Page 462

force meus olhos, e prestar atenção para não chorar e usar os óculos que ele me receitou. Mas, se não fizer nada disso, ele disse que dentro de seis meses eu certamente ficarei cega como uma toupeira. Cega! Anne, já pensou! Depois da primeira exclamação por causa do choque, Anne ficou em silêncio. Ela teve a sensação de que não conseguia falar. Depois, corajosa, mas com um bolo na garganta, disse: – Marilla, não pense nisso agora. Você sabe que ele deu uma esperança. Se você for cuidadosa, não perderá toda a visão; e será maravilhoso se os óculos curarem suas dores de cabeça. – Eu não chamo isso de muita esperança – replicou Marilla com amargura. – Como vou viver se não posso ler nem costurar ou fazer nada disso? Tanto vale ficar cega... ou estar morta. Quanto a chorar, eu não posso impedir as lágrimas quando me sinto sozinha. Ora, mas não adianta ficar falando sobre isso. Eu agradeceria se você me preparasse uma xícara de chá. Estou exausta. Não diga nada para ninguém, pelo menos não ainda. Eu não aguentaria se as pessoas viessem aqui, para fazer perguntas e comentários, e sentissem pena de mim. Quando Marilla acabou de almoçar, Anne convenceu-a a se deitar um pouco. Depois, subiu até o frontão leste e sentou ao lado da janela na escuridão, sozinha, com suas lágrimas e seu coração pesado. Como era triste ver como tudo mudara desde que se sentou ali na noite em que voltou para casa! Naquele momento, ela estava cheia de esperanças e alegria, e o futuro parecia cheio de promessas róseas. Anne se sentia como se tivesse vivido anos desde aquele momento, mas adormeceu com um sorriso nos lábios e o coração em paz. Ela enfrentou seu dever corajosamente e encontrou nele um amigo... como o dever sempre é quando encarado de frente. Alguns dias depois, numa tarde, Marilla caminhava devagar no pátio da frente, onde havia ido conversar com uma pessoa – um homem que Anne conhecia de vista como sr. Sadler, de Carmody. 462

Profile for lucasportop2

Anne de Green Gables  

Anne de Green Gables  

Advertisement