Page 1

COM O MELHOR DA

3D WORLD 31 páginas de técnica

22 “Se você não souber o que o seu estúdio pode oferecer, imagine o cliente” _ Daniel Neves

brasil

Inspiração Técnica Design de ponta

Photoshop Explore texturas e efeitos Illustrator Estampas para camisetas After Effects Aprenda a criar efeitos cinematográficos

Aqui tem_ Colletivo Visorama Diversões Eletrônicas Jasper Goodail Dimaquina Nitrocorpz Scrawl Collective Binho Ribeiro Vasava Pablo Loco Christopher Kenworthy Kleber Design Ltd Átila Meireles Josh Vanover Steve Harrington % mais computerarts.com.br Ano2 Junho 2009 R$ 14,90

Como montar um

Estúdio Saiba o momento certo de se arriscar e como agregar talentos ao seu sonho

Graffiti A arte do muros do underground faz sucesso no mainstream


Seções Mail

08

Portfólio

12

Notícias

26

Objetos de Design Entrevista Perfil Design Clássico

Entrevista

32 34 52

Técnica

98

Aproveite os erros Jasper Goodball

A história do estúdio espanhol Vasava

Josh Vanover mostra como consertar seus erros no photoshop

52

64

Perfil

A entrevisa do mês da Computer Arts

34 40 Como montar um estúdio

Conheça designers que uniram suas forças e encontratam o sucesso

Destaques

Computer Arts Brasil

58 Como se estabelecer fisicamente

Saiba como ecolher o espaço ideal para o seu estúdio


Workshop de inspiração Steve Harrington faz arte com o photoshop e uma impressora serigráfica

Briefing

A criação do site da banda AC/DC pela Kleber Design Ltd

72 68 Design gráfico para camisetas

Jared Nickerson cria estampas no illustrator

Virando a página

Stewart Hamilton Arrandale mostra como configurar revistas digitais no flash

Crie efeitos de cinema sem usar a tela verde com Christopher Kenworthy

Bruno Lozich mostra técnicas de retoque de pele no Photoshop

80 76

Mais rápido que uma bala

Tratamento de pele

94

86 84

90

A nova InContent Editing

Explore e combine novas texturas

Conheça a ferramenta de administração de conteúdo online com Sam Hampton-Smith

Mescle texturas e obtenha efeitos com Átila Meireles

Computer Arts Brasil


Computer Arts Brasil


Monte o seu próprio estúdio Não importa qual é o seu objetivo. Ter um estúdio é mais fácil do que você imagina Além de ser seu próprio chefe, como trabalham os freelancers, montar um estúdio também significa coordenar uma equipe por meio da sua visão criativa ou reunir-se com um grupo de artistas para chegar na melhor solução para um projeto. Infelizmente ninguém vive só de ideias. Ter um estúdio também significa se tornar um empresário, resolver questões legais, analisar contratos e saber o que é fluxo de caixa, por exemplo. Para Daniel Neves, sócio do estúdio carioca Dimaquina, ter seu próprio estúdio é ser criativo não apenas no design, mas em outros modelos como gestão, estratégia, planejamento e atendimento. “Principalmente porque, no início, a sua estrutura começa pequena. Para competir com estúdio consagrados e grandes é preciso criar um diferencial nesses modelos”, explica.”O design não basta. Quem não está disposto a passar por isso, é melhor pensar duas vezes antes de se aventurar.”Antes de pensar que montar um estúdio é um bicho de sete cabeças, tenha em mente que toda e qualquer empresa precisa começar do zero.

Computer Arts Brasil


Capa

42

Como montar um estúdio

Quem você conhece

01 Identidade que o estúdio Dimaquina fez para o restaurante japonês Popfish. “O design é uma das etapas, não e única”. acredita Daniel Neves.

Três ingredientes são indispensáveis para se montar um estúdio: contatos, contatos e...contatos. A sua rede de amigos, familiares, colegas e “Fazíamos conhecidos será crucial para a promoção do estúdio e a prospecção de clienprojetos indivi- Estratégias de negócios tes. “O recurso mais útil que tivemos duais, juntávamos Mesmo em um ramo intuitivo com quando começamos o Smallforam os contatos que adquirimos das agências a grana e dividía- a criação, a chave de estabalecer o sucesso é planejamento. “Meses antes em que trabalhamos, tanto de clientes mos tudo entre a de fundarmos o estúdio colocávamos como de outros colegas”, conta David Hitner, do estúdio Small. Rob Corradi, equipe”. Rob Corradi, no papel tudo que precisávamos para Preloaded. nos organizar, quais seriam nossas metas fundador do Preloaded, tem a mesma e que tipo de problemas poderiam aparecopinião. “Abrimos o estúdio em 4 de jaer, além de como evitá-los”, lembra-se Sofia neiro de 2000. Administramos o negócio pelos Lace, cofundadora do Enjoythis. primeiros seis meses como um grupo de freelancPaula Bensos, sócia-diretora do Form, nunca se ers. Usávamos nossos contatos para fazer trabalhos arrependeu de gastar um bom tempo na formuindividuais, juntávamos a grana e dividíamos tudo lação de um plano de negócios antes de montar o até conseguirmos pagar as contas”. estúdio: “Pode parecer algo muito entediante, mas Damon Mangos, diretos de criação do Delete, sabe ajuda você a focar no motivo pelo qual está fazendo da importância de se tomor uma atitude antes que isso e quais serão os próximos passo” explica a seja tarde quando se trata de impressionar seus designer, “Se o estúdio é formado por mais de duas primeiros clientes. Cause uma boa impressão, e a pessoas, o plano de negócio pe o melhor modo de chance de vê-los novamente - e ganhar novos conassegurar que todos irão pensar na mesma caoisa, tatos - é muito grande. Você ficaria admirado em ver quantos designer que montam estúdios veem que não era bem aquilo que “Para estabelecer relações importantes quando se queiam depois de uns seis meses de trabalho”. está começando, é importante fazer um primeiro Daniel Neves aconselha pensar no lado do cliente trabalho excepcional, Desse modo você constrói na hora de formular uma estratégia. “Se você não uma nova rede de contatos - a de clientes - que souber o que o seu estúdio pode oferecer, imagine o permitirá a transformação de um simples grupo de cliente”, pondera. “Ter contatos é importante, mas o freelancers em uma empresa”, explica Damon diferencial é muita dedicação e saber que só talento Computer Arts Brasil


Uma das estapas mais importantes do planejamento do estúdio é a escolha do nome da empresa.”Você pode sempre mudar seu estilo, advogado, contador, etc, a qualquer hora, mas não pode fazer o mesmo com o nome do estúdio”, explica Mickey “Você pode Stretton, cofundador do AllOfUs. “Casa um de nós teve ideias que mudar estilo, foram rejeitadas ou reformuladas até advogado e contador chegarmos em ‘AllOfUs’. Pareceu o a qualquer hora, mas nome correto porque era uma exnão pode fazer o mespressão que usávamos muito, além de ser uma boa descrição do precesso mo com o nome do que queríamos explorar” É preciso ter estúdio”. Mickey StretEspaço para crescer mais uma coisas em mente quando se ton, AllOfUs. escolhe o nome do estúdio: tenha certeza O seu estúdio pode funcionar em qualquer absoluta de que ninguém o tem. Descubra lugar, até no seu próprio quarto. Mas se você isso no site do Departamento Nacional de Regismora em um condomínio, provavelmente a convento do Comércio (http://www.dnrc.gov.br). ção não permite que sejam constituídas empresas, já que a sua finalidade é estritamente residencial. Entenda do negócio E, convenhamos, isso é bem pouco profissional, principalmente do ponto de vista dos clientes. Mais Recorrer a serviços profissionais é outro ponto imuma vez, vale a pena conversar com seus contatos portantíssimo para se montar um estúdio. Contrate e descobrir se alguém tem espaço para sublocar ou um contador e um advogado que poderão informar seja dividir um aluguel. a você sobre toda a burocracia envolvida em terA equipe do estúdio goiano Nitrocorpz passou mos de impostos e deveres legais na hora de abrir maus bocados em seu primeiro espaço comercial. uma empresa e também de mantêla. “Começamos em um modesto sotão, sufocante pela Agora, se você não conhece nenhum contador e/ falta de ventilação e com instalações elétricas de ou advogado, não hesite em pedir uma indicação de arrepiar os cabelos de qualquer eletrecista”, conta seus contatos. “Antes de contratar qualquer serviMarck, um dos sócios. “Atualmente estamos em ço desse tipo, marque uma reunião com eles e fale uma sala que apresenta um bom custo-benefício. sobre o seu negócio”, aconselha Damon Mangos. Ela passou por algumas reformas, tem gahado muiAlém disso, saiba que serviços desse tipo não são ta personalidade, mas está próxima de esgotar seu baratos e o seu preço deve estar incluso no capital benefício enquanto espaço, devido ao aumento da inicial da empresa. demana pelo qual o Nitrocorpz está passando”. Assim que definir o espaço ideal para o seu estúdio, seja sempre cauteloso na hora de assinar qualquer coisa - você pode acabar tendo que pagar muito mais do que imaginou ou ficar preso a um acordo por mais tempo do que o necessário. Contratos flexíveis e de curta duração são sempre a melhor opção [saiba mais sobre como encontrar o espaço de trabalho ideal na reportagem da página 58].

43

02 Com um começo humilde em 2000, o Preloaded agora possui mais de 20 funcionários. Entre seus cliente estão a Cadbury, para a qua eles fizeram um game interativo.

03 O SEA se descreve com design gráfico puro e simples’. O estúdio criou identidades visuais para clientes como Beyon, o bar OQO e a gráfica K2.

Computer Arts Brasil


04-05 O trio do Dimaquina foi responsável pelo desenvolvimento de marca, embalagem e manual para o i9 Hidrotônico da Coca-Cola.

44

A equipe do Dimaquina possui uma estrutura diferente do comum, que pode ser uma solução para estúdios com designers que moram longe ou que não tem dinheiro para bancar uma estrutura. Daniel Neves mora no Rio de Janeiro e Nako Antonio 07 Cenas do vídeo feito pelo Pedro, seus sócios, moram em LonNitrocorpz para o redesign do canal Infinito. Para Marck, um dos dres, na Inglaterra, além de trabasócios do esúdio, a concretização lhar no departamente de design na do projeto é a fase mais bacana Nokia. “Comunicar-se online dificulta do trabalho. um pouco, mas não inviabiliza. O que muda também é a necessidade de cada um compreender as suas responsabilidades. Não tem ninguém olhando para saber se você 06 A flexibilidade foi muito imporestá produzindo de fato, então essa tante para o sucesso do AllOfUs. cobrança precisa vir de cada um”, Trabalhos de web design para clientes explica Daniel. consagrados como a BBC foram suas Em uma era digital como a de hoje, maiores conquistas. o escritório físico não será a primeiter Arts - estão constantemente procurando por ra visão do cliente sobre o seu estúdio. Geralmente novidades. Sendo assim, escreva um e-mail para a primeira impressão é causada durante a visita a redação das publicações de que gosta falando dele ao seu site. “O escritório serve para mostrar sobre o seu trabalho, o seu diferencial e quem são estabilidade e passar confiança”, acredita Geoff os profissionais que formam a equipe. Depois de Devereux, cofundador de Delete. conseguir uma nota na seção de notícias, muito em breve a mesma ou outras publicações podem Melancia no pescoço já! contatar o seu estúdio e marcar uma entrevista. Quando menos espera, você já está na mídia. Se um estúdio de design é criado e ninguém fica Use uma abordagem parecida com os clientes. sabendo, é como se ele não existisse - o que acaba acontecendo com muitos nessa situação. Isso não é Quando Paula Benson e Paul West lançaram o Form, no começo da década de 1990, não havia a desculpa para dar uma festa extravagante e gastar vantagem do e-mail. “Tivemos que usar o telefone metade do capital inicial da empresa no bar. Use e selecionar coisas interessantes para imprimir e da boa vontade dos seus contatos e peça que eles enviar pelo correio”, lembra-se Paula. “Nossos pridivulguem o trabalho de vocês em redes sociais e meiros dias no Form eram compostos basicamente para os próprios clientes - já que a palavra deles já de reuniões, bate pernas, visitas e conversas”. tem valor no mercado. Aestratégia de autopromoção do Nitrocorpz foi Jornalistas especializados - como os da Compu-

Computer Arts Brasil


Como montar um estúdio

Capa

10 O estúdio Small cuida de todo o mate09 O albúm de estreia de Mark

Ronson teve sua arte criada pelo Village Green, formado por Seb Marling e Jonathon Cooke, que descreveram o seu estúdio como “ um espaço de ideias”

rial visual da estilista Margaret Howell. Esses são os convites do desfile da coleção Outono Inverno de 2007

11 Capa de CD feita pelo estúdio Dimaquina para a World Up. ONG de hip hop de Nova York, EUA

45

08 O Form foi originalmente concebido parar

criar visuais para a indústria fonográfica. Hoje, entre seus trabalhos mais significativos, estão capas para a banda Everything But The Girl e, mais recentemente, para a Girls Aloud.

executar vários trabalhos de repercussão em alguns nichis sem se preocupar com remuneração. Em seguida, o site bilíngue do estúdio foi colocado no ar”. “Depois começamos a participar de listas de discussão, blogs e portais. Assim vieram os projetos internacionais, depois os nacionais, as palestras e tudo mais”, conta Marck. “Hoje atualizamos o site, selecionamos projetos, temos um portfólio offline, visitamos agências, abrimos espaço na agenda para projetos e prospectamos”, completa. Fluxo de caixa, plano de negócios, prospecção, tudo vai parecer muito chato se você não estiver fazendo o que realmente quer da vida. “Os administradores que nos desculpem, mas, antes de qualquer coisa, é preciso ter uma dose de otimismo, fé no que se faz e esforço”, acredita Marck. “Sem esforço a perspectiva que o otimismo oferece se esvai; sem o otimismo jogamos a toalha cedo demais e, sem fé, a atenção aos detalhes vira prisão”, filosofa o designer. Com dotes de filósofo ou não, se o que você deseja é realmente montar um estúdio, vá em frente. Seja positivo e não se preocupe. Caso algo dê errado, procure aprender com o erro e siga em frente.

12 O Small possui a posição invejável de ser o estúdio de design gráfico oficial do Design Council. Essas páginas fazem parte do Design Council Review 2004/05.

13 Abertura do programa Notí-

cias MTV, criada pelo estúdio de Goiânia Nitrocorpz

Computer Arts Brasil


Capa

Como montar um estúdio

Grandes times

Pequenos esúdios que fazem muito barulho

Guy Marshall e David Hitner(da esq. para a dir.) do Small cuidam da direção de arte de identidades, editoriais, embalagem e exibições

Small A equipe do enjoythis: (da esq. para a dir.) Fraser Hobbs, Sofia Lace e Ben Franken, que montaram o estúdio em 2008

enjoythis

46

Os três fundadores do estúdio londrino enjoythis Sofia Lace, Ben Franken e Fraser Hobbs - vieram da agência Glue. Com menos de um ano de vida, o portfólio do trio inclui trabalhos para a Le Deun Luminaires e para o site liveroom.tv. “Sempre dissemos que queríamos manter o enjoythis pequeno, já que queríamos ser uma espécie de butique de web design em que cada site é cuidadosamente fabricado”, explica Sofia. “Acho que, sendo pequenos, podemos dar mais de nós mesmos em casa projeto e ter uma relação mais próxima com nossos clientes” www.enjoysthis.co.uk

O estúdio Small tem apenas cinco anos, mas já conseguiu uma ótima reputação graças ao rebranding do London Institute e da University of the Arts de Londres. Depois do seu primeiro ano, o Small se tornou o estúdio ofocial do Design Council [organização criada para promover o design na Inglaterra] e da grife da estilista Margaret Howell. “A Small é uma empresa simples”, explica David Hitner, que cofundou o estúdio com o sócio Guy Marshall. “Isso significa que podemos trabalhar mais perto dos clientes e, em troca, esperamos que nossos clientes não sintam que estão pagando por coisas das quais não terão benefícios. Não queremos ser grandes”. www.estudiosmall.com Bryan Edmondson, da SEA, uma consultoria multidisciplinar especializada em identidade e desenvolvimento.

SEA

02-03 O portfólio do enjoythis inclui trabalhos para a Le Deun Luminaires

Bryan Edmondson abriu a SEA em janeiro de 1997 com o sócio John Simpson. “Na época não havia coisas como hipotecas, tínhamos fluxo de caixa baixo para gerenciar, mas nos certificamos de que poderíamos viver de quatro a seis meses em caso de fracasso total”, conta Bryan. Hoje a empresa cria designs para a loja de decoração Beyon e o estilista Matthew Williamson, entre outros. “Gosto da ideia de conhecer todos aqui” conta Bryan sobre a sua força de trabalho, composta por apenas 10 pessoas. “Isso não signigica que os projetos sejam pequenos. Você não precisa de um número grande de pessoas, a não ser nas festas.”

01 O trabalho da Small para a estilista Margaret Howell inclui esse convite para a coleção de Primavera/Verão de 2007.

04 O site de música Liveroom.tv

foi feito pela equipe do enjoythis Computer Arts Brasil

05 SEA criou indentidades visuais para uma série de clientes renomados, incluindo a loja de decoração Beyon


Daniel Neves forma o estúdio Dimáquina com os sócios Nako e Antonio Pedro. Criado em 2005, o Dimaquina já trabalhou para clientes como Mulstishow e Dazed & Confuzed. www.dimaquina.com

Mark uniu suas forças com Rhawbert, Greyner e Claudio para formar o estúdio Nitrocorpz em 2003. COm seis anos de vida, a equipe já realizou trabalhos para burton Snowboards, Rip Curl, Computer Arts e MTV. www.nitrocorpz.com

Dimaquina

Nitrocorpz

Daniel Neves enumera dez passos essenciais na criação de um estúdio.

Marck enumera dez passos essenciais na criação de um estúdio

01

01

Tenha convicção de que está na hora de seguir um caminho próprio e que você cuidará do seu patrimônio daqui pra frente;

02

Determine um segmento em que queira se posicionar e atuar. O cliente precisa visualizar o que se estúdio pode oferecer;

03

Tenha metas e aspirações definidas, mesmo que elas mudem futuramente;

04 Pense alto, mas direcione um foco. Imagine onde seu estúdio estará em cinco ano e verá que não precisa de tanto tempo assim para atingir suas metas; 05

Tenha projetos suficientes para formar um portfólio sólido e de qualidade que represente bem o seu estúdio;

06

Abra uma empresa como pessoa jurídica para fins burocráticos. A maioria dos clientes exige nota fiscal;

07 Tenha alguém responsável pela parte financeira como contabilidade e outros processos burocráticos. Não perca seu tempo com funções que não exijam criatividade; 08

Procure conhecer as outras etapas de um projeto de design. O atendimento ao cliente é tão importante quanto a entrega do trabalho;

09

Coloque no papel e faça um plano ne negócios. Faça uma análise de custos antes de sair alugando uma sala;

10

Lembre-se de que a responsabilidade agora é toda sua e é seu patrimônio que está em jogo. Sua vida de funcionário esperando resposta ficou para trás. Agora quem decide é você.

Visualize a empresa que deseja abrir e faça dessa mentalização um exercício constante;

02

Adquira experiência em outras empresas;

03

Cerque-se dos bons. Conseguir diferenciar um profissional bom de um bom profissional fará diferença no portfólio de qualquer empresa;

04 Adote uma metodologia. Elas não são camisas de força, mas processos que dão maior controle sobre a atividade em que você atua; 05

Comunique-se. Sem comunicação não há empresa que fique muito tempo de pé;

06

Seja proativo. Disseram-nos que a diferença entre um idiota e um otimista é que enquanto o idiota coloca prazo curto para as coisas acontecerem, o otimista faz investimentos pensando também na aposentadoria;

47

07 Tome decisões. Na teoria isso parece fácil, mas, na prática algumas variáveis mudam o cenário constantemente. Ainda assim, tomar uma decisão é melhor que fazer coisa alguma; 08

Simplifique os procedimentos. Sempre que puder revisar uma rotina complexa para simplificá -la, não pense duas vezes;

09+10

Faça um exercício antropológico. O publicitário Leandro Ogalha aconselha fazermos um exercício de estranhamento, experimente viver a rotina de outros grupos, de outros lugares. Ele recomenda ir ao show de uma boyband, tomar cerveja em boteco de favela, ler revista de ufologia, assistir a programas evangélicos, passar férias numa triba indígena e por aí vai. Você enxergará novos mundos e suas decisões serão diferentes. Sua mente conseguirá ir muito além do lugar-comum.

Computer Arts Brasil


Especial

Design de muros

Muros pintados

48

Para agências de publi- Street art, arte urbana, graffiti - não amente, livre do comcidade e grandes marputador. Para Nicholas importa como você chama, as grandes Hardy, da Factory 311, cas como MTV, Nike, Reebok e Xbob, o apelo marcas estão de olho nessa vertende que nasceu como um que a arte urbana - e Por: Nick Spence (Londres) e Nathalie Folcoestúdio de grafiteiros, principalmente o graffiti a arte urbana possui - possui entre os jovens (São Paulo) a habilidade de chocar é mais do que óbvio. e inpira. !Não há nada “Marcas como a MTV e mais poderoso do que a Nike são jovens, então ver algo sendo criado para elas é natural utiespontaneamente, eslizar imagens que reflitam essa juventude”, acrepecialmente quando o material utilizado é uma lata dita Richard Blackshaw, do Scrawl Collective. Com de spray”. artistas como o já lendário Banksy, Binho Ribeiro, O poder da arte urbana é evidenciado por Peter Speto e D*Face ganhando a atenção da mídia, a Kennard, cujos trabalhos já foram exibidos em explosão de campanhas publicitárias com a estética mudeus respeitados com o londrino Victoria & Aldo graffiti e eventos como o Street Art Awards e bert. “Parece que aarte urbana está se destacando a exposição Graffiti Fine Art, o underground está porque as pessoas querem falar de situações do oficialmente na moda. cotidiano, aém de vender objetos. É o que o capitaEnquanto muitos batem palmas para esse avanço, lismo faz: qualquer coisa que tenha energia política a maioria dos artistas urbanos continua desenhanou social está comprada e vendida pelo sistema. O do, pintando e grafitando com ou sem a atenção que prova issa é a venda de arte urbana em galeda mídia. “O mercado está se voltando cada vez rias de arte urbana”. mais para a street art, mas o que mais cresce é a Contudo, continua Peter, a invasão da arte urbana quantidade de artistas urbanos que pinta nas ruas, no mundo da arte clássica e da publicidade é uma sem ganhar dinheiro com isso”, afirma o paulistano coisa boa. “Já que a maioria dos artistas urbanos Binho Ribeiro. nunca pisou em uma faculdade de artes, há uma Muito do apelo da arte urbana está na sua natureenergia natural correndo pelas veias deles.” Para za temporária, na emoção de se criar espontaneBinho Ribeiro, a atenção das grandes empresas Computer Arts Brasil


com relação à arte urbana tem dois lados. “É bom no sentido do apoio que o artista consegue para concretizar projetos que antes eram muito fechados, não só no design, mas realizando palestras, debates e exposições. Hoje, jovens talentos podem usufruir disso”, explica o artista. Transformar um talento bruto em um profissional que compreende um briefing não é uma tarefa para qualquer um. Alguns artistas urbanos se preocupam em não receber a mesma quantidade de dinheiro qu eestúdios de design. “Não éramos levados a sério no início. Chegar a um orçamento condizente foi sempre difícil”, conta Nicholas Hardy. O coletivo de artistas urbanos Monorex foi formado especificamente para que seus membros não fossem tratados desse modo. “É a melhor solução em alguns casos”, acredita o fundador, Terry Guy,

Scrawl Collective Como ser respeitado por grandes marcas O Scrawl Collective foir formado em 1999 por Richard Blackshaw, Mr Jago, Will Barras e Steff Plaetz. Com uma lista de clientes que inclui Sony, Nike, Puma e Levi’s, o coletivo tornou-se um estúdio de design especializado em arte urbana. “fazemos trabalhos individuais e também em conjunto”, explica Mr Jago, cujo portfólio inclui a pintura de uma pista de skate para o XBox da Microsoft. “É claro que somos usados, ou a nossa arte é usada, para vender o produto, mas não tenho problema com isso”, afirma. Richard e Jago acreditam que o fato de a arte urbana estar sendo sugada por clientes corporativos e se tornando uma parte da mídio é um desenvolvimento inevitável, mas que costuma ajudar o artista, como Jago descobriu no começo de sua carreira: “Você percebe que o que o cliente queria na verdade era outra pessoas que custaria muito mais do que você, mas ele não tinha tanto dinheiro”. O equilíbrio no Scrawl Collective, para Jago e Richard, é criado pelos trabalhos que eles produzem com gosto. “É suficiente pagarem 2 mil mangos para colocar o seu nome em algo do qual você não tem orgulho?”, pergunta Jago.”A resposta depende de você.

49

02-03 A Microsoft aproveitou

as habilidade - e a reputação do grafiteiro Slick para lançar versões personalizadas do Zune, seu tocador de música que compete com o IPod

A grife urbana Addict é um dos clientes que se beneficiou do estilo de Mr Jago

Computer Arts Brasil


50

Computer Arts Brasil


51

Computer Arts Brasil


Redesign Computer Arts  

Trabalho feito para a disciplina de Projeto do 2° ano do curso de Design da Univille.

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you