Issuu on Google+

1


Este Plano de Gestão 2014-2018 foi elaborado coletivamente a partir de sugestões enviadas por docentes, técnico-administrativos e discentes das diversas Escolas e Centros de Estudos Superiores da Universidade do Estado do Amazonas e consolidado pela equipe encabeçada pelos Professores Doutores Raimundo de Jesus Teixeira Barradas e Carlossandro Carvalho de Albuquerque, candidatos aos cargos de Reitor e Vice-Reitor, respectivamente.

Raimundo de Jesus Teixeira Barradas

Carlossandro Carvalho de Albuquerque Candidato a Vice-Reitor

Candidato a Reitor

Amazonas 2014


´ sumario

6 9 12 13 13 14 14 15 15 15 16 16 17 18

Apresentação Perfil dos Candidatos Programas Estruturantes 0 ESTATUinTE 1 ACElERA UEA 2 PRÓlAB (REDE DE lABoRATÓRioS) 3 BiBlioTECA DE PoRTAS ABERTAS 4 RESTAURAnTE UnivERSiTÁRio 5 UEA inTERnACionAl 6 UEA moDERniZAçÃo TECnolÓGiCA 7 homE oFFiCE/Wi-Fi free 8 UEA viRTUAl 9 PÓS-GRADUAçÃo UnivERSAl 10 novo PCCR E vAloRiZAçÃo Do SERviDoR Detalhamento Técnico


Apresentação

6

A proposta desta candidatura aos cargos de reitor e vice-reitor da Universidade do Estado do Amazonas baseia-se no fato de que recebemos o apoio de lideranças dos três segmentos que compõem a comunidade acadêmica da UEA. Em que pese o suporte oferecido por muitos daqueles que historicamente lutaram pela realização dos primeiros concursos públicos, pela aprovação de um Plano de Cargos Carreiras e Remunerações (PCCR) que valorizasse os servidores docentes e técnico-administrativos, pela democratização plena da Universidade – incluindo as eleições diretas para os cargos de Diretor das unidades acadêmicas da capital e do interior e agora para a reitoria –, somos chamados à responsabilidade de representar aqueles que desejam uma UEA DEMOCRÁTICA. O desejo que nos move é o de construirmos juntos

uma Universidade que avance significativamente do ponto de vista da competência técnica, seja na qualidade do ensino de graduação ofertado aos nossos estudantes na capital e no interior, seja na indução à pesquisa e à pós-graduação, a fim de que a UEA possa vir a ser uma universidade plena e que, dialogando com a sociedade do Amazonas, devolva à coletividade o investimento público feito na instituição. É inquestionável que somos uma instituição interiorizada, que possibilitou e possibilita a muitos amazonenses – aqui nascidos ou aqui radicados – a oportunidade de um futuro melhor, mas também é notório que estamos aquém do necessário quando se pensa no ideal de Universidade que queremos. A candidatura aos cargos de reitor e vice-reitor é motivada não por um interesse político ou


partidário, mas por acreditarmos que somos capazes de, apoiados numa ampla rede de lideranças altamente qualificadas, levarmos a Universidade do Estado do Amazonas a um outro patamar de qualidade, indistintamente na capital e no interior. Não podemos mais crescer de forma desordenada, ofertar cursos de graduação e de pós-graduação sem o devido investimento em infraestrutura e em pessoal docente e técnico-administrativo, sem estudos prévios ou mesmo garantia de condições de trabalho dignas. É preciso que a gestão superior seja a executora e a indutora do crescimento e da qualificação da Universidade, mas isto será possível apenas quando a comunidade acadêmica partilhar verdadeiramente da responsabilidade de construirmos juntos, no presente, uma UEA para o futuro. A chapa aqui encabeçada pelos Professores Doutores Raimundo de Jesus Teixeira Barradas e Carlossandro Albuquerque, que sempre lutaram por uma Universidade pública de qualidade, expondo-se quando muitos tinham receio ou não podiam se expor, possui bases históricas e éticas, e sinaliza para a comunidade acadêmica, desde já, os compromissos que nortearão a futura gestão: Espírito democrático; Autonomia universitária; Transparência no uso do dinheiro e zelo pela máquina pública; Respeito à diversidade e à riqueza étnicas, linguísticas, geográficas e de meio ambiente que individualizam o Estado do Amazonas, com especial atenção à construção de uma agenda positiva que tenha clareza do papel da Universidade como indutora do desenvolvimento do(s) nosso(s) povo(s);

7


Amplo debate com a comunidade universitária acerca da Cidade Universitária e da possibilidade interposta pelo Governo do Estado de transferência de algumas unidades administrativas e acadêmicas para a Margem Direita do Rio Negro; Investimento na infraestrutura física, com destaque para laboratórios de ensino e pesquisa e para as bibliotecas das unidades da capital e interior; Manutenção dos atuais benefícios disponibilizados aos alunos, bem como ampliação da política de assistência estudantil, sobretudo no que diz respeito à interiorização do Restaurante Universitário (RU), às bolsas de formação e de pesquisa e ao auxílio moradia;

8

Descentralização administrativa, sobretudo no que diz respeito à gestão dos Centros e dos Núcleos de Estudos Superiores, localizados no interior; Normatização e uniformização do fluxo de processos; Permanente busca pela excelência na qualidade dos serviços prestados aos alunos e à sociedade do Amazonas.


Perfil dos candidatos PROF. Barradas É concursado da Universidade do Estado do Amazonas lotado na Escola Superior de Artes e Turismo (ESAT-UEA) desde 2009, ocasião em que passou a reinvindicar, juntamente com o Movimento em Defesa da UEA (MDUEA), o processo de democratização da Universidade, a realização de novos concursos públicos e o fim da interferência direta do Governo sobre a gestão e a dinâmica cotidianas da universidade. Com o apoio de lideranças, tornou-se o primeiro Diretor eleito da Escola Superior de Artes e Turismo, quando trabalhou em prol do saneamento de deficiências graves na infraestrutura predial, da realização de concursos públicos para docentes e da aproximação com a sociedade civil, tornando-se o patrono de fundação da Orquestra Sinfônica (UEA Sinfônica). Com elevada aprovação à frente da ESAT, foi reeleito Diretor para um segundo mandato. Em sua trajetória acadêmica, estudou no Brasil e no exterior, tendo concluído

9


10

Licenciatura em Filosofia (Universidade Católica de Brasília, 1999), Especialização em Docência do Ensino Superior (Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2002), Mestrado em Educação (Universidade Federal do Amazonas, 2004) e Doutorado em Educação (Università Pontifícia Salesiana, em Roma-Vaticano, 2007). Professor de formação, atuou em todos os níveis de ensino, da educação básica à pós-graduação stricto sensu, incluindo passagem pela Secretaria de Educação do Estado do Amazonas (SEDUC-AM), ministrando aulas de Filosofia e dirigindo escolas da SEDUC-AM por mais de seis anos. É conhecido por seu trabalho e determinação, além de sua capacidade de dialogar com a comunidade e de liderar, papel que desempenhou de forma preponderante e que nos levaram a conquistas históricas na Universidade, a exemplo da das eleições diretas para Diretor das unidades da capital (e, na sequência, do interior), da aprovação do Plano de Cargos Carreiras e Remunerações (PCCR) de 1 de setembro de 2011, e ainda as eleições diretas para Reitor e Vice-Reitor, compromisso assumido pelo Governador do Estado ainda no ano de 2010. Sua trajetória profissional na UEA está intimamente ligada ao movimento sindical e aos significativos avanços que a Universidade do Estado do Amazonas experienciou na última década.


PROF. carlossandro É da Universidade do Estado do Amazonas lotado na Escola Normal Superior desde 2003, passando à condição de concursado no ano de 2008. Atuou na linha de frente da fundação do Sindicato dos Docentes da UEA (SINDUEA) em prol da realização dos primeiros concursos públicos e a construção coletiva de um Plano de Cargos Carreiras e Remunerações (PCCR) digno para docentes e técnico-administrativos. Juntamente com o professor Barradas esteve nos momentos históricos mais significativos para a consolidação da UEA: combateu a ida da Universidade para o Puraquequara; atuou de forma decisiva para a aprovação do novo PCCR (a 1 de setembro de 2011), que reuniu docentes e técnico-administrativos sob um mesmo documento legal; dialogou incessantemente com o Governo do Estado a fim de que hoje pudéssemos eleger docentes de carreira para os cargos de reitor e vice-reitor. É Licenciado e Bacharel em Geografia (Universidade Federal do Amazonas, 1997 e 2002 respectivamente), Mestre em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia (Universidade Federal do Amazonas, 2003) e Doutor em Geografia (Universidade Federal do Ceará, 2012). Abriu mão de carreira estável na PETROBRÁS (1987 – 1998) pelo sonho de transformar a realidade do Amazonas por meio da educação, tendo atuado, a partir de então, em todos os níveis de ensino, da educação básica ao ensino superior, ministrando aulas na Secretaria de Educação do Município de Manaus (SEMED-MANAUS, de 1999 a 2003) e na Secretaria de Estado de Educação do Amazonas (SEDUC-AM, 2002-2003). Foi Presidente e Vice-Presidente do SIND-UEA.

11


Programas Estruturantes

12

O Plano de Gestão 2014-2018 que acompanha a candidatura dos professores Barradas e Carlossandro aos cargos de reitor e vice-reitor, respectivamente, resulta de um amplo diálogo com lideranças das unidades da capital e do interior e da atenta escuta à comunidade acadêmica em diversas ocasiões, seja durante ações de luta por uma Universidade de qualidade, seja a partir das experiências de liderança que ambos tiveram. Construído coletivamente, o Plano de Gestão UEA DEMOCRÁTICA elenca uma série de áreas e apresenta os eixos norteadores e os pontos de ação em cada uma dessas, mas evidencia, de forma sólida e tecnicamente embasada, um grupo principais programas necessários para levar a UEA a um outro patamar de qualidade, da graduação à pesquisa e pós-graduação, extensão e também pelos segmentos/setores considerados

mais sensíveis e estratégicos ao desenvolvimento da Universidade do Estado do Amazonas. A seguir estão elencados os programas estruturantes, todavia o planejamento completo está detalhado no interior deste documento, consistindo em ações exequíveis e orquestradas entre si, o que representa, pela primeira vez na história da UEA, um planejamento de trabalho a curto, médio e longo prazos, em que a comunidade acadêmica pode, dessa forma, saber de onde partimos e aonde queremos chegar. Está aqui registrado o nosso compromisso por uma UEA DEMOCRÁTICA, no sentido em que a democracia não se faça apenas no direito ao voto ou à fala nos fóruns e instâncias decisórias, mas, sobretudo, na manifestação cotidiana de condições iguais de trabalho e de ensino para todos, sonhando um futuro promissor para o Amazonas.


0. ESTATUINTE Retomada, após anulação por parte da gestão superior, do processo coletivo de construção do Estatuto da Universidade do Estado do Amazonas, documento legal que define a dinâmica institucional e a sua forma de funcionamento. É no Estatuto que perenizaremos as eleições diretas para coordenadores de curso, diretores das unidades acadêmicas da capital e do interior e para os cargos de reitor e de vice-reitor, além de institucionalizarmos os colegiados como instâncias decisórias primárias, e o próprio (re)desenho da UEA no que diz respeito às escolas/ faculdades.

1. ACELERA UEA Trata-se um programa ousado, fortemente ancorado na dinâmica de autoavaliação institucional, com vistas ao estabelecimento de um elevado patamar de qualidade nos serviços ofertados à comunidade universitária e à sociedade em geral, sobretudo no que diz respeito ao ensino de

graduação: permanente atualização dos Projetos Pedagógicos de Cursos (PPC), instalação do Comitê de Acompanhamento de Egressos, reestruturação do Setor de Estágios Profissionais e fortalecimento dos cursos especiais (modulares e de oferta única) e dos cursos integrados no Plano Nacional de Formação de Professores (PARFOR), este importante instrumento, em parceria com a Capes/MEC, para a formação de docentes capazes de alavancar a qualidade da educação básica no nosso Estado. O ACELERA UEA é um compromisso de qualidade com o ensino de milhares de jovens que serão os profissionais que, no futuro, comandarão o Amazonas, de forma que haverá a progressiva expansão das bolsas de monitoria, extensão, Iniciação Científica, IC Saúde, Iniciação à Docência, tutoria e trabalho, bem como dos benefícios de auxílio moradia/casa do estudante e de passe estudantil ou da rede de transporte coletivo a ser implentada em algumas localidades da Região Metropolitana de Manaus e nos Centros de Estudos Superiores.

13


14

2. PRÓLAB (Rede de Laboratórios)

3. BIBLIOTECA DE PORTAS ABERTAS

Reaprarelhamento infraestrutural dos Laborórios de Ensino e de Pesquisa utilizados por docentes, técnicos e alunos da Universidade do Estado do Amazonas em suas atividades cotidianas. Devido ao sucateamento ocorrido ao longo dos anos ou ainda à abertura de cursos de graduação sem o devido investimento em infraestrutura, a questão laboratorial é um dos principais gargalos da nossa instituição. O PRÓLAB não divide as vertentes de ensino de graduação e pesquisa e pós-graduação, pois pensa que esses espaços de produção de conhecimento devem ser otimizados em seu funcionamento e ao público ampliado a que serve. A administração superior investirá vultosos recursos próprios na infraestrutura dos laboratórios e preparará projetos que serão submetidos à FAPEAM, via Programa de Apoio à Consolidação das Instituições Estaduais de Ensino e/ou Pesquisa – PRÓ- ESTADO, e aos órgãos federais FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos), CNPq (Conselho Nacional para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior).

Política agressiva de aquisição de títulos impressos e online para as unidades da capital e do interior, com destaque para os Centros de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé, bem como na construção de infraestrutura física adequada de forma a transformar o espaço da biblioteca em local de encontro entre a comunidade universitária e a sociedade civil. Dessa forma, pensase uma Biblioteca Central Comunitária e as Bibliotecas dos campi do interior, que se constitutirão em bibliotecas de referência para o Estado do Amazonas, que facultarão a consulta e o acesso aos livros não apenas aos docentes, alunos e técnico-administrativos da UEA, mas à sociedade amazonense. Integrada à biblioteca haverá uma Ilha Digital, com acesso gratuito à internet pela comunidade, e ainda espaços próprio para estudo individual e coletivo, grupos de pesquisas e de extensão e unidades da livraria da Editora Universitária da UEA, que será fortalecida e retomada.


4. RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO

aulas em segunda língua, até o intercâmbio discente por meio dos programas Ciências Sem Fronteiras Construção de Restaurantes Universitários (RU) (CsF) e Programa Licenciaturas Internacionais (PLI), nas escolas, centros e núcleos, portanto na capital e repectivamente financiados pelo CNPq e Capes. no interior, assim como a revitalização da estrutura Servidores técnico-administrativos também serão hoje existente com o objetivo de aumentar a contemplados com a oportunidade de aprendizagem capacidade de atendimento e melhorar a qualidade de línguas no exterior e docentes serão incentivados do serviço disponibilizado. A rede de Restaurantes à realização de Estágios pós-doutorais no exterior Universitários (RU) servirá café da manhã, almoço como forma de estabelecer redes de colaboração. e jantar, as três refeições básicas para o uso da comunidade acadêmica, e será subsidiado pela 6. UEA MODERNIZAÇÃO Universidade do Estado do Amazonas. TECNOLÓGICA

5. UEA INTERNACIONAL

Consiste em aparelhar ou substituir equipamentos informáticos, sejam eles servidores para Agrega uma série de ações a serem o CTIC (Coordenadoria de Tecnologia da Informação implementadas nas áreas de ensino de graduação, e Comunicação), sejam microcomputadores pesquisa e pós-graduação que vão desde a mobilidade modernos para uso nas atividades cotidianas de docente para colaboração em universidades docentes, técnico-administrativos e alunos, bem estrangeiras, incluindo o Professor Sem Fronteiras como atualizar sistemas (Lyceum e PERGAMUM) e (PSF) com o objetivo de ensino-aprendizagem criar bancos de dados com os quais a UEA possa se de língua estrangeira in loco, em especial Inglês e planejar para o futuro e reconhecer a si própria nos Espanhol, de forma que a Universidade possua dados e informaçoes dali obtidos. pessoal capaz de se comunicar e mesmo ministrar

15


16

7. HOME OFFICE/WI-FI free

8. UEA VIRTUAL

É um programa especialmente voltado para as unidades do interior (Centros de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé e Núcleos de Ensino Superior). Este programa consiste na disponibilização, na casa do professor, de sinal de internet contratado pela UEA, incluindo a permissão para acesso ao Portal de Periódicos da CAPES e outras bibliotecas online que venham a ser adquiridas, bem como a aquisição de computadores portáteis. O Home Office é uma ferramenta eficaz em situações de restrição de espaço físico no local de trabalho e em localidades em que a oferta comercial de serviço de internet é de baixa qualidade e/ou insuficiente para atender a demanda. Também será disponibilizado sinal de internet (Wi-Fi) em todos os Centros de Estudos Superiores e Núcleos de Estudos Superiores de forma que a Universidade possa disponibilizar ao aluno essa ferramenta imprescindível que é o acesso à rede mundial de computadores.

Consiste no investimento pesado em novas tecnologias capazes de dar conta da imensidão e dos novos desafios de formação no Estado do Amazonas. Não podemos mais nos restringir ao uso do IPTV, espécie de sistema presencial mediado por satélite em que a UEA contrata um estúdio, mas precisamos avançar na área de Educação a Distância (EaD)/Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), incluindo a oferta de cursos de graduação e especialização, além de cursos livres disponibilizados à comunidade acadêmica e à sociedade civil em geral. Essa plataforma permitirá ainda, por exemplo, que palestras/conferências ou mesmo workshops sejam gravados e disponibilizados online aos alunos onde quer que estejam, seja na capital ou no interior, inlcuindo os Núcleos de Estudos Superiores. Outra mais valia integrada a este programa é o das atividades da Rádio UEA e da Televisão UEA, por meio do docentes e alunos poderão apresentar programas educativos, culturais e jornalísticos. O sistema de Rádio e Televisão da UEA tornará a Universidade mais próxima da sociedade.


9. PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSAL Programa ousado que visa a qualificar o corpo docente e técnico-administrativo da Universidade por meio dos Programas de Pós-Graduação hoje existentes, da abertura de novos cursos próprios que possam ser induzidos a partir de estudos de viabilidade técnica no âmbito da Propesp de cursos de Mestrado e Doutorado em associação com outras IES do Amazonas ou da região Norte e ainda pela abertura de turmas de MINTER/DINTER. Considerase prioridade a universalização do mestrado a todos os docentes de carreira que ainda não possuem título válido de Mestre, com especial atenção às unidades do interior, além da busca por contribuir para o atingimento da meta estabelecida no Plano de Carreiras e Remunerações (PCCR). O Plano de Qualificação Docente (PQD) das unidades será compilado em um único PQD-UEA e gerido pela PróReitoria de Pesquisa e Pós-Graduação no âmbito da Coordenação de Pesquisa.

10. NOVO PCCR E VALORIZAÇÃO DO SERVIDOR Construção coletiva, em parceria com os sindicatos representativos, de um novo Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações (PCCR) para os servidores docentes e técnico-administrativos da Universidade do Estado do Amazonas que defina novas faixas salariais, dê garantias à aposentadoria integral, além de melhores condições de trabalho e valorização do servidor, com a contratação de Plano de Saúde, disponibilização de creche-escola para filhos dos servidores, investimento na qualificação dos técnico-administrativos na forma de cursos de educaçao continuada (curta duração), especialização, mestrado e/ou doutorado, e ainda implementação dos serviços de apoio psicológico, jurídico e de gestão financeira pessoal a partir de uma Assessoria de Apoio ao Servidor que será criada com esse fim específico. Um dos pontos mais relevantes deste programa consiste na articulação junto ao Governo do Estado e às instituições bancárias para que os servidores docentes e técnico-administrativos usufruam de condições de financiamento imobiliário especiais.

17


Detalhamento Técnico Ensino de Graduação

18

Eixos norteadores i) Avaliação institucional e acompanhamento dos PPC dos cursos de graduação; ii) Qualificação e ampliação do corpo docente e de técnico-administrativos iii) Abertura de novos cursos de graduaçao; iv) Desenvolvimento do sistema de Educação a Distância (EaD) v) Expansão das bolsas de formação: Iniciação Científica, Monitoria, Iniciação à Docência Ações 1. Institucionalizaçao dos Núcleos Docentes Estruturantes (NDE); 2. Regularização (aprovação) de todos os cursos de graduação ofertados pela UEA que estejam em situaçao de pendências junto ao Conselho Estadual de Educação do Estado do Amazonas (CEE-AM); 3. Desenvolvimento, em parceria com a PROPLAN, de banco de dados com informações inerentes ao ensino de graduação de forma a subsidiar tecnicamente as decisões da gestão superior; 4. Criação da Coordenação de Legislação e Normas Acadêmicas, com a responsabilidade de orientar processos acadêmicos, instruir coordenadores na resposta a processos, assim como a alunos que procurem a coordenação ou o departamento para dirimir dúvidas quanto a normas e procedimentos legais;


5. Revisão – e eventual complementação – dos documentos internos que norteiam o ensino de graduação na UEA, incluindo os que tratam dos cursos especiais, aprovação em disciplina, aproveitamente de estudos e transferência de localidade, com aprovação de Resoluções substitutivas junto ao Conselho Universitário; 6. Modernização do sistema Lyceum, de forma a permitir nao apenas a sua atualização, mas a interação entre o docente e os alunos regularmente matriculados nas disciplinas de ensino de graduação via rede mundial de computadores (incluindo a disponibilização de textos); 7. Avaliação institucional (pelos docentes e alunos) dos cursos de graduação ofertados pela UEA a fim de aferir a qualidade do ensino e de identificar as deficências a fim de buscar saneá-las; 8. Reformulação dos Projetos Pedagógicos de Cursos (PPC) de graduação que estejam desatualizados; 9. Redesenho das atribuições e ampliação do quadro técnico da Coordenação de Apoio ao Ensino, vinculada à Pró-Reitoria de Ensino de Graduação, de forma a garantir a efetiva política de avaliação institucional e acompanhamento dos Projetos Pedagógicos de Cursos (PPC) de graduação; 10. Realizaçao de concursos públicos para o provimento de cargos de docente efetivo a fim de preencher lacunas graves em disciplinas específicas/avançadas dos cursos de graduação. (evitar o desvio de formação docente – não se aplica a disciplinas básicas/comuns a todos os docentes); 11. Abertura de novos cursos de graduação previstos no Plano de Desensolvimento Institucional (PDI 2012-2016) e em estudos técnicos, aproveitando a capacidade instalada da UEA e com a realização de novos concursos públicos que se fizerem efetivamente necessários; 12. Estudo de viabilidade técnica para abertura de cursos de graduação nas áreas de Ciências Agrárias e Ciências Exatas e da Terra, de forma a induzir um novo ciclo produtivo e colaborar com o desenvolvimento econômico do Amaqzonas;

19


20

13. Elaboração de uma política de estágio supervisionado e profissional, de forma a permitir uma maior aproximação entre a Universidade e os setores produtivos do Amazonas, em especial com Polo Industrial de Manaus (PIM) e com a Secretaria de Educação do Estado do Amaznas (SEDUC); 14. Agressiva política de aquisição de acervo bibliográfico, em formato papel e eletrônico, de forma a suprir as bibliotecas da UEA na capital e no interior; 15. Ampliação das bolsas de Monitoria, PIBID (Iniciação à Docência) e Tutoria, levando a oferta até aos Núcleos de Estudos Superiores; 16. (Re) aparelhamento e otimização do uso (compartilhado ou não) dos laboratórios de ensino de graduação nas unidades da capital e do interior; 17. Construção de infraestrutura laboratorial a fim de atender às demanas geradas com a abertura dos cursos de Saúde nos Centros de Estudos Superiores; 18. Desenvolvimento do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) da UEA e da politica institucional de Educação a Distância, de forma a permitir a oferta de disciplinas e de cursos online e/ou semipresenciais; 19. Adesão ao Programa de Licenciaturas Internacionais (PLI), financiado pela CAPES, em que o aluno de cursos de Licenciatura terá a oportunidade de estudar no exterior; 20. Acompanhamento dos egressos dos cursos de graduação da Universidade de forma a observar a inserção dos profissionais formadas pela UEA no mercado de trabalho. 21. Reestruturação e fortalecimento do PARFOR como importante instrumento, em parceria com a Capes/MEC, para a formação de docentes capazes de alavancar a qualidade da educação básica no nosso Estado. 22. Oferta de cursos de formação para professores indígenas e cursos de especialização em territórios etnoeducacionais, a partir de discussões com os movimentos indígenas.


23. Apoio integral à implantação e implementação dos laboratórios de práticas dos cursos de graduação da UEA, a exemplo do Laboratório de Habilidades Clínicas e Simulações na ESA, o Serviço de Práticas Jurídicas, na ESO, a Empresa Junior, na EST, o Laboratório de Educação Musical, na ESAT, o Laboratório de Documentação e Ensino de Línguas Indíegnas, na ENS, dentre outros; 24. Ampliação da frota própria da Universidade de forma a peritir a realização de atividades de campo e visitas técnicas no âmbito dos cursos de graduação da Universidade do Estado do Amazonas.

Pesquisa e Pós-Graduação Eixos norteadores i) Institucionalização da Pesquisa ii) Qualificação do Pessoal Docente e Pessoal Não-Docente iii) Construção e adequação de infraestrutura física adequada iv) Mobilidade Docente e Estudantil v) Consolidação e/ou reestruturação dos cursos de Pós-Graduação e estímulo à construção de novas propostas de programas (Mestrado/Doutorado) vi) Interiorização da pesquisa e da Pós-Graduação Ações 1. Elaboração de instrumento normativo que discipline o funcionamento dos grupos de pesquisa e seu respectivo lugar no organograma institucional da UEA; 2. Acompanhamento e avaliação dos grupos de pesquisa existentes, tendo em vista a absorção de docentes e, eventualmente, técnico-administrativos, desde que atendam às exigências de produção intelectual e técnica e do perfil das linhas de pesquisa e projetos;

21


22

3. Suporte aos grupos de pesquisa a partir da designação de servidores técnico-administrativos especializados para auxílio no desenvolvimento de atividades cotidianas dos grupos, além de adoção de taxas de bancada aos líderes dos grupos, via parceria com FAPEAM (Programa de Apoio à Consolidação das Instituições Estaduais de Ensino e/Ou Pesquisa – PRÓ- ESTADO); 4. Apoio técnico à elaboração de projetos de pesquisa e/ou inovação tecnológica com vistas à captação de recursos junto às agências de fomento e organismos internacionais; 5. Aglutinação de grupos de pesquisa de área, temas ou metodologias convergentes em unidades de Investigação & Desenvolvimento (I&D) com vistas à ampliação e consolidação do capital investigativo; 6. Agressiva política de aquisição de acervo bibliográfico, em formato papel e eletrônico, de forma a suprir as bibliotecas da UEA na capital e no interior, bem como expansão do enlace de internet que servem aos Centros de Ensino Superior de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé a fim de garantir condições satisfatórias de acesso à rede mundial de computadores. 7. Construção/aquisição de infraestrututra física (espaço e equipamentos) adequada ao funcionamento de grupos de pesquisa e/ou unidades de Investigação & Desenvolvimento (I&D); 8. Implementação do sistema Home Office nos Centros de Ensino Superior de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé, consistindo na disponibilização, na casa do professor, de sinal de internet contratado pela UEA, incluindo a permissão para acesso ao Portal de Periódicos da CAPES, e a aquisição de computadores portáteis; 9. Ajuste nos encargos didáticos com vistas à inclusão de horas específicas de pesquisa para líderes, vice-líderes e docentes coordenadores de projetos de pesquisa e/ou inovação e/ou extensão, com financiamento, que integrem os grupos de pesquisa certificados pela UEA (respeitados os limites estebelecidos na Lei Estadual 3.656, de 01 de setembro de 2011);


10. Redesenho das atribuições e ampliação do quadro técnico da Coordenação de Pesquisa, vinculada à Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, de forma a garantir uma atuação sistemática e permanente junto aos grupos de pesquisa; 11. Instituição do Fórum Permamente dos Grupos de Pesquisa (FGP) no âmbito da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação; 12. Independente dos recursos alocados por agências de fomento a projetos submetidos pelos investigadores integrantes de grupos de pesquisa, promover a ampliação do apoio financeiro (passagens áreas e diárias) aos membros de grupos de pesquisa que tenham sido aceitos para apresentação de trabalhos em eventos acadêmicos no Brasil e no exterior, de forma a garantir a divulgação dos resultados alcançados; 13. Atuação junto à Editora Universitária para que periódicos editados por grupos de pesquisa e cursos de pós-graduação estejam em conformidade com as diretrizes do Qualis/Capes, incluindo a manutenção da periodicidade e a imediata implementação da plataforma de acesso livre SEER (Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas, hoje adotado de forma quase universal), contribuindo para a visibilidade da UEA como produtora e curadora de acervo científico de qualidade, com repercussão nos indicadores que demonstram a capacidade da pesquisa nas várias áreas do conhecimento. 14. Articulação junto à Pró-Reitora de Ensino de Graduação e demais órgãos da administração a realização de concursos públicos com perfil de Adjunto (ou Titular), que atendam, uniformemente e em complementaridade, graduação, pesquisa e pós-graduação, bem como visando à consolidação dos quadros docentes da capital; 15. Revisão do Regimento Geral da Pós-Graduação, de forma atender plenamente às diretrizes da CAPES e os interesses institucionais;

23


24

16. Diagnóstico das áreas em expansão e ascensão na Universidade de forma a submeter novas propostas de cursos pós-graduação stricto sensu (via APCN-Capes), incluindo um estudo para abertura de cursos de Mestrado/Doutorado em associação com outras IES da Amazônia; 17. Adesão ao Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS) e ao Mestrado Profissional em Matemática (PROFMAT), cursos em rede gerenciados e financiados pelo MEC em âmbito nacional, de forma a atender professores da rede pública e, parcialmente, professores da UEA; 18. Execução dos Planos de Qualificação Docente (PQD) das unidades de ensino da capital e do interior, incluindo a permissão para contratação de professor substituto dentro dos limites permitidos em Lei e das possibilidades orçamentárias da UEA; 19. Abertura de turmas MINTER e DINTER de forma a qualificar, em caráter emergencial, os professores que não detenham título válido de Mestre e/ou Doutor, respeitados os critérios de seleção – universalização do Mestrado entre dos docentes de carreira e progressivo aumento do número de Doutores; 20. Estimular os atuais cursos de pós-graduação próprios da UEA ao desafio de qualificação de professores e técnico-administrativos; 21. Captação, via FAPEAM (ver Resolução 001/2013, do Conselho Superior FAPEAM), de bolsas de Pesquisador Visitante Sênior (PVS) para concessão a pesquisadores altamente qualificados que venham contribuir, em curta duração, com a consolidação de grupos de pesquisa e/ou Programas de Pós-Graduação; 22. Incentivo à realização de Estágio Pós-Doutoral no Exterior de forma a garantir a formação de redes internacionais de pesquisa e colaboração; 23. Captação de investigadores/professores para a realização de Estágio Pós-Doutoral de forma a criar, consolidar e evidenciar as redes de pesquisa em âmbito nacional e internacional; 24. Captação e implementação junto à FAPEAM/CNPq de bolsas de pesquisa Desenvolvimento Científico


Regional (DCR) para captação de investigadores ainda não absorvidos pelo mercado de trabalho; 25. Interiorização da Pós-Graduação com a abertura de novas turmas/cursos hoje já existentes na UEA, de forma a contemplar ao menos um curso por Centro de Estudos Superiores, lançando mão, se necessário, de parceria e convênios com outras instituições de ensino e/ou pesquisa); 26. Ampliação e qualificação da rede de convênios com instituições universitárias de prestígio nacional e internacional; 27. Implementação de Programa de Mobilidade Docente (Pmobil-Docente) de forma a garantir o efetivo intercâmbio entre professores de instituições de ensino e pesquisa com as quais a UEA mantenha convênio e do Programa de Mobilidade Estudantil (Pmobil-Estudante), incluindo o apoio ao estágio-sanduíche no exterior, no caso de alunos regularmente matriculados nos cursos de Doutorado ofertados pela UEA, e recepção de estudantes de Doutorado para realização estágiosanduíche no Brasil nas quais a UEA possua capital intelectual e/ou tecnológico; 28. Criação, em parceria com a FAPEAM (via concessão de bolsas de curta duração para qualificação no exterior - bolsa DCTIEX Resolução 01/2013 – Conselho Superior FAPEAM), do programa Professor Sem Fronteiras (PSF) e do programa Técnico Sem Fronteiras (TSF-nível superior), com o envio de docentes e técnicos-administrativos de nível superior, respeitados o quantitativo de vagas e os critérios de seleção, com o objetivo de frequentar cursos intensivos de língua estrangeira, sobretudo língua inglesa e língua espanhola, objetivando à internacionalização da UEA e possibilidade de captação de recursos e de alunos oriundos de outros países que não tenham o português como língua oficial ou materna; 29. Ampliaçao das bolsas de Iniciação Científica,, IC Saúde, Iniciação Tecnológica e Iniciação Científica Júnior, Apoio Técnico, Mestrado e Doutorado junto às agências de fomento FAPEAM, CAPES e CNPq; 30. Atuação junto à FAPEAM de forma a garantir o aumento do repasse PosGrad aos Programas de

25


26

Pós-Graduação em funcionamento na UEA, inlcuindo aqueles que ainda não recebem o fomento; 31. Manutenção e ampliação da oferta de cursos de especialização com vistas a atender a demanda por formaçao de recursos humanos no Estado do Amazonas, com destaque para as áreas produtivas; 32. Incentivo à criação de grupos de pesquisa e/ou unidades de Investigação & Desenvolvimento (I&D) de caráter multidisciplinar que tenham por objetivo pensar a realidade da amazônia e do seu povo, com destaque para atuação na grande área de ciências sociais e humanas, com ênfase na antropologia e na etnografia linguística, literatura e cultura, geografia, história e política; 33. Captação, via FAPEAM (ver Resolução 001/2013, do Conselho Superior FAPEAM), de bolsas de Inventor e de Pesquisador Visitante Sênior em Tecnologia da Informação (PRO-TI/VISITANTE) para atuação nas áreas de tecnologia e engenharias; 34. Criação da Escola de Altos Estudos da Amazônia (E2A) e do Centro de Estudos Ambientais a partir expansão e readequação do Centro de Estudos Superiores do Trópico Úmido (CESTU) de forma a acolher projetos estruturantes de alto impacto e volume financeiro, bem como professores/ pesquisadores visitantes de renome nacional e internacional em missões de pesquisa de curta duração que agreguem valor acadêmico aos grupos de pesquisa e Programas de Pós-Graduação da UEA; 35. Pagamento de taxas cobradas por periódicos indexados de grande impacto internacional (Qualis A1 e A2) a fim de viabilizar a publicação de papers pelo corpo docente atuante nos grupos de pesquisa e /ou programas de pós-graduação; 36. Redesenho das atribuições e ampliação do quadro técnico da Coordenação de Infraestrutura, vinculada à Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação, de forma a garantir a construção de projetos que permitam a captação de recursos a serem investidos na Infraestrutura de Pesquisa e PósGraduação da UEA;


37. Ampliação e melhoria da Rede de Laboratórios de Pesquisa e Pós-Graduação e das unidades de Investigação & desenvolvimento (I&D) da UEA a partir de projeto a ser submetido à Financiadora de Estudos e Projetos do Governo Federal (FINEP);

Extensão e Assistência Estudantil Eixos norteadores i) Institucionalização da Extensão ii) Prestação de serviços à comunidade iii) Interiorização da Extensão Universitária iv) Melhoria da Assistência Estudantil (alimentação, moradia e bolsas de apoio) Ações 1. Ampliação da participação da UEA junto ao Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras – FORPROEX; 2. Construção, de forma ampla e coletiva, da Política de Extensão da UEA para o período 2014-2018, contemplando as áreas de atividades inter e multidisciplinares como componente complementar dos cursos de graduação regulares e especiais, eventos acadêmicos e abertos à sociedade amazonense, prestação de serviços à comunidade e assistência estudantil; 3. Redesenho das atribuições e ampliação do quadro técnico da Coordenação de Extensão, vinculada à Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários, de forma a garantir o fiel cumprimento da Política de Extensão da UEA; Criação de seção técnica no âmbito da Coordenação de Extensão de forma a dar suporte permamente aos Programas Institucionais de Extensão; 4. Capacitação dos líderes de grupos de pesquisa (e criação de grupos de extensão) e de servidores

27


28

técnico-administrativos a fim de que desenvolvam concomitantemente atividades/ações de extensão; 5. Incentivo à formação/formalização de grupos de extensão, com a subsequente definição do perfil do grupo, das linhas de extensão e dos projetos vinculados; 6. Publicação anual de edital público com vistas ao financiamento de projetos de extensão propostos por equipes de docentes e/ou técnico-administrativos, acompanhados dos respectivos alunos de graduação e de pós-graduação; 7. Publicação anual de edital público com vistas ao financiamento de eventos promovidos pela UEA, na totalidade ou parcialmente, via Edital de eventos da PROEX – aumentar o valor por evento e a quantidade de eventos contemplados; 8. Publicação anual doe edital público com vistas ao financiamento de atividades de artes e cultura; 9. Oferta de cursos de educação continuada (curta duração) à comunidade universitária e à sociedade em geral, na capital e no interior; 10. Transformação de projetos de grande impacto e visibilidade em Programas Institucionais de Extensão ou ainda o fortalecimento dos atuais Programas, a saber: Programa Nacional de Telessaúde – Núcleo Amazonas, Anjos da Saúde, Universidade Aberta da Terceira Idade (UNATI-UEA), Museu da Amazônia, Orquestra Sinfônica e Cine-Vídeo UEA; 11. Criação da Escola de Extensão, como espaço alternativo, dotado de infraestrutura adequada à execução de projetos de extensão; 12. Articulação junto à Pró-Reitoria de Graduação a fim de valorizar as atividades de extensão no âmbito dos cursos de graduação regulares e especiais, inserindo-os dentro dos Projetos Pedagógicos de Cursos (PPC); 13. Articulação junto à Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação a fim de incentivar a realização de


atividades/ações de extensão no âmbito dos grupos de pesquisa e dos Programas de Pós-Graduação próprios da UEA; 14. Criação da Revista de Extensão e do subportal de extensão da UEA de forma a dar visibilidade às ações desenvolvidas no âmbito da Universidade e ainda de forma a incentivar mais docentes, técnico-administrativos e alunos a se engajarem em atividades de extensão; 15. Atuação permanente no âmbito da Biblioteca Central Comunitária (Cidade Universitária) de forma a torná-la um espaço de encontro entre a comunidade universitária e a sociedade civil, incluindo a disponibilização do projeto Ilha Digital e a abertura do acervo à população em geral; 16. Intervir junto à gestão superior e aos demais órgãos competentes da Universidade do do Estado para adoção/construção do Teatro Universitário; 17. Criação do Projeto Multicêntrico de Idiomas, na capital e no Centros de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé, de forma a garantir o acesso a cursos de língua estrangeira aos alunos da UEA e à sociedade civil; 18. Criação do Pré-Vestibular Comunitário (PVComum) para servir de prestador de serviço à sociedade civil e de laboratório de ensino e pesquisa aos cursos na área de Licenciaturas; 19. Implentação do Restaurante Universitário (RU) nos Centros de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé, com serviço de café da manhã, almoço e jantar; 20. Atuação junto aos Núcleos de Estudos Superiores da UEA, em que são ofertados cursos especiais (modulares e via IPTV), com o objetivo de garantir atividades de extensão que permitam a interação entre a Universidade e a sociedade civil; 21. Articulação junto à Pró-Reitoria de Ensino de Graduação com o objetivo de firmar parceria para o desenvolvimento/oferta de atividades de extensão no âmbito dos cursos integrantes do Plano Nacional de Formação de Professores (PARFOR);

29


22. Ampliação sistemática da oferta de bolsas de extensão (tipo I e tipo II) e bolsa trabalho, abrangendo também os Núcleos de Estudos Superiores que tenham professores temporários lotados; 23. Acompanhamento e avaliação institucional de todas as ações e atividades de extensão promovidas pela UEA de forma a garantir um padrão de qualidade satisfatório. 24. Criação do Sistema de Rádio e Televisão UEA, que tornará a Universidade mais próxima à sociedade amazonense e será importante ferramenta para a melhoria do ensino, da pesquisa e da extensão.

Políticas de Interiorização com Qualidade

30

Eixos norteadores i) Qualificação docente ii) Adequação e ampliação da infraestrutura iii) Extensão e serviços à comunidade iv) Assistência Estudantil Ações 1. Criação da Pró-Reitoria de Interiorização, autônoma e com quadro técnico próprio, em substituição à atual Pró-Reitoria Adjunta de Interiorização subordinada à Pró-Reitoria de Ensino de Graduação; 2. Atuação efetiva da Pró-Reitoria de Interiorização na articulação entre os Centro de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé e a Reitoria da Universidade de forma a encontrar soluções efetivas para os principais desafios das unidades do interior – o cargo de Pró-Reitor de Interiorização será ocupado por um docente oriundo dos atuais Centros de Estudos Superiores; 3. Execução dos Planos de Qualificação Docente (PQD) das unidades de ensino do interior, incluindo a permissão para contratação de professor substituto dentro dos limites permitidos em Lei e das possibilidades


orçamentárias da UEA, e valorização da atuação do professor dentro de sua área de concurso; 4. Realização de concurso público para o provimento de cargos de professor para os Centros de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé, de forma a garantir o pleno funcionamento dos cursos de graduação, a abertura de cursos novos e atividades de pesquisa e extensão (adoção de padrão mínimo de 10 docentes por curso de graduação regular); 5. Realização de concurso público para o provimento de servidores técnico-administrativos; 6. Início imediato (ainda em 2014) das obras de expansão do Centro de Estudos Superiores de Tefé; 7. Estudos técnicos visando a melhorias no Centro de Estudos Superiores de Itacoatiara e Parintins e a expansão do Centro de Estudos Superiores de Tabatinga; 8. Atuação junto aos órgaos competentes visando à desativação/transferência do aterro sanitário de Parintins, hoje localizado nas imediações do Centro de Estudos Superiores de Parintins; 9. Construção de rede de infraestrutura laboratorial e de gestão para servir aos cursos regulares ofertados nos Centro de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé; 10. Projeto e construção dos prédios das bibliotecas dos Centros de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé, abrigando Gabinete da Chefia, sala dos bibliotecários, sala de depósito e tratamento do acervo, sala de reuniões, miniauditório, acervo, sala de leitura, gabinetes individuais de estudo, gabinetes de grupos de pesquisa, laboratório de informática, cantina e livraria concessionadas à iniciativa privada; 11. Ampliaçao significativa do enlace de internet contratado para os Centros de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé, de apenas 384kbps (fonte: PDI 2012-2016, PROPLAN/UEA); 12. Agressiva política de aquisição de títulos para o Sistema de Bibliotecas da Universidade do Estado do Amazonas sediadas nas unidades do interior, de forma a quintuplicar o acervo existente em número absoluto de títulos (hoje temos apenas 45.816 livros e 2.050 periódicos diferentes em toda a estrutura

31


32

da Universidade do Estado do Amazonas, o que representa o número irrisório de cerca de 2,5 títulos por aluno regularmente matriculado – esse índice é ainda pior no interior do Estado/ Fonte: Uea em Números 2012 – PROPLAN/UEA); 13. Implementação do sistema Home Office nos Centro de Ensino Superior de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé, consistindo na disponibilização, na casa do professor, de sinal de internet contratado pela UEA, incluindo a permissão para acesso ao Portal de Periódicos da CAPES, a aquisição de computadores portáteis e de livros de referência na subárea específica de concurso do professor; 14. Interiorização da pós-graduação stricto sensu com a abertura de cursos de Mestrado de acordo com as possibilidades a serem apontadas em estudo a ser elaborado pela Coordenação de Pós-Graduação da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação – possibilidade de convênios com instituições de forma a permitir abertura de cursos compartilhados, a exemplo do que acontece hoje em Manaus; 15. Implentação do Restaurante Universitário (RU) nos Centros de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé; 16. Aproximação dos Centros de Estudos Superiores com a sociedade civil, seja por meio da oferta de serviços à comunidade (Ilha Digital para acesso gratuito à internet e empréstimo de livros nas dependências das bibliotecas), seja na abertura de cursos livre e/ou de extensão a exemplo de cursos de idiomas e pré-vestibular comunitário; 17. Criação e/ou convenialização da rede de Colégios de Aplicação da UEA, com forte atuação nos Centros Centros de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé, de forma a contribuir com melhoria da qualidade do ensino básico gratuito no interior do Estado e com a formação profissional dos alunos de Licenciatura; 18. Ampliação das vagas nas residências estudantins e melhoria dos espaços, garantindo um padrão de qualidade;


19. Criação dos Núcleos de Acessibilidade para Portadores de Necessidades Especiais, com a respectiva adequação dos espaços das unidades do interior; 20. Reordenamento dos Núcleos de Ensino Superior localizados no Estado do Amazonas de forma a evitar sobreposições de instituições atuando nas mesmas áreas/municípios; 21. Reaparelhamento dos Núcleos de Estudos Superiores (NES) ocalizados no interior do Estado, incluindo reforço e ampliação da infraestrutura existente; 22. Realização de estudos técnicos para efetivação dos centros de Lábrea e São Gabriel da Cachoeira em Centro de Estudos Superiores, com oferta regular de cursos de graduação e a respectiva realização de concurso públicos (docentes e teécnico-administrativos) para atender à demanda; 23. Descentralização orçamentária de forma a tornar os Centros de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé em unidades de execução orçamentária a fim de que possam resolver com agilidade os problemas emergenciais e cotidianos.

Rede de Bibliotecas e Editora Universitária Eixos norteadores i) Configuração de espaços de convívio e referência científica, intelectual e cultural ii) Aquisição de acervo em quantidade e qualidade suficientes iii) Realização de concurso público para o provimento de cargos específicos Ações 1. Modernização dos sistemas informáticos de gerenciamento do Sistema de Bibliotecas da UEA, incluindo o sistema PERGAMUM, responsável pela gestão da rede de bibliotecas, e distribuição imediata dos livros ainda retidos na Biblioteca Central;

33


34

2. Construção do prédio da Biblioteca Central e Comunitária, inlcuindo todos os itens essenciais ao seu bom funcionamento, redundando na sua abertura à comunidade externa à Universidade e configurando-a como polo de pesquisa, encontro e debate cultural na Região Metropolitana de Manaus; 3. Projeto e construção dos prédios das bibliotecas dos Centros de Estudos Superiores de Itacoatiara, Parintins, Tabatinga e Tefé, abrigando Gabinete da Chefia, sala dos bibliotecários, sala de depósito e tratamento do acervo, sala de reuniões, miniauditório, acervo, sala de leitura, gabinetes individuais de estudo, gabinetes de grupos de pesquisa, laboratório de informática, cantina e livraria concessionadas à iniciativa privada; 4. Investimento na segurança interna da rede de bibliotecas da UEA, com vistas a proteger o patrimônio, os trabalhadores e os usuários, permitindo, dessa forma, o acesso ao acervo (contato entre leitor e livros) – hoje, o acesso aos livros é restrito aos bibliotecários e técnicos lotados nas bibliotecas; 5. Elaboração e execução de plano de cooperação técnica entre a UEA, via Biblioteca Central, e os municípios do Amazonas de forma a apoiar na construção de projetos de formação, ampliação ou reestruturação das bibliotecas públicas municipais a fim de solicitar aos órgãos e agências competentes o financiamento necessário para as ações (Secretária de Estado de Cultura, Ministério da Cultura, Ministério das Cidades, FAPEAM entre outros); 6. Ativação das bibliotecas sazonais da UEA (ligada à Biblioteca Central), disponibilizada aos Núcleos de Ensino Superior conforme os cursos especiais ofertados no momento; 7. Agressiva política de aquisição de títulos para o Sistema de Bibliotecas da Universidade do Estado do Amazonas, de forma a quintuplicar o acervo existente em número absoluto de títulos (hoje temos apenas 45.816 livros e 2.050 periódicos diferentes em toda a estrutura da Universidade do Estado do Amazonas, o que representa o número irrisório de cerca de 2,5 títulos por aluno regularmente matriculado – Fonte: UEA em números 2012/PROPLA-UEA), priorizando os títulos


constantes nas bibliografias básica e complementar das disciplinas de graduação e pós-graduação, títulos de caráter literário, cultural e artísticos e títulos recém-lançados que possam razer novas contribuições ao ensino, à pesquisa e à extensão; 8. Estabelecimento da política de avaliação, aquisição e conservação de obras raras e de interesse público; 9. Universalização, em todas as Escolas, Centros e Núcleos, do acesso ao Portal de Periódicos da CAPES, hoje a mais importante ferramenta web de busca de artigos/papers especializados; 10. Oferta de cursos de capacitação à comunidade universitária da UEA para um melhor desempenho do Portal de Periódicos da CAPES; 11. Ampliação das senhas de acesso remoto (em casa) ao Portal de Periódicos da CAPES de forma a contemplar o maior número possível de docentes e alunos de pós-graduação stricto sensu; 12. Compra de acervo bibliográfico em formato digital, sobretudo nas áreas de Engenharias, a mais defasada e com menor quantitativo de títulos (possui apenas 132 títulos únicos em todo o acervo da UEA), e de Ciências da Saúde, uma das mais impactadas pela desatualização do material hoje disponibilizado; 13. Criação do Repositório Científico, que deverá abrigar em formato digital todos os textos produzidos no âmbito da Universidade, incluindo a produção intelectual dos docentes; 14. Reestruturação do Banco Digital de Teses e Dissertações (BDTD-UEA) defendidas no âmbito dos Programas de Pós-Graduação da UEA, incluindo o interlink com o Repositório Científico; 15. Contratação, via concurso público, de bibliotecários e auxiliares de biblioteca (hoje apenas 27 profissionais, entre concursados e comissionados, para atender a UEA na Capital e Interior – Fonte: PROPLAN/UEA. Observar que os dados divergem dos manipulados pela Biblioteca Central, que apontam 31 técnicos administrativos trabalhando diretamente no sistema de bibliotecas); 16. Criação da rede social de usuários da rede de bibliotecas da UEA a fim de possibilitar o incentivo à leitura e ações de endomarketing;

35


36

17. Edificaçao da sede da Editora Universitária e sua respectiva; 18. Dinamização da Editora Universitária com o cumprimento do Plano Editorial e de Publicações 2012-2016 (PEP 2012-2016) aprovado pelo Conselho Editorial em janeiro de 2012, bem como com a dotação orçamentária via recursos diretos da Reitoria da UEA e via convênios com a FAPEAM (Programa Publica); 19. Consolidação do Conselho Editorial da UEA (CONSED) e da dinâmica de chamadas públicas via Editais com vistas à produção contínua de livros e revistas; 20. Contrataçao, via concurso público, de profissionais de designer, webdesigner e revisão de textos para suprir a atual demanda da Editora Universitária; 21. Qualificação do quadro de recursos humanos da Editora Universitária com a oferta de cursos técnicos/livres de Gestão editorial, Editoração e Diagramação; 22. Ampliação do número de periódicos editados pela Editora Universitária da UEA e manutenção da periodicidade das atuais revistas Hiléia, Areté, Aboré e ContraCorrente, tendo em vista os critérios desenhados pela Qualis/CAPES, como forma de ampliar a visibilidade da UEA no cenário nacional e internacional; 23. Incentivo à produção de e-books (livros eletrônicos), sobretudo quando se tratar de material de caráter didático e/ou instrucional no âmbito de disciplinas ministradas em cursos de oferta especial (ensino de graduação e/ou pós-graduação) cujos títulos disponíveis no mercado não atendam às necessidades acadêmicas ou estejam defasados; 24. Implementação do Sistema Eletrônico de Editoração Eletrônica (SEER) de forma a garantir acesso livre e universal aos periódicos editados pela Editora Universitária visando a uma melhor classificação nos critérios Qualis/CAPES – o SEER foi instalado nos servidores do CTIC desde 2012 e nunca foi utilizado;


25. Oferta de treinamento para gerenciamento e uso da plataforma SEER (Sistema Eletrônico de Editoração Eletrônica ) por editores de periódicos publicados pela Editora Universitária da UEA; 26. Implementação do Sistema Online de Acompanhamento de Conferências (SOAC), plataforma em software livre adotada pelo IBCT/Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovaçâo para gestão e divulgação dos resultados (trabalhos completos) de eventos acadêmicos organizados no âmbito da UEA - o SOAC foi instalado nos servidores do CTIC desde 2012 e nunca foi utilizado; 27. Oferta de treinamento (gerenciamento e uso) da plataforma Sistema Online de Acompanhamento de Conferências (SOAC) para organizadores de eventos científicos e, em especial, aos técnicoadministrativos que trabalham diretamente com eventos (PROEX- extensão); 28. Criação de uma Revista Institucional da UEA com o objetivo de divulgar ações mais relevantes no âmbito do ensino, da pesquisa e da extensão; 29. Promoção de permuta de periódicos acadêmicos entre a UEA e outras insituições de ensino, pesquisa e extensão, notadamente aquelas sediadas na Amazônia; 30. Firmação de convênios e parcerias com editoras comerciais a fim de permitir a dupla chancela (duplo selo editorial) e, por conseguinte, uma maior difusão dos livros editados pela Editora Universitária da UEA. 31. Adesão à Associação Brasileira de Editoras Universitárias (ABEU); 32. Criação de calendário anual de participação e promoção de feiras de venda e divulgaçao dos livros, sobretudo àquelas que atendam à demanda interna da UEA; 33. Abertura da Livraria universitária, em lojas fisica e online.

37


Política de Gestão de Pessoas

38

Eixos norteadores i) Incentivo à Qualificação ii) Ampliação de benefícios trabalhistas iii) Admissão via Concursos públicos iv) Aumento do poder de compra Ações 1. Construção coletiva, em parceria com os sindicatos representativos, de um novo Plano de Cargos, Carreiras e Remunerações (PCCR) para os servidores docentes e técnico-administrativos da Universidade do Estado do Amzonas 2. Modernização tecnológica e ampliação do setor de Recursos Humanos/Gestão de Pessoas e sua respectiva integração à Pró-Reitoria de Planejamento da UEA; 3. Criação da Política de Gestão de Pessoas da UEA; 4. Realização de concurso público para o provimento de cargos de servidores técnico-administrativos para as unidades da capital e interior, sobretudo nos segmentos de biblioteca, editora universitária, secretarias acadêmicas e laboratórios de ensino e de pesquisa; 5. Realização de concurso público para o provimento de cargos de professor com perfil de Adjunto ou Titular, que atendam, uniformemente e em complementaridade, graduação, pesquisa e pósgraduação, bem como visando à consolidação dos quadros docentes da capital e ainda cursos novos; 6. Discussão e aprovação, na forma de Resolução do Conselho Universitário, os itens que integram o Plano de Individual de Trabalho Docente de forma a valor, de forma justa e equilibrada, as atividades de ensino, pesquisa e extensão;


7. Execução dos Planos de Qualificação Docente (PQD) das unidades de ensino da capital e do interior, incluindo a permissão para contratação de professor substituto dentro dos limites permitidos em Lei e das possibilidades orçamentárias da UEA – do atual quadro de docentes da UEA, 4 são graduados, 212 especialistas, 399 mestres e apenas 161 são portadores do título de Doutor, representando apenas 16℅ do total de 987 professores, entre concursados e temporários (Fonte: PROPLAN/UEA). 8. Oferta de cursos de especialização lato sensu de forma a universalizar a pós-graduação entre os servidores técnico-administrativos de nível superior, com especial foco em Gestão Universitária; 9. Incentivo aos servidores técnico-administrativos à qualificação em cursos de mestrado e doutorado ofertado pela UEA ou em parceria com outras IES; 10. Pagamento das gratificações previstas em Lei (adicionais de titulação, gratificação de curso, produtividade e adicional notuno) aos docentes e técnico-administrativos, com destaque para a Implementação da Gratificação de Produtividade Acadêmica (criada pela Lei 3.656 de 01 de setembro de 2011 e regulamentada pelo Decreto 34. 266 de 09 de dezmebro de 2013) de forma a valorizar os docentes que desenvolvam projetos aprovados; 11. Construção de creche-escola para os filhos de servidores docentes e técnico-administrativos e também aberta à comunidade, de forma a servir de laboratório de ensino e pós-graduação nas áreas da Pedagogia e da Psicologia; 12. Contratação de plano de saúde de abrangência nacional, com forte participação no Amazonas, a todos os servidores docentes e técnico-administrativos concursados da UEA e a seus respectivos dependentes (regime de coparticipação, em que a Universidade assumirá uma parte dos custos); 13. Oferta de serviços de atendimento odontológico e de apoio psicológico aos servidores docentes e técnico-administrativos da UEA ; 14. Atualização do valor do tíquete alimentação tendo em vista o índice de inflação acumulado desde

39


40

o período de sua implentação até o presente; 15. Contratação de seguro de vida, especificação padrão, a todos os servidores docentes e técnicoadministrativos da UEA; 16. Atualização, para valores de mercado, dos salários pagos aos servidores téccnico-administrativos empossados em cargos com exigência de nível técnico; 17. Implementação de uma política de capacitação para o trabalho de forma a treinar os novos servidores concursados na realização de suas atividades cotidianas antes do efetivo início do exercício da função; 18. Disponibilização de ferramenta de comunicação interna para os servidores docentes e técnicoadministrativos da UEA (sistema VOIP e de mensagens instantâneas em ambiente monitorado) 19. Apoio, na forma de doação de terreno, confecção de projeto básico e construção de prédio para abrigar o Sindicato dos Docentes da UEA (SINDUEA) e seu respectivo espaço de lazer e cultura a ser instalado das dependências da Cidade Universitária; 20. Negociação junto ao Governo do Estado de preços e condições de financiamento especiais para os servidores docentes e técnico-administrativos que desejem adquirir imóvel residencial nas dependências da Cidade Universitária; 21. Pleitear junto ao Governo do Estado índices de reposição anual salarial dos servidores em percentuais acima da inflação, redundando em ganho real de poder de compra.

Administração e Planejamento Eixos norteadores i) Gestão Participativa ii) Agilidade na resposta aos processos


iii) Descentralização administrativa iv) Infraestrutura adequada v) Modernização tecnológica Ações 1. Adoção de uma política de planejamento estratégico e participativo em todas as unidades acadêmicas e setores administrativos da UEA visando a subsidiar as decisões da Reitoria na UEA; 2. Ampliação do quadro técnico de servidores das Pró-Reitorias de Administração e de Planejamento; 3. Transformação das unidades acadêmicas da UEA em unidades orçamentárias de forma a permitir uma efetiva descentralização das ações, redundando em respostas mais céleres às demandas das Escolas Superiores e dos Centros de Estudos Superiores; 4. Descentralização administrativa de processos-chave, tidos como gargalos, com a subsequente organização de setores específicos nas unidades acadêmicas da capital e Centros de Estudos Superiores para tratar da gestão de pessoas, finanças e compras, diminuindo o tempo de resposta de processos e otimizando a implementação de ações; 5. Criação de uma Comissão de Reestruturação e Modernização da UEA; 6. Reaparelhamento dos servidores, sistemas informáticos e capacidade técnico quadro de pessoal) do CTIC (Coordenadoria de Tecnologia da Informação e Comunicação):; 7. Criação e manutenção de bancos de dados com os quais a UEA possa se planejar para o futuro e reconhecer a si própria nos dados e informaçoes dali obtidos; 8. Modernização dos sistemas informáticos da Universidade, com destaque para o Lyceum e para o PERGAMUM; 9. Implantação de Sistema de Gestão Integrada na UEA, vinculando Dados Acadêmicos, de Protocolo de

41


42

Processos e de Relatórios Gerenciais, com vistas a automação de processos institucionais; 10. Implantação de gerenciamento patrimonial e do sistema de mensuração de custos das atividades acadêmicas e administrativas das unidades, escolas, centros e núcleos, com a utilização de sistemas de informação; 11. Ampliação das ações da Prefeitura Universitária com a instalação de núcleos em todas Escolas Superiores e Centros de Estudos Superiores, incluindo uma prática de prevenção e combate a incêndios; 12. Criação do setor logístico, vinculado à Prefeitura Universitaria, de atendimento às demandas dos Centros e Núcleos de Estudos Superiores; 13. Implantação de uma rede institucioal de comunicação interna da Universidade, via internet, rádio e serviços de teleconferência com qualidade; 14. Atualização do PDI (Plano de Desenvolvimento Institucional), documento obrigatório a todas as universidades, com expressiva participação da comunidade universitária, não apenas por Internet; 15. Normatização e uniformização do fluxo de processos; 16. Virtualização de processos acadêmicos e administrativos, possibilitando respostas em tempo real aos processos, que deverão ser atendidos em virtude de critérios de atinguidade e de urgência estratégica, e contribuindo para diminuição do uso de papel. DADOS COMPLEMENTARES SOBRE ORÇAMENTO DA UEA ANO

AUTORIZADO

EXECUTADO

2012

R$ 282.695.492

R$ 223.211.870

2013

R$ 305.410.000

R$ 257.169.920

2014

R$ 345.910.000

Fonte: PROPLAN/UEA



Campanha