Issuu on Google+

O único jornal-laboratório diário do Brasil

lona.redeteia.com

Ano XV > Edição 886 > Curitiba, 09 de maio de 2014

Projeto Urbanista Mirim realiza pesquisas de opinião pública, e dá voz à juventude curitibana para discutir problemas e melhorias da capital paranaense; resultados serão entregues em setembro

p.3

EDITORIAL “O deputado Marco Feliciano se envolveu em outra polêmica: dessa vez, houveram consequências.” p. 2

OPINIÃO

Popularização da corrida incentiva brasileiros à prática esportiva

Muito além da boa forma, o esporte é o segundo mais popular no Brasil, e proporciona inúmeros benefícios à saúde p. 4

Foto: Lucas Souza

Juventude discute novo Plano Diretor de Curitiba

“Será que estamos preparados para receber a Copa? E quando a Copa terminar, o que vai acontecer?” p. 2

#PARTIU Embutido de um certo feminismo mais sutil, Mulheres ao Ataque é uma comédia diferente das outras p. 6

COLUNISTAS Ana Santos “Fui ao show sem pesquisar sobre as canções, com a ideia de ali mesmo, na rua, me surpreender. E não é que eu me surpreendi? Eles possuem um repertório que é a cara do Brasil.” p. 5 Lucas Karas “Achei injustiça Felipão ter preterido Miranda por Henrique, pois vejo o futebol do primeiro superior ao do segundo. Mas mesmo assim, foi uma boa escolha, já que Henrique p. 5 tem futebol e provou isso.”


LONA > Edição 886 > Curitiba, 09 de maio de 2014

2

EDITORIAL

Feliciano censurado

Mais uma vez o deputado Marco Feliciano, autor do projeto “Cura Gay”, cuja ideia é a de que a homossexualidade é uma doença e precisa ser curada, se envolveu em outra polêmica. Tão exímia quanto as outras, mas que, dessa vez, trouxe consequências em seu próprio detrimento. Feliciano não é do tipo que se preocupa muito com o que os outros vão pensar a respeito dele. Basta ver as palavras que profere, os debates que gera e agora, o seu íntimo exposto: a entrevista reveladora à Playboy - e contraditória - em que assume que já usou cocaína e que o sexo anal pode ter seus prazeres. Depois de quase um mês de questionamentos e repercussão na sociedade, Feliciano poderá ser desligado de uma convenção de pastores, por conta da entrevista que deu à edição de abril da revista. Não pelo conteúdo da entrevista, mas sim pela revista ser de cunho erótico e ir contra os princípios da entidade. Na segundafeira, a Convenção Fraternal Interestadual das Assembleias de Deus (Confradesp) divulgou uma nota de esclarecimento afirmando que a Mesa Diretora da entidade decidiu encaminhar ao Conselho de Ética e Disciplina os assuntos relacionados ao deputado. Estava demorando para tirarem ele do pedestal no qual pensa que vive. Sair falando o que pensa hoje em dia - e coisas que ofendem aos demais indíviduos de uma sociedade - ainda mais para uma figura pública, é difícil não resultar em punição (veja o caso Sheherazade). Não se trata da perda do título de pastor, mas do desligamento de Feliciano da entidade, essencial para “dar credibilidade ao seu ministério”, segundo o pastor Lelis Washington, membro da direção da Confradesp. É a prova de que misturar religião com política não costuma dar certo. Ambos os lados têm pensamentos próprios que, quando se confrontam, resultam em descontentamento. Ser deputado e pastor é arriscado, mais ainda do que falar coisas que ferem os próprios direitos humanos, os quais ele já “defendeu” um dia. Ser uma pessoa conhecida, e reconhecida, tem essa desvantagem: a mistura do público com o privado, ou seja, tudo o que for feito de um lado terá reflexo no outro. Agora é só esperar pelo próximo deslize.

OPINIÃO

Hospitais de plantão durante a Copa do Mundo Josiane de Souza

Nessa terça feira (06), o jornal Bem Paraná publicou os hospitais que estão presentes na lista de acesso restrito da Copa. Tratam-se dos hospitais nos quais apenas pessoas devidamente cadastradas poderão circular, pois os mesmo encontram-se nos arredores dao Estádio da Arena. Esses hospitais ficarão abertos durante os jogos da Copa do Mundo. São eles: o Pequeno Princípe, e o Sugisawa. Sabemos que os turistas que estarão visitando Curitiba querem comodidade e acesso fácil e rápido às coisas, em especial no que diz respeito à sua segurança e saúde, porém, não podemos simplesmente fazer de conta que a qualidade da saúde, não só em

Curitiba, mas também em todo o Brasil, é boa. E não adianta deixar os hospitais com mais médicos, fazendo mais plantões, se quando a Copa terminar, vai voltar tudo ao normal. Acredito que a prefeitura de Curitiba está apenas interessada em, no período da Copa, deixar uma boa imagem para os turistas que estarão aqui, nos hotéis e passeando pela cidade. No entanto, não podemos esqueçer das pessoas necessitadas, passando fome pelas ruas. Curitiba não está preparada para receber jogos da Copa do Mundo, há muita violência, muitas pessoas passando necessidade e o governo apenas preocupado em mostrar uma boa imagem para o

Brasil e para os turistas. Saiu uma notícia na Gazeta do Povo, nessa quarta- feira (07), falando que durante a Copa do Mundo a internet não funcionará bem, porque serão muitos usuários acessando a rede ao mesmo tempo. Já dá pra imaginar o caos que vai virar Curitiba: os moradores em volta da Arena não vão gostar de ver todo aquele movimento, aquele estresse de credenciamento (que foram obrigados a fazer para andar de carro pelas ruas próximas ao estádio). Será que estamos preparados para receber a Copa? E quando a Copa terminar, o que vai acontecer? As pessoas estarão melhores?

Charge: Thayná de Almeida Jorge

Expediente Reitor José Pio Martins Vice-Reitor e Pró-Reitor de Administração Arno Gnoatto

Pró-Reitora Acadêmica Marcia Sebastiani Coordenadora do Curso de Jornalismo Maria Zaclis Veiga Ferreira Professora-orientadora Ana Paula Mira

Coordenação de Projeto Gráfico Gabrielle Hartmann Grimm Editores Ana Carolina Justi, Kawane Martynowicz e Luiza Romagnoli Editorial Da Redação


Curitiba, 09 de maio de 2014 > Edição 886 > LONA

3

NOTÍCIAS DO DIA

Jovens participam de discussões pela “Curitiba que queremos” Revisão do Plano Diretor de Curitiba escuta alunos do ensino fundamental para implementação de políticas urbanas Lucas Souza

O segundo dia da Conferência Internacional Cidades Inovadoras (evento que acontece na Universidade Positivo até o dia 9 de maio), foi marcado pelo debate sobre as mudanças necessárias na estrutura urbana da capital. Os temas discutidos foram mobilidade e transporte público; moradia; impactos das mudanças climáticas; preservação do patrimônio ambiental e cultural; assim como políticas de desenvolvimento social e econômico, e contaram com a participação do Coordenador Técnico da Revisão do Plano, Miguel Ostoja Roguski. A revisão do Plano Diretor da cidade de Curitiba está recebendo uma ajuda visionária. Em parceira com a Secretaria Municipal de Educação e o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (IPPUC), alunos do projeto “Urbanista Mirim” da rede municipal de ensino, realizam pesquisas de opinião pública em escolas e comunida-

des para auxiliar o processo de identificação dos problemas do município, na perspectiva dos jovens. O projeto Urbanista Mirim está presente em 40 escolas, e busca resultados para quatro indagações: “O que espero para Curitiba daqui 10 anos?”, “Em que momento me senti feliz em estar em Curitiba?”, “O que falta em Curitiba para ser uma cidade boa de se viver?” e “O que você acha mais legal em Curitiba?”. “A opinião pública tem peso nas decisões políticas. É importante expressar nossas opiniões sobre a cidade, pois só assim a população tem a chance de ser ouvida”, disse o estudante de 12 anos, Tiago Costa, um dos alunos do projeto. Em discurso durante a palestra, Costa disse que a investigação apreciativa realizada pelos estudantes é uma forma de levar para a população a importância de se discutir as realidades sociais. Segundo a professora e coordenadora do projeto, Silmara Cesário, “a participação das crianças e dos adolescentes é fundamental. Daqui a 10 anos, serão eles os nossos adultos. Ouvir a opinião de como esperam que o município seja no futuro é uma forma de antecipar possíveis problemas de mobilidade urbana, segurança pública, educação e desenvolvimento sociopolítico”, declarou.

Coordenador Técnico da Revisão do Plano, Miguel Ostoja Roguski em palestra > Foto: Lucas Souza

A pesquisa tem sua entrega prevista para o dia 12 de setembro, quando se encerra também a consulta pública. O resultado deverá ser divulgado nos dias 28 e 29 de novembro em conferência pública, após isto, o texto final do Plano Diretor de Curitiba será encaminhado para a Câmara Municipal para aprovação.

Thiago Costa, o estudante de apenas 12 anos, dando sua colaboração para o evento > Foto: Lucas Souza

Curtiu? Rede Social é fonte para revisão do Plano Diretor de Curitiba Como você imagina a cidade ideal de se viver? É buscando atender as necessidades de cada região da capital paranaense e tornar a metrópole mais participativa, inovadora, funcional e sustentável, que a Comissão de Urbanismo e Obras Públicas da Câmara Municipal de Curitiba lançou mais dois espaços de discussão do Plano Diretor de mudanças urbanas.

Para participar de discussões com os vereadores, deputados estaduais e comunidade, foi criado o grupo “Plano Diretor de Curitiba 2014” no Facebook, espaço em que é possível a troca de informações e ideias monitoradas pela Comissão de Urbanismo e que serão futuramente repassadas ao Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, o IPPUC.

Um deles é o próprio site da CMC , que conta com uma grande seção explicando o Plano Diretor e uma parte para que você dê sua opinião em cada área de interesse: Economia criativa e cultura, meio ambiente e sustentabilidade, mobilidade cicloviária, mobilidade urbana e transporte integrado, habitação e regularização fundiária, paisagem urbana, uso de espaço público, áreas de lazer e esporte, segurança e defesa social, zoneamento urbano e de forma abrangente, a região metropolitana.

Além destes canais, o Plano Diretor ainda conta com o banco de dados do Portal da Prefeitura de Curitiba, em que é informado as datas e locais de audiências públicas, notícias e posicionamentos do conselho da cidade de Curitiba, o Concitiba, e o espaço em que será concentrada toda a pesquisa realizada com a população para a revisão do Plano Diretor. Para fazer uma proposta acesse.


LONA > Edição 886 > Curitiba, 09 de maio de 2014

4

GERAL

Corrida é o segundo esporte mais popular no país Segundo pesquisa do Instituto Corporte, o esporte é praticado por 4,5 milhões de pessoas, e conta com vários benefícios além da boa forma Alice dos Santos

A cidade de Curitiba é repleta de parques, nos quais é possível encontrar diversos adeptos da corrida. A prática de atividades físicas gera diversos benefícios, ao corpo e a mente, e é indispensável para manter uma boa qualidade de vida. Dentre várias opções, uma das mais recomendadas, e econômicas, é a corrida. Segundo uma pesquisa realizada pela Corpore, é o segundo esporte mais popular no Brasil, sendo praticado por 4,5 milhões de pessoas. Em um estudo realizado pela Universidade de Bonn, na Alemanha, foi comprovado que quem corre libera mais endorfina (enzima que proporciona bem-estar e diminui a ansiedade e o estresse) do que praticantes de outras atividades físicas. A capital paranaense é conhecida pelas vastas áreas verdes, nas quais é possível notar a quantidade de pessoas adeptas da corrida, e frequentes competições. A prefeitura de Curitiba já demons-

trou que apoia a prática de exercícios físicos, exemplo disso é a implantação das academias ao ar livre; a lei municipal de Incentivo ao Esporte (que prevê a captação de recursos do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), que são investidos diretamente em projetos esportivos); e o calendário anual de corridas de rua. O bancário Francisco José, 26, afirma que começou a correr após mudar-se para Curitiba: “sempre gostei de atividades esportivas, desde criança mesmo. Então eu praticava os mais simples e comuns: futebol e vôlei, entre amigos. Comecei a praticar corrida com 19 anos, quando cheguei a Curitiba. Eu sempre fui um pouco acima do peso, e, não só por isso, mas sentia que precisava praticar algum exercício continuamente. Comecei a me interessar por corrida por indicação de alguns conhecidos que me falaram que a Prefeitura tinha, e ainda tem, um calendário de Corridas de Rua. Me chamaram para participar, eu fui e gostei, desde então pratico a corrida diariamente”. Francisco costuma treinar no Jardim Botânico, no Parque Barigui, e também em outros parques de Curitiba. Exalta a importância das pistas destinadas aos corredores, “lá no Espírito Santo, aonde eu morava, não são comuns essas pistas separadas pra quem tá correndo, era meio confuso, aqui em Curitiba todos os parques têm e é muito bom”.

O bancário Francisco José em uma competição da Adidas. Foto: Arquivo pessoal

A prefeitura tem, todos os meses, corridas programadas, das quais Francisco participa frequentemente. “Normalmente provas de 10 km, mas já fiz a corrida de 21 km, e pretendo até o final do

A prefeitura de Curitiba possui um calendário com corridas mensais > Foto: Arquivo Pessoal

ano fazer uma de 42 km”. Ele também ressalta o que essa prática significa na sua vida, “ao correr ou treinar, eu me sinto mais disposto. Com mais energia, ganho cada vez mais “pique” pra encarar os desafios. Quando comecei cansava rápido, e às vezes nem aguentava terminar o percurso, até porque não sabia controlar o ritmo. Hoje em dia já tenho um controle maior, tenho resis-

“Me interessei pela corrida por indicação de conhecidos.” tência e não me canso tão fácil. Correr ainda me proporciona conhecer amigos, que eu faço correndo nas provas ou treinando no dia a dia.” Entre os principais benefícios obtidos com a corrida, o professor de educação física, Gian Carlo, 22 anos, destaca alguns. “São inúmeros, posso afirmar que ocorre uma melhora no sistema cardiorrespiratório, tornando o indivíduo mais ativo em todas as suas outras atividades diárias. Auxilia na prevenção de acidentes vasculares cerebrais, da hipertensão arterial e da doença

coronária. A corrida também colabora para o aumento da massa muscular, fortalecendo ligamentos, tendões e articulações, controle do peso corporal, do colesterol, do estresse, da ansiedade e da depressão. Além do que, quem é praticante da corrida costuma ter hábitos saudáveis, se torna mais disposto para realizar estas tarefas, assim como a liberação de endorfina, o que causa a sensação de prazer em quem pratica atividade física”, explica. Entretanto, não é apenas sair correndo por aí, é preciso tomar cuidados. Gian Carlo orienta: “a alimentação é um ponto essencial, é preciso ingerir carboidratos, proteína magra, frutas, verduras, legumes, aumentar o consumo de fibras, além de beber muito líquido. Outra questão é estar com roupas adequadas, tênis confortável, protetor solar e em alguns casos óculos solar e chapéu”. Francisco segue as orientações à risca, “eu me alimento bem, uma nutricionista me orientou certo, acredito que o mais importante é estar sempre bem hidratado, por isso eu bebo muita água, sucos e, em dias de provas, isotônico. As minhas roupas também são próprias, eu escolho bem, principalmente o tênis, porque já notei diferença em correr com um adequado e um não”, ressalta.


Curitiba, 09 de maio de 2014 > Edição 886 > LONA

5

COLUNISTAS

What’s the story? Ana Santos

Janelas E/OU calçados? Esses dias fui convidada a assistir uma apresentação musical na rua. Era uma banda com o nome de “E/OU”. A banda formou-se em 2012 , na junção dos estudantes de música Luciano Faccini, Yasmine Matusita e Luque Diaz, que almejam cristalizar a música no tempo. O nome surgiu de uma simples pasta no computador, na qual eram salvas canções feitas pelo vocalista Luciano, um projeto pessoal, caseiro, sem muita pretensão de algo grande. Com o tempo as significações vão se somando: a ambivalência que o nome sugere diz

muito sobre a proposta da banda que dialoga, com certa precariedade, com as várias linguagens de experimentação que os integrantes da banda curtem. Além disso o nome ‘E/OU’ é um termo técnico que aparece em vários lugares, o que apresenta um pouco da poesia da banda. O nome tem determinada ambivalência, que une a pluralidade inclusiva. Suas composições falam de acontecimentos do cotidiano, relações interpessoais, capazes de prender a aten-

ção de quem ouve. Contam sempre com participações de velhos amigos nos shows que realizam. A canção ‘Zeca e João’ apresenta uma calmaria na maneira em que Luciano interpreta, contando uma história simples, e ao mesmo tempo reflexiva, de dois amigos unidos, que muitos se identificam. Fui ao show sem pesquisar sobre as canções, com a ideia de ali mesmo, na rua, me surpreender. E não é que eu me surpreendi? Eles possuem um repertório completamente autoral, com arranjos musicais que são a cara do Brasil. O timbre do cantor Luciano Faccinime lembrou, em diversas partes da apresentação, a voz de Caetano Veloso. A decoração do cenário, improvisado na Praça Generoso Marquês naquela tarde chuvosa de sexta-feira, era um espetáculo à parte. Com janelas, e alguns sapatos com plantas dentro, eles mostram a simplicidade. As janelas passam a ideia de um meio de acesso. Eles estão ali com as janelas abertas mostrando o que fazem de melhor, e, diga-se

de passagem, fazem muito bem feito. Os calçados com plantas dentro mostram a simplicidade da banda, e essas janelas e calçados foram todas encontradas pelas ruas de Curitiba. O show aconteceu na rua, um lugar no qual pode-se encontrar todos os tipos de pessoas, de todas as idades: cheio de diversidade. É incrível poder pensar que as pessoas podem andar na rua e se deparar com canções autorais de excelente qualidade. Curitiba disponibiliza isso: um encontro das pessoas comuns da sociedade com a cultura, com a diversidade! O principal objetivo da banda E/OU para o ano de 2014 é lançar o primeiro disco autoral a partir do sistema de financiamento coletivo (crowdfunding). Não desejam aparecer em nenhum tipo de grande veículo de comunicação, mas sim viver dos shows que realizam, proporcionando uma relação de maior contato com o público e proporcionar uma maior variedade no cenário musical curitibano.

Seleção A convocação de Luiz Felipe Scolari não surpreendeu. Nomes como Neymar (Barcelona), Fred (Fluminense), Júlio César (Toronto FC) e Thiago Silva (PSG) já eram esperados. Havia algumas dúvidas, mas aqueles que sempre foram mais cotados acabaram aparecendo na lista final de Felipão. Menos Henrique (Napoli), o zagueiro foi a surpresa prometida por Scolari. Nós, paranaenses, ficamos felizes por ter mais um pé vermelho na Seleção, que já contava com a presença praticamente certa de Fernandinho, volante do Manchester City e cria do Furacão. Mas confesso que não concordei com a escolha. Gosto do futebol do Henrique, principalmente nos tempos de Coritiba, quando alavancou a carreira jogando ótimas partidas. Mas ainda não era a sua vez. Não por falta de qualidade, mas porque tinha outro jogador pedindo para - e merecendo - estar na Copa. Este cara não sou, mas sim Miranda, zagueiro do Atlético de Madrid.

Miranda, que, assim como Henrique, também é formado nas bases do Coritiba, vem mostrando potencial de compor o elenco da amarelinha há muito tempo. Na minha opinião, está entre os cinco melhores zagueiros brasileiros e, talvez, mundiais atualmente. Achei injustiça Felipão ter preterido Miranda por Henrique, pois vejo o futebol do primeiro superior ao do segundo. Mas mesmo assim, foi uma boa escolha, já que Henrique tem futebol e provou isso. Miranda vai fazer falta. Hop’n Roll Galera, antes de dar a dica da cerveja de hoje, tenho que falar um pouquinho desse paraíso para os apreciadores de cerveja (da verdadeira, por favor) em Curitiba, que se chama Hop’n Roll. O bar tem foco em servir cervejas artesanais e especiais de todo o canto do mundo. Numa noite só, provei beras da Escócia (Founders e Harviestoun),

Futebol Cervejeiro

Lucas Karas

da Irlanda (Guinnes) e de Pinhais (Way). Uma delas, a Schiehallion, da Harviestoun eleita a melhor pilsen do mundo, em 2008! E isso é só um pouquinho das dezenas de cervejas que eles possuem. Além disso, há, ainda, várias torneiras de Chopp e todas as comidas são pensadas em conjunto com a harmonização dos mais variados tipos de beras. Os garçons são muito bem preparados para te indicar a melhor cerveja para a situação e percebemos a atenção que o bar dá para as cervejas especiais já que há dois tipos de garçons: os “normais”, que não atendem quando o assunto é bera; e os que dominam o as-

sunto. Pois bem, para resumir, é um bar que toda pessoa que gosta de cerveja (de verdade, viu?) tem que ir. Lá é tipo um parque para uma criança! Não deixe de ir, pois vale muito a pena! Dica de cerveja Indico hoje a Schiehallion, da Harviestoun (Escócia), citada no texto acima e eleita a melhor pilsen do mundo em 2008 pela revista Beers of the World. Seca e suave e com um amargor interessante ela é excelente em dias quentes, pois é muito refrescante. O teor alcoólico é de 4,8% e a temperatura para degustar esta bera é de 0° a 4°C.


LONA > Edição 886 > Curitiba, 09 de maio de 2014

6

ACONTECEU NESTE DIA

Mandela é eleito presidente da África do Sul Nelson Rolihlahla Mandela foi eleito o primeiro Presidente negro da África do Sul no dia 9 de maio de 1994. As eleições ocorreram entre 26 e 28 de abril, e ele, junto do Congresso Nacional Africano (CNA), com 34 facções, obtiveram 62% dos votos, seguido pelo Partido Nacional (20%) e os Zulus (com 10%). Dando seguimento à proposta de proporcionar a transição para a democracia multirracial, o governo

Mandela teve sua maior realização na criação da Comissão da Verdade e Reconciliação, encarregada de apurar, mas não punir, os fatos ocorridos durante o Apartheid. Além de ficar 5 anos na presidência, Mandela foi advogado, líder rebelde, ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 1993 e passou 27 anos na prisão. Morreu no dia 5 de dezembro de 2013, com 95 anos, com o epitáfio de “aqui jaz um homem que cumpriu o seu dever na Terra”.

O então presidente americano Bill Clinton com Mandela, em 1993 > Foto: Arquivo Wikimedia Commons

#PARTIU Em Cartaz Mulheres ao Ataque Comédia > 109 minutos > 12 anos A Grande Vitória Drama > 110 minutos > 12 anos Eu, Mamãe e os Meninos Comédia > 85 minutos > 14 anos O Espetacular Homem-Aranha 2 Aventura > 143 minutos > 12 anos

Happy Hour Sheridan’s Irish Pub Rua Bispo Dom José, 2315, Batel > Fone: 3343.7779 Happy Hour até às 20h Banda Lushness Data: 9 de maio (sexta) Banda Banks Data: 10 de maio (sábado) Wood`s R. Gen. Mário Tourinho, 387, Seminário > Fone: 3018.7425 Aberto às quartas, sextas e sábados a partir das 22h30 Roberto Nunes | Marcos Gabriel Data: 9 de maio (sexta) Jonatas e Mauricio | Alexandre Cazarin Data: 10 de maio (sábado) Entrada: > masc. R$50 inteira | R$25 meia-entrada > fem. R$25 inteira | R$12,5 meia-entrada.

Mulheres ao Ataque com ator de Game of Thrones O personagem principal não é Nikolaj Coster-Waldau, ator de Game of Thrones, mas ele está no filme como garanhão O diretor Nick Cassavetes (de Alpha Dog) conseguiu o que parecia impossível: tornar crível – e engraçada – a aproximação entre três mulheres que, sem saber, estão dividindo o mesmo homem. Quando Carly (Cameron Diaz) descobre que seu namorado, Mark (Nikolaj Coster -Waldau, de Game of Thrones), é casado com outra mulher, Kate (Leslie Mann), as duas se unem contra ele em nome da vingança, e de uma espécie mais sutil de feminismo. Uma estranha amizade começa a nascer entre elas, mas a situação fica ainda pior quando as duas descobrem que uma terceira mulher está envolvida, a jovem Amber (Kate Upton). Logo, a terceira pretendente se une ao grupo, para dar uma lição no marido infiel. Mas quando as três unem forças para acabar com Mark é que o filme vira mais um besteirol americano. Trocar o xampu dele por creme de depilar, esfregar escova de dente na boca do cachorro, por laxante no drink, promover encontro com travesti, batizar o suco com hormônio feminino, rende uma sequência de piadas

Imagem: Divulgação

clichês mas que, diferente de filmes do seguimento, não colocam a mulher enquanto submissa. Da seleção do elenco à temática, Mulheres ao Ataque é, desde o início, um filme essencialmente feminino. E propositalmente feminista, na tentativa de fazer justiça ao papel das mulheres na guerra dos sexos – tese que cai por terra quando fica claro que o suposto grito por independência é, na verdade, um sussurro machista de que são os homens (ou o homem, no caso) que norteiam a vida delas.


Lona 886