Issuu on Google+

Jornal

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Linha Popular aqui Camboriú é notícia

Ano V - nº 206

www.linhapopular.com.br

R$1 @LinhaPopular

Siga-nos no twitter

Camboriú, 1º de março de 2013

Distrito Monte Alegre rumo à pacificação

Caos no Hospital Problemas vão da falta de remédios até profissionais sem salários PÁG. 25

Cidade Incêndio destrói três casas e deixa 17 desabrigados

Gustavo Zonta/LP

PÁG. 21

verao 26x7.pdf

1

14/02/13

10:17

Operação Camboriú Mais Segura, realizada nesta semana, deu início a uma ação que deve ser permanente no distrito. Diferente das forças-tarefa temporárias feitas até agora, onze policiais chegaram ao Monte Alegre para ficar. Leia mais na página 28

Perfil: Conheça a colunista social Karina Elisa

INTERNET BANDA LARGA C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

A PARTIR DE:

3365-0107

www.imbranet.com.br

Pág. 24


2

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Opinião

Editorial

Charge Crise

N

a última semana, o Linha Popular trouxe uma matéria especial mostrando os problemas que a Educação de Camboriú tem enfrentado. O fato teve repercussão nas ruas e leitores procuraram a redação para mostrar que a realidade é ainda pior do que a relatada pelo LP. Por isso, nesta semana uma nova matéria trata do assunto. Porém, não é da Educação que vem o maior problema relatado nesta edição. Desta vez, a Saúde é que pede socorro. A pedido de funcionários do hospital da cidade, nossa reportagem esteve no local e traz nesta edição o caos que está sendo vivido na Fundação Hospitalar. Faltam remédios, falta comida, salários não são pagos. Todos sabem que a Fundação Hospitalar de Camboriú tem problemas há muitos anos e que o acúmulo de dívidas ao longo do

tempo prejudica o funcionamento da instituição. Mas agora, a crise chegou ao ápice e os próprios funcionários, que sempre vestiram a camisa da instituição, estão abrindo mão de seus empregos. Totalmente dependente de repasses financeiros oriundos de órgãos públicos, é estranho pensar que ao longo de tantos anos, nenhuma ação política consistente agiu para quitar as dívidas antigas, dando condições para que a Fundação passasse a se manter com os repasses mensais. Parece que para os Governos, Saúde não é prioridade. O fato é que se, daqui para frente, a postura dos nossos gestores não mudar em relação ao hospital de Camboriú, a população será – como sempre – a grande prejudicada e o futuro da Saúde na cidade poderá ser ainda pior do que a realidade mostrada nesta edição.

Poesia

Aniversário

M

esmo em meio a tantas más notícias, o Linha Popular traz nesta edição material especial em comemoração aos quatro anos do jornal. Além de conteúdo editorial

impresso, o LP lança hoje o novo portal de notícia da cidade, com materiais exclusivos, produzidos especialmente para o online. Confere lá: www.linhapopular.com.br.

Editora

Chargista

Naiza Comel - Mtb/SC 2899 JP

Leandro Francisca

Redação Gustavo Zonta - Mtb/SC 3428 JP Fernando Assanti - Mtb/SC 3424 JP Joel Minusculi - Mtb/SC 3728 JP Stefani Ceolla

Contato Tel.: 3365-4893 Cel.: 9983-0763

Redação redacao@linhapopular.com.br linhapopular@gmail.com

Tiragem 2 mil exemplares

Site

www.linhapopular.com.br

Blog www.linhapopular.com.br/blog

As opiniões expressas em artigos e colunas não representam a opinião do jornal e são responsabilidade de seus autores.

Sede Rua Maria da Glória Pereira, nº 149 - sala 102 - 2º piso Centro - Camboriú CEP 88340-000

Impresso na Gráfica Rio Sul

Este jornal integra o CCJ - Cadastro Catarinense de Jornais

- PERIODICIDADE SEMANAL -

Transparência

Seresteiro do amor

Serei o silêncio de cada instante sonhado E de cada poente serei verso a debruçar Serei a razão do amor que se fizer mais amado E me espalharei no mundo como a lua caindo no mar

Tenho sido criança pra poder te abraçar Tenho sido canção para poder te compor Tenho sido anjo para poder te guardar Só ainda não pude ser seu amor

Serei a grandeza dos sonhos e o perfume do mundo Serei a virtude suprema do ser que pude amar. Serei a realidade fiel de um sonho profundo Serei a brisa da noite e o véu do luar.

Já fui sol para te fazer sorrir Já fui mágoa pra te fazer chorar Já fui arco-íris pra te colorir Queria ser o vento pra poder te tocar.

Guardarei a neblina constante que tece as madrugadas E a noite reluzente de estrelas a brilhar Guardarei os pingos suaves da chuva na superfície das águas E as flores caídas, antes da primavera chegar.

Já fui lua para te seduzir Tenho sido estrela para te conquistar Me tornei rio para poder te seguir Só não pude ser onda para viver no teu mar.

E ficarei no vento mais errantes que puder passar, Na força do amor incorrigível Nas águas que correm dos olhos num breve afagar Ficarei na ilusão de um amor inesquecível.

Tenho sido amor, poeta e seresteiro. Tenho guardado tua essência de rosa e jasmim Me tornei primavera e perfumei seu mundo inteiro, Só não pude ter seu sorriso para enfeitar meu jardim.

Ficarei em cada raio de sol que tocar a face do dia Em cada gota de amor que formar um pensamento Em cada frase que formar um verso pra dissipar a melancolia Ficarei nas vestes da lua enfeitando momentos. E levarei a doçura transparente do amor em prosa E a aurora embriagada de encantos num céu de louvor. Levarei a necessidade da vida e uma sinfonia chorosa Levarei apenas a inocência de um sorriso de flor.

Joel de Oliveira Gonçalves poeta e morador de Camboriú. Autor de livros de poesia – estas são da obra Coração Poente


3

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Painel LP Foto da semana Stefani Ceolla/LP

Twittou, vai parar no LP: Camboriú comemora e muito hoje! Há 4 anos contamos com um jornal sério e responsável em nosso município. Parabéns @LinhaPopular

@jonasaugusto Jonas Augusto, estudante de jornalismo

O

Linha Popular tem recebido reclamações do trânsito na rua Evelina Vieira, no centro da cidade, em frente à escola Recriarte. A via é de mão única e tem vagas de estacionamento dos dois lados. Na entrada e saída das aulas, pais acabam parando no meio da rua para o embarque e desembarque dos filhos, o que atrapalha o trânsito no local.

@JocineiMano

Curtas

Jocinei da Silva, morador da cidade

Jogos da Terceira Idade

Nova diretoria Acibalc (1)

Aulas de libras

A Fundação Municipal de Esportes - FME convida os moradores do município com mais de 60 anos para participarem dos Jogos Integrados da Terceira Idade de Camboriú - Jiticam. O evento, que será realizado no dia 20 de março, contará com as seguintes modalidades: dança de salão e coreografada, truco, dominó, canastra e bocha. “O perfil do novo idoso mostra que a terceira idade está mais participativa, motivada e procurando manter a qualidade de vida. Isso nos faz crer que o Jiticam terá um bom número de participantes”, declarou o Presidente da FME, Altamir Montibeller.

A Associação Empresarial de Balneário Camboriu e Camboriú – Acibalc empossou na noite de ontem, quinta-feira, a nova diretoria da entidade. Quem assumiu a presidência foi o empresário Nelson de Oliveira, que substitui a empresária e contabilista Magda Bez. Oliveira é formado em Administração de Empresas e especialista em Gestão de Negócios pelo Ifes. Associado à Acibalc e nucleado fundador do Núcleo de Informática desde 2005, já atuou como Diretor de Núcleos da instituição.

A Prefeitura de Camboriú está com inscrições abertas para o curso de Liguagem Brasileira de Sinais - Libras nas escolas Clotilde Ramos Chaves (bairro Areias) e Anita Bernardes Ganancini (Monte Alegre) no período noturno. O curso é gratuito. As inscrições podem ser feitas nas escolas. Para isso, é preciso xerox do RG, do CPF e de um comprovante de residência. As aulas iniciam em março.

Inscrições para o Jiticam A competição tem início previsto para as 14h, no Centro de Múltiplo Uso Alice Testoni Gomes. Esta será a etapa municipal, que classificará os vencedores de cada modalidade para a fase regional dos Jogos Abertos da Terceira Idade - Jasti. Para as inscrições, basta apresentar a Carteira de Identidade até o dia do evento no Centro de Múltiplo Uso, localizado na rua Minas Gerais, bairro Areias. Outras informações no telefone (47) 3365 1498.

Parabéns a toda equipe do @LinhaPopular por estar a 4 anos levando as melhores reportagens aos moradores da cidade de Camboriú, boas ou não.

Nova diretoria Acibalc (2) A nova diretoria é formada ainda por Alexandre G. da Rocha (vice-presidente), Cirlei Inez Donato (diretor administrativo), Eraldo Luiz de Carvalho Junior (diretor jurídico), Ciça Müller (diretora de comunicação), Márcio Daniel Kiesel (diretor de Desenvolvimento Empresarial), José Santos Pereira (diretor de Indústria, Comércio e Serviços), Marcelo Azevedo dos Santos (diretor de Núcleos), Carlos Gustavo Bauer (diretor de Turismo), e Fernando Baumann (diretor de Meio Ambiente).

O Linha Popular tem se mostrado um Jornal responsável. Dar abertura para a participação comunitária é mérito de poucos meios.

@Calebe_Moreno Calebe Ibaldo Moreno, jornalista e morador de Camboriú

Infelizmente a realidade é dura e o trabalho é árduo, porém não depende só da Polícia Militar, todos devem contribuir

Jari em funcionamento Um novo serviço implantado pelo Departamento Municipal de Trânsito deve facilitar a vida dos motoristas da cidade. Entrou em funcionamento a Junta de Recursos de Infrações - Jari, responsável pelo julgamento dos recursos interpostos contra multas aplicadas pela Polícia Militar. “Antes, o motorista que fosse multado no trânsito tinha que se deslocar até a Delegacia Regional em Balneário Camboriú parar recorrer da infração. Agora, este serviço já pode ser efetuado em Camboriú”, explica o diretor do departamento, Jair Grings. A Jari está localizada na sede do Departamento de Trânsito, na rua Capitão Ernesto Nunes, 862, anexo à Secretaria de Obras e Serviços Urbanos. O horário de atendimento será das 7h às 13h.

@tiagoghilardi Tenente Tiago Ghilardi, comandante da operação Camboriú Mais Segura, comentando matéria sobre as ações da PM

Siga-nos no Twitter: @LinhaPopular


4

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Política

Bastidores Por Fernando Assanti

fernandoassanti@hotmail.com @FernandoAssanti Internet no interior Os vereadores Alexsander Canídia (PPS) e Zeca Simas (DEM) visitaram o secretário de Agricultura e Pesca do Estado, João Rodrigues, e trouxeram boas notícias para Camboriú. Além da promessa de envio de um trator, o secretário também afirmou que vai disponibilizar acesso a internet para a área rural de Camboriú. Para isso, basta que o Executivo e/ou Legislativo encaminhem um ofício com o pedido à Secretaria de Estado de Agricultura e Pesca. Vamos esperar. Os amigos de Zeca Simas O vereador do DEM de Camboriú, Zeca Simas, usou a tribuna da Câmara para falar de uma realidade que poucos admitem: a importância do lobby na política. Zeca destacou que iria conseguir muitos benefícios para Camboriú porque é amigo do João Rodrigues, é amigo do Raimundo Colombo e, na política, a amizade conta muito para conseguir recursos. Sabendo que esta é a mais pura verdade, vamos esperar que Zeca fique cada dia mais amigo dos grandes do Estado, e reverta essa proximidade em recursos para a cidade. Lei é Lei Acompanhei na Câmara de Vereadores uma discussão interessante sobre uma Lei em vigor em Camboriú há anos e que nunca foi cumprida. A Lei diz respeito a implantação de um centro de zoonoses e surgiu na pauta da Casa a pedido dos vereadores Jane Stefenn (PSDB) e Ângelo Gervásio (PMDB). Os dois vereadores pediam que a Lei deixasse de ser ignorada e fosse cumprida pelo Executivo, nada mais do que isso. Mas o vereador José Pedro Costa (PSDB) – com discurso de secretário municipal – explicou que “no Brasil é assim mesmo: tem Lei que é feita, mas não dá pra cumprir”. E eu que pensava que o papel do Zé Pedro era cobrar do Executivo o cumprimento das Leis....tenho muito que aprender nesta vida!

MP faz recomendações aos vereadores sobre fiscalização de instituições Câmara recebeu ofício de promotor, destacando o que deve ser verificado em entidades que recebem recursos da Prefeitura. Entre elas, está a verificação das atividades “in loco”

A

Câmara de Vereadores recebeu um ofício do Ministério Público com recomendações sobre pontos que devem ser verificados na fiscalização de entidades que recebem recursos públicos. O material, assinado pelo promotor Victor Emendörfer Filho, indica que as entidades devem comprovar prestar serviços à comunidade de forma continuada, permanente e planejada. O promotor sugere que os vereadores façam fiscalizações “in loco”. Pede também que sejam verificados os registros nos conselhos municipais de competência. Além disso, o MP indica a análise das contas anuais das instituições e lembra que os dirigentes não devem receber remunerações. O documento traz ain-

da que “as ações e finalidades acordadas devem ter segurança, com o alvará de funcionamento sanitário e bombeiro atualizados para o referido

espaço físico”. A exigência de um profissional técnico correspondente à área de atuação também foi ressaltada pelo promotor.

Vereadores têm feito visitas às entidades Os vereadores falaram bastante da necessidade de fiscalização das entidades durante as sessões em que os projetos de repasses foram aprovados. O presidente da Câmara, Márcio Aquiles da Silva, o Márcio do Kido (PSC), aponta que em 2012 uma comissão foi formada para fazer as visitas. “Não há uma determinação da Casa, cada vereador tem liberdade de fazer seu papel”, aponta. Márcio lembra que, an-

tes da aprovação dos convênios com entidades que atendem crianças e adolescentes, os coordenadores foram chamados para explicar como é feito o trabalho. “Os vereadores comentaram neste encontro que iriam in loco para fiscalizar”, diz. O presidente esclarece que caberia, a princípio, aos membros da comissão que analisa o projeto verificar a situação das instituições. “Mas o carro está à disposição de cada vereador”, finaliza. Arquivo/LP

Xande é do Legislativo Curioso perceber como os próprios vereadores ampliam a confusão entre Legislativo e Executivo que já existe na cabeça de parte da população. Nesta Legislatura, Xande (PSDB) é o campeão em misturar os poderes durante seus discursos. Líder de Governo na Câmara, ele ultrapassa a função de defender o Executivo, se colocando como membro daquele poder. Comum ouvir Xande afirmar que “nós pegamos um município com muitos problemas, nós criamos 76 salas de aula”. Troca de farpas Parece que a vereadora Jane e a secretária de Educação, Fátima Gervásio, só têm em comum a sigla partidária. As duas andam trocando farpas publicamente, inclusive com acusações sérias, que envolvem uso da máquina pública durante a campanha de 2012. Tudo começou quando Jane resolveu denunciar problemas reais nas escolas municipais. Jane está apenas cumprindo seu papel na Câmara. Pena que os correligionários não entendam. Meio Ambiente O nome da nova Fundação de Meio Ambiente de Camboriú – Fumac não agradou a população. Muitas críticas foram feitas pelo título lembrar fumo, fumaça. Atento às manifestações populares, o presidente da pasta, Arnaldo Christian, já está promovendo a mudança, que precisa ser enviada para a aprovação na Câmara de Vereadores. A nova proposta é Fundação Camboriuense de Gestão e Desenvolvimento Sustentável – Fucam. Ficou melhor, né?

Fiscalização. No final de janeiro, Jackson Genésio Rosa (PSDB), José Pedro Costa (PSDB) e Márcia Freitag (PSDB) conheceram o trabalho dos centros de recuperação


5

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Política

Vereadores iniciam contratação de assessores Para que vereadores pudessem ter assessores, carga horária e salário foram reduzidos

O

s vereadores desta legislatura iniciaram os trabalhos sem a possibilidade de contratação de assessores. Com o aumento no número de vereadores, os estudos apontavam que eles teriam que trabalhar meses sem assessores. A solução encontrada pela mesa diretora foi propor a redução da carga horária e dos salários dos assessores de gabinete. Antes, estavam previstos pela lei de cargos e salários da Câmara 15 assessores de gabinete, com salário de R$ 1.760 e 40 horas de atuação. O projeto, aprovado esta semana, tem salário de R$ 1.250 para 20 horas. Com a aprovação da modificação, os vereadores iniciam a contratação.

Durante os debates sobre os projetos, o presidente da Casa, Márcio Aquiles da Silva, o Márcio do Kido (PSC), fez questão de ressaltar sua luta para que os vereadores tivessem assessores – o que iniciou em 2011. “O Legislativo sempre é criticado quando há contratações, mas a quantidade de funcionários é muito maior no Executivo e no Judiciário”, defendeu Márcio. Sobre a possibilidade de críticas da população, Márcio acredita que ocorram. Mas ele defende que as pessoas que já precisaram entrar em contato com os vereadores sabem que o trabalho do assessor facilita e é necessário. “Também percebi um

aumento este ano no número de pessoas que procuram o gabinete. E, se as pessoas procuram o atendimento na Câmara, é preciso que tenha alguém para atendê-las”, aponta. José Pedro Costa, o Zé Pedro (PSDB), lembrou que, no ano passado, houve mudança na exigência da formação dos assessores, que passou de ensino fundamental para médio. O vereador Carlos Alexandre Martins, o Xande (PSDB), defendeu que a contratação dos assessores vai melhorar o atendimento do cidadão. O mesmo foi defendido por Ângelo Gervásio (PMDB): “Todo dia há pessoas no gabinete, atendi mais de 60 pessoas desde o

início dos trabalhos no dia 7 de janeiro”. Para Ângelo, se o assessor puder fazer o aten-

dimento em gabinete, ele terá mais tempo para fazer a fiscalização.

Critérios de escolha Alguns vereadores falaram da preocupação com a redução de salário. Foi o caso de Jane Stefenn (PSDB). Para ela, o salário dificulta a contratação de pessoas com graduação. Já o presidente da Casa, Márcio do Kido, diz que a escolha dele foi dificultada pela exigência do ensino médio. “A assessora que eu tinha no ano passado atendia muito bem a minha necessidade, que é do trabalho de campo, próximo à comunidade”, aponta.

Xande foi o primeiro vereador a anunciar seu assessor. Na terça-feira, quando o projeto passava pela segunda votação, ele já estava acompanhado de Douglas Aguirre, que vai assessorá-lo. Xande explica que Douglas foi escolhido pelo seu conhecimento jurídico, para ajudá-lo na elaboração de projetos. “Ele é formado em Direito, é jovem como eu e militante do PSDB”, explica o vereador. Na semana que vem, outros assessores devem ser definidos.

Possibilidade de dois assessores A alteração do projeto envolve ainda o número de vagas. Cria 30 vagas de assessor de gabinete. O presidente da Casa explica que estas contratações não poderão ser feitas agora, pela questão de or-

çamento. “Não será possível contratar dois assessores este ano ou o ano que vem. Mas, com a modificação, quando houver orçamento, a contratação poderá ser feita”, explica Márcio.


6

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Política PEDIDO DE LICENÇA AMBIENTAL Loteamento Jardim Verde Vale I

COSTAL EMPREENDIMENTOS E INCORPORAÇÕES LTDA, CNPJ 06.058.779/0001-82, torna público que está requerendo à Fundação do Meio Ambiente (FATMA) a Licença Ambiental de Instalação (LAI) do Loteamento Jardim Verde Vale I, localizado na rua Santo Antonio, s/n, Rio Pequeno, Camboriú.

Folha de pagamento e manutenção de estruturas são os maiores gastos da Prefeitura

Este e outros dados foram apresentados em audiência pública esta semana. Mais uma vez, encontro não teve a participação da comunidade Naiza Comel/LP

Foi determinado Estudo Ambiental Simplificado. Juliano Hinz Maran Sócio-Proprietário

PEDIDO DE LICENÇA AMBIENTAL Loteamento Jardim Verde Vale II

COSTAL EMPREENDIMENTOS E INCORPORAÇÕES LTDA, CNPJ 06.058.779/0001-82, torna público que está requerendo à Fundação do Meio Ambiente (FATMA) a Licença Ambiental de Instalação (LAI) do Loteamento Jardim Verde Vale II, localizado na rua Santo Antonio, s/n, Rio Pequeno, Camboriú. Foi determinado Estudo Ambiental Simplificado. Juliano Hinz Maran Sócio-Proprietário

PEDIDO DE LICENÇA AMBIENTAL Loteamento Jardim Verde Vale III

COSTAL EMPREENDIMENTOS E INCORPORAÇÕES LTDA, CNPJ 06.058.779/0001-82, torna público que está requerendo à Fundação do Meio Ambiente (FATMA) a Licença Ambiental de Instalação (LAI) do Loteamento Jardim Verde Vale III, localizado na Antiga Estrada da “B”, s/n, Rio Pequeno, Camboriú. Foi determinado Estudo Ambiental Simplificado. Juliano Hinz Maran Sócio-Proprietário

HÉLIO MARCOS BENVENUTTI SOCIEDADE DE ADVOGADOS - OAB-SC 2007/2012 HÉLIO MARCOS BENVENUTTI – OAB/SC 7087 MARIELZA A. DE SOUZA – OAB/SC 21905 LUIZ FILIPI TESTONI – OAB/SC 28070 INDENIZAÇÕES – QUESTÕES TRABALHISTAS – APOSENTADORIAS E PENSÕES – OUTRAS CAUSAS Rua Cel. Benjamin Vieira, 10, 2º Piso, Sala 05, Centro, Camboriú/SC - F: 3365-1395

Sem participação. Como em outras audiências com apresentação de cumprimento de metas, encontro teve pouquíssima participação

T

arde de terça-feira, dia 26. Às 14 horas, o presidente da Comissão de Finanças de Orçamento da Câmara, Jackson Rosa, o Jakinho (PSDB), abriu a audiência pública de avaliação das metas fiscais da Prefeitura. Acompanhando a exposição do contador Guido Vanderline Júnior estavam poucas pessoas. O público aumentou um pouco durante a exposição, mas a audiência foi finalizada com menos de 10 pessoas no plenarinho da Câmara. Entre as informações repassadas por Guido, a de que a arrecadação da Prefeitura foi 37,31% maior do que a previsão. A previsão era de R$ 86.600.000 e a arrecadação final foi de R$ 118.910.577. Deste valor, 32% é de receita própria da Prefeitura – com arrecadação de tributos, serviços de água, multas, juros e dívida ativa, entre outros. Assim, a maior parte dos recursos disponíveis para a Prefeitura no ano passado envolveu repasses do Governo Estadual e Federal – transferências que ocorrem sempre, como Fundeb, SUS e ICMS, por exemplo, assim como de convênios (que são firmados para ações e obras específicas). Estes repasses foram responsáveis por 68% do total da receita arrecadada em 2012.

Para que o dinheiro foi utilizado A maior parte dos recursos que entraram no caixa da Prefeitura em 2012 foi utilizada para a folha de pagamento de funcionários – pessoal e encargos sociais foram responsáveis por 50% das despesas. A manutenção das estruturas utilizou 32%. Apenas 17% dos recursos da Prefeitura foram para investimentos. A controladora interna da Prefeitura, Kaita Testoni, explica que são

considerados investimento as construções, assim como aquisições de veículos e maquinários. Em 2012, a maior parte dos investimentos feitos pela Prefeitura de Camboriú envolveu obras. Sobre o baixo índice para investimentos, Kaita explica que isso ocorre em todas as esferas – também na estadual e federal – porque os custos de manutenção são muito altos.

Preocupação com a folha de pagamento A grande destinação de recursos para folha de pagamento chamou a atenção dos vereadores que acompanharam a audiência. No início de 2012, o Tribunal de Contas do Estado emitiu um alerta para a Prefeitura de Camboriú quando os gastos com pessoal alcançaram 49,13%. O limite considerado prudencial é de 51,3%. Na audiência, a controladora interna da Prefeitura, Kaita Testoni, explicou que chegar a este índice implica no corte de horas extras, entre outras recomendações. O máximo de gastos com pessoal é 54%. Quando alcança este índice, a Prefeitura enfrenta sanções ainda maiores, que envolvem parar de receber verbas federais - uma fonte importante de recursos para Camboriú. A Prefeitura corre o risco de alcançar o limite prudencial este ano. Isso porque os professores que recebem o piso mínimo devem receber 7,97% de reajuste nos próximos meses. Guido disse que não era possível informar, ainda, se outras categorias (professores com graduação e pós-graduação) também receberiam este reajuste. Em maio, está previsto ainda o reajuste anual para todos os servidores.


7

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Cidade

Barranco: Pavimentação de acesso à ponte deve começar em 30 dias Prefeitura abriu licitação e resultado do processo deve sair em um mês. Depois disso, a obra começa

A

ponte que liga os bairros São Francisco de Assis, o Barranco, em Camboriú, e Vila Real, em Balneário, foi inaugurada em julho do ano passado. A obra foi feita pela Prefeitura de Balneário depois que a antiga ponte pênsil foi destruída pela enchente de 2008. À Prefeitura de Camboriú, coube a responsabilidade de pavimentar o trecho da rua Santo Amaro que vai até a ponte. A obra deveria ter começado no ano passado, mas só deve iniciar daqui a pelo menos 30 dias. Em maio do ano passado, a prefeita Luzia Coppi Mathias afirmou que a parte da obra da qual Camboriú é responsável iniciaria em julho, depois que um acordo foi feito entre as duas prefeituras. “Vamos começar assim que estiver pronta. Vamos honrar nosso compromisso”, afirmou na época. Agora, o secretário de Obras, Junior Bastos, afirma que está em licitação a contratação da empresa que vai realizar a pavimentação do trecho. “O que demora é a burocracia. A licitação deve levar cerca de 30 dias”, afirma.

Depois disso, a obra é rápida. “É um trecho pequeno, em 20 dias deve estar pronto”, garante. A Secretaria de Obras já fez o alargamento da via para que receba a pavimentação. Além do asfalto, calçadas devem ser construídas no trecho que vai até a ponte. Apesar da reivindicação da comunidade, apenas o trecho da Santo Amaro será pavimentado.

São Miguel No ano passado, moradores da rua São Miguel protestaram, pedindo o asfaltamento. Eles pagam Imposto Predial Territorial Urbano – IPTU para Camboriú, taxa de lixo para Camboriú e Balneário, e mesmo assim sofrem com a falta de benefícios. Até no nome a via tem o problema de localização: de um lado, há placa que informa que pertence ao bairro Nova Esperança, em Balneário; de outro, que faz parte de Camboriú. Por estar na divisa entre as duas cidades, muitas vezes os moradores não sabem a

quem recorrer para reivindicar melhorias. No entanto, uma placa fixada depois da inauguração da nova ponte sobre o rio Camboriú mostra que, de fato, a rua pertence à cidade. Em setembro do ano passado, os moradores colocaram uma faixa na rua em que protestavam. “Estamos abandonados e sufocando com a poeira”, dizia a faixa. Na ocasião, o secretário de Obras afirmou que conhecia os problemas daquela localidade. “Sabemos que, depois da ponte ter ficado pronta, o fluxo de veículos triplicou por ali”, disse. Junior ainda afirmou que, quando fosse feito o projeto de pavimentação da rua Santo Amaro, a São Miguel também seria beneficiada. Agora, ele explica que não foi possível cumprir o prometido. “A obra precisa ser feita com recursos próprios e não teremos como pavimentar a São Miguel”, explica. Mesmo assim, ele garante que a via ainda será pavimentada. A Prefeitura não divulgou quanto deve ser gasto com a obra da Santo Amaro nem quando a pavimentação da São Miguel será feita.

São tantos causos legais, que agora eles têm um espaço só para eles

Camboriú tem muitos causos. E para que a gente pudesse contá-los, surge o blog “Teve aquela vez…”. O blog será escrito pela jornalista Stefani Ceolla, que já ouviu muitos causos da cidade e está empolgada para ouvir ainda mais. O lançamento do blog faz parte da comemoração pelos 4 anos do Linha Popular.

e Acess

!

Comente!

Gustavo Zonta/LP

Conte seus causos! www.linhapopular.com.br/blogs/

teveaquelavez

Sem asfalto. Prefeitura devia ter pavimentado o trecho em julho do ano passado, quando ponte ficou pronta

O que é este quadrado? A caixa com pequenos quadrados pretos e brancos chama-se QR Code. O símbolo serve como um atalho, que pode ser lido pela câmera de celulares modernos e seus aplicativos. A praticidade está em não precisar digitar endereços de internet ou textos longos nos pequenos teclados. Com o aplicativo ligado, basta apontar, esperar o aparelho ler e tocar o atalho que surgir. Para aparelhos com dispositivo Android recomendamos o uso do aplicativo Barcode Scanner. Usuário de iOS, da Apple, podem usar o Qrafter. Já quem tem um Blackberry pode instalar o Blackberry QR-Code Reader.

Stefani Ceolla


8

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

“Ser pequeno é uma grande tarefa” Arquivo pessoal/LP

Doutoranda em Comunicação fala sobre o caminho trilhado pelo Linha Popular como jornal de qualidade Laura Seligman é jornalista, doutoranda em Comunicação, pesquisadora e professora da Univali. Foi professora dos cinco jornalistas que fazem parte da equipe do Linha Popular e pesquisa sobre o jornal desde 2009. Nesta entrevista, ela fala sobre estes quatro anos e as principais características do LP.

Iniciativa de três jovens jornalistas, LP se firma como jornal de credibilidade e cresce junto com Camboriú Em 28 de fevereiro de 2009, circulava a primeira edição do Linha Popular – que, na época, tinha outro nome: Primeira Linha. Uma grande foto ocupava a capa e dividia espaço com a manchete “Pedras no caminho – Prefeitura e moradores discutem soluções para impasse de conjunto habitacional no bairro Cedro”. A matéria era sobre o loteamento Florestan Fernandes. No decorrer destes quatro anos, o Linha Popular voltou ao local. E as pedras continuam no caminho. Não esquecer faz parte do trabalho dos jornalistas do Linha Popular. Naquela edição, havia matérias sobre a invasão de terras públicas e o transporte público. O LP cobriu ainda o Carnaval do Salão do Gustavo, que completava 60 anos, e o primeiro perfil foi com o pesquisador José Ângelo Rebelo, que falou sobre política, história e os fatos que mudaram a cidade nas últimas décadas. Este conjunto de informações resulta na história contemporânea de Camboriú. Falamos das mudanças ao mesmo tempo em que elas acontecem. E contamos as histórias de acordo com o olhar do leitor. Foi por identificar que havia espaço e que o cidadão camboriuense precisava ter voz que o Linha Popular surgiu. Fernando Assanti, Gustavo Zonta e Naiza Comel, jovens jornalistas, iniciaram os trabalhos seguindo um dos preceitos básicos que a faculdade de Jornalismo ensina: a ética em primeiro lugar. No primeiro editorial, explicamos que o Linha Popular surgia com “a missão de ajudar no crescimento da nossa cidade e com a vontade de crescer junto com ela”. No decorrer destes quatro anos, muita coisa mudou, tanto em Camboriú quanto no LP. Ruas ganharam asfalto, prédios foram construídos, a cidade está em constante modificação. No Linha Popular, a equipe cresceu. Hoje, são cinco jornalistas que produzem um jornal semanal com conteúdo 100% local, além dos colunistas. E a grande novidade nestes 4 anos é um novo site, que permite mais participação do leitor e conta com blogs com conteúdos exclusivos. As mudanças, os investimentos e o foco no jornalismo de qualidade já dão resultados. No ano passado, o LP ficou em 4° lugar no prêmio realizado pela Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina – Adjori/ SC, que envolveu 53 veículos impressos, locais e regionais, de todo o estado.

Linha Popular: Você coordenou duas pesquisas nos últimos quatro anos sobre jornais populares de qualidade. Em uma delas, publicada em 2009 pelo Monitor de Mídia, o Linha Popular foi objeto de análise. A pesquisa apontou que o LP “estava no caminho dos novos populares de qualidade”. Que requisitos o jornal atendia na época para receber esta qualificação? Laura: O Linha Popular foi objeto de análise junto a outros jornais que se autodenominavam populares. As características perseguidas eram: a pauta local, fatos que atingissem a comunidade a quem se dirigia; baixo preço e baixa tiragem; e principalmente, o jornalismo de serviços. O jornal atendia a todas as características, ao contrário dos demais. Um deles, por exemplo, confundia o conceito de jornalismo popular com o de jornalismo engajado – usava um conceito obsoleto de que o jornalismo servia às massas (um viés marxista) que deveriam ser educadas pela imprensa para certo tipo de causa. O conceito de Jornalismo Popular de Qualidade une a ideia de interesse público e interesse do público. O jornalismo praticado sob esse pretexto quer prestar um serviço.

Linha Popular: Quatro anos depois, como você analisa o jornal? Ele continua neste caminho? Laura: Sim, continua. As sessões do jornal estão mais bem distribuídas e alguns tesouros permanecem, como o perfil do morador, que traz personagens anônimos (alguns nem tanto) para que a comunidade se reconheça nas páginas do LP e desenvolva um sentimento de pertencimento àquele órgão de imprensa. O jornal cresceu, tem mais anúncios, mas mantém o objetivo inicial. Isso é muito bom.

Linha Popular: Há quatro anos, na pesquisa feita pelo Monitor de Mídia, foram apontadas falhas do Linha Popular, como matérias pouco aprofundadas e falta de conteúdo cultural. Hoje, analisando o material, que falhas você encontra?

Laura: Não eram exatamente falhas, mas possibilidade de como atender à população. O material é muito melhor, mas a jornada do jornalista não busca a perfeição, talvez somente como uma utopia. A comunicação e interação com a comunidade de Camboriú seja talvez o grande segredo para manter o jornal no caminho.

Linha Popular: E quais são as principais características positivas do Linha Popular? Que conselhos você daria para o futuro do jornal? Laura: As características positivas são interação com a população da cidade, manter-se perto de quem lê. Um conselho para o futuro do jornal? Sejam persistentes, não percam o olhar sobre o contexto em que estão produzindo e mantenham o charme de que ser pequeno é uma grande tarefa.

Reconhecimento Neste período, o trabalho realizado por nossa equipe foi reconhecido por autoridades, entidades e comunidade. Confira algumas honrarias e prêmios recebidos: - Certificado Amigo da Criança de Camboriú, concedido pelo Conselho Tutelar em 2009 - Moção de Congratulações da Câmara de Vereadores em 2009, pela presença constante nas sessões e divulgação das informações dos trabalhos legislativos - Homenagem do Comando do Anjo da Guarda Fest, concedido em 2009 - Moção de Congratulações da Câmara de Vereadores, em 2010, parabenizando pelo primeiro ano de jornal - Certificado de responsabilidade social da campanha “Eu Faço parte desta gota de esperança”, concedida por João Josias Pereira em 2011 - Menções Honrosas da Adjori por ter sido finalista o Troféu Pena de Ouro nas categorias Editorial, Charge, Fotografia e Reportagem Pautada em 2011 (10ª colocação geral) - Moção de Congratulações da Câmara de Vereadores, em 2011, pelo trabalho de informação e monitoramento das cheias na região e pela iniciativa e coordenação de uma campanha em auxílio da Defesa Civil - Prêmio Mérito ao Amigo do Meio Ambiente, concedido pela Câmara de Vereadores em 2012 - Menções Honrosas da Adjori por ter sido finalista do Troféu Pena de Ouro nas categorias Charge, Reportagem Pautada e Reportagem Livre em 2012 (4ª colocação geral do prêmio) - Certificado de Empresa Solidária 2012, concedido pelo Grupo Socioeducacional e Cultural Latarte


9

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

As matérias que ficaram na memória dos leitores

São 206 edições do Linha Popular. 206 semanas em que levamos ao leitor todas as informações sobre a cidade. E algumas delas ficaram marcadas na memória

Notícias boas e ruins são contadas semanalmente, há 4 anos, pelas páginas do Linha Popular. Algumas delas passam despercebidas. Outras tocam profundamente o leitor. Neste aniversário, o Linha Popular quis saber quais são as reportagens inesquecíveis que ganharam as páginas do jornal. Confira algumas respostas:

“Lembro uma reportagem que vocês fizeram sobre roubo de terra na Várzea do Ranchinho”, disse a leitora Raquel Gaspar Rayzer Wegner. A matéria em questão foi publicada como “Foto da Semana” na quarta edição do Linha Popular. O marido de Raquel, Gilson Wegner, flagrou a extração irregular de terra na localidade e enviou a foto do ocorrido para o LP. A Prefeitura na ocasião se comprometeu a fiscalizar a situação.

“Na 1ª edição do Linha Popular foi colocada a nomeação do PV Camboriú, marcando a nova era da preocupação com o meio ambiente na cidade. Achei uma publicação muito importante pelo marco histórico”, disse Arnaldo Christian Pereira, leitor do jornal e hoje presidente da Fundação do Meio Ambiente de Camboriú. Na matéria citada por ele, foram apresentados os nomes das pessoas ligadas ao partido e as metas da sigla.

O caso dos remédios enterrados no lixão também foi apontado pelo leitor Jaime Angel. “Mostra o descaso da administração com a saúde. Vejo tantas pessoas sofrendo sem remédios e muitos outros que gastam quase toda sua aposentadoria nisso e acontece um absurdo desses”, opina o leitor, que ainda aponta que a matéria foi feita em 2012, ano eleitoral. “Foi uma bomba”, completa. A parte do aterro em que os remédios foram enterrados foi interditada pela Polícia Ambiental. Agora, o lixão será fechado.

“As que deram maior repercussão, na minha opinião, foram duas: Caso do ex-prefeito Edson Olegário e a dos remédios que foram enterrados”, disse Thiago Rosário. Uma das matérias envolvendo Edinho que teve mais repercussão foi a que tratava de seu rompimento com a prefeita Luzia.

O leitor David Fausto apontou o caso Eneri como o de maior repercussão já publicado pelo Linha Popular. Eneri Antônio de Souza foi assassinado durante a campanha eleitoral de 2008. Três pessoas foram condenadas pelo crime, mas respondem em liberdade. O ex-prefeito Edinho é suspeito de ser o mandante. Eneri teria morrido por engano, já que o alvo era seu irmão, Ângelo de Souza.

Na memória da nossa equipe Como jornalistas, precisamos manter certo distanciamento dos fatos para que nossas visões não interfiram no modo como passamos as informações aos leitores. No entanto, não estamos imunes e muitas das reportagens feitas nos tocam, emocionam ou revoltam. Saiba quais foram as matérias que marcaram nossa equipe:

Jornal

Nesta edição: caderno especial do Camboriú FC

Linha Popular aqui Camboriú é notícia

Ano III - nº 142

www.linhapopular.com.br

R$1 @LinhaPopular

Siga-nos no twitter

Camboriú, 25 de novembro de 2011

Política

O júri do ano TODOS CULPADOS Julgamento de três envolvidos no assassinato de Eneri Antônio de Souza dura 17 horas e é acompanhado por toda a cidade. Isaías Ferreira Santiago, o Pelé, Paulo Alves de Souza e Anderson Alves de Souza foram considerados culpados pelo júri popular. Linha Popular acompanhou todo o julgamento e conta detalhes do que ocorreu nas longas horas de depoimentos e acusações Páginas 6 e 7

Prefeitura gastou mais de R$ 60 mil com diárias em 2010 PÁG. 5

Cidade Para IBGE, Camboriú não tem bairros definidos PÁG. 13

Segurança Menina de 9 anos grava confissão de pedófilo PÁG. 22

Perfil: Conheça Eduardo Clara, técnico do Pág. 16 Camboriú FC

“A reportagem que me marcou foi a cobertura do julgamento dos acusados do homicídio de Eneri Antônio de Souza. Acompanho o caso desde que a morte ocorreu, em 2008, e passei 17 horas no júri. Foi uma cobertura difícil, com muitos detalhes, e cansativa. Os três réus foram condenados, mas todos estão soltos. Vou continuar acompanhando o caso”, Stefani Ceolla.

“Em setembro de 2011, o LP fez uma das maiores coberturas da sua história, quando a cidade sofreu com alagamentos em diversos pontos e a comunidade ficou madrugada a dentro acompanhando a movimentação das águas. Ficamos de plantão durante toda a madrugada. Os vereadores de Camboriú concederam uma moção de congratulação pelo serviço”, Fernando Assanti.

“Uma das matérias que mais me impactou foi feita em abril de 2009 e tratou do aumento no número de casos de negligência na cidade. A maior parte das denúncias recebidas pelo Conselho Tutelar levava a uma realidade de extrema falta de higiene. Para não expor as crianças envolvidas, a imagem utilizada para ilustrar a matéria foi de bonecas das crianças ”, Naiza Comel.

“O que mais me marcou foi a cobertura do acesso do Camboriú FC à elite do futebol catarinense. Quando se cobre um time de futebol, a gente acaba se envolvendo e se torna torcedor. O jogo que garantiu o acesso foi emocionante. Fizemos um caderno especial sobre o time”, Gustavo Zonta.

“Por coincidência, é a matéria que está na página 20 desta edição, do estudante Geowany Kotovey de Oliveira, que doou seu cabelo. A ação dele é um exemplo comovente, principalmente pela história de como aconteceu. É o tipo de pauta que nos faz restaurar a fé na humanidade, mesmo com outras notícias ruins que lemos todos os dias”, Joel Minusculi.


10

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Cidade Hélio Marcos Benvenutti

Coleta seletiva: ampliação para todos os bairros só depois de junho Previsão inicial da Prefeitura era de que em abril do ano passado serviço já atenderia toda a cidade

Gustavo Zonta/LP

email: hmarcos@terra.com.br twitter: @HMBenvenutti

PLANO DE SAÚDE SUJEITO A PAGAR INDENIZAÇÃO

Alô, alô, galera, voltei... falando pra nossa terrinha, algumas questões de direito. As administradoras de planos de saúde que exigem de seus beneficiários o pagamento de “stent”, marcapasso, dentre outros aparelhos necessários à realização de cirurgia, estão sendo condenadas na justiça frequentemente. O “stent” (conhecido vulgarmente como “molinha” ou “caninho”) é um aparelho usado para desobstruir a artéria, já o marcapasso é aquele que serve para reativar um coração incompetente. Geralmente a negativa do plano de saúde ocorre porque os contratos não cobrem a colocação de próteses. Há decisões que entendem que o “stent” sequer é considerado uma prótese e obrigam a sua colocação. Em Natal/RN, por exemplo, um paciente com problemas cardíacos ganhou na Justiça o direito de colocar um aparelho “stent”, para desobstruir uma artéria. O contrato firmado com o plano Bradesco Saúde não permitia a colocação do aparelho por considerá-lo como prótese, mas este argumento foi rechaçado pela Justiça. No julgamento, o desembargador Amaury Moura, relator do processo, destacou que a função do “stent” é manter as paredes das artérias dilatadas, não se enquadrando a definição de prótese. Ele disse: “Cuida-se, em realidade, de dispositivo introduzido na artéria lesada para melhorar sua função, ao contrário da prótese que substitui, artificialmente, membros ou órgãos do corpo”. Mas, mesmo sendo considerado como prótese, o “stent”, assim como o marcapasso, deve ser arcado pela administradora do plano de saúde, conforme tem decidido o Judiciário. Um paciente de Camboriú foi internado no Hospital do Coração, na cidade de Balneário Camboriú/SC, em caráter de urgência, pois estava com bloqueio atrioventricular total e assim necessitava de procedimento cirúrgico urgente para implantação de um marcapasso, sob pena de morrer. A Unimed autorizou apenas a realização do procedimento cirúrgico para implantação do marcapasso e negou-se a arcar com as despesas relativas à aquisição de “marcapasso” com seus acessórios (dois cabos eletrodos e dois introdutores de eletrodo), alegando que tais custos não eram cobertos pelo plano de saúde. Em vista da grave situação de saúde em que o paciente se encontrava, ele pagou as despesas decorrentes da aquisição do marcapasso e seus acessórios, no valor de R$ 12 mil. Depois de operado o paciente recorreu ao Judiciário e a Unimed foi condenada a restituir o valor pago, acrescido de juros e correção monetária, e ainda foi condenada a pagar mais R$ 20 mil a título de indenização por danos morais. Os danos morais decorreram da dor, constrangimento e demais resultados negativos causados pela negativa de socorro num momento de grande necessidade. A Justiça Catarinense (em primeiro e segundo grau de jurisdição) entendeu ser nula, pela sua manifesta abusividade, qualquer cláusula que exclua de cobertura a órtese que integre, necessariamente, cirurgia ou procedimento coberto por plano ou seguro de saúde, tais como “stent” e marcapasso. Assim, resta a quem for prejudicado pelas administradoras de planos de saúde, buscar socorro na Justiça para ver satisfeito seu direito (extensivo aos herdeiros, no caso de falecimento do beneficiário do plano de saúde), sendo certo que aquele que não pode pagar para só depois pedir o reembolso, deve pedir uma liminar judicial que obrigue a colocação do aparelho negado. Para encerrar aviso que está disponível para alugar uma sala comercial de segundo piso, na rua José Francisco Bernardes, 33, sobre a loja Koerich (F: 9977-0415). Fiz o meu merchã! Por agora é isso, que eu vou estudar a Jurisprudência da Justiça Catarinense. Fui!

Coleta. Objetivo é expandir o serviço para toda a área urbana e começar na área rural

E

m dezembro de 2011, a coleta seletiva de lixo foi implantada em Camboriú. O serviço passou a ser oferecido depois que projeto de lei do então vereador Wander Cordeiro foi aprovado pela Câmara de Vereadores. O projeto iniciou atendendo a oito localidades do município e a expectativa era de que em abril de 2012, quase um ano atrás, fosse expandido para toda a cidade. Isso não ocorreu. Em novembro do ano passado, um novo prazo foi dado: janeiro de 2013. Porém, mais uma vez, a ampliação do serviço será adiada. O presidente da Fundação de Meio Ambiente, Arnaldo Christian Pereira, explica que está sendo analisada de que forma ocorrerá o atendimento a todos os bairros. Ele afirma que, para a ampliação, é fundamental um projeto de educação ambiental. “Estamos organizando nosso departamento de Educação Ambiental, professores farão parte deste trabalho”, explica Arnaldo. “Acredito que no mês

Cronograma da coleta seletiva - Segunda-feira: Areias - Terça-feira: Santa Regina (manhã), Rio Pequeno (tarde) - Quarta-feira: Centro - Quinta-feira: Cedro (manhã), Lídia Duarte (tarde) - Sexta-feira: São Francisco de Assis (manhã), João da Costa (tarde)

que vem começamos a estudar a situação atual e metas de ampliação”, completa. O objetivo é expandir o serviço, a partir do mês de junho, para toda a área urbana da cidade e começar a atender a área rural. Antes da ampliação, o projeto de educação ambiental será iniciado nas escolas. “Também iremos divulgar de diversas maneiras nas novas residências a serem atendidas, bem como nas áreas já atendidas. Vamos distribuir folders explicativos informando sobre como e quando a coleta seletiva passará nos bairros”, diz Arnaldo. Ele explica que, nos locais já atendidos, a comunidade tem

aderido. No entanto, avalia que é necessária maior divulgação porque muitos moradores ainda não sabem os dias e horários da coleta. “Quem aderiu sabe como funciona, mas primeiro, antes da ampliação, temos que fazer um diagnóstico para sabermos pontos fracos e fortes para assim dar andamento à segunda fase”, ele completa. Em março, a Fundação de Meio Ambiente e a Secretaria de Saneamento Básico, responsável pela coleta de lixo, devem discutir em parceria as formas de ampliação do projeto. “Acredito que até junho já deveremos ter iniciado essa segunda fase”, finaliza Arnaldo.


11

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Cidade

Leitores apontam novos problemas na educação Depois da reportagem publicada pelo Linha Popular na semana passada, leitores procuraram o jornal e relataram outras situações

O

s problemas da educação em Camboriú vão além das creches sem estrutura, alunos sem sala de aula e falta de uniforme escolar relatados pelo Linha Popular na semana passada. Nos últimos dias, leitores procuram o jornal para denunciar outras situações, como a falta de materiais didáticos e equipamentos para professores. Um leitor que não quis ter o nome divulgado contou que, na escola Artur Sichmann, os alunos das séries finais estão sem livros didáticos. Além disso, ele relata que os professores não contam com materiais essenciais, como mapas. A mãe de estudantes da rede pública municipal, que também não quis se identificar, entrou em contato para manifestar sua posição contrária à decisão da Prefeitura de não entregar uniformes escolares este ano. “Deviam tirar o dinheiro da Festa Rural e não do uniforme dos alunos”, opina. A secretária de Educação, Fátima Gervásio, afirma que não tinha conhecimento das reclamações do Artur Sichmann, mas que vai apurar a denúncia. Explica que os livros são escolhidos pelos professores e entregues pelos

Correios, e acredita que pode ter ocorrido atraso na entrega. Sobre os uniformes, a decisão está mantida.

Ministério Público investiga superlotação Nesta semana, o Ministério Público instaurou inquérito para investigar denúncia feita à corregedoria sobre superlotação das salas do Centro de Educação Infantil – CEI Maria Russi, que fica no bairro Rio Pequeno. A secretária de Educação afirma que esteve

no local na semana passada e não identificou este problema, mas garante que vai verificar a situação. Fátima disse ainda que não recebeu nenhuma notificação do MP. Nesta semana, a Secretaria de Educação fechou acordo com a igreja do bairro Taboleiro para que a creche do bairro, a Julita Pereira, passe a ser instalada no salão paroquial. A unidade tem graves problemas estruturais que colocam as crianças em risco. “Agora vamos ver que adaptações serão necessárias para que a creche passe a funcionar no salão”, diz Fátima. A expectativa é de que isso ocorra em duas semanas.

Tudo sobre casamento? Tem também no LP!

Camboriú de fora do Pacto pela Educação O Governo do Estado lançou na semana passada o programa Pacto pela Educação. Serão investidos R$ 500 milhões em melhorias na estrutura das escolas, infraestrutura esportiva, aprimoramento pedagógico, criação de centros profissionalizantes e tecnologias para as salas de aula. A Secretaria de Desenvolvimento Regional de Itajaí, da qual Camboriú faz parte, divulgou quais são as obras que serão realizadas na região. A área será contemplada com cinco novas escolas e oito unidades revitalizadas. Nenhuma delas fica em Camboriú. Para a secretária de Educação, Fátima Gervásio, a exclusão da cidade não surpreende. “O estado deixa a desejar. Aqui eles não investem porque nas escolas estaduais, tirando o José Arantes, tem vaga sobrando”, afirma. Ela explica que, na rede estadual, há escolas com salas vazias. “Os pais também optam por não colocar por causa das greves”, completa. A SDR de Itajaí abrange nove municípios. Destes, Camboriú, Itapema, Porto Belo e Balneário Piçarras não serão contempladas por obras do Pacto pela Educação.

Gustavo Zonta/LP

Se você está organizando o casamento ou pensando em casar, o LP tem um blog feito especialmente para você. Com a reformulação do site do Linha Popular, entra no ar o blog “Histórias de Véu e Grinalda”. Ele é feito pela jornalista Naiza Comel e traz informações sobre a organização de um casamento, apresenta tendências e sugestões. E, claro, conta histórias de casamentos dos camboriuenses.

Conheça e conte a sua história: www.linhapopular.com.br/blogs/

veuegrinalda

Creche. No caso do CEI Julita Pereira, a solução encontrada foi transferir a unidade para o salão paroquial do bairro

Naiza Comel

O que é este quadrado? A caixa com pequenos quadrados pretos e brancos chama-se QR Code. O símbolo serve como um atalho, que pode ser lido pela câmera de celulares modernos e seus aplicativos. A praticidade está em não precisar digitar endereços de internet ou textos longos nos pequenos teclados. Com o aplicativo ligado, basta apontar, esperar o aparelho ler e tocar o atalho que surgir. Para aparelhos com dispositivo Android recomendamos o uso do aplicativo Barcode Scanner. Usuário de iOS, da Apple, podem usar o Qrafter. Já quem tem um Blackberry pode instalar o Blackberry QR-Code Reader.


12

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Cidade

Ele salvou vidas

Policial Militar da Companhia da PM de Camboriú impediu que dois turistas argentinos se afogassem na praia de Balneário

Stefani Ceolla/LP

Herói. Ricardo Montovani Baumann estava de folga, surfando, quando salvou os turistas

R

icardo Montovani Baumann surfa desde os 9 anos de idade. Natural de Balneário Camboriú, cresceu na praia. Há dois anos, decidiu ser Policial Militar. Desde então, atua na Companhia da PM de Camboriú. Mas o amor pelas ondas não foi abandonado. E foi isso que fez com que, além de evitar os crimes, salvasse vidas. Na quinta-feira, dia 21, Montovani estava de folga e foi surfar na praia central de Balneário. Quando saía da água, percebeu que dois homens estavam se afogando. “Eu nem pensei, foi automático. Fui até eles”, recorda. Eram os jovens Alexis Tampares, de 19 anos, e Pablo Andrés Pavon, 21, ambos argentinos. “Eles eram grandes, mais pesados que eu. Mesmo assim, coloquei primeiro o mais novo na prancha e consegui puxar o outro. Foi difícil porque estávamos no fundo, o mar estava bastante agitado”, conta. Naquele dia, as bandeiras colocadas na areia pelos guarda-vidas eram vermelhas, sinalizando o risco de entrar no mar. As ondas eram altas. O policial teve dificuldades em sair da água. “Quando coloquei os dois na prancha foi que percebi o risco. Cheguei a pensar que ia

morrer ali”, lembra. O pensamento foi o mesmo dos dois jovens. Em depoimento dado à polícia depois do salvamento, Alexis disse acreditar que morreria. “O policial correu risco ao nos salvar. Foi um ato de coragem”, disse. Quando saía da água com os dois turistas, Montovani recebeu a ajuda dos guarda-vidas que prestaram os primeiros atendimentos aos jovens, que passam bem. Depois do salvamento, o policial conseguiu falar com os argentinos. “Eles me agradeceram muito”, conta. Como policial, Montovani já passou por situações de risco. Recorda tiroteios, vítimas baleadas e mortes, que fazem parte da rotina da profissão. “Já vi muita gente morta, e informar uma família disso não é a melhor coisa que tem”, disse, emocionado, à reportagem do Linha Popular. Montovani garante que o fato fez com que visse a profissão de outra forma. “Eu dou mais valor à vida. Percebi que eu podia ajudar ou ignorar, mas eu não fugiria desta responsabilidade”, reflete o policial. “Me sinto feliz e satisfeito por ter conseguido”, finaliza.


Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

r, la u p o P a h in L o d l ta r o Novo p nosso presente pra você!

13

r .b m o c r. la u p o p a h in www.l


14

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Cidade

Os problemas da rua Uma casa para chamar de lar Há 10 anos casa no centro da cidade é abrigo para adolescentes abandonados Monte Bonete ou sem condições de voltar ao lar Esgoto a céu aberto, terrenos baldios cobertos pelo mato e bocas de lobo sujas são alguns dos problemas da via

Gustavo Zonta/LP

Vala. Esgoto a céu aberto é despejado no fundo das casas da Monte Bonete

M

arcio Albino mora na rua Monte Bonete, no distrito do Monte Alegre, desde a infância. Hoje, com mais de 30 anos, relembra o tempo em que podia pescar no rio Peroba, que passava nos fundos de sua casa. Agora, com a construção de uma galeria em um dos trechos, o rio já não passa mais pelo local. O que ficou é uma vala de esgoto a céu aberto e lixo. O problema revolta moradores. “Rio não se coloca em tubos. Fazem isso e acham que fica tudo certo”, afirma o morador, se referindo aos trechos canalizados do rio, que resultaram no problema nos fundos de sua casa. Simone Friebe Albino, sua esposa, teme pela saúde das crianças que moram nas proximidades. A família construiu uma cerca nos fundos da casa para impedir que os menores cheguem à vala, mas ela sabe que a solução para o problema não é tão simples. “Vem rato, moscas, caramujo africano. A

Prefeitura fala em campanha contra a dengue, mas deixa toda essa água parada”, questiona a moradora. Além da sujeira, o mau cheiro também chama a atenção de quem chega perto do local. Marina Albino, que também mora nas proximidades, conta que já procurou a Prefeitura várias vezes para pedir a solução do problema, mas não tem recebido respostas satisfatórias. “Dizem que vão dar uma olhada e não fazem nada. Estão prometendo a solução há mais de um ano”, afirma. Marcio aponta que a melhoria na via é um direito dos moradores que vivem ali. “Pagamos impostos, eles nos exigem um monte de coisas e a gente pede atenção para uma rua e não adianta. É uma vergonha”, desabafa o morador. Além da vala, eles mostram um terreno baldio coberto de mato, bocas de lobo fechadas e a rua de chão batido como problemas no local.

O que diz a Prefeitura O secretário de Saneamento Básico, Janir Francisco de Miranda, reconhece que “antes a água do rio Peroba passava por ali, mas com a galeria da Monte Cruzeiro não passa mais. Ficou só a água e o esgoto que já tinha”. O secretário afirma

que a Prefeitura está estudando uma solução. “Temos que fazer uma nova tubulação para tirar a água totalmente dali e captar o esgoto jogado pelas casas”, afirma. “Essa vala será eliminada”, garante. A previsão da Sesb é de que a obra comece em 90 dias.

A

casa número 215 na rua Porto Alegre, no centro, não se destaca na vizinhança. É no endereço que funciona o Lar de Integração Familiar do Adolescente, um abrigo para adolescentes entre 12 e 17 anos. Os acolhidos são adolescente abandonados, que perderam os pais ou sem condições de retornar para o lar – alguns vítimas de violência doméstica. E todos convivem lá dentro de certas regras, como na casa de uma família, e de acordo com ordens da Justiça. A coordenadora, Lorena Pinheiro, é a matriarca, que cuida dos horários de comer, banho e rotina dos adolescentes. Ela foi conselheira tutelar de Camboriú durante oito anos e sempre atuou no cuidado com adolescentes. Até que deixou o cargo e foi convidada pelo promotor de Justiça em 2003 para montar um abrigo, já que não havia nenhum na cidade. E assim, através de um decreto municipal, o Lar de Integração Familiar do

Adolescente foi criado. O Lar é vinculado à Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social, que paga o aluguel, as contas de água e luz, além do salário das funcionárias. O secretário John Lenon Teodoro explica que o lar também oferece atendimento de profissionais de saúde, os adolescentes vão à escola, participam de cursos e recebem orientação social. A intenção, segundo ele, é promover a reintegração ao ambiente familiar. “Enquanto ficam hospedados, é identificada a família mais próxima, como tios ou avós. Mas a prioridade é o retorno para os pais quando possível. Ninguém quer tirá-los de suas casas”, completa. Em 2012 passaram 18 meninos e meninas pelo Lar de Integração Familiar do Adolescente. Hoje o local abriga três, que estudam e fazem cursos oferecidos pela Prefeitura. A lotação máxima da casa é de 15 adolescentes. O local só não comporta quem

é dependente químico ou tenha cometido delitos graves. E, segundo Lorena, a demanda felizmente vem caindo. O lar é cuidado por cinco funcionárias. A casa tem três quartos, dois para meninas e um para meninos. Dois banheiros, uma sala de TV, uma dispensa, uma lavanderia, uma área administrativa, uma cozinha e uma garagem fazem parte da estrutura. Tudo para lembrar o ambiente familiar, segundo Lorena. A maioria dos adolescentes atendidos são meninas. “A carga é difícil. Os adolescentes vêm com o psicológico comprometido. Nós tentamos fazer uma triagem, mas é difícil. Com o tempo eles chegam até me chamar de mãe. A gente cuida deles como filhos, leva inclusive para passear no shopping e ir na pizzaria”, detalha a coordenadora. Ela também lembra das dificuldades do início, mas afirma que hoje Camboriú está bem estruturada para o atendimento de crianças e adolescentes. Fotos: Gustavo Zonta/LP

Organização. Meninos e meninas ficam em quartos separados e convivem dentro de regras familiares

Coordenação. Lorena Pinheiro comanda o Lar desde a criação, em 2003


15

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Adjori/SC ENTREVISTA EXCLUSIVA À ASSOCIAÇÃO DOS JORNAIS DO INTERIOR DE SANTA CATARINA - ADJORI/SC

Colombo: o sigilo e a vitória contra o crime Desde o dia 30 de janeiro até o dia 20 de fevereiro Santa Catarina voltou a ser vítima de uma onda de atentados, como já tinha acontecido em novembro de 2012. Nos dias que se sucederam ao início dos ataques, o governador Raimundo Colombo comandou – muitas vezes de madrugada, no Palácio da Agronômica – o trabalho das equipes da Justiça e Segurança Pública que acompanharam gravações telefônicas entre criminosos, entre advogados e presos, e que prepararam o plano que depois foi levado ao Ministério da Justiça. “Foram noites difíceis, porque você ouve as gravações e você ‘vê’ as ameaças: ‘queima isso, queima aquilo’”, conta o governador nesta entrevista exclusiva para os Jornais da Adjori/SC. Colombo sofreu muitas críticas por seu silêncio, que dava impressão de uma paralisia do Governo ante a crise e agora desabafa: “O sigilo nesse momento foi uma arma importante, fundamental. Houve muitas críticas pessoais, muitos aproveitadores, mas é um preço a pagar e não havia outra saída. Você sacrifica a popularidade, para ter uma operação com credibilidade”. No dia 16 de fevereiro a megaoperação para acabar com os atentados, uma das maiores já ocorridas no Brasil, foi para as ruas, com prisões, transferências de presos para fora e dentro do estado, e a chegada da Força Nacional. O governador fala sobre o antes, o durante e as ações que já desencadeou depois dessa segunda onda de ataques.

Colombo: “A gente sabia que iria virar o jogo e que o sigilo era fundamental. Nós não podíamos contar que iríamos prender quase 100 pessoas, nem da transferência de presos. Nos articulamos bem quanto ao sigilo e estamos tendo êxito”

Adjori - Quando o senhor tomou conhecimento dos primeiros atentados, no fim de janeiro, quais foram as primeiras medidas? Raimundo Colombo - A gente percebeu que eles tinham as mesmas características do que tinha ocorrido em novembro. Então, nós tínhamos que usar de forma muito rápida o serviço de inteligência. E essa foi a primeira medida que se organizou em torno da secretária Ada, e de todas as unidades de inteligência do Governo Estadual e do Governo Federal. Nós captamos todas as informações e quando as obtive fui a Brasília. Em conversa com o ministro da Justiça relatei a situação e ele percebeu a gravidade. Adjori – Mas o senhor levou um plano ao ministro? Colombo - Eu levei uma proposta de ação e fizemos um cronograma. Naquele dia já ficou ajustada a presença da Força Nacional e nós teríamos que agir no mesmo momento na transferência dos presos e de mais de 100 prisões, que já estavam identificadas. Mas havia o Carnaval. Nós não teríamos como fazer esta operação antes ou durante o Carnaval, considerando o alto risco. Então, nós tivemos de passar a imagem de que a gente não sabia o que fazer para poder vencer esse desafio. Adjori – O que aconteceu logo depois? Colombo - Eu procurei o presidente do Tribunal de Justiça, o procurador geral de Justiça e outras autoridades e relatei aquilo que eu podia relatar sobre a situação. Evidentemente que para você fazer um inquérito, fazer um pedido de prisão, você precisa ter a gravação telefônica ou você precisa ter elementos de prova. E esse inquérito precisa ter autorização da Justiça. Essa era uma estratégia. Para transferir os presos

uma morte de um criminoso em Joinville, houve dois feridos e um cidadão que teve queimaduras no corpo dentro de um ônibus. Mas na operação policial não houve um tiro sequer! Foi o maior número de prisões da história de Santa Catarina e o maior número de transferências. Então, o sigilo nesse momento foi uma arma importante, fundamental. Adjori - Houve um certo momento em que se dizia que havia lentidão para tomar as medidas. Pelo jeito, o Carnaval “atrapalhou”, mas não impediu que a megaoperação... Colombo - Foi tudo muito rápido, houve agilidade e eficiência. É que para você fazer todos os elementos de prova nós trabalhamos com nossas equipes 24 horas e eu tenho muito orgulho do desempenho do nosso pessoal. Então as pessoas falam, “mas tinha que ter agido antes”. Mas durante o Carnaval não era possível fazer. E tinha de haver sigilo. Houve muitas críticas pessoais, muitos aproveitadores, mas é um preço a pagar e não havia outra saída. Você sacrifica a popularidade, para ter uma operação com credibilidade. E hoje todo mundo enxerga que a atuação foi correta e que tinha de ser assim. Receber críticas faz parte do jogo. O importante é você fazer a coisa tecnicamente adequada e correta. Adjori - Nos outros estados, as pessoas perguntam: por que essa onda em Santa Catarina? Colombo - São diversos fatores. Houve um endurecimento dentro das unidades prisionais e também houve excessos que estão sendo punidos, como é o caso de Joinville, com características de tortura, o que é inaceitável. Pessoas estão sendo punidas por isso. Houve um enfrentamento do crime organizado, aquela prisão da advogada foi um problema grave para eles, e nós fizemos

para unidade federal também é preciso autorização da Justiça. Aí você tem de buscar todos os elementos de prova. Isso tudo estava em andamento em paralelo com o serviço de inteligência, de tal forma que nós conseguimos dar andamento na operação no sábado de manhã (16 de fevereiro). Mas até lá, houve uma fase dura. Trabalhamos muito de madrugada, ouvindo gravações... Adjori – A tensão devia ser grande, ouvindo as ameaças... Colombo – Foram noites difíceis, porque você ouve as gravações e você “vê” as ameaças: “queima isso, queima aquilo”. Adjori – O senhor ouviu muitas gravações? Colombo - Sim, ouvi e recebi o relatório de tudo. E isso vai trazendo junto uma carga de emoção, porque aí a polícia vai para tal lugar, cria expectativa, não acontece nada. Mas até você ter isso claro, “olha vamos fazer ataque aqui, ataque lá”, isso tudo tem uma carga de emoção muito forte e uma responsabilidade enorme, porque cabe a nós não deixar que isso ocorra. Então essas informações chegavam numa carga muito forte. E o nosso pessoal trabalhando, decodificando, identificando tudo isso. O duro é chegar depois, quando termina tudo isso, começa o dia e alguém liga e diz “olha, não aconteceu nada”. E a gente passou esse tempo todo, nossa força policial fortemente armada, cuidando disso. Mas a gente sabia que iria virar o jogo e que o sigilo era fundamental. Nós não podíamos falar que essa operação iria ser feita, nós não podíamos contar que iríamos prender quase 100 pessoas, nem da transferência de presos. Então o governo se articulou bem com relação ao sigilo e a operação está tendo grande êxito. Adjori – Sem violência... Colombo - Uma coisa que fica marcada é a seguinte: além de

várias ligações dentro das comunidades com um número de prisões muito grande. Tanto é que o Verão de Santa Catarina foi o mais tranquilo dos últimos 25 anos. No Carnaval também não houve nenhum incidente. Isso é resultado da eficiência da polícia. E isso gerou reações. Uma das causas também foi que abrimos oportunidade de trabalho para os presos. Aí eles saem da influência dos comandantes do crime organizado e passam a ter vida própria. Passam a trabalhar, a ter um salário, motivação pessoal. As empresas garantiram um ano de trabalho depois que terminar a pena. Assim essas pessoas deixaram de ser massa de manobra. Isso foi uma das causas da reação. Adjori - No bojo dos planos da megaoperação, houve também uma série de medidas administrativas na área de Justiça e Segurança. Colombo - Aumentamos nosso efetivo e realizamos concurso para mais de 1.500 policiais militares e mais também na Polícia Civil, além de mais 300 agentes penitenciários. Também temos hoje mais de 1.400 câmeras de vigilância e elas dão uma ajuda importante. Até o final do ano serão três mil. Nós fizemos, em dois anos, seis unidades novas no sistema prisional e ainda vamos abrir mais 6.500 vagas nos próximos dois anos. Ou seja, vamos para quase nove mil vagas em dois anos. Estamos fortalecendo a Segurança para enfrentar situações como essa, porque infelizmente essas questões vêm com o desajuste da sociedade: é uma crise moral, drogas e isso tudo reflete uma realidade. Há 10 anos tínhamos sete mil detentos. Hoje são 17 mil. Veja que número agressivo! Adjori - Está começando agora um mutirão da Justiça para ver a situação dos presos. O que que vai resultar deste trabalho?

Colombo – Serão muitas transferências. E nós temos cerca de cinco mil detentos de crimes que são de baixo risco e que, pela legislação, estão presos. Desse grupo, nós vamos avaliar caso a caso. Aqueles de menor periculosidade, infelizmente, acabam sendo vítimas do crime organizado. Para eles nós temos uma alternativa nova, um tratamento diferenciado. É claro que isso precisa ser visto com a Justiça: estão vindo 15 técnicos da Defensoria Pública federal, e nós vamos colocar toda nossa equipe para fazer um estudo profundo desses cinco mil. Mas não tem nenhuma pessoa que já tenha cumprido pena que ainda esteja presa. Absolutamente nenhuma. Adjori - Ao mesmo tempo que os atentados ganhavam manchetes, o senhor lançava o Pacto por SC. O que é esse Pacto? Colombo - Conseguimos um volume de recursos para fazer investimentos que nunca na história de Santa Catarina se conseguiu antes. São mais de R$ 7 bilhões em contratos já firmados. Quase R$ 3 bilhões são da malha rodoviária, para duplicar rodovias, fazer terceira pista, novas rodovias alternativas. Nós temos um pacto na área da Saúde muito grande, com a construção de novos hospitais e a ampliação de muitos também, com fortalecimento das regiões. São R$ 500 milhões na Educação. Na Segurança é um investimento muito grande e na Justiça e na área social também. Tem outro projeto enorme de quase R$ 1 bilhão para a Defesa Civil, para evitar enchentes e calamidades. Todas essas obras todas estão começando agora. Em março vamos lançar quase 50, em abril quase 70, e elas estão seguindo seu fluxo de realização. Santa Catarina vai se transformar num grande canteiro de obras.


K E

16

arina

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

lisa

karina.elisa@gmail.com www.twitter.com/kasocial

Fotos: Arquivo pessoal/LP

A vovó do amigo Henrique de Cól soprou velinhas no dia 18 de fevereiro e aparece linda na foto para ilustrar a coluna desta semana. Que Deus abençoe a senhora, Dona Ofélia Peroza, lhe dando muita saúde, muita paz e a companhia de todas as pessoas que a senhora ama. Um grande beijo no coração.

Estúdio Fotográfico Marciane/LP

Quem aniversaria amanhã, dia 2 de março, é Márcio Gervasi, pai do pilotinho Carlos Augusto. A esposa Carla Kroeger quer homenageá-lo, pois ele é um pai muito dedicado, determinado e orgulhoso pelo filho campeão. Saúde e paz para toda a família!

A camboriuense Analú Vignoli formou-se em jornalismo no fim de semana. Teve ainda mais motivos para comemorar, já que encheu a família de orgulho com o prêmio mérito estudantil. Na foto, com o primo e companheiro de trabalho na assessoria de imprensa da Prefeitura, Alan.

Nossa amiga e vereadora Márcia de Oliveira Freitag sopra velinhas no próximo dia 5 de março. Desejo muito sucesso, realizações e muito amor. Grande abraço!

Amiga querida, Jucélia Terezinha Coppi trocou idade no sábado, dia 23 de fevereiro. Desejo muitas felicidades e bênçãos em sua vida e de toda sua família!


Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

17


18

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Cidade

Posto da Praça é embargado por vazamento de combustível

Segundo a Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina – Fatma, o solo está poluído no local Gustavo Zonta/LP

Embargado. Posto foi fechado pela Fatma na semana passada

N

a semana passada, o Posto da Praça, que fica ao lado da Praça das Figueiras, no centro de Camboriú, foi embargado pela Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina – Fatma. O motivo, segundo o órgão de fiscalização ambiental, é um vazamento de combustível que poluiu o solo. A Fatma fez laudos que comprovaram a poluição. Segundo a assessoria de imprensa, não há comprovação de que o combustível teria chegado ao rio Camboriú, que fica próximo ao posto. No entanto, o dano precisa ser reparado. A Fatma informou que, além do embargo, os responsáveis deverão pagar multa pelo crime ambiental. O valor ainda não foi definido. Pela assessoria, o órgão ainda explicou que

os proprietários devem retirar dali o material contaminado e apresentar um projeto de solução para o problema. Os responsáveis pelo Auto Posto da Praça foram procurados pela reportagem do LP. Uma delas foi encontrada no local, mas não quis se pronunciar sobre o assunto. O proprietário não foi localizado. Arnaldo Christian Pereira, presidente da Fundação de Meio Ambiente de Camboriú, que acompanha o caso, explicou que os proprietários questionam a autuação da Fatma e contrataram uma empresa particular para fazer um novo laudo, que descartou a poluição do solo. O documento será entregue à Fatma. O órgão estadual explica que os proprietários pelo posto têm 20 dias para recorrer.

Comitê Camboriú recebe referência mundial em Recursos Hídricos Engenheiro Civil Carlos Eduardo Morelli Tucci falou sobre um estudo hidrológico que realizou para a implantação de um parque inundável no interior da cidade

N

a quarta-feira, dia 27, o Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Camboriú realizou sua primeira assembleia geral de 2013. Na pauta da reunião, o destaque foi a palestra do professor Carlos Eduardo Morelli Tucci, engenheiro civil e referência mundial na pesquisa científica sobre recursos hídricos. Tucci falou aos presentes sobre um estudo hidrológico que realizou para a implantação de parque inundável no interior de Camboriú. Para Ênio Faqueti, presidente do Comitê, este foi um momento muito especial. “O Grupo Técnico do Comitê ao longo de muitas análises e discussões, identificou a necessidade de implantação de um parque inundável acima do Parque Linear de Camboriú, com o intuito de reter água em épocas de escassez e de contribuir para a regularização da vazão do rio Camboriú. O Tucci vem para ratificar esta necessidade”. A vinda do professor Tucci para a elaboração do estudo foi solicitada pelo Comitê e executada pela Emasa, que arcou com os custos para a contratação do técnico. A análise partiu de um projeto já existente, de autoria do engenheiro sanitarista Felippo Brognoli, que representa a Emasa no Comitê Camboriú. Segundo Ênio Faqueti, o Comitê vai trabalhar agora para

que o parque possa sair do papel e virar uma realidade. A área projetada para a implantação do

projeto fica próxima à junção do rio do Braço com o rio Canoas, no interior de Camboriú.

Comitê Camboriú lança calendário para o mês da água No dia 22 de março é comemorado o Dia Mundial da Água. Por isso, o Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Rio Camboriú, juntamente com entidades parceiras, definiu uma série de atividades alusivas à data que serão executadas em Balneário Camboriú e Camboriú. Ênio Faqueti explica que a intenção da entidade é fazer com que o tema entre na pauta da população, para que a gestão

dos recursos hídricos conte cada vez mais com a participação da comunidade. As atividades a serem desenvolvidas foram definidas durante uma reunião entre representantes do Comitê Camboriú, Emasa, Fundação de Meio Ambiente de Camboriú e Secretaria de Meio Ambiente de Balneário Camboriú. A definição do calendário priorizou ações que pudessem ser colocadas em prática simultaneamente nas duas cidades.

Calendário de Atividades Mês da Água 4 de Março – Abertura da Maratona Fotográfica. 5 de Março – Início do Levantamento Georeferenciado nos corpos d’água. 11 de Março – Início da rodada de palestras nas escolas de Camboriú, com lançamento do concurso de frases alusivas à água. 11 de Março – Início da Rodada de Palestras nas escolas de Balneário Camboriú. 18 de Março – Ação de Comunicação lembrando o Dia Mundial da Água. 18 de Março – Exposição do Comitê Camboriú no Hall do Centro Administrativo do Governo do Estado, em Florianópolis. 20 de Março – Lançamento do Projeto Produtor de Água. 22 de Março – 1ª Parada no rio Camboriú nas duas cidades. 29 de Março – Divulgação das fotos da Maratona Fotográfica.

Fernando Assanti/LP

Veículos da Prefeitura de Camboriú O Auto Posto da Praça havia vencido licitação da Prefeitura e era ali que os veículos do Município abasteciam. “O processo foi interrompido porque o posto foi fechado. Como é um serviço contínuo e que não pode ser

paralisado, contratamos outro posto por dispensa de licitação”, explicou o secretário de Administração, Márcio da Rosa. Agora, os veículos da Prefeitura estão abastecendo no Auto Posto Camboriú, que fica no bairro Areias.

Reunião. Primeira assembleia do ano do Comitê Camboriú contou com cerca de 80 participantes


19

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Cidade

Comissão Intermunicipal de Segurança Pública traça metas para 2013 Em Camboriú, será analisada a possibilidade de construção do novo Casep da região, casa de passagem da mulher em situação de risco e captação de recursos para prevenção

A

Comissão Intermunicipal de Segurança Pública – Cisp realizou a primeira reunião do ano na manhã de quarta-feira, dia 27, na Câmara de Vereadores de Camboriú. No encontro, foram debatidas as metas para 2013 e a Polícia Militar apontou os resultados da operação Veraneio na região, a operação Camboriú Mais Segura, que está ocorrendo no Monte Alegre, e dos ataques ocorridos recentemente no estado. A vereadora Jane Stefenn, que presidiu a reunião, explicou que foram traçados alguns objetivos para o ano. Um dos principais é a busca de recursos para a construção de um novo Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório – Casep, que abriga menores envolvidos em crimes, na região. “A ideia inicial é que seja construído em Camboriú. Vamos ter uma reunião com a prefeita para tratar disso. Se não puder ser feito na cidade, Itajaí já sinalizou que pode procurar um

Divulgação/LP

Enquadro Encontro. Primeira reunião do ano da Cisp foi realizada na Câmara de Camboriú

local adequado”, relatou Jane. Além do Casep, pode ser construída em Camboriú a casa de passagem da mulher em situação de risco. “Esse abrigo deve ser feito aqui, já estamos procurando um imóvel”, contou a vereadora. Outra meta da Cisp para 2013 é a busca de recursos financeiros para investimentos na

prevenção. Na reunião, o major Jefferson Schmidt, do 12° Batalhão da PM, sugeriu a construção de uma escola técnica de segurança pública. “A ideia é conciliar o curso com o segundo grau. Tirar jovens de situação de risco para trabalhar pela segurança”, conta Jane. Um projeto será feito e encaminhado ao Governo do Estado.

Biblioteca móvel retorna em março com contação de histórias Projeto reinicia com teatro sobre a história de Camboriú. Cronograma está sendo elaborado

Gustavo Zonta/Arquivo/LP

Literatura. Na biblioteca, mais de 400 livros estão disponíveis

E

m agosto do ano passado, a biblioteca móvel começou a circular em Camboriú. É um ônibus equipado com livros e DVDs que circula pela cidade levando conhecimento aos alunos das escolas públicas e à comunidade em geral. Durante o período de férias escolares, o ônibus esteve fechado.

Ele deve voltar a funcionar neste mês, com novidades. A partir deste ano, a biblioteca móvel passa a ser responsabilidade da Fundação de Cultura de Camboriú. Segundo o presidente Milton Antonio da Silva, estão sendo preparados contadores de histórias que atuarão no veículo.

“A biblioteca continuará indo até as escolas e o foco será a história do município”, conta Milton. A contação de histórias ocorrerá através de teatro. Os artistas fazem parte da Fundação e já estão se preparando para começar os trabalhos. Apesar da novidade, a biblioteca móvel não perderá sua função inicial, que é de facilitar o acesso à literatura para a comunidade. O ônibus foi doado à Prefeitura pela empresa Praiana. Ele conta com 400 opções de livros e 140 DVDs que foram adquiridos pela Prefeitura. Entre as obras disponíveis, estão os livros de Monteiro Lobato, a saga Crepúsculo e outros Best-sellers. Já entre os DVDs estão materiais com conteúdos educativos e de animação. A Fundação de Cultura vai montar um cronograma para que, como no ano passado, o veículo atenda a todos os bairros.

As imagens de Camboriú e dicas de fotografia No dicionário, enquadrar significa pôr em quadro, emoldurar, encaixilhar, tornar quadrado. Na fotografia, enquadrar é uma das primeiras ações na hora de clicar. No blog “Enquadro”, você vai acompanhar os enquadramentos feitos pelo repórter fotográfico do LP, Gustavo Zonta. Serão compartilhadas imagens jornalísticas e registros documentais captados no dia-a-dia de Camboriú e região. O espaço também vai tratar sobre diversas questões que envolvem o tema fotografia.

www.linhapopular.com.br/blogs/

enquadro

O que é este quadrado? A caixa com pequenos quadrados pretos e brancos chama-se QR Code. O símbolo serve como um atalho, que pode ser lido pela câmera de celulares modernos e seus aplicativos. A praticidade está em não precisar digitar endereços de internet ou textos longos nos pequenos teclados. Com o aplicativo ligado, basta apontar, esperar o aparelho ler e tocar o atalho que surgir. Para aparelhos com dispositivo Android recomendamos o uso do aplicativo Barcode Scanner. Usuário de iOS, da Apple, podem usar o Qrafter. Já quem tem um Blackberry pode instalar o Blackberry QR-Code Reader.

Gustavo Zonta


20

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Cidade

Jovem doa cabelo para menina com leucemia Intenção é despertar em outras pessoas uma corrente de boas ações e alegria

O

As melhores receitas no

Ofício de delícias

s clientes do Mercado e Açougue Super Mais, no centro, tiveram uma surpresa nesta semana. O caixa Geowany Kotovey de Oliveira apareceu com 83 centímetros a menos de cabelo. A atitude chamou a atenção, pois agora o corte de máquina dois tomou o lugar de seis anos e meio de longos fios castanhos. E, ao contrário do que muitos concluem, ele não vendeu o cabelo. Geowany tem 21 anos e cortou seu cabelo para fazer uma peruca, que será doada para uma menina daqui da cidade com leucemia. Ela está careca pelo tratamento que passa. “Não conheço ela ainda, mas foi indicada por um amigo da igreja que frequento”, explica. A entrega dos cabelos está prevista para daqui a três semanas, quando a peruca estará pronta. A motivação de Geowany para cortar o cabelo veio por uma série de fatores. Ele é estudante de odontologia e

Além das delícias publicadas no jornal impresso, Paulo Faria agora assina o blog Ofício de Delícias no novo site do LP.

www.linhapopular.com.br/blogs/

oficiodedelicias

Paulo Faria

do quarto, passou pela gente uma menina careca, com um cano no pescoço para respirar e soro na veia. Mesmo assim ela sorriu e fez um ‘tchau’ para a gente”, detalha. “Nesse dia eu pensei: se aquela menina com tantos problemas me passou felicidade, porque eu não posso fazer o mesmo?”, conta Geowany. Então ele decidiu que doaria seu cabelo e, pela internet, encontrou uma empresa de Itajaí que fazia o serviço. Por coincidência, a dona da fábrica de perucas também teve câncer e se recuperou. Ela se comoveu com a história e não cobrará para fazer a peruca. A intenção de Geowany é que sua ação seja exemplo, para incentivar uma corrente de ações positivas. Quando ele entregar a peruca para a menina, vai colocar apenas uma condição: quando ela não precisar mais, que os cabelos sejam entregues de graça para outra pessoa que precise. Fotos: Arquivo pessoal/LP

Conheça outros experimentos de Paulo na cozinha, assim como ótimas receitas tradicionais. Não faltam também dicas do cozinheiro.

O que é este quadrado? A caixa com pequenos quadrados pretos e brancos chama-se QR Code. O símbolo serve como um atalho, que pode ser lido pela câmera de celulares modernos e seus aplicativos. A praticidade está em não precisar digitar endereços de internet ou textos longos nos pequenos teclados. Com o aplicativo ligado, basta apontar, esperar o aparelho ler e tocar o atalho que surgir. Para aparelhos com dispositivo Android recomendamos o uso do aplicativo Barcode Scanner. Usuário de iOS, da Apple, podem usar o Qrafter. Já quem tem um Blackberry pode instalar o Blackberry QR-Code Reader.

faz parte dos Terapeutas da Alegria - um grupo que visita crianças internadas no Hospital Pequeno Anjo, em Itajaí. “É muito legal a gente chegar nos pequenos, oferecer um cachorrinho de balão, brincar um pouco e ver o sorriso delas”, afirma. Pintar a cara e usar adereços coloridos de palhaços contrasta com imagem normal de Geowany. Ele gosta de usar camisetas pretas de banda e, junto com o cabelo comprido, tinha o perfil típico de um roqueiro. Mesmo assim, diz que não se importa muito com a aparência. “Às vezes saio direto da faculdade com a cara pintada e os sapatos de palhaço, com o jaleco dos Terapeutas da Alegria. O pessoal que olha na rua tenta disfarçar, mas riem”, conta. O pai, Hoilson Oliveira, explica outro fato que incentivou a ação do filho. “O avô dele teve câncer no estômago. Nós um dia fomos no hospital visitar e, quando saímos

Doação. Ao contrário do que a maioria pensa, Geowany não cortou o cabelo de 83cm para vender


21

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Cidade

Três famílias perdem tudo em incêndio

Marlene de Jesus morava há 32 anos no local e sonha em reconstruir a residência Fotos: Gustavo Zonta/LP

Direito do consumidor? Tem no LP!

Vítimas. Nas casas, além de dona Marlene moravam seus filhos e netos

E

ra início da tarde de sábado, dia 23, e um curto circuito ocorreu em uma das residências simples, de madeira, que ficava junto a outras duas casas em um terreno na rua Monte Branco, no distrito do Monte Alegre. Em um dos quartos, um bebê de dois meses dormia. No total, as residências abrigavam 17 pessoas. Sete são crianças. Em 20 minutos, todas as casas estavam tomadas pelas chamas. Dona Marlene de Jesus, de 61 anos, é a matriarca da família. Além dela e seu marido, moravam nas casas seus filhos e netos. Ela recorda que foi tudo muito rápido, mas que mesmo assim, todos conseguiram sair sem ferimentos. “Conseguimos tirar o bebê de dois meses e fomos para a rua. Foi muito rápido, tudo queimou”, recorda. Das casas de madeira, sobraram entulhos. Dos móveis, apenas uma geladeira foi recuperada, mas não tem condições de uso. Roupas, documentos, recordações queimaram. O marido de dona Marlene está doente e ela tem um filho deficiente. Os dois precisam de remédios. Os medicamentos também queimaram no incêndio. “Precisamos de tudo. São

muitas crianças, muita gente morava nas casas”, diz dona Marlene. As famílias pedem toalhas de banho, roupas, produtos de higiene, comida, fraldas para as crianças e móveis. Materiais de construção também são úteis, já que eles pretendem reconstruir suas casas no local. Por enquanto, todos os familiares de dona Marlene que viviam na área estão em casas de outros parentes. “Nós vamos reconstruir. Se Deus quiser, vou morar aqui de novo”, afirma a mulher que morou durante 32 anos no local. Apesar das perdas e da-

nos, ela não reclama. “Estou feliz, meus netos estão todos vivos. Os bens materiais vêm depois”, completa.

Saiba como ajudar Dona Marlene está morando na casa de um filho, a de número 130 da rua Monte Caraíba – a via fica atrás da casa que pegou fogo. Quem puder ajudar, pode levar as doações diretamente no local ou entrar em contato pelos telefones 9204-4174 e falar com Michele ou 84015834, com pastor Eduardo.

Estragos. Nesta semana, Prefeitura removeu os entulhos que restaram do incêndio

O Linha Popular completa 4 anos e, para comemorar, lança um novo site e blogs. Tudo para que você encontre ainda mais informação no LP. Para que possa conhecer todos os seus direitos como consumidor, teremos a ajuda da bacharel em direito Camila Carolina Mafra Martins. Deu problema, e agora? No blog, você encontra uma linguagem simples e direta que vai te ajudar a entender seus direitos como consumidor e saber como procurar ajuda quando tiver problemas com produtos e serviços.

www.linhapopular.com.br/blogs/

deuproblema

O que é este quadrado? A caixa com pequenos quadrados pretos e brancos chama-se QR Code. O símbolo serve como um atalho, que pode ser lido pela câmera de celulares modernos e seus aplicativos. A praticidade está em não precisar digitar endereços de internet ou textos longos nos pequenos teclados. Com o aplicativo ligado, basta apontar, esperar o aparelho ler e tocar o atalho que surgir. Para aparelhos com dispositivo Android recomendamos o uso do aplicativo Barcode Scanner. Usuário de iOS, da Apple, podem usar o Qrafter. Já quem tem um Blackberry pode instalar o Blackberry QR-Code Reader.

Camila Martins


22

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Variedades Horóscopo Áries

Libra

A conjuntura confere fortes energias, capacidade de trabalho e persistência capazes de vencer obstáculos, derrubar adversários e obter vitórias saborosas. No setor sentimental, impera a estabilidade. Melhor dia: Domingo

Período em que se recomenda posturas ponderadas, equilibradas e isentas. Esta semana, deve controlar emoções e atuar dentro de parâmetros rígidos e com gestos contidos. Melhor dia: Quinta-feira

Touro

Escorpião

Nesta semana, terá de aliar prudência e reflexão a uma boa capacidade de intervenção, resolução de tarefas e imprevistos de última hora. Deve atuar rapidamente, mas sem impulsividade. Melhor dia: Segunda-feira

A semana será tranquila. Conseguirá fazer avanços seguros e com reconhecimento público. É uma semana para analisar resultados, fazer novos estudos e preparar os tempos mais próximos. Melhor dia: Domingo

Gêmeos

Sagitário A semana será confusa. Necessita estar muito atento a tudo o que se passa à sua volta, evitando deste modo surpresas desagradáveis. Esforce-se por demonstrar sentimentos ao seu parceiro. Melhor dia: Segunda-feira

Câncer

Capricórnio

Não vai ser uma semana brilhante, mas terá meios para a superação. Verifique se está seguindo as opções mais indicadas e sempre que estiver seguro atue sem margem para dúvidas. Melhor dia: Quinta-feira

A conjuntura permite adotar posturas fortes, capazes de o libertarem de cargas pessoais negativas e influências perturbadoras. Conseguirá pôr a sua vida em ordem. Seus planos podem ser alterados. Melhor dia: Quarta-feira

Leão

Aquário

A conjuntura perspectiva uma semana instável. Tente não se preocupar em demasia. Terá tendência a pensamentos derrotistas e pessimistas, que só agravarão as influências deste período. Melhor dia: Segunda-feira

Algumas notícias inesperadas e surpreendentes poderão trazer modificações importantes à sua vida. Fatos do passado próximo serão analisados e poderão beneficiar novas possibilidades. Melhor dia: Terça-feira

Virgem

Peixes

Esta semana, está muito hábil a lidar com situações difíceis e relações em conflito. Pode preparar-se para entrar em nova fase, mais positiva. Avalie bem as opções de vida e decida sem influências. Melhor dia: Quarta-feira

Conjuntura forte e poderosa, fazendo com que tenha uma semana muito construtiva, plena de êxitos pessoais e superação de obstáculos. Aqueles que passaram por ruptura, podem viver um grande amor. Melhor dia: Segunda-feira

Por Paulo Roberto Faria paulo.gastronomia@uol.com.br oficiodedelicias.com.br Twitter:@FariaPauloR

As prateleiras de massas e molhos dos supermercados oferecem uma infinidade de tipos diferentes de molhos, que vão dos mais tradicionais e simples, de tomate, até os mais sofisticados. Claro que alguns com um sabor maravilhoso e com o preço também maravilhoso. Normalmente, optamos por aquelas marcas que conhecemos ou estamos acostumados a usar. Quase sempre com mesmo sabor, levando-se em conta a adição de conservantes, o gosto deixa um pouco a desejar. Por isso, optamos hoje por uma receita de um molho à bolonhesa caseiro, que tem um sabor fantástico além de ser super natural. Você vai adorar.

Penne ao Molho à Bolonhesa Caseiro Paulo Roberto Faria/LP

Não iniba nem reprima os seus sentimentos. As suas palavras serão bem recebidas e as retribuições poderão ser muito positivas. A vida sentimental está numa fase francamente auspiciosa. Melhor dia: Sábado

Ofício de Delícias

Ingredientes: ½ quilo de carne moída 1 cebola grande 3 dentes de alho picadinhos 1 quilo de tomates maduros 1 copo de água 1 cubo de caldo de carne ou caldo de carne em pó

1 maço de ervas manjericão, sálvia, alecrim 1 maço de cheiro verde ½ copo de azeite extra virgem ½ copo de conhaque Pimenta a gosto, sal a gosto 1 pacote de macarrão tipo penne grano duro queijo ralado a gosto

Modo de fazer: Bata no liquidificador os tomates com a água, junte a cebola e o alho e bata mais um pouco. Na panela de pressão, coloque a carne, o tomate batido com a cebola e o alho e os demais ingredientes. Pique o cheiro verde e as ervas escolhidas. Dissolva o caldo de carne num pouquinho de água fervendo, se for em cubinho. Cuidado com o sal, pois o caldo de carne é salgado. Feche a panela e leve ao fogo. Quando começar a chiar, abaixe o fogo e deixe 45 minutos. Após esse tempo, desligue o fogo, espere sair toda a pressão e esfriar um pouco a panela para depois abrir. Cozinhe o penne em bastante água com um pouco de sal. Quando estiver al dente, desligue o fogo, escorra a massa e cubra com o bastante molho e muito queijo ralado em cima. Esse molho rende bem, portanto ele poderá ser congelado sem nenhuma alteração no sabor e textura.


23

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Variedades

Up!

O que

LER

silviamidia@gmail.com

Por Sílvia Mendes Jornalista

Divulgação/LP

Por Jaison Gardini jgardini@gmail.com @jaison31 Olá, pessoal! Que a felicidade não dependa do tempo, nem da paisagem, nem da sorte, nem do dinheiro. Que ela possa vir com toda simplicidade, de dentro para fora, de cada um para todos. Que as pessoas saibam falar, calar e acima de tudo ouvir. Que tenham amor ou então sintam falta de não tê-lo. Que tenham ideal e medo de perdê-lo. Que amem ao próximo e respeitem sua dor, para que tenhamos certeza que viver vale a pena! Atentos à programação:

O Morro dos Ventos Uivantes Emily Brontë Fotos: Arquivo pessoal/LP

A gata Sara Maeli arrassando com sua simpatia. Lindona!

Mas o que não associo eu a ela? O que não a traz à minha memória? Se olho para estas lajes, vejo nelas gravadas as suas feições! Em cada nuvem, em cada árvore, na escuridão da noite, refletida de dia em cada objeto, por toda a parte eu vejo a sua imagem! Nos rostos mais vulgares de homens e de mulheres, até as minhas feições me enganam com a semelhança. O mundo inteiro é uma terrível coleção de testemunhas de que um dia ela realmente existiu e a perdi para sempre!

O que rola hoje, dia 1º Blend/BC: Hip Hop Sessions. A melhor night de Hip Hop da cidade e região. Os ritmos envolventes do Hip Hop que vão embalar a sua noite. Para elas, “welcome drink” com uma taça de espumante até 1h. Atrações: Dj Bang Feat – Mc Léo Brasil, Dj MK ( special Guest – Curitiba) e Dj Andre Heat (Blumenau). Informações: www.facebook.com/blend.bc Shed Western Bar/BC: O sertanejo com um novo conceito está agitando a galera geral em nossa região. Atrações: Michele Reich e Roberto Santiago. Você vai ficar fora dessa? Informações: www.shedbar.com.br

Super Jessé Rodrigues, que aniversariou na semana passada. Felicidades sempre!

Divulgação/LP

O que rola amanhã, dia 2 Lounge Green Valley/Camboriú: O Night e Cia completa 15 anos e junto com o Lounge do GV apresenta o projeto mais ousado do e-music, em uma noite que promete ficar na história. Atrações: Martin Soares, Conrado e “A LIGA”. Informações: (47) 3360-8097.

Editora Landmark (2007) – 300 páginas – R$ 25

Atração principal da noite, “A LIGA” um grupo de Djs mascarados que vem fazendo muito sucesso. A história deste quarteto mais que fantástico vem atraindo muitos amantes da música eletrônica que além de ouvir e dançar, adoram um show diferente para ver e curtir.

WS Brazil/BC: Quem tem samba no pé, tem a alma elevada, ainda mais se conquista o público que está a sua volta. Atrações: Samba i Love e Deixa Disso. Informações: (47) 3264-0040. Rakenne/Itajai: Day Party – Amanhã, o Rakenne preparou uma programação super agitada para você. A partir das 9h, estará com o seu atendimento funcionando servindo drinks e petiscos. A partir das 11h, o clube estará aberto para você aproveitar a piscina e curtir toda a estrutura. A partir das 15h, o residente Bernardo Ziembik e Thiciano Turnes entram em ação no sunset Rakenne. E a partir das 23h, Show Nacional com o Rapper Edi Rock, famoso pela música “ That’s my way”, que junto com Seu Jorge, foi indicada para o prêmio VMB em melhor videoclipe. Informações: (47) 3344-0384. Ótima semana e até mais!

O vento uiva quando atravessa as terras da fazenda onde se passa grande parte da história deste livro. Num ambiente sombrio, com nuances de mistério, aos poucos é contada a história de Heathcliff e Catherine. A narrativa começa quando o Sr. Earnshaw, dono daquelas terras e pai de Cathy, traz para casa um rapaz de olhos negros e raivosos. Heathcliff estava perdido nas ruas e fora acolhido pelo fazendeiro como um dos seus. No entanto, os carinhos que Cathy e seu pai dispensam ao menino despertam o ciúme de Hindley – filho legítimo do Sr. Earnshaw. Quando o fazendeiro morre, Hindley assume as posses do pai e passa a tratar Heathcliff como um dos empregados, atribuindo-lhe trabalhos braçais e afastando-o cada vez mais de Catherine. Por que ler: Outro clássico da literatura, este romance trágico trata de temas sombrios, como amor não correspondido, ciúmes e vingança. A narrativa é intensa e traz alguns dos trechos mais apaixonados que já li, como quando Cathy diz: “Se tudo o mais perecesse e ele ficasse, eu continuaria, mesmo assim, a existir; e se tudo o mais ficasse e ele fosse aniquilado, o universo se tornaria para mim uma vastidão desconhecida, a que eu não teria a sensação de pertencer. Nelly, eu sou o Heathcliff. Ele está sempre, sempre no meu pensamento. Não por prazer, tal como eu não sou um prazer para mim própria, mas como parte de mim mesma, como eu própria”. Curiosidade: O Morro dos Ventos Uivantes é o único romance escrito por Emily Brontë, que o publicou pela primeira vez em 1847 sob o pseudônimo de Ellis Bell. Apesar de ter entrado no cânone dos clássicos da literatura inglesa, o livro recebeu muitas críticas quando lançado, principalmente por causa das fortes descrições de crueldade física e metal, presentes na obra. Envie comentários, críticas e sugestões para o silviamidia@gmail.com ou através do twitter @silviamendes


24

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Perfil

U

m sorriso e braços abertos. Assim Karina Elisa Schweder de Lima recebeu a equipe do Linha Popular. Ela, que sempre estampa em sua coluna social momentos da vida dos camboriuenses, compartilhou nesta semana as lembranças de sua caminhada até aqui. Em sua casa, ela divide o coração e o espaço com o marido, os quatros filhos e quatro cães – mas já chegou a ter 23 de uma vez. “Contei para vocês coisas que até hoje nem falei para minha família”, confidencia. Karina nasceu em Rio Negro, no Paraná, mas nunca morou lá. “Minha mãe era coletora estadual, por isso trocávamos muito de lugar”, explica. O trabalho da mãe também trazia para a casa figuras importantes da época, como prefeitos e o governador. Já o pai de Karina era contador e tinha uma empresa de produtos cerâmicos em Rio Negrinho. Mais tarde, quando foram para Blumenau, ele e os tios dela abriram uma sociedade. Era uma empresa de peças para bicicletas e motos. “Quando meu pai se firmou em Blumenau, eu segui sendo a companheira da minha mãe pelo estado, até ela se aposentar”, afirma. Caçula, quando Karina nasceu seu irmão tinha 14 anos e sua irmã 13. “Dizem que eu era insuportável quando pequena, manhosa. Fui criada praticamente como filha única”, conta. Mas a irmã dela diz que Karina veio para mudar seu pai. “Ele era ‘alemão’, reservado e de pouco contato. Dizem que quando nasci ele ficou mais descontraído, retomou até o Natal com brinquedos e festa”, lembra com um sorriso. “Meu pai nunca me levantou a mão, mas era muito metódico e organizado. Pensa numa pessoa com horários!”, conta. Sua mãe promovia festas e encontros de amigos na própria casa, onde poderia de certa forma vigiar a filha sem isolar dos amigos. “Eu não podia fazer o que a maioria das turmas faziam, como acampar na praia no Carnaval”, lembra sem remorso. Mesmo com todas as regras, foi numa festa que encontrou Edson. Eles se conheceram quando houve uma greve da Universidade Federal, em 1987. Ele estudava em Florianópolis, mas foi para Blumenau pois estava há vários meses sem aula. Nessa época, Karina era muito amiga de Isabel Beduschi, que foi Miss Brasil em 1988. Isabel pediu para Karina acompanhá-la em uma festa, pois tinha brigado com o namorado.

“A gente tem que ter valor pela competência” A colunista do Linha Popular socializa um pouco de sua vida pessoal, dividida no amor pelo marido, os filhos e os animais Joel Minusculi/LP

Um amigo de Edson também conhecia Isabel e os dois foram juntos para a mesma festa. “A gente se conheceu e começou a namorar em 22 de agosto de 1987. No dia 21 de agosto de 88 nos casamos. Casei com 21 anos e grávida. A gente não deve segurar muito os filhos, visse?”, aconselha. Antes, durante o namoro, o casal fazia intercâmbio: ela ia para Joinville na casa dele, para Florianópolis na casa de uma amiga imaginária (que era só uma desculpa para ficar junto dele), ou ele vinha para a casa dela em Blumenau. “Mas ele era o xodó da minha mãe. Ela projetou no Edson o genro que queria, já que minha irmã não teve marido. Ela idealizou e ele realizou”, conta. Karina demonstra muito mais que amor por Edson. Seu companheiro a incentivou a ter coragem, pois ela se sentia insegura. “Aprendi com o Edson a encarar a vida de frente, a enfrentar os problemas que nunca tive até casar. Não sabia nem quanto

custava um litro de leite”, diz em tom agradecido. Mesmo casada, a vida de Karina teve muitas mudanças. Primeiro, foi a Florianópolis acompanhar o marido que preci-

Uma comunhão no interior ou um casamento em um bairro são tão importantes quanto um evento chique no centro

sava terminar os estudos. Depois voltou para Blumenau, grávida da segunda filha, onde Edson fez estágio no Hospital Santa Catarina. Então o casal e as duas filhas foram para Taió, onde o marido

de Karina entrou na sociedade de um laboratório de análises clínicas. Nesse tempo teve ainda mais dois filhos, outra menina e um menino. Por fim, a vida deles chegou em uma encruzilhada: ir para os Estados Unidos, onde morava um cunhado de Karina, ou vir para Camboriú, por uma oferta recebida pelo marido. Decidiram por Camboriú e instalaram aqui o Laboratório Camboriú, no centro. “Mas muita gente não aceitou nosso crescimento empresarial no começo, pois a gente era de fora”, lembra. Para resolver isso, Karina diz ter conquistado o público pelo atendimento no laboratório que trabalha e a visão do marido. Mesmo assim, ela ainda se questiona se as coisas mudaram por ela ter uma casa grande ou status social diferente. “A gente tem que ter valor pela competência e pelo que sabe fazer. Não porque fulano é amigo de prefeito ou indicado de alguém”, completa. Enquanto conversava, Karina afagava um pequeno

yorkshire. “Eu amo animais, tenho atualmente quatro cachorros em casa”. Ela gosta tanto que chegou a ter 23 cães, todos resgatados das ruas, quando morava em outra casa com mais espaço livre. Ela então doou todos os de rua, principalmente através das redes sociais. E até hoje lembra do nome de todos e acompanha como estão com os novos donos. “Tive que assinar um termo, um documento. Só faltou registrar em cartório. Prometi para a família não resgatar mais cachorros”, confessa. Mas ela ainda tem vontade de cuidar, só que agora faz de uma forma diferente. Quando vê um animal na rua oferece comida e água no local mesmo, tudo sobre o olhar atento do marido. Karina gesticula bastante e usa expressões faciais para completar suas explicações, como para envolver mais a pessoa com quem conversa. Ela acha que fala muito, mas acredita estar mais “light” atualmente. Sempre se relacionou bem com as pessoas, o que justifica seus convites para festas e outros eventos sociais. “As pessoas dizem que sou animada e converso bastante”, explica. Seu trabalho atual no Laboratório Camboriú também rende muito contato com as pessoas. E tudo isso gerou seu interesse em escrever uma coluna social, além do incentivo do marido. “Minha coluna é social para toda a sociedade. Mas gosto principalmente de colocar pessoas comuns. Isso é uma coisa que posso fazer no Linha Popular. Acho que não teria essa oportunidade em outros jornais”, detalha. Para ela, uma comunhão no interior ou um casamento em um bairro são tão importantes quando um evento chique no centro. Karina também sente a alegria das pessoas que aparecem no jornal e lamenta não poder ir em todos os eventos para os quais é convidada. Hoje Karina divide seu tempo com o trabalho no Laboratório Camboriú, o marido, as três filhas (Emanoella, Constance e Maria Victória) e o filho caçula (João Teodoro). Segundo ela, sua atenção é direcionada sempre a quem precisa no momento. Atualmente é para Edson, que ela acha bastante estressado pelo trabalho. Por isso ela considera um hobby passar o tempo livre com ele, distraindo e viajando. Já a possibilidade de ser avó ela prefere adiar, pois diz que ainda quer aproveitar o que não pôde em seus 46 anos de vida.


25

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Saúde

Problemas do hospital vão de falta de remédios até profissionais sem salários A situação é caótica na Fundação Hospitalar de Camboriú. Funcionários estão, mais uma vez, com os salários atrasados. FGTS e INSS não são depositados. Fornecedores se recursam a entregar remédios

E

m uma assembleia realizada na terça-feira, dia 26, os funcionários da Fundação Hospitalar de Camboriú cogitaram entrar em greve. Eles estão, mais uma vez, com os salários atrasados. No entanto, descartaram a paralisação e optaram pela rescisão indireta. Com isso, “eles dão a conta para o patrão”, como explica o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde da região, José Carlos da Silva. É uma medida que faz com que peçam a conta, mas recebam os mesmos direitos que teriam se tivessem sido demitidos. A medida pode provocar uma demissão em massa no hospital. E este não é o único problema enfrentado pela unidade de saúde. Na manhã de quarta-feira, a reportagem do Linha Popular esteve no local. As deficiências da Fundação Hospitalar foram apontadas pelo chefe do departamento de cirurgia, Élcio Kuhnen, e pelo chefe do centro cirúrgico, Luiz Alberto Verçosa Silva. Élcio é o médico que mais faz cirurgias no hospital. Ele relatou a falta de equipamentos e contou que chegou a levar para a unidade material particular. No entanto, o equipamento teve problemas, foi levado para o

conserto e não foi mais entregue, porque a fundação não havia pago pela manutenção. O mesmo teria ocorrido com Luiz Alberto, que é anestesista. Além disso, ele conta que chegou a ficar 13 meses sem receber salário. Foi somente quando ameaçou deixar o trabalho que recebeu o pagamento pelo período de 12 meses. Outros funcionários da unidade, que preferiram não se identificar, relataram problemas. Eles contam que o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço – FGTS é descontado dos salários, mas não é recolhido. Relatam a falta de alimentos e remédios, como antibióticos. Os profissionais contam que não recebem hora-extra, que os médicos não estão ganhando sobreaviso e que cinco funcionários do centro cirúrgico já pediram demissão este ano. “O clima é ruim, todos estão desmotivados”, afirmam. No entanto, eles garantem que o atendimento aos pacientes não está comprometido. A afirmação é confirmada pela paciente Romilda Lamim, que em janeiro fez uma cirurgia no hospital e passou três dias internada. “O atendimento aqui é muito bom”, disse.

Fernando Assanti/LP

Denúncias. Médicos Élcio Kuhnen e Luiz Alberto apontam os problemas da Fundação Hospitalar

Presidente admite problemas O presidente da Fundação Hospitalar, Edson Bianor de Lima, respondeu às denúncias citadas. Sobre a falta de alimentação, ele afirma que o corte foi para os funcionários e não pacientes. “Só vão receber aqueles que fazem mais de 12 horas noturnas”, explica. Em relação à falta de remédios, Edson disse que os fornecedores deixaram de entregar porque a fundação atrasou os pagamentos. “Estamos mudando de fornecedores e repondo”, disse. Sobre o atraso de salários, Edson culpa a falta de repasse do Governo do Estado e afirma que o problema vai continuar ocorrendo. “Mês que vem vai ser a mesma coisa”, adverte. Ele conta que os profissionais da área de manutenção recebe-

ram neste mês e que os outros trabalhadores ganharam 33% do salário. Para o presidente do Sindicato, “é um cala a boca que não resolve nada”. Além da falta de pagamento do FGTS, Edson admite que o INSS também não é recolhido. “Isso ocorre há mais de 15 anos. Financiamos os pagamentos dos períodos anteriores e quando terminarmos, vamos financiar os de agora. A lei nos permite isso”, diz Edson. Em relação aos equipamentos particulares dos médicos, Edson diz que a manutenção e conserto não são obrigações do hospital. “Eu não tenho conhecimento de que levaram equipamentos, e se isso ocorreu, os médicos levam porque precisam. Eles não são funcionários do hospital e são

pagos para isso”, disse. A expectativa não é otimista. Edson explica que será feito um corte de gastos para equilibrar as contas. “Vamos ter que demitir funcionários, fechar setores mais cedo. Precisamos reduzir em 30% nossos gastos”, disse. Edson quis reforçar que o repasse da Prefeitura está em dia. São mais de R$ 80 mil mensais para manutenção do pronto socorro e sala de parto. “Este dinheiro não pode ser aplicado em outros setores”, afirma. No mês que vem, o atraso nos salários deve se repetir. “Mas vamos tentar diminuir o impacto”, diz. A expectativa do presidente da Fundação Hospitalar é de que a partir do mês de maio as contas estejam equilibradas.


26

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

ClassiPopular linhapopular@gmail.com

Imóveis

Imóveis

Aluguel

Troca

Negócios Empregos

Anuncie! É grátis

3365-4893

Automóveis

Motos

Serviços

venda

casas Vendo Casa em alvenaria com 2 dormitorios e demais dependencias em terreno de 12 x 24 mts,em frente ao ponto de ônibus, rua asfaltada proximo a todo o comércio do Sta Regina. R$ 170 mil. 3365-6955 / 9636-6873. Vendo sítio a 8 km de Camboriú, com 50 mil m2 e cachoeira. R$ 360 mil. Aceito casa, carro ou apto. 84279202 (Paraná) / 9918-2503 (Rike) Vendo linda casa no barranco proximo ao campo de golf com 03 dormitórios, livre de enchente oportunidade apenas R$140 mil. 47 3365-5102/ 8422-3252 Vendo casa no centro de Navegantes por R$ 450.000,00. Toda averbada e escriturada. São 260m² de construção em um terreno de 12m x 25m. Com sala comercial de 60m² que tem como dividir em duas + o banheiro. Fone 9667-9047 Vendo ou troco por chácara casa de alvenaria em Itajaí, bairro Cordeiros. 3 q., sala, coz, lav., chur.,gar. p/ 2 carros. Livre enchente. R$ 170 mil. 8486-5502 Vendo 5 casas geminadas, todas locadas, ótimo para investidores. Valor total R$ 450.000,00 renda de 3 mil reais mensais. Fones: 8441-8252 / 91680424 / 3365-4995 CRECI.12.981 Vendo casa no Centro com sala, cozinha, banheiro, três quartos, área de serviço, garagem e salão de festas, e um ótimo terreno. R$ 280.000,00. 3365-6733 / 9968-0848 Vendo lcasa de madeira no centro, em um terreno de 300 m², localizado próximo ao novo posto de saúde central, excelente ponto comercial, aceita-se propostas. Valor R$ 260.00,00. Fone: 8441-8252 / 91680424 / 33654995 CRECI.12.981 Vendo bela casa de tijolo a vista. Com ótima vista. Dois grandes quartos, sendo um suite. Ampla cozinha. Grande sacada com deck de madeira e lindo jardim. Valor: R$ 700 mil. 3365- 1956 / 9626-2626 Vendo casa no centro de Camboriú, com 2 suítes mais 2 dormitorios, sala, cozinha, área de serviço. Por apenas R$ 250 mil. Ótima oportunidade. 3365-5102 - 9965-8610.

Vendo casa no centro com terreno de 300 metros, com área total construída de 100m², 3 dormitorios, sala de estar e jantar, cozinha, wc social. Mais edicula com 1 suite e cozinha. R$ 300.000,00, proprietária tem interesse em permuta. 3365-5102 - 8422-3252 Vendo casa no Rio Pequeno. Terreno 12x20, casa 8x8 semi-pronta. R$ 140 mil ou troco por caminhão caçamba. 8472-7914 / 9609-2740 Vendo casa grande próximo à Policlínica, no centro de Camboriú. 3 dormitórios (1 suíte), 3 salas e área de lazer. 3365-6709 / 9660-5691 Vendo ótima casa no bairro Monte Alegre, o terreno além desta casa possui uma casa de madeira aos fundos totalizando uma área de 300 m² Valor R$ 120.000,00. Aceita financiamento, Fone: 8441-8252 / 91680424 / 3365-4995 CRECI.12.981 Vendo casa em alvenaria, 4 quartos, 2 banh. Edícula com lavanderia, salão c/ 178 m2 p/ comércio c/ porta p/ 2 ruas. Terreno mede 428m2 na rua Atenas, esq. c/ Jerusalé, bairro Santa Regina, próx. do novo ginásio da Prefeitura. R$ 230 mil. 9636-5915 Vendo ou troco casa dois pisos no centro de Camboriú. Fones: 99326906 / 9934-3098 Vendo casa no Monte Alegre, rua Samambaia, 681. Com 13 peças e garagem para 4 carros. Fone: 9995-2938 Vendo casa nos fundos (com entrada da rua) no bairro Cedro. R$ 40 mil. Aceita-se carro de R$ 15 mil. 84492238

apartamentos Vendo apto c/3 Quartos sendo C/1 suíte c/ porta janela(terraço) +1 dorm. c/ porta janela(terraço)+1 dorm. sala , coz. tipo americana, ampla sacada c/churr.+area do terraço, gar.priv.+Home Box. área priv.129m², parte alta de Camb c/ grande ascensão de valorização imobiliária. Aceito carro. Fone: 9121.2004. R$ 250 mil. Vendo apto novo pronto p/morar com 3 dorm; 1 suíte +2 dorm. Sala, coz. tipo americana, ampla sacada c/churr, gar.priv.+Home Box. Área priv.97,54 m², parte alta de Camboriú c/grande ascensão de valorização imobiliária. Fone: 9121-2004. R$ 230mil.

Vendo ap. novo, pronto p/ morar com 3 dorm, 1 suíte. Sala, coz. americana, sacada c/ churr, gar.priv. Área priv. 97,54 m², parte alta de Camboriú. R$185mil. 9121-2004

Vendo sobrado para ser acabado no Minella, em terreno de 300m². Troca por imóvel até R$ 150 mil e transfere 74 parcelas de R$ 1.180,00 direto com loteador. 33656955 / 9636-6873

Vendo ap no Jardin Mathinai, sala, cozinha, dois quartos, área de serviço, banheiro e duas sacadas. R$ 125.000,00. 3365-6733 / 9968-0848

Vendo cobertura na Vila Real, em BC, ou troco por duas casas geminadas em Camboriú. 3368-2723.

Vendo ap. c/ 3 dorm, 1 suíte, cozinha, ampla sacada c/churr.+area do terraço, gar. priv. Área priv. 129m². Aceito carro. R$215mil. 9121-2004 Vendo apartamento no Centro de Camboriú, 2 dorm (1 suíte) chur. na sac. gar priv, ótimo acabamento R$ 178.480,00. Tânia 9955-8097 Vendo apto. com entrega prevista para abril de 2013, com 2 dorm., sala, cozinha, wc social, 1 vaga de garagem, sacada. Entrada facilitada e financiamento pelo minha casa minha vida. R$ 130.000,00. 3365-5102 - 8422-3252 Vendo ou troco apartamento em Camboriú. 2 quartos, sala, cozinha. Valor a combinar. 8412-8398 / 9677-6067

Sobrados Vendo sobrado no Centro: sala, cozinha, três quartos sendo duas suítes, banheiro, sacada, área de serviço e garagem para dois carros, semi-mobiliada. R$ 215.000,00. 3365-6733 / 9968-0848 Vendo sobrado c/ 1 suíte c/ sacada + 2 dorms., banheiro, sala de estar, lavabo, cozinha, área de serviço, churrasqueira, vaga 2 carros, 121,72m2, direto c/ construtora. Centro de Camboriú. 9920-8754 Vendo sobrado no bairro dos Municípios, com 2 dormitórios, 2 wc social, sala, cozinha, área de serviço, 1 vaga de garagem. R$ 260.000,00. Aceita proposta. 3365-5102 - 9190-0757 Vendo sobrados no bairro Santa Regina, com 2 dormitórios, sala, cozinha, wc social e lavabo, área de serviço, 1 ou 2 vagas de garagem, ótimo acabamento. Financiamento pelo plano minha casa minha vida. 3365-5102 - 8422-3252 Vendo sobrado novo no bairro Cedro c/ 2 dorm., garagem p/ 2 carros. R$ 120 mil. Financiamento Minha Casa, Minha Vida. 9636-6873 / 8491-6732

Vendo sobrado de altíssimo padrão totalmente mobiliado pronto para morar. Bela decoração e ótimo acabamento. Aceita troca por imóvel em Balneário Camboriú. 100m² Valor: R$ 260.000,00. 9626-2626 / 3365-1956 Vendo sobrado no Santa Regina 4, 2 suítes, cozinha, sala, lavabo, churr., garagem, área de serviço. Área constr. 84 m2. R$ 130 mil. 50% entrada restante em janeiro de 2013. 9957-8004 Vendo excelente sobrado geminado no bairro santa Regina VI, possui uma suíte com sacada, um dormitório, entrada facilitada, valor R$ 140.000,00 Fone: 8441-8252 / 91680424 / 33654995 CRECI.12.981 Vendo lindo sobrado em condomínio fechado - 47 - 8447-8484 Vendo sobrado no Santa Regina 5, c/ 2 suítes, cozinha, sala,WC, churr., garagem, área de serviço. Área contr. 112 m2. R$ 155 mil. 9957-8004

terrenos Vendo terreno de esquina no Centro de Camboriú, ótima localização para comércio e residência, com 350m2, R$ 300 mil. 3365-6733 / 9968-0848 Vendo terreno no Centro, ótima localização, área nobre, próximo ao Schimit. R$ 190 mil. 3365-6733 / 9968-0848 Vendo terreno no Centro, ótima localização, próximo a Caixa Econômica. R$ 330 mil. 3365-6733 / 9968-0848 Vendo terreno no Areais, 300m2, ótimo para construir sua casa própria ou galpão. Rua calçada com lajota, parte alta. Valor de ocasião R$ 80 mil. Aceita carro. (47) 3365-4699 / 9156-4000. Vendo terreno com 2 casas simples, 586m2, Pedra de Amolar, Ilhota. Aceito troca. R$ 70 mil. 8444-8614 / 9627-5364 c/ Dete

Vendo terreno 300m2, R$ 110 mil. Rua pavimentada, área nobre. 9921-9054 / 8430-2598 - Creci 20250 Procuro terreno em Camboriú para permuta por apartamento pronto, c/ garagem indiv.. 3365-5102 /9190-0757 Vendo terreno com casa em obra, localizado no bairro santa Regina II, o terreno esta quitado, Aceita-se permuta no local e outras propostas, Valor R$ 130.000,00 Fone: 8441-8252 / 91680424 / 3365-4995 CRECI.12.981 Vendo terreno no Porto das Balsas, em Navegantes. Tratar no fone 9619-1646 / 3361-6470 Vendo terreno localizado próximo ao Forum, em rua pavimentada e com excelente valorização. Bairro Santa Regina. Valor: R$ 150.000,00 Fone: 3365-1956 / 9626-2626 Vendo terreno de 16,5 X 25 mts de esquina com 1 casa de alvenaria de 1 suite + 2 dormts e 1 casa de 1 dormt e demais dependencias, bairro Sta Regina 1, local livre de alagamentos. R$ 176 mil. 3365-6955 / 96366873. Vendo ou troco por sobrado lote no Sta. Regina, 12x25, casa em obra, rua Paramaribo (do Fórum), nº 542. R$ 130 mil. 8449-6955 Vendo terreno na rua Biguaçu, bairro dos Municípios. R$ 250 mil. 3365-1704 c/ Gói ou 9101-2902 c/ Juliana Vendo terreno no Areias com 308m², sendo 14x22. Documentação OK R$140.000,00. 47 33655102/ 8422-3252/ 9692-3531 Vendo terreno no centro de Camboriú. Área 1.600 m2. R$ 1.500.000,00 – 99578004 Vendo terreno rio pequeno com 300m² 15x20 oportunidade R$120.000,00. 47 3365-5102/ 47 8422-3252 Vendo terreno na região de Canelinha, localidade Moura, c/ 600m2. Área para sítio/chácara. Valor a combinar. Fone: 9169-3796 Troco terreno em Canoinhas, 1400m2 (com casa de madeira e alvenaria, galpão), por casa em Camboriú. 33653142 / 9148-7668 Vendo terreno no Areias, parte alta, rua calçada, com aprox. 300.0 m². Excelente oportunidade. R$ 118.000,00 – somente à vista. 3365 – 0715 - 8424-3306


27

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Classi Popular Imóveis

Aluguel

Vendo terreno de 24x26 a 100 metros da BR 101. Excelente para galpão. Aceita proposta para permuta. Valor: R$ 300.000,00. 3365- 1956 / 9626-2626 Procuro terreno em Camboriú. Até R$ 90 mil. 8851-7869

Imóveis

aluguel

Alugo duas salas comerciais de segundo piso, para alugar, na rua José Francisco Bernardes, Camboriú. Tratar: Fone: 9977-0415. Procuro casa ou kitinete para alugar no centro, ou próximo ao centro, de Camboriú. Com cozinha, sala, podem ser integrados, com quarto e garagem. 8481-9007 Alugo ap. 2 quartos, residencial Maria Helena, Cedro, Camboriú. 96902762 / 9932-4180. R$ 700 (livre de condomínio). Alugo sobrado novo no Santa Regina VI com 02 dormitórios. R$ 900. 47 3365-5102/ 8422-3252/ 9692-3531 Alugo galpão 660m2, em Camboriú. 3365-6733 Alugo kitinetes no Taboleiro, rua Sassafrás, 344. R$ 500 – livre de água e luz. 9211-0892 / 9629-9818 Alugo quarto para rapazes por R$ 300. 3365-1967 Alugo sobrado 2 dormitórios novo bairro Rio Pequeno. Locação anual R$ 800,00 + txs. 3365-4995. Creci 12.981 Alugo quartos. Rua Siqueira Campos, 917, ao lado da garagem da Praiana. 9235-4154 Alugo 2 aptos. com 02 dorm. demais peças, com garagem coberta, no Bairro Areias Rua Bahia esq. Goiás. R$ 650,00. CRECI 19.531 - (47) 8404.4306 Alugo aptos em Balneário Camboriú de 1, 2 e 3 dormitórios. Tratar (47) 3367-2829 Alugo sala comercial na rua José Luciano Nunes, esquina com Joaquim Nunes, 176, no Centro de Camboriú. Valor R$ 600. Contato: 3365-3790 91356237 Alugo 2 salas comerciais no centro de Camboriú, próximo ao ginásio de esportes. Área de 70m2 cada. 99341700 c/ Ademir. Alugo apartamentos com 2 quartos, sala, cozinha e banheiro. Rua Samambaia, 612 – Monte Alegre. 32648536 / 8481-9755 c/ Paulinho

Troca

Negócios Empregos

Alugo casa em Camboriú: 1 suíte + dorm. c/ garagem. Valor R$ 800. Sta Regina V. 9257-9742 / 7812-7392 Alugo kitnet no bairro Taboleiro, rua Tereza Evangelista. 3360-8537 / 9978-9015 Alugo kitinete mobiliada. 33651967 / 9941-9306

Negócios Troco terreno em Chapecó, bairro Esplanada, próx. Hospital Regional por imóvel em Camboriú, preferível terreno. 8426-8432 9643-6532 Vendo máquinas de sorvete expresso. (51) 3586-7115 / (51) 8286-4542 Vendo balança digital – pesa até 15 kg, marca Michiletti – seminova. 9690-2762 / 9695-2155 Vendo cavalo. Tratar 9666-7613 Vendo ótimo ponto c/ mercado, disk gás e instalações, no loteamento Jardim Bela Vista. 3365-0806. Vendo Empresa de Salgados com carteira de clientes ativos, com faturamento de aproximadamente R$ 20 mil/mês, sediada em Camboriu-SC. Informações: Marcos – 9927-8006 Vendo carta de crédito que pode ser utilizada para comprar ou construir imóvel em qualquer local de Santa Catarina valor total de R$ 110.000,00 entrada de R$ 6.000,00 mais parcelas de R$ 1.100,00 Fone: (48) 36263141. Vendo berço de madeira, cor marfin, estilo americano, c/ rodinha e colchão. R$ 300. 8449-1005 / 9625-3604 Vendo ou troco por Biz, equipamentos de salão de beleza completo semi-novo. R$ 3,5 mil. 9957-8004 Vendo compressor odontológico silencioso. Em ótimo estado. R$ 1.000,00. 3365-1411 Vendo ponto de Krep´s Suíco contendo: 1 geladeira, 2 estufas (uma quente e uma fria), um freezer, balcão de pia, 2 máquinas de kreps, uma máquina de sorvete. Entrar em contato pelos fones: (47) 8481-9755, (47) 9953-1632 ou (47) 3264-8536. Falar com Paulo. Arrendamos sítio/pesque pague. Camboriú. R$ 1.100,00. CRECI 19.531 - (47) 8404.4306

Automóveis

Vendo máquina de sorvete monofásica, em bom estado. Contato pelos fones: 8481-9755 ou 9953-1632 com Paulinho Vendo padaria completa com clientela formada. Ponto c/ boa localização, próximo a entrada de Camboriú. Tratar direto com o proprietário: 3363-7717 Vendo máquina de sorvete expresso direto de fábrica. (51) 9586-7115 / (51) 8286-7542 Vendo aparelho de musculação completo. Marca Athletic. R$ 800. Fone: 9658-1796 Vendo Ploter Mimak, 60 cm de boca. R$ 2.900. 9636-9624 Vendo ar condicionado Gree Split, 24.000 BTUS. 9998-9340

Empregos Contrata-se: a Reitz Soluções Preventivas Contra Incêndio está contratando Instalador de Sistema Preventivo. A empresa fica na Rua Viena, 175, no bairro Santa Regina (atrás do novo quartel do Corpo de Bombeiros). Contatos com Thiago pelo telefone (47) 9631-1103. CONTRATAÇÃO IMEDIATA. Marcenaria de Camboriú precisa de marceneiros e ajudantes. Com Juliano (47) 9948-9477 Ofereço-me para trabalhar como diarista em Camboriú. Com referências. 9600-2862

Motos

Serviços

Anuncie! É Grátis

Precisa-se de instalador de ar condicionado com experiência. Interessados trazer currículo. Fone: 3365-5994 Há vagas para auxiliar administrativo (masculino) e outra para serralheiro e soldador. 3365-2294. Empresa em Camboriú. Precisa-se de manicure. Venha fazer parte da equipe Ketlyn Cabeleireiros. 3365-0721 Precisa-se de técnico de refrigeração automotiva que tenha conhecimento em elétrica é necessário ter experiência. Interessados encaminhar currículo para o E-mail abelardoradiadores.com.br ou ligar (47) 3467-2985 ou 3029-2985 Claudia ou Dilma (Joinville) Procuro emprego de diarista em Camboriú, com ótimas referências. 9996-3330

Veículos

automóveis

Vendo Versales 95 GL, 2.0, álcool, baranco, CD, 4 portas, película, vidro elétrico, V.E., desembaçador, bom estado. 8454-1838 Vendo Bongo K2500 TCI completo, ar quente e frio, 14 mil KM. Ano 2010. 9116-5151 Vendo Peugeot 206 – FELLINI – 2005 – completo, roda, trava, ar, revisado, emplacado, (final 09- Camboriú) - R$ 20.000,00. 9618.0504 (Claro) 8483.3231(Oi) 9650.5533 (TIM)

Vendo Uno Fire, ELX, 2008, branco. R$ 20 mil km, 2 portas, básico, estado novo. R$ 15.500. 8845-3474 Vendo Uno Mille Fire, duas portas, ano 2004/2005, branco, gasolina. R$13 mil. 3365-6733 / 9932-1166 Vendo Uno 96 4p verde ótimo estado – R$ 8.800,00 - 47-8454-8484 Vendo FIESTA 2010, completo! Ar, direção, faróis de neblina, vidros elétricos, alarme. Quitado. Contato: (47) 9902-4054, 9977-1363 Vendo Gol 2011, 1.0, geração 4, branco, flex, 2 portas, c/ ar. 33652250 / 9932-4180 Vendo Astra, 2003, completo, em perfeito estado. 9934-3098 Vendo Golf prata 02/03, completo, revisado. R$ 17 mil à vista. 96087253 / 8426-8153


28

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Segurança

Em busca da pacificação do Monte Alegre Uma operação realizada nesta semana deu início a uma ação que deve ser permanente no distrito. Diferente das forças-tarefa paliativas, onze policiais chegaram para ficar

A

busca por uma nova realidade no Monte Alegre começou às 6h de terça-feira, dia 26. Setenta policiais, em 24 viaturas, saíram do 12° Batalhão da Polícia Militar, em Balneário Camboriú, em direção ao distrito. Eles deram início à operação Camboriú Mais Segura, que foi encerrada ontem, quinta-feira. Mas a promessa é de que, diferente das operações realizadas até agora, esta surtirá um efeito permanente. Onze policiais serão fixos do Monte Alegre. Eles atuarão espalhados pelo distrito, junto com profissionais da Prefeitura, amparados por uma unidade móvel da PM. Estes serão os policiais do Monte Alegre. O objetivo é que se tornem conhecidos da comunidade, que as pessoas saibam a quem recorrer e que a segurança seja constante. Para a Polícia Militar, esta ação é dividida em duas partes. A primeira contou com todo o aparato policial enviado pelo es-

Polícia Militar/Divulgação/LP

Ocupação. Mais de 20 viaturas atuaram no distrito com foco na repressão ao crime

tado e foi realizada durante três dias. A ação contou com a Polícia Ambiental, Bope, Pelotão de Choque, Polícia Montada, cães e PPT, além do efetivo local e do helicóptero da PM. Segundo o tenente Tiago Ghilardi, que comandou a operação, estratégias foram traçadas. “Mapeamos suspeitos, endereços e listamos

foragidos que podem estar no bairro”, explicou. No entanto, a ação não foi facilitada pelos criminosos. Segundo Ghilardi, muitos fugiram do distrito, o que não representa um ponto negativo. “Eles devem ficar longe por muito tempo”, acredita. Mais de 200 suspeitos e 150 veículos foram abordados

até a noite de quarta-feira. Duas pessoas foram detidas e três bares fechados. Segundo o tenente coronel Marcello Martinez Hipólito, comandante do 12° Batalhão, “esta ação em curto prazo, em cima do tráfico, é uma intervenção cirúrgica. Depois vem a homeopatia, que é a prevenção”.

Esta fase começa hoje, sexta-feira, com a instalação da unidade da PM no Monte Alegre e o início do trabalho dos 11 policiais que serão fixos do distrito. “Queremos fazer algo com consistência, não o que a comunidade está acostumada a ver”, salientou. Esta ação, efetiva, tem como foco a prevenção e contará com apoio da Prefeitura de Camboriú, com a qual a PM assinará nos próximos dias um convênio de compartilhamento de poder. Além de policiamento, os moradores devem contar com a presença constante de assistentes sociais e outros profissionais ligados à Prefeitura. A PM pretende detectar outros problemas do distrito. “Serão feitas entrevistas, os policiais irão até as casas dos moradores, conversarão com eles sobre todas as dificuldades enfrentadas”, havia adiantado o capitão Pablo Neri Pereira, comandante da Companhia da PM de Camboriú.

“Espero que não seja temporário” Gustavo Zonta/LP

Unidades. Após a ocupação, onze policiais ficarão fixos no Monte Alegre e atuarão espalhados pelo distrito

Alguns moradores do Monte Alegre custam a acreditar que esta ação será permanente. Acostumados com forças-tarefa que pouco ajudam a evitar crimes, com os altos índices de violência e com o preconceito sofrido pelo distrito, esperam que, desta vez, a polícia chegue para ficar. É o caso de Soni Webber. Ela mora no Monte Alegre há 20 anos e teme que a ação não seja efetiva. “Espero que não seja temporário.

Acho que é o momento de ser feito algo com significância e contínuo, para de certa forma pôr ordem e inibir de vez a ação de pessoas com má índole”, opina. É o que a PM garante que vai ocorrer. “O objetivo é atuar na ordem pública, não apenas no combate à criminalidade”, salienta o comandante da companhia. Para a polícia, a medida é essencial para que haja uma mudança social na cidade.


29

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Segurança

Elas têm 11 e 12 anos, foram estupradas e podem estar grávidas Um dos casos já foi confirmado e autor do crime preso. O segundo teria ocorrido com consentimento da vítima, que vai passar por exames Núcleo de Prevenção às Drogas e à Pedofilia/Divulgação/LP

Vítima. Menina de 12 anos foi estuprada pelo tio, que está preso

H

á dois meses, o tio de uma menina de 12 anos começou a morar com a família em Camboriú. Uma noite, ele entrou no quarto dela e a estuprou. Para que a adolescente não contasse a ninguém o que ocorreu, ameaçou matar toda sua família. Ela ficou em silêncio. Na semana passada, a mãe começou a suspeitar do comportamento da filha e notou que ela havia engordado, a barriga aumentado. Fez com que a menor passasse por um exame que confirmou: ela estava grávida. A menina então contou o que havia corrido. O tio fugiu e o Conselho Tutelar, Núcleo de Prevenção às Drogas e à Pedofilia e polícia foram comunicados. Desde quarta-feira, dia 20, a família procurava pelo pedófilo. No domingo, dia 24, o homem foi encontrado em Blumenau. O mandado de prisão contra ele, emitido pela delegacia de Camboriú, ainda não estava no sistema da polícia. Mesmo assim, ele foi preso porque já estava sendo procurado por outros crimes. O caso surpreendeu até mesmo os profissionais que convivem com este tipo de violência. Manoel Mafra, diretor do Núcleo de Preven-

ção às Drogas e à Pedofilia, diz que o que mais chamou atenção foi o sofrimento da menina. “Ela sofreu calada, sendo ameaçada, e sozinha, percebeu que estava grávida. Viu o corpo mudar e as coisas acontecerem sem poder contar para ninguém”, conta Manoel. Agora a menina vai passar por acompanhamen-

to psicológico e fazer novos exames médicos. A gravidez foi confirmada e a suspeita é de que ela esteja com dois meses de gestação. Isso será comprovado em um ultrassom. A lei possibilita o aborto em caso de estupro de menor. No entanto, o Conselho Tutelar acredita que a família ficará com a criança.

Caso suspeito é acompanhado Outro caso semelhante é acompanhado pelo Núcleo, o Conselho e a polícia. Uma menina de 11 anos, ainda considerada criança, foi estuprada por um vizinho. Segundo informações coletadas até o momento, o crime ocorreu com o consentimento da menor. “Eles começaram a conversar pelo Facebook e marcaram um

encontro. Foi quando teria ocorrido o estupro”, conta Manoel. A menina já passou por um exame de gravidez que apontou a situação como “indeterminada”. Ela voltará a fazer exames para comprovar o fato. O estupro já foi confirmado e o autor está sendo procurado pela polícia.

Se você não vê a hora de arrumar as malas e pegar a estrada, tem algo em comum com o jornalista Fernando Assanti. Por causa de sua paixão por viagens, ele passa a escrever o blog “Olha a placa”, que trará informações sobre roteiros e dicas de locais que vale a pena visitar. Antes de preparar sua próxima viagem, acesse:

www.linhapopular.com.br/blogs/

olhaaplaca

Dez casos em 2013 Nos últimos anos houve uma grande redução dos casos de abuso sexual em Camboriú. Em 2008, foram 94 ocorrências, 76 em 2009, 62 em 2010, 40 em 2011 e 28 em 2012. Este ano, já ocorreram 10 casos de abuso. Foram nove meninas e um menino. Na maioria dos casos, o crime foi cometido com pessoas que têm relações com a família dos menores. Seis casos foram denunciados à polícia.

Fernando Assanti

O que é este quadrado? A caixa com pequenos quadrados pretos e brancos chama-se QR Code. O símbolo serve como um atalho, que pode ser lido pela câmera de celulares modernos e seus aplicativos. A praticidade está em não precisar digitar endereços de internet ou textos longos nos pequenos teclados. Com o aplicativo ligado, basta apontar, esperar o aparelho ler e tocar o atalho que surgir. Para aparelhos com dispositivo Android recomendamos o uso do aplicativo Barcode Scanner. Usuário de iOS, da Apple, podem usar o Qrafter. Já quem tem um Blackberry pode instalar o Blackberry QR-Code Reader.


30

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Esporte

Fotos: Gustavo Zonta/LP

Tricolor é multado em R$ 30 mil por atraso nos laudos

Vai que é tua,

Gabriel!

Todos os clubes do Campeonato Catarinense foram punidos por atrasar a entrega de documentos e estão recorrendo da decisão do TJD

A

novela dos laudos dos estádios dos clubes da Série A do Campeonato Catarinense, que marcou o início da competição, ainda não acabou. Esta semana, o Tribunal de Justiça Desportiva - TJD divulgou a sentença dos julgamentos das equipes e todas foram condenadas a pagar multas. O Camboriú Futebol Clube entrou na lista dos clubes pequenos e foi multado em R$ 30 mil por atrasar a entrega dos documentos. Todos os clubes estão recorrendo da decisão. As equipes foram punidas por não terem cumprido o prazo de entrega dos laudos de seus estádios no início do torneio, o que colocou em cheque a abertura de alguns locais na primeira rodada do Catarinão 2013. Segundo o presidente do Camboriú FC, José Henrique Coppi, a punição já era esperada. Porém, R$ 30 mil é

um valor muito elevado para a realidade financeira do Cambura e inviável de ser pago. “Normalmente, já temos dificuldades econômicas. Por isso, uma multa nesta quantia é uma coisa fora da realidade para nosso orçamento”, afirma Henrique Coppi. Após as punições serem divulgadas, a Associação de Clubes de Futebol Profissional de Santa Catarina - SCClubes, da qual Coppi é vice-presidente, irá recorrer da decisão para que os valores das multas sejam revistos. Além do Cambura, Guarani, Ibirama, Metropolitano e Juventus, considerados clubes menores, receberam multas de R$ 30 mil. Figueirense, Avaí, Chapecoense e Joinville tiveram punições mais severas, no valor de R$ 50 mil. A multa mais alta foi dada para o Criciúma. A equipe do Sul do Estado foi multada em R$ 70 mil.

Robertão sai da disputa para ser CT na Copa do Mundo

Município desistiu porque ampliação do estádio exigida pela Fifa não poderia ser feita até a competição

O

presidente da Fundação Municipal de Esportes, Altamir Montibeller, confirmou na quinta-feira, dia 21, a desistência da cidade na disputa para ser um dos centros de treinamentos de seleções que irão disputar a Copa do Mundo de 2014. De acordo com Montibeller, a desistência se deve à ampliação do estádio Roberto Santos Garcia, o Robertão, exigida pela Fifa. “Hoje, nosso estádio tem 100 metros de comprimento por 64 metros de largura. A Fifa exige, no mínimo, 105m x 68m, só que não temos como conseguir esta metragem em tempo hábil”, afirma Montibeller. Além da falta de tempo, seria necessária uma desapropriação e retirada das casas

localizadas ao lado do estádio, o que exigiria muitos recursos municipais. Apesar de o estádio Robertão não estar mais concorrendo para ser centro de treinamento para a Copa, o projeto de ampliação das arquibancadas, que prevê um aumento na capacidade de público em mais de 100%, passando de 1.550 lugares para 5.300 espectadores, segue em frente. “Estamos em contato direto com o Governo do Estado a fim de liberar o recurso necessário para a ampliação do estádio. Nossa proposta é transformar o Robertão em uma mini arena, visto que as arquibancadas que foram projetadas são em formato de ‘U’”, finaliza Altamir Montibeller.

Goleiro do Camboriú FC, Gabriel Zucki tem feito defesas milagrosas nas últimas partidas do tricolor

C

ontra o Atlético Ibirama no domingo, dia 24, o Camboriú Futebol Clube conquistou um ponto importantíssimo na luta para permanecer na elite do futebol catarinense. O empate em 0x0, fora de casa, veio com muita luta e, principalmente, através das mãos do goleiro Gabriel Zucki. O camboriuense fez defesas milagrosas contra o seu ex-clube e garantiu o empate para o tricolor. A boa fase do goleirão não vem de hoje. Desde a chegada do técnico Claudemir Sturion, que apostou em Gabriel como titular do time, o defensor tem feito a diferença embaixo da trave. São inúmeras defesas difíceis que colocam o goleiro entre os principais destaques do clube nesta campanha no Catarinense.

Gabriel reconhece que a fase é boa e que vive um dos momentos mais marcantes de sua carreira. O atleta acredita que está colhendo os frutos do seu trabalho e também que a boa fase seja reflexo da qualidade de seus companheiros de time. “O mérito é de todo o elenco. Individualmente, acredito que evoluí com os anos, a experiência tem me ajudado, além do trabalho diário”, aponta o goleiro. E a vida na frente das redes não é nada fácil. O técnico Sturion, que apostou no talento de Gabriel, reconhece que o jogador tem sido peça importante do time, mas sabe que goleiro nunca pode falhar. “Não pode se deixar levar, porque se errar, a crítica vem”, afirma o treinador. Assim como o goleiro, Sturion aponta o crescimento do

Treinos. Gabriel credita sua boa fase à experiência e ao trabalho realizado diariamente nos treinamentos

setor defensivo como um dos fatores das boas defesas de Gabriel. “Ele tem recebido o respalto dos nossos zagueiros, isso dificulta para os atacantes adversários e facilita as defesas para ele”, aponta o técnico. Quem conhece Gabriel desde seu início, no projeto Guri Bom de Bola, diz que ele até já teve fases melhores. Hilton José de Moura, preparador de goleiros do Cambura, acompanha o camboriuense há anos. Para ele, o grande diferencial do atleta é a sua disposição para trabalhar. “Ele é um profissional muito dedicado, que gosta de treinar. Essa boa fase é resultado desse empenho”, explica Hilton, que jogou como goleiro profissional durante 18 anos. Conhecedor da posição, Hilton diz que muitos taxam Gabriel como um goleiro baixo. Porém, sua estatura é compensada dentro de campo. “Ele tem uma ótima impulsão e isso acaba superando a sua altura. Tem muita força nas pernas e agilidade”, avalia o preparador, que aproveita para cobrar de seu pupilo. “Tem muito o que evoluir ainda”. Gabriel sabe disso e segue treinando com a disposição de sempre. Sabe como ninguém que vida de goleiro não é nada fácil e que não importa a quantidade de defesas difíceis, as críticas vão aparecer. Agora, sobram elogios.


31

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Esporte

Abut luta para disputar Campeonato Estadual de Futsal

Em Cima da Linha por Gustavo Zonta

Entidade entrou em conflito com a FME em busca de apoio e diretores cogitaram até deixar a Associação. Vice-prefeito Zé Branco interviu e situação deve ser resolvida

Email: gugapz@terra.com.br Twitter: @gugazonta

Gustavo Zonta/LP

Fazendo as contas Domingo, dia 3, contra o Avaí, no estádio Robertão, o tricolor camboriuense faz seu último jogo no Turno do Campeonato Catarinense. Chegando no final desta primeira fase da competição, muita gente pega a calculadora e começa a fazer as contas para saber quantos pontos será preciso para que o Cambura permaneça na Série A do Estadual. O professor Kmarão, matemático e estatístico Valmir Medeiros, possui um blog no site do Diário Catarinense onde tem apresentado as principais estatísticas do Catarinão 2013 até aqui. Vou apresentar algumas para vocês. Para não cair

Conversa. Associação realizou sua primeira reunião de 2013 nesta semana. Pais e alunos participaram do encontro e tiraram suas dúvidas sobre as conversas com o Poder Público

A

Associação Beneficente Unidos por Todos - Abut, que oferece aulas gratuitas de futsal para a comunidade do Monte Alegre há 4 anos, promoveu nesta semana sua primeira reunião em 2013. O principal assunto na conversa com pais e alunos foi um boato de que a entidade iria encerrar suas atividades. Presidente e professores explicaram para a comunidade que a Associação entrou em conflito com o Poder Público em busca de mais apoio, que a diretoria até cogitou deixar a entidade, mas que a situação está sendo resolvida. O presidente da Abut, Umberto Sell, explica que a entidade está lutando para garantir um direito adquirido com os resultados do ano passado. Em 2012, o time de futsal sub-9 da Abut firmou uma parceria com o colégio Cecam e conquistou o quarto lugar no Campeonato Estadual de Futsal. Com o resultado, a entidade esperava um

apoio mais amplo do Poder Público este ano. “Fomos em busca do apoio da Fundação Municipal de Esportes, que nos auxiliou com transporte no ano passado, e nos informaram que outra associação iria participar do Estadual em todas as categorias e, com isso, nossa participação no campeonato estava ameaçada”, conta Umberto. Diante desta notícia, o professor de futsal da Abut, Cássio Tavares, ficou revoltado e decidiu deixar a associação. Depois de uma reunião com o vice-prefeito José Rodrigues Pereira, o Zé Branco, acabou voltando atrás. “A cidade não tem recursos para apoiar associações em todas as modalidades, é preciso igualdade de condições. Isso compromete nossa participação no Estadual”, aponta Cássio, que completa dizendo que a Abut não tem recursos próprios para disputar o torneio sem a parceria da FME. De acordo com Umberto, a diretoria da Abut se reuniu

com o vice-prefeito, Zé Branco, e o presidente da FME, Altamir Montibeller, para discutir a situação. Durante a conversa, ficou definido que a entidade teria seu repasse de recursos revisto pelo Poder Público. Segundo o vice-prefeito, na próxima semana ele deve se reunir com a prefeita Luzia Coppi e com Montibeller para ver a possibilidade de aumentar o recurso para a Abut. “Além de precisar de mais apoio para disputar o Estadual, a entidade também necessita de mais recursos para atender as crianças do projeto social”, explica Zé Branco. Atualmente, a entidade atende cerca de 150 crianças, sendo que existem 80 na lista de espera para participar da escolinha de futsal. Em viagem a São Paulo, o presidente da FME disse que ainda não sabe qual vai ser a mudança no repasse da Abut. Montibeller ressaltou que a Fundação apoia todas as associações de forma igualitária e que elas enobrecem o esporte local. “Não tem prioridade para ninguém. Repassamos a verba e as associações definem onde investir os recursos. Além disso, nas nossas possibilidades, auxiliamos com transporte para competições”, finalizou Montibeller. Se o repasse para a Abut for realmente revisto, a entidade deve disputar o Estadual na categoria sub-11 e ir em busca de apoio também para a sub-9.

Segundo os cálculos do professor Kmarão, para as equipes garantirem a permanência na Série A do Catarinense será preciso atingir 20 pontos na tabela de classificação. O Cambura já conquistou sete pontos nesta caminhada e ainda pode conquistar mais três, se bater o Avaí no domingo. Sem levar em consideração os pontos desta partida, o Camboriú FC precisar conquistar mais 13 pontos em dez partidas para garantir seu lugar na elite do futebol catarinense. Vai precisar vencer os jogos decisivos em casa e buscar pontos fora. Hoje, o tricolor , na lanterna, está com 51% de risco de ser rebaixado. Para a Série D Já com relação à tão sonhada vaga na Série D do Campeonato Brasileiro, o caminho é bem mais árduo. De acordo com as contas do professor Kmarão, para brigar por uma vaga na D é preciso atingir os 27 pontos na classificação geral. Ou seja, o Cambura teria que fazer mais 20 pontos nos próximos dez jogos. Hoje, as chances matemáticas do Camboriú chegar lá são de apenas 5%. Quem está melhor na corrida estatística são as equipes do Metropolitano, de Blumenau, e do Juventus, de Jaraguá do Sul, que tem 39% de chances de ficar com a vaga na Série D. Mais um Não bastasse o golaço sobre o Santos de Neymar em pleno estádio Pacaembu, agora o lateral esquerdo Rodolfo Testoni marcou de novo pelo Paulista, de Jundiaí, e novamente em cobrança de falta. O gol foi na partida contra o Atlético Sorocaba, na sexta-feira, dia 22. O time do camboriuense venceu a partida por 3x1. O gol em cobrança de falta foi o terceiro do time no jogo, que marcou três gols em sete minutos ainda no primeiro tempo. Com os bons desempenhos, Rodolfo ganhou a titularidade no time e segue se preparando para o próximo jogo, marcado para o dia 9, contra a Penapolense. Depois, o Paulista encara o Palmeiras. Todos ao Robertão Chegou a hora de empurrar o tricolor. No ano passado, o time bateu o Avaí em casa e quer manter o retrospecto em 2013. Domingo, às 16h, todos os caminhos levam ao estádio Robertão. Os ingressos estão à venda na Papelaria Ferreira, em frente à Prefeitura. As entradas custam R$ 30 para a arquibancada coberta, com meia entrada a R$ 15. Se não der para ir ao estádio, acompanhe a partida pelo rádio. Na frequência 1290 AM, o jogo é transmitido pela Rádio Camboriú, na voz de Heraldo Filho. Na 100,5 FM, Miguél Inácio narra todos os lances na Rádio Menina.


32

Jornal Linha Popular - Camboriú, 1º de março de 2013

Cidade

Lar busca recursos para construção de uma área de lazer para idosos

D

Lar da Terceira Idade Padre Antônio Dias realiza eventos para arrecadar recursos e fazer melhorias na instituição, que atende 35 idosos. Saiba como você pode ajudar

esde que o Lar da Terceira Idade Padre Antônio Dias foi criado, há 18 anos, ele vem recebendo melhorias. De acordo com a coordenadora do Lar, Paola Regina Hoffmann, isso ocorre porque a demanda de atendimentos vem crescendo. Hoje, são atendidos 35 idosos – a maioria com limitações físicas e/ou mentais. O maior projeto da equipe do Lar agora é construir um terceiro piso, onde será a área de lazer da entidade. “Uma área de recreação é muito importante para os idosos”, aponta Paola. Ela completa: “Nosso objetivo aqui é acolher os idosos, que eles se sintam bem, que sejam tratados com respeito”. Para a manutenção do Lar e também para a realização das melhorias, a equipe conta com a colaboração da comunidade, que faz doações durante o ano. Para levantar recursos, são realizados ainda alguns eventos. O mais re-

cente, um brechó no bairro Areias, teve R$ 5.700 em arrecadação. “Este foi um brechó atípico. Conseguimos um valor maior porque recebemos doações de lojas e empresas – C&A, Hering e Calçados Reinert”, explica. No dia 10, a equipe da instituição vai realizar mais um evento: o bingo de Páscoa. O

bingo será realizado no Salão Paroquial do centro, às 14 horas, com cartelas a R$ 10 (duas por R$ 15). Paola explica que quem tiver interesse em colaborar pode doar cestas de Páscoa ou o valor correspondente a uma, que é de R$ 60. “A participação no dia do bingo também nos ajuda bastante”, destaca a coordenadora.

Outras formas de ajudar Durante todo o ano, o Lar recebe doações de roupas para os idosos, material de limpeza e de expediente. Agora, com o planejamento de ampliar o local, você pode contribuir com valores para a reforma, assim como indicar se tem possibilidade de doar materiais de construção. Outro objetivo da equipe que pode ser alcançado com sua ajuda é a troca de camas para os idosos. Paola explica as de ma-

deira serão trocadas por camas de ferro, com uma proteção reforçada. “Isso evita quedas, que podem trazer problemas sérios para eles”, esclarece. Já foram adquiridas oito camas, mas são necessárias outras 26. Para conhecer o Lar e seus projetos de melhoria, entre em contato pelo telefone (47) 3365 1528 ou faça uma visita – o Lar da Terceira Idade fica na rua Cel. Benjamim Vieira, 447, no centro.

Naiza Comel/LP

Mais espaço. Hoje, área de convivência é utilizada também para as festas e comemorações do Lar


206