Issuu on Google+

O

ún

ico

D

Curitiba, segunda-feira, 26 de março de 2012

jo

@jornallona

r do IÁ nalBr R lab as IO or il at

redacaolona@gmail.com

ór

Ano XIII - Número 683 Jornal-Laboratório do Curso de Jornalismo da Universidade Positivo

Curitiba, 26 de março de 2012

lona.up.com.br

Festival de teatro

Política

Óbito

Idealizador do Festival de Teatro de Curitiba fala sobre o evento

Assembleia Legislativa do Paraná usa muito tempo das sessões para homenagens

Humorista Chico Anysio morre aos 80 anos de idade

Pág. 5

Pág. 4

Pág. 5

Sindicato do Condomínio pede reajuste salarial entre 12 e 15%

Gustavo Ribas

Hoje acontece a primeira reunião após o voto pela paralisação da greve dos condomínios, ogranizada pelo Sindicon. O Paraná tem cerca de 12 mil trabalhadores em condomínio. O piso de um servente é de R$ 617 e o piso de um porteiro é de R$ 681. Os trabalhadores querem reajuste e a unificação da database.

io


2

Curitiba, segunda-feira, 26 de março de 2012

Expediente

Opinião

Reitor: José Pio Martins | Vice-Reitor e Pró-Reitor de Administração: Arno Gnoatto | Pró-Reitora Acadêmica: Marcia Sebastiani | Coordenação dos Cursos de Comunicação Social: André Tezza Consentino | Coordenadora do Curso de Jornalismo: Maria Zaclis Veiga Ferreira | Professores-orientadores: Ana Paula Mira, Elza Aparecida

E a saudade, ó! Willian Bressan

de Oliveira Filha e Marcelo Lima | Editoras-chefes: Renata Silva Pinto, Suelen Lorianny e Vitória Peluso | Editorial: Matheus Klocker O LONA é o jornal-laboratório do Curso de Jornalismo da Universidade Positivo. Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300 - Conectora 5. Campo Comprido. Curitiba - PR. CEP: 81280-30 - Fone: (41) 33173044.

Carta do Leitor Acompanho diariamente as edições virtuais do Lona. Confesso que ainda tenho algumas ressalvas ao formato, mais por inadequação pessoal do que por questões técnicas. Tem sido interessante acompanhar o desenvolvimento da diagramação edição após edição, com infográficos, box e legendas mais apuradas. Ainda me incomoda um bom tanto a questão dos créditos das fotografias, embora saiba das dificuldades de conseguir material interno para pautas tão amplas e heterogêneas. A página dois vem sendo o espaço mais bacana do Lona 2012. É louvável a tentativa de produzir um jornal antenado em assuntos nacionais de repercussão direta em nosso cotidiano, embora sinta falta de um tom menos genérico e mais próximo dos estudantes. A edição 681, com a matéria de capa sobre a Síndrome de Down e editoriais sobre os militares e seu reacionarismo é, a meu ver, a melhor desde que comecei a ler o Lona neste ano. O desafio é mesmo grande: habituar o leitor ao novo formato e promover a discussão de temas abrangentes. Daniel Zanella - estudante do 5 º periodo do curso de jornalismo

Editorial

Era um domingo, 12 de abril de 1931, quando a pequena Mararanguape assistiu ao nascimento de Francisco Anysio de Oliveira, que, anos mais tarde, na Rádio Mayrink Veiga seria conhecido simplesmente por Chico Anysio. Pioneiro no humor brasileiro, Chico foi o responsável pela criação de mais de 200 personagens, eternizados na memória dos brasileiros. Professor Raimundo, dona Salomé de Passo Fundo, o bem brasileiro Painho, o vampiro Bento Carneiro, Alberto Roberto e tantos outros. Passou pelas rádios nos anos 50, e chegou à televisão logo depois, em 1957, com o programa Aí Vem Dona Isaura na TV Rio. Após o surgimento da Globo, José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, então vice-presidente de operações da emissora, foi o responsável por levar Chico ao canal 4 do Rio de Janeiro e conceder-lhe inúmeros programas: Chico City, Chico Anysio Show, Estados Anysios de Chico e Escolinha do Professor Raimundo. Com seus personagens, o mestre do humor fazia uma síntese do Brasil. Ainda sob a censura da ditadura militar, nos anos 80, Chico criou a personagem Salomé, que conversava com o presidente e falava de temas “cabulosos” com bom humor. Anysio dedicou mais de 60 anos da sua vida a fazer as pessoas rirem. Mas rirem com sabedoria. Com emoção. E sem precisar apelar jamais. Em um tempo em que as pessoas se divertem com programas como Pânico na TV, que apelam para corpos desnudos e piadas chulas, além das ironias sem graça (e sem respeito) de Rafinha Bastos, a presença de Chico, embora um tanto já apagada nos últimos tempos, será de uma falta incomparável. A cortina da vida se fechou para Chico Anysio, mas o seu humor e seus personagens não deixarão nunca as lembranças e os corações dos brasileiros que tiveram a honra de conhecer o mestre do humor. Parafraseando um bordão muito conhecido de Anysio, só me resta dizer: “e a saudade, ó!”.

Expressão ou opressão?

A liberdade de expressão nunca foi tão grande como a que temos graças à internet. Sem ela, a internet nunca teria alcançado os parâmetros que vemos hoje, pelo menos não tão rapidamente. A quantidade de informação disponível é tão grande e de tão mais fácil acesso do que qualquer outro meio de comunicação existente. Sendo assim, não podemos dizer que a internet não veio para um bem maior. Mas também é inegável dizer que o bem e o mal sempre andam lado a lado. Na última quinta-feira, duas pessoas foram presas em Curitiba com a suspeita de usarem um site para publicar incitações à violência a mulheres, negros, judeus, nordestinos e homossexuais e abuso sexual de menores. Com esse exemplo, percebemos que a liberdade tem, sim, seus limites. A autonomia virtual deve ser defendida, mas há restrições. Em um mundo onde todos estão conectados como um, a intimidade de cada indivíduo diminui e a ideia de que a internet é uma terra de ninguém só aumenta. Também recentemente uma grande controvérsia foi gerada com a criação de dois projetos de lei nos EUA – SOPA (definição) e PIPA (definição). Esses dois projetos visam à limitação de práticas de downloads e reprodução de produtos sem a autorização legal. Rapidamente milhões de pessoas se mobilizaram contra esses projetos de leis, criando protestos e fazendo muito barulho. Mais uma vez caímos nas mesmas questões: Liberdade para todos? Sim. Liberdade sem fronteiras? Não! Mas até que ponto essa liberdade é permitida? A resposta é simples: essa fronteira começa a partir do momento em que o direito do outro é violado. Nos dois casos aqui mostrados, a liberdade de expressão ultrapassou os limites do bom senso e começou a funcionar diretamente como liberdade de opressão. No primeiro caso, os suspeitos de abrir o site que continham incitações à violência também respondem por possivelmente apoiarem um massacre que aconteceu em uma escola no Rio de Janeiro no ano passado, onde 12 estudantes foram assassinados. Já no caso da SOPA e PIPA, fica difícil dizer quem ultrapassou os limites: o governo por censurar uma grande parte do conteúdo ao público ou o público por fazer e divulgar conteúdo sem devida autorização. Em um meio de comunicação tão grande e livre como a internet, fica difícil alguém ter controle sobre tudo que acontece, mas isso não significa que a anarquia deve dominar. Infelizmente o bom senso não está presente na consciência de todos os usuários dessa indispensável ferramenta do século 21.


3

Curitiba, segunda-feira, 26 de março de 2012

Associados do Sindicato do Condomínio entram em greve hoje Sindicon quer um aumento entre 12 e 15%; Secovi recusa-se a oferecer mais do que 8% da Habilitação e Condomínios do Paraná (Secovi) quanto ao reajuste salarial e a data base. Enquanto o primeiro deseja entre 12 e 15% de reajuste, o segundo se recusa a oferecer mais de 8%. Além disso, segundo o Sindicon, a data base não estaria sendo cumprida. De acordo com Aline, uma das secretárias do Sindicato, que pediu para que seu sobrenome não fosse revelado devido a orientações da polícia, “o pedido inicial do reajuste está entre 12 e 15%. Podemos fechar em 10% também, mas não

ligações ao dia, originadas de empregados insatisfeitos pela ausência de reajuste salarial. A decisão de entrar em greve veio do presidente do Sindicon, HéNesta segunda-feira, lio Rodrigues da Silva. 26, acontece a primeira Segundo o sindicato, a reunião após o voto pela intenção da greve não é paralisação da greve dos para prejudicar os mocondomínios, organizada radores, mas sensibilipelo Sindicato do Conzar síndicos. domínio (Sindicon). A A principal instrureunião ocorre às 18 hoção que o Secovi está ras na sede do Sindicon. dando aos síndicos é de No encontro, serão exnegociar o reajuste direplicados os direitos dos tamente com os funciotrabalhadores. Segundo nários e, assim, evitar a a legislação, os funcioausência deles no perínários não podem ser odo de greve. Lindamir demitidos, Panacione, síndica substituído Condomínio Ana dos ou ter O pedido inicial do rea- Maria, seguiu essa valores desorientação e acredijuste está entre 12 e 15%. contados de ta que não deve ter sua folha de Podemos fechar em 10% grandes problemas pagamencom a greve. “Contambém, mas não temos to enquanversei com as zelato durar a condições de aceitar os 8% doras aqui do prédio greve. Após e todos concordapropostos pelo Secovi.” essa etapa mos em aplicar o reinicial de temos condições de acei- ajuste de 10%. Não há explicação aos funcio- tar os 8% propostos pelo motivo para entrar em nários, a paralisação terá Secovi.” Foram realiza- greve, mas concordo com início amanhã, dia 27, das 17 reuniões entre os a ida delas à reunião de e não tem previsão para dois sindicatos antes de instrução, no Sindicon.” terminar. ser tomada a decisão da Valacir Pontes, zeA mobilização ocor- greve. Segundo a secre- ladora do Condomínio reu devido à discordân- tária do Sindicon, a ten- Ana Maria, recebeu a cia entre este sindicato, são era tanta que, antes visita de um funcionário que representa os traba- da decisão, foi contabi- do Sindicato do Condolhadores, e o Sindicato lizada uma média de 300 mínio convidando para

Angelo Sfair Camila Cassins Gustavo Ribas

comparecer até a reunião pausa em todos os servide hoje. Para Valacir, o ços prestados por estes profissionais. O Sindicon promoA intenção da veu um forte trabalho greve não é para de divulgação para entrar em contato com toprejudicar os dos os contribuintes. Os moradores, mas panfletos explicativos sensibilizar sín- distribuídos, de porta em porta, nos principais dicos. condomínios de Curitiba, como o que a zelareajuste já devia ter sido contabilizado antes. “Já dora Valacir recebeu, detinha que ter acontecido fende que o pedido não é [o reajuste]. Vou lá ver um absurdo. “Queremos como que é. Nunca parti- um piso salarial mínimo cipei, mas a gente vai lá para faxineiras, servenna segunda ver o que que tes e demais funções de eles vão dizer para ver R$ 750,00; para porteise precisaremos entrar ros, vigias e garagistas, em greve ou não, mesmo um piso salarial mínimo tendo feito o acordo.” de R$ 800,00; para os zeA resposta do Sindi- ladores um piso salarial cato dos Condomínios mínimo de R$ 880,00.” para essa dúvida entra O Secovi alega que em conflito com a orien- o Sindicon deve passar tação dos advogados as reivindicações com do Secovi. “Pode gerar 48 horas de antecedênconfusões para o fun- cia ao início da paralicionário. O pessoal quer sação. Na sexta-feira, parar e não vai aceitar dia 23, em conversa funcionários trabalhando com a equipe do Lona, a secretária do Sindicon mesmo com o acordo”, afirmou que não havia afirmou Aline. A gre- previsão do envio das ve deve paralisar todos reivindicações e contaos setores. Isso envolve gem dos votos. A aberporteiros, faxineiros, ze- tura da urna está previsladores, vigias, serventes ta para hoje, sendo que e garagistas de residên- a contagem dos votos é cias, condomínios, entre necessária para a conoutros, o que significa a dução da greve.


4

Política

Curitiba, segunda-feira, 26 de março de 2012

32,5% dos projetos aprovados na Alep envolvem solenidades e homenagens Desde o início de março deste ano, 110 projetos passaram pela Alep. 14 deles foram cerimônias de homenagem aprovados por unanimidade Angelo Sfair Camila Cassins Gustavo Ribas

Na próxima sexta-feira, dia 29 de março, é aniversário de Curitiba e a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) vai promover uma solenidade em homenagem aos 319 anos da cidade. A sessão solene acontece no dia 28, quinta-feira, e além de comemorar o aniversário pretende também homenagear “diversas personalidades que, pelo destaque em suas respectivas áreas de atuação, muito contribuem para o desenvolvimento da cidade”, segundo nota oficial publicada no site da Assembleia. Nos últimos 30 dias, aproximadamente 13% das propostas apresentadas pelos deputados são cerimoniais ou homenagens. Enquanto isso, 67 projetos

tiveram suas discussões ou votações adiadas. Dos 110 projetos apresentados, apenas 26 foram aprovados, isso sem contabilizar os projetos que envolvem homenagens. Todos os projetos cerimoniais geralmente são apresentados e aprovados por unanimidade no mesmo dia. Já os outros projetos têm um trâmite mais complexo. A proposta de lei de incentivo ao esporte, por exemplo, deve chegar ao legislativo apenas em 40 dias. A homenagem ao aniversário de Curitiba foi apresentada pelo deputado Ney Leprevost (PSD) e aprovado por unanimidade pelo Plenário da Assembleia, no dia 15 de fevereiro. De acordo com Adriana Silva, assessora de Leprevost, a solenidade é estritamente festiva e busca homenagear personalidades paranaenses, pessoas com um grande histórico de trabalho e fun-

cionários públicos. Segundo Juliana Bessa, Coordenadora dos Cerimoniais da Alep, as sessões solenes são marcadas preferencialmente no período da manhã (no contraturno do horário de funcionamento do Plenário), mas muitas delas acabam sendo realizadas durante a tarde, confrontando com os horários de trabalho dos deputados. Nestas sessões solenes, cada homenageado recebe um certificado com uma menção honrosa, assinado pelo Deputado que propôs a homenagem, pelo presidente da mesa diretora (Valdir Rossoni, PSDB), pelo 1º secretário (Plauto Miró Guimarães Filho, DEM) e pelo 2º secretário (Reni Pereira, PSB). “Cada sessão solene dura em torno de 1h30, mas varia bastante. Quanto mais homenageados, mais tempo demanda. No caso do ceri-

monial em comemoração ao aniversário de Curitiba, mais de 300 pessoas serão homenageadas”, explica Juliana. Assim como qualquer outra proposta, as sessões solenes também passam por aprovação em plenário. Segundo a coordenadora, as homenagens geralmente são votadas e aprovadas por unanimidade no mesmo dia em que o deputado as propõe. Em contrapartida, projetos de extrema importância para toda a população perdem a sua prioridade nas discussões da Casa. Exemplos disso são dois projetos que buscam regulamentar a lei que proíbe o fornecimento de bebidas alcoólicas e cigarros para pessoas com idade inferior a 18 anos – um proposto por Ney Leprevost e outro por Mara Lima (PSDB) –, que aguardam um parecer desde agosto do ano passado. Muitos são

Infografia: Gustavo Ribas

discutidos exaustivamente por meses até que haja uma aprovação e os eventos de homenagem podem contribuir para essa demora nas decisões. Para a deputada Mara Lima (PSDB), os cerimoniais têm sua importância, mas o número excessivo de solenidades prejudica o andamento das discussões e votações de outros projetos. Embora a deputada tenha essa convicção, no dia 7 de março, às 14h30, a Alep promoveu uma homenagem ao Dia Internacional das Mulheres: uma proposta da própria Mara Lima. “A intenção dessa homenagem é dar a devida importância a essas heroínas anônimas. Se pudéssemos lotaríamos a Casa com todas as guerreiras paranaenses”, argumenta ela. Nesta solenidade em questão, 54 mulheres foram homenageadas, sendo que cada representante da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia indicou uma delas. O tempo que cada cerimonial demanda - desde a apresentação até a sua aprovação e realização - também preocupa. “Propostas de cerimoniais tomam muito tempo. A solenidade do Dia Internacional das Mulheres, por exemplo, começou a ser pensada ainda no ano passado”, comenta Mara Lima. “Temos que usar o tempo com sabedoria, já que há certo exagero no número de solenidades. As sessões deveriam ser mais bem selecionadas, já que se usa um espaço desnecessário, em que deveríamos estar discutindo projetos com um grau de importância maior”, finaliza.


5

Curitiba, segunda-feira, 26 de março de 2012

Morre aos 80 anos o humorista Chico Anysio Elana Souza Isadora Nicastro Marina Solon

O humorista Chico Anysio morreu às 14h52, desta sexta-feira (23), aos 80 anos. O artista, que estava internado desde 22 de dezembro de 2011, apresentou uma piora nas funções respiratórias e renal na última quartafeira (21). Chico estava internado no Hospital Samaritano, na Zona Sul do Rio. Chico Anysio foi submetido a diversas internações nos últimos dois

anos. Em novembro de 2011, o comediante deu entrada no mesmo hospital, devido a uma infecção urinária. Após receber um tratamento de diversos antibióticos, pode voltar para casa para passar o Natal com sua família. No dia seguinte precisou retornar ao hospital com uma hemorragia digestiva. Passando por duas cirurgias, Chico Anysio teve um segmento de seu intestino grosso retirado e se recuperou rápido. Posteriormente apresentou uma infecção pulmonar

e retornou à internação. repercussão de sua car- sonagens e é considerado Sua situação se agravou reira. Como comediante um dos maiores humorise precisou de auxílio de atuou mais de 200 per- tas do Brasil. aparelhos para respiraFolhapress (Leonardo Wen) ção. Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho nasceu em 12 de abril de 1931, na cidade de Maranguape, no Ceará. Ao longo de seus 65 anos de carreira, Chico ainda era pintor, compositor e escritor, tendo publicado 17 livros. Na televisão dentre suas principais atuações, estava o personagem “professor Raimundo”, que teve a maior

Criador do Festival de Curitiba fala das relações do evento com a cidade Leandro Knopfholz, idealizador do evento revela suas opiniões a respeito da cidade e do público curitibano Vitoria Peluso

O fundador do Festival de Teatro de Curitiba, Leandro Knopfholz, esteve na Universidade Positivo para uma entrevista exclusiva a todos os veículos da Rede Teia de Jornalismo. A entrevista aconteceu na tarde de sexta-feira (23) quando o idealizador do evento falou a respeito de vários aspectos do maior evento cultural da capital paranaense. Segundo Leandro Knop-

fholz, a primeira edição do festival aconteceu em 1992 e o evento acontece no mês do aniversário de Curitiba justamente para homenagear a cidade. “A ideia do festival surgiu da percepção de que Curitiba tinha espaço, mas não tinha oferta para o teatro”, conta. De acordo com ele, a cidade é a 3° capital que mais produz eventos culturais no Brasil, por isso ela faz parte de uma história e possui uma cena cultural. Para o empresário, o Festival de Teatro tem uma

grande importância para as artes cênicas no meio nacional, por isso, o evento é uma vitrine para o teatro no país, um ponto de encontro para quem fazer teatro. “O festival cria histórias um vínculo com as pessoas, devido a sua trajetória”, declara. Entretanto, o evento não tem a função de determinar o que será cartaz nos teatros do cenário nacional. Knopfholz diz que para as peças teatrais ficarem mais tempo em cartaz, assim como nos teatros do eixo Rio-São Pau-

lo, é preciso haver um mercado para estes espetáculos. Para ele a ideia que muitas pessoas têm de que o teatro é feito para a elite não é válida. “O acesso ao teatro não é exatamente uma questão financeira, mas uma questão cultura”, explica. A falta de iniciativa das pessoas de sair de casa para ir ao teatro é o verdadeiro empecilho. Segundo ele, o fato de algumas pessoas não se costumarem a ir ao teatro, mas assistirem a peças de

teatro de rua mostra a falta de iniciativa do público. “A falta de preparo das pessoas faz com que o teatro precise ir até elas ao invés do público ir ao teatro”, afirma. Em relação à divulgação do festival, Leandro diz que ela é suficiente e que a mídia no país faz uma boa cobertura das manifestações culturais. “A mídia dá bastante atenção para a cultura, tanto que nos jornais há sempre um caderno apenas para cultura e com um nome especial”.

Tamanho igual, preço diferente Guilherme Dias

O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC) fez, neste mês, uma pesquisa para constatar se havia diferença de peso em ovos de Páscoa de mesmo número, e chegou à conclusão de que essa diferença pode equivaler a uma barra de chocolate de 75g. O Idec fez o levantamento com o objetivo de alertar o consumidor na hora da compra dos ovos, e também orientar aqueles que não sabem o

que significa a numeração dos ovos – conforme comprovado em outra pesquisa, na qual 48% de 1.400 entrevistados de uma enquete lançada no site do Idec. Segundo a assessoria de imprensa Idec, já foi feito o pedido de critério de padronização às empresas junto ao Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) e a ABIA (Associação das Indústrias da Alimentação). Em outras pesquisas, o

Idec chegou a constatar também que os ovos de Páscoa chegam a ser quatro vezes mais caros do que as barras de chocolates da mesma marca, qualidade e quantidade. Um fator importante que aumenta significativamente o preço dos ovos é o uso de personagens, e os brindes dentro deles. Também foi feita uma análise nutricional dos ovos pesquisados, que contêm grandes quantidades de gorduras saturadas. Embora atendam as

exigências estabelecidas pela ANVISA (Agencia Nacional de Vigilância Sanitária), os

dados são baseados em frações do produto e são difíceis de serem avaliados.

Guilherme Dias


LONA 683 - 26/03/2012