Page 1


The Indigo Spell Capítulo 1 Esta não era a primeira vez que havia sido tirada da cama para uma missão crucial. Era, contudo, a primeira vez que havia sido submetida a interrogatório tão pessoal. - Você é virgem? - Han? - Esfreguei meus olhos sonolentos, só no caso de que tudo isso fosse uma espécie de sonho bizarro que desapareceria. Minha professora de história, a Sra. Terwilliger, se aproximou e repetiu a pergunta em um sussurro: - Eu disse, é virgem? - Umm, sim... Eu estava totalmente desperta agora e olhava com inquietude ao redor do vestíbulo de meu dormitório, me assegurando de que não tinha ninguém por ali para presenciar esta conversa louca. Não tinha com que me preocupar. Tirando um olhar entediado para o lado oposto da sala, o saguão estava vazio, provavelmente porque nenhuma pessoa sã iria estar acordado a esta hora da noite. A Sra. Terwilliger me acordara com um telefonema a cinco minutos atrás, exigindo que eu a encontrasse aqui por uma questão de "vida ou morte". Seu interrogatório sobre a minha vida pessoal não era o que eu esperava exatamente. Deu um passo para trás e suspirou com alívio. - Sim, claro. Claro que é virgem. Estreitei meus olhos, sem saber se devia me ofender ou não. - Claro? O que significa isso? O que está acontecendo?


Ela imediatamente desviou a atenção e empurrou seus óculos de armação de arame até a ponte de seu nariz. Eles estavam sempre escorregando. - Não há tempo para explicar. Nós temos que ir. Ela agarrou meu braço, mas eu resisti e fiquei onde estava. - Minha senhora, é três da manhã! - E então, apenas para que ela pudesse entender a gravidade da situação: - Em uma noite de escola. - Não importa. - Ela virou-se na direção da atendente de sala e chamou para o outro lado da sala. - Estou levando Sydney Melrose comigo. A Sra. Weathers pode discutir comigo sobre o toque de recolher amanhã. A atendente olhou assustada, mas era apenas uma estudante de faculdade que tinha sido contratada para sentar lá durante a noite. Ela não era páreo para a formidável Sra. Terwilliger, com sua estatura, alta e desengonçada e seu rosto de pássaro. A autoridade real para manter as meninas em meu dormitório era o segurança do lado de fora, mas ele simplesmente assentiu com a cabeça de uma forma amigável quando a Sra. Terwilliger me arrastou para fora. Isso me fez pensar quantas meninas que ela tinha raptado no meio da noite. - Estou de pijama - eu disse a ela. Foi o último protesto que eu poderia

oferecer

quando

chegamos

a

seu

carro,

que

estava

estacionado em uma pista de fogo. Ela dirigia um Fusca vermelho com flores pintadas nas laterais. De alguma forma, isso não me surpreende em nada. - Você vai ficar bem - disse ela, pegando as chaves do carro de sua bolsa de veludo maciça. Em torno de nós, a noite do deserto estava fresca e silenciosa. Palmeiras altas criando escuras formas de aranha contra o céu. Além deles, a lua cheia e um punhado de estrelas brilharam. Eu passei meus braços em volta de mim, tocando o tecido mole da minha


túnica de micro-lã. Debaixo dela, eu tinha um pijama de listras combinando com chinelos macios bege. O conjunto funcionou bem no meu quarto aconchegante, mas não era exatamente prático para uma noite de Palm Springs. Mas, então, sair de pijama não era realmente prático em qualquer lugar. Abriu o carro, e eu pisei cuidadosamente dentro, tendo que desviar de copos de papel de café vazio e questões antigas de Utne Reader. Tais condições confusas eram anátemas para a minha sensibilidade, mas eles eram a menor das minhas preocupações neste momento. - Sra. Terwilliger - eu disse, uma vez que estávamos dirigindo pelas ruas suburbanas. - O que está acontecendo? Agora que estávamos fora do dormitório, eu esperava que ela começasse a falar com sentido. Eu não tinha esquecido o seu comentário de “vida ou morte” e estava começando a ficar nervosa. Seus olhos estavam na estrada à nossa frente, e as linhas de preocupação marcou seu rosto angular. - Eu preciso de você para fazer um feitiço. Eu congelei enquanto eu tentava processar suas palavras. Não muito tempo atrás, essa proclamação teria me enviado em protestos e crises de repulsa. Não é que eu estava confortável com isso agora. Magia ainda me assusta. A

Sra.

Terwilliger

ensinava

na

minha

escola

particular,

Amberwood, durante o dia e era uma bruxa à noite. Ela disse que eu, também, possuía uma afinidade natural para a magia e conseguiu me ensinar algumas magias, apesar dos meus melhores esforços para resistir. Eu tive algumas boas razões para querer evitar tudo. Além de crenças inatas sobre magia estar errado, eu simplesmente não queria ser pego em quaisquer assuntos sobrenaturais mais do que eu tinha que fazer. Eu já passei meus dias como parte de uma sociedade secreta que manteve segredo

sobre vampiros do mundo humano.

Isso e minha escola eram o suficientes para manter alguém ocupado.


No entanto, seu treinamento mágico tinha me levado a algumas situações perigosas recentemente, então eu já não era tão rápida para rejeitá-lo. Então ela sugerindo que eu executasse magia não era a coisa mais estranha acontecendo aqui. - Por que você precisa de mim para isso - eu perguntei. Havia poucos carros, mas, ocasionalmente, passando faróis lançava uma luz fantasmagórica em nosso carro. - Você é um milhão de vezes mais poderosa. Eu não posso lançar uma fração das coisas que você pode. - O poder é uma coisa - ela admitiu. - Mas há outras limitações e fatores no trabalho aqui. Eu não posso fazer esta mágica em particular. Eu cruzei meus braços e me larguei para trás no assento. Se eu continuasse com foco sobre os aspectos práticos, eu poderia ignorar quão preocupada eu estava ficando. - E não poderia ter esperado até de manhã? - Não - disse ela gravemente. - Não podia. Algo sobre o tom de sua voz enviou calafrios na minha espinha, e eu

caí

em

silêncio

enquanto

continuávamos

nosso

caminho.

Estávamos indo para fora da cidade e subúrbios, para as florestas do deserto verdadeiro. Quanto mais nos afastávamos da civilização, mais escuro ficava. Uma vez que nós estávamos fora da estrada, não havia iluminação pública ou casas à vista. Os arbustos do deserto criavam formas escuras ao longo do lado da estrada que me fez lembrar de animais, prontos para atacar. Não havia ninguém aqui, pensei. E ninguém em Amberwood sabe que você está aqui também. Eu me mexi desconfortavelmente quando recordei sua pergunta sobre ser virgem. Eu ia ser um sacrifício em algum ritual profano? Eu desejei que eu tivesse pensado em trazer o meu celular, não que eu poderia ter dito a minha organização, os Alquimistas, que eu estava gastando tanto tempo com um usuário de magia. E não é qualquer usuário de magia, era um que estava me ensinando ame tornar um


também. Melhor correr o risco de ser sacrificada do que enfrentar a ira dos Alquimistas.

~~//~~

Vinte minutos depois, a Sra. Terwilliger finalmente parou ao lado de uma estrada, uma pista empoeirada que parecia ser uma rota direta para lugar nenhum. Ela saiu do carro e fez sinal para eu fazer o mesmo. Estava mais frio aqui do que em Amberwood. Olhando para o céu à noite, eu prendi a minha respiração. Livre das luzes da cidade, as estrelas estavam agora em pleno vigor. Eu podia ver a Via Láctea e as constelações, uma dúzia geralmente escondidas a olho nu. - Observará as estrelas mais tarde - disse ela secamente. Precisamos nos apressar, antes que a lua avance muito mais longe. Um ritual de luar, um deserto estéril, o sacrifício de virgem...no que eu tolamente entrei? A Sra. Terwilliger está me empurrando para a magia que sempre me incomodou, mas eu nunca tinha pensado que ela representava uma ameaça. Agora eu me repreendi por ser tão ingênua. Ela jogou uma mochila sobre um ombro e dirigiu-se em um trecho desolado de terra, cheio de pedras e vegetação rala. Mesmo com a brilhante exibição celeste não havia muito claro aqui, ainda andava propositalmente, como se soubesse exatamente onde ela estava indo. Eu obedientemente segui, estremecendo enquanto eu atravessava o chão rochoso. Minhas pantufas nunca tinham sido destinadas a esse tipo de terreno. - Aqui. - ela disse, quando chegamos a uma pequena clareira. Ela cuidadosamente colocou a mochila no chão e desenrolou a lona desgastada. - Isso servirá. O deserto que era tão impiedoso no dia tornou-se frio durante a noite, mas eu ainda estava suando. Provavelmente a minha própria ansiedade tinha mais a ver com isso do que a temperatura ou


pijamas pesados. Eu apertei meu robe com mais força, fazendo um nó perfeito. Eu achava esse tipo de detalhe e de rotina calmante. A Sra. Terwilliger produziu um grande espelho oval com uma moldura de prata lavrado. Ela colocou-a no meio da clareira, olhou para o céu e, em seguida, mudou o espelho um pouco. - Venha aqui, Srta. Melbourne. - Ela apontou para um ponto à sua frente, do outro lado do espelho. - Sente-se e fique à vontade. Em Amberwood, eu entrei com o nome de Sydney Melrose, em vez de meu único e verdadeiro, Sydney Sage. A Sra. Terwilliger tinha dito meu nome inventado errado no primeiro dia de aula, e, infelizmente, pegou. Segui suas instruções, não que eu pudesse realmente fazer tudo confortável aqui. Eu tinha certeza que eu poderia ouvir o animal de grande porte brigando pela escova, e acrescentei "coiotes" para a minha lista mental de perigos que enfrentei aqui, logo abaixo de "uso mágico" e "falta de café." - Agora então. Vamos começar. – A Sra. Terwilliger olhou para mim com olhos que eram escuros e assustadores na noite do deserto. - Você está usando qualquer coisa de metal? Você precisa tirá-lo. - Não, eu...oh. Espere. Alcancei meu pescoço e desatei uma corrente de ouro delicada com uma pequena cruz. Eu tinha o colar há anos, mas recentemente havia dado a outra pessoa, para o conforto. Ele tinha dado de volta para mim recentemente, por meio de nossa amiga em comum Jill Mastrano Dragomir. Mesmo agora, eu podia imaginar o olhar irritado em seu rosto quando ela se aproximou de mim na escola e meteu a cruz na minha mão sem uma palavra. Eu olhei para a cruz agora enquanto brilhava ao luar. Uma sensação incômoda brotou na boca do meu estômago enquanto eu pensava sobre Adrian, o cara para quem eu havia dado o colar. Eu tinha feito isso antes, ele declarou seu amor por mim, algo que me pegou totalmente desprevenida há algumas semanas. Mas talvez eu


não deveria ter ficado tão surpresa. Quanto mais eu olhava para trás, e eu fazia isso o tempo todo, mais eu comecei a lembrar de sinais indicadores de que deveria ter me dado a dica sobre seus sentimentos. Eu tinha estado cega demais para perceber isso no momento. É claro que não teria importância se eu tivesse visto isso vindo ou não. Adrian era totalmente inadequado para mim, e não tinha nada a ver com seus muitos vícios ou a sua descida potencial em insanidade. Adrian era um vampiro. Na verdade, ele era um Moroi um dos bons, vampiros vivos - mas isso não fez diferença. Humanos e vampiros não podiam estar juntos. Este era um ponto que Moroi e Alquimistas firmaram juntos. Ainda era incrível para mim que Adrian tinha expressado esses sentimentos para mim. Era surpreendente que ele poderia até mesmo tê-los ou que ele teve a coragem de me beijar, mesmo que fosse um beijo que me deixou tonta e sem fôlego. Eu tive que rejeitá-lo, é claro. Meu treinamento não permitiria nada menos. Nossa situação aqui em Palm Springs forçava nós dois a estarmos constantemente juntos em situações sociais, o que tinha sido difícil desde a sua declaração. Para mim, não foi apenas o constrangimento de nossa nova relação. Eu...bem, eu sentia falta dele. Antes desse desastre, eu e ele éramos amigos e passamos muito tempo juntos. Eu tinha me acostumado a seu sorriso sarcástico e as brincadeiras rápidas que sempre fluem entre nós. Até que as coisas se foram, eu não tinha percebido o quanto eu confiei nele. Como eu precisava dele. Eu me senti vazia por dentro...o que era ridículo, é claro. Por que eu deveria me importar tanto com um vampiro? Às vezes, me deixava com raiva. Por que ele tinha arruinado uma coisa tão boa entre nós? Por que ele me fez perder tanto dele? E o que ele esperava que eu fizesse? Ele tinha que ter sabido que era impossível

para

nós

estarmos

juntos.

Eu

não

poderia

ter

sentimentos por ele. Eu não podia. Se tivéssemos vivido entre os


Keepers - um grupo de vampiros, humanos e damphirs não civilizados - ele e eu poderiamos ter...não. Mesmo se eu tivesse sentimentos por ele, e eu disse a mim mesma que eu firmemente não tinha, que era errado para nós até mesmo considerarmos tal relação. Agora, Adrian falava comigo o menos possível. E sempre, sempre, ele me olhava com um olhar assombrado em seus olhos verdes, que fazia meu coração doer e... - Ah! O que é isso? Eu me contorci quando a Sra. Terwilliger despejou uma tigela cheia de folhas e flores secas sobre a minha cabeça. Eu estava tão fixada na cruz e minhas memórias que eu não tinha visto isso chegando. - Rosemary. - disse ela com naturalidade. - Hissopo. Anis. Não faça isso. - Eu tinha ido para puxar algumas das folhas do meu cabelo. - É preciso, para o feitiço. - Certo. - eu disse, voltando aos negócios. Eu coloquei a cruz cuidadosamente no chão, tentando limpar minha mente do verde, dos olhos verdes. - O feitiço que só eu posso fazer. Por que mesmo? - Porque tem que ser feito por uma virgem. - explicou ela. Eu tentei não fazer uma careta. Suas palavras deram a entender que ela não era virgem, e mesmo que faz sentido para uma mulher de quarenta anos de idade, ainda não era um pensamento que eu queria passar muito tempo tendo. - Isso, e porque a pessoa que estamos procurando protegeu-se de mim. Mas você? Ela não vai esperar. Eu olhei para o espelho brilhante e compreendi. - Este é um feitiço de vidência. Por que não estamos fazendo o que eu fiz antes? Não é que eu estava ansiosa para repetir o feitiço. Eu tinha usado para encontrar alguém, e que tinha me envolvido olhando para uma bacia de água por horas. Ainda assim, agora que eu tinha feito isso, eu sabia que poderia fazê-lo novamente. Além disso, eu não gosto da ideia de andar em um feitiço que eu não sabia nada. As


palavras e as ervas eram uma coisa, mas o que mais poderia ela pedir para mim? Estaria em perigo a minha alma? Dar o meu sangue? - Esse feitiço só funciona para alguém que você conhece. explicou ela. - Este vai ajudá-la a encontrar alguém que você nunca viu antes. Eu fiz uma careta. Por mais que eu não gostasse de magia, eu gostei de resolver problemas e os quebra-cabeças que apresentou me intrigou. - Como eu vou saber quem procurar, então? A Sra. Terwilliger me entregou uma fotografia. Meus olhos se ajustaram à escuridão, e eu olhei para o rosto de uma bela jovem. Houve uma notável semelhança entre ela e minha professora. Em vez de cabelos marrom, opacos da Sra. Terwilliger, o desta mulher era escuro, quase preto. Ela era também muito mais glamourosa, com um vestido de cetim preto de noite que faria chorar com o traje hippie

habitual

da

Sra.

Terwilliger.

Apesar

destas

diferenças

aparentes, as duas mulheres compartilhavam as mesmas altas maçãs do rosto aquilino e olhos. Eu olhei de volta. - Ela está relacionada a você. - Ela é minha irmã mais velha. - disse Terwilliger, a voz notavelmente plana. Mais velha? Eu teria imaginado que esta mulher era pelo menos dez anos mais jovem. - Ela está desaparecida? - eu perguntei. Quando eu tinha ‘adivinhado’ antes, tinha sido para encontrar um amigo seqüestrado. Os lábios da Sra. Terwilliger tremeram. - Não da maneira que você está pensando. - A partir da mochila que nunca termina, ela tirou um livro de couro pequeno e abriu numa página marcada. Vesga para onde ela indicou, eu poderia fazer manuscritos das palavras latinas que descrevem o espelho e mistura de ervas que ela tinha jogado em mim. Depois disso foram as instruções sobre como usar a magia. Sem derramamento de sangue, felizmente.


- Parece muito simples. - eu disse, desconfiada. Eu aprendi que feitiços que só tinham algumas etapas e componentes geralmente necessitavam de muita energia mental. Eu tinha feito isso com o outro feitiço de vidência. Ela assentiu com a cabeça, adivinhando meus pensamentos. - É preciso muito foco, mais do que a última. Mas, tanto quanto você não quer ouvir isso, sua força cresceu o suficiente para que você provavelmente vai ter um tempo mais fácil do que antes. Eu fiz uma carranca. Ela estava certa. Eu não queria ouvir isso. Ou eu queria? Parte de mim sabia que eu deveria recusar a ir junto nessa loucura. Outra parte de mim estava preocupada que ela me abandonaria no deserto, se eu não ajudasse. E ainda uma outra parte estava insanamente curiosa para ver como isso tudo funciona. Respirando fundo, recitei o encantamento do livro e, em seguida, defini a imagem no meio do espelho. Repeti o encantamento e removi a imagem. Inclinando-me para frente, eu olhava para a superfície brilhante, tentando limpar minha mente e deixando-me tornar um, com a escuridão e a luz da lua. Um zumbido de energia corria através de mim, muito mais rapidamente do que eu esperava. No entanto, nada mudou no espelho de imediato. Apenas o meu reflexo olhou de volta para mim, a falta de iluminação entorpeceu meu cabelo loiro, que parecia terrível, tanto de dormir sobre ele e ter um monte de plantas secas penduradas em suas vertentes. A energia continuou a construir

em

mim,

crescendo

surpreendentemente

quente

e

estimulante. Fechei os olhos e afundei. Eu senti como se estivesse flutuando no luar, como se eu fosse o luar. Eu poderia ter ficado assim para sempre. - Você vê alguma coisa? – A voz da Sra. Terwilliger era uma interrupção indesejada ao meu estado de felicidade, mas eu obedientemente abri meus olhos e olhei para o espelho. Meu reflexo se foi. Uma névoa cinza prateada estava pendurado na frente de um


prédio, mas eu sabia que a névoa não era física. Ela foi magicamente produzido, uma barreira mental para me impedir de ver a imagem que estava além dele. Contra a minha vontade, eu empurrei minha mente, e depois de alguns momentos, a névoa se quebrou. - Eu vejo um edifício. - Minha voz ecoou estranhamente na noite. - Uma velha casa vitoriana. Vermelho escuro, com uma varanda tradicional coberto. Há arbustos de hortênsias em frente. Há um sinal também, mas eu não posso lê-lo. - Você pode dizer que casa é? - A voz da minha professora parecia muito distante. - Olhe ao seu redor. - Tentei puxar para trás, para ampliar minha visão para além da casa. Demorou alguns momentos, mas aos poucos, a imagem garimpou para fora como se eu estivesse assistindo a um filme, revelando um bairro de casas vitorianas semelhantes, todos com varandas amplas e trepadeiras. Eles eram uma parte bonita, perfeita, de história definida na mundo moderno. - Nada exato. – disse a ela. - Apenas algumas casas curiosas na rua. - Volte mais. Eu fiz, e foi como se eu subisse para o céu, olhando para baixo sobre

o

bairro

como

se

eu

fosse

um

pássaro

subindo.

As casas estendiam em mais bairros, o que deu lugar a áreas industriais

e

comerciais.

Eu

continuei

voltando.

As

empresas

tornaram-se mais e mais densamente. Mais ruas cruzadas entre eles. Os

edifícios

cresceram

mais

alto

e

mais

alto,

finalmente

materializando em uma familiar linha do horizonte. - Los Angeles. - eu disse. - A casa fica nos arredores de Los Angeles. - Eu ouvi uma ingestão aguda da respiração, seguida por: - Obrigada, Senhorita Melbourne. Isso é tudo. A mão de repente acenou por meu campo de visão, quebrando a imagem da cidade. Também foi quebrado o estado de euforia. Eu não estava mais flutuante, não mais feita de luz. Eu desabei com a


realidade até a paisagem do deserto rochoso e meu pijama desconfortavelmente quente. Eu me sentia exausta e trêmula, como se eu fosse desmaiar. A Sra. Terwilliger me entregou uma garrafa térmica de suco de laranja. Eu bebia avidamente, sentindome melhor quando o açúcar bateu no meu sistema e me fortaleceu. - Será que isso ajuda? - Eu perguntei, uma vez que eu tinha derrubado a garrafa térmica. A voz irritante dentro de mim começou a castigar sobre calorias, mas eu ignorei. - Era isso que você queria saber? A Sra. Terwilliger me deu um sorriso que não se estendeu aos seus olhos. - Isso ajuda, sim. Era isso o que eu queria? - Ela olhou para a distância. - Não, não exatamente. Eu estava esperando que você citasse alguma outra cidade. Alguma cidade muito, muito longe. Peguei minha cruz e coloquei ao redor do meu pescoço. O objeto familiar trouxe uma sensação de normalidade depois do que eu tinha acabado de fazer. Ele também me fez sentir culpada, olhando para trás no alto de euforia que a magia tinha me dado. Os seres humanos não deveriam fazer mágica. Certamente não eram para desfrutar disso. Correndo os dedos sobre a superfície da cruz, eu me peguei pensando em Adrian novamente. Teria ele já usado isso? Ou ele apenas manteve isso por sorte? Tinhaele seus dedos traçado a forma da cruz como os meus muitas vezes fizeram? A Sra. Terwilliger começou a recolher suas coisas. Quando ela se levantou, eu segui o exemplo. - O que isso significa exatamente, senhora? - Eu perguntei.- Que eu vi Los Angeles? – A segui de volta para o carro, e ela não respondeu imediatamente. Quando o fez, sua voz era estranhamente triste. - Isso significa que ela está muito mais perto do que eu gostaria. Isso significa também, se você quer ou não, você vai ter que trabalhar para melhorar suas habilidades mágicas muito, muito rapidamente.


Cheguei a um impasse. De repente, senti raiva. Já era o suficiente. Eu estava exausta e doía tudo. Ela me arrastou para fora no meio da noite e agora tinha a pretensão de fazer uma declaração como essa, quando ela sabia como eu me sentia sobre magia? Pior, suas palavras me assustaram. O que eu tenho a ver com isso? Este era o seu encanto, sua causa. No entanto, ela tinha dado a diretiva com tal força, tal certeza, que quase parecia que eu era a razão pela qual tinha vindo aqui a este terreno baldio. - Senhora - eu comecei. A Sra. Terwilliger girou e inclinou-se para mim, de modo que havia apenas alguns centímetros entre nós. Engoli em seco, engoli as palavras que eu estava prestes a proferir. Eu nunca tinha visto seu olhar assim. Ela não era assustadora, não exatamente, mas havia uma intensidade que eu nunca tinha visto antes, muito diferente da habitual professora dispersa que eu conhecia. Ela também olhou... assustada. Vida ou morte. - Sydney. - disse ela, em uma rara utilização do meu nome em primeiro lugar. - Deixe-me assegurar-lhe que este não é um truque da minha parte. Você vai melhorar suas habilidades, quer você goste ou não. E não é porque eu sou cruel, não porque eu estou tentando cumprir algum desejo egoísta. Não é mesmo, porque eu odeio ver você desperdiçar sua capacidade. - Então, por quê? - Eu perguntei em voz baixa. - Por que eu preciso aprender mais? O vento sussurrou em torno de nós, soprando algumas das folhas e flores secas do meu cabelo. As sombras assumiram uma sensação sinistra, e à luz da lua e das estrelas que parecia tão divina antes, agora me sentia fria e dura. - Porque, - disse a Sra. Terwilliger. - É para sua própria proteção.


Capítulo 2 A Sra. Terwilliger recusou-se a dizer muito mais depois disso. Ela nos levou de volta para a escola e não parecia saber que eu estava lá. Ela só manteve as coisas resmungando para si mesma como, "não há tempo suficiente" e "Precisa de mais provas." Quando ela finalmente me deixou, eu tentei pressioná-la para mais informações. - O que foi aquilo me protegendo, - eu perguntei. - Proteção de quê? Nós estacionamos na pista de fogo de novo, e ela ainda usava aquele olhar distraído. - Eu vou explicar mais tarde, em nossa sessão de amanhã. - Eu não posso, - eu lembrei ela. - Estou saindo logo após as aulas regulares. Lembra-se? Eu tenho um vôo para pegar. Eu disse a você sobre isso na semana passada. E ontem. E hoje mais cedo. Isso trouxe de volta sua atenção. – Você tem? Bem, então. Acho que nós vamos fazer com o que temos. Eu vou ver o que posso ter para você de manhã.

~~//~~

Deixei-a para a minha cama, depois disso, não que eu poderia dormir muito. E quando eu apareci para a aula de história na manhã seguinte, ela foi fiel à sua palavra. Antes de a campainha tocar, ela caminhou até a minha mesa e me entregou um livro antigo com uma capa de couro rachado vermelho. O título era em latim e traduzido para Elementos da Batalha, que enviou um arrepio na espinha. Feitiços para criar luz e invisibilidade era uma coisa. Havia uma praticidade para eles que eu poderia quase racionalizar. Mas feitiços


de batalha? Algo me disse que eu poderia ter um pouco de dificuldade com aqueles. - Lendo o material para o plano, - disse ela. Ela falou em sua habitual voz erudita, viciada, mas eu podia ver um brilho da ansiedade de ontem à noite em seus olhos. - Concentre-se apenas na primeira seção. Eu confio que você vai fazer o seu trabalho habitual e se aprofundar em alguns. Nenhum dos outros alunos que chegavam prestou atenção em nós. Minha última aula do dia foi uma sessão de estudo independente sobre

história

antiga,

que

serviu

como

meu

mentor.

Mais

frequentemente ela usou a sessão como uma forma passivaagressiva para me ensinar magia. Então, me dando seus livros como este não era nada fora do comum. - E, - acrescentou. - Se você pudesse descobrir em que bairro é seria extremamente útil. Eu fiquei sem palavras por alguns momentos. Localizar um bairro da região metropolitana de Los Angeles? - Isso é...uma área muito grande para cobrir, - disse por fim, escolhendo as palavras com cuidado com testemunhas ao redor. Ela assentiu com a cabeça e empurrou os óculos no nariz. - Eu sei. A maioria das pessoas provavelmente não poderia fazer isso. - E com essa nota semi-cortesia, ela voltou para a sua mesa na frente da sala de aula. - O bairro, - perguntou uma nova voz. Eddie Castile tinha acabado de chegar e deslizou em uma mesa vizinha. Eddie era um dhampir - uma mistura de DNA humano e vampiro que tinha sido passado entre as duas raças mistas. Para todos os efeitos, no entanto, ele era indistinguível de um ser humano comum. Com seu cabelo cor de areia e olhos castanhos, ele também se assemelhava bastante a mim para apoiar a nossa reportagem de capa que éramos gêmeos. Na realidade, Eddie estava aqui em


Amberwood como guarda-costas de Jill. Dissidentes entre sua própria espécie, os Moroi, estavam caçando ela, e mesmo que não tivessemos visto nenhum sinal deles desde que chegamos ao Palm Springs, Eddie estava sempre vigilante e pronto para atacar. Coloquei o livro de couro vermelho no meu saco de mensageiro. - Não pergunte. Outra de suas atribuições malucas. - Nenhum dos meus amigos, a não ser Adrian sabia sobre o meu envolvimento com o uso de magia. Bem, e Jill por padrão. Todos os Moroi possuíam algum tipo de magia elementar. Adrian tinha uma rara e poderosa chamada de espírito, o que poderia fazer milagres de cura. Ele tinha usado a magia para trazer Jill de volta dos mortos quando os assassinos a tinham matado. Isso fez Jill ser

"beijada pelas

sombras", ou seja, criou um vínculo psíquico entre eles, um que permitia Jill sentir suas emoções e, por vezes, ver através de seus olhos. Como resultado, Jill sabia mais sobre o que se passou entre Adrian e eu do que eu gostava. Peguei as chaves do carro para fora da minha bolsa e relutantemente entreguei para Eddie. Ele era o único que eu confiava para conduzir o meu carro, e eu sempre deixava emprestado quando eu saía da cidade, no caso de precisar de recados para o nosso grupo. - Aqui está. É melhor eu recuperá-lo inteiro. Não deixe Angeline perto do banco do motorista. Ele sorriu. - Eu pareço suicida? Eu provavelmente não vou mesmo usá-lo. Tem certeza de que não quer que eu a leve ao aeroporto mais tarde? - E você perder aula. - disse eu. A única razão que eu era capaz de faltar a uma aula foi devido à natureza incomum de meu estudo independente. - Eu não me importaria, acredite. Eu tenho um teste de ciências. - Ele fez uma careta e baixou a voz. - Eu odiava física pela primeira vez, você sabe.


Não pude deixar de sorrir. Ambos, Eddie e eu tinhamos dezoito anos e nos formamos no colegial, eu através das aulas em casa e ele através de

uma

academia

para

Moroi e

Damphirs. Nós não

poderíamos posar como estudantes sem passar pelas aulas, no entanto. Enquanto eu não me importava com o trabalho extra, Eddie não estava tão tomado com amor de aprender como eu estava. - Não, obrigada, - eu disse a ele. - Um táxi vai ficar bem. A campainha tocou, e Eddie endireitou-se na sua mesa. Como a Sra. Terwilliger chamou a classe por ordem, ele sussurrou para mim. – Jill está realmente chateada que ela não pode ir. - Eu sei, - murmurou de volta. - Mas todos nós sabemos por que ela não pode. - Sim, - ele concordou. - O que eu não sei é por que ela está louca com você. Virei-me para a frente da sala de aula e ignorei ele. Jill era a única que sabia sobre a declaração de amor de Adrian, graças a esse vínculo. Foi mais uma daquelas coisas que eu desejava que não havia sido compartilhado, mas Adrian não poderia ajudar. Embora Jill sabia que romances vampiro-humano estavam errados, ela não poderia me perdoar por ferir Adrian tão mal. Para piorar as coisas, ela provavelmente estava experimentando pessoalmente parte de sua dor. Mesmo que nossos outros amigos não sabiam o que tinha ocorrido, era óbvio que algo não estava certo com Jill e eu. Eddie pegou isso imediatamente e me interrogou. Eu tinha dado a ele uma desculpa vaga sobre Jill não gostando de algumas regras que eu tinha instituidos para ela aqui na escola. Eddie não tinha comprado isso, mas Jill tinha sido tão reticente sobre o assunto, deixando-o sem noção e frustrado. O dia de escola acabou e em pouco tempo, eu estava em um táxi, no caminho para o aeroporto. Eu só tinha uma pequena mala e minha bolsa. Para o que parecia ser a centésima vez, eu tirei um


pequeno saco de presente branco e examinei seu conteúdo. Dentro havia um coletor do sol de cristal, do tipo feito para ser pendurado em uma varanda ou em uma janela. Mostrava duas pombas em vôo, de frente para o outro. Envolvi de volta em seu papel de tecido, voltei ao seu saco de presentes e depois o meu próprio saco. Eu esperava que fosse um presente aceitável para o próximo evento. Eu estava indo para um casamento vampiro. Eu nunca

tinha

ido

a

um antes. Provavelmente

nenhum

Alquimista tinha. Embora nós trabalhamos com os Moroi para proteger a sua existência, os Alquimistas deixaram claro que não queriam envolvimento que ia além de contato de negócios. Após os acontecimentos recentes, no entanto, ambos os grupos tinham decidido que seria bom para melhorar nossas relações profissionais. Uma vez que este casamento era um grande negócio, alguns Alquimistas e eu tinhámos sido convidados. Eu conhecia o casal, e em teoria, eu estava animada para vê-los casados. Era o resto do evento que me deixava nervosa: um encontro social enorme de Moroi e dhampirs. Mesmo com outros alquimistas lá, estaríamos irremediavelmente em desvantagem. Estar em Palm Springs com Eddie, Jill, e os outros tinha sido um longo caminho para melhorar os meus sentimentos em relação a sua espécie. Eu tenho ficado junto com aquele pequeno grupo e bem agora considero-os amigos. Mas mesmo tão liberal como eu era em tais assuntos, eu ainda tinha um monte de ansiedade que outros alquimistas tinham dentro do mundo vampiresco. Talvez Moroi e dhampirs não eram criaturas do mal, como eu tinha acreditado uma vez, mas eles certamente não eram humanos. Eu meio que queria que meus amigos de Palm Springs estivessem vindo comigo, mas estava fora de questão. O ponto inteiro de Jill e o resto de nós estar em Palm Springs era escondê-la e mantê-la a salvo de quem está tentando matá-la. Ambos Moroi e Strigoi tendem a evitar sol, regiões desérticas. Se de repente ela


aparece em uma função Moroi importante, derrotaria o propósito geral. Eddie e Angeline, outra dhampir protegendo-a em Amberwood, tiveram que ficar também. Apenas Adrian e eu tinhámos sido convidados

para

o

casamento,

e

íamos

felizmente

em

voos

separados. Se alguém notasse que ele e eu estávamos viajando juntos, poderia atrair de volta a atenção em Palm Springs, o que poderia, então, expor Jill. O voo de Adrian não ia sequer sair de Palm Springs. Ele estava voando para fora por meio de Los Angeles, duas horas a oeste, só para ter certeza de que não estavámos ligados. Eu tive que ligar através de um voo diferente em Los Angeles, o que me lembrou da tarefa da Sra. Terwilliger. Encontrar um bairro em toda a área metropolitana de Los Angeles. Claro, não há problema. A única coisa que eu tinha era que as casas vitorianas eram tão distintas. Se eu pudesse encontrar alguma sociedade histórica, havia uma boa chance de que poderia dirigir-me em direção às áreas correspondentes a essa descrição. Seria restringir a minha pesquisa consideravelmente. Cheguei

ao

meu

portão,

uma

hora

antes

do

vôo

LAX

programado. Eu tinha acabado de pegar o livro da Sra. Terwilliger, quando um anúncio declarou, - Passageiro Melrose. Por favor, venha ver um agente de serviço ao cliente. - Eu senti uma sensação de naufrágio na boca do meu estômago. Recolhendo minhas coisas, eu me aproximei da mesa e fui recebida por um representante da companhia aérea alegre. - Estou triste de dizer isso, mas o vôo foi lotado, - disse ela. Com sua voz enérgica e grande sorriso, ela não parecia triste em tudo. - O que isso significa para mim, exatamente? - Eu perguntei, meu medo crescendo. - Eu tenho um assento confirmado. - Eu lidava com a burocracia o tempo todo, mas os voos eram algo que eu nunca tinha entendido. Como é que isso ainda acontece? Não era como se o número de assentos fosse uma surpresa para eles.


- Isso significa que você não está mais no vôo, - explicou ela.Você e alguns voluntários desistiram de seus lugares para acomodar uma família. Caso contrário, eles teriam que ser divididos. - Os voluntários? - Eu repeti, seguindo o seu gesto. Ao lado da área de estar, uma família com sete filhos sorriu para mim. As crianças eram pequenas e adoráveis, com olhos grandes e do tipo de fofura que você viu em musicais sobre órfãos encontrar novos lares. Indignada, me virei na direção do agente. - Como você pode fazer isso? Eu fiz o check-in antes do tempo! Tenho um casamento para ir. Eu não posso perder isso. A

mulher

produziu

um

cartão

de

embarque.

-

Nós

te

compensamos por isso. Temos reservado para você outro vôo, para a Filadélfia e um que está saindo mais cedo. E nós a colocamos na primeira classe, pela inconveniência. - Isso é alguma coisa, - eu disse. Eu ainda estava irritada com isso, simplesmente fora de princípio. Eu gostava de ordem e procedimento. Alterando-as jogou fora o meu mundo. Eu olhei para o cartão de embarque e depois fez uma tomada dupla. - Está saindo agora! Ela assentiu com a cabeça. - Como eu disse, mais cedo. Eu me apressaria se eu fosse você. Então, na hora, eu ouvi um anúncio de última chamada para o meu vôo novo, dizendo a todos os passageiros que devem estar a bordo, agora, como eles estavam prestes a fechar as portas da cabine. Eu não era o tipo de palavrões, mas eu quase disse, então, especialmente quando vi que o meu novo portão estava do lado oposto do terminal. Sem mais uma palavra, eu peguei minhas coisas e corri em direção ao portão tão rapidamente quanto pude, fazendo uma nota mental para escrever uma carta de reclamação à companhia aérea. Através de algum milagre, eu fiz isso antes de que meu novo vôo fosse fechado para passageiros, embora o agente que


trabalha nessa porta severamente me disse que da próxima vez, eu deveria planejar com antecedência e permitir mais tempo. Eu a ignorei e me dirigi para o avião, onde fui recebida por um atendente muito mais agradável, especialmente quando ela viu meu bilhete de primeira classe. - Você está bem aqui, Miss Melrose, disse ela, apontando para a terceira linha da cabine. - Estamos tão felizes que você pôde se juntar a nós. Ela me ajudou a colocar minha mala no compartimento de bagagem, que provou ser muito difícil, já que outros passageiros anteriores tinham tomado a maior parte do espaço. Foi necessário algum

conhecimento

criativo

de

relações

espaciais,

e

quando

finalmente consegui, eu praticamente desmaiei em meu assento, exausta deste turbilhão de emoção inesperada. Tanto para uma viagem relaxante. Eu tive apenas o tempo suficiente para prender o cinto de segurança antes do avião começar a recuar. Sentindo-me um pouco mais estável, eu arranquei o cartão de segurança de meu bolso

para

que

eu

pudesse

acompanhar,

juntamente

com

a

apresentação do atendente. Não importa quantas vezes eu voei, eu sempre pensei que era importante estar atualizado sobre os procedimentos. Eu estava assistindo o atendente prender uma máscara de oxigênio, quando um cheiro familiar e inebriante tomou conta de mim. Em todo o caos de fazer este vôo, eu ainda não tinha dado ao trabalho de prestar atenção ao meu companheiro de vôo. Adrian. Eu olhei em descrença. Ele estava me olhando com diversão e não tinha dúvida estava esperando para ver quanto tempo levaria para notá-lo. Eu não me incomodei mesmo perguntando o que ele estava fazendo aqui. Eu sabia que ele estava voando de Los Angeles, e através de alguns torções malucos do acaso, eu tinha sido adiada para seu vôo. - Isso é impossível, - exclamei. O cientista em mim estava muito espantado

para

realizar

plenamente

a

natureza

da

situação


desconfortável agora que eu me encontrei dentro - É uma coisa ter me mudado para um novo vôo. Mas, para acabar ao seu lado? Você sabe quais as probabilidades disso? É incrível. - Alguns podem chamar isso de destino, - disse ele. - Ou talvez simplesmente não há muitos voos para a Filadélfia. - Ele levantou um copo de líquido claro para mim em um brinde. Desde que eu nunca tinha visto Adrian beber água, eu tive que assumir que era vodka. - É bom ver você, por sinal. - Hum, você também. Os

motores

rugiram

para

a

vida

em

torno

de

nós,

momentaneamente poupando-me da conversa. Realidade começou a afundar dentro de mim, eu estava presa em um vôo de cinco horas com Adrian Ivashkov. Cinco horas. Cinco horas sentada a poucos centímetros dele, cheirando seu perfume superfaturado e olhando para aqueles olhos. O que eu ia fazer? Nada, é claro. Não havia para onde ir, para onde fugir, uma vez que mesmo passageiros de primeira classe não foram autorizados a ter pára-quedas. Meu coração começou a correr quando eu freneticamente procurei algo a dizer. Ele estava observando-me em silêncio, ainda com aquele sorriso pequeno, esperando por mim para levar a conversa. - Então, - eu disse por fim, olhando para as minhas mãos. Como está, uh, o seu carro? - Deixei-o na rua. Imaginei que vai ficar bem ali, enquanto eu estiver fora. Eu sacudi minha cabeça e deixei cair o queixo. - Você fez o que? Eles vão rebocá-lo, se ele é deixado lá durante a noite! Adrian estava rindo antes mesmo de eu terminar. - Então é isso que é preciso para obter uma reação apaixonada, né? - Ele balançou a cabeça. - Não se preocupe, Sage. Eu só estava brincando. Ele está em segurança no estacionamento do meu prédio. Eu senti meu rosto queimar. Eu odiava que eu tinha caído em sua piada e foi até um pouco vergonhoso que eu tinha acabado de


surtar por um carro. É certo que não era apenas um carro qualquer. Era um Mustang, bonito, clássico, que Adrian tinha comprado recentemente.

Na

verdade,

ele

tinha

comprado

para

me

impressionar, fingindo que ele não poderia dirigir a transmissão manual, a fim de passar mais tempo comigo enquanto eu lhe ensinava. Eu pensei que o carro era incrível, mas ainda me surpreendeu que ele tinha ido até isso para que ficássemos juntos. Chegamos a nossa altitude de cruzeiro, e o comissário de bordo retornou para trazer a Adrian outra bebida. - Qualquer coisa para você, menina, - ela perguntou. - Coca diet, - eu disse automaticamente. Adrian fez tsk uma vez que ela tinha ido embora. - Você poderia ter conseguido isso na classe econômica. Revirei os olhos. - Eu tenho que passar as próximas cinco horas sendo assediada? Se assim for, eu vou voltar no ônibus e deixar que uma pessoa de sorte fique com o meu lugar. Adrian levantou as mãos em um gesto apaziguador. - Não, não. Siga em frente. Eu vou me entreter. Entreter-se acabou por estar fazendo um jogo de palavras cruzadas em uma das revistas de bordo. Peguei o livro da Sra. Terwilliger e tentei ler, mas era difícil se concentrar com ele ao meu lado. Eu mantive esgueirando olhares com o canto do meu olho, em parte para ver se ele estava olhando para mim e, em parte, apenas para estudar suas características. Ele era o Adrian de sempre, irritantemente bem parecido com seu cabelo despenteado e o rosto esculpido. Eu prometi que não iria falar com ele, mas quando eu percebi que ele não tinha escrito nada há algum tempo e foi tocando sua caneta sobre a bandeja, eu não poderia me ajudar. - O que é isso? - Eu perguntei. - Palavra, sete letras para "pioneiro descaroçador de algodão”. - Whitney, - eu respondi.


Ele inclinou-se e escreveu nas cartas. – “Domina a escala Mohs.” Também sete letras. - Diamante. Cinco palavras depois, eu percebi o que estava acontecendo. – Hey - eu disse a ele. - Eu não estou fazendo isso. Ele olhou para mim com os olhos angelicais. - Fazendo o quê? - Você sabe o quê. Você está atraindo-me. Você sabe que eu não resisto. - Eu? - Sugeriu. Eu apontei para a revista. - Trivia aleatórios. - Eu mudei o ângulo do meu corpo para longe dele e fiz um grande show de abertura de meu livro. - Eu tenho trabalho a fazer. Senti Adrian olhar sobre meu ombro, e eu tentei ignorar como consciente de sua proximidade eu estava. - Parece como se Jackie ainda fizesse você trabalhar duro na aula dela. - Adrian conheceu a Sra. Terwilliger recentemente e, de alguma forma encantou o seu caminho e a chama por seu primeiro nome. - Este é mais como uma atividade extracurricular. - eu expliquei. - Sério? Eu pensei que você era muito contra fazer mais com essas coisas do que você tinha que fazer. Fechei o livro em frustração. - Eu sou! Mas depois ela disse... Eu mordi as palavras, lembrando-me que eu não deveria me envolver com Adrian mais do que eu tinha que fazer. Era muito fácil voltar aos antigos comportamentos de amizade com ele. Senti-me bem quando, obviamente, ele estava errado. - E depois? - Ele solicitou, sua voz suave. Eu olhei para ele e não vi nenhuma presunção ou zombaria. Eu nem sequer vi a dor ardente que havia me atormentado nessas últimas

semanas.

Ele

realmente

parecia

preocupado,

o

que

momentaneamente distraía-me da tarefa da Sra. Terwilliger. Ao vê-lo


desta forma contrastava drasticamente com o que havia seguido na esteira do nosso beijo. Eu estava tão nervosa com a ideia de sentar com ele neste vôo, e ainda assim, lá estava ele, pronto para me apoiar. Por que a mudança? Eu hesitei, sem saber o que fazer. Desde a noite passada, eu estava virando as suas palavras e a visão mais e mais na minha cabeça, tentando descobrir o que elas significavam. Adrian foi a única pessoa que sabia sobre o meu envolvimento com ela e a magia (além de Jill), e até o presente momento, eu não tinha percebido o quanto eu estava morrendo de vontade de discutir isso com alguém. Então, eu rachei e disse-lhe toda a história da minha aventura no deserto. Quando eu terminei, eu estava surpresa ao ver o quão escura sua expressão se tornou. - É uma coisa para ela tentar levá-la a aprender feitiços aqui e ali. Mas é uma coisa totalmente diferente para ela arrastar você em algo perigoso. Sua preocupação ardente me surpreendeu um pouco, mas talvez não deveria ter surpreendido. - Do jeito que ela falava, porém, essa não´era uma coisa que ela gostaria de estar fazendo. Ela parecia muito chateada sobre...Bem, seja lá o que isso significa. Adrian apontou para o livro. - E isso vai ajudar de alguma forma? - Eu acho. - Corri meus dedos sobre a capa em relevo, nas palavras latinas. - Ele tem proteção e ataque de feitiços, coisas que são um pouco mais difícil do que eu já fiz. Eu não gosto, e estes não são ainda os que realmente são avançados. Ela me disse para pular esses. - Você não gosta de mágica. - ele me lembrou. - Mas, se a mágica pode mantê-la segura, então talvez você não devesse ignorála. Eu odiava admitir quando ele estava certo. E só o incentivou.


- Sim, mas eu só queria saber do que eu estava tentando ficar a salvo. Não. Não podemos fazer isso. - Sem perceber, eu escorreguei em como as coisas costumavam ser, falando com Adrian dessa maneira, fácil e confortável que tínhamos. Na verdade, eu mesma estava confiando nele. Ele olhou assustado. - Fazer o quê? Eu parei de pedir-lhe ajuda com as palavras cruzadas, não foi? Eu respirei fundo, me preparando. Eu sabia que esse momento estava por vir, não importa o quanto eu queria colocá-lo fora. Eu só não esperava que ele viria durante uma viagem de avião. - Adrian, temos que falar sobre o que aconteceu. Entre você e eu. - declarei. Ele levou um momento para considerar as minhas palavras. - Bem...pelo que eu saiba, nada estava acontecendo entre eu e você. Me atrevi a olhar para ele. - Exatamente. Sinto muito pelo que aconteceu...o que eu disse, mas era tudo verdade. Temos de mudar este passado e continuar com nossas vidas de uma forma normal. É para o bem do nosso grupo em Palm Springs. - Engraçado, eu passei por isso. - disse ele. - Você é a que tocou no assunto. Corei novamente. - Mas é por causa de você! Você passou as últimas semanas mal-humorado, quase nunca fala comigo. E quando você faz, normalmente há alguma farpa desagradável nisso. Embora recentemente jantando na casa de Clarence Donahue, eu tinha visto uma das aranhas mais terríveis que já vi se arrastando para a sala de estar. Reunindo toda a minha coragem, eu peguei a besta assustadora e libertei-a. Adrian fez um comentário do meu ato corajoso que foi, "Uau, eu não sabia que você realmente enfrentava coisas que assustam você. Pensei que sua resposta normal era correr chutando e gritando com eles e fingir que eles não existem."


- Você está certa sobre a atitude. - disse ele, agora, acenando com a cabeça junto com as minhas palavras. Mais uma vez, ele parecia notavelmente sério. - E eu sinto muito. - Você...é? - Eu só podia olhar. - Então...você acabou com todas essas...coisas? Acabou com, uh, a maneira com que você se sentia? Eu não poderia dar mais detalhes. Acabou com estar apaixonado por mim. - Oh, não - ele disse alegremente. - Nem um pouco. - Mas você acabou de dizer... -

Eu

acabei

com

o

beicinho.

-

disse

ele.

-

Com

ser

temperamental, bem, quer dizer, eu sou sempre um pouco malhumorado. Isso é o que Adrian Ivashkov é. Mas eu estou feito com o material em excesso. Isso não me levou a qualquer lugar com Rose. Ele não vai me levar em qualquer lugar com você. - Nada vai chegar a qualquer lugar comigo. - eu exclamei. - Eu não sei nada sobre isso. - Ele colocou um olhar introspectivo que foi inesperado e intrigante. - Você não é tanto uma causa perdida quanto ela. Quero dizer, com ela, eu tinha que superar o seu amor profundo e épico com um senhor da guerra russo. Você e eu, só tenho que superar centenas de anos no valor de preconceito profundamente arraigado e tabu entre as duas raças. Fácil. - Adrian! - Eu senti meu temperamento começando a flamejar. Isto não é uma piada. - Eu sei. Certamente não é para mim. E é por isso que eu não vou dar-lhe um tempo difícil. - Ele fez uma pausa dramática. - Eu vou amar você...você me amando ou não. A atendente veio com toalhas quentes, colocando a nossa conversa em espera e permitindo que suas palavras um pouco perturbadoras ficassem penduradas no ar entre nós. Eu estava perplexa e não pude reunir uma resposta até depois que ela voltou para recolher os panos. - Se eu quero você ou não? O que na terra é que isso significa?


Adrian fez uma careta. - Desculpe. Saiu mais assustador do que eu pretendia. Eu só quero dizer, eu não me importo se você disser que não podemos estar juntos. Eu não me importo se você acha que eu sou a criatura mais maligna, não natural andando aqui na terra. Para o mais breve dos momentos, a sua escolha de palavras me jogou de volta no tempo, para quando ele me disse que eu era a criatura mais linda aqui na terra. Aquelas palavras me assombraram agora, assim como elas tinham assombrado antes. Nós estávamos sentados em um quarto escuro, à luz de velas, e ele olhou para mim de uma forma que ninguém nunca tinha... Pare com isso, Sydney. Foco. - Você pode pensar o que quiser, fazer o que quiser. - Adrian continuou, sem saber dos meus pensamentos traidores. Havia uma calma notável sobre ele. - Eu estou indo para apenas amar você, mesmo que seja sem esperança. Eu não sei por que me chocou tanto quanto o fez. Eu olhei em volta para ter certeza de que ninguém estava escutando. - Eu...o quê? Não. Você não pode! Ele inclinou a cabeça para o lado enquanto ele me olhava com atenção. - Por quê? Não faz mal a você nem nada. Eu disse que não vai incomodar você, se você não me quer. E se você quer, bem, eu sou tudo sobre isso. Então o que é que isso importa se eu te amo de longe? Eu não sei totalmente. - Porque...porque você não pode! - Por que não? - Você...você precisa seguir em frente. - eu consegui. Sim, isso foi uma boa razão. - Você precisa encontrar alguém. Você sabe que eu...que eu não posso. Bem, você sabe. Você está perdendo seu tempo comigo. Ele permaneceu firme.


- É o meu tempo a perder. - Mas isso é loucura! Por que você faria isso? - Porque eu não posso deixar de fazer isso. - ele disse com um encolher de ombros. - E, ei, se eu continuar amando você, talvez você eventualmente rache e me ame também. Inferno, eu tenho certeza que você já está meio apaixonada por mim. - Eu não estou! E tudo o que você acabou de dizer é ridículo. Essa é uma lógica terrível. Adrian voltou para o seu jogo de palavras cruzadas. - Bem, você pode pensar o que quiser, desde que você lembre-se: não importa o quão comum as coisas parecem entre nós, eu ainda estou aqui, ainda apaixonado por você, e me preocupo com você mais do que qualquer outro cara, mal ou de outra forma, sempre será. - Eu não acho que você é mal. - Vê? As coisas já estão se tornando promissoras. - Ele bateu a revista com sua caneta novamente. - Poetisa romântica vitoriana.Oito cartas. Eu não respondi. Eu estava sem palavras. Adrian nunca mencionou o assunto perigoso novamente durante o resto do voo. Na maioria das vezes, ele manteve para si mesmo, e quando ele falava, era sobre temas perfeitamente seguros, como o nosso jantar e o próximo casamento. Alguém sentado com a gente nunca teria sabido que havia algo estranho entre nós. Mas eu sabia. Esse conhecimento me consumiu. Era tudo o que consumia. E como o vôo progrediu e, finalmente, pousou, eu não conseguia mais olhar para Adrian da mesma forma. Cada vez que fazia contato com os olhos, eu só ficava pensando em suas palavras: Eu ainda estou aqui, ainda apaixonado por você, e me preocupo com você mais do que qualquer outro cara.


Parte de mim se sentiu ofendida. Como ele se atreve? Como se atreve a me amar se eu queira ou não? Eu tinha dito para ele não! Ele não tinha nenhum direito. E o resto de mim? O resto de mim estava com medo. Se eu continuar amando você, talvez você eventualmente rache e me ame também. Era

ridículo.

Você

não

pode

fazer

alguém

amar

você

simplesmente por amá-los. Não importa como ele era charmoso, com boa aparência, ou engraçado. Um alquimista e um Moroi nunca poderiam estar juntos. Era impossível. Eu tenho certeza que você já está meio apaixonada por mim. Muito impossível.


Capítulo 3 Fiel à sua palavra, Adrian não fez nenhuma outra menção do relacionamento ou a falta dele entre nós. De vez em quando, porém, eu poderia jurar que via algo em seus olhos, algo que trouxe de volta um eco da sua proclamação sobre continuar a me amar. Ou talvez fosse apenas sua típica impertinência. Um vôo de ligação e um passeio de carro de uma hora mais tarde, já era noite no momento em que finalmente chegamos à pequena cidade turística nas montanhas de Pocono. Sair do carro foi um choque. Dezembro, na Pensilvânia, era muito, muito diferente de dezembro, em Palm Springs. Ar fresco e frio bateu-me, do tipo que congela a boca e o nariz. Uma camada de neve fresca cobriu tudo, brilhando à luz da lua cheia mesmo que a Sra. Terwilliger e eu tivéssemos trabalhado por magia. As estrelas estavam aqui em vigor, tanto como o deserto absoluto, embora o ar frio fazia brilho em uma nítida forma. Adrian ficou no nosso carro alugado, mas inclinou-se quando o motorista me entregou minha mala pequena. - Precisa de alguma ajuda com isso? - Adrian perguntou. Sua respiração fez uma nuvem no ar gelado.Era uma oferta incomum dele. - Eu vou ficar bem. Obrigada, no entanto. Acho que você não vai ficar aqui? "Eu balancei a cabeça para a cama-e-café-damanhã onde o carro havia parado. Adrian apontou para a estrada, em direção a um grande hotel iluminado no topo de uma colina. - Lá em cima. É onde todas as partes vão ser, se você estiver interessada. Eles provavelmente estão apenas começando.


Eu tremia, e não tinha nada a ver com o frio. Moroi normalmente tinham um horário noturno, começando os seus dias em torno do sol. Aqueles que vivem entre os humanos, como Adrian, teve de se adaptar a um horário diurno. Mas aqui, em uma cidade pequena, que deve ser repleta de convidados Moroi, ele tem a chance de voltar ao que era para ele um horário mais natural. - Notável. - eu disse. Um momento de constrangimento se seguiu, mas a temperatura me deu uma desculpa para escapar. Bem. É melhor eu ficar em um lugar quente. Boa, uh, viagem para você. Ele sorriu. - Você também, Sage. Vejo você amanhã. A porta do carro fechou, e de repente me senti sozinha sem ele. Eles foram embora para o hotel imponente. Minha cama e café da manhã pareciam insignificante, por comparação, mas era bonito e em boa forma. Os Alquimistas reservaram aqui para mim justamente porque sabiam que os convidados Moroi teriam outras acomodações. Assim, a maior parte deles. - Você está aqui para o casamento, querida? - Perguntou o estalajadeiro quando ela me viu entrar. - Temos alguns outros hóspedes com nós também. Eu concordei e assinei meu recibo do cartão de crédito. Não foi nenhuma surpresa que haveria transbordamento para esta pousada, mas haveria muito menos aqui do que o outro hotel. Eu tinha certeza de bloquear minha porta. Eu confiava em meus amigos, em Palm Springs, mas todos os outros Moroi e Dhampirs eram questionáveis. Cidades como esta, e as pousadas dentro delas, sempre pareciam destinadas a casais em viagens românticas. Meu quarto não era exceção. A cama Califórnia king-size envolta em um dossel transparente, juntamente com uma jacuzzi em forma de coração ao lado da lareira. Ele gritava amor e romance, o que trouxe Adrian de volta para a minha mente. Eu ignorei o melhor que pude e mandei um

texto

rápido

para

Donna

Stanton,

uma

alquimista


hierarquicamente superior que supervisionava a minha missão em Palm Springs. Cheguei em Pocono Hollow. Verificado em pousada. Sua resposta veio rapidamente: Excelente. Até amanhã. Um segundo texto veio um momento depois: Tranque a porta. Stanton e um outro Alquimista foram convidados para o casamento também. Mas eles já estavam na costa leste e poderiam simplesmente viajar amanhã. Eu os invejava. Apesar da minha inquietação, dormi surpreendentemente bem e me atrevi a sair para o café da manhã. Eu não tinha necessidade de me preocupar com Moroi, no entanto. Eu era a única pessoa a comer na sala de jantar ensolarada. - Que estranho. - comentou a estalajadeira que entregou o meu café e ovos. - Sei que muitos dos convidados estavam fora até tarde, mas eu pensei que pelo menos alguns poderiam estar aqui para comer. - Então, para enfatizar a estranheza de tudo isso, ela acrescentou: - Afinal, café da manhã é cortesia. Os Moroi noturnos ainda estavam na cama, isso me encorajara a explorar a cidade um pouco naquele dia. Mesmo que eu estava preparada com botas e um casaco pesado, a mudança de tempo ainda era um pouco chocante. Palm Springs me fez suave. Eu logo voltei e passei o resto da tarde na leitura do livro da Sra. Terwilliger perto do fogo. Eu voei através da primeira seção e fui para o avançado que ela me disse para pular. Talvez fosse o fato de que ele era proibido, mas eu não conseguia parar de ler. A extensão do que o livro descrevia era tão emocionante e desgastante que eu quase pulei em um pé no ar, quando ouvi uma batida na porta. Eu congelei, perguntando se alguns Moroi confusos tinham confundido meu quarto com o de um amigo. Ou, pior, com um alimentador. Meu celular de repente soou com uma mensagem de texto de Stanton: Estamos à sua porta.


Com certeza, quando eu abri, eu encontrei Stanton ali com Ian Jansen, um alquimista da mesma idade que eu. Sua presença foi uma surpresa. Eu não tinha visto Ian desde que ele, Stanton, e eu tinhamos sido detidos por Moroi para interrogatório na fuga de um fugitivo dhampir. Naquela época, Ian tinha uma paixão indesejada por mim. A julgar pelo sorriso bobo em seu rosto quando ele me viu, as coisas não tinham mudado. Fiz um gesto para dentro, me certificando de fechar a porta quando eu fechei. Como eu, ambos os Alquimistas tinham tatuagens do lírio de ouro na bochecha esquerda. Era o sinal de nossa ordem, tatuagens infundidos com sangue de vampiro que nos deu a cura rápida e magicamente foram projetados para nos impedir de discutir assuntos Alquimista com aqueles que não sabiam sobre eles. Stanton arqueou uma sobrancelha para a banheira em forma de coração e então se estabeleceu em uma cadeira perto do fogo. - Sem problemas para chegar aqui? Além de viajar com um vampiro bonito que acha que ele é apaixonado por mim? – Nenhum. - eu respondi. Eu considerava Ian com uma careta. Eu não esperava que você estivesse aqui. Quer dizer, eu estou feliz por você, mas depois da última vez... - Fiz uma pausa quando algo me bateu. Olhei ao redor. - É de todos nós. Todos nós, que foram, uh, sob prisão domiciliar. Stanton assentiu. - Foi decidido que, se nós estamos indo para promover boas relações entre os nossos grupos, os Moroi tem que começar por fazer as pazes com os três de nós, especificamente. Ian fez uma careta e cruzou os braços, inclinando-se contra uma parede. Ele tinha olhos castanhos, combinando com o cabelo castanho que ele usava em um corte de cabelo arrumado. - Eu não quero 'pazes' daqueles monstros depois do que eles fizeram com a gente neste verão. Eu nem acredito que estamos aqui! Este lugar está cheio deles. Quem sabe o que vai acontecer se um


deles esta noite bebe muito champanhe e vai procurar um lanche? Aqui estamos nós, os seres humanos frescos. Eu queria dizer a ele que era ridículo, mas pelo raciocínio Alquimista, era uma preocupação muito legítima. E, lembrando-me que eu não sabia mais dos Moroi aqui, percebi que talvez seus temores não eram infundados. - Eu acho que nós vamos ter que ficar juntos. - eu disse. Essa foi a escolha de palavra errada, a julgar pelo sorriso feliz de Ian. Os Alquimistas raramente tinham tempo social, e este não foi exceção. Stanton logo nos levou para baixo ao negócio, passando sobre nossos planos para o casamento e que o nosso propósito era aqui. A pasta de arquivo fornecia a fundo sobre Sonya e Mikhail, como se eu não soubesse nada sobre eles. Minha missão e história com Sonya eram secretos de outros alquimistas, por isso, pelo amor de Ian, eu tive que assentir com tudo como se fosse tão novo para mim como era para ele. - As festividades provavelmente vão até quase amanhecer. disse Stanton, recolhendo seus papéis, uma vez que ela terminou as instruções. - Ian e eu estaremos partindo em seguida e vamos deixála no aeroporto no meio do caminho. Você não terá que passar mais uma noite aqui. O rosto de Ian cresceu obscuramente em proteção. - Você não deveria ter ficado aqui sozinha ontem à noite. Você deve ter alguém para cuidar de você. - Eu posso cuidar de mim mesma. - eu respondi, um pouco mais severamente do que eu pretendia. Se eu gostei ou não, a formação da Sra. Terwilliger tinha me fortalecido literal e figurativamente. Isso, e as recentes aulas de auto-defesa tinham me ensinado a ver por mim mesma e meus arredores. Talvez Ian tivesse boas intenções, mas eu não gosto da ideia de ele ou ninguém, pensando que eu precisava de mimos.


- Srta. Sage está muito bem como você pode ver. - disse Stanton secamente. A queda de Ian tinha que ser óbvio para ela, e foi igualmente óbvio para mim que ela não tinha uso para tal frivolidade. Seu olhar desviou para a janela, que estava radiante laranja e vermelho com o sol. - Bem, então. Está quase na hora. Você não deveria estar se preparando? Eles chegaram em suas roupas de vestir, mas eu ainda precisava me preparar. Eles falaram juntos enquanto eu estava pronta no banheiro, mas cada vez que eu ia pegar uma escova de cabelo ou brincos ou qualquer outra coisa, eu via Ian me olhando com aquele olhar sentimental. Grande. Isso não era o que eu precisava. O casamento estava sendo realizado na reivindicação da cidade para a fama: um jardim enorme, coberto, que desafiou as condições de inverno. Sonya era uma amante enorme de plantas e flores, e isso foi muito bonito no local de sonho para um casamento. As paredes de vidro que compõe a construção foram vaporizadas a partir da diferença drástica entre as temperaturas interior e exterior. Nós três entramos em uma área de entrada que foi usada para vender bilhetes durante o horário normal de funcionamento do efeito estufa. Aqui, finalmente, encontramos os Moroi que tinham ficado escondidos para mim à luz do dia. Havia cerca de duas dúzias deles em torno desta entrada, vestidos com roupas ricas e estranhamente bonita, com suas magras e pálidas características. Alguns foram contínuos e outros assistentes, ajudando a organizar o evento e os convidados de guia mais para dentro do prédio. Mais Moroi eram simplesmente pessoas comuns que paravam para assinar o livro de visitas ou conversar com amigos e familiares que não tinham visto em muito tempo. Nos lados, dhampirs em puro ternos pretos e brancos estavam de sentinela, atentos a qualquer sinal de perigo. Sua presença me fez lembrar de uma ameaça, muito, muito maior do que alguns Moroi bêbados confundindo-nos com alimentadores.


A realização do evento na noite significava expor-nos ao ataque de Strigoi. Strigoi eram um tipo muito diferente de vampiros tão diferente, na verdade, que eu quase me senti tola ficando nervosa neste grupo. Strigoi eram mortos-vivos, feito imortal por matar suas vítimas, ao contrário do Moroi, que simplesmente bebeu bastante sangue de voluntários humanos para viver. Strigoi eram viciosos, rápidos e fortes, e só saíam à noite. A luz solar que para os Moroi era simplesmente desconfortável, para os Strigoi era letal. Strigoi faziam a maioria de suas matanças em seres humanos inconscientes, mas Moroi e dhampirs eram sua comida preferida. Um evento como este com Moroi e dhampirs amontoados em um pequeno espaço, era praticamente como estar oferecendo um buffet para os Strigoi. Olhando os dhampirs responsáveis, no entanto, eu sabia que qualquer Strigoi teria uma tarefa difícil invadindo este evento. Guardiões

treinavam

duro

a

vida

inteira,

aprimorando

suas

habilidades para lutar contra os Strigoi. Vendo como a rainha Moroi veio a este evento, eu suspeitava que a segurança que eu tinha visto até agora nem sequer começava a arranhar a superfície. Um número de pessoas reunidas aqui parou de falar quando nos viram. Nem todos os Moroi sabiam sobre alquimistas ou como nós trabalhamos com o seu povo. Assim, a presença de três seres humanos não-alimentadores era como uma esquisitice. Mesmo aqueles que sabiam sobre Alquimistas estavam provavelmente surpresos ao ver-nos, dada a formalidade de nosso relacionamento. Stanton era muito experiente para deixar seu desconforto aparecer, mas Ian abertamente fez o sinal Alquimista contra o mal quando os olhos dos Moroi e dhampirs nos estudaram. Eu fiz um bom trabalho em manter a calma, mas gostaria que houvesse pelo menos um rosto familiar na multidão. - Srta. Stanton? Uma Moroi correu para a frente.


- Sou Colleen, a coordenadora do casamento. Falamos ao telefone? - Ela estendeu a mão, e até mesmo Stanton hesitou antes de sacudi-la. - Sim, claro. - disse Stanton, a voz fria e adequada. - Obrigada por nos convidar. - Ela introduziu Ian e eu. Colleen acenou-nos para a entrada do salão. - Vamos, vamos. Temos os seus lugares reservados. Vou levar você lá eu mesma. Ela varreu os curiosos quando passamos. Quando entramos no salão, parei e esqueci momentaneamente os vampiros em torno de nós. A estufa principal era magnífica. O teto era alto e abobadado, feito de vidro cozinhado. A área central tinha sido limpa e definida com assentos envoltos em flores, muito parecido com o que você veria em um casamento humano. A plataforma na parte da frente da sala de estar estava coberta de mais flores e era, obviamente, onde o casal iria assumir seus votos. Mas foi o resto da sala que me tirou o fôlego. Era como se tivesse entrado em alguma selva tropical. Árvores e outras plantas carregadas de flores coloridas alinhados nos lados, enchendo o ar úmido com um perfume que foi quase estonteante. Como não havia luz solar para iluminar o efeito estufa, tochas e velas haviam sido habilmente colocados em toda a vegetação, lançando um tudo-misterioso mas ainda romântica luz. Eu senti como se eu tivesse entrado em algum espaço de ritual secreto da amazônia. E, claro, quase escondidos entre as árvores e arbustos, vestidos de preto os guardiões andavam e vigiavam tudo. Colleen nos levou a três assentos no lado direito da área de estar, marcada com um sinal RESERVADOS. Eles estavam na metade do caminho de volta, não um lugar como uma família ficaria, é claro, mas o suficiente para mostrar que o Moroi pensou bem de nós e realmente estavam tentando desfazer a relação tensa causadas pela nossa detenção.


- Posso arranjar-lhe alguma coisa? - Colleen perguntou. Percebi agora que sua energia exuberante era parcialmente nervosismo. Nós fizemos dela quase, mas não certamente muito desconfortável, como ela e os outros nos faziam. - Qualquer coisa? - Nós estamos bem. - disse Stanton, falando em nome de todos nós. - Obrigada. Colleen assentiu ansiosamente. - Bem, se você precisar de alguma coisa, não importa o quão pequeno, não hesite em perguntar. Basta pegar um dos porteiros, e eles vão me encontrar imediatamente. - Ela ficou lá por mais um momento, apertando as mãos. - É melhor eu verificar os outros. Lembre-se de chamar, se precisar de alguma coisa. - O que eu preciso é sair daqui. - murmurou Ian, uma vez que ela se foi. Eu não disse nada, não confiando em qualquer resposta. Se eu garantisse a ele que estávamos a salvo, eu seria considerada com suspeita. No entanto, se eu agisse como se nossas vidas estavam em perigo, eu estaria mentindo. Minhas opiniões estavam em algum lugar no meio desses extremos. Alguém me entregou um programa e Ian se inclinou um pouco mais perto do que eu teria gostado, a fim de ler sobre o meu ombro. O programa detalhado de uma lista de canções e leituras, bem como os membros do partido do casamento. Eu poderia dizer do rosto de Ian, de que ele estava esperando para ver "Unholy Bloodletting" logo após a leitura do Corintios. Suas próximas palavras afirmando muito. - Eles fazem um bom trabalho fazendo parecer tão normal, né? Ele perguntou, sem se preocupar em esconder o desgosto em sua voz. Eu estava um pouco surpresa com que a sua atitude fosse vicioso. Eu não me lembro dele sendo ao extremo nesse último verão. - Como é um casamento de verdade ou algo assim. - Ele também não estava regulando o seu volume, e eu olhei ao redor ansiosamente, tendo certeza de que ninguém ouviu.


- Então você está dizendo que não é um casamento de verdade? - Eu sussurrei de volta. Ian deu de ombros, mas pelo menos deu a dica e baixou a voz. Com eles? Não importa. Eles não têm famílias reais ou amor real. Eles são monstros. Era irônico que ele mencionou "o verdadeiro amor" só depois, porque naquele momento, Adrian e seu pai foram levados para o lado oposto do salão. Adrian sempre se vestiu bem, mas eu nunca tinha visto ele em algo tão formal. Eu odiava admitir, mas o olhar era grande sobre ele: um terno azul marinho e colete que era quase preto combinado com uma camisa azul claro e azul-e-branco-listrado. Destacou-se do preto e cinza que a maioria dos homens aqui estavam usando, mas não de uma forma estranha ou brega. Como eu estava estudando-o, Adrian olhou para cima e me chamou a atenção. Ele sorriu e me deu um pequeno aceno de cabeça. Eu quase sorri de volta, mas Stanton tirou-me de volta à realidade. Eu permitilhe um último olhar demorado, e depois me afastei. - Sr. Jansen. - disse Stanton em uma voz severa. - Por favor, guarde suas opiniões para si mesmo. Independentemente de sua validade, somos convidados aqui e se comportam de uma maneira civilizada. Ian assentiu a contragosto, ruborizou um pouco quando ele olhou em minha

direção, como se estando sendo tão abertamente

castigado poderia arruinar suas chances comigo. Ele não tem que se preocupar, já que ele não tinha nenhuma chance para começar. Colleen enviou um porteiro para verificar sobre nós, e enquanto ele falava com Stanton, Ian se inclinou para mim. - Eu sou o único que pensa que é loucura estarmos aqui? - Ele acenou com a cabeça em direção a Stanton. - Ela acha que isso é bom, mas vamos lá. Eles nos mantiveram cativos. É imperdoável.Isso não faz você ficar louca?


Eu certamente não tinha gostado na época, mas eu viria a compreender por que isso aconteceu. - Eu odeio que eles fizeram isso. - menti, esperando que soasse convincente. - Eu estou com raiva cada vez que penso nisso. Ian realmente pareceu aliviado o suficiente para largar o tema. Ficamos em silêncio abençoado quando o salão continuou a encherse. No momento em que a cerimônia estava prestes a começar, deve ter havido cerca de 200 pessoas na sala. Eu ficava olhando para rostos familiares, mas Adrian e seu pai eram os únicos que eu conhecia. Então, no último minuto, uma figura brilhante veio correndo para dentro, eu gemi ao mesmo tempo que Stanton fez tsk com desaprovação. Abe Mazur tinha acabado de chegar. Considerando que Adrian tinha feito um trabalho de cor com o desgaste formal de uma forma elegante, Abe usou cor para ofender as sensibilidades. Para ser justa, este foi um dos conjuntos mais suaves que eu já vi Abe usar: um terno branco com uma camisa kiwi brilhante, verde e lenço de lã escocês estampado. Ele usava seus brincos de ouro de sempre, e o brilho de seu cabelo preto me fez pensar que ele havia passado óleo para cabelo vorazmente. Abe era um

Moroi

de

moral

duvidosa

e

também

o

pai

da

minha amiga e ex do Adrian, a dhampir Rose Hathaway. Abe me deixava nervosa, porque eu tinha tido algumas relações secretas com ele no passado. Ele deixava Stanton nervosa, porque ele era um Moroi que os alquimistas nunca seriam capazes de controlar. Abe sentou-se na fila da frente, ganhando um olhar horrorizado de Colleen a coordenadora, que estava supervisionando tudo. Meu palpite

era

que

não

fazia

parte

do

seu mapa

de

assentos.

Eu ouvi um som da trombeta, e aqueles sentados na parte de trás de repente caíram de joelhos. Como uma onda, os que estão sentados no resto das linhas começaram a se ajoelhar também. Stanton, Ian, e eu, todos trocamos olhares confusos. Então eu entendi. - A rainha. - sussurrei. - A rainha está vindo.


Eu podia ver o rosto de Stanton que não era algo que ela tinha considerado. Ela teve uma fração de segundo para decidir sobre o protocolo para esta situação e como manter nosso status de hóspedes "civilizado". - Nós não vamos nos ajoelhar. - ela sussurrou de volta. - Fique onde está. Era uma chamada válida, visto que não devia lealdade à rainha Moroi. Ainda assim, senti-me nervosa em ser uma das únicas pessoas no quarto a não estar de joelhos. Um momento depois, uma voz retumbante declarou: - Sua Majestade Real, Rainha Vasilisa, antes de seu nome. Mesmo Ian prendeu a respiração em admiração quando ela entrou. Vasilisa ou Lissa, como Adrian e Rose continuamente insistiram que eu a chamasse, era uma imagem de beleza etérea. Era difícil acreditar que ela tinha a mesma idade que eu. Ela elevou-se com uma postura e realeza que parecia eterna. Seu corpo alto e esguio era gracioso mesmo entre os Moroi, e seu cabelo loiro platina caiu em torno de seu rosto pálido como um véu de outro mundo. Embora vestida com um vestido de cocktail muito moderno cor lavanda, ela conseguiu usá-lo como se fosse um vestido de baile vitoriano. Um cara de cabelos negros com olhos azuis penetrantes caminhou ao seu lado. O namorado dela, Christian Ozera, sempre foi fácil de detectar, proporcionando um contraste escuro que funcionou perfeitamente com a sua leveza. Uma vez que o casal real estava sentado na primeira fila, parecendo muito surpreso ao descobrir Abe esperando por eles lá, a multidão voltou para os seus lugares. Um violoncelista invisível começou a tocar, e todos lançaram um suspiro coletivo quando nós caímos no ritual de um casamento confortável. - Incrível, não é? - Ian murmurou no meu ouvido. - Quão frágil é seu trono. Um deslize, e eles caem no caos.


Era verdade, e foi por isso que a segurança de Jill era tão importante. Uma lei Moroi de idade disse que um monarca tinha de possuir um membro da família vivo, a fim de manter o trono. Jill foi a única que sobrou na linha de Lissa. Aqueles que se opuseram a Lissa por causa de sua idade e crenças tinha percebido que matar Jill seria mais fácil do que ir atrás de uma rainha. Muitos se opuseram à lei e estavam tentando mudar isso. Enquanto isso, a consequência política do assassinato de Jill seria monumental. Os Alquimistas, cujo trabalho era para manter o mundo Moroi escondido e protegido, foi necessário para evitar a sua sociedade de cair no caos. E em um nível um pouco mais pessoal, eu precisava para evitar a morte de Jill porque contra todas as probabilidades, eu tinha crescido para me preocupar com ela no curto espaço de tempo que tínhamos ficado juntos. Mudei minha mente desses pensamentos sombrios e foquei na próxima etapa do casamento. Damas de honra em cetim verde profundo lideraram a procissão, e eu me perguntava se Abe tinha tentado combiná-los com seu terno. Se assim fosse, ele falhou. E lá, eu vi o primeiro rosto amistoso, além de Adrian. Rose Hathaway. Não foi nenhuma surpresa que ela seria uma dama de honra, visto que ela tinha sido responsável para o feliz casal ficar juntos. Ela tinha herdado o cabelo escuro de seu pai e os olhos, e foi a única entre os dhampir que era dama de honra. Eu não precisava ver os olhares surpresos de alguns dos convidados para saber que era muito pouco ortodoxo. Se Rose notou ou se importou, ela não demonstrou. Ela caminhou orgulhosamente, de cabeça erguida e rosto brilhando de felicidade. Com isso minimizava a aparência dhampir, ela era menor do que seus companheiros Moroi e tinha um corpo mais atlético do que magro que os Moroi tinham.


Rose tinha o que era um corpo muito normal, muito saudável entre os seres humanos. No entanto, quando eu me comparei aos Moroi, sentia-me enorme. Eu sabia que era ridículo, especialmente desde que eu usava um tamanho menor do que Rose, mas foi uma sensação difícil de abalar. Adrian tinha dito recentemente sobre uma intervenção indesejável comigo, indo tão longe a ponto de afirmar que eu estava à beira de um transtorno alimentar. Eu estava indignada e disse-lhe para manter sua mente no seu próprio negócio...mas, desde então, eu tinha tomado uma olhada em meus comportamentos. Eu já tentei comer mais e ganhei exatamente um quilo, algo que tinha achado torturante e errado até que meu amigo Trey comentou recentemente que estava "olhando muito bem esses dias." Ele tinha reforçado a ideia de que mais alguns quilos não me matariam e pode ser realmente bom para mim. Não que eu admitiria para qualquer um, nem para Adrian. Nós todos olhamos quando Sonya entrou. Ela estava gloriosa em seda marfim, com pequenas rosas brancas adornando os cabelos de fogo. A rainha estava magnífica, mas havia um brilho sobre Sonya que estava muito acima da beleza de Lissa. Talvez fosse apenas algo inerente à noivas. Havia um ar de amor em torno de Sonya que a fez brilhar. Fiquei surpresa ao sentir uma pontada no peito. Ian estava provavelmente

decepcionado

quando

"Unholy

Bloodletting"

não

tocou, mas a cerimônia foi doce e cheia de emoção. Eu não conseguia acreditar com que cara os meus companheiros alquimista olhavam. Eu estava à beira das lágrimas quando o casal recitou os seus votos. Mesmo Sonya e Mikhail não tinha sido um inferno para estar juntos, esse era o tipo de cerimônia que não podia ajudar, mas puxava as cordas do coração. Enquanto ouvia-os jurar que eles se amariam para sempre, eu encontrei o meu olhar à deriva para Adrian. Ele não me viu olhando para ele, mas eu poderia dizer que a cerimônia estava tendo o mesmo efeito sobre ele. Ele estava extasiado.


Era um olhar raro e doce para ele, lembrando-me do artista torturado que viveu sob o sarcasmo. Eu gosto disso sobre Adrian, não a parte do torturado, mas a maneira que ele pudesse se sentir tão profundamente e depois transformar essas emoções em arte. Eu tinha sentimentos, como qualquer outra pessoa, mas a capacidade de expressá-las em algo criativo foi uma área que eu nunca, nunca iria ter experiência. Não era a minha natureza. Às vezes eu dei-lhe um tempo duro sobre sua arte, especialmente suas peças mais abstratas. Secretamente, eu considerava suas habilidades com temor e amava as muitas facetas de sua personalidade. Enquanto isso, eu tive que lutar para manter meu rosto em branco, para parecer que eu era uma alquimista normal, sem nenhuma preocupação com os eventos de vampiros profanos. Nenhum

de

meus

companheiros

me

questionou,

então,

aparentemente, eu o retirei. Talvez eu tinha um futuro no poker. Sonya e Mikhail se beijaram, e a multidão irrompeu em aplausos. Eles só ficaram mais alto quando ele descaradamente a beijou uma vez e depois de novo e uma terceira vez. A próxima etapa das festividades, a recepção, estava sendo realizada no hotel onde Adrian e a maioria dos outros Moroi estavam hospedados. Sonya e Mikhail saíram primeiro, seguido pela rainha e outros altos membros da realeza. Stanton, Ian, e eu esperamos pacientemente pela nossa linha para que pudéssemos alinhar para as limusines que estavam transportando os hóspedes a meia milha para o hotel. Ele normalmente não teria sido tão ruim de uma caminhada, mesmo nos saltos, se não para a temperatura de congelamento. Chegou a nossa vez, e os três de nós entramos na parte de trás de uma limusine. - Agora só temos de passar pela recepção. - disse Ian quando o motorista fechou a nossa porta. - Pelo menos nós temos nosso próprio carro. De repente, a porta se abriu, e Abe deslizou ao meu lado.


- Espaço para mais um? - Ele sorriu para mim e Stanton. - Tão bom ver vocês de novo senhoras encantadoras. E você deve ser Ian. É um prazer. - Abe estendeu a mão. No início, parecia que Ian não ia apertar, mas um olhar afiado de Stanton ditou o contrário. Depois, Ian ficou olhando para sua mão como se ele esperava começar a fumar. A viagem levou apenas cerca de cinco minutos, mas eu poderia dizer pelos rostos dos alquimistas que se sentiu como se fossem cinco horas para eles. - Eu acho que é maravilhoso que vocês três foram convidados. disse Abe, perfeitamente à vontade. - Considerando o quanto nós trabalhamos

juntos,

nós

devemos

ter

mais

dessas

interações

agradáveis, você não acha? Talvez você vai nos convidar para um de seus casamentos um dia. - Ele piscou para mim. - Tenho certeza de que você tem jovens fazendo fila para você. Mesmo Stanton não poderia manter uma cara séria. O olhar de horror em sua expressão disse que há poucas coisas mais profanas do que um vampiro chegando a um casamento humano. Ela parecia visivelmente aliviada quando chegamos ao hotel, mas não estávamos livres de Abe ainda. Alguma pessoa pensativa, provavelmente Colleen, tinha colocado Abe na mesa, provavelmente pensando que seria bom para se sentar com um Moroi que conhecíamos. Abe parecia ter prazer no constrangimento que se seguia a sua presença, mas eu tinha que admitir, era uma espécie de algo ‘animador’ ter alguém que reconhece abertamente as relações tensas entre nós, em vez de fingir que tudo estava bem. - Não há sangue. - Abe disse-nos quando o jantar foi servido. Nós três estávamos hesitando sobre o corte em nosso frango, até eu. - O sangue é só nas bebidas, e você realmente tem que perguntar para os que estão no bar. Ninguém vai roubar alguma coisa, e os alimentadores estão sendo mantidos em outra sala.


Ian e Stanton ainda não pareciam convencidos. Eu decidi que seria o bravo e começei a comer sem hesitação. Talvez os vampiros eram criaturas não-naturais, mas certamente tinham bom gosto em restauração. Um momento depois, os Alquimistas se juntaram a mim, e mesmo eles tiveram que admitir que a comida era muito boa. Quando as placas foram apuradas, Ian bravamente partiu para o banheiro, dando a Stanton uma breve oportunidade para inclinar-se para mim por um relatório sobre o estado abafado. - Tudo estava bem quando saiu? - Relação tensa ou não, a nossa missão para garantir a estabilidade Moroi não havia mudado. - Tudo bem. - eu disse. – Tudo está tranquilo. Nenhum sinal de problemas. - Ela não precisa saber sobre o meu próprio drama interpessoal. Mantendo meu tom casual, eu perguntei, - Alguma notícia sobre os guerreiros? Ou Marcus Finch? Stanton balançou a cabeça. - Nenhuma. Mas eu certamente vou deixar você saber se descobrir qualquer coisa. - Eu respondi com um sorriso educado, sério, duvidando de suas palavras. Eu não tinha sempre gostado de missões dos alquimista, mas eu passei a maior parte da minha vida seguindo ordens sem questionar porque eu acreditava que meus superiores sabiam o que era melhor e estavam agindo para o bem maior. Os recentes acontecimentos agora me fizeram pensar sobre isso. Para frustrar alguns caçadores de vampiros enlouquecidos que se chamavam os Guerreiros da Luz, Stanton teria ocultado informações de mim, citando que estávamos com base na necessidade de saber. Ela tinha escovado, elogiando-me por ser uma Alquimista boa que entendia essa política, mas o incidente fez-me ferver de raiva. Eu não queria ser peão de ninguém. Eu poderia aceitar que a luta por uma causa maior significava decisões difíceis, mas eu me recusei a ser usada ou estar em perigo por causa de "importantes" mentiras. Eu tinha dado a minha vida para os Alquimistas, sempre acreditando que eles fizeram e me disseram o que era certo. Eu pensei que eu era importante, que eles


sempre olhavam para mim. Agora eu não sabia. E ainda...o que eu poderia fazer? Eu estava jurada e selada para os Alquimistas. Se eu gostei do que eles tinham feito a mim ou não, não havia saída, nenhuma maneira de interrogá-los... Pelo menos, eu pensei até que eu aprendi sobre Marcus Finch. Eu só encontrei sobre ele recentemente, depois de descobrir que ele tinha uma vez cruzado com os Guerreiros da Luz, ajudando um Moroi chamado Clarence. Embora os guerreiros normalmente só iam atrás de Strigoi, um grupo rebelde já havia decidido direcionar Clarence. Marcus tinha intensificado e defendeu Clarence contra os Guerreiros,

convencendo-os

a

deixá-lo

sozinho.

Eu

quase

acreditei que Clarence estava inventando a história até que eu vi uma foto do Marcus. E foi aí que as coisas ficaram realmente estranhas. Marcus parecia ter também cruzado com os Alquimistas. Na verdade, Clarence e um dos guerreiros tinha insinuado que Marcus tinha sido um alquimista, mas não era mais. Eu não tinha acreditado até que eu vi a foto dele. Ele não tinha um lírio de ouro, mas uma tatuagem tribal de aparência grande feita em tinta azul, que era grande o suficiente para cobrir o dourado, se você estava tentando esconder. Vendo que foi uma mudança de vida. Eu não tinha ideia de que era possível fazer outra tatuagem sobre algo tão poderoso. Eu certamente não tinha pensado que alguém pudesse deixar os Alquimistas ou que alguém quer mesmo, não com a forma como o nosso

propósito

foi

perfurado

em

nós

praticamente

desde

o

nascimento. Como alguém poderia considerar abandonar nossas missões? Como alguém poderia ser desonesto e apenas andar para longe dos Alquimistas? O que tinha acontecido que o fez querer fazer isso? Será que ele teve experiências semelhantes à minha? E tiveram que deixá-lo ir? Quando eu tinha perguntado sobre ele, Stanton afirmou que os Alquimistas não tinham conhecimento de Marcus, mas eu sabia que era uma mentira. Ela não sabia que eu tinha a sua imagem. Sua


tatuagem azul era grande o suficiente para cobrir um lírio, e eu tinha visto dicas metálicas embaixo, provando que ele de fato tinha sido uma vez um de nós. E se ele tivesse a marca Alquimista, em seguida, eles certamente sabiam sobre ele. Eles estavam cobrindo-o, e isso só me intrigou ainda mais. Na verdade, eu era um pouco obcecada com ele. Algum instinto me disse que era a chave para os meus problemas, que ele poderia me ajudar a descobrir os segredos e mentiras que os Alquimistas estavam me dizendo. Infelizmente, eu não tinha ideia de como encontrá-lo. - É importante que ninguém aqui sabe o que está fazendo, então lembre-se de ser discreta. - acrescentou Stanton, como se eu precisasse ser lembrada. Um vinco pequeno apareceu entre as sobrancelhas. - Eu estava particularmente preocupada com o garoto Ivashkov vir a este casamento. Nós não podemos deixar que ninguém saiba que vocês dois têm mais de um conhecimento. Pequenas coisas, como essa poderiam comprometer a nossa missão. - Oh, não. - eu disse rapidamente. - Você não precisa se preocupar com Adrian. Ele entende o quão importante é o nosso trabalho. Ele nunca faria nada para comprometê-lo. Ian voltou, e nossa conversa terminou ali. Jantar logo deu lugar à dança. Com o ambiente mais descontraído, uma série de Moroi veio apresentar-se a nós. Eu me senti quase tão popular como a noiva e o noivo. Ian balançou tantas mãos que ele se tornou imune a ela. E tão desconfortável como foi para os meus companheiros, eu poderia dizer neste evento foi realmente realizar seu objetivo de suavizar as relações entre Alquimistas e Moroi. Stanton e Ian não estavam prontos para ser o melhor amigo de qualquer um deles, mas era claro que eles estavam agradavelmente surpresos com o quão amigável e benigna a maioria dos convidados parecia. - Eu estou contente que nós temos essa chance de estar juntos. - Ian me disse durante uma pausa em nossas relações públicas. - É


tão difícil com os nossos trabalhos, você sabe? Estou em St. Louis agora, na instalação de arquivos. Onde é que você está? O segredo era fundamental na proteção de Jill. - Eu estou no campo, mas eu não posso dizer onde. Você sabe como é. - Certo, certo. Mas você sabe, se você sempre quis visitar...Eu posso lhe mostrar. Seu desespero era quase bonito. - Como por um período de férias? - Bem, sim. Er, não. - Ele sabia tão bem quanto eu que alquimistas não tem férias facilmente. - Mas, quero dizer, eles estão fazendo todos os serviços de férias, você sabe. Se você decidir vir para um, bem, deixe-me saber. Sacerdotes alquimista sempre conduziam serviços especiais perto do Natal em nossas instalações principais. Algumas famílias alquimistas fazem questão de ir a todos os anos. Eu não tinha ido a nenhuma, não com a forma como as minhas missões me mantém pulando. - Eu vou manter isso em mente. Houve uma longa pausa, e suas próximas palavras vieram hesitante. - Eu gostaria de pedir-lhe para dançar, você sabe. Só que não seria certo neste tipo de ambiente profano. Eu dei-lhe um sorriso duro. - É claro. Isso, e nós estamos aqui a negócios. Temos que focar na construção de um bom relacionamento com eles. Ian

começou

a

responder

quando

uma

voz

familiar

nos

interrompeu. - Srta. Sage? Nós olhamos para cima e encontramos Adrian de pé acima de nós, correndo em seus tons de azul. Seu rosto era o retrato perfeito de

polidez

e

moderação,

ou

provavelmente prestes a acontecer.

seja,

algo

desastroso

estava


- É tão bom ver você de novo. - disse ele. Ele falou como se tivesse sido um tempo, e eu balancei a cabeça em concordância. Como eu tinha dito a Stanton, Adrian sabia sobre a familiaridade entre nós poder criar uma trilha de volta a Jill. - Acabei de ouvir vocês dois falando sobre a construção de bons relacionamentos? Eu estava com a língua presa, então Ian respondeu. - É isso mesmo. Estamos aqui para tornar as coisas mais amigáveis entre os nossos povos. - Sua voz, no entanto, foi mais decididamente hostil. Adrian assentiu com toda a seriedade, como se não tivesse notado a hostilidade de Ian. - Eu acho que é uma ótima ideia. E eu pensei em algo que seria um excelente gesto do nosso futuro juntos. – A expressão de Adrian era inocente, mas havia um brilho malicioso em seus olhos que eu conhecia muito bem. Ele estendeu a mão para mim. - Você gostaria de dançar?


Capítulo 4 Eu

congelei.

Eu

não

confio

em

mim

para

responder.

Qual foi o pensamento de Adrian? Deixando de lado todo o drama entre nós, era absolutamente imperdoável perguntar isso aqui, na frente de outros Moroi e alquimistas. Talvez em Palm Springs, onde as coisas eram um pouco mais casual com meus amigos, não pode ser um pedido louco. Mas aqui? Ele arriscou a exposição que nos conhecíamos, o que, por sua vez, arriscou Jill. Quase tão ruim, poderia ser uma dica de seus sentimentos por mim. Mesmo se eu insistia que eu não tinha sentimentos correspondentes, o fato de que as coisas tinham progredido até aqui poderia me por em sérios problemas com os Alquimistas. Como todos esses pensamentos correram pela minha mente, um a mais apareceu em minha cabeça. Um Alquimista bom não deveria estar preocupado com nenhuma dessas coisas. Um Alquimista bom teria ficado simplesmente horrorizado com o problema imediato: dançar com um Moroi. Tocando um vampiro. Percebendo isso, eu rapidamente reuni uma expressão indignada, esperando que eu parecia convincente. Felizmente, todo mundo estava chocado demais para prestar muita atenção para mim. Boas relações não foi tão longe. Stanton e Ian usavam o que parecia uma legítima expressão de nojo. Os Moroi que estavam perto, enquanto não chocados, ficaram admirados com a violação da etiqueta. E ainda... Eu também vi um casal trocar olhares que disse que eles não estavam totalmente surpresos que Adrian Ivashkov sugeriu algo tão ultrajante. Esta foi uma atitude que eu já tinha visto muito com ele. As pessoas muitas vezes ignoravam o seu comportamento com "Bem, isso é Adrian."


Ian encontrou sua voz primeiro. - Ela...não! Ela absolutamente não pode! - Por que não? - Adrian olhou entre todos os nossos rostos, sua expressão ainda ensolarado e despretensioso. - Somos todos amigos, certo? Abe, que raramente fica chocado com alguma coisa, conseguiu sacudir um pouco de sua surpresa. - Eu tenho certeza que ele não é um grande negócio. - Seu tom era incerto. Ele sabia que Adrian não era um estranho para mim, mas, sem dúvida, achava que eu tinha o costume Alquimista. Como hoje havia demonstrado, a maioria dos alquimistas ainda lutava com apertos de mão. Stanton parecia estar travando uma guerra mental. Eu sabia que ela achava que era um pedido estranho, mas ela ainda estava consciente da necessidade de manter as coisas agradáveis. Ela engoliu em seco. - Talvez...talvez seria um gesto bonito. - Ela me lançou um olhar simpático que parecia dizer: Às vezes você tem que tomar um para a equipe. Ian sacudiu a cabeça em sua direção. - Você está louca? - Sr. Jansen. - ela estalou, transmitindo um aviso severo em apenas seu nome. Todos os olhos se voltaram para mim quando todos perceberam que, em última análise, era a minha decisão. Neste ponto, eu não sei se eu deveria estar chocada ou com medo do pensamento de dançar com Adrian me fez sentir tanto. Eu encontrei os olhos de Stanton novamente e lentamente deu um aceno de cabeça. - Claro. Okay. Boas relações, certo? O rosto de Ian ficou vermelho, mas um outro olhar penetrante de Stanton manteve em silêncio. Quando Adrian me levou para a pista de dança, eu ouvi alguns comentários de Moroi curiosos mencionar "a


pobre menina Alquimista" e "não há como prever o que ele faz às vezes." Adrian colocou o braço em volta da minha cintura, perfeitamente adequada e distante. Eu tentei não pensar sobre a última vez que eu tinha estado em seus braços. Mesmo com espaçamento adequado entre nós, nossas mãos ainda entrelaçadas, nossas posições ainda íntimo. Eu estava hiper consciente de cada lugar onde os dedos dele descansou no meu corpo. Seu toque era leve e delicado, mas parecia carregar um calor e intensidade extraordinários. - O que você estava pensando? - Eu exigi uma vez que estavamos nos movendo para a música. Eu estava tentando ignorar suas mãos. - Você sabe quantos problemas você pode ter começado para mim? Adrian sorriu. - Nah. Todos eles se sentem mal por você. Você vai conseguir ser um martírio depois de dançar com um vampiro. Segurança de trabalho com os Alquimistas. - Eu pensei que você não ia me pressionar sobre...você sabe... essas coisas. O olhar da inocência retornou. - Eu já disse uma palavra sobre isso? Eu só lhe pedi para dançar como um gesto político, isso é tudo. - Ele fez uma pausa para o impacto. - Parece que você é a única que não pode ficar com essas coisas fora de sua mente. - Pare de usar as minhas palavras contra mim! Isso não é...não...não está certo em tudo. - Você deveria ver a mulher Stanton nos observando. comentou, divertido, olhando atrás de mim. - Todo mundo está nos observando. - eu resmunguei. Não era como o quarto inteiro tinha chegado a um impasse, mas havia certamente um número de curiosos, boquiaberto com a visão improvável de um Moroi e um humano, um Alquimista, dançando.


Ele balançou a cabeça e nos rodou. Ele era um bom dançarino, o que não foi totalmente uma surpresa. Adrian poderia ser atrevido e impertinente, mas ele sabia como se movimentar. Talvez as aulas de dança tinham sido parte de crescer em uma camada de elite da sociedade Moroi. Ou talvez fosse apenas naturalmente hábil em usar seu corpo. Aquele beijo tinha certamente mostrado uma boa quantidade de talento...Ugh. Adrian estava certo. Eu era a única que não conseguia superar "essas coisas". Sem saber dos meus pensamentos, ele olhou para Stanton novamente. - Ela tem a aparência de um general que apenas enviou seu exército em uma missão suicida. - É bom saber que ela se importa. - eu disse. Por um momento, eu esqueci minhas aflições na pista de dança enquanto eu pensava furiosamente de volta à "necessidade de saber" da atitude de Stanton. - Eu posso te puxar para mais perto, se você quiser, - disse ele. Só para ver o quanto ela se importa. Estou sempre disposto a ajudar assim, você sabe. - Você é um jogador de equipe - eu disse. - Se me colocar em perigo é para o bem maior, então Stanton provavelmente não iria fazer qualquer coisa sobre você em movimento em cima de mim. O sorriso de auto-satisfação de Adrian desapareceu. - Ela já falou sobre aquele cara que você estava tentando encontrar? Martin? - Marcus, - eu corrigi. Eu fiz uma careta. Sua negação ainda me incomodava. - Ela continua alegando que ela não o conhece, e eu não posso forçar muito, se eu não quero que ela fique desconfiada. - Pensei em uma maneira que você pode encontrá-lo, - disse Adrian. Eu pensei que ele estava brincando, se seu rosto não estivesse tão grave.


- É mesmo? - Eu perguntei. Os Alquimistas tinham vasta informação à nossa disposição, com as mãos em todos os tipos de agências e organizações. Eu estava vasculhando-lhes estas últimas semanas e considerava pouco provável que Adrian teria acesso a algo que eu não tinha. - Yep. Você tem a foto dele, certo? Você não pode apenas fazer a mesma mágica que você fez na outra noite? Localizá-lo dessa maneira? Eu estava tão surpresa, que eu quase tropeçei. Adrian apertou para me impedir de cair. Eu tremia como o pequeno gesto nos aproximou. A tensão entre nós chutou acima de um entalhe, e eu percebi que, juntamente com os nossos corpos estar mais perto, nossos lábios também. Eu tive um pouco de dificuldade para falar, tanto por causa de como era a sensação de estar tão perto dele e porque eu ainda estava atordoada com o que ele tinha dito. - Isso é...wow...não é uma má ideia. - Eu sei, - disse ele. - Eu sou do tipo de surpreender a mim mesmo. Realmente, as circunstâncias não eram diferentes de encontrar a irmã da Sra. Terwilliger. Eu tinha o que era necessário para localizar alguém que eu nunca conheci. Eu tinha uma imagem, que era o que o feitiço precisava. O que era diferente era que eu estaria iniciando a mim mesmo. Era uma peça difícil de magia, e eu sabia que a Sra. Terwilliger havia me ajudado. Houve também o dilema moral de trabalho com magia por conta própria. Minha consciência teve um tempo mais fácil para lidar com a magia quando eu era coagida. - Eu não poderia tentar até o próximo mês, - disse eu, pensando de volta para o livro de feitiços. - Quero dizer, eu tenho a foto comigo, mas a magia tem que ser feita durante a lua cheia. Esta é a última noite, e eu nunca seria capaz de conseguir os componentes no tempo.


- O que você precisa? Eu disse a ele, e ele concordou com a cabeça junto, prometendo que ele poderia obter. Eu zombei. - Onde você está indo para obter anis e hissopo a esta hora da noite? Nesta cidade? - Essa cidade é cheia de butiques peculiares. Há algum lugar que vende sabonetes de ervas e perfumes feitos de qualquer coisa que você pode imaginar. Eu garanto que tenho o que você precisa. - E eu garanto que eles estão fechados. - Ele me levou em outro giro, e eu fiquei com ele perfeitamente. A canção estava terminando. O tempo tinha voado mais rápido do que eu pensava. Eu tinha esquecido sobre os espectadores. Eu até esqueci que eu estava com um vampiro. Eu estava simplesmente dançando com Adrian, que sentia fácil e natural, contanto que eu não pensasse sobre o nosso público. Seu olhar maroto retornou. - Não se preocupe com isso. Eu posso encontrar o proprietário e convencê-la a fazer uma exceção. Eu gemi. - Não. Não compulsão. - Compulsão era uma habilidade que os vampiros tem de forçar suas vontades sobre os outros. Todos os vampiros tem em uma certa medida e os usuários do espírito tinha em excesso. Os Moroi consideram imoral. Alquimistas consideram um pecado. A música terminou, mas Adrian não me liberou de imediato. Ele se inclinou um pouco mais perto. - Você quer esperar mais um mês para encontrar Marcus? - Não. - eu admiti. Os lábios de Adrian eram um fôlego. - Então vamos nos encontrar em duas horas pela porta de serviço do hotel. - Eu dei um aceno fraco, e ele deu um passo atrás, liberando minhas mãos. - Aqui está um último sinal de boas relações.


- Com um arco que poderia ter saído de um romance de Jane Austen, ele gesticulou para o bar e falou em voz alta. - Obrigado pela dança. Posso levá-la para obter uma bebida? Segui sem uma palavra, minha cabeça girando com o que eu preciso fazer em duas horas. No bar, Adrian me surpreendeu, ordenando água tônica. - Restrição legal. - eu disse, percebendo que ele precisa para ficar sóbrio para trabalhar com o espírito. Eu esperava que ele não tinha o espetáculo demais. Para ele, a única coisa melhor do que um bar aberto seria um caso de cigarros que apareceram em sua porta. - Eu sou um mestre de auto-controle. - declarou ele. Eu não tinha tanta certeza, mas não o contradisse. Bebi minha Coca Diet, e ficamos em silêncio confortável. Dois homens Moroi aproximaram-se do bar perto de nós, falando com o volume em exuberância de quem não tinha retido na amostragem de licor livre. - Bem, não importa o quão liberal que a menina é, ela é certamente fácil para os olhos. - um cara disse. - Eu podia olhar para ela todos os dias, especialmente com esse vestido. Seu amigo assentiu. - Definitivamente uma melhoria sobre Tatiana. Muito ruim sobre o que aconteceu com ela, mas talvez uma mudança de cenário foi o melhor. Será que essa mulher nunca sorri? - Os dois riram da piada. Ao meu lado, o sorriso de Adrian desapareceu, e ele ficou perfeitamente imóvel. Tatiana, a ex-rainha Moroi, tinha sido tia-avó de Adrian. Ela tinha sido brutalmente assassinada neste verão, e embora Adrian raramente falava sobre ela, eu tinha ouvido a partir de um número de pessoas que tinham estado perto. Os lábios de Adrian

torceram

em

um

grunhido,

e

ele

começou

a

virar.

Sem hesitar, eu estendi a mão e agarrei a mão livre, segurando-a com força.


- Adrian, não. - eu disse suavemente. - Sydney, eles não podem dizer isso. - Havia um olhar perigoso em seus olhos, que eu nunca tinha visto. Apertei sua mão com mais força. - Eles estão bêbados, e eles são estúpidos. Eles não valem o seu tempo. Por favor, não comece uma cena aqui por amor a Sonya. - Eu hesitei. - E para mim. Seu rosto ainda estava cheio de raiva, e por um momento, eu pensei que ele iria me ignorar e jogar um copo em um desses caras. Ou pior. Eu tinha visto os usuários de espírito irado, e eles eram aterrorizantes. No último, a fúria se desvaneceu, e eu senti a mão dele na minha relaxar. Ele fechou os olhos por um instante e, quando os abriu de novo, eles estavam atordoados e sem foco. - Ninguém a conhecia, Sydney. - A tristeza em sua voz quebrou meu coração. - Todos pensavam que ela era uma cadela draconiana. Eles nunca souberam o quão engraçada era, quão doce ela poderia ser. Você não pode...você não pode imaginar o quanto eu sinto falta dela. Ela não merecia morrer assim. Ela era a única pessoa que me entendia, até mesmo mais do que meus próprios pais. Ela me aceitou. Ela viu o bem em minha alma. Ela foi a única que acreditou em mim. Ele estava em pé na minha frente, mas ele não estava comigo. Eu reconheci a natureza, caminhadas do consumo de espírito. Ele mexia com a mente de seus usuários. Às vezes, fazia-os dispersos e distante, como ele estava agora. Às vezes é desafiado a aderência das pessoas sobre a realidade. E, às vezes, pode criar um desespero com consequências devastadoras. - Ela não era a única. - eu disse a ele. - Eu acredito em você. Ela está em paz, e nada que eles dizem pode mudar quem ela era. Por favor, volte para mim. Ele ainda olhou para o lugar que eu não poderia seguir. Depois de alguns momentos assustadores, ele piscou e focou em mim. Sua


expressão ainda era triste, mas pelo menos ele estava no controle novamente. - Eu estou aqui, Sage. - Ele tirou a mão e olhou em volta para ter certeza de que ninguém tinha me visto segurando. Felizmente, a noiva e o noivo tinham ido para a pista de dança, e todo mundo estava muito fascinado a observá-los. - Duas horas. Ele bebeu o resto de sua bebida e foi embora. Eu assisti ele ir até que ele desapareceu na multidão, e então eu voltei para a minha própria mesa, olhando para o relógio ao longo do caminho, duas horas. Ian saltou de seu lugar na minha abordagem. - Você está bem? Não haviam Moroi bem-intencionados por perto, portanto, apenas

Stanton

estava

por

perto

para

ouvi-lo.

Ela

parecia

compartilhar a sua preocupação. - Eu sinto muito que você teve que suportar isso, Srta. Sage. Como sempre, sua dedicação ao nosso trabalho é admirável. - Eu faço o que posso para ajudar, minha senhora. - eu disse. Eu ainda estava preocupada com Adrian e esperava que ele não escorregasse de volta para aderência do espírito novamente. - Ele machucou você? - perguntou Ian, apontando. - Suas mãos? Olhei para baixo e percebi que estava esfregando as mãos. Elas estavam quentes, de onde Adrian tinha me tocado. - Hein? Oh, não. Apenas, hum, tentando esfregar a mancha fora. Na verdade...Eu provavelmente deveria ir lavar. Já volto. Eles pareciam encontrar esta ideia perfeitamente razoável e não pararam-me quando eu corri para o banheiro. Livre de sua preocupação, eu respirei um suspiro de alívio. Eu esquivei de duas balas aqui, não deixando os Alquimistas saberem que eu era amiga de um vampiro e também que eu estava planejando mágica com ele. - Sydney?


Eu estava tão distraída quando sai do banheiro que eu não tinha percebido que Rose estava por perto com Dimitri Belikov. Eles estavam de braços dados, sorrindo para a minha surpresa. Eu não tinha visto Dimitri esta noite, e seu traje preto e branco da guarda me disse porquê. Ele estava de serviço aqui e tinha, sem dúvida, sido uma das sombras velozes entre as árvores do efeito estufa, mantendo uma vigilância sobre todos. Ele deve estar em uma pausa agora, porque não havia nenhuma maneira que ele estaria de pé tão casualmente aqui, mesmo com Rose. E, realmente, "Casual" por Dimitri significava que ele ainda poderia saltar para a batalha a qualquer momento. Eles eram um casal marcante. Seu cabelo escuro, olhos escuros parece combinado com o dela, e ambos eram deslumbrantemente atraentes. Não foi nenhuma maravilha que Adrian tinha caído por ela, e eu me senti surpresa com o quão desconfortável que a memória disso me fez. Como Sonya e Mikhail, havia um vínculo de amor entre Rose e Dimitri, que era quase palpável. - Você está bem? - Perguntou Rose, os olhos amáveis. - Eu não posso acreditar que Adrian fez isso com você. - Ela reconsiderou. Então, novamente, eu meio que acredito. - Eu estou bem - eu disse. - Acho que os outros alquimistas estavam mais chocados do que eu. – Eu lembrei, mesmo que tardiamente, que Rose e Dimitri sabiam que eu sabia de Adrian em Palm Springs, eu ainda não podia agir muito à vontade aqui. Eu coloquei meu olhar de indignação. - Ele ainda estava fora da linha, entretanto. - Decoro nunca foi o forte de Adrian. - Dimitri observou. Rose riu do eufemismo. - Se isso faz você se sentir melhor, vocês pareciam realmente bem juntos lá fora. Tornava difícil acreditar que vocês são inimigos mortais... ou seja o que for que os Alquimistas pensem. - Ela apontou para o meu vestido. - Você está até coordenada.


Eu esqueci completamente o que eu estava vestindo. Era um vestido de seda de manga curta, quase inteiramente pretos para alguns salpicos de azul royal na saia. Isso foi uma audaciosa cor do que eu normalmente uso, mas o preto temperou isso. Pensando nos tons de azul de Adrian, percebi que nossas roupas de fato se complementavam. Vocês pareciam realmente bem juntos. Eu não sei bem a expressão que eu usava, mas fez Rose dar risada novamente. - Não fique tão em pânico. - disse Rose, com os olhos brilhando. - Foi bom ver um ser humano e um Moroi olhar como se eles pertencem um ao outro. Juntos. Por que ela fica dizendo coisas como essas? Suas palavras foram mexer com o comportamento frio e lógico que eu tentei manter. Eu sabia que ela estava falando dessa forma amigável, diplomática que todos estavam empurrando tão duro. Mas progressivo como Rose e Dimitri estavam, eu sabia que mesmo eles ficariam chocados se soubessem a verdade sobre os sentimentos de Adrian e o beijo monumental. Passei o resto da recepção com um nó de construção de ansiedade dentro de mim. Felizmente, eu não tenho que esconder isso. Moroi e Alquimista tanto esperavam que eu me sentisse assim. Na verdade, Stanton logo teve sua própria quota de "diplomacia" quando um Moroi de meia-idade perguntou a ela para dançar, obviamente tendo um taco de exibição de Adrian de boa vontade. Aparentemente, tão escandaloso quanto o comportamento de Adrian tinha sido, alguns Moroi pensaram que tinha sido uma jogada inteligente e decidiram seguir o exemplo. Stanton não podia recusar depois de ter me incentivado, então ela pegou a pista de dança com os dentes cerrados. Ninguém perguntou a Ian para dançar, que era provavelmente o melhor. Ele não parecia decepcionado. Adrian ficou longe, presumivelmente para reunir componentes para meu encanto. Com a hora marcada, e como a marca de duas


horas se aproximou, eu percebi que embora eu trouxesse imagem de Marcus comigo nesta viagem (eu raramente deixava fora da minha vista), ele ainda estava no meu quarto. Desculpei-me com Ian, dizendo-lhe que precisava voltar para a pousada para trocar os sapatos e gostaria de ter um dos carros que tinham estado transportando convidados do casamento na cidade. O rosto de Ian imediatamente cresceu de proteção. - Você quer que eu vá com você? Não é seguro lá fora. Eu balancei a cabeça. - Não, você precisa ficar aqui. Stanton está mais em perigo. - Ela estava parada perto do bar, conversando com dois homens Moroi. Eu me perguntei se ela tinha uma outra dança em seu futuro. - Além disso, é cedo, então ainda há mais deles aqui do que lá fora. Pelo menos a pousada é habitada por seres humanos. Ian não poderia falhar com a minha lógica Alquimista e relutantemente me deixou ir. Pegar um carro na cidade foi fácil, e eu era capaz de fazer a viagem de volta em quase a quantidade perfeita de tempo. Eu até mudei os sapatos para que eu tivesse a prova para a minha história. Embora eu tinha usado saltos para o casamento, eu tinha embalado sapatos na minha mala no apartamentos, só no caso de precisar. Esse foi apenas o planejamento inteligente para qualquer ocasião. Quando cheguei à porta de serviço, no entanto, eu percebi que meu planejamento inteligente tinha falhado. Cheia de pressa e ansiedade, eu tinha deixado o meu xale quente e pesado no carro, que estava provavelmente muito longe. Agora, à espera de Adrian no frio amargo da Pensilvânia, eu passei meus braços em volta de mim e esperava que eu não iria congelar antes que ele aparecesse. Ele era bom com sua palavra, embora, e chegou exatamente na hora marcada com uma sacola sobre o ombro. Ainda melhor, ele estava completamente de volta ao seu estado normal. - Pronto para ir. - ele me disse.


- Sério? - Eu perguntei, batendo os dentes. - Você encontrou tudo? Ele bateu o saco. - Você pergunta, eu entrego. Agora onde é que nós precisamos fazer isso? - Em algum lugar remoto. - Eu fiz a varredura ao redor. Além do monte de estacionamento do hotel, tinha um campo vazio que eu esperava que seria suficiente. - Lá. Andando

pelo

estacionamento

bem

calejado

não

era

um

problema, mas uma vez que "saímos da estrada" no campo de neve, até meus planos práticos não eram de uso. Eu também estava tão fria que eu suspeitava que minha pele era tão azul como o meu vestido. - Pare. - disse Adrian em um ponto. - Nós precisamos ir um pouco mais longe. - eu protestei. Adrian, que tinha tido o bom senso de colocar um casaco de lã, tirou-o. - Aqui. - Você vai sentir frio. - eu protestei, embora eu não o impedi, quando ele se aproximou e me ajudou a colocar o casaco. Ele era mais alto que eu, então o comprimento de três quartos foi misericordiosamente comprimento total em mim. Seu perfume era uma mistura de fumaça e colônia. - Não. - Ele colocou o casaco mais firmemente em torno de mim. - Eu tenho mangas compridas e jaqueta. Agora vamos rápido. Ele não tem que me dizer duas vezes. Além da temperatura, tinhamos que fazer isso antes que fossemos apanhados por outras pessoas. Mesmo eu não ia ser capaz de explicar esta distância para os Alquimistas. A lua ainda estava nítida e brilhante quando finalmente encontrei um ponto aceitável. Eu vasculhava o saco de Adrian, espantada que ele chegou com tudo, desde o espelho para as folhas e flores secas.


Ele ficou quieto quando eu defini tudo, só falando quando eu estava quase pronta para ir. - Há algo que eu possa fazer? - Ele perguntou gentilmente. - Basta olhar o relógio. - disse eu. - E me pegar se eu desmaiar. - Com prazer. Eu memorizei o feitiço quando a Sra. Terwilliger e eu o fizemos. Ainda assim, eu estava nervosa sobre isso, especialmente desde que o ambiente era tão perturbador. Foi meio difícil de encontrar o foco mental que eu precisava enquanto estava ajoelhada na neve. Então eu pensei de volta para Stanton e as mentiras que os Alquimistas estavam me dizendo. Uma centelha de raiva brilhou em mim, criando calor

de

um

tipo

diferente.

Eu

usei

isso

para

dirigir

meus

pensamentos enquanto eu olhava para a foto de Marcus. Ele tinha a idade de Adrian, com cabelos loiros e um olhar pensativo em seus olhos azuis. A tatuagem em seu rosto era um emaranhado de crescentes índigo. Lentamente, eu consegui afundar o feitiço. Eu senti a mesma euforia em que o espelho deslocava para uma imagem da cidade. Nenhuma névoa me bloqueou desta vez desde que, presumivelmente, Marcus não estava exercendo o tipo de magia de proteção que a irmã da Sra. Terwilliger estava utilizando. A cena diante de mim mostrou o que parecia ser um estúdio muito modesto. Um colchão estava no chão, e uma TV antiga em um canto. Eu olhei em volta para quaisquer características de identificação, mas não encontrei nada. A janela do quarto finalmente me deu uma pista. Lá fora, na distância, pude ver um edifício de estilo espanhol que parecia uma igreja ou mosteiro. Ele era feito de estuque branco, com um telhado vermelho de torres com cúpulas. Eu tentei olhar mais de perto,

para

voar

como

eu

fiz

na

outra

magia,

mas

de repente, me dei conta do frio da Pensilvânia penetrando em mim. A imagem abalou, e eu estava de volta, ajoelhada no campo. - Ugh. - eu disse, colocando a mão na minha testa. - Tão perto. - Você viu alguma coisa? - Adrian perguntou.


- Nada do que vai ajudar. Levantei e me senti um pouco tonta, mas consegui ficar de pé. Eu podia ver Adrian pronto e esperando para me pegar, no caso de eu, de fato, cair. - Você está bem? - Eu acho que sim. Só um pouco tonta da queda de açúcar no sangue. - Eu lentamente reuni o espelho no saco. - Eu deveria ter pedido por suco de laranja também. - Talvez isso ajude. - Adrian produziu um frasco de prata do bolso interno do paletó e entregou-o para mim. Tão típico, Adrian prestativamente oferecendo álcool. - Você sabe que eu não bebo. - eu disse. - Alguns goles e você não vai ficar bêbada, Sage. E é sua noite de sorte que é Kahlua. Embalado com açúcar e com sabor de café. Negocie e tente. A contragosto, entreguei-lhe o saco e levei o frasco, quando começamos a caminhar de volta para o hotel. Eu tomei um gole hesitante e fiz uma careta. - Isso não é café com sabor. - Não importa o quanto as pessoas tentaram vestir o álcool, sempre parecia terrível para mim. Eu não entendo como ele pode consumir tanto. Mas, eu podia sentir o gosto do açúcar, e depois de alguns goles mais, eu me senti mais firme. Isso era tudo que eu bebi desde que eu não queria ficar tonta por razões diferentes. - O que você viu? - Perguntou Adrian, quando chegamos ao estacionamento. Eu descrevi a cena mágica e suspirei em frustração. - Isso poderia ser qualquer edifício na Califórnia. Ou do sudoeste. Ou no México. Adrian parou e atirou a bolsa no ombro. - Talvez... - Ele tirou o telefone de sua jaqueta e digitou algumas coisas. Eu tremia e tentei


ser paciente enquanto procurava o que ele precisava. - Será que ele seria assim? Eu olhei para a tela e senti meu queixo cair. Eu estava olhando para uma foto do prédio da minha visão. - Sim! O que é isso? - The Old Mission Santa Barbara. - E então, apenas no caso de que eu precisava de ajuda, ele acrescentou, - É em Santa Bárbara. - Como você sabe disso? - Eu exclamei. - O que o edifício é, eu quero dizer. Ele deu de ombros. - Porque eu estive em Santa Barbara. Isso vai ajudar você? Meu desânimo de mais cedo se transformou em emoção. - Sim! Com base na posição da janela, eu posso ter uma boa ideia de onde o apartamento é. Você pode ter encontrado Marcus Finch. - Apanhados na minha alegria, eu apertei seu braço. Adrian descansou a mão enluvada no meu rosto e sorriu para mim. - E pensar que Angeline disse que eu era bonito demais para ser útil. Parece que eu poderia ter algo a oferecer ao mundo depois de tudo. - Você ainda está bonito. - eu disse, as palavras saindo antes que eu pudesse detê-los. Outro dos momentos intensos pendurado entre

nós,

o

luar

iluminando

suas

características

marcantes.

Em seguida, ele foi quebrado por uma voz na escuridão. - Quem está aí? Nós dois nos encolhemos e recuamos quando uma figura em preto e branco parecia se materializar das sombras. Um guardião. Não era que eu sabia, mas eu percebi que tinha sido tola se eu pensei que nós poderíamos entrar e sair do hotel sem ser visto. Os motivos eram, provavelmente, que estava cheio de guardiões, vigiando por causa dos Strigoi. Eles não teriam se importado muito sobre duas pessoas saírem, mas o nosso retorno seria naturalmente desafiado.


- Ei, Pete. - disse Adrian, colocando aquele sorriso descontraído, ele se destacou. - É bom ver você. Espero que não esteja muito frio aqui fora. O guardião pareceu relaxar um pouco ao reconhecer Adrian, mas ele ainda era suspeito. - O que vocês dois estão fazendo aí fora? - Só acompanhando a Srta. Sage de volta. - disse Adrian. - Ela tinha que pegar algo de seu quarto. - Eu dei-lhe um olhar perplexo. A pousada não era nessa direção. Pete parecia aturdido por um momento. Então, ele acenou com a cabeça em compreensão. - Eu vejo. Bem, é melhor você voltar para dentro antes de congelar. - Obrigado. - disse Adrian, dirigindo-me para longe. - Certifiquese de obter uma pausa e experimentar os canapés. Eles são incríveis. - Você usou compulsão. - eu sussurrei, uma vez que estávamos em segurança, fora do alcance da voz. - Só um pouco. - disse Adrian. Ele parecia muito orgulhoso de si mesmo. - E estar fora para orientá-la é uma razão válida, uma que ele não vai pensar muito mais tarde. Alguém convincente para acreditar em uma história funciona melhor se há um pouco de verdade. - Adrian? Sydney? Nós quase atingimos a parte de trás do prédio e agora de repente cara-a-cara com uma figura de marfim folheados. Sonya estava diante de nós, uma estola de pele em volta dela. Mais uma vez, fiquei impressionada com a sua beleza e o brilho feliz que ela parecia irradiar. Ela nos deu um sorriso perplexo. - O que vocês dois estão fazendo aqui? - Ela perguntou. Ambos estávamos sem palavras. Adrian não tinha palavras ousadas ou truques. Sonya era um usuário de espírito também, e compulsão não iria funcionar com ela. Freneticamente, procurei por alguma desculpa de que não era: Nós estávamos usando magia ilícita num


esforço contínuo para descobrir os segredos que os alquimistas não querem me contar. - Você não pode dizer. - eu soltei a ela. Eu levantei o frasco. Adrian foi me deixar roubar alguns de seus Kahlua. Stanton vai me matar se ela descobrir. Sonya olhou compreensivelmente assustada. - Eu não acho que você bebeu. - Esta noite foi tipo estressante. - eu disse. Não era uma mentira. - E é com sabor de café. - Adrian apontou, como se isso pode ajudar a nossa causa. Eu não tinha certeza se Sonya estava comprando, por isso tentei uma mudança no assunto. - Parabéns, aliás. Eu não tive a chance de falar com você antes. Você está linda. Sonya distraiu de sua curiosidade e me ofereceu um sorriso. - Obrigada. É irreal. Mikhail e eu temos passado por tanta coisa...houve momentos em que eu nunca pensei que ia chegar a este momento. E agora... - Ela olhou para o espumante diamante em sua mão. - Bem, aqui estamos nós. - O que você está fazendo aqui, Sra. Tanner? - Adrian tinha se recuperado e estava de volta ao seu estado extrovertido. - Você não deveria estar lá dentro olhando adoravelmente para seu marido? Ela

riu.

-

Oh,

nós

temos

uma

vida

inteira

à

frente.

Honestamente, eu só precisava sair da multidão. - Sonya respirou fundo o ar fresco e frio. - Eu provavelmente deveria voltar em breve. Estamos prestes a jogar o buquê. Você não vai perder sua chance, não é? Isso foi para mim. Eu zombei. - Eu acho que eu vou sentar. Eu já causei especulação demais esta noite.


- Ah, sim. Sua dança infame. - Sonya olhou entre nós, e um pouco de sua perplexidade anteriormente devolvido. - Vocês dois são muito bem juntos. – Um silêncio constrangedor caiu por alguns segundos, e então ela limpou a garganta. - Bem, eu estou ficando onde está quente. Espero que você vá mudar de ideia, Sydney. Ela desapareceu pela porta de serviço, e eu resisti à vontade de bater minha cabeça contra a parede. - Ela sabe que estou mentindo. Ela pode dizer. – Usuários de Espírito eram bons em ler sinais sutis de pessoas, com Sonya sendo um dos melhores. - Provavelmente. - concordou Adrian. - Mas eu duvido que ela vai achar que nós estávamos a trabalhar em um campo de magia. Um pensamento terrível veio até mim. - Oh Deus. Ela provavelmente pensa que nós estávamos fazendo, bem, você sabe, algo romântico ou algo assim. Isso divertiu Adrian muito mais do que deveria. - Veja, lá vai você de novo. Esse é o primeiro pensamento que vem à sua mente. Ele balançou a cabeça em tom melodramático. Eu não posso acreditar que você continue acusando-me de ser o único obcecado. - Eu não sou obcecada! - Eu exclamei. - Eu estou apenas apontando a conclusão óbvia. - Talvez para você. Mas ela está certa sobre uma coisa: temos de entrar. - Ele ansiosamente tocou seu cabelo. - Eu acho que o meu gel de cabelo está congelado. Entreguei-lhe o frasco de volta e abri a porta. Pouco antes de entrarmos, hesitei e olhei para ele. - Adrian? Obrigado por me ajudar. - Para que são os amigos? - Ele segurou a porta para mim e fez sinal para eu entrar.


- Sim, mas você foi acima e além hoje sobre algo que não tem nada a ver com você. Eu aprecio isso. Você não tem que ajudar. Você não tem as mesmas razões que tenho para rachar os Alquimistas. Não sabendo mais o que dizer, dei-lhe um pequeno aceno de agradecimento e entrei. Quando o calor e o barulho da multidão nos engoliu, eu pensei que eu o ouvi dizer: - Eu tenho razões diferentes.


Capítulo 5

Eu sai pouco depois com os Alquimistas e não esperava ver Adrian por umtempo. Ele estava hospedado com os outros Moroi mais alguns dias na Pensilvânia, de modo que não havia chance de pegarmos um vôo juntos. Minha viagem de volta para a Califórnia foi tranquila e sem incidentes, embora a minha mente correu com todos os desenvolvimentos do último par de dias. Entre o aviso secreto da Sra. Terwilliger e minha nova pista sobre Marcus, eu tinha muito para me ocupar. Uma mensagem de texto de Eddie me cumprimentou quando eu chamei um táxi no aeroporto de Palm Springs: Estamos comendo no Marquee’s.

Quer

se

juntar

a

nós?

Uma

mensagem

de

acompanhamento logo veio: Você pode nos levar de volta. Eu pedi ao motorista para me levar para um subúrbio na periferia distante da cidade em vez de Amberwood em Vista Azul. Eu estava com fome, já que não tinha havido nenhum jantar servido no avião, nem no ônibus, e além disso, eu queria o meu carro de volta em minhas próprias mãos. Quando cheguei no restaurante, eu encontrei Eddie e Angeline sentados

em

um

lado

de

uma

cabine

com

Jill,

de

outro.

Imediatamente, eu sabia por que tinha escolhido para comer tão longe de nossa escola. Estar longe significou que Eddie e Angeline poderiam sair como um casal. De volta a Amberwood, todo mundo achava que eram relacionados. Eddie, Jill, e eu passávamos como irmãos, enquanto Angeline era nossa prima. Eddie e Angeline tinham recentemente começado a namorar, então eles tiveram que esconder sua relação de nossos colegas de classe para não levantar suspeitas. Nós já atraíamos atenção suficiente como éramos.


Angeline aninhou-se no braço de Eddie. Parecia mesmo que ele estava tendo um bom tempo, o que era bom de ver. Ele levou tão a sério suas responsabilidades e muitas vezes era tão tenso que parecia que não iria demorar muito para fazê-lo encaixar em dois. Angeline, embora rude, imprevisível e muitas vezes inadequada, tinha revelado algo bom para ele. Isso não torna menos diligente em seus deveres de guarda, é claro. As coisas eram um pouco diferentes do outro lado da mesa. Jill parecia infeliz, caiu para o banco com os braços cruzados. Seu cabelo castanho claro pendurados para a frente, cobrindo parte de seu rosto. Após malfadados romances com um cara que queria se tornar um Strigoi e com o companheiro humano de Eddie, Jill tinha vindo a perceber que Eddie poderia muito bem ser o cara para ela. Convinha, também, porque por um longo tempo, ele nutria uma paixão secreta por ela, ferozmente dedicado a ela na forma de um cavaleiro servindo sua senhora soberana. Ele nunca acreditou que ele era digno de Jill, e sem qualquer sinal de sua afeição, ele virou-se para Angeline, apenas quando Jill tinha vindo por aí e queria ele. Às vezes, parecia uma espécie de comédia de Shakespeare... até que eu olhei para o rosto de Jill. Então, eu me sentiria em conflito, porque eu sabia que se Eddie retornasse a sua afeição, Angeline seria a única com aquela expressão triste. Foi uma espécie de confusão e me fez feliz de estar livre de quaisquer envolvimentos românticos. - Sydney! - Jill sorriu quando me viu, afastando os cabelos para longe. Talvez porque ela precisava de distração, ou talvez fosse porque a nova atitude de Adrian para mim tinha levantado um pouco de seu mau humor. Independentemente disso, eu recebi um retorno à velha simpatia em vez dos olhares acusadores que ela me lançava desde que eu o rejeitei. - Ei, pessoal. - Eu deslizei para a cabine ao lado dela. Imediatamente, eu abri meu álbum de fotos do telefone celular e entreguei a ela desde que eu sabia que ela iria querer saber sobre o


casamento imediatamente. Apesar de toda a intriga que tinha ido para lá, eu tinha conseguido tirar algumas fotos sem os outros Alquimistas perceberem. Mesmo que ela tinha visto alguns deles através dos olhos de Adrian, Jill ainda quer examinar tudo em detalhes. Ela suspirou com a felicidade quando ela examinou as imagens. - Olhe para Sonya. Ela é tão bonita. - Angeline e Eddie inclinou sobre a mesa para dar uma olhada. - Ah. E há Rose e Lissa. Eles se parecem muito grande. - Havia uma nota estranha na voz de Jill enquanto ela falava. Ela era amiga de Rose, mas a meia-irmã ainda era um pouco de um enigma. Jill e Lissa nem sabiam que eram irmãs, até recentemente, e o ambiente político volátil de Lissa forçou a se comportar mais como uma rainha do que uma irmã para Jill. Era uma relação difícil para ambas. - Você teve um tempo divertido? - Eddie me perguntou. Eu considerei a minha resposta por vários momentos. - Eu tive um momento interessante. Ainda há muita tensão entre os alquimistas e sua equipe, para alguns foi um pouco estranho. - Pelo menos Adrian estava lá. Deve ter sido bom ter alguém que você conhece. - disse Angeline, em sua bem-intencionada ignorância. Ela apontou para uma imagem que eu tinha levado do salão de recepção. Minha intenção era tirar uma foto completa do local para Jill, mas Adrian tinha acontecido de caminhar como um tiro, posou e perfeito como um porta-voz belo, anfitrião do evento. - Sempre tão bonita. - Angeline balançou a cabeça em sinal de desaprovação. Todo mundo diz isso. Eu acho que significa que não houve jogos comemorativos de luta livre? Foi um sinal de progresso para Angeline que ela deduziu tão rapidamente. Seu povo, os Keepers, viviam nas selvas da Virgínia Ocidental, e sua abertura para o romance entre vampiros, dhampirs e humanos era apenas um de seus costumes mais bizarros. Lutas


amistosas eclodiram muitas vezes, e Angeline teve que aprender que tais comportamentos não eram aceitáveis aqui na América. - Não enquanto eu estava lá, - eu disse. - Mas, ei, talvez algo caiu depois que eu saí. - Isso trouxe sorrisos aos rostos de Jill e Eddie e um olhar esperançoso para Angeline. A garçonete veio, e eu pedi Coca Diet e uma salada. Talvez eu soltei na minha contagem de calorias, mas eu jurei que eu ainda podia saborear o açúcar de todo o bolo de casamento que eu tinha comido depois do feitiço. Angeline apertou o controle sobre o braço de Eddie e sorriu para ele. - Se você começa a ver a minha casa, você pode lutar contra meu irmão Josh para mostrar que você é digno de mim. Eu tive que engolir uma risada. Eu tinha visto a comunidade dos Keepers e sabia que ela estava falando sério. Eu trabalhei para manter uma cara séria. - Você não está quebrando um monte de regras por estar juntos, sem que tenha acontecido ainda? - Angeline assentiu, parecendo um pouco triste. - Minha mãe estaria tão escandalizada se soubesse. Mas eu acho que essa é uma situação única. Eddie sorriu com indulgência para ela. Eu acho que às vezes ele achava que estavam exagerando sobre os Keepers. Ele ia ter um choque se ele alguma vez fosse visitá-los. - Talvez eu possa lutar contra um bando de seus parentes para compensar isso. - disse ele. - Você pode mesmo. - disse ela, sem perceber que ele estava brincando. Não era brincadeira romântica, mas Jill parecia decididamente à vontade em discutir sua relação. Ela virou-se para mim, muito obviamente, tentando não olhar para eles. - Sydney, o que vamos fazer sobre o Natal?


Dei de ombros, sem saber o que ela estava pedindo. - O de sempre, eu acho. Dar presentes. Cantar. Ter duelos natalinos. Angeline se iluminou a isso. Jill revirou os olhos. - Não, eu quero dizer, nós vamos estar em férias de inverno em algumas semanas. Existe alguma maneira...existe alguma maneira de podermos ir para casa? Havia uma nota melancólica em sua voz, e até mesmo Eddie e Angeline quebraram sua mútua admiração e olharam para mim. Mudei sob análise. Angeline não estava tão preocupada com a visita dos Keepers, mas eu sabia que Eddie e Jill perderam seus amigos e familiares. Eu gostaria de poder dar-lhes a resposta que queria ouvir. - Eu sinto muito - eu disse. - Você vai ficar no Clarence durante as férias. Nós não podemos arriscar...bem, você sabe. - Eu não preciso enfatizar a necessidade de segurança de Jill. Estávamos todos familiarizados com esse refrão. O comentário de Ian sobre a fragilidade do trono mostrava a importância do que nós fizemos. O rosto de Jill caiu. Mesmo Eddie pareceu desapontado. - Eu pensei. - ela disse. - Eu só esperava...isto é, eu sinto tanta falta da minha mãe. - Nós provavelmente podemos mandar uma mensagem para ela. - eu disse suavemente. Eu sabia que não era substituto para a coisa real. Eu era capaz de fazer chamadas telefônicas ocasionais para minha própria mãe, e ouvir a voz dela era um milhão de vezes melhor do que qualquer email pode ser. Eu mesma tenho que falar com minha irmã mais velha, Carly, às vezes, que sempre me animou desde que ela era tão brilhante e engraçada. Minha irmã mais nova, Zoe...bem, ela era uma história diferente. Ela não iria atender minhas chamadas. Ela quase foi iniciada nos Alquimistas para assumir esta missão, na verdade, quando eu tinha roubado dela. Eu tinha feito isso para protegê-la


de se comprometer com os Alquimistas tão jovem, mas ela tinha visto isso como um insulto. Olhando para o rosto triste de Jill, eu senti meu coração se apertar. Ela tinha passado por tanta coisa. Seu novo status real. Alvo de assassinos. Ajustando-se a uma escola humana. Seus romances desastrosos e mortal. E agora suportando Eddie e Angeline. Ela lidou com tudo isso com notável força, sempre resolutamente passando com o que tinha de fazer, mesmo se ela não quer fazê-lo. Lissa foi elogiada por ser uma rainha exemplar, mas havia uma realeza e força em Jill, que muitos subestimam. Olhando para cima, eu peguei uma faísca nos olhos de Eddie quando ele também pareceu reconhecer e admirar aquilo sobre ela. Depois do jantar, levei-os de volta para Amberwood e fiquei satisfeita ao ver que o meu carro estava em perfeita forma. Eu dirigia um Subaru marrom chamado Latte, e Eddie era a única pessoa que eu confiava atrás do volante. O deixei no dormitório dos meninos e depois levei Angeline e Jill de volta ao nosso. Enquanto nós estávamos andando na porta, avistei a Sra. Santos, professora, eu sabia pela reputação. - Vocês vão em frente. – disse a Jill e Angeline. - Vejo vocês amanhã. Eles

me

deixaram,

e

eu

andei

pelo

saguão,

esperando

pacientemente pela Sra. Santos terminar uma conversa com a nossa matrona do dormitório, a Sra. Weathers. Quando a Sra. Santos começou a virar e ir embora, eu lhe chamei a atenção. - Sra. Santos? Sou Sydney Melrose. Eu me perguntava se eu poderia... - Oh, sim. - disse ela. - Eu sei quem você é, querida. A Sra. Terwilliger elogia você o tempo todo em nossas reuniões de departamento. – A Sra. Santos era uma mulher de aparência gentil com cabelo prata e preto. Dizia-se que ela se aposentaria em breve. Eu corei um pouco com o elogio.


- Obrigada, senhora. - Ela e a Sra. Terwilliger eram ambas professoras de história, embora o foco da Sra. Santos era na história americana, não na do mundo. - Você tem um minuto? Eu queria te perguntar uma coisa. - É claro. Nós entramos para o lado do lobby, fora do tráfego de entrada e saída do dormitório. - Você sabe muito sobre a história local, certo? Sul da Califórnia? A Sra. Santos concordou. - Eu nasci e cresci aqui. - Eu estou interessada em arquitetura não-tradicional na área de Los Angeles. - eu disse a ela, a mentira rolando facilmente dos meus lábios. Eu pensei sobre isso com antecedência. - Isto é, não do estilo de Southwest. Você conhece algum bairro como isso? Eu ouvi que havia alguns mais vitorianos. Ela iluminou. - Oh, sim. Absolutamente. Assunto fascinante. Vitoriana, Cape Cod, Colonial...existem todos os tipos. Eu não tenho todas as informações comigo, mas eu poderia enviar um e-mail para você quando eu chegar em casa hoje à noite. Há vários em cima da minha cabeça, e eu sei de um historiador que poderia ajudá-la com os outros. - Isso seria ótimo, minha senhora. Muito obrigada. - Sempre feliz em ajudar um aluno estrela. - Ela piscou quando ela começou a se afastar. - Talvez no próximo semestre você vai fazer um estudo independente comigo. Desde que você pode sair para longe da Sra. Terwilliger. - Eu vou manter isso em mente. - disse. Assim que ela se foi, eu mandei uma mensagem para a Sra. Terwilliger. Sra. Santos vai me contar sobre os bairros históricos. A resposta veio rapidamente: Excelente. Venha agora. Eu fiz uma carranca quando eu digitei de


volta: Eu só tenho aqui. Ainda nem fui no meu quarto. Ao que ela respondeu: Então você pode chegar aqui muito mais rápido. Talvez isso fosse verdade, mas ainda tive tempo para colocar minha mala de volta no meu quarto e trocar de roupa da minha viagem. A Sra. Terwilliger vivia muito perto da escola e parecia que ela estava andando em círculos, quando cheguei na casa dela. - Finalmente. - disse ela. Olhei para o tempo. - Faz apenas 15 minutos. Ela balançou a cabeça e novamente usou a mesma expressão sombria que ela teve no deserto. - Mesmo isso pode ser demais. Siga-me. A casa da Sra. Terwilliger era um pequeno bangalô que poderia ter dobrado como uma loja de Nova Era ou, possivelmente, um abrigo de gato. O nível de desorganização definia meus dentes na borda. Livros de magia, incenso, estátuas, cristais, e todos os tipos de outros itens mágicos estavam em pilhas em todos os quartos da casa. Apenas na oficina dela, que ela me levou era limpo e arrumado, mesmo a níveis I, aprovado. Tudo era limpo e organizado, a ponto de ser rotulado e em ordem alfabética. A mesa de trabalho grande ficava no centro da sala, completamente colocada de lado, a não ser um colar deslumbrante que eu nunca tinha visto antes. A corrente era feita de ouro intrincados de loops, e o pingente era uma pedra vermelho escuro em um cenário de ouro de renda. - Granado. - eu perguntei. - Muito bom - disse ela, levantando o colar. A luz das velas no quarto parecia fazer com que cada parte dela brilhasse. - É lindo. - eu disse. Ela estendeu-o para mim. - É para você. Eu recuei, inquieta.


- Para...mim? Eu...Quero dizer, obrigada, mas eu não posso aceitar um presente como esse. - Não é um presente, - disse ela. - É uma necessidade. Um que pode salvar sua vida. Pegue e coloque. Eu me recusei a tocá-lo. - É mágico, não é? - Sim - ela disse. - E não me olhe assim. Não é diferente de qualquer um dos encantos que você fez para si mesma. - Só que qualquer coisa que você faria... - Eu engoli enquanto eu olhava para as profundezas daquela jóia vermelho sangue. - Vai ser muito mais poderoso do que qualquer coisa que eu possa criar. - Esse é exatamente o ponto. Agora aqui. - Ela enfiou tão perto de mim que quase balançou e bateu no meu rosto. Afastei de mim, estendi a mão e levei até ela. Nada aconteceu. Sem fumaça ou faíscas. Sem dor lancinante. Vendo seu olhar em expectativa, eu fixei em torno de meu pescoço, deixando a granada cair ao lado de minha cruz. Ela suspirou, seu alívio quase palpável. - Assim como eu esperava. - O que? - Eu perguntei. Mesmo que eu não senti nada de especial nisso, a granada estava pesada ao redor do meu pescoço. - Está mascarando sua capacidade mágica, - disse ela. Ninguém que se encontra com você deve ser capaz de dizer que você é um usuário de magia. - Eu não

sou um usuário

de

magia.

- eu lembrei ela

bruscamente. - Eu sou uma Alquimista. Um lampejo pequeno de um sorriso brincou sobre seus lábios. - É claro que você é, um que usa magia. E uma pessoa particularmente poderosa, que seria óbvio. Magia deixa uma marca em seu sangue que permeia todo o seu corpo.


- O que? - Eu não poderia ter ficado mais chocada se ela tivesse dito que eu tinha acabado de contrair uma doença mortal. - Você nunca me disse isso antes! - Não era importante. - disse ela com um encolher de ombros pequeno. - Até agora. Eu preciso de você escondida. Não tire isso. Nunca. Eu coloquei minhas mãos em meus quadris. - Minha senhora, eu não entendo. - Tudo será revelado no tempo. - Não. - eu disse. Naquele momento, eu poderia ter falado com Stanton ou qualquer um dos inúmeros outros que tinham me usado e me alimentado com pedaços de informações em toda a minha vida. Vai ser revelado agora. Se você me meteu em algo perigoso, então você precisa me tirar fora ou me dizer como fazer. A Sra. Terwilliger olhou para mim por vários momentos de calma. Um gato malhado cinza esfregou-se contra as minhas pernas, arruinando a gravidade do momento. - Você está certa. - disse ela, finalmente. - Eu te devo uma explicação. Sente-se. Eu me sentei em um dos bancos por cima da mesa, e ela se sentou à minha frente. Ela juntou as mãos na frente dela e parecia estar tendo um momento difícil para reunir seus pensamentos. Eu tive que me esforçar para manter a calma e ser paciente. Caso contrário, o pânico que tinha sido torturante para mim desde o deserto iria completamente me consumir. - Você se lembra da mulher que você viu na foto? - Ela perguntou por fim. - Sua irmã. A Sra. Terwilliger assentiu. - Veronica. Ela é 10 anos mais velha que eu e parece ter metade da minha idade, como você pode, sem dúvida, dizer. Ora, não é difícil criar uma ilusão. Se eu quisesse aparecer jovem e bonita, eu poderia aparecer. Mas Veronica? Ela


realmente conseguiu fazer seu corpo jovem e vibrante. É um tipo avançado, insidioso de magia. Você não pode desafiar a idade, sem fazer alguns sacrifícios. - Ela franziu a testa, e meu coração disparou. Criando juventude fez toda a minha parte Alquimista entrar num carretel de sensibilidades. Era quase tão ruim quanto a imortalidade Strigoi, talvez pior se ela estava falando de um ser humano fazer isso. Esse tipo de magia torcida não tinha lugar neste mundo. Suas próximas palavras mostrou o quão errado isso era. - Ou, no caso dela, sacrificando os outros. Sacrificar. A própria palavra parecia envenenar o ar. Ela se levantou e caminhou até uma prateleira, produzindo um recorte de jornal. Sem dizer nada, ela me entregou. Foi um artigo recente, de três dias atrás, falando sobre uma estudante da UCLA de 19 anos de idade, que tinha sido encontrado em coma em seu quarto do dormitório. Ninguém sabia o que tinha causado, e que a menina foi internada sem nenhuma indicação de quando ou se ela iria acordar. - O que é isso? - Eu perguntei, não tinha certeza que eu queria saber a resposta. Eu inspecionei o artigo mais perto, especialmente a imagem que continha. No início, eu perguntei por que o papel iria mostrar uma mulher dormindo. Então, lendo as letras pequenas, eu aprendi que a vítima em coma também estava exibindo alguns sintomas físicos inexplicáveis: cabelo listrado de cinza e pele seca e quebradiça. Os médicos estavam investigando doenças raras. Eu me encolhi, incapaz de acreditar no que vi. Ela era horrível, e eu não conseguia olhar para ela por muito tempo. E foi assim que, de repente entendi. Veronica não estava sacrificando vítimas com facas e altares de pedra. Ela realizou algum tipo de magia perversa sobre essas meninas que quebrou as regras da natureza, colocando-os no estado horrível. Meu estômago revirou, e eu agarrei a mesa de apoio.


- Esta menina foi uma das vítimas de Verônica. - confirmou a Sra. Terwilliger. - Isso é como ela mantém a sua juventude e beleza, levando-a de outros. Quando li isso, pensei, quase esperava que fosse algum usuário de outra magia que estava fazendo isso. Não que eu queria isso para ninguém. Seu feitiço de vidência confirmou que ela estava na área, no entanto, o que significa que é minha responsabilidade para lidar com ela. Me atrevi a olhar para o artigo novamente e senti a náusea novamente. A menina tinha 19 anos. Qual seria a sensação de ter a vida sugada para fora de você em uma idade tão jovem? Talvez o coma foi uma bênção. E quão corrupto e distorcido você tem que ser para fazer isso com alguém? Eu não sabia exatamente como a Sra. Terwilliger iria "lidar com" a sua irmã e não tinha certeza que eu queria descobrir. E ainda, se Verônica realmente estava fazendo coisas como esta a inocentes, então sim, alguém como a Sra. Terwilliger seria necessária para detêla. Um ataque mágico desta magnitude foi uma das coisas mais terríveis que eu poderia imaginar. Isso trouxe de volta todos os meus medos arraigados sobre a injustiça da magia. Como eu poderia justificar usá-lo quando ele era capaz de tal horror? Velhas lições Alquimistas

voltou

para

mim:

Parte

do

que

torna

os

Moroi

particularmente perigosos é a sua capacidade de trabalhar com magia. Ninguém deve ser capaz de rodar o mundo dessa forma, é errado, e pode facilmente ficar fora de controle. Eu atentei de volta ao presente. - Como é que eu entro nisso, minha senhora? Eu já descobri onde ela está. Por que eu estou em perigo? - Sydney. - disse a Sra. Terwilliger, olhando para mim de forma estranha. - Há poucas mulheres jovens lá fora, com suas habilidades. Junto com juventude e beleza, ela tem a intenção de sugar a magia de alguém de fora e usar para fazer-se muito mais poderosa. Você, minha querida, seria o golpe final para ela.


- Ela é como um Strigoi. - eu murmurei, incapaz de reprimir um calafrio. Embora os vampiros mortos-vivos poderiam fazer a festa com qualquer um, eles preferiam os Moroi porque eles tinham a magia em seu sangue. Beber sangue Moroi faz o Strigoi mais poderoso, e um pensamento arrepiante me bateu. - Praticamente um humano vampiro. - Algo assim. - disse Terwilliger. - Este amuleto deve esconder o seu poder, mesmo de alguém tão forte como ela. Ela não deve ser capaz de encontrá-la. Um gato de chita pulou em cima da mesa, e eu passei a mão sobre sua pele lustrosa, levando conforto no contato pequeno. - O fato de que você fica dizendo “deveria” me deixa um pouco nervosa. Por que ela ainda vêm procurando em Palm Springs? Será que ela sabe sobre mim? - Não. Mas ela sabe que eu estou aqui, e ela pode me verificar de vez em quando, então eu preciso escondê-la no caso de ela fazer isso. Estou em um dilema, no entanto, porque eu preciso encontrá-la, mas não posso fazer ativamente a caça. Se ela descobrir que eu estou investigando, ela vai saber que eu sei que ela está aqui. Eu não posso alertá-la. Se eu tiver o elemento surpresa do meu lado, é mais provável para detê-la. - Ela franziu o cenho. - Estou honestamente surpresa

que

ela

chegaria

tão

perto

de

mim

na

Califórnia.

Independentemente disso, eu preciso manter um perfil baixo até que seja hora de atacar. A Sra. Terwilliger me olhou de forma significativa, e eu senti um sentimento de afundamento em meu estômago quando comecei a montar o que ela estava dizendo. - Você quer que eu a caçe. - Não é tanto a caça como a recolha de alguns dados. Você é a única que eu posso confiar para fazer isso. Ela e eu podemos sentir uma a outra, se estamos perto, não importa o quanto nós tentamos esconder nossa magia. Eu sei que isto vai parecer chocante, mas eu


realmente acho que seria melhor se você caçasse ela, mesmo se você é a única que está atrás. Você é um dos poucos que posso confiar completamente e você está cheia de recursos o suficiente para fazer algo como isto. - Mas eu estaria me colocando lá fora. Você acabou de dizer que eu seria uma grande armadilha para ela. - As voltas e reviravoltas aqui eram imcompreensíveis. - Sim. É por isso que eu te dei o amuleto. Ela não vai sentir a sua magia, e se você é cautelosa em sua investigação, ela não deve ter nenhum motivo para observá-la. Eu ainda não estava seguindo a lógica aqui. - Mas por que eu? Você tem um clã. Se você não pode fazer isso sozinha, então deve ser outra pessoa-bruxa mais forte que pode fazer isso. - Duas razões. - disse ela. - Uma delas é que você tem excelentes habilidades investigativas, mais do que outros mais velhos do que você. Você é inteligente e engenhosa. A outra razão...bem, se outra bruxa vai atrás dela, ela poderia muito bem matar Verônica. - Seria uma coisa tão ruim? - Eu não gostava de violência e matar por qualquer meio, mas isso pode ser um caso em que se justifica, se pudesse salvar outras vidas. - Você disse que estava indo para 'cuidar dela.’ - Se eu não tenho escolha...se eu devo matá-la, então eu vou. Ela parecia abatida, e eu tive um momento de empatia. Eu amava minhas duas irmãs. O que eu faria se eu entrasse em um conflito mortal com uma delas? Claro, era difícil imaginar Zoe ou Carly cometer esse tipo de atrocidade. - No entanto, existem outras maneiras de neutralizar e subjugar um usuário mágico. Se há alguma maneira, qualquer maneira em tudo, eu posso fazer isso, eu vou. Minhas irmãs do clã não vão se sentir assim, é por isso que eu preciso de sua ajuda.


- Eu não posso. - Eu empurrei o banco para trás e levantei, quase pisando em um gato no processo. - Deve haver alguma outra maneira que você pode fazer isso. Você sabe que eu já estou atolada em assuntos sobrenaturais. - Eu realmente não conseguia admitir a verdadeira razão que eu queria evitar isso. Foi muito mais do que arriscar a minha vida. Até agora, todas as minhas interações mágicas tinha sido com a Sra. Terwilliger. Se eu assinasse para isso, eu mergulharia no mundo das bruxas, algo que eu jurei que nunca faria. A Sra. Terwilliger bateu o artigo, e sua voz era calma quando ela falou. - Você pode deixar isso acontecer com outras meninas, sabendo que há uma maneira que você poderia parar com isso? Eu nunca ouvi falar de nenhuma de suas vítimas acordando. A forma como esta mágica funciona, Veronica precisa renová-la a cada poucos anos, e que exige cinco vítimas dentro de um mês. Ela fez isso uma vez antes, e isso me pegou de surpresa. Desta vez, temos aviso. Quatro pessoas mais poderiam sofrer esse destino. Você quer isso? Lá estava. Ela me chamou por outra parte que tinha me chateado porque ela me conhecia muito bem. Eu não poderia deixar inocentes sofrerem, nem mesmo se isso significasse arriscar-me ou enfrentar os medos que me assombravam. Se eu pudesse parar isso, eu tinha que fazer. Ninguém merecia o destino daquela menina no papel. - Claro que não. - E não vamos esquecer que em breve poderá ser uma de suas vítimas. Eu toquei a granada. - Você disse que eu estou escondida. - Você está, por agora. E eu espero que contra toda a esperança você vai ficar assim. - Eu nunca tinha visto ela tão triste antes, e foi difícil de assistir. Eu estava acostumada com sua tagarelice, sua


natureza nonsense. - Mas aqui é algo que eu nunca te disse sobre como os usuários de magia sentem o outro. Algo que eu aprendi ao longo dos anos: nunca foi uma coisa boa quando as pessoas disseram: “Aqui está uma coisa que eu nunca te disse.” Eu me preparei. - Os usuários de magia não treinados tem uma sensação especial, que é exclusivo do mais experiente. - explicou ela. - Há um oh, selvageria sobre a magia que o envolve. É fácil para as bruxas avançadas sentirem. Meu clã mantém o controle de usuários de magia novatos, mas esses são segredos bem guardados. Verônica não terá acesso a esses nomes, mas há feitiços que ela pode usar que pode pegar em alguns dos que tem uma indomada magia perto dela. É como ela provavelmente encontrou essa pobre garota. – A Sra. Terwilliger apontou para o artigo. A ideia de ter alguma aura "selvagem" mágica era tão chocante quanto ela dizendo que eu tinha magia no meu sangue. - Quando ela absorve uma vítima. - disse Terwilliger, - ela recebe uma rajada de selvageria. Ela desaparece rapidamente, mas quando ela possui, ela pode rapidamente aumentar a sua capacidade de vidência de outra vítima destreinada. As outras vítimas que ela toma, tem uma maior habilidade que vai crescer. Há uma chance.. – disse Terwilliger gravemente. - que poderia ser o suficiente para quebrar a granada. Eu não sei. - Ela estendeu as mãos. - Então você está dizendo...que com cada vítima que ela ataca, a chance de que ela vai me encontrar aumenta. - Sim. - Tudo bem. Eu vou ajudá-la a caçar ela. - Eu empurrei todos os meus medos e dúvidas de lado. As apostas eram muito altas. Minha vida, as outras meninas...Veronica tinha que ser parada para todos nós. Alguém como ela não podia ser autorizado a continuar assim. - Não, há mais. - acrescentou a Sra. Terwilliger. Sério?


- Mais do que caçar uma bruxa má que quer drenar a minha vida e poder? - Se pararmos Verônica de encontrar vítimas menos poderosos, podemos salvar suas vidas e limitar sua capacidade de encontrar você. - Ela produziu um saco de veludo e esvaziou-o sobre a mesa. Vários círculos pequenos de ágata caiu. - Estes são os encantos que têm alguma capacidade de mascarar magia. Não tão forte como a granada, que levaria muito tempo. Mas eles são uma solução rápida que pode salvar algumas das vidas dessas outras meninas. Eu sabia onde isso ia. - E você quer que eu entregue. - Eu sinto muito. Eu sei que eu vou te dar algumas tarefas muito difíceis aqui. Isso estava ficando cada vez pior. - Difícil? Isso é um eufemismo. E deixando de lado o fato de que você quer que eu encontre uma mulher que pudesse drenar a minha vida, há também o detalhe muito pequeno que os Alquimistas iam pirar se eles souberem que eu estava envolvida com isso. A Sra. Terwilliger não respondeu imediatamente. Ela apenas me olhou. Um gato preto pulou ao lado dela e juntou-se ao olhar. Seu olhar de olhos amarelos parecia dizer “Faça a coisa certa.” - Por onde eu começo? - Eu perguntei por fim. - Encontrar esse bairro é parte dele, certo? - Sim. E eu vou te dizer onde encontrar suas vítimas potenciais, se você vai fazer o trabalho braçal advertindo-os. Meu clã mantém controle dos mesmos. Elas são meninas como você, aqueles com o poder que se recusam a treinar e não tem mentor para cuidar deles. Uma vez que temos uma solução clara sobre Verônica a si mesma... – os olhos da Sra. Terwilliger estavam endurecidos. - Bem, então. Isso é quando eu vou entrar em cena. Mais uma vez, eu me perguntava se eu realmente queria saber o que isso implicava.


Um momento depois, ela acrescentou. - Ah, e eu pensei que seria uma boa ideia para obscurecer a sua aparência também. Eu iluminei. Eu não poderia explicar, mas de alguma forma, me fez sentir imensamente melhor. - Há um monte de feitiços para isso, certo? - Eu tinha visto um certo número deles em meus estudos. Mesmo se eu tivesse de usar magia, era melhor pelo menos um aspecto diferente. - Sim... - Ela bateu os dedos contra a mesa. - Mas o amuleto pode não ser capaz de esconder que você veste um feitiço “ativo”, que seria então derrotar todo o propósito. O que eu estava realmente esperando era que seu "irmão" Adrian poderia ser capaz de ajudar. Minhas pernas se sentiam fracas, e eu sentei. - Por que na terra Adrian deve ser envolvido nisso? - Bem, ele parece que ele faria qualquer coisa por você. - Eu olhei para ela, perguntando se havia um duplo sentido nisso. Seu olhar era muito longe, seus pensamentos se voltaram para dentro. Ela significava suas palavras honestamente. - Verônica não seria capaz de detectar magia de vampiro. Seu poder...o elemento espiritual que ele estava me contando sobre...pode confundir a mente, certo? Afetar o que os outros podem ver? - Sim... Ela se concentrou em mim novamente, balançando a cabeça em satisfação. - Se ele pudesse te acompanhar, ajudar a confundir quem se encontra com você...bem, iria oferecer um nível extra de proteção. Eu ainda não sabia tudo o que eu estaria fazendo com a caça a irmã da Sra. Terwilliger, mas parecia que, no mínimo, haveria uma viagem para Los Angeles no meu futuro. Eu, presa em outro espaço pequeno com Adrian, enquanto ele continuava com aquele irritante "amar de longe." Eu estava tão envolvida no turbilhão emocional que


a ideia fez com que levasse um momento para perceber o problema maior que estava me deixando aqui. - Você percebe o que você está pedindo? - Eu disse calmamente. Eu toquei a granada novamente. - Para ser uma parte disto, você está me pedindo para me expor tanto a magia humana e magia de vampiro. Tudo o que eu tento evitar. A Sra. Terwilliger bufou, e hoje à noite pela primeira vez, eu vi um retorno de sua atitude habitual divertida. - Se eu não estou enganada, você mesma se expõe a ambos os tipos de magia já há algum tempo. Assim, não pode ir muito contra suas crenças. - Ela fez uma pausa significativa. - Se alguma coisa, parece que vai contra as crenças dos alquimistas. - As crenças dos alquimistas são minhas crenças. - eu disse rapidamente. Ela arqueou uma sobrancelha. - São? Esperava que suas crenças seriam suas crenças. Eu nunca pensei sobre isso dessa forma antes, mas de repente eu

esperava

verdadeiras.

desesperadamente

que

suas

palavras

fossem


Capítulo 6 Segui as instruções da Sra. Terwilliger diligentemente. Eu nunca tirei a granada, nem mesmo quando eu dormia ou tomava banho. Quando as aulas começaram na manhã seguinte, eu usava sob a camisa para evitar qualquer questão. Não exatamente gritar "amuleto mágico", mas certamente era bem visível. Para minha surpresa, a Sra. Terwilliger não estava em sua aula de história do primeiro período,

o

que

me

pergunto

se

ela

estava

fazendo

alguma

investigação própria. - A Sra. T. tem alguma missão secreta? Eu vacilei e percebi que tinha estado perdida em meus próprios pensamentos. Virei-me e encontrei Trey Juarez ajoelhado perto de minha mesa. A aula ainda não tinha começado, e uma professora substituta de confusa aparência estava tentando fazer sentido no caos da mesa da Sra. Terwilliger. Trey sorriu para minha surpresa. - O que? - Eu perguntei. Se ele tivesse alguma forma e descobriu sobre Verônica? Tentei manter a calma. - O que te faz dizer isso? - Eu só estava brincando. - disse ele. - Este é o meu segundo ano e ela nunca perdeu um dia. - Ele me deu um olhar perplexo. - A menos que você realmente sabe algo que eu não saiba? - Não. - eu disse rapidamente. - Estou tão surpresa quanto você está. Trey me examinou alguns momentos. Nós éramos bons amigos aqui em Amberwood, com apenas um problema extraordinariamente pequeno pendurado entre nós. Sua família estava ligada aos Guerreiros da Luz. No mês passado, os guerreiros haviam tentado matar Sonya em um ritual bárbaro de execução. Trey tinha sido um dos contendores para a "honra" de matá-la, embora ele tivesse jogado a partida no


último minuto. Eu tentei apelar para os guerreiros para liberar Sonya, mas não tinham me escutado. Ela e eu fomos salvos quando um grupo de ataque de dhampirs apareceu e derrotou os Guerreiros. Stanton ajudou a orquestrar o ataque, mas não se preocupou em me dizer que eu estava sendo usada como uma distração. Era parte do que tinha alimentado minha desconfiança dela e os Alquimistas. Trey tinha sido acusado de ter me envolvido com o ritual, e os guerreiros haviam banido seu pai e ele. Assim como eu havia sido pressionada pelos alquimistas, Trey tinha a doutrina dos Guerreiros perfurada com ele toda a sua vida. Seu pai era tão envergonhado da desavença que ele mal conseguia falar com Trey agora. Eu sabia o quanto Trey queria a aprovação de seu pai, de modo que este silêncio era mais doloroso para ele do que o tratamento dos Guerreiros. Nossas alianças fizeram as coisas difíceis. Quando eu uma vez timidamente dei a entender a Trey que temos ainda questões pendentes entre nós, ele respondeu com um riso amargo. - Você não tem nada com o que se preocupar mais. - ele me disse. - Eu não estou escondendo quaisquer planos secretos de você, porque eu não conheço nenhum. Eles não nos dizem nada. Eu não sou um deles, na medida em que está em causa. Eu fui cortado para sempre, e aceitar um milagre para que eles nos levem de volta. - Teria sido algo em seus olhos escuros que me disse que se ele nunca pudesse encontrar esse milagre, ele saltaria sobre ele. Eu tentei perguntar sobre isso, mas ele não quis discuti-lo mais. - Eu quero ser seu amigo, Melbourne. - ele disse. - Eu gosto de você. Nunca vamos resolver nossas diferenças. Poderia muito bem ignorá-la pois temos que estar juntos todos os dias. Surpreendentemente,

a

nossa

amizade

tinha

conseguido

sobreviver todo aquele drama. A tensão estava sempre ali, à espreita entre nós, mas nós tentamos ignorá-lo. Embora ele sabia sobre o meu envolvimento no mundo vampírico, ele não tinha ideia de que eu


estava tomando por detrás das cenas lições mágicas com a nossa professora de história, é claro. Se ele achava que eu estava mentindo sobre a ausência da Sra. Terwilliger hoje, ele não insistiu no assunto. Ele acenou para a subs. - Este vai ser um dia desastroso. Eu afastei minha mente longe de intriga mágica. Depois de ser educada em casa a maior parte da minha vida, algumas partes do mundo da escola "normal" eram um mistério. - O que é que significa, exatamente? - Normalmente, os professores deixam para os subs um plano de aula, dizendo-lhes o que fazer. Eu vi a Sra. Terwilliger. Ela disse, "distraí-a". - Trey balançou a cabeça em simpatia fingida. - Eu espero que você possa lidar com a perda de tempo acadêmica. Quer dizer, ela provavelmente vai dizer algo como: "Trabalho em casa." Mas ninguém vai. Ele estava certo. Eu não tinha certeza se eu poderia lidar com isso. - Por que não? Isso pareceu diverti-lo imensamente. - Melbourne, às vezes você é a única razão de eu vir para a aula. Eu vi seu plano para o seu estudo independente, por sinal. Ele disse que não tem sequer que ficar por aqui. Você é livre para correr solta. Eddie, sentado por perto, ouviu e zombou. - Para a biblioteca? Isso fez com que os dois rissem, mas minha mente já estava girando com possibilidades. Se eu realmente não tinha que ficar para minha última aula, eu estaria livre para sair do campus cedo. Eu poderia ir para Los Angeles para procurar Verônica ou não. Adrian não estava de volta. Por um momento, eu brinquei com a ideia de investigação sem a sua magia de espírito, mas os avisos da Sra. Terwilliger ecoou na minha mente. A caça teria que esperar. Mas eu ainda podia olhar para Marcus Finch. Santa Bárbara ficava a


duas horas de distância. Isso significava que eu tinha tempo suficiente para conduzir até lá, fazer alguma investigação de Marcus, e ainda estar confortavelmente de volta para o toque de recolher da escola. Eu não tinha a intenção de olhar para ele até este fim de semana, mas percebi agora que eu não deveria perder esta oportunidade. A tarefa da Sra. Terwilliger pesava sobre mim também, mas eu não podia fazer nada sobre isso até que Adrian voltasse esta noite. Marcus Finch tinha sido um mistério para mim desde o momento que eu descobri que ele era um ex-Alquimista. Percebendo que eu poderia realmente obter algumas respostas hoje fez meu coração bater na prorrogação. Uma coisa era suspeitar dos Alquimistas. Era um assunto completamente diferente aceitar que eu poderia estar à beira de ter essas suspeitas confirmadas. Foi realmente do tipo aterrorizante. No decorrer do dia, eu ficava mais e mais decidida a tornar a unidade. Eu tive que enfrentar isso mais cedo ou mais tarde, e eu poderia muito bem acabar com isso. Pelo que eu sabia, Marcus poderia simplesmente ter ido passear em Santa Barbara e poderia ter ido embora. Eu não queria repetir o feitiço de vidência se eu poderia ajudá-lo. Com certeza, quando eu apareci para o que, normalmente, seria o meu estudo independente, no final do dia, o sub (olhando extremamente cansado depois de um dia de seguir os passos da Sra. Terwilliger) me disse que eu estava livre para ir. Eu agradeci e corri para meu quarto, consciente do relógio que estava passando. Eu não sabia exatamente o que eu estaria enfrentando em Santa Barbara, mas planejava para estar preparada para tudo. Eu mudei do meu uniforme da Amberwood, optando por jeans e uma blusa preta lisa. Ajoelhada na minha cama, puxei para fora uma grande caixa metálica de debaixo dela. À primeira vista, a caixa


parecia um kit de maquiagem. No entanto, ele tinha um bloqueio complicado que exigia uma chave e combinação. Dentro estava o meu conjunto de química Alquimista, uma coleção de produtos químicos que provavelmente eu seria expulsa da escola, se fosse encontrado, uma vez que parecia que era capaz de fabricar drogas ilegais. E realmente, alguns dos compostos provavelmente eram muito questionáveis. Selecionei alguns princípios. Uma era uma fórmula que foi geralmente utilizado para dissolver corpos Strigoi. Eu não esperava encontrar qualquer Strigoi em Santa Barbara, mas o composto também pode ser usado para desintegrar metal. Eu escolhi um outro casal de misturas, como um que poderia criar uma fumaça de espionagem digna de tela e cuidadosamente embrulhei todos eles antes de deslizar em meu saco de mensageiro. Então eu fechei a caixa novamente e deslizei de volta para debaixo da cama. Depois de um pouco de consideração, eu respirei fundo e peguei outra caixa escondida. Esta era nova em minha coleção. Ela continha vários encantos e poções que eu tinha feito sob a instrução da Sra. Terwilliger. Olhando para o seu conteúdo, eu senti meu estômago se contorcer. Nunca em meus sonhos mais loucos imaginei que teria tal kit. Quando nos conhecemos, eu só criava encantos sob coação. Agora eu tinha vários que eu tinha feito de boa vontade, e se o que ela disse sobre sua irmã era verdade, eu precisava começar a fazer mais. Com grande relutância, eu escolhi uma variedade destes também e embalei-os com os produtos químicos alquimista. Depois de um momento de consideração, eu coloquei um par no meu bolso para acesso rápido. A unidade de Santa Bárbara foi fácil. A esta hora do dia, dezembro tinha esfriado um pouco do clima do sul da Califórnia, mas o sol ainda estava fora, fazendo parecer mais quente do que realmente era. E, enquanto eu dirigia até a costa, o deserto deu lugar a condições mais temperadas. Chuva aumentou nas partes média e


norte

do

Estado

exuberante

e

nesta

verde.

época

Eu

do

ano,

realmente

tornando

amava

a

Palm

paisagem Springs

e

Amberwood, mas haviam momentos em que eu não teria me importado se a atribuição de Jill tivesse nos levado até aqui. Encontrar a Old Mission Santa Barbara não foi difícil. Era uma atração turística bem conhecida e muito fácil de detectar, uma vez que

estavam

nas

proximidades.

A

igreja

alastrando

parecia

exatamente como tinha na minha visão, salvo que estava iluminado no meio da tarde, pelo sol, em vez do crepúsculo. Eu segui para o lado da estrada em um bairro residencial e olhei para o estuque bonito e terracota da obra-prima. Eu gostaria de ter tempo para ir em uma excursão, mas, como tantas vezes o fez, meus desejos pessoais tiveram que ficar em segundo lugar de um objetivo maior. Agora veio a parte mais difícil, tendo que descobrir onde o estúdio que eu tinha visto poderia ser. O bairro que eu estacionei era semelhante ao que eu tinha observado na visão. Os ângulos não foram exatos, no entanto, e esta rua só continha casas. Eu estava quase certa de que o estúdio que eu tinha visto tinha sido em um prédio de apartamentos. Mantendo a missão em vista, eu dirigi algumas ruas mais e encontrei o que eu esperava: vários blocos contendo complexos de apartamentos. Uma boa olhada e parecia não ser o que eu tinha visto. O estúdio parecia descoberto e degradado. Os outros dois edifícios na rua pareciam mais prováveis candidatos. Eu dirigi a cada um e caminhei em torno de seus fundamentos, tentando imaginar o que poderia ser o ângulo quando visto a partir de uma janela maior. Eu gostaria de ter

tido

a

chance

de

realmente

olhar

para

baixo

para

o

estacionamento na visão. Ele teria me dado uma ideia melhor do chão. Depois de muito pensar, eu finalmente deduzi que o estúdio tinha sido no terceiro ou quarto andar. Desde que um dos prédios


tinha apenas dois andares, me deu uma ideia muito positiva sobre o local correto. Pisando no interior do edifício fiquei feliz por ter embalado desinfetante para as mãos na minha bolsa. As salas pareciam que não tinham sido varridas em mais de um ano. As paredes estavam sujas, sua pintura lascada. Pedaços de lixo estavam no chão. Teias de aranha penduradas em alguns dos cantos, e eu orei que as aranhas fossem o único inseto rastejador de lá. Se eu visse uma barata, eu provavelmente iria fugir. O prédio não tinha recepção que eu poderia fazer inquéritos, então eu fui até uma mulher de meia-idade, quando ela estava saindo. Ela fez uma pausa, olhando-me com cautela. - Oi. - eu disse, esperando que eu não olhasse ameaçadora. - Eu estou tentando encontrar um amigo meu, mas eu não sei qual o apartamento que ele vive. Talvez você o conhece? Seu nome é Marcus. Ele tem uma tatuagem azul em seu rosto. - Vendo seu olhar vazio, eu repeti a pergunta em espanhol. Compreensão mostrou em sua expressão, mas uma vez que ela ouviu a minha pergunta inteira, sua única resposta foi um balançar de cabeça breve. Eu nem sequer tive tempo para mostrar a imagem de Marcus. Passei meia hora fazendo a mesma coisa sempre que eu vi moradores entrando ou saindo. Fiquei lá fora neste momento, preferindo uma área iluminada brilhantemente público para o interior sombrio. Algumas das pessoas com quem falei estavam um pouco esboçado, e um casal de rapazes me olhou de uma forma que eu definitivamente não gostei. Eu estava prestes a desistir quando um rapaz mais jovem se aproximou de mim. Ele parecia ter cerca de 10 anos e estava jogando no estacionamento. - Eu sei quem é o cara que você está procurando. - disse-me em Inglês. - Mas o seu nome não é Marcus. É Dave.


Considerando o quão difícil Marcus tinha sido para encontrar, eu não estava completamente surpresa que ele estava usando outro nome. - Você tem certeza? - Eu perguntei ao menino. Mostrei-lhe a fotografia. - Esse é o cara? Ele acenou com a cabeça ansiosamente. - Esse é o único. Ele é quieto. Minha mãe diz que ele provavelmente está fazendo coisas ruins. Grande. Só o que eu precisava. - Você sabe onde ele mora? O garoto apontou para cima. - No topo. 407. Agradeci-lhe e voltei para dentro, dirigindo-me ao quarto andar em escadas que rangiam todo o caminho. O apartamento estava perto do fim do corredor, ao lado de um que foi arruinado com música detestável. Eu bati na 407 e não obtive uma resposta. Não tenho certeza se o ocupante tivesse me ouvido, bati mais alto e recebi o mesmo resultado. Eu olhei para a maçaneta da porta, considerando se derretia com meus produtos químicos alquimista. Imediatamente, eu afastei o pensamento. Mesmo em um edifício vergonhoso como este, um vizinho pode estar preocupado em me ver quebrando em um apartamento. Eu não queria atrair atenção. Esta situação foi ficando cada vez mais frustrante, e eu não poderia passar o dia todo aqui. Eu corri com minhas escolhas. Todo mundo disse que eu era tão inteligente. Certamente havia alguma solução aqui que iria trabalhar? Esperando no salão não era uma opção. Não havia como dizer quanto tempo pode levar para Marcus ou "Dave" aparecer. E honestamente, menos tempo gasto na sala suja, melhor. Se houvesse alguma maneira de entrar que não envolvesse, na verdade, destruindo.. É quando a solução veio até mim. Eu gemi. Não era uma que eu


gostava, mas seria para considerar o trabalho feito. Fui para fora e acenei Olá para o menino quando ele praticou pulando as etapas. - Dave estava em casa? - Perguntou. - Não. O menino assentiu. - Ele normalmente não está. Isso, pelo menos, seria útil para este próximo plano louco. Deixei o menino e caminhei ao redor da lateral do prédio, que estava misericordiosamente deserta. Lá, agarrando-se à parede exterior, fui a escada de incêndio mais frágil que eu já vi. Considerando o quão rígidos padrões de segurança tinham na Califórnia, fiquei surpresa que isso não havia sido relatado. É claro que, se tivesse, não parecia provável que o proprietário deste prédio teria sido rápido a agir, a julgar pelo resto das condições que eu tinha visto. Duplo controle que ninguém estava por perto, eu estava na sombra da escada de incêndio, esperando, mais ou menos escondido de mim. Do saco do mensageiro, eu produzi um dos meus encantos: um colar feito de penas de ágata e corvo. Eu deslizei sobre a minha cabeça e recitei um encantamento grego. Senti o calor da corrida da magia através de mim, mas não vi mudanças ostensivas. Teoricamente, eu deveria ser invisível para aqueles que não sabiam olhar para mim. Se isso tivesse realmente acontecido, eu não poderia dizer. Eu acho que eu ia descobrir se alguém viesse e exigisse saber por que eu estava subindo em um apartamento através da escada de incêndio. Uma vez que eu pisei nele, eu quase terminei o plano. A escada de incêndio toda guinchou e balançou. O andaime estava tão enferrujado, eu não teria ficado surpresa se desintegrasse sob meus pés. Eu fiquei congelada onde estava, tentando trabalhar até a coragem de ir em frente. Lembrei-me de que este poderia ser a minha

única

chance

de

encontrar

Marcus.

O

menino

no


estacionamento tinha confirmado que ele vivia aqui. Eu não podia perder esta oportunidade. Engoli em seco e segui em frente, cautelosamente mudando de andar em andar. Quando cheguei ao quarto, olhei para baixo com espanto, incapaz de acreditar que a escada de incêndio ainda estava intacta. Agora eu tinha um problema novo. Eu descobri onde o estúdio de Marcus era, e era uma janela sobre a rota de fuga. A distância não era grande, mas na borda estreita entre eles seria a sensação de quilômetros. Igualmente assustador foi o fato de que eu teria que entrar através da janela. Ela estava fechada, o que fazia sentido se ele estava escondido. Eu tinha um par de amuletos mágicos capazes de fundir um vidro, mas eu não confio em mim mesma para ser capaz de usá-los no parapeito estreito que significava que eu tinha que ver o quão bom o meu objetivo se tornou em EF. Ainda consciente da escada de incêndio precária, eu tirei uma pequena bolsa de pó de minha bolsa de mensageiro. Dimensionando até a distância, eu joguei a bolsa rígida em direção à janela, recitando um feitiço e perdi. A bolsa atingiu o lado do edifício, levantando uma nuvem de poeira, e começou a comer o estuque. Estremeci quando a parede se dissolveu. O feitiço acabou se extinguindo, mas deixou um buraco visível por trás. Ele não tinha ido até o fim, e eu supunha, dado o estado do edifício, ninguém sequer provavelmente vai notar. Eu tinha uma bolsa ao lado e tive que fazer valer a pena. O painel era relativamente grande, e não havia nenhuma maneira que eu poderia perder este tempo. Eu joguei duro e fiz contato. O pó esmagou contra a janela. Imediatamente, a reação começou a espalhar-se e fundiu o vidro. Ele escorria como gelo. Agora, observando ansiosamente, eu queria que a reação continuasse por tanto tempo quanto possível. Eu precisava de um buraco grande o


suficiente para passar. Felizmente, quando ele parou, eu me senti confiante de que eu poderia entrar, se eu pudesse ir até lá. Eu não tinha medo de altura, mas como eu rastejei ao longo da borda, eu senti como se estivesse em cima de um arranha-céu. Meu coração estava na minha garganta, e eu ponderei a logística de sobreviver a uma queda do quarto andar. Minhas mãos começaram a suar, e eu pedi para elas pararem. Eu não ia vir até aqui apenas para ter minhas mãos escapando no último minuto. Como se viu, era o meu pé que escorregou. O mundo girou, e eu freneticamente atirei os braços para fora, para apenas pegar o interior da janela. Puxei-me em direção a ela, e com uma onda cheia de adrenalina e esforço consegui colocar para o interior a minha outra perna. Eu respirei fundo e tentei acalmar meu coração. Eu estava segura. Eu estava indo para fazê-lo. Um momento depois, eu era capaz de me puxar para cima e balançar a minha outra perna ao redor da borda, caindo para o quarto. Caí no chão, minhas pernas fraca e trêmula como eu trabalhei a minha respiração frenética. Essa foi por pouco. Se meus reflexos tivessem sido um pouco mais lento, eu descobriria exatamente o que quatro andares poderia fazer para o corpo humano. Enquanto eu amava a ciência, eu não tinha certeza de que era uma experiência que eu precisava tentar. Talvez estar tanto em torno de dhampirs ajudou a melhorar minhas habilidades físicas. Uma vez que eu tinha recuperado, eu era capaz de avaliar o que me rodeava. Lá estava eu, no estúdio, exatamente o mesmo que eu tinha visto na minha visão. Olhando para trás de mim, eu avaliei a missão,

verificando

que

eu

tinha

mesmo

a

vantagem.

Yup.

Exatamente o mesmo. Dentro, eu reconheci o colchão no chão e os pertences escassos. Do outro lado da sala, a porta que conduz para fora tinha um número novo, muito estado-de-arte para fechaduras. Dissolvendo a maçaneta externa não teria feito nenhum bem.


- E agora? - Eu murmurei. Eu tinha feito isso. Eu não vi Marcus, mas eu teoricamente tinha o seu apartamento. Eu não tinha certeza do que eu estava procurando, mas poderia muito bem começar em algum lugar. Primeiro, eu examinei o colchão, não que eu esperava muito. Ele não conseguia esconder pertences como o meu podia. Poderia, no entanto, esconder ratos e só Deus sabia o que mais debaixo dela. Eu cuidadosamente levantei um canto, sabendo que deve ser careta, mas não havia nada por baixo, vivo ou não. Meu próximo alvo foi uma pilha pequena e desordenada de roupas. Passando por roupa suja de alguém (porque eu achava que era sujo, se ele estava sentado no chão) não era muito melhor do que olhar para o colchão. Um cheiro de amaciante me disse que essas roupas estavam, de fato, recentemente lavadas. Eram roupas de um cara comum, provavelmente roupas de um cara jovem, que se encaixa com o perfil de Marcus. Jeans. Camisetas. Boxers. Como eu vasculhava a pilha, eu quase começei a dobrá-las e tinha que me lembrar que eu não queria deixar qualquer sinal de minha passagem. É claro, a janela derretida era uma espécie de oferta inoperante. Um casal de itens pessoais nas proximidades, uma escova de dentes

e

desodorante

com

uma

fragrância

inexplicavelmente

chamado como "Oceano Fiesta". Além de uma cadeira de madeira e uma TV antiga, havia apenas uma outra forma de conforto e entretenimento na sala estéril: uma cópia maltratada de O Apanhador no Campo de Centeio. – Ótimo. - eu murmurei, perguntando o que é dito sobre uma pessoa que não possuía outros bens pessoais. - Marcus Finch é pretensioso e auto-intitulado. O banheiro do estúdio era claustrofóbico e mal teve espaço suficiente para um único chuveiro, vaso sanitário e pia pingando. A julgar pelo mofo no chão, uma boa quantidade de água pulverizava


para fora quando o chuveiro estava ligado. Uma grande aranha negra correu pelo ralo, e eu rapidamente desisti. Derrotada, fui investigar um armário perto da porta estreita. Depois de todo o meu trabalho, eu tinha encontrado Marcus Finch, mas não tinha realmente o encontrado. Minha busca não tinha revelado nada. Eu tive pouco tempo para esperar por ele, e sinceramente, se eu fosse ele e voltasse para casa para uma janela derretida, eu prontamente sairia pela porta e nunca mais voltava. Se corresse, eu não teria escolha, mas para vidência e manter... - Ahh! Algo saltou para mim quando eu abri a porta do armário e não era um rato ou uma barata. Ele era um homem. O closet era pequeno, por isso foi um milagre que ele ainda cabia dentro. Eu não tinha tempo para processar a logística espacial, no entanto, porque o punho disparou e me cortou do lado do rosto. Na minha vida, eu estava batendo contra as paredes de tijolo e mordida por um Strigoi. Eu nunca tinha levado um soco, no entanto, e não foi uma experiência que eu queria repetir. Eu tropecei para trás, tão surpresa que eu não conseguia nem reagir imediatamente. O

cara

pulou

atrás

de

mim,

segurando

meus

braços

e

balançando-me quando ele se inclinou. - Como é que vocês me encontraram? - Exclamou. - Quantos mais estão vindo? Dor irradiada através do lado do meu rosto, mas de alguma forma, eu consegui reunir meus sentidos. No mês passado, eu tinha feito um curso de auto-defesa com um criador de Chihuahua ligeiramente instável que se parecia com um pirata. Apesar do comportamento pouco ortodoxo de Malaquias Wolfe, ele realmente nos ensinou algumas habilidades legítimas, e eles voltaram para mim agora. Eu dei uma joelhada no estômago do meu atacante. Seus olhos azuis arregalaram com o choque quando ele me soltou e caiu no chão. Não se manteve por baixo por muito


tempo, no entanto. Ele ficou de volta em seus pés e veio atrás de mim, mas até então, eu peguei a cadeira e estava usando-a para mantê-lo longe, a forma como um domador de leões faria. - Para trás. - eu disse. - Eu só quero... Ignorando minhas ameaças, o cara empurrou para a frente e agarrou uma das pernas da cadeira, puxando-a para longe de mim. Ele havia me apoiado em um canto, e apesar de alguns truques que Eddie me ensinou, eu não estava confiante na minha própria capacidade de dar um soco. No entanto, eu coloquei uma boa luta quando meu atacante tentou agarrar-me novamente. Nós lutamos e caímos no chão. Eu chutava e arranhava como uma louca, fazendo as coisas o mais difícil possível. Foi só quando ele conseguiu fixar-me com todo o seu corpo que eu fiquei sufocada. Eu tinha liberdade suficiente para alcançar a mão no meu bolso, no entanto. - Quem te mandou? - Ele exigiu. - Onde estão os outros? Eu não respondi. Em vez disso, peguei um pequeno frasco e tirei a tampa com uma mão. Imediatamente, vapor amarelo nocivo com a consistência de gelo seco saiu para fora dele. Eu empurrei-o para o rosto do rapaz. Ele recuou em desgosto, e lágrimas brotaram em seus olhos. A própria substância era relativamente inofensiva, mas suas emanações atuou como uma espécie de spray de pimenta. Ele me soltou, e com força que eu nem sabia que eu tinha, eu consegui rolar por cima dele e segurá-lo. Eu dirigi meu cotovelo em seu pulso, e ele fez um pequeno grunhido de dor. Com o outro braço, eu acenei o frasco com ameaça tanto quanto eu faria com um facão. Isso não seria enganá-lo por muito tempo, mas espero que ele ia comprar-me algum tempo para reavaliar a minha situação. Agora eu finalmente fui capaz de dar uma boa olhada para ele e fiquei aliviada ao ver que eu pelo menos consegui meu objetivo. Ele tinha um rosto jovem e bonito, com uma tatuagem de índigo na bochecha. Foi um projeto abstrato que parecia uma treliça de luas


crescentes. Um brilho prateado fraco superou algumas das linhas azuis. - Prazer em conhecê-lo, Marcus. Então, a coisa mais surpreendente aconteceu. Através de seus olhos lacrimejantes, ele estava tentando obter uma boa olhada em mim também. Reconhecimento apareceu em seu rosto enquanto ele piscou em foco. - Sydney Sage. -ele engasgou. - Eu estava procurando por você. Eu não tinha tempo para me surpreender porque de repente eu ouvi o clique de uma arma, e um barril tocou no fundo da minha cabeça. - Saia de cima dele. - uma voz exigia. - E solte a bomba de fumaça.


Capítulo 7 Eu poderia estar determinada a encontrar Marcus, mas eu certamente não ia argumentar contra uma arma. Levantei minhas mãos no ar e depois me levantei lentamente, mantendo as costas para o recém-chegado. Assim como com cuidado, eu me afastei de Marcus e deixei o frasco no chão. Fumaça ainda flutuava de fora, mas a reação iria acabar em breve. Então me atrevi a espiar por trás de mim. Quando eu vi a menina que estava ali, eu mal podia acreditar nos meus olhos. - Você está bem? - Ela perguntou a Marcus. Ele estava cambaleando, pondo-se de pé. - Eu saí logo que chamou. - Você! - Eu não conseguia controlar nada mais articulado. A menina que está diante de mim estava perto de minha idade, com longos cabelos emaranhados loiro. Ela ainda estava com a arma em mim, mas um pequeno sorriso apareceu em seu rosto. - É bom ver você de novo. O sentimento não era mútuo. Eu tinha a visto pela última vez quando eu enfrentei os guerreiros em sua arena. Ela estava carregando uma arma lá também e tinha um grunhido perpétuo em seu rosto. Ela me empurrou ao redor e me ameaçou, não fazendo nenhum segredo de como herética ela pensava que a minha defesa de Sonya era. Embora ela parecia muito mais calma agora do que ela estava com os fanáticos, eu ainda não podia ignorar o que ela era, ou o que as implicações eram. Eu me virei para Marcus em descrença. Ele estava segurando o pulso que tinha pregado com meu cotovelo. - Você...você é um deles! Um dos Guerreiros da Luz!


Eu não acho que eu já tinha ficado para baixo na minha vida. Eu tinha tantas esperanças presas em Marcus. Ele havia se tornado maior que a vida, em minha mente, algum salvador rebelde que ia contar-me todos os segredos do mundo e libertar-me de ser outra engrenagem na máquina dos Alquimistas. Mas era tudo uma mentira. Clarence tinha mencionado que Marcus tinha convencido os guerreiros para deixá-lo sozinho. Eu achava que era porque Marcus teve

alguma

influência

incrível

que

pudesse

usar

contra

os

Guerreiros, mas, aparentemente, a chave para sua influência era que ele era um deles. Ele olhou por cima de seu pulso. - O quê? Esses loucos? Claro que não. Eu quase apontei para a menina, mas decidi que seria melhor não fazer movimentos bruscos. Eu me conformei com um aceno de cabeça em sua direção e percebi que todas as fechaduras da porta haviam sido desfeita. Eu estava tão apanhada na luta com Marcus que eu não tinha ouvido serem destrancadas. - Sério? Então como é que um deles apenas te salvou? - Eu realmente não sou um deles. - Ela falou quase casualmente, mas a arma contradisse seu tom. - Quer dizer, eu acho que sou tipo... - Sabrina é uma espiã. - explicou Marcus. Ele parecia muito mais à vontade também, agora que eu não estava atacando ele. - Uma adorável. Ela tem estado disfarçada com eles por mais de um ano. Ela também é a pessoa que me disse sobre você. Mais uma vez, era difícil saber como responder a isso. Eu também

não

tinha

certeza

se

eu

comprei

essa

história

de

espionagem. - O que exatamente você disse a ele? Ele atirou-me um sorriso estrela de cinema. Seus dentes eram tão

brancos

que

eu

perguntei

se

ele

tinha

folheados.


Parecia fora do personagem para um ladino que vivia em fuga, mas nada sobre o dia de hoje foi realmente virando para fora como eu esperava. - Ela me contou sobre essa garota Alquimista, que defendeu um Moroi e depois ajudou a liderar um grupo de ataque dhampir. Liderar? Dificilmente. Ninguém, nomeadamente Stanton, sentia a necessidade de me esclarecer sobre o ataque até que eu estava no meio dele. Eu não queria apontar pra isso tão cedo. - Os alquimistas sancionaram aquele ataque. - disse eu. - Eu vi o jeito que você falou. - disse Sabrina. Seus olhos entre Marcus e eu, feroz para mim e admirado por ele. - Foi inspirador. E vimos você por um tempo, você sabe. Você passou um bocado de tempo com a Moroi e os dhampirs em Palm Springs. - É o meu trabalho. - disse eu. Ela não tinha realmente parecido inspirada na época. Principalmente ela parecia desapontada por não ter a chance de usar a arma para mim. O sorriso de Marcus mudou. - Pelo que eu ouvi, você e aqueles Moroi quase pareciam amigos. E então, aqui está você, olhando para mim. Você é definitivamente o dissidente que esperava. Não, isso não estava se transformando em tudo como eu tinha planejado. Na verdade, era praticamente o oposto do que eu tinha planejado. Eu estava tão orgulhosa de minha capacidade de rastrear Marcus, sem saber que ele estava me assistindo. Eu não gosto disso. Fez com que me sentisse vulnerável, mesmo que eles estavam dizendo algumas coisas que eu esperava ouvir. Precisando sentir como eu estava no controle, eu tentei jogar com calma e resistência. - Talvez haja outros alquimistas para mostrar. - eu disse. - Eles já estiveram aqui. - disse ele, pegando meu blefe. - Eles não teriam enviado você sozinha...embora eu entrei em pânico quando eu a vi pela primeira vez. Eu não sabia quem você era e pensei que havia outros bem atrás de você. - Ele fez uma pausa, e


essa atitude arrogante virou envergonhado. - Desculpe, hum, socando você. Se isso faz você se sentir melhor, você fez algo muito sério para o meu pulso. Sabrina tinha o rosto cheio de preocupação. - Oh, Marcus. Você precisa ver um médico? Ele testou o movimento de seu pulso e, em seguida, balançou a cabeça. - Você sabe que não pode. Nunca se sabe quem pode estar assistindo a um hospital. Esses lugares são muito fáceis de controlar. - Você realmente está se escondendo dos Alquimistas. - eu disse com espanto. Ele assentiu, quase olhando orgulhoso. - Você duvidou? Eu percebi que você sabia disso. - Eu suspeitava, mas eu não ouvi isso deles. Eles negam que você existe. Ele parecia achar isso engraçado. Na verdade, ele parecia achar tudo engraçado, o que eu achei um pouco irritante. - Yup. Isso é o que eu ouvi dos outros. - Que outros? - Outros como você. - Aqueles olhos azuis me seguraram por um momento, como se pudesse ver todos os meus segredos. - Os outros alquimistas querendo ser livres. Eu sabia que meus próprios olhos estavam arregalados. - Há... há outros? Marcus se estabeleceu no chão, encostado na parede e ainda segurando seu pulso. - Vamos ficar confortável. Sabrina, guarde a arma. Eu não acho que Sydney vai nos dar nenhum problema. Sabrina não parecia tão certa disso, mas depois de alguns momentos, ela obedeceu. Ela se juntou a ele no chão, posicionandose protetoramente ao lado dele.


- Eu prefiro ficar. - disse-lhes. Não seria de bom grado sentar nessa sujeira. Após rolar com Marcus, eu queria ir tomar banho e usar o desinfetante para as mãos. Ele deu de ombros. - Faça como quiser. Você quer algumas respostas? Você me dá algumas primeiro. Por que veio me procurar fora do relógio Alquimista? Eu não gosto de ser interrogada, mas qual era o ponto de estar aqui se eu não estava indo para iniciar um diálogo? - Clarence me falou de você. - eu disse finalmente. - Ele me mostrou a sua imagem, e eu vi como você tinha tatuado sobre o lírio. Eu nem sabia que era possível. - A tatuagem nunca se desvaneceu. - Clarence Donahue? - Marcus parecia genuinamente satisfeito. Ele é um cara bom. Eu suponho que você é amiga dele se você estiver em Palm Springs, hein? Eu comecei a dizer que não eramos amigos, mas depois reconsiderei. O que mais eramos? - Conseguir isso não é fácil. - acrescentou Marcus, tocando a tatuagem azul. - Você vai ter que fazer um monte de trabalho, se você quiser fazê-lo. Eu dei um passo para trás. - Uau, eu nunca disse que é o que eu queria. E por que no mundo que eu iria fazer de qualquer jeito? - Porque ele vai libertá-lo. - ele disse simplesmente. - É o que impede de discutir assuntos de vampiros, certo? Você não acha que isso é tudo o que faz, não é? Pense. O que o impede de exercer o controle sobre o outro? Eu praticamente tive que desistir em quaisquer expectativas para esta conversa, porque cada tópico era mais louco do que o último. - Eu nunca ouvi falar de nada parecido. Eu nunca senti nada parecido. Afora isso informações de vampiro protegendo, eu estou no controle.


Ele acenou com a cabeça. - Provavelmente. A tatuagem inicial geralmente só tem a compulsão de falar nele. Eles só começam a adicionar outros componentes com re-tintas se eles têm um motivo para se preocupar com você. As pessoas às vezes podem lutar por esses e se eles fazem...bem, então ele está fora da re-educação. Suas palavras enviaram um calafrio através de mim, e eu descansei a mão no meu rosto quando um flashback para a reunião que eu tive quando me foi dada a atribuição de Palm Springs. - Eu fui re-assinada recentemente...mas foi de rotina. - Rotina. Normal. Nada parecido com o que ele estava sugerindo. - Talvez. - Ele inclinou a cabeça e me deu um outro olhar penetrante. - Você fez alguma coisa ruim antes, amor? Como ajudar um fugitivo dhampir? - Depende da sua definição de ruim. Os dois riram. A risada de Marcus era alto e realmente muito infecciosa, mas a situação era muito terrível para que eu me juntasse. - Eles podem ter reforçado a sua lealdade ao grupo então. - disse ele, ainda rindo. - Mas isso também não era muito forte, ou então você lutou por ela, caso contrário, você não estaria aqui. Ele olhou para Sabrina. - O que você acha? Sabrina estudou-me com um olhar crítico. Eu ainda tinha um tempo difícil de acreditar em seu papel em tudo isso. - Eu acho que ela seria uma boa adição. E uma vez que ela ainda é, ela poderia nos ajudar com esse...outro assunto. - Eu também penso assim. - disse ele. Cruzei os braços sobre o peito. Eu não gostava de ser discutida como se eu não estivesse ali. - Uma boa adição para o que?


- O nosso grupo. - Para Sabrina, ele disse. - Nós realmente precisamos de um nome para isso, você sabe. - Ela bufou, e ele voltou sua atenção para mim. - Nós somos uma mistura. Alguns são guerreiros antigos ou agentes duplos, como Sabrina. Alguns são exAlquimistas. - E o que você faz? - Fiz um gesto que nos rodeia. - Isso não parece exatamente uma base de alta tecnologia de operação por alguma equipe secreta. - Olhe para você. Bonita e engraçada. - ele disse, olhando encantado. - Nós fazemos o que você faz ou o que você quer fazer. Nós gostamos dos Moroi. Nós queremos ajudá-los nos nossos próprios termos. Os Alquimistas, teoricamente, queremos ajudá-los também, mas todos nós sabemos que é baseado em um núcleo de medo e antipatia, para não mencionar um rigoroso controle de seus membros. Então, nós trabalhamos em segredo, já que os Alquimistas não são fãs daqueles que rompem com a dobra. Eles realmente não são fãs de mim, o que é por isso que eu acabo em lugares como este. - Nós mantemos um olho sobre os Guerreiros também. - disse Sabrina. Ela fez uma careta. - Eu odeio ficar em torno dessas nozes, ter que jogar junto com eles. Eles afirmam que só querem destruir o Strigoi, mas, bem, as coisas que ouvi-los dizer contra os Moroi também... Lembrei-me de uma das minhas memórias mais perturbadoras da arena dos Guerreiros. Eu ouvi um deles fazer um comentário misterioso sobre como um dia, eles lidariam com os Moroi também. - Mas o que vocês realmente fazem? - Falar sobre rebeliões e operações secretas era uma coisa, mas a mudança realmente efetuando era outra. Eu visitei a minha irmã Carly em sua faculdade e vi um número de grupos de estudantes que queriam mudar o mundo. A maioria deles sentou-se em torno para beber café, falando muito e fazendo pouco. Marcus e Sabrina trocaram olhares.


- Eu não consigo entrar em nossas operações. - disse ele. - Não até que eu sei que você está a bordo com a quebra de sua tatuagem. Quebrando sua tatuagem. Havia algo de sinistro, para não mencionar permanente sobre essas palavras, e de repente eu me perguntei o que eu estava fazendo aqui. Quem eram essas pessoas, realmente? Por que eu estava mesmo brincando com eles? Em seguida, outro pensamento, quase aterrorizante bateu-me: Eu estou duvidando deles por causa do controle da tatuagem? É me fazer cética em torno de qualquer um que questione os Alquimistas? Marcus está dizendo a verdade? - Eu realmente não entendo o que quer. - disse-lhes. - O que significa “quebrar a tatuagem”. Significa apenas colocar tinta sobre ela? Marcus levantou-se. - Tudo a seu tempo. Agora, nós temos que sair daqui. Mesmo se você foi discreta, presumo que você usou recursos Alquimistas para me encontrar? Eu hesitei. Mesmo que esses caras eram legítimos e tinha boas intenções para com os Moroi, eu certamente não iria revelar o meu envolvimento com magia. - Algo como isso. - Eu tenho certeza que você é boa, mas não podemos correr o risco. Este lugar foi comprometido. Ele

lançou

um

olhar

melancólico

em

torno

do

estúdio.

Sinceramente, eu achava que ele deveria ser grato que eu tinha dado a ele uma razão para sair. Sabrina também se levantou, seu rosto endurecido. - Eu vou ter certeza que o local secundário está pronto. - Você é um anjo, como sempre. - Ei, como você sabia que eu estava vindo? - Eu perguntei. Você teve tempo para se esconder e ligar para ela.


O que eu realmente queria saber era como ele tinha me visto através da magia de invisibilidade. Eu senti a magia me encher. Eu tinha certeza que eu ia lançar o feitiço corretamente, mas ele me descobriu. O feitiço não funcionaria se alguém sabia olhar para você, talvez por isso ele passou a olhar para fora da janela quando eu estava escalando a escada de incêndio? Pior momento de sempre. - Tony me avisou. - Marcus piscou-me um daqueles sorrisos deslumbrantes. Acho que ele estava tentando me fazer sorrir de volta. - Bom garoto. Tony? Então eu soube. O rapaz no estacionamento. Ele fingiu ajudar a mim e depois me vendeu. Ele deve ter falado com o Marcus, enquanto eu subia a escada de incêndio. Talvez Marcus apenas respondeu a algumas batidas secretas. Pelo menos eu tive o conforto de saber que eu lançei o feitiço corretamente. Ele simplesmente não funcionou porque Marcus foi alertado com antecedência que uma garota estava vindo atrás dele. Ele começou a arrumar os seus poucos pertences em uma mochila. - O Apanhador no Campo de Centeio é um grande livro, por sinal. - Ele piscou. - Talvez um dia nós vamos ter uma discussão literária. Eu não estava interessada nisso. Vê-lo, vi que ele manteve favorecendo seu pulso ileso. Eu não podia acreditar que eu tinha causado danos assim e me senti um pouco culpada, apesar de tudo que havia acontecido. - Você deve cuidar disso. - eu disse. Sabrina concordou com a cabeça. Ele suspirou. - Eu não posso. Pelo menos, não por meios convencionais. Os Alquimistas tem olhos em todos os lugares. Meios convencionais.


- Eu, uh, posso ser capaz de ajudá-lo a curar através de meios não-convencionais. - disse eu. - Você conhece algum médico fora da grade? - perguntou Sabrina. - Não. Mas eu conheço um Moroi usuário de espírito. Marcus congelou, e eu meio que gostava que eu tinha pegado-o desprevenido. - Sério? Temos ouvido falar deles, mas nunca encontrei um. Aquela mulher que eles tinham...Sonya? Ela era uma, certo? Ela se foi antes que pudéssemos descobrir mais. Falando

sobre

Adrian

me

deixou

nervosa,

mas

Sabrina

provavelmente já sabia que ele existia se eles estão me observando. - Sim, ela era uma, e há outro em Palm Springs. Eu poderia leválo a ele e deixar que ele te cure. Excitação acendeu nas características de Marcus. Sabrina olhou para ele em horror. - Você não pode simplesmente ir embora com ela. - Foi essa preocupação ou ciúme em sua voz? - Por que não? - Perguntou. - Ela está dando um salto de fé com a gente. Nós não podemos fazer menos. Além disso, eu estou morrendo de vontade de encontrar um usuário de espírito. A casa não é segura e nem longe de Palm Springs. Você se certifique de que está tudo em ordem e, em seguida, vem me buscar mais tarde. Sabrina não gostou disso, não. Talvez eu não entendia a dinâmica de seu grupo ainda, mas era óbvio que ela o considerava como um líder e era insanamente proteção. Na verdade, eu suspeitava que seus sentimentos por ele eram mais do que profissional. Eles foram para lá e para cá em ver se ele estaria seguro ou não, e eu escutava sem dizer uma palavra. Todo o tempo, eu me perguntava se eu estaria segura de sair com um cara desconhecido.


Clarence confiava nele, eu lembrei a mim mesma. E ele é muito paranóico. Além disso, com o pulso de Marcus fora da comissão, eu provavelmente poderia levá-lo. Ele finalmente convenceu Sabrina para deixá-lo ir, mas não antes que ela rosnasse, Se alguma coisa acontecer com ele, eu vou atrás de você. Aparentemente,

sua

personagem

do

núcleo

duro

na

arena

não tinha sido inteiramente falsificado. Nós separamos dela, e em pouco tempo, Marcus e eu estávamos no caminho para Palm Springs. Tentei obter mais informações dele, mas

ele

não

mordeu

a

isca.

Em

vez

disso,

ele

manteve

me elogiando e dizendo coisas que eram apenas a um passo de linhas de captação. A julgar pela maneira que ele conversava com Sabrina também, eu não acho que havia qualquer coisa particularmente especial sobre mim. Eu pensei que ele estava acostumado com mulheres bajulando em cima dele. Ele era bonito, eu daria a ele isso, mas é preciso muito mais que isso para ganhar de mim. Foi no pôr do sol quando chegamos ao apartamento de Adrian, e eu me perguntava se eu tardiamente deveria ter dado algum aviso prévio. Tarde demais agora. Caminhamos até a porta, e eu bati três vezes. - Está aberto. - uma voz chamou de dentro. Eu entrei, e Marcus me seguiu. Adrian estava trabalhando em uma pintura abstrata do que parecia ser um edifício cristalino de algum mundo de fantasia. - Inesperado. - disse ele. Seus olhos caíram sobre Marcus e arregalaram. - Eu vou ser condenado. Você o encontrou. - Graças a você. - eu disse. Adrian olhou para mim. Um sorriso começou a se formar e então imediatamente secou. - O que aconteceu com seu rosto?


- Ah. - Eu toquei levemente o local inchado. Ele ainda ardia, mas não foi tão doloroso quanto tinha sido anteriormente. Falei minhas próximas palavras sem pensar. - Marcus me bateu. Eu nunca tinha visto um movimento de Adrian tão rápido. Marcus não teve chance de reagir, provavelmente porque ele estava exausto do nosso encontro anterior. Adrian empurrou Marcus contra uma parede e para a minha completa e absoluta surpresa socou Marcus. Adrian tinha uma vez brincado que ele nunca sujou as mãos, então isso foi algo que eu nunca poderia ter me preparado para ver. De fato, se Adrian ia atacar alguém, eu teria esperado algo mágico e espírito. Ainda...como eu assistindo-o, eu podia ver que algo tão pensativo como mágica estava longe da mente de Adrian. Ele tinha chutado em modo primitivo. Ver uma ameaça. Ir atrás dela. Ele foi mais uma surpresa, um lado mais fascinante do enigma que era Adrian Ivashkov. Marcus rapidamente respondeu na mesma moeda. Ele empurrou Adrian de volta, estremecendo um pouco. Mesmo com sua lesão, ele ainda era forte. - Que diabos? Quem é você? - O cara que vai chutar o seu traseiro por machucá-la. - disse Adrian. Ele tentou outro soco, mas Marcus esquivou e conseguiu pousar um golpe que derrubou Adrian de volta em um de seus cavaletes. Quando

Marcus

balançou

novamente,

Adrian

iludiu

com

uma

manobra que foi direto para fora da classe de Wolfe. Eu teria aplaudido se eu não estivesse tão horrorizada com a situação. Eu sabia que algumas meninas pensaram que era sexy ter homens brigando. Não eu. - Vocês, parem! - Eu chorei. - Ninguém vai jogá-lo ao redor e fugir com ela. - disse Adrian. - O que aconteceu com a gente não tem nada a ver com você. respondeu Marcus.


- Tudo sobre ela tem a ver comigo. Os dois circulavam em torno de si, esperando o outro para atacar. - Adrian. – eu exclamei. - Foi um acidente. - Não parece um acidente. - ele respondeu, sem tirar os olhos de Marcus. - Você deve ouvi-la. - resmungou Marcus. O cara descontraído que eu conheci antes tinha ido embora, mas eu acho que ser atacado faria

isso

com

você.

-

Ela

pode

salvá-lo

de

ter

o

seu

belo rosto destruído. Quanto estilo que você tem que fazer para obter o seu cabelo assim? - Pelo menos eu penteio meu cabelo. - disse Adrian. Marcus avançou, mas não diretamente para Adrian. Ele pegou uma pintura de um cavalete e usou como uma arma. Adrian novamente conseguiu um rodeio, mas a pintura não se saiu tão bem. A lona rasgou, e Marcus jogou de lado, pronto para o próximo avanço. Adrian poupou a tela um breve olhar. - Agora você realmente me irritou. - Basta! - Algo me disse que eles não estavam indo para ouvir a razão. Precisava de uma intervenção direta. Eu os persegui em toda a sala e entrei entre eles. - Sydney, saia do caminho. - ordenou Adrian. - Sim. - concordou Marcus. - Pela primeira vez ele tem algo interessante a dizer. - Não! - Eu estendi as mãos para separá-los. – Os dois para trás...agora! - Minha voz ecoou por todo o apartamento, e eu me recusei a ceder. - Volte. - repeti. - Sydney... – A voz de Adrian foi um pouco mais incerto do que quando ele me disse para ficar fora do caminho. Olhei para trás e para frente entre eles, dando a cada um brilho saudável.


- Adrian, realmente foi um acidente. Marcus, esse é o cara que vai ajudá-lo, para mostrar um pouco de respeito. Isto, mais do que qualquer coisa, parecia atrapalhar eles. - Espere. - disse Adrian. - Você quis dizer "ajudar"? Marcus estava igualmente boquiaberto. - Esse babaca é o usuário de espírito? - Vocês estão agindo tanto como idiotas. - Eu repreendi. A próxima vez que eu não tinha nada para fazer, eu teria que pegar um livro sobre a testosterona, comportamento controlado. Isso estava fora do meu alcance. - Adrian, podemos conversar em algum lugar privado? Como o quarto? Adrian concordou, mas não antes de dar uma última olhada ameaçadora para Marcus. Eu disse para Marcus ficar onde estava e esperava que ele não iria embora ou chamar alguém com uma arma. Adrian me seguiu para o seu quarto e fechou a porta atrás de nós. - Você sabe. - disse ele, - em circunstâncias normais, você me convidar para o quarto seria o ponto alto do meu dia. Cruzei os braços e sentei na cama. Eu fiz isso de fadiga simples, mas um momento depois, fiquei impressionada com o que eu estava fazendo. Este é o lugar onde Adrian dorme. Estou tocando as cobertas que ele está envolto em todas as noites. O que ele usa? Ele usa nada? Eu pulei. - Realmente foi um acidente - disse a ele. - Marcus pensou que eu estava lá para rapta-lo. Adrian, não tendo problemas com a cama, sentou-se. Ele fez uma careta, provavelmente a partir do golpe no estômago. - Se alguém como você aparece para me raptar eu deixaria. Mesmo quando ele estava com dor, ele nunca parou com ele. - Estou falando sério. Foi apenas instinto, e ele se desculpou mais e mais no carro quando ele percebeu quem eu era. Isso chamou sua atenção.


- Ele sabia quem você era? Eu dei-lhe um resumo do meu dia em Santa Barbara. Ele escutou avidamente, acenando junto, sua expressão mudando entre intriga e surpresa. - Eu não sabia que quando eu o trouxesse de volta aqui que você causaria mais danos. - disse eu, quando eu terminei a história. - Eu estava defendendo a sua honra. - Adrian me deu esse sorriso temerário que sempre conseguia me enfurecer tanto e me cativar. - Muito viril, hein? - Muito. - eu disse secamente. Eu não gostava de violência, mas ele fazendo algo tão fora do personagem para mim, na verdade, era uma espécie de coisa incrível. Não que eu já disse isso a ele. - Você deixaria Wolfe orgulhoso. Você acha que você poderia não ter mais exibições 'viris' enquanto ele está aqui? Por favor? Adrian balançou a cabeça, ainda sorrindo. - Eu já disse várias vezes, eu faria qualquer coisa para você. Eu continuo esperando que vai ser algo como, 'Adrian, vamos num tobogã’ ou ‘Adrian, leve-me para fora para fondue’. - Bem, às vezes temos que...você disse fondue? - Às vezes era impossível seguir o pensamento de Adrian. - Porque no mundo que eu iria dizer isso? Ele deu de ombros. - Eu gosto de fondue. Eu nem sei o que dizer sobre isso. O dia inteiro foi ficando mais e mais desgastante. - Me desculpe, eu não estou pedindo algo tão glamoroso como queijo derretido. Mas, por agora, eu preciso saber sobre Marcus e seu grupo e tatuagem. Adrian reconhecia a gravidade da situação. Ele se levantou e tocou suavemente o lírio na minha bochecha. - Eu não confio nele. Ele poderia estar usando você. Mas então...Eu não gosto da ideia disso estar controlando você.


- Somos dois. - eu admiti, perdendo um pouco da minha resistência no início. Ele traçou a linha do meu rosto por alguns momentos de tirar o fôlego e depois tirou a mão. - Pode valer a pena ajudá-lo a obter algumas respostas. - Você promete não entrar em mais brigas? Por favor? - Eu prometo. disse ele. - Enquanto ele não começar uma. - Eu vou fazer ele prometer também. - Eu só esperava que suas naturezas "viris" não iria levar o melhor deles. Como eu ruminei sobre isso, algo que eu tinha quase esquecido caiu para a frente da minha mente. - Ah...Adrian, eu tenho mais um favor para lhe pedir. Um dos grandes. - Fondue. - ele perguntou, esperançoso. - Não. É sobre a irmã da Sra. Terwilliger... - Eu disse a ele o que eu tinha aprendido. A diversão em seu rosto desapareceu e passou para a descrença. - Você só mencionou isso agora? - Exclamou quando eu terminei. - Que alguma bruxa sugadora de almas pode vir atrás de você depois? - Ela não sabe que eu existo. - Eu me senti surpreendentemente defensiva. - E eu sou a única que pode ajudar, pelo menos de acordo com

a

Sra.

Terwilliger.

Ela

pensa

que

eu

sou

uma

super-

investigadora. - Bem, você tem essa coisa de Sherlock Holmes acontecendo com você. - disse ele. Sua brincadeira não durou, ele estava muito chateado. - Mas você ainda deveria ter me dito! Você poderia ter chamado. - Eu estava um pouco ocupada com Marcus. - Então suas prioridades estão fora. Isto é muito mais importante do que o seu bando de homens alegres. Se você precisa algo de feitiço antes que ela chegue a você, então é claro que eu vou ajudar. - Ele hesitou. - Com uma condição.


Olhei-o com cautela. – Que condição? - Deixe-me curar você também. - Eu empurrei para trás, quase mais chocada do que se ele tivesse sugerido me bater de novo. Não! Absolutamente não! Eu não preciso disso. Eu estou em melhor forma do que ele. - Você quer voltar para Amberwood com isso no seu rosto? Você não vai ser capaz de esconder isso, Sage. E se Castile vê-lo, ele realmente

virá

atrás

de

Marcus.

-

Adrian

cruzou

os

braços

desafiadoramente. - Esse é o meu preço. Ele estava blefando, e eu sabia disso. Talvez fosse egoísta, mas eu sabia que ele não ia me deixar ir em uma situação perigosa sem ele. Ele, no entanto, tinha um ponto. Eu ainda não tinha visto a marca que Marcus tinha deixado, mas eu não queria explica-la de volta na escola. E sim, há uma boa chance de que Eddie iria querer caçar meu agressor. Sendo espancado por um dhampir poderia tornar o trabalho com Marcus mais difícil. Ainda...como eu poderia concordar? Pelo menos a magia que usei era em meus termos. E embora a minha tatuagem tinha traços de magia de vampiro, eu ficava no conforto em saber que era amarrado com os "normais" quatro elementos, aqueles que compreendem. Espírito ainda era uma entidade desconhecida, com habilidades que continuamente nos surpreendeu. Como eu poderia me submeter a magia desonesta de vampiros? Adivinhando minha agitação interna, o rosto de Adrian suavizou. - Eu faço isso o tempo todo. É um feitiço fácil. Sem surpresas. - Talvez. - eu disse relutantemente. - Mas cada vez que você usar espírito, é mais provável que você vá ficar louco. - Já sou louco por você, Sage. Pelo menos este era um território familiar. - Você disse que não iria trazer isso.


Ele simplesmente olhou para mim sem comentários. Finalmente, eu joguei meus braços para cima. - Tudo bem. - eu disse, com mais ousadia do que eu sentia. - Só acabe com isso. Adrian não perdeu tempo. Um passo à frente, ele estendeu a mão e colocou a mão no meu rosto mais uma vez. Minha respiração ficou presa e minha freqüência cardíaca subiu. Seria tão, tão fácil para ele me puxar para ele e me beijar novamente. Um calor, um formigamento espalhou sobre a minha pele e, por um momento, eu pensei que era apenas minha reação normal para ele. Não, eu percebi. Era a magia. Seus olhos se fixaram em mim, e no espaço de uma batida do coração, ficou suspenso no tempo. Então ele tirou a mão e se afastou. - Feito. - disse ele. - Isso foi tão ruim? Não, não tinha sido mau de todo. A dor latejante se foi. Tudo o que restava era a voz interior constante a me chatear sobre o que tinha acontecido era errado. Essa mesma voz tentou me dizer que Adrian tinha deixado uma mancha atrás...mas que era difícil acreditar a partir dele. Eu soltei a respiração que eu estava segurando. - Obrigado. - eu disse. - Você não tinha que fazer isso. Ele me deu um daqueles sorrisos pequenos. - Oh, acredite em mim, eu tinha. Um momento de silêncio constrangedor pairava entre nós. Eu limpei minha garganta. - Bem. Devemos voltar para Marcus. Talvez tenhamos tempo para o jantar antes de Sabrina mostrar-se, e vocês podem consertar as coisas. - Eu duvido que mesmo um passeio de luar poderia consertar as coisas entre nós. Suas palavras me lembrou de outra coisa que eu queria dizer quando ele voltou para a cidade, algo que tinha tomado uma prioridade muito baixa.


- O seu casaco, você nunca levou de volta após o casamento. Está no meu carro. Ele acenou com desdém – Fique. Eu tenho outros. - O que eu vou fazer com um casaco de lã. - perguntei. Especialmente aqui em Palm Springs? - Durma com ele. - sugeriu ele. - Pense em mim. Eu coloquei minhas mãos em meus quadris e tentei olhar pra baixo, o que não era fácil, já que ele era tão alto. Isso, e porque as suas palavras, de repente voltou-me a sensação desorientadora que eu tive sentada em sua cama. - Você disse que não iria trazer qualquer coisa romântica em torno de mim. - Isso foi romântico? - Perguntou ele. - Eu estava apenas fazendo a sugestão, uma vez que o casaco é tão pesado e quente. Eu percebi que você acha de mim desde que era um gesto tão bonito. E, no entanto, mais uma vez, você é aquela que encontra subtexto romântico em tudo que eu digo. - Eu não. Você sabe que não é o que eu quis dizer. Ele balançou a cabeça em simpatia fingida. – Eu te digo, Sage. Às vezes eu acho que sou o único que precisa tirar a ordem de restrição em você. - Adrian! Mas ele já estava fora da porta, risos ecoando atrás dele.


Capítulo 8 Acho que Adrian teria ido caçar a irmã da Sra. Terwilliger comigo em seguida. O toque de recolher da Amberwood não permitiria isso, e além do mais, era algo que eu queria fazer à luz do dia. Para seu crédito, ele curou Marcus sem eles entrarem em uma briga, de modo que era um progresso. Marcus perdeu um pouco de sua animosidade e tentou envolver Adrian na conversa sobre o que o espírito podia fazer. Adrian deu respostas cautelosas e pareceu aliviado quando Sabrina apareceu para levar Marcus. Ele me deu um adeus misterioso, simplesmente dizendo que ele me enviaria um texto em breve sobre a "próxima fase". Eu estava cansada demais para pedir mais detalhes e dirigi de volta para meu dormitório para dormir e tirar fora de mim o que tinha sido um dia muito louco. Fui acordada no início da madrugada com algo pesado batendo na minha porta. Eu olhava para o relógio, fazendo uma careta quando eu vi que era uma hora mais cedo do que eu costumo me levantar. Eu fiquei na cama, esperando que quem quer que fosse iria embora. Se havia algo realmente urgente acontecendo, alguém teria me ligado no meu celular. O visor não mostrava chamadas não atendidas, no entanto. Infelizmente, a batida não parou. Com um sentimento de medo, eu finalmente me arrastei, meio com medo do que eu iria encontrar na minha porta. Era Angeline. - Finalmente. - disse ela, convidando-se para o meu quarto. - Eu pensei que nunca iria responder. - Desculpe. - eu disse, fechando a porta atrás dela. - Eu estava ocupada, dormindo.


Ela caminhou até a minha cama e sentou-se como se fosse dela. Eu realmente não sabia de sua agenda, mas ela sempre me pareceu acordar tarde. Aparentemente, não hoje. Ela estava vestida com um uniforme escolar, com seu cabelo vermelho brilhante puxado para trás no que era, para ela, um rabo de cavalo, em vez de arrumado. - Eu tenho um problema. - disse ela. Meu sentimento de pavor cresceu. Liguei minha cafeteira, que eu sempre tinha pronto com novos motivos e água. Algo me disse que eu ia precisar de uma xícara para passar por isso. - O que está acontecendo? - Eu perguntei, fixando-me em minha cadeira. Não fiz nenhuma tentativa de adivinhar. Quando ele veio para Angeline, seus problemas podem variar de jogar uma mesa de raiva ou acidentalmente derramar ácido clorídrico sobre outro aluno. Ambos tinham acontecido recentemente. - Eu estou falhando em matemática. - disse ela. Isso foi indesejado mas a notícia não era inesperada. Na comunidade

de

Angeline

na

montanha,

por

mais

que

ainda

educassem os seus filhos, não combinava muito bem com os padrões de currículo de elite de Amberwood. Ela lutou em várias de suas aulas, mas conseguiu passar pelo menos até agora. - Eu já estou com problemas na minha aula de espanhol. acrescentou. - Mas nesse piñata eu fiz algum crédito extra, então eu estou aguentando bem por agora. Eu tinha ouvido falar sobre a piñata. Tinha sido para o dia cultural da classe dela, e ela tinha sido tão profunda com seu papel machê que nenhum de seus colegas tinham sido capaz de abri-lo por meios normais. Angeline acabou batendo contra um muro e teve que ser interrompida por seu professor quando ela tinha produzido um isqueiro. - Mas se eu cair ali e em matemática, eu poderia ser expulsa. O que me arrastou para longe da piñata inflamável e de volta ao presente.


- Ugh. - eu disse, tendo sido a melhor maneira de articular meus pensamentos. O problema com uma escola que tinha altos padrões era...bem, ela tinha altos padrões. Problemas em uma aula pode ser tolerado, mas não em duas. E se Angeline fosse expulsa, nós seríamos um baixo nível de segurança para Jill, para não mencionar o fato de que eu provavelmente seria culpada por tudo. - Sra. Hayward disse-me que eu preciso obter um tutor. Ela diz que nem precisa ficar melhor ou pelo menos mostrar que eu estou tentando. O que era promissor, eu supunha. Mesmo que um tutor não poderia ajudar, espero que a escola seria leniente com o seu esforço de boa fé. - Tudo bem. - eu disse. - Vamos conseguir um tutor. Ela franziu o cenho. - Porque você não pode fazer isso? Você é inteligente. Você é boa em matemática. Por que não poderia? Bem, primeiro eu tinha que parar uma feiticeira do mal de sugar a juventude e energia de meninas inocentes. Então eu tinha que quebrar os segredos e mentiras que a organização onde eu tinha crescido estava me dizendo. Em vez disso eu disse: - Eu estou ocupada. - Você tem que fazê-lo. Seria fácil para você. - ela protestou. - Realmente ocupada. - eu disse. - Estou surpresa que Eddie não pode fazer isso. Seu nome trouxe um sorriso ao seu rosto. - Ele se ofereceu, mas suas notas são apenas média. Eu preciso de alguém realmente bom. - Então eu vou arranjar alguém realmente bom. Eu apenas não posso fazer isso sozinha agora. Angeline não gostava da resposta, mas pelo menos ela não virou minha mesa.


- Tudo bem. Só se apresse. - Sim, sua majestade. - eu murmurei, olhando-a sair para fora do meu quarto em um acesso de raiva. Ao menos os problemas acadêmicos de Angeline eram um pouco mais fácil do que lidar com as intrigas sobrenaturais que ocupam o meu tempo. Como eu já estava acordada e com um café, eu decidi que não havia nenhum ponto de voltar a dormir. Tomei banho e me vesti, então peguei em alguma lição extra, enquanto eu esperava para o café da manhã. Quando começou a servir na nossa cafetaria, eu fui lá embaixo e permaneci perto da entrada. Levou apenas cerca de cinco minutos antes de que minha amiga Kristin Sawyer aparecer. Ela

sempre

vinha

correndo

antes

da

aula

começar

e

normalmente era um dos primeiros da fila para o café. Ela também estava no AP de cálculo comigo. - Hey. - eu disse, caindo no passo com ela. – Boa corrida? - Grande corrida. - disse ela. Havia ainda um pouco de suor em sua pele escura. - Muito melhor agora que o tempo está mais frio. Ela me olhou com curiosidade. - Eu não costumo ver você aqui tão cedo. Eu não costumo vê-la comer o café da manhã. - É a refeição mais importante do dia, certo? - Selecionei aveia e uma maçã. - Além disso, eu tenho um favor pra te pedir. Kristin quase deixou cair o prato de ovos mexidos que um dos servidores entregou a ela. Seus olhos castanhos se arregalaram. - Você tem um favor a me pedir? Enquanto eu não era responsável por meus amigos humanos, da mesma forma que eu era com os Moroi e dhampirs, eu ainda tinha uma tendência a cuidar deles. Eu tinha ajudado Kristin uma série de vezes. -

É...minha

matemática.

prima

Angeline

precisa

de

um

professor

de


Havia um olhar expectante no rosto de Kristin, como se estivesse esperando que eu terminasse a minha história. Então compreensão a atingiu. - Quem, eu? Não. De jeito nenhum. - Oh, vamos lá. Seria fácil. - Segui-a até uma mesa, tendo que correr para alcançá-la. Acho que ela pensou que se ela caminhasse rapidamente o suficiente, ela poderia ser capaz de escapar do meu pedido. - Ela está na matemática corretiva. Você poderia ensiná-la em seu sono. Kristin sentou-se e me deu um olhar de longo nível. - Sydney, vi sua prima perfurar um homem adulto e jogar um alto-falante em alguém. Você realmente acha que eu vou assinar por um trabalho que faz com que ela não trabalhe, ela não quer fazer? E se ela fica frustrada com o que eu estou dizendo? Como eu sei que ela não vai me apunhalar com uma bússola? - Você não sabe, - eu admiti. - Mas eu acho que é pouco provável. Provavelmente. Ela realmente quer melhorar seu grau. Caso contrário, ela poderia ser chutada para fora. -

Desculpe.

-

Kristin

realmente

parecia

legitimamente

apologética. - Você sabe que eu faria quase qualquer coisa por você, mas não isso. Você vai ter que encontrar alguém que não tem medo dela. Eu pensei sobre as palavras mais e mais quando eu fui para a aula

de

história.

Ela

estava

certa.

Mas

as

únicas

pessoas

completamente à vontade ao redor dela eram Eddie e Jill, e eles estavam fora da lista como tutores. Eu me perguntava se talvez eu devesse oferecer dinheiro para alguém quando eu fui para a aula de cálculo mais tarde. - Srta. Melbourne. A Sra. Terwilliger estava de volta em sua sala de aula, sem dúvida, para o alívio dos subs de ontem. Ela acenou-me para sua


mesa bagunçada e me entregou uma folha de papel. - Aqui está a lista que discutimos. Examinei. Ela continha os nomes de seis meninas, assim como seus endereços. Estes devem ser os únicos que ela mencionou, meninas com aptidão mágica conhecida, mas não um clã ou professor para olhar para eles. Todos os endereços eram na área metropolitana de Los Angeles. - Eu confio que a Sra. Santos deu a você a informação que você precisava para o seu projeto? - Sim. - A Sra. Santos tinha me enviado os bairros históricos que ela conhecia, e eu estreitei a um par de candidatos prováveis. - Eu vou começar a trabalhar no, uh, projeto neste fim de semana. A Sra. Terwilliger arqueou uma sobrancelha. - Por que você está adiando? Eu nunca soube que você deixava uma missão para mais tarde. Eu estava um pouco assustada. - Bem...Normalmente não, senhora. Mas isso vai levar algum tempo de viagem extra...tempo que eu não tenho o suficiente nos dias de aula. - Ah. disse ela, quando a realização bateu nela. - Bem, então, você pode usar o seu estudo independente para ele. Isso vai dar-lhe tempo extra. E vou dizer a Sra. Weathers que você pode vir depois do toque de recolher. Vou me certificar de que ela está acomodando. Este projeto é de extrema importância. Não houve protesto que eu poderia fazer. - Eu vou começar hoje, então. Como eu estava caminhando de volta para a minha mesa, uma voz disse: - Puxa, Melbourne. Apenas quando eu pensei que o estudo independente que você teve com ela não poderia ser mais fácil... agora você não precisa nem mostrar-se para a aula?


Fiz uma pausa para dar a Trey um sorriso. Ele era assistente da Sra. Terwilliger durante este período de aula, o que significa que ele fez um monte de arquivamento e fotocópias. - É uma missão muito importante. - disse. - Eu acho. O que é isso? - Iria aborrecê-lo. - Eu fiz uma dupla tacada quando eu o examinei. Eu não tinha sequer que tatear para uma mudança na conversa. - O que aconteceu com você? Seus olhos estavam vermelhos, e o estado de seu cabelo despenteado preto sugeriu que ele não tinha tido um banho esta manhã. Houve uma tonalidade, pálida quase doentia de sua pele normalmente bronzeada. Ele me deu um sorriso fraco e baixou a voz. - Irmão Craig Lo marcou-nos um pouco de cerveja na noite passada. Foi em uma microcervejaria. Eu acho que isso é bom. Eu gemi. - Trey, eu pensei que você fosse melhor do que isso. Trey conseguiu tanto de um olhar indignado quanto pôde em seu estado de ressaca. - Ei, alguns de nós gostam de se divertir um pouco agora e depois. Você deve tentar em algum momento. Eu já tentei ajudá-la com Brayden, mas você estragou tudo isso. - Eu não fiz nada disso. - Brayden era um barista que trabalhou com Trey, um que rivalizava-me quando ele veio para um amor do mundo

acadêmico

e

conhecimento

aleatório.

Nosso

breve

relacionamento estava cheio de fatos e baixas em paixão. - Ele terminou comigo. - Você não diria isso. Você sabia que ele escreve toda a poesia que esta apaixonado por você em suas pausas? Fiquei surpresa. - Ele...ele faz? - O motivo que Brayden tinha terminado comigo foi porque meus vários deveres para com minha família vampira tinha constantemente

interferido

com

nós

dois,

obrigando-me

a


negligenciar ele e cancelar um monte de vezes.

- Eu me sinto um

pouco mal que ele levou tão difícil. Estou surpresa que ele teria tal explosão, eu não sei, de paixão. Trey bufou. - Eu não sei se isso é paixão. Ele está mais preocupado com forma e fica em torno de livros detalhando pentâmetro iâmbico e análise de soneto. - Ok, isso soa mais como ele. - O sinal tocou, então eu tinha começado a voltar para o meu lugar, quando notei algo na mesa de Trey. - Você não terminou com isso? Foi um grande trabalho de casa que teve para a nossa aula de química, envolvendo um número de ácido complicado e problemas de base. Era em nosso próximo período, e parecia improvável que Trey iria terminar no tempo desde tudo o que tinha no papel até agora era o seu nome. - É...Eu estava indo para terminar a noite passada, mas... - Certo. A cerveja. Se divertindo. - Eu não me preocupava sequer em esconder minha desaprovação. - Isso é uma grande parte da nossa aula. - Eu sei, eu sei. - Ele olhou para os papéis com um suspiro. - Eu vou terminar o máximo que eu puder antes então. Crédito parcial é melhor do que nenhum crédito. Estudei-o por um momento e depois tomei uma decisão que foi contra muitos dos meus princípios básicos. Enfiei a mão no saco do mensageiro e entreguei-lhe a minha concluída. - Aqui. - eu disse. Ele pegou as páginas com uma careta. - Aqui o que? - É a atribuição. Use as minhas respostas. - Eu... - Seu queixo caiu. - Você sabe o que você está fazendo? - Sim.


- Eu não acho que você sabe. Você está me dando o seu dever de casa. - Sim. - E me dizendo para passá-lo como meu dever de casa. - Sim. - Mas eu realmente não fiz o trabalho. - Você quer eles ou não? - Eu perguntei em frustração. Eu comecei a tomar os papéis de volta, mas ele puxou-o para perto. - Ah, eu quero eles. - disse ele. - Eu só quero saber o que você quer em troca. Porque isso não adianta muito para conseguir o ostracismo da minha família e amigos. - Ele manteve seu tom leve, mas eu ouvi a borda da amargura. Lá estava ele. Não importa o quão amigável ele e eu éramos, nossas respectivas alianças com os guerreiros e os alquimistas estaria sempre entre nós. Talvez fosse uma piada agora...mas algum dia não seria. - Eu preciso de um favor. - eu expliquei. - Um pequeno. hum, realmente. Não tem nada a ver com nada dessas...coisas. Trey parecia compreensivelmente cauteloso. - Qual é? A campainha tocou, por isso falei rapidamente. - Angeline precisa de um professor de matemática ou então ela vai falhar. E se ela falhar, ela vai ser expulsa da escola. Não seria difícil para você em tudo. E ficaria bem em seus aplicativos de faculdade. - Sua prima é um pouco instável. - disse ele. Mas ele não disse não, então eu pensei que era um bom sinal. - Você achava que ela era quente. - eu lembrei ele. - Sim, isso foi antes... - Ele não terminou, mas eu sabia. Antes que ele descobriu que ela era uma vampira. Os guerreiros tinham os mesmos tabus que os Alquimistas tinham sobre as relações entre as raças.


- Tudo bem. - eu disse. - Eu entendo. Eu vou tomar o meu dever de casa e ir. - Eu estendi minha mão, mas ele não deu os documentos de volta. - Espere, eu vou fazê-lo. Mas se ela me ferir, eu espero que você se sinta muito mal. A temporada de basquete apenas começou, e a equipe vai desmoronar se eu estou afastado por causa dela. Eu sorri. - Eu vou ficar arrasada.

~~//~~

Angeline não estava tão emocionada quando eu disse a ela no almoço. Ela corou de raiva e parecia que ela estava prestes a jogar a bandeja do outro lado da lanchonete. - Você espera que eu trabalhe com isso...que...caçador de vampiros. - ela exigiu. Eu me perguntei se ela tinha outro nome em mente, mas tinha retido em algum show marcante de contenção. Especialmente depois do que eles tentaram fazer a Sonya? - Trey não é como o resto deles. - eu disse defensivamente. - Ele se recusou a matá-la e foi mesmo pela dificuldade de obter ajuda que acabou severamente bagunçando a sua vida, eu poderia acrescentar. Eddie parecia divertido, apesar do assunto desagradável. - Você deve também acrescentar que ele quer muito, muito mesmo voltar para aquela velha vida. Eu apontei para Eddie com o garfo. - Não me diga que você acha que Trey é uma escolha muito ruim. - Para tutoria? - Ele balançou a cabeça. - Não, ele está bem. Eu só estou dizendo que você não deve ser tão rápida para assumir que tudo é feliz e brilhante com ele. Parece bastante provável que seu grupo está trabalhando contra nós.


- Ele é meu amigo. - eu disse, esperando que meu tom firme poria fim à discussão. Depois de mais algumas garantias, Eddie convenceu Angeline a trabalhar com Trey, lembrando-a de que ela precisava para manter suas notas. Ainda assim, as palavras de Eddie me assombraram. Eu acreditava absolutamente que Trey era meu amigo, mas novamente me perguntei quando o abismo entre nós iria elevar de forma feia. Quando Eddie e Angeline deixaram de ir para as aulas de tarde, eu perguntei a Jill para ficar de volta à mesa por um minuto. - O que Adrian está fazendo agora? - Ele está em sua aula de pintura. - disse ela prontamente. - O laço está correndo forte hoje, hein? - Eu perguntei. Às vezes, a visão de sua mente e experiências foi mais clara do que outros. Ela encolheu os ombros. - Não, mas é 11 de terça-feira. - Certo. - eu disse, sentindo-me tola. Eu sabia os horários de todos, que era necessário para o meu trabalho. - Eu deveria ter percebido isso. Você acha que ele seria capaz de encontrar-se comigo depois da escola? - Para ir nessa caça às bruxas? Sim, ele provavelmente está saindo agora. Jill sabia o que Adrian sabia, então ela também foi informada sobre a minha busca por Veronica. Enquanto eu aprendi a aceitar o conhecimento de Jill como parte de confiar em Adrian, que ainda era um pouco chocante para mim ouvir estes temas proibidos discutidos abertamente. Vendo minha reação atordoada, Jill sorriu um pouco. - Não se preocupe. - disse ela. - Eu guardo segredos do Adrian. E o seu. - A amargura na voz dela também me pegou de surpresa. - Você está brava comigo? - Eu perguntei, intrigada. - Você não é...você não está ainda chateada com o que aconteceu entre Adrian e


eu, está? Eu pensei que você aliviou com isso. - Apesar da proclamação de Adrian de amar-me contra as probabilidades tivesse sido inquietante, sua atitude mais relaxada veio através dele até agora. - Adrian. - disse ela. - Ele não vê o perigo de você correr com outro cara. Eu estava perdida. - Outro cara? Você não quer dizer...Marcus? Isso é loucura. - É? - perguntou Jill. A ligação era tão estranha às vezes. Jill era ciumenta em nome de Adrian. - Ele é humano, você é humana. Vocês dois tem essa coisa Alquimista rebelde acontecendo. E eu o vi. Ele é muito bonito. Não há como dizer o que pode acontecer. - Bem, eu sei o que poderia acontecer: nada. - eu disse. Mesmo através de uma ligação psíquica, Marcus poderia conquistar as meninas. - Eu só o conheci. Eu nem sei se posso confiar nele inteiramente, e eu certamente não tenho sentimentos por ele. Olha, eu entendo que você quer ajudar Adrian, mas você não pode ficar brava comigo sobre o que aconteceu. Você sabe por que eu recusei, especialmente depois de Micah. Micah era colega de quarto de Eddie, e embora soubesse que relacionamentos vampiro-humano não poderia levar a sério, ela ainda foi surpreendida com o quão complexo e difícil a situação tinha sido. - É... - Ela franziu a testa, sem dúvida, em conflito sobre os sentimentos de Adrian e o que ela sabia que era verdade. - Mas talvez com Adrian, eu não sei. Talvez as coisas poderiam ser diferentes. Ou talvez haja, pelo menos, uma maneira de torná-los menos doloroso para ele. Eu desviei o olhar, incapaz de encontrar seus olhos. Eu não gosto de pensar em Adrian sentir dor, mas o que mais eu poderia fazer? O que nenhum deles esperava que eu fizesse? Nós todos sabíamos as regras.


- Sinto muito. - eu disse, pegando minha bandeja e ficando em pé. - Eu nunca pedi por nada disso. Adrian vai se livrar de mim. - Você realmente quer que ele fique em cima de você. - ela perguntou. - O quê? Por que você mesmo perguntou alguma coisa assim? Ela não respondeu e, em vez disso fez um grande show de agitação em torno de seus purê de batatas. Quando eu percebi que ela não estava indo para elaborar, eu balancei a cabeça e sai em direção à saída. Todo o tempo, eu podia sentir ela me observando quando essa pergunta ecoou em minha mente: Você realmente quer que ele fique em cima de você?


Capítulo 9 Como Jill tinha dito, Adrian estava mais do que feliz em começar a nossa caça naquela tarde. Na verdade, quando eu finalmente consegui falar com ele, ele se ofereceu para me pegar quando as aulas terminaram, a fim de maximizar nosso tempo. Eu não me importava com isso, pois significava que eu ia começar a andar no Mustang. É verdade, eu teria preferido dirigi-lo eu mesmo, mas eu levo o que eu poderia receber. - Quando você vai nomear o carro? - Perguntei-lhe uma vez que estávamos no caminho para Los Angeles. - É um objeto inanimado, - disse ele. - Nomes são para pessoas e animais de estimação. Bati no painel do Mustang. - Não ouça ele. - Para Adrian, eu disse, - barcos tem nome o tempo todo. - Eu realmente não entendo o que quer, mas talvez eu faria se meu velho sempre liberasse o dinheiro para um iate privado. - Ele me lançou um olhar rápido, divertido, antes de voltar sua atenção para a estrada. - Como pode alguém tão fria e lógica como você ser tão obcecada com algo tão frívolo como este? Eu não tinha certeza de qual parte me incomodou mais, se era estar sendo chamada de fria ou obcecada. - Eu só estou dando o devido respeito a uma bela máquina. - Você nomeou seu carro de café. Isso é um sinal de respeito? - O maior respeito. - eu disse. Ele fez um barulho que parecia um cruzamento entre um zombar e rir. - Ok, então. O nome dela. O que você quiser, eu vou junto. - Sério? - Eu perguntei, um pouco assustada. É verdade, eu estava atormentando-o sobre a nomeação do carro, mas eu não tinha


certeza se queria ser a única a exercer esse tipo de poder. - É uma grande decisão. - Vida ou morte. - disse ele, impassível. - É melhor escolher com cuidado. - Sim, mas você é o único chamado criativo! - Então isso vai ser uma boa prática para você. Fiquei em silêncio por uma boa parte do tempo, impressionada com a gravidade do dilema que estava diante de mim. Qual deve ser o nome que reflete? O carro ensolarado amarelo? Linhas elegantes? Potente motor? A tarefa era esmagadora. Adrian me tirou dos meus pensamentos quando começamos a nos aproximar do exterior dos subúrbios de Los Angeles. - Nós não estamos realmente indo para a cidade, não é? - Hein? - Eu tinha vindo a empreender um debate mental entre vento de verão e pó de ouro. - Oh, não. Estamos indo para o norte. Pegue a próxima saída. A Sra. Santos tinha me proporcionado dois bairros conhecidos por suas casas de estilo vitoriano. Eu pesquisei-os amplamente em linha, mesmo indo tão longe a ponto de olhar para fotos de satélite. Eu finalmente escolhi aquele que mais se parecia com a minha visão e cruzei meus dedos se eu teria a mesma sorte que eu tive em encontrar o apartamento de Marcus. Certamente o universo me devia alguns favores. Infelizmente, as coisas não pareciam muito promissoras quando finalmente chegamos à rua, que eu tinha indicado. Era uma área residencial tranquila, preenchidos com essas mesmas casas distintas, mas nada que se compara a que eu tinha visto na minha visão. Nós dirigimos para cima e para baixo da rua, e eu fiz a varredura de cada lado, esperando que talvez eu tivesse perdido alguma coisa. - Ugh. - eu disse, cabisbaixa de volta para o meu lugar. Sem sorte. O universo aparentemente tinha me cortado. - Nós vamos ter


que verificar a localização dos outros, mas a sério, eles não pareciam combinar. - Bem, ele não pode ferir a... - Adrian de repente fez uma brusca virada para uma rua que tinha quase passado. Eu empurrei o pé quando ele bateu na calçada. - O que você está fazendo? Pense sobre seus pneus! - Olhe. - Ele fez outra vez, colocando-nos em uma rua paralela. A maior parte era habitação contemporânea da Califórnia...mas um bloco tinha mais casas vitorianas. Engoli em seco. - Aí está! Adrian chegou a parar do lado da rua em frente da casa da minha visão. Tudo estava lá, da varanda da embalagem para o mato de hortênsia. E agora, em plena luz do dia, eu poderia fazer o sinal no jardim da frente: VELHO MUNDO CAMA E CAFÉ DA MANHÃ. Um desenho menor identificou-o como um local histórico. - Bem, lá vamos nós. - Adrian estava claramente muito contente com seu achado, apesar do risco para os pneus do carro. - Talvez a irmã de Jackie esteja aqui. - Escolha estranha para executar nefastas atividades mágicas. comentei. - Eu não sei. Vendo que não há castelos antigos no bairro, então por que não uma cama e café da manhã? Eu tomei uma respiração profunda. - Ok, então. Vamos fazer algumas perguntas. Tem certeza de que pode confundir as mentes daqueles que me veem? - Fácil. - disse ele. - Mais fácil ainda se você estivesse usando sua peruca. - Oh. Eu esqueci. - Eu me abaixei e peguei uma peruca marrom que a Sra. Terwilliger tinha me fornecido. Mesmo com a magia de Adrian, queria tomar precauções extras. Enquanto isso seria bom se as pessoas fossem visitados por uma loira memorável, seria melhor ainda se eles fossem visitados por uma morena memorável. Eu puxei


a peruca, esperando que ninguém tinha visto a minha transformação. Eu levantei minha cabeça. - Será que está bem? O rosto de Adrian mostrou aprovação. - É bonito. Você parece ainda mais inteligente, o que eu não achei que era possível. Saímos do carro, e eu me perguntava se eu queria parecer inteligente. Um monte de gente já pensou que eu era chata. O cabelo loiro podia ser a única coisa interessante que eu tinha para mim. Então eu pensei por um minuto sobre a minha experiência recente de escalar uma escada de incêndio, invasão de domicílio, e entrar em uma briga com um fugitivo. Já para não falar que eu estava caçando uma poderosa bruxa do mal ao lado de um vampiro que podia controlar a mente das pessoas. Ok, talvez eu não fosse tão chata depois de tudo. Entramos para encontrar um lobby pequeno bonito com uma mesa ornamentada e uma área de estar com móveis de vime. Coelhos de pelúcia vestidos de vestidos de baile adornavam as prateleiras, e as paredes, na verdade, tinham pinturas a óleo da rainha Victoria. Os proprietários aparentemente levava seu tema muito literalmente, embora eu não tinha certeza de como os coelhos cabiam dentro. Uma menina da minha idade sentou-se à mesa e olhou para cima surpresa, de uma revista. Ela tinha o cabelo curto e óculos de platina moderno. Toneladas de colares pendurados no pescoço em uma exibição vistosa que ia contra a minha sensibilidade minimalista. Esferas rosa de plástico, uma estrela brilhante verde, um medalhão de ouro e diamante, uma coleira de cachorro...era incompreensível. Pior ainda, ela estava mascando chiclete alto. - Oi. - ela disse. - Posso ajudar? Nós

tínhamos

toda

uma

rotina

planejada,

mas

Adrian

imediatamente saiu do script. Ele atirou o braço em volta de mim.


- Sim, nós estamos olhando para uma escapadela de fim de semana, e um amigo nosso jura que é top de linha para um romance. - Ele me puxou para mais perto. - Nosso aniversário está chegando. Estamos namorando há um ano, mas não parece ser isso. - Isso é certo. - disse eu, tentando manter meu queixo sem cair. Forcei o que eu esperava que fosse um sorriso feliz. A menina olhou para trás e para frente entre nós, seu amolecimento na expressão. - Isso é tão doce. Parabéns. - Podemos verificar o local para fora? - Adrian perguntou. Quero dizer, se há quartos vagos? - Claro. - disse ela, levantando-se. Ela cuspiu a goma em uma lata de lixo e se aproximou de nós. - Eu sou a Alicia. Minha tia e meu tio são os proprietários. - Taylor. - disse eu, sacudindo a mão. - Jet. - disse Adrian. Eu quase gemi. Por razões inexplicáveis, "Jet Steele" era um pseudônimo que Adrian realmente gostava de usar. No nosso ensaio de hoje, ele deveria se chamar Brian. Alicia olhou para trás e para frente entre nós, uma pequena carranca em seu rosto que logo suavizou. Eu acho que foi a compulsão de Adrian, confundindo suas percepções de nós um pouco. - Siga-me. Nós temos alguns quartos vagos que você pode ver. Com um último olhar perplexo para nós, ela virou-se e dirigiu-se para uma escada. - Não é excelente, docinho? - Adrian perguntou em voz alta à medida que subia as escadas rangentes. - Eu sei o quanto você gosta de coelhos. Você não tinha um quando era pequena? Qual era o seu nome, Hopper? - Sim. - eu disse, resistindo à vontade de socá-lo no braço. Hopper? Sério? - Melhor coelho de sempre. - Oh, claro. - disse Alicia. - Então eu vou levá-los para a Suite do Coelho em primeiro lugar.


A Suite Coelho tinha mais desses coelhos de pelúcia bem vestidos como parte da decoração. A colcha que cobre a cama kingsize também teve uma margem de alternância de corações e coelhos costurados dentro. Vários livros estavam no manto acima da lareira a lenha, incluindo A Tale of Peter Rabbit e Coelho, Executar. Até aquele momento, eu não tinha percebido o quão absurdamente longe um tema poderia ser tomado. - Uau. - disse Adrian. Ele sentou-se na cama e testou sua elasticidade, dando-lhe um aceno de aprovação. - Isso é incrível. O que você acha, botão de ouro? - Não tenho palavras. - eu disse honestamente. Ele bateu no local ao lado dele. - Quer experimentar? Eu respondi com um olhar e me senti aliviada quando ele se levantou. Adrian e camas despertava muitos sentimentos conflitantes em mim. Depois disso, Alicia mostrou-nos a Suite Morning Glory, a Suite de veludo, e o London Suite, todos que competiram para superar os outros em aderência. No entanto, apesar do absurdo da artimanha de Adrian, a excursão tinha me dado a oportunidade de tomar nota das outras portas marcadas no corredor. Seguimos Alicia de volta para baixo. - Nós não conseguimos ver a Suite Sapphire ou o Príncipe Albert Suite? - Eu perguntei. Alicia balançou a cabeça. - Desculpe. Essas estão ocupados. Posso dar-lhe um folheto com algumas fotos, se quiser. Adrian tinha o braço em volta de mim novamente. - Bolo de anjo, não foi o príncipe Albert Suite, que Verônica ficou? Ela não está ainda aqui, não é? - Eu não tenho certeza. - eu disse. Esta, pelo menos, foi semelhante ao que nós tínhamos ensaiado. Olhei para Alicia. - Você


provavelmente não pode dizer-nos hein? Se a nossa amiga Veronica está aqui? Ela é muito bonita, tem cabelo comprido e escuro. - Oh, sim. - disse Alicia, iluminando. - É claro que eu me lembro dela. Ela estava no Conjunto de Veludo, na verdade, e só saiu ontem. Eu resisti à vontade de chutar a mesa. Tão perto. Nós tínhamos perdido ela por um dia. Sim, o universo foi feito definitivamente me dando pausas. Eu não seria capaz de lançar a magia de vidência até a próxima lua cheia, que era um mês de distância. - Oh, bem. - disse Adrian, ainda com aquele sorriso fácil. - Nós vamos vê-la para o Natal de qualquer maneira. Obrigado por sua ajuda. -

Você

quer

reservar

um

quarto?

-

Alicia

perguntou

esperançosamente. - Nós vamos voltar para você sobre isso. - eu disse. Na verdade, eu não teria colocado Adrian para reservar um e depois afirmar que foi parte da nossa cobertura. - Estamos verificando alguns lugares. Um aniversário de um ano não é algo que você quer tomar uma decisão precipitada. - Mas - disse Adrian, dando-lhe uma piscadela, - Eu tenho um bom sentimento sobre a Suite Coelho. Alicia andou conosco para fora, arregalando os olhos quando viu o Mustang. - Uau, bom carro. - É um carro incrível. - eu disse. - Esse é o nosso bebê, bem, até que tenhamos reais. Você não acha que precisa de um nome. - perguntou Adrian. - Eu continuo tentando convencer Taylor. - Mais uma vez, eu tive que lutar contra a vontade de socá-lo. - Oh, definitivamente. - disse Alicia. - Esse tipo de carro...é como realeza. - Vê? - Adrian me lançou um olhar triunfante. - E Alicia é uma especialista em realeza. Você não viu todas aquelas pinturas?


- Obrigada por sua ajuda. - disse a ela, dirigindo-o para a frente. - Estaremos em contato. Entramos no carro, e depois dando adeus a Alicia, Adrian foi embora. Olhei fixamente para frente. - Assim como com o conjunto de Coelho, não tenho palavras para descrever o que aconteceu. Quero dizer, realmente? Nosso aniversário? Jet? - Eu vejo mais como um Jet do que um Brian. - argumentou. Além disso, essa foi uma história muito melhor do que aquela sobre como nós queríamos fazer uma visita surpresa de aniversário para a nossa “amiga” Veronica. - Eu não sei nada sobre isso. Mas deu-nos a informação que é necessário. O que não é bom. Adrian ficou sério. -

Você

tem

certeza?

Talvez

Veronica

deixou

a

área

completamente. Talvez você e as outras meninas estão fora de perigo. - Isso seria bom, eu acho...exceto, que isso significa apenas que outra pobre garota em outro lugar iria sofrer em vez disso, e nós não temos nenhuma maneira de pará-la. - De minha bolsa, peguei a lista da Sra. Terwilliger de meninas usuárias de magia. - Um desses endereços está em Pasadena. Podemos passar lá no nosso caminho de volta e avisá-la. A menina que procuramos se chama Wendy Stone. Ela era uma estudante na Cal Tech, que parecia uma vocação estranha para uma bruxa. É claro, a Sra. Terwilliger tinha dito que estas eram as meninas que não estavam ativamente estudando o caminho mágico. Elas simplesmente possuíam habilidades mágica, e eu supunha o fato de que elas não tinham mentores sugeria que elas podem realmente ser resistente à sua inata capacidade, como eu.


Wendy vivia em um apartamento perto do campus que era fácil de encontrar. Era um nonsense, residência estudantil, principalmente, mas parecia um palácio luxuoso após o edifício de Marcus. Quando passamos por estudantes ocupados carregando mochilas e falando sobre as aulas, eu senti uma pontada de saudade que eu não tinha experimentado. Herdar o manto Alquimista significava que eu não poderia ir para a faculdade. A faculdade era um sonho que eu tinha

querido

por

muito

tempo, apesar

de

se

matricular

na

Amberwood ajudou a aliviar um pouco da minha saudade. Agora, neste burburinho de academia, uma onda de ciúme surgiu em mim. Qual seria a sensação de ter esse tipo de vida? Para ter o seu dia dedicado exclusivamente à busca do conhecimento, sem intriga ou risco de vida? Mesmo Adrian, com as suas aulas a tempo parcial de arte, era capaz de ter algum tipo de experiência colegial. - Não fique para baixo - disse ele quando chegamos no andar de Wendy. - Você pode ter a faculdade algum dia. Eu olhei para ele com admiração. - Como você sabia o que eu estava pensando? - Porque eu conheço você. - disse ele, simplesmente, não tinha zombaria em seus olhos. - Sua aura ficou triste, e eu imaginei que estar em um campus universitário tinha algo a ver com isso. Eu não conseguia encontrar o seu olhar e afastei. - Eu não gosto disso. - O que, que alguém realmente sabe o que é importante na sua vida? Sim, era exatamente isso. Mas por que me incomoda? Porque era Adrian, eu percebi. Por que um vampiro me entendia tão bem? Por que não um dos meus amigos? Por que não um dos meus amigos humanos? - Você pode ser Jet se você quiser. - eu disse bruscamente, tentando nos levar de volta à pista e encobrir meus sentimentos


conturbados. Afinal, esta não era a hora de Sydney Terapia. - Mas não estamos colocando como um casal novamente. - Você tem certeza? – Disse ele. Seu tom era mais leve agora, transformando-o de volta para o Adrian que eu conhecia. - Porque eu tenho muito mais de carinho para usar. Torta de mel. Bombom. Pudim de pão. - Por que todos os alimentos de alto teor calórico. - eu perguntei. Eu não queria encorajá-lo, mas a pergunta saiu antes que eu pudesse detê-lo. - E pudim de pão não é realmente romântico. Tínhamos chegado a porta de Wendy. - Você quer que eu te chame de talo de aipo em vez disso? Perguntou. - Ele só não inspira o mesmo sentimento morno e distorcido. - Eu quero que você me chame de Sydney. - Eu bati na porta. Er, Taylor. Uma menina com sardas e cabelos ruivos crespos respondeu. Seus olhos se estreitaram com cautela. - Sim? - Nós estamos procurando Wendy Stone. - eu disse. Ela fez uma careta. - Você é do escritório do secretário do tribunal? Porque eu lhes disse que o cheque está a caminho. - Não. - Eu abaixei minha voz e fiz com que não houvesse testemunhas. - Meu nome é Taylor. Estamos aqui para falar com você sobre, hum, magia. A transformação foi súbita e surpreendente. Ela passou de suspeita e cautelosa para chocada e indignada. - Não. Não. Eu disse a vocês uma centena de vezes que eu não quero estar envolvida! Eu não posso acreditar que você realmente apareceu na minha porta para tentar converter-me ao seu pequeno clã de aberração.


Ela tentou fechar a porta, mas Adrian conseguiu enfiar o pé e bloquear. Muito viril. – Espere. - disse ele. - Não é disso que se trata. Sua vida pode estar em perigo. Wendy virou incrédula. - Então vocês estão me ameaçando agora? - Não, nada disso. Por favor. - implorei. - Só vamos falar com você por cinco minutos. Então nós vamos sair e nunca mais incomodá-la novamente. Wendy hesitou e, finalmente, deu um aceno de resignação. - Tudo bem. Mas eu estou com meu spray de pimenta. Seu apartamento estava limpo e arrumado, tirando uma pilha de papéis

e

livros

de

engenharia

espalhados

no

chão.

Nós

aparentemente interrompemos a lição de casa, que trouxe de volta a minha melancolia. Ela fez bem em sua promessa de obter o spray de pimenta e, em seguida, apareceu diante de nós com os braços cruzados. - Fale. - ela ordenou. Eu mostrei a ela a foto de Verônica. - Você já viu essa mulher? - Não. - Bom. - Ou não? Será que isso queria dizer que Veronica pode ter Wendy marcado como um sucesso futuro e estava esperando para dar o bote? - Ela é perigosa. Eu não sei exatamente como colocar... - Ela acha meninas com magia e suga suas almas. - disse Adrian ajudando. Wendy olhou de um para outro. - Me desculpe, o que você disse? - Esse não é exatamente o caso, - disse. - Mas é perto o suficiente. Ela procura meninas com poder e leva para si mesma. - Mas eu não uso a magia. - Wendy respondeu. - Como eu disse, eu não quero ter nada a ver com isso. Há uma bruxa que vive em


Anaheim que está sempre a dizer-me qual o potencial que eu tenho e como eu deveria ser sua aprendiz. Eu continuo a dizer que não, e eu nunca tentei nenhuma magia. Esta senhora sugadora de almas não tem nenhuma razão para vir atrás de mim. A Sra. Terwilliger tinha me avisado que algumas das meninas poderia dizer isso. Na verdade, ela disse que a maioria teria esse argumento. - Isso não importa. - eu disse. - Isso não vai impedi-la. Wendy parecia aterrorizada agora, e eu não a culpo. Minha reação foi semelhante. Foi frustrante saber exatamente que o que você estava tentando fugir poderia vir atrás de você. - Então o que eu devo fazer? - Ela perguntou. - Bem, evitá-la, se puder. Se ela vier para te ver...Quer dizer, não a deixe entrar. Não fique sozinha com ela. - Isso foi um conselho ligeiramente coxo, e todos nós sabíamos isso. - Se você vê-la, eu diria a bruxa em Anaheim. De fato...Eu sei que você não quer, mas se eu fosse você, eu iria entrar em contato com a bruxa agora e tentar obter a ajuda dela. Talvez até aprender algumas magias defensivas. Eu entendo que você não quer, acredite, eu realmente sei, mas pode salvar sua vida. Também... - Eu segurei o encanto ágata. - Você deve levar isto e usá-lo em todos os momentos. Wendy olhou o charme como se fosse uma cobra venenosa. - Isso é algum truque para me fazer aprender magia depois de tudo? Você vem aqui com este ato inteiro sobre como se eu não aprender, eu poderia ter a minha alma sugada? Mais uma vez, eu tive que dar-lhe pontos. Eu acho que pensaria exatamente a mesma coisa. - Estamos dizendo a verdade. - eu insisti. - Não há nenhuma prova de que eu possa oferecer...bem, espere. Dê-me o seu endereço de e-mail, e eu vou enviar-lhe este artigo sobre outra garota que aconteceu isso.


Wendy parecia que ela estava à beira de usar o spray de pimenta. - Eu acho que eu já ouvi, se alguma menina teve sua alma magicamente sugada. - Não foi realmente óbvio para aqueles que não sabem sobre o mundo mágico. Deixe-me enviá-lo para você, e então você pode tomar suas próprias decisões. É o melhor que eu posso oferecer. Ela relutantemente concordou e escreveu o seu endereço de email. Adrian se adiantou para tirar isso dela, mas ele deve ter se mudado muito rapidamente porque de repente ela empurrou a lata de spray de pimenta em sua direção. - Para trás! - Exclamou ela. No momento exato, eu pulei na frente dele, com medo que ele estava prestes a conseguir um rosto cheio de spray de pimenta. Eu lancei o primeiro feitiço que eu poderia pensar, um simples que criou um chamativo, mas inofensiva luz colorida. Um feitiço blindagem teria sido muito mais útil, mas eu não tinha praticado nenhum. Isso tem que ser corrigido, caso nossos recados futuros envolvessem spray de pimenta. - Você, recue. - eu avisei. - Como eu esperava, a tela brilhante foi aterrorizante para alguém anti-magia como Wendy. Ela retirou-se para o outro lado de seu apartamento e, felizmente, não usou o spray. - S-saiam. - ela gaguejou, os olhos cheios de medo. - Por favor, tome precauções. - eu disse. Eu deixei o charme no chão. - E por favor, use este. Vou enviar o artigo. - Saia. - repetiu ela, sem fazer nenhum movimento em direção ao charme. Quando Adrian e eu saímos do prédio para o sol, suspirei alto. Eu estava consternada o suficiente para que eu não tinha sequer a chance de sentir sobre estar em uma faculdade. - Isso não foi tão bem. - eu disse. Ele pensou, depois sorriu.


- Eu não sei, Sage. Você se jogou na linha de spray de pimenta por mim. Você deve gostar de mim um pouco. -Eu-eu achei que seria uma vergonha para arruinar o seu rosto bonito. - gaguejei. Na verdade, eu não estava pensando em nada específico. Tudo o que eu sabia era que Adrian estava em perigo. Protegendo ele tinha sido instintivo. - Ainda assim, o feitiço era como ser durona. Eu consegui um pequeno sorriso. - Ele era inofensivo. Wendy não sabia de nada. A razão de Verônica vir atrás dessas meninas é que elas não têm qualquer proteção mágica e é exatamente por isso que eles provavelmente não podem detê-la. Eu não acho que o spray de pimenta vai ajudar, mas talvez o artigo irá convencê-la. Oh, não. Eu vou ter que fazer um endereço de e-mail falso para Taylor. - Não se preocupe. - disse Adrian. - Eu já tenho um Jet Steele que você pode usar. Isso realmente me fez rir. - Claro que sim. Para todos os encontros on-line que você faz, certo? Adrian não comentou de uma forma ou de outra, o que me incomodou mais do que deveria ter. Eu quis dizer isso como uma piada...mas havia verdade nisso? Se os rumores de algumas das minhas

próprias

observações,

eram

verdadeiras,

Adrian

tinha

experiência com um monte de mulheres. Muito. Pensar nele me chateou como os outros, muito mais do que deveria. Como muitas outras meninas que ele tinha beijado com a mesma intensidade? Quantos estiveram em sua cama? Quantos sentia as suas mãos sobre seus corpos? Ele não poderia ter amado todas elas. Algumas, provavelmente a maioria, tinha sido conquistas, meninas cujos rostos ele esqueceu na manhã seguinte. Pelo que eu sabia, eu era apenas a última conquista para ele, um teste para suas habilidades. Você


provavelmente não poderia encontrar um desafio maior do que um ser humano pendurar sobre vampiros. E, no entanto, pensando em todas as coisas ditas e não ditas entre nós, eu tinha certeza que não era verdade. Não importa o quão louco este entrelaçamento romântico era, ele me amava, ou achava que ele amava. Eu não era a conquista superficial. Provavelmente seria melhor se eu fosse, no entanto. Sem

uma

conexão

emocional,

ele

finalmente

desistiria

e

facilmente encontraria conforto nos braços de outra pessoa. Este provavelmente seria um bom momento para eu sugerir que ele fizesse isso de qualquer maneira. Mas eu fiquei em silêncio.


Capítulo 10 10 Na manhã seguinte, procurei a Sra. Terwilliger antes da aula para dar-lhe um resumo das aventuras de ontem. Ela se inclinou contra a mesa, saboreando um cappuccino enquanto eu falava. Sua expressão tornou-se mais escura, quando a história progrediu, e ela suspirou quando eu terminei. - Bem, isso é lamentável. - disse ela. - Estou feliz que você fosse capaz de encontrar a menina da Stone, mas mata a nossa liderança em Veronica até a próxima lua cheia. Pode ser tarde demais. - Você tem certeza que não há outra mágica de vidência? - Eu perguntei. Ela balançou a cabeça. - A maioria que eu poderia tentar seria alertá-la que eu estava olhando para ela. Há uma que pode mascarar-me, enquanto eu estou usando...mas também pode não ser capaz de penetrar qualquer blindagem que ela está usando para se esconder. - Ainda vale a pena tentar, não é? - Eu perguntei. O sinal de alerta soou, e os alunos começaram a chegar na sala de aula. Ela me deu um sorriso quando ela se endireitou. - Por que, Srta. Melbourne, eu nunca pensei que eu ia ouvir você sugerir essas coisas. Mas você está certa. Nós vamos falar sobre isso esta tarde. É algo que eu gostaria que você visse. Esse instinto anti-magia começou a elevar sua cabeça feia...e depois parou. Em algum lugar, contra a minha vontade, eu tinha ficado presa em tudo isso. Eu estava muito preocupada agora sobre outras vítimas de Verônica para pagar a atenção para as minhas preocupações habituais. Aos olhos de alquimista, usando magia era ruim. Em meus olhos, deixando inocentes em perigo era pior.


Sem outras situações críticas de enfrentar, eu achei que o dia passou voando. Quando voltei a Sra. Terwilliger para o nosso estudo independente, encontrei malas me esperando chegar. - Viagem de Campo. - ela me disse. - Temos que trabalhar sobre isso

no

meu

lugar.

-

Um

olhar

melancólico

cruzou

suas

características. - Pena que não pode parar em Spencer. Cafeína e magia não se misturavam, o que era um bom motivo para ficar longe do arcano. Eu comecei a notar que já que eu não estava trabalhando qualquer mágica, eu não tinha as mesmas restrições. Um momento depois, eu decidi que dizer a Sra. Terwilliger que tinha o suficiente acontecendo com uma irmã sanguinária à solta. Ela não precisava ser insultada também. Os gatos estavam esperando na porta quando chegamos em sua casa, que era um pouco assustador. Eu nunca tinha visto todos eles de uma vez e contei 13. Eu tinha que assumir que o número era de design. - Eu tenho que alimentá-los primeiro. - ela me disse quando eles invadiram a seus pés. - Então nós vamos começar a trabalhar. Eu balancei a cabeça sem dizer nada, pensando que seu plano era uma boa. Se os gatos não fossem alimentados em breve, parecia provável que girariam em nós. Eu não gosto de nossas chances. Uma vez que eles tinham comida para distraí-los, a Sra. Terwilliger e eu fomos a sua oficina. Havia pouco que eu poderia fazer a não ser observar. Magia muitas vezes era necessário que a pessoa que faz o feitiço seja o único a colocar em todo o trabalho. Eu ajudei com uma medida, mas era só isso. Eu tinha visto ela fazer um par de rápidos feitiços chamativos no passado, mas nunca nada dessa magnitude. Ficou claro para mim que este foi um feito muito, muito poderoso. Ela não tinha nada de vincular a ela para Veronica, sem cabelo ou imagem. O feitiço necessário fazia um rodízio para usar a imagem em sua mente da pessoa que está sendo procurada. Outros componentes, ervas e


óleos, ajudou a melhorar a magia, mas para a maior parte, o trabalho foi todo para a Sra. Terwilliger. Observando-a preparar desencadeou uma mistura de emoções em mim. A ansiedade era uma, é claro, mas foi emparelhado com um fascínio secreto ao ver alguém com a sua força lançar um feitiço. Quando tudo estava no lugar, ela falou o encantamento, e eu quase engasguei quando eu senti oscilação de energia na sala. Eu nunca tinha sentido isso de outra pessoa antes, e a intensidade quase me derrubou. A Sra. Terwilliger estava olhando para um local a poucos metros à sua frente. Depois de vários minutos, um ponto brilhante apareceu no ar. Ele cresceu maior e maior, transformandose em um disco, plano brilhante, que ficou pendurado como um espelho. Eu pisei para trás, meio com medo de que o disco iria continuar expandindo e consumir o quarto. Eventualmente, se estabilizou. Silêncio tenso nos cercaram enquanto ela olhava para a superfície brilhante. Um minuto passou, em seguida, o oval começou a encolher e encolher até que ele se foi. A Sra. Terwilliger afundou com a exaustão e pegou o lado de sua mesa de apoio. Ela estava suando muito, e eu lhe entreguei um suco de laranja que tinha preparado. - Você viu alguma coisa? - Eu perguntei. Não tinha havido nada visível para mim, mas talvez só o rodízio podia ver a magia revelada. Ela balançou a cabeça. - Não. O feitiço não foi capaz de tocar sua mente. Sua blindagem deve ser muito forte. - Então, nós não podemos fazer nada até o próximo mês. - Eu senti meu estômago em queda. Eu não tinha percebido até aquele momento o quanto eu estava esperando que esta mágica iria funcionar. Portanto, muito do meu problema de vida estava envolvido para resolver, e me senti perdida, quando fiquei sem opções.


- Você pode manter Adrian e ir alertando as outras meninas. disse a Sra. Terwilliger. A cor foi começando a voltar ao seu rosto. No mínimo, pode retardar Verônica. Olhei para o tempo no meu celular. Essa magia tinha levado mais tempo do que eu pensava. - Eu não acho que podemos fazer uma viagem de volta para Los Angeles hoje. Eu vou buscá-lo amanhã, e vamos ver se conseguimos terminar a lista. Uma vez que eu estava convencida de que ela não iria desmaiar de esforço mágico, eu fiz propostas para sair. Ela me parou quando eu estava prestes a sair pela porta. - Sydney? Olhei para trás, de repente inquieta. O problema de ter tantas pessoas me chamando por apelidos era que, quando alguém me chamou pelo meu nome real, geralmente significava que algo sério estava acontecendo. - Sim? - Estamos sempre falando sobre avisar a outros, mas não se esqueça de cuidar de si mesma também. Continue estudando o livro. Aprenda a proteger a si mesma. E manter o charme. Eu toquei a granada, escondido debaixo da camisa. - Sim, senhora. Eu vou.

~~//~~

O texto prometido por Marcus veio enquanto eu estava dirigindo de volta para a escola, me dizendo para encontrá-lo em uma galeria próxima. Eu sabia o local e tinha sido realmente ao campo de minigolfe adjacente uma vez antes, então eu não tinha dificuldade para chegar lá. Ele estava esperando por mim ao lado da porta, e, felizmente, Sabrina não estava por perto empunhando uma arma.


Eu não tinha passado muito tempo nos arcades e realmente não entendia eles. Eles quase não engrenam com o estilo do meu pai de educação. Para mim, era uma massa de sobrecarga sensorial que eu não estava muito preparada. O cheiro de pizza um pouco queimada encheu o ar. Animadas crianças e adolescentes disparava para frente e para trás entre os jogos. E em todos os lugares, tudo parecia estar piscando e apitando. Estremeci, pensando que talvez meu pai tinha dito algo sobre evitar esses lugares. - Este é o lugar onde nós estamos indo para discutir atividades secretas? - eu perguntei, incrédula. Ele me deu um de seus sorrisos de estrela de cinema. - Não é um lugar fácil para as pessoas espionarem você. Além disso, eu não tenho jogado Skee-Ball em anos. Esse jogo é incrível. - Eu não sei. - O que? - Foi uma espécie de coisa boa pegá-lo de surpresa novamente, mesmo que fosse por algo tão trivial. - Você está perdendo. Me dê algum dinheiro por fichas, e eu vou lhe mostrar. Aparentemente, ser um líder renegado em fuga não paga bem. Ele

encontrou

as

máquinas

Skee-Ball

instantaneamente.

Comprei-lhe um copo cheio de ficha e entreguei a ele. – Tome. Ele prontamente colocou uma ficha e jogou a primeira bola. Ele pousou completamente fora dos anéis, fazendo-o de cenho franzido. - Você não perde tempo. - comentei. Seus olhos estavam sobre o jogo quando ele fez o seu segundo lance, que novamente perdeu. - É uma tática de sobrevivência. Quando você passar tempo suficiente em fuga...se escondendo o tempo todo...bem, você aproveita esses momentos de liberdade. E quando as meninas bonitas estão longe. - Como você sabe que está livre? Como você pode ter tanta certeza que os Alquimistas não estão me olhando? - Eu perguntei. Eu


tinha certeza que eu não estava sendo observada e, principalmente, queria testá-lo. - Porque eles teriam aparecido no primeiro dia. - Ele tinha um ponto. Eu coloquei minhas mãos em meus quadris e tentei ser paciente. - Quanto tempo você vai jogar? Quando podemos conversar? - Podemos falar agora. - Sua próxima bola bateu no anel 10 pontos, e ele gritou com alegria. - Eu posso falar e jogar. Pergunte. Eu vou te dar quantos segredos chocantes que eu puder. - Eu não sou facilmente chocada. - Mas eu não ia perder essa oportunidade. Olhei em volta, mas ele estava certo. Ninguém ia escutar neste lugar barulhento. Que mal podíamos ouvir um ao outro. - O que você fez para ser expulso dos Alquimistas? - Eu não fui expulso. Eu saí. - Essa rodada terminou, e ele colocou sua próxima ficha. - Por causa de uma garota Moroi. Eu congelei, incapaz de acreditar no que tinha ouvido. Marcus Finch tinha iniciado a sua grande rebelião...porque ele tinha se envolvido com um Moroi? Tocou muito perto de minha própria situação. Quando eu não disse nada, ele olhou e pegou na minha expressão. - Ah. Oh. Não, nada disso. - disse ele, percebendo meus pensamentos. - Isso não é uma linha que eu iria atravessar. - Claro que não. - eu disse, esperando que eu estava fazendo um bom trabalho em esconder meu nervosismo. - Quem gostaria? Ele voltou para o jogo. - Nós éramos amigos. Fui designado para Atenas, e ela vivia com sua irmã. Isso me desabou. - Atenas...você estava em Atenas? Esse era um dos lugares que eu queria ser atribuída. Eu fui a St. Petersburg em vez disso, mas eu sempre tinha a esperança de que, talvez, talvez, eu seria transferida


para a Grécia. Ou até mesmo a Itália. - Eu estava quase balbuciando, mas ele não pareceu notar. - O que há de errado com St. Petersburg? Além da contagem de Strigoi elevado. - O que está errado é que não era Atenas ou Roma. Meu pai solicitou especificamente que eu não fosse atribuída a um ou outro lugar. Ele pensou que seria muito perturbador. Marcus parou de novo para me dar um olhar de longo nível. Não foi a simpatia em sua expressão, como se a minha história inteira e drama familiar estavam jogando diante de seus olhos. Eu não quero que ele sinta pena de mim e desejei que eu não tinha dito nada. Eu limpei minha garganta. - Então me diga sobre essa garota em Atenas. Ele entendeu o recado. - Como eu disse, ela era uma amiga. Tão engraçada. Oh, cara. Ela abriu-me. Nós costumávamos sair o tempo todo, mas você sabe como essa é uma espécie de cara amarrada. Eu quase ri de sua piada sutil. Espécie? Isso foi um eufemismo. Alquimistas não deveriam interagir com Moroi a menos que fosse absolutamente necessário para algum assunto relacionado a negócios ou parar encobrir Strigoi. Minha situação era um pouco original, uma vez que a minha missão era realmente necessário que eu fale com ela em uma base diária. - De qualquer forma - continuou ele. - Alguém percebeu, e eu tive um monte de atenção indesejada para ela. Ao mesmo tempo, comecei a ouvir todos esses rumores... sobre Alquimistas segurando Moroi contra a sua vontade. E até mesmo alguns Alquimistas interagindo com os guerreiros. - O quê? Isso é impossível. Nós nunca trabalhamos com esses malucos. A ideia de prisioneiros Moroi era estranho, mas era essa segunda parte que realmente me confundiu. Eu não poderia mesmo processá-


lo. Ele poderia muito bem ter dito que os Alquimistas estavam trabalhando com estrangeiros. - Isso é o que eu pensava. - Ele jogou outra bola, parecendo extremamente satisfeito quando marcou 30 pontos. - Mas eu continuei a ouvir sussurros, então comecei a fazer perguntas. Um monte de perguntas. E, bem, é quando as coisas realmente ficaram ruim. Perguntas não vão sempre tão bem, especialmente se você é um incômodo sobre eles. Pensei na minha própria experiência. - Isso é certamente verdade. - Então é isso, quando eu caminhava. Ou, bem, corria. Eu podia ver os sinais. Eu tinha cruzado uma linha e sabia que era só uma questão de tempo antes que eu tivesse um bilhete só de ida para reeducação. - Outra nova rodada começou, e ele fez um gesto para a frente. – Quer tentar? Eu ainda estava atordoada o suficiente por suas palavras anteriores que me adiantei e peguei a bola. Os Alquimistas eram lógicos, organizados e razoável. Eu sabia que havia alquimistas que queriam que nós fizéssemos mais para combater os Strigoi, mas não havia maneira de o nosso grupo trabalhar com os fanáticos. - Stanton disse-me que apenas toleravam os Guerreiros. Que estamos apenas mantendo um olho sobre eles. - Isso é o que me foi dito também. - Ele me observou alinhar um tiro. - Há uma espécie de curva de aprendizado para isso, por sinal. Pode demorar um pouco. Eu joguei e bateu o anel de 50 pontos. Marcus só podia olhar por alguns segundos, seu sorriso anterior desaparecendo. - Você disse que nunca tinha jogado! - Exclamou. - Eu não joguei. - Eu joguei outro ponteiro de 50. - Então, como você está fazendo isso?


- Eu não sei. - Cinqüenta pontos novamente. - Você só baseia a sua força sobre o peso da bola e da distância para o ringue. Não é tão difícil. Este é um tipo de jogo chato, realmente. Marcus ainda estava mudo. - Você é uma espécie de super-atleta? Eu quase zombei. - Você não precisa ser um atleta para jogar este. - Mas...n... - Ele olhou para os anéis, depois para mim, e depois de volta aos ringues. - Isso é impossível. Estive jogando isso desde que eu era criança! Meu pai e eu costumavamos ir ao carnaval da nossa cidade mais e mais no verão, e eu passava pelo menos uma hora jogando cada um. - Talvez você devesse ter feito isso duas horas. - Joguei outra bola. - Agora me diga mais sobre os guerreiros e os alquimistas. Você já teve alguma prova? Ele levou vários momentos para ajustar de volta para a conversa. - Não. Eu tentei. Eu até fiquei acolhido com os guerreiros por um tempo, é assim que eu conheci Clarence. O meu grupo tem encontrado alguns segredos sombrios sobre os alquimistas e salvado Moroi dos guerreiros, mas nunca foram capazes de fazer uma conexão entre os dois grupos. - Ele fez uma pausa dramática. - Até agora. Eu peguei a bola ao lado. Esta atividade mundana estava me ajudando a analisar suas palavras surpreendentes. - O que aconteceu? - Foi um golpe de sorte, realmente. Nós temos um cara que trabalha com a gente agora que acabou de sair dos Alquimistas e quebrou a tatuagem. - explicou. Ele disse que não era grande coisa, mas eu ainda não podia sacudir como desconfortável "quebrar a tatuagem" me fazia sentir. - Ele tinha ouvido algo que correspondeu


ao que Sabrina tinha descoberto. Agora nós só temos que obter as evidências ligando tudo. - Como é que você vai fazer isso? - Na verdade, você está indo para retirá-la. Ele falou assim quando eu estava lançando outra bola. Meu tiro foi

de

largura,

perdeu

os

anéis

e

até

mesmo

a

máquina

completamente. A bola bateu na parede e caiu aos pés de algumas meninas assustadas. Marcus pegou a bola e deu um sorriso de desculpas, o que fez jorrar sobre como não foi nenhum problema em tudo. Assim que eles foram embora, eu inclinei para Marcus. - O que você disse? - Você me ouviu. Você quer se juntar ao nosso grupo? Você quer quebrar a sua tatuagem? - Ele olhou irritantemente presunçoso. Então, isso é tudo parte do processo. - Eu nunca disse que queria fazer nenhuma dessas coisas! - Eu assobiei. - Eu só queria saber mais sobre eles. - E eu aposto que você realmente gostaria de saber se há facções

dos

alquimistas

que

trabalham

com

os

guerreiros.

-

Ele estava certo. Eu queria saber isso. Ele pegou minha mão. - Sydney, eu sei que esta é uma responsabilidade muito grande e eu não a culpo por duvidar, e é exatamente por isso que precisamos de você. Você é inteligente. Você está atenta. Você pergunta. E, assim como eu, essas perguntas vão colocar você em problemas, se já não o fez. Sai agora, enquanto você pode, em seus próprios termos. - Eu só conheci! Eu não estou rompendo com o grupo que me criou. - Eu puxei minha mão de volta. - Eu estava disposta a ouvir vocês, mas agora você foi longe demais. Eu me virei e fui em direção a porta, sem vontade de ouvir mais. No entanto, quando eu fui embora, suas palavras se arrastaram sobre

mim.

Mesmo

que

eu

tivesse

sido

perdoada

por

meu


envolvimento com Rose, meu registro provavelmente ainda tinha uma marca negra. E mesmo que eu não tivesse empurrado duro sobre Marcus Finch, até mesmo trazendo-o a tona levantou as suspeitas de Stanton? Quanto tempo até que as pequenas coisas fossem somadas? Abri as portas e sai para a luz solar brilhante. Expulsei as trevas do que eu acabara de ouvir. Marcus estava bem atrás de mim e tocou meu ombro. - Sydney. Sinto muito. Eu não estou tentando te assustar. - Essa atitude arrogante se foi. Ele estava sério, mortal. - Eu só sinto algo sobre você...algo que ressoa comigo. Acho que estamos do mesmo lado, que queremos as mesmas coisas. Nós dois chegamos perto dos Moroi. Nós queremos ajudá-los, sem ser enganado ou usado. Olhei-o com cautela. - Vá em frente. - Por favor, ouça-nos. - Eu pensei que eu fiz isso. - Você me ouviu. - ele corrigiu. - Eu quero que você conheça os outros e ouça suas histórias. Eles vão lhe dizer mais sobre o que eles passaram. Eles vão falar sobre isso. – Ele bateu na sua tatuagem. - E quando você ouvir mais sobre essa tarefa...bem, eu acho que você vai querer fazê-lo. Certo. A grande coisa alucinante que vai revelar um alquimistaguerreiro de conspiração. - Ele permaneceu sério, o que me incomodou mais do que se ele de repente revelasse que esta é uma grande piada. - Então, o que? Você vai buscar os outros, e todos nós vamos ter um dia arcade? Ele balançou a cabeça. - É muito perigoso. Eu vou reuní-los em algum outro lugar e depois dizer-lhe onde nos encontrar, mas tem que ser de novo no último minuto. Não pode arriscar ser detectado.


- Eu não posso ir em alguma viagem épica. - eu avisei. Ninguém se importa muito com viagens de LA, mas passeando por todo o estado vai conseguir a atenção indesejada que você estava falando. - Eu sei, eu sei. Vai ser perto. Eu só tenho que ter certeza que é seguro. - Ele estava de volta ao seu eu, animado, alegre. - Você vai fazer isso? Venha se juntar a nós? Apesar de tudo, eu estava curiosa. Mesmo que eu me recusasse a acreditar em qualquer conexão entre os guerreiros e os alquimistas, eu queria saber o que levava este grupo a pensar que eles tinham. Eu também só queria ver este grupo misterioso de seu período. Do que Adrian tinha chamado? Homens alegres de Marcus? E, claro, havia a tatuagem. Marcus manteve aludindo a seus segredos, mas ainda não tinha me dado os detalhes. - Eu vou fazer isso. - disse. - Com uma condição. - Diga. - Eu quero trazer alguém comigo. - eu disse. - Você pode confiar nele, eu juro. Mas depois que Sabrina apontou uma arma para mim, você tem que entender por que eu estaria um pouco nervosa sobre o passeio em sua panelinha. Marcus parecia que ele podia quase considerar isso, mas, de repente, recuou. – Não Adrian? - Não, não. Esse cara é um dhampir. Ninguém que estaria interessado em transformar-te para os Alquimistas, especialmente se você realmente está trabalhando para proteger os Moroi. Você diz que tem um bom sentimento sobre mim? Então confie em mim que você não tem nada para se preocupar com ele. Ele vai estar lá para me fazer sentir um pouco mais segura. - Você não tem nada para se preocupar conosco. - disse Marcus. - Nós não vamos te machucar.


- Eu quero acreditar em você. Mas eu não consigo ter a mesma sensação boa que você ainda tem. Ele não disse nada de imediato e, em seguida, caiu na gargalhada. - É justo. Traga o seu amigo. - Ele apertou a minha mão, como se estivéssemos vedando algum grande negócio. - Eu vou estar em contato mais tarde com os detalhes. Você não vai se arrepender, Sydney. Eu juro.


Capítulo 11 11 Marcus desapareceu para onde quer que fosse que ele estava escondido, e eu fui para casa. O que ele disse para mim ainda parecia estranho. Eu mantive-me dizendo que nada disso pode ser verdade. Ele fez coisas muito mais fáceis de manusear. De volta a Amberwood, encontrei o burburinho habitual de atividade dos estudante à noite. Parecia reconfortante depois de minha

saída

chocante,

muito

longe

de

fanáticos

e

magias

enigmáticas. Meu telefone soou com uma mensagem de texto no minuto em que pisei em meu dormitório. Era de Jill: Vamos nos ver quando você estiver de volta. Eu suspirei. Não há descanso para os ímpios, ao que parece. Eu deixei minha bolsa no meu quarto e, em seguida, caminhei até o segundo andar, sem saber o que ia encontrar. Jill abriu a porta, olhando imensamente aliviada ao me ver. - Graças a Deus. Temos uma situação. - Temos sempre uma situação. - disse. Entrei e vi Angeline sentada no chão, contra a parede e uma expressão triste no rosto. O que aconteceu? Ela olhou para cima rapidamente. - Não foi minha culpa. O sentimento de afundamento em meu estômago aumentou. - Nunca é, não é? Repito: o que aconteceu? Quando Angeline se recusou a dizer, Jill falou. - Ela deu a Trey uma concussão com um livro de álgebra. Antes que eu pudesse começar a analisar, Angeline saltou para seus pés. - O médico disse que não era uma concussão!


- Espere. - Olhei entre elas, na esperança de que elas caíriam na gargalhada com a piada que jogaram em mim. - Você fez alguma coisa para Trey que foi realmente necessário a atenção médica? - Eu mal toquei nele. - ela insistiu. Sentei-me na cama de Jill e resisti à vontade de rastejar sob as cobertas. - Não. Você não pode fazer isso. Não outra vez. O que o diretor disse? Oh, Deus. Onde é que vamos enviar você? Após a briga de Angeline com um grupo motivacional, tinha sido muito claro que a luta ainda iria levá-la a expulsão. - Eddie assumiu a culpa. - disse Jill. Um pequeno sorriso cruzou seu rosto enquanto ela falava. - Não havia muitas testemunhas realmente, então Eddie disse que eles estavam brincando na biblioteca e lançando o livro para trás. Ele alegou que foi descuidado e lançou o livro e que acidentalmente atingiu Trey na cabeça. Angeline assentiu. - Esse é o tipo do que realmente aconteceu com a gente. - Não, não foi. - protestou Jill. - Eu vi isso. Você ficou brava quando Trey disse que não deve ser tão difícil de entender que x sempre tem um valor diferente. - Ele deu a entender que eu era estúpida! Variáveis não parece ser muito difícil como um conceito para mim, mas eu poderia dizer sob bravata que Angeline realmente estava nervosa. Eu sempre tive a impressão de que entre os Guardiões, Angeline tinha sido uma rainha entre seus pares. Aqui ela estava

constantemente

tentando

manter-se

academicamente

e

socialmente à deriva em um mundo muito diferente do que ela tinha crescido. Isso faria qualquer um inseguro. E enquanto eu questionei se Trey já disse que ela era estúpida, eu podia entender como alguns dos seu comentário sarcásticos poderiam ser percebidos dessa forma. - Será que Eddie entrou em algum problema sério. - eu perguntei.

Eu

duvidava

que

ele

ia

ficar

expulso

por


algo como isso, mas seria apenas a minha sorte que ele teria o castigo por ter salvado Angeline. - Detenção. - disse Jill. - Ele aceitou muito bravamente. - acrescentou Angeline. - Eu tenho certeza que ele fez. - disse, perguntando-me sequer se elas sabiam que estavam vestindo uma expressão de adoração. Olha,

Angeline,

sei

que

o

processo

de

tutoria

deve

ser

frustrante, mas você tem que ver o seu temperamento, ok? Trey está apenas tentando ajudar. Ela parecia cética. - Ele tem uma espécie de atitude, às vezes. - Eu sei, mas as pessoas não estão exatamente fazendo fila para preencher a sua posição. Nós precisamos de você aqui. Jill precisa de você aqui. Eddie precisa de você aqui. - Eu vi um pouco de seu desbotamento de indignação com a menção de seus amigos e do dever. - Por favor, tente trabalhar com Trey. Ela deu um aceno de cabeça fraco, e eu me levantei para sair. Jill correu atrás de mim no corredor. - Ei, Sydney? Como foi o seu passeio com Marcus? - Foi tudo bem. - disse eu, certamente não para desenterrar revelações alarmantes de Marcus. - Informativo. E eu aprendi a jogar Skee-Ball. Jill quase pareceu ofendida. - Você jogou Skee-Ball? Eu pensei que você deveria estar aprendendo sobre a história e os segredos dos Alquimistas. - Nós somos multitarefa. - eu disse, não gostando de seu tom. Saí antes que ela pudesse comentar de Eddie ainda mais e mandei uma mensagem quando cheguei ao meu quarto. Eu ouvi o que aconteceu. Desculpe. E obrigada.. Sua resposta foi rápida: Pelo menos não foi uma concussão.

~~//~~


Eu me preparei para a crepitação quando fui ao encontro de Adrian no dia seguinte. Jill provavelmente tinha dito a ele sobre minha viagem, o que provavelmente obteria um comentário do tipo: “É bom saber que você é tão dedicada a decifrar os Alquimistas. Uma forma de manter o seu olho na bola." Quando parei em frente do edifício de Adrian, ele já estava esperando na frente por mim. Assim que eu vi seu rosto triste, meu coração parou. Eu pulei para fora do carro, mal parando para pegar as chaves. -

O

que

de

errado?

-

Exclamei,

correndo

até

ele.

Ele pôs a mão no meu ombro, mas eu estava muito preocupada para me preocupar com o toque. -

Sydney,

eu

não

quero

que

você

pire.

Não

danos

permanentes. Eu o examinei. - Você está bem? Você foi ferido? Por um momento, sua expressão sombria virou intrigada. Então, ele compreendeu. - Oh, você acha que sou eu? Não, eu estou bem. Vamos. Ele me levou ao redor da parte de trás do seu prédio, para o parque de estacionamento privado utilizado por residentes. Eu cheguei a um impasse, meu queixo caiu quando eu tomei a cena terrível, medonha. Um morador de algum outro apartamento estava em volta, e um policial ficou próximo para tomar notas. Em torno de nós,

sete

carros

estacionados

tinham

os

pneus

cortados.

Incluindo o Mustang. - Não! Eu corri para seu lado, de joelhos e examinei os danos. Eu senti como se estivesse no meio de uma guerra, ajoelhando por um camarada caído no campo de batalha. Eu estava praticamente à beira de gritar: “Você não pode morrer assim!" Adrian se agachou ao meu lado.


- Os pneus podem ser substituídos. Eu acho que o meu seguro vai mesmo cobri-lo. Eu ainda estava horrorizada. - Quem fez isso? Ele deu de ombros. - Algumas crianças, eu acho. Eles atingiram os carros de um bloco todo ontem. - E você não acha que valia a pena mencionar para mim? - Bem, eu não sabia que eles estavam indo para vir aqui também. Além disso, eu sabia que você ia vir para cá e desejaria configurar a vigilância 24 horas sobre este lugar. - Isso não é uma má ideia. - Olhei para seu prédio. - Você deveria falar com o senhorio sobre isso. Adrian não parecia quase tão preocupado quanto ele deveria estar. - Eu não sei o que ele poderia fazer sobre isso. Quer dizer, isso não é realmente um bairro perigoso. Eu apontei para o Mustang. - Então, como é que isso aconteceu? Mesmo que nós poderíamos ir com o Latte para Los Angeles, ainda tivemos que esperar para terminar com a polícia e em seguida, obter um caminhão de reboque. Tive a certeza que o motorista do caminhão de reboque sabia que era melhor não ter um arranhão no carro, e depois eu assisti tristemente como foi arrastado. Uma vez que o carro ensolarado desapareceu em uma curva, eu me virei para Adrian. - Pronto para ir? - Não temos tempo suficiente? Eu olhei para o meu celular e gemi. Nós perdemos um monte de tempo no tratamento sobre o vandalismo. E ainda assim, eu odiava ter que esperar até amanhã, já que eu já tinha perdido tempo ontem, enquanto lidava com Marcus. Liguei para a Sra. Terwilliger e


perguntei se ela tinha cobertura para mim se eu viesse depois do toque de recolher. - Sim, sim, claro. - disse ela, em um tom que sugeria que ela não conseguia entender por que eu estava me incomodado a chamando. - Basta falar com mais dessas meninas. A Sra. Terwilliger me deu seis nomes. Nós já tínhamos tomado cuidado com Wendy Stone. Três das meninas viviam relativamente próximas, e eram o nosso objetivo de hoje. Os dois últimos foram mais perto da costa, e nós esperamos alcançá-las amanhã. Adrian tentou conversar comigo durante a viagem, mas minha mente ainda estava no Mustang. - Deus, eu sou uma idiota. - eu disse, uma vez que quase tinha chegado ao nosso destino. - Isso nunca é um termo que eu usaria para descrever você, disse

ele

prontamente.

-

Articulada.

Bem

vestida.

Esperta.

Organizada. Bonita. Eu uso esses termos, mas nunca 'idiota'. Eu quase perguntou por que "bonita" veio depois de "organizada" e, em seguida, lembrei-me da preocupação real. - Eu estou obcecada com o carro quando a vida das meninas estão na linha. É estúpido. Minhas prioridades estão desarrumadas. Meus olhos estavam na estrada, mas eu poderia dizer que ele estava sorrindo. - Se as suas prioridades fossem realmente confusas, você teria seguido o caminhão de reboque. No entanto, aqui está você, fora para ajudar estranhos. Isso é uma coisa nobre, Sage. - Não descarte a si mesmo. - eu disse. - Você é muito nobre também, indo em todos esses passeios comigo. - Bem, não é o mesmo que Skee-Ball, mas tenho que fazer. Como foi isso, afinal? Será que você realmente aprendeu alguma coisa?


- Eu aprendi muito, algumas coisas muito inacreditáveis, na verdade. Eu ainda estou esperando para obter alguma prova, no entanto.

~~//~~

A sorte estava conosco inicialmente. As primeiras duas meninas estavam em casa, apesar de suas reações serem semelhantes a de Wendy Stone. Desta vez, eu tinha a previsão de trazer o artigo de jornal, na esperança de que iria fazer uma impressão mais forte. Aquele quadro medonho, pelo menos, lhes deu uma pausa, mas eu as deixei sem saber se elas realmente me levaram a sério ou usariam os encantos de ágata. Nossa sorte acabou quando chegamos ao último nome. Ela também era uma estudante universitária, o que teve outra visita ao campus. Seu nome era Lynne Tito, e ela vivia em uma casa de fraternidade. Admito que, quando eu bati na porta, eu estava totalmente preparada para encontrar um grupo de meninas vestidas de rosa, com uma luta de almofadas na sua sala de estar. Mas quando foram mostradas, descobrimos uma casa em ordem não tão diferente da construção de Wendy. Algumas meninas estavam indo e vindo, enquanto outras se sentaram ao redor com livros e papéis. - Lynne. - perguntou a menina que ia deixar-nos lá dentro. Você acabou de perder ela. Eu sabia que isso não deveria ser uma surpresa. Essas meninas tinham vidas. Elas não estariam todas esperando por mim para vir e falar com elas. Olhei inquieta por uma janela, tomando nota do céu púrpura. - Qualquer ideia de quando ela vai estar de volta? A menina balançou a cabeça. - Não, sinto muito. Eu não sei onde ela foi. Adrian e eu trocamos olhares.


- Você está livre do seu toque de recolher. - ele me lembrou. - Eu sei. Mas isso não significa que eu quero passar a noite toda esperando por Lynne. - Fiz alguns cálculos mentais. - Acho que podemos esperar um par de horas. Três no máximo. Adrian parecia extremamente satisfeito com isso, e eu não poderia deixar de perguntar se ele estava mais animado em estar para fora em um campus universitário...ou em passar o tempo comigo. - O que é divertido de se fazer por aqui? - Ele perguntou a nossa anfitriã. Ele olhou em volta para o ambiente calmo acadêmico. – Nenhuma festa por aqui, hein? A menina colocou uma expressão de desaprovação. - Somos uma irmandade muito séria. Se você está procurando festas, eu garanto que há uma acontecendo na mesma rua. Essas meninas têm uma a cada noite. - Adrian me lançou um olhar esperançoso. - Oh, por favor. - eu disse. - Não podemos achar algum bom museu? - Nós queremos ficar perto, no caso de Lynne voltar. - disse Adrian. Algo me disse que se a festa fosse em toda a extensão do campus, ele ainda teria empurrado por ele. - Além disso, se você quer ir para a faculdade, você deve ver o escopo completo do que ele tem a oferecer. E você não é uma fã de coisas gregas? Isso não era o que eu tinha em mente, e ele sabia disso. Eu relutantemente concordei, mas avisei que ele não podia beber. Eu estava usando a peruca marrom e presumi que ele estava usando espírito

para

mascarar-nos

ainda

mais.

Álcool

diminuiria

sua

capacidade de puxar tudo fora. Além disso, eu só não quero vê-lo bêbado.

~~//~~


Foi fácil encontrar a casa de festa, porque ouvia a música de longe. Um cara e uma menina abertamente bebendo cerveja em copos de plástico nos desafiou na porta. - Esta é a palavra grega. - disse a menina. Parecia que ela poderia cair de seu banquinho. - Com quem você está? Eu apontei vagamente para a irmandade de Lynne. - Hum, eles. - Alpha Yam Ergo. - disse Adrian, sem hesitar. Eu esperava que o esquadrão da porta fosse ressaltar que a maioria daquelas palavras não eram gregas. Talvez porque Adrian falou com tanta confiança, ou porque tinha muita cerveja, mas o cara acenou-nos para dentro. Era quase como estar de volta no arcade, um dilúvio avassalador de estímulos. A casa estava cheia de adornos, com fumaça pairando no ar e álcool fluindo livremente. Várias pessoas nos ofereceram bebidas, e uma garota nos convidou três vezes para jogar pong cerveja, esquecendo-se que ela já tinha falado para nós. Eu considerava tudo isso com espanto, tentando manter o desgosto do meu rosto. - Que desperdício de aula. Isso está arruinando todos os meus sonhos colegiados. - eu gritei para Adrian. - Não há nada a fazer a não ser estar bebendo ou ser estúpido? - Ele olhou ao redor, capaz de ver mais da sala de sua maior altura. Ele iluminou. - Isso parece promissor. - Ele agarrou minha mão. - Vamos. Em uma cozinha surpreendentemente agradável e espaçosa, encontramos várias meninas sentadas no chão, a pintura em branco nas camisetas. A julgar pelo trabalho desleixado e derramamentos de tinta, elas também tinham exagerado na bebida. Uma menina tinha um copo de cerveja ao lado de um copo idêntico de pintura, e eu esperava que ela não iria misturá-las. - O que você está fazendo? - Eu perguntei. Uma das meninas olhou para cima e sorriu. - Fazendo camisas para o carnaval de inverno. Você quer ajudar?


Antes que eu pudesse dizer não, Adrian já estava no chão com elas. - Eu quero. - Ele serviu-se de uma camiseta branca e um pincel com tinta azul. - O que estamos colocando sobre estes? – “trabalho das meninas de má qualidade” fazia uma pergunta válida. - Os nossos nomes. - disse uma menina. - Material de Inverno. - disse outra. Isso foi bom o suficiente para Adrian. Ele começou a trabalhar em flocos de neve na pintura na camisa. Incapaz de ajudar, me ajoelhei para dar uma olhada melhor. Quaisquer que sejam seus defeitos, Adrian era um artista decente. Ele misturou em algumas outras cores, fazendo os flocos de neve intrincados e estilizados. Em um ponto, ele fez uma pausa para acender um cigarro de cravo, compartilhando um dos cinzeiros das meninas. Era um hábito que eu não gostava muito, mas pelo menos o resto da fumaça neste lugar mascarava o dele. Quando ele estava terminando a camisa e escrevendo o nome da irmandade, notei que todas as outras meninas pararam para olhar. - Isso é incrível. - disse uma delas, com os olhos arregalados.Posso ficar com ele? - Eu quero isso. - insistiu a outra. - Eu vou fazer para cada uma de vocês. - ele garantiu. A maneira como elas olharam para ele foi uma lembrança indesejada da amplitude de sua experiência com outras mulheres. Mudei um pouco mais para perto dele, apenas para que não tenham ideias. Ele entregou a camisa branca para a menina e depois começou a trabalhar em uma camisa azul. Uma vez que ele cumpriu sua promessa para cada menina, ele vasculhou a pilha de camisetas até que encontrou uma camiseta preta no tamanho masculino. - Tenho que prestar homenagem à minha fraternidade. - Certo. - eu zombei. – Alpha Yam Ergo. Adrian assentiu solenemente.


- Uma sociedade muito antiga e prestigiada. - Eu nunca ouvi falar deles. - disse a menina que tinha reivindicado a primeira camisa. - Eles não deixam muitas pessoas entrarem. - disse ele. Em tinta branca, ele escreveu as iniciais de sua fraternidade falsa: AYE. - Não é o que os piratas dizem? - perguntou uma das outras garotas. - Bem, os Inhames Alpha têm origens náuticas. - explicou. Para meu horror, ele começou a pintar um esqueleto pirata montando uma motocicleta. - Oh, não. - eu gemi. - Não a tatuagem. - É o nosso logo. - disse ele. Adrian e eu tinhamos uma vez investigado um estúdio de tatuagem, e para distrair o proprietário, ele tinha ido e fingiu estar interessado em uma tatuagem que soava muito parecida com o que ele estava desenhando agora. Pelo menos, eu pensei que ele tinha fingido. - Não é incrível? "Incrível" não era bem a palavra que eu teria usado, mas apesar de ser uma imagem tão ridícula, ele realmente fez um bom trabalho. Me fiz confortável, deslizei meus joelhos até mim e encostei na parede. Ele logo parou com a brincadeira e cresceu completamente absorvido em seu trabalho, pintando meticulosamente os ossos do esqueleto, bem como o de um papagaio esqueleto sentado no ombro do pirata. Estudei suas feições enquanto ele trabalhava, fascinada pela alegria em seus olhos. A arte era uma das poucas coisas que pareciam ancorá-lo e levar as trevas para longe dele. Ele parecia brilhar com uma luz interior, uma que aumentou suas feições já consideráveis. Foi outro vislumbre raro e belo da natureza, intenso, apaixonado deitado debaixo das piadas. Ele veio através de sua arte. Ele tinha vindo através de quando ele me beijou. Adrian

de

repente

olhou

para

mim.

Nossos

olhares

encontraram, e eu senti como se ele pudesse ler minha mente.

se


Quantas vezes ele pensa sobre aquele beijo? E se ele realmente era louco por mim, ele imaginava mais do que apenas beijos? Será que ele fantasiava sobre mim? Que tipo de coisas ele pensa? Seus lábios no meu pescoço? Sua mão na minha perna? E estava a perna nua...? Eu estava com medo de que meus olhos pudessem me trair e rapidamente desviei o olhar. Desesperadamente, eu tateava por algum comentário espirituoso e não sentimental. - Não se esqueça o ninja jogando estrelas. - Certo. - Eu podia sentir o olhar de Adrian em mim mais alguns momentos. Havia algo tangível para ele, um calor que me envolvia. Eu não olhei para trás até que eu estava certa de que sua atenção estava novamente na camisa. Ele acrescentou as estrelas e depois sentou-se triunfante. - Muito legal, hein? - Não é ruim. - eu disse. Na verdade, era uma espécie de coisa incrível. - Você quer uma também? - O sorriso que ele me deu despertou esses sentimentos quentes novamente. Eu não pude deixar de sorrir de volta. - Nós não temos tempo. - eu consegui dizer. - Temos que verificar Lynne. - Eu vou fazer para você uma rápido. - Não o pirata. - eu avisei. Ele encontrou uma camisa roxa pequena e começou a pintar sobre ela em prata. - Roxa? - É a sua cor. - ele insistiu. A emoção correu através de mim em suas palavras. Adrian podia ver auras, a luz que cercava todas as pessoas e estava amarrado em suas personalidades. Ele me disse que o meu era amarelo, uma cor para a maioria dos intelectuais. Mas ele também disse que eu tinha tons de roxo, o que indica uma natureza apaixonada e espiritual. Aquelas não eram qualidades que


eu pensei que eu normalmente possuía...mas, às vezes, eu queria possuir. Eu vi, encantada, como ele pintou um coração de prata grande com chamas de um lado. O projeto todo foi céltico em grande estilo. Era lindo. - Onde você conseguiu isso? - Eu perguntei em reverência. Eu vi um

monte

do

seu

trabalho,

mas

nunca

nada

como

isto.

Seus olhos estavam em seu coração, completamente apanhados em seu trabalho. - Só uma coisa chutando na minha cabeça. Lembra-me de você. Ardente e doce, tudo ao mesmo tempo. Uma chama no escuro, iluminando o meu caminho. - Sua voz...suas palavras...Eu reconheci um dos seus momentos impulsionado pelo espírito. Ele deveria ter me deixado nervosa, mas havia algo sensual sobre a maneira como ele falava, algo que tirou o meu fôlego. A chama no escuro. Ele trocou o pincel de prata para um preto. Antes que eu pudesse impedi-lo, ele escreveu sobre o coração: AYE. Por baixo, em letras menores, ele acrescentou: Membro Honorário. - O que você está fazendo? - Eu chorei. O feitiço tinha quebrado. - Você arruinou tudo! Adrian me olhou com um olhar malicioso. - Achei que você estaria lisonjeada por ter sido aceita como membro honorário. - Como eu posso entrar? - Perguntou uma das meninas. Apesar da minha indignação, peguei a camisa quando ele ofereceu a mim. Segurei-a atentamente, com cuidado para não estragar a pintura. Mesmo através das palavras ridículas, o coração de fogo ainda estava deslumbrante. Ele brilhou, e eu não conseguia parar de admirá-lo. Como pode alguém tão irreverente criar algo tão bonito? Quando eu finalmente olhei para cima novamente, achei Adrian me observando. O prisioneiro se apoderou de mim, e eu encontrei-me incapaz de me mover. - Você não pintou nada. - ele disse suavemente. - Isso é porque eu tenho zero de criatividade. – disse a ele.


- Todo mundo tem um pouco de criatividade. - insistiu ele. Ele me entregou o pincel de prata e deslizou para se juntar a mim contra a parede. Nossas pernas e braços tocando. Ele expôs sua camisa AYE em seu colo. - Vá em frente. Acrescente alguma coisa, qualquer coisa. Eu balancei a cabeça em sinal de protesto e tentei entregá-lo o pincel. - Eu não posso desenhar ou pintar. Eu vou estragar tudo. - Sydney. - Ele empurrou o pincel de volta na minha mão. - É um esqueleto pirata não a Mona Lisa. Você não vai diminuir o seu valor. Talvez não, mas eu tive um tempo difícil imaginar o que eu poderia acrescentar a esta. Eu poderia fazer um monte de coisas, mas isso estava fora do meu alcance, especialmente em comparação com a sua habilidade. Algo em sua expressão me levou, no entanto, e depois de muito pensar, eu dei a minha melhor chance de desenhar um laço ao redor do pescoço do esqueleto. Adrian franziu a testa. - Isso é um laço? - É um laço! - Eu chorei, tentando não me sentir ofendida. Ele riu, claramente encantado com isso. - Meu erro. - Ele pode ir a uma reunião de diretoria. - eu acrescentei, sentindo a necessidade de defender o meu trabalho. - Ele é muito bom agora. Adrian parecia gostar ainda mais. - Claro que ele é. Adequado e perigoso. - Um pouco de sua alegria desapareceu, e ele ficou pensativo enquanto ele estudava comigo, me segurando em seu olhar. - Assim como você. Eu estava tão preocupada com o desafio artístico que eu não estava ciente de quão perto ele

estava de mim até agora. Muitos

detalhes entrou em foco. A forma de seus lábios, a linha de seu pescoço. - Eu não sou perigosa. - eu respirei. Ele trouxe seu rosto para o meu.


- Você é para mim. E de alguma forma, contra toda a razão, nós estávamos nos beijando. Fechei os olhos, e o mundo ao meu redor desapareceu. O barulho, a fumaça...ele se foi. Tudo o que importava era o gosto de sua boca, uma mistura de cravo e balas. Havia uma ferocidade em seu beijo, um desespero...e eu respondi, tão faminta por ele. Eu não parei quando ele me puxou para mais perto, de modo que quase sentei em seu colo. Eu nunca tinha estado enrolada ao corpo de alguém assim, e fiquei chocada com o quão avidamente o meu respondeu. Seu braço em volta da minha cintura, me puxando para cima dele, e sua outra mão deslizou até a volta do meu pescoço, ficando presa em meu cabelo. Surpreendentemente, a peruca ficou. Ele tomou seus lábios longe da minha boca, suavemente arrastando beijos até meu pescoço. Eu inclinei minha cabeça para trás, ofegando quando a intensidade voltou para sua boca. Havia uma qualidade animalesca que enviou ondas de choque através do resto do meu corpo. Alguma voz Alquimista me avisou que isso era exatamente como um vampiro se alimentava, mas eu não tinha medo. Adrian não faria mal a mim, e eu precisava saber o quão duro ele poderia me beijar e... - Oh meu Deus! Adrian e eu empurramos à parte, como se alguém tivesse jogado água fria em nós, apesar de nossas pernas ficarem emaranhadas. Olhei em volta em pânico, meio que esperando ver Stanton indignada em pé sobre nós. Em vez disso, eu olhei para o rosto aterrorizado de uma menina que eu não sabia. Ela não estava nem olhando para nós. - Vocês não vão acreditar no que aconteceu. - ela exclamou, dirigindo suas palavras aos nossos colegas artistas. Ela apontou vagamente atrás dela. - Mais a frente no Kappa, eles encontraram uma de suas meninas inconsciente, e eles não podem acordá-la. Eu não sei o que aconteceu, mas parece que ela foi atacada. Há polícia na frente e tudo.


Adrian e eu olhamos um para o outro por um momento de choque. Então, sem palavras, ele se levantou. Ele segurou minha mão para me firmar até minhas pernas trêmulas serem reforçadas. Eu estava fraca por causa dessa notícia, eu disse a mim mesma. Não é porque eu estava saindo com um vampiro. Mas aqueles beijos perigosos e inebriantes desapareceu quase que instantaneamente quando voltamos à irmandade de Lynne. Estava agitado com pessoas assustadas,

e

os

seguranças

do

campus

entravam

e

saíam,

permitindo-nos o passo para a direita dentro da porta aberta. - O que aconteceu? - Eu pedi para uma morena perto. - É Lynne. - disse ela, mordendo os lábios. - Eles a encontraram em um auditório vazio. Algo na maneira que ela falou me deixou desconfortável. - É ela...está viva? A menina assentiu. - Eu não sei...Eu acho que sim, mas disse que há algo de muito errado. Ela está inconsciente e aparenta...bem...de idade. Eu encontrei os olhos de Adrian e vagamente notei que ele tinha tinta prateada em seu cabelo. Eu ainda estava segurando o pincel quando eu passei meus braços em torno dele. - Droga. - ele murmurou. - Tarde demais. Eu queria gritar de frustração. Estávamos tão perto de alertá-la. Ela tinha saído um pouco antes que haviamos chegado. O que teria acontecido se tivéssemos chegado mais cedo? O que teria acontecido se tivessemos visitado ela antes das outras duas meninas? Eu tinha escolhido a ordem aleatória. Pior ainda, o que teria acontecido se tivéssemos sido capazes de encontrá-la em vez de perder tempo de arte com as meninas bêbadas do grêmio? E se eu não tivesse ficado em volta de Adrian? Ou talvez ele tivesse ficado em cima de mim. Tudo o que queria era chamá-lo, eu não tinha exatamente resistido.


No entanto, o mais improvável parecia que teria sido capaz de fazer qualquer coisa se tivéssemos ficado em torno da casa de Lynne e investigado. Ninguém sabia para onde ela tinha ido. Apenas uma pessoa tinha visto a sua saída, uma menina com cabelos loiros encaracolados, que frustrou a polícia do campus com suas respostas vagas. - Eu sinto muito. - ela dizia. - Eu só...Eu não consigo lembrar a garota com quem ela saiu. - Nada? - perguntou um dos policiais. - Altura? Idade? Cor do cabelo? A menina franziu o cenho, parecendo que ela estava usando cada grama de esforço mental. Então, ela caiu em derrota e balançou a cabeça. - Eu sinto muito. - Será que ela tem cabelo preto? - Sugeri. A menina animou um pouco. - Talvez. Er, espere. Poderia ter sido marrom. Não. vermelho, talvez? Adrian e eu nos afastamos, sabendo que não poderiamos fazer mais nada. - Essa menina parece muito confusa. - eu disse enquanto caminhávamos de volta para o meu carro. - Ela certamente está. - ele concordou. - Isso soa familiar? - Muito. - eu murmurei, reconhecendo os sinais de magia. Ninguém podia negar. Veronica tinha estado aqui. E nós tinhamos chegado tarde demais para detê-la.


Capítulo 12 12 Eu me senti como um fracasso, quando eu entreguei a Sra. Terwilliger

a

notícia

antes

das

aulas

no

dia

seguinte.

Ela me disse, com o rosto pálido e sombrio, que não havia nada que eu poderia ter feito. Mas eu não sabia se eu acreditava nisso. Eu ainda repreendia-me com as mesmas perguntas da noite passada. E se eu não tivesse passado o dia anterior com Marcus? E se eu não tivesse passado tanto tempo tendo certeza que o Mustang foi atendido? E se eu não tivesse sido envolvida em uma exposição maciça pública de afeto no chão com Adrian? Eu deixara questões pessoais interferir, e agora uma menina pagou com sua vida. Eu queria ir à escola e avisar os outros imediatamente, mas a Sra. Terwilliger me garantiu que Verônica não seria capaz de alimentar tão rapidamente. Ela me disse para esperar que no final do dia seria ótimo. Eu dei um aceno relutante e voltei para a minha mesa, imaginando que eu tentei ler até que a aula começou. Eu não esperava ter muito sucesso. – Srta. Melbourne? - Ela chamou. Olhei para trás e vi que sua expressão triste tinha aliviado um pouco. Ela quase parecia estar se divertindo, o que parecia estranho, dada a situação. - Sim, senhora? -Você pode querer fazer algo sobre o seu pescoço. Eu estava totalmente perdida. - Meu pescoço? Ela enfiou a mão na bolsa e me entregou um espelho compacto. Abri e olhei meu pescoço, ainda tentando descobrir o que ela poderia estar falando. Então eu vi. Um pequeno hematoma roxo na lateral do meu pescoço.


- Que diabos é isso? - Eu exclamei. A Sra. Terwilliger bufou. - Embora tenha sido a um tempo para mim, creio que o termo técnico é um chupão. - Ela fez uma pausa e arqueou uma sobrancelha. - Você sabe o que é isso, não é? - Claro que eu sei! - Baixei o espelho. - Mas não há nenhuma maneira, quero dizer, nós...isso é... Ela levantou a mão para me silenciar. - Você não tem de justificar a sua vida privada para mim. Mas você pode querer considerar como você pode realmente mantê-lo privado nos próximos 15 minutos. Eu estava praticamente fora do meu lugar antes que ela terminasse de falar. Quando saí do edifício, eu tive a sorte incrível para encontrar o ônibus do campus vindo. Corri para ele, e embora o passeio para meu dormitório só levou alguns minutos, parecia que era para sempre. Todo o tempo, minha mente cambaleou com o que tinha acontecido. Eu tenho um chupão. Eu deixei Adrian Ivashkov me dar um chupão. Como no mundo tinha acontecido? A notícia devastadora sobre Lynne tinha me permitido ignorar o impacto total da minha indiscrição, mas não havia nada evitando agora. Contra todos os princípios que eu possuía, eu me permiti beijar Adrian. E não apenas beijando. Pensando sobre a forma como os nossos corpos foram pressionados juntos me fez sentir corando como eu estava ontem à noite. Não, não, não! Eu não podia pensar nisso. Eu tinha que esquecer que tinha acontecido. Eu precisava ter certeza de que não acontecerá de novo. O que veio em cima de mim? Eu não sinto o que ele sentia por mim. Ele era Moroi. E mesmo se não fosse, ele não era sem dúvida o cara mais adequado para mim no mundo. Eu precisava de alguém sério, alguém com o potencial para conseguir um emprego


que tinha benefícios médicos. Alguém como Brayden. Sim, como que funciona para você, Sydney? O que aconteceu com Adrian tinha sido errado. Eu tinha obviamente um ato de luxúria torcida, provavelmente trazido porque ele estava tão proibido. E era isso. Mulheres caiam para esse tipo de coisa. Quando eu tinha pesquisado livros de relacionamento, eu tinha os Bad Boys e as mulheres que os amam. Eu ignorei porque Brayden era praticamente o oposto de um bad boy. Talvez

valesse a pena

ficar com esse livro agora. A chama no escuro. Eu precisava esquecer que Adrian já me chamava assim. Eu tinha que fazer. Tivemos mais um minuto antes de podermos chegar ao meu dormitório, então eu mandei um texto rápido para Adrian: Eu tenho um chupão! Você nunca pode me beijar novamente. Eu sinceramente não esperava que ele estivesse acordado tão cedo, assim fiquei surpresa ao receber uma resposta: Okay. Eu não vou te beijar em seu pescoço novamente. Tão típico dele. Não! Você nunca pode me beijar em qualquer lugar. Você disse que estava indo manter a sua distância. Estou tentando, ele escreveu de volta. Mas você não vai manter a sua distância de mim. Eu não dignifiquei isso com uma resposta. Quando chegamos ao meu dormitório, eu pedi para o motorista quanto tempo ela podia esperar antes de retornar ao campus principal. - Estou saindo agora. - disse ela. - Por favor. - implorei. - Espere 60 segundos. Eu vou pagar. Ela olhou ofendida. - Eu não aceito suborno. Mas quando eu corri para fora do dormitório, ela ainda estava lá. Eu fiz isso de volta à classe da Sra. Terwilliger exatamente quando o sinal tocou. Ela me deu um olhar compreensivo, mas não disse nada sobre a minha mudança de guarda-roupa. Enquanto eu estava na


aula, eu recebi um texto de Marcus. Você pode encontrar hoje? San Bernardino, 16hrs. Bem, ele me alertou sobre o curto prazo. San Bernardino era a uma hora de distância. Eu tinha dado a Eddie um informativo sobre a reunião acontecer esta semana, e ele concordou em ir. Eu só esperava que ele não tivesse nada planejado esta tarde. Eu mandei uma mensagem de volta que estaria lá, e Marcus me enviou um endereço. Quando a aula acabou, uma menina da minha aula de Inglês chamou minha atenção e perguntou se ela poderia emprestar algumas notas desde que ela tinha estado doente ontem. Eddie foi embora no momento em que eu terminei com ela, então eu não tive a chance de perguntar a ele sobre San Bernardino até o almoço. - Claro. - ele disse, ficando no modo de guarda feroz. Jill já sabia sobre a nossa missão, porque eu disse a Adrian sobre isso. Eu me senti um pouco mal sobre a tomada de Eddie de perto de Jill. Ok, muito ruim. A remoção de Eddie era um risco grave, embora eu me lembrei de que ele não estava sempre com ela a cada segundo. Às vezes era impossível, que era por isso que tinha adquirido

Angeline.

Ainda

assim,

se

alguém

nos

alquimistas

descobrissem que eu estava usando seu guarda-costas principal para recados pessoais, eu estaria em apuros. Bem,

na

verdade,

eu

provavelmente

estaria

em

apuros

independentemente, já que eu estava me reunindo com um grupo de rebeldes. Eu me virei para Angeline, que estava tentando decifrar algumas notas sobre a equação quadrática. - Angeline, você precisa ficar com Jill até que estejamos de volta. - disse eu. - E ambas devem realmente ficar em seu dormitório, para ser mais seguro. Não vagueie pelo campus. Jill aceitou isso, mas Angeline olhou com espanto. - Eu tenho que ver Trey para a matemática. Como você espera que eu passe? Eu estava indefesa contra um argumento acadêmico.


- Estude no lobby do dormitório. Que deve ser seguro o suficiente. Jill só pode fazer lição de casa com você. Angeline não parecia totalmente satisfeita com essa alternativa, mas ela não protestou. Ela começou a voltar para suas notas e, em seguida, fez uma jogada dupla. - Por que está usando esse lenço. - ela perguntou. - Está muito quente hoje. - Era verdade. As temperaturas fora de época haviam retornado. Eddie, para minha surpresa, disse: - Eu me perguntava a mesma coisa. - Oh, hum... - Por favor, não core, por favor, não core, eu pedi a mim mesma. - Eu só tenho frio hoje. - Isso é estranho. - disse Jill, perfeitamente inexpressiva. - Para alguém que sempre parece ser tão fria, com certeza você pode esquentar muito rápido. Isso foi direto da cartilha de Adrian. Jill sabia perfeitamente o que eu tinha sobre o lenço, e eu dei-lhe um olhar de advertência. Eddie e Angeline pareceram completamente mistificados. Levanteime,

apesar

de

que

eu

mal

tinha

tocado

a

minha

comida.

Provavelmente nenhum deles teria achado estranho. - Bem, eu tenho que ir. Eu vou te encontrar mais tarde, Eddie. Corri antes de que qualquer um deles poderia me questionar mais.

~~//~~

Eu estava um pouco hesitante em deixar Eddie com Marcus. Eddie certamente não ia virar contra Marcus ou eu para o plot dos alquimistas. Dito isto, eu também não queria que Eddie pensasse que os Alquimistas estavam envolvidos em esquemas nefastos contra os Moroi. Isso pode muito bem ser algo que Eddie iria repassar de volta para seu próprio povo, o que poderia causar todos os tipos de


problemas diplomáticos. Mesmo esta dica de que os Alquimistas potencialmente estejam em contato com os guerreiros era perigoso. Eu decidi que ter Eddie como proteção valia a pena o risco de ele ouvir algo que não deveria. Ele era meu amigo, e eu confiava nele. Ainda assim, eu tinha que lhe dar um pouco de informação enquanto íamos para San Bernardino. - Quem são essas pessoas exatamente? - Perguntou ele. - Ex-Alquimistas. - eu disse. - Eles não gostam de todos os procedimentos e burocracia e só querem interagir com Moroi e dhampirs em seus próprios termos. - Isso não parece tão ruim. - Eu podia ouvir cautela em sua voz. Eddie não era tolo. - Por que você me quer lá? - Eu não sei muito sobre eles. Eu acho que as suas intenções são boas, mas vamos ver. - Eu pensei com muito cuidado sobre como falar minhas próximas palavras. Eu tive que dar-lhe alguma coisa. Eles têm um monte de teorias da conspiração. Alguns até, hum, acham que pode haver Alquimistas trabalhando com guerreiros. - O que? - Era uma maravilha que a mandíbula de Eddie não estava no chão. - Eles não têm qualquer prova. - acrescentei rapidamente. - Eles têm uma menina Guerreira que espia para eles. Ela acha que ouviu algo...mas tudo soa esboçado para mim. Eles querem me ajudar, mas eu não acho que há qualquer coisa para descobrir. Quer dizer, os Alquimistas ajudaram a invadir os Guerreiros, certo? Interromper seu ritual de execução louco não seria exatamente promover boas relações. - Acho que não. - ele admitiu, mas ficou claro que ele não estava totalmente à vontade. Eu decidi passar para território mais seguro. Não há necessidade de se preocupar com Marcus e seus homens unidos (eu não poderia tirar o nome de Adrian fora de minha cabeça) até que ouvimos.


- Como está tudo? - Eu perguntei. - Com Angeline? Jill? Tenho estado tão ocupada com, uh, coisas que eu sinto que nós não falamos muito. Eddie não respondeu imediatamente. - O silêncio com Jill, é bom. Nós queremos que as coisas não sejam tão chato quanto possível para ela. As coisas são melhores com ela e Micah também. No início, muitos de seus amigos não falava com ela depois da separação. Mas ele ficou sobre ela o suficiente para que eles possam ser amigos...assim, os outros decidiram que eles também podem. - Isso é um alívio. Quando nós chegamos a Amberwood, Jill teve problemas para criar amizades. Namorando Micah havia aberto um monte de círculos sociais para ela, e eu estava preocupada com o que iria acontecer depois que eles se separaram. As coisas pioraram quando eu tinha proibido ela de fazer modelagem para uma designer de moda local e muito assertiva, Lia DiStefano, que arriscou expor Jill. Jill sentiu como se tivesse perdido tudo, então eu estava feliz de ver que as coisas estavam se unindo para ela novamente. - Jill é fácil de gostar. - acrescentei. - Eu aposto que a maioria deles estão felizes por ficarem amigos dela. - É. - Foi tudo que ele disse, mas não havia muita emoção em uma palavra. Olhei e vi um olhar sonhador no rosto. Assim. Micah pode ser mais para Jill, mas Eddie não era. Eu perguntei se ele mesmo sabia. - Como está Angeline? O devaneio se tornou uma carranca. - Confuso. Eu ri. - Isso é muito preciso. - Ela vai de um extremo ao outro. Quando começamos a sair, ela, uh, não podia ficar longe de mim. - Eu não sei o que estava


inteiramente vinculado, e eu realmente não queria pensar sobre isso. - Agora eu mal posso ficar cinco minutos a sós com ela. Ela começou a ir aos jogos de basquete, por algum motivo. Acho que ela é apenas uma espécie de mudo em um jogo que tem tantas regras, em comparação com o que a insanidade dos Guardiões faziam para se divertir. E ela está realmente fixada na matemática também. Eu acho que é uma coisa boa. - Ele não parecia muito certo. Eu, no entanto, fiquei emocionada. - Eu acho que a ideia de ser chutada para fora deixou ela com medo. Apesar de todos os ajustes difíceis que ela teve aqui, ela não quer voltar para casa. Quando Rose estava na corrida, eu tinha escondido Dimitri e ela com os Guardiões. Isso foi onde conheceram Angeline, e mesmo naquela época, ela implorou para Rose para tirá-la do mundo rural. - Dê-lhe tempo. Isso vai acalmar, e ela, uh, o entusiasmo vai voltar. Chegamos ao endereço em San Bernardino, uma loja de hardware que parecia ser um local estranho para uma reunião secreta. Eu puxei para o estacionamento e mandei uma mensagem para Marcus que estávamos aqui. Nenhuma resposta veio. - Isso é estranho. - eu disse. - Espero que ele não tenha mudado de ideia. Eddie deixou de lado seu problema com as meninas e tinha aquele olhar de guardião acentuado em seus olhos novamente. - Eu aposto que nós estamos sendo observados. Se eles são tão paranóicos como você diz, isso provavelmente não é o lugar que estamos nos encontrando. Ele nos enviou aqui e estão à procura de sinais para ver se fomos seguidos. Eu virei para ele com espanto. - Eu nunca teria pensado nisso. - É por isso que você me tem junto. - disse ele com um sorriso.


Com

certeza.

Dez

minutos

depois,

Marcus

mandou

uma

mensagem com outro endereço. Devemos ter passado no teste. Este novo local estava em outro lugar, alto, ocupado: um restaurante familiar, com atores andando em fantasias de animais gigantes. Era, se possível, mais absurdo do que a arcada. - Ele pega os mais estranhos lugares. - eu disse. Os olhos de Eddie estavam por toda parte. - É brilhante na verdade. Muito alto para ser ouvido. Uma saída na parte de trás, uma na parte da frente. E se os Alquimistas se apresentarem, eu estou supondo que não iriam criar uma cena em torno destas muitas crianças? - Eu acho. Marcus nos encontrou no lobby e acenou para a frente. - Ei, linda. Vamos lá, temos uma tabela. - Ele fez uma pausa para apertar a mão de Eddie. - Prazer em conhecê-lo. Nós sempre podemos usar mais para a causa. Eu não tenho certeza do que eu esperava dos homens alegres. Talvez um monte de párias com cicatrizes de batalha e tapa-olhos, como Wolfe. Em vez disso, o que nós encontramos era um cara e uma menina compartilhando um prato de frango empanado. Eles tinham lírios dourados em suas bochechas. Marcus dirigiu-nos para duas cadeiras. - Sydney, Eddie. Estes são Amelia e Wade. Apertamos as mãos. - Sabrina não está com você? - eu perguntei. - Oh, ela está aqui. - disse Marcus, uma nota enigmática em sua voz. Peguei no subtexto e olhei ao redor. Eu não era a única que tinha trazido proteção. Sabrina estava escondida em algum lugar no meio da multidão, observando e esperando. Talvez em um traje animal. Eu perguntei se ela tinha trazido a arma aqui. Amelia deslizou o prato para nós.


- Quer um pouco? Temos varas de mussarelas no caminho. Eu recusei. Mesmo com a minha resolução para comer mais, tirei a linha de frituras. - Vamos conversar. - eu disse. - Você deveria me contar sobre as tatuagens e essa tarefa misteriosa que você tem para mim. Wade riu. - Ela pega direto no trabalho. - Essa é minha garota. - disse Marcus. Eu quase podia ouvir um não dito. “É por isso que precisamos dela para a causa.” Ele esperou por nossa garçonete, que estava vestida como um gato, para trazer as varas de mussarela e tomar os drinques pedidos. Pelo menos, eu acho que foi uma garçonete. Sexo era um pouco difícil de determinar sob a máscara. - O processo de tatuagem é simples. - disse Marcus, uma vez que a nossa privacidade estava de volta. - Eu lhe disse que os alquimistas são capazes de colocar compulsão Moroi, certo? Para limitar a comunicação...e outras coisas, se necessário. Eu ainda não sei se eu comprei a ideia de controle da mente nas tatuagens, mas eu deixei-o ir. - Quando os Moroi ajudam a fazer a tinta de sangue, os usuários de terra colocam a compulsão o que o impede de discutir sobre vampiros. Que a magia da terra está em harmonia com os outros três elementos físicos: ar, água e fogo. Essa harmonia dá a tatuagem seu poder. Agora, se você pode obter um porão de tinta encantado e ter um Moroi desfazendo a magia da terra nele, vai quebrar o vínculo com os outros elementos e matar qualquer compulsão trancada dentro. Injetar a tinta "quebrada" em sua tatuagem, e ele quebra a harmonia de seus elementos, bem...que por sua vez rompe todas as sugestões que os Alquimistas colocaram dentro. Eddie e eu nos olhamos. - Isso é o 'todo' que eu tenho que fazer? - Eu perguntei, incrédula.


- É mais fácil do que você imagina. - disse Amélia. - A parte mais difícil é...assim, Marcus adicionou uma outra parte do processo. Não é tecnicamente necessário...mas útil. Nós estivemos aqui dez minutos, e eu já estava ficando com dor de cabeça. - Você decidiu fazer alguma improvisação? O riso que provocou em Marcus era tão infeccioso quanto antes...exceto, mais uma vez, a cena realmente não garantia um riso. Ele fez uma pausa, como se estivesse esperando por nós para participar, e continuou quando não o fizemos. - Essa é uma maneira de olhar para ele. Mas ela está certa, é útil. Antes que eu vá deixar alguém fazer isso, eles têm que executar uma tarefa. Alguma tarefa que envolve diretamente indo contra os Alquimistas. Eddie não podia segurar mais. - O que, como um ritual de iniciação? - Mais do que isso. - disse Marcus. - Eu tenho uma teoria de que fazer algo assim, algo que desafia todo o treinamento que você teve, vai enfraquecer a compulsão um pouco. Normalmente é algo que envolve a infiltração e ajuda a nossa causa. Esse enfraquecimento torna mais fácil para a outra tinta ter efeito. É também um bom teste. Desativando a tatuagem não significa que você está pronto para ir embora. Não desfaz anos de condicionamento mental. Eu tento encontrar pessoas que pensam que eles estão prontos para se rebelar, mas às vezes, quando se está diante de realmente agir, eles quebram. Melhor saber o mais cedo possível, antes de interferir com a tatuagem. Eu me virei para Amelia e Wade. - E vocês fizeram isso? Vocês fizeram algum desafio, e, em seguida, suas tatuagens foram desativadas? - Eles concordaram em uníssono.


- Nós apenas temos que selá-la com o índigo agora. - Vendo a minha confusão, Wade explicou. - Mesmo depois de quebrar os elementos da tatuagem, ele ainda pode ser reparado. Alguém poderia forçosamente obrigar você a fazer a re-tinta. Tatuagem por cima com tinta índigo garante que você nunca pode ser controlado de novo. - E eu que pensei que o seu era apenas uma escolha de estilo. eu disse para Marcus. Ele distraidamente traçou o padrão crescente. - Oh, o projeto era. Mas a tinta era obrigatória. É uma mistura especial que é difícil de obter e eu tenho que ir até um cara no México, para obtê-lo. Estou levando Amelia e Wade lá em algumas semanas para selar a deles. Você pode vir também. Eu nem sequer reconheci a ideia maluca. - Parece que a tinta azul pode tipo ser uma dica para os outros alquimistas que algo está acontecendo. - Oh, nós fugimos dos Alquimistas. - disse Amélia. - Nós não somos parte deles mais. Mais uma vez, Eddie pulou dentro. - Mas você estava falando apenas de infiltração. Por que não continuar fazendo outras tarefas encobertas, uma vez que você tenha quebrado os elementos? Especialmente se ele libera? Suas tatuagens tem a mesma aparência da de Sydney agora. Se você realmente acha que há algo suspeito acontecendo, então, trabalhe dentro e adie a vedação com a tinta índigo. - Muito arriscado. - disse Marcus. - Você poderia escorregar e dizer algo que a tatuagem não teria deixado antes. Ou, se você não for cuidadoso, eles podem pegar você e vai ao encontro com os outros. Então você tem um encontro com a re-educação, onde eles poderiam reparar a tatuagem. - Parece que valeria a pena o risco para obter mais informações. - disse eu. - Se você for cuidadoso o suficiente.


Marcus balançou a cabeça, não mais irreverente. - Eu conheço os outros que tentaram isso. Eles achavam que ninguém estava com eles. Eles estavam errados. Nós não cometemos esse erro mais. - Ele tocou sua tatuagem novamente. - Esta é a nossa forma de fazer isso agora. Completar a sua missão, quebrar a tatuagem, deixe os Alquimistas, e seja selado. Em seguida, o trabalho a partir do exterior. Também nos salva de ser pego em toda a rotina Alquimista e tarefas domésticas. - Portanto, há outros? - Eu perguntei, pegando o que ele disse. - É claro. – A diversão retornada. - Você não achou que era apenas nós três, não é? Honestamente, eu não tinha conhecido. - Então é isso que você está me oferecendo. Um conto de fadas sobre a minha tatuagem, se eu completar uma missão traiçoeira para você. - Eu estou oferecendo-lhe a liberdade. - Marcus corrigiu. - E a capacidade de ajudar os Moroi e dhampirs de uma forma que não é parte de alguma conspiração maior. Você pode fazê-lo em seus próprios termos. Eddie e eu trocamos olhares. - E por falar em conspiração. - eu disse. - Eu estou supondo que esta é a parte em que você me fale sobre o suposto alquimista e Guerreiro e a conexão que você precisa de mim para provar. Meu sarcasmo se perdeu no trio, porque todos eles ficaram animados. – Exatamente. – disse Marcus. - Diga a ela, Wade. Wade acabou com um dedo de frango coberto de molho e depois inclinou-se para nós. - Logo antes de eu me juntar a Marcus, fui designado para a instalação de St. Louis. Eu trabalhei em operações, lidei com um monte de acesso de visitantes, dando passeios...não o trabalho mais interessante.


Eu balancei a cabeça. Este, pelo menos, era um território familiar. Estar nos Alquimistas significava assumir todos os tipos de papéis. Às vezes, você destruia corpos de Strigoi. Às vezes, você fazia café para visita de funcionários. Era tudo parte da causa maior. - Eu vi um monte de coisas. Quero dizer, você provavelmente pode adivinhar. - Ele parecia perturbado. - As atitudes severas. As regras rígidas. Moroi visitavam, você sabe. Eu gostava deles. Fiquei feliz que foram ajudá-los, mesmo que todos à minha volta agiam como se ajudando com criaturas do "mal"

era um destino terrível

que tinha sido forçado. Eu aceito isso, porque, você sabe, eu percebi que o que nos é dito é verdade. De qualquer modo, passou uma semana...Eu juro, era apenas ataques diretos de Strigoi em todo o país. Apenas uma dessas coisas. Os guardiões tiraram a maioria deles, e os Alquimistas de campo estavam muito ocupados cobrindo. Mesmo

que

perguntando

a

maioria

sobre

por

tenha que

tomado nós

cuidado,

estávamos

eu

sempre

continuei lidando

com as conseqüências quando temos tantos recursos. Quer dizer, eu não acho que devemos começar a ir atrás de Strigoi, mas apenas parecia que deve haver uma maneira de ajudar os Moroi e guardiões a serem mais pró-ativo. Assim...Eu comentei com meu supervisor. Marcus e Amelia usavam expressões mortais sérias, e até mesmo eu estava viciada. - O que aconteceu? - Eu perguntei em voz baixa. O olhar de Wade parecia fora, no passado. - Eu fui castigado, muito ruim. Mais e mais, todos os meus superiores me diziam como era errado para mim mesmo pensar coisas assim sobre o Moroi, muito menos falar sobre eles. Eles não me mandaram para a re-educação, mas eles me suspenderam por duas semanas, e cada dia, eu tinha que ouvir palestras sobre a pessoa terrível que eu era e como eu estava à beira da corrupção. No final, eu acreditava neles...até que eu conheci o Marcus. Ele me fez perceber que eu não tinha que estar nessa vida.


- Então você deixou. - disse eu, sentindo um pouco mais de gentileza para com Marcus. - Sim. Mas não antes de completar a missão que Marcus me deu. Eu tenho um porão da lista de visitantes classificados. Isso me surpreendeu. Os Alquimistas foram sempre profundos em segredos. Enquanto a maioria dos nossos foram registrados de forma diligente, havia algumas coisas que nossos líderes de elite não querem que o resto da sociedade conheça. Mais uma vez, tudo para o bem maior. A lista de classificados que as pessoas de detalhe permitido tinham acesso, que os superiores queriam segredo. Não era algo que um Alquimista médio poderia ver. - Você é jovem. - eu disse. - Você não é permitido ter o acesso a algo como isso. Wade bufou. - Claro que não. Isso é o que fez a tarefa tão difícil. Marcus não nos tem para fazer trabalhos fáceis. Eu tive que fazer um monte de coisas perigosas, as coisas que me fizeram feliz por escapar depois. A lista mostrou-nos o link para os guerreiros. - Será que ele quis dizer 'Top Secret Meeting Vampire Hunter'. perguntou Eddie. Coisas como essa, além de suas habilidades mortais de proteção, faziam com que eu gostava de tê-lo junto. Wade corou com a brincadeira. - Não. Foi tudo codificado. Ele não listava nomes completos, apenas as iniciais. Mesmo eu não poderia obter os nomes reais. Mas uma das entradas? Z. J. Marcus e seus homens unidos todos olharam para mim com expectativa, como se isso deveria significar alguma coisa para mim. Olhei para Eddie novamente, mas ele estava tão confuso quanto eu. - O que isso significa? - Eu perguntei. - Zebulon Jameson. - disse Marcus. Mais uma vez, houve uma expectativa. Quando eu não respondi, Marcus virou incrédulo. - Você estava lá com os guerreiros. Não se lembra dele? Mestre Jameson?


Eu lembrava, na verdade. Ele foi um dos funcionários dos guerreiros altos, um homem assustador com uma barba de sal-epimenta que tinha usado vestes cerimoniais antiquadas de ouro. - Eu nunca peguei seu primeiro nome. - eu disse. - Mas não é uma espécie de salto assumir que é quem ZJ era? Talvez fosse, eu não sei, Zachary Johnson. - Ou Zeke Jones. - disse Eddie. O gato veio com um refil de limonada de Marcus, e eu logo tinha provas de que ele era uma mulher. - Obrigado, amor. - disse Marcus, dando-lhe um sorriso que quase a fez desmaiar e derrubar a bandeja. Quando ele se virou para nós, ele era tudo negócio. - É aí que entra Sabrina. Pouco antes de Wade ter a lista, ouviu Mestre Jameson falando com um de seus amigos sobre uma próxima viagem para St. Louis e como ele estava indo para descobrir pistas sobre uma garota desaparecida. O tempo de linhas acima. - É uma coincidência muito grande. - disse. No entanto, mesmo quando eu falei, eu me lembrei de algo que Sonya Karp sempre disse sobre o mundo dos Moroi e Alquimistas: Não há coincidências. - De que menina desaparecida eles estavam falando. -perguntou Eddie com cuidado. Eu conhecia os olhos e imediatamente entendi o que ele não estava dizendo. Uma menina desaparecida que os guerreiros estavam interessados. Havia uma menina desaparecida que os Moroi estavam muito,

muito

interessados.

E

quem

os

Alquimistas

estavam

determinados a manter a segurança. Ela era a razão pela qual eu estava em Palm Springs, em primeiro lugar. Na verdade, eu estava fingindo ser sua irmã. Jill. Eu não disse nada e foquei em Marcus novamente. Ele deu de ombros.


- Eu não sei, só que encontrá-la seria criar um monte de problemas para os Moroi. Os detalhes não são importantes ainda. Primeiro temos que provar a conexão. Esses detalhes foram imensamente importante para Eddie e eu, mas eu não tinha certeza de quanto Marcus e os amigos sabiam sobre Jill. Eu não estava prestes a mostrar muito interesse. - E isso é o que você quer que eu faça? - Eu perguntei, lembrando a discussão no arcada. - Como você gostaria que eu fizesse isso? Visitar Mestre Jameson e pedir a ele? - Cada visitante é gravado em vídeo, se está passando do ponto de acesso seguro. - disse Wade. - Mesmo os melhores, os secretos. Tudo que você tem a fazer é roubar uma cópia da metragem. Eles armazenam tudo em seus computadores. Essas pessoas tinham uma ideia muito diferente do que eu de que "tudo o que você tem a fazer" significava. - Eu sou uma alquimista de campo em Palm Springs. - eu lembrei-os. - Eu não sou um hacker de computador. Eu não estou nem em St. Louis! Como eu iria entrar e roubar alguma coisa? Marcus inclinou a cabeça para me estudar, permitindo que alguns dos cabelos de ouro deslizassem para a frente. - É mais do que vibe engenhosa que eu recebo de você. Você não poderia encontrar uma maneira de chegar a St. Louis? Algum motivo para visitar? - Não! Eu não teria nenhuma.... - Eu parei, piscando de volta para o casamento. Ian, com os olhos apaixonados, me convidou para visitá-lo em St. Louis. Ele teve a audácia de usar os serviços da igreja como uma forma de promover suas chances comigo. Os olhos de Marcus brilharam. - Você já pensou em alguma coisa, não é? Brilhante, como eu pensava. Amelia pareceu ligeiramente colocar-se fora quando ouviu eu ser elogiada.


- Seria um tiro no escuro. - disse eu. - Esse é um tipo de como rolar. - disse Marcus. Eu ainda não estava a bordo. - Olha, eu sei de alguém lá, mas eu teria que pedir permissão até para ir, o que não seria fácil. - Eu olhei para cada um deles, por sua vez. - Você sabe como é. Você era Alquimista. Você sabe que não podemos simplesmente tirar férias quando queremos. Wade

e

Amelia

realmente

tiveram

a

graça

de

olhar

envergonhado, mas Marcus foi destemido. - Você pode deixar passar esta chance? Mesmo se você não quiser se juntar a nós ou alterar a sua tatuagem, basta pensar nisso. Você viu os Guerreiros. Você viu o que eles são capazes. Você pode imaginar o que poderia acontecer se eles tivessem acesso aos recursos Alquimista? - É tudo circunstancial. - argumentou a cientista em mim. - Sydney. - disse Eddie. Eu virei para ele e vi algo em seus olhos que eu nunca esperava ver: suplício. Ele não se importava com conspirações alquimistas ou os Homens Felizes de Marcus. O que importava era Jill, e ele ouviu algo que o fez pensar que ela estava em perigo. Isso era inaceitável em seu mundo. Ele faria qualquer coisa a seu alcance para mantê-la segura,

mas

nem

mesmo

ele

sabia

roubar

informações

dos

Alquimistas, estava fora da sua liga. Foi muito bonito também, mas ele

não

sabia

disso.

Ele

acreditou

em

mim,

e

ele

estava

silenciosamente implorando-me para ajudar. Marcus abriu vantagem. - Você não tem nada a perder, quero dizer, se você não estiver presa.

Se

você

conseguir

a

filmagem

e

não

encontrarmos

nada...bem, que assim seja. Alarme falso. Mas se começar a prova mais difícil que Jameson estava lá, então eu não tenho que lhe dizer quão grande é o que é. De qualquer forma, você deve quebrar sua tatuagem e se juntar a nós. Além disso, após um golpe como esse,


você realmente quer ficar por perto? - Ele olhou para mim. - Mas essa parte é com você. Apenas nos ajude por agora. Contra minha vontade, minha mente estava começando a descobrir como eu poderia retirar isso. - Eu preciso de muito mais informações sobre as operações. murmurei. - Eu posso conseguir isso. - disse Wade prontamente. Eu não respondi. Esta era uma loucura, uma ideia maluca de um grupo de loucos. Mas eu olhei para a tatuagem de Marcus e a forma como os outros o seguiram, do jeito que Sabrina seguiu. Havia uma dedicação, uma crença fervorosa de que não tinha nada a ver com a bobagem de Marcus de paquera. Eles podem realmente ser alguma coisa. - Sydney. - disse Eddie novamente. E desta vez: - Por favor. Eu podia sentir meu enfraquecimento, a determinação. Uma menina

desaparecida,

que

pode

causar

muitos

problemas

se

encontrada. Se eles realmente estavam falando sobre Jill, como eu poderia arriscar algo acontecendo com ela? Mas o que aconteceria se eu fosse pega? Não seja pega, uma voz interior disse. Com um suspiro, eu olhei de volta para Wade. - Tudo bem. - eu disse. – Me dê algo.


Capítulo 13 13 Wade me contou tudo o que sabia. Era tudo útil, mas eu não sabia se seria suficiente. Primeiro, eu tinha que ir a St. Louis...o que ia ser complicado. Eu me preparei para as chamadas de telefone que eu teria que fazer, esperando que eu tivesse astúcia suficiente para passar pelos Alquimistas. Antes de eu assumir essa tarefa, eu só queria a normalidade e conforto

do

meu

próprio

quarto.

Eddie

e

eu

voltamos

para

Amberwood, analisando cada detalhe de nossa reunião. Ele estava mastigando o freio de progredir, e eu prometi que iria mantê-lo no circuito. Eu tinha acabado de chegar a minha porta quando meu telefone tocou. Era a Sra. Terwilliger. Eu juro, às vezes eu achava que ela tinha um sensor de fora do meu quarto para que ela soubesse o instante em que eu voltava. - Srta. Melbourne. - disse ela. - Precisamos nos encontrar. Meu coração parou. - Não tem outra vítima, tem? Você disse que nós temos tempo. - Nós temos. - ela respondeu. - É por isso que precisamos nos encontrar mais cedo ou mais tarde. Lendo sobre magias é uma coisa, mas você precisa de alguma prática. Eu me recuso a deixar Verônica chegar até você. Suas

palavras

provocaram

uma

mistura

de

emoções.

Naturalmente, eu tinha a minha reação instintiva contra a prática de magia. Ela foi rapidamente esmagada pela percepção de que a Sra. Terwilliger se importava comigo e estava tão preocupada em manterme segura. Meu desejo pessoal de não estar em coma também foi um forte motivador. - Quando você quer encontrar, minha senhora? - Eu perguntei.


- Amanhã de manhã. Percebi que amanhã era sábado. Já? Onde tinha ido a semana? Eu estava dirigindo para Adrian para pegar seu carro na parte da manhã, o que esperava que não levasse muito tempo. - Podemos nos ver ao meio-dia? Eu tenho algo a fazer. - Acho que sim. - disse a Sra. Terwilliger, com alguma relutância. - Encontre-me em minha casa, e depois nós vamos sair para Lone Rock Park. Eu estava prestes a deitar na minha cama e congelei. - Por que nós temos que ir para o meio do deserto? - Lone Rock Park remota e raramente via muitos turistas. Eu não tinha esquecido como terrível foi a última vez que ela me trouxe para o deserto. Pelo menos desta vez, estaria na luz do dia. - Bem, nós dificilmente podemos praticar no terreno da escola. – ressaltou - Verdade. - Traga o seu livro, e os componentes que você está trabalhando. Nós desligamos, e eu mandei um texto rápido para Adrian: Preciso que seja rápido amanhã.Reunião com Sra. T as 12. Sua resposta

não

foi

totalmente

inesperada:

Por

quê?

Adrian

naturalmente precisava saber tudo o que estava acontecendo na minha vida. Eu mandei uma mensagem de volta que a Sra. Terwilliger queria trabalhar em proteção mágica. Desta vez, ele me surpreendeu: Posso ver? Quero saber como ela está protegendo você. Uau,

Adrian realmente

pediu?

Ele

tinha

uma

história de

simplesmente convidando-se ao longo dos passeios. Eu hesitei, ainda confusa após o nosso momento na fraternidade. Ele nunca mencionou isso de novo, embora, e sua preocupação agora me tocou. Eu mandei uma mensagem de volta que ele poderia vir e foi recompensado com um rosto sorridente.


Eu totalmente não sabia o que vestir para "treinamento mágico", por isso optei por roupas confortáveis na manhã seguinte. Adrian comentou quando ele entrou no Latte. - Modo ocasional, hein? Ainda não tinha visto desde os dias de Wolfe. - Eu não sei o que ela tem em mente. - eu expliquei, fazendo uma reviravolta em sua rua. - Imaginei que este era o melhor. - Você poderia ter usado sua camisa AYE. - Não queremos que suje. - eu disse, sorrindo. Isso era parcialmente verdadeiro. Eu ainda pensei que o coração de fogo que ele tinha pintado era requintado. Mas cada vez que olhava para a camisa, muitas lembranças me agarrava. O que eu estava pensando? Essa foi uma pergunta que eu me perguntei centenas de vezes, e cada resposta que eu pensava soava falso. Minha teoria preferida era que eu simplesmente tinha sido apanhada em quão sério Adrian estava sobre a sua arte, como a emoção e a paixão haviam tomado conta dele. Meninas gostam de artistas, tanto como de bad boys, certo? Mesmo agora, algo agitava em meu peito quando eu pensei sobre o olhar extasiado em seu rosto. Eu adorava que ele possuía algo tão poderoso nele. Mas, como eu disse a mim mesma constantemente, que não era desculpa por ter subido em cima dele e deixado que ele beijasse meu pescoço. Eu tinha comprado e baixado o livro "bad boy" online, mas tinha sido completamente inútil em aconselhar-me. Eu finalmente decidi que a melhor forma, se não o mais saudável era agir como se o momento nunca tivesse acontecido. Isso não significa que eu esqueci. Na verdade, quando me sentei ao lado dele no carro, eu tive um momento difícil para não pensar sobre como ele se sentiu ao ser pressionado contra ele. Ou como os dedos estavam presos no meu cabelo. Ou como os lábios tinham... Sydney! Pare. Pense em outra coisa. Conjugue

os verbos latinos. Recite a tabela periódica.

Nenhuma das pessoas fez nenhum bem. Para crédito de Adrian, ele


continuou

a

reter

qualquer

comentário

sobre

aquela

noite.

Finalmente, eu encontrei distração em lhe contar sobre a minha viagem para San Bernardino. Processando a conspiração, grupos rebeldes e arrombamentos praticamente matou qualquer sentimento apaixonado que eu ainda tinha. Adrian não gosta da ideia de alquimistas que trabalham com guerreiros ou da tatuagem me controlando. Mas ele também não gostava sobre eu andar em perigo. Eu tentei minimizar a quase impossibilidade de invadir a instalação de St. Louis, mas ele claramente não acreditou em mim. A Sra. Terwilliger me mandou uma mensagem duas vezes para não me atrasar para o nosso encontro. Fiquei de olho no meu relógio, mas os cuidados de um Mustang não era algo que eu tomei de ânimo leve, e eu tive que tomar meu tempo na loja do mecânico para garantir que o Mustang estava em bom estado. Adrian queria ir com pneus básicos, mas eu pedi para atualizar, convencendo-o que o custo extra seria pouco. E uma vez que os consultaram, felicitou-me na escolha. Só depois que eu estava satisfeita que o carro não tinha sido desnecessariamente arranhado que eu finalmente permiti que ele pagasse. Nós dirigimos ambos os carros de volta para o Vista Azul, e tive o prazer de ver que o meu timing foi perfeito. Nós não estavamos atrasados, mas a Sra. Terwilliger estava esperando em sua varanda por nós. Nós designamos Adrian como nosso motorista. – Caramba. - disse eu quando ela rapidamente entrou no carro. Você tem um lugar para ir depois disto? O sorriso que ela me deu foi tenso, e eu não pude deixar de notar o quão pálida ela olhou. - Não, mas temos um cronograma a seguir. Eu lancei um feitiço grande esta manhã que não vai durar para sempre. A contagem regressiva está ligada.


Ela não ia dizer mais nada até chegar ao parque, e o silêncio me deixava nervosa. Isso me deu a oportunidade de imaginar todos os tipos de resultados assustadores. E embora eu confiava nela, de repente senti aliviada que Adrian estava junto como acompanhante. Embora não tenha sido o lugar mais movimentado, Lone Rock Park ainda tinha o caminhante ocasional. A Sra. Terwilliger, que estava, na verdade, em botas de caminhada, partiu em todo o terreno rochoso, em busca de um espaço devidamente remoto para fazer o que ela tinha em mente. Algumas formações de rocha estratificada pontilhavam a paisagem, mas eu realmente não podia apreciar a sua beleza. Principalmente eu estava ciente de que estávamos aqui quando o sol estava mais quente. Mesmo que fosse quase inverno, nós ainda estaríamos sentindo o calor. Eu olhei para Adrian enquanto caminhávamos e encontrei-o já a olhar para mim. Do bolso da jaqueta, ele produziu um frasco de protetor solar. - Eu sabia que você ia perguntar. Estou tão preparado como você. - Quase. - eu disse. Ele fez isso de novo, antecipando meus pensamentos. Por meio segundo, eu fingi que era só nós dois para fora em uma caminhada agradável a tarde. Parecia que a maior parte do tempo que passamos juntos era em alguma missão urgente. Que bom seria apenas ficar sem o peso do mundo sobre nós? A Sra. Terwilliger logo nos trouxe de volta para a nossa triste realidade. - Isso deve servir - disse ela, levantando a terra ao seu redor. Ela conseguiu encontrar uma das áreas mais desoladas no parque. Eu não teria ficado surpreendida ao ver urubus circulando em cima. Você trouxe o que eu pedi? - Sim, senhora. -Eu me ajoelhei no chão e vasculhei minha bolsa. Tinha o livro de feitiços, juntamente com alguns compostos de ervas e líquidos que eu misturei a pedido dela.


- Tire a bola de fogo. - ela instruiu. Os olhos de Adrian se arregalaram. - Você acabou de dizer 'bola de fogo'? Isso é foda. - Você vê o fogo o tempo todo. - eu lembrei ele. - A partir de Moroi que pode usá-lo. - Sim, mas eu nunca vi um humano fazendo isso. Eu nunca vi você fazer qualquer coisa assim. Eu desejava que ele não parecesse tão impressionado, para o tipo de coisa e a gravidade do que estávamos prestes a tentar. Eu me sentiria melhor se ele tivesse tratado isso como se não fosse grande coisa. Mas essa magia? Sim, era uma espécie de um grande negócio. Eu uma vez realizei outra magia que envolvia jogar um amuleto feito cuidadosamente e recitar palavras que fizeram explodir em chamas. Tinha um enorme componente físico, no entanto. Essa magia foi outro daqueles mentais e essencialmente convocação de fogo fora do ar. Os gravetos que a Sra. Terwilliger tinha se referido era um saco de cordão pequeno cheio de cinzas feitos da casca do teixo queimadas. Ela pegou o saco de mim e examinou seu conteúdo, murmurando em aprovação. - Sim, sim. Muito bem. Excelente consistência. Você queimou-o para a quantidade exata de tempo. - Ela entregou o saco de volta. Agora, finalmente, você não precisa disso. Isso é o que torna este feitiço tão poderoso. Ele pode ser realizado muito rapidamente, com muita pouca preparação. Mas você tem que praticar, antes de poder chegar a esse ponto. Eu balancei a cabeça junto e tentei ficar em modo de estudante. Até agora, o que ela estava dizendo era similar ao que o livro tinha descrito. Se eu pensei em tudo isso como um exercício de sala de aula, foi muito menos assustador. Não é realmente assustador.A Sra. Terwilliger inclinou a cabeça e olhou para mim.


- Adrian? Você pode querer manter a sua distância. Uma distância considerável. Ok. Talvez um pouco assustador. Ele obedeceu e se afastou. A Sra. Terwilliger aparentemente não tinha tanto medo de si mesma, porque ela ficou apenas alguns metros de distância de mim. - Agora, então, - ela disse. - Pegue as cinzas, e segure na sua mão. Peguei o saco, tocando as cinzas com o polegar e o indicador. Então eu esfreguei levemente todos os meus dedos juntos até que a palma da mão toda tinha uma fina camada de cinza sobre ele. Eu defini o saco para baixo e, em seguida, estendi a mão na minha frente, com a palma para cima. Eu sabia o que vinha em seguida, mas esperei pela sua instrução. - Invoque a sua magia para chamar a chama de volta das cinzas. Sem encantamento, só a sua vontade. Magia surgiu dentro de mim. Chamando um elemento do mundo fez-me lembrar um pouco do que os Moroi fazem, o que era estranho. Minha tentativa começou como um brilho vermelho, pairando no ar acima da minha palma. Lentamente, ele cresceu e cresceu até que era do tamanho de uma bola de tênis. A magia me encheu. Prendi a respiração, mal conseguia acreditar no que tinha acabado de fazer. As chamas vermelhas se contorciam e rodavam, e embora eu podia sentir seu calor, eles não me queimaram. A Sra. Terwilliger deu um grunhido que parecia ser um pouco diversão e surpresa. - Notável. Eu esqueço às vezes o quão natural você realmente é. É só vermelho, mas algo me diz, que não vai demorar muito antes que você pode produzir azuis sem as cinzas. Chamando elementos fora do ar é mais fácil do que tentar transformar uma substância em outra.


Eu olhei para a bola de fogo, em transe, mas logo encontrei-me cansada. As chamas piscaram, encolheram e depois desapareceram completamente. - Quanto mais cedo você se livrar dele, melhor, - ela me disse. Você só vai usar a sua própria energia tentando sustentá-la. Melhor jogá-lo em seu adversário e rapidamente convocar outro. Tente de novo e, desta vez, jogue-o. Olhei para o fogo mais uma vez e senti um pouco de satisfação de vê-lo assumir mais de uma tonalidade alaranjada. Eu aprendi em minhas primeiras lições de química da infância que o isqueiro era uma chama queimada. Chegar ao azul ainda parecia um chute longe. E por falar em chutes de longa distância...Eu joguei a bola de fogo. Ou, bem, eu tentei. Meu controle dele vacilou quando tentei enviá-lo para um trecho da rua de terra. A bola de fogo se estilhaçou, as chamas desaparecendo na fumaça que foi levada pelo vento. - É difícil, - eu disse, sabendo que soava como coxo. - Tentar prendê-lo e jogá-lo é como uma coisa normal física. Eu tenho que fazer isso enquanto ainda controlo a magia. - Exatamente. - A Sra. Terwilliger parecia muito satisfeita. - E é aí que a prática acontece. Felizmente, não demorou muitas tentativas antes que eu descobri como fazê-lo trabalhar todos juntos. Adrian me animou com sucesso para jogar minha bola de fogo primeiro, resultando em uma bela cena que perfeitamente bateu na rocha que tinha estado buscando. A Sra. Terwilliger deu um olhar triunfante e esperou o próximo feitiço que estaria passando. Para minha surpresa, ela não parecia tão impressionada quanto eu esperava que ela fosse. - Faça de novo. - disse ela. - Mas eu estou fazendo. - eu protestei. - Nós devemos tentar outra coisa. Eu estava lendo a outra parte do livro. - Você não tem nada a fazer com isso ainda. - ela repreendeu. Você acha que isso é desgastante? Você gostaria de tentar uma das


magias mais avançadas. Agora. - Ela apontou para o chão do deserto duro. - Mais uma vez. Eu queria dizer a ela que era impossível para mim não ir mais à frente em um livro. Foi exatamente como eu fazia com todas as minhas aulas. Algo me disse que agora não era o melhor momento para falar disso. Ela me fez praticar o lance mais e mais. Uma vez que ela estava convencida de que eu tinha feito bem, ela me fez trabalhar em aumentar o calor do fogo. Eu finalmente consegui chegar até a amarela, mas não pude ir adiante. Então eu tive que trabalhar em lançar o feitiço sem as cinzas. Uma vez cheguei a esse marco, foi voltar a praticar os lances. Ela pegou vários alvos para mim, e eu acertei todos eles sem esforço. - Assim como Skee-Ball. - eu murmurei. - Fácil e chato. - Sim. - a Sra. Terwilliger concordou. - É fácil jogar em objetos inanimados. Mas alvos móveis? Alvos vivos? Não é tão fácil. Então, vamos seguir em frente com isso, não é? A bola de fogo que eu estava segurando na minha mão desapareceu quando o choque quebrou meu controle. - O que você quer dizer? - Se ela esperava que eu começasse com pássaros ou roedores, ela estava enganada. Não havia nenhuma maneira que eu estava indo incinerar algo vivo. - No que eu devo jogar? A Sra. Terwilliger empurrou os óculos no nariz há vários metros de mim. – Eu. Esperei o remate ou pelo menos alguma explicação adicional, mas nenhuma veio. Olhei atrás de mim para Adrian, esperando talvez que ele poderia lançar alguma luz sobre isso, mas ele parecia tão surpreso quanto eu. Virei-me para o chão chamuscado onde minhas bolas anteriores haviam atingido. - Sra. Terwilliger, você não pode me pedir para jogar em você.


Seus lábios se contraíram em um meio sorriso pequeno. - Eu lhe asseguro, eu posso. Vá em frente, você não pode me machucar. Eu tive que pensar alguns momentos de como dizer minha resposta seguinte. - Eu tenho uma mira muito boa, minha senhora. Eu posso acertar em você. Isto ganhou uma risada sem rodeios. - Acertar, sim. Machucar, não. Vá em frente e jogue. Nosso tempo está se esgotando. Eu não sabia quanto tempo havia se passado exatamente, mas o sol estava definitivamente mais baixo no céu. Eu olhei para Adrian, silenciosamente pedindo ajuda para lidar com essa insanidade. Sua única resposta foi um encolher de ombros. - Você é uma testemunha disso, -eu disse a ele. - Você ouviu-a dizer para fazer. Ele acenou com a cabeça. - Você é totalmente inocente. Eu respirei fundo e chamei minha bola de fogo em seguida. Eu estava tão exausta que começou vermelha, e eu tinha que trabalhar para aquecê-la. Então eu olhei para a Sra. Terwilliger e me preparei para o tiro. Foi mais difícil do que eu esperava, e não apenas porque eu estava preocupada com estar a machucando. Jogando algo no chão não era necessário quase nenhum pensamento. O foco não estava no fim e pouco mais. Mas, diante de uma pessoa, vendo seus olhos e a forma de seu peito subia e descia durante a respiração... bem, ela estava certa. Foi totalmente diferente de bater num objeto inanimado. Comecei a tremer, sem saber se eu poderia fazer isso. - Você está perdendo tempo, - alertou. - Você está minando a energia novamente. Jogue. O comando em sua voz me sacudiu para a ação. Eu joguei. A bola de fogo voou da minha mão, diretamente para ela, mas ela


nunca fez contato. Eu não podia acreditar nos meus olhos. Cerca de um pé na frente dela, bateu em algum tipo de barreira invisível, quebrando em pedaços, em chamas pequenas, que rapidamente se dissipou em fumaça. Meu queixo caiu. - O que é isso? - Eu exclamei. - Um muito, muito poderoso feitiço blindagem. - disse ela, claramente apreciando a minha reação. Ela levantou um pingente que tinha sido pendurado debaixo de sua camisa. Ele não parecia nada de especial, apenas um pedaço de cornalina não polido envolto em fio de prata. - Foi preciso esforço incrível para fazer isso...e ainda requer mais esforço para manter ele. O resultado é um escudo invisível, como você pode ver, que é impermeável à maioria dos ataques físicos e mágicos. Adrian estava ao meu lado em um flash. - Espera aí. Há um feitiço que faz você invulnerável a tudo, e você só agora pensou em mencionar isso? Você foi dizendo o tempo todo sobre como Sydney está em perigo! Por que você apenas não a ensinou isso? Então sua irmã não pode tocá-la. Apesar de não parecer Adrian estava prestes a atacá-la como tinha atacado Marcus, ele estava quase tão chateado. Seu rosto estava vermelho, os olhos duros. Ele cerrou os punhos ao seu lado, mas eu não acho que ele mesmo percebeu. Era mais do que o instinto primal. A Sra. Terwilliger permaneceu forte em face de sua indignação. - Se fosse assim tão simples, então acredite em mim, eu o faria. Infelizmente, existem uma série de problemas. Uma delas é que Sydney, prodígio que ela é, não está nem perto de ser forte o suficiente

para

lançar

isso.

Estou

quase

forte

o

suficiente.

O outro problema é que ele tem um período de tempo extremamente curto, que é por isso que eu tenho sido tão inflexível sobre um cronograma. Ele só dura seis horas e exige um esforço enorme que você não pode simplesmente lançá-lo e mantê-lo permanentemente


em você em todos os momentos. Eu já estou desgastada e vou estar mais ainda quando ele desaparecer. Eu não vou ser capaz de lançá-lo ou quase qualquer outra magia por pelo menos mais um dia. É por isso que eu preciso de Sydney para estar preparada em todos os momentos. Nem Adrian nem eu dissemos nada de imediato. Eu tinha tomado nota de seu estado cansado quando ela entrou no carro, mas não tinha pensado muito mais sobre isso. Como nós continuamos a praticar aqui, eu a observava suando e parecendo mais cansada, mas eu tinha imaginado que era o calor. Só agora pude apreciar plenamente a extensão do que ela tinha feito. - Por que você faz tanto esforço? - Eu perguntei. - Para mantê-la viva, - ela retrucou. - Agora, não faça disso um desperdício. Nós só temos uma hora mais antes que ele desapareça, e você precisa ser capaz de apontar para alguém, sem pensar duas vezes. Você hesita demais. Ela estava certa. Mesmo sabendo que ela era invulnerável, eu ainda tinha um tempo difícil para atacá-la. A violência só não era algo que eu abraçava. Eu tive que empurrar para baixo todas as minhas preocupações internas e tratá-lo exatamente como no Skee-Ball. Apontar, jogar. Apontar, jogar. Não pense. Logo, eu era capaz de lutar pelos meus anseios e jogar sem hesitação. Ela ainda tentou se movimentar um pouco, só para me dar uma melhor noção do que seria com um inimigo real, mas eu não acho que seja um grande desafio. Ela estava simplesmente muito cansada e incapaz de correr ou esquivar. Na verdade, eu comecei a me sentir mal por ela. Parecia que ela estava prestes a desmaiar, e eu me senti culpada dimensionamento até meu tiro seguinte e... - Ahh! Fogo arqueou da ponta dos dedos da Sra. Terwilliger exatamente quando eu liberei minha bola de fogo. Meu tiro passou longe, a bola se desintegrando antes de chegar perto dela. O fogo tinha lançado


passou, cerca de um metro de distância. Com um sorriso cansado, ela caiu de joelhos e exalou. - Classe demitido. - disse ela. - O que foi isso? - Eu perguntei. - Eu não tenho um escudo mágico em mim! Ela não mostrou a mesma preocupação. - Ele não estava nem perto de você. Tenho a certeza disso. Era simplesmente para provar que não importa como 'chato e fácil’ isso parece, todas as apostas estão fora quando alguém está atacando você de fato. Agora então. Adrian, pode por gentileza me trazer o meu saco? Eu tenho algumas tâmaras secas lá que eu acho que Sydney e eu gostariamos de receber agora mesmo. Ela estava certa. Eu estava tão presa na lição que eu não tinha percebido como esgotada eu havia me tornado. Ela estava em pior forma, mas a magia tinha definitivamente tomado a sua porcentagem em mim. Eu nunca tinha trabalhado com quantidades tão grande por tanto tempo, e meu corpo sentiu-se fraco e escorrido quando a queda de açúcar no sangue ocorreu. Comecei a entender por que ela mantia me avisando para ficar longe do material realmente difícil. Eu praticamente engoli as tâmaras secas que ela trouxe para nós, e embora o açúcar ajudou, eu estava desesperada para mais. Adrian galantemente nos ajudou tanto a caminhar de volta para o estacionamento à entrada do parque, mantendo uma de nós em cada braço. - É uma pena que estamos no meio do nada, - eu resmunguei, uma vez que estávamos todos no carro de Adrian. - Eu acho que você ficaria

surpreso

com

o

quanto

eu

poderia

comer

agora.

Eu

provavelmente vou desmaiar antes de estamos de volta para alguma civilização e restaurantes. - Na verdade, - disse Adrian. - Você pode estar com sorte. Eu acho que eu vi um lugar não muito longe daqui, quando nós estávamos dirigindo.


Eu não tinha percebido nada, mas eu estava muito preocupada com a próxima aula da Sra. Terwilliger. Cinco minutos depois estávamos de volta na estrada, vi que Adrian estava certo sobre um restaurante. Ele saiu em uma estrada pouco monótona, puxando para o estacionamento de cascalho de um pequeno edifício recém-pintado de branco. Eu olhei para a placa na frente em descrença. - Tortas e outras coisas? - Você queria açúcar. -Adrian me lembrou. O Mustang chutou poeira e cascalho, e eu estremeci em nome do carro. - E pelo menos não é isca ou qualquer coisa assim. - Sim, mas a parte do ‘outras coisas’ não é exatamente reconfortante. - Eu pensei que era mais o ‘torta’ a parte que você tinha ficado chateada. Apesar dos meus receios, Tortas e outras coisas foi realmente um estabelecimento bonito e limpo. Cortinas de bolinhas penduradas nas janelas, e a vitrine estava cheia de cada torta que se possa imaginar, bem como "coisas", como bolo de cenoura e brownies. Nós éramos as únicas pessoas com menos de 60 em todo o lugar. Nós pedidos nossa torta e sentamos em uma mesa de canto. Eu pedi pêssego, Adrian pdiu a francesa, e a Sra. Terwilliger foi de nozpecã. E, claro, ela e eu pedimos para a garçonete trazer-nos café, assim que fosse humanamente possível, uma vez que tinhamos que abster-nos, dolorosamente, para a magia. Eu tomei um gole e imediatamente me senti melhor. Adrian comeu sua fatia em uma taxa razoável, como uma pessoa normal, mas a Sra. Terwilliger e eu comemos como se não tivesse comido em um mês. A conversa era irrelevante. Só a torta importava. Adrian nos considerou com tanto prazer e não tentou interromper até que nós praticamente haviamos lambido as vasilhas limpas. Ele acenou com a cabeça em direção ao meu.


- Peça outro. - Eu vou tomar mais café. - Eu olhei a placa de espumante e não pude deixar de notar que a voz interior que costumava importunarme sobre calorias estava tranquila estes dias. Na verdade, ele não parecia estar em torno demais em tudo. Eu estava tão irritada com a "intervenção" de Adrian sobre comida, mas suas palavras acabaram tendo um impacto maior do que eu esperava. Não que isso tenha algo a ver com ele pessoalmente, é claro. O clareamento das restrições da minha dieta era apenas uma ideia razoável. E foi isso. - Me sinto muito bem agora. - Eu vou te dar um outro copo. - ele me disse. Quando ele voltou, ele ainda tinha uma caneca para a Sra. Terwilliger. - Pensei que você iria querer um também. Ela sorriu em agradecimento. - Obrigada. Você é muito esperto. Enquanto ela bebia, eu não pude deixar de notar que ela ainda parecia cansada, apesar do fato de que nós apenas repomos com açúcar. Ela já não parecia em perigo de passar para fora, mas era óbvio que ela não tinha se recuperado tão rapidamente como eu. - Você tem certeza que está bem? - Eu perguntei a ela. - Não se preocupe, eu vou ficar bem. - Ela bebeu mais café, seu rosto perdido em pensamentos. - Tem sido anos desde que realizei o feitiço escudo. Eu esqueci o quanto leva de mim. Eu fui novamente atingida por todos os problemas que ela tinha tido através de mim. Desde que ela tinha identificado-me como um usuário de magia potencial, eu não tinha feito nada além de resistir a ela e até mesmo ser antagônica. - Obrigada. - eu disse a ela. - Por tudo...Eu gostaria que houvesse uma maneira que eu poderia fazer isso para você. Ela colocou o copo para baixo e agitou mais açúcar. - Estou feliz de fazer isso. Não há necessidade de retribuir. Embora...uma vez que este é tudo mais, eu gostaria muito se você


encontrasse meu coven. Eu não estou pedindo para se juntar, acrescentou rapidamente. - Só para falar. Eu acho que você vai achar Stelle muito interessante. - Stelle. - repetia. Ela nunca chamou pelo nome antes. - As estrelas. A Sra. Terwilliger assentiu. - Sim. Nossas origens são italiana, embora, como você já viu a magia que usamos vem de uma série de culturas. Eu estava em uma perda de palavras. Ela tinha tido tantos problemas por mim...certamente não era um grande negócio só falar com as outras bruxas, certo? Mas se fosse uma coisa tão pequena, então por que eu estava apavorada? A resposta veio a mim alguns momentos mais tarde. Conversando com outras pessoas, vendo a organização maior, iria chutar o meu envolvimento com a magia até o próximo nível. Levou-me muito tempo para vir ao redor da magia que eu já usei. Eu superei muitos dos meus medos, mas uma parte de mim tratava apenas como alguma atividade lateral. Como um hobby. Reunião com outras bruxas mudaria tudo. Eu teria que aceitar que eu era parte de algo muito maior do que apenas o ocasional. Encontrar um coven parecia oficial. E eu não sabia se eu estava pronta para ser considerada uma bruxa. - Eu vou pensar sobre isso. - disse. Eu gostaria de poder dar-lhe mais, mas a minha proteção, meus instintos tinha me agarrado. - Eu vou levar o que eu posso conseguir. - disse ela com um pequeno sorriso. Seu telefone soou, e ela olhou para baixo. - Falando de Stelle, eu preciso falar com uma das minhas irmãs. Eu vou encontrá-la no carro. - Ela terminou seu café e se dirigiu para fora. Adrian e eu seguimos alguns minutos mais tarde. Eu ainda estava preocupada com o coven e agarrei sua manga para mantê-lo de volta. Falei baixinho.


- Adrian, quando eu cheguei a este ponto? Tentando descobrir sobre os Alquimistas e praticando magia no deserto? No verão passado, quando eu estava com Rose na Rússia, eu não podia sequer tolerar a ideia de dormir no mesmo quarto com ela. Eu tinha muitos mantras Alquimistas correndo pela minha mente, me alertando dos males de vampiros. E agora, aqui estava eu, em aliança com os vampiros e questionando os alquimistas. Aquela garota na Rússia não tinha nada em comum com a de Palm Springs. Não, eu ainda sou a mesma pessoa de coração. Eu tinha que ser...porque se eu não fosse, então quem era eu? Adrian sorriu para mim com simpatia. - Eu acho que foi o culminar de coisas. Sua natureza curiosa. Sua necessidade de fazer a coisa certa. É tudo que te levou a este ponto. Eu sei que os alquimistas ensinaram a pensar de uma certa maneira, mas o que você está fazendo agora, não é errado. Eu passei a mão pelo meu cabelo. - E ainda, apesar de tudo isso, eu não posso levar-me a ter uma conversa com o pequeno clã da Sra. Terwilliger. - Você tem limites. - Ele gentilmente alisou um dos meus cabelos rebeldes. - Nada de errado com isso. - Marcus diria que é a tatuagem me segurando. Adrian soltou sua mão. - Marcus diz um monte de coisas. - Eu não acho que Marcus está tentando me enganar. Ele acredita em sua causa, e eu ainda estou preocupada com o controle da mente...mas, honestamente, é difícil acreditar que estou sendo realizada de volta quando eu estou aqui fora fazendo coisas como esta. - Fiz um gesto exterior, de onde a Sra. Terwilliger estava. Dogma Alquimista diz que esta magia não é natural e é errada. O sorriso de Adrian voltou. - Se isso faz você se sentir melhor, você realmente olhou de forma natural lá de volta no parque.


- Fazer...o que? Atirar bolas de fogo? - Eu balancei a cabeça. Não há nada de natural nisso. - Você não pensaria assim, mas...bem. Você estava...incrível, jogando o fogo como uma espécie de deusa guerreira antiga. Irritada, eu me virei. - Pare de fazer troça de mim. Ele pegou meu braço e me puxou de volta para ele. - Estou absolutamente sério. Engoli em seco, sem palavras por um momento. Tudo o que eu conhecia era o quão perto estávamos, de que ele estava me segurando para ele com apenas alguns centímetros entre nós. Quase tão perto como a fraternidade. - Eu não sou uma guerreira ou uma deusa. - eu consegui dizer no último. Adrian se aproximou. - Até onde eu sei, você é os dois. Eu sabia do olhar em seus olhos. Eu sabia porque eu tinha visto isso antes. Eu esperava que ele me beijasse, mas em vez disso, ele passou o dedo ao longo do lado do meu pescoço. - Não é, não é? Medalha de honra. Levei um momento para perceber que ele estava falando sobre o chupão.

Ele

havia

desaparecido,

mas

não

estava

totalmente

desaparecido. Eu me afastei. - Não é! Foi um erro. Você estava fora da linha de fazer isso para mim. Suas sobrancelhas se levantaram. - Sage, eu me lembro cada parte daquela noite. Você não parecia que não queria. Você estava praticamente em cima de mim. - Eu realmente não me lembro os detalhes. - eu menti. Ele moveu a mão no meu pescoço e encostou um dedo em meus lábios.


- Mas eu vou ficar com apenas beijando estes se isso te faz sentir melhor. Nenhuma marca. - Ele começou a inclinar-se para mim, e eu me afastei. - Você não vai! É errado. - O que, de te beijar, ou te beijar aqui no tortas e outras coisas? Olhei em volta, de repente, consciente de que estávamos criando um show com jantar para os idosos, mesmo que não podia nos ouvir. Eu me apoiei. - Ambos. - eu disse, sentindo meu rosto queimar. - Se você vai tentar algo inapropriado, você disse que não iria fazer mais, então você poderia pelo menos escolher um lugar melhor. Ele riu suavemente, e ao olhar em seus olhos me confundiu ainda mais. - Tudo bem. - disse. - A próxima vez que eu te beijar, eu prometo que vai ser em um lugar mais romântico. - Eu... o quê? Não! Você não deve tentar! - Eu começei a me mover em direção à porta, e ele caiu no passo comigo. - O que aconteceu com me amar de longe? O que aconteceu com não trazendo nada sobre isso? Para alguém que era supostamente para estar indo só para assistir de longe, ele não estava fazendo um trabalho muito bom. E eu estava fazendo um trabalho ainda pior em ser indiferente. Parou em frente da porta e bloqueou meu caminho. - Eu disse que não iria se você não me quer. Mas você é do tipo que está me dando sinais mistos, Sage. - Eu não estou. - disse, surpresa que eu poderia até dizer com uma cara séria. Mesmo que eu não acreditasse nisso. - Você é presunçoso e arrogante e um monte de outras coisas, se você acha que eu mudei de ideia. - Você vê, é só isso. - Lá estava ele de novo, movendo-se em meu espaço. - Eu acho que você gosta das ‘outras coisas’. Sacudi o meu torpor e me afastei.


- Eu gosto de homem. Outra lição Alquimista veio à mente. Eles se parecem com a gente, mas não se deixe enganar. O Moroi não exibe a malícia dos Strigoi, mas criaturas que bebem sangue e manipulam a natureza não têm lugar em nosso mundo. Trabalhe com eles apenas como você deve. Nós não somos os mesmos. Mantenha distância, tanto quanto possível. É para o bem da sua alma. Adrian não parecia que ele acreditava nisso também, mas ele se afastou e foi para fora. Segui alguns momentos mais tarde, pensando que eu tinha jogado com o fogo mais de uma vez hoje.


Capítulo 14 14 Domingo chegou, e o dia começou calmamente. Estávamos nos aproximando do ponto em que Veronica pode atacar de novo, e meu estômago estava em nós sobre qual seria o seu próximo passo e como estávamos presos em como pará-la. Então eu recebi ajuda de uma fonte inesperada, quando meu telefone tocou com um número desconhecido no visor. Normalmente, eu não iria responder algo assim, mas a minha vida não era normal esses dias. Além disso, era um código de área de Los Angeles. - Olá? - Oi! É Taylor? Levei um momento para lembrar a minha identidade secreta. Eu não, no entanto, lembrava de ter dado o meu número real para qualquer uma das meninas que tinha avisado sobre Veronica. - Sim. - eu disse cautelosamente. - Aqui é Alicia, do Velho Mundo de Alojamento e Pequeno Almoço. - Oi. - eu disse, ainda confusa quanto ao porquê e como ela estaria me ligando Sua voz era tão alegre e brilhante como quando nós conhecemos ela. - Eu queria saber se você tinha pensado mais sobre a obtenção de um quarto para o seu aniversário. - Oh, bem...é que...Nós ainda estamos decidindo. Mas, uh, provavelmente vamos para algo mais perto da costa. Você sabe, caminhadas pela praia romântica e tudo mais. - Eu posso compreender totalmente, - disse ela, embora ela parecia desapontada com a perda de uma venda. - Se você mudar sua mente, deixe-me saber. Estamos executando um especial este


mês, para que você possa ficar na suíte Coelho a um preço muito bom. Eu lembro de você dizendo que você lembrou de seu coelho de estimação. Qual era o seu nome? - Hopper. - eu disse sem rodeios. - Hopper! Isso mesmo. Um nome tão doce. - Sim, incrível. - Eu tentei pensar em uma maneira educada de fazer

minha

próxima

pergunta,

mas

simplesmente

escolhi

a

franqueza. - Olha, Alicia, como você conseguiu esse número? - Oh, Jet deu para mim. - Ele fez isso? - Yup. - Ela aparentemente tinha superado sua decepção e agora soava brilhante e alegre novamente. - Ele preencheu um cartão de informações, enquanto vocês estavam aqui e colocou o seu número. Eu quase gemi. Típico. - Bom saber. - eu disse. Gostaria de saber quantas vezes Adrian deu meu número para fora. - Obrigada por ligar. - Oh! - Ela riu. - Eu quase me esqueci. Sua amiga está de volta. Eu congelei. - O que? - Veronica. Ela voltou ontem. Minha primeira reação foi emoção. Minha segunda foi de pânico. - Você disse a ela que estávamos perguntando sobre ela? - Oh, não. Lembrei-me de você dizendo que queria fazer uma surpresa. Eu quase afundei em alívio. - Obrigada. Nós, uh, não queremos estragar isso. Nós vamos ter que passar e visitá-la, mas não diga a ela. - Você pode contar comigo! Nós desligamos, e eu olhava para o telefone. Verônica estava de volta. Apenas quando nós pensamos que tínhamos perdido todas as pistas sobre ela. Imediatamente liguei para a Sra. Terwilliger mas foi enviado para o correio de voz. Eu deixei uma mensagem e depois


segui com um texto, dizendo que eu tinha notícias urgentes. Meu telefone tocou de novo, quando eu estava prestes a ligar para Adrian. Eu quase esperava que Alicia tinha mais a dizer-me, mas depois vi que era o número de Stanton. Após a primeira de uma profunda respiração, tentei responder e em como acalmar um caminho possível. - Srta. Sage. - ela disse. - Recebi sua mensagem de ontem. - Sim, senhora. Obrigada por me chamar de volta. Eu tinha ligado para ela ontem, pouco antes de me encontrar com Adrian. O treinamento mágico da Sra. Terwilliger tinha tomado prioridade no momento, mas eu não tinha esquecido o meu contrato com o Marcus. - Eu tenho um, um, algo para perguntar - eu continuei. Stanton, que raramente era surpreendida, ficou claramente surpresa agora. - Você certamente tem o direito de perguntar...mas você geralmente não é do tipo que faz. - Eu sei, e eu me sinto mal. Então, se você tiver que dizer não, eu entendo. - Na verdade, se ela dissesse que não, eu teria uma série de problemas em minhas mãos, mas era melhor não parecer muito ansiosa. - Bem, eu estive pensando sobre como eu tenho que passar o Natal aqui com os Moroi. E eu definitivamente não entendo isso, senhora. É parte da missão, mas...bem, eu estaria mentindo se eu dissesse que não me incomoda. Então, eu queria saber se há alguma maneira de que eu estaria autorizada a ir a um dos serviços de férias. Ele me faz sentir...oh, eu não sei. Mais conectados. Purificada, mesmo. Eu só estou sempre rodeada por eles aqui, por que mancha, sabe? Eu sinto que eu não posso nem respirar metade do tempo. Isso provavelmente soa ridículo. Eu cortei minhas divagações. Quando Marcus pela primeira vez sugeriu tomar vantagem de conhecer alguém em St. Louis, eu imediatamente pensei em Ian. Então eu percebi que não era


suficiente. Os Alquimistas em missão não poderiam simplesmente pedir tempo casual de folga para visitar amigos. Tempo livre para algo mais espiritual e grupo-orientado, digamos, as férias anuais de serviço dos alquimistas, era uma questão diferente. Lotes de Alquimistas receberam permissão para viajar e participar de tais serviços. Eles foram amarrados a nossa fé e unidade do grupo. Na verdade, Ian tinha até comentado no casamento, na esperança de atrair-me a visitá-lo. Imagina se soubesse que seu truque iria pagar. Mais ou menos. - Não parece ridículo, - disse Stanton. Isso foi promissor, e eu tentei abrir meu punho e relaxar. - Eu estava pensando que talvez eu poderia ir antes de sairmos para as férias de inverno, - acrescentei. - Jill pode permanecer dentro dos limites da escola, então não deve haver um risco muito grande. Eddie e Angeline estão sempre com ela. Eu poderia simplesmente sair para St. Louis para uma viagem de fim de semana rápido. - St. Louis? - Eu quase podia ver sua carranca através do telefone. - Há serviços em Phoenix também. Isso seria muito mais perto. - Eu sei, minha senhora. É só... - Eu esperava que parecer genuinamente nervosa iria me ajudar a soar convincente. - Eu, uh, estava esperando que eu também podia ver Ian de novo. - Ah. Eu vejo. - Houve uma longa pausa. - Eu acho que é mais surpreendente do que você querer participar de serviços. Pelo que eu vi no casamento, você não parecia ser a que se encantou pelo Sr. Jansen. Assim. Eu estava certa de que Stanton havia notado sua paixão por mim. No entanto, ela também percebeu que eu não retornei o seu afeto. Ela estava atenta, mesmo para pequenos detalhes, que trouxe as advertências de Marcus de volta para mim, sobre como os Alquimistas prestavam atenção a tudo. Eu comecei a entender seus medos e por que ele tirou os recrutas para fora dos Alquimistas tão


rapidamente. Eu estava já atraindo a atenção? Foram todas as pequenas coisas que eu fiz, mesmo pedindo isso, que lentamente iria construir um caso contra mim? Mais uma vez, eu esperava que minha ansiedade simplesmente me fazia soar como uma menina afobada, Stanton iria sentir pena e sacudir a cabeça de novo. St. Louis não era muito mais longe de avião, e o resultado final foi o mesmo. - Bem, isso era o negócio, minha senhora. Eu não quero me distrair do nosso objetivo. - É claro. - Sua pausa seguinte foi apenas alguns segundos de comprimento, mas parecia uma hora. - Bem, eu não vejo nenhuma razão para que você não possa ir. Você fez um trabalho admirável em seu trabalho, e a partir de um ponto de vista pessoal, eu posso entender por que você gostaria de estar com rostos familiares novamente. Você passou mais tempo com os Moroi que muitos alquimistas em suas vidas, e não hesitou quando Ivashkov se empurrou para você no casamento. Eu realmente não hesitei quando ele empurrou-se para mim, na fraternidade também. Ou eu me empurrei em cima dele? - Obrigada, senhora. Ela me autorizou a ir na próxima semana e disse que eu poderia usar fundos dos alquimistas para reservar arranjos para minhas viagens. Quando desliguei o telefone, eu contemplava ligar para Ian mas depois decidi sobre uma abordagem mais impessoal. Eu escrevi um e-mail rápido dizendo que eu estaria na cidade e que eu esperava que pudéssemos nos encontrar. Depois de alguns momentos de pensamento,

então

eu

mandei

uma

mensagem

para

Marcus:

Disposições tomadas. A hora do almoço chegou, e Eddie mandou uma mensagem perguntando se eu poderia encontrar Jill e ele no refeitório do meu dormitório. Fui lá embaixo no momento apropriado e encontrei um triste Eddie sentado sozinho em uma mesa. Gostaria de saber onde foi Angeline e notei que ele não tinha mencionado ela em seu texto.


Ao invés de trazer isso à tona, me concentrei em quem ele tinha mencionado. - Onde está Jill? Ele acenou com a cabeça para o lado oposto da lanchonete. Segui seu olhar e vi Jill em pé perto de uma mesa, rindo e conversando. Ela segurava uma bandeja e olhou como se tivesse sido interrompida em seu caminho de volta da mesa de alimentos. Micah e alguns outros caras estavam em cima da mesa, e eu estava feliz de ver que ele, de fato, parecia confortável em ser seu amigo novamente. - Isso é bom, - eu disse, voltando para minha própria comida. Estou feliz que ela está se dando bem com todo mundo. Eddie olhou para mim com espanto. - Você não vê o que está acontecendo? Eu estava prestes a morder uma maçã e parei. Eu odiava esses tipos de perguntas carregadas. Eles significavam questões sociais sutis, algo que não era o meu forte. Olhando para trás, para Jill, eu tentei dar o meu melhor palpite. - É Micah tentando voltar com ela? - Claro que não. - disse Eddie, como se eu devesse saber. - Ele vai sair com Claire Cipriano agora. - Desculpe. Eu não posso manter o controle de vidas de namoro de todos. Vou adicioná-lo à minha lista de coisas a fazer depois, você sabe,

rebentando

conspirações

alquimista

e

descobrir

se

os

guerreiros estão atrás de Jill. O olhar de Eddie estava travado em Jill, e ele balançou a cabeça, fazendo-me pensar que ele realmente não tinha ouvido uma palavra do que eu disse. - Travis e Juan querem convidá-la. - Então? Ela aprendeu a lição sobre o ser humano e namoro vampiro. - Eu gostaria de ter. - Ela vai dizer que não. - Eles ainda não deveriam estar incomodando ela. - ele rosnou.


Jill não parecia estar particularmente incomodada por sua atenção. Na verdade, eu gostava de vê-la brilhante e sorrindo para uma mudança. Confiança lhe convinha e enfatizou seu status real, e ela claramente estava se divertindo com as brincadeiras que estava acontecendo. Uma coisa que eu aprendi na minha educação social foi que a paquera não era a mesma coisa que sair com alguém. Minha amiga Julia era uma especialista com a diferença. Se ele fazia Jill feliz, eu certamente não tinha problemas com ele. Honestamente, parecia

que

a

pessoa

que

estava

mais

incomodado

pelos

pretendentes de Jill era Eddie. Ele, teoricamente, tinha a desculpa de querer protegê-la, mas isso parecia muito pessoal. Eu decidi trazê-lo de volta para sua própria vida romântica, o que ele deveria realmente se preocupar. - Onde está Angeline? Jill começou a caminhar em nossa direção. Parecendo aliviado, Eddie se virou para mim. - Bem, isso é o que eu queria falar com você. Sempre que alguém queria falar comigo, significava que algo estranho estava para acontecer. Questões reais de emergência nunca receberam uma introdução. Eles só eram entregues imediatamente. Este material foi premeditado com um wild card. - O que está acontecendo? - Eu perguntei uma vez que Jill sentou-se. - Com Angeline? Ela trocou um olhar de cumplicidade com Eddie. - Nós pensamos que Angeline está tramando algo. -disse ela. Um momento depois, ela esclareceu: - Alguma coisa ruim. - Não desta vez. Eu me virei para Eddie. - Ela ainda está sendo distante? - É. Ela almoçou com a gente ontem. - Ele franziu a testa. - Mas ela estava agindo de forma estranha. Ela não podia explicar por que ela está tão ocupada.


Jill concordou. - Ela realmente ficou muito chateada quanto mais mantivemos interrogando-a. Foi estranho. Eu acho que ela está em algum tipo de problema. Eu me inclinei na minha cadeira. - O tipo de problemas que Angeline entra é geralmente espontâneo e inesperado. Você está falando como se ela planeja algo em segredo. Isso não é seu estilo. Na pior das hipóteses, ela está abrigando um guarda-roupa ilícito. Eddie parecia que ele queria sorrir mas não conseguiu controlálo. – Verdade. Jill, aparentemente, não estava convencida. - Você tem que falar com ela. Saber o que está acontecendo. - Você não consegue falar com ela? - Eu perguntei, olhando entre seus rostos. - Você vive com ela. - Nós tentamos. - protestou Jill. - Eu disse a você. Ela ficou louca quando nós conversamos. - Bem, eu posso entender isso. - rebati. - Olha, eu sinto que algo muito estranho está acontecendo com ela. E eu não quero que ela entre em apuros, acredite. Mas não há muito que eu possa fazer por ela. Eu ajudei com seu problema de matemática. Meu trabalho é ter certeza de que ela permaneça na escola e não estrague seu disfarce. Todo o resto é irrelevante, e eu simplesmente não tenho tempo para isso. E se ela não iria falar com você, porque na terra você acha que ela ia falar comigo? Eu tinha falado um pouco mais severamente do que eu pretendia. Eu realmente me importava sobre todos eles. Eu também não quero problemas no grupo. No entanto, era sempre um pouco frustrante quando eles vinham a mim com dramas como este, como se eu fosse sua mãe. Eles eram alguns dos mais inteligentes, as pessoas mais competentes que eu conhecia. Eles não precisavam de


mim, e Angeline não era um gênio criminoso. Descobrir os motivos dela não poderia ser tão difícil. Nenhum deles teve uma resposta imediata para mim. - Você sempre parece passar bem para as pessoas. - Jill disse por fim. - Você é boa de comunicação. Isso certamente não era um elogio que ouvia muitas vezes. - Eu não faço nada de especial. Eu sou apenas persistente. Continue tentando, e talvez você consiga. - Vendo Jill começar a protestar, eu acrescentei. - Por favor. Não me peça para fazer isso agora. Vocês dois sabem que eu tenho muita coisa acontecendo. Eu dei a cada um deles um olhar significativo. Ambos sabiam sobre Marcus, e Jill também sabia sobre a irmã da Sra. Terwilliger. Depois de alguns momentos, quando o conhecimento bateu, os dois pareciam um pouco envergonhados. Eddie deu a Jill um pequeno empurrão. - Ela está certa. Devemos continuar trabalhando sobre Angeline nós mesmos. - Tudo bem. - disse Jill. Meu alívio foi de curta duração. - Vamos tentar um pouco mais. Então, se ainda não funcionar, Sydney pode entrar em cena Eu gemi. Quando me separei deles depois, eu não pude deixar de pensar novamente sobre os comentários de Marcus em San Bernardino sobre como

alquimistas

foram

pego

em

tarefas

domésticas.

Tentei

tranquilizar-me que Jill e Eddie iriam cuidar disso por conta própria, ou

seja,

eu

obviamente,

não

teria

Angeline

realmente

realmente

não

que

intervir.

estava

Presumindo,

planejando

algo

catastrófico. Infelizmente, essas dúvidas foram logo abrandadas quando cheguei no ônibus que me levaria para o campus principal. Nos fins de semana, só havia um ônibus que dava entre todos os edifícios, e este tinha acabado de pegar no dormitório dos meninos. Encontrei


Trey sentado nele, olhando pela janela com uma expressão feliz. Quando ele me viu, seu sorriso desapareceu. - Hey - eu disse, sentando-me ao lado dele. Na verdade, ele parecia nervoso. - Saindo para estudar? - Encontro com Angeline, na verdade. Não havia como escapar dela hoje, mas pelo menos se ela estava trabalhando em matemática, parecia improvável que ela estaria encenando um golpe ou cometendo incêndios criminosos. Sua expressão perturbada me preocupou, no entanto. - Ela...ela não bateu em você de novo, não é? - Eu não vi nenhuma marca visível, mas com ela, você nunca poderia dizer. - Hein? Não, não. Não recentemente. - Ele hesitou antes de falar novamente. - Melbourne, quanto tempo você vai precisar de mim para fazer isso? - Eu não sei. - Principalmente eu tinha focado nisso no presente, não no futuro. Uma coisa de cada vez. - Ela vai ter a sua última prova antes das férias. Se ela passar, então eu acho que você está em casa gratuitamente. A menos que você queira manter-se com ela depois disso acabar, quero dizer, desde que ela não esteja usando-o. Isso o assustou muito mais do que eu poderia ter esperado. - Tudo bem. Bom saber. Ele parecia tão perdido quando ele saiu para ir para a biblioteca que eu me perguntei se essas respostas de química tinham realmente valido a pena. Eu gostava de Trey. Eu nunca tinha pensado que lhe infligir Angeline alteraria tão radicalmente a sua vida. Imaginei que era exatamente o tipo de efeito que ela tinha no mundo. Vi-o ir a pé por mais alguns segundos e então virei para o edifício da ciência. Um dos professores, a Sra. Whittaker, era uma botânica amadora que estava sempre feliz em fornecer para a Sra. Terwilliger várias plantas e ervas. Ela pensou que a Sra. Terwilliger usava para projetos de artesanato em casa, como potpourri e velas, e eu muitas vezes tinha que pegar os últimos suprimentos. Quando entrei em sua


sala de aula hoje, a Sra. Whittaker estava com a classificação de exames em sua mesa. - Oi, Sydney. - disse ela, mal olhando para cima. - Eu defini tudo lá, no balcão. - Obrigada, senhora. Fui até lá e me surpreendi ao encontrar praticamente um armário de especiarias. A Sra. Terwilliger havia solicitado todos os tipos de folhas, caules e recortes. Foi mais do que eu já tive que pegar para ela. - Ela com certeza tinha uma ordem grande neste momento. comentou a Sra. Whittaker, como se sentindo meus pensamentos. Ela está realmente usando alho em potpourri? - Ah, isso é, para alguns, hum, coisas de cozinha que ela está fazendo. Você sabe, férias e tudo mais. Ela assentiu com a cabeça e voltou ao seu trabalho. Uma coisa que muitas vezes ajudou nos assuntos Alquimistas (e das bruxas) era que as pessoas raramente esperavam razões sobrenaturais para comportamentos e fenômenos estranhos.

~~//~~

Eu quase considerei visitar Trey e Angeline na biblioteca, apenas para avaliar o seu comportamento, mas decidi que seria melhor não me envolver. Eddie e Jill iriam lidar com isso. Com nada mais a fazer, me atrevi a esperar que eu possa realmente ser capaz de ficar em casa e ler hoje. Mas, quando voltei para o meu quarto, fui recebida com a visão surpreendente de Marcus sentado em um banco do lado de fora, tocando uma guitarra acústica. Um grupo de quatro meninas ficaram em volta, ouvindo em reverência. Fui até o círculo, os braços cruzados sobre o peito. - Sério? - Eu perguntei.


Marcus olhou para cima e me deu um sorriso. Uma das meninas, na verdade, arrulhou. - Ei, Sydney. Quatro pares de olhos se voltaram para mim, exibindo uma mistura de descrença e inveja. - Hey. – eu disse. - Você é a última pessoa que eu esperava ver aqui. - Eu nunca faço o que é previsível. - Ele jogou o cabelo para trás e começou a colocar a sua guitarra de volta. - Desculpe, meninas. Sydney e eu temos que falar. Eu tive mais desses olhares, que me irritava. Era realmente inacreditável que um cara de boa aparência gostaria de falar comigo? Suas seguidoras se dispersaram com relutância, e Marcus e eu caminhamos em volta do terreno. - Você não deveria estar na clandestinidade? - eu perguntei. – E não se mostrando com sua guitarra? - Eu nunca pedi dinheiro. Além disso, estou incógnito hoje. - Ele bateu no rosto, e notei que a tatuagem era pouco perceptível. - Você está usando maquiagem? - Eu perguntei. - Não julgue. - disse ele. – Faz com que eu possa me movimentar

mais

livremente.

Sabrina

ajudou

com

a

cor

correspondente. Chegamos

a

um

impasse

em

um

bosque

de

árvores

relativamente privado. - Então, por que você está aqui? Por que não mandou uma mensagem de texto? - Porque eu tenho uma entrega. - Ele enfiou a mão no bolso da camisa e me entregou um pedaço de papel dobrado que parecia que tinha viajado ao redor do mundo antes de chegar a mim. Quando abri e consegui alisá-lo para fora, vi vários diagramas meticulosamente desenhados. Eu empurrei o meu olhar de volta para ele.


- O que Wade planeja. -

Como

prometido.

desapareceu,

e

ele

-

Um

realmente

pouco parecia

da

sua

auto-satisfação

impressionado.

-

Você

realmente tem um jeito para chegar a St. Louis? - Sancionado e tudo. - eu disse. - Quero dizer, além da parte em que eu entrarei em seus servidores. Mas eu tenho algumas ideias sobre como fazer isso. Ele riu. - Claro que sim. Eu não vou incomodar perguntando. Toda garota tem seus segredos. Talvez um dia você compartilhe os seus. Desde o tom de sua voz, ele poderia ter falado sobre segredos nãoprofissionais. - Quando tudo isso acabar. - É sempre mais. - eu perguntei. Eu quis dizer isso como uma piada, mas soou um pouco mais melancólico do que eu teria gostado. Ele me deu um olhar longo. - Não, não realmente. Mas começar a tatuagem selada no México é tipo uma diversão. Eu espero que você vá com a gente. No mínimo, podemos tomar margaritas em algumas praias enquanto desfazemos a magia insidiosa. Você possui um biquíni? - Não. E eu não bebo. - Bem, talvez um dia destes podemos ir para o café. Eu sei que você bebe isso. - Estou muito ocupada. - disse eu, pensando em tudo o que pesa sobre mim. - E você sabe, eu também ainda não decidi se vou fazer a primeira fase de quebra de tatuagem. - Você deve, Sydney. - Ele era todo negócio outra vez e bateu no meu rosto. - Sem nada mais, faça isso. Não deixe que eles tenham mais controle sobre você do que eles têm. Eu sei que você acha que somos pouco lá fora, mas isso é uma coisa que está absolutamente a sério. - Oi, Sydney.


Olhei e vi minha amiga Julia Cavendish carregando uma pilha enorme de livros. Alguns segundos depois, Marcus olhou para ela também. Seus olhos se arregalaram, e ela tropeçou e caiu tudo o que ela estava carregando. Ela corou. - Oh, Deus. Eu sou uma idiota. Eu comecei a ajudá-la, mas Marcus estava ao seu lado em um instante, seu sorriso estrela de cinema firmemente no lugar. - Acontece com o melhor de nós. Eu sou Dave. - J-Julia. - disse ela. Em todo o tempo que eu a conhecia, eu nunca tinha visto-a afobada em torno de um cara. Ela geralmente comia no café da manhã. - Aqui estamos. - Ele entregou-lhe os livros, todos empilhados ordenadamente. - Obrigada. Muito obrigada. Você não tem que fazer isso. Quero dizer, foi minha culpa. Eu não sou normalmente desajeitada. E eu tenho certeza que você está ocupado. Você deve ter muito a fazer. Obviamente. - Eu também nunca ouvi Julia assim. Marcus deu um tapinha nas costas, e eu pensei que ela poderia passar para fora. - Sempre feliz em ajudar uma bela donzela em perigo. - Ele acenou com a cabeça em minha direção. - Eu tenho que ir. Sydney, eu vou estar em contato. Eu balancei a cabeça para trás. Assim que ele se afastou, Julia deixou cair os livros novamente e correu para mim. - Sydney, você tem que me dizer quem é. - Ele já disse. Dave. - Sim, mas quem é ele? - Ela agarrou meu braço e parecia à beira de arrancar respostas para fora de mim. - Apenas um cara que eu conheço. - Eu pensei sobre isso mais. Um amigo, eu acho. - Vocês não são...eu quero dizer... - O quê? Não! Por que você acha isso?


- Bem, ele é lindo. - disse ela, como se isso fosse o suficiente para fazer-nos companheiros de alma. - Você não quer apenas rasgar suas roupas? - Whoa, de jeito nenhum. - Sério? - Ela me examinou, como se eu pudesse estar brincando. - Nem um pouco? - Não. Ela deu um passo para trás e começou a pegar os livros dela. - Eita, Syd. Eu não sei o que pensar de você às vezes. Quer dizer, eu estou feliz que ele esteja disponível, ele está disponível, certo? Mas eu teria que estar em todos se eu fosse você. As palavras de Jill voltaram para mim, sobre como ele era humano e tinha essa coisa de ter "se rebelado dos Alquimistas" para ele. Talvez eu deva começar a considerar ele ou outro ex-alquimista como uma opção romântica. Ter alguém que não era um vampiro proibido na minha vida iria tornar as coisas muito mais fáceis. Tentei desenterrar a mesma reação que as outras meninas tinham em volta de Marcus, mas nada aconteceu. Não importa o quanto eu tentasse, eu não tinha essa mesma atração. Seu cabelo é loiro demais, eu decidi. E seus olhos deviam ser um pouco mais verdes. - Desculpe. - disse Julia. - Não se desculpe. - Se você diz. Eu ainda acho que você é louca. Esse é o tipo de cara que você gostaria de seguir ao inferno e voltar. - Todos os devaneios românticos desapareceu, e eu senti uma sensação de vazio no estômago quando lentamente voltei em direção ao dormitório. O inferno era uma boa analogia para o que eu estaria entrando. - Você realmente pode estar mais perto da verdade sobre isso do que você imagina. Ela iluminou. - Vê? Eu sabia que você não podia resistir.


Capítulo 15 15 A Sra. Terwilliger estava esperando no lobby quando Julia e eu voltamos para o dormitório. - Sério. Você tem um dispositivo de rastreamento em mim? - Eu perguntei. Julia deu uma olhada na expressão séria da nossa professora e rapidamente fez uma saída. - Só um momento excelente. - Terwilliger respondeu. - Eu entendo que você tenha notícias. - Surpreendentemente, sim. – O rosto da Sra. Terwilliger estava duro quando ela me levou de volta para fora para mais privacidade e ainda outra reunião secreta no exterior. Esses dias, ela mal lembrava a professora hippie dispersa que conheci quando comecei na Amberwood. - Diga-me a notícia. - ela ordenou. Eu disse a ela sobre a ligação de Alicia, e sua expressão consternada realmente não me inspirou. Eu tinha a esperança que ela revelaria algum plano incrível, infalível, que ela secretamente estava inventando. - Bem, então. - disse ela, uma vez que eu tinha terminado. Acho que vou ter que ir lá fora. - Eu vou lá fora. - eu corrigi. Ela me favoreceu com um pequeno sorriso. - Você já fez mais do que suficiente. É hora de acelerar e lidar com Veronica. - Mas você me mandou para aquele lugar antes. - Quando não estávamos mesmo certas de onde estava ou o que estava fazendo ali. Desta vez, temos uma testemunha confirmando que ela está lá agora. Eu não posso perder essa oportunidade. - Ela olhou para um relógio perto da porta e suspirou. - Eu iria hoje à


noite, se eu pudesse, mas não fiz os preparativos necessários. Eu vou começar a trabalhar neles agora e ir amanhã à noite. Espero que eu não perca ela de novo. - Não. - O desafio na minha voz surpreendeu até a mim. Eu não contradizia os professores ou qualquer tipo de autoridade, muito frequentemente. Ok, nunca. - Ela escapou antes. Vamos explorar isso. Você não quer derrubar o seu lado, no entanto, apenas no caso de algo der errado. Você estará pronta amanhã à noite? Então vamos de dia...Quero dizer, desde que alguém poderia me tirar da escola... Um pouco da tensão diminuiu, e ela riu. - Acho que eu poderia fazer isso. Eu odeio que eu continuo a colocando em perigo, no entanto. - Nós passamos desse ponto há muito tempo. Ela não podia argumentar contra essa lógica. Fiz arranjos para Adrian me pegar no dia seguinte após a primeira bronca sobre “Jet” dar o número de “Taylor”. Quando chegou a manhã, a Sra. Terwilliger foi fiel à sua palavra. Eu tinha sido dispensada das aulas para uma “viagem de pesquisa”. A coisa de ser um pupilo foi que nenhum dos meus professores tinha qualquer problema comigo matando aulas. Eles sabiam que eu ia começar o trabalho. Eu provavelmente poderia ter tirado fora o resto do semestre. Durante a viagem, eu disse a Adrian que eu consegui marcar uma viagem para St. Louis, a fim de perseguir a difícil tarefa de Marcus. A expressão de Adrian cresceu mais e mais escura, mas ele permaneceu em silêncio sobre o assunto. Eu sabia o conflito que era para ele. Ele não gostava de Marcus. Ele não gostava que eu assumisse esta missão potencialmente perigosa. No entanto, ele também confiava em mim para tomar minhas próprias decisões. Contradizendo-me ou me dizendo o que não estava em sua natureza, mesmo que secretamente ele pode ter querido. Seu único comentário foi um de apoio.


- Tenha cuidado, Sage. Pelo amor de Deus, tenha cuidado. Eu vi você retirar alguma merda, mas isto é extremo, até mesmo para você. Você é provavelmente a única pessoa que pode gerenciar isso, mas ainda assim...não baixe a guarda, mesmo por um momento. Quando eu disse a ele sobre como eu estava esperando usar Ian para obter um acesso profundo, o olhar conturbado de Adrian virouse para um de incredulidade. - Espere. Deixe-me garantir que eu estou seguindo isso. Você está indo para seduzir um cara para ajudá-lo com sua espionagem. Seduzir Ian? Ugh. - Não tire conclusões precipitadas. - eu avisei. - Eu só vou tentar usar seus sentimentos por mim para conseguir o que eu quero. - Uau. Frio, Sage. Muito frio. - Ei. - Eu me senti um pouco indignado com a acusação. - Eu não vou prometer me casar com ele ou algo assim e depois despejá-lo mais tarde. Ele escreveu-me sobre ir para lá. Nós vamos ter um bom tempo,

e

eu

vou

tentar

convencê-lo

a

deixar-me

visitar

as

instalações. É isso. - E “falar para ele” não envolve colocar para fora? Eu olhei para ele e esperava que ele pudesse me ver pelo seu periférico. - Adrian. Eu realmente pareço o tipo de pessoa que faria isso? - Bem... - Ele parou, e eu suspeitava que ele tinha segurado algum comentário sarcástico. - Não, eu não acho. Certamente não com um cara como ele. Você pegou um vestido? Lá estávamos nós novamente, Adrian aleatoriamente saltando tópicos. - Para o jantar e o serviço? Eu tenho muito. - Eu acho que isso responde à minha pergunta. - Ele parecia travar uma grande batalha mental. Então ele disse: - Eu vou te dar um conselho. - Oh, não.


Adrian olhou para mim novamente. - Quem sabe mais sobre a fraqueza do sexo masculino: você ou eu? - Vá em frente. - Eu me recusei a responder diretamente à pergunta. - Obter um vestido novo. Um que mostra um monte de pele. Curto. Sem alças. Talvez um sutiã push-up também. - Na verdade, ele teve a audácia de fazer uma rápida avaliação do meu peito. - Eh, talvez não. Mas definitivamente alguns saltos altos. - Adrian, - exclamei. - Você viu como os alquimistas se vestem. Você acha que eu posso realmente usar algo assim? Ele não estava preocupado. - Você vai fazer o trabalho. Você vai trocar de roupa ou algo assim. Mas eu estou dizendo a você, se você deseja obter um cara para fazer algo que pode ser difícil, então a melhor maneira é distraílo para que ele não possa se dedicar a sua capacidade intelectual para as conseqüências. - Você não tem muita fé em seu próprio sexo. - Ei, eu estou te dizendo a verdade. Eu estive muito distraído com vestidos sexy. Eu realmente não sei se isso era um argumento válido, já que Adrian foi distraído por um monte de coisas. Fondue. Camisetas. Gatinhos. - E assim, o que então? Eu mostro um pouco de pele, e o mundo é meu? - Isso vai ajudar. - Surpreendentemente, eu poderia dizer que ele estava falando sério. - E você tem que agir o tempo todo confiante, como se já fosse um negócio feito. Em seguida, certifiquese de que quando você está realmente pedindo o que você quer que você diga a ele que seria "muito, muito grata." Mas não elaborado. Sua imaginação vai fazer metade do trabalho para você.


Eu balancei minha cabeça, fiquei feliz que quase tinha chegado ao nosso destino. Eu não sei quanto mais eu poderia ouvir. - Este é o conselho mais ridículo que eu já ouvi. É também uma espécie de conselho machista também, mas eu não posso decidir quem ofende mais, homens ou mulheres. - Olha, Sage. Eu não sei muito sobre a química, ou computador de hackear ou fotossíntere, mas isso é algo que eu tenho muita experiência. - Eu acho que ele quis dizer fotossíntese, mas eu não o corrigi. - Use meu conhecimento. Não deixe-o ir para o lixo. Ele parecia tão sério que eu finalmente disse a ele que eu consideraria, embora eu tivesse um tempo difícil em me imaginar vestindo qualquer coisa como ele descreveu. Minha resposta o satisfez, e ele não disse mais nada. Quando chegamos a cama e pequeno-almoço, eu coloquei a peruca marrom para que pudéssemos ser Taylor e Jet novamente. Eu me preparei quando nos aproximamos da porta. - Quem sabe para onde estamos caminhando hein? - Eu murmurei. Eu tinha sido muito corajosa ao falar com a Sra. Terwilliger, mas a realidade que eu poderia estar indo direto para uma feiticeira do mal foi afundando dentro de mim e eu ainda tinha que desenvolver a capacidade mágica de sentir outros, então eu poderia muito bem ser pega de surpresa se ela tinha uma maneira de esconder sua aparência também. Tudo o que eu podia fazer era ter fé que o espírito de Adrian e o charme da Sra. Terwilliger iria me mascarar. Se Veronica estava lá, nós apenas pareceremos um casal comum. Eu esperava. Alicia estava lendo outra revista quando entramos. Ela ainda usava os mesmos óculos e uma desordem de colares vistosos. Seu rosto se iluminou quando ela nos viu. - Você está de volta. O braço de Adrian foi imediatamente ao meu redor.


-

Bem,

quando

ouvimos

que

Veronica

estava

na

cidade

novamente, queria vir vê-la imediatamente. Certo, honeydew? - Certo. - eu disse. Pelo menos ele estava indo com apelidos saudáveis hoje. - Oh. - O sorriso ensolarado de Alicia esmaeceu um pouco. - Ela acabou de sair. - Você deve estar brincando. - eu disse. Como poderia a nossa sorte ser tão ruim? - Então, ela fez o check-out? - Não, ela ainda está alugando a suíte de Veludo. Eu acho que ela estava correndo para recados. Mas...- Ela virou-se envergonhada. - Eu posso ter, uh, arruinado a surpresa. - Oh. - eu disse com cuidado. Senti Adrian me segurar tenso, mas não havia nada de romântico nisso. - Eu não podia resistir. Eu disse que ela podia ter alguns visitantes inesperados em breve. Bons visitantes. - acrescentou. - Eu queria ter certeza de que ela não ficasse fora muito tempo. - Isso é muito legal da sua parte. - disse Adrian. Seu sorriso parecia tão tenso quanto eu me sentia. Na tentativa de "ajudar-nos", Alicia poderia muito bem ter arruinado tudo. O que vamos fazer agora? Eu fui salva de uma decisão imediata, quando uma mulher de meia-idade entrou pela porta. - Olá. - disse Alicia. - Eu queria obter algumas informações sobre um casamento aqui. Para a minha sobrinha. - É claro. - disse Alicia, olhando para trás e para frente entre todos nós. Ela parecia um pouco confusa sobre quem ajudar, e eu era rápida para pular dentro. - Hey. - eu disse. - Já que estamos aqui, podemos olhar a Suite coelho de novo? Nós não podemos parar de falar sobre isso. Alicia franziu o cenho. - Eu pensei que você estava indo para a costa para o seu aniversário?


- Nós estávamos. - disse Adrian, seguindo minha liderança. Mas, então, Taylor estava pensando em Cottontail na outra noite, e nós pensamos que deveria reconsiderar. Eu tive que dar-lhe crédito para saltar e ir junto com a história que eu estava inventando na hora. Claro, você acha que ele ia lembrar o nome do coelho falso que tinha criado. - Hopper. - eu corrigi. - A suíte do coelho ainda está vago. - questionou. - Nós podemos apenas dar uma espiada enquanto você vai ajudá-la. Alicia hesitou apenas um momento antes de entregar uma chave. - Claro. Deixe-me saber se você tem alguma dúvida. Peguei a chave e me dirigi para as escadas com Adrian. Atrás de nós, eu podia ouvir a mulher perguntando se seria bom para montar uma barraca no quintal e quantos pratos quentes a pousada poderia prender antes de se tornar um perigo de incêndio. Uma vez que estávamos no segundo andar e fora do alcance da voz, Adrian falou. - Deixe-me adivinhar. Você quer ir espreitar através da Suíte de veludo. Eu recompensei-o com um sorriso, o prazer que ele tinha adivinhado o meu plano. - Yup. Boa ideia, hein? Esperemos que Alicia vai se distrair por um tempo. - Eu poderia ter forçado ela. - ele me lembrou. - Você está usando o espírito demais. Eu encontrei a Suite de veludo e coloquei a chave na fechadura, na esperança de que Alicia tenha nos dado a chave mestra e não uma especificamente para a Suite Coelho. Quando ela tinha nos mostrado da outra vez, ela só tinha usado uma chave. Um clique me disse que nós tivemos sorte e não teria que usar produtos químicos de queima de metal de hoje. Tínhamos visto o quarto de veludo durante a nossa última visita, e em sua maior parte, parecia o mesmo. Cama de veludo, móveis e


até mesmo textura de veludo no papel de parede. Só que, desta vez, a sala não estava no estado puro e desocupado como antes. Sinais ao redor da sala mostrava uso recente. A cama estava desfeita, e o cheiro de shampoo do banheiro indicou que o chuveiro foi usado não muito tempo atrás. - Alicia pode ter se enganado sobre Veronica estar aqui ainda. disse Adrian. Ele abriu gaveta após a gaveta e não encontrou nada. No armário, ele descobriu sapatos de salto alto, escondidos em um canto e um cinto em um cabide de coisas que podem ser facilmente perdidas com embalagem frenética. - Alguém deixou aqui com pressa. Minhas esperanças despencaram. Acidentalmente revelando a nossa "surpresa", Alicia aparentemente tinha feito com que Veronica fosse embora. Não foi encontrado nenhum sinal de que Verônica iria realmente voltar, e como Adrian tinha dito, ela parecia ter saído rapidamente, com base nas coisas que ficaram para trás: uma navalha no chuveiro, um frasco de perfume no banheiro, balcão, e uma pilha de menus takeout no colchão. Sentei-me na cama e olhei através dos menus, não realmente convencida de que ia me dizer muito. Chinesa, indiana, mexicana. Veronica tinha gostos diversos, pelo menos. Cheguei ao fundo da pilha e joguei no chão. - Ela foi embora. - eu disse. Eu não poderia esconder a verdade por mais tempo. - Que idiota Alicia foi por ter dito, e agora perdemos ela de novo. Adrian sentou ao meu lado, com o rosto espelhando o meu desânimo. - Nós vamos encontrá-la. Nós desaceleramos ela, avisando os outros. Talvez ela vai nos comprar tempo até a próxima lua cheia para que você possa espionar de novo. - Espero que sim. - eu disse, mas eu não estava otimista Eu deixei de lado a peruca e virei o rosto para ele.


- Tudo vai ficar bem. Ela não sabe sobre você. Eu sabia que ele estava certo, mas era conforto oco. Encostei a cabeça em seu ombro, desejando que eu pudesse consertar tudo. Esse era o meu trabalho, certo? - Tudo o que significa é que alguém poderia sofrer em meu lugar. Eu não quero isso. Eu preciso pará-la de uma vez por todas. - Tão corajosa. - Ele me deu um pequeno sorriso. Seus dedos deslizaram do meu rosto, acariciando levemente a linha do meu pescoço, descendo em direção ao meu ombro. Em todos os lugares que ele tocou, um rastro de arrepios apareceu. Como ele continuava fazendo isso comigo? Marcus que fazia toda menina no mundo desmaiar tinha zero efeito sobre mim. Mas um sussurro, um toque de Adrian completamente me desfazia. - Você poderia dar a Castile uma corrida para o seu dinheiro. - acrescentou. - Pare com isso. - eu avisei. - Comparando você a Castille? - Isso não é o que eu estou falando, e você sabe disso. - Suas mãos estavam muito perigosas, como era estar com ele em uma cama. Apavorada eu poderia ser beijada de novo, eu me afastei, e o movimento repentino pegou de surpresa. Seus dedos se enroscaram no meu cabelo, bem como nos meus dois colares, o que resultou em ele tirando os dois e quase arrancando a peruca marrom. Eu rapidamente peguei a granada antes que ela pudesse cair, mas a cruz desapareceu. Graças a Deus eu tinha mantido o mais importante. – Sem beijos.- eu avisei. Eu firmei o charme e ajeitei a peruca. - Você quer dizer sem beijos a menos que seja um lugar romântico. - ele me lembrou. - Você está dizendo que este lugar não grita romance? - Ele acenou com a cabeça em torno de nosso ambiente de veludo brega. Ele, então, pegou a pequena cruz e segurou-a no ar, parecendo pensativo enquanto ele estudava a forma como a luz jogava para fora da superfície de ouro. - Você me deu isso uma vez.


- E você devolveu. - Eu estava com raiva. - E agora? Ele deu de ombros. - Agora eu só estou determinado. - Adrian. - Eu suspirei. - Por que você continua fazendo isso? A comovente...o beijo...você sabe que eu não quero isso. - Você não age dessa forma. - Pare de dizer isso. É detestável. Em seguida, você vai estar dizendo que estou "pedindo por isso." - Por que ele tem que ser tão irritante? Okay...Eu realmente não tinha enviado uma mensagem clara de volta na fraternidade. Ou tortas e outras coisas. Mas desta vez eu tinha feito melhor. - Eu só me afastei. Quanto mais direta que eu tenho que ser? - Não são suas ações, exatamente. - disse. Ele ainda segurava a cruz em sua mão. - É a sua aura. Eu gemi. - Não, não, isso não. Eu não quero ouvir sobre auras. - Mas eu estou falando sério. - Ele passou por cima e se estendeu na cama, deitado de lado. Ele deu um tapinha na cama perto dele. - Deite-se. - Adrian. - Eu não vou beijar você. - disse ele. - Eu prometo. - O quão estúpida você acha que eu sou? - Eu disse. - Eu não vou cair nessa. Ele me deu um olhar longo. - Você realmente acha que eu iria agarrá-la ou algo assim? - Não. - eu disse rapidamente. - Claro que não. - Então me agrade. - Cautelosamente, deitei-me do seu lado, bem como, de frente para ele, com apenas alguns centímetros poderosos entre nós. Um olhar, um pouco distraído e arrebatado apareceu em seus olhos. Ele deu a si mesmo sobre o espírito.


- Você sabe o que eu vejo em você agora? A aura usual. Um amarelo firme e dourada, saudável e forte, com picos de roxo aqui e ali. Mas quando eu faço isso... - Ele pôs a mão no meu quadril, e todo o meu corpo ficou tenso. Essa mão se moveu ao redor do meu quadril, deslizando sob a minha camisa para descansar na minhas costas. Minha pele queimava onde ele me tocou, e os locais que não foram atingidos ansiava por esse calor. – Veja. - ele disse. Ele estava no meio do espírito agora, embora comigo ao mesmo tempo. - Bem, eu acho que você não pode. Mas quando eu te toco, sua aura... queima em chama. As cores aprofundam, queima de forma mais intensa, aumenta o roxo. Por quê? Por que, Sydney? - Ele usou a mão em mim para me puxar para mais perto. - Por que você reage dessa maneira, se eu não significo nada para você? - Havia um desespero na voz dele, e era legítimo. Foi difícil para mim falar. - É instinto. Ou algo assim. Você é um Moroi. Eu sou uma Alquimista. É claro que eu teria uma resposta. Você acha que eu ia ser indiferente? - A maioria das respostas Alquimista envolveria nojo, repulsa, e água benta. Esse era um excelente ponto. - Bem...Eu sou um pouco mais descontraída do que a maioria dos Alquimistas perto dos Moroi. Provavelmente esta é apenas uma resposta puramente física impulsionada por hormônios e anos de evolução. Meu corpo não sabe de nada. Eu sou tão suscetível a luxúria como qualquer outra pessoa. - Havia provavelmente um livro sobre isso, ou pelo menos um artigo no Cosmopolitan. A sugestão de um sorriso brincou em seus lábios. Ele estava totalmente em sintonia comigo novamente. - Não, você não é. Quero dizer, você é, mas não sem razão. Eu te conheço bem o suficiente para perceber isso agora. Você não é o tipo de pessoa que é “suscetível a luxúria” sem alguma emoção para


apoiá-la. - Ele moveu a mão para o meu quadril, deslizando-a para baixo da minha perna. Estremeci, e seu rosto se aproximou do meu. Havia tanta coisa em seus olhos, tanto desejo e saudade. - Vê? Não é novo. Minha chama no escuro. - Não me beije. - eu sussurrei. Foi a única defesa que eu poderia reunir. Se ele me beijasse, eu estaria perdida. Fechei os olhos. - Você disse que não o faria. - Eu não vou. - Seus lábios estavam a apenas um sopro de distância. - A menos que você me queira. Abri os olhos, pronta para dizer-lhe que não, que não importa o que a minha aura teria dito...isso não poderia continuar acontecendo. Não havia nenhuma emoção apoiando este desejo, e eu tentei agarrar ao meu argumento anterior. Eu estava tão confortável perto dos Moroi agora que claramente esquecia algumas partes primordiais. Este foi um instinto base. Eu simplesmente estava tendo uma reação física a ele, para suas mãos, seus lábios, ao seu corpo... Ele agarrou meu braço e me rolou mais. Eu fechei meus olhos e meus braços em torno de seu pescoço. Eu senti seu toque nos meus lábios, não é bem um beijo, apenas um encostar leve de lábios. A porta se abriu, e eu vacilei. Alicia entrou, ofegante, e colocou a mão por cima da boca para cobrir um guincho chocado. - O-oh. - ela gaguejou. - Eu sinto muito...Eu...Eu não sabia... Adrian e eu nos afastamos e sentamos. Meu coração estava pronto para saltar do meu peito, e eu sabia que estava corando. Eu rapidamente dei tapinhas na minha peruca e fiquei aliviada ao sentir que ainda estava no lugar. Ele recuperou sua voz mais rapidamente. - Desculpe...eu tipo, me empolguei. Nós começamos a verificar os outros quartos e decidi, uh, experimentá-los. - Apesar de suas palavras acanhada, havia um olhar presunçoso em seu rosto, o tipo que você esperaria de um cara que tinha acabado de fazer uma conquista. Era parte do ato, ou ele realmente achava que ele tinha conseguido acabar com alguma coisa.


Alicia parecia tão desconfortável quanto eu. - Eu vejo. Bem, este quarto está ocupado. É... - Ela franziu a testa e fez uma tomada dupla. - É de Verônica. Parece que ela saiu. Eu finalmente consegui falar. -

É

por

isso

que

pensei

que

estava

vazia.

-

eu

disse

apressadamente. - Não havia nada aqui. Alicia

felizmente

parecia

ter

esquecido

a

nossa

posição

comprometedora. - Isso é estranho. Ela não fez formalmente o check-out. Quer dizer, ela paga antecipadamente em dinheiro, mas ainda assim. É tão estranho. Fizemos uma fuga apressada depois que, mais uma vez, alimentando linhas, Alicia perguntou sobre como estaríamos em contato. Nenhum de nós falou muito quando entramos no carro. Eu estava perdida em meus pensamentos, que eram partes iguais de frustração sobre Verônica e confusão sobre Adrian. Recusei-me a reconhecer este último, porém, optei pela minha tática habitual. Quanto mais cedo aquele momento fosse esquecido, melhor. Eu tinha certeza que eu poderia manter dizendo isso. Uma parte de mimquase tão sarcástica quanto Adrian- sugeriu que eu pegasse um livro sobre negação da próxima vez que eu estivesse na seção de autoajuda. - Outro beco sem saída. - eu disse uma vez que estávamos na estrada. Eu mandei uma mensagem para a Sra. Terwilliger: V se foi. Não há necessidade de ação. Sua resposta veio alguns minutos depois: Nós vamos continuar tentando. Eu podia sentir o seu desapontamento com a mensagem no meu telefone. Ela não era a única. Adrian parecia particularmente melancólico. Ele respondia sempre que eu falava, mas era claro que ele estava distraído.


Quando ele me deixou em Amberwood mais tarde naquela noite, encontrei-me misericordiosamente tranquila. Não há crise, não há missões perigosas. Parecia que tinha muito tempo que eu tive um momento para mim, e eu me enrolei na minha cama, tomando consolo nas tarefas comuns da casa e da leitura. Adormeci com a minha cara no meu livro de cálculo. Eu experimentei um desses sonhos absurdos que todo mundo tem. Nele, o gato da minha família poderia falar, e ele estava dirigindo o Mustang de Adrian. Ele me perguntou se eu queria ter uma viagem a Birmingham. Eu lhe disse que tinha um monte de trabalho a fazer, mas que, se ele queria ir para Fargo, eu considerava. Nós estávamos no meio da negociação que pagaria pela gasolina quando o sonho de repente dissolveu para a negritude. A sensação de frio tomou conta de mim, seguido por um sentimento de pavor que rivalizava com o tempo em que Adrian e eu tinhamos enfrentado os Strigoi em seu apartamento. O riso de uma mulher enrolada em volta de mim, sujo e repugnante, como uma espécie de fumaça tóxica. A voz saiu da escuridão, ecoando em minha mente. Ela a manteve bem escondida, mas ele não pode ficar assim para sempre. Você não pode esconder o poder para sempre. Eu peguei seu rastro. Eu vou te encontrar. Mãos de repente chegaram a sair da escuridão para mim, envolvendo em torno da minha garganta e cortando o meu ar. Eu gritei e acordei na minha própria cama, rodeada de livros. Eu tinha deixado a luz acesa, e persegui alguns momentos de terror do sonho a distância. Mas só alguns. O suor escorria de cima de mim, fazendo minha camisa molhar. Eu toquei meu pescoço, mas não havia nada de errado com ele. A granada pendurada no lugar, mas não a minha cruz. Não precisa ter medo de um sonho, era o que eu pensava. Ele não

quis

dizer

ultimamente,

era

nada, uma

e

realmente,

maravilha

eu

com não

tudo ter

acontecendo

pesadelos mais

frequentemente. Mas pensando nisso, eu não tinha tanta certeza.


Houve algo tão terrível e real sobre isso, um horror que parecia chegar dentro de minha alma. Eu não queria dormir depois disso, então eu fiz uma xícara de café e tentei ler novamente. Funcionou por um tempo, mas perto de quatro horas, meu corpo não agüentava mais. Adormeci em meus livros novamente, mas desta vez, meu sono ficou livre sonho.


Capítulo 16 16 Dei a Sra. Terwilliger um relatório completo sobre a nossa viagem para a pousada na manhã seguinte. Nós nos encontramos em Spencer, e em uma rara demonstração de levantar cedo, Adrian se juntou a nós. - Eu tenho uma reunião do grupo de estudo em breve. -explicou. Seu humor era muito melhor, sem a menção da... indiscrição de ontem. Mesmo que não havia muito a dizer, apareceram linhas de preocupação vincadas em seu rosto quando ela ouviu a nossa história. O pânico de verdade veio quando eu mencionei o meu sonho. Os olhos da Sra. Terwilliger se arregalaram, e ela segurou a xícara de café com tanta força, que eu pensei que iria quebrar. - Ela descobriu. - ela murmurou. - Se foi essa menina Alicia ou alguma outra forma, Veronica descobriu sobre você. Eu nunca deveria ter enviado você. Eu pensei que você iria deslizar por baixo de seu radar, mas eu estava errada. Eu era egoísta e ingênua. Teria sido melhor se ela soubesse que eu estava com ela desde o início. Você tem certeza de que mascarou a aparência de Sydney? - Isso foi para Adrian. - Positivo. - disse ele. – Todos com quem falamos, todas as meninas e até mesmo Alicia... nenhum deles tem uma ideia clara de como Sydney se parece. - Talvez ela esteja espionando você. - eu sugeri. - E nos viu juntas. Eu não tenho estado disfarçada por aqui. - Talvez. - a Sra. Terwilliger admitiu. - Mas também sei que ela era ativa em Los Angeles. Ela teria que gastar um tempo considerável perseguindo suas vítimas, o que não daria a ela a chance de vir aqui


e me ver extensivamente. Mesmo com seus poderes, ela não pode se teletransportar. - Sua expressão endureceu com determinação. Bem, não há nada a ser feito agora, mas o controle de danos. Ela não parece saber exatamente onde você está ou ainda que está ainda ligada a mim. Vou fazer-lhe um outro charme para tentar impulsionar um presente, mas ele pode não funcionar se ela encontrou uma maneira de chegar até você. E, enquanto isso, não se preocupe com ofensivos mais. Você precisa se concentrar em feitiços de defesa, particularmente invisibilidade. Sua melhor proteção contra Veronica neste ponto é que ela não apenas pode encontrá-la se ela vem olhando ao redor de Palm Springs. Eu continuei lendo os feitiços ofensivos avançados, apesar de suas advertências. Com este novo desenvolvimento, porém, eu sabia que ela estava certa sobre a defesa sendo mais importante. Ainda assim, eu não conseguia afastar a preocupação de que Verônica me descobriu vendo a Sra. Terwilliger, que por sua vez me fez temer pela segurança de minha professora. - Você continua dizendo que ela não está atrás de você...mas você tem certeza? - Ela vai me evitar, se ela puder. - disse a Sra. Terwilliger, soando confiante. - Eu tenho o poder, mas não a juventude e beleza pra ela. E mesmo ela não faria isso com a sua irmã. É o único resquício de decência humana que ela deixou. - Ela ainda terá essa atitude quando confrontá-la? - perguntou Adrian. A Sra. Terwilliger balançou a cabeça. - Não. Em seguida, vale tudo. Eu gostaria de encontrar com você hoje à noite para praticar um par de outras táticas defensivas. Olhei-a com cuidado. - Você está pronta para isso? Sem ofensa, minha senhora, mas já parece exausta.


- Eu vou ficar bem. Encontre-me no parque de novo em torno de 10. Vou dizer para a Sra. Weathers deixá-la ir. Devemos mantê-la segura. - Ela olhou para o espaço por vários momentos e depois se concentrou em mim novamente. - À luz deste desenvolvimento... não seria uma má ideia para você encontrar algumas, ah, meios mais básicos de defesa também. - Básico? - eu perguntei, perplexa. - Ela quer dizer como uma arma ou uma faca. - forneceu Adrian, pegando o que eu não tinha. A Sra. Terwilliger assentiu. - Se você confrontar Verônica, ela provavelmente vai usar o combate mágico...mas, bem, nunca se pode dizer. Tendo algo mais para backup pode ser inestimável. Eu não era um fã da ideia. - Eu não tenho ideia de como brigar com uma faca. E eu não gosto de armas. - Você gosta de ser posta em coma e envelhecimento antes de seu tempo? - perguntou Adrian. Eu atirei-lhe um olhar, surpresa que ele concordava com isso. - Claro que não. Mas onde é que nós vamos obter um em tão pouco tempo? A partir do olhar em seu rosto, ele sabia que eu tinha um ponto. De repente, ele ficou entusiasmado novamente. - Eu acho que eu sei. - Tenho certeza de que vocês dois vão descobrir isso. - disse Terwilliger, sua mente já estava se movendo para outra coisa. Ela olhou para o relógio. - Quase tempo para as aulas. Nós todos nos levantamos, preparando para seguir nossos próprios caminhos, mas eu segurei Adrian de volta. Eu não podia imaginar como no mundo iria saber onde conseguir uma arma sem aviso prévio. Ele não iria elaborar e simplesmente disse que ele me


encontraria depois da escola. Antes de sair, me lembrei de algo que eu queria perguntar. - Adrian, você manteve a minha cruz? - O-oh. - Olhando em seus olhos, eu praticamente podia ver os acontecimentos de ontem passando por sua mente, inclusive nós rolando na cama. - Eu deixei cair quando...ah, bem, antes de sairmos. Você não pegou? Eu balancei a cabeça, e seu rosto caiu. - Merda, eu sinto muito, Sage. - Está tudo bem. - eu disse automaticamente. - Não está tudo bem, e é minha culpa. Eu sei o quanto isso significa para você. Realmente significava muito para mim, mas eu quase me culpei tanto quanto ele. Eu deveria ter pensado nisso antes de sairmos, mas eu estava um pouco preocupada. - É apenas um colar. - eu disse a ele. Isso não o consolou. Ele parecia tão abatido quando nos separamos que eu esperava que ele não se esqueceria de que nós nos encontraríamos mais tarde para visitar a sua fonte de arma misteriosa. Não havia nada para se preocupar, no entanto.

~~//~~

Quando as aulas terminaram, ele estava fora do meu dormitório no Mustang e parecia muito mais otimista, sem mencionar mais o colar. Quando ele me disse seu plano de arma, eu estava chocada, mas depois de alguns momentos de reflexão, percebi que poderia ser alguma coisa. E assim, um pouco menos de uma hora depois, nos encontramos longe da cidade, dirigindo para uma casa abandonada


sobre um pedaço grande de terra estéril. Tínhamos chegado a Escola de defesa do Wolfe. - Eu nunca pensei que estaria aqui de novo. - comentou. A casa de Wolfe não tinha janelas, e não havia carros à vista, enquanto caminhávamos até a porta. - Ele pode até não estar em casa. - eu murmurei para Adrian. Nós provavelmente deveríamos ter ligado primeiro. - Wolfe nunca me pareceu um cara que sai muito de casa. - disse Adrian. Ele bateu na porta e, quase instantaneamente, ouvimos uma enxurrada de latido e patas correndo. Eu fiz uma careta. Wolfe, por razões que eu nunca seria capaz de entender, manteve um rebanho de Chihuahuas em sua casa. Ele uma vez disse-nos que eles poderiam matar um homem em um único comando. Esperamos alguns minutos, mas o latido era o único sinal de que havia algum tipo de vida no interior. Adrian bateu mais uma vez (a condução dos cães em um frenesi ainda maior) e depois deu de ombros. - Eu acho que você estava... - A porta se abriu de repente, apenas uma fenda e um olho cinza espiou para nós através de uma corrente. - Oh. - veio uma voz. - É vocês dois. A porta se fechou, e eu ouvi o cadeado ser desbloqueado. Um momento depois, Wolfe saiu para fora, cuidando para não deixar nenhum dos cães para fora. Ele tinha um tapa olho sobre seu olho esquerdo, que era provavelmente tão bem desde que seu outro olho parecia ir direto através de mim. - Você deveria ter ligado. - disse ele. - Eu quase joguei os cachorros em você. Wolfe estava vestido em seu favorito par de bermudas, assim como uma camiseta mostrando uma águia careca montado em um caminhão monstro. A águia trazia uma bandeira americana em um conjunto de garras e uma espada samurai no outro. Que parecia uma escolha estranha de arma para uma camisa patriótica, mas nós há


muito tempo aprendemos a não questionar o seu guarda-roupa. O que aconteceu depois que ele chutou uma mulher fora de nossa aula que tinha se atrevido a perguntar se ele só tinha um par de shorts ou vários outros idênticos. - O que vocês crianças precisam. - questionou. - As novas aulas não começam até depois do Ano Novo. Adrian e eu trocamos olhares. - Nós, hum, precisamos de uma arma. - disse eu. - Quero dizer, só emprestado. Wolfe coçou a barba. - Eu não empresto aos estudantes que não fizeram minha aula de arma. Segurança em primeiro lugar. Achei que era promissor, entretanto, que ele não emprestava armas. Era um sinal de seu caráter que ele nem se incomodou perguntando por que eu queria um. - Eu já tenho formação. - eu disse. Isso era verdade. Era obrigatório para todos os Alquimistas. Eu tinha feito bem nele, mas como eu tinha mencionado a Adrian, eu realmente não gosto de armas. Pelo menos, uma faca tinha outros usos. Mas uma arma? Ela estava lá apenas para ferir ou matar. Wolfe

arqueou uma

sobrancelha,

um sobre

o olho

bom.

Claramente, ele não acreditou em mim. - Você pode fazer isso? - Você tem um campo de tiro? - disse com frieza. Ele quase parecia ofendido. - É claro que eu tenho. Ele nos levou a um edifício garagem além do que havíamos treinado. Eu nunca tinha estado no interior deste edifício antes, mas, como a sua casa, não tinha janelas. A porta estava coberta de fechaduras suficientes para atender às normas de segurança dos alquimistas. Ele deixou-nos entrar, e eu boquiaberta não vi apenas uma gama prática, mas também uma parede coberta com vários


tipos de armas. Wolfe deu o espaço para uma pequena propriedade uma vez mais. - O abafador deve estar na casa. Já volto. Eu continuei olhando para a parede, sabendo que meus olhos estavam arregalados. - Não há como serem todos legais. A resposta de Adrian foi inesperada. - Você notou seu tapa-olho? Eu arrastei o meu olhar do arsenal. - Hum, sim. Desde o dia em que o conheci. - Não, não. Quer dizer, eu juro que foi em seu outro olho pela última vez. - Não era. - eu disse imediatamente. - Você tem certeza? - Perguntou Adrian. Eu não tinha, eu percebi. As palavras e os números eram fáceis para mim memorizar. Mas outros detalhes, como a roupa ou o cabelo ou tampões de olhos, eram, por vezes, fácil para mim me perder. - Isso não faz nenhum sentido. - eu finalmente disse. - Por que ele faria isso? - Ele é Malaquias Wolfe. - disse Adrian. - Por que ele não faria isso? Eu não podia argumentar contra isso. Wolfe voltou com protetores de ouvido. Depois de examinar sua parede, ele selecionou uma pequena arma e, em seguida, abriu um armário contendo munição. Pelo menos ele não deixou um monte de armas carregadas por perto. - Eu vou fazer isso. - eu disse a ele. Eu tomei a arma dele e sem esforço para carregá-la. Ele fez um pequeno grunhido de aprovação. Ele fez um gesto em direção à extremidade da escala, para um recorte de papel grande mostrando uma silhueta humana com vários alvos marcados sobre ele. - Agora, então. - disse ele. - Não se preocupe com o bater.


Eu perfeitamente esvaziei o pente nos alvos mais difíceis. Eu entreguei a arma para ele. Ele entregou-a de volta. Atrás dele, eu podia ver Adrian me olhando com olhos enormes. - Mantenha. - disse Wolfe. - Você passou. Você tem que comprar sua própria munição, mas contanto que você preencha o contrato de locação, você é boa para ir. Como se viu, o "contrato de locação" era um pedaço de papel onde escrevia o tipo de arma de um lado e eu coloquei as minhas iniciais no outro. - Sério? - Eu perguntei. - Isso é tudo que eu preciso fazer? Quer dizer, eu estou feliz, mas... - Eu realmente não sei mais o que dizer. Wolfe acenou fora dos meus protestos. - Você é uma boa garota. Se você diz que precisa de uma arma, eu acredito em você. Alguém lhe dando problemas? Eu deslizei a arma na minha bolsa mensageiro. - Algo como isso. Wolfe olhou para Adrian. - E você? Você precisa de uma arma também? - Eu estou bem. - disse Adrian. - Além disso, eu não tive o treinamento. Segurança em primeiro lugar. Wolfe abriu o armário de munição de novo e produziu um longo tubo de madeira e um saco de sanduíche do que parecia dardos pequeno. - Você quer emprestar o meu zarabatana? Não há muito mais do que uma curva de aprendizado sobre este assunto. Quero dizer, você nunca será capaz de igualar a habilidade e astúcia dos guerreiros amazônicos de quem eu roubei isso, mas pode te tirar de um aperto. - Obrigado, mas eu vou arriscar. - disse Adrian depois de vários longos momentos. Ele quase soou como se tivesse pensado nisso. Eu ainda estava pendurada em outras palavras de Wolfe, não sei se eu acreditava no que eu tinha ouvido.


- Você esteve na Amazônia? Desta vez, Wolfe arqueou a sobrancelha acima de seu tapa-olho. - Você não acredita em mim? - Não, não, claro que eu acredito. - eu disse rapidamente. - É só que... você nunca mencionou isso antes. Wolfe olhou para além de nós. - Eu tenho tentado há anos esquecer meu tempo. Mas algumas coisas, você simplesmente não pode escapar. Um silêncio muito longo e muito desconfortável se seguiu. Então eu limpei minha garganta. - Bem, obrigada, senhor. Devemos ir. Espero que eu não precise da arma por muito tempo. - Mantenha o quanto você precisar. - disse ele. - Se eu quiser de volta, eu vou encontrá-la. E nessa nota preocupante, Adrian e eu saímos. Embora eu entendia as razões da Sra. Terwilliger para "antiquada" defesa, eu não estava confortável em ter uma arma por perto. Eu tenho que mantê-la em meu carro no caso de as autoridades escolares fizerem uma busca no meu quarto e descobrir. Meu kit alquimista e de mágicas já eram uma responsabilidade. Eu tinha certeza que não haveria como explicar uma arma. Adrian me levou de volta a Amberwood. Eu comecei a abrir a porta e então fiz uma pausa para olhar para ele. - Obrigada. - eu disse. - Por tudo. Indo para a pousada. Sugerindo que vemos Wolfe. - Ei, isso valeu a pena só para saber que Wolfe é dono de uma zarabatana. Eu ri. - Na verdade, eu ficaria mais surpresa se ele não fosse. Até mais tarde. Adrian assentiu. - Mais cedo do que você pensa.


- O que isso significa? - Eu perguntei, erguendo uma suspeita em mim. Ele se esquivou da questão e se ajeitou em seu assento. - Eu liguei para Alicia. - ele me disse, produzindo uma pequena caixa. - Ela não conseguia encontrar a sua cruz. Seu serviço de limpeza já passou e limpou o quarto, mas ela diz que vai verificar para ver se ele foi encontrado na cama. Ah, e eu também perguntei sobre Veronica. Ela não voltou. Isso foi uma notícia desanimadora, mas era tocante que ele tinha ligado. - Obrigada por tentar. Ele abriu a caixa e tirou um colar com uma pequena cruz de madeira sobre ela. - Eu tenho uma substituição. Quer dizer, eu sei que não há substituto real, mas eu queria te dar uma coisa. E não comece por não ser capaz de aceitar um presente caro. - disse ele, adivinhando o protesto que estava prestes a fazer. - Custou-me cinco dólares de um vendedor de rua, e eu tenho certeza que é de bronze. Eu engoli as minhas palavras e peguei o colar dele. A cruz mal pesava nada. Estudei mais de perto, pude ver um padrão pequeno de flores pintadas de prata em sua superfície. - O vendedor não fez isso. Essa é a sua obra. - Bem...Eu sei que você gosta de coisas simples, mas eu sempre tenho que ter algum embelezamento. Eu corri meu dedo sobre a superfície da cruz. - Por que você escolheu glórias da manhã? - Porque eu não sou o maior fã de lírios. Sorri para isso.

~~//~~


Quando voltei para o meu quarto, eu coloquei o colar no meu armário. Eu dei-lhe um último olhar apaixonado e depois tentei decidir a melhor forma de passar o resto do meu dia. Nossa viagem para Wolfe, na verdade, não tinha tomado muito tempo, então eu tinha tempo de sobra para pegar o jantar e me certificar de que estava atualizada sobre o meu trabalho de casa. Na verdade, eu comi com Kristin e Julia para uma mudança, que era uma espécie de pausa agradável do drama dos meus outros amigos. Naturalmente, a maior parte da refeição consistiu de Julia falar sobre "Dave". Ao final, ela e Kristin foram exigindo saber quando eu o traria mais uma vez. Quando a noite chegou eu comecei a me preparar para a reunião com a Sra. Terwilliger. Eu não tinha certeza de que tipo de magia que estaria praticando ao ar livre, mas percebi que eu deveria estar pronta para qualquer coisa. Arrumei uma grande variedade de artigos de meu kit e ainda tive a clarividência de trazer uma barra de granola para o combustível pós mágica. Uma vez que tudo estava em ordem, eu voltei lá embaixo. Eu estava quase fora da porta do dormitório quando a Sra. Weathers me chamou. - Sydney? Fiz uma pausa para olhar para trás. - Sim, senhora? - Onde você vai? É quase toque de recolher. Franzindo a testa, fui até sua mesa. - Eu estou fazendo um trabalho para a Sra. Terwilliger. A Sra. Weathers parecia perturbada. - Sim, eu sei que você faz muito isso por ela...mas eu ainda não recebi autorização dela para deixá-la fora depois do toque de recolher. - Sua expressão se tornou de desculpas. - Tenho certeza que tudo isso é sobre em cima e para cima, mas, bem, regras são regras. - É claro. - eu disse. - Mas ela disse que ia deixar você saber. Tem certeza de que não recebeu nada? Uma nota? Um telefonema?


Ela balançou a cabeça. - Nada. Sinto muito. - Eu entendo. - eu murmurei, embora eu não tinha certeza do que eu fiz. Apesar de sua natureza perpetuamente dispersa, a Sra. Terwilliger estava geralmente bem sobre esse tipo de coisa. A Sra. Weathers assegurou-me que ela me deixaria ir se a Sra. Terwilliger desse o ok por telefone, então voltei para o meu quarto e tentei ligar para ela. Foi direto para o correio de voz, e meu texto ficou sem resposta. Tinha algo acontecido com ela? O confronto mágico que eu temia, finalmente tinha acontecido? Eu fiquei no meu quarto do dormitório pela próxima hora deixando

todas

as

minhas

preocupações

correrem

para

mim.

Veronica. Marcus. St. Louis. Sra. Terwilliger. O sonho. Mais e mais, eu continuei imaginando o pior resultado para todos eles. Apenas quando eu pensei que eu ia ficar louca, a Sra. Terwilliger finalmente retornou minha ligação. - Por que você não apareceu? - Ela perguntou, assim que eu respondi. Eu me senti aliviada. Ela tinha ido ao parque. Isso explica a falta de contato já que não havia sinal lá fora. - Eu tentei! A Sra. Weathers não me deixou sair. Você esqueceu de me dar permissão. - Eu certamente não o fiz... - As palavras dela pararam, incerta. - Isto é, eu pensei que eu tivesse ligado... - Está tudo bem. - eu disse. - Você tinha um monte de coisas em sua mente. - Não está tudo bem. - Ela parecia com raiva, mas era de si mesma, não de mim. - Eu preciso estar em cima disso. - Bem, você pode ligar para a Sra. Weathers agora. - eu disse. - Tarde demais. Eu já estou de volta para casa. Nós vamos ter que tentar isso de novo outra vez. - Eu sinto muito. - eu disse. - Eu tentei.


A Sra. Terwilliger suspirou. - Eu sei que você fez. Não é culpa sua. É minha. Eu estou deixando que tudo isso me deixe para baixo, e agora estou sendo desleixada. Já fiz muitos riscos às suas custas por ter colocado Verônica em seu rastro. Eu não posso deixá-la ficar mais longe. Um calafrio correu através de mim quando eu pensei nessas meninas em coma e a possibilidade de me juntar a elas. Eu tinha sido capaz de manter a calma durante a investigação, mas o sonho da noite anterior havia levado para casa os perigos que enfrentei. Essa imagem da menina no jornal pairou em minha mente enquanto eu segurava o telefone e comecei a andar pelo meu quarto. Eu parei na frente de um espelho e tentei me imaginar assim, envelhecida antes do tempo. Eu fechei meus olhos e me virei. Eu não podia deixar que isso acontecesse comigo. Eu simplesmente não podia, e eu precisava que a Sra. Terwilliger me ajudasse a ficar segura. Talvez eu era um prodígio, mas estava longe de ser capaz de assumir alguém como sua irmã. - Descanse um pouco, senhora. – disse. - Parece que você precisa. - Eu vou tentar. E tenha cuidado, Srta. Melbourne. - Eu vou. Tendo o cuidado era a única coisa que eu podia fazer por minha conta por enquanto. Eu só esperava que fosse suficiente. Quando desliguei o telefone, eu não queria dormir de novo. Eu tinha medo, e não era apenas por causa do terror que senti no sonho da noite anterior. A Sra. Terwilliger tinha explicado que havia um tipo de feitiço de busca que procura pessoas durante o sono, e eu me preocupei que se Veronica estendesse a mão para mim de novo, ela poderia obter uma correção sobre a minha localização. O problema foi que após o sono superficial de ontem à noite, eu estava agora ainda mais exausta. Meu café habitual e truques de distração falhou, e antes que eu percebesse, eu estava dormindo.


Eu não sei quanto tempo passou antes que eu sonhasse. Num momento eu estava perdida no esquecimento do sono. No próximo, eu me vi de pé na sala que tinha hospedado Sonya e a recepção de Mikhail. Era exatamente o mesmo: flores em todos os lugares, mesas cobertas de linho branco e copos de cristal...A única diferença era que o quarto estava vazio e silencioso. Era estranho, vendo toda a riqueza e glamour sem ninguém para apreciá-lo. Eu poderia ter estado em uma cidade fantasma. Olhei para baixo e vi que eu usava o mesmo vestido daquela noite também. - Eu poderia ter feito o vermelho, você sabe. Essa é a melhor cor para você, não que o azul parece ruim em você. Adrian chegou perto de mim, vestido com o terno escuro, o mesmo azul. Entendimento me bateu. Eu estava em um sonho de espírito. Foi outro dos feitos incríveis do elemento, a capacidade de um usuário de espírito de se intrometer nos sonhos de alguém. Não, não intrometer. O usuário era realmente capaz de criar o próprio sonho, controlando todos os detalhes. - Tem sido um longo tempo desde que você me puxou para um desses. - eu disse. - E olhe para o progresso que você fez. Na última vez voi ficou chutando e gritando. - Ele estendeu a mão. - Quer dançar? - Sem música. - eu disse, não que eu tivesse qualquer intenção de dançar. Ele tinha um ponto sobre a minha reação, no entanto. Eu não tinha exatamente estado chutando e gritando, mas eu tinha meio que me apavorado. Eu estava em plena posse de todos os meus temores sobre vampiros e magia, e sendo cercada em um mundo completamente construído, a magia me deixou assustada e confusa. E agora? Agora eu tinha aparentemente tornado-me tão confortável que a minha maior preocupação era que ele me colocou neste vestido. Fiz um gesto para ele. - Você pode me mudar com isso?


- Você pode mudar a si mesma. - disse ele. - Eu estou deixando ir do controle. Apenas imagine-se como você é na realidade. Eu fiz exatamente isso, e um momento depois, eu usava jeans e um top azul de malha. Ele estava obviamente desapontado. - É com isso que você dorme? - Não. - Eu ri. - Eu estava tentando não dormir. Não funcionou. Por que você me trouxe aqui? Ele caminhou ao redor e pegou uma das taças de cristal, balançando a cabeça em aprovação, como se ele fosse uma espécie de especialista em vidraria. - Exatamente isso. Eu vi o quanto esse sonho a incomodou. Eu pensei que se eu entrasse em um desses, seria mantê-la longe de Verônica. Eu nunca tinha pensado nisso. A magia de vampiro era certamente preferível ao dela. Olhando ao redor, eu ganhei uma nova apreciação para o quarto. Tornou-se um santuário, um lugar onde ela não poderia me alcançar. Pelo menos, eu não esperava. Nós realmente não sabiamos como sua mágica iria funcionar contra Adrian. Pelo que eu sabia, ela poderia vir andando pela porta, carregando o buquê de Sonya. - Obrigada. - eu disse. Sentei-me em uma das mesas. - Isso foi legal. – Foi mais um daqueles momentos incríveis quando Adrian teve o insight de adivinhar meus pensamentos ou neste caso, meus medos. - Bem, ele também foi egoísta. Eu queria ver você no vestido. Ele reconsiderou. - Na verdade, eu queria ver você com esse vestido de Halloween vermelho de novo, mas eu percebi que estaria forçando minha sorte. Eu desviei o olhar quando uma imagem do vestido voltou para mim.


Lia DiStefano tinha criado a fantasia para mim. Ela vagamente baseou em um vestido grego antigo e acabou com uma confecção de vermelho e dourado. Foi quando Adrian tinha dito que eu era a criatura mais linda aqui na terra. Isso já havia acontecido antes de ele expressar seus sentimentos para mim, mas, mesmo assim, suas palavras tinham efeito em mim. Eu pensei sobre o que ele estava fazendo por mim agora e decidi dar-lhe uma pequena compensação. Eu me concentrei novamente em minhas roupas, o vestido azul retornou. - Melhor? - eu perguntei. Seu rosto se iluminou de uma maneira que me fez sorrir de volta. - Sim. Esperando que eu não estava me preparando para alguma resposta sugestiva, perguntei: - Então, o que vamos fazer? - Tem certeza que você não quer dançar? Eu posso fazer alguma música. - Meu silêncio falou por mim. - Tudo bem, tudo bem. Eu não sei. Nós poderíamos jogar um jogo. Monopólio? Vida? Combate? Twister? Tudo o que fazemos, eu não estou jogando Scrabble com você. Nós aquecemos com Combate. Eu ganhei e depois mudamos para o monopólio. Que teve um pouco de trabalho para configurar porque Adrian só poderia criar coisas que ele poderia imaginar. Ele não conseguia se lembrar de todas as ruas e cartões, portanto, a melhor tentativa de recriá-las. Nenhum de nós podia se lembrar de uma das ruas amarelas, para a qual ele chamou de Caminho Jet. Provamos surpreendentemente bem adaptado, e fiquei absorta no jogo. O poder mudou e para trás entre nós. Apenas quando um de nós parecia ter todo o controle, o outro teria que aproveitá-la de volta. Eu não tinha dúvidas sobre a minha capacidade de vencer, até que eu perdi. Sentei-me ali, muda, olhando para o quadro.


- Alguma vez você já perdeu um jogo antes? - Perguntou. - Eu...sim, claro...Eu só não acho... - Que eu poderia vencê-la? - Não, eu só... isso não acontece muito frequentemente. - Eu olhei para ele e balançei a cabeça. - Parabéns. Ele recostou-se na cadeira e riu. - Eu acho que você acabou de melhorar a sua opinião de mim mais do que qualquer outra coisa que eu já fiz. - Eu sempre tive uma opinião muito elevada de você. - Eu disse, surpresa ao sentir torções no meu corpo. Era estranho como esses sonhos podem ter um componente tão realista, físico. - Há quanto tempo estamos aqui? -

Eu

não

sei.

Não

é

de

manhã

ainda.

-

Ele

parecia

despreocupado. - O que você quer jogar a seguir? - Nós não devemos jogar nada. - eu disse. Eu me levantei. - Tem sido horas. Eu estou dormindo, mas você não. Você não pode ficar acordado a noite toda. - Eu sou um vampiro, Sage. Uma criatura da noite, lembra? - Aquele que está em uma programação humana. - Eu disse. Ele ainda não parecia preocupado. - Só uma aula amanhã. Eu vou fazer isso. - O que, mais espírito? - Eu comecei a andar sem descanso quando mais das implicações me bateu. - Você tem que estar usando um monte dele. Isso não é bom para você. - Eu vou me arriscar. - Houve um tácito no final de sua sentença. Voltei para a mesa e fiquei na frente de sua cadeira. - Você tem que ter cuidado. Entre esta e a caça a Veronica... De repente eu me senti mal. Eu não tinha pensado duas vezes antes de pedir-lhe para ajudar com isso. Eu tinha esquecido os riscos. Depois que parar ela, você precisa parar com o espírito.


- Não se preocupe. - Ele sorriu. - Uma vez que você se livrar da cadela, eu vou estar comemorando tanto que eu não vou ficar sóbrio por dias. - Ugh. Não é a forma mais saudável de fazer isso. Alguma vez você já pensou sobre antidepressivos? - Eu sabia que eles ajudaram alguns usuários do espírito através do bloqueio da magia. Seu sorriso desapareceu. - Eu não vou tocar essas coisas. Lissa tomou-os e os odiava. Ficar fora do espírito quase deixava-a louca. Cruzei os braços e encostei à mesa. - Sim, mas o uso que vai deixá-lo louco também. - Sem palestrar hoje à noite, Sage. Ele estraga a minha vitória impressionante no Monopólio. Ele era muito casual para um assunto tão sério, mas eu o conhecia bem o suficiente para reconhecer quando ele não cedia. - Tudo bem. Então vamos terminar com uma nota alta. Envie-me de volta e durma um pouco. - Tem certeza que vai ficar bem? - Sua preocupação era tão intensa. Eu não acho que ninguém nunca tinha se preocupado muito. Bem, talvez a Sra. Terwilliger. - Provavelmente ela deu para a noite. - Eu realmente não sei, mas eu não podia deixar ele continuar se esforçando. O pensamento de Verônica chegar novamente me aterrorizava...mas o pensamento de Adrian colocando em risco a si mesmo quase me assustou mais. Ele arriscou muito por mim. Eu poderia fazer menos? - Você pode me verificar amanhã à noite, no entanto. O rosto de Adrian se iluminou como se eu tivesse acabado de aceitar um encontro. - É um acordo, então. E assim, o salão de recepção dissolveu em torno de mim. Voltei ao sono tranquilo e apenas mal o ouvi dizer: "Bons sonhos, Sage"


Capítulo 17 17 Embora nossos planos mágicos tinham sido descarrilados, a Sra. Terwilliger me pediu para vir no seu quarto antes do início das aulas no período da manhã para que pudéssemos conversar sobre atribuições, estratégia e futuro. Eu tive apenas o tempo suficiente para passar pela cafeteria no café da manhã e encontrei Jill, Eddie e Angeline sentados juntos. Parecia que tinha sido um longo tempo desde que nós todos estivemos juntos em algum tipo de definição normal, e eu recebi este pequeno momento de união. Era um refúgio em meio à tempestade que tinha sido a minha vida nos últimos tempos. Jill estava sorrindo sobre algo que Eddie não parecia achar tão engraçado. - Ele não disse nada sobre isso para mim. - disse ele. - Claro que não. - Jill riu. - Ele está muito envergonhado. Sentei-me com a minha bandeja. - Quem está com vergonha? - Eu assumi que qualquer "ele" que eles estavam falando deveria ser Adrian, embora fosse difícil de imaginar Adrian com vergonha de algo. - Micah. - disse Jill. - Eu o convenci a modelar para o nosso clube de costura novamente. E então ele tem Juan e Travis para fazê-lo também. -

Como

você

conseguiu

isso?

-

Eu

perguntei.

Jill

tinha

originalmente se envolvido com Lia através do clube de costura da escola. Quando Jill e Micah tinham namorado, ela o convenceu a modelar algumas roupas muito mal feitas. Ele tinha feito isso de adoração, embora eu não tinha certeza de que ele realmente gostou. Jill inclinou para frente, um brilho animado em seus olhos.


- Claire pediu para ele! Foi hilário. Mas eu não sei como ele convenceu Juan e Travis a irem com ele. Talvez eles lhe deviam um favor. - Talvez eles tenham segundas intenções. - disse Eddie. Seu tom de voz me surpreendeu, até que eu lembrei a lição sobre os últimos desenvolvimentos sociais por aqui. Que era? Claire era a nova namorada de Micah. Juan e Travis eram seus amigos, que gostavam de Jill. Eddie não gostava que eles gostavam dela. Entendi. Aparentemente, Eddie não manteve suas opiniões para si mesmo, porque Jill revirou os olhos. - Você vai parar de se preocupar com isso? - Ela perguntou. Ela ainda estava sorrindo, mas soou um pouco irritada. - Eles são bons rapazes. E eu não vou fazer nada estúpido. Você não tem que me ensinar sobre os seres humanos e Moroi. Eu entendo. Seus olhos de jade viraram para mim, e seu sorriso vacilou um pouco. Ela me estudou por vários longos momentos difíceis, e me perguntei o que ela estava pensando. Ela estava ainda esperando por alguma resolução romântica entre Adrian e eu? Ela estava se perguntando por que Adrian e eu continuamos recebendo em situações

íntimas?

Eu

meio

que

queria

saber

isso

também.

Ela finalmente arrastou o olhar para longe, deixando retornar seu humor. - Eu só estou olhando por você. - Eddie disse obstinadamente. - Você olha por assassinos. Eu posso lidar com esses caras. Eu não sou uma criança, e, além disso, estes são os modelos mais masculinos que já tivemos. É ótimo. Se pudéssemos marcar mais um par, o nosso clube poderia fazer um projeto inteiro na roupa dos homens. Eddie ainda parecia muito sério para essa discussão. - Talvez Eddie seria voluntário. - sugeri. - Eu aposto que a postura de guardião seria ótimo na passarela.


Ele corou e mesmo eu tive que admitir que era adorável. Se Jill tinha estado irritada com sua superproteção antes, já não era óbvio. De sua expressão sonhadora, parecia que Eddie corar foi a coisa mais incrível que já tinha testemunhado. Acho que ele estava muito sobrecarregado

com

o

pensamento

de

pavonear-se

em

uma

passarela para perceber. Angeline tinha estado completamente em silêncio até agora. Eu olhei para ela, esperando que ela teria algo engraçado para dizer sobre seu namorado sendo incentivado a modelo. Mas, para minha surpresa, ela não estava prestando atenção à conversa. Ela tinha um livro aberto de geometria e estava furiosamente tentando fazer um círculo com a mão livre. Isso me matou de assistir, mas após o comentário de Kristin sobre Angeline esfaquear alguém com uma bússola, mão livre poderia ser melhor. - O que você acha, Angeline? - Eu perguntei, só para ver como ela estava absorta. - Você acha que Eddie faria um bom modelo? - Hum? - Ela não olhou para cima. - Oh, sim. Você deve deixar Jill experimentar algumas roupas em você. Agora Jill corou. Eddie se aprofundou. Apenas quando eu pensei que esta refeição não poderia ficar mais surreal, Trey parou. Ele cutucou a cadeira de Angeline com o seu dedo do pé. - Ei, McCormick. - Ele acenou com a cabeça em direção a ela e um papel quadriculado. – Está no tempo de verificar suas curvas. Ao invés de responder com alguma resposta mordaz, ela olhou de imediato, um grande sorriso no rosto. - Eu tenho trabalhado com eles durante toda a manhã. - disse ela. - Eu acho que eles são muito bons. - Eles ficam bem de onde eu estou de pé. - disse Trey. Eles eram, na verdade, os piores círculos que eu já vi, mas eu imaginei que Trey queria incentivá-la. Fiquei impressionada com a seriedade que ela estava tratando este grau de matemática. Pareceume que ela estava colocando-a acima de tudo, até mesmo sua vida


pessoal. Ela reuniu todas as suas coisas para que ela e Trey poderiam ir para a biblioteca. Eddie parecia desapontado, mas não podia protestar, sob pena de dar a verdade sobre Angeline e ele. Trey sabia que não eram realmente relacionados, mas a relação Eddie e Angeline era ainda mantida em segredo. Percebi, então, que era quase hora de encontrar a Sra. Terwilliger. Terminei apressadamente uma banana e disse a Eddie e Jill que eu iria vê-los mais tarde. Se eles iriam falar sobre modelagem masculina ou a vida amorosa de Jill, eu não podia adivinhar. Eu apareci direito sobre o ponto para o meu encontro, mas encontrei o espaço da Sra. Terwilliger trancado e escuro. Mesmo no modo de crise, eu supunha que ela tinha direito a correr um pouco tarde agora e, em seguida, assim que me acomodei no chão do corredor e lia mais à frente para minha aula de Inglês. Fiquei tão absorvida que eu não sabia quanto tempo tinha passado, até que ouvi a campainha de advertência e percebi que os estudantes estavam começando a encher as salas. Olhei para cima, quando o professor substituto atormentado veio correndo até a porta com um conjunto de chaves. Eu me levantei. - A Sra. Terwilliger não vem hoje? - eu perguntei. - Ela está bem? - Eles não me dizem as razões. - disse o sub bruscamente. - Eles apenas me pedem para estar aqui. Espero que ela deixou uma atribuição desta vez. Sabendo como era a Sra. Terwilliger, eu tinha a sensação de que ia ser mais um "dever de casa" no dia. Eu me arrastei para a sala de aula depois do sub, sentindo um nó de ansiedade no meu estômago. A hora seguinte foi agonizante. Eu mal ouvi como o sub nos disse para trabalhar em casa. Em vez disso, eu continuei dando olhares para o meu celular, esperando um texto da Sra. Terwilliger. Não tive sorte.


Eu fui de classe para classe, mas estava distraída demais para dar a minha atenção. Eu até me choquei em Inglês, quando eu quase misturei Henrique IV com Henrique VI ao responder a uma pergunta de desenvolvimento. Felizmente, eu me peguei antes de cometer esse erro embaraçoso. Quando voltei para a sala de aula da Sra. Terwilliger para o meu estudo independente no final do dia, eu estava esperando a sub me dizer que eu poderia sair mais cedo de novo. Em vez disso, eu encontrei a Sra. Terwilliger vasculhando papéis sobre a mesa. - Você está de volta! - Eu exclamei. - Eu pensei que tinha acontecido alguma coisa com você. - Não. - disse ela. Seu rosto estava pálido e desenhado. - Mas alguém não teve tanta sorte. - Não. De novo não. - Eu afundei em uma cadeira, e todos os medos que eu estava transportando hoje desabou sobre mim. - Eu esperava que tivesse protegido essas meninas. A Sra. Terwilliger sentou-se à minha frente. - Não foi um deles. Ontem à noite, Veronica levou como alvo um dos membros de meu clã. Alana. Levei vários momentos para realmente processar isso. - O seu clã...quer dizer, como uma bruxa em pleno direito? - Sim. - Alguém como você? O rosto dela me deu a resposta antes de falar. - Sim. Eu estava cambaleando. - Mas você disse que ela só ia atrás das meninas. -

Normalmente

ela

faz.

Dessa

forma,

ela

pode

capturar

juventude e beleza, juntamente com o poder. - A Sra. Terwilliger não parecia que ela tinha de se preocupar com alguém roubar sua juventude em breve. Fadiga e estresse foram tomando seu pedágio sobre ela, fazendo-a parecer mais velha do que ela era. - Agora,


alguns usuários de magia que realizam esse feitiço só estão preocupados com o poder, não ficando mais jovem. Isso nunca foi o estilo de Verônica, no entanto. Ela é vã. Ela sempre quis os benefícios superficiais, para não mencionar as vítimas mais fáceis. Alguém como a minha irmã do clã seria mais difícil de tomar, de modo que este é um comportamento surpreendente. - Isso significa que você pode ser um alvo. - eu disse. - Você vem dizendo todo esse tempo que você está segura, mas agora tudo é diferente. A

Sra.

Terwilliger

balançou

a

cabeça,

e

um

pouco

de

determinação de aço brilhou em seus olhos. - Não. Talvez ela fez isso para me jogar fora, para me fazer pensar que é outra pessoa por trás dos feitiços. Ou talvez para me fazer pensar que ela não está interessada em você. Qualquer que seja a razão, ela não terá a mim como alvo. Eu admirava a Sra. Terwilliger por pensar tão bem de sua irmã, mas eu não podia compartilhar sua confiança que o afeto fraternal iria superar uma busca para a juventude e energia. - Sem ofensa, senhora, mas não há uma pequena chance de que você poderia estar errada sobre a vinda dela para você? Você disse que ela só ia atrás de jovens noviços, mas, obviamente, que não é o caso. Ela já está fazendo coisas que você não esperava. A Sra. Terwilliger recusou-se a recuar. - Veronica pode fazer qualquer número de coisas terríveis, mas ela não vai me enfrentar, a menos que ela está absolutamente forçada a isso. - Ela entregou um livro novo de feitiço e um saco de cordão pequeno. - Só porque ela foi atrás de uma bruxa mais velha, isso não significa que você está fora de perigo. Eu marquei algumas páginas que eu quero que você acabe. Há um feitiço lá que eu acho que vai ser particularmente útil. Eu recolhi alguns componentes para você, e você deve ser capaz de lançar o resto, apenas certifique-se


de fazê-lo em algum lugar remoto. Enquanto isso, eu ainda preciso fazer-lhe o charme secundário. Há tanta coisa a fazer ultimamente. Uma mistura de emoções giravam dentro de mim. Mais uma vez, fiquei espantada que a Sra. Terwilliger iria tão longe por mim. No entanto, eu não conseguia tirar o meu medo por ela. - Talvez você devesse fazer um para si mesma só no caso. Ela me deu um sorriso amarelo. - Ainda nisso, hein? Bem, uma vez que eu já garanti o seu, eu vou ver sobre outro. Pode demorar um pouco, no entanto. O que tenho em mente para você é particularmente complexo. Isso me fez sentir ainda pior. Ela sempre parecia tão desgastada ultimamente, e todas essas coisas que ela estava fazendo para mim foram apenas intensificando a situação. Mas não importa quantos argumentos que eu fizesse, ela se recusou a ouvir. Deixei a sala de aula chateada e confusa. Eu precisava desabafar com alguém. Obviamente, minhas escolhas eram limitadas nesta matéria. Eu mandei uma mensagem para Adrian: V atacou uma bruxa de verdade na noite passada. A Sra. T não se protege. Ela só está preocupada comigo. Como de costume, recebi uma resposta rápida: Quer falar sobre isso? Será que eu queria? Eu não era do tipo de sentar e analisar meus sentimentos, mas eu realmente queria companhia. Eu sabia que não deveria passar mais tempo perto de Adrian do que eu tinha quando meus sentimentos por ele já estavam tão misturados. Mas ele era a única pessoa que eu queria falar. Eu tenho que fazer alguns feitiços para ela agora. Quer vir e me pegar? Minha resposta foi um rosto sorridente. Ela disse-me para ir a algum lugar remoto, assim que eu escolhi Lone Rock Park novamente. Quando Adrian e eu chegamos, estava ardendo no calor de fim de tarde, e eu achei difícil acreditar que o Natal estava apenas a algumas semanas de distância. Eu tinha me vestido em camadas, assim como antes, e tirei meu capuz da


Amberwood quando Adrian e eu caminhamos em todo o terreno rochoso. Ele tirou um casaco, e eu tive que dizer quando eu vi o que ele estava usando por baixo. - Sério? - Eu perguntei. - Sua camisa AYE? Ele me lançou um sorriso. - Ei, é uma camisa perfeitamente boa. Eu acho que eu vou ver se posso começar um capítulo no campus Carlton. - Carlton era a faculdade que ele tinha aulas de arte. Era muito pequena e nem sequer tinha fraternidades ou irmandades. - Um capítulo? - Eu zombei. - Você não quer dizer o único capítulo? - Tem que começar de algum lugar, Sage. Chegamos ao mesmo ponto onde eu tinha praticado com a Sra. Terwilliger, e eu tentei ignorar as marcas de queimaduras no chão. Adrian tinha decidido transformar isso em um piquenique deserto e havia trazido uma cesta contendo um cobertor e uma garrafa térmica de limonada. - Eu imaginei que poderia parar em tortas e coisas no caminho de volta pois eu sei o quanto você gosta desse lugar. - explicou ele, impassível, quando ele serviu-me um copo. - Esperamos que isso vai deixá-la melhor após o feitiço. - Eu gostaria que isso acabasse. - disse eu, correndo a mão sobre o couro resistido do mais recente livro da Sra. Terwilliger. Era um velho manuscrito chamado Invocações e Conjurações. - Eu odeio viver com a incerteza preocupante de Verônica à espreita atrás de cada esquina. Minha vida já está complicada o suficiente sem bruxas atrás de mim. O rosto de Adrian estava sério, ele estava estendido sobre o cobertor e apoiou a cabeça com o cotovelo. - Se ela está mesmo atrás de você. Sentei-me de pernas cruzadas, o cuidado de manter uma distância muito maior do que na Suite de Veludo.


- A Sra.Terwilliger não vai me ouvir. Ela continua insistindo sobre mim. - Deixe-a. - sugeriu ele. - Quero dizer, eu entendo por que você está preocupada com ela. Eu também estou. Mas temos que aceitar que ela sabe o que está falando. Ela está envolvida com essas coisas muito mais do que temos. Eu não podia deixar de sorrir para isso. - Desde quando você está envolvido com magia? - Desde que comecei a cuidar de você e estar todo viril e corajoso. - Engraçado, eu não me lembro dessa maneira. - Eu trabalhei para manter uma cara séria. - Se você pensar em todos os passeios que eu te dei, e você ficar na faculdade...bem, parece que eu estou cuidando de você. Ele se inclinou para mim. - Eu acho que cuidamos uns dos outros. Fechou os olhos e sorriu, mas não havia nada de sensual sobre ele. Não houve truque aqui, nenhum movimento astuto da parte de Adrian para avançar em mim. E não havia medo de minha parte. Nós éramos apenas duas pessoas que se importavam com o outro. Fez-me lembrar do que tinha inicialmente desenhado juntos antes de todas as complicações românticas. Nós estávamos conectados. Contra toda a razão, entendemos um ao outro, e, como ele disse, nós olhamos para o outro. Eu nunca tinha tido uma relação bem assim com ninguém e fiquei surpresa com o quanto eu valorizava. - Bem, então, eu acho que é melhor eu começar a trabalhar. - Eu olhei de volta para o livro. - Eu não tive a chance de olhar para o que quer que eu faça. Não soa como um livro defensivo. - Talvez você esteja passando de bolas de fogo para relâmpagos. - Adrian sugeriu. - Eu aposto que seria muito como jogar estrelas ninja. Exceto, bem, você pode incinerar as pessoas.


Quando encontrei a página que a Sra. Terwilliger tinha marcado, eu li o título em voz alta: “Callistana Evocação.” - O que esta callistana quer dizer? - Perguntou Adrian. Examinei a palavra, tendo certeza que eu estava decifrando o script elaborado corretamente. - Eu não sei. É uma espécie de palavra grega para "bonito", mas não completamente. O subtítulo do feitiço é "Para proteção e aviso prévio." - Talvez seja uma espécie de escudo, como a Jackie tinha. sugeriu Adrian. - Uma mais fácil. - Talvez. - eu concordei. Eu não me importaria com um pouco de invulnerabilidade. Eu abri o saco que a Sra. Terwilliger tinha me dado. Lá dentro, eu encontrei resina de sangue de dragão, uma pequena garrafa de óleo de gardênia, ramos de bagas de zimbro, e um brilho de cristal de quartzo enfumaçado, rutilado com linhas de ouro. Embora ela desse os ingredientes, para as direções da mágica era necessário que eu usasse e medisse de uma forma muito específica, o que fazia sentido. Como de costume, foi o trabalho do lançador que impulsionou a magia. Adrian sentou-se e leu sobre o meu ombro. - Realmente não diz o que acontece quando você lança. ressaltou. - É...Eu não estou realmente animada com essa parte. Presumivelmente, o rodízio deveria apenas saber o que ela estava fazendo. Se esta era uma espécie de escudo protetor, então talvez o escudo se materializaria em torno de mim, tal como tinha para a Sra. Terwilliger. - Bem, não adianta perder tempo. Nós vamos descobrir em breve. Adrian riu quando ele me viu passar por cima de um pedaço de terra clara. - Eu sou o único surpreso que você agora faz mágica cegamente? - Não. - eu assegurei a ele. - Você não é o único.


Eu tive que arrancar as bagas de zimbro, um por um e fazer um pequeno anel com eles, dizendo: "Fogo e fumaça", cada vez que eu coloquei um no chão. Quando eu terminei, eu ungi a baga cada um com uma gota de óleo e recitei, "Fôlego e vida." Dentro do círculo, acendi uma pequena pilha de resina e descansou no quartzo fumê em cima dela. Então eu voltei e reli o feitiço, comprometendo as palavras e gestos para a memória. Uma vez que eu estava satisfeita que eu sabia, eu entreguei a Adrian e lançei um olhar esperançoso. - Deseje-me sorte. - eu disse. - Você faz sua própria sorte. - respondeu ele. Eu tentei não revirar os olhos e virei para o círculo. Eu recitei o encantamento complexo da magia grega, apontando para os quatro pontos

cardeais,

como

eu

falei,

por

instruções

do

livro.

Foi

surpreendente a rapidez com que a magia brotou dentro de mim, enchendo-me

do

poder

bem-aventurado.

Eu

disse

as

últimas

palavras, apontando para o círculo de zimbro como eu fiz. Eu senti a magia derramar de mim para o quartzo. Então eu esperei que algo acontecesse. Nada aconteceu. Eu olhei para Adrian, esperando que ele percebesse algo que eu não tinha. Ele deu de ombros. - Talvez você fez errado. - Funcionou. - eu insisti. - Eu senti a magia. - Talvez você não pode vê-la. À custa de ficar em problemas aqui, você deve saber o quão incrível você olha quando você faz essas coisas. Toda graciosa e... - Seus olhos se arregalaram. - Hum, Sydney? Está saindo fumaça do cristal. Voltei a olhar para o círculo. - Isso é apenas a resina, é... Eu parei. Ele estava certo. Fumaça estava saindo do quartzo. Eu assisti, fascinada, e depois, lentamente, o quartzo começou a derreter. Ao invés de se dissipar em uma poça, porém, o líquido


começou a re-formar em uma forma diferente, que logo endureceu em algo novo e inesperado: um dragão cristalino. Era pequeno, capaz de caber em uma palmeira, e brilhava como o marrom escuro que o quartzo tinha. O dragão mais parecia o tipo serpentina geralmente associado com a cultura chinesa, em vez de os tipos alados do mito europeu. Cada detalhe foi cuidadosamente esculpido, dos tentáculos de sua juba para as escalas de sua pele. Ele era impressionante. Além disso, ele estava se movendo. Eu gritei e me afastei correndo para Adrian. Ele colocou um braço em volta de mim e me segurou protetor tanto quanto podia, mas era claro que ele estava tão assustado quanto eu. O dragão abriu suas pálpebras cristal e olhou para nós dois com minúsculos olhos dourados. Ele provocou um coaxar pequeno e depois começou a caminhar em direção a nós, suas garras pequenas raspando contra as rochas. - Que diabos é isso? - Adrian exigia. - Você realmente acha que eu vou saber? - Você fez isso! Faça alguma coisa. Eu comecei a perguntar o que tinha acontecido com ele olhando para mim, mas ele tinha um ponto. Eu era a única que tinha convocado esta coisa. Não importa para onde nós nos movíamos ou íamos o dragão continuou a seguir e fazer um pequeno barulho muito alto que soou como unhas em um quadro-negro. Procurei o meu celular e tentei ligar para a Sra. Terwilliger, mas não há recepção aqui fora. Indo para o cobertor, peguei o livro de feitiços e então corri de volta para o lado de Adrian. Eu virei para o índice, procurando callistana.

encontrei

duas

entradas:

Callistana-Evocação

e

Callistana-banimento. Você pensaria que os dois seriam próximos uns dos outros no livro, mas eram páginas separadas. Eu virei para o último e encontrei as instruções breve e direto ao ponto: Quando o seu callistana estiver alimentado e descansado, você pode convocar e bani-lo à vontade por um ano e um dia. Um encantamento curto.


Eu olhei para Adrian. - Ele diz que temos que alimentá-lo. - Será que o faz calar a boca? - Perguntou. Seu braço estava em volta de mim novamente. - Eu honestamente não sei. - Talvez possamos deixar isso. Todos

os

meus

instintos

sobre

como

ocultar

o

mundo

sobrenatural apareceram. - Nós não podemos simplesmente deixá-lo para algum alpinista encontrar! Temos que conseguir um pouco de comida. - Não que eu tivesse alguma ideia do que dar para alimentá-lo. Esperava que os seres humanos e vampiros não estavam no cardápio. Um olhar de determinação cruzou as características de Adrian. Em uma grande demonstração de bravura ele se lançou para a cesta de piquenique, ele colocou o dragão dentro. Ele bateu a tampa para baixo, e o miado diminuiu mas não parou. - Uau. - eu disse. - Viril e corajoso. Adrian considerava a cesta com consternação. - Eu só espero que a coisa não respira fogo. Pelo menos ele está contido. Agora o que vamos fazer? - Agora nós alimentamos ele. - Eu tomei uma decisão. - Nós levamos isso para tortas e outras coisas. Eu não sabia se dragões comiam torta, mas era a fonte mais próxima de comida que tinha. Além disso, eu tinha certeza de que eu seria capaz de obter um sinal de telefone celular lá. Assim, Adrian nos levou de volta para o pequeno restaurante, enquanto eu cautelosamente levava a cesta barulhenta. Ele entrou e eu fiquei no carro e tentei ligar para a Sra. Terwilliger. Foi enviado para o correio de voz e nem me preocupei com formalidades. Ela não ficava perto do telefone mais? - Ligue agora. - eu disse entre dentes. O dragão gritando estava realmente começando a chegar a mim.


Adrian voltou em cerca de dez minutos carregando dois sacos. Eu olhei com espanto quando ele entrou no carro. - Você comprou a loja? - Eu não sei que tipo queria. - protestou ele. Entre as duas malas, tivemos meia dúzia de fatias de diferentes tipos de tortas. O recipiente de cada um, estava bem marcado. - Eu realmente não sei também. - eu disse. Adrian vasculhou os sacos e tirou uma fatia de creme de coco. - Se eu fosse um dragão, é isso que eu iria querer. Eu não discuti, principalmente porque essa afirmação não tinha argumento lógico. Ele tirou a tampa do bolo e depois olhou para mim com expectativa. Rápido, eu abri a tampa da cesta e rezei para o dragão não sair e agarrar meu rosto. Adrian colocou rapidamente o bolo para baixo na cesta. Nervosos, ambos nos inclinamos para a frente para ver. Na primeira, o dragão parecia que realmente iria sair depois de nós. Em seguida, ele percebeu a torta. A criatura de cristal cheirou a fatia, circulou algumas vezes, e então começou a roer a torta com pequeninas mordidas. O melhor de tudo, o barulho parou. Nós assistimos com espanto como o dragão fez o seu caminho através de um terço da torta de creme de coco. Então, sem aviso, ele rolou de costas e começou a roncar. Adrian e eu ficamos sentados lá, congelados, e então finalmente nos atrevemos a olhar um para o outro. - Eu acho que você estava certo sobre o sabor. - eu disse. - Você acha que pode bani-lo agora? - Perguntou ele. - Está alimentado e descansado o suficiente? Peguei o livro de feitiços para checar o encantamento. - É hora de descobrir. Eu recitei as palavras. Fumaça vibrou do corpo do dragão. Ele começou a brilhar, e dentro de instantes, estávamos olhando para um pedaço inerte de quartzo enfumaçado. Em outra exibição valente,


Adrian pegou, mas segurou-o mais longe possível, ele estudou. O toque do meu celular assustou nós dois, e ele deixou cair o cristal de volta na cesta. Eu olhei para a tela do telefone e vi o nome da Sra. Terwilliger. - Você me fez convocar um dragão! - Eu exclamei. - Eu certamente não. - respondeu ela. - Callistanas são um tipo de demônio. Eu congelei. - Um demônio. - Bem. - ela emendou. - Um tipo muito menor e geralmente benigno. - Eu não respondi por um tempo. - Sydney? Você ainda está aí? - Você me fez convocar um demônio. - eu respondi, a voz dura. Você sabe como eu me sinto sobre o mal e o sobrenatural. Você passou todo esse tempo tentando me convencer de que a magia que nós fazemos é tudo por um bem maior, na batalha contra o mal, e ainda assim você me fez convocar uma criatura do inferno. - Criatura do inferno? - Ela bufou. - Dificilmente. Você não sabe nada sobre demônios. Eu disse que ele é benigno, não foi? Callistanas podem ser muito útil. Eles vão avisar se magia negra está perto e vai mesmo tentar defendê-la se você for atacada, não que eles podem fazer muito dano. Eu não estava acreditando. - Se eles são tão útil, então por que você não tem um? - Oh, bem, eu estou em um nível onde eu posso sentir a magia negra sozinha. Isso, e, se você vai perdoar a minha língua, callistanas são uma verdadeira dor na bunda. Eles fazem o barulho mais irritante quando estão com fome. Os gatos são mais do que suficiente para as minhas necessidades. - Sim. - eu disse. - Eu notei a parte sonora. Eu alimentei com uma torta e transformei-o de volta em uma rocha.


- Você vê? - Ela parecia mais feliz do que eu tinha ouvido em dias. - Olhe para o progresso que você fez. Não importa o que vem dessa bagunça que nós nos encontramos, eu estou mais convencida do que nunca de que fiz a escolha certa em guiá-la no caminho mágico. Eu tinha muita coisa acontecendo para realmente apreciar o elogio. - Então, o que eu faço agora? - Isso vai desaparecer por conta própria depois de um ano e um dia. Até então, você pode chamá-lo quando você precisar dele. Você pode tentar treiná-lo. E, claro, você tem que alimentá-lo. Tudo o que você escolhe fazer, será fiel a você. Liga-se com a primeira pessoa que vê e vai precisar gastar tempo com você...Sydney? Você está aí? Eu tinha estado em silêncio de novo. - A primeira pessoa que vê? - Eu finalmente consegui perguntar. - Não o rodízio? - Bem, geralmente eles são uma e a mesma coisa. Eu olhei para Adrian, que estava comendo um pedaço de torta de amora enquanto escutava avidamente para o meu lado da conversa. - O que acontece se havia duas pessoas lá quando ele abriu os olhos? Adrian estava comigo quando eu chamei ele. Agora, ela fez uma pausa. - Oh? Hmm, bem, eu provavelmente deveria ter dito alguma coisa antes de lançar o feitiço. Isso tinha que ser o eufemismo do século. - Você deveria ter me dito um monte de coisas antes de eu lançá-lo! O que significa que o dragão-demônio, seja lá o viu tanto de nós? Fez vínculo com nós dois? - Olhe isto deste modo. - A Sra. Terwilliger disse, depois de alguns momentos de reflexão. – O callistana pensa em você dois como seus pais.


Capítulo 18 18 Eu certamente não esperava voltar da viagem de hoje com a guarda conjunta de um dragão em miniatura. (Eu me recusei a chamá-lo de demônio). E, como se viu, Adrian já estava provando não ser o mais dedicado dos "pais". - Você pode levá-lo por enquanto. - ele me disse quando voltamos para Amberwood. - Eu vou lidar com visitas de fim de semana. - Você não tem nada acontecendo. Além disso, estamos a apenas alguns dias do fim de semana. - eu protestei. - E você não sabe o que é um 'ele'. - Bem, eu não acho que ele vai ocupar, e além disso, eu não vou investigar para descobrir a verdade. - Adrian colocou o quartzo na cesta e fechou a tampa antes de entregá-lo para mim. - Você não tem que chamá-lo de volta, você sabe. Peguei a cesta e abri a porta do carro. - Eu sei. Mas eu me sinto um pouco mal deixando-o como uma rocha. – A Sra. Terwilliger tinha me dito que seria saudável para ele se eu deixasse-o fora de vez em quando. - Vê? Instinto maternal já. Você é natural, Sage. -Adrian sorriu e me entregou um saco de fatias de pizza. Ele manteve alguns para si mesmo. - Olhe para você. Você não precisa mesmo quebrar a tatuagem. Você acha que teria sido mãe de um dragão bebê um mês atrás? - Eu não sei. - Mas ele tinha um ponto. Parecia provável que eu teria de correr gritando de volta no deserto. Ou talvez tentado exorcizá-lo. - Vou levá-lo agora, mas você tem que ficar com ele em algum ponto. A Sra. Terwilliger diz que o callistana precisa gastar tempo com nós dois. Hmm.


- Hmm, o que? Eu balancei a cabeça. - Só me adiantando. Queria saber o que eu faria com ele se eu fosse para o México. Adrian me deu um olhar perplexo. - O que sobre o México? Nunca tinha vindo, eu percebi. Adrian tinha conhecimento da missão de Marcus e a quebra inicial da tatuagem, não a vedação. Eu não estava mantendo o restante em segredo, mas, de repente, eu me senti desconfortável dizendo a Adrian sobre isso. - Ah. Bem, Marcus diz que depois que eu realizar esse ato rebelde, podemos quebrar os elementos e me libertar do controle da tatuagem. Mas para realmente ligar o feitiço e certificar-se que a tatuagem não seja reparada, eu preciso de uma tatuagem sobre ele, como ele fez. Ele chama isso de vedação. Mas isso leva algum composto especial que é difícil de encontrar. Ele conseguiu seu feito no México e vai levar alguns de seus homens unidos lá para que eles possam fazer isso. - Eu vejo. - O sorriso de Adrian tinha desaparecido. - Então. Você está se juntando a eles? Eu dei de ombros. - Eu não sei. Marcus quer que eu... - Eu tenho certeza que ele quer. Ignorei o tom. - Eu pensei sobre isso...mas é um grande passo. Não apenas para a tatuagem, também. Se eu fizer isso, não haveria como voltar atrás. Eu estaria virando as costas para os Alquimistas. - E para nós. - disse ele. - A menos que você realmente está apenas ajudando Jill por causa de suas ordens. - Você sabe que não é mais isso. - Novamente, eu não gostava de seu tom. - Você sabe que eu me preocupo com ela e...e o resto de vocês.


Seu rosto estava rígido. - E ainda assim você teria fugido com um cara que você acabou de conhecer. - Não é assim! Nós não estaríamos “fugindo juntos”. Eu estarei de volta! E nós estaríamos indo para uma razão específica. - Praias e margaritas? Eu fiquei sem palavras por alguns momentos. Era tão perto do que Marcus tinha brincado. Era o que todo mundo associava com o México? - Eu vejo como ele é. - eu atirei. - Vocês foram todos a favor de eu quebrar a tatuagem pensando em mim, mas é apenas ok se for conveniente para você, hein? Assim como seu amor funciona apenas a partir de longe, se você não tem a oportunidade de colocar as mãos em cima de mim. E seus lábios. E...coisas. Adrian raramente ficava louco, e eu não sabia dizer se ele estava agora. Ele definitivamente estava exasperado. - Você está falando sério nessa sua abnegação, Sydney? Você realmente

acredita

quando

você

diz

que

não

sente

nada?

Especialmente depois do que está acontecendo entre nós? - Nada está acontecendo entre nós. - eu disse automaticamente. - A atração física não é o mesmo que amor. Você de todas as pessoas deveria saber disso. - Ouch. - disse ele. Sua expressão não mudou, mas eu vi seus olhos feridos. Eu feri ele. - É isso que incomoda você? Meu passado? Que talvez eu sou um especialista em uma área que você não é? - Uma que eu tenho certeza que você só ama para me aducar, para ser mais uma garota para adicionar à sua lista de conquistas. Ele ficou sem palavras por alguns instantes e, em seguida, levantou um dedo. - Primeiro, eu não tenho uma lista. - Outro dedo. - Em segundo lugar, se eu tivesse uma lista, eu poderia encontrar alguém um inferno de muito menos frustrante para adicionar a ela. -

Para o


terceiro dedo, ele se inclinou para mim. - E, finalmente, eu sei que você sabe que você não é a conquista, então não aja como se você pensasse seriamente nisso. Você e eu passamos por muito juntos. Estamos muito perto, muito ligados. Eu não era tão louco em espírito quando

eu disse

que

você é

minha

chama

no

escuro. Nós

afugentamos as sombras em torno de si. Nossas origens, não importa.

O

que

temos

é

maior

que

isso.

Eu

te

amo,

e debaixo de toda essa lógica, a superstição de cálculo, e, eu sei que você me ama também. Fugir para o México e fugindo de todos os seus problemas não vai mudar isso. Você só vai acabar assustada e confusa. - Eu já me sinto assim. - eu disse calmamente. Adrian voltou e se inclinou em seu assento parecendo cansado. - Bem, isso é a coisa mais precisa que você disse até agora. Peguei a cesta e abri a porta do carro. Sem mais uma palavra, eu saí em direção ao dormitório, recusando a olhar para trás, caso ele visse as lágrimas que inexplicavelmente apareceram em meus olhos. Só que eu não tinha certeza exatamente qual parte da nossa conversa, eu estava mais chateada. As lágrimas pareciam que iam ficar paradas no momento em que cheguei ao meu quarto, mas eu ainda tinha que me acalmar. Mesmo quando as minhas emoções foram liquidadas, era difícil de abalar suas palavras. Você é minha chama no escuro. Nós afugentamos as sombras em torno de si. O que isso quer dizer? Pelo menos contrabandear um dragão no meu quarto era distração muito boa. Eu trouxe a cesta, esperando que dragões demoníacos

não

fossem

contrabandeados.

Ninguém

me

parou

quando eu fui lá em cima, e eu fiquei me perguntando como eu estava indo para confiná-lo se eu chamasse-o de volta. A cesta não parecia tão segura, e eu certamente não iria deixá-lo solto no meu quarto. Quando cheguei a minha porta, eu encontrei Jill do lado de fora, seus pálidos olhos verdes arregalados de excitação.


- Eu quero vê-lo. - disse ela. A ligação mais forte foi em momentos de grande emoção e, a julgar pelo rosto de Adrian, quando o dragão foi atrás de nós, suas emoções tinham estado muito forte. Eu perguntei se ela tinha testemunhado o nosso argumento também ou se isso não tivesse vindo através do vínculo. Talvez a tensão entre ele e eu era uma segunda natureza para ela agora. - Eu não posso deixá-lo fora ainda. - eu disse, deixando-a em meu quarto. - Eu preciso de algo para mantê-lo dentro. Como uma gaiola. Talvez eu consiga um amanhã. Jill franziu a testa em pensamento, então se iluminou. - Eu tenho uma ideia. - Ela olhou para o meu despertador. - Eu espero que não seja tarde demais. E, sem mais explicações, ela saiu, prometendo voltar em breve. Eu ainda estava um pouco instável da magia de hoje, mas não tinha tido tempo para regularizar a situação depois de toda a emoção. Então, eu sentei na minha mesa com um livro de feitiços e comi o resto da torta de creme, tomando o cuidado de cortar a primeira parte em que o dragão tinha comido. Eu não sabia se callistanas tinham germes transmissíveis, mas eu não queria correr nenhum risco. Jill voltou uma hora depois, tendo um aquário de vidro retangular, como o tipo que se mantém peixes ou roedores dentro. - Onde você conseguiu isso? - Eu perguntei, movendo uma lâmpada da minha mesa. - Minha professora de biologia. Nossa cobaia morreu há algumas semanas, e ela tem estado muito triste para substituí-lo. - Não perguntou porque precisava dele? - Eu examinei o tanque e achei impecável, assim que alguém aparentemente limpa-lo após a morte infeliz da cobaia. - Nós não podemos ter animais de estimação. - Eu lhe disse que estava construindo um diorama. Ela não questionou isso. - Jill ansiosamente trouxe o aquário até a mesa. Nós podemos dar-lhe de volta quando você arranjar o seu próprio.


Eu defini o interior do cristal de quartzo e bati na tampa do tanque,

certificando

que

estava

bem

preso.

Depois

de

mais

suplicamentos de Jill, falei as palavras de evocação. Um pouco de fumaça apareceu, e o quartzo transformou de volta para o dragão. Felizmente, ele não fez mais do barulho insuportável, então eu imaginei que ele ainda estava cheio. Em vez disso, ele correu em torno do tanque, examinando sua nova casa. Em um ponto, ele tentou subir o lado, mas suas garras minúsculas não poderiam começar a subir no vidro. - Bem, isso é um alívio. - disse. O rosto de Jill se encheu de admiração. - Acho que ele vai ficar entediado lá. Você deve arranjar alguns brinquedos. - Brinquedos de um demônio? Não é o suficiente que eu lhe dou torta? - Ele quer você. - ela insistiu. Com certeza, eu olhei de volta para o tanque e encontrei o callistana olhando para mim com adoração. Ele estava até abanando o rabo. - Não. - eu disse com firmeza. - Este não é um filme da Disney, onde eu tenho um companheiro adorável. Você não está saindo. Cortei um pedaço de torta de mirtilo e coloquei no tanque, caso ele queria um lanche da meia-noite. De jeito nenhum eu iria arriscar um alerta de fim de noite. Depois de pensar por um momento, eu adicionei uma bola anti-stress e um cachecol. - Não. - eu disse a Jill. - Comida, um brinquedo, e uma cama. Feliz? O callistana aparentemente estava. Ele golpeou a bola algumas vezes e, em seguida, enrolou no ninho que eu tinha feito com o lenço. Ele olhou o conteúdo mais ou menos, além do fato de que ele manteve me observando.


- Aww, disse ela. - Olha como ele é doce. Como você vai chamálo? Como se eu precisasse de algo mais para se preocupar. - Seu "pai" pode nomeá-lo. Eu já estou no gancho para o Mustang. Após um pouco mais, Jill finalmente se foi para a noite. Eu fiz meus próprios preparativos para a cama, sempre mantendo um olho no dragão. Ele não fez nada ameaçador, no entanto, e eu ainda consegui cair no sono, embora meu sono foi agitado. Fiquei imaginando que iria encontrar uma maneira de sair e vir para a cama comigo. E, claro, eu tinha meus medos habituais sobre Veronica vir para mim. Eu tive um trecho de sono profundo, durante o qual Adrian me puxou para um sonho de espírito. Depois de nossa briga antes, eu sinceramente não esperava vê-lo esta noite, um pensamento que tinha me entristecido. O hall de entrada materializou em torno de nós, mas a imagem vacilou e manteve entrando e saindo. - Eu não achei que você viria. - eu disse a ele. Nenhuma roupa de casamento esta noite. Ele usava o que ele tinha usado anteriormente, calça jeans e camisa do AYE, embora ambos pareciam um pouco mais enrugadas. Ele estava vestido como ele estava, na realidade, eu percebi. - Você acha que eu iria abandoná-la para Veronica? - Não. - eu admiti. - O que há de errado com o quarto? Ele parecia um pouco envergonhado. - Meu controle não é tudo o que poderia ser hoje à noite. - Eu não entendi...em primeiro lugar. - Você está bêbado. - Eu tenho que beber. - ele corrigiu, inclinando-se contra uma das mesas. - Se eu não estivesse bêbado, eu não estaria aqui. E, realmente, isso é muito bom para quatro russos brancos.


- Brancos o que? - Eu quase sentei, mas estava com medo da cadeira se desmaterializar debaixo de mim. - É uma bebida. - disse ele. - Você acha que eu não estaria nomeando isso, considerando a minha experiência pessoal com os russos. Mas eles são surpreendentemente deliciosos. As bebidas, não os russos reais. Eles têm Kahlua. Pode ser a bebida que você estava esperando a vida inteira. - Kahlua não tem gosto de café. - eu disse. - Portanto, não comece com isso. - Eu era insanamente curiosa para saber por que ele tinha bebido. Às vezes ele fazia isso para entorpecer o espírito, mas ele parecia ainda desejar acessar esta noite mágica. E, claro, a metade do tempo, ele nem sequer precisa de um motivo para beber. Dentro de mim, eu me perguntava se a nossa briga tinha levado isso para ele. Eu não sabia se me sentia culpada ou irritada. - Eu também tive que vir hoje à noite para pedir desculpas. disse ele. Sentou-se, aparentemente, não tendo os mesmos medos sobre cadeiras. Por um momento, inexplicavelmente, aterrorizante, eu pensei que ele ia levar de volta a parte sobre eu ser sua chama no escuro. Em vez disso, ele me disse: - Se você precisa ir para o México para terminar este processo, então eu entendo. Eu estava errado em criticar por isso, ou mesmo insinuar que eu tinha alguma coisa a dizer. Uma das grandes coisas sobre você é que, no final, você sempre toma decisões inteligentes. Não é sempre possível dizer o mesmo para mim. Tudo o que você precisa fazer, vou apoiá-la. Essas lágrimas irritantes quase voltaram, e eu pisquei para afastá-las. - Obrigada. Isso significa muito...e, para dizer a verdade, agora, eu ainda não sei o que vou fazer. Eu sei que Marcus está preocupado comigo, eventualmente, ficar em apuros e estar sob seu controle.


Então, novamente, permanecendo parte dos Alquimistas parece que ele me daria mais poder, e além...Eu não quero te deixar. Er, o pessoal. Ele sorriu, e iluminou seu rosto inteiro. Como uma chama no escuro. - Bem,"nós" estamos certamente felizes de ouvir isso. Ah, e eu também estou feliz de ver o nosso querido dragão criança amor, enquanto você está em St. Louis. Eu sorri de volta. - Como uma rocha ou em sua forma real? - Ainda não decidi. Como ele está agora? - Ele está trancado em um aquário. Eu estou supondo que eu acordaria, se ele foi para a cama comigo, então ele ainda deve estar dormindo. - Eu esperava. - Bem, eu estou certo de que ir para a cama com você seria... Adrian engoliu de volta o que ele estava prestes a proferir. Em vez disso ele fez um gesto para a mesa, e um tabuleiro de Monopólio apareceu. - Vamos jogar? Fui até lá e olhei para a placa. Ele aparentemente também estava sofrendo de seu consumo, já que metade das ruas ertavam em branco. Os que estavam lá tinham nomes como “Calçada Castille” e "Avenida Jailbait." - Está um pouco incompleto. - disse diplomaticamente. Adrian não parecia preocupado. - Bem, então, eu acho que melhora suas chances. Eu não poderia resistir a isso e fiz uma aposta de sentar em uma das cadeiras. Eu sorri para ele e, em seguida, começei a contar o dinheiro, feliz de que tudo era (relativamente) o direito do mundo com a gente de novo.


Capítulo 19 19 De alguma forma, eu ainda perdi. Se Adrian era capaz de fazer os cálculos, eu poderia jurar que ele estava usando seus poderes para afetar a forma como os dados eram lançados. O mais provável, ou ele já tinha algumas habilidades inatas e

inexplicável

no

Monopólio.

Eu

simplesmente

não

conseguia

entender, ou ele era muito, muito sortudo. Mas apesar de tudo, eu me diverti, e perder para ele era muito melhor do que ter Veronica me assombrando em meu sono. Ele continuou as visitas de sonho para os próximos dias, e embora eu nunca me senti totalmente segura dela, eu pelo menos não tê-la ocupando a frente da minha mente em todos os momentos. Essa honra foi salva para o meu fim de semana em St. Louis, que veio mais rápido do que eu esperava. Uma vez que eu estava no avião, a realidade do que eu estava prestes a tentar me bateu. Era isso, o ponto de não retorno. Na segurança de Palm Springs, eu tinha sido capaz de manter uma atitude um pouco fresca e coletada. St. Louis parecia longe. Agora, as tarefas antes de mim parecia assustadoras e meio loucas. E perigosas. Não havia nenhuma parte desta que não ia me pegar em sérios apuros. Mentir para Stanton. Quebrar em servidores secretos. Mesmo a informação charmoso de Ian poderia ter repercussões.E realmente quem era eu para pensar que eu teria qualquer capacidade de atrair segredos dele? Eu não era como Rose ou Julia. Elas tiveram bajulação de homens por todos os lados. Mas eu? Eu era socialmente desajeitada e muito inepta quando se trata de romance. Talvez Ian gostava de mim, mas isso não significava que eu teria algum poder mágico sobre ele. Claro que, se essa parte do plano falhasse com ele, então eu estaria livre das minhas outras tarefas.


Cada parte disso foi esmagadora, e enquanto eu olhava pela janela do avião, observando St. Louis crescer cada vez mais perto, os meus sentimentos de medo cresceram também. Minhas mãos estavam muito suadas para segurar um livro, e quando eu recusei comida, foi por causa do mal-estar no estômago, e não uma obsessão com calorias. Eu tinha ido para trás e para a frente sobre a possibilidade de conseguir um quarto de hotel ou permanecer na própria instalação, o que proporcionou habitação de convidado para Alquimistas como eu. No final, optei pelo primeiro. Quanto menos tempo que passesse sob os olhos atentos de meus mestres, melhor. Também significava que eu não tinha que me preocupar com a minha roupa atrair a atenção. Eu não tinha exatamente seguido todas as sugestões de Adrian, mas o vestido que eu tinha comprado para esta viagem era um pouco mais vigoroso do que o meu guarda-roupa normal de negócios casual. Ok, um muito vigoroso. Ele teria estado completamente fora de lugar entre os vestuários modestos dos Alquimistas e com cores neutras que normalmente usava. Mas quando Ian me encontrou no lobby do hotel para o jantar, eu sabia que tinha feito a escolha certa. - Uau. - disse ele, olhos arregalados. - Você está maravilhosa. Aparentemente,

sua

sensibilidade

Alquimista

não

ficaram

ofendidos com a minha roupa. Era um minivestido ajustado que ia ao meio

da

coxa,

com

uma

parte

aberta

atrás

e

um

desconcertantemente baixo decote em V, que me deu a clivagem que eu ainda não tinha conhecido que era possível. Qualquer recato das mangas longas do vestido poderiam ter oferecido foi desfeita pela combinação de tecido: a bainha bege coberto de renda preta e marrom. Ele deu a ilusão de que eu estava usando renda com nada embaixo. A vendedora me garantiu que todas as partes do vestido eram para caber confortavelmente que (por uma vez na minha vida, eu realmente sugeri um tamanho


maior) e que eu precisava, pelo menos, quatro centímetros de saltos pretos para fazer tudo funcionar. Com a ajuda de um monte de grampos, eu até consegui puxar meu cabelo em um coque, o que não foi fácil com o meu corte de cabelo em camadas. Senti minha caminhada visível através do lobby, mas ninguém me deu qualquer olhar chocado. Os poucos que eu consegui foram admirados. O hotel era muito elegante, e eu era apenas um de um número de mulheres vestidas com vestidos de coquetel de férias. Nada de escandaloso ou fora do comum. Você pode fazer isso, Sydney. E com um vestido revelador não era tão difícil como invadir um servidor, certo? Certo? Eu sorri quando me aproximei de Ian e dei-lhe um abraço rápido, o que era estranho, tanto porque foi com Ian e porque eu me sentia nua no vestido. Essa coisa de femme fatale foi mais difícil do que eu pensei que seria. - Eu estou feliz que eu tenho que vê-lo de novo. - eu disse. - Eu sei o inconveniente que isso deve ser, sem aviso prévio. Ian balançou a cabeça tão inflexível que eu quase esperava ouvir barulho. - N-não. Nenhum problema. Satisfeito, ele tinha conseguido uma olhada. Eu coloquei meu casaco, uma trincheira de comprimento médio preto, e fiz um gesto em direção à saída. - É hora de enfrentar os elementos? Ele correu na minha frente para abrir a porta. A dispersão dos flocos de neve caíam, descansando em meu casaco e cabelo. Minha respiração fez uma nuvem no ar gelado, e eu tive um flashback momentâneo do passeio em campo com Adrian. Como se eu soubesse que a busca por Marcus levaria a me fazer recados para ele em um vestido apertado.


Ian tinha estacionado na unidade do hotel. Ele dirigia um Toyota Corolla, que era ainda mais aborrecido pelo fato de que ele tinha escolhido um branco. Um purificador de ar com a forma de uma árvore pendurada no espelho retrovisor, com o cheiro costumeiro de pinho, uma pequena etiqueta declarou ser "Perfume de carro novo." Principalmente cheirava como o plástico. Coloquei uma cara de brava. Marcus realmente me devia uma. - Eu fiz uma reserva no lugar com frutos do mar realmente grande. - ele me disse. - É perto da instalação, para que possamos dirigir para o serviço imediatamente. - Parece ótimo. - eu disse. Eu nunca comi frutos do mar em todo o estado do interior. O restaurante foi chamado de Esconderijo Fresco, que não melhorou a minha opinião sobre ele. Ainda assim, eu tinha que dar crédito para as tentativas de uma atmosfera romântica. A maior parte da iluminação vinha de velas, e um pianista no canto para que escutássemos música. As pessoas mais bem vestidas enchiam as mesas, rindo e conversando sobre o vinho e coquetéis de camarão. O anfitrião nos levou a uma mesa de canto, coberto com toalha Borgonha e decorado com uma dispersão de orquídeas verdes. Eu nunca tinha visto nenhuma de perto e realmente era muito exótico e sensual. Se ao menos eu estava aqui com qualquer um, mas Ian. Eu estava hesitante em tirar o meu casaco. Isso me fez sentir exposta, e eu tinha que me lembrar das consequências dos Alquimistas e guerreiros que trabalham juntos. Quando o vestido foi mostrado mais uma vez, tive a satisfação de ver Ian derreter mais uma vez. Lembrei-me do conselho de Adrian sobre a confiança e colocar um sorriso de satisfação, esperando que eu desse a impressão de que eu estava fazendo um grande favor a Ian, permitindo-lhe estar na minha presença. E, para minha surpresa total e absoluta, isso parecia funcionar. Eu até me permiti entrar em um pensamento perigoso:


talvez não fosse o vestido que exercesse o poder aqui. Talvez tenha sido eu. Abrindo o menu, eu comecei a desnatação para uma carne ou opção de aves. - O que você recomenda? - O mahi mahi é grande aqui. - disse ele. - Então, é o peixeespada. O garçom parou, e eu pedi um frango Caesar salada. Eu imaginei que eles realmente não poderiam atrapalhar as anchovas no molho. Ficamos sozinhos esperando, sem nada para fazer, mas agora passavamos para conversa fiada. Ian pegou a bola. - Eu suponho que você ainda não pode me dizer muito sobre onde você está, hein? - Infelizmente não. Você sabe como é. - Eu coloquei manteiga num rolo de massa fermentada com o que eu tinha certeza que era exatamente meia colher de sopa. Eu não queria ir muito louca, mas eu poderia me permitir uma pequena indulgência desde que pedi uma salada. - Eu posso dizer que estou no campo. Eu só não posso dizer muito mais. Atenção de Ian mudou do meu decote enquanto ele olhava para a chama da vela. ]- Eu sinto falta disso, você sabe. Estar no campo. - Você costumava estar, certo? O que aconteceu? Eu não tinha pensado muito sobre isso ultimamente, mas quando Ian tinha acompanhado Stanton e eu para o tribunal Moroi, ele havia sido retirado do seu posto para fazer a viagem. Ele tinha sido atribuído em algum lugar no sul, na Flórida ou na Geórgia, pensei. - Aqueles Moroi nos fazendo prisioneiros é o que aconteceu. - Ele desviou o olhar de volta para mim, e eu estava surpresa com a ferocidade que eu vi. - Eu não sabia lidar com isso muito bem. - Bem, nenhum de nós sabe. Ele balançou a cabeça.


- Não, não. Eu realmente não lidei bem com isso. Eu meio que me apavorei. Eles me mandaram para formação em gestão de raiva depois. Eu quase deixei cair o rolo. Eu tinha de forma alguma esperado por isso. Se alguém tivesse me perguntado para citar as dez melhores pessoas que precisavam de gestão de raiva, Ian não teria estado nem no fundo da lista. Meu pai, no entanto, teria estado perto do topo. - Quanto tempo esteve lá? - Gaguejei. - Duas semanas, e então eu estava pronto para ir. Evidentemente, eu não sabia a extensão da raiva que ele tinha desembocado, mas eu achei interessante é que duas semanas foi bom o suficiente para considerá-lo pronto para trabalhar novamente. Enquanto isso, o esquema de Keith usar Moroi para fazer o dinheiro lhe rendeu pelo menos dois meses de re-educação, talvez mais, já que eu não tinha ouvido todas as atualizações. - Mas eles não me deixaram trabalhar no campo. - acrescentou Ian. - Figura I não deve estar em torno dos Moroi por um tempo. É por isso que eu estou preso aqui. - Nos arquivos. - Sim. - Não parece tão ruim. - disse-lhe. - Vários livros. - Não se engane, Sydney. - Ele começou a rasgar um rolo de centeio integral em pedaços. - Eu sou um bibliotecário glorificado. Talvez sim, mas isso não era minha preocupação. Qual foi a minha preocupação foi Wade me dizendo que os arquivos estavam em um nível seguro, um andar acima da sala de vigilância, que realizou imagens de segurança. Ele tinha me atraído um mapa de cada andar, certificando-se de que memorizei o layout e as melhores formas de entrar e sair. - Eu ainda amo vê-los. - disse eu. - Quer dizer, a história que eles contêm é incrível. - Mais uma vez, não inteiramente uma


mentira. Eu me inclinei para frente, apoiando os cotovelos sobre a mesa, e tive a satisfação de ver seus olhos cair ao meu decote novamente. Isso não foi tão difícil! Realmente, eu não sei porque eu não estava usando meus "encantos femininos" há muito tempo. Na verdade, eu nunca soube que eu tinha algum, até agora. - Você poderia me colocar em uma turnê? Dos arquivos especificamente. Você parece o tipo de cara que poderia ter acesso a um monte de lugares. Ian engasgou com o rolo. Depois de um ataque de tosse, ele olhou para o meu rosto, então meu decote (de novo), e depois voltou para o meu rosto. - Eu, hum, adoraria, mas não é realmente aberto ao público, quer dizer, até mesmo o público Alquimista. Apenas aqueles com acesso estudioso especial são permitidos dentro. Poderíamos olhar para as partes de acesso gerais do edifício, no entanto. - Ah. Eu vejo. - Eu olhei para o meu prato, fazendo biquinho um pouco, mas não disse mais nada. Como o garçom chegou com a nossa comida, eu esperava que o meu silêncio o fazia reconsiderar o que ele poderia estar perdendo. Eventualmente, Ian não agüentava mais. Ele limpou a garganta, talvez porque ainda havia pão preso nele. - Bem, eu poderia ser capaz de fazer...você ver, o problema está apenas começando para baixo para os níveis de segurança. Depois que você passar isso, não é difícil para você entrar em arquivos, especialmente se eu estou trabalhando. - Mas você não pode fazer nada sobre o posto principal? - Eu persuadi, como se todos os homens de verdade devem ser capazes de fazer isso. - Não, eu quero dizer...talvez. Eu tenho um amigo que trabalha lá. Eu não sei se ele tem uma mudança de amanhã, mas ele ainda pode ser capaz de ajudar. Ele me deve algum dinheiro, para que eu possa usá-lo como um comércio. Eu espero.


- Oh, Ian. - Eu lhe lançei um sorriso que eu esperava que rivalizava com um de Marcus. - Isso é incrível. - Eu lembrei o que Adrian tinha dito. - Eu ficaria muito, muito grata se você pudesse retirá-la. Minha reação claramente encantou Ian, e eu me perguntava se Adrian estava certo sobre como "tão, tão agradecido" foi traduzido. - Eu vou chamá-lo hoje à noite, após o serviço. - disse Ian. Ele parecia determinado no momento. - Espero que possamos fazer isso acontecer antes de seu vôo de amanhã. Eu recompensei em cada palavra sua para o resto do jantar, como se eu nunca tinha ouvido nada tão fascinante. Todo o tempo, meu coração disparou com o conhecimento que eu estava agora um passo mais perto de cumprir a tarefa de Marcus, um passo mais perto de potencialmente provar uma conexão com um monte de arma em punho fanáticos e da organização que eu servi toda a minha vida. A salada foi pequena, por isso aceitei ver o menu de sobremesa depois do jantar. Ian sugeriu que partilhássemos, mas era um pouco íntimo para mim, para não falar de anti-higiênico. Então, eu comi uma torta de limão inteira por mim, com a certeza de que eu ainda estava muito longe da marca de cinco quilos. Quando Adrian tinha me dito que eu ia ficar saudável se eu ganhasse um pouco de peso, ele acrescentou que iria melhorar o meu tamanho do sutiã. Eu não podia sequer imaginar o que faria para este vestido.

~~//~~

O centro Alquimista, em St. Louis foi contido dentro de um edifício, o gigante industrial que foi disfarçado como uma fábrica. As instalações Moroi, o tribunal e suas escolas, geralmente representado como universidades. Como é irônico que "criaturas da noite" viviam entre jardins paisagísticos enquanto "servos da luz" como nós em


prédios feios sem janelas. No interior, no entanto, tudo foi intocado, brilhante e bem organizado. A recepcionista nos checou quando chegamos na mesa principal, juntamente com muitos outros que chegaram para o serviço. Havia lírios dourados por toda parte. Para muitos, este foi um evento de família cheio de diversão, e muitas crianças arrastou seus pais alquimista. Fez-me sentir estranha por assisti-los, essas crianças que nasceram em nossa profissão. Eu me perguntava como eles se sentiriam 10 anos a partir de agora. Será que estariam animados para a etapa até a placa? Ou será que eles começarão a questionar? O centro tinha três pisos acima do solo e cinco abaixo. As pessoas da rua dificilmente poderiam apenas vir vagando, mas ainda tomou precauções, mantendo os escritórios mais benignos no piso principal. Como todos nós caminhamos pelo corredor para o auditório, passamos folha de pagamento, de viagem e Manutenção. Todos os escritórios tinham janelas claras olhando para eles do salão, mantendo o ideal alquimista que não tinha nada a esconder. Os escritórios subterrâneos seguros não eram tão aberto, no entanto. Eu tinha estado nesta instalação uma vez antes de um seminário de treinamento, e que tinha realmente acontecido no auditório que entramos para o serviço. Apesar de o tema espiritual do evento de hoje à noite, a sala tinha pouca semelhança com uma igreja. Alguém tinha ido para o esforço de decorar as paredes com vermelhoarqueadas guirlandas verdes e potes de ajuste de bico-de-papagaio no palco. O quarto teve um estado-de-arte com sistema de áudiovisual, incluindo uma tela gigante que deu um olhar maior do que a vida

no

que

estava

acontecendo

no

palco.

O

auditório

dos

assentos foi tão eficiente que mesmo aqueles nos cantos mais distantes tinha uma visão muito clara, então eu acho que a tela era apenas para dar ênfase. Ian e eu encontramos dois lugares perto do meio do auditório.


- Você não vai tirar o seu casaco? - Perguntou ele, esperançoso. De jeito nenhum eu ia soltar o vestido neste antro de cinza e gola alta. Além disso, se eu mantivesse o casaco, seria apenas dar-lhe algo para manter olhando para frente. Adrian estaria orgulhoso de minha capacidade de manipular o sexo oposto...e eu não pude deixar de pensar o quão bem Adrian seria capaz de resistir a este vestido. Claramente, eu estava muito confiante com esse novo poder. - Estou com frio. - eu disse, puxando mais apertado o casaco. Era uma espécie de ridículo desde que as luzes do palco e elevado número de corpos já fazia o quarto abafado, mas eu percebi que desde que estava tão frio lá fora, eu poderia fugir com essa. Para alguém que sempre parece ser tão fria, com certeza você pode esquentar muito rápido. - Sydney? É você? Eu congelei, não a partir do choque de ouvir o meu nome, mas a partir da voz que tinha dito. Eu conheço essa voz em qualquer lugar. Lentamente, eu me virei de Ian e olhei para o rosto de meu pai. Ele estava em pé no corredor, vestindo um terno de lã pesada, com flocos de neve derretida em seu cabelo grisalho loiro escuro. - Oi, pai. - eu disse. Então eu vi quem estava de pé ao lado dele. - Zoe? Era tudo que eu podia fazer para não pular e abraçá-la. Eu não tinha visto ou falado com minha irmã mais nova desde aquela noite que eu tinha sido puxada para fora da cama e me mandaram na minha missão de Palm Springs. Essa foi a missão que ela acreditava que eu tinha roubado dela, não importa meus protestos. Foi a missão que a levou para longe de mim. Eu olhei para ela agora, tentando avaliar onde estávamos. Ela não usava o ódio flagrante que ela teve na nossa última reunião, que era um bom sinal. Infelizmente, ela não olhava tudo o que seja acolhedor e simpático. Ela era cautelosa, estudando-me com cuidado. Ela não, eu notei, tinha um lírio de ouro em sua bochecha ainda.


- Estou surpreso de ver você aqui. - disse meu pai. Suas palavras de despedida para mim foi "Não me envergonhe", então eu não estava realmente surpresa com suas expectativas baixas. - É as férias. - disse eu. Forçando um sorriso agora que era muito mais difícil do que tinha sido com o Ian. - É importante estar aqui com o grupo. Conhece Ian Jansen? Ian, de olhos arregalados, levantou-se e apertou a mão do meu pai. Claramente, ele não esperava uma reunião dos pais tão cedo. - É um prazer conhecê-lo, senhor. Meu pai assentiu gravemente e olhou para trás e para frente entre nós dois. Qualquer que seja a surpresa que ele teve ao ver-me aqui tinha acabado de ser atropelado por eu estar aqui com um encontro. Olhando para Ian, eu tentei adivinhar como ele apareceria para alguém como o meu pai. Corte limpo, respeitoso, um alquimista. O fato de que Ian tende a aborrecer-me era irrelevante. Eu duvidava que meu pai nunca tinha pensado muito sobre eu namorar, mas se assim for, ele provavelmente não tinha pensado que eu ia ficar com um prendedor como este. - Você gostaria de se juntar a nós, senhor?. - Perguntou Ian. Eu tinha que lhe dar crédito, ele havia superado o choque inicial e agora estava no modo pretendente adequado. - Seria uma honra. No início, eu pensei que Ian estava apenas colocando-o em espessura. Então eu percebi que conhecer meu pai poderia realmente muito bem ser uma honra. Jared Sage não era uma estrela do rock, mas ele tinha uma reputação entre os alquimistas que, por seus padrões, foi excelente. Meu pai parecia gostar da lisonja e concordou. Ele sentou-se ao lado de Ian. - Sente-se com sua irmã. – disse para Zoe, acenando com a cabeça em minha direção.


Zoe obedeceu e olhou para frente. Ela também estava nervosa, eu percebi. Olhando-a, senti uma dor de quanto eu sentia falta dela. Nós tinhamos herdado os mesmos olhos castanhos de nosso pai, mas ela conseguiu o cabelo castanho da mãe, o que me deixou um pouco de inveja. Zoe também parecia muito mais juntos do que a última vez que eu tinha visto. Ela usava um vestido de caxemira muito marrom escuro e não tinha um único fio de cabelo fora do lugar. Algo sobre sua aparência me incomodou, e eu não conseguia colocar o dedo em um primeiro momento. Ele logo me bateu. Ela parecia mais velha. Ela parecia uma jovem senhora, como o meu par. Eu supunha que era bobo de me sentir triste, já que ela tinha 15, mas eu meio que queria que ela poderia ficar uma criança para sempre. - Zoe. - Eu mantive minha voz baixa, não que eu precisava me preocupar com os homens ouvirem. Meu pai estava interrogando Ian. - Eu tenho vontade de falar com você por tanto tempo. Ela assentiu com a cabeça. - Eu sei. Mãe diz cada vez que liga. - Mas não houve pedido de desculpas por estar esquivando minhas chamadas. - Sinto muito sobre a maneira como deixamos as coisas. Eu nunca quis te magoar. Eu pensei que estava fazendo um favor a você, poupando-a de se envolver. Sua boca apertada, e algo duro brilhou em seus olhos. - Eu não me importo de ser envolvida. Eu quero estar envolvida, você sabe. E teria sido ótimo! Estar em campo aos 15. Eu poderia ter uma carreira estelar. Pai ficaria muito orgulhoso. Eu escolhi minhas próximas palavras com muito cuidado para que ela não se ofender. - Sim, mas mais um ano com o papai vai ser realmente, um, estelar. Ele tem experiência e tanto que você vai obter o máximo que puder, acredite. Mesmo se você tiver que esperar por uma atribuição de 16, você ainda vai estar à frente do resto de nós.


Cada palavra que sai da minha boca me fazia sentir doente, mas Zoe parecia comprá-lo. Eu não estava incomodada por ela querer ser parte da causa, mas me matou saber que ela estava claramente fazendo isso para impressionar o nosso pai. - Eu suponho. E eu estou aprendendo muito. Eu gostaria de pelo menos ter alguma experiência de campo, mesmo se não é o meu próprio posto. É tudo teoria com o pai. Eu nunca vi um Moroi. - Tenho certeza que ele vai corrigir isso. - Eu não gostava de incentivar isso, mas pelo menos ela estava falando para mim. As luzes se apagaram, encerrando nossa conversa. Música de órgão encheu a sala, e o cheiro de incenso andaram ao redor de nós. Incenso e resina foram componentes comuns em magia, e minha mente foi imediatamente começando a fazer associações dos livros de magia que eu meticulosamente copiava. O incenso é usado para curar queimaduras. Ele também pode ser usado quando se molda divining ou depura feitiços. Eu imediatamente parei o pensamento. Mesmo se eu estava mantendo a mim mesmo, pensando sobre a magia no meio de um culto da igreja Alquimista era muito sacrilégio. Eu me mexi desconfortavelmente, perguntando-me o que todas essas pessoas pensariam se soubessem a verdade sobre mim: que eu praticava magia e tinha beijado um vampiro... Sacerdotes realizaram

Alquimistas

bênçãos

e

foram

chamados

ofereceram

conselhos

hierofantes. morais,

Eles

quando

necessário. No dia-a-dia, eles usavam ternos, mas para esta ocasião, o hierofante usava roupas que lembravam-me desconfortavelmente das vestes de alguns dos guerreiros. Foi mais um lembrete de nossa história compartilhada e talvez o nosso futuro comum. Marcus tinha razão.

Este

era

um

mistério

que

eu

tinha

que

resolver,

independentemente de onde eu estava em quebrar a tatuagem. Eu participava de serviços como este e desligava toda a minha vida e sabia que as orações latinas pelo coração. Eu cantava junto com o resto da congregação e escutei avidamente quando o


hierofante reafirmou nossos objetivos, sua voz ecoando através do sistema de som. Mesmo que a religião dos Alquimistas tinha conexões soltas ao cristianismo não havia menção de Deus ou Jesus ou mesmo o Natal. A maioria de seu sermão foi sobre como nós temos que ajudar a proteger a humanidade da tentação de Strigoi que oferecia profana imortalidade. Que aviso, pelo menos, não foi exagerada. Eu tinha ouvido histórias e visto até mesmo para mim o que aconteceu quando o homem decidiu servir os Strigoi. Os Strigoi prometeu transformar seus funcionários como uma recompensa. Aqueles seres humanos ajudou a espalhar seus Strigoi e tornaram-se monstros. Manter os vampiros no escuro, escondidos, era para o bem dos seres humanos fracos que não poderiam se proteger. Paguei especialmente atenção quando o hierofante mencionou o Moroi bruscamente em seu sermão, como um meio para um fim em derrotar o Strigoi. Ele não o fez exatamente inspirar sentimentos calorosos sobre eles, mas pelo menos ele não estava chamando por Moroi e dhampir ou destruição. Eu concordei com boa parte da mensagem, mas já não me encheu com o fogo que já teve. E quando o hierofante começou monótona a falar sobre dever, obediência, e o que era "natural", eu realmente comecei a me sentir desconectada. Eu quase desejei que houvesse mais conversa do divino, como você encontraria em um culto da igreja normal. Com tudo acontecendo na minha vida, eu não teria ocupado uma conexão com um poder superior. Às vezes, quando eu escutava o hierofante, eu me perguntava se tudo o que ele

estava

dizendo

tinha

acabado

de

ser

feito

por

um

grupo de pessoas sentadas na Idade Média. Sem mandato santo necessário. Eu me senti como uma traidora quando o serviço terminou. Talvez a piada de Adrian tinha razão: eu não precisava sequer de Marcus para quebrar a minha tatuagem e conexão com o grupo.


Olhando

para

os

meus

companheiros,

e

até

mesmo

os

Alquimistas ficou claro que eu estava sozinha. Todos eles pareciam cativados pelo sermão, devotados à causa. Eu

estava

novamente,

assustadoramente,

lembrando

dos

guerreiros e sua devoção fanática. Não, não, qualquer outra coisa que os Alquimistas são culpados, nós não temos nada a ver com esse tipo de comportamento desequilibrado. E ainda...era mais complicado do que isso, eu percebi. Os Alquimistas não atiram primeiro e perguntam depois ou fazem nossos membros lutarem entre si. Eramos civilizados e lógicos, mas que tinha uma tendência a fazer apenas o que foi dito. Essa foi a semelhança, que poderia ser perigoso. Zoe e meu pai saiu com Ian e eu. - Não é incrível. - ela perguntou. – Ouvindo que...Bem, isso só me faz tão feliz que papai decidiu levantar uma outra Alquimista na família. É bom para impulsionar nossos números. Tinha realmente sido a sua motivação? Ou será que foi porque ele

não

confiava

em

mim

depois

de

eu ter

ajudado

Rose?

Era muito irritante que a conversa que eu poderia ter com Zoe centrada em torno de retórica Alquimista, mas eu ia levá-la sobre o silêncio dos últimos meses. Em meu coração, eu desejava falar da maneira que costumava fazer. Eu queria de volta. Mesmo que ela tinha aquecido um pouco, que a familiaridade de idade que tinha uma vez existido entre nós se foi. - Eu gostaria que tivéssemos mais tempo. - eu disse a ela uma vez

que

nossos

grupos

estavam

prontos

para

participar

no

estacionamento. - Há tanta coisa que eu quero falar com você. Ela sorriu, e havia uma genuinidade nele que me aqueceu. Talvez a distância entre nós não foi irreparável. - Eu também. Sinto muito...bem, as coisas eram. Espero que temos algum tempo juntas em breve. Eu...Eu senti sua falta. – O que quase me quebrou para baixo, como fez o seu abraço.


- Nós vamos estar juntas em breve, eu prometo. Ian-quem meu pai agora parecia considerar como um futuro filho-de-lei- me levou de volta ao meu hotel e não conseguia parar de jorrar sobre o quão incrível que tinha sido conversar com Jared Sage. Quanto a mim, eu ainda podia sentir onde Zoe tinha me abraçado. Ian prometeu entrar em contato comigo de manhã sobre uma turnê dos arquivos. Então, estranhamente, ele fechou os olhos e inclinou-se para frente. Levei um momento para perceber que ele esperava um beijo de boa-noite. Sério? Foi assim que ele passou sobre ele? Se ele tivesse sequer beijado alguém antes? Mesmo Brayden tinha mostrado um pouco mais de paixão. E, claro, nem cara medido até Adrian. Quando eu não fiz nada, Ian finalmente abriu os olhos. Dei-lhe um abraço com o casaco e disse a ele como eu estava feliz que ele conheceu meu pai. Isso pareceu satisfazê-lo. Adrian fez o seu check-in noturno comigo uma vez que eu estava dormindo mais tarde. Naturalmente, ele queria saber sobre o meu vestido. Ele também ficava tentando descobrir como exatamente eu tinha ganhado mais de Ian e parecia divertido com os poucos detalhes que

eu

decidi dar-lhe.

Mas,

principalmente, eu não

conseguia parar de falar sobre Zoe. Adrian logo deu-se sobre os outros tópicos e simplesmente me ouviu. - Ela falou comigo, Adrian! - Eu andava pela sala de recepção, apertando as mãos de excitação. - E ela não estava louca. Ao final, ela estava feliz em me ver. Você sabe o que é isso? Quer dizer, eu sei que você não tem irmãos ou irmãs, mas ter alguém que você não tenha visto em algum tempo recebê-lo de volta? - Eu não sei o que é. - disse ele calmamente. - Mas eu posso imaginar. Eu estava muito presa na minha própria alegria no momento, mas depois, eu me perguntava se ele estava falando sobre sua mãe encarcerada.


- É bom vê-la tão feliz. - acrescentou. - Não é que você foi infeliz ultimamente, mas você tinha muito a se preocupar. Eu não pude deixar de rir com isso e cheguei a um impasse. - Você está dizendo que bruxas más e espionagem são estressantes? - Nah. - Ele se aproximou de mim. - Tudo em um dia de trabalho para nós. Mas eu vou fazer o meu caminho para a cama agora. Você parece que você pode passar sem mim esta noite. Ele me visitou todas as noites desde o sonho de Verônica. A maioria das viagens eram curtas, agora, mas eu ainda não sabia que era muito esforço e espírito para ele. - Obrigada. Eu sinto que eu não posso dizer para você o suficiente. - Você não tem que dizer isso a todos, Sage. Boa sorte amanhã. Certo. Roubar informações secretas no topo de uma instalação altamente seguro. - Obrigada. - eu disse de novo. Um pouco do meu humor esmaecido, mas não tudo. - Não importa o que acontece, porém, remendando as coisas com Zoe me faz sentir como esta missão já é um sucesso. - Isso é porque você não foi pego. - Ele segurou meu rosto com as mãos e inclinou-se. - Veja que você não é. Eu não quero ter que sonhar visitá-la na prisão...ou onde quer que seja que Alquimistas más vão. - Hey, pelo menos eu tenho você por companhia, certo? Ele me deu um balançar de cabeça triste, e o sonho desapareceu em torno de mim.


Capítulo 20 Ian me acordou na manhã seguinte com um telefonema superprecoce. No início, eu pensei que talvez ele esperava esgueirar-se antes que os outros alquimistas acordassem, mas descobri que ele só queria tomar café antes. Vendo que ele tinha conseguido o acesso, eu não poderia recusar. Ele tinha originalmente oferecido ir para a academia no final da manhã, mas eu o convenci a ir mais perto do meio-dia. Significava demorar mais no café da manhã, mas valeu a pena o sacrifício. No entanto, eu estava estritamente de volta com a calça cáqui e um top de linho. Espionagem de lado, vestidos de cocktail e buffet de café da manhã só não misturam. Como uma concessão, no entanto, desabotoei dois botões no topo da minha camisa.

Abertamente

praticamente

usando

classificado,

e

isso Ian

para pareceu

a

instalação feliz

com

estava o

agir

"escandalosamente". Domingo na instalação foi muito mais tranqüilo do que na noite anterior. Embora os Alquimistas nunca realmente tem uma ruptura de suas funções, a maioria do centro trabalhavam horas normais de expediente durante a semana. Eu não tinha dificuldades no check-in através da recepção principal, mas como previsto, tivemos um pequeno atraso para chegar à área de segurança. O cara de plantão não era o amigo que lhe devia um favor a Ian. Tivemos que esperar por ele para sair da sala de volta e, mesmo assim, levou a Ian um pouco de persuasão para convencer seu colega para me deixar entrar. Eu acho que era óbvio para ambos que Ian estava apenas tentando me impressionar e finalmente, o primeiro cara cedeu ao que parecia ser uma missão inofensiva. Afinal, eu era uma alquimista do companheiro, e eu estava apenas indo para um passeio numa biblioteca. O que poderia dar errado?


Eles revistaram minha bolsa e me fizeram passar por um detector de metais. Eu tinha duas passagens pela mente que eu poderia realizar sem componentes físicos, assim pelo menos eu não tenho que explicar nada de cristais ou ervas. A parte mais complicada foi

um

pen

drive

que

eu

tinha

escondido

no

meu

sutiã.

Eles podem não ter me questionado levando um na minha bolsa, mas eu não queria correr o risco de ser chamada para fora. Dito isto, se o pen drive aparecesse no scan, eu ia ter um tempo muito mais difícil de explicar por que eu estava escondendo. Eu fiquei tensa quando entrei sob o scanner, preparando-me para executar ou tentar uma jogada do Wolfe. Mas, como se esperava, foi muito pequeno para encontrar, e nos deixaram passar. Isso era um obstáculo a menos embora não me deixava menos tensa. - Será que você acaba trocando isso por dinheiro que ele lhe devia? - Eu perguntei uma vez que Ian e eu estávamos descendo para os arquivos. - É. - Ele fez uma careta. - Eu tentei apenas trocá-lo por metade do que devia, mas era tudo ou nada para ele. - Então, quanto é que esta viagem lhe custar? - Cinquenta dólares. Vale a pena, no entanto. - ele acrescentou rapidamente. O jantar custou aproximadamente o mesmo. Isso foi se transformando em um fim de semana caro para Ian, especialmente desde que eu era a única realmente colhendo os frutos. Eu não poderia ajudar, mas me sinto um pouco culpada e tinha que me lembrar mais uma vez que isso era para uma causa importante. Eu teria oferecido lhe pagar por tudo isso, mas algo me dizia que iria contrariar tudo o que eu vinha trabalhando para conseguir com os meus "encantos femininos." Os arquivos foram selados com fechaduras eletrônicas que se abriu quando Ian digitalizou sua chave de cartão. Quando entramos, eu quase esqueci que vir aqui era apenas uma cobertura para o plano


maior. Livros e livros e livros me cercou, bem como pergaminhos e documentos escritos em pergaminho. Itens antigos e delicados foram selados sob vidro, com notas e sinais contra uma parede sobre como acessar cópias digitais deles nos computadores. Um casal de alquimistas, jovem como nós, trabalhavam em tabelas e foram transcrever livros antigos em seus laptops. Um deles olhou animado sobre seu trabalho, o outro cara parecia entediado. Ele parecia acolher a distração de nós entrarmos. Devo ter usado uma expressão apropriadamente impressionada porque quando eu me virei para Ian, ele estava me olhando com orgulho. - Muito legal, hein - Aparentemente sendo um bibliotecário glorificado acabara de se tornar um trabalho muito mais excitante para ele. - Siga-me. Ele não tem que me dizer duas vezes. Começamos a explorar toda a extensão da sala de arquivos, que se estendia muito mais antiga do que eu inicialmente imaginei. Os Alquimistas valorizavam o conhecimento, e era óbvio que a partir desta coleção, que datava de séculos atrás. Demorei-me nas prateleiras, querendo ler cada título. Eles vieram em diferentes idiomas e cobriram uma ampla gama de tópicos úteis para o nosso comércio: química, história, mitologia, o sobrenatural...era estonteante. - Como você organiza isso? - Eu perguntei. - Como você pode encontrar alguma coisa? Ian apontou para pequenos cartazes nas prateleiras que eu não tinha notado. Eles suportaram códigos alfanuméricos que não faziam parte de nenhum sistema de arquivamento que eu reconheci. - Estes catálogos. E aqui está o diretório. Ele me levou a um painel touch screen embutido na parede. Liguei-o e fui presenteada com um menu de opções: AUTOR, período de tempo, ASSUNTO, linguagem. Toquei assunto e fui conduzida através de uma série de temas mais e mais específica até que eu finalmente percebi que eu estava procurando "Magic", na seção


sobrenatural. Ele me deu uma lista de títulos, cada um com o seu próprio código no sistema organizacional. Para minha surpresa, havia realmente um número de livros sobre magia, e eu queimei com curiosidade. Será que os Alquimistas tem registros de bruxas? Ou era tudo especulação? Muito provavelmente estes eram livros morais que pregam o erro dos seres humanos, mesmo considerando tais proezas. - Posso ver alguns dos livros? - Eu perguntei a ele. - Quero dizer, eu sei que não pode sentar e ler toda a tarde, mas há tanta história...Eu meio que quero ser uma parte dela. Eu ficaria muito, muito grata. Eu realmente não acho que iria funcionar por duas vezes, mas funcionou. - Tudo bem. - Ele apontou para um pequeno escritório na parte de trás. - Eu preciso recuperar o atraso em algumas coisas. Você quer encontrar aqui em uma hora? Agradeci profusamente e depois voltei para a tela de toque. Eu ansiava para investigar os livros de magia, mas tinha que me lembrar por que eu estava aqui. Enquanto eu estava nos arquivos, assim como eu poderia fazer alguma pesquisa que iria ajudar a nossa causa. Folheei os menus até que localizei a seção sobre a história dos Alquimistas. Eu esperava encontrar uma referência a caçadores de vampiros em geral ou os guerreiros especificamente. Sem sorte. O melhor que eu podia fazer era seguir os códigos de prateleiras e prateleiras detalhando a formação do nosso grupo. A maior parte dos livros eram densos e escritos em um estilo antiquado. Os realmente antigos não eram ainda em Inglês. Eu deslizava um pouco e logo percebi que uma tarefa como esta deve demorar mais de uma hora. Os livros mais novos não tinham nenhuma menção dos guerreiros, o que não me surpreende, já que essa informação era agora encoberta. Se eu estava indo para localizar todas as referências a caçadores de vampiros, seria nos


livros mais antigos. Eles não tinham muito na forma de tabelas de conteúdo ou índices, e não havia nenhuma maneira que eu poderia fazer uma leitura completa. Lembrando minha verdadeira missão aqui, eu coloquei os livros de lado depois de cerca de 10 minutos e procurei Ian. Essa tensão de antes voltou, e eu comecei a suar. - Ei, há um banheiro aqui? Orei para que não houvesse. Eu tinha visto um no corredor, quando tinha chegado a este nível. Parte do meu plano dependia de sair dos arquivos. - No final do corredor, pelas escadas. - disse ele. Algum problema de trabalho tinha requerido a sua atenção, e se a minha sorte se realizasse, seria tirar os olhos do relógio. - Bata na porta quando você voltar. Vou dizer aos escribas para deixar você entrar. Eu tinha um nó de ansiedade no estômago durante todo o dia que eu estava tentando ignorar. Agora não há como fugir disto. Era hora do impensável. Sutileza não tinha nenhum papel na segurança Alquimista. O corredor

continha

câmeras

em

cada

extremidade.

Eles

se

enfrentaram, proporcionando um olhar longo e contínuo do corredor. Os banheiros eram localizados em uma extremidade do corredor, quase diretamente sob uma câmera. Entrei no banheiro feminino e verifiquei que não havia pessoas ou outras câmeras dentro. Pelo menos os Alquimistas permitiram alguma privacidade. A magia de invisibilidade foi fácil. Sair foi um pouco mais difícil. A posição das câmeras me fez pensar que a porta do banheiro estava muito nivelada com a parede de uma câmera para realmente ter uma boa olhada nele. A porta se abriu para dentro, então eu era capaz de escapar e me sentir confiante que nenhuma câmera tinha pego uma abertura de porta fantasmagórica. A porta para a escada foi a verdadeira besta. Era no intervalo de uma das câmaras. A Sra. Terwilliger me disse que o feitiço de invisibilidade me protegeriade


vídeo e cinema. Então, eu não tinha medo de ser descoberta. Eu simplesmente tinha que correr o risco da câmera gravando a abertura da porta por si só. Embora eu sabia que seguranças assistiam transmissões ao vivo das câmeras, havia muitas para eles examinarem a cada segundo. Se nenhum movimento súbito apareceu em um presente, eu duvidava que qualquer guarda notaria. E se as coisas ficassem calmas a este nível, ninguém teria qualquer razão para rever as imagens. Mas o nível das operações...bem, se tudo correr conforme o planejado, este domingo sonolento estava prestes a ficar muito mais emocionante lá. Eu deslizei dentro e fora da escada, abrindo a porta com absolutamente o mínimo de espaço possível. O nível de operações era ainda mais seguro do que os arquivos, com pesadas portas de aparência industrial que era necessário ambos os cartões-chave e códigos. Eu não tinha ilusões sobre rachaduras de nada. A entrada no escritório de segurança, assim como o resto desta tarefa, contou com uma estranha mistura de lógica e sorte. A única coisa que poderia contar com Alquimistas era confiabilidade. Eu sabia como horários tendem a trabalhar. Pausas para o almoço eram tomadas na hora do almoço típico: 11, 12, e 13. Foi por isso que eu pedi a Ian para agendar a nossa visita a este tempo, em que eu poderia ter certeza de que trabalhadores relativamente certos estariam se movendo dentro e fora da sala. Meio-dia era a cinco minutos de distância, e eu cruzei meus dedos

torcendo

para

que

alguém

saísse

em

breve.

Como se viu, alguém entrou. Um homem veio assobiando pelo corredor.

Quando

chegou

à

porta,

o

cheiro

de

fast-food

de

hambúrgueres deu sua escolha de almoço. Prendi a respiração enquanto examinava seu cartão e uma sequência de números. O bloqueio se abriu, e ele empurrou a porta aberta. Eu corri atrás dele e passei pela porta sem ter que pegá-la ou abri-la mais longe.


Infelizmente, ele parou mais cedo do que eu esperava, e eu esbarrei contra ele. Eu imediatamente me encolhi, e ele olhou em volta, assustado. Por favor, não ache que há uma pessoa invisível aqui. Como isso seria terrível ter chegado tão longe, só para ser detectada agora? Felizmente, subterfúgio mágico não era a primeira coisa que os Alquimistas viravam-se para dizer ser uma razão por algo. Depois de alguns momentos mais de confusão, ele encolheu os ombros e chamou uma saudação a um de seus colegas de trabalho. Wade havia descrito o quarto perfeitamente. Monitores cobriam uma parede, lançando para trás e para frente entre visões de câmera diferentes. Um par de guardas mantinha um olho na filmagem, enquanto outros trabalhavam afastados em computadores. Wade também me contou que a estação de trabalho continha os arquivos que eu precisava. Aproximei-me com cuidado para evitar qualquer contratempo de contato. Uma mulher já estava sentada na estação. - Eu estava pensando em carryout tailandês. - disse um de seus colegas de trabalho. - Eu só tenho que terminar este relatório. - Não! Ela estava prestes a sair para almoçar. Para o meu plano de trabalho, que não poderia acontecer. Se ela saisse, ela bloquearia seu computador. Eu precisava deele acessível para este plano de trabalho. Ela estava atrasada em seu almoço, o que significava que eu tinha que agir agora. Este

quarto

não

estava

isento

de

vigilância.

Mesmo

os

observadores tinham observadores. Felizmente,

havia

somente

uma

câmera.

Selecionei

um

computador vazio, com uma tela de frente para a câmera e fiquei atrás dele. Fios e cabos serpenteou fora do painel do computador, e os fãs zumbiam constantemente dentro. Eu descansei minha mão no painel e fiz uma avaliação mais rápida. Atrás do computador estava fora de visão da câmera, mas não seria bom se ele estava no meio de


alguém da linha de visão. Todos pareciam preocupados, no entanto. Era hora de agir. Eu criei uma bola de fogo pequena. Eu mantive-o na palma da minha mão e descansei ao lado do painel. Apesar de seu tamanho, eu convoquei calor tanto quanto eu poderia. Não é bem azul, mas estava chegando lá. Ela entrou em vigor rapidamente, e em questão de segundos, os cabos e painel começou a derreter. O cheiro de plástico queimado rolou sobre mim, e fumaça saiu para cima. Foi o suficiente. Eu deixei o desbotamento de bola de fogo, e então eu corri para fora do computador na hora certa. Todo mundo já tinha percebido o computador em chamas. Um alarme disparou. Houve gritos de surpresa, e alguém gritou para um extintor de incêndio. Todos se levantaram de suas cadeiras para se apressar e procurar, incluindo a mulher

que

tinha

estado

no

computador

que

eu

precisava.

Não havia tempo a perder. Sentei-me imediatamente em sua cadeira e liguei o pen drive. Com as mãos enluvadas, eu agarrei o mouse e começei a clicar através de diretórios. Wade não tinha sido capaz de ajudar muito neste momento. Nós só esperavamos que encontrar os arquivos seria intuitivo. Todo o tempo, eu estava consciente do tempo e que alguém poderia notar um mouse movendo-se por si só. Mesmo depois de apagar o fogo, os Alquimistas giravam em torno do computador queimado, tentando descobrir o que havia acontecido. Superaquecimento

não

era

incomum,

mas

um

incêndio

acontecendo rapidamente era definitivamente estranho. E estes foram os computadores que continham informações altamente confidenciais. Eu me senti como se houvesse um milhão de diretórios. Eu verifiquei alguns candidatos prováveis, apenas para bater em um beco sem saída. Cada vez que eu bati em um beco sem saída, eu silenciosamente xingava o tempo perdido. Os outros Alquimistas não iam ficar longe para sempre! Finalmente, depois de procurar mais estressante, eu encontrei um diretório de imagens de vigilância de


idade. Ele continha pastas ligadas a cada câmera no prédio, incluindo um CHECKPOINT marcado PRINCIPAL. Eu cliquei e encontrei arquivos nomeados por data. Wade tinha me dito que, eventualmente, esses arquivos foram apagados e se mudou para os arquivos, mas no dia que eu precisava ainda estava aqui. As câmeras gravaram um quadro a cada segundo. Multiplicado por 24 horas, que fez um enorme arquivo, mas não quase a filmagem contínua que o tamanho criaria. O arquivo se encaixava no meu pen drive, e eu comecei a copia-lo. A ligação foi rápida, mas ainda assim foi uma transferência grande. A tela disse-me que tinha dez segundos para terminar. Dez segundos. O proprietário do computador pode estar de volta até lá. Permiti-me uma outra olhada nos Alquimistas. Eles ainda estavam confundidos pelo mistério. A coisa sobre cientistas como nós era que uma falha tecnológica como esta era fascinante. Além disso, nunca ocorreu a nenhum deles procurar uma explicação sobrenatural. Lançaram em torno das teorias uns com os outros e começou a levar o computador para além de derretido. Meu arquivo terminou de copiar, e eu pulei da cadeira, assim quando a mulher começou a caminhar de volta para ele. Eu tinha sido totalmente preparada para arriscar outra "porta fantasma" enquanto eles estavam distraídos, mas o alarme de incêndio tinha convocado os outros no corredor. As pessoas entravam e saíam com tal freqüência que não tive problemas para segurar a porta aberta apenas o tempo suficiente para me esgueirar através dela. Eu praticamente corri de volta para o nível de arquivos e tive que me acalmar quando eu reentrei no banheiro. Eu tirei a magia de invisibilidade e esperei minha respiração se acalmar. O pen drive estava de volta em meu sutiã, as luvas de volta na minha bolsa. Estudando-me no espelho, eu decidi que eu parecia inocente o suficiente para retornar aos arquivos. Um dos escribas, deixe-me entrar. Era a menina absorta, e ela me deu um olhar que dizia que abrir a porta era um desperdício de


seu tempo. Ian ainda parecia estar envolvido com o trabalho na parte de trás, o que foi um alívio. Eu tinha ido muito mais do que uma viagem de banho seria necessário e tinha medo que ele me perguntava onde eu estava. As coisas poderiam ter corrido mal se tivesse enviado a garota para me encontrar, tanto porque eu não estava no banheiro e porque ela estaria muito irritada com a interrupção. Mais na seção de história, eu estava sentada no chão com um livro escolhido ao acaso, que eu só fingia ler. Eu estava muito ansiosa e tensa para analisar as palavras, não importa quantas vezes eu tentei tranquilizar-me. Não havia razão para os Alquimistas suspeitar que e havia causado o incêndio. Não havia nenhuma razão para que eles pensem que eu tinha roubado dados. Não havia nenhuma razão para eles pensar que eu estava ligada a isso. Ian me encontrou quando a hora estava em cima, e eu fingi decepção em ter que sair. Na realidade, eu não podia sair do edifício rápido o suficiente. Ele me levou para o aeroporto e conversava sem parar sobre a próxima vez que ia começar a ver uns aos outros. Eu sorri e acenou de forma adequada, mas lembrei-lhe que o nosso trabalho tinha que vir em primeiro lugar e que a minha saída foi particularmente demorada. Ele estava obviamente desapontado, mas não podia negar a lógica. O bem maior dos Alquimistas veio primeiro. Ainda

melhor,

ele

não

tentou

um

daqueles

beijos

horríveis

novamente, embora ele fez sugerir conversarmos algumas vezes por vídeo. Eu disse-lhe para me enviar, secretamente jurando que nunca abriria qualquer mensagem dele. Eu não relaxei até que o avião decolou, quando o potencial para um ataque Alquimista parecia muito baixo. A parte mais paranóica de mim estava preocupada que poderia haver uma festa esperando por mim no aeroporto de Palm Springs, mas por agora eu tinha algumas horas de paz. Eu só achava que eu ia entregar a unidade para Marcus e deixar por isso mesmo. Mas, agora, com ele em meu poder, minha


curiosidade fez o melhor de mim. Eu tinha que chegar ao fundo deste mistério. ZJ que tinha visitado os alquimistas realmente era mestre Jameson? Com café fresco na mão, eu abri o arquivo no meu laptop e começei a assistir. Mesmo com um quadro por segundo, o filme passou para sempre. A maior parte era nada além de um posto de controle tranquilo, com as partes mais emocionantes quando os guardas estavam sendo mudados de posição ou tinham pausas. Abundância de alquimistas passaram dentro e fora, mas em relação ao período de tempo em geral, eles eram poucos e distantes entre si. Ian realmente mostrou-se uma vez, antes de começar o seu turno. Eu nem estava no meio quando o avião começou a descer. Desanimada, resignei-me para uma noite de mais do mesmo, quando voltei para o dormitório. Pelo menos eu seria capaz de fazer um café decente para mim. Eu estava quase tentada a apenas empurrar o arquivo para Marcus amanhã e deixá-lo lidar com a sua revisão...mas uma voz irritante instava-me a descobrir por mim mesma. Não era só por causa da minha curiosidade também. Eu realmente não acho que Marcus iria fazer nada, mas se eu pudesse ter a certeza de que estava na tela. Ele não estava naquelas vestes over-the-top, mas não havia nenhuma dúvida sobre a barba de Mestre Jameson. Ele usava roupas casual e parecia estar sorrindo para algo que um homem ao seu lado estava dizendo. O homem tinha um lírio em sua bochecha, mas não era um que eu conhecia. Mestre Jameson. Com os Alquimistas. Marcus e sua conspiração de homens estavam certos. Uma parte desconfiada de mim queria acreditar que esta era uma configuração, que talvez tivessem alterado e plantaram isso. Mas, não. Eu tinha tomado isso sozinha, fora de um servidor Alquimista. Era possível que Marcus tivesse insiders mais executando recados para ele, mas isso não tinha sido fácil para mim, mesmo com a ajuda mágica. Além


disso, por que Marcus iria ter tantos problemas para me fazer acreditar nisso? Se fosse de alguma forma distorcida para me juntar a ele, havia um milhão de outras maneiras que ele poderia ter tentado isso, com provas muito mais fácil de falsificar. Algo no meu intestino me disse que era real. Eu não tinha esquecido as semelhanças em nossos rituais ou como os guerreiros queriam que nossos grupos se fundissem. Talvez os Alquimistas e os guerreiros não eram melhores amigos, mas alguém tinha pelo menos chamado Mestre Jameson para uma reunião. A questão era, o que tinha acontecido nessa reunião? Tinha o Alquimista na filmagem enviado algo a Jameson? Estavam os dois juntos agora? Independentemente do resultado, esta era a prova inegável de que os Alquimistas e guerreiros ainda estavam em contato. Stanton tinha me dito que apenas mantinha um olho neles e não tinha interesse em ouvi-los. Mais uma vez, eu tinha sido enganada.


Capítulo 21 Uma parte de mim implorou para que fosse um erro. Eu assisti o filme mais três vezes, jogando teorias malucas na minha cabeça. Talvez Mestre Jameson tinha um irmão gêmeo que não era um fanático que odeia vampiros. Não. O vídeo não mentiu. Apenas os Alquimistas o fizeram. Eu não podia ignorar isso. Eu não podia esperar. Eu precisava resolver isso imediatamente. Se não antes. Enviei um texto para Marcus logo que meu avião estava no chão: Nós nos encontramos hoje. Nenhum jogo. Sem enrolação. HOJE À NOITE. Não houve resposta dele na hora que eu voltei para o meu dormitório. O que ele estava fazendo? Lendo O Apanhador no Campo de Centeio de novo? Se eu soubesse onde ele estava escondido, eu teria ido para lá em seguida. Não havia nada que eu pudesse fazer além de esperar, então liguei para a Sra. Terwilliger tanto como uma distração e para comprar alguma liberdade. - Nada a relatar. - ela me disse quando ela respondeu. - Nós ainda estamos apenas observando e esperando, embora, seu charme extra está quase completo. - Não é por isso que eu estou ligando. - disse eu. - Eu preciso de vocêpara uma extensão do toque de recolher essa noite. - Eu me senti mal por pedir algo a ela totalmente não relacionado, mas eu tinha que fazer isso. - Oh? Você está me pagando uma visita inesperada? - Er, não. Isso é outra coisa. Ela claramente pensou que era engraçado. - Agora você usa o meu apoio para assuntos pessoais? - Você não acha que eu ganhei isso? - Retruquei. Ela riu, algo que eu não tinha ouvido dela em um tempo. Ela concordou com meu pedido e prometeu ligar para a recepção do


dormitório imediatamente. Assim que desligou, meu telefone soou com a mensagem esperada de Marcus. Tudo que o texto continha era um endereço que era uma hora e meia de distância. Supondo que ele estava pronto para mim agora, peguei minha bolsa de mensageiro e fiquei na estrada. À luz dos meus encontros anteriores com Marcus, eu não teria ficado surpresa se ele me levasse a uma loja de departamento ou bar de karaokê. Em vez disso, eu cheguei em uma loja de música de vintage, do tipo que vendia discos de vinil. Uma grande placa FECHADO pendurado na porta, enfatizada por janelas escuras e um estacionamento vazio. Eu saí do meu carro e verifiquei o endereço, me perguntando se o meu GPS me levou loca errado. Meu zelo deu lugar ao nervosismo. Quão descuidado foi isso? Uma das primeiras lições de Wolfe era para evitar essas situações, mas eu estava aqui, me expondo. Então, das sombras, ouvi meu nome num sussurrou. Virei na direção do som e vi Sabrina materializa-se fora da escuridão, carregando uma arma, como de costume. Talvez se eu lhe mostrasse o do meu porta-luvas, poderíamos ter um momento de ligação. - Vá ao redor de volta. - disse ela. - Bata na porta. Sem outra palavra, ela voltou para as sombras. A parte de trás do prédio parecia o tipo de lugar que gritava assalto, e me perguntei se Sabrina viria em meu auxílio, se necessário. Bati na porta, esperando algum tipo de situação filtrada onde eu seria convidada para uma senha como "iguana enferrujada." Em vez disso, Marcus abriu a porta, pronto, com um daqueles sorrisos que mantinha esperando que ganharia mais de mim. Estranhamente, esta noite ele me deixou à vontade. - Ei, linda, vamos lá dentro. Eu passei por ele e descobri que estávamos na sala dos fundos da loja, que estava cheia de mesas, estantes e caixas de discos e


fitas cassete. Wade e Amelia estavam contra uma parede em posições espelhadas, os braços cruzados sobre o peito. Marcus fechou a porta atrás de mim e trancou-a. - Fico feliz em ver você de volta em uma única peça. A julgar pelo seu texto e seu rosto, você encontrou algo. Toda a raiva que eu estava segurando desde a minha descoberta explodiu. Eu recuperei o meu laptop da minha bolsa e tive que resistir à vontade de batê-lo contra uma mesa. - Sim! Eu não posso acreditar. Você estava certo. Sua teoria louca e absurda estava certa. Os Alquimistas estão mentindo! Ou, bem, alguns deles. Eu não sei. Metade deles não sabe o que a outra metade está fazendo. Eu esperava alguma observação presunçosa de Marcus ou pelo menos um "eu te disse isso." Mas o seu belo rosto estava desenhado e triste, lembrando-me da imagem que eu tinha visto dele e Clarence. - Droga. - ele disse suavemente. - Eu estava esperando que você voltasse com um monte de vídeo chato. Amelia, vai trocar com Sabrina. Eu quero que ela veja isso. Amelia olhou desapontada por ser mandada embora, mas ela não hesitou em obedecer a sua ordem. No tempo em que Sabrina levou para voltar eu já tinha o vídeo no momento certo. Eles se reuniram em volta de mim. - Prontos. - eu perguntei. Eles concordaram, e eu podia ver uma mistura de emoções em todos eles. Aqui tinha a teoria da conspiração que todos eles estavam esperando para provar. Ao mesmo tempo, as implicações eram surpreendentes, e os três estavam bem conscientes de quão perigoso o que eles estavam prestes a ver poderia ser. Eu joguei o vídeo. Foi apenas alguns segundos, mas eles eram tão poderosos que a figura barbada aparecia na tela. Eu ouvi uma entrada de ar de Sabrina.


- É ele. Mestre Jameson. - Ela olhou entre todos os nossos rostos. - Esse é realmente o Lugar Alquimista? Ele realmente existe? - Sim. - disse Wade. – E esse é Dale Hawthorne com ele, um dos diretores. Isso provocou uma memória. - Eu conheço esse nome. Ele é um dos pares de Stanton, certo? - Muito bonito. - É possível que ela não poderia saber sobre uma visita como esta? - Eu perguntei. - Mesmo em seu nível? Foi Marcus quem respondeu. - Talvez. Embora, passeando com ele bem ali, mesmo ao nível do seguro é muito corajoso. Mesmo que ela não sabe sobre a reunião, é uma aposta segura que os outros fazem. Se fosse completamente obscuro, Hawthorne teria cse reunido fora do local. Claro, a lista segura significa que este não era a céu aberto também. Assim, era possível que Stanton não tivesse mentido para mim, bem, pelo menos não sobre os Alquimistas estarem em contato com os Guerreiros. Ela certamente mentiu sobre os Alquimistas sabendo sobre Marcus desde que ele disse que ele era uma figura notória para a maioria deles. Mesmo que ela era ignorante sobre o mestre Jameson, não muda o fato de que outros alquimistas importantes estavam mantendo algum contato perigoso. Talvez eu não tenha sempre

osseus procedimentos, mas eu queria desesperadamente

acreditar que eles estavam fazendo o bem no mundo. Talvez eles estavam.

Talvez

eles

não

estavam.

Eu

não

sei

mais.

Quando eu arrastei meus olhos a partir do quadro congelado de Mestre Jameson, encontrei Marcus me observando. - Você está pronta? - Perguntou ele. - Pronta para quê? Ele caminhou até a outra mesa e voltou com um pequeno frasco. Quando ele abriu, eu vi um pequeno frasco de líquido prata e uma seringa.


- O que é...oh. – A realização me bateu. - Esse é o sangue que vai quebrar a tatuagem. Ele acenou com a cabeça. - Puxando os elementos fora cria uma reação que transforma-o em prata. Leva alguns anos, mas, eventualmente, o ouro em sua pele vai desaparecer e a prata também. Todos eles estavam olhando para mim com expectativa, e eu dei um passo para trás. - Eu não sei se estou pronta para isso. - Por que esperar? - Perguntou Marcus. Ele apontou para o laptop. - Você já viu isso. Você sabe o que é capaz. Você pode mentir para si mesmo? Você não quer ir para a frente com os olhos abertos? - Bem... sim, mas eu não sei se estou pronta para ter alguma substância estranha injetada em mim. Marcus enxeu a seringa com o líquido de prata. - Eu posso demonstrar na minha tatuagem, se isso vai fazer você se sentir melhor. Ele não vai me machucar, e você pode ver que não há efeitos colaterais terríveis. - Nós não sabemos com certeza que eles fizeram alguma coisa para mim. - protestei. Ele tinha um argumento lógico, mas eu ainda estava com medo de tomar este passo. Eu podia sentir minhas mãos tremendo. - Isso pode ser um desperdício. Pode não haver nenhuma compulsão de lealdade ao grupo em mim. - Mas você também não sabe com certeza. - ele respondeu. - E há sempre um pouco de lealdade colocada na sua tatuagem inicial. Quero dizer, não o suficiente para te tornar algum robô escravo, mas ainda assim. Você não se sentiria melhor sabendo que tudo se foi? Eu não conseguia tirar os olhos da agulha. - Será que vou me sentir diferente? - Não. Embora você poderia ir até alguém na rua e começar a contar-lhes sobre vampiros. - Eu não poderia dizer se ele estava


brincando ou não. - Então, você apenas seria jogada em uma ala psiquiátrica. Eu estava pronta para isso? Eu estava realmente pronta para dar o próximo passo para me tornar parte dos homens felizes de Marcus? Eu tinha passado no teste. Claramente, este grupo não era inútil. Eles tinham os olhos sobre os alquimistas e os guerreiros. Eles também aparentemente tinham os melhores interesses dos Moroi no coração. O Moroi, ou, mais especificamente, Jill. Eu não tinha esquecido a observação improvisada de Sabrina sobre os guerreros sendo interessados em uma garota desaparecida. Quem mais poderia ser, a não ser Jill? E esse cara Hawthorne têm acesso a sua localização? Teria ele passado para Mestre Jameson? E será que esta informação coloca

aqueles

ao

seu

redor

em

risco,

como

Adrian?

Eram perguntas que eu não tinha as respostas, mas eu tinha que descobrir. - Tudo bem. - eu disse. - Faça isso. Marcus não perdeu tempo. Eu acho que ele tinha medo que eu mudasse de ideia, o que, talvez, não era um medo infundado. Senteime em uma das cadeiras e inclinei a cabeça para o lado para que ele tivesse acesso a minha bochecha. Wade gentilmente segurou minha cabeça com as mãos. - Só para ter certeza de que ficará parada. - ele disse se desculpando. Antes de Marcus começar, eu perguntei. - Onde aprendeu a fazer isso? Seu rosto tinha estado solene com a tarefa à frente, mas a minha pergunta fez ele sorrir novamente. - Eu não estou tecnicamente tatuando você, se é isso que você está preocupada. - disse ele. Eu estava realmente preocupada com um monte de coisas. - Estas são apenas algumas pequenas injeções, apenas como sendo re-coberto.


- O que tem sobre o processo em si? Como você descobriu sobre ele? Provavelmente foi uma pergunta que eu deveria ter perguntado antes de me sentar nesta cadeira. Mas eu não esperava estar fazendo isso tão cedo, ou de repente. - Um amigo meu Moroi teorizou sobre ele. Ofereci-me para ser uma cobaia, e funcionou. - Ele mudou a modalidade do negócio de novo e levantou a agulha. - Pronta? Eu respirei fundo, sentindo como se eu estivesse em pé na borda de um precipício. Hora de saltar. - Vá em frente. Doeu tanto quanto re-cobrindo doía, apenas um número de pequenas picadas na minha pele. Desconfortável, mas não é realmente dolorosa. Na verdade, não era um processo longo, mas parecia que ele demorou uma eternidade. Todo o tempo, eu ficava me perguntando: O que você está fazendo? O que você está fazendo? No último, Marcus recuou e me olhou com os olhos brilhando. Sabrina e Wade sorriram também. - Lá vai você. - disse Marcus. - Bem-vinda Sydney. Eu levei o meu espelho compacto da minha bolsa para verificar a tatuagem. Minha pele estava rosa de perfuração da agulha, mas se este processo continuou a ser como re-tintagem, a irritação iria desaparecer em breve. Caso contrário, o lírio parecia inalterado. Eu também não sinto que mudou no interior. Eu não queria invadir a instalação Alquimista e exigir justiça ou qualquer coisa assim. Levando-o em seu desafio de dizer a um forasteiro sobre vampiros era provavelmente a minha melhor aposta para ver se a minha tatuagem tinha sido alterada, mas eu realmente não sentia vontade de fazer isso. - Só isso? - Eu perguntei. - É isso aí. - disse Marcus. - Uma vez que a temos selada, você não terá que se preocupar.


- Eu não estou indo selá-la. Todos os sorrisos desapareceram. Marcus parecia confuso, como se ele pudesse ter ouvido. - Você tem que selar. Estamos indo para o México na próxima semana. Uma vez feito isso, os alquimistas nunca vão ser capazes de chegar até você de novo. - Eu não estou indo selá-la. - repetia. - E eu não estou indo para o México. - Fiz um gesto em direção ao meu laptop. - Olha o que eu fu capaz de fazer! Se eu ficar onde eu estou, eu posso manter e descobrir mais. Eu posso descobrir o que mais os Alquimistas e ois guerreiros estão fazendo juntos. - Eu posso descobrir se Jill está em perigo. - Conseguir forma permanente e me tornar um pária mata todas essas oportunidades para mim. Não há como voltar depois disso. Eu acho que Marcus quase sempre tem o seu caminho, e este novo desenvolvimento totalmente o pegou desprevenido. Wade pegou o argumento. - Não há como voltar agora. Você está deixando um rastro de migalhas de pão. Olha o que você fez. Você já fez perguntas sobre Marcus. Mesmo se você não tiver sido super-amigável com o Moroi, os Alquimistas ainda sabem que você gasta muito tempo com eles. E um dia, alguém pode perceber que você estava lá quando os dados foram roubados. - Ninguém sabe que foi roubado. - eu disse rapidamente. - Você espera que eles não saibam. - corrigiu Wade. - Essas pequenas coisas são o suficiente para levantar bandeiras vermelhas. Continue fazendo mais, e você vai fazer pior. Eles vão finalmente perceber que é você, e é aí que ele vai ser mais. Marcus havia se recuperado do choque inicial. - Exatamente. Olha, se você quiser ficar onde está até ir para o México, está bem. Faça as pazes com ele ou o que seja. Depois disso, você precisa escapar. Vamos continuar trabalhando do lado de fora.


- Você pode fazer o que quiser. - Comecei arrumando meu laptop. - Eu estou indo para o trabalho a partir do interior. Marcus agarrou meu braço. - Você está se preparando para uma queda, Sydney!. - Disse ele severamente. - Você vai ser pega. Eu me afastei dele. - Eu vou ter cuidado. - Todo mundo comete erros. - disse Sabrina, falando pela primeira vez em tempos. - Eu vou correr esse risco. – Eu tinha minha bolsa pendurada no meu ombro. - A menos que vocês vão forçosamente me parar? Nenhum deles respondeu. -

Então

eu

vou.

Eu

não

tenho

medo

dos

Alquimistas. Obrigado por tudo que você fez. Eu realmente aprecio isso. - Obrigado. - disse Marcus finalmente. Ele balançou a cabeça para Wade, que parecia que ele queria protestar. - Por obter os dados. Eu honestamente não acho que você seria capaz de retirá-lo. Eu achei que você ia voltar de mãos vazias, apesar de que eu ainda teria quebrado a tatuagem para você. Um para o esforço, você sabe. Em vez disso, você só provou o que eu tinha pensado antes: você é notável. Nós realmente poderíamos usá-la. - Bem, você sabe como entrar em contato comigo. - E você sabe como entrar em contato com a gente. - disse ele. Nós vamos ficar aqui a semana toda, se você mudar de ideia. Eu abri a porta. - Eu não vou. Eu não estou fugindo. Amelia foi chamada para se despedir de mim quando eu entrei no carro, ignorando o fato de que eu tinha acabado de desafiar seu amado líder. Enquanto dirigia de volta para Amberwood, fiquei espantado com a forma como eu me senti livre e não tinha nada a ver com a


tatuagem. Era o conhecimento que eu tinha desafiado todos, os alquimistas, os guerreiros, os homens felizes. Eu não respondi a ninguém, não importa a causa. Eu era a minha própria pessoa, capaz de tomar minhas próprias ações. Não era algo que eu tinha muita experiência . E eu estava prestes a fazer algo drástico. Eu não tinha dito a Marcus e sua turma, porque eu tinha medo que eles realmente me impediria. Quando voltei para Amberwood, fui direto para o meu quarto e liguei para Stanton. Ela respondeu ao primeiro toque, que eu tomei como um sinal divino de que estava fazendo a coisa certa. - Srta. Sage, isso é inesperado. Será que você aproveitou os serviços? - Sim. - eu disse. - Eles foram muito esclarecedores. Mas não é por isso que estou ligando. Temos uma situação. Os Guerreiros da Luz estão à procura de Jill. - Eu não ia perder tempo. - Por que diabos eles fariam isso? - Ela parecia legitimamente surpresa, mas se há uma coisa em tudo isso que eu acreditava de todo coração, eraque os alquimistas eram mentirosos excepcionais. - Porque eles sabem que se o paradeiro de Jill for descoberto, eles poderiam jogar os Moroi no caos. Seu foco ainda está nos Strigoi,

mas

eles

não

me

importariam

de

ver

coisas

ruim

acontecerem com os Moroi. - Eu vejo. - Eu sempre me perguntei se ela fez uma pausa para reunir seus pensamentos ou se era simplesmente para o efeito. - E como exatamente você aprendeu isso? - Esse cara que eu conheço que costumava estar com os Guerreiros. Nós ainda estamos amigável, e ele está tendo dúvidas sobre eles. Ele mencionou ouvi-los falar sobre encontrar uma menina desaparecida que pode causar todos os tipos de problemas. - Talvez fosse

errado

arrastar

Trey

nessa

mentira,

seriamente qe Stanton iria interrogá-lo tão cedo. - E você assumi que esta é a Srta. Dragomir?

mas

eu

duvidava


- Vamos. - eu exclamei. - Quem mais seria? Você conhece alguma outra menina Moroi? É claro que é ela! - Acalme-se, Srta. Sage. - Sua voz era plana e sem problemas. Não há nenhuma necessidade para o teatro. - Há uma necessidade para a ação! Se eles podem descobrir sobre ela, então precisamos sair de Palm Springs imediatamente. - Isso. - disse ela secamente. - não é uma opção. Um monte de planejamento foi feito para trazê-la para sua localização atual. Eu não acreditei nesse argumento nem por um segundo. Metade do nosso trabalho era fazer um controle de danos e adaptação a situações que mudam rapidamente. - Sim? Bem, você também planejou que os caçdores de vampiros iriam encontrá-la? Stanton ignorou a apunhalada. - Você tem alguma prova de que os guerreiros realmente tem dados concretos sobre ela? Será que o seu amigo lhe forneceu detalhes? - Não. - eu admiti. - Mas ainda precisamos fazer alguma coisa. - Não há 'nós' aqui. - Sua voz tinha ido de plana a gelada. - Você não decide o que fazer. Eu quase protestei e, em seguida, me peguei. Horror me definiu. O que eu tinha acabado de fazer? Minha intenção inicial era dizer a Stanton para tomar medidas legítimas ou então descobrir se ela pode acidentalmente revelar o conhecimento de uma conexão com os Guerreiros. Eu pensei que mencionar Trey me daria backup válido desde que eu mal podia dizer a verdadeira razão que eu temia por Jill. No entanto, de alguma forma, eu tinha ido de um pedido para uma

ordem.

Eu

praticamente

gritei

uma

ordem

para

ela.

Isso não era um comportamento típico de Sydney. Isso não era um comportamento típico Alquimista. O que tinha dito Wadde? Você está deixando um rastro de migalhas de pão.


Isso aconteceu porque eu tinha quebrado a tatuagem? Esta não era uma migalha. Esta tinha sido um pão integral. Eu estava à beira de insubordinação, e minha mente poderia imaginar que de repente a lista que Marcus manteve me alertando sobre manterem o controle de cada coisa suspeita que eu fiz. Stanton já estaria atualizando essa lista agora? Eu tinha que corrigir isso, mas como? Como na terra eu corrigiria isso de volta? Minha mente estava correndo freneticamente, e levou vários momentos para me acalmar e começar a pensar logicamente. A missão. Concentre-se na missão. Stanton entenderia isso. - Me desculpe, minha senhora. - eu disse finalmente. Tenha calma. Seja respeitosa. - Eu sou apenas uma...Eu estou tão preocupada com esta missão. Eu vi meu pai nos serviços, você sabe. - Isso seria um fato que ela pudesse verificar. - Você tinha que ter visto como foi aquela noite em que eu saí. Como as coisas estão ruins entre nós. Eu...Eu tenho que deixá-lo orgulhoso. Se as coisas se quebram aqui, ele nunca vai me perdoar. - Ela não respondeu, então eu rezei para que significava que ela estava ouvindo atentamente...e acreditava em mim. - Eu quero fazer um bom trabalho aqui. Quero cumprir nossos objetivos e manter Jill escondida. Mas já houveram tantas complicações que ninguém previu, primeiro Keith e então os Guerreiros. Eu nunca me sinto como se ela está totalmente segura agora, mesmo com Eddie e Angeline. Ela corre para mim. E... - eu não era atriz que conseguia reunir as lágrimas, mas eu fiz o meu melhor para fazer o meu show de voz. - E nunca me sinto segura. Eu disse, quando eu pedi para ir para os serviços, quão esmagador é com os Moroi. Eles estão por toda parte, e os dhampirs também. Eu como com eles. Estou na aula com eles. Estar com outros alquimistas neste fim de semana foi um salva-vidas. Quer dizer, eu não estou tentando me esquivar de meus deveres, senhora. Eu entendo que temos de fazer sacrifícios. E eu tenho começado melhor ao seu redor, mas, por vezes, o estresse é simplesmente insuportável e então


quando eu ouvi essa coisa sobre os Guerreiros, eu rachei. Tudo o que eu conseguia pensar era que eu poderia falhar. Sinto muito, senhora. Eu não deveria ter virado isso para você. Eu estava fora de controle, e isso é inaceitável. Cortei meu discurso tenso enquanto esperava sua resposta. Espero que eu tinha dado a ela o suficiente para descartar qualquer pensamento de eu ser um dissidente. Claro, eu poderia ter acabado de sair como uma alquimista totalmente fraca e instável que precisava ser retirada da missão. Se isso aconteceu...bem, talvez eu teria ir com Marcus ao México. Sua pausa característica era especialmente doloroso neste momento. - Eu vejo. - disse ela. - Bem, eu vou levar tudo isso em consideração. Esta missão é de extrema importância, acredite. Meu questionamento

antes

de

sua

informação

não

era

um

enfraquecimento da nossa determinação. Suas preocupações foram ouvidas, e eu vou decidir o melhor curso de ação. Não era exatamente o que eu queria, mas espero que ela seria fiel à sua palavra. Eu realmente queria acreditar que ela estava no controle. - Obrigada, senhora. - Há mais alguma coisa, Srta. Sage? - Não, senhora. E...e eu sinto muito senhora. - O pedido de desculpas é observado. Clique. Eu andava enquanto eu falava e agora estava olhando para o telefone. Um instinto me disse que eu realmente tinha dirigido Stanton para tomar algum tipo de ação. O mistério era se essa ação seria benéfico ou catastrófico para mim. Adormecer era difícil depois disso, e não tinha nada a ver com Veronica. Eu estava muito tensa, muito ansiosa sobre o que tinha acontecido com Marcus e Stanton. Tentei aproveitar essa sensação de


liberdade novamente, usando-o para me fortalecer. Foi apenas uma faísca desta vez, piscando com minhas novas incertezas, mas era melhor do que nada. Adormeci por volta das três. Eu tinha uma vaga sensação de um par de horas que passaram antes de eu ser arrastada para um dos sonhos de Adrian, de volta à sala de recepção. - Finalmente. - disse ele. - Eu quase desisti de verificar. Eu pensei que você estava indo para puxar uma noitada. - Ele parou de usar seu terno nesses sonhos, provavelmente porque eu sempre aparecia em jeans. Hoje à noite ele usava jeans também, junto com uma camiseta preta. - Eu também. - Eu torcia as mãos e começei a andar aqui também. A energia nervosa da minha auto vigília tinha transportado para o sonho. - Um monte de coisas aconteceu esta noite. O sonho parecia real, sólido. Adrian estava sóbrio. - Você não acabou de voltar? Quanto poderia ter acontecido? Quando eu disse a ele, ele sacudiu a cabeça com espanto. - O homem, Sage. É tudo ou nada com você. Nunca um momento maçante. Eu parei na frente dele e inclinei contra uma mesa. - Eu sei, eu sei. Você acha que eu cometi um erro enorme? Deus, talvez Marcus estava certo, e havia alguma compulsão obrigando-me a ser fiel na tatuagem. Eu sou livre por uma hora e completamente passei por cima da borda com minha superior. - Parece que você cobriu suas faixas. - disse ele, apesar de um pequeno cenho aparecer em seu rosto. - Mas eu ficaria decepcionado se eles lhe enviarem em algum lugar menos estressante. O que parece que pode ser o pior cenário de tudo que você disse. Eu comecei a rir, mas era o tipo histérico. - O que no mundo que me aconteceu? Eu estava fazendo coisas malucas antes de Marcus quebrar a tatuagem. Encontro com rebeldes, perseguindo feiticeiras más, mesmo comprando esse


vestido! Gritando com Stanton é só mais uma coisa em uma longa lista de insanidade. É como eu disse no tortas e outras coisas: Eu não sei mais quem eu sou. Adrian sorriu e juntou as mãos, dando alguns passos em direção a mim. - Bem, em primeiro lugar, eu sou o especialista em loucura, e isso não é nada. E, como para quem você é, você é a lutadora bonita, corajosa, inteligente e ridiculamente viciada em cafeína desde o dia em que te conheci. Finalmente, ele colocou "bonita" no topo de sua lista de adjetivos. Não que eu deveria ter cuidado. - Falador doce. - Eu zombei. - Você não sabia nada sobre mim a primeira vez que nos conhecemos. - Eu sabia que você era linda. - disse ele. - Eu só esperava para o resto. Ele sempre tem esse brilho em seus olhos quando ele elogiava meus olhares, como se estivesse vendo muito mais do que apenas a aparência do meu real. Ele era desorientador e inebriante... mas eu não me importo. E essa não foi a única coisa que eu de repente vi esmagadora. Como ele tinha chegado tão perto de mim sem que eu mesmo percebesse? Era como se ele tinha habilidades furtivas secretas. Suas mãos estavam quentes nas minhas, os nossos dedos travados juntos. Eu ainda tinha restos da alegria dentro de mim e estar ligada a ele amplificou esses sentimentos. O verde de seus olhos era tão adorável como sempre, e eu me perguntava se os meus tinham o mesmo efeito sobre ele. Houve um pouco de âmbar misturado com o marrom que ele tinha dito uma vez que parecia ouro. Ele é o único que nunca me diz para fazer alguma coisa, eu percebi. Ah, claro, ele me pediu para fazer muitas coisas, muitas vezes com bajulamento e modo rápido de falar. Mas ele não fazia


exigências, não como os Alquimistas ou Marcus. Mesmo Jill e Angeline tendem a preceder seus pedidos com "Você tem que..." - Falando do vestido. - ele acrescentou. - Eu ainda não o vi. Eu ri baixinho. - Você não podia lidar com isso. Ele levantou uma sobrancelha para isso. - Isso é um desafio, Sage? Eu posso lidar com um monte. - Não, se a nossa história é qualquer indicação. Cada vez que eu visto um vestido moderadamente atraente, você se perde. - Isso não é exatamente verdade. - disse ele. - Eu me perco, não importa o que você está vestindo. E o vestido vermelho não era "moderadamente atraente." Era como um pedaço do céu aqui na terra. Um pedaço vermelho de seda do céu. Eu deveria ter revirado os olhos. Eu devia ter dito a ele que eu não estava aqui para seu pessoal entretenimento. Mas havia algo na maneira como ele estava olhando para mim e algo na maneira que eu me senti hoje à noite que me fez querer ver sua reação. Quebrando a tatuagem não tinha afetado nada entre nós, mas e as obras que eu tinha feito este fim de semana me deixou sentindo ousada. Pela primeira vez, eu queria ter um risco com ele, apesar do meu usual conjunto de argumentos lógicos. Além disso, não havia nada de perigoso em deixá-lo olhar. Eu manipulei o sonho do jeito que ele me ensinou. Alguns momentos depois, o mini vestido rendilhado substituíu minha calça jeans e blusa. Eu até convoquei os saltos, que me deixou mais alta. Eu ainda estava longe de ser tão alta quanto ele, mas o pequeno impulso trazia nossos rostos mais próximos. Seus olhos se arregalaram. Ainda segurando minhas mãos, ele deu um passo para trás para que ele pudesse tomar o look todo. Não havia quase algo tangível para a maneira como seu olhar percorreu meu corpo. Eu podia sentir cada lugar que tocava. No momento em que seus olhos alcançaram os meus novamente, minha respiração


estava pesada, e eu tinha plena consciência de que realmente não havia muito de roupa entre nós dois. Talvez houvesse algo perigoso em deixá-lo cuidar de todos. - Um pedaço do céu? - Eu consegui perguntar. Ele balançou a cabeça lentamente. - Não. O outro lugar. O que eu vou queimar por estar pensando o que eu estou pensando. Ele mudou-se para mim de novo. Suas mãos que estavam entrelaçadas com as minhas mudou para minha cintura, e eu percebi que não era a única com a respiração pesada. Ele me puxou para ele, trazendo nossos corpos juntos. O mundo era todo o calor e eletricidade, espesso, com tensão que era apenas uma faísca longe explodindo ao nosso redor. Eu estava balançando em outro precipício, o que não era fácil de fazer em saltos. Eu passei meus braços em volta de seu pescoço, e desta vez eu era a único que o levou mais perto. - Droga. - ele murmurou. - O que? - Eu perguntei, sem tirar os olhos de cima dele. Ele passou as mãos sobre meus quadris. - Eu não tenho que te beijar. - Está tudo bem. - Como é? - Está tudo bem se eu te beijar. Adrian Ivashkov não era fácil de se pegar na surpresa, mas eu o surpreendi quando eu trouxe sua boca para a minha. Eu o beijei, e por um momento, ele estava atordoado demais para responder. Isso durou, oh, cerca de um segundo. Em seguida, a intensidade que eu viria a conhecer tão bem nele retornou. Ele me empurrou para trás, levantando-me para que eu me sentasse na mesa. A toalha de mesa amontoou, derrubando alguns dos óculos. Eu ouvi o que soou como um acidente de prato de porcelana contra o chão. Seja qual for a lógica e a razão que eu normalmente possuía tinha derretido. Não


havia nada além de carne e fogo, e eu não ia mentir para mim mesma, pelo menos não esta noite. Eu queria ele. Eu arqueei minhas costas, plenamente consciente do quão vulnerável me fazia e que eu estava dando-lhe um convite. Ele aceitou e me colocou de volta contra a mesa, trazendo seu corpo em cima do meu. Aquele beijo esmagador se moveu de minha boca para a minha nuca. Ele empurrou para baixo a borda do meu vestido e a alça do sutiã, expondo meu ombro e dando a seus lábios mais pele para conquistar. Um copo rolou e bateu, logo seguido por outro. Adrian interrompeu seu beijo, e eu abri meus olhos. Ele tinha um olhar exasperado em seu rosto. - A mesa. - disse ele. - A tabela maldita. Alguns momentos depois, a tabela se foi. Eu estava em seu apartamento, em sua cama, e estava feliz que eu já não tinha talheres debaixo de mim. Com a mudança de local completa, seus lábios encontraram os meus novamente. A urgência da maneira que eu respondi surpreendeu até a mim. Eu nunca teria pensado que seria capaz de um sentimento tão primitivo, tão distante da razão que normalmente regia minhas ações. Minhas unhas cravaram em suas costas, e ele arrastou seus lábios para baixo da ponta do meu queixo, no centro do meu pescoço. Ele continuou até chegar à parte inferior do vestido de decote em V. Deixei escapar um pequeno suspiro, e beijou todo o decote, o suficiente para provocar. - Não se preocupe. - ele murmurou. - O vestido permanece. - Oh? É essa a sua decisão do que fazer? - Sim. - disse ele. - Você não está perdendo sua virgindade em um sonho. Se isso é mesmo possível. Eu não quero lidar com o lado filosófico do mesmo. E, além disso, não há necessidade de pressa de qualquer maneira. Às vezes vale a pena remanescente na viagem por um tempo antes de chegar ao destino.


Metáforas.

Este

era

o

custo

de

fazer

com

um

artista.

Eu quase disse muito. Então, sua mão deslizou pela minha perna nua, e eu me perdi novamente. Talvez o vestido estava no lugar, mas ele não se importou de tomar liberdades com ela. Essa mão deslizou sob o meu vestido, correndo ao longo do lado da minha perna e até meu quadril. Eu queimei onde ele me tocou, e tudo dentro de mim se concentrou nessa mão. Ele estava se movendo muito lentamente, e eu a agarrei, pronta para instá-lo. Adrian riu e agarrou meu pulso, puxando minha mão e prendendo-a. - Nunca pensei que eu ia ser o de lhe atrasar. Abri os olhos e encontrei o seu. - Eu sou um estudo rápido. Tudo o que queima e parecia animal dentro de mim deve ter brilhado porque ele prendeu a respiração e perdeu o sorriso. Ele soltou o meu pulso e segurou meu rosto em suas mãos, trazendo o rosto para baixo apenas um sussurro de distância da minha. - Bom Deus, Sydney. Está... - A paixão nos olhos dele virou-se para surpreender, e de repente ele olhou para cima. - O que há de errado? - Eu perguntei, querendo saber se esta era uma parte estranha da "viagem". Ele fez uma careta e começou a desaparecer diante dos meus olhos. - Você está sendo acordada.


Capítulo 22 Abri os olhos, grogue do súbito choque de ser puxada para fora do sonho. Meu corpo estava lento, e eu olhava contra a luz. A luz que eu tinha deixado na noite passada estava acompanhada por luz do sol entrando pela janela, mas a tela do meu telefone ainda mostrava uma hora assustadoramente cedo. Alguém bateu na minha porta, e eu percebi que era o que tinha me acordado. Corri a mão pelo meu cabelo desgrenhado e saí cambaleando da cama. - Se ela precisa de um professor de geografia agora, eu realmente estou indo para o México. - eu murmurei. Mas quando eu abri a porta, não era Angeline que estava fora da minha porta. Era Jill. - Alguma coisa grande aconteceu. - disse ela, correndo para dentro. - Não para mim isso não aconteceu. Se ela percebeu a minha indignação, ela não demonstrou. Na verdade, quando eu a estudei mais de perto, percebi que ela provavelmente não tinha ideia (ainda) sobre o que tinha acontecido entre Adrian e eu. Pelo que eu aprendi, sonhos de espírito não eram compartilhados através do vínculo, a menoa que a pessoa o levasse direto para ele. Suspirei e sentei na minha cama de novo, desejando que eu pudesse voltar a dormir. O calor e a emoção do sonho estava desaparecendo e, principalmente, me senti cansada agora. - O que há de errado? - Angeline e Trey. Eu gemi. - Oh, senhor. O que ela fez com ele agora?


Jill sentada em minha cadeira colocou um olhar de determinação de aço. O que quer que estava por vir era ruim. - Ela tentou fazer com que ele entrasse em nosso dormitório na noite passada. - O que? - Eu realmente preciso de mais sono, porque meu cérebro estava tendo dificuldade para entender o raciocínio por trás disso. - Ela não é tão dedicada ao seu grau de matemática...é? Jill me deu um olhar irônico. - Sydney, eles não estavam trabalhando em matemática. - Então, por que eles estavam...oh. Oh, não. - Eu caí para trás na cama e olhei para o teto. - Não. Isso não pode estar acontecendo. - Eu já tentei dizer para mim mesma. - ela me disse. - Não ajuda. Eu rolei para o meu lado para que eu pudesse olhar para ela de novo. - Ok, supondo que isto é verdade, há quanto tempo está acontecendo? - Eu não sei. - Jill parecia tão cansada quanto eu, e muito mais exasperada. - Você sabe como ela é. Tentei obter respostas dela, mas ela continuou falando sobre como não era culpa dela e como só aconteceu. - O que Trey disse? - eu perguntei. - Eu nunca tive a chance de falar com ele. Ele foi arrastado assim que eles foram capturados. - Ela sorriu, mas não havia muito humor nele. - Pelo lado positivo, ele entrou em um problema muito maior do que ela, por isso não tem que se preocupar com ela sendo expulsa. Oh, não. - Não temos que nos preocupar sobre ele ser expulso? - Eu não penso assim. Eu ouvi sobre outras pessoas tentando isso, e eles só pegam detenção para a vida. Ou algo assim. Pequena bênção. Angeline estava em detenção tanto que eles pelo menos tem tempo de ligação.


- Bem, então eu acho que não há muito a ser feito. Quer dizer, a precipitação emocional vai ser uma bagunça, é claro. - Bem... - Jill disse nervosamente. - É isso mesmo. Você vê, primeiro precisa contar ao Eddie. Eu levantei da minha cama. - Eu não estou fazendo isso. - Oh, claro que não. Ninguém nunca espera que você faça isso. Eu não tinha tanta certeza, mas deixei que ela continuasse. Angeline vai. É a coisa certa a fazer. - Sim... - Eu ainda não estava deixando a minha guarda. - Mas alguém ainda precisa conversar com Eddie depois. explicou ela. - Vai ser duro para ele, sabe? Ele não deve ser deixado sozinho. Ele precisa de um amigo. - Você não é sua amiga? - Eu perguntei. Ela corou. - Bem, sim, claro. Mas eu não sei o que seria direito então...bem, você sabe como me sinto sobre ele. Melhor ter alguém mais razoável e objetiva. Além disso, eu não sei se eu faria um bom trabalho ou não. - Provavelmente melhor do que eu. - Você é melhor nessas coisas do que você pensa. Você é capaz de tornar as coisas claras e... - Jill de repente congelou. Seus olhos se arregalaram um pouco, e por um momento, era como se ela estivesse assistindo algo que eu não podia ver. Não, eu percebi um momento depois. Não houve "como" sobre ele. Isso foi exatamente o que ela estava fazendo. Ela estava tendo um daqueles momentos em que ela estava em sincronia com a mente de Adrian. Eu a vi piscar e lentamente sintonizar de volta para o meu quarto. Seus olhos focados em mim, e ela empalideceu. Só assim, eu sabia que ela sabia. Rose havia dito que, por vezes, no vínculo, você pode vasculhar as memórias recentes de alguém, mesmo que não tivesse estado realmente em sintonia com a ligação naquele momento. Como Jill


olhou para mim, eu poderia dizer que ela tinha visto de tudo, tudo o que tinha acontecido com Adrian noite passada. Era difícil dizer qual de nós estava mais horrorizada. Eu repassei tudo o que eu tinha feito e disse, cada posição comprometedora que eu literalmente e figurativamente me coloquei e Jill tinha apenas "visto" eu fazer coisas que ninguém nunca tinha...bem, exceto por Adrian, claro. E como realmente se sentia? O que era para me beijar? Para executar suas mãos sobre meu corpo? Era uma situação que eu não tinha em nada me preparado. Minhas indiscrições ocasionais com Adrian vinham através de Jill também, mas todos nós estamos sempre sozinhos, em particular. Ontem à noite, no entanto, tinha levado as coisas para um nível totalmente novo, que deixou tanto Jill e eu atordoadas e sem palavras. Eu estava mortificada que ela tinha me visto tão fraca e exposta, e as peças de proteção que eu tinha estava preocupada que ela tinha visto tudo, ponto final. Ela e eu olhamos uma para a outra, perdidas em nossos próprios pensamentos, mas Jill recuperou primeiro. Ela ficou ainda mais vermelha do que quando tinha mencionado Eddie e praticamente saltou da cadeira. Voltando os olhos para longe do meu, ela correu para a porta. - Hum, eu deveria ir, Sydney. Desculpe incomodá-la tão cedo. Isso provavelmente poderia ter esperado. Angeline vai falar com Eddie esta manhã, por isso sempre que você tiver uma chance de encontrá-lo, você sabe, isso seria ótimo. - Ela respirou fundo e abriu a porta, ainda se recusando a fazer contato visual. - Eu tenho que ir. Até logo. Desculpe mais uma vez. - Jill. Ela fechou a porta, e eu afundei de volta para a cama, incapaz de ficar de pé. Era oficial. Qualquer que seja o calor residual e desejo que eu sentia de estar com Adrian na noite passada tinha


desaparecido completamente, na esteira da expressão de Jill. Até aquele

momento,

eu

não

tinha

realmente

e

verdadeiramente

entendido o que significava estar envolvido com alguém que estava ligado. Tudo que Adrian me disse, ela ouviu. Toda emoção que ele tinha por mim, ela experimentou. Toda vez que ele me beijou, ela sentiu. . . . Eu pensei que eu poderia estar doente. Como tinha Rose e Lissa lidado com isso? Em algum lugar na minha mente lembrei-me de Rose dizendo que ela tinha aprendido a bloquear um monte de experiências de Lissa, mas que tinha levado alguns anos para descobrir isso. Adrian e Jill só estavam ligados por alguns meses. O choque de entender o que Jill tinha visto, uma sombra sobre tudo o que tinha sido sensual e emocionante na noite passada. Eu senti como se tivesse estado em exibição. Me senti barata e suja, especialmente quando eu me lembrava o meu próprio papel na instigação das coisas. Esse sentimento doentio no meu estômago aumentou, e não havia como parar a avalanche de pensamentos que veio em seguida. Eu me deixei sair do controle na noite passada, levada pelo desejo. Eu não deveria ter feito nada disso, e não apenas porque Adrian era um Moroi (apesar de que era certamente problemático também). Minha vida estava prestes a razão e a lógica, e eu tinha jogado tudo isso fora da janela. Eles eram os meus pontos fortes, e em lançar os dados de lado, eu me tornaria fraca. Eu estive no alto da liberdade com os riscos que eu tinha experimentado na noite passada, para não mencionar intoxicada por Adrian e como ele disse que eu era bonita e corajosa e "ridiculamente inteligente." Eu tinha derretido quando ele olhou para mim com aquele vestido absurdo. Sabendo

que

ele

me

queria

eu

tinha

atrapalhado

meus

pensamentos, me fazendo querer ele também...Não havia nenhuma parte disso que estava bem.


Com grande esforço, eu arrastei-me da cama e consegui pegar algumas roupas para o dia. Eu cambaleei para o chuveiro como um zumbi e fiquei por tanto tempo que eu perdi o café da manhã. Não importava. Eu não poderia ter comido nada mesmo não com todas as emoções que estavam batendo dentro de mim. Eu mal falava com ninguém enquanto eu caminhava pelos corredores, e não foi até que eu sentei na classe da Sra. Terwilliger que eu finalmente lembrei que havia outras pessoas no mundo com seus próprios problemas. Especificamente, Eddie e Trey. Eu estava certa de que não havia maneira que poderia estar tão traumatizada como Jill e eu pelos acontecimentos da noite passada. Mas era óbvio que os dois rapazes tiveram uma manhã difícil. Nem um falou ou fez contato visual com o outro. Acho que foi a primeira vez que eu já vi Eddie negligenciar os seus arredores. O sinal me cortou antes que eu tivesse a chance de dizer qualquer coisa, e eu passei o resto da aula observando-os com preocupação. Eles não pareciam que iriam se envolver em qualquer loucura de testosterona orientada, de modo que era um bom sinal. Eu me senti mal por ambos, especialmente Eddie, que tinha sido injustiçado e mais a preocupação em seu nome ajudou a distrair-me de meus próprios problemas. Um pouco. Quando a aula acabou, eu queria falar com Eddie primeiro, mas a Sra. Terwilliger me interceptou. Ela me entregou um envelope grande e amarelo que parecia que tinha um livro dentro. Não havia fim para os feitiços que eu tinha que aprender. - Algumas das coisas que discutimos. - ela me disse. - Veja eles assim que tiver a chance. - Ok, minha senhora. - Eu coloquei o envelope na minha bolsa e olhei em volta procurando por Eddie. Ele se foi. Trey estava na minha classe seguinte, e eu fui para o meu lugar habitual ao lado dele. Ele me deu um olhar de soslaio e, em seguida, virou-se.


- Então. - eu disse. Ele balançou a cabeça. - Não comece. - Eu não estou começando nada. Ele ficou em silêncio alguns instantes e, em seguida, virou-se para mim, um olhar frenético em seus olhos. - Eu não sabia, eu juro. Sobre ela e Eddie. Ela nunca mencionou isso e, obviamente, eles não falam sobre isso por aqui. Eu nunca teria feito isso com ele. Você tem que acreditar nisso. Eu acreditava. Não importa quais outras falhas Trey tinha, ele era bom de coração e honesto. Se alguém tinha culpa por mau comportamento aqui, era Angeline. - Na verdade, estou mais surpreso que você iria se envolver com alguém como ela, ponto. Eu não tinha necessidade de elaborar esse "alguém como ela" se referia a ela ser uma vampira. Trey colocou a cabeça sobre a mesa. - Eu sei, eu sei. Tudo aconteceu tão rápido. Um dia, ela estava lançando um livro para mim. No próximo, estamos fazendo por trás da biblioteca. - Ugh. Essa é uma informação um pouco mais do que eu precisava. Olhando para cima, vi que a nossa professora de química ainda estava se organizando, dando a Trey e eu um pouco mais de tempo. - O que você vai fazer agora? - O que você acha? Eu tenho que acabar com isso. Eu não deveria ter deixado isso chegar até aqui. A Sydney de três meses atrás teria dito que claro que ele precisava acabar com ela. Esta disse: - Você gosta dela?


- Sim, eu... - Ele fez uma pausa e, em seguida, baixou a voz. Eu acho que a amo. Isso é louco não é? Depois de apenas algumas semanas? - Não, eu não sei. Eu não sou muito boa em entender essas coisas. - E por não ser boa, eu realmente quis dizer terrível. - Mas se você se sente assim...talvez...talvez você não deve jogá-lo fora. Os

olhos

de

Trey

se

arregalaram,

e

surpresa

substituiu

completamente o seu mau humor. - Você

está

falando

sério?

Como você

pode

dizer isso?

Especialmente você de todas as pessoas. Você sabe como é. Você tem as mesmas regras que nós. Eu mal podia acreditar no que estava dizendo. - As pessoas dela não fazem, e eles parecem estar bem. Por um momento, eu pensei que eu vi um lampejo de esperança em seus olhos, mas ele balançou a cabeça novamente. - Eu não posso, Sydney. Você sabe que eu não posso. Isso acabaria por terminar em desastre. Há uma razão para as nossas espécies não se misturarem. E se minha família descobrisse...Deus. Eu não posso nem imaginar. Não haveria nenhuma maneira que eu poderia voltar para dentro. - Você realmente quer? Ele não respondeu isso. Em vez disso, ele simplesmente me disse: - Eu não posso. Acabou. Eu nunca tinha visto ele parecer tão miserável. A aula começou, e acabou com a discussão. Eddie não estava em nosso refeitório no almoço. Jill sentou-se com Angeline em uma mesa de canto e parecia que ela estava entregando um sermão. Talvez Jill não se sentia

confortável

consolando Eddie, mas ela certamente não tinha nenhum problema em falar em seu nome. Eu realmente não queria ouvir desculpas de Angeline ou encontrar os olhos de Jill, então eu peguei um sanduíche


e comei. Eu não tive tempo suficiente para verificar Eddie, então eu mandei-lhe uma mensagem. Quer sair para tomar um café mais tarde? Não sinta pena de mim. ele respondeu. Eu não sabia se ele respondeu a todos, de modo que era alguma coisa. Eu só quero falar. Por favor. Sua próxima mensagem não foi tão rápido, e eu quase podia imaginar sua batalha mental. Ok, mas depois do jantar. Eu tenho um grupo de estudo. Um momento depois, ele acrescentou: Não em Spencer. Trey trabalhou no Spencer. Agora que o drama Angeline estava em espera, eu era capaz de voltar para a minha própria vida amorosa confusa. Eu não poderia abalar a imagem da expressão de Jill. Eu não poderia me perdoar por perder o controle. E agora, eu tinha as palavras de Trey saltando ao redor da minha cabeça. Que acabaria por terminar em desastre. Há uma

razão

para

as

nossas

espécies

não

se

misturarem.

Como se convocado pelos meus pensamentos, Adrian me mandou uma mensagem. Você quer pegar o dragão hoje? Eu tinha esquecido tudo sobre o callistana. Ele ficou com Adrian durante minha viagem a St. Louis, e agora era a minha vez. Desde que Adrian não poderia transformá-lo de volta para o quartzo, o dragão tinha ficado em sua verdadeira forma todo fim de semana. Claro. Eu escrevi de volta. Meu estômago estava em nós, quando eu dirigia para o lugar de Adrian mais tarde. Eu tinha o resto do dia para pensar sobre as minhas opções, e eu finalmente cheguei a um extremo. Quando ele abriu a porta, seu rosto estava brilhando, até que ele viu o meu. Sua expressão transformada em partes iguais de exasperação e de tristeza. - Oh, não. Aí vem. - disse ele.


Eu entrei. - Aí vem o que? - A parte em que você me diz que a noite passada foi um erro e que não podemos nunca mais fazer isso de novo. Olhei para fora. Isso era exatamente o que eu estava prestes a dizer. - Adrian, você sabe que isso não pode acontecer. - Porque Moroi e os humanos não podem estar juntos? Porque você não sente o mesmo por mim? - Não. - eu disse. - Bem, não totalmente. Adrian...Jill viu tudo. Por um momento, ele pareceu não entender. - O que você...oh. Merda. - Exatamente. - Eu nunca sequer pensei mais nisso. - Ele sentou-se no sofá e ficou olhando para o espaço. O callistana veio correndo do quarto e se sentou no braço do sofá. - Quer dizer, eu sei que isso acontece. Nós até conversamos sobre isso com outras meninas. Ela entende. - Entende? - Eu exclamei. - Ela tem 15 anos! Você não pode submetê-la a isso. - Talvez você fosse inocente aos 15, mas Jill não. Ela sabe como o mundo funciona. Eu não podia acreditar no que estava ouvindo. - Bem, eu não sou uma de suas outras meninas! Eu a vejo todos os dias. Você sabe como foi difícil enfrentá-la? Você sabe o que se sente ao saber que ela me viu fazendo isso? E, Deus, se tivesse havido mais? - Então, o que é que isso significa exatamente?. - Perguntou. Você finalmente chegou ao redor, e agora você está indo apenas terminando as coisas por causa dela? - Beijar você não é exatamente “chegar ao redor”. Ele me deu um olhar longo.


- Havia muito mais do que beijar, Srta 'Eu sou um estudo rápido'. Eu tentei não mostrar como eu estava envergonhada com isso agora. - E é exatamente por isso que isso é tudo. Eu não vou deixar Jill ver isso de novo. - Então você admite que poderia acontecer de novo? - Teoricamente, sim. Mas eu não vou dar-nos a oportunidade. - Você vai evitar sempre de estar sozinha comigo de novo? - Eu estou indo para evitar você, ponto final. - Eu respirei fundo. - Eu estou indo com Marcus para o México. - O que? - Adrian levantou-se e caminhou até mim. Eu imediatamente me afastei. - O que aconteceu com você trabalhando disfarçada? - Isso só funciona se eu posso ficar disfarçada! Você acha que eu posso fazer aquilo, se eu estou me esgueirando com você? - Você está comigo metade do tempo já! - Eu não poderia dizer se ele estava ou não com raiva, mas ele estava claramente chateado. - Ninguém percebe. Vamos ter cuidado. - Tudo o que é necessário é um descuido. - eu disse. - E eu não sei se posso confiar em mim mesma. Eu não posso arriscar os Alquimistas descobrindo sobre você e eu. Eu não posso arriscar expor a Jill o que faríamos juntos. Eles vão enviar outro Alquimista para cuidar dela, e espero que Stanton irá tomar precauções contra os guerreiros. - Jill sabe que eu não posso colocar minha vida em espera. - Você deveria. - eu atirei. Agora ele estava com raiva. - Bem, você sabe tudo sobre isso, pois você é uma expert em negar a si mesma as coisas que você quer. E agora você vai deixar o país para se certificar de que você pode privar-se ainda mais.


- Sim, exatamente. - Fui até o callistana e falei o encantamento que transformou-o de volta em sua forma inerte. Eu coloquei o cristal em minha bolsa e convoquei toda a minha vontade de dar a Adrian o mais frio olhar que eu poderia controlar. Deve ter sido um poderoso porque ele olhou como se eu tivesse o esbofeteado. Vendo a dor em seu rosto fez meu coração quebrar. Eu não queria machucá-lo. Eu não queria deixá-lo! Mas que escolha eu tinha? Havia muito em jogo. - Isso está feito. Eu fiz minha escolha, Adrian. - disse eu. - Estou deixando este fim de semana, por isso não torne mais difícil do que tem que ser. Eu gostaria que sejamos amigos. - Do jeito que eu falei fez soar como se estávamos fechando um acordo de negócios. Eu andei em direção à porta, e Adrian correu atrás de mim. Eu não podia suportar enfrentar a agonia em seus olhos, e levou toda a minha determinação de não evitar o meu olhar. - Sydney, não faça isso. Você sabe que é errado. No fundo, você sabe que é. Eu não respondi. Eu não pude responder. Eu fui embora, me forçando a não olhar para trás. Eu estava com muito medo que a minha decisão iria vacilar e era exatamente por isso que eu precisava deixar Palm Springs. Eu não estava segura em torno dele mais. Ninguém poderia ser autorizado a ter esse tipo de poder sobre mim. Tudo o que eu queria fazer depois era me esconder no meu quarto e chorar. Por uma semana. Mas nunca houve qualquer descanso para mim. Era sempre sobre os outros, com os meus sentimentos e sonhos empurrados para o lado. Consequentemente, eu não estava na melhor posição para dar conselhos românticos a Eddie quando nos encontramos naquela noite. Felizmente, ele estava muito preso em suas próprias emoções para perceber a minha. - Eu nunca deveria ter me envolvido com Angeline. - ele me disse. Estávamos em um café na cidade, que era chamado Bean There, Done That. Ele tinha pedido chocolate quente e tinha estado mexendo por quase uma hora.


- Você não sabia. - eu disse. Foi difícil manter a minha metade da conversa quando eu ficava vendo a dor nos olhos de Adrian. Você não poderia saber, especialmente com ela. Ela é imprevisível. - E é por isso que eu não deveria ter feito isso. - Ele finalmente deixou a colher em cima da mesa. - Relacionamentos são bastante perigosos, sem se envolver com alguém como ela. E eu não tenho tempo para esse tipo de distração! Eu estou aqui para Jill, não para mim. Eu nunca deveria ter deixado ser pego nisso. - Não há nada de errado em querer estar com alguém. - disse diplomaticamente. A menos que a pessoa transforma o seu mundo de cabeça para baixo e faz você perder todo o auto-controle. - Talvez quando eu me aposentar, eu vou ter o tempo. - Eu não poderia dizer se ele estava falando sério ou não. - Mas não agora. Jill é a minha prioridade. Eu não tinha jeito para casamenteira, mas eu tinha que tentar. - Alguma vez você já pensou seriamente em estar com Jill? Eu sei que você gostava dela. - E eu tinha absoluta certeza de que ele ainda gostava. - Isso está fora de questão. - disse ele ferozmente. - E você sabe disso. Eu não posso pensar nela desse jeito. - Ela pensa que você gosta. - As palavras escaparam antes que eu pudesse detê-las. Depois do meu próprio desastre romântico hoje, uma parte de mim ansiava por pelo menos alguém ser feliz. Eu não queria que ninguém se ferisse da maneira que eu fiz. Ele congelou. - Ela...não. Não há nenhuma maneira. - Ela sabe. Toda uma gama de emoções jogadas através dos olhos de Eddie. Descrença. Esperança. Alegria. E então...resignação. Ele pegou a colher e voltou a sua agitação compulsiva. - Sydney, você sabe que eu não posso. Você de todas as pessoas sabe o que é ter que se concentrar em seu trabalho. - Esta foi a


segunda vez hoje que alguém disse “você de todas as pessoas” para mim. Acho que todo mundo tinha uma ideia preconcebida de quem eu era. - Você deveria pelo menos pensar sobre isso. - eu disse. – Olhea da próxima vez que estivermos juntos. Veja como ela reage. Ele olhou como se pudesse considerar, o que eu tomei como uma pequena vitória. De repente, o alarme brilhou em seu rosto. - O que aconteceu com você e Marcus? A viagem para St. Louis? Você descobriu alguma coisa sobre Jill? Eu escolhi minhas próximas palavras com muito cuidado, tanto porque eu não queria assustá-lo e porque eu não queria que ele tomasse alguma ação drástica que poderia acidentalmente revelar minhas relações com Marcus. - Nós encontramos alguma evidência de que os guerreiros tem conversado com os alquimistas, mas nada que mostra que eles estão trabalhando juntos ou têm planos reais para ela. Eu também tomei algumas medidas para ter certeza que ela está protegida. Eu não tinha ouvido nada de Stanton hoje e não tinha certeza se a última parte seria realmente verdade. Eddie parecia aliviado, embora, e eu não podia suportar estressá-lo hoje como qualquer adicional. Seu olhar mudou para algo atrás de mim, e ele empurrou o chocolate quente longe, intocado. - Está na hora da gente ir. Olhei para o relógio e vi que ele estava certo. Temos ainda um tempo confortável antes do toque de recolher, mas eu não queria pressioná-lo. Eu terminei o meu último café e seguiu-o. O sol estava se pondo no horizonte, colorindo o céu vermelho e roxo. A temperatura finalmente tinha esfriado a níveis normais, mas ainda não tinha vontade de inverno para mim. Tinha havido um monte de carros mal estacionados na frente do lote, assim que eu tinha estacionado Latte na parte de trás no caso de alguma pessoa descuidada abrir uma porta muito rápido.


- Obrigada pelo apoio moral. - Eddie disse-me. - Às vezes parece que você é realmente uma irmã. Foi quando meu carro explodiu. Mais ou menos. Eu tenho que admitir que a resposta de Eddie foi incrível. Ele me jogou no chão, protegendo meu corpo com o seu. O boom foi ensurdecedor, e eu gritei quando uma espécie de espuma caiu do lado do meu rosto. Espuma? Cautelosamente, Eddie levantou-se, e eu o segui. Meu carro não explodiu em chamas ou qualquer coisa assim. Em vez disso, ele estava cheio de algum tipo de substância branca que tinha explodido com tal força que tinha soprado as portas fora e quebrado janelas. Nós dois nos aproximamos da confusão, e atrás de nós, eu ouvi as pessoas saindo do café. - Que diabos? - Perguntou Eddie. Toquei um pouco da espuma no meu rosto e esfreguei meus dedos juntos. - É como o tipo de coisas que você encontraria em um extintor de incêndio. - disse eu. - Como ele foi parar no seu carro? - Perguntou. - E como ele foi parar lá tão rápido? - Olhei para ele quando se orientou. Você é a perita química. Poderia ter acontecido alguma reação tão rápido? - Talvez. - eu admiti. No momento, eu estava chocada demais para realmente executar quaisquer fórmulas. Eu descansei a mão contra o capô do Latte e queria chorar. Minhas emoções estavam em um ponto de ruptura. - Meu pobre carro. Primeiro o de Adrian, agora o meu. Por que as pessoas fazem coisas como esta? - Vândalos, não me importo. - disse uma voz ao meu lado. Olhei e vi um dos baristas, um homem mais velho que eu acreditava que era o proprietário. - Eu vi coisas como esta antes. Filhos malditos. Eu vou chamar a polícia para você. - Ele pegou seu telefone celular e se afastou.


- Eu não sei se nós vamos chegar agora antes do toque de recolher. - disse Eddie. Ele me deu um tapinha simpático nas costas. - Eu acho que se você mostrar um relatório da polícia no dormitório, eles vão ser indulgentes com você. - Sim, eu espero que...ugh. A polícia. - Corri para o lado do passageiro e olhei friamente para a parede de espuma. - O que há de errado? - Eddie perguntou. - Quero dizer, além do óbvio. - Eu tenho que ir para o porta-luvas. - Eu baixei minha voz. - Há uma arma lá dentro. Ele fez uma tacada dupla. - Uma o quê? Eu não disse mais nada, e ele me ajudou a cavar através da espuma. Nós dois acabamos cobertos de espuma no momento em que cheguei ao compartimento. Certifiquei de que ninguém estava atrás de nós, eu rapidamente recuperei a arma e guardei-a na minha bolsa. Eu estava prestes a fechar a tampa quando algo brilhante chamou minha atenção. - Isso é impossível. - eu disse. Era a minha cruz, a de ouro que eu tinha perdido. Eu agarrei-a e logo em seguida eudeixei-a cair, gritando de dor. O metal tinha me queimado.

Considerando

a

substância

espumosa,

não

parece

provável que tinha aquecido a cruz. Eu passei minha manga em torno de minha mão e delicadamente peguei a cruz de novo. Eddie olhou por cima do meu ombro. - Você usa isso o tempo todo. Eu balancei a cabeça e continuei olhando para a cruz. Uma sensação terrível começou a se espalhar sobre mim. Eu encontrei um tecido na minha bolsa e envolvi a cruz antes de adicioná-la para a bolsa. Então peguei meu celular e liguei para a Sra. Terwilliger. Correio de voz. Eu desliguei sem deixar uma mensagem. - O que está acontecendo? - Perguntou Eddie.


- Eu não tenho certeza. - eu disse. - Mas eu acho que é ruim. Eu ainda não tinha desenvolvido a capacidade de perceber resíduo mágico, mas eu tinha quase certeza de que algo havia sido feito para a cruz, algo que resultou na morte espumosa de Latte. Alicia não tinha sido capaz de encontrar a cruz. Veronica tinha voltado e levado de volta? Se sim, como ela tinha me localizado? Eu sabia que itens pessoais poderiam ser usads para rastrear uma pessoa, porém os mais comuns eram cabelos e unhas. Tão avançada como Veronica era, era muito provável que um objeto semelhante a esta cruz serviria tão bem. Veronica poderia muito bem ter me encontrado. Mas se é assim, por que vandalizar meu carro em vez de sugar a minha vida? A polícia chegou logo depois e levou nossas afirmações. Eles foram seguidos por um caminhão de reboque. Eu podia dizer pelo rosto do motorista que não era bom olhar para Latte. Ele puxou meu pobre carro longe, e então um dos policiais foi bom o suficiente para nos levar de volta a Amberwood. Contra todas as probabilidades, conseguimos voltar a tempo. Assim que eu cheguei no meu quarto, eu tentei ligar para a Sra. Terwilliger novamente. Ainda não havia resposta. Eu esvaziei minha bolsa na minha cama e descobri que tinha reunido um número de itens de hoje. Um deles era um donut que eu peguei no café. Eu coloquei ele e o cristal de quartzo no aquário e convoquei o callistana. Ele foi imediatamente para o donut. Eu encontrei a cruz e descobri que era agora legal. Seja qual for o feitiço que tinha sido utilizado se foi. A arma estava perto dele, e eu rapidamente escondi isso de volta na bolsa. Isso deixou o envelope da Sra. Terwilliger, que eu tinha negligenciado durante todo o dia. Talvez se eu não tivesse sido tão distraída por assuntos pessoais, eu poderia ter salvado Latte.


Puxei o mais recente livro de magia de fora do envelope e ouvi um chocalhar. Tirei o livro e depois vi um outro envelope menor dentro. Puxei-o para fora e li uma mensagem que a Sra. Terwilliger tinha escrito na lateral: Aqui está um outro charme para mascarar a sua capacidade mágica, apenas no caso. É uma das mais poderosas que existe aí fora e tomou um monte de trabalho, por isso tome cuidado com isso. Essa mesma culpa que eu sentia por ela sempre me ajudando voltou. Abri o envelope e encontrei um pequeno pingente de estrela de prata definido com peridotos. Engoli em seco. Eu já tinha visto este encanto antes, este encanto poderoso e meticuloso que pode supostamente esconder habilidade mágica forte. Eu já tinha visto ao redor do pescoço de Alicia.


Capítulo 23 Por um momento, eu pensei que tinha que ser uma coincidência. Afinal de contas, o que era tão especial sobre uma estrela peridoto? Pelo que eu sabia, Alicia poderia ter nascido em agosto e apenas ostentava sua pedra de nascimento entre aquela bagunça de colares que ela sempre usava. E ainda, se havia uma coisa que eu acreditava mais do que nunca, era o ditado de Sonya que não há coincidências no mundo do sobrenatural. Eu afundei no chão e tentei raciocinar meu caminho através das coisas. Se o encanto que Alicia usava era como este, então isso significava que ela também era um usuário de magia forte tentando mascarar suas habilidades. Será que ela sabe sobre Verônica? Alicia estava tentando se proteger? Se sim, então parecia que ela não teria sido tão casual sobre Veronica ficar na pousada. Então, isso significava que se Alicia não sabia sobre a verdadeira natureza de Verônica era uma suspeita coincidência ou Alicia estava cobrindo para Verônica. Alicia poderia estar com Veronica? O que parecia ser a resposta mais provável para mim. Embora aparentemente Veronica procurava jovens usuários de magia poderosas, era totalmente possível que ela tinha visto a vantagem de ter um como assistente. E, como tínhamos observado, Verônica teve muitas outras vítimas para escolher. Alicia poderia, portanto, ajudar e encobrir os nefastos planos de Veronica, como quando um casal curioso foi fazer perguntas. Eu gemi. Alicia estava brincando conosco desde o início. A partir do instante em que tivesse entrado por sua porta com histórias sobre o nosso aniversário e "amiga" Veronica, ela sabia que estava mentindo. Ela sabia que não eramos realmente amigos de Veronica, e ela poderia ter sido forte o suficiente para lutar contra a compulsão de Adrian um pouco. Ela tinha ido junto com tudo, mesmo sendo tão


útil

quanto

a

me

chamar

quando

Veronica

tinha

aparecido

novamente. Eu não tinha ideia do que era verdade, se Verônica já tinha saído de lá na primeira vez ou se ela realmente voltou depois.. Eu, entretanto, tenho uma suspeita que o meu carro não era o único que tinha sido incapacitado. Eu poderia entender se ela tinha usado a cruz para me encontrar, mas como ela tinha inicialmente localizado o Mustang? Quebrei a cabeça por qualquer informação de identificação. A magia de espírito de Adrian deveria ter atrapalhado nossas aparências, encobrindo qualquer conexão para nós. Então eu soube. Alicia tinha andado com nós e admirava o Mustang. Uma pessoa inteligente, alguém que já estava em alerta máximo por causa da nossa nova visita poderia ter anotado a placa de licença e usado para rastrear onde Adrian vivia. Mas por que cortar os pneus? Para atrasar-nos, eu percebi. Essa foi a noite em que Lynne tinha sido atacada. E nós tinhamos chegado tarde demais para avisá-la. Quanto mais eu comecei a vasculhar os acontecimentos das últimas semanas, mais eu comecei a pensar que tinha sido muito, muito descuidada. Pensávamos que estávamos sendo tão cautelosos em esconder-nos de Verônica. Ninguém, nem mesmo a Sra. Terwilliger, havia considerado que ela poderia ter um cúmplice também que tínhamos que estar atentos. E os sonhos...aqueles começou no dia em que Adrian e eu estávamos na cama de veludo. O dia em que minha granada tinha escorregado e tinha sido suficiente para, possivelmente, Alicia sentir um usuário mágico na estalagem. O que me trouxe de volta ao presente. A Sra. Terwilliger. Eu tinha que dizer a ela o que eu tinha encontrado. Liguei uma terceira vez. Ainda não havia resposta. Embora muitas vezes eu tinha imagens da Sra. Terwilliger realizando rituais de fim de noite, era inteiramente razoável que ela estaria na cama agora. Era esse o tipo de coisa que poderia esperar até de manhã?


Não, eu decidi na hora. Não, não era. Estávamos lidando com perigosos usuários de magia e meu carro tinha acabado de ser atacado. Algo pode estar acontecendo enquanto eu estava lá, tentando decidir. Eu teria que acordá-la...desde que eu pudesse chegar até ela. Levou apenas um momento para fazer a minha próxima decisão. Liguei para Adrian. Ele respondeu ao primeiro toque, mas parecia cauteloso, o que eu não podia culpá-lo depois do que eu tinha feito anteriormente. - Olá? Rezei para que ele fosse o cara nobre que eu pensei que ele era. - Adrian, eu sei que as coisas estão ruins entre nós, e talvez eu não tenho direito de pedir, mas eu preciso de um favor. É sobre Veronica. Não houve hesitação. - O que você precisa? - Você pode vir para Amberwood? Eu preciso de você para me ajudar a quebrar o toque de recolher e escapar do meu dormitório. Houve alguns momentos de silêncio. - Sage, eu estive esperando dois meses para ouvir você dizer essas palavras. Você quer que eu traga uma escada? O plano já estava em curso na minha cabeça. Os guardas de segurança

que

estacionamento

patrulhavam

a

dos

mas

alunos,

noite o

teriam

olhos

imóvel

de

sobre

volta

o

seria

relativamente subterrâneo. - Eu vou me tirar do edifício. Se você chegar até a estrada principal que leva a Amberwood e depois passar a entrada da garagem, você verá uma estrada de serviço que sobe uma colina e vai atrás do meu dormitório. Pare lá perto do utilitário derramado, e eu vou encontrá-lo, logo que eu sair. Quando ele falou de novo, sua leveza anterior foi embora.


- Eu realmente gostaria de acreditar que isto é uma aventura incrível de meia-noite, mas não é, certo? Algo realmente está errado. - Muito errado. - eu concordei. - Eu vou explicar no carro. Eu mudei rapidamente em jeans limpos e uma camiseta, adicionando uma jaqueta de camurça contra o frio da noite. Para ser seguro, eu também decidi arrumar minha mala com algumas fontes e levá-la junto. Se tudo correr bem, eu simplesmente adverteria a Sra. Terwilliger esta noite. Mas com a forma como as coisas foram acontecendo ultimamente, eu não poderia presumir que qualquer coisa seria simples. Trazendo a mala desta vez seria pesado, então eu tive que tomar algumas decisões rápidas sobre produtos químicos e componentes mágicos. Joguei alguns na bolsa e coloquei outros no meu jeans e nos bolsos do casaco. Uma vez que eu estava pronta, eu fui até o quarto de Júlia e de Kristin. Elas estavam de pijama, mas não dormiam ainda. Quando Julia viu-me com o meu casaco e bolsa, seus olhos se arregalaram. - Doce. - disse ela. - Eu sei que você saiu antes. - eu disse. - Como você faz isso? Muitos encontros de Julia muitas vezes ocorreram fora do horário escolar sancionado, e tanto ela quanto Kristin tinham se gabado de façanhas de Julia no passado. Eu esperava que talvez Julia sabia sobre um túnel secreto fora da escola e que eu não teria que tentar alguma

façanha

exatamente

o

louca que

eu

de

acrobacias.

tinha

que

Infelizmente,

fazer.

Ela

e

isso

era

Kristin

me

acompanharam até sua janela e apontou para uma grande árvore que crescia fora dela. - Esta sala tem uma vista de fácil acesso. - disse Kristin orgulhosamente. Eu olhei para a árvore retorcida com cautela. - Isso é fácil? - Metade do dormitório usa. - ela disse. - Então, você também pode.


- Nós deveríamos estar cobrando. - ponderou Julia. Ela me deu um sorriso. - Não se preocupe. Nós vamos dar-lhe uma noite de brinde. Basta começar naquele limbo grande lá, balance para lá, e então use essas agências para pegar. Eu achei incrível que alguém que tinha reivindicado badminton em PE era muito "perigoso" e não teria nenhum escrúpulo em escalar uma árvore de seu quarto no terceiro andar. Claro, o apartamento de Marcus tinha sido no quarto andar, e a escada de incêndio tinha sido um milhão de vezes mais inseguro do que essa árvore. Pensamentos de Alicia e a Sra. Terwilliger me trouxe de volta para a importância da minha missão, e eu dei a Julia e Kristin um aceno decisivo. - Vamos fazer isso. - eu disse. Julia animou e abriu a janela para mim. Kristin parecia tão ansiosa. - Por favor, me diga que está correndo para atender um cara incrivelmente bonito. - disse ela. Fiz uma pausa quando eu estava prestes a sair. -

Sim,

na

verdade.

Mas

não

do

jeito

que

você

está

pensando. Uma vez eu fiz isso com o membro queJulia tinha indicado, eu descobri que ela estava certa. Era muito simples, tão simples, na verdade, que eu estava surpresa que nenhum funcionário da escola tinha notado essa rota de fuga de fácil acesso e cortou-a. Bem, tanto melhor para aqueles de nós com recados de fim de noite. Eu fiz isso para o chão e disse adeus as minhas amigas assistindo. A

propriedade

de

trás

do

dormitório

tinha

alguma

luz,

exatamente pelo motivo de dissuadir os estudantes rebeldes como eu. Era também ao longo da rota de patrulha de um dos guardas de segurança, mas não era um local que ele ficava regularmente estacionado. Ele não estava à vista, então eu cruzei meus dedos que ele estava ocupado com outra parte de sua rota. Havia sombras suficientes no gramado que eu era capaz de ficar dentro deles todo


caminho até chegar a cerca dos fundos. Era muito bem iluminada, e realmente, os únicos bens que eu tinha eram de que eu era uma alpinista rápida e que o guarda não tinha aparecido ainda. Caindo para trás em que a esperança de que o universo me devia alguns favores, especialmente depois de enganar-me sobre Alicia, engoli em seco e passei por cima. Ninguém gritou para mim quando cheguei do outro lado, e eu dei um suspiro de alívio. Eu tinha feito isso. Retornar seria mais difícil, mas era um problema para mais tarde, espero que a Sra. Terwilliger poderia ajudar com isso. Eu encontrei Adrian esperando por mim no Mustang, exatamente onde eu tinha indicado. Ele me deu um olhar de soslaio, quando ele nos levou para longe. - Sem macacão preto? - Está na lavanderia. Ele sorriu. - É claro que é. Agora, para onde vamos, e o que está acontecendo? - Nós estamos indo para a Sra. Terwilliger. - eu disse. - E o que está acontecendo é que estamos andando na frente do inimigo esse tempo todo, mesmo sem perceber. Eu assisti Adrian quando contei minhas revelações e vi seu rosto ir de descrença para consternado quanto mais eu falava. - Sua aura era demasiado perfeito. - disse ele uma vez que eu terminei. - Perfeitamente neutro, perfeitamente média. Ninguém é assim. Eu deixei passar, no entanto. Imaginei que talvez fosse apenas um estranho humano. - Alguém pode influenciar a forma como a sua aura se parece? Eu perguntei. - Não a esse ponto. - disse ele. - Eu não sei o suficiente sobre estes encantos que vocês usam, mas eu estou supondo que era um daqueles que desequilibrou o modo como suas cores pareciam.


Eu caí no banco, ainda com raiva por não ter percebido isso antes. - Pelo lado positivo, ela não sabe que estamos indo na direção dela e Verônica. Isamos a casa da Sra. Terwilliger, encontramos todas as luzes acesas, o que foi uma surpresa. Eu presumi que ela estava na cama, mas isso certamente não seria a primeira vez que ela tinha perdido um telefonema. Só que, quando chegamos a casa e batemos na porta, não houve resposta. Adrian e eu trocamos olhares. - Talvez ela teve que sair abruptamente. - disse ele. O tom de sua voz transmitiu o que as suas palavras não fizeram. E se a Sra. Terwilliger já descobriu o que tinha acontecido e havia saído para lutar com Alicia e Veronica? Eu não tinha ideia de quão poderosa Alicia era, mas as chances não pareciam promissoras. Quando nenhuma resposta veio da minha segunda batida, eu quase chutei a porta de frustração. - E agora? Adrian girou a maçaneta e abriu a porta. - Que tal esperar por ela? - Sugeriu. Eu fiz uma careta. - Eu não sei se eu estou confortável entrando na sua casa. - Ela deixou a porta destrancada. Ela está praticamente convidando-nos para entrar. - Ele abriu a porta mais longe e olhou para mim com expectativa. Eu não queria voltar para Amberwood sem falar com ela esta noite, nem queria sentar na porta de sua casa. Esperando que ela não se importaria de nós fazer-nos em casa, dei um aceno de cabeça e segui Adrian para dentro. Sua casa era a mesmo de sempre, confusa e impregnada com o cheiro de incenso. De repente, cheguei a um impasse. - Espere. Alguma coisa está diferente. - Levei um momento para descobrir isso, e quando eu fiz, eu não podia acreditar que eu não tinha percebido imediatamente. - Os gatos se foram.


- Puta merda. - disse Adrian. - Você está certa. Pelo menos um deles sempre vinha para receber os visitantes, e outros eram normalmente visível no mobiliário, sob mesas, ou simplesmente ocupando o meio da pista. Mas agora, não havia gatos em vista. Eu olhei em volta, incrédula. - O que no mundo poderia... Um grito ensurdecedor me fez pular. Olhei para meu quadril e encontrei o dragão enfiando a cabeça para fora da minha mochila e tentando agarrar o seu caminho até meu lado. Tardiamente, percebi que eu tinha esquecido de cobrir o aquário. Ele aparentemente escorregou dentro do saco de volta no meu quarto. O som que ele estava fazendo agora era semelhante ao seu grito de fome, exceto ainda mais irritante. Então, incrivelmente, ele beliscou minha perna. Eu me agachei e tentei puxá-lo para cima de mim. - Eu não tenho qualquer torta! O que você está tentando...ahh! - Algo ampliou sobre a minha cabeça e bateu na parede atrás de mim com um splat alto. O par de gotas molhadas de algo pousou no meu rosto e começou a queimar. Foi uma maravilha que eu não ouvi um som crepitante. - Sydney! - Adrian chorou. Virei-me para onde ele estava olhando e vi Alicia parada na porta entre a sala e a cozinha. Sua palma estava virada para nós, uma substância cintilante e grudenta cavou nela. Presumivelmente, era a mesma substância que atualmente queimou minha pele. Eu quase limpei

para

longe,

mas

temia

que

simplesmente

estaria

se

espalhando para os meus dedos. Eu estremeci e tentei ignorá-lo. - Sydney. - disse Alicia agradavelmente. - Ou eu deveria dizer Taylor? Pensei estar vendo vocês dois novamente. Mas não tão cedo. Acho que seu problema com o carro não atrasou você esta noite. - Nós sabemos tudo. - eu disse a ela, mantendo-me de olho. Nós sabemos que você está trabalhando para Verônica.


O olhar presunçoso em seu rosto mudou momentaneamente, vencida pela surpresa. - Trabalhar para ela? Eu me livrei dela a tempos atrás. - Você se livrou... - Por alguns segundos, eu estava em uma perda. Em seguida, o resto das peças do quebra-cabeça caíram juntos. - Você é a única que está absorvendo essas meninas. E aquela bruxa em San Diego. E...Veronica Terwilliger. Eu tinha sido capaz de rastrear Verônica de volta para a pousada com o feitiço de vidência. Quando a Sra. Terwilliger tinha tentado um feitiço diferente de localizar, ela veio em branco. Ela achava que era porque Verônica tinha algum tipo de blindagem. Mas a verdade, de repente eu estava certa, foi que Veronica já estava em coma. Não houve mente ativa para a Sra. Terwilliger alcançar, pois Alicia havia consumido Veronica. Sra. Terwilliger... - Você está aqui por ela. - disse. – A Sra. Terwilliger. Não a mim. - O inexperiente fazem alvos fáceis. - admitiu Alicia. - Mas eles não têm o mesmo poder de pleno direito das bruxas, que pode ser tão fácil de absorver, se você quebrá-los primeiro. Eu não preciso da juventude como Veronica fez, apenas o poder. Uma vez ela me mostrou como a magia funciona, eu era capaz de pegá-la em um momento de fraqueza. Essa menina da outra faculdade disse mais até que eu usava para baixo de Alana. Onde eu tinha ouvido esse nome? Alana...ela era irmã de coven da Sra. Terwilliger que estava em coma. - E, finalmente, eu posso tirar o grande sucesso:Jaclyn Terwilliger. Na verdade, eu não tinha certeza se eu seria capaz de quebrá-la, mas acontece que ela fez um trabalho incrível de usar-se essas últimas semanas, tudo a serviço de proteger sua aprendiz pouco doce. - Eu não sou... - Eu não consegui terminar. Eu estava prestes a dizer que eu não era sua aprendiz, e ainda...eu não era? Eu não estava apenas brincando de magia. Eu tinha juntado às fileiras. E


agora, eu tinha que proteger a minha mentora, assim como ela me protegeu. Se não fosse tarde demais. - Onde ela está? - Eu exigi. - Ela está por aí. - disse Alicia, deleitando-se claramente com a mão superior aqui. - Eu queria que você não tivesse descoberto sobre tudo isso. Você teria feito uma batida boa, uma vez que você tinha aprendido um pouco mais. Você é apenas uma pequena faísca de fogo de Jaclyn agora. Ela é a grande pontuação esta noite. - Diga-nos onde ela está. - ordenou Adrian, uma nota forte em sua voz que eu reconheci. O olhar de Alicia jogou de mim para ele. - Oh, por favor. - ela zombou. - Pare de desperdiçar meu tempo com a sua compulsão de vampiro. Eu percebi o que estava acontecendo depois da primeira visita, quando eu continuava a ter dificuldade em lembrar as suas faces. - De sua mistura de colares, ela nos mostrou um círculo de jade. - Eu adquiri esta tarde. Faz-me imune a seus 'encantos'. Algo que resistia a magia vampiro? Isso seria um item útil para ter no meu saco de truques. Eu tenho que olhar para ele...Desde que eu sobrevivesse a essa noite. Eu vi Alicia tensa de novo, e eu consegui pular para fora do caminho, puxando Adrian comigo para a sala de estar. Eu produzi uma flor de cardo seco e amassei para Alicia, gritando um encantamento grego que iria cegá-la. Ela fez uma pequena onda, com a mão esquerda e zombou de mim. - Sério? - Perguntou ela. - Esse feitiço de cegueira corretiva? Talvez você não é um prodígio depois de tudo. Adrian de repente abriu um pequeno painel na parede ao lado de nós. Eu não tinha notado isso, em grande parte porque eu tinha estado muito distraída sobre ter meu rosto derretendo. Eu vi uma onda de movimento de sua mão, e de repente, estávamos na escuridão. - Agora, esta é a cegueira de reparação. - ele murmurou.


Alicia jurou. Eu congelei, imobilizada pela escuridão ao meu redor. Tanto quanto eu apreciei qualquer tentativa de retardar Alicia, eu era uma espécie de perda de mim mesma. Eu senti Adrian agarrar minha mão, e sem uma palavra, ele me puxou mais para dentro da sala de estar. Segui rapidamente, confiando em sua visão de vampiro para nos guiar. Eu já podia ouvir Alicia cantar e tinha certeza de que algum feitiço que emana luz estava vindo em breve. Ou isso, ou algo que magicamente corrigia uma caixa de fusíveis. - Cuidado. - Adrian murmurou. – Escadas. Com certeza, eu senti meu pé bater um passo de madeira. Eu e ele nos apressamos a descer tão silenciosamente e tão rapidamente como nós poderíamos, descendo em um porão. Meus olhos ainda não haviam se ajustado à escuridão, e eu me perguntava se eu tinha acabado de entrar em algum calabouço secreto. No entanto, como ele nos ferem através das pilhas de caixas, percebi que o porão era apenas utilizado para o armazenamento comum. Havia um monte de lixo aqui. Depois de ver a casa já confusa da Sra. Terwilliger, eu perguntei o que mais ela poderia ter. Adrian finalmente parou quando estávamos em um canto distante atrás de algumas caixas empilhadas quase tão alto quanto eu. Ele me puxou para ele, mantendo-me em seus braços para que ele pudesse falar baixinho no meu ouvido. Minha cabeça estava contra seu peito, e eu podia ouvir seu batimento cardíaco rápido, um espelho para o meu próprio. - Isso foi uma boa idéia. - eu disse em uma voz tão baixa que consegui. - Mas agora estamos presos aqui. Teria sido melhor se pudéssemos ir para fora. - Eu sei. - ele sussurrou de volta. - Mas ela estava muito perto da porta, e eu não tive tempo de mexer com uma janela. Acima de nós, eu podia ouvir o ranger do chão quando Alicia andava pela casa.


- É apenas uma questão de tempo. - eu disse. - Eu estava esperando que ele lhe daria a chance de pensar em algo para nos tirar daqui. Você não pode usar essa bola de fogo? Você era muito boa nisso. - Não aqui dentro. Especialmente não em um porão. Eu queimaria este lugar que nos rodeia. E nós não sabemos onde a Sra. Terwilliger está. Quebrei a cabeça. A casa era pequena o suficiente para que não houvesse muitos lugares que Alicia poderia ter escondido a Sra. Terwilliger. E eu tive que assumir que ela estava escondida em algum lugar, se ela não tivesse vindo em nossa ajuda já. A linguagem de Alicia fez soar como se não tivesse sugado o poder da Sra. Terwilliger ainda, por isso esperava que ela estivesse incapacitada. - Você deve ser capaz de fazer algo. - disse Adrian, apertando seu poder sobre mim. - Você é brilhante, e você tem lido todos os livros de magia. Era verdade. Eu consumi toneladas de material nestes últimos dois meses. Eu não estava nem deveria ter aprendido, mas de alguma forma, neste momento aterrorizado, minha mente não conseguia se concentrar em nada. - Eu esqueci de tudo. - Não, você não esqueceu. - Sua voz na escuridão era calma e tranquilizadora. Ele alisou meu cabelo e pressionou um daqueles beijos no meio da minha testa. - Basta relaxar e se concentrar. Mais cedo ou mais tarde, ela vai estar descendo as escadas atrás de nós. Precisamos tirá-la ou pelo menos retardar-la para que possamos escapar. Suas palavras razoáveis centradas em mim permitiu que as engrenagens da lógica que corriam na minha vida para assumir novamente. Um pouco de luz estava vindo através do porão pequeno, janelas altas, permitindo que os meus olhos finalmente se ajustassem e fizesse algumas das formas escuras no porão.


Eu ainda podia ouvir Alicia se movendo lá em cima, então eu rastejei longe de Adrian e caminhei para a escada. Com alguns arcos graciosos na mão, eu cantava um feitiço sobre os passos e, em seguida, corri de volta para o meu canto com Adrian, voltando sob o abrigo de seu braço. - Tudo bem. - eu disse. - Eu acho que eu tenho um ligeiro atraso pronto. - O que é isso? - Perguntou ele. Só então, ouvimos a porta no topo das escadas sendo aberta. Luz derramou para baixo, embora ainda permanecia nas sombras. - Você está fora das opções. - Eu ouvi Alicia dizer. - Não há lugar para...ahh! Houve um alto-tum-tum-tum-tum quando ela desceu as escadas e bateu no fundo com um baque. - Gelo invisível nas escadas. - disse Adrian. - Eu sei que eu não deveria dizer isso. - disse ele. - Mas eu acho que eu amo você mais do que nunca. Peguei a mão dele e tentei não pensar sobre o quão feliz suas palavras me faziam, mesmo nesta situação de vida ou morte. - Vamos. Deixamos nosso esconderijo e encontramos Alicia esparramada no chão, tentando chegar a seus pés. Uma esfera de prata de luz pairou no ar perto dela, balançando junto fielmente com seus movimentos. Ao nos ver, ela rosnou e agitou as mãos para lançar em nós. Eu esperava isso e tinha um amuleto pronto. Eu balancei em seu cordão de seda e disse algumas palavras rápidas quando passamos por ela. Um escudo, breve, cintilante, queimava entre nós e ela, apenas mal absorvendo os dardos pequenos e brilhantes que ela arremessou no nosso caminho. O escudo era semelhante ao que a Sra. Terwilliger tinha usado no parque, mas tinha que ser convocado no local e não durava muito tempo.


Eu não sabia o que Alicia planejava fazer a seguir, mas, obviamente, algo ruim estava por vir. Eu lancei um feitiço de preferência que eu nunca tinha usado antes, um dos que a Sra. Terwilliger tinha me dito para não me incomodar. Levava um monte de energia e era poderoso, se usado corretamente, mas era extremamente simples e elegante em seus efeitos. Eu simplesmente explodi Alicia para o outro lado da sala com uma onda de poder, exatamente quando ela estava prestes a ficar de pé. Ela voou para trás, em uma pilha de itens de Natal. Uma caixa de ornamentos caiu, quebrando perto dela no chão duro. O feitiço me deixou tonta, mas consegui manter o movimento. Convoquei uma bola de fogo quando chegamos as escadas, mas segurei em minha mão, mantendo-a baixa como se eu estivesse indo para rolar um Skee-Ball, embora minha intenção era simplesmente levá-lo. Rezei para que derreteria o gelo, e depois de meus primeiros passos, eu sabia que estava certa. - Cuidado. - eu avisei Adrian. - Eles estão molhados. Fizemos isso para o alto, mas Alicia já tinha mexido depois de nós. Do fundo das escadas, ela usou o mesmo feitiço em mim que eu tinha usado nela, jogando uma onda de energia invisível em Adrian e eu que nos levou para o chão. Eu estava segurando a bola de fogo, apesar dos avisos da Sra. Terwilliger sobre como fazê-lo drenaria meu próprio poder. Quando Alicia me derrubou, a bola de fogo voou da minha mão e caiu no sofá da Sra. Terwilliger. Considerando que eleparecia que estava coberto de um tecido barato desde os anos 70 eu não estava totalmente surpresa que acendeu tão rápido. Pelo lado positivo, o fogo resolveu nosso problema de escuridão. Em contrapartida, isso significava que a casa provavelmente vai queimar em torno de nós, afinal. O callistana, que não tinha sido rápido o suficiente para manter-se com nós, quando tinha ido lá embaixo, veio correndo para o meu lado. Eu tinha apenas meio segundo para tomar uma decisão.


- Vá olhar no resto da casa para a Sra. Terwilliger. - eu disse para Adrian. - Vou parar Alicia. O fogo crescente criava sombras estranhas em seu rosto, destacando sua angústia com isso. - Sydney. - Este é um daqueles momentos em que você tem que confiar em mim, sem dúvida. - disse eu. - Depressa! Encontre e a tire daqui. Vi um milhar de emoções piscar através de seus olhos, antes que ele obedecesse e saisse correndo em direção a outra ala da casa. O fogo estava se espalhando rapidamente por toda a sala de estar, de uma maneira que tinha que ser mágico. A fumaça aumentando me deu uma ideia, e eu lançei um feitiço que reforçou, criando uma parede nebulosa na entrada para as escadas do porão. Me deu um pequeno tempo antes de Alicia aparecer abrindo a fumaça tão limpa como se estivesse abrindo cortinas. - Isso. - declarou ela. – Dói. Eu lancei um feitiço que deveria ter prendido ela em teias de aranha, mas caiu fora antes mesmo de chegar a ela. Era muito irritante. Eu havia memorizado tanto, mas essas "corretivas" magias não

estavam

funcionando.

Entendi

agora

porque

a

principal

estratégia da Sra. Terwilliger tinha sido para mim ficar quieta e esconder minha capacidade. Como eu teria sido capaz de assumir Veronica? É

verdade,

Alicia

tinha

pego

ela,

mas

depois

de

provavelmente enfraquecêla como ela tinha com a Sra. Terwilliger. Eu até compreendia agora por que a Sra. Terwilliger me disse para pegar uma arma, o que, eu percebi agora, eu tinha deixado no carro. O feitiço de gelo havia dado certo porque Alicia não tinha visto isto. Outro que tinha dado certo foi a explosão de poder, um avançado que tinha ainda me deixado fraca. Eu estava indo para tomar mais um daqueles, eu percebi. Eu não tinha ideia se eu tinha a capacidade de fazer um segundo, mas a tentativa foi a única chance


que eu tinha de...eu gritei quando o que senti como se mil volts de eletricidade estivessem passando por mim. O movimento da mão de Alicia tinha sido sutil e ela ainda não tinha falado. Eu caí de novo, me contorcendo de dor quando Alicia chegou perto de mim, com o rosto triunfante. O dragão bravamente colocou-se entre nós dois, e ela simplesmente chutou-o de lado. Eu o ouvi gritar quando ele deslizou no chão. - Talvez eu deva absorver você. - disse Alicia. Os choques diminuíram, e eu só podia sentar lá e suspirar pela respiração. - Você pode ser o meu quinto. Eu posso voltar para Jaclyn em poucos anos. Você acabou por ser muito mais poderosa do que eu pensava e irritantemente tem recursos. Você até fez um bom esforço esta noite. - Quem diz que eu fiz? - Eu consegui dizer. Eu lancei o primeiro dos feitiços avançados que vieram à mente. Talvez tenha sido inspirado pelos ornamentos de Natal quebrados, mas, de repente, eu tinha quebrado cacos sobre o cérebro. O feitiço não necessitava de nenhuma palavra ou componentes físicos e apenas o menor dos movimentos da mão. O resto foi tirado de mim. Drenagem de energia e de potência que ferem quase tanto quanto a magia eletrizante que Alicia tinha acabado de usar Mas, oh, os resultados foram de tirar o fôlego. Na mesa de café da Sra. Terwilliger (que estava agora no fogo) estava um conjunto de cinco bolas de movimento perpétuo. Eu usei um feitiço de transmutação sobre eles, obrigando-os da sua forma esférica e quebrando-os em pedaços, em finas lâminas de barbear. Eles quebraram livre de suas cordas e veio ao meu comando. Essa foi a parte fácil. A parte mais difícil foi, como a Sra. Terwilliger tinha me dito, realmente atacar alguém. E não apenas pegava-as e as deixava escorregar e cair. Isso não foi tão ruim. Mas um ataque físico real, que você sabia que iria causar danos diretos e terrível, era uma questão totalmente diferente. Não importa o quão terríveis Alicia foi que ela tentou me matar e quis vitimizar a Sra. Terwilliger e


inúmeros outros. Alicia ainda era uma pessoa viva, e não era da minha natureza mostrar violência ou tentar tirar a vida de outro. Foi, no entanto, na minha natureza para salvar a minha própria vida e as dos meus entes queridos. Eu me preparei e ordeneu que viessem a frente. Eles bateram em seu rosto. Ela gritou e tentou freneticamente tirá-los, mas ao fazê-lo perdeu o equilíbrio e voltou a descer as escadas. Ouvi seu grito quando ela caiu no porão. Embora eu não podia vê-la, sua mágica de lanterna orbe alegremente seguiu todo o caminho. Meu triunfo foi de curta duração. Eu estava mais do que tonta. Eu estava prestes a desmaiar. O calor e a luz do fogo eram esmagadora, mas minha visão estava escura da exaustão de lançar um feitiço. Eu não estava em forma. De repente eu só queria me enrolar lá no chão e fechar os olhos onde era confortável e acolhedor... - Sydney! A voz de Adrian sacudiu-me para fora da minha neblina, e eu consegui olhar para ele através de pálpebras pesadas. Ele passou o braço em torno de mim para me ajudar a levantar. Quando minhas pernas não funcionaram, ele simplesmente me pegou no colo completamente e me carregou. O dragão, que não tinha sofrido nenhum dano permanente do chute, se agarrou a minha camisa e correu para a bolsa que ainda estava caída sobre meu ombro. - Onde...Sra. Terwilliger... - Não está aqui. - Adrian disse, indo rapidamente em direção à porta da frente. O fogo estava se espalhando sobre as paredes e teto agora. Embora não tenha feito muito para a frente da casa, no entanto, o nosso modo ainda estava cheio de fumaça e cinzas. Nós dois tossíamos, e as lágrimas corriam dos meus olhos. Adrian chegou à porta e girou o botão, ganindo em como era quente. Então, ele


conseguiu chutar a porta aberta com o pé, e nós estávamos livres, para fora no ar da noite limpa. Vizinhos se reuniram do lado de fora, e eu podia ouvir as sirenes à distância. Alguns dos espectadores assistiram-nos com curiosidade, mas a maioria estava paralisado pelo inferno que era a casa da Sra. Terwilliger. Adrian me levou até seu carro e gentilmente me pôs para que eu pudesse encostar, embora ele ainda mantinha um braço em volta de mim. Nós dois olhamos com admiração para o fogo. - Eu realmente olhei, Sydney. - disse ele. - Eu não poderia encontrar Jackie na casa. Talvez ela escapou. Rezei para que ele estivesse certo. Caso contrário, tínhamos acabado de abandonar minha professora de história em uma morte ardente. - O que aconteceu com Alicia? - A última vez que eu a vi, ela estava no porão. - Um sentimento doentio torcia no meu estômago. - Eu não sei se ela vai sair. Adrian, o que eu acabei de fazer? - Você defendeu-se. E eu. E espero que Jackie. - Seu braço apertado ao meu redor. - Alicia era mal. Olha o que ela fez para as outras bruxas, o que ela queria fazer para vocês. - Eu nunca vi isso acontecer. - disse eu friamente. - Eu pensei que eu era tão inteligente. E cada vez que eu falei com ela, eu via-a como uma garota muito dispersa. Enquanto isso, ela estava rindo e contrariando meus movimentos a

cada passo do caminho. É

humilhante. Eu não conheço muitas pessoas assim. - O Moriarty para o seu Holmes? - Sugeriu. - Adrian. - disse eu. Era tudo que eu precisava dizer. De repente, ele fez uma dupla tomada, percebendo minha roupa pela primeira vez esta noite, agora que o casaco estava aberto. - Você está vestindo sua camisa AYE?


- Sim, eu nunca travaria batalhas mágicas sem... - Um ruído de miado pequeno, de repente me chamou a atenção. Eu procurei ao redor até que avistei dois olhos verdes olhando para mim debaixo de um arbusto do outro lado da rua. Eu consegui endireitar-me e descobri que as minhas pernas, embora fracas, poderiam apoiar o meu peso novamente. Eu dei alguns passos vacilantes em direção ao mato, e Adrian imediatamente correu para o meu lado. - O que você está fazendo? Você precisa de ajuda. - disse ele. Eu apontei. - Temos que seguir o gato. - Sydney. - Ajude-me. - eu implorei. Ele não podia resistir. Me apoiou com o seu braço de novo, ele me ajudou a atravessar a rua em direção ao gato. Ele correu na frente entre dois arbustos, em seguida, olhou para nós. - Ele quer que sigamos. - eu disse a ele. Então nós fizemos, cortando casas e ruas, até quando estávamos prestes a quatro quadras da casa o gato saiu correndo em um parque. Qualquer energia que eu tinha quando comecei depois que o gato foi muito longe. Eu estava ofegante e tonta novamente e resisti a pedir para Adrian me carregar. Algo no centro do parque me chamou a atenção e me deu uma última explosão de adrenalina a correr para a frente. Lá, deitado na grama, estava a Sra. Terwilliger. Ela estava acordada, felizmente, mas parecia quase tão exausta como eu me sentia. Lágrimas e manchas sugeriu que ela tinha passado por uma provação. Ela conseguiu escapar de Alicia, mas não sem luta. Foi por isso que não tinha sido capaz de encontrá-la em casa. Vendo-me, ela piscou em surpresa. - Você está bem. - disse ela. - E você me encontrou.


- Os gatos nos trouxeram. - eu disse, apontando. Todos os 13 deles estavam sentados ao redor do parque, em torno de sua dona, certificando-se de que ela estava bem. Ela olhou em torno de si e conseguiu um sorriso cansado. - Vê? Eu disse que os gatos são úteis. - Callistanas não são tão ruim. - eu disse, olhando para minha mochila. - Essa dor na bunda gritando me salvou de um rosto cheio de ácido. Adrian colocou a mão em seu coração com horror fingido. - Sage, o que você acabou de dizer? Olhando para cima, a Sra. Terwilliger o notou pela primeira vez. - E você está aqui também? Eu sinto muito que você teve que ser arrastado para essa bagunça. Eu sei que você não pediu qualquer deste problema. - Não importa. - disse Adrian, sorrindo. Ele pôs a mão no meu ombro. - Algumas coisas valem a pena.


Capítulo 24 Eu me senti muito ruim sobre queimar a casa da minha professora. A Sra. Terwilliger, por razões óbvias, parecia pensar que era o menor dos seus problemas. Ela não tinha certeza se o seu seguro cobrirá os danos, mas sua companhia era muito rápida no envio de alguém para investigar a causa. Ainda estávamos à espera de ouvir o seu veredicto sobre a cobertura, mas uma coisa que eles não relataram encontrar nenhum sinal de restos humanos. Parte de mim estava aliviada que eu realmente não tinha matado ninguém. Outra parte de mim temia que não tinha visto o último de Alicia. Que comparação tola tinha Adrian feito? O Moriarty para o seu Holmes. Eu tinha que imaginar que está sendo atingido no rosto com lâminas de barbear e em seguida, deixado em um prédio em chamas faria qualquer um guardar rancor. Uma pequena investigação finalmente chegou a Veronica em um hospital de Los Angeles, despachada como Jane Doe. Visitando sua irmã em coma tornou-se a maior das prioridades da Sra. Terwilliger, e ela nutria esperanças de, possivelmente, encontrar uma maneira de desfazer o feitiço. Apesar de como ela agora estava ocupada, minha professora ainda conseguiu pedir-me para conhecer seu coven, e eu concordei por algumas razões diferentes. Uma delas foi que era uma espécie de coisa impossível para mim como se eu não quisesse usar magia mais. A

outra

razão

foi

que

eu

não

tinha

pensando

ao

redor.

Eu ainda estava resolvida a ir com Marcus para o México, e a semana voou e antes que eu percebesse, era sexta-feira, o dia antes de nossa viagem para o México. Eu levei um risco, dizendo adeus aos meus amigos. A coisa mais segura teria sido desaparecer sem deixar vestígios, mas eu confiei em todos eles, mesmo Angeline para manter meu segredo e fingir ignorância uma vez que os alquimistas


descobrissem que tinham um fugitivo. Eu disse a Trey também. Não importa o que havia acontecido entre nós, ele ainda era meu amigo, e eu sentiria falta dele. Com o passar do dia, o dormitório ficou mais silencioso, além de músicas de Natal interminável no lobby. Não querendo excluir outras religiões, a Sra Weathers também havia estabelecido um menorah e um banner de "Feliz Kwanzaa". Amanhã era oficialmente o último dia antes de todos estarem fora, e um número de pessoas já havia saído para as férias de inverno. Eu terminei a minha própria bagagem, o que era luz. Eu não queria ser sobrecarregada com excesso de bagagem desde que eu realmente não tinha ideia do que esperar, no México. Eu ainda tinha duas pessoas que eu precisavadizer adeu: Adrian e Jill. Eu evitava tanto por razões muito diferentes, mas o tempo estava se esgotando. Eu sabia que Jill estava a apenas um lance de escadas de distância, mas Adrian era mais difícil. Nós estivemos em contato algumas vezes após o incêndio, simplesmente para resolver alguns detalhes, mas ele logo ficou em silêncio. Sem chamadas, sem textos, sem sonhos. Talvez eu devesse ter ficado feliz. Talvez eu devesse ter recebido a chance de sair sem despedidas dolorosas... mas eu não podia. Meu peito doía com o pensamento de não vê-lo novamente. Mesmo que ele era a razão que eu estava saindo, eu ainda me sentia como se eu precisava de algum encerramento. Não é sobre o encerramento, Sydney. Você quer vê-lo. Você precisa vê-lo. E é exatamente por isso que você tem que sair. Finalmente, eu tomei a iniciativa e liguei para ele. Levei muito tempo para trabalhar os nervos que eu mal podia acreditar quando ele não respondeu. Eu resisti à vontade de tentar de novo imediatamente. Não. Eu podia esperar. Ainda haveria tempo amanhã, e certamente...certamente ele não estava me evitando?


Decidi adiar a falar com Jill até o dia seguinte. Dizendo-lhe adeus foi tão difícil, e não apenas por causa do que ela viu através do vínculo. Eu sabia que ela pensaria que eu estava abandonando ela. Na

verdade,

se

eu

ficasse

e

acabasse

com

Adrian,

eu,

eventualmente, seria presa e nunca seria capaz de ajudá-la em tudo. Pelo menos, se eu estava longe e livre, eu poderia tentar ajudá-la de fora. Eu esperava que ela iria entender. Esperando por ela me deu a oportunidade de cuidar de uma missão desagradável: o regresso da arma de Malaquias Wolfe. Eu nunca tinha ido a sua casa sem Adrian, e mesmo sabendo que eu não tinha nada a temer de Wolfe, ainda havia algo um pouco inquietante sobre ir para o composto sozinha. Para minha surpresa total e absoluta, Wolfe me deixou em casa quando eu cheguei. Tudo estava calmo. - Onde estão os cachorros? - Eu perguntei. - No treinamento. - disse ele. - Eu tenho um amigo que é um treinador de cães perito, e ele está dando-lhes algumas lições. Ele costumava trabalhar para um local da unidade K-9. Eu não acho que estava no código genético Chihuahua para nunca ser furtivo. Eu mantive isso para mim e olhei em volta, em vez de espanto na cozinha de Wolfe. Eu esperava algo como cozinha de um

navio.

Em

vez

disso,

eu

encontrei

um

ambiente

surpreendentemente alegre, com papel de parede azul xadrez e um pote de biscoitos esquilo. Se alguém tivesse me pedido para descrever a mais improvável cozinha de Wolfe, teria parecido algo como isso. Sem espera. Na geladeira, ele tinha alguns ímãs que pareciam estrelas ninja jogando. Isso, pelo menos, estava a caráter. Adrian vai pirar quando eu lhe disser. Então me lembrei de que eu não poderia ver Adrian por um tempo muito longo. Essa percepção matou qualquer diversão que eu senti.


- Então, o que você precisa? - Perguntou Wolfe. Olhando para ele, de repente eu tive uma sensação estranha, o tapa-olho realmente estava em um olho diferente da última vez. Eu deveria ter prestado mais atenção. - Outra arma? Voltei para a tarefa em mãos. - Não, senhor. Eu não precisava sequer da primeira, mas obrigado por emprestá-la para mim. - Tirei-o da bolsa e entreguei para ele. Ele deu a arma uma vez mais e, em seguida, colocou dentro de uma gaveta. - Corrigiu o seu problema? Você ainda pode ficar com ela se quiser. - Estou saindo do país. Trazendo-o ao longo da fronteira pode me causar algum problema. - Muito bem. - disse ele. Ele pegou o pote de biscoitos e tirou a tampa, inclinando-a para mim. Um perfume incrível saiu para fora. - Quer um? Eu as fiz. Eu estava realmente arrependida de não ser capaz de dizer a Adrian sobre isso. - Não, obrigada, senhor. Eu tive mais do que açúcar suficiente nas últimas semanas. - Eu senti como se devesse ter um cartão de cliente frequente para tortas e outras coisas. - Achei que você parecia melhor. Não toda pele e osso mais. Ele balançou a cabeça em aprovação, que foi muito estranho e um pouco assustador. - Então, onde você dois estão indo? - Mexi...oh, Adrian não vai comigo. Eu vou com outra pessoa. - Sério? - Ele deslizou o esquilo para o outro lado do balcão. - Eu estou surpreso. Eu sempre imaginei quando vocês dois deixaram aqui, que você foi para casa e teve suas próprias privadas sessões de treinamento. Eu me senti ficando vermelha brilhante.


- Não! Não é como... quero dizer, nós somos apenas amigos, senhor. - Eu tinha uma amiga uma vez. Dente de Prata Sally. - Ele tinha aquela expressão distante que sempre veio quando ele tinha uma anedota para compartilhar. - Sinto muito, você disse... - Nunca conheci uma mulher como Sally. - ele interrompeu. Nós lutamos da nossa maneira em toda a Suíça juntos, sempre observando as costas uns dos outros. Nós finalmente saimos vivos e ela queria voltar para os Estados e sossegar. Eu não. Eu tinha sonhos, você vê. Eu era um homem jovem, então, atraído para o perigo e glória. Deixei-a e sai para viver com um xamã Orcadian. Demorou dois anos e um monte de missões de visão para perceber o meu erro, mas quando eu voltei, eu não poderia encontrá-la. Quando eu fecho meus olhos à noite, eu ainda posso ver aquele brilho dos dentes como uma estrela. Isso me assombra, menina. Ele me persegue. Eu fiz uma careta. - Eu não acho que os Orcadians tem visão, senhor. Ou xamãs. Wolfe inclinou-se para frente e balançou o dedo para mim, os olhos bem abertos. - Aprenda com os meus erros, garota. Não vá para os Orcadians. Você não precisa de uma visão mística para ver o que está diante de você, você está me ouvindo? Engoli em seco. - Sim, senhor. Corri para fora depois, pensando que estar em um país diferente de Malaquias Wolfe pode ser uma coisa boa. Na manhã seguinte, eu me preparava para dizer adeus a Jill, mas ela chegou antes de mim e apareceu na minha porta. Foi a primeira vez que tinha realmente falado desde a manhã depois do último sonho com Adrian.


Ela entrou no meu quarto e franziu a testa quando viu a mala. - Você realmente vai? - Sim. E eu tenho certeza que você sabe por quê. Ela cruzou os braços e me olhou diretamente nos olhos, sem qualquer reserva que tinha mostrado pela última vez. Eu tive problemas segurando aquele olhar. - Sydney, não deixe Adrian por causa de mim. - É mais complicado do que isso. - eu disse automaticamente. - Não é verdade. - disse ela. - De tudo que eu vi e ouvi, você está apenas com medo. Você sempre controla cada detalhe de sua vida. Quando você não consegue, como com os alquimistas, encontra uma maneira de aproveitar de volta esse controle. - Não há nada de errado em querer o controle. - eu respondi. - Só que não podemos tê-lo sempre, e às vezes isso é uma coisa boa. Uma grande coisa, mesmo. - acrescentou. - E é assim que é com Adrian. Não importa o quão duro você tente, você não vai ser capaz de controlar seus sentimentos por ele. Você não pode deixar de amá-lo, e assim você está fugindo. Eu sou apenas uma desculpa. Quem era ela para me ensinar isso. - Você acha que eu estou mentindo sobre o quão estranho é para você ver tudo o que acontece entre nós? Cada detalhe íntimo está em exibição. Eu não posso fazer isso. Eu não posso viver assim. - Adrian aprendeu a... - Bem, ele tinha que fazer. - Exatamente. - Sua ferocidade amadurecida. - Sydney, ele me trouxe de volta dos mortos. É a melhor coisa que alguém pode ou vai fazer por mim. Eu não posso paga-lo de volta, mas posso deixá-lo viver sua vida do jeito que ele quer. Eu não esperava que ele me abrigasse por causa do vínculo, e eu não vou julgá-lo ou você. Algum dia, eu e ele vamos aprender a bloquear o outro. - Algum dia. - Eu reiterei.


- Sim. E até então, nós fazemos o melhor que podemos. Tudo o que você está fazendo, deixando três pessoas está fazendo-o miserável. - Três? - Eu fiz uma careta. - Eu estou ajudando você. - Você realmente acha que eu sou feliz quando está infeliz? Você acha que eu gosto da escuridão que rasteja sobre ele? - Quando eu não disse nada, ela empurrou para a frente. - Olha, eu não tenho a mesma reação física a você que ele tem, mas quando ele está com você, ele é tão cheio de alegria...que irradia através de mim, e é uma das maiores experiências que já tive. Eu nunca estive no amor que vocês estão. - Eu não estou... - Eu não poderia dizer isso, e ela me deu um olhar astuto. Eu tentei uma tática diferente. - Ficar aqui é perigoso, especialmente com ele. Os Alquimistas podem descobrir sobre tudo, ele, minha tatuagem, a Sra. Terwilliger, e Deus sabe mais o quê. - E se não encontrar, olhe para o que você recebe. Adrian. O resto de nós. Mágica. A chance de descobrir seus segredos. Eu sei que você ama a vida. Por que você iria desistir? Você é inteligente demais para ser pega. Nós vamos ajudá-la. Você realmente acha que Marcus e seus homens unidos podemos lutar muito quando eles estão sempre correndo? Eu balancei a cabeça. - Eles são como eu. Eles me entendem. Ela era obstinada. - Eles não são como você em tudo. Eles falam. De agir. Foi tão surpreendente vê-la assim, tão confiante e muito mais sábia do que seus anos. Também era um pouco irritante. Se ela era tão sábia, por que não podia entender o quanto estava em jogo? - Jill, ficar é um risco grande em todos os sentidos. - É claro que é! - Ela exclamou, os olhos brilhando de raiva. Qualquer vida que valer a pena vai ter riscos. Se você vai para o México, você vai se arrepender, e eu acho que você sabe disso.


Meu telefone tocou, interrompendo a minha resposta seguinte. Era Eddie. Ele raramente ligava, e o pânico se apoderou de mim. - O que há de errado? - Eu exigi. Ele parecia perplexo. - Eu não diria nada de errado...apenas surpreendente. Jill está com você? Vocês realmente devem descer. Estamos fora. Ele desligou, e eu fiquei totalmente confusa. - O que foi? - Perguntou Jill. - Algo surpreendente, aparentemente. Ela e eu fomos para o saguão, sem mais mencionar Adrian. Quando saímos, encontramos Eddie e Angeline intencionalmente evitando o contato visual com o outro. Em pé perto deles estava um homem alto, cara de boa aparência, com bem aparado cabelo preto e olhos azuis brilhantes. Ele usava uma expressão grave e severa na digitalização da área. - Ele é um dhampir. - Jill murmurou para mim. Seus olhos se fixaram em nós e a nossa abordagem, e o olhar feroz relaxado. - Jill, Sydney. - disse Eddie. - Este é Neil Raymond. Ele vai se juntar a nós aqui. Neil varreu Jill num arco tão baixo, que era uma maravilha que ele não caiu no chão. - Princesa Jillian. - ele disse em uma voz profunda. - É uma honra servi-la, e eu vou fazê-lo com o melhor de minhas habilidades, mesmo que isso signifique sacrificar minha própria vida. Jill deu um passo para trás, os olhos arregalados quando ela o olhou. - O..obrigada. Eddie olhou para trás e para frente entre eles, um pequeno cenho aparecendo em seu rosto. - Neil foi enviado como backup. Eu acho que você apresentou alguma queixa sobre Jill não ter proteção suficiente? - Isso foi para


mim, e se eu não estava enganada, havia uma nota de acusação em sua voz. - Não...eu. Oh. Eu acho que eu fiz. - Quando eu estava tentando fazer o controle de danos com Stanton, uma das minhas queixas era que eu nunca senti que Jill estava segura. Eu acho que essa foi a resposta de Stanton. Foi surpreendente, assim como Eddie havia dito, mas mais olhos sobre ela não poderia ferir. Do jeito que ela estava no dimensionamento com Neil, ela certamente não parecia se importar tanto. Eu apertei sua mão. - É bom ter você por perto, Neil. Eles estão passando-o como um outro primo? - Apenas um aluno novo. - disse ele. Isso era provavelmente bom. Nossa "família" estava em perigo de assumir Amberwood. Eu teria gostado de aprender um pouco mais sobre ele, mas meu tempo acabou. Marcus iria me pegar logo para ir para a estação de trem, vendo como Latte tinha sido declarado totalizado. Eu acho que foi um tipo diferente de encerramento, embora um tipo triste. Eu disse a eles todos adeus e saí para pegar minha mala, agindo como se eu só tinha que fazer uma coisa. Eddie, Angeline, e Jill sabiam a verdade, e eu podia ver dor e pesar em seu olhos, especialmente Jill. Eu rezava para que ficaria bem sem mim. Quando voltei lá embaixo, eu encontrei Jill, era a única que ainda estava lá. - Eu esqueci de te dar isso. - ela disse, entregando um envelope pequeno. Meu nome estava do lado de fora, e eu reconheci a escrita. - Eu tenho tentado obter uma resposta dele e pensei que ele poderia estar me evitando. Este é o seu adeus, hein? - Eu me senti decepcionada que eu não seria capaz de ver Adrian em pessoa uma última vez. Talvez uma carta era melhor do que nada, mas eu gostaria de ter saído com aqueles belos olhos frescos em minha


mente. - É ele...ele está muito chateado? - Eu não podia suportar a ideia de ele se machucar. - Leia a carta. - disse ela misteriosamente. - E lembre-se, Sydney. Isto não é sobre mim. Isto é sobre vocês. Você pode controlar tudo o mais, mas não isso. Deixe ir, e aceite como você se sente. Ela me deixou e eu fui lá fora para me sentar na calçada e esperar por Marcus. Olhei para o envelope, olhando para a forma como Adrian tinha escrito meu nome. Três vezes eu quase abri... mas me acovardava cada vez, Finalmente, eu vi Marcus, e o envelope desapareceu na minha bolsa. Assim que ele me pegou, ele começou a falar animadamente sobre os grandes planos pela frente. Eu mal ouvi. Tudo o que eu pensava era sobre Adrian e quão vazia minha vida estava indo para parecer sem ele. Marcus e eu estavamos indo nos reunir com Wade e Amelia na estação de trem, mas eu não podia imaginar qualquer um deles me entendendo como Adrian, mesmo se eles eram humanos e compartilhavam o mesmo fundo. Nenhum deles teria o seu humor seco ou perspicácia misteriosa. E fervendo por baixo de todas essas emoções eram as memórias mais aquecidas...do jeito que tinha me beijado, do jeito que me sentia abraçada a ele... - Sydney? Você está mesmo prestando atenção? Pisquei e olhei para Marcus. Acho que foi mais um daqueles momentos em que ele não podia acreditar que alguém não estava pendurado em cada palavra sua. - Desculpe. - eu disse. - Minha mente está em outro lugar. Ele sorriu. - Bem, mude para praias e margaritas porque sua vida está prestes a mudar. Era sempre praias e margaritas com ele. - Você deixou de fora a parte sobre nós selando a tatuagem. A menos que seu tatuador também é um barman.


- Lá vai você de novo, engraçada e bonita. - Ele riu. - Nós vamos ter um grande momento. - Até quando vamos estar lá? - Bem, nós vamos cuidar das tatuagens em primeiro lugar. Essa é a coisa mais importante. - Fiquei aliviada ao vê-lo tomar a sério. Então nós vamos ficar quieto, apreciar as vistas por algumas semanas. Depois disso, vamos voltar e seguir algumas pistas sobre outros alquimistas insatisfeitos. - E então você vai repetir o processo? - eu perguntei. No espelho retrovisor, eu podia ver Palm Springs desaparecendo quando nós dirigimos para o norte. Senti uma pontada de saudade no meu peito. - Obter outros para recuperar informações críticas e depois libertálos? - Exatamente. Nós

dirigimos

em

silêncio

por

um

minuto

enquanto

eu

processava suas palavras. - Marcus, o que você faz com a informação que recolhemos? Quer dizer, o que você vai fazer a respeito de Mestre Jameson? - Encontrar mais evidências. - disse ele prontamente. - Esta é a maior pista que já tivemos. Agora podemos realmente avançar em saber mais. - É mais do que uma vantagem. Por que não vazar para os Moroi? -

Os

alquimistas

negariam.

Além

disso,

não

quero

ser

precipitado. - Então, e se eles negarem? - Eu exigi. - Pelo menos os Moroi terão um aviso. Ele olhou para mim com um olhar que me fez lembrar de um pai tentando ser paciente com uma criança. À nossa frente, eu vi um sinal para a estação de trem.


- Sydney, eu sei que você está ansiosa, mas confia em mim. Esta é a maneira que sempre fizemos as coisas. - Eu não sei o que é o caminho certo, no entanto. - Você tem um monte de ideias para alguém que apenas se juntou. - Ele riu. Eu gostaria que ele parasse de fazer isso. - Espere, e então você vai entender. Eu não gostei de sua atitude condescendente. - Eu acho que já entendi. E você sabe o que? Eu não acho que vocês fazem nada. Quero dizer, você descobriu alguma informação incrível...mas e depois? Você continua esperando. Você fuge e esconde-se ao redor. Como isso é realmente ajudar? Suas intenções são boas... mas isso é tudo o que elas são. - Eu quase podia ouvir a voz de Jill: Eles falam de agir. Ironicamente, Marcus estava sem palavras. - Você pode fazer muito. - eu continuei. - Quando eu descobri sobre você, você parecia ter todo o potencial do mundo. Tecnicamente, você ainda tem. Mas ele está sendo desperdiçado. Ele puxou em muito a estação de trem de estacionamento, ainda olhando totalmente atordoado. - Onde diabos é que isso veio? - Perguntou ele, por fim. - Eu. - eu disse. - Porque eu não sou como vocês. Eu não posso fazer nada. Eu não posso fugir. E...Eu não posso ir com você. Era bom dizer isso...e também me senti bem. Durante toda a semana, meu cérebro foi me dizendo que a coisa certa a fazer era ir embora

antes

que

as

coisas

com

Adrian

e

os

Alquimistas

explodissem. E, sim, que provavelmente era a coisa mais inteligente. Meu coração nunca havia estado inteiramente a bordo, mas eu tentei ignorá-lo. Não foi até que eu tinha escutado tanto Jill e Marcus que eu percebi que só desta vez, meu cérebro pode ter que optar pela solução menos lógica. Eu tinha que dar crédito a Marcus. Ele realmente parecia preocupado e não foi apenas colocar para fora por não conseguir o seu caminho.


- Sydney. Eu sei como você está conectada a este lugar e estas pessoas, mas não é seguro para você aqui. Não é seguro para você em qualquer lugar, não tão logo como os Alquimistas estão assistindo. Não enquanto sua tatuagem é vulnerável. - Alguém me disse que viver a vida tem riscos. - eu disse, incapaz de esconder um sorriso. Eu nunca pensei que eu estaria citando Jill. Marcus bateu com o punho contra o painel. - Isso é besteira sentimental! Parece bom na teoria, mas a realidade é completamente diferente. - Que tipo de realidade que você poderia ter criado se você tivesse ficado com os Alquimistas. - eu perguntei. - Quanto você poderia ter descoberto? - Nada se eu fosse pego. - disse ele categoricamente. - E não importa o quão inútil você acha que nós somos, eu libertei dezenas de Alquimistas. Eu ajudei Clarence e outros Moroi. - Você não é inútil, Marcus. Você faz um bom trabalho, mas não estamos apenas no mesmo caminho, isso é tudo. Eu vou ficar e fazer as coisas do meu jeito. Não é o que você disse quando nos conhecemos? Ajudando os Moroi em nossos próprios termos? Estes são os meus. - Você está perdendo seu tempo! - É o meu tempo a perder. - disse eu. Adrian tinha dito exatamente a mesma coisa para mim no vôo para o casamento, quando eu lhe disse que ele não podia continuar me amando. Eu me senti mal por Marcus. Eu realmente me senti, especialmente desde que ele tinha estado realmente contando comigo para vir com ele. Ele pegou minha mão. - Sydney, por favor, não faça isso. - ele implorou. - Não importa como você se sente confiante, não importa o quão cuidadosa você pensa que é, as coisas vão sair do controle.


- Elas já saíram. - eu disse, abrindo a porta do passageiro. - E eu vou parar de lutar contra eles. Obrigada por tudo, Marcus. Eu quero dizer isso. - Espere, Sydney. - ele chamou. - Só me diga uma coisa. Olhei para trás e esperei. - De onde é que isso veio? Quando você me chamou para me dizer que estava vindo, você disse que percebeu que era a coisa certa a fazer. O que fez você mudar de ideia? Eu

dei-lhe

um

sorriso

que

eu

esperava

que

fosse

tão

deslumbrante como um dos seus. - Eu percebi que estou apaixonada. Marcus, assustado, olhou ao redor como se esperasse para ver o meu objet d'amour no carro com a gente. - E você só percebeu isso? Você acabou de ter algum tipo de visão? - Não precisa. - disse eu, pensando na viagem de Wolfe aos Orcadians. - Ele sempre esteve bem em frente de mim.


Capítulo 25 Uma vez que Marcus finalmente aceitou que eu não ia, ele me desejou

boa

sorte,

embora

ele

ainda

usava

essa

expressão

atordoada. Ele tinha planejado abandonar o carro na estação, mas entregou as chaves para mim como um presente de despedida. Vi-o a pé e perguntou se eu tinha cometido um erro. Então eu pensei em verde, olhos verdes e todo o trabalho que Adrian e eu tivemos que fazer juntos. Esta foi a escolha certa...Eu só esperava que não era tarde demais. Ele ainda não estava respondendo às minhas chamadas. Será que ele me odeia? Ou ele estava escondido em algum lugar, deprimido e bebendo fora suas dores? Eu peguei sua carta da minha bolsa, perguntando o que eu ia encontrar. Sabendo como era Adrian, eu

esperava

alguma

expressão

florido

longo,

de

amor.

Em vez disso, tudo o que eu encontrei foi uma longa série de números. Os números não significavam nada para mim. Estudei-os por um tempo no carro, aplicando alguns códigos comuns que eu conhecia. Nenhuma resposta apareceu, embora eu não estava completamente surpresa. Códigos e matemática complexos não eram exatamente o estilo de Adrian. Mas então, por que ele deixou a nota? Obviamente, ele achava que eu poderia decifrá-lo. Eu segurei a nota longe de mim, esperando que algo visual iria se revelar. Ele fez. Quando olhei para os números de novo, eu vi uma quebra natural no meio deles, em um formato que parecia familiar. Entrei os dois conjuntos de números na tela de latitude e longitude do meu GPS. Um momento depois, ele virou-se em um endereço em Malibu. Sul da Califórnia. Era uma coincidência?


Sem nem pensar duas vezes, eu retirei do lote a estação de trem de estacionamento e fui em direção ao litoral. Era perfeitamente possível que estava prestes a perder duas horas e meia (cinco, se contarmos a viagem de volta), mas eu não penso assim. Não há coincidências. Parecia o maior drive da minha vida. Minhas mãos firmemente apertaram o volante o tempo todo. Eu estava ansiosa, ainda apavorada. Quando eu estava a apenas alguns quilômetros do endereço, eu comecei a ver sinais para o Getty Villa. Por alguns segundos, eu estava confusa. O Getty Center era um museu muito famoso, mas era mais perto de Los Angeles. Eu não entendia a conexão ou porque eu tinha acabado em Malibu. No entanto, eu obedientemente segui as instruções e acabei no estacionamento para os clientes. Quando cheguei à entrada, eu recebi minhas respostas. O Villa era um museu irmã para o Getty Center, um que se especializou na arte grega e romana. Na verdade, uma boa parte da Getty Villa foi criado como um templo antigo, completo, com pilares em torno, pátios cheios de jardins, fontes e estátuas. A entrada é gratuita, mas exigia uma reserva. As coisas eram lentas hoje, e eu rapidamente retifiquei o problema, fazendo uma reserva on-line no meu telefone. Quando eu entrei, eu quase esqueci porque eu estava lá, mas só por um instante. O museu foi um sonho tornado realidade para um amante de clássicos como eu. Sala após sala com foco no mundo antigo. Estátuas de jóias, roupas...era como se eu tivesse entrado numa máquina do tempo. O estudioso em mim desejava estudar e ler sobre cada exposição em detalhe. O resto de mim, com o coração e a excitação mal contida, apenas brevemente interrompida em cada quarto, apenas o tempo suficiente para pesquisar e seguir em frente. Depois de olhar em quase todas as áreas do interior, eu entrei no peristilo exterior. Minha respiração ficou presa. Era um enorme


jardim ao ar livre construído em torno de uma piscina que tinha que ser de pelo menos 200 pés de comprimento. Estátuas e fontes pontilhava a superfície da piscina, e todo o espaço foi cercado de árvores maravilhosamente bem cuidados e outras plantas. O sol quente, apesar do dia de dezembro, brilhava sobre tudo, e o ar cantarolou com o canto dos pássaros, espirrando água, e suave conversa. Turistas circulavam, parando para admirar as vistas ou tirar fotos. Nenhum deles importava, porém, não quando eu finalmente encontrei a pessoa que eu estava procurando. Ele estava sentado na extremidade oposta do jardim de onde eu tinha entrado, na borda mais distante da piscina. Estava de costas para mim, mas eu o teria reconhecido em qualquer lugar. Aproximeime com trepidação, ainda produzindo com essa estranha mistura de medo e ansiedade. Quanto mais perto eu estava, mais suas características eram detalhadas. O corpo alto e magro. Os reflexos castanheiros que o sol trouxe em seu cabelo escuro. Quando eu finalmente cheguei no final da piscina, cheguei a uma parada logo atrás dele, sem me atrever a ir mais longe. - Sage. - disse ele, sem olhar. - Pensei que estaria ao sul da fronteira agora. - Não, você não pensou. - eu disse. - Você nunca me daria a carta ou viria até aqui. Você sabia que eu não iria deixar. Ele olhou para mim, finalmente, olhando ao sol brilhante. - Eu tinha certeza que você não iria deixar. Eu esperava que você não iria deixar. Jill e eu debatemos isso. O que você acha do meu uso doce de latitude e longitude? Muito brilhante, hein? - Gênio. - eu disse, tentando segurar o meu sorriso. Alguns dos meus medos desapareceram. Estávamos de volta em território familiar, fácil de novo. Apenas Adrian e eu. - Você assumiu um risco que eu sabia o que esses números significavam. Você poderia ter ficado sentado aqui o dia todo. - Nah. - Adrian levantou-se e deu um passo em minha direção.


- Você é uma menina inteligente. Eu sabia que você ia descobrir. - Não tão inteligente. – Quanto mais perto ele chegava mais o meu coração começava a correr novamente. - Levei um tempo para entender algumas coisas. - Fiz um gesto que nos rodeia. - E como é possível que você sabia que esse lugar existia, mas eu não? Seus dedos traçaram o meu rosto, e de repente, o calor do sol não era nada comparado com o calor do seu toque. - Foi fácil. - disse ele, segurando-me em seu olhar. - Eu tive que começar a minha busca em algum lugar, então eu digitei 'Roma antiga' e 'California' em meu telefone. Isso foi como o primeiro hit. - O que buscava? - Eu perguntei. Ele sorriu. - Um lugar mais romântico do que tortas e outras coisas. Adrian inclinou meu rosto em direção ao seu e me beijou. Como sempre, o mundo em torno de mim parou de se mover. Não, o mundo tornou-se Adrian, apenas Adrian. Beijá-lo foi extasiante como sempre, cheio da mesma paixão e necessidade que eu nunca tinha acreditado que eu sentia. Mas hoje, havia ainda mais para ele. Eu já não tinha qualquer dúvida sobre se isso era certo ou errado. Foi o culminar de uma longa jornada...ou talvez o início de uma. Eu passei meus braços em volta de seu pescoço e puxei-o para mais perto. Eu não me importava que estávamos em público. Eu não me importava que ele era Moroi. Tudo o que importava era que ele era Adrian, meu Adrian. Meu jogo. Meu parceiro no crime, na longa batalha que eu tinha acabado de assinar contrato para corrigir os erros dos Alquimistas e do mundo dos Moroi. Talvez Marcus estava certo de que eu também assinei para o desastre, mas eu não me importei. Naquele momento, parecia que o tempo que Adrian e eu estávamos juntos, não havia desafio muito grande para nós. Eu não sei quanto tempo ficamos ali nos beijando. Como eu disse, o mundo em torno de mim se foi. O tempo estava parado. Eu estava inundada daa sensação do corpo de Adrian contra o meu, seu


aroma, e no gosto de seus lábios. Isso era tudo o que importava agora, e eu me vi pensando em nosso negócio inacabado no sonho. Quando finalmente acabou o beijo, muito cedo, tanto quanto eu estava preocupada, ainda ficamos trancados em um abraço. O som de risada me fez olhar para o lado, onde duas crianças pequenas estavam rindo e apontando para nós. Vendo-me a observá-los, eles correram para longe. Eu me virei para Adrian, querendo derreter com felicidade quando eu olhei em seus olhos. - Isto é muito melhor do que amar de longe. - eu disse a ele. Ele tirou um pouco de cabelo do meu rosto e olhou nos meus olhos. - O que a fez mudar de ideia? Quer dizer, eu sabia que você nunca seria capaz de ficar longe de mim, mas eu não vou mentir...você me assustou lá por um tempo. Debrucei-me contra seu peito. - Foi uma combinação de coisas, realmente. Alguns conselhos surpreendentemente bons de Jill. Uma das encantadoras histórias de Wolfe. Eu tenho que te contar sobre sua cozinha, por sinal. Além disso, eu fiquei pensando sobre quando estávamos em cima da mesa. Adrian mudou apenas o suficiente para que pudéssemos olhar para o outro novamente. Foi um dos raros momentos em que ele era totalmente pavimentado. - Deixe-me ver se entendi. O futuro de nossa relação articulada no conselho de uma menina de quinze anos de idade, uma história, provavelmente falsa de um treinador Chihuahua de um olho só, e um momento de pegação não romântico em cima de talheres. - Sim. - eu disse depois de alguns momentos de reflexão. - Isso é tudo o que tinha, hein? E eu que pensei que ganhar você seria mais difícil. - Ele ficou sério novamente e deu um beijo na minha testa. - O que acontece agora? - Agora nós conferimos este museu incrível que você me atraiu. Você vai adorar arte etrusca.


Aquele sorriso maroto que eu adorava retornou. - Eu tenho certeza que eu vou. Mas o que dizer do futuro? O que vamos fazer sobre nós, sobre isso? Eu peguei suas mãos, ainda mantendo-o fechado. - Desde quando você está preocupado com as consequências ou o futuro? - Eu? Nunca. - Ele considerou. - Bem, isto é, desde que você está comigo, eu não estou preocupado. Mas eu sei que você gosta de se preocupar com esse tipo de coisas. - Eu não diria que eu gosto. - eu corrigi. Uma suave brisa arrepiou o cabelo, e eu resisti ao impulso de colocá-lo de volta no lugar. Se eu soubesse, eu tinha certeza que ia começar a beijar de novo, e eu acho que eu deveria primeiro ser responsável e responder às suas perguntas. - Vamos correr para os Keepers? - Sugeriu. - Claro que não. - eu zombei. - Isso seria covarde e imaturo. E você nunca iria sobreviver sem cabelo com gel que você pode gostar no luar. - Então, o que vamos fazer? - Nós vamos manter tudo isso em segredo. Ele riu. - Isso não é covarde? - É emocionante e ousado. - disse eu. - Bravo e valente, mesmo. Imaginei que seria para isso. - Sage. - Ele riu. - Eu estou em qualquer coisa, desde que você está comigo. Mas vai ser suficiente? Eu não sou completamente alheio às consequências, você sabe. Eu entendo como perigoso isto é para você, especialmente se você continua a questionar os Alquimistas. E eu também sei que você ainda está preocupada com Jill nos observando. Certo. Jill. Jill, que estava, provavelmente, testemunhando tudo isso agora, se queria ou não. Ela ficou feliz por sua felicidade? Ela


estava

preenchido

com

a

alegria

de

nosso

amor?

Ou

era

terrivelmente desconfortável para ela? - Os três de nós vai encontrar uma maneira de lidar. - disse. Eu não

conseguia

pensar

muito

mais

sobre

isso

agora

ou

eu

provavelmente iria começar a passar. - E, sobre os Alquimistas... vamos ter de ter cuidado. Eles não me seguem por toda parte, e como você disse, eu estou com você metade do tempo de qualquer maneira. - Eu só esperava que fosse suficiente. Tinha que ser. E então o beijo começou novamente. Não havia como evitá-lo, não quando estávamos juntos como este, longe do mundo real de nossas

vidas

normais.

O

cenário

era

perfeito

demais.

Ele era perfeito demais, apesar de ser uma das pessoas mais imperfeitas que eu conhecia. E, honestamente, que tinha perdido demasiado tempo com dúvidas e jogos. A única coisa que você aprende de constantemente ter a sua vida em perigo é que é melhor você não desperdiçá-la. Mesmo Marcus tinha admitido. Adrian e eu passamos o resto do dia no Villa, a maior parte dela beijando nos jardins, apesar de eu convencê-lo a verificar alguns dos artefatos dentro. Talvez eu estava apaixonada, mas eu ainda estava em mim, depois de tudo. Quando as coisas finalmente encerraram para a noite, jantamos em um restaurante de fondue na praia e permanecemos lá por um longo tempo depois, mantendo-se perto um do outro e vendo o brilho da lua crescente no oceano. Eu estava presa em assistir as ondas quebrando quando senti os lábios de Adrian na minha bochecha. - O que aconteceu com o dragão? - Ele tem um nome, você sabe. Adrian me puxou para trás e me deu um olhar curioso. - Eu não sei, na verdade. O que você decidiu? - Hopper. - Quando Adrian riu, eu adicionei, coelho. - Melhor. Ele ficaria orgulhoso de saber que o nome dele está sendo repassado.


- Sim, eu tenho certeza que ele facaria. Será que o nome do Mustang também? - Eu acho que você quer dizer o Ivashkinator. Ele me olhou com espanto. - Eu disse que te amava, certo? - Sim. - eu assegurei a ele. - Muitas vezes. - Bom. - Adrian me puxou mais perto. - Só tendo certeza, senhorita 'Eu sou um estudo rápido'. Eu gemi. - Eu nunca vou viver para esquecer isso, vou? - Viver? Inferno, eu vou segurar-lhe a ele. Eu suspeitava que o carro de Marcus foi roubado, por isso, deixei-o em Malibu. Adrian me levou de volta para o dormitório e beijou-me no adeus, prometendo chamar-me na primeira hora na manhã. Foi difícil deixá-lo ir, mesmo sabendo que eu estava sendo boba de pensar que eu não poderia ficar sem ele por 12 horas. Eu entrei no meu dormitório dançando no ar, meus lábios ainda queimando por seus beijos. Foi uma loucura, eu sabia que, na tentativa de ter um relacionamento com ele. Raspe isso. Ele ia ser perigoso o suficiente para que alguns de minha euforia esmaecessem quando isso me bateu. Eu fiz um bom jogo com ele, tentando aliviar seus medos, mas eu sabia a verdade. Tentando descobrir segredos dentro dos Alquimistas ia ser bastante difícil, e minha tatuagem ainda não era segura. O que eu tinha acontecendo com Adrian tinha elevado as apostas de forma exponencial, mas que era um daqueles riscos que aceitava de bom grado. - Senhorita Melrose. A voz da Sra. Weathers me trouxe de volta a realidade com um solavanco. Eu vim para uma parada no meio do lobby do dormitório e olhei para ela. Ela se levantou de sua mesa e aproximou-se.


- Sim, senhora? - É meia-noite. Olhei para o relógio, surpresa ao ver que ela estava certa. - Sim, senhora. - Mesmo que as férias de inverno está aqui, você ainda está registrada no dormitório até amanhã, o que significa que você ainda está sujeita às regras. É depois do toque de recolher. A única coisa que consegui foi o óbvio. - Sim, é, minha senhora. A Sra. Weathers esperou, como se estivesse esperando que eu diria mais. - Você estava fazendo outra tarefa para a Sra. Terwilliger? Houve um olhar quase comicamente desesperado em seu rosto. - Eu não recebi a notificação, mas com certeza ela pode retroativamente consertar as coisas. Percebi então que a Sra. Weathers não me queria em apuros. Ela estava esperando que eu tinha algum motivo para quebrar as regras, alguma razão que eu poderia evitar a punição. Eu sabia que podia mentir e dizer que eu estava ajudando a Sra. Terwilliger. Eu sabia que a Sra. Terwilliger me apoiaria. Mas eu não podia fazer isso. Parecia errado manchar o meu dia com Adrian com uma mentira. E realmente, eu tinha quebrado as regras. - Não. - eu disse a Sra. Weathers. - Eu não estava com ela. Eu estava apenas... fora. A Sra. Weathers esperou mais alguns momentos e depois mordeu o lábio com resignação. - Muito bem, então. Você conhece as regras. Você vai ter que servir uma aulas de detenção uma vez que começar de novo. Eu balancei a cabeça solenemente. - Sim, senhora. Eu entendo.


Ela olhou como se ela ainda estava esperando que eu corrigisse a situação. Eu não tinha nada para oferecer a ela e se virou para ir embora. - Ah, eu quase esqueci! - Ela chamou. - Eu estava muito surpresa com isso...transgressão. - Ela virou-se de volta para a matrona do dormitório que eu conhecia. - Por favor, deixe-me saber se a sua prima vai ficar com você no seu quarto ou se ela precisa de seu próprio. Eu pisquei em confusão. - Por que Angeline ficaria comigo? - Não ela. Sua outra prima. Eu comecei a dizer que eu não tenho um outro primo, mas alguma voz de advertência dentro de mim disse-me para não negar nem confirmar suas palavras. Eu não tinha ideia do que estava acontecendo, mas todos os meus alarmes estavam dizendo que alguma coisa estava definitivamente para acontecer. Fosse o que fosse, eu precisava manter minhas opções em aberto. - Ela tinha toda a documentação apropriada. - explicou a Sra. Weathers. - Então eu a deixei em seu quarto, já que é só para a noite. Eu engoli. - Eu vejo. Posso, hum, deixar que você saiba depois das férias? - Certamente. - Depois de um momento de hesitação, ela acrescentou: - E nós vamos discutir a sua detenção, em seguida, também. - Sim, senhora. - eu disse. Subi, um sentimento de medo na boca do meu estômago. Quem estava esperando no meu quarto? Quem no mundo era parte da minha família imaginária agora? Como se viu, era alguém da minha família real.


Quando eu abri a porta, encontrei Zoe sentada na minha cama. Seu rosto se iluminou quando ela me viu, e ela saltou para a frente para agarrar-me em um abraço feroz. - Sydney! - Exclamou ela. - Eu estava tão preocupada que não ia voltar hoje à noite. - É claro que eu ia. - disse eu friamente. Eu estava tão chocada que eu mal podia devolvê-la o abraço. - O que você está fazendo aqui? Ela se afastou e olhou para mim com um grande sorriso. Não havia raiva, nem mesmo a desconfiança que ela tinha em St. Louis. Ela estava cheia de alegria, verdadeiramente feliz em me ver. Eu não sabia por que ela estava aqui, mas a esperança começou a florescer dentro de mim que nós finalmente chegamos a nossa reconciliação. Até que ela falou. - Eles me deram uma posição em campo! Estou atribuída aqui. Ela virou o rosto, me mostrando uma tatuagem de lírio de ouro em sua bochecha. Meu coração quase parou. - Eu sou oficialmente uma Alquimista agora. Bem, um júnior. Eu tenho muito a aprender, por isso pensei que seria melhor se eu estivesse com você. - Eu vejo. - disse eu. A sala estava girando. Zoe. Zoe estava aqui e era uma alquimista, uma que iria ficar comigo. Sua expressão exuberante ficou um pouco perplexa. - E eu acho que você estava dizendo para Stanton algo sobre a necessidade de backup Alquimista? Que era muito difícil estar perto de tantos Moroi por si mesmo? Tentei sorrir, mas não consegui. - Algo como isso. Eu pedi a Stanton para tomar medidas, e ela tinha. Só não era o tipo que eu esperava. O entusiasmo de Zoe retornou.


- Bem, você não está sozinha agora. Eu estou aqui para você, não que você provavelmente ainda precisa de mim. Você nunca entra em qualquer dificuldade. Não, eu só tinha um romance acontecendo com um vampiro, estava à beira de ingressar em um clã, e estava investigando segredos que ninguém queria conhecer. Nenhum problema em tudo. Como no mundo eu estava indo para esconder tudo dela? Zoe me abraçou novamente. - Oh, Sydney! Isso vai ser ótimo. - exclamou ela. - Nós vamos estar juntas o tempo todo!

Fim.

O feitiço azul  

Bloodlines 3

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you