Issuu on Google+


L

U C A CORTE

A

S

tradução da palavra em imagem, a tradução da imagem em palavra. Apaixonado pelas duas, crítico e analista dos detalhes e tonalidades de qualquer figura, real ou não; sonhador e filósofo de um aglomerado de ideias a partir de qualquer sintaxe, com ou sem sentido. Interlocutor de expressões, cambista de sentimentos e diretor de diálogos mudos, onde palavras têm cores, não sons. Estou no meio. Entre tintas e tipos. Entre papéis e imaginações. Estou na paixão de rabiscar, apagar, pintar e escorrer a tinta, de ousar na colagem, estudar as cores e renovar toda a paleta. Estou no prazer de criar formas a partir de descrições narradas, expressões a partir de gritos, rostos a partir de três pontos. Sou o que ilustra e o que escreve. Mas que ilustrar me enche os olhos, traz vontade de fazer mais, faz buscar no imaginário a solução, faz acreditar que o mundo pode ser resumido em alguns traços. E é isso o que me move em frente, em direção ao conhecimento e reconhecimento; quero ver, ler, ouvir, quero saber. Quero desenhar, rabiscar, quero ser cada rosto no pedaço de papel. Quero aplicar qualquer técnica que eu já tenha aprendido sozinho, pra insinuar outras novas, antecipando linguagens e texturas que diferenciem o meu trabalho. Gosto do peso das coisas, da impressão, do som do folhear das páginas de uma revista – fonte de inspiração e ambição. Afinal, eu sei onde quero chegar


IL ILUSTRAÇÃO


E

m uma primeira etapa, o processo criativo das ilustrações, tem o conceito a ser expresso pelo conjunto texto + imagem. Tendo definido, o conceito dá trilhos para a criação de todos os processos que o seguem: desenho à mão com grafite, caneta hidrocor, nankin ou carvão; digitalização da imagem; edição com suporte gráfico (Photoshop CS6 e Illustrator CS6). Os trabalhos são divulgados em redes sociais (página no facebook: facebook.com/lucascorteillustrator no twitter: twitter.com/lucascorte e no instagram: instagram.com/lucascorte). 1 - Trabalho pessoal (exercício), 2012. Conceito: a alegria de ter segura a relação entre mente e sexo. Cores: frescas, sutis e contrastantes, mistura de tons quentes e frios, entoando as sensações do sexo. Formas: presença de formas geométricas indefinidas e complexas, como são todas as discussões sobre o assunto em questão. Informação tipográfica: “Eu sou a minha própria criação sexual”. 2- Trabalho pessoal (exercício), 2012. Conceito: dark mermaid, ou sereia negra. Cores: azul escuro bem próximo ao preto em referência ao perigo de águas turbulentas. Formas: alusão a peixes - vida marinha. Informação tipográfica: “Filha de águas negras”. 3- Trabalho pessoal (exercício), 2012: Conceito: atritos de uma relação não usual. Cores: a pele tem vários tons, uma mistura de cores que transcende a raças, credos, culturas, comportamentos.

1


2

3


4


5


4- Trabalho pessoal (exercício), 2012: Conceito: aproximação entre o desejo humano e a animalização de seu comportamento. Cores: verde e amarelo garantem a característica da selva. Formas: algumas linhas são sobrepostas em referência às garras de uma onça. Informação tipográfica: “Jumanji”, em referência à selva; e “Chicoteie, sacuda!”. 5- Trabalho pessoal (exercício), 2012: Conceito: expressão do cansaço ocasionado pelo sofrimento, a desistência do “cala-se”. Cores: marcas de caneta revelam máscaras, como se o rosto fosse uma página em branco a ser desenhada conforme sóbria consciência. Formas: círculos que simbolizam começo e fim de uma mesma situação repetida inúmeras vezes. Informação tipográfica: texto retirado de um conto de autoria do designer. 6- Trabalho pessoal (exercício), 2012: Conceito: austeridade em relação ao próprio sexo. Cores: pele com mistura de cores em representação da soma de características físicas e psicológicas distintas. Informação tipográfica: texto do designer no mesmo assunto. Veja abaixo as imagens dos desenhos das peças 4, 5 e 6 (nessa ordem), antes da edição gráfica.

6


PORTRAITS Retratos de pessoas geralmente ligadas à cultura. Aqui, são todas cantoras que de alguma forma influenciam a criação de suas próprias peças e de outras ilustrações. 1- Florence Welch, banda Florence + the Machine. Trabalho pessoal, 2011. 2- Lady GaGa, em vídeo para o designer de moda Thierry Mugler. Trabalho pessoal, 2011. 3- Beyoncé. Trabalho pessoal, 2011. 4- Janelle Monae. Trabalho pessoal, 2011. 5- Madonna. Trabalho pessoal, 2011. Os trabalhos de 1 a 5 tiveram em seu processo de criação, o experimento da aquarela em primeiro momento de execução à mão. 6- Nina Simone, vídeo da apresentação ao vivo da música “Ain’t got no/I got life”. Trabalho feito durante a gravação de um vídeo comercial para o Centro Universitário Barão de Mauá, 2012. 7- Azealia Banks. Trabalho pessoal, 2012.

2

1

3

4

5


6

7


CATBO

U

ma mistura de pop com underground, Catbo é uma personagem feminina criada para relatar suas histórias, enquanto ilustra uma das cenas. Com muito erotismo sem censura, os pequenos textos ou contos que acompanham as ilustrações revelam uma linguagem pouco convencional, com frases curtas e repetições de termos que suportam palavrões e ideias polêmicas. 1

As ilustrações apresentam sempre a força visual do grafite e a evidência do processo manual, dando à edição evidência à informação textual, seja ela uma pequena frase ou a história toda. Catbo é uma figura desbocada e gosta de chocar rebuliços no meio virtual, sua página no facebook: facebook.com/catboillustrations


1- Sandrinha. Trabalho pessoal, 2012. Conceito: Sandrinha é revolucionária e, assim como Catbo - sua amiga, gosta de causar desconforto em suas declarações sobre a vida e o que espera dela. Cores: O rosa evidencia o grafite e não deixa brancos para a solidez da mente de quem escreve o texto. 2- Trabalho pessoal, 2012. Conceito: Brincadeira com o refrão de uma música em voga no cenário pop mundial: Call me maybe - Carly Rae Jepsen. Originalmente: “Hey, I just met you and this is crazy, but here’s my number, so call me maybe?”, na ilustração: “Hey, I just met you and this is crazy, but you gave your number, so f*ck me maybe?” 3- Trabalho pessoal, 2012. Conceito: Catbo narra uma de suas histórias em que se perde em um lugar que desconhece, pega carona com um rapaz e não vê outra maneira de agradecer, senão com sexo. Informação textual: “Thanks for the ride”, que em tradução pode conter duplo sentido: ela está agradecendo a carona “Obrigada pela carona”, ou ele é quem agradece “Obrigado pela cavalgada”

2


3


BR BRANDING


1

2


O

minimalismo das formas, a legibilidade, o impacto e a forças dos elementos visuais, as cores e suas sensações, a confiabilidade e toda subjetividade em referência à marca, ao serviço e ao produto. Todas essas são preocupações para o design de marcas, traçando o conceito que dá base a projetos que envolvem o branding. 1- Trabalho acadêmico, 2011. Proposta: desenvolver uma marca para o curso de Design Gráfico do Centro Universitário Barão de Mauá. Briefing: preferência por tons sóbrios e cromados (ponto de partida: logotipos da Globo), características da marca: lúdica, confiável, divertida e com pregnância. Conceito: combinação de um “d” minúsculo e um “G” maiúsculo em um formato de botão - em consonância com a característica divertida e lúdica do projeto. Cores: azul - versão original - da tecnologia e da clareza; preto - versão auxiliar - da seriedade e do comprometimento de um curso universitário. 2- Profissional, 2012. Branding de consultório odontológico. Briefing: preferência por tons sóbrios, rejeita o uso clichê do azul claro, visual elegante. Conceito: logotipo tipográfico com elementos visuais que se assemelham aos instrumentos odontológicos. Cores: branco - limpeza - e azul escuro - elegância


mI mídia IMPRESSA


A

direção de arte precisa achar a melhor solução entre imagem e texto para informar. Portanto a junção de todos os elementos da composição devem harmonizar o conjunto final da peça, sendo claro, conciso e informativo, sem perder a criatividade de novas soluções e a beleza com que cada projeto deve ser apresentado. O público alvo de cada peça é de extrema importância para cada processo de criação, sabendo qual a linguagem visual pode e deve ser somada à linguagem textual passada pelo cliente. 1- Peça de divulgação acadêmica interna, 2012. Briefing: convite informativo da apresentação dos Projetos Integradores do curso de Design Gráfico do Centro Universitário Barão de Mauá. Conceito: a beleza e sutilidade do “DG” traz mais próximo o leitor do que é design, tendo a ideia de projeto representada pela formação que a fita azul faz. Visual mínimo, com apenas o necessário de informações concisas. Cores: Azul, cinza e marrom dão unicidade à peça sem perder o destaque necessário para informação.

1

DESIGN GRÁFICO BARÃO DE MAUÁ CONVIDA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS INTEGRADORES [2º E 4º SEMESTRES] Imagem Digital / Design Gráfico Design Aplicado à Mídia Digital

21/11 22/11 2012

Unidade Itatiaia Av. Itatiaia, 1.176 Jd. Sumaré - Ribeirão Preto - SP - CEP 14025-240


3

2

2- Profissional, cliente: Edu Martins, 2012. Briefing: flyer da festa “Party and bullshit”. Conceito: fotografia que represente o pós-festa, aparência do divertimento anterior ao momento em que a foto foi tirada. Cores: Amarelo e vermelho que interagem com a fotografia. Informação textual: concisão e clareza, de formas e cores. 3- Profissional, cliente: Edu Martins, 2012. Briefing: flyer da festa “Easy come, easy go”. Conceito: visual apocalíptico, referências simbolistas da ordem Illuminati. Cores: contraste do branco com os tons escuros e coloridos do céu e do box de informações.


4

5

4- Profissional, cliente: Edu Martins, 2012. Briefing: flyer da festa “Fantasea”. Conceito: um amor de verão. O fundo colorido faz referência à diversão, ao calor e às festas do verão, tendo toda a peça, um visual do fundo do mar. Cores: contraste entre o claro e o escuro dos tons. 5- Peça de divulgação acadêmica interna, 2012. Briefing: convite informativo da apresentação dos Projetos Integradores do curso de Jogos Digitais do Centro Universitário Barão de Mauá. Conceito: portal lúdico feito de formas geométricas, em alusão ao nome do jogo “Portal Helsing”


TI TIPOGRAFIA


O

estudo dos tipos exige compreensão das formas e da capacidade de leitura. Existem inúmeras maneiras de se desenhar uma letra, mas cada uma expressa um conceito visual; a escolha desse conceito norteia a direção de arte, para que os elementos visuais compreendidos em uma composição sejam felizmente dispostos em harmonia. “OBJETO” é o nome da família tipográfica desenvolvida, em projeto acadêmico, 2012. Conceito: a tipografia criada tem como objetivo representar todo trabalho do designer, por isso a presença de pernas, braços e sapatos no lugar de traços finos e objetivos. São formas orgânicas que dão clareza e leitura aos caracteres. Cores: Preto, branco e vermelho são as cores fixas da família tipográfica, garantem sobriedade e sensualidade - contraste do vermelho nos sapatos


pM projetos MANUAIS


Comissionado, 2012. Quadros expostos na Galeria de Arte Toia Fonseca em Ribeirão Preto - SP. Conceito: representação do sexo sem definição de gênero. Materiais: aquarela e grafite. Dimensões: A3.

Produção de uma confecção própria de camisetas pintadas à mão, 2010/2011. As ilustrações eram únicas (sem grade de tamanho da camisetas), feitas com canetas e tintas aquareladas próprias para tecido. As camisetas eram vendidas na loja Casa da Mãe Juliana, em Ribeirão Preto - SP.

Comissionado, 2011. Trabalho feito como exercício da técnica de carvão, vendido em 2012. Conceito: a tristeza com a mesma característica efêmera do carvão - de fácil remoção.



Portfólio