Page 1

gráfico

BRASIL

informativo

twitter@graficosjundiai

www.sindigraficos.org

Informativo do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas, Jornais e Revistas de Jundiaí e Região - Julho de 2013

D’ARTHY

Grande vitória da classe trabalhadora Depois da DʼArthy ter recuado com o que se comprometeu em mesa redonda no Ministério do Trabalho, onde ficou determinado a reintegração do companheiro Claudeir, cipeiro eleito pelos trabalhadores, demitido de maneira rasteira e criminosa pela direção da empresa. Conseguimos uma vitória na justiça do trabalho e reintegramos o companheiro. Agora iremos planejar uma série de protestos, denunciando para todos os clientes da empresa os atentados e as irregularidades cometidas pela direção da DʼArthy, e a próxima ação será um caminhão de som na porta da empresa em protesto conta os desmandos desta Patrãozada picareta.

Lideranças sindicais internacionais visitam sede em Jundiaí Em junho, a sede do Sindicato dos Gráficos de Jundiaí e Região recebeu a visita de grandes lideranças do movimento sindical de diversos países e estado com o objetivo de se fazer uma análise do setor a nível nacional e internacional. Eles foram recebidos pelo companheiro Leonardo Del Roy, presidente da CONATIG. Estiveram presentes o companheiro Marvin Largaespadada, da Nicarágua, a companheira Laura Menassé, da Argentina, ambos dirigentes da UNI SINDICATO GLOBAL. Também compareceu o companheiro Martinho Souza, presidente da CUT do Pará e nosso grande companheiro Rogério Andrade presidente dos gráficos do Ceará. Sejam sempre bem-vindos companheiros!!!

Possuído aterroriza Nova Página Mais uma vez a Nova Página esta na manchete do informativo Gráfico e pelos mesmos motivos “Assédio Moral”, pois é companheiros tem um diretor abusando da autoridade e desrespeitando os trabalhadores. O perturbado já até ganhou o apelidinho de “Possuído”, pois é o possuído está tocando o terror humilhando os trabalhadores, ameaçando-os de demissão, forçando a executarem horas extras entre outras coisas. E o pior de tudo é que o despreparado está fazendo escola, pois já tem um bobinho seguindo o exemplo. O equivocado por ter ganhado um carguinho de chefete, esta se achando, até parece que nunca foi “Peão”. Fica o recado para o Batman e Robbin se não pararem de perseguir os trabalhadores faremos um protesto na porta da empresa.

Dia 21 de Julho exclusivo para associados

Sede: Rua Prudente de Moraes, 911- Centro - Jundiaí/SP - Fonefax:(11)4521-2163/4522-4616 Subsedes: Vinhedo: Rua Monteiro de Barros, 194 - Centro-Vinhedo - Fone: (19) 3886-1806 l Cajamar: Av. Tenente Marques, 1674 - Polvilho - Cajamar/SP - Fone:(11)4498-0335


gráfico

2 EDITORIAL

informativo

“O POVO CANSOU”

Foto: Divulgação

Por: Leandro Rodrigues/ Presidente do Sindicato dos Gráficos de Jundiaí e Região Em meio a tantos protestos e discussões, por mobilidade urbana, redução das tarifas de transporte, por melhorias na educação, por saúde de qualidade, pelo fim da corrupção etc. Podemos concluir que o povo de fato se cansou, se cansou de tanto descaso, de tanta impunidade. O grito do povo foi tão forte que chegou a ser escutado em todos os poderes. Mesmo um pouco confuso o povo conseguiu transmitir o recado, mostrou sua força, e conseguiu deixar todos os políticos preocupados. Estes protestos serviram de exemplo para todos nós, no sentido de repensarmos sobre a nossa tática e reorganizarmos a nossa luta. Este movimento já ficou para a história, e ninguém vai mais dizer que o povo só pensa em futebol e samba. Os políticos também pensarão antes de roubar ou aprovarem projetos que prejudiquem o povo. Porém temos que ter muito cuidado, pois o país melhorou muito nos últimos anos, e por mais que tenhamos críticas, temos que considerar

que o menos abastados acenderam economicamente e os mais famintos tem o que comer. Agora o povo precisa se organizar melhor, participar dos movimentos organizados, cobrarem de maneira organizada o poder executivo, legislativo e judiciário, porem é necessário entender o papel de cada um destes poderes. Temos que cobrar sim! Mas de maneira responsável e não nos levarmos somente pelo calor dos protestos, e muito menos ser manipulados pela classe dominante, cujas pretensões estão muito claras. E para que as mobilizações não acabem sem resultado e toda esta luta não fique em vão, uma coisa é certa, precisamos aprender, discutir e participar da política, pois quando o povo não participa, sobra espaço para os políticos que não tem compromisso com o povo, e se na hora de votar cometermos os mesmos erros, não muda nada, e toda esta mobilização poderá acabar sem resultado.

CUT e demais centrais sindicais farão mobilização nacional em julho A CUT, e as demais centrais sindicais (CTB, Força, UGT, CSP/Conlutas, CGTB, CSB e NCST), e o MST decidiram, em reunião realizada no dia 25 de junho, em São Paulo, organizar atos conjuntos do movimento sindical e social no próximo dia 11 de julho em todo o País. As paralisações, greves e manifestações terão como objetivo destravar a pauta da classe trabalhadora no Congresso Nacional e nos gabinetes dos ministérios e também construir e impulsionar a pauta que veio das ruas nas manifestações realizadas em todo o país dos últimos dias. Segundo os dirigentes, além de mais investimentos em saúde, educação e transporte público de qualidade, como os manifestantes pediram e que é também uma pauta dos trabalhadores, os atos de julho irão reivindicar o fim dos leilões do petróleo, o fim do fator previdenciário, a redução da jornada para 40 horas semanais sem redução do salário, a reforma agrária e o fim do Projeto de Lei 4330, de autoria do deputado Sandro Mabel, que acaba com as relações de trabalho e regulamenta a terceirização no Brasil.


gráfico

3

informativo

Sindicato estuda ação na justiça para pleitear a correção do FGTS cuja defasagem pode chegar até 88% O Sindicato dos Gráficos de Jundiaí e região avalia quais medidas serão adotadas para recuperar as perdas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) dos trabalhadores gráficos de sua base territorial. A medida mais provável que será adotada é a propositura de AÇÃO PÚBLICA CÍVEL na condição de Substituto Processual. Neste sentido os trabalhadores da categoria gráfica devem se sindicalizar para fortalecer ainda mais nossa Entidade Sindical e se beneficiarem do processo a ser proposto em relação à Caixa Econômica Federal. As medidas a serem adotadas são com base na previsão de que o FGTS deverá render menos em razão dos juros baixos. O trabalhador da iniciativa privada com carteira assinada verá o saldo do FGTS render menos à medida que o Comitê de Política Monetária (Copom) baixar a taxa de juros básica da economia brasileira, a Selic.

Atualmente, a taxa está em 7,5% ao ano. Com isso, o rendimento do FGTS no ano (2013) deve ser o menor dos últimos cinco anos, ficando em apenas 3,29%. A movimentação para baixo se dará pelo fato de a correção do saldo do fundo ser atrelada à Taxa Referencial (TR), acrescida de mais 3% ao ano. A composição da TR leva em conta em seu cálculo o valor da Selic. Com a taxa básica de juros chegando ao patamar de 7,5% ao ano, em setembro, a TR ficou zerada. A estimativa do mercado financeiro é que o Copom mantenha a tendência de queda da Selic ou a mantenha em 7,5%. INFLAÇÃO Se nada for mudado o FGTS perderá para a inflação. Há estudos que apontam perdas de até 88% na correção do FGTS, dependendo do índice de correção e do período que se adote para calcular as perdas.

Boca no Trombone Após fim das atividades, demitidos da RIGESA conquistam garantias Depois de intenso debate e duas rodadas de negociação, os trabalhadores da MWV RIGESA conquistaram a extensão de vários benefícios com o encerramento das atividades gráficas na empresa. A reunião que definiu o acordo ocorreu no dia 18 de junho.

Veja os resultados: •Indenização de um salário nominal por ano trabalhado na empresa, com teto de cinco salários para todos os demitidos. Os trabalhadores ainda terão direito a nova lei do aviso prévio e a indenização da clausula 31 da CCT. •12 meses de participação no convenio médico Unimed e no plano odontológico da Uniodonto para titulares e dependentes. Este benefício será pago de uma só vez na rescisão do contrato de trabalho. •12 meses de fornecimento de cestas básicas a serem concedidas através Ticket Alimentação, em um único depósito, e cesta de Natal e brinquedos para todos os filhos dos trabalhadores demitidos. •Compromisso em efetuar as demissões priorizando os trabalhadores que já estão com emprego garantido e mantendo os que ainda não conseguiram uma nova recolocação no mercado de trabalho. •A empresa não reconhece a estabilidade de Cipeiros e dirigentes sindicais por estar encerrando as atividades, mas se compromete a realizar uma mesa redonda para discutir o assunto, e se ficar definido o direito a estabilidade, fará a indenização.

Estas conquistas são o resultado de vários anos de luta e mobilização dos trabalhadores junto com o Sindicato. Parabéns aos companheiros da RIGESA e a luta continua...


gráfico

BRASIL

informativo

twitter@graficosjundiai

www.sindigraficos.org

Informativo do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas, Jornais e Revistas de Jundiaí e Região - Julho de 2013

TERCEIRIZAÇÃO

NÃO A PL 4330

Projeto de lei apoiado por empresários aniquila com o trabalho descente em nosso país Sem maiores alardes da mídia nacional, um dos setores que mais se utiliza de mão de obra terceirizada, a proposta avança no Congresso Nacional e coloca em risco todas as conquistas da classe trabalhadora em quase um século de lutas e mobilizações. A CUT e todas as centrais sindicais afiliadas organizam uma grande mobilização nacional para o próximo dia 11 de julho em Brasília. O fim da PL 4330 é uma das principais reivindicações. A presidente Dilma Rousseff esteve reunida com a CUT e as demais centrais sindicais no dia 26 de junho, em Brasília, mas na ocasião as discussões giraram em torno das recentes manifestações que tomaram conta das ruas do Brasil nas últimas semanas. Mas a presidente deu sinal de que não irá deixar a pauta do trabalhador retroceder. "No meu governo, não terá nada que represente prejuízo para os trabalhadores", reforçou Dilma. ENTENDA OS RISCOS Corremos o risco que a proposta e seu substitutivo ampliem de forma ilimitada as possibilidades para que as empresas possam terceirizar toda sua produção. E quem definirá essa especialização será a própria empresa prestadora dos serviços. No médio prazo, corremos o risco de todos os trabalhadores serem substituídos por essa modalidade de

trabalho eventual e temporário, na condição de prestadores de serviços. Não teremos mais bancários, professores, gráficos, médicos, metalúrgicos, químicos etc. Seremos um país de terceirizados. No serviço público, onde a terceirização já é conhecida como fonte de corrupção, desvios do dinheiro público e piora na qualidade dos serviços prestados à população, o PL afronta a nossa Constituição Federal, configurando fraude em concurso, hoje possibilidade única de entrada no serviço público. A classe trabalhadora não pode sofrer esse verdadeiro golpe, justamente no momento em que o Brasil começa a trilhar o caminho do crescimento econômico e iniciar um resgate histórico de sua imensa dívida social que o país ainda tem com sua classe trabalhadora. Queremos e precisamos, sim, de uma legislação que estabeleça os mesmos direitos aos trabalhadores terceirizados e que não haja nenhuma distinção de tratamento entre aqueles que são contratados diretamente e os que venham a prestar algum tipo de serviço à contratante. Além disso, a nova lei precisará assegurar o trabalho decente, o valor social do trabalho e a dignidade do trabalhador, como valor humano universal e inalienável.

Um país de primeira não pode reservar para o seu futuro e de seus filhos um tratamento de terceira


O QUE PODE ACONTECER SE A PL 4330 FOR APROVADA: • Coloca em risco todas as conquistas da classe trabalhadora em quase um século de lutas e mobilizações. • Divide os trabalhadores entre os contratados diretamente pelas empresas (com mais direitos), e terceiros (com menores direitos), contratados pelas empresas prestadoras de serviços. • Poderá substituir trabalhadores contratados com direitos assegurados na lei e no acordo coletivo por temporários e, sobretudo, com salários e benefícios menores e em condições de trabalho inferiores. • Geralmente trabalhadores terceirizados sofrem com salários atrasados, sem pagamento ou gozo das férias e sem o 13º salário. • A maioria das empresas terceirizadas fecha as portas, sem cumprir com os direitos trabalhistas e rescisórios. • A terceirização vem matando trabalhadores. A cada 10 acidentes de trabalho fatais, oito acontecem com os terceirizados, obviamente por falta de investimentos em treinamento e qualificação profissional. • Possibilidade para as empresas possam terceirizar toda sua produção. • No médio prazo, corremos o risco de todos os trabalhadores serem substituídos por essa modalidade de trabalho eventual e temporário, na condição de prestadores de serviços. Não teremos mais bancários, professores, gráficos, médicos, metalúrgicos, químicos, etc. Seremos um país de terceirizados. • Pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) a terceirização é ilegal na maior parte dos casos.

A terceirização da mão de obra e de serviços é feita pelas empresas com o objetivo principal de reduzir custos. O Brasil conta com mais de 10 milhões de trabalhadores terceirizados ou prestadores de serviços. Representam 22% do total de cerca de 45 milhões de trabalhadores com carteira de trabalho assinada. COMO VOCÊ PODE AJUDAR A EVITAR QUE A PL 4330 SEJA APROVADA: •Participe da mobilização nacional contra a aprovação do PL 4430 •Envie e-mail aos deputados que integram a CCJC da Câmara Federal. •Assine também o abaixo assinado eletrônico no site: http://combateaprecarizacao.cut.org.br

NÃO AO PL 4330/2004 DA TERCEIRIZAÇÃO, NÃO À PRECARIZAÇÃO


gráfico informativo

Boca no Trombone Trabalhadores da LOG & PRINT avançam nas reivindicações Há vários anos os companheiros da LOG & PRINT lutam para melhorar o horário de trabalho e avançar em vários pontos da pauta. Após muita negociação e diversas mobilizações, os trabalhadores escolheram no dia 19 de junho a proposta A, por 288 votos, contra 74 votos da proposta B, e 152 votos da proposta C. Com este resultado o novo horário de trabalho permitirá que os companheiros do 2º turno saiam mais cedo aos sábados e ainda folguem um sábado por mês.

Confira as conquistas: •Em casos de trabalho aos domingos, os trabalhadores folgarão em um dia da semana posterior ao dia trabalhado e receberão ainda a remuneração com o adicional de 100% como hora extra.

•Redução no valor do transporte de 6% para 4,5% do salário para todos que não tiverem falta ou faltas justificadas, e para os que tiverem faltas injustificadas haverá um desconto de 5%.

PLR - Com relação ao plano de PPR, ficou definido a formação de uma comissão com dez funcionários sendo que cinco serão eleitos pelos trabalhadores e cinco indicados pela empresa. Esta comissão discutirá a formatação do Plano de PPR, e apresentará um esboço ao gerente regional do trabalho até o dia 20 de junho. Esta comissão será montada da seguinte forma: TRABALHADORES: 1 da pré-impressão, 1 impressão, 2 do acabamento, e 1 do almoxarifado/expedição. EMPRESA: 1 do RH, 1 do financeiro, 1 do ATC, 1 do PCP, e 1 da produção. PASSIVO TRABALHISTA Como a empresa não apresentou nenhuma proposta com relação ao passivo trabalhista gerado pelo horário 6x2, que não tinha acordo coletivo, o Sindicato entrará com ação trabalhista pleiteando as horas extras decorrentes deste horário com revezamento semanal do período de abril de 2009 até hoje, para todos interessados. Entre em contato com os diretores do Sindicato para assinar a procuração. SAÚDE E SEGURANÇA Após muita luta a empresa esta trocando todo o sistema de aparas, pois o sistema antigo não comporta mais o volume e dispersa o pó de papel na fábrica. Também esta sendo construída uma nova área de descanso que será entregue em breve. Sobre o desconforto gerado pelo calor, a empresa se compromete em apresentar um estudo de melhorias ao Sindicato. Parabéns aos companheiros pelas conquistas!!!

REDOMA sede as reivindicações dos trabalhadores Há vários meses o sindicato vem negociando com representantes da empresa uma pauta consistente dos seguintes itens: fornecimento de cesta básica, auxílio creche, abertura de CATs, excesso de jornada de trabalho, e reajuste nos valores da cesta básica, fornecimento de refeição entre outras coisas. Ocorre que nos últimos meses a empresa adotou uma postura bastante inflexível com a diretoria do Sindicato, chegando ao ponto de um dos diretores tentar debochar da pauta em uma das reuniões, além disso, a empresa também começou a perseguir a companheira Vera, recentemente eleita para a diretoria sindical. Diante deste quadro não restou alternativa para a diretoria, se não a de protestar. E depois de um grande protesto realizado na porta da empresa com a participação de várias entidades coirmãs, a empresa começou há ceder. Cedeu no reajuste da cesta básica, se comprometeu em regularizar o excesso de jornada de trabalho contratando mais funcionários, também começou enviar a cópia das CATs. Com relação à companheira Verinha a empresa pelo menos por enquanto parou de perseguir, mas continuamos de olhos abertos e se tiver qualquer represália por parte da empresa retomaremos os protestos. Mas a luta ainda continua, pois a empresa ainda não apresentou nenhuma proposta para o fornecimento de refeições. E vamos a luta!

gráfico informativo

Órgão Informativo do Sindicato dos Trabalhadores Gráficos de Jundiaí e Região

CNPJ:50.981.315/0001-35 Sede: Rua Prudente de Moraes, 911 Centro - Jundiaí/SP Fonefax:(11)4521-2163/4522-4616 Subsedes: Vinhedo:(19) 3886-1806 Cajamar:(11)4498-0335 Diagramação: Loro Comunicação Jornalista responsável: Mauro Utida | MTB: 54971-SP

Responsabilidade: Diretoria Diretoria : Leandro Rodrigues da Silva; Osvaldo Santesso; Marcelo Marques de Souza; Josué Cândida da Silva; Jurandir Franco; Reginaldo Lopes de Moura; Aliro de Freitas; Nalmir Souza Santos; José Eduardo Manzoli; Eliana da Silva; Maria Aparecida Reis; Fábio Souza Meira; Walter Corrêa Júnior; César Luis dos Santos; Valdir Ramos da Silva; Regina Aparecida da Silva; Jéferson Soares; Erisvan Carvalho da Silva; Roberto Neves Macedo e Leonardo Del Roy.

Informativo Gráfico Julho  

Informativo Gráfico do Sindicato dos trabalhadores gráficos de Jundiaí e Região, edição de Julho