Page 1

...

A equipa do jornal escolar agradece à Câmara Municipal a impressão da 1ª edição e a colaboração na 2ª edição.

Maio 2018


EDITORIAL

Editorial

2

A Felicidade

4

As cores da leitura

5

Foi sem grandes sobressaltos e, de um certo

Erasmus +

6

modo, subitamente que o ano letivo chegou ao fim.

Visita ao museu

7

Tal como na maioria dos outros anos, tive a sensação

Atividades no Laboratório

8

de que a roda do tempo é inexoravelmente cada vez

Horta Biológica

9

mais rápida, circunstância que contribuiu para a falta

Junto à Terra

10

do tempo necessário para a reflexão e comunicação.

Carraças “Um perigo todo o ano”

12

Por isso mesmo, considero que chegou o momento

Escritas Criativas

14

certo para esboçar um balanço preliminar dos aspetos

Interação das alunas da sala de Multideficiência com as suas turmas

16

As pequenas rebeldes viraram mães ...

20

Os mais pequenos

22

Bibliotecas Escolares

42

Visita de Estudo a Segóvia

47

Visita a Atenor

49

Os Lusíadas em Imagens

50

O homem descobriu a Matemática …?

51

Presidente da República, Professor Marcelo Rebelo

Peintres et Chanteurs

52

de Sousa, o donativo que nos permitiu custear a mai-

Sala Multimédia

54

oria das despesas na execução das obras de remodela-

Teatro

55

Educação Física

56

Baú das Expressões

59

positivos e menos positivos que marcaram o decorrer do ano escolar. Agrada-me realçar que, de uma forma clarividente, as valências do Agrupamento aumentaram, que os alunos têm mais condições para que ocorra a melhoria das suas aprendizagens. Dessas valências, relevo a renovação dos laboratórios de Biologia e de Física e Química. Apesar de já o ter feito, aproveito este editorial para agradecer publicamente ao Senhor

ção e na compra de material adequado. Uma vez que o donativo não foi suficiente para a execução integral, por conta própria do Agrupamento e com os donativos das Juntas de Freguesia de Bruçó e Paradela foi possível concluir as obras. Aproveito também o EQUIPA TÉCNICA: Coordenação: Lurdes Martins.

momento para agradecer a benevolência dos presi-

dentes das juntas de freguesia mencionadas.

Edição: Alunos e Professores do Agrupamento 2ª edição de 2017/2018 Colaboradores: Ana Teresa Gomes, Ana Pereira, Fátima Cancela, Fernanda Ferreira e José Diogo Periodicidade: duas edições por ano letivo Tiragem: 200 exemplares Email: ecodaspalavras@gmail.com Distribuição desta edição : 1 eco

2


Quero pois salientar o contributo das entidades atrás referidas para a melhoria das condições físicas do nosso Agrupamento e para a criação de fatores proficientes para a aprendizagem, destacando por conseguinte a relação benéfica entre os agentes da Escola e da Comunidade Educativa. Na mesma perspetiva, relembro que a consecução das atividades do Plano Anual e a concretização dos objetivos preconizados no Projeto Educativo não teriam obviamente a mesma qualidade e a mesma eficácia se não houvesse a ajuda da Câmara Municipal, que sem reservas cedeu o autocarro para as várias visitas de estudo, os serviços de impressão para a primeira edição do Jornal Escolar, as instalações da Casa da Cultura, assim como facultou algumas atividades culturais e educativas aos alunos do Agrupamento. Através da leitura de alguns artigos da segunda edição do jornal, percebe-se a satis-

fação e a alegria dos autores e dos intervenientes aquando da sua participação nas atividades. Se é visível que há condições propícias para que a aprendizagem dos alunos se efetive, que há atividades que marcam o seu interesse e que há franjas da comunidade discente que mostram apetência e gosto pela Escola, verifica-se também que há alunos, com outros interesses que não os escolares, que não contribuem para a criação de um clima escolar salutar, baseado no cumprimento de regras, na convivência e na partilha de saberes e vivências. De uma forma simples e sem rodeios, o balanço do ano está feito. Conseguir que a maioria dos alunos goste da Escola e sinta o espaço escolar como um espaço familiar e de envolvimento será esse o grande desafio de todos nós – pais, alunos, docentes, pessoal não docente e restante comunidade educativa. A “caminhada” parece longa e penosa e nem todos confiam na vontade própria e na força intrínseca para a afrontar. Porém, quando a mesma é realizada em conjunto e as primeiras etapas, geralmente as mais difíceis e íngremes, são ultrapassadas, é com satisfação e naturalmente que se chega à meta delineada. Servindo-me da mensagem metafórica atrás aludida, fica o apelo para que cada um à sua maneira assuma uma postura de dedicação, de profissionalismo e de coragem, ou seja, participe ativamente na “caminhada” do Agrupamento, ajudando assim os alunos a desenvolver o gosto pela Escola, o envolvimento escolar e a melhoria das aprendizagens essenciais. Com a chegada próxima do final do ano letivo, desejo a todos umas boas férias.

O Diretor do Agrupamento: Silvano António Cancela

3


A FELICIDADE Felicidade…. Será que alguém sabe realmente o que é a felicidade? Não sei responder pelos outros, mas por mim sim, e, sinceramente, acho que a verdadeira felicidade está bastante fora do nosso alcance, bem no fundo do poço. Sentes-te contente com algo, mas feliz? Não acredito. A felicidade é algo superior, quase como se fosse divino, para meros mortais como nós. Acho que a felicidade é algo que não se pode atingir, que está guardada para alguém ou algo que supere os seres humanos. Para alguém ou algo melhor, mas não perfeito, pois isso não existe, mas que pelo menos não tenhas tantos defeitos do ponto de vista negativo como nós. Nós, seres humanos, somos malvados, invejosos, demasiado ambiciosos, rancorosos, vingativos, e a felicidade é uma pedra preciosa que não deve cair em mãos erradas, para não ser mal usada, para não ser sentida de forma negativa. Eu espero, do fundo do coração, que possa existir alguém realmente bondoso, genuíno que possa usufruir da felicidade, pois se usufruir da mesma é porque mereceu alcançá-la, porque a felicidade é demasiado preciosa, rara para cair nas mãos de qualquer um. Aluna não identificada

4


AS CORES DA LEITURA DO “EU” ALUNO/A NA PRIMEIRA PESSOA

Como forma de conhecer as crianças ou adolescentes com quem Que aluno/a és?

trabalhamos muitas vezes, em algum momento da nossa interven-

Que aluno/a queres ser?

ção das ações TEIP ou no acompanhamento do Gabinete de Orientação e Mediação (GMO) quase sempre é questionado:

No silêncio do olhar de alguns nem sempre é audível uma palavra, muitas vezes são apenas observados gestos e posturas. Em outros casos ecos de pensamento transbordam de imediato e teimam em deitar cá para fora, antes do tempo sinais de comunicação, breves palavras. Pensando e refletindo sobre algumas das respostas, resolvi transcrever para os mais curiosos, aquelas que achei mais pertinentes. De braços cruzados e com uma postura de oposição alguns dos mais velhos deixaram as seguintes respostas: -“Eu! Eu não sei o que quero ainda… talvez um curso profissional, pois esta escola assim não tem interesse”… -“Eu não sou grande aluno só quero terminar o 9.º Ano e trabalhar com os meus pais”. - “Eu sei que não sou boa aluna mas sei que se estudar consigo melhor” -“Eu sou boa aluna, tenho quase cinco a tudo. Quero continuar a ser assim, os meus colegas até que gostam de mim. Mas eu acho que tenho ainda que ser melhor”. - Eu não quero ser aluno, mas vou sendo. Obrigam-me a estar na escola é assim que tem de ser, assim

nem eu nem os meus pais vamos ter mais problemas.” (Testemunhos Alunos/as de 8.º e 9.º Anos)

Com voz firme e assertiva mais alguns se pronunciaram, desta vez os mais pequenos: -“Eu não estudo muito, mas até me safo, se nas aulas estiver atento. O meu comportamento é que não é nada bom”. - Eu sou boa aluna, estudo todos os dias. Para mim ser bom aluno/a é também ajudar os colegas que não conseguem fazer algumas coisas. “Eu brinco com todos no recreio faço as fichas bem, por isso acho que até sou bom aluno” “Para mim ser aluno é ouvir com atenção as histórias que a professora conta e fazer bem as fichas” “Eu só quero brincar mas também aprender as letras”. “Gostava de ser melhor aluno e conseguir escrever já palavras, mas não consigo” “ Sou mau aluno, mas seria melhor se mudasse o meu comportamento” -“ Sou bom aluno, mas sou mau também porque ando sempre a meter-me em confusões”. (Testemunhos Aluno/as do Pré-Escolar/ 1.º ciclo / 5.º Anos). As nossas crianças/ jovens, assim como tantos outros, na maioria dos dias querem ser apenas alunos/ as na sua aprendizagem, mas sobretudo na sua individualidade, incluídos e aceites numa comunidade educativa que se quer para todos. A Psicóloga : Daniela Sanches

5


Erasmus+ em Mogadouro

Entre os dias 4 e 9 de fevereiro, Mogadouro foi a capital do projeto Erasmus+, acolhendo estudantes de diferentes países, entre os quais República Checa, Polónia, Eslovénia, Espanha e Itália. O primeiro encontro aconteceu em frente ao hotel Trindade Coelho, onde os alunos conheceram as famílias pelas quais iriam ser acolhidos e de seguida foram encaminhados para as respetivas casas. No primeiro dia, de manhã, 5 de fevereiro, os estudantes dos vários países dirigiram-se à escola acompanhados pelos respetivos gémeos, onde fomos recebidos pelo nosso diretor, Dr. Silvano Cancela. Também tivemos o privilégio de ouvir a tuna “Os Meus Amores”. Depois, fomos acolhidos na Câmara Municipal, pelo vicepresidente e pela vereadora da cultura. De seguida, tivemos uma visita guiada pela vila, tendo passado pelo museu, castelo e o novo e muito apelativo espaço CIMR. No segundo dia, fizemos uma visita a Miranda do Douro – visualização das fronteiras entre Espanha e Portugal, participação no cruzeiro ambiental ao longo do rio Douro e visita ao museu etnográfico da

cidade. Todos os dias, às primeiras horas, houve apresentações sobre diversos aspetos culturais dos países presentes, preparadas pelos alunos do projeto. No

dia

8

visitamos

a

AEPGA, em Atenor, onde pudemos ver como se pode salvar uma espécie em extinção e andar de burro. À tarde fomos até ao S. João das Arribas, onde uma povoação céltica da idade do ferro se estabeleceu na que mais tarde seria a fronteira entre Portugal e Espanha. O dia terminou com um jantar com as famílias, os parceiros do projeto e todos os alunos envolvidos. Para terminar, dia 9, levamos todo o grupo a conhecer a capital do norte, o Porto. Visitamos os locais mais emblemáticos. Todos queriam conhecer a livraria Lello, os azulejos da estação de S. Bento, a ponte de D. Luís e ainda a famosa Ribeira, cheia de bares, restaurantes e uma vista muito aprazível sobre o rio Douro. Que semana! Nenhum de nós irá esquecê-la mais!

Grupo Erasmus+ 6


VISITA DE ESTUDO AO MUSEU WORLD OF DISCOVERIES... No dia 22 de março de 2018, as turmas do 5º ano foram realizar uma visita de estudo à cidade do Porto. O Objetivo da visita, foi visitar o Museu “World of Discoveries” e o “Parque Biológico” de Vila Nova de Gaia. Na partida estávamos todos entusiasmados. O museu “ World of Discoveries” interativo e Parque Temático que reconstrói a fantástica odisseia dos navegadores portugueses, que cruzaram oceanos à descoberta de um mundo desconhecido. Quando chegámos a este museu, foinos mostrado um vídeo que falava sobre o Infante D. Henrique, o descobridor que iniciou a expansão marítima a Ceuta. Os guias do museu mostraram-nos a

história dos descobridores portugueses no oceano. Também andamos de barco nesse museu, sendo uma das partes mais emocionantes e fantásticas. Mais tarde almoçamos no Parque Biológico de Gaia, onde depois realizamos uma visita. Aqui vimos várias espécies de animais com características diferentes. Neste parque fizemos um percurso pedestre com cerca de 3 Km, onde pudemos apreciar uma pequena reserva natural de fauna e flora nativa. Permitiu-nos termos uma ideia da riqueza do património natural português e apreciarmos de perto espécies que na natureza dificilmente encontraríamos com tanta proximidade. Esta visita ao Parque teve como objetivo promover o contacto com a natureza e a consciencialização da importância da preservação das espécies. Depois desta visita fomos ao Centro Comercial de Vila Real, onde lanchamos e passeamos. Esta visita de estudo foi muito divertida e importante para a evolução da minha aprendizagem. Elaborado por: Rodrigo Filipe Pêra Miguel 5º B nº 17

7


LABORATÓRIOS A FUNCIONAR Os laboratórios da nossa Escola já se encontram a funcionar desde o início do 2º período.

No âmbito da disciplina de Biologia Geologia os alunos da turma A do 10º ano realizaram uma experiência no novo laboratório, com o objetivo de verificarem como são transportados a água e os solutos minerais até às células fotossintéticas.

O objetivo foi alcançado e os alunos consideraram a experiência muito enriquecedora. Os docentes do grupo de Biologia -Geologia consideram que este laboratório é uma mais-valia para os discentes pois desta forma podem realizar experiências que lhes permitem colocar em prática algumas das teorias/hipóteses.

Ainda no âmbito da componente prática de Biologia- Geologia e Ciências Naturais, os alunos do 7º e 10º anos realizaram uma exposição com vários modelos de Células Procarióticas e Células Eucarióticas (animal e vegetal) intitulada de “Células em movimento”. Com estes trabalhos os alunos consolidaram os conhecimentos adquiridos em sala de aula. Os modelos foram contemplados diariamente por toda a comunidade escolar, revelam elevada criatividade e empenho por parte de todos os participantes. O Grupo de Biologia Geologia. 8


A HORTA BIOLÓGICA Para comemorar o dia da árvore as crianças do Pré-Escolar e do 1º Ciclo fizeram diversas plantações na horta biológica. Assim as crianças ficam a conhecer de onde vêm os legumes e como devemos cuidar deles: plantar, regar, cavar... Isto leva a conhecermos melhor aquilo que comemos e verificar a importância do Sol e da água nas culturas…

CAMINHADA DO AGRUPAMENTO

No dia 26 de maio, a Direção do Agrupamento de Escolas e a Associação de Estudantes realizaram uma caminhada solidária. Pais, alunos, professores, assistentes, todos participaram com força bastante para fazer um percurso de oito quilómetros. Terminamos com um almoço-convívio saboroso e do agrado de todos…

9


JUNTO À TERRA 2018 No dia 22 de março decorreu a segunda parte de mais uma edição do Junto à Terra. O Projeto Junto à Terra é uma iniciativa que “decorre no âmbito das medidas compensatórias do AHBS - Aperfeiçoamento Hidroelétrico do Baixo Sabor (Programa de Sensibilização e Divulgação e Património Natural do Baixo Sabor). Junto à Terra, é um Projeto que visa, essencialmente, a “comunicação, envolvimento e valorização do património natural (biodiversidade) como fator de desenvolvimento do território” e que é dirigido “a todos os alunos do 8.º e 9ºanos de escolaridade dos concelhos abrangidos pelo AHBS. São parceiros neste Projeto as Associações locais envolvidas na implementação do Programa de Medidas Compensatórias do AHBS (a AEPGA - Associação para o Estudo e Proteção do Gado Asinino, a APFNT - Associação de Produtores Florestais do Nordeste Transmontano, a Palombar – Associação de Conservação da Natureza e do Património Rural, e a Nordeste – Grupo para a Promoção do Desenvolvimento Sustentável); a Associação de Municípios do Fundo do Baixo Sabor; os Municípios e Agrupamentos de Escolas de Alfândega da Fé, Macedo de Cavaleiros, Mogadouro e Torre de Moncorvo; a AGTCAssociação Geoparque Terras de Cavaleiro e a Reserva da Biosfera Transfronteiriça Meseta Ibérica. Este ano o Comando Territorial de Bragança da GNR, juntou-se ao projeto, com uma caminhada realizada no âmbito do dia da árvore e da floresta na localidade de São Pedro-Mogadouro. Participaram, nesta atividade, os alunos do 8º e 9º anos do Agrupamento de Escolas, aos quais foi dado a conhecer, através das oficinas das diferentes associações, o trabalho que tem sido desenvolvido ao nível das medidas compensatórias do Aproveitamento Hidroelétrico do Baixo Sabor, essencialmente no que respeita à proteção e à preservação de espécies e respetivos habitats. Os trabalhos realizados foram sujeitos a votação online, tendo alcançado a final os trabalhos: “Projeto Junto à Terra”, dos alunos Leonor Dias, Inês Lopes, Rafael Neves, Teresa Fernandes, Tiago Fernandes, da Turma 8º A e 2 minutos de Biodiversidade dos alunos Mariana Xavier, Carolina Mendes, Guilherme Conde, Bárbara Rocha e Rita Lopes, da Tur ma 9ºA. Prof. Paulo Bártolo 10


TRÁS MONTES DE SAÚDE

No âmbito do projeto “Trás Montes de Saúde” e a pedido da Equipa de Saúde Escolar, as crianças da Turma B do Pré-Escolar inventaram uma história, onde a personagem principal era o tomate Lucas. Seguidamente fizeram

um desenho sobre a mesma.

11


Carraças: Um perigo durante todo o ano As carraças são parasitas externos, pertencentes ao grupo dos artrópodes com grande importância dentro dos que afetam a saúde animal. Todos os tipos de carraças têm efeitos nocivos, nomeadamente através da ingestão de sangue e da transmissão de vários agentes patogénicos que são responsáveis por doenças bacterianas, virais ou parasitárias nos seres humanos e nos animais, vulgarmente conhecidas como febre da carraça. A ingestão de sangue por uma grande quantidade de carraças pode causar anemia, o que faz com que o animal se torne mais suscetível a contrair outras doenças. As carraças adultas diferenciam-se em machos e fêmeas, sendo a fêmea responsável por pôr os ovos.

Escolhem locais com elevada temperatura e humidade onde põem milhares de ovos. Após eclodirem do ovo, as carraças vão passar por diferentes fases de desenvolvimento ao longo da vida (larva, ninfa e adulta) tendo de ingerir sangue de um hospedeiro para sobreviver e evoluir. A ingestão de sangue faz-se durante vários dias, no final dos quais a carraça cai no solo para passar para a fase seguinte de desenvolvimento. Quando não estão sobre o animal as carraças são dependentes do ambiente. Se as condições ambientais forem favoráveis, elas empoleiram-se na parte mais alta da vegetação

para se fixarem num novo hospedeiro que passe por aquele local. Daí a importância de existir um controle no ambiente em que os animais se encontram. Existem muitas espécies de carraças, no entanto, em Portugal, as três mais frequentes são Ixodes ricinus, Dermacentor reticulatus e Rhipicephalus sanguineus. Rhipicephalus sanguineus: são as mais comuns, parasitam cães, alojando-se muitas vezes nas orelhas e pescoço. Têm preferência por viver em zonas com pouca vegetação como jardins e parques onde habitem ou passem cães podendo inclusivamente viver dentro dos canis. Quando vivem dentro das construções podem completar o seu ciclo de vida mais rapidamente (1 ano). São mais ativas na primavera e outono sendo transmissoras da Piroplasmose (babesia) e Ehrlichiose, doenças que também podem transmitir ao Homem. A eliminação destes parasitas do animal deve ser feita o mais rapidamente possível, antes que tenham possibilidade de lhe transmitir alguma doença ou de lhe causar anemia. Ao eliminar as carraças consegue-se ainda evitar que a fêmea sobreviva e ponha ovos no ambiente ou no canil. Para remover uma carraça do corpo de um animal, deve-se antes de mais usar luvas. Não nos podemos esquecer que algumas patologias transmitidas pela carraças são zoonoses, ou seja, passam ao homem.

12


Para a remoção devemos usar pinças de ponta fina ou instrumentos adequados. Estes dispositi-

vos permitem remover a carraça sem apertar o corpo da mesma. Isto é importante pois evita que mais agentes inoficiosos passem para a corrente sanguínea do cão ou gato. Não deve agarrar o parasita pelo corpo mas pela zona da cabeça. Antes de o fazer, desinfeta-se a área circundante com álcool ou outro desinfetante. Não deite desinfetantes em cima do parasita pois isto pode levar a que mais saliva contaminada passe para o seu animal de estimação. Azeite, gasolina, e aproximar lume da carraça são mitos urbanos e fazem mais mal que bem ao seu animal de estimação. Sem girar ou torcer, deve puxar-se de

forma firme e constante o parasita para o exterior. Após retirar o parasita esmague-o ou coloque-o em um frasco com álcool para o matar. Não use as mãos para o fazer. Atirar a carraça para uma sanita, por exemplo, não a mata. Para proteger os animais existem vários produtos no mercado, em forma de coleiras, comprimidos, sprays e pipetas (spot-on) que são eficazes a eliminar e a repelir carraças e também pulgas, piolhos e o mosquito que transmite a Leishmaniose. Para saber qual o produto mais adequado para o seu cão ou gato informe-se junto do seu médico veterinário. Ixodes ricinus: são abundantes nos distritos de Viana do Castelo, Braga, Vila Real e Bragança sendo ainda encontrada em zonas do Alentejo junto da fronteira. Preferem bosques onde haja grande quantidade de folhas caídas, com temperaturas amenas e humidade. Os cães são hospedeiros das ninfas e os adultos são parasitas de aves, roedores selvagens e ruminantes (veados e bovinos). As ninfas são pequenas e difíceis de detetar e estão mais ativas na primavera. Este género de carraças transmite alguns vírus e a Borreliose ou doença de Lyme, que pode afetar o Homem de forma muito grave. Dermacentor reticulatus: são as únicas carraças com um padrão de manchas escuras e claras. No nosso país restringem-se às zonas húmidas dos distritos da Guarda, Vila Real, Bragança e Viana do Castelo. Preferem zonas de grande humidade, sem árvores e com pouca vegetação. Geralmente são vistas entre outubro e março, parando a sua atividade caso haja neve. São parasitas exclusivos dos carnívoros domésticos (cão e gato) e silvestres (raposas) transmitindo a Piroplasmose (Babesia). Sónia Borges—veterinária ex aluna da escola

13


MÃE

A MÃE É DOCE COMO O MEL (Ema) A MÃE É CHEIROSA COMO UMA ROSA (Martim) A MÃE É ALEGRE COMO UM PASSARINHO (Kátia) A MÃE É LINDA COMO UMA FLOR (Carolina) A MÃE É QUENTE COMO O SOL (Beatriz)

A MÃE É O MEU MAIOR TESOURO (Inês) A MÃE É UM AMOR COMO O BEIJA-FLOR (Vitória) A MÃE É FOFINHA COMO UM COELHINHO (Samuel) A MÃE É GRANDE COMO UMA GIRAFA (Rodrigo) A MÃE É LINDA COMO O CÉU (João Pedro) A MÃE É QUERIDA COMO UM AMOR (Fernanda) A MÃE É UM BEIJINHO GOSTOSO (Joana) A MÃE É TRABALHADORA E MUITO HABILIDOSA (Liliana) A MÃE É BELA COMO UM AMOR-PERFEITO (Luana) A MÃE É UMA FLOR LINDA (Rita)

A MÃE DÁ-ME ABRAÇOS E MIMINHOS (Diego) A MÃE É UMA CAIXINHA DE SEGREDOS (Matilde) A MÃE É O MEU ACONCHEGO E MEU ABRIGO (Todos) POEMA (trabalho coletivo dos alunos do Pré-Escolar de Mogadouro)

O PASSEIO QUE GOSTAVA DE FAZER COM O MEU PAI Eu gostava muito de ir ao parque com o meu PAI. Primeiro ia ao parque brincar no escorrega. Também gostava de brincar com os meninos do parque. Gostava de brincar com o PAI às escondidas. Depois gostava de ir ao café provar o café do PAI. O meu PAI é especial porque me dá muitos carinhos e dá-me a provar o seu café. BEATRIZ. O MEU PAI “ Um dia estava em casa a brincar com o meu PAI. Depois o cão entrou para a minha casa e fez (ão…! ão…!). O meu mano assustou-se e agarrou-me a perna e foi brincar comigo. Depois fomos para a cama a dormir. O meu PAI contou-me uma história para eu adormecer e o meu mano também ouviu a história. O meu PAI é um amigo especial porque gosta de brincar comigo, é divertido e gosta de mim.” JOANA O MEU PAI “ Um dia o meu PAI levou-me a passear para o café, lá havia mais meninos e o meu irmão Martim também foi. Eu gosto muito de ir ao café com o meu PAI. Às vezes o meu PAI dá-me um chupa e outras vezes uma pastilha. O meu avô também vai ao café às vezes. Depois fomos para casa.” O meu PAI é especial porque trabalha muito e levame ao Parque. O meu PAI não me conta histórias, vai comprar um livro e outro para o Martim”. SAMUEL O MEU PAI “O meu PAI é eletricista. Um dia avariou-se a nossa luz. Ele é muito habilidoso. Depois foi trabalhar ao dia a compor outras casas que não tinham luz. À noite dormi com o Mickey. O meu PAI conta-me histórias todos os dias. O meu PAI é especial porque é muito grande, muito trabalhador e gosta muito de mim. Ele não gosta que o meu irmão se porte mal.” JOÃO PEDRO POEMA (trabalho coletivo dos alunos do Pré-Escolar de Mogadouro)

14


DO LIVRO À PALAVRA “Robinson Crusoé”, de Daniel Defoe

Robinson é um jovem inglês que sonha ser marinheiro, mas os pais proíbem-no de partir, pois já o irmão tinha perdido a vida na guerra… Porém, quando cumpriu 19 anos, ele fez-se ao mar, conseguindo sobreviver a grandes tempestades. Mas um dia, o navio em que navegava, naufragou e toda a tripulação morreu, exceto Robinson, que foi ter a uma ilha habitada por canibais. Aí, ele vai procurar sobreviver, e junta coisas e destroços de navios, que o ajudam a construir uma casa; também planta cereais a partir de grãos que encontra.

Passados anos, Robinson vê uma pegada de humano e aí percebe que não está sozinho. Descobre uma tribo de canibais e torna-se amigo de um deles, a quem dá o nome de Sexta-feira e ensina-o a vestirse, a falar, a ler, enfim, a ser um homem. Certo dia, vê aproximar-se um barco e regressa à sua terra natal, a Inglaterra, mas não para sempre… Mais tarde, vai ajudar a aumentar a ilha. - Gostámos de ler este livro, porque é uma história bonita, cheia de aventuras. - Recomendamos a sua leitura, porque nos ensina que devemos ser corajosos e fortes e que não devemos desistir quando há dificuldades, tal como fez o jovem Robinson, que não desistiu de lutar, quando o na-

vio naufragou. Sara Branco e Sílvia Mendes, 6º B

“ As Naus de Verde Pinho”, de Manuel Alegre Este livro está escrito em poesia e fala da viagem de Bartolomeu Dias, que dobrou o Cabo das Tormentas. As caravelas onde navegaram os portugueses, “ As Naus de Verde Pinho”, teriam sido construídas com madeira do pinhal de Leiria, mandado plantar pelo rei D. Dinis, que gostava também de fazer poesia… Bartolomeu Dias passou dias de tempestades e de aflição, mas conseguiu passar o Cabo das Tormentas, que depois passou a chamar-se Cabo da Boa Esperança.

- Gostei de ler este livro e recomendo a sua leitura, porque é muito interessante e com ele viajamos para a época dos Descobrimentos Portugueses. Mafalda Morais, 6º B 15


INTERAÇÃO DE ALUNAS DA MULTIDEFICIÊNCIA COM A SUA TURMA Celebração do dia da mulher na turma do 7º A Visitamos a turma da Ana Carolina e da Laura para participar em atividades orientadas pelas professoras de Formação Cívica e Educação Física, com a colaboração da professora da Unidade de Multideficiência e da equipa técnica. O envolvimento e o empenho destes alunos proporcionou às alunas da Multideficiência uma tarde agradável de convívio e interajuda e promulgou valores sociais de cidadania e partilha apelando assim à inclusão. Atendendo ao dia a vivenciar teve lugar a oferta de uma flor, previamente elaborada na Unidade, a cada um dos intervenientes, onde cada aluno colocou uma mensagem dirigida a uma mulher. Houve de segui-

da oferta dessas flores a todas as mulheres que se cruzavam connosco e ninguém ficou sem a sua flor. Foi uma agradável tarde de articulação que apelou à solenização do dia da mulher e nos permitiu interagir com a comunidade educativa.

Trabalho elaborado pelos alunos do 1ºB para decoração do pátio da Escola EB1

16


17


“ O país das pessoas tristes O tesouro” No âmbito da comemoração do feriado nacional do dia 25 de Abril “ Revolução dos Cravos”, a turma do 4º B para além de se consciencializar do valor do tesouro que é a liberdade desenvolveu competências de interdisciplinaridade. Após a visualização e exploração do conto “ O país das pessoas tristes – O tesouro ” do escritor Manuel António Pina, a turma elaborou uma pintura sobre o tema utilizando para o efeito a aplicação do conceito de área e unidades de medida de área. A pintura foi transformada

num puzzle, cuja área de cada peça ocupava um decímetro quadrado. Com as 100 peças construiu-se o metro quadrado. Assim a interdisciplinaridade foi devidamente fundamentada, uma vez que mobilizaram conhecimentos de Matemática, Português, Estudo do Meio e Expressão Plástica.

18


Dia Mundial da Água- 22 de março

O

Dia Mundial da Água foi criado pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas através da resolução A/RES/47/193 de 21 de Fevereiro de 1993, declarando que o dia

22 de Março de cada ano como sendo o Dia Mundial das Águas. No âmbito desta temática, a turma do 4ºB desenvolveu várias ações, uma delas foi um construção de calendários ilustrados com medidas de utilização consciente da água. Com esta atividade pretendia-se a sensibilizar a população para a importância da poupança desde recurso indispensável à vida. Notícia elaborada pela turma do 4ºB 19


AS PEQUENAS REBELDES, QUE VIRARAM MÃES … Lembro-me como se fosse hoje, aquele dia… o dia que esperava há anos depois de ouvir mil vezes, tens de portar-te bem no teu primeiro dia de aulas… que dor no estômago, o que seria a tal escola que todos falavam? Não deve ser muito diferente do infantário, mas dizem que vamos ter de estudar muito e que vamos levar reguadas e que a professora tem uma vara que aumenta… Bem, bem, quando pensava não tinha piada nenhuma. Mas aquele vestido novo, com umas bolinhas brilhantes e uma camisa com golas bem longas e muitas flores deixavam-me mais feliz que qualquer pensamento. É o primeiro dia da escola primária e tu tens de estar linda, tens de sentir-te bem e ser feliz, porque a partir de agora vais estudar e tornar-te uma

mulher, dizia a minha mãe com um brilho especial nos olhos. Eu não podia estar mais feliz, confesso que quase não dormi, ia para uma nova escola, uma escola muito, muito grande com meninos e meninas maiores ainda. Sentia-me única, mas confesso tinha medo de tudo o que ouvia. Naquele dia eram sete da manhã e eu já estava com os olhos abertos quando a minha mãe chegou: Bom dia, mãe!

Bom dia filha linda, que dia especial hoje!! Sorri, apenas queria vestir aquele vestido que os pais tinham comprado, há já 2 meses e voar para a nova escola. Para mim ir para a escola era um misto de alegria e vontade de crescer, naquele dia estava feliz… Depois de todos os preparativos, a roupa, os cabelos e um jeitinho nas unhas pequenas e partidas das brincadeiras do dia anterior, mais um pequeno toque com o perfume da mamã estava pronta para o meu primeiro dia de Escola a sério. Com um misto de euforia e algum medo cheguei à escola, já a conhecia por fora, mas era grande por dentro, tantos miúdos, que barulho, que confusão, estava feliz no meio daquele burburinho todo.

Sem perceber bem estava dentro da sala com trinta colegas todos de olhos arregalados e à espera do que vinha aí… Foi um dia especial, lembro-me pouco do que disse a professora, mas nunca mais esqueci as amigas que fiz nesse dia para toda a vida. Era assim naqueles tempos, as amizades cresciam connosco da mesma forma que os períodos da escola avançavam no ano Letivo.

20


O caminho para a escola de manhã, feito com as melhores amigas do mundo, o regresso a meio da tarde

com brincadeiras e mais traquinices, os pés cheios de lama e a alma cheia de esperança. Eram tempos diferentes, aprendíamos uns com os outros, as nossas dúvidas de crescimento eram colmatadas pelas opiniões das amigas, e umas com as outras crescíamos saudavelmente dentro de todas as questões existenciais. Brincávamos a tudo e contudo, tínhamos uma relação muito próxima com todos os animais, havia até quem tivesse algumas joaninhas como mascote que amorosamente transportava em uma pequena garrafa de laranjada. Fazíamos sopa de lama fina com ervas do muro em infusão de folhas de tília e imaginávamos um mundo cheio de cores e um futuro cheio de felicidade. Crescíamos assim a adorar ir para a escola a cada dia e a crescer cada vez em um grupo de amigos que dava gosto ter, a escola era naquela altura, mais que uma escola onde se estuda e onde se faz exames, aliás lembro-me pouco dos testes ou exames, mas nunca mais esqueci tudo o que aprendi no dia-adia do meu crescimento como mulher. Era assim amávamos a escola e amávamos tudo o que acontecia na escola, com uma pureza tão grande que ainda hoje sinto saudade dessa sensação que dava no peito e nos deixava com um brilho nos olhos. Fomos crescendo, nós e a escola, dentro de uma sociedade que se deixava moldar com esta nova juventude cheia de sonhos. Com muitos disparates e com uma amizade do tamanho do mundo chegamos ao ano antes de ir para a faculdade, eramos já umas meninas crescidas e sem barreiras ajudávamo-nos umas às outras a perceber o que cada uma queria seguir. Eram alegres e tristes esses dias, por um lado queríamos muito ir para a faculdade, mas por outro deixar as amigas e os namoradinhos não era fácil. Os professores, esses que nos conheciam desde pequenas, diziam sempre – Atenção meninas, vai ser tudo diferente e nas cidades nada é igual a esta pequena vila. Nós não tínhamos medo, na verdade era aqui mesmo nesta terra que queríamos ficar e o sonho era acabar o curso e vir para Mogadouro trabalhar. Foram os tempos mais felizes da minha vida, a escola nessa altura era um lugar que nos deixava plenos e

nos dava a possibilidade de crescer e sonhar, era um lugar de amizade e de partilha e assim crescemos. Hoje já mulheres e mães, olhamos para trás com uma nostalgia do tamanho do universo e questionamos a cada dia – Porque será que os nossos filhos não têm a mesma vontade de ir para a escola? De alguém como eu, Joana Silva, Vereadora da Cultura e ex-aluna do Agrupamento de Escolas de Mogadouro

21


22


23


DIA DA MÃE Trabalho para o dia da mãe, com materiais reutilizados, rasgagem, colagem e pintura, realizado pelos alunos: Sérgio Assis do 2º ano e Luana Rito do 3º ano.

Rasgagem, colagem e pintura.

Texto criado pelos alunos e assinado pelos próprios.

Trabalho final ( vaso decorado pelos alunos, com uma flor e um coração com dedicatória)

24


Este ano o Dia da Mãe comemorou-se no dia 6 de

maio, o primeiro domingo do mês. Como o dia das mães deve ser todos os dias a turma do 4ºB esteve a semana toda a preparar com muita dedicação e amor o presentinho para oferecer à Mãe. Aqui está uma pequena amostra dos ímanes em gesso que construíram e pintaram.

Notícia elaborada pela turma do 4ºB

25


O QUE AS CRIANÇAS DO PRÉ-ESCOLAR PENSAM SOBRE OS BOMBEIROS: -Apagam os fogos. -Salvam e ajudam as pessoas. -Salvam as pessoas dos incêndios quando as casas estão a arder. -Ajudam as pessoas a saírem de casa quando o vulcão está ativo, vi na televisão. -Podem salvar as pessoas que estão em perigo no mar. -Levam as pessoas na ambulância ao Hospital. -Vão às festas para se os foguetes provocarem incêndio, os Bombeiros apagam-no logo. -Quando há incêndios toca a sirene e os Bombeiros aparecem logo. - Quando há acidentes os Bombeiros vão ajudar os doentes. -Os Bombeiros usam machados e mangueiras. -Também têm fatos próprios que não ardem. -Usam luvas e botas próprias. -Levam água nos carros. -Usam capacetes e roupa vermelha. -Nos carros dos Bombeiros têm escadas muito altas. Depois de ter sido explorada a História “ Os Bombeiros” , oferecida à Biblioteca no ano anterior por um Bombeiro , as crianças do Pré-Escolar procederam aos registos, abaixo indicados, que foram reenviados para os Bombeiros a seu pedido.

26


4º ano Bemposta

A lição 200 mereceu bolo! Tantas fórmulas químicas,

vetores, forças, átomos e moléculas só se aguentam com uma boa fatia de bolo.

27


28


29


Trabalho elaborado pelos alunos do 2ºB para decoração do pátio da Escola EB1

30


31


32


4ยบ ano EB1 de Bemposta 33


34


35


36


37


COMUNHÃO PASCAL 2018 A sede é algo que não se pode aguentar nem iludir por muito tempo. A desidratação causa um mal -estar progressivo e pode conduzir à perda da vida. A comunidade escolar do Agrupamento de Escolas de Mogadouro viveu nos dias 21 de março na Escola de 1º Ciclo de Bemposta e no dia 23 de março na Escola de 1º Ciclo de Mogadouro a Comunhão Pascal subordinada este ano ao tema da ÁGUA DA VIDA. Este elemento da natureza é essencial ao organismo humano, de tal forma que a maior parte do nosso corpo é água que vai pondo em movimento saudável todo o organismo humano. Para todo o universo, pode dizer -se que onde há água, aí podemos encontrar a vida; onde não a há, com certeza não há seres viventes. Ao ver este mundo em convulsão, sempre descontente e a reclamar, de tal modo que parece que nada o pode contentar, podemos diagnosticar que a crise que se sofre é de sede, de falta desta vida divina.

XVIII INTERESCOLAS DE 1º CICLO Cerca de 4500 alunos de todo o país rumaram a Fáti-

ma , dia 25 de maio, para mais um Interescolas Nacional. Mogadouro marcou a sua presença com uma delegação de 31 alunos do 4ºano, que viajaram de véspera para fazer a devida visita .

P ro f. An tó n io Leça

38


LEITORES CRÍTICOS E CRIATIVOS A GIRAFA QUE COMIA ESTRELAS Este projeto tem como objetivos desenvolver a competência leitora, criar leitores assíduos (competentes) e consolidar hábitos de leitura literária. Pr etende-se estimular o aluno para a sensibilidade estética, para o afinamento do sentido estético,

para o espírito crítico e para a geração de capacidade criativa. Tem ainda como propósito envolver os Encarregados de Educação e outros membros da família com a escola, de uma forma ativa. 2.ºB

39


E

NSINAR PARA APRENDER. APRENDER PARA ENSINAR… Os alunos das turmas do 4ºA e 4º B, durante este ano letivo, prepararam e

apresentaram alguns conteúdos de Estudo do Meio. Através de trabalho de grupo, com recurso à pesquisa em várias fontes de informação, os alunos prepararam os seus materiais e recursos para apresentarem os temas às turmas.

Estas aulas conjuntas, além de se tornarem muito mais motivantes, incutem nos alunos maior responsabilidade e autonomia facilitando assim o processo ensino-aprendizagem, permitindo ainda um reforço muito positivo nas relações pessoais dos alunos.

40


ELI DE MOGADOURO SENSIBILIZA PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO E DE SAÚDE PARA A INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA A Equipa Local de Intervenção Precoce (ELI) de Mogadouro e o Núcleo de Supervisão Técnica do distrito de Bragança vão realizar ações de sensibilização dirigidas, simultaneamente, a profissionais de saúde e de educação da sua área geográfica de abrangência, no sentido de alertar para a importância da intervenção precoce na infância.

As sessões terão início já no próximo dia 05 de junho, no centro de Saúde de Miranda do Douro, seguindo-se no dia 03 de julho o Centro de Saúde de Freixo de Espada-à-Cinta, em setembro no Agrupamento de Escolas Dr. Ramiro Salgado em Torre de Moncorvo e em outubro no Centro de Saúde de Mogadouro, em datas a divulgar oportunamente. Esta Equipa de Intervenção Local está integrada no Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância (SNIPI), criado pelo Decreto-Lei lei 281/2009 de 6 de outubro, o qual visa o apoio às crianças entre os 0 e os 6 anos, com alterações na estrutura e funções do corpo, ou com risco de atraso de desenvolvimento, bem como às respetivas famílias, cujo contexto educativo está integrado nos concelhos de Mogadouro, Miranda do Douro, Torre de Moncorvo e Freixo de Espada à Cinta.

Trata-se de uma equipa pluridisciplinar, com funcionamento transdisciplinar assente em parcerias institucionais, integrando representantes dos Ministérios do Trabalho e Solidariedade Social, da Saúde e da Educação. A ELI engloba, assim, um vasto leque de profissionais, nomeadamente médico, enfermeiros, psicólogos, assistentes sociais e educadores de infância, que avaliam, apoiam e implementam estratégias capazes de contribuir para o desenvolvimento harmonioso das crianças e das suas famílias. Para um cabal cumprimento dos objetivos de intervenção precoce é de primordial importância a deteção e sinalização das crianças elegíveis o mais cedo possível, de modo a aproveitar as janelas de oportunidade inerentes à plasticidade cerebral das crianças em crescimento. É nesse sentido que agora se promovem as ações de sensibilização dirigidas aos profissionais de saúde e de educação, procurando

uma melhor e mais atempada resposta às necessidades.

A ELI de Mogadouro

41


BIBLIOTECAS ESCOLARES PROMOVEM A LEITURA, AS ARTES E CULTURA 2018 - Ano Europeu do Património Cultural De 05 a 09 de março o Plano Nacional de Leitura (PNL) convidou as escolas e entidades públicas e privadas a promoverem atividades para festejar a leitura como ato comunicativo, diálogo entre as artes, as humanidades e as ciências, espaço de encontro, criativo e colaborativo: SEMANA DA LEITURA 2018 As bibliotecas escolares de Mogadouro convidaram os/as Professores/as a falar, nas suas aulas, dos seus livros preferidos e a incentivar os alunos a ler bons livros. A biblioteca da escola de JI e 1.º CEB recebeu Pais/EE e familiares, no âmbito do Projeto: “Leituras que unem saberes, culturas e gerações”. Durante o mês de março, realizaram-se exposições de pintura, sessões de Poesia e, em articulação com a Câmara Municipal, realizaram-se visitas guiadas a diferentes espaços culturais: Arquivo Municipal, Museu de Arqueologia, e Centro Interpretativo do Mundo Rural.

Nilton César Pires Mendonça nasceu em 1970. Vive em Bragança, onde desenvolve o seu percurso na pintura, complementar à sua atual atividade - Profissional de Técnico de Audiovisuais no Teatro Municipal de Bragança, desde 2003. Na sua passagem pela vida militar, foi graduado no posto de Tenente na Serra do Pilar, foi também sócio da Cooperativa de Artistas de Gaia, tendo participado em diferentes exposições. Na sua visita à Escola Secundária de Mogadouro, que frequentou até ao 12.º Ano, falou com jovens do ensino secundário sobre o seu percurso académico e profissional e sobre a importância que a Leitura e as frequentes atividades culturais (visitas a museus e exposições) têm na sua formação pessoal, social e profissional. Houve tempo para visitas guiadas à exposição das suas pinturas, onde descobrimos diferentes técnicas, diferentes motivações e inspirações para esta forma de expressão. Foram momentos enriquecedores para todos!

“A Sala Museu de Arqueologia do Município de Mogadouro abriu nos finais década de 80 do século XX, resultante das campanhas arqueológicas realizadas no concelho durante a referida década. No seu interior conservam-se peças que mostram a história das culturas passadas, que habitaram no atual concelho de Mogadouro; os artefactos expostos e guardados, antes de se converterem em peças de Museu, foram objetos do quotidiano dos nossos antepassados. […]“ http://www.rotaterrafria.com/pages/226/?geo_article_id=6938

“O património cultural é de todos nós e todos temos a responsabilidade de o preservar, estudar, para que as gerações futuras possam conhecer e melhorar os seus conhecimentos.” http://www.mogadouro.pt/pages/327

Aberto de segunda a sexta entre as 9:00 - 12:30 e das 14:00 às 17:30 Visitas ao Museu, com o Dr. Emanuel : turmas de 3.º CEB e turmas de Secundário 42


O Arquivo Municipal de Mogadouro está instalado num edifício que data da década de sessenta, do século XX. Esta casa, durante muitos anos, tinha como principal objetivo acolher os magistrados que vinham para o concelho de Mogadouro, desempenhar funções no Tribunal da Comarca de Mogadouro. No ano de 2009, foi realizado um protocolo de cedência do edifício, entre o Ministério da Justiça e a Câmara Municipal de Mogadouro. Assim, este edifício passou a albergar o Arquivo Municipal de Mogadouro, desde 2009 até à atualidade. O Arquivo Municipal de Mogadouro está vocacionado para a gestão do património documental do Município de Mogadouro. É reduzida a documentação de valor Histórico que o Arquivo possui, devido à ocorrência de dois incêndios, o primeiro data de 1855, o segundo ocorreu em 1927. Estamos perante um fundo fundamentalmente administrativo, que, neste momento e pela escassez de documentação, anterior a essa data, tem para nós um valor histórico muito relevante. É um serviço de gestão documental que adota as valências de arquivo intermédio e de arquivo histórico, atuando em todas as fases do circuito documental. O arquivo foi dotado de espaços de receção documental, triagem, higienização, acondicionamento e depósito, que permitem desenvolver o ciclo de organização. Embora o edifício não tenha sido reabilitado para um arquivo municipal, dispõe de um local de higienização e uma sala de consulta de documentação para dois utentes. Presentemente, os fundos à guarda do Arquivo Municipal apresentam datas extremas de 1927 a 2000. A divulgação da história do Concelho de Mogadouro e do património documental são os principais objetivos deste serviço, ao mesmo tempo que procuramos sensibilizar quer munícipes quer funcionários do serviço camarário para a importância do arquivo, como serviço de informação. As visitas guiadas procuram desta forma mostrar aos estudantes o património à sua guarda. O trabalho realizado através das várias atividades, quer lúdicas, quer de trabalho, levando a toda a comunidade o ser do fundo documental do arquivo municipal de Mogadouro. Vamos procurar, através de guias, inventários, e divulgação digital online, divulgar toda a informação sobre o fundo do arquivo, assim como as atividades desenvolvidas. Rita Gonçalves, Técnica de História (Câmara Municipal de Mogadouro)

Durante o mês de março, turmas de 4.º ano e do ensino secundário visitaram as instalações do Arquivo Municipal. Foram recebidas pela Técnica responsável, Rita Gonçalves, que conduziu alunos e professores/as pelos diferentes espaços, explicando o ciclo de organização da documentação e sensibilizando para a importância de preservação deste património.

43


LEITURAS QUE UNEM SABERES, CULTURAS E GERAÇÕES Pré-escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

Projeto de Leitura do Agrupamento de Escolas de Mogadouro A atividade semanal “Leituras que unem saberes, culturas e gerações” convida toda a Comunidade Educativa à Biblioteca Escolar. São muitas as participações e muito enriquecedoras. Conceição Meirinho, mãe da Juliana do 2.ª Ano veio celebrar com os colegas da Juliana e com as professoras o Dia da Europa. “Mais de 80 alunos ouviram e falaram sobre o que é a União Europeia e fizeram parte do lema comunitário: Unidos na Diversidade. Cada aluno/a e cada professor/a tinha um autocolante com a bandeira e o lema da União Europeia - 28 bandeiras dos diferentes países europeus - que os/as alunos/as iam levantando à medida que cada país se ia introduzindo na UE. Foi usada a apresentação oficial do Centro Jacques Delors, que 9 DE MAIO DE 2018 - DIA DA EUROPA foi reduzida e adaptada, disponível em: https://infoeuropa.eurocid.pt/registo/000060064/ documento/0001/ Os diapositivos foram impressos em folhas A3 para serem bem visíveis e foram usados para acompanhar aquilo que a mãe ia explicando sobre o processo de construção da Europa e os deveres e direitos da cidadania europeia. Cada menino e cada professor/a tinha um autocolante com a bandeira e o lema da União Europeia - Etiquetas comemorativas do dia da Europa. Distribuíram-se 82 bandeiras dos diferentes países europeus que os meninos iam levantando à medida que cada país se ia introduzindo na UE. No fim, tínhamos todas as bandeiras levantadas, numa representação do processo de construção comunitário. Para terminar a sessão, todos cantaram o hino de Portugal e o hino da Europa. Os meninos portaram-se muito bem e mostraram que são cidadãos europeus interessados e participativos. Foi um lindo dia de aprendizagem e partilha! Todas as participações de Pais, Mães e familiares são divulgadas nas redes sociais das bibliotecas escolares de Mogadouro: http://biblioteca-escolar1-mogadouro.blogspot.pt/ SOBE - 20 de março - Dia Mundial da Saúde Oral 2018 No dia 20 de março comemorou-se o Dia Mundial da Saúde Oral, uma iniciativa da Federação Dentária Internacional. A equipa de Saúde Escolar deslocou-se à biblioteca para realizar algumas atividades com todas as turmas do Pré-escolar e 1.º CEB. Depois da leitura e exploração da história “Kiko, o dentinho de leite”, sensibilizaram os alunos para melhores hábitos de saúde e higiene dentária, distribuíram marcadores de leitura e, no final, fizeram uma exposição com os trabalhos realizados. DIA MUNDIAL DA ÁRVORE E DA POESIA: Um dia para semear o futuro! No dia 21 de março de 2018, a equipa da biblioteca da Escola Básica, em articulação com as/os professoras/es das turmas, escreveram poemas que foram partilhados e colocados na árvore da Poesia. No final todas as turmas semearam sementes de pinheiros mansos, em vasos. 44


O CLUBE DE TEATRO “LER+, SER+” nasceu de um Projeto que procura aproximar os jovens da leitura e de toda a Comunidade Educativa. O Ator e encenador Rui Silva aceitou o convite de criar um Clube de Teatro, com jovens do ensino Secundário. Este Clube reuniu todas as semanas (quinta-feira), na Escola Secundária Os/as jovens deste Clube foram convidados/as a participar em diferentes atividades que envolveram a Comunidade Educativa: Nas comemorações do 25 de Abril, promovidas pela Câmara Municipal de Mogadouro; No dia Mundial da Poesia e em apresentações de livros, na Biblioteca Municipal Trindade Coelho; No Dia Mundial da Poesia e 25 de Abril, na Biblioteca Escolar De forma a envolver outras pessoas da Comunidade, foram convidados/as os/as alunos do Espaço MAIS (Mogadouro Apoia a Inclusão Social) a participar em duas sessões, na biblioteca Escolar. O TEATRO E A LEITURA Por Rui Silva A expressão dramática/ leitura de texto dramático tem um papel fundamental no crescimento das crianças e dos jovens. A expressão dramática visa o desenvolvimento pessoal, social e das capacidades criativas das crianças e jovens pelos seguintes aspetos: 1. Desenvolvimento pessoal a. Desenvolvimento das capacidades preceptivas b. Desenvolvimento das capacidades motoras c. Desenvolvimento da confiança, autonomia e autoestima 2. Desenvolvimento social a. Experiência da vivência em grupo b. Confiar no outro c. Capacidade de expressão numa situação de grupo d. Aceitar e respeitar a diferença 3. Desenvolvimento de capacidades criativas a. Utilização do jogo dramático como meio de expressão b. Capacitação da imaginação, originalidade e criatividade c. Capacidade de improvisação Pelo contacto com as diversas formas de expressão dramática – teatro, leitura de texto dramático, os alunos do ensino secundário de Mogadouro ficaram não só sensibilizados para as suas potencialidades como aumentaDia Mundial da Poesia ram e desenvolveram os seus mecanismos de comunicação e socialização, pela realização de dinâmicas de grupo, assim como vivendo experiências importantes para o seu crescimento. As atividades desenvolvidas no secundário permitiram uma aproximação dos alunos com a poesia e o texto dramático e proporcionaram aos alunos o contacto com o teatro e a leitura de uma forma direta e pessoal.

45


DIA MUNDIAL DO LIVRO E DOS DIREITOS DE AUTOR “Sentido(s) de Escrita No dia 23 de abril, assinalando-se o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, a mogadourense Elisa Dias dinamizou o Workshop designado de Sentido(s) de Escrita. Numa dinâmica interativa e dialógica desafiou os jovens estudantes do Ensino Secundário a realizar uma viagem à intimidade da própria escrita, a reconhecê-la como o palco de manifestação da(s) existência(s). Particularmente da escrita poética, que sustém um sentido libertador, uma espécie de “corte de mangas do idealismo ao realismo”. A Poesia, como Elisa Dias fez questão de sublinhar, ganha forma a partir da vida e é porque há vidas realmente poéticas que ela emerge para romper com a verticalidade das ações humanas. Fazendo referência às Palavras de Manuel Alegre, tentou desconstruir alguns preconceitos em relação aos poetas, pois como aquele afirma Não há poetas na torre de marfim, fora da história e da vida. Abordando algumas das várias dimensões da escrita: enquanto memória, (re)criação, como ponte intercultural, como identitária, como universal, fez uma apologia da escrita manuscrita e conduziu os jovens a uma reflexão sobre os seus benefícios psicossociais e até motores da mesma. Numa linha reflexiva e provocatória, a escritora falou da categoria identificada por Isabelle Stengers do cientista moderno como um hibrido entre o “juiz” e o “poeta”. Estabeleceu ainda uma interrelação entre a escrita e a leitura como realidades interdependentes. Como corolário da atividade, todos os participantes foram convidados a realizar uma experiência que passou por todos vedarem os olhos e, num momento de introspeção, serem invadidos apenas pelos sons de um vídeo que foi projetado pela oradora. De seguida, foram construídas narrativas cegas que revelaram que temos escritores em “potência” na nossa Escola…

XII CONCURSO NACIONAL DE LEITURA Dia 17 de maio, a Biblioteca Municipal Trindade Coelho (BMTC) foi a capital da leitura da Comunidade Intermunicipal de Trás-os-Montes. O Agrupamento de Escolas de Mogadouro, com 3 alunos a concurso (1.º CEB, 2.º CEB e 3.º CEB) conseguiu o apuramento de um aluno para a Final: Manoel Maio, do 9.º Ano ir á r epr esentar Mogadour o na Fase Nacional da 12.ª Edição do Concurso Nacional de Leitura [CNL] que se cumpre entre os dias 5 de junho de 2018 e 10 de junho de 2018, data de celebração da língua portuguesa. Nesta fase haverá: uma prova escrita de pré-seleção, que decorrerá online e uma prova pública final de palco, que decorrerá em Pombal. 46


SEGOVIA, LA BELLA, PASEA POR SU ARTE, AUNQUE LLUEVA Visita de Estudio a las ciudades españolas de Tordesillas y Segovia El día 31 de marzo, los alumnos de Español de los 7, 8 y 9 cursos visitaron Tordesillas y Segovia, durante el viaje a España que suele organizarse todos los años. Salimos sobre las 6.00h de la mañana y llegamos a Tordesillas sobre las 8.30h, para visitar la Plaza Mayor y el Museo de las Casas del Tratado, donde pudimos encontrar información sobre el Tratado de Tordesillas, hecho de mucha importancia en la historia de ambos países. Salimos de Tordesillas hacia Segovia, donde llegamos

para comer en el centro comercial y comprar algún recuerdo o golosina. Segovia fue considerada por la UNESCO Ciudad Patrimonio de la Humanidad en diciembre de 1985, por la belleza de su enclave, de su entorno, de sus edificios, arboledas y calles. Sin embargo, la ciudad va más allá de lo físico, pues el elemento humano, el que la ha creado y que ha sido parte de ella, no se ve y, sin embargo, es la esencia misma de la ciudad. Segovia destaca por muchas cosas, como su belleza, entorno, edificios y calles. Pudimos visitar su alto Acueducto romano que cruza las viejas calles medievales, un

Alcázar que recuerda a los castillos centroeuropeos, la Plaza Mayor y su Catedral, de atractivo espiritual. Todo en la ciudad castellana nos pareció peculiar e inconfundible. El Alcázar de Segovia es uno de los monumentos más destacados de la ciudad, alzándose sobre un cerro en la confluencia de dos ríos. Se trata de una fortaleza hispano-árabe que se calcula que fue construida sobre el año 1122. Fue numerosas veces restaurado y ampliado. A Felipe II de hecho le debe su aspecto actual, su “silueta” lo hace único entre los distintos castillos españoles. El Acueducto de Segovia es una de las obras romanas más soberbias

jamás construidas. Considerado símbolo heráldico de la ciudad, el motivo de su construcción era conducir hasta Segovia el agua de la Sierra. Su construcción data de principios del siglo II d.C., en época del emperador Trajano. Regresamos muy cansados, pero fue un viaje durante el cual pudimos aprender un poco más, divertirnos y conocer cosas nuevas. Profesor de Español—Alfredo Cameirão 47


AS FÉRIAS DA PÁSCOA As minhas férias da Páscoa foram muito divertidas, porque brinquei com os meus primos, colegas e amigos. Passados alguns dias, fui a Vila Real ao Centro Comercial, realizar algumas compras para a Páscoa. Fui também ao Porto visitar a Torre dos Clérigos, andei de metro e elétrico, mas acabei por apanhar muito trânsito. Dia 1 de abril comemorei a Páscoa com a minha família, por-

que a Páscoa é isso mesmo. A Páscoa é considerada uma das mais importantes festas cristãs, pois celebra a ressurreição de Jesus Cristo. A Páscoa também é uma data comemorativa, classificada como uma festa móvel, ou seja, a data depende do ano. Esta festa é uma celebração cristã comemorada anualmente ao domingo, conhecido como o domingo de Páscoa. Nesta época é tradição comer dormidos, folar, amêndoas da Páscoa, coelhos da Páscoa, ovos da Páscoa etc. Na nossa região é tradição fazer os folares.

Nestas férias também ajudei a minha avó a fazer o folar, bola de canela e dormidos. Antes da Páscoa realizou-se em Mogadouro a «Via Sacra», sendo esta uma tradição muito acarinhada pelos católicos, sobretudo durante a Quaresma. A «Via Sacra» foi um teatro muito emocionante, onde esta ajudou a reviver a paixão e morte de Jesus Cristo, acompanhando aquele que deu a vida pela humanidade e aprendendo dele o caminho da Cruz, o caminho de todos os Homens. As minhas férias da Páscoa foram as melhores. Elaborado por: Rodrigo Filipe Pêra Miguel 5ºB nº17

48


VISITA DE ESTUDO A ATENOR Sendo que a Educação Especial tem como objetivo proporcionar a integração de alunos com Necessidades Educativas Especiais de caráter permanente, o que só é possível numa escola inclusiva, no dia 16 de maio alguns alunos do Agrupamento de Escolas de Mogadouro integrados no D.L nº 3/ 2008 de 7 de janeiro, realizaram a primeira fase de uma visita de estudo a Atenor à AEPGA - Associação para o Estudo e Proteção do Gado Asinino, integrada no plano anual de atividades do grupo de Educação Especial.

As atividades lúdico-terapêuticas assistidas por burros, para pessoas com Necessidades Educativas Especiais merecem destaque pela sua importância terapêutica, ética, e social. Para além destes aspetos, atualmente, as atividades lúdico-terapêuticas possuem um potencial ecoturístico, permitindo proporcionar à população com necessidades especiais momentos reconfortantes de prazer e de lazer. No interior das instalações, fomos recebidos amavelmente pelos responsáveis, que nos explicaram as diretrizes a ado-

tar durante a visita. Esta atividade teve como objetivo principal favorecer o fortalecimento de relações interpessoais e profissionais; Conhecer o burro como companheiro e meio de transporte; Promover/desenvolver competências de autonomia pessoal no meio e no “Parque” da AEPGA; Desenvolver a orientação espacial; Partilhar experiências/vivências; Promover o convívio entre os diversos membros da comunidade escolar e desenvolver a autonomia e a participação dos alunos em contextos fora do ambiente escolar. Esta primeira visita correu muitíssimo bem entre todos os intervenientes (professores, alunos; responsáveis do parque; terapeutas, auxiliares, bombeiros e motorista da Câmara Municipal de Mogadouro). Houve tempo, ainda, para saborear um delicioso lanche coletivo. Não há satisfação maior do que aquela que sentimos quando proporcionamos alegria aos nossos alunos!

O grupo de E.E 49


“OS LUSÍADAS EM IMAGENS”

Os alunos das turmas do ensino profissional dos cursos de Técnicos de Saúde e de Multimédia, no âmbito da realização do módulo três, desenvolveram uma atividade relacionada com a grandiosa epopeia de Luís de Ca-

mões - Os Lusíadas - que consistiu na elaboração de um livro de grandes dimensões (tamanho próximo do A2), constituído maioritariamente por recortes e colagens de imagens alusivas às várias passagens narradas nos dez cantos que constituem a narrativa em verso. Os dez cantos que constituem o poema - que aborda a viagem efetuada por Vasco da Gama na descoberta do caminho marítimo para a Índia, as dificuldades por que passavam os navegadores e episódios da História de Portugal, entre outros - foram distribuídos pelos vários grupos para que fosse feita uma pesquisa prévia, uma síntese de cada canto e a recolha de imagens alusivas. Posteriormente, cada grupo procedeu à preparação das páginas (pintura e colagens) para, de seguida, se passar à elaboração do livro. Em baixo, apresentamos parte do resultado final. O livro poderá ser visto na íntegra em: https://pt.calameo.com/read/004837360f90a87319ab8

50


O

HOMEM DESCOBRIU A

MATEMÁTICA OU INVENTOU A

MATEMÁTICA?

A Biologia estuda os seres vivos, a

Física estuda o universo e as suas forças, a Química estuda as reações químicas e os seus elementos e a Matemática o que estuda? Bem, a Matemática estuda…Matemática. Ao contrário de todas as ciências, a Matemática não tem uma componente empírica. Apesar de utilizada em diferentes áreas como a engenharia, economia ou informática, podemos não vê-la acontecer no dia-a-dia. Mas as equações, as funções ou as derivadas existem no universo ou são fruto do cérebro humano? Dito por outras palavras, a Matemática existe por si mesma ou é consequência da criação humana? A maioria dos matemáticos defende que a Matemática existiria mesmo que não existissem pessoas. Estes defendem que ela é real, sempre existiu mesmo antes de habitarmos este planeta e nós com a nossa mente genial descobrimo-la e criamos usos práticos para ela. Novos conceitos matemáticos seriam como espécies desconhecidas, só temos que encontrá-las e acrescentá-las à nossa caixa de ferramentas. Estes matemáticos acreditam que existem no universo mais conceitos matemáticos que ainda não conhecemos e que nunca conheceremos. Existem conceitos matemáticos que estarão algures à espera de serem descobertos e que estariam lá mesmo que nós não existíssemos. Por outro lado há matemáticos que defendem que a Matemática é uma criação, uma invenção do homem. Para estes a Matemática é uma Linguagem, uma metáfora, no fundo, um ficcionismo que afirma que todos os conceitos matemáticos, como a raiz quadrada ou as circunferências são elementos de uma história, uma ficção tal como um filme que só fazem sentido dentro desse guião. Para eles o que fazemos é usar a história da Matemática para descrever coisas reais que não contêm nem fazem Matemática, como a águia, que não precisa de Matemática para voar à velocidade de 50 km/h. E tu o que achas?

A Matemática é uma construção do cérebro humano, ou é uma realidade impercetível e inobservável, mas objetiva? Nelson Pires—Professor de Matemática 51


PEINTRES Renoir 1840

Degas 1834

Matisse 1933

Monet 1840

Georges Braque 1832

Lautrec 1864

Cézanne 1839

Manet 1838

Chagal 1832

Delacroix 1933

Paul Gaugin 1848

Utrillo 1833

La peinture française est considérée comme une des grandes écoles de peintures par son influence, son histoire et ses productions. Les premières manifestations de la peinture sur le territoire français sont données dans l'art préhistorique et à l'époque Romaine avec quelques peintures murales. Au Moyen Âge ce sont aussi quelques peintures murales celles qu'ils soulignent; à la Renaissance on suit des modèles italianisants. Ce sera au XVIIe siècle, que la peinture baroque française atteint une dimension importante. Le XVIIIe siècle a apporté le Rococo et c'est le XIXe siècle, précisément, celui de la grande peinture française. La peinture française du XIXe siècle est représentée par des changements esthétiques et l'apparition de plusieurs courants dont se distingue principalement l'impressionnisme après la seconde moitié. En France, la peinture assiste à l'émergence d'un art moderne, poussé par des groupes d'artistes dit d'avant-garde, qui se développe par l'intermédiaire des premiers marchands d'art et des mécènes privés. Au XIXe siècle, la France (et en particulier Paris) est considérée la capitale artistique de l'Europe, où se concentrent les nouveautés et les meilleures académies, attirant de nombreux artistes étrangers. Au XXe siècle s'imposent les manifestations de la modernité. 52


CHANTEURS FRANÇAIS Johnny Hallyday

Charles Aznavour

Michel Sardou

Yves Montand

Georges Brassens

Bécaud

Serge Gainsbourg

Jacques Goldman

Léo Ferré

Francis Cabrel

Hugues Aufray

Zaz

Jacques Brel

PatricK Bruel

Édith Piaf

Stromae

L’expression « chanson française » désigne depuis le début du XIXe siècle un genre musical qui se définit d'abord par la mise en valeur de la langue française, avec la référence à des maîtres et modèles hérités de la littérature poétique de langue française et par opposition aux (ou par différenciation) formes dominantes anglo-saxonnes, de l’industrie musicale. En dessus les photos des grands maîtres de la chanson française. Zaz et Stromae bien appréciés par les plus jeunes à cause du message de leurs chansons, les paroles, la melodie et les rythmes. Professor José Maria Preto—Professor de Francês

53


No ano letivo 2017/2018, a antiga biblioteca da escola sede transformou-se em estúdio de multimédia de nível profissional, com “Chroma key”, iluminação com focos adequados, para a produção de conteúdos multimédia, tais como: produção de vídeo em alta definição e captura de áudio, de cariz educativo, científico, cultural ou artístico para capacitar os formandos técnicos de multimédia das competências que lhe são exigidas. Foram também adquiridas uma câmara de filmar profissional munida de um kit de microfones sem fios, 3 câmaras de vídeo, 2 kites de máquinas fotográficas com os respetivos tripés, 5 computadores, cada um com 2 monitores a fim de facilitar o trabalho dos alunos nas aulas práticas. Os alunos do referido curso puderam pôr em prática os conteúdos lecionados nas aulas teóricas, realizando trabalhos de alta qualidade como: sessões fotográficas; captura e edição de som; captura e edição de vídeo com a respetiva montagem, simulação de diretos, recorrendo à parede “Verde Chroma key”. ATIVIDADES REALIZADAS PELOS ALUNOS DO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE MULTIMÉDIA Alguns trabalhos puderam ser apreciados pela comunidade escolar tais como: Postais de Natal; Exposição fotográfica sobre Mogadouro; Fotografia diversa sobre a comunidade

escolar; Vídeos produzidos intitulados a “Minha Escola”, “Bullying”, simulação de um direto “Jornal da Minha EsExposição “MOMENTOS”

cola”, sessão de jogos interativos dirigida ao segundo ciclo e ao Curso CEF Operador de Informática.

Se tens perfil e ainda estás confuso na tua decisão, inscreve -te no novo curso Profissional de Multimédia no ano letivo 2018/2019.

O Grupo de Informática

Atividade de Jogos interativos com a turma do CEF

Visita ao IPB

Visita à UTAD

54


IDA AO TEATRO No passado dia 23 do mês de março de 2018, para comemorar o final do segundo período, os alunos do agrupamento deslocaram-se à Casa da Cultura de Mogadouro, para assistirem a duas peças de teatro representada pela companhia “ English Theatre Company”. Da parte da manhã, alguns alunos participaram na peça “Rewind” e de tarde na peça “Backchat”. Como os atores eram falantes de língua inglesa todos os alunos desfrutaram a oportunidade de alcançar plenamente todos os objetivos específicos previamente elencados. Os alunos puderam, deste modo, alargar os seus horizontes culturais e ouvir a língua inglesa num registo mais informal e atrativo, comunicar e interagir com os atores e enriquecer o seu domínio lexical e conversacional. Aos discentes foi disponibilizada uma experiência interativa com atores em situações de contexto real. Promoveu-se, acima de tudo, o crescimento integral de todos os discentes. O espetáculo começou com a intervenção do Diretor do Agrupamento

e da professora Ana Cristina a dar as boas vindas a todos os presentes e a desejar um bom espetáculo. Alguns alunos participaram ativamente como atores na peça. Subiram ao palco e interagiram com os atores e público presente. Pela participação ativa, pelo entusiasmo demonstrado e pela atitude responsável de todos os participantes, é convicção de todos que os objetivos da representação teatral foram plenamente alcançados e considera-se de extrema importância que iniciativas desta natureza sejam mais frequentes, dado o carácter pedagógico- didático e prático destas atividades. Os alunos consideraram a peça muito agradável, tendo confirmado o seu contentamento em participar numa atividade diferente e enriquecedora. As responsáveis pela organização da atividade e os restantes intervenientes ficaram, de igual modo, bem sensibilizados com a qualidade da mesma. Vários docentes destacaram o grau de profissionalismo com que a peça foi apresentada, mas também o comportamento exemplar dos nossos alunos.. O grupo de Inglês 55


FUTSAL FEMININO SUB 18 (JUVENIL) A equipa feminina de futsal juvenil participou em 4 jornadas concentradas de futsal no desporto escolar. Este ano tiveram várias deslocações e jogaram com os agrupamentos de escolas de Emídio Garcia, Abade Baçal, Mirandela e Carrazeda de Ansiães. Contras equipas de peso (equipas com atletas federadas) as nossas sub 18 debateram-se sempre com bastante dignidade e mostraram um grande fair play. Salienta-se que houve sempre um grande ambiente de festa/amizade dentro e fora de campo quer entre as jogadoras da equipa quer com as jogadoras das outras equipas. No final do campeonato obtivemos o 4º lugar, apurando-se apenas a equipa da escola Abade Baçal para o regional. A final Distrital de Futsal Iniciados Masculinos foi disputada num torneio triangular no dia 26 de abril de 2018, no Pavilhão Municipal de Vimioso, entre as equipas que representam os agrupamentos de escolas de Abade de Baçal, Vimioso e Mogadouro. No final de dois jogos disputados por cada equipa, a nossa escola obteve um honroso terceiro lugar, em que o grande vencedor foi o Agrupamento de Escolas de Abade de Baçal, tendo ficado a Escola de Vimioso em segundo lugar. No dia 23 de março de 2018 decorreu em Bragança mais uma edição do “Basquetebol 3x3 nas Escolas”, a qual contou com a presença de equipas de todo o distrito. A representar o Agrupamento de Escolas de Mogadouro nos vários escalões estiveram os seguintes alunos: Afonso Soutinho, Filipe Silva, Guilherme Xavier, Guilherme Cordeiro (infantil B masculinos); Marta Pais, Rita Afonso e Débora Pinto (infantil B feminino); Gonçalo Sá, Guilherme Vaz, Henrique Cavadas e Tomás Sá (iniciado masculino); Bruno Morais, Fábio Xavier, Francisco Mendes e Marcelo Atalão (juvenil masculino); Ana Neves, Fabiana Alves e Irene Marques (juvenil feminino), Henrique Pinto, Gustavo Santos, João Pereira, Gonçalo Marcos (júnior masculino).

56


Cada equipa totalizou 3 jogos na fase de grupos e nenhuma

delas conseguiu o apuramento para a segunda fase. Quer as equipas femininas, quer as masculinas, não se souberam impor perante adversários mais acessíveis. Com poucas vitórias, trouxemos inevitavelmente algum vazio para casa. Contudo, ter oportunidade de fazer novos amigos e fortalecer o espírito de grupo, gera emoções que se sobrepõem à importância de um resultado e leva a crer que, por vezes, é a experiência vivida que enaltece o nosso percurso.

TÉNIS DE MESA O nosso agrupamento de escolas este ano participou no campeonato do desporto escolar de ténis de mesa no escalão de iniciados e género masculino. Participamos na competição individual e na competição por equipas. Salienta-se que na competição por equipas participamos com duas equipas. COMPETIÇÃO INDIVIDUAL Na competição individual disputamos vários jogos com o agrupamento de escolas de Macedo de Cavaleiros e com o agrupamento de escolas de Alfândega da Fé. No Ranking final colocamos 2 jogadores no top 10, o Rui Rodrigues (8º lugar) e o Carlos Araújo (10º lugar). Para os distritais foram apurados apenas 2 alunos, 1 do agrupamento de escolas de Vinhais e outro do agrupamento de escolas Emídio Garcia. COMPETIÇÃO POR EQUIPAS Relativamente ao campeonato por equipas participamos com o agrupamento de escolas Emídio Garcia e o agrupamento de escolas de Alfândega da Fé. Após vários encontros com estas escolas apuramos uma equipa para as finais. Nas finais disputamos a classificação com os agrupamentos de escolas de Macedo de Cavaleiros, Alfândega da Fé e Torre de Moncorvo. Terminada a competição obtivemos o 6º lugar. Salienta-se que a equipa apurada para o distrital foi do agrupamento de escolas de Carrazeda de Ansiães. As equipas de ténis da nossa escola eram constituídas por: Hugo Morgado, David Pimentel, Francisco Fernandes, Salvador Meirinhos, Gustavo Araújo, Carlos

Araújo e Gonçalo Meleiro. As competições de ténis de mesa, quer individual quer por equipas, foram realizadas ao longo do 2º e 3º períodos. Estas foram sempre realizadas com grande fair play, partilha e aprendizagens entre todos os participantes. Parabéns a todos os alunos envolvidos.

57


MEGA SPRINTER

FASE ESCOLA No dia 09 de fevereiro foi realizada a fase escola do mega sprinter. Nesta fase foram apurados 19 alunos de diferentes escalões e género para participar nas diferentes provas pertencentes à prova. FASE DISTRITAL Já no dia 07 de março foi realizada a fase distrital do Mega Sprinter no complexo desportivo de Macedo de Cavaleiros. Devido às condições atmosféricas adversas e à alteração inicial da data o nosso agrupamento apenas se fez representar por 7 alunos: Andreia Moura, Eliana Pereira, Santiago Varanda, Milena Jordão, Juliana Cordeiro, Leonor Dias e Rúben Moreno. Os alunos que representaram o agrupamento participaram nas seguintes provas: mega Km, mega Sprint, Mega salto e Mega lançamento. Os alunos conseguiram obter resultados bastante favoráveis, indo às finais em quase todas as provas. Mas infelizmente apenas conseguimos apurar a aluna Juliana Cordeiro no mega lançamento para o Nacional. FASE NACIONAL A aluna Juliana Cordeiro apurou-se para a fase nacional do mega sprinter na prova mega lançamento, indo representar o agrupamento na fase nacional realizada no dia 23 e 24 de março em Lisboa. A aluna no nacional conquistou o 22º lugar. Salientamos o empenho da aluna nesta fase que se caracteriza por ser uma

grande e única festa, onde os opositores apresentam uma oposição muito forte. CORTA-MATO NACIONAL— Açoteias—Albufeira ALGARVE No dia 24 de fevereiro de 2018 os alunos do Agrupamento de Escolas de Mogadouro participaram no Corta-Mato Nacional. Parabéns a todos os envolvidos.

58


59


60

Jornal maio2018final  

jornal

Jornal maio2018final  

jornal

Advertisement