Page 1

Curitiba, quarta-feira, 05 de setembro de 2012

O

ún

ico

D

jo

r do IÁ nalBr R lab as IO or il at

ór

redacaolona@gmail.com

@jornallona

lona.redeteia.com

Curitiba, quarta-feira, 05 de setembro de 2012

Filme Curitiba Zero Grau é exibido para alunos da Universidade Positivo

Ano XIII - Número 738 Jornal-Laboratório do Curso de Jornalismo da Universidade Positivo

MON estende horário de visitação pág. 4

OPINIÃO Candidatos aumentam

O filme teve uma sessão exclusiva para alunos e professores de jornalismo e publicidade da Universidade Positivo. O diretor do filme também estava presente e respondeu algumas perguntas após a exibição.

Cesta básica fica mais cara em Curitiba Pesquisa mostra o aumento de preço dos principais alimentos que compõem o conjunto. Banana, tomate e batata foram os produtos que mais tiveram acréscimo desde agosto de 2011. Curitiba é a segunda capital com o maior aumento nos valores.

io

divulgação na internet pág. 2

EDITORIAL A responsabilidade de um voto consciente pág. 2


2

Curitiba, quarta-feira, 05 de setembro de 2012

Editorial

Voto, direito consciente No Brasil, escolher os governantes por meio do voto é um modo antigo. Entretanto, não foi desde o começo que o direito de votar era destinado a todos. No início apenas homens brancos, alfabetizados e com boa representação financeira tinham esse direito. Com o passar do tempo, as restrições foram diminuindo devido à luta pelos direitos como, por exemplo, o voto feminino. Por isso, é possível dizer que o direito ao voto estabelecido hoje é uma conquista para o exercício da democracia no país. Entretanto, escolher os representantes não é uma tarefa fácil para os eleitores. Em época de eleições uma variedade de candidatos apresentam suas ideias, propostas e fazem todo tipo de campanha para se eleger, mas o poder de decidir está nas mãos dos eleitores, pena que nem todos sabem exercer esse poder. Trocar voto por favores, recompensas e promessas não vai acabar com os problemas da população. Engana-se quem pensa assim e vende seu voto. Muito pelo contrário, aqueles políticos que oferecem dinheiro e outras coisas em troca de voto não estão preocupados com saúde pública, educação de qualidade, segurança nos bairros, só pensam em seus próprios interesses. O voto consciente é aquele decido após muita reflexão e conhecimento de cada candidato. O eleitor deve analisar quais são as melhores propostas, aquelas que irão melhorar a sua qualidade de vida, quais são as melhores ideias, aquelas abordam assuntos relevantes e principalmente investigar o passado e o histórico político de seus candidatos. É ilusão pensar que se o político foi desonesto ele pode ter mudado. Por que não dar uma chance para aquelas que estão iniciando e tem novos ideais?

Opinião

Candidatos apostam nos sites Marcela Andressa

Os candidatos à prefeitura de Curitiba, em tempo de eleição, vêm apostando também em sites na internet. Não são mais apenas os cuidados com as propagandas na televisão e no rádio, ou os banners e cavaletes nas ruas, mas a internet passou a fazer parte do programa dos candidatos. Eles vêm apostando em sofisticados layouts, em meras criações e diferenciais, não mais simples sites com uma foto e informações dos candidatos. O que pode se notar claramente é que os candidatos mais “populares” e que estão com os maiores índices nas pesquisas de ibope, são os que mais investiram com o trabalho na internet. Os sites são muito bem coloridos e atrativos, disponibilizam fotos com seus eleitores, canais para redes sociais e diversas opções para os eleitores ‘navegarem’ pela página. Candidatos menos populares e quase nem citados nas pesquisas de ibopes, também apostaram nos sites, porém com um aparente investimento menor. São cores mais claras, layouts básicos e nada de muito novo. Um deles até mesmo não apresenta um site próprio, apenas um blog, que também permanece na linha mais simples. O que mais importa nisso tudo e que a maioria acaba esquecendo e deixando levar é o próprio conteúdo de cada site. As propostas e objetivos dos candidatos não são bem colocados e não estão diretamente indicadas na primeira página. O que parece muito mais visível são as divulgações de campanhas de ruas e fotos publicitárias, mas o conteúdo mesmo deixa a desejar. Parece que o principal objetivo está em atrair visualmente o eleitor ao invés de apresentar lhes suas metas para com a cidade. Preferem investir em publicidade ao invés de conteúdo informativo de qualidade com o plano de metas. Resta a nós, eleitores, observarmos o conteúdo de cada candidato e levar isso em consideração na hora de votar, afinal observar a preocupação que cada um tem demonstra o que realmente levarão para a cidade.

Expediente Reitor: José Pio Martins | Vice-Reitor e Pró-Reitor de Administração: Arno Gnoatto | Pró-Reitora Acadêmica: Marcia Sebastiani | Coordenadora do Curso de Jornalismo: Maria Zaclis Veiga Ferreira | Professores-orientadores: Emerson Castro e Marcelo Lima | Editores-chefes: Gustavo Panacioni, Vitória Peluso e Renata Silva Pinto| Editorial: Redação l.ona O LONA é o jornal-laboratório do Curso de Jornalismo da Universidade Positivo. Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300 - Conectora 5. Campo Comprido. Curitiba - PR. CEP: 81280-30 - Fone: (41) 3317-3044.


3

Curitiba, quarta-feira, 05 de setembro de 2012

Filme Curitiba Zero Grau tem sessão exclusiva para alunos da Universidade Positivo Alunos e professores dos cursos de Publicidade e Jornalismo assistiram ao longa e ainda bateram um papo com o diretor Giuliana Nohgara

Giuliana Nogara Maria Luiza Britto de Paula

Aconteceu ontem (4), no Cinemark Barigui, uma exibição especial do filme “Curitiba Zero Grau” para a Universidade Positivo. Assistiram ao filme os alunos e professores dos cursos de jornalismo e publicidade. Estava lá também o diretor, Eloi Pires Ferreira, que depois da exibição, respondeu algumas perguntas dos presentes.

A história Curitiba Zero Grau conta a história de quatro homens - de diferentes classes sociais - que vivem em Curitiba. Na semana mais fria de um inverno, todos vivem os seus dramas pessoais e de uma forma ou de outra, acabam se cruzando no meio delas. O filme mostra um novo perfil dos moradores da cidade. Ele todo é ambientado em Curitiba e com atores curitibanos. A trilha sonora é também composta em sua maioria por bandas locais. Segundo o diretor do filme, Eloi Ferreira, o custo foi de cerca de dois milhões de reais e a produção é toda independente. A ideia do filme Ferreira explica que o cinema nacional sempre foi mzui-

to centralizado em São Paulo e principalmente no Rio de Janeiro. Ele diz que apesar do Brasil ser em grande parte um país tropical, também é temos esse lado do frio, o lado do sul do país que muitas vezes não é mostrado nas grandes produções nacionais. O diretor também comenta que, mesmo assim, as histórias contadas no filme poderiam muito bem acontecer em outras regiões brasileiras. “É um filme brasileiro, que fala da nossa terra”, conta Ferreira.

Recepção O filme participou do festival de Havana, em Cuba e também teve exibições no Japão. Em ambos ele foi muito bem recebido. No Japão, inclusive, esteve entre os filmes brasileiros mais assistidos. Ele estreiou aqui em Curitiba, como um teste da recepção que ele teria. A partir da semana que vem, eles pretendem levar o filme para interior e para cidades como Rio de Janeiro e São Paulo.

Dificuldades Aqui no Brasil, no entanto, é necessário vencer algumas barreiras. Segundo o diretor, é duro vencer a hegemonia norte-americana. Por isso é difícil exibir em grandes salas de cinema, e diz que o fato de

seu filme estar em lugares como o próprio Cinemark é uma vitória. Ele comenta que o povo brasileiro prefere consumir as produções americanas, ou seja, aqueles filmes do grande circuito mundial e que são campões de bilheteria. Os nacionais acabam ficando secundários. Curitiba está no topo das capitais que menos assistem filmes nacionais. Mas Eloi Ferreira também afirma que o problema se estende por outras cidades, e não apenas por Curitiba. “É preciso quebrar uma mentalidade acostumada a ver fast-food”, diz Eloi Ferreira. Mas, em especial, Curitiba é muito tímida em exibir os seus talentos locais. Ferreira conta que a cidade é bem servida de talentos, não apenas no cinema, mas no teatro, na música e em tantas outras áreas. Porém, grande parte só consegue sucesso quando vai para outros lugares. Pois a cidade não costuma dar valor aos seus talentos. O diretor também comenta que uma das grandes dificul-

Sessão exlusiva para os alunos da UP

dades é conseguir dinheiro para bancar o filme, pois tudo tem um custo e deixa as coisas mais caras. Mas disse que vencendo essa etapa, também

é difícil escolher o elenco. No entanto, ele se diz feliz em trabalhar com atores e atrizes, pois acha encantador ver alguém contracenando.


4

Curitiba, quarta-feira, 05 de setembro de 2012

Preço da cesta básica aumenta em Curitiba Pesquisa realizada pelo DIEESE apontou os produtos que aumentaram no último mês Gustavo Panacioni

brasileiras. Das 17, 15 tive- uma redução no valor to-

Em Curitiba o valor da mínimo de 99 horas e 14

ram aumento no valor da tal da cesta. Natal e Belo cesta ficou em R$ 280,57, minutos para poder garantir Curitiba ficou entre as cesta básica. 3 capitais que mais tive-

Horizonte tiveram decrés- que representa quase 50% a alimentação mensal.

Florianópolis, Curitiba cimos de 1,64% e 0,66% do salário mínimo. Outro

Em agosto do ano pas-

ram aumento no valor da e Rio de Janeiro foram as respectivamente. Os produ- dado divulgado pela pes- sado o período era de 98 hocesta básica com relação a cidades com maiores altas. tos que mais contribuíram quisa é o número de horas ras e 30 minutos e o valor julho deste ano. A pesquisa A capital catarinense con- para o aumento da cesta que o brasileiro deve cum- da cesta básica somava R$ divulgada pelo DIEESE – tabilizou quase 11% de au- básica em Curitiba foram prir para conseguir comprar 244,00. A variação do ano Departamento Intersindical mento, Curitiba teve 4,69% a banana, com um aumen- a cesta básica. O valor tam- passado para cá totalizou de Estatísticas e Estudos e Rio de Janeiro o aumen- to de quase 19%, o tomate, bém aumentou. De acordo 14,99%. Socioeconômicos – anali- to ficou em 4,09%. Apenas com 13,42%, e a batata com com a pesquisa, os curitisa mensalmente 17 capitais duas capitais registraram 5,15%.

banos devem trabalhar um

MON terá horário estendido Comemoração do aniversário do museu amplia horário de visitação para até às 20 horas Vitória Peluso

O Museu Oscar Niemeyer (MON) completa dez anos em novembro de 2012, para comemorar toda primeira quinta-feira de cada mês seu horário de visitação será estendido até às 20h. Nesta quinta-feira, a ação chamada “Mais MON” traz uma visita mediada pela arte educadora Telma Richter à exposição “Modigliani, imagens de uma vida” e uma apresentação da cantora Raíssa Scatrut.

As exposições em cartaz do MON são “Poty, de todos nós”, “Dorothea Wiedemann, aqui ou me qualquer lugar”, “Acervo MON Mobiliário”, “Mulheres no acervo MON”, “Modigliani, imagens de uma vida” e “A Arquitetura de Lelé; Fábrica e Invenção”, que encerra neste domingo. Para celebrar o aniversário do MON, o museu recebe as mostras sobre Paulo Leminski, Edgar Degas e Di Cavalcanti além da exposição das obras do acervo MON.

+++++++++MAIS MON +++++++++ Horário estendido no Museu Oscar Niemeyer Dia: 6 de setembro de 2012, quinta-feira Horário: das 10 às 20 horas Ingressos: R$4 e R$2 (meia-entrada para professores e estudantes com identificação). Rua Marechal Hermes, 999. Centro Cívico - Curitiba – PR

+++++++PROGRAMAÇÃO+++++++ Visita mediada Exposição“Modigliani, imagens de uma vida” com a arte educadora Telma Richter Horário: 19h Apresentação musical Raíssa Scatrut Horário: 18h às 20 horas

LONA 738 - 05.09.2012  

JORNAL-LABORATÓRIO DIÁRIOP DO CURSO DE JORNALISMO DA UNIVERSIDADE POSITIVO

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you