Issuu on Google+

Sophia de Mello Breyner Andresen


Categorias da Narrativa • Acção

principal secundária

• Narrador

principal secundários

• Personagens

relevo

• Espaço • Tempo


Acção


Acção Principal • A linearidade traduz-se na história da viagem do Cavaleiro, na despedida e no encontro do pinheiro. • A acção pode esquematizar-se da seguinte forma: Dinamarca

Palestina

Mundo de

Dinamarca

(Noite de Natal)

Jerusalém

Passagem

(Noite de Natal)


Acções Intercalares • É o mundo de passagem pela Europa, a viagem de regresso a casa que vai facultar o contar de pequenas histórias que diversificam temas, espaços e personagens. Mundo de Passagem

História 1

História 2

História 3

História 4

Vanina/

Giotto/

Dante/

Expedições

Guidobaldo

Cimabué

Beatriz

Portuguesas


Narrador


• Há um narrador principal e guia do fio condutor da história central, que conta a história do Cavaleiro em 3ª pessoa. • As histórias intercalares têm outros narradores, as personagens com quem o Cavaleiro se cruza. Narrador Principal (A viagem do Cavaleiro) Narradores Secundários Mercador

Filipo

Vanina

Giotto/Dante

Capitão Expedições Portuguesas/Pêro Dias


Personagens


• A personagem principal é o Cavaleiro, representando uma época e uma classe social. • Ao longo da história principal outras personagens surgem, assumindo papéis secundários ou figurantes. Assim temos: Dinamarca (secundárias) Família e criados (figurantes) Amigos, servos da floresta e lenhadores

Terra Santa

Veneza

(figurantes)

(secundária)

Peregrinos

Mercador


Florença

Convento

Antuérpia

(secundárias)

(secundárias)

(secundárias)

Banqueiro, intelectuais e Filippo

Clero

Negociante e capitão

• Quanto às histórias intercalares, em cada uma delas há personagens que são o núcleo da acção e outras que são figuras secundárias ou figurantes. Assim temos: Histórias Pers. principais Pers. secundárias Figurantes Vanina

Vanina/ Guidobaldo

Jacob Orso Arrigo

Aias, Doge, j. venezianos e amigos do capitão


Histórias Pers. principais Pers. secundárias Figurantes Giotto

Giotto/Cimabué

Dante

Dante/Beatriz

Virgílio

Capitão

Capitão/ Portugueses

Pêro Dias e Negro

Animais, condenados, almas, anjos, monstros e demónios


Espaรงo


• Esta obra é um percorrer de espaços largos, amplos, de países, onde se captam os traços característicos das várias civilizações: a Europa ou a longínqua Ásia. Entre eles a imensidão do mar ou das montanhas. • Assim a Dinamarca é um país – natureza. Dinamarca/Natureza Floresta Casa

Sala

Aldeia de lenhadores Casa


• A Ásia aparece através da Palestina e da cruzada de Fé, levada a cabo pelo Cavaleiro e outros peregrinos. Palestina/Fé Cidades

Jerusalém/ruas Belém/gruta Montes

Rios

Calvário Judeia

Jordão Lago


• Mas outros países são visitados pelo Cavaleiro no seu regresso a casa. É o caso de Itália, a zona de progresso e esplendor. Itália/Progresso vs. Beleza Cidades Ravena

Veneza

Florença

Igrejas

Casa Sala

Igreja Sala

Biblioteca


• De Florença o Cavaleiro passou por Antuérpia, cidade do negociante flamengo. De Antuérpia nada é descrito e a casa do negociante é apenas uma lareira. Flandres/Comércio Cidade de Antuérpia Casa Lareira


• O Cavaleiro fez entretanto viagens por mar e por terra, espaços de passagem. Natureza/Viagens Mar

Montanhas

• Na sua longa viagem, o Cavaleiro teve ainda uma paragem forçada num convento. É um espaço calmo. Convento/Paz A cerca O claustro A cela


Tempo


• O tempo tem vários cambiantes na obra. A obra começa com a panorâmica geral das várias faces da floresta através da descrição das quatro estações do ano. • O Inverno aparece em grande destaque com a sua maior festa do ano: o Natal. • O tempo é ainda a duração da viagem e a movimentação do Cavaleiro.


Assim temos: • A personagem vai gastar dois anos na peregrinação à Terra Santa e volta a casa, na Dinamarca. • Desde a partida, na Primavera, até às margens da Palestina, já quase Natal, o tempo é apresentado de um modo breve, sequencial, sem histórias e sem pormenores. Primavera

Natal

(Dinamarca)

(Terra Santa)


• Opostamente na viagem de regresso à Dinamarca, o tempo é vivido de forma delineado, cheio de peripécias e incidentes. Janeiro/Fevereiro (Palestina)

Maio/Junho (Florença)

Março (Veneza)

Abril (Ferrara e Bolonha)

Vanina Julho (Convento)

Giotto/Dante Novembro (Antuérpia) Costa de África

Dezembro (Dinamarca)

Setembro (Génova)

...


O Cavaleiro da Dinamarca, de Sophia de M. B. Andresen