Page 1

ANO I - Nยบ 01 - OUTBRO 2011

Avenida Ruy Rodrigues,3.900 - jardim Shangai


D’


NEGÓCIOS CAMPINAS revista negócios Campinas é uma publicação que nos deixa bastante satisfeitos pois agora os comerciantes e moradores da região Ouro Verde, terão um novo veículo que vai trazer para todos muitas informações e idéias atuais para ajudarmos a fazer bons negócios, além de nos informar dos muitos acontecimentos do nosso cotidiano. Foi com muita satisfação que recebemos essa primeira edição deste veículo de comunicação. Isso eu posso garantir à todos os leitores que essa revista vai emplacar no seguimento de informação e oportunidade de realizar bons negócios em nossa cidade de campinas e região. Quero parabenizar á todos os idealizadores desse maravilhoso projeto, esperamos que esse seja o começo de muitos frutos que ainda iremos colher ao longo desse trabalho de informação e conhecimento que esta revista oferece para as regiões que estão se desenvolvendo e crescendo na regição de Campinas.

: Você pode dar sua opinião e enviar seu recado para a redação da revista negócios Campinas, que será publicado na próxima edição. O nosso e-mail: revistanegocioscampinas@hotmail.com.br

www.revistanegócioscampinas.com.br

BEM-VINDOS AO NEGÓCIOS CAMPINAS

egião de Campinas, onde a partir de a

airro. A revista Negócios Campinas, nasc Nossos Contatos www.revistanegocioscampinas.com.br revistanegocioscampinas@hotmail.com.br Tel:(19)3224-1861/8851-0166/8234-6524

O que é Revista Negócios Campinas?

A revista Negócios Campinas é uma publicação mensal da empresa de Marketing ‘FAZZER Comunicação Design e Marketing.’ Esta revista é para levar as regiões de Campinas, informações e divulgar as benfeitorias dos bairros, dando assim oportunidades à todos de conhecer melhor suas regiões e fazerem bons negócios através dos nossos anúncios e classificados.

Como Adquirir a Revista? A revista Negócios Campinas é um veículo, co os leitores da região

de Campinas e adjacências. A revista Negócios Campinas n

18

Revista Negócios Campinas - Outubro 2011

Outubro 2011 - Revista Negócios Campinas

03


NEGÓCIOS

04

Revista Negócios Campinas - Outubro 2011

Outubro 2011 - Revista Negócios Campinas

17


MELHORIAS

16

Revista Negテウcios Campinas - Outubro 2011

REGIテグ OURO VERDE

Outubro 2011 - Revista Negテウcios Campinas

05


MELHORIAS

15

Revista Negテウcios Campinas - Outubro 2011

REGIテグ OURO VERDE

Outubro 2011 - Revista Negテウcios Campinas

06


M E PROGRESSO ORDE

06

Revista Neg贸cios Campinas - Outubro 2011

Outubro 2011 - Revista Neg贸cios Campinas

07


MELHORIAS

08

Revista Negテウcios Campinas - Outubro 2011

REGIテグ OURO VERDE

Outubro 2011 - Revista Negテウcios Campinas

13


pouco mais com rela莽茫o aos pr

12

Revista Neg贸cios Campinas - Outubro 2011

Outubro 2011 - Revista Neg贸cios Campinas

09


ESPAÇO CULTURAL

CAMPINAS

BISCUIT - ARTESANATO TRANSFORMADO EM ARTES PREPARANDO O SEU BISCUIT OU PORCELANA FRIA

CASAL DE NOIVOS EM BISCUIT A história do Biscuit, inicia-se no séc.XVIII, na época em que os artesões estava a procura de materiais que pudesse misturar argila branca barateando um pouco o seu custo, com qualidade, beleza, resistência e durabilidade quanto à porcelana fina, taambém conhecida como ‘faiança’ (um tipo de louça esmaltada ou vidrada). Não é de fontes segura mas havia na época uma massa tradicional, feita de farinha, água e sal, conhecida como ‘pasta de sale’. Com essa massa os italianos faziam pequenas e delicadas esculturas, retratando o dia-a-dia da época, que hoje conhecemos por bibelôs ou ‘rococós’. Embora seus artesãos procurassem durabilidade, as peças justamente pela porosidade da massa e a tendência à deterioração por ser orgânica, não chegavam exatamente a atravessas gerações nas criações e confecções. Foi pela insistência em se descobrir uma massa ideal para se trabalhar os objetos, sem a preocupação de que eles se quebrasse no dia seguinte, que os artesões continuaram a pesquisar materiais que pudessem ser misturados à massa, como cola, por exemplo, para lhe dar resistência e durabilidade pudesse receber pintura e certos tipos de acabamentos brilhantes ou fosco. E foi assim que os artesãos que os artesãos da Europa e américa Latina chegaram à maleabilidade da massa do biscuit, também conhecida como ‘porcelana fria’, por não ser necessário queimá-la em fornos especiais com altas temperaturas como as porcelanas. E como a arte acompanha a evolução da humanidade, o biscuitt tornou-se não apenas mais uma expressão artística, promovendo diversos eventos como: exposições e premiações que se tornou uma agradável e rentável atividade artesanal. No Brasil, o biscuit aportou na década de 80, através de um grupo de artesãos que pesquisava o assunto para desenvolver suas artes, com essa descoberta foi implantado no mercado do artesanato, sobretudo em São Paulo que adotou muito bem essa nova técnica, pois muitas pessoas resolveram se dedicar à arte do Biscuit por sua plasticidade, beleza e facilidade de se moldar as esculturas. hoje é comercializado milhares de materiais para as pessoas praticarem esse tipo de artesanato, atividade essa que contribui bastante com o orçamento da família já que essa técnica ainda é quase que exclusivamente liderada pelas mulheres. E muito embora essa tecnica do Biscuit tenha uma fama de artesanato, os artesãos interessados no assunto estão mudando cada vez mais esse quadro.

10

Revista Negócios Campinas - Outubro 2011

MATERIAL • 2 xicaras de chá de amido de milho. • 2 xicaras de chá de cola branca • 1 colher de sopa de suco de limão (age como conservante) • 2 colheres de sopa de vaselina líquida • 1 colher de sopa de creme para mãos (não gorduroso) • Tigela de vidro (para microondas) ou panela com revestimento anti-aderente (para fogão) • Colher de pau NO MICROONDAS Misture todos os ingredientes na tigela, com exceção do creme para mãos não gorduroso. Mexa bem até dissolver completamente o amido de milho. Coloque a tigela no microondas e ligue-o durante 3 minutos em potência máxima. Abra o forno a cada minuto e mexa a massa com a colher de pau, para que cozinhe toda por igual. Variações na rede elétrica, diferenças no tamanho da xicara usada como medida e os diferentes modelos de fornos de microondas podem alterar o tempo de cozimento da massa. Por isso é essencial que você observe-a minuto a minuto. Se necessário, deixe-a por mais um ou dois minutos no microondas, até que esteja cozida por igual, sempre mexendo a cada minuto passado. NO FOGÃO Coloque todos os ingredientes na panela com revestimento anti-aderente (menos o creme para as mãos), misture bem para dissolver o amido de milho. Leve ao fogo brando e mexa bem com a colher de pau até que a massa forme uma bola e se solte do fundo e das laterais. Evite deixar que as sobras que costumam ficar na borda da panela se incorporem à massa. Depois de pronta coloque a massa numa superfície (tampo de mármore, pedra) untada com o creme para as mãos e sove-a por vários minutos, ainda quente até ficar macia. Quando a massa estiver totalmente fria acondicione-a num saco plástico (ou envolva-a em filme plástico) bem fechado para não ressecar. Assim que a massa estiver cozida, espalhe o creme para mãos não gorduroso (apenas 1 colher de sopa, como indica a receita) sobre uma superfície de pedra ou de mármore, e despeje a massa, ainda quente. Quanto mais quente a massa estiver ao ser sovada, melhor o resultado. Sove a massa por vários minutos seguidos. Na verdade, quanto mais você sovar, melhor ela ficará para trabalhar. Quando a massa estiver bem sovada, faça um rolo, evitando assim a formação de bolhas de ar. Coloque a massa num saquinho plástico bem fechado ou envolva-a em filme plástico de cozinha, para evitar que resseque.

Outubro 2011 - Revista Negócios Campinas

11


Revista Negocios Campinas nº01  

Revista Negocios Campinas

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you