Page 1

PORTFOLIO Jo達o Matos 2007-2012


NOME DADOS DE NASCIMENTO

João Daniel da Ponte Martins Graça de Matos 22 de Junho de 1982, Porto, Portugal

CONTACTOS MORADA TELEMÓVEL E-MAIL

ESTUDOS ACADÉMICOS SOFTWARE

Rua 31 de Janeiro, nº 86 R\C, 4490-533 Póvoa de Varzim 918846624 / 964222910 joao.d.matos@gmail.com Licenciatura em Arquitectura pela Universidade Lusíada do Porto Autocad 2D/3D (avançado), Revit (bom), Archicad (bom), Photoshop (avançado), inDesign (bom), Corel (bom), Office (bom).


4_5

HABITAÇÃO INDIVIDUAL

ULP 1º ano - Prof. Mendes Pinheiro

6_7

RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS

ULP 2º ano - Prof. João Cardoso 8_11

HABITAÇÃO COLECTIVA

ULP 3º ano - Prof.ª Carla Carvalho

12_15

CENTRO DE PRODUÇÃO EXPERIMENTAL

ULP 4º ano - Prof.ª Susana Barbosa 16_19

ALOJAMENTO RURAL

ULP 5º ano - Prof. Miguel Malheiro


HABITAÇÃO INDIVIDUAL Um dos projectos propostos no 1º ano consistiu numa habitação individual. A localização correspondia a um lote situado na margem do rio Douro, na cidade do Porto. A diferença de cota entre a rua e a base do terreno é de 10 metros, o que coloca restrições a nível de acesso e organização espacial do programa. Sendo o seu cliente potencial o músico Pedro Abrunhosa, projectou-se o piso de entrada como sendo a área de projecto, com uma superfície vidrada de grandes dimensões, direccionada para o rio. O piso -1 corresponde à área de estar, com a cozinha e sala em espaço aberto. Os pisos -2 e -3 são os quartos, enquanto que o piso térreo é completamente aberto, de forma a proporcionar um espaço de usufruto.

4


Alรงado sul

5

Alรงado oeste


RESIDÊNCIA PARA ARTISTAS No segundo ano, o projecto aumentou de complexidade, consistindo numa residência para 10 artistas permanentes. As funções encontram-se distribuidas nos diferentes corpos que compõem o edifício: as habitações encontram-se secção sul; as valências de apoio, tais como as salas de trabalho, biblioteca e refeitório, localizam-se na secção central; o anfiteatro, com lotação para 110 pessoas, está situado na zona norte. O local comum proposto foi a região baldia

O conceito partiu da distorção de um corpo

adjacente à universidade Lusíada do Porto,

paralelepipédico, e consequentes ramifica-

uma antiga pedreira.

ções. Esta é uma perspectiva desconstructivista, relacionando-se directamente com a arquitecta de referência, Zaha Hadid. Foi igualmente pedido um artista convidado, tendo sido escolhido o escultor Bruce Beasley. As suas obras apresentam muitas vezes características diferentes, como ângulos proeminentes ou curvas suaves; procurou-se assim integrar esta dualidade no edifício.

6


Planta de implantação

7

Alçado sul


HABITAÇÃO COLECTIVA O projecto do 3º ano tinha como objectivo a criação de edifícios habitacionais, sendo necessário integrar o conceito de pátio. O local escolhido correspondia à área existente entre a Casa da Música e a estação de metro. Decidiu-se por projectar blocos de apartamentos, de forma a que o projecto se adaptasse à envolvente, pois esta é constituida por edifícios com vários pisos. A disposição dos novos blocos foi também estudada a partir da radiosidade do centro da praça Mouzinho de Albuquerque. Tal permitiu criar conjuntos que formam espaços semi-privados. Todo o piso térreo encontra-se reservado para serviços e comércio, sendo a sua função a de atrair transeuntes que de outra forma não passariam por aquele local.

Vista tridimensional do bloco Este. Estudo preliminar dos painéis que revestem os alçados das habitações. Numa primeira fase consistiam em painéis deslizantes em vidro, tendo-se optado na versão final por painéis de alumínio perfurado.

8_9


Planta de implantação


10

planta piso 0

planta tipo


Alçado voltado para o pátio interno

Alçado voltado para a estação de metro

11

planta módulo T2


CENTRO DE PRODUÇÃO EXPERIMENTAL Propôs-se para projecto do 4º ano um Centro de Produção Experimental, sendo este um núcleo de apoio às indústrias criativas, relacionando-se com as artes cénicas. Localiza-se entre as pontes D. Luís e a ponte do Infante, em Gaia. As referências da envolvente são escassas, sendo o elemento mais predominante o Mosteiro da Serra do Pilar. É a partir deste que se escolhe o local e a forma da proposta, assim como os quarteirões que rematam a malha da cidade. A maioria do programa situa-se no piso superior, fazendo com que exista grande visibilidade para o rio Douro a partir da cota de implantação. A forma do edifício reflecte a organização interna do mesmo; os dois maiores volumes são as boxs, e cada secção representa um departamento específico, como o de realização plástica ou o de interpretação, entre outros.

12_13


A zona ribeirinha entre as duas pontes encontra-se actualmente descaracterizada, com prédios construídos ilegalmente e muitos em condição de ruína. Decidiu-se eliminar as construções ainda existentes, sendo esta uma situação que iria acontecer brevemente na realidade. De forma a possibilitar o acesso entre a cota junto ao rio e a superior, projectaram-se plataformas que interconectam estruturas com acessos verticais. Esta solução permite uma deslocação rápida, ao mesmo tempo que protege o terreno, classificado com REN e RAN.


planta piso 0

planta piso 1


Alรงado sul

14_15

Pormenor construtivo


ALOJAMENTO RURAL No 5º ano, a área de intervenção alargada abarcava o concelho de Melgaço. Decidiu-se intervir na freguesia de Castro Laboreiro, mais especificamente na aldeia de Pontes. Escolheu-se a reabilitação para alojamento rural de duas habitações devido a vários factores: a maioria das edificações da região encontram-se abandonadas e/ou descaracterizadas - a sua reconversão permite o reaproveitamento dos espaços e das técnicas e materiais construtivos; para além disso o turismo possibilita o investimento necessário para se efectuarem os trabalhos. O programa divide-se um duas funções principais. Uma das habitações é reabilitada de forma a servir de módulo base para alojamento noutras estruturas, conforme se venha a revelar necessário. Uma outra habitação recebe a função de cozinha pública, para usufruto dos caminhantes que estejam alojados. A função de refeitório e zona de estar estão presentes num novo volume. Este foi concebido, pois as funções pretendidas não teriam o melhor tratamento numa pré-existência. Como mecanismo de atracção, criou-se um percurso pedonal que compreende uma grande porção de um caminho já existente, atingindo outras aldeias da freguesia.

16_17


Planta de implantação após reabilitação

Planta de implantação original


Piso -1

18_19

Piso 0

Piso 1


Pormenores construtivos


PORTFOLIO Jo達o Matos 2007-2012

Portfolio Arquitectura João Matos  

Portfolio dos meus trabalhos de arquitectura, efectuados na Universidade Lusíada do Porto

Advertisement