Issuu on Google+

Projeto Cultural: “Forró de Branco – Doação pra Seu João” FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DO PROJETO NOME CIVIL OU RAZÃO SOCIAL DO PROPONENTE

LUCIANO PINA GOIS CPF: 182.183.931-53 RESUMO DO PROJETO

O período que compreende as festas juninas é caracterizado por um aumento no número de acidentes de trânsito e consequente aumento no número de vítimas que necessitam de transfusões de sangue. Neste período também se observa um elevado número de queimados, ampliando ainda mais a demanda por hemoderivados. Motivado por estes fatos, o compositor e cantor Luciano Gois, médico pernambucano radicado em Brasília, concebeu o projeto cultural “Forró de Branco Doação pra Seu João”. A ideia consiste em associar uma campanha de doação de sangue, intitulada "Se é sangue bom, tem que doar", ao lançamento do CD musical "Forró de Branco", de autoria do proponente, justificando a realização de cinco shows para lançamento do projeto cultural. Com intuito de divulgar a campanha de doação de sangue, serão realizadas quatro apresentações musicais em junho e uma apresentação musical em agosto. Na ocasião dos espetáculos será feito a divulgação da campanha com objetivo de sensibilizar o público-alvo, incentivando potenciais doadores a realizarem a “Doação pra Seu João”. Ao comparecerem aos bancos de sangue parceiros do projeto, será concedido ao doador um pen-drive com todo conteúdo do projeto cultural, folder e as músicas e letras do CD "Forró de Branco", com objetivo de fidelizar o doador. O espetáculo musical contará com a participação do médico, cantor e compositor Luciano Gois e dos parceiros, produtores e compositores Manassés de Sousa e Adelson Viana, músicos cearenses consagrados no cenário musical brasileiro. As atividades serão realizadas no mês de junho de 2013, nas cidades de Recife e Caruaru-PE; João Pessoa e Campina Grande-PB e em Brasília-DF no mês de agosto, encerrando o projeto. Nestas cidades, durante as comemorações juninas, ocorrem muitos acidentes de carro, acidentes com fogos de artifícios e agressões físicas, devido ao grande número de pessoas que circulam e frequentam as maiores festas populares do mundo. “Creio que se aumentarmos as doações nos hemocentros e bancos de sangue destas cidades, estaremos ajudando a salvar muitas vidas”, afirma o médico e compositor Luciano Gois, que apresenta este projeto chamando a atenção para o problema da falta de hemoderivados que se observa pelo aumento de demanda que ocorre durante as festas juninas, nas principais cidades onde o São João é comemorado. A associação entre processos educativos, comunicacionais e culturais direcionados para promoção de saúde comunitária qualifica o projeto no qual o Prêmio Funarte de Música Brasileira tem destaque e importância ao agregar valor cultural ao projeto, garantindo sua qualidade musical.

Projeto  Cultural  Forró  de  Branco  –  Doação  pra  São  João  

Página  1  


OBJETIVOS

O objetivo deste projeto é promover uma campanha de doação de sangue nos dos Estados de Pernambuco, Paraíba e Distrito Federal, utilizando a linguagem musical do forró, como parte das comemorações das festividades juninas de 2013. Como peça promocional da campanha, o projeto apresenta o lançamento do CD “Forró de Branco” e propõe a realização de 4 (quatro) shows públicos e gratuitos durante o mês de junho de 2013, nas principais cidades que promovem o São João no Nordeste: João Pessoa e Campina Grande na Paraíba, Recife e Caruaru em Pernambuco, além de uma apresentação em Brasília, em agosto de 2013, encerrando o projeto. O projeto prevê ainda a distribuição gratuita de 2000 pen-drives com o projeto “Forró de Branco – Doação pra Seu João” nos hemocentros e bancos de sangue participantes, com o objetivo de estimular as doações e a fidelização dos doadores de sangue durante o mês de junho e agosto de 2013, através da abertura de mídia direta e indireta, com a distribuição de 500 pen-drive para divulgação da campanha. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1. Desenvolver junto a Agência de Comunicação (contratada/parceira) do projeto, uma campanha de doação de sangue, com a chamada: “Se é sangue bom, tem que doar! Doação pra Seu João”; 2. Realizar 4 (quatro) shows públicos e gratuitos durante o mês de junho de 2013, nas principais cidades que promovem o São João no Nordeste: João Pessoa e Campina Grande na Paraíba, Recife e Caruaru em Pernambuco e 1 show em Brasília (DF) para encerramento do projeto; 3. Distribuir 2000 pen-drives numerados nos hemocentros/bancos móveis de coleta de sangue em João Pessoa e Campina Grande (PB), Recife e Caruaru (PE) e Brasília (DF), para estimular a fidelização de doadores e provocar um aumento na doação de sangue no mês de junho de 2013; 4. Distribuir 500 pen-drive para divulgação da campanha (100/evento); 5. Realizar entrevistas conforme plano de comunicação apresentado pelas ASCOM das Secretarias Estaduais de Cultura e de Saúde dos estados de Pernambuco, Paraíba e Distrito Federal, estimulando a mídia indireta a participar da campanha de doação de sangue; 6. Após as apresentações, realizar clipping com resumo de mídias em cada cidade e fazer um levantamento comparativo das doações realizadas em junho de 2012 e junho de 2013 para aferição dos indicadores do projeto; 7. Apresentar relatório final do projeto. JUSTIFICATIVA

Porque doar sangue No Brasil, assim como no resto do mundo, apenas 1,8% da população é doadora de sangue, enquanto o ideal seria de 3 a 5%. Como consequência existe uma falta crônica de sangue e hemoderivados para o atendimento da população (Pagotto, R.; Benzaquen, G.; Padovani, C. R.: 2011 - APUD Alcântara: 2006).

Projeto  Cultural  Forró  de  Branco  –  Doação  pra  São  João  

Página  2  


Uma das principais funções dos hemocentros é procurar aumentar o número de doadores, principalmente os fidelizados, através de campanhas na mídia e desenvolvimento de atividades em contextos comunitários (Fundação Pró-Sangue, 2006). Essas campanhas, na maioria das vezes, conseguem dar visibilidade ao problema e disseminar informações pela mídia, mas seu efeito parece limitado e temporário. Há evidências de que a mudança de comportamento não é permanente, isto é, com a suspensão das campanhas, o comportamento tende a desaparecer. Em novembro de 2005 a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária apresenta no Congresso Brasileiro de Hematologia, pela primeira vez, o perfil brasileiro do não-doador de sangue: 56,27% são do sexo feminino; 54,60% são solteiros e a maioria tem entre 20 e 24 anos (23,92%). Do total de entrevistados, 36,15% disseram que o medo é o principal motivo para não doarem sangue. Esta pesquisa* revela ainda que entre a população doadora, 62,39% são homens e 49,03% são solteiros. A faixa etária predominante (28,25%) é de 30 a 39 anos. A pesquisa identificou, ainda, que 53,47% dos doadores já fizeram no mínimo cinco doações, o que indica um alto índice de fidelização. No que se refere à questão da identificação com o ato de doação, para 58,32% das pessoas entrevistadas, o sangue representa vida. Em outro estudo realizado em Pelotas (RS) e publicado na Revista Saúde Pública de 2010, observou-se que a doação foi 2,3 vezes maior para o sexo masculino. Houve tendência de aumento da doação de sangue de acordo com idade (maior para a faixa etária de 50 a 65 anos), escolaridade (nove ou mais anos de estudo) e nível econômico (1,4 vezes maior para as classes A e B juntas e 1,3 vezes mais para a classe C). Com relação às campanhas de doação de sangue, mais de dois terços dos entrevistados relataram terem visto ou ouvido muitas campanhas sobre doação de sangue. No entanto, esse fato não pareceu influenciar de modo positivo a doação de sangue, sugerindo a necessidade de melhorar campanhas de doação de sangue para que efetivamente motivem as pessoas à doação. O estudo conclui que muitas pessoas deixam de doar sangue por receio de se tornarem anêmicas e por não saberem ao certo qual o intervalo de tempo e o máximo de doações permitidas. Isso indica uma necessidade substancial de esclarecimentos e incentivos específicos à fidelização dos doadores. Histórico Em 2006-2007, durante o curto período de tempo em que trabalhou como médico regulador da SAMU-DF, o dr. Luciano Gois teve contato próximo com informações sobre mortes por acidentes e violência, também chamadas de mortes por causas externas, chamando sua atenção o registro de aumento na demanda por sangue e hemoderivados observados na região que denominou “Polígono do Forró” , área geográfica que compreende as cidades de Recife e Caruaru em Pernambuco e João Pessoa e Campina Grande na Paraíba. Nesta região ocorrem muitos óbitos no mês de junho por falta de sangue e hemoderivados. * disponível em: http://www.anvisa.gov.br/DIVULGA/NOTICIAS/2006/110106_1.htm

Projeto  Cultural  Forró  de  Branco  –  Doação  pra  São  João  

Página  3  


Em 2008 o compositor Luciano Gois inicia a gravação de um CD em Maceió (AL), com trabalhos autorais onde se destacam as músicas Cio, Trem da Folia, Língua do P e o Xote da Despedida, todas de origem regional e que dão nome ao título provisório: Radiografia do Forró. Ao convidar o músico Manassés de Sousa para uma participação no CD, na faixa Meu Tempo, encontrou na música e no arranjo do mestre cearense da viola uma nova sonoridade, que vem sendo desde então trabalhada e amadurecida. Em 2009 Luciano Gois resolveu rever o trabalho iniciado em Maceió e iniciou as gravações do CD “Forró de Branco” em Brasília. Em 2010 Manassés de Sousa mudase para Brasília e concorda em participar do trabalho, assumindo a produção musical. Em virtude da turbulência política vivida em Brasília nos anos de 2009 e 2010, só em 2011 o CD “Forró de Branco” assume as características de projeto cultural: o CD vai promover uma campanha de doação de sangue. Em 2012, Manassés convida o maestro Adelson Viana (sanfona e teclados) para participar da faixa “Nas Asas”, gravada nos estúdios do próprio Adelson em Fortaleza (CE). Ao conhecer a proposta de campanha de doação, torna-se o terceiro componente do grupo Forró de Branco e passa a responder, em conjunto com Manassés, pela produção musical do projeto. Neste período, Luciano Gois convida os músicos para tornarem-se parceiros musicais e os três compõem a música Candeeiro, em anexo, como homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga. A Proposta A ideia é realizar uma campanha de doação de sangue utilizando-se do próprio movimento cultural observado nas festas juninas, responsáveis diretas pelo aumento da demanda por hemoderivados e, através da música, promover um conceito que associe cultura, educação e saúde. O projeto cultural “Forró de Branco - Doação pra Seu João” foi pensado para promover um impacto diferenciado, ao se utilizar da própria linguagem do forró como fio condutor de uma campanha de doação de sangue, onde um médico de jaleco branco e estetoscópio, sobe ao palco acompanhado de grandes músicos e utiliza a linguagem musical para passar uma mensagem de educação em saúde com a finalidade de explicar como, quando, onde e porque é importante que todos tenham consciência do ato de doar, como forma de ajudar a resolver um problema que é comum a todos. Pretende-se com a execução do projeto promover um ato cultural revestido de cidadania e sustentabilidade, onde os incentivos culturais obtidos são revertidos em produtos culturais que refletem a transversalidade entre as áreas de comunicação, cultura e saúde, sendo seus produtos devolvidos a sociedade através da realização de uma campanha de doação de sangue. Para doar sangue, algumas condições são necessárias: •

Gozar de boa saúde (avaliação médica no Hemocentro);

Projeto  Cultural  Forró  de  Branco  –  Doação  pra  São  João  

Página  4  


Estar alimentado;

Não estar em uso de medicamentos;

Ter entre 16 a 67 anos de idade (16 e 17 anos, mediante consentimento formal do responsável legal).

Pesar acima de 50 quilos (descontar o vestuário);

Apresentar documento oficial com foto, em bom estado de conservação e dentro do prazo de validade. Os documentos aceitos são: carteira de identidade, carteira de trabalho, certificado de reservista, carteira nacional de habilitação, passaporte, carteira profissional emitida por classe ou carteira do doador da FHB. Não serão aceitos crachás funcionais e carteiras estudantis;

Ter dormido pelo menos 06 horas, com qualidade, na noite anterior à doação,

Não praticar exercícios físicos nas 12 horas anteriores à doação;

Não ingerir bebida alcoólica nas 12 horas anteriores à doação;

Não ter se submetido à endoscopia há 6 meses;

Não ter feito tatuagem, piercing ou maquiagem definitiva há 12 meses;

Evitar fumar 02 horas antes da doação.

Lembre-se: Ao chegar ao Hemocentro você é um candidato à doação e passará por uma avaliação clínica, que determinará se está apto ou não para doar. FONTE:

http://www.fhb.df.gov.br/

Fundação Hemocentro de Brasília – futura parceira do projeto–consulta em agosto 2012-09-11

ETAPAS DE EXECUÇÃO

1. Desenvolvimento do projeto e apresentação aos parceiros, com recolhimento dos documentos necessários para inscrição da proposta – Outubro/Dezembro de 2012; 2. Pactuação com Hemocentro de Brasília e cartas de apoio dos parceiros para o projeto – dezembro de 2012; 3. Finalização das gravações do CD – Setembro/2012 – Março/2013; 4. Inscrição do Projeto no Prêmio Funarte 2012/13 – Novembro de 2012; 5. Contratação de assessoria de imprensa e Agência de Publicidade para desenvolvimento da Campanha de Doação de Sangue: Dezembro 2012/Fevereiro 2013; 6. Desenvolvimento do spoting de rádio e das logos da campanha - Dezembro 2012/Fevereiro 2013; 7. Fechamento das datas e locais para realização dos shows junto às Secretarias de Cultura e de Saúde dos Estados envolvidos no projeto - Dezembro 2012/Fevereiro 2013; 8. Apresentação e aprovação do material de campanha e do CD – Março de 2013; 9. Distribuição do material de campanha (Cds, Formulários de pesquisa, Cartazes, Cartilhas, filipetas e spots para rádios e para os Hemocentros parceiros – Maio/2013; 10. Início da Campanha de Doação – última semana de Maio/2013; 11. Final da Campanha de Doação – Agosto/2013; 12. Relatório final – Setembro 2013.

Projeto  Cultural  Forró  de  Branco  –  Doação  pra  São  João  

Página  5  


PRODUTO FINAL PREVISTO

1. Campanha de doação de sangue realizada em 3 estados; 2. Cinco apresentações públicas; 3. 1.000 cartazes; 20.000 filipetas, 2.000 cartilhas e formulários de pesquisa distribuídos em cinco bancos de sangue/hemocentros; 4. 1050 chamadas de rádios (mídia direta) e entrevistas (mídia indireta) realizadas; 5. 2.500 pen-drives slim cards distribuídos, contendo as músicas do CD e todo o material da campanha de doação; 6. Aumento na fidelização de doadores nos hemocentros parceiros; 7. Aumento na quantidade de doadores de sangue de 2013 em relação ao ano de 2012; 8. Publicação de artigo científico.

modelo do cartão

Projeto  Cultural  Forró  de  Branco  –  Doação  pra  São  João  

Página  6  


pen-drives slim cards BREVE CURRÍCULO DA PROPONENTE (PESSOA FÍSICA OU JURÍDICA) Luciano Gois:

“Por ser médico e trabalhar com uma área cirúrgica, sei da necessidade pela qual passamos e da dependência da boa vontade do público em geral para a doação de sangue. Acredito que este mesmo público pode e deve ser sensibilizado e fidelizado para que um aumento nas doações seja alcançado. Não se trata da troca de sangue por um CD ou um pendrive e sim de um processo de conscientização da população. Como sou diabético e estou impedido de doar meu sangue, dou minhas músicas e minhas palestras. Esperamos com estas ações aumentar significativamente as doações de sangue durante a campanha” - afirma o médico, que apresenta o projeto Forró de Branco – Doação pra Seu João. Luciano Gois é médico ginecologista com atuação na área de envelhecimento humano e climatério. Trabalhou também como médico regulador da SAMU-DF e atualmente encontra-se lotado na Escola Superior de Ciências da Saúde – FEPECS/DF, onde desenvolve mestrado profissional na área de saúde da mulher. Como produtor cultural vem apresentando e produzindo espetáculos músicais através de projetos culturais voltados para a promoção de saúde. Em 2001 apresenta o projeto Arte e Saúde no II Encontro de Arte Educadores em Saúde na Univesidade de Brasília e através de trocas culturais e oficinas, muda seu foco de atuação e dirige seus projetos para a promoção da saúde comunitária através das artes, tornando-se um arte-educador. Em setembro de 2006, no Hotel Othon em Salvador (BA), apresenta no II Congresso Brasileiro de Medicina e Arte o primeiro programa em formato podcast com o objetivo de promover saúde - programa de rádio online disponível no site: http://lucianogois.podomatic.com/. Criou, produziu e participou de shows como: • • • • • • •

Azul Cultural – projeto cultural em parceria com a Caixa Econômica Federal; Cláudio Nucci e Banda - Teatro Nacional com Gravação de CD ao vivo "De Médico e Louco..."; Naná Vasconcelos e Manassés - Nordeste Instrumental (gravado e transmitido pela TV SENADO) – Brasília; Guinga e Carlos Malta - Maceió Guinga, Rosa Passos e Alfredo Paixão (Itália) - Brasíllia Hamilton Holanda e Dois de Ouros - Brasília Henrique Cazes e Jaime Ernest Dias – Brasília

Projeto  Cultural  Forró  de  Branco  –  Doação  pra  São  João  

Página  7  


Cultura em Movimento – Brasília – Vila Planalto e Pirinópolis

Atualmente realiza mestrado profissional em saúde da mulher na FEPECS/SES/DF e dedica atenção especial ao CD “Forró de Branco", em fase final de gravação e mixagem. Conta com a participação de vários convidados músicos, que abraçaram a idéia de tranformar o lançamento do CD em uma campanha de doação de sangue: "Doação pra Seu João", com lançamento previsto para ocorrer durante as festas Juninas de 2013.

BREVE CURRÍCULO DOS PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS NO PROJETO

Projeto  Cultural  Forró  de  Branco  –  Doação  pra  São  João  

Página  8  


Manassés de Sousa:

No Brasil e no exterior, o músico, compositor, instrumentista e produtor Manassés de Sousa é figura conhecida e respeitada no meio musical. Dono de um estilo próprio, ele consegue como ninguém fundir diversos gêneros musicais com elementos da música nordestina, produzindo um tipo de música que soa universal, como bem definiu o jornalista João Máximo. A música de Manassés surpreende, causa impacto no público e na crítica especializada. De técnica apurada suas composições surpreendem pelo estilo e versatilidade forjada em elementos acústicos que resultam em diversos ritmos e sons. Nos shows, além de suas composições Manassés, apresenta novas versões para clássicos da música popular brasileira e internacional, com novos arranjos para músicas como “Fado Tropical” de Chico Buarque e Rui Guerra, “Terra”, e “Um Índio” de Caetano Veloso, “Bolero” de Ravel, “Eleanor Rigby” Lennon e McCartney e “All the Children” de Stanley Jordan, entre outras. A versatilidade e a técnica apurada com que toca os instrumentos de cordas fazem dele uma referência para outros músicos e o projeta como um dos grandes da música instrumental de todos os tempos. Através do Estúdio Olho D’água Manassés faz a produção de seus discos e também produz e toca nos discos da nova geração da música cearense. Manassés é um artista que aceita o desafio de fazer música instrumental no Brasil. E tem vencido esse desafio produzindo uma música de qualidade, que atravessa vários estilos e deixa a sua marca. “Respeitado no meio musical pelo seu talento, Manassés é um músico versátil estudioso, receptivo aos diferentes sons e estilos que conserva a brasilidade da sua formação” - José Domingos Rafaelli – crítico de música – O Globo. “Sem compromisso com a sonoridade da moda, Manassés toca à Manassés e tem, como compositor, mais imaginação que todos os sax, guitarras e teclados juntos” João Máximo - crítico de música - Jornal do Brasil. “Manassés é meu sonho de consumo. Dividir o palco com ele é um grande prazer” - Elba Ramalho. Em 1997 Manassés recebeu o prêmio de “Melhor Trilha Sonora Original” de cinema do Ceará e do Festival de Cinema do Recife, composta para curta metragem “CAMPO BRANCO”, de Telmo Carvalho. Compôs, em 1998, as trilhas sonoras dos filmes “IREMOS A BEIRUTE”, do cineasta Marcos Moura e “CERCA SECA”, de Flávio Alves. Em 1999 compôs a trilha sonora do filme “OROPA, FRANÇA E BAHIA”, de Glauber Rocha Filho e foi novamente premiado pelo festival de cinema do Ceará, pela autoria da trilha sonora do filme “UMA NAÇÃO DE GENTE”, da cineasta Margarita Hernandez, voltando a trabalhar com a cineasta no filme “LABIRINTO” em 2001. Também compôs a trilha sonora dos espetáculos “DUAS ESTAÇÔES” e “MÒBILIS” da coreógrafa Dora Andrade, idealizadora da EDISCA – Escola de Dança e Integração Social para Crianças e Adolescentes. Em seu estúdio “Olho D’água” Manassés produziu os mais recentes CDs de artistas cearenses como David Duarte, Chico Pio, Pingo de Fortaleza, Alcantara das Luzes e Téti entre outros. Discografia:

Projeto  Cultural  Forró  de  Branco  –  Doação  pra  São  João  

Página  9  


Manassés – Manassés – CBS/Sony Music – 1979 Banda Santarém – CBS/ Sony Music – 1980 Pra Você – Independente – 1988 Filhos do Solo – Manassés, Waldonis e Nonato Luiz ao vivo no Teatro José de Alencar – 1988 New Nordeste – Manassés, Fagner e Naná Vasconcelos ao vivo (a ser lançado). Nômade – Manassés – 1998 – independente – Estudio “Olho D’água”. Duas Estações - 2000 – Trilha Sonora Original do Balé da EDISCA Revendo Amigos - 2001. A Música Universal de Manassés - 2002 - Coletânea Móbilis - 2003 - Trilha Sonora Manassés 50 Anos – 2004 Adelson Viana:

Adelson Viana, natural de Fortaleza, é acordeonista, tecladista, compositor, arranjador e produtor musical. Vindo de uma família de músicos, teve como primeiro instrumento o acordeom, e como mestre o seu pai José Viana. Passou um longo período tocando em bailes e, posteriormente, começou a trabalhar em estúdios de gravação, shows, jingles e trilhas sonoras. Como instrumentista, o músico atuou por um longo tempo de sua carreira ao lado do renomado cearense RAIMUNDO FAGNER (12 anos), se apresentando também em shows de Zeca Baleiro, Dominguinhos, Ednardo, Lenine, Naná Vasconcelos, Paulo Moura, Fausto Nilo, Nonato Luiz, Waldonys, Manassés, dentre outros artistas. Em 2004 esteve na França (Brest 2004), onde participou de shows no Espaço Brasil, levando a música brasileira a um grande público presente. Em 2008, participou do VI PRÊMIO TIM DE MÚSICA homenageando o mestre DOMINGUINHOS onde tocou ao lado dos maiores sanfoneiros do Brasil. Em 2009 lançou pela BISCOITO FINO o álbum "ACORDEOM BRASILEIRO", no Rio de Janeiro, com shows na Modern Sound e Rio Scenarium, mostrando através da sanfona um rico repertório com composições de Jacob do Bandolim, Dominguinhos, Astor Piazzolla, Richard Galliano, João Lyra e Adelson Viana. Neste mesmo ano lançou o álbum "Dobrado" um duo com o extraordinário violonista Nonato Luiz, um encontro de talentos em um trabalho inédito e autoral, unindo o som das cordas do violão aos acordes da sanfona, em caminhos harmônicos e melódicos que vão do erudito ao popular. O álbum "Da Cidade ao Sertão", cantado tem um rico repertório de música nordestina, traz pela primeira vez a voz do sanfoneiro Adelson Viana, já reconhecido no palco pela maestria e promete mexer com os forrozeiros. O time de parcerias no CD também não poderia economizar em qualidade. De Xico Bizerra, na canção "Riso de Canto a Canto", a Maciel Melo, em "Daquele Jeito", passando pelo próprio Dominguinhos em "Querer" (participação especial) e "A Saudade Mata", composições de Ednardo, Felipe Cordeiro, o primo Paulo Viana e o pai José Viana. O mais recente álbum é o CD "Música Popular Nordestina" um passeio pela MPB Nordestina com participação especial de Fagner e composições de Maciel Melo, Xico Bizerra, Ozi dos Palmares, Nonato Luiz, Fausto Nilo, Jotta Amaral, Tarcísio Sardinha, Moacir Maia, Adelson Viana, Paulo Viana e José Viana.

Projeto  Cultural  Forró  de  Branco  –  Doação  pra  São  João  

Página  10  


O show de ADELSON VIANA tem um caráter acústico e passeia pela sonoridade brasileira através do forró, xote, choro, baião e até mesmo do frevo, favorecendo a riqueza de timbres e de possibilidades da sanfona nordestina universal. PLANO DE COMUNICAÇÃO

Publicidade é um termo que pode englobar diversas áreas de conhecimento que envolvam esta difusão comercial de produtos, em especial atividades como o planejamento, criação, produção e veiculação de peças publicitárias. Hoje, todas as atividades humanas se beneficiam como o uso da publicidade: Profissionais liberais, como médicos, engenheiros, divulgam por meio dela, os seus serviços; os artistas anunciam suas exposições, seus discos, seus livros, etc., a própria ciência vem utilizando os recursos da publicidade, promovendo suas descobertas e seus congressos por meio de cartazes, revistas, jornais, filmes, Internet e outros. Marca - Mais do que projetar ou criar uma identidade, é preciso acrescentar um conceito de valor e positividade ao projeto, e geri-lo, e isso deverá respeitar a estratégia e a ambição do cliente e do seu produto. Há muitas formas de avaliar uma publicidade eficiente. Um anúncio para ser eficiente tem de captar a atenção, ser facilmente memorável e persuadir. Também deve chegar à audiência alvo e deve ser consistente com os objetivos da campanha. A publicidade pode ser avaliada duas vezes no tempo. A primeira é antes da publicidade ter ido para o ar ou ter sido publicada (antes do grande investimento ter sido feito) e a segunda é durante ou imediatamente após a passagem da campanha, para testar o impacto. O primeiro é o pré-teste e o segundo o pós-teste. Utilizaremos como indicador a quantidade de doadores no mês de junho de 2012 em comparação com a quantidade de doadores no mês de junho de 2013. Disponível em: http://www.webartigos.com/artigos/como-construir-um-plano-de-comunicacao-emarketing-eficaz/11451/#ixzz28BPwrxoX Marca

Doador Fidelizado

Projeto  Cultural  Forró  de  Branco  –  Doação  pra  São  João  

Página  11  


PLANO DE COMUNICAÇÃO

OBJETIVOS DA COMUNICAÇÃO

Lançamento do CD “Forró de Branco” e do Projeto Cultural “Doação para Seu João”

PÚBLICO DE INTERESSE

ESTRATÉGIAS

Público presente nas festas juninas

4 shows de lançamento CD Forró de Branco 1 show de encerramento do projeto

Público ouvinte em geral

Distribuição de 500 pendrives slim card com Spoting de rádio + campanha + CD (para rádios locais 100/evento)

INSTRUMENTOS DE COMUNICAÇÃO E MÍDIAS

QUANTIDADE

Apresentações públicas do Projeto Cultural “Forró de Branco – Doação pra seu João”

5 Shows

Rádio com a peça da campanha

1050 chamadas (de 3 rádios por evento X 1 semana X 10 chamadas/dia)

Entrevistas

CUSTO (Reais)

50.000

PERÍODO (mês de realização das ações)

Junho 2013 Agosto 2013

12.600

Junho 2013 Agosto 2013

Entrevistas Campanha de doação de sangue

Público presente nas festas juninas

Doador fidelizado

Divulgação durante as apresentações

Spoting de rádio com a peça da campanha 5.000 filipetas/evento

Distribuição de pendrives slim card

Folder e pendrives com o projeto cultural e pesquisa

Peça publicitária

5.000

Junho

25.000 Filipetas

5.000

Agosto

2013 2013 2000 pendrives slim card numerados – 400/ banco de sangue

2.127 82.873

Junho 2013 Agosto 2013

Resumo Geral da Proposta: 1. 5 apresentações públicas para lançamento do CD-Campanha: 2. Distribuição de 3000 slim card pendrive contendo projeto e CD: 3. Despesas da campanha de doação (spoting e peças): Sub-total:

R$ 50.000,00 R$ 85.000,00 R$ 22.600,00 R$ 157.600,00

Previsão de impostos:

R$ 42.400,00

Total Geral:

R$ 200.000,00

Brasília, 19 de novembro de 2012.

Projeto  Cultural  Forró  de  Branco  –  Doação  pra  São  João  

Página  12  


Projeto cultural "Forró de Branco - Doação pra Seu João".