Page 1


Lagamar Patrim么nio Cultural e Natural


Sumário

Introdução

7

Características da Região Estudada

8

Capítulo 01 – Patrimônio de Iguape

11

Capítulo 02 – Patrimônio de Cananéia

31

Capítulo 03 – Patrimônio de Ilha do Cardoso

57

Conclusão

96

Créditos

98


Introdução

Os alunos do 7º ano A fizeram entrevistas, filmagens, observações, pesquisas e fotografias para entenderem e conhecerem melhor os patrimônios da região do Lagamar, ou seja, trabalhos de investigação. Patrimônio é um bem material ou imaterial que possui um valor simbólico. Há diversos patrimônios, entre eles, cultural, ambiental e histórico. Esses patrimônios estão presentes em todos os lugares, como em Cananéia, Iguape e Ilha do Cardoso, a região do Lagamar, onde visitamos. Essa região engloba diversos aspectos como o linguístico, pois os habitantes têm variedade em suas falas; histórico pela história da cidade, pois Cananéia foi a primeira vila do Brasil; biológico pois na Ilha do Cardoso existe grande biodiversidade, e é um dos poucos lugares que preservam os cinco ecossistemas: Manguezal, Mata de Encosta, Praia, Costão Rochoso e Restinga. As casas de Cananéia são um aspecto matemático, pois sua arquitetura está relacionada à geometria, como o fato de algumas casas serem simétricas; a principal atividade econômica praticada pelos habitantes da região do Lagamar é a pesca, esse é um aspecto econômico. O objetivo desse livro é registrar os resultados e conclusões obtidas no Vale do Ribeira. E, passando de geração para geração, preservamos uma cultura que, no futuro, pode ser extinta, mas estará registrada por meio desse livro. Em cada ecossistema, fizemos várias pesquisas dirigidas para observar adaptações e relações entre os seres vivos, também vendo a densidade populacional e a biodiversidade de todos os ecossistemas. Nós também realizamos entrevistas com pessoas relacionadas com o tema escolhido, e dentre elas, fizemos filmagens, gravações e tiramos fotos. Todas as disciplinas têm o mesmo objetivo nesse Estudo do Meio, que é buscar responder a pergunta “Por que preservar?”, mesmo sendo matérias muito diferentes, no final chegam à mesma resposta, porém de pontos de vistas diferentes. Este livro está estruturado de acordo com os lugares que visitamos: Iguape, Ilha do Cardoso e Cananéia.

7


Características da região estudada

Localização

8


Aspectos Físicos Clima predominante Subtropical úmido

O clima Subtropical úmido acontece do trópico de Capricórnio: abrange o sul do estado de São Paulo, a maior parte do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e o extremo sul de Mato Grosso do Sul. Recebe influência da massa polar atlântica, que determina a temperatura média de 18°C e a amplitude térmica elevada (10°C). As chuvas são pouco intensas, 1000mm/ano, mas bem distribuídas durante o ano. Há geadas com frequência e eventuais nevadas. Apresenta estações do ano bem marcadas. O verão é muito quente, podendo ultrapassar os 30°C de temperatura. O inverno é muito frio, com temperatura inferior a 0°C. Primavera e outono têm temperatura média entre 12°C e 18°C.Os pontos mais altos do planalto onde cai neve durante vários dias nos anos de inverno mais rigoroso são os municípios de São Francisco de Paula (RS), São Joaquim (SC) e Palmas (PR). http://conceitosetemas.blogspot.com/2009/03/classificacoes-dos-climas-do-brasil.html

Relevo O relevo predominante e o das planícies e terras baixas costeiras que se caracterizam por formar uma longa e estreita faixa litorânea, que vai desde o Amapá até o Rio Grande do Sul. Em alguns pontos dessa extensão, o planalto avança em direção ao mar e interrompe a faixa de planície. Aparecem, nesses pontos, falésias, que são barreiras à beira-mar resultantes da erosão marinha. http://conceitosetemas.blogspot.com/2009/03/classificacoes-do-relevo-do-brasil.html 9


Patrim么nio de Iguape


Iguape A pequena cidade de Iguape situada no litoral de São Paulo nem sempre foi como hoje. Antigamente a cidade se destacava na economia com a grande exploração de ouro, que era enviado para a Europa. Porém, com as descobertas de minas ricas em ouro em outras regiões, a cidade foi “esquecida”, já que os olhares estavam neste centro do Brasil que hoje é chamado de Minas Gerais. Iguape, no início era palco de disputas entre Espanhóis e Portugueses, para ver quem ficava com a posse dessas terras. Portugal venceu, mesmo assim, alguns espanhóis continuaram a morar na cidade, assim influenciando nas características dessa pequena cidade. Hoje em dia, Iguape é uma cidade considerada pobre. Encontramos nela uma igreja, as casas possuem arquitetura colonial, caracterizada pela eira, beira e tribeira. Tem indícios da história, como suas ruas estrategicamente feitas para conseguir identificar os visitantes. No verão, os hotéis e pousadas lotam, a cidade lucra. No inverno existe a Festa do Bom Jesus, onde a cidade também lucra. Mesmo sendo considerada uma cidade pobre, Iguape tem uma marca histórica e religiosa em seu povo. Maria Luíza Gouveia, Isadora Noronha, Maria Luíza Flório

Valo Grande O Valo Grande foi construído a pedido de Dom Pedro II no século XIX, para facilitar o transporte de mercadorias até porto que por sua vez iriam ser levadas para o continente europeu. Após a construção houve alguns problemas: por conta da água do rio estar em um relevo mais alto e descer para um mais baixo, causava erosão pela força d’água ser muito violenta. Isso aumentou sua largura: seu tamanho inicial era de 2km de extensão e 4m de largura, e atualmente seu tamanho é de 2km de extensão e 200m de largura. Outro problema foi o assoreamento do Estuário Lagamar, pois depositavam as terras retiradas das margens nas planícies o que fez o porto ser desativado. A barragem do Valo Grande foi construída para controlar a quantidade de água, evitando alagamentos. O Valo Grande pode ser considerado uma fronteira l, por conta de dividir a cidade de Iguape em duas partes: a mais pobre e a menos pobre. Bruna Monteiro, Felipe Ioschpe, Gabriel Freire, Maria Luiza Gouveia, Clara Cortez, Gabriela Hawat, Stéfani Morcillo, Stéfani M. 13


Morro do Espia O Morro do Espia esta localizado a 80m acima do nível do mar. Sua vegetação é a mata de encosta e gramíneas e esta localizado na cidade de Iguape. Antigamente, era utilizado para avistar barcos inimigos (invasores). Hoje em dia é utilizado para o turismo, pesquisas, e religião. Do morro pode-se avistar a parte urbana de Iguape, a Ilha Comprida, o Estuário Lagamar do Mar Pequeno, o Valo Grande e ao longe a Ilha de Cananéia e a Ilha do Cardoso.

14


Desenhos de observação - Morro do Espia

Stéfani Morcillo


Sandy Loane


Religiosidade Apresentação

O secretário de cultura de Iguape Carlos Alberto Pereira nasceu em Iguape, e ama a cidade. Desde pequeno, mesmo não sendo religioso, Carlos era fascinado por santos e rezas, como as procissões que ele brincava com os amigos quando era criança. Ele nos conta que a Festa do Bom Jesus é o maior evento da cidade, e acontece desde que encontraram a imagem do santo, a festa é uns dos eventos que as pessoas de lá mais gostam, eles começam a organizar a festa desde o começo do ano, contribui muito para cidade em aspectos econômicos. Dentro da Basílica de Iguape, Carlos nos contou muito sobre a cidade e sobre a festa do Bom Jesus. Nós vamos explicar aqui sobre a religiosidade da cidade de Iguape, a religiosidade está muito presente na história da cidade de Iguape, a cidade

começou com o nome de Filipéia de Nossa Senhora das Neves devido a um homem que estava sendo atacado por piratas e no seu navio havia uma imagem de Nossa Senhora das Neves e ao vencer a batalha ele dedicou essa a vitória á Nossa Senhora das Neves. A cidade, apesar de ter uma forte influência religiosa, também é uma cidade muito histórica, assim como a sua “vizinha”, Cananéia.

17


“Gosto do clima de história” Carlos fala da importância da Festa e de como ela comove Iguape Carlos Alberto Pereira nasceu em Iguape, e ama a cidade. Desde pequeno, mesmo não sendo religioso, Carlos era fascinado por santos e rezas, como as procissões. Ele nos conta que a Festa do Bom Jesus é o maior evento da cidade, e acontece desde sempre. Carlos é secretário de cultura de Iguape, e organiza essa Festa. Dentro da Basílica de Iguape, Carlos foi entrevistado por nós tranquilamente, nos contando tudo sobre Iguape.

Carlos fala da importância da Festa e de como ela comove Iguape Carlos Alberto Pereira nasceu em Iguape, e ama a cidade. Desde pequeno, mesmo não sendo religioso, Carlos era fascinado por santos e rezas, como as procissões. Ele nos conta que a Festa do Bom Jesus é o maior evento da cidade, e acontece desde sempre. Carlos é secretário de cultura de Iguape, e organiza essa Festa. Dentro da Basílica de Iguape, Carlos foi entrevistado por nós tranquilamente, nos contando tudo sobre Iguape. Há quanto tempo você mora em Iguape? Como é pra você viver aqui? Ta, Felipe, eu nasci aqui em Iguape. Desde que nasci eu moro aqui em Iguape. Eu adoro morar nesse lugar. É, é, o meu trabalho, o que eu estudei, a minha família, me proporcionou possibilidades incríveis de viajar, conhecer outros lugares, de, de passar temporadas, já estudei em Curitiba, morei lá. É, o tempo que eu estudava, mas sempre com a ideia de voltar para cá e de alguma forma contribuir com esse lugar, né, que eu curti muito, sempre. Gosto do “clima de história” que rola no ar aqui, dessa tranquilidade de viver num lugar que não tem trânsito, que não tem violência, é, então tudo que rola aqui me chama bastante atenção. Por isso eu moro aqui. A festa contribui, ela é boa para a cidade no modo cultural e econômico? Por quê? Então, eu acho que, como tudo na vida da gente, existem aspectos positivos e aspectos negativos que envolvem essa história, né. Eu acho que a festa tem mais aspectos positivos do que negativos, por isso que eu acho que ela contribui de alguma forma pra cidade. Primeiro contribui no que diz respeito à manutenção da religiosidade, contribui no que diz respeito à manutenção da cultura tradicional, porque, afinal de contas, ta falando de uma festa que tem mais de 350 anos, né então isso mostra que a cultura tradicional ainda, ainda é viva, é forte, né, ainda se sustenta. E tem também os aspectos econômicos que envolvem tudo isso, né, então é, é... São criados muitos empregos temporários durante o período da festa. Tem a questão também da, da, do comércio local, os hotéis lotam, as pousadas, os restaurantes, então, isso também dá um, dá uma movimentação na cidade e acontece exatamente numa temporada que não estaria acontecendo nada, que é o inverno. E a gente tem um fluxo turístico muito grande aqui no verão, né, e aí, essa festa acontece exatamente no inverno, então também ajuda bastante economicamente a cidade. Acho que ela tem

mais aspectos positivos do que negativos nesse processo. Contribui na questão cultura e na questão econômica, porque você reafirma todos os anos, algo que faz parte da vida do iguapense, isso é muito importante, todos os iguapenses conhecem as músicas, a cultura. É importante, inclusive as características culturais. E a escola, ela ensina sobre religião também? Escola é um problema quando se fala de religião, então o grande barato é esse, e a questão da religiosidade, e falar da Fé do Bom Jesus. O que eles aprendem na escola é a questão da história, cultural, não professar a Fé propriamente dita. Eu não concordo com esse tipo de ação, na prefeitura, o trabalho que fazem em sala de aula é reafirmar a questão cultural da festa do Bom Jesus e como isso reflete na vida das pessoas, mas a questão religiosa é de cada um, e dentro de casa, cada um escolhe a sua questão e toca para frente. Você é muito religioso? O que a festa significa pra você? Ah, não sou muito religioso, na verdade (risos). Não sou a pessoa mais religiosa do mundo, assim, mas a festa representa... É engraçado, assim, aqui em Iguape a gente tem a vida muito ligada a isso que acontece aqui. É, por exemplo, as minhas brincadeiras de infância, eu morava do lado da igreja, né, então as nossas brincadeiras de infância, a gente se reunia na casa de um amigo enquanto todos os outros lugares normais do mundo, vocês brincam das coisas mais normais, a gente brincava de procissão (risos). Quem são as crianças, no mundo, que brincam de procissão? Né, a gente brincava de procissão porque era muito encantador pra gente ver as procissões, várias procissões que saem aqui da basílica durante o ano, na páscoa, durante a festa do Divino, então são muitas as procissões, durante a festa do Bom Jesus. E a gente via aqueles Santos saindo todos floridos e tal... Então a gente reproduzia isso em casa e as nossas brincadeiras estavam muito ligadas a isso. Mas, mas isso tem uma importância muito, muito fundamental pra uma cidade que quer preservar suas características, que quer preservar o seu jeito de ser diferenciado, e mesmo não sendo tão religioso assim, não sou de frequentar missa e tudo o mais, mas a festa do Bom Jesus sempre me pareceu um momento muito especial pra cidade, eu gosto muito do Bom Jesus. Nos momentos de desespero, eu geralmente... a gente dá uma passadinha aqui na Igreja, tomara que, que ele esqueça os momentos que a gente não veio (risos). Mas não sou uma pessoa muito religiosa não. 18


O que você faz na época da festa? O que você geralmente faz? Trabalho pra caramba! Trabalho pra caramba! Na verdade, o meu departamento que eu dirijo na prefeitura é o de cultura e turismo, né, e... E ele está diretamente ligado à festa do Bom Jesus. Não só da festa do Bom Jesus como dos outros eventos que acontecem aqui, como o carnaval, o verão, os Revelamos de São Paulo, festa do Divino, é... Festival da Língua e Expressão Musical, o Drama da Paixão, todas essas atividades, o Festival de Teatro, todas essas atividades que a gente faz durante todo o ano, o meu departamento é diretamente ligado. Então durante a festa eu trabalho pra caramba! É do meu departamento que sai em grande parte das decisões que, que envolvem a festa do Bom Jesus. Você conhece, é amigo de alguém de Iguape que seja imigrante de espanhol ou descendente? De espanhóis? De espanhóis... Não tenho... Assim, não lembro. Tem alguns descendentes de italianos, a minha família é de descendência portuguesa, minha avó é “portuguesona” e tal, mas de espanhóis não me lembro diretamente Você acha que o povo de Iguape gosta da festa? Ah, eu acho que sim, acho que sim... (não tem que mudar nada? – eu disse) não, tem que mudar muita coisa! Tudo tem que mudar, sempre, né. A gente... A festa, ela vai acontecendo, e, e no decorrer desses acontecimentos, no decorrer dessas festas, a gente vai, a gente vai sempre vendo onde a festa pode melhorar, onde ta complicado, então a gente sempre tem que estar mudando algum aspecto, mudando alguma coisa. Primeiro pra gente manter viva, a festa. (é, tem que mudar às vezes – eu disse)... Exatamente. E segundo pra gente também manter a organização, os problemas diferenciados vão aparecendo e a gente tem que estar sempre ligado pra isso acontecer. Né, então, é uma dinâmica interessante que depende muito das coisas que acontecem, mas ela muda. Você sabe como a festa começou? Quando foi a primeira vez que a comemoraram? Então, na verdade... A imagem do Bom Jesus, ela foi encontrada em 1647, né. Desde a época em que ela foi encontrada até os dias de hoje, a fama de imagem milagreira, assim... Foi se espalhando. E a festa, ela já começou logo nos primeiros anos de achado. Então a gente ta falando de uma festa de 350 anos ou um pouco mais. Então é uma festa bastante antiga, e... E ela remonta mais ou menos dessa época aí, ta? Século XVII. O que é a festa para você? Por que você acha que existe tanta comemoração? Como assim? A festa do Bom Jesus? (é – eu disse) Ah, acho que a festa do Bom Jesus é um momento de celebração religiosa que as pessoas têm todo o direito do mundo de fazer, né. (para comemorar... a religião mesmo? – eu disse)... .

Exatamente, eu acho, eu acho que religião e religiosidade são duas coisas distintas, assim. A religião é... É aquela que se subdivide, em que o homem ta muito presente nela, né. Mas a religiosidade não, né, é aquela que transcende todo o espaço físico e que faz a gente ter um momento de ligação com o Sagrado, assim... Independente de que formato né. Algumas pessoas.... É como aqui em Iguape, por exemplo, tem várias religiões, (mas todo mundo comemora a festa, aqui em Iguape? – eu disse) A festa? Não. Se você “pegar” os evangélicos, por exemplo, eles não participam desse processo. Eles têm um outro jeito de se conectar com o Sagrado. É, é... Se você “pegar” os adeptos do, do espiritismo, ou do candomblé, e outras mil denominações que a gente encontra por aí, né, cada uma tem o seu jeito de professar a fé. A festa do Bom Jesus está mais ligada às tradições religiosas da Igreja católica, que é a Igreja predominante aqui na cidade. Mas... E que tem um alcance muito grande. É muito impressionante a gente ver a quantidade de gente que participa da festa e que se envolve. Então essa festa não é só para religiosidade? A religiosidade na verdade é, é uma vertente desse processo né e ela é o que move tudo isso né, mas eu acho que tem questões que estão em volta disso que é a questão cultural, que é a questão econômica e que é a . questão histórica, que permeia todo esse processo e que também tem seu reflexo. E qual o papel da Secretária de Iguape? A gente faz toda a produção, tudo o que acontece da porta da igreja pra fora, de alguma forma, o departamento de cultura e turismo está envolvido e o departamento de obras e serviços urbanos que é o que dá o aparato para toda a infraestrutura turística da festa: desde auxiliar a Igreja na escolha da imagem gráfica que vai representar a festa naquele ano, até organizar o trânsito, entrada e saída das imagens durante as procissões, que são os momentos mais delicados que envolvem muita gente, e a parte comercial da festa. Você acredita que a festa irá durar? Você acha que algum dia irá acabar, ou será passada de geração em geração? “Cara”, eu acho que não acaba nunca. É impressionante como só aumenta, como só cresce, eu acho que essa necessidade do ser humano de, de se conectar com o Sagrado e de, de buscar uma vida melhor ou de estar diretamente, só professando a sua fé, acho que isso é uma necessidade que o ser humano tem que... E que pra, pra mudar, acho que depende de um processo muito, muito, muito, MUITO longo, né. Então eu acho que hoje a festa chegou aonde chegou, a fama do Bom Jesus chegou aonde chegou e tudo o mais, e isso é um aspecto muito importante da cultura nacional, né, a gente esta falando de um país basicamente católico que é o Brasil, e de uma cidade muito católica, que é Iguape. Então eu não vejo possibilidades de acabar. Acho que a gente tem que aperfeiçoar cada vez mais. (é, por que pode mudar, talvez, o jeito – eu disse) Exatamente, exatamente 19


Conclusão O Secretário Carlos Alberto Pereira nos diz que a fama do Bom Jesus, de sua festa, contribuiu muito pra cidade e “é um aspecto muito importante para a cultura nacional (o patrimônio nacional).” Então, podemos afirmar que a Festa do Bom Jesus seja um patrimônio muito importante para o Brasil. Há muitos anos atrás, a imagem do Bom Jesus apareceu na praia e encantou todos. Desde então se comemora a Festa. Ela é muito sagrada, já que nosso país é praticamente católico, a imagem de Jesus é muito importante, então a Festa também deve ser. A religiosidade tem uma relação muito forte com tudo isso, pois o que atrai e envolve mais os turistas é a imagem da Nossa Senhora Das Neves e do Senhor Bom Jesus De Iguape, que são a atração da festa. A Festa do Bom Jesus em Iguape faz a cidade lucrar todo ano. O impacto de turistas também acontece na época da Festa, já que a cidade lota completamente, e é a época mais lucrativa no ano. Como no verão não existe quase nenhuma atração que atraia os turistas, o calor e as praias perto de Iguape acabam trazendo turistas de todo o Brasil, ajudando a cidade economicamente. Percebemos que a forma de vida em Iguape é muito mais simples do que a dos moradores em São Paulo. As casas são antigas e não existem prédios. Iguape tem 30.000 habitantes, já São Paulo tem 15.000.000.000 (praticamente). As construções são separadas e a arquitetura tem um “quê” de Portuguesa. Assim como o Pão de Açúcar no Rio de Janeiro, lá existe o Morro do Espia, e também tem um Cristo. Existe somente uma Igreja, bem bonita e antiga e sagrada para todos. Os moradores são muito religiosos (a maioria). Diferente de São Paulo, a cidade é pequena e existem várias árvores, natureza e poucas obras, construções.

20


Fotomontagens

21


22


23


24


25


26


27


28


Cena de Iguape

Renata Torelli – 7th grade B- 2011


Patrim么nio de Canan茅ia


32


Entrevista Pesca e turismo A influência do turismo e da pesca em Cananéia

A cidade de Cananéia foi uma das primeiras vilas da região. A cidade tem sua arquitetura muito antiga e é semelhante à arquitetura dos Europeus (colonizaram a cidade). É considerado um patrimônio histórico por conta disso relatado acima. Muitas casas de Cananéia são e foram tombadas pelo Condephaat, com o objetivo de preservá-las. Nessa entrevista iremos conversar com dois moradores de Cananéia que contam o impacto do turismo no modo de vida deles, as mudanças na economia após a transformação da Ilha do Cardoso

em Parque Estadual, as diferenças culturais e aqueles que vivem do turismo. Eles também contam sobre suas vidas de pescadores (um hoje e outro antigamente) em Cananéia.

33


Além da cultura caiçara Entrevistamos o pescador Naor Honorato que vive em Cananéia, e nos conta um pouco sobre sua vida de pescador. Esse texto irá explicar sobre a vida de um caiçara comum e típico de Cananéia contendo táticas, costumes e um pouco da cultura e do estilo de vida caiçara.

a ser guia turístico e investir mais nesse tipo de embarcação que possa fazer esse tipo de pescaria

Como começou a pescar e por quê? Eu comecei a pescar por falta de opção, por falta de estudo , por que era muito fraco eu só fiz ate a quarta serie , eu teria que ir para Paranaguá que são 40 quilômetros , na época meu pai não tinha condições de bancar ai eu passei a trabalhar com ele

Como hoje em dia tem muito mais população do que antes isso afetou a pesca de Cananéia, como? A pesca de Cananéia eu acredito que não, porque 80 % dos barcos do Brasil inteiro vem pescar aqui em Cananéia , o pessoal diz que é grande quantidade de barco tudo ajuda , é muita exploração. Eu acredito que a poluição afetou muito a pesca hoje em dia. Quando não tem exportação de soja e milho, meu pai pesca bem.

Qual o tipo de turista que visita Cananéia? Eu acredito que é as pessoas que gostam de cidade antiga, quem gosta de fazer pesca esportiva, quem gosta de ficar na ilha do Marujo, da ilha do Cardoso, de acampar, desse tipo de turista que visita Cananéia.

O senhor aprendeu técnicas de pesca com os caiçaras? Meu pai era caiçara, aprendi com ele.

Quais pontos da cidade deveriam ser mais valorizados Depende do turista que vem para visitar Cananéia, eu acho que devia existir mais investimento na área de levar esse pessoal para Maruja, que tem muita gente que vai pra lá , mais pousadas e eu acho que é isso . O que você acha que Cananéia precisa para se desenvolver na área de pesca , nos ´pontos turísticos e pousadas ? Aqui em Cananéia tem uma empresa de pesca que chama Miami só ela comanda aqui, eu acho que deviam existir mais empresas de pesca aqui em Cananéia, mais como a pesca vive caindo muito aqui o pessoal ta desistindo da pesca profissional. A pessoal ta investindo muito na pesca esportiva que é o pessoal que vem de outras regiões do Brasil, e a pesca esportiva não agridem tanto o meio ambiente. Os caras pegam 20 kg de peixe e fica feliz, nos pescamos 7 toneladas e não ficamos felizes, hoje em dia 7 toneladas é só pra pagar despesas de filhos, de rancho , de óleo . Eu acho que deveria investir em pesca esportiva, porque é uma área muito rica em peixes de pedra, tem todos esses rios que da para levar os turistas, eu acho que devia ser investido nessa área.

As técnicas dos nativos são as mesmas dos caiçaras? São as mesmas, só alguns caiçaras são mais espertos e criam algumas técnicas melhores, porem alguns usam a mesma técnica a quarenta anos , cinquenta anos . Como se diz que alguns pescadores pararam de pescar, você vai fazer o mesmo que eles? Eu vou trabalhar até agosto e depois vou parar, eu queria que meu filho aprendesse, eu tenho um filho de 19 anos , porque eu acredito que daqui uns anos não haverá mais pesca como outras profissões que existiram e ninguém se lembra delas .

O que é ser caiçara? Ser caiçara é nascer aqui, conhecer o lugar, é sofrer porque não tem infra estrutura para nada, ser caiçara é matar um leão a cada dia. A cidade tem suporte para hospedar turistas com aconchego? Não tenho muita noção disso. Você acha que o governo deveria fazer uma reserva para procriar os camarões e peixes, ou o senhor acha que esta boa desse jeito? A reserva já existe só que esses três meses têm que parar a pesca para o camarão se reproduzir. Eu acho que o governo tinha que ensinar o caiçara.

34


“Se não fosse o turismo...” Robson José da Cunha conta um pouco sobre como é ser morador de Cananéia e de seu trabalho

Robson José da Cunha é morador de Cananéia, mas nasceu no Paraná, Guaraqueçaba no dia 9 de Abril de 1976. Vive do turismo (mestre de barco), mas antigamente era pescador.

Você saberia dizer que classe social visita Cananéia a passeio? Você acha que isso interfere no turismo? Classe social média, Ajuda, porque a gente também vive disso. Sobrevive disso, se não fosse isso o turismo... E começa por ai, vem a classe média, ai começa a vir a classe mais alta eu acho, mas no momento tá ajudando, porque se não fosse isso a gente também não trabalharia. Então é por ai que a gente tá começando

a trabalhar assim.

Que ponto turístico é mais visitado? Aqui nessa região a Ilha do Cardoso. Fica aqui no Perequê. O ponto turístico mais visitado é aqui na Ilha do Cardoso e chama praia do Perequê.. Quais são as comemorações ou festa mais importantes de Cananéia? Isso incentiva o turismo? Sim... Tem uma festa do mês de agosto, que é a festa da cidade, que é dia 12 de agosto começa dia 12 e vai até dia 15 de agosto. E essa comemoração é bem divulgada. E a festa da tainha agora, a festa do mar, na verdade, que é em junho. A festa do mar que atrai mais turista. Até beneficia agente. Chegam aqui e com isso agente também ganha, que eles saem passear de barco

A pesca contribuiu para a economia de Cananéia? Sim, a gente vive aqui da pesca e do turismo né? Antigamente na verdade, não era menor seria melhor ainda do que hoje antigamente era mais pesca e mais pescadores que vivia bem, antigamente era só pesca aqui. Daí começou a diminuir a pesca muitos barcos grandes, que viam aqui nas costas, os pequenos já podia né? Estava perdendo lugares né? Estava difícil trabalhar. Ai o que acontece os pequenos já começaram a desistir da pesca né? e ai os grandes invadiram aqui na costa né? Onde os pequenos trabalhavam. Ai o que aconteceu o povo começou a desistir, a renda começou a ficar fraca né? Começou a diminuir ai começam a botar o turismo né? Começaram a trabalhar um pouco no turismo ai ficou dividido, assim agora um pouco vive da pesca e outro pouco vive do turismo.

35


Na cidade a situação econômica financeira é boa ou ruim? Do modo geral, é, até boa. Tem uns dois ou três aqui que são empresários, estão bem. Classe media e a maioria é baixa. Não é aquela coisa. Meia dúzia são classe media então o resto já são bem baixa, que vive mais da pesca mesmo. A maioria vive mais da pesca.

Você pode falar um pouco do que você acha de Cananéia? Ah... Cananéia é uma cidade calma. Na verdade sossegada de se viver, é uma, é uma cidade que não é economicamente falando, não é financeiramente falando não é muita, é renda baixa. Só que é uma cidade boa, pra viver é uma cidade boa. Como a gente quer para gente está legal.

Conclusão Em Cananéia as principais atividades econômicas são a pesca e o turismo. Percebemos que de alguma forma a pesca influenciou na vida das nossas pessoas entrevistadas, pois a pesca foi proibida e eles pescavam na ilha do Cardoso. Muitas pessoas tiveram que mudar de profissão e seguir a vida com outras atividades econômicas como o Robson (entrevistado), porém o Naor (entrevistado) conseguiu superar as dificuldades e sempre ser pescador (irá se aposentar em breve). Os entrevistados acham que a Ilha do Cardoso ter se transformado em parque alterou na vida deles, pois antes eles podiam pescar, caçar, e morar na ilha do Cardoso. Eles tiveram que sair da Ilha e a maioria foi morar em Cananéia.

36


Vista do mar com barcos

Naor

Naor

Robson

Praça

Praça CananéiaVista do mar com barcos Gigante da ilha do Cardoso Religião de Cananéia Praça Entrevista: Grupo B24 (Robson) Grupo B4 (Naor) 1-Entevistado 1 2-Entrevistado 2

Gigante da Olha do Cardoso

Stéfani e Robson 37


Praça Cananéia

Renata Torelli


Cananéia tiene plazas muy bellas Roberto Scaff, José Pedro de Mello, e Gabriel Piccirillo

Era una plaza muy bella Y muy alegre, con muchas personas y muchos árboles. Hay dos cañones, entre ellos hay un monumento, alrededor de la plaza hay comercio. Las casas son coloridas y muy bellas. Las casas tienen un piso y no se puede reformar. Roberto Scaff

39


La plaza feliz Manoela Ambrosio, Gabriela Hawat, Ma. Luiza Gouveia, Bruna Monteiro, e Clara Cortez

Era una plaza muy bonita, antigua. HabĂ­a una iglesia Muy armoniosa Y grande, con ĂĄrboles y arbustos en que varias personas andaban en bicicleta, con bancos que varias personas se sientan para descansar. Hay patrimonios

que eran muy interesantes Y antiguos. Ma. Luiza Gouveia

40


Nuestra plaza Sandy Tokuda, Marina Bechara, Gabriel Barreto e Lucas Gonzalez

Fuimos a una plaza muy antigua, muy divertida. con un piso de damero tiene un cañón y varios monumentos. también hay una iglesia,

Marina Bechara

que de fuerte servía, y alrededor de la plaza casitas igualitas, todas muy juntitas y coloriditas. la mayoría "tombada", para la historia de la plaza ser guardada. Allá no hay mucho verde, pero es un lugar agradable y aun así tenemos que preservarla. Sandy

41


Henrique

Maria Luiza Florio

Isadora Noronha

Victor Lopes 42


Arquitetura de Cananéia e São Paulo A arquitetura de Cananéia está presente em meu bairro? Eu vi a Matemática nos meus estudos quando...

“eu fui tirar as fotos de casas simétricas e não simétricas, quando reparei em quantas duas águas tem cada casa, quando medi quantos lanços, lancinhos, taipas e braças tem o alinhamento de minha casa, quando vi a arquitetura da Casa dos Bandeirantes e quando vi o alinhamento de minha rua” (Clara Cortez, 7B)

Foto: Felipe Ioschpe,

“eu reparei que a Matemática está presente em tudo, pois se repararmos tudo tem uma medida, uma forma, um espaço ocupado, etc. Uma das coisas que reparei nos meus estudos foi que o telhado de duas águas forma um

triângulo”. (Felipe Coser, 7B) “quando medi a fachada da minha casa, quando eu tirei as fotos das construções e observei a forma delas e quando eu vi a lista dos monumentos tombados.”(Renata, 7B) Foto: Stéfani

“quando eu via as janelas das casas se elas eram quadrangulares, triangulares ou circulares. Quanto media as fachadas de algumas residências se uma residência tinha a fachada simétrica ou não.”(Gabriel Ayres, 7B)

Foto: Mabel

43


Com essa pergunta, tivemos que abrir os olhos para perceber a Matemática no nosso cotidiano, ou seja, uma Matemática que extrapola os muros da escola e se insere dentro de nossa casa, nosso bairro, nossa cidade, enfim, nosso universo. Desenvolver a habilidade de observação não é uma tarefa simples. Ela requer que fiquemos atentos a tudo e a todos os detalhes que nos rodeiam. Nossos estudos sobre a Arquitetura de Cananéia começaram quando lemos um texto que relata como as casas foram construídas no centro histórico de Cananéia. Curiosidades foram muitas. Nos deparamos com medidas de comprimento e de área que nunca havíamos visto antes em nossos estudos. Destacamos: taipa de pilão, braça, légua, braça quadrada, alqueire paulista, lanço e lancinho. Vimos e estabelecemos relações com o nosso sistema métrico de medidas de comprimento e de área. Quem já imaginou observar o telhado de uma casa e verificar se é um telhado de “duas águas”? Pois bem, nós aprendemos e observamos que muitas casas em

Cananéia e em São Paulo possuem esse formato de telhado.

Foto: Gabriel Piccirillo

Foto: Gabriel Piccirillo

Telhado de duas águas – SP

Telhado de duas águas – SP

Em Cananéia vimos que as construções são feitas sobre o alinhamento da rua, porém, em São Paulo, no nosso bairro pudemos constatar que algumas são feitas sobre o alinhamento de rua e outras não. Afinal, o que significa ‘construções sobre o alinhamento de rua’?

Concluímos, após as nossas observações que são construções em que a frente da casa (porta e janelas) se encontra diretamente na calçada.

44


Ao refletirmos sobre ‘quais implicações das construções que são feitas sobre o alinhamento de rua’, percebemos que... “as implicações são que pedestres não podem passar pela calçada, não há lugar para as caçambas de lixo e nem para as árvores. O alinhamento dificulta a passagem.” (Felipe Ioschpe,) “as implicações são que as portas e as janelas estão viradas diretamente para a rua dando menos privacidade e proteção para os moradores.” (Clara Cortez, 7B) “tem pouca segurança, pode ocorrer alagamentos...” (Stéfani,)

Foto: Isadora B. Noronha

Foto: Gabriel Piccirillo

Foto: Felipe Ioschpe

E a simetria? Muitas fachadas das construções são feitas de forma simétrica. Em Cananéia e em nosso bairro pudemos perceber que há fachadas que são simétricas e outras não. Não conseguimos descobrir o porquê dessa diferença, mas temos uma hipótese: trata-se de um padrão estético.

Foto: Clara Cortez

Foto: Lorenzo Fasano

Foto: Clara Cortez

45


Casas em Cananéia com estrutura simétrica

Foto: Stéfani

Foto: Stéfani

Foto: Isadora B. Noronha

Efetuamos muitas medições. Tivemos que medir a fachada de uma residência em Cananéia e a nossa residência, para verificar as relações entre braças, lanço e lancinho. “a fachada da minha casa tem 40 m. Esse número não representa um múltiplo de 2,2 m. Minha residência tem aproximadamente 18,18 braças. Equivale a aproximadamente 1 lanço, pois o resultado da medida é mais próximo de 1 lanço”. (Bruna Monteiro) “a fachada da minha casa tem 10 metros e equivale a 4,54 braças. Não equivale nem a um lanço e nem a um lancinho”. (Lorenzo Fasano) Muitas construções de Cananéia são tombadas pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado) e percebemos que em nossa cidade há várias edificações que também são ‘tombadas’. Ao estudarmos os porquês desses tombamentos, vimos que o que mais se destaca é o fato da importância histórica e arquitetônica para a nossa cidade. Com os ‘tombamentos’ podemos resgatar um pouco a memória e a história de nossa cidade e de nossas famílias. É como viajar no tempo. Foto: Manuela Ambrósio

Por fim, entre simetrias e telhados de duas águas... ... o que aprendemos muito foi olhar e perceber uma série de conceitos que estudamos na sala de aula

presentes em Cananéia e em nosso bairro. Observar as construções que estão presentes em nosso bairro, nos fez ver como, muitas vezes, não percebemos detalhes que estão presentes nos livros e sequer fazíamos relação com a nossa realidade. Foto: Clara Cortez

Fotos: Felipe Ioschpe 46


“O Pagamento era o Fandango”

Autores: Felipe Coser, Gabriel Barreto, Gabriel Piccirillo, Isadora Noronha , João Paulo Coelho, José Garrido, Mabel Cordani, Manoela Ambrósio e Marcello Nahas 47


Apresentação da Temática O Fandango é um estilo musical tradicional de Cananéia que antigamente era comum na Ilha do Cardoso. Eles tocavam na Ilha sempre depois do mutirão (trabalho realizado em grupo), mas hoje, com a transformação em parque estadual a tradição foi quase esquecida. Hoje em dia eles não ganham dinheiro só por apresentação, eles ganham dinheiro

vendendo

seus

próprios

instrumentos

que

produzem.

Seus

instrumentos são feitos de madeira, e são de boa qualidade. No grupo Esperança (todos os integrantes) são da cultura caiçara. Eles contam história da cultura caiçara e de suas apresentações mais marcantes.


Porque preservar o Fandango?. O estilo musical Fandango, precisa ser preservado, pois essa cultura está se perdendo. Entrevistamos um dos integrantes do grupo Esperança, João Firmino, que toca rabeca no grupo ‘Esperança’. E esse grupo está tentando preservar essa tradição.

Como e onde surgiu o grupo ‘Esperança’?

contar pra gente antes da gente ir pra apresentação?

O grupo de fandango nosso surgiu através de um homem chamado

Ah! O fandango, depois que nós tudo crescemos, meu pai sempre fazia

limonada, que veio de São Paulo pra Cananéia, pedindo que formasse um

mutirão, e cavação de roça e plantação de milho, de arroz. De noite tinha o

jovem fandango. Então nós fomos tocar lá no Cardoso, e fizemos lá os

fandango, mais era muito bom, muito divertido de mais.

instrumentos. Você se importa de falar a idade do senhor? Quais fatores contribuíram para a criação desse grupo? Quem levou

Não, a minha idade é 69 anos.

vocês a se juntarem? Quem levou praticamente foi ele, ele esse tal de Limonada. Ele arrumou um barco pra nós, e fomos lá para a Ilha do Cardoso.

E o senhor ia com seu pai pra roça também? Ia, eu pescava de noite e de dia ia pra roça, plantar milho...

[Musica no violino (Hino Nacional)] E o senhor participou de muita festa de fandango? Desde quando o senhor toca esse instrumento? Ah! Esse aqui quando eu tinha já dezoito anos eu comecei a aprende, e

Sim, quando tinha mutirão nós voávamos no mutirão também, junto com a rapaziada.

tocava o (nome de alguma musica). Lá na escola primeiro que a gente aprende é o hino nacional.

Eu gostaria de saber do que é feito isso (aponta para a corda da rabeca)?

E o senhor aprendeu sozinho ou alguém ensinou o senhor?

Isso aqui é uma linha, isso aqui é linha 0,25, é de plástico, antigamente

Sim, sozinho e de ouvido daí a música ficou gravada na minha cabeça.

fazia com a crina de cavalo, vinha uns fiozinhos, empacotava um aqui, um aqui, amarrava, e hoje nós fizemos já de plástico que dura e o rabo de

E tem mais alguma coisa que o senhor aprendeu assim sozinho?

cavalo não, num tantinho estoura, é muito prático.

Ah! Tem, ave Maria, Maria do divino, vou tocar um pouquinho. Então essa é uma nova técnica? [João Firmino toca a Ave Maria na rabeca com desenvoltura]

É. Esse fomos nós que criamos. Muito bom, então obrigada!

Muito bom seu João, tem mais alguma coisa que o senhor queira

De nada.

contar pra nós, mais alguma coisa que o senhor acha que é bacana 49


“O Pagamento era o Fandango” Dois integrantes do grupo fandango contam para a gente um pouco da cultura caiçara. Os músicos Beto Pereira e Joaquim Pires são dois integrantes do grupo de fandango “Esperança”, que resgatou esta tradição da cultura caiçara da Ilha do Cardoso. A entrevista foi feita no hotel Coqueiros, Cananéia, hotel de hospedagem do 7º ano da escola Lourenço Castanho. Joaquim nasceu na Ilha do Cardoso, viveu a cultura caiçara e a conta um pouco para nós.

1.Depois de tanto tempo, como vocês preservam o Fandango?

.E é composto por 6 integrantes. Ah, durante as apresentações eles usam

O Fandango é uma cultura de Cananéia e caiçara, aqui do vale do ribeira, e

uma roupa bem bonita, né para que as daminhas e os cavalheiro fiquem

nós preservamos com diversas apresentações. Antes era com o mutirão, o

bem arrumados.

trabalho e depois teve o proibi mento do trabalho, da roça. Todo mundo junto, o mutirão, né, o mutirão, e o pagamento era o fandango, a gente

4.Que tipo de local são realizadas as apresentações?

dançava, fazia fandango, dançava a noite, à noite toda, tinha comida,

Realizamos o Fandango eh, nas pousadas, graças a Deus e aos turistas.

bebida, tudo, por conta do trabalho, e o pagamento era o Fandango. E agora nós preservamos essa cultura fazendo apresentações pra vocês.

5.Houve transformações no Fandango através do tempo? 2.Como você explica essa tradição e para você qual era a importância do Fandango? Pra mim a importância do fandango é que eu nasci no meio do fandango, no meio da cultura do fandango. Os meus pais trabalhavam na lavoura, na roça, plantavam horta, e eles não podiam fazer o trabalho sozinho, então

Sim, sim, houve bastante, bastante transformações, porque o Fandango era muitíssimo importante. Com o tempo foram modernizando né, e com o

surgimento do teclado e das sanfonas e as coisas modernas o Fandango desapareceu do mapa. Mas em 2000 e 2001, os professores e monitores começaram a fazer oficinas de Fandango, o que fez com que ele ressurgisse e hoje até discos foram gravados.

eles reuniam vinte, trinta, quarenta pessoa pra faze o trabalho do dia, faze uma roça por exemplo. Uma roça é uma plantação. Então eles reuniam

6-Como é organizado o grupo em geral?

essas pessoa, trinta, quarenta pessoa pra faze a roça, pra planta a roça, e

O grupo em geral são 6 pessoas que tem que conhecer do instrumento.

o trabalho que era pra trinta pessoa, pra uma pessoa faze em trinta dias,

Quem toca viola, quem toca cavaquinho, quem toca rabeca, quem toca

trinta pessoas fazia num dia só. Então é isso que...Eu gosto disso por que

pandeiro, quem toca o instrumento, os 6 instrumentos, mas tem pessoas

eu lembro que meu pais faziam e hoje eu preservo a cultura do fandango,

dentro do grupo que tocam quase todos os instrumentos.

que era o pagamento do trabalho. E nós cultivamos essa cultura tocando, fazendo apresentação, né.

7-Qual a importância do fandango para a cultura caiçara? Praticamente a identidade do fandango é a cultura caiçara. Mas ele no

3.O que compõe o Fandango em relação aos instrumentos,

decorrer do tempo, sumiu. Hoje ele está renascendo outra vez.

vestimentas e, integrantes? O Fandango é composto por seis instrumentos que é 2 violas,1 rabeca,1 cavaquinho, 1 caixa de folia e 1 pandeiro

8-Os integrantes tem outras profissões? Se sim, quais por exemplo? Todos nós não vivemos do fandango, nós tocamos o fandango porque 50


gostamos, porque ele está no nosso sangue. Mas todos nós temos outras profissões. 9- O que deu a iniciativa do fandango para o grupo? A iniciativa, se deu de formas assim, vamo dizer assim, uma forma simples... essa forma simples foi a que deu a origem de a gente volta a toca. 10-Para que serve a caxeta? A caxeta quer falar sobre a caxeta? A caxeta serve para fazer instrumento. Tem muito utilidade, a madeira da caxeta é uma madeira muito útil para qualquer tipo de coisa... como já falo, para fazer látex, para fazer um estojinho, para guardar lápis, para diversos... Até o fosforo antigamente não sei se hoje ainda é. Antigamente o fósforo ficava numa caixinha tudo era... era feito com caxeta, é o fósforo que ficava numa caixinha era feita com caxeta. (tamanco) Acho que até hoje ainda é feito. Era feito, usado no tamanco, o que o povo caiçara um povo simples, pobre da roça eles não tinham sapato, eles num usavam sapato, calçado. Então o que eles usavam, usavam tamanco, eles pegavam a caxeta, fabricavam ela faziam que nem uma sola de sapato bem feitinho e pegavam a pele de animal, couro de animal… pele de animal, e cobria e fazia um tamanco, chamava tamanco, não era sapato não era tamanco. Então ele usava aquilo diariamente, em casa, nas festas eles iam nas festas, nos sítios onde eles moravam, ia ninguém de sapato ia todo mundo de tamanco. Tamanco era muito usado naquela época, a noite também pa anda dentro de casa todo mundo andava de tamanco. Então essa madeira, caxeta era muito própria pra essas coisas, era usada em toda essa coisas. E ela é a primeira madeira pra pra pra que o instrumento seje fabricado por ela, (caxeta), caxeta. A viola feita de caxeta são as melhores viola (instrumento feito de caxeta assim em geral) , menos esses moderno assim, feito na fabrica de fora. Isso aqui não é caxeta isso aqui é outro tipo de madeira, mais essa dai é feita de caxeta, só que é envernizado, muda a cor, é envernizado mais a madeira é caxeta. Curiosidades: E para que servem os tamancos pro grupo assim, pras músicas? Então, vários tamancos aqui, a gente agora não pode fazer essa apresentação mais lá na onde a gente vai depois, que eles levam a gente lá até pode apresentar vocêis um pouquinho que é a moda batida, moda

rufada, porque o fandango antigamente eu falei pra vocês que pagava o trabalho do dia o fandango era com moda bailado que diziam e depois o rufado, rufado sabe o que é, é bater, (bate o pé, fazer ritmo) moda batida, então eles batiam na mão e o assoalho também era dessa mesma madeira, era táboa, então eles fazia um som muito bonito, som muito grande, por isso que é fandango, fandango é a uma dança barulhenta, (fandango chama) dança barulhenta, por que? Porque era dançada com tamanco também, e as dama acompanhavam, o pessoal que batiam e as dama dançavam em volta (no exterior e em volta?) então era usado também no fandango nesse sentido, inclusive trouxe isso aqui pra apresenta pra vocês. (Muito obrigado por tudo ai) A gente, a gente agradece também (muito obrigada) Porque é muito gratificante a gente pode depois ta em casa, lembra que fomos entrevistados por um jovem que é rico em sabedoria, uma jovenzinha também muito rica em sabedoria, isso é muito bom (vocês também ricos em cultura ne?) E essa… só que você imagina, eu com meus 58 anos, que tenho já, ah… se não fosse vocês não tava aqui não. Pode ter certeza que pela minha cidade, negativo, então a gente tem que agradecer logicamente primeiro a deus, mas vocês são a peça mais importante, os professores, os monitores, esses são os mais importantes, senão eu não taria aqui. Não tem como, porque a cultura nossa aqui, é muito bonito falar em cultura, muito bonito fara em falar em fandango e é gostos e é gratificante, faz bem pra alma, muito bem, porque… foi coisas que veio do princípio, do princípio (começaram lá né), do princípio veio, você veja que a origem dele, a origem do fandango não é nem brasileiro segundo quem estudou, eu não tive tempo de estudar, ele atravessa sobre a Espanha e vem do sul da Espanha, ele vem do sul da Espanha, com a certeza ele deve ter vindo no navio negreiro (a cultura lá dos africanos…trouxeram pra cá) e depois ele foi se modernizando e aí entrou (cultura caiçara) na cultura caiçara, pode ter certeza que essas coisas, com…isso dai também e também poderia ser até para amenizar o sofrimento dos negro, né? Que sofriam feito uns condenado lá, que tinham a casa deles lá separado, quem sabe naquela época de sofrimento o fandango já num era alguma coisa pra melhora aquela dor terrível onde amarravam os negro noo tronco e surravam, batiam até matá…podia ser que e a inveja do branco, daquela época, podia ser que o preto podia tocá o fandango, mais o branco talvez não soubesse, (é não sabia direito ), talvez não soubesse, essas coisas pode ter acontecido, pode ter acontecido mais isso (ninguém sabe) ninguém sabe, porque ele veio dentro do navio, isso é certeza, inclusive existe a demanda que o…o…os paranaense acha que o fandango desceu no porto de Paranaguá e nós achamo que o fandango desceu no porto de 51


Paranaí (e começou a se espalhar aqui no seu litoral) exatamente ele começou a se espalhar, mas há muitos e muitos anos atrás, porque ele veio co primeiro povo, co primeiro povo, seje o preto, seje o branco, de qualquer jeito ele veio, mas provavelmente ele tem alguma coisa a ver com a cultura africana, pode ter certeza (você pode me dizer…). Vocês sabem direito se só aqui tem o fandango ou em outro lugar também tem? Tem, tem lugar que tem, tem Paranaguá, ah, tem Iguape, né, depois disso acaba, num tem. Paranaguá é o máximo. Há oitenta anos, tinha um navio de guerra que apareceu em Cananéia, um dos primero navio de guerra que apareceu em Cananéia, encostado aqui no... Aqui na beira mar trouxe tanto constrangimento que dois compades que vieram ali, naquela data pra faze alguma coisa no cartório, um dos compades quase teve um desmaio, quando viu o navio, teve um desmaio. “Meu Deus compade, vamo embora por que já chego a força do mar”. E agora quando vi a força terrestre se encontra com Cananéia, eles imaginavam que por ser tão pequeno, Cananéia ficaria em cinza se as duas

forças se encontrassem, vê só. E como o povo era né, o povo era tão, tão simples que fico, fico com tanto medo que quase desmaio de medo. E aí o modista fez a música. Então os entrevistados Beto e Joaquim começam a tocar uma música de fandango relacionada com a história de Cananéia. E essa música esta contando desde o começo? Lógico. Então os navio chegaram e muitos insistiam no telegrafo, telegrafo era como se comunicavam, então segundo, dizem que esses navio vieram pra cá por que eles tinham, eles tinham que ir prum outro rumo, Em vez de ir prá Cananéia era pra ir pro Canadá, assim o cara que fez essa história diz, em vez de ir pro Canadá veio pra Cananéia. E num tinha nada a vê Cananéia e Canadá, nada a vê. Então mando um telegrama que desviou-se e veio pra Cananéia, mas chego na mão das forças armada, aí que houve o desengano, certo? Então divulgue o grupo Esperança pros seus amiguinhos, família, por que é muito importante pra gente.

52


Algumas considerações A cultura do Fandango é muito importante para o desenvolvimento cultural de Cananéia. As histórias contadas por esses fandangueiros nos mostram o quão importante é a preservação de uma cultura até então perdida. Esse grupo, Esperança, resgatou a tradição dos caiçaras e nos contou sua relação com o fandango

e o nativo da Ilha do Cardoso. Com a transformação da Ilha do Cardoso em parque estadual (PEIC) o povo caiçara teve muitas limitações para viver no litoral, como não caçar nem plantar. Com essa redução algumas tradições foram perdidas, como o Fandango, tipo de música tocada pelos caiçaras após um dia de trabalho, por exemplo, na agricultura, roça. Na cidade de Cananéia havia uma festa muito grande que eles tocavam e dançavam. As letras de suas músicas contam por meio da tradição oral a cultura do Fandango. maioria dos integrantes do grupo aprenderam a tocar seus instrumentos só de ouvido, sozinhos. Um integrante nos disse que eles mesmos que montam seus instrumentos e que eles são feitos da madeira cacheta, e nós tivemos o prazer de poder ouvir os fandangueiros tocarem. Hoje o grupo Esperança toca em pousadas, principalmente para turistas, sendo assim dependente do turismo. Conseguimos perceber o valor inestimável da cultura caiçara, seu modo de vida, como um patrimônio do Lagamar.

53


Fandango

The man is playing the guitar and singing too. He lives in Cananeia and he plays fandango. He is making a presentation for

the

students of

Lourenรงo Castanho. He has a group that does a lot of presentations for people to know more about the culture of caiรงaras.

54


These are musicians. They play a music genre called Fandango. It’s a different kind of music, but it was really famous in the past. Although the musicians are not so young, they have CDs, and still sing and play in places in CananÊia.

Felipe Ioschpe - 2011


Patrim么nio da Ilha do Cardoso


Os caiçaras Ilha do Cardoso A ilha do Cardoso é um dos poucos lugares onde ainda existe vegetação e biodiversidade litorânea preservada. É uma área plana e alagada onde há uma variedade enorme de ecossistemas como: manguezal, costão rochoso, mata de encosta, restinga e praia. A ilha do Cardoso que era antes um lugar “livre” que se transformou em PEIC, ou seja, Parque Estadual da Ilha do Cardoso, porque tinham em mente preservar a biodiversidade, vegetação e tudo relacionado a natureza. Os Moradores da ilha são denominados caiçaras, e hoje eles são uma das peças mais importantes na preservação da ilha, apesar de serem poucos os que ainda vivem nessa área. Os caiçaras vivem sem mordomia, com o mínimo necessário para sua sobrevivência e suas atividades econômicas atuais são: pesca e turismo. Os turistas (a maioria pesquisadores) vão para conhecer a ilha e pesquisar sobre a biodiversidade do local, e claro, para conhecer a cultura caiçara, que por sinal está acabando. A preservação do parque é importante, porém, fez com que “acabasse” com a cultura caiçara existente na ilha. Os que ainda vivem na ilha, após sua transformação em parque, vivem em função de épocas em que a ilha é mais visitada, e do pouco que o governo oferece a eles, se oferece alguma coisa. Ao longo do ano os moradores “se viram” como podem, poucos com base no turismo criando na ilha um único restaurante, que é a base econômica de muitos moradores, outros pescam para comer e para vender na cidade próxima, Cananéia, e alguns vão trabalhar cedo na cidade, voltam tarde, com pequenos barcos

Caiçara A Ilha do Cardoso é habitada pelos nativos os caiçaras. Após a transformação da ilha em parque estadual, a vida do caiçara mudou completamente, pois tiveram que abandonar suas casas. Antes de a ilha ser transformada em parque os caiçaras pescavam, faziam roças, mutirão, fandango e caçavam, tinham técnicas de armadilhas e grandes redes para a pesca. Também viviam em simples habitações feitas de madeira.

59


Depoimento do Sr. Romeu antigo morador da Ilha Os moradores ribeirinhos da região Lagamar, costumam ser denominados caiçaras. Os caiçaras são aqueles que se vivem e se alimentam da pesca. Ser caiçara é ser: humilde, ouvir as pessoas, respeitar, ser “dianio”, e ter uma educação de berço. Esse povo, vivia de acordo com o que a ilha oferecia á eles, pode-se considerar uma troca, eles protegiam a área, e a área oferecia o necessário para a sobrevivência daqueles povos. Quando a ilha se tornou parque os caiçaras tiveram que abandonar seu habitat natural, com a promessa feita pelo governo de “começar” a vida deles em outro local, como se hoje no Brasil alguma promessa do governo fosse cumprida. Então eles foram morar na cidade, porém, eles não sabiam nem ler, nem escrever, o que fariam da vida? A minoria resistiu e lutou por seus direitos na ilha, a maioria foi jogada na cidade. Sem dinheiro para comprar comida ou construir seu cantinho .Foram morar nas margens do rio, como sem teto. Muitos morreram. Em uma de nossas visitas a ilha, conhecemos e conversamos com um desses caiçaras que fora “jogado” na cidade próxima, quando ainda era criança, olha o que eles nos conta: Romeu: “Não era necessário tirar todo pessoal local daqui. Simplesmente, se eles ditassem as regras: vocês vão ter que fazer isso, assim, assim ... assim né? E todo mundo seguiria. Tanto é que as pessoas que moram hoje aqui, que existem as comunidades, essa comunidade que tem aqui, por exemplo, a comunidade do Itacuruçá, o pessoal não saiu daqui. Então eles permaneceram aqui, e algumas outras comunidades que existem também aqui na ilha, que são sete comunidades em torno da ilha toda; e tem comunidades que tem 150 indivíduos, é assim um número até expressivo para isso, eles conseguiram ficar na ilha”

Atividades econômicas Os moradores da ilha tem como principal atividade econômica a pesca, alguns vão trabalhar na cidade, outros vivem com a pesca na própria ilha. Para a pesca os caiçaras utilizam técnicas deixadas por seus antepassados, que o ajudam na hora de pescar. Uma delas é o famoso cerco, uma armadilha, feita por eles próprios que o ajudam, tanto na hora de conseguir peixes, como na hora de tirar os peixes da água. Alguns moradores, vivem em função do turismo, eles tem um único restaurante que recebe turistas (pesquisadores) que vem e ficam hospedado por dias na ilha conhecendo um pouco desse “pedacinho” de Brasil que nos restou.

Papel do Turismo O turismo é essencial para vida na Ilha. É ele que sustenta grande parte da Ilha. Existem os dois lados do turismo, o lado bom, é que eles ajudam na economia de muitos moradores, e também descobrem cada vez mais diversas biodiversidades e coisas diferentes na mata que lá temos. O lado ruim é que para que todos os turistas serem recebidos é necessário um grande esforço dos moradores, pois eles tendem levar o lixo da ilha até a cidade, com seus próprios barcos. E muitos turistas acabam poluindo a ilha, jogando latas, arrancando plantas entre outras coisas que não devem, e nem podem ser tiradas de devidos locais. Muitos moradores dependem do turismo para sobreviver, alguns por serem guias turísticos, outros por terem um restaurante que é aonde todos comem quando visitam a ilha. Por tanto, se todos os turistas que conhecem a ilha tiverem uma consciência do poder que exercem, a ilha seria um lugar aberto e com somente lados positivos

60


Tradição oral Preservação linguística? É possível preservar uma variedade linguística? É necessário preservar?

Será que o caiçarês ainda existirá daqui a alguns anos?

A Ilha do Cardoso é um parque de preservação ambiental do litoral sul paulista, quase na divisa com o estado do Paraná. Nessa região, existe uma variedade linguística que só é falada lá, e que, infelizmente, muitos desconhecem, porque está se extinguindo.

Ao visitar a região do Lagamar, estamos visitando um patrimônio histórico e cultural. Segundo o dicionário Houaiss, patrimônio é um bem ou conjunto de bens naturais ou culturais de importância reconhecida num determinado lugar, região, país ou mesmo para a humanidade, que passa(m) por um processo de tombamento para que seja(m) protegido(s) e preservado(s). Mas, hoje, a cultura caiçara está desaparecendo. Com a criação do PEIC, Parque Estadual da Ilha do Cardoso, os caiçaras foram obrigados a sair da ilha e tiveram que abandonar muitos de seus hábitos, crenças e principalmente suas atividades econômicas. Os termos caiçaras são, obviamente, usados pelo povo caiçara, que são fruto de uma miscigenação entre índios e europeus. Eles viviam na Ilha do Cardoso, onde caçavam, pescavam, praticavam a agricultura de subsistência e viviam “de bem” com a natureza. Depois que a ilha virou parque estadual, muitos caiçaras perderam sua cultura, fazendo com que o caiçarês, variedade linguística típica desse povo, entrasse

em extinção. As línguas estão em constante movimento, elas estão sempre mudando. Quando uma língua desaparece, às vezes, ela dá origem a novas línguas, como aconteceu com o latim. Todavia, os termos caiçaras, se desaparecerem não irão dar origem a outra língua: se essa variedade linguística desaparecer, nada restará do caiçarês. Por isso, devemos fazer registros, para que alguém, no futuro, possa retomar a variedade caiçara com sua riqueza cultural e linguística. Segundo o senhor Romeu Mário Rodrigues, caiçara e antigo morador da Ilha do Cardoso, fazer um dicionário ajudaria muito. Por isso, ele próprio criou um, que mostra palavras como “fuzilo”, “gasimbre” dentre muitos outros termos ligados à cultura caiçara e seus respectivos significados, relâmpago e camarão. A língua não é um bem tombado. Ela apresenta dinamismo, vive em constante mudança. Portanto, não é possível preservar uma língua, a não ser que preservemos o seu uso. Mas é possível deixarmos registros, como dicionários e gravações. Dessa forma, poderemos deixar para a posteridade toda a riqueza linguística de um povo ou de uma época, preservando sua memória. É o que esperamos que aconteça com a variedade linguística dos caiçaras.

62


Patrimônio cultural e linguístico do Lagamar A região da Ilha do Cardoso e a rica cultura caiçara O Lagamar abrange, dentre outras, as regiões de Iguape, Ilha do Cardoso, Cananeia e Ilha Comprida, onde uma rica cultura se destaca por seus costumes, crenças e variedade linguística: a cultura caiçara. Antigamente, os caiçaras viviam na Ilha do Cardoso, junto à natureza e sua principal atividade econômica era a pesca. Mas como o governo queria transformar a Ilha do Cardoso em área de proteção ambiental, foi criado o PEIC, Parque Estadual da Ilha do Cardoso, e os caiçaras foram mandados para Cananeia. Dessa

forma, os caiçaras tiveram que se adaptar a uma nova vida e arrumar empregos para atender suas necessidades básicas, deixando para trás suas atividades de pesca, caça, etc. Isso ocorreu com o senhor Romeu Mário Rodrigues, um caiçara, que conhecia muito a Ilha do Cardoso. O mesmo também aconteceu com Robson José da Cunha, que pescava na ilha e teve que seguir outra profissão, que acabou se tornando uma das principais da região, o turismo. “Se não fosse o turismo, a região estava estagnada economicamente”, explica Robson. Com todas essas transformações, o patrimônio cultural dos caiçaras foi quase perdido. Segundo o dicionário Houaiss, patrimônio é um bem ou conjunto de bens naturais ou culturais de importância reconhecida num determinado lugar, região, país ou mesmo para a humanidade, que passa(m) por um processo de tombamento para que seja(m) protegido(s) e preservado(s). Que a cultura caiçara é de importância reconhecida, não há dúvida, mas com tudo o que aconteceu na região, ela ficou seriamente ameaçada. Outro importante patrimônio caiçara é a sua variedade linguística, com termos muito peculiares tais como: Gala-gala (mistura de piche com breu), cuí (fome), malheiro (pequeno pedaço de pau com o qual se mede o tamanho da malha da rede), dentre outros que foram parar num dicionário caiçara. Quem o escreveu foi o senhor Romeu Mário Rodrigues (já citado acima), numa tentativa de preservar a “língua caiçara”. “O caiçarês está sendo cada vez menos utilizado, mas ex-moradores da ilha tentam preservá-lo com apresentações turísticas como o grupo Fandango e a Festa do Bom Jesus”, explica o senhor Romeu. Alguns caiçaras disseram que algumas pessoas acham estranha e engraçada a maneira deles falarem, mas afirmaram que nunca chegaram a ser tratados com deboche, embora tenham percebido um pouco de preconceito linguístico.

O que pudemos constatar é que o modo de falar dos caiçaras é diferente, mas não quer dizer que é errado, pois não há certo e errado em termos de comunicação linguística. Como as línguas estão em constante mudança, é impossível preservá-las. Mesmo que se tente preservar uma variedade linguística por meio de registros como o dicionário do senhor Romeu, isso não garante que o modo de falar vai continuar existindo. Infelizmente, o modo de vida caiçara e sua cultura, hoje, viraram apenas mais uma atração turística

63


A Biodiversidade da Ilha do Cardoso

64


Uma das etapas do trabalho realizado no Estudo do Meio foi a visita a uma Unidade de Conservação, o Parque Estadual da Ilha do Cardoso, onde realizamos observações e pesquisas sobre a biodiversidade encontrada nos diversos ecossistemas que visitamos. Para compreender com maior profundidade as características da biodiversidade na região, fizemos trabalhos de observação e pesquisa dirigida, buscando aprofundar os conhecimentos relacionados ao patrimônio Biológico da região para que pudéssemos refletir, organizar, interpretar os dados coletados e chegar a conclusões sobre a importância da preservação da Biodiversidade. O trabalho foi focado nos ecossistemas que visitamos nos dois dias em que fomos ao PEIC. – PRAIA, COSTÃO ROCHOSO, MANGUEZAL, RESTINGA e MATA DE ENCOSTA. Para cada ecossistema foram elaborados diversos tipos de procedimentos de pesquisa. Inicialmente, fizemos observações para caracterizar os ecossistemas, seus fatores abióticos e seres vivos. Em seguida, partimos para a pesquisa dirigida, que necessita de observações mais detalhadas, procedimentos de identificação de espécies, contagem do nº de indivíduos de cada espécie e medições. Com os resultados das pesquisas em pudemos perceber que cada ecossistema apresenta características próprias e as espécies ali presentes estão perfeitamente adaptadas às condições do ambiente através de características que apresentam. Neste capítulo, explicaremos o que são Unidades de Conservação, a história da criação do PEIC

e

apresentaremos os procedimentos, resultados e

conclusões das atividades de pesquisa que realizamos nos ecossistemas.

65


O que são Unidades de Conservação

As Unidades de Conservação são espaços ambientais com boa qualidade natural, instituídos pelo poder público, que tem como objetivo, preservar e conservar a biodiversidade. Podem ser reservas biológicas, parques ou as estações ecológicas que conhecemos ou já ouvimos falar. As unidades de conservação também têm a proposta de diminuir as intervenções humanas nos ecossistemas. As UCs também servem para manter a diversidade biológica e os recursos genéticos no país. Protegem as espécies ameaçadas de extinção, preservam e restauram a diversidade natural dos ecossistemas.

O Parque Estadual da Ilha do Cardoso

A região do Lagamar, onde se localiza a Ilha do Cardoso, contém a maior área de Mata Atlântica contínua ainda existente no mundo. Com o objetivo de proteger o

restante, o governo de São Paulo criou o P.E.I.C. - Parque Estadual da Ilha do Cardoso. É uma área que abrange 22.500 hectares, onde pode se achar variados tipos de ecossistemas - Restinga, Manguezal, Praia, Mata de Encosta, Costão Rochoso e uma grande biodiversidade de fauna e flora. O P.E.I.C. está localizado no litoral sul do Estado de São Paulo, no município de Cananéia, a 252 km da capital O parque é integrante do complexo EstuarinoLagunar de Iguape- Cananéia- Paranaguá, também conhecido como Lagamar O parque foi criado com a intenção de preservar, o que restou da Mata Atlântica no Brasil, que é equivalente a 7% da área natural e está localizado principalmente no Vale do Ribeira. Por esse motivo, a região recebeu o titulo da UNESCO de “Patrimônio Natural da Humanidade”. Quando a Ilha do Cardoso é visitada uma cultura é destacada: a caiçara. Antigamente esse povo desfrutava do que a Ilha do Cardoso oferecia: praticavam pesca artesanal, faziam casas e outros artefatos de madeira, caçavam e coletavam plantas medicinais. Porém eles também a conservavam, por seu próprio interesse Pensando em preservar o PEIC, o estado expulsou povos da ilha, que tiveram que migrar para cidades próximas, principalmente Cananéia. Tempos depois, o governo percebeu que a ilha havia ficado desprotegida. Os caiçaras puderam voltar, mas não podiam praticar agricultura ou caça, que era o que faziam antigamente como costume. Agora só trabalham com o ecoturismo, como monitores ambientais. 66


Ecossistema - Costão Rochoso Características do ecossistema O Costão situa-se na transição entre o meio terrestre e o aquático. Em locais onde a Mata de Encosta eleva-se próximo ao oceano ocorre um predomínio de costões rochosos. No Costão Rochoso o solo é rochoso e úmido, a luminosidade é alta e a água é salgada. Não há decomposição devido ao fato de a água estar constantemente “lavando” o costão rochoso A luminosidade é um dos fatores importantes para a presença de algas. As marés determinam a distribuição dos seres vivos do Costão em função de ficarem ou não

expostos ao sol. O impacto das ondas pode retirar seres vivos incrustados na rocha. Para que isso não ocorra, os seres vivos possuem adaptações que as permitem fixar-se firmemente e não serem levados pela maré. Costão Rochoso com a maré baixa

Biodiversidade Um animal que habita esse ecossistema é o ermitão (Bernardo eremita). Eles vivem em conchas de caramujos, pois tem o abdômen mole e precisam protegê-lo. Uma alga que habita esse ecossistema é a “alface do mar (Ulva lactuta). Elas realizam o processo da fotossíntese( produzem o próprio alimento) e possuem estruturas que as permitem se manter presas nas rochas, o que é uma adaptação que pode ajudá-las a não serem levadas pelo mar.

Ermitão sem a concha, sobre a rocha

Algas verdes fixas na região inferior da rocha

67


Teia alimentar

68


69


Pesquisas dirigidas 1- Densidade populacional e biodiversidade Objetivos, procedimentos, resultados e conclusões

A pesquisa que realizamos tinha por objetivo a análise da densidade populacional de certas espécies e da biodiversidade no costão rochoso. Escolhemos uma rocha dentre as várias do Costão. Fizemos um quadrado de 50 cm x 50 cm, e em seguida observamos os seres vivos que se encontravam dentro do quadrado feito de barbante; contamos os seres vivos e registramos. Fizemos uma estimativa e chegamos a um número aproximado de 300 ostras e 2000 cracas na área estudada. Encontramos também cerca de 5 caramujos. A partir dos resultados obtidos, podemos concluir que a densidade populacional de ostras e cracas no costão é enorme, pois encontramos muitos indivíduos em um pequeno espaço. A biodiversidade animal na

região onde há variação da maré é pequena, pois poucos animais possuem adaptações que os permitem sobreviver às condições ali encontradas

Alunos

fazendo

Rochas do costão, mostrando as cracas e ostras que contamos na pesquisa. Foto por: Renata Torelli

a

pesquisa de fazer um quadrado com barbante e contar os seres vivos Foto por: Fernando 70


2- Relações entre os seres vivos Objetivos, procedimentos e resultados

Nossa pesquisa tinha o objetivo de observar e analisar algumas relações entre seres vivos. Primeiramente tivemos que identificar as espécies envolvidas nas relações, em seguida classificar, fotografar e elaborar hipóteses para explicar a importância das relações para

As Cracas se alimentam através da filtração da água nas marés cheias. Foto por: Fernando

cada espécie envolvida. Observamos: ostras, cracas, algas, caranguejos, entre outros. As cracas e as ostras vivem em COLÔNIAS,

e estabelecem uma relação de

COMPETIÇÃO por espaço e alimento. Na parte superior das rochas, encontramos os liquens, que são formados pela união de algas e fungos, que vivem uma relação de dependência, denominada MUTUALISMO.

Líquen que se fixou no topo da rocha, onde não chegam as ondas da água, somente respingos Foto Por: Fernando

Intervenção humana

Esse ecossistema apesar de ter sido “criado “ naturalmente, o homem toma posse de certos seres vivos lá presentes. Por exemplo: o ser humano joga redes no ecossistema para poder pescar lagostas, vendem para os mercados e as consomem. Outro exemplo

Rocha com as “camadas” de seres vivos fixados nelas

são as algas, coletadas para fazer comida japonesa. Igualmente para os peixes que são utilizados dessa mesma forma.

71


Consequências da intervenção humana

Os índios, as comunidades caiçaras e os primeiro imigrantes, se utilizavam de organismos do costão rochoso (peixes, principalmente, ostras, mariscos, etc.) como fonte de alimento. Até hoje alguns pescadores retiram esses organismos para venda, alimento, etc. Problemas no equilíbrio do ecossistema: culturalmente, a humanidade estabeleceu uma relação com o mar, ou seja, o mar sempre vai e volta e assim, tudo o que é despejado nele, também. O que isto representa: podemos perceber quando analisamos a quantidade de lixo que chega às praias desertas, a maioria situada em unidades de conservação. O lixo sólido ou líquido, que foi jogado ou despejado no mar e, que, por ação das correntes, acabou sendo depositado na praia, é composto por latas, pedaços de calçados, roupas, embalagens plásticas, óleo e até objetos maiores. Siri na mão do Sr. Romeu( caiçara)

Porque preservar o costão rochoso? Quando nós fomos ao Lagamar conhecemos um novo tipo de vida, a caiçara. Na ilha do Cardoso os caiçaras e monitores nos mostraram muitos ecossistemas importantes. Um deles o Costão Rochoso. Percebemos que há muitas espécies de seres vivos que tem relações entre si e cada um tem várias características

importantes para sua sobrevivência nesse ambiente. Precisamos preservar para que as próximas pessoas que visitarem o Costão Rochoso vejam a mesma beleza que nós vimos, sem nenhuma mudança física. Para nós, seres humanos o Costão é um ambiente marinho localizado na praia e é um local de diversão e pesquisas. Para os seres marinhos que lá habitam sobreviverem, será uma tarefa difícil se não houver preservação. Para continuarmos a usufruir da enorme fonte de biodiversidade e recursos naturais que o mar apresenta precisamos repensar nossas atitudes. Devemos recuperar áreas degradadas e adotar medidas de proteção que evitem contaminações e danos ao ecossistema marinho. Autoria: Stéfani Morcillo Gabriel Barreto Lucas Gonzalez Pedro Diniz Renata Torelli Sandy Loane Lorenzo Fasano José Pedro Mello

72


Praia - Características do ecossistema O solo da praia é, obviamente, arenoso. O sol ilumina o ecossistema constantemente, já que não há árvores para fazer sombra. A água do mar é salgada, e molha a areia do solo o dia inteiro, por isso o índice de decomposição da praia é baixo. O solo é seco, já que o solo arenoso é muito permeável. . Este ecossistema depende muito da maré. Se ela estiver alta, grande parte da praia estará submersa. Se estiver baixa, grande parte da praia estará seca. Todos os seres vivos dependem da maré, por causa de seus alimentos e suas tocas .Muitos seres vivos da praia possuem adaptações que os permitem viverem em lugares mais quentes, com incidência constante da luz solar.

A maré na beira da praia Por Marcelo Bechara

Biodiversidade: A Planta Rasteira, (nome científico: Ipomea pescapri) fica nas dunas da praia. Ela se fixa no solo arenoso através de seus caules longos e suas raízes, o que permite que não sejam arrastadas pela água. A Ipomea também tem glândulas de sal que separam o sal da água do mar, que depois é utilizada pela planta para a realização da fotossíntese.

Flor de Ipomea pescapri Por José Fernando Nogueira

Planta rasteira na duna – Ipomea pescapri Por Marcelo Bechara 73


O Caranguejo conhecido como “maria farinha” (nome científico: Ocypode quadrata) vive na parte supralitorânea, onde a maré só chega quando está alta. Uma das adaptações é a pinça, que o permite segurar e cortar o alimento, além de ser utilizada como defesa. Sua casca dura, evita a desidratação e também serve de proteção contra predadores de predadores. As patas rígidas e pontudas permitem que o animal cave fundo e faça tocas na areia

Por Fernando Nogueira

Pesquisa dirigida

Na praia, fizemos uma pesquisa em que analisamos a Densidade Populacional e a Biodiversidade do ecossistema. - o objetivo era contar o nº de espécies e o nº de indivíduos em um quadrilátero de 1m² com

barbante. Contamos quantas espécies haviam dentro do quadrilátero e quantos indivíduos de cada espécie. Área estudada Por José Fernando Nogueira

Identificamos as espécies encontradas (nome popular e científico). Registramos o resultado (as espécies) e fotografamos o quadrilátero pronto.

Resultados – Encontramos 2 plantas com folha (Ipomea pescapri), 22 plantas rasteiras (capim da praia) e uma 3ª espécie não identificada.

Conclusão – A partir dos resultados obtidos, concluímos que há pouca diversidade vegetal na praia, já que as plantas apresentam dificuldades para sobreviver em um local com solo seco e pouco fértil. As plantas que possuem adaptações, estão presentes principalmente na zona de dunas. Quadrilátero feito na praia Por Marcelo Bechara 74


Interferência Humana

A interferência humana na praia se deve a diversos fatores. Existe a pesca predatória, muitas vezes em locais proibidos ou época de reprodução de algumas espécies. Essa prática contribui muito para a redução da biodiversidade marinha. Outro problema é o lixo. Habitantes com casas na praia ou perto delas muitas vezes acabam poluindo o mar e a areia, desde objetos higiênicos a embalagens. Com a poluição no mar, animais podem morrer devido à contaminação da água. Além de tudo, há o turismo, que muitas vezes interfere de forma negativa nesse ecossistema. No verão, muitos turistas vão à praia para se divertir, mas acabam sujando o lugar e prejudicando o habitat de animais como caranguejos ou peixes.

Por que preservar? A praia é um ecossistema muito comum em todo o mundo. Mesmo assim, é importante preservar ao máximo. É um ponto turístico muito visitado e que importa aos seres humanos. Além de tudo, sempre devemos preservar a natureza, não importa qual. A praia é o limite entre o continente e o mar, onde existe uma grande biodiversidade de espécies, como algas, peixes de todos os tipos, além das dunas, que

também contém espécies como caranguejos, siris, plantas rasteiras. A preservação desses seres vivos é muito importante para o equilíbrio da biodiversidade desses ecossistemas.

Autores: Felipe Ioshpe Maria Antonia Khasnadar Marina Bechara Roberto Scaff

75


Ecossistema - Manguezal Características do ecossistema:

O solo do manguezal é lodoso porque há junção da água do mar com a água do rio e a argila das florestas. O índice de decomposição é alto, porque a água do rio traz corpos de animais mortos, folhas, galhos, e excrementos de animais. O local é muito úmido, pois como o solo é impermeável, e quando as águas do rio e do mar passam pelo local, acumulam-se na superfície. O manguezal se forma pelo encontro da água do rio com a maré, ambos contém em sua composição muita matéria prima, fazendo do solo muito fértil. O rio traz folhas, partes de animais e alguns excrementos. Pelo encontro da água salgada (mar) e doce (rio) água vira salobra. O índice de luminosidade do manguezal é médio, pois as arvores de médio porte e os mangues não permitem a passagem de muita luz. Por esse motivo e pela variação da maré, existem poucas plantas no manguezal. poucas arvores de grande porte, mas algo que tem bastante, são bromélias, que uma de suas adaptações é o formato de suas folhas que são largas e arredondadas (em forma de copo), para que consigam captar a maior quantidade de água possível, para que possam fazer fotossíntese, com a pouca luminosidade que recebem. Os mangues possuem adaptações permitem a fixação no solo, eles possuem caules em forma de arco bem resistentes. Com a ação da maré se não houvesse essa adaptação, ela se soltaria facilmente.

76


Bromélia pequena instalada na arvore.

Árvores de médio porte, impedindo a passagem da luz.

O manguezal na maré baixa

Nos caules que ficam próximos ao solo, vivem várias espécies - Cracas, ostras, algas, caranguejos e outor, 77


Biodiversidade No manguezal a biodiversidade da flora não é grande pois só existem quatro plantas adaptadas para viver no solo do manguezal, que não contem oxigênio. Essas adaptações são as estruturas nas raízes que as permite retirar oxigênio do ar e os galhos para fora do solo. As espécies de plantas que vivem tem o nome de Mangue Vermelho (Rhizophora mangle),Mangue Branco (Laguncularia racemosa) e o Mangue Preto (Avicennia schaueriana) e Mangue de Botão (Conocarpus

erectus). Dentre os animais, existem varias espécies como, Caranguejo-uçá (Ucides-cordatus), Caranguejo guaiamum(Cardisoma-guanhumi), Caranguejo aratu (Goniopsiscruentata).na maré baixa, explora o solo e na maré alta fica andando pelas árvores. Eles tem oito patas e duas garras, uma maior que a outra. A maior serve para agarrar objetos e a menor para cortar. As cracas do manguezal se situam nas arvores. Os mosquitos aparecem mais durante a tarde, junto com moscas e mariposas. As moscas põem ovos no solo que contem muita matéria-orgânica, os mosquitos se alimentam de sangue de animais viventes no manguezal. Há muitas espécies de aves, como o Bem-te-vi (Pitangus sulphuratus), Carcará (Caracara plancus), Colhereiro (Platalea ajaja), Garça (Casmerodius albus).Eles se alimentam de caranguejos e insetos. As aves ficam nos galhos e também fazem ninhos nos galhos, procuram a refeição e depois voltam para o ninho para alimentar os filhotes.

Um dos animais que habita o manguezal é o caranguejo vermelho (Aratu), ele é vermelho e possui umas pintas brancas.Possui um total de 10 patas, 8 de apoio (andar), um casco, e a adaptação desse ser vivo é que ele possui uma garra maior do que a outra, para se defender de um predador e também para poder se locomover nos mangues, escalando-os, como é possível ver na foto prática a baixo.

Caules do mangue vermelho em forma de arco O mangue vermelho (Rizhophora mangle) possui a parte inferior dos caulas em forma de arco bem resistentes, pois mesmo com a ação da maré ela não vai se soltar do solo. 78


Teia alimentar

Mangue branco

Mangue vermelho

Aratu

Homem

Mosquito Fitol창ncton

Martim- Pescador

Aranha

Robalo

Zool창ncton

Camar찾o

79


Relações com outros ecossistemas

Mata de Encosta - O ecossistema do manguezal possui relação com a Mata de Encosta, pois o rio que banha o Manguezal nasce na Mata, e quando suas águas chegam ao Manguezal, trazem argila e matéria orgânica, que compõem o solo. Outra relação é que muitos animais que vivem na mata, principalmente as aves, vão ao manguezal em busca de alimento. O rio traz matéria orgânica da mata

Pesquisas 1- Análise da biodiversidade vegetal A pesquisa que realizamos no Manguezal tem o objetivo de analisar a biodiversidade e conhecer as

características e adaptações de uma espécie vegetal dos manguezais brasileiros, a Rhizophora mangle, conhecida como “mangue vermelho”. Escolhemos uma área para estudo, montamos quadriláteros delimitando-os com barbantes, e identificando quantas espécies habitavam aquela área. Registramos os valores obtidos e observemos as características da planta. No quadrado que analisamos, encontramos apena uma espécie associada ao solo, a Rhizophora mangle, o que indica qua a biodiversidade de vegetais no manguezal é muito baixa, já que se trata de um local de difícil adaptação, devido ao solo lodoso e pouco oxigenado. Rhizophora Mangle adulta 80


2- Seres vivos associados aos troncos dos mangues Escolhemos uma arvore para estudar e identificamos com a ajuda dos professores , as espécies ou grupos de vegetais encontrados no tronco da arvore selecionada . Realizamos a contagem de espécies e numero de indivíduos encontrados em cada espécie que habitava o tronco da arvore. Registramos os valores obtidos fotografamos a arvore pesquisada e as espécies encontradas no tronco. Aratus – 3 Liquens -20 Cracas -13 indivíduos; Algas - 2 Ostras - 3

Concluímos que, apesar de apenas um tipo de árvore estar presente na área que

“Caules escora” de Rhizophora Mangle, onde realizamos parte da pesquisa

estudamos, há diversos organismos que ficam associados a ela, o que faz com que aumente consideravelmente a diversidade de espécies no manguezal.

Intervenção humana e preservação Muitos caiçaras costumavam caçar, pescar os animais para própria subsistência, não só do manguezal, mas também de muitos outros ecossistemas. Eles faziam agricultura, caçavam, pescavam para próprio sustento. Esses tipos de atividades não causam sérios danos no ambiente e servem como exemplo de como podemos utilizar a natureza de forma sustentável. Os ecossistemas possuem seu próprio equilíbrio natural, e quando o ser humano interfere de forma irresponsável, o equilíbrio é perdido. Nós concluímos que temos que preservar o ecossistema por vários motivos um deles é, importante preservar porque a nossa biodiversidade é um patrimônio natural único, que não existe em todos os lugares do mundo.

Liquens em um tronco

Autores: Henrique Ferraz, José Garrido, Maria Luiza Gouveia, Maria Luiza Flório, Manoela Ambrósio, Manuella Martins, Bruna Monteiro e Matheus Leite 81


Ecossistema – Mata de Encosta Autoria Gabriela Hawat, Isadora Noronha, João Paulo Coelho, Lineu Pires, Lucca Leme, Gabriel Piccirillo , Ary Mattos, Raphael Perez

82


Características do ecossistema: A composição do solo da mata de encosta é argilosa, e seu índice de decomposição é muito alto, pois como ela é rica na fauna e na flora os galhos, folhas , fezes, animais mortos, e carcaças permanecem no solo e vão sendo decompostos Na mata de encosta há pouca luminosidade, pois os galhos das arvores são muito grandes e suas folhas tapam o espaço por onde passam os raios solares. É um lugar úmido pois há muitas arvores no local que a deixam sombreada e além disso, o solo, por ser argiloso retém grande quantidade água. Por estar nas encostas dos morros, esse ecossistema não é Grande diversidade na mata de encosta Autor: Lineu Pires

influenciado pela maré.

Biodiversidade A Bromélia, Alcantarea imperialis, na mata de encosta nasce sobre as árvores, o que a permite conseguir captar a luz solar para realizar a fotossíntese. Consegue acumular a água da chuva para sobreviver nos galhos das árvores, graças à estrutura de suas folhas. A Jaguatirica ou Leopardus pardalis, utiliza suas garras para subir em

arvores para se alimentar. Seus dentes afiados ajudam a matar a presa e cortar a carne mais facilmente. Outra adaptação que ajuda a

Bromélia em uma árvore na mata de encosta Autora: Isadora Borelli Noronha

jaguatirica a se alimentar são as “almofadinhas” que ficam em baixo da pata para ajudar na caça, não alarmando a presa. Jaguatirica Autor: Thomas Figueiredo

A Phantera onca, conhecida como Onça Pintada anda pelas regiões da mata de encosta, a procura de alimentos (gambás, quatis e capivaras.) A onça é um animal noturno. Uma adaptação para sua caça é que com seus dentes penetram mais facilmente em sua presa, e suas garras permitem a habilidade de subir em arvores. Onça Pintada em cima de uma árvore descansando.

Bromélia sobre uma árvore

83


Teia alimentar

Frutos e plantas Palmito Juรงara Anta

Formigas

Capivara

Tucano

Esquilo

Tamanduรก Homem Onรงa Pintada

Cobra

84


Relações com outros ecossistemas

Pelo rio a matéria orgânica e o solo da mata de encosta são levados para o manguezal e ali se acumulam, tornando o solo do manguezal muito rico em nutrientes. Muitos animais de outros ecossistemas visitam a mata de encosta para se alimentar por causa da grande abundancia de alimento. As aves quando se alimentam de frutos, espalham suas sementes. Por esse motivo, na mata e na restinga há diversas espécies em comum.

Esquema que mostra a localização dos ecossistemas da Ilha do Cardoso, Autor: Gabriela Hawat

85


Pesquisas Análise da Biodiversidade O objetivo era analisar a biodiversidade na mata de encosta e conhecer algumas espécies do ecossistema.

Após a escolha do local para estudo, montamos um quadrado com

barbantes e varetas. Os alunos e monitores identificaram as espécies encontradas no quadrado, e houve como maioria o palmito juçara, 5 adultos e 11 jovens. Concluímos que na mata, o palmito se desenvolve e, por ter mais sombra e um solo mais fértil, são maiores do que na restinga. Além disso, nesse pequeno espaço, encontramos mais oito espécies de plantas o que nos leva a compreender que na mata de encosta há uma rica biodiversidade vegetal. Alunos e monitores estudando no quadrado. Autor: Lineu Pires

Intervenção humana e preservação

Vivem no Bioma da Mata Atlântica bioma mais de 60% da população brasileira e isso causa problemas de poluição e de extinção das espécies, como o Palmito Juçara e o Papagaio de Cara Roxa. Também alguns desastres como deslizamento de terra devido a erosões causadas pelo excesso de chuvas. A população já desmatou a maioria da mata atlântica do Brasil, hoje resta apenas 7%, o que precisa e deve ser preservado. O Lagamar é considerado uma das maiores reservas de Mata Atlântica do mundo. Abriga um rico patrimônio biológico, com muitos animais e vegetais que ajudam a preservação Alunos e monitores estudando no quadrado.

da fauna e flora do planeta, hoje tão ameaçada pelo homem.

Autor: Lineu Pires

86


Ecossistema – Restinga Imagem da restinga com uma alta diversidade de bromÊlias e diversas outras årvores e plantas. Foto fotografada por Fernando.


Características do ecossistema A restinga se situa nas regiões litorâneas do bioma da Mata Atlântica e é um ecossistema muito importante devido sua grande biodiversidade. Existem dois tipos de restinga: A restinga baixa que é caracterizada pela vegetação rasteira e arbustiva e está mais sujeita a ação das marés, e a restinga alta que é caracterizada por arbustos e árvores de médio porte e não está sujeita a ação das marés, já que está mais distante da praia. Na restinga, encontramos grande diversidade de árvores frutíferas, bromélias, orquídeas e trepadeiras. Muitas dessas plantas são usados para fins medicinais por comunidades caiçaras. O solo é seco e pouco fértil devido à sua composição arenosa. Por esse motivo, uma mesma espécie de árvore desenvolve-se mais na mata de encosta do que na restinga.

Restinga Alta

Restinga Baixa

Composição arenosa do solo da restinga

Biodiversidade A biodiversidade

na restinga é composta por diversos vegetais,

dentre eles a bromélia Vriesia incurvata, que possui uma adaptação que permite que ela cresça entre as árvores altas e capte luz solar para poder fazer a fotossíntese. Além da diversidade vegetal, existe uma grande diversidade animal, como por exemplo o lagarto,

Tupinambis teguixin, que possui uma adaptação que permite que ele consiga enganar sua presa. Para isso ele se desfaz do seu rabo, que continua se mexendo, fazendo com que a presa pense que é o próprio lagarto, o que facilita sua fuga.

Bromélias com flores. José Fernando Nogueira 88


Outro vegetal típico da restinga é o Palmito Juçara - Euterpe edulis. Ele é muito importante, pois é alimento para vários animais da restinga sendo base de muitas cadeias alimentares nesse ecossistema. Infelizmente essa é uma espécie que esta ameaçada de extinção devido ao seu alto valor na culinária. A extração de palmito nativo é proibida por lei, mas há pessoas que o cortam ilegalmente. Para obter a parte superior do caule, onde fica o palmito, é necessário se cortar a árvore inteira, matando-a. A extinção dessa palmeira certamente causará graves desequilíbrios ambientais. O Papagaio de Cara Roxa - Amazona

brasiliensis, é um animal endêmico da Mata Atlântica, que se alimenta de frutos, sementes,

e

flores.

Uma

de

suas

adaptações são suas garras que firmam fortemente nos galhos das arvores e seu bico que favorece comer frutos duros. Infelizmente

esse

papagaio

é

outra

espécie da Mata Atlãntica em risco de extinção. www.portalsaofrancisco.com.br Local do tronco da palmeira onde se encontra o palmito


Teia Alimentar

Palmito juçara

Papagaio de cara roxa

Cobra jararacuçu Bromélias

Tucano

Insetos Lagartos

Sapo

90


Goiabeira

Humano Pernilongo Lagartixa Aranha

Pitangueira Camundongo

Jararacuçu Sabia e ovos

Gavião – de coleira

91


Relações com outros ecossistemas Assim como o ecossistema da mata de encosta, com a qual mantém contato nas áreas de transição, a

restinga caracteriza-se como um ecossistema de água doce. Desta forma, com exceção das algas, apresenta em sua vegetação quase todas as espécies da flora local, sendo rica em bromélias, musgos, liquens e samambaias. Também apresenta árvores de grande e médio porte e plantas com frutos. Entre a restinga e rio está situada o manguezal, que é composto pela mistura da água doce com a água salgada, formando a água salobra. O solo arenoso, permeável e seco que caracteriza a restinga, é muito diferente do solo composto por argila e areia fina do manguezal, que nas marés altas se encharca, devido á sua baixa permeabilidade. Porém, nas áreas de transição, esses ecossistemas se misturam, criando condições para a sobrevivência de espécies que não ocorrem em nenhum desses ecossistemas, como por exemplo o “mangue de bolotas”.

Pesquisas dirigidas

Frutos do Mangue de bolotas http://sistemas.vitoria.es.gov.br

- Objetivos, procedimentos e resultados

Na Restinga, realizamos uma

pesquisa onde fizemos um quadrado

com 5m², para saber a

biodiversidade vegetal do local e a densidade populacional, que se refere à quantidade de indivíduos em uma determinada área. Para realizar esta pesquisa, utilizamos barbante e delimitamos a área a ser estudada. Fizemos marcas , e seguramos em cada ponto extremo para formar o quadrado e realizamos a contagem de palmeiras. Concluímos que a densidade populacional da espécie de palmito Eurtepe edulis, popularmente conhecido como palmeira Juçara é muito grande em certas áreas, pois em 20 m² continha 13 palmitos, sendo 6 adultos e 7 jovens. Além disso, encontramos no quadrado muitas outras espécies de plantas, o que indicou uma grande diversidade vegetal

Área da restinga onde foi realizada a pesquisa Local do tronco da palmeira onde se encontra o palmito

92


A intervenção humana e a preservação da restinga

Com esse trabalho sobre a restinga chegamos a conclusão que se trata de um ecossistema e que precisa ser muito protegida devido ao grande numero de espécies endêmicas e a sua alta biodiversidade. O ser humano vem devastando o Bioma da Mata Atlântica desde o período colonial. Atualmente, há apenas 7% da mata original e isso é um serio problema pois muitos animais e vegetais endêmicos que vivem nas restingas, como o Papagaio da Cara roxa já citado, estão ameaçados. Muitos dos vegetais que são encontrados na restinga são utilizados para fins medicinais pelos habitantes da região, cujo conhecimento vem sendo acumulado por diversas gerações. O desmatamento das restingas traz sérios desequilíbrios: o solo sofre intensa erosão pelo vento, o que ocasiona a formação de dunas moveis, causando riscos para o ambiente costeiro para as populações locais. Devemos preservar os ecossistemas do Lagamar pois nessa região se encontra a maior área contínua de Mata Atlântica que restou. Além disso é uma região muito presente na história e na cultura brasileira. Os costumes dos antepassados que viveram por lá, permanecem até hoje e são bons exemplos de como se vive em harmonia com a natureza.

Autoria

Felipe Coser Marcello Nahas Pedro Lopes Victor Lopes Clara Cortês Cohn Gabriel Freire

Mabel Cordani Rodrigo Nazarian

93


Gabriel B 2011

Romeo is simulating a way of fishing with a net. Romeo is a caiรงara who works in the park of the Island of Cardoso. Now he works as a tourist guide and fisherman to make a living because the park prohibited them to hunt and farm. 94


This is the rocky shore

on Ilha do Cardoso. The

people are learning about the preserved area and its sea animals. Pedro Diniz -

2011


Conclusão

A Ilha do Cardoso, Iguape e Cananéia são cidades (e ilha) que se situam no litoral de São Paulo. Elas armazenam uma cultura que foi esquecida ao longo dos tempos. A Ilha do Cardoso hoje é um Parque de Preservação. Mas quem disse que ele preserva tudo? Tudo bem, ele preserva toda a exuberante natureza, os ecossistemas, e o que resta da Mata Atlântica no mundo. Mas e o povo, que vivia lá? E o Patrimônio Cultural? Para onde foram?' Anos atrás, o governo expulsou a todos os moradores da Ilha do Cardoso (porém alguns resistiram), pensando que estes estavam "machucando" a Ilha

(desmatando). Mesmo não estando fazendo mal a ilha, os povos como os caiçaras foram embora da Ilha, e, sem alternativa, procuraram abrigo em Cananéia, mas não tiveram tanta sorte. Hoje em dia, caiçaras puderam voltar a Ilha, mas não para caçar ou praticar agricultura, para "praticar" o turismo. Nenhum caiçara foi a escola, aprenderam tudo com os pais. Aprenderam a pescar, que, aliás, ainda é permitido, aprenderam a caçar, a usar plantas medicinais como remédios, muitos aprenderam por sua vontade, pois a ilha recebe todo o tipo de cientistas e pesquisadores, alguns de outros países. Por exemplo, o Sr. Romeu, por sua vontade e determinação de conhecer um pouco mais desse mundo e por querer adquirir conhecimento, já aprendeu a falar espanhol e inglês, sem mesmo ter ido à escola, ele aprendeu ouvindo. Ele não tem nem um pouco da "mordomia" que nós temos em nossas vidas. Eles vivem no litoral, em cidades do tamanho de dois ou três bairros de São Paulo. A fim de tentar preservar seus termos linguísticos, o Senhor Romeu (atual caiçara e monitor ambiental de turismo) escreveu um dicionário do caiçares. Não é possível preservar uma língua. Mas hoje é possível deixar recursos para retomá-la. E foi isso que Senhor Romeu fez. Ele nos conta, que não se sabe se ainda existirão caiçaras em um futuro próximo, mais que se isso acontecer, com certeza não será com os mesmos valores e com as mesmas características de um caiçara do passado. É possível preservar um ecossistema, uma mata, uma natureza, mas é difícil. A mata atlântica ocupa hoje menos de 10% da região que ocupava, e ela só existe no litoral brasileiro. Como podemos preservar a natureza como a mata atlântica? Podemos tentar diminuir nosso lixo, fazer menos poluição, se aprofundar (novamente) no assunto e "avisar", contar e conscientizar a população sobre o que está acontecendo. Se todos fizeram o mínimo, poderemos preservar.

Na Ilha, em Cananéia, e em Iguape, conhecemos histórias lindas, de luta, superação, trabalho, proteção, estudo e conhecimento. A emocionante história dos caiçaras que viviam na Ilha conseguiu nos comover e nos deixar uma marca de luta e superação que jamais esqueceremos. Lugares Históricos como a Igreja dos Milagres, Morro do Espia e Vaio Grande, visitados em Iguape nos ajudaram a conhecer melhor, a história de nosso país, e nos ajudaram nas disciplinas História, e Geografia. As casas históricas de Cananéia nos permitiram conhecer uma realidade, que até então não conhecíamos, afinal é muito difícil reconhecermos casas tombadas em grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro. Já falamos aqui que, em alguns aspectos, é possível preservar. E por que devemos preservar algo, como por exemplo, uma cultura? Entrando um pouco mais no assunto, no tópico cultura.

96


Uma cultura é um modo de viver diferente de outros (como já citamos em alguns trechos), um modo de pensar, uma inspiração, um jeito de viver. Cada povo, cada um, tem a sua. O povo caiçara tem a deles, que é denominada como: "A cultura caiçara". Preservar esta cultura significa mantê-la viva, mesmo se for por pouco tempo. Este povo caiçara um dia poderá acabar, mas até lá, a cultura deveria ser mantida. Mas, por que devemos manter uma cultura? Porque ela importa a alguém, ela pode ser a vida de alguém, e ninguém quer perder uma vida. Porque, quanto mais cultura nesse mundo, melhor! Quanto mais povos diferentes, melhor! Se não preservarmos culturas como essas, algum dia o mundo só terá uma cultura e que não será nada diversificada. Assim como o latim, uma língua ou uma cultura podem originar outras línguas e outras culturas. Logo, esta língua ou cultura não estará totalmente "em extinção". Deixar recursos como o Senhor Romeu fez (escreveu o dicionário) ajudará as pessoas a conhecerem ou relembrarem dessa cultura. Em Iguape e Cananéia, encontramos antigos caiçaras que haviam largado suas crenças e costumes, já que não podiam mais praticá-los na Ilha do Cardoso (caça e mutirão). Isso é um exemplo de o que aconteceria com um povo se ele esquecesse ou não preservasse sua cultura. Ela some, e o povo tem que se vê e imaginar com outro tipo de cultura. Estes caiçaras de Cananéia, antigamente, viviam em pequenas casas, faziam seus próprios alimentos, tocavam suas próprias músicas. Hoje em dia, vivem em casas de porte maior e compram alimentos no mercado (exceto peixes, por causa da pesca). Ou seja, tiveram que se adaptar a outra cultura, mas isso nem sempre é fácil. Isso nos leva a crer que os conceitos foram renovados e consequentemente sua cultura "atualizada". Agora finalmente: Por que preservar? Foi essa pergunta que persistiu em nossas cabeças durante e após a viagem de estudo do meio, e como vocês podem ver com esse livro que estamos montando. Todos os nossos trabalhos, lições, provas, nos serviram para que, pudéssemos chegar aqui e responder aquela mesma pergunta: “Por que preservar”? Todo esse livro mostra a importância do Lagamar de formas diferentes, números, palavras, exemplos, olhares. Pretendíamos causar

o mesmo choque sobre a importância do Lagamar quanto nos causou, fazer algumas pessoas terem uma ideia disso e se mobilizarem, se não pelo menos ver de forma diferente e pensar duas vezes antes de reclamar de suas vidas. Agora de forma mais direta tentaremos resolver de forma simples a grande questão: "PORQUE PRESERVAR"? Vocês já leram esses textos e agora de forma mais simples tentamos resumir um pouco de tudo. Já pararam para pensar que nós, somos fruto de um enorme ciclo de preservação cultural? Cada um de nós tem uma descendência, que por sua vez, foi um fruto de uma preservação de hábitos, que por algum motivo nós ainda usufruímos. Isso pode ser considerado um Patrimônio. Quando uma mãe passa para o filho, uma "coisa" que sua mãe a passo, ela não está preservando o que sua origem a "ensinou"? Pois é gente, com a língua, natureza, história e cultura é quase a mesma coisa, só que logicamente com características diferentes. Não é possível preservar uma língua, porque sempre ela estará em constante transformação, mais podemos registrá-la para que ela não seja completamente esquecida, e para provar que um dia ela existiu. Com a Natureza é mais complexo que isso, para conseguir preservá-la é necessário uma mudança na consciência de cada pessoa. Uma educação de consciência não aparece de repente, ela precisa ser trabalhada, para que seja por fim exercida, a natureza não é como a língua, ela pode e deve ser preservada, porque muitas das coisas que temos são fruto de uma natureza, que existe, existiu, ou está acabando. Por isso, nós pedimos, preserve o meio ambiente, preserve sua cultura, preserve sua história, porque nós e você um dia vamos ter a certeza, de que ela o fará uma enorme falta.

97


Créditos Diretor Geral Alexandre Abbatepaulo

Diretor da Unidade Antonio Sérgio Pfleger de Almeida

Coordenador da Série Marcelo Luiz Caleiro e Wild Veiga

Coordenador dos Estudos do Meio Augusto Monteiro Ozório

Equipe de Professores Alessandra Garcia Vieira Chrislaine dos Santos Souza Débie dos Santos Bastos Gisela de Azevedo Noronha João da Silva Damásio José Fernando de Barros Nogueira Kadine Teixeira Lucas Kathia Myrna Cristofani de Moura Coutinho

Leila Gonçalves Achur Luiza Regina Branco Fernandes Maria Aurora de Jesus Ferreira Primuk Patrícia Pereira Figueiró Rosely Salvitti Tiago Mendes de Almeida

Livro Patrimônio - 7º B  

Lagamar: Patrimônio Natural e Cultural - 7º B - Lourenço Castanho

Advertisement