Issuu on Google+

LÓGICA Oração Subordinada Adjetiva 01. Reescreva as orações, usando um pronome relativo (que, o/a qual, cujo, onde) 1. As ruas estavam desertas; percorremos essas ruas.

2.

As ruas estavam desertas; passamos por estas ruas.

3.

O canário é maravilhoso; compraste o canário.

4.

O canário é maravilhoso; falas do canário.

5.

O clube é o melhor do país; freqüentamos esse clube.

6.

O clube é o melhor do país; nós nos associamos a esse clube.

7.

A praça é a principal da cidade; vimos essa praça ontem.

8.

A praça é a principal da cidade; estivemos nessa praça ontem.

9.

A fábrica de sapatos é imensa; sua produção é totalmente exportada.

10. A fábrica de sapatos é imensa; falamos de sua produção. 11. O diretor estava com a razão; os alunos revoltaram-se contra as suas ordens.

12. O jacaré brasileiro está em extinção; fazem-se bolsas de sua pele. 13. Comprei aquele pássaro; tanto gostas de seu canto. 14. Gostaríamos de rever a matéria; temos dúvida sobre a matéria. 15. Gostaríamos de rever a matéria; sua extensão nos intranqüilizou. 03. Sublinhe e classifique as orações subordinadas adjetivas e dê a função sintática dos pronomes relativos, onde existam.

1. 2. 3. 4. 5. 6.

7. 8. 9.

10. 11. 12. 13.

Até meu pai, que trabalhava com ele, não o via. Isso é tudo quanto farei por ele. A casa em que eu estava hospedado era a do escrivão Meneses... A época quando vamos à escola pode ser uma dor ou um prazer. A mãe, que era surda, estava na sala com ela. A máquina mais complicada que ele conhecia era o monjolo. A pessoa a quem sou grato receberá inúmeras homenagens. A vida é o modo como morremos. A vida me ensinou a conhecer os homens com os quais eu lido. Admiro o modo como ele canta Ardia aquela fogueira que me esquentava a vida inteira. As atitudes das quais te arrependes não podem ser modificadas. As casas cujos portões foram pintados estão à venda.

14. A máquina pela quais foi arado o 15. 16. 17. 18.

19. 20. 21. 22. 23. 24.

25. 26. 27. 28.

29. 30.

campo ficará no celeiro. As pessoas a quem a gente se dirige sorriem. Canta uma cigarra que ninguém ouve. Conheço o desastrado que tu és. Contenta-me o amigo dedicado que tu tens sido. Deus, que é pai, nos salvará. É bom gozarmos a vida, que é breve. É teu tudo quanto aqui existe. Ela reparou nas roupas curiosas que as crianças usavam. Ele falava cantando, o que muito nos divertia. Ele próprio desculpou a irritação com que lhe falei. Ele tem amor às plantas, que cultiva com carinho. Ele, que trabalhou tanto, não ganhou nada. Enviamos-lhes roupas e outras coisas de que precisavam. Era o arrependimento de quem pretendia ser sincero. Era um oficial dos farrapos cuja barba negra contrastava o rosto. Escolheu a rua que o levaria ao bairro dos clubes.

31. Esse professor de quem falo era um homem magro e triste. 32. Estavam ali as cascas dos ovos pelos quais o orador fora atingido. 33. Eu busquei um derivativo na poesia, que era a paixão dele... 34. Existem coisas cujo alcance nos escapa. 35. Foi ele que me levou ao pátio. 36. Há coisas que nos comovem. 37. Há cousas que se não dizem. 38. Há termos cuja origem é obscura. 39. Há saudades que a gente nunca esquece. 40. Isto é tudo quanto quero. 41. Chico, que vinha atrás, gritou. 42. Não imagino o que estavas dizendo naquele momento. 43. Não reproduzo suas palavras da maneira como as enunciou. 44. No quintal onde brincávamos juntas tudo está escuro e quieto. 45. Nós, que ficamos ansiosos à espera dela, não a vimos chegar. 46. Flor, que me sorris, tens amor? 47. O professor a quem fui apresentado era muito simpático. 48. O homem olhou a laranjeira, cujos galhos pareciam dedos secos.


49. Onde estĂĄ a vela do saveiro que o mar engoliu? 50. Para uns, que viajam, as estrelas sĂŁo guias.


PCS Orações adjetivas