Issuu on Google+

Ano XXVII - Junho de 2014 - Nº 519

CONSTRUINDO O RAMO FINANCEIRO

www.bancariosjundiai.com.br

Santander vence a Copa dos Exploradores O Santander Brasil, que obteve lucro de R$ 1,428 bilhão, extinguiu 970 postos de trabalho no primeiro trimestre deste ano. Desta forma, o banco espanhol eliminou 4.833 vagas nos últimos 12 meses, ganhando a Copa dos Exploradores. O Bradesco ficou com o troféu de vice eliminando 3.248 empregos bancários e o Itaú eliminou 2.759 empregos em 12 meses ficando com a medalha de bronze. Os três seguem na contramão da economia brasileira, que no mesmo período gerou 344.984 novos empregos com carteira assinada. Como se não bastasse essa redução de empregos, o Santander

ainda fechou 58 agências no primeiro trimestre, ampliando o número de unidades extintas desde o ano passado. O banco fechou 150 agências nos últimos 12 meses. Porém, a carteira de clientes cresceu significativamente: 2,2 milhões em um ano, ou 545 mil apenas no primeiro trimestre de 2014. “Isso significa que com a redução de empregos os atuais funcionários estão sobrecarregados de serviços, o que prejudica o atendimento. Não é à toa que o Santander liderou nos três primeiros meses do ano o ranking de reclamações de clientes no Banco Central”, informa o diretor Irineu “Tacão”.

COPA DOS EXPLORADORES Banco

Lucro no trimestre

Corte no trimestre

Corte nos últimos 12 meses

R$ 1,428 bilhão

970

4.833

R$ 3,473 bilhões

944

3.248

R$ 4,529 bilhões

733

2.759

R$ 2,678 bilhões

43

1.492

Santander

Bradesco

Itaú

Banco do Brasil

Lucro R$ 10,5 bi, mas corte de 2.690 empregos Os quatro grandes bancos brasileiros apresentaram outra vez lucros bilionários, mas continuam eliminando postos de trabalho, andando na contramão da economia brasileira. O Itaú, o Bradesco, o Banco do Brasil e o Santander exibiram juntos lucros de R$ 10,5 bilhões no primeiro trimestre, enquanto cortaram 2.690 vagas, prejudicando o emprego dos bancários e o atendimento dos clientes e da população. Já nos últimos 12 meses, esses quatro bancos extinguiram 12.332 postos de trabalho, o que é injustificável.


EDITORIAL Os três maiores bancos privados do Brasil - Itaú, Bradesco e Santander - não param de acumular riqueza. Em 2013, apresentaram juntos lucro líquido de R$ 34 bilhões. É a política de ganhar dinheiro fácil à custa de juros escorchantes, tarifas abusivas e da exploração de trabalhadores. No mesmo período, os maiores bancos fecharam 10.001 postos de trabalho. Essa política dos bancos segue em direção contrária dos setores produtivos da economia brasileira, que geraram 1,1 milhão de novos empregos com carteira assinada. Em 2013, o Santander lucrou R$5,7 bi e demitiu 4.371 trabalhadores. O Bradesco faturou R$12.2 bi e cortou 2.896 postos de trabalho; e o Itaú teve um resultado de R$15,8 bi, mas dispensou 2.734 bancários. Só no primeiro trimestre de 2014, na região de Jundiaí houve 24 demissões no Bradesco, 14 demissões no Itaú e 15 demissões no Santander. Além disso, existe uma alta rotatividade nos bancos, dispensando bancários antigos para contratação de novos funcionários com salários mais baixos. A única explicação para o corte de postos de trabalho é a ganância dos banqueiros. Esse tipo de comportamento não pode mais ser tolerado pela sociedade brasileira. Vale lembrar, que os bancos são os mais rentáveis de toda a economia brasileira e de todo o sistema financeiro internacional. Fechar postos de trabalho é literalmente boicotar o desenvolvimento econômico e social do país. Desta forma, acentua-se ainda mais o debate sobre uma nova regulamentação do sistema financeiro, onde a sociedade e os trabalhadores devem opinar, discutindo o papel dos bancos para a sociedade. Douglas Yamagata - Presidente do Sindicato dos Bancários de Jundiaí e Região.

2

POLÍTICA

Os inimigos dos trabalhadores querem voltar

Enquanto Armínio Fraga é cotado para ser o ministro do tucano, Roberto Setúbal está com Campos

O sentimento de mudança para as próximas eleições é grande entre o eleitorado brasileiro, porém os dois candidatos de oposição, Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), apresentaram dois nomes bem conhecidos dos trabalhadores para assumir o Ministério da Fazenda, caso sejam eleitos. Enquanto Armínio Fraga, ex -presidente do Banco Central no governo FHC, é cotado para assumir o Ministério da Fazenda caso o senador tucano seja eleito, Roberto Setúbal, dono do Itaú, pode ser o ministro da Fazenda se o candidato Eduardo Campos vencer as eleições. Mas e daí, qual o proble-

ma? Seria um retrocesso para a política econômica brasileira que registrou um aumento considerável de trabalhadores com carteira assinada nos últimos 10 anos, em razão de uma política apoiada na valorização do salário mínimo, políticas de incentivo ao emprego e transferência de renda. (Veja o quadro abaixo)

Fraga e Setúbal já demonstraram que irão aplicar medidas ortodoxas na economia, tais como aumento da taxa de juros e arrocho salarial para “inibir” o consumo e “conter a inflação”. São ações que vão na contra mão da política adotada nos últimos anos e que podem diminuir as vendas e a

produção das indústrias. Resultado: Desemprego. Armínio Fragra já declarou que “o salário mínimo cresceu muito ao longo dos anos. É uma questão de fazer conta”, criticou o ex-presidente do Banco Central no governo FHC, que mandou a taxa de juros Selic para as alturas, beneficiando os banqueiros na época. Estas declarações demonstram claramente que com Aécio volta o ARROCHO SALARIAL, pois o presidenciável tem dito que editará medidas impopulares para “inibir o consumo” e “conter a inflação”. Já não bastam os tempos de FHC?, é isto que você quer novamente?

No rumo certo do emprego Os governos Lula e Dilma promoveram uma verdadeira revolução social no País nos últimos 11 anos, ao garantir uma economia praticamente de pleno emprego e de níveis de remuneração crescentes para a classe trabalhadora. O Brasil mudou positivamente, tornou-se referência mundial no combate às desigualdades e é hoje a sexta maior economia do planeta. Esses números provam que diferentemente da estridência da oposição e do que esperneiam os grandes veículos de comunicação, o País vive sim um ótimo momento. Enquanto o mundo todo está em crise e em recessão, o Brasil continua no caminho certo.

Número de empregos formais Governo Dilma Lula FHC

Ano 2011 a março de 2014 2003 a 2010 1995 a 2002

Empregos criados 4,8 milhões 15,3 milhões 5 milhões

Dados do Ministério do Trabalho e Emprego


O LEGADO DA COPA

Desculpa aí, mas a Copa é boa para o Brasil sim! Falta pouco para o início da Copa do Mundo no Brasil, 64 anos depois de ter sediado o evento pela primeira vez. O tema tem sido motivo para intensos debates entre os que são contrários e os que defendem sua realização. No entanto, é fato que o evento vai ocorrer e o seu legado existirá também. Confira abaixo: Gastos públicos federais:

Bom para a economia

• Segundo o Ministério do Turismo foram investidos R$ 17,6 bilhões em toda a infraestrutura envolvendo a Copa: estádios, aeroportos, telecomunicações, mobilidade urbana.

• De acordo com a FGV, cerca de R$ 100 milhões em novos negócios para as micro e pequenas empresas e R$ 142 bilhões adicionais circulam na economia brasileira no período de 2010 a 2014.

• Dos R$ 8 bilhões investidos nos estádios, R$ 4 bilhões foram financiados pelo BNDES e este dinheiro será pago, e com juros. Não há recursos do orçamento federal aplicado nas arenas.

• O país poderá ganhar com a Copa R$ 30 bilhões - o valor corresponde à geração de renda que será adicionada à economia brasileira - segundo Fipe em conjunto com o Ministério do Turismo.

Infraestrutura

Emprego

Mobilidade urbana – De acordo com os Ministérios do Esporte e do Planejamento, foram investidos, R$ 8 bilhões em 42 obras de mobilidade urbana no país.

• Entre abril e junho serão criados 47,9 mil novas vagas de trabalho por conta do mundial. • Cerca de 50 mil postos de trabalho foram criados na construção ou reforma dos Estádios.

Segurança - Serão investidos R$ 1,9 bi em compra de equipamentos, capacitação dos profissionais, a criação de um Sistema Integrado de Comando e Controle, além de reforço de 157 mil profissionais das forças de segurança pública nas ruas. Portos e Aeroportos – Cerca R$ 7 bilhões foram aplicados em 36 obras e intervenções.

Turismo • Há a expectativa de 600 mil turistas estrangeiros (o dobro da África do Sul) e 3 milhões de turistas nacionais durante a Copa. • Segundo estimativa da Embratur, os gastos dos turistas brasileiros e estrangeiros durante a Copa chegará a R$ 25 bilhões.

3


FEIRÃO DA CAIXA

Sindicato cobra pagamento de horas extras O Sindicato acionou a Gerência Regional do Ministério do Trabalho para resolver os problemas referentes ao 10º Feirão da Casa Própria, realizado pela Caixa em Jundiaí nos de 16 a 18 de maio. Em mesa redonda realizada no dia 14 de maio, o banco se comprometeu a pagar integralmente as horas extras aos trabalhadores que participarem do Feirão, sem compensação de horas futuras. O Sindicato esteve representado pelo presidente Douglas Yamagata e o diretor do Sindicato e funcionário da Caixa, Paulo Mendonça, acompanhados do advogado, Vladimir Au-

rélio Tavares. Além disso, participaram também representantes do banco, da Apcef/SP e o Gerente Regional do Trabalho, Roque de Camargo Júnior, que intermediou o debate.

“O Feirão da Casa Própria é um evento importante para a sociedade, e também para a Caixa, porém os funcionários não podem ser prejudicados. Somos absolutamente contrários ao não-pagamento de horas extras e compensação de horas”, Ressalta Paulo Santos Mendonça - diretor do Sindicato e funcionário da Caixa.

BRADESCO

CAIXA

Agência de Morato está no limite

Golpe da terceirização

A única agência do Bradesco em Francisco Morato está no limite e o Sindicato, através dos diretores Sandro Bacan, Anderson Zanon, Gerson Pereira e Douglas Yamagata, voltaram a reivindicar a ampliação ou construção de nova agência na cidade. Porém o gerente da regional de Barueri, Jose Maria da Silva Matos, não deu grandes esperanças em relação à reivindicação. “A solução seria a ampliação dos correspondentes bancários na cidade”, argumentou Matos. Para o diretor e funcionário do Bradesco, Sandro Bacan, a ampliação do correspondente bancário não é a solução, mas sim uma ferramenta econômica para o banco inibir a contratação de mais funcionários. Além disso, ponderou que o Bradesco deveria levar em consideração

A empresa PH Serviços – responsável pela contratação de recepcionista e telefonista – fechou as portas da noite para o dia e não pagou o salário e demais direitos dos funcionários contratados para trabalhar na Caixa Econômica Federal. O Sindicato, embora não seja representante reconhecido destes trabalhadores, intermediou a conversa com a superintendência regional da Caixa, que se comprometeu a pagar os salários em débito, férias e fundo de garantia, além de garantir a recontratação. Segundo o diretor e funcionário da Caixa, Paulo Santos Mendonça, esta não é a primeira vez que a Caixa sofre com golpe de empresas terceirizadas. Para ele, este exemplo mostra o quanto a terceirização é prejudicial para as empresas como aos trabalhadores.

a questão da responsabilidade social, ampliando o número de agências, melhorando o atendimento à população e contratando mais funcionários, uma vez que se vangloria do Certificado SA 8000. “A agência de Morato é um verdadeiro desrespeito aos clientes e funcionários. Não bastasse a falta de estrutura, a agência conta com poucos funcionários para atender a demanda da população”, afirma Sandro. Comparação O Sindicato comparou a cidade de Jundiaí com a de Francisco Morato, onde a cidade de Jundiaí conta com 350 mil habitantes e 11 agências e a cidade de Morato conta com 250 mil habitantes e uma agência.

Informativo do Sindicato dos Bancários de Jundiaí e Região Filiado à Fetec/Contraf/CUT Fone: (11) 4521-9711 Fax: (11) 4521-9423 Rua Prudente de Moraes, 843 - Centro-Jundiaí/SP

4

Veja os compromissos firmados com a Caixa no Ministério do Trabalho em nosso site: www.bancariosjundiai.org. br.

EDITAL EDITAL DE CONVOCAÇÃO DE ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA O Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Jundiaí e Região, com CNPJ sob o nº 58.377.441/0001-97 e registro sindical junto ao MTE sob n º 24000.001653-90, pelo seu presidente abaixo-assinado, no uso de suas atribuições previstas pelo estatuto social da entidade e legislação vigente, convoca todos os associados, quites com suas obrigações sindicais, para a realização de ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA, que se realizará no próximo dia 26 de junho de 2014, às 18h30min em primeira convocação e às 19h00min em segunda convocação, na sede social da entidade, à Rua Prudente de Moraes, 843, Centro, em Jundiaí (SP), para tratar dos seguintes assuntos: 1) Apresentação, discussão e deliberação sobre a prestação de contas do exercício de 2013 e o respectivo parecer do Conselho Fiscal; 2) Outros assuntos de interesse da categoria. Jundiaí, 22 de Maio de 2014. DOUGLAS KAZUYUKI YAMAGATA - PRESIDENTE

Presidente: Douglas Yamagata Diretor Responsável: Antonio Cortezani Jornalista Responsável: Mauro Utida (MTB: 54971/SP) Editoração e Diagramação: Loro Comunicação - Fone: (11) 3963-3305

Tiragem: 2.000 Exemplares

Impressão: Mettagraf www.bancariosjundiai.org.br


Jornal dos Bancários