmã dele pegou o contrato, examinando-o rapidamente. “Eu agradeceria se você me desse uma hora para remover os meus pertences do quarto antes de voltar,” eu disse a Ben, nem ao menos me incomodando em fingir olhar para ele dessa vez. “Nós precisamos conversar,” ele disse. “Liz.” “Você assinou,” Martha disse. “Você até mesmo riscou o dinheiro.” O olhar no rosto da cadela teria sido hilário se eu não estivesse no meio da quebra do meu coração. Talvez suas sobrancelhas nunca voltassem ao normal, elas se levantaram muito alto na sua testa perfeita.


“Eu não me importo com a porra do contrato,” Ben rosnou, segurando o meu braço. “Se você não se importasse com a porra do contrato, então ele não existiria.” Eu puxei o meu braço do seu aperto. “E certo como o inferno que você não estaria carregando uma cópia por aí com você.” “Docinho –” “Não. Nunca mais. Eu nunca... jamais… vou passar por isso de novo com você.” Eu respirei fundo. “Não se sinta tão mal sobre isso, Ben. Você me avisou, depois de tudo. Eu só era estúpida o suficiente para acreditar que talvez eu pudesse significar para você o quanto você significa para mim. Minha culpa.” Parada, Martha olhava para os papéis, chocada. “Você importa para mim,” ele disse, respirando com dificuldade. “Mas não o bastante. Não o bastante para ser honesto comigo. Não o bastante para falar comigo sobre isso, sobre os seus medos... Deus, você realmente pensou que eu seria como ela?” eu apontei o polegar para a sua irmã abominável. “Que eu iria trair? Mentir? Te usar para dinheiro e bagunçar com a sua vida?” “Eu amo o meu irmão,” Martha gritou. “Cale a sua maldita boca!” As lágrimas corriam pelo meu rosto. Eu estava além de me importar, realmente. Com tudo. Eu descansei a minha mão na minha barriga, sentindo aquela estranha sensação se agitar dentro dela novamente. Bean aparentemente não sei importou em chutar. Eu abaixei a minha voz em conformidade. “Eu vou lidar com você quando eu estiver bem e pronta.” Martha se calou, o rosto ainda chocado.


“Eu nunca tentaria mudar você,” eu disse, achando minha última gota de bravura e olhei para o rosto de Ben. “Eu só queria um pouco do seu tempo, sua atenção. Eu queria ser parte do que você amava.” Os olhos escuros não me deram nada além de tristeza. “Você tem mais outras seis semanas ou mais de turnê. Eu não quero ouvir sobre você durante esse tempo,” eu disse, me virando. “Eu vou ter certeza que qualquer novidade médica seja enviada para você. Caso contrário... eu só... preciso de um tempo. Disso tudo.” “Você vai voltar para Portland?” Ele perguntou, obviamente infeliz. Seus sentimentos de homem devem ter sido feridos. Que chato. “Sim.” Como esperado, Anne abriu a boca, se levantando. Ela estava do meu lado, claro que estava. Mas eu a parei com uma mão. “Mais tarde.” Ela assentiu. Eu me virei para Martha, contendo a necessidade de bater nela com um objeto sólido. “Eu não tenho muita família, e infelizmente, seu irmão parece disposto a tolerar seu distúrbio borderline. (NT: Síndrome de Borderline, ou transtorno de personalidade Limítrofe, é uma grave doença psicológica. Os indivíduos com a síndrome de Borderline vivem no limite entre a normalidade e os surtos psicóticos.) Mas eu nunca vou tratar o meu filho de um jeito que não seja com amor e suporte. Isso está entendido?” Entorpecida, ele assentiu. “Ótimo.” Anne pegou a minha mão. Solidariedade entre irmãs, etcetera, e graças a Deus por isso. Eu realmente precisava dela agora. Juntas, com Mal atrás de nós, nós fomos embora.


CAPÍTULO CATORZE “Você tem certeza?” Minha irmã perguntou, não pela primeira vez. Nem ao menos a centésima, pelo que importa. “Eu tenho certeza.” “Eu não gosto de você tendo certeza.” “Eu entendi isso.” Eu sentei na cama no quarto extra da sua suíte, observando enquanto ela meticulosamente fazia a minha mala. Minha roupa de baixo tinha sido praticamente alfabetizada. “E eu te amo por isso.” Ela suspirou, rearrumando as minhas blusas de gestante pela terceira vez. “Eu também te amo. Eu só sinto muito por isso ter terminado dessa forma. Ele parecia tão na sua. Eu realmente pensei que ele estava agindo em conjunto.” “Eu acho que algumas pessoas são apenas almas errantes. Elas realmente são melhores sozinhas. Eles precisam da sua liberdade mais do que eles precisam de amor e companheirismo. Melhor descobrir agora do que continuar perseverando em um relacionamento fadado ao fracasso porque ele é incapaz de confiar e se comprometer.” Eu dei a ela o mesmo sorriso corajoso de o-que-se-pode-fazer que eu estava usando nas últimas vinte e quatro horas. Minhas bochechas estavam doendo. Muito mais e eu tinha que congelar o rosto. “Você é tão cheia de merda,” ela suspirou. Eu sorri um pouco mais.


“Pare de tentar parecer tão calma sobre isso. Eu sei que o idiota arrancou o seu coração batendo do peito e o esmagou com as suas enormes botas pretas.” “Belo visual.” “Eu o odeio. Da próxima vez que tivermos um jantar da banda, eu vou espetá-lo com um garfo.” “Você não vai espetá-lo com um garfo,” eu disse, afagando a mão dela. “Você vai ser perfeitamente educada e continuar com o negócio como sempre.” Os olhos estreitaram, ela me deu um olhar teimoso. “Pelo bem de Mal,” eu disse. “Eu vou para casa e decorar o berçário. Vai ficar tudo bem, Anne. De verdade.” “Deixa eu ir com você.” “Não.” Eu sacudi a cabeça determinadamente. “Absolutamente não. Você nunca esteve na Europa. Você estava esperando por essa viagem há meses. São só seis semanas. Eu vou dar conta. Além disso, honestamente, eu preciso de espaço nesse momento.” Seus ombros caíram em derrota. “Você promete que vai me ligar se precisar de mim.” Eu levantei a minha mão. “Eu juro solenemente.” “Hmm.” “Killer e eu vamos apenas passear por aí, pegando leve.” “Ele definitivamente estará aliviado de sair do hotel canino. Essa é uma fresta de esperança pelo menos. Das últimas vezes que eu liguei, ele se recusou a falar comigo.” “Ele é um cachorro, Anne. Ele não pode falar.” Mais carranca. “Mas ele costumava fazer esses barulhinhos e latir para mim. Você sabe o que eu quero dizer. Eu estou preocupada que


isso cause problemas de abandono a ele. Ele é um animal muito sensível. Ele é como Mal, lá no fundo, de certa forma.” “Ele é um maluco que persegue a própria cauda até cair,” eu disse. “Na verdade, ele meio que é como Mal, você está certa.” “Verdade.” Anne assentiu com um olhar agradecido. “Bem, eu prometo aplicar todas as minhas habilidades psicológicas nele para resolver seus problemas antes de você voltar.” Na minha experiência a felicidade de Killer pode ser comprada com um pacote de bacon canadense e a destruição de um dos All Star’s do Mal. Eu já tinha roubado um sapato razoavelmente novo do closet de Mal só para esse propósito. O cão iria voltar rapidamente para o seu frequente perseguir de caudas feliz e louco. Meus próprios problemas de abandono talvez levassem um pouco mais de tempo para se resolver. Amanhã a Stage Dive vai para Montreal, e depois para a Europa. Um pouco depois, em segredo, eu voltaria para o Oregon. Todo mundo iria para o show essa noite para a primeira apresentação de outra canção. Eu acho que é uma nova tradição ter todo mundo lá. Bacana. Parece que David está em franca produção esses dias – a turnê concordava com ele. Enquanto eles estiverem lá, eu vou fazer a minha saída silenciosa. Anne não sabia, ela pensava que eu iria pela manhã. Mas ela entenderia. Já teve drama o bastante. Um adeus grande e emocional não iria ajudar ninguém. Certamente não a mim. Estar na mesma cidade que Ben, até mesmo pelas últimas vinte e quatro horas, estava acabando comigo. Eu doía para ter todo o seu mundo atrás de mim. Eu não estava sendo ingênua e fingindo que a minha tristeza não estaria embarcando comigo naquele avião. Era mais como um sentimento que eu nem ao menos podia começar a trabalhar até que eu


não pudesse mais ver essa cidade diminuir a nada através da pequena janela do avião. Esse vai ser todo o encerramento que eu vou ter. Além disso, a cidade de Seaside na costa do Oregon era linda nessa época do ano. E também era onde a imprensa não esperava que eu fosse. Eu vou dirigir até lá no Mustang e pegar um quarto, alguma coisa com vista para o mar. Uma vista bonita me ajudaria a me recompor, a superar o meu desapontamento e colocar a minha cabeça no lugar para ser uma mãe solteira. Eu e Bean ficaremos bem. Killer também, pelo que importa. “Você só vai ir dormir?” Anne perguntou, fechando a minha mala e a tirando da cama. “É. Eu vou tomar um banho e depois descansar. Obrigada por me ajudar a fazer a mala,” eu disse. “É melhor você ir. Os caras vão entrar no palco em breve. E você sabe como é o trânsito em Nova Iorque.” Ela deu um beijo na minha cabeça. Depois enlouqueceu com ambas as mãos, bagunçando o meu cabelo como quando eu tinha catorze anos. “Deus, você poderia crescer?” Eu resmunguei, puxando os meus cachos longos do meu rosto. “Boa noite.” Ela sorriu. Casar com Mal aparentemente deu a ela a infância que ela perdeu com o egoísmo dos nossos pais. Isso era legal, embora de vez em quando fosse irritante. Eu realmente precisava me lembrar de dar um calcinhão nela em retribuição da próxima vez que eu vê-la. “Boa noite.” Ela saiu com um último aceno.


Eu me sentei perfeitamente parada, esperando pelo barulho da porta de fora se fechando. Então, só para ter certeza, eu esperei mais dez minutos. E... sim. A Operação Fuga estava em curso. Eu coloquei as minhas sapatilhas e coloquei o meu cabelo dentro de um boné, pegando a alça da minha mala. Feito. Minha passagem de volta para casa foi agendada mais cedo, durante uma ida particularmente longa ao banheiro. Parecia o único lugar que alguma alma preocupada não me interromperia a cada dois minutos. Eu estava com fome? Não. “E quanto a uma bebida?” Não. Que tal repassar aqueles eventos estranhos de ontem à noite, seguido por um bom choro nos ombros das almas preocupadas, com um excesso de abraços no meio? De jeito nenhum. Mas obrigada por perguntar. Eu amava as meninas. Sério, eu amava. Mas nesse momento eu precisava de distância de todo mundo. Eu coloquei a cabeça para fora. Nada. Nem o sinal de um segurança à vista. Era esperado já que eu prometi ficar no meu quarto e você só poderia ter acesso ao andar com uma chave especial. Eu desci no elevador brilhante. Através do térreo cheio e iluminado eu meio que corri, puxando a minha mala. Meu voo saía em pouco menos de duas horas. Mesmo com o trânsito infernal de Nova Iorque, seria tempo o bastante para chegar ao aeroporto e passar pela segurança. Do lado de fora, o ar noturno estava quente, vivo com as luzes e cores. Nova Iorque realmente era a cidade que nunca dormia. “Posso te ajudar, senhorita?” Um porteiro gentil me perguntou, levando uma mão enluvada à minha mala. “Sim, obrigada. Eu gostaria de um taxi para o JFK, por favor.” “Claro, senhorita.” Ele levantou uma mão, conseguindo um taxi como mágica. Rapidamente a minha mala estava no porta-malas e eu


estava presa e segura no banco de trás. Foi quando as coisas meio que deram errado. A porta do carro se abriu e um homem grande e fedorento sentou ao meu lado. Era uma realidade que esse tipo de homem não muito discutida. Do mesmo jeito que os cowboys fediam a cavalo e bosta de vaca, depois de um show, estrelas do rock fediam a suor – muito suor. Meio que quebra a corrente, não? Mas o fedor só reduziu a identidade do estranho ladrão de táxi. “Oi, Liz.” “Vaughan?” “Como você está?” Eu pisquei. E então eu pisquei novamente, porque ele ainda estava ali, bagunçando com o meu plano de fuga, maldição. “O que você está fazendo aqui?” Sem mais que um por favor, ele dirigiu o motorista do taxi para o estádio onde o Stage Dive estava tocando. A nota de cem dólares que ele passou com as instruções significou que ele recebeu a atenção do motorista. Nenhum pouco ultrapassado. “Alguma razão em particular para você estar sequestrando o meu táxi?” Eu perguntei. “Ele era para ser de Conn, mas você não o conhece. Nós pensamos que você se assustaria menos se fosse eu.” “Certo... certo.” Eu assenti. “Mas não respondeu a minha pergunta.” “Bem, todos os outros caras estão ocupados tocando, então tinha que ser um de nós.” Ele colocou o cabelo suado para trás com uma mão e me lançou um sorriso. “Preciso que você veja uma coisa.”


“O quê?” “Você vai ver.” Ele sorriu. Eu sorri com ele. “Uau. É. Eu realmente vou sentir a sua falta depois que eu te matar e jogar o seu corpo da ponte do Brooklyn.” “Vamos lá, não seja assim. Se não gostar do que vir, eu vou ter certeza que você ainda vai chegar ao aeroporto com tempo o bastante para o seu voo.” “Como você sabe sobre isso?” Eu apoiei um cotovelo na janela, tentando me acalmar. Não sendo bem-sucedida. Do lado de fora as luzes da cidade passavam. “Do mesmo jeito que eu esperei por sua fuga,” ele disse. “Sam.” “Ah.” Confie que o segurança superespião estará um passo à sua frente. Idiota. “De qualquer forma, eles acharam que eu teria uma chance de te convencer a vir.” “São eles agora?” Eu mostrei os dentes para ele. Isso poderia ser interpretado como um sorriso, mas como notado previamente, Vaughan não era idiota. “Liz, por favor. Se eu não pensasse que isso iria valer a pena, sem chance que eu os deixaria me meter nisso. Eu não tenho nenhum desejo de que você me odeie.” Eu suspirei determinadamente. “Olha,” eu disse, dando a minha melhor voz baixa, “tudo o que eu quero agora é deixar tudo isso para trás o mais rápido possível. Eu estou cansada de estar aqui, cansada da banda, e do rock’n’roll, e mais que tudo cansada de sorrir para isso tudo. Eu acho que você é doce, e parabéns por estar tentando o que quer que esteja tentando. Mas eu estou oficialmente fora disso. Eu estou muito além.”


“Huh,” ele disse, se afundando no assento e sorrindo para a janela e para as luzes de Manhattan. “Eu acho que eu sou o oposto, não sou? Está tudo acabado para você e você não pode esperar para dar o fora. Está tudo acabado para mim também, e eu só estou tentando espremer mais alguns segundos dos meus quinze minutos de fama. Sua estratégia parecia melhor. Acho que tem a ver com o seu curso de psiquiatria e tudo mais.” “Psicologia,” eu corrigi em abandono. Eu tinha esquecido que eu não era a única que estava lidando com rompimentos. “Eu ouvi que vocês estão se separando, mas dificilmente está tudo acabado por você, não? Eu te vi no palco. Você tinha tudo sob controle.” Vaughan sorriu com tristeza. “Você nunca viu realmente a vida do rock’n’roll, não é?” ele perguntou. “Você só saltou para a cobertura sem sentir o gosto da indústria. Para cada Stage Dive tem centenas de Down Fourths. Milhares. Nós temos uma ou duas chances. Nós abrimos para uma banda maior. Se nós dermos conta disso conseguimos um contrato maior, quem sabe? Talvez tudo isso pudesse ter acontecido. Superestrelas do rock, discos de platina, a capa da Rolling Stone. Mas nós não conseguimos ficar juntos. Muitos egos e pequenas brigas, ao ponto de nós mal falarmos uns com os outros. Luke está fora para fazer coisas maiores e melhores, claro. Mas o resto de nós está de volta ao zero. No final do dia, os últimos dez anos não significaram porra nenhuma. Eu estou cansado, Liz. Cansado de dormir em hotéis de merda e sempre viajar e tocar, tentando fazer o bastante para pegar um pouco mais de tempo no estúdio. Eu quero ir para casa e ver a minha família, acordar e realmente saber em que cidade eu estou. Eu


quero ver que tem um jeito melhor de fazer isso que não custa a minha sanidade e foda com a minha vida todos os dias da semana.” “Você está certo, eu nunca pensei em nada disso.” Ele esfregou o rosto com as mãos, me dando aquele sorriso triste novamente. “Eu amo a música. Sempre amei, sempre amarei. Mas talvez insistir constantemente para tocar em estádios grandes o bastante não seja para mim.” “Talvez não.” “Talvez eu encontre uma garota como você que já não esteja grávida e não se importe em me encontrar nu. Uma garota que nem ao menos pense em me pedir para me cobrir.” Eu ri, cobrindo o meu rosto com as mãos. “Eu realmente espero que você a encontre, Vaughan. Você é um cara ótimo. Você merece o melhor.” “Obrigado. De qualquer forma, basta dessas merdas. Venha comigo para o show,” ele disse, sua voz baixa. “Talvez essa seja a última coisa maluca que eu faça com uma estrela do rock.” Ele sorriu, mas seus olhos pareciam tristes. Resignados. Lentamente, também resignada, eu inspirei pelo nariz e expirei pela boca. “É melhor eu não perder aquele voo, Vaughan.” “Você vem comigo e se não gostar do que vir ou ouvir... no minuto que você disser, eu vou te levar dali em uma limusine da Stage Dive direto para o aeroporto. Feito?” “Sabe, talvez seja melhor você dar o fora do rock’n’roll e fazer psicologia,” eu resmunguei. “Feito.” ***


Os bastidores não tinham mudado muito. Várias pessoas ocupadas e equipamentos. Sem rebuliço nós passamos pela segurança, um dos homens de Sam aparecendo as minhas costas. Ninguém nos questionou uma vez que ele estava lá. Vaughan se encarregou da minha bagagem – mais no caso eu tentei pega-la mais para ser útil, eu acho. Eu nunca imaginei estar nessa posição novamente – ter acesso a todas as áreas, ser escoltada pelos corredores e pelas escadas para o lado do palco. Eu não era mais uma namorada. Eu não era nada. Então do que diabos isso se tratava? A banda estava tocando “Last Back,” um hit do próximo álbum. Anne, Ev e Lena estavam do outro lado do palco, muito estranho. Eu estava sozinha, exceto por uns caras do som e Pam, a fotógrafa da turnê. Ela era uma mulher legal, casada com Tyler, um dos engenheiros de som. Eles estão com a banda há anos. Quando Anne me viu, ela inclinou a cabeça com curiosidade, me dando um aceno. Eu acenei de volt, mas fiquei parada. A música começou com um crescente de explodir os ouvidos e terminou com um staccato frenético. Um ruído alto me estremeceu dos tornozelos a coluna. Os fãs foram a loucura. “Senhoras e senhores,” Jimmy ronronou, no seu modo de líder, de pé em frente e ao centro do palco. Vestido de calças pretas com uma camisa de botões preta, os punhos estavam enrolados revelando um pouco das suas tatuagens. “Temos uma coisa especial para vocês essa noite.” Vários gritos vieram do estádio. Eu cobri as minhas orelhas, mas era muito tarde. Puta merda. Dentro da minha barriga, a sensação de aperto voltou.


Huh. “Benny-boy, o nosso baixista, tem uma coisinha que ele gostaria de dizer.” E eu estava tentando muito não olhar para ele. Meu rosto estava frágil, meus olhos quentes e duros. Ele entregou o seu baixo favorito, o Gibson Thunderbird, para um roadie. Seu olhar desviou de mim enquanto ele ia para o microfone. Ele sabia que eu estava lá. Mesmo na escuridão fora dos holofotes, ele me viu. Jimmy deu um aperto em seu ombro e então um passo para trás. Ben moveu a mão para cima para pegar o microfone, mas seus olhos estavam nos meus, seu rosto de lado para o público. Eu não deveria ter vindo. O suor escorria das minhas mãos, de dentro dos meus punhos cerrados. Muito mais do que o ar da noite pudesse dar conta. Tudo ficaria bem. Isso não é nada especial, com certeza. Somente uma variação estranha de uma despedida de um astro do rock. Esses caras, eles sempre fazem as coisas grandes. Talvez seja uma canção de medesculpa-que-tudo-foi-a-merda para mim. Que doce. Ben usava as típicas botas pretas, jeans e a velha camisa cinza com o nome de uma banda. Seu uniforme de sempre. Cara, se ele ao menos parasse de me encarar. Era como se ele me mantivesse imóvel. Eu não podia me mexer, não podia respirar. “Hey,” ele disse, sua voz enchendo o ar da noite, no entanto ampliada mais de mil vezes. Mais uma vez o público enlouqueceu. Alguém começou a cantar o seu nome, gritando eu te amos e coisas assim. Quem no inferno poderia competir com isso? Cambada de aduladores. A adoração de um público dessa magnitude. Eu nunca tive uma chance.


“Eu sei que tiveram um monte de merdas nos jornais ultimamente, fofocas sobre eu virar pai.” O cabelo escuro longo do topo da sua cabeça tinha escapado do estilo que ele sempre usava. E caia pelo seu rosto, mechas agarrando na sua barba. “Eu queria acertar as coisas essa noite.” Mais entusiasmo do público. Confusão geral para mim. Isso tudo poderia ser feito sem a minha presença. Facilmente. Inferno, ele poderia ter uma coletiva com a imprensa amanhã, quando eu estivesse do outro lado do país, lambendo as minhas feridas e reconstruindo a minha vida. Por que isso? Minhas emoções já tinham sido moídas o bastante. Eu me virei para sair, mas Vaughan segurou o meu braço, me prendendo. “Dê mais um minuto,” ele disse. “Oh pelo amor de Deus porra.” Eu me virei, não segurando o meu temperamento. Nem ao menos me desculpando por ter xingado. A porra do Ben Nicholson. Ele não poderia apenas ir se foder, poderia? Sim ele poderia caralho. Nenhuma única porra de outra palavra poderia ser usada para englobar todo o processo. Eu olhei para trás para encontra-lo olhando direto para mim, os olhos escuros me queimando, apesar da distância. A porra de um minuto, é tudo o que ele vai ter. E eu tenho a maldita certeza que pela forma dos meus lábios ele sabia disso também. “Eu te amo, Lizzy,” ele disse. Tudo parou. Era como se o mundo estivesse segurando a respiração. Eu sei que eu estava, atordoada. “Eu fui a porra de um idiota por não te dizer antes.” Sua mão apertou o microfone, as linhas de tensão estavam fundas em seu rosto. “Merda estava tudo indo tão rápido e eu... eu fiquei assustado.”


Falando sobre fazer uma declaração pública. Puta merda. O momento de silêncio se dissolveu, e a gritaria e os assovios do público quase engoliram as suas palavras. Enquanto eu, eu mal podia acreditar nos meus ouvidos. “Você pode ter o meu tempo, e você pode ter a minha atenção,” ele disse, as palavras lentas e deliberadas. “Docinho, você pode ter qualquer porra que quiser, eu prometo. O que você precisar. Nada mais de segurar, nada mais de medo. E se você ainda sentir que você tem que pegar aquele voo essa noite, então nós vamos fazer isso juntos.” Eu respirei fundo, como se o meu corpo precisasse urgentemente disso. Os pontos brancos recuaram e eu o vi claramente mais uma vez, de pé em frente a mim, me oferecendo tudo. Eu balançava ligeiramente, a sensação de aperto por dentro mais forte dessa vez, mais definitiva. Vaughan e o cara da segurança cada um agarrou um braço, me levantando. Ben atravessou o palco como um raio na minha direção, me agarrando cuidadosamente pela cintura e me colocando no palco, sob o calor das luzes brilhantes. Eu podia ouvir o público gritar, mas eles pareciam distantes, em outro mundo. “O que está errado?” Ben perguntou, os olhos em pânico. “Ela está mexendo,” eu disse, uma mão em seu ombro e a outra na minha barriga. “Ela está mexendo, Ben. Eu a senti mexer. Nosso bebê.” Ele enterrou o rosto no meu cabelo, me mantendo perto, segurando o meu peso. “Eu não sabia o que era isso antes, mas é ela. Não é incrível?” “É, isso é bárbaro.”


“Sua voz estava tão alta, ela deve ter ouvido e reconhecido.” Eu sorri para ele com espanto. Ele me tirou do chão, me segurando no alto e me levando em direção ao centro do palco. “Isso é ótimo, Liz. De verdade. Mas, docinho, eu preciso saber se você me ouviu também.” Lentamente, eu assenti, colocando a palma da minha mão em seu rosto, contra a aspereza da sua barba. “Eu ouvi você.” “E o que você diz?” Eu tirei um minuto, pensando sobre isso. Decisões grandes, de mudar a vida merecem ao menos um segundo de contemplação. “Nós não precisamos pegar aquele avião.” “Okay,” ele expirou com força, sorrindo. “E eu te amo também.” Seu sorriso esticou sua barba. “Eu sei que eu vou foder com as coisas de vez em quando, mas apenas fique comigo, okay? Eu não quero fazer merda sem você. Eu não quero estar nos lugares que você não está. Não é mais quem eu sou.” “Nós vamos trabalhar nisso.” “É. Nós vamos.” Ele cobriu meus lábios com os dele, me beijando com abandono. “Todo mundo,” Ben disse no microfone, sua voz mais uma vez enchendo o estádio. “Essa é a minha garota, Liz. Digam oi. Nós vamos ter um bebê.” E foi isso.


EPÍLOGO “Tire! Isso! De! Mim!” “Okay, docinho,” Ben disse, segurando a minha mão suada e tensa. “Apenas respire.” “Não me chame de docinho. Foi o seu pênis que fez isso.” Dra. Peer, a obstetra, olhou para mim por cima da borda da sua máscara facial, os olhos nada impressionados com o drama. Imbecil. Não era ela que estava deitada na cama com as penas para cima nos ganchos, com a vagina exposta para a porra do mundo todo ver, era? Não. Não, ela não estava. Eu estava. E toda essa coisa de trabalho de parto já estava rolando há vinte e uma horas agora, então alguma coisa realmente precisava ser feita o quanto antes. Quando tinham feito quinze horas, eu desisti e pedi por uma peridural. A melhor coisa de todos os tempos. Mas agora o efeito estava desaparecendo. Minha felicidade já tinha desaparecido há muito tempo. “Você pode fazer isso, eu sei que pode,” disse a incrível enfermeira da maternidade, Amy. “Você já fez isso?” Eu rosnei. “Bem... não.” Eu deixei os meus olhos responderem. A mulher deu um passo para trás. “Calma,” Anne disse, bravamente segurando a minha outra mão. “Liz, a cabeça do seu bebê parece estar alojada no canal,” a dra. Peer disse. “Ela não está mostrando nenhum sinal de angústia ainda. Então nós poderemos continuar como estamos fazendo, e esperar para


empurra-la do modo antigo, ou você pode nos deixar ajudar com uma extração a vácuo. “Eu li sobre isso.” Meus olhos ficaram no blip-blip-blip da tela que monitorava os batimentos cardíacos do bebê. “É perigoso?” Ben perguntou. “Todo procedimento tem um risco, mas é mínimo. Geralmente a cabeça da criança só vai ter um pequeno inchaço, alguma coisa como uma bolsa de sangue, no topo da sua cabeça por uns dias. Nada mais.” “O que você quer fazer, docinho? Quer continuar mais um pouco?” Ele pegou um pano molhado e limpou o meu rosto encharcado de suor. “Eu estou tão cansada,” eu chorei. “Por que a sua cabeça é tão grande? Se sua cabeça não fosse tão grande isso não estaria acontecendo.” “Desculpa,” ele murmurou. Pelas últimas catorze horas, Ben tinha parado de tentar se defender. Provavelmente fosse melhor. Eu não estava sendo razoável. “Eu me sinto muito mal.” Eu chorei mais um pouco. “Vai vir outra contração em breve,” Anne anunciou, olhando o monitor. “Srta. Rollins, por que nós não nos preparamos para a extração, só no caso?” Perguntou a sempre tão calma Dra. Peer. “Okay.” Mais um pouco de choro. “Oh meu Deus do céu,” disse a voz da última pessoa na face da terra que eu tinha o interesse em lidar nesse momento. “O quê está acontecendo aqui? Você tem ideia do quanto isso é chato, ficar esperando essa criança aparecer?”


“Martha, você não pode ficar aqui,” Ben disse entre dentes, dando um olhar mortal para a sua irmã. “Cai fora, cadela,” Anne disse, sempre tão eloquente. A mulher vagou para o lado da minha cama, evitando a visão dos batimentos da minha menina orgulhosamente na tela, com um olhar de desgosto no rosto perfeito. “Liz. Cristo, você está uma bagunça.” Ben apertou a sua mandíbula. “Martha –” Ela colocou a mão no braço do irmão, olhando para ele. “Relaxa. Eu tenho um papel importante aqui que todo mundo pode concordar que eu estou apta a levar a cabo. Eu estou aqui para aguentar o abuso. Acho que nesse momento você deve estar precisando de energia para isso. E dado que eu podia ouvir os gritos dela da sala de espera...” “Contração chegando,” Anne avisou novamente. “Tira essa puta tensa do meu campo de visão,” eu disse. “É o melhor que você consegue?” Martha bocejou tão delicadamente. “Eu achei que você seria uma garotinha muito mal humorada a essa altura.” “Você é a pior pessoa para estar aqui.” “Oh por favor, ela disse, sentando do meu lado e afagando o meu ombro. “Você estava distribuindo xingamentos para Ben e Anne, e eles são santos comparados a mim. Deixe sair.” “Deus você é um saco.” “Eu sei, eu estive sentada lá fora por horas, no meio das fraldas fedorentas e do choro das anjinhas gêmeas de Jimmy. E se a sua filha for um pouco como elas, pode me tirar da lista de babá.” Com as mãos nos quadris, ela olhou me olhou de cima. “Como se eu fosse permitir que a minha filha ficasse em qualquer lugar perto de você sem supervisão,” eu rosnei.


“Mas os nomes são fofos. Lori e Jean. Muito mais legal do que o que você escolheu. Eu realmente tenho pena dessa criança durante os seus anos escolares. “Porra, eu te odeio!” Eu gritei, e cada polegada minha se esticou, caindo com as minhas últimas reservas de força, levando tudo de mim. “Me diz alguma coisa que eu não saiba!” “Você sabe a razão pela qual você pensou que eu nunca assinaria aquele contrato?” Eu fiquei furiosa. “Porque você tem a miserável condição de acreditar que o resto do mundo é interesseiro e egoísta como você. Isso se chama projeção.” “É mais do que isso,” ela disse. “Curta e grossa. Eu acho que você vai dar uma boa psiquiatra afinal das contas.” “Psicóloga!” “Tanto faz,” ela deu de ombro. “Você pode pôr isso em qualquer termo chique de faculdade que você quiser, mas você ainda não tem nada pelo que eu ouvi dizer.” “Sam está apaixonado por você, sua vaca idiota e indigna,” eu grunhi. Seu rosto ficou em branco. “O quê?” “Se você fosse menos sem noção e auto-obcecada você teria reparado há anos.” “Empurra,” Anne disse, os dedos apertados na minha mão. “Vamos lá, docinho,” Ben disse. “Você pode fazer isso.” A Dra. Peer e Amy esperaram entre as minhas pernas abertas por algum acontecimento. Todo mundo na porra da sala cantava na mesma sintonia: empurra.


Mas foi Martha que fez o melhor para chegar no meu rosto, tendo aparentemente se recobrado do choque. “Chega de moleza, Liz. Tire essa criança de dentro de você. Agora.” “Eu estou tentando!” “Tente com mais força, sua preguiçosa! Empurra!” Ela gritou atrás de mim. “Vamos lá!” “Argh!” Minha pobre e inocente vulva se abriu terrível, horrível e anormalmente. E então plop, o resto do corpo do meu bebê escorregou para os braços da Dra. Peer. Um momento mais tarde, um choro muito chateado encheu o ar, pequenos punhos de bebê batendo. Meu bebê. Oh uau. Eu deitei aliviada, apenas tentando recuperar o fôlego. Anne estava chorando. Ben estava olhando para a nossa filha recém-nascida maravilhado. Martha estava me dando um sorriso de satisfação. Vaca. “Sabia que você só precisava de um pouco de motivação,” ela disse, olhando as suas unhas perfeitas. “Raiva e ódio alimentados tem sua utilidade, sabe?” “Sem noção,” eu sussurrei para ela, tanto quanto a minha completa falta de energia permitiam. Nós duas sorrimos. Eu realmente não sei por quê. O pediatra fez uma verificação rápida do nosso bebê enquanto o pós-parto era executado. Oh uau é. Nunca mais. Nunca jamais. Provavelmente. “Senhoras, eu apresento a vocês Gibson Thunderbird RollinsNicholson.” Ben carinhosamente colocou o meu bebê enrolado e gritando nos meus braços. “Hey, baby. Está tudo bem.” Oh meu Deus.


O calor dentro de mim, o amor puro me enchendo e entornando. Ele se acalmou, o ruído estridente se transformando em um pequeno eu-acabei-me-coloque-as-fraldas. Um pequeno nariz e uma pequena boca, e dois olhos azuis puxados olhando para mim. Um pouquinho de cabelo louro escuro. “Olhe para você. Você é maravilhoso.” “Ele não é?” Ben disse, deixando Gibson envolver um dedo minúsculo em volta de um dois seus muito maiores. “Ele é um ele,” eu disse, um pouco assustada. “Uau.” “Eu estava imaginando quando você ia entender isso.” “E eu tinha tanta certeza que você seria uma menina.” Eu sacudi a cabeça. “Ele é perfeito.” Anne olhou para ele com absoluta adoração. Estranho o bastante, Martha também. Eu nunca jamais imaginei ver o seu rosto tão suave e afetado. “Nós vamos dar a ele o nome do seu baixo favorito?” eu perguntei. “Se você não se importar.” Ben inclinou para frente, dando um beijo na minha testa. “Bom trabalho, docinho. Você arrasou.” “Desculpe eu estar tão infernal.” Ele riu. “Não importa.” “Gibson Thunderbird Rollins-Nicholson.” Eu acariciei com um dedo a sua bochechinha suave e doce. “Você é amado.” “Palavras mais verdadeiras nunca foram ditas,” Anne disse, dando um apertão no meu ombro. “Nós vamos deixar vocês um pouco sozinhos.” “Certo. Até mais. Bebê legal.” Martha seguiu a minha irmã, as sobrancelhas para baixo e um olhar pensativo no rosto. A boa médica e a enfermeira tinham feito o mesmo. Obrigada Deus pelo silêncio. Para


pensar, depois de todos esses meses sendo cuidadosa com o meu linguajar, tudo o que ele ouviu ao entrar no mundo foi profano. Oh bem. Uns ganham, outros perdem. “Eu amo você,” Ben disse, aninhando o meu rosto. “Eu amo você também.” Eu me virei, beijando a ponta do seu nariz. “Nós somos uma família agora.” Ele sorriu. “Lizzy, você tem sido a minha família desde o dia que eu te conheci. Minha melhor amiga. Minha amante. Você agora vai fazer isso oficial e ser minha esposa também?” Gibson começou a chorar, a pequena cabeça tentando virar e – procurando alguma coisa para sugar, provavelmente. Deus, ele era incrível. Tão lindo. “Aqui.” Ben me ajudou a muda-lo de posição, abrindo o colarinho da minha camisola para dar acesso aos meus seios. “Acho que eu vou ter que compartilha-los por um tempo.” “Um nobre sacrifício.” Uma mão acariciando as costas do filho, e a outra amaciando a bagunça do meu cabelo, Ben olhou para mim. “Você não respondeu a minha pergunta. Você vai se casar comigo? Eu sorri por entre lágrimas de felicidade. “Oh sim. Eu gostaria muito disso.”


Deep vol. 4 (revisado) - Kylie Scott