Issuu on Google+

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACULDADE DO ESPÍRITO SANTO ENGENHARIA DE PETRÓLEO E GÁS 3º PERÍODO

GABRIEL SIMÕES DE MORAIS LORRAN LOPES MARQUINI ALEXANDRE PIROVANI FERRAZ

LINGUAGEM C

CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM JUNHO 2013


GABRIEL SIMÕES DE MORAIS LORRAN LOPES MARQUINI ALEXANDRE PIROVANI FERRAZ

LINGUAGEM C

Trabalho acadêmico apresentado à disciplina de Programação de Computadores, na Faculdade do Espírito Santo, como requisito parcial de avaliação. Professor (a): Valderêdo Sedâno Fontana

CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM JUNHO 2013


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO-------------------------------------------------------------------------------------- 04

2 LINGUAGEM C------------------------------------------------------------------------------------- 05 2.1 Aprendendo a usar ----------------------------------------------------------------------------- 06 3 EVOLUÇÃO DA WEB ---------------------------------------------------------------------------- 10

4 CONCLUSÃO -------------------------------------------------------------------------------------- 13

5 REFERÊNCIAS -------------------------------------------------------------------------------------14


1 INTRODUÇÃO A linguagem C foi criada por Dennis Ritchie, em 1972, no centro de Pesquisas da Bell Laboratories. Sua primeira utilização importante foi a reescrita do Sistema Operacional UNIX, que até então era escrito em assembly.

Em meados de 1970 o UNIX saiu do laboratório para ser liberado para as universidades. Foi o suficiente para que o sucesso da linguagem atingisse proporções tais que, por volta de 1980, já existiam várias versões de compiladores C oferecidas por várias empresas, não sendo mais restritas apenas ao ambiente UNIX, porém compatíveis com vários outros sistemas operacionais.


2 LINGUAGEM C A Linguagem C, estudada no ensino superior, foi criada entre meados de 1969 e 19732, no Centro de Pesquisas da Bell Laboratories por Dennis Ritchie. Não se sabe se o nome "C" foi dado à linguagem porque muitas de suas características derivaram da linguagem B e C é a letra conseguinte no alfabeto, ou porque "C" é a segunda letra do nome da linguagem BCPL, da qual derivou-se a linguagem B.

Esse tipo de linguagem foi desenvolvido para auxiliar a implimentação do sistema operacional UNIX. Brian Kerningham junta-se a Ritchie para aprimorar a linguagem, a nova versão chama-se C. Pelas suas características de portabilidade e estruturação já se torna popular entre os programadores.

Todo programa C inicia sua execução chamando a função main(), sendo obrigatória a sua declaração no programa principal.

Comentários no programa são colocados entre / e / não sendo considerados na compilação. Cada instrução encerra com ; (ponto e vírgula) que faz parte do comando. Função printf() Sintaxe: printf("expressão de controle",argumentos); É uma função de I/O, que permite escrever no dispositivo padrão (tela). A expressão de controle pode conter caracteres que serão exibidos na tela e os códigos de formatação que indicam o formato em que os argumentos devem ser impressos. Cada argumento deve ser separado por vírgula.

Abaixo segue alguns comandos de auxilio para criação de um programa. \n nova linha

%c caractere simples

\t tab

%d decimal

\b retrocesso

%e notação científica

\" aspas

%f ponto flutuante

\\ barra

%o octal

\f salta formulário

%s cadeia de caracteres


\0 nulo

%u decimal sem sinal

%x hexadecimal 2.1 Aprendendo a usar Usando o IF e o ELSE if (condição) instrução para condição verdadeira ; else instrução para condição falsa; Para usar o IF basta digitar entre parênteses o que deve ser comparado. IF é uma palavra reservada que não aceita ponto-e-vírgula (;) no final. Se for verdadeiro, o programa executará a primeira linha logo abaixo do if. Mas, e se quisermos executar várias linhas se if for verdadeiro? Se o if tiver que executar várias linhas, todas as linhas que devem ser enquadradas dentro do bloco de dados - as chaves ({}). O ELSE só existe se tiver um IF. O else só será executado se o IF for falso. Else executará só a primeira linha abaixo dele. Se o else tiver que executar várias linhas, vale a mesma regra de if. Todas as linhas a ser executadas deverão estar contidas dentro do bloco de dados ({}). No exemplo abaixo está um exemplo de uso do if e else com apenas uma linha a ser executada. Aplicando: Exemplo 1


Exemplo 2

Usando o Switch e Case Uma outra forma de estrutura seletiva é o SWITCH. Dentro dos switch há o case (que significa caso). Ou seja, é quase que um if com várias possibilidades, mas com algumas diferenças importantes.

Primeiro o comando SWITCH e entre parênteses a variável na qual está guardado o valor que será avaliado pelo case. Então, abre-se o bloco de dados. Dentro do bloco de dados colocamos o comando CASE e logo após um valor terminando a linha com dois pontos (:). Preste atenção no tipo de dado que será colocado, pois há diferenças entre um dado e outro. Por exemplo: 1 não é a mesma coisa que '1' e 'a' não é a mesma coisa que 'A'...

Aplicando: Exemplo 1


Exemplo 2

While Sintaxe: while(condição) comando; Uma maneira possível de executar um laço é utilizando o comando while. Ele permite que o código fique sendo executado numa mesma parte do programa de acordo com uma determinada condição.


- o comando pode ser vazio, simples ou bloco - ele é executado desde que a condição seja verdadeira - testa a condição antes de executar o laço

Aplicando: Exemplo 1

Exemplo2


3 EVOLUÇÃO DA WEB Web 1.0 Inicialmente, falaremos do início da Internet no mundo. O Departamento de Defesa dos Estados Unidos foi a primeira rede de internet do mundo. Conhecida como Apanet, a “mãe” da internet, foi criada em 1969 e tinha como principal objetivo a comunicação entre bases militares durante a guerra. Ela surgiu devido a necessidade dos militares de se comunicaram entre grandes distâncias. Imagine você em uma grande guerra, e a sua única comunicação fosse através de cartas? Pois então, seria um grande caos em busca de informações e notícias de investigações.

Com esse grande passo na história da informática, no inicio da década de 70, universidades tiveram autorização para acesso à Arpanet, o que gerou o seu crescimento com a criação de aproximadamente 100 sites.

A partir de então, nos anos 90 surgiu a Web 1.0. Essa foi a primeira geração de internet, que ficou conhecida também como estática, devido a todo o seu conteúdo não poder ser alterado pelos seus usuário. As páginas na rede era somente leitura, daí o termo estático. As alterações ou atualizações nas páginas só poderiam ser realizadas pelos seus criadores.

O ponto positivo a ser destacado nessa época era a existências de hiperlinks, já o negativo era que essa geração não passava de uma grande biblioteca digital, um espaço de leitura.

Web 2.0

A Web 2.0 é a seqüência da Web 1.0, porém mais avançada. Essa nova geração é a construção coletiva do conhecimento. Foi criada em 2004 pela empresa americana O’Reilly Media, tendo como conceito “Web como plataforma”.


"Web 2.0 é a mudança para uma internet como plataforma, e um entendimento das regras para obter sucesso nesta nova plataforma. Entre outras, a regra mais importante é desenvolver aplicativos que aproveitem os efeitos de rede para se tornarem melhores quanto mais são usados pelas pessoas, aproveitando a inteligência coletiva" (O’ REILLY, Tim, 2004)

Como dito anteriormente, a Web 1.0 tinham apenas meros espectadores, ou seja, internautas que usufruíam de uma rede estática. Agora, com a Web 2.0 tudo muda, espectadores fazem “parte do espetáculo”. Como? A interatividade da internet com os seus usuários são mais dinâmicas, agora eles podem gerar conteúdos, criar e interagir com a comunidade.

Não sendo o bastante, surge um novo modo de acesso as redes nessa geração, a chamada computação em nuvens. Assim sendo, agora o armazenamento de dados é feito em serviços que podem ser acessados em qualquer parte do mundo utilizando somente a internet, sem a necessidade da instalação de programas. Os exemplos a serão destacados são as redes social como Facebook, Twitter, além de e-mail, blogs, dentre outros.

A maior vantagem da computação em nuvem é a possibilidade de utilizar softwares sem que estes estejam instalados no computador, onde esta ficou mais participativa. Já a desvantagem da computação em nuvem, vem fora do propósito da mesma, que é acesso internet. Caso você perca o acesso, comprometerá todos os sistemas embarcados. O grande excesso de informações sem utilidades prejudica o ideal dessa era. Web 3.0 A tecnologia da computação já nos surpreende, vem nos surpreendendo e vai deixar os seus usuários ainda mais fascinados pelo o que ainda estar por vir. O termo Web 3.0 foi empregado primeiramente pelo jornalista John Markoff, onde ele propõe a terceira geração das Webs, a Web 3.0, que estar para chegar num período de cinco a dez anos.


Essa nova geração, também chamada de semântica é responsável por filtrar todas as informações possíveis na rede e direcionar ao usuário que a solicitou. Imagine você navegando nessa nova geração, e solicitar uma pesquisa de restaurante japonês, por exemplo. Dessa forma, a Web 3.0 se encarregará de realizar buscas dos restaurante mais próximos a sua residência, dos seus amigos que freqüentam o restaurante, dos valores dos pratos servidos lá, tudo dentro do seu orçamento, e organizará para você analisar onde irá ir. A internet 3.0 se encarregará de realizar todo o trabalho por você.

Muitas empresas já estão a todo ritmo em buscas de inovações que irão nos surpreender. O android, que recentemente foi lançado já faz parte dessa inovação que permite baixar e salvar programas no seu celular.

E o futuro, o que nos reserva? Computadores de mão da espessura de uma folha de papel? Programas que realizarão tarefas hoje realizadas por nós? Para respostas basta aguardar os avanços que se tornam mais intensos a cada dia.


4 CONCLUSÃO

Com o trabalho proposto, aprofundamos o conhecimento na Linguagem C, desenvolvendo programas utilizando o programa Dev C++, aplicando o IF/else, sweet/case e while. Apresentamos também a evolução da Web. Sua trajetória parte desde a era estática, passando pela era atual, e revolucionará o futuro, trazendo surpresas na área tecnológica e interativa.

Com a rede mundial de computadores conseguimos informações mais rápidas, pesquisas imediatas, comunicação geral, tudo dentro da sua casa.


5 REFERÊNCIAS

Linguagem C. < http://www.fsc.ufsc.br/~canzian/root/tutorial-c-unicamp.pdf>. Acesso em 10 jun 2013.

LinguagemC<https://pt.wikipedia.org/wiki/C_(linguagem_de_programa%C3%A7%C3 %A3o)>. Acesso em 10 jun 2013.

Evolução da Web. <http://4b-2012-02.bligoo.com.br/evolu-o-da-web-do-1-0-ao-3-0-0 >. Acesso em 10 jun 2013.


Linguagem C