Page 9

LIDERANÇA NO FEMININO | Julho de 2019

Um pouco por todo o mundo a aquicultura tem sido alvo de fortes críticas dos ambientalistas. Como relacionam a vossa aposta no setor com a vossa mensagem de sustentabilidade?

A Bluegrowth vai criar, em Portugal, o primeiro centro de excelência de robótica submarina. É uma resposta à incipiente taxa de adesão tecnológica, nas atividades emergentes ligadas ao mar?

É verdade. Sabemos que muitos dos modelos produtivos são deficientes, por isso torna-se pouco responsável embandeirar em arco a sustentabilidade da atividade. Mas tudo tem um caminho para melhorar e o setor tem vindo a percorrê-lo a passos largos.

O incremento das taxas de adoção tecnológicas nas atividades emergentes ligadas ao mar não é uma opção, é um imperativo!

A necessidade de alimentar a população mundial obrigará a que se produza mais proteína na água. É expectável que os modelos se produção de intensifiquem. O que não é expectável é que o façam sem um forte suporte tecnológico. As abordagens inteligentes são o braço direito para se alcançar abordagens sustentáveis. As tecnologias de informação têm um papel determinante nesse exercício. Cabe-nos a nós, desenvolver soluções competitivas e que sejam possíveis de ser democratizadas. Estar no mercado global da robótica submarina é um passo importante para a vossa empresa? Sem dúvida! A internacionalização das empresas portuguesas é um passo decisivo para a sustentabilidade da economia do país. Procuramos abordar os mercados internacionais com a aposta numa estratégia de Piggy-Back, ou seja, estabelecemos parcerias com empresas que nos permitam estender o nosso portfólio, ao mesmo tempo que podemos introduzir as nossas tecnologias nos seus produtos. É um modelo de parceria, baseado na cooperação tecnológica, que nos permite a alcançar vários mercados, beneficiando dos canais de venda dos nossos parceiros. Adicionalmente, temos o nosso portfólio de produtos estendido à oferta dos nossos parceiros, permitindo-nos atuar como distribuidores e gerar valor nos mercados em que operamos. Eu venho da Literatura e das Ciências Sociais, como formação de base, e possuo interesses muito diversos e até contraditórios, às vezes. É como a minha relação com o mar. Seria incapaz de viver sem ver o mar, no entanto é uma relação contemplativa, não passa por navegá-lo. Já o mar profundo… adorava conhecê-lo. O desconhecido sempre me motivou a ir mais além e a estimular os outros a irem para além das suas fronteiras.

A nossa abordagem segue o propósito de darmos um contributo para eliminar as barreiras ao incremento das taxas de adoção tecnológica. Em Portugal, a aplicação da robótica submarina na eficiência produtiva das atividades económicas ligadas ao mar está condicionada pela falta de respostas na manutenção, reparação de equipamentos e formação das pessoas. “Imaginem o que seria viver num país sem escolas de condução e oficinas para a reparação e manutenção de automóveis! Temos a certeza de que o acesso aos automóveis seria condicionado a uma elite com sérios desafios para manter o seu património.” Ora, é isso que acontece no que se refere à robótica submarina. Por exemplo, se um aquicultor português investir num ROV, a curto prazo é confrontado com o facto de não existir oferta formativa que responda às necessidades de capacitação dos seus colaboradores, e a médio prazo é confrontado com a inexistência de serviços manutenção e reparação dos seus equipamentos. A nível académico, em Portugal, na faculdade de engenharia da Universidade do Porto e no Instituto Superior Técnico, existem bons trabalhos científicos e bom desenvolvimento de competências. A nossa missão é converter esse potencial em negócio, apoiando a democratização de tecnologias que são essenciais para o desenvolvimento sustentável da Economia do Mar. Estamos convictos de que vamos conseguir superar estas barreiras, criando condições para que, também, o investimento tecnológico seja sustentável. Recentemente foi também anunciado a aposta na economia social. Em que consiste o projeto? Quais as áreas de atuação? Apostar em projetos de inovação social permite-nos gerar valor ao mesmo tempo que combatemos as assimetrias que afetam muitos daqueles com quem partilhamos o planeta.

7

Profile for Sandra Arouca

Liderança no Feminino - Julho 2019  

Liderança no Feminino - Julho 2019  

Advertisement