Issuu on Google+

TÍTULO: RELAÇÃO PROFESSORALUNO Acadêmica: Lucilene Maria Nunes. Orientadora: MSc.Inês Odorizzi Ramos.


Motivação e vivência entre professor e aluno no processo ensino-prendizagem, como se dá, expressam e vivenciam estas relações?

Professores e alunos, diariamente no espaço escolar vivenciam situações, experiências cognitivas e afetivas, as quais são fundamentadas e expressadas em palavras, olhares e gestos que podem contribuir positivamente ou não para a vida de toda a comunidade escolar, em especial, na vida dos alunos.

“A escola é um espaço de relações e, assim, cada escola é única, fruto de sua história particular, de seu projeto e de seus agentes”. (Gadotti)

 


Campo de Estágio.  

Escola de Educação Básica Marli Maria de Souza; Aspectos culturais, sociais e econômicos da comunidade; A escola em 2012 atendia em 4 períodos, tinha 1861 alunos, sendo aproximadamente 700 alunos do ensino médio e tinha em seu quadro de professores 78 docentes, 30 efetivos e 48 acts; A escola apresenta em seus documentos como filosofia norteadora à linha humanista em que o aluno tenha o direito de, ao frequentar a escola possa apropriar-se do saber universal para compreender, ver e estar no mundo.


Porquê? 

(...) todo amanhã se cria num ontem, através de um hoje (...). Temos de saber o que fomos, para saber o que seremos” (Paulo Freire).

Os momentos do processo e suas contribuições, a teoria e a prática; A escolha do campo e do tema e sua importância; O que foi visto no sentido da: relação entre alunos e outros agentes da escola e também os docentes da instituição; relação alunos e aprendizagem e conteúdos; Ganhos e perdas;

 

 


Vivências. Conselho de classe e seus desafios;  Organização de feira e algumas constatações;  Organização da biblioteca e um ganho garantido;  “Um diferente olhar sobre algo que vemos todos os dias e não enxergamos na essência pode ser um bom começo de caminhada”. 


Subsídios teóricos. 

Paulo Freire, (1991) diz que a escola deve se apresentar como um espaço de se fazer amigos e encontrar gente com alegria, simpatia e estima, e não somente prédio, salas, horários e currículos. A escola, por seu caráter socializador e por agregar em seu espaço tantos sujeitos diferentes em culturas pode se apresentar como facilitadora e motivadora de relações, pois inúmeras relações são criadas diariamente e delas surgem aprendizados e significados prazerosos.


“Como prática estritamente humana jamais pude entender a educação como experiência fria, sem alma, em que os sentimentos e as emoções, os desejos, os sonhos, devessem ser reprimidos por uma espécie de ditadura racionalista. Nem tampouco jamais compreendi a prática educativa como uma experiência a que faltasse rigor em que se gera a necessária disciplina intelectual.” (FREIRE, 1996). Por acreditar em uma educação viva e cheia de sentidos e significados, e também por pensar em uma prática pedagógica com diálogo e com partilhar de saberes e conhecimentos é que se faz propício discutir e analisar a relação professor e aluno. É importante que professor e aluno se sintam protagonizadores indispensáveis a um processo de aprendizagem de sucesso, pois ambos não podem abdicar de sua importância.


Segundo Delors (1999), devemos, “enquanto docentes, estabelecer e desenvolver em parceria com nossos educandos a capacidade de apreender a fazer, de aprender a conhecer, de aprender a ser, e de aprender a conviver em associação com outros seres”. Para tal o espaço que cada um ocupa no ambiente escolar se torna secundário, pois o mais importante é como se viver intensamente e bem neste espaço. Como criar laços significativos e duradouros capazes de motivar a ambos, como valorizar a individualidade de todos e ao mesmo tempo favorecer a coletividade.


“É o modo de agir do professor em sala de aula, mais do que suas características de personalidade que colabora para uma adequada aprendizagem dos alunos; fundamenta-se numa determinada concepção do papel do professor, que por sua vez reflete valores e padrões da sociedade”. (ABREU & MASETTO).

O tempo e as situações observadas na escola durante o estágio possibilitaram olhares significativos com várias oportunidades que se criaram no sentido da relação professor e aluno. Foi possível ver e acreditar que a criação de relações de empatia entre professores e alunos pode contribuir para um clima favorável de trocas e apreensões de conhecimentos e saberes por todos os envolvidos.


O aprendizado. A escola deve ser um espaço de encantamento. Um lugar de produção e pesquisa do conhecimento, capaz de proporcionar aos indivíduos que lá estão um prazer na aventura do conhecer, do descobrir. Um ambiente no qual se faz amigos, que se quer bem e que se aprende que todos devem ser favorecidos pelo bem, de estar e ser no mundo. Se é utopia, sonho distante ou desejo simplista pensar ou querer buscar um escola capaz de propiciar ou produzir relações afetuosas entre seus diferentes pares, prefere-se continuar ingenuamente a sentir o prazer desse sonho, pois a ele se dá o devido valor e significado em cada passo, em cada dia, em cada aula, em cada sorriso, enfim, em cada encontro de inestimáveis transformações sociais, culturais e educacionais.


Socialização do estágio 2012