Page 1

1


2


AVISO: A tradução em tela foi efetivada pelo grupo Toca da Coruja de forma a propiciar ao leitor acesso parcial à obra, incentivandoo à aquisição da obra literária física ou em formato e-book. O grupo Toca da Coruja tem como meta a seleção, tradução e disponibilização parcial apenas de livros sem previsão de publicação no Brasil, ausente de qualquer forma de obtenção de lucro, direto ou indireto. No intuito de preservar os direitos autorais contratuais de autores e editoras, o grupo, sem aviso prévio e quando julgar necessário poderá cancelar o acesso e retirar o link de download dos livros cuja publicação for veiculada por editoras brasileiras. O leitor e usuário ficam cientes de que o download da presente obra destina-se tão somente ao uso pessoal e privado e que deverá abster-se da postagem ou hospedagem em qualquer rede social (Orkut, Facebook, grupos), blogs ou qualquer outro site de domínio público, bem como abster-se de tornar público ou noticiar o trabalho de tradução do grupo, sem a prévia e expressa autorização do mesmo. O leitor e usuário, ao disponibilizar a obra, também responderão pela correta e lícita utilização da mesma, eximindo o grupo Toca da Coruja de qualquer parceria, co-autoria, ou co-participação em eventual delito cometido por aquele que, por ato ou omissão, tentar ou concretamente utilizar da presente obra literária para obtenção de lucro direto ou indireto, nos termos do art. 184 do Código Penal Brasileiro e Lei nº 9610/1998. Outubro Proibido todo e qualquer uso comercial. Se você pagou por esta obra, VOCÊ FOI ROUBADO.

3


SINOPSE

A sombra do velho mundo de Providence, Rhode Island, Nina Grey se encontra no centro de uma guerra entre o Iinferno e a Terra. Enquanto luta com a dor da morte recente de seu pai, Nina conhece Jared Ryel por acaso... Ou assim ela acredita. Apesar de sua surpreendente beleza e seus talentos misteriosos serem uma distração bem-vinda, logo fica claro que Jared sabe mais sobre Nina que seus amigos na Universidade de Brown. Quando as perguntas superam as respostas, Jared arrisca tudo para manter a mulher que nasceu para salvar ao compartilhar o segredo que havia jurado proteger. Quando antigos companheiros de seu pai começam a segui-la na escuridão, Nina descobre que seu pai não era o homem que pensava, mas sim um ladrão que roubava dos demônios. Em busca da verdade por trás da morte de seu pai, Nina se depara com algo inesperado, algo que o inferno quer e só ela tem a chave.

Primeiro livro da trilogia Providence

4


Para Beth, quem deu a Providence suas asas, E para mamĂŁe, quem proporcionou o vento para que pudesse voar.

5


Capitulo 1 A maioria das crianças respeita seu pai. Elas podem considerá-lo como seu herói ou colocar em um pedestal tão alto que nenhum objeto de sua afeição poderia ser comparado a ele. Para mim, meu pai merecia mais respeito, lealdade ou até mesmo o amor. Reverenciava ele. Ele era mais do que o Super-Homem, ele era Deus. Uma das minhas primeiras lembranças é de dois homens encolherem de medo no escritório do meu pai, enquanto ele falava palavras que eu não entendia. Sempre seu veredito era definitivo e nunca discutido. Nem mesmo a morte podia tocar. Quando eu atendi o meu telefone em 14 de dezembro, que realmente isso acabou. - Nina - suspirou minha mãe - ele tem pouco tempo. Você deve vir agora. Eu coloquei o telefone na cama ao meu lado, com cuidado para evitar que caísse, pois minhas mãos tremiam muito. As últimas semanas tinham sido um universo paralelo para mim, como vinha enfrentando uma chamada horrível após o outra. A primeira foi uma enfermeira do hospital informando-me do acidente de carro do meu pai. Meu número estava marcado em seu celular nos contatos mais recentes, deixando-me com a terrível tarefa de ser quem iria avisar a minha mãe a terrível notícia. Em seus últimos dias, quando existiam relatos de melhora, eles foram substituídos pela sugestão delicada para se preparar para o inevitável, eu estava grata de receber a notícia. Parecia estranho, andar até o outro lado da sala e tomar o meu casaco e as chaves. Essa tarefa foi muito mundana para ser o início da jornada da minha despedida de meu pai. Sinto muito pela vida comum que parecia tão distante quanto eu caminhei para o meu carro e o liguei. Meu pai tinha chegado ao topo da indústria naval por governar com mão de ferro, mas eu sabia do seu lado doce. O 6


homem que deixou reuniões importantes para responder às minhas chamadas triviais, beijou meus arranhões e reescreveu os contos de fadas para que a princesa fosse sempre salva pelo príncipe. Agora ele estava impotente na cama, desaparecendo no grande quarto que eu dividia com minha mãe. Agatha, a nossa governanta, me cumprimentou na entrada. - Sua mãe está esperando por você, amor. É melhor você ir para cima. Agatha tirou meu casaco e, em seguida, subi as escadas sentindo a bile subindo na minha garganta e ficando maior a cada passo. Sua enfermeira particular passou por mim quando eu entrei no quarto e eu estremeci com a visão. Seu rosto estava amarelo com uma fina camada de suor e seu queixo barbeado usual estava com a barba escura que cobria os lábios ressecados. Minha mãe e descia com cada respiração ofegante. Os tons suaves de bombas e monitores foram a música de fundo para o meu pior pesadelo. Como das outras vezes que eu visitei meu pai após o acidente, minhas pernas se transformaram em raízes profundas que cruzaram os meus sapatos e afundavam-se no chão de madeira. Eu não podia ir para frente ou para trás. Minha mãe olhou para mim com piedade em seus olhos desgastante. - Nina - me chamou - venha querida. Ela ergueu a mão para me fazer ir para frente, mas os meus pés não podiam se mover. Ela suspirou em compreensão e caminhou em minha direção, com seu braço estendido na frente dela. Eu não conseguia tirar os olhos das difíceis tentativas de meu pai para respirar enquanto minha mãe colocava as mãos sobre cada um dos meus ombros para me levar para frente. Depois de vários passos hesitantes, eu parei. - Eu sei. - ela murmurou. 7


Tirando os pés do chão, deixe-me levar ao seu lado. Meu primeiro instinto foi de ajudar, mas a única coisa que eu podia fazer era esperar que o seu sofrimento acabasse. - Jack, querido. - disse minha mãe em um tom suave - Nina está aqui! Depois de vê-lo lutar para conseguir fôlego suficiente, eu me inclinei para sussurrar em seu ouvido. - Estou aqui, papai. Sua respiração pulou um pouco e murmurou algo inaudível. - Não tente falar. Apenas descanse. - Meus dedos trêmulos tocaram sua mão - Eu vou ficar com você. - Cynthia? - O seu advogado e amigo do papai, Thomas Rosen, chamou minha mãe no canto de trás do quarto. Com uma expressão dolorosa olhou meu pai e se deitou em seu peito por um momento, depois calmamente caminhou para Thomas. Suas vozes se tornaram um córrego murmurante que se parecia com as máquinas do meu pai. Ele puxou outra respiração enquanto eu carinhosamente retirei a mecha dos cabelos grisalhos de seu rosto molhado. - NIIN... - Ele engoliu em seco - Nina. Meus olhos foram para minha mãe, que estava em uma conversa silenciosa, procurando seu rosto por algum sinal de esperança. Vendo a tristeza em seus olhos, eu olhei de volta para o meu pai e me preparava para dizer adeus. - Papai - comecei, mas as palavras começaram a falhar. Meus olhos se fecharam com o desejo de aliviar o seu sofrimento. A respiração irregular escapou do meu peito e comecei de novo Deveria dizer que está tudo bem... Você tem que ficar comigo, mas eu não posso. Sua respiração diminuiu. Ele estava escutando.

8


- Eu não quero deixá-lo ir, papai. Eu quero que você fique melhor, mas eu sei que você está cansado. Então, se você quer dormir... Eu vou ficar bem. Os cantos de seus lábios tremiam enquanto tentava falar. Minha boca sorriu, olhei seu rosto enrugado. - Vou sentir saudades, papai. Vou sentir tanto sua falta! Eu inalei outra respiração, e ele fez o mesmo, mas foi diferente desta vez. Não havia mais luta por ele. Eu olhei de volta para minha mãe, que me olhou com os olhos cheios de lágrimas. Ele respirou fundo e soltou o ar lentamente. Sua vida fugiu com o último oxigênio que teve em seus pulmões. O som me fez lembrar o ar que escapava do pneu, suave e constante até que não houvesse mais nada. Seu corpo relaxou e seus olhos estavam vazios e sem foco. A enfermeira silenciou e ficou só o som continuo do monitor cardíaco, enquanto eu observava seu rosto pacífico. O fato de que o meu pai tinha ido tomou conta de mim em ondas. Meu instinto gritava e meus braços e pernas estavam estranhos, como se eu já não me pertencesse. Eu balancei a cabeça e sorri, ignorando as lágrimas que corriam pelo meu rosto. Ele confiou em minhas palavras, então ele se foi. Thomas tocou meu ombro e foi para o lado da cama. Ele estendeu a mão para colocar a mão sobre os olhos de meu pai e murmurou algo bonito em hebraico. Debrucei-me sobre o peito do meu pai e o abracei. Pela primeira vez na minha vida, ele não me abraçou de volta. Olhando para minhas mãos, eu passei os olhos no obituário do funeral. Separados por um hífen, datas de nascimento e morte de meu pai se mostravam elegantes em um bonito papel que segurava. Estremeci reconhecendo que a pequena linha de tinta significava sua vida.

9


Guardei o papel confortavelmente no bolso interno do meu casaco, no mesmo momento em que escutei o barulho dos freios que fez o ônibus parar na minha frente. A porta se abriu, mas eu não olhei. Os sons dos passageiros descendo, não escutei. Meus vizinhos nunca tiveram necessidade de usar transporte publico, muito menos nesta hora da noite. Os poucos que usavam eram as pessoas que trabalhavam na região. Senhorita? O motorista do ônibus aumentou o tom da voz para chamar a minha atenção, como não olhei a porta se fechou automaticamente. Freios a ar foram liberados e o ônibus lentamente se afastou do meio-fio. Eu tentei não pensar sobre o dia em que eu tive, mas minha memória foi saturada. Como eu fiz na minha infância, eu comecei a acenar para me consolar. O tom pêssego quente há muito havia deixado os meus dedos, lembrando as mãos cruzadas do meu pai deitado no caixão. Uma lufada de ar frio encheu meus pulmões dando lugar ao soluço que vinha fazendo o seu caminho para a superfície. Pensei por um momento já que meus olhos não podiam mais chorar, e eu me perguntei quanto mais teria que suportar, antes que meu corpo estivesse cansado demais para continuar. - Noite fria, não é? Levantei os olhos e dei uma olhada no homem que estava ao meu lado. Não havia escutado chegar. Ele soprou suas mãos e me ofereceu um sorriso consolador. - Suponho. - respondi. Olhou seu relógio e suspirou. - Maldita seja. - murmurou em voz baixa - Acredito que perdemos o último ônibus. Pegou o seu celular do bolso da jaqueta preta de motociclista e discou. Cumprimentou alguém e pediu um táxi. 10


- Quer dividir um táxi comigo? - perguntou ele. Eu olhei para ele, suspeitando imediatamente. Seus olhos azul-acinzentados se estreitaram e levantou uma sobrancelha para a minha expressão. Devo ter parecido como uma louca e agora estava reconsiderando a sua oferta. Cruzei os braços, apesar do grosso casaco de inverno, senti o frio penetrando em minha pele, penetrando meus ossos. Eu tinha que voltar para a escola, tinha que fazer um trabalho. Depois de um momento estranho de silêncio, o homem voltou a falar. - Você trabalha por aqui? - Não. - eu hesitei em continuar a conversa, mas eu estava curiosa. - E você? - Sim. Que estranho. Ele não parecia empregado. Olhei para o relógio, com o canto do meu olho. Não era empregado, definitivamente. - O que você faz? Ele não respondeu imediatamente. - Eu estava envolvido... No campo da segurança de casas. eu balancei a cabeça, parecendo concordar com ele. - Eu sou uma estudante. - eu disse , tentando controlar o tremor da minha voz ridícula. Ele olhou para mim com uma expressão que eu não conseguia decifrar, e, em seguida, virou-se para olhar para frente. Ele era mais velho do que eu, eu pensei que não mais de cinco ou seis anos. Eu me perguntei se ele sabia quem eu era. Havia um toque de familiaridade em seus olhos, que ele não poderia colocálo.

11


Seu celular vibrou, ele abriu para ler uma mensagem de texto. Ele tentou esconder sua excitação e, em seguida, fechou o telefone sem responder a mensagem, e não voltou a falar até que o táxi chegou. Eu abri a porta e deslizei até o final do assento quando ele se sentou atrás do motorista. - Onde? - O motorista perguntou com uma voz rouca. - Brown Universidade - eu disse - Por favor. - Uh - huh. Qualquer parada? - Não. - disse meu companheiro inesperado. Notei que ele tinha o cuidado de não mencionar o seu endereço e eu achei estranho. Talvez não tão estranho em tudo, talvez fosse mais curiosidade sobre ele do que eu teria gostado de admitir. Fiquei surpresa de não ter percebido até agora, e eu achei isso estranho, grata pela diversão que eu tinha criado inadvertidamente. - A propósito, eu sou Jared. – sorriu, estendendo a mão para pegar a minha. - Nina . - Wow , suas mãos estão congelando!- ele disse, colocando a outra mão sobre a minha. Eu puxei minha mão, sentindo o aperto quente. Olhei para ele por um momento, ouvindo qualquer voz interior que podia sentir qualquer perigo, mas a única sensação foi uma grande curiosidade. Depois de perceber o seu erro, se desculpou com um sorriso. Eu coloquei meu cabelo atrás das orelhas e olhei para fora da janela. O vento soprava do lado de fora, soprando flocos de neve em toda a estrada como cobras brancas deslizando para frente. Estremeci com a visão e apertei o casaco em torno de mim. - Brown? - perguntou Jared. Seu celular vibrou no bolso e abriu-o novamente. 12


Eu balancei a cabeça. - Brown. - ele continuou olhando para mim então eu dei os meus dados - Especializada em Administração. A frustração chamadora não desejada restante desapareceu quando nossos olhos se encontraram. Ele percebeu que eu estava chorando. - Você está bem? Eu olhei para baixo, brincando com minhas unhas. - Hoje enterrei meu pai. Ocorreu-me que eu não tinha ideia do porque eu estava compartilhando tais informações pessoais com um estranho. - Estamos muito perto. - disse Jared. Era mais uma afirmação do que uma pergunta. Esperei para ver piedade nos olhos dele, mas não havia nenhuma. Meu alívio me fez sorrir, que o levou a sorrir de canto a canto. Então eu percebi que ele tinha um rosto agradável, agora que ele tinha a minha atenção. Ele era bastante atraente, na verdade... - Onde é sua casa? - perguntou o motorista. Eu tirei meus olhos de Jared e apontou na direção do meu dormitório. - Residencial Andrews Médio. O táxi parou e Jared veio automaticamente. Tão rápido como a porta dele se fechou a minha se abriu. - Obrigada! - eu disse. - Foi um prazer conhecê-la, Nina! - Havia um sentimento em suas palavras. Foi além da cortesia ou honestidade. Ele disse as palavras com convicção. Eu balancei a cabeça e caminhei em direção ao meu quarto. Ele fez uma pausa antes de entrar no táxi para sorrir para mim mais uma vez, pela primeira vez em semanas, senti algo mais do que 13


vazio. Olhei o táxi partir e, em seguida, me virei na direção do vento para caminhar até Andrews. Uma vez dentro do meu quarto, vi meu olhar no espelho e fiquei sem fôlego. Meu Deus! Não era de estranhar que Jared se sentiu obrigado a ajudar. Eu parecia uma vagabunda, uma viciada em crack esperando desesperadamente para tomar a próxima dose! Minha escova rasgou meu cabelo loiro curto e puxei a franja da minha cara. Eu fui para o banheiro e limpei meu rímel. Franzindo a testa, eu puxei meu celular do bolso e apertei a discagem rápida para ligar para minha mãe. - Nina? - Ela respondeu. - Estou no meu quarto, mãe. Ela suspirou. - Bem. Eu sei que você não gosta de tomar o ônibus. Robert poderia ter levado você. Tome dois destes comprimidos que lhe dei hoje, ok? Eles irão ajudá-la a dormir. Revirei os olhos. Minha mãe, a cliente oficial das farmácias regulares em Providence. - Provavelmente eu vou dormir no segundo que colocar minha cabeça no travesseiro. - Não era verdade, mas iria manter a minha farmacêutica tranquila. - Tudo bem, querida. Durma bem. Meu quarto parecia pequeno. As paredes brancas lamentavelmente vazias do meu lado. Senti que estava sendo observada, espiei através da sala para ver a minha companheira de quarto. Seu lado da sala estava coberto de cartazes, de ursos de pelúcia e coisas de time. Minha decoração consistia em um porta retrato na mesa de cabeceira que tinha uma foto dos meus pais e eu na formatura do ensino médio apenas alguns meses antes. - Como está sua mãe? - Beth perguntou sob o edredom rosa. - Ela está... Triste. 14


- Como você está? - Igual, suspirei. - minha voz parecia relaxar... Enquanto Beth colocava o pijama, eu notei uma diminuição na sua respiração. Sentei-me na cama e me puxei de volta contra os travesseiros. Meus pensamentos se mudaram, sem muito esforço para a última hora. O sorriso de Jared encheu minha mente por um tempo, mas depois de um tempo os meus pensamentos me trouxeram de volta para o funeral. Eu deitei de lado e me enrolei, tentando chorar em silêncio. O alivio finalmente substituiu a dor esmagadora e fui conseguindo cair no sono. Virei-me para o outro lado e pisquei os olhos, percebendo os grandes números vermelhos do relógio. Vi que eram cinco horas. Eu senti meus olhos inchados e doloridos. Foi quando eu percebi que meus sonhos tinham sido cruéis. Não haveria milagres e meu pai tinha ido embora. O fim da pior experiência da minha vida não tinha acabado como era para ser. Eu saí da cama e abri meu laptop, determinada a terminar o meu trabalho para 08h00min. A tela iluminou-se e olhei para Beth, que tinha a cabeça enterrada em seu travesseiro. Meus dedos começaram a escrever a próxima remissão e assim começou o clic dos teclados. Os parágrafos foram sendo criados de forma rápida e terminei um quarto do que precisava antes das 07h00min. Com um clique do mouse, mandei para a impressora que começou a sua tarefa. Eu olhei para Beth, sabendo que não a acordaria. Juntei meus produtos de higiene pessoal para fazer o meu trajeto diário para os chuveiros. Com o meu rosto vermelho e esfoliado, eu ajustei meu robe e caminhei pelo corredor. Enquanto eu estava escovando os dentes na pia pitoresca do nosso quarto, Beth se sentou na cama e esticou os braços. Seus longos cabelos cor de mogno caiam na altura do maxilar e estavam levantados em outros lugares. 15


- Bom dia. - disse ela animada. Então a realidade bateu. Oh, eu quero dizer... - Tudo bem, Beth. É uma bela manhã. - Olhei pela janela e vi que o céu estava mais escuro desde o início, mas não ia mencionar isso. Beth sorriu e começou a fazer sua cama, colocando seus bichos de pelúcia na frente de seu travesseiro com babados. - Você vai ao jogo de sábado? - ela perguntou. - Eu não sei. Talvez. Normalmente, ela me convidava para ir e, insistia com a sua voz sempre animada e agradável. Beth é do sul. Ela tinha trabalhado duro e tinha sido recompensada com inúmeras bolsas de estudo para escapar da pequena cidade de Oklahoma que ela chamava de lar. Seu lado da sala estava coberto com troféus, faixas e coroas de muitas competições em que tinha participado e vencido. Ela não era a típica rainha da beleza, apesar de bonita parecia muito introvertida; traço que estava desesperadamente tentando quebrar. Ela explicou no dia em que se mudou para o quarto que as competições foram uma necessidade mínima para matrícula. - Bem, eu vou lhe dar uma pausa nesta semana, se você decidir optar por sair. Eu entenderia com as provas finais e tudo mais... - ela admitiu sem olhar na minha direção. - Eu aprecio isso. Fixei o cabelo em um pequeno rabo de cavalo na nuca, parecendo um ramo de trigo na parte de trás da minha cabeça. Suspirei no meu armário e dei uma palestra motivacional antes de me vestir inevitavelmente em camadas: um após o outro, sutiã, camisa, camisola, meias, calças, botas, casaco e nem sempre nessa ordem. Com a minha mochila a ponto de estourar, guardei a alça e puxei usando as rodas. 16


- Eu vou cedo para o café. Beth sorriu enquanto acendia seu laptop. - Boa sorte para conseguir fazer a sua bolsa passar pelo gelo. Eu saí do elevador no corredor perguntando se Beth estava certa sobre o tempo. Prendi a respiração e empurrei a porta, esperando a temperatura fria no meu rosto. O vento soprava a porta de vidro pesada contra mim, fazendo pressão contra na minha mão. Usando o meu braço e ombro, eu me forcei a abrir a porta e eu engasguei quando o vento frio queimou meu rosto. Cheguei ao refeitório que a população estudantil apelidou de "O Rato" e tirei meu casaco. Arrastando os pés por entre o chão de assoalho, fui seguindo uma linha reta para o café. Vapor líquido e marrom escuro que iria me ajudar a trabalhar no início da manhã. Por hábito, eu alcancei o meu creme de avelã favorito e dois pacotes de adoçante. - Você sabe que um envelope desta coisa é a morte. - Disse Kim atrás de mim. - Você parece minha mãe. - eu respondi. - Estou surpresa que você veio hoje. Que pena que o seu pai morreu durante a final! Kim nunca foi cuidadosa ou refinada com suas palavras. Normalmente era muito espontânea, mas não tinha tido tempo para se preparar antes de suas palavras saírem de sua boca, e apertou minhas costelas em resposta. - Sim. Kim olhou para mim por um momento, e então eu olhei para um bolinho de amora. - Café? Eu balancei minha cabeça sem cruzar os olhos para olhar para o bolo. 17


- Não, obrigado. Eu tenho que ir para a aula. - Caminho com você. - disse ela , colocando o bolo no local . Kim estava usando um boné de caça vermelho desbotado, com as orelhas cobre, sobre seu curto cabelo castanho. Eu pensei que se eu pudesse rir, eu teria feito. - Oh. - Kim disse, tentando fazer com que minha voz parecesse cautelosa. - O quê? - ela perguntou, parando o passo. - Nada. - balancei a cabeça, decidindo deixá-la lá. Se um boné poderia ser feito para Kim, era aquela atrocidade ridícula que ela tinha colocado na cabeça. Kim ficou acima da média de altura, passava de mim uns 15 centímetros. A cor do seu cabelo curto era caramelo emoldurando seu rosto com algumas ondas suaves. Louca e imprevisível como era, as pessoas se sentiam atraídos por ela. Eu sabia que seríamos amigas quando me encontrei com ela no corredor de Andrews, eu não poderia imaginar alguém tão interessante na minha vida. Kim atravessou comigo o campus e fomos até a sala de aula e manteve meus pensamentos longe da mente, contando as histórias de seus percalços e erros que ocorreram na semana passada. Ela nunca deixou de me entreter com sua honestidade desenfreada e a falta de um filtro entre sua mente e boca. Uma vez na sala de aula, Kim inclinou-se e segurou a respiração. - E o funeral... Eu me contorci no meu lugar. - Eu... não quero... - Oh, tudo bem. É sim. Então... Ontem? - Ao contrário de Beth, Kim não evitava as perguntas desagradáveis. Às vezes, parecia que era a primeira a te dar um tapa com um sorriso no rosto. 18


- Sim. - eu suspirei. Foi muito bom. - Muito bom. - Kim repetiu, balançando a cabeça. - Tentei ligar para você ontem à noite, mas não respondeu. - Me levantei tarde. Eu perdi o último ônibus e acabei pegando um táxi. Kim olhou para mim, incrédula. - O último ônibus? Eu não sabia que o transporte público tinha toque de recolher. - Eu estava pensando nisso por um momento antes de continuar. - Por que não dirigir? Sua mãe te trouxe, não é? - Eu acabei dividindo um táxi. - Com sua mãe? - Não, Kim. Não com a minha mãe. - falei sem expressão. Eu conheci um homem no ponto de ônibus. Nós dois perdemos. Não, eu confesso que tive um momento de bloqueio mental e deixei o ônibus passar. - Você dividiu um táxi com um estranho no ponto de ônibus? Interessante. - Histórias de todo o mundo não vão acabar com um final espetacular como o seu. Nós só dividimos um táxi - eu disse tentando fazer a minha resposta soar conclusiva. - Quantos anos ele tem? Revirei os olhos. - Eu não sei. - Feio? - Não, Kim. Ele era bom. - Eu não perguntei se ele era bom. Perguntei se era jovem, bonito?

19


- O funeral de Jack foi ontem, Kim. Eu estava uma bagunça. - eu disse, sentindo minhas sobrancelhas franzirem. - Por que você fez isso? - Fazer o quê? - Eu perguntei, irritada. - Chamar o seu pai de "Jack"? Pensei que vocês estavam juntos. - Estamos. Estávamos. Eu não sei... Porque esse é o nome dele? Kim olhou para mim, surpresa com a minha resposta. Comecei novamente. Eu sempre me senti estranha de chamá-lo de "pai" na frente dos outros. Como eu não chamaria de "mel" para um namorado na sua frente. É algo... Pessoal. - Isso é estranho, Nina. - Bem, você é uma autoridade em estranheza. Kim assentiu. Não se ofendeu pelo meu insulto. - Quem era o homem misterioso? Mora aqui? Acho que não. Ele continuou no táxi, balancei a caneta entre os dedos. Porque eu tive que sair primeiro, eu estava curiosa para saber se ele morava perto da universidade e se eu poderia encontrá-lo novamente. Estremeci ao pensar em tal possibilidade. O que você poderia dizer a ele? “Oi Jared. Você se lembra de mim? Eu sou a sósia da Alice Cooper, dividi com você um táxi por 20 minutos." - Que cara é essa? - A expressão de Kim só poderia ser um reflexo dos meus. - Nada, apenas... - eu dei de ombros, ela provavelmente pensou que eu estava louca. - Essa poderia ser a história mais chata que eu ouvi. - Kim disse, suspirando. 20


- Eu tentei salvar a falta de detalhes. No entanto, ele tinha um sorriso bonito, eu meditei. Kim olhou para mim com interesse renovado e abriu a boca para dizer algo, mas, Professor Hunter entrou na sala. Eu não tinha notado a quantidade de assentos vazios. Alguns dos estudantes tinham deixado seu trabalho na mesa do professor e saíram em vez de ir para os seus lugares, como de costume. - O que você ainda está fazendo aqui? Entregue o trabalho e pode ir embora. Suas notas serão postadas no site. Boas festas. falou a todos que ainda estavam na sala.

A semana de provas finalmente chegou ao fim. Na primeira semana das férias eu tive um pouco de controle sobre o vazio que tinha em mim. Depois disso, tiveram algumas noites que não escapei da tristeza. A dor encontrou novas forças na noite de Natal, mas para meu alívio, consegui dormir sem chorar quando as festividades estavam perto de acabar. O tempo me dava algum alívio, mas também eu estava mais longe do tempo em que Jack fez parte da minha vida. Cada dia que passava eu estava mais longe do dia em que pude lhe chamar ou ouvir o som da sua voz. Com o tempo o alívio e o medo se entrelaçavam. Quando o semestre da primavera começou, Jared tinha se tornado uma imagem fraca de um dia claro que eu queria, por isso foi uma surpresa vê-lo de pé a uma curta distância de mim na fila da Urban Outfitters fora do campus. Eu não tinha certeza de que era ele no início, mas quando eu peguei o recibo que a vendedora me entregou, precisava de um tempo para estar certa de que fosse ele, mas ele não teve a mesma duvida que eu. - Nina?

21


Senti que minhas sobrancelhas se levantavam enquanto tentava encontrar palavras para responder sim. Minha boca se abriu, mas nada saiu. Ele bateu no seu peito como se estivesse falando com um mudo. - Eu sou Jared. Dividimos um táxi. - Pacientemente esperou que eu me lembrasse do seu rosto, e eu percebi que não tinha esquecido uma polegada. - Eu pensei que era você, eu disse, com um sorriso gentil. Algo estava errado com minha garganta. Ela estava seca, e ao mesmo tempo como se eu estivesse sufocando minha própria saliva. Engoli em seco e tentei lembrar que não era uma estudante adolescente ridícula. A expressão de Jared foi do alívio para júbilo quando um largo sorriso cruzou seu rosto. A sensação de calor borbulhava em meu peito para o meu rosto e senti o calor nas minhas bochechas. Oh, Deus, não posso corar! Eu pensei para mim mesma, mas já era tarde. Eu não tinha ideia de como me recuperar. - Você parece estar em um dia melhor. Pegou o ônibus na hora certa? Consegui murmurar algo. - Como está o negócio de segurança? - Interessante. - Um brilho lhe tocou os olhos e não sabia exatamente como interpretá-lo. Ao mesmo tempo, nossa atenção voltou-se para o toque celular no bolso de sua jaqueta. Ele sorriu desculpando-se e silenciou o que nos distraiu. - Teve um Natal agradável? - Eu tentei não tremer quando as palavras saíram da minha boca. Ugh. Nada imaginativa pensei. - Algo assim. - Falou.

22


Sorri para a sua piada. Ele parecia tão à vontade comigo. Eu não tinha certeza se era de confiança ou se ele era o tipo de pessoa que poderia ter uma conversa com alguém e fazê-los sentir que eles se conheciam há anos. Eu levantei a camisa cor de prata que tinha em minhas mãos. - Comprei de aniversário para minha mãe. O homem atrás de mim fez um barulho com a garganta e percebi que estava atrasando a fila. Jared sorriu e deu um passo para trás em direção ao caixa. Eu percebi que a nossa conversa não havia acabado e voltei minha atenção para a garota ruiva atrás do balcão, tentando controlar minha emoção. Ela me entregou o recibo de compra, e Jared me levou para fora. Ele olhou nos meus olhos, verificando meu rosto calorosamente. Eu não me lembrava de que era tão alto. Ele tinha pelo menos um metro e oitenta e cinco centímetros. Como eu não tinha notado a cor incrível de seus olhos? Parecia brilhar enquanto eu olhava. - Você é de Providence? - eu perguntei. - Sim. - disse ele, parecendo surpreso com a minha falta de jeito. - Você estudou no Brown? - Não. Seus olhos não estavam se mostrando tão animados com a conversa, deduzi pelas suas curtas respostas e a sensação de que ele estava com o rabo entre as pernas. - Sério? Eu estou tentando lembrar. Parece que já nos vimos antes. - Acabei de dizer um clichê? Fantástico, estou descendo ao nível das adolescentes desesperadas que estão por toda parte. - Acho que não, você seria uma pessoa que eu nunca esqueceria. Eu estava indo comprar algo para comer no final da rua. Você vem comigo? 23


Eu pensei que tinha dito que sim, mas ele estava olhando para mim com expectativa. - Nina? - Sim. Quero dizer, sim. Isso seria fantástico. Eu tentei sorrir pela minha humilhação, eu pensei que se tivesse sido sempre assim articuladamente estranha, eu não poderia imaginar por que ele ainda continuou a falar. Caminhamos até o final do bloco e atravessamos a rua. Jared me levou para frente com a mão nas minhas costas e olhou em torno de nós quando nós atravessamos. Eu segurei minha risada, ele me fez lembrar um dos guardas da segurança do presidente. A única coisa que faltava era o dispositivo de comunicação em seu ouvido e os típicos Ray-Ban preto. Novamente Jared abriu a porta para mim. Eu tinha visto este restaurante várias vezes, era perto da universidade, mas eu nunca tinha me aventurado em vir. - Você vai gostar. - Garantiu-me. Parei por um segundo, me perguntando se eu tivesse falado algo em voz alta. - Bem-vindo a Chama, disse a dona do restaurante, apontando para a mesa que iriamos sentar. Momentos depois, uma garçonete apareceu e Jared esperou por mim para perguntar. - Vou tomar um Dr. Pepper. Quero dois Jared disse, levantando dois dedos. Seus olhos nunca deixaram os meus. A garçonete assentiu e nos deixou. Eu estava curiosa para saber se ele teria pedido uma cerveja se estivesse acompanhado de uma menor. Eu acredito que não agradeci por ter me levado para casa.

24


- Na verdade, você fez. - disse, colocando os cotovelos sobre a mesa e cruzando os braços. - Oh. Aquela noite, é uma espécie de borrão. - eu fiz uma careta. - Desculpe, mas você perdeu o seu pai, Nina. Fico feliz de ter estado lá. Eu coloquei meu cabelo atrás das minhas orelhas. - Eu estou feliz que você estava lá. - Provavelmente não é a ideia mais segura estar... sentada no escuro . Há um monte de louco lá fora. - Seu tom era casual, mas no fundo era uma pitada de ansiedade. - Eu cresci naquele bairro. É seguro, eu lhe garanto. Ele riu e balançou a cabeça. - É sempre mais seguro até que algo ruim acontece. A garçonete trouxe nossas bebidas e perguntou o que queríamos comer. Mais uma vez, Jared esperou por mim para começar. - Eu vou pedir uma salada grega. - eu disse. Eu olhei para Jared que estava me estudando com as sobrancelhas levantadas e um sorriso irônico. Eu não ia ser como uma daquelas meninas fáceis. A garçonete voltou sua atenção para Jared. - Para você? - Eu vou querer a salada da casa com queijo azul e camarões. E vocês poderiam trazer algumas batatas doces fritas, por favor? - Ele disse, entregando o cardápio para a garçonete. Quando ela saiu, eu olhei em volta do restaurante e, em seguida, sobre Jared, que não tirou os olhos de mim. Eu não sabia o que dizer para falar quando ele estava me olhando. Os olhos de Jared eram azul-cinza incrível, parecia brilhar 25


contra sua pele levemente bronzeada. Suas sobrancelhas grossas marrons emolduradas em seus olhos amendoados e um pouco mais escura do que o cabelo loiro escuro estrategicamente despenteado. O seu brilho natural, brilhava ao sol da tarde que estourava sobre as janelas. Obviamente era mais do que atraente. Mais uma vez eu me perguntei por que ele continuava falando comigo. - Batatas doces fritas? - Eu perguntei. - Elas são famosas. Bem, elas são famosas por mim. Você deve mergulhá-las no molho, começa para que você possa apreciar plenamente. É uma experiência. - Doce de batata - eu disse - ainda não tenho certeza. Ele sorriu. - Confie em mim. Seu celular tocou e ele abriu. Desta vez era mais que uma mensagem de texto, ele apertou o celular contra o ouvido, parecendo irritado. - Ryel respondeu ele. Ri - el ? Eu tinha impressão de que este fosse seu sobrenome, mas não poderia ter certeza. Ele baixou sua voz e inclinou a cabeça para longe de mim. Ele não estava contente com a pessoa que falava, e pelo som que podia ouvir, deduzi que ele estava falando no que eu pensava ser russo. Ele era devastadoramente bonito, amável e falava um segundo idioma. E as batatas doces fritas eram tudo o que ele havia prometido, eu seria capaz de cair da cadeira. Ele tornou-se impaciente com a pessoa do outro lado da linha e desligou a chamada. - Desculpe por isso. - disse ele. Eu balancei a cabeça, respondendo a seu pedido de desculpas. 26


- Não, está tudo bem. Assim, inadvertidamente, aprendi duas coisas novas sobre você. Seus olhos estavam focados nos meus, mas estes estavam um pouco nublados, como se sua atenção foram divididos entre o problema e eu. - Ryel? - Eu perguntei. - Meu sobrenome. - E era... russo , o que você estava falando? - Eu disse levantando as sobrancelhas. - Sim - ele suspirou. Seus ombros relaxados enquanto exalava. - Nestes dias, nem todo mundo fala uma segunda língua. - Você só fala dois idiomas? - Eu disse, fingindo insatisfação. Ele riu, e formou uma nova pontada no meu peito. Eu não conseguia superar o seu sorriso e como extraordinário era, parecia que tivesse saído de uma revista. - Eu tive francês no ano da faculdade. Lá estava eu , disse ele, sentindo-se inferior. - Meu pai fala muito fluente. Eu aprendi com ele. - Oh, sua família é da Rússia? - Eh... Não - Jared disse, parecendo desconfortável com a pergunta. - É muito bonito, eu disse. Você é muito popular. Os negócios devem estar indo muito bem. Seus olhos se estreitaram enquanto ele estudava meu rosto. - O negócio é... - Seus olhos se suavizaram e se inclinou um pouco para mim, encontrando meu olhar, melhor do que eu tenho estado em muito tempo. Obriguei-me a respirar. Eu me senti tão antinatural quando ele olhou para mim dessa maneira. 27


- Portanto, gosta do faz? - Alguns dias mais do que outros. - disse com um encolher de ombros. - E hoje? Ele sorriu novamente. Algo estava divertido sobre a nossa conversa e eu não estava ciente da piada. - Hoje é um bom dia. Minha atenção foi dividida entre a garçonete andando atrás dele, trazendo as batatas fritas e saladas. Jared olhou para a mesa e depois para mim com um calculado sorriso. - Você está se sentindo corajoso? Eu me inclinei para frente para ver melhor no recipiente tecido. - Você está me deixando muito nervosa por uma porção de batata-frita. Aquelas batatas devem estar surpreendentes. - Realmente, batatas doces merecem uma apresentação. Nós dois rimos. Ele pegou um pouco e mergulhou-o em um copo com uma gosma estranha. - Sem ketchup? - Eu perguntei, olhando batata na minha mão. Jared franziu o nariz. - Ketchup é para aqueles que querem provar a sua comida. - Ketchup é para tolos. - Eu me concentrei na cesta e franzi a testa. Um riso rompeu de sua garganta e mergulhei a minha batata no molho. Ele deu uma mordida na dele e me olhou levar a mão á boca. Ele me olhava com uma expressão brincalhona enquanto eu mastigava ansiosamente.

28


- Não é ruim. Muito bom, na verdade. - eu falei enquanto ele engoliu. Seu rosto era triunfante. Nós brincamos e rimos enquanto acabávamos as batatas, e educadamente discutíamos sobre clima enquanto comíamos a salada. Depois de terminar as nossas refeições, ele olhou para o meu prato vazio e assentiu com satisfação. - Eu gosto de uma garota com apetite. - Bem eu tenho a sensação de que você e eu seremos bons amigos - eu ri. - Esta foi à primeira refeição que não fiz no “Rato” desde que cheguei à faculdade. Obrigada por me trazer aqui. Jared sorriu. - Foi um prazer absoluto. Estou feliz por termos encontrado um ao outro. A garçonete trouxe a conta e Jared pegou colocar o seu cartão na parte de trás e entregou a ela. Parecia que tinha ganhado na loteria. Eu não poderia acreditar que algumas batatas com um molho diferente, poderia me deixar tão feliz. Ele me ajudou com o meu casaco. Eu não sou o tipo de garota que gosta de elogios, mas a maneira informal que ele fez me fez sentir um pouco tonta. Peguei minha bolsa Urban Outfitters, e ele me seguiu. - Você vai andar? - Perguntou Jared. - Eu vou. - Eu coloquei meu cabelo atrás das orelhas e esperei que ele fosse cavalheiro novamente. - Está ficando frio. Você se importa se eu levá-la? - Ele perguntou, colocando as mãos nos bolsos da calça jeans. O sorriso que se espalhou pelo meu rosto foi esmagador. - Você se lembra a onde eu moro?

29


- Andrews, certo? - Ele disse. Eu concordei e ele parecia feliz que não havia esquecido. - Eu sou assim. - disse ele, dirigindo-se para baixo na rua. Jared parou na calçada ao lado do meu quarto, e eu me perguntei mentalmente se ele não pediria o numero do meu telefone para qualquer coisa. Não queria esperar tanto tempo, como desta vez, para lhe ver novamente. Obrigado mais uma vez , eu disse, tentando ganhar tempo. Ele sorriu, mas o sorriso não era tão extenso como durante o almoço. Ele parecia estar tão decepcionado quanto eu que a nossa pequena reunião havia terminado. - Nada. Na verdade, o prazer foi meu. Ele saiu e em menos de um segundo, abriu a minha porta. Parei de olhar para o rosto dele e depois de uma breve pausa, eu comecei a andar em direção ao meu quarto. A sensação de urgência me atacou o nervosismo e saí apressada. Ele não se moveu. De pé em frente do seu Escalade preto, parecia exatamente como um guarda de segurança. O vidro estava escuro e parecia mais uma cena do Oriente Médio para uma rua tranquila, em Providence. - Jared? - Puxei o telefone da minha bolsa para pedir o seu número, mas as palavras me deixaram. Engoli em seco enquanto seus olhos me perfuravam. Eu não sabia se a atração era mútua, mas pelo menos para mim, foi intensa. - Nós vamos nos encontrar de novo. - disse ele, sorrindo. Ele iria começar a discutir, mas o que eu poderia dizer? Se perguntasse quanto tempo isso iria demorar, eu pareceria mais desesperada do que pretendia. - É bom ver você de novo, Nina. - disse ele antes de desaparecer atrás da tonalidade escura de suas janelas. Eu sorri e disse adeus com a mão, então eu continuei no meu caminho para Andrews. 30


Capitulo 2 Está chovendo de novo, Kim reclamou. Isso é algo novo e diferente. Ele acendeu o cigarro e sacudiu os joelhos para trás e para evitar o frio. Eu dei a ela um olhar de desaprovação. - O quê? ela perguntou. - Isso é realmente nojento. Meu pai fumava charutos. Na verdade, eu não entendo o que os atrai. Ela encolheu os ombros. - Não há recurso. Eu sou uma não conformista. - Você é masoquista. Eu respondi, revirando os olhos. Esperamos Beth do lado de fora de sua sala, planejando sequestra-lá para o café mais próximo do campus. Um grupo de estudantes saiu e olhei cada rosto. Notei um cara de cabelos despenteados se afastando do rio de estudantes que olhava para Kim e sorria. - Oi, Josh. Kim cumprimentou. - Oi, Kimmie. Você já terminou sua tarefa de cálculo? Kim deu de ombros. - Vou fazer antes do início da aula. Os amigos de Josh ficaram próximos de nós e conversavam entre si. - Nina, este é Josh. Nós fomos para a escola juntos em Quincy. Ele quer ser como eu quando crescer. - Kim brincou, atingindo-o no braço. Josh riu e apertou minha mão. - Só se eu começar a usar um chapéu assim. - Prazer em conhecê-lo, Josh.

31


- Tucker, Chad e Ryan. - Disse ele apontando para cada um de seus amigos Tucker e Chad assentiram com a maneira típica de criança, mas Ryan estendeu a mão, a Kim primeiro, depois a mim. - Olá, Olá, nós dissemos a cada um. - Seus olhos pousaram em mim por um momento. - Iremos mais tarde para o portão para comer pizza, venham se quiserem. - disse Josh. - Eu fiz planos com outro amigo nosso, mas talvez da próxima vez. - disse Kim. Josh assentiu e começou a andar, seguido de Chad. Ryan ficou por um momento mais longo e, em seguida, também seguiu. Kim olhou para mim com as sobrancelhas levantadas. - Ótimo. Quem disse que não existe tal coisa como o amor à primeira vista? - Oh - murmurei. Beth se juntou a nós depois de alguns minutos. - Já estava na hora! - Kim disse dramaticamente, como de costume, fazendo Beth rir. - Quem é ele? – Ela perguntou, assim como Ryan virou-se para nos ver novamente. - Ryan. O amigo de um amigo. Não é um sonho de menino? - Disse Kim enquanto encostava-se ao ombro de Beth. - Você é tão... Estranha! - Beth riu, empurrando Kim. Eu e Beth nos acomodamos em um velho guarda chuvas enquanto Kim caminhava na chuva sem se incomodar. Chegamos ao velho Sentra, Kim e Beth sentaram no banco da frente. Kim fez uma breve oração e em seguida ligou o motor. Depois de alguns toques, o carro ligou e Beth aplaudiu.

32


- Obrigada! Obrigada, Kim! - disse inclinando a cabeça em pequenos movimentos.

Chegamos ao balcão e Beth e Kim examinaram o cardápio. - Vou tomar um café grande, por favor. - Kim suspirou ao meu lado. Ao contrário de mim, ela se recusava a tomar a mesma bebida duas vezes. Eu sentei na minha cadeira, pegando minha xícara com as duas mãos. O vento e a chuva haviam diminuído e era intermitentemente bater a grande janela de vidro. Apenas quando Beth estava sentada ao meu lado, a campainha da porta tocou e eu levantei automaticamente o meu olhar. Era ele. Beth percebeu que eu estava olhando para trás dela e se virou para ver Jared caminhando até o balcão. - Você está bem, Nina? - Ela perguntou. Kim sentou-se e trocou olhares com Beth, em seguida, virouse na cadeira para ver quem também não conseguia tirar o meu olhar. A menina atrás do balcão falou animadamente. - Não acredito no que vejo se não é Jared Ryel. Há quanto tempo não vem por aqui. Como tem passado? - As coisas estão indo bem, Katie. O de sempre. – respondeu indiferente à sua paquera. Quando Jared se virou casualmente na nossa direção, estavam as três olhando fixamente, esperava que ele ficasse tímido, mas pelo contrário apenas sorriu. - Quem é ele? - Beth perguntou obviamente impressionada.

33


- Kim, esse é Jared. - disse me inclinando para trás e sorri de orelha a orelha . - Jared. Quem é o J...? - Beth sussurrou. - Shh! - Ah,fica quieta. - Nina? – Jared me chamou. Eu pensei ter detectado um pouco de incerteza em sua voz. Assim que seus olhos encontraram os meus, eu estava imediatamente perdida. Mas, como sempre, Kim me salvou. - Você deve ser Jared. - Kim disse com um sorriso travesso. - Eu sou ele. - confirmou, caminhando lentamente a curta distância que o separava de nossa mesa. - Eu sou Kim. - ela estendeu a mão e apertou a dele, agitando vigorosamente e nada elegante. - É... um prazer conhece-la! - Jared disse, olhando para ela brevemente antes de voltar seu olhar para o meu. A confusão estava escrita por todo seu rosto. Ele abaixou a cabeça a alguns centímetros do meu rosto para me perguntar. - Está tudo bem por aqui? Com minha visão periférica eu podia ver as sobrancelhas de Beth se franzindo e seus olhos correram em minha direção, confusa com o comportamento de Jared. - Tudo bem! - falei enquanto colocava meu copo em cima da mesa. - Como tem passado? - Eu estou... Bem. Estou interrompendo alguma coisa? A voz de Kim subiu uma oitava. - Claro que não! Você gostaria de se juntar a nós? Jared olhou para mim por um momento e eu sorri. Senti uma onda estranha de adrenalina, eu tenho medo de dizer que sim, mas medo de dizer não.

34


Kim olhou novamente e suspirou. - Eu deveria ir. - Não, você pode ficar? Mesmo que seja um pouco? - Eu perguntei esperançosa. Jared suspirou quase aliviado. Ele olhou em volta e puxou uma cadeira para a nossa mesa. Eu não podia conter minha emoção e um sorriso tomou conta de minha boca instantaneamente. - Como você pode dizer não a isso? - ele perguntou e eu senti minhas bochechas ficando vermelhas. - Sim, pode ser muito persuasivo. - Kim disse, olhando para mim. Eu a ignorei e os apresentei corretamente. - Jared, Kim Pollock. Kim ... Jared Ryel. E esta é a minha companheira de quarto, Bethany Layne. Jared estendeu a mão e cumprimentou Beth. Ela sorriu. - Beth - Somente. Jared assentiu. - Muito prazer, Beth. - Então... Como vocês se conheceram? - questionou Beth. - Em um táxi. - Jared respondeu, sorrindo. - Na noite do Jack, compartilhamos um táxi... - eu disse, tentando manter a conversa em Jared ao invés das circunstâncias daquela noite. - Oh. - Beth disse. Eu podia ver a confusão em seu rosto. E eu sabia que teria que explicar mais tarde. E comemos juntos, Jared acrescentou. - Sério? - Kim perguntou, olhando para ter certeza. 35


Jared começou a rir. - Vejo que foi interessante o suficiente para que você... Eu brincava com meus dedos na xícara de café. - Ele me levou para conhecer a Chama em Thayer. Foi muito bom! - Acredito que foi mais a companhia do que outra coisa. - ele falou e seus olhos se suavizaram. - Parece que vocês se dão muito bem. - Beth falou animadamente. Ela já havia se esquecido de que eu não tinha dito a ela e agora estava muito animada. - Sim, nós tivemos um grande momento. - disse ele, com os olhos focados em mim. - Fiquei muito feliz em vê-la novamente, Nina, mas eu tenho que ir. - Ele se levantou e caminhou de volta e levou a cadeira para seu lugar. Eu fiquei tensa, eu queria perguntar quando poderíamos nos ver de novo, mas simplesmente não conseguia encontrar a força. Me conformei e tentei esconder a cara de decepcionada. Para meu alívio, ele percebeu. - Vejo você mais tarde. - ele disse, divertindo-se com a minha expressão desapontada. - Tudo bem. - eu balancei a cabeça uma vez. Ele deixou o café tão bem quanto ele havia entrado, e eu me inclinei para trás em minha cadeira. Meus músculos se queixaram, não tinha percebido que estava tão tensa. Eu tomei um gole do meu café e respirei fundo e relaxei. Ele tinha ido e não sabia nada dele, apenas nos encontrávamos inesperadamente. Minha vida era de repente cheia dessas pequenas surpresas e momentos milagrosos, onde fui encontrar tanta felicidade que estava começando a me perguntar quando iria chegar à próxima vez.

36


Meus amigos estavam com os olhos fixos em mim. Olhei para cima, ciente de sua curiosidade incontrolável. - Sim? - Eu disse, sorrindo inocentemente. - Oh, por favor, vizinha. Como se seus feronômios não estivessem incrivelmente poderosos neste momento. - Kim disse. - É muito bonito. - Beth acrescentou. - Eu acho que você gosta desse tipo. - eu respondi, tentando parecer calma. - Você acha? - Beth chorou. -Você se refere ao tipo de homem bem vestido, bonito, super estiloso, estrela de cinema, que é educado e interessado em você? É a ele que se refere? Kim riu. - Está sendo ridiculamente calma neste momento, tendo em vista que quando ele estava aqui tinha a personalidade de um molusco. - Não é verdade! - Ele poderia ter tomado café pelo nariz e você ainda teria ficado. - Beth disse rindo. - Ele não é lindo! Ele é angelical - eu suspirei, lembrando cada detalhe dele. Kim juntou os sorrisos com Beth e nós três começamos a rir muito.

Nos dias seguintes, a cada vez que saímos do campus procurávamos por ele. Beth e eu fomos para o café um par de vezes e eu estava quase dolorosamente preocupada. Eu respondia quando me perguntavam alguma coisa e acenava com a cabeça em partes apropriadas da conversa, mas nós duas sabíamos que eu estava esperando para encontrar Jared. 37


Eu não podia acreditar quão chateada eu poderia ficar por um homem que eu mal conhecia. Não era o tipo de menina que ficava atrapalhada por uma coisa dessas, e para ser honesta, sempre perdia a paciência com aquelas que faziam isso. Quando me vi procurando ele em todas as lojas, restaurantes e cafés que frequentava, me repreendi. Eu passei cinco dias com esse comportamento ridículo. O sol desaparecia no horizonte, enquanto Beth e eu esperávamos na quarta bomba do posto de gasolina Shell Eastside. Eu bocejei de tédio, ouvindo como as bombas que estavam zumbindo com cada dólar que colocado dentro. Beth apertou o nariz com o cheiro e imitei sua expressão. - O quê? - Ela perguntou. - Nada. É que eu adoro este cheiro parece que você está cheirando uma fazenda de porcos em Oklahoma. Você está lembrando coisas ruins? - Muito engraçado. - Ela olhou para cima e um grande sorriso atravessou seu rosto. E eu que pensava que você não iria suportar, eu disse, surpresa com sua expressão. - Olá Jared! - disse Beth, sorrindo inocentemente. Eu me virei e lá estava ele, de pé do outro lado da bomba com ar tão chocado e surpreso como eu me sentia. - Isso está ficando um pouco assustador! - disse ela. Olá para você também. - eu disse , deixando ver o quanto eu estava feliz por vê-lo. - Como vão as aulas? - ele perguntou. - Bem. Como vão os negócios? - eu sorri. Estava melhorando nisso, graças a Deus, eu pensei. Finalmente pude sentir até um pouco em comum com ele.

38


- É um bom dia. - disse ele, sorrindo com seu sorriso incrível. Definitivamente era. - É um grande carro - ele acenou com a cabeça. Obrigada. Uma das poucas coisas boas que o meu pai me comprou foi o meu BMW branco. Eu ganhei como presente de formatura, e além do meu anel de diamante Peridoto¹ que ele tinha me comprado para o meu aniversário de dezesseis anos, era o meu bem mais precioso. Normalmente eu não me importo muito sobre as coisas chamativas que meu pai comprou, mas este foi especial, pois tinha sido acompanhado com o olhar orgulhoso do meu pai, que tanto gostava. - Você está indo para algum lugar? - eu perguntei. - Por quê? - ele inclinou a cabeça, confuso com a minha pergunta. - Você olha como se fosse uma data importante ou algo assim. Ele riu. - Não... Não uma data. E quanto a você? Será que alguém pode forçá-la a ir a um restaurante de comida estranha esta noite? - Eu não faço isso com ninguém. - eu respondi, levantando uma sobrancelha. Fiquei impressionada com o som da minha voz, muito mais corajoso do que eu sentia. Ele sorriu novamente. - Sério? Eu levei o meu recibo para a bomba de combustível e olhei para Beth, que fingiu não estar vendo. Ele caminhou na minha direção, com as mãos nos bolsos. - Que tal se nós tentássemos então? ele perguntou.

39


- Você está me desafiando ou você está me convidando para jantar? - eu respondi, olhando-o diretamente nos olhos. Eu não sabia de onde minha coragem súbita e mal saiu, mas que era muito menos humilhante do que o constrangimento que mostrei nas últimas duas vezes que o vi. Ambos sorriram. Ele se inclinou sobre o meu carro, a poucos centímetros de mim. Eu tentei parecer calma, embora meu coração estivesse batendo furiosamente no peito por causa de sua proximidade. Eu fiz uma careta, percebendo o dilema em que eu estava. - Eu tenho que ir para o meu grupo de estudo esta noite. Ele parecia irritado, para minha aflição, pela mudança de planos. - Talvez da próxima vez. Ele caminhou até seu Escalade e saiu sem dizer mais nada. Passei por Beth e ela entrou no lado do passageiro. A porta bateu atrás de mim e eu me sentei ao lado dela. - O que foi isso? - perguntou Beth. - Eu não sei. Os olhos de Beth se arregalaram em descrença. - Você o deixou ir para ficar em um encontro com o grupo de estudos? Estava ansiosa para vê-lo durante toda a semana! - Eu não posso desfazer os meus planos, sempre que me convidam para sair. Você queria o que? - Insisti, franzindo a testa ao pensar que ela me considerava tão fácil ---------------------------------------------------------------------------------1-Peridoto pertence a uma das poucas pedras preciosas encontradas em apenas uma cor, e fazem parte do grupo de olivina. Um dos “idiocromáticas”, ou seja, a sua cor vem da mesma composição química básica do mineral e não de pequenas impurezas, portanto, só é encontrada em verde.

. 40


Beth encolheu os ombros. - Quem se importa? Liguei o carro. - Beth! Pensando bem. Eu não dei o meu numero. - Alterei a marcha para dirigir e comecei a andar. - Ele só aparece do nada e me pede para sair. - Você está louca! Ele te chama para sair e você diz não? Deve haver algo de errado com você, Nina! De volta a Andrews, eu agi como se nada tivesse acontecido. - Qual o problema? - Kim quase gritou. - Urgh! Você não está também! No rosto, o sorriso de Beth irradiava por todo o lugar. - Eu te disse. - Eu tenho que estudar. Inclusive você estudará esta noite, mais um motivo para ficar. - Eu não iria se eu tivesse um compromisso. - Beth disse, cruzando as pernas na cama. - Eu aposto que você faria, se você tivesse perguntado há 90 minutos antes de começar o grupo de estudo. - eu respondi. -Tudo bem, - disse Kim - Nina está certa. Estudos antes de homens. Beth revirou os olhos enquanto ela reunia seus artigos de estudo, e eu já tinha as minhas notas dentro do meu casaco. Kim estalou os dedos. - Vamos lá, meninas. Não quero fechar The Rock às 02h00 como da última vez. Fomos para a biblioteca John D. Rockefeller, cobrindo a cabeça contra o vento frio. Justo quando atravessamos a rua, a 41


neve começou a cair em grandes flocos. A grama morta rangia sob os nossos pés por onde passamos para cortar caminho. Beth nos pediu para ir de carro, mas Kim insistiu que andássemos para que ela pudesse fumar. Beth passou o braço pelo meu. - Brown precisa criar algum sistema de transporte para nos levar daqui pra lá facilmente. Como um reboque ligado a algumas rodas. - Sim, Oklahoma, vamos contratar um transporte para lá. Brown necessita de cultura. - disse Kim, sem mudar de expressão. Beth estreitou os olhos para o comentário de Kim. - Foi apenas uma sugestão. Eu estou congelando. - Não dê ouvidos a Kim, ela não está mesmo usando um casaco. - eu disse, com os meus dentes começando a bater. - Vocês são duas bebês,hunf! - Kim rosnou. - Isso soa como um transportador. - Beth disse, rindo. Quando chegamos, o nosso grupo de estudo estava esperando por nós. Carrie e Tracey, time de basquete, estavam em uma poltrona. No lado oposto eram os amigos de Kim, Justin e Kristi. Lisa, uma estudante de medicina, mal percebeu a nossa chegada e próximo a ela era alguém que eu reconheci imediatamente. Ryan e seus cabelos escuros, ele era um pouco mais alto que eu. Porque sua camisa estava um pouco apertada, eu podia ver seu corpo atlético. Seu boné de beisebol foi puxado para frente sobre os olhos, para que eu pudesse ver seu sorriso perfeito e uma covinha no fundo de sua bochecha esquerda. As outras meninas no grupo pareciam apreciar sua presença. - Quem vem! - Kim disse como a responsável. Josh estava vindo também, mas acabou indo para um compromisso. - Ryan disse, tirando o chapéu para revelar seus olhos verdes brilhantes. 42


- Hmm - disse Kim , inclinando-se para que ele pudesse sentir o pleno efeito do seu olhar acusador. Beth fez o mesmo. De repente, Ryan se sentiu desconfortável com os olhares que vinham de nós três. - O que eu disse? - ele perguntou. - Nada. - eu murmurei , passando Beth. Sentei-me no pequeno espaço entre Ryan e Lisa. Enquanto todos discutiam suas notas e como eles estavam confusos, Ryan virou-se para mim. - Sabe química? Você entende algo disso? - ele perguntou. - O que, você está tendo problemas? - eu perguntei e ele sorriu para mim. - Você não tem nenhum problema, certo? Sentindo-se encurralado, sorriu e apagou uma linha no topo de suas notas. Expliquei seu erro e eu comecei a escrever com a minha letra feminina. - Você entende como eu cheguei aqui? Ryan assentiu ainda um pouco inseguro. - Eu sei como você chegou lá. Chegar lá é o problema. À medida que a noite avançava, eu apaguei um pouco do papel de Ryan. Tivemos centenas de pequenos pedaços de borracha sobre a mesa. Sua paciência e humor tinha feito à noite passar muito rápido, mas eu trabalhei mais em suas anotações de química do que em minhas próprias anotações. - Obrigado por ajudar. - Ryan disse, mantendo uma folha dentro de seu livro. - Eu não sei se te ajudará, mas temos grupos de estudo toda semana, venha quando quiser. 43


O rosto de Ryan se iluminou. - Eu vou. Obrigado. Uh... Alguns de nós estamos indo tomar uns drinques no fim de semana. Seria ótimo se viesse. - Há apenas cerca de cinco lugares que eu posso entrar. Ryan piscou para mim. Isso não será problema. Ele parecia inofensivo. - Parece divertido. Vou ver com as meninas. Kim olhou para o relógio e bocejou. - Me furaram com um garfo ou algo assim. Eu estou morto. - Nigh, você está pronta? - Perguntou Beth. - Nigh? - Ryan perguntou com uma sobrancelha levantada. Eu estremeci. - É um apelido que ela inventou para me torturar. Nunca mais me chame assim. - Entendido. - ele disse. Kim e eu estávamos em pé, esperando Beth terminando de recolher seu escritório em miniatura. - É por isso que eu não trouxe nada. - disse Kim, referindo-se a Beth. - Você pediu minha caneta! - Beth objetou. - Ah, sim. - disse Kim, colocando a caneta na mochila de Beth. - Tudo pronto. Beth revirou os olhos e olhou para mim. - Você cola a boca dela com fita? - Eu não acho que a fita vai ajudar. - eu disse sorrindo.

44


Voltamos para Andrews, Kim se despediu de nós, indo para o seu quarto. Eu deitei na minha cama enquanto Beth arrumava suas coisas para ir para o chuveiro. Embora estivesse olhando as imperfeições do teto, minha mente continuava indo para Jared. Não estava mais encontrando-o regularmente, seria só o destino. - Ryan te chamou para sair no fim de semana? - Beth perguntou, secando o cabelo com a toalha. - Não. Chamou nós para sairmos. Eu acho que alguns de seus amigos vão tomar algumas bebidas, e nos pediu para acompanhá-los. - O que você disse? - ela perguntou, de repente, muito interessada. - Eu disse que seria divertido. - Quer ir? - ela perguntou estridentemente. - Eu suponho que você quer. - eu ri, revirando os olhos. - Sim! Sim eu quero! Quer ir? Por favor, diga sim, caiu de joelhos ao lado da minha cama. - Eu quero ir - eu disse secamente. - e Beth se jogou por cima de mim. - Obrigada, obrigada, obrigada, obrigada, obrigada! - Gritou. - De nada! Agora saia de cima de mim. - eu ri.

O dia seguinte foi mais quente, um bom dia para ir para um passeio fora do campus. Providence foi transformada a partir de uma cidade de cristal branco bonito, em um desastre de gelo derretendo e muita lama que os carros foram formando rapidamente. A neve intocada havia se tornado em uma massa cinza entre o café ao lado da estrada e calçadas.

45


Eu deslizei feliz nas minhas botas de chuva de flor de lis branca com preta e caminhei através das poças esperando para testar a minha teoria sobre Jared e o destino. Após uma hora de caminhada, o sol já não me manteve quente. Entrei no primeiro café que encontrei e pedi o maior café que tinham, olhando pela janela. Eu pensei sobre o quão ridícula eu tinha me tornado: andando na rua com temperaturas em torno do Ártico para ver se Jared de materializava na minha frente. Eu sou a futura CEO da primeira empresa de transporte na Providence, pelo amor de todas as coisas sagradas! Que tipo de idiota que eu me tornei? Por um cara? Um inteligente, educado, bem vestido, menino incrivelmente sexy, fantasticamente perfumado. Mas ele era apenas um menino. Homem. Menino. Todos eram meninos. Quando o sangue voltou a circular por entre meus dedos, eu fiz meu caminho de volta para a faculdade. Já estava muito perto do crepúsculo mais do que eu teria gostado, e muito longe do campus, por isso acelerei meu ritmo. Duas ruas antes de entrar no campus, eu apertei o botão no semáforo e mantive minha distância da esquina, com medo de espirrarem água em mim. O sol começou a baixar, e senti que o calor que o café me proporcionou se acabava. Antes que eu atingisse o meio da rua, um carro buzinou ao meu lado. Eu pulei, e meus olhos se voltaram para o semáforo. Ele ainda estava verde. Eu ofendida, me virei para olhar o veículo, mas meus olhos ficaram surpresos ao ver o Escalade preto. Jared me cumprimentou com a mão, tremendo de tanto rir pelo susto que tomei. Eu não tinha certeza se ele estava chateado ou eufórico, mas a mistura de ambas as emoções me moveu para o lado do passageiro do carro dele. Abri a porta e entrei. - Você me matou de susto! - eu disse, batendo a porta atrás de mim. 46


- Desculpe! - Jared falou, tentando manter os cantos de sua boca se transformar em um sorriso. O sinal ficou verde e olhou para mim. - Quer uma carona? Olhei em branco. - Você está falando sério? Eu estou em seu carro! Ele deu de ombros e saiu. - Parece que você está querendo congelar. - disse ele, tocando a ponta do meu nariz. O simples toque de seus dedos enviou uma descarga de adrenalina no meu corpo e eu não conseguia sentir nada, além de calor. Jared estendeu a mão para pressionar os botões abaixo do rádio e colocar o aquecedor em alta. - Eu fui caminhar, - eu disse incapaz de remover o sorriso ridículo no meu rosto. - Percebi. - disse ele, franzindo a testa em desaprovação. - Aonde você vai? - Em um cliente. - Falou e se moveu desconfortavelmente em seu assento. - Você anda sempre tão rápido? Ele levantou uma sobrancelha. - Você está muito chateada hoje. - Devo te lembrar que eu parei no meio de uma rua movimentada, você poderia ter me matado. - Duvido. O semáforo estava do nosso lado. - Eu me enfeiticei pelo momento que ele disse “nosso”. - Não se descarta a possibilidade de um motociclista apresado ter escorregado na rua molhada. Sua brincadeira poderia ter causado um acidente. 47


Jared riu. - Tem certeza que não quer entrar na faculdade de direito? Você tem uma grande imaginação. - Eu estou segura disso. - sorri. - O que você vai fazer neste fim de semana? - Vou sair para beber com os amigos. Eu convidaria você, mas eu suponho que você vai estar lá. - eu olhei para a expressão de culpa ou surpresa com a minha observação, mas fiquei decepcionada rapidamente. - Você não tem idade suficiente para beber, - disse ele com uma carranca, ignorando a minha acusação. Me aproximei dele. - Não vamos dizer isso para o barman. - Sussurrei. A expressão de Jared mudou para frustração. - Vou ter que marcar uma data para jantar com você? - Eu tenho certeza que é uma data. Ele sorriu seu incrível sorriso e tentei não engasgar. Era difícil ser direta quando ele era tão incrível. Senti como se ele fosse uma estrela de cinema no mesmo carro que eu. - Quer que eu lhe passe meu número? - eu perguntei sem pensar. Uma onda de vergonha passou por mim tão rápido quanto às palavras que saíram da minha boca. Ele não respondeu de imediato, em vez disso, ele soltou um longo suspiro. Senti meu rosto esquentar, começando em meu pescoço, em meus olhos atingir as raízes do meu cabelo. - Eu não tenho que te dar o meu número. Eu só quero dizer que... - Você está bem? - Jared disse. Ele me olhou como se eu fosse chorar a qualquer momento. 48


Eu poderia apenas acenar quando reduziram para parar de volta em Andrews. Não me atrevi a olhar para ele. Enquanto tentava abrir a maçaneta da porta, senti sua mão em meu braço. - Nina? - ele estendeu a mão para pegar o queixo e gentilmente me virou para que eu pudesse vê-lo. - Não fique brava. Você não fez nada errado. - Eu sinto muito... Eu acho, eu acho que foi um malentendido. - mordi meu lábio fazendo sua atenção se voltar para ele. Ele andou um pouco, com os olhos ainda fixos na minha boca. Quando ele estava a poucos centímetros de mim, sacudiu a cabeça e recuou. O sangue fluiu através de cada centímetro do meu corpo e meus pés formigavam com a adrenalina que passou por eles e, em seguida, desapareceu. Eu estava errada. O que era visto como paquera ou atração deveria ter sido mais como o vício para mim. Talvez eu parecesse uma irmã mais nova e eu tinha feito o meu erro muito óbvio. Abri a porta, pulando em uma poça rasa. O motorista do Escalade ainda ecoava atrás de mim quando eu fechei a porta e caminhei em direção Andrews, muito humilhada para olhar para trás.

49


Capitulo 3 Não sai do campus novamente até que Beth, Kim e eu encontramos com Ryan e seus amigos para beber num pub do centro. Quando chegamos, vi que tinha pouco de pub e mais de casebre, porém serviria para o nosso intuito. Tucker acenou para o barman. - Ei, Tozzi. Tozzi olhou para nosso grupo enquanto secava um copo e acenou. Começamos pelo shot e brindamos por nossa mascote: - Ao grande urso marrom! Perdi a conta do quanto havia bebido, isso era fácil com a conta a cargo do bar e Tucker pedindo rodadas e mais rodadas. Minhas bochechas estavam começando a doer das constantes gargalhadas e sorrisos, então eu fazia caretas para evitar o estiramento. Ryan chegou mais perto de meu rosto, mudando de lugar, muito mais bêbado que eu. Falou tão discretamente quanto um bêbado é capaz, tirando minha franja dos olhos e rindo como se estivesse soluçando ao pronunciar cada palavra. - Te disse o quão bonita está essa noite? - perguntou. - Algumas vezes. - respondi. Agarrou cada lado do meu rosto e pressionando sua frente contra a minha. - Fico feliz que você tenha vindo Nina. Nunca me diverti tanto. Beth havia acabado de se oferecer para chamar um táxi quando a porta se abriu e os vi. Jared entrou com uma linda loira platinada. Ela media um metro e sessenta e três mais ou menos e era com certeza mais jovem que eu. Seus lábios eram como felpudos bancos de neve brilhando abaixo daqueles olhos azuis gelados. Ela caminhava com a confiança e precisão de uma modelo, nos ignorando enquanto passava por nossa mesa. Seu cabelo era liso e ia até seus ombros, e sua granja espessa caia 50


exatamente acima de seus olhos. Um pequeno piercing de diamante brilhava em sua narina esquerda. Nunca havia visto alguém como ela em minha vida antes. Parecia uma Barbie punk de maquiagem pesada, roupa colada ao corpo e botas compridas. Jared também nos ignorou enquanto a seguia pelo bar e eu me senti engasgada quando ele se sentou ao lado dela. Kim apertou meu ombro. - Ele sabe que você está aqui? - Acho que não. - me sufoquei. - O que está acontecendo? - perguntou Ryan, vendo nossa reação para o par de loiros no bar. - Esse é o cara que está perseguindo a Nina. - disse Kim, olhando pra Jared com nojo. Ryan me olhou e acenou com a cabeça para Jared. - Está saindo com esse cara? - Não. – Levantei-me da mesa. A porta estava somente a uns poucos passos, porém não conseguia tirar meus olhos deles. Tozzi deu uma olhada na loira que estava com Jared e balançou a cabeça descontente. Jared disse algo em seu ouvido, passou algo pelo balcão e o barman se afastou sem mais discussões. A menina - e ela era uma menina - olhou para Jared irritada. Fiquei instantaneamente com raiva. Ele escolheu ficar com ela e ela se aborrecia com ele. Beth tropeçou de volta para a mesa. - O táxi já está vindo. - Vamos esperar lá fora. - disse Kim, me levando com ela. Exatamente antes que eu olhasse para outro lado, Jared levantou seus olhos para se encontrar com os meus. Fiquei alegre por ele me ver, assim não ficaria surpreso com a raiva que enfrentaria na próxima vez que nos víssemos. Minha ira me deu a distração que eu precisava para me afastar. Balancei minha cabeça incrédula que ele tivesse aparecido com semelhante vulgar put... Meu braço foi puxado na direção errada. 51


- Nina, não vá. - disse Jared. - O que está fazendo aqui com ela? - disse Beth com desprezo. Olhei pro meu braço e logo levantei o olhar para ele. Soltou as mãos como se não quisesse me ofender mais. - Somente... Espere um minuto, não é isso que você está pensando! - Não estou pensando em nada. - me aborreci. Jared suspirou. - Sim, está sim. Se me der um momento para explicar... No momento seguinte, Ryan estava junto a mim o olhando. - Ela está vendo. Melhor recuar. - disse hostil, em voz baixa. Jared meneou a cabeça, rindo da ameaça. Olhou diretamente a Ryan e recuei quando seus olhos passaram de um azul piscina para um azul escuro tipo aço. Depois de poucos minutos tensos, Jared me olhou. Seus olhos ficaram suaves novamente. - Nina, não quero que você vá aborrecida. Só me escute. - Não acredito que posso. - disse, afastando-me dele. Sua mão foi para segurar meu braço mais uma vez. Ryan agarrou o braço dele e percebi que por segundo a situação se intensificou. Uma mão pequena veio e agarrou o pulso de Ryan, curvando-o para trás o bastante para deixá-lo incapacitado. Ryan gritou de dor. Uma voz feminina, porém firme veio por detrás de Jared. - Vou te dizer somente uma vez. Não coloque a mão em cima de meu irmão. - Está bem! Está bem! - Chega Claire, é o bastante. - sussurrou Jared, me olhando. Suspirei pelo terror que meus olhos mostravam enquanto a olhava tirando sua mão da de Ryan.

52


- Essa é minha irmã caçula, Claire. - explicou Jared desgostoso. Meus olhos olharam confusos para Claire, buscando algum tipo de ofensa por parte dela, mas não havia nada. Ele estava dizendo a verdade. - Sua irmã? – perguntei. Com minha visão periférica pude ver Ryan esfregando seu pulso. Claire olhou Ryan, entre irritada e preocupada, quase como se estivesse arrependida de machucá-lo. Jared se deu conta da maneira com que o olhava também e eles então trocaram um olhar estranho. - Não queria que pensasse que... – Parou, me olhando. Sinto muito. Quanto ao outro dia, é difícil... Claire revirou os olhos e caminhou até o balcão. Jared sussurrou em seu ouvido enquanto ela passava. - Comporte-se. - Que seja – ironizou ela. Claire se acomodou na banqueta e pediu água, se comportando. Depois de um momento, seus olhos brilharam para o Ryan e logo voltaram para sua bebida. Jared novamente se voltou para mim, querendo claramente continuar de onde paramos. Seus olhos vagaram para mim, onde Ryan ainda permanecia ainda de pé. - Está tudo bem, Ryan. - sussurrei, tocando seu braço. Notei a olhada de Jared em minha mão como se seus olhos estivessem em chamas. - Está bem? - repetiu Ryan, ainda esfregando o pulso. Não deixei de notar a ansiedade em sua voz. - Sim – sorri. Ryan caminhou com Kim e Beth até a parede próxima à porta para se unirem ao resto do grupo que viemos. Todos estavam tentando fracamente demonstrar que olhavam pelo táxi. - O que está fazendo aqui, Jared? – Levei minha cabeça para trás para olhar em seus olhos. Sussurrou algo baixinho, 53


observando brevemente o local cheio de gente que nos encarava. Levantei a cabeça e me inclinei para ficar em sua linha de visão. Jared? - Não queria que pensasse que eu estava com Claire, ela insistiu para vir. - disse me olhando. - Não estou certa de porque você está aqui na verdade. cruzei os braços e o encarei fixamente. Jared percebeu a tensão em meu queixo e suspirou. - Estou aqui por causa do que se passou no outro dia. O olhar em seu rosto enquanto se afastava... Não podia simplesmente deixar que pensasse que eu não... Que não estava... - ele lutava contra a verdade e isso me irritava. - Diga somente! Ele estremeceu ante meu tom. - Tenho esses... Sentimentos por você. E quando te vi por aqui, com esse mesmo olhar, temi que não voltasse a falar comigo de novo se não te explicasse. - Tens sentimentos por mim? – seu rosto caiu. - Não consigo tirá-la da minha mente. Essa simples frase fez com que meu coração pulasse em meu peito. Ele pegou suavemente minha mandíbula e acariciou com seu polegar minha bochecha. Seu toque enviou uma descarga elétrica através do meu corpo, da minha cabeça até meus pés. Um solo sensual de guitarra soou na máquina de discos. Conhecia a canção vagamente, porém não estava prestando tanta atenção para determinar qual era. A boca de Jared abriu em um meio sorriso e puxou minhas mãos. - Venha aqui. – disse. Caminhou para trás e me levou até a pequena pista de madeira de dança. Me encostou a seu peito, seus olhos sem deixar os meus. Todos na sala devem ter nos olhado através da nuvem de fumaça, porém eu não conseguia tirar meus olhos dos dele nem por um minuto. Envolveu seus braços ao redor de minha cintura e eu deslizei minhas mãos pelos seus braços, parando em seus ombros. 54


Não estava certa de que estávamos sequer dançando, pois toda a minha atenção estava na forma como nossos corpos estavam tão próximos. Cortou seu olhar e se inclinou para pressionar os lábios nos meus cabelos. Coloquei minha bochecha contra seu peito e fechei os olhos. Ele reforçou seu aperto e senti que cada centímetro meu que estava em contato com ele ardia de uma maneira maravilhosa. Levantei meu olhar e meus olhos se prenderam em seus lábios, a parte inferior estava um pouco mais cheia que a superior. Mordi meu lábio em antecipação, o álcool acabando com minhas inibições. Seu corpo ficou tenso e segui seu olhar pelo bar, um dos grandes homens que andavam pelo pub se aproximou de Claire. O homem chegou até Claire e o aperto de Jared sobre ela se intensificou, dando um passo à frente adotando uma postura protetora. O homem se inclinou e espalmou as costas de Claire. Riu fortemente e tentou sussurrar algo em seu ouvido. Claire estava olhando mais à frente, com seu corpo rígido; vendo somente a metade de sua expressão era claro que estava a ponto de perder seu controle. O homem perdeu seu equilíbrio e se apoiou em Claire para se endireitar. - Claire... - advertiu Jared, porém já era tarde. No mesmo seguindo ela golpeou as pernas do homem com uma velocidade incrível e logo se pôs de pé em sua banqueta, golpeando sua cabeça com a bochecha no balcão. A madeira fez um estalo quebrando com a força do golpe e o homem gemeu de dor. Ele sacudiu os braços, remexendo até encontrar o rosto de Claire, porém ela rapidamente jogou sua outra mão agarrando os dedos dele puxando-os para trás. Os ossos de seus dedos se quebraram e eu recuei, apesar de que ainda não havia compreendido que acontecia. O homem ensanguentado gritou para o barman separá-los. Claire se inclinou e gritou em seu ouvido, acima da música. - Isso foi bom para você, bebê? – e lentamente lambeu sua bochecha. Claire soltou seu aperto e desceu lentamente até pisar no chão. O lugar inteiro parecia ter congelado no tempo.

55


Jared deixou escapar um suspiro exasperado. Olhou-me com dor em seus olhos e então me deixou ir. Se aproximou de Claire, agarrou seu braço e a levou para fora. - Ela quebrou meus malditos dedos – gritou o homem, mexendo o braço próximo ao peito. Vários clientes antigos se achegaram a seu lado e o ajudaram a se levantar enquanto ele gemia de dor. Beth pegou minha mão e me tirou do pub. O táxi nos esperava através de uma nuvem de gases. Olhei ao redor, mas Jared já havia desaparecido. Beth rapidamente me colocou no táxi. - Entra Nina, antes que a polícia chegue. Entrei no táxi e meus ouvidos se encheram de barulhos e conversas em voz alta. Não ouvia nenhuma delas, estava confusa com o que havia visto. Jared não se surpreendeu em nada com o fato que sua irmã adolescente quebrou a mão de um homem grande como se ele fosse feito de cristal. Aquilo estava dando voltas em minha cabeça, a recordação parecia mais um filme de kung Fu do que algo que aconteceu diante de meus olhos. A pequena e delicada Claire parecia ter uma força e velocidade sobre humana e a reação de Jared não fazia sentido. Ele não agiu como se fosse protegê-la e parecia, entretanto como se soubesse o que aconteceria até me protegendo. - Nina? Está me ouvindo? Não foi incrível? A maneira com que ela... – Beth fez uma série de golpes de karate e logo colocou a mão à frente para repetir o mesmo movimento que Claire usou para golpear a cabeça do homem no balcão, gemendo com cada movimento. Beth ria com prazer enquanto eu me estremecia com a recordação. - Não gostaria de me encontrar com ela em um lugar escuro, só digo isso. – zombou Kim. Ryan balançou a cabeça. - Ela pesa somente quarenta e três quilos e quando apertou minha mão não consegui tirar. Quantos anos têm? Dezesseis? Dezessete? Não é normal. - Deve estar no instituto, entretanto. – disse Beth. 56


- Apesar de que é maior para dirigir. Viram seu carro? – completou Kim. Então me animei. - Você os viu indo embora? – Beth concordou. - Saíram pela rua num carro esportivo. Jared estava com ela. Parecia que estavam discutindo. - Era um Lotus – disse Kim. - Era um Lotus Exige S260 preto. Um bom, bom carro. – refletiu Ryan. – Custa mais de doze mil dólares só a pintura. - O pai de Josh não tem um? – perguntou Kim, dando uma cotovelada em Ryan. Ele negou com a cabeça e as sobrancelhas erguidas. Kim me olhou. - Foi bom que não era seu encontro, Nigh. Teria sido uma briga de gatas. - Oi - disse Beth. Sua risada foi acentuada. - Estás mal? Vocês se verão novamente, estou certa. Tinha que ver a maneira com que te olhava quando dançavam juntos. Não pude deixar de notar que Ryan fechou a cara com as palavras de Beth. Minha atenção estava nas luzes que passavam do lado de fora da janela. Vê-lo novamente era exatamente o que eu queria, porém meu senso de autopreservação gritava pelo ar. A situação toda era uma grande bandeira vermelha, mas será que Jared era perigoso? Algo em seus olhos me assegurava que no pouco tempo em que o conheci, ele estava seguro. Cada parte minha que meu pai criou para ser racional e cautelosa me dizia corra, porém sabia que nossos caminhos se cruzariam mais rápido que o destino permitisse. A tristeza que eu vi em seus olhos antes que ele me deixasse, passava continuamente em minha mente. Tinha que voltar a vê-lo.

57


Na sessão seguinte do grupo de estudo, Ryan desabou na cadeira ao meu lado. Balançava sua lapiseira entre os dedos enquanto eu repassava minhas anotações. - Nina? – murmurou. - Sim? - Quem era o cara da outra noite? Fingi confusão. - Que cara? Ele sorriu. - Você sabe de quem estou falando. Esse Jared. Está saindo com ele? Dei de ombros. - Não, não realmente. - O que significa isso? Mantive meus olhos sobre as folhas. - Fui almoçar uma vez com ele, me levou até em casa algumas vezes e o vejo pela cidade... – estava sendo realmente vaga. Não sabia qual o caminho dessa conversa. - Então o que foi aquilo no pub? Porque apareceu com sua irmã como par até dizer que não estava com ela? - Não falei com ele para saber sobre isso. - Mas... Falará com ele? – percebia a impaciência em sua voz com minhas respostas. - Não sei, Ryan. Por quê? – disse incapaz de esconder minha irritação com suas perguntas. Ele se contorceu em seu lugar e rapidamente se voltou a mim. - Quero te perguntar... se... você sabe... se quer ir jantar algum dia. - Oh – esfreguei minha testa – Tenho muito que fazer agora mesmo. Ryan concordou indiferente. 58


- Somente pensei em perguntar. Não sabia se você e esse cara estavam... - Não é pelo Jared. – menti. - Acredita que foi ali para te ver? Considerei por um minuto. - Não sei, quem sabe. Encontrei-me com ele um bocado de vezes, ultimamente. - Isso é assustador. - Gosto de pensar que é o destino interferindo. – refleti. O rosto de Ryan assumiu uma expressão petulante. - Soa como perseguição pra mim. - Isso diz, ao querer lutar por uma garota que apenas conhece. - Ele tinha as mãos em você. – se queixou. - Obrigada – sorri, cutucando-o. - De nada. Você sabe que aquele cara só traz más vibrações, certo? - Eu não acho isso. – Ele franziu o cenho para as minhas palavras, mas diminui sua importância com seu ceticismo. – Não posso explicar. É algo em seus olhos. Ryan sacudiu a cabeça num sinal claro de desaprovação. - Só não quero que te machuques. Sua irmã mais nova é louca. - Acho o mesmo. Ambos rimos e logo Ryan deu de ombros. -Talvez depois que resolver tudo com seu perseguidor, reconsidere. - Ele não é um perseguidor. - Humhmm – disse, tentando parecer interessado em seu livro de álgebra.

59


Beth começou a juntar suas coisas e Kim se colocou de pé e se alongou. O resto do grupo dispersou quando Kim, Beth, Ryan e eu saímos juntos da biblioteca. - Estou com fominha – disse Kim. - Posso comer também. – se meteu Beth. Ryan virou para mim. - Um lanche depois do estudo está fora de questão? Todos me olharam em expectativa. - Vamos comer. – dei de ombros. Ryan e Kim planejavam possíveis saídas para o fim de semana sobre as panquecas e batatas fritas, enquanto Beth e eu falávamos sobre nossa intenção de ir ver o jogo de basquete. Mesmo com o crescente quebra-cabeça que era Jared, a vida era outra vez uma sombra de normalidade novamente. Eu senti a ansiedade que tinha tido durante semanas dissolver lentamente no ar. Quando entramos no carro, vi um homem baixo, atarracado, andar em nossa direção. Ryan se afastou do nosso grupo, e se colocou entre nós e o estranho. O homem chegou ao mesmo tempo que a gente ao Sentra de Kim. - É Nina Grey? – me perguntou o homem com voz rouca. Meu corpo tencionou. - O que quer? – perguntou Ryan, dando um passo adiante. O homem notou a presença de Ryan, mas se dirigiu somente a mim. - Fui sócio de seu pai. Meu nome é Charles Dawson. É importante o que tenho a falar com você. Não estava certa do que dizer, a menção de meu pai formou uma sensação de queimação no estômago. - Gostaria de falar a sós com você, se não se importar. – disse, semicerrando os olhos enquanto olhava para cada um de meus amigos e depois a mim. - Nina, conhece esse homem? - perguntou Ryan, apontando o Sr. Dawson com o polegar. 60


Estudei seu rosto por um momento. Ele usava um terno caro como as centenas de outros homens que tinham estado na companhia de meu pai ao longo dos anos , mas seu rosto era desconhecido. Eu tentei ser amigável. - Eu - eu não acredito que posso, senhor. Eu não tenho certeza que posso ajudar. - Mr. Dawson deu um passo em minha direção e Ryan fez o mesmo. - Eu tenho tentado entrar em contato com seu pai por algum tempo. Ouvi dizer que ele morreu. Lutei para separar meus lábios o suficiente para formar palavras. - Isso é correto. - Seu pai havia concordado em transferir algumas de suas propriedades para mim, e eu queria saber se você estava familiarizada com a nossa transação. Kim deu sua opinião. - Nina, isso provavelmente não é o momento certo para... - Eu acho que você prefere falar com o advogado do meu pai, Thomas Rosen - interrompo. - Ele está com Rosen e Barnes no Kennedy Plaza. Tenho certeza que ele vai ser capaz de lhe ajudar. Voltei-me para entrar no carro, mas o homem deu vários passos para frente rapidamente tentando frustrar meus esforços. Ele segurou a minha porta e seu rosto ficou severo. - É muito importante, Nina. Eu esgotei todas as minhas opções e eu estou pedindo a sua ajuda. – Seus olhos se voltaram para Ryan e depois de volta para mim. Mr. Dawson manteve sua voz baixa. - Jack tem um cofre. Talvez, você já tenha visto? Meus papéis estão lá e preciso obtê-los imediatamente. O sentimento que já desconfortável, estava aumentando quando o homem veio para perto de mim. Ouvi Kim tomar medidas para interceder, mas Ryan estava à frente, ficando entre o estranho e eu. Deslizei-me para o banco e fechei a porta enquanto Kim se virou e correu para ligar o carro. Ryan fez uma pausa por um momento, olhando para o homem, e, em seguida, se juntou à Beth

61


no banco de trás. Eu vi o braço de Ryan deslizando entre meu ombro e a porta, me deixando segura. Mr. Dawson inclinou-se para olhar para mim através do vidro. - Eu preciso desses papéis, Nina. Seria inteligente se você me ajudar. - Tomou um cartão e segurou-o contra a janela com a palma da mão. O olhei rapidamente e tentei sorrir. Ninguém falou até que nós estávamos quase de volta no estacionamento da universidade. - Alguém mais pensa que isso foi completamente surreal? – resmungou Beth. - Beth! Você me matou de susto! - disse Kim. - Vou chamar o Sr. Rosen amanhã e depois minha mãe. – disse inquieta. Beth acenou com os olhos arregalados. - Sua mãe vai ficar louca. - Eu sei. – grunhi. Kim se despediu e foi para Andrews. Logo após Beth e eu nos despedimos de Ryan. Beth bateu nos ombros de Ryan. - Fiquei feliz por você estar ali, Ryan. Esse homem era... não acredito que ele deixaria Nina entrar no carro se você não estivesse ali. - Sim, obrigada. – disse o abraçando. Ryan se afastou para me olhar, contudo ainda me mantendo em volta de seus braços. - Faria qualquer coisa por você. – disse, tirando a franja de meus olhos. Dei um passo para trás e olhei para Beth, cujos olhos iam dele para mim. Ele coçou a nuca nervosamente. - Sim, bom... Suponho que será melhor que sigam para o dormitório. As verei na próxima sessão de estudos, garotas. - No vemos – gritou Beth. 62


Sorri e acenei um tchau enquanto me virava para ir. Beth agarrou meu braço e me levou com ela enquanto caminhávamos. - Niiiiiiiina! O que vai fazer com ele? Está apaixonado! - Não está. – disse, olhando-a triste – Só ainda não aceitou nossa relação estritamente platônica. - E acredita que o fará? - Sim. – disse, balançando a cabeça. - Está esperando que faça? - Fará. - Porque está apaixonada por Jared? - Apenas conheço Jared! – disse irritada. - Beth, você deve escutar o quão ridícula soa nesse momento. Ryan me ama, eu amo Jared. Os conheço tem uns dois segundos. - Está na fase da negação. Revirei os olhos. - Irei ver minha mãe amanhã. Quer ir comigo? - Não, tenho uma reunião. Arqueei a sobrancelha. - Que tipo de reunião? - Não vou falar sobre isso, você riria de mim. - Diga-me Beth. Não irei rir. – disse, encaixando meu braço ao redor do seu. Apertou os lábios e logo suspirou, resignada. - Estamos começando um grupo para estudantes de Oklahoma. - Quantos são? – minhas palavras sairiam, sem querer, com descrença. - Alguns – disse defensivamente. Lutei contra um sorriso. 63


- Terá um square dance e lutas com o Clube dos Nativos Americanos? - Não é engraçado. Eu ri entre os dentes e desviei o olhar. - Foi muito divertido. - Você sabe que o parquímetro foi inventado em Oklahoma? E o carrinho de compra...? Foi inventado em Oklahoma também! O sinal de ceder, o piloto automático, correio de voz! Tudo para Oklahoma. Bill Gates foi inspirado por um artigo escrito por Ed Roberts, que é de Oklahoma. Temos casas a preços acessíveis, gás natural, Will Rogers e Sooners! Piadas de Oklahoma estão ficando muito velhas. Não somos um grupo sem cultura... você é minha amiga, não?! – disse sem fôlego. - Sim Beth! Somos amigas! Tem razão, sinto muito. Não direi mais nada de Oklahoma. – Sentia meus olhos abertos, perplexa. Beth estava aborrecida comigo. - E isso serve para Kim, também. – resmungou. - Não posso falar por Kim, mas não prenda a respiração. Beth não riu, mas sorriu de outras formas. Sorri me desculpando e nos abraçamos do lado de fora de nossos dormitórios. - Você está louca, mas continuo gostando de você. – ri. - Também gosto de você. Não quero conviver com nenhum outro yankee. – disse com um horroroso sotaque sulista. Na manhã seguinte, Beth decidiu se levantar cedo e me acompanhar no café. Me sentia mais próxima a ela depois de nosso entendimento na noite anterior, e ela parecia estar em um excepcional bom humor por ser tão cedo . As aulas passaram voando. Antes de perceber, estava sentada sozinha em meu quarto, pensando em Jared e suas aparições inexplicáveis em minha vida. Minha mente mudou abruptamente para o Sr. Dawson. Peguei meu telefone e liguei para o escritório de Thomas. A sua secretária que me atendeu e me disse que ele tinha tirado o dia de folga. Desliguei frustrada.

64


Não conseguia me lembrar de qualquer segredo ou acordo sobre bens importantes que meu pai estivesse envolvido, o que não era mesmo surpreendente. Não fazia ideia dos negócios do meu pai e estava agradecida por ele ter mantido dessa forma. Na verdade, isso foi antes de um homem estranho começar a me seguir. Uma pessoa achava que eu tinha acesso ao documento, pelo menos. Tinha que descobrir porque era tão importante.

Entrei pela porta da casa de meus pais e chamei a Agatha. - Sim, Nina querida! A que se deve essa visita? – perguntou, contornando-se. - Minha mãe está em casa? - Está em Crestwood planejando alguma coisa. Já sabe como se mantém ocupada esses dias. Com certeza ela estaria fora. Logo depois do funeral de Jack, minha mãe se reuniu com cada grupo, organização e associação beneficente que pode encontrar. Tinha varias reuniões durante o dia e, apesar de às vezes ser frustrante não poder chegar até ela, estava agradecida por gastar seu tempo longe do quarto. Depois de uma hora verificando as correspondências de minha mãe e fuçar em cada armário, fui em direção ao escritório de Jack. Era o lugar mais obvio para procurar, assim supus que não ia encontrar nada que pudesse me ajudar. Levei minha mão à maçaneta e quase me convenci de procurar em outro lugar, porém dei a volta e passei pela porta. Nada havia mudado. Sua mesa de mogno e sua cadeira giratória imperavam no centro da sala. Centenas de livros, incluindo de direito tributário, enciclopédias, poesias, os clássicos e o Dr. Seuss estavam alinhados na parede de fundo. Cruzei as almofadas de veludo importada e me sentei na sua mesa. Os últimos papéis que ele analisava antes do acidente estavam espalhados de um lado e cartas seladas do outro. Comecei por esses. Abri cada uma, examinando declarações, convites, solicitações e cartas. Não vendo nada de interessante, os joguei no lixo embaixo da mesa. 65


Exatamente quando ia colocar o abridor de cartas no interior da caixa, um envelope chamou minha atenção. Minha mãe o havia comprado para que eu pudesse dar a Jack em seu aniversário. Ele dizia simplesmente:

Para papai, com carinho, Nina.

Passei afetuosamente meus dedos pelas palavras e guardei o envelope no meu bolso traseiro. Minha mãe não precisaria dele. Meus olhos se voltaram para duas pilhas de papeis presos com vários post it brilhantes. Os olhei, mas não vi nada a respeito de documentos. Abri a gaveta inferior de sua mesa e olhei todos os papeis, porém não tinha nada de importante. Buscando nas gavetas que sobravam, revi velhas fotos, declarações de impostos e um jogo de chaves de carro. Fechei a última gaveta e suspirei. Meus olhos vagaram até alguns arquivos pela parede do lado esquerdo. Comecei pela gaveta mais alta da prateleira mais próxima da parede e buscando por algo que referenciasse a algum bem ou comércio ou algo assim. Estava me sentindo obsessiva. Cada vez que fechava uma gaveta, abafava um soluço. Cada gaveta era fechada com mais e mais força. Somente uma gaveta estava trancada à chave. Enquanto buscava pela última gaveta, minhas mãos começaram a tremer. Ao não encontrar nenhuma evidência suspeita ou qualquer coisa relacionada ao Sr. Dawson, fechei a gaveta com tanta força que as prateleiras balançaram para frente e para trás. - Argh! - pisoteei, fechando os punhos ao lado do corpo. Caminhei em círculos por alguns minutos e logo me joguei na cadeira. Um pequeno porta retrato de bronze estava à esquerda. Era Jack e eu quando tinha uns quatro anos. Eram nossas férias no Grand Canyon e eu cai. Olhei mais de perto para ver meus joelhos machucados e sorri. Estava sentada no colo do meu pai; ele tinha acabado de limpar a sujeira e o sangue e colocado um band aid colorido que pegou da bolsa da minha mãe. Me beijou o joelho e 66


me disse que tudo ficaria bem e apesar da dor permanecer, concordei acreditando nele. As cores eram tão vivas quanto minha memória. Meus olhos se encheram de lágrimas e olhei ao redor, horrorizada de estar no escritório de Jack e no que fazia ali. O Sr. Dawson, um completo estranho, me havia feito duvidar de meu pai. Limpei o rosto e sai rapidamente de seu escritório. A porta se fechou atrás de mim, enquanto descia as escadas rapidamente. - Senhorita Nina? – chamou Agatha atrás de mim, mas passei próximo a ela concentrada demais, em escapar da vergonha que sentia. Coloquei meu BMW para andar e voltei o caminho de entrada para a rua. As lágrimas desciam pelo meu rosto e sentia meu corpo estremecer com os soluços que havia lutado para conter. Tinha muitas perguntas e nenhuma resposta, tudo que fazia sentido pra mim morreu com meu pai. As luzes da rua piscavam enquanto eu passava voando e acelerando pela estrada. Ao passar próximo ao ponto de ônibus em que conheci Jared, me dei conta que havia alguém sentado no banco e pisei nos freios. Dei marcha ré e o carro fez um ruído de um zumbido forte ao retornar. Meus pneus pararam chiando exatamente em frente onde estava Jared. Saindo do carro, caminhei até a metade da rua. - Está me seguindo? - Está bem? – perguntou, com a preocupação escurecendo suas feições perfeitas. - O que está fazendo aqui, maldito seja? – gritei. Se colocou de pé e estendeu os braços pra mim, mas neguei com a cabeça. Ele parou e fechou a cara. - Nina, venha aqui. - Quero respostas, Jared. Você aparece na minha vida, me diz que tem esses sentimentos por mim. Não me dá seu numero e não quer o meu. – Dei um passo até ele que imitou minha ação. - Nina, sei que está aborrecida, mas tudo vai ficar bem. – sua voz era tranquila e suave, quase por demais, como se quisesse diminuir minha raiva. 67


- Estou no meio da rua no meu limite, chorando e gritando, Jared! Porque não me pergunta o que está errado? – Jared pensou por um momento, parecendo surpreso com minha observação. Deu outro passo pra mim com os braços estendidos, pedindo pra me abraçar. - É isso que você sente por mim? Ou somente está me seguindo porque sente pena? É porque sou algum caso trágico de órfã de pai que decidiu tomar como projeto de caridade? Seus olhos ficaram furiosos e baixou os braços. - Sabe que isso não é verdade. Quando deu outro passo para frente, não escondeu sua emoção. Seus olhos doíam porque foi para ele; pude ver que minhas lágrimas lhe causavam dor. Apoiei-me em seus braços e os envolvi ao meu redor sem nenhuma dúvida. Relaxei por um momento, o calor de seus braços me davam uma comodidade instantânea. Se inclinou e pressionou sua bochecha contra minha têmpora. - É mais que somente sentimentos, Nina. Tem que saber. O olhei de lado com os olhos úmidos. - Então porque não...? - Que? – perguntou? Neguei com minha cabeça inicialmente, mas ele me puxou mais para perto dele e seus olhos suplicaram que confessasse meus pensamentos – Diga-me. - Porque ainda não me beijou? Pareceu confuso e logos seus olhos se fixaram em meus lábios. Vi quando sua expressão mudou de desejo, a conflito, a decisão. Não sabia o que tudo aquilo significava, assim que fechei os olhos e me inclinei para ele, sabendo que seus lábios estavam a poucos centímetros dos meus. Senti seu aperto mais forte me mantendo perto. Meus olhos se abriram e a humilhação vindo em ondas. Juntamente com minha vergonha agonizante, as lágrimas mais uma vez desceram por minhas bochechas. Fechou os olhos com força e franziu o rosto. 68


- Não quero mentir para você. A humilhação, entretanto queimava meu rosto, mas agora estava coberta da minha ira. Tinha superado suas vagas não respostas. Ele me oferecia uma parte da verdade envolta de uma de confusa ambiguidade, mas minha paciência já tinha ultrapassado o limite. Vendo o ressentimento nos meus olhos, Jared deixou escapar um suspiro frustrado. Me soltou e atravessou a rua até uma impressionante moto negra que estava estacionada atrás do banco. Sem olhar novamente girou a chave e pressionando um botão, a moto rugiu para a vida. O motor rugiu enquanto acelerava algumas vezes antes de ir.

O fim de semana veio e se foi. Beth e eu assistimos o jogo de basquete e Kim, Beth e eu nos juntamos a Ryan, Josh, Tucker e Chad para assistir hockey e comer nachos. Neguei a falar de Jared, até mesmo com Beth. Não podia nem sequer me explicar o que tinha acontecido para que eu ficasse enjoada cada vez que falavam seu nome. Ryan parecia aproveitar da minha mudança de opinião. Uma noite me ligou pedindo ajuda em química e nos encontramos sentados sozinhos no chão do quarto. - Não... é... – pressionei meus lábios juntos enquanto escrevia as ultimas linhas. - Chad disse que foi mal neste exame ano passado. – queixou-se Ryan. - Bom, Chad não teve minhas aulas de tutora, certo? – joguei nele minha caneta que ricocheteou no chão. - Com professora ou não, este exame vai me foder. - Perdeu a fé em mim? - Reconsiderou minha oferta? – sorriu. - Não sei do que está falando. – dei de ombros me fazendo de tola.

69


- Sim, você sabe. Está bem se não... o fará com o tempo. – sorriu amplamente. - Estou muito segura de que não me interessarei por encontros por um longo, longo tempo. Ryan não perdeu tempo. - Esperarei.

70


Capitulo 4 As semanas seguintes resultaram estranhas. Não vi Jared e nem o Sr. Dawson e as propostas de Ryan tinham diminuído. Beth estava notadamente ausente em nosso apartamento. Nem sequer consegui sequestrá-la para uma partida de basquete. Não saí do campus para nenhum passeio por causa das provas teóricas e tentei não me aventurar fora do campus. Meus sentimentos eram conflituosos em qualquer momento, entre estar desesperada para ver novamente Jared e envergonhada por pensamentos de qualquer encontro oportuno. Comprometi a expulsá-lo da minha mente inclusive se tivesse que fazer isso mil vezes por dia. No grupo de estudo, Ryan e eu tomamos nossos lugares costumeiros para trabalhar juntos na sua ultima sessão acadêmica. Kim passava o tempo atirando elásticos em Josh enquanto Beth e a garota nova Nicole, comparavam anotações. Josh atrapalhou um dos mísseis de elástico de Kim no ar e bocejou. - Então, quando vamos sair novamente? Kim deu de ombros. - Não sei. Quando quer ir? - Não acredito que Nina esteja em condições para isso – sugeriu Beth. Todo o grupo parou me olhando com uma combinação de pesar e expectativa que eu estava desesperada para evitar. - Com certeza estou em condições para isso – disse, usando um tom casual. Na verdade, sair novamente com as mesmas pessoas para o mesmo lugar me deixou inquieta, porque parecia uma repetição e

71


eu não estava preparada para ver Jared de novo. Ao mesmo tempo preocupada porque ele não aparecia. - Tem certeza? - perguntou Beth, inclinando por sobre sua cadeira. - Por que não vamos amanhã? - perguntou Josh a Ryan. - Por mim tudo bem. - disse Ryan, me empurrando. - Em uma terça-feira? Quanta diversão pode haver numa terça à noite? - gemi. - Como sempre fazemos. - disse Ryan. No nosso caminho de volta a Andrews, queixei com Beth por sair numa noite de aula. Ela não parecia perturbada por isso, assim deixei para lá. Quando entramos no apartamento, meu telefone tocou. - Oi mamãe. – bocejei. - Parece cansada, Nina. Está dormindo bem? – perguntou. - Sim. É que tive um dia cheio. – disse, olhando meu edredom. - Bom, não tomarei muito o seu tempo. Só queria te dizer que Tomás me ligou hoje. Quis se desculpar por não retornar a ligação. Ligou para ele, querida? - É... Sim. Liguei – Não imaginei que Tomás ligaria para minha mãe. - Bom, por que ligou para ele? Decidi ficar mais próxima da verdade já que seria a melhor opção. - Bom, estive no escritório do papai há algumas semanas e encontrei com uns papeis sem assinatura. Não queria te preocupar de forma que liguei para Sr. Rosen. - Esteve no escritório de seu pai? Por quê? 72


- Acho que estou com saudades. - Oh. – sussurrou. – Sinto não ter estado lá. - Está bem, mamãe. Era algo que tinha que fazer por mim mesma. - Não se preocupe com esses papéis, querida. Não tem nada com que se preocupar. Tomás tem cópias de todos os papéis de seu pai em seu escritório, já devem ter sido resolvidos. Eu não estava preparada para mudá-los nesse momento. - Entendo – disse a ela, pensando no abridor de cartas que tinha pegado. Lógico que ela ainda não tinha se dado conta, entretanto. Perguntei-me se ela tinha pelo menos ido ao escritório de Jack – Alguma vez papai falou contigo sobre transferência urgente de propriedades? Minha mãe pensou em sua resposta por um momento. - Alguma propriedade? Teu pai não se preocupava com imóveis, Nina. - Oh. Claro. – fiz com que minha voz soasse despreocupada para terminar a conversa. - Farei com que Tomás saiba que conversei contigo. – parecia aceitar minha explicação, mas estava claro que não tinha ficado convencida. - Está bem, mamãe. Agora vou para a cama. Desliguei o telefone e Beth deu a volta, me olhando firmemente. - O que? - Não falou com ela sobre o tal Dawson, certo? – me disse Beth, que estava com uma toalha num braço e artigos de higiene na mão. - Não pude dizer isso agora mesmo.

73


Cruzei minhas unhas esperando Beth voltar. O Sr. Rosen decidiu ligar para minha mãe ao invés de mim. Esse pensamento encheu minha mente com as palavras que disse o Sr. Dawson, o que por sua vez se transformou em pensamentos sobre meu pai sendo enganado postumamente. Nesse momento me irritei mais que as palavras e fiquei de pé. Beth não voltaria rápido o suficiente, o único consolo seria uma distração. Sem pensar, peguei as chaves e passei correndo pela porta. Minha BMW ziguezagueava pelo tráfego somente um pouco acima do limite de velocidade. Pensei que se de alguma maneira me perdesse, encontrar o caminho de volta seria uma ótima distração. Conduzi por prédios que não me eram familiares e então deixei de prestar atenção aos sinais de transito. Quando não estava em Providence, retornei para encontrar o caminho de casa. Desviei um pouco da vala antes de fazer a volta então meu carro bateu em algo enquanto girava o volante na direção contraria. - Maldito seja! Olhei pelo espelho retrovisor procurando o que tinha atropelado para saber se deveria parar para avaliar os estragos. No minuto seguinte vi um metal retorcido e suspirei. Olhei pelo lado da estrada e parei bruscamente. Ao dar-me conta da situação em que tinha me metido, deixei cair minha cabeça contra o volante fortemente. Um pneu furado no ressalto em uma estrada desconhecida era realmente uma distração. Abri a porta em um empurrão e me aproximei para olhar o pneu do lado dianteiro do passageiro. Ao ver a borracha no chão, passei os dedos pelos cabelos. A neblina deixava as luzes da rua difusas, de forma que limitava minha visão. Em rápidas passadas entrei novamente no carro para ligar para Beth... Ao mesmo tempo recordava que tinha deixado minha bolsa para trás e consequentemente meu telefone. - Nina! Você é uma idiota! 74


A lógica dominou o pânico. O sol sairia em poucas horas e pensei que poderia chamar alguém que passasse e usar seu telefone. Pus a temperatura no máximo e deixei que o ar seco enchesse o carro. Quando fez tanto calor que dificultava a respiração, tirei a chave da ignição e desliguei o carro. Mais tarde, tirei meu casaco o deixando próximo. Seriam muitas horas até o sol sair, não demorou muito para o calor escaldante se transformar num calor suave e logo num frio chato tempos depois. Três batidas rápidas na minha janela me fizeram pular no banco. Dei a volta para ver um homem com um casaco acolchoado azul de pé a poucos centímetros de distancia. Minha mão foi até a fechadura enquanto ele se inclinava para olhar para dentro do carro. - É um pouco tarde para isso, não parece? Já poderia ter te assaltado a essa altura. – disse Jared, sorrindo largamente diante de meus esforços lamentáveis. Não conseguia falar, pois o medo fez a adrenalina correr pelo meu corpo e experimentei uma dezena de emoções diferentes antes de me sentir aliviada. - Abra o porta-malas para que possa pegar o estepe. – disse. Alcancei o botão e o porta-malas abriu com um pop. Saindo rapidamente do carro, observei enquanto Jared pegava o macaco e logo tirou o estepe, levando-o a seu lugar. Eu sempre vi pessoas girando a roda, porém ele a tirou do porta-malas como se fosse uma sacola de compras. Trabalhou incansavelmente como se estivesse sendo cronometrado, bombeando o macaco, desenroscando as porcas e tirando o pneu antigo furado para no mesmo instante substituí-lo pelo estepe. Repetiu o processo no sentido inverso, apertando as porcas e fazendo a roda girar. Ao terminar de descer o carro, guardou o pneu furado no porta-malas, seguido pelo macaco e pela chave de roda. - Vá para a casa Nina – grunhiu. Fechou o porta-mala com um golpe e limpou a graxa das mãos nas calças. 75


- Jared... - Simplesmente vá pra casa. – disse evitando meus olhos. Deu-me as costas desaparecendo na neblina. - Obrigada. – sussurrei. Neguei com a cabeça e passei correndo rodando a parte dianteira do meu carro, olhando fixamente para me assegurar de que não imaginei o que tinha visto. Meu novo e perfeitamente apto pneu estava perfeito em meu carro. Olhei para a neblina em que Jared tinha desaparecido e suspirei. Já não era uma possibilidade impossível que Jared sempre estava me esperando como se tivesse asas. Eu não sabia por que ou como fazia, porém velava por mim. Durante a ida para casa, minha mente voou com teorias e explicações. Não havia explicações plausíveis. Jared tinha admitido que me seguia. Talvez por isso estivesse tão irritado; eu havia me metido em outra situação em que ele precisava deixar claro que estava por perto. Deveria ter ficado em pânico, qualquer outra pessoa teria repetido a palavra perseguidor uma e outra vez em sua cabeça, porém só sentia uma deliciosa sensação de calma. Estava além de calma, estava mais surpresa por descobrir que me sentia lisonjeada. Outra coisa também ficou clara: eu não tinha nada em comum com Jared Ryel. Eu tinha me transformado num ser irracional, insensato, ridículo e soluçante e incrivelmente, entretanto, ele estava na minha vida. Não me importava se ele era um perseguidor ou um milagre. A ideia de que sempre estivera perto de mim, que poderia ter me observado nesse mesmo tempo, enviou calafrios deliciosos pela minha coluna. A noite seguinte, uma batida na porta fez com que Beth pegasse sua bolsa. Quando abri a porta, Kim, Josh, Ryan, Tucker, Chad, Lisa e Carrie estavam todos de pé no corredor. - Nós nos demos as mãos para não nos perdemos. – zombou Kim. 76


- Isso está bem. - disse, voltando para pegar minhas chaves e a carteira. – Não vamos caber todos no Beemer. - Estou com meu jeep. – disse Chad. - Genial! – gritou Beth. Quando segui Beth através da porta do pub, senti meu corpo enrijecer. Não relaxei até que vasculhei o lugar e não vi nenhum sinal de Jared. Com o relaxamento veio também o descontentamento, porém os braços do Ryan ao redor dos meus ombros foram uma distração imediata. Sentamos em uma mesa enquanto Ryan colocava moedas numa máquina de CDs. Em menos de uma hora estávamos todos na pista de madeira dançando música disco. - Na próxima vez vou trazer um CD – gritou Kim acima do som dos Bee Gees. Assim que voltamos à mesa, a máquina tocou uma música lenta e Chad perguntou a Beth se ela queria dançar. Ela estava radiante e o vi puxá-la suavemente até a pista de dança. Eu senti um sorriso se formar enquanto os olhava incapaz de tirar de mim a lembrança agridoce dos braços de Jared ao redor de mim naquele mesmo lugar há somente umas semanas atrás. - Vamos, dança comigo – disse Ryan, me dando a mão. Poderia ter dito que não, se já não estivéssemos na metade do caminho. Mudar a ideia equivocada dele sobre a nossa amizade tinha se transformado num trabalho de tempo integral. O segui até a pista e ele segurou suas mãos atrás de minhas costas. - Se anime. Não é tão ruim. – sorriu Ryan. - Esteve bebendo, estou tentando me concentrar para não tropeçar em seus dois pés esquerdos. - Te atrapalharei – disse, com o rosto muito próximo do meu. - Genial, então cairíamos os dois – sorri. Ryan me apertou a ele. 77


- Não me importo de cair para te agarrar. Relaxei com o queixo no ombro de Ryan até que a musica terminou. Parecia que queria continuar dançando, mas a música seguinte era animada. Tropeçou e logo me soltou, levando-me pela mão novamente até a mesa. Saímos depois do último aviso e Lisa e Carrie decidiram pegar um táxi para o apartamento de alguém porque depois haveria festa. Beth decidiu viajar com Chad mais uma vez e meu coração saltou quando vi que se deram as mãos para ir até o Jeep. Rapidamente cruzamos contra as luzes do estacionamento, Kim e Ryan riam enquanto procurava minhas chaves. Amaldiçoei quando minhas chaves caíram no chão num buraco. Agachei-me para pegá-las, porém uma mão suja adiantou. Kim e Ryan ficaram em silêncio enquanto me erguia lentamente e olhava para o rosto do mendigo que estava diante de mim. - Obrigada – disse, estendendo as mãos para que me desse as chaves. Notei que haviam mais três homens com ele nas sombras. - De nada. – disse com a voz áspera. Tinha uma barba mal feita de pelos castanhos e seus olhos negros eram anormalmente presos. A primeira vista parecia um sem teto, porém suas unhas estavam limpas e seu rosto não estava curtido de sol. Apesar de ter crescido no East Side, tinha visto parte dos indígenas no cais com meu pai. - Suponho que poderia me dar algo em troca pelo incomodo? - É... Claro – disse, olhando para Kim e Ryan antes de pegar minha carteira. Entreguei uma nota de dez dólares e ele olhou por cima da minha BMW. - Tenho certeza que a chave desse carro vale mais que isso. Coloquei a mão no bolso e dei uma nota de vinte. - Aqui. Por favor, me dê minhas chaves – disse-lhe, estendendo a mão. 78


Olhou-me fixamente durante um longo tempo, fazendo com que Ryan caminhasse até a gente. - Ela lhe deu o dinheiro. Devolva-lhe as chaves. O homem olhou para Ryan por cima e logo me olhou novamente. - Não acredito que seja suficiente. Estreitei os olhos. - Quanto quer? - Quanto tem na carteira? - O que? - E também gostaria desse lindo anel verde que está em seu dedo boneca – assentiu. - Benson? – o homem barbudo chamou alguém em suas costas. Um dos homens que estavam atrás assentiu e fez sinal para os outros irem. - Ryan... – sussurrei enquanto dava um passo para o lado para que ficasse atrás dele. - Oh, olhe Grahm. Ela tem um pequeno guarda costas. - Cale-se, Stu. – grunhiu o homem barbudo. - Me dê o anel e o dinheiro. E poderão ir. – disse, cuspindo no chão. - Não concordo Grahm - Ryan se moveu enquanto avaliava os outros homens. - Ryan... – o adverti e logo olhei para cima – Escuta, isso é tudo que tenho comigo... – disse empurrando nele várias notas grandes e mais algumas de cinco e um – é tudo que tenho na carteira. Toma. - E o anel – disse Grahm num tom obstinado.

79


Olhei para a expressão horrorizada de Kim e novamente para o ladrão. - Eu... Não posso te dar meu anel. Meu pai me deu e ele faleceu recentemente. - É uma história muito triste. – zombou – Me dê o anel. Escondi minha mão que tremia atrás de mim e olhei ao redor esperando que alguém, qualquer um, pudesse ajudar. - Não te darei – Engoli em seco – Sinto muito. Grahm fechou os olhos rapidamente e Ryan aproveitou a oportunidade para atacá-lo. Kim correu ao redor do carro. - Não! Começou uma briga, com os outros três subindo sobre Ryan. Estavam em um amontoado, socando e chutando Ryan sem piedade. Dei um passo até o grupo. - BASTA! Ryan deixou escapar um grito sufocado e deixou de lutar. Minhas mãos voaram para a minha boca quando vi que Stu estava segurando uma faca pingando sangue. - BASTA, POR FAVOR! – disse. Os homens riam entre si, a brutalidade havia terminado com uma última patada nas costas de Ryan. Cai olhando aterrorizada enquanto ele jazia destroçado no chão molhado. Justo quando tentava se levantar de quatro, Stu usou a bota para empurrar de novo a bochecha de Ryan contra o chão. - Agh! – Ryan soltou um gemido. - Não te disse para se levantar, entretanto, verdade? – disse Stu. 80


A atenção se concentrou na minha mão. A apertei em um punho; não entregaria o anel do meu pai. Grahm pareceu entender minha decisão e todos eles deram um passo à frente, preparandose para tirá-lo de mim. Quatro pares de olhos maldosos se moveram em uníssono quando uma voz familiar rosnou atrás de mim. - Acho que vocês cavaleiros, devem seguir seu caminho agora. Jared passou por mim e eu soltei o ar de meus pulmões com um alivio esmagador. - Jared – disse. Ele me deu um sorriso tranquilizador. - Está tudo bem querida. Não tem que dar a eles seu anel. - O diabo que não dará... Quer um pouco do que ganhou esse garoto? – o advertiu Stu. Grahm olhou suspeito para Jared. - Você é o garoto de Ryel, não é? Meu sangue gelou enquanto olhava para o corpo inerte de Ryan. Ainda respirava, porém em pequenos suspiros superficiais. Olhei para Jared, preocupada com o que aconteceria com ele. - Cavaleiros, podem ir agora com o dinheiro que a dama lhes ofereceu, ou podem ficar sem ter nunca mais seus braços e pernas. É sua opção. De qualquer maneira, o anel não deixará o dedo dela essa noite. – a voz de Jared começou calma, porém quando sua oferta terminou ele falava baixo e de forma assustadora. Grahm riu enquanto baixava a cabeça. Assim que terminou, olhou para cima mirando Jared por debaixo da testa. - Então acredito que teremos que cortar a mão dela. Fiquei gelada.

81


Jared se voltou para mim, com seus olhos azuis como aço, e logo voltou a olhar aos homens enquanto caminhava até eles. - Viram? – suspirou Jared – Agora estou ficando com raiva. - Estou farto disso – disse Benson. - Benson, espera! – ordenou Grahm. Dois dos homens correram até Jared e enquanto um grito crescia em minha garganta vi Jared tirar um deles de cima de suas costas e lançá-lo a uma distancia incrível pelo estacionamento, mais ou menos trinta metros, contra o muro de pedra do beco. O corpo do homem voou e caiu em algumas latas de lixo com um baque forte. Benson voou de volta depois de Jared socá-lo no rosto e eu recuei quando vi o sangue de seu nariz quebrado. Stu correu para Jared com a faca, mas Jared agilmente se esquivou para o lado e agarrou o braço do homem enquanto jogava a faca contra ele. Jared puxou Stu pelo braço de lado e rapidamente bateu com o punho no cotovelo por trás, o destendendo de tal maneira até que ele quebrou. Jared deu um soco, desta vez no rosto e ele caiu no chão. Grahm tentou virar e correr, mas com uma velocidade surpreendente Jared estendeu a mão e o pegou pelo casaco, parando perto. O homem deu a volta e empurrou Jared contra meu carro. Minhas mãos voltaram para minha boca. Jared se virou acotovelando Grahm em um lado do rosto. O homem barbudo caiu no chão, o golpe o fez chafurdar gemendo sufocado. Quando eu olhei para ele estupefata, percebi que sua mandíbula estava torta. Ele a segurou contra o seu rosto com as mãos e gemeu de dor. Jared pegou as chaves do carro que estavam no chão ao lado dele e descobriu uma carteira gasta, na cor preta com ele. Pegou-a automaticamente e a abriu para revelar um grande objeto de metal. 82


- Ah isso não é bom – disse Jared, ficando de frente a ele. O que? O que é isso? – tentei ver melhor, porém Jared guardou o objeto no bolso de sua jaqueta. Respirando forte, Jared se aproximou de mim. - Está bem? - Eu? E você está bem? Jared assentiu, mas vi o sangue saindo de um pequeno corte no rosto, logo abaixo de seu olho. - Está sangrando. – sussurrei. Jared limpou o ferimento e olhou o sangue que manchava o dorso de sua mão. - Não é nada grave. Tenho que sair daqui antes que a polícia apareça. - Ryan precisa de um médico – disse, correndo para o lado dele. Ainda respirava, mas havia sido atacado gravemente – Ryan? Pode me ouvir? – perguntei, mas ele não me respondeu. Jared concordou e logo levantou Ryan em seus braços sem esforço para colocá-lo no banco traseiro do meu carro. Kim correu ao redor e entrou no carro, cobrindo o com seu casaco. - Não está com a cara boa, Nina – disse Kim, embalando-o em seus braços. Jared abriu a porta do lado do passageiro. - Entra Nina, eu dirijo. Voamos em meio à escuridão, fazendo de cada sinal vermelho um borrão. Eu passei meus braços em volta do meu peito, encontrando dificuldade em respirar. Jared apoiou a mão no meu antebraço. - Está indo bem?

83


- Estou preocupada com Ryan – sussurei, olhando para meu amigo que estava atrás. A mão de Jared apertou mais a minha. - Tudo vai ficar bem, Nina. Ryan vai sair dessa. - Não poderia saber... Poderia ter sido assassinado, Jared. Jared levantou a sobrancelha e me olhou como se estivesse exagerando. - Foi necessário. – soltou sua mão esquerda do meu braço e agarrou o volante - Eles tiveram sorte que os deixei vivos depois que eu... – parou, ao ver minha expressão. – Não precisa se preocupar... Não vou deixar que nada te machuque. Incluindo eu. Quando não relaxei a expressão, ele se moveu incomodo em seu banco. - Algo errado? - Nada errado para mim, Jared. Está sangrando, Ryan está – voltei-me a ele – Ryan? Pode me ouvir? Toquei suavemente seu rosto machucado com as gemas de meus dedos. Vendo Jared em minha visão periférica, notei seu corpo enrijecer como se eu estivesse tocando uma bomba. - Temos que chegar ao hospital – suplicou Kim, agarrando seu pulso com os dedos. - Aguente Ryan. Estamos quase lá – disse, fazendo careta quando falei. Tive que me virar para enxugar minhas lágrimas, pois não queria que me visse chorar. Jared colocou meu cabelo atrás da minha orelha e com o polegar enxugou a umidade das minhas lágrimas. Eu não tinha percebido que eu estava girando meu anel no meu dedo sem pensar, até Jared gentilmente apertar minha mão. - Não precisa fazer isso. Tudo vai ficar bem, te prometo. 84


Ryan foi levado para a sala de cirurgia e Kim, Jared e eu fomos levados à sala de espera da UTI. Jared sentou-se ao meu lado, tirando minha franja dos olhos. Kim sentou-se no sofá ao lado, jogando os joelhos para cima e para baixo. Ela mordeu as unhas, olhando para frente. - Liguei para Beth faz meia hora. Quando chegarão aqui? Eu não conseguia olhar para ela, o sangue de Ryan tinha manchado sua camisa e jaqueta. Beth, Josh e Chad chegaram à sala de espera, com os olhos bem abertos e sem fôlego. Beth bateu em mim, me abraçando, até que eu pensei que minhas costelas iriam quebrar. - Oh, meu Deus, Nina! Está bem? Kim está bem? - Estamos bem – sussurrei. Beth pôs as mãos à boca quando viu o sangue nas roupas de Kim e balançou a cabeça. - Ryan? - Ainda em cirurgia. – disse Kim - Tem algumas costelas quebradas e acreditam que a faca pode ter perfurado o baço. Vai ser retirado se eles não conseguirem parar a hemorragia. Meus olhos se encheram de lágrimas. - Putz – Josh bufou, esfregando a testa em descrença. Beth me abraçou enquanto chorávamos. Kim aproximou-se e sentou-se. Quando Kim apenas deu um sorriso fraco, Beth a tomou em seus braços. Jared colocou o braço em volta de mim e me levou para o sofá. Kim explicou os fatos para os outros até que Josh interrompeu. - Por que não lhe deu o maldito anel, Nina? – Josh perguntou num tom acusador.

85


- Não é culpa da Nina – grunhiu Jared, me apertando mais a seu lado. - Seu pai lhe deu esse anel, Josh – acrescentou Kim. - É só um anel – murmurou. Jared olhou nos meus olhos com um olhar de compreensão, não querendo me sentir pior do que já estava. Não esperava que alguém conseguisse entender o meu apego ao anel mais do que eu esperava-os compreender a minha relação com o meu pai. - Como fugiram? – perguntou Beth. Eu senti o desconforto de Jared ao se mover junto a mim quando Kim falou. - Jared enfrentou os quatro. Foi incrível. Aparentemente, ele ensinou sua irmã tudo o que ele sabe. Todos os olhos se voltaram para Jared, que se inclinou e apertou suas mãos. - Trabalho com segurança. - Onde? No Iraque? – zombou Josh. - Não. – disse Jared, sobrando somente à explicação de Kim. Eu sabia melhor do que isso. Ele tinha visto apenas uma fração do segredo de Jared. Eu rocei contra seu ombro enquanto ele sussurrava que Ryan estava sendo levado a UTI para recuperação. - Está bem, está a salvo. – sussurou, pressionando os lábios nos meus cabelos. - Oh – disse, secando os olhos – Acho que dormi por um segundo. - Mais como uma hora – disse Kim com os olhos pesados. Jared me apertou contra ele. - Não perdeu nada. Precisava descansar. 86


- Que horas são? Perguntei bocejando. - Sete e meia. – disse Beth, tão esgotada quanto eu me sentia. As enfermeiras empurraram a maca pelo corredor com um Ryan pouco coerente, apenas conectado a monitores e tubos. Corri pelo corredor e eu peguei a mão dele, caminhando com eles. - Sinto muito. – minha voz quebrou antes que pudesse tentar uma voz mais corajosa. Ryan murmurou algo inaudível e me senti triste. - Está bem, não tem que falar. – Eu estava afogado no tom familiar destas palavras – Estaremos juntos no final do caminho, de acordo? – beijei sua mão e sorri, esticando os dedos trêmulos para acariciar meu rosto com as costas deles. Eu segurei sua mão em meu rosto por um momento, e então as beijei e logo deixei que entrasse na porta dupla. As portas se fecharam na minha cara, e levei minha mão à boca para abafar as lágrimas. Beth veio atrás de mim e Kim se juntou a nós, seguido por Josh e Chad. Nós todos nos empilhamos no centro da sala enquantos nos abraçávamos e chorávamos. Estava enrolada nos braços quentes de Jared há uns vinte minutos, quando uma enfermeira saiu. - Está descansando agora. Podem ir descansar e voltar mais tarde que ele então estará pronto para receber visitas. - Mas... Como ele está? – perguntei. - Ainda é cedo, mas ele é jovem e saudável. Eu diria que ele vai se recuperar bem – disse e sorriu. Nós compartilhamos um suspiro coletivo quando ela se virou e desapareceu atrás das portas duplas. - Vou para casa. Liguem-me quando ele acordar. – disse Chad.

87


- Pode me levar? – pediu Kim. Com isso Beth, Kim, Chad e Josh se levantaram. - Vai ficar? – perguntou Beth. Concordei e me levantei para abraçá-la. - Ficarei com ela. – disse Jared. Beth sorriu através de sua expressão cansada antes de Chad a levasse pela mão. - Está esgotada. – disse Jared – Deveria te levar para casa. – Neguei com a cabeça. - Não posso deixá-lo sozinho aqui. Quase o mataram ontem por minha culpa. - Ele quase se matou. – contestou Jared, fechando a cara. - Quis evitar que me atacassem! – disse ofendida. - Sirvo para isso. – Jared desdenhou, revirando os olhos. - Eu sei Jared. Se não tivesse aparecido, Ryan estaria morto e eu sem minha mão para o resto da vida. A raiva apareceu em seu rosto quando ele se levantou, parando a poucos centímetros de mim. - Não tem graça, Nina. Estava em grave perigo. Ryan tinha que calcular os riscos antes de enfrentar. Ele vê muita televisão. É daqueles que gostam de impressionar as garotas pelas quais está interessado... - Ele não fez isso para me impressionar! - Os sentimentos por você travaram o juizo dele. Quis ser um herói... E agora você está aqui, se sentindo culpada. - Está com ciúmes? – disse incrédula. A postura rígida de Jared no carro se repetia na minha cabeça. Eu estava muito preocupada para pensar sobre isso naquele momento, mas fazia sentido. Ele tinha confundido as 88


minhas ações com intimidade. Acreditava que Ryan e eu éramos mais do que amigos. Jared revirou os olhos. - Se estivesse com ciúmes não seria por isso. Estou acostumado a vê-la com outra pessoa. Agora é só uma questão de persistência. Meus olhos se estreitaram com desconfiança. - O que quer dizer com estar acostumado a isso? Jared não respondeu de imediato. Ele soltou um suspiro exasperado e apertou a mandíbula. - Me referia a antes. Sobre te ver com ele antes. - Com Ryan? - Sim. No pub. Lembra? – os olhos de Jared iam para todos os lugares menos para os meus. - Lembro-me. – disse sem me convencer. Ele pegou minha mão e a preocupação nublou seu rosto. - Estou feliz que você esteja bem. Por um momento eu pensei que não chegaria a tempo. - O seu juízo foi anuviado? - Eu disse intencionalmente, ainda indignada com seu gesto de esnobar a coragem de Ryan. - Algo assim. – fechou a cara, olhando para longe de mim. - Não vai me dizer a verdade, certo? – tirei minha mão da sua e cruzei os braços. A cabeça de Jared subiu para a posição vertical rapidamente e ele olhou para mim. - E o que seria a verdade? - Sabe muito bem do que estou falando. Você bateu em quatro homens sozinho, como se eles fossem crianças. A questão 89


de você aparecer sempre no momento certo, mais oportuno, além de saber onde estou em todo o tempo. - Não sei onde está em todo o tempo... A questão do oportunismo essa noite foi inexistente – respondeu Jared. - Vai ser honesto comigo ou não? – fiquei de pé por um momento, e quando Jared discutia consigo mesmo, caminhei de volta para o sofá. Jared suspirou com resignação e, em seguida, sentou-se ao meu lado. - Eu queria te beijar na outra noite. Eu sabia que você estava chateada. Eu queria consolá-la e acabei a machucando mais. – Ele fez uma careta. – Essa não foi minha intenção, Nina. Eu teria dado qualquer coisa por aquele beijo. É só que... É complicado. - Sabia que eu estava chateada? Abaixou o olhar e suspirou. - Jared? – levantou os olhos para mim - O que quer de mim? – perguntei nervosa. Ele abaixou o olhar novamente. - Que fique a salvo. Que seja feliz. O resto ainda nao sei. Concordei. - Tudo bem. Sua cabeça se elevou. - Está bem? – disse buscando meus olhos. - Tudo bem – dei de ombros. O rosto de Jared estava a uma curta distância do meu, tão perto que podia sentir seu hálito quente soprando suavemente contra minha bochecha. Ele olhou para os meus lábios, mas não me atrevi a mover-me por medo de que ele se retirasse e eu me humilhasse novamente. Eu respirei fundo e ele olhou nos meus 90


olhos. Ele inclinou-se para mim um milimetro e seu telefone tocou. Ambos suspiramos e ele recostou-se para atender ao telefone. - Ryel – atendeu. Ouvi um rápido bate-papo e, em seguida, desligou o celular, balançando a cabeça para os lados. – Tenho que ir. - Tudo bem – sorri. Beijou minha testa e o calor de seus lábios ardeu minha pele. - Nos vemos por aí – disse Jared, caminhando em diração à porta. - Jared? – deixei escapar, tropeçando em meus pés. Voltouse para mim e sorriu. – Obrigada. Muito obrigada. Por tudo. Os olhos de Jared se tornaram suaves e deu um passo em minha direção. Senti o calor de suas mãos em meus ombros e sua mandíbula apertada como uma onda de excitação atravessou seu rosto. Suas sobrancelhas se franziram antes que cautelosamente me atraiu para ele e apertou os lábios suaves contra os meus. Ele passou as mãos subindo do meu pescoço para o meu rosto, onde segurou minhas bochechas em cada uma de suas mãos. Meu entorno desbotou, a única coisa que eu podia focar era o calor irresistível contra a minha boca. A vida poderia ter passado e ainda o beijo terminou rápido demais. Abraçou-me com força contra o peito e rapidamente deu meia volta, desaparecendo pela porta. Caminhei alguns passos para trás e cai contra o assento. A gravidade da situação me encheu de vigor renovado. O perigo, medo e confusão sobre o que tinha visto o que Jared era capaz de fazer, inundava minha mente. Eu deveria ter ficado louca de ansiedade, mas eu senti a mesma sensação de calma que eu tinha sentido na estrada na noite passada. Ryan ficaria bom, minha mão estava ainda firmemente presa ao meu pulso, e o presente de Jack ainda estava firme no meu dedo. Senti uma pontada de vergonha quando me dei conta de que nenhuma dessas coisas era a razão para o meu estado de espírito.

91


Meus lábios ainda sentiam o formigamento e o calor do beijo de Jared. Esparramei-me no sofá, virando a cabeça para pressionar meu rosto contra o travesseiro. Eu estava tão cansada que eu senti que era difícil até para respirar. Meus olhos pesados se levantaram para a parede de janelas ao longo da sala de espera. Os saltos de Cynthia estavam batendo rapidamente no fundo do corredor.

92


Capitulo 5 - Nina, pelo amor de Deus, porque não me ligou? - Estou bem mãe, não me machuquei – lhe disse, enquanto ela me balançava, puxava e me analisava. Ela me abraçou com força. - Nina Elisabeth Grey, se acontecesse algo com você, eu juro por Deus... Juro por Deus que nunca os perdoaria... - Estou bem certa de que aqueles homens não se importariam se a senhora os perdoaria ou não, mãe. Ela me deu um olhar torto e me abraçou novamente. - Bem, isso não importa agora. Você está segura, isso é o mais importante. - Beth que chamou você aqui? - eu perguntei, tentando manter meus olhos abertos. - O que você quer dizer com isso? - sua voz se alterou. — Eu não poderia vir por mim mesma ver se minha única filha está segura depois que ela foi... Foi atacada na rua por um viciado em drogas? Nina, você me irrita às vezes! O que você estava fazendo em um bar, afinal? Naquela parte da cidade, você poderia ter sido assassinada! E você tem a audácia de perguntar... - Tudo bem mãe! Ok! Desculpe! – puxei-a para mim. Ela estava muito perto de ficar histérica. Normalmente, a minha mãe não chega a tais extremos, mas ela se aborreceu o suficiente, sabendo que fui atacada em um beco escuro. Cynthia se afastou e me segurou com o braço estendido. - Bem, chega disso - suspirou, com sua cara de jogador quando retorna ao jogo. - Venha querida. Vou mandar alguém preparar o carro. Eu balancei minha cabeça. 93


- Eu vou ficar aqui e esperar Ryan acordar. - Mas você está exausta. - Argumentou em vão. Nós duas sabíamos que eu não mudaria de ideia. Cynthia deu um tapinha no meu joelho e levantou-se. - Eu espero que você esteja descansando na cama em quatro horas. Sem desculpas, mocinha. Assenti enquanto ela saía caminhando pelo corredor. Esfreguei os olhos e recostei no assento. A TV estava sintonizada em um canal médico, algo sobre seguros e prescrições. Não demorei muito tempo para perder o interesse. Três horas mais tarde, a enfermeira da UTI parou ao meu lado. - Nina? - Sim? - Me sentei e pisquei. - Meu nome é Jenny. Sou a enfermeira de Ryan. - sorriu. Ele está acordado. Perguntou por você. Levantei e caminhei com ela em direção às portas duplas. Antes de avançarmos, uma mulher descabelada avançou pelo corredor em direção a nós. Ela usava um uniforme marrom, de camareira e seu cabelo preto encaracolado falhou miseravelmente ao tentar ficar no coque bagunçado que ela tinha feito. - Estou à procura de Ryan Scott! Me disseram que ele está na UTI? - disse ofegante. Jenny olhou para mim e depois de volta para ela. - E você é sua...? - Mãe! Eu sou sua mãe. Ele está aqui? Ele está bem? - disse ela, sem fôlego. — Sou Callie Scott. Eu gostaria de vê-lo, por favor. Jenny ofereceu um sorriso de desculpas e, em seguida, virou-se para Callie.

94


- Ele está aqui, Sra. Scott. Vou lhe mostrar seu quarto. Voltei para o meu lugar, olhando para o relógio. De acordo com Cynthia, eu tenho menos de uma hora para chegar em casa e descansar. Incapaz de cumprir com o acordo, puxei meu celular do bolso para ligar com uma explicação. Enquanto eu falava, Jenny enfiou a cabeça pela porta da sala de espera. - Nina? - Sim? Ela sorriu. - Ele ainda gostaria de te ver. - Oh! - eu disse surpresa. Segui rapidamente atrás dela pelas portas duplas e paramos três salas mais depois. Quando ela puxou a pesada cortina, raspando os anéis pela barra de metal. Ela sorriu para a sua esquerda. - Te encontrei. Você não se foi. Olhei para a sala e eu me encolhi interiormente ante aos tubos e fios que saiam do corpo de Ryan. - Olá, Nigh - disse ele. Consegui um meio sorriso. - Hoje é o único dia que eu vou deixar você fugir. - Ryan riu, e em seguida, fez uma careta. - Vá com calma, baby. - Callie disse, buscando um lugar para tocá-lo, que não estivesse conectado a um monitor ou uma bomba intravenosa. Pousou a mão em seus cabelos, escovando-os para trás. - Mãe, não se preocupe - ele sussurrou, inclinando-se para longe de sua carícia nervosa. - Chad, Josh e Beth estavam aqui antes, eles vão voltar. - eu disse, tocando seu pé. 95


Ryan assentiu. - E Jared ainda está aqui? Eu balancei minha cabeça, fazendo com que os cantos da boca de Ryan levantassem. Eu não tinha certeza do quanto ele tinha visto, ou o quanto se lembrava. - Foi uma coisa boa ele estar assediando você. Revirei os olhos. - Ele não está me assediando. - De que outra forma você explica ele ter aparecido do nada? – Ryan pressionou. - Quem está assediando você? Foi este o homem que atacou o meu filho? - O rosto de Callie enrugou com a preocupação. - Não, mãe. Ele foi o homem que impediu que todos fossemos mortos. - disse Ryan, observando meu rosto. Callie olhou para mim, ainda querendo respostas. Me senti desconfortável sob o olhar dela. — Ele é apenas um amigo, que chegou na hora certa. - Como de costume - Ryan franziu o cenho. — Você está horrível. Vá dormir um pouco. - Eu posso dormir mais tarde. – argumentei. É claro que ele estava preocupado comigo, mesmo enquanto estava deitado em uma cama de hospital. - Você pode dormir agora. Minha mãe está aqui, não preciso de duas pessoas choramingando sobre cada pequena coisa. - Eu não vou choramingar - eu disse, fingindo insulto. - Você pode ser um pouco chorona sim. - Sorriu e tocou seu rosto. Eu manobrei em torno de tubos e cabos para beijar o lugar que ele tinha indicado. Estar assim tão perto de alguém coberto de parafernália hospitalar fazia com que minhas costelas se

96


apertassem de uma maneira muito familiar. Mordi o lábio, apreensiva. - Ei, - levantou um braço para acariciar meu rosto com as costas de seus dedos. - Eu vou ficar bem. Eu faria tudo novamente se fosse preciso. Meu rosto caiu diante de suas palavras. Sabia como ele se sentia em relação a mim, e como isso terminaria. Eu não poderia suportar se alguma vez magoasse Ryan o suficiente para ele me odiar. Minhas mãos agarraram as suas. - Apenas se concentre em recuperar antes de começar a planejar mais brigas de faca, certo? Ele sorriu. - Vá descansar. Tenha doces sonhos, Nina.

Eu andei no escuro, fechei as cortinas e apaguei todas as luzes. Beth ainda estava embalada dentro de seu edredom respirando pesadamente. Tirei meu casaco e cai de bruços na minha cama. Eu tentei manter tão imóvel quanto possível, não querendo deixar minha mente vagar. Permitir os pensamentos significava reviver o ataque, o sangue, os olhos do homem que cortaria a minha mão para levar o meu anel; o som assustador quando Ryan foi empalado e a expressão de horror de Kim no carro. Eu nem sequer queria me debruçar sobre os lábios de Jared. Eu só queria dormir. Meus olhos se abriram ao som da porta fechando suavemente. — Beth? - eu disse, olhando para qualquer movimento do seu lado do quarto. Ela não respondeu. 97


Debrucei-me em meus cotovelos e pisquei várias vezes até que eu pudesse ver claramente que a cama de Beth estava vazia e arrumada. Havia um bilhete, pela parte de trás da porta, então eu saí da cama e caminhei lentamente através do chão frio. “Fui com Chad e Josh para o hospital. Nos vemos lá. Beth”. Ryan não estaria no hospital sozinho. Com certeza, sua mãe ainda poderia estar lá, mas era bom que ele tivesse amigos por perto. Beth estaria em casa mais tarde, eu supus. Olhei para o relógio. Seis horas em ponto! Lutando para sair da cama, corri para me trocar e escovar os dentes, puxando meu cabelo em um rabo de cavalo. Justo quando peguei minhas chaves, meu estômago roncou. Sair do campus imediatamente, só parecia ser uma má ideia, e encontrar algo comestível no hospital era muito otimista. Jantar no The Gate significava uma longa caminhada no amargo frio do lado de fora, o que distanciaria a minha mente de circunstâncias mais problemáticas. Subi o zíper do meu casaco e fechei a porta atrás de mim. Logo eu estava a uma dúzia de metros de meu destino. Eu estava certa, tremer a cada passo havia sido a distração perfeita da noite anterior. Soltei um suspiro de alívio enquanto minha mente estava focada no calor que o interior dos portões do The Gate me assegurava. Antes da minha mão alcançar a maçaneta da porta, um homem surgiu das sombras. Parei de repente. - Sr. Dawson? - Você tem o arquivo? - ele perguntou, com os olhos em alerta.

98


Ainda assustada com o ataque, minhas mãos apertaram os punhos e as enfiei nos bolsos. Olhei para a maçaneta da porta, vendo que estava apenas a um metro de mim. Forcei meu corpo a relaxar. - O Sr. Rosen não está familiarizado com sua transação, mas poderia lhe dar o seu número, se desejar. - É assim que você acha que vai me ajudar, então? - ele estreitou os olhos. - Eu não sei por que você acha que esse assédio incessante me faria querer ajudá-lo. - Eu estava mentindo, é claro. Sabia como funcionava o jogo de intimidação. Eu já tinha visto o meu pai ganhar muitas vezes. - Nina, eu disse o que estou procurando. Seu pai e eu... - Participaram de um acordo de propriedade. Você já disse isso. - Eu o interrompi. - Eu sou sua filha, não sou sua parceira de negócios. Por favor, ligue para o Sr. Rosen. Cheguei à porta, mas o Sr. Dawson agarrou meu braço. Com um rápido movimento, me puxou para perto dele. Engoli em seco quando ele sussurrou no meu ouvido com sua voz grossa, rosnando: - Eu não estou jogando com você, pequena. Seu pai tem documentos e fotos que eu quero. A última vez que os vi, estavam em um arquivo em seu escritório, com o nome de Porto de Providence. Eu quero todo esse arquivo, me entendeu? A menos que você queira que a sua mamãe tenha que lidar comigo mais tarde, te sugiro que você faça o que eu estou pedindo. Ameaçar minha mãe fez surgir uma voz corajosa que emanou da minha garganta: - Afaste-se dela! Sr. Dawson bufou. - Você é igual a Jack. Nunca sabe quando recuar. 99


- Meu pai nunca recuava! - E foi isso que o matou! – rosnou Sr. Dawson, puxando meu braço novamente. Senti meus olhos arregalarem em descrença. - Sua resposta não fazia sentido. Meu pai morreu depois de um acidente de carro. Sr. Dawson suspirou e afrouxou o aperto. - Estou fazendo um favor, querida. Você não ia querer se meter nesse meio. Há coisas mais perigosas lá fora do que eu e eles querem muito mais do que eu. Me traz o que estou pedindo e você e sua mãe terão muito menos coisas para se preocupar. Seus dedos soltaram meu braço e ele desapareceu nas sombras do edifício vizinho. Apoiei minha cabeça contra a porta de vidro fosco, tentando criar coragem para conseguir me mover. Uma vez que a adrenalina foi absorvida pelo meu corpo, eu respirei fundo e deslizei para o chão. Ele não veio. Eu estava em perigo e Jared não veio. Fiquei surpresa quando me dei conta disso e me perguntei se somente eu tinha percebido ou se ele sabia o tempo todo. A última vez que o Sr. Dawson se aproximou de mim, Jared não apareceu também, mas sabia que Ryan tinha estado ali. Ryan havia controlado a situação sozinho e não foi necessária a presença de Jared. Mas desta vez eu estava sozinha. Desta vez eu precisei. Alguém empurrou a porta contra mim. - Você está bem? - Um garoto baixo de cabelo escuro, com óculos apareceu, enfiando a cabeça pela porta entreaberta. - Você vai entrar? - Perguntou o menino, confuso com o que estava vendo. Me levantei do chão. - Não, obrigada - eu disse, virando-me rapidamente para Andrews.

100


Não olhei para trás para ver sua inevitável expressão perplexa, eu estava muito focada em minha missão. Voltaria para casa da minha mãe, iria virá-la de cabeça para baixo se fosse preciso. Corri pelo corredor até o elevador aberto e pressionei o botão para o meu andar várias vezes, e me apoiei no corrimão. Quando as portas finalmente fecharam, minha mãe se meteu entre elas, fazendo-as se abrirem novamente. - Eu espero que você tenha dormido. - disse ela. - É por isso que você está aqui? - Perguntei surpresa. - Preciso de um motivo? - Ela estava quase ofendida, mas descartou a pergunta para apontar coisas mais importantes. — Nina, realmente, você está horrível. Quanto você conseguiu dormir? - O suficiente - Saí do elevador e a puxei junto comigo. - O que você está fazendo? - Ela perguntou relutante em ser arrastada. - Eu quero ir para casa. Posso ir para casa com você? - Claro. - Eu tinha certeza que ela estava curiosa para saber o que tinha acontecido para que eu fizesse esse pedido incomum, porque eu tinha tratado a nossa casa como uma colônia de leprosos em quarentena desde o funeral. Tirei o casaco para acelerar o ritmo e ela parou abruptamente. - O que foi, Nina? - O que você quer dizer? - eu perguntei, puxando seu braço. - Isso! - ela disse, apontando minha mão em seu braço. Isto é o que eu quero dizer. O que é tão urgente? Exalei uma nuvem de frustração. - Beth está no hospital e não quero ficar sozinha. Desculpe se eu estou muito entusiasmada.

101


- Entusiasmada? Nina, não vejo você tirar o casaco assim desde que tinha cinco anos. Existe alguma outra razão pela qual você quer ir para casa? Eu olhei para ela sem entender. Eu não queria mentir novamente. - Tudo bem. - ela suspirou. — Robert está esperando no carro. Ao longo do caminho, Cynthia fez perguntas genéricas sobre a faculdade. Ela estava desconfiada do meu comportamento, mas como era a norma com a minha mãe insistiu ignorar o óbvio para obter uma falsa sensação de segurança. Não falou o resto do caminho para casa para não estragar a ilusão de normalidade com a verdade. Robert desacelerou quando entrou na larga garagem da nossa casa. Minha mãe sorriu quando ele abriu a porta, e segui atrás dela para dentro. Uma vez lá dentro, tirei meu lenço, chapéu, casaco, e, finalmente, minhas luvas. Esfreguei o frio residual ainda agarrado aos meus braços, pensando metodicamente sobre o plano na minha mente. - Nina, não fique parada na porta. É rude. - Estou subindo. - eu disse ao passar. Corri para o escritório do meu pai, esperando que os meus olhos atentassem para algo que pudesse ter passado despercebido antes. Caminhei ao longo das bordas exteriores do quarto e passei a mão sobre a superfície da parede, sentindo a textura áspera com os dedos. Eu tentei não me concentrar em apenas uma coisa, eu queria deixar a minha mente aberta para todos os indícios que poderia ter esquecido antes. Meus dedos roçaram as costas dos livros do meu pai. Retirei alguns deles e olhei o que havia atrás, batendo na parede contra a qual eles estavam. Rastejei por debaixo da sua mesa buscando algo anormal. 102


Quando não encontrei nada, me voltei para as paredes, armários e, em seguida, a estante. Olhei tudo novamente, tentando vê-los de outra maneira, tocá-los de outra maneira, buscando encontrar qualquer coisa que parecesse fora do lugar. Entretanto minha paciência estava desaparecendo assim como minha objetividade. Comecei a vasculhar os armários que já tinha olhado antes, batendo no fecho e resmungando baixinho. Sentei no chão, contra a frente da mesa de Jack e olhei através da sala com os cotovelos sobre os joelhos. As respostas estão aqui, não estou percebendo alguma coisa. Levantei meu queixo para frente, quando a pintura favorita do meu pai me chamou a atenção. Fiquei de pé e coloquei minha mão sob as bordas da grande moldura. Determinada, cheguei mais perto de seu centro, ajoelhei e olhei por baixo dela, e a afastei um pouco da parede. Não vi nada de extraordinário, por isso estendi a mão cegamente, na esperança de encontrar algo que não se encaixasse. Não havia nada. Bati com raiva. - Pai! Olhei ao redor da sala com as mãos sobre meus quadris desafiadoramente soprando minha franja da minha cara. Havia outras quatro pinturas no escritório. Olhei cada uma, imitando a varredura que eu havia feito na pintura maior. Eu rasguei a quarta pintura da parede e olhei para a parte de trás do quadro. Olhando para a parede agora vazia, senti outro grito de irritação chegar. - Como pode não ter nada em seu escritório? Não há cofres, nem portas secretas, ou... Chaves. Havia chaves na mesa de Jack. A primeira vez que eu procurei em seu gabinete supus que eram as chaves do seu carro. Mas o carro que ele estava dirigindo era o mesmo que estava destroçado... Agora era um ferro-velho. Onde estariam as chaves?

103


Na minha pressa para procurá-las, meu quadril bateu no canto da mesa. Gritei alguns palavrões e me dobrei, usando a mesa para manter o equilíbrio. Esfreguei a pancada com uma mão, e abri a gaveta onde poderiam estar às chaves com a outra. Eu tinha as chaves na palma da minha mão, e estava tentando lembrar se tinha visto uma fechadura na qual as chaves poderiam caber. Lentamente eu virei minha cabeça para os armários de parede. A torre central de arquivos estava fechada. Certamente ele não seria tão óbvio, pensei. Me dirigi até os arquivos e puxei a gaveta. Estava fechada. A primeira chave só entrou até a metade. Tentei outras três chaves e a quarta deslizou facilmente, mas não virou. Duas chaves mais tarde, estava xingando meu pai, o Sr. Dawson e até mesmo o metal em minhas mãos. Peguei a última chave entre o polegar e o indicador e fechei os olhos. A chave deslizou para dentro e virei meu pulso. Começou a girar, mas não dava a volta. Nenhuma das chaves era do arquivo que estava fechado. - Droga! - Eu disse, jogando as chaves no chão. Eu chutei o arquivo, me virei para sair, mas depois voltei a dar outro chute, desta vez amassando o fundo. Abaixei, peguei as chaves e joguei na gaveta da mesa. Tinham acabado minhas esperanças. Andei pelo corredor com a mão pressionada contra meu quadril ainda pulsando pela dor da pancada e parei no topo da escada. A voz de Cynthia soou cansada enquanto falava ao telefone. Parando por um momento antes de dar o primeiro passo, ouvi quando ela disse o meu nome. - Nina está bem. Está descansando. O que você esperava que eu fizesse? Proibi-la...? Honestamente, você se preocupa demais! Ela não quer ficar sozinha esta noite. Eu ouvi alguma coisa, acho que ouvi bater em alguma coisa. Não deve ter sido nada demais... - Ela suspirou. - Sim. Vou ver o que é. Boa noite! 104


Cynthia virou o olhar. Eu acenei timidamente, amaldiçoando silenciosamente por ter sido pega espionando. - Você está bem querida? - ela perguntou. - Eu estou bem. Eu esbarrei contra a mesa do escritório, bati meu quadril. Quem era ao telefone? Ela encolheu os ombros. - Era realmente necessário gritar tantos palavrões enquanto estou ao telefone? Meus amigos achavam que eu tinha criado uma dama. - Sinto muito. Não me dei conta de que estava falando tão alto. -Cynthia assentiu com desdém. - Eu tenho um belo presunto no forno. Você vai ficar para o jantar, não é? - Eh... sim. - eu ia para o hospital, mas isso pode esperar. Eu segui Cynthia até seu quarto, onde sentei sem falar nada. - Como está o seu amigo? - ela perguntou, apenas para ser educada, supus. - Não sei, não tenho notícias dele desde esta manhã, mas ninguém me ligou para dizer nada, então estou certa de que ele está melhor. - Maravilhosa notícia, querida. - disse ela, preocupada. Ela retirou os brincos de pérola de suas orelhas, e os deixou em uma bandeja de prata que estava colocada em uma pequena mesa perto da parede. Meus olhos vagaram até pousarem em um armário que combinava com sua mesa e as do escritório de meu pai. As folhas de uma planta cobriam o topo do armário, e me concentrei em um pequeno círculo de prata no canto superior direito. - Você vem Nina? - Cynthia perguntou, parando na porta.

105


- Vou descer em um minuto. Queria ver o meu e-mail, se você não se importar. - Não, imagina. – sorriu. — Mas não se atrase para o jantar. Vi quando ela saiu pela porta e esperei enquanto descia as escadas. Uma vez que percebi que ela já estava no piso abaixo, corri pelo corredor até o escritório do meu pai. Abri a gaveta de sua mesa e peguei o pequeno anel com as chaves de prata. Com um sentimento de emoção, corri de volta para o quarto de minha mãe, e coloquei a planta no chão. Era mais pesada do que parecia, e gemi enquanto me esforçava para baixá-la sem derrubar o vaso. Depois que as cinco primeiras chaves falharam, soprei a franja do rosto com uma respiração forte. Havia apenas duas chaves. A sexta chave deslizou para dentro, e quando virei meu pulso e a chave girou noventa graus, fiquei sem fôlego. Abrindo a porta do armário, olhei para trás de mim apenas por um momento, com medo de que minha mãe me pegasse bisbilhotando em suas coisas. Havia vários arquivos, por isso retirei todos e espalhei pelo chão. De joelhos, eu folheei os contratos, documentos de envio, um recibo de um anel que meu pai me comprou, documentos de seguros e ocasionalmente comprovantes de depósitos. Eu deslizei uma pasta para o lado para descobrir outra que não tinha relação com essas e estava com a letra de Jack. Porto de Providence Minhas mãos tremiam enquanto eu abria pasta. Eu realmente gostaria de saber? Eu senti que estava abrindo a caixa de Pandora. Preso no topo, encontrei um envelope grosso com um papel amassado. Peguei o envelope e abri. Ele continha uma pilha de fotografias em preto e branco. Imagem após imagem com uma dúzia ou mais de homens diferentes, mas esses mesmos rostos apareciam de novo e de novo, às vezes sozinhos, às vezes juntos. 106


Um homem, que muitas vezes era o alvo das fotos, estava de pé ao lado do governador de Rhode Island. Outro homem foi fotografado tanto com roupas casuais quanto com algum tipo de uniforme, supus que era um oficial da polícia em trajes de gala. Eu tinha visto fotos suficientes para saber o que era fotos de vigilância. Virei cada uma das imagens, mas todas estavam sem data. Eu nunca tinha visto esses homens antes, não que eu me recordasse, e não conseguia entender por que meu pai teria feito essas fotos. Olhei para a pasta no chão, sabendo que estava prestes a descobrir. Uma folha de papel manuscrita me chamou a atenção, e eu pulei nela. Eu virei para a página seguinte e a próxima. Meu coração batia forte assim como as palavras escritas foram gravadas em minha íris. Não era verdade. Não podia ser. - Nina? Jantar! Corri para pegar os arquivos e colocar de volta no armário de Cynthia. Fechei a porta do armário e coloquei a planta de volta na prateleira. Depois de retornar as chaves para gaveta da mesa de Jack, encontrei Cynthia na sala de jantar. Sentei na minha cadeira de costume, do outro lado da minha mãe. Um prato fumegante de porcelana chinesa com comida esperava por mim, e fiz uma careta quando o delicioso cheiro invadiu minhas narinas. Eu percebi que eu não tinha comido desde as cinco da tarde anterior. Eu estava morrendo de fome, mas não podia comer. - Você não está com fome, querida? Franzi a testa e cortei uma cenoura com um garfo. Sua gentileza forçada em breve seria descartada e todas as amabilidades cessariam. - Na verdade não. - Bem, por que não? - esperei que as palavras certas saíssem e ela revirou os olhos impaciente. — Realmente, Nina. Você sabe que eu não gosto quando... 107


- Papai sempre foi um criminoso, ou foi algo que se ocupou antes de morrer? - eu soltei, sem me preocupar com as consequências. O garfo de Cynthia caiu no prato e fez um ruído alto. Ela não disse nada por um longo tempo. Nós duas seguramos nossa respiração, uma esperando o que a outra falaria. - O quê... você quer dizer ? - ela finalmente sussurrou. - Você me ouviu. - Não. Eu acho que não. Tenho certeza de que você se enganou com o que falou. - Seus olhos piscaram quando ela terminou a frase. - Porto de Providence. - Cheguei um pouco para frente, observando o choque e a sua mudança de expressão. - O quê? Onde você ouviu...? - Cynthia parou no meio da frase e balançou a cabeça. Ela estava nervosa, o que raramente acontece. - Eu vi o arquivo, mãe. Era crime organizado, ou apenas roubavam os produtos no cais? Você sabe que faziam parte de seu pagamento vários policiais corruptos, certo? - Nina Elizabeth Grey! Cale a boca neste instante! - eu podia ver as rodas girando em sua cabeça, e então ela se levantou para vir ao lado da mesa, sentando-se ao meu lado. — Você viu os arquivos. Quais arquivos? Notei que sua fúria foi contida, ela iria cuidar da minha falta de respeito mais tarde. - Os arquivos trancados num armário em seu quarto, mãe. Pare de se fazer de idiota. Seus olhos se estreitaram, a minha grosseria ultrapassou a sua curiosidade. - Eu nunca me fiz de idiota, Nina. Por que você...?

108


- Eu quero a verdade. - Não deixei que meus olhos se movessem nem uma polegada de seu olhar. - Nunca me preocupei com os negócios do seu pai. - ela disse desviando. - Mas você sabe o que eu estou falando quando digo Porto de Providence, certo? - meus olhos acusadores fixos nela. Cynthia assentiu levemente. - Isso não é algo que se queira admitir que tenha conhecimento, Nina. Esqueça que você viu isso. - sussurrou. - Esquecer... - eu estava em choque. — Meu pai era um... Um criminoso? Um ladrão? - meu rosto se contorceu em desgosto. — Roubava os traficantes para os quais transportava, vendia coisas no mercado negro, fazia o contrabando ilegal e usava policiais para encobrir seu trabalho sujo... Oficiais da polícia mãe! Por todo esse tempo, reuniu provas para evitar que se voltasse contra ele! - meus olhos brilhavam de raiva. — Tudo o que temos é dinheiro sujo. Jack dava golpes... Ele matou pessoas. Cynthia enxugou uma lágrima e abaixou a cabeça. Isso me pegou de surpresa, eu só tinha visto minha mãe chorar um par de vezes, todos elas após o acidente e a morte de Jack. - Oh... Jack. – sussurrou ela balançando a cabeça lentamente. Ela olhou para mim com os olhos abatidos. - Era para você nunca ter visto essas coisas Nina. Seu pai sempre foi tão cuidadoso em manter a salvo essa parte da sua vida. Não se passou nem seis meses de sua morte, e eu falhei. - Cynthia levantou-se e caminhou lentamente até a porta. Afastei-me da mesa e fui atrás dela. - Diga-me que estou errada, mãe. Preciso que você me diga que isso é um erro. - minha voz estava mais perto de uma súplica do que do tom firme que eu queria transmitir.

109


Cynthia não se virou, ela limpou outra lágrima e suspirou. Respirei fundo e me preparei - Charles Dawson quer esses arquivos. - Ele sabia onde estavam? - ela gritou, virando-se. A raiva tomou conta de mim. - Você sabe quem é ele? - Trabalhou para o seu pai. - disse ela nervosa, tocando sua boca, pensativa. Eu me endireitei na cadeira, com meus músculos rígidos. - Por que você age assim, mãe? Por que isso não te incomoda? - Nina minha querida - seu tom voltou a ser suave. - Eu te disse, seu pai fez o seu melhor para te manter fora de seus assuntos. Eu entendo que você está assustada, mas você está segura, eu te garanto. - O que significa isso? Por que você não me dá uma resposta direta? Cynthia acenou com a cabeça e levantou as sobrancelhas como quando eu era criança. - Você não acha que depois de hoje à noite, algumas coisas são melhores quando não ditas? Minha reação imediata seria gritar e exigir a verdade, mas ela estava certa. Eu tinha perdido meu pai de novo hoje à noite, a reverência que antes eu sentia por ele foi substituída por uma decepção debilitante. Era pior do que sua própria morte. Toda percepção que eu tinha dele me foi arrancada. Ele não era mais um Deus ante meus olhos, ele era apenas um homem, um homem imperfeito, corrupto. Eu considerei a sugestão de Cynthia e assenti. Ela levantou meu queixo. - Sinto muito, amor.

110


- Eu tenho que sair daqui - me soltei de seu toque. Tudo que eu sabia era mentira. Deixei ela sozinha para ir buscar o meu casaco. - Aonde você vai? - ela gritou atrás de mim. - Dar uma volta - eu disse, colocando minha toca e luvas. - Está frio lá fora, Nina! Seja razoável! Por favor, deixe Robert levá-la! Eu puxei minha bolsa sobre meu ombro e abri a porta. - Eu vou até a estrada pegar um táxi para Brown. Eu te ligo quando chegar lá. - eu evitei seus olhos suplicantes enquanto saía, fechando a porta atrás de mim. Inverno explodiu na minha cara. O ar estava frio demais para respirar, queimando meu nariz e garganta com cada respiração que dava. O vento tinha trazido grandes flocos de neve ao meu redor. Meu cabelo batia em meu rosto e o vento deixava minha visão embaçada. Tentei ordenar todas as informações novas que havia descoberto, mas o ar frio juntamente com minha raiva bloqueava qualquer pensamento racional que poderia ter. Cheguei ao final da calçada e fui para a rua, andando tão rápido quanto minhas pernas poderiam me levar. Minha casa tornou-se um lugar escuro e perverso onde a corrupção e o escândalo prevaleciam. Não me atreveria a olhar para trás, não tinha nenhuma intenção de voltar. Quando a queimadura dolorosa de vento começou a diminuir, sendo substituída pela dormência, ouvi um veículo diminuir a velocidade ao meu lado. Continuei caminhando, não estava com disposição para me explicar ou discutir com Robert. Se minha mãe não era capaz de mudar minha opinião, ele tampouco conseguiria. - Nina? Eu conhecia aquela voz. Pertencia à única pessoa que eu queria ver. Quando parei, vi o seu SUV.

111


- Eu vou pegar o ônibus Jared. – eu disse, olhando para frente. - Não, você não vai. Eu vim para te levar para casa. Fiquei perfeitamente imóvel, exceto para a oscilação ocasional do vento que tentava me derrubar. - Nina, está muito frio aí fora. - disse ele, impaciente. Quando eu não me mexi, Jared abriu a porta e se aproximou de mim. Ele me olhou por um momento, depois se inclinou para frente, levantando-me em seus braços. Me levou para o lado do passageiro, pressionando os lábios quentes na minha testa. Me colocou gentilmente no assento e parou. - O que você estava pensando? Eu não conseguia pronunciar uma única palavra. Eu estava quebrada, tudo isso era demais para mim, para aceitar em um curto espaço de tempo. Uma vez no seu lugar, ligou o aquecedor ao seu mais alto nível e seguiu em frente. Ocasionalmente, Jared estendia a mão e afastava meu cabelo para longe do rosto, ou carinhosamente pousava sua mão quente na minha bochecha, mas os únicos sons eram o ar quente soprando através das aberturas e dos pneus na estrada. O Escalade parou na rua de trás de Andrews. Jared me acompanhou até a porta em silêncio, mas quando eu coloquei a mão na maçaneta da porta, ele tocou meu braço. - Nina, eu sei que é difícil de acreditar, mas ele a amava. meus olhos queimaram e lancei um olhar para ele. - Você conhecia o meu pai? Os olhos de Jared se tornaram angustiados. - Eu sei tudo o que ele fez... Fez isso por amor a você Nina. Você era o mundo dele. 112


- Você não sabe nada sobre isso. - eu murmurei. Você não sabe nada sobre mim e se não vai me dar respostas, você pode ir. Estou farta de ser enganada! - Eu nunca te enganei. - disse Jared, irritado e surpreso por eu descartá-lo com tanta facilidade. - Por que você é tão misterioso? Por que você sempre sabe onde estou? Como você nos salvou hoje de manhã? Como você faz isso tudo? - Esta manhã, você estava bem em não saber de todos os detalhes. - Isso foi antes de descobri que minha vida inteira era uma mentira. - Lágrimas de raiva transbordaram e correram pelo meu rosto. - Eu só preciso de uma coisa em minha vida, apenas uma, que é saber a verdade. Eu preciso que alguém seja honesto comigo! - Nina. - sussurrou Jared, estendendo-se em minha direção. Eu o empurrei e ele fez uma careta. - Não faça isso... Eu tenho estado sempre presente e vejo você chorar tantas vezes... Eu não posso mais fazer isso. - O que significa isso? - Eu perguntei, mantendo a distância. - O que você quer dizer com isso de que tem me visto chorar? Por favor, só me diga a verdade! Jared hesitou, então suspirou. - Eu não posso. Acredite em mim quando eu lhe digo que era o que eu mais desejaria fazer, por Deus, mas eu não posso. Seus olhos estavam carregados com o peso de uma vida de frustração. - Acredito. - eu disse, abrindo a porta. - Mas eu não quero te ver nunca mais. Por favor, me deixe em paz. - Nina... - ele disse. Olhei em seus olhos pela última vez antes de fechar a porta atrás de mim. Ele bateu duas vezes. 113


- Nina. – ele disse em um tom baixo, desesperado. Eu apoiei a cabeça contra a porta e soltei um leve soluço abafado. Eu não conseguia entender por que não era digna o suficiente da verdade. A raiva tomou conta de mim de novo, e eu me virei para longe da porta, caminhando para o meu quarto. Beth estava sentada em sua mesa, digitando no teclado do seu laptop, quando eu abri a porta. Ela deu um salto e virou-se quando bati com a maçaneta da porta na parede. - Onde você estava? Ryan estava esperando por você. - ela arregalou os olhos quando viu a expressão no meu rosto. - Nina? - Fui ao The Gate para comer alguma coisa antes de ir para o hospital, mas eu encontrei o Sr. Dawson. - disse, caindo na minha cama. - Sr. Dawson? - aumentou o tom de voz. - Por que ele estava no The Gate? - Ele me agarrou, me disse que queria que eu conseguisse alguns papéis para ele... - Ele te agarrou? Jared sabe? Meus olhos estavam fixos nela com desconfiança. - Por que você perguntou isso? Ela hesitou, escolhendo os dedos delicados. - Porque ele sempre parece chegar nesses momentos. - Pois ele não apareceu dessa vez. Ela inclinou a cabeça mais perto para me olhar. - Você já o viu hoje? - Ele acabou de me deixar aqui. - eu suspirei. - Não estou entendendo. Ele não apareceu, mas te trouxe para casa?

114


- Podemos não falar mais sobre isso? - Oh, claro. Desculpe. - ela deixou cair o braço do meu ombro e me fez sentar em sua própria cama. Depois de alguns minutos, Beth suspirou e levantou. - O que é Beth? - Nina... - esperei ela tomar coragem para dizer qualquer coisa com o que ela estava lutando. Ela tomou outro fôlego, mas não tomou a coragem que esperava. - O que é? - Você está apaixonada por ele? - Falou rapidamente se preparando para a minha reação. - Eu não estou. Eu não sei nada sobre ele. - Quanto é o suficiente para saber sobre alguém antes que você possa amá-lo? Lembrei-me de como eu me sentia quando ele estava ao meu redor, a forma com que seu toque enviava eletricidade por todo meu corpo; a maneira como seus olhos me derretiam quando ele olhava para além das minhas íris, para algo mais profundo, como se ele pudesse ver as emoções dançando dentro de mim. Me sentia tão protegida e completa na sua presença que esse sentimento competia até mesmo a segurança absoluta e o amor que eu sentia ao estar perto do meu pai. Estremeci quando considerei em quão miserável minha vida seria se Jared fizesse como eu pedi, e me deixasse sozinha. - Você o ama. – Confirmou Beth, enquanto olhava minha expressão. - Ele te ama também, você sabe. É tão óbvio, quase como se ele te amasse antes mesmo de te conhecer. - eu balancei a cabeça em negação e a voz de Beth subiu a um tom mais alto. Nina. É sério? Mesmo depois de tudo o que aconteceu? - O que aconteceu não é suficiente para confirmar a verdade. - eu fiz uma careta para as minhas próprias palavras. Eu não sabia o quão doloroso era dizê-las em voz alta. 115


- Ele ainda não fala, né? - Eu disse a ele para me deixar em paz esta noite. - Beth começou a falar, mas eu continuei. - Eu não queria dizer aquilo. Bem, eu queria dizer, mas não é isso que eu quero. Tudo o que ele tem que fazer é ser honesto comigo... E ele simplesmente... Se recusa. - Mas por que você tem que entendê-lo? Não pode simplesmente ficar com ele e esquecer o resto? - Ficar com ele, como? Eu nem sei sequer onde ele mora. Não sei o seu número de telefone, se é destro ou canhoto, ou o dia do seu aniversário... Não sei nada sobre ele - falei, desgostosa com a minha situação. - Eu os vi juntos. Tudo parece tão bem - sorriu. Revirei os olhos para sua solução simples. A lógica da Beth fez meus sentimentos ficarem mais complicados do que já estavam e eu fiquei feliz quando ela pareceu desistir. Eu ainda estava arrasada por Jack, furiosa com Cynthia e achava Jared culpado a princípio. Fora isso, eu não queria pensar nele. A raiva era mais fácil de controlar do que a traição.

Na quinta-feira de manhã eu fui com Beth pegar os cafés e adicionamos vários outros cremes e açúcares da mesa. Como de costume, Kim apareceu atrás de nós e reclamou sobre os nossos aditivos. Peguei meu copo para a viagem com as duas mãos, e segui andando em fila com os minhas amigas. Beth parou de repente, começando uma colisão em cadeia. Me choquei contra Kim, e o resultado foi que o café explodiu a partir da entrada no topo, derramando em uma linha vertical desde o meu pescoço até a barra da minha jaqueta. - Beth! - Kim e eu gritamos ao mesmo tempo.

116


Olhei para o meu casaco e usei minhas luvas para sacudir o líquido escuro da jaqueta. Alguém de repente agarrou meu braço e me empurrou para frente. Não tive tempo para ver qual das minhas amigas era, porque os incríveis olhos azul-acinzentados de Jared me chamaram a atenção assim que eu olhei para cima. Dei alguns passos rapidamente, a fim de estar mais próxima para uma conversa, mas uma vez eu parei poucos metros de dele, eu não podia mais falar. - Cheguei tarde, certo? - Jared disse, parecendo satisfeito com a minha reação. - O que você está fazendo aqui? - eu perguntei perplexa. Ele riu e olhou para baixo. Eu vi com minha visão periférica que Beth e Kim ficaram tão perplexas quanto eu. Eu não podia imaginar o que havia acontecido para ele aparecer aqui, e eu estava ainda mais desorientada pelo seu jeito despreocupado, como se a nossa conversa da noite anterior não tivesse acontecido. - Você vai sentar? Eu sentei imediatamente, de uma maneira quase cômica. Normalmente ele não aparecia assim, a menos que ele tivesse algo importante que precisava dizer, ou se houvesse problemas. Toda essa cena passava pela minha mente. Me peguei olhando para ele em silêncio, à espera de alguma resposta. Ele cruzou os braços sobre a mesa e inclinou-se para mim. - Eu sei que você me disse para deixá-la em paz, mas eu fiquei pensando muito na noite passada e tinha que te ver. Precisamos conversar. Minha boca abriu um pouco em estado de choque e fechei quando eu olhei para Kim e Beth. Suas bocas estavam em um estado similar. - Nós... É... Nos vemos na sala de aula, Nigh. - Disse Kim, erguendo as sobrancelhas.

117


Eu fiz uma careta, e elas me deixaram. Meus ombros estavam tão tensos que parecia estar flutuando ao redor de meus ouvidos. Eu respirei fundo e os forcei a ir para baixo para a posição correta. Jared parecia nervoso e engoliu em seco. - Eu invadi o seu espaço? - Eu quero respostas, Jared. Os cantos de sua boca levantaram quando ele deslizou um cartão para o meu lado da mesa. Apertei o papel cartão de visitas em empresa escrito em quando comecei a ler de telefone.

fino entre meus dedos e o examinei. Era um tom marfim com seu nome e o nome da marrom chocolate. Meu coração acelerou a próxima linha que continha o seu número

- Você vai me dar o seu número? - Sim. - ele esperou por um momento com um olhar de expectativa, e eu percebi que ele queria. - Oh! - Eu disse, pegando na minha mochila algo para escrever. Escrevi meu nome e número em um pedaço de papel e deslizei para ele, imitando o seu movimento suave e único. Jared sorriu e colocou o papel dentro do bolso do casaco. - E se esse não é o meu número? Eu perguntei. E se for o número para uma clínica de controle de raiva para a sua irmã? Jared balançou a cabeça, rindo ao mesmo tempo. - Se fosse assim eu daria a ela. Mas eu espero que esse seja o seu. Pois eu preciso para te convidar para um jantar apropriado. Eu podia ouvir meu coração batendo no meu peito e quando eu pensei que ele pudesse ouvir, eu senti meu rosto corar.

118


- Eu disse que precisava de respostas em primeiro lugar. – falei, tentando soar mais calma do que eu realmente estava. - E eu disse que queria conversar durante um jantar, certo? seus olhos brilharam com diversão, parecendo ficar um tom mais claro de azul. - Vou ligar esta tarde. Pode ser? - Por que você não me pede logo agora? - eu disse, acabando com qualquer chance de aparecer indiferente. - É isso que você quer? - ele perguntou, erguendo a sobrancelha. Assenti e um amplo sorriso iluminou seu rosto. - Você gostaria de jantar comigo amanhã? - Adoraria. Obrigada. - Não quero fazer você se atrasar. - mesmo enquanto ele dizia essas palavras, parecia não ter pressa de dizer adeus. Ambos nos levantamos e Jared segurou a porta aberta para mim enquanto caminhávamos no ar da manhã. Era surreal estar caminhando ao lado dele no campus. Ele se parecia mais como um produto da minha imaginação cercado pela paisagem da minha vida cotidiana. - Venho te buscar por volta das seis e meia? - ele perguntou, roçando ligeiramente as pontas dos seus dedos nos meus. A eletricidade imediatamente disparou pelo meu braço e meu coração martelou contra minhas costelas. - Parece perfeito. - eu não poderia ter escolhido palavras mais certas. Kim e Beth estavam esperando por mim dentro do edifício, e eu tentava não saltar de felicidade enquanto me aproximava. - O que aconteceu? - Beth disse, agarrando meu braço. - Vamos sair amanhã à noite, às seis e meia. - eu estava radiante. 119


- Isso! - Beth disse, batendo palmas. Kim e eu subimos as escadas para a nossa classe. Ela não estava tão animada quanto Beth. - Ryan não vai ficar feliz - disse ela. Inclinei meu pescoço para enfatizar o meu aborrecimento. - Eu não estou com Ryan, Kim. Ele não deve ficar chateado com isso. - Eu sei... Eu só acho que é o momento errado para você sair em um encontro com Jared, enquanto Ryan ainda está no hospital por tentar salvar sua vida. - Você está dizendo que é errado sair com Jared porque agora estou presa a Ryan, porque ele foi ferido tentando me defender? É isso que você quer dizer? - eu respondi, parando em frente a nossa classe. - Não. Eu não estou dizendo isso, definitivamente. Isso seria muito dramático da minha parte. Kim sorriu enquanto revirei os olhos para ela e caminhamos juntas para os nossos assentos.

120


Capitulo 6 A paciência é uma virtude que eu não possuo. Filas em parque de diversões, consultas médicas, cartas de aceitação para faculdades são o suficiente para me deixar louca. Esperar para o meu encontro com Jared era uma tortura. A cada aula fracassava miseravelmente em manter o meu interesse e no meio da manhã deixei de fazer as anotações. A aula ao final do dia foi insuportável. Mudei minha perna para cima e para baixo, batia meu lápis na mesa, trocava de posição na cadeira e suspirei pelo menos uma dúzia de vezes. Beth tocou meu braço. - Não interrompa meu ataque de ansiedade. É falta de educação – sussurrei. Beth apertou os lábios, tentando não rir. - Pare de pânico. É um encontro. Você já teve outros encontros. - Não com Jared. Ela bateu no meu antebraço por um momento com seus dedos e sorriu. - Por que não visitamos Ryan depois da aula? - Eu acho que é brilhante - disse - tirando o último pedaço da minha borracha. Quando o professor Hunter tinha dito a palavra 'demitido', eu já tinha guardado minhas coisas na bolsa, com o caminho mais rápido para Beamer traçado em minha mente. Beth lutou para manter o ritmo e grunhiu com frustração quando chegamos ao carro. - Você é ridícula - bufou.

121


- Você não tem desculpa. Suas pernas são mais longas que as minhas -. Ela revirou olhos enquanto colocava a marcha no Beamer. Ryan parecia muito melhor, tinha mais cor em seu rosto e a rede de tubos e cabos que tinham lhe coberto dias antes tinha desaparecido. - Olá - disse esticando o torso -. Hoje vão me transferir da Unidade de Terapia Intensiva. - Isso é fantástico! - sorri -. Vai sair daqui a qualquer momento. Você sabe o número do quarto que estará? Ryan negou com a cabeça. - Eu ligarei e avisarei. - É melhor que o faça. Como vamos trazer o contrabando ilegal? - Beth disse. - Falando nisso... vocês trouxeram um outro hambúrguer? Beth sacudiu a cabeça. - Nina estava com pressa para chegar aqui. Ryan não ficou feliz com o comentário como pensei que faria. - Isso é surpreendente. Pensei que estaria correndo para a Andrews para se preparar para seu encontro. – Tratou de soar casual, mas pude ouvir ressentimento em suas palavras. Dei uma olhada para Beth, em seguida, para ele. Meu rosto corou instantaneamente de raiva. Ryan revirou os olhos. - Calma, Nina. Josh te viu no Ratty. Incomodou-o vê-la com Jared. Não confia nele. - É ridículo que se incomode por isso - respondi.

122


- Não é culpa de Josh. Ele acha que eu sou melhor para você do que o aspirante a 007. Eu concordo com ele – disse Ryan se movendo para se sentar na cama. - Esse aspirante a 007 é a razão de estarmos vivos - disse entre dentes. - Vamos, meninos. Isso pode esperar - disse Beth. - Você não vai sair com ele, certo? - Ryan disse descontente. - Sim, eu vou. E realmente não me importa o que você, Josh, ou qualquer um dos seus colegas pensam. - Colegas? – repetiu Ryan levantando uma sobrancelha -. Quem disse colegas agora? - Cale-se – disse incomodada -. Vamos, Beth. O horário de visitas terminou. - Oh, vamos lá, Nigh. Não se incomode - brincou Ryan, levantando as mãos para mim. - Eu disse que só poderia me chamar assim uma vez. O limite de tempo foi excedido. - Nina, me perdoe. Não vá. Não é da minha conta com quem você sai. Eu tenho certeza que é bastante óbvio porque eu tenho um problema com isso. - Olhou suas mãos com uma careta. Olhei por um momento para ele. Era difícil manter a raiva quando ele estava em uma cama de hospital. - Espero que eles possam eliminar o que está fazendo você agir assim antes que te dêem alta. - Oh, não estou tão mal. Você virá amanhã, certo? - Eu virei - disse passando meus dedos por seu cabelo. Ele pegou minha mão. - Mas não quero ouvir sobre seu encontro, certo? 123


- Tenho certeza que podemos encontrar outras coisas para falar. - Temos de ir, Nigh. Temos muitas coisas para fazer - disse Beth com voz melodiosa. Eu mostrei a língua para Ryan antes de seguir Beth até o carro.

Em busca da roupa perfeita, Beth e eu viramos o guardaroupa. Havia roupas espalhadas por toda parte. Algo muito escuro, muito apertado, muito solto, muito curto ou não suficientemente curto que cobria a superfície inteira. Finalmente decidi por um vestido branco de inverno de mangas três quartos com meu cinto favorito marrom que tinha uma pérola no centro da fivela e sapatos de salto alto. Beth me garantiu uma e outra vez que meu vestido ajustado as minhas curvas era o equilíbrio perfeito entre sexy e elegante. Eu fiquei olhando para o longo espelho, preocupada que o vestido fosse muito curto, era toda a perna. Aproveitei o tempo para tomar um longo banho, sendo muito cuidadosa em raspar minhas pernas, fazer as sobrancelhas e pintar as unhas dos pés. Depois de me aprovar no espelho, pude tratar de ficar pronta, vinte minutos antes de Jared chegar. Meus saltos ecoavam contra o piso do elevador enquanto entrava com ele e eu não pude evitar me queixar do meu cabelo e vestido enquanto esperava as portas se abrirem no primeiro andar. Caminhando pelo corredor, olhei meu relógio, ainda tinha quinze minutos antes dele chegar. Quando eu me desesperei, a porta abriu. Jared estava em pé na minha frente com uma camisa preta e uma calça cinza escura. Seu cabelo tinha um pouco de gel, suavizando as desordenadas ondas. Contive um gritinho, levando minha mão ao meu peito. - Me desculpe, te assustei? - Sim, não esperava por você - disse sem fôlego. 124


Jared me entregou um pequeno, mas belo buquê de tulipas rosa e branca, minhas favoritas e eu sorri timidamente. - Não podia esperar até 18:30. Pressionei meus lábios para não pronunciar a embaraçosa verdade, mas não pude parar. - Eu não podia esperar - soltei. Um sorriso triunfal surgiu em seu rosto e, em seguida, me ajudou com o casaco. Gentilmente me aproximou de seu peito e sussurrou em meu ouvido: - Você esta deslumbrante. Minhas orelhas arderam. Desejava que o rubor em minha face desaparecesse agora, feliz por estar saindo ao ar livre. - Para onde vamos? – perguntei enquanto ele me afastava da extremidade da calçada. - Você verá - disse com um emocionante sorriso no rosto -. Estou feliz que tenha aceitado vir. Depois do ocorrido na outra noite, eu não tinha certeza se aceitaria. - Bem, depois da emboscada que fez na frente de todos no Ratty, quase não tinha escolha. - A coação foi o plano desde o início – disse rindo. Estendeu sua mão para tocar suavemente meus dedos. - E, o lugar para onde vamos... deveria esperar mais comida estranha ou será seguro esta noite? - Virei minha mão de maneira casual para entrelaçar nossos dedos. Normalmente não sou tão descarada, mas as regras tinham mudado. Nós dois sabíamos nada do nosso tempo juntos era normal. - É uma surpresa. Franzi meu nariz. - Eu não gosto de surpresas.

125


- Sim, você gosta. - Eu sei - disse. Era enlouquecedor que ele me conhecia tão bem -. Vou saber algo sobre você esta noite? - Esse é o plano. Jared entrou em uma rua estreita e estacionou ao lado da calçada em frente a um prédio escuro. Eu não tinha certeza de que restaurante era, mas não parecia estar aberto. Ele pegou minha mão e me conduziu por um beco, me guiando através das poças d’água. - Seu corte cicatrizou muito bem – notei -. Mal posso vê-lo. Jared apenas assentiu, me guiando na escuridão. Suas mãos deixaram as minhas para alcançar as chaves em seu bolso. Ele abriu a porta e estendeu seu braço para dentro me dando o sinal para entrar. - Vamos subir as escadas - disse. Meus saltos ecoaram contra os degraus de metal enquanto subia lentamente em direção a um pequeno patamar. No topo, Jared passou antes de mim para usar as chaves mais uma vez. Ele deu mais um passo na minha frente segurando a porta. Entrei em um espaçoso apartamento de dois níveis, decorado em tons de cinza e azul. Estava pouco iluminado e as cortinas estavam recolhidas, deixando brilhar o esplendor de muitas velas ao redor do quarto. Painéis chineses e manuscritos de diferentes partes do mundo estavam colados nas paredes de blocos cinza, iluminados por uma trilha de luz. Ele não tinha mobília suficiente para preencher o espaço. Talvez ele gostasse. Sem desordem, tudo estava em seu lugar. O quarto completo estava imaculado. O ar estava saturado de diferentes tipos e sabores e a pequena mesa redonda presenteava taças de vinho vazias e pratos brancos. - Este é o seu apartamento? - perguntei, olhando para as escadas de madeira que levavam ao sótão. 126


Jared parou atrás de mim, deslizando meu casaco de meus braços. - Você está bem? Pensei que era o melhor lugar conversar – perguntou um pouco ansioso. - Não, isso é ótimo. É incrível... Você está cozinhando? perguntei preocupada pelo que me rodeia. - Algo assim. Tente não ficar muito animada - disse colocando meu cabelo atrás das minhas orelhas. - Sente-se está quase pronto. Ele pegou as flores das minhas mãos e as levou a cozinha, enchendo um vaso com água. Reapareceu com o vaso e as flores na mão, colocado-as no centro da mesa. Jared trouxe um prato de servir à mesa e cortou um pedaço de carne. - Guisado? - perguntei. - Bem, há outras coisas... - Ele fez um gesto em direção à cozinha. - Não, não, é só que... o guisado é meu prato favorito. Meu pai tinha um grande amigo, que sempre nos convidava para jantar quando eu era pequena, e sua esposa fazia um maravilhoso guisado. Faz muito tempo que não como, mas cheirava quase como este. Jared fez uma careta estranha, como se não soubesse como reagir a minha pequena história e depois voltou para a cozinha. Trouxe um recipiente de vegetais ao vapor, um prato de pãezinhos e batatas assadas... todos os meus favoritos. - Você pensou em tudo - eu disse desconcertada com a comida na mesa. - Há bolo de anjo – disse se sentado em minha frente. - Eu adoro bolo de... - eu parei quando seria redundante dizer as palavras -. Você sabia, não? 127


- Sim - disse Jared com um meio sorriso de incerteza. Soava mais como uma pergunta que uma resposta. - Vamos conversar certo? – perguntei olhando meu prato. - Vamos conversar. Mas primeiro vamos comer. - Eu posso fazer isso - disse. Mordi o guisado e instantaneamente eu era uma menina de sete anos de idade sentada na cozinha com um milhão de ricos aromas flutuando pelo lugar. Cynthia ria educadamente de algo que Gabe, o amigo de Jack dizia e a esposa de Gabe rodeava a mesa com o seu avental azul claro, servindo vegetais nos pratos de todos. - Como está? - Jared perguntou entre mordidas, me trazendo ao presente. Balancei minha cabeça, procurando as palavras para que fizessem justiça ao sabor que estava experimentando. - Eu não tinha uma refeição como esta há muito, muito tempo – mastiguei - desde que eu era pequena. Onde você aprendeu a cozinhar assim? Jared deu de ombros. - É uma receita da minha mãe. Sorri do comentário. Era a primeira vez que ele tinha mencionado algo sobre sua vida. - Você é próximo de sua mãe? - perguntei me acomodando na cadeira. - Muito. Passei muito tempo longe dela quando eu era jovem. Levantei minhas sobrancelhas com interesse, esperando que ele mencionasse mais detalhes. - A escola foi muito fácil para Claire e para mim, terminamos com idade precoce e fomos receber treinamento em áreas especiais.

128


- Especial como o que você pode fazer? Lutar, quero dizer. Embora estivesse preparada para uma explicação extravagante, estava surpreendida que tivesse começado em sua infância. - Exato - Jared confirmou - Meu pai nos ensinou muito do que sabemos, ele nos levou ao redor do mundo para completar a nossa formação. - Que tipo de formação? - perguntei. Jared se contorceu em sua cadeira. Minhas entranhas se contorciam enquanto o observava lutar, desejava tornar mais fácil para ele. Inclinei-me sobre a mesa e deslizei meus dedos entre os dele. - É por isso que eu estou aqui, não? – disse, oferecendo um sorriso tranquilizador. Jared relaxou um pouco e gentilmente apertou meus dedos. - Somos treinados para nos defendermos, para defender os outros e receber todos os treinamentos que cada ramo da milícia recebe, incluindo penetração tática e estrutural, reconhecimento e patrulha, combate corpo a corpo, demolições, armas, medicina de campo... Entende a ideia. - Por quê? - disse em um tom mais incrédulo que pretendia. Jared deu outra mordida, considerando a minha pergunta. Eu não podia esperar e decidir qual era sua melhor resposta. - Seu pai estava no negócio de segurança? - perguntei. - Mais na linha de detalhes de segurança. - Coisas de guarda-costas - assentiu. Jared sorriu. - Sim, coisas de guarda-costas. - E Claire passou pelo mesmo treinamento? - Eu imaginei a pequena Claire treinando com os Navy Seals e estremeci. Eu não

129


tinha certeza se seria porque temia por sua segurança ou porque ela era mais perigosa do que eu tinha pensado anteriormente. - Nos separávamos bastante. Ela demonstrou estar mais adiantada na maioria das coisas em que treinávamos juntos.- Seu rosto se contraiu com irritação. - Adiantada? - Ela podia acertar seu alvo a cento e cinco metros de distância quando tinha onze anos. É provavelmente é a melhor franco-atiradora que os militares já viram. - ele esperava minha reação. Depois de observar a feição suave em meu rosto, continuou.- Você pode imaginar quantos ramos de elite do governo e setores privados estão atrás dela, contando os dias até que faça 18 anos? - disse as palavras com um tom de voz de um pai protetor quando se discute o primeiro encontro da filha. - Vocês são próximos? – perguntei lembrando a forma em que eles reagiram no pub. Jared franziu o cenho. - Eu a amo. É a minha irmã. - O vinco entre suas sobrancelhas se tornou mais profundo. - É muito obstinada e como todas as adolescentes, é muito egocêntrica. Mas de uma forma muito letal por seu treinamento. – De repente, ele estava muito distante. - Claire passou por muita coisa. Nunca teve uma infância normal por causa da forma que fomos criados e está aborrecida por muitas coisas. - Você esta aborrecido pela maneira como foi criado? - Não. - ele disse suavemente, mas com uma firme convicção. Não teve uma pausa entre minha pergunta e sua resposta. Ele deu uma olhada para meu rosto com tanto carinho que me senti inquieta. - Por quê? - Mordi meu lábio, ainda preocupada com a intensidade de seus olhos.

130


- Vamos falar sobre isso mais tarde. Sobremesa? perguntou, apertando minha mão antes de me deixar ir. Notei a ausência de seu toque instantaneamente quando minha mão esfriou. Ele pegou meu prato quase vazio e voltou com um tamanho perfeito de bolo de anjo. Sem glacê ou caldas. Assim como eu gostava. Dando uma mordida, fechei os olhos. - Você tem mais de um talento, Sr. Ryle – disse absorvendo a umidade e a massa fofa -. Conte-me mais sobre você. Quero ouvir as pequenas coisas. Você conhece todos os meus favoritos, é justo que eu conheça os seus. Jared riu uma vez. - Esta bem. - ele limpou a boca com o guardanapo e se encostou contra sua cadeira. - As pequenas coisas... Nasci em Providence em 9 de maio. Tenho vinte e três anos – explicou. - O café da manhã é a minha refeição favorita. O verão é minha estação favorita. Não tenho nenhuma cor favorita, mas sempre gostei dessa cor louca de verde e castanho-mel de seus olhos. Sou viciado em batatas-fritas. - Ótimo. Você vê... depois de tudo que conheço algo sobre você - eu disse. - Está vendo? Sou um livro aberto. Revirei os olhos. - Continue... - Penso melhor quando estou em minha moto, realmente não tenho tempo para passatempos. Tenho uma irmã que conheceu concordei - e irmão mais novo, Bex, que tem 11 anos de idade. Ambos moram com minha mãe, mas Claire passa mais tempo aqui... às vezes demais - fez uma careta. Eu ri.

131


- E você tem seu próprio negócio de segurança? - Assim que perguntei, desejei não ter feito. Os olhos de Jared ficaram nublados com a familiar tempestade gêmea. - Te trouxe aqui esta noite para ser honesto com você, Nina. - Eu sei - disse, tentando soar mais corajosa do que o que eu sentia. Fosse o que fosse eu iria ouvir, acreditar e descobrir uma maneira de viver com isso. Eu não tinha outra opção contra a alternativa. Agora que o conheci, minha vida nunca mais seria a mesma. Seria algo muito peculiar para qualquer outra pessoa aceitar, mas eu já havia visto o suficiente nos últimos meses para saber que tudo era possível. – Eu quero que você me conte tudo. Jared olhou para o outro lado. - Pode se sentir diferente antes que a noite termine. Inclinei minha cabeça para atrair seus olhos para mim. - Depois de tudo o que aconteceu você acha que eu não sei que algo de anormal está ocorrendo? Estou aqui, certo? Jared se inclinou e tocou minha face com a palma de sua mão. Não pude evitar, me inclinei em sua direção, sua pele sempre era tão quente que irradiava em meus ossos. - Muito bem, então... A verdade -. Ele respirou profundamente. - Meu pai tem estado... muito perto de seu pai durante muito tempo -. Ele olhou minha expressão, mas por alguma razão estava preparada para essa parte. Continuou - Meu pai protegia seu pai e, como pode imaginar, Jack era um trabalho em tempo integral. Ele fazia com que pessoas erradas se irritassem com muita frequência. Fiz uma careta. Tinha chegado a essa conclusão depois de ler o arquivo de Porto de Providence, mas ouvir isso de Jared pôs mais sal na ferida. - Sinto muito, Nina. Não queria dizer isso, vai contra o princípio em que cresci. - Jared estendeu sua mão sobre a minha. 132


- O que quer dizer? - Isso é o que a minha família faz, Nina. Nós protegemos o seu pai, sua mãe... e você. Eu neguei com a cabeça. - Não entendo. Sua família protege a minha? Desde quando? - Meu pai conhecia Jack antes mesmo de você nascer... antes de se casar com sua mãe. Senti minhas sobrancelhas se unirem. - Por que não tínhamos no conhecido antes? Jared apertou minha mão. - Nós fizemos. Uma das minhas primeiras lembranças é de Jack encorajando você para dar seus primeiros passos. Nós viajamos de férias com vocês. Eu vi você soprar as velas em seu aniversário, vi você dirigir seu primeiro carro, nós estávamos sempre em um segundo plano. Eu neguei com a cabeça. - Quando tivemos nosso almoço eu perguntei se nos conhecíamos. Você disse que não -. A frustração fez minhas palavras soarem mais duras do que tentava. - Nós não tínhamos nos conhecido da maneira em que me perguntava - Jared expôs -. A partir do momento que me sentei ao seu lado no banco, tenho sido muito cuidadoso em não mentir para você Nina. Prometi a mim mesmo que se chegasse o dia em que pudesse estar em sua vida, de maneira real, sempre seria honesto com você. Apertei meus olhos para ele. - Seu pai protegia o meu? Jared assentiu. - Quem é seu pai? 133


- Gabe Ryel. - Gabe é seu pai? Mas... não me lembro de você. Passei muito tempo em sua casa. Você não estava lá. - Claire e eu estávamos fora. Nós tivemos que começar nosso treinamento precoce para estar prontos a tempo. Bex tem onze anos e já concluiu a escola. Ele tem estado em treinamento nos últimos dezoito meses. É assim que funciona. - É assim que funciona? Jared estremeceu diante do meu tom de voz irritada. Agora, ele estava lutando com cada pedaço de informação. Falava como se esperasse que eu a qualquer momento eu saísse correndo com cada novo fato que revelava. - Estou chegando a isso - ele se moveu nervoso. Puxei minha mão da sua e a coloquei em meu colo. - Eu não me lembro de nada disso. Jared me olhava com uma expressão de dor enquanto me afastava dele. - Presumi que não se lembraria. Seu pai fez o possível para manter o lado obscuro de sua vida longe de você. Ele amava você, Nina. Neguei com a cabeça tentando conter minhas lágrimas. Não podia pensar em nenhuma palavra. Jared me olhou por um momento e voltou falar: - Tem certeza de que quer ouvir isso? - Sim. Tenho certeza. Conhecer a verdade, ainda que seja dolorosa, é melhor que viver em uma mentira. Outra vez, Jared respirou profundamente. - Perto do momento em que estive pronto para trabalhar sozinho, você se tornou mais independente. Foram treze meses

134


antes de concluir minha formação. Até então, eu me sentia como uma babá. Eu me encolhi ao ouvir suas palavras. - Cinco dias antes de seu aniversário de dezesseis anos, Jack começou a lidar com os policiais que você viu nas fotos de vigilância. Meu pai disse a Jack que era uma má idéia, mas o resultado final seria sempre o dinheiro, e esses homens - Jared falou com desdém - eram o caminho mais fácil do sistema. - Uma vez que Jack percebeu que os policiais corruptos eram uma raça de criminosos sem respeito pela lei, já era tarde demais. Jack estava acostumado a ser o alvo, mas não estava preparado para eles irem atrás de você. Nunca ninguém havia sido estúpido o suficiente para empurrar Jack tão longe. - Por mim? Estamos falando de cerca de três anos atrás, e eu não tinha ideia? Como é possível? - Porque sou bom em meu trabalho, Nina. Tenho que ser. Jared ficou tenso enquanto continuava. - Eu gostaria que seu pai tivesse sido sincero com você, ainda que nesse tempo eu não tivesse certeza do por que, mas isso fazia Jack mais determinado em mantê-la longe da verdade. Ele não queria que você vivesse com medo e eu não podia argumentar contra esse pensamento. - O que fez você mudar de opinião? As mãos de Jared estavam unidas sobre a mesa. - A primeira vez que você foi o alvo, eu recebi uma bala em meu ombro. O treinamento fez que automaticamente eu parasse a bala, Nina, mas nesse mesmo momento, meus olhos se abriram. O momento em que eu vi o dedo de Tipton puxar o gatilho, não estava protegendo você porque tinha que fazer. Pela primeira vez, eu percebi que eu poderia te perder. - Por pouco você morreria? - ofeguei. Imaginei-o sangrando com uma ferida de bala no ombro, enquanto eu obviamente continuava com minha vida indiferente. Meu coração cambaleou. 135


Jared cruzou os braços sobre a mesa e sorriu. - Nem remotamente perto. - Então esses sentimentos que você tem por mim... Os tem antes que eu soubesse que existia – disse, mais que uma pergunta, era uma afirmação. Jared fez uma careta, indignado com a escolha de minhas palavras. - Nina – negou com a cabeça. Eu o tinha ofendido de alguma maneira. - Estava apaixonado por você antes mesmo de saber da minha existência. Era difícil ficar perto de você por horas e não poder consolá-la ou tocá-la... Até mesmo conversar. Não tinha permissão para que você pudesse me ver, mas era o meu trabalho velar cada movimento seu. Inclusive ver enquanto as pessoas mentiam, traiam e causavam dor. Jack constantemente me lembrava que tinha que ser dessa maneira. Ele podia ver que cada dia era mais difícil ser inexistente para mim... ser invisível para a mulher que eu amo -. Seus olhos estavam desfocados, refletindo sobre as lembranças que o atormentavam. Jared tinha dito duas vezes: ele estava apaixonado por mim. - Você não pode imaginar a raiva que senti quando esse cafajeste não apareceu para levá-la para jantar, te menosprezou, beijou... fez você chorar. Era meu dever te proteger e não me foi permitido protegê-la disso. Ainda que, eu tivesse gostado de assassinar Howard sem pensar duas vezes no meio da noite do seu décimo sexto aniversário. A adrenalina correu por minhas veias e minha mente ardeu pelas lembranças daquela noite. Stacy Howard foi meu primeiro e único namorado. Ele personificava o estereótipo de um garoto rico e arrogante, complementado com uma natureza rebelde e má atitude. Quanto mais sustentava uma relação física com ele, mais cruel se tornava. Não demorou muito tempo para eu me cansar dele, mas só quando decidi terminar as coisas, Cynthia insistiu primeiro. Agindo como a filha teimosa de quinze anos, de má vontade fiquei com ele 136


tempo suficiente para mostrar a minha mãe que podia tomar minhas próprias decisões. Tínhamos estado juntos pouco mais de um ano, quando ele escolheu minha festa para terminar comigo, já que estava apaixonado por Emma Noble, minha então melhor amiga. Seus planos foram desnecessários quando os peguei fazendo sexo na casa da piscina, antes que tivesse a oportunidade de me dizer. Estava tão aliviada que quase não o notei. - Você está se referindo a Stacy - disse estreitando meus olhos. Jared assentiu com uma expressão de raiva em seu rosto. - Você sabia disso? - gemi. Jared confirmou e fechou os olhos. - Desde o momento que começou. Foi um inferno vê-lo ir e vir, não poder dizer... Ou matá-lo. Ele era apenas uma criança e eu queria acabar com a sua vida... Tantas vezes - ele murmurou em um tom baixo e intimidante. Enterrei meu rosto entre minhas mãos. O fogo explodiu através do meu rosto e ouvidos. Era pior que qualquer coisa que eu poderia imaginar. Jared não tinha sido contratado para me proteger após a morte de meu pai, ele tinha observado meus anos vergonhosos de adolescente, minhas humilhações e cada uma das minhas embaraçosas derrotas. A degradação era insuportável. Pulei do meu assento e me dirigi à porta, mas antes de tomar o meu primeiro passo, ouvi a cadeira de Jared bater no piso. No momento seguinte, ele gentilmente me segurou por trás, envolvendo seus braços em volta da minha cintura. - Eu sei que isso é humilhante para você - ele disse calmamente no meu ouvido. - Eu queria dizer, supliquei a Jack tantas vezes que me deixara expor o engano do pequeno verme, mas não nos deixava interferir a menos que fosse absolutamente necessário. Fazer isso em seu aniversário – disse soltando fumaça 137


– foi o ponto decisivo para mim. Essa noite foi a primeira vez eu briguei com Jack por algo. Virei-me e me afastei dele. - Não estou humilhada por Stacy. Isso foi há anos! Estou humilhada por isso! - disse, apontando para o espaço entre nós -. Quando você conhece alguém, essa é a maneira que se supõe que seja! Novo! Você conhecer todos os meus maus hábitos... Você me viu fazer sabe Deus o quê. Supõe-se que, inicialmente, só conheça meus melhores pontos! Ele permaneceu de pé ali por um momento, sacudindo a cabeça com uma expressão de confusão e medo. - Eu amo tudo em você. Foi nesse momento que eu percebi por que seus olhos me pareciam tão familiares. - Você estava lá - sussurrei, estudando seu rosto. Mas além dos vestidos de coquetel, as luzes piscando cobrindo cada árvore e poste de luz, e o cheiro de grama recémcortada e as flores importadas que minha mãe insistiu, seus olhos cintilaram na minha memória. Pressionei profundamente, sentindo o leve brilho de suor em minha pele de uma noite excepcionalmente quente, o cheiro de cloro da piscina, o zumbido das conversas alegres da multidão. Quando olhei para o meu pai pelo gramado, vi os olhos azuis brilhantes de um estranho parado no lago de carpas. Seu terno de alfaiataria e ausência de gravata o afastava do mar de smokings. Nossos olhos se conectaram por um segundo antes que, de má vontade, os retirara para olhar meu pai, que estava tendo uma conversa séria e baixa com ele. Minha memória repetiu em câmera lenta, como o meu vestido de chiffon curto ondulava suavemente entre as minhas pernas. Uma vez mais seus tempestuosos olhos azuis me escolheram entre a multidão e recusei seu olhar. 138


Voltei ao presente quando Jared disse meu nome. - Você estava falando com meu pai perto do lago. Era você disse abrindo meus olhos diante da descoberta. As sobrancelhas de Jared se uniram. - Lembra-se disso? - Foi antes que eu fosse à casa da piscina. Jack estava no lago conversando e tinha essa cara que usava quando estava dando ordens. - Estava tentando lembrar cada detalhe que podia -. Você estava jogando pedras no lago, só vi você por um momento, mas era você, certo? Jared lentamente confirmou. - Eu queria tirar Stacy da festa e levá-lo a algum lugar e... não sei. Castigá-lo, suponho. Jack se recusou, mas então percebeu o que eu sentia por você. Ele insistiu que a minha família, inclusive eu, devíamos permanecer em segredo por tempo indeterminado. Essa foi uma noite difícil - suspirou, esfregando a parte de trás do pescoço. - Sinto muito – murmurei não sabia o que dizer. Meu coração doía por todos os anos que permaneceu como um fantasma. Jared pegou minha mão com a sua e levou-a ao peito. Foi quando notei que girava distraidamente meu anel peridoto em meu dedo. - Escolhi este anel sabia? - ele disse, pressionando seus lábios suavemente contra meus dedos -. Cynthia estava muito ocupada com os detalhes da festa e se esqueceu de buscá-lo - ele sorriu. - E como você estava na presença de meu pai me enviaram para buscá-lo para você. - Bem. Eles usaram você como garoto de recados. - Eu me ofereci. Queria fazê-lo - explicou -. Não posso descrever como me senti ao vê-la sorrir quando abriu a caixa. Você estava tão feliz com ele e eu tinha participado. Seu sorriso desapareceu -. Depois ajudou um pouco com a... miséria de não 139


poder te consolar quando via você girar este anel em seu dedo. Sei que soa ridículo, mas sempre era reconfortante ver que você tocava cada vez que estava preocupada. Olhei confusa. Não tinha certeza de como me sentia, apesar das suspeitas que eu tinha, não estava preparada para o que ele me disse. - Por favor, não vá - Jared murmurou, ainda segurando minha mão em seu peito. Olhei para os meus pés e, em seguida, me inclinei para desatar as tiras dos meus sapatos. - Você me seguiria se eu fosse, certo? - disse, chutando meus sapatos. - Embora não seja meu o trabalho – disse com um sorriso travesso. Olhou para os meus pés descalços -. Estou contente que você ainda vai ficar, temos que conversar. - Tem mais? Jared confirmou e me guiou até seu pequeno sofá cinza. - Talvez devêssemos deixar o resto para outra noite. Há muito para digerir - disse, suspirando. Eu o ignorei. - Por que você se sentou ao meu lado no banco na noite do funeral de Jack? - Você estava chorando. Jack tinha ido. Não pensei em nenhum outro motivo pelo qual devia estar longe. - E o aconteceu com seu pai? Gabe não se preocupava que estivesse quebrando as regras? Jared olhou para o chão. - Ele morreu na manhã do funeral de seu pai. - Falou como se o cansaço tivesse se apoderado dele.

140


Dei um grito aflito. - Gabe esta...? – eu não consegui terminar. Jared tinha me consolado horas após a morte de seu próprio pai. Suavemente movi seu queixo para que estivéssemos frente a frete. Seus olhos estavam cheios de dor, como se fosse a primeira vez que a tivesse experimentando. Dei-me conta de como Jared devia ter se sentido, vendo-me sofrer e lutar com a profunda necessidade de fazer esse sofrimento ir embora. Senti a mesma urgência nesse momento. Meus olhos focaram na linha estreita entre seus lábios, e me movi um pouco mais perto dele. Jared apoiou suas mãos suaves em minha face. Inclinou-se lentamente, ficando a centímetros da minha boca. Sua mandíbula tensa parecia estar lutando com o que tinham dito que era certo fazer e o que ele queria. Ele agitou sua cabeça. - Não é para isto que eu trouxe você aqui - ele disse se afastando de mim. - Eu sei - disse, suspirando. Jared olhou para o chão, trabalhando para controlar sua respiração. Toquei seu braço. - Talvez você esteja certo. Talvez, temos tido muita verdade esta noite. - Você quer ir? - perguntou preocupado. - Não! - Fiz uma pausa para recuperar minha compostura -. Não. Só quero dizer que talvez, poderíamos falar de outra coisa... Se você quiser – me inquietando -. Seu treinamento, as escolas que você freqüentou, amigos... Garotas - disse, meio sorridente. - Garotas? - repetiu, levantando uma sobrancelha. 141


- Você sabe sobre o meu fracasso ao escolher um namorado e eu tenho certeza que você viu os encontros desastrosos que eu tive. - Esses nunca foram bons dias de trabalho para mim - disse, franzindo o cenho. - É justo – raciocinei -. Você deve ter tido pelo menos um encontro ruim... Jared balançou a cabeça com desdém. - Eu não tive tempo para encontros. Eu não estava certa de qual era a expressão no meu rosto, mas fez Jared fechar os olhos em desgosto. Claramente ele não queria falar sobre sua vida amorosa ou a falta dela. - Eu estava focado em mantê-la viva. Cometer erros na minha família significa mais do que pedir desculpas. - Nunca? Jared se moveu incomodado em seu assento. - Não é que eu nunca tenha tido a oportunidade ou que não dava tempo... Ou mesmo incessantemente encorajado. - Seu rosto se transformou em uma careta enojada -. Só tinha minhas prioridades. - Devo me sentir culpada ou lisonjeada? Jared olhou diretamente em meus olhos. - No momento em que me ocorreu pensar nessas coisas, eu sabia que era você quem eu sempre quis. Controlei meus olhos para que não saíssem de suas órbitas, mas não pude parar o meio sorriso de surpresa e agradecimento de minha boca. Meus olhos se concentraram em seus lábios novamente. - E... Por que me trouxe aqui?

142


Ele deu de ombros. - Você disse que tudo o que eu tinha que fazer era dizer a verdade. Isso era tudo o que eu precisava ouvir. - Quando eu disse isso? - Senti minhas sobrancelhas se unirem enquanto minha mente recordava a conversa na noite passada. Ele hesitou. - A Beth... na noite passada. - No meu quarto? Como você pode ouvir isso? Jared suspirou e se endireitou em seu assento, preparandose para a segunda rodada. - Somente me ouça antes de ir - disse em um tom baixo -. É meu dever proteger você. Não posso fazer sem saber onde você está todo o tempo. Não posso caminhar livremente pelo seu quarto, por isso temos os olhos e ouvidos na área. - O que quer dizer com os olhos e os ouvidos? - Seu pai era muito meticuloso. – Estava ganhando tempo. - Fala logo, Jared. - Quando você foi aceita em Brown, Jack instalou câmeras em Andrews e em diferentes partes do campus. É claro que rastreamos o GPS em seu carro, mas isso que esteve em seu lugar no dia em que Jack o comprou. Seguimos o GPS de seu telefone celular e também na casa de seu pai sempre esteve conectada -. Jared falava de maneira casual, mas estava se preparando para outra explosão. - Há câmeras... No meu quarto? – falei suave, a coragem e a surpresa quase tinham engolido minhas palavras. - Não! Não, não, não... - Jared sorriu nervoso -. Há uma câmera no corredor. Só instalamos microfones em seu quarto.

143


Considerei isso por um momento, tentando me lembrar se eu tinha feito algo embaraçoso. Nada veio à minha mente, esperava que nada viesse. Jared contorceu. - Só para ficar claro, eu não gosto de ficar invadindo sua privacidade dessa maneira, mas é necessário. – Fiz cara feia enquanto ele desenhava um sorriso em seu rosto -. Bem, isso não é verdade. Eu aproveitei ontem à noite. Fiquei tensa, fechando meus olhos. - O que você ouviu? A mão quente de Jared tocou a minha. - Ouvi Beth dizer que você me amava. E eu não ouvi você negar. Abri os olhos. - Você ouviu mal. Eu neguei. - Ouvi você tentando convencê-la do contrário. Então está me dizendo que estou errado? Puxei minha mão para longe dele. Não gostava de armadilhas. Ele sorriu por minha insistência. - O segundo que afastei você de mim, minha decisão esteve clara. - Sua expressão não durou muito, quando não devolvi seu sorriso -. Você esta irritada. - Eu não tenho segredos – disse -. Minha mãe sabe sobre isso? Jared assentiu. Levantei minhas mãos em sinal de frustração, deixando-as bater com força em meu colo. Ele se ajoelhou no chão na minha frente, me obrigando a olhá-lo. - Era necessário, Nina - disse tocando levemente meus joelhos nus.

144


- É assim que você milagrosamente sempre aparece? Estava consciente que ele conhecia meu paradeiro, mas não tinha ideia de que era espionada 24 horas por dia, sete dias por semana. - Isso é parte dele - disse ele em um tom evasivo que eu amargamente estava acostumada. - E a outra parte é? - Estou chegando a ela. - Tem mais? - gritei. - Em primeiro lugar, você conhece a pior parte dela – revirei meus olhos - eu lhe devo um pedido de desculpas - disse Jared. - Eu diria que sim! - Eu sinto muito pelo Sr. Dawson. Claire estava de vigia ambas as noites e ela tomou a decisão de deixá-lo ir um pouco mais longe do que eu teria, para fins de Inteligência. Ela queria saber o que o Sr. Dawson sabia. - Claire também me vigia? - gritei. - Sim. Sinto muito se te assusta. Relevei a Claire assim que ouvi a notícia, por isso foi que cheguei para levá-la para casa. No começo estava furiosa, mas a ira desapareceu quando lembrei que me senti desesperada porque Jared intervira. Como podia estar zangada com ele quando esperava o mesmo que ele fez? - Pensei que iria vir - murmurei. - Você o quê? - disse surpreendido. - Quando o Sr. Dawson me ameaçou, esperava que você aparecesse a qualquer momento. Isso fez a situação... Tolerável. - Tolerável?

145


E então ele ficou irritado. Não falou por alguns minutos. Sua mandíbula tremia debaixo de sua pele, e ocasionalmente sacudia a cabeça. Esperei o mais que pude, mas finalmente o soltei. - O que aconteceu? – perguntei buscando seus olhos assombrados. - A primeira vez que você esperava que eu te protegesse... E eu não estava lá - disse as últimas três palavras como se fosse veneno em sua boca. - Você não pode estar lá a cada segundo, Jared. Você é humano -. Vominhas mãos nas suas. Ele levou minhas mãos a seus lábios. - Sinto muito – sussurrou com um rosto contorcido de angústia. - Tudo bem - eu disse surpreendida. Não esperava sua reação. A descrição anterior do sofrimento que experimentava quando via minha dor se materializou. Seu tempo comigo devia ser como o purgatório. Senti o impulso urgente de consolá-lo e só estava a poucos centímetros de distância dele. - Não acontecerá novamente - ele prometeu. Seus olhos estavam fixos nos meus. - Isso eu espero -. Uma luz se acendeu dentro de mim, estava ardendo pela súbita vontade de tocá-lo, aliviar o ódio de seus olhos. Inclinei-me para frente e coloquei meus dedos contra cada lado do seu pescoço. Meus polegares roçaram a linha do seu queixo, o medo da rejeição era uma vaga lembrança. Aproximandome pressionei meus lábios contra os dele. Cautelosamente, devolveu meu beijo, mas quando começou a se separar, me recusei a deixá-lo ir. Após uma breve pausa, surpresa, Jared se deixou levar e me envolveu entre seus braços me pressionando contra ele. Um 146


gemido silencioso de satisfação escapou dos meus lábios, e sua boca se fez mais urgente sobre a minha. Ele sentou-se sobre os joelhos, e suas mãos apertaram a parte de trás do meu pescoço. Minha respiração se tornou irregular quando seus lábios se abriram e sua ardente e maravilhosa língua encontrou o caminho para a minha. Meus joelhos se separaram e o atrai em minha direção, eliminando o pequeno espaço entre nós. Ele gemeu em frustração e suas mãos se tornaram mais forte, me segurando a uma curta distância pelos ombros. - O quê? – disse. Ele respirou profundamente responder, olhando meus lábios.

várias

vezes

antes

de

- Ainda temos muito que conversar - respirou deixando meus ombros para unir meus joelhos novamente. - Eu terminei a conversa – murmurei me inclinando em sua direção novamente. Jared gentilmente me parou divertido com a minha força. - Não posso – disse respirando profundamente -. Eu trouxe você aqui para dizer toda a verdade, não apenas a metade dela. Suspirei com resignação me afundando novamente na almofada do sofá. Ele sorriu diante da minha má vontade. - Não é que não esteja incrivelmente tentado. - Mais uma vez ele se sentou sobre seus joelhos e tocou seus lábios com os meus se retirando tão rápido quanto começou. - Tudo bem. Vamos conversar - disse com mais desejos de que nunca para ter tudo aberto -. Você não foi honesto comigo. Ele levantou uma sobrancelha. - Perdão?

147


- Agora, você não pode me dizer que não tinha tempo para as meninas. Não quando você me beija dessa maneira. A expressão de Jared era de alegria, então, fez uma pobre tentativa para dissimular. - Desculpe adiar. Não sou um idiota... não é um conceito difícil. - Eu já beijei alguns rapazes, alguns deles mais de uma vez, mas nunca me beijaram assim. Jared se aproximou e beijou meu pescoço, desde a clavícula até a mandíbula parando para sussurrar no meu ouvido. - Isso é porque você beijou meninos, baby. Meu coração bateu tão forte que eu tinha certeza de que ele podia ouvi-lo. Deixei escapar um longo suspiro. - Tudo bem, você tem que me dizer o resto. O suspense está me matando. Jared se moveu ao sofá, virando-se para mim. Seu rosto voltou a ter a expressão de preocupação que tinha antes. - Jared, até agora tenho entendido que você foi criado por uma família de assassinos. Você tem me espiado, espreitado, instalado microfones em meu quarto e confessado que se apaixonou por mim antes que eu pudesse conhecê-lo. Se até agora eu não fui, não acho que vou fazê-lo. Seu rosto se transformou em desgosto. - Nós não somos assassinos! - Você nunca matou alguém? Jared arqueou as sobrancelhas, surpreendido com a minha pergunta direta. - Eu... eh... sim. Mas foi para mantê-la segura - explicou.

148


- Você matou pessoas por mim? – perguntei, meu humor mudou imediatamente. - Não se sinta culpada nem um segundo por essas pessoas, Nina. Eles não teriam perdido uma noite de sono por tirar sua vida. Engoli em seco. - Não se arrepende? Ele não hesitou. - Nunca. É o que eu sou. - O que significa isso? Que é um assassino? Jared esfregou a nuca nervosamente. - Eu não vejo dessa maneira. Somos protetores. Embora existam alguns que discordam. - Como quem? - balancei minha cabeça, completamente confusa. - Você está adiantando. - Você está adiantando a você mesmo. - Eu sei -. Ele esfregou sua têmpora com o polegar e o indicador, e suspirou. - Você está me deixando nervosa. - Ri sem humor. Ele me olhou, a dureza de seus olhos não aliviou a minha inquietação. – É tão ruim? - É somente... inacreditável. Sua primeira tendência é ser cética e não te culpo. Mas é a verdade. Assenti e peguei sua mão com a minha. - Estou pronta. - Gabe - Jared pausou por um longo momento e depois deu de ombros - não era daqui. Ele conhecia seu pai desde que Jack era um menino, mas não foi até que Jack cresceu e se conheceram. 149


Quando Jack tinha vinte e um anos, trabalhava para um homem chamado Van Buren. Enquanto trabalhava lá, fez amizade com o filho mais velho de Van Buren, Luke e porque Jack passava muito tempo com Luke, meu pai começou há passar mais tempo na casa de Luke. Não demorou muito para que a irmã mais nova de Lillian, chamasse a atenção de Gabe. Lillian é minha Semelhante à maneira em que me sinto por você, ele não estar longe dela. Eventualmente, ele decidiu se revelar para que é contra as regras.

Luke, mãe. podia ela, o

Eu ia começar a perguntar sobre as regras, mas Jared levantou um dedo para que o deixasse continuar. - Gabe fez um grande sacrifício para estar com Lillian. Ele a amava, e assim, ele não tinha outra alternativa. Inclusive, apesar de que tinha renunciado a tudo, sua existência dependia de Jack. Neguei com minha cabeça. - Por que dependia de meu pai? - Gabe estava designado a ele. Meu pai e outros como ele são designados a alguém, seu Taleh, desde o nascimento. Porque sou a metade do que meu pai era, o empate não é imediato. Nós temos que entender por conta própria e essa é a parte em que eu e meus irmãos somos os bastardos no mundo de Gabe. - No mundo de Gabe? Desculpe Jared, não entendo balancei a cabeça em sinal de frustração. A expressão endurecida de Jared se suavizou com um sorriso caloroso. - Eu sei. Você vai. Estou tentando explicar isso da melhor maneira possível. Confie em mim. - Batatas fritas? - Sorri, tentando aliviar o clima. O sorriso de Jared se ampliou. - Batatas fritas. 150


Ele me olhou por um momento, e várias emoções mudaram em seu rosto. Suas mãos tocaram minhas maçãs do rosto e, em seguida, pressionou seus lábios contra os meus. Sentia como se estivesse dizendo adeus. Relutantemente ele me deixou ir e evitou meus olhos quando falou. - Nós não somos aceitos pela família de Gabe ou por seus inimigos. Isso, de certa forma, faz com que seja difícil fazer o nosso trabalho e facilita em outros. - Quer dizer como protetores - propus. Jared confirmou minha revelação com um gesto de aprovação, mas a minha expressão desapareceu com seu pequeno sorriso. - O quê? - ele falou em um suave, mas hesitante. - Você está dizendo que existe uma sociedade protetora lá fora que todos fazem... O que você faz? - Mais ou menos. Mas é... providencial -. Ele ansiosamente esperou que minha mente captasse o que estava dizendo. - Providencial? - repeti, deixando que cada palavra explodisse... protetores providenciais. Ele escolheu a palavra com cuidado, especialmente unindo divindade a palavra para descrever a família a que ele se referia. Quando compreendi, Jared fez uma careta -. Você está falando de anjos, Jared? - disse indignada. - Eu disse que essa seria sua primeira reação. Esperei que ele me dissesse que estava brincando, mas seus olhos estavam longe de estar engraçados. Levantei-me e comecei a andar entre a mesa e o sofá. Ele falava sério. Espera que eu acreditasse que ele era... Ele era... Meu anjo da guarda! Pensei. Minha mente refletia sobre asas, auréolas, harpas, e ri alto. Jared me olhava com medo de ter me levado a beira. 151


- Não sou um anjo - ele disse como se eu estivesse fora de mim -. O meu pai é. Era – corrigiu. - Você é metade... - eu interrompi incapaz de dizer uma palavra. Senti-me apenas ridícula só de considerar. - Humano – corrigiu interceptando a alternativa. Meus pensamentos foram para quando Jared jogou o homem através do estacionamento a uma distância incrível. - Isso explica algumas coisas. Mas... - Eu balancei minha cabeça. Eu queria acreditar nele e isso fazia mais difícil o resto do meu objetivo. Jared caminhou em minha direção, mas instintivamente, deu um passo atrás. Ele deu de ombros com a minha reação. - Nunca mentiria para você. Pode acreditar nisso? Há poucos minutos atrás eu estava disposta a acreditar em qualquer coisa tivesse que dizer. Mas Jared estava me pedindo para acreditar em contos de fadas, no sobrenatural. Seus olhos ansiosos procuravam meu rosto, implorando que acreditasse. Valorizava sua verdade, mas continuava obstinada. A necessidade de aliviar sua ansiedade forçou a razão. Toquei sua imperceptível cicatriz com meus dedos. - Realmente tem sentido. Em uma ocasião o tinha descrito como angelical, quando não tinha percebido estar tão perto da verdade. Seus brilhantes olhos azuis acinzentados, sua força, seu rosto impecável e a maneira que se movia; seria a única explicação. Achei. - Ainda tenho perguntas - disse. A esperança tocou os olhos de Jared e me dirigiu a mesa. Peguei um pedaço do meu bolo meio comido e ri. - Algo engraçado? - disse arqueando uma sobrancelha.

152


- Bolo de Anjo - pressionei meus lábios evitando uma gargalhada. Jared riu entre os dentes e prendeu a respiração, parecendo aliviado. - Bolo de anjo. Essa foi boa. - Ele tentou parecer incomodado, mas o alívio em seu rosto frustrou seus esforços. - Sinto muito. - Você esta perdoada – disse imediatamente -. E agora você sabe tudo. - Tudo? - O bastante. – Uma energia renovada parecia envolvê-lo -. Há mais, mas a logística do que eu disse, e parte do que... Bem, é melhor você não conhecê-los. - Eles? - Você conhece as histórias, Nina. Onde há luz, há escuridão. Se eu der detalhes e você percebe, o atrai. Você entende o que quero dizer? De repente, meu corpo estava frio, fazendo-me estremecer e meus ombros se curvaram para dentro. Eu sabia exatamente o que ele estava falando: Demônios. Certamente que existiam, se tinha anjos. Os olhos de Jared simpatizaram com minha reação e colocou sua cadeira mais próxima de mim, se inclinando para beijar-me a testa. - Suponho que não pensei nas conseqüências de contar a verdade. Não quero que fique assustada, Nina. Não permitirei que nada aconteça. Respirei profundamente e fiz uma cara corajosa para ele. - Eu sei -. Balancei minha cabeça -. Há tanta coisa que eu não entendo. 153


- Tem mais perguntas? – ele questionou pronto para mais uma rodada de perguntas. Olhei para o meu relógio. Era quase meia-noite. - Eu não tenho certeza que possa conseguir todas esta noite. - Você tem que estar em algum lugar hoje à noite? - Não. Acredito que você quer dormir em algum momento. Você dorme certo? Jared sorriu. - Eu faço. Mas não requer muito... apenas poucas horas para recarregar. Claire e eu nos revezamos -. Ele suspirou e tocou meu braço -. Devo outro pedido de desculpas. Não tinha dormido muito, apenas vinte minutos, quando Claire me ligou para informar que estava fora da cidade e você ficou encalhada em uma rua escura. Ela estava preparada para deixar você esperando, mas eu não podia deixá-la sentada no frio. Desculpe ter sido tão... Rude. - Resmungão quando você está cansado... Anotado Concordei uma vez. O alivio brilhou no rosto de Jared. - Isso é irreal. Tinha sonhado em como dizer por anos e agora está feito. - E eu estou sentada aqui, comendo bolo na frente do meu namorado híbrido, metade anjo. Eu acho que ganhei. Três linhas apareceram na frente de Jared quando suas sobrancelhas se ergueram. - Oh. É namorado agora, não é? Engoli em seco, sentindo o calor irradiando do meu rosto. Levantei a taça de vinho e tomei um longo gole. - Você está bem? - Jared perguntou, preocupado.

154


- Estou bem. Apenas... Não queria dizer... ugh! - gemi, cobrindo meus olhos com as mãos. - Nina – ele repreendeu -, como se não estivesse emocionado a ideia, além das palavras. Tirando a mão do meu rosto. - Do que você deveria se envergonhar? - Somente... esqueça o que eu disse, ok? - disse timidamente. - Absolutamente não. - sorriu. Involuntariamente bocejei, usando o dorso da minha mão para cobrir a minha boca. - Vou levá-la para casa - disse. - Não quero ir para casa. Ainda tenho perguntas argumentei, limpando as lágrimas que caiam ao bocejar. - Baby, teremos muito, muito tempo para perguntas e respostas - disse, colocando meu cabelo atrás da minha orelha. Eu sorri, pensando que ele sempre afastava o cabelo do meu rosto, no momento que ele cruzava minha mente. Voltei a bocejar, teimosamente balancei minha cabeça. - O corte em seu rosto? Jared tocou com dois de seus dedos. - Há os prós e contras de ser o que sou, no mundo do meu pai se chamam mestiços. Franzi meu nariz ao ouvir a palavra. - Soa humilhante para mim. - E é. Muitos Arc não acreditam que devamos existir e os... Outros nos veem... Inimigos também. - Arc? - Existem vários tipos de anjos: Serafins, Querubins, Tronos... São nove... Ao todo. Os Arcanjos servem como protetores 155


dos humanos. Eles transmitem as mensagens, às vezes lutam com demônios e protegem seu Taleh contra o perigo de humanos e demônios. Mas todos os humanos têm um Arc e até se o seu Taleh é ameaçado por outro Taleh, os Arc são proibidos ferir aos humanos. Eles são estritamente protetores, mas essa proteção tem limites pelas leis. Claire, Bex e eu somos metade humanos, nos libertando de muitas restrições, como meu pai quando decidiu viver como um humano. - E... Gabe... tornou-se humano? - Não. Ele renunciou a habilidade de transferir os planos... Minha expressão deve ter parecido estranha quando soavam para mim essas palavras, porque ele parou para explicar -. Ser invisível. Cair da graça tem um preço. Os Arc são amaldiçoados quando optam por ficar e essa maldição continua em sua descendência, mas diminui a cada geração. À medida que o sangue é diluído com genes humanos, o mesmo acontece com a maldição. - Que tipo de maldição? - perguntei. Seu mundo era mais sombrio que asas e harpas. - Os Arcs estão obrigados a proteger seus humanos, mesmo depois de cair e devido as suas prioridades que foram comprometidas, por assim dizer, a maldição os mantém com a tarefa. Os caídos e sua descendência, como o Arc, não ficam doentes e não podem ser mortos. Mas ao contrário dos Arcs, nós experimentamos um grau de dor e temos um limite de vida. Uma vez que nosso Taleh morre, imediatamente caímos doente e morremos. - Então você perdeu seu pai quando eu perdi o meu sussurrei. Jared assentiu e enxugou uma lágrima do meu olho. Inclineime para longe de sua mão. - Por favor, não faça isso. Não me console pela morte de seu pai. Jared balançou a cabeça. 156


- Não posso ver você chorar. Não quando estou tão perto para pará-lo. - Eu sinto muito, Jared. - Não podia me imaginar tendo a experiência de uma constante preocupação, não somente pela mortalidade de seu pai, bem como de outra pessoa, pelo bem do meu pai. Meus olhos se arregalaram quando meus pensamentos mudaram. - Eu sou o seu Taleh? - Sim, você é. - Ele se sentou um pouco mais alto, enquanto sua expressão triste se tornou ardente diante do pensamento. - Como você sabe? - É uma sensação que temos. Quando você está com dor, envergonhada, assustada, doente, feliz... Excitada - ele baixou o olhar por um momento, parecendo envergonhado... Nós sentimos, em menor grau. - Você pode sentir quando eu sinto essas coisas? - É difícil de explicar. Suponho que poderia comparar a um zumbido de mosquito no ouvido. - E, se me machucar com a mesa do meu pai? - Eu posso sentir - confirmou alegre que eu entendera. - Era você ao telefone com a minha mãe? - Levantei uma sobrancelha. - Sim. Só queria saber se você estava bem. Você bateu muito forte. Surpreendeu-me que você não tenha formado um hematoma - disse, tocando suavemente onde me machuquei com a mesa de Jack. - Eu fiz um hematoma. Eu pensei que tinha dito que na casa dos meus pais tinha câmeras. Não poderia ter visto que estava bem? 157


- O escritório do seu pai é o único cômodo da casa que não tem câmeras. Quando você está lá, tenho que confiar em meus sentidos. Preferia que no futuro não passasse muito tempo lá. Confirmei, preocupada com um vago pensamento que me veio à cabeça. - E... Se eu tiver cólicas... Jared fechou os olhos e assentiu. Claramente não queria insistir no tema. Soltei uma risadinha sem acreditar. - Dói? Jared riu e revirou os olhos. - Não me venha com cólicas, Nina, não. Apenas sou consciente delas. Sua resposta fez minha risada explodir em gargalhadas. Definitivamente estava sentindo os efeitos da fadiga. Tentei me lembrar onde tínhamos parado antes do meu curto período de histeria. - Quando você soube que era sua? - perguntei. As sobrancelhas de Jared arquearam fiz a correção -. Quando você soube que era seu Taleh? Ele assentiu entendendo, mas ainda tinha um sorriso nos lábios. - Os Arcs são designados a seus humanos, mas os... mestiços... - Híbridos – o interrompi. Eu não gostava que usasse esse termo tão depreciativo para se referir a ele. Ele sorriu. - Os híbridos têm que descobrir por conta própria. Outra razão que os Arcs se ressentem... Isso deixa nossos humanos vulneráveis por um tempo. Eles não concordam com isso. 158


- Muitos contras - suspirei. - A alguns prós - me assegurou -. Temos algumas vantagens em relação aos Arc, o mais importante é que por ser metade humano, podemos matar outros humanos para proteger os nossos Talehs se necessário. Podemos vê-los, mesmo que eles permaneçam ocultos dos humanos. Também mantemos uma fração de sua pronunciada força, foco, inteligência e cura acelerada. Os Arc são indestrutíveis e não sangram; as balas não saltam fora deles, simplesmente passam através deles. Olhei sua imperceptível cicatriz. - Mas você sangra. - Sim, mas nos curamos rápido. Muito rápido. - Então a coisa das asas... - Bocejei enquanto o cansaço me dominava. - Não precisa se preocupar de que caiam as penas, Nina disse rindo entre os dentes -. Os Arc não voam. Simplesmente aparecem onde querem ir. Eu sempre achei as imagens um pouco bobas. - Eu gosto dessas imagens - argumentei. - Então você está decepcionada? - O canto de sua boca se elevou enquanto descansava seu braço na parte de trás da minha cadeira, inclinando-se para mim. - Não realmente. Prefiro estar sentada de frente com meu anjo sem asas que olhando a foto de um anjo com elas. - Pude sentir sua respiração em meus lábios e me inclinei mais perto dele. Jared caiu contra sua cadeira. - Eu sabia que essa conversa seria difícil, mas tornou-se difícil por uma razão completamente diferente - suspirou, passando os dedos através de seu cabelo. - Por que diz isso? - perguntei surpresa com sua rápida retirada. 159


Ele me olhou com um sorriso travesso. - Eu pensei que teria que parar para evitar que não corresse pela rua em pânico, no entanto, tenho que me concentrar em terminar tudo o que quero dizer antes que me deixe atordoado demais para falar tudo. O sangue se acumulou nas minhas bochechas e Jared tocou meu rosto suavemente com seu polegar, traçando meus lábios. - É uma surpresa agradável - disse deslizando seu dedo por meu queixo. - Tratarei de me controlar - disse categoricamente. - Por que você não deixa isso para mim? Levantei uma sobrancelha em dúvida e ele riu. Seu comportamento tinha melhorado cem por cento desde o início de nossa conversa e não pude deixar de sorrir. Ele uniu meus dedos com os seus e eu bocejei, relaxando com seu toque quente. Ele me deu um olhar de desaprovação. - Nina... - Ainda tenho perguntas – disse -. Você disse que não fica doente. Nunca? Jared balançou a cabeça com um sorriso de diversão, ele estava aproveitando a minha entrevista. - Mas o resto, sobre morrer depois de seu Taleh, você...? - Sim. Dei um grito de aflição. - Mas isso não é justo! - Nina, não esqueça... Tenho a intenção de envelhecer com você. - Ele me envolveu em seus braços, me puxando sobre seu colo -. Literalmente não posso viver sem você. Mas também não gostaria de fazê-lo, mesmo se pudesse. 160


Lutei para encontrar palavras e poder responder, mas nunca chegaram. A expressão de Jared tensa como se pensasse que tinha falado demais e a necessidade de aliviar seu dilema me fez procurar novas perguntas. - É muito conveniente, não é? Que o Taleh de Gabe e o seu, sejam pai e filha? - perguntei, esperando eliminar essa expressão desconfortável de seu rosto. - É ótimo para partilhar viagens. Eu tentei não rir. - É sério. Jared encostou sua testa na minha bochecha, sentindo o cheiro do meu cabelo. - É muito comum. Os Arc são família assim como um exército, existem em grupos. Esses grupos geralmente são atribuídos a humanos que estão relacionados ou ligados de alguma maneira. Isso cria um vínculo forte com os humanos. Seu desejo oculto de envelhecer comigo, fez meu coração acelerar e de repente estive focada em sua boca. Afinal, ele tinha concordado esperar até que me contasse tudo. E nós estávamos tão perto... - Como você, existem quantos? – perguntei para me distrair. Não queria ter que dar mais um motivo para apontar minha embaraçosa falta de controle. - Não são tantos como pensa. Como eu disse, é um tabu se envolver demais com humanos. Pior ainda se apaixonar por um e trair sua família Serafina. - Então, como podem nos proteger se nos desprezam? perguntei indignada. - Não é assim, Nina. Eles têm quase um amor maternal para com os humanos. Eles os vêem como pequenas crianças inocentes. Apaixonar-se por um humano é mal visto pelos Arcs, 161


como se um humano adulto se apaixonasse por uma menina de cinco anos. É um tabu social, é inapropriado. Não porque eles não gostam dos humanos, embora existam aqueles que se sentem dessa forma. Mas esse tipo de emoção os levam a cair ainda mais longe do que na terra. - Dem... - Não diga, não pense. Especialmente na minha presença, eles tendem a aparecer. Um arrepio percorreu minha espinha, mas quando Jared me pressionou mais perto dele, imediatamente me senti muito confortável. Enquanto relaxava a minha bochecha contra seu pescoço, bocejei novamente. - Tudo bem, é madrugada. Hora de levar você para casa -. Ele se levantou e nesse mesmo movimento, me levantou sem esforço em seus braços. - Eu não saio daqui a menos que você me jogue - disse me sentindo um pouco intoxicada. - Então você nunca poderá ir - ele disse beijando meus lábios. Ele se sentou ao meu lado no sofá e me encostei em seu peito, deslizando meu braço através de sua cintura e colocando minha cabeça debaixo de seu queixo. Ele não falou, o único som na sala era o zumbido do ventilador de teto e nossas respirações tranqüilas e rítmicas. Antes que ele pudesse se concentrar na falta de clareza em minha mente para formular outra pergunta, o cansaço me venceu e minhas pálpebras ficaram muito pesadas para mantê-las abertas. Eu relaxei ainda mais ao lado de Jared, sentindo que minha consciência escapava. Não era uma sensação incomoda, sentia que estava onde tinha que estar. Meu último pensamento coerente foi a alegria que senti quando Jared apertou seus braços quentes ao meu redor.

162


Capitulo 7 Os lençóis torcidos azul escuro, debaixo de mim eram desconhecidos, mas seu maravilhoso aroma era um que eu reconheci imediatamente. Ergui a cabeça, olhando para explorar meu redor. Eu estava em uma cama king-size colocada contra uma parede de blocos de concreto cinza. O relógio na mesa de cabeceira marcava nove horas, em grandes números vermelhos. Meus olhos foram até um porta retrato de metal ao lado do relógio e pisquei para focalizar. Era uma foto minha em preto e branco. Ela tinha sido tirada de uma distância indefinida, com um foco no meu rosto. Foi a partir de um ângulo alto, e isso me fez lembrar das fotos de vigilância que tinha visto no arquivo Porto de Providência. Rolando, abraço o travesseiro ao meu lado. Tinha o cheiro de Jared, por isso, tomei uma respiração profunda. Seu cheiro era incrível, como roupa limpa, sabão e algo mais... do jeito que cheira quando está prestes a chover?, não poderia defini-lo. Os únicos cômodos no andar superior eram o quarto e uma porta fechada que era, provavelmente, a porta do banheiro principal. A parede, além do final da cama não era uma parede em tudo, apenas uma grade de metal. Ouvi a voz de Jared falando, em francês, com alguém no andar debaixo. A voz de sua companhia era claramente feminina. Eles discutiam em voz baixa, e no meu conhecimento limitado de francês, acho que ouvi Jared repreendendo a mulher por me acordar. Isso despertou meu interesse, então fui na ponta dos pés até a grade para ter um vislumbre da mulher no andar debaixo. Quando meus dedos encontraram a barra de metal, vi Jared e Claire olhando para mim.

163


Acenei timidamente e mordi meu lábio, sentindo-me tola por tentar espionar os seres celestiais. - Bom dia, amor. – Disse Jared, quase sussurrando. A expressão de Claire era a oposta comparada com a de Jared. Ela me fulminou com sua encarada de olhos azuis gelo, como se quisesse escalar a parede para me assassinar. Eu dei um passo para trás, de repente me sentindo deslocada. Evitando seus olhos, notei a roupa de cama cuidadosamente dobrada no final do sofá. Jared tinha dormido no andar debaixo. - Se você quiser tomar banho, as roupas limpas estão na cômoda. Encontrará tudo que você precisa - Jared mencionou para mim. Na cômoda estava uma pilha de roupas dobradas com cuidado, e ao lado delas um par de botas. Meus olhos foram para o lado oposto da cômoda onde se encontravam meus artigos de banho. Eram todos do meu dormitório? - Onde conseguiu isso? - Pedi para Claire trazê-los. – explicou Jared, caminhando escada acima. Quando chegou ao topo me puxou e beijou meu pescoço. Dei uma olhada para baixo para Claire que não havia cessado seu olhar assassino. Era claramente mais do que intimidação. Se Jared não tivesse por perto, eu teria temido pela minha vida. - Não se preocupe com ela. Não te incomodará. – ele me assegurou quando me distanciei do corrimão. — Dormiu bem? Seu rosto estava radiante; não me lembrava de vê-lo tão alegre. - Eu devo ter. Não me lembro de nada depois que nos sentamos no sofá. 164


Passei minhas mãos sobre sua camiseta azul clara, deixando meus dedos deslizar sobre os perfeitos altos e baixos de seu peito e abdômen. Ele era incrível. Tinha visto muitos corpos iguais ao seu em cartazes, anúncios de equipamentos de ginástica e filmes, mas nunca pessoalmente; certamente nunca ao meu alcance. Jared apertou seus braços ao meu redor. - Eu tentei não te acordar. Você parece tão calma quando dorme. - Você dormiu no sofá? – disse, demonstrando assim minha decepção. - Eu reconsiderei... Várias vezes – disse ele, seus lábios acariciando meu pescoço enquanto falava. - Quando ela trouxe as minhas coisas? - Antes. Ela tem estado entrando e saindo muito – ele franziu a testa. - Não está satisfeita com a nossa conversa de ontem à noite. Eu acho que tem algo a ver com isso. - Rindo da minha expressão inevitavelmente preocupada, ele beijou minha testa. - O café da manhã estará pronto em breve. Espero você lá embaixo. Depois do meu banho, eu rastejei relutantemente escada abaixo. Claire e Jared olharam eu me aproximar da mesma com a mesma abordagem, mas oposta. - Você está linda. – sussurrou Jared antes de me beijar no rosto e puxar uma cadeira. Claire ficou olhando pra mim com a testa franzida quando me sentei na frente dela. - Claire... – Jared advertiu. Sua irritação então se voltou para ele. Senti um breve momento de alívio. - Obrigada por trazer minhas roupas, Claire. – sussurrei. Assim que as palavras saíram da minha boca, eu me arrependi. Seus olhos azuis de gelo me fulminaram e eu afundei na minha cadeira. 165


Jared olhou pra ela que se mexeu desconfortavelmente. - Por nada. - ela murmurou, olhando para seu prato. - Presunto, cogumelos, pimentão verde e omelete de queijo... Torradas – Jared indicou cada um com uma faca de manteiga enquanto falava e depois meteu uma garfada em sua boca. Eu tentei os ovos e dei uma mordida. Ele era um cozinheiro incrível. Tudo o que ele tinha feito para mim era exatamente do jeito que eu gostava. - Mmmm... isso está bom. Eu não percebi o quanto eu estava com fome. - Murmurei. O garfo tocou no meu prato quando eu mastiguei o último pedaço do ovo, e Jared apoiou o queixo na mão, divertindo-se com meu apetite. Claire suspirou com irritação. - Você deve estar ciente de que Cynthia sabe que Nina passou a noite aqui. Claire olhou indiferentemente o rosto de Jared tornar-se irritado. - E como ela sabe isso, Claire? – disse furioso. - Eu disse a ela. – admitiu Claire. Jared bateu seu punho na mesa. Eu pulei, mas Claire não reagiu. Os observei encarar um ao outro, perguntando-me se deveria distanciar-me da linha de fogo. Jared notou minha preocupação crescente e colocou sua mão na minha. - O que foi exatamente que você disse a ela, Claire? E o mais importante, por quê? – falou com os dentes cerrados, esforçando-se para manter seu tom calmo.

166


- Você não me deu outra opção, Jared. Depois do que aconteceu no hospital, e na noite passada, Cynthia precisava saber o que estava acontecendo. Isso é o que papai teria feito. - Papai não está aqui. – A voz de Jared se quebrou enquanto ele lutava para manter o controle. Claire cruzou os braços. - Obviamente, Jared, ou você não insistiria em continuar com isso. Você foi contra tudo o que o pai nos ensinou, horas depois que ele morreu. Eu tentei te dizer, mas você não escuta... - Pode ir agora, Claire. – grunhiu Jared. A expressão estoica de Claire vacilou diante do tom severo de seu irmão. - Bem. Cynthia espera no Andrews. Talvez ela possa parar isto antes que vá longe demais. – Claire se levantou da mesa, pegando suas chaves e o capacete da motocicleta. - Me arrepiei quando saiu batendo a porta atrás dela. A força da batida fez as prateleiras nas paredes tremerem. Olhei cautelosamente para Jared, cujas mandíbulas estavam cerradas. - Então, ela sabe sobre nós, e daí? – disse, apertando sua mão. Jared não contestou, e eu podia dizer que ele estava tentando se acalmar antes de falar. - Isso... Complica as coisas. – disse ele num tom baixo Deveríamos ir. Quanto mais tempo ela esperar, mais difícil será. Me levantei e balancei minha cabeça. - Eu perdi alguma coisa? É da minha mãe que estamos falando, certo? Por que você está nervoso? Jared levou nossos pratos para a pia e, em seguida, foi diretamente para o cabideiro. 167


Ele pegou o meu casaco e tentou sorrir, mas era mais uma expressão distorcida de aflição. - Pronta? Balancei a cabeça e coloquei o meu casaco. Fiquei feliz quando pegou a minha mão e segurou-a até chegarmos ao seu SUV, e mais feliz ainda porque não a soltou durante todo o caminho de Brown, mas ele não disse uma palavra até que chegamos ao Andrews. Estacionou o Escalade e olhou pra frente, soltando minha mão para segurar firme o volante. - Não vai entrar? – perguntei. Jared negou com sua cabeça. - Sou a última pessoa que ela quer ver. - Ok... – digo, insegura do que fazer diante do seu comportamento. Jared tinha admitido enfrentar o meu pai, mas ele não enfrentaria a minha mãe. Alcancei a porta, mas Jared agarrou meu braço e me puxou em direção a ele com preocupação em seus olhos. Suas mãos seguraram meu rosto e apertou seus lábios contra os meus com um senso de urgência. Quando ele finalmente me liberou do beijo, encostou a testa na minha, fechando os olhos. - Você age como se nunca fosse me ver novamente. – digo, de repente nervosa. - Não posso pedir para você ir contra a vontade da sua mãe, Nina. Eu ri uma vez, surpresa. - Você acha que ela vai me pedir pra ficar longe de você? - Isso é exatamente o que ela vai fazer. Neguei com a cabeça.

168


- Deveria saber que minha mãe não tem um bom histórico em fazer com que eu mude de opinião. Até ela sabe disso. - Ela raramente deixa de conseguir o que quer. Só... Não a escute. - Seus truques funcionam com muita gente, mas não comigo. Não vou a nenhum lugar. Um lado da sua boca se curvou, mas parecia forçado. - Te ligarei mais tarde, certo? – Passei meus dedos pelos lados do seu cabelo e ele pressionou seu rosto contra o meu outra vez. - Certo. – sussurrou ele. O Escalade permaneceu parado até que eu estivesse dentro de casa, e depois saiu lentamente. Sabendo que ela iria ouvir, corri para o meu quarto. Estava ansiosa para acalmar as tempestades nos olhos de Jared, mesmo que isso significasse enfrentar cara a cara Cynthia Grey. Abri a porta e congelei. Cynthia estava em pé no meio do quarto, seus braços cruzados, pronta para o confronto. Beth se enrolava em sua cadeira, encontrando meus olhos com uma expressão simpática. - Acho que vou buscar um pouco de café. Se alguma de vocês quiser que eu traga algo... - Não, obrigada. – interrompeu Cynthia. Ela devia estar além da raiva; ela nunca estava irritada o suficiente para ser tão rude. - Aceito um, Beth, obrigada. – digo, dando uma demonstração de apreço. Beth assentiu, pegou o casaco apressando-se para porta afora. - Onde esteve na noite passada? – exigiu Cynthia. - Você sabe perfeitamente bem onde eu estava. – digo, levantando o queixo.

169


Isso a pegou desprevenida. Cynthia tipicamente contava com o elemento surpresa. Ela se recuperou rapidamente. - Você não pode se envolver com Jared, Nina. Você não sabe nada sobre ele, confie em mim. - Eu sei o suficiente, mãe. – Me sentei na cama de Beth e olhei para o chão. Tinha que escolher minhas palavras cuidadosamente. Cynthia levantou sua cabeça e caminhou na minha frente. - Nina Elizabeth, é muito perigoso. Sei que pensa que o conhece, mas não é assim. Eu ri. - Se ele é perigoso, então por que o pagam para me proteger? A boca de Cynthia caiu aberta. - Esse acordo era entre ele e seu pai. Você não está me ouvindo. Ele não é perigoso para você. É perigoso para você ser... Estar... Envolvida com ele. Tem muitos inimigos como o seu pai. - Eu sei o que eu faço. - De verdade? – perguntou ela - Você sabe onde está se metendo? Eu acho que você não tem a menor ideia de onde ele poderia levá-la, ou as decisões que terá de tomar. Eu não acho que ele tenha pensado sobre isso, ou não teria feito. Talvez não, talvez ele seja muito egoísta para se preocupar... - Egoísta? – gritei - Como pode dizer isso sobre ele, depois do que fizemos ele e sua família passar, mãe? - É disso que se trata? Culpa? – Cynthia andou pela sala, com os braços ainda cruzados. - Não! – engasguei. — Não é nada disso. – disse, envergonhada que Jared poderia ouvir suas palavras. 170


Ela fechou seus olhos e suspirou. - Nina... Por favor. Eu te peço. Você sabe que eu quero que seja... Feliz, mas isto... Isto não vai terminar bem. – sua voz era tranquila. Sorri. - Existe algo que termine bem? Cynthia deu seu habitual suspiro resignado, mas esta vez foi diferente. Era o mesmo que ela usava nas raras vezes em que perdia um argumento contra Jack. - Gostaria que dessa vez, querida, você escutasse o que tento dizer. Os últimos meses têm sido o ponto alto de cada medo que eu já tive. Eu não tinha sido afetada pelas infames viagens de culpa da minha mãe desde que eu tinha treze anos, mas agora ela tinha usado a morte de Jack, eu não consegui afastar a culpa. Ela nunca quis que eu descobrisse a verdade, e percebi que era a única coisa que ela queria que não mudasse depois que perdemos meu pai. Quando pensei em sua mentira e como ela havia me guardado segredos sobre Jack e Gabe Ryel durante anos, a culpa se transformou em raiva. - Você não pode me dizer como me sinto. – a olhei com a testa franzida. - Não é tarde demais, Nina. Ainda pode se salvar. – diz ela, levantando meu queixo. Seu inusitado gesto de afeto me pegou com a guarda baixa, mas eu estava decidida. Me distanciei dela. - Não preciso ser salva de Jared. Cynthia respirou fundo e apertou o nariz com o polegar e o indicador. - Nina...

171


Podia ver que estava tudo acabado. Ela havia usado cada um dos truques de sua manga e havia posto suas cartas na mesa. Me senti triunfante enquanto imaginava Jared sorrindo por causa das minhas palavras. Beth voltou, então, sentando ao meu lado em sua cama. - Avelã e adoçante. – sorriu ela, dando-me um copo descartável. - Obrigada, Beth. Cynthia me olhou, exasperada. - Vou pra casa agora. Por favor, pense no que disse. É importante. - Eu pensarei. – Tratei de esconder meu alívio por sua saída. Beth fechou a porta e então se virou pra mim. - Ela te deu a conversa sobre sexo? - O quê? Não! – Eu fiz uma careta de nojo. A ideia de discutir a minha vida sexual com minha mãe me embrulhava o estômago, e Beth teve claramente a ideia errada sobre as coisas. - Passou a noite com ele? – Os cantos de sua boca se curvaram num sorriso entusiasmado. - Sim, mas eu adormeci. Não é o que parece. - Ah. Bom, foi tudo bem? – perguntou ela, desanimada. - Fomos à sua casa, ele cozinhou... - Ele cozinhou? – interrompeu Beth. Assenti. - Ele me trouxe flores e havia velas por toda parte. Falamos durante horas, até de madrugada. Beth puxou os joelhos até seu peito.

172


- Vai. Eu disse que ele estava apaixonado por você. Tenho um sexto sentido pra essas coisas. - Você é incrível. – admiti. - Obrigada por notar. – disse ela. Seus olhos se estreitaram com seu sorriso. - Quando vai vê-lo outra vez? - Mais tarde, espero. Nossa manhã foi um pouco interrompida. - Cynthia. – diz ela. Assenti e ela se levantou, juntando suas coisas. - Vou ao hospital com Chad e Tucker em uma hora. Tem tempo antes que volte a se encontrar com Jared? - Sim. – digo, decidindo no momento. Beth discou em seu telefone celular, chamando Chade para deixa-lo saber que eu iria me juntar a eles. Rapidamente depois respondeu, sua voz baixou. Ela tentou ser discreta, mas eu poderia dizer que Chad, Tucker, ou ambos, era contra eu ir. Beth ganhou no final e virou-se para mim e piscou. Fiquei aliviada ao chegar ao hospital; Tucker e Chad não pareciam com raiva de mim, mas havia um óbvio ar tenso no jipe de Chad. Eu não sabia o que significava toda a apreensão até que chegamos ao novo quarto de Ryan na Unidade de Tratamento Intensivo. Ryan não parecia contente em me ver. Na verdade, ele se comportou como se minha mera presença fosse um insulto. Ele não esperou nem um minuto antes de aproveitar a oportunidade. - Como foi seu encontro? – perguntou com desprezo. - Pensei que não queria ouvir sobre isso. – Minha resposta foi automática e venenosa. Não queria parecer na defensiva, mas sua atitude rancorosa me surpreendeu.

173


- Isso foi antes de Beth ligar pra todo mundo procurando por você às três horas da manhã. Foi tão bom assim, hein? – disse ele zangado. Olhei para Chad e Tucker, era por isso que eles estavam preocupados. Beth fulminou Chad com um olhar irritado e ele lhe deu um sorriso triste. - Não fui eu, baby – ele encolheu os ombros. - Quem foi? – rosnou ela. Ryan revirou os olhos. - Foi Josh. O Que isso importa? Beth pisou forte até o meu lado do quarto em protesto, cruzando os braços. - O que Josh tem haver com isso? – digo - Se todo mundo está tão preocupado que eu estou incomodando você, por que continuam se metendo na minha vida? – estava completamente na defensiva, no entanto, eu ainda estava sensível do meu encontro anterior com Cynthia. - Talvez eles queiram que eu te traga alguma razão. - Ou é porque você está fazendo com que todos pensem que têm que escolher um dos lados? – Estreito meus olhos e imito os braços cruzados de Beth. Devemos parecer ridículas lado a lado; a máfia da rainha do baile. - Não há nenhum lado. – Ryan estremeceu com minhas palavras. - Sério? – levantei uma sobrancelha. Meus olhos foram para Chad e Tucker que estavam em pé de um lado do quarto, e logo para Beth que estava ao meu lado. - É o que me parece.

174


Ryan rangeu os dentes e olhou para fora da janela, claramente muito chateado para continuar. Suspirei. - Se você somente lhe desse uma oportunidade. Ryan respirou bruscamente, realmente pronto para deixarme vencer, mas ele se encolheu e tocou seu ferimento enfaixado, deixando escapar um rosnado baixo. - Ryan... – gemi, alcançando ele. A dor em seu rosto fez a culpa me queimar por dentro. Dei um passo mais perto de sua cama. - Basta ir, Nina. Basta... ir. – disse ele com os olhos fechados. Eu queria pedir desculpas, mas nada poderia fazê-lo sentirse bem. Eu nunca me desculparia por estar com Jared, e aos olhos de Ryan, esse era meu único erro. Eu caminhei penosamente até a sala de espera sem nenhuma palavra. Minha manhã perfeita havia se transformado em um dia desastroso. Beth, Chad e Tucker voltaram depois de meia hora, e caminhamos até o jeep em silêncio. Tentei encontrar conforto em sua conversa de volta ao campus, falando sobre a melhora de Ryan, sua possível alta e as histórias engraçadas que eles usavam para tentar animá-lo, mas nada ajudou. Eu havia sido marcada com a letra escarlate1, quando não tinha feito nada de errado. Quando chegamos ao estacionamento do campus, meu celular tocou. A tela se acendeu e o nome e número de Ryan apareceram. Saí do jeep de Chad e coloquei o telefone no ouvido. - Desculpe, Nina. – soltou ele. - Você tem razão; não é da conta de ninguém. É só que eu esperava... não sei o que eu esperava. 1

A letra escarlate: é um romance de Nathaniel Hawthorne. Aqui se refere ao castigo que foi dado à protagonista com uma letra vermelha costurada no peito, marcando-a por adultério para que ela seja marginalizada.

175


- Não é o que você pensa. Eu só dormi. – expliquei. - Somos amigos, certo, Nina? – disse ele. Meu interior se despedaçando com a tristeza na sua voz. Cobri meus olhos com a mão. - Claro que somos. Odeio que esteja com raiva de mim. - Não tenho nenhum direito de estar. Só preciso saber que não estraguei tudo. - Estragar tudo? - Ele estava deitado em uma cama de hospital se recuperando de um ferimento que eu poderia ter evitado. A culpa era insuportável. - Me desculpe. – falei com a voz embargada. - Eu sou um idiota ciumento, Nina. Só... Me prometa que vai voltar. Eu não serei um idiota de novo, eu juro. – sua voz em súplica, e eu queria desesperadamente acabar com sua dor. - Você não vai se livrar de mim tão facilmente. Beth sorriu depois de me ver colocar o celular no bolso. - Fico feliz que vocês tenham se entendido. - Eu também. – suspirei. Uma vez no meu quarto, disquei o número de Jared. O telefone chamou repetidamente no meu ouvido e eu fui pega de surpresa quando o correio de voz soou em meu ouvido. - O-Olá, Jared. – gaguejei. Eu realmente esperava que ele atendesse. — É Nina. Estou de volta do hospital e só pensei em te ligar. Nos falamos depois. Depois de duas horas, comecei a desconfiar quando não tive notícias dele. Ele estava tão preocupado com o resultado da visita da minha mãe, que não podia imaginar por que esperaria tanto tempo para me chamar de volta. Não ajudou notar que ele

176


provavelmente havia ouvido minha mensagem no mesmo momento em que eu a havia deixado. Quando tinha perdido a luta de me impedir de ligar uma segunda vez, houve uma batida na porta. - Feliz sábado, senhoritas. – disse Kim, entrando. - Oi, Kim. – disse, decepcionada. - Bem. Eu também te amo. - Ela esperava que fosse Jared. – explicou Beth. - Ouvi dizer que foi tudo bem. – Kim levantou suas sobrancelhas repetidamente. - Eu adormeci. Ele dormiu no sofá. Kim enrugou o nariz. - Que decepção. – ela imediatamente voltou sua atenção para Beth. - O que vamos fazer hoje à noite? - Oh... Chad me convidou para sair. Sinto muito. – disse Beth, não parecendo nem um pouco arrependida. Kim sorriu. - Oh bem, talvez você possa ter um momento mais interessante que Nina, a Travessa. Eu enrijeci, sabendo que Jared ou Claire podiam ouvir tudo. Eu senti o rubor se estender desde a clavícula até a raiz do cabelo. - Wow! Só brincando, Nigh! - disse Kim, confundindo minha vergonha com raiva. Kim me obrigou a contar sobre a noite toda. Foi difícil para eu explicar o tempo que passei lá e excluir tudo o que Jared tinha dito. Eu continuei verificando meu telefone, embora eu soubesse que ninguém havia ligado. Beth falou dos detalhes suculentos de nossa visita ao hospital, e isso parecia intrigar Kim. 177


- O que esperava? Ele é louco por ela. – disse Kim. — Eu sei que você realmente gosta de Jared, Nina , mas Ryan é um bom rapaz, também. - Eu sei. – disse, olhando meu telefone outra vez. - Você está esperando alguém ligar? Você tem olhado seu telefone como um viciado em craque que espera seu fornecedor. – repreendeu Kim. - Kim! – me queixei, meu rosto corando outra vez. - O que está acontecendo com você hoje? Eu achei que tinha dormido à noite. – perguntou Kim, confusa. - Eu dormi. Só quero que mantenha sua boca fechada! - Nina, estamos no seu quarto. Quem vai ouvir? – Kim olhou para Beth como se eu tivesse enlouquecido. - Ninguém. – disse - Você só... nada. Tenho que ir. – Peguei meu casaco, coloquei meu telefone no meu bolso e me dirigi para a porta. Esperançosamente, Jared salvou a parte do microfone da verdade. Não me sentia confortável tendo uma conversa normal no meu quarto.

Na segunda-feira, ainda não havia tido notícias de Jared. Era angustiante saber que ele estava em algum lugar por perto, e mesmo assim se recusava a falar comigo. Mesmo depois de tudo que Jared havia dito, meus pensamentos continuavam voltando para uma horrível possibilidade: que por algum motivo, depois que ele havia me deixado, se deu conta de quão indigna eu era da adoração que sentira por tanto tempo. A semana se prolongou e descobri que o único lugar onde me sentia de alguma forma normal era no hospital. Eu escapei do campus todos os dias, sentindo que finalmente eu podia respirar quando me sentava na cama ao lado de Ryan. Estávamos quase 178


em dia com toda a sua lição de casa quando ele finalmente puxou o assunto. - Você vai me dizer o que está acontecendo com você ou não? - Do que está falando? – perguntei com um sorriso artificial. - Nina. Está falando comigo. Senti que meus olhos ardiam e enterrei minha cabeça no cobertor de Ryan. - Nina? O que está errado? – perguntou ele, desajeitadamente acariciando minha cabeça. Quando eu não podia falar, Ryan tirou o cabelo do meu rosto. - Você está bem? Sacudi minha cabeça e dei uma olhada para ele. - Não. Não, estou bem. - Aconteceu alguma coisa? – O rosto de Ryan parecia tão desesperado quanto eu me sentia. - Não. Não aconteceu nada. Você não quer escutar sobre isso. – Me sentei e enxuguei a umidade no meu rosto. - É sobre Jared? – adivinhou ele. Assenti e seu rosto se contorceu com raiva. - Ele te machucou? - Não! – Neguei com a cabeça, enxugando mais lágrimas. Não, ele não me fez nada. Ele não... – eu suspirei - é embaraçoso. - Só me diga. - Ele não... me quer. – disse, meu rosto desmoronando com minhas palavras. - Eu tenho certeza que só houve um pequeno mal entendido. O que fez você pensar isso? Estava chateada comigo mesma por fazer Ryan sentir que ele precisava me assegurar que tudo ficaria bem com Jared. Eu era uma pessoa ruim. 179


- Nina. Diga-me. – Ele falou num tom que eu provocava nas pessoas quando elas tinham que me arrancar alguma informação. - Eu só pensei que nós... Eu pensei que ele... – Não consegui dizer nem a metade do que eu queria. Certamente não o suficiente para evitar soar como uma criança mimada. Ryan riu de novo e olhei para ele. - Ele é um idiota, Nina. - Não, ele não é. – disse, limpando meus olhos com a manga. - Se ele te convidou para sair, passou uma noite inteira contigo e não pôde perceber quão incrível você é, não merece que esteja esperando uma ligação. Você é muito melhor que isso. Qualquer um que te faça sentir algo menos é um idiota. - Obrigada, mas realmente é mais complicado que isso. O rosto de Ryan se tornou sério. - Não. Não é. Se ele não percebe o que está na sua frente, para o inferno com ele. E eu não estou dizendo isso só porque eu estou à espera de algo. Olhei para ele e ele piscou para mim. Sorri e suspirei, deixando minha frustração escapar com minha respiração. Ele se inclinou para dar um beijo consolador na minha cabeça. - Por que é tão bom comigo? – perguntei quando ele me deu alguns lenços que estavam em sua mesa de cabeceira. - Porque você merece. – Me olhou como se eu devesse saber disso, e eu não pude evitar sorrir. - Acho que isso foi registrado pela L’Oreal. – digo. - Ah, quis dizer: talvez seja ela.2 - Talvez é Maybelline? – eu brinquei. 2

Slogan dos cosméticos Maybelline: Talvez seja. Talvez é Maybelline.

180


Ele me observou. - Você é boa. - Aguento uma surra e continuo funcionando. descansando minha cabeça contra minhas mãos.

3

- sorri,

Ele encolheu os ombros. - Às vezes você parece louco, às vezes não.4 Eu ri novamente e limpei o resto das lágrimas dos meus olhos. - Você não pode superar a cabeça de cobre. 5 Ryan se sentou por um momento, parecendo perplexo, e logo um sorriso travesso apareceu no seu rosto. - Tenho boas notícias. Acabo de economizar um montão de dinheiro no meu seguro do carro mudando para a GEICO.6 Meus olhos se estreitaram. - Você está em boas mãos?7 Ryan entrelaçou seus dedos nos meus. - Fácil, fresca, bonita, Covergirl.8 Eu mordi meus lábios, não querendo parar nosso jogo. Era uma maravilhosa distração. - Basta fazê-lo.9 – ele cutucou meu braço. - Deixa de lado o meu Eggo. 10 – contrapôs de brincadeira retirando meu braço. Ele dobrou seu braço. 3

Slogan da marca de relógio Timex. Slogan da barra de chocolate Almond Joy, fabricada pela Hershey’s. 5 Slogan das baterias Duracell. 4

6

7

GEICO: Companhia de seguros de veículos. Slogan da companhia de seguros Allstate.

8

Slogan da marca de cosméticos Covergirl. Slogan da Nike. 10 Slogan da marca de waffles congelados Eggo. 9

181


- Carne. É o que tem para o jantar.11 Eu apontei para o seu braço e balancei minha cabeça. - Gosto muito, menos do conteúdo.12 - Me sentei e esperei por sua resposta. - WASSSSSSSUP?13 - disse inclinando-se sobre mim e eu caí na gargalhada. Ele rugiu e cobrimos nossas bocas para impedir que as enfermeiras entrassem no quarto para nos calar. - Obrigada. Eu precisava disso. – Eu suspirei, segurando meu estômago. - Certamente. – concordou Ryan.

Na manhã seguinte despertei com o toque do meu celular. Me lancei na minha mesa de cabeceira, desconectei do cabo do carregador e puxei bruscamente para o meu ouvido. - Alô? – Me encolhi, esperando que a pessoa do outro lado da linha não notasse o tom quase maníaco da minha voz. - Oi Nina, é Ryan. Você deixou seu livro de anatomia aqui ontem. Só quis avisar antes que você fosse pra aula. - Oh. Oh! Obrigada. Não acho que vou precisar hoje, teremos aula de laboratório. – Esfreguei meus olhos, perguntandome quando eu havia finalmente dormido. Não sentia como se tivesse dormido. - Te acordei? - Sim, mas tudo bem. – Olhei para o relógio. - O alarme vai tocar em dez minutos, de qualquer maneira.

11

Slogan e campanha destinada a promover os benefícios da introdução da carne numa dieta saúdavel. Slogan da marca de cerveja sem álcool Miller Lite. 13 Slogan publicitário da marca de cerveja Budweiser. 12

182


- A enfermeira disse que poderiam me dar alta hoje ou amanhã. – disse ele. - Ótimo! Avise-me quando e reúno a tropa para ir te libertar. - Assim será. – disse ele, parecendo muito entusiasmado para essa hora da manhã. As aulas foram puxadas e eu tive que me esforçar para terminar o dia. Quando cheguei ao meu quarto, o cansaço havia se estabelecido, e decidi cozinhar algo rápido e em seguida tirar um cochilo. Terminar a pilha de lição espalhada na minha cama era impossível. Não podia me concentrar sabendo que cada vez que virava uma página, cada vez que minha colher raspasse a tigela, cada vez que suspirasse, Jared estaria ouvindo. Quando esse pensamento veio à minha mente, a raiva se lançou sobre mim. Ele havia me contado segredos – que esperava que eu guardasse – me disse que me amava, fez promessas, e então ele só... Afastou-se. - Quem faz isso? - perguntei em voz alta. Sacudi minha cabeça, pensando no espetáculo que ele havia feito quando me deixou no Andrews. Parecia com tanto medo de me perder, que minha mãe me convencesse de me afastar dele. No final, foi Jared que me deixou. Estava dando voltas nesse pensamento durante algum tempo e me perguntei o que havia mudado a partir do momento que ele me deixou até depois que havia voltado do hospital. Só havia me concentrado no que eu poderia ter feito de errado; não havia parado pra pensar em outras razões possíveis para que Jared me evitasse como a uma praga. Como minha mãe. Minha mão voou para a minha boca enquanto a revelação aparecia. Ela havia falado com ele. Ela havia lhe dito para se afastar de mim e ele havia escutado.

183


Agarrando meu casaco e chaves, me lancei à porta como se meu quarto estivesse pegando fogo. Corri para o meu carro e violei cada lei de trânsito entre a Universidade de Brown e a casa dos meus pais. Uma vez que estacionei na entrada a minha coragem desapareceu, mas eu tinha que saber por que Jared tinha mudado de opinião. Tinha que saber que não era eu que não cumprira com suas expectativas. Rompi pela porta, chamando minha mãe. Depois da terceira vez que gritei seu nome, ela veio correndo escada abaixo. - Nina? Por que você está me chamando? – Se sustentava no corrimão com uma mão e colocava um pingente com a outra. - O que você disse a ele? – eu disse. - O que disse a quem? – Um olhar indignado imediatamente nublou seu rosto. - Mãe, pare! – gritei. Cynthia levantou uma sobrancelha e falou lentamente. - Cuidado com seu tom enquanto está na minha casa, senhorita. Balancei minha cabeça e dei outro passo até ela. - O que você disse a Jared? Cynthia pensou por um momento. - Eu lhe disse o que ele tinha que ouvir, Nina. Claro que você não ia escutar, então não tive outra escolha. - Por quê? Por que você iria tentar me machucar de propósito? Cynthia ficou chocada com a minha suposição. - Nina, eu simplesmente estou tratando de te salvar de você mesma. Se você não tem a sensatez para... Bem, fico feliz que ele o fez.

184


- Mãe, eu te imploro... Não faça isso. Estive... – não pude terminar. Me sentei no último degrau da escada e cobri meu rosto com minhas mãos. Cynthia desceu os degraus restantes e sentou ao meu lado. - Você acha que entende querida, mas não entende. Seja lá o que acha que sabe... Não poderia entender realmente o que estava escolhendo. Fico feliz que Jared te ame o suficiente para deixar você ir. Eu a fulminei com os olhos. - Você escutou a si mesma? Ele me ama, mãe. Me ama e você... - Balancei minha cabeça e caminhei em direção à porta. Você sequer se importa com o que eu sinto? – perguntei parada a olhando de volta. Ela não respondeu. Voltei ao meu carro, contendo um grito de frustração. Só havia uma maneira de falar com ele agora.

185


Capitulo 8 Olhei debaixo das mesas, passando meus dedos ao longo de cada um dos fios retorcidos abaixo. Jared me escutaria ele gostasse ou não e em minha determinação, não deixaria nada para ao acaso. Meticulosamente inspecionei as bordas do espelho, atrás do micro-ondas, atrás do frigobar, embaixo das camas e nos cabos telefônicos do dormitório. Tinha passado uma hora e não encontrei nada. Jared era um profissional. Claro que eu não ia achar onde ele havia plantado o microfone. Tentei me lembrar dos filmes de espionagem que tinha visto quando então lembrei. Meus olhos seguiram lentamente da parede até o teto e foquei na central de ventilação. Rodei a cadeira de Beth até debaixo da central. Havia dois parafusos e eu não tinha as ferramentas. Corri para o quarto da conselheira dos dormitórios e tentei recuperar o fôlego enquanto batia na porta. Ela abriu com um olhar entediado no rosto. - Sim? - Oi, Dara. Ouça, estou tendo algum problema com a central de ventilação do meu quarto... - Chamarei a manutenção amanhã de manhã. - Disse ela, sem expressão, fechando a porta. Empurrei a porta mantendo-a aberta. - Me pergunto se você não teria uma chave de fenda pra me emprestar? - Uma chave Phillips? – Perguntou, irritada com a conversa. Meus olhos se iluminaram. - Sim! Tem uma dessas? - Qual é o tamanho que você precisa? - Ela perguntou, virando-se para mim. 186


- Eu... não sei. - Olhei para sua central e ela fez o mesmo. - É preciso uma pequena. - Ela me deu uma chave de fenda pequena, eu a agradeci antes de sair correndo para o meu quarto. A chave de fenda era menor do que eu precisava, então eu tive que pressionar de um lado para que os parafusos girassem. Quando o primeiro parafuso se soltou o suficiente eu usei o polegar e o indicador para afrouxá-lo mais, não demorou muito para se soltar em minhas mãos. Eu comecei a trabalhar no outro parafuso e depois de duas voltas trabalhosas escorreguei minha mão direita. Tentando me agarrar a alguma coisa, minha mão roçou a borda do metal afiado da ventilação cortando minha pele. Eu puxei minha mão com um suspiro, olhando para o corte sangrando que escorria pelo meu antebraço até o cotovelo em uma linha vermelha grossa. - Ai! Merda! - Gritei, dobrando meu braço sobre a minha cintura. Desci para pegar alguma coisa para parar o sangramento e apertei minha mão com força, determinada a não desistir. Com a atadura na minha mão, eu tentei encaixar a chave de fenda na abertura pequena no melhor ângulo possível para me apoiar. Quando pressionei contra o lado do parafuso, eu me apoiei pondo em movimento as rodas da cadeira. Antes que eu pudesse reagir, a cadeira balançou debaixo de mim e eu caí, batendo o cotovelo no chão. Eu levei um momento para sentir a dor, e uma vez que a sensação de ardor agudo atravessou meu braço, fechei os olhos. - Ai. – choraminguei. Uma vez que eu consegui pensar em algo fora a dor, eu subi de novo na cadeira manca. Puxando a grade solta da ventilação, eu fiquei na ponta dos pés para olhar dentro. Meu coração saltou quando eu vi um pequeno objeto preto localizado entre a poeira. Coloquei a mão no sistema de ventilação e puxei o pequeno pedaço de plástico, 187


puxando-o até conseguir. Trouxe-o até mim e até meus olhos; o microfone em miniatura do Jared. Oprimida pela verdade inegável que estava segurando na minha mão, trouxe o microfone para baixo comigo, logo me sentei na cadeira. Jared podia me ouvir e sabia o que eu tinha feito. Junto com a dor em meu braço, o fato de que ele estava do outro lado do dispositivo, fez meus olhos se encherem de mais lágrimas. - Jared? - Suspirei, tratando de evitar que minha voz tremesse. - Sei que você pode me ouvir. - Eu suspirei, fechando meus olhos - Eu não sei o que ela te disse. Eu não me importo, eu só... – interrompi enquanto perdia a voz - Eu sinto sua falta - eu sussurrei - O que você está fazendo? Toda aquela conversa sobre envelhecer juntos e ser honestos, e agora você vai ouvi-la e ir embora? - Por favor, você pode só... – esforcei-me para formar as palavras. - Por favor, só fale comigo. Por favor? Eu olhei para o meu celular, rezando, desejando que ele se acendesse e tocasse. Passou uma eternidade, mas ele ficou lá na minha mesa de cabeceira, silencioso e apagado. Limpei as lágrimas dos meus olhos, vendo o fio em espiral descendo do teto. A raiva tomou conta das minhas veias e eu me levantei, puxando o fio e outra vez, até que finalmente tirei de sua fonte. Notei a ponta desfiada da extremidade do fio e eu limpei meu rosto novamente, satisfeita. Não era justo que ele pudesse me ouvir quando eu estava sozinha. Um zumbido veio da mesa da cabeceira e fiquei rígida instantaneamente. Tocou de novo e joguei o cabo no chão, quase tropeçando sobre ele para alcançar o telefone antes que eu perdesse a chamada. - Jared? – suspirei. - Sou eu... Ryan. Sinto muito. - Não! Não sinta. – respondi. 188


- Você está bem? Parece que estava chorando. - Por que você está ligando? – Não estava com humor pra falar do meu último momento de loucura. - Sim – ele vacilou – me deram alta esta manhã. - Oh. Ah, sim, tudo bem. Irei amanhã, então. Já avisou a todos? – perguntei, esperando que ele entendesse o recado. - Eu só comecei a fazer as ligações. Ele havia me chamado primeiro. Eu não tinha certeza de como me sentia sobre isso. - Nina? - Humm? – disse, distraída com o fio dobrado e encostei-me à cabeceira da cama. - Diga-me por que você está irritada. É Jared? – Meu silêncio foi toda a resposta que ele precisava. – Podia matá-lo por fazer isso com você. – Grunhiu. - Não é culpa dele, Ryan. Eu já te disse, é complicado. Ryan suspirou, aceitando minha resposta vaga. - Vejo você pela manhã.

Sexta-feira foi mais fácil do que eu pensei que seria, com nós seis planejando a chegada de Ryan na festa de boas vindas. Nós fomos em caravana para o hospital, balões e serpentinas decoravam nossos carros. As janelas da caminhonete de Josh vibravam ao ritmo de Paradise City, quando Tucker saiu com a cadeira de rodas de Ryan pelas portas duplas do hospital. Todos assobiaram e aplaudiram quando Ryan entrou devagar no lado do passageiro de Josh. - Vamos, Nina. – Sorriu Ryan, fazendo um gesto para que eu o acompanhasse. Quando eu deslizei para junto dele, Ryan 189


levantou lentamente o braço para a parte superior do assento atrás de mim. Nós rimos e contamos piada todo o caminho até Brown e nós sete nos dirigimos para o dormitório de Ryan. - Parece um desfile de vômito aqui. – Disse Ryan, radiante. Mancou até sua cadeira e caiu nela, visivelmente esgotado. Sentamos-nos e conversamos, e logo Beth, Chad e Tucker foram para a aula. Trinta minutos depois, Kim e Josh tinham aula, então foram embora assistir. - O que você fez na sua mão? – Perguntou Ryan, olhando fixamente para a minha mão enfaixada de qualquer maneira. - Me cortei na saída de ventilação do meu dormitório. – encolhi meus ombros. - Ouch. Está em dia com a vacina contra o tétano? Assenti. - Voltarei mais tarde, certo? Temos muito trabalho pra fazer. - Tem aula? – me perguntou, decepcionado. - Eu tinha aula nas últimas duas horas, Ryan. – Sorri. - Obrigada por hoje. Talvez pudéssemos fazer isso todo mês. - Tudo bem, mas não vou ser voluntária para ser apunhalada da próxima vez. Nem nunca. – O abracei e um silêncio incômodo surgiu quando nos separamos. – Relaxe. Voltarei mais tarde e então poderemos estudar. Ryan me olhou com uma expressão suave, enquanto eu caminhava até a porta. - Nos vemos mais tarde, Nigh. Fechei a porta e deixei escapar uma lufada de ar. Eu não tinha certeza se era culpa pelo olhar de Ryan depois que nos abraçamos, mas tudo parecia diferente quando nós estávamos sozinhos. Esquecia-me dos anjos e demônios e sentir-me indesejada. Na presença de Ryan, a vida era normal. 190


Um pouco depois da aula começar, meus pensamentos se voltaram para Jared. Apertei os olhos fechando-os cada vez que pensava sobre a noite anterior. Provavelmente o havia dispensado de qualquer culpa que pudesse sentir depois da minha travessura. A voz do professor era turva ao fundo, e eu tomei respirações curtas para evitar que as lágrimas se formassem; seria bastante embaraçoso que todos lançassem olhares sobre seus ombros para mim todos os dias como se eu tivesse enlouquecido, a última coisa que precisava era desmoronar na sala de aula. Na solidão do meu dormitório, deixei as lágrimas caírem. Ficava feliz que Jared não podia me ouvir. Eu havia me transformado num desastre choroso, um caos patético. Meus olhos se desviaram até a saída de ventilação para ver que a tampa estava firmemente presa ao teto. Minhas sobrancelhas cerraram. Eu estava muita cansada noite passada para fazer isso. Arrastando-me pelo chão, levantei o edredom para olhar embaixo da cama, onde tinha escondido a carcaça quebrada do microfone. Apertei os dentes ao ver que a única coisa que estava embaixo da cama era uma meia solitária rodeada de poeira. Jared ou Claire haviam entrado no meu dormitório enquanto eu não estava e tinham reinstalado o microfone. Olhei para o teto, apertando minhas mãos em punhos ao meu lado. - Não se meta no meu dormitório! A chave de fenda não estava na primeira gaveta da minha cômoda. Eu sabia que a tinha guardado ali até que pudesse colocar a tampa da ventilação. Rompi para o corredor, deixando a porta bater contra a parede. A ira alimentou meus passos até o dormitório da conselheira dos dormitórios e golpeei sua porta. Ela abriu com o mesmo olhar impaciente de antes. - Sim? Suspirei.

191


- Dara! Oh que bom, está aqui. Hum, parece que eu perdi sua chave de fenda. Será que poderia me emprestar outra? E, eu preciso de uma maior. - Você perdeu minha chave de fenda e ainda vem me pedir outra? - Sim? – eu disse, mais uma pergunta do que uma resposta. - Espere. – Suspirou, partindo por um momento. Ela voltou com uma chave de fenda maior nas mãos. Correndo de volta para o meu dormitório, empurrei a cadeira da Beth para baixo da saída de ventilação. A nova chave de fenda se ajustava melhor, e soltei os parafusos em um tempo recorde. Estendi a mão outra vez e fiquei na ponta dos pés, procurando sem esforço o pequeno objeto de plástico familiar. Uma cópia idêntica do primeiro microfone saiu quando eu o puxei. Baixei e tirei o cabo até que ele tremeu com a força. Com um rápido puxão, o cabo se soltou da ventilação e caiu no chão. Uma estranha sensação de êxito se apoderou de mim, havia aperfeiçoado a arte de arrancar os fios de vigilância. Com um sorriso de satisfação enrolei o fio fino cortado num círculo estreito. - Não sou um animal de zoológico. – Sussurrei. A porta se moveu quando alguém bateu do outro lado. Virei a maçaneta, esperando uma reprimenda de Jared, mas em vez disso eu encontrei Claire em pé na minha frente com uma expressão assassina. Um nó se formou na minha garganta enquanto ela passou pelo meu lado. Com um movimento ágil ela subiu na cadeira de Beth e se esticou no duto. Demorou mais tempo para reparar e instalar o novo cabo do que eu havia levado para arrancar o antigo, mas ela reinstalou a tampa da ventilação mais rápido do que eu a retirei.

192


Caminhou até a porta e se deteve para olhar os fios na minha mão. Sua mão parecia um borrão enquanto ela o arrancava de mim. - Se fizer isso de novo – olhou para a saída de ventilação e logo sussurrou no meu ouvido - vou arrancar sua língua. Minha língua enrolou na minha boca enquanto eu tentava engolir. Claire se virou pra trás para oferecer um doce sorriso inquietante, e logo depois se foi. Fechei a porta atrás dela e tranquei com chave, envolvendo meus braços ao redor da minha cintura. Ela me aterrorizava. A ideia de que Jared ouviu cada movimento, fez com que as lágrimas caíssem dos meus olhos e descessem pelo meu rosto. - Não posso fazer isso. – Sussurrei. A repentina necessidade de me afastar desse microfone se fez urgente, por isso peguei meu casaco e chaves. Se quisesse ter algum tipo de normalidade de novo teria que convencer Cynthia. - Mãe? – chamei, entrando na sala de jantar. - Na cozinha, querida. – Respondeu Cynthia. Vi que sua expressão mudou para preocupação quando viu meus olhos inchados e molhados. - O que aconteceu com sua mão, Nina? – disse ela, notando a atadura improvisada ao redor da minha mão. - Quero que fale com Jared, mãe. Sua preocupação desapareceu e ela voltou a preparar o almoço. - Sinto muito, Nina. Não posso fazer isso. - Então me deixe ter privacidade. Cynthia pareceu um pouco desconfortável com o tema, mas nunca foi de se deixar intimidar. - Isso é entre Jared e seu pai. 193


- Papai não está mais aqui. Ela me ignorou. - Jared e eu conversamos por muito tempo. Se isso ajuda, ele discutiu comigo desde o início. Estava muito decidido. Mas quando o lembrei quanto era difícil para sua mãe e como será difícil para você, ele não pôde negar que era o melhor pra você. Este é o caminho mais fácil. Você não pode imaginar quão difícil será sua vida se continuar com este ridículo... - Tem que tentar. Você me deve, você tem que tentar – eu supliquei. Ela estalou a língua. - Ele não me escutará agora, Nina. Há algumas coisas que simplesmente não se pode mudar. Uma vez que você faz sua escolha, não pode mudá-la. - Mãe... – apertei meus olhos, mas não adiantou nada. As lágrimas começaram a cair. - Eu o adverti de que se continuasse tendo relacionamento com você, me veria obrigada a demiti-lo.

um

- O quê? - Ter um relacionamento com ele pode ficar no caminho de... - Você sabe que ele é o único que pode me manter a salvo! Está disposta a arriscar minha vida para provar algo? - Mas é claro que não! Seu pai insistiu que Jared se afastasse de você, Nina! Vai ter que ouvi-lo. - Mãe, eu o amo. Os olhos de Cynthia se arregalaram diante das minhas palavras. Depois de uma breve pausa, balançou a cabeça com desdém. - Você não sabe o que está falando.

194


Apenas pude formar um sussurro. - Olhe pra mim. – Deixei que meus ombros caíssem em derrota. – Por acaso isso é apenas uma paixonite para você? Eu sou apaixonada por ele. - Então esqueça. Isso não é o que seu pai queria pra você. Jared te disse isso? Que tinha o proibido de se envolver com você? Não te ajudará ir contra os desejos do seu pai. - Isso não tem nada haver comigo ou com Jared, mãe! Papai não queria que eu soubesse a verdade sobre ele. - Nina, - suspirou – você não acredita nisso. Percebi que meus esforços foram em vão; Cynthia não me ajudaria. Fugi de seus olhos apáticos e corri para o meu Beamer. A chuva caía sem parar e eu estava encharcada no momento em que entrei no carro. Acelerei na rua, cantando os pneus. Quanto mais avançava, menos queria voltar para o meu dormitório. Voltar a Andrews seria admitir a derrota. Pior ainda, algo dentro de mim sabia que no segundo que eu entrasse no dormitório, teria que começar uma vida sem Jared. Quando as luzes da rua começaram a piscar, a chuva bateu contra meu pára-brisa em pequenos cristais. Algumas das estradas foram bloqueadas por inundações, e de repente, me vi numa rua sem saída. Através do jato de chuva arrastada pelo vento, uma ponte ficou à vista, bem diante do meu carro, elevando-se para o céu noturno. Desliguei meu carro e me sentei, refletindo sobre a última semana. Minha débil tentativa de tomar o controle da situação terminou tristemente. Não tinha considerado me render até esse momento. Tirei o chapéu e as luvas e os joguei no assento ao meu lado, decidindo que a única opção que eu tinha era realmente ir. Mas Jared me seguiria, ele tinha que seguir, e eu gostaria de levá-lo para longe de sua irmã, seu irmão e Lillian. Segurei o volante conforme o entendimento me atingia; eu estava presa. 195


Uma das minhas luvas caiu no piso do carro, atraindo minha atenção para minha bolsa. Espreitando para fora, estava a ponta do abridor de cartas de Jack refletindo sob a luz de uma lâmpada solitária na rua. Sem pensar, peguei minha bolsa e saí do carro. A chuva me parou imediatamente, mas plantei os pés no chão, decidida a conseguir a atenção de Jared neste momento. Agarrei a ponta do abridor de cartas tão forte quanto minhas mãos geladas podiam agüentar e o segurei acima de mim. - Ele virá. – Sussurrei para mim mesma. Com um forte grito, enfiei o abridor de cartas no pneu traseiro. Ele perfurou a borracha grossa, mas não o suficiente para fazer algum dano. Usei meu pé para empurrar um pouco mais e para meu alívio emitiu um som de assobio alto. A chuva gelada molhou cada pedaço de mim, e meu corpo começou a tremer quando o vento cortante soprou contra minha pele. Depois de alguns minutos, tirei meu casaco e o joguei no banco. Meu corpo tremia descontroladamente enquanto a chuva golpeava contra mim. Esperei. Quando meu suéter estava encharcado, o tirei por cima da minha cabeça e o joguei em cima do casaco. Fiquei apenas com uma camisa de algodão de manga comprida, a chuva parecia como fragmentos de gelo em meus ossos. Meus dentes batiam com tanta força que abri minha boca para que não se quebrassem. Uma respiração me escapa quando uma rajada de vento e chuva rasga minha pele. Ainda assim, esperei. Apenas quando pensei que ia entrar em colapso, um par de faróis perfurou a cortina de chuva e parou bruscamente atrás do meu carro. - Nina! O que diabos você está fazendo? – Jared gritou por cima da chuva. Tirou a jaqueta e se aproximou de mim, mas eu

196


recuei. – Você sabe o que é hipotermia? Você vai morrer de frio! – disse, empurrando a jaqueta pra mim. - Te a-a-amo – eu disse enquanto meu corpo tremia. - Eu ouvi – disse Jared, franzindo a testa. – Deixa eu te levar pra casa. – Estendeu a jaqueta de novo, mas dei outro passo pra trás. - Vo-você não e-e-escutou! - Eu não escutei! Se me demitisse seria mais difícil te proteger. Manter você segura é a minha maior prioridade. Agora, por favor, entre no carro! - C-c-como seria ma-mais difícil se você estaria comigo? - Podemos falar sobre isso quando você estiver longe da chuva! Dei outro passo pra trás. - Cynthia controla nosso financiamento! – disse Jared em um tom exasperado. – Ela financia nossa vigilância, nossas armas... tudo. Eu poderia te proteger, mas não tão bem. Eu não podia correr o risco! - Então vo-você só vai me deixar, vamos voltar como éramos antes para que você po-possa comprar microfones e b-balas? Jared suspirou. - Isso não foi o que quis dizer. Você é muito importante para que eu não utilizasse os melhores meios disponíveis, Nina. Pensei que se descobrisse uma maneira de nós... Estava tentando encontrar algo melhor. - Você s-só está di-dizendo isso para me fa-fazer v-voltar lá! - Eu não faria isso – disse Jared. Ele levantou a jaqueta e dei outro passo pra trás. Suas mandíbulas ficaram tensas. – Eu cometi um erro! Não quero te machucar! Só precisava de tempo pra arrumar a bagunça que eu fiz! 197


Tentei dobrar os cantos da minha boca para conseguir algo parecido com um sorriso. - P-pensei que não cometesse e-e-erros. Com uma expressão desesperada, Jared deu um passo até mim, rosnou quando dei outro passo pra trás. - Não me obrigue a fazer isso, Nina. Não me obrigue a forçála. Por favor, entre no carro! - Não vou v-voltar lá – resmunguei. A chuva caía pelo rosto de Jared e escorria pelo seu queixo. - Não vou te levar... – suspirou. – Quero que venha pra casa comigo! O olhei por um momento, tentando ler seus olhos. - Eu não mentiria pra você – disse se aproximando de mim. – Quero te levar pra casa. Respirei e assenti. Jared não perdeu tempo e me envolveu em sua jaqueta, mas ela já estava toda molhada. Levantou-me em seus braços e no segundo seguinte já estava no carro. Pulando para trás do volante, Jared ligou o aquecedor e logo esfregou meus braços com suas mãos. - Jesus, Nina, seus lábios estão azuis. Ele correu pelas ruas, que mais pareciam rios. Eu só fechei os olhos quando ele parou na frente do loft. - Fique acordada, Nina. Não durma. Jared subiu os degraus de três em três, abriu a porta e subiu mais degraus até o loft. Ele me segurou com um braço enquanto abria o chuveiro, e o vapor imediatamente preencheu o ambiente. Ele levantou o meu corpo rígido no chuveiro e me segurou contra ele. Gritei enquanto a água queimava minha pele gelada. Depois de um tempo meu tremor se tornou menos violento. Uma 198


vez que era capaz de me sustentar sozinha, Jared ajustou a temperatura para deixar a água menos quente. Levantei o olhar até ele. - Eu sinto muito. Eu não sabia mais o que fazer. Jared fez uma careta, seus olhos azuis de aço brilhando. - Vamos fazer com que sua temperatura aumente. Tirou a gaze da minha mão e inspecionou minha ferida, estremecendo antes de me dar um olhar fulminante. Vi como ele gentilmente friccionou o corte com um pano. - Você deveria ter recebido pontos – reclamou. Sua mandíbula tensa enquanto me enxaguava com o sabonete. - O que há de errado? – Perguntei preocupada que fosse ressentimento em seus olhos, ao invés de preocupação. - Tudo, Nina. Deixo-te sozinha por uma semana e consegue um corte profundo infeccionado na mão, quase quebra o braço quando caiu da cadeira e quase morre congelada... ou se afoga, não estou certo do que teria acontecido em primeiro lugar. - Eu sei. Você tem todo direito de estar zangado. - Zangado? Eu acreditava que, quando chegasse a hora, eu seria melhor para fazê-la feliz do que qualquer outra pessoa...e olhe pra você. Tenho feito sua vida pior. Você se preocupa que eu esteja com raiva de você? Você deveria me odiar pelo que tenho feito. Passei meus dedos doloridos por seu cabelo ondulado. Fechou os olhos e suspirou. - Eu senti sua falta – sussurrei. Seu rosto desmoronou com minhas palavras. - Eu fiquei louco. Quando você encontrou o microfone, Claire teve que me conter. Uma coisa era saber que estava sofrendo e outra coisa era saber que eu era a causa.

199


Eu lhe dei um sorriso fraco. - Você vai ter que encontrar outro lugar para esconder o microfone. Não levei muito tempo para encontrá-lo. Fui muito mais esperta que você. Duas vezes. - Mais esperta que eu? Você nem sequer teve o bom senso de se abrigar da chuva. - Pelo menos tenho bom senso suficiente para saber que não devemos estar separados. Os olhos de Jared ficaram tensos de angústia. Inclinei-me para cima e puxei o seu rosto para mais perto, pressionando meus lábios contra sua bochecha. A água se derramava sobre nós enquanto ele me apertava contra ele, o meu beijo suave fez com que seus olhos azuis ardessem com intensidade. Beijou-me como se eu fosse o ar que ele estava sem por cinco dias. Nenhum de nós se conteve, a agonia que sofremos por estar separados alimentou cada movimento. Nossos lábios se abriram, e ele me pressionou contra a parede de azulejos do chuveiro. Peguei a parte de trás de sua camisa em cada um dos meus punhos e puxei-o contra mim, mas eu não podia chegar perto o suficiente. As mãos de Jared seguraram cada lado do meu rosto quando provou o interior da minha boca. Abaixei-me e puxei a camisa sobre sua cabeça, expondo seu perfeito peito nu. Sua camisa molhada caiu no chão do chuveiro como um respingo. Eu deslizei minhas mãos por suas costas e ele gemeu em resposta. Sua boca ficou impaciente, então se abaixou para pegar os meus joelhos. Levantou minhas pernas e me apertou contra ele, e eu apertei os dedos em suas costas. Eu me preparei quando a intensidade no pequeno espaço aumentou para um outro nível; mas seus lábios se acalmaram, se tornaram gentis, e, em seguida, se afastou de mim depois de mais alguns beijos suaves. - Tem sido uma longa noite, Nina. Precisa descansar. - Não acho que eu possa – lhe disse, pressionando meu rosto contra seu peito. 200


Jared beijou meu cabelo molhado. - Tente. Quando ele se convenceu de que eu estava suficientemente aquecida, me tirou do chuveiro e me envolveu em uma toalha. Eu me aconcheguei contra ele enquanto me levava para sua cama. - Você ainda está tremendo – franziu a testa. - Eu me sinto muito melhor, de verdade – assegurei-lhe. A porta da frente se fechou num baque e Jared me beijou na bochecha. - Claire trocou seu pneu e dirigiu seu carro até aqui. Ela vai te ajudar a encontrar alguma roupa seca. Todo o meu corpo parecia como se tivesse sido atingido por uma tempestade de areia, enrolado e esmagado por um caminhão de lixo. Estava muito cansada para discutir. Jared nos deixou e Claire me tirou a roupa molhada, deslizando uma camiseta de manga comprida que dizia NAVY sobre minha cabeça. - Obrigada – eu sussurrei. Ela levantou uma sobrancelha. - E pensei que eu estava louca. Suspirei para formar uma espécie de riso, meus olhos se fecharam lentamente e se abriram de novo. Claire tirou um secador de cabelo da bolsa de lona de cor rosa brilhante e começou a secar e escovar meu cabelo. Prepareime para que fizesse todo o possível para me arrancar os cabelos, mas foi muito amável, quase maternal. O som alto do secador foi silenciado e Claire se abaixou diante de mim. - Pronto. É isso aí. 201


Quando Jared foi para o lado de Claire na escada, ofereceulhe um sorriso agradecido. Estava sem camisa, sua única roupa eram as calças azuis do pijama. No chuveiro foi a primeira vez que eu tinha visto seu corpo nu, e mesmo através do meu esgotamento fiquei impressionada. Cada músculo de seu corpo esbelto e tonificado se ajoelhou na minha frente com uma pequena caixa branca. - Me dê sua mão. A pele em torno do corte irregular estava opaca e enrugada depois do longo banho. Jared aplicou um antibiótico ao longo do corte que era do tamanho da palma da minha mão, desde o lado de fora do pulso até o dedo indicador. Não doeu, mas devido ao tremor que ainda restava tive dificuldade de permanecer quieta. Levantei a mão para inspecionar e Jared revirou os olhos. - Ficou bom? - Bem feito – assenti em aprovação. Encostei-me no travesseiro enquanto Jared caminhava para o outro lado da cama. Quando ele chegou ao meu lado me dei conta de que meu coração deveria estar batendo acelerado no meu peito, mas só sentia o cansaço. Jared me puxou para ele e envolveu seus braços ao meu redor. Suspirei enquanto relaxava contra seu peito; ele era mais quente que o chuveiro. Todavia estava o suficientemente fria para que o contato com sua pele parecesse ligeiramente doloroso, mas me aproximei mais, dando boas-vindas à dor. - Prometa-me que não fará nada disso outra vez – sussurrou Jared, beijando minha testa. Enterrei meu rosto na curva do seu pescoço e estremeci. Diante disso, Jared apertou mais firmemente seus braços ao meu redor.

202


Capitulo 9 -Nina? Levantei minhas sobrancelhas, mas meus olhos não podiam abrir. Jared tirou o cabelo do meu rosto e beijou minha bochecha exposta. Pisquei para me concentrar e a forma borrada de Jared apareceu. -São 06:30, querida. As oito você tem aula. Sentei-me, imediatamente agarrando o braço de Jared. -Uou. - Tonta? Ele perguntou. -Como se você não soubesse. Ele sorriu, deixando-me para pegar uma pilha de roupas dobradas e coloca-las no final da cama. Claire trouxe mais de suas coisas. Com os olhos semicerrados, eu levantei me espreguicei e em seguida, segurei a bainha da camiseta para mudar. -Er ... Nina ? - Disse Jared, pegando minhas mãos. - Eu sempre pensei que você fosse mais bonita de manhã. Ver você aqui com minha camisa está prestes a me enlouquecer. Poderia, por favor, parar de me levar à loucura? Eu fiz uma careta para sua insistência irritante de adiar o inevitável. Eu sempre fui a única a adiar as coisas relacionadas com a intimidade. Agora que eu me sentia forte o suficiente para querer empurrar os limites, ele recuou. Percebendo minha irritação, me beijou no nariz e desceu as escadas, me dando privacidade para me trocar. 203


-Eu a levo para a faculdade, se está tudo bem - disse Jared depois do café. -Isso seria ótimo. Obrigada. As ruas estavam escorregadias com o gelo e árvores e grama foram congeladas no tempo em baixo da geada de grande espessura. Jared dirigiu sem esforços o Escalade para o campus de Brown, mantendo minha mão sobre a dele até que entramos no parque do estacionamento. - Nos encontraremos aqui, então? -Er... Sim? Disse pega desprevenida. - Eu acho que é melhor se você ficar comigo esses dias encolheu os ombros - até que sua mão se cure. Você tem que mudar o curativo todas as noites. Apertei os lábios tentando não ficar muito animada. Eu não queria que ele percebesse. - Ou não... Eu posso te ligar mais tarde - recuou. Eu deslizei meus braços ao redor de sua cintura. - Eu adoraria que viesse me buscar. Os olhos de Jared relaxaram. -Eu estarei bem aqui, à uma e meia. Num primeiro momento, a emoção de ficar com Jared me levou através da meia hora de classe, mas com o passar do tempo eu tinha dificuldade de concentração. Dúvida infiltrou em cada um dos meus pensamentos, e eu encontrei-me olhando para o relógio, contando os minutos ansiosamente. Ele tinha me deixado em um dia muito parecido a este, incluindo a manhã perfeita de sorrisos e beijos de despedida. A vitória de repente parecia muito fácil e eu estava preocupada que ele havia me acalmado tempo suficiente para desaparecer novamente.

204


Beth e Kim encontraram-me do lado de fora, ansiosos para ouvir a história sobre a minha mão enfaixada. A expectativa de um almoço duradouro e outra classe se adicionou ao estresse para inventar mentiras detalhadas de ontem à noite que quase me fez chorar. Eu não podia evitar a sensação que iria para o lugar na hora certa e que ele não estaria lá. Beth rapidamente percebeu o meu humor. - O que está errado Nina? - Nada. Por quê? Eu perguntei, tentando manter meu tom leve. Era difícil parecerem casuais quando meu peito parecia cheio de concreto. - Nina? Deixei escapar um suspiro de alívio. - Jared! - Eu disse, pegando por seu casaco e o abraçando. Eu estava muito aliviada para me importar o quão ridícula estava. Ele passou os braços em volta de mim sem hesitação. - O que aconteceu? Ele murmurou em meu ouvido. - Qual é o problema com você, Nigh? Perguntou Kim. Eu enterrei meu rosto no peito de Jared e fiquei feliz quando ele me abraçou mais forte. - Nina - sussurrou no meu ouvido novamente. - Aconteceu alguma coisa? Eu olhei para ver Beth e Kim, que pareciam confusas com o cenho franzido. Tentei suavizar o rosto para enfrentá-las. - Vou ver vocês no Ratty, certo? - Você tem certeza? Beth perguntou, olhando desconfiada para Jared. - Eu estarei lá. Eu sorri.

205


Meus amigos me deixaram com relutância, e enterrei meu rosto no peito de Jared novamente, apertando meus braços ao redor dele. - Nina, por favor, me diga - ele implorou. – Você está surtando durante toda a manhã. -Sinto muito. Ele levantou meu queixo e verificou meu rosto por uma pista. E suspirou em frustração quando não disse nada. -Nina, eu preciso saber. -Eu tinha medo que você não viesse - Olhei minhas botas, eu não podia olhá-lo nos olhos quando soei tão patética. Jared pegou meu rosto em suas mãos e me beijou com ternura. - Eu não vou te deixar de novo. Não assim. - Não o quê? - Eu perguntei, preocupada que poderia haver mais por trás de suas palavras. - Eu não vou cometer o mesmo erro. Eu sou seu, enquanto você me quiser. - Promete? - Jared sorriu. - Eu te amo mais do que poderia prometer. Eu descansei minha bochecha contra seu peito e fechei os olhos, indescritivelmente feliz. A euforia se desvaneceu quando eu percebi que eu teria que passar o almoço e outra classe antes de vê-lo novamente. - Nina? - Nunca me acostumarei com isso, você sabe - eu disse, franzindo a testa. - Acostumar com o quê?

206


- Em sua percepção de como eu me sinto. É... - Eu parei, franzindo o nariz. Ele riu. - Estranho? Eu olhei para ele timidamente e encolhi os ombros. - Por que você não vem almoçar comigo? - Aqui? -Você não pode ir para a aula comigo, mas você pode vir almoçar. Isso ajudaria. - Ajudaria com o quê? Ele perguntou, ainda perplexo. - Com... - Eu hesitei. Ser honesta significa culpá-lo, o que eu não tinha nenhum desejo de fazer. - Ansiedade. - Jared terminou para mim. Como eu previa, ele estava visivelmente chateado porque eu me sentia assim. -Eu não queria dizer que a culpa é sua só queria dizer... Ele me ofereceu sua mão. -Vamos. Eu senti os cantos da minha boca transforma-se e deixei sua mão quente envolver a minha quando entramos no Ratty. Cada rosto na mesa onde meus amigos estavam parecia olhar para nós em uníssono, enquanto caminhamos para o buffet. -São apenas curiosos – disse enquanto nós caminhamos para a fila. Jared apenas balançou a cabeça. - Está tudo bem, Nigh? - Beth perguntou uma vez que estávamos sentados. - Tudo ótimo. - Eu disse.

207


- Você não parecia tão bem antes quando te deixamos - Kim disse. Seus olhos se estreitaram na direção de Jared por um momento, em seguida, voltou-se para mim. Jared parecia se divertir com as expressões incrédulas dos meus amigos. Peguei uma colher da minha bandeja e bufei, eu queria pegar um garfo. Antes que eu pudesse me levantar, Jared deixou um garfo na minha bandeja. Olhei para cima para agradecê-lo, mas antes que pudesse formar as palavras, Ryan abafou um riso de desprezo. - Vai alimentá-la também? - Ryan disse. - Cala a boca - provoquei. Se eu não tivesse tão irritada poderia ter temido pela segurança de Ryan. Jared poderia facilmente ter chegado em cima da mesa e quebrar seu pescoço. Ele olhou para Ryan, mas aparentemente não o afetava. - O que vamos fazer neste fim de semana, Ryan? Perguntou Josh. -Eu não sei - Seus olhos estavam focados em Jared, cheios de ódio. Kim falou. - Acho que devemos ir ao lugar de sempre. Estamos preenchendo-o com dinheiro. Os velhos amam o entretenimento que oferecemos a eles. - Como você gosta de homens mais velhos - brincou Josh. -Somente aqueles que carregam um vidro de Viagra Retrucou. Todos na mesa param por um momento, esperando para esboçar um sorriso. Ao não fazê-lo, eles continuaram discutindo planos. Ryan desviou o olhar de Jared depois do comentário de Kim e ela piscou para mim depois que o momento tinha passado. A menina era um gênio. 208


-Estou dentro - disse Tucker. Beth virou-se para mim. - Nina? -Oh! - eu disse, e eu dei uma olhada rápida no Jared com o canto do meu olho. - Eu não sei o que vou fazer ainda. - Vamos! – Reclamou Kim. - Por que não traz Jared ? Vai ser divertido - Beth disse alegremente. Ryan virou-se lentamente em sua direção incrédulo e com raiva. Beth afundou em sua cadeira. Percebendo a reação Ryan, Jared me abraçou e sorriu gentilmente. -Parece bom para mim. Quer ir? - Ele perguntou, virando-se para mim. - Uh... Claro. - Ótimo! - Kim disse com a boca cheia de comida. - As férias da primavera serão em duas semanas - disse Carrie.- Lisa e eu estamos indo para Tahoe. Alguém mais quer ir esquiar? - Isso parece incrível! Quer ir? - Beth perguntou, olhando para o Chad. Chad deu de ombros. - Eu não tenho esquio há anos. Quantos lugares têm disponíveis? -Minha mãe tem uma casa lá. Podemos ir todos se quiserem - disse Lisa. - Como isso vai ser divertido! - Beth aplaudiu - Quer ir esquiar, Nigh? - Ela perguntou, virando-se para mim.

209


- Eu não sei. Normalmente eu passo as férias com meus pais. Tenho certeza de que Cynthia já tem algo planejado - olhei para Jared, que assentiu infinitamente, o que confirma a minha suposição. - Não pode cancelar isso? - Perguntou Kim. Eu balancei minha cabeça. - Não este ano. Eu não vou fazê-la ir sozinha. - Kim e Beth assentiram em entendimento. -Eu tenho que voltar - Ryan disse, levantando-se. Ele olhou para mim algumas vezes arrumando suas coisas e saiu sem dizer adeus. Josh o seguiu. - Qual é o problema dele? Perguntou Lisa. Kim deu de ombros, mas eu vi ela olhar para mim. Jared me acompanhou até a próxima aula. Eu estava feliz que ele que ele decidiu fazer isso por conta própria, me salvou da humilhação de pedir. De repente, a tarefa de sentar-se pela próxima hora era menos assustadora. - Vejo você depois da aula? - Ele perguntou, beijando minha bochecha. - Eu sinto muito que você teve que vir até aqui - eu disse, inclinando meu rosto em seus lábios e fechando os olhos. - Nina - verificou meu rosto exasperado. O tom que estava usando quando eu tinha esquecido algo que ele achava que era óbvio. - Não se desculpe. Estaria aqui de qualquer maneira. Como posso protegê-la do loft? - Então... Você fica próximo do campus durante todo o dia? - A menos que você saia. Esse é o meu trabalho. - Então... Quando eu te vi todas aquelas vezes, fora do campus? Quando te encontrei pela primeira vez...? Jared balançou a cabeça, parecendo preso. 210


-Te perseguindo descaradamente. Senti meu rosto se iluminar. - Bom saber. A hora passou voando. Antes que eu percebesse, estava voltando para o loft de Jared, sentada e feliz no banco do passageiro. Ele abriu a porta com uma mão e com a outra agarrou minha bolsa. Eu coloquei minhas coisas no banheiro do térreo, encontrando uma banheira de hidromassagem. Definitivamente usaria mais tarde, pensei comigo mesma. Eu andei até o sofá e me afundei nas almofadas. Estava em casa. - Nina? - Jared sussurrou em meu ouvido. Pisquei algumas vezes, tentando me concentrar, enquanto olhava ao redor da sala. O sol já não brilhava através das janelas e um cobertor me cobria. - Que horas são? - Eu perguntei, me esticando. -Passa das seis. Quer jantar ou ficar aqui? - Perguntou Jared. - Definitivamente quero ficar. Eu vou cozinhar desta vez - me ofereci. -Você ainda está cansada. E se pedirmos algo? - Você não acha que posso cozinhar? - Eu olhei para ele com olhos acusadores. -Eu não disse isso. Eu não posso dizer, eu nunca provei sua comida. Embora Jack tenha mencionado. -Ele amava a minha comida - eu disse defensivamente. -Jack adorava você. Você poderia ter servido uma planta com resíduos tóxicos que ele teria pedido para repetir - ele brincou. 211


-Eu vou te provar. - Fui até a geladeira e abri a porta. Jared foi imediatamente atrás de mim. -Nina, você teve uma longa semana, uma noite difícil e foi para a aula hoje. Você não tem que provar nada esta noite. -Eu estou bem - eu disse, inspecionando o conteúdo de sua geladeira. Nesse instante, Claire entrou pela porta e a chutou fechando. -Você vai ter que comprar outra porta, de novo, se você continuar assim – resmungou. Jared rosnou, virando-se para encará-la. Claire segurando dois grandes sacos de plástico. - Jantar. Um sorriso apareceu no rosto de Jared. - Acho que isso resolve tudo - eu disse, derrotada. Claire levou as sacolas para a mesa. - Eu estava pelo Thai Star. Consegui seus curries tailandeses verdes, Nina. Jared... o de sempre. Tem enrolados de ovo e Satay, também. -Obrigado, Claire - disse Jared, revirando os sacos e colocando um ovo enrolado em sua boca. Depois de um momento, olhou para mim. - O quê? Foi surreal o suficiente que meu novo namorado sabia todas as minhas coisas favoritas, todos os meus passatempos e sentia os meus sentimentos. Com sua irmã - Que me viu três vezes trazendo meu prato favorito do restaurante que eu frequentava, não podia deixar de me sentir um pouco tonta. -Sinto muito. Nós vamos ter que fazer um trabalho melhor para facilitar isso - disse Jared.

212


Claire percebeu o que ele queria dizer, revirou os olhos e falou chateada. - O jantar, Nina. Estive ao seu redor toda a minha vida, então naturalmente sei suas preferências alimentares. Você estava menos perturbada porque nós somos mestiços. - Eu sei. Só me pegou desprevenida - murmurei. - Não tenha vergonha - Jared disse, olhando para Claire e depois de volta para mim com preocupação. - Vai demorar um pouco para se acostumar. Sabemos que vai ser difícil por um tempo. - Fale por você. É chato como você há mima o tempo todo disse Claire com raiva. - Não desconte seus problemas de infância nela - Jared rosnou. Claire apertou os olhos e colocou os punhos sobre a mesa, inclinando-se mais perto dele. Jared automaticamente colocou seu corpo protetoramente na minha frente. - Wow! Estou morrendo de fome! Eu disse, um pouco forte demais. Jared e Claire olharam para mim com suas várias reações típicas opostas. Jared entretido por minha tentativa de evitar a luta e Claire parecia estar planejando uma maneira de me sufocar até a morte antes que Jared pudesse interferir. Sentei e abri a caixa que Jared tinha colocado em minha frente. Vi ele remexer na outra bolsa, retirando caixas de lanches e tentei imitar sua atitude casual. Claire ficou ali por um momento, olhando e em seguida sentou-se para comer. Depois de alguns minutos de silêncio, eles começaram a falar sobre o seu dia. Eu percebi depois de um tempo que eles estavam sendo vagos. Não pressionando sobre a questão do ponto de vista da conversa, eu assumi que era sobre Claire. Pelo menos, eles não estavam falando em uma língua estrangeira. 213


- Parece que irei por algumas semanas - Claire reclamou. - Férias de primavera? Perguntou Jared. Claire assentiu. - Ich hasse diesen see (Odeio esse lago) - disse inclinandose para trás da cadeira. Foi quando a minha paciência desapareceu. -Eu vou ter que aprender alemão - eu fiz uma careta. -Desculpe - disse Jared - nós não estamos tentando deixá-la de fora. Nós estávamos discutindo a formação de Claire. - Percebi - eu disse, agarrando minha comida. Jared sorriu para mim com adoração e depois se inclinou para beijar minha bochecha. Claire revirou os olhos. - Sie bilden einen Dummkopf von selbst (Está sendo ridículo.) -Eu não estou sendo ridículo. Ela está certa, nós estamos sendo rudes. Sorri para a tradução lisonjeira de Jared. Ele se inclinou para trás para rapidamente beijar minha testa antes de ir lá em cima. Claire revirou os olhos de novo e em seguida levou seu prato para a pia. -Eu perdi o meu apetite. Eu tive que olhar duas vezes quando Jared voltou para baixo. Ele estava sem camisa, vestindo apenas um calção de futebol vermelho e tênis muito desgastado. Ele estava atrás de mim enquanto eu enxaguava a louça da pia e em seguida, passou os braços em volta da minha cintura. - Você não tem que fazer isso. Eu faço mais tarde - disse pressionando seu rosto contra o meu. - Não comece - eu disse, tentando soar difícil.

214


Jared se afastou de mim e parou em um canto onde ele fazia seus exercícios. Eu carreguei os pratos sujos na pia da máquina de lavar louça, quando Claire foi até o banheiro no andar de baixo e fechou a porta atrás dela. De repente, a porta se abriu novamente e minha mala foi lançada com uma incrível precisão do banheiro, aterrissando diretamente ao meu lado. - Este é o meu banheiro - Claire disse . Engoli seco, nervosa, olhando a mala que estava a centímetros do meu pé. Eu dei-lhe um sorriso tímido. -Linda banheira. Jared bufou do canto. - Os dois são meus banheiros e é bem-vinda em qualquer um deles. Claire o fulminou com os olhos e bateu a porta com força, fazendo com que os meus ombros subissem até meus ouvidos. - Não deixe que te pressione. Ela late, mas não morde bufou, empurrando uma quantidade absurda de peso. Olhei para a porta do banheiro. -Ela morde, Jared. Me mastigaria e cuspiria. -Não pode te machucar. Apenas gosta de ver como você fica com medo - ele riu. -Eu pensei que você disse que não eram como os Arcs, que poderiam prejudicar as pessoas, se necessário. - Eu olhei para ele, tentando me concentrar sobre o assunto, em vez de sua forma perfeita. - Poderia, mas não fará. Claire sabe melhor do que ninguém o que você significa para mim. Além do fato de que teria que lidar comigo para chegar perto de você e nunca cruzaria essa linha, não faria eu escolher entre você e minha família. Só está te incomodando um pouco - disse, acomodando-se no banco.

215


- Eu não iria deixá-lo escolher entre sua família e eu murmurei, sabendo que ele iria ouvir. -Nina - disse com esse familiar tom frustrado - você não está ouvindo. Ela sabe como me sinto sobre você, então pare de se preocupar com a Claire. Eu arqueei uma sobrancelha. - Pode saber como você se sente, mas um dia desses vai ignorar. - Você é o amor da minha vida, Nina. Não tem como ignorar isso - disse as palavras de maneira casual, mas as minhas pernas tremiam. Eu tive que me firmar contra o balcão para evitar cair no chão. - Você está bem? - Ele perguntou, dando continuidade em seus exercícios. - Eu? Er... Sim. Eu estou bem. Perfeitamente bem. Por quê? - Eu suspirei pelo meu fracasso completo para enganar. Jared apenas sorriu, com um olhar compreensivo, sem reduzir suas repetições. Claire saiu do banheiro em um moletom com capuz e calça de moletom, o cabelo foi puxado para trás em um nó forte. Parecia uma menina de dezessete anos, pela primeira vez. Ela caiu no sofá, com os pés balançando sobre o braço, passando os canais na tela plana. Uma vez que eu guardei os pratos, fiquei na cozinha, limpando as bancadas de novo. Eu decidi levar a minha mala para cima e organizar as minhas coisas da melhor maneira possível, as minhas roupas penduradas no armário de Jared e encontrar um lugar para o meu xampu e escova de dente. Foi divertido brincar de casinha por uma semana, mas duraria pouco tempo. Eu estava no meio do quarto me sentindo perdida. Jared ainda estava focado em seu treinamento e Claire no sofá, eu não via nenhuma razão para atrair ele para cima. Eu decidi provar a incrível banheira de Jared para passar o tempo. 216


O vapor dançando na superfície da água quando eu deixei cair meu robe no chão. Eu fui com os dois pés, abafando um gemido. Uma vez eu estava submersa até o pescoço, meu corpo relaxou imediatamente. Odiava os chuveiros comunitários de Andrews; sentiria falta da banheira quando voltasse. - Nina? Pegou uma toalha? Jared disse, com a voz abafada pela porta. - Eu não peguei - eu disse em um tom cantante. - Vou te passar uma. Em poucos segundos, o braço de Jared aparecia pela porta aberta, segurando uma toalha azul escuro. Eu fiz uma careta. - Eu não posso alcançar - eu brinquei. Ouvi-o suspirar antes de abrir a porta apenas o suficiente para passar, virando a cabeça na direção oposta. Ele ainda estava em seus shorts e tênis, encharcado de suor. Ele deu mais alguns passos em minha direção, segurando a toalha. Água espirrou quando levantei o braço, colocando a toalha ao meu lado na borda. - Obrigada. Jared suspirou e passou pelo lugar que veio, tomando cuidado para não abrir a porta mais do que absolutamente necessário. Eu deslizei sob a superfície da água para conter meu riso. Ele estava trabalhando tão duro para preservar minha virgindade, enquanto eu estava para me livrar dela. Eu fiquei na banheira até que meus pés e mãos estivessem enrugados o suficiente. Envolvendo-me no meu roupão, desci as escadas de madeira, percebendo que Claire não estava mais no sofá. Quando cheguei ao final, ouvi o chuveiro ligado. Vasculhei minhas coisas e eu escolhi um conjunto de pijamas de seda cor de rosa, e apenas quando estava abotoando o 217


topo da minha camisa, Jared deixou o banheiro em um par de calças de pijama de algodão preto. - Onde está a Claire? - Eu perguntei. -Ela teve que sair para... Treinar - explicou, tirando a caixa de primeiro socorros de baixo de sua cama. Sentei-me e coloquei para cima a palma da minha mão para que ele trabalhasse. - Eu pensei que ela tinha terminado com o treino. O que mais ela poderia aprender? E com quem? -Esta cheia de perguntas esta noite - disse, trabalhando rapidamente para desinfetar e curar minha ferida. - E você está fugindo delas. - Precisamos aguçar nossas habilidades quando... - parou, seus olhos escureceram, do mesmo modo que eles tinham para o nosso primeiro encontro. - O quê?- Eu perguntei, olhando para ele quando ele colocou a última fita em minha mão. - Eu posso pedir para fazer uma coisa por mim? - Ele perguntou, fechando os olhos. - Qualquer coisa. Exceto ir. Os olhos de Jared se abriram de uma vez. -Eu não quero que você vá. Estou te pedindo para esperar. - Esperar o quê? - Eu estremeci. Jared tinha um talento especial para me confundir. - Deixe assim. Por enquanto. - O que há, Jared? - Eu prometo explicar tudo em breve. Mas eu não estou pronto para... - se contorcia desconfortavelmente... Você pode esperar? 218


-Se é isso que você quer. Seu rosto relaxou imediatamente. -Obrigado. - Posso perguntar uma coisa? - Eu sussurrei, olhando para as nuvens formadas nos olhos de Jared - Apenas... Eu estava pensando... Alguma vez vai ter que me deixar? Para treinar, quero dizer. Ele sorriu de novo, obviamente aliviado pela minha pergunta. - Não. Eu terminei. Temo que você esteja presa comigo. -Pobre de mim - eu brinquei. Deslizei-me para trás para apoiar-me contra a cabeceira e Jared se colocou virado para baixo, ao meu lado. Ele abraçou minhas pernas e descansou a cabeça em meu colo e eu felizmente passei os dedos por seu cabelo úmido. - Está com febre?- Eu perguntei. Ele olhou para mim, perplexo. - Não fico doente, Nina, lembra? - Eu sei, mas... Você está queimando eu disse, tocando sua testa. -Eu sou mais quente do que todos os outros. É uma coisa constante. - Quanto mais? Eu perguntei com ceticismo. -Tipicamente, cerca de quarenta graus Celsius. Acabei de sair do chuveiro, provavelmente, um pouco mais do que isso. Eu olhei para ele, não tinha nada mais a dizer. Jared ri do meu silêncio e deixa sua cabeça descansar contra as minhas pernas novamente.

219


- Não é realmente um grande negócio. Claire é igual. Tem a ver com a forma como nosso corpo lida com as habilidades... extras. -Habilidades... - Eu repeti. A maior parte do tempo tive que lidar com Jared sendo metade anjo, mas apenas quando não tentava pensar nisso. O detalhe fez minha cabeça girar. - Eu não posso imaginar como deve ser para você – disse ele – É bem difícil conhecer alguém quando você começa a namorar e então você tem que lidar com seu namorado jorrando detalhes incríveis o tempo todo. - Oh, é o namorado agora, certo? Jared riu e sentou-se, pronto para atacar. Minha boca estava aberta, fingindo surpresa. - Não se atreva! Ele agarrou minhas pernas e me empurrou, deslizando-me por baixo dele. De brincadeira beliscou meus lados, fazendo cócegas enquanto minha risada ecoou pelo loft. - Tudo bem! Tudo bem. É namorado. - Eu voltei a rir. Ele suspirou de alegria com as minhas palavras. - Tudo o que eu sempre quis era está aqui em meus braços. Eu não podia imaginar por que me olhava assim. Seis bilhões de pessoas no mundo e um homem que era perfeito demais e também metade divino, havia me escolhido. Só isso já era mais do que eu merecia, mas para ele dizer algo tão bonito, com aquele olhar em seus olhos, não estava me ajudando. - Eu te amo, Jared - Isso não parece o suficiente, mas uma vez que as palavras saíram da minha boca, seu sorriso se transformou em pura alegria, como se tivesse dado algo que ele queria toda a sua vida. Antes que eu pudesse dizer mais, seus lábios estavam nos meus.

220


Ele me beijou diferente desta vez, era suave, quase cauteloso. Eu passei os braços em volta de seu pescoço, enquanto ele continuou seus lábios quentes trabalhando suavemente contra os meus. Ele colocou tanta emoção naquele pequeno, lento e carinhoso beijo, que me vi lutando contra as lágrimas. Ele me beijou como num final feliz. E então ele parou. Em um movimento suave, mudou-me para o meu lugar na cama. Cuidadosamente deitou atrás de mim e envolveu o meu corpo com o seu. Respirei fundo e soltei um ronronar satisfeito, forçando Jared para puxar mais perto. Pouco antes de cair no sono, eu fiz a primeira oração desde que era uma menina. Eu não tinha certeza o que eu tinha feito para merecer um presente tão maravilhoso e não tinha certeza se era insolente, mas eu agradeci a Deus pelos anjos caídos.

Capitulo 10

221


Nos próximos dias, estabelecemos uma rotina agradável. Jared me levava para a faculdade, voltou a sentar-se comigo no almoço e, em seguida, e então esperou a liberação de minha última aula. À noite, eu estudava enquanto ele trabalhava fora e eu cheguei a me acostumar a dormir em seus braços. Toda vez que ele cobria minha ferida, uma sensação de medo tomava conta de mim, a cicatrização da minha ferida significava que nossas noites juntos estavam contadas. As meninas que costumavam se juntar a nós na mesa durante o almoço viam o Jared mais com naturalidade, enquanto os meninos fizeram o seu melhor para ignorá-lo. Os limites foram claramente estabelecidos. Lisa ainda timidamente convidou Jared para sair tipo "Uma noite de meninas", que Jared apenas respondeu com um levantar de sobrancelhas, fazendo com que aqueles que estavam prestando atenção rir. Notei que Ryan era muito cuidadoso em falar somente comigo, fazendo ênfase em ignorar qualquer contribuição de Jared para a conversa. Na quinta-feira, a tensão na mesa tinha ressuscitado. - Você vai vir estudar com o grupo hoje à noite ou não? questionou Ryan, claramente irritado. - Eu não tenho certeza de quais são os planos para hoje à noite. Jared olhou para mim e começou a falar, mas Ryan interrompeu. - O quê? Você precisa de permissão? - ele disse bruscamente. Eu olhei para ele. - Chama-se educação. Você deve experimentar. Jared tocou levemente meu joelho para ficar calma. Mas não estava funcionando, Ryan não poderia ser mais hábil para me dar nos nervos. - Só porque eu não estou feliz de como você esta diferente, não quer dizer que sou um idiota - ele disse, apertando os olhos. 222


- Você disse isso, não eu. - Você se mudou com esse cara - disse apontando para Jared, - Já não fala com seus amigos, você foge do grupo de estudo... Eu estou fazendo o que os amigos fazem, Nina. Eu estou tendo certeza de que está tudo bem. - Ela me ligou ontem à noite - disse Beth me defendendo. Ryan a ignorou. Podia sentir o calor irradiando do meu rosto. - Você não está sendo um amigo. Você está sendo agressivamente intrometido. Ryan revirou os olhos. - Você vai vir para o grupo de estudo ou não? - Sim - eu rosnei. A atitude de Ryan mudou imediatamente. - Então, você quer comer alguma coisa depois? Senti a mão de Jared apertando meu joelho. - Não é divertido, Ryan - repreendeu Kim. Ryan olhou para mim com expectativa. Todos na mesa observando minha reação e do Jared. - Jared vem me buscar depois. Temos planos para o jantar eu disse, olhando para ele. - Eu pensei que tinha dito que não sabia se tinha planos incito Ryan. Eu me inclinei para frente em minha cadeira, tomando fôlego suficiente para liberar o meu temperamento para o outro lado da mesa. Jared finalmente falou: - Temos planos para o jantar todas as noites, Ryan. Você é bem-vindo se você quiser participar - eu dei um olhar de surpresa

223


para Jared e eu notei que seu rosto estava livre de qualquer sarcasmo. As Sobrancelhas de Ryan franziram, tomado de surpresa pelo convite sincero de Jared. - Eu acho que vou passar. Eu sorri, satisfeita, voltando minha atenção para Jared. - Você está pronto? - Estou - disse ele, inclinando-se para beijar a minha testa. Lisa e Carrie quase desmaiaram. Na porta da minha classe, Jared colocou minha mochila no chão ao meu lado e puxou a maçaneta para me dar passagem. - Obrigada - eu disse, dando-lhe um beijo rápido. - Eu suponho que você vai estar por aqui até que o grupo de estudo se encontre. - Você está certo. - eu concordei. - Me chame quando você terminar, vou buscá-la no The Rock – Eu fiz uma careta. - É ridículo que você tenha que sentar e esperar lá fora. Por que você não vem comigo? - Nina, é o que eu tenho feito nos últimos três anos. Você precisa passar mais tempo com seus amigos ou vão começar a se preocupar com você. - Ryan é o único que está preocupado e está apenas a sendo idiota - disse passando a mão sobre a manga de sua jaqueta. Ele está com ciúmes. Eu enruguei meu nariz. - Somos apenas amigos.

224


Jared beijou o topo da minha cabeça sorrindo. - Vejo você mais tarde. Assim que a aula terminou, fui diretamente para Andrews. O sol estava brilhando, e eu estava começando a desfrutar de minha caminhada quando Ryan apareceu ao meu lado. - Oi - disse ele. - Oi - eu disse menos entusiasmada com sua presença. - Oh, vamos lá, não fique brava. - brincou, jogando seu braço sobre meu ombro e apertou. Eu me contorci para fora de seu alcance. - Você tentou me humilhar na frente de todos, Ryan. Qual foi o ponto? - Eu lhe disse qual era o ponto. Estou preocupado com você. Deixei escapar uma risada sarcástica. Eu nunca me senti mais segura do que quando eu estava com Jared. - Nina... - disse diminuindo o ritmo. Antes que eu pudesse ficar longe o suficiente, fui puxada para trás, pela a manga do meu casaco para me aproximar de onde ele estava — Nina! - O quê? - rosnei, tentando não tropeçar na minha mochila. Eu puxei meu braço de seu alcance e alisei meu casaco. - Você tem que admitir que está sumida esta semana. O que está acontecendo com você? Você apenas conhece o cara. Eu tremia enquanto tentava pensar em uma resposta confiável. Eu sabia que deveria parecer dessa forma para ele - e todos os outros, mas eu não poderia me defender com a verdade. - Eu não me mudei com ele. Minha mão está infeccionada, então ele troca o meu curativo todas as noites. Assim que estiver curada voltarei ao Andrews - eu não poderia deixar de franzir a testa com a ideia.

225


- Poderia fazer isso no Andrews - Ryan argumentou. É claro que ele estava certo, mas Jared e eu sabíamos desde o início que era uma desculpa esfarrapada. Eu não gostava da ideia de ele passar a noite em seu Escalade em frente ao Andrews, e Jared estava mais do que pronto a fazer o nosso arranjo de vida permanente. Eu não poderia explicar qualquer desses dois fatores para Ryan. - Qual é o seu problema? - eu perguntei, seguindo o meu caminho para a residência. Ryan colocou as mãos nos bolsos, me seguindo de perto. - Acho que você está se envolvendo profundamente e muito rápido. Você precisa dar um passo atrás. Vá mais devagar. Você acabou de conhecer esse cara e se comportam como se tivessem anos de casados. Você tem outros amigos. Sentindo-me ofendida, minha boca se abriu. - Não é verdade! Eu sei que tenho outros amigos. Eu conversei com Beth e Kim todas as noites desde que eu fui para casa para Jared. - Você não falou comigo - ele disse, mostrando-se magoado. Revirei os olhos, eu estava feliz que nós havíamos finalmente chegado ao Andrews. - Você quer que eu comece a te chamar à noite? Você se sentiria melhor? - Talvez. Seu marido se importa? Apertando os olhos, eu tirei as chaves no bolso. - Eu não tenho tempo para isso. - Você se importa se eu entrar? - Eu acho que não, uma vez que você já está me seguindo.

226


Empurrei a porta e guardei minha mochila no armário. Ryan se sentou na cama de Beth, e me olhou aparentemente divertido. - O quê? - eu perguntei, esperando um comentário sarcástico. Ele deu de ombros, deixando cair sua mochila no chão. - Nada. Você é tão engraçada. - Como é assim? - eu perguntei, tirando o casaco. - Vocês passa muito tempo fingindo estar brava comigo, quando você sabe por que eu digo as coisas. Não te entendo. Você gosta de passar o tempo comigo, e gosta de passar tempo com ele, a única diferença é que esta semana decidiu brincar de casinha com ele. Eu levantei minhas sobrancelhas, antecipando uma briga. - Você está insinuando que eu acho que você está insinuando? - eu perguntei, tirando minhas botas. - Depende. Você vai me jogar as botas? - ele perguntou, levantando um lado de sua boca em um sorriso. - Você acha que eu estou apontando pra você? eu gritei, pegando uma bota na mão. - Bem... - ele me conhecia o suficiente para ver que o meu temperamento estava prestes a explodir. - Brincadeirinha! - ele ergueu as mãos, à espera de uma bota voar pela sala. Quando sentiu que estava a salvo, ele continuou - Eu não disse isso. Eu acho que você deve deixar suas opções em aberto, só isso. Você está muito envolvida com esse cara que mal conhece. Será que você não vê algo que está diante de seus olhos? Eu sabia o que ele queria dizer, mas eu me recusei a dar-lhe a satisfação de uma resposta. Liguei meu laptop, olhando para a tela. - A que horas você pretende ir? - No momento em que você for - Ryan deu de ombros, deitando na cama de Beth. 227


- Provavelmente não vou até às sete e meia - eu disse, cruzando as pernas sobre a cadeira. - Ok. Olhei para ele, incrédula. - O que você pretende fazer aqui por quatro horas? - Ficar com você. Agora é a minha vez de te fazer companhia. - ele suspirou. - Ugh. Você fala como se estivesse me compartilhando - eu gemi com nojo. - Eu estou - disse ele, absolutamente inocente de qualquer ofensa. - Pare com isso Ryan riu e entrelaçou os dedos atrás da cabeça. Eu observei-o por um momento, enquanto ele olhava para o teto. Sem dúvida, estar na posição de Ryan não era para estar tão feliz e eu estava perdendo a paciência com ele, ele tinha de superar essa paixão ridícula para que pudéssemos ser amigos novamente. As próximas quatro horas se passaram de forma relativamente rápida. Ryan e eu recapitulamos a semana passada, mas tive o cuidado de deixar de lado o que aconteceu no loft de Jared. Nós falamos como costumávamos fazer e foi refrescante. Eu tinha saudades dele. Ele estava certo, eu gostava de passar tempo com ele, tanto quanto com Jared, mas era muito diferente. Eu sempre me senti confortável com Ryan, mas a urgência não estava lá. Não sentia como se o oxigênio fosse faltar no quarto quando ele não estava. Ryan estava sempre no fundo da minha mente, e doeu magoá-lo, mas ele estava errado. Havia mais diferença do que apenas brincar de casinha.

228


Fomos os últimos a chegar ao The Rock. Ryan queria parar pra comprar algo para comer no caminho, de modo que o atraso nos custou assentos na primeira fila. Beth sorriu para mim quando entramos. - Oi! - Oi, você. Onde você estava? - eu perguntei. - Na casa do Chad - respondeu sorrindo. Olhei para o Chad, parecia muito frustrado com seu laptop. Ryan e eu trouxemos uma pilha de notas que ocupariam o nosso tempo, então fomos trabalhar imediatamente. Depois de uma hora, eu decidi fazer uma pausa e chamar Jared. - Oi - Jared respondeu em um tom suave, atendendo no primeiro toque. - Só pensei em ligar e ver o que você está fazendo. Você gostaria de um café ou algo assim? - Não, querida. Basta fingir que eu não estou aqui. - Só não gosto da ideia de que você tem que sentar do lado de fora no frio. - Isso é o que eu faço, lembra? Mas eu estou pronto para vêla - acrescentou. - Eu também. - Me encolhi com quão ignóbil minhas palavras soaram. Eu estava feliz que ele podia sentir de forma diferente. Voltei para o grupo, Ryan fez uma careta. - Não comece - eu avisei. Ryan balançou a cabeça e voltou para o seu livro. Ele se mexeu na cadeira por um tempo e, finalmente, deixou escapar um grande suspiro. - Você vai ficar lá novamente? – Ele deixou escapar.

229


- Isso é um pouco mais do que deveria te importar - eu disse, distraída por uma equação particularmente difícil. - Eu acho que ele havia dito que tinha planos para o jantar. Desde que você perdeu o jantar, eu acho que talvez você devesse passar a noite aqui. - Isso ainda não é da sua conta – murmurei examinando a escrita nas páginas. Qualquer divulgação dos meus arranjos de dormir só terminaria em outra briga para qual eu não estava de bom humor. Começando o terceiro assunto, eu olhei para o relógio. - Esse relógio está certo? - perguntei ao grupo. Todos olharam em uníssono no relógio redondo grande na parede, e então olharam para os seus relógios ou celulares. Em diferentes tons, todos murmuraram em confirmações. - O quê? - Ryan perguntou, estendendo-se enquanto assistia eu empurrar minhas coisas na minha mochila. - É tarde, eu tenho que ir. Peguei meu telefone e apertei na discagem automática para falar com Jared. Nenhuma resposta, então eu corri para a porta. Eu fiquei lá por um momento, olhando ao redor e, em seguida, desci as escadas com pressa, batendo as rodas da minha mochila contra os degraus. O Escalade não estava lá. Eu tentei não entrar em pânico, me convencer de que apenas estava em um lugar onde eu não podia vê-lo. Depois de dez minutos, eu caminhava pela calçada um pouco mais de um quarteirão, procurando. Minha busca foi em vão. Jared não deixaria eu andar na escuridão, ele não estava lá. Minha mochila mal tocava o chão enquanto corria através do campus, eu estava feliz que Claire tinha estacionado o meu carro no centro do estacionamento, apesar de seu descontentamento. Pensei em todas as possibilidades do seu desaparecimento repentino, mas minha mente ainda estava indo para o inferno pelo que tinha acontecido apenas uma semana antes. Jared não 230


mostrou sinais que avisasse que iria acabar com o nosso relacionamento. No momento em que cheguei ao meu carro meus pulmões estavam congelados e machucados. Busquei as minhas chaves e puxei a porta abrindo, joguei minha mochila de lado no banco do passageiro. Os pneus cantaram quando eu cheguei na estrada, xingando cada semáforo que me custou um tempo precioso. Fui correndo para o loft de Jared e respirei fundo. Seu Escalade não estava estacionado em frente, mas mesmo assim tentei abrir a porta. Eu mantive meus olhos na maçaneta da porta, como esperado e desejando que girasse a maçaneta. Cães latiam na rua escura de baixo e de repente eu me senti desconfortável. Até então, não havia percebido quanto eu me sentia segura com Jared, o beco antes não me parecia assustador. Voltei para o Beemer, derrotada. Ele teria chamado se fosse outra coisa senão a pior alternativa. Ele tinha quebrado a promessa de não me deixar ou esta em perigo. Depois de vinte minutos, ainda não havia recebido qualquer chamada de Jared, meus pulmões começaram a sentir-se menos satisfeitos com cada respiração e meus olhos se encheram de lágrimas. Uma batida ressoou em minha janela e pulei. Rosto perfeito de Claire estava do outro lado. Ela revirou os olhos. - Oh, pare. Aconteceu algo. Eu vim para deixar você entrar. Eu estava olhando para ela por um momento, atordoada. Sua explicação não fazia sentido, mas saber que ele havia a enviado para me deixar no loft, apaziguou metade dos meus medos. - Ele está bem? - eu perguntei, seguindo-a pelo beco. - Uh... Sim. Você se preocupa demais - ela disse com expressão irritada, evidente mesmo no escuro.

231


Ela me levou para as escadas de ferro da porta de entrada, e, em seguida, abriu a porta para me deixar entrar. Eu subi correndo as escadas para o sótão e cai na cama. Uma enorme sensação de alívio passou por mim, e eu fiz o melhor que pude para chorar em silêncio e evitar piadas futuras de Claire. Limpei meus olhos ao ouvir seus passos subindo as escadas e parou ao lado da cama. - Uau! - ela brincou, mastigando chiclete um pouco grande demais para sua boca. - Por que você não vai tomar um banho? - ela perguntou. Eu a ignorei. Claire suspirou e sentou-se na cama no lado de Jared. Eu congelei por um momento, preparando-me para ouvir um comentário desagradável. Ela sentou-se em silêncio. Eu dei-lhe um olhar confuso. - O que... O que você está fazendo? - eu disse, choramingando. - Eu deveria me sentar com você - ela disse, parecendo entediada. - Sentar-se comigo? Por quê? - Simplesmente tenho que fazer. Vai tomar um banho, ok? Você parece mal. Suspirei novamente e fui para o chuveiro, com vergonha de discutir. Claire nunca perdeu uma oportunidade de me fazer sentir como um idiota, mas ela certamente poderia entender as minhas lágrimas. Apressei minha rotina noturna, ansiosa para que todos os ruídos que ouvia fora do banheiro indicassem que Jared voltou para casa.

232


Claire estava em baixo quando eu terminei. Eu usava uma das camisas de Jared. Era um pobre substituto, mas teria que servir de conforto até que ele chegasse em casa. Com um timing impecável, ela entrou no quarto, quando eu deslizei sob as cobertas. Claire olhou para longe de mim, de repente desconfortável. - Essa é a camisa favorita de Jared. Olhei para baixo e percebi a parte dianteira do vestuário estava surrado e desgastado. Era de algodão cinza escuro e era muito fina, eu sorri quando eu distinguia as palavras desbotadas na frente, foi um concerto de Red Hot Chili Peppers há quatro anos. Olhei para Claire mostrando sinais de um leve sorriso. - O meu pai levou-o para o concerto - refletiu, sentando-se na cama ao meu lado. - Você se parece com ele - Gabe também tinha o cabelo loiro claro e Claire tinha herdado os olhos azuis de gelo. Aqueles olhos foram congelados imediatamente com raiva. - Não fale dele. Você... - ela fez uma pausa - apenas vá dormir, Nina. Adormecer com Claire sentada ao meu lado como um guarda de prisão não foi possível, então eu virei de costas, com foco em Jared. Eu me perguntava o que estava fazendo e por que ele não tinha ligado. Eu abri minha boca para perguntar para Claire, mas considerando seu estado de espírito eu pensei melhor. O relógio mudou de P.M. para A.M. Enquanto os números passavam da meia-noite . Jared não tinha ligado, eu estava tão preocupada que eu quase decidi pedir Claire ligar para ele . Naquele instante, Claire se levantou e caminhou até o parapeito. Uma porta bateu fora, passos ecoavam pela escada de ferro e, em seguida, a porta da frente abriu e fechou em silencio. Os olhos de Claire seguiram os passos descendo as escadas até que Jared se tornou visível. 233


Sua aparência me chocou. Seu rosto manchado com sujeira e sangue, juntamente com sua camisa, jaqueta e jeans. Os nós dos dedos estavam inchados e sangrando. Notei que alguns deles tinham sido rasgados pele pendurado como tiras. - Jared? - eu disse, jogando os cobertores e, em seguida, correndo em sua direção. - Eu estou bem - disse, mantendo suas mãos longes. - Estou sujo. Deixe-me entrar no chuveiro. Sem dizer uma palavra, Claire desceu as escadas. Andei pelo quarto, roendo as unhas até que ele reapareceu. Ele estava vestido e barbeado, os únicos vestígios de sua aparência desgrenhada eram os nós dos dedos já curados. - O que aconteceu? - eu disse com firmeza. - Desculpe, eu não estar lá. Aconteceu algo - falou, olhando para a minha mão, sem curativo. - Obviamente - eu disse, cruzando os braços . - Você está bem? - Eu estou bem. Dawson passou pelo The Rock para fazer uma visita. Eu tinha que agir rapidamente - se aproximou de mim para pegar o kit de primeiros socorros debaixo da cama. - Sr. Dawson? - eu perguntei surpresa. - Ele estava armado e tinha também... - a mandíbula de Jared ficou tensa - tinha parafernália. - Que tipo de parafernália? - eu disse, sentando na cama. - O tipo que se usa para amarrar alguém e torturá-lo. Ele estava pensando em usar para obter esse "pacote" esta noite. Engoli em seco. Se Jared não estivesse ali para me proteger, eu não queria pensar o que seria. Ele não olhou para cima enquanto falava.

234


- Ele não vai incomodá-la novamente. - Você... Vi como ele trabalhava em silêncio, espalhando a pomada antibiótica através de minha mão. O corte era agora o início de uma cicatriz rosa brilhante, a infecção tinha desaparecido dias atrás. Após uma longa pausa, Jared me respondeu. - Não o matei. Não que eu não tive que me conter. Ele me deu a informação, mas não rápido o suficiente. Eu deixei minhas emoções ficar no caminho - ele suspirou e balançou a cabeça — não estava consciente tempo o suficiente para me dizer tudo o que eu precisava. - O torturou - eu disse olhando para Jared, segurando o último pedaço de gaze com fita para voltar enrolar perfeitamente. Eu me preparei para a resposta dele, o Jared que eu conhecia não seria capaz do horror que imaginava. - Eu queria quebrar a espinha dele e jogar em Narragansett para se afogar, Nina. Ele tem sorte de permanecer vivo. Sua missão era me proteger por todos os meios necessários, só que eu não tinha parado para pensar sobre o que isso significava. - O que você descobriu? - Nós vamos discutir amanhã. Você precisa descansar - ele sussurrou. Colocou-me cuidadosamente sobre a cama, beijando a palma da minha mão enfaixada. Quando tentou se afastar, pressionei meus dedos com os dele. - Eu estava preocupada. Eu vim aqui pronta para implorar... Ele riu uma vez. - Em que universo paralelo teria que implorar?

235


- Antes mesmo eu tive que arrancar dois microfones e quase morrer de frio na chuva para trazê-lo de volta para mim. Dirigir até seu loft e bater em sua porta não é a medida mais extrema que eu tomei. A expressão de Jared foi de dor. - Percebi que o seu carro estava fora. Desculpe-me, eu tive que ir embora sem uma explicação. Eu não tive escolha. - Foi melhor do que a alternativa - eu disse, meu sorriso se apagou um pouco enquanto considerava as possibilidades. Jared tocou o lado do meu rosto e, em seguida, deixou-me caminhando até as escadas. Sentei-me para protestar, mas Jared parou. - Já volto - ele disse. Eu relaxei na cama, ouvi seus passos descendo as escadas, fez-se silêncio quando ele chegou ao sofá e subiu as escadas novamente. Ele sentou ao meu lado e me entregou uma pequena caixa vermelha na palma da sua mão. - Não fique muito animada. Não é nada importante. Eu sorri e peguei a caixa de suas mãos, puxando a pequena alça de prata no topo. Eu olhei para ele, erguendo as sobrancelhas em surpresa. - É para compensar esta noite. Então? O que você acha? Pendurado na capa estava uma chave de prata brilhante. - É do loft - explicou - A próxima vez que alguma coisa acontecer, você não tem que esperar do lado de fora no frio. - Quando você teve tempo para fazer isso? - eu perguntei ainda processando o significado do objeto brilhante girando em torno de uma fita vermelha estreita. Jared deu de ombros. 236


- Eu a tinha nos últimos dias. Tinha a intenção de te dar, mas não precisava até agora. - Você está me dando uma chave? - eu levantei minhas sobrancelhas com incredulidade. Jared balançou a cabeça, em seguida, fez uma careta. - Eu prometi que nunca te deixaria. Eu falei sério. Se algo como isso acontecer de novo venha pra cá. Espere - ele gentilmente tocou meu rosto com a mão - Eu vou ganhar a sua confiança novamente. - Eu confio em você - eu disse, imitando a expressão dele. Jared se inclinou e pressionou seus lábios nos meus. - E eu confio em você. Bom trabalho no seu quarto hoje estremeci. - Você ouviu certo? Jared riu. - Tudo. Eu acho, tive uma surpresa cada vez que eu ouvia você dizer meu nome levemente na conversa. É uma coisa boa que Ryan... - É uma coisa boa que Ryan o que? eu perguntei, inclinandome para colocar os seus olhos nos meus. - É uma coisa boa que eu seja tão paciente - Jared disse, olhando em todos os lugares menos nos meus olhos. - Você é muito paciente, mas isso não é o que você ia dizer. Os olhos de Jared foram de mim para o chão e outras coisas no quarto, desconfortável com o rumo que a conversa tinha tomado. - Tem a ver com o que eu disse que iriamos discutir mais tarde. - A formação de Claire tem a ver com Ryan? Jared suspirou. 237


- Você não vai esperar, certo? Eu balancei minha cabeça lentamente, sem saber o que esperar. Os dois nomes pareciam estar em lados diferentes do universo. Jared balançou a cabeça e olhou para mim debaixo de suas sobrancelhas. - À noite no bar, quando você conheceu Claire, Ryan colocou as mãos em mim. - confirmei com a cabeça e Jared continuou — Quando ela tomou sua mão, sentiu algo. Ela sentiu a sua dor. Jared esperou pacientemente para ver se eu entendi. - Ryan é o Taleh de Claire? - eu sussurrei, sabendo que ela podia me ouvir de qualquer maneira. Eu não podia acreditar e ao mesmo tempo estava animada, como se tivesse acabado de ouvir um petisco suculento. - Mas quando fomos atacados... - Claire era talentosa, mesmo entre os de sua classe. Ela não deixaria Ryan sofrer danos assim. - É por isso que a situação foi além do que seria permitido normalmente. Claire os tinha em sua mira. Ela teria levado apenas um segundo para se livrar deles, mas quando Ryan interveio, Claire não poderia obter uma imagem clara. Eu não podia arriscar. Foi então que eu decidi intervir - os olhos de Jared começaram a se confundir. O pior estava por vir. - Por que você não queria me dizer ? Jared se inclinou e me beijou. Era urgente e profundo, o tipo de beijo que ele me deu antes de ele sair para ir falar com a minha mãe, como se quisesse me dizer adeus para sempre. Relutantemente, ele se afastou para olhar para mim. - Foi por razões puramente egoístas. Eu queria esperar para que você e eu pudéssemos... para que você possa me conhecer melhor. - Me perdi.

238


- Lembra quando eu estava explicando o que é o Taleh, você mencionou como conveniente era que Gabe protegesse Jack e eu você? Eu balancei a cabeça. - Sim, você me disse que os grupos de anjos tendem a permanecer em famílias ou aqueles com quem eles estão conectados de alguma forma - agora que ele tinha se tornado evidente, fazia mais sentido - Claire é protetora de Ryan porque ele é um amigo? Jared suspirou e se mexeu nervosamente ao meu lado. - Claire é a protetora de Ryan, quer dizer que supostamente ele deve estar em sua vida. Permanentemente. Eu sorri e balancei a cabeça. - Então, o que você está dizendo? Ryan vai ser? Da família de alguma forma? - Jared esperou e meus olhos se arregalaram em descrença - Você acha que eu tenho que me casar com ele? Oh, vamos lá! Isso é ridículo! - Essa seria a única explicação - Jared disse com uma expressão séria. - Você não está falando sério. Não há nenhuma maneira de saber. Poderia ser qualquer tipo de coisa, ou outra possibilidade. - Eu acho que se você não tivesse me conhecido primeiro, então você iria querer estar com ele. É suposto que seria o seu marido um dia. Eu gostaria de entender por que, armada com esse conhecimento, você pode se sentir diferente. Ele é um bom amigo. E ele é... persistente - Jared disse, seu rosto contorcido em uma expressão irritada. Eu segurei seu rosto em minhas mãos e olhei para ele diretamente nos olhos. - Pare. Eu estou apaixonada por você, Jared. Não existo sem você. 239


Ele me olhou por um momento. - Desculpa eu ter escondido. - Você não tem absolutamente nada com que se preocupar. Eu prometo - eu disse. Jared desligou a lâmpada e se arrastou para o meu lado, puxando-me para ele. - Eu senti sua falta - eu disse, me acomodando em seus braços — Vai ser difícil as coisas serem iguais quando minha mão melhorar. Provavelmente poderia começar a ficar em Andrews neste fim de semana. - Você não tem que ir - Jared sussurrou na escuridão. Eu enterrei minha cabeça em seu peito. Era tudo que mais desejava, mas as palavras de Ryan sobre que estávamos indo muito rápido entraram em minha mente. - Eu adoraria um dia... - eu disse, na esperança de preservar seus sentimentos. - Um dia - ele repetiu, suspirando. - Eu entendo. É muito rápido. - Talvez só um pouco - sorri, beijando seu peito. Na manhã seguinte, acordei nos braços de Jared. Ele estava acordado, com paciência me mantinha contra ele. Meu sorriso desapareceu quando eu percebi que era a última manhã que acordávamos juntos por um tempo. - O que foi? - Jared perguntou, sentindo a minha decepção. Eu tomei uma respiração profunda e assustadora. - É sexta-feira - suspirei - Eu vou voltar para a Andrews esta noite. - Tem uma chave. Você pode usá-la quando quiser.

240


- Eu sei - olhando para ele com um sorriso. - Isso é reconfortante. Jared tirou uma mecha do meu rosto. - Eu vou sentir falta de ver você assim de manhã... especialmente com minha camisa. Teria tido um significado totalmente novo, se eu soubesse que um dia você estaria deitada em meus braços vestindo-a. Interessante escolha, devo acrescentar. É minha favorita. - Fiquei sabendo - ele sorriu. - Leve-a. Eu quero que você fique com ela. - Mas é a sua camisa favorita! – argumentei, afastando-me para olhar pra ele. - A partir de agora minhas manhãs não serão tão decepcionante se eu souber que você acorda com essa camisa ele respondeu. - Bom ponto. Eu vou levá-la, mas apenas por empréstimo. - Oh, não há dúvida em minha mente que um dia destes vai ser um elemento permanente no meu armário. Você não pode viver para sempre no Andrews. Mordi o lábio enquanto eu me pressionei contra seu peito nu. Pareceu-me um pouco bobo, sabendo que ambos preferiram ficar, mas eu nunca poderia por um fim nos comentários de meus amigos e minha mãe, se tornaria um novo conjunto de problemas. - Eu poderia ficar aqui nos finais de semana, eu disse. - Você faria isso? Ela perguntou, com os olhos brilhando. - Se estiver tudo bem, eu não quero incomodar. Jared me beijou até que eu senti um formigamento nos dedos dos pés. Justo quando eu precisava tomar um fôlego, ele se afastou.

241


- Você poderia ter todas as suas coisas aqui quando terminar suas aulas, se você quiser. E que passe aqui todos os fins de semana é maravilhoso. Um sorriso se espalhou no meu rosto e envolvi meus braços em torno de seu pescoço. Quando ele dizia coisas assim, era difícil lembrar por que não poderia ceder ao que ele queria. Eu imediatamente me senti melhor sabendo que eu tinha mais alguns dias com ele. - Você vai se atrasar. Eu vou fazer café - disse, correndo pelas escadas. Corri para tomar um banho e Jared me deu uma caneca rosa para viagem quando eu coloquei meu casaco. Eu levantei uma sobrancelha para a cor e, em seguida, eu olhei novamente. - É de Claire - se explicou e encolheu os ombros. - Hum, eu acho que vou levar o meu carro. Você se importa de me pegar depois? Jared não conseguia esconder sua decepção. - Claro. Apenas me chame quando você estiver pronta. Eu fiquei na ponta dos pés para beijá-lo. - Ok. Até logo. O professor começou a aula, assim que eu deslizei para o meu lugar. Kim inclinou-se para sussurrar no meu ouvido. - Beth e eu vamos para o café depois da aula. Você vem? - Claro. Eu dirijo - me ofereci. Ultimamente eu senti que não tinha passado tempo suficiente com Kim e Beth. Uma tarde no refeitório nos daria tempo para nos recuperar. Ou pelo menos eu gostaria de por em dia seus assuntos, me incluía quase ser sequestrada e torturada, e meu namorado bater quase a ponto de matar o homem que tinha tentado. 242


Nós três nos amontoamos em uma mesa da cafeteria, esperando descongelar-nos. A temperatura caiu consideravelmente após o almoço e o vento era brutal. Fiquei contente que estaria deitada em algum lugar na praia, em pouco mais de uma semana. Bebi meu café, enquanto Beth conversa sobre Chad. As coisas entre eles estavam progredindo, e ela mencionou que não sentia saudades de casa pela primeira vez desde que chegou ao Brown. E estava pensando em obter um apartamento para o verão, em vez de voltar para Oklahoma. Tentei me concentrar na conversa, mas encontrei-me pensando nas informações que Jared tinha obtido de Dawson. Eu queria saber o que Jared estava me escondendo, que não poderia ser uma boa notícia. - Nigh, Nigh! Onde você está? Parece que você está um milhão de milhas de distância - disse Kim. Ela e Beth olharam-me com a mesma expressão. - Ugh, desculpe. Eu só tenho um monte de coisas passando em torno da minha cabeça - eu disse, piscando. O celular de Beth começou a tocar. Desde o tom eu já sabia que era Chad. Aparentemente, ele estava por aqui e ela o convidou para se juntar a nós. - Eu espero que você não se incomode - Beth disse depois de desligar. Kim deu de ombros. - Parece bom para mim. - Ryan está com ele - Beth disse, olhando para mim. Eu me certifiquei que meu rosto estivesse indiferente. Eu não tinha visto Ryan desde Jared havia me informado que Ryan e eu estávamos destinados a ficar juntos. Eu não tinha certeza de como agir em torno dele depois do que eu sabia. Dez minutos depois, a porta rangeu quando Chad e Ryan entraram. Os dois usavam roupa esportiva, suados e cansados. 243


Ryan tinha seu boné branco puxado para baixo sobre os olhos e não disse nada quando ele se sentou a minha frente na mesa. Ele se recostou na cadeira e cruzou os braços. - O que vocês estavam fazendo? levantando-se para sentar no colo do Chad.

Beth

perguntou,

- Acabamos de terminar um jogo de basquete. Perdemos Chad disse amargamente. - Eles roubaram. Várias vezes – disse Ryan rindo, só o seu sorriso era visível. - O quê? Não consegue lidar com as regras da prisão? - Kim falou cutucando, fazendo perder o equilíbrio por um momento. Ryan ajustou seu boné para cima e para o lado, deixando seus olhos finalmente à vista. - Eu posso lidar com as regras da prisão, é o engano que me incomoda quando se assume que as regras devem ser respeitadas. Eu perdi 20 dólares! - Oh, não! - Beth disse, rindo - Perdeu dinheiro, baby? - Chad apertou os lábios e confirmou com a cabeça, ainda meditando — Ah! - ela disse, esfregando suas costas. Sentamos à mesa, para discutir o jogo. Nosso riso impregnando o ambiente, fazendo com que os outros clientes olhassem para nós. Depois de um tempo, Ryan inclinou-se e empurrou minha cadeira para mais perto dele, as pernas da mesma fizeram ruído no chão. Ele esticou o braço passando pela parte de trás da minha cadeira e sorriu, mostrando uma covinha no fundo de sua bochecha. O Ryan estava destinado a ser o meu futuro marido veio a minha cabeça, e uma dor estranha tomou conta de mim. O futuro de Ryan foi mudado para sempre na segunda quando Jared estava sentado naquele banco. Eu nunca mudaria esse dia, mas eu me preocupava com Ryan. Eu queria que ele fosse feliz, e seria impossível se eu ficasse por perto. Um dia desses, teria que 244


desaparecer completamente da sua vida, e por isso, Claire ou Jared seriam separados de suas famílias. Ryan envolveu meu ombro e me puxou para o seu lado. - Ei. O que está errado? - Hmmm? - eu disse, distraída. - Ela tem estado assim todo o tempo que esteve aqui - Kim reclamou. Ryan me abraçou novamente e me virei, jogando meus braços em torno dele. Ele ficou tenso, obviamente, não esperando meu repentino gesto de afeto. Após o choque inicial, apoiou o queixo no meu ombro e me rodeou com seus braços. Ele bufou uma risada. - O que está pensando, Nigh? - ele sussurrou em meu pescoço. Eu balancei minha cabeça. Eu não poderia dizer, e mesmo se eu pudesse, eu não queria que ele soubesse. - Nós, uh... Estamos indo - disse Chad. - Posso ir com você? - perguntou Kim. Eu me afastei de Ryan e eu olhei para os meus amigos. - É sexta-feira. Gostariam de sair mais tarde? Kim olhou para Ryan e depois para mim. - Eu já tenho planos. Amanhã à noite? Eu balancei a cabeça. - Ok. - Vou aproveitar para ir com Nina - Ryan disse. Beth e eu olhamos para o Chad, que deu de ombros.

245


- Ótimo. Vemo-nos - disse, e levantou a mão para dizer adeus e todos saíram da cafeteria. Eu olhei para Ryan, envergonhada. - É oficial. Eu sou uma aberração. - Você não é uma aberração. Enfim Chad estava pensando em levar Beth. Eles têm planos para o jantar. - Limpei a mesa em menos de dois minutos. Eu sou uma aberração. - Quer jantar? Eu tentei pensar em uma maneira educada de recusar, mas ele continuou antes que eu pudesse pensar em algo. - Vamos comer algo rápido... Podemos fazê-lo no caminho. Enfim Josh e eu vamos tomar umas cervejas mais tarde explicou. - Oh. Sim, tudo bem - disse levantando-me. Sentamos no estacionamento perto de Andrews para devorar nosso fast food. O jogo de slogan manteve-nos entretidos desde que saímos do refeitório. Ryan rebateu as débeis tentativas de constrangê-lo tão rápido que eu não podia deixar de dobrar de rir. - Você praticou? - disse rindo, exausta de tanto rir. - Eu não vou mentir. Eu tenho tido muito tempo disponível, esperando me curar - riu, jogando um pedaço de frango e capturá-lo com a boca - O que você vai fazer hoje? ele perguntou. - Eu, provavelmente, levar algumas roupas para lavar na casa de Jared - disse sem pensar. - Você vai estar lá de novo? Eu pensei que você disse que não iria morar com ele - ele disse, desta vez sem a sua atitude habitual. - Não estou me mudando - eu rebati, esperando que respondesse com rancor.

246


Ryan pegou minha mão, suspirando. - Eu não quero discutir sobre isso, Nigh. Eu já disse tudo o que eu tinha a dizer sobre o assunto. - Nem eu quero discutir com você. Eu quero ser capaz de estarmos juntos e sermos amigos como antes. Eu sinto falta de você - eu disse, de repente, a esperança de que poderíamos deixar para trás todo o absurdo da paixão. - Estou com saudades. Eu vou parar de me comportar como um idiota - disse ele, retirando a franja dos meus olhos — Hoje, quando eu te abracei, eu percebi o quão ridículo eu estava sendo. Eu não quero perder você, Nina. Não importa se você está com ele, comigo ou qualquer outra pessoa. O que importa é que somos amigos e você pode contar que eu vou estar aqui quando você precisar de mim. Exalei profundamente pelo nariz, tentando minimizar as minhas lágrimas. Ele não sabia que teríamos de afastar-nos um do outro, se ele queria ser feliz. Eu apenas sorri e acenei, e Ryan me abraçou novamente. - Trégua? - Trégua - eu sorri. Ele foi caminhando até seu dormitório e eu me dirigi para o Andrews, sentindo-me melancólica. Peguei meu celular e liguei para Jared, que atendeu ao primeiro toque. - Olá - respondeu, parecendo um pouco triste. - Eu só vou levar algumas coisas do meu quarto e, em seguida, eu estarei pronta. Enquanto virava a esquina, Jared apareceu, com seu telefone celular ao ouvido. Ele puxou um dos cantos da boca e alcançou um sorriso meio forçado. Guardei o meu telefone e eu passei meus braços em torno de seu corpo, enterrando meu rosto em seu peito. Ele podia sentir meus sentimentos por Ryan e eu

247


tinha vergonha de me sentir assim. Não era justo para nenhum dos dois. Um silêncio desconfortável se instalou na Escalade até que parou na calçada do lado de fora de seu apartamento. - Nina... - Tudo bem - interrompi. Eu não tinha certeza o que ele ia dizer, mas não queria perder tempo e discutindo meus sentimentos por Ryan. Jared sentia que estava interrompendo o destino, mas eu sabia o que eu queria. Não haveria nenhum compromisso. Caminhamos de mãos dadas para o loft e eu podia sentir a preocupação irradiando dele. Pendurei o meu casaco no cabide e fui imediatamente para a cozinha, rezando para que tivesse pratos pra lavar ou guardar qualquer coisa para me manter ocupada. Jared foi para o seu extravagante sistema de som e brincou com a multidão de botões. Enquanto eu guardava os pratos em vários armários, uma canção familiar atravessava pela sala. Senti os braços de Jared em volta de mim, o calor de sua pele afundou em minhas costas. Seu rosto tocou o meu enquanto me puxava até seu peito, fechei os olhos quando ele sussurrou em meu ouvido. - Você reconhece esta canção? Eu só balancei a cabeça, ouvindo música. Foi a música que dançamos no pub. Lembrei-me daquele momento como se tivesse acontecido apenas algumas horas antes e ainda me sentia como fosse uma eternidade. - Qual é? - eu perguntei. - Chama-se Little Heaven - Seus lábios recheados em meu pescoço com beijinhos suaves, atingindo meu ouvido. Eu sorri. - É muito apropriado.

248


Jared lentamente me virou para ele e vi as nuvens se juntarem, obscurecendo seus olhos. Sua mandíbula se apertou enquanto examinava meu rosto. - Eu poderia me afastar, Nina. Eu poderia me afastar e permitir que você esteja com quem você pense que deve estar. Se eu fosse menos egoísta... Faria. Mas mesmo depois de todos os meus erros estúpidos, eu ainda acredito que posso te fazer feliz. Se você quiser, eu posso me afastar - disse ele, negando com a cabeça — mas se não... Eu vou lutar contra o destino . Eu vou lutar contra o Céu e o Inferno, e tudo quanto existe entre ambos para ficar contigo. Fiquei ali, atordoada. Tudo que eu poderia dizer era insignificante em comparação. A tempestade que rugia em seus olhos estava mais forte do que eu já tinha visto. - Jared... - Lutei com o que eu queria dizer. Jared engoliu em seco, sentindo a agitação dentro de mim. Eu balancei a cabeça e ele soltou minha cintura, pronto para minhas próximas palavras. Mas não havia nenhuma. Eu andei e fiquei na ponta dos pés, eu esperei. Meus olhos se moveram de seus olhos para sua boca. Jared ficou parado, à espera da minha decisão. Eu pressionei meus lábios contra os dele e ele me beijou com cautela. Minhas mãos agarraram cada lado do rosto e esfreguei os lábios contra os dele, deslizando os dedos na parte de trás do cabelo dele. Mãos de Jared retornaram para minha cintura enquanto o beijo se intensificou. Meus lábios se separaram e me puxou para mais perto dele sem hesitação. Suas dúvidas desapareceram, ele já sabia qual a minha decisão. Contra o seu corpo, deixei escapar um gemido involuntário, causando uma reação em cadeia. Quase ao mesmo tempo, levantei a camisa de Jared enquanto ele terminou a tarefa puxando pela sua cabeça, levantei meu joelho e Jared agarrou firmemente, colocando-me em sua cintura e me levantou com impaciência me deixando no balcão. 249


Eu envolvi minhas pernas em volta dele, os dedos cavando a carne nua de costas trazendo mais perto de mim. Suas mãos agarraram as minhas coxas, me puxando para frente até a borda do balcão. Os lábios de Jared eram urgentes, mas de uma maneira diferente. Seu beijo não era aquele que dizia que me amava, ou me dizendo adeus. Ele estava me deixando entrar. Jared levantou minha blusa sobre a minha cabeça e soltou um suspiro satisfeito enquanto pressionava seu peito nu contra o meu. Eu pressionei meus lábios com mais força contra o dele, mesmo quando não estávamos pertos o suficiente. Minha respiração tornou-se entrecortada e irregular, impaciente me levantou do balcão e se dirigiu para o outro lado da sala com as pernas ainda envolto em torno de sua cintura subiu as escadas. À medida que me segurava, seus lábios nunca deixaram os meu. Com uma mão nas minhas costas e outro no colchão, gentilmente me deitou em sua cama. Seus lábios acariciavam cada centímetro do meu pescoço, e meu corpo tremia de antecipação. Enfiei minha mão para baixo os cachos perfeitos de seu peito e estômago, e puxei a fivela do cinto abrindo. Um gemido emanava de seus lábios quando eu finalmente desafivelei e sua boca rapidamente voltou para a minha. Com um movimento rápido se afastou, seus olhos pareciam desfocados. - O quê? - eu perguntei, sentando-me em meus cotovelos. Sua mandíbula se apertou e fechou os olhos em frustração. - Claire. No momento seguinte, Claire abriu a porta sem bater. Jared estava no topo da escada e olhou para sua irmã. - Ocupado? - perguntou Claire. Cobri minha boca para abafar uma risada, pensando em como nos veríamos a partir da perspectiva de Claire. Não demoraria muito para ela imaginar o que estávamos fazendo. 250


- Eu vou ter que tomar a sua chave, se você não começar a bater antes de entrar -Jared rosnou. - Você diz isso como se eu não pudesse abrir uma fechadura em três segundos. - Eu falo sério Claire - Jared disse tão baixinho que quase não o ouviu. - Está bem, sinto muito - disse, soando como se não sentisse de verdade - Bex foi treinar faz uma hora e mamãe esta choramingando. Ryan está na cama dormindo e felizmente para mim, a minha Taleh não tem metade da força policial e vários criminosos por trás dele. Jared se virou para mim e sua expressão mudou de raiva para uma expressão de desculpas. - Ela está aqui para passar a noite - disse ele, foi até o armário e tirou uma camisa do cabide. Parecia pensar melhor, colocou a camisa de volta no lugar e caminhou ao redor do quarto para encontrar em minha maleta um pijama. - Eu não acho que sou capaz de me controlar se você usar uma das minhas camisas - ele disse baixinho e me entregou o pijama - Eu sorri, divertida. Claire gemeu no piso térreo, com nojo. - Nojento. Roupas foram lançadas por cima do corrimão e caíram aos pés de Jared. Eram as camisas que tínhamos deixado no chão da cozinha. A porta da geladeira aberta e os sons de Claire procurando alimento fizeram que Jared revirasse os olhos. - Vou tomar um banho rápido - ele disse, esfregando a parte de trás do seu pescoço. Eu sorri. - Banho frio? - Sim - disse ele, voltando-se para o banheiro.

251


- Eu poderia te fazer companhia. Jared congelou no meio do caminho, fazendo uma pausa por um momento antes de fechar a porta do banheiro atrás de si. Troquei-me enquanto ele estava no chuveiro, sentindo-me um pouco culpada por provocá-lo. Entendia sua frustração muito bem. Deitei na cama, mordendo minha unha e sorrindo pelo que quase tinha acontecido.

252


Capitulo 11 - Eu vou me comportar - eu prometi. Jared saiu do banheiro em apenas num par de shorts. Ele parou a alguns metros de mim, hesitando em vir para a cama. - Talvez você também devesse tomar uma ducha fria. Não acredito que eu possa me concentrar com você... - Excitada? - eu disse, pressionando rapidamente os meus lábios para abafar uma risada. Sua boca se abriu de surpresa e eu ri muito satisfeita com a reação para evitar isso. Jared sorriu e acenou com a cabeça, flexível com meu assédio brincalhão. Ele foi para a cama e apoiou a cabeça nas palmas das mãos. Sentei-me contra a cabeceira da cama e suspirei. - Ela não estava falando sério, né? Sobre quase metade da força policial? Seu rosto escureceu. - Eu não vou deixar nada acontecer com você - disse, deslizando os dedos entre os meus. - Por que me perseguem? Jared amaldiçoou baixinho em espanhol levando Claire a rir em algum lugar abaixo. - Eles não estão atrás de você, querida. Eles estão à procura de algo de Jack. Só acham que você sabe onde está. - Estão atrás do arquivo do Porto de Providence? - Dawson disse que eles querem se livrar das evidências coletadas por Jack o que demonstra que estão envolvidos, mas 253


estão procurando por algo mais... Algo que está contido dentro do arquivo. - Então vamos para casa dos meus pais, procuramos e nos livramos dele. Jogaremos em uma ponte ou algo assim. - Isso não nos ajuda, Nina - disse Jared, balançando a cabeça. - Porque não? - eu estremeci. - Seja como for, valeu a pena ir atrás de Jack Grey. Ninguém faz isso a não ser que... é algo importante, Nina. Algo que não queremos ser apanhados sem ele. - Do que você está falando? - eu estava frustrada de estar falando em círculos. - Eu não deveria te dizer isto. – pressionou a ponta do nariz entre o polegar e o dedo indicador comprimido. - Faça mesmo assim - eu rebati. Uma expressão pesada passou em seu rosto. - Jack não morreu no acidente de carro. Ele morreu de complicações de um ferimento de bala no peito. Levou um momento para o meu cérebro decifrar o que ele disse, mas uma vez processadas as palavras, eu estava instantaneamente com raiva. - O quê? Jared colocou a mão na minha. - Gabe fez tudo em seu poder para tentar salvá-lo, mas Jack estava além de suas capacidades. - Eu pensei que Gabe era indestrutível. Não era cem por cento anjo? - Eles ameaçaram a coisa mais importante para ele além de Jack. 254


- Mais importante do que a própria vida? - eu perguntei com ceticismo. Jared balançou a cabeça, a gravidade do seu rosto era um pouco assustador. - Minha mãe. Eles estavam na minha casa no dia em que Jack foi morto. Claire e eu tínhamos ido para o aeroporto levar Bex, assim Gabe não teve escolha a não ser deixá-lo. Meu pai sabia o que aconteceria se deixasse Jack sozinho, mas sua vida não significava nada sem a minha mãe. Jack foi baleado a caminho de seu escritório no centro. Bateu contra uma barreira de segurança, mas foi a bala que o matou. - Você está dizendo que os homens que querem este arquivo mataram meu pai? - Jared confirmou com um aceno de cabeça e senti o calor queimar por todos os poros do meu rosto — Eu não me importo o que é. Nós não vamos nos desfazer dele. Nunca colocarão as mãos nisso. - Nina, eu sei que você está chateada, mas temos que pensar sobre isso. Eles querem algo nesse arquivo tanto que enfrentaram Jack e meu pai, e sabiam do que Gabe era capaz. Eu prefiro tê-lo em nosso poder para que possamos ter algo para trocar, se necessário. Lágrimas encheram meus olhos e Jared passou os braços em volta de mim. Chorei mais uma vez pelo meu pai. Eu continuava perdendo uma e outra vez, com uma terrível verdade por trás de outra. Chorei até dormir e quando acordei , Jared me confortou novamente quando a notícia da noite anterior se repetia na minha memória. - Eu tenho que fazer alguma coisa. Eu não posso simplesmente sentar aqui - eu disse, correndo para minha mala. - Eu vou resolver isso, Nina. Apenas me dê um ou dois dias para decidir nosso próximo passo. - Eu não posso esperar mais um segundo - disse minha mente correndo para formar um plano. Quando a ideia me bateu, eu 255


parei -Eu vou voltar para a casa dos meus pais. As respostas estão lá. - eu coloquei uma camiseta e o primeiro par de calças que encontrei. - Nós não temos que ir agora - argumentou. - Temos sim - eu disse, colocando meus sapatos saltando os degraus. Jared se contorceu para fora da cama. Os cabides em seu armário ressoaram uns contra os outros e em poucos segundos ele estava atrás de mim, completamente vestido. - Não era exatamente como eu queria passar o fim de semana - ele disse, franzindo a testa. - Vamos. Vem. Agora! - eu disse, apressando através da porta. Na casa dos meus pais, Jared me seguiu até as escadas para o escritório de Jack. Ele me viu localizar chaves do cofre de Cynthia, eu fui ao seu e seguida empurrou a planta sem esforço. Eu usei a chave para ter acesso aos documentos e arquivos de dentro do cofre, colocando-os em pilhas organizadas de forma aleatória. Durante duas horas, analisamos documentos, separando-os com o que nós pensamos que seria útil. Uma foto chamou minha atenção. Segurei-a na minha frente , olhando, esperando para reconhecer o que me atraiu nele. - Será que ela parece familiar? - perguntou Jared. - Algo em seus olhos... Eu não posso dizer o quê. Jared puxou uma carteira preta do bolso de sua jaqueta e a jogou no meu colo, era a que tinha tomado na noite em que Ryan foi esfaqueado. Dei uma olhada mais perto do objeto de metal embutido no couro preto. Era um distintivo. Engoli em seco, apontando para a imagem. - Este é o homem que queria meu anel. Este Grahm.

256


Jared assentiu. - Todos eram policiais? - eu disse, balançando a cabeça em descrença. - Mas por que eles...? - meus olhos se dirigiram para a minha mão . Jared olhou também. - O anel deve ser a chave para alguma coisa. - Não faz sentido sussurrei. - eu olhei para os papéis por um momento e, em seguida, vasculhei entre eles. - O que foi? - perguntou Jared. - Há um recibo por aqui, pela compra do meu anel. Eu não tinha pensado nisso antes, mas tem de haver alguma conexão - eu disse impaciente com pilhas intermináveis — Por que mais estaria aqui com documentos de negócios importantes? Meus olhos se arregalaram de empolgação quando encontrei a cópia fina de carbono. Jared se inclinou sobre o meu ombro para dar uma olhada por si mesmo. - Há uma taxa de gravação - apontou - O seu anel esta gravado? - Não. Eu não... Jack não disse nada, eu nunca percebi - eu disse, olhando para o meu anel. Lentamente tirei do meu dedo, levantei-o, virei e olhei, procurando as palavras. - Não há nada... Jared estendeu a mão e entreguei a ele. Meu dedo sentia nu em sua ausência. Jared levantou, olhou a partir de todos os ângulos e depois devolveu para o meu dedo. - Não há nada - confirmou. Ele olhou para o recibo de novo — Acho que devemos ir até o designer. Talvez eles tenham uma cópia desse recibo.

257


Eu balancei a cabeça, o que levou Jared reunir as informações e devolvê-las para o cofre. Dirigimos-nos para o endereço listado no recibo e nervosamente girei o anel no meu dedo quando chegamos ao meiofio. À primeira vista parecia ser uma típica loja de jóias, e não o estabelecimento clandestino esperado. A campainha da porta anunciou nossa chegada a um homem atarracado, com idade avançada com óculos redondos. Jared pegou minha mão enquanto caminhávamos para as vitrines perto do homem. - Bom dia. Eu sou Vincent! Gostariam de diamantes? Safiras? Ruby? Esmeraldas? Pedras semipreciosas? Tenho de tudo - disse com um destacado sotaque. Jared apertou minha mão e se apresentou. - Ela é Nina... Eu sou Jared. Vincent não perdeu o fio. - Eu tenho o prazer em ajudar com qualquer coisa que vocês precisarem. - ele fez uma pausa para olhar para nossas mãos entrelaçadas e sorriu - Poderiam estar interessados em nossa linha requintada de anel de noivado de diamante? Eu projetei a maioria destes - disse, apontando para uma longa linha de anéis peculiares - Eu posso projetar um convencional, se assim o desejarem. Jared olhou para mim com uma expressão suave e, em seguida, relutantemente voltou sua atenção para Vincent novamente. - Ainda não. Vincent sorriu pra mim e senti o sangue subir à superfície do meu rosto. - Ah, bem, então. Em outra ocasião. - Você é o proprietário? - perguntou Jared .

258


Vincent riu, acariciando sua barriga saliente . - Eu sou. Há trinta e seis anos. Jared levantou minha mão, apoiando-a sobre a superfície do revestimento de vidro. - Você reconhece esse anel? Vincent se inclinou para frente para ver melhor. - Sim... Sim... - ele cantarolou - É muito antigo, não é? - ele perguntou, olhando para mim. - O meu pai comprou-o há três anos - eu o lembrei. Vincent levantou minha mão e inclinou-se de formas diferentes, observando com orgulho o brilho nas luzes brilhantes acima. - Seu pai era um homem de visão - ele disse com um sorriso de aprovação. Jared deslizou para Vincent o recibo. - Esse papel inclui uma taxa de gravação. - Sim, sim. Lembro-me - ele disse, apertando o lábio inferior com o polegar e o indicador - Eu não faço perguntas, você sabe. Eu faço o cliente feliz. - Mas... Não há gravação no anel - eu disse. Ele deu uma gargalhada. - Há Kisa. Mas está escondida, já verá - Vincent abriu a mão, pedindo-me para dar-lhe o meu anel. Suspirei e olhei para Jared , que me deu um sorriso reconfortante. Ele pegou minha mão e, lentamente, tirou o anel do meu dedo. Uma vez que Jared colocou-o em sua mão, Vincent virou o anel de cabeça para baixo. - Ele queria marcado na parte da pedra. A parte mais vulnerável - ele explicou - muito pequeno... Eu tive que mandá-lo 259


para um homem que conheço com um laser. Eu não tenho um desses aqui, é claro - ele riu, balançando a cabeça. - A ordem da gravura foi coberta. Você tem o recibo original? Perguntou Jared . - Não, não. Tinha o total em meus livros, apenas. Se bem me lembro, foi letras e números. Embaraços que só faziam sentido para o seu pai, eu suponho. Parecia muito fácil. Eu sentia como se estivesse no meio de um filme de capa e espada, passando sobre a pista perfeita no momento perfeito, vendo-os juntos na frente de meus olhos. Jared colocou o cabelo atrás da minha orelha com uma expressão de desculpas. - Vincent? - seus olhos estavam relutantes em deixar o meu Você pode remover a pedra da armação? Eu arranquei meu anel da mão aberta de Vincent. - Não! Jared falou no meu ouvido. - Nina, se você quiser ver o que Jack gravou neste anel e o que Grahm queria, temos que remover a armação pra ler. Você pode recolocá-la como se nunca tivesse tocado. Eu pressionei meus lábios em frustração. Nós teríamos que ver o que estava gravado na pedra para fazer progresso e só havia uma maneira de fazê-lo. - Não há outra maneira? - eu perguntei, sabendo a resposta. Jared balançou a cabeça e abriu a mão. Eu coloquei meu anel na mão dele e mordi o lábio. - Pode fazer isso? - ele perguntou, colocando o anel no vidro. Os olhos de Vincent moveram-se de Jared para mim, não tendo certeza de como proceder. 260


- Eu poderia remover a pedra, mas não há garantia de que podemos ler o que está lá, você entende o que quero dizer ? Jared assentiu. - Retire a pedra. Vincent de repente parecia desanimado. - Eu preciso de um par de dias antes que eu possa chegar a ela. Coloque seu número e eu vou chamá-lo quando... - Eu sei que você está ocupado, perdoe-me - Jared disse, tirando a carteira. Ele colocou uma pequena pilha de notas de cem dólares sobre o vidro e os olhos de Vincent se arregalaram, jogando a cabeça para trás para Jared — Suponho que seja, além de sua taxa, é claro - disse Jared. - Espere aqui... Volto em um momento - Vincent fez um gesto para que pudessémos sentar-nos no curto sofá perto da porta e, em seguida, correu para a parte de trás. Esperamos juntos no sofá. Uma estranha calma tomou conta de mim e eu suspirei quando Jared começou a acariciar suavemente o topo da minha mão. Minhas sobrancelhas se levantaram e meu sorriso desapareceu. - Jared? - Sim? - ele disse brincando com os fios de cabelo que tinham escapado do meu rabo de cavalo. - Vincent me chamou kisa. Isso não significa "estúpido" ou algo assim, certo? Jared riu. - Não, querida. Nunca deixaria ninguém te insultar dessa maneira. - O que quer dizer? Jared beijou minha testa.

261


- É russo. Significa gatinha. - Oh. Isso é um alívio. Os minutos se passaram e eu ficava cada vez mais ansiosa. Comecei a andar sobre o lugar e Jared me viu andando de um lado pro outro. Uma porta fechou-se atrás de mim e eu me virei. Vincent aninhou os restos do meu anel em sua mão rechonchuda. Jared se levantou e se juntou a mim na vitrine. - Encontrou alguma coisa? ele perguntou. Vincent mostrou um pedaço de papel na frente de nós com letras e números rabiscados em toda parte. Entregou a Jared uma lupa e estendeu a mão para Jared pegar a pedra da palma da sua mão. Jared olhou através da lente de aumento sobre a pedra, colocou longe de seus olhos, balançando a cabeça. - Eu não consigo ver nada - disse, segurando a lupa na frente dele. Jared olhou para baixo regularmente do papel e de volta para a pedra, colocando-a de volta na palma de Vincent. - Você pode vê-lo sem uma lupa, hein? - Vincent riu — Esses velhos olhos não são o que costumavam ser. Jared pegou o papel e entregou-o para mim. - O que ele escreveu é o que está escrito na pedra - ele olhou para Vincent - Vou precisar desse recibo imediatamente, por favor. Vincent concordou e voltou para a parte de trás, tendo as peças do anel com ele. - E agora? - eu perguntei, olhando para o papel. 825 2TR2TL223TR05 - Será que isso significa alguma coisa para você? - Jared perguntou, encolhendo-se em seus pensamentos. - Oito e Vinte e cinco é meu aniversário... Vinte e cinco de agosto, mas fora isso... Não. 262


Dez minutos depois, Vincent estava de volta. Eu suspirei enquanto eu deslizei de volta ao seu lugar de direito no meu dedo, parecia igual exatamente como estava antes. Voltamos para o loft de Jared para o almoço. Sentei-me à mesa olhando para o pedaço de papel, esperando a resposta de forma espontânea surgir em minha mente. - Vai queimar se você continuar olhando assim - Jared brincou, empurrando o refogado da panela. - Ele colocou em algo que sabia que estaria a salvo, o último lugar que alguém iria olhar, e que sempre saberia onde estaria... - Ele se escondeu de vista - Jared assentiu - A questão é, como Grahm descobriu? Eu andei pelo chão em uma profunda reflexão . - Eu não sei. Talvez um ex-sócio do meu pai? - Jared balançou a cabeça. - Jack gravou um código de algo que todo mundo quer e colocá-o no dedo de sua única filha. Ele não arriscaria dizer a ninguém sobre isso. Eu suspirei em frustração. O oito e vinte cinco esta separado dos outros números. Você acha que isso significa alguma coisa? Jared deu de ombros. - É possível. Poderia apenas significar que é o seu aniversário, poderia ser um código de área ou número de voo... Existe algum local? Eu pensei que o cofre no escritório da minha mãe, os arquivos contendo as fotos... Eu não poderia fazer uma conexão com tudo o que ele tinha olhado sobre o número. Pulei de cima do balcão, Eu bati o papel sobre a mesa e caminhei até o sofá, caindo no braço do mesmo com minhas costas dei um grito de frustração.

263


- Nina - Jared disse, sua voz ao meu lado - vamos resolver isso. Tente não enlouquecer com isso. - Não há nada no cofre, temos buscado no escritório do meu pai e olhamos em todos os seus móveis, e nada! - eu cobri o rosto com as mãos. Jared se ajoelhou ao meu lado e puxou minhas mãos longe de meus olhos. - Voltaremos amanhã, olharemos para o escritório de Jack e também para os arquivos no cofre. Por que não alugamos um filme, ficamos deitados no sofá... Passando algum tempo juntos? - Uff - disse, sentando - coloquei as chaves de Jack na gaveta? Eu não acho que fiz. O que eu fiz com elas? - eu perguntei, procurando nos bolsos de minhas calças. Jared sorriu. - Elas estão no bolso da minha jaqueta. Podemos encontrálas novamente amanhã. Sentei-me por um momento, os olhos desfocados, perdida em meus pensamentos. Jared tocou meu ombro. - Nina? Subi para o cabide e coloquei as minhas mãos nos bolsos de sua jaqueta. - Não estão aqui! Jared olhou para mim com desconfiança. - Elas estão no bolso de dentro. O que está acontecendo? - Oito e vinte cinco! - eu rasguei o molho de chaves de sua jaqueta e folheei. Quando eu encontrei o que eu estava procurando, eu segurei separado do resto, mostrando para Jared - Veja? Oito e vinte cinco!

264


Jared olhou para a chave e, em seguida, de volta para mim, com os olhos animados. - O que abre isso? - Eu não sei - eu disse, olhando para a chave - mas não pode ser uma coincidência , certo? - Duvido - Jared disse, seu rosto se contorceu em uma careta . - O quê? Jared pegou as chaves de mim. - Eu quero que você deixe-me lidar com isso. Agora se dê por satisfeita. Você está chateada pela forma como Jack morreu, eu entendo. Mas as coisas poderiam ir ladeira abaixo muito rapidamente se encontrarmos o que estão procurando. Eu não quero você perto de mim quando eles descobrirem o que fizemos. - Me dar por satisfeita? - eu perguntei insultada — Eu não vou entrar em seu caminho, eu quase descobri isso, eu ... - Você não ouviu nada do que eu disse? - ele estalou. Depois de um breve momento, Jared fechou os olhos e respirou fundo — Eu sei que você precisa que isso termine. Você não entende com que estamos lidando aqui. Eu não posso deixar minhas emoções ficarem no caminho do meu trabalho, Nina. Eu deixei isso ir longe demais. Deus sabe a última coisa que eu quero é que você fique com raiva de mim, mas você tem que me deixar cuidar disso. - Mas... - Não, Nina. É muito perigoso - disse com firmeza. Meus olhos se estreitaram. - Eu não estava pedindo permissão. - Isto não é sobre eu dizendo o que fazer. Isto é para sua segurança - me abraçou e me estiquei para pegar as chaves, puxando-as de suas mãos. Eu sabia que se ele não tivesse permitido que eu fizesse, eu nunca teria conseguido as chaves de 265


sua mão. Eu esperava que isso significasse que uma parte dele queria minha ajuda. - Vou dar mais uma olhada no escritório de Jack. Dei a volta para abrir a porta, mas eu congelei. Jared me segurou pela cintura. Antes que eu pudesse protestar, ele deixou escapar um longo suspiro. - Dê-me um minuto. Eu vou com você - disse obviamente irritado. Esperei na porta até que Jared terminou de arrumar o almoço, em seguida, me levou pela mão para fora. No meio do caminho para a casa dos meus pais, ele ainda não tinha falado. - Desculpe - eu disse, colocando a mão sobre a dele — Não quero que você fique chateado comigo, mas isto é algo que eu preciso fazer. Jared suspirou. - Eu não quero que você se machuque. Eu estou começando a me arrepender de te dizer as coisas. Aquelas palavras me picaram. - Eu também não quero me machucar. Não vamos ter que continuar procurando sobre nossos ombros, se acabar com isso. Podemos viver nossas vidas normalmente. Juntos. Jared apertou minha mão enquanto dirigia. Em um tapete no escritório de Cynthia, folheei os papéis, olhando qualquer coisa com números. Eu destaquei tudo com oito, dois, ou cinco em qualquer lugar perto uns dos outros. Duas horas mais tarde, eu tinha várias pilhas de papéis, e nada que incluía os números que estávamos procurando. Sentei-me em posição vertical para esticar minhas costas doendo.

266


- Vamos dar uma pausa - disse Jared. Ele tomou o marcador dos meus dedos e me entregou o recipiente de plástico selado com o meu almoço em seu interior. Estiquei as pernas no colo de Jared e mastiguei alegremente seu refogado incrível. Maravilhada com o cozinheiro fantástico que ele era. Jared tirou minhas botas e começou a esfregar meus pés, e inclinei a cabeça para trás. - Isto está levando uma eternidade - eu gemi. - Poderíamos chamá-lo de um dia. Eu poderia levá-la para jantar – ofereceu. Eu fiz uma careta. - Você não está levando isso muito a sério. Jared soltou um suspiro surpreso. - Pelo contrário, eu acho que eu estou levando isso mais a sério do que você leva. Você não parece compreender o quanto é perigoso para você. - O que poderia acontecer? Meu namorado também passa a ser o meu anjo da guarda. - disse inclinando-me para beijá-lo. - O que diabos está acontecendo aqui? Olhei para a porta onde Cynthia estava de pé, com as mãos em seu quadris. - Oi, mãe - eu disse - Eu pensei que você iria voltar amanhã. - Portanto, esta é apenas uma busca e apreensão ou roubo? - ela disse: cruzando os braços. - É bom ver você também - eu disse, revirando os olhos como resposta - Estamos tentando encontrar algo com um oito e vinte cinco nele. - Oito e vinte cinco? - Cynthia perguntou, olhando para Jared, que parou a mastigação por um momento sob o seu olhar.

267


Ele engoliu o pedaço de comida em sua boca antes de dar o relatório. - Eu interceptei o Dawson. Acabou a brincadeira, Sra. Grey. Eles querem as provas recolhidas por Jack sobre eles e acreditam que Nina sabe onde esta. - Eu me pergunto por que disso, Jared? Poderia ser porque tenham visto vocês juntos? - Possivelmente - disse Jared, impassível. - O que Charles Dawson tem a ver com o número? - Cynthia perguntou, aproximando-se da bagunça no chão. - Não tem nada a ver - disse Jared com desdém, olhando os papeis novamente. Eu estava um pouco surpresa com sua atitude indiferente à presença de Cynthia quando apenas algumas semanas atrás, recusou-se a simples menção de estar no mesmo quarto com ela. Cynthia parecia aceitar a dúvida, provavelmente porque ela estava acostumada a ser deixada no escuro por meu pai. - Eu espero que você se encarregue do Sr. Dawson , Jared. Isso simplesmente não vai ser suficiente. - Eu já me encarreguei disso, Sra. Grey. Cynthia acenou com a cabeça em aprovação. Fiquei surpresa que ela falou tão abertamente de violência. - Eu quero ser informada – disse ela caminhando em direção à porta. - Isso foi estranho - eu disse, balançando a cabeça. Jared levantou os olhos do papel. - O que, querida? - Ela ameaçou demiti-lo há poucos dias, se você não ficasse longe de mim. Ela parou de falar comigo por isso. E agora é quase ignorada. 268


Jared deu de ombros. - Minha mãe discutiu com ela. Ela mudou de idéia. - Como assim? – eu perguntei, desconfiada. - Lillian é muito persuasiva - Jared sorriu. - Nina? - dei a volta para ver minha mãe em torno do canto de novo. - Sim? - Vamos para a Nicarágua por uma semana a partir de domingo. Eu preciso que você me encontre aqui mais cedo, para que possamos estar no aeroporto às nove. Jared? - Vou ter tudo pronto - Jared disse, distraído com os papeis em sua mão. Meu coração começou a bater forte, fazendo Jared erguer o olhar. Percebi que passaria toda a semana de férias de primavera em uma praia com ele e o pensamento fez meu rosto ruborizar. Jared sorriu, adivinhando o que fez meu coração agitar-se. - Estas poderiam ser suas primeiras férias comigo, mas não as minhas primeiras férias com você. - É a primeira vez que você vai sentar-se comigo no avião eu disse um pouco ansiosamente, sorrindo de orelha a orelha. Jared riu do meu entusiasmo. A reação de Cynthia era diferente. - Ele vai estar lá para trabalhar, Nina. Por favor, mantenha isso em mente. Jared certifique-se que você estará aqui na hora certa. - Sim senhora - ele disse com seus olhos suaves nunca deixando os meus. Com isso, Cynthia desapareceu novamente.

269


Não pude deixar de pensar em estar deitada em uma rede com Jared. Agora parecia como o céu. - De repente me sinto desejando as férias. - eu sorri. Jared se inclinou para tocar meu rosto. - Estar deitado com você em uma praia do Caribe ao pôr do sol? Eu tenho que recordar a mim mesmo que é real. - O que você tem que preparar? - eu perguntei. A atenção de Jared virou-se para o papel em sua mão de novo e estreitou os olhos. Ele não fez contato visual quando falou. - Uh... Todo o meu material de monitoramento. Normalmente, levamos cerca de mil e quinhentos quilos de tecnologia com a gente, mas com Claire indo para Tahoe, eu estarei te levando rápido. Eu vou criar um perímetro ao redor da instalação... - O que é isso? - Eu me abaixei para ver no que ele estava tão absorto e eu reconheci que era um extrato bancário. Eu já tinha visto várias vezes antes, durante a minha pesquisa, mas tinha colocado de lado na pilha de lixo. Jared assinalou uma parte do extrato de conta e eu ofeguei. Foi um custo mensal de um cofre. Era oito e vinte cinco. - Jared! Eu gritei, agarrando seu braço. Jared olhou para o relógio. - O banco está fechado. Eu suspirei soprando. - Vamos à primeira hora da segunda-feira. - Eu vou. Você tem aulas. - eu estremeci . - Eu vou, Jared. Vamos fazer isso juntos.

270


Ele suspirou enquanto nós reunimos as pilhas de papéis e fotos, e recolocando. Jared levantou a planta como se fosse uma caixa de papelão vazia e ele retornou para o seu devido lugar. Meu celular tocou no bolso do meu casaco. A tela iluminouse com o nome de Kim piscando, eu fechei os olhos. - Eu aposto que você está ligando sobre o pub esta noite. Eu esqueci tudo... Oi Kim . - Você não vai dar pra trás, Nigh. Nem mesmo tente - disse. - Não ia fazer, eu... - Claro que não. - Eu sinto muito, Kim. Eu esqueci - eu disse, esfregando a testa com os dedos, sentindo uma nascente dor de cabeça pelo estresse - Mas eu vou estar lá. Jared me levou para o Escalade e segurou a porta aberta enquanto subia dentro. Pela sua expressão eu sabia que ele estava ciente de uma dor surda na minha cabeça. - Não vai nos deixar plantados de novo. Certo? - ela me repreendeu. - Não! Não, eu verei vocês lá às nove. - Bem, nos veremos então - disse Kim, desligando. Coloquei meu celular de volta no bolso e peguei a mão de Jared. - Desculpe - eu gemi atrapalhei.

- Eu acho que sem querer me

Minha cabeça começou a latejar. Era difícil saltar de trás pra frente nessas duas vidas que estava levando. Eu era uma estudante universitária típica quando eu estava com Kim, Beth e Ryan, e quando eu estava com Jared, a minha vida tornou-se neste mundo de sonho fantástico com os anjos, demônios e cofres secretos. 271


Estacionamos em frente ao sótão e Jared suspirou. A Lotus de Claire estava impecavelmente ao lado da calçada. - Não parece que teríamos muito tempo sozinhos, de qualquer maneira. Claire estava deitada no sofá com botas estiletes e uma jaqueta de couro, trocando os canais da tela da TV. - Ryan está tirando uma soneca. Aquele menino dorme como um urso hibernando - ela disse, revirando os olhos - Cada ramo das Forças Armadas me quer em uma equipe de operações especiais e Deus me dá o Taleh mais chato da história da humanidade. Sorri para sua observação e Jared me levou pela mão. - Ryan vai para o pub esta noite? - Jared chamou de volta a sua irmã. - Sim - disse Claire - Vemo-nos lá. - Você vai levar Claire como companhia esta noite? - eu perguntei, me jogando em sua cama. - Eu acho que eu vou estar escondido esta noite, deixando-a passar um tempo com seus amigos, disse ele, deitado no colchão ao meu lado. - Você não quer vir? Jared esfregou o polegar sobre meu lábio ressentido. - Eu sempre quero estar onde você está. Eu sorri. - Porque você tem que estar. - Sabe que não é verdade - disse ele, fazendo o seu melhor para parecer irritado. Inclinei-me para beijar sua bochecha.

272


- Como você espera que me divirta quando você esta lá fora, e eu esperando que a qualquer momento, simplesmente desista e entre? Jared sorriu. - Como posso dizer não a isso? - Então você vai vir? - eu perguntei, erguendo minhas sobrancelhas com expectativa. - Se você quiser - Jared encolheu os ombros. Ele tentou parecer casual, mas além do frio azul de seus olhos havia uma ponta de esperança. - Isso é o que eu sempre vou querer - sussurrei, tocando seu rosto com as pontas dos meus dedos. A expressão de Jared se iluminou com adoração. - Eu sabia que quando eu tivesse a minha chance de estar com você, toda minha espera valeria à pena. É como se tivéssemos enganando a maldição de algum modo. Eu nunca entendi como algo pode ser considerado uma maldição quando ele me obriga a passar todos os momentos com você, e que me dá a misericórdia de deixar um mundo, se você não está nele. - Não há nada que eu posso dizer depois disso. - É apenas a verdade, querida. Não há necessidade de tentar me superar - disse Jared divertido. - Eu te amo... E eu vou te amar para sempre. Essa é a verdade. A expressão de Jared tornou-se intensa, como se eu tivesse ido além das palavras por minha simples honestidade. Ele pressionou seus lábios nos meus, da mesma forma lenta e significativa que ele fez antes. Foi o momento mais doce da minha vida. Ocorreu-me então que as estrelas estavam alinhadas para todos nós: Gabe atribuído para meu pai, se apaixona por Lillian, em 273


seguida, Jared que chega ao longo de um período de quatro anos antes de mim, a tempo dele ser atribuído a mim. A filha de um criminoso, uma garota que precisava de supervisão constante. Eu tracei com os dedos, o plano torso de Jared, e eu considerei o quanto perfeitamente tudo tinha acontecido para que nós estivéssemos juntos, e então minha mente foi para Claire e Ryan. Se eu ia acreditar em destino, tinha que levar em conta para quem Jared disse que eu estava destinada. Fechei os olhos, empurrando o pensamento da minha mente. Ryan iria encontrar alguém que poderia fazê-lo feliz e Jared podia ficar comigo. A voz de Jared me tirou dos meus devaneios. - Você estava determinada hoje. Estou impressionado. - Tudo é possível com um anjo e um pouco de inteligência eu disse, colocando-me ao seu lado. Jared me deixou dormir por uma hora e, em seguida, saímos mais cedo para comer um pouco antes de nos encontrarmos com os meus amigos. Desci as escadas em um espartilho de cetim preto e calça jeans, com um par de saltos cor estanho com os dedos descobertos. Para o meu prazer extremo, Jared congelou na porta, deixando cair suas chaves e depois pegá-los antes que caiam no chão. - Nossa! - ele sussurrou. - Obrigada - eu sorri, deixando-me ajudar com o meu casaco.

Até o final do jantar, eu tomei cerca de três copos de vinho. Chegamos ao pub, às nove horas e os veículos de vários dos meus amigos estavam no estacionamento. Notei a Lotus de Claire estacionado do outro lado da calçada rua abaixo. Quando Jared e eu andamos, meus amigos aplaudiram e assobiaram a chegada. Kim gritou por cima da música: 274


- Eu comprei um CD! Seremos as rainhas do baile esta noite! - Tudo bem! - eu gritei por alto da musica feliz a todo o volume dos alto-falantes. Tucker comprou bebidas de todas as cores diferentes e o grupo uivou. Todos levantaram as taças e Chad empurrou algo muito verde em minha direção. - AO GRANDE URSO MARRON! - Nós todos gritamos em uníssono. Com isso, todos jogaram a cabeça para trás, terminando as nossas bebidas, e copos bateram na mesa em diferentes intervalos. Tucker gritou para Tozzi para trazer mais uma rodada e todos aplaudiram. Trinta minutos mais tarde, a maioria de nós estava na pista de dança pulando como loucos. Minha cabeça parecia um pouco pesada, já sentindo os efeitos do vinho e uísque. Ryan e Jared nos observavam da mesa e cumprimentei-os enquanto saltava para cima e para baixo. Voltei para a mesa e sentei-me no colo de Jared. Ele puxoume para falar em meu ouvido. - Eu te amo, mas não vomite no Escalade. Eu ri e dei um beijo em sua boca. - Eu estou bem! Eu sou irlandesa, lembra-se? Jared balançou a cabeça e inclinou-se em meu ouvido novamente. - Mesmo os irlandeses vomitam, Nina. Parecia que a noite estava apenas começando quando Tozzi anunciou a última rodada. Eu perdi a conta das doses que eu tomei e meus olhos se esforçaram para se concentrarem. Jared sustentou a maior parte do meu peso quando me escoltava para seu SUV. Eu escorreguei sem esforço para o banco 275


do passageiro e descansei o cotovelo no console, descansando minha cabeça contra o meu punho. No momento em que chegamos ao loft, minha cabeça parecia pesada demais para segurar. Jared abriu a porta e minha consciência desfocada enquanto me carregava pelas escadas. - Eu vou tomar um banho - eu disse, tropeçando em direção ao banheiro. Jared seguiu-me. - Tem certeza que é uma boa ideia? Não quero que você desmaie ali. - Por que você não se junta a mim, então você pode se assegurar que eu não caia? - Eu disse, firmando contra o batente da porta . Jared levantou uma sobrancelha e franziu o cenho antes de pegar uma toalha e fechar a porta atrás de mim. Lutei com minhas roupas em um movimento lento. Meus olhos não podiam ficar abertos e estava rindo sem um bom motivo. Abri o chuveiro e fiquei sob a água, deixando-a escorrer por cima de mim, esfregando o meu cabelo na minha cara. Cada movimento me fez sentir como se eu estivesse no lugar de um caracol, mas consegui sair do chuveiro antes de eu colocar minhas mãos como passas. Passei um pente pelo meu cabelo e escovei os dentes, sem jeito. Eu ri novamente da minha falta de jeito nas tarefas mais corriqueiras e ouvi Jared dar uma risada fora da porta em resposta. - Está tudo bem aí? - ele perguntou, batendo na porta. Eu ri novamente e cuspi ruidosamente na pia. - Tudo fantástico! Jared riu de novo, abri a porta e tropecei em direção à cama. - Eu vou dar um pulo no chuveiro. Não tente descer as escadas, olhar sobre o parapeito, ou algo assim, certo? Basta ficar 276


aqui até eu sair. - Eu entendia as palavras, mas pareciam confusas juntas. Eu caí de bruços na cama e gemia entre a colcha como perfeitamente maravilhosa me sentia. - Eu não vou a lugar nenhum - eu disse, fechando os olhos. Jared reapareceu em menos de cinco minutos. - Você pretende dormir de toalha? - Talvez - eu disse, sentindo-me rendida na cama. Jared caminhou até o armário e tirou uma camiseta do cabide. - Tudo bem - disse ele, sentando-me — Levante os braços. Obedeci e ele deslizou a enorme camisa sobre a minha cabeça. Mexi meus lábios quando o decote estava preso na minha boca fazendo Jared cair na gargalhada. - Falta uma coisa - disse, cobrindo minhas pernas com o cobertor. Ele se afastou por um momento e depois voltou, jogando um pedaço de tecido azul claro no meu colo. Levei um momento para perceber que era minha calcinha. - Eu vou deixar... você cuidar disso - ele começou a descer as escadas e, em seguida, eu chamei. - Jared? Ele virou-se imediatamente pegando a calcinha que joguei sem jeito. Comecei a rir deliciosamente, sabendo que se tivesse sido meramente humano teria pego no rosto. Jared sorriu com paciência inesgotável. - Estas são para você, não para mim - ele disse, jogando-as de volta. Elas caíram perfeitamente no meu colo. Eu ri novamente enquanto ele descia as escadas, sentindome exausta e acordada ao mesmo tempo. Eu podia ouvir cada

277


passo e movimento que Jared estava fazendo embaixo, no entanto, a névoa na minha cabeça deixava os sons confusos juntos. Eu estava no meu lado da cama, quando ele voltou e Jared não perdeu tempo se aconchegando ao meu lado. Embora o resto dos meus sentidos fossem escassos, minha pele estava ciente do calor gerado quando sua pele tocou a minha. Cada parte de mim sentia-se feliz e em paz em seus braços, como se fora destinada de estar lá. Eu beijei seu peito, mas meus lábios não queriam parar por aí. Continuei até o pescoço e Jared respirou fundo, sem perder tempo para segurar meus ombros longe o suficiente para olhar para o meu olhar lascivo. - Nina... - Jared disse, mas eu coloquei a minha boca na dele para parar qualquer outro protesto. Eu pulei sobre a nossa cautela habitual e deixei todas as minhas inibições. Debrucei-me sobre ele, eu levantei meu joelho ao mesmo tempo e montei em seus quadris. Os lábios de Jared não eram urgentes como o meu, mas eu insisti. Eu senti o peito de Jared subir contra meus lábios, pois toquei o peito dele beijando lentamente o meu caminho até a linha do meio de sua garganta. Quando meus lábios alcançaram seus lábios novamente, sua boca foi menos cautelosa. Ele virou-se, rolando em cima de mim, me posicionando nas minhas costas. Sorri para a minha vitória iminente. Jared se afastou de mim, sua respiração irregular apenas momentos antes. - Nina, não pode fazer isso hoje à noite. Deixei escapar uma corrente de ar que estava segurando em antecipação de meu triunfo. - Por que não? Jared sorriu e beijou meu nariz.

278


- Bem... Embora eu esteja incrivelmente tentado pelo flerte desajeitado... Gostaria que você se lembrasse da nossa primeira vez - eu relaxei minhas pernas, soltando-as na cama. -Por que você tem que sempre ser tão nobre? - eu reclamei, atingindo o colchão com os braços para dar ênfase. Jared riu e se aconchegou ao meu lado. - Sim, sou tão nobre que me esforço cada segundo que eu estou sozinho com você. Não me dê muito crédito. - Desculpa... - eu suspirei, sabendo que eu me sentia culpada em um estado mais iluminado de minha mente.

- Não se desculpe. Eu não posso dizer que eu não gostei ele riu - Nina? - disse, sussurrando meu nome. Eu podia ouvir, mas não consegui responder. Eu percebi o quão rapidamente afundou-se minha mente, eu queria responder, mas minha boca recusou-se a formar as palavras. Ele beijou meus ombros expostos e descansou a cabeça no travesseiro atrás de mim. Enquanto eu mergulhei na inconsciência, senti seu braço apertar em torno de mim mais uma vez, cobrindo-me com o calor de sua pele. Eu ouvi-lo sussurrar alguma coisa, mas já estava muito profundamente na escuridão para entender as palavras.

279


Capitulo 12 Meu peito doía. Meus olhos doíam. Minha cabeça parecia como se um trem tivesse passado sobre ela. Eu queria gritar, mas isso seria apenas insuportável. A única parte do momento que me ofereceu um grande consolo foi que eu ainda estava na cama de Jared. Eu me sentia mais fria do que o normal quando acordei no apartamento dele e eu sabia que ele não estava comigo. - Jared? - eu disse com a voz rouca, incapaz de falar acima de um sussurro. Senti a cama afundar ao meu lado e fiz uma careta diante da náusea induzida pelo movimento. Eu consegui abrir uma fresta entre minhas pálpebras, deixando uma quantidade ínfima de luz e encolhi-me diante dela, trazendo minhas mãos sobre meus olhos. - Vou diminuir a luz - Jared disse suavemente. O brilho assaltante que atravessou minhas pálpebras desapareceu e eu tentei novamente. - Muito melhor, obrigada - sussurrei , colocando-me em meus cotovelos. - Eu trouxe café da manhã. - Jared acenou para a mesa ao lado. Duas aspirinas, um copo de água e uma fatia de pão tostado em prato ao lado da minha foto. Forcei um sorriso e imediatamente peguei as aspirinas. Jared me deu água e joguei as pílulas na parte de trás da minha língua, engolindo o líquido frio. Sentia-me desconfortável contra a minha garganta seca, como se o meu corpo fosse rejeitar qualquer líquido que pudesse causar mais sofrimento. - Eu me sinto terrível - gemi. - Eu sei. - Normalmente eu não tenho ressaca. Eu devia estar absurdamente bêbada - eu disse, esfregando o rosto com os dedos. 280


- Você estava – disse sem expressão. Eu afundei no colchão. - Eu sinto muito que você teve que cuidar de mim. Como se você não tivesse que fazê-lo de qualquer maneira. Estou tão envergonhada. Jared tentou formar um sorriso. - Não se desculpe por ter se divertido com os amigos. É só que é... Desconfortável. -Seus olhos desfocados e as sobrancelhas franzidas. - O que é desconfortável? Jared esfregou a parte de trás do seu pescoço. - Este cansaço nebuloso e doloroso, o peso irritante que você está sentindo.

- Oh, - eu sussurrei, ainda sem entender. Eu não tinha considerado que Jared estaria sentindo os mesmos sintomas. Eu afundei ainda mais no colchão, sentindo-me muito egoísta — Você tem uma dor de cabeça? Jared riu com uma respiração profunda. - Eu não sei. Eu nunca tinha tido antes. Estou certo de que é uma versão menor do que você está sentindo. Eu levantei uma sobrancelha. - Eu acheii que eu era fraco, é como um zumbido de mosquito no seu ouvido? Jared desviou o olhar, claramente preocupado. - Está ficando mais forte. - Como?

281


- Não tenho a certeza. Meu pai nunca mencionou que os nossos sentidos aumentando mais do que já tinha experimentado. - Sinto muito, Jared. Eu não sabia ou não tinha... - Ei - ele interrompeu - não se preocupe comigo. Eu só preciso descobrir o que é isso. Incomoda não estar sentindo-me cem por cento. - Oh. - O quê? - ele perguntou, como se eu o tivesse tirado de um pensamento profundo. - A política de não beber. Você se sente fora de equilíbrio esta manhã e gostaria de me sentir no controle o tempo todo. - Você diz isso como se fosse uma coisa ruim - disse ele defensivamente. - Você não tem que ser perfeito o tempo todo, Jared. Não há problema em baixar a guarda. Abaixei-me para abraçá-lo, mas se afastou o suficiente para me fazer hesitar. Assim que ele percebeu o que tinha feito, pareceu se arrepender, o que o deixou ainda mais furioso. - Você fala como a Claire - falou. - Então, Claire e eu concordamos neste momento. Você é metade humano. Não há problema em cometer erros - eu disse, minhas palavras mais duras do que eu pretendia. - Não para alguém como eu. Certamente não para alguém que tem a filha de Jack Grey como Taleh. É que você não tem noção do perigo, Nina. Depois de tudo o que você passou ultimamente, eu não entendo. Ele mencionou o meu pai para que eu tenha uma reação, e assim eu continuei meu temperamento sob controle. Eu levantei uma sobrancelha para seu mini discurso. - Tenho tocado um ponto sensível? 282


A paciência infinita de Jared na noite passada tinha acabado. - Se eu baixo a guarda, você morrerá. Você entende isso? Eu tomei um gole de água e acenei com a cabeça. - Nós morremos. Jared pegou meu copo e bateu contra a mesa. - Você acha que eu me importo? Morreria por você milhares de vezes se eu pudesse. Você é a única coisa que importa. Cruzei os braços, indignada com suas palavras de carinho misturado com seu sarcasmo. - O que está errado com você? Por que você está tão chateado? Jared colocou os cotovelos sobre os joelhos, olhando para o chão. - Eu tive companhia esta manhã. - Eu não ouvi ninguém entrar. - eu disse, surpresa. - É porque ele não usa portas. Foi Samuel. Um amigo do meu pai. Esta preocupado com a situação em que te coloquei. Eu levantei a mão. - Volta. O que quer dizer com ele não usa portas? - Ele é um Arc. - Um Arcanjo estava aqui esta manhã? - eu perguntei perplexa — Eles se parecem com Gabe? Eles parecem humanos? - Sim - ele respondeu. - Então, se parece com um humano como você sabe? - Os Arcanjos têm o mesmo cabelo loiro, pele impecável e olhos azuis brilhantes, mas Samuel e sua família são a exceção. São nobrezas entre os Arcs e são um contraste com o resto deles. 283


- Contraste? - eu esperava que eu fosse aprender a decifrar as explicações enigmáticas de Jared, mas ainda assim falhava constantemente. - Ele é um cimério, uma linha de anjos negros. São os Arcs mais fortes, são soberanos e guerreiros. Eles são designados para aqueles que são marcados pelo diabo: os seres humanos nascem para ser perseguidos e atormentados. Eles vão igual para igual com os demônios com bastante frequência. - Oh - eu disse, pensando em que tipo de criatura tinha estado tão poucos metros de mim enquanto eu dormia. Qualquer coisa construída para combater demônios tinha que ser uma visão aterradora de se ver. Jared continuou: - Além disso, eu posso sentir o cheiro deles ha quilômetros de distância. É muito difícil para eles se esconderem de nós. Ou entre eles. - Como roupas limpa, sabão e uma tempestade? perguntei os cantos de minha boca subindo.

- eu

Jared franziu o cenho, pensativo por um instante e logo sua boca imitou a minha. - Não tinha pensado sobre isso. Para mim, isso é dez vezes essa coisa. Eu o descreveria como um cheiro no ar mais limpo que já experimentei. - depois de uma breve pausa, ele me olhou com curiosidade - O que te fez dizer isso? Eu sorri, pegando sua mão. - Isto é como você cheira. - Eu cheiro? Hmmm. É bom saber - disse ele, balançando a cabeça enquanto pensava. - Então... Samuel...? Jared novamente.

balançou

a

cabeça,

seus

olhos

escurecendo

284


- Tem notado um aumento na atividade na área. - Que tipo de atividade? Ele engoliu em seco e se aproximou de mim na cama, segurando a minha mão com força. - Os outros não entendem minha atração por você... Mesmo que eu seja meio humano. É interessante para eles. Assim, as visitas aumentaram. - Mas eu não... eles não me incomodaram. - Não nos comprometem a não ser que eles tenham que fazer. Engoli em seco. - Então, você está dizendo que, enquanto você está perto de mim , não me machucarão? Os olhos de Jared escureceram. - Não vão querer cruzar essa linha, confie em mim. Eles sabem que não devem ficar muito perto de você quando eu estou por perto. - Essa é a razão pela qual você deixou Claire comigo a noite que esteve com o Sr. Dawson? Ele acenou com a cabeça. - Eu não quero que tenha medo. É apenas um problema do meu apartamento, são atraídos pelas casas dos híbridos. Lembra que eu disse que são atraídos por aqueles que estão cientes deles? - eu balancei a cabeça - Claire, Bex e eu , e aqueles que, como nós, estamos muito conscientes deles. Nossa linhagem permitir-nos vêlos , mesmo quando você não pode. Tenho notado mais de sua espécie indo e vindo. Eles são curiosos sobre você. Eu segurei sua mão com força. - Devo ficar preocupada?

285


Jared me deu um sorriso encorajador. - Deixe que eu me preocupe. Eu respirei fundo e assenti. - O que era que Samuel disse para você? - Eles têm notado... - Jared esfregou atrás de seu pescoço tem notado que passamos mais tempo juntos. Ambos os lados. Os Arcs estão descontentes com isso. É muito incomum e desaprovado estar envolvido com seu próprioTaleh. É considerado um tabu o amor com um ser humano. Apesar de eu ser meio-humano, eles nos vêem irresponsáveis. Samuel está preocupado que os Arcs não estão dispostos a ajudar se as coisas ficarem difíceis. - Por que precisamos de sua ajuda? Eu pensei que você disse que não iriam se aproximar se você estivesse perto? - Eu não estou falando de uma dúzia ou dos outros, Nina. Samuel não ficaria preocupado se não fosse sério. - Quão sério é? Jared suspirou. Toda a sua energia parecia que tinha sido sugado para fora dele. - O inferno está familiarizado com os nossos pais. Sendo seus filhos, além de nossas circunstâncias únicas... Nós nos tornamos pessoas de interesse, por assim dizer. Outros fizeram um jogo quando agarraram meu pai com guarda baixa. Comigo tem uma razão mais forte de proteger-te... - engasgou. Ele engoliu em seco e começou de novo - Samuel veio me avisar. - Te alertar - repeti. Minha cabeça estava nadando com a confusão e uísque ainda saturando meu sistema. - Nosso relacionamento poderia provocar o inferno intencionalmente - Jared esfregou as têmporas. Eu também estava tendo dificuldade para me concentrar - Samuel me disse que eles já têm curiosidade, juntamente com a morte de Jack... Poderíamos ter problemas maiores do que apenas aumento de visitas. 286


Eu balancei minha cabeça. - O que Jack tem a ver com isso? - Os homens que mataram seu pai sabiam como contornar Gabe porque eles trabalharam para ele. Os policiais e outros inimigos de seu pai, são contratados por um homem chamado Shax. Exceto... Que ele não é... Não é exatamente um homem. - É um... Outro? Jared tentou sorrir, mas a tensão em seu rosto se contorceu em algo semelhante à dor. - Shax é um duque do inferno. Ele também é um renomado ladrão e orgulha-se de seus vestígios. De alguma forma, Jack se fez inimigo de Shax e vou assumir que ele pegou algo que Shax acredita que lhe pertencia. Não é algo que você quer fazer a um aristocrata do Inferno. Eu balancei a cabeça, incapaz de falar em uma voz calma. - Samuel aconselhou-nos... Ver-nos menos um ao outro. - O quê? Não! Você não vai... Você não vai ouvir isso, certo? - ele pegou meu rosto em suas mãos. - Eu prometi que não iria deixá-la de novo, certo? - eu balancei a cabeça. - Sim. Você prometeu - eu disse, mais para mim do que para ele. Jared apoiou os cotovelos sobre os joelhos e baixou o rosto em suas mãos. - Eu fiz uma bagunça nisso tudo, Nina – gemeu — Você está em mais perigo do que estava antes. Agora vejo por que Jack me proibiu de te ver. Eu estava atrás dele, passando os braços ao redor da cintura e pressionando meu rosto em suas costas.

287


- Então temos que saltar alguns obstáculos para estarmos juntos. Quem não tem? Jared se virou e olhou para mim com uma expressão de incredulidade. Eu suspirei. - Para nós estarmos juntos... É um milagre, não? Um meioanjo e sua humana, apaixonados quando todos do céu e o inferno dizem que não deve ser. A fome da multidão transformou-se um milagre dos peixes, a escravidão de um povo causou a abertura do mar, os cegos vêem, os leprosos curados, a dor de uma mãe trazer de volta os mortos... É preciso um pesadelo para obter um milagre. - Neste cenário, eu sou o pesadelo... Você é o milagre. - Jared? - eu perguntei, fazendo uma pausa por um momento enquanto reconsiderava para resolver a questão novamente. Ele notou minha preocupação e tocou minha bochecha. - O que, querida? - O que você planeja fazer com a informação que Samuel lhe deu? - eu me preparei para que seus olhos não nublassem, mas para minha surpresa, ele sorriu. Seus olhos inclusive brilhavam um pouco. - Vamos lutar contra o pesadelo para ter o milagre, né? Voltei a sorrir. - Assim será. Ele me beijou na bochecha. - Vou deixar você se vestir. - Vamos a algum lugar? - Vamos ver um amigo - disse Jared, correndo pelas escadas. Eu pensei sobre isso por um momento. 288


- Um amigo humano? - Negativo - ouvi-o dizer da cozinha. Depois do banho, desci ainda me sentindo um pouco tonta. Me senti ainda pior por Jared , que nem sequer desfrutou da libertinagem antes de sentir as consequências. Jared pisou fundo no acelerador, de modo que os edifícios de Providence passaram como um borrão pela minha janela. Eu brinquei com a temperatura até que finalmente recorri ao ar condicionado. A corrente de ar soprou no meu rosto e fechei os olhos. Jared tocou meu joelho. - Ele está ajudando com a náusea - eu disse, sabendo que teria ele mais calmo por ter uma pequena parte dos meus sintomas aliviados. O Escalade desacelerou até parar ao lado de uma cerca de um armazém abandonado. Estávamos no limite da cidade, não mais de dez quilômetros do loft de Jared. Eu imediatamente me senti um pouco nervosa, mas o medo desapareceu com um toque quente de Jared. Ele pegou minha mão e não a soltou enquanto caminhávamos em um velho cascalho e parou diante de uma porta presa com correntes enferrujadas. Ele tirou uma chave do bolso e abriu a velha fechadura. Jared empurrou as pesadas portas e me fez virar para uma entrada lateral, onde ele apertou um botão em uma pequena caixa cinza. Ninguém respondeu, mas nos deixaram entrar. Jared me levou pela mão através do enorme edifício de concreto. Painéis de vidro após o outro cobriam as paredes, lançando luz solar no chão através da poeira de décadas. Ele parou no meio e eu sorri antes de deixar o enorme espaço vazio. - Eli?

289


Esperamos por cerca de meia hora. Eu queria perguntar se ele tinha certeza de que seu amigo estava lá, mas ao mesmo tempo ele permaneceu paciente, iria seguir a corrente. - Oh, vamos lá. Ela já sabe - Jared disse de repente, revirando os olhos. O observei, os cantos de minha boca subiram. Foi divertido vê-lo falando sozinho. - Eli, precisamos conversar. Você sabe que ela é importante - ele olhou para mim e depois olhou com impaciência para o extenso teto - Não seja ridículo! – ele gritou para o ar. Eu suprimi uma risadinha. Jared se virou para mim. - O quê? - Nada - eu disse, forçando os cantos da minha boca para transformar em linha reta. - Ótimo. Agora ela acha que eu sou louco - ele gritou para a sala enorme. Uma risada escapou da minha garganta e Jared se inclinou para me olhar no rosto, tentando adotar uma expressão ofendida. Ele falhou miseravelmente quando um grande sorriso se espalhou por seu rosto. - Admita. Foi divertido - disse uma voz atrás de nós. Virei-me, instintivamente me escondendo atrás de Jared. Um homem de cabelos grisalhos estava na frente de nós com um sorriso divertido. Ele era mais alto do que Jared, mas não mais do que alguns centímetros. Fiquei surpresa como ele estava vestido. Eu estava esperando a nítida e abotoada camisa social, mas não tinha previsto uma camisa amarrotada e as mangas enroladas até os cotovelos , ou buracos nas calças , ou sandálias de couro marrom claro. Eu certamente não estava esperando o falso penteado moicano.

290


Seu calor físico e excessivo era tão incrível como Jared, perceptível mesmo em suas roupas. Apesar de ter sido lindo, o calor que emana de sua pele, quase dando um brilho, orvalhada. Seus olhos azuis como gelo avaliando-me, em seguida, ele olhou para Jared, que me levou para o seu lado. - Eli - Jared disse, assentindo. - Sim. Não me venha com essa porcaria de aceno, Jared - Eli disse, empurrando-nos a um abraço — Como tem passado? Eu acho que o abatimento cessou desde que encontrou uma maneira de finalmente aparecer. Jared riu nervosamente, olhando-me com o canto do olho. - Eu estou bem, e você? - Celestial - disse Eli com um gesto espetacular de seus braços. Jared revirou os olhos. - Deixe ela em paz. - Oi, Nina. Eu ouvi... - seus olhos se arregalaram por um momento - muito sobre você. É bom finalmente conhecê-la... Oficialmente. - É um prazer conhecê-lo, também. Estendi minha mão e Eli agarrou, parecendo satisfeito com a minha coragem. Sua mão estava um pouco mais fria do que o normal. De maneira alguma como temperatura febril de Jared. - Não temos que deixar correr uma febre para nos manter em dia com o que podemos fazer - Eli sorriu. - Oh - eu disse, balançando a cabeça. Eu olhei para Jared, que olhou para mim com uma expressão tão engraçada como Eli. - Você estava esperando uma toga e uma harpa? - Eli perguntou, piscando. - Deixe-a em paz Eli - advertiu Jared. 291


- Só estou me divertindo um pouco, Jay. Você sabe que eu não posso fazer isso muitas vezes - disse o anjo, soltando minha mão. Jared se virou para mim. - Eli não é um Arc. Ele é o Anjo do Plano Divino. Garante evolução espiritual e quando chamado por seres humanos, ele auxilia para ajudar os seres humanos a encontrar o caminho certo. - Ele? Como... É seu chefe... ? Eli parecia entediado com a explicação de Jared . - Eu sou um guarda de trânsito para os Arcs e um conselheiro glorificado, Nina. Não deixe que o título intimide-a. Tentei rir, mas o melhor que eu podia fazer era cobrir a boca ao rir. Eu esperava uma reunião formal e Eli deixou de ser um sombrio para ser uma surpresa agradável. - Eu comecei a experimentar algumas mudanças em meus sentidos, Eli.Você sabe o que é? - Jared perguntou impaciente com as piadas. - Eu sei. Você já se envolveu com seu Taleh fisicamente? Eli perguntou com naturalidade. - Em que sentido? Se você quer dizer sexo, então não Jared disse impassível pela maneira informal de fazer essa pergunta. Comecei a me sentir um pouco tonta pela súbita mudança da conversa. Eu não tinha certeza de quantas vezes poderia ser pega de surpresa pela minha condição. Jared me puxou para o seu lado, apoiando parte do meu peso. Eli olhou para nós de forma especulativa. - Em todos os sentidos, Jared. Quando você se rebelou, a conexão se tornou mais forte. À medida que você passa o tempo com ela, torna-se mais forte. Cada vez que você tocá-la, ele fica mais forte. À medida que seus sentimentos por ela se aprofundam, 292


o mesmo acontece com a ligação entre os dois. Se você estiver com ela de uma maneira íntima, a relação torna-se um vínculo forte e permanente. Haverá uma diferença notável na forma como você vai sentir a sua presença, a sua dor e emoções quando comprometimento físico é feito. Você deve levar isso em conta. Pode prejudicar seus deveres como seu protetor. Jared assentiu, guardando imediatamente a palavra de Eli. - Você quer dizer que ele será mais suscetível à doença e da dor? - eu perguntei. - É certamente uma possibilidade. Claro, as coisas seriam sempre em relação com você , Nina , mas apenas na teoria. Nós não temos muita experiência com esse tipo de coisa . Vocês dois são apenas o nosso sétimo caso desde o início dos tempos dos seres humanos na terra. E seria o primeiro caso mestiço / humano. - Híbrido – corrigi. Ambos Jared e Eli olharam para mim com uma expressão estranha. Eli sorriu claramente se divertindo. - Híbrido então. Você está certa, isso não foi gentil de minha parte, certo? - Ele disse, piscando para Jared, que desviou o olhar, tentando não sorrir. Jared pigarreou, de volta aos negócios. - Disseram-me que poderíamos ter algumas legiões para nos preocupar. Eli olhou para mim por um momento e depois voltou para Jared . - Até agora se trata apenas dos seres humanos. - Há algo que eu possa fazer para mantê-los afastados dela? - Jared disse com uma mudança perceptível no tom. Havia uma sugestão clara de desespero nele. - Receio que o dano já está feito, Jared. Foram avisados - Eli disse sem julgamento. 293


Jared olhou para mim, então soltou a minha mão e saiu com as mãos nos quadris. Ele se manteve de costas para nós, olhando para os seus pés e, em seguida, para o teto. Eli acenou para mim com um sorriso paciente. Forcei os cantos de minha boca subir. Apenas o perfil de Jared era visível. Sua mandíbula se apertou logo abaixo da pele. Depois de um tempo ele começou a falar numa língua que não entendia. Ele foi melhor do que o francês ou hebraico, que era a língua mais bonita que eu já tinha ouvido. As palavras saíram da boca de Jared como uma sinfonia. Eli respondeu na mesma língua e então eu percebi. Eles falavam a língua do céu. Depois da resposta extensa de Eli, Jared virou com lágrimas nos olhos. - Posso fazer isso sozinho? Perguntou Jared. - Nenhum de nós pode fazer nada sozinho, Jared. É por isso que existem as famílias - a expressão de Eli estava calma, o oposto de Jared . Senti a necessidade urgente de ir até Jared e segurá-lo em meus braços até que o olhar torturado deixasse seu rosto. Jared parecia entender o que eu não fiz. Ele me puxou para ele, beijando o topo do meu cabelo. Eu passei meus braços em torno dele. - Vai ficar tudo bem. Seja o que for, vamos descobrir - eu assegurei a ele. Ele sorriu, mas seu rosto permaneceu chateado. - Te coloquei em sérios problemas, Nina . Seu pai estava certo, eu deveria ter ficado longe. Eu sinto muito. Eu balancei minha cabeça. - Eu não sinto - eu disse calmamente. Eli suspirou com satisfação. - Ela é um tesouro, Jared. Tenha fé. Talvez ela te contagie. Os olhos de Jared se suavizaram. 294


- Talvez. Instantaneamente, estávamos sozinhos. Nós voltamos para o Escalade e, em seguida, Jared abriu a minha porta, e me levantou no assento. - Eu não acho que seja uma boa idéia você voltar para o Andrews neste momento. - ele disse com uma expressão de desculpas. Toquei seu rosto, preocupada com a reação dele. - Jared , eu não posso continuar vivendo com você. O que as pessoas vão pensar? - ele riu, mas ficou perturbado por minha pergunta. - Eu não dou a mínima para o que eles pensam. Estou mais preocupado com mantê-la viva. Pacientemente sorri e beijei sua bochecha. - Eu fico com você no fim de semana, lembra? - Não é o suficiente, Nina. Preciso de você em todos os momentos. Eu levantei minhas sobrancelhas em sinal de protesto. - Bem, você não pode. Tenho aulas... e amigos. Eu tenho uma vida fora dessa loucura. Jack não foi morar com você e ele tinha mais inimigos. - Se a minha mãe fosse a Taleh de Gabe, ele a teria mudado. Se Gabe tivesse criado um jogo novo e divertido para uma legião de demônios jogar, ele a teria dito para se mudar - Jared disse, esfregando a testa com os dedos. - Sua cabeça dói? Eu perguntei. A raiva queimou no rosto de Jared e se afastou de mim, parou a alguns metros de distância e, em seguida, caminhou de volta, ainda com raiva.

295


- Nina! Pelo amor de Deus, a sua vida está em perigo! E a culpa é minha! Pare de se preocupar comigo! Sentei-me ali, atordoada. Jared saiu, pegou uma pedra do tamanho de uma bola de beisebol e jogou-o no armazém. Eu perdi de vista a pedra com meus olhos humanos antes de colidir com uma janela. - Impressionante - eu disse. Jared se virou e parecia refletir em gritar antes de envolver seus braços em volta da minha cintura e enterrando a cabeça no meu colo. - Poderia levar isso a sério? Antes da culpa me consumir? - Quer que eu fique assustada? - eu perguntei. Jared olhou para mim com uma expressão de dor no rosto - Quer que eu fique com raiva de você? Quer que eu grite e te odeie por ter entrado na minha vida? - eu balancei a cabeça e segurei seu rosto com minhas mãos - Eu não posso fazer isso. Eu sei que de uma forma ou de outra, tudo ficara bem. Você vai ver. Meu otimismo não ajudou a agonia de Jared. Seu rosto escureceu, e caiu com a cabeça no meu colo novamente, me puxando para ele, segurando em minhas costas. Abracei-o e coloquei minha bochecha contra seu cabelo. Não sabia mais o que fazer por ele, mas eu me recusei a deixar minhas emoções me trair. Quando o sol começou a se pôr, a cabeça de Jared não havia se movido. - Jared , está ficando escuro. Temos que ir - eu disse, correndo os dedos pelo seu cabelo. Depois de alguns minutos, levantou-se e caminhou lentamente para o outro lado do Escalade, sem nenhuma pressa de voltar para a cidade. - Vou te levar ao Brown - disse Jared, distanciando-se do armazém de Eli - Vamos pegar o resto das suas coisas, eu vou

296


comprar uma cômoda, vou armário...

arrumar um pouco de espaço no

- Jared... Não. Seus olhos se prenderam nos meus . - Nina, me desculpe, mas isso não é negociável. Eu tenho que corrigir isso e então você pode voltar para a Andrews. Eu mantive minha voz calma. - Eu não vou me esconder, Jared. Apesar do meu tom calmo, Jared se tornou cada vez mais irritado. - Sei que você não tem idéia do que estamos tratando aqui, mas eu quero dizer isso: você vai fazer as malas e voltar para casa comigo. Eu não sei por quanto tempo. Eu balancei minha cabeça lentamente. Sua mandíbula se apertou. - Nina, não seja teimosa. Por favor, confie em mim. - Eu confio em você . É por isso que eu não vou me esconder - repeti. Puxou o Escalade para o acostamento da estrada e empurrou a alavanca em ponto morto. - Não estou pedindo para você, Nina . Eu estou lhe dizendo. É muito grave. Apertei os olhos para ele e ele suspirou, batendo no volante com a palma da mão. - Não faça isso! É ruim o suficiente saber que coloquei você nesta situação, sem que se recuse que te mantenha a salvo! - Jack não queria que me dissesse a verdade, porque não queria isso. Não queria que eu vivesse com medo ou na

297


clandestinidade. Se você me trancar estará dando o que eles querem. Seus dedos estavam brancos, pois agarrou o volante com firmeza. - O que faz você pensar que sabe o que eles querem? - sua voz era baixa e deliberada. - Porque Jack queria de outra forma - eu sussurrei. Jared olhou para mim, considerando as minhas palavras. - Jack queria você segura. Essas coisas não mostram misericórdia, Nina. Eles não se importam se você é uma adolescente inocente. Engoli em seco. - Eli disse que só estavam lidando com seres humanos, por enquanto. Vamos nos concentrar nisso. Jared pensou por um momento e relaxou um pouco. - Ok. Vamos fazer da sua maneira. Enquanto ainda estamos lidando com seres humanos, você pode ficar em Andrews. No segundo que Shax chamar até mesmo uma fração de uma de suas legiões, você vem comigo. Eu não quero ouvir nem mais uma palavra sobre isso. Eu concordei com a cabeça. - Esta bem - coloquei meus braços em volta de mim, preparando-me. Minha curiosidade superou a minha necessidade de permanecer alheia a tudo - Quais são as legiões? Jared fez uma careta, obviamente desejando que eu não tivesse perguntado. - Shax tem trinta legiões sob seu comando. Não me pergunte quantos demônios é isso. Você não quer saber. Eu balancei a cabeça novamente, engolindo a bile na garganta. 298


- Nina? - Jared perguntou, sentindo minha testa. - Eu não me sinto bem - disse, pegando a maçaneta da porta. Corri para a grama, ouvindo as duas portas do veículo fechando ao mesmo tempo. Assim que meus pés tocaram o chão, Jared já estava ao meu lado, empurrando o meu cabelo longe do meu rosto. Não demorou muito para que os vômitos começassem, eu não tinha comido desde o café da manhã. Depois que meu estômago se relaxou e a ânsia parou, Jared levantou-me em seus braços e me colocou no meu lugar. - Eu vou te levar ao loft - advertiu, dando partida na caminhonete. Eu estava muito cansada e doente para discutir. Jared me carregou dois lances de escadas e gentilmente me colocou do meu lado da cama. Eu deixei meu corpo derreter no colchão enquanto ouvi a água correr no banheiro. Momentos depois um pano úmido frio foi colocado na minha testa. - Déjà vu – eu disse. - Eu não estava levando em conta a sua condição quando levei você para ver Eli, e deveria ter conseguido alguma coisa para comer. Desculpe. - Pare de se desculpar. Você não me forçou a beber muito na noite passada. Como você se sente? Como eu? - Eu não estou doente, apenas desconfortável. Eu vou fazer um acordo. Eu vou parar de me desculpar, se você parar de se preocupar comigo - disse , docemente tirando meu cabelo para longe do meu rosto. Eu sorri, mas eu não fiz nenhuma promessa. Jared me deu um beijo na bochecha — Eu estou indo para pegar alguns biscoitos e refrigerante para acalmar o seu estômago. Tente descansar. - Eu estou bem. Você não tem que se preocupar com isso eu disse, deitando-me de volta contra os travesseiros. - Eu estou apenas tentando fazer você se sentir confortável ele tinha uma expressão estranha no rosto, quase mal-humorado. 299


- Sua cama é mil vezes mais confortável que a minha cama no Andrews e até a minha cama em casa. E nenhuma delas tem seu cheiro. Jared mudou antes de falar. - Então... Por que você é tão contra ficar aqui? É por mim? Levantei minhas sobrancelhas imediatamente, doía que se quer chegasse a essa conclusão. - Não! Eu não sou contra ficar aqui. Eu amo isso aqui. Só que eu tenho que voltar para o Andrews. Jared levantou uma sobrancelha. - E por que isso? Eu pensei que continuar vivendo seria motivo suficiente para querer ficar aqui comigo. Você não se importou em ficar quando precisava para curar sua mão todas as noites. - Não é sobre isso. É sobre ser forçado a esconder-se, se trata de meus amigos e de tentar manter certo grau de normalidade na minha vida. Eu sei que você me quer aqui onde pode me manter a salvo - eu expliquei, descansando minha mão em sua perna. - Não só para mantê-la a salvo. Só quero você aqui - ele disse, traçando ternamente a linha do meu queixo com a ponta do seu dedo. Eu sorri com suas palavras, e calor radiante no meu queixo de seu toque. - Temos muito tempo para isso, certo? Os olhos de Jared nublaram imediatamente, e eu finalmente entendi a urgência. Ele queria passar cada segundo do tempo que não ficamos juntos. Eu olhei para longe dele, tinha que ter fé que iríamos passar por isso. Meus olhos estavam pesados e virei para o lado, pressionando meu rosto no travesseiro.

300


- Eu tenho fé em você, Jared. Mais do que você tem em si mesmo. Eu não tenho medo Eu disse, fechando os olhos. A porta se fechou com força e estremeci, olhando ao redor da sala. Era de manhã. Pode fechar a porta como uma pessoa normal? Jared respondeu. - Isso é uma péssima idéia, Jared. Embora, talvez não seja a pior que você já teve - Claire reclamou. Pequenos passos ressoaram pisando ao subir as escadas - Você tem que falar com ele sobre isso, Nina. Ele não vai me escutar. Não no humor em que se encontra. - Fique fora disso , Claire - disse Jared abaixo . Claire fez uma careta e, em seguida, saltou desde o corrimão, caindo em seus pés. - Eu não posso ficar fora! - Assobiou. Eu rapidamente me vesti e me encontrei com eles embaixo. Jared estava vestindo uma camisa de botão e calça, segurando um capacete de moto. Ele empurrou-o, sem dizer uma palavra. - O que é isso? Eu perguntei, olhando para o capacete. - Eu acho que é melhor ir com minha moto - disse Jared. - eu olhei para ele. - O que está acontecendo? Sua expressão não mudou. - Vem ou não? Olhei para Claire e depois para ele. Eu pressionei meus lábios e, em seguida, peguei o capacete. Claire suspirou e saiu enfurecida.

301


Segui Jared para fora e olhei para reluzente beleza preta estacionada na calçada. - O que é isso? Jared suspirou. - É uma Vulcan. - Estranho. Eu pensei que era uma moto - eu sorri, mas Jared não encontrou graça em minhas palavras. Eu levantei minha mão e os dedos separados em forma de V. — Vida longa e... Hein? - eu balancei minha cabeça, vendo que Jared não estava com disposição para brincadeiras. Eu coloquei o meu capacete e o prendi no queixo. Meu pai tinha uma moto e, embora eu nunca tivesse a coragem de dirigir uma, eu estava bem com o ser a passageira. Jared ligou o motor e eu subi atrás dele, feliz que se tratava de outro bom dia. Ele dirigiu rapidamente para a rua, dando várias voltas. Não foi, até que chegamos à calçada em frente Sovereign Bank, que entendi a razão por trás do humor de Jared . Levantou-me do assento, como se eu não pesasse nada, colocando-me em pé. - Existe alguma razão para que você não esteja falando comigo? - eu perguntei, empurrando o capacete para ele. - Não é com você que estou com raiva. É com Jack rosnou. - Por quê? - Porque ele está me fazendo impossível fugir disso. Eles precisam de nossas assinaturas. A caixa está em uma área especial. Precisamos das chaves, assinaturas, nossas impressões digitais para entrar, disse, olhando para a porta do banco. - Mas eles não têm as minhas impressões digitais. - Eu nunca dei a minha também, mas eles têm no arquivo – disse. Jared, distante e frio. 302


- Você tentou vir aqui sem mim? É por isso que Claire estava no loft? - eu cruzei os braços - E deixe-me adivinhar, você apenas está chateado porque precisa da minha ajuda, afinal. Os olhos de Jared fixaram em mim. - É isso que você acha? - eu permaneci em pé com meus braços firmemente entrelaçadas sobre minhas costelas. Jared balançou a cabeça para mim e estendeu o braço - Tenha a bondade. Caminhamos para o banco e um homem com terno sufocante e extremamente feio, cinza claro se aproximou de nós. - Sr. Stephens, esta é Nina Grey disse Jared . O homem estendeu a mão magra e apertei. - É um prazer conhecê-la Senhorita Grey. Por aqui - ele nos levou através do lobby para o elevador. Uma vez lá dentro, ele usou uma pequena chave de acesso a um piso inferior que não estava no painel de botões. O elevador se abriu em uma sala escura com uma enorme cúpula de bronze. Sr. Stephens caminhou rapidamente à nossa frente, tomando o seu lugar atrás de uma mesa alta com um computador. Quando nos aproximamos, ele estava digitando no teclado. - Senhorita Grey, eu vou ter que ver duas formas de identificação, por favor – sr Stephens disse, olhando por cima do monitor. Eu atirei um olhar irritado ao Jared , percebendo que eu tinha deixado a bolsa no loft. Jared enfiou a mão no bolso de sua jaqueta e tirou minha carteira. Eu peguei da mão dele e depois coloquei minha carteira de motorista e a carteira de estudante na frente da tela do computador. Os olhos do Sr. Stephens correram duas vezes entre meu rosto e cada um dos cartões e, em seguida, assentiu. Eu coloquei o cartão na minha carteira e ele repetiu o processo com Jared. 303


- Senhorita Grey tem um leitor vermelho na sua frente. Eu preciso que você mantenha o polegar lá até que você veja um flash e, em seguida, precisa fazer o mesmo, Sr Ryel - disse, olhando os dois seguirem as instruções - Agora, assine aqui e confirme a data com o botão verde quando você terminarem. Corri para assinar e apertei no botão com o lápis, dando-lhe a Jared , que assinou o seu nome sob o meu. -Vocês tem a chave? - Temos - Jared disse calmamente. - Por aqui - disse o Sr. Stephens, o cofre se abriu automaticamente.

A sala estava cheia de caixas de diferentes tamanhos, todos banhados na mesmo cor de bronze da porta. Nossos passos ecoavam no chão de mármore. Sr. Stephens virou-se para nós, apontando para um quadrado de ouro brilhante na parede com um pequeno botão preto no centro. - Apertem este botão para me deixar saber que acabaram. Foi um prazer fazer negócio com você. Srta. Grey... Mr. Ryel balançou a cabeça, deixando-nos sozinhos. A porta do cofre se fechou atrás dele e os olhos de Jared caíram nos meus. - Bem, ele é assustador - sussurrei, meio que esperando Jared me acalmar. Sem dizer uma palavra, ele caminhou para frente, tomando a chave do bolso. Eu atravessei as caixas na parede e me dei conta de que os números não seguiam qualquer padrão. - Isso vai demorar uma eternidade! - eu reclamei. Jared não respondeu então eu voltei a olhar pra buscar a caixa oito vinte cinco. Dez minutos depois, Jared me chamou. 304


- Nina? Corri para a voz dele e encontrei-o no canto de trás, de frente para uma placa de bronze do tamanho de uma caixa de sapatos. - Bem, deveríamos ter olhado aqui atrás primeiro. Isto é muito parecido com Jack, certo? Jared não falou, simplesmente colocou a chave na fechadura e abriu, revelando um cofre com um grande cadeado preto com fechamento de combinação para frente. Ele colocou a caixa no chão aos meus pés, como se fosse uma caixa de sapatos. Eu tinha certeza de que devia pesar pelo menos vinte quilos, se não mais, mas Jared não hesitou contra o peso. Os músculos de seus braços sequer tencionaram. - O código em uma combinação - eu disse. Jared confirmou com a cabeça, puxando o papel amassado de dentro do bolso interior de sua jaqueta. Leu o código e, em seguida, olhou para mim. - Será que faz sentido para você? - ele perguntou, segurando o papel para que eu pegasse. 825 2R2TL223TR05 - Oito e vinte cinco é o número da caixa, o resto é a combinação do código. No entanto, as combinações são apenas três números, um ou dois dígitos, certo? – Não olhei para cima, e Jared não disse nada, então eu não tinha certeza se ele havia concordado comigo ou não - Então nós temos que descobrir qual desses números são os números da combinação. E os outros são... O quê? Pistas falsas? - eu balancei minha cabeça.- Não. Jack não iria de jogá-los fora, todos são importantes. Concentrei-me no fechamento de combinação de discagem, olhando para os números e pensando em rodar o disco de todos os números nas diferentes formas em que eles apareceram no código. Eu ri e olhei para Jared com entusiasmo. 305


- Eu peguei! - Eu sorri. Jared escondendo a emoção, que por sua vez diminuiu a minha emoção. Parecia que estávamos de volta ao ponto de partida a nossa relação. - Pegou o quê? - ele perguntou, sua voz plana . - As letras, letras RTL significa virar à direita e esquerda. Vire à direita duas vezes, parando em dois. Vire à esquerda duas vezes, parando em vinte. Três voltas à direita, parando em cinco. Jared deu de ombros. - Tente. Meu primeiro impulso foi o de enrolar o papel, jogá-lo, e dizer para ele tentar. Minha raiva esfriou quando o motivo veio à mente. Eu queria ver o que estava no cofre e ele iria pegar o papel de qualquer maneira, mesmo que eu conseguisse apontar o suficiente bem para acertá-lo. Ajoelhei-me e girei a combinação. Eu segui as instruções, mas quando eu parei na última edição, eu não captei como a combinação deveria ir. Minha raiva contra Jared junto com a minha frustração com a combinação fez meus olhos encherem de água. Quando eu tentei limpar discretamente meu rosto com o meu ombro, ele suspirou. - Você está chorando? - perguntou Jared. Eu esfreguei meu nariz. - Não. Deixe-me em paz. - Tente de novo - disse ele, indiferente. Limpei a marcação e eu prestei muita atenção a cada volta e parada, mas quando cheguei ao cinco, eu passei ele de novo. Foram duas vezes em vez de três. A trava se liberou e eu engasguei. - Funcionou - sussurrei, olhando para o cofre em choque. 306


Jared me levantou do chão e se ajoelhou para abrir o cofre. Caiu pra trás e apertou a ponta do nariz. - Droga, Jack. O que você fez?

307


Capitulo 13 - O que houve? - Eu pergunto, inclinando-me sobre seu ombro. Ele se virou para mim, segurando um livro de capa de couro marrom. Superava o antigo na aparência, as bordas estavam muito gastas, com um selo estranho na capa. - É o Naissance de Demoniac. A Bíblia do Inferno - disse num sussurro. - O que a Bíblia do Inferno faz no cofre de Jack? - disse, surpresa. - Cada um dos patrícios da hierarquia do Inferno tem uma. Isto pertence à Shax – ele disse, olhando para o selo preto no centro. Eu não quero saber como Jack conseguiu, mas o fato de que nossos nomes estão na conta aqui, me diz que ele sabia que eu iria contra a sua vontade e uma vez que eu o fiz, nós precisamos disso. - Para quê? - Para trocá-lo pela única coisa que Jack trocaria isso: Sua vida. - Sua expressão era uma tortura, como se ele estivesse consumindo culpa. - Jared... eu digo, aproximando-me para tocar. Ele afastou-se e as emoções desapareceram de seu rosto. Sua recusa acendeu minha frustração. - Vamos deixá-la aqui ou levá-la com a gente? - Eu perguntei. - Isto vai ficar aqui. Eu não quero isto nem remotamente perto de você. Esperamos que Shax seja o único demônio no inferno que não guarde rancor. Aproximei minha mão para tocar o livro. - O que tem nele? Jared se afastou bruscamente e abaixou-se para colocá-lo de volta no cofre. Ele fechou a porta com força, colocou a senha 308


dele e empurrou o cofre no interior do depósito com um rugido. Tirou o papel com o código da caixa e fechou o depósito, colocando a chave no bolso. Tomando meu braço, ele correu pelo corredor em direção à porta. Um curto apito soou alto quando Jared apertou o botão e estava inquieto até que o Sr. Stephens disse: - Estamos prontos - Jared rosnou. Assim que o depósito foi aberto, me puxou para frente novamente. Seus longos passos fizeram que tivesse que correr para ir no seu ritmo. A porta do elevador se abriu, revelando o porte magro do Sr. Stephens. Jared ficou tenso enquanto subia o elevador, e quando as portas se abriram novamente, saiu correndo, mantendo um aperto firme no meu braço. Em sua moto, Jared me deu o seu capacete sem perder um momento. Eu enrosquei a cinta no queixo com um único movimento ele colocou o seu e passou a perna sobre o assento, me arrastando simultaneamente no banco atrás dele. Abracei com firmeza. -Segure-se - ordenou. Nós estávamos correndo pela rua, ziguezagueando pelo tráfego, passando rápido pelos semáforos vermelhos e sinais de parada até que chegamos ao seu prédio. Meus pés mal tocaram o asfalto e uma vez que entramos no loft, me soltou. Sem dizer nada subiu as escadas e desapareceu atrás da grade. Eu estava ao pé da escada e ouvi seus passos pararem no meio da sua sala. Eu esperei, tentando ouvir alguma coisa para me dizer o que estava acontecendo e, em seguida, entrou no banheiro. Segundos depois, ouvi abrir o chuveiro, então eu esperei. Faltavam dez minutos. Sentei-me no sofá, olhando para a tela escura da TV. O comportamento de Jared não fazia sentido e eu assumi que me explicaria quando considerasse adequado, como sempre fazia. Depois de meia hora, comecei a duvidar do meu raciocínio. Subi as escadas e cheguei à porta do banheiro, apertando minha orelha contra a madeira. O chuveiro ainda estava aberto, então eu 309


tentei ser paciente, mas depois de olhar para o relógio pela quarta vez eu não pude evitar. Eu levantei minha mão para bater, mas me contive , girando o botão em vez disso. Ondas de calor saíram ao redor de mim e se dissipou, revelando Jared jogado no chão. Ele recolheu os joelhos, estava encostado na telha com a cabeça para baixo, parecia desesperado. Sentei-me de joelhos na frente dele. - Jared? Ele olhou para cima, seus olhos eram azul meia-noite. - A noite que eu sentei naquele banco Nina, eu assinei a sua sentença de morte. - O que você está falando? – Vê-lo assim estava me assustando. - Por favor, me diga o que está acontecendo! - Tivemos mais companhia na noite passada - disse Jared, com o mesmo olhar torturado. - Quem foi dessa vez? - Eu perguntei. - Gabriel - disse. - Não está falando de seu pai, certo? Você quer dizer O Gabriel? - Sim... O Gabriel - disse Jared, os olhos entreabertos em suas palavras. - Ele é um dos defensores mais fervorosos de eliminar os Arcanjos caídos antes que eles tenham a chance de procriar. Minha existência é um insulto para ele - ele disse, com um olhar de raiva no rosto. - Gabriel é um mensageiro... também desempenha o papel de anjo da morte. Engoli em seco. - O que ele disse? Jared se inclinou contra a parede. - Ele disse que me veria em breve. Fiquei de boca aberta e engasguei. - O que você disse disso? 310


- Que ele sempre diz isso - disse ele com um sorriso forçado. Pensei por um momento. - Eli não se importa com os híbridos. Talvez ele possa falar com Gabriel? Jared suspirou, tentando ter paciência com a minha sugestão. - Nina, ninguém além do Todo-Poderoso diz algo a Gabriel. Meus ombros caíram. - Então, agora nós estamos lutando contra anjos e demônios? Como entramos nessa confusão? - Eu não deveria ter sentado naquele banco. Toquei seu rosto. - Você ter sentado naquele banco foi a melhor coisa que me aconteceu. Jared se afastou do meu toque. - Você não sabe o que está dizendo. Você não tem ideia do que eu causei. Shax não vai parar até que tenha o livro e, mesmo assim, há uma grande possibilidade de vingança. O Inferno nos quer mortos e o Céu não quer nos ajudar, Nina. Eu não sei o que fazer. - Isso não é sua culpa, se Jack não tivesse tomado o livro, nada disto estaria acontecendo. Jared riu. - Inclusive nós. Eu fiz uma careta. - Não concordamos que tínhamos que superar o pesadelo Para conseguir o nosso milagre? Jared sorriu baixinho. - Sim. - Abriu os joelhos e me puxou em direção a ele, me abraçando contra seu peito.

311


- O que vamos fazer com o que vimos hoje? - Eu sussurrei em seu pescoço. - Agora estamos lidando com humanos. Temos que garantir que continue assim. Jared mudou de posição e se levantou, levando-me com ele. Ele me levou para o centro da sala e respirou fundo, pressionando sua testa contra a minha. - Desculpe por ser tão... - Ele balançou a cabeça, claramente com auto-aversão de si mesmo. Me inclinei sobre as pontas dos pés e lhe dei um beijo. Ele me beijou com cautela e então suspirou. - Você está sob muita pressão agora - eu disse, enrolando os cabelos com os dedos. - Você é a última pessoa que deveria descarregar isto. A maneira que te tratei esta semana foi imperdoável - disse franzindo a testa. - Foi imperdoável. - Eu disse. - Mas eu te perdoo. - Sabemos o que eles querem, só não estamos certos de que irão tão longe para conseguir. Claire e eu podemos cuidar dos humanos. A parte mais complexa será esperar o seu próximo movimento. Eu concordei e o abracei com meus braços. - Podemos recomeçar o dia de hoje? Jared me beijou na cabeça. - Por que não começamos com levá-la para aula? Você tem um teste hoje, certo? Eu balancei minha cabeça. - Eu tenho que apresentar um trabalho à dez e trinta. Jared me soltou, desaparecendo no banheiro. Ele saiu com uma camisa cinza e bermuda preta, estava usando seus tênis de corrida. Parecia muito diferente em comparação com a roupa profissional que pôs para ir ao banco. Eu fiquei na porta e esperei enquanto vestiu um suéter com capuz. 312


- Pegue suas coisas que eu levo você ao campus. Eu preciso terminar de me preparar para a próxima semana, assim nos veremos logo, ok? Claire vai estar por perto – disse quase descuidadamente. - Jared? - Meu punho apertou o tecido de sua camisa, segurando-o perto de mim, justamente quando ele começou a se afastar. Ele olhou para baixo para me ver e acomodou meu cabelo atrás da orelha. - Sim? - Ele sorriu, a doçura, finalmente, voltou aos seus olhos. - Podemos fingir que são umas férias normais e esquecer todo o resto? - Absolutamente – disse, abraçando-me. Em Brown, Jared voltou a ser o mesmo, o que ajudou a dissipar o mal-estar que me rodeava. Bíblias do Inferno, demônios com assassinos pagos, anjos inimigos, tentar entender gerava mais dúvidas. Deixei o meu topor quando vi o olhar de Jared. - Nos vemos à uma e meia? - Eu perguntei. Ryan passou por nós enquanto caminhava para sala de aula, balançando a cabeça para Jared. Percebi que Jared olhou para ele por um longo tempo, então me olhou nos olhos. - Nina - disse, um pouco nervoso. - Sinto muito sobre antes. Isso não voltará a acontecer. - Você já disse isso - eu disse sorrindo. A culpa caiu sobre o rosto de Jared. - Eu sei, apenas pensei que não tinha ficado claro. - Ficou claro. Considero esquecido. A expressão dele pareceu relaxar e me deu outro beijo. - Voltarei com suas coisas para o seu quarto. Verei você quando voltar.

313


Eu balancei a cabeça e observei-o caminhar pelo corredor. Antes de virar a esquina, virou-se e sorriu para mim. Acenei com a mão, eu peguei a alça da minha bolsa e entrei na sala. - Eu fui ao seu quarto por volta das nove da noite passada. Você não estava lá - disse Ryan num sussurro, batendo a caneta na minha mesa. - Eu estava doente na noite passada. Fiquei com Jared. O rosto de Ryan tornou-se uma preocupação. - Você poderia ter ficado aqui. Eu teria cuidado de você. Eu sorri, sabendo que ele foi sincero. Aprecio sua tentativa de reparar a nossa amizade. O ressentimento estava ausente da sua expressão, e sentar-me ao seu lado, se sentia bem outra vez. - Eu estou bem agora. Foi apenas um mal estar. Eu não me senti bem todo o dia. - Sim, eu também não me senti bem - disse, balançando a cabeça. - E ainda assim você se oferece para cuidar de mim? Esta teria sido uma noite triste, ambos deitados, vomitando tudo. - Eu ri, balançando a cabeça. Ryan riu, tomando o meu trabalho quando o professor disse que era para passarmos ao final da linha. Durante a aula, um pequeno quadrado de papel pousou na minha mesa. Eu sorri e abri as dobras. Era a letra de Ryan. Quer ir almoçar comigo? (devolva com a resposta) a. Perderei meu apetite se eu tiver que sentar perto de você. b. Já tenho planos para o almoço com meu marido. c. Claro, eu tenho que praticar meus slogans. Eu queria virar os olhos ante sua nota infantil, mas quando eu vi a emoção em seu rosto, eu não podia dizer não. Escolhi a C, dobrei e lancei novamente. Ryan sempre inventava as coisas mais bobas e eu adorava isso nele. Sem saber, eu tinha certeza que era 314


meu porto seguro de minha outra vida, a que estava cheia de sombras e inseguranças. Vi desdobrar o papel e ler a resposta. Não olhou para mim, voltou a dobrar o pequeno pedaço de papel e colocá-lo no bolso, com um grande sorriso no seu rosto. Depois da aula, Ryan e eu andamos em direção ao The Gate. Ele estava agindo com seu bom humor de costume e eu ri o tempo todo. Às vezes, eu percebia que ele me abraçava, ou me consentia e, por vezes, me empurrava pelas costas através das portas abertas. Eu senti que estávamos em um encontro, mas que não era o caso. A única coisa que me incomodou foi que o toque de Ryan não me incomodava. Sem a eletricidade que sentia com Jared, mas era esperado, quase confortável. Quando Ryan me convidou para almoçar, não me dei conta de que todo o grupo de estudo viria, mas eu sorria para os amigos que vinham e nos rodeavam. Durante a hora seguinte, nos sentamos debruçados equilibrando nossos pratos de pizza, os meninos fizeram o que podiam para evitar que suas torres de copos caíssem no chão. Ryan e Kim estavam absortos numa competição para ver quem conseguia dar a maior mordida. Nosso momento em comum foi um descanso bem-vindo, e sorri para a alegria que enchia o espaço ao meu redor, absorvendo o doce caos que não tinha percebido que eu precisava. Ryan caminhou para fora comigo e sorriu. - Você vai ficar aqui esta noite, certo? - Eu vou - sorri. Ele continuou a nossa caminhada com um ritmo calmo. - Vai ao grupo estudar hoje à noite? - Você vai? Ele deu de ombros. - Eu tenho que ir. Ia pedir a sua ajuda. - Precisa de mais ajuda do que eu posso dar a você, mas eu vou fazer o melhor que posso. 315


Ryan manteve as mãos nos bolsos, inclinando o rosto para o sol. Ele parecia muito feliz e senti um tom quente no meu peito. Eu estava esperando que pudéssemos ficar na vida um do outro, depois de tudo. - Está agradável hoje. Poderia levar um cobertor e poderíamos passar um momento nos jardins - disse, propositalmente colidindo contra mim. Jared me esperando veio à frente em meus pensamentos, mas não queria estragar o bom humor de Ryan. Andamos mais alguns passos enquanto decidia explicar a ele porque não o faria. Eu estava experimentando a normalidade, normalidade essa que estava desesperada, e ainda encontrei-me tonta só de pensar em ver novamente Jared. - Tudo bem se você não pode. Vejo você à noite - Ryan disse apertando os olhos quando ele olhou para o céu novamente. Eu estava agradecida que seu sorriso radiante não havia desaparecido. Ele sorriu de volta e me levou para o seu lado, beijando minha testa. - Vejo você mais tarde, Nigh - disse antes de voltar para seu quarto. Puxei um longo suspiro de ar limpo. Eu me senti renovada e rejuvenescida. Mesmo com coisas assustadoras à espreita nas sombras, algo as fez desaparecer. Corri, ansiosa para ver Jared novamente. Era o único que poderia fazer a minha tarde melhor. A porta estava aberta quando cheguei e empurrei para encontrar Jared olhando pelas frestas abertas da janela cega. Um sorriso cruzou o meu rosto imediatamente. - Você se divertiu? - Ele perguntou, sem se virar. Eu caminhei atrás dele, passei meus braços ao redor de sua cintura e o apertei. Ele passou os braços nos meus. - Como se você tivesse que perguntar. Você deveria ter se juntado a nós - eu disse, fechando os olhos e inalando seu cheiro maravilhoso. Quando ele não respondeu, soltei o meu abraço sobre ele e me virei para ver a perfeição de suas feições. Seus olhos estavam brilhantes e sem nuvens como o céu do lado de fora, mas parecia triste. - Eu não queria interromper. 316


Suavizei as rugas tênues entre as sobrancelhas. - Teria sido melhor se você tivesse aparecido. - Ele desviou os olhos por um momento. - Você não precisa de mim a cada segundo, Nina. Às vezes, parece mais feliz quando não estou. - Você acha que porque sentiu que eu estava feliz esta tarde, era porque você não estava lá? Não seja ridículo - eu repreendi. - Eu acho que é bom para você passar o tempo com os amigos. Eu adorava assistir você rir com eles. Você não ria assim por um longo período de tempo - disse. Um pequeno sorriso apareceu em seu rosto. Preocupação parecia antinatural contra seus olhos. Eu pulei em um pé para tirar uma bota e, em seguida repeti o processo com a outra. Meus pés se sentiam como se tivesse estado caminhando através de um pântano, contra um clima excepcionalmente quente lá fora. - Jared, o que aconteceu? Fiz algo errado? - Não - ele se moveu. - Podemos não falar sobre isso? - Eu quero saber - eu disse, me segurando em sua linha de visão. Jared suspirou e se encolheu ante as palavras que estava prestes a dizer. - Estou feliz que você esteja feliz, porque você e Ryan são amigos novamente. Acredite em mim quando eu digo que eu quero isso para você, sempre que esteja feliz. Mas eu estou apaixonado por você, Nina. Não posso evitar, sentir-me um pouco preocupado sabendo o que eu sei. - Eu não sinto o mesmo por ele, Jared. Você tem que sentir isso - eu disse, tocando seu braço. - Eu sei – ele beliscou a ponta do nariz e fechou os olhos com força. No entanto, não acho que seja mais fácil para mim, vê-lo fazendo você rir. Seu rosto relaxou e tentou outro sorriso tranquilizador, mas ficou sério. 317


Eu levantei uma sobrancelha. - Jared Ryel, você está com ciúmes? Jared passou os dedos pelo cabelo e deslizou para baixo de seu pescoço, esfregando nervosamente. - Você perguntou, Nina. Eu disse a verdade. - Apertou os olhos. - Você está com ciúmes. Ele balançou a cabeça. - Estou... - Ele apertou os lábios e balançou a cabeça rapidamente - um pouco de ciúmes, sim. - Oh. Jared deu um passo na minha frente e pegou meus ombros. - Eu não quero perder você. Especialmente depois da manhã que tivemos em comparação a sua tarde com ele. Não demorará muito para que você se pergunte por que me escolheu. Meus sentimentos tinham me traído. A conexão com Jared se fez mais forte e ele podia sentir meu alívio de estar com Ryan. Ele sentiu a alegria que eu tinha experimentado na hora do almoço. Meu estômago embrulhou com a culpa de cair em tais emoções. Nada poderia compensar o amor e a segurança que sentia com Jared. Meus olhos foram ao chão quando eu percebi o quanto deve ter doído. Eu estava me banhando com a liberação temporária da loucura que tinha explodido em torno de mim, e ele deve ter pensado que eu estava feliz por me livrar dele. Ele podia sentir os meus sentimentos, mas não sabia a razão por trás deles. Eu continuei olhando para baixo, procurando explicar. - Foi bom ter um pouco de normalidade hoje, Jared. Eu aproveitei passar um tempo com Ryan... com todos os meus amigos. - Eu olhei para o rosto para avaliar sua reação. - Mas você realmente acha que eu trocaria estar com você por uma tarde boba?

318


Jared não falou por um longo tempo. Eu vi como várias emoções passaram pelo seu rosto, parecia apreciar o que eu estava tentando dizer, mas eu podia ver a confusão em seus olhos. Jared balançou a cabeça e apertou os braços em volta de mim. - Quando estou com você Nina... Você é a única coisa que me dá paz. Mas parece que eu sou o oposto para você. - Nem sempre sinto que você está comigo tão feliz e em paz – eu disse. O rosto de Jared escureceu. - Eu não quero que você pense isso. Eu lhe disse esta manhã que nunca deveria ter sentado naquele banco... Foi sem intenção. Esse foi o começo dos melhores momentos da minha vida. Eu descansei minha bochecha contra seu peito e relaxei no calor queimando sua camisa. - Tudo ao nosso redor é uma loucura - eu disse. Estar com você é a única coisa que faz sentido. Você estava tão preocupado com o que eu senti quando estava com Ryan, que obviamente você perdeu como eu me sentia quando eu percebi que estava vindo para vê-lo em breve. Isso chamou a atenção dele. - Quando foi isso? - No meu caminho aqui. - Então era eu? Não foi porque você estava com ele? - As sobrancelhas de Jared levantaram-se e, em seguida, pressionaram juntas, olhando um pouco confuso e louco ao mesmo tempo. A realização golpeou e a tensão derreteu seus olhos. Poucos segundos depois, um largo sorriso brilhou em seu rosto. - Isso me faz feliz - eu disse, combinando com seu sorriso. Me inclinei sobre as pontas dos pés e o beijei. Ele apertou ainda mais em torno de mim e lentamente tirou os meus pés do chão. Meus lábios estavam lentos e deliberados. Eu passei meus braços em volta do pescoço, feliz que era a minha vez de mostrar os meus sentimentos com um beijo.

319


Depois de um momento, ele me retornou para o chão. Eu descansei minha cabeça contra seu peito e suspirei ao malentendido bobo. Jared era, obviamente, mais preocupado com o meu destino com Ryan do que eu pensava. Eu olhei para ele. - Se eu sou feliz quando você não está por perto, é porque eu estou pensando em você. - Eu pensei que você tinha dito que não poderia dizer as coisas da maneira que eu falo? - Ele disse, sorrindo. - É a verdade - eu disse sinceramente. Fiquei muito satisfeita, porque ele compara a sua forma sempre elegante de falar com a minha maneira atrofiada e debilitada de falar. Jared me beijou novamente, desta vez me pegando em seus braços e me abaixando em minha cama. Seus lábios viajaram ao meu ouvido e, em seguida, lentamente fez seu caminho para o meu pescoço. Eu deslizei minhas mãos sob a camisa e corri os dedos pelas costas, maravilhada com os músculos incríveis de seu torso e sua pele macia de bebê. Jared tirou a camisa por sua cabeça com uma das mãos e atirou ao chão. Enquanto ele fazia, seus músculos alongados e flexionados sob sua pele e as borboletas no meu estômago entraram em erupção em um frenesi. - Está muito quente aqui? - Eu brinquei. - Está ficando muito quente - sorriu, inclinando-se para me beijar novamente. Eu me afastei de sua boca, respirando fundo. Seus beijos não eram do tipo cauteloso. A eletricidade dos seus lábios palpitava em meus dedos dos pés. Sua boca se movia como ele fez em sua cozinha na noite em que Claire fez uma visita inesperada. - Definitivamente está calor aqui - suspirei. Com isso, me abaixei e puxei minha blusa por cima da cabeça. Jared pressionou seu tronco contra mim e gemi quando a temperatura febril de sua pele queimava contra a minha. Tomei outra respiração profunda entre os beijos incríveis de Jared, e pressionei os dedos sobre seu peito, empurrando-o. Jared sentou-se, surpreso.

320


- Tem alguma coisa errada? - Ele perguntou, sua respiração rápida e curta. Minha respiração igual ao sua. - Eu disse a verdade. Nós nos amamos e eu tenho certeza que foi mostrado que passaremos o resto de nossas vidas juntos. - Sim? - Ele sussurrou, claramente impaciente. - Por favor, não pare - eu implorei, olhando para seus lábios. Os olhos de Jared irradiava o céu azul quando ele pressionou seus lábios nos meus. Seus dedos traçaram minha clavícula, capturando a alça do meu sutiã e lentamente deslizando para fora do meu ombro. Cada centímetro de mim se arrepiou, e os nervos sob a minha pele gritavam em antecipação. Puxei-o para mim quando seus lábios tocaram o topo do meu ombro nú. Ele abriu a boca contra a minha pele e sua língua saboreou a minha carne, deixando arrepios com o ar frio e o calor deixado para trás. Eu envolvi minhas pernas em volta dele e apertei minhas coxas automaticamente com um sentimento avassalador. Jared respirou fundo trabalhando a boca firmemente contra o minha. Foi menos cauteloso do que antes, ansioso, um prelúdio do que nós dois sabíamos que estava chegando. Ele descansou sua bochecha contra a minha para sussurrar no meu ouvido. - Você tem certeza? Eu passei meus braços ao redor dele, meu corpo dolorido de desejo que eu nunca tinha sentido antes em minha vida. Eu estava mais do que pronta. - Não pare - eu sussurrei, a necessidade dele se tornando quase dolorosa. Senti sua mão lenta e deliberadamente deslizando em minhas costelas nuas, além dos meus quadris para colocar-se sobre o botão da minha calça jeans. Sem esforço abriu e as borboletas do meu estômago tinham fugido para regiões mais ao sul. Ele se sustentava com uma mão sobre o colchão enquanto ele deslizava os dedos pelo meu quadril, entre minha pele e o tecido da minha calça jeans. Deixei escapar um suspiro de meus lábios, esperando que ele removesse qualquer peça insolente entre nós.

321


- Bem, só podemos chegar ao... - Beth disse, puxando a chave da porta enquanto ela andava com o Chade. - Ah! - Jared gritou enquanto puxava sua camisa em cima de mim. Eu me encolhi atrás do corpo de Jared, cobrindo meu rosto com uma mão. - Oi Beth - disse, tentando recuperar o fôlego e olhando para ela através dos meus dedos. - Olá! O que há de novo? Quero dizer... Como vocês estão? Eu estou... Estamos.... - Beth olhou para Chad, mortificada. - Estávamos indo - Chad puxou o braço de Beth com uma mão e fechando a porta com a outra. Jared brincando caiu sobre mim e gemeu em frustração. Eu mantive a minha mão envergonhada e frustrada para falar.

sobre

os

olhos,

muito

Jared moveu-se para o lado e tirou a mão do meu rosto. - Você está vermelha. - Eu sei. Jared beijou a minha mão. - Estou começando a pensar que há uma razão para todas as interrupções. Eu estremeci. - O que isso quer dizer? - Ele riu. - Tem - disse, segurando o meu suéter. Peguei o tecido fino verde limão de sua mão e me se sentei. - A única coisa que interrupções constantes significam é que um de nós tem que mudar as fechaduras - reclamei, colocando o suéter sobre a minha cabeça e abotoando as calças jeans. Sorri com um pensamento que passou pela minha mente. - Teremos uma semana na Nicarágua. - Com Cynthia - Jared disse. Você esquece que eu vou estar lá para trabalhar. 322


Senti o vinco entre as sobrancelhas se aprofundar. - Você prometeu que seriam férias de verdade. Jared pegou minha mão e segurou-a entre as suas, sentando-se mais alto sob seu cotovelo. - E será. Para você e Cynthia. Revirei os olhos e estendi a mão para o meu telefone, buscando através dos telefones. Mandei uma mensagem de texto para Beth, dizendo o "sem chances" e deixá-la saber que iria para o grupo de estudos mais tarde. Jared colocou a camisa sobre a cabeça e, em seguida, me puxou para o seu colo. Meu telefone tocou e sorri para o pedido de desculpas de Beth. Tentei dar o meu perdão incondicional, mas minha atenção foi atraída para o mordiscar em meu pescoço. - Pensei que você disse que era bom que fôssemos interrompidos. - Eu sorri, inclinando a cabeça contra sua respiração arrepiante. A cabeça de Jared levantou rápida para me encarar. - Eu nunca disse isso. Eu disse que estava começando a pensar que havia uma razão. - E o que você quer dizer? - Eu pedi. - Eu estava pensando sobre o que Eli disse. Exceder um determinado ponto de intimidade pode prejudicar a minha capacidade de protegê-la. - Também disse que não tinham certeza porque éramos diferentes. Eu não tenho certeza se devemos arriscar. Ele franziu o cenho. - O que está dizendo? Que nunca poderemos...? Ele pressionou a testa contra a minha bochecha. - Eu estou dizendo que pode não ser uma boa ideia testar a teoria de Eli, enquanto nós estamos no meio de uma guerra. - Guerra - murmurei.

323


- Nina... Levantei-me e fui para o outro lado da sala, cruzando os braços. - Não, eu entendo. Abstinência, então. Eu não quero que você chateado porque não estou levando as coisas a sério novamente. - Nina - disse pacientemente. - Eu não estou feliz também. Mas eu tenho que colocar a sua segurança em primeiro lugar. - Você parece um comercial de Paternidade Planejada - falei. Jared caiu na gargalhada. - Essa não é a segurança a que me referi. - Eu sei - eu disse, estreitando os olhos ante sua irritante diversão. - Eu nunca vi uma mulher tão linda quando está com raiva... Especialmente quando você fica com raiva sobre isso. É muito adorável. - Fico feliz que você gosta muito - disse com abundância de sarcasmo. Jared balançou a cabeça, tentando não sorrir. Ele estendeu os braços. - Venha aqui. Eu fiquei lá por um momento, os braços cruzados, olhando para ele com desconfiança. O plano de mudar de ideia por causa de meu protesto tinha falhado. Ele estava desesperadamente determinado. Não quero desistir, mas seus braços pareciam tão convidativos que eu não poderia ajudar. Antes que eu soubesse o que estava fazendo, me enrolei em seu colo. - Você está me deixando louca você sabe. Eu não entendo por que você está sendo tão teimoso - murmurei. Jared deu de ombros. - Eu estou surpreenderam.

sendo

cauteloso.

Beth

e

Chad

nos

Eu olhei para ele com uma expressão de dúvida. 324


- Desde quando você se importa com o que os outros pensam? - Eu não ouvi. Fui pego desprevenido - disse calmamente. Eu senti um canto da minha boca para cima. - Obviamente. - Isso nunca tinha acontecido antes. Eu deveria ter sido capaz de ouvir fora do elevador. Eu deveria ter escutado puxar as chaves. Eu não ouvi nada até que entraram pela porta. Se tivesse sido um dos homens de Shax, você estaria morta. Meu sorriso desapareceu rapidamente e eu lutava para dissipar qualquer preocupação. - O que significa isso? - Isso significa que Eli estava certo. Quando estou com você, desta forma, eu não consigo me concentrar. Eu não estou apenas lutando com meus sentimentos, Nina. Quando estamos sozinhos e as coisas ficam intensas, a luta é com o seu... desejo também. Você pode imaginar o que é você estar sentindo duplamente? É impossível pensar em qualquer outra coisa. - Duplamente? Eu não acho possível. - Assim que as palavras saíram da minha boca, senti meu rosto corar como carmesim. - Eu quis dizer que eu não iria reclamar. - Eu não estou reclamando - ele disse, beijando minha testa. - Eu estou dizendo que nós vamos ter que esperar até possa me dar ao luxo de me distrair. Se algo acontecer com você... você já está comprometida por meu egoísmo, Nina. Eu tenho que manter minhas prioridades em ordem. Eu balancei a cabeça com relutância. Ao manter-me segura, ele estava seguro. Eu não podia discutir com isso. Jared levantou-se, levando-me com ele. - Vamos sair daqui. Eu preciso de um pouco de ar fresco disse ele. Eu sorri. - É melhor. Jared riu e abriu a porta para mim. Ele tinha o edredom que seu pai havia me trazido quando eu recebi minha carta de aceitação 325


da Brown. Tinha as cores da escola em diferentes peças de tecido que formavam de alguma forma, o brasão da Universidade Brown. - O que é isso? - Eu perguntei, parando na porta. Jared deu de ombros, com o cobertor dobrado debaixo do braço, com firmeza. -Eu pensei que nós poderíamos sair no sol por algumas horas. Toquei o edredom com sentimento. - Eu não usei esse cobertor ainda. Estava de alguma forma mantendo como lembrança. A boca de Jared se curvou em um meio sorriso. - Por quê? Encolhi os ombros. -Eu não sei. Gabe comprou. - É isso que ele te disse? - Ele perguntou, levantando uma sobrancelha. - Sim. Por quê? - A minha mãe fez para você quando foi aceita em Brown. Faz sentido, eu acho. Ele não podia dizer que era meu. - Este edredom foi um presente seu? - Eu disse, meus olhos enormes por causa da incredulidade. - Lilian? Fez? - Eu toquei o cobertor como se fosse ouro. - Sim. Então você não tem que guardá-lo. Podemos usá-lo pela primeira vez juntos. Ele sorriu. Eu sabia que o olhar animado no meu rosto era patético, mas eu não poderia ajudar. Seu primeiro presente para mim tinha sido guardado dentro do meu armário e não tinha ideia. - Aw! Jared estremeceu. - Não diga "Aw". Eu não poderia mudar minha expressão ridícula. - No entanto, é doce. 326


- Você disse "aw" quando seu namorado lhe dá um lixo disse, seu rosto se contorceu em desgosto. As rodas da minha mente marcharam a toda a velocidade e analisei, sobretudo o que Stacy nunca tinha me dado, tentando lembrar se eu já estava sensibilizada sem ingenuidade. Eu não achei nada. - Eu só tive dois namorados e nenhum deles me deu lixo. O rosto de Jared apertou em uma careta de dúvida. - Você disse "aw" quando Chuck Nagel deu-lhe a fita de baixa qualidade compilada. Fiquei de boca aberta. - Foi doce! Você pode imaginar a que extremo deveria ter chegado? De onde você tira uma fita cassete nos dias de hoje? E não era meu namorado - discuti estremecendo com o pensamento. - E eu não posso acreditar que você lembra disso! Jared revirou os olhos. - Eu tinha que ver aquele pateta definhar meses por você. Você pode não ter notado, mas eu notei. Eu pressionei meus lábios em um sorriso divertido. - Eu amo o cobertor. Obrigado. - De nada - ele sorriu, me beijando. O que eu pensei que seria só um beijo, tornou-se um beijo demorado, com o braço livre Jared me puxou para ele, pressionando seus dedos em minhas costas. Fiquei esperando que nos empurrasse de volta para o quarto. Ele se inclinou para trás rapidamente, mantendo os olhos fechados. - É melhor irmos. - Estar comigo em público não é tão tentador? - Exatamente - disse ele, balançando a cabeça de novo. Caminhamos no Main Green de mãos dadas, acenando através do mar de estudantes. Nos poucos dias quentes durante o 327


ano letivo, o campus passou de desolação para animado com movimento em todas as direções. Os grupos se movimentavam de uma maneira diferente. Um jogo de touch football 14 estava em pleno andamento, guitarras estavam sendo preguiçosamente rasgadas sob as sombras das árvores e os estudiosos mistos estavam debruçados sobre um livro. As mantas espalhadas pelo gramado em cores vivas, criando conversas intermináveis e risos. Era uma festa sem nada para comemorar, o que fazia mais inocente, mais agradável. Nos estabelecemos em um local próximo a uma árvore perto do centro. Com um simples movimento do pulso, o cobertor debaixo do braço lentamente se desenrolou e caiu no chão, perfeitamente plano. Eu balancei a cabeça em descrença. - O quê? - Jared perguntou, sorrindo cautelosamente. Sentou-se na borda do cobertor com as costas contra o tronco de uma árvore de tulipa pequena. - Nada - eu disse, ficando no lugar enquanto ele fechava sua mandíbula com a minha impertinência. - Você vai ter que parar de fazer isso. Eu tinha me acostumado a saber o que você estava pensando, sem narrativa, mas agora que eu posso perguntar-lhe, quando você não me diz quase me deixa louco. Eu sorri. - Então, estamos quites. Jared revirou os olhos, enquanto eu estava sentada no cobertor. Depois de um momento ele sorriu e me puxou contra seu peito. Encostei-me a ele para apoiar meus cotovelos nas coxas, deixando o sol me cobrir. Eu lembrei o que Jared tinha dito sobre ser feliz com ele, então deixei a felicidade que eu estava sentindo aumentar para êxtase desenfreado. Eu abri todos os meus sentidos, o calor do sol em cima de mim, o calor da pele de Jared abaixo de mim, seu incrível aroma flutuando em torno de nós, o riso no fundo e a atmosfera amigável. Não demorou muito para que Jared reagisse. 14

É uma versão do futebol Americano,

328


- É incrível, não é? Aproveitei a oportunidade para compensar a rejeição que sentiu antes. - É um dia lindo e eu estou deitada ao sol com o homem que eu amo. Isto é mais do que incrível. Isto é o céu. - Eu sorri, fechando os olhos para o sol. Jared deu um suspiro profundo e satisfeito e entrelaçou os dedos com os meus. Ficamos assim por um longo tempo, ouvindo os risos e vozes balbuciadas, as palavras distorcidas - para mim, pelo menos, em torno de nós. Jared me empurrou um pouco quando seu braço saiu disparado de golpe. Ele havia pego uma bola a centímetros do meu rosto. - Whoa! Boa pegada! Quer jogar? - Disse uma voz masculina ofegante ao pé do nosso cobertor. Eu levantei minha mão para bloquear o sol para ver a pessoa que estava acima de mim. Eu não o reconheci. Ele era alto e magro, tinha cabelos longos castanhos na altura dos ombros, e estava vestindo somente um par de calças curtas cargo cáqui e tênis. Sua mão se estendeu em direção à bola que Jared tinha apanhado. - Ele parece muito ocupado para mim, Zack. Reconheci a voz imediatamente, era Ryan. Seu peito arfava enquanto ele lutava para respirar e seu peito nú revelou a cicatriz onde tinha sido esfaqueado. Senti uma pontada no meu estômago. - Eu não posso dizer que o culpo - Zack disse, sorrindo. - Jogou isso em mim? – Perguntei a Ryan, sabendo que eu não deveria ficar surpresa de qualquer maneira. Foi ideia dele de vir a Main Green com um cobertor e eu apenas recusei para vir com Jared. - Não! Eu não acredito que você pensa isso! - Ryan zombou. - Fui eu – disse Zack a Jared, sem fôlego, apoiando as mãos nos quadris. – Pode nos devolver a bola? Jared não mostrou sinais de entregar a bola. 329


- Eu acho que você deve desculpas a ela, não a mim. Ryan revirou os olhos e olhou para mim, depois para Jared. - Foi um acidente, Jared. Devolva-me a bola. Jared esperou. - Você está certo - disse Zack. - Desculpe. Devo ser mais cuidadoso. - Tudo bem - eu disse, envergonhada que Jared a tenha forçado a pedir desculpas. Zack olhou para a bola na mão de Jared. - Quer jogar? Precisamos de um jogador. - Ele não vai jogar. Não quer que Nina o veja tropeçando em seus pés - Ryan bufou. Jared levantou-se, elevando-se sobre mim e os dois rapazes. Olhou para além de Zack para o outro time. Tucker e Josh estavam entre eles, esperando do lado oposto de seu mini campo. Jared levantou o braço e lançou a bola como um míssil em todo o campo. Ele jogou entre os diferentes ramos da árvore, direto para o peito de Josh. Josh pegou a bola, mas ainda assim fez um ruído audível que inclinou-se. Imediatamente se levantou, embora parecendo um pouco como um corcunda, tentando esconder o fato de que o golpe tinha deixado sem fôlego. Zack e Ryan tiveram expressões chocadas semelhantes. Sorri devido a sua surpresa. - Estou muito ocupado. Meus pés não tem nada a ver com isso - Jared disse, pegando a minha mão até ele. Ele se inclinou para beijar minha testa. Ryan reagiu com desgosto. Meu coração acelerou no meu peito com a testosterona no ar e Jared olhou para mim. - A menos que você não se importe. Um sorriso largo no meu rosto. - De jeito nenhum. Vá pegá-los como um tigre.

330


Ele agarrou cada lado do meu rosto e deu um rápido beijo nos meus lábios. Seus olhos se estreitaram quando ele olhou através da grama para o outro time. - Eu acho que sem camisa. Zack assentiu e Jared tirou a camisa, entregando-me. Ele era bom, mas era difícil vê-lo tão animado, para não mencionar a semi nú. Jared apertou sua bochecha contra a minha. - Você vai ter que baixar o tom ou vou ser atingido sussurrou em meu ouvido. Eu não pude deixar de rir. - Como se isso te machucasse. Ele correu com Ryan e Zack, e a outra equipe se reuniu com eles no meio do gramado. Eu assisti durante a próxima hora. A equipe descamisada rapidamente percebeu que com Jared tinha a vantagem clara. Zack atribuiu a Jared a posição de quarterback, eu ri e aplaudi quando sua equipe conseguiu um touchdown após o outro. Em pouco tempo, eles haviam atraído bastante público. Um pequeno grupo de meninas esteve perto afogando meus aplausos fracos cada vez que Jared fazia uma jogada. O rosto de Jared estava radiante e eu me perguntei quando foi a última vez que fui livre para deixá-lo solto. Sempre teve que manter um olho em mim há tempos, e agora que estava a poucos metros de distância teria mais tempo para si mesmo. Percebi que assim era também a noite e a culpa tomou conta de mim por fazê-lo passar as noites em seu carro, em vez de ao meu lado na cama quente. Jared atirou a bola em uma espiral perfeita e Ryan pegou facilmente para o touchdown da vitória. A multidão aplaudiu e a equipe de Josh vagava ao lado do acampamento improvisado, notavelmente menos entusiasmado. Jared correu para mim, brilhando de suor e sorrindo de orelha a orelha. Me levantou e me rodopiou, me beijando com entusiasmo juvenil. - Você foi incrível! - Eu gritei. Jared soltou-me no chão. 331


- Agh... Desculpe querida, estou todo suado. - Eu não me importo! - Eu disse, jogando meus braços ao redor de sua cintura. - Você está pronta para ir? - Ele perguntou. Quando eu assenti, tirou a multidão do nosso cobertor. Enquanto Jared sacudia a grama e o dobrou, Ryan se aproximou de nós. - Bom jogo Jared - disse, soando meio sincero. Ouvi Jared sussurrar um agradecimento ao tentar não nos ver falando. - Você foi ótimo! - Eu disse, esperando que os outros concordassem comigo. - Posso dizer que você está totalmente recuperado. - Eu levantei a minha mão para bater na de Ryan. Seus dedos entrelaçaram na minha. Eu instintivamente puxei minha mão de volta, colocando o cabelo atrás da minha orelha para evitar atrair a atenção dos outros para a situação. Ryan sorriu. - Obrigado. Vejo você em algumas horas, ok? - Você quer que eu passe no seu quarto? - Nos encontramos lá. Eu tenho algumas coisas para fazer primeiro - eu disse. Ryan olhou para mim como se estivesse debatendo algo e depois inclinou-se para beijar meu rosto, seus lábios macios contra a minha pele. Eu dei a ele um sorriso desconfortável, educado e depois ele foi embora. A conversa animada em torno de nós desapareceu dramaticamente e senti todos os olhos em mim. Jared olhou para Ryan enquanto se afastava. Encontrei-o no meio da multidão se dispersando e tirei o cobertor de suas mãos. - Pronto? - Eu perguntei, tentando parecer indiferente. Os olhos de Jared tinham deixado as costas de Ryan, era como se quisesse fazer um buraco através dele.

- Sim - ele sussurrou. 332


Jared pegou minha mão e me guiou pelos retardatários que ainda serpenteavam em torno de nós. Ele parou na porta do Andrews e abriu para mim. - Claire está próximo. Vou correr até em casa... para tomar um banho. Vejo você mais tarde. Eu olhei para ele com desconfiança. - Você tem certeza que vai para casa? Jared suavizou suas feições e riu. - Sim, por quê? Você não está indo para ir encontrar Ryan ou qualquer coisa, certo? - Sua mandíbula se apertou. - Não. Mas se Claire não fosse sua... isso me incomoda. - Eu me inclinei para beijá-lo. - Eu vou falar com ele. Jared balançou a cabeça e me deu um olhar preocupado. - Você vai ficar no Andrews esta noite? Eu me preocupei, tentando decidir se a minha independência indesejada era realmente mais importante do que Jared passar a noite em seu carro para me vigiar. Os olhos de Jared, de repente brilharam com esperança. - Pensando melhor? - Não. Quero dizer... Eu não sei – eu disse, incapaz de me concentrar com o olhar esperançoso em seu rosto. Não podia negar que prefiro ficar com ele, e ele estava mais do que disposto para que mudasse de ideia. Ao dormir no Andrews, Jared ficava fora em seu SUV na escuta de problemas. Eu estremeci com o pensamento. Por outro lado, era o que ele estava acostumado e, segundo suas próprias palavras, não se importava. Beth estava me esperando em casa. Quando eu ficava com Jared, ela ficava com Chade, e todo mundo sabia que era onde ela gostava de estar.

333


Quando minha mente voltou-se para Ryan, eu fiz uma careta. Eu já tinha lhe dito que minha estadia com Jared era temporária. O pensamento de sua reação aos meus novos arranjos de vida fez meu estômago turbilhar com um sentimento de inquietação. Não estava certa do por que eu me importava tanto com a opinião de Ryan. Algo sobre magoá-lo apenas não me fazia bem. - Vamos, está pensativa - disse Jared, visivelmente confuso. - Me liga mais tarde? - Eu perguntei. Não é exatamente uma tática evasiva sutil, mas seria útil para o seu fim. Jared estava resignado. - Claro. - Estou ansiosa para mais jogos. Tenho certeza de que Josh quer uma revanche. - Eu sorri e me inclinei para ele, observando seus lábios. Jared passou os braços em volta de mim, sorrindo com a ideia. - Foi muito divertido. Embora, eu não tenho certeza sobre mais jogos. Eu não quero fazer uma cena. - Quando se joga como um jogador de futebol profissional Jared, você atrai uma multidão. Jared deu de ombros. - Eu não pude evitar. Cada vez que ouvia você aplaudir, me incentivava um pouco mais. Eu levantei uma sobrancelha duvidosa. - Você podia me ouvir por cima de seus fãs? Jared sorriu, dando-me um beijo rápido nos lábios. - Além do fato de que eu podia sentir como você estava orgulhosa - me beijou de novo - poderia ouvir a sua voz nas arquibancadas de um estádio... no Super Bowl. Ele me beijou de novo, mas desta vez os lábios entreabertos e acariciou minha língua com a sua. Eu tentei a combinação de doce e salgado na boca e quando se afastou, eu lambi meus lábios antes de pressioná-los juntos. 334


- Por favor, não faça isso - disse ele, olhando para os meus lábios. - Como você quer que vivamos juntos, se você não consegue lidar comigo lambendo meus lábios? - Eu brinquei, olhando-o estudando o meu rosto com a mesma fome diante de seus olhos. - Eu vou encontrar um caminho. Vou dormir no chão, se tiver que fazer. - Se você quiser dormir no chão, eu vou dormir no chão com você. Eu quero acordar onde você está. Jared sorriu. - Quisera que fosse certo. - Minha boca se abriu. - É verdade! Você acha que o fato de ficar aqui durante a semana significa que eu não quero ficar com você, afinal? Jared fez uma careta e balançou a cabeça. - Não, eu não acho isso. Eu não deveria ter dito isso, não é isto que eu quis dizer. - O que quis dizer? - Eu disse, me preparando para o que poderia dizer. - Vai ser difícil se acostumar com as coisas como eram, é só isso. - Você quer dizer mais do que isso. Jared olhou diretamente nos meus olhos. - Então deixe-me mudar as suas coisas. Eu vou ter tudo pronto até o momento de você aparecer no The Rock. Olhei para os meus pés. - Eu não sei, Jared. Eu preciso de mais tempo para pensar. A resposta deveria ter sido simples. Eu queria estar lá, ele me queria lá e nos amávamos. Mas geralmente ele estava aqui. Eu não estava disposta a abrir mão disso, ainda. Jared deu um meio sorriso. - Isso é o que eu quis dizer. 335


Eu olhava irritada que ele havia provado seu ponto dessa forma. - Isso não é justo. Ele encostou a testa na minha. - É melhor ir andando. Até logo. - Mais cedo do que eu vou lhe ver - falei. - Você poderia mudar isso, se você não estivesse tão preocupada com o que os outros pensam - ele disse, tentando manter a decepção fora de seus olhos. - Eu disse que não é o caso. Bem, não exatamente. - Eu sei. Eu entendo - ele disse. Me beijou na testa de novo, antes que me deixasse caminhar para o meu quarto sozinha. Eu me sentia infeliz. Tivemos um dia horrível, uma tarde quente e em seguida tinha arruinado com minhas estúpidas teorias egoístas e teimosas fora do normal. Havia outras razões, mas eu não poderia decifrar quais eram. Eu simplesmente não estava pronta. Entrei no meu quarto vazio e suspirei. Eu ainda tinha um par de horas antes do grupo de estudo. Tanto o suor de Jared como o de Ryan estavam em mim, uma mistura com o cheiro salgado do garoto Ryan e o cheiro salgado do Anjo Jared. Apenas me confundiu mais, então eu fui direto para o chuveiro. Sob a água fumegante, eu não conseguia parar de pensar no chuveiro de Jared. A pressão da água era melhor, o cheiro era certamente melhor e não ter que usar chinelos para caminhar ao redor. Eu suspirei de novo, sabendo que nada me faria mais feliz do que chamar Jared e dar sinal verde para mudar minhas coisas. Eu não pude deixar de sorrir ao ouvir o som de sua voz quando desse a notícia, e como eu me sentiria ao entrar no loft, sabendo que estava em casa. Enquanto caminhava pelo corredor com meu roupão, tentei chegar a mais prós do que contras para ficar no Andrews. Me concentrei sobre o que meu pai gostaria, no começo raciocinei que ele queria que eu ficasse, mas em seguida, meus pensamentos se dirigiram para o fato de que Jack queria que eu fosse onde era mais seguro. 336


E definitivamente estava mais segura nos braços de Jared. No loft... Eu quis dizer no loft. Fechei a porta e tirei meu roupão. Alguém bateu na porta e automaticamente pressionado minha toalha em volta de mim, antecipando o rosto sorridente de Jared, do outro lado da porta. Quando eu girei a fechadura, Ryan estava na minha frente, limpo e vestido. Ele me olhou por inteiro enquanto estava diante dele surpresa e ainda pingando. - Bem, Olá! - Ryan disse, suas sobrancelhas levantadas em surpresa. Fechei a porta na cara dele. Coloquei um jeans e deslizei uma camiseta rosa aleatoriamente, antes de ouvir uma batida na porta. - Nina? - Ele disse com uma voz abafada. - Espere! - Eu disse, sentindo o sangue correr para o meu rosto. Abri a porta novamente. - Desculpe - suspirei. Eu não esperava você. - Estou vendo. Posso entrar? - Eu precisava falar com você de qualquer jeito - eu disse, dando um passo para o lado. - Oh, oh. Marido ciumento? - Sorriu, passando por mim, com as mãos nos bolsos. Fechei a porta atrás dele e peguei uma escova, penteando meu cabelo. - Isto não é sobre ele, mas sobre mim. Você não pode me beijar assim, especialmente com Jared lá. Você honestamente acha que foi bem? - Não, eu só quis fazer. Eu joguei minha escova na mesa e olhei para ele. - Mas você não pode. Torna as coisas mais difíceis. - Para Jared? - Para nós - suspirei. - Isto torna mais difícil para sermos amigos.

337


- Eu disse que não ia brigar com você sobre Jared nunca mais, mas jamais falei que não ia lutar por você. - O quê? Ryan revirou os olhos e sorriu. - Eu te amo. Eu ouvi as palavras, mas eu ainda estava processando o que ele havia dito antes. Eu balancei minha cabeça. - O quê? Ryan deu alguns passos mais perto de mim e botou as mãos em torno de meus quadris. - Você me ouviu. Eu não sou tolo, eu posso ser para ver o que está acontecendo com você e Jared. Mas também vejo a maneira como você olha para mim. E não me venha com essa de como você se preocupa comigo, porque somos amigos. É outra coisa e você sabe disso. Eu senti meu rosto corar. - Eu sei que você está delirando. - Ryan balançou a cabeça. - Não. Tenho esperado. Tenho observado. Hoje, eu tenho certeza. Por qualquer que seja a razão você se recusa a reconhecêlo, mas você sabe que está aí, como eu. A única razão pela qual não estamos juntos neste momento é porque conheceu Jared antes. Esta não é uma razão suficiente para afastar-me. Meu estômago se sentiu enjoado. Eu não estava preparada para esta conversa e o fato de que o meu namorado estava ouvindo não ajudou. Jared estava esperando por mim para negar. Por mais que eu quisesse gritar para Ryan sair, ele também sabia que não poderia expulsar a verdade. Isso... e eu queria que ele ficasse. Eu não poderia dizer que estava errado quando nós dois sabíamos que era certo. Ryan deu um passo adiante e agarrou meus quadris suavemente com cada mão, apertando um pouco mais forte quando ele se aproximou. Ela fechou os olhos e apertei os lábios, rezei para não tentar me beijar. Não corresponderia o beijo, mas eu não podia dizer não. De qualquer maneira lhe magoaria. Ele inclinou-se por um momento, esperando pacientemente. 338


Respirei pelo nariz, deixando que meu peito se rendesse. Algo me manteve onde eu estava, era o máximo que eu podia me mover. As lágrimas começaram a acumular-se em meus olhos e senti queimar, incapaz de fechar ou desviar o olhar. Ryan afrouxou o aperto em meus quadris e deu alguns passos para trás, sentando na cama de Beth. - Não se preocupe Nina. Eu não vou fazer você escolher. Eu vou deixar você decidir. Eu não podia olhar para ele. Eu encontrei um lugar na porta e olhei para lá, uma lágrima finalmente escorreu pela minha bochecha. Naquele momento, parecia que o destino tinha tomado a decisão por mim. - Você quer dizer alguma coisa agora? - Ele implorou. Eu pensei que meus olhos podiam furar um buraco na porta quando ouvi três batidas consecutivas. Limpei meu rosto rapidamente, com medo de quem poderia estar do outro lado. Ryan se levantou e colocou a mão na maçaneta da porta.

339


Capitulo 14

- O que vocês estão fazendo aqui dentro? - Kim zombou, passando pela porta. Ela olhou para mim e fez uma careta. — Você estava chorando? - Ela olhou para Ryan com um olhar, então. — Você está sendo um idiota? - Ela está bem... - ele disse, olhando-me fixamente. - Eu estou bem - eu disse. Fui ao lavabo e joguei água no meu rosto corado. Virei-me para chegar à frente deles, limpando o rosto com uma toalha. - Você não fez isso. - ela disse, virando-se para Ryan. Ryan assentiu e deu de ombros. - Eu tinha que dizer em algum momento. - Kim olhou para mim. - E então? - Não - eu disse, olhando para ela com uma careta. Tinha outro momento para explicar, mas não a Kim. Os olhos de Kim se arregalaram de surpresa. - Não, o quê? - Eu não vou ter essa conversa agora. - Nina... - Ryan começou. - Não comece. Você apareceu aqui sem avisar e então... você disse todas essas coisas para as quais eu não estou pronta. Droga, Ryan! Você está fazendo isso impossível! - estava tão grata pela raiva, que não parei para pensar se as minhas palavras faziam sentido. - Eu não disse nada que já não soubesse - disse, levantando-se. Eu fui até a porta e pisando duro e a abri. - Eu quero que ambos saiam. Kim tentou não rir da minha birra e Ryan colocou as mãos nos bolsos. - Eu te vejo no grupo de estudos - murmurou. 340


Fechei a porta com uma batida atrás deles, e fiquei ali, tentando acalmar o meu pulso. A adrenalina através de mim como se eu estivesse numa briga física. Eu exalei e inspirei lentamente cobri o rosto. Isso foi tudo. Alguma chance de que pudéssemos ser amigos tinha acabado. Meu telefone tocou e eu pulei. Hesitei antes de responder, e, em seguida, olhei para a tela iluminada. Era Jared. Cada vez que tocava, me obrigava a responder, mas não conseguia. A única explicação era a verdade, e a verdade iria destruí-lo. O telefone tocou novamente, e apertei o botão, sabendo que se não respondesse logo ele estaria da minha porta. Limpei meu rosto e coloquei meu cabelo atrás da minha orelha. - Alô? - eu esperei por um momento e meu coração palpitava em silêncio. - Você está bem? - ele perguntou finalmente, a dor evidente em sua voz. Eu pressionei meus lábios e fechei os olhos, tentando não chorar. - Estou pronta. Houve uma pausa e então a voz cansada de Jared deixou o aparelho. - Para que você está pronta? - Estou pronta para mudar... Eu não vou para o grupo de estudo, assim eu posso ajudá-lo. Podemos terminar de mudar as minhas coisas, e as dez podemos ir para a cama e esquecer que isso aconteceu. Não falarei nada, não chegarei perto dele. Eu juro que não. - Tentei parecer otimista, mas minha voz falhou novamente e novamente. Ouvi um suspiro de frustração. - Nina, não pode fazer isto. Ele é seu amigo. - Sim, eu posso. Eu vou, prometo. Esperei que dissesse que não queria uma descrente fraca e covarde como eu para viver com ele, mas permaneceu em silêncio.

341


- Você não me quer agora, certo? - eu perguntei, lutando para manter a calma. Ele suspirou. - Eu te amo. Eu sempre te amarei. Eu quero você aqui porque você quer, não porque quer provar algo... para mim ou para si mesma. Não quero que você venha aqui porque não confia em si mesma aí. Larguei o telefone, cobrindo o rosto com as mãos. Por que ele iria me querer depois do que eu tinha feito? Era patético no melhor e no pior dos casos, e estava perigosamente perto de ser infiel. Sentei-me na minha cama e descansei minha cabeça no travesseiro, tentando chorar silenciosamente. Não queria que Jared ouvisse e se sentisse pior do que já se sentia. Dez minutos depois, ouvi uma batida na porta. Quando não respondi, se abriu lentamente. Jared estava de pé na soleira da porta, parecendo tão devastado quanto eu. - Eu te amo - disse. Sentei-me e limpei meu rosto, tentando encontrar seus olhos. Ele se aproximou de mim e me levantou, envolvendo os braços em volta de mim. - Eu quero que você venha comigo para casa - disse no meu cabelo. Eu balancei a cabeça. Era a única coisa que eu podia fazer. Nós seguimos o ritmo um do outro silenciosamente pelo corredor. Jared não pegou a minha mão, ele apenas caminhou ao meu lado, me abrindo várias portas enquanto nós caminhamos para o Escalade. Quando ele se afastou do meio fio me esforcei para afastar as lágrimas. Jared estendeu a mão e gentilmente colocou a mão na minha. - Não chore - sussurrou. Fechei os olhos, rezando para que não oferecesse mais conforto. Conduziu para o loft e estacionou. Nenhum de nós se moveu depois que ele desligou o motor. - Posso pedir para Claire pegar algumas de suas coisas, se você decidir ficar - ele disse, olhando para frente.

342


- Você quer que eu fique? - eu olhei em seus olhos, com medo de sua resposta. Os olhos de Jared me examinaram rapidamente. - Você ainda pergunta? - Você não deve me querer. Eu sou uma pessoa horrível. Você deve estar com muita raiva. - Eu não estou com raiva. Você se sente mal o suficiente por ambos - ele parou por um momento, e então continuou. - Isso não é culpa sua. Não é nem culpa dele... Eu fiz isto. Você deveria estar com ele - ele disse, com a voz embargada no final. - Eu não posso escolher o que eu quero? Não tenho escolha? Eu sinto que não tenho. Mesmo você age como se não tivesse. O que quer que eu faça, eu perdi. - Você não sabe sobre isso Nina. Eu poderia só estar no meio. - eu balancei a cabeça, recusando-me até mesmo a considerar isto. Jared puxou suavemente meu queixo para cima para encará-lo. - Ele disse que não te faria escolher. Mas se você não tem escolha, eu sou o perdedor. Então, eu vou fazer você escolher, Nina. Escolha-me. Por favor... me escolha. - ele balançou a cabeça. — Eu não posso viver sem você. Eu segurei seu rosto e beijei com ternura, chegando para trás para encontrar seus olhos. - Eu tomei a minha decisão, Jared. Eu faria milhares de vezes se eu tivesse que fazer. Jared escondeu o rosto no meu peito e ficou perto de mim, sabendo que ele estava tão perto do desespero como eu. Ele prometeu lutar contra o destino por mim, mas eu podia ver que ele estava com medo de que a luta não era dele em tudo, era minha. Na manhã seguinte, eu me sentia um pouco melhor. O fato de que os braços de Jared estiveram ao meu redor, fazia com que o mundo se sentisse bem de novo. - Como você dormiu? - ele sussurrou. Virei-me e apertei minha bochecha contra seu peito.

343


- Como uma pedra. Eu não me lembro de adormecer. E você?Jared deu de ombros. - Tudo bem, eu acho. Para mim. - Você conseguiu dormir mais de uma hora? - Não, não realmente. - Sem dormir nada, certo? – fiz uma careta. - Eu tinha um monte para pensar - ele se justificou. Quando ele percebeu a minha expressão, inclinou-se para beijar o topo da minha cabeça e me abraçou. - Há muitas coisas que eu tenho que pensar agora. - Como o quê? - Que tal se você entrar no chuveiro, e eu preparo o café da manhã? Está bom waffles? - Waffles parece ótimo. Não mude de assunto. - ele ri. - Não quero começar a manhã e discutir o caos. Só vamos ter uma manhã normal, okay? Você tem um exame em duas horas e eu estou quase pronto para Little Corn15. Uma vez que temos isto fora do caminho, podemos falar até morrer, tudo o que você quiser. Eu ignorei sua dica. - Little Corn. Mmmmm. Hamaka, sol, praia, mar... Isto soa ainda melhor do que waffles. Saí da cama, tirando a camisa no caminho para o banheiro. Eu joguei na cesta o tecido amassado quando eu passei. Ouvi os passos de Jared caminhando abruptamente e sorri enquanto ouvi ele descer as escadas com um sonoro suspiro frustrado.

Os próximos dias se passaram rapidamente. Antes de perceber, os exames se foram, os trabalhos foram entregues e a escola tinha sido trocada por férias de primavera. Passei a sexta à noite com Jared, mas mesmo em seus braços quentes, eu estava muito animada para dormir. No sábado passei empacotando, provocando Jared com dezenas de biquínis que havia comprado para a viagem. 15

Ilha de Nicarágua.

344


Domingo finalmente chegou. Eu mal podia conter a minha emoção quando eu pisei no asfalto. Cynthia tinha alugado um jato para a viagem, como meu pai sempre fez. Eu nunca entendi antes, mas vendo caixas sendo filmada e carregada, sabia que um vôo comercial não seria possível. Tentei me lembrar dos feriados anteriores, eu fiz a varredura na minha mente para memórias semelhantes de Jared e Gabe orientando o trânsito e dar ordens quando ele embarcou no avião. Não havia nenhuma. Minhas únicas lembranças eram dos rostos sorridentes do pessoal quando nosso vôo foi realizado dentro da fuselagem com a grande mão do meu pai. Segui Cynthia no andar de cima e tentei não olhar para Jared enquanto entregava a nossa bagagem para o homem que vestia macacões azuis. Eu não tinha certeza de quantas pessoas trabalhavam no fundo quando saímos do país, mas parecia ser uma operação tática enorme. Mesmo sabendo a verdade, a atividade em torno do avião parecia um barulho desnecessário. Jared era todo trabalho e eficiência. Parecia confortável dando ordens e organizando os detalhes do nosso vôo de chegada e partida. Os homens que carregaram o avião trabalharam duro em cada uma de suas instruções específicas, olhando com medo de cometer um erro. Quando Jared conversava com um ou mais, ouviam obedientemente e nervosos. Ele era controle total e liderança, e meu coração disparava no peito. Jared se virou uma vez para olhar para mim e acenei. Sua boca se elevou em um sorriso amoroso antes de se afastar com a expressão sensata que usava com a tripulação. Contei uma caixa grande e três menores. A bagagem tinha sido carregada, incluindo todo um conjunto pertencente à Cynthia. Minha mãe nunca tinha sido daquelas que embalavam ligeiro. Tentei reprimir minha emoção quando Jared acabou e embarcou no avião. Ele subiu as escadas em uma camisa branca e calça jeans e caminhou pelo corredor, movendo-se levemente até mim. Meu rosto se comprimiu em uma carranca desapontada. Jared estava insistindo em ser meu guardião sozinho durante esta viagem. Meu primeiro impulso foi o de cruzar os braços e fazer beicinho, mas me segurei para não ter que ouvir Cynthia palestrar sobre as prioridades para Jared.

345


Jared caiu no acento vazio ao meu lado e colocou o cinto de segurança. Ele soltou um suspiro e inclinou-se para beijar minha testa. - É muito mais trabalho quando estou sozinho. Deveria ter trazido Bex - ele riu. Eu estava olhando para ele por um momento, concentrando-me em manter o ritmo normal do coração e manter o meu sorriso amigável. Eu não queria que ele soubesse que eu era irresponsável, porque ele estava nessa viagem, tanto como meu namorado e como meu tutor. - Estou impressionada. - eu sorri. - Era isto? Eu me perguntava por que estava tão nervosa. Achei que você tinha desenvolvido um medo súbito de voar. Eu senti o sangue correndo na minha cara quando eu percebi por que ele virou-se e tinha sorrido desde o asfalto. Ele podia sentir o que eu sentia como eu o olhava. Fingi estar ofendida. - Eu nunca tive medo de voar. A expressão de Jared tornou-se duvidosa. - Impressionada com o que exatamente? Encolhi os ombros. - Em ver você dar ordens e como eles respondem a você. Eu não tinha visto esse seu lado. Foi... interessante. - Isso é o que impressiona? Interessante - Jared disse, considerando um momento. - Oh, é mais do que isso. Você me impressiona o tempo todo - eu disse, examinando seu rosto. Jared inclinou a cabeça contra o assento, olhando nos meus olhos. Ele estava claramente surpreso com a conversa. - Sério? E eu aqui pensando que tinha que trabalhar mais - sorriu, inclinando-se para mim. Inclinei-me para um beijo, mas ele pegou cada parte do cinto de segurança e prendeu em torno da minha cintura. 346


Eu sorri e suspirei, olhando pela janela, vários membros da tripulação na pista. Eu podia sentir o hálito quente de Jared em meu pescoço, ele estava olhando para fora da janela por cima do meu ombro. A euforia que sempre sentia antes de uma viagem misturada com a emoção de estar praticamente sozinha com Jared cinco dias, era quase impossível ficar parada. - Você está bem? Seu coração vai decolar antes do avião – sussurrou Jared no meu ouvido. - Estou feliz - eu disse, ainda olhando pela janela. O piloto anunciou pelo interfone e falou diretamente com a minha mãe, dizendo que a nossa posição era ideal para a decolagem, o tempo previsto de vôo e o clima atual na Nicarágua. O avião andou mais enquanto rodava a pista. Jared pegou minha mão e entrelaçou os dedos com os meus. Ele inclinou a cabeça contra o assento e olhou para mim com seu brilhante azulacinzentado, com um sorriso cobrindo o rosto. Eu sorri e fechei os olhos enquanto o avião de repente ganhava impulso. O casco vibrou e então se transformou em uma nave graciosa e ligeira em segundos, assim que saímos do chão. Jared me informou que na grande ilha, haveria botes que transportavam os hóspedes para Little Corn, mas no pequeno bote não seria possível com caixas de equipamento de vigilância. Ele havia contratado um grande barco para nos levar e fez arranjos para um carro nos levar para Casa Iguana, onde iríamos ficar. - Só um aviso, você não vai me ver por várias horas quando chegarmos lá. Estarei levantando o perímetro e colocando o equipamento. Cynthia reservou três cabanas. Ela tem a maior cabana... - Claro. - E você e eu temos cabanas de luxo. Elas não são tão ruins por serem pequenas cananas localizadas próximas a um penhasco. - Um penhasco? Onde está a praia? - Jared sorriu pacientemente. - Perto. Apenas dois minutos a pé. As cabanas são mais privadas. Não há nada para se preocupar. - Meu anjo da guarda está comigo. O que poderia estar me preocupando? - eu sorri, beijando o canto de sua boca. 347


Sorriu ante minhas palavras e continuou. - Vou levar algum tempo andando por aí, por isso vou dar-lhe tempo para desfazer as malas e se instalar em seu quarto. - Três cabines parecem um desperdício. Por que não me instalo na sua enquanto você arma tudo? Jared balançou a cabeça, divertindo-se com a minha ideia. - A minha cabine estará cheia de monitores e computadores. Não é exatamente um lugar romântico. - Aw - eu cantei com a voz enjoativa. — Vai ser romântico? - ele torceu o nariz. - Não diga "aw". Eu ri e descansei minha cabeça em seu ombro, preparando-me para o resto do vôo.

Chegamos a Corn Island à tarde, e comecei a separar as coisas. Dois homens, um mais baixo do que eu, o outro tão alto quanto Jared e duas vezes mais largo, nos receberam a poucos metros do avião. Alguns outros moradores foram atrás deles, prontos para trabalhar e um pouco intimidados. Eu olhei para Jared e não conseguia entender por que eles se sentiam assim. Tinha o visto muito mais ameaçador do que ele estava agora. Rapidamente percebi que os dois homens da frente eram nossos motoristas, mais além deles e da força de trabalho, estavam esperando os dois veículos. Um carro que poderia ter passado por um táxi estacionado com as portas abertas, uma van branca enferrujada que esperava para mover as caixas. Esperei por Jared para provar o seu espanhol fluente, mas para minha surpresa, ele e o motorista falaram a única língua que eu entendia. Mais uma vez, Jared assumiu o comando, dando ordens, deixando nossas caixas de material e veículos segurados. Eu estava ao seu lado neste momento, e estava mais do que feliz quando ele pegou minha mão. - Estamos prontos, Sr. Ryel - disse o homem baixo com um forte sotaque espanhol e um sorriso descolorido. 348


- O barco está esperando, certo? - Jared perguntou em um tom autoritário e ríspido que nunca tinha usado comigo. - Sim, sim. A tripulação do navio levará vocês a Little Island e estão instruídos. Ficarão muito satisfeitos Sr. Ryel. Você e sua esposa terão um momento feliz. Eu senti o sangue correr para o meu rosto enquanto o homenzinho acenou para os dois com um sorriso tão grande que fez seus olhos fecharem. Jared apertou minha mão e puxou à boca, pressionando seus lábios contra os meus dedos, segurando a minha mão no peito dele. Seus olhos ficaram um pouco mais suaves quando agradeceu ao homem e entregou várias notas americanas. Quando saíamos de férias durante os meus anos de infância, eu gostava de fingir. Eu sentia que eu poderia ser quem eu quisesse quando saíamos de Providence, e claro, Jack incentivava minhas fantasias. Geralmente era uma princesa, às vezes me fazia passar por uma patinadora famosa, uma vez inclusive eu fui uma jovem atriz em ascensão. Com meu pai tendo condutores e assistentes, era fácil parecer alguém importante. Deixar os moradores locais pensarem que era a Sra. Jared Ryel foi de longe o melhor papel que já tive nas férias. Arrumei a minha postura, eu estava lisonjeada com o que estava fazendo e queria parecer perfeita. Quarenta e cinco minutos depois de sair da doca, o nosso barco parou em outro monte, e as mãos frescas da tripulação do barco entraram em ação. Em vez de andar de um lado para o outro, caminhava pela praia em direção ao cais coberto pela pista, continuando em torno de um canto para além dos troncos grossos de palmeiras nativas preguiçosamente inclinadas. Seguimos o mesmo caminho que a tripulação tinha tomado para outro conjunto de veículos antigos. Jared me informou que estes foram dois dos poucos carros na ilha. Isso veio à tona quando eu notei algumas pessoas montadas em uma bicicleta, olhando para nossa caravana com menos curiosidade. A manhã se foi rapidamente e a tarde se aproximava, depois de tudo o que eu tinha resolvido no meu quarto. À primeira vista, eu estava preocupada com o que iria encontrar lá dentro, mas quando subi os degraus do meu bangalô caprichosamente pintado, o interior era espaçoso e limpo. As palmeiras rodeavam a minha residência temporária e notei a cabana de Cynthia espiando entre as árvores do lado da minha e de Jared no outro. 349


Eu refresquei o rosto com água e troquei o vestido turquesa que tinha comprado uma semana antes da viagem. Amarrei o laço em torno do meu pescoço e escolhi um par de sandálias no meu armário recém-organizado. Caminhei lentamente no caminho de terra até a cabana de Cynthia e a encontrei em sua ampla varanda lendo um dos muitos livros que ela tinha trazido. Ele usava um chapéu e óculos de sol de abas largas com forma quadrada, pernas esticadas através de uma cadeira ao lado, devidamente cruzadas. Mesmo em sua remota cabana, ela ainda era uma dama. - Olá querida - disse ela, colocando as páginas do livro para baixo em seu colo. - Oi mamãe. Como é a sua cabana? - eu perguntei, sentando-me ao lado dela. Ela se inclinou para mim e sorriu. - Ela é linda. E a sua? O que você acha da ilha? - Meu quarto é grande. Eu não tenho certeza sobre a ilha, ainda, mas eu tenho certeza que vai ser... interessante. Sem carros, sem Jet skis, sem telefones, sem Wi-Fi, a água da chuva é recolhida... não é exatamente o que eu imaginei quando você disse que queria férias no Caribe. - Tenho certeza que você e Jared encontrarão algo divertido para fazer. Há mergulho, pesca, etc. Tenha cuidado para não se queimar - disse, voltando para o seu livro. Encarei isso como minha deixa para deixá-la sozinha. Voltei para minha cabana e decidi continuar minha jornada, seguindo um caminho que me levou para a praia em minutos. Engoli em seco ao vê-lo. Barcos de pesca no horizonte, a água clara e as nuvens coloridas começaram a brilhar azul e amarelo contra o sol se pondo, tudo teria sido a imagem perfeita para um cartão postal. - Incrível, não é? - Jared disse atrás de mim, envolvendo os braços em volta da minha cintura. Eu inclinei minha cabeça contra seu peito e eu estava de frente para o oceano. - Acredito que a companhia é mais do que qualquer coisa - eu disse, relaxando em seus braços. 350


Ele apertou os lábios contra a pele nua de meu ombro e sorri para o calor deixado para trás. - Você está absolutamente linda. Eu me virei e deslizei os braços por baixo dos seus e enlacei ao redor de sua cintura. Ele ainda estava em sua camisa branca e calça jeans, mas as mangas estavam arregaçadas e tinha mudado para um par de sandálias. - Por que não corrigiu o motorista quando me chamou de sua esposa? - ele sorriu. - Suponho que simplesmente gostei tanto do som disto que eu não poderia dizer que ele estava errado. Ofendi você? Eu balancei minha cabeça. - Nem um pouco. Eu sempre gostei de fingir nas férias. - Jared levantou uma sobrancelha divertido. - É da realeza desta vez ou uma atriz premiada? - Nenhum - eu ri. - Aparentemente, nesta viagem sou a Sra. Jared Ryel. - As palavras saíram da minha boca como se tivesse falado em uma língua estrangeira bonita. Parecia estranho dizer as palavras em conjunto, no entanto, foi de alguma forma familiar. Os olhos de Jared se iluminaram. - Bom... pode fingir, se quiser. Só que não há muito tempo para você fazer isso. Eu fiz uma careta. - Não me lembre. Apenas cinco dias e nós ainda nem sequer começamos. - Eu não quis dizer para o resto de nossa viagem, querida. Você não pode fingir ser a Sra. Jared Ryel quando já é a Sra. Jared Ryel. - Oh! - eu disse, processando sua última frase. Ele olhou para mim com a suavidade em seus olhos que reservava apenas para os nossos momentos mais doces. Eu respirei fundo e deixei um amplo sorriso entender no meu rosto. Tão talentosa que eu tinha ficado com anos de representação durante as férias, que não podia fingir estar esmagadoramente enfeitiçada por seus sentimentos. 351


- O que você acha se andarmos pela aldeia? - Jared sugeriu. Deslizando as mãos pelos meus braços, deu alguns passos para trás e me levou com ele. - Eu digo sim - falei ainda alto da euforia que eu tinha sentido momentos antes. Em um ritmo calmo, Jared e eu andamos de mãos dadas por uma estrada de terra que não era ainda uma estrada real, era mais como uma via dupla que tinha sido usada por bicicletas, scooters e veículos ocasionais. Aproximamos-nos de uma bifurcação na estrada que tinha um sinal indicando a aldeia vizinha. Não demorou muito para que as pequenas cabanas e edifícios de alumínio da aldeia aparecessem à vista. Havia grupos de moradores em cada passagem conversando e nos observando passar. Alguns sorriram e alguns estavam nos olhavam com indiferença antes de retornar as suas várias conversas. Eu não vi uma única loja de turismo, embora tivesse artesãos que vendiam vários itens.

Entramos numa cabana que parecia ser uma ferraria, e uma fábrica de jóias combinadas. Jared me viu olhar os anéis, colares e brincos, alguns com conchas, alguns com pedras preciosas, ainda que cortados toscamente, nenhum deles tinha picos ou soldas. Um anel em particular chamou minha atenção. O anel era de prata e, à primeira vista, pareciam pequenas conchas ligadas a ele na decoração, mas olhando mais de perto, eu podia ver as duas dúzias de pequenas pedras pareciam ser de diamantes brutos sem cortes com um pequeno fio. - Você gosta deste? - Perguntou Jared. - É muito especial – eu disse, ainda olhando para as rachaduras do anel. O homem segurou mais próximo para que eu visse. - Isto é prata real - ostentava com orgulho. - Nós martelamos... Veja aqui? - Apontou para os iniciais no anel. - Polido à mão e endurecido no secador. Os diamantes são feitos à mão e definidos com fio. Um fio de calibre dez, você pode ver...? - Fez um giro para 352


virar o anel e para mostrar quão firmes estavam os diamantes. Feito aqui - disse sorrindo. - Muito bonito. Quer provar? Jared sorriu pacientemente ao vendedor e ofereceu sua mão. O homem colocou o anel na palma de Jared e ele levantou minha mão, deslizando-a no meu dedo anelar. - É um pouco grande, mas se encaixa - aprovou, olhando abaixo de sua sobrancelha. - É lindo... - Fiz uma pausa, observando-o por um breve momento antes de tirá-lo. - Obrigada. Tenha um bom dia - eu disse, balançando a cabeça. Eu não sabia qual era a expressão no meu rosto, mas Jared riu e balançou a cabeça. Com o braço enganchado sobre o meu ombro, me puxou gentilmente, me beijando na bochecha. Ele era notavelmente diferente neste lugar do que em Providence. As nuvens em seus olhos estavam visivelmente ausentes desde que embarcou no avião em Rhode Island, mesmo quando lidava com a organização de equipes e de nossas coisas em cada momento da viagem. Foi uma boa mudança da confusão e angústia com que costumava tratar a respeito de nosso relacionamento. Se fosse possível mesmo, eu teria me apaixonado por ele novamente. Caminhamos até o fim da estrada, o que consistia em quatro barracos de chapa de cores mais brilhantes, dois de cada lado. Alguns dos moradores locais se reuniram em um lado tocando seus instrumentos. A música era uma animada mistura de Latina e do Caribe, parecia flutuar no ar perfeitamente com o calor e umidade. Jared me levou para onde estavam sentados e nos dedicamos a bater palmas e jogar. Sorrimos quando nos aproximamos e o homem tocando violão fez um gesto com a cabeça para trás. Viramos para ver um casal de idosos do outro lado da rua caminhando no ritmo, até que eles estavam no meio e depois dançaram juntos. Outro casal se juntou a eles e, em seguida, o guitarrista pigarreou para chamar nossa atenção. Ele acenou com a cabeça novamente para a rua e falou de novo, desta vez para Jared. - Você dança? Leve a sua esposa para dançar! - Ele perguntou com um sorriso, apontando novamente com um aceno para os outros casais. Jared sorriu e olhou para mim. 353


-Você gostaria de dançar? Uma súbita sensação de nervosismo tomou conta de mim, mas a expressão de ansiedade no rosto de Jared tornou impossível dizer não. Ele me atraiu para o centro da estrada de terra e me deu voltas no ritmo da música. Dançamos várias canções, rindo, enquanto as pessoas ao nosso redor aplaudiram e comemoraram. Jared facilmente me girou em torno da dança de improvisada. Meu vestido voava com cada giro e minhas sandálias levantaram terra contra minhas pernas. Eu logo fiquei sem ar, mas Jared não parecia nem remotamente cansado. Como o sol estava se pondo a música diminuiu, e Jared me puxou para mais perto. Minha mente voltou para a primeira vez que dançamos no bar, e lembrei-me da sensação de estar tão perto dele quando era quase um estranho para mim. Apenas um par de meses depois, estávamos num país estrangeiro, em uma pequena ilha no mar do Caribe, dançando juntos no meio de uma rua movimentada em uma terra estranha, fazendo-nos passar por marido e mulher. Embora ambos os casos seriam sempre preciosos momentos ante meus olhos, Corn Island era mágico. Uma vez que a música acabou e o ritmo voltou a subir, Jared se afastou com um sorriso de desculpas. - Vai ficar escuro em breve, e você teve um longo dia. Nós devemos retornar. - Deixei escapar um suspiro, puxando minha boca para um lado com decepção. - Voltaremos - ele disse, entrelaçando os dedos com os meus, quando dissemos adeus aos nossos novos amigos. - Sim! Voltem aqui! Vamos tocar mais músicas para vocês! - Disse o guitarrista. Jared se aproximou dele, apertou sua mão e colocou vinte dólares na sua palma. - Obrigado. Nós tivemos um grande momento. - Não há problema! Voltem sempre que quiser! - Sorriu o homem, ainda mais animado do que antes. Despedimos-nos novamente antes de voltar para onde tínhamos vindo. Assim que passou a bifurcação na estrada, Jared me carregou em seus braços. 354


- Não há necessidade de me levar - eu disse. - Sapatos novos? - Ele perguntou. - Como você sabe? - Eles estão apertando os dedos do pé. Não quer se machucar no seu primeiro dia aqui. Temos muito a fazer ainda. Eu balancei minha cabeça. - Você sente minhas sensações e pode definir o ponto exato onde me sinto desconfortável? - Eu te disse isso. Mas está ficando mais forte. - Eu sei, mas eu ainda não me acostumei com a coisa de sensações. É... - eu enruguei meu nariz, tentando pensar em uma palavra adequada. - Estranho - definiu para mim. — Você mencionou isso. - eu beijei a bochecha dele com entusiasmo. - Já estão sendo umas férias incríveis e nós só estivemos por aqui algumas horas. - Eu quero que estas sejam as melhores férias que já teve... até agora. - Missão cumprida - eu disse baixinho, roçando o nariz ao longo de sua bochecha. - Eu vou tropeçar em algo se você não ficar longe do meu ouvido ele riu. - Duvido disso - eu disse, mordendo suavemente o lóbulo da orelha. Só queria provocá-lo, mas um gemido silencioso escapou de sua respiração. - Nina, por favor, não. - Alguém tem um fetiche com a orelha? - eu o provocava, roçando a borda de sua orelha com a ponta da minha língua. De repente me pôs sobre meus pés. Eu pressionei meus lábios e tentei não cair na gargalhada. - Ótimo. Isso é algo que você não me disse no nosso primeiro encontro - eu ri. 355


Jared fez todo o possível para estar chateado com a minha piada, mas seu rosto se contorceu até que ele quebrou um sorriso no rosto. - Então, isso é provavelmente porque eu não sabia. Estremeci, sabendo que ele gostaria de acrescentar isto à lista de regras. - Só mais uma coisa que eu não estou autorizada a fazer. - ele me pegou em seus braços. - Eu estou lutando comigo mesmo cada segundo que estou sozinho com você, Nina. Você... neste vestido... tão linda como você é. Sem falar da sensação de como você está feliz comigo, aqui. Coloquei-me em pé novamente e percebi que estávamos na minha cabana. Eu olhei em volta para ver Cynthia observando o nosso retorno. Satisfeita, ela me lançou um beijo e entrou na noite. Foi só então que eu percebi o meu erro. - Você vai me fazer dormir sozinha, certo? - Jared ternamente tocou meu rosto. - Se fosse por mim, você dormiria em meus braços todas as noites para o resto de nossas vidas. - Cuidado com o que você deseja - eu disse incapaz de esconder o meu alívio em sua resposta. - Vou tomar um banho rápido. Vejo você em dez minutos. Eu tive que trabalhar para manter o salto fora da minha maneira delimitadora até as escadas para o meu quarto. Jared olhou para mim até que eu me virei para cumprimentá-lo a partir de dentro da minha porta de tela e desapareceu atrás da folhagem. Na manhã seguinte, acordei com uma fina camada de suor cobrindo meu corpo. Jared estava ao meu lado, mas para meu desgosto, seus braços não estavam perto de mim. - O que aconteceu? - Perguntou imediatamente, dando-me um grande copo de água fria. - Por que você está aí? - eu disse, fazendo beicinho, em seguida, tomando um grande gole. Jared sorriu. 356


- Sem ar condicionado. Eu tive que conseguir um ventilador - disse ele, apontando para o canto. Um ventilador ao lado do futon balançando lentamente. Eu fiz uma careta. - Você foi? - Eu mantenho fresco o loft para compensar que você tenha que dormir com um cobertor elétrico. Mesmo em noites particularmente frias, eu mantenho o aquecedor fora até de manhã, para você não sobreaquecer. Com o calor e a umidade aqui... - Sua voz sumiu, franzindo a testa. - Você estava preocupado que eu iria ficar muito quente. - acabei por ele, tentando colocar a maneira mais diplomática possível. -Sim, você ficou muito quente, então eu tive que improvisar... e você ainda está suando - ele disse, claramente perturbado com a situação. Olhei em volta para ver que todas as janelas estavam abertas. - Você não dormiu à noite. Jared suspirou frustrado. - Você poderia ter sofrido insolação dormindo com o seu namorado, e você está preocupada se eu consegui dormir. - Você precisa de mais que uma hora de sono - apontei. - Eu dormi. - Bem - eu disse, engolindo mais água antes de deixar o copo sobre a mesa de cabeceira. - Eu vou tomar outro banho, eu estou grudenta. Jared assentiu com uma expressão de culpa e, em seguida se retirou para sua cabana. Tomei banho e depois procurei na minha pilha de roupas de banho. Segurei um pequeno pedaço de tecido, encontrei e esperava deixálo sem palavras. Curiosamente, era só uma peça. Era um rosa quente, com um corte dramático revelador de tal forma que poderia ter sido um biquíni. Pequenos círculos de ouro forravam a peça e era de uma única alça no ombro, deixando o outro nu. Eu estava

357


descaradamente na porta com a mão no quadril, esperando a reação de Jared. Jared se manteve de costas para mim. - Eu quero saber o que você está fazendo? - Ele perguntou, sentindo a minha posição impertinente. - Por que não vira e descobre por si mesmo? Jared virou-se lentamente. No segundo em que eu estava na sua linha de visão as sobrancelhas se levantaram e abriu a boca infinitamente. Ele lutou com as palavras por um momento e sorriu com satisfação. - Está com vontade de ir à praia hoje? - eu perguntei, sorrindo inocentemente. - Vamos - disse, os olhos varrendo sobre cada parte de mim. - Jared? - Sim? - A praia? - Eu vou pegar minha roupa de banho - disse, virando-se para sua cabana. Eu ri ao vê-lo desaparecer rapidamente por trás das palmeiras e voltar após uns instantes. Ele se aproximou de mim, em um short azul claro e, definitivamente, foi minha vez de ficar impressionada. Passamos a manhã brincando na água, mergulhando através das ondas e espirrando no outro. Depois de uma hora, Cynthia saiu das árvores e ficou em uma cadeira, colocando seu livro ao seu lado na areia. Trouxe sua câmera com ela e tirou fotos do oceano, barcos de pesca, de mim, de Jared. Jared inclusive a convenceu a dar a câmera para tirar uma foto dela e de mim. Jared deu a câmera de volta para a minha mãe e me levou para fora da areia, de volta para a água. — Você pode substituir a foto de sua mesa de cabeceira com uma foto de nós juntos – eu disse, pensando na foto em preto e branco ao lado de sua cama. Jared sorriu, jogando água na minha direção. 358


- Vou pegar outro quadro. Vou ficar com a que tenho. - eu enruguei meu nariz em desaprovação. - Por quê? É uma imagem de vigilância, certo? Os olhos de Jared se suavizaram ao percorrer meu rosto. - Eu estava tirando algumas fotos que estão agora no cofre de Cynthia. Tirei de você naquela mesma noite... Eu não tinha certeza por que na época. - Ele agarrou minha mão e me puxou em direção a ele através da água. - Tirei esta no dia que eu me apaixonei por você. Senti um sorriso surpreendente em meu rosto e levantei as sobrancelhas. - Esqueceu de mencionar isto. - Você nunca me pediu para substituí-la antes - ele disse me empurrando mais fundo na água. Depois de mais uma hora, Jared me convenceu a voltar para a areia para pegar um frasco de protetor solar que Cynthia tinha propositadamente deixado para trás quando ela voltou para sua cabana. Me estiquei na cadeira e peguei o frasco de protetor solar. Instantaneamente desapareceu das minhas mãos e Jared esguichando uma mancha branca na palma da sua mão. - Eu não quero que lhe falte nada - ele disse, tentando não sorrir. Eu me inclinei para trás, gesticulando para Jared prosseguir. Começou no topo dos meus pés e massageou a loção de cima para baixo da minha perna e depois a outra. Já tive várias massagens antes, mas as mãos de Jared foram significativamente diferentes, enquanto pressionava na minha pele e sobre ela com a quantidade ideal de pressão. Mordi o lábio enquanto ele cobria a pele nua perto do corte de minha roupa com as mãos, os dedos deslizando ocasionalmente muito ligeiramente debaixo da minha roupa. Eventualmente, fez o seu caminho através do resto do meu corpo e beijou meus lábios quando terminou com o meu rosto. - A frente está pronta - ele disse rapidamente.

359


Sua cabeça criou uma sombra para o sol que estava a pino, tornando-se escuro o rosto e cobrindo-o com um halo de luz brilhante. Virei-me sobre meu estômago e Jared repetiu o processo novamente, desta vez a partir de meu pescoço e trabalhou à sua maneira para baixo. Uma vez que tinha acabado com meus tornozelos, eu sentei e cruzei minhas pernas. - Sua vez. - Eu não preciso. - Você vai queimar - falei em uma voz cantante. - Eu não queimo, Nina. Mesmo que queimasse não iria doer... o vermelhão sairia em segundos. Penso nisto por um momento e, em seguida, fiz uma careta, de frente para a água. - Você pode se afogar? Ele revirou os olhos, divertindo-se com minha pergunta. - Eu não sei. Eu nunca tentei. - Porém se fizesse, iria contra a teoria de que você-morre-quandoeu-morro? - Eu sou um excelente nadador, Nina. E pareço flutuar mais facilmente do que os humanos, então eu vou dizer que não. - Como diabos você sabe disso? - ele sorriu com orgulho. - Os caras da Guarda Costeira me odiavam. Eu poderia vencer qualquer um duas vezes mais rápido e sair da água tão fresco como quando tinha entrado. - Quando você treinou com a guarda costeira? - Quando tinha quatorze anos - ele respondeu casualmente. Eu balancei minha cabeça, pensando nele surpreendendo cada aluno em cada centro de treinamento, onde ele tinha estado, enlouquecendo os recrutas com a frustração por ter sido derrotado por um recém-formado no ensino médio. — Não tinha objeção que um menino de 14 anos se juntasse às filas? 360


- Gabe tinha mais do que conexões suficientes para completar a nossa formação. Sem mencionar que há alguns mest... Híbridos no exército e no governo. Estão conscientes da nossa necessidade de treinar o que tornava mais fácil. Eu balancei a cabeça enquanto analisava as conexões de Gabe, me perguntando se os soldados treinados por Jared suspeitavam de algo. Jared revirou os olhos novamente, desta vez com a frustração real. - Por que me pergunta coisas se te incomoda ao ouvir a resposta? - Eu não me importo. Isso é... surreal - eu disse, vendo o sol brilhar na minha loção para a pele. Você não pensa sobre a sua vida como é, apenas balança a cabeça sobre como é incrível? - A única coisa que é surreal para mim, é que você está sentada aqui falando comigo, posso estender a mão e tocá-la - disse, tocando meu rosto - e você me ama. Às vezes, eu não posso acreditar que isso é real - disse, puxando-me para fora da cadeira e me levando para uma rede vazia. Uma vez que estávamos na rede, balançando preguiçosamente para frente e para trás nas sombras, eu beijei a pele logo atrás sua orelha. - Não sou eu que tenho amigos mencionados na Bíblia. Eu não tenho cura incrivelmente rápida, que pode fazer qualquer coisa e fazer melhor do que qualquer pessoa no mundo... Eu não sou a que é praticamente perfeito. - Você é minha perfeição. Sou todas essas coisas por você - disse ele, balançando a cabeça para o que ele considerava como uma séria confusão. - Eu existo para você, Nina. Este ser mortal tão precioso para o Criador do Universo, que permitiu minha existência. Diga-me que não é surpreendente. As palavras me faltaram. O único pensamento que eu poderia ter era beijá-lo, e eu fiz, de novo e de novo. Quando os beijos se tornaram mais intensos, ele gentilmente se conteve, sorri para esconder a minha frustração. Passamos nossos dias descansando na praia, nadando, nossa noite dançando, rindo na aldeia e as nossas noites na minha cabana. Enquanto Jared e eu nadávamos nas águas claras na quarta-feira à tarde, as nuvens apareceram. As ondas eram maiores 361


do que tínhamos visto desde a nossa chegada e quando tivemos que mergulhar na água regularmente para evitar que fôssemos atingidos, Jared me levou para a praia. Assim que pisamos na areia, a chuva começou a cair. Eu olhei para o céu e sorri. A luz e a chuva quente foram uma mudança bemvinda das afiadas e frias chuvas de Providence. Jared e eu corremos para a minha cabana, deixou-me ganhar a corrida e nos separamos para lavar a água salgada em nossas respectivas cabanas. Jared não tinha voltado quando eu deslizei em um par de calças brancas e uma blusa rosa, então eu fui até sua cabana com meus pés descalços. Eu podia ouvir sua música enquanto me aproximava, e pensei que poderia até mesmo ser no chuveiro, então eu bati na borda da porta de tela de madeira. - Entra Nina - Jared riu. - Você não precisa bater. Jared relaxou as costas contra a parede, deitado em sua cama perfeitamente organizada. Ele estava escrevendo em um livro grosso marrom. A porta de tela rangeu quando entrei, e várias pequenas luzes me chamaram a atenção. Monitores e equipamentos elétricos alinhados de um lado do quarto. Eu levantei uma sobrancelha. - Trouxe um aparelho de som? Ele deu de ombros. - E levo em toda parte. - Você não podia ter trazido um mp3 player? - Eu não posso ter música tocando em meus ouvidos enquanto eu trabalho. - Eu subi na cama com ele e eu o puxei para perto. - Pensei que você podia me ouvir acima de um estádio cheio de pessoas? Jared franziu o nariz. -Tudo bem, você me pegou. Eu não gosto da maneira como essas coisas ficam em meus ouvidos. Mordi o lábio e me inclinei ao seu ouvido.

362


- Mas eu acho que eu gosto de algumas coisas que tocam em seus ouvidos - sussurrei, roçando meus lábios ao longo da borda de sua orelha. Ele pressionou os lábios firmemente contra o meu e no mesmo segundo, eu estava deitada. Sua reação foi automática e de repente descobri que eu tinha esperança de que sua fraqueza seria a minha melhor chance de mudar de ideia sobre a espera. Justamente quando me acomodei sobre ele, se afastou. - Seus lábios são diferentes de um par de alto-falantes de plástico rígido. Agora, comporte-se - sorriu. - Desculpe - eu disse, sem convencer, deitando na dobra do seu braço. Ouvindo a chuva atingir uma melodia suave no teto, fechei os olhos e sorri. Foi a primeira vez que eu tinha ficado feliz que chovesse nas minhas férias. As páginas do livro que Jared escrevia, estavam cheias de palavras manuscritas. Ele começou no topo da página, escrevendo em letras minúsculas, usando todo o espaço vazio. - O que é isso? - O meu diário. Eu pensei que eu pudesse pôr em dia. Estou quase um mês atrasado. Eu não queria deixar nada de fora - disse ele, beijando meu cabelo. - Tem um diário? - eu perguntei surpresa. - O que mais posso fazer por cerca de seis horas quando estou acordado à noite? - ele sorriu. - Você alguma vez escreveu sobre mim? - Nina, a maior parte deste livro é sobre você - disse como se fosse óbvio. Sentei-me. - Sério? Jared sorriu, satisfeito com a minha reação. - Sim. Você não acredita? - Claro que eu acredito em você... Eu só... - eu olhei para baixo para a grossura do livro, e percebi que faltavam apenas alguns centímetros para se escrever. - Essas são muitas páginas. 363


Suas feições suavizaram ao ver o meu rosto. - Eu tenho estado apaixonado por você há muito tempo. - Você tomou notas de coisas que eu fiz? - Jared riu. - Não. Bem... às vezes. Principalmente eu escrevo sobre como me senti com coisas que você fez, ou planos para fazer, como posso obter os desejos de Jack, como viver sem você, como posso fazer você feliz. Isso me ajuda a passar algumas noites difíceis. - Tem alguma coisa ruim? - Jared sorriu. - Você gostaria de ler? - Não! - eu gritei. Envergonhada que ele pensou que era o que eu queria fazer, eu senti o fogo familiar queimando minhas bochechas. - É seu diário. Não é o meu negócio. - Eu não guardo segredos de você. Você sabe disso. Olhei para as minhas mãos e brinquei com minhas unhas. - É privado. Eu não gostaria que você lesse meu diário. - Você não tem um diário. Eu provavelmente iria ler se você tivesse - disse ele ligeiramente. Eu olhei para ele com espanto. - Estou brincando! - ele riu. - Não há nada que tenha escrito que me envergonhe. Eu acho que seria bom. Ele fechou o livro e colocou-o no meu colo. Eu estava curiosa para saber o que continha o diário, mas me sentia mal para ler, apesar da permissão que ele tinha me dado. - Nina. Tudo bem. Leia - disse, levando um dedo e abrindo a capa na primeira página. Passei a tarde de tempestade, com a cabeça descansando contra Jared, lendo seus pensamentos privados. Uma vez que tinha estudado as primeiras páginas, a culpa se evaporou e eu estava envolvida em cada palavra. Foi uma sensação estranha, ler as minhas memórias de páginas escritas num momento em que não sabia que ele existia. Mordi a unha de meu polegar enquanto li minha vida do lado de fora. Jared brincava com meus cabelos, caso contrário, ficava 364


imóvel e em silêncio. No meio ao ler uma das escritas mais longas, eu percebi que ele foi escrito durante a noite que ele tinha tomado uma bala por mim.

“Claire... extraiu a bala. Eu estava com raiva, mas desta vez estou furioso. Eu vi aquele bastardo apontar para ela e queria arrancar a cabeça de seu pescoço. Eu não pude terminar com a sua vida de forma rápida o suficiente. Esse é um homem a menos de Donovan que vai atrás dela, mas isso não faz me sentir melhor. Eu não consigo entender. Gritei com Claire para que terminasse, para que eu pudesse voltar para Nina. Eu não conseguia sequer explicar a Claire porque estava com tanta raiva, nem eu mesmo sabia. A necessidade de voltar para ela era ridícula, porque eu sabia que papai estava com ela. Até então, ela tinha ido para casa, mas eu tinha que estar perto dela, e eu estava com raiva por me sentir assim. É como se tivesse viciado por ela, porém não sabia até esta noite. Como se já não tivesse só que estar perto dela para protegêla, agora só precisava estar perto dela. É irritante. Então agora eu estou aqui, procurando falar com Cynthia. Eu ainda não sei qual é o meu problema. Pela primeira vez, eu tinha medo de fracassar. E não apenas falhar... mas falhar com ELA. Claire me acusa de ser um perfeccionista, talvez seja o que eu sou. Ou talvez não quisesse decepcioná-la. Mas, por que diabos eu me importaria? Ela não saberia de qualquer maneira. Eu não quero que ela morra, mas isto deveria ser óbvio, certo? Ela morre, eu morro. Talvez eu só me preocupe. E isso não seria ruim... que eu me preocupe em cuidá-la. Ela é uma garota doce. É gentil com os outros. Ela é esperta. É divertida, teimosa. Acomoda o cabelo atrás da orelha de forma tão suave quando ela está nervosa. É linda... incrivelmente linda. Qualquer pessoa com bom senso iria cuidar dela... gastar todo esse tempo em torno dela, eu acho que seria inevitável. Mas isto é outra coisa para se preocupar. Se não estivesse sangrando em todas as partes eu mesmo teria a agarrado e... eu não sei. O que estou pensando? Ela não pode saber de mim. Talvez seja por isso que estou com raiva. Talvez eu queira que saiba que eu a estou protegendo. Acredito que uma parte de mim queira que ela soubesse. Ela está andando através de sua casa e não tem ideia que salvei sua vida hoje. E isso deve me incomodar por quê? Ela não deve saber. Ela não deve saber que a protejo, que eu me importo com ela, ou que acho que é bonita. Não seria ridículo 365


se sentisse algo por ela? Mas talvez seja isto. Talvez seja mais do que isto. Eu acho que é mais do que isto. Eu acho que estou apaixonado por ela.”

Levantei os olhos de cima das páginas do diário de Jared para ver que ele estava observando minha reação. Sentei-me rapidamente e apressei-me em dar-lhe um beijo. Sua boca se elevou em um sorriso enquanto pressionava meus lábios contra os dele, então eu me virei para olhar em seus olhos. Sua expressão era triunfante. Respirei fundo para falar, mas o rosto de Jared estava torcido em uma careta. - Não diga "aw". Eu balancei a cabeça rapidamente. - Eu não faria isso! Definitivamente não vou dizer "aw". Isso foi incrível, obrigada. - Você deveria ler a noite de seu décimo sexto aniversário. Ou o dia em que você se formou no colegial. Ou a noite em que saiu com Philip Jacobs. Eu enruguei meu nariz. - Eu não acho que quero reviver meu décimo sexto aniversário. E eu sei que não quero reviver as três horas com Philip Jacobs. Uff. Jared sorriu. - Eu poderia ler para você. Vou deixar de lado as partes que você não quer ouvir. Recostei-me contra ele, me acomodando para ouvir a minha vida através dos olhos de Jared. Fiquei surpresa com o quanto ele me amava tanto tempo e como, por vezes, lutou contra o desejo insuportável de falar. Havia partes que eram difíceis de ouvir e partes que, se eu quisesse interromper, eu não fiz, gostaria de voltar e ler novamente. Ele pulou a entrada e escreveu no dia da minha formatura. Ele escreveu como estava orgulhoso de mim, e quão bonita eu estava no meu vestido com capuz. Ele falou sobre como eu me sentia feliz e se perguntou onde nos levariam os meus anos de faculdade. 366


Jared escreveu muito sobre estar preocupado que uma vez que nos distanciássemos de Gabe e Jack, se apresentaria. Seus olhos nublaram, quando ele leu sobre seus temores de que um dia me apaixonaria por alguém na faculdade e a reação desconhecida que teria me ver com alguém assim. Eu percebi como ele ficou devastado com a perspectiva de eu nunca saber o quanto ele me amava, e como temia o dia em que eu me casasse e tivesse filhos com outra pessoa. A voz de Jared se quebrou enquanto ele lia as palavras. Quando mudou para a entrada do dia em que meu pai morreu, as lágrimas rolaram de meus olhos enquanto ele descrevia Gabe sumindo à distância. A mão de Jared se entrelaçou na minha enquanto falava do momento em que se encontrou a poucos metros de mim, olhando-me chorar no banco. Quando o ônibus saiu da calçada e a luta para ficar longe de mim tinha acabado. O tom das páginas alterou significativamente depois disso. Jared sorriu enquanto citava a alegria que sentia cada vez que me encontrava casualmente, as expressões e sentimentos que teria e como ele se sentia a primeira vez que eu dissesse o seu nome. - Leia o que você escreveu hoje - eu sorri. - Eu vou fazer isto mais tarde. A chuva parou - ele disse, fechando o livro. Eu olhei para cima, enquanto tentava ouvir a chuva, mas os únicos sons eram gotejamento intermitente do telhado e as folhas das palmeiras e os pássaros cantando fora da cabana. - Qual é o plano? - eu perguntei, sentando-me e esticando-me. - Por que você não mostra a cidade para Cynthia? Eu sorri para aquela sugestão altruísta, beijando-o antes de ir para a cabana da minha mãe. Ela estava secando sua cadeira com uma toalha e um livro na outra mão. - Olá, querida - disse ela. Seus óculos de sol levantaram-se com o seu sorriso. - Eu estava pensando se você gostaria de ir para a cidade comigo. É muito eclético. Eu acho que você vai gostar - eu disse, descansando os braços sobre a grade de madeira.

367


Cynthia sentou-se em sua cadeira e abriu o seu livro. Eu sabia a resposta antes que ela falasse. Ela sorriu gentilmente como sempre diplomaticamente rejeitar uma oferta.

fazia

antes

de

- Acho que vou descansar aqui, Nina. Por que você não vai explorar com Jared? - Nós já estivemos em quase toda parte. - eu dei de ombros. — Você tem certeza que não quer ir? Cynthia não levantou os olhos do livro. - Eu tenho certeza. Divirta-se. Subi o corrimão e me inclinei para beijá-la no rosto. Ela apenas sorriu e continuou a ler. Jared me esperou do lado de fora de sua cabana. - Ela disse que não, hein? - ele disse, abrindo os braços para me abraçar. - Nunca foi assim. Eu não entendo -, eu disse, apertando minha bochecha contra seu peito. - Simplesmente sente falta de Jack - me tranquilizou. Que tal se nós alugássemos aquelas bicicletas que as pessoas andam pela costa... tentando encontrar uma aldeia que não vimos ainda? Eu sorri e acenei com entusiasmo. Jared pegou caminho após caminho, independentemente se eram estradas de terra ou pavimentadas. Algumas barracas ficaram à vista e minutos depois estávamos em mais uma cidade do que em uma aldeia. Parecia que poderia ter sido um dos lugares mais povoados da ilha. Jared parou a bicicleta e andamos por uma estrada pavimentada. Os edifícios eram menos primitivos do que os do povoado que frequentávamos. A luz do sol desapareceu quando Jared apertou minha mão. - Devemos voltar. Vai escurecer em breve. Eu suspirei triste porque outro dia perfeito acabou. Apenas quando se virou, um sino tocou. Voltei minha atenção para a direção do som bonito e eu notei um grupo de pessoas que estavam juntos em 368


um canto de um quarteirão de distância, olhando na mesma direção. - Vamos - eu disse, puxando a mão de Jared. - Eu quero ver do que se trata todo o alvoroço. No caminho da estrada, uma capela branca brilhante apareceu. Dei um grito engasgado quando vi um casal de recém-casados caminhando lentamente pelas escadas íngremes de rocha para a pequena multidão que aplaudia, aplaudia e cantava. Logo, todo mundo começou a cantar a mesma canção feliz. O grupo seguiu o casal pela rua, batendo palmas e cantando em uníssono. O sino tocou algumas vezes e, de propósito soou pela última vez antes da procissão alegre finalmente desaparecer. Olhei de volta para a capela, hipnotizada por sua beleza. Ela era mais alta do que os outros edifícios, com suas duas escassas histórias. - Quer ver lá dentro? - Jared perguntou, puxando delicadamente minha mão. - Acho que não. Eu só quero ficar aqui. - Tudo bem - murmurou Jared, obviamente curioso sobre minhas emoções. Eu não poderia explicar, mas eu me senti um pouco chorosa. Era como se o edifício tivesse falado comigo, me pedindo para ficar mais um pouco. Jared passou os braços em volta da minha cintura, tocando seus lábios contra meu cabelo. Eu sentia as gotas de suor na pele das minhas costas pressionadas contra seu peito. - O que é isso? - Jared perguntou depois de alguns minutos. - É tão lindo - eu disse, com voz rouca. - Não... Há algo... - Disse claramente confuso com as minhas emoções. Eu inclinei minha cabeça contra seu peito. - Vamos nos casar nesta capela. - Agora? - Perguntou Jared. Virei-me para repreendê-lo por brincar comigo, mas eu tive um vislumbre de esperança em seus olhos. Meu rosto se tornou instantaneamente um sorriso agradecido. 369


- Eu gostaria de voltar aqui... quando chegar a hora. As íris de Jared brilharam com o mesmo azul celeste do mar. - Viajaria aos confins da terra para casar com você. Roçou a linha da minha mandíbula com o polegar e apertou seus lábios contra os meus. Eu me derreti contra ele. O abraço de Jared se apertou ao sentir a minha alegria, e minha imaginação transformou minhas roupas em um vestido branco e as calças curtas cáqui e a camisa de Jared em um terno. - É melhor voltar - disse, olhando para as nuvens escuras que rolaram no horizonte. Concordei e ele me tirou da nossa capela. Observei enquanto caminhávamos pela quadra, até que desapareceu por trás das palmeiras. A manhã de sexta-feira veio muito cedo e Jared se tornou a pessoa autoritária que foi transformando o planejamento da arrumação de nossas coisas de um ponto a outro. Uma vez no ar, Jared colocou a mão sobre a minha. - Você está calada durante toda a manhã. Quer falar sobre isso? Ele perguntou. - Não estava pronta. Passou muito rápido - murmurei, olhando pela janela do avião. - Vamos ter mais férias em breve. No momento em que você terminar o seu último exame, Robert vai nos levar para o aeroporto e nós vamos pegar um avião... só eu e você. Em algum lugar com ar condicionado - Jared prometeu, beijando minha mão. Suspirei e acenei com a cabeça. Embora a perspectiva fosse infinitamente atraente, não conseguia superar o mau humor que sentia. Jared levantou meu queixo para me olhar nos olhos, avaliando meu humor por um tempo. Ele parecia deliberar algo, pressionando finalmente seus lábios. - Eu ia esperar, mas eu acho que deveria dar isto agora - disse, levantando para procurar dentro de sua mochila. Ele se sentou ao meu lado e colocou uma pequena caixa de tecido em meu colo. 370


- Abra - sorriu. Tirei a tampa. Colocado em pequenos pedaços de folhas de palmeira estava o anel que ele tinha experimentado na aldeia. Um sorriso apareceu no meu rosto. - Você gostou dele, não é? - Eu adorei - eu disse. A tristeza de nossa partida se misturava com a emoção de que ele, de alguma forma, retornou para a cidade e comprou o anel, sem que eu soubesse. Lágrimas rapidamente formaram nos meus olhos. Jared pegou o anel e segurou entre os dedos. Meus olhos foram de sua mão para os seus olhos, ele parecia nervoso com alguma coisa. - Eu tenho um pedido - Jared disse, sorrindo timidamente. Eu levantei uma sobrancelha. - Alguma condição? - Não, não... só um pedido. Uma vez que você colocasse em seu dedo, eu gostaria que não tirasse até que seja substituído. Com o meu pessimismo quase esquecido, não hesitei. - Eu prometo. - Não precisa prometer, é apenas um pedido - disse ele, incentivado pela minha reação. - Eu prometo - eu insisti. Jared sorriu ao colocar o anel de prata no meu dedo anelar esquerdo. Ele se encaixou perfeitamente. - Foi ajustado? - Eu perguntei. O seu sorriso se ampliou. - Eu queria que fosse perfeito. Ele riu de mim cada vez que me viu levantar os dedos, olhando minha mão esquerda. Eu ainda estava triste por dizer adeus a nossa ilha, mas sabendo que eu tinha trazido um pedaço dela comigo, fez a viagem para casa um pouco mais fácil. 371


Quando pousamos, me aproximei da pista molhada, puxando o casaco firmemente em torno de mim. O vento frio girava ao meu redor, e fiquei feliz quando Jared me ofereceu seus braços quentes como proteção. - Por que você não vai em frente com Cynthia? Você não precisa esperar no frio - Jared disse para mim. Comecei a discutir, mas eu vi as nuvens em seus olhos. - O que foi? Jared franziu a testa e percebi que não queria me dizer. Olhei além do ombro de Jared, e uma figura alta e escura chamou a atenção. - Samuel? - Eu perguntei. - Sim - ele murmurou. - Devem estar pressionando, ou ele não teria vindo. - Te encontro no carro. - eu sufoquei as lágrimas. Apenas tínhamos tocado no solo e a dura realidade da vida em Providence insistia para que prestássemos atenção como uma criança mimada. - Se você o ama, você tem que aceitar que será assim desta forma Cynthia disse com indiferença. Eu olhei para Jared de dentro do carro. Sua expressão era séria, não eram boas notícias. Ele acenou com a cabeça uma vez e se dirigiu para a porta que Robert obedientemente mantinha aberta. Samuel já não estava ali. Não desapareceu, não se diluiu ou sua forma tremulou no espaço que ocupava; em um momento estava lá, e então ele se foi. Jared deslizou para o assento ao meu lado. - Você pode ir agora, Robert. - Sim senhor - disse Robert, acenando no espelho e olhando para frente. Eu vi Jared se esforçar para evitar a tensão em seu rosto. Eu não precisava de percepção sobrenatural para saber o que ele estava sentindo. Ele tinha o mesmo olhar em seu rosto quando ele pegou o livro do cofre. Ele estava com medo.

372


Capitulo 15 Jared instruiu Robert para que nos levasse ao loft e, em seguida, trouxesse minhas coisas para Brown. Eu percebi que ele não falou muito no caminho, mas não havia nenhum ponto em tentar falar com ele. Não com Cynthia sentada do meu outro lado. Como o carro parou do lado da calçada, dei um beijo de despedida em minha mãe. Jared me levou até as escadas com uma mão e a mochila de lona e bagagem na outra. Ele puxou um par de coisas e, em seguida, correu escada abaixo. Desde o corredor assisti ele se mover. Eu não tinha certeza de quando a realidade finalmente se resolveria. Sua perfeição era algo visto apenas no cinema ou na capa de uma revista e ainda assim ele só caminhava para mim. Eu estava olhando a correspondência até que ele parou para me olhar. - Está tudo bem? - Ele perguntou. - Eu que deviaria estar perguntando, certo? - Não, não necessariamente, por quê? - Seu rosto parecia muito relaxado, seus traços intencionalmente à vontade. - Você não vai me dizer o que Samuel falou? Jared sorriu, parecendo ignorar minha pergunta. - Se você está preocupada com suas coisas, Robert levou para a lavanderia. Vamos recolhê-los mais tarde e passar por Andrews para pegar tudo o que você precisa. - Jared... Samuel... - Lillian quer conhecê-la. - Ela quer me conhecer? Mas... Eu a conheço - eu disse confusa. - Nina, não tem estado perto de você desde que era uma criança. E ela quer ser devidamente apresentada para a minha namorada, 373


para não mencionar que Bex está morrendo de vontade de conhecê-la. Você é como uma celebridade na minha casa. - Uma o quê? - Eu disse, duvidando. Jared riu. - Imagine seu pai, protegendo o rei e seu irmão mais velho, a quem idolatra, protege a princesa. Nunca conheceu nenhum deles... você não estaria emocionada ao saber que uma princesa vem para o jantar? Tem 11 anos. Ele está emocionado. - Sim, Sua Alteza Real, Princesa do Crime - reclamei. - Amanhã à noite. Ela vai fazer carne assada. - Ah! Você não está jogando limpo! Seu rosto se contorceu de brincalhão a preocupado. - Não quer conhecer minha família? - É claro que eu quero encontrar sua família. É só que... estar perto de sua mãe, que é quem quero desesperadamente gostar e na mesma sala está Claire... que quer me ver morta. Vai ser desconfortável. Jared sorriu calorosamente. - Ficará bem. Claire vai se comportar, eu lhe garanto. Minha mãe é menos tolerante do que eu sobre as atitudes de Claire. E não precisa se preocupar com Lillian. Sempre gostou de você. Eu concordei, perguntando-me o que eu tinha feito para merecer esse tipo de respeito. Saímos para fazer coisas perfeitamente normais. Ele me segurou contra o seu lado enquanto esperávamos que nossa foto se revelasse, e andamos pelos corredores de uma loja de antiguidades para encontrar a moldura perfeita para a nossa nova foto. À primeira vista, parecia que nossos dias normais na ilha não tinham terminado, mas Jared tinha feito parecer assim de propósito. Ele estava escondendo algo.

374


Ele parecia ter de trabalhar mais para esconder seu desconforto quando ele passou os braços em volta de mim durante a noite. - Você não vai me dizer, certo? Eu senti sua tensão. - Eu esperava que você deixasse passar. - Por quê? Eu pensei que a verdade fosse a pedra angular da nossa relação. Isto era muito importante para você antes das férias de primavera – eu apontei. - Continua sendo importante - suspirou. - Então o que é? Por que está escondendo o que Samuel disse sobre mim? Ele suspirou. - Antes de sairmos, precisava da normalidade. Enquanto estávamos fora, tivemos normalidade. Quero que tenha isso aqui, onde vivemos. Se isso é o que quer, então você deve ter. Nós poderíamos viver como Jack e Cynthia. Ela não fazia perguntas, ele não revelava informações e funcionou para eles. - Ele apertou seus lábios contra meu cabelo. – Deixe os detalhes para mim. Eu considerei isso por um momento. - É isso que você quer? - Eu só quero fazer as coisas mais fáceis para você. - Eu beijei seu ombro. - E quando as coisas ficam mais fáceis para você? - Está segura em meus braços. Não estou fora de Andrews na minha SUV ouvindo você falar de um cara que está saindo, desejando que fosse eu. Pelo fato de que você sabe quem eu sou e passarmos muito tempo juntos, meu trabalho é mais fácil do que nunca. Isso vai acabar em breve, querida. Eu só preciso que confie em mim. - Batatas fritas? - Eu sussurrei na escuridão. Jared se aproximou e beijou meu pescoço. 375


- Batatas fritas.

No sábado pela manhã, eu acordei e Jared estava de pé ao lado da cama. Ele alcançou meu telefone tocando e eu aceitei, observando o olhar triste no seu rosto. - Olá? - Bom dia, luz do sol. Como foi a viagem? - Ryan disse. - Foi perfeito. Como foi a sua? - Eu disse, esfregando os olhos. Não pude deixar de sorrir, a voz de Ryan era estranhamente reconfortante. - Foi muito divertido. Você deveria ter estado lá. Não se esqueça da prova de biologia na próxima semana, certo? - Você está me ligando pela prova? - Eu perguntei, imediatamente suspeitando de suas segundas intenções. - Não. Essa é a minha fraca desculpa. Estou ligando porque eu não ouvi a sua voz em uma semana, e eu sinto sua falta. Percebi que pela tensão na mandíbula de Jared, que podia ouvir Ryan perfeitamente claro. Eu suspirei. - Obrigado. Não esquecerei. - Ryan riu. - Bem. Vejo você domingo à noite? - O que há domingo à noite? - Você estará de volta à Brown no domingo à noite. Ou mudou de ideia e vai se mudar? Eu suspirei. - Não. Eu voltarei, mas não até tarde... Vou jantar com a família de Jared.

376


- Oh. - Ryan exalou drasticamente, fazendo um barulho alto ao telefone. - Ok, então. Vejo você domingo à noite. Até mais, pequena. Eu desliguei o telefone e fiz uma careta. - O quê? - Perguntou Jared. - Ele está... estranho. Está agradável. - Eu ouvi. - Jared franziu a testa, sentando ao meu lado. - Ele está tramando algo. - Eu estremeci. Jared olhou para mim por um momento e sorriu. - Eu não posso dizer que o culpo. Eu estive no seu lugar e posso testemunhar que é uma tortura estar apaixonado por você e vê-la com outra pessoa. Eu não dou nem um segundo para você sozinha. Apertei os olhos para ele. - Bem, agora é você quem está tramando algo. - Jared riu e negou com a cabeça. - Ryan está trabalhando para lhe conquistar. Eu só estou fazendo todo o possível para mantê-la. Não pode invejar isso. - Você não tem nada para se preocupar. Eu sempre fui sua. - Jared pegou minha mão e beijou meu anel novo, feliz. - Isso é tudo que eu sempre quis. À medida que a noite se aproximava, eu estava ficando nervosa. Jared me garantiu que Lillian gostava muito de mim, mas isso não ajudava a acalmar meus medos. Assim que entramos, o maravilhoso cheiro da minha infância encheu meus sentidos. A mãe de Jared nos recebeu no hall de entrada e sorri ao ver como Jared parecia com ela. Ela não tinha mudado, só que desta vez ela tinha um avental verde sálvia. Seus longos cabelos loiros acariciando seus ombros e grandes olhos azuis acinzentados se estreitaram com seu sorriso largo. Ela se aproximou de mim com os braços abertos. 377


- Nina! Nina... É tão bom ver você, querida. Estávamos esperando há um longo tempo. - Ela me abraçou com força e, em seguida puxou Jared para beijar sua bochecha. A planta que Jared segurava chamou sua a atenção. – Isto é para mim? - Nina insistiu que trouxéssemos algo. Eu tentei dizer que a pobre estaria morta em uma semana. - Oh! Jared... é tão bobo - ela riu, batendo no seu ombro. Eu podia ver por que um anjo iria se apaixonar por ela. Ela era um farol de luz e o amor parecia derramar dela com cada palavra. - Entrem! Venha sentar-se, o jantar está quase pronto - disse ela, levando a pequena planta. Os olhos de Bex se iluminaram quando parou para me cumprimentar. Jared apontou o garoto. - Nina, este é o meu irmão mais novo, Bex. Bex, esta é Nina Grey. - Prazer em conhecê-la - Bex disse, surpreendendo-me com um abraço. Seu cabelo loiro era quase branco e os grandes olhos cinza-azulados combinavam com a camisa recém-passada. Mesmo aos onze anos, seus músculos já estavam a caminho para o tamanho de seu irmão mais velho e era quase tão alto como eu. Jared me olhava com adoração enquanto abraçava seu irmão. Bex puxou minha cadeira e eu sorri em agradecimento antes de me sentar. Avistei Claire revirando os olhos e Jared limpou a garganta. - Claire? Você poderia me ajudar na cozinha por um momento? - Eu ouvi Lillian um pouco mais firme do tom que eu tinha ouvido antes. Claire ficou tensa e então rapidamente se juntou a sua mãe na cozinha.

Sentei-me entre Bex e Jared enquanto Lillian e Claire, muito mais afável, trouxeram pratos de comida para a mesa. 378


Senti-me com sete anos de novo, enquanto Lillian estava circulando a mesa, retirando pratos de acompanhamento para cada prato. Depois de Lillian me servir, se inclinou e beijou minha bochecha. - Eu senti sua falta, doce Nina - cantarolou. Quando ela se retirou para a cozinha, Jared me puxou para perto e me beijou carinhosamente. - Eu te disse. Ela te ama. Sorri, sentindo um pouco sobrecarregada pela demonstração de amor. Além de Jared, a única pessoa por quem me senti amada profundamente foi meu pai. Parecia que eu tinha uma família secreta toda a minha vida e que eu não estava ciente. Tinham tudo, porém um, me amava de longe e me viu crescer. Os ocasionais olhares de orgulho paternal de Gabe tinham mais sentido agora. Olhei para Claire e me perguntei por que não olhavam para mim da mesma forma que ela fazia. Minha família tinha mantido Gabe fora a maior parte do tempo, e agora eu ocupava a maior parte de Jared e, até recentemente, o tempo de Claire. Eu não conseguia entender a bondade pura em Lillian por me amar, apesar do que minha família tinha feito para ela, mas ela sentou de frente para mim, me olhando como se eu fosse uma filha perdida, que finalmente tinha voltado para casa. Olhei para a minha refeição, o fluxo de emoção ameaçando trazer lágrimas aos meus olhos. - Nina? - Jared sussurrou, tocando suavemente meu joelho. Eu ri nervosamente. - Eu estou bem - eu disse, olhando como se ele tivesse me dado o melhor presente do mundo. Eu estava confusa no início, mas a minha felicidade avassaladora trouxe um sorriso no rosto. Nós comemos e rimos enquanto Lillian e Bex contavam histórias engraçadas sobre Jared. Mesmo Claire foi autorizada a rir algumas vezes. Jared e eu compartilhamos nosso tempo em Little Corn e Lillian correu para ver o meu anel, beijou seu filho na cabeça em aprovação. 379


Lillian olhou para o relógio e sorriu para seu filho mais novo. - Sinto dizer que é hora de dormir, Bex - sorriu. Bex lutou com um olhar de decepção e concordou, parando para me abraçar antes de subir as escadas. - Ual. Que grande menino! - eu sussurrei, observando-o ir. - Ele é. Todos os meus filhos são excepcionais - disse ela, olhando para Bex enquanto subia ao segundo andar. - Sim, eles são - concordei com entusiasmo. Todos nós compartilhamos um sorriso, enquanto que Claire deixou a mesa e juntou nossos pratos. Jared se inclinou para beijar minha testa e Lillian sorriu feliz. - Você faz meu filho mais feliz do que eu já vi. Você não sabe como é maravilhoso vê-lo finalmente sorrir desta maneira. Eu olhei para Jared, que estava estudando meu rosto com adoração profunda. Ele tocou minha bochecha e puxei os meus olhos de seu olhar amoroso, envergonhada pela forma como se comportou tão íntimo na presença de sua mãe. Lutei para desviar os três pares de olhos em mim. - Então... Como é que isso funciona? Bex tem hora para ir para a cama, quero dizer. Ele não fica acordado durante a noite? - Eu perguntei. O riso musical de Lillian encheu o ambiente. - Na verdade, você já disse tudo, certo? - Ela disse, piscando para seu filho. - Quanto mais jovem você for, mais dorme. Eles dormiram quase tanto como as outras crianças quando eram recém-nascidos. Em seu primeiro aniversário não precisa mais de sestas, mas ainda dormem a noite toda. Meu Deus, você e eu teríamos um monte de trabalho se tivéssemos bebês dormindo apenas duas horas por dia! - Ela riu de novo e senti o sangue nas minhas bochechas. Jared se mexeu na cadeira. 380


- Realmente não temos... discutido isso ainda, mamãe. - Oh... Desculpe. - Ela sorriu docemente. Eu sou conhecida por ilusões. Senti a mão quente de Jared cobrir a minha com cuidado. - Vamos dar uma coisa de cada vez. Não quero assustar Nina. Sorri para Jared. - Seria preciso mais do que isso para me assustar. Como se isso pudesse acontecer. - Claire ficou tensa em seu assento e quase simultaneamente Jared fez o mesmo. Lillian olhou para o filho. Eu estava esperando por alguma coisa, mas não parecia assustada. Jared virou a cabeça, ouvindo atentamente. Isso me lembrou de um animal selvagem pressentindo o perigo, alerta, orelhas explorando os movimentos do ar. De repente, Claire se levantou e chutou a cadeira contra a parede. Eu pulei com o som e, em seguida, tudo ficou escuro. - Bex - Claire sussurrou. Jared agarrou meu braço e me levou até as escadas, com Lillian logo atrás de nós. Corremos por um longo corredor e, em seguida, entramos na última porta à direita. Encurralou-me num canto e gentilmente colocou o dedo na minha boca. Foi então que eu percebi que algo estava muito errado. Eu mal podia distinguir a forma de Jared no escuro, quando o vi debruçado sobre a cama de Bex e sussurrar no ouvido de seu irmão antes de desaparecer silenciosamente da sala. Tudo ficou em silêncio por um longo tempo e me assustei quando senti a mão de Lilian no meu braço. Meus olhos dispararam e para frente e para trás entre a porta e Bex, que estava imóvel como uma estátua em sua cama.

De repente, um estrondo ecoou nas escadas e fechei os olhos. Meu coração ameaçou furar meu peito a cada batida. Outro estrondo se produziu em uma área diferente da parte debaixo, em seguida, dois 381


tiros foram disparados. Eu ouvi uma briga, e em seguida, uma voz de homem gritou, interrompendo abruptamente. Bex ficou em sua cama. A sala ficou mais clara à medida que minha visão se ajustou ao escuro. Incapaz de discernir quem estava na casa, quantos e quem ganhou, me disse que Jared estava vivo, assim como eu estava. No momento seguinte, um estranho vestido de preto irrompeu pela porta. A cama estava iluminada pela luz de uma lanterna e no momento seguinte, o homem atacou, arrancando Bex da cama. Corri para frente quando o homem apertou o metal frio contra o menino. - Não! - Eu gritei. Lillian agarrou meus ombros e me puxou contra seu peito. Claire apareceu no caminho da porta, apontando a arma para o intruso. Ela levantou a cabeça de novo, respirando pesadamente. - Faz tempo, Crenshaw. Mesmo na escuridão eu podia ver um sorriso de satisfação no rosto de Claire, como se tivesse a vantagem. Crenshaw pressionou o cano da arma contra a cabeça de Bex. - Claire? - Bex disse, soando tão aterrorizado como eu. - Está tudo bem. Tudo vai ficar bem - assegurou Claire. - Deixe-me levá-lo e irei embora calmamente. Vou deixar o menino na rua - rosnou o homem, com verdadeiro medo implícito em sua exigência. - Você sabe que isto não vai acontecer, Crenshaw. Simplesmente leve a sua vida e vá - disse Claire, olhando para sua arma. Crenshaw aumentou a pressão sobre a arma.

- Eu não posso voltar sem ela, você sabe. Me entregue a menina de Jack e deixarei o menino. 382


A cabeça de Bex se inclinou com a pressão da arma contra sua pele. A expressão de Claire era terrível, mesmo no escuro. - Sabe o que eu vou fazer se você deixar uma marca nele? Liberte a pressão desse cano, Harry. - Eu vou! - Eu disse desesperada para acabar com a disputa. A atenção de Crenshaw se virou para mim. - Nina? - Eu vou com você. Basta deixá-los em paz - eu deixei cair uma lágrima quente escorrendo pelo meu rosto. Claire suspirou, exasperada, com os olhos no Crenshaw. - Eu não vou trocar um irmão por outro, Nina. Fique onde está. Crenshaw engatilhou sua arma e Claire retirou uma mão da pistola e a segurou com a palma para fora em direção Crenshaw. - Está bem. Está bem, Harry. Vou baixar a minha arma. Acalme-se disse, movendo-se lentamente para soltar sua arma. Lillian engasgou um pouco e suas unhas se enterraram nos meus ombros. - Seu coração está acelerado, Crenshaw - disse Claire, levantando lentamente as duas mãos na sua frente. - E? - Então, te alertaram sobre nós, certo? - Sim... E? - Ele resmungou. - Então, quando te advertiram sobre Jared e eu, eles enviaram doze de vocês para levar dois de nós, e vieram aqui com armas em punho, sabendo que a maioria de vocês não sairiam daqui... - Ela levantou uma sobrancelha antes de chegar a seu ponto... - Eles te alertaram sobre Bex? 383


A cabeça de Crenshaw foi lançada em torno de cada lado dele, sem saber o que Claire queria dizer, mas parecia aterrorizado. A pequena mão subiu lentamente no ar. - Prazer em conhecê-lo, Crenshaw. Eu sou Bex. No mesmo segundo o corpo Bex se tornou borrado e a forma escura de Crenshaw se dobrou enquanto gritava. Ouvi ossos quebrando quando a arma do intruso caiu no chão. No momento seguinte, Bex se impôs sobre seu atacante. Em um puxão rápido, Bex puxou o pescoço de Crenshaw e um forte estalo ecoou pela sala. Lillian respirou quando Bex estava sobre o corpo destroçado de Crenshaw. Claire se aproximou de seu irmão um pouco mais alto e mais novo, e abraçou-o. - Eu subestimei você - Claire disse, sorrindo para o menino crescido em seus braços. - E você disse que não seria suficientemente capaz de parecer assustado - zombou. - Eu admito. Eu estava totalmente errada. Houve um segundo que eu pensei que você ia chorar como uma menina. Ele não viu você vir em um segundo - ela disse, apertando seu punho contra a mandíbula dele. Bex brincando deu um soco no braço e bagunçou o seu cabelo. - Você está bem, Nina? - Bex perguntou, virando-se para mim com uma expressão preocupada. Eu só pude levantar os cantos da boca por um segundo, grata quando Claire fez sinal para segui-la lá para baixo. Eu dei um passo para trás, enquanto observava Bex passar pelo corpo de Harry Crenshaw como se fosse um móvel.

Jared entrou pela porta momentos depois e, após analisar a cena, foi direto até mim. 384


- Você está bem, querida? - Ele perguntou, me puxando com força em seus braços. Eu acenei. - Onde você estava? - Eu tinha que cuidar de algumas coisas no piso térreo. Você tem certeza que está bem? – Perguntou novamente, segurando meu rosto com as mãos e estudando meu rosto. Eu acenei novamente, e então eu dobrei meus joelhos. Jared levantou-me em seus braços e me levou para baixo através da escuridão. - Devo ligar as luzes? - Perguntou Lillian. - Ainda não - disse Jared. Ouvi Claire descer as escadas e remexer num armário no banheiro. Com uma pequena lanterna na boca, ela se virou para olhar suas costas no espelho, enquanto botava um band aid rosa da Hello Kitty em um corte profundo em seu ombro. Jared me levou para fora, no ar da noite. - Tome algumas respirações lentas e profundas. Você vai se sentir melhor em breve. Senti um cobertor em torno de mim quando Lillian me beijou na testa. - Sinto muito, querida. Vamos tentar novamente outra noite. Eu não podia responder. Ela agiu como se o assado tivesse queimado e não como um grupo de homens havia invadido sua casa e atacado sua família para sequestrar um de seus convidados.

- Eu preciso levar Nina para casa. Claire e Bex podem limpar. Chamem-me se houver algum problema - disse Jared. Lillian assentiu e beijou o filho. 385


- Sinto muito – disse engasgada, com a culpa me esmagando. A mãe de Jared segurou meu rosto com a palma da mão e olhou para mim com profunda simpatia. - Isso não é culpa sua, Nina. Não é culpa de ninguém. É o que é. Ela deu de ombros com um pequeno sorriso e tentei corresponder a sua expressão, mas eu estava com medo de que, se soltasse um suspiro mesmo por um momento, eu desabaria na frente de todos. Uma vez no SUV, pedi para Jared me levar para Andrews. - Por quê? - Ele perguntou muito surpreso. - Eu só quero ir para casa - eu disse, olhando para fora da janela. Jared entrelaçou os meus dedos com os dele. - Sinto-me melhor se você ficar comigo esta noite. - Eu... eu... eu só quero dormir na minha cama - eu disse, tropeçando em minhas palavras. Eu tinha tomado uma decisão antes de entrar no carro. - Sim, se é isso que você quer - então suspirou resignadamente e logo pegou uma estrada que levava para Brown. Jared lentamente estacionou ao lado do meio-fio e desligou o motor. Sem uma palavra, puxou o cinto para me deixar sair. - Nina? - Jared chamou quando ele me alcançou. Eu não acho que seja uma boa ideia, você não está em condições de ficar sozinha. - Beth está lá - eu disse e ele continuou andando. Ele parou apenas quando cheguei à porta.

- Você não quer ficar perto de mim hoje à noite, certo? Não queria dizer. Implorei a mim mesma para não fazer, mas tinha que dizer as palavras. Lágrimas ameaçavam cair, mas segurei forçando.

386


- Eu não posso fazer isso, Jared. Ele se mexeu desconfortavelmente de um pé para outro, enfiando as mãos nos bolsos. - Não pode fazer o quê? - Nós temos que voltar para como as coisas costumavam ser disse, tentando evitar que minha voz se quebrasse. Eu podia ver as nuvens se formando em seus olhos. - O que você está falando? - Ele perguntou com cuidado. -Eu... – Apertei meus lábios, com medo de dizer as palavras que seriam fisicamente dolorosas para dizer. - Não acho que nós devemos ficar juntos. Não vejo como isso pode funcionar. Jared estava instantaneamente irritado. - Não faça isto. Você acredita que o que aconteceu na casa de Lillian esta noite foi sua culpa. - Ele apertou meus ombros. - Não é culpa sua, Nina. - Eles foram para a casa de sua mãe, Jared. Por mim. Se eu não estivesse lá, não teriam ido. Pare de dizer que não é minha culpa. É. Os olhos de Jared se estreitaram. - Como exatamente você acha que isso vai ajudar? Esta não é a primeira vez que alguém foi em nossa casa. Não é a primeira vez que Lillian fica em perigo. Ela foi casada com o anjo da guarda de Jack Grey, Nina. Vem com o trabalho. - Ele relaxou um pouco e me puxou em direção a ele. - Nós podemos cuidar de nós, certo? Eu me afastei dele, surpresa com seu comportamento casual. - Você me leva para conhecer sua família e espera que eu não me preocupe com o que acontece com eles? Jared segurou minhas mãos e suspirou em frustração. Podia ver que estava desesperado, por ver que eu tinha razão.

387


- Não aconteceu nada. Eu percebi que você estava com medo, mas estava completamente sob controle. Você acha que Bex já não viu coisa pior? - Na sua casa? No seu quarto? Seu irmão de 11 anos quebrou o pescoço de um homem em seu quarto, Jared. Isso não é normal... - Nós não somos normais! - Ele respirou fundo para manter a voz calma. - Bex só tem que treinar com a Marinha, Nina. Você não está salvando-o ao fazer isso. É o que somos. O que você acha que conseguirá se afastando? - Ele balançou a cabeça e olhou para mim como se eu tivesse perdido minha cabeça. Mas eu estava determinada. - Eles vão se manter focados em mim, fora da casa de sua mãe. Os olhos de Jared escureceram e uma expressão séria escureceu seu rosto. - Então não voltará lá. Se é isso que você quer, vamos ficar longe de casa. Jared estendeu a mão para me agarrar, mas me afastei. Eu balancei minha cabeça. - Eles já sabem quem são. Sabem onde sua mãe vive. Sabem sobre Bex agora. O dano está feito, Jared. - Você está sendo irracional. Isso não faz sentido - disse ele em uma voz estrangulada. Eu olhei para a calçada. - Não torne isso mais difícil... - Do que já é? Original. – resmungou - Como é que vamos passar por isso, Nina? Já não tenho permissão para falar com você ou tocá-la? Você espera que eu passe por isso de novo?

388


Sua pergunta direta enviou um novo raio de culpa atirando através de mim e eu lutei para evitar a dor da culpa que eu sentia predominante por Lillian. - Eu não sei o que espero, só sei que isto é muito difícil... é muito... Eu vou acabar fazendo que matem a sua família! Você não se importa? - Ele revirou os olhos. - Você não vai fazer que matem a minha família. Três em cada quatro de nós são mestiços, Nina. Doze humanos bem treinados não puderam sair vivos da nossa casa esta noite. Você não tem que fazer isso! - Híbridos - insisti. - Eu não discuto isso. Você sabe que tenho razão. Eles sabem que podem atingir um de nós com o outro. - Então resolveremos o problema fugindo disto. Não posso acreditar que você está dizendo isto - disse ele, irritado. - Você de todas as pessoas, que parou na chuva gelada por quinze minutos, porque não queria esperar mais dias para conversar! Quem cortou sua própria mão e quase quebrou o braço, porque tinha que falar comigo? Dois dias atrás, decidimos como seria o nosso casamento, Nina! Você vai se afastar de tudo pelo que temos lutado? Eu não podia argumentar então eu apenas balancei a cabeça. Jared pegou meus ombros. - Não acredito. - Você disse que precisava de normalidade - eu hesitei, minhas próximas palavras poderiam machucá-lo. - Eu não posso ter uma vida normal com você. Os olhos de Jared ficaram azul escuro. - Não minta, Nina. Você quer ir porque tem medo de algo acontecer com a minha família, se ficarmos juntos. Eu estou dizendo a você, nada vai acontecer. Eu estou lhe pedindo para confiar em mim. Aproximei a minha mão para tocar sua bochecha, sua mandíbula apertada debaixo de sua pele.

389


- Algo vai acontecer. Eu não sei mais o que fazer Jared. Ambos temos que ter algum tipo de vida. - Eu não posso ter uma vida sem você. Eu não quero uma vida sem você. - Ele engoliu em seco. Seu rosto estava agoniado. Eu pressionei meus lábios juntos, determinada a fazê-lo acreditar na mentira. - Não é assim que eu quero viver. Medo, culpa, olhando por cima do meu ombro. Nós não podemos nem nos aproximar. Jared pegou minha mão e apertou seus lábios contra os meus dedos, fechando os olhos com força. - Por favor... por favor, não faça isso. Eu não posso voltar a isto. Eu quase desisti. Eu queria, mas eu estava focada na culpa que eu sentia, quando eu disse adeus a Lillian. - Você tem que ir. - Eu coloquei a chave do loft em sua mão. - Nina - se engasgou... olhando para a sua mão como se eu tivesse colocado uma brasa quente ali. Abaixei-me para tirar o anel do meu dedo e ele pegou minhas duas mãos. Seu rosto encolheu como se tivesse levado tudo o que ele poderia segurar. - Não quebre sua promessa. Eu relaxei minhas mãos em meus lados. Ele estava certo, eu havia prometido. Jared me pegou pelos ombros e beijou-me profundamente, e eu deixei. Devolvi o beijo com a mesma tristeza e medo. Ele me segurou com tanta força que eu achei difícil respirar, mas eu não me importei. Deixei que ele me abraçasse e me beijasse do jeito que eu queria. Seria a nossa última noite juntos. De repente, se afastou, apenas alguns centímetros, mas me manteve firmemente em seus braços.

390


- Eu vou fazer o que você quiser, Nina. Se tivermos que ir, nós vamos. Se você precisa de intimidade, vamos fazer amor. Eu vou te dar o que você quiser. Renunciarei a tudo o que tenho. Eu renuncio a minha família. Podemos subir no carro agora e apenas dirigir, nem sequer olhar para trás. Só não me peça para fazer isso. Eu não posso fazer. Eu não posso... - se afogou. Eu me afastei de seu aperto e abri a porta. Jared me puxou de volta para seus braços e me beijou novamente. Uma vez que eu senti as lágrimas caírem pelo meu rosto eu me afastei, mas ele me segurou contra ele. Finalmente tive que empurrá-lo uma e outra vez, até que me deixou ir e entrar pela porta. Os passos para o meu quarto eram infinitos. Eu estava concentrada na minha missão, recusando-me a desmoronar. Jared tinha dito que estava disposto a desistir de tudo por mim, inclusive de sua família, não poderia deixá-lo fazer isso. Não poderia deixar que os Ryel ficassem com feridas por minha culpa, seja fisicamente ou perdendo Jared. Eu não conseguia olhar para os olhos de Jared se perdesse outra pessoa em sua família por erros de meu pai. Limpei meu rosto e coloquei meu cabelo atrás das orelhas antes de abrir a porta. Beth estava sentada em seu computador. - E ela está em casa! - Beth disse, emocionada, virando-se em sua cadeira. Seu tom mudou rapidamente quando viu meu rosto. - Oh meu Deus, Nina! O que aconteceu? - Jared e eu terminamos - murmurei, colocando o meu pijama. Queria dormir. Era a única coisa que poderia aliviar a dor nas minhas costelas retorcidas. - Você não conheceu sua mãe hoje à noite? O que aconteceu? - O inferno começou - eu disse, esfregando meu rosto com as mãos.

- Ugh! Por que o inferno não pode ficar onde está? Por que sempre tem que aparecer? - Ela se queixou. 391


Eu tentei sorrir, mas minha boca não iria cooperar. Eu não podia dizer a verdade e não queria mentir. - Simplesmente não estava funcionando. - O que você está falando? Você tem falado sobre a eternidade com esse cara. Olhei para a ventilação no telhado e depois voltei para Beth. - É a única maneira que eu conheço para salvá-lo. - Beth ficou em silêncio. - Salvar do quê? -De mim.

392


Capitulo 16 - Apenas continue andando - disse Beth, me persuadindo para aula. Jared permaneceu em pé contra a parede ao lado da porta. Não falou nem se aproximou de mim, somente observou enquanto Beth me guiava ao interior. Meu peito doía diante de seu olhar cansado. Não tinha dormido. Dia após dia, Jared continuou me esperando na porta de qualquer lugar em que eu precisava entrar. No final da semana sentia uma sensação ruim no meu estômago cada vez que ia e vinha. Às vezes ele me via passar, às vezes, mantinha seus olhos no chão, mas ele sempre estava lá. A segunda semana foi mais difícil do que a primeira. Jared ainda me esperava em lugares aleatórios no campus e meus amigos começaram a fazer perguntas. Ryan assumiu que ele tinha problemas e começou a me incomodar sobre os detalhes. Eu estava feliz que ele percebeu que era muito doloroso falar e me deixou sofrer em silêncio. Os olhos de Jared escureciam de azul-escuro para quase preto cada vez que ele via Ryan caminhando feliz ao meu lado. Era injusto deixar que seu pior medo se desenvolvesse em sua frente e me arrependi de não ter explicado na noite que terminamos as coisas que ele nunca teria que sofrer por isso. Não poderia estar com alguém sabendo que nunca poderia amar do jeito que deveria e muito menos Ryan. Ele merecia o coração de alguém e o meu pertencia a Jared. Ryan batia em minha porta todos os dias, várias vezes ao dia para me visitar ou caminhar comigo para a aula e eu agradeci a companhia. Era mais fácil funcionar quando eu estava ao seu lado, ele acabou se tornando minha principal distração para esquecer Jared. Qualquer obrigação que sentia por ele tinha desaparecido. Quanto mais o tempo passava, me dava conta de que não era só 393


ele, não sentia nada por ninguém. Me concentrei tanto em fazer Jared não sentir minha raiva que me sentia vazia a maior parte do tempo. Na segunda semana de Abril, tinha aprendido a manter minhas emoções sob controle. Kim, Beth e eu passamos por Jared em nosso caminho para o Ratty como de costume, mas não consegui passar sem que meus olhos involuntariamente fossem em sua direção. Quando o fiz, seus olhos encontraram os meus, e pela primeira vez em um mês, estendeu sua mão e puxou meu braço com firmeza, trazendo-me a poucos centímetros de seu rosto. Beth e Kim ficaram a poucos metros de distância. Não protestaram, mas não me deixaram sozinha. Pensaram que poderiam se meter em uma situação estranha com Jared se ficassem perto para ouvir. Parei na frente dele, teimosamente em silêncio. Jared estudou meu rosto em confusão. Não disse nada, assim que dei um passo em direção à porta. Ele me puxou de volta. Seu doce perfume flutuava ao meu redor e meu peito se apertou. Sentir algo além da sensação de vazio enviou uma onda de pânico sobre mim, então investi contra ele. - O que você quer Jared? Ele fez uma careta diante de meu tom rígido. - Tenho sido paciente. Eu te dei espaço. Mas esta na hora de conversarmos. Tirei meu casaco de suas mãos. - Você não me deu espaço! Está em toda parte. - Eu pensei que talvez você quebraria e me falaria. Isso tem que parar, Nina - ele disse, tentando ficar calmo. - Você está certo. Isso tem que parar. Você pode fazer seu trabalho sem estar em minha vida. Você já fez isso antes.

394


Jared levantou minha mão, vendo seu anel ainda firmemente no lugar. - Se você não se importa comigo, então por que está tão inflexível em manter sua promessa? - Ainda é uma promessa... não importa para quem seja disse, puxando a minha mão. Meu pulso doía ao lembrar o calor de sua mão. - Esse anel será um pouco inconveniente quando se casar um dia destes, não acha? - Eu posso tirá-lo se assim você deseja - dei de ombros. Os ombros de Jared relaxaram e se estabeleceu o esgotamento. - Não aja como se isso não a ferisse. - Eu... - Deveria ter mentido e dizer que estava bem, mas não conseguia. A dor em seus olhos era insuportável, assim me retirei para o Ratty. A mão de Jared agarrou a manga do meu casaco novamente, mas desta vez eu me virei, puxei meu braço e o afastei, em seguida, abri a porta. Beth e Kim me seguiram rapidamente. Sentei-me entre Ryan e Tucker, tranquilamente pegando minha comida. - Nina você não tem comido muito ultimamente - disse Ryan Parece que emagreceu. Estou começando a me preocupar com você. - Estou bem - murmurei. Ele revirou os olhos e jogou as batatas fritas em seu prato. - Sei que você está bem. Você tem estado bem durante um mês.

395


- Eu estou bem! - Todos os olhos no salão pareciam apontar em minha direção, procurando a fonte do barulho. Levantei-me e sai, deixando minha bandeja sobre a mesa. Passei rapidamente por Jared e fui diretamente para o meu dormitório, decidindo fugir da minha aula da tarde. Concentrei-me muito em não ter nenhuma emoção tomando grande parte da minha energia, eu teria que tirar mais cochilos do que o habitual. Rolei como uma bola debaixo do meu cobertor e limpei minha mente. Em pouco tempo, me deixei ir.

Acordei com uma batida na porta. Estava escuro, tinha dormido por horas. Meus músculos estavam pesados e congelados, assim, esperei por Beth para responder. - Oi, o que aconteceu? - perguntou ao visitante em voz baixa. - Nina está aqui? – perguntou Ryan, olhando ao redor. - Ela está dormindo – sussurrou Beth. - Não, eu estou acordada. Entre Ryan – eu disse. Ryan atravessou o quarto e pulei quando ele se deixou cair sobre a cama. - Você tem que se recuperar. - Cale a boca, Ryan – disse limpando o rímel inevitavelmente borrado em meus olhos. Ele pressionou suavemente seu polegar debaixo do meu olho para arrumar um lugar que eu tinha me esquecido. - Vamos sair. Quero que você venha conosco. Neguei com minha cabeça. - Não, obrigado. Eu não... - Eu sei que você não quer, Nina. Você nunca quer fazer nada. Mas você precisa - disse, esmagando as partes do meu 396


cabelo que estavam fora do lugar. - Agora as coisas vão feder. Que você esta infeliz, todos nós vemos, mas talvez se ele achar que está feliz, recue. Olhei para ele. - O quê? - Eu só queria dizer que provavelmente ele está próximo porque esta preocupado com você. Ele vê você tão infeliz. Se ele achar que está bem sem ele... Talvez deixaria você viver sua vida. Peguei seus ombros e o soltei com força, em seguida, caminhei até o outro lado do quarto para pegar meu casaco. - Caminhe comigo – eu disse mantendo a porta aberta. Ele arqueou uma sobrancelha e se levantou com má vontade. - Você está bem? - Estou perfeitamente bem, vamos - disse o apressando em direção à porta. Eu peguei sua mão e o arrastei em direção ao estacionamento. Quando chegamos ao meu carro Ryan fez uma pausa. - Vamos a algum lugar? - Somente entre. Ele não se moveu. - Você está me assustando, Nigh. - Por favor? - Primeiro você vai me dizer para onde vamos? - Para um lugar onde podemos conversar. Apenas... confie em mim - eu disse, consciente que parecia completamente louca. - Nina, eu confio em você. Só acho que não esta sendo você mesma esses dias. 397


- Se você confiasse em mim, já estaria no carro. – Deslizei-me para o banco do motorista e esperei. Depois de um tempo, Ryan abriu a porta e sentou ao meu lado. Eu sorri e toquei sua mão. Obrigada. Ryan me deu um meio sorriso e apertou minha mão, segurando-a com força durante toda a viagem para a casa dos meus pais. Quando entramos no carro, ele soltou - Uau - disse em voz baixa. Desliguei o motor e verifiquei cada janela para detectar qualquer sinal de Cynthia, mas a casa estava às escuras. Ryan me seguiu pelas escadas até o escritório do meu pai e fechei a porta atrás dele. Ele olhou ao redor, claramente nervoso. - Podemos conversar agora? - perguntou. Quando assenti, deixou escapar um forte suspiro, frustrado. - Que diabos está acontecendo com você, Nina? Eu falo sério... Está começando a me preocupar. Eu gostaria que me deixasse ajudar. Fechei meus olhos silenciosamente que pude.

com

alívio

e

sussurrei

o

mais

- Há algo que você pode fazer. Ryan se inclinou mantendo sua voz baixa como a minha. - Só diga. Mantive meus olhos fechados, me encolhendo diante do pedido que viria. - É realmente... Realmente egoísta. É horrível. É a pior coisa que eu posso pedir, mas acho que o único que vai dar certo. É a única maneira para que ele siga em frente. - Dei uma espiada, temerosa de sua resposta. - Trata-se de Jared? – ele disse. Assenti. - Tudo bem, vamos ouvi-la. 398


- Eu... - A expressão esperançosa de Ryan me fez duvidar. Não estava certa de chegar até o final, inclusive se ele estava de acordo. - Nigh, não seja um pé no saco. Só tem que dizer – ele disse olhando para mim. - Preciso que saia comigo – suspirei apenas um sussurro. O rosto de Ryan imediatamente se comprimiu. - O quê? Por que você está sussurrando? Ignorei sua última pergunta. - Preciso que saia comigo. Você sabe, me leve a encontros, filme, almoce comigo, caminhe comigo para a aula... E saia comigo a noite. - Forcei um sorriso artificial. - Eu vou pagar. - Precisa que eu saia com você – repetiu com voz monótona. - Jared tem em sua cabeça que você e eu estamos juntos disse. O rosto de Ryan se transformou em desconfiança. - Apenas... Confie em mim. Isso é o que ele pensa, e é a única maneira para ele aceitar que estou superando, com você. Ele disse uma vez que ficaria afastado se eu escolhesse você. É só por alguns meses, somente até que se dê por vencido e então você não tem que fazer mais nada - implorei. Ryan riu pegando a minha ideia ridícula. - Não tenho que fazer mais isso? Você sabe que isso é melhor do que qualquer coisa que eu jamais poderia ter esperado, certo? - Ryan... - Temendo que se ofendesse e decidisse não me ajudar, eu hesitei. - Tenho que ser honesta com você... Sempre seremos amigos. Eu me preocupo com você, mas não posso deixar você entrar nisso achando que vai se tornar algo mais. Apenas fingiremos. Não posso... Não me vejo com mais ninguém. Nunca. Eu exalei, contente de que parte da conversa tinha acabado. Ryan revirou os olhos. 399


- Por que passar por uma farsa? Porque não obter apenas uma ordem de proteção? Olhei para as minhas mãos. - Só está me seguindo porque ele sabe que eu ainda o amo. Ryan não esperava a minha resposta e seu nariz enrugou em resposta. - Se você ainda o ama, então por que não está com ele? Cruzei os braços. - Vai me ajudar ou não? - Josh vai pensar que estou louco. Neguei com a cabeça. - Não pode dizer a ninguém. Nem Kim, Tucker ou Josh, nem a sua mãe. Se você contar a alguém, mesmo uma pessoa, ele vai saber. - Ele é do FBI ou algo assim? – disse Ryan olhando em volta parecendo assustado. - Em que você esta metida, Nigh? - Você fará isso por mim? Sei que parece loucura, e sei que é pedir muito, mas você é o único que pode me ajudar - disse desesperadamente puxando sua camisa. - Fingir ser seu namorado? Mentir a todos os meus amigos? Deixar que quebre o meu coração quando está tudo dito e feito? Confirmei com a cabeça. - Claro - disse sorrindo. Eu não tinha certeza se as lágrimas caiam pelo fato de que Ryan tinha concordado em me ajudar, ou que o meu plano funcionaria, mas eu o agarrei e abracei como se precisasse dele para respirar. Ele retribuiu o abraço, então se afastou, olhando em meus olhos.

400


- Eu vou me arrepender disso. Eu já posso dizer - disse, sorrindo suavemente. Voltamos para a Brown e enquanto caminhávamos no estacionamento, Ryan pegou minha mão. - Se vamos fazer isso, temos que fazer direito, não? Ninguém vai acreditar se nunca nos tocamos. - É. Lutei para manter minhas emoções sob controle enquanto caminhávamos pelos corredores do meu dormitório. Jared podia nos ver e lutei contra a culpa que sentia por feri-lo. Se iria enganálo, teria que me concentrar em me sentir confortável e feliz com Ryan. Paramos na porta e Ryan soltou minha mão. - Tem certeza de que não quer vir conosco esta noite? Depois que confirmei, Ryan se inclinou e beijou o canto da minha boca. Deixei que meus sentimentos por ele como amiga sobrepusessem a falta de jeito para que Jared não descobrisse. Eu sorri enquanto ele voltava a caminhar pelo corredor.

Nas semanas seguintes, Ryan me manteve ocupada me levando ao cinema, para almoçar e me acompanhando para jantar. Passamos um tempo juntos todas as noites e compartilhamos a mesa de café da manhã todas os dias. Ele até começou a cancelar os planos com os amigos. Logo, todos estavam convencidos de que estávamos tendo uma relação não tão secreta. A princípio foi incomodo para ambos, mas depois da primeira semana nos acomodamos em nossos novos papéis. Ryan fez uma aposta. Apostamos na rapidez em que alguém nos perguntaria sobre nossa relação e quem seria.

401


Nossa amizade ficou mais forte enquanto os dias passavam e comecei a depender dele mais do que para enganar Jared. Ryan anestesiava a dor, não demorou muito para que eu encontrasse desculpas para ficar perto dele. Finalmente chegou o dia em que tinha apostado que Kim perguntaria qual era nosso estado. Fiz um show esticando minhas pernas no colo de Ryan. - Malandra – Ryan sussurrou baixo demais para que alguém pudesse nos ouvir. - Ok, vocês estão juntos ou não? - Perguntou Kim. Ryan sorriu e levantei meus cinco dedos, lembrando-o que me devia cinquenta dólares. Ryan balançou a cabeça para minha alegria e, em seguida, examinou a mesa. Todos esperavam ansiosamente a resposta. - Obviamente - disse enquanto esfregava minha perna. Um sorriso largo apareceu no rosto de Kim. - Eu sabia. Beth e Chad se olharam. Não tinha que perguntar o que estava errado porque eu já sabia: ela pensava que eu estava cometendo um grande erro. - Bem, isso explica o porquê de ter nós largado cada fim de semana - disse Josh. - Por que não saímos na sexta-feira? - Ryan deu de ombros. Lancei um olhar de surpresa e ele sorriu. O aniversário de Jared era no domingo e o único presente que eu poderia dar a ele era passar o fim de semana sozinha. - Eu tenho planos com a minha mãe neste fim de semana expliquei. Ryan passou a esfregar meu ombro.

402


- Mas não é até sábado, certo baby? Podemos ir ao pub na sexta-feira. Prendi a respiração para não gritar com ele. Não podia detonar nosso plano por me recusar em ir ao pub ou ele ficaria desconfiado. Pior ainda, não poderia dar um acesso de raiva depois porque Jared poderia ouvir. - Então você vai? - Perguntou Beth. - Parece que sim – eu disse tentando não olhar para Ryan. Ao deixar o Ratty, percebi que algo estava diferente. Tinha prendido a respiração e me preparado para ver Jared na porta, porém não estava em seu lugar de costume. Não me esperava. Meus olhos se encheram de lágrimas. Finalmente o tinha ferido o suficiente para afastá-lo. - O que, Nigh? - Ryan perguntou tocando minhas costas. Não podia falar. Jared finalmente tinha entendido. Eu tinha ganhado... E também tinha perdido. - Nina – disse Beth me levando para baixo de sua asa como uma mãe galinha. - Vamos para casa. - Você quer que eu vá? - Chamou Ryan atrás de nós. - Eu me encarrego. – Beth acenou com a mão enquanto continuamos caminhando. Assim que Beth fechou a porta, sua expressão se transformou de simpatizante a indignada. - Tudo bem, você vai me dizer o que está acontecendo e vai me dizer agora... Ou me ajuda, ou eu vou ligar para Cynthia! Enquanto pensava se eu iria mentir ou dizer a verdade, Beth bateu o pé. - Nina! - Estou bem.

403


Beth estreitou seus olhos. - Sei que você está bem. Todos sabem que você está bem. Mas você não esta bem! E o que você está fazendo com o Ryan? Você é ridícula! Minha cabeça sacudiu para me encontrar com seu olhar penetrante, muito consciente do microfone nas grades de ventilação. - Somos amigos há alguns meses, Beth. Eu me preocupo com ele e ele se preocupa comigo. Nós estamos apenas tentando ver onde vai dar. - Mentirosa – ela ferveu, revirando os olhos. - Você ama o Jared. Não sei por que ele está praticamente te perseguindo, ou por que não vai falar com ele quando hoje era tão óbvio que estava com saudades... Mas sei que você o ama. E ele te ama! – Disse, o tom de sua voz aumentando com cada ponto. - Você não sabe tanto quanto acha que sabe - reclamei. - Jared esta sofrendo, Nina. Você não se importa? Fechei os olhos. - Podemos, por favor, não falar sobre isso? - Implorei. Beth sentou ao meu lado em minha cama, com sua voz calma. - Você precisa falar com alguém. - A única pessoa que eu posso falar sobre isso é Jared e não posso falar com ele. - Quem disse? – Perguntou franzindo o nariz em desgosto. - Eu. Ela revirou os olhos. - Claro. Porque você o está salvando. Neguei com a cabeça e a olhei. 404


- Por que você me pressiona com isso? Pensei que você gostasse do Ryan. - Eu gosto. Mas você pertence à Jared. É a sua felicidade que me preocupa, e você não está feliz agora. Você é completamente o oposto de feliz - disse tocando meu braço. - Estou fazendo o que é certo - eu disse secando minhas lágrimas. - Eu estou. - Como pode ser certo se você está tão triste? Para mim, a discussão tinha acabado. Cruzei o quarto para pegar um pijama na gaveta. - Nina, não. Não vai dormir. Você dorme o tempo todo. Tem que encontrar outra maneira de enfrentar a situação. Ou simplesmente seguir em frente... - Cala a boca, Beth. A atenção de Beth foi atraída para a batida em nossa porta. Me aproximei, pijamas na mão, e abri a porta. O boné de Ryan estava puxado até seus olhos de modo que só podia ver seu sorriso branco e covinha profunda perfeita. Ele empurrou uma pequena pilha de papéis em minhas mãos e sorriu. - Eu trouxe as anotações - disse, empurrando o boné. Teremos os exames finais na próxima semana, você sabe. - Obrigado - eu disse, colocando os papéis na minha mesa. - O que vai fazer esta tarde? Quer ir tomar um café? Perguntou com seus olhos fixando o pijama em minha mão. - Oh, não. Não está indo dormir. - Com isso, Ryan agarrou o pijama das minhas mãos e o atirou para o outro lado do quarto. - Estou cansada. Não dormi bem na noite passada - reclamei. - Você está sempre cansada. Precisa sair e tomar sol. Está um dia bonito. Poderíamos ir passear um pouco no parque. 405


Eu balancei a cabeça, tentando afastar qualquer lembrança que pensava criar. Os olhos de Ryan se estreitaram e em seguida, sorriu. - Isso é tudo. Vamos para a cidade, perderemos o tempo dando voltas e então eu vou te levar para jantar. - Não acho que... -E depois vamos ao pub e ficaremos bêbados. Você já teve dias assim - disse, sem deixar de sorrir. Beth olhou para nós de seu livro. - Ela tinha esse tipo de mês. Vou ligar para o Chad. Nos encontramos lá. - É um encontro - disse Ryan, limpando o rímel debaixo dos meus olhos com os polegares. - Estarei de volta em uma hora. Quero que se vista para uma noite na cidade. Arqueei uma sobrancelha. - Isso é uma ordem? - Sim. Eu sou um namorado exigente e exijo que você tenha uma tarde cheia de diversão, cheia de jogos de slogan, boutiques, boa comida e bebida. Inclusive conseguir uma manicure. Vocês garotas gostam dessa merda, né? - Ah posso ir? Preciso com urgência de uma manicure e pedicure! – Beth reclamou. Lancei um olhar chocada. - Esta falando sério? - Muito Sério. Ryan e Chad podem nos deixar e ir fazer coisas de garoto e voltar a tempo para o jantar. Podemos ficar polidas e enceradas e... eu odeio dizer isso, Nigh, mas você precisa de uma transformação. Vou tomar banho! - disse, pegando suas coisas.

406


- Beth... - comecei a dizer, mas ela já estava fora da porta. Fulminei Ryan com os olhos. - Não me sinto à vontade para sair esta noite. - Por favor? - Suplicou. Rodeou-me com seus braços e balançou para frente e para trás, pressionando seu rosto contra o meu. - Um último grito de alegria antes da semana de provas? Se não se sentir bem, pode me fazer sentir miserável pelo resto da minha vida. De acordo? - Perguntou, se inclinando para trás até que meu cabelo tocou o chão. Tive que sorrir. Ela estava tentando arduamente me animar. - Está bem. Um sorriso enorme varreu o rosto de Ryan e nos endireitou. - Vou te pegar em uma hora. Nos vemos em breve – disse enquanto desaparecia pelo corredor. Cinquenta e seis minutos depois, a porta estava sendo atacada por fortes batidas, incessante. Quando Beth abriu a porta, Chad e Ryan continuaram batendo com os punhos. - Esta aberta! - Beth gritou acima do barulho. - Você está maravilhosa! - disse Chad, beijando Beth docemente em sua bochecha. - Ah... você sabe que eu adoro quando usa palavras grandes riu, envolvendo seus braços ao redor dele. Ryan me olhou fixamente. - O quê? - Perguntei, olhando para o meu pequeno vestido preto. Demais? - Não! Não... É que... Não creio que já te vi em um vestido. É bonito. Dei de ombros. - Pensei que me sentiria melhor me arrumando.

407


- Se sente? - Acho que sim - sorri. Ryan baixou as janelas do seu Toyota Tundra preto e ligou o rádio na primeira canção de rock que apareceu. Os meninos cantaram, mas ainda não conseguia entender as palavras. Beth e eu ríamos pelas caretas que faziam quando cantavam uma serenata engraçada e às vezes os pedestres riam divertidos e confusos ao passar. Já no salão, Beth e eu saímos para a calçada e acenamos com a mão enquanto o Tundra desapareceu pela esquina. - Esses garotos. - Beth sacudiu a cabeça antes de se virar para mim. - Vamos! - disse, me arrastando para dentro. Afundei-me no meu assento enquanto minhas mãos e pés foram escovados, lavados, exibidos, removiam a cutícula, polidos e hidratados. Beth conversava com as manicures sobre os nossos planos para a noite, que seu namorado era maravilhoso e sua próxima pesquisa de apartamento. - Você vai ficar em Providence? - perguntei minhas sobrancelhas arqueando. Ela sorriu. - Chad quer arranjar um apartamento para nós. Não quis dizer nada antes... Com tudo o que está acontecendo. - Você não queria me incomodar. - Beth mordeu seu lábio e assentiu. - Você poderia ter me dito Beth. Acho que é fantástico - disse, agarrando sua mão. - Sério? - Vocês são incríveis juntos. Não é necessário se preocupar comigo, ficarei bem - disse apertando sua mão.

408


- Sim... Que bom é exatamente o que me preocupa - queixouse. Duas horas mais tarde, a Tundra de Ryan buzinou da calçada. Ryan abriu a porta para nós e, em seguida, pulou para dentro, desligando a música. - Se divertiu baby? - Perguntou, beijando minha bochecha. - Sim, foi divertido - respondi. -Bem, você está linda. Estou com medo de te levar para qualquer lugar com esse aspecto. Eu vou ter que lutar com alguém disse, piscando. - Pare com isso - eu sorri, revirando os olhos. Chegamos ao pub, e pude ouvir a música alta da rua. Eu sabia que Kim já havia chegado lá, porque era sua música louca se infiltrando através da porta. Quando entramos, nossos amigos já estavam na pista de dança, os braços no ar, pulando. Ryan pegou minha mão e me levou para o centro da pista, me girando ao redor. Nesse momento eu era como eles. Eu era uma estudante universitária normal com minha vida normal diante de mim. Sorri e me senti natural. Bebi alguns goles, brindando pelo Gran Oso Café e abracei meus amigos. Era uma liberdade agridoce. A música se tornou lenta e Ryan me puxou para ele. Nós dois estávamos suados de dançar, afastei os fios úmidos da franja do meu rosto. Segurando minha mão na penumbra, ele sorriu. - Suas unhas estão muito bonitas. - Meu namorado me obrigou a ir para ao spa hoje. Me fez passar a tarde com uma de minhas amigas - brinquei. - Sério? Parece um grande cara. Se eu fosse você, eu me apegaria ele... Sonha quanto vale a pena. Olhei seu rosto por um momento e então descansei meu rosto em seu ombro. Ryan estreitou entre seus braços apertados em torno de mim e pressionou seu rosto em meu cabelo. 409


- Não seria tão ruim, certo? - Sussurrou em meu ouvido. - Se pararmos de fingir? Fechei os olhos e aguardei em silêncio. Voltamos ao bar para mais uma rodada de bebidas, quando vi Kim indo para fora com um cigarro entre os lábios. Eu cambaleei atrás dela e puxei o emaranhado de cabelos da minha testa enquanto ela acendeu o isqueiro. - Me dá um? - Perguntei, sem fôlego e acenando. - Quer um cigarro? - Perguntou incrédula. Confirmei e Kim deu de ombros, pegando um bastão branco da pequena caixa da mão. Coloquei o cigarro entre meus lábios o prendendo para acender o isqueiro. Quando se acendeu, Jared apareceu diante de mim com um olhar de desgosto em sua face. - O que você está fazendo? - Ele pegou o cigarro da minha boca, partiu ao meio e jogou no chão. - Você não fuma. - Ele franziu a testa em sinal de desaprovação e voltei para Kim. - Você está bêbada, Ryan está bêbado, vou te levar para casa - disse num tom paternal. Virei para abrir a porta do pub, mas Jared agarrou meu pulso. - Então me deixe chamar um táxi - sua voz perdeu sua autoridade e estremeci diante da dor em sua voz. A mão de Jared era a mesma manta quente que eu me lembrava. Depois do número de bebidas que tinha tomado, não podia esconder mais os meus sentimentos. Os olhos de Jared animaram com minha reação. Ele olhou para a minha mão e acariciou minha pele com seu polegar. Ele tinha sentido a sensação pensativa que eu tinha tido em seu toque. Eu me afastei. 410


- Você tem que ir. - Não posso deixar você ir com ele quando ele estava bebendo. - Ryan já... - comecei. - Jared - Ryan disse, saindo do bar. Ele acenou com a cabeça uma vez para Jared e em seguida, olhou para mim e sorriu. - Oi querida - disse, me puxando contra ele e plantando sua boca sobre a minha. Meus olhos se arregalaram com a surpresa e depois fechei com força, tentando esconder o fato de que ele me pegou de surpresa. Depois de alguns segundos, ele se afastou, olhou em meus olhos e em seguida, segurou meu rosto, me beijando novamente. Percebi pela forma em que segurou que já não era para impressionar. Ele tinha esquecido o nosso público quando separou os lábios, tocando sua língua com a minha um pouco. Eu me afastei e imediatamente vi a reação de Jared, sua expressão me assustou. Aos poucos, me movi para ficar na frente de Ryan. - Jared... - avisei. A respiração de Jared era irregular e seus olhos eram tempestades violentas. - Saia do caminho, Nina. - Ela fez sua escolha, Jared. É hora de encontrar alguém mais do que... Jared se lançou para frente e depois se inclinou para trás, apoiado por duas pequenas mãos. - Esta na hora de irmos - disse Claire enquanto seu irmão se congelou sob seu toque. - Oi, Claire! - Ryan sorriu, sem perceber o quanto ele estava perto de outra viagem para o hospital.

411


Claire o olhou com uma expressão desconfortável, mantendo as mãos firmes em seu irmão. Ela parecia surpreendida de que Ryan a reconhecera. O táxi foi parando ao nosso lado e buzinou. Voltei até Ryan, girando para empurrá-lo em segurança. Jared caminhou até mim e pela primeira vez eu me senti mais segura sabendo que Claire estava próxima. - Nina? - Ryan chamou de dentro do taxi. Jared parou a poucos centímetros de mim. - Não vá para casa com ele - implorou seu rosto com compressão interna - Não tem que fazer isso. Eu ficarei longe, você sequer saberá que eu existo. Não faça algo que todos lamentaremos só para me afastar. Ryan mostrou sua cabeça fora da porta aberta. - Quem disse que não já não tenha feito? - Perguntou, agarrando a parte interna da minha coxa. Jared não chegou muito longe quando se lançou sobre Ryan pela segunda vez. Claire manteve sua mão sobre ele. Eu queria contar a Jared a verdade, que ele era o único que sempre tinha desejado dessa maneira e que seria sempre o único. Mas não pude. Ele acabava de me dizer que seguiria em frente e que eu tinha que deixá-lo. - Vamos, Jared. Ela não vale a pena - disse Claire, puxandoo. Jared ficou sem fôlego como se alguém tivesse tirado o ar a pancadas. - Ela vale a pena. Vale mil vezes. - Seus olhos brilhavam, finalmente distanciou seu olhar do meu para acompanhar sua irmã. Eu deslizei ao lado de Ryan e ele se esticou sobre mim para fechar a porta. O trajeto do táxi pareceu durar uma eternidade. Eu podia ouvir o papo de Ryan, mas o olhar no rosto de Jared tinha me 412


enrolado em profunda devastação que se tornou cada vez mais difícil respirar. Baixei a janela e descansei minha cabeça contra a porta, deixando o vento gelado queimar meu rosto. - Você está ouvindo? Você está bem? - Perguntou Ryan. Eu não podia responder. Meu coração estava quebrado, uma verdadeira dor física irradiava do meu peito e sobre todo o meu corpo. Ryan colocou suavemente a mão no meu ombro e me empurrou contra ele. Esperei sentir o conforto que sempre sentia com ele, mas só me fez sentir pior. Quando chegamos a Brown, Ryan deu um passo adiante para pagar o motorista e, em seguida, saiu tropeçou ao sair do táxi. Girei algumas vezes enquanto caminhávamos até Andrews e quando chegamos à porta, ele me empurrou em sua direção. - Boa noite - disse beijando minha bochecha. Seus lábios roçaram minha pele enquanto apertou ainda mais em torno de mim e me levava cerca de alguns passos, fazendo uma dança lenta e silenciosa no meio da calçada. - Eu deveria entrar – sussurrei. Os lábios de Ryan roçaram minha bochecha e passaram por cima da minha boca. Ele suspirou enquanto percorria minha outra bochecha e depois me beijou novamente. Ele deu um passo para trás e sorriu. - Eu te ligo amanhã - disse, girando e desaparecendo na escuridão. A cada passo em direção ao meu quarto tratei de descobrir onde tudo tinha ido tão terrivelmente errado. Eu não tinha a intenção de ferir ninguém, ainda assim, cada decisão que tomei parecia causar dor aos outros. Empurrei a porta aberta e cai em minha cama. Através do nevoeiro de uísque remexi no meu passado, tentando lembrar o momento exato em que eu cometi o erro, onde poderia ter feito uma escolha melhor. Se tivesse escolhido ficar com 413


Jared, sem me importar o quão seguro ele estava, sua família estaria em perigo. A minha escolha de terminar as coisas nos deixou em agonia que parecia não ter fim. Convencer Ryan a se envolver em um relacionamento de mentira só fez com que Ryan tivesse falsas esperanças e até mesmo se fosse possível, eu machucaria Jared ainda mais do que já tinha. A chave de Beth sacudiu a maçaneta. Ela caminhou dentro do nosso quarto escuro, atirando sua bolsa na mesa da cabeceira. - Nina? – Sussurrou. - Você está acordada? - Pensei que você iria para casa de Chad - disse me virando para encará-la. Ela se sentou na minha cama e gentilmente colocou sua mão na minha perna. - Queria ter certeza de que você estava bem. - Por que não estaria? - O licor ajudou a manter a minha voz estável. Beth se viu agravada com o meu comportamento calmo. - Todos nós vimos o que aconteceu. Ryan é louco? - Ele estava apenas tentando demonstrar seu ponto. Beth lançou um olhar de desgosto para mim. - Que ponto que seria esse? Que é suicida? Jared poderia têlo amassado como um pedaço de papel e considerando seu estado de humor... Isso foi, muito estúpido. - Eu vou dormir. Tenho muito que fazer amanhã - disse, me acomodando contra o meu travesseiro. - Por que você está tão calma sobre isso? Não entendo você, Nina. Não parece que está pensando claramente. Eu sorri de olhos fechados. - Não estou pensando claramente. Bebi muito. 414


Beth sacudiu a cabeça. - Não está agindo como você. É como se você tivesse deixado a melhor parte de si para trás quando deixou Jared. - Obrigado - retruquei virando as costas para ela. - Não foi isso que eu quis dizer, eu só estou dizendo... - Beth suspirou e então, saiu sem dizer adeus.

***

No domingo de manhã acordei com o som da chuva torrencial contra a janela. Eu olhei para fora, observando o Escalade de Jared na mesma rua. Meu peito doía, sabendo o quão difícil estava sendo para ele ficar sozinho em seu aniversário. Fantasiei sobre levar um presente, ou apenas correr e abraçá-lo, mas não podia fazer nenhum dos dois. Assim que fechei a porta atrás de mim voltando do chuveiro, houve uma batida na porta. - Só um minuto! – gritei me apressando em colocar alguma roupa. Abri a porta e vi o rosto sorridente de Ryan, seu cabelo todo molhado. - Eu estava me perguntando se você queria uma carona? - Sua caminhonete está no pub, Ryan. Ele sorriu, enxugando a água que corria pelo seu rosto desde o seu couro cabeludo. - Josh me levou para buscá-la mais cedo. Quer ir? Balancei minha cabeça. - Está chovendo lá fora. - Então... – parou, empurrando as mãos nos bolsos. - Quer sair um pouco? 415


Eu sorri tristemente. - Tenho um exame importante amanhã, no primeiro horário. Tenho que estudar. Ryan deu de ombros novamente. - Eu posso ajudar. - Eu tenho que fazer isso sozinha. Você sabe como eu sou disse com desdém. - Sim, eu só... - ele suspirou. - Não consigo parar de pensar naquele beijo. - Oh. Ryan passou por mim entrando no meu quarto. - Eu sei que você disse. Mas... Você não tem nenhum sentimento por mim? Não podemos deixar de fingir você teve tempo suficiente para descobrir se eu posso te fazer feliz? Eu posso, sabe... Fazer você feliz. A menção de Ryan ao nosso acordo me fez olhar para a grade de ventilação, mas isso não importava. Jared viu através de mim desde o início. - Você me faz feliz. - Só não tenho nada para dizer... balancei minha cabeça. - Não posso falar sobre isso agora. Tenho que estudar, - disse abrindo a porta. - Você tem planos para o jantar? - Perguntou. Eu o abracei. - Não. Conversamos amanhã. Isso poderia ser o início do fim. Jared concordou em ficar longe e Ryan sabia que nosso tempo era limitado. Ele assentiu e saiu do meu quarto, decepcionado. Era impossível estudar sabendo que Jared estava fora. Olhei para fora da janela molhada pela chuva para ver que Jared não 416


tinha se movido. O desejo de ir até ele voltou incontrolável, assim que peguei minhas chaves e me preparei para fazer uma pausa para tomar café fora do campus. Dirigi apenas alguns quarteirões até o café mais próximo e entrei, pedindo o de sempre. Passei um tempo olhando os diferentes rostos indo e vindo. Fantasias de surpreender Jared com um presente se mantiveram em meus pensamentos e finalmente decidi voltar para o meu quarto. Assim que eu saí, notei que Jared estava próximo. Sua camisa estava molhada por estar na chuva e prendi minha respiração enquanto passava. As olheiras abaixo de seus olhos eram escuras e seu rosto parecia mais pálido que seu tom dourado natural. Meus pés se recusavam a dar mais um passo. Sem importar o que tivesse dito eu ainda o amava. Não podia fazê-lo sentir como um fantasma em seu aniversário. Fechei meus olhos, sabendo que iria contra tudo o que tinha trabalhado nas últimas seis semanas. Estava em uma encruzilhada e estava prestes a pegar deliberadamente o caminho errado. Girei sobre meus calcanhares e caminhei em sua direção. Jared me olhou com cautela, obviamente sem saber o que esperar. Mesmo que eu tenha feito de nós estranhos nas últimas semanas, pareceu certo estar perto dele outra vez. Não sentia incomodo ou tensão e pude ver além de sua expressão cautelosa que ele sentia o mesmo. Eu tomei uma respiração profunda. - Feliz aniver... Antes que eu pudesse terminar, Jared agarrou meu ombro e me empurrou contra ele em um beijo profundo. Meus lábios derretidos contra o familiar calor de sua boca e enquanto respirava seu incrível perfume, me senti uma pouco tonta. Quando Jared percebeu que não me afastaria, envolveu seus braços ao meu redor

417


e me segurou com força contra ele, desavergonhadamente aproveitando o momento. Minutos se passaram e eu pude ouvir o riso das crianças e algumas adolescentes enquanto caminhavam por ali. Quando seus lábios finalmente deixaram os meus, me abraçou firmemente e enterrou seu rosto em meu pescoço, respirando profundamente. Acariciou seu rosto contra o meu por um momento e então finalmente me liberou. Ele examinou meu rosto procurando uma reação. Não tinha certeza da expressão que estava em meu rosto, mas Jared pareceu satisfeito. -... sário - terminei sem fôlego. Seus olhos estavam um tom mais claro do que tinha visto em semanas. Esperei um momento e permiti meus lábios formarem um pequeno sorriso antes de voltar para o meu carro. - Nina? – Jared chamou. Eu me virei e um sorriso cansado atingiu o seu rosto. - Isso é tudo o que eu queria hoje. Meu coração se afundou diante de suas palavras e desejei que o mundo nos deixasse em paz e assim poderia estar com ele. A memória de Harry Crenshaw pressionando uma arma apontada para a cabeça de Bex passou pela minha mente e eu fiquei tensa. - Adeus Jared.

418


Capitulo 17

A semana dos exames finais chegou. O pouco sono que havia conseguido antes, se transformou em inexistente com a quantidade de estudo e compilação de informação de última hora que tive que fazer. Estudava com o grupo no The Rock todas as noites, apenas para voltar ao meu quarto para ler e memorizar na solidão. Ryan continuou fingindo, caminhando comigo para comer, às aulas e de ida de volta até meu quarto. Ele era o namorado perfeito, abria as portas, me trazia comida para energizar meu cérebro de madrugada, e ainda massageava meus ombros enquanto me perguntava sobre guias de estudo. Uma parte de mim perguntava se ele estava esforçando-se tanto porque sabia que no final da semana significava deixar de fingir e esperava que eu mudasse de opinião. Beth e Chad encontraram um apartamento e algumas das coisas dela já estavam embaladas em caixas. Um ar triste caía sobre o quarto quando nós duas estávamos nele, rodeadas de caixas de papelão. As paredes pareciam vazias e limpas sem seus ursos de pelúcias, suas tiaras exibidas em paredes e suas fitas caindo das estantes. Na quinta à noite, os ocasionais estalos de trovões sacudiram as janelas. A chuva batia contra a janela em uma rajada forte, e Beth suspirou diante do seu livro de texto cuidadosamente destacado. Fechei meu livro e coloquei um CD no estéreo, girando o botão de volume tão alto como era possível.

419


- O que está fazendo? – gritou Beth por cima da música. Pulei pra cima e pra abaixo, esticando minhas mãos até ela. - É nossa última noite como companheiras de quarto, amiga! Estamos te despachando com estilo. Beth riu e se colocou de pé, agarrando minhas mãos e sacudindo seu cabelo no ritmo enquanto dançávamos juntas. Depois de algumas músicas, uma forte batida ressoou na porta. Fui até a porta para abri-la, rindo ao ver o rosto sorridente de Kim. - Se parece com uma festa! – gritou ela, levantando dois pacotes de seis cervejas baratas - Trouxe presentes! - Uhu! – gritou Beth. Seu cabelo ondeava ao redor enquanto dançava com os pés descalços. Antes que tivesse terminado minha primeira lata, outra batida na porta revelou, um Ryan bastante molhado e confuso, que se encolheu diante do volume da música. - O que está fazendo? – gritou. Um sorriso amplo se estendeu por seu rosto quando nos viu rebolar. - É nossa festa improvisada de despedida para Beth! – gritei em resposta. - Genial! Farei as ligações! – exclamou Ryan, pegando seu celular.

Em vinte minutos, o quarto estava ombro a ombro com todo nosso grupo de estudo, além de algumas meninas do final do corredor que haviam entrado e saído por curiosidade. Kim e Tucker estavam 420


pulando na cama de Beth e o resto de nós estávamos dançando e rindo. A meia-noite, todos exceto Beth, Chad e Ryan haviam saído para estudar. Beth segurou sua mala e me abraçou. - Muito obrigada! Eu precisava. Tem estado muito triste aqui! - De nada. Vou sentir sua falta terrivelmente. – disse, fazendo sobressair meu lábio inferior. Beth me apertou até que fosse difícil respirar. - Também vou sentir sua falta. Mas de toda maneira nos veremos, certo? - Claro que vamos! – sorri. Dei adeus com a mão para ela e Chad e logo me sentei na cama, exausta. Como de costume, qualquer sentimento normal e satisfeito que tive se foi com o momento. Ryan se virou para ver a expressão no meu rosto. - O que está acontecendo, querida? Sorri. - Não há nada aqui, Ryan. Sinto falta que você me chame assim. - Não o faço por outras pessoas. – disse, com um sorriso divertido rodeando seu rosto. - Ryan... – comecei. A chamada na porta proporcionou uma desculpa perfeita para adiar o inevitável - Beth deve ter esquecido as chaves. – Abri a porta e fiquei sem ar. 421


Ela não teria vindo a menos que algo estivesse muito mal. A adrenalina explodiu através do meu sangue enquanto me preparava para o que podia dizer. - Preciso falar com você. – ela disse. - O que está fazendo aqui, Claire? É Jared? – perguntei. Ela olhou para Ryan e logo para mim e pela primeira vez não tinha uma expressão assassina em seu rosto. - A sós. - Não vou sair. – disse Ryan, parando diante de mim. Ela pôs os olhos em branco. - Se quiser lhe fazer mal, Ryan, ficar aí parado com as mãos nos bolsos não serviria muito para me impedir. – disse, me olhando de novo - É importante, Nina. Podia sentir meu coração batendo com força contra minha parede torácica. - O quê? Ele está bem, verdade? - Ele está em casa. Finalmente cedeu em dormir um pouco. - Oh. – o entorpecimento chegou como uma segunda natureza e automaticamente me rodeou uma parede emocional. Claire franziu o cenho diante da minha resposta genérica. - Oh? Já não posso suportar mais vê-lo assim e você é a única que pode resolvê-lo. Ele tem sido um desastre desde seu aniversário. Tem sido um desastre faz semanas, mas tem estado totalmente mal 422


desde domingo. – Ela olhou o chão, claramente perturbada por qualquer que fosse a imagem que estava em sua cabeça – Creio que finalmente se deu conta de que não vai mudar de opinião. Encontrei meu foco de novo, agradecida a Claire pela lembrança. - Ele tem razão. Claire olhou para Ryan e logo para mim com indignação. - Não está enganando ninguém. Jared sabe exatamente o que está acontecendo. Foi uma ideia estúpida, Nina. Você está fazendo-o passar o inferno por nada. Podia entendê-lo se não sentisse o mesmo, mas sei que sim o faz. Neguei com a cabeça, as consequências para sua família vindo a frente da minha mente. - Não posso. O rosto de Claire se retorceu em uma expressão desolada e fui tomada por uma surpresa quando vi seus olhos encobri-la. - Nunca o tinha visto assim, Nina. Nem sequer quando papai morreu. Estava esperando que pudesse sair disso, que depois de um tempo o superaria, mas não está fazendo. Não pode, não consegue comer, está obrigado a te observar ignorá-lo todos os dias... É uma tortura. – disse ela, obstinadamente limpando uma lágrima solitária em sua bochecha. - Chega. Não quero ouvir mais nada. – disse, fechando os olhos. Claire pestanejou as lágrimas e me olhou ferozmente.

423


- Bem, isso está muito ruim. Ele tem que suportar, o mínimo que pode fazer é escutar. – disse, tirando do meu braço até ela. Ryan tirou as mãos dos seus bolsos e se moveu até Claire. Ela pressionou uma mão contra seu peito e sem esforço o empurrou contra a porta, dominando-o ali. Ryan se inclinou para frente, mas estava indefeso contra a força de anjo dela. - Não lhe faça mal. – disse Ryan, olhando carrancudo para Claire. Claire afastou a vista de mim e o fulminou Ryan com um olhar, afastando a mão do seu peito. - Não vou lhe fazer mal. Mantenha-se fora disso, Ryan. Ryan ficou parado contra a porta e me olhou. - Nina? - Está bem. – assegurei - Você tem que ir, Claire. Por favor, apenas vá. - Ele está despedaçado, Nina. – suplicou - Não vê? Não se importa? A dor que está suportando é bastante, mas também tem que sentir sua dor. Pode imaginar a dor que sente por sentir falta dele, por estar sem ele, por desejá-lo... Duplicado? Ele continuava dizendo que apenas necessitava de espaço... Que mudaria de opinião, mas depois de domingo, depois que lhe disse adeus... Isso o destroçou. Minha decisão vacilou, mas combati minha fragilidade por Jared, sabendo que era apenas outra encruzilhada. Tinha que tomar a decisão correta. Ela respirou profundamente. 424


- Sei que acredita que está expiando os pecados de Jack. Mas, o que está fazendo, Nina? Isso está matando Jared. Nada pode ser pior do que vê-lo morrer um pouco mais a cada dia. Fechei os olhos e as lágrimas finalmente transbordaram. Claire olhou as mãos, suas palavras seguintes vieram facilmente. - Não é sua culpa que perdemos nosso pai, Nina. Apertei os lábios e logo respirei fundo. - Não poderia olhá-lo nos olhos se isso voltasse a acontecer. - Manter sua família segura não é seu trabalho. É de Jared e meu. E sou muito, muito boa em meu trabalho. Não pode continuar fazendo-o sofrer porque tem medo de repetir os erros de Jack. – Suas sobrancelhas se juntaram - Não é uma razão suficiente boa para quebrar seu coração. Ryan nos observava confuso pela troca. - O tempo fará com que seja mais fácil. – sussurrei. - O tempo o tornará pior! – replicou ela, desgostosa com minha sugestão. – Você é sua Taleh, Nina... a outra metade da sua alma. Ele nunca vai conseguir te superar. E não importa o quanto você espera que consiga... Você nunca vai esquecê-lo. Vai acordar um dia e se dar conta do que fez e vai se lamentar o resto de sua vida pelo tempo que desperdiçou longe dele. – Uma lágrima correu pela sua bochecha perfeita de querubim e ela a deixou ali, também com a intenção de me convencer a salvar seu irmão. Senti que meu rosto se enrugava. Sabia que ela tinha razão.

425


A mão de Ryan tocou ligeiramente minhas costas. Olhou-me, e ainda que seus olhos estivessem cheios de dor, sorriu. - Vá. – disse. Sorri-lhe e comecei a falar, mas ele se limitou a negar com a cabeça, me abraçou com força e saiu pela porta. Sequei os olhos e respirei fundo. - Vem comigo? – perguntou ela. Assenti, e pela primeira vez vi o rosto de Claire se iluminar. Passou seus braços ao redor de mim, abraçando-me um pouco forte. - Vamos! – ela me levou pela mão pelo corredor, sem poder conter seu sorriso triunfante. Tive que correr para manter seu ritmo. Baixei os olhos, recuando da chuva restante da tormenta incessante. O Lotus soou quando pressionou o comando à distância, e me deslizei ao seu lado, limpando a água dos meus braços. - O que acontece com Ryan? – perguntei-lhe. - Bex está em casa. – sorriu Claire. Pôs a alavanca de marchas em seu lugar e nos afastamos do passeio, o motor rugindo enquanto ela conduzia até o loft de Jared. Não falamos, brinquei desajeitadamente com um anel e tratei de imaginar a reação de Jared quando aparecesse sem aviso. Claire estacionou no meio-fio do loft, atrás da Escalade. Respirei fundo e abri a porta com dedos trêmulos.

426


Jared já estava de pé diante do loft sobre a luz de uma lâmpada da rua, parecendo esgotado e confuso. Afastou o olhar do meu por um momento para olhar para Claire, que ficou de pé com a porta aberta do outro lado do carro. - Está bem? – perguntou a Claire. Claire apenas ofereceu um sorriso de satisfação. Ele me olhou com preocupação. - Claire te obrigou a vir aqui? – perguntou ele, cauteloso. Neguei com a cabeça, com medo de falar. A sua reação não era a que esperava. - Não entendo. – disse, seus olhos balançando outra vez entre Claire e eu. - O que está fazendo aqui? Aconteceu algo? Claire sorriu. - Não a faça implorar, Jared. Somente a tome de volta. – e com isso ela se meteu em seu carro e se afastou. O rosto de Jared girou rapidamente de novo até o meu. - Q... Quê? - Eu sinto muito. – sussurrei. Me dei conta de que Claire tinha um ponto em que tinha dito a seu irmão. -Implorarei. – assenti, dando um passo até ele - Não mereço perdão, eu sei, mas esperava... – suspirei e sacudi a cabeça. Nada do que pudesse dizer era suficiente. 427


- Veio aqui para me pedir que volte? – perguntou Jared, desconcertado. - Ou me humilhar ao dizer besteiras incoerentes na chuva... – ri nervosamente. Um trovão retumbou ao longe e me envolvi com meus braços, congelada pela roupa molhada. Jared deu uns passos até mim e se deteve. Me olhou por um momento, eu ainda que não tinha certeza do que ele estava buscando. - Esta foi uma má ideia. Deveria ter ligado. – me inquietei, sentindome mais envergonhada a cada segundo. - Veio aqui para se desculpar? – perguntou Jared outra vez, dando mais uns passos. A humilhação fez ferver o sangue sob minhas bochechas. - Cometi um erro. Um erro enorme e horrível, e não te culparia se me odiasse. Me olhou com incredulidade e me movi nervosamente, pensando que o havia ferido além do perdão. Deu outro passo. - Tinha razão. Tinha medo de que prejudicassem a sua família tentando chegar até mim. Mas para salvá-los, te machuquei. Não espero que confie em mim outra vez, mas sinto muito. Te amo, Jared e se há algo que aprendi nas últimas semanas, é que não importa o que aconteça... Te amarei o resto da minha vida. Jared me olhava tagarelar com uma expressão irreconhecível em seu rosto. Mordi o lábio; o suspense de sua resposta era insuportável. 428


- Por favor, diga algo. Jared deu mais uns passos até que estivesse a poucos centímetros de mim. A chuva gotejava de sua barba e de seu nariz quando olhou para mim. - Vou te dar um beijo, agora. – disse, segurando minhas bochechas com suas mãos como se estivesse segurando seu bem mais precioso. - E não sei se alguma vez vou parar. Ele não perdeu mais nenhum segundo. Pressionou seus lábios contra os meus e envolvi meus braços ao redor de seu pescoço. Meus pés deixaram o solo e a chuva desapareceu quando Jared me levou para o loft pelas escadas, com os pés mal tocando os degraus. Em questão de segundos, seu colchão estava debaixo de mim. Não existia a precaução, a boca de Jared suplicou a minha para que se abrisse enquanto seus lábios trabalhavam com impaciência contra os meus. Meus lábios se abriram ao mesmo tempo em que meus joelhos o fizeram e Jared se ocupou em tirar sua camisa por cima de sua cabeça. Seus lábios encontraram seu caminho até minha cintura e seus beijos subiram pela linha do meio de meu estômago enquanto empurrava minha camiseta para cima e acima da minha cabeça. Sua respiração ficou irregular enquanto se estendia sobre mim, me olhando lentamente tirar as alças do sutiã dos meus ombros. Arqueei as costas para desabotoar o fecho atrás de mim e com ternura me beijou nos lábios enquanto ele tirava as alças de meus braços e jogou o tecido de renda no chão.

429


Agarrou a barra da minha calça e calcinha, as atirando abaixo até que se perdessem em algum lugar do lençol molhado. Suspirei quando pressionou seu peito desnudo contra o meu, beijando meu pescoço enquanto se abaixava para tirar o cinto dos passantes. Jared gemeu quando abri o botão superior do seu jeans e o abaixei pelos seus quadris. Ele utilizou os pés para empurrá-los por seus tornozelos e os escutei cair ao chão no final da cama. Jared se deteve para me olhar nos olhos durante um grande momento e seus dedos deslizaram pelas minhas bochechas e meu pescoço. - Suponho que ninguém nos interromperá essa noite. – disse. Os cantos de sua boca se elevaram e ele sacudiu lentamente a cabeça. O sorriso desapareceu para uma expressão séria e centrada e se inclinou para beijar meus lábios. Jared respirou fundo pelo nariz e seu corpo tencionou. Fechei os olhos e involuntariamente afastei a cabeça, sentindo dor e prazer ao mesmo tempo. - Você está bem? – sussurrou, sem fôlego. Assenti, por fim estávamos perto o suficiente. Minhas mãos deslizaram por seu pescoço até seus ombros e fundi meus dedos em sua carne diante do intenso prazer ardendo através do meu corpo. Um gemido escapou de seus lábios. Quando voltou a tencionar. Sua língua saboreou o interior da minha boca. Meus sentidos se viram inundados e eu não podia pensar direito, assim não podia imaginar o que ele devia ter sentido. As horas passaram como 430


minutos e os minutos como horas. Não tinha noção do tempo, nem necessidade de ter. Esse momento foi tudo o que sempre quis, e eu não queria que terminasse. Acordei sobre meu estômago, estendida na cama de Jared com nada posto exceto os lençóis enrolados ao redor da minha cintura. Joguei um olhar a Jared, que estava sobre seu lado, olhando-me com uma expressão doce. - Bom dia. – cantarolou ele. - Dormiu um pouco? – o perguntei. Jared riu entre os dentes. - Cinco horas. O máximo que dormi desde que era criança. Sorri e me inclinei para beijar seus lábios. Meu corpo se sentiu rígido e relaxado ao mesmo tempo e me doíam os músculos de uma maneira maravilhosa. Tocou meu rosto. - Estava dormindo tão profundamente que não queria te acordar, mas a sua final é em noventa minutos. - Oh! – saí da cama com o lençol de Jared em torno de mim e o sustentei contra meu peito enquanto me arrastava até o banheiro. Me detive em seco, voltei e regressei a cama, depositando um beijo ridiculamente grande em seus lábios. - Te amo! – gritei enquanto corria até o banheiro para me enfiar na ducha. Senti tudo diferente, a água, o sabonete, minha pele. Não podia deixar de sorrir ao recordar os acontecimentos da noite anterior. Meus dedos estavam começando a se enrugar quando ouvi uma batida suave na porta.

431


- É melhor se apressar, querida. Fechei a água e me apressei com minha rotina matutina. - Claire trouxe minha roupa esta manhã? – adivinhei, trotando pelas escadas. Jared sorriu, parando junto a porta com meu café. - Ela as deixou na porta. O beijei nos lábios enquanto passava e ele me seguiu até o Escalade.

Cheguei à minha sala, justo quando o professor começou a passar as provas. Era difícil me concentrar, minha mente vagava aos lábios de Jared. – e outras partes de seu corpo – e o feito de que tínhamos o verão inteiro para recuperar o tempo perdido. Fui a última pessoa a terminar e quando entreguei meu teste, o professou o agregou na grossa pilha, assentindo cortês. - Disfrute do seu verão, Srta. Grey. - Oh, o farei. – disse, sorrindo quando vi Jared parado na porta. Quando paramos na calçada em frente ao loft, ele desligou a chave e sentou-se no banco, mantendo minha mão na dele. - Sinto que deveria ter me desculpar por ontem à noite. – disse, beijando meus dedos. - Por quê? – perguntei. Jared se mexeu em seu assento. - Não foi exatamente planejado. Sinto como se tivesse parecido uma emboscada. - Essa é um tipo de emboscada que não me chateia. – Sorri inclinando para beijá-lo — Nunca quis tanto algo. Jared sorriu com cautela. - Está bem, então? 432


- Melhor que bem. Vou esperar a próxima emboscada, na verdade. – Inclinei-me para beijar-lhe o pescoço, fazendo caminho akté sua orelha.

Jared riu.

- Poderíamos não deixar o loft pelo resto do verão se continuar se comportar assim. - Isso não deveria ser tão ruim, não é? – sussurrei, roçando minha língua no cumprimento de sua orelha.

- E quando planeja retirar suas coisas de Andrews? Sua mãe está esperando que volte para casa nesse fim de semana. Tenho um pouco de trabalho para fazer, desarmar a tecnologia do seu quarto, a sala... – as palavras foram apagando, distraído por minha boca em seu ouvido.

Afastei-me e o olhei fixamente por um instante. Antes de poder verbalizar a engenhosa ideia que me veio à cabeça, um sorriso amplo se expandiu no meu rosto. - Quê? – perguntou, também sorrindo.

- Já que vamos mudar minhas coisas... Por que simplesmente não as trazemos aqui? – disse, procurando em seus olhos por uma reação.

433


As sobrancelhas de Jared se dispararam até acima com surpresa.

- Quer se mudar para meu apartamento?

Encolhi de ombros, insegura do que sua reação significava. Não estava exatamente segura de que a oferta seguiria aberta.

- Se estiver bem. - Se estiver bem? Sabe o quão feliz que acaba de me fazer? – disse, analisando meu rosto com devoção incondicional em seus olhos.

- Então, é um sim?

Jared riu em voz alta, sacudiu a cabeça e logo me beijou com entusiasmo.

- Isso é um definitivo, sem dúvida, absolutamente sim.

Ri com entusiasmo enquanto Jared me puxava para seu colo, beijando-me com cada poro de alegria que sentia. No percurso de apenas doze horas, as últimas seis semanas se dissolveram como se nunca tivessem acontecido. Antes que o pesadelo tivesse terminado,

havíamos

conseguido nosso milagre.

Havia

um

resultado que só dependia de nós todo o tempo.

Passamos o resto do fim de semana movendo caixas e móveis pequenos. Jared insistiu em fazer a maior parte do levantamento e 434


eu

cantarolava

junto

com

o

aparelho

de

som

enquanto

desempacotava minhas coisas. Parecia que desempacotamos umas poucas caixas antes de celebrar meu retorno escadas acima, somente para baixar, desempacotar umas tantas caixas e começar o processo novamente. Depois de um fim de semana quente adentro, Jared decidiu que deveríamos conseguir algum ar fresco. Segunda-feira pela manhã caminhei fora em um perfeito clima. O ar cheirava à grama recémcortada e tinha a luz do sol. Levantei a cabeça para o céu sem nuvens, fechando os olhos e sorrindo uma vez que o sol se filtrava através de meus cílios.

Jared saltou sobre sua Vulcan e eu sorri.

- Lilian queria que te pedisse para te levar para jantar. Antes que diga algo - evitou, olhando minha expressão surpresa – sugeriu que nos encontrássemos em um restaurante. - Não quero que se sinta obrigada, mas ela gostaria de te ver novamente. Sente sua falta.

Suspirei.

- Como pode sentir minha falta? Assumi que o tratamento parcial desmerecido terminaria depois do que escutou o que aconteceu.

Jared meteu meu cabelo carinhosamente atrás da minha orelha.

- Sabe, pelo que está passando e é a única que sabe pelo que ela passou. Tens muito em comum. 435


- Não temos que ir a um restaurante. Pode vir a nossa casa ou podemos ir lá. Não tenho medo.

Os olhos de Jared se verteram sobre meu rosto, usando uma expressão perfeitamente conforme.

Levantei uma sobrancelha.

- Quê?

Seus olhos se voltaram suaves.

- Nossa casa.

Arrancou o motor e deslizei meus óculos de sol, subindo atrás dele. O ar do verão chicoteou ao nosso redor, à medida que Jared voava pelas ruas, eu pressionava a minha bochecha contra suas costas, sentindo-me mais feliz que nunca.

Chegamos a um semáforo em vermelho e Jared apoiou sua mão no meu joelho.

- Podemos trazer o resto das suas coisas da casa de Cynthia de manhã. E se quiser conseguir algo de pintura, podemos fazê-lo também. – disse, tentando demasiado soar casual.

Joguei um olhar para seu rosto.

436


- E por que necessitamos de pintura?

Jared se encolheu de ombros.

- O loft não grita exatamente coabitação. Se quiser fazê-lo você mesma, podemos conseguir o que precisar. - Aw! – cantei, fazendo com que Jared se encolhesse e sacudisse a cabeça.

Apertei meu abraço e apoiei minha testa em suas costas. Ficou rígido e levantei minha cabeça para ver o que havia feito que ele ficasse tenso. Samuel estava parado na frente de nós, enorme e escuro como a noite. Seus braços cruzados sobre o peito, fazendoo parecer mais ameaçador. Tremi atrás de Jared, meu coração batendo instantaneamente mais rápido no meu peito. Oi, Nina. – falou Samuel. Sua expressão parecia tão suave, mas suas características eram tão severas que não foi reconfortante como poderia querer que fosse. - Deve ter notícias. – disse Jared. - Sim. – disse Samuel, arrancando seu olhar de mim — Shax recebeu informação de que Jack teria o livro protegido em um banco ao qual só você e Nina tem acesso. - Isso é ruim. – disse Jared baixo, assombrosamente forte.

437


- Também sabem que o anel de Nina tem um código incrustado nele que precisam. Tem que falar, Jared. Virão por ela e rápido.

Jared se sentou por um momento, perdido em pensamentos. Sua cabeça se levantou com força para olhar Samuel.

- Não sei se o damos. - Jared! – gritei.

Girou até mim e tocou meu rosto.

- Nina, não sei por que Jack tinha o livro. Mas não vale sua vida. - Está assumindo que Shax irá parar uma vez que tenha o livro. – disse Samuel, sua voz coincidindo com suas aterradoras ameaças. - Como chegou a esse conhecimento? – grunhiu Jared. - Como mais? – Samuel apertou os olhos — Humanos.

Comecei a perguntar a Samuel que queria dizer, mas justo antes, o espaço que ele ocupava perdeu qualquer recordação dele.

Jared acelerou o motor e voou até o loft. Desceu e me tirou fora do assento, apenas deixando que meus pés tocassem o solo antes de me apressar a subir as escadas.

Deu um pontapé na porta para fechá-la e agarrou meus ombros. 438


- Vou resolver isso, Nina. Ninguém está em perigo. Vou terminar com isso, certo? – suas palavras foram tão rápidas que se borraram juntas, e seus olhos se tornaram tormentosos e tensos. - Está bem. – disse, envolvendo meus braços ao redor dele e beijando seus lábios.

Olhou-me com suspeita quando me afastei. - Está bem? – perguntei.

Toquei seu rosto suavemente com meus dedos.

- Não podia permanecer longe de ti nem que ainda pensassem que tivesse que fazê-lo. Não vou a lugar nenhum. Prometo.

Os olhos de Jared se tornaram suaves e levantei minha mão com o anel em seu lugar.

- E mantenha sua promessa.

439


Capitulo 18 Na manhã seguinte eu acordei no mesmo estado que eu estava cinco dias antes: enrolada nos lençóis, meus músculos doloridos, olhos cansados, estômago faminto, e todo resto em um estado de felicidade absoluta. Jared apertando seus braços em volta de mim enquanto eu me espreguiçava. - Por que você não voltar a dormir? - Disse ele, beijando meu pescoço. Enfiei minha perna nua sobre seu quadril. - Por que eu iria querer perder tempo dormindo quando você está acordado? Ele sorriu enquanto passava a mão na minha coxa. - Porque você é humana, e precisa de mais de duas horas de sono por noite. Não que eu esteja reclamando, eu só preciso parar de ser tão egoísta e me certificar que você comece a dormir mais cedo do que as seis horas da manhã. - Não se atreva - eu bocejei. - Você está com fome. Eu vou preparar o café da manhã disse ele, se levantando da cama. Depois de um longo banho, me vesti e desci escada abaixo. Peguei o jornal e sentei-me à mesa com o meu café, congelei no meio de um gole quando eu li a manchete.

“Banqueiro local é encontrado morto e mutilado”

- Jared? 440


- Sim, querida? - Respondeu ele, distraído com a panela de ovos na frente dele. - Você já viu o jornal desta manhã? - Ainda não, o que houve? - Ele se virou quando sentiu o meu medo ao ler o artigo. Engoli em seco, nervosa antes de encontrar os olhos de Jared. - James Stevens do banco... O homem que nos deixou entrar no cofre... Ele foi encontrado morto ontem. Eu entreguei o jornal para ele e vi seus olhos fazerem uma varredura sobre as palavras. - O que significa isso, Jared? A íris de Jared eram claras e suas feições suaves. - Ele deve ter sido um dos seres humanos no qual Samuel estava se referindo. Eu teria que ver o corpo para ter certeza se era Grahm ou... Eu balancei a cabeça, percebendo onde ele queria chegar. - Oh, não - disse Jared. - O quê? Jared entregou o jornal para mim, apontando para o que ele tinha lido. “Joalheiro local é roubado e atacado. A polícia diz que série de crimes é coincidência”

- Vincent! - eu digo, olhando para Jared. - Você acha que ele está bem? Os olhos de Jared escurecem em uma sombra. 441


- Aqui só diz que ele foi agredido, então estou supondo que ele está vivo - disse ele, sentando-se na cadeira ao meu lado. Me remexo nervosamente. - O que vamos fazer? Jared balança a cabeça, deslizando seus dedos entre os meus. - Você e eu vamos pegar o livro e, em seguida, eu vou devolvê-lo para Shax. - Você quer dizer que vamos devolvê-lo para Shax - eu disse, apertando os seus dedos entre os meus. Jared balançou a cabeça. - Eu sinto muito, Nina, é muito perigoso. - Jared... - O medo sufocou minhas objeções. Puxando-me em seu colo, Jared enlaçou os braços em volta de mim. - Nina, eu vou cuidar disso. Claire vai ficar aqui com você. Eu prometo a você que estarão seguras. Eu pressionei minha bochecha contra a dele e fechei os olhos. - E quanto a você? Isso não é como andar atrás das linhas inimigas? - Eu tenho algo que ele quer. Enquanto você está aqui, segura, eu vou ficar bem. Confie em mim - ele diz, segurando-me no comprimento de seus braços para procurar meus olhos. - Eu fico. Apenas... Tenha cuidado. - Ah, vou ter cuidado. Tenho planos para você. - Ele aperta a testa contra a minha. - Seus ovos estão esfriando. Eu vou ligar para Claire... Termine com isso.

442


Claire entrou pela porta em menos de uma hora mais tarde, sua expressão ocasional correspondia à mesma de Jared. Ela também parecia muito mais relaxada em torno de mim, mesmo me batendo na bunda enquanto ela passava. - Vamos nos divertir, Nina. Eu trouxe filmes. Meu rosto se transformou lentamente para desgosto. - Filmes? Você acha que eu vou ser capaz de assistir a um filme enquanto Jared está em uma sala cheia de demônios? Claire revirou os olhos e um sorriso desafiador surgiu em suas feições. - Você não sabe o que Jared é capaz de fazer? Eu não estou preocupada. Você também não deve ficar. A boca de Jared torceu um pouco enquanto empurrava uma arma na parte de trás do seu jeans. - Você está exagerando, Claire. Claire atirou uma expressão de desgosto a seu irmão, e eles trocaram olhares desafiadores. - Ela não quer que eu enlouqueça e saia de novo - eu disse. Olhei para o chão e, em seguida, de volta para ela. - Você está presa comigo, Claire. Ela puxou um lado de sua boca em um sorriso agradecido. - Bom. Porque eu ia acabar te encontrando e traria o seu bumbum para cá. Jared caminhou em minha direção e beijou minha testa primeiro, e então meus lábios. - Você está pronta? Meus dedos involuntariamente agarraram sua jaqueta. - E se eles estiverem nos esperando no banco? - Então eu vou te proteger. Claire está vindo com a gente... Se alguém deve ter medo é Grahm e os seus homens. 443


Meu corpo estava rígido a partir do momento em que saímos pela porta e passamos pelo corredor. Jared manteve a minha mão na sua, até que parou na porta da frente do banco. Claire, de um lado de mim, Jared de outro, entramos e caminhamos por um saguão. Um senhor mais velho de terno escuro e gravata se aproximou de nós. - Posso ajudar? - Sim, viemos recuperar nossos pertences que está no cofre lá embaixo. - Disse Jared. - Er ... po ..p..pode m..me dizer seu nome, senhor? - Ele gaguejou, ansiosamente batendo as pontas dos dedos umas contra as outras. - Jared Ryel. Há algum problema? - Nãa .... não, senhor, não há nenhum problema. Eu ficaria feliz em ajudá-lo. Os olhos de Jared varreram a sala, e notei que Claire também estava em alerta. Eles me mantiveram por perto, ambos em contato com meus braços enquanto caminhávamos. Pouco antes do elevador se abri para o subsolo, eu notei que Claire segurava a respiração. Eles estavam completamente em silêncio por uma fração de segundos até que as portas se abriram para uma sala grande e vazia. Claire calmamente inspira e Jared agarra meu braço, me puxando com cuidado para frente. Passamos pelo tedioso processo para ter acesso ao cofre, enquanto Claire despreocupadamente olhava ao redor do perímetro. Seus olhos azuis de gelo não perderiam nada. - Você colocou o papel no cofre, Jared - eu sussurrei. - Nós não sabemos a senha. 444


- Eu sei - ele disse, empurrando a chave na fechadura. Olhei para Claire, cujos olhos voltados para o cofre que estava se fechando. Uma vez fechado, ela olhou para cima e lentamente examinou o teto. - O que é isso, Claire? - Perguntei. - Eu não sei - ela murmurou. – Alguma coisa. Jared manteve o livro debaixo do braço na viagem de volta para o apartamento. Ele me levou até o final do corredor e depois inclinou-se para me dar um beijo de adeus. Antes de nossos lábios se tocarem, ele olhou para cima, como se ele sentisse que algo estivesse em torno de nós. - Eu tenho que ir. Ele já está atraindo-os. Eu apertei sua jaqueta. - Eu não quero que você vá sozinho. - Claire precisa ficar aqui com você. Eu não posso deixá-la sem proteção. - E quanto a Bex? Ele não pode ficar aqui comigo? - Eu perguntei, procurando seu rosto, enquanto minha mente correu para encontrar uma alternativa. - Bex está com Lillian - disse ele. Compreendi imediatamente sua resposta: ele estava cobrindo todas as bases. - Jared... - eu disse, apertando-o como posse. Ele me puxou para ele. - Se esperarmos muito tempo, eles virão até nós, e não queremos isso. Esta é a nossa única opção. Eu me inclinei para trás e fechei os olhos, balançando a cabeça. 445


- Tem que haver outra forma. Tem que haver. Jared segurou meu queixo e seu polegar roçou minha bochecha. - Enquanto seu coração estiver batendo, então estará o meu. Eu tentei forjar uma expressão brava no meu rosto. - Eu te amo. Os olhos de Jared se suavizaram e os cantos de sua boca se movem para cima. - Eu te amo. Vejo você em breve. Claire colocou suavemente suas mãos quentes sobre os meus ombros, enquanto observávamos ele pular na calçada e, em seguida, desaparecer na esquina da rua. Senti meu estômago fechar por dentro. - Me diga que ele vai ficar bem. Claire me virou para ela e sorriu. - Eu não estava exagerando, mais cedo. Ele vai voltar. E se eles irritá-lo, ele vai voltar com alguns pedaços de demônio em seu cinto. Jared não conhece o fracasso. Caminhamos para o andar de cima e eu me sentei no sofá, tentando relaxar para Jared não se distrair com o meu medo. Claire sentou ao meu lado, remexendo-se nervosamente. - Você quer assistir a um filme? - Ela perguntou. Eu virei minha cabeça lentamente para ela, incrédula. - Você quer assistir TV? - Ela perguntou, inclinando-se para pegar o controle remoto da mesa de centro. - Não - eu respondi bruscamente.

446


Claire tocou a franja do rosto e sentou-se calmamente ao meu lado por um tempo. Depois de um longo silêncio constrangedor, ela puxou uma respiração profunda do ar. - Era a garotinha do papai - ela meditou. – Quando éramos acostumados a sair de férias, junto com sua família, é claro, eu ficava com tanto ciúmes quando meu pai ia cumprimentá-la ou até mesmo quando ele mencionava o seu nome. Quando ele ficava afastado com Jack, eu ficava com tanta raiva que você estiva passando um tempo com ele em vez de mim. Minha mãe tentava me explicar, mas... Para uma menina que prefere estar com o pai do que em um parque de diversões, eu me recusei a sequer tentar entender. Os olhos de Claire escureceram. - Quando Jack morreu... Eu o odiava - ela engoliu em seco. Quando meu pai começou a se sentir fraco apenas uma hora mais tarde... Eu odiava você. Meu pai era um Arcanjo. Eu nunca pensei que eu iria perdê-lo. Ele estava deitado ali, desaparecendo, e tudo que eu conseguia pensar era que eu tinha toda essa força, essa velocidade, a inteligência... E fui construída para ser uma salvadora e não pude salvar meu próprio pai. - Por mais difícil que fosse pra mim, para Jared tornou-se mais difícil. Quando meu pai tomou o seu último suspiro, eu pensei que Jared ia morrer com ele - ela fechou os olhos e uma lágrima caiu por sua bochecha. - Eu estava zangada com ele em primeiro lugar. Eu me senti traída quando ele foi para você. Mas agora eu vejo que ele não tem escolha. Você era a única esperança que lhe restava... Você era a única que poderia fazer sentido para o seu propósito de existir, e ele precisava de você. Ele precisava saber 447


que nossas vidas valiam alguma coisa. Eu posso ver isso agora. E eu estou feliz que vocês têm um ao outro. Eu não sabia que minha boca estava aberta até que ela olhou para mim com os olhos molhados e riu. Ela chegou mais perto. - Eu não deveria ter te odiado. Meu pai te amava como se fosse da família e era tão importante para ele mantê-la a salvo como qualquer um de nós. Isso não quer dizer que ele me amava menos, eu sei disso agora. Eu sinto muito pela maneira como te tratei. Eu

queria

abraçá-la,

mas

pensei

melhor. Para minha

surpresa, ela apertou minha mão entre as suas. Eu balancei minha cabeça. - Devo tanto a você... Pelo o tempo que perdeu longe de seu pai, pela a minha vida... Por Jared. - Você não me deve nada. - Um sorriso se abriu no rosto de Claire e ela apertou minha mão. - Então, vamos começar de novo. Eu comecei a falar, mas seus olhos se arregalaram, e no mesmo segundo ela estava em pé de costas para mim. Olhei em volta dela para ver a porta abrir lentamente, e por um breve momento eu esperei que fosse Jared que entrasse. Mas não era Jared. Um homem com um terno escuro e gravata caminhou pela porta, olhando em volta, como se estivesse avaliando o apartamento. Quando ele então sorriu para mim, os punhos de Claire fecharam-se em seus lados, e os nós dos dedos ficaram brancos sobre a pressão de seu aperto.

448


Ele era extraordinariamente bonito, dentes brancos brilhando, cabelos pretos perfeitamente aparados e penteados para trás. À primeira vista ele parecia benigno, mas recuei quando seus olhos negros perfuraram os meus. - Como é bom ver você, Claire - ele falou, em um som baixo de assobio subjacente a sua voz. Claire estendeu a mão e segurou a minha camisa em seu punho, lentamente me puxando para trás dela. - Você se perdeu de Jared, Shax. - Disse Claire. Meu sangue gelou. O Duque do inferno estava em pé a poucos metros de mim em minha casa. Segurei o braço que Claire me estendeu e ela me puxou contra suas costas, lentamente esquivando até que estávamos exatamente entre a cozinha e a porta da frente. Shax assistiu nos deslocarmos com os seus olhos de tubarão, como se estivesse alerta a cada respiração. - Jared está me procurando? - Ele disse, deixando cair o queixo para olhar diretamente para Claire. - Que interessante. As escadas de ferro ressoaram com passos pesados, e cinco homens invadiram entrando pela porta. Shax deu alguns passos casuais para frente quanto os homens se posicionaram em um semicírculo atrás dele. Cavei meus dedos no braço de Claire, quando eu vi um par familiar de olhos. Era Grahm. - Nina - ele balançou a cabeça com um sorriso petulante. - Dê mais um passo em direção a ela, e considere-se um homem morto - bufou Claire. Um sorriso perverso torceu na boca de Shax. - Bem, bem, Claire. Isso não é a maneira de uma jovem que faz o seu trabalho se comportar. 449


- O que você quer, Shax? - Claire perguntou. O demônio olhou para baixo, e então seus olhos dispararam para me encarar sob suas grossas sobrancelhas negras. - Creio que todos nós sabemos o que eu quero, Claire. O pai de Nina tirou algo de mim - ele inclinou a cabeça e esticou o pescoço comprido - é uma grande vergonha para um ladrão ser roubado, especialmente se esse for o maior ladrão que já existiu. Claire riu sem vontade. - Você nunca existiu, Shax. E é bom ver que você desenvolveu um pouco de humildade. - Quero o anel, Claire - ele sussurrou. - Você não precisa do anel. Jared tem o seu estúpido livro. Os pequenos e brilhantes olhos redondos de Shax se estreitaram. - Onde ele está? Claire encolheu os ombros, lentamente me empurrou para trás quando ela deu um meio passo para frente. - Ele levou-o para você. Tenho certeza que ele está em seu prédio enquanto falamos. - E por que ele faria isso? - Ele não queria que um demônio imundo invadisse sua casa Claire rosnou. Shax me olhou com curiosidade. - Ou ele estava tentando evitar que nos aproximasse de seu Taleh? Eu entendo que ele está apaixonado por ela. Que preciosa. - Pode ir agora - disse Claire, mais uma ordem do que oferta. A boca torta de Shax se deteve puxando para cima em um meio sorriso. - Obrigado, Claire. Estávamos mesmo a seguir o nosso caminho. Mas nós vamos levar Nina com a gente. Jack me deve isso. - E eu devo uma a Jared - disse Grahm com um sorriso.

450


- Eu vou rasgar sua garganta antes de deixar você tocá-la! Claire rosnou. O som gutural que saiu de sua garganta quando ela falou era assustador. Grahm sinalizou para seus homens, e eles caminharam cautelosamente passando por Shax. Claire gesticulou para mim ficar atrás dela enquanto ela se abaixou um pouco, preparando-se para me defender. Um dos homens avançou para ela tão rapidamente que eu perdi alguns de seus movimentos, ela incapacitou-o sem esforço. Um segundo homem tentou avançar para ela, mas ela empurrou para o lado, assim como outros dois homens correram de lado. Dei mais alguns passos para trás enquanto eu observava ela dar uma cabeçada em um dos homens e seu sangue salpicar no ar, e então atacar outro homem na garganta com o punho. O homem fez um barulho horrível borbulhante antes de cair no chão. Assim que Claire virou-se para enfrentar Shax, Grahm sacou uma arma e segurou-a na testa de Claire. Ela congelou. - Eu estava vindo apenas pegar Nina, mas pensando bem acho que seria melhor acertar as contas, se ele chegar em casa e ver o seu rosto bonito e encantador despedaçado pelo chão, e um pequeno e um doce aviso para que ele saiba que estamos violentando sua namorada em uma centena de maneiras diferentes antes de matá-la. Senti minhas pernas desaparecem, e recuei para me equilibrar contra a mesa quando Grahm me deu uma lasciva olhada de cima a baixo pelo meu corpo inteiro. Claire sorriu.

451


- Você vai se encaixar perfeitamente onde Jared vai mandar você, Grahm. Grahm engatilha a arma, e eu senti uma lágrima solitária sair do meu olho e escorrer pelo meu rosto. O tempo passou em câmera lenta enquanto eu olhava para a expressão arrogante de Grahm e depois voltar para Claire. A cena era surreal: homens enormes estatelado no chão em poças de seu próprio sangue, e a pequena Claire, uma menina adolescente de cabelos rebeldes, momentos antes de sua execução. Prendi a respiração enquanto assisti-a lentamente fechar os olhos e esperar que a bala saísse do tambor da arma. No mesmo segundo que o dedo de Grahm apertou o gatilho, o corpo de Claire se tornou um borrão. A bala saiu da arma passando zumbindo por mim e parou no azulejo acima do fogão, Claire bateu com o cotovelo no rosto de Grahm, explodindo sangue de seu nariz. O golpe o fez voar pelo ar, caindo aos pés de Shax. Grahm sentou-se sobre os joelhos, dentes rangendo de dor. O sangue acumulado nas palmas das mãos e escorrendo por entre os dedos para o chão. - Basta! - Shax ordenou. Claire imediatamente se levantou e se apoiou contra mim. Ela virou a cabeça um pouco, ainda mantendo os olhos em Shax. - Eu vou segurá-lo, Nina... Você vai ter que correr. Jared irá encontrar você - ela sussurra. - Você acha que pode me deter, Claire? Você é quase humana. Claire sorriu.

452


- Talvez sim, Shax, mas meu lado anjo ainda pode chutar o seu traseiro. Shax não achou graça. Agachou-se em preparação para o ataque, e um grunhido estranho emanava de seu peito. Dentro de sua

garganta,

um

guincho

e

um

grunhido

animalesco

interligados. Era o som mais terrível que meus ouvidos já tinha experimentado. Sua íris negras de demônio sangraram o branco de seus olhos, e eu me preparei para o impacto. Quando piscou pela segunda vez, uma figura maciça escura ficou entre nós e Shax. O corpo de Claire relaxou e ela nos manobrou em torno dele, trazendo de volta a vista para Shax. Jared estava na porta, olhando furiosamente para Shax com uma expressão letal. Sentindo o meu medo e alívio, a sua atenção quebrou para mim e imediatamente ele estava ao meu lado, me puxando da mão de Claire para a segurança de seus braços. Shax foi cauteloso na presença do Arcanjo. - O livro é meu, Samuel! - Seus olhos eram selvagens e sinistros movendo-se sobre cada um de nós como um animal encurralado. Samuel jogou o livro aos pés do demônio, ao lado de Grahm. - Pegue o seu livro blasfemo e saia daqui. Em nome do Altíssimo, vou acabar com a sua existência, se você chegar perto dessa família de novo, besta imunda! - Samuel gritou, sua voz fazendo as paredes tremer. Shax recuou a partir do comando do Arcanjo e caminhou lentamente para fora da porta, assobiando para seus subordinados feridos o seguirem. Grahm sorriu para mim com manchas de sangue nos dentes. 453


- Eu vou te ver de novo em breve, boneca. Jared investiu contra ele, mas Samuel estendeu a mão no peito de Jared. - Deixe-os ir - ele ordenou. Jared

observou

relutantemente,

que

ele

Grahm, se

permitindo

retirasse

com

mesmo seus

que

parceiros

feridos. Claire parou na porta de entrada observando se eles tinham ido embora realmente antes de fechar a porta. - Alguém já lhe disse que você tem excelente tempo? - Claire perguntou, sorrindo para o irmão. - Uma ou duas vezes - disse Jared. Claire correu para Samuel a toda a velocidade, saltando para envolver os braços ao redor dele, com as pernas balançando tirando os dois pés do chão. Estremeci com o movimento repentino, mas assim que Samuel a abraçou um largo sorriso iluminou seu rosto, suspirei de alívio. - Eu acho que você perdeu o seu chamado, menina. Você nasceu para ser um anjo da guarda - ele riu. Claire riu e apertou seu pescoço. - Eu sou meio humano para equilibrar as possibilidades, Sam. Se eu fosse um anjo da guarda, você estaria sem trabalho. Samuel soltou uma risada e sacudiu a cabeça. - E você acusa Shax de falta de humildade! Jared se virou para mim. - Você está bem? - Eu não queria mentir, por isso permaneci em silêncio. Jared me puxou para o seu peito e beijou o meu cabelo. - Acabou. 454


- Não de acordo com Grahm - afirmou Claire após Samuel coloca-la sobre seus pés. - Acabou sim - disse Jared com uma voz firme. Claire limpou o sangue do chão e endireitou a mobília. Ela saltou

sobre

o

confronto

e

vitória

fazendo-a

um

pouco

tonta. Observei ela cantarolando uma música indistinta enquanto limpava. Uma hora mais tarde, Claire se despediu e foi de carro até a cidade natal de Ryan enquanto o céu do lado de fora mudou para um azul escuro. O apartamento estava como antes, os móveis no lugar, o vidro quebrado escondido no lixo, o sangue limpo e os trapos manchados de vermelho jogado fora. - Você está com fome? - Perguntou Jared, cutucando seu dedo através do buraco de bala acima do fogão. Eu balancei minha cabeça e Jared se virou para mim. - Não? Eu balancei minha cabeça novamente. - Nina! – ele me repreendeu. - Você quase não disse uma palavra desde que eu estive de volta. Você tem certeza que está bem? Fechei os olhos. - Eu estou bem. - É normal ter medo. Então fale comigo. - Só... Não me deixe novamente. Ok? Claire estava preparada para me defender, com a vida dela, mas eu estava tão assustada, Jared. Eu estava com tanto medo que eles fossem me matar e você também morreria. Ele atravessou a sala e segurou meu rosto delicadamente em suas mãos, levantando os meus olhos para os dele. 455


- Você estava com medo de morrer só porque eu também o faria? Eu sorri, mas meu rosto amassado em torno dele. - Eu sou tão fraca, Jared. Eu sou apenas uma idiota, fraca, humana, e que te faz tão vulnerável. Não é justo. Jared riu de espanto e balançou a cabeça. - Nina... - ele soltou uma pequena risada, sem palavras. Ele se inclinou e beijou meus lábios, sua boca transmitiu o que ele não podia dizer.

456


Capitulo 19 Durante as semanas seguintes a vida voltou à normalidade. Jared e eu passamos o nosso tempo pintando e reorganizando os móveis e o espaço se transformou de escuro loft de Jared para o nosso luminoso e alegre lar. Eu não pensei em mudar uma única coisa, mas Jared insistiu em que colocasse o meu toque feminino. Eu coloquei as fotos que tínhamos tirado de nós, comprei um novo edredom floral, e até escolhi um novo jogo de porcelana. Jared apreciou a transformação com sincera gratidão. Algumas vezes, eu achava que Jared queria que eu fizesse mudanças para que ele tivesse uma prova tangível que de fato eu estava vivendo ali. Um mês depois que eu havia oficialmente me mudado, Jared quis comemorar com uma saída a noite. Eu coloquei um vestido preto sem alças com sapatos vermelhos e Jared fez o esforço de usar uma gravata. Nós andamos pela calçada e Jared montou em sua Vulcan. Eu levantei uma sobrancelha, olhando para baixo enfatizando minha saia curta e de volta para ele. Jared riu alto e desceu. - Estou brincando. Ele caminhou até o Escalade e abriu a porta. - Então, onde é que vamos? - eu perguntei. - Um lugar novo. Você gostará. - disse antes de fechar a porta. Paramos em um edifício escuro de tijolo. Ele me ajudou a sair na calçada e abriu a porta de vidro, beijando minha bochecha enquanto eu passava. Uma pequena mulher asiática nos cumprimentou e Jared pegou minha mão, me levando a uma mesa com um belo arranjo de tulipas rosa e branco. Nós éramos os únicos clientes no pequeno restaurante e sorri para Jared quando ele se sentou à minha frente. A mulher entrou no meio da sala para 457


uma estação de serviço para encher nossos copos de água, e me apoiei na mesa. - Eles estão se preparando para fechar? - eu sussurrei. Jared riu. - Não... Eu fiz um acordo que teríamos o lugar só para nós. - Oh! - eu disse, olhando para a mulher trazendo a nossa água e menus. Jared disse algo em japonês para a mulher e ela assentiu, deixando-nos a sós. - Eu já disse que você está excepcionalmente bela esta noite? perguntou Jared. - Apenas quatro ou cinco vezes - eu sorri. — Obrigada. A mulher voltou, dizendo algo que eu não entendi. Jared olhou para mim e depois para ela. - Não, acho que precisaremos de mais alguns minutos. - Será que vamos encontrar sua mãe aqui ou algo assim? - eu perguntei. - Não. Por quê? - Apenas para saber... Por que todo esse esforço? A gravata, as flores, o restaurante vazio... discrição. Jared levantou uma sobrancelha. - Que discrição? - Você estava disfarçando no loft antes. Posso ser humana, mas não cega. A risada de Jared encheu a sala. - Eu posso fugir de assassinos treinados, mas eu não consigo esconder nada de você.

458


- Isto é porque eles não estão em torno de você a cada segundo do dia - eu disse. Jared sorriu, apertando os lábios. - Estamos comemorando. - Um mês morando juntos. Você mencionou isso. - Exatamente - ele sorriu, uma ponta de nervosismo em sua voz. Eu olhei apertando os olhos e franzi os lábios em sua resposta evasiva, mas eu deixei passar. Ele estava obviamente se divertindo escondendo isso de mim. Escolhi um item do menu que parecia próximo do meu habitual. Quando a garçonete voltou, Jared pediu em perfeito japonês. Eu bati o dedo sobre a mesa. Jared olhou para mim nervosamente movendo-se com uma expressão engraçada. - Você tem um lugar que quer estar? - Não, eu só estou esperando a explicação. Ele se inclinou para frente. - Você está muito impaciente hoje. Suspirei e me apoiei na minha cadeira. - Sinto muito. Eu sinto que vem uma surpresa. - Você sente, realmente? - ele brincou. — E por que isso? - Vamos, Jared, sei que está acontecendo algo. Ele sorriu quando a garçonete trouxe os nossos pratos de comida e suspirei. Jared nos guiou em uma conversa sobre outras coisas, enquanto nós comíamos. Ele tinha feito planos para jantar na casa de Lillian naquele fim de semana. Ryan tinha ido passar alguns dias com Josh, então Claire estava na cidade. Eu discuti minha agenda para 459


o outono, e conversamos sobre as mudanças que seria viver fora do campus. Também decidimos convidar Beth e Chad para jantar em nossa casa o mais rápido possível. - Sempre gostei de Beth - Jared meditou. - Eu também! - eu brinquei, fingindo surpresa. - Sempre foi uma boa amiga para você, mas aprecio particularmente as conversas que ela teve em meu favor. É uma menina inteligente - disse assentindo com um sorriso de satisfação. Eu enrolei a massa em torno do meu garfo enquanto falava. - Havia momentos em que eu pensava que você a tinha na sua folha de pagamento. Ela era muito persistente. - É por isto que gosto dela - sorriu. - Sabe o que é bom para você. - Ela sabia melhor do que eu que iríamos acabar juntos. - Você não pensava que iríamos acabar juntos? - Jared perguntou, olhando um pouco surpreso. - Bem... Eu queria. Mas na época eu achava que não deveríamos expliquei, cravando meu garfo em algum tipo de carne. - Estou feliz que você superou isto - disse, imerso em pensamentos. - Não sei o que eu faria se... - ele olhou para mim com profundo afeto - Você me faz tão feliz, Nina. - Você me faz muito feliz, querido - murmurei. Jared levantou a sobrancelha para mim, nada típico a um termo carinhoso e sorriu, mas sua expressão mudou ao mudar seus pensamentos. - Eu sei que as coisas têm andado muito rápido entre nós - fez uma careta. - A maioria das pessoas diria muito rápido, mas não somos a maioria das pessoas. - Definitivamente não - eu disse. Tirei a brócolis ao lado do meu prato e notei a expressão de Jared torcer-se com desgosto.

460


- Eu deveria ter ordenado nenhum brócolis, desculpe. Eu ri. - Ok Jared. Eu posso separar a brócolis da minha comida. - Eu só quero que esta noite seja perfeita... Estou esquecendo coisas - disse ele, olhando para brócolis na beira do meu prato como se tivesse me insultado. Essa frase me chamou a atenção. - Por que tem que ser perfeito? Jared se mexeu desconfortavelmente na cadeira e suspirou de alívio quando a garçonete veio para encher nossos copos de água. - Onde eu estava? - ele perguntou depois que a garçonete saiu. Limpei meus lábios com um guardanapo. - Será que estamos indo rápido demais? - Não... Quero dizer, sim. Aí é onde estava, eu não acho que nós estamos indo rápido demais - parou por um momento e olhou para mim com cuidado. - Você não acha que estamos, certo? Eu ri e balancei a cabeça. - Não. - minhas sobrancelhas se uniram ao vê-lo ficar mais nervoso. - Você está bem? - Estou bem. Perfeito. Você está bem? - Sim... Embora você esteja me assustando um pouco - inclinei a cabeça para o lado, enquanto o observava com desconfiança. Jared fechou os olhos e deu um suspiro profundo e relaxante. - Sinto muito. Eu só estou um pouco nervoso. - Relaxe. É apenas um jantar - eu disse, alcançando sua mão sobre a mesa. - Hum... sim - Jared disse, rindo da minha sugestão, e depois olhou para o prato. 461


- Eu estava pensando em St. Lucia para as nossas férias. Têm ar condicionado lá - sorri. - Ligarei amanhã - disse distraidamente. Eu considerei isso por um momento e então estreitei os olhos. - Minha mãe deve pagar-lhe muito bem. - Muito bem - assentiu. Virei um outro pedaço de brócolis do lado do meu prato. - Bem, tecnicamente, eu lhe pago bem. - O quê? - Jared disse, parando no meio de uma mordida. Encolhi os ombros. - Bem, quando Jack morreu, seu patrimônio, seus bens, tudo... É meu. - O quê? Pensei que sua mãe... - Jared balançou a cabeça, tomado de surpresa. - Oh, ela pode viver lá, pode lidar com contas e impostos e todo o resto, até eu me formar. Eu não posso lidar com tudo isso agora. - Então... Você me paga? - Jared perguntou, fazendo uma careta. Ele não parecia feliz com a ideia. - Por quê? Quer um aumento? - eu sorri. Jared riu. - Eu amo tanto o meu trabalho, que talvez eu devesse estar pagando. - Sorri com suas palavras, e ele tentou relaxar sua expressão. - Então, já passou um mês desde que você se mudou. Você está confortável? Sente como se fosse sua casa lá? Eu suspirei, olhei seus impressionantes olhos azul-acinzentados. - Me sentia em casa antes de me mudar. Você é a minha casa Jared. Ele sorriu para as minhas palavras e pôs a mão no bolso do casaco. 462


- Nina há algo... A garçonete veio até a mesa e Jared desmoronou em sua cadeira, olhando um pouco desapontado. Ela levou nossos pratos e nos deixou a sós com o cardápio de sobremesas. - O bolo de Anjo está no menu - sorriu. - Eu certamente vou querer um pedaço disto. Olhei para Jared correr a lista de sobremesas, bolos e sorvetes. Enquanto ele estava olhando, eu notei um pequeno ponto vermelho brilhando sobre seu ombro e, em seguida, cair lentamente sobre a mesa. Baixei o menu enquanto eu o vi bater na borda da mesa e em seguida, viajar até o corpo do meu vestido, cair sobre o meu coração. - Hum? - eu disse em um tom alto e mais perplexo. - O que querida? - Jared perguntou, ainda olhando para o menu. - Deve haver mais alguém aqui. Estão brincando com uma daquelas canetas a laser - eu disse, olhando para o meu peito tremer. Meu corpo deu um salto, e eu senti o mundo girar em câmera lenta. Os sons de guerra obstruindo o ar em torno de mim, e me esforcei para me orientar. Vidros caíram no chão, e sons de estouros acompanharam as armas de fogo. Meus braços e pernas pareciam restringidos e pesados, mas leve ao mesmo tempo, voando pelo ar, cada vez mais alto. Fechei os olhos e tentei espiar pela confusão. A voz de Jared me chamava de longe e enquanto sua voz se aproximava, também ouvia o zumbido e sons de golpe. - Nina! - Jared gritou. Sentada no chão, de costas para o interior da estação de garçons, o tempo se acelerou e sons se misturaram. Jared me alcançou por cima, e ouvi um som rasgado. Com uma mão ele colocou uma tábua longa nas minhas costas, recostando-me contra ela. Ele inclinou-se uma vez e chamou meu nome novamente. - Nina! 463


Minha mente de repente encontrou-se com o presente. Jared tinha se jogado por cima da mesa no segundo que tinha notado o ponto vermelho, e voamos juntos sob um monte de balas para o meio da sala. Ele rapidamente me endireitou-se e quebrou o balcão de mármore sobre nós, colocando atrás de mim como um escudo. Uma chuva de balas disparadas perto de nós novamente e eu pude ouvir a garçonete gritando na parte de trás em japonês. Jared gritou algo em resposta e, em seguida, virou-se para mim. A toalha vermelha tinha feito a viagem com a gente, e eu estava enrolada nela. Cobri minha cabeça enquanto as seguintes cortinas de balas atravessaram o restaurante. Quando olhei para cima, vi uma mancha vermelha na camisa Jared que crescia a cada segundo que passava. - Jared! Ele me olhou confuso e depois seguiu a minha linha de visão para o seu ombro. - Estou bem - ele disse, apenas sacudindo a cabeça. — Você está bem? - gritou por cima do vidro se quebrando e balas de fogo, agachando-se enquanto falava. Eu balancei a cabeça, vendo a expressão confusa de Jared voltarse preocupada. Ele olhou para sua coxa e tocou suas calças. - Acertaram a perna também? - eu perguntei, abaixando com outro ataque de balas. - Não... Eu... - disse voltando seu olhar para mim. De repente, seus olhos se arregalaram e olhei para o meu colo, puxando a toalha enrolada em volta de mim. Finalmente me livrando do tecido, levantei a saia do meu vestido, vendo uma confusão sangrenta na minha coxa. - Oh, meu Deus, Nina, te acertaram. Trocamos olhares de medo, justo quando a seguinte cortina de balas ricocheteou pela sala. Meu cérebro registrou a dor no

464


momento em que eu vi a ferida, e imediatamente a sensação se irradiou do buraco da bala para todas as direções. - Você vai ficar bem! - Jared gritou acima do vidro quebrando, seu rosto tencionou. O restaurante estava sendo destruído por balas. As paredes e mesas estavam estilhaçadas, o chão coberto de cacos de vidro. Ele puxou a gravata em seu pescoço e envolveu-a em torno do alto da minha coxa, puxando-a apertada e, em seguida, enrolou o pano e apertou-a contra minha perna. A picada se intensificou e se espalhava através do meu corpo e eu gritei de dor. O rosto de Jared apertou quando ele ergueu a mão do pano, tão vermelho escuro com o meu sangue. Ele aplicou mais pressão sobre ela e gritei novamente. Ele balançou a cabeça. - Eu tenho que tirá-la daqui. Ele manteve sua mão na minha perna enquanto se afastava até a estação atrás de mim e, em seguida, inclinou lentamente a cabeça para fora. Imediatamente saltou para trás, se esquivando de uma dúzia de tiros direcionados diretamente para ele. Quem fosse que estava lá fora, só tinha que nos manter no chão para que eu sangrasse até a morte e teria sucesso em matar-nos. Os olhos de Jared revisaram a sala em desespero. Escaneou os tetos e paredes, e tentou ver o que estava na parte de trás, um outro grupo se esquivava de balas. Quando mais tiros ressoaram, percebi que aqueles tiros soaram diferentes, mais perto. Tirei sua mão da minha perna e apertei a minha mão sobre a toalha da mesa, tremendo. - Vamos, Jared. Encontre uma saída. - Não te deixarei - disse desesperado. Respirei fundo, tentando concentrar-me além da dor. - Se você não fizer isso, ambos vamos morrer. 465


Jared fechou os olhos e apertou os lábios, a combinação de prioridades angustiando-o. Ele se virou para mim, seus olhos azuis meia-noite. - Eu vou para a direita no final do corredor para ver se não há outra saída e logo voltarei, ok? Vou nos tirar daqui - prometeu. Eu sorri e balancei a cabeça, os olhos ficando mais brilhantes. - Eu sei. Pegou cada lado do meu rosto e me beijou na boca e depois na testa. Mais balas caíram em cascata pelo prédio e os diferentes tons de arma estavam bem atrás de nós. Jared me chamou e eu tremi por nossa desgraça iminente. Jared riu e olhei para cima, vendo Claire a uns três metros, com as costas contra um pilar de concreto. - Pensei em vir e me juntar à festa! - Claire gritou para nós, lançando uma arma a Jared e logo se posicionando com seu rifle. - Eu amo você irmãzinha! - Jared gritou. Claire piscou. - Eu disse que você se daria conta disto um dia desses! - ele levantou a pistola e, em seguida, olhou para cima, respirando fundo, em seguida, virou o corpo, dando mais tiros antes de se virar para escapar de fogo em resposta. Ela se virou para Jared, então. - Tem quatro nos pisos superiores do edifício Norte, dois atrás do elevador, quatro em cada um dos dois telhados e três no chão, a frente dez, doze e dois. Eu vou ficar aqui com Nina. Vá fazer a limpeza. Jared sorriu e se virou para mim. - Aguenta querida. Volto em um segundo.

466


- Tenha um bom dia de trabalho. - eu sorri. Claire deu-lhe mais cartuchos de munições e, em seguida, ele se inclinou para frente, seus lábios pressionados contra os meus. - Promete que vai ficar acordada? - Eu prometo - eu sussurrei, e então ele desapareceu. Claire ficou atrás de mim no minuto seguinte e imediatamente pressionou a toalha de mesa. - Agh! - eu gritei. - Você tem que manter pressão sobre isto, bobinha, ou vai acabar seu sangue antes que a levemos para o hospital - gritou, dando alguns tiros por trás de nós com seu rifle. Fechei os olhos e assenti. - Cadela - eu disse rindo enquanto Claire atirou. - Abra os olhos, Nina! Você tem que ficar acordada! - ela gritou, batendo no meu rosto. Eu abri meus olhos e pisquei algumas vezes. - Sinto-me enjoada - eu disse, engolindo. Ela olhou para a minha mão na minha coxa, ambos cobertos de escarlate. - Isso é porque você está perdendo muito sangue. Tenho que cobrir Jared, mas você tem que ficar acordada! Claire puxou uma arma do coldre nas costas e disparou várias rodadas, batendo simultaneamente um rifle acima da cabeça e estabilizando-o no topo da madeira restante do nosso forte improvisado. Olhando para as perspectivas, sua pequena forma saltava para trás com cada tiro, enquanto grandes cacos de metal voaram, caindo ao meu redor.

467


- No SEIS, Jared! - Claire gritou, dando mais tiros com seu rifle com uma mão, e de forma intermitente endireitou a cabeça para usar a arma com a outra. As balas já não banhavam o restaurante, ainda que parecessem estar principalmente lá fora na rua. Claire guardou a arma no coldre e agarrou a parte de trás do meu vestido, rastejando-me pelo chão. Caminhou de lado no corredor até a cozinha em uma posição agachada, e eu engoli a náusea quando senti a trilha grossa de sangue ao longo dos azulejos brancos atrás de nós. Ela me colocou contra um armário e avaliou minha condição. - Maldição, você parece muito pálida - disse, recostando-se rapidamente para olhar para o corredor e depois endireitar para carregar sua arma. - Estou pálida, obrigada – murmurei, meus olhos se sentindo pesados. - Depressa, Jared - murmurou, empurrando minha franja dos meus olhos. Notei então que estava suando, meu cabelo molhado aderindo a minha testa. Os tiros estavam silenciando lá fora, apenas balas esporádicas a cada minuto mais ou menos. Eu comecei a tremer e Claire franziu a testa, preocupada com o meu estado piorando. A garçonete estava encolhida em um canto na frente de nós. Ela olhou para mim com olhos arregalados e aterrorizados, notando minha perna. - Está ficando mais silencioso - murmurei. - Isso é porque Jared já deu fim à maior parte das pessoas atirando - Claire disse com um sorriso forçado. - Onde está Jared? Por que não voltou ainda? - eu lutei para respirar. - Ele está vindo. Apenas aguente Nina – disse ela distraída, enquanto verificava o corredor novamente. 468


Precisava de um período de tempo mais específico. Preocupada com quanto tempo mais teria que lutar para me segurar, a questão ficou aquém. Olhei ao redor da sala e tudo começou a girar. - Você está perdendo muito sangue. Temos que tirá-la daqui - disse Claire, empurrando na entrada. Ela olhou rapidamente antes de se inclinar para trás para falar com a garçonete, pedindo algo em japonês. A mulher acenou com a cabeça e disse, gemendo uma resposta. Claire sorriu. - Há uma porta dos fundos. Pegaremos Jared no caminho... Vamos. - Eu estarei bem atrás de você - eu disse sem expressão. Com seu rifle em uma mão, me jogou por cima do ombro com a outra. Como se não pesasse nada, me carregou pelo corredor, virou-se e, em seguida, parou em menos de um segundo antes de dar um golpe com o pé na porta de aço resistente. Eu podia sentir o ar da noite resfriar o sangue quente da minha perna, e eu dei um suspiro de alívio que tínhamos finalmente escapado pelo beco. Tínhamos quase alcançado a rua quando Claire congelou e eu caí no chão. - Erro de principiante Claire Bear – disse Grahan, apontando com sua arma. Ele ainda tinha o nariz enfaixado onde o cotovelo havia quebrado. - Muito corajoso de sua parte vir sozinho. - ela sorriu. Tinha visto a expressão petulante de Claire antes, mas desta vez foi diferente. Ela tinha um lampejo de medo em seus olhos. Eu sabia que estava ficando sem tempo. Grahm virou para mim. - Eu disse que nos veríamos logo, Nina. Parece que nem sequer vou ter que desperdiçar uma bala... Você está muito perto da porta da morte. Uma grande perda, também - disse ele, estalando a língua em desaprovação. - eu queria passar algum tempo com você. 469


Eu segurei com as mãos, mas meus braços tremiam de cansaço. Eu me esforçava para manter os olhos focados e meus pulmões estavam tendo dificuldade de ficarem satisfeitos com cada respiração superficial. Grahm estava certo, porém lutaria contra isto, tive que manter meu coração batendo para salvar Jared. - Se ela morrer, Grahm, não vou matá-lo rapidamente - disse Claire através de seus dentes, sua voz tremendo de raiva. - Sofrerá... Por dias. Talvez até mesmo semanas... O inferno será um doce alívio em comparação com o que eu vou fazer. Grahm riu, apontando a arma para mim. - Eu poderia acabar com sua vida agora, mas acho que eu gosto de ver você se contorcer enquanto a vemos morrer. Tossi e caí sobre meus cotovelos, as palmas das minhas mãos sobre o pavimento molhado do beco. A náusea se tornou mais uma promessa do que uma ameaça, e o suor escorria desde onde nasce o meu cabelo até meus olhos. Grahm planejava manter a mão armada até que meu coração parasse de bater e Jared logo adoeceria e morreria. A raiva brotou dentro de mim e apertei os meus dentes de raiva. Eu olhei para o cano da arma. - Eu gostaria de poder ver o que ela fará com você, Grahm, se se arrependerá de... - Já, já... - ele riu. Você beija sua mãe com essa boca? - Você sequer tem uma mãe, Grahm? Ou acaso você veio direto das entranhas do inferno? - engoli em seco, sentindo minha vida escapar. Grahm levantou a arma. - Você é atrevida Nina. Eu gosto disso. Talvez vá mostrar um pouco de misericórdia... Não é realmente o meu estilo, mas eu vou fazer uma exceção para a filha de Jack. Fechei os olhos com força e esperei, mas o fim não veio. Quando olhei para cima, Grahm estava com as costas arqueadas, os olhos 470


arregalados e esbugalhados, olhando para frente. Um fio de baba escorrendo de sua boca quando ele caiu para a frente. Jared se parou em seu lugar com um punho sangrento. - Bem feito - disse Claire, levantando meu corpo inerte da terra. - Fiquei sem balas - Jared brincou, tomando-me dos braços de Claire. Disparamos para frente, correndo tão rápido que eu pensei que tinha finalmente lhe criado asas. Eu tentei me concentrar, quando ele me deitou no banco de trás de seu Escalade, embalando-me em seus braços. Claire pulou para o banco do motorista. - O Hospital Rhode Island está mais perto, certo? - Sim! - Jared gritou. — Vamos, Claire, vamos lá! - Vou sangrar no assento - murmurei. Jared riu nervosamente. - Não me importa o assento... Só fique comigo. - Eu estou com frio - eu sussurrei. Meu corpo incontrolavelmente, mesmo contra o seu corpo quente.

tremia

- Claire - disse Jared, me segurando contra ele. - Dois minutos - disse ela, enquanto a caminhonete tremia numa curva acentuada. - Não tem dois minutos - Jared reclamou. - Jared? - Chamei na escuridão. Senti sua mão quente na minha bochecha. - Eu estou aqui. - Jared? - eu gritei. Estava muito cansada e com medo. Não sabia se era forte o suficiente para nos manter ambos vivos. - Eu estou aqui, Nina. Fique comigo, ouviu? - eu ouvi sua voz quebrada. - Tenho planos para você. 471


Senti o Escalade chiar ante a parada brusca, e a porta se abriu. Jared saiu rapidamente de trás, me abraçando com força em seus braços. Gritou por socorro e, logo um grande grupo de pessoas me cercava. - Senhor, eu preciso que você a coloque sobre a maca - eu ouvi uma mulher dizer. Eu senti os lábios quentes de Jared na minha testa e seu aperto. - Senhor! - Você prometeu - disse Jared comovido. - Mantenha a promessa, Nina. Me deitou sobre um colchão duro e sua mão apertou a minha antes de me deixar ir. - Vejo você em breve. Procurei o rosto de Jared com os olhos desfocados, quando as vozes de médicos e enfermeiros se esfumaram ante mim. - Jared? - Chamei por ele. - Precisa sair da sala, senhor. Senhor? Você tem que ir! - Ouvi enquanto buscava suas mãos com a última força que me restava.

Quando voltei à superfície de novo, o sol da manhã estava espiando através das cortinas. Olhei para a minha mão direita que estava enrolada nos longos dedos quentes de Jared. Sua cabeça repousava na cama do hospital ao meu lado, com o rosto calmo e tranquilo. Era uma visão extraordinária vê-lo dormindo, então o deixei quieto. Sentei-me perfeitamente imóvel, mantendo nossas respirações iguais, observando as sombras dançar na parede com o sol nascente. Quando o sol iluminou o quarto, Jared se moveu. Seus olhos piscaram e levantou a cabeça, olhando para mim.

472


- Bom dia - sorriu, correndo os dedos pelo cabelo despenteado. Cumpriu sua promessa. - Sempre cumpro minhas promessas - eu disse, arqueando as costas contra a cama, fazendo uma careta com a dor que se seguiu. Seu rosto se apertou. - Você me deixou preocupado por um tempo. Perdemos você um duas vezes. - Sério? Me sinto enganada. Não lembro de uma única luz branca. Minha vida nunca nem passou diante meus olhos. Ele franziu os lábios. - Pare de fazer piadas sobre a morte. - Você está bem? Quando isso aconteceu e te trouxeram de volta... Isto não doeu nada, certo? - Não se preocupe comigo, eu estou bem - ele negou com a cabeça em resposta e em sinal de desaprovação à minha pergunta. - Como está o seu ombro? - Como novo - ele disse, fazendo uma demonstração de acariciar o local onde a bala tinha entrado. - Sim... acho que minha perna vai levar mais tempo para curar do que o seu ombro. - eu olhei para baixo, vendo as grossas camadas de gaze em torno dela. Ele concordou, mas seu rosto era de dor. Toquei seu rosto com os dedos. - O que foi? Jared balançou a cabeça, tentando manter os cantos da boca para cima. Seu sorriso desapareceu com o rosto franzido e olhar apertado.

473


- Jared - disse tentando pensar em algo reconfortante para dizer. Não poderia imaginar o que tinha acontecido, deixando outra pessoa tentando salvar minha vida. Ele suspirou e segurou a minha mão contra sua bochecha. - Pensei que tinha te perdido... - exclamou com os olhos fechados... - Pensei que tinha te perdido. - sua voz estava em agonia e gemeu quando ele enterrou seu rosto no meu estômago. Eu descansei minha mão na cabeça, sem saber o que dizer. Ele inalou outra golfada de ar e rapidamente passou os braços em volta dos meus quadris, me puxando para ele. Ele manteve o rosto escondido contra mim. - Eu não sabia o que fazer... Eu implorei a Gabriel para me levar ao mesmo tempo. Não queria viver um segundo sequer sem você. Ergueu o rosto para enfrentar o meu, seus olhos úmidos e vermelhos. - Eu estou bem - eu sorri, acariciando-lhe o rosto com as costas de meus dedos. Jared enxugou os olhos e suspirou. - Não é assim que eu queria fazer isso, mas eu vou fazer. Eu olhei para ele confusa quando se inclinou para pegar alguma coisa. Sentou-se e colocou uma pequena caixa no meu colo. Era uma caixa de comida de viagem de Blaze em Thayer. Eu ri. - Batatas fritas? Jared sorriu. - Batatas fritas. - Para o café da manhã? - eu perguntei, levantando a tampa. Ela estava vazia, exceto por uma pequena caixa preta. Eu olhei para

474


Jared e senti minhas sobrancelhas se erguerem. Ele levantou a caixa e segurou-a na minha frente. - Abra - Jared murmurou, enxugando os olhos. Cuidadosamente levantei a tampa, revelando um anel de ouro... Um grande diamante brilhando no centro. Engoli em seco e olhei para Jared. - Eu existo por você e eu vivo por você. E vivo para amar você - fez uma pausa. - Case-se comigo, Nina. Olhei para o anel e um amplo sorriso se estendeu em meu rosto. Jared me observou enquanto assistia o diamante brilhante. - Quer se casar comigo? Eu olhei para ele, lágrimas transbordando dos meus olhos. Eu balancei a cabeça enfaticamente e ri. - Sim. O sorriso de Jared se igualou ao meu, ele tirou o anel da caixa e levantou a minha mão, puxando o anel de prata de Corn Island, e deslizando o delicado anel de ouro no meu dedo. Ele olhou para o anel por um momento com espanto, e então se inclinou para frente, tocando seus lábios nos meus. Eu passei meus braços ao redor do pescoço, com lágrimas de alegria pura. Jared sorriu triunfante. - Nós tivemos que passar pelo pesadelo para o nosso milagre. Você Nina... Você é meu milagre. Sempre foi você.

475


EPÍLOGO Contive minha risada enquanto Jared lavava a pintura de seus cabelos na pia da cozinha. Tinha acabado de consertar o buraco de bala invisível acima do fogão; era o último item em sua lista de coisas para remover, substituir ou reparar desde a visita de Shax apenas há dois meses. Jared estava coberto de manchas marfim e me pareceu engraçado que fora tão gracioso e ágil; contudo, não foi capaz de pegar um pincel sem que a metade da bandeja inexplicavelmente aparecesse sobre ele. - O quê? – perguntou sorrindo enquanto esfregava o cabelo com uma toalha. - Você está bem em Honeysuckle Bege. Acho que é a sua cor - eu ri. Jared jogou a toalha sobre o balcão e se aproximou da cama onde eu descansava. - Como está a perna? Precisa de algo para a dor? – perguntou, agachando-se ao meu lado. - Esta bem. Como está o ombro? Jared sorriu por um momento e depois seus dedos se entrelaçaram aos meus. - Aconteceu algo a meu ombro? - É como essa pergunta da árvore que cai no bosque fazendo um som? – perguntei olhando para o grande diamante brilhando em meu dedo. O som da risada de Jared de encheu o quarto. - Sim, algo assim. Claire estará aqui em breve com a mamãe. Elas vão trazer algumas revistas, catálogos, coisas assim. Sorri e passei meus dedos por seu cabelo molhado. - Você me mantém bastante entretida. 476


- Elas estão trazendo as coisas para o casamento. Lillian recorreu à pressão para que eu a deixasse vir aqui. Fiz ela esperar até que você estivesse um pouco mais forte antes que pudesse subir ao sótão com fitas e opções de centro de mesas. Temo que só serviu para coletar mais suprimentos. - Você não contou a eles sobre a ilha, certo? - acusei. Jared semicerrou um olho. - Creio que vou precisar de reforços para isso. - Esta deixando que venha até aqui pensando que estamos planejando um grande casamento? Jared! Ele se encolheu com a minha reação. - Esta bem! Explicaremos juntos. Revirei os olhos e nervosamente torci o anel de noivado no meu dedo. - Se eu pude dizer a Cynthia que vou me casar antes de me formar na faculdade, você pode dizer a sua mãe que vamos fazer algo simples. Jared baixou o olhar e sorriu. - Você costumava fazer isso com o anel de Jack. É curioso que nesta data no ano passado sorria quando eu te via brincando com Peridoto. Agora você gira seu anel de noivado quando você está nervosa. É muito... surrealista - refletiu. - Não me diga. – me queixei. Jared assentiu uma vez. - Zangada quando planeja um casamento... Verificado. Pressionei meus lábios, tentando não sorrir. Jared levou minha mão a seus lábios e beijou meus dedos carinhosamente. - Vai ficar bem. Eu prometo. 477


As cortinas brancas transparentes balançavam preguiçosamente para frente e para trás com a brisa de verão. As paredes do sótão estavam agora em tons de bege e branco e quando o sol se infiltrava através das janelas, tudo parecia brilhar. A luz parecia devorar Jared e sorri diante da aureola que esta criava em torno dele. Seus olhos eram de um suave azul-acinzentado, sem nuvens desde que me trouxe do hospital para casa. Segundos mais tarde, alguém bateu na porta. Claire, Lillian e Bex entraram com os braços cheios de sacolas e grossos catálogos. Jared sorriu ao ver sua família e depois riu quando se virou para ver a minha expressão constrangida. - Seja corajosa, querida. Não mostre medo - sussurrou em meu ouvido antes de saudar carinhosamente sua mãe. - Nina! - Lilian borbulhava. - Você parece muito melhor, querida. Nós ficamos muito preocupados! Claire deixou dois sacos brancos em cima de uma mochila pink enquanto Lillian endereçava uma pilha de revistas de noivas na mesa de café. Lillian sorriu quando olhou ao redor da sala. - Oh... Oh! Eu adorei o que você fez aqui! É muito luminoso e tranquilo! Eu disse a Jared durante anos para iluminar este lugar e você conseguiu convencê-lo em questão de semanas! - Piscou um olho. - Que mulher, Nina. - Ele praticamente me obrigou a escolher uma nova paleta de cores e uma nova loja decoração. Tinha certeza de que eu não gostava de como estava antes. - Sorri calorosamente para Jared que olhava com uma expressão suave. - Nova paleta de cores e decoração? - Bex bufou. Jared pulou sobre Bex e lutou com ele no chão, colocando uma chave de cabeça e esfregando os dedos contra sua cabeça. - Um dia você vai entender pirralho - disse Jared rindo. 478


O riso encheu o loft enquanto observávamos lutar no chão. Bex fez um esforço impressionante, porém, não conseguiu escapar das garras Jared. Ele finalmente se levantou, erguendo Bex pelo pescoço. Jared pegou o pescoço de Bex com uma chave de braço, apertou e Bex jogou o braço por cima do ombro de seu irmão mais velho. - Você viu isso, Nina? – perguntou Lillian, pegando uma revista na parte superior da pilha. Ela lambeu o polegar e foi para uma página marcada. A imagem era de uma mulher de pé em uma praia - o céu azul brilhante e águas azuis atrás dela - parecendo muito entediada e precisando urgentemente de uma refeição. Usava um brilhante vestido branco com decote V, agarrando as bordas de seus ombros. O corpete ia do ombro até a cintura império frisado com contas de prata. O tecido de chiffon e seda caia verticalmente em uma fluida saia reta. - É perfeito – eu disse, suspirando por sua beleza. Jared olhou por cima do sofá e Claire cobriu seus olhos com a mão. - Você não pode olhar! - Bem, vai ser fácil de comprar! - Lillian riu. - Sua mãe tem alguns favoritos? - Cynthia não é daquelas que se encarregam do casamento disse com um sorriso. Jared tirou a mão de sua irmã de seus olhos e sorriu. - Você gostou desse? - Bem, teria que prová-lo. - Oh, você estará tão linda com esse vestido, Nina – disse Lillian enquanto me abraçava, beijando o topo da minha cabeça.

479


- Ir a uma pequena capela branca em uma pequena ilha frente Nicarágua? - perguntou Jared. Olhei para ele, tentando evitar levantar os cantos da minha boca. - Acho que sim. - O quê? – perguntou Lillian, olhando para Jared com um meio sorriso confuso. - Quando fomos para Little Corn durante as férias de primavera, nós encontramos uma pequena capela na ilha. Alí será a cerimônia, uma pequena cerimônia. Considere assentos para cerca de cinquenta ... talvez menos. Lillian me olhou com surpresa. Claire suspirou e logo começou a rir, com sua boca formando um "O". - Você está morto, Jared! - Uma ilha nicaraguense? - disse Lillian suavemente. - Bem... vamos fazer com que funcione - disse com um doce sorriso. - Você tem que pegar um barco para chegar ali, mamãe – acrescentou Jared. Lillian olhou para Jared, depois para mim, tentando encontrar as palavras. - Os convidados do casamento pegando um avião para a Nicarágua e, em seguida, um barco para uma pequena ilha com cabines para hospedar-se - pensou em voz alta. Fechei a revista quando Jared se aproximou de sua mãe acariciando seu ombro. - Isso nos dá uma boa desculpa para manter a lista com o mínimo de convidados. Os olhos de Lillian se iluminaram.

480


- Há sempre a recepção – cantarolou ela, olhando para outra revista. Jared riu do otimismo inabalável de sua mãe. Lillian me abraçou novamente e se levantou, colocando seu braço em torno dos ombros de seu filho mais novo. - Bex tem uma sessão de treino no início da manhã. Deixe-me saber se precisar de algo Nina. Eu amo vocês - sorriu. Claire negou com a cabeça para a mãe com carinho engraçado e, em seguida, me olhou. - Ela vive para estas coisas. - Não pense que você vai sair com algo parecido com isso, senhorita – disse Lillian a Claire. - Planeje um casamento ridiculamente luxuoso na igreja, agora. Claire desprezou o comentário de sua mãe e pude ver o desconforto e sua expressão voltar enquanto folheava mais páginas da revista. - O que foi Claire? - perguntou Jared. - Nós deixamos alguns cabos soltos no restaurante. Estes homens são leais a Grahm, Jared. Depois de alguns instantes de silêncio, olhei para cima. A expressão de Jared era impaciente. - Isso poderia ter esperado. - Eu discordo – disse Claire em um tom de preocupação. Bex ficará de olho em Ryan por mim. Não vou deixar que venham atrás de Nina novamente. - Ela me olhou com uma ternura maternal. - O que planeja fazer? - perguntei sentindo uma pontada no peito. - Vou encontrar todas as pessoas envolvidas, cada inimigo de Jack, todos os policiais que estão dispostos a vingar a morte de 481


Grahm... e eu vou acabar com a ameaça. - olhou para Jared. - É o que o papai teria feito. Jared olhou para sua irmã mais nova com um sorriso agradecido. - E quando pretende fazer isso? Claire foi até a mesa e abriu o zíper da mochila pink. Em poucos segundos, ela montou um rifle de várias peças e depois, apertou sobre o alcance, balançando a correia preta e grossa em seu ombro. - Quando você vai voltar? - perguntei, me inclinando em reação a sua aparente partida. - Quando o trabalho estiver feito - sorriu, carregando a capa para pistola. Levantou o pé da mesa e fez girar uma grande faca em torno de seu dedo, empurrando-o em um estojo em sua bota preta grossa. Jared apoiou as mãos suavemente sobre seus ombros, beijando-a na testa. - Proteja-se – disse juntando-se a mim no sofá. - Claire... - disse, sentindo que meus olhos começavam a umedecer. Ela começou a rir. - Não seja ridícula. Eu nunca perco. - Seus olhos ficaram desfocados e sua expressão tornou-se ameaçadora. - Eles terminaram com suas vidas quando se lançaram sobre minha irmã. Colocou seus óculos de sol, sua franja reta e platinada caiu sobre a parte superior da armação. Caminhando para a porta, agarrou a alça de seu rifle com uma mão e girou a maçaneta com a outra. - Eu tenho que ir trabalhar – Claire sorriu maliciosamente, em seguida, fechou a porta. Fim

482


A história continua com...

Sonhar com os mortos poderia significar uma noite ruim para qualquer um, mas para Nina Grey era um aviso. Ainda se recuperando de seu último encontro com o Inferno, Nina luta não só com a sua vida de estudante na Universidade de Brown, mas também como estagiária na Titan Shipping, empresa de seu pai. Os pesadelos recorrentes sobre a morte violenta de seu pai se tornaram um evento noturno, mas ser oprimido pela culpa pela inesperada partida de Ryan para as Forças Armadas e com o coração partido por Claire estar do outro lado do oceano para protegê-la, Nina acredita que suas noites de insônia são o menor de seus problemas... Porém se equivoca. Preocupado com a deterioração da saúde de Nina, Jared deve roubar o livro de Shax para obter respostas. A luta contra os novos inimigos, e com a ajuda de novos amigos, o pior medo de Jared chega ao fim. Desesperado, ele enfrenta uma escolha: lutar com o inferno sozinho, ou iniciar uma guerra com o céu.

483

01 providence  
01 providence  
Advertisement