Issuu on Google+

Integrar é o caminho Roberto Ghione

A sociedade brasileira afunda na desintegração social e este processo fica evidente na violência que assola as grandes cidades, no avanço do crime organizado e no abismo que separa as condições urbanísticas de diferentes setores. A reação natural, elementar e primária da sociedade menos vulnerável é a de autodefesa. Diante da sensação de insegurança, a proteção individual e familiar ganha destaque e protagonismo até o ponto de virar psicose social. Criam-se aparatos que alimentam uma próspera indústria da segurança acompanhada da correspondente extorsão, que cria dificuldades para vender facilidades. A arquitetura e o urbanismo refletem, na construção da cidade, este processo que prioriza a segurança como condição de projeto. Edifíciosfortaleza, condomínios fechados e paisagens urbanas de muros, portões e guaritas definem a maioria das cidades contemporâneas brasileiras. Criou-se um circuito viciado em que edifícios excludentes e antissociais alimentam a própria marginalidade e propiciam a violência urbana ao propor estruturas defensivas e desestimulantes do convívio cidadão e da natural apropriação e vivência dos espaços públicos. Em nome da segurança cria-se mais insegurança, afastam-se as pessoas do convívio social, fomenta-se o deterioro das calçadas e do mobiliário urbano e decreta-se a morte da cidade como lugar de manifestação social cotidiana e coletiva. O resultado é uma sociedade individualista, egoísta e narcisista, carente de qualquer rasgo de humanidade e de respeito pelo próximo carente, e uma cidade sem alma, dominada pelos automóveis, sem espaços públicos que estimulem a natural apropriação das pessoas. A sociedade atingiu um estágio no qual resulta preciso virar o jogo se queremos evoluir para um grau elementar de civilidade. O paradigma da defesa torna-se contraproducente para o objetivo de urbanidade almejado. Integrar é o caminho a iniciar: estimular a inclusão social, dignificar e priorizar as ações nas periferias e favelas, desenvolver efetivas políticas de promoção social, propiciar o uso misto, investir no melhoramento ostensivo do espaço urbano, fomentar o transporte público eficiente e qualificado, restringir o uso do automóvel. De igual forma, substituir a cultura do individualismo pela sociabilidade, do egoísmo pela solidariedade, da exclusão pela inclusão, da cidade segregada pela cidade aberta, do automóvel pelo pedestre e do interesse particular e mesquinho pelo geral e solidário na procura de uma sociedade melhor.

O desafio é possível. Cidades como Bogotá e Medellín superaram, em curto período de tempo, realidades ainda mais adversas com determinação


política, favorecimento do interesse geral, planejamento persistente e qualidade arquitetônica e urbanística ostensível. O urbanismo com planejamento de longo prazo e a arquitetura qualificada e participativa são caminhos comprovadamente eficientes para empreender uma mudança radical em direção a uma sociedade sadia e uma cidade civilizada. Roberto Ghione é arquiteto e diretor do IAB/PE www.vprgarquitetura.com.br


INTEGRAR É O CAMINHO