Issuu on Google+

Curitiba, quarta-feira, 17 de outubro de 2012

O

ún

ico

D

jo

r do IÁ nalBr R lab as IO or il at

ór

redacaolona@gmail.com

@jornallona

lona.redeteia.com

Curitiba, quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Projeto promove a aproximação entre credor e consumidor no mês de outubro

io

Ano XIII - Número 762 Jornal-Laboratório do Curso de Jornalismo da Universidade Positivo

8ª Mostra Cena Breve Curitiba inicia hoje com abertura no Sesc da esquina p.7

MÚSICA Zakk Wylde, guitarrista e vocalista da banda Black Label Society é assunto de novo DVD Joana Castro

p.6

Programa da Associação Comercial do Paraná ajuda consumidores a aliviarem suas dívidas até dia 30 de outubro p. 3

Criador da bola de Futsac no Brasil conta as dificuldades de formar o esporte no país Juliano Ofenbock conheceu o Foot Bag em 1998 e em 2002 criou e costurou a primeira bola de Futsac, que só for produzida depois de muito esforço p. 4

ENSAIO Paroquia Profeta Elias, da região sul de Curitiba, promove mutirão religioso

p. 8


2

Curitiba, quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Editorial

Perigo: ônibus na área Na manhã de ontem aconteceu a prova de que os ônibus estão cada vez mais perigosos no trânsito. Dois ligeirinhos bateram no centro de Curitiba, bloqueando o fluxo na Alameda Doutor Muricy e na Rua Cruz Machado, além dos coletivos se envolveram também uma motocicleta e uma caminhonete. Todos que dirigem e andam de ônibus já perceberam da direção abusiva e muitas vezes até ofensiva. Seja utilizando mais de uma faixa da rua, fazendo curvas rápidas que machucam os passageiros e ainda invade a faixa na outra mão quase causando um acidente com o carro que vem na direção contrária, furar o sinal vermelho, parar no meio da rua longe do ponto, entre muitos outros, estão na lista de negligência dos motoristas de ônibus. Seu grande porte assusta muitos motoristas de carro, mas não podem usar deste artifício para ganhar espaço no trânsito. Várias “desculpas” são dadas, como o comprimento de horário dos motoristas para chegar nos pontos. Entretanto, nada justifica o desrespeito no trânsito que pode custar vidas ou outros danos. Ao que parece um dos ligeirinhos furou o sinal, ainda não se sabe qual, e não é a primeira vez que um ônibus não obedece ao sinaleiro no local. Felizmente as onze pessoas que machucaram no acidente, inclusive o motociclista que foi parar embaixo da caminhonete, apenas tiveram ferimentos leves e duas até dispensaram atendimento médico. Este é mais um exemplo de negligência no trânsito, todos sabem que a culpa da violência nas ruas não é apenas dos motoristas de ônibus, mas dos motoristas de todos os veículos e até dos pedestres.

Expediente Reitor: José Pio Martins | Vice-Reitor e Pró-Reitor de Administração: Arno Gnoatto | Pró-Reitora Acadêmica: Marcia Sebastiani | Coordenadora do Curso de Jornalismo: Maria Zaclis Veiga Ferreira | Professoresorientadores: Emerson Castro, Elza Aparecida de Oliveira Filha e Marcelo Lima | Editores-chefes: Gustavo Panacioni, Renata Silva Pinto e Vitória Peluso | Editorial: Redação O LONA é o jornal-laboratório do Curso de Jornalismo da Universidade Positivo. Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300 - Conectora 5. Campo Comprido. Curitiba - PR. CEP: 81280-30 - Fone: (41) 3317-3044.

Opinião

Guerra ao vivo

Maximilian Rox

A guerra estremece por suas imagens – assim foi com o advento da fotografia na Segunda Guerra Mundial, assim é com a popularização da internet nos dias de hoje. O site de broadcasts sueco Bambuser ganha cada vez mais atenção com a transmissão ao vivo das imagens da Guerra na Síria, transmitidas por cidadãos comuns com acesso à internet. De funerais a explosões, governos e mídias acompanham de perto os momentos de conflitos, gravados das mãos de pessoas simples envoltas por todo o embate armado. A internet alcança níveis cada vez mais elevados de conexão, e isso é surpreende. Aliada à tecnologia e a facilidade de transmissão a partir de celulares, uma guerra já pode ser vista de diferentes ângulos. E alguns desses pontos de vista conseguem que o espectador sinta a pele daquela pessoa transmitindo as imagens: a rede parece não transmitir somente informações, mas uma gama totalmente nova de perspectivas. Falamos de internet como algo revolucionário, mas por vezes não interpretamos o quão longe o conceito de “globalização” pode chegar. É incrível poder conversar com pessoas do outro lado do mundo – China, Japão, Austrália, Rússia, África ou Oriente Médio. Mas será que estaríamos preparados para enxergar de seus próprios pontos de vista?

Alianças e ideologias do Segundo Turno paulista Lis Claudia Ferreira

Em todo o país, os candidatos que vão disputar o segundo turno das Eleições, começam a “Campanha pré-campanha”. Os vencidos no primeiro turno devem declarar suas alianças ou sua neutralidade para que então, o quadro do dia 28 de outubro comece a tomar forma. Não é possível prever-se a preferência dos eleitores baseando-se nas alianças de seus candidatos no segundo turno. O que é possível – e esse é o verdadeiro motivo da pressa em manisfestar apoio a esse ou aquele – é imaginar quem serão os “felizardos” que farão parte do governo do candidato escolhido pela maioria. Não existe muita surpresa. Por mais incoerente que possa parecer, é comum o candidato que tentou a todo custo provar a incompetência de seu oponente no primeiro turno, se tornar agora cabo eleitoral de luxo. Em São Paulo as alianças já foram declaradas: Russomano, ressentido do terceiro lugar e dos ataques sofridos durante a campanha, declarou neutralidade. O PTB, PDT e PPS darão apoio ao tucano Serra, enquanto o PMDB de Chalita e o PRB (sob ameaça de perda do Ministério da Pesca) devem declarar apoio ao petista Haddad. O personagem não esperado nesse quadro é o pastor evangélico Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo. Malafaia reafirmou hoje (ele já apoiava Serra no primeiro turno) seu apoio ao candidato do PSDB, dizendo que “Haddad já está marcado pelos evangélicos como o candidato do kit gay”. Não surpreende o fato de Silas Malafaia fazer esse tipo de comentário, a falta de capacidade do pastor para entender a necessidade de um Estado laico já é conhecida por todos. O que surpreende mesmo, é que Serra se aproveite disso para conseguir os votos da Igreja Evangélica. Ele parece não se dar conta de que essa aliança pode ser um “tiro no pé”, já que o movimento LGBT de São Paulo é um dos maiores do Brasil. Felizmente, grande parte dos evangélicos paulistas possuem outros critérios para a escolha de um representante, nem todos os fiéis das igrejas evangélicas aceitam as palavras de Silas Malafaia como se fossem palavras enviadas por Deus – por mais que ele pense o contrário. Provavelmente os evangélicos que não votaram em Serra no primeiro turno não vão fazer isso no dia 28 de outubro também. A declaração do pastor Malafaia e a recepção calorosa de José Serra, servem principalmente, para mostrar que na política, muitas vezes não existe ideologia certa ou errada, desde que no dia da eleição ela resulte em números. Aparentemente, para Serra vale a velha máxima: “Os fins justificam os meios”. Ele se esquece que algumas vezes,que os meios determinam os fins.


3

Curitiba, quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Mutirão busca ajudar consumidores a renegociar dívidas O programa “Acertando as contas” prevê além da negociação entre credores e devedores, orientar a população sobre o orçamento doméstico Joana Castro Pamela Castilho

O mutirão “Acertando as contas” começou nesta segunda-feira, em Curitiba. O objetivo do projeto é que consumidores com dívidas possam renegociar o pagamento junto aos credores. Além disso, os participantes podem receber orientações sobre orçamento doméstico. Com o tema “Limpe seu nome do Seproc/ SCPC antes do Natal”, a ação é uma iniciativa da Associação Comercial do Paraná (ACP), em parceria com a Boa Vista Serviços, que administra o Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC). Segundo Simone Scuissatto, supervisora de serviços da ACP, o mutirão foi pensado para ajudar os consumidores. Ela afirma que mais de mil pessoas iam até a ACP todos os dias em Curitiba. “A promoção vai ajudar o consumidor no final de ano. Nós percebemos que eles não têm dívidas porque querem, mas sim pelo descontrole dos gastos e também pelo desemprego”, afirma a supervisora. Os bancos HSBC, Caixa Econômica Federal, Itaú, Santander e Bradesco, além das lojas Colombo, Pernambucanas, Multiloja, Coppel, entre outras, têm postos de atendimento instalados no setor de consultas da ACP. Vans também estão instaladas na Boca Maldita e na frente da

sede da ACP, na rua Presidente Faria. De acordo com a supervisora da ACP, 1288 pessoas já foram até a sede da Associação e 400 até a van localizada na Boca Maldita, para renegociar o pagamento. A dona de casa, Margarida da Cruz da Silva, disse que o mutirão ajudou na renegociação da sua dívida, que já passava de um ano. “Fui atendida rápido e já me mostraram o que eu devia fazer”, afirma a dona de casa. O programa prevê, também, orientar a população sobre o orçamento doméstico. A desempregada Aparecida Miguel dos Reis foi até o mutirão apenas para ver se o seu nome ainda estava negativa- Sede da ACP, em Curitiba do e também elogia o atendimento. Estudo divulgado no começo de outubro pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostrou que 41% dos consumidores brasileiros já foram ou estão impossibilitados de fazer compras a prazo por estarem com o nome “sujo”, a maior parte deles pertencentes às classes C e D, com renda familiar de até R$ 3,82 mil. A pesquisa mostrou que quanto menor a renda, menor o interesse em obter informações sobre o custo das taxas de juros. O levantamento apontou ainda que 64% das famílias com renda até R$ 3.825 possuem entre um e quatro cartões de crédito. No caso das famílias com renda Simone Scuissatto, supervisora de serviços da ACP acima desse limite são 77%.

Joana Castro

Joana Castro


4

Curitiba, quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Perfil

Diversidade é a marca de Juliano Ofenbock Cientista, arqueólogo, criador de um novo esporte e fundador e integrante do programa voto livre. Formou-se em economia, e cursou jornalismo durante três anos Daniel Martini Rodolpho Roncaglio

Como cientista, Marcos Juliano Ofenbock gosta de lugares calmos, onde ele possa sentar, refletir, ler um livro. Os cybers cafés são um dos lugares preferidos dele, pois é um lugar onde se tem paz e ele pode fazer suas pesquisas com calma. Bares e baladas raramente são frequentados. Quanto ao estilo de música favorita, Ofenbock diz ser bem eclético e gostar de todos os estilos. Porém, é um grande apreciador do punk rock. Ele inclusive, já montou uma banda de música, e chegou a gravar um CD. Claro que um dos esportes favoritos de Ofenbock é o futsac (do qual foi seu criador). Ele sempre está jogando e adora a dinâmica do jogo. Ofenbock também é um amante do surf, e sempre que possível, vai a praia para poder pegar umas ondas. Além disso, gosta de fazer musculação e natação para ocupar o dia. No ano de 2009, fez uma parceria com um amigo advogado e criou o voto livre, uma nova maneira de exercer a democracia de forma livre e direta. Com isso Ofenbock permite às pessoas que elas possam votar em uma lei, com o seu próprio título de eleitor, através da internet. Ele comemora e diz que foi um grande passo na democracia brasileira, uma vitória. O primeiro projeto de lei é a lei da bicicleta, que transforma o veículo em um meio de transporte em Curitiba. A diversidade é uma das

grandes marcas de Ofenbock. Não bastou apenas ser o criador de um novo esporte, ele também é arqueólogo. Ele diz que é um arqueólogo autodidata, e que começou suas escavações em 2004, nos túneis de Curitiba. Desde daquele ano, já fez grandes descobertas, e acredita que pode escrever uma nova página na história da cidade, e do estado. Algumas das influências vieram de sua experiência como escoteiro, adquiridas durante a infância. Sempre participativo e interessado em pesquisas e explorações, logo cedo começou a criar vontade de ser um “novo” Indiana Jones. Outra coisa que influenciou Ofenbock nesta área foi o gosto por história que ele sempre teve. Em 2013, Ofenbock irá escavar o Clube Alemão Concórdia. Neste lugar, existe um túnel que foi usado na Segunda Guerra mundial, que acabou sendo fechado e interditado pelo exército depois da guerra. Além desta, outra escavação está encaminhada e deve ter seu início no ano de 2014. Ele tentará encontrar o tesouro do pirata Zulmiro, nos túneis jesuítas do bosque Gutierrez. A esperança é de que muitas relíquias sejam encontradas, já que existem provas que um inglês morou em Curitiba entre 1820 e 1880, deixando algumas coisas emperradas nos túneis. Inventando um esporte Ofenbock morou durante um tempo na Austrália, e foi lá que ele teve a primeira ideia de criar o futebol de saco (futsac). Morando em um albergue com um

neozelandês, no ano de 1998, ele foi convidado para jogar footbag, um esporte onde os participantes têm de manter a bola de crochê pra cima, sem que ela caia. Isso o influenciou muito, tanto que trouxe as bolas de footbag para o Brasil, e aperfeiçoou-as para o futsac. Depois de muito esforço e muita dedicação, hoje o esporte de Ofenbock começa a ganhar destaque em todo o Brasil. Já existem federações estaduais em Curitiba, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e no Rio de Janeiro. Além das estaduais, uma confederação brasileira de futsac também foi criada, e Ofenbock é o presidente da Confederação Brasileira de Futebol de Saco (CBFSAC). O feito dele é considerado grande, levando-se em conta que é o primeiro esporte criado pelo estado do Paraná, e na cidade de Curitiba. A primeira bola de futsac criada e costurada pelo próprio Ofenbock surgiu no ano de 2002, e só saiu devido à persistência dele. O primeiro campeonato foi feito em 2007, nos fundos de seu escritório. Contou com a presença de quatorze pessoas, e foi vencido pelo próprio Ofenbock. Lá ainda existe a primeira quadra de futsac. Hoje, o esporte já conta com mais de 30 campeonatos realizados, sendo que cinco deles foram brasileiros. O grande sonho de Ofenbock é tornar o futsac um esporte olímpico. Ele explica que para o sonho se concretizar é necessário que ele seja praticado em 72 países nos quatro continentes. Com isso, torna-se necessário ter 72 federações de futsac.

Rodolpho Roncaglio

Marcos Juliano Ofendock

Projeto social

As bolas de futsac são confeccionadas por mulheres da Associação Curitibana de Crocheteiras. - Cada crocheteira produz por semana cerca de 50 bolas, recebendo R$ 0,90 por cada produto. - 167 mulheres participam da ACDC que produzem de 15 a 20 mil bolas de futsac por mês. - Caso a bola fosse comprada na China, Ofenbock pagaria R$ 0,17 por bola, mas ele faz questão de continuar com o trabalho da ACDC para ajudar essas mulheres.

Regras básicas do futebol de saco O jogo é disputado em uma quadra, e tem como objetivo fazer com que a bola cai no chão do lado de seu adversário. As partidas são realizadas em três sets de 21 pontos corridos. Em caso de empate, o jogo continua até que um dos competidores abra dois pontos de vantagem. Ganha aquele que vencer dois sets primeiro. Na disputa individual são permitidos apenas dois toques (dominar e passar). Na disputa por duplas a regra é a mesma, mas pode haver um total de cinco toques entre os dois.


6

Curitiba, quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Séries de TV

A Era dos Super-heróis Esta é a década dos super-heróis. Não só nos cinemas, com os filmes dos heróis mais poderosos da Terra, Os Vingadores, além de novas versões de Homem-Aranha e Batman, agora na Liga da Justiça, confirmados e em produção; mas também na TV, que há algum tempo voltou seus olhos para este segmento. Em 2011 estreava a série Alphas, ficção científica criada por Zak Penn e Michael Karnow. A série conta a história de um grupo de pessoas que desenvolveu algum tipo de habilidade sobre-humana baseada na evolução de partes específicas do cérebro. O grupo, liderado pelo neurologista e psicólogo Dr. Lee Rosen trabalha ajudando o governo a encontrar e controlar outras pessoas que apresen-

tem esse tipo de poder. A série está atualmente em sua segunda temporada. Os amantes dos super-heróis dos quadrinhos não foram ignorados. Se em 2011 a longa vida de Smallville, série que contava a adolescência e a juventude de Clark Kent, aquele que viria a se tornar o Superman, chegou ao fim, em 2012 a CW, mesma emissora responsável por Smallville, traz Arrow, a grande promessa da temporada. A série relata a história de Oliver Queen e como ele se tornou o Arqueiro Verde, que assim como o Superman, pertence ao Universo DC. Ainda no Universo dos heróis da DC Comics, com a explosão dos superheróis, a próxima que deve dar as caras na TV deve ser a Mulher-Maravilha, num remake da série Wonder Woman,

sucesso da década de 70. Wonder Woman ainda não tem data para estrear. Saindo do Universo DC e indo para a Marvel, outra que também não tem data para estrear, mas já está com a produção em andamento é S.H.I.E.L.D., série baseada na organização militar dirigida por Nick Fury no filme Os Vingadores. Se você não gosta de spoilers ou ainda não viu o filme, é melhor parar de ler por aqui. S.H.I.E.L.D. deve ser protagonizada por ninguém mais, ninguém menos que o Agente Coulson, e terá seu episódio piloto roteirizado e dirigido por Joss Whedon, diretor de Os Vingadores. Apesar de ser um universo que já foi amplamente explorado no passado, as séries de TV baseadas em superheróis tem tudo para agradar o públi-

Luciana Cristina dos Santos

lucianacristinasantos67@hotmail.com

co. Escolha a sua e se divirta com os seus heróis favoritos. E com os belos efeitos especiais que só uma produção televisiva pode oferecer.

Música

Wylde no PanterA Zakk Wylde é de longe o melhor guitarrista que já tive a oportunidade de presenciar ao vivo. E, como é amplamente conhecido, foi um grande amigo de Dimebag Darrell, que foi assassinado com tiros enquanto se apresentava em um palco de Ohio por um fã com problemas mentais. Durante seus 38 anos de vida, Darrell foi reconhecidíssimo por sua técnica com a guitarra, mas também por seu carisma, principalmente no período em que tocava com a banda estadunidense Pantera. Os motivos da morte de Dimebag nunca foram esclarecidos, já que seu assassino foi morto por um policial que pretendia evitar mais tumulto e mortes no clube Alrosa Villa. Algumas fontes da época, porém, afirmam que a motivação de Nathan Gale – seu assassino – teria sido a dissolu-

ção do Pantera, já que ele gritava alguns insultos relacionados ao tema no período que precedeu a chacina. Mas se eu citei o Zakk Wylde no começo do texto é porque há um bom motivo. O guitarrista, descoberto por Ozzy Osbourne e atualmente guitarrista e vocalista do Black Label Society, deu declarações que movimentou os bastidores do heavy metal. Wylde quer reunir o Pantera. O frontman do Black Label Society já era assunto das discussões sobre o gênero, mas o motivo era outro. O novo DVD da banda, que vai se chamar Unblackened, já tem nova data de gravação. Alguns problemas fizeram com que a gravação, que estava marcada para agosto, fosse postergada. De acordo com o anúncio de Wylde, a nova data de gravação será em janeiro, mas ainda não há um lo-

cal definido. Retornando ao assunto principal – uma possível reunião do Pantera –, Zakk deu a seguinte declaração ao site BraveWords. com. “Vamos colocar da seguinte maneira: ficaria honrado se me convidassem. Sou amigo de todos eles. Desejo o melhor no que fizerem, mas depende deles. Teriam que conversar, quebrar algumas barreiras. Deveria ser como o Led Zeppelin, mas eles precisam fazer acontecer”. Uma possível reunião do Pantera com Zakk Wylde liderando as guitarras tem tudo para dar certo. O artista é um verdadeiro gênio da música: letrista, compositor e multi-instrumentista. Seu felling na guitarra é algo extraordinário e sua técnica é ímpar. Quem teve a oportunidade de vê-lo ao vivo sabe exatamente do que eu estou falando. Apesar de ser bem

Angelo Sfair angelo.sfair@gmail.com sucedido com o Black Label Society, a banda nunca alçou grandes voos. Ver Zakk Wylde com o Pantera seria como relembrar os velhos tempos do guitarrista tocando para grandes multidões, assim como era no período em que esteve ao lado de Ozzy Osbourne.


Curitiba, quarta-feira, 17 de outubro de 2012

7

Cultura

8ª edição da Mostra Cena Breve Curitiba começa hoje Além de Curitiba, outras cidades paranaenses recebem o evento e oficinas de formação de platéia Vinícius Souza

Larissa Mayra de Lima

A partir das 20 horas de hoje, o Sesc da Esquina recebe a abertura da 8ª edição Mostra Cena Breve Curitiba, com a apresentação do espetáculo “O Fantástico Circo Teatro de um Homem Só!”, da Cia Rústica de Porto Alegre. Antes da apresentação do espetáculo haverá um cortejo musical com a banda CYRK – o Circo Musical do Trio Quintina. A programação da Mostra ocorre de 17 a 22 de outubro. As cenas participantes possuem no máximo 15 minutos. Em cada noite serão apresentadas quatro cenas diferentes, com intervenções na transição de uma cena para outra. Participam da programação 16 grupos teatrais de sete estados diferentes.

“Este é o ano com o maior número de estados participantes. Sinal de que o nosso trabalho é interessante, desafiador e que tem um público interessado neste formato de espetáculo”, afirma a produtora do evento Greice Barros. Foi no ano de 2005 que o grupo CiaSenhas de Teatro teve a ideia de criar a Mostra Cena Breve Curitiba. O objetivo do evento é promover o encontro e o compartilhamento do conhecimento teatral entre os participantes. O evento não se restringe a Curitiba. As cenas mais votadas pelo público e debatedores serão apre- Os Escafandristas, da Cia do Chá de Teatro (MG), que também participou do Festival de Teasentadas em Campo Largo, tro de Curitiba 2012, na Mostra “Grupos de BH - Teatro para Ver de Perto” Lapa, Morretes e Antonina. Kiran Federico León O período das apresentações nessas cidades será de 25 a 28 de outubro. Esses municípios também recebem oficinas de Formação de Plateia destinadas para alunos da rede estadual.

Serviço 8ª edição Mostra Cena Breve Curitiba De 18 a 21 de outubro (de quinta a domingo) Horário: 20h Local: Sesc da Esquina Rua Visconde do Rio Branco, 969 - Centro Ingresso: R$ 6 (inteira) e R$ 3 (meia) Telefone: (41) 3321-3358

O espetáculo de abertura: ”O Fantástico Circo-Teatro de um Homem Só”


8

Curitiba, quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Projeto Mutirão Profeta Elias Giuliana Nogara

O projeto nasceu como uma iniciativa das comunidades que conformam a Paróquia Profeta Elias, localizada no sul da cidade de Curitiba e conta com a parceria de outras doze paróquias. O objetivo da ação é organizar e acompanhar grupos de geração de trabalho e renda a partir dos princípios e metodologia da economia solidária. Oito iniciativas são acompanhadas pelo mutirão. Um grupo de artesanato, uma associação de catadores, um clube de troca e três panificadoras comunitárias. Todos os grupos juntos somam um total de 60 pessoas atingidas diretamente e 250 indiretamente.


LONA 762 - 17/10/2012