Issuu on Google+


Quando se trata de jogos, meu amante Jax é um estrategista genial. Além de inúmeras reuniões nos bastidores de Washington D. C., com as pessoas mais poderosas do país, ele ainda encontrou tempo para quase descarrilhar minha carreira. O que ele não sabia é que quando eu não gosto das regras, eu as ignoro e jogo como eu quero. Eu não iria permitir que Jax escapasse dessa. Não ia iria permitir que ele escapasse de mim. Eu amei Jax tanto que era impossível desistir. Ele me amava tanto que desistir era a única possibilidade. Ele não achou que eu estaria pronta para enfrentar seu mundo. Fiquei feliz em provar do que eu era capaz...


1

“Esse homem é maravilhoso. Ele pode anotar meus pedidos a hora que quiser.” Fiz uma cara feia para a televisão do quarto de hotel enquanto tirava os produtos de beleza da mala. Eu tinha ligado a TV num programa de variedades sabe-se lá por quê, mas não esperava ver o homem que amava na tela… ou ouvir a apresentadora glamorosa repetindo como ele era sexy. “Talvez ele esteja planejando colocar urnas eleitorais em todos os restaurantes da rede Pembry”, comentou a outra. Segui para o banheiro, balançando a cabeça. O investimento de Jax na Pembry ainda doía. Não sabia se um dia seria capaz de perdoá-lo por me sacanear daquele jeito. Talvez não devesse levar para o lado pessoal, talvez fosse mesmo só negócios, mas tem coisas que não se faz com a pessoa que ama, e sabotar o trabalho dela — um trabalho que adora — era uma. Estava determinada a descobrir o motivo. E ia fazer Jax pagar por aquilo. O fato de amá-lo não mudava aquilo. Na verdade, eu não estava certa de que mudasse qualquer coisa. Tinha acabado de pendurar meu estojo de maquiagem no gancho de toalhas quando o telefone do quarto começou a tocar. Imaginei que eu estava demorando muito para fazer as malas, e que Chad já estava pronto para descer e dar uma olhada no local em que seria construído seu restaurante, no hotel em que estávamos hospedados. O Atlanta Mondego seria transformado num ponto turístico importante, e logo eu teria a poeira das obras na sola dos meus sapatos Jimmy Choo para comprovar isso. Atendi o aparelho instalado na parede do banheiro, segurando o fone entre o ombro e a cabeça. “Oi. Já está pronto?” “Gia, que merda. Por que seu celular está desligado?”


A voz grave e sexy de Jax despertou meus sentidos, produzindo uma onda de calor e lembranças felizes. Algo dentro de mim formigava de prazer diante do fato de que ele havia se dado ao trabalho de me rastrear. Jackson Rutledge era um cara ocupado que podia escolher suas mulheres. Seguir-me pelo país era algo absolutamente desnecessário. E muito lisonjeiro. Recostei-me contra a bancada do banheiro. “Não entendeu que estou evitando você?” “Boa sorte com isso.” Apertei a mandíbula. E daí que ele era incrível na cama? E daí que eu tinha ficado feliz ao ouvir sua voz? Ainda estava com raiva de Jax. “Vou desligar.” “Você não pode fugir de mim”, disse ele, ríspido. “E não pode repetir aquela palhaçada de ontem. A gente precisa conversar.” “Também acho, mas em geral isso significa você me dizer que só quer sexo sem compromisso e não me explicar por quê. Não tenho paciência para ficar andando em círculos. A menos que você tenha respostas de verdade para mim, não tenho tempo para você.” “Você vai me dar muito mais que tempo, Gia.” Um arrepio de apreensão percorreu meu corpo. Conhecia aquele tom. Era sua forma de dizer que ia me pegar de jeito. “Vai sonhando.” “Estou quase pousando, Gia. Chego ao seu hotel em uma hora, e você vai me ver.” “O quê?” Meu coração deu um salto traiçoeiro de ansiedade. Meu impulso sexual estava a mil desde que o vira na noite anterior. Não via a hora de cruzar a reta de chegada. “Não acredito que você me seguiu até Atlanta! Como descobriu onde eu estava?” “Sua cunhada.” Denise ia ouvir poucas e boas. Ela não era boba, o que significava que tinha feito aquilo de propósito. “Bem, pode dar meia-volta e voar para casa. Estou aqui a trabalho, Jax. E não confio em você perto do meu trabalho.” Sua respiração intensa foi um indício de que eu havia acertado em cheio.


“Tá legal”, retrucou ele. “Vou mandar um táxi. A gente se encontra no meu hotel.” “Tenho um monte de coisa para fazer hoje. Aviso quando tiver uma folga, e vou pensar num lugar neutro para a gente se encontrar.” Um bar, ou talvez um shopping. Algum lugar em que não ficássemos sozinhos. Infelizmente, não podia confiar em mim mesma perto dele agora que sabia como se sentia ao meu respeito. “No meu hotel, Gia”, repetiu ele. “Um lugar público não vai salvar você. A gente vai transar, forte e por muito tempo, onde quer que esteja. Melhor não terminar na cadeia com nossas fotos publicadas em todos os tabloides, não acha?” “Você realmente se acha.” “Linda, se for preciso, eu imploro.” Foi minha vez de respirar fundo. Ele sabia como me afetar, como entrar e me deixar indefesa. Tentei fazer o mesmo com ele. “Diga que me ama, Jax.” Houve um momento de silêncio. “Amar nunca foi problema para nós.” Ele desligou, deixando-me com o fone na mão e a linha muda. Como sempre.

* “Finalmente está começando a parecer verdade”, disse Chad, examinando o espaço. Sorri. “Que bom.” Ele pegou minha mão e apertou com força. Eu o encontrara já no local da obra, usando uma camisa social e uma calça jeans. Seu cabelo castanho estava quase comprido demais, com a franja caindo sobre sua testa e emoldurando seus maravilhosos olhos verdes. Sem dúvida, Chad Williams era um gato. O chef havia atraído o olhar de várias mulheres ao chegar ao hotel, mas não prestara muita atenção ao fato. Eu torcia para que essa indiferença


durasse pelo menos até o primeiro restaurante ser inaugurado. Já presenciara muitos chefs ficarem convencidos demais com a atenção que recebiam e o estabelecimento sofrer em consequência. “Qual é o próximo passo?”, perguntou ele, virando-se para mim. “A Mondego está só esperando a assinatura dos contratos para começar a obra”, expliquei. “O arquiteto vai alterar o projeto inicial para acomodar três chefs. Quando concordarmos com o novo projeto, eles vão poder tocar o trabalho.” “Nossa.” Chad respirou fundo e abriu um sorriso imenso. “Mal posso esperar.” “Amanhã vamos ver o projeto atual, o que deve nos dar uma boa ideia de como vão ficar as coisas. Quando voltarmos a Nova York, vamos organizar uma reunião com você, Inez e David para começar a discutir os cardápios. Seria legal inventar algumas variações regionais de acordo com a localização dos hotéis.” Chad assentiu. “Qual é o nível de autonomia que os outros chefs vão ter?” “No cardápio, bastante”, eu disse, honestamente. “Escolhemos os dois baseados no talento deles e precisamos que deem o melhor de si. Mas, tirando isso, você tem a última palavra. É a estrela do projeto. Por enquanto, eles estão pegando carona no seu sucesso.” Ele franziu os lábios, pesaroso. “Espero que isso não cause nenhum problema.” “Imagino que vá ser mais fácil do que trabalhar com sua irmã.” “Rá! Não tenho dúvida.” Eu estava brincando, mas vi um resquício de tristeza nos olhos expressivos dele. As coisas teriam sido melhores se Stacy tivesse seguido com o plano e embarcado na empreitada com o irmão. Jax havia contribuído para a ruptura entre os dois, o que era irônico, considerando o tanto que ele fazia pela própria família. “Você chegou a falar com ela depois da notícia sobre a Rutledge Capital e a Pembry?”, perguntei.


Ele fechou a cara. “Por quê? Pra ela se vangloriar?” “Para dar os parabéns. Fazer as pazes.” “Ela teria sido uma vaca.” “Talvez.” Pousei a mão em seu ombro. “Mas você se sentiria melhor consigo mesmo. E mais tarde, quando ela mudar de ideia, teria isso contra ela.” Minha resposta arrancou uma risada desdenhosa de Chad. “Vou pensar.” “Está com fome?” “Faminto. Vamos comer alguma coisa.” Ele ofereceu o braço e eu segurei nele. “Tem várias lugares de frango frito e waffle por essas bandas.” “Waffles e frango frito? Ao mesmo tempo?” “Uma combinação e tanto. É preciso experimentar para entender.” “Não sei se vou sobreviver à experiência. Pelo menos vou sair dela com uns cinco quilos a mais.” Chad levou minha mão aos lábios e beijou meus dedos. “Posso ajudar você a queimar as calorias extras.” “Você é muito espertinho, Chad Williams”, repreendi com um sorriso. O flerte inofensivo era um bom contraste em relação a Jax, perigoso em todos os sentidos. Como se fosse capaz de ler minha mente, ele acrescentou: “Lei me avisou que você e Jackson Rutledge têm história”. Fiquei tensa e surpresa, então me dei conta de que Lei estava certa de ter feito aquilo. Era melhor lidar com aquilo naquele momento do que correr o risco de Chad descobrir mais tarde e achar que tinha sido enganado. “Tivemos um caso breve há uns dois anos.” “E agora?” Ele virou-se para mim. “Foi ele que mandou flores para você?” “Foi. Agora ele…” Pensei em Jax em seu jatinho, vindo atrás de mim. Querendo me ver. Querendo dormir comigo. “Ele está de volta na minha vida e se envolvendo no meu trabalho, o que não é legal.” “Que parte? Da vida? Do trabalho? Ambas?” “Meu trabalho é minha vida”, disse, assim que saímos e chamamos um


táxi. “Mas ele não pode mais causar problemas para você, Chad. Você, Inez e David já assinaram com a Mondego. O projeto está andando.” “Ele pode causar problemas para você?” “Não se preocupe comigo.” Chad me envolveu pelos ombros e me apertou junto de si. “Claro que me preocupo com você. Você é meu bilhete premiado.” Bati o quadril de leve contra o dele. “Bilhete para onde?” “Como se você não soubesse, Gianna. Para a fama e a fortuna.” Tive que admitir que o frango frito e waffle estavam maravilhosos. Comi mais do que devia e me senti como se pudesse rolar até o quarto. A vontade de tirar um cochilo era grande, mas Chad e eu tínhamos uma reunião com o gerente do hotel às três e meia, e eu precisava estar alerta. Não era uma reunião muito importante, só um café informal, mas ainda assim. Abri o laptop e sentei à mesa do quarto para ler os e-mails. Respondi a dois de Lei sobre David Lee antes de ler o de Deanna Johnson, que chamara minha atenção assim que tinha aberto a caixa de entrada. Peguei o celular na bolsa, liguei e digitei o número da assinatura do e-mail da jornalista. Ignorei as notificações de caixa postal e as mensagens de Jax. “Deanna Johnson”, atendeu ela, bruscamente. “Oi. Aqui é Gianna Rossi.” O perfil de Deanna no LinkedIn estava aberto em uma das abas do navegador, e fiquei olhando para sua foto. Era uma morena bonita de cabelo comprido e olhos escuros. Ela e Vincent formavam um belo par, os tons de cabelo parecidos. O namoro não durara muito, mas os relacionamentos de Vincent raramente duravam. Ele gostava de namorar, mas com seu horário de trabalho no Rossi’s não tinha como ser um bom namorado. “Oi, Gianna. Tudo bem?” Recostei-me contra a cadeira e estiquei as pernas, tirando os sapatos. “Tudo certo. E você?” “Correndo atrás de uma história, como sempre.” A voz de Deanna


mudou, tornando-se mais concentrada. “Vincent disse que você queria que eu desse uma olhada em…” “Jackson Rutledge.” “Isso.” Ela fez uma pausa. “Se importa de dizer por quê?” “Nós… estamos saindo.” Deanna riu baixinho. “Um milionário enigmático com mais segredos que dólares? Conheço bem o tipo.” Apertei a ponte do nariz, sabendo que o melhor seria esquecê-lo. E sabendo também que essa seria a última coisa que eu faria. “Só quero entender o cara melhor. Preciso saber se estou perdendo meu tempo tentando fazer as coisas funcionarem.” “Provavelmente”, respondeu ela, abrupta. “O que quer saber? Não sou detetive particular, e tem um monte de livros por aí sobre a família Rutledge. Coisas como ex-namoradas você pode descobrir no Google.” “Não, não estou interessada nisso. Talvez você não possa me ajudar. Acho que estou procurando por algo que só ele pode explicar.” Suspirei. “Não entendo por que faz tudo pela família quando nem sequer gosta dela. Sem dúvida passa muito tempo me alertando contra eles. Achei que estava só me escondendo, porque tinha vergonha, mas tenho a impressão de que… de que está me protegendo deles.” “Se ele se importa com você, talvez esteja fazendo isso mesmo. Você tem que lembrar que os Rutledge devoram uns aos outros, e só o mais forte sobrevive.” Gelei por dentro, lembrando o que ele me dissera na noite anterior. Você está nadando com os tubarões e fica agindo como se estivesse de férias. “Certo”, eu disse, com cautela, pensando no pai de Jax. “E quem é o mais forte da família? Parker Rutledge?” “Sem dúvida.” Jax dissera que, no começo do relacionamento, seus pais se amavam, mas que terminaram infelizes… “Você sabe alguma coisa sobre a mãe de Jax?” “Leslie Rutledge? Um mistério. Quase não foi vista em público nos


últimos cinco anos de vida, e já evitava os holofotes desde antes.” “Jax não fala dela.” “Posso dar uma sondada, ver o que aparece, mas vai demorar. Toda vez que alguém mexe nesse vespeiro, aparecem um monte de seguranças.” Suspirei. Estava mesmo delirando ao sonhar com uma vida “normal” com Jax. “Qualquer coisa que você encontrar vai ser útil. E vou pagar pelo seu tempo, claro.” “Sem problemas.” Ajeitei-me na cadeira e endireitei os ombros. Eu ia perguntar diretamente a Jax sobre sua família, mas ter um plano B não fazia mal. Principalmente considerando nosso histórico. “Obrigada, Deanna.” “Cuidado, hein? Sujeitos como Jax podem acabar com você se não tomar cuidado.” “É, eu sei. Obrigada. Tome cuidado você também.” Desliguei e estava prestes a voltar aos e-mails quando o celular apitou. Era uma mensagem de Jax. Tamborilei os pés de leve no carpete antes de me dar conta do que estava fazendo. Sei que está pensando em mim. Olhei para a mensagem e bufei. “Grande coisa.” Vc obviamente está pensando em mim, mandei de volta. Tb sonhei com vc. Isso me fez sorrir. Sonhar com Jax era um dos passatempos preferidos da minha mente voluntariosa. Espero que tenha sido um pesadelo em que eu me dedicava a destruir um de seus negócios mais importantes. Um minuto depois: Foi um sonho erótico em que vc se dedicava a chupar meu pau. Soltei uma gargalhada. Desde nossa última conversa, Jax havia mudado a tática de durão para brincalhão. Ele reconhecia quando uma estratégia não estava dando certo. Comecei a digitar uma resposta, mas ele foi mais rápido, e o telefone tocou. Atendi. Jax começou a falar antes mesmo de eu dizer “alô”. “E você me chupava muito bem, linda”, sussurrou. “Era tão bom que eu


não conseguia nem respirar. Sua boca quente chupando a cabeça do meu pau, sua língua em volta de mim, a mão me apertando. Gozei tão forte. E você engoliu tudo, Gia. Até a última gota.” Por um instante não consegui pensar no que dizer, a mente tomada por imagens minhas fazendo tudo aquilo que ele tinha descrito. Adorava chupar Jax. Adorava a sensação da pele dele… o gosto e o cheiro. Mais do que isso, adorava o jeito como ele se perdia comigo, sem vergonha de seu prazer. Em momentos assim, sentia a intimidade que tanto desejava ter com ele. “Você sempre gostou de chupar meu pau”, disse ele, com a voz sedosa. “E eu passaria todos os minutos da minha vida na sua boca se pudesse.” Reencontrei minha voz. “Egoísta.” “Quando se trata de você, sou sim.” Ele suspirou. “Estou deitado na cama, pelado e duro, me perguntando por que você não está aqui ainda.” “Você não tem nada para fazer?” “Comer você.” Ouvi ao fundo o apito de um e-mail novo em sua caixa de entrada e ri. “Mentiroso. Você está trabalhando.” Costumávamos falar de sexo por telefone, o que em geral terminava com os dois se masturbando. Não havia nada melhor no mundo do que ouvi-lo dizer meu nome quando gozava. “Culpado”, ele confessou, sem vergonha. “Estou tentando pensar em outra coisa que não você e não estou conseguindo.” “Deve ser porque está trabalhando no acordo que fodeu comigo.” “Você me prometeu sexo furioso.” Ele gemeu de mansinho, obviamente se divertindo. “Estou esperando.” “Não tenho certeza de que vai querer botar o pau perto dos meus dentes enquanto eu estiver me sentido desse jeito a seu respeito.” Jax riu, e eu contorci os dedos dos pés. Ele tinha a melhor risada, cheia e profunda. “Nem ameaças de lesão corporal podem diminuir minha ereção. Vem pra cá, Gia.” “Não posso. Tenho uma reunião daqui a pouco.” Fiquei de pé e caminhei


até a janela, sentindo-me agitada. Abri a cortina e fitei Atlanta. Onde Jax tinha se metido? Era a pergunta que eu me fizera todos os dias nos dois anos anteriores. Ele, no entanto, não precisava me perguntar onde eu estava, já que me seguia. “Além do mais, você não disse que a gente precisa conversar? Duvido que fale muita coisa quando eu chegar aí.” Ele ficou em silêncio por um minuto, então comentou: “Você tem uma família e tanto. Eu sempre soube com quem estava lidando quando se tratava deles, para o bem ou para o mal. Eles não falam merda nem perdem tempo com picuinhas. São boas pessoas”. “Obrigada”, murmurei, sincera. Tinha muito orgulho da minha família, muito orgulho de ser uma Rossi. “Minha família não é assim, Gia. Não se deixe enganar pelo charme de Parker. Ele só perde tempo com gente que tem alguma utilidade para ele.” “Jax, eu não tenho nada que interesse a seu pai.” “Você tem a mim”, disse ele, pesaroso. “Você está dizendo que Parker me usaria para chegar a você?” “Talvez. Ou ele simplesmente usaria você, ponto final. Pode ser qualquer coisa, linda. Confie em mim, sempre tem um motivo.” Assimilei a informação, tentando conceber um pai e um filho que não confiavam um no outro. “Ele é o motivo pelo qual você se afastou nos últimos dois anos?” Ele é o motivo pelo qual você está determinado a me deixar de novo? “Eu me afastei porque era melhor para você.” Odiava aquela resposta evasiva. “No entanto, aqui está você. Me dê um bom motivo para eu te encontrar, Jax.” “Você quer.” “Sugiro que arrume uma resposta melhor do que essa.” Ele respirou fundo. “Eu quero que você queira. Preciso ficar com você. Você me faz sentir… humano. Estar perto de você me faz pensar que não sou um completo filho da puta.” Fechei os olhos e levei a mão até o peito, tentando acalmar a dor no coração. Queria saber por que ele sempre se colocava para baixo, por que


achava que não era bom o suficiente para mim. Sabia que ia dar uma chance a ele para tentar obter respostas. Ainda assim, fui sincera e disse: “Estar perto de você faz eu me sentir sozinha. Me faz lembrar de que quero achar alguém que me leve a sério. Alguém em quem possa confiar”. “Queria ser esse cara”, disse ele, baixinho. “É. Eu também queria que você fosse.”


2

Interrompi minha cunhada no instante em que ela atendeu o telefone. “Traidora!” Denise parou no meio do nome do salão de beleza e comentou: “Ah, então ele ligou?”. “Ele está aqui!” Sentei na beirada da cama e soltei um gemido. “Ele foi para Atlanta? Tá de brincadeira?” Denise assoviou. Ouvi um rangido ao fundo e a imaginei sentada em seu banco cor-de-rosa atrás da recepção. “Ele está louco por você.” “Não acredito que você me dedurou. Não acha que se eu quisesse que ele soubesse onde estava teria avisado?” “Nem vem. Nunca vi você olhar para um cara do jeito que olha para ele. Não pode me culpar por querer que você seja feliz.” “Ele precisa sofrer um pouco, Denise. Sentir saudade de mim e ficar se perguntando o que estou fazendo.” “Ah, entendi. Desculpa.” Ergui os pés e fiquei olhando para as unhas. “Você não está arrependida.” “Estou um pouco”, ela disse. “Mas e aí? Vão fazer as pazes?” “Não é assim que funciona.” “E como funciona?” “Homem encontra mulher, homem larga mulher, homem aparece dois anos depois, homem leva mulher para a cama e depois estraga o negócio importante em que ela estava trabalhando, homem quer levar mulher para a cama de novo — e talvez continuar atrapalhando os negócios dela — mas, dessa vez, homem diz de cara que vai largar a mulher em algum momento.” “Humm.” Eu podia ouvi-la mascando um chiclete e estourando uma bola


do outro lado da linha. “Se eu não tivesse visto como esse homem olha para essa mulher, talvez dissesse para você dar um pé na bunda dele.” “Provavelmente é a coisa mais inteligente a fazer. E qual é a alternativa?” “Pega o cara de jeito. Vira o mundo dele de cabeça para baixo. Mostra o que vai perder. Faz o cara sofrer quando decidir que é hora de largar você de novo, assim talvez ele resolva mudar de ideia.” Se fosse assim tão simples. “Acho que esse é um dos planos mais imbecis que já ouvi.” “Talvez.” Denise riu, e abri um sorriso relutante. “Mas ele é um homem e tanto, Gianna. Tem coisa pior do que passar algumas horas na cama com um cara lindo que está apaixonado por você.” Ela estava me dando o que eu queria — uma desculpa para seguir em frente em vez de correr antes de me machucar mais. “Você não está ajudando, Denise!” “Tanto faz. Se Jackson for ruim para você, pense em como sexo é bom. Faz bem para a pele, é um excelente exercício físico e levanta o astral…” Revirei os olhos. “Vou desligar.” “Te amo!”, disse ela depressa. “Também te amo.” Desliguei e fiquei de pé por um instante, batendo de leve o celular contra o queixo. Amava Jax o bastante para ser impossível abandoná-lo, mesmo que fosse para me preservar. Ele me amava o bastante para que me abandonar fosse a única opção. Talvez em vez de ficar repelindo Jax o tempo todo, eu devesse amá-lo com todas as minhas forças. Fazê-lo sentir de verdade minha paixão, para sentir saudade dela quando não a tivesse mais o suficiente para voltar para mim. O problema, no entanto, era que Jax ia prejudicar minha carreira. E isso eu não podia permitir. Essa era uma dor que ardia fundo. Chad e Rick, o gerente do hotel, se deram bem logo de cara. Foi divertido


ouvir os dois conversarem com seu sotaque sulista arrastado. Mais do que isso: foi encantador. Quando Rick nos convidou para jantar e Chad aceitou, eu recusei, pois não queria atrapalhar. Era importante para o chef se sentir conectado por conta própria, sem precisar da minha presença o tempo todo. Eu não era babá dele, e não queria que se sentisse como se não confiasse que ele fosse capaz de lidar sozinho com aquilo. Quando cheguei ao quarto, liguei para Lei. “Gianna”, atendeu ela, reconhecendo meu número. “Como vão as coisas em Atlanta?” “Chad está gostando”, respondi. “Está se sentindo à vontade e parece bem animado. A viagem funcionou como a gente esperava.” Sempre perceptiva, ela perguntou: “E você? Como está?”. “Jackson me seguiu até aqui.” Não dividia minha vida pessoal com minha chefe ou fofocava como fazia com Denise e minhas amigas. Avisei só porque havia um conflito de interesses. Não ia mais permitir que Jax interferisse em meu trabalho. “Ah, é?” Ela pareceu pensativa. “Bem… E o que você acha disso?” “Não tenho certeza”, comecei a dizer, mas logo me corrigi. “Estou morrendo de raiva que ele tenha investido na Pembry e complicado ainda mais uma relação que já era difícil. E não é só isso, Jax ligou direto para Isabelle para impedir que ela mudasse de ideia. Não posso confiar nele, Lei.” Toda vez que pensava no que Jax havia feito, ficava furiosa de novo. “Isso foi o cúmulo.” “Eu sei.” O problema era que não conseguia afastar a sensação de que Jax tinha feito aquilo de propósito. Mas não era capaz de me decidir se isso o tornava mais ou menos perigoso. “Preciso saber se estou colocando meu emprego em risco.” “Você sabe que está. Não vou demitir você por causa de um namorado, Gianna. Isso é problema seu. Mas se ele fizer outra coisa que dê a entender que conseguiu alguma dica com você — quer tenha conseguido ou não —, vou ter que abrir mão de você, porque aí é uma questão de defender minha


empresa. Entendeu?” Senti o estômago revirar. “Entendi.” “Certo.” Sua voz se suavizou. “Qual é o plano para amanhã?” Expliquei a ela. Enquanto falava, tranquila e calma, não podia afastar o medo que se instalara dentro de mim. Havia planejado todo o meu futuro em torno daquele emprego e não tinha um plano B. “Depois conte o que Chad achou dos planos do arquiteto, quando tiver dado uma olhada. E se cuide, Gianna. Você não é só uma funcionária para mim. Acho que sabe disso.” Assenti, muito embora ela não pudesse me ver. “Eu sei. Obrigada, Lei.” Desliguei e joguei o telefone na cama. Uma dor de cabeça estava começando a surgir, e soltei o coque. Estava morrendo de ódio de Jax naquele momento. Não sabia como lidar com todas as emoções que ele despertara em mim desde que surgira em minha vida. Alternava entre querer curar sabe-se lá o que o estivesse ferindo e querer feri-lo ainda mais. Ping. Mensagem. Quando li Enlouquecendo sem vc, explodi. Liguei para Jax. Tudo o que havia de errado na minha vida era culpa dele, e eu precisava deixar isso claro. “Diga que está na recepção”, atendeu ele, com a voz rouca. Não perdi tempo. “Amo meu trabalho. É a coisa mais importante que tenho na vida, e posso perder o emprego por sua causa.” Ele levou um segundo para mudar de tom. “Que merda. Gia…” “Se você me ama ao menos um pouco, me diga logo se vou terminar desempregada. Você pode comer qualquer uma, Jax. Não precisa de mim.” “Minha nossa.” Ele exalou asperamente. “Já encerrei meus negócios com Ian Pembry.” Outra resposta evasiva. Estava cansada delas. Ele não revelava nada. Desliguei e joguei o telefone na cama. Comecei a tirar a roupa, doida por um banho para esquecer o dia. O celular tocou. Clique. Hora de calar a boca daquele babaca.


Tirei o telefone do quarto do gancho, antes que ele tentasse me ligar de novo. Tinha ido para Atlanta para me afastar de Jax e precisava daquilo, apesar de todo o meu corpo protestar contra a ideia. “Não preciso dele para ter um orgasmo”, desdenhei em voz alta. Claro que isso não mudava o que eu realmente gostava no sexo com Jax — ele próprio. Vinte minutos mais tarde, estava com o cabelo enrolado numa toalha e ao telefone, pedindo serviço de quarto. Uma batida impaciente à porta me fez pular de susto. Sabia que era Jax antes mesmo de ele falar: “Abre a droga da porta, Gia”. Apertei a mandíbula. Sabia que o hotel não tinha passado o número do meu quarto. O fato de que Jax tinha conexões para burlar as regras que valiam para o restante do mundo me fez borbulhar de raiva. Voltei minha atenção para a pessoa do outro lado da linha. “Quer saber? Cancele a taça e traga logo uma garrafa de vinho, por favor. Obrigada.” Jax bateu ainda mais impaciente. Desliguei o telefone e fuzilei a porta com o olhar. “Vai se foder”, gritei. “Você está agindo feito uma criança.” Mesmo abafada pela porta, sua voz ressoava com fúria. “Enfia isso na sua cabeça, Jax: não quero ver você.” “Sinto muito. Não pode ficar aí dentro para sempre, Gia, mas eu posso colocar um segurança na sua porta que vai levar você direto para mim no instante em que sair. Você escolhe como quer fazer isso.” Estreitando os olhos, afastei a tranca e abri a porta num puxão. Jax avançou em cima de mim, forçando-me a recuar para dentro do quarto. Vi de relance um sujeito de terno atrás dele, mas Jax bateu a porta depois de entrar. Afastei-me depressa, o olhar descendo por seu corpo. Estava de calça e colete pretos, e a camisa cinza e a gravata combinando não suavizavam o ar sombrio. Seu cabelo estava como se ele tivesse corrido os dedos por entre os fios, os mais longos caindo desordenados sobre a testa de um jeito muito sensual. Os olhos castanhos tornaram-se ardentes ao registrar minha


aparência, e a irritação ficava evidente na carranca que franzia sua testa. Jax havia dito que eu ficava sexy quando estava brava. Confrontada por um metro e oitenta de masculinidade furiosa e latente, entendi o que ele queria dizer. Os ângulos de seu rosto lindo estavam tesos, a mandíbula rígida, a curva sensual dos lábios formando uma linha inflexível. Jax parecia perigoso e ferozmente sexual. “Estou ficando realmente cansado de você me evitar”, disse ele, cerrando os dentes. “Acho que entendo um pouco do que você está falando.” Ele olhou para o teto, como se estivesse tentando reunir paciência. “Yeung está no seu pé?” “Não.” Cruzei os braços, desejando estar trajando algo além do roupão do hotel, um escudo muito fino para minha nudez. “Na verdade, ela tem sido incrivelmente complacente, considerando tudo.” Ele me encarou de uma distância cuidadosa. Ocupava todo o hall de entrada, bloqueando a saída, o armário e o banheiro. Era um ótimo hotel, elegante e muito bem decorado, mas o quarto não estava nem perto de ser tão fabuloso quanto a suíte em que Jax se hospedara em Nova Jersey. “Meu acordo com Pembry não tem nada a ver com você.” “Não acredito.” Ele arqueou as sobrancelhas. “Você não acredita? Ou Yeung não acredita?” “Eu. Tenho certeza de que você teve suas razões, mas também tenho certeza de que eu era uma delas. E já que está tudo funcionando como você queria e reavaliei o risco que você representa, não vou precisar saber se você vai vir com outra que me faça odiar você mais ainda. É isso que quer, não é? Que eu termine, porque você não é capaz.” Seu rosto não revelou nada, mas algo em seus olhos mudou. “Por que eu ia querer fazer isso?” “Porque você está com medo de mim. E de como se sente ao meu respeito.” “Estou, é?”


“Ou isso ou você tem pavor do seu pai. Qual dos dois?” “Eu avisei como ele é”, disse Jax, suavemente. Isso me fez mudar de direção. “Acho que tenho mais fé em você do que você mesmo. Acho que é capaz de enfrentar seu pai, Jax. Confio em você para me proteger.” Ele riu, e não havia um pingo de humor naquele som horrível. “Você acha que quero proteger você do Lobo Mau?” Chocada, permaneci encarando Jax. Nunca vira aquele lado amargo dele. No instante seguinte, Jax me tinha em seus braços, o corpo curvando-se sobre mim, o rosto grudado no meu. Era um homem incrivelmente bonito. O cara mais maravilhoso que já tinha visto na vida. E estava furioso. “Eu sou o Lobo Mau, linda”, rosnou. “Quer ficar comigo? Quer ser minha namorada? Quer ir a festas… eventos… jantares com a família?” “Quero!” Ergui-me na ponta dos pés. “Estou cansada de ser qualquer uma, Jax. Você tem dezenas de mulheres para isso. Mereço coisa melhor.” “Dezenas? Sou praticamente um monge desde que conheci você! Fiquei com outras duas mulheres, Gia. Duas. E já que você transou com dois outros caras, não pode falar nada. Era meu direito, por pior que tenha sido.” Arfei, horrorizada que ele tivesse me espionado tão de perto para saber com quantos homens eu havia transado desde que tínhamos nos separado. “Você quer o pacote completo?”, continuou ele. “Tudo bem. Sua vida está prestes a mudar completamente. Sua privacidade é coisa do passado. Você vai…” “Como se eu tivesse alguma privacidade! Você está me seguindo há anos. Você…” “Gia, cada coisa questionável que você já fez vai ser notícia no jornal de amanhã. Seus irmãos também vão entrar na jogada. E todos os seus parentes e amigos. Vai ser só sair na rua e os fotógrafos vão seguir você. Em quem você vota e até o que está usando, tudo vai ser assunto para a mídia.” Engoli em seco. “Você vai morar comigo. Vai ficar segura no meu apartamento, mas não com que seus irmãos vão ter que lidar. Sua cunhada. Você vai ter um


segurança o tempo todo ao seu lado. E não quero ouvir sobre como é inconveniente ter alguém sempre por perto, alguém que vai saber tudo sobre você.” “Você não me assusta”, suspirei, mas era mentira. Meu coração estava pulando de ansiedade. Sempre fora incrivelmente protetora em relação à minha família. Sempre que eram ameaçados, eu me transformava. “Assusto, sim”, alertou ele, sombriamente. “Você só viu meu lado bom até agora, mas, se quer o pacote completo, é isso que vai ter. Meu melhor e meu pior.” “Manda ver”, desafiei, ficando irritada novamente. Ele estava sendo um babaca de propósito. “Viajo o tempo todo. Você vai passar algumas longas noites solitárias e entediantes. Vou dizer o que você deve vestir, o que deve dizer, como deve agir. É o que faço, Gia. Imagem é tudo no mundo da política e dos negócios, mas você já sabe disso, não é? Já fez parte do trabalho. Às vezes, quase não reconheço você.” Rebelei-me, soltando-me dele. “Obrigada, Jax”, disse, sarcasmo pingando da voz. “Você tornou as coisas muito mais fáceis para mim.” Sua boca curvou-se num sorriso cruel. “Assustei você, não foi?” Aquela baboseira estava me deixando tão frustrada que minha vontade era de gritar. Nunca tínhamos sido impiedosos um com o outro. Mais do que tudo, estava desesperada para colocar uma distância entre nós. “Eu encararia tudo isso e muito mais por um cara que me amasse de verdade”, disse, com frieza. “Mas estou aguentando essa merda toda de um canalha.” Jax parecia prestes a esmurrar a parede. Apontei para a porta. “Por favor, vá embora. Não quero olhar para você agora.” Outra mentira. Jamais cansaria de olhar para Jax. Mas estava cansada de lidar com ele. Queria uma folga para refletir. “Eu mostro como são as coisas, e você pira.” Ele esfregou o rosto e soltou um palavrão. “Não”, corrigi. “Você queria me assustar e conseguiu. Então vamos ter só


sexo, mas vai ser quando eu quiser, não você. Eu ligo, então pare de me encher — não vou atender. E pare de ficar aparecendo em todo lugar que vou. Você é psicótico.” “Merda.” Jax se aproximou, estendendo o braço na minha direção. Afastei-me depressa. “Não me toque.” Seus olhos escuros cravaram-se nos meus. “É a mesma coisa que me mandar parar de respirar. O que você quer de mim, Gia? Estou tentando dar o que você está pedindo, e ainda assim não é o suficiente.” “Pode apostar! Foi você quem impôs todos esses obstáculos e me deixou sem saída. Por que sou eu quem tem que pegar leve?” “Isso é parte da minha vida! Não posso mudar.” “Você poderia ter dito: ‘Escuta, Gia, dividir a vida comigo não vai ser fácil, mas eu te amo. Vou fazer o possível para tentar compensar o inferno da vida pública na vida privada’. Ou qualquer coisa do tipo!” “Minha nossa.” Ele soltou um ruído de frustração. “Isso não é um romance barato! Sou só um cara tentando dar o que você quer para ficarmos juntos.” Como se eu fosse acreditar. Ele sabia o que eu queria e estava evitando aquilo ao máximo. “Bem, agora você pode ter a sua vida e eu — quando eu estiver a fim.” Ergui a mão num aviso. “E agora não estou. Acredite em mim. Ligo quando chegar a Nova York.” “Tudo bem. Você é quem sabe.” Ele virou e caminhou até a porta, as costas eretas e os ombros rijos. Havia ainda uma parte de mim que queria ceder, chamá-lo de volta e pedir que ficasse, dizer que queria dormir com ele e sentir a intimidade que nunca sentira com mais ninguém. Mas tínhamos muito o que pensar e precisávamos de tempo — e espaço. Jax abriu a porta e saiu para o corredor. Engoli as palavras presas em minha garganta e peguei o celular, usando-o como distração para evitar vêlo ir embora. Ouvi a porta bater e fechei os olhos, soltando o ar trêmula. Não íamos nos recuperar daquela. Aquilo ia mudar o que tínhamos. Para sempre.


“Eu…” Meus pulmões falharam diante da surpresa de ouvir o som da voz de Jax. “Eu te amo. Te amo tanto que isso está me deixando louco.” Estendi a mão até a cadeira, tentando firmar os joelhos enfraquecidos. Queria ouvi-lo dizendo essas palavras, mas agora que as ouvira não as assimilava. Não tinha percebido quão triste ele estava até suas mãos agarrarem meus braços e ele enterrar o rosto em meu pescoço. “Quero você na minha casa”, ele disse baixinho. “Quero acordar com você, ir dormir abraçado com você, voltar para casa do trabalho e jantar com você. Quero o que tínhamos em Las Vegas, mas as coisas eram diferentes naquela época. Eu tinha você só para mim. Não vai ser assim agora.” Ergui a mão direita e pousei sobre sua mão esquerda. “Eu sei. Posso lidar com isso.” “Espero que sim”, murmurou ele, virando-me para encará-lo. “Porque não vou ser capaz de deixar você ir depois disso, Gia. Para o bem ou para o mal, você é minha.”


3

“Se ainda estiver tentando me assustar”, suspirei, exausta, “vai ter que fazer melhor do que isso.” Jax riu baixinho, sua voz rouca. “Estou assustado o bastante por nós dois.” Ele segurou meu rosto, erguendo-o para me dar um beijo. No momento em que seus lábios firmes tocaram os meus, o amor tomou conta do meu coração, fazendo-o doer. Segurei sua cintura, ficando na ponta dos pés para intensificar o beijo. O ardor e a fome varavam meu corpo, instigados pelo cheiro apaixonante dele… a sensação de seu calor e do corpo forte… seu gosto. Jax gemeu, puxando-me para junto de si. Estava com tanta fome dele e por tanto tempo que aplacar aquilo parecia impossível. Minha língua misturou-se à dele, lambendo sua boca, meus lábios inclinados sobre os de Jax numa sede implacável. “Venha aqui.” Ele puxou o cinto do meu roupão, abrindo-o e deslizandoo até meus cotovelos dobrados. Soltei-o apenas pelo tempo suficiente para deixar as mangas deslizarem e o roupão cair ao chão. “Nossa.” Ele me puxou para junto de si, grudando meu corpo nu completamente no seu. Os botões de seu colete apertavam minha pele, fazendo-me lembrar de que ele estava vestido de um jeito que nunca tinha visto quando estávamos em Las Vegas. Virando o rosto, olhei para o espelho na parede e estremeci diante de nosso reflexo — Jax, tão formal e sombrio, um executivo perigosamente sensual; eu, nua e desavergonhada. “Olhe só para nós”, sussurrei, observando seu olhar repousar em meu


reflexo. Vendo a luxúria contrair seu rosto numa beleza masculina primal. Fechando os olhos, Jax esfregou o queixo contra minha têmpora. “Você é tão bonita. Tão quente que me incendeia. Tenho medo de estragar isso. Medo de olhar para você um dia e descobrir que perdeu esse brilho nos olhos de quando olha para mim.” “Jax.” Ele sempre me faria sentir como se nenhuma outra mulher jamais se comparasse a mim. Mas por mais agitada que estivesse de finalmente têlo, a dor que ele me causava ainda latejava como uma ferida aberta. “Você me magoou”, disse, baixinho. “Partiu meu coração.” Ele descansou a testa contra a minha. “Eu também me magoei. Queria dizer que não vai acontecer de novo, mas não tenho ideia de como isso vai funcionar ou de como você vai se adaptar à vida comigo.” “Tenho certeza de que também vou cometer meus erros.” Comecei a abrir seu colete, um botão de cada vez. “Só temos que amar um ao outro.” Jax deitou a cabeça e tomou minha boca na sua, beijando-me com tanto carinho que meus olhos arderam. Ele subiu as mãos pelo meu tronco, deslizando os polegares sob a curva dos seios. A pele acariciando aquela área sensível fez meus mamilos endurecem. Estremeci, implorando por um toque mais carnal. A dor intensa em meu âmago era muito profunda. Meu sexo já estava molhado e pronto. Sempre fora assim com Jax, como se meu corpo reconhecesse o dele como aquele para o qual eu fora construída. Jax se moveu de repente, pegando-me no colo sem esforço e me colocando na cama. A toalha enrolada em meu cabelo soltou. Ele se posicionou em cima de mim, com as mãos plantadas ao lado do meu corpo. Em seguida, correu a ponta do nariz por entre meus seios. “Me diga que você tem uma camisinha.” Mordi o lábio, lamentando que tivesse de negar com a cabeça. Seus olhos se fecharam de novo, e ele respirou fundo. “Não vou tirar a roupa.” “Jax…” Havia um tom de súplica em minha voz, porque eu não era capaz de imaginar não senti-lo dentro de mim. Tão duro, tão comprido e tão


grosso. Ele ergueu a cabeça, e estremeci diante da luxúria furiosa em seus olhos escuros, sabendo exatamente como seria a sensação de tê-lo sem preservativo dentro de mim. “Não vou conseguir interromper no meio”, disse ele, a voz gutural de tanto desejo. “De jeito nenhum.” Abri a boca para dizer que não tinha problema… que eu estava tomando pílula… que o queria sentir gozando dentro de mim, sem nada entre nós… mas a campainha tocou, e alguém falou. “Serviço de quarto.” Soltei um gemido frustrado. Uma expressão dolorida tomou conta do rosto de Jax. Então ele riu baixinho. “Salvo pelo gongo.” “Espere…” Mas ele já estava pegando meu roupão do chão e me cobrindo. “Não se mexa”, ordenou. Jax abriu a porta, impedindo o garçom de entrar e resolvendo tudo no hall. Ao voltar, carregava a bandeja na mão, equilibrando habilmente a garrafa de vinho, uma taça e um prato coberto por uma tampa abobadada. Colocou a bandeja na mesa e me fitou, enquanto eu me sentava na cama, esticando as pernas à minha frente. “Você está me matando.” “Você merece.” Seus lábios se curvaram num sorriso cínico. “Duvido. Ainda assim, tem um limite para o que um homem desesperado é capaz de aguentar. Preciso sair daqui.” Fiz beicinho. “Desmancha-prazeres.” “Leve esse corpinho bonito de volta para Nova York e vou te dar tudo o que você quiser.” Ele correu os dedos por entre os cabelos, ajeitando-os. “Vou começar a fazer os preparativos para sua volta.” Ergui as sobrancelhas, confusa. “Você precisa se preparar para transar comigo?” “Não, para a mudança para a minha casa. E tenho que deixar você comer para reunir forças para tudo o que vou fazer quando estiver comendo você.” Ele me colocou de pé e me deu um beijo rápido e forte. “E, se está


pronta para transar sem camisinha, vamos fazer isso direito. No nosso apartamento, na nossa cama.” Engoli em seco. “Tenho que falar com meus irmãos. Meus pais.” “Vamos fazer isso juntos.” “Você parece animado para um cara que acabou de ser colocado contra a parede.” Seu rosto foi tomado por uma suavidade. “Já tem um tempo que estou pensando nisso. Tentando criar um plano na minha cabeça… bolar um jeito de fazer isso funcionar…” “Talvez não vá ser tão difícil quanto você imagina.” Ele ajeitou meus cabelos molhados atrás da orelha. “A imprensa vai adorar você, Gia”, murmurou. “Você é um tesão. Charmosa e com um corpo maravilhoso. Vão olhar para você, vão me ver olhando para você, e vão imaginar sexo selvagem e lascivo. E isso dá notícia.” Empurrei-o de leve. “Para de palhaçada!” “Eles vão se enganar e pensar que só estou me divertindo com você. E vão começar a especular quanto tempo a gente vai durar. Vão arrumar casos, inventar notícias só para ter uma desculpa para publicar outra foto sua.” Já tinha visto aquilo antes, com outros casais. Mas Jax e eu éramos diferentes. Não éramos celebridades. Eu não era ninguém, e ele, embora fosse um Rutledge, trabalhava nos bastidores dos círculos políticos que renderam tanta fama à família. “Você não acredita em mim.” Ele esfregou a têmpora contra a minha. “Vai ter que confiar em mim. Sei o que pode acontecer. Já vi gente se acabar com o estresse.” Uma suspeita incômoda me fez perguntar: “Alguém com quem você se importava?”. “É.” “O que aconteceu?” Jax se afastou e vi que tinha se fechado para mim. “Ela desistiu”, respondeu, enigmático. “Não vou deixar isso acontecer com você.”


Meus dedos pressionaram sua cintura torneada. Era difícil pensar em Jax amando outra mulher. Mais difícil ainda era pensar que sua amante anterior o havia magoado tão profundamente que ele precisava me afastar para evitar ficar vulnerável de novo. Jax beijou minha testa. “Quando você volta para casa?” “Depois de amanhã.” “Certo. Veja se é possível encontrar sua família na mesma noite. No dia seguinte a gente faz a mudança.” Eu me senti como se estivesse de pé diante de um desfiladeiro, prestes a pular, sem ideia de onde ia cair. “Você está fazendo minha cabeça dar voltas.” Dando um passo para trás, ele piscou para mim. “Como você faz com a minha, linda.” “Você está longe, longe.” O som da voz de Chad me despertou de meus pensamentos. Olhei para ele na poltrona ao meu lado no avião e dei um sorriso sem graça. “Desculpa.” “Preciso me preocupar?” Balancei a cabeça. “É pessoal.” Ele ergueu a sobrancelha. “Bom para mim, talvez. Não tão bom para você, aparentemente. Quer conversar?” Pensei no nível de intimidade que queria ter com Chad e lancei a pergunta: “Você já morou com uma namorada?”. “Não… Uma ou duas passaram muito tempo na minha casa, o que era conveniente, em termos de sexo, mas não muito bom para a privacidade e nos dias em que eu queria ficar com meus amigos. Acho que só vou ter esse tipo de intimidade quando me casar. Por que a pergunta?” “Acho que penso o mesmo que você.” A diversão desapareceu de seus olhos. “Rutledge chamou você para morar com ele?”


“Mais ou menos.” Me avisou era mais o caso… Ele parou por um segundo. “Acho que tenho um problema com isso.” “Qual?” Virei-me no assento para encará-lo. “Você disse que conhece esse cara há anos. Mas ele só aparece depois que você começa a trabalhar comigo? Ele ajuda a destruir o acordo com Stacy, então rouba a Isabelle. E agora quer morar com você, a mulher que tem todas as informações a meu respeito e sabe todos os meus planos?” Respirando fundo, registrei o que ele havia acabado de dizer. “Anteontem você não pareceu ter problema nenhum com isso.” “Andei pensando melhor.” Certo. Merda. Estava sendo pega de surpresa. “Não acho que seja pessoal. Na verdade, tenho certeza de que não é. Jax sempre diz que negócios nunca deveriam se tornar pessoais.” “Para mim é”, retrucou ele. Sua resposta me acertou em cheio. Eu havia dito algo semelhante para Jax quando ele me dera a deixa. “E para Stacy também. Ela não só vai querer se dar bem como vai querer se dar melhor do que eu. Ter mais do que eu. Vai querer provar que tomei a decisão errada, e ele está do lado dela! Pembry depende de Stacy. Eles vão querer deixar minha irmã feliz.” O pior de tudo era que ele não estava completamente errado. “Mas isso vale para os dois lados”, observei baixinho. “Também vou saber o que ele está aprontando.” Na verdade, não tinha chegado a pensar no nosso relacionamento nesses termos, como uma situação que exigia pisar constantemente sobre ovos. Não queria pensar assim. Queria que as coisas entre nós fossem verdadeiras, diretas e simples. Mas ninguém entre as pessoas com quem eu trabalhava pensava aquilo, nem mesmo Jax. Claro que ele esperava que os golpes viessem de fora, mas, independentemente de qualquer coisa, era como se eu precisasse ser um pouco mais realista sobre o que significaria estar com Jax. Você está nadando com os tubarões… Chad me avaliou. “Não me leve a mal, Gianna. Mas será que Rutledge não


é muito areia pro seu caminhãozinho?” “Ah, se é. Mas isso não significa que não sou capaz de lidar com ele.” Respirei fundo: “Dito isso, se você preferir outra pessoa para supervisionar seus projetos na Savor, vou entender”. Chad pressionou os lábios. “Odeio dizer isso, mas acho melhor.” Havia planejado ir direto para o trabalho depois de pousar no aeroporto LaGuardia, mas decidi passar em casa primeiro. Minha conversa com Chad me deixara inquieta, e eu realmente precisava de um tempo para me recompor antes de enfrentar Lei. Abri a grande porta da entrada e deparei com dois dos meus irmãos no sofá, jogando videogame. “Toma essa”, exclamou Angelo, virando o controle para a direita. “Vamos, cara! O cretino está quase me matando.” “Aguenta aí.” Vincent ficou de pé, apertando freneticamente os botões do controle. “Tem seis deles na minha cola.” Parei por um instante na soleira da porta, sentindo-me aliviada por estar em casa. “Atrás de você!”, gritei para Angelo, vendo um zumbi se aproximando de seu personagem. Meus irmãos deram um pulo e dois pares de olhos escuros viraram-se na minha direção. “Você quase me matou de susto!”, reclamou Vincent, pausando o jogo. “E aí?”, cumprimentou Angelo, voltando a atenção para a tela. “Como foi em Atlanta? Muito quente?” “Demais”, respondi secamente, fechando a porta atrás de mim. O apartamento cheirava a bacon, e eu podia ver os restos do café da manhã na bancada e na pia. Os rapazes estavam acostumados com empregados lavando a louça no restaurante. “Está de folga?”, perguntou Vincent, caminhando na minha direção. Só de bermuda, ele me fez lembrar por qual motivo minhas amigas estavam sempre ansiosas para ir à minha casa.


“Não. Tenho que ir para lá”, respondi. “Só vim deixar minhas coisas.” “Trate de voltar aqui”, reclamou Angelo. “Esses cretinos estão acabando comigo.” Vincent revirou os olhos. “Droga. Achei que você ia poder me substituir no jogo, Gianna. Você e Nico é que gostam dessa porcaria.” “Agora, não. Ah, antes que eu esqueça, obrigada por me colocar em contato com Deanna.” “Claro.” Ele sorriu. “Obrigado por lavar minha roupa suja.” Dei um soco em seu ombro no caminho para o quarto. Nosso apartamento era basicamente um enorme espaço aberto, mas havíamos erguido algumas paredes para separar quartos e ter um pouco de privacidade. Os cômodos eram mais como cubículos grandes do que quartos, mas serviam ao seu propósito. O fato de que estava pensando em deixar um lugar em que me sentia completamente segura para morar com um amante em quem havia quarenta e oito horas não confiava não passou despercebido por mim. Afundei na cama e agarrei os joelhos com as mãos úmidas. Estava abdicando de muita coisa para ficar com Jax, e não conseguia pensar em nada que ele estivesse arriscando para ficar comigo. Meu telefone tocou. Vasculhei dentro da bolsa por ele e olhei a tela. O número de Jax não me surpreendeu. “Alô.” “Oi, linda.” Sua voz era grave e profunda, íntima. “Que bom que você chegou.” “Impressionante como tudo pode mudar em dois dias.” “O que houve?” Era irônico como ele me conhecia. Talvez Chad tivesse razão de estar tão preocupado sobre eu ser um livro aberto. “O que não houve?” Jax se tornou mais ríspido. “Seja mais específica.” “Chad Williams está preocupado, com razão, de que eu, gerente do projeto dele, esteja dormindo com o inimigo. Ir morar com você aparentemente me tira da jogada.” “Quem vai morar com quem?”, perguntou Angelo, fazendo cara feia para


mim da porta do quarto. Mesmo com um metro e oitenta, era o mais baixo dos meus três irmãos, e também era o que usava o cabelo mais comprido, as ondas negras emoldurando o rosto bonito e tocando o ombro. Ele partiu muitos corações casando com Denise. “Merda”, murmurei, desejando poder começar o dia de novo. “Sai do meu quarto!” “Não estou no seu quarto”, argumentou meu irmão. “Você deixou a porta aberta.” “Então feche!” “Você voltou com aquele babaca?!” Fiquei de pé. “Perguntei alguma coisa?” “Gia!”, Jax berrou do outro lado do telefone. “Espere aí”, eu disse a ele, cravando os olhos em meu irmão. “Estou no telefone, Angelo. Feche a porta e cuide da sua vida!” “É com ele que você está falando?” Angelo irrompeu no meu quarto, como se tivesse esse direito. “Quero falar com ele.” “O quê?!” “Gia! Que merda, fala comigo”, exasperava-se Jax. “Estou um pouco ocupada agora”, respondi. “Ligo mais tarde.” “Não…” Cortei-o, desligando e jogando o aparelho na cama, enquanto Angelo tentava tomá-lo da minha mão. “Ficou maluco?”, gritei para ele. “Rutledge é que ficou, se acha que você vai morar com ele!” A interrupção de Vincent fez nós dois virarmos para a porta. “O que está acontecendo?” “Tira esse cara daqui!”, pedi a ele, sacudindo o braço na direção de Angelo. “Rutledge quer que Gianna vá morar com ele”, explicou Angelo, virandose para meu outro irmão de braços cruzados. Vincent franziu a testa. “Vocês vão casar?” Joguei as mãos para cima, exasperada. “Não acredito! Estamos no século XXI. Vocês sabiam disso?”


“As regras não mudaram”, disse ele, cruzando os braços também. “Se alguém quer o leite, tem que comprar a vaca.” Estreitei os olhos. “Você acabou de me chamar de vaca? E, para sua informação, não sou mais virgem! A gente já transou. Mais do que uma vez!” Tanto Vincent quanto Angelo taparam os ouvidos. Angelo cantarolou bem alto. “Vocês são ridículos!” Fiz uma cara feia. “Sou adulta. Posso fazer o que quiser.” Vincent baixou as mãos. “E você quer morar com aquele cara? Sério?” “Talvez. A decisão é minha.” Angelo cruzou os braços de novo. “Isso vai acabar com o papai.” “Argh!” Esfreguei as têmporas, lutando contra uma dor de cabeça incipiente. “Você realmente vai tentar me fazer ficar com a consciência pesada agora? Para sua informação, Jax queria sentar com vocês todos e conversar sobre isso.” “E daí?”, desdenhou Vincent. “Somos obrigados a respeitar o cara por isso?” “Eu respeito”, disse Angelo, surpreendendo-me. “Tem que ter coragem para enfrentar os irmãos e a família de uma garota e dizer que quer morar com ela.” Vincent balançou a cabeça, a mandíbula tensa. “Se ele quer você tanto assim, deveria casar.” “Antes de ela saber onde está se metendo?” Todos nós viramos e deparamos com Jax de pé na porta do quarto. Estava vestido para o trabalho, muito elegante, de terno cinza-escuro, camisa branca e gravata preta. Só então me dei conta de que devia estar a caminho quando me ligara. Senti uma leve onda de excitação diante da ideia. “A segurança deste lugar é uma piada”, ele observou, friamente. “É só ir entrando!” Vincent ergueu os punhos. “Vou te mostrar por que não precisamos de


segurança!” Peguei meu telefone e a bolsa e fui para a sala. Se tudo ia implodir em casa e no trabalho, era melhor ir para o trabalho. “Gia.” Jax me agarrou pelo braço quando passei por ele. “Deixe comigo. Não fique nervosa.” “É fácil para você falar”, eu disse, levantando a cabeça. “Não tem nada a perder.” Ele apertou a mandíbula. “Eu te amo. Tenho tudo a perder.”


4

Lei estava ao telefone quando cheguei ao trabalho, perambulando de um lado para o outro na sala, falando num fone de ouvido. Acenou para mim e me ofereceu um sorriso rápido, o que me fez sentir ainda pior. Como ela estava ocupada, fui até minha mesa e comecei a ouvir os recados da caixa postal, anotando mensagens para Lei e as ligações que eu precisava retornar. Em geral, o trabalho me acalmava, mas eu estava muito tensa. Meus pés inquietos batiam debaixo da mesa. “Gianna.” Olhei para a sala de Lei e a vi recostada no batente da porta. Usava calça carmim e blusa branca de seda, o cabelo preto preso num rabo de cavalo simples. Parecia mais jovem do que era, e mais delicada. Seus olhos escuros, no entanto, a traíam — Lei era tão delicada quanto um tigre. “Como está Chad?”, ela perguntou. Fiquei de pé, apoiando as mãos na mesa para me equilibrar. “Está muito satisfeito com a Mondego, os planos, o projeto. Está feliz também com David e Inez. Só… não está tão feliz comigo.” “É?” Lei arregalou os olhos. “O que aconteceu?” “Jackson Rutledge. Jax me pediu para morar com ele.” “Entendo.” Ela se endireitou. “Por que não conversamos na minha sala?” Segui minha chefe, sentindo-me um pouco como se estivesse entrando na sala da diretora da escola para levar uma bronca. Por trás das janelas de vidro que iam do chão ao teto da imensa sala de Lei, Manhattan se expandia para nosso deleite e admiração. Arranha-céus reluzentes, projetados para impressionar, ofuscavam edifícios de séculos de idade. Caixas d’água de madeira se espalhavam, características da paisagem urbana tão marcantes e amadas como qualquer outra. Coberturas


com piscinas azuis e jardins verdes indicavam os apartamentos dos ricaços. Guindastes enormes eram um lembrete constante de que a cidade, já repleta de vida, ainda estava crescendo. A selva de metal e vidro era um paraíso para os fãs da boa mesa. Nova York era conhecida pela comida fantástica e os chefs famosos, e Lei era uma força motriz no mundo que eu tanto amava. Era um golpe pensar que a estava decepcionando. “Há uma semana”, começou ela, “fazia dois anos que você não ouvia falar do sujeito.” “Lei, vou ser sincera com você. Já ouvi o suficiente de todo mundo — inclusive de mim mesma. Nunca me senti tão pressionada a manter distância de uma coisa na vida. Queria que as pessoas se preocupassem tanto comigo quando estou de dieta!” Ela escorou-se na mesa, as mãos apoiadas na beirada. Não sorriu diante de minha tentativa fracassada de piada. “Bem, fui morar com Ian depois de pouco tempo. Não planejamos. Só comecei a passar cada vez mais noites com ele até parecer ridículo continuar pagando o aluguel do meu apartamento.” Lei parou, como se estivesse refletindo sobre a melhor forma de dizer algo que eu talvez não quisesse ouvir. Então foi direto ao ponto. “Só seja mais esperta do que eu. Estabeleça algum tipo de acordo legal entre vocês, para depois não ter que ficar brigando por mesquinharias de coração partido.” Fechei as mãos em punho. “Você parece certa de que vai terminar mal.” “Você sabe que Ian precisou de dez anos para me trair. Jackson fez o mesmo com você em uma semana. Você não é boba.” “Aprendo com meus erros”, respondi, desejando que não tivesse soado tão na defensiva. “Não estou dizendo que você não deva correr o risco. É assim que se consegue as melhores coisas. Só estou dizendo que você deveria minimizar o prejuízo. Vai morar com ele e não vai nem tomar as precauções mais básicas?”


De repente, senti-me uma idiota. Lei percebeu isso e suavizou o tom de voz. “Jackson já custou o projeto Mondego. Não deixe que tire mais nada de você.” O restante do dia transcorreu como de costume, mas eu estava arrasada, seriamente dividida entre dizer adeus a Jax e dizer adeus à vida que construíra sem ele. A coisa mais fácil era esquecer que Jax havia reaparecido, mas depois de querer muito uma coisa era uma tortura abrir mão dela quando a alcançara. Pouco antes das três, meu telefone tocou. Atendi com o máximo de entusiasmo de que era capaz. “Gianna”, Chad cumprimentou, soando um tanto sem fôlego. “Posso falar com Lei?” Fechei os olhos, sabendo que ele ia pedir para trabalhar com outra pessoa. Estava torcendo para que sua demora em entrar em contato significasse que havia mudado de ideia, ou pelo menos que decidira esperar um pouco. “Vou ver se ela está livre.” Levantei e caminhei até a porta aberta da sala da minha chefe. Ela estava concentrada diante do computador. Bati de leve. Lei ergueu os olhos para mim. “Sim?” “Chad Williams quer falar com você.” Ela tirou os óculos vermelhos e assentiu. “Pode passar.” Voltei para minha mesa e transferi a ligação, então tentei me concentrar em outra coisa que não o murmúrio grave da voz de Lei. Era muito fácil pensar em Jax, lembrar como sua voz soara na última vez em que havia dito que me amava. Jax me consumira desde o momento em que pousara os olhos nele pela primeira vez. Não sabia como seria capaz de abrir mão dele. Também não sabia como viver com ele. Jax não ia se integrar à minha vida tão facilmente. Eu que teria que fazer mudanças para acomodá-lo. Por que não podia ter me apaixonado por uma pessoa mais fácil?


Alguém que trouxesse um pouco de graça à minha vida, em vez de um monte de problemas. “Gianna.” Ergui os olhos e vi Lei saindo da sala, os lábios contraídos pensativamente. “Sim?” Preparei-me para o golpe. Quando ia ter a oportunidade de gerenciar um projeto da magnitude daquele? “Chad acabou de ter uma reunião com Jackson Rutledge”, anunciou ela. Minhas costas se empertigaram e minha barriga gelou. Merda. Jax estava passando a perna em mim de novo? “Pra quê?” “Ele ofereceu um investimento de três milhões de dólares.” Fiquei boquiaberta. “O quê?” O que aquilo significava? Ele estava tentando roubar Chad? Como era possível, se Chad já tinha assinado com Lei? Lei franziu a testa. “Basicamente, Jackson está oferecendo alguns milhões de dólares como garantia de que não vai sabotar Chad.” Fitei minha chefe, tentando assimilar a novidade. Ela deu de ombros. “Chad vai pedir aos advogados dele para dar uma olhada nos termos, mas vai me mandar a papelada também. Quer ter certeza de que não vai haver nenhum conflito.” Concordando lentamente com a cabeça, olhei de relance para minha gaveta, pensando no celular dentro dela. “Ele não falou nada de querer trabalhar com outra pessoa”, acrescentou ela. “E não tem motivo para isso, se a oferta for legítima.” “Certo.” Foi o que falei, mas ainda estava tentando entender as ramificações do que Jax havia feito. “Presumo que você tenha falado de suas preocupações em relação a Chad?” Fiquei de pé lentamente e assenti. “Mas não tinha a menor ideia de que ele ia fazer isso. Juro.” “Posso ver pela sua cara.” Lei me examinou por mais um instante.


“Parece que Jackson está limpando o caminho para você.” “Sim.” Era uma loucura. Onde estava a pegadinha? Era muito deprimente ter que me fazer aquela pergunta. Como podia amá-lo mais que tudo se estava o tempo todo tentando identificar alguma coisa em suas atitudes? Meu telefone tocou, e eu atendi, feliz de poder desviar do olhar perscrutador de Lei. “Gia.” A voz de Jax me fez mergulhar numa agitação ainda mais intensa. “Vamos conversar com sua família hoje depois que o restaurante fechar. Tenho muito trabalho, então encontro você lá. Um motorista vai ficar com você até a hora de ir para o Rossi’s. Ele vai começar a levar para a cobertura as coisas de que você vai precisar até o fim de semana, quando a gente vai poder pegar o que estiver faltando. Eu…” “Jax. Quer ir mais devagar?” Deixei-me cair na cadeira, sentindo-me exausta. Ele ficou em silêncio por um instante. “Demorei dois anos.” “Pois é. Dois anos de absolutamente nada. Nenhuma palavra sua. E agora, de uma hora para outra, está atropelando minha vida, e estou um caco. Exausta. Não consigo pensar nem avaliar direito as coisas.” “E o que tem para avaliar?”, respondeu ele, parecendo irritado, o que só me enfureceu ainda mais. Endireitei-me na cadeira, mas mudei o tom da voz, odiando ter uma conversa pessoal no trabalho, mas incapaz de me segurar. Fazia horas que vinha cozinhando em fogo baixo e agora estava afinal fervendo. “O motivo de você ter demorado tanto! Por que agora? Por que está lutando por mim agora?” “Porque você finalmente está lutando por mim!”, revidou ele. “Você estava feliz com como as coisas eram em Las Vegas. Queria que continuassem daquele jeito. Provavelmente pensou que a gente passaria um ou dois anos naquele ritmo para ver no que ia dar. E isso não ia acontecer, Gia. Estávamos só adiando o inevitável. Mais um pouco e alguém teria descoberto e começado a seguir e a explorar você enquanto eu estava


a milhares de quilômetros de distância. Acho que deixei as coisas se alongarem mais do que deviam.” “A gente podia ter conversado a respeito!” “E o que você ia fazer? Sair da universidade? Mudar para a Virgínia comigo? Estava pronta para isso na época, se não está agora? Acho que não.” “Você nunca me deu a chance!” “Mentira. Você teve todas as chances, Gia. Esperei até você decidir se valia a pena lutar por nós. Não teve um dia em que não torci por uma ligação sua ou que você simplesmente aparecesse. Nunca me deixou nem um recado furioso na caixa postal. Ligou algumas vezes, mandou uns emails e só. Desistiu.” “Ah, então era um teste?”, retruquei, furiosa. “Você partiu meu coração para me testar?” “Talvez. E não vá pensando que não fiquei com raiva de ter precisado vir até aqui para você finalmente dizer que queria mais.” “Você é um babaca!” “Nunca disse que não era.” Meus olhos se encheram de lágrimas. Aquilo foi a gota d’água. Estava no trabalho. Não ia cair no choro na mesa, não quando qualquer um poderia passar e me ver. “Tenho que ir.” Desliguei. Lei, graças a Deus, tinha voltado para sua sala em algum momento. Fiquei de pé por um instante, tremendo de raiva e mágoa. Não podia acreditar que Jax estivesse me culpando pelo tempo que tínhamos passado separados. Fechei os olhos, respirei fundo algumas vezes e me forcei a afastar a dor. Tranquei todas as emoções que sentia e me concentrei no trabalho diante de mim. “Vá à merda, Jax”, sussurrei baixinho ao voltar para minha cadeira. Então me enterrei no trabalho.


Uma Mercedes preta estava esperando por mim ao final do expediente. O motorista que esperava junto a ela tinha um olhar atormentado e perigoso, apesar do terno impecável, então tive certeza de que trabalhava para Jax. Sua postura gritava “segurança”, e seus olhos se cravaram em mim com tanta ferocidade que pude senti-los apesar dos óculos escuros espelhados. Teria Jax escolhido de propósito alguém para me intimidar? Era outra tática? Outro teste? Estava sendo apresentada a muitos lados de Jackson Rutledge nos últimos dias. Estivera apaixonada por uma miragem o tempo inteiro? O motorista acenou bruscamente e abriu a porta traseira. Entrei e me deixei cair no assento de couro macio. Fechei os olhos e desejei estar em casa. Queria me jogar na cama e ligar para Lynn, minha amiga em Las Vegas. Ela estava lá quando vi Jax pela primeira vez. Se alguém podia me ajudar a colocar as coisas em perspectiva, era Lynn. O motorista ligou o motor e saiu com o carro. Sabendo que íamos enfrentar um longo caminho na hora do rush, repassei os últimos dias na cabeça, organizando minhas ideias para tentar ter um mínimo de coerência quando falasse com ela. Pouco tempo depois, percebi que estávamos entrando num estacionamento subterrâneo. Abri os olhos, ajeitei-me no assento e reconheci o prédio de Jax. “Achei que estava indo para minha casa”, disse ao motorista. “Disseram para trazer você aqui.” Quase discuti, mas sabia que não era culpa do cara. Jax estava me tirando do sério. Se ele não era inteligente o suficiente para deixar que eu me acalmasse antes de se encontrar comigo, então teria o que merecia. Um dos manobristas abriu a porta para mim, e saltei do carro. O motorista me levou até o elevador, digitou o código da cobertura e então me deixou sozinha. As portas se abriram no último andar, e Jax estava esperando por mim no hall. Vê-lo me atingiu em cheio. Ele havia tirado o paletó e desabotoado o colete. A gravata estava


afrouxada e o botão de cima da camisa estava aberto, expondo a pele bronzeada do pescoço. As mangas estavam arregaçadas, exibindo os poderosos antebraços cheios de veias. Estava vestido como um empresário, e ainda assim exalava a virilidade potente de um homem no auge. A luxúria permeou minha raiva e minha frustração. “Coloque a palma da mão no teclado”, ele ordenou, apontando para o painel de segurança ao lado da porta da frente. Cerrando os dentes, passei por ele, os saltos estalando no piso de mármore. Bati a mão contra o vidro, e o dispositivo apitou três vezes. “Gianna Rossi, padrão reconhecido e salvo”, disse uma voz feminina computadorizada, e a porta da frente se abriu. Saí pisando duro pelo apartamento, tensa e pronta para a briga. Ouvi-o fechar a porta atrás de mim. Esperei que dissesse alguma coisa, mas Jax só caminhou por mim, sua passada confiante e sensual. Ele se portava como um homem que gostava de foder e que sabia que o fazia bem. Essa arrogância sexual sutil sempre me deixara excitada. Mesmo com raiva, eu não era imune a ela. Parando na bancada de metal e vidro diante da parede envidraçada, ele serviu um líquido âmbar de uma garrafa de cristal num copo baixo. De costas para mim, deu um gole. O silêncio se estendeu, pesando na sala. Larguei a bolsa numa das poltronas de couro preto e cruzei os braços, estudando-o, esperando por ele. Ainda assim, Jax permaneceu ali como se estivesse sozinho. Por fim, eu disse: “Achei que você tinha que trabalhar até tarde”. “Eu tenho”, respondeu ele, calmamente. “Então, por que estamos aqui?” Jax exalou duramente. “O que foi que você disse em Atlanta? Algo sobre o que temos faz valer a pena o trabalho.” “Não aja como se eu tivesse algum poder ou controle sobre o que está acontecendo aqui. É você quem está controlando tudo, e eu só sou arrastada de um lado para o outro.”


Jax enfim virou-se para mim. “Eu conserto as coisas, Gia. Você sabe disso.” “Não é só isso! Não é só sobre Chad e minha família. É sempre assim com a gente. Você diz quando e como, onde e por quanto tempo. Eu não tenho escolha. Controle nenhum.” Ele fechou a cara e deu um passo na minha direção. “É isso que você acha? Você me pegou de jeito, Gia!” “Se isso é verdade, não é o que eu quero. Quero que a gente seja um time, Jax. Não quero nenhum dos dois se sentindo à mercê do outro.” Ele pousou o copo na mesa de centro e se aproximou. “Estou completamente à sua mercê”, disse, baixinho, os olhos tão escuros que pareciam pretos. “Passei o dia inteiro me sentindo como se cada passo que dou para me aproximar só afasta você mais. Posso sentir que está tentando me evitar… manter distância. Não suporto isso.” “E eu me sinto como se estivesse lidando com um estranho. Não reconheço você quando está desse jeito. E não posso deixar de me perguntar se cheguei a conhecer você um dia. E, se não conheci, por quem estou apaixonada?” “Meu amor.” Ele segurou meu rosto com ambas as mãos e encostou os lábios nos meus, roçando-os de um lado a outro. Uma vez, duas. Então os lambeu, o hálito quente e úmido, o gosto intensificado pela bebida. Murmurei e deitei a cabeça, tentando aprofundar o beijo. Uma de suas mãos desceu até minha nuca, e com a outra ele me segurou pelo quadril. Seu toque era quente e me deixou toda arrepiada. Ele me apertou, e meus seios ficaram sensíveis. Respirando fundo, deixei seu cheiro me invadir. Senti meu corpo despertar em resposta, reconhecendo Jax como a única coisa que desejava e à qual não podia resistir. Ergui a mão e corri os dedos por entre seu cabelo grosso e escuro, puxando-o para junto de mim. “Você me conhece, Gia”, sussurrou ele contra meus lábios. “Você me ama.” “Jax…” Apertei meu corpo contra o dele, apoiando-me contra seus


músculos fortes e tensionados. “Será que cometemos erros demais?” “Talvez.” Sua boca moveu-se ao longo de meu queixo até o pescoço, chupando-me de leve. “Mas sempre fomos bons numa coisa.” Seu braço envolveu minha cintura, e ele moveu os quadris, roçando o membro rígido contra minha barriga. Meu sexo se contraiu, sedento por ele. “Não podemos ficar na cama o tempo todo”, observei, lembrando os fins de semana em Las Vegas, quando mal conseguíamos nos separar um do outro. Jax me ergueu, aninhando-me junto ao seu peito como se eu não pesasse nada. “Dois anos separados e ainda estamos apaixonados. Vai ser mais fácil quando estivermos juntos.” “Não é como tem sido até agora.” Ainda assim, chutei os sapatos para longe. Ele seguiu em direção ao quarto. “Por isso estou pulando para a parte em que te lembro do motivo por que tudo isso vale a pena.”


5

Uma hora antes, teria dito que as chances de Jax conseguir me levar para a cama eram inexistentes. Naquele momento, no entanto, com seu rosto maravilhoso tomado pelo desejo e seus olhos suavizados pelo afeto, não queria mais nada além de esquecer tudo menos o jeito como ele me fazia sentir. Queria que ele me lembrasse do que tivéramos um dia, daquilo a que eu havia me aferrado tanto e esperava ter de novo. Jax me deitou na cama e se aproximou, colocando um dos joelhos no edredom. Tirou uma mecha de cabelo do meu rosto, e seu olhar desceu para onde sua outra mão estava, deslizando por minha coxa, sob minha saia. “Quero você nu”, eu disse. Sua boca, aquela boca perversa de tão sensual que me deixava louca, curvou-se num sorriso de satisfação. “Ah, é?” Estiquei-me, sabendo que isso ia atiçá-lo. Quando ele rosnou baixinho, devolvi um sorriso presunçoso. Segurando-me por trás do joelho, Jax ergueu minha perna para o lado, fazendo minha saia subir e expondo a cinta-liga e a calcinha. Ele lambeu os lábios. “Linda… Vou adorar ver você se arrumar para o trabalho de manhã.” Ocorreu-me então que íamos compartilhar momentos cotidianos como aquele e ansiei por isso. Queria o homem que tivera tão brevemente. “Você ainda está todo vestido.” Jax endireitou-se e tirou o colete, deixando-o cair no tapete. Desfez o nó da gravata de seda e puxou-a até se juntar ao colete no chão. Quando começou a abrir a camisa, apoiei-me nos cotovelos para ver. Um ruído grave de prazer escapou de meus lábios.


Jax parou, erguendo a sobrancelha. Havia um brilho em seus olhos que fazia minhas pernas mexerem-se, inquietas. Ele sabia que era maravilhoso, sabia o quanto eu gostava de olhar para ele. “Não pare”, ordenei. “Adoro quando você me olha assim.” Jax abriu mais um botão. Mordi o lábio inferior. Ele sempre se manteve em forma, mas estava mais forte. Mais definido. A pele dourada esticada sobre os músculos. Queria correr os dedos sobre cada centímetro dele… lambê-lo como uma sobremesa… fazê-lo sentir o quanto o amava. Tirou a camisa, e eu me mexi, ficando de joelhos para me aproximar dele. Jax gemeu quando minhas mãos acariciaram seus ombros e então desceram até os bíceps, apertando e acariciando. “Como é possível?”, perguntei em voz alta. “Você está mais bonito do que antes, e já era um deus naquela época.” “Meu amor.” Ele tomou minha boca na sua e me tirou o fôlego, a língua deslizando e me lambendo. Sedenta, minhas mãos correram por seu peito e os músculos do abdome, traçando cada plano e cada reentrância. “Você é tão forte”, arfei, querendo sentir todo aquele mármore quente e sedoso contra meu corpo. “A malhação do sexualmente frustrado.” Ele me pegou pelo pulso e pôs minha mão em torno de sua ereção pulsante, esfregando-a nela. “Para deixar meu corpo exausto, porque não tinha você, e os sonhos eróticos estavam acabando comigo.” Envolvi-o na mão, acariciando-o da base até a ponta. “Não tão frustrado assim”, murmurei, pensando nas mulheres que tinham dormido com ele, as mulheres que tiveram o que era meu. “Pelo menos em duas ocasiões.” Agarrando-me pelo rabo de cavalo, Jax puxou minha cabeça para trás para me fitar nos olhos. “Sempre”, disse ele, ferozmente. “Você me estragou para as outras mulheres, Gia.” “Bom saber.” Beijei seu ombro. “Você ainda está vestido.” “Tira pra mim.” Ele soltou meu cabelo, os dedos deslizando por entre os fios. Minhas pálpebras tornaram-se pesadas, meus sentidos ficaram


embriagados com a fome sexual que irradiava de Jax. A sensação das pontas de seus dedos massageando meu couro cabeludo varou meu corpo. Cada palavra que ele falava… cada movimento de seu corpo… tinha a intenção de me seduzir. E estava funcionando. Eu me atrapalhei com o zíper invisível de sua calça, mas depois a abri, revelando a cueca boxer preta. Seu pau estava duro e pronto, a ponta espreitando acima do elástico da cintura. Brilhando com líquido seminal e me chamando, incitando-me a baixar a cueca. Um som suave e sedento encheu o ar entre nós. Jax era lindo em toda parte. Lindo, grande e duro. De pé ali, com a calça aberta, o pau descaradamente exposto e ereto, o corpo forte e poderoso, era a coisa mais erótica que eu já tinha visto. Eu o queria dentro de mim. Ele baixou o zíper da minha saia, em seguida, voltou-se para os botões da minha blusa. O tempo todo, seus lábios estavam em meu pescoço, a língua deslizando sobre minha pulsação acelerada. “Vou chupar você”, ele prometeu, sussurrando contra minha pele úmida. Passei as mãos ao redor dele e encontrei-o quente e úmido. Estava tão excitado que líquido seminal pingava num fluxo constante. Sua virilidade era um afrodisíaco potente, deixando-me tão quente e úmida quanto ele. Meu sexo estava escorregadio de vontade, contraindo-se de fome, querendo ser preenchido com o membro grosso que eu acariciava com tanto carinho. Trazendo meus dedos até a boca, provei-o, sentindo-me intoxicada por seu sabor rico e inebriante. Ele me olhava, xingando baixinho. Suas mãos se fecharam na seda da minha blusa e os botões voaram, rolando pelo chão. “Queria você nua”, ele murmurou, agarrando-me pela cintura e me virando de bruços na beirada da cama. “Fica para a próxima.” Subindo minha saia, ele expôs minha bunda. Então segurou a parte de trás do meu joelho e empurrou minha perna para cima, abrindo-me. Suas


mãos seguiram para as curvas idênticas da minha bunda, apertando-a. Sua respiração soprou quente e rápida em minha pele sensível, os dentes arranhando de leve e mordendo. “Você foi feita para foder”, ele disse, com a voz rouca. “Pra me enlouquecer.” Jax deslizou um dedo por baixo da renda da minha calcinha, correndo-o desde o meio das minhas costas até a carne úmida entre as minhas pernas. Roçou o dedo no meu sexo, e eu tremi, ofegando com uma vibração que me sacudiu. A renda rompeu-se em seus dedos, e me sobressaltei com o puxão rápido e brusco contra minha pele e o som cortante do tecido sendo rasgado. Ele deitou em cima de mim, seu corpo febril cobrindo minhas costas, as mãos me enlaçando por baixo para segurar meus seios. O pau estava quente e grosso em minha bunda, e ele moveu-se, empurrando-o para dentro de mim. A sensação de ser dominada, de estar impotente, me deixou pronta para o orgasmo. Um homem tão furiosamente excitado que rasgara minhas roupas me tinha aberta para seu deleite. O desejo de Jax era atordoante e irresistível. Ele amava meu corpo tanto quanto eu amava o dele. Talvez mais, o que parecia impossível, mas Jax sempre me fazia sentir assim. “Não para”, implorei, balançando os quadris lentamente contra ele. “O que você quer, linda?”, ele murmurou, massageando meus mamilos tesos com dedos habilidosos. “Me diga do que precisa.” Eu estava arfando, retorcendo-me, excitada pela sensação de seu saco sobre os lábios molhados do meu sexo. “Me fode, Jax. Me fode com força.” Ele esfregou o nariz contra minha têmpora. “É isso que você quer?” Ajeitando os quadris, a cabeça enorme de seu pau tocou a abertura esticada do meu corpo. Ele aumentou a pressão, empurrando a pontinha para dentro de mim, abrindo-me para a penetração iminente do membro duro. Gemi e apertei os olhos com força, trêmula. Ele estava em todos os lugares. Em cada respiração minha… em cada centímetro da minha pele…


“Tão apertadinha, linda”, gemeu por entre os dentes, saindo e entrando mais fundo. Devagar, com movimentos fáceis que iam me abrindo a cada investida. Ele gemeu e agarrou desesperadamente meus quadris que se moviam, mantendo-os firmes no lugar enquanto entrava mais fundo. “Apertada e molhadinha… Nossa, que delícia. Vou gozar tão gostoso em você. Vou te encher toda.” Enterrei as unhas no edredom. Meus olhos se abriram, mas não enxergavam nada. Meus lábios se entreabriram em busca de ar para meus pulmões ofegantes. Lutei contra seu aperto, querendo-o mais rápido e mais forte. De canto de olho, notei um movimento e nos vi refletidos no espelho que havia dentro do closet. Meu corpo se retesou, tentando puxá-lo para onde eu o queria. Jax virou a cabeça, acompanhando meu olhar, e parou, admirando a visão de seu corpo recurvado sobre o meu, a calça pendendo de suas coxas. Era uma imagem obscena e decadente. Eu, imprensada e ainda vestida, penetrada por seu pau imenso; a bunda de Jax firme e contraída com a força de cada investida, os bíceps fortes flexionando-se à medida que ele apertava meus seios, as costas brilhando com uma camada fina de suor. Sua boca se curvou num sorriso perverso. “Você gosta de me ver te comendo.” Para provar seu ponto, saiu e entrou de novo, o corpo inteiro contraindo-se ao afundar dentro de mim. Gemi. Meu sexo sugou com ganância seu pau; meus mamilos se contraíram dolorosamente sobre suas palmas. “Ah, gosta sim”, murmurou ele numa voz sedutora e sombria. “Vou instalar um espelho de teto, linda. Você vai me ver venerando esse corpinho sexy todo dia e toda noite. Não vai esquecer nunca por que está aturando o mundo fora da cama. Vai ficar gravado no seu cérebro. Toda vez que abrir os olhos, vai me ver montado em você até não aguentar mais gozar.” Atingi o clímax. Não podia parar. Gritei alto, enquanto a tensão finalmente se aliviava, o prazer dobrando minha coluna num arco teso


contra o peito de Jax. Ele rosnou e perdeu o controle, fodendo-me forte e rápido, entrando fundo e explodindo com um palavrão. Seus dentes se enterraram em meu ombro. Jax gozou dentro de mim, seguindo meu orgasmo com gemidos exaustos, o corpo tremendo violentamente com a força de suas ejaculações. Foi intenso demais. Eu não podia ver, não podia pensar. Minhas unhas cravaram-se no edredom, instintivamente tentando me afastar da enchente de sensações, do pau jorrando que ainda entrava em mim, fazendo-me receber mais… sentir mais… quando eu não podia aguentar. Jax me manteve com ele, presa e possuída, uma prisioneira por minha própria vontade à necessidade infinita que existia entre nós. Jax terminou de tirar minha roupa, limpou o sêmen com um lenço e me ajeitou na cama. Permaneci mole e sem ar, ligeiramente irritada que ele pudesse se mexer e pensar, enquanto eu era uma massa descerebrada de endorfinas pós-orgásticas. “Você é um chato”, eu disse, quando enfim se deitou na cama ao meu lado, maravilhosamente pelado. Jax descansou a cabeça na palma de uma das mãos e sorriu, os dedos da outra descendo lentamente por entre meus seios para circular meu umbigo. “Acho que você não notou os dez minutos de que precisei para conseguir ficar de pé.” “Na próxima, vou nocautear você”, murmurei. “Humm…” Aproximou-se de mim e beijou minha boca. “Fico feliz que vai haver uma próxima. E muitas outras depois. Você tem dois anos de atraso para compensar.” Estreitei os olhos. “Não vou levar a culpa. Você foi embora. Foi você quem desistiu.” “Então eu tenho dois anos de atraso para compensar.” Ele subiu em cima de mim, abrindo minhas pernas com os joelhos e se acomodando entre elas. “Melhor começar logo.”


Erguendo o braço, tirei seu cabelo da testa. Ele ficava ainda mais estonteante depois do sexo, o rosto mais suave e mais jovem, os olhos vívidos e o sorriso com um encanto infantil. Jax parecia feliz, e me apertava o coração que eu pudesse fazer aquilo com ele sem nem tentar. Ele virou a cabeça e beijou a palma da minha mão. “Eu te amo.” “Jax.” Meus olhos arderam com lágrimas. “Costumava sonhar com você dizendo isso para mim.” “Eu disse muitas vezes”, confessou. “Enquanto você estava dormindo.” Isso doeu mais do que pensar que ele nunca sentira nada por mim. “Será que um dia vou entender por que você fez a gente passar por aquele inferno?” A luz em seu olhar abrandou-se. Seu sorriso esvaiu-se. “Infelizmente, sim.” A tensão dominou seu corpo imponente, e me arrependi de ter levantado a questão. Envolvi seus quadris com as pernas, apertando-o junto de mim. “Vamos combinar uma coisa: nunca trazer nada além de nós para a cama”, murmurou ele, brincando com o nariz junto do meu rosto. “Quero que a gente tenha um lugar onde só haja nós dois, um lugar onde possa lembrar que nada mais importa quando temos o que temos.” Assenti, acariciando suas costas. Enterrei o rosto em seu pescoço e inalei seu cheiro, deixando o aroma familiar e tão querido de sua pele aferrar-me ao momento. “Eu topo. Mas vou logo avisando que se você não começar a me incluir, não vamos chegar à cama.” Seus lábios se curvaram num sorriso contra minha pele. “Você é dura, srta. Rossi.” “Pode apostar.” Senti suas costas se retesarem sob minhas mãos. Jax começou a se mover dentro de mim com um gemido ofegante. “Mas eu também sou”, ele disse, numa voz gutural.


Desaparecendo dentro de um dos roupões de Jax, dei um gole na taça de vinho e fiquei olhando enquanto ele fatiava frios e queijos. Como seria de esperar, sua enorme geladeira estava praticamente vazia. “Você nunca morou com uma mulher antes?”, perguntei. “Não.” Assenti, admirando-o em sua calça de pijama folgada. “Não está preocupado com sua privacidade?” Ele olhou para mim, os olhos escuros penetrantes encobertos pelas mechas do cabelo despenteado. “Não.” “Este lugar é bem… estéril. Não acha que pode se incomodar de ver meus sapatos jogados aqui, minha bolsa na cadeira, ou…” “Sua calcinha no tapete, porque a arranquei para transar com você?” Ele se endireitou. “Não, não vou me incomodar. Está mudando de ideia?” Dei outro gole no Riesling antes de responder. “Só tenho medo de que esteja pensando tanto em mim que não considere como isso vai afetar você.” Jax baixou a faca e pegou a própria taça, parecendo perigosamente casual, avaliando-me com seus olhos. “Do que você tem medo, Gia?” Ponderei sobre a melhor maneira de dizer o que pensava. “Sei que está preocupado com o que vai acontecer fora de casa. Mas estou mais cismada com o que vai acontecer aqui dentro. Vai tudo bem até você começar a se irritar com a realidade do dia a dia ao lado de outra pessoa.” Jax recostou-se na bancada, cruzando os tornozelos. Erguendo a taça de vinho, parecia relaxado e à vontade, o que estava longe de ser o caso. Concentrou-se em mim, desnudando-me com aquele olhar penetrante. “Tipo o jeito como você espirra água para todo lado quando está lavando o rosto?”, perguntou, numa voz arrastada. “Ou como deixa os pratos sujos na pia, porque tira os limpos da máquina um por um, conforme precisa? Ou como tem carregadores de celular nas tomadas de todos os cômodos da casa, assim você não nunca precisa ir muito longe? Ou como vou tropeçar nos sapatos que você larga para tudo o que é lado?” Pisquei. “Humm… é.”


“Só porque gosto de olhar para sua bunda, linda, não significa que não estava prestando atenção ao restante quando estávamos em Las Vegas.” Ele sorriu. “Se está mesmo preocupada em me incomodar, a gente pode pensar no que você vai fazer para mim quando isso acontecer.” Revirando os olhos, murmurei: “Seria a sua cara”. “Só reparou agora? Gia, você precisa ser mais atenta.” Tive que conter o riso. “A gente vai comer ou o quê?” “Você vai parar de se preocupar?” “Depois de um tempo, espero que sim.” Deslizei os dedos ao longo da haste da taça. “Estamos juntos há seis semanas ao todo. Em circunstâncias normais, não estaríamos indo morar juntos. É cedo demais. Você pode até me dizer que não acha grande coisa e que está pronto, mas tenho que ver para crer.” “Muito justo.” Ele se endireitou novamente. “Talvez, sob circunstâncias ‘normais’, a gente tivesse se revezado entre minha casa e a sua por alguns meses, fingindo que não estávamos apressando as coisas, mas nunca passaríamos uma noite separados. Não temos o autocontrole para isso.” “Talvez”, cedi. “Mas você não é o tipo de cara que gosta de ser forçado a nada.” “Eu tinha outras opções.” Ele baixou a taça na bancada e aproximou-se de mim com um passo lento e determinado que me fez contrair os dedinhos do pé. “Eu poderia ter ido embora. Poderia ter reforçado a segurança no seu apartamento ou colocado você em outro lugar, ou até deixado que se virasse sozinha.” Jax parou na minha frente, soltando o cinto do meu roupão e expondo meu corpo. Ele umedeceu os lábios, as pálpebras pesadas de excitação. Levando as mãos aos meus joelhos, abriu minhas coxas. O ar frio acariciou meu sexo, à medida que seus polegares deslizaram ao longo da parte interna das coxas. “Eu poderia ter aceitado sua oferta e ser o cara para quem você liga quando sente falta disso.” Envolvi as pernas ao redor de sua cintura e o puxei para perto de mim. “Eu poderia não ligar.”


“Você seria tão cruel assim?” Jax colocou o pau pesado para fora da calça. Segurando-o numa das mãos, preparou-se para mim. Fiquei excitada, extasiada pela visão de sua mão acariciando a ereção grossa e cheia de veias. “Teria me segurado o máximo que conseguisse.” “Eu ia mandar mensagens sensuais, ligar, seguir você… De jeito nenhum ia sofrer sozinho.” Seus lábios roçaram minha testa, e ele sussurrou: “Posso entrar de novo?”. “Você está mesmo tentando recuperar o tempo perdido, não é?” “Não tenho culpa do que você faz comigo.” Ele correu a cabeça inchada pelos lábios do meu sexo, roçando o clitóris. “No instante em que apareceu naquele bar em Las Vegas, eu era um homem perdido.” Agarrei-me ao assento do banco do bar em que estava sentada. “Mentiroso. Meia dúzia de caras rondando a cidade numa despedida de solteiro. Você estava à caça de sexo, não importava o quê.” “Estava”, concordou ele, sorrindo. “Você também.” “Peguei o cara mais gostoso do bar”, respondi, sem fôlego, contorcendome à medida que ele me provocava com golpes lânguidos da cabeça aveludada de seu pau. “Peguei a garota mais gostosa do mundo.” Sua língua lambeu meus lábios entreabertos, numa provocação descaradamente erótica. “Você me deixou louco. É humilhante pra burro ficar exibindo uma ereção gigante por horas.” “É impossível não notar.” Sorri, lembrando-me da sensação de frio na barriga. “Você é enorme.” “Você me quer?” Fiz que sim com a cabeça. “Quis na época também. Levei você pra minha casa, não foi? Achei que podia ser desrespeitoso, mas não resisti.” Jax se insinuou em meu sexo molhado com um gemido grave. “Teria seguido você por dias e dias, se fosse necessário. Não ia admitir não ter você.” Apertei as pernas, puxando-o para mais perto, tremendo à medida que ele deslizava implacavelmente dentro mim. Sussurrei seu nome, extasiada


pela vulnerabilidade que sentia toda vez que me possuía. “Gia. Linda.” Jax segurou minha nuca com uma das mãos e agarrou meu quadril com a outra, apertando-me com força enquanto girava os quadris, fazendo os tecidos escorregadios se abrirem para ele ir mais fundo. “Está sentindo isso? Estou entrando em você, mas parece que está deslizando em volta de mim. Toda vez é como se você estivesse deslizando por mim.” “É o que eu quero.” Minhas unhas cravaram-se em suas costas, os dedos contraídos. “Quero possuir você, Jackson.” “Bruxa”, gemeu ele por entre os dentes cerrados, a mandíbula apertada. “Achei que ia levar você para a cama, foder esse seu corpo incrivelmente sexy até o dia seguinte e voltar para casa com um sorriso. Mas você me comeu e me cuspiu. Eu não teria conseguido sair da sua cama nem se quisesse e teria implorado para ficar se tivesse tentado me expulsar.” “Rá! O que me diz como você é manipulador.” Engoli em seco quando ele me preencheu em cheio, uma alegria selvagem se espalhando por mim. “Não tinha ideia. Fiquei achando que você era um medalhista em maratona sexual.” Seu olhar percorreu gentil meu rosto corado. “Eu estava faminto, linda, me alimentando de restos, e você foi minha primeira refeição de verdade. Eu precisava de você, Gia, e continuo precisando.” “Também preciso de você.” Muito. Demais. Só de estar na mesma sala que ele fazia eu me sentir viva. Segurando-me pela bunda, Jax me ergueu e me levou até o sofá, onde me esparramou, sem nunca sair de mim, assomando-se sobre meu corpo como um deus dourado. “Não se esqueça disso”, disse, com a voz rouca, e, com os dedos trêmulos, afastou o cabelo da minha testa. “Quando as coisas ficarem difíceis, não se esqueça de que preciso de você.” Vi a preocupação em seus olhos, a preocupação que me pedia para não sentir, e senti um aperto no coração. Então Jax começou a se mover dentro de mim, cavalgando-me com golpes fortes, mas suaves, e me deixei levar por completo.


6

“Tem algum problema com a vista do seu apartamento, cara”, disse Nico, baixando uma das caixas com minhas coisas junto à bancada da cozinha e seguindo para a janela. “Tem céu demais, e você não pode vigiar os vizinhos.” “Tenho toda a vista de que preciso bem aqui”, retrucou Jax, abraçandome pela cintura assim que segui meu irmão para dentro do apartamento dele — do nosso apartamento. “Eca”, murmurou Vincent, passando pela porta aberta com duas malas. “Onde coloco isso?” “Em qualquer lugar”, respondi, contorcendo-me à medida que Jax mordiscava meu pescoço. Era uma linda manhã de sábado, um dia perfeito para estar na rua. Fazer uma mudança parecia um desperdício, mas eu não estava reclamando. Nem minha família, o que eu considerava um pequeno milagre. Jackson Rutledge era capaz de vender areia no deserto. Ele não chegou a falar em compromisso para a vida toda, ainda assim, quando sentamos para conversar na quinta à noite, depois de o restaurante fechar, ele foi capaz de transmitir um desejo sincero e apaixonado de ficar comigo. Acho que nós dois percebemos que minha família ouviu as primeiras notas da marcha nupcial, mas Jax não pareceu pressionado pela expectativa. Quanto a mim, estava fazendo muita força para conter minhas esperanças. Na sexta-feira, no trabalho, quando contei a Lei o que ia acontecer, ela me desejou boa sorte no trabalho, mas foi visivelmente lacônica. O que era complicado para mim, porque passara a buscar e depender de sua aprovação. “Parece que cheguei bem na hora.”


Senti Jax se enrijecer ao ouvir o som da voz do pai. Seu abraço perdeu a força, e ele aprumou o corpo, soltando-me para virar e encarar Parker Rutledge. “Trouxe cerveja”, comentou ele, erguendo uma caixa. Seu sorriso era amplo, o rosto surpreendente pela semelhança com o filho. Parker estendeu a mão para Vincent e se apresentou, então se virou para mim. “Aqui está ela, a razão pela qual meu filho não para de sorrir. É bom ver você de novo, Gianna.” “Oi, sr. Rutledge.” “Parker, por favor.” Ele abriu a caixa e passou uma garrafa para Vincent, então atravessou a sala de estar para cumprimentar Nico. “Vi o outro Rossi lá embaixo na entrada. Parecia estar fazendo uma aposta com o porteiro.” Lancei um olhar de relance para Jax e vi seu rosto se fechar numa máscara impenetrável, a atenção fixa no pai, observando enquanto Parker passava uma cerveja para meu irmão mais velho. “Vamos marcar alguma coisa com todo mundo na semana que vem”, disse Parker, lançando um olhar geral. “Seus pais também, claro. E Regina.” “Os Rossi são tão ocupados quanto a gente”, comentou Jax, seco. “Talvez até mais.” “Claro. O mais puro empreendedorismo norte-americano.” Parker pousou a caixa de cerveja na mesinha de centro e pegou uma para si próprio. “Mas na certa a gente consegue combinar alguma coisa. Família é família, afinal de contas.” Os olhos escuros e pensativos de Nico encontraram os meus. Ele deu de ombros. “Claro. Por que não?” Depois que todo mundo saiu, Jax se enfiou em seu escritório, deixandome com minhas coisas para guardar onde quisesse. Não conversamos a respeito, mas estava certa de que ele tinha outros planos para sábado antes de o pai aparecer. Ficava boba de ver como Parker Rutledge entrava num lugar como um raio de sol e seu filho se tornava gélido na mesma hora.


Qual seria a história por trás daquilo? Por que toda vez que o pai aparecia isso automaticamente abria uma distância entre nós? Em uma hora, eu havia tirado tudo das malas e estava perambulando por um lugar desconhecido sem nada para fazer. Pensei em ver TV, mas decidi procurar na internet horários de cinema e restaurantes. Não ia deixar Parker destruir meu primeiro fim de semana com Jax. Deixando-me cair no sofá, estiquei os pés descalços na mesa de centro e equilibrei o computador nos joelhos. Mal tinha digitado minha senha e Jax apareceu. “Oi”, falei para ele. Meu sorriso desapareceu assim que vi a tensão em seus olhos e em sua boca. “Tudo bem?” “Tudo. Por quê?” “Seu cabelo está lindo, todo despenteado.” As mechas escuras estavam rebeldes, como se ele tivesse passado as mãos por entre elas para liberar a tensão, algo que adoraria fazer por ele. Lançando-me um olhar tímido, Jax ajeitou o cabelo. “Estava pensando… será que você topa participar de um daqueles eventos incrivelmente entediantes que eu comentei?” “Topo qualquer coisa com você de smoking.” Sua boca se suavizou num sorriso cínico. “Certo.” Fechei o laptop e o coloquei na mesa de centro. “Mas vou ter que fazer compras. Quando é?” “Hoje.” Ergui as sobrancelhas. “Não dava para ter avisado antes?” “Acabei de descobrir”, respondeu ele, entristecido. “A gente pode chamar uma estilista aqui.” “Sério? Quão importante é o evento?” Ele recostou-se na parede no que poderia ser uma pose casual, se não estivesse tão agitado. Quase podia ver a ansiedade irradiando de seu corpo. “Vai ser o primeiro evento com você como minha namorada. Mas, antes que venha com um monte de paranoia sobre eu querer mudar sua aparência, vou logo dizendo que levaria você do jeito que está agora.”


Fiquei de pé e conferi a camiseta branca e a calça capri bege. “Nem vem.” “Linda, com esse corpo, tudo fica bom em você.” Ele cruzou os braços, acomodando-se onde estava. “Só não quero que saia correndo por aí atrás de roupa.” “Posso escolher um vestido pronto, não precisa mandar fazer. A menos que tenha algum problema com isso.” “Seria muito menos divertido para mim. A gente poderia trazer alguém aqui e eu poderia ver você colocar e tirar os vestidos. Se for numa loja, vão me expulsar do provador.” Meus lábios se curvaram num sorriso contido. “Tarado.” “Sou mesmo.” “Quer dizer que você já fez isso?”, perguntei com o máximo de naturalidade de que fui capaz. Não havia deixado de notar que a maior parte dos caras não tinha uma estilista de plantão para a namorada. “Ser expulso de provadores? Em geral, não.” Obriguei-me a relevar. “Que bom. Enfim… Vou só dar uma saída por algumas horas, deixar você trabalhar.” “E passar a tarde cozinhando nessa sua cabecinha se brinco ou não de comprar roupa para todas as mulheres que como?”, perguntou ele, endireitando as costas. “Não quero falar das suas conquistas sexuais.” Peguei minha bolsa da poltrona e olhei ao redor, procurando minhas sapatilhas. “Você só quer ficar com raiva de mim.” Cravei os olhos nele. “Não compre briga comigo só porque tem problemas com seu pai.” “Isso não tem nada a ver com ele.” “Ah é? Porque tenho a impressão de que tudo na sua vida tem alguma coisa a ver com ele.” “Você não”, respondeu ele, baixinho. Perigosamente. Jax diminuiu a distância entre nós. “Para de mudar de assunto e diga o que quer, Gia.” “Não tem importância, Jax. Já sabia que era mulherengo quando conheci você. Vou superar.”


“Tive meus momentos”, concordou ele. “E nenhum deles incluía dar a mínima se a mulher sentia alguma coisa, muito menos para as roupas que estava usando.” Ergui o queixo. “Por que você é sempre tão rápido em soar como o pior tipo de canalha?” Ele deu de ombros. “Só não tenho vergonha de chamar as coisas pelo nome.” “Não, você está tentando pintar um retrato seu que não tem nada a ver com a realidade. Não pode ficar me dizendo que conheço você e insistir que é um babaca.” Soltei a bolsa novamente. “É como se estivesse tentando me convencer de que é alguém que não é.” “Mais como se estivesse tentando lembrar a nós dois quem eu sou.” Jax parou diante de mim e continuou: “O que eu tenho dentro de mim e que está só a espera para sair”. “Acho que seu pai que lembra você disso.” “Você está obcecada pelo meu pai.” “Só não tenho vergonha de chamar as coisas pelo nome”, devolvi. Jax me encarou por um longo período, o corpo tenso à medida que o ar entre nós se tornava mais denso. “O que você não está vendo é que ele e eu temos muito mais em comum do que a aparência.” “Então vamos falar sobre isso.” “Não quero.” “Você só quer brigar.” Ele ergueu o braço e coçou a nuca, o bíceps se contraindo sob a manga da camiseta. Então rosnou. “O que quero é te foder até você não conseguir sentar.” “Jax.” Não consegui resistir e ri. Sua frustração era palpável, e sua reação era tipicamente… masculina. “Você tem sorte de eu ter sido criada com três irmãos, sabia? Boca suja não me assusta.” “Você quer me enlouquecer.” “Você está fazendo isso sozinho, com esse seu transtorno de personalidade múltipla inventado.” Levei o indicador ao queixo. “Espere aí.


Acho que entendi. Vocês são gêmeos. Tem dois de você!” Fechando os olhos, ele esfregou as têmporas com as pontas dos dedos. “Cacete.” “Se eu dormisse com os dois, seria traição?” Jax baixou as mãos e me encarou. “Você ama os dois?” Estendi os braços e toquei seu peito. “Amo você.” Com um suspiro, ele me abraçou e beijou meu ombro. “Imagem é tudo no mundo da política. Às vezes, tenho que ajudar os outros. É por isso que conheço alguns estilistas.” Deslizei as mãos sob sua camiseta e toquei sua pele nua. O tremor quase imperceptível e o gemido grave fizeram meu coração acelerar. “Bom saber.” Queria saber mais. No entanto, pela primeira vez em nosso relacionamento, tínhamos tempo para deixar as coisas caminharem e evoluírem. Dei-me o direito de aproveitar a sensação. Poucas coisas na vida me faziam perder o fôlego, e Jax de smoking estava no topo da lista. Observei-o atravessar o salão com uma taça de champanhe em cada mão, o caminhar ameaçadoramente elegante e indisfarçavelmente sexual. O hotel de Washington estava cheio de homens e mulheres nascidos no mundo da política e das finanças, poderosíssimos. Lustres de cristal enormes irradiavam uma luz que se refletia em joias de valor inestimável e cabelos sedosos, arrumados com perfeição. Taças de cristal batiam umas nas outras em meio ao burburinho de pessoas conversando. No meio de tudo isso, Jackson Rutledge destacava-se da multidão. Seu cabelo era quase tão preto quanto o smoking, a pele levemente bronzeada, os olhos emoldurados por sobrancelhas arrogantemente falhas. O smoking de corte perfeito envolvia seus ombros largos e enfatizava o comprimento de suas pernas. Discretamente, umedeci os lábios. Meu. Jax teria chamado minha atenção de qualquer forma, mas era a


expressão em seus olhos que fazia meu coração disparar. “Esse vestido é lindo”, ele disse, entregando-me uma taça e inclinandose para beijar meu ombro. Meus lábios se curvaram. O vestido dourado fora o primeiro que eu experimentara, e Jax votara nele de cara, balançando a cabeça para os três que coloquei em seguida. Um tubo liso de seda forrada se derramava em meu corpo, mantido a finas alças de contas prendendo-o em meus ombros e minhas costas. A cor me deixara apreensiva no início, mas o vestido insinuava minhas curvas muito bem. “Obrigada.” Jax virou-se para o salão, descansando a mão em meu quadril numa exibição descaradamente possessiva. “A gente pode voar de volta para Nova York em poucas horas. Ou ficar num quarto aqui no hotel.” “Ou se juntar ao clube dos que fazem sexo nas alturas. Afinal, qual é a vantagem de pegar um voo particular se não for para se divertir nele?” Seus dedos se contraíram junto à minha pele. “E, mais uma vez, tenho uma ereção em público. Muito obrigado.” Eu ri e me debrucei em cima dele. “O que você precisa fazer aqui?” “Não sei direito.” Jax deu um gole na bebida. “Quando Parker aparecer, vou ter uma ideia.” “Ele coloca muita coisa sob sua responsabilidade, não é?” Jax deu de ombros, mas vi novamente a tensão em torno de sua boca. Logo ela foi seguida por uma rigidez equivalente em seu tronco amplo, e quando segui seu olhar, vi o motivo. Parker e Regina tinham chegado. Os dois pararam perto da entrada, rodeados por aqueles que queriam interagir com um Rutledge. Havia vários deles presentes, mas Parker era o mago por trás da cortina que todos queriam ver. Ele virou-se para mim e Jax, sorrindo ao cruzar seu olhar com o meu e então voltando-se para o filho. Uma comunicação silenciosa se passou entre os dois. “Me dê um segundo, querida”, murmurou Jax, e se afastou, passando com facilidade por uma multidão que abria caminho para ele.


Observei-o até chegar ao pai, estudando a linguagem corporal dos dois. “Ora, até que você está ajeitada”, disse uma voz familiar ao meu lado. Virando a cabeça, fitei Allison Rutledge, antes Allison Kelsey. Avaliei-a com um olhar, observando as mudanças. Mal a vira na noite em que acompanhara Ian, então aproveitei a oportunidade. Estava mais magra do que quando a conhecera em Las Vegas, e já era magra na época. Aprimorada e aperfeiçoada de uma forma frágil, parecia ter se tornado mais dura e abatida. Havia um cansaço imenso em seus olhos que refletia um pouco o que eu às vezes notava em Jax. Mas ainda era linda, com o cabelo escuro cortado no queixo emoldurando as feições delicadas e os grandes olhos azuis. O vestido azulclaro era um belo contraste à pele de porcelana. “Oi, Allison”, eu disse, voltando a atenção para os dois Rutledge do outro lado do salão. “Bonito vestido.” Ela me examinou. “Gretchen deve gostar dele. Também me fez experimentar, mas não é bem meu estilo.” Dei outro gole no champanhe, para disfarçar como eu me sentia com a menção inesperada do nome da estilista. Então Gretchen era uma carta na manga de toda a família Rutledge. Bom saber. “Você provavelmente se surpreenderia de saber que não foi minha primeira escolha.” Seu sorriso foi tudo menos gentil. “Você é esperta de deixar Jackson escolher suas roupas. E é obviamente mais esperta do que eu imaginava, ou não estaria aqui.” “Você não tem mais ninguém para encher?”, perguntei, acenando casualmente. “É melhor manter distância de mim.” “Se bem me lembro, você não é o tipo de mulher que gosta de fingimento e mentira, então não vou mais fazer isso. Afinal, vamos ter que nos dar bem. Melhor começar logo.” “Não vamos ter que fazer coisa nenhuma.” Olhei por cima do ombro dela. “Minha sugestão é a gente se evitar ao máximo.” Allison ergueu as sobrancelhas como se estivesse surpresa, então riu, o som tão melodioso quanto sua voz. “Não é assim, Gianna. Você e eu vamos


ser melhores amigas, no que diz respeito ao público. Vamos almoçar juntas e fazer compras. Ted e eu vamos jantar com você e Jackson. Vamos a eventos esportivos e exposições. Vamos sorrir para as câmeras e parecer mais próximas que irmãs.” “Você bebeu champanhe demais.” “Vou deixar Jackson explicar.” Seus olhos pareceram suspeitamente brilhantes, o que me fez retesar as costas. “Explicar o quê?”, perguntou Regina Rutledge, juntando-se a nós. “A candidatura iminente de Ted para governador. Desta vez, Jackson se sobressaiu.” Apertei a haste da minha taça, ouvindo sinos de alerta em minha cabeça. Os lábios de Regina se curvaram num sorriso, mas sua voz era fria e severa. “Acho melhor deixar Gianna com Jackson. Ele é muito protetor.” “Entendi a deixa.” Allison olhou para mim. “Estou planejando um jantar em breve. Aproveite a noite, Gianna. E, mais uma vez, você está linda. Esse vestido foi feito para você.” Ela se afastou com elegância, e cocei o nariz de leve com o dedo do meio antes de desviar o olhar. Parker ainda tinha Jax ao seu lado, a mão descansando no ombro do filho enquanto eles conversavam com dois homens mais velhos cujo rosto me parecia ligeiramente familiar. “Não ligue para ela”, disse Regina, colocando-se em minha linha de visão. Seu cabelo louro deslizava sobre os ombros em ondas estilizadas que lembravam jovens estrelas de Hollywood no auge da fama. “É invejosa. Tem um Rutledge, mas…” Regina encolheu um dos ombros num gesto despreocupado. “Ted não é como Jackson ou Parker.” Concordei em silêncio, mas disse apenas: “É bom ver você de novo”. Regina sorriu. “Eu e você somos mulheres de sorte. Confie em mim, a energia de Jackson não vai se esvair com o tempo.” Ergui as sobrancelhas. Embora Regina estivesse mais perto da minha idade do que da idade do marido, ainda assim era madrasta de Jackson. Era estranho conversar com ela sobre sexo.


Jax apareceu na minha frente, pegou minha taça e passou para Regina. Com os olhos escuros queimando em minha pele, segurou-me pela mão e me puxou para junto de si. “Vamos dançar.” Então me levou para a pista, envolvendo-me com os braços. “Você é a mulher mais bonita da festa.” “Me bajulando desse jeito você vai longe.” Era inebriante estar nos braços de Jax em público, quase tão inebriante quanto estar nos braços dele num lugar privado. “Mas tenho que dizer que prefiro não lidar com estilistas que também trabalhem com Allison. Não gosto dela, Jax.” Ele acariciou minhas costas com os dedos. “Ela também não é uma das minhas pessoas favoritas, mas é casada com Ted. É da família.” “Cansei dela me tratando como se eu fosse um poste em que pode afiar as garras.” “Allison pode ser uma fera de vez em quando”, concordou ele, “mas tem aquelas garras por um motivo. E você vai precisar delas, também, Gia.” Lancei um olhar carrancudo. “Sei que você acha que não sou forte o bastante para lidar com isso, e vou provar que está errado. Mas não vou me esforçar muito para me dar bem com gente que me magoa.” “Então a história sobre sermos um time… só se aplica ao que você quer?” “Não é justo! Nunca pediria para sofrer em silêncio enquanto as pessoas insultam você!” Um músculo tremulou em sua mandíbula. “Não é uma questão de respeito, Gia. Eu não deveria ter que dizer que vou conversar com Allison sobre como ela lida com você — isso deveria ser óbvio. Mas, gostando dela ou não, todos temos que trabalhar em conjunto.” “Não tenho que fazer nada por ela.” “Então faça por mim”, retrucou ele. “Esta é minha vida. Fui muito claro sobre quão desagradável algumas partes dela poderiam ser para você.” Fiquei assustada com sua veemência. “Você também não gosta nem um pouco disso. Eu sei que não. Não quer estar aqui, nesta festa. Se estivesse me pedindo por uma coisa que é realmente importante para você seria diferente, mas não é o caso!”


“Eu fiz minha cama, Gia”, disse ele entre os dentes, o rosto duro e distante. “E você quis deitar comigo nela.” Balancei a cabeça, tentando conciliar o Jax na minha frente com o Jax divertido, carinhoso, interessante e, de muitas maneiras, hedonista. “Não entendo você. A vida é curta, Jax. Por que perder tempo fazendo coisas que não deixam você feliz?” “Comer você me deixa muito feliz.” Empurrei seu ombro. “Estou falando sério. Isso é importante. Preciso saber.” Ele ficou em silêncio por um minuto, tempo suficiente para uma música terminar e outra começar. Senti uma alteração dentro dele: a respiração se intensificou e seus braços me apertaram. “O momento de fazer uma escolha diferente veio e passou há muito tempo.” “Isso é uma desculpa. Você não tem nem trinta anos. Tem a vida toda pela frente, e não há nada no seu passado que não possa consertar.” Jax fitou por cima do meu ombro, o olhar distante e sem foco, como se estivesse vendo algo que eu não podia enxergar. “Às vezes, não se pode voltar atrás”, murmurou. “Você tem que enfrentar as consequências e admitir os próprios erros.” “Você não precisa continuar errando.” Segurei seu rosto, voltando sua atenção para mim. “Estamos começando de novo, Jax. Temos uma segunda chance de acertar. Não vamos desperdiçar energia com pessoas e situações que só nos colocam para baixo.” Ele soltou a respiração e me deu um beijo rápido na testa. “Vamos sair daqui.”


7

“Você está linda”, disse Lynn, minha melhor amiga, conferindo minha aparência. “Não vejo você tão bem desde Las Vegas.” “Considerando que faz dois anos, não estou tão lisonjeada.” Era uma provocação, eu sabia que estava bonita. Três semanas morando com Jax tinham feito com que eu perdesse mais de dois quilos — era a dieta da lua de mel. O homem era insaciável, e eu vinha me alimentando melhor por causa disso. Saber que alguém ia me ver nua todos os dias era um ótimo incentivo para fazer escolhas mais cuidadosas. Ela riu e olhou ao redor. “O restaurante está o máximo.” As duas filiais iam a mil, em parte por causa das menções à minha relação com Jax na imprensa. Como tinha feito um esforço para evitar ouvir qualquer coisa a respeito dele quando estávamos separados, não tinha me dado conta da frequência com que seu nome aparecia nos jornais. Ele havia dito que os blogs de fofoca e as colunas sociais iam me amar, mas não mencionou que já o amavam. As pessoas o queriam num cargo público. Jax era jovem, lindo, um Rutledge e tinha a frieza necessária para ser o tipo certo de irascível. “A vista continua linda”, prosseguiu Lynn, desviando a atenção para Vincent, que estava trabalhando no bar. Ele ergueu o rosto, olhou para ela e lançou uma piscadinha. “Minha nossa”, disse ela, passando uma mecha do cabelo ruivo por trás da orelha e mandando um beijo. Soltei um gemido. “O ego dele já é enorme sem isso.” “Desconfio que ele tem mais do que o ego enorme.” “Eca.” Revirei os olhos. Havia sugerido nos encontrarmos no Rossi’s


porque queria relaxar e não me preocupar que alguém tirasse uma foto minha. Já me acostumara a ter um segurança na minha cola o tempo todo, mas no restaurante tinha a proteção adicional da família contra possíveis invasões de privacidade. Lynn me lançou um olhar condoído. “É muito ruim?” “Não é horrível. Não sou uma celebridade, nem nada parecido. Mas parece que sempre tem um ou dois fotógrafos me espreitando.” “Cretinos.” Dei de ombros, tendo aceitado aquilo como parte da vida. Quando ficava irritada, lembrava a mim mesma que Jax quebrara o meu coração e o dele para me proteger da imprensa. Se tinha aprendido uma coisa ou outra nas últimas três semanas era quão feliz Jax podia me fazer. Não me lembrava de ter me sentido assim antes. “Só tenho que tomar cuidado.” Girando no banco do bar, Lynn virou-se de frente para mim, as longas pernas balançando animadas. Usando um longo floral, jaqueta jeans e um monte de pulseiras e colares que ela mesma fazia — e vendia —, minha amiga exibia uma elegância boêmia. “Como é o Jackson? Quero dizer, num dia comum. Ele parece tão… intenso nas entrevistas.” “E é. Mas também pode ser divertido. E engraçado. Me faz rir todos os dias.” Lynn sorriu. “Olha só esse sorriso. Quase compensa o fato de ele ser conservador.” Revirei os olhos, sem querer entrar numa discussão, considerando que Lynn era liberal. Deixava isso para meu pai, que tinha o mesmo posicionamento político e gostava de conversar com ela sobre isso. “O que não quer dizer que não seja teimoso, irracional, frustrante…” “Homem.” “Pois é.” “Então… voltando à política.” “Não estávamos falando de política”, retruquei. Ela abriu um sorriso largo. “Eu estava. Já conseguiu reunir essa turma toda num lugar só?”


“Ainda não.” Bati o pé de leve na barra de metal. “Vou tentar um café da manhã no sábado. A única hora em que está todo mundo livre.” “Nossa. Você vai ter que me contar tudo. Queria poder participar. Vai ser uma reunião e tanto.” Ela não estava errada. Os Rossi e os Rutledge eram, de muitas formas, muito diferentes. Dei uma mordida no crostini e então olhei de relance para o celular, que estava vibrando no balcão. A mensagem de Jax me fez sorrir. Traz uma lasanha. Lynn olhou de relance para ela. “Não me diga que o romance acabou.” O telefone vibrou de novo. Comprei sorvete para tomar em seu corpo… Ela deu uma gargalhada, e eu ri junto. “Preciso de um namorado.” Seu olhar recaiu em Vincent, que estava misturando uma bebida. “Ou de uma amizade colorida.” Eu a distraí de meu irmão destruidor de corações. “Como vai o trabalho?” “Intenso.” Lynn mexeu nos colares. “As vendas por internet estão crescendo. Se o aluguel e os impostos continuarem subindo, vou fechar a loja e me concentrar no negócio on-line.” “Sério? Mas você adora a loja!” Sabia o quanto Lynn havia se dedicado desde que abrira a loja, e o quanto ela queria provar que as joias e as cerâmicas não eram meros passatempos. Ela deu de ombros, mas eu podia ver que estava incomodada. “Não seria tão ruim assim ter flexibilidade de horário e mais tempo para criar novos conceitos. Também ia poder viajar, o que pode ser melhor para mim.” Queria mantê-la pensando positivo. “Você podia deixar alguns cartões comigo. Usei seus brincos de ametista numa festa na semana passada e recebi muitos elogios.” “Sério?” Seu rosto se abriu num sorriso. “Isso é ótimo. Obrigada.” Fiz um gesto para que Vincent trouxesse mais cerveja, enquanto Lynn tirava uns cartões de visita da bolsa gigantesca. “E o trabalho, como está?”, perguntou ela, ao me entregar os cartões.


“Bem.” “Ainda apaixonada pelo que faz?” “Ainda.” Sorri para Vincent à medida que ele colocava dois copos cheios na nossa frente e levava os vazios. “O que você está me escondendo?” Estreitei os olhos para minha melhor amiga. Lynn era muito perspicaz. “Nada.” “Sua chefe está tranquila com você e Jackson?”, insistiu ela. Suspirando, peguei outro crostini. “Não falamos sobre isso. E tudo bem, porque ela é minha chefe, não minha amiga. Ainda assim…” “Você acha que ela tem um problema com isso?” “Eu diria que está levando na boa, considerando que estou morando com um cara que negocia com o cara que passou a perna nela. Lei ainda me passa informações importantes. Mas tem… alguma coisa entre nós que não havia antes.” E isso me incomodava. Muito. “O que você vai fazer?” “O que posso fazer?” Mastiguei e engoli, dando um gole de cerveja. “Acho que ela está esperando para ver como as coisas caminham. Talvez depois de um tempo se sinta melhor sobre a coisa toda.” Lynn torceu o nariz. “Você já falou com Jackson?” “Não posso. Ele é do tipo que conserta tudo. Vai querer intervir e resolver as coisas e provavelmente tornar tudo pior.” “Esse é provavelmente o melhor elogio que você poderia ter feito. Toda garota quer que a melhor amiga fique com um cara disposto a resolver tudo.” Ela piscou. “E que compre sorvete para tomar no corpo dela.” Rindo, virei a cabeça e olhei para o restaurante lotado à minha volta. Os fregueses sem reserva esperavam junto da recepção, enquanto mesas eram arrastadas com rapidez, graças à insistência de meu pai de manter uma boa equipe. Famílias misturavam-se com casais e grupos maiores, enquanto uma conhecida estrela de televisão apreciava a ilusão do anonimato em sua mesa preferida. Um flash me chamou a atenção, atraindo meu olhar para o que parecia ser uma festa de aniversário. Acima do burburinho e do som de


talheres, um tenor italiano cantava pelo sistema de som sobre amor e perda. Senti uma onda de felicidade, como sempre acontecia quando estava no Rossi’s. “Estou vendo coisas?”, perguntou Lynn, trazendo meu olhar de volta para ela. “Hein?” Ela fez um gesto com a cabeça, e eu o segui com os olhos. Piscando, registrei meu pai de pé ao lado de Ted Rutledge, que o envolvia pelos ombros. Ted estava de terno e gravata, enquanto meu pai usava seu jaleco branco de chef de sempre, calça preta e avental vermelho do Rossi’s. Giovanni Rossi ainda era um homem notável, com os cabelos grisalhos e o queixo forte. Um fotógrafo bateu uma foto dos dois. “É difícil ver daqui”, comentou Lynn. “Mas aquilo é um bóton de campanha?” Olhei primeiro para meu pai, em seguida, para Ted. Sem dúvida, havia algo em sua lapela. “É a segunda vez que ele aparece aqui esta semana”, comentou Vincent, atrás de mim. Quando olhei para meu irmão, vi um músculo tremulando em sua mandíbula. “Não sabia nada disso.” “Ah é?” Seus olhos castanhos estavam sérios. “E Jackson?” Lynn foi embora por volta das oito, mas decidi ficar e esperar o fechamento do restaurante, para falar com meu pai. Também decidi voltar para meu antigo apartamento, com Angelo e Vincent. Como não queria ter de encontrar Jax cansada e irritadiça, enviei uma mensagem avisando que não ia para casa, então joguei o celular de volta na bolsa. Dei um gole numa taça de licor de anis decorado com uma espiral de casca de limão-siciliano. O licor ajudava a relaxar.


Senti Jax entrando no restaurante antes de vê-lo. Sempre estivera em sintonia com ele, mas a coisa ficou mais intensa quando começamos a viver juntos. “Gia.” Suas mãos deslizaram possessivamente por meus quadris, seu calor irradiando para minhas costas. Olhei de relance para Vincent, que nos fitava de cara feia. Falei por cima do ombro: “O que está fazendo aqui?”. “Vim buscar você.” Seus braços envolveram minha cintura. “Achou mesmo que eu ia deixar você passar a noite em outro lugar?” Terminei minha bebida. “Não sabia que era uma prisioneira.” Ele se enrijeceu diante de meu tom e então sussurrou: “Se vamos brigar, melhor fazer isso em casa”. “Não quero brigar, e é por isso que não vou para casa.” Jax recuou. “Vamos embora.” “Você não está me ouvindo.” Ele girou meu banco e se debruçou sobre mim. “Você ainda não disse nada que valha a pena ouvir.” “Como é que é?” Cravei os olhos nele, tentando ignorar quão sexy estava de suéter preto e calça jeans. Ele pousou as mãos no bar atrás de mim, enjaulando-me entre seus braços. “Não vou deixar você aqui bebendo e remoendo sabe-se lá o que te deixou chateada, nem vou dormir sozinho.” “Cai fora, Jackson”, ordenou Vincent, aparecendo atrás de nós. Jax ergueu a cabeça, num sobressalto. “Você quer proteger sua irmã, e eu respeito isso. Mas ela é minha namorada e eu a amo, e você também precisa respeitar isso. Não se meta onde não foi chamado.” “Ela não quer ir, e não precisa ir.” “Parem de falar de mim como se eu não estivesse aqui!”, reclamei, irritada, atirando um olhar de advertência para os dois. “Não gosto dessa história dos Rutledge aparecendo no restaurante e socializando com minha família. Você disse que queria nos proteger da imprensa, e não nos colocar nos holofotes!”


Vi o momento em que Jax entendeu o que havia me irritado. Então seu rosto se fechou e não deixou transparecer mais nada. “Podemos muito bem discutir isso em casa.” “Está tarde e tenho que trabalhar amanhã. Além do mais, quero conversar com meu pai sobre esse negócio com Ted, seja lá o que for. Ninguém achou que precisava me contar a respeito, claro.” “Eu falei com seu pai sobre isso”, disse ele, parecendo tão condescendentemente racional que fez meus dentes rangerem. “E não venha com esse papo de que já está tarde enquanto fica aqui enchendo a cara.” “Pode ser um choque para você, Jackson, mas já tenho idade suficiente para beber uma taça de licor. E qualquer outra coisa que me dê na telha.” “E você é madura o suficiente?” “O que isso significa?” Ele baixou a mão e pegou minha bolsa no gancho do bar. “Ficar bêbada não vai ajudar.” “Não estou bêbada!” “Ótimo.” Ele me lançou um sorriso contrito. “Então, não tem motivo para ficar.” “Jax…” “É melhor nós dois pararmos de falar agora.” Ele se abaixou até estarmos cara a cara. “Não existe nada no mundo que vai me fazer sair daqui sem você.” “Gianna”, interviu Vincent. “Precisa de ajuda?” “Pode deixar.” Saltei do banco, de repente com muita vontade de brigar. Se Jax estivesse lidando só comigo, a situação seria um pouco mais justa. Se meus irmãos entrassem na confusão, haveria socos para todo lado. “Ligo mais tarde.” Jax ergueu o queixo para Vincent numa despedida silenciosa antes de levar a mão ao meu cotovelo, para me conduzir para fora do restaurante. Dispensou o guarda-costas que estava parado junto da porta e me levou pelo ar fresco da noite em direção a um carro sexy e elegante que nos


esperava num ponto em que era proibido estacionar. Dei uma conferida no carro, enquanto Jax abria a porta do carona para mim. Não era do tipo que uma pessoa alugava. Era, no entanto, do tipo de Jax. A impressão foi se solidificando quando ele sentou diante do volante, o motor roncou e o carro se afastou do meio-fio com uma agilidade marcante e um barulho poderoso. Jax não falou mais nada até a cobertura, permitindo que a tensão entre nós se adensasse e esquentasse. Guiou o carro esportivo caro com uma facilidade dominante, completamente relaxado em meio ao caos das ruas de Manhattan e aos taxistas agressivos que cortavam o trânsito. Foi só quando entramos no elevador do prédio que quebrei o silêncio, incapaz de suportar o peso de seu olhar. “Sobre o que você falou com meu pai?” “Sobre divulgar o Rossi’s como uma pequena empresa próspera e em expansão.” “Divulgar onde?” “Em vários materiais.” Cruzei os braços. “Materiais políticos?” Ele arqueou uma das sobrancelhas. “O que mais?” “Por que não me contou?” “Porque não falamos sobre trabalho… Nem o meu, nem o seu.” As portas do elevador se abriram, e ele fez um gesto me indicando para sair primeiro. Liberei o sistema de segurança e entrei no apartamento. “Acho que precisamos esclarecer uma coisa.” Joguei minha bolsa na poltrona. “Até onde sei, você trabalha na área financeira.” “E você trabalha com Lei Yeung”, respondeu ele, fechando a porta atrás de nós. “O que não a impede de participar do negócio da família, não é?” Virei-me para ele. “Eu jamais teria uma conversa com seu pai sem falar com você antes!” “Você não sabe disso.” Jax tirou o suéter, revelando o maravilhoso torso nu esculpido que não pude deixar de admirar. “E por que não está chateada


com seu pai por não dizer nada?” Ele não deixava de ter razão, o que me enfureceu. Odiava o fato de me sentir, de repente, como se estivesse sendo irracional. “O que está fazendo?” Jax dirigiu-se para o corredor. “Me arrumando para ir dormir.” “Estou com muita raiva para dormir com você!” “Meu amor”, ele jogou o suéter por cima do ombro, “eu me sinto da mesma forma.” Chutei meus saltos para um canto e fui atrás dele, seguindo-o até o quarto. Ele tirou os sapatos e a calça jeans, ficando, num instante, magnificamente nu: estava sem cueca por baixo da calça. Meu cérebro falhou por um momento, então revidei, ficando pelada também. “Não quero que minha família seja usada.” “Não quero que minha namorada faça suposições precipitadas sobre meus motivos.” Jax puxou as cobertas e entrou na cama. “É você que fica me dizendo que não devo confiar na sua família!” Jax recostou-se contra a cabeceira. “Mas você não ficou brava com minha família, não é? Ficou brava comigo. E, em vez de me perguntar sobre a questão, decidiu beber e me atacar.” “Se você tivesse me contado, eu não ia precisar perguntar nada.” Fui até o banheiro. “Mas que seja. Você está sempre certo, não é?” “Pois parece que estou sempre errado”, resmungou ele da cama. Liguei o chuveiro e tirei a maquiagem enquanto a água esquentava. Demorei bastante no banho, alongando-o o máximo que podia, na esperança de que Jax dormisse e parasse de falar. Fechei os olhos e fiquei debaixo do jato de água. Jax era um homem que intimidava outros com um único olhar. Ele falava por cima dos outros, recusava-se a ceder em qualquer aspecto que fosse e era um estrategista extremamente hábil. Eu respeitava todas essas características. Seu autocontrole me atraía e excitava. Mas odiava com todas as forças a forma como se escondia atrás desse controle rígido e me deixava de fora, excluindo-me como se fosse sua adversária.


Não era capaz de me imaginar vivendo o restante da vida sendo tratada daquele jeito. “Vou ter que arrastar você para fora daí também?”, perguntou Jax, abrindo a porta e parando em meio ao vapor que envolvia seu corpo nu. “Sai daqui”, disse a ele, cansada, fechando as torneiras. “Vou dormir no quarto de visitas hoje.” Ele apertou a mandíbula. Seu peito se expandiu, numa respiração profunda e lenta. “Eu…” Houve uma pausa. “Desculpe.” Assentindo, passei por ele, contornando-o. “Obrigada. Desculpe também. Nós dois lidamos mal com o assunto.” Vesti o roupão que estava pendurado num gancho e enrolei o cabelo numa toalha. “Boa noite, Jax.” Ele me seguiu pelo quarto, agarrando-me pelo cotovelo quando me aproximei da porta do corredor. “Não faz assim. Eu pedi desculpa, e estava falando sério.” Parando, voltei-me de frente para ele. “Sei que você pediu, e eu também pedi. Mas isso não resolve um problema fundamental de comunicação entre nós. Não falamos da nossa família. Não falamos de trabalho. Só ficamos juntos e transamos, o que faz disso mais uma amizade colorida do que qualquer outra coisa.” Ele me puxou para junto de si ao mesmo tempo que deu um passo na minha direção, pressionando seu corpo contra o meu. “Eu te amo, Gia. Mais do que já amei qualquer coisa. Você sabe disso.” Suspirei. “E eu te amo o suficiente para não conseguir esquecer você, mesmo depois de achar que tinha me descartado. Mas isso significa que você pode me machucar muito feio, Jax. E está muito difícil viver na periferia da sua vida. Se ficar com você dói mais do que ficar sem você, preciso decidir o que é melhor para mim.” “Você é o centro da minha vida.” Suas mãos subiram até meus ombros. “Não tem um momento do dia em que não esteja pensando em você.” “Pode até ser verdade, mas você tem uma capacidade única de me isolar, e não tenho certeza se posso viver com isso.”


“Você está me isolando agora”, acusou. “Você me isolou hoje mais cedo.” “Eu disse que nós dois lidamos mal com o assunto. Talvez isso seja um sinal. Tenho que dormir um pouco. Amanhã a gente fala disso. Tá bom?” Ele me segurou pela nuca. “Durma comigo. Vou me comportar, se é isso que você quer.” Estava doida para fazer o que ele me pedia, mas me preocupava também que só estaríamos colocando um esparadrapo em algo que precisava de muito mais dedicação. “Quero dormir no quarto de visitas.” Afastei-me de Jax e deixei o quarto, sentindo seus olhos em minhas costas ao longo do corredor após ele dar um passo atrás de mim para fora do quarto. Surpreendentemente, caí no sono depressa, apesar de estar com o cabelo úmido e o peito dolorosamente apertado. Em algum momento durante a noite, senti Jax entrar na cama comigo. Virei para o outro lado, abracei meu travesseiro e voltei a dormir.


8

Foi um alívio chegar ao trabalho no dia seguinte. Acordara junto a um Jax mal-humorado e silencioso. O restante da manhã juntos fora marcado pela tensão. No caminho do metrô, mandei uma mensagem para meu pai, pedindo para me ligar assim que pudesse, então vi meus e-mails. Uma onda de adrenalina me invadiu assim que vi o nome de Deanna. Quase esquecera o favor que pedira a ela. Uma vez que me lembrara do assunto, não pude deixar de torcer por novidades. “Por favor, tenha alguma notícia para mim”, murmurei comigo mesma ao chegar à estação e subir apressada os degraus que levavam à rua. Estava quase desesperada para ter algo — qualquer coisa — que me desse uma luz a respeito do homem que eu amava. Infelizmente, o e-mail dizia apenas para ligar para ela. Quando tentei, caiu na caixa postal. Não tive retorno até chegar à Savor, onde coloquei o telefone em modo silencioso dentro da bolsa. “Bom dia”, cumprimentei quando Lei chegou. “Bom dia.” Ela inclinou a cabeça. “Tudo bem com você?” Pisquei, surpresa com a pergunta. “Tudo certo.” Lei hesitou, então acrescentou: “Dê um pulo aqui na minha sala”. Segui minha chefe, respirando fundo em preparação para o que estava prestes a encarar. Lei passou direto por sua mesa e sentou em uma das poltronas cinzas da área de estar, parecendo mais jovem, com o cabelo solto e liso, mesmo com a versátil mecha prateada. Ela esperou até que eu ocupasse a poltrona ao lado, então começou: “Nas últimas semanas, as coisas entre a gente estão meio… estranhas. Fico muito triste com isso”. A tensão se aliviou em meus ombros. “Eu também.”


“Estou preocupada com você… e tenho minhas reservas quanto a Jackson… mas o problema, na verdade…” Ela girou em sua poltrona para me encarar diretamente. “É comigo. Estou projetando minha própria experiência.” “Você está falando de Ian.” Seus lábios se curvaram num sorriso, que não transparecia qualquer humor. “Você sabe que eu o amava. Ele era meu mundo. E, se você me perguntasse na época, teria dito que jamais me trairia. Que Ian não era assim. Teria dito que ele me amava demais para fazer uma coisa dessas.” “O que aconteceu?” Nunca abordara o assunto, mas agora que ela estava abrindo a porta estava louca para saber o que ajudara a transformar minha chefe na mulher que era. “Estávamos trabalhando numa proposta. As negociações foram complicadas, mas eu estava na frente, e Ian me deixou seguir com o acordo.” Uma ruga pensativa surgiu em seu cenho, que, exceto por aquela linha, era absolutamente liso. “Infelizmente, às vezes fico tão centrada na caçada que às vezes me esqueço de prestar atenção à presa.” Lei parou e fitou o contorno urbano de Manhattan pela janela. “Eu confiava demais em mim mesma e fui muito exigente, sem dar nada em troca. Isso fez com que o homem do outro lado da mesa se sentisse insignificante e sem poder. Em algum momento ao longo das discussões, ele decidiu que faria qualquer coisa para me colocar no lugar que acreditava ser meu.” “Que lugar?” “Atrás de Ian, não ao lado dele. Acho que Bruce se sentiu insultado por mim. Não acho que me visse como sócia de Ian, apenas como seu brinquedinho, então usou isso contra nós.” “Como?” “Ficou marcando várias reuniões comigo, dizendo que precisava esclarecer esse ou aquele ponto do acordo ou discutir alternativas. Nós nos encontrávamos em restaurantes de hotéis em que ele estava hospedado na época, exatamente como eu e você fizemos com os irmãos William, no Four Seasons. Só mais tarde é que entendi que Bruce estava criando uma trilha


para provar que estávamos tendo um caso.” “Ah, Lei…” Senti-me compadecida por seu sofrimento; sua voz carregava muita dor. “O que você fez?” “Nada, e talvez tenha sido a escolha errada. Ian é ciumento, então estava especialmente vulnerável. Eu me recusei a confirmar ou negar suas acusações, porque estava magoada demais por ele levar aquilo a sério. Disse a Ian que devia pensar no assunto, e, ao que parece, fui julgada e condenada.” “Sinto muito.” Ela dispensou minha simpatia dando de ombros, mas abriu um sorriso pesaroso na minha direção. “Já faz muito tempo agora.” Tamborilei os dedos no braço da poltrona, batalhando com a ideia de falar a respeito de Jax com alguém que não confiava nele. Valorizava a opinião de Lei, mas ela não era objetiva quando se tratava do meu namorado. No final das contas, no entanto, contei para ela por causa de sua imparcialidade. Queria uma opinião extrema, que me apresentasse o pior cenário possível. Lei debruçou-se para a frente na cadeira, ouvindo-me com atenção. Quando terminei de falar, minha chefe tinha os cotovelos escorados nos joelhos e o queixo nas mãos. “Então ele está escondendo coisas de você. As pessoas guardam segredos por dois motivos: para se proteger ou para proteger outra pessoa. Você sabe de que lado Jackson está?” “Não. Com tudo o que já passamos, posso imaginar Jax tentando… me defender de alguma coisa. Mas essa agora… Não consigo afastar a ideia de que ele não queria que eu soubesse que minha família estava sendo usada pelos Rutledge.” “Se for esse o caso, então na certa não vai ser a última vez. O que acha disso?” “Fico morrendo de raiva. Como pode dizer que me ama e depois fazer coisas assim?” “Você tem que perguntar isso a ele. Quanto antes, melhor.”


Lei apenas confirmou o que eu já sabia; ainda assim, era importante ter minha opinião validada. Agora, só precisava me preparar para o que faria quando tivesse a resposta. Na hora do almoço, dei uma olhada no celular e vi que havia perdido uma ligação de Deanna. Fui até a sala de reuniões para ter um pouco de privacidade, passando por LaConnie, que estava arrumando um novo mostruário de temperos na prateleira atrás da recepção. Ela acenou para mim, e elogiei o terninho vermelho fenomenal que estava usando. Quando entrei na mesma sala de reuniões a que levara Jax quando ele visitara a Savor, sorri. A memória ajudou a amenizar a ansiedade que sentiria ligando para a jornalista. “Gianna. Que bom que finalmente conseguimos nos achar.” “Pois é. Tudo bem com você?” “Tudo ótimo. Espere um pouco. Vou achar um lugar mais tranquilo.” Um instante depois, o barulho de fundo de várias pessoas falando ao mesmo tempo desapareceu. “Bom, fiz minha pesquisa sobre os Rutledge, me concentrando em Leslie Rutledge, como você sugeriu. Você tem um faro e tanto! Descobri uma mina de ouro.” “Ah é?” Senti um calafrio. “A família internou Leslie num sanatório por alguns meses. Ela desapareceu da vida pública depois de ser liberada. Na época, correram alguns boatos, mas nada muito concreto. Só que agora arrumei uma fonte confiável.” Senti o intestino revirar. Comecei a andar de um lado para o outro. “Não posso confirmar que tipo de doença mental ela teve”, prosseguiu Deanna, “mas o fato é que Leslie era supérflua para a família. Tinha um problema, e eles a esconderam.” “Você não sabe disso!” Pensei nas fotos de Leslie na sala de estar de Jax.


Ele não havia se esquecido da mãe. “Humm, sei, sim. Só um minuto.” A ligação ficou muda por um instante, e então ela voltou. “Enfim. Depois que a história sair, vamos ter mais detalhes. Eles sempre aparecem.” Gelei, em pânico. “Como assim ‘depois que a história sair’?” “Isso é notícia, vai ser publicado.” “Não foi o que a gente combinou!” “E o que a gente combinou?”, retrucou Deanna. “Não combinamos nada além de que você pagaria pelo meu tempo, o que não vai ser preciso, porque vou receber de outras formas.” “Você não pode publicar isso!”, sibilei, furiosa, andando em círculos dentro da sala de reuniões com passadas pesadas. “Agora não tem mais volta, Gianna. Seu nome não é mencionado, então não se preocupe com isso. Escute, tenho que desligar. Só queria avisar e agradecer. Juízo, viu?” Ela desligou, e meu celular ficou mudo antes mesmo de eu afastá-lo do rosto. Deixei a sala de reuniões num rompante, com tanta raiva que mal conseguia enxergar direito. Estava tão furiosa comigo mesma quanto com Deanna. Como não previra a possibilidade de a jornalista usar a informação que descobrisse? “Seu namorado sabe se comportar direitinho”, disse LaConnie quando passei por ela novamente. “Acabei de colocar outra entrega na sua mesa.” Remoendo-me por dentro, senti o peso da culpa em meus ombros. A visão dos lírios brancos junto ao meu telefone quase me fechou a garganta. Peguei o cartão Bandeira branca. Te amo, linda. Vamos conversar hoje à noite.


Jax havia assinado o cartão, mas seu nome ficou embaçado em meio às minhas lágrimas de ansiedade. Pior do que a violação de sua privacidade, meu medo era que as revelações pessoais a respeito de sua mãe o magoassem profundamente. Suas fotos na sala de estar da casa me diziam que Jax gostava dela, mas sua relutância em abordar o assunto sugeria que era algo doloroso para ele. E agora o mundo todo ia saber sobre ela, e a culpa era minha. Toquei uma pétala aveludada. “Estragamos uma coisa perfeita”, disse, baixinho. Afundando na cadeira, comecei a planejar a melhor maneira de dizer a ele o que havia feito. Tinha uma boa noção de como queria abordar o assunto quando as portas do elevador se abriram na cobertura e adentrei o caos. Parei, chocada. A porta do apartamento estava aberta, e, por ela, podia ver uma dezena de homens de terno, andando de um lado a outro da sala, com o celular grudado na orelha. A sensação de tontura que tinha sentido o dia todo piorou, e achei que ia passar mal ali mesmo, no hall de entrada. Quando entrei, procurei por Jax. Não consegui encontrá-lo, mas seu pai estava diante da TV, fitando as fotos da falecida esposa. Parker teria se sobressaltado na multidão apenas por sua presença, mas, imóvel ali em meio a um enxame de visitantes, ele era hipnotizante. Virou o rosto na minha direção. Observei a mudança de sua expressão à medida que registrava minha presença. Então, ele veio até mim. “O que está acontecendo?”, perguntei, embora suspeitasse já saber a resposta. “Estamos tentando apagar um incêndio. Desculpe termos invadido o apartamento, mas Jackson prefere lidar com isso daqui.” “Posso fazer alguma coisa?” Seus lábios, iguaizinhos aos de Jax, se contorceram, pesarosos. “Eu


gostaria de uma bebida. Algo forte, de preferência.” “Certo.” Olhei para a cristaleira atrás dele, que abrigava as bebidas mais sofisticadas do mundo. Também havia um vaso de flores em cima dela. “Vou buscar alguma coisa.” “Obrigado. Vou colocar sua bolsa no quarto”, ofereceu ele, estendendo a mão. Assim que Parker entrou no corredor, contornei os homens e as mulheres que perambulavam pela sala de estar. Aqui e ali, podia ouvir trechos de conversas. “… confirmar a fonte…” “… devia considerar a possibilidade de processo por difamação e calúnia…” “… uma declaração de guerra contra os Rutledge não é inteligente…” Abri a porta da cristaleira com as mãos trêmulas. As garrafas estavam arrumadas cuidadosamente lá dentro, mas vazias. Fui para a cozinha, onde deparei com uma adega climatizada também vazia. Confusa, encarei Parker quando ele retornou. “Parece que acabou toda a nossa bebida.” “Também não consegui achar nada.” “Desculpe. Vou ligar para a recepção. Gostaria de alguma coisa específica?” Ele tocou meu braço. “Deixe comigo. Por que você não vai para o quarto e foge um pouco dessa bagunça?” “Queria ajudar de alguma forma.” “Cuide do meu filho”, murmurou ele. “Deixe o resto comigo.” Abri a boca para falar alguma coisa, mas não saiu nada. Eu não sabia o que dizer. Terminei assentindo e indo para o corredor. Passei direto pelo quarto e segui para o escritório de Jax. Ele estava sozinho lá dentro, de pé na frente da janela com os braços cruzados enquanto gritava com alguém pelo fone de ouvido. “A gente precisa desses documentos. Eu sei, já entendi isso e não estou nem aí… Não vá achando que essa merda toda não vai atingir você. Certo.


Estou neste número.” Ele desligou e virou-se de repente, parando assim que me viu diante da mesa. “Gia…” Então ficou em silêncio. Passou a mão por entre o cabelo e xingou baixinho. Parecia cansado e irritadiço. Tinha jogado o paletó numa cadeira no canto da sala. O colete estava desabotoado, e o primeiro botão da camisa estava aberto. A gravata fora afrouxada e uma sombra de barba por fazer em seu queixo tenso transmitia um ar de perigo. “Oi”, eu disse, baixinho. “Meu amor.” Ele suspirou. “Desculpe a confusão. Estou tentando resolver um problema.” “O que foi?” “Fomos contatados sobre um artigo que deve sair amanhã, e estou tentando descobrir detalhes sobre a repórter e a matéria.” Engoli em seco. “Deanna Johnson.” Jax gelou. “Você conhece?” “Foi namorada de Vincent.” “Merda.” Ele fez uma cara feia. “Preciso dos contatos dela: e-mail, celular, telefone fixo, endereço.” “Tá.” Aproximei-me. “Jax, a gente precisa conversar.” “Eu sei, e a gente vai. Mas agora não dá.” “Isso é minha culpa.” Ele chegou mais perto e beijou minha testa. “Não. Eu devia ter falado com você sobre Ted e…” Seu telefone começou a tocar. “Tenho que atender.” Jax ligou o fone de ouvido. “Rutledge”, atendeu, bruscamente. “Já é um começo. Quando você pode me mandar?” Jax deu as costas para mim, e cerrei as mãos em punhos. Deixei a sala para buscar meu celular e poder lhe passar as informações que havia pedido. Eu simplesmente ia ter que falar tudo de uma vez antes que ele me cortasse novamente. Odiava ter que pegá-lo de surpresa, mas Jax precisava saber. Com o celular na mão, voltei para o escritório e fechei a porta atrás de


mim. Ele estava sentado à mesa, falando ao telefone e lendo algo no monitor. “Está aqui o que você queria.” Caminhei até ele. “Deanna escreveu um artigo sobre sua mãe. Sobre como a família a internou numa instituição.” Jax virou o rosto para mim como se eu o tivesse acertado fisicamente. “Você falou com ela?” Engoli em seco por cima do nó dolorido que sentia na garganta. “Algumas semanas atrás. E de novo hoje à tarde. Desculpe, Jax. Não devia ter entrado em contato com ela. Não tinha ideia…” Ele me encarou, sem piscar, o corpo rígido ao descobrir que eu tinha puxado seu tapete. “Sente”, Jax mandou, com uma tranquilidade temerária. “E me conte de que merda você está falando.” Praticamente desabei na cadeira na frente dele, os joelhos tremendo por causa do modo como ele me encarava. Seus olhos escuros pareciam os de um tubarão, frios e sem vida. “Lembra quando eu disse que ia fazer minhas pesquisas e…?” “Você entrou em contato com uma merda de uma jornalista?” Jax ficou de pé, batendo as palmas da mão na escrivaninha. “Ficou maluca?” “Entrei em contato com Deanna como amiga. Antes de você falar comigo sobre nunca mais ter privacidade de novo!” “Você tem noção do que fez? Do dano que causou? A doença da minha mãe nunca deveria ser assunto de imprensa!” “Jax…” Fiquei de pé, então me sobressaltei quando ele se afastou da mesa com tanta violência que derrubou a cadeira. “Eu sei que isso é pessoal — e doloroso —, mas muitas famílias são afetadas por doenças mentais. As pessoas vão entender e…” “Ela não era maluca, Gia”, retrucou ele, com frieza. “Era uma bêbada.” O tom de sua voz me assustou. Jax estava de frente para a janela. “Não aguentava a pressão.” Aquela única declaração me revelou muito. Meus olhos queimavam à medida que as memórias se interligavam em minha mente e se apresentavam com uma clareza que eu jamais tivera. “Alcoolismo é uma


doença, Jax. Você mesmo disse.” “Ela era fraca.” Ele cruzou os braços. “Casou com o homem errado porque quis.” “Eles se amavam. Foi você quem me disse.” Ele deu de ombros. “Parker estava tentando mudar o mundo. Ela preferia um marido que ficasse vendo TV ou trocasse uma lâmpada queimada.” “Não gostava de política?” “Não gostava da vida que vinha com ela.” Jax me encarou novamente. “Agendas políticas só se sustentam com aliados, e para ter aliados é necessário fazer concessões. Ela não gostava de algumas delas. Álcool, para minha mãe, era um elixir de coragem. Ela usava como uma bengala.” Murchei na cadeira, sobrecarregada pelos altos e baixos emocionais que enfrentara durante o dia. Não queria mais nada além de ir para a cama com Jax e abraçá-lo, mas sabia que ele jamais me deixaria ajudar. E isso me magoava. “Jax… Um dia você disse que alguém que amava tinha sido destruído pelo estresse. Estava falando da sua mãe?” Ele estremeceu, e eu senti que o compreendia. Agora sabia por que havia sido tão grosseiro quando me pegara bebendo no Rossi’s… e por que de repente não havia mais bebida nenhuma no apartamento. Jax achou que o acordo entre Ted e meu pai tinha sido suficiente para me fazer recorrer ao álcool, e ficou preocupado com como incidentes futuros — e mais estressantes — iam me afetar. E eu não podia me esquecer de que havíamos nos conhecido num bar… “Ela era muito parecida com você”, disse ele num tom que não pareceu nem um pouco lisonjeiro. “Sua família… as expectativas sobre como uma relação com meu pai seria. Minha mãe achava que ter consciência política e ser ativo era uma escolha, e não uma responsabilidade.” Quis defender Leslie Rutledge, uma mulher que nunca conhecera, mas com quem simpatizava. Não era fácil viver com as regras que Jax estabelecia e nem sempre compartilhava. “Se era mantida no escuro, como


eu, não posso culpar sua mãe por não estar na mesma pegada que o restante de vocês.” “Meu pai contava tudo para ela, esse foi o erro dele. Queria a aprovação dela, mas tudo o que fazia só a afastava mais e mais. Às vezes, os fins justificam os meios, e os meios podem ser bem horríveis.” Respirei fundo, trêmula. “Você morre de raiva dela.” “E tenho o direito! Minha mãe tentou me fazer escolher entre a visão dela e a do meu pai. Ninguém deveria ser obrigado a uma coisa dessas, muito menos um adolescente.” Jax endireitou os ombros. “Não posso discutir com você agora. Tenho um monte de coisas pra fazer. Tentar controlar os danos. Se é que isso é possível.” “O que posso fazer?” Fechando os olhos, ele baixou a cabeça. A derrota que transmitia em sua postura quebrou meu coração, mas as palavras que se seguiram me dilaceram por inteiro. “É melhor passar a noite com sua família. E leve roupa para os próximos dias.” A dor me fez reagir defensivamente. “Você excluía sua mãe das decisões assim também? É assim que você lida com as pessoas que ama quando elas se tornam inconvenientes?” “Com todos os defeitos que tinha”, rosnou ele por entre os dentes, “minha mãe nunca me sabotou!” “Isso não é justo! Cometi um erro, Jax, não posso nem começar a explicar o quanto me arrependo. Mas fiz o que fiz porque te amo, e não porque quisesse magoar você.” Ele abriu os olhos. “Este relacionamento foi um erro.” A falta de emoção em sua voz ao terminar daquela forma fez meu sangue gelar nas veias. “Quer saber de uma coisa, Jackson Rutledge? Vá se foder.”


9

“Entendo por que você fez o que fez”, comentou Nico, “mas ficaria puto da vida se uma mulher com quem estivesse saindo pusesse um investigador na minha cola.” A voz do meu irmão e o barulho de fundo da noite no Rossi’s acalmaram meus nervos. “A gente não está saindo”, argumentei, olhando para a mala arrumada às pressas ao meu lado, uma lembrança de como as coisas estavam complicadas. “A gente mora junto.” “Pior ainda. Tem que perguntar a uma mulher sobre o cara com quem você mora? Isso não é normal, Gianna. Vou perguntar mais uma vez: quer mesmo viver desse jeito?” Fiz uma cara feia para ele do outro lado da linha. “Não, claro que não.” “Então dê o fora daí e arrume um cara decente que te dê o que você quer.” “Já tentei. Não funcionou.” Ele me ignorou. “Tente de novo.” “Dá para parar de ser tão negativo por um minuto e me ajudar a arrumar uma solução para essa bagunça? Por que é que os homens estão sempre tentando resolver problemas quando as mulheres estão bem? E, depois, quando a gente decide resolver as coisas, eles não têm nada a dizer?” “Quando se está com o cara errado a única solução é ir embora. Pronto. Resolvido.” Rosnei. “Para mim, o problema é Deanna.” “Nunca gostei dela”, disse Nico, para minha surpresa. Em geral, meu irmão não falava mal de mulher nenhuma — nossa mãe criara os filhos


para serem educados. “Nem Vincent gostava muito. Mas na cama as coisas eram boas. Ela gostava de sadomasoquismo.” “Eca.” Balancei a cabeça. “Informação demais, Nico. Sério. Vocês não deveriam conversar sobre essas coisas. O que aconteceu com a privacidade?” “Ei, não pedi para ver as fotos que ela mandava para ele. De qualquer forma, Vincent devia ter avisado sobre ela. Parece que Deanna começou a carreira dormindo com homens influentes e casados, e depois se valeu das informações que descobrira na cama para arrancar furos deles.” Olhei para a porta fechada do quarto, com uma ideia na cabeça. “Então…”, prosseguiu meu irmão, “quer que eu apareça aí no fim de semana e ajude com a mudança?” “Ainda não.” Fiquei de pé e caminhei até a mala do laptop. “Depois eu ligo.” “Se eu não puder atender, ligo de volta.” Mesmo com a cabeça em outras coisas, não podia deixar de notar como Nico era maravilhoso. Eu tinha muito pelo que agradecer na vida, mas meus irmãos definitivamente estavam no topo da lista. “Ti amo, fratello.” “Eu também.” Guardei o telefone no bolso, peguei o computador e sentei no banco ao pé da cama. Entrei na internet e torci para que Vincent não tivesse mudado a senha de sua conta na nuvem. Não mudara. Enfrentei um momento terrível de dúvida, pesando minhas opções. De qualquer forma, alguém que eu amava ia sofrer. No final, a natureza pública da ameaça de Deanna venceu. Entrei na conta de Vincent e abri a pasta para onde as fotos do celular dele iam automaticamente. Minha vontade foi de arrancar os olhos. Tinha coisas que uma garota simplesmente não queria imaginar que seus irmãos soubessem. Ou fizessem. Baixei para meu laptop todas as fotos picantes de Deanna — perguntando-me por que Vincent as tinha guardado mesmo depois do


término — e mandei uma mensagem para ela pedindo que me ligasse assim que possível, porque eu tinha mais informações. Com as mãos trêmulas, comecei a tirar as coisas da mala e colocar de volta no lugar. Jax não acreditava que eu fosse forte o suficiente para viver com ele, e eu teria de provar que estava errado. Eu era capaz. E ia resolver tudo. Então ele não acharia que tinha que esconder nada de mim porque eu não conseguia lidar com os problemas. Ouvi a voz de Jax atrás da porta, tornando-se mais alta à medida que ele se aproximava. “Já entendi, pai, mas estou indo atrás de Gianna agora…” A porta se abriu. Jax entrou, parando no meio da passada assim que seus olhos recaíram sobre mim. Parker estava logo atrás dele e também parou ao me ver, fechando a boca antes de dizer o que estava prestes a dizer. Com um aceno da cabeça, Parker saiu do quarto e fechou a porta. Jax a trancou. Meu telefone começou a tocar. O nome de Deanna apareceu na tela. Mantendo os olhos fixos em Jax, atendi a chamada de forma curta: “Gianna Rossi”. “O que foi?”, perguntou Deanna, soando distraída e impaciente. “Oi, Deanna.” Jax estreitou os olhos. Respirei fundo, sabendo que aquela era a cartada da minha vida. “Olha, vou direto ao ponto: ou você derruba essa matéria sobre os Rutledge ou eu publico fotos pornográficas suas em todos os sites do mundo.” Jax dilatou as narinas, respirando fundo. “Duvido”, retrucou Deanna. “Ah é?”, perguntei. “Vai pagar pra ver?” “Essas fotos são propriedade privada!” “Quem é você pra vir falar de propriedade privada?” “São duas coisas completamente diferentes, Gianna! A família Rutledge abriu mão de qualquer esperança de manter a privacidade quando decidiu tentar controlar o país.” “Você está indo longe demais.”


“E você não? Existem leis contra isso. Se você postar as fotos, vou atrás de você e dos Rutledge. Você vai virar a inimiga.” “Existem leis contra extorsão também”, eu disse, friamente. “Mas isso não impediu você. Existem maneiras de descobrir quem está manipulando para conseguir suas informações tanto quanto existem maneiras de esconder quem publicou as fotos na internet.” Era uma avalanche de mentiras, mas eu não podia parar agora. Ela respirou fundo. “Não sei o que você acha que tem aí…” “O suficiente.” Apertei o telefone na mão. “Derrube a matéria, Deanna, ou vou acabar com sua reputação. Você é quem sabe.” “Não posso derrubar a história! É tarde demais.” “Problema seu.” Desliguei. Jax me encarou. “O que está fazendo?” “Não sei direito. Improvisando.” O telefone tocou mais uma vez. Atendi. “Como você tem coragem de fazer isso?” A voz de Deanna estava envolta em pânico. “Como uma mulher pode fazer isso com outra?” Não podia fazer a mesma pergunta, porque voltaria atrás se o fizesse. Eu mesma já havia enviado fotos sugestivas para Jax. Nada tão extremo, mas ainda assim… ficaria mortificada se alguma delas viesse a público. “Me dê outra escolha.” “Isso não é da sua conta! Jackson Rutledge já é bem grandinho. Deixe seu namorado resolver os problemas dele sozinho.” “Eu deixaria, se não fosse a responsável por essa bagunça.” Jax veio na minha direção. Deanna soltou um resmungo. “Você vai comprar briga comigo por um cara que não fala nada da vida dele pra você? Acha que ele se importaria se fosse o contrário? Jackson ia fugir. Não se iluda!” Ela havia escolhido a hora errada para dizer aquilo, porque a expressão nos olhos de Jax naquele momento era amorosa. No mesmo instante, soube que ele faria qualquer coisa por mim. “Essa conversa acabou”, eu disse a ela, precisando encerrar aquilo antes que mudasse de ideia. Sim, Deanna era uma oportunista, mas minhas


ameaças não me faziam melhor que ela. “Você sabe o que precisa fazer.” Desliguei uma fração de segundos antes de Jax me agarrar e me espremer tanto junto de si que eu mal podia respirar. “Meu Deus, Gia.” Seus lábios se apertaram com força contra minha têmpora. “Eu não esperava… não queria… Que merda.” Abracei-o de volta, bem apertado. Jax tinha razão; eu não havia lutado por ele na primeira vez em que terminamos. Não ia cometer o mesmo erro duas vezes. “A gente vai superar isso. Não vai?” Havia um tom de súplica em minha voz. Odiei ouvi-lo, mas tinha um nó no estômago que simplesmente não se desfazia. Uma sensação terrível de que o pior ainda estava por vir. Jax apoiou a cabeça na minha, o corpo inteiro pesado de cansaço. “Desculpe, meu amor. Eu estava com raiva de tudo e de todos, menos de você. Mas era o alvo mais fácil. Fui um idiota.” “Desculpe também. Não sabia o que estava pensando quando pedi a ajuda dela.” “Essa vida… Estamos só ajustando as coisas. Vou ter que ensinar você a lidar com isso.” Seus lábios roçaram minha bochecha. “Eu devia ter falado. Você precisava de respostas, e elas deveriam ter vindo de mim.” “Fica de aprendizado para a próxima”, eu disse, rezando para que fosse assim tão fácil. Um dia, não haveria mais erros para cometer. Eu tinha que acreditar naquilo. Deixei escapar um suspiro. O que tivéramos em Las Vegas… parecia tão claro. Tão verdadeiro. Agora tudo estava obscuro, nublado por nossos laços familiares. Lamentava a inocência que nosso relacionamento perdera em algum lugar ao longo do caminho. Mas chorar pelo que perdêramos não me impedia de valorizar o que ainda tínhamos. Quando estava nos braços de Jax, eu me sentia como se estivesse exatamente onde deveria estar. A única outra coisa que chegava perto de me proporcionar aquela sensação de conforto era o Rossi’s. Eu sabia como era perdê-lo. Agora ia aprender o que era necessário para


mantê-lo. Afastando-se um pouco, Jax olhou para mim, as mãos deslizando ao longo das minhas costas. “Estava indo buscar você. Se já tivesse saído, ia te trazer para casa.” Voltei para o abraço dele, querendo confortá-lo e ser reconfortada ao mesmo tempo. Podia sentir o estresse em seu corpo, a tensão represada ao máximo e prestes a explodir. “Eu talvez tivesse dado trabalho.” Ele levou as mãos ao meu pescoço, os dedos massageando os músculos contraídos. Soltei um gemido, derretendo sob seu toque experiente. Jax baixou a cabeça, e sua voz saiu profunda e grave. “Vou trabalhar nisso agora.” Embora tivesse percebido o beijo chegando, ainda assim me nocauteou. A boca de Jax fechou-se sobre a minha, gananciosa, seu toque permeado por uma selvageria que não havia experimentado desde Las Vegas. Sua língua me acariciou, rápida e brusca, lambendo-me fundo com uma sexualidade devastadora. A mensagem estava clara antes mesmo de Jax falar. “Quero você”, ele disse, suavemente, traçando meus lábios com a ponta da língua em seguida. “Tem uma dezena de pessoas do outro lado dessas paredes, e não estou nem aí. Não consigo fazer silêncio quando estou comendo você… eles vão me ouvir gozando dentro de você. Vão ver na minha cara quando eu sair. E não estou nem aí. Se não entrar em você agora, vou perder a cabeça.” “Jax.” Meu telefone começou a tocar. Coloquei em modo silencioso e deixei o aparelho cair, sem me importar com onde tinha ido parar. Então agarrei o cabelo de Jax nas mãos, segurando-o junto de mim enquanto o comia com a boca. Amava beijá-lo. A sensação de seus lábios, tão firmes e tão macios. Os sons ásperos de prazer que ele fazia. Quão voraz ele era para mim. Jax me fazia sentir como se não pudesse viver sem mim. Ele me pegou pelo pulso e levou minha mão até sua ereção. Estava duro feito pedra, deliciosamente grosso. Então levou minha mão até o peito e a


apertou sobre seu coração acelerado. “Gia…” Perdi o controle. Rasgamos as roupas um do outro, arrancando os botões e abrindo costuras delicadas. Estava desesperada para chegar a ele, os lábios e os dentes abocanhando cada centímetro de pele bronzeada que alcançavam, minhas mãos puxando e afastando os pedaços de tecido que ficavam no caminho. Ouvi o telefone vibrar, mas não me importei. Nem Jax. Com tudo pegando fogo à nossa volta, estávamos concentrados em nós mesmos. Ele me empurrou para trás até eu cair na cama, então tirou os trapos da camisa e se juntou a mim. Sua pele estava quente e me queimava mesmo através do sutiã e da calça. Beijando-me profundamente, Jax segurou um dos meus seios, apertando-o com desejo antes de afastar a renda para tocar minha pele nua. Arfei, o mamilo rígido sob seu toque. Atrapalhei-me com o botão de sua calça, rosnando quando ele subiu em cima de mim e prendeu minhas mãos. “Você primeiro”, ele murmurou. Dedos hábeis circularam meu mamilo e o apertaram, provocando ondas de prazer pelo meu corpo. No instante seguinte, aquela boca que eu adorava estava em meu peito, o calor úmido envolvendo meu mamilo sensível. Sua língua atacou a pontinha endurecida, as bochechas se afinando à medida que ele me sugava. Sua mão estava entre as minhas pernas, esfregando meu sexo sedento por cima da calça, provocando-me com o roçar de sua ereção contra minha coxa. Seu aroma e seu calor me inundaram, suas mãos e sua boca passavam por mim. Eu queria um pouco de controle, mas Jax foi muito rápido, deslizando antes que eu pudesse segurá-lo. Seu olhar cruzou o meu enquanto puxava minha calça e a calcinha. Sentando na cama, tirei a blusa e soltei o sutiã. Meu celular estava vibrando sem parar, estabelecendo um ritmo urgente. Jax rolou no colchão e abriu a braguilha, levantando os quadris para baixar a calça e a cueca boxer até a coxa. Veio para mim desse jeito, impaciente demais para tirar


tudo. Abri as pernas para ele, levantei os braços e gritei seu nome quando me segurou pelo quadril e enfiou metade do pau dentro de mim. Ele baixou a cabeça e gemeu em meu ouvido. “Me deixa entrar, linda.” Contorcendo-me, ofegante, ergui-me para ele. Minhas unhas se enterraram nos músculos rígidos de suas costas, minhas panturrilhas pressionaram suas coxas. Fiquei cada vez mais molhada, excitada pela entrega com que seus quadris se moviam, seu corpo buscando de forma irracional uma conexão mais profunda com o meu. Bem que gostaria de preliminares, mas estava quase chegando lá, meu sexo agarrando-se a ele em pulsações rítmicas. “Assim”, arfou Jax, saindo um centímetro para entrar de novo. Gemi quando ele foi mais fundo, os quadris lutando contra suas mãos numa necessidade de arquearem-se. De repente, ele saiu, deixando-me sedenta e vazia. Então sua boca estava lá, entre minhas pernas, lambendo, envolvendo meu clitóris, aquela massa latejante de nervos. Minhas mãos seguraram os lençóis, minhas costas se arquearam. Cheguei ao orgasmo tão depressa que fui pega de surpresa. O calor se espalhou por minha pele como uma febre. Tremores de prazer varando meu corpo. Suguei o ar, contorcendo-me para longe do tormento delicioso da língua habilidosa de Jax. Ele agarrou minhas coxas com as mãos, segurando-me no lugar e enfiando a língua em mergulhos rasos, rápidos e ardentes. Foi uma provocação maldosa que me deixou desesperada por seu pau. No momento em que se afastou para subir de novo em mim, envolvi as pernas nele e girei nossos corpos, colocando-o debaixo de mim. Jax estava magnífico, deitado ali, o corpo bronzeado e quente, os olhos selvagens. O suor brilhava nas curvas rijas de seu abdome, e o calor corava suas maçãs do rosto. Sua boca estava molhada de mim e vermelha. Ele era muito sexy. E a maneira como suas mãos agarraram meus quadris enquanto ele me puxava sobre si me deixou louca de desejo de cavalgá-lo. De exigir o que eu precisava. De possuí-lo.


Peguei-o com a mão e o posicionei, segurando sua ereção para descer nela. O pau estava tão duro que salivei. Olhei para o membro grosso e comprido em minha mão e lambi os lábios, querendo saboreá-lo. “Depois”, rosnou Jax, levantando os quadris para mergulhar seu pau enorme em mim. Minha pele ficou toda arrepiada. Jax estava pegando fogo, e arrastava-me para o incêndio com ele. Puxou-me para baixo, e eu gemi, tão molhada e pronta com o toque milagroso de sua boca que o recebi até o talo, deslizando facilmente. Seu pescoço arqueou-se e as costas curvaram-se, afastando-se da cama com um silvo de prazer proferido entre dentes. “Gia.” Minha garganta estava ardendo. Saber que lhe dera o que ele precisava… que éramos iguais… nada mais me afetava da mesma forma. Jax ergueu o torso, numa onda de músculos torneados, e enterrou o rosto em meu pescoço. “Te amo.” “Jax…” Enfiei os dedos em seus cabelos, segurando sua cabeça para mantê-lo perto de mim. “Quero fugir com você”, ele murmurou. “Ir embora e mandar tudo para o inferno.” Apertei-o com força. “Por quanto tempo?” Seus dentes afundaram de leve em meu pescoço. “Para sempre.” “Combinado.” Fiquei de joelhos, deixando-o sair de mim. “Vamos.” Logo eu estava de costas na cama com Jax em cima de mim, sua boca curvando-se num sorriso perigosamente sexy. “Primeiro vamos terminar isto aqui.” “Não quero que termine nunca”, eu disse, baixinho. Jax segurou as laterais de meu rosto e cravou os olhos em mim. Engoliu em seco, como se fosse dizer alguma coisa. Então baixou a cabeça e me beijou, preferindo não usar palavras. Sentada na cama de pernas cruzadas, observei enquanto Jax se vestia.


Estava quieto, os pensamentos nitidamente levando-o para longe de mim. “Jax.” “Humm?” Ele voltou o olhar para mim, e a expressão vazia em seus olhos aos poucos foi sumindo, à medida que registravam minha presença. Jax parou de abotoar a camisa. “Você está bem?” Com toda a pressa que tivera para entrar em mim, Jax desacelerara o passo depois que o conseguira. Fizera amor comigo. Devagar. Com carinho. Como se também quisesse lembrar como as coisas costumavam ser entre nós. Devolvi a pergunta para ele. “Você está?” Seu peito se estufou e esvaziou em seguida. “Estou. Tenho que cuidar de algumas coisas, mas sei o que preciso fazer. Só que desta vez você está fora disso, certo? Chega, Gia. Não vou deixar você…” Um grito na sala de estar o interrompeu. O tom era irritado e chamou nossa atenção, até que se tornou reconhecível. Gelei por dentro. A ansiedade fez meu coração pular acelerado. Saí da cama para me vestir. “Meu irmão.” Uma olhada rápida no relógio confirmou que era o horário mais movimentado da noite no Rossi’s. Entrei em pânico. Vincent não ia abandonar o restaurante para vir ao apartamento sem um bom motivo. Jax enfiou a camisa para dentro da calça. “Deixe que eu cuido disso.” “Não. É problema meu.” “De jeito nenhum.” Ele calçou os sapatos sociais e caminhou na direção da porta. “Você já fez o suficiente hoje.” “Jackson…” A porta se fechou atrás dele. Fiquei no quarto, lutando para me tornar apresentável o mais depressa possível. Vincent gritou de novo, parecendo mais irritado do que antes. Na pressa, peguei uma calça e uma blusa de ginástica. Cheguei à sala em tempo de ver todo mundo indo embora. Jax estava de pé, perto do sofá, esfregando o queixo, e Vincent estava no último degrau que levava à sala de estar rebaixada, as mãos cerradas em punho junto do corpo. Usava uma camiseta de trabalho do Rossi’s, e seu belo rosto estava fechado em linhas rígidas.


“Vincent.” Ele se virou para mim. “Quer me explicar por que estou recebendo ligações alucinadas da Deanna no restaurante?” Cruzei os braços, protegendo meu coração da frieza em seu olhar. Em toda a minha vida, nenhum de meus irmãos me olhara daquele jeito. “Ela contou o que andou aprontando?” “Ela é jornalista, Gianna. Escrever matérias é o trabalho dela.” “Foi essa a historinha que ela contou para você? O que a Deanna está fazendo é errado.” “E o que você está fazendo?”, revidou ele, dando um passo na minha direção e fazendo Jax dar um passo também. Vincent voltou a cabeça bruscamente na direção dele. “Cai fora, Rutledge. Você obrigou minha irmã a fazer isso!” Jax assentiu com tristeza. “Obriguei.” Fiquei boquiaberta. “É mentira! Ele não teve nada a ver com isso.” “Até parece!”, disse meu irmão, rispidamente. “Você jamais teria feito uma coisa dessas se não fosse por ele. Como é que sabia das fotos?” Eu não ia envolver Nico na história. “Tenho a senha da sua conta na nuvem.” Vincent me fitou como se nunca tivesse me visto antes. “E você usou? Há quanto tempo tem invadido minha privacidade?” “Só fiz isso hoje à noite.” “Não acredito.” Isso doeu. Muito. “É verdade.” “Você podia ter me ligado. Eu podia ter tentado falar com ela. Não tinha que…” “Não ia funcionar”, eu disse, mantendo a voz estável. “Jamais teria ameaçado Deanna se tivesse outra escolha.” “Então você abusou da minha confiança e me meteu na confusão sem me avisar? Você me excluiu da jogada, Gianna, em vez de pedir minha ajuda. Não é assim que nossa família lida com as coisas, e você sabe disso.” Ele apontou para Jax. “Esse é o jeito dele lidar com os problemas, não o seu.”


“Não havia tempo, Vincent!”, argumentei, odiando-me pela dor que via estampada no rosto do meu irmão. Algo precioso fora destruído, e aquilo estava me despedaçando por dentro. “Eu ia avisar.” “Tarde demais.” Ele virou-se para Jax. “Parabéns, babaca. Transformou minha irmã numa cretina.” E andou em direção à porta. “Vincent. Espera!” Corri atrás dele, desesperada para consertar a primeira briga de verdade que já tivera com um dos meus irmãos. Nunca ficara tão assustada. Meu coração batia tão rápido que fiquei tonta. Jax disparou na minha frente, segurando-me pelos ombros e me impedindo de me mover. “Deixa comigo.” Abri a boca para argumentar, então notei o hematoma em seu queixo. O espanto me paralisou. “Ele bateu em você?” “Não saia daqui”, disse Jax, como se eu não tivesse feito uma pergunta, sua atenção voltando-se para a porta que se fechava atrás do meu irmão. “Entendeu? Espere por mim.” E foi atrás de Vincent. Quase duas semanas depois, eu ainda esperava Jax voltar para casa.


10

“Ele só está sendo teimoso.” Angelo balançou a cabeça e deu um longo gole no refrigerante. “Você sabe como Vincent é.” “Está com saudade de você”, concordou Deanna, mergulhando um punhado de batatas fritas no ketchup. “Tente ligar de novo.” “Ele desliga assim que ouve minha voz.” Arrastei a cadeira para junto da mesa para que uma mulher passasse atrás de mim. A lanchonete perto do trabalho estava lotada, e havíamos tido sorte de conseguir uma mesa. “Ele quer mostrar que está bravo”, argumentou Denise. “Podia simplesmente deixar a ligação cair na caixa postal se só não quisesse falar com você.” Belisquei um pedacinho de pão do cachorro-quente, sem fome. Fazia quase duas semanas que estava brigada com Vincent, e os Rossi finalmente decidiram que já estava mais do que na hora de resolver aquilo. Minha mãe havia ligado na véspera, depois Nico. Angelo e Denise apareceram no trabalho para almoçar comigo. Estava contando que meu pai ia dar as caras no jantar. “Gianna.” Denise colocou a mão sobre a minha. “Apareça lá no apartamento para falar com ele. Resolva isso. Vocês dois estão arrasados.” “Melhor.” Angelo olhou para mim. “Volte pra casa. Você não devia estar morando sozinha na casa do Jackson.” Era o único lado bom da briga com Vincent: havia me dado um motivo para ficar na cobertura. “Ele tem dado notícias?”, perguntou Denise, mergulhando mais batatas no ketchup. Assenti. “Toda noite.” Jax dizia que estava com saudade. Que estava trabalhando muito e não


queria levar trabalho para casa. Mas não dizia mais do que isso, deixandome numa posição estranha. Será que tínhamos terminado e ele não tinha coragem de dizer? Será que estava ligando só para saber se eu tinha ido embora, para poder voltar para casa? Isso não explicava por que falava comigo como um amante que estava viajando a trabalho. Angelo contraiu os lábios. “Eu sei que você não quer ouvir isso, mas é melhor para você, Gianna. Ele estava transformando você numa coisa que não é. Nunca ia dar certo.” À noite, sozinha na cama, meus pensamentos me guiavam pelo mesmo caminho até a conclusão de sempre. A reportagem de Deanna nunca se materializara, mas o que ela dissera ou fizera para impedir a publicação no último minuto custara seu emprego. Era difícil conviver com aquilo. “Amo Jax”, eu disse. “Tanto quanto você ama Denise. E talvez se surpreendesse com o que faria se alguém ameaçasse revelar para todo mundo a vida pessoal dela.” “Eu não me surpreenderia. Entendo por que fez o que fez. Mas o mundo de Jax é diferente, e você sabe disso. Não é para você”, insistiu Angelo, seu semblante lembrando um pouco o do nosso pai quando dava uma notícia ruim. Passei o restante da tarde no trabalho, pensando no que precisava fazer para colocar minha vida de volta nos eixos. Profissionalmente, as coisas estavam correndo perfeitamente. Chad estava satisfeito comigo de novo e trabalhava bem com Inez e David. O projeto arquitetônico do restaurante fora aprovado, e as obras já haviam começado. Lei acompanhava tudo o que estava acontecendo, mas sem me sufocar. Eu ainda ia todo dia para o escritório feliz com meu trabalho, e contava isso para Jax. O medo que um dia sentira de discutir detalhes profissionais com ele desaparecera. Sabia que desejava que boas coisas acontecessem comigo. O que, de certa forma, era estranho. A confusão com Deanna fortalecera


alguns aspectos de nosso relacionamento, mesmo que tivesse nos separado. Não conseguia entender isso. Fui até o Rossi’s depois do trabalho. Minha família tinha razão; estava na hora de consertar as coisas com Vincent. Meu irmão estava trabalhando no bar, mas me viu no momento em que entrei e fechou a cara por um instante antes de voltar a atenção para o drinque que estava preparando. Vincent não tinha o mesmo estilo de Nico. Não flertava tão desavergonhadamente, mas o mesmo número de mulheres o acompanhava para onde ia. O ar sombrio e mal-humorado caia-lhe bem. Puxei um banco vazio para sentar e fiquei observando-o trabalhar. Havia alguns fregueses disputando sua atenção, mas sabia que ele estava de olho em mim, embora não tivesse me encarado. O mesmo não podia ser dito de meus pais, que não paravam de se voltar na nossa direção. Quando Vincent se aproximou para servir uma cerveja para o cara à minha direita, quebrei o gelo. “Desculpe.” Ele respirou fundo e endireitou as costas. Então pegou uma nota de cinco dólares deixada de gorjeta no bar, tamborilou contra o tampo em forma de agradecimento e colocou o dinheiro na caixinha de gorjetas. “Vou tirar dez minutos”, avisou a Jen, que também estava no bar. “Pode deixar”, disse ela, abrindo um sorriso para mim. “Escritório”, disse Vincent já do meu lado do balcão, gesticulando impacientemente para que eu seguisse na sua frente. Era impossível não me lembrar de quando Jax e eu entramos no escritório nos fundos do restaurante, mas afastei a memória e encarei meu irmão. Fui direto ao ponto. “Você tem que me perdoar.” Ele cruzou os braços. “Já fiz isso faz um tempo.” “Ah é?” Pisquei, diante da onda de alívio que me fez escorar na mesa do meu pai. “Então por que não fala comigo?” “Para punir você. Além do mais, não quero ouvir desculpas. Se ficar com Jax significa se transformar em outra pessoa, então pode ir embora.” “Ele não teve nada a ver com a forma como lidei com Deanna. Não sei


por que falou isso para você.” “Porque ele sabe que tem.” Vincent ergueu a mão para me interromper. “Se não entender uma coisa de uma vez por todas, vou encerrar essa conversa agora: você lidou com a situação como um Rutledge, e não como um Rossi, e aprendeu a ser assim com ele.” Absorvi seu argumento. Então fitei por um segundo o retrato de família na parede, antes de assentir, concordando. “Tem razão.” “Claro que tenho.” Ele correu a mão pela cabeça, então me segurou de repente, puxando-me para um abraço. Comecei a chorar. Não esperava por aquilo. Não percebera que estava no limite até estar envolvida em amor e segurança mais uma vez. Vincent soltou um palavrão e me apertou mais forte. Sabia que ele odiava lágrimas e detestava lidar com elas, mas eu não conseguia parar, e era muito bom colocar aquilo para fora. “Já chega”, murmurou ele, com os lábios colados no alto da minha cabeça. “Senti sua falta”, solucei. “Eu estava bem aqui.” “Também sinto falta de Jax. Faz dias que ele foi embora.” Vincent respirou fundo. “Eu sei.” Desvencilhei-me de seu abraço, a respiração reduzida a fôlegos entrecortados. “Eu… não sei o que fazer.” Vincent contraiu a mandíbula. “Que tal começar parando de chorar? Depois, pare de se preocupar com Jax. Ele está consertando as merdas dele.” “O quê? Como assim? Como você sabe disso?” Vincent deu um passo para trás. “Ele me falou.” Franzi a testa e limpei o rosto. “Por que ele falaria isso para você e não para mim?” “Porque sou provavelmente uma das poucas pessoas que não tentariam convencer o cara a mudar de ideia.” “Dá pra falar a minha língua?”


Vincent soltou uma risada desdenhosa. “Não vou facilitar as coisas pro cara, Gianna. É problema dele e, não importa o que acontecer, é ele quem tem que explicar.” “Você está me irritando, Vincent.” “Ótimo. Você merece.” Ele passou um braço ao redor dos meus ombros. “Tenho que voltar para o bar. Vou fazer um drinque para você.” “Queria que você fizesse sentido pra mim”, reclamei, dando um empurrão nele. “Fique esperta, garota!” Voltamos para o restaurante, e meus passos desaceleraram. Reconheci a cabeça branca do outro lado do salão lotado. Como se tivesse sentido meu olhar, Parker Rutledge virou-se e me encarou. Quando notei sua expressão se suavizar, percebi que estava me procurando. Não pude afastar a preocupação. Tinha acontecido algo com Jax? “Se precisar, grite”, disse Vincent, apertando meu ombro antes de voltar para o bar. Observei enquanto Parker se aproximava e rezei para que o delineador e o rímel não estivessem borrados. Ajeitei a saia, desejando ter passado no banheiro para me arrumar. O pai de Jax estava usando um terno preto distinto e uma gravata azul-clara, parecendo pronto para dominar o mundo. Eu tinha medo de não estar à altura. “Gianna.” Ele me deu um abraço rápido. “Faz tempo que quero conversar com você.” “Está tudo bem?” “Infelizmente, não. A gente pode conversar?” “Claro.” Porque ele parecia e soava tão sério, perguntei: “Você acha melhor ir para a cobertura?”. Parker torceu os lábios, pesaroso. “Jackson me deu ordens estritas de não incomodar você no trabalho ou em casa, embora confesse que estava prestes a fazer exatamente isso se você não tivesse aparecido no Rossi’s hoje.” Lancei um olhar rápido para o segurança que me acompanhava por todo


canto. Será que tinha dado a dica para Parker? Não que eu me importasse. Cruzei olhares com minha mãe e apontei para uma mesa vazia, dando a entender que íamos ocupá-la. Ela assentiu e tirou a mesa de sua planilha de reservas. “Tenho que conversar com você sobre Jackson”, começou Parker assim que nos acomodamos à mesa. “Ele está cometendo um erro terrível.” Pousei as mãos sobre a mesa. “Como assim?” “Jackson não pode simplesmente ir embora. Ele tem a política no sangue. E, mais do que isso, tem uma responsabilidade com o país. Meu filho tem o que é preciso para moldar o mundo de maneira profunda e necessária.” Obviamente, Parker achava que eu estava a par do que Jackson estava fazendo, e decidi que era melhor não informar a ele que não tinha ideia. Disfarcei o melhor que pude e tentei não me empolgar muito diante da possibilidade de Jax estar pensando em se afastar dos negócios da família. “Tenho certeza de que ele se dedica ao máximo pela causa.” “Não se pode dizer isso até ele se candidatar.” “Ah.” Eu nem considerara a possibilidade. Aquilo mudava tudo. A pequena chama de esperança que sentira rapidamente feneceu. “Não sabia que ele queria começar uma carreira política.” Parker inclinou-se na minha direção. “Jackson me contou sobre como você lidou com aquela repórter. Você vale ouro, Gianna. É do que ele precisa para chegar ao próximo estágio. Com você, Jackson pode chegar até a Casa Branca.” A simples ideia fazia meu cérebro dar voltas. “A Casa Branca? Está falando sério?” Parker recostou-se contra a cadeira. “Não acredita que ele seria capaz?” Encarei seu olhar, estupefata diante da grandiosidade de seus sonhos para o filho. “Jackson é capaz de fazer qualquer coisa que quiser. Ele é impressionante.” “Concordo.” “Desde que eu possa fazer parte da vida dele, vou apoiar Jackson em


qualquer decisão que tomar.” Respirei fundo. “Mas…” Parker me avaliou com o olhar. “Mas o quê?” Não havia jeito fácil de falar aquilo. “Você sabe que ele culpa o estresse da vida pública da política pelo alcoolismo da mãe?” Parker aprumou as costas abruptamente, empertigando os ombros. “Ele é mais forte do que ela.” Não havia como discordar daquilo. “Acho que Jackson está mais preocupado comigo.” “Eu sei”, concordou Parker, com um aceno compreensivo. “É por isso que você tem que conversar com ele. Dizer que aguenta o tranco. Fazer com que acredite nisso.” Fitei o bar e cruzei olhares com Vincent. Suas palavras mais cedo sobre ser uma das poucas pessoas que não tentariam convencer Jackson a mudar de ideia de repente fizeram sentido. “Você sabe onde ele está?” “Washington. Posso mandar você até lá.” Encarei-o. “Quando quiser.” Achei que ia acabar numa mansão dos Rutledge, mas me vi batendo à porta de um apartamento num arranha-céu. Pouco tempo antes, eu jamais imaginaria que me habituaria a viajar em jatinhos particulares, mas minha vida havia mudado muito. Estava me adaptando a ela o mais rápido que podia. Ainda assim, não me acostumava a viver sem… “Jax”, disse, quando a porta se abriu e eu o vi. Meu coração deu um pulo. Ele estava uma delícia. O terno de três peças feito sob medida não suavizava o ar selvagem criado pela barba por fazer e o cabelo ligeiramente comprido. Seu rosto esbelto estava mais magro, o olhar intensamente concentrado. Não falou uma palavra sequer, apenas me agarrou e me beijou como se estivesse morrendo de sede e eu fosse um copo de água gelada. Joguei os braços ao redor de seu pescoço e abri os lábios, deixando-o me lamber e enfiar sua língua em mim, fraquejando à medida que devorava a minha


boca com uma ferocidade sensual. O nervosismo que sentira durante o voo dissipara-se e fora esquecido. Independentemente do que estivesse fazendo longe de mim não era porque não me queria mais. Jax me puxou para dentro do apartamento e bateu a porta, imprensando-me contra ela. “Tenho que atender uma ligação em um minuto”, murmurou contra meus lábios. “Depois, vou comer você por um bom tempo.” Dei um tapa em seu ombro. “O que está fazendo em Washington?” “Você sabe. É por isso que está aqui.” Ele me soltou e se afastou. “Foi Parker quem mandou você?” “Ele providenciou o avião. Eu vim porque quis.” “Um dia ele vai entender.” Jackson virou-se para o outro lado e apontou para as portas duplas que ficavam à esquerda. “O quarto fica ali. Tire a roupa e espere por mim.” Mordi o lábio inferior numa tentativa de conter um sorriso, pois sabia que ele estava me provocando de propósito. “Vá sonhando.” Quando chegou à escrivaninha que havia na sala, Jax me fitou de relance. O apartamento era consideravelmente menor do que a cobertura de Nova York, e quase não havia mobília. Havia um sofá e uma mesa de centro, mas nada de televisão ou quadros na parede. Os únicos objetos visíveis estavam na escrivaninha, coberta de canetas e papéis soltos. “Faz duas semanas que não faço nada além de sonhar com você.” Ele pegou o telefone e escorou-se contra a mesa. Toda vez que olho para seus olhos vejo uma casa com um jardim e uma cerca branca. Tinha certeza de que não era o cara certo para isso. Estava errado. Um dia desses, quando você estiver pronta, vou te dar tudo isso. E você vai me dar uma menininha linda ou duas, de cabelo encaracolado e um sorriso encantador.” Senti o peito apertar. “Jax…” O telefone tocou, e ele atendeu. “Dennis… Não, você ouviu direito, e é por isso que eu queria confirmar que deve falar com Parker para seguir em frente… Não, ele não vai mais me atualizar sobre isso. Estou saindo da


jogada.” Jax me fitou. “Vou me casar. Sim, é uma boa notícia… Obrigado. Boa sorte na próxima eleição, senador.” Observei-o desligar o telefone e pousá-lo na mesa. Jax cruzou os braços. “Você ainda está vestida.” “Não quero dormir com o noivo de outra.” Estava tentando me controlar, mas uma onda de felicidade tinha me invadido. Havia algo de diferente nele. Algo que me fazia lembrar do Jax que conhecera em Las Vegas. Eu gostava daquilo. Muito. “Não disse que estava noivo…” Sua boca se contraiu num meio sorriso presunçoso. “Ainda. E não falei nada sobre dormir.” “Você é muito seguro de si.” “Você é louca por mim.” “Talvez eu só seja louca.” Também cruzei os braços. “Era aqui que você estava esse tempo todo?” “A maior parte dele.” “E vai me dizer o que estava fazendo?” Estávamos de pé em cantos opostos da sala, mas eu sentia como se estivéssemos sendo arrastados um para o outro por uma força poderosa. “Prometi nunca mais levar merda para nossa casa e para você. Mas primeiro eu tinha que me livrar de algumas coisas.” “De que, exatamente?” “Tudo menos você e a Rutledge Capital.” Esfreguei o peito. “Não pedi isso.” “Não, mas eu tinha que fazer. E queria dar um tempo para consertar as coisas com sua família e decidir se podia ou não me perdoar por colocar você nessa situação.” Esfregando o próprio queixo, ele disse, com a voz rouca: “Ver o jeito como você lidou com Deanna… Testemunhar sua briga com Vincent… Acabou comigo, Gia. Eu me odiei por fazer você passar por aquilo”. “Está tudo bem agora. Já resolvemos tudo.” “Fico feliz. Mas não teria sido a última vez.” Jax tirou o paletó com um movimento dos ombros. “Toda aquela baboseira que eu estava despejando


em cima de você sobre ser forte e lidar com os problemas… Eu disse as mesmas coisas para minha mãe na última vez em que a gente se falou, e acho que aquilo a matou. Minhas palavras mataram a esperança que ela tinha de me salvar da vida que odiava.” “Não.” Senti o coração partir diante da culpa e da vergonha que vi em seu rosto. “Não se culpe.” “Eu mereço.” Ele esfregou a nuca, exausto. “Vou encontrar um jeito de viver com isso. Eu era novo. Irresponsável. Certo de que meu pai era um herói nacional. Não ligava para o fato de que a ambição dele estava destruindo a família.” Jax me encarou intensamente. “Não vou fazer isso com a gente. Nada vale a pena se significar perder você. Nada.” Engoli em seco, com um nó enorme na garganta. Eu o amava mais do que nunca. “Nem a Casa Branca?” Jax riu, os olhos escuros brilhando divertidos. “Ele falou desse sonho? Isso nunca ia acontecer. Acho que Parker olha para mim e se ilude, achando que sou sua imagem no espelho.” Era mesmo bem possível. “Não vou viver a vida que ele espera de mim, Gia. Vou viver a vida que ele deveria ter vivido. Vou casar com uma mulher meiga que tem uma família maravilhosa, e vou fazer de tudo para que ela continue protegida e feliz. Vamos ter filhos e alguns cachorros, e fazer churrasco com seus irmãos superprotetores.” “Isso é o suficiente para você?” “Pode ter certeza. Principalmente se eu puder tirar você dessas roupas.” Caminhei até Jax e coloquei as mãos em seu peito, sentindo seu coração bater acelerado e ritmado sob o colete. “Quero que você seja feliz. Não quero que faça sacrifícios por mim e se arrependa.” Jax colocou a mão sobre a minha e apertou os lábios contra minha testa. “Só estou feliz quando estou com você. O resto do tempo… Eu me sentia como se tivesse que honrar o que havia dito à minha mãe, caso contrário qual teria sido a utilidade de causar tanta dor a ela? Sou um cara teimoso”, disse ele, com um sorriso melancólico no rosto. “É tarde demais para


consertar o que fiz, mas não para evitar cometer os mesmos erros com você.” Fechando os olhos, debrucei-me contra ele. Com todo aquele papo de casa com cerca branca e filhos, Jax se daria conta de que era sua honestidade nua e crua que me vinculava a ele de forma mais definitiva do que qualquer jura seria capaz? “Te amo.” Senti seus lábios se abrirem num sorriso. “Eu sei. Nunca vou duvidar do seu amor. Não depois disso.” “Seu pai não vai aceitar perder você assim tão fácil”, alertei, afastando-o só o suficiente para avaliar seu rosto. Jax deu de ombros, mas sua expressão era de determinação. “Desde que eu não perca você.” “Não se preocupe.” Fiquei na ponta dos pés, mordisquei seu lábio inferior e sorri. “Também sou teimosa.”


Epílogo

“Tenho que ficar me beliscando para acreditar que é verdade”, disse, virando-me de relance para Lei. Ela abriu um sorriso e bateu gentilmente sua taça de champanhe na minha. “Tão verdadeiro quanto esse diamante enorme no seu dedo.” Estiquei a mão, da mesma forma que fazia centenas de vezes por dia, para admirar o diamante de cinco quilates na aliança de noivado que Jax me dera. O pedido de casamento fora a coisa mais maravilhosa que já acontecera na minha vida, embora a inauguração do primeiro restaurante Trifecta não tivesse ficado longe. Deixei o braço pender ao longo do corpo e voltei minha atenção para os três chefs que eram as estrelas da noite. Chad, David e Inez estavam juntos de pé, como um grupo unido, conversando com as celebridades que haviam sido convidadas para a inauguração da filial de Atlanta. “Chad está maravilhoso”, comentei, embora não fosse necessário. Lei sabia identificar um pedaço de mau caminho quando via um. “Estou tão orgulhosa dele.” “Estou orgulhosa de você”, disse ela. “Não estaríamos aqui agora se não fosse pela sua dedicação e pelo tanto que trabalhou.” “Obrigada por ter me dado essa chance.” Ver o sorriso no rosto de Lei provocou um arrepio de dever cumprido ao longo do meu corpo. Na lapela, um bóton no formato do logo do Trifecta acentuava seu vestido tubinho vermelho. Com o cabelo solto e os olhos reluzentes, Lei tinha uma aparência jovem e descontraída. “Fico com pena dela”, murmurou minha chefe, gesticulando discretamente com um leve aceno de cabeça. Segui seu olhar e notei Stacy Williams num canto mais afastado da


multidão, a atenção fixa no irmão. “Quando será que seu restaurante vai abrir?” “Boa pergunta. Não ouvi nada a respeito.” A ruiva bonita não parecia feliz. Eu não sabia se era porque o irmão havia despontado antes dela ou porque Ian passara a tarde ao lado de Isabelle. Ao que parecia, ele tinha outra favorita. “Incomoda você que ele esteja aqui?”, perguntei, olhando ao redor até encontrar Jax, conversando com um homem que reconheci como apresentador do Food Network. Respirando fundo, admirei meu homem, cuja visão ainda não perdera o impacto, apesar de estarmos morando juntos havia alguns meses. Ele estava usando um suéter preto elegante e calça social, e eu mal podia esperar para arrancá-los de seu corpo dali a algumas horas. Jax notou que eu o estava encarando e deu uma piscadinha. “Ian?” Lei fez que não com a cabeça. “Ficaria surpresa se não tivesse vindo. Você deveria dizer oi para ele.” “Você vai?” Ela abriu um sorriso irônico. “Quando ele der o braço a torcer e vier falar comigo, sim. Vou oferecer um drinque a ele também. É o mínimo que posso fazer.” Erguendo minha taça num brinde de despedida, aceitei seu conselho e adentrei a multidão. Os alto-falantes emitiam uma seleção musical eclética, um reflexo sonoro do cardápio. A comida recebia elogios entusiasmados, e o ambiente estava animado. Uma inauguração de um restaurante sempre era um evento importante. Como Lei, eu vivia para aquela sensação de empolgação. Logo Vincent estaria abrindo sua própria filial do Rossi’s. Havia muito a comemorar. A vida estava cada dia melhor. “Parabéns, Gianna. Foi uma conquista e tanto.” Parei e encarei Ian Pembry. Minha mãe teria dito que ele era “um pão”. Eu pensava nele como alguém impressionante, além de dono de um carisma inegável.


“Obrigada”, respondi, estendendo a mão. “Vou repassar os elogios aos chefs.” Ele beijou minha mão com lábios firmes e secos. “Sei exatamente o trabalho por trás de uma inauguração de sucesso como essa. Aceite os elogios, você merece.” Assenti em agradecimento. “Não poderia ter feito isso sem Lei. Ela é uma mentora e tanto.” Os olhos de Ian brilharam de divertimento, e ele apertou minha mão antes de soltá-la. “Talvez você se surpreendesse com o quanto pode conquistar sem Lei. Quando estiver pronta para isso, me avise.” Hesitei por um instante, permanecendo em silêncio, então resolvi seguir em frente. “Errou com Lei, sabia? Ela amava você.” O rosto de Ian se retesou, mas, antes que pudesse responder, seu olhar concentrou-se num ponto sobre meu ombro. Ao sentir o braço firme enganchado em minha cintura, sabia quem chamara sua atenção. “Jackson”, Ian o cumprimentou bruscamente. “Ouvi dizer que também lhe devo os parabéns.” Jax me abraçou junto à lateral do seu corpo. “Sou um homem de sorte que conseguiu uma segunda chance.” Ergui as sobrancelhas para Ian, já que as palavras de Jax encaixavam-se perfeitamente com o que eu acabara de dizer. A reação dele foi um sorriso contido. Jax pediu licença e me levou consigo, mantendo a mão junto de meu quadril com uma firmeza que enviava pensamentos libidinosos à minha mente. “Consegui reservar para nós o mesmo quarto em que você ficou na última vez em que a gente esteve aqui.” Eu me lembrava muito bem daquela viagem. Fora um momento decisivo para nós dois. O começo do fim que acarretou num novo começo. “Está dando uma de sentimental?”, provoquei, parando e me voltando para ele. “Ainda consertando erros passados.” “Ah, é? Qual foi o erro?” Ele correu a ponta do dedo ao longo do meu nariz, e uma covinha surgiu


em seu rosto. A combinação das duas coisas me deixou mais do que com os joelhos um pouco fracos. “Deixar você nua e cheia de vontade. Tenho que consertar isso, linda.” “Acho que você me deixou cheia de vontade mais de uma vez. Talvez eu devesse fazer uma lista.” O sorriso de Jax se expandiu. “Sem dúvida.” “Pode ser meio longa”, avisei, pensando em cada uma das vezes em que ele me deixava toda excitada e depois me fazia esperar até quase me enlouquecer. Jax pegou minha mão e brincou com a aliança. “Ainda bem que temos bastante tempo.” Uma vida inteira. Talvez fosse tempo suficiente.

FIM


Espero que vocês tenham gostado desta história. Viciantes, os romances eróticos contemporâneos foram feitos para as mulheres divertidas e destemidas de hoje. E quer coisa mais divertida do que fazer um teste?

Vire a página para descobrir

Ele merece seu amor? e Que tipo de homem você atrai?


Ele merece seu amor?


Descubra se seu homem merece você, se não serve nem para pintar suas unhas ou se precisa apenas de alguns ajustes. 1. Você se arrumou para uma reunião. O que ele diz ao ver você? a. ���Oi, tudo bem se eu estiver por perto quando você for tirar essa roupa?” b. Nada. c. “Você está arrumada hoje.” 2. Seu chefe pegou no seu pé hoje. Abalada, sua vontade é de rastejar para a cama e passar uma semana debaixo das cobertas. Você liga para seu homem para chorar as mágoas. Ele: a. Escuta você e depois oferece de ir até sua casa e ficar abraçadinho com você. E acaba levando um pote enorme de sorvete. b. Corta logo o papo, porque vai sair para tomar uma cerveja com os amigos. c. Escuta, sugere que você durma e liga no dia seguinte. 3. Ele procura fazer com que você atinja o orgasmo: a. Junto com ele ou logo depois. b. Antes dele. c. É cada um por si, minha filha. 4. Do nada, você começa a ter ataques de ansiedade. Ele: a. Ajuda você a achar um terapeuta. b. Diz que é tudo coisa da sua cabeça.


c. Demonstra preocupação, mas parece um pouco chateado com seu comportamento. 5. Vocês saem para jantar e, quando chega a conta, ele: a. Faz o cálculo da sua parte, notando que você pediu duas taças de vinho e uma salada de entrada, enquanto ele só bebeu uma cerveja e comeu um hambúrguer. b. Diz “Deixa essa comigo” quando você vai pegar a carteira. c. Paga metade da conta. 6. Quando uma mulher maravilhosa passa por vocês, ele costuma: a. Dar uma olhadinha. b. Despir a mulher com os olhos. c. Dizer: “Não se preocupe. Ela não chega aos seus pés”. 7. Quando vocês brigam, você acaba se sentindo: a. Frustrada. Ele se fecha completamente. b. Como se vocês estivessem num processo de resolução do problema. Ele pode até ficar zangado, mas é sempre racional. c. Assustada com o comportamento dele. 8. Você conta a ele que sua mãe/irmã/amiga acabou de aconselhar você a não aceitar aquele emprego novo maravilhoso. Ele diz: a. “Não dê ouvidos a ela, você vai se sair bem.” b. “Ela só está preocupada com você. Você vai se sair bem.” c. “Nunca gostei da sua mãe/irmã/amiga.” 9. Você se divertiu muito numa festa. Pode ter ficado de papinho com um ou outro cara, mas não era sério. No dia seguinte, seu homem: a. Fica com tesão devido à sua popularidade. b. Carinhosamente lhe diz como tem sorte de ser o cara com quem você está.


c. Fica emburrado e faz um comentário sarcástico sobre quanto você bebeu. 10. Quando vocês passam um fim de semana juntos: a. Você frequentemente se sente sozinha, porque ele passa muito tempo diante da TV e fica mexendo nas coisas dele. b. Você fica completamente à vontade, e vocês riem, descansam e fazem amor. c. O sexo é fantástico, mas ele não faz planos fora da cama. 11. Como suas amigas descrevem o homem com quem você está saindo? a. Um partido e tanto. b. Um cara simpático que parece adorar você. c. Alguém com quem você pode se divertir, mas que não deve ser levado a sério. 12. Marque todas as afirmações que se aplicam: a. Quando ele sabe de alguma coisa (um fato ou uma notícia) que você não sabia, ele não a trata de maneira condescendente. b. Ele tomaria injeções antialérgicas para poder morar com você e seus dois gatos. c. Ele tentou fazer você gostar de algum esporte de que ele gosta (golfe, caiaque, futebol etc.). d. Você ouve frequentemente dos amigos que ele fala bem de você. e. Ele nem repara quando você engorda um pouco. f. Ele dá presentinhos inesperados: livros de autores de quem você gosta, artigos que achou que lhe interessariam, biscoitos da sua padaria preferida. g. Ele não perde o controle quando você chora, nem acusa você de estar na TPM. h. Ele gosta de andar de mãos dadas e de abraçar você, fazendo com que se sinta querida. i. Se ele achasse uma carteira cheia de dinheiro, ia procurar o dono até


encontrar. j. Você se sente à vontade com a quantidade de álcool que ele bebe.


Pontuação 1. a-3 b-1 c-2 2. a-3 b-1 c-2 3. a-2 b-3 c-1 4. a-3 b-1 c-2 5. a-1 b-3 c-2 6. a-2 b-1 c-3 7. a-2 b-3 c-1 8. a-2 b-3 c-1 9. a-2 b-3 c-1 10. a-1 b-3 c-2 11. a-3 b-2 c-1 12. Some 3 pontos por cada item marcado. MAIS DE 44 PONTOS: MERECEDOR

“Um homem merecedor é aquele que faz você se sentir bem quando ele está por perto”, afirma a psicóloga Michele Kasson, coautora de The Men Out There. “O casal compartilha objetivos e interesses, e se apoia diante da dureza e crueldade do mundo.” Ele é bondoso, carinhoso e está ao seu lado… e não apenas do seu. “Se ele trata a mãe ou garçom bem”, acrescenta Kasson, “então será respeitoso com você também.” Lembre-se, entretanto, que amor verdadeiro não significa amor livre de conflito. Como vocês lidam com a situação quando problemas aparecem? “Vocês se sentem mais conectados e querem saber mais a respeito um do outro após uma discussão?”, levanta Daphne Rose Kingma, autora de Coming Apart. “Casais que não se sentem ameaçados por suas diferenças, mas as enxergam como parte de um processo de descoberta têm relacionamentos maravilhosos.”


DE 26 A 44 PONTOS: PROMISSOR

Todo homem tem suas qualidades… e seus defeitos. A questão é: você é capaz de conviver com as imperfeições dele? Será que é capaz até mesmo de fazer com que ele modifique alguns de seus comportamentos irritantes? “Todos temos um objetivo quando o assunto é escolher outro ser humano para amar”, diz Kingma. “Uma mulher tem que perguntar a si mesma: ‘Esse homem possui a principal qualidade para mim num parceiro?’. Pode ser que ele compartilhe seus valores espirituais ou esteja disposto a se comunicar. Essa é a ligação fundamental que, com o passar do tempo, permite que as diversas imperfeições de seu relacionamento percam importância”. Todos temos uma lista de coisas que queremos possuir num relacionamento. Kingma sugere que pense em dez características que desejaria que seu homem tivesse. Se ele chegar a ao menos cinco, provavelmente vale a pena ficar com ele para ver no que dá. “Vale a pena também observar como ele reage ao fato de que possui atributos de que você não gosta”, acrescenta Kingma. “Talvez seja fanático por futebol; você pode tentar convencê-lo a ir ver as partidas na casa de um amigo, para que possa ficar sossegada em casa naquela hora.” Não se esqueça do que é realmente importante para você. “Esquecer a data de aniversário do seu primeiro encontro é pouco”, diz Sharyn Wolf, autora de How to Stay Lovers for Life. “O que você quer mesmo é um cara que vai estar com você no médico caso encontre um caroço no seio.” Se houver algum aspecto do comportamento dele que você realmente não atura, então o aborde de forma positiva, numa tentativa de mudá-lo. “Você só consegue mudar um homem que quer mudar”, diz Kingma. “Mas ele tem que ser inspirado por amor, não por insistência. Se você for obcecada por saúde e ele estiver querendo entrar em forma, você deve apoiar a ideia; porém, caso passem seis meses e nada tiver acontecido, talvez devesse considerar se é capaz de viver com essa atitude no longo prazo.”


O MOMENTO EM QUE SOUBE QUE ELE NÃO ERA MERECEDOR “Ele comprou o jornal num domingo de manhã e disse: ‘Você pode pagar? Não vou ter tempo de ler o jornal’. Sabia que ele era meio sovina, mas essa foi a gota d’água.” Suzanne, 31, fisioterapeuta “Ele me pediu para não contar aos amigos ultraconservadores que faço trabalho voluntário para a organização Planned Parenthood.” Linda, 28, redatora “Ele não entendia por que minha irmã tinha ficado brava porque o marido dela tinha ido jogar golfe no dia em que o bebê deles nasceu.” Valerie, 28, agente literária “Meu pai faleceu e meu namorado me disse: ‘Desculpe, mas não consigo lidar com isso’, então desapareceu pelas próximas semanas.” Tina, 29, agente musical MENOS DE 26 PONTOS: INÚTIL

Esse homem não se importa com seus sentimentos. Ele se diverte mais mudando o canal da TV do que conversando com você e seca outras mulheres bem na sua frente. Você está tão desesperada para estar com alguém — qualquer um — que aceita uma pessoa tão pouco merecedora do seu amor? “Você simplesmente não pode estar com alguém que tem mais poder emocional na relação do que você”, diz Kasson. “Se você sente que não é capaz de se defender, então esse não é o homem certo para você.” Pode ser que você tenha consciência de que está presa num


relacionamento insalubre — então por que é tão difícil deixá-lo? “Porque todos queremos ser amados e temos medo de que não vai aparecer mais ninguém”, diz Kingma. “Mas a verdade é que, em todos os casos que atendi em terapia, as pessoas que terminaram um relacionamento acabaram encontrando alguém melhor para si.” Se você sabe que tem que deixar o parceiro, mas não é capaz de fazê-lo sozinha, peça ajuda a amigos confiáveis ou a um terapeuta.

10 SINAIS DE QUE ELE É O CARA CERTO 1. Ele olha para o pôster duplo da revista com a Kate Upton e insiste que não entende o alvoroço a respeito. 2. Ele ainda quer sair com você após passar o fim de semana com sua família. 3. Ele propõe passar o dia da final do campeonato na cama, pintando suas unhas dos pés e fazendo massagem nas suas costas. 4. Ele não adormece logo depois do sexo. 5. Ele deixa você usar a escova de dente dele quando você vai dormir na casa dele. 6. Ele deixa recadinhos românticos para você todo dia… há dois anos. 7. Mesmo após ver você de máscara de lama e enchendo a cara de sorvete, ele ainda olha para você como quando se conheceram.


8. Quando vocês discutem, ele nunca diz que você deve estar de TPM. 9. Ele te dá flores só porque é terça. 10. Ele insiste em se levantar às cinco da manhã só para levar você ao aeroporto.


Que tipo de homem vocĂŞ atrai?


Existe todo tipo de cara lá fora, que podem ser divididos em cinco categorias. Faça este teste para descobrir se você atrai os mais selvagens ou os mais contidos… ou os intermediários. 1. De modo geral, os homens com quem você sai: a. Esperam que você pague a conta. b. Insistem em pagar a conta. c. Pagam a conta a contragosto, depois usam isso como motivo para parar de sair com você. d. Nunca saem com você em público. e. Esperam que você pague sua parte ou revezam com você. 2. Os homens com que você sai são: a. Românticos e carinhosos demais. b. Carinhosos, desde que você faça tudo do jeito deles. c. Raramente carinhosos; ou são carinhosos no início e vão ficando cada vez menos com o passar do tempo. d. Carinhosos na cama, e olhe lá. e. Carinhosos na maior parte do tempo. 3. Quando você discute um problema que está enfrentando, o homem em geral: a. Menciona um problema dele que é mais grave que o seu. b. Diz como lidar com seu problema. c. Evita você. d. Presume que você é forte o suficiente para lidar com o problema


sozinha. e. Quer discutir o problema com você e apoia sua decisão. 4. Quando você conhece um cara, e ele diz que vai ligar, ele: a. Liga no dia seguinte, e todo dia a partir de então. b. Liga, mas parece estar ocupado demais para conversar. c. Não liga. d. Liga à meia-noite e pergunta se você quer ir para a casa dele. e. Liga quando diz que vai ligar. 5. Quando você está com um cara e há outras mulheres por perto, ele: a. As ignora. b. Percebe que estão lá, paquera um pouquinho, mas é cuidadoso com seus sentimentos. c. Paquera incessantemente inúmeras mulheres. d. Comenta como elas são atraentes. e. É simpático, mas respeitoso com você. 6. Após fazer sexo, o homem frequentemente: a. Precisa conversar com você ou ficar com você. b. Torna-se possessivo. c. Vira e adormece e/ou nunca mais telefona. d. Esquece seu nome. e. Trata você da mesma forma que antes. 7. Quando você liga para homens em quem está interessada, eles geralmente: a. Adoram e encorajam você a ligar mais vezes. b. Deixam claro que são eles que têm que ligar para você. c. Agem como se estivessem ocupados demais para conversar e procuram encerrar a ligação o mais rápido possível. d. Dizem que vão ligar de volta e não ligam.


e. Agem da mesma forma como quando eles ligam para você. 8. Em discussões, os homens com quem você sai: a. Cedem e fazem o que você deseja. b. Convencem você de que estão certos e você está errada. c. Deixam que você ganhe a discussão, mas guardam rancor. d. Ignoram seu ponto de vista. e. Chegam a um acordo. 9. Quando um homem com quem você se envolveu tem um problema, ele: a. Fala incessantemente sobre isso e pede conselhos. b. Faz com que o problema pareça ser insignificante perante o seu. c. Diz: “Que problema?”. d. Finge que o problema é seu. e. Diz que está chateado, mas que é capaz de resolver o problema sozinho. 10. Quando você chora, os homens: a. Choram também. b. Fazem o que você quiser. c. Afastam-se. d. Não levam você a sério. e. São compreensivos, mas não se deixam manipular por suas lágrimas. 11. Quando você conhece um homem, ele: a. Revela tudo sobre si, mas não pergunta quase nada a seu respeito. b. Quer saber tudo a seu respeito, mas não revela quase nada sobre si. c. Chega com tudo, mas depois vai sumindo após alguns encontros. d. Não fala muito sobre si mesmo, nem pergunta sobre você. e. Fala sobre si e quer saber de você.


12. De maneira geral, a prioridade de um homem é: a. Apaixonar-se. b. Trabalhar e ganhar dinheiro. c. Seus amigos, a atividade física ou um esporte. d. Qualquer coisa menos você. e. Manter um equilíbrio entre você, a carreira e os demais interesses. 13. A maioria dos homens lhe dá: a. Suas emoções, mas não seu dinheiro. b. Seu dinheiro, mas não suas emoções. c. Tudo no início e nada depois. d. Nada. e. Tanto seu dinheiro quanto seus sentimentos, e esperam que você faça o mesmo. 14. Quando os homens que você conhece ficam chateados ou zangados, eles: a. Falam a respeito, mas não fazem nada para solucionar o problema. b. Lidam com o problema por conta própria e nem avisam que estão chateados. c. Fecham-se. d. Culpam você por tudo. e. Contam que estão chateados, por que motivo e o que desejam. 15. Você acha que os homens: a. São excessivamente emocionais. b. Protegem seus sentimentos, mas não são emotivos. c. Aparentam ser sensíveis, mas não são. d. São frios e insensíveis. e. São emocionalmente disponíveis, mas não costumam chorar.


16. Quando você tem uma opinião sobre algo, os homens em geral: a. Supervalorizam essa opinião. b. Dizem: “E o que você sabe a esse respeito?”. c. Parecem prestar atenção na hora, mas depois não se lembram do que você disse. d. Ignoram você. e. Ouvem, mesmo que não necessariamente concordem. 17. Os homens parecem se interessar quando você: a. Demonstra firmeza e está no controle. b. É fraca e deixa que façam você de gato e sapato. c. Finge desinteresse. d. Corre atrás deles. e. Sente-se feliz consigo mesma. 18. Em discussões, você geralmente acaba: a. Sentindo que agiu de maneira desnecessariamente cruel. b. Numa disputa de poder. c. Sem ter com quem discutir, porque eles vão embora. d. Sentindo como se tivessem se aproveitado de você. e. Levando a discussão a cabo e resolvendo o problema. 19. Quando você está chateada com um cara, ele: a. Sente-se culpado e pede desculpas, mesmo que não tenha sido culpa dele. b. Critica ou acusa você de uma reação exagerada. c. Evita você. d. Age como se não houvesse nada de errado. e. Pergunta qual é o problema. 20. Nos relacionamentos, você sente: a. Como se a responsabilidade recaísse toda sobre você.


b. Como se ele soubesse sempre mais que você. c. Como se ele estivesse sempre procurando seus defeitos. d. Usada e abusada. e. Valorizada. Some todas as respostas a para ver se você atrai os molengas, b para os paizões, c para os Peter Pans, d para os bandidos e e para os dignos. Não se surpreenda se você atrair tipos diferentes. Bandidos e Peter Pans, por exemplo, compartilham algumas características.


Molengas Atraímos molengas quando aparentamos ser emocionalmente e/ou financeiramente fortes. Eles estão à procura de mulheres que ajam como sua mãe ou até mesmo como seu pai. Às vezes podem parecer uma novidade boa, pois são emotivos. Mas não se engane. Eles são dependentes de você e nunca estão presentes quando você precisa. 0 a 3 letras a Embora controle os homens de vez em quando, você raramente permite que algum lhe sugue ou esgote. 4 a 7 letras a Embora não permita que os homens lhe esgotem totalmente, você tem que tomar cuidado com o que faz por eles. 8 a 13 letras a Você tende a se envolver com homens que dependem de você. Não permita que apenas recebam sem dar nada em troca. 14 a 20 letras a Você atrai molengas em bandos. Tome cuidado para que eles não suguem todas as suas forças ou recursos financeiros. Experimente exigir algo deles para variar um pouco.


Paizões Atraímos paizões quando somos fracas e carentes. Eles se atraem por pessoas inseguranças, que os fazem se sentir fortes. Mantêm o controle da relação dando proteção, conselhos e bens materiais em troca de amor. Eles nos impedem de crescer ao evitar que ganhemos confiança. 0 a 3 letras b Embora goste que tomem conta de você de vez em quando, você é uma mulher adulta. 4 a 7 letras b Você deixa os homens tomarem as rédeas mais do que deveria, mas é capaz de se garantir sozinha. 8 a 13 letras b Você tem uma tendência a depender dos homens. Precisa desenvolver sua autoconfiança. 14 a 20 letras b Você atrai homens que querem comandar sua vida e precisa assumir o controle dela.


Peter Pans Os Peter Pans se interessam por quem não os pressiona emocionalmente. Caso contrário, eles se retraem. Podem ser viciados em trabalho, esportes ou atividade física, e se escondem atrás desses vícios. Geralmente têm medo de compromisso e correm ao primeiro sinal de imperfeição, vivendo à caça de sexo sem compromisso. Adoram a emoção da conquista, mas, uma vez levada a cabo, fogem da responsabilidade emocional de um relacionamento. 0 a 3 letras c Você pode ter ido atrás deste tipo antes, mas agora sabe reconhecer um Peter Pan quando o vê. 4 a 7 letras c Você tem uma tendência a ir atrás deste tipo, mas provavelmente consegue se desvencilhar quando é preciso. 8 a 14 letras c Envolver-se com homens que não darão apoio quando necessário pode ser um problema para você. 14 a 20 letras c Cuidado. Você é um ímã para homens que temem compromisso e pode se machucar.


Bandidos Os bandidos se atraem por mulheres que exigem muito pouco. São homens egocêntricos que agem apenas por interesse próprio, não dão nada e querem tudo. Eles brincam com o medo que a mulher tem de ser rejeitada. Existem várias espécies deles, do lobo solitário ao homem casado. São desrespeitosos e assumem o controle fazendo com que a mulher se sinta desvalorizada. 0 a 3 letras d Você já conheceu alguns bandidos, mas seu amor-próprio impede que se envolva com eles. 4 a 7 letras d Você deixa que os homens a tratem com menos respeito do que deveriam porque não percebe quando isso acontece. Mas, assim que se dá conta, cai fora. 8 a 13 letras d Você atrai mais bandidos do que deveria. Para resgatar a autoestima, quando sentir que estão se aproveitando de você, diga para eles exatamente que espécie de atitude não vai tolerar. E ponha na prática o que disse. 14 a 20 letras d Os bandidos fazem o que bem entendem com você. Precisa fazer valer seus direitos e não ser governada por seu medo de ser rejeitada.


Dignos Homens dignos são atraídos por mulheres dignas, fortes, capazes e calorosas. Esses homens não têm medo de ser emotivos e são capazes de resolver seus próprios problemas. A intimidade não é um problema para eles, mas não querem se sentir controlados. 0 a 3 letras e Pense nos homens que você atrai e em por que os dignos não se aproximam de você. Provavelmente há muitas questões mal resolvidas em termos de relacionamentos em você. 4 a 7 letras e Você conhece alguns homens dignos e provavelmente atrai alguns menos dignos também. Trabalhe sua autoconfiança e vai conhecer apenas os melhores. 8 a 13 letras e Muitos homens dignos acham você atraente, o que indica que você é digna também. 14 a 20 letras e Sua sortuda. Você está segura de si mesma, e os homens percebem e a respeitam por isso.


IAN SPANIER PHOTOGRAPHY

SYLVIA DAY é autora best-seller #1 do New York Times

e das listas internacionais, com mais de 20 livros premiados, vendidos em mais de 40 países. É autora #1 em 27 países, com dezenas de milhões de livros impressos. Sua série Crossfire teve os direitos comprados para TV pela produtora Lionsgate.


Sylvia Day - Duologia After 02 - Em Chamas