Page 1

LUADYNA ALMEIDA BEZERRA 2014 - 2019


EXPERIÊNCIA ACADÊMICA MONITORIA VOLUNTÁRIA _ Desenho Arquitetônico e Urbanístico 2017.1 // acompanhamento em sala, elaboração de aulas extras MONITORIA VOLUNTÁRIA _ Projeto Urbanístico 2019.1 - 2019.2 // acompanhamento em sala, elaboração de aulas extras EXPOSIÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS _ Dia T 2015.1, 2015.2, 2016.2, 2017.1 // ateliês de projeto GRUPO DE PESQUISA _ Análise Histórica dos Planos Diretores de Fortaleza 2019.2 - atualmente // pesquisadora CONCURSO CIDADE DA GENTE _ PROJETO VENCEDOR 2019.2 // Projeto Casa - coordenação de equipe, mobiliário e placebranding

PUBLICAÇÕES ENCONTROS CIENTÍFICOS _ Iniciação à Docência 2017.2 // Gincanas Recreativas como ferramenta de aprendizagem _ autora 2017.2 // Análise das Principais dificuldades dos alunos de ateliê I sobre o desenho arquitetônico _ coautora 2017.2 // Metodologias de aprimoramento da visualização 3D na disciplina de Desenho Arquitetônico e Urbanístico _ coautora

LUÁDYNA ALMEIDA BEZERRA

arquiteta e urbanista // universidade de fortaleza 23 anos // 11/02/96 (85) 99719-1767 luadynaalmeida@edu.unifor.br @_luaalmd rua b, nº 20, maraponga, ce - residencial felicidade

EPEC II _ Encontro de Pesquisa sobre o Edifício e a Cidade 2019.2 // A Cidade Moderna e as Intervenções Temporárias _ autora 2019.2 // Influência dos loteamentos no espaço urbano de Fortaleza: Estudo de caso do loteamento COHTRACE _ coautora ENCONTROS CIENTÍFICOS _ Iniciação à Docência 2019.2 // A metodologia sensível de diagnóstico urbano aplicada à disciplina de Projeto Urbanístico _ autora


EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL CARLA BRUNO ARQUITETURA E INTERIORES _ Estagiária 2016.1 - 2016.2 // executivo de projetos, modelagem, renderização, projetos elétricos, detalhamentos de interiores OFFICE 579 - ARQUITTETURA E ENGENHARIA _ Estagiária 2018.2 - 2019.1 // executivo de projetos arquitetônicos e interiores, renderização, modelagem, projetos elétricos, detalhamentos de interiores CENA REPRESENTAÇÃO _ Estagiária 2019.1 // Pós produção de imagens arquitetônicas, renderização

CURSOS ADICIONAIS AUTOCAD BÁSICO _ Escola MaisDesign 2016.1 // 40 horas/aula

V-RAY AVANÇADO _ Sião Escola 2018.1 // 40 horas/aula

REVIT BÁSICO _ Escola MaisDesign 2016.1 // 40 horas/aula

QUANTO CUSTA SEU PROJETO? _ Escritório Ladrilho 2019.1 // 12 horas/aula

V-RAY BÁSICO _ Sião Escola 2018.1 // 40 horas/aula

SOFTWARES

AUTOCAD

REVIT

SKETCHUP

V-RAY

PHOTOSHOP

INDESIGN

ILLUSTRATOR


01 02 03

PROJETO DE ATELIÊ II

PROJETO DE ATELIÊ IV

PROJETO DE ATELIÊ V

centro comunitário de amanari, maranguape - ce

mercado caroá fortaleza - ce

museu do mangue fortaleza - ce


04 05 06

PROJETO URBANÍSTICO requalificação da avenida abolição - ce

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

CONCURSO CIDADE DA GENTE

intervenções urbanas temporárias no bairro benfica - ce

PROJETO VENCEDOR intervenção temporária no bairro passaré - ce


01

CENTRO COMUNITÁRIO DE AMANARI _ Luádyna Almeida e Carlos

Alberto Amorim

uma das premissas para se conceber o partido se deu pela decisão de se fazer um projeto que se adequasse a cultura e o entorno do local, bem como as condições climáticas da região. Assim, a proposta seria de se fazer um centro comunitário que tivesse uma identidade da região e que proporcionasse o sentimento de apropriação e de conforto ambiental das pessoas que iriam frequentá-lo. a partir disso, pensou-se no uso de uma forma compacta que se dividisse N em blocos com diversos tipos de uso e N

também estratégias bioclimáticas como orientar alguns blocos em direção ao Norte fazendo um caminho principal entre a forma compacta, a criação de áreas verdes e pátio em meio aos elementos e finalmente delimitar outros fluxos da forma. Isso proporcionou uma configuração de formas geométricas simples, como triângulo, quadrados, retângulos e trapézios, podendo elas estar associadas ou não, garantindo assim, a plástica e a forma primária da edificação.

N

N

projeção pav. térreo

projeção pav. térreo

projeção pav. térreo

projeção pav. térreo eo térr v.

projeção pav. térreo

NIA

L

TELHA TIPO COLONIAL i = 25%

projeção pav. térreo

NIA

L

IXÃO

projeção pav. térreo

TETO VERDE IMPERMEABILIZADO i = 3% projeção pav.PRINCIPAL térreo ACESSO

1/1000

RUA

PATR

TELHA TIPO COLONIAL i = 25%

S

ROD.

DA PA ÍCIO

calha impermeabilizada

TELHA TIPO COLONIAL i = 25%

IXÃO

DA PA

ÍCIO PATR RUA calha impermeabilizada

TETO VERDE IMPERMEABILIZADO i = 3%

projeção pav. térreo

%

LO

Rampa

25

CO

L

i=

O

projeção pav. térreo

i = 8,33%

TIP

projeção pav. térreo

calha impermeabilizada

projeção pav. térreo

rm

ea

biliz

ad a

IX A 50 D'Á 00 G L UA

CA

pe

A

CARTÓRIO FRANCISCO SILVA

tendo em vista o programa de necessidades possuindo a carência de um lugar PLANTA DE SITUAÇÃO QUADRO DE ÁREAS 2 comunitário, o qual deveria conter espaços 2.500 m²à área de ÁREA DO TERRENO tanto voltados à educação quanto 897,55 m² ÁREA CONSTRUÍDA esporte eÁREA ao entretenimento, 1.140,27 o projeto foi m² TOTAL CONSTRUÍDA pensado TAXA para dar suporte a essas diversas 0,456 DE OCUPAÇÃO TAXA DE APROVEITAMENTO 0,359 atividades de modo simultâneo. QUADRO DE ÁREAS TAXA DE IMPERMEABILIDADE 0,538 em relação às estratégias bioclimáticas, 2.500 m² ÁREA DO TERRENO a fim de garantir o conforto ambiental no 897,55 m² ÁREA CONSTRUÍDA clima quente-seco da região, os blocos são 1.140,27 m² ÁREA TOTAL CONSTRUÍDA dispostos de maneira que um gera sombre0,456 TAXA DE OCUPAÇÃO amento umATELIÊ paraII:oPROJ. outro durante todo o peE CONF. AMB. TAXA DE APROVEITAMENTO 0,359 ríodo do dia, assim como o uso da vegetação TAXA DE IMPERMEABILIDADE 0,538 de médio e grande porte foi primordial para o projeto, pois proporciona também sombreamento dosUNIFOR blocos e das áreas externas e associado a espelhos d’água estrategica01/19 mente colocados adéquam a umidade do ar seco vindo do Leste. ESCALA

projeção pav. térreo

NIA

im

LH

LO CO O % TIP = 25 i

laje

A

TE

LH TE

pr

térr

ESCALA

TELHA TIPO COLONIAL i = 25%

projeção pav. térreo

eo

v.

pa

CARTÓRIO FRANCISCO SILVA

Fig. 02 _ Planta de Situação, Centro Comunitário de PLANTA DE SITUAÇÃO Amanari 2

projeção pav. térreo

calha impermeabilizada

TETO VERDE IMPERMEABILIZADO i = 3%

ão

EIXO RUA DO COMÉRCIO (CE - 354)

projeção pav. térreo

LO

calha impermeabilizada

%

25

CO

TETO VERDE IMPERMEABILIZADO i = 3%

O

projeção pav. térreo

TIP

projeção pav. térreo

ojeç

EIXO RUA DO COMÉRCIO (CE - 354)

projeção pav. térreo

projeção pav. térreo da iza bil ea rm pe im lha ca da iza

bil

rm pe im lha

IX A 50 D'Á 00 G L UA

ad a ea

biliz

CA

rm ea

A

L IA

e im pe

LH

N LO CO O % TIP = 25 i

laj

A

ca

térr

TELHA TIPO COLONIAL i = 25%

térre

LH TE

o

v.

o pa

çã

TE

oje

pr

R

VE

v.

pa

eo

projeção pav. térreo

i=

TO

TE

O

O

AD

ILIZ

térr

projeção pav. térreo

R

VE

TO

TE

AB

pa ão

pro

AD

ILIZ

AB

ão

jeç

projeção pav. térreo

projeção pav. térreo

E RM PE IM 3% DE i =

pa

pr

projeção pav. térreo

E RM PE IM 3% DE i =

ojeç

eo térr v. pa ão jeç pro

projeção pav. térreo

projeção pav. térreo

TELHA METÁLICA i = 27%

CENTRO COMUNITÁRIO DE AMANARI

pr

projeção pav. térreo

projeção pav. térreo

projeção pav. térreo

TELHA METÁLICA i = 27%

CENTRO COMUNITÁRIO DE AMANARI

eo

v.

ão

ojeç

TELHA TIPO COLONIAL i = 25%

projeção pav. térreo

TELHA METÁLICA i = 27%

TELHA TIPO COLONIAL i = 25%

TELHA TIPO COLONIAL i = 25% projeção pav. térreo

projeção pav. térreo

TELHA METÁLICA i = 27%

ACESSO PARA CADEIRANTE projeção pav. térreo

BRUNILO JACÓ DE CASTRO E SILVA calha impermeabilizada

1/1000

1

2

3

4

5

10

15

Rampa

0

i = 8,33%

PROJETO: CENTRO COMUNITÁRIO AMANARI

1

S

ESCALA 1:200

ACESSO PRINCIPAL ROD.

PLANTA DE LOCAÇÃO E COBERTA ESCALA

1/200

ESCALA:

1/200

PLANTA DE SITUAÇÃO

1/1000

QUADRO DE ÁREAS

ALUNO (A): CARLOS ALBERTO AMORIM

ACESSO PARA CADEIRANTE

DESENHO DA PRANCHA:

PLANTA DE LOCAÇÃO E COBERTA

LUÁDYNA ALMEIDA BEZERRA

BRUNILO JACÓ DE CASTRO E SILVA

SEMESTRE: 2016.1

PRANCHA:

ATELIÊ II: PROJ. E CONF. AMB.

PROJETO: CENTRO COMUNITÁRIO AMANARI

Fig. 01 _ Planta de Coberta, Centro Comunitário de Amanari

0

1

2

3

4

ESCALA 1:200

5

10

15

1

(6)

PLANTA DE LOCAÇÃO E COBERTA ESCALA

1/200

UNIFOR

DESENHO DA PRANCHA:

ESCALA:

PLANTA DE LOCAÇÃO E COBERTA

1/200

PLANTA DE SITUAÇÃO

1/1000

QUADRO DE ÁREAS


TIRANTE DE MADEIRA JATOBÁ TELHA METÁLICA I = 27%

COBOGÓ COR BRANCA

PAREDE REVESTIDA COM TEXTURA TERRACOR TERRACAL COR "NACHO" DA MARCA SUVINIL

TELHA CERÂMICA I = 25%

PAREDE REVESTIDA COM TEXTURA TERRACOR TERRACAL COR "NACHO" DA MARCA SUVINIL

JANELA DE MADEIRA E VIDRO

GÓ COR ANCA PAREDE REVESTIDA COM TEXTURA TERRACOR TERRACAL COR "NACHO" DA MARCA SUVINIL

F

F

R 0

F F

F F

F

F

REFEITÓRIO 0,10 (P.A.)

JARDIM 0,00 (P.A)

0,10 (P.A)

AUDITÓRIO -1,18 (P.A)

2

Fig. 03 _ Corte Geral, Centro Comunitário Amanari

2

FACHADA SUDOESTE ESCALA

FACHADA SUDOESTE ESCALA

PAREDE REVESTIDA COM TEXTURA TERRACOR TERRACAL COR "NACHO" DA MARCA SUVINIL

TELHA CERÂMICA I = 25%

PAREDE REVESTIDA COM TEXTURA TERRACOR TERRACAL COR "NACHO" DA MARCA SUVINIL

TELHA METÁLICA I = 27%

F

PAREDE REVESTIDA COM TEXTURA TERRACOR TERRACAL COR "NACHO" DA MARCA SUVINIL

F

F

F

F

0,00

ESCALA

REVESTIMENTO COM PEDRA CANJIQUINHA

MARQUISE

JANELA DE MADEIRA E VIDRO

MURO REVESTIDO COM TEXTURA TIPO TERRACOR TERRACAL COR

REVESTIMENTO COM EDRA CANJIQUINHA

CORTE GERAL

5

1/200

1/200

1/200

PAREDE REVESTIDA COM TEXTURA TERRACOR TERRACAL COR "NACHO" DA MARCA SUVINIL

F

F

F

F

F

Fig. 04 _ Fachada Principal, Centro Comunitário Amanari 0

1

2

3

4

5

10

15

1

ESCALA 1:200

DETALHE A

1

ESCALA

1/200

ATELIÊ II: PROJ. E CONF. AMB. DETALHE B

DETALHE A

DETALHE B

PROJETO: CENTRO COMUNITÁRIO AMANARI TELHA COLONIAL DE BARRO COZIDO COM CAIMENTO DE 25%

FACHADA SUDESTE ESCALA

FACHADA SUDESTE

1/200

RIPAS

DESENHO DA PRANCHA:

ESCALA: GESSO ACARTONADO

FACHADA SUDESTE

ISOLAMENTO TÉRMICO

1/200

ARGAMASSA

FACHADA SUDOESTE

CAIBRO (MASSARANDUBA)

1/200

TIJOLO CERÂMICO

FACHADA NOROESTE

1/200 RODAPÉ

RIPAS FACHADA NORDESTE

1/200

TELHA COLONIAL DE BARRO COZIDO COM CAIMENTO DE 25%

PEÇA DE MADEIRA (MASSARANDUBA)

UNIFOR

CAIBRO (MASSARANDUBA)

CORTE GERAL

ALVENARIA

ALUNO (A): CARLOS ALBERTO AMORIM

SEMESTRE: 2016.1

LUÁDYNA ALMEIDA BEZERRA 2

ALVENARIA

RUFO EM PRÉ-MOLDADO DE CONCRETO FEITO NO LOCAL

DETALHE C

TUBO DE PVC FURADO E ENROLADO EM BENDIM

AUDITÓRIO -0,46 (P.A.)

AUDITÓRIO -0,46 (P.A.)

ESCALA

1/25

ESCALA

MÁSTIQUE CALÇO CONTRAPISO PEDRA BRITA ATERRO

SAPATA

1/10

3

1/10

DETALHE C ESCALA

1/10

RUFO EM PRÉ-MOLDADO DE CONCRETO FEITO NO LOCAL

TIJOLO CERÂMICO

ARGILA EXPANDIDA

CAMADA DRENANTE

ARGILA CAMADA DEEXPANDIDA IMPERMEABILIZAÇÃO

LAJE NERVURADA ATELIÊ II: PROJ. E CONF. AMB.

FORRO DE GESSO

PROJETO: CENTRO COMUNITÁRIO AMANARI

ATELIÊ II: PROJ. E CONF. AMB.

PROJETO: CENTRO COMUNITÁRIO AMANARI

DESENHO DA PRANCHA:

1 1 Fig. 05 _ Cortes aproximados, Centro Comunitário Amanari 1/25

CERÂMICA

RODAPÉ

DETALHE B

VEGETAÇÃO BIBLIOTECA SUBSTRATO 0,10 (P.A.) CAMADA ANTIRRAIZ

BIBLIOTECA 0,10 (P.A.)

FORRO DE GESSO CORTE AUDITÓRIO - TETO VERDE CORTE AUDITÓRIO - TETO VERDE

ESCALA

TELA DE ARAME

TIJOLO CERÂMICO

TIJOLO CERÂMICO

DETALHE C

TUBO DE PVC FURADO E ENROLADO EM BENDIM

TELA DE ARAME VEGETAÇÃO SUBSTRATO CAMADA ANTIRRAIZ CAMADA DRENANTE CAMADA DE IMPERMEABILIZAÇÃO LAJE NERVURADA

ESCALA

CALÇO CONTRAPISO PEDRA BRITA ATERRO

SAPATA

3

1/10

2

DETALHE C

ISOLAMENTO TÉRMICO

03/19

PRANCHA:

DETALHE B ESCALA

GESSO ACARTONADO

MÁSTIQUE

ARGAMASSA

1/200 PEÇA DE MADEIRA (MASSARANDUBA)

CERÂMICA

CORTE BIBLIOTECA

1

DETALHE A ESCALA

1/10

ESCALA

1/25

1

ESCALA

1/25

1/25

ALUNO (A): CARLOS ALBERTO AMORIM

LUÁDYNA ALMEIDA BEZERRA

PROJETO: CENTRO COMUNITÁRIO AMANARI PROJETO: CENTRO COMUNITÁRIO AMANARI DESENHO DA PRANCHA: DESENHO DA PRANCHA: ESCALA:

UNIFOR

CORTE DO AUDITÓRIO TETO VERDE

CORTE DO AUDITÓRIO 1/75 TETO VERDE

CORTE BIBLIOTECA DETALHE CONSTRUTIVO

CORTE BIBLIOTECA 1/25 DETALHE CONSTRUTIVO

1/25

UNIFOR

CARLOS ALBERTO AMORIM ALUNO (A): CARLOS ALBERTO AMORIMALUNO (A): SEMESTRE: PRANCHA: LUÁDYNA ALMEIDA BEZERRA LUÁDYNA ALMEIDA BEZERRA 2016.1

(7)

ESCALA: 1/75

18/19

SEMESTRE: 2016.1

PRANCHA:

18/19

SEMESTRE: 2016.1

PRANCHA:

ESCALA: 1/75

DETALHE A

LUÁDYNA ALMEIDA BEZERRA

UNIFOR C e A, respectivamente, Centro Fig. 06 _ Detalhmentos 03/19 Amanari ATELIÊAMB. II: PROJ. EComunitário CONF. AMB. ATELIÊ II: PROJ. E CONF.

1

DESENHO DA PRANCHA: CORTE DO AUDITÓRIO TETO VERDE

1/25

UNIFOR ALUNO (A): CARLOS ALBERTO AMORIM

DETALHE A

CORTE BIBLIOTECA

1/10

ESCALA:

1/75

CORTE DO AUDITÓRIO TETO VERDE

DETALHE A ESCALA

1

SEMESTRE: 2016.1

PRANCHA:

03/19


Fig. 07 _ Perspectiva da fachada principal, Centro Comuniรกrio Amanari

(8)


Fig. 08 _ Perspectiva de blocos internos, Centro Comuniรกrio Amanari

(9)


02

MERCADO CAROÁ _ Luádyna Almeida e Jonathan Lima o projeto tratava-se de um mercado localizado no bairro centro, onde foi escolhido um terreno na avenida duque de caxias, próximo à igreja coração de jesus, ponto marcante da cidade. inicialmente, a ideia era fazer um edifício que remontasse padrões estéticos tradicionais das arquiteturas de mercado conhecidas, como uso de materiais rústicos e estrutura metálica aparente. para o volume da edificação, partiu-

-se do retângulo comum e, e, seguida, moldar-lo com cortes assimétricos entre angulações variadas. esperava-se trazer um conjunto de retas que se encontravam e proporcionavam um volumes com telhados de diferentes tamanhos, mas alturas semelhantes. por fim, para quebrar a rigidez da forma, pensou-se em esquadrias de vidro e brises de madeira para as aberturas superiores.

Fig. 09 _ Esquema isométrico para volumetria final

o paisagismo é ponto principal do projeto, visto que o partido nasce em trazer uma praça para lazer e permanência no entorno da edificação. seguindo a volumetria do edifício, com retas que se cruzam e formam geometrias triangulares, a praça é toda pavimentada com diferentes cores de pedra portuguesa, escolhida por sua diversidade e facilidade de instalação. a alocação de canteiros para arborização e mobiliário também corrorobam com a permanência no entorno. Fig. 10 _ Planta de Coberta - Mercado Caroá

(10)


3 FACHADA NORTE

58,741 11,157

15

3,00

15

1,50

15

3,00

15

9,19

15

4,00

15

2,00

15

3,24

15

2,739

15

2,741

15

3,24

15

11,243

P4

BOX

P2

J1

BOX

P2

BOX

P2

1,35 m²

P4

BOX

1,35 m²

WC

P2

1,38 m² P2

DML

P7

J1

J1

BOX

ELEVADOR

18,85 m²

06/06

ELEVADOR

BOX

BOX

P2 1,09 m²

BOX

BOX

P1 1,09 m²

P4

P2 1,10 m²

VESTIÁRIO MASCULINO 18,88 m²

P4

CIRCULAÇÃO

2,25 m²

P2 BOX 1,26 m²

P1 1,09 m²

BOX

P1 1,10 m²

VESTIÁRIO FEMININO

4

2,25 m²

J1

P4

24,68 m²

+0,10

P10 J1

BOX

P1 1,09 m²

BOX

P1 1,10 m²

50,01 m² +0,10

BOX P1 1,27 m²

P1 BOX 1,16 m²

P1 1,11 m²

CARGA, DESCARGA E PACOTE

WC

7,46 m²

P2

BOX P1 1,27 m²

6,60 m² +0,10

J1

J1

P4

UP

J1

4 5,0

1,38 m²

P2

7,46 m²

BOX

1,46 m²

2,78 m²

BOX

P2

8,15 1

WC DEF.

1,59 m²

P4

ADMINISTRAÇÃO 6,082

25,94 m²

ÁREA LIVRE

+0,10

REFEITÓRIO/DESCANSO 26,24 m²

170,11 m² +0,10

J1

+0,10 J1

P8

P3 J1

8,49

J1

P5 P8

6,83 1

04/06 2

ÁREA DE MERCADO

04/06 2

P5

825,17 m² +0,10

14

,24 6

10,22 3

1

8,91

4

11

14,59

,14

9,52 2

01/01 04/06 1 2

Fig. 11 _ Planta Baixa - Mercado Caroá

o programa de necessidades do mercado aponta as necessidades básicas de funcionamento do edifício e dos feirantes usuários: área de exposição de mercadorias, banheiros, elevadores, escadas, carga/descarga e empacotamento, dml, administração, vestiários e refeitórios no andar térreo. no andar superior encontra-se um mezanino, a partir do volume térreo, onde se localiza uma área comercial e

10,00

gastronômica, com escadas e elevadores de acesso, área de permanência com mesas e sofás, um banheiro e quatro quiosques equipados com cozinha e área de atendimento. buscou-se, com isso, dar mais uma funcionalidade ao mercado, podendo funcionar em horários diversos do dia. as áreas de comercialização do mercado e permanência da área de alimentação somam as maiores áreas do edifício, priorizando o bem estar e a circulação dos usuários.

2,00

84,00

05/06

1

PLANTA BAIXA TÉRREO ESCALA

1 : 100

01/01 04/06 1 2

3 FACHADA NORTE

N

36,30 15

BOX

1,59 m² 4,00

BOX

1,50

WC DEF.

2,78 m²

1,38 m²

WC

7,46 m²

15

3,00

17,49

P2

BOX

1,39 m²

J1

WC

7,50 m²

22 1

1,50

J1

22 1

J1

J1

J1

15,27 m² +3,10

395

3,25

J1

22 1

LANCHONETE 15,27 m² +3,10

4,85

15

22 1 J1

J1

LANCHONETE 20,73 m² +3,10

2,25 m²

LANCHONETE

15

P11 P2

ELEVADOR

J1

5,41

P2

22 1

P2

15

15

21 1 J1

30,38 m² +3,10

J1

1,33 m²

BOX

1,35 m²

15

CIRCULAÇÃO

BOX

21 1 J1

15

BOX

1,44 m²

2,20

3,00

1,90

15

LANCHONETE 16,52 m² +3,10

ELEVADOR 2,25 m²

DN

20

ÁREA LIVRE

255,82 m² +3,10

21 -

04/06 2

04/06 2

Fig. 12 _ Planta Baixa Mezanino - Mercado Caroá 01/01 04/06 1 2

1

(11) TABELA DE JANELAS MARCAÇÃO TÉRREO

LARGURA

ALTURA

PEITORIL

DESCRIÇÃO

QUANTIDADE

PLANTA MEZANINO ESCALA

1 : 100


Fig. 13 _ Fachada principal, Mercado Caroรก

(12)


Fig. 14 _ รrea interna, Mercado Caroรก

(13)


03

MUSEU DO MANGUE_ Luádyna Almeida e Hiago Teixeira o projeto do museu do mangue localiza-se na esquina da avenida dioguinho com a rua jamaica, na sabiaguaba. surge para substituir o atual museu do mangue, que possui uma estrutura muito pequena para o seu potencial de aproveitamento. o projeto pretende abrir uma área maior de exposição, para artigos diretamente relacionados ao mangue; instalações, telas, pinturas, além de outro

Fig. 15 _ Esquema isométrico para volumetria final

Fig. 16, 17 e 18 _ Plantas Térreo, 1º Pavimento e 2º Pavimento (respectivamente)

(14)

espaço destinado a exposições diversas que atraiam um maior público. Pensando nessa estratégia, as áreas de convivência também foram criadas para agregar um valor recreativo ao museu, principalmente para a comunidade onde o terreno se localiza. a forma do edifício, pensada a partir de um sólido básico com composições de montagem dos pavimentos, apoia-se no ponto alto do terreno com curvas de nível acentuadas.


buscando também beneficiar a comunidade do entorno, foi pensado junto ao programa de necessidades uma área educacional onde se pudesse desenvolver atividades que possam contribuir para a identidade do local. O paisagismo propicia a contemplação da área de preservação, com rampas que interligam o espaço externo ao mirante pelo lado de fora do edifício. O programa de necessidades do museu contém: area administrativa, lojas de artigos do museu, banheiros, áreas de exposição permanente e temporárias, área educacional, que inclui biblioteca, sala de workshop, sala de estudos e auditório, café e mirante. para compor as fachadas, foram pensadas em grandes aberturas nas áreas de exposição, que pudessem proporcionar iluminação natural e as condições climáticas favoráveis à preservação das obras. O painel de aço cortenho, atribuído na fachada princial, foi desenhado a partir das raízes de vegetação nativa do mangue.

Fig. 19 _ Planta de Situação, com acessos e paisagismo Ilustrações: Hiago Teixeira

Fig. 21 _ Corte 01 - Pavimento Térreo e 1º Pavimento.

Fig. 20 _ Fachada principal com painel em aço cortenho.

Fig. 22 _ Corte 02 - 2º e 1º Pavimentos

(15)


Fig. 23 _ Vista aérea, Museu do Mangue Ilustração: Hiago Teixeira

(16)


Fig. 24 _ Fachada principal, Museu do Mangue Ilustração: Hiago Teixeira

(17)


04

REVITALIZAÇÃO DA AV. ABOLIÇÃO_ Luádyna Almeida a revitalização da avenida abolição, no trecho localizado no bairro mucuripe, contempla uma série de intervenções que buscam dar prioridade ao passeio de pedestres e tráfego de bicicletas. o diagnóstico, feito em fases anteriores de projeto, apontam dificuldades de locomoção por pedestres e principalmente ciclistas, e as medidas adotadas

procuram mitigar essa falta de acessibilidade ao espaço público. o projeto contempla aumento de calçadas com a retirada de uma faixa de carros, faixa exclusiva para ônibus, criação de uma ciclovia no canteiro central, troca de pavimentaçao nas calçadas e canteiros e alocação de nova iluminação pública e arborização.

LISTA DE MATERIAIS DE PAVIMENTAÇÃO PISO DRENANTE CIMARTEX, TAMAMHO 50x50x8c, COR CINZA, ASSENTADO A 45º

PISO DRENANTE CIMARTEX, TAMAMHO 50x50x8c, COR BEGE, ASSENTADO A 45º

PEDRA PORTUGUESA COR PRETA

PEDRA PORTUGUESA COR BRANCA

PEDRA PORTUGUESA COR TERRACOTA

QUADRO DE VEGETAÇÃO NOME CIENTIFICO: Senna Spectabilis NOME POPULAR: Cássia do Nordeste BIOMA: Caatinga ALTURA: 9m COPA: 6m

PROJETO URBANÍSTICO

PROJETO: REQUALIFICAÇÃO DA AV. ABOLIÇÃO

Fig. 25 _ Trecho 01, Revitalização da Av. Abolição

DESENHO DA PRANCHA:

ESCALA:

PLANTA BAIXA TRECHO 01

1/500

PLANTA BAIXA DETALHE 02

1/200

PLANTA BAIXA DETALHE 01

1/100

UNIFOR ALUNO (A): LUÁDYNA ALMEIDA BEZERRA

(18)

SEMESTRE: 2018.1

PRANCHA:

02/06


LISTA DE MATERIAIS DE PAVIMENTAÇÃO PISO DRENANTE CIMARTEX, TAMAMHO 50x50x8c, COR CINZA, ASSENTADO A 45º

PISO DRENANTE CIMARTEX, TAMAMHO 50x50x8c, COR BEGE, ASSENTADO A 45º

PEDRA PORTUGUESA COR PRETA

PEDRA PORTUGUESA COR BRANCA

PEDRA PORTUGUESA COR TERRACOTA

QUADRO DE VEGETAÇÃO NOME CIENTIFICO: Senna Spectabilis NOME POPULAR: Cássia do Nordeste BIOMA: Caatinga ALTURA: 9m COPA: 6m

Fig. 26 _ Trecho 02, Revitalização da Av. Abolição

PROJETO URBANÍSTICO

PROJETO: REQUALIFICAÇÃO DA AV. ABOLIÇÃO DESENHO DA PRANCHA:

ESCALA:

PLANTA BAIXA TRECHO 02

1/500

PLANTA BAIXA DETALHE 03

1/100

UNIFOR ALUNO (A): LUÁDYNA ALMEIDA BEZERRA

SEMESTRE: 2018.1

PRANCHA:

03/06

PROJETO URBANÍSTICO

PROJETO: REQUALIFICAÇÃO DA AV. ABOLIÇÃO

Fig. 27 _ Detalhamentos de piso, Revitalização da Av. Abolição

(19)

UNIFOR ALUNO (A): LUÁDYNA ALMEIDA BEZERRA

DESENHO DA PRANCHA:

ESCALA:

DET. PLANTA - PEDRA PORT.

1/25

DET. PLANTA - PISO DREN.

1/25

DET. POSTE 01 E 02

1/25

PL BAIXA - POSTE 01 PL BAIXA - POSTE 02 SEMESTRE: 2018.1

PRANCHA:

1/25 1/25

06/06


J

LISTA DE MATERIAIS DE PAVIME

PISO DRENANTE CIMARTEX, TA COR CINZA, ASSENTADO A 45º

PISO DRENANTE CIMARTEX, TA COR BEGE, ASSENTADO A 45º

PEDRA PORTUGUESA COR PRE

PEDRA PORTUGUESA COR BRA

PEDRA PORTUGUESA COR TER

QUADRO DE VEGETAÇÃO

NOME CIENTIFICO: Senna Spec NOME POPULAR: Cássia do No BIOMA: Caatinga ALTURA: 9m COPA: 6m

PROJETO URBANÍSTICO

PROJETO: REQUALIFICAÇÃO DA AV. ABOLIÇÃO

DESENHO DA PRANCH

PLANTA BAIXA DETAL

Fig. 28 _ Trecho 03, Revitalização da Av. Abolição

PLANTA BAIXA DETAL

UNIFOR ALUNO (A): LUÁDYNA ALMEIDA BEZERRA

(20)

SEMESTRE: 2018.1

PRAN


Fig. 29 _ Corte, Revitalização da Av. Abolição PROJETO URBANÍSTICO

PROJETO: REQUALIFICAÇÃO DA AV. ABOLIÇÃO

(21)

DESENHO DA PRANCHA:

ESCALA

CORTE TRANSVERSAL

1/50

DET. PEDRA PORTUGUESA

1/25

DET. PEDRA PISO DRENANTE

1/25

UNIFOR ALUNO (A): LUÁDYNA ALMEIDA BEZERRA

SEMESTRE: 2018.1

PRANCHA:

05/06


05

INTERVENÇÕES URBANAS TEMPORÁRIAS NO BAIRRO BENFICA_ Luádyna Almeida

o projeto se baseia em conceitos de intervenções urbanas temporárias, que utilizam o espaço pré-existente para promover mudanças rápidas, táticas e de retornos grandiosos à quem as utiliza. Para o projeto, situado no bairro Benfica, pensou-se em intervenções de chão na Rua Paulino Nogueira, principal eixo do projeto, assim como intervenções pontuais em ruas perpendiculares à esta, que ser-

Fig. 30 _ Mapa de Intervenções, Benfica

(22)

vem como acesso e forma espaços mais intimistas do bairro. a partir de problemas pautados na fase de diagnóstico, optou-se por intervir em alguns cruzamentos chave para pedestres. Além disso, a alocação de ciclofaixas em ruas de fluxo paralelo às existentes buscam funcionar como rotas de escape.


0.94 1.50

2.50

mão francesa

1.5

1.00

0.50

o mobiliário, pensado a partir de uma modulação pré-definida por peças de andaime da empresa Layher, corrobora com o sentido temporário da intervenção, no que tange a fácil montagem dos equipamentos. foram pensados mobiliários de permanência diversos, como parklets e bancos, como barracas de suporte à tradicional feira da gentilândia, que acontece na praça da gentilândia a mais de 50 anos. a alocação dos mobiliários ao longo da intervenção vem a partir de lugares mais visitados e identificados nas fases de diagnóstico participativo e sensível.

pilar

0

pilar

barra de ligação

Fig. 31 _ Peças pré-moldadas, empresa Lahyer

Fig. 32 _ Diagramas de montagem para mobiliário modular

(23)

barra de ligação

trava superior


Fig. 33 _ Rua Paulino Nogueira, intervenção de chão e mobiliário

Fig. 34 _ Rua Paulino Nogueira com R. Nsa. Nsa. dos Remédios, intervenção de chão e troca de pavimentação

(24)


Fig. 35 _ Praça João Gentil, intervenção com mobiliário em canteiros

Fig. 36 _ Rua Paulino Nogueira com Rua João Gentil, intervenção de chão e troca de pavimentação com elevação de piso

(25)


06

CONCURSO CIDADE DA GENTE - PROJETO VENCEDOR

_ Luádyna Almeida, Anna Ruth Almeida, Ana Caroline Rocha, Jéssica Guerra, Jade Viana, Gabriel Sato, Barbara Albuquerque e Ana Carla Lima _ Orientação Prof. Camila Bandeira o projeto casa, realizado nas ruas renata braga e hidelaine naiara, no bairro passaré, possui o objetivo principal de tornar a rua uma extensão da casa de seus moradores, melhorando a qualidade de vida por meio de mobiliários de permanência e lazer, arborização e infraestrutura com paginação de piso. a proposta é oferecer aos usuário uma ex-

Fig. 37 _ Masterplan, Ruas Renata Braga e Hidelaine Naiara, Passaré

(26)

periência agradável com o espaço público e sociabilidade, através de propostas de fácil execução. o rebatimento da história local acontece na intervenção de chão, onde a inspiração do desenho são os trançados de palha, e as cores que remetem feminilidade trazem a história de mulheres que dão nomes às ruas locais.


o mobiliário foi pensado para atender as necessidades da comunidade, mesclando usos de lazer e permanência em um único módulo. disposto de alturas diferenciadas com patamares, a intenção é que o mobiliário torne-se convidativo pelas suas possibilidades de uso. outros tipos de mobiliário, como lixeiras e balizadores, compõem os espaços de permanência, bem como bancos e jardineiras para arborização, construídos em concreto para conferir durabilidade aos mesmos. a comunicação visual do local, ou placebranding, veio do partido para o nome da intervençao, adotando a “casa” como símbolo gráfico do projeto. refletido em elementos de sinalização das ruas e de situação do projeto.

R255 G109 B1

Fig. 38 _ Esquema de montagem, mobiliário de lazer

R255 G149 B100

R125 G255 B242

Fig. 39 _ Esquema de cores utilizados na intervenção e comunicação visual

Fig. 40 e 41 _ Placas de sinalização e ruas (respectivamente)

(27)

R40 G181 B167

R189 G74 B21


Fig. 42 _ Perspectiva, Rua Renata Braga

(28)


Fig. 43 _ Perspectiva, Rua Renata Braga

(29)


FORTALEZA, 2020

Profile for Lua Almeida

PORTFÓLIO ACADÊMICO_Luadyna Almeida  

Portfólio com reunião de trabalhos acadêmicos feitos entre 2014 e 2019, dentro do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Fortal...

PORTFÓLIO ACADÊMICO_Luadyna Almeida  

Portfólio com reunião de trabalhos acadêmicos feitos entre 2014 e 2019, dentro do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Fortal...

Advertisement