Issuu on Google+

Curitiba, segunda-feira, 17 de setembro de 2012

O

ún

ico

D

jo

r do IÁ nalBr R lab as IO or il at

ór

redacaolona@gmail.com

@jornallona

lona.redeteia.com

Curitiba, segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Ano XIII - Número 745 Jornal-Laboratório do Curso de Jornalismo da Universidade Positivo

Stephany Guebur

Gastos dos brasileiros aumentam R$745 em seis anos

Mostra de profissões

pág. 4

OPINIÃO Superproteção dos pais pode prejudicar os filhos pág. 3

Segundo dados da Pesquisa de Orçamento das Famílias (POF), divulgada pelo IBGE, o segmento em que o brasileiro tem mais gastos é o da moradia; alimentação e transporte vêm em seguida

EDITORIAL Brasil tem

Alunos visitam cursos na Mostra de Profissões 2012

colocação histórica na palimpíada 2012

Professores acreditam que este contato com a profissão para os alunos do ensino médio é muito importante para a escolha do curso

io

pág. 2


2

Curitiba, segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Opinião

Editorial

Estereótipo prejudicial Victor Hugo Turezo

Similar à Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Rio de Janeiro, a instalação da Unidade Paraná Seguro (UPS) em Curitiba, visa combater o tráfico de drogas e a violência nos grandes centros de atuação dos marginais. Além disso, tenta realizar uma política de aproximação com os moradores diretamente expostos aos malefícios conduzidos pelo crime organizado da região, que ao todo já somam sete pontos estratégicos instalados em bairros como Uberaba, Sítio Cercado, CIC e Parolin. O trabalho das polícias Civil e Militar é desenvolvido de forma conjunta. Investigações e a aplicação de ações preventivas para conter os problemas dos bairros são os principais métodos de combate. Ainda assim, os resultados apresentados não são muito satisfatórios. No Uberaba, por exemplo, após a instalação da UPS, mesmo com o aumento do número de policiais – um militar para cada 400 moradores – média bem acima se comparado ao do Estado do Paraná, que conta na média com um policial para cada 700 residentes, ocorreram 15 mortes. Dado que preocupa os moradores da região que, ao invés de se sentirem protegidos e seguros com o reforço policial, ficam preocupados com futuras abordagens dos criminosos. Exigir o fim da violência e do tráfico de drogas é uma questão fora da realidade. Para acabar com esses dois elementos, deve-se exigir muito mais que ações de repressão por parte do Estado. Há de haver uma maior absorção da sociedade como um todo para que ela tome realmente conhecimento de que pode fazer muita diferença na luta diária aos maus que assolam a coletividade. Para que isso ocorra, primeiramente a sociedade tem de banalizar o estereótipo de que só existem policiais corruptos e envolvidos nos meandros do crime. É óbvio que há corrupção na polícia, como há em qualquer outro ofício, mas a população deve olhar com carinho os que exercitam seu papel de maneira adequada, buscando proteger a comunidade. Criar um elo mais eficiente entre a sociedade, polícia e governo pode ser o pontapé inicial para o combate de maneira mais significativa aos males que afligem os bairros mais violentos de Curitiba.

Superproteção e seus prejuízos Marina Geronazzo Solon

Atualmente muitas famílias vêm sofrendo com o problema da superproteção. A ideia de evitar a exposição dos filhos aos perigos do mundo em que vivemos acaba prejudicando o desenvolvimento de crianças e jovens. Na psicologia, o problema da superproteção ganhou o nome de “Síndrome de Marlin”, baseado no filme “Procurando Nemo”, onde é visível a urgência do pai de proteger o filho de todos os riscos. A preocupação excessiva pode afetar de maneira negativa até mesmo os pais, que acabam se desgastando e se tornando pessoas estressadas. Dessa forma acabam assumindo a responsabilidade de situações para as quais seus filhos já teriam capacidade de tomar decisões. A dependência das crianças acaba gerando adultos ansiosos, inseguros e com falta de iniciativa. Essas são apenas algumas das sequelas que essa criança levará para a vida adulta. A dificuldade de lidar com os problemas acaba se tornando um fato comum, não somente da área de trabalho como também nos aspectos de relacionamentos. Além disso, a superproteção paterna pode surtir o efeito contrário, trazendo o desejo de uma exposição exagerada e o dever de desobedecer às regras estipuladas pelos pais. Existe uma enorme diferença entre impor limites e superproteger. É necessário que a criança tenha compreensão de como lidar com seus erros e frustrações, revendo suas atitudes e aprendendo com as mesmas. Tirar a independência de um filho é algo inadmissível e pode interferir de forma drástica na vida do mesmo. Não é difícil identificar que muitas vezes a baixa autoestima é apenas uma consequência da superproteção, o que pode gerar adultos frustrados e sem autonomia.

Medalhas mais que valiosas

Sétimo lugar no quadro geral de medalhas. Esse era o objetivo da delegação brasileira para as Paralimpíadas de Londres 2012, meta alcançada com sucesso pelos esportistas que daqui a quatro anos terão como cenário da competição a sua casa, e, provavelmente, um objetivo ainda mais ambicioso. A colocação histórica rendeu aos brasileiros 43 medalhas ao total, sendo 21 de ouro, 14 de prata e oito de bronze. Ao chegar aqui, foram recebidos calorosamente pelo povo, não sem razão, uma vez que foram eles os responsáveis por fazer o brasileiro vibrar de novo após o fracasso dos atletas nas Olimpíadas, realizadas semanas antes. Parabenizados pela Presidenta Dilma, eles agora dão início a um novo ciclo paralímpico. Esses atletas devem ser reconhecidos, não somente por todas as dificuldades que tiveram que passar e superar, mas pelo esforço de lutar todos os dias para fazer o que gostam, e acima de tudo vestir a camisa e brigar pelo nome da sua nação. Vestir a camisa, aliás, uma prática que falta aos atletas que aparentemente não carregam qualquer tipo de deficiência física, porém acabam pensando mais em si mesmos e no seu nome, do que na bandeira que carregam no peito. Os atletas paralímpicos são merecedores do nosso respeito, pois conseguem atropelar as adversidades e vencer, ou perder, sem culpar o adversário, a delegação ou o vento. Se estão lá é porque, de uma maneira ou de outra, já são vencedores, já conquistaram a chance de estar em uma competição mundial, e ser reconhecido como um dos melhores do mundo seja qual for o esporte que pratica é um privilégio que poucas pessoas terão em toda a vida. Exemplos de motivação, superação e força de vontade são as coisas mais valiosas que devemos tirar dessa competição. Tão valiosas quanto às medalhas esses valores é que construirão a base para o futuro dos paratletas.

Expediente Reitor: José Pio Martins | Vice-Reitor e Pró-Reitor de Administração: Arno Gnoatto | Pró-Reitora Acadêmica: Marcia Sebastiani | Coordenadora do Curso de Jornalismo: Maria Zaclis Veiga Ferreira | Professores-orientadores: Emerson Castro e Marcelo Lima | Editores-chefes: Gustavo Panacioni, Vitória Peluso e Renata Silva Pinto| Editorial: Maiara Yabusaki O LONA é o jornal-laboratório do Curso de Jornalismo da Universidade Positivo. Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300 - Conectora 5. Campo Comprido. Curitiba - PR. CEP: 81280-30 - Fone: (41) 3317-3044.


3

Curitiba, segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Despesa do brasileiro aumentou em 44,5% de 2002 a 2008

Brasileiros gastam mais com moradia, cerca de 29% do total de seus gastos são com este segmento Camila Tebet Stephany Guebur

A despesa do brasileiro aumentou R$745 em seis anos, segundo dados da Pesquisa de Orçamento das Famílias (POF) 2008/2009, divulgada na última sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O valor representou um crescimento de 44,5%, sem considerar a inflação, em relação à POF anterior (2002/2003). Na época, a despesa média do brasileiro era de R$1.674,56. Em 2009, o valor registrado foi R$2.419,77. Segundo a pesquisa, o segmento que o brasileiro possui mais gastos, é o da moradia. 29% das despesas são com aluguel ou compra de imóveis, o que representa, em média, R$765,89. Logo em seguida vem a alimentação (16,1% da renda), transporte (16%), saúde (5,9%), poupança (5,8%) e educação (2,5%). Os gastos médios com alimentação podem chegar até R$421,72 por mês e a educação a R$64,81. De acordo com a economista Elaine Dmeterko, as despesas habitacionais são as mais altas porque grande parte dos brasileiros pagam aluguel ou financiamentos. “Além disso, ainda existem outros gastos que acredito que podem ser considerados como vinculados à moradia, como condomínio, luz, água, telefone, entre outros”, afirmou.

Perfil das famílias Famílias que possuem uma pessoa de referência (que arca com a maior parte dos gastos) com idade entre 50 a 59 anos, são as que têm as maiores despesas correntes. Os gastos de 2009 atingiram 47,2% a mais do que o POF de 2002/2003, chegando a R$2.898,39 por mês. Para estas famílias, o custo médio de moradia representa R$873,97 (27,9%). As famílias em que o chefe possui 70 anos ou mais chegam a gastar 37,6% com moradia. Nas que são formadas por apenas uma pessoa, os gastos habitacionais chegam a 35,4% das despesas totais. Aquelas em que a pessoa de referência é uma mulher, que vive com os filhos, os gastos representam 32,4% do total. Famílias compostas por casais com filhos são as que menos gastam com moradia, com 27,3%. Outros gastos Os gastos do brasileiro com a saúde aumentaram de 7% em 2002/2003 para 7,2% em 2008/2009. Nas regiões Sudeste e Sul, os gastos aumentaram, passando de 7,5% para 7,9% e de 6,6% para 7% da renda total, respectivamente. Nas outras regiões, os brasileiros passaram a gastar menos com a saúde, principalmente na região Norte, que apresentou a maior baixa, passando de 5,4% para 4,9%. Em números absolutos, em 2009 a região Sudeste apresentava o maior gasto por mês, com

R$198,89, contra R$82,22 da a 18,2%, enquanto as famílias se 18 vezes a quantia estimada Região Norte. Áreas urbanas e somente com casais com filhos para as famílias de menor renrurais também apresentaram di- registraram 16,3% do gasto fa- dimento”, afirma o pesquisador ferenças. Enquanto os morado- miliar. do IBGE José Mauro Freitas. res da cidade gastam R$167,58 A pesquisa também obteve Em relação à alimentação, a por mês, os moradores do cam- resultados dos valores gastos pesquisa concluiu que os brapo gastam R$79,19. com viagens. O brasileiro gas- sileiros gastam com ela, em Quase metade (48,6%) dos tava, em média, R$50,16 por média, 16,2% do seu orçamengastos da saúde são com remé- mês com viagens eventuais to. Este valor varia entre os dios, seguido pelos planos de em 2008/2009. Os brasileiros diferentes tipos de trabalhadosaúde, que representam 29,8%. com renda superior a R$3 mil res. Empregados domésticos, Outras despesas, como con- gastam R$147,63 com viagens por exemplo, chegam a gastar sultas e tratamentos dentários, por mês, enquanto as famílias 23,3% de suas despesas com hospitalização, entre outros, que possuem renda inferior a alimentação, mais do que o dorepresentam menos de 5% cada R$910 gastam apenas R$8,46. bro do que gastam os empresáum. Os gastos com remédios e “As famílias com maiores ren- rios, que obtiveram 11,5% das planos de saúde aumentaram, dimentos mensais gastaram o suas despesas totais com comidesde 2002. Antes eles repre- triplo da média nacional e qua- da. Stephany Guebur sentavam 44,9% e 25,9%, respectivamente. Segundo o economista Carlos Magno, o avanço da tecnologia farmacêutica contribui para esses dados. “A indústria farmacêutica avançou muito e, para viver por mais tempo, as pessoas procurar remédios; somos de uma geração que combate muitas doenças, como stress, depressão, entre outras. Isso acaba ajudando para que os gastos nesta área aumentem”, disse. As despesas com transporte registraram um aumento de 0,9% comparado à POF 2002/2003, sobretudo pelo aumento das despesas dos casais e dos casais com filhos. As famílias compostas por casal com filhos obtiveram o maior peso, com 17,7%. A alimentação teve gastos semelhantes para famílias brasileiras de diversos tipos. Para casais com filhos e outros parentes a despesa chegou Moradia é o maior gasto dos brasileiros, sendo aluguel ou compra de imóveis


4

Curitiba, segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Mostra de profissões leva alunos para conhecer cursos Visitas guiadas mostram aos pré-vestibulandos o funcionamento dos cursos da UP

Daiane Nogoceke

Daiane Nogoceke

os profissionais e não sabem como as coisas acontecem”, explica Marcelo. Para o professor, com a visita os jovens podem entrar em contato com A mostra de profissões os professores e alunos do 2012 da Universidade Positi- curso para descobrir como é a vo (UP) leva estudantes para carreira que desejam. visitar seu curso de escolha. Luis Felipe Tineu, estudanNesta quarta, quinta e sábado te do 3º ano do ensino médio, aconteceram visitas guiadas achou muito interessante a no período da manhã (8h40 visita. Acredita que a estrutuàs 11h40) e tarde (14h15 às ra é muito boa e possui pro17h15). No curso de Jornalis- fissionais capacitados. Tineu mo, pré-vestibulandos visita- destacou a experiência que tiram os veículos da Rede Teia veram de gravar um programa e conheceram mais sobre o de rádio nos estúdios da Rádio curso da UP. Teia. “Não é difícil de você se Marcelo Lima, professor adequar ao trabalho, é bem indo curso de Jornalismo, acre- teressante”, relata o aluno que dita que é melhor fazer visi- também vai prestar vestibular tas do que colocar todos os para Administração. Candidatos ao vestibular visitam o estúdio de TV do curso de jornalismo com a professora Sandra Nodari alunos em um auditório. “Os Outra aluna que visitou o jovens são muito protegidos, curso, Yasmin Souza, achou como fazem os vídeos e as en- moderna, diferente das outras que o aluno do ensino médio não possuem contato com legal ver o laboratório de TV, trevistas. “A Positivo é bem universidades que visitei”, geralmente tem dúvidas. “A disse Yasmin. A aluna ainda gente busca trazer para esse tinha interesse de conferir os momento da mostra vivências cursos de Direito e Psicologia. e práticas para ele entender Para a coordenadora do como acontece de fato a realicurso, Zaclis Veiga, o mo- dade das profissões”, complemento de conhecer os cursos mentou a psicóloga responsáé muito importante para os vel pelo evento. O diferencial da mostra alunos descobrirem como é a área que pretende estudar e este ano é a palestra e batesobre a futura profissão. Além papo no sábado com humorisde ser o momento certo para ta Oscar Filho, integrante do tirar suas dúvidas. Zaclis acre- CQC. A palestra foi mediada dita que este ano ocorreu um pela professora de jornalisaumento de aproximadamente mo Ana Paula Mira e o aluno 40% de alunos procurando o do 6º período, Pedro Lemos. Também no sábado aconteceu curso de Jornalismo. Dâmaris Souza de Cristo, a feira de exposições dos curorientadora profissional e co- sos, coordenadores, professoach da Central de Carreiras da res e alunos, mostraram para Universidade Positivo, acre- os interessados quais são as dita que a feira é um momento profissões dos cursos que os muito importante no sentido candidatos pretendem. Estudantes do ensino médio visitam a redação da Rede Teia de jornalismo com a estagiária Vitória Peluso

Renata Silva Pinto


LONA 745 - 17/09/2012