Page 1

VILA VILA SUSTENTÁVEL SUSTENTÁVEL PARA PARA FAMÍLIAS FAMÍLIAS DE DE BAIXA BAIXA RENDA RENDA

VOLUME 1 / N° 083 6T EDITION

WRITTEN BY ARMANDO BRANDON EDITED BY AUDREY BATES


MONOGRAFIA (TFG - TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO_ - CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNVERSIDADE DE MARÍLIA, MARÍLIA,2019. ORIENTAÇÃO: PROF. SONIA CRISTINA BOCARDI DE MORAES 1.ARQUITETURA SUSTENTÁVEL 2.UTILIZAÇÃO DO BAMBU 3.VILA SUSTENTÁVEL AUGUSTO, LUCIANA FATIMA


DEDICATORIA DEDICO ESTE TRABALHO DE GRADUAÇÃO PRIMEIRAMENTE A MINHA MÃE QUE SEMPRE ESTEVE AO MEU LADO ME DANDO O APOIO QUE MAIS PRECISEI E NÃO PODERIA DEIXA DE LEMBRAR A PESSOA QUE LÁ DO CÉU DEVE ESTAR MUITO FELIZ COM ESTA CONQUISTA DO MEU MAIOR SONHO, OBRIGADA PAI POR SEMPRE ME ILUMINAR AI DE CIMA.


Revista TFG - Arquitetura e Urbanismo [recurso eletrônico]/Núcleo Docente Estruturante de Arquitetura e Urbanismo. Universidade de Marília. Vol.1, n°1 (Jan/março 2019). v.:i.,30cm Trimestral Endereço eletrônico: http://www.unimar.br/cursos/graduacao/ar quitetura/ ISBN 0000-0000 versão eletrônica 1.Arquitetura e Urbanismo 2.Croquis 3.Representação Gráfica 4. Arquitetura Mundial I.Universidade de Marília. Arquitetura e Urbanismo


REVISTA TFG - ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE DE MARILIA - UNIMAR ARQUITETURA E URBANISMO

issn 2019-083 REVISTA TFG VOL. 2

CDD720 01 nov2019


UNIVERSIDADE DE MARÍLIA Reitor MARCIO MESQUITA Vice Reitora REGINA LUCIA OTTAIANO LOSASSO SERVA Pró - Reitor de Pós Graduação FERNANDA MESQUITA SERVA Pró Reitor de Administração MARCO ANTONIO TEIXEIRA Pró-Reitor de Graduação JOSÉ ROBERTO MARQUES DE CASTRO Pró- Reitora de Ação Comunitária FERNANDA MESQUITA SERVA Curso de Arquitetura e Urbanismo FERNANDO NETTO


UNIVERSIDADE DE MARÍLIA ms.FERNANDO NETTO- CORDENADOR/ARQUITETURA E URBANISMO Dr.IRAJÁ GAUVEIA-Doscente/Arquitetura e Urbanismo ms.WALNICE D. SCALLI-Doscente/Arquitetura e Urbanismo ms.SÔNIA C. BOCARDI MORAES -Doscente/Arquitetura e Urbanismo ms.WILTON CARMEZIELI - Doscente/Arquitetura e Urbanismo NÚCLEO INTEGRADO DEE PESQUISA E EXTENSÃ-NIPEX. COMISSÃO EDITORIAL-REVISTA TFG ms.FERNANDO NETTO- CORDENADOR/ARQUITETURA E URBANISMO ms.WILTON CARMEZIELI - Doscente/Arquitetura e Urbanismo ms.SÔNIA C. BOCARDI MORAES -Doscente/Arquitetura e Urbanismo Dr WALKIRIA MARTINEZ CORDENAÇÃO-ARQUITETURA E URBANISMO Ms.FERNANDO NETTO=Arquitetura e Urbanism


SUMÁRIO RESUMO ................................................................................................ 2 ABSTRAT ................................................................................................ 3 INTRODUÇÃO ......................................................................................... 4 2 CONCEITO ..................................................................................,........ 5 EVOLUÇÃO HISTÓRICA ..............................................................................6 3.1 OBJETIVOS GERAIS ............................................................................. 7 3.2 OBJETICOS ESPÉCIFICOS...................................................................... 8 3.3 DÉFICITS HABITACIONAIS NO BRASIL................................................... 8 3.4 O BAMBU .............................................................................,,........... 9 3.5 BAMBU IMPÉRIAL ..................................................................,.....,.... 10 3.6 CORTE DO BAMBU........ ..........................................................,......... 10 3.7 COSMO...................................................................................,......... 11 4.0 ANALISE TECNICA SOBRE A RESISTENCIA DO BAMBU .................,........ 12 5.0 TRAÇÕES PARALELAS ÁS FIBRAS ...............................................,........ 13 6.0 O SOLO............................................................................................ 13 7.0 TRATAMENTO .................................................................................. 14 7.1 TRATAMENTO DO BAMBU TRADICIONAL.............................................. 14 7.2 TRATAMENTO DO BAMBU QUÍMICOS .................................................. 15 8.0 TIPOS DE SECAGEM DO BAMBU .......................................................... 16 90. TIPOS DE AMARRAÇÃO E TRAVAMENTO .............................................. 17 9.1 PROPRIEDADES DO MATERIAL BAMBU PARA CONCRETO ARMADO.......... 19 9.2 PROPORÇÕES DE MISTURA PARA CONCRETO ARMADO DE BAMBU...........20 10.LEGISLAÇÃO................. ................................................................... 20 1.LEITURA DE PROJETOS ................................................................. ........21 12.ESTUDO DO LOCAL ............................................................................ 24 13.PROGRAMA DE NECESSIDADES ........................................................... 27 14 PARTIDO ARQUITETÔNICO ...................................................................28 CONCLUSÃO .......................................................................................... 29 REFERENCIA ...........................................................................................30


RESUMO ESSE TRABALHO DE GRADUAÇÃO TEM POR FINALIDADE DISCUTIR O INTERESSE HABITACIONAL E SOCIAL DE FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA, COM UM CONCEITO DE ELABORAÇÃO DE UM PROJETO TOTALMENTE SUSTENTÁVEL NAS MORADIAS, E ASSIM ELABORADO E APLICADO NA CONSTRUÇÃO CIVIL, COM A SUSTENTABILIDADE SENDO VALORIZADA. A IDEIA DA SUSTENTABILIDADE SENDO APLICADA NA VILA É QUE AS FAMÍLIAS POSSAM TER MAIS CONHECIMENTO SOBRE OS CONCEITOS DE UMA SUSTENTABILIDADE E APRENDER SEU DESENVOLVIMENTO, E EM SEGUIDA SER APRESENTADO UM PROJETO TOTALMENTE DIFERENTE DE UMA ESTRUTURA DE CASA COMUM, QUE SEJA APLICADO UM CONCEITO FEITO DE ESTRUTURA DE BAMBU, ONDE TENHA A CAPACIDADE DE RESISTIR AOS ESFORÇOS DE COMPRESSÃO E DE FLEXÃO, SENDO ASSIM APLICANDO ESSE MATERIAL NA ESTRUTURA DO TELHADO, MUITAS FAMÍLIAS NÃO POSSUEM O CONHECIMENTO DESTE MATERIAL TÃO INCRÍVEL E ATRAVÉS DO INCENTIVO DO BAMBU POSSA SE TORNAR O OBJETO PRINCIPAL DA CONSTRUÇÃO DA VILA.

2


ABSTRACT SUSTAINABLE VILLAGE FOR LOW-INCOME FAMILIES. THIS GRADUATION WORK HAS THE PURPOSE OF RAISING THE DISCUSSION ABOUT THE INTEREST IN INCLUDING LOW INCOME FAMILIES, ELABORATING A PROJECT WITH SUSTAINABLE HOUSES, AND SO ELABORATING IT AND APPLYING IT IN CIVIL CONSTRUCTION, VALUING SUSTAINABILITY BY REUSING RAIN WATER. THE REASON SUSTAINABILITY BEING APPLIED IN THE VILLAGES IS BECAUSE FAMILIES WILL BE ABLE TO LEARN MORE ABOUT IT AND ABOUT ITS DEVELOPMENT THEREFORE PRESENT A NEW PROJECT COMPLETELY DIFFERENT THAN A USUAL HOUSE, WITH A BAMBOO STRUCTURE THAT HAS THE STRENGTH TO HOLD THE CONSTRUCTION UP, ALSO USING THIS MATERIAL IN THE ROOF CONSTRUCTION. A LOT OF FAMILIES DON’T HAVE THE KNOWLEDGE OF AS INCREDIBLE AS THE BAMBOO, AND THROUGH THE BAMBOO CULTIVATION THIS PROJECT WILL BECOME THE RAW MATERIAL OF THE VILLAGE BUILDING.   KEYWORD: BAMBOO, SOCIAL INTEREST AND SUSTAINABILITY.

3


INTRODUÇÃO O TEMA DA PROPOSTA TRATA-SE DE UMA VILA SUSTENTÁVEL PARA FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA, E UM PROJETO ARQUITETÔNICO COM INFRAESTRUTURA BÁSICA PARA TIRAR FAMÍLIAS DAS NECESSIDADES PRECÁRIAS EM MORADIAS PROVISÓRIAS E POSICIONANDO ESTAS PESSOAS EM HABITAÇÕES ONDE POSSAM TER MELHORES CONDIÇÕES PARA SUAS PRÓPRIAS MORADIAS. O OBJETIVO DO TRABALHO É QUE ESTA PROPOSTA SEJA ELABORADA E REALIZADA EM CIDADES COMO NORDESTE OU ATÉ MESMO NA ÁFRICA EM ALDEIAS ONDE TAMBÉM PODEMOS OBSERVAR A POBREZA E A FALTA DE POSICIONAMENTO SOBRE À QUESTÃO DE MORADIA PARA AS FAMÍLIAS. TIRANDO FAMÍLIAS QUE MORAM EM CASAS COM POUCA ESTRUTURA, E ABAIXO DA LINHA DA POBREZA. MILHÕES DE FAMÍLIAS PASSAM POR FALTA DE CONDIÇÕES HABITACIONAIS DE ACORDO COM OS DADOS DIVULGADOS PELO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE), MAIS DE 11 MILHÕES DE PESSOAS ESTÃO VIVENDO EM FAVELAS E EM MORADIAS PRECÁRIAS NO PAÍS. A TÉCNICA DE MORADIA QUE DECIDI PROPOR PARA ESTE PROJETO DE CONSTRUÇÃO É A RECUPERAÇÃO E A RESTAURAÇÃO DAS CASAS QUE APRESENTAM DEFICIÊNCIAS DE CONSTRUÇÃO TANTO POR FALTA DE TERRENO QUANTO POR FALTA DE ACABAMENTO NAS EDIFICAÇÕES, COMO OCORRE NAS FAVELAS. A FALTA DE CONHECIMENTO TÉCNICO DIFICULTA O USO DE MATERIAIS ALTERNATIVOS AOS EXISTENTES NO MERCADO. ESTA PROPOSTA PROCURA RECUPERAR MATERIAIS E SISTEMAS CONSTRUTIVOS JÁ CONHECIDOS E QUE TEM ALÉM DE MATERIAIS SUSTENTÁVEIS, BAIXO CUSTO DE CONSTRUÇÃO TANTO PELO USO DO MATERIAL QUANTO DE MÃO DE OBRA. A UTILIZAÇÃO DE MATÉRIAS SUSTENTÁVEIS SENDO APLICADA NESSAS MORADIAS, E COM OS FATORES NECESSÁRIOS PARA DIMINUIR OS EFEITOS NOCIVOS AO MEIO AMBIENTE É UM FATOR A SER CONSIDERADO EM EDIFICAÇÕES DE BAIXO CUSTO, QUE POSSA TER MÃO DE OBRA BARATA, E QUE MANTENHA QUALIDADE DE VIDA PARA OS MORADORES.

4


CONCEITO SÃO MORADIAS CONSTRUÍDAS EM LUGARES PRECÁRIOS VOLTADOS PARA FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA, QUE PASSAM POR NECESSIDADES PRECÁRIAS E NECESSITAM DE UM APOIO PARA PODER CONSTITUIR SUA PRÓPRIA MORADIA. DE ACORDO COM O ARQUITETO NABIL GEORGES BANDUKI (1998) COMEÇARAM APARECER AS MORADIAS EM DIVERSOS E DIFERENTES LUGARES, E ASSIM VIRANDO CORTIÇOS E APRESENTANDO SITUAÇÕES PRECÁRIAS PARA A POPULAÇÃO QUE ALI MORAVA. OS CORTIÇOS ERAM AS HABITAÇÕES PARA AS FAMÍLIAS QUE PAGAVAM ALUGUEL, MAS ERA A ÚNICA OPÇÃO PARA OS TRABALHADORES NA ÉPOCA, MESMO COM A FALTA DE CONFORTO E SEM UMA ESTRUTURA PARA MORADIA E QUALIDADE DE VIDA. CONSTRUÇÃO COM SUSTENTABILIDADE É UM CONCEITO QUE VEM SENDO APLICADO COM UM CONJUNTO DE MEDIDAS ADOTADAS NAS ETAPAS DAS OBRAS E QUE ASSIM ATRAVÉS DESTE CONCEITO TEM O RESULTADO DA AMENIZAR OS IMPACTOS NEGATIVOS SOBRE O MEIO AMBIENTE E TENDO UMA MELHORIA NA VIDA DOS OCUPANTES, NO CASO AS FAMÍLIAS DANDO A ELAS UMA QUALIDADE MELHOR DE VIDA

crise de habitação que atingiu os nãos proprietários nas principais cidades brasileiras a partir da década de 1940 foi consequência de profunda mudança no mercado de provisão habitacional. Embora influenciada pela conjuntura econômica da Segunda Guerra, essa mudança foi estrutural e era parte dos novos rumos tomados pela economia e pela sociedade brasileiras. “A falta de residências quer em São Paulo, quer no Rio de Janeiro ou em outras cidades importantes do Brasil [...] não foi criada pela guerra, mas apenas agravada por ela” (ASSOCIAÇÃO COMERCIAL 1944a: 4 apud LENGEN, 2004).

5


EVOLUÇÃO HISTÓRICA

NA DÉCADA DE 40 MAIORIAS GRANDES CIDADES PASSARAM POR UMA CRISE E ASSIM TRAZENDO PROBLEMAS PARA O SETOR HABITACIONAL, SENDO QUE OS ALUGUEIS NAQUELA ÉPOCA FORAM CONGELADOS CAUSANDO UM GRANDE PROBLEMA PARA AS FAMÍLIAS QUE DEPENDIAM DISSO PARA TER UMA CASA, E COM O TEMPO FORAM DESENVOLVENDO OUTROS OBSTÁCULOS COMO O PERÍODO DE INFLAÇÃO CRESCENTE, QUE TEVE A DESVALORIZAÇÃO DO ALUGUEL, E POR ESSES MOTIVOS OS PROPRIETÁRIOS NÃO TINHAM OUTRA OPÇÃO A NÃO SER PARAR DE CONSTRUIR HABITAÇÕES, E ASSIM CAUSANDO UMA GRANDE CARÊNCIA HABITACIONAL NAS CIDADES BRASILEIRAS. OS PROPRIETÁRIOS NÃO TINHAM OUTRA OPÇÃO A NÃO SER IR EXPULSANDO OS MORADORES DE SUAS CASAS, POR MOTIVOS QUE OS ALUGUEIS FORAM SE TORNANDO ALTÍSSIMOS E ASSIM OS MORADORES NÃO TINHAM CONDIÇÕES DE MANTER ESSE VALOR, E ACABAVAM SAINDO PREJUDICADOS POR SEREM DE BAIXA RENDA. OS DESPEJOS DOS TRABALHADORES FOI UM DOS PRINCIPAIS MOTIVOS QUE ACARRETOU NAS PERIFERIAS DE GRANDES CIDADES, CAUSANDO O DESENVOLVIMENTO DE FAVELAS.   SFH (SISTEMA FINANCEIRO DA HABITAÇÃO)

6


OBJETIVOS GERAIS MOSTRAR CONHECIMENTO E A IMPORTÂNCIA DA ARQUITETURA RELACIONADA À HABITAÇÃO SOCIAL NO BRASIL E A APLICAÇÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM TIPO DE MORADIA DE BAIXO IMPACTO AO AMBIENTE NATURAL. ANALISAR OS CONCEITOS DE UM PROJETO SUSTENTÁVEL PARA APLICAR NOS AMBIENTES DA CONSTRUÇÃO, AOS MATERIAIS E TÉCNICAS APLICADAS. NESTE TRABALHO O PONTO CHAVE É DISCUTIR O CONCEITO DA SUSTENTABILIDADE SENDO APLICADA NA CONSTRUÇÃO CIVIL E ASSIM VERIFICANDO O USO EM RELAÇÃO DA AGUA, GESTÃO DE ENERGIA E A GESTÃO DOS MATERIAIS UTILIZADOS NA CONSTRUÇÃO EM ESPECIFICO A UTILIZAÇÃO DO BAMBU.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS UMA PROPOSTA DE VILA SUSTENTÁVEL PARA FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA, COM A INTUIÇÃO DE PROPORCIONAR UMA SOLUÇÃO PARA O PROBLEMA SOCIAL E ESTÉTICO. REALIZANDO ESTUDOS RELACIONADOS A CONSTRUÇÕES COM SUSTENTABILIDADE E ASSUNTOS RELACIONADOS À FALTA DE MORADIAS PARA AS FAMÍLIAS. OBSERVAR OS EXEMPLOS E REFERENCIAS QUE FORNECEM NO PROJETO E TAMBÉM A DEDICAÇÃO DAS EMPRESAS CONSTRUTORAS QUE ESTÃO RELACIONADAS A PRATICA SUSTENTÁVEL. ESTUDAR AS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE BAMBU QUE PODEM SER UTILIZADAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL.

7


DÉFICITS HABITACIONAIS NO BRASIL. UM DOS GRANDES PROBLEMAS ENCONTRADOS NO BRASIL É O DÉFICIT HABITACIONAL ELE VEM A ACONTECE PELA ALTA DO ÍNDICE DE DESEMPREGO, PREÇO DO ALUGUEL, COABITAÇÃO DE QUANTAS FAMÍLIAS VIVEM NO MESMO COMADO, PRECARIEDADE DAS ESTAÇÕES EXISTENTES, OU SEJA, UM LUGAR ONDE AS PESSOAS JÁ MORAM, MAS SEJA PRECÁRIO A ENCHENTES E A DESLIZAMENTOS OU ATÉ MESMO PELA PRÓPRIA CONSTRUÇÃO QUE JÁ SE ENCONTRA EM SITUAÇÃO QUE NÃO DEMAIS PARA RECUPERAR. COM A PESQUISA DO IBGE TEM COM BASE MAIS OU MENOS SÃO 8 MILHÕES DE PESSOAS COM MORADIAS INADEQUADAS UTILIZANDO MATÉRIAS NÃO DURÁVEIS.

TABELA DE DÉFICIT HABITACIONAL. IMAGEM01.ILUSTRATIVA.

FONTE: HTTPS://BIT.LY/2UOZK71 PUBLICADO 03/05/2018.

8


BAMBU

IMAGEM02.ILUSTRATIVA

FONTE: HTTPS://BIT.LY/2X6RKTR PUBLICADO 1999 - 2018. E- CONSTRUMARKE.

O BAMBU VAI SER UTILIZADO PARA A PROJEÇÃO DO TELHADO E TAMBÉM PARA A ESTRUTURA DA CASA, ELE É MUITO RESISTENTE AOS ESFORÇOS DE COMPRESSÃO E DE FLEXÃO. O BAMBU DA ESPÉCIE GIGANTE PODE SUPORTAR PESO DE ATÉ 2 TONELADAS MAIS AS FIBRAS DO BAMBU SÃO 4 VEZES MAIS RESISTENTES QUE O PRÓPRIO CONCRETO UTILIZADO NAS CONSTRUÇÕES. OS TRONCOS DO BAMBU TÊM A ALTURA MÁXIMA DEPOIS DE 3 A 4 MESES, MAIS SÓ PODEM SER UTILIZADOS EM CONSTRUÇÕES DEPOIS DE TER CRESCIDO DE 3 A 6 ANOS, ASSIM O BAMBU FICARA RESISTENTE PARA O USO. •              O BAMBU DEVE TER SEU CORTE QUANDO CHEGAR AO PONTO DE AMADURECIMENTO PARA QUE ELE JÁ ESTEJA FORTE E NÃO FRÁGIL.

•              IDEAL CORTAR O BAMBU DURANTE A ÉPOCA FRIA DO ANO, PARA EVITAR ENCONTRAR INSETOS E TAMBÉM OUTRA DICA QUE CORTE NA LUA MINGUANTE.

PREVINE-SE O ATAQUE DAS PEÇAS POR BROCAS E OUTROS ORGANISMOS DANDO MAIOR RESISTÊNCIA À PEÇA TAMBÉM PELO MENOR TEOR DE AMIDO E ÁGUA PRESENTE QUE IRÁ ESTAR LOCALIZADO NA RAIZ E SERÁ DIRECIONADO PARA O SURGIMENTO DE NOVOS BROTOS AUMENTANDO A VIDA ÚTIL DO BAMBUZAL E SUA QUALIDADE DE MADEIRA PRODUZIDA.

9


CORTE DO BAMBU O CORTE DEVE SER FEITO A UNS 20 CM DO SOLO E ANTES DE UM NÓ PARA EVITAR AGUA NO TRONCO E EVITAR QUE OS INSETOS ALI DE HOSPEDEM. IMAGEM03.ILUSTRATIVA

FONTE: HTTPS://BIT.LY/2D9JJKP PUBLICAÇÃO 10 DE FEVEREIRO SETEMBRO DE 2005.

BAMBU IMPERIAL. A ESPÉCIE DE BAMBU ESCOLHIDA PARA A ELABORAÇÃO DAS CASAS É O IMPERIAL ELE É PORTE MÉDIO E COM COLMOS TORTUOSOS E ELEVADO TEOR DE AMIDO. DIMENSÕES: ALTURA DE 15 A 25M; DIÂMETRO DE 6 A 15 CM; E ESPESSURA DE: 7 A 15. IMAGEM04.ILUSTRATIVA

FONTE: HTTPS://BIT.LY/2IEXSI2 PUBLICADO FEITO POR JOKERNET 2017

10


SELEÇÃO DE BAMBU PARA A CONSTRUÇÃO DE CONCRETO ARMADO COR E IDADE – O IDEAL É QUE O BAMBU TENHA UMA COR MARROM, E ASSIM MOSTRA IDADE DO BAMBU PARA SER PELO MENOS 3 ANOS. DIÂMETRO - USE UM COM COLMOS GRANDES LONGOS E REFORÇADO. COLHEITA - TENTE EVITAR OS BAMBUS QUE SÃO CORTADOS DURANTE A PRIMAVERA OU AS ESTAÇÕES DE VERÃO. ESPÉCIE - ENTRE 1500 ESPÉCIES DE BAMBU, O MELHOR DEVE SER VERIFICADO, TESTADO PARA A EXIGÊNCIA COM O MATERIAL DE REFORÇO.

COLMOS OS COLMOS APRESENTAM DIFERENTES ESPESSURAS DE PAREDE, ALTURAS, DIÂMETRO E FORMA DE CRESCIMENTO, DE ACORDO COM A ESPÉCIE A QUE PERTENÇAM. PORTANTO, ENQUANTO ALGUNS COLMOS ALCANÇAM PEQUENOS CENTÍMETROS DE ALTURA E POUCOS MILÍMETROS DE DIÂMETRO, ARBUSTIVOS OU ORNAMENTAIS, OUTROS PODEM ATINGIR ALTURAS DE ATÉ 30 M E DIÂMETROS DE ATÉ 30 CM (PEREIRA E BERALDO, 2008). A FORMA DE TRATAMENTO APLICADA AOS COLMOS DE BAMBU E A DESTINAÇÃO DE SEU USO ESTÁ DIRETAMENTE LIGADA À SUA DURABILIDADE DO MATERIAL. A PRESENÇA DE AMIDO É COMPROVADAMENTE O PONTO FRACO DO BAMBU, POR ESTAR RELACIONADO COM INCIDÊNCIA DO ATAQUE DE CARUNCHO. IMAGEM05.ILUSTRATIVA

FONTE: (FARRELY 1984)

11


ANALISE TÉCNICA SOBRE A RESISTÊNCIA DO BAMBU. CISALHAMENTO: NO BAMBU ENCONTRAMOS UMA GRANDE RESISTÊNCIA BAIXA NO CISALHAMENTO PELO FATO DE QUE AS PRÓPRIAS FIBRAS ESTÃO UNIDAS UMA NA OUTRA E COM ISSO ENFRENTANDO UM GRANDE PROBLEMA COM O SURGIMENTO DAS FISSURAS NO BAMBU. COM UMA GRANDE PREOCUPAÇÃO SOBRE A RESISTÊNCIA DA ESTRUTURA QUE SÃO CAUSADOS PELO CISALHAMENTO DO BAMBU E SOBRE A ENTRADA DE INSETOS E DE ÁGUA.

COMPRESSÃO: O BAMBU POR SER UMA MATÉRIA PRIMA RENOVÁVEL QUE APRESENTA BAIXO CUSTO NA UTILIZAÇÃO DE PROPRIEDADES MECÂNICAS RESISTENTES E NO PESO ESPECIFICA BAIXO, ALÉM DISSO, TEMOS OUTRAS CARACTERÍSTICAS COMO A ESPÉCIE, O SOLO EM QUE FORAM PLANTADAS, AS CONDIÇÕES DE CLIMA EM QUE ELE FOI SUBMETIDO, E UMA CARACTERÍSTICA ENVOLVENDO A UMIDADE DO SOLO EM QUE FOI FEITA A COLHEITA DO BAMBU. GHAVAMI (1992) ESTUDANDO A RELAÇÃO ENTRE A RESISTÊNCIA À TRAÇÃO COM O PESO PARA ALGUNS MATERIAIS CONSTATOU QUE O BAMBU E O MATERIAL QUE APRESENTA UM VALOR MAIOR PARA ESTA RELAÇÃO O QUE TORNA VANTAJOSA A SUA UTILIZAÇÃO COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO. OS IMATUROS POSSUEM MAIS UMIDADE QUE OS MADUROS E COLMOS VERDES (RECÉM-CORTADOS) PODEM TER UMIDADE ENTRE 40 E 150 %. COLMOS JOVENS CONTÉM UMIDADE RELATIVAMENTE CONSTANTE AO LONGO DO COMPRIMENTO, ENQUANTO EM COLMOS MADUROS ELA É MAIOR NA BASE E DECRESCE EM DIREÇÃO AO TOPO.

12


TRAÇÕES PARALELAS ÀS FIBRAS

A RESISTÊNCIA DA REGIÃO EXTERNA DO BAMBU, SUBMETIDO À TRAÇÃO PARALELA, PODE ATINGIR VALORES DA ORDEM DE 260 MPA (UNIDADE DE MEDICA DE PRESSÃO - ONU, 1972). A RESISTÊNCIA À TRAÇÃO É DE 2,5 A 3,5 VEZES DAQUELA OBTIDA EM ENSAIOS DE COMPRESSÃO (SCHNIEWIND, 1989). A RESISTÊNCIA À TRAÇÃO DO BAMBU É ALTA E PARA ALGUMAS ESPÉCIES E PODE ATINGIR ATÉ 370 MPA. ISTO TORNA ATRATIVO O USO DO BAMBU COMO UM SUBSTITUTO PARA O AÇO, ESPECIALMENTE QUANDO FOR CONSIDERADA A RAZÃO ENTRE SUA RESISTÊNCIA À TRAÇÃO E SUA MASSA ESPECÍFICA.

SOLO

NÃO EXISTE UM TIPO ADEQUADO PARA O SOLO O BAMBU SE ADEQUA A QUALQUER TIPO E ISSO É UMA DAS SUAS VANTAGENS AO TRABALHAR COM O BAMBU. O BAMBU TEM UMA GRANDE FACILIDADE EM SOLOS COM A PROFUNDIDADE, E ASSIM UMA BOA DRENAGEM COM AS AGUAS DA CHUVA E SENDO MUITO PROVENIENTE COM OS SOLOS FÉRTEIS E ARENOSOS. O SOLO NÃO PRECISA DE UM PREPARO ESPECIAL MAIS O DESENVOLVIMENTO DELE EM ÁREAS MAIS PRÓXIMAS DE RIOS, LAGOS OU ATE MESMO DE RIACHOS TEM UM ÓTIMO DESENVOLVIMENTO. IMAGEM06.ILUSTRATIVA

FONTE: ADAPTADA DE HIDALGO 2003

13


TRATAMENTO

O TRATAMENTO DE CADA PEÇA DE BAMBU É MUITO IMPORTANTE PARA GARANTIR QUE NÃO FALTE A RESISTÊNCIA, POIS A FALTA DE UM CUIDADO ESPECIFICA COM O BAMBU PODE VIR A ACONTECER O APODRECIMENTO DO MATERIAL, APODRECIMENTO DOS FUNGOS, E O ATAQUE DE INSETOS E AS RACHADURAS. COM ALGUNS CUIDADOS SIMPLES E NA CONCEPÇÃO ARQUITETÔNICA PODE AUMENTAR A DURABILIDADE DO MATERIAL UTILIZADO, TENDO CUIDADO COM O COLMO DE BAMBU EVITANDO QUE ELE TENHA UM CONTADO COM O SOLO, OS COLMOS DE BAMBU NORMALMENTE SÃO ATACADOS POR INSETOS POR ISSO TEM QUE TER O CUIDADO AO DEIXAR SER EXPOSTO AO SOLO.

TRATAMENTO DO BAMBU TRADICIONAL: •       •       •       •      

MATURAÇÃO OU CURA LOCAL DA COLHEITA CURA POR IMERSÃO CURA POR FOGO CURA POR FUMAÇA

TRATAMENTO DO BAMBU QUÍMICOS •              OLEOSOS •              HIDROSSOLÚVEIS

TIPOS DE SECAGEM DO BAMBU: SECAGEM NO FOGO:

ESSE MÉTODO É MUITO UTILIZADO PARA ENDIREITAR PEÇAS TORTAS COM SEU CALOR UTILIZADO SENDO CONTROLADO PARA EVITAR UMA SECAGEM MUITO RÁPIDA, ACONSELHASSE QUE ANTES DA PEÇA FOR PARA ESTE PROCESSO DE SECAGEM ELE ESTEJA SECADO 50%. IMAGEM07.ILUSTRATIVA

FONTE: : HTTP://BAMBUCRACIA.BLOGSPOT.COM/2017/04/BAMBUPREPARAR-PARA-DURAR.HTML (HIDALGO 1981).

14


SECAGEM NA ESTUFA: SÃO UTILIZADAS ESTUFAS CONVENCIONADAS, ESSE PROCESSO É MAIS EFICIENTE E MAIS RÁPIDO PARA SE CONTE TEOR DE UMIDADE DESEJADOS, ESSE PROCESSO PODE SER FEITO ENTRE 2 OU 3 SEMANAS, POREM PODE ACONTECER DE APARECER MAIS FISSURAS NO BAMBU E ASSIM OCORRENDO AS RACHADURAS. GERALMENTE AS ESTUFAS SÃO HORIZONTAIS. AS ESTUFAS DEVEM COLETAR O CALOR DOS RAIOS DO SOL DURANTE O DIA, SEM INCIDIR DIRETAMENTE SOBRE OS BAMBUS E SEM CAUSAR CALOR EXCESSIVO, E MANTER SEU INTERIOR QUENTE DURANTE A NOITE. ESTE PROCESSO DURA ALGUMAS SEMANAS. IMAGEM08.ILUSTRATIVA

FONTE:: HTTP://BAMBUCRACIA.BLOGSPOT.COM/2017/04/BAMBUPREPARAR-PARA-DURAR.HTML

15


SECAGEM AO AR LIVRE:

O BAMBU DEVE FICAR POSICIONADO EM CAMADAS ISOLANDO EM UMA CAMA NA OUTRA TODOS NA HORIZONTAL E O ESPAÇAMENTO DEVE SER DE MEIO DIÂMETRO, AS PEÇAS PRECISAM FICAR 30 CM ISOLADAS DO SOLO DEVIDAMENTE PROTEGIDAS. ESSA SECAGEM PODE DURAR 2 MESES, MAS PODENDO VÁRIAS POR MOTIVOS DAS CONDIÇÕES DA TEMPERATURA VENTILAÇÃO E A UMIDADE QUE APRESENTA O AR. IMAGEM09.ILUSTRATIVA

FONTE: HTTPS://LUIZGEA.WIXSITE.COM/LUIZGEADESIGNER/SINGLEPOST/2017/01/11/BAMBU-COMO-TRATAR

TIPOS DE AMARRAÇÃO E TRAVAMENTO IMAGEM10.ILUSTRATIVA

FONTE: HTTP://WWW.SCIELO.BR/PDF/EAGRI/V27N1/03.PDF.

16


IMAGEM11.ILUSTRATIVA

FONTE: HTTP://WWW.SCIELO.BR/PDF/EAGRI/V27N1/03.PDF. IMAGEM12.ILUSTRATIVA

FONTE: HTTP://WWW.SCIELO.BR/PDF/EAGRI/V27N1/03.PDF. IMAGEM13.ILUSTRATIVA

FONTE: HTTP://WWW.DRYPLAN.COM.BR/BLOG/LER/PID/137/CONCRETO-ARMADO-COM-BAMBU.PHP

17


O REFORÇO DO AÇO SENDO SUBSTITUINDO PELO BAMBU COM UMA PROPORÇÃO DE CONCRETO, SENDO UMA INOVAÇÃO PARA AS CONSTRUÇÕES, JÁ QUE ACABA SENDO UM MATERIAL QUE É ENCONTRADO COM BASTANTE FACILIDADE. E DA MESMA FORÇA QUE TEM O CUIDADO COM O AÇO, COM O BAMBU EXISTE TAMBÉM TANTO QUE EXISTE VÁRIAS ESPÉCIES QUE DIFERE SUAS CARACTERÍSTICAS TANTO COMO A TEXTURA, SUA FORÇA E SUA ESPESSURA. IMAGEM08.ILUSTRATIVA

FONTE:: HTTP://BAMBUCRACIA.BLOGSPOT.COM/2017/04/BAMBUPREPARAR-PARA-DURAR.HTML A ESTRUTURA CONTARA COM O REFORÇA MENTO DO BAMBU NO BLOCO ESTRUTURAL E ASSIM COM AS ARMAÇÕES DE AÇO PARA QUE POSSA SUPORTAR TODO O ESFORÇO, E NO PREENCHIMENTO DO CONCRETO DO SISTEMA DE AMARRAÇÕES DO BAMBU AS SAPATAS RECEBERA O CONCRETO ATRAVÉS DA PERFURAÇÃO DO BAMBU. IMAGEM08.ILUSTRATIVA

FONTE:HTTP://BAMBUCRACIA.BLOGSPOT.COM/2017/04/BAMBU-PREPARARPARA-DURAR.HTML

18


PROPRIEDADES DO MATERIAL BAMBU PARA CONCRETO ARMADO. BAMBU É POR SUA ORIGEM É UM MATERIAL CUJAS PROPRIEDADES MECÂNICAS SÃO ÚNICAS E DEPENDEM DAS DIREÇÕES EM QUE SÃO OBSERVADAS POSSUI FIBRAS DENTRO DELA, ELE GANHA ALTA RESISTÊNCIA AO LONGO DAS FIBRAS E BAIXA RESISTÊNCIA NA DIREÇÃO TRANSVERSAL. O BAMBU TEM UMA ESTRUTURA DE UM MATERIAL COMPOSTO COM FIBRAS DE CELULOSE ALINHADAS AO LONGO DO COMPRIMENTO, ELE TEM FIBRAS DE ESPESSURA ALTA PERTO DO COMPRIMENTO EXTERIOR DO BAMBU, QUE É A PRINCIPAL RAZÃO POR QUE ELES RESISTEM GRANDES FORÇAS DO VENTO. IMAGEM16.ILUSTRATIVA.

FONTE: HTTP://WWW.DRYPLAN.COM.BR/BLOG/LER/ PID/137/CONCRETO-ARMADO-COM-BAMBU.PHP. O EXEMPLE DA FIGURA MOSTRA UM DIAGRAMA ESQUEMÁTICO DE UMA AMOSTRA DE BAMBU, O NÓ QUE É VISTO NO BAMBU É REPRESENTADO POR N, ELE É SUBMETIDO A UMA CARGA LATERAL 'P' CAUSANDO UM MOMENTO MÁXIMO NO SUPORTE.

19


PROPORÇÕES DE MISTURA PARA CONCRETO ARMADO DE BAMBU.

A RELAÇÃO ÁGUA-CIMENTO DESEMPENHA UM PAPEL IMPORTANTE NA RESISTÊNCIA E DURABILIDADE DO BETÃO ARMADO. BAMBU SENDO UM MATERIAL DE CONSTRUÇÃO NATURAL TEM A PROPRIEDADE DE ABSORVER A ÁGUA COMO DISCUTIDO ANTERIORMENTE, A ABSORÇÃO DE ÁGUA PROVOCA INCHAÇO DE BAMBU. ASSIM, PROPORÇÃO DE MISTURA DE CONCRETO PARA CONCRETO ARMADO DE BAMBU DEVE TER RELAÇÃO ÁGUA-CIMENTO TÃO BAIXO QUANTO POSSÍVEL, TAMBÉM DEVE SER CONSIDERADO O USO DE CONCRETO COM CIMENTO DE ALTA RESISTÊNCIA INICIAL PARA MINIMIZAR AS RACHADURAS CAUSADAS PELO INCHAÇO DO BAMBU. O PROJETO DA MISTURA DO CONCRETO PODE SER COMO POR A EXIGÊNCIA DA FORÇA PARA A ESTRUTURA, COMO POR O PROJETO ESTRUTURAL. DESDE QUE O USO DO REFORÇO NÃO TEM NENHUM EFEITO NA EXIGÊNCIA DA RESISTÊNCIA DE COMPRESSÃO DO CONCRETO, A PROPORÇÃO DA MISTURA CONCRETA REFORÇADA DE BAMBU PODE SER MESMA QUE O PROJETO DE MISTURA DE CONCRETO ARMADO DE AÇO. IMAGEM17.ILUSTRATIVA

FONTE: HTTP://WWW.DRYPLAN.COM.BR/BLOG/LER/PID/137/CONCRETOARMADO-COM-BAMBU.PHP

LEGISLAÇÃO

DE ACORDO COM O CÓDIGO DE OBRAS DE SANTA CRUZ DO RIO PARDO O ART. 84. TRATA-SE DAS ÁREAS DE ESPECIAL INTERESSE SOCIAL QUE SÃO ÁREAS LOCALIZADAS NA PERIFERIA URBANA, E ESTÃO DESTINADAS A PROPORCIONAR MELHORES CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE À POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA, SENDO CLASSIFICADAS EM DUAS TIPOLOGIAS DISTINTAS: I.   AEIS 1 – ÁREAS DE ESPECIAL INTERESSE SOCIAL DO TIPO 1;  II. AEIS 2 – ÁREAS DE ESPECIAL INTERESSE SOCIAL DO TIPO 2.   O ART. 85. AS ÁREAS DE ESPECIAL INTERESSE SOCIAL DO TIPO 1 - AEIS1 SÃO ÁREAS OCUPADAS POR POPULAÇÃO DE BAIXA RENDA, ABRANGENDO AS OCUPAÇÕES ESPONTÂNEAS, OS LOTEAMENTOS IRREGULARES OU CLANDESTINOS, CARENTES DE INFRAESTRUTURA URBANA.

20


LEITURA DE PROJETOS

ONG AJUDA MORADORES A TRANSFORMAR FAVELA EM VILA SUSTENTÁVEL. VILA NOVA ESPERANÇA SÃO PAULO, TEVE A OPORTUNIDADE DE TER UMA GRANDE MUDANÇA EVITANDO QUE FAMÍLIAS PERDESSEM SUAS CASAS POR MOTIVOS QUE A VILA ESTAVA EM UMA PRESERVAÇÃO AMBIENTAL, E QUE OS MORADORES ESTAVAM DEGRADANDO A MATA. COM AS FOTOS E VISTAS AO CAMPO OS VOLUNTÁRIOS DA ONG TETO COMEÇARAM OS TRABALHOS, OFERECENDO SEU APOIO PARA AQUELES QUE TINHAM TÃO POUCO, PARA AQUELES QUE TINHAM APENAS SUA CASA DE PAPELÃO APENAS UM PEDAÇO DE PAPELÃO PARA SE PROTEGER DA CHUVA. IMAGEM18.ILUSTRATIVA

FONTE: HTTPS://GLO.BO/2GFOGG1 PUBLICADO CASA VOGUE 2019 TUDO ISSO VEIO DA INICIATIVA DA MORADORA LIA, SE NÃO FOSSE ESTA ESPERANÇA POR TER UMA VILA SUSTENTÁVEL SUA LUTA NÃO SERIA RECOMPENSADA COMO ESTA SENDO E ASSIM HOJE MUITA FAMÍLIAS PODERIAM ESTAR NA RUA, À IDEIA DA HORTA COMUNITÁRIA OS PRÓPRIOS MORADORES PLANTAM E O DINHEIRO QUE ENTRA É UTILIZADO PARA COMPRAR OS PRODUTOS PARA A HORTA MESMO. IMAGEM19.ILUSTRATIVA

FONTE: DESENHO ELABORADO ACERVO DO AUTOR.

21


A IDEIA NÃO É APENAS FAZER UMA VILA SUSTENTÁVEL, MAIS TAMBÉM ELABORAR UMA HORTA PARA FAMÍLIAS COMPARTILHAREM OS ALIMENTOS, NÃO SÓ UMA HORTA FOI ELABORADA, MAS TAMBÉM FOI PROPORCIONADO UM ESPAÇO PARA RECICLAGEM, FOI FEITO MUTIRÃO DE LIMPEZA E FEIRAS DO MEIO AMBIENTE. COMO OS PROCESSOS DA VALORIZAÇÃO DA VILA NOVA ESPERANÇA SENDO ELABORADA A IDEIA É QUE O PODER PÚBICO VEJA A VALORIZAÇÃO QUE O LUGAR RECEBEU E QUE A COMUNIDADE ESTÁ TOTALMENTE DISPOSTA A CONTRIBUIR PARA QUE A VILA SE TORNASSE SUSTENTÁVEL, E ASSIM NÃO IRIA COMPROMETER A INTEGRALIDADE DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL. ESSE PROJETO TEM RELAÇÃO COM MINHA PROPOSTA PELO MOTIVO DE QUE ELE É EM UMA ÁREA DE POBREZA, COM FAMÍLIAS QUE NÃO TEM CONDIÇÕES DE TER UMA ESTRUTURA MELHOR E ASSIM COM A AJUDA DE UMA MORADORA ELES CONSEGUIRAM TRANSFORMAR A VILA EM UMA ÁREA SUSTENTÁVEL E AGRADÁVEL PARA SE MORAR.

A CONSTRUÇÃO DE BAMBU

ESSA IDEIA DE HABITAÇÃO SOCIAL TEM COMO BASE UM QUADRO DE BAMBU PRÉ-FABRICADO, QUE PODE SER UTILIZADO PELOS MORADORES PARA REPLICAR A ESTRUTURA EM APENAS SETE DIAS. UMA PROPOSTA DE 60M² ESTÁ RESIDÊNCIA PODE REDUZIR CUSTOS E TORNA-LA ACESSÍVEL PARA OS MORADORES DO BAIRRO, O REVESTIMENTO DA CASA É FEITO COM BAMBU E UTILIZADO TAMBÉM UM MATERIAL CHAMADO IXTLE (CONHECIDO COMO SACOS DE CAFÉ) E ARGAMASSA. SUAS VIGAS EXPOSTAS SUSTENTAM O TELHADO E EM ALGUMAS PAREDES FORAM COLOCADOS TIJOLOS VERMELHOS PARA AJUDAR NA VENTILAÇÃO DA RESIDÊNCIA E AS LACUNAS PERMITEM QUE A FUMAÇA EXPOSTA NA COZINHA DIA PELAS FRESTAS COM MAIS FACILIDADES. IMAGEM20.ILUSTRATIVA

FONTE:HTTPS://SEBRAEINTELIGENCIASETORIAL.COM.BR (6 DE FEVEREIRO DE 2018).

22

TIRANDO BASE NESSE PROJETO ELE TEM TODOS OS CONCEITOS QUE QUERO QUE SEJA APLICADO NA PROPOSTA DE VILA SUSTENTÁVEL PARA FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA, SENDO UMA OBRA ONDE A CONSTRUÇÃO SEJA DE PRAZO RÁPIDO DE ENTREGA.


PLANOS DE HABITAÇÃO PRIORIZAM MORADIA PARA PESSOAS DE BAIXA RENDA NO CENTRO.

DEGRADADA, A REGIÃO CENTRAL PERDEU, ENTRE 1980 E 1990, CERCA DE 30% DE SUA POPULAÇÃO. UMA DAS QUESTÕES MAIS APURADAS É O PROBLEMA DA HABITAÇÃO EM FAVELAS DE SÃO PAULO, DADOS COLETADOS PELO IBGE DE 2000 E 2010 MOSTRAM QUE OS BAIRROS DA REGIÃO ESTÃO SITUADOS NA SUBPREFEITURA DA SÉ, ESTÃO VOLTANDO A SER OCUPADO, AS CONTRADIZER O ESVAZIAMENTO. IMAGEM21.ILUSTRATIVA

FONTE: HTTPS://BIT.LY/2G2A32V PUBLICADO POR JOÃO PAULO BRITO, 03/08/2016. NA IMAGEM PODEMOS VER A SITUAÇÃO QUE AS FAMÍLIAS MORAM, E ASSIM PARA AS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA COM OS DADOS DO IBGE É EXISTENTE 1,3 MILHÃO DE HABITANTES QUE VIVEM NESSA ÁREA DA CIDADE. MARGARETH UEMURA DO CONSELHO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO E COORDENADORA DE URBANISMO EXPLICA QUE COM O AUMENTO DOS ALUGUEIS E A FALTA DE ÍNDICE DE EMPREGO VEM A DIFICULTAR QUE ESSES MORADORES POSSAM MORAR NO CENTRO DA CIDADE E ASSIM PARA LIDAR COM ESSE PROBLEMA UMA PROPOSTA FOI LANÇADA PELO PLANO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO (PMH) E FOI APRESENTADA A PREFEITURA.   A IDEIA QUE FOI APRESENTADA É A CONSTRUÇÃO DE SOLUÇÕES LOCAIS, É QUE SEJA CAPAZ DE ATENDER AS PRIORIDADES DE CADA TIPO DE DEMANDA OFERECENDO DIVERSAS MODALIDADES DE MORADIA. UEMURA EXPLICA TAMBÉM QUE É NATURAL QUE A CIDADE VENHA A REVER SEU PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO, COMO ACONTECEU EM SÃO PAULO NO ANO DE 2014.    ESSE PROJETO ESTÁ RELACIONADO AOS PLANOS DE HABITAÇÃO, FOI UMA OPORTUNIDADE DE PESQUISA QUE QUIS TRAZER PARA MEU TRABALHO, COLOCANDO EM PRATICA O CONHECIMENTO SOBRE COMO É A VIDA DAS FAMÍLIAS NA FAVELA, ASSIM TIVE A OPORTUNIDADE DE CONHECIMENTO DE COMO AS FAMÍLIAS PRECISAM DE AJUDA E DIANTE DISSO É MUITA PROMESSA FEITA PARA MELHORIA DO LOCAL MAIS SEM ATITUDES TOMADAS.

23


ESTUDO DO LOCAL IMAGEM22.ILUSTRATIVA

FONTE: GOOGLE EARTH.

TERRENO ESTÁ LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO RIO PARDO, ESTADO DE SÃO PAULO, NA RUA DUQUE DE CAXIAS. A ESCOLHA DO LOCAL FOI ANALISADA E FOI REALIZADA A VISITA AO BAIRRO DIVINÉIA QUE É UMA ÁREA COM UMA GRANDE FALTA DE INFRAESTRUTURA. NO ENTORNO DO TERRENO ESTÁ LOCALIZADO UM FRIGORIFICO. O TERRENO POSSUIU UMA ÁREA TOTAL DE 7.342,00M², E SE ENCONTRA COM EXCESSOS DE CASAS E COM UMA GRANDE FALTA DE PLANEJAMENTO PARA A DIVISÃO DESSES TERRENOS PARA AS FAMÍLIAS. DIVINÉIA É UMA FAVELA QUE A 40 ANOS ATRÁS OS ANTIGOS MORADORES TINHAM SUAS CASAS DE PAU A PIQUE, ONDE ELES FORAM CHEGANDO E COM O POUCO QUE TINHA FORAM CONSTRUINDO, NOS DIAS ATUAIS UNS DOS MAIORES PROBLEMAS QUE ENCONTRAMOS LÁ É A FALTA DE PLANEJAMENTO PARA A FAVELA.

24


LEVANTAMENTO FOTÓGRAFICO DO LOCAL IMAGEM23.ILUSTRATIVA

FONTE: FOTOS DO LOCAL (16/05/2019).

ESTUDO DE ELEVAÇÃO IMAGEM24.ILUSTRATIVA.

FONTE: GOOGLE EARTH. NO PERFIL TOPOGRÁFICO O PONTO DO TERRENO MAIS ALTO QUE É DE 460M E O MAIS BAIXO QUE É O NÍVEL QUE ESTA É DE 456M, COM CAÍDA PARA O LADO QUE PASSA O RIO PARD

25


IMAGEM25.ILUSTRATIVA.

FONTE: GOOGLE EARTH.

LEI DE ZONEAMENTO

NO PROJETO DE LEI DE ZONEAMENTO NA CIDADE DE SANTA CRUZ DO RIO PARDO O ART. 88 PLANO DE URBANIZAÇÃO ESPECÍFICA DE INTERESSE SOCIAL, TEM A PROPOSTA DE QUE AS SITUAÇÕES ENCONTRADAS NA VILA DIVINÉIA QUE SE ENCONTRA EM RISCO, SEJAM SUPERADAS POR MEIO DE UMA REMOÇÃO DA POPULAÇÃO QUE MORA NO LOCAL E QUE CONTEMPLE AS CONDIÇÕES ADEQUADAS.

ART. 87. AS ÁREAS DE ESPECIAL INTERESSE SOCIAL DO MUNICÍPIO SÃO: I. AEIS 1 DA DIVINÉIA, LOCALIZADA NA ZONA 1. IMAGEM26.ILUSTRATIVA.

26

FONTE: FILE:///C:/USERS/MEUS%20DOCUMENTOS/DESKTOP/MAPA_05.PDF (05/06/2019)


IMAGEM27.ILUSTRATIVA.

FONTE: file:///C:/Users/Meus%20Documentos/Desktop/MAPA_05.pdf (05/06/2019)

PROGRAMA DE NECESSIDADES fluxograma

IMAGEM28.ILUSTRATIVA.

FONTE: Acervo do Autor.

27


ORGANOGRAMA IMAGEM29.ILUSTRATIVA.

TERRENO

TERRENO

TERRENO

TERRENO

TERRENO

TERRENO

TERRENO

TERRENO

SALÃO

FONTE: Acervo do Autor.

PARTIDO ARQUITETÔNICO

A IMPLANTAÇÃO DA VILA SUSTENTÁVEL CONTA COM A IDEIA DE VALORIZAÇÃO DE ESPAÇO PARA CADA RESIDÊNCIA, AMPLIANDO MAIS OS AMBIENTES E POSICIONANDO ÁREA DE LAZER E UMA QUADRA PARA JOGOS. UMA CASA APRESENTADA COMUM, MAS PENSADA NA HARMONIA DE UMA VILA MELHOR ATRIBUINDO COM ESPAÇOS AMPLOS PARA RECEBER UM SALÃO DE FESTA PARA AS FAMÍLIAS. A INTENÇÃO DO PROJETO ESTRUTURAL É QUE A CASA SEJA ELABORADA COM MATERIAIS COMO BAMBU E ARGAMASSA PARA O REVESTIMENTO, E TAMBÉM PARA O TELHADO, VALORIZANDO SEUS TRAÇOS, NA SALA AS JANELAS IRÃO SER APRESENTADAS COMO TRELIÇAS PARA RECEBER OS TIJOLOS VERMELHOS PARA A ENTRADA DE ILUMINAÇÃO E VENTILAÇÃO. A INTENÇÃO É DAR UMA NOVA CARA PARA A VILA DIVINÉIA E VALORIZAR O LOCAL, COM ISSO DANDO AOS MORADORES A OPORTUNIDADE DE CONHECIMENTO QUE ALI NA VILA SUSTENTÁVEL PODE SIM TER UM CONVÍVIO MELHOR ENTRE ELES, E A IDEIA PROPOSITAL É QUE A VILA SEJA CERCADA POR JARDINS E FLORES MELHORANDO A APARÊNCIA QUE SE ENCONTRA HOJE NA VILA. NA ÁREA DE LAZER A IDEIA É QUE PARA AS CRIANÇAS SEJA PROPORCIONADO UM ESPAÇO MAIS AMPLO PARA ELAS APROVEITAREM MAIS A ÁREA VERDE. A SITUAÇÃO QUE ENCONTRAMOS HOJE NA VILA SÃO CRIANÇAS E IDOSOS SEM ESPAÇO POR MOTIVOS DE AGLOMERAÇÃO DE CASAS, O PROJETO VEM A OFERECER MAIS ALTERNATIVAS PARA ESSAS PESSOAS. O PROJETO TRATA-SE DE UMA NOVA TENDÊNCIA BUSCANDO QUE CADA CASA TENHA SEU RECUO ADEQUADO, E SE TORNANDO MAIS PADRONIZADAS. HOJE NAS MAIORIAS DAS VILAS ENCONTRAMOS MUITA FALTA DE PLANEJAMENTO E NESSAS CIRCUNSTANCIA ACABAM SAINDO CARO PARA ESSAS FAMÍLIAS, PORQUE AO PASSAR DO TEMPO OS MATÉRIAS UTILIZADOS QUE ELES CONSEGUIRAM ERGUER SUAS CASAS NÃO VÃO TENDO MAIS A DURABILIDADE ADEQUADA PARA SUSTENTAR A RESIDÊNCIA.

28


CONCLUSÃO ATRAVÉS DE ESTUDOS FEITO NA VILA DIVINEIA NA CIDADE DE SANTA CRUZ DO RIO PARDO, FOI ELABORADO UM PROJETO DE REVITALIZAÇÃO PARA O LOCAL. PENSANDO EM COMO VALORIZAR MAIS O LOCAL FOI FEITO UM PLANEJAMENTO E ESTUDOS SOBRE A ESTRUTURA DA CASA E ASSIM SERIA MELHOR PARA AS FAMILIAS QUE SE ENCONTRAM JÁ MORANDO NA VILA DIVINEIA, E TAMBÉM EM COMO O MATERIAL BAMBU VAI GANHAR SEU RECONHECIMENTO EM MEIO DE UMA VILA INTEIRA PROJETADA. ATRAVÉS DESSE PROJETO ARQUITETÔNICO A VILA GANHA UMA NOVA APARENCIA E O LOCAL SENDO MAIS RECONHECIMENTO E VALORIZAÇÃO.

29


REFERÊNCIAS LENGEN J. V. MANUAL DO ARQUITETO DESCALÇO. 1. ED. PORTO ALEGRE: LIVRARIA DO ARQUITETO, 2004 MARADEI G. ONG AJUDA MORADORES A TRANSFORMAR FAVELA EM VIDA SUSTENTÁVEL. 2019 [ACESSO EM 27 DE MARÇO DE 2019]. DISPONÍVEL EM: HTTPS://CASAVOGUE.GLOBO.COM/CASA-VOGUEEXPERIENCE/NOTICIA/2018/10/ONGAJUDA-MORADORES-TRANSFORMAR-FAVELA-EMVILA-SUSTENTAVEL.HTML. MATHIAS J. COMO PLANTAR BAMBU. 2013. [ACESSO EM 8 DE ABRIL DE 2019]. DISPONÍVEL EM: HTTPS://REVISTAGLOBORURAL.GLOBO.COM/VIDA-NAFAZENDA/COMOPLANTAR/NOTICIA/2013/12/COMO-PLANTAR-BAMBU.HTML MENDES J. C. A VILA SUSTENTÁVEL: REAPROVEITAMENTO DE RESÍDUOS, TÉCNICAS SUSTENTÁVEIS. 2016. [ACESSO EM 27 DE MARÇO DE 2019]. DISPONÍVEL EM: HTTPS://BLOGRECICLOS.WORDPRESS.COM/2016/05/23/A-VILA-SUSTENTAVEL/ NABIL. B. ORIGENS DA HABITAÇÃO SOCIAL NO BRASIL: ARQUITETURA MODERNA, LEI DO INQUILINATO E DIFUSÃO DA CASA PRÓPRIA. 4. ED. SÃO PAULO: ESTAÇÃO LIBERDADE, 2004.   SOUZA. A. M. OS DIVERSOS USOS DO BAMBU NA CONSTRUÇÃO CIVIL. [MONOGRAFIA NA INTERNET]. 2014 [ACESSO EM 8 DE ABRIL DE 2019]. DISPONÍVEL EM: HTTP://REPOSITORIO.ROCA.UTFPR.EDU.BR/JSPUI/BITSTREAM/1/5872/1/CM_COECI_20 14_1_08.PDF

30


O projeto foi inspirado na arquitetura sustentável, com casas populares e totalmente voltadas para famílias de baixa renda. o projeto é uma retauração para o bairro divineia. A estrutura da casa tem a valorização do material bambu um material nobre e de facil acesso mais de tão pouco reaproveitamento. O bambu tem seu destaque com sua rapidez com o crescimento, sua resistência e a sua flexibilidade são pontos positivos para um material. A estrutura contara com o bloco estrutural e assim com as armações de aço para que possa suportar todo o esforço, e no preenchimento do concreto do sistema de amarrações do bambu as sapatas recebera o concreto através do furo do bambu. O projeto mostra a preocupação com os moradores que se encontram na vila divineia, totalmente pensando em ajudar as famílias proporcionando uma casa melhor, com uma restauração para bairro, e com um material de fácil acesso mais de tão pouco conhecimento entre muitos.


VILA SUSTENTÁVEL PARA FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA


Profile for luciana fatima

TFG UNIMAR 2019 - UMA VILA SUSTENTÁVEL PARA FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA  

UMA VILA ELABORADA COM MATERIAIS SUSTENTÁVEIS, PARA FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA.

TFG UNIMAR 2019 - UMA VILA SUSTENTÁVEL PARA FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA  

UMA VILA ELABORADA COM MATERIAIS SUSTENTÁVEIS, PARA FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA.