Issuu on Google+

Nยบ9 PT / MAI 2014

REVISTA MENSAL E GRATUITA


Ficha Técnica Line & Stylish, Art Magazine Nr Registo ERC – 126385/ ERC Registration nr 126385 Proprietário/Owner: José Eduardo de Almeida e Silva Editor/Publisher: José Eduardo de Almeida e Silva NIF: 179208586 Periodicidade/Periodicity: Mensal/Monthly Morada da Redacção/Editorial Address: Urbanização do Lidador Rua 17, nr 106 4470-709 – Maia Portugal Contacto/Contact : +351 914037084 Director Geral/Director in Chief: Eduardo Silva Director Adjunto/Vice-director: Isabel Gore Editor / Editor in Chief: Eduardo Silva Redacção/ Editorial Staff: José Eduardo Silva Isabel Pereira Coutinho Luís Peixoto Director Técnico/ Art and Web Director: Luís Peixoto Photografia/Photography: • Ayyam Gallery © Courtesy Ayyam Gallery ©Afshin Pirhashemi • Axelle Fine Arts Galerie ©Axelle Galerie • Bertrand Delacroix Gallery • Hamburger Kunsthalle © Privatsammlung (Private Collection). Photo: Engelbert Seehuber, München © Hamburger Kunsthalle/bpk, Photo: Elke Walford © Freies Deutsches Hochstift – Frankfurter Goethemuseum Photo: Christoph Irrgang • Jacques Sterenberg © Courtesy Jacques Sterenberg • Juan Cossio © Courtesy Juan Cossio • Kunsthaus Zürich ©Kunsthaus Zürich, gift of Gustav Zumsteg 1998

©Kunsthaus Zürich, Collection of Prints and Drawings. ©Kunstmuseum Basel, Department of Prints and Drawings ©Courtesy of Peter Kilchmann, Zurich, Photo Thomas Strub © Javier Téllez • The Metropolitan Museum of Art © Courtesy of The Metropolitan Museum of Art, Photograph by Michael A. Vaccaro / LOOK Magazine Photograph Collection, Library of Congress, Prints & Photographs Division, Look Job 52-1129 Frame-18 © Courtesy of The Metropolitan Museum of Art, Photograph by Cecil Beaton, The Cecil Beaton Studio Archive at Sotheby’s ©Courtesy of The Metropolitan Museum of Art, Photographer Unknown, © Bettmann/CORBIS ©Courtesy of The Metropolitan Museum of Art, Photograph by John Rawlings / Vogue / ©Condé Nast Archive. Copyright © Condé Nast Courtesy of The Metropolitan Museum of Art, Photograph by Cecil Beaton, Beaton / Vogue / Condé Nast Archive. Copyright © Condé Nast • The National Gallery © Madrid, Museo Nacional del Prado © Image copyright The Metropolitan Museum of Art/Art Resource/Scala © MBA, Rennes, Dist. RMN/Adélaïde Beaudoin. ©KHM, Vienna. © Photo Scala, Florence © RMN-Grand Palais (Musée du Louvre) / Jean-Gilles Berizzi © Collection of The John and Mable Ringling Museum of Art, the State Art Museum of Florida, Florida State University, Sarasota Florida (SN82) © National Galleries of Scotland (NG 339).

2


Nesta edição aproveito para fazer um balanço do que foram estes nove números que, conforme foi devidamente dito no manifesto editorial, se iria pautar pela independência. Desta forma demos visibilidade a artistas, exposições, museus e galerias com um critério que foi sempre aquele que ditou o nosso gosto, a importância histórica e a pertinência social que cada um deles tem. A Line & Stylish não é uma revista de artistas feita para artistas, pelo contrário, é uma revista que procura conjugar a criação artística com o espaço de exposição, aliás como também deixamos bem claro, no primeiro número, ao entrevistar um artista (Steven DaLuz) e um galerista que encarnava aquilo que nós pensamos ser o papel de uma galeria. Linha editorial esta, que sempre mantivemos e que procuramos manter. Sabemos que manter a independência é algo que tem os seus custos, contudo todo o processo selectivo é transparente e indiferente a qualquer manifestação de carácter religioso, político, financeiro ou racial. No número nove, o nosso leitor irá encontrar aquilo que no panorama internacional é, em nossa opinião, mais interessante. Ao assumirmos esta subjectividade podemos, mais uma vez, afirmar e atestar a nossa total independência, pelo que esperamos que gostem da leitura e que nos divulguem perante as vossas comunidades. José Eduardo Silva (Editor) Capa: Juan Cossio “Source”

Acrílico sobre painel,110x170cm Foto: Cortesia Juan Cossio 3


ÍNDICE 6.

44. TRANSFORMAÇÃ

VERONESE

O Arabesco Ro

Magnificência Na Veneza Renascentista

22.

54.

FRANÇOIS BARD

Seduçã

CONTRE-NUIT

30.

AFSHIN PIRH

70.

JUAN COSSIO

CHARLES

Para Além d

Artista do mês

4


86.

ALEGRIA E DRAMA de Jacques Sterenberg

ÃO DO MUNDO

100.

“AS TOCHAS DE PROMETEU. HENRY FUSELI AND JAVIER TÉLLEZ”

110.

PHILIPPE CHARLES JACQUET

120.

DESTAQUES DE MAIO

omântico

HASHEMI

ão

JAMES

da Moda

info@lineandstylish.com +351 914 037 084 5


Veronese: Magnificência na Veneza Renascentista 19 Março – 15 Junho 2014 The National Gallery

“Desde o brilho habilmente capturado de uma pérola, à amplitude e esplendor das suas configurações arquitectónicas, a mestria de Veronese na cor, espaço e luz, e o seu sentimento pela beleza, pela opulência e graça têm capturado, desde então, a imaginação de inúmeros artistas e amantes da arte”. Director da National Gallery, Dr. Nicholas Penny

6


Paolo Veronese (1528-1588) Perseus and Andromeda 1575-80

Óleo sobre tela, 260 × 211 cm Musée des Beaux - Arts, Rennes (1801-1-1) © MBA, Rennes, Dist. RMN/Adélaïde Beaudoin. X7485 7


“Veronese: Magnificência na Veneza Renascentista“, é dedicada a um dos artistas mais influentes do século XVI. Esta exposição de 50 obras suas, muitas das quais vêm de todo mundo para Londres, sendo a coleção mais importante das obras-primas do artista alguma vez exibida no Reino Unido. Paolo Caliari (1528-1588), conhecido como Veronese, foi um dos mais conceituados e requisitados artistas a trabalhar em Veneza, no século XVI. As suas obras adornam igrejas, palácios aristocratas, moradias e edifícios públicos em toda a região de Veneto e, são inseparáveis da nossa ideia da opulência e grandeza da República de Veneza na época. “Veronese: Magnificência na Veneza Renascentista“ reúne trabalhos de todos os temas da obra do artista; retratos, retábulos, decorações alegóricas e trabalhos mitológicos. Nesta exposição, as pinturas representam o pico da produção do artista em todas as fases da sua carreira.

8


Empréstimos importantes para a exposição incluem obras de igrejas e galerias de arte de toda a Europa (Áustria, França, Itália e Espanha) e EUA. A exposição exibe muitas das obras célebres de Veronese, incluindo “O Martírio de São Jorge “(cerca de 1565) empréstimo da igreja de San Giorgio em Braida, Verona, e “O Casamento Místico de Santa Catarina” (1565-1570, Gallerie dell’Accademia, Veneza). Nenhum destes grandes retábulos foi visto, anteriormente, no Reino Unido e a exposição vai permitir aos visitantes compará-los com a pintura secular e mais completa de Veronese, do mesmo período, a magnífica “Família de Darius antes de Alexander” (1565-7), sendo uma das primeiras grandes obras adquiridas pela National Gallery no continente Europeu. Destaques da exposição incluem a exibição de três dos mais belos retratos do artista do período da sua chegada a Veneza: “Retrato de um Gentleman” (cerca de 1555, Palazzo Pitti, Florença), o “Retrato de uma Mulher, conhecida como a ‘Bella Nani’’ (cerca de 1555-1560, Musée du Louvre, Paris) e do “Retrato de um Gentleman” (1560-1565, o Museu J. Paul Getty, em Los Angeles).

9


Paolo Verones The Anointing of D

Óleo sobre tela Kunsthistorisches M © KHM, Vie

10


se (1528-1588) David, cerca de1550

a, 173 Ă— 365 cm Museum, Vienna (40) enna. X7862

11


Paolo Veronese (1528-1588) The Rest on the Flight into Egypt, about 1570-2

Óleo sobre tela, 236.2 x 161.3 cm Frame: 281.3 x 205.4× 11.4 cm © Coleção de The John e Mable Ringling Museum of Art, the State Art Museum of Florida, Florida State University, Sarasota Florida (SN82). X7495 12


Paolo Veronese (1528-1588) Martyrdom of Saint George, cerca de1565 Igreja de San Giorgio em Braida, Verona Š Foto Scala, Florence. X7478 13


As obras estão reunidas na exposição, pela primeira vez, em centenas de anos. “Marte e Vénus Unidos pelo Amor” (cerca de 1570-1575, o Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque) deixa os Estados Unidos, pela primeira vez, desde 1910 para a exposição, reunindo-se pela primeira vez desde o século XVII, com a National Gallery “ Quatro Alegorias do Amor “(cerca de 1575). Dois retábulos juntos, pintados para a igreja de San Benedetto Po perto de Mantua: “ A Virgem e o Menino com os santos, António o Abade e Paulo, o Eremita “ (1562, Chrysler Museum of Art, de Norfolk, Virgínia) e a “Consagração de São Nicolau”(1562), propriedade da National Gallery, estão expostos lado a lado, pela segunda vez, desde o século XVIII. A “Adoração dos Reis“ (1573), pintado para a igreja de San Silvestro em Veneza, durante muito tempo uma das pinturas mais admiradas do artista, recentemente limpa, será mostrada ao lado de um retábulo com o mesmo tema, pintado no mesmo ano para a igreja de Santa Corona, Vicenza. Estas imagens, nunca foram vistas juntas, desde que estiveram no estúdio do artista.

14


Paolo Veronese (1528-1588) Mars and Venus United by Love, cerca de 1570-5

Óleo sobre tela, 205.7 × 161 cm The Metropolitan Museum of Art, New York, John Stewart Kennedy Fund, 1910 (10.189) © Image copyright The Metropolitan Museum of Art/Art Resource/Scala. X7851 15


16


Paolo Veronese (1528-1588) Venus, Mars and Cupid, about 1580

Óleo sobre tela, 163 × 125 cm © National Galleries of Scotland (NG 339). X7462 17


Paolo Verones Christ and the Centu

Óleo sobre tela Š Madrid, Museo Nacional 18


se (1528-1588) urion, cerca de 1570

a,192 Ă— 297 cm del Prado (P00492). X8304 19


Nascido em Verona em 1528, filho de um pedreiro, Veronese entrou na oficina de Antonio Badile em 1541. Trabalhando em Verona, completou várias encomendas importantes para as igrejas e famílias aristocráticas, como a Canossa e Bevilacqua. No início da década de 1550, Veronese mudou-se para Veneza, uma cidade de onde raramente saía. Foi aqui, recomendado por Ticiano, e trabalhando ao lado de Jacopo Sansovino e Andrea Palladio, que se estabeleceu como um dos principais artistas da Europa. A sua reputação póstuma foi tão elevada, de forma consistente, quanto a sua forte influência. A obra de Van Dyck, Rubens, Watteau, Tiepolo e Delacroix são fruto do seu exemplo.

The National Gallery Trafalgar Square London WC2N 5DN

20


21


FRANÇOIS BARD- CONTRE-NUIT

EXPOSIÇÃO INDIVIDUAL

1 de Maio – 31 de Maio, 2014 Bertrand Delacroix Gallery

A Bertrand Delacroix Gallery vai acolher “CONTRE-NUIT”, uma exposição individual de novos trabalhos em grande escala, do lendário artista Francês François Bard. Perspectivas surpreendentes, pinceladas ousadas e texturas únicas que distinguem as pinturas cinematográficas a óleo de Bard. Contre-Nuit, a terceira exposição individual de Bard no BDG, segue Big Guns (2010) e Not Guilty (2012), duas exposições marcadamente bem sucedidas e memoráveis.

22


François Bard Homme assis, 2014

Óleo sobre tela, 76¾” x 59” 23


Bard afirma: “O papel do artista contemporâneo deve ser o de incitar as pessoas a verem de forma diferente”. O seu trabalho faz exactamente isso. As telas dinâmicas de Bard retratam uma variedade impressionante de conteúdo, desde pessoas, cães e flores, a carros e paisagens urbanas. Em cada uma, ele coloca uma rotação invulgar e provocante de temas comuns. Muitas vezes, apresenta objectos do quotidiano, como um sapato usado ou uma mão, ampliados e cortados de forma inesperada; este efeito cria primeiros planos extremamente realistas e poderosos que se assemelham a fotografias de um filme.

24


François Bard Cosmonaute, 2014

Óleo sobre tela, 63” x 63” 25


Bard, muitas vezes, começa o seu processo artístico, tirando fotografias de si mesmo em poses inspiradas em imagens nos media. De facto, muitas das suas pinturas são auto-retratos. Enquanto a sua estética é decididamente contemporânea, a técnica de Bard remonta à tradição clássica com camadas espessas de tinta a óleo e verniz. As peças resultantes são incrivelmente texturadas, atmosféricas e com grande carga emocional.

26


François Bard China Town, 2014

Óleo sobre tela, 51” x 63” 27


Nascido em França em 1959, Bard frequentou a École Supérieure des BeauxArts de Paris e em 1988 foi selecionado como residente, durante dois anos, na Casa Velázquez. Ensinou, durante dez anos, como professor nos Ateliers des Beaux-Arts em Paris. O trabalho de Bard tem sido destaque nas principais feiras de arte internacionais, incluindo Art Miami, a Feira de Arte de Londres, Arte Paris, FORM Londres, Art Gent e Art Karlsruhe, e figura em coleções públicas e privadas de prestígio mundial, incluindo as de Ralph Lauren, Kit Kemp, Jackye e Curtis Finch, Jr. e Arkansas Arts Center. Bard divide o seu tempo entre o seu estúdio de Paris e a sua casa na Borgonha.

Bertrand Delacroix Gallery 535 W. 25th Street, NY 10001 USA 28


François Bard Style (survêtement blanc), 2014 Óleo sobre tela, 59” x 76¾” 29


O ARTISTA DO MÊS

Juan Cossio (1960), Madrid, Espanha

“ O ponto de partida das minhas obras é uma dualidade entre a abstração e a realidade. Tento recriar padrões estruturais, observados a partir da natureza, com materiais industriais, tais como, cortinas, cabos elétricos, tubos e cartão, empregando-os como adereços e cenários, onde a figura humana é mostrada numa silhueta. Um outro passo no meu processo de composição ocorre, a partir da interação espontânea entre o modelo, o cenário e os objectos através de gestos performativos. Esta fusão e cristalização de elementos tomam a sua forma final, de uma pintura hiperrealista. Emprego uma variedade de instrumentos e meios no planeamento inicial e na execução de uma ideia, que vai desde o desenho, fotografia, até ao uso do computador, mas é só nas fases finais, quando a informação é transportada para a superfície de painéis, que a ideia toma uma forma pictórica, reavaliando, filtrando e sintetizando o tema. O aerógrafo é o instrumento principal no meu trabalho, pela maneira como me obriga a trabalhar ao longe, facilitando uma distância física e psicológica criada pelo ar, entre mim e uma superfície “ - Juan Cossio

www.juancossio.com Tradução: L&S 30


Tendo demonstrado, desde muito cedo, uma vocação natural para o desenho, e uma forte sensibilidade visual para o pictórico, Juan Cossio estudou Belas Artes na Universidade Complutense de Madrid. Envolvido, de forma activa, no cenário explosivo da arte espanhola dos anos oitenta, a pesquisa incansável de Cossio e a tentativa de forçar os limites das técnicas pictóricas, levou-o ao que actualmente, é conhecido como “Novo Realismo”. Baseando-se na fotografia como principal meio de apoio, e utilizando o aerógrafo intemporal como instrumento preferido, o trabalho de Cossio e a sua curiosidade continua evoluem no sentido de utilizar novas técnicas, de modo a alcançar a sua estética única e contemporânea, cujo tema principal é o nu feminino.

Juan Cossio

Foto: Cortesia Juan Cossio 31


EXPOSIÇÕES 1997- Exposição Colectiva “Classic and Modern of the Reality”. Heller Gallery. Madrid / 1999- Participa na Feira de Arte Latino-American de Caracas,Heller Gallery / 2000- Exposição Colectiva “ Forms and Volumes”.Heller Gallery / 2001Exposição Clave Gallery, Murcia / 2002 – Participa na Feira Internacional de Arte Contemporanea de Sevilha, Puchol Gallery, Valencia / 2003- Participa na Feira De Arte de Madrid, Gema Lazcano Gallery. Exposição Colectiva “Arcanes Contemporaries”, Clave Gallery. Exposição Colectiva “Small Format”, Gema Lazcano Gallery. Participa na Exposição Comemorativa do “XXV Aniversário da Constituição Espanhola”, Museu Casa da Moeda / 2004 – Os Correios Espanhóis escolhem a pintura “Nativity” para ser reproduzida nos seus selos / 2005 Exposição Individual, Sammer Gallery, Marbella. Participa na Feira de Arte de Palm Beach,Miami. Exposição na Sammer Gallery. Exposição na Vazquez Kunst Gallery. Holland. Exposição Colectiva “What is realism?”, Albermale Galler,London /2006-Exposição Colectiva “The Female Poser”, Sammer Gallery. Trabalha na “Fundació de les Arts i els Artistes” em Barcelona / 2007- Participa na Feira “Luxury Please”, Viena. Exposição Colectiva “Realism”,Sammer Gallery / 2008- Exposição Individual na Albermale Gallery. Participa na Feira de Arte Nocturna de Knocke, Bélgica./ 2009- Exposição Colectiva “Realism Redefined “Cuadro Fine Art Gallery, Dubai. Exposição Colectiva Plus One Gallery, Londres / 2010- Exposição Colectiva “Winter Show” Plus One Gallery.Londres / 2011- Exposição Colectiva, Galerie Archange, Paris. Exposição Colectiva Plus One Gallery, Londres. Exposição Colectiva XV “.Everard Read Gallery, Cape Town. Exposição Colectiva “Corpi Esposti”.Barbara Frigerio Contemporary Art Gallery, Milão / 2012- Participa na Greenwich Arte, Anthony Brunelly Fine Arts Binghamton, NY. Participa na Waterfall Mansion Art of Nova Iorque, Anthony Brunelly Fine Arts.Binghamton,NY / 2013 - Participa in Art Palm Beach,.Waterhouse & Dodd Gallery.Londres.New York. Participa no “Salon 2”. Exposição Colectiva,.Anthony Brunelly Fine Arts. Binghamton,NY. Participa na Art Wynwood, Miami.Waterhouse & Dodd Gallery.Londres e Nova Iorque,Participa na Scope, Nova Iorque, Waterhouse & Dodd Gallery, Londres e Nova Iorque. Exposição Colectiva.”The Naked Truth”, Plus one Gallery, Londres “Hyperrealism Today”- Museu del Tabac.Andorra..”Lapada”.Art & Antiques Fair, Plus One Gallery, Londres. Exposição Colectiva “Hyperrealism Today”.Sant Juliá de Lória,.Andorra, Exposição Colectiva .”Celebration of 100 Years of Everard Read”,Cape Town. 32


Juan Cossio “Source”

Acrílico sobre painel,110x170cm Foto: Cortesia Juan Cossio 33


Juan C “Equil

Acrílico sobre pa Foto: Cortesia 34


Cossio librio�

ainel, 130 x 85cm a Juan Cossio 35


Juan C “Fortune´

Acrílico sobre pa Foto: Cortesia 36


Cossio ´s-Wheel”

ainel, 160x110 cm a Juan Cossio 37


Juan Cossio “Chrysalis”

Acrílico sobre painel, 110 x 170cm Foto: Cortesia Juan Cossio 38


Juan Cossio “Summer-Dream”

Acrílico sobre painel, 68 x130 cm Foto: Cortesia Juan Cossio 39


Juan C “Red-T

Acrílico sobre pa Foto: Cortesia 40


Cossio Tube�

ainel, 90 x 135cm a Juan Cossio 41


42


43


TRANSFORMAÇÃO DO MUNDO

O Arabesco Romântico 21 de Março a 15 de Junho de 2014 Hamburger Kunsthalle

Pela primeira vez, uma exposição intitulada Transformação do Mundo é dedicada ao arabesco no Romantismo. No século XVIII, Friedrich Schlegel (1772-1829) elevou o papel rebuscado do arabesco como sendo a estrutura principal de toda a poesia. O arabesco junta os elementos fragmentados, de um mundo vivenciado. As suas formas dominam o tema principal. Esta aspiração abrangente é também compartilhada pelo arabesco na arte visual: é ornamento, poesia e jogo engenhoso de linha. Em vez de se esgotar na mera decoração no limite da pintura, na forma de padrões florais ou enfeites lúdicos, desenvolve-se num veículo primário de significado. Desde modelos cosmológicos do mundo, a emblemas de ações, desde o romance complexo, à canção de embalar, em pinturas a óleo e propaganda, em capas de livro ou nas margens de textos literários - graças à sua diversidade, o arabesco abrange todos os Mídias. Como a “forma mais antiga e mais pura da imaginação humana” (Friedrich Schlegel), é capaz de unir elementos de diferente natureza. De acordo com a ideia romântica do Gesamtkunstwerk (Obra de Arte Completa), tornou-se a assinatura de uma época inteira. 44


Philipp Otto Runge (1777-1810) Der Kleine Morgen, 1808 Óleo sobre tela, 109 x 85,5 cm Š Hamburger Kunsthalle/bpk Foto: Elke Walford 45


Carl Julius Mild Weiblicher Akt in

Aguarela, 22 © Coleção Foto: Engelbert Se

46


de (1803 - 1875) einer Ranke - 1834

20 x 265 mm o Privada eehuber, Munique

47


O centro da exposição é a obra de um dos artistas mais versáteis do século XIX, e um dos fundadores do Romantismo, Philipp Otto Runge (1777-1810). No seu trabalho, e numa troca de ideias com o poeta Clemens Brentano (1778-1842), o princípio da composição do arabesco Romântico, atingiu o seu ponto alto. Além disso, todo o ênfase recai no trabalho do Nazareno Peter Cornelius (1783-1867), e de Eugen Napoleon Neureuther (1806-1882), Moritz von Schwind (1804-1871) e Adolph Menzel (1815-1905). Através das suas obras, a exposição traça a ascensão do arabesco desde um fenômeno decorativo periférico e primário, a uma forma composicional relevante para todas as artes.

Hamburger Kunsthalle Glockengießerwall D-20095 Hamburg 48


Moritz von Schwind (1804–1871) Entwurf zur Zauberflöte, um 1852 Aguarela sobre lápis, 54,7 x 36,6 cm Hamburger Kunsthalle, Kupferstichkabinett © Hamburger Kunsthalle/bpk Foto: Christoph Irrgang 49


50


Philipp Otto Runge (1777-1810) Die Lehrstunde der Nachtigall (Segunda Versão), 1804 Óleo sobre tela, 104,7 x 85,5 cm © Hamburger Kunsthalle/bpk Foto: Elke Walford 51


Armgart von Arn Oberon und Titanias Fee

Aguarela com ouro e pena sob Š Freies Deutsches Ho Goethem

52


nim (1821–1880) enhuldigung, 1840–42/43

bre pergaminho, 363 x 470 mm Hochstift – Frankfurter museum

53


Afshin Pirhashemi: Sedução 10 de Abril – 24 de Maio, 2014 Ayyam Gallery A Gallery de Londres tem o prazer de anunciar “Sedução”, a primeira exposição individual do artista iraniano Afshin Pirhashemi, no Reino Unido. Esta exposição apresenta pinturas a preto e branco de Pirhashemi retratando mulheres vestidas, de forma pesada, sob o disfarce de tentadoras, sedutoras, arrependidas, bem como aquelas, que em última análise, estão para lá da redenção. Num afastamento das suas últimas telas monocromáticas, o artista apresenta também duas obras notáveis a cores, em grande escala. As obras de Pirhashemi precisam de uma pequena introdução para aqueles que se possam esquecer que estão em presença de uma beleza totalmente coberta de preto, que aponta uma arma ao espectador, tornando-nos testemunhas e alvos do seu gesto violento. Sempre poderosas, as mulheres que Pirhashemi escolhe para retratar, são aquelas que foram enganadas e, muitas vezes, as que estiveram mal, dependendo do ponto de vista. Nesta série as mulheres estão parcialmente veladas ou envoltas em chadors, enquanto outras vezes proclamam a sua paixão pelos Estados Unidos assinalando a dicotomia de identidade que as mulheres enfrentam no seu quotidiano. Estas mulheres, ainda longe de compactuar com o ocidente, ainda são o centro e estão ligadas à identidade na forma de vestir e na expectativa que geram na esfera social. 54


Afshin Pirhashemi “I Am Lost in God” - 2013 Óleo sobre tela, 100 x 150 cm 55


Afshin Pi Competiti

Ă“leo sobre tela 56


irhashemi ion - 2014

a,100 x 150 cm 57


As telas muito detalhadas de Pirhashemi, incorporam referências históricas. Em um dos novos trabalhos de grande impacto, o artista tenta reunir tanto a história quanto a geografia com a inclusão de um astrolábio islâmico referências ao psicanalista ocidental Sigmund Freud e ao poeta oriental Jalalu’doin Rumi. Numa cena amplamente orquestrada, o pintor coloca o seu público cara a cara com um grupo de mulheres que se reúnem para produzir uma nova ordem mundial, alguma identidade obscura pelo facto de usarem máscaras do “Scream” e máscaras de carnaval, enquanto outras empunham sabres. Agrupadas, o poder das mulheres é exponencial, como lobos vagueando num fundo distante. As mulheres mascaradas sugerem que nem tudo é o que parece, e que algo está errado na ordem das coisas. A intensidade alcançada nestas novas telas supera os elevados sentimentos criados por Pirhashemi nos anteriores trabalhos monocromáticos. Além disso, a inserção da cor, como o castanho e o cobre do cabelo das suas heroínas mortais e a águia simbólica, como ave de rapina violenta, incutem nas obras uma ferocidade, sangue, luxúria e vigor que contrasta com a morbidade e falta de graça do preto em que as mulheres, geralmente, se encontram camufladas.

58


Afshin Pirhashemi Untitled - 2013

Ă“leo sobre tela, 200 x 300 cm 59


Afshin Pi Eagle Wom

Ă“leo sobre tela 60


irhashemi men - 2013

a,200 x 300 cm 61


Afshin Pi Mother

Ă“leo sobre tela 62


irhashemi rs - 2013

a,195 x 285 cm 63


Afshin Pi The First-ti

Ă“leo sobre tela

64


irhashemi imer - 2012

a,100 x 150 cm

65


Afshin Pi Untitle

Ă“leo sobre tela 66


irhashemi ed-2013

a,100 x 200 cm 67


Notas sobre o autor A obra do pintor iraniano Afshin Pirhashemi examina as complexidades da vida quotidiana do Irão. Em fundos dispersos ou vazios, a sua grande representação foto realista e monocromática das mulheres acena com a fantasia gótica numa exploração de questões de identidade social e política contemporânea. Nascido em 1974 em Urmia, Afshin Pirhashemi , vive e trabalha em Teerão. As suas obras estão representadas em coleções públicas e privadas em todo o Médio Oriente e Europa, tendo recebido prémios na 6 Bienal Internacional de Arte de 2003 em Teerão, e o Prémio Beijing Art Award Bienal , 2004. Exposições individuais incluem Ayyam Gallery, Dubai (2013); Homa Galeria de Arte, de Teerão (2009); Seyhoun Art Gallery, Teerão (2005); e Barg Gallery, Teerão (2005). Exposições colectivas incluem; In & Out, Milan (2009); Museu de Arte Contemporânea, em Teerão (2006); Museu de Arte Contemporânea, em Teerão (2004, 2003).

68


Ayyam Gallery 143 New Bond Street 1st Floor, W1S 2TP, London

69


Charles James: Para Além da Moda 8 de Maio - 10 de Agosto, 2014 The Metropolitan Museum of Art O novo Instituto do Traje, Anna Wintour Centro do Traje, abrirá a 8 de Maio com a exposição inaugural de Charles James: Para Além da Moda, em exibição até 10 de Agosto de 2014, a qual irá analisar a carreira do lendário costureiro anglo-americano do século XX, Charles James (1906-1978). A exposição será apresentada em dois locais; A nova Galeria de Lizzie Tisch e Jonathan, Centro do Traje de Anna Wintour, bem como nas galerias de exposições especiais no primeiro andar do Museu. A exposição irá explorar o processo de design de James e as suas abordagens esculturais, científicas e matemáticas, para elaborar vestidos de baile revolucionários, e uma alfaiataria inovadora que continuam a influenciar os designers de hoje. “Charles James foi um idiossincrático frenético, gênio da moda repleto de emoções, também comprometido com o ensino”, disse Harold Koda, curador encarregado do Instituto do Traje. “Ele sonhou que o tempo de vida da sua evolução criativa pessoal e da metamorfose contínua dos seus projetos, seria preservado como uma fonte de estudo para os alunos.” Nas nossas galerias renovadas, vamos cumprir o seu objectivo e iluminar o seu processo de design como uma síntese de costura, arte, matemática e ciência. “ 70


Charles James with Model, 1948

Cortesia do Metropolitan Museum of Art, Fotografia de Cecil Beaton, Beaton / Vogue / Arquivo Condé Nast Copyright © Condé Nast 71


Charles James Ba

Cortesia do Metropolitan Museum of Art, F Arquivo C Copyright Š 72


all Gowns, 1948

Fotografia de Cecil Beaton, Beaton / Vogue / Condé Nast © Condé Nast 73


74


Charles James, 1952

Cortesia do Metropolitan Museum of Art, Fotografia de Michael A. Vaccaro / Coleção de fotos da LOOK Magazine Coleção da Biblioteca do Congresso, Impressões & Fotografias Division, Look Job 52-1129 Frame-18 75


Visão Geral da Exposição A exposição retrospectiva, Charles James: Para Além da Moda, contará com cerca de 75 dos projectos mais notáveis produzidos por James ao longo da sua carreira, desde a década de 1920 até à sua morte, em 1978. As galerias de exposições especiais, no primeiro andar, vão destacar o glamour resplandecente, e a arquictetura deslumbrante dos vestidos de baile de James, na década de 1940 ao longo de 1950, usados por clientes de renome como Austine Hearst, Millicent Rogers, e Dominique de Menil. A nova Galeria Lizzie Tisch e Jonathan vai fornecer a tecnologia e flexibilidade, para dramatizar a biografia de James através de peças de arquivo incluindo; esboços, peças padrão, amostras, coisas efêmeras, e trabalhos parcialmente concluídos desde o seu último estúdio no Chelsea Hotel na cidade de Nova Iorque. A evolução e metamorfose de James em projectos específicos ao longo de décadas, também estarão em exibição. Animações de vídeo em ambos os locais de exposições irão ilustrar, a forma como criou vestidos considerados anatómicos, que esculpiram e reconfiguraram a forma feminina. “James foi um artista que escolheu o tecido e a sua relação com o corpo humano, como meio de expressão”, disse Jan Glier Reeder, Curador e Consultor no Instituo do Traje, que está a organizar a exposição com Harold Koda. Um dia, um cliente fidelizado de James, disse: “ …. o seu trabalho foi para além da moda e foi uma arte” . Para Além da Moda foi também o título que James escolheu para a autobiografia, que nunca escreveu. 76


Austine Hearst in Charles James Clover Leaf Gown, ca. 1953 Cortesia do Metropolitan Museum of Art, Fot贸grafo desconhecido 漏 Bettmann/CORBIS 77


78


Babe Paley in Charles James Gown, 1950

Cortesia do Metropolitan Museum of Art, Fotografia de John Rawlings / Vogue / Arquivo Condé Nast. Copyright © Condé Nast 79


80


Charles James Butterfly Gown, 1954

Cortesia do Metropolitan Museum of Art, Fotografia de Cecil Beaton Arquivo do Estúdio de Cecil Beaton Studio Archive na Sotheby’s 81


82


Nancy James in Charles James Swan Gown, 1955 Cortesia do Metropolitan Museum of Art, Fotografia de Cecil Beaton, Arquivo do estúdio de Cecil Beaton na Sotheby’s 83


James estava tão interessado em garantir o seu legado, preservando o “corpus” do seu trabalho numa instituição, que convenceu clientes importantes a doar os seus modelos para o Brooklyn Museum. A transferência da Coleção de Trajes para o Metropolitan Museum em 2009, aumentou as participações de Charles James no Met, e com as recentes aquisições dos primeiros modelos e arquivos, o Museu tem agora o maior conjunto de trabalhos de James, em todo o mundo, e a coleção mais abrangente de um designer de moda de qualquer museu. Depois de desenhar em Londres, a sua terra natal e, em seguida, Paris, James chegou a Nova Iorque em 1940. Apesar de não ter tido uma formação formal, é sem dúvida um dos maiores designers a trabalhar na tradição da alta-costura na América. O seu fascínio por cortes complexos e costura, levou à criação de elementos-chave do projecto que foram actualizados ao longo da sua carreira; uma peça enrolada nas calças, saia em forma de oito, bainhas coladas, capas de fita e vestidos, roupas com corte em espiral, e pufes. A exposição é organizada por Harold Koda e Jan Glier Reeder. Os designers da exposição são Diller Scofidio + Renfro, um estúdio de design multidisciplinar sedeado em Nova Iorque e liderado por Elizabeth Diller, Ricardo Scofidio e Charles Renfro, que integra a arquitectura e as artes visuais e performativas.

84


The Metropolitan Museum of Art 1000 Fifth Avenue New York, NY 10028-0198

85


Alegria e Drama de Jacques Sterenberg Acima de tudo, as pinturas de Jacques Sterenberg mostram a maturidade de um pintor que recusa o destaque das multidões e o reconhecimento da crítica, para construir uma proposta artística plástica, pessoal e sólida. Obviamente, é possível para qualquer um encontrar a maioria das influências deste artista Israelita, nascido em 1961 no Chile, com um Mestrado em Artes Visuais, a viver em Israel. Mas como disse, é possível ver várias influencias que inspiraram a arte de Sterenberg, na minha opinião, o artista mais rico é o que consegue mostrar mais influências no seu trabalho. Contudo, não estou aqui para mencionar todas as influencias presentes nas telas de Sterenberg, apenas menciono as duas mais importantes, de forma a compreender a sua arte. Primeiro “El Greco” (1541-1614) e Alex Katz (1927); do primeiro adquiriu o dramatismo, o papel do teatro das cores e fundos, do segundo a importância maior da economia da forma, dando um papel adicional ao tema principal, processo esse a que muitos críticos chamam de síntese, e algo que tem sido visto como a principal tarefa da pintura contemporânea. Voltando à arte de Jacques Sterenberg, posso dizer que a sua pintura se desenvolve em dois planos; o primeiro plano é ocupado pelo modelo, desenhado em linhas simples, mas com o poder suficiente para revelar o seu carácter e intencionalidade ao observador. O segundo, é o plano de fundo que, à primeira vista parece sempre uma composição minimalista, mas após uma observação ao perto, 86


aparece como o elemento dramático mais forte, devido às cores, à sua harmonia ou contrastes, dando um dramatismo à composição. Sterenberg deixa as cores revelarem todas as emoções e sentimentos das suas pinturas. Assim, aquilo que no início parece ser uma arte simples e clara, numa segunda observação aparece como uma forma complexa, usada pelo artista para retratar fragmentos da vida, cheia de alegria e drama, sempre imperfeita e incompleta, como a própria vida. José Eduardo Silva (Director Geral)

Jacques Sterenberg

Cortesia: Jacques Sterenberg 87


Jacques St “A narrow path in

Óleo sobre tel Cortesia: Jacqu

88


terenberg n the mountains�

la,144 x 82 cm ues Sterenberg

89


Jacques Sterenberg (1960), nasceu no Chile e vive e trabalha em Lehavot Haviva, Israel FORMAÇÃO 1987 Mestrado em Artes Visuais pela Universidad de Chile, SantiagoChile. 1994 Computer Graphic Design, Maof College – Israel.1995 Paint & Colour, Application in the Industry. The Productivity Institute of Israel, Tel Aviv. 2001 Industrial Paintings, Tambour Industries. 2004 Printing Techniques, the Israeli Institute of Packaging and Design. PRÉMIOS E BOLSAS DE ESTUDO 1996 First prize. Postal Card Design. Tel Aviv - Israel. 1994 Scholarship, Jerusalem Post Foundation Jerusalem - Israel.1992 Art Project Fellowship.The American Women League Foundation. Israel.1991 Second Prize. Nunoa Cultural Institute. Santiago Chile.1990 Third Prize. Reifschneider Competition. Santiago Chile. 1989 Third Prize. Esucomex Competition. Santiago - Chile. EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS 2012 Midnight Light, Yad Lemaginim gallery, Yagur – Israel. 2011 Trece Art Gallery, Santiago – Chile. 2008 Open Space, Lehavot Haviva Studio - Israel. 2003 "Between fall and winter". Leonardo Gallery, Tel-Aviv – Israel. 2000 "Under the moon". Arta Galery, Tel Aviv - Israel. 1996 "People, Faces and Tiles..." Givat Haviva Gallery - Israel. 1994 "New Paintings" Artist House Gallery, Tel Aviv Israel. 1992 "NOW" City Gallery, Natanya - Israel. 1991 "Paintings" Instituto Cultural de Providencia. Santiago - Chile. 1990 "Somebody outside" Posada del Corregidor Gallery, Santiago - Chile. 1989 "Espacios Taquicardicos" Nocturna Gallery, Santiago Chile. 1988 "On the walls" Martin Bar. Santiago - Chile. 90


EXPOSIÇÕES COLECTIVAS SELECIONADAS 2014 Imagination 2014, Hapoalim Bank Headquarters, TLV. 2013 Light House Gallery, Jaffo Port – Israel. Urban Gallery, TLV – Israel. Petit Format, Maison du Chili – Paris. Frenkel Art Gallery TLV. Six Chilean Artists in Israel, Raziel Gallery ,Natanya. Fresh Paint 6, Art Fair, TLV. Bebelplatz, Berlin – Germany. Minus 3 Gallery, TLV. Kirial Ono Library. Sharett Gallery, Petach Tikva. 2012 Atelier Studio, Gallerina Gallery. Artium Gallery, Santiago – Chile. La Di A Qui Gallery , TLV – Israel. Art in Motion, Honda Show Room, TLV – Israel, Curator Bosmat Niron. Studio / Gallery Bosmat Niron, TLV – Israel. TLV Accessible Art Fair, Jaffo Museum – Israel. 2011 "Nude" Museum of Antiquities Tel Aviv / Jaffo. "The Protest" Central Bus Station Gallery, Tel Aviv. "Happiness" Heseg Foundation, Tel Aviv. Larger Than Life Association, Curator Reli Wasser. "Portrait.com" Central Bus Station Gallery - Tel Aviv. When South and North meet in the Center, Central Bus Station Gallery – TLV. 2010 Gefen Newspaper, Zichron Iakov – Israel. 1998 Studio 24 Gallery, Chelsea, New York - USA. 1997 Almogan Gallery, Rishpon - Israel. 1996 "Spot light in the city" International Convention Center, Jerusalem-Israel. 1995 Exodus Gallery, Jerusalem - Israel. 1994 City Gallery. Natanya - Israel. - Artists House Gallery, Tel Aviv, Israel. Israeli Contemporary Art, Budapest Museum Hungary. Israeli Contemporary Art, MGC Gradec, Zagreb – Croatia. Art Focus Project. Jerusalem -Israel. 1993 Anonymous Gallery, Tel Aviv-Israel. 1992 Hilton Hotel Gallery. Jerusalem – Israel. Natanya Teather, Natanya - Israel. Canadian Embassy, Santiago-Chile. Print Now. Cerrillos Park. Chile. 1991 Juvenalia. Retiro Park, Madrid-Spain. Tiempo de Arte , Las Condes Institute , Santiago- Chile. World trade Center, Amsterdam-Holland. 1990 Alguien que anda por ahi" Posada del Corregidor Gallery. Santiago Chile. 1989 Santiago un nombre para el arte , Fine Arts National Museum. IX International Biennial Art of Valparaiso. Chile. Holland Embassy in Chile, Stgo- Chile. FITAL, Talca - Chile. 1988 Chile Crea. 1987 "Grabados", La Fachada Gallery, Stgo-Chile. 1986 "Teinvitoaunanochedeamor", Bucci Gallery. Santiago Chile. 1985 Carmen Waugh Gallery, Santiago - Chile. 1984 Mulato Gil Square, Santiago - Chile. 1983 "Arte & Textos" Sur Gallery. Stgo Chile. 1982 Mapocho Cultural Center. Stgo – Chile.

Jacques_sterenberg@hotmail.com Sterenberg.webs.com 91


Jacques Sterenberg “Moonshadow”

Óleo sobre tela ,83 x 90 cm Cortesia: Jacques Sterenberg 92


Jacques Sterenberg “The nurse “

Óleo sobre tela,90 x 122 cm. Cortesia: Jacques Sterenberg 93


Jacques St “Poet’s Por

Óleo sobre tel Cortesia: Jacqu 94


terenberg rtrait, Lali�

la,90 x 62 cm. ues Sterenberg 95


Jacques St “Under

Óleo sobre te Cortesia: Jacqu 96


terenberg the sun�

ela,60 x 90 cm ues Sterenberg 97


Jacques St “Lovers, pain a

Óleo sobre tela Cortesia: Jacqu

98


terenberg and happiness�

a,130 x 160 cm. ues Sterenberg

99


“As Tochas De Prometeu. H 20 de Junho – 12

Kunsthau

O Kunsthaus Zürich apresenta duas posições artísticas, que exemplificam como o mito de Prometeu foi adaptado e reinterpretado entre 1770 até à actualidade. A exposição “As Tochas de Pormeteu. Henry Fuseli and Javier Téllez” combina cinco obras da era moderna com a arte cinematográfica. Para Henry Fuseli (1741-1825), a figura acorrentada de Prometeu, cuja iconografia remonta à Grécia Antiga, era a personificação, por excelência, do artista moderno. A manipulação subjectiva e altamente expressiva de Fuseli da figura, começou com um jogo de anatomia: os “desenhos de cinco pontos”, em que as posições da cabeça, mãos e pés foram ditadas por cinco pontos colocados, aleatoriamente, sobre uma folha de papel. Os seus esboços e pinturas foram um apelo à criatividade ilimitada do ser humano moderno, mas não evitaram os perigos inerentes ao desejo de emancipação. No mito, Prometeu é punido por roubar o fogo dos deuses. Está acorrentado a uma rocha no Cáucaso, onde todos os dias uma águia é enviada por Zeus para se alimentar do seu fígado. Finalmente, após muitas gerações, é libertado por Héracles. Como mais um castigo, os deuses enviaram Pandora para habitar na Terra e trazer miséria para a raça humana.

100


Henry Fuseli e Javier Téllez” de Outubro, 2014

us Zürich

Henry Fuseli (1741-1825) Bound Nude Figure, 1770-71

(Desenho) Grafite, aguada, 14 x 20.5 cm Kunsthaus Zürich, Coleção de Gravuras e Desenhos. 101


O FOGO LIBERTADO DE PROMETEU Prometeu era venerado em todo o mundo antigo. Era admirado pelo vigor da sua oposição à força bruta e à autoridade estabelecida. Esta mensagem é tão relevante hoje, como sempre foi. Uma vez aceso, o fogo de Prometeu é quase impossível de controlar. A Europa levou mais de um século para aproveitar o dinamismo inebriante da Revolução Industrial e transformá-lo em benefício próprio. Na Grécia Antiga, quando foi tomada a decisão de realizar os Jogos Olímpicos, de quatro em quatro anos, em honra de Zeus, o fogo foi aceso com uma tocha comemorando a mesma de Prometeu. Neste dia, a chama olímpica é acesa em Atenas e, em seguida, enviada numa viagem para todo o mundo, lembrando o acto de emancipação deste herói da Antiguidade.

102


Henry Fuseli (1741-1825) Two Male Nudes, 1770-1778

(Desenho) Carv達o, 26.9 x 15.7/18.8 cm Kunsthaus Z端rich, Cole巽達o de Gravuras e Desenhos 103


Henry Fuseli (1741-1825) Esboço para a pintura de ‘Heracles Slaying the Eagle of Prometheus’, 1781 Pena com tinta castanha sobre grafite e aguarela, 29.8 x 39 cm Kunsthaus Zürich, Coleção de Gravuras e Desenhos. 104


Henry Fuseli (1741-1825) Heracles Slaying the Eagle of Prometheus, 1781-85 (Hesiod, Theogony, 21-534) Óleo sobre tela, 63.6 x 76.5 cm Kunsthaus Zürich, doação de Gustav Zumsteg 1998 105


IDEAIS ARIANAS E ARTE DEGENERADA Nos séculos XIX e XX, artistas como Gustave Moreau, Arnold Böcklin, Max Klinger, Constantin Brancusi, Jacques Lipchitz, Barnett Newman e Tim Rollins inspiraram-se na luz e escuridão da lenda de Prometeu. Uma das obras mais marcantes da arte contemporânea a lidar com este tema, foi criada em 2011: a instalação cinematográfica de grande escala “Rotações (Prometeu e Zwitter)” de Javier Téllez (nascido em 1969), que serve como uma “janela” na exposição, que o curador Mirjam Varadinis está a criar para esta estrela venezuelana, em Outubro, no Kunsthaus.

106


Henry Fuseli (1741-1825) Prometheus, 1770-71

(Desenho) Pena com tinta castanha, parcialmente sobre lรกpis, aguada cinza acastanhada, 15 x 22.2 cm Kunstmuseum Basel, Departamento de Gravuras e Desenhos. 107


Javier Téllez Rotations (Prometheus and Zwitter), 2011

Instalação de película com dois projectores de filme de 35mm, filme a cores, sem som, 7 min. Cortesia de Peter Kilchmann, Zurich, Foto: Thomas Strub © Javier Téllez 108


“Rotações” mostra duas esculturas que giram em direções opostas: de um lado está o maciço ‘Prometeu’ criado pelo artista Nacional Socialista, Arno Breker (1900-1991) para o Ministério da Propaganda, em Berlim, em 1937, do outro está o trabalho frágil do artista ‘marginal’ Karl Genzel (nome real Karl Brendel, 18711925), intitulado “Zwitter” (“Hermafrodita”) de 1920. Genzel foi um dos artistas debatidos em detalhe pelo psiquiatra Prinzhorn no seu célebre trabalho ‘Bildnerei der Geisteskranken’( Artistry dos Doentes Mentais III, 1922). Na sua cela de uma instituição, Genzel oscilava entre a produtividade sem limites, explosões de raiva, experiências alucinatórias e um desejo de libertação por um lado, e a inércia e resignação, por outro. Quer “Prometeu” e “Zwitter” foram exibidos em 1937, em Munique, como parte das duas exposições que foram, indiscutivelmente, as mais controversas do século XX: De Breker proclamou os ideais arianos da ideologia nazi no ‘Grosse Deutsche Kunstausstellung’ (Grande Exposição de Arte Alemã) , enquanto que Karl Genzel , com a pequena escultura em madeira, com seus órgãos genitais sobredimensionados, era tido como um exemplo da patologização das vanguardas europeias, na exposição “Arte Degenerada”. Esta exposição concentra, num pequeno espaço, todas as contradições inerentes na recepção histórica da criação deste mito antigo, o seu dinamismo ameaçador e as esperanças que suscita. A exposição tem a curadoria de Bernhard von Waldkirch e Mirjam Varadinis Kunsthaus Zürich Heimplatz 1, 8001 Zürich, Switzerland 109


PHILIPPE CHARLES JACQUET 3 de Maio – 1 Junho, 2014 Axelle Fine Arts Galerie

A AXELLE FINE ARTS GALERIE tem a honra de apresentar uma exposição individual dos novos trabalhos do artista Francês, PHILIPPE CHARLES JACQUET. Ao longo dos anos, Jacquet fez várias exposições individuais na Axelle, com enorme sucesso. Nesta Primavera, regressa com uma nova coleção de trabalhos. O estilo notável de Jacquet é definido pela sua atenção incrível aos detalhes, ao uso magnifico de cores crepusculares e, principalmente, à sua criação magistral do surreal e de mundos etéreos. Expôs em mostras individuais e colectivas, em toda a França. De forma notável, ganhou o primeiro prémio na Exposição de Artes Plásticas em Melun.

110


Philippe Charles Jacquet Avant Depart

Óleo sobre cartão, 31.5” x 31.5” Cortesia: Axelle Fine Arts Galerie 111


As pinturas evocativas de Jacquet são uma combinação perfeita de fantasia e realidade. As suas composições, fortemente inspiradas pela costa e estuários da Bretanha, registam profundamente o subconsciente. A sua terra e paisagens marinhas apresentam, muitas vezes, uma única pessoa ambígua, cuja pequena dimensão é enfatizada pela vastidão do mundo circundante. Esta pequenez cria, não só um senso de admiração incrível, como uma enorme sensação de isolamento e solidão. O enorme espaço tem um grande potencial, à espera de ser descoberto e, ao mesmo tempo, há um vazio pungente e uma separação do resto do mundo. Cabe ao espectador equilibrar estes dois sentimentos em conflito.

112


Philippe Charles Jacquet La Recreation

Óleo sobre cartão, 47” x 47” Cortesia: Axelle Fine Arts Galerie 113


Philippe Cha Un vi

Ă“leo sobre car Cortesia: Axelle F 114


arles Jacquet illage

rtão, 47” x 47” Fine Arts Galerie 115


Philippe Cha Le Kh

Ă“leo sobre cart Cortesia: Axelle F 116


arles Jacquet harkov

tão, 35.5” x 48” Fine Arts Galerie 117


Nascido em Paris em 1957, Jacquet foi treinado como um arquitecto na Ecole Nationale Supérieure des Arts Décoratifs. Depois de 20 anos a exercer arquitetura, em 2000 decidiu dedicar-se, exclusivamente, à pintura. A sua técnica de pintura é totalmente autodidata. O nível de precisão e detalhe das suas pinturas revelam o seu conhecimento de arquitectura, enquanto a atmosfera incorporada nas suas pinturas é uma manifestação completa da sua própria imaginação. Actualmente, Jacquet vive e trabalha em Pantin, subúrbio de Paris, onde dirigiu um salão de exposição durante dez anos, até começar a concentrar todos os seus esforços na sua arte.

Axelle Fine Arts Galerie 91 Newbury Street Boston, MA 02116 118


Philippe Charles Jacquet Le Retour

Óleo sobre cartão, 31.5” x 31.5” Cortesia: Axelle Fine Arts Galerie 119


DESTAQUE Vienna, Austria

Paris, France

Vienna, Austria

Baden-Baden, Germany

Danse Macabre – Egger-Lienz and The War 7 March - 9 June 2014 Lower Belvedere/Orangery Rennweg 6 1030 Vienna

JR March 1–June 29, 2014 Museum Frieder Burder Lichtentaler Allee 8S, Baden-Baden

Toronto, Canada

Cologne, Germany

Francis Bacon and Henry Moore; Terror April 5 – July 20, 2014 Gallery of Ontario 317 Dundas Street West Toronto, Ontario

Aitor Ortiz “Noumena” 11 April – 7 June, 2014 Galerie Stefan Röpke St. Apern-Straße 17-21 50667 Cologne

Erstein, France

Frankfurt, Germany

Anthony Caro. Masterpieces from the Würth Collection February 7, 2014 – January 4, 2015 Musée Würth France Rue Georges Besse F-67150 Erstein

Esprit Montmartre, Bohemian Life in Paris Around 1900 February 7 – June 1, 2014 Schirn Kunsthalle Frankfurt Römerberg 60311 Frankfurt

Eric Fischl Friends, Lovers and Other Constellations 13 February 2014 - 18 May 2014 Albertina Albertinaplatz 1 1010 Vienna

Pierre et Gilles: Selected Works April 10 – May 31, 2014 Galerie Daniel Templon 30 Rue Beaubourg 75003 Paris

120


ES DE MAIO Hamburg, Germany

Venice, Italy

Feurbach’s Muses – Lagerfeld’s Models February 21 – June 15,2014 Hamburger Kunsthalle Glockengießerwall 20095 Hamburg

Leger 1910-1930- A vision of the contemporary city

Hamburg, Germany

Lisbon, Portugal

Transformation of The World -The Romantic Arabesque March 21 – June 15, 2014 Hamburger Kunsthalle Glockengießerwall D-20095 Hamburg

Os Czares e o Oriente (The Tzars and the East) 28 Fev - 18 Mai 2014 Av. de Berna, 45A / 1067-001 Lisboa

Rome, Italy

Bilbao, Spain

Simon Hantaï February 12 – May 11, 2014 Académie de France à Rome - Villa Medici Viale Trinità dei Monti, 1 00187 Roma

Ernesto Neto: the body that carries me February 14, 2014 – May 18, 2014 Guggenheim Museum Bilbao Avenida Abandoibarra, 2 48009 Bilbao

Venice, Italy

Madrid, Spain

Irving Penn: Resonance April 13 – December 31, 2014 Palazzo Grassi Campo San Samuele 3231, 30124 Venice

Josef Albers: Minimal Means, Maximum Effect March 8, July 6, 2014 Fundación Juan March Castelló, 77 28006 Madrid

February 8 - June 2, 2014 Fondazione Musei Civici di Venezia (Museo Correr) Piazza San Marco 52 30124 Venezia

121


DESTAQUE Madrid, Spain

Riehen/Basel, Switzerland

Madrid, Spain

Zürich, Switzerland

Rubens. The Triumph of The Eucharist7 25 March – 29 June, 2014 Museo Nacional Del Prado Calle Ruiz de Alarcón 23 Madrid 28014

The Torches of Prometheus. Henry Fuseli e Javier Téllez June 20 – October 12, 2014 Kunsthaus Zürich Heimplatz 1, 8001 Zürich

Madrid, Spain

Zürich, Switzerland

Pontormo. Dibujos February 12 - May 11,2014 Fundación Mapfre Paseo de Recoletos 23, 28004 Madrid

‘From Matisse to Der Blaue Reiter/ The Blue Rider’. Expressionism in Germany and France’ February 7 - May11, 2014 Kunsthaus Zürich Heimplatz, 1 Zürich

Basel, Switzerland

London, UK

The Surprised Masks: James Ensor February 16 - May 25, 2014 Kunstmuseum Basel St. Alban-Graben 16 4010 Basel

Erró: 60 Years of Collages April 2 – May 30, 2014 The Mayor Gallery 21 Cork Street London, W1S 3LZ

CÉZANNE site/non-site February 4 - May 18, 2014 Museo Thyssen Bornemisza Paseo del Prado 8 2014 Madrid

Odilon Redon February 2 - May 18, 2014 Fondation Beyeler Baselstrasse 101 CH-4125 Riehen / Basel

122


ES DE MAIO London, UK

London, UK

Bailey’s Stardust February 6 – June 1, 2014 National Portrait Gallery St Martin’s Place, London, WC2H 0HE

Richard Hamilton

London, UK

Boston, USA

Henri Matisse: The Cut-Outs April 18 – August 10, 2014 Tate Modern Bankside, London SE1 9TG

Philippe Charles Jacquet May 3 – June 1, 2014 Axelle Fine Arts Galerie 91 Newbury Street Boston, MA 02116

London, UK

Florida, USA

Veronese: Magnificence in Renaissance Venice 19 March – 15 June 2014 The National Gallery Trafalgar Square London, WC2N 5DN

Spirit of Cobra November 8, 2013 – May 18, 2014 NSU Museum of Art Fort Lauderdale One East Las Olas Boulevard Fort Lauderdale, FL 33301

London, UK

Los Angeles, Ca, USA

Afshin Pirhashemi: Seduction 10 April - 24 May 2014 Ayyam Gallery 143 New Bond Street 1st Floor, W1S 2TP, London

Jason Shawn Alexander: No Good at Exits April 5 – May 24, 2014 101/Exhibit, Santa Monica BLVD 6205 Santa Monica BLVD Los Angeles, CA

February 13 – May 26, 2014 Tate Modern Bankside, London SE1 9TG

123


DESTAQUE Los Angeles, Ca, USA

New York, USA

Los Angeles, Ca, USA

New York, USA

Tea and Morphine: Women in Paris, 1880 to 1914 January 26 – May 18, 2014 Hammer Museum 10899 Wilshire Blvd Los Angeles, CA 90024

Masterpieces & Curiosities: Diane Arbus’s Jewish Giant April 11 – August 3, 2014 The Jewish Museum 1109 5th Ave at 92nd St New York, NY 10128

New Jersey, USA

New York, USA

Edvard Munch: Symbolism in Print February 8 – June 8, 2014 Princeton University Art Museum Princeton, NJ 08544

François Bard - Contre-Nuit May 1 – May 31, 2014 Bertrand Delacroix Gallery 535 W. 25th Street, NY 10001

New York, USA

New York, USA

Alex Ito: The Home of Tao Hsiao April 19–May 31, 2014 Art in General 79 Walker St, New York NY 10013

Charles James: Beyond Fashion May 8–August 10, 2014 The Metropolitan Museum of Art 1000 Fifth Avenue New York, NY 10028-0198

Calder and Abstraction: From Avant-Garde to Iconic. November 24, 2013 – July 27, 2014 Los Angeles County Museum of Art 5905 Wilshire Blvd, Los Angeles, CA 90036

Ai Weiwei: According to What? April 18 – August 10, 2014 Brooklyn Museum of Art 200 Eastern Parkway Brooklyn, New York

124


ES DE MAIO New York, USA

San Francisco, CA, USA

Visions and Nightmares: Four Centuries of Spanish Drawings January 17 through May 11, 2014 The Morgan Library & Museum 225 Madison Ave, New York, NY 10016

Romare Bearden, Storyteller April 3 - June 21, 2014 JenkinsJohnson Gallery 464 Sutter Street San Francisco, CA

New York, USA The Passions of Jean-Baptiste Carpeaux March 10-May 26, 2014 Metropolitan Museum of Art 1000 Fifth Avenue New York, New York 10028-0198

Philadelphia, USA Arts and Cultures of The Joseon Dinasty, 1392 – 1910 March 2 - May 26, 2014 Philadelphia Museum of Art 2600 Benjamin Franklin Parkway Philadelphia, PA 19130 215-763-8100

San Francisco, CA, USA Vivian Maier: Out of the Shadows February 6 – May 17, 2014 The Scott Nichols Gallery 49 Geary Street, Fourth Floor San Francisco, CA 94108

125


Maio, 2014

126


Line & Stylish Art Magazine nr9 Maio