Issuu on Google+

1    


Igrejas do Novo Testamento: Seus Erros e Acertos. 2ª Aula

“Liderança e Forma de Governo da Igreja” Em nossa primeira aula sobre as Igrejas do N. Testamento, definimos que existem 02 Igrejas: INVISÍVEL e a VISÍVEL e dissemos que por por isto que existem tantos problemas na Igreja Visível que e composta de Crentes que serão Arrebatados e “crentes” que não serão arrebatados. Deixamos bem claro também que a Igreja Visível e uma Instituição Divina, ou seja, é da vontade de DEUS e o não aceita-la é ir à contra mão do Apostolo Paulo, e isto significa negar todas as Cartas de Paulo. Comentamos também sobre algumas perguntas e dissemos que muitas outras irão surgir. Respondendo ainda as perguntas hoje veremos mais algumas. - Como a Igreja Visível pode ser governada e suas lideranças. Resumidamente vamos comentar as mais comuns formas de governo que são praticadas na Igreja de hoje, mas primeiro discorreremos sobre as lideranças existentes nas Igrejas. •

Liderança:

APOSTOLO: Diríamos que a primeira liderança humana que surgiu dentro da Igreja Visível foi o Apostolado, mas não podemos esquecer que bem antes da formação da Igreja Visível o povo de DEUS já era governado por lideres (juízes, reis), mas dentro da Igreja Visível a primeira liderança foi dos Apóstolos, estes foram escolhidos diretamente por CRISTO, e ai esta um mistério para alguns: Qual foi o critério que CRISTO adotou? CRISTO não levou em conta o mérito particular daqueles homens e nem muito menos o nível cultural e econômico. O método escolhido foi Divino, ou seja, a total Soberania de DEUS foi que prevaleceu e não méritos particulares, posição social ou eloquência. O cuidado de DEUS 2    


em prevalecer Sua soberania foi para que não houvesse vangloria humana. Infelizmente, hoje vemos muitos “apóstolos”, ou seja, pessoas se auto intitulando e criando suas igrejas particulares e se desviando do contesto Bíblico onde os Apóstolos permaneciam juntos em oração, comunhão e serviço. O que vemos hoje são “pseudos apóstolos” brigando entre si por poder. DIACONONIA: A segunda liderança na Igreja Apostólica foi o Diaconato, sete homens foram escolhidos na Igreja de Jerusalém para auxiliar os Apóstolos na tarefa do “servir”, socorrer os necessitados: At.6.1-6 Naqueles dias, crescendo o número de discípulos, os judeus de fala grega entre eles queixaram-se dos judeus de fala hebraica, porque suas viúvas estavam sendo esquecidas na distribuição diária de alimento. Por isso os Doze reuniram todos os discípulos e disseram: "Não é certo negligenciarmos o ministério da palavra de Deus, a fim de servir às mesas. Irmãos, escolham entre vocês sete homens de bom testemunho, cheios do Espírito e de sabedoria. Passaremos a eles essa tarefa e nos dedicaremos à oração e ao ministério da palavra". Tal proposta agradou a todos. Então escolheram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, além de Filipe, Prócoro, Nicanor, Timom, Pármenas e Nicolau, um convertido ao judaísmo, proveniente de Antioquia. Apresentaram esses homens aos apóstolos, os quais oraram e lhes impuseram as mãos. (o grifo é meu para destacar que não foram os Apóstolos que escolheram e sim o povo) Mais tarde Paulo da alguma orientação a respeito de como deve as características daqueles que postulam este ministério: 1Tm.3.8-13 Os diáconos igualmente devem ser dignos, homens de palavra, não amigos de muito vinho nem de lucros desonestos. Devem apegar-se ao mistério da fé com a consciência limpa. Devem ser primeiramente experimentados; depois, se não houver nada contra eles, que atuem como diáconos. As mulheres igualmente sejam dignas, não caluniadoras, mas sóbrias e confiáveis em tudo. O diácono deve ser marido de uma só mulher e governar bem seus filhos e sua própria casa. Os que servirem bem alcançarão uma excelente posição e grande determinação na fé em

3    


Cristo Jesus. Embora a palavra “diácono” não apareça no 1ª texto acima, sabemos que ela era usada na cultura grega para designar a aqueles que serviam. Como podemos notar no 1ª texto, só foi escolhido homens, no 2ª texto Paulo já fala de mulheres Diaconisa e também cita Fébe como Diaconisa da cidade de Cencreia. Paulo não detalhou as funções do Diácono (a) talvez ate por conta da origem da palavra que é SERVIR. Eu diria que todas as Igrejas cristãs tem em seus quadros o oficio do Diaconato, poderíamos dizer que muitos Irmãos não são eleitos ou escolhidos Diáconos, mas exercem a função muito melhor do que muitos escolhidos. O Ministério de Servir infelizmente é um Dom que poucos irmãos buscam, devido ele não dar talvez o status como os outros dons como o de “línguas”, por exemplo, uma frase que eu gosto muito é: “Quem não serve no Reino de DEUS, não serve”. Jamais podemos esquecer que o primeiro mártires do cristianismo foi Estevão, que era um dos 07 escolhidos. PRESBÍTERO: Tt.1.5-9 A razão de tê-lo deixado em Creta foi para que você pusesse em ordem o que ainda faltava e constituísse presbíteros em cada cidade, como eu o instruí.(grifo é meu para destacar)

Este versículo não deixa de ser também mais uma prova da Igreja Visível como Instituição Divina, à origem da palavra também é do grego que significa pessoa de idade avançada, ancião. Acredita-se que este exemplo de liderança tenha vindo de dentro das sinagogas ou das comunidades judaicas isoladas por isto não temos um texto que nos indique como temos no Diaconato, o exato momento da criação do cargo, os anciões eram respeitados e venerados e esta pratica foi incorporado na Igreja cristã, alguns defendem a ideia de que esta liderança surgiu por orientação de Jétro, sogro de Moises, que o orienta para que escolhessem lideres dentre o povo par ajuda-lo na condução do povo pelo deserto do Sinai (Ex.18). Paulo usa alternadamente a palavra Presbítero a palavra Bispo tratando-se da mesma liderança, ele constituiu Presbíteros ou Ancião em todas as Igrejas da Galácia (At.20.17) e Macedônia (Fl.1.1) na Ilha de Creta, onde não foi possível ele envia Cartas orientando neste sentido. Na Carta que escreve a Timóteo ele dá detalhes como este líder deve ser escolhido: 1Tm.3.1-7: Esta afirmação é digna de confiança: se alguém deseja ser bispo, deseja uma nobre função. É necessário, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma só mulher, sóbrio, prudente, respeitável, hospitaleiro e apto para ensinar; não deve ser apegado ao vinho, nem violento, mas sim amável, pacífico e não apegado ao dinheiro. 4    


Ele deve governar bem sua própria família, tendo os filhos sujeitos a ele, com toda a dignidade. Pois, se alguém não sabe governar sua própria família, como poderá cuidar da igreja de Deus? Não pode ser recém-convertido, para que não se ensoberbeça e caia na mesma condenação em que caiu o diabo. Também deve ter boa reputação perante os de fora, para que não caia em descrédito nem na cilada do diabo. Não só Paulo faz menção deste Oficial da Igreja Visível como também Tiago, Pedro e Joao: Tg.5.14: Entre vocês há alguém que está doente? Que ele mande chamar os presbíteros da igreja, para que estes orem sobre ele e o unjam com óleo, em nome do Senhor. 1Pe.5.1 Portanto, apelo para os presbíteros que há entre vocês, e o faço na qualidade de presbítero como eles e testemunha dos sofrimentos de Cristo, como alguém que participará da glória a ser revelada: 3Jo.1,2 O presbítero ao amado Gaio, a quem amo na verdade. Amado, oro para que você tenha boa saúde e tudo lhe corra bem, assim como vai bem a sua alma. Nas Igrejas Reformadas existem dois tipos de Presbíteros: Docente e Regente sendo que o Docente cabe a função de cuidar da parte Espiritual da Igreja que são os Pastores e os Regente cabe zelar da administração da Igreja que são os Presbíteros leigos. Não só as Igrejas Reformadas (Presbiterianas, Metodistas) adotam este tipo de liderança, as Assembleias de Deus também adotam, na Congregação Cristã do Brasil usam o termo Ancião, No catolicismo Romano este ofícios (Presbíteros (Bispo) e Diácono) tem uma função bastante diferenciados sendo os Presbíteros (Bispos) ocupando uma hierárquica superior na Igreja, e os Diáconos uma função bem inferior aos dos Presbíteros. Já nas igrejas Reformadas não existe uma hierarquia entre Presbítero Regente, Docente ou Diácono, o que existe são funções distintas. Quando estudamos sobre o 1ª Sínodo da igreja Apostólica vemos que os Presbíteros que vieram de Antioquia juntamente com Paulo e Barnabé não ficaram em segundo plano, participaram igualmente do concilio, no texto acima (1Pe.5.1) vemos Pedro se colocando em pé de igualdade com os Presbíteros, portanto na Igreja Apostólica não havia hierarquia entre Apostolo, Presbítero e Diácono, esta hierarquia que existe hoje e fruto do distanciamento do Novo Testamento, “é coisa da carne”, poder. 5    


Voltando as pergunta da nossa 1ª aula: •

Forma de governar uma Igreja:

Como já dissemos comentaremos as 05 mais conhecidas: 1ª Sistema Nacional: Este Sistema de Governo não faz parte da cultura brasileira, Como o próprio nome já diz, defendem um sistema único, ou seja, o Estado é a Igreja e a Igreja é o Estado. Os países mulçumanos adotam este Sistema de governo onde Estado e religião se funde. 2ª Sistema Quacres: Surgiu aqui na Inglaterra, no sec XVII, basicamente eles rejeitavam qualquer forma de governo com base que o formalismo dentro da Igreja impede a ação do ESPIRITO SANTO, praticam 02 formas de culto: O Programado, que se assemelha a um culto de uma Igreja tradicional e o Culto Tradicional, onde neste não existe liturgia, diríamos que é um culto silencioso, onde todos ficam meditando e se alguém for tocado pelo Espirito Santo pode se manifestar (cantando, testemunhando, lendo um texto Bíblico, orando em voz audível, etc). Os Quacres não praticam o Batismo com agua, creem apenas no Batismo do Espirito Santo e também não praticam a Ceia, para eles toda refeição é uma Ceia do Senhor. 3ª Sistema Episcopal: Estes defendem a ideia que CRISTO deixou a autoridade de governar a Igreja aos Bispos, e estes seriam os sucessores dos Apóstolos. Os fieis não tem poder para eleger nenhum tipo de liderança ( Pastores, Padre, Diáconos, etc), e nem muito menos opinar nos rumos da Igreja, tudo vem do Bispo. A mãe deste Sistema é o Catolicismo Romano, com Papa sendo o sucessor dos Apóstolos e etc., mas ela não esta sozinha neste sistema, a grande maioria das Igrejas Pentecostais também adotam este Sistema de Governo (Universal, Internacional da Graça, Assembleia de Deus, Renascer, Deus é Amor, etc.), poderíamos dizer que neste sistema o poder não reside nos Fieis e sim no Bispo ou presidente como querem alguns. 4ª Sistema Congregacional: Totalmente contrario ao Episcopal, aqui o poder reside inteiramente nos membros da Igreja, ou seja, na assembleia, tudo é resolvido em assembleia da escolha de liderança (Pastor (a), Diácono (a)) aos rumos que a Igreja deve seguir, Neste Sistema as Igrejas são filiadas, ao que é chamado de “Convenção”, que apenas dá algumas diretrizes doutrinarias e cuida de ações missionarias nacional e internacional, esta não tem poderes sobre a Igreja, porem se a Igreja desviar-se das orientações doutrinaria a “Convenção” ela pode ser desligada da “Convenção”. Neste sistema cada Igreja é uma, porem respeitando algumas normas da “Convenção”. As Igrejas Batistas são Congregacionais. 5ª Sistema Representativo: Aqui também o poder reside na assembleia que também elege uma liderança (Pastor, Presbítero, Diacronia), este exercem suas funções por um determinado tempo, podendo ser destituídos ou reconduzidos. As Igrejas são 6    


administradas por “conselhos” formados por Presbíteros (a). Neste Sistema de governo, as Igrejas agrupam em regiões que são chamadas de Presbitérios (Concílios) (07 Igrejas), estes em Sínodos (03 Presbitérios) e por fim uma “Mesa Administrativa Nacional” (Supremo Concilio) que tem por função zelar pelas Doutrinas, planos Missionários nacional e internacional, Seminários e etc, tudo tem que passar por estas “conselhos”. Cada igreja indica 03 membros para fazerem parte dos Presbitérios e estes elegem os Sínodos e a “Mesa Administrativa Nacional” por um determinado tempo. Os Presbitérios têm poderes para destituir o Sínodo e a “Mesa Administrativa” e as Igrejas o Presbitério. Em resumo diríamos que o “poder” está na base, que é a Igreja local. Quem defende este Sistema de governo são os Presbiterianos. Em resumo seriam estes os Sistemas que governam as Igrejas, em todos eles temos pontos positivos e negativos, em um não existe alguém que coordene e transferem ao Espirito Santo toda a responsabilidade de decisões que são dos homens; em outra o poder esta concentrado em uma única pessoa o que torna as decisões rápidas de ser executado mas correndo o risco desta pessoa errar e todo o trabalho ser prejudicado, em outro o poder está em um grupo (assembleia) o que torna as discussões mais polemicas devido a diversidades de ideias e pode levar também o grupo ao isolamento do Corpo de CRISTO; e em outra existe certa lentidão nas decisões devido a uma certa “burocracia”. Tudo isto parece recente, mas não é, passado algumas décadas da Reforma Protestante do Sec. XVI varia linhas doutrinarias e sistemas de governo religioso surgiram e uma pergunta também; Mas qual a melhor Igreja a seguir? A resposta veio do Reformador Joao Calvino: A qual a exposição da Palavra de DEUS ocupa a maior parte do culto. Aquela que aplica os Sacramentos fielmente. Batismo e Ceia. • E a que tem um código disciplinar.       • •

Explicando este ultimo tópico de Calvino:   Sempre que uma Igreja Visível descuida da sua disciplina está admitindo publicamente que não tem preocupação com a pureza, o fato de uma Igreja não ter um “código” disciplinar, de certa forma ela esta autorizando o pecado ou está sendo condescendente (disposição para ceder às vontades, às opiniões alheias, ainda que não sejam coerentes com seus próprios princípios...)

  Infelizmente o que vemos nos dias de hoje são “cultos” onde a Palavra de DEUS está ficando de lado e as explicações particulares como testemunhos, milagres, benção, oferta de produtos ocupam maior parte dos “cultos” e para piorar o verdadeiro Louvor deu lugar a Show de musica. E a respeito do Sistema de Governo mais correto a resposta foi: • O que tem CRISTO como “A Cabeça da Igreja” Minha pergunta a você meu caro leitor: Se olharmos para nossa Igreja encontramos as marcas da Igreja verdadeira de CRISTO? Se você respondeu que sim, ótimo, se não: 7    


O que podemos fazer para que nossa Igreja volte para os princípios de CRISTO? Diácono Pedro Eduardo Corona Igreja Batista Link Church – Londres (UK) Março de 2013. Se você caro Irmão leitor tem alguma pergunta, duvida ou sugestão de tema, entre em contato conosco usando nosso site: www.linkchurc.net, e conheça também nosso trabalho aqui em Londres. E que DEUS nos mantenha e nos de disposição para continuar debruçado sobre SUA PALAVRA. Próxima aula: ” Diversidade de Igrejas”

           

8    


9    


Aula 37: Liderança e Forma de Governo da Igreja