Page 1

Dezembro 2017 Ano XXI | Nยบ 91


PALAVRA DA DIRETORA

Querida Comunidade Educativa, A vida é mesmo feita de escolhas, escolhas por ação ou omissão, escolhas, muitas vezes, difíceis, mas necessárias, escolhas que podem mudar totalmente as nossas vidas. Em 2017, eu escolhi aceitar o enorme desafio de dirigir pedagogicamente a escola que me abraçou mais de 20 anos atrás e me colocou no colo, que abraçou meus filhos e também os colocou no colo. Sabia que nada seria fácil, que haveria muito trabalho, que haveria de enfrentar situações não desejáveis e tomar decisões que agradariam a uns e não agradariam a outros. Mas também sabia que seria (e estou sendo) muito feliz podendo contribuir para a constante evolução de uma escola centenária que se atualiza diariamente acompanhando as necessidades pedagógicas e afetivas dos seus alunos e familiares. Além disso, não se pode esquecer dos colaboradores, a quem espero ajudar em seus desafios diários. Agora, escolho fazer um balanço desses meses e o saldo é extremamente positivo; percebemos os professores empenhados, a equipe de coordenação atuante, famílias presentes, funcionários dedicados, alunos felizes. E é nesse clima de sentimento de “dever cumprido” que encerramos 2017, tendo força e coragem para iniciarmos 2018 com mais garra ainda, com mais empenho ainda; agora, conhecendo melhor os anseios da comunidade educativa e buscando alcançar objetivos que não foram possíveis de serem atingidos este ano. Desejo que tenham um Natal abençoado, com muita paz, amor e alegrias! Ao ano novo que vem pela frente, que ele seja frutuoso, próspero e carregado de amor.

EXPEDIENTE O AconteLiceu é uma publicação do Colégio Liceu Salesiano Nossa Senhora Auxiliadora com distribuição interna. Diretor: Padre Fernando Campane Vidal Projeto Gráfico: Agência Papagaio Revisão: Profª Margarete Alves Edição: Agência Papagaio Departamento de Marketing: Maria Julia Kassab Curti

Estou à disposição de todos, sempre com o coração feliz e sempre de portas abertas para as escutas que se fizerem necessárias para a continuidade do trabalho que está sendo maravilhosamente desenvolvido por todos nós, professores, funcionários, familiares e também por nossos queridos alunos. FELIZ NATAL! FELIZ 2018!!!

“Eu não disse que seria fácil. Apenas disse que valeria a pena” Dom Bosco

2

Diretora Pedagógica 3


MINHA H I S TÓ R I A

L I C EU PLU R A L

O TRABALHO EM EQUIPE

COMO UMA ESTRATÉGIA DE ENSINO E APRENDIZAGEM

De camiseta branca com uma logomarca em que vários triângulos formavam um coração, e short vermelho, parti para o Liceu. A roupa não era um simples uniforme, era o uniforme da Educação Infantil onde minha história de estudante começou. Lembro-me de que sempre escutava minha avó e minha tia enaltecerem: o seu avô, Hélio Martini, estudou no Liceu. Os preparativos e a ansiedade eram grandes. Cada caderninho que eu acompanhava a minha mãe envelopar, com aquele famoso plástico xadrez azul, me fazia ter um tremendo frio na barriga, de medo e ao mesmo tempo de curiosidade de estar em um lugar com vários amigos. Que época deliciosa, em que a inocência tomava conta da minha cabeça. As lembranças no Ensino Infantil são várias. Nunca esqueci o nome da coordenadora: Tia Renata. Uma pessoa amorosa, que me acolheu quando o frio na barriga por estar longe de casa veio à tona de verdade, no primeiro dia de escola. Já no Ensino Fundamental, as responsabilidades começaram a surgir, mas a mais gostosa era o famoso Dia da Piscina. Quando eu saía de casa a caminho da escola, levava na mochila não apenas os cadernos, mas também toalha e sunga. Que delícia era o Dia da Piscina! Acho que minha paixão pelo verão começou aí! O Dia dos Pais, hoje conhecido como o Dia da Família, foi uma experiência extraordinária e marcante. Participei com o meu pai de um concurso de soltar pipas. Bingo! Fomos campeões. A alegria era tanta que eu vibrei mais com os olhos emocionados do meu pai, por estar ao meu lado nesta conquista, do que com o próprio título. Nestes primeiros parágrafos parece que a escola foi feita apenas de momentos de diversão, mas não! Fui uma criança que teve muita dificuldade em se concentrar nas aulas, o que acabava me prejudicando nos resultados dos estudos. Mas me esforçava muito, estava sempre na média, embora nunca tenha sido o “primeiro” aluno da sala. 4

Um mês que era muito esperado por todos os alunos era o mês de celebração de Maria. Cada sala de aula recebia uma imagem de Maria, que era levada para a casa de cada aluno. No final da passagem pelas casas, os professores sorteavam, pelo número (geralmente eu era o número 5 ou 6 da lista de chamada), qual aluno a ganharia. Era uma expectativa muito grande. Sim, um dia fui sorteado e até hoje a imagem da Maria está na parede do meu quarto na casa dos meus pais. Outra lembrança impossível de esquecer, tal qual o cheiro do plástico xadrez que envolvia os cadernos, era o sabor das pizzas de queijo que passei a comprar nos recreios (nessa época em que éramos pré-adolescentes chamávamos de intervalo). Minha história no Liceu se estendeu até o Ensino Médio. Nesse período, mais rebelde, eu contestava o uso do uniforme. Hoje vejo que era uma tolice de pensamento, não? Tão mais prático. No último dia de aula, quando saía o boletim, voltávamos para casa com as assinaturas de todos os alunos na camiseta, como forma de lembrança dos colegas de sala.

Na sociedade atual, cada vez mais as pessoas tendem a viver em seus próprios mundos com a correria do dia a dia em busca de alcançar seus objetivos. Com isso, muitas pessoas deixaram de se preocupar com os outros a sua volta, canalizando suas preocupações e conquistas para si ou suas famílias. A partir disso, começou-se a se concluir que a escola teria o papel fundamental de trabalhar com seus alunos a importância de saber conviver e trabalhar em grupo.

Fui construindo o meu caminho na vida adulta e conquistando meu espaço no mundo empresarial. Hoje atuo no mercado com a minha própria agência de publicidade.

Ao longo do século passado, grandes pensadores da educação como Piaget, Vygotsky e Paulo Freire já acreditavam que a aprendizagem dependia de uma ação de mão dupla, ou seja, atividades como o trabalho em equipe poderiam ajudar no desenvolvimento integral da criança, colaborando para o seu desenvolvimento emocional, cognitivo e principalmente o social.

Tive a oportunidade de retornar à Casa Salesiana em dois momentos. O primeiro foi quando passei no vestibular do Unisal, em que cursei a graduação em Direito, simultaneamente à graduação em Propaganda e Marketing. O segundo momento, tão especial quanto o primeiro, foi quando vim trabalhar na área de comunicação do colégio Liceu, por meio da agência de publicidade Papagaio.

E como a grande parte da vida a criança passa na escola, este é um ambiente propício para tais conquistas. É normal que, durante esse percurso, situações de conflitos aconteçam até a criança entender a importância de respeitar o outro e saber ouvir.

A maior lição que aprendi no Liceu, que carrego comigo hoje e para o futuro, é o sentimento de AFETIVIDADE. Replico este sentimento diariamente, nas minhas rodas de amigos e no meu trabalho. Aprendi que um abraço bem apertado cura tudo.

Mediante experiências em grupo, o indivíduo aprende que, ante algo objetivo, podem - se adotar diferentes pontos de vista, que tais pontos de vista são, no entanto, correlatos, e que as diversas observações extraídas não são contraditórias, mas complementares. A partir disso, pode-se

Bruno Martini

Elaine Santos e Ana Flávia Pereira da Silva

afirmar que o indivíduo que intercambia em grupo suas ideias, com seus semelhantes, tende a organizar de maneira operatória seu próprio pensamento. O grupo favorece o desenvolvimento do chamado pensamento operatório. (Minicucci, 1997). Com base em muitos estudos, a escola pôde ter a comprovação de que trabalhos em grupos são benéficos, não só nas atividades em sala de aula, mas também nos momentos de brincadeiras em que a criança se encontra fora dela, ou perante qualquer tipo de conflito que tenha que se deparar. No Liceu Plural, trabalhamos com as atividades em grupos com o intuito de desenvolvermos tais habilidades nas crianças, seja na realização das atividades pedagógicas, no desenvolvimento dos trabalhos de Artes e até mesmo nas rodas de conversa. É perceptível nestes momentos o quanto o grupo em si se ajuda e evolui ao expor suas opiniões e principalmente respeita as opiniões contrárias a ele. Nos momentos de lazer, com as brincadeiras cooperativas, é possível auxiliar os alunos a deixarem de lado a competitividade, seletividade e individualismo, fazendo com que todos trabalhem juntos. Nossa principal meta como educadores é utilizarmos esses jogos cooperativos para desenvolvê-los por meio de uma visão holística do ser, trabalhando aprimoramentos em três dimensões: motora, socioafetiva e cognitiva. 5


L I C EU PLU R A L

A globalização da l i n gua

i n g l e s a

Sendo assim, os alunos do infantil 2 ao 5° ano do Liceu Plural realizaram algumas atividades durante o mês de setembro que pudessem compreender que a língua inglesa vai além de um conhecimento para agregar no currículo, mas que também pode unir pessoas em qualquer lugar do mundo e facilitar o entendimento cultural de cada continente. Através do planisfério montado na sala de aula, cada ano ficou responsável por um continente e, após assistirem aos vídeos de pessoas ao redor do mundo mostrando um pouco da sua cultura local e imagens que caracterizam alguns países, os alunos coloriram imagens relacionadas aos seus continentes e colaram no planisfério.

Atividade como essa tem como objetivo enfatizar a relevância da língua inglesa nos tempos atuais, não só com o objetivo de enriquecimento curricular, mas também como instrumento de comunicação através de povos de diferentes culturas. Concluindo, fica a seguinte reflexão: o que o impede de buscar seus sonhos? O que se torna barreira para você atingir seus objetivos? A língua inglesa cria vínculos, abre portas e facilita na comunicação, ela deixou de ser uma barreira e passou a ser um caminho! Talita Oliveira é instrutora de inglês da Educação Infantil e do Liceu Plural

Hoje em dia, sabe-se da importância da fluência do idioma inglês ao redor do mundo, não só para utilização no mercado de trabalho, mas também para facilitar a comunicação e diminuir a barreira existente entre diferentes culturas. A língua inglesa é o terceiro idioma mais falado no mundo, perdendo apenas para o mandarim e o espanhol. Segundo uma pesquisa realizada pelo Fundo de Populações das Nações Unidas (FNUAP), em 2013, existiam cerca de 7,2 bilhões de habitantes no mundo e, dentre essas, 700 milhões falam inglês como idioma oficial ou segunda língua. Sabe o que isso quer dizer? Que uma a cada 5 pessoas tem o inglês como língua nativa, segunda língua ou língua estrangeira. Entretanto, um fato curioso sobre nosso país, divulgado pela Revista Exame em Janeiro de 2016, é que apenas 3% da população brasileira têm fluência no idioma inglês e, alguns fatores como falta de tempo ou dinheiro foram citados pela revista a fim de justificar esse índice tão baixo. A revista ainda afirma que a forma como somos ensinados atrapalha no aprendizado, no qual alguns cursos utilizam de metodologias ultrapassadas com a intenção de formar professores de inglês e não comunicadores. É por isso que o Liceu Salesiano Nossa Senhora Auxiliadora juntamente com o Liceu Plural vem desenvolvendo uma metodologia inovadora e diferenciada, na qual os alunos podem desenvolver suas habilidades e conhecimento da língua estrangeira inglesa, através de atividades lúdicas, brincadeiras, livros com conteúdos enriquecedores, etc. Como mencionado no início, o inglês também é de relevante importância para estreitar relacionamentos e unir culturas. Cerca de 55 países no mundo falam inglês como primeira ou segunda língua e, dentre esses, dois estão entre um dos 10 destinos mais visitados no mundo em 2016, segundo uma pesquisa divulgada pela Organização Mundial de Turismo. 6

7


L I C EU PLU R A L

Liceu Plural

orientação na transição

“O papel da autoridade democrática não é, transformando a existência humana num “calendário” escolar “tradicional”, marcar as lições de vida para as liberdades, mas, mesmo quando tem um conteúdo programático a propor, deixar claro, com seu testemunho, que o fundamental no aprendizado do conteúdo é a construção da responsabilidade da liberdade que se assume. ” Paulo Freire

Gabriela Brunozi Amador é Assistente Pedagógica do Liceu Plural 8

A passagem dos alunos do 5º ano do Ensino Fundamental 1 para o 6º ano do Ensino Fundamental 2 acarreta mudanças bem perceptíveis, novos professores e disciplinas com conteúdos mais complexos e aprofundados, acompanhados de transformações físicas, que representam um desafio para os alunos e familiares. A ansiedade, dúvidas e curiosidades são comuns para os alunos que estão prestes a enfrentar esta nova etapa escolar. Contam agora com onze professores diferentes com os quais os alunos terão 50 minutos de aula por dia. Cada um com seu jeito próprio de trabalhar, sua linguagem, tarefas e trabalhos para casa. A quantidade de materiais e lições aumentam significativamente, além das mudanças na relação dos alunos com seus professores e com a rotina escolar, esse período também coincide com a entrada na adolescência. Tantas alterações podem refletir no desempenho escolar, nesta fase são frequentes oscilação de humor, comportamento e até estilo. Pesquisadores indicam que é comum que alunos dos 6ºs anos apresentem um rendimento abaixo do esperado nesse período de transição, além de frequentes esquecimentos das lições e trabalhos para casa. A apreensão dos alunos em relação a essa nova fase é completamente aceitável, pois as transformações são muitas. Com tantas novidades, o Liceu Plural organizou uma rotina para atender esses educandos, em que eles desenvolvem habilidades importantes

para a vida adulta, como lidar com as diferenças, organizar prioridades, fazer escolhas e muitas outras. Cientes de todas essas mudanças e dispostas a proporcionar aos estudantes uma adaptação mais tranquila e agradável, as assistentes pedagógicas do Liceu Plural promovem, no final de todo ano letivo, um período de aproximação entre os alunos dos 5º e 6º anos para que possam conhecer e ter contato com a nova rotina. Os alunos participam de rodas de conversas nas quais tiram dúvidas com os veteranos do 6º ano, participam de aulas extras experimentais, almoçam no restaurante do colégio com mais independência e experimentam a liberdade de se locomoverem pela escola entre as aulas do Liceu Plural e intervalos do almoço e lanche com maior autonomia. São proporcionados muitos momentos de integração entre as turmas os quais permitem que os alunos vivenciem de fato a verdadeira rotina do Ensino Fundamental 2. Ao aproximar os alunos do 5º ano das experiências que estão por vir e proporcionar momentos lúdicos no encerramento dessa etapa, acaba funcionando como um ritual de passagem e os alunos realmente se sentem mais seguros diante do novo. Todo esse trabalho tem como objetivo auxiliar no desenvolvimento da responsabilidade, da organização e da autonomia, garantindo avanços na postura, nas relações sociais, na aprendizagem e no desenvolvimento pessoal dos alunos em um ambiente de respeito mútuo com muito espaço para o diálogo e confiança.

9


L I C EU PLU R A L

Paloma de Souza Almeida e Patrícia Amorim dos Reis são assistentes pedagógicas do Liceu Plural

LIVROS:

Um mundo de imaginação

Na atual cultura tecnológica em que estamos inseridos e com tantos meios nos forçando a fazer parte dessa nova área promissora, introduzir essa geração no mundo da leitura e conseguir influenciá-la a se apaixonar pelas tramas das histórias contadas pelos autores com emoção tornou-se um grande desafio para nós, educadores, que trabalhamos na sala de aula. Os tablets e os celulares com os incontáveis joguinhos, as séries nos canais pagos, os aplicativos, os vídeos e canais no YouTube, o WhatsApp... São tantas novidades e é tanto encantamento pelo imaterial que o livro muitas vezes acaba sendo esquecido na estante no fundo da classe. O mais curioso disso tudoé que o livro de histórias carrega consigo um mundo de imaginação que os nossos pequenos nem sempre sabem que existe. É através dos livros que eles conseguem mergulhar na fantasia. Podem ser quem eles quiserem, podem viver na história fazendo parte do contexto e até se imaginar sendo o personagem que inconscientemente mais lhe chamou a atenção. A partir da leitura do livro, é possível conhecer diferentes culturas, histórias e lugares que são distantes não apenas no tempo, mas também em localidade geográfica. Além disso, podemos conhecer o mundo da fantasia, aquele que descreve animais que falam, castelos mágicos, poderes, florestas encantadas. Esse mesmo mundo da fantasia que eles tanto adoram assistir pelas telinhas, o livro consegue transmitir em histórias que eles subjetivamente irão interpretar através do próprio imaginário. Quando lemos um livro para uma criança, estamos desenvolvendo a sua capacidade interpretativa e seu raciocínio ativo, além de estarmos também estimulando a sua criatividade, comunicação, memória e imaginação. 10

O leque de histórias é extenso, sendo assim é possível trabalhar vários aspectos que cabem dentro da necessidade de cada criança ou turma. Conhecemos os livros tradicionais, que trazem as histórias e contos de fadas populares que são tidos como leitura obrigatória os quais já trazem com eles uma ideia pronta da mensagem que querem passar. Por outro lado, muitos são os livros também que trazem histórias as quais a criança pode formar a sua opinião e ter como fundamentá-la. São os casos dos livros que são contados pela visão do “vilão”, em que a criança pode comparar as duas versões da história e resolver qual é o lado errado (ou se é que existe alguém errado), o caso dos livros interativos que através das perguntas que você responde no decorrer da história te leva para uma página diferente, e até mesmo livros que começam de trás para frente. A importância da leitura na infância se dá pelo fato de ser a responsável, desde os anos iniciais da criança, por construir o universo da imaginação no interior dela. Pela capacidade que ela desenvolve em compreender e interpretar o que foi lido, conseguindo mais tarde reproduzir aquilo que foi contado e expressar através de desenhos ou brincadeiras o que aprendeu. A leitura amplia o vocabulário da

criança e o conhecimento amplo de sua língua. Além de ser algo divertido por trazer alguns dialetos regionais, erros propositais de escrita e por tornar possível diferentes vozes e entonações durante a leitura. Nessa perspectiva, a formação de um leitor acontece através de ambientes favoráveis. No Liceu Plural, possuímos livros de diversos gêneros e faixas etárias que ficam disponíveis ao alcance das crianças. Tal variedade de história nos proporciona oportunidades para aplicar atividades reflexivas e interpretativas as quais farão as crianças refletirem e aprenderem sobre o tema abordado. Assim, as atividades ministradas pós leitura se fazem tão importantes quanto as demais atividades aplicadas no setor, pois o assunto é retomado com a criança através de rodas de conversa fazendo com que ela absorva o conteúdo trabalhado. Na escola, a leitura em grupo oportuniza diferentes pontos de vista contribuindo para que as crianças descubram e representem o mundo através da leitura. Como a leitura é tão importante, interessante e ao mesmo tempo desafiadora, nós, como Assistentes Pedagógicas do Liceu Plural, com muita responsabilidade, buscamos estratégias diversificadas que ajudam intensamente no processo de formação de leitores. 11


EDUCAÇÃO INFANTIL

Professoras do infantil 1

No segundo semestre, o infantil 1 se preparou para receber um amigo muito especial, “O Elmer, um elefante xadrez”. O trabalho, elaborado para o eixo de Matemática, propõe o desenvolvimento do Projeto Cores e Formas, com o objetivo de desenvolver a linguagem oral, sequência numérica, estimular a capacidade de criar ideias e hipóteses sobre aquilo que buscam desvendar no processo do conhecimento, reconhecer e nomear as cores e figuras geométricas, explorar e classificar as formas dos blocos lógicos, desenvolver as habilidades de previsão, checagem, percepção, localização espacial, discriminação visual, além de proporcionar a valorização da amizade, do respeito ao próximo, da solidariedade e o respeito às diferenças. O projeto foi iniciado com a confecção e decoração de uma caixa onde as professoras colocaram o amigo Elmer (um elefante confeccionado de tecido colorido) e seu livro “Elmer, o elefante xadrez”.

A caixa foi escondida nos jardins da escola e os alunos saíram à procura para descobrir o que havia dentro dela. Após encontrarem a caixa, sentaram em roda e, de mão em mão, a hipótese sobre o que havia dentro foram lançadas. Essa argumentação foi registrada e o grupo de crianças organizou um registro de um texto com a hipóteses de cada um, e assim, momentos maravilhosos de descobertas e possibilidades aconteceram.

Além de divertir a atividade possibilitou situações de reflexão sobre algumas questões matemáticas, como a memória, discriminação visual, a percepção espacial e corporal, fundamentais para a aprendizagem da geometria, além da interdisciplinaridade com as áreas de Língua Portuguesa e Artes, presentes na atividade. Durante a realização desse projeto, os alunos compartilharam com suas famílias levando para casa o amigo Elmer e suas histórias, assim como um caderno de registro para construírem juntos o “Diário do Elmer”, que ficou repleto de aventuras vivenciadas com todos os alunos da turma e suas famílias.

Depois de muita curiosidade, finalmente o amigo Elmer chegou e os alunos tiveram a oportunidade de conhecer e brincar de elefante colorido, bingo das cores, blocos lógicos e, na culinária, fizeram “Gelatina Colorida”. Na atividade bingo das cores, cada aluno confeccionou sua cartela. Aproveitamos essa brincadeira para dividir com os avós dos alunos, em um dia especial no nosso colégio “Dia dos Avós”, proporcionando um momento de troca e aprendizagem entre os alunos e seus avós.

12

13


EDUCAÇÃO INFANTIL

EDUCAÇÃO INFANTIL

Vamos brincar com o vento?

TRABALHANDO A MATEMÁTICA NO INFANTIL MIRIM Se pararmos para observar, a matemática está presente no nosso dia e nem percebemos. Pode ser de forma simples como cozinhar e fazer compras ou complexa como cálculos e projetos estruturais.

A Educação Infantil do Liceu leva a sério essa história de brincadeira! Através do brincar, a criança é capaz de se expressar e experimentar o mundo a sua volta da maneira mais natural possível, tornando-se uma ferramenta importante para o seu desenvolvimento e ponte para a sua aprendizagem.

do de lado. Assim, como parte do projeto Espelho, Espelho Meu... desenvolvido na área de movimento, as crianças refletiram sobre as brincadeiras que podem ser feitas com o ar em movimento e confeccionaram brinquedos como: disco, cata - vento e o avião de papel. Brinquedos simples, mas com uma grande possibilidade de exploração.

Com essa base, a proposta do Caleidoscópio (material da Rede Salesiana para a Educação Infantil), possibilita a exploração de diversos materiais e brincadeiras, para que as crianças ao experimentarem vários materiais consigam desenvolver suas habilidades e explorar o meio a sua volta. Somos privilegiados com um grande espaço externo que temos e, por isso, o contato com a natureza nunca é deixa-

Para brincar foi preciso criar estratégias como, por exemplo, procurar um lugar mais alto para jogar o avião, perceber a posição do vento para girar o cata-vento e utilizar a força nas mãos para jogar o disco. As crianças se divertiram muito com esses materiais e criaram brincadeiras significativas para todos.

Experiências desafiadoras incentivam a explorar ideias, levantar e testar hipóteses, construir argumentos de maneira cada vez mais elaborada. Pode ser através da noção de espaço do próprio corpo, da lógica dos brinquedos, do ritmo das músicas, das comparações durante as descobertas e das estratégias dos jogos e das brincadeiras.

Professoras do Infantil 2

Assim, independente da idade, as crianças demonstram curiosidade infinita por conhecer tudo o que está à sua volta. Foi pensando nisso que os alunos do Infantil Mirim vivenciaram, durante o segundo semestre de 2017, o Projeto Cores e Formas. O trabalho teve o objetivo de proporcionar, de maneira lúdica, o contato das crianças com as cores e algumas formas geométricas que estão presentes no cotidiano delas. Um dos recursos utilizado foi a Matemoteca do Liceu, uma sala com muitos materiais e jogos que apresentam a matemática sob um novo ângulo, de forma lúdica e divertida. As crianças puderam explorar diversas figuras geométricas que compõem o universo das cores e formas. Foi um aprendizado muito rico para todos!

Na Educação Infantil, a aprendizagem matemática se dá a partir da curiosidade e do entusiasmo das crianças e cresce em função do tipo de experiências vivenciadas nas aulas.

Gláucia Salaar é Professora do Infantil Mirim 14

15


EDUCAÇÃO INFANTIL

Biomas brasileiros e defesa da vida

O tema “Biomas brasileiros e defesa da vida” desperta muita curiosidade a respeito da imensa biodiversidade do nosso país, bem como a beleza e cultura de seus povos. Durante o ano de 2017, as turmas da educação infantil buscaram descobrir e tomar consciência da importância dos 6 biomas (Amazônia, Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga, Pantanal, Pampas) e o bioma Marinho, refletindo sobre a riqueza existente em cada um deles e também a destruição causada pelo homem. Pois, somente após conhecê-los que se aprende a valorizar. Tal preocupação está evidente na campanha da fraternidade de 2017, com o tema “Fraternidade: Biomas Brasileiros e defesa da vida e lema: cultivar e guardar a criação (GN 2,15). Com isso, a proposta da campanha é levar a sociedade a conhecer os biomas brasileiros e defender a diversidade da fauna e flora que, em todos os biomas, se encontra ameaçada de extinção. A apropriação e discussão desta temática com as turmas da educação infantil foi fundamental para desenvolver nas crianças, desde tenra idade, um senso de responsabilidade e valorização da vida, bem como educar para que exerçam 16

sua cidadania de forma livre e consciente. Muitas atividades foram propostas ao longo do ano para que as criancas apliassem seus conhecimentos. Dentre as atividades realizadas pelas turmas do infantil 3, em especial, destacamos a culinária típica dos povos indígenas presentes no bioma Mata Atlântica: “sorvete de guaraná” e a culinária típica do bioma Pantanal: “chipa” e o plantio da muda de Ipê presente em diversos biomas brasileiros. Em tudo que foi realizado, houve muito envolvimento dos alunos, além de ser possível explorar a interdisciplinaridade dos diversos eixos do conhecimento propostos pelo material Caleidoscópio, como: Matemática, Língua Portuguesa, Natureza e Sociedade, Movimento e Artes. Afinal, sabemos que segundo o RCNEI (Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil), “Os assuntos trabalhados com as crianças devem guardar relações específicas com os níveis de desenvolvimento das crianças em cada grupo e faixa etária e, também, respeitar e propiciar a amplitude das mais diversas experiências em relação aos eixos de trabalho propostos”. Nesse sentido, os alunos puderam realizar diversas experimentações e enriquecer sua aprendizagem.

RECEITAS

SORVETE DE GUARANÁ:

CHIPA:

- 2 latas de leite condensado; - 1 garrafa de Guaraná (2 litros). Bater os ingredientes no liquidificador e levar ao congelador por 6 horas.

- 500g de polvilho doce; - 100g de manteiga; - 200ml de leite; - 400g de queijo “meia-cura”; - 1 colher de sal; - 2 ovos. Em um refratário grande, mexa os ovos, acrescente o polvilho, o queijo e o sal. Junte a manteiga e amasse com as mãos até formar uma “farofa” grossa. Adicione o leite aos poucos, até ficar uma massa homogênea (talvez não precise utilizar todo o leite e nem todo o sal, experimente!). Quando a massa estiver desgrudando das mãos, faça bolinhas pequenas e, após, rolinhos para então ficar no formato de “chipa”. Deixe assar, em média, 15 minutos em temperatura 220º.

17


ENSINO FUNDAMENTAL 1

Welbe O. Bragança, Ph.D. é Geneticista

DEUS, A CIÊNCIA E EU Semana das Profissões LICEU 2017 5ºs anos Fundamental 1

No último mês de agosto, na Semana das Profissões, tive o privilégio de ser convidado para falar um pouco aos alunos dos 5ºs anos do Fundamental 1 sobre o trabalho de um Cientista. Segundo o que meu filho contou, os alunos votaram sobre qual profissão gostariam de ouvir neste ano e o título de “Cientista” ganhou com muitos votos. Que alegria ver o quanto a curiosidade por descobrir, experimentar e conhecer o mundo reina na cabeça dessas crianças de forma tão aguçada. Foi justamente a partir dessa curiosidade que pudemos abordar um pouco do “universo” onde habitam os cientistas. Um Cientista vive da curiosidade, do desafio diante do mistério, da vontade de descobrir e entender tudo à sua volta e do fascínio pelo conhecimento. Mas o que isso tem a ver com o título que demos à palestra? Partindo do título “Deus, a Ciência e Eu“ perguntei a eles o que “Deus” tinha a ver com a vida de um cientista e com uma semana das profissões ou com as escolhas profissionais que eles farão no futuro tão próximo. A partir daí pude compartilhar com eles a minha visão sobre a relação entre Deus, a Ciência e cada um de nós. Pudemos conversar rapidamente sobre como funciona a ciência, que caminhos trilhou para explicar o surgimento do Universo, da Terra e da vida, e como é o trabalho de um cientista na prática. Vimos através de um desfile de Personalidades da História da Ciência alguns exemplos de Cientistas famosos que as crianças já tinham ouvido falar e o que eles fizeram e descobriram que mudou as nossas vidas. Falamos também que, desde o início da humanidade, o homem, movido pela curiosidade, pesquisa, investiga, descobre, e inventa coisas. Vimos que grande parte des18

ses pensadores eram vinculados à Igreja, pois era a Igreja quem estimulava e financiava a pesquisa como uma forma de conhecer cada vez mais o mundo que Deus criou. A nossa sociedade, política, ciência, tecnologia, arte e filosofia surgiram todas da curiosidade humana e do estímulo que a igreja deu para se PESQUISAR e conhecer a obra criada por Deus.

Retomei com eles a ideia de que o próprio Deus colocou dentro de cada um de nós a curiosidade e a paixão pelos mistérios da natureza para entendermos como devemos cuidar de tudo que Ele fez e como devemos viver dentro do mundo criado por Ele. Como eu disse, cada um de nós tem um pequeno cientista dentro do coração.

Citamos grandes feitos de grandes personalidades, tanto no passado quanto no presente, que deixaram seu nome na história da Ciência e que eram fiéis e tementes ao Criador, Leonardo da Vinci, Thomas Edison, Louis Pasteur, Isaac Von Newton, Kepler, Wernher von Braun e muitos outros.

É isso aí, um cientista vive da curiosidade! Vive para estudar e desvendar os mistérios do mundo, entender o mundo e inventar coisas a partir daquilo que descobre!

Após mostrarmos o quanto a humanidade mudou a partir dos descobrimentos que cientistas fizeram conversamos sobre o que é necessário para ser um cientista no futuro. Citamos o que faz um Físico, um Químico, um Biólogo, Bioquímico, Botânico, Zoólogo, Paleontólogo, Citologista, Biologista Molecular, Geneticista, Engenheiro, etc. Concluímos que tudo foi feito por Deus e para Ele, para sua Glória e louvor. E tudo feito e entregue nas mãos de um mordomo perfeito, nós, que deveríamos, a partir de então, cuidar, conhecer, estudar, explorar e usufruir muito bem de tamanho presente. Deus criou tudo para nós e preparou tudo como algo único e exclusivo. Conversamos que se mexermos de um lado e destruirmos parte disso, sentiremos do outro lado. Algum preço iremos pagar, cedo ou tarde, por não cuidarmos bem desse mundo maravilhoso criado por Deus. Mesmo assim, o homem com toda a sua arrogância e ganância tem estragando tudo. Estragamos quando desobedecemos a Deus e destruímos e não cuidamos de sua criação, estragamos quando não vivemos da maneira que Ele quer que vivamos, estragamos com nossa indiferença a Ele.

Por fim, conversamos sobre o essencial nessa questão da escolha da profissão: Mais importante do que a escolha profissional é escolher fazer aquilo que lhe empolga, que não lhe cansa, que lhe dá muito prazer e satisfação em realizar ao ponto de trabalhar e sentir como se estivesse brincando. Outra questão é de sermos responsáveis pelo que foi colocado, por Deus, em nossas mãos para cuidar, utilizando nossa profissão a favor disso! Refletimos que mais do que ganhar dinheiro, mesmo que ganhar dinheiro seja importante, nossa profissão vai tomar uma parte tão significativa da nossa vida que, se for possível ajuntar ao mesmo tempo o trabalho e o lazer, poderemos ter uma vida profissional feliz, divertida e fantástica! Assim, Deus, Ciência, Trabalho e Carreira estão interligados e não podemos separar. Somos únicos e especiais, cada um foi criado do seu jeito, de modo a desempenhar bem o seu papel nesse mundo. Obrigado ao LICEU pela oportunidade de compartilhar isso com nossas crianças e por valorizar e ensinar esses valores para tantos, e em especial, para meus filhos. 19


ENSINO FUNDAMENTAL 1

Educação Física Escolar A Educação Física Escolar é um componente curricular da educação básica caracterizada pelo ensino de conceitos, princípios, valores, atitudes e conhecimentos sobre o movimento humano na sua complexidade, nas dimensões biodinâmica, comportamental e sociocultural. Os princípios e valores que devem fundamentar a Educação Física escolar são: universalização, inclusão, diversidade, individualidade e cidadania. O compromisso com a solidariedade, a tolerância e o respeito pelo outro são aspectos valorizados na formação dos estudantes e devem ser repassados, por meio de uma Educação Física bem orientada, alicerçada na qualidade técnica, na ética e no compromisso dos docentes.

A Educação Física Escolar constitui um excelente espaço que proporciona diferentes situações, em aula, que lhes possibilitem vivenciar, por meio do movimento corporal, variadas formas de organização, resolução de problemas, emoções, sentimentos, participações individuais ou em grupo. A Educação Física na escola favorece, por meio do jogo, da dança ou da ginástica, o autocontrole, a autonomia, a socialização, a cooperação, o respeito às regras, o respeito às diferenças e as limitações individuais, como também possibilita a transformação da criança e a formação da personalidade e da cidadania. Como exemplo, apresentamos alguns projetos da Educação Física Escolar do Fundamental 1: Projeto Brincando com a psicomotricidade; Projeto Folclore passado mágico; Projeto construção de brinquedos com sucata; Projetos interdisciplinares (Respiração, Brincando com a matemática, Orientação de mapas, Aprendendo valores através dos jogos cooperativos e África: Jogos e brincadeiras); Projeto Esporte meus primeiros passos: Futebol, Voleibol, Handebol, Basquetebol, Ginástica artística, Atletismo, Lutas; Projeto Construção de jogos e Atividades recreativas na piscina.

Vivemos um desafio histórico de avançarmos na concepção de uma Educação Física para poucos, para a concepção de uma Educação Física para todos, cuja garantia de direitos se fundamente em uma escola com qualidade social. Democratizar a participação nas aulas de Educação Física Escolar é resgatar o conceito de cidadania como eixo norteador das práticas educativas e sociais. Dessa forma, o educador transforma-se em mediador e facilitador na transmissão da cultura, tornando-se uma educação pelo meio e não por um fim. Visto que a Educação Física é considerada como um componente curricular, precisa encontrar e construir uma relação didático-pedagógica necessária, para que o processo ensino-aprendizagem se torne significativo. Faz-se necessário, para tanto, a construção de uma proposta curricular (plano de ação) galgada na ação pedagógica e não somente na aula por si só ou inserida no horário escolar. Com esse planejamento, conduziremos o educando à autonomia para a cultura de movimento no contexto social. Daniel Simões Rebello é Professor de Educação Física 20

21


ENSINO FUNDAMENTAL 1

Cartilha “Educação para os pátios virtuais” (RSB Escolas) A Rede Salesiana Brasil de Escolas (RSB-Escolas) lançou oficialmente, no dia 20 de outubro deste ano, a cartilha “Educação para os Pátios Virtuais”. Trata-se de um subsídio com orientações importantes para pais e educadores sobre como acompanhar e educar crianças e jovens para o uso saudável das redes sociais. O material traz dicas de boas maneiras e uso seguro das principais redes e aplicativos de mensagens instantâneas, além de orientações de prevenção ao cyberbullying.

CONSCIENTIZAÇÃO: INTERNET SEGURA

URGENTE!

O arquivo em PDF está disponível para download no site do Liceu, na seção de Notícias (aba Veja mais notícias).

Internet Segura: tema delicado, polêmico... Devido à necessidade de informações e conscientização, o professor Marcos Rogério (Educação para o pensar) e as professoras dos 4os e 5os anos elaboraram um projeto apropriado para esses alunos. O projeto é riquíssimo, pois possibilitou aos educandos a reflexão e debate desse tema (os alunos trabalharam em grupos). Durante algumas aulas, houve várias discussões as quais levaram os alunos a perceber a necessidade urgente de atitudes conscientes, além de extrema prudência na utilização de recursos eletrônicos (redes sociais, navegação na internet, games e muitos outros). Dando sequência ao desenvolvimento do projeto, os alunos elaboraram uma apresentação repleta de informações. 22

Cada equipe deu ênfase a suas peculiaridades, demonstrando toda aprendizagem conquistada. Esse projeto foi realizado nos meses de junho e agosto e as apresentações aconteceram na sala de aula.

“Consciência presente - Internet prudente”! Marcos Rogério é Professor de Educação para o pensar – EF1

“É preciso ter em mente que a educação para os pátios virtuais é um processo a médio e longo prazo, que integra a educação dos jovens como um todo. Os valores, crenças e comportamentos que orientam os jovens, nos vários momentos da vida, costumam se refletir no seu comportamento on-line. No geral, quanto mais próximos e influentes os pais forem dos ¬ filhos, mais eficaz será a prevenção. E isso se atribui, também, aos educadores. (...) Acima de tudo, conhecer os ¬ filhos (seus desejos, expectativas, objetivos, esperanças etc) e fazer com que eles conheçam os adultos de sua família. Os níveis adequados de comunicação na família não se constroem em situações de emergência; quando essa situação se apresenta, já devem estar consolidados. A comunicação constante é essencial para a convivência familiar e as boas relações cotidianas.

É importante que os menores compreendam o direito dos outros, seus limites e os respeitem. Na RSB-Escolas (Rede Salesiana Brasil – Escolas), busca-se desenvolver uma postura humana em nossos educandos, posto que nossas unidades são confessionais, guiadas pelos valores de Jesus e pelo carisma de Dom Bosco e de Madre Mazzarello. O jovem está no centro da educação salesiana e, além da formação acadêmica e cientí¬fica, que o prepare para o mundo do trabalho e para o ensino superior, nossos educadores contribuem para fazer aflorar o que há de mais positivo da essência humana de cada estudante, formando-o para uma saudável convivência social, numa intensa parceria entre escola e família”.

(Cartilha “Educação para os Pátios Virtuais / RSB - Escolas - 11. Educar para o mundo digital é educar para o mundo; 11.2 Buscar uma intensa comunicação intrafamiliar; 11.3 Educar para a sensibilidade). 23


ENSINO FUNDAMENTAL 1

“Deus nos colocou no mundo para os outros”

Dom Bosco

Artes e Educação para o pensar

Alunos dos 4º e 5º anos, na semana de 18 a 22/09, foram convidados a participar do Concurso de Desenho promovido pela CGU (Controladoria Geral da União), com a temática: “Todo dia é dia de Cidadania”. O objetivo desse concurso é promover, nas escolas públicas e particulares, uma reflexão sobre o papel do adolescente na construção da cidadania.

e, posteriormente, o desenvolvimento das ilustrações referentes à temática proposta pelo concurso. Para o edital do concurso, será enviado um desenho por ano escolar, que será selecionado pela comissão interna do colégio. A segunda etapa do concurso consiste na seleção dos três desenhos destaques de cada série (para apreciação e valorização do projeto realizado).

Com o apoio e incentivo das professoras de 4º e 5º anos, foi possível realizar o trabalho Interdisciplinar (Artes e Educação para o pensar) o qual proporcionou aos alunos uma reflexão

Dessa forma, pretende-se, já nessa fase em que os educandos se encontram, instigar a reflexão, o debate e sobretudo a promoção da justiça e igualdade entre todos os seus pares.

24

Giovana, Marli e Marquinhos são Professores da Coordenação do Ensino Fundamental 1 25


ENSINO FUNDAMENTAL 1

ENSINO FUNDAMENTAL 1

RICA VIVÊNCIA

Semana profissional

INTENSA EXPERIÊNCIA 4ºS ANOS

Todos os anos, é realizada, nas turmas do Ensino Fundamental 1, a Semana Profissional em que pais e familiares vão até a escola para partilhar suas experiências no mercado de trabalho e curiosidades sobre suas profissões. Para iniciar, as crianças dos 4ºs anos da manhã receberam Ana Carolina Kassab de Aquino, que é formada em hotelaria, mas atua como Gerente de Projetos na empresa IBM. Demonstrou através de vídeos e imagens as pesquisas na área tecnológica e suas contribuições para a sociedade e para a educação. Continuando esta semana especial, as turminhas dos 4ºs anos da tarde receberam Fábio Messana, que é advogado e Karina Zanneti, que é química. Depois de um bate-papo descontraído acerca das profissões, as crianças esclareceram dúvidas, e os participantes reforçaram a importância dos estudos e da qualificação profissional nos dias de hoje. Professoras dos 4ºs anos 26

Os alunos dos 5ºs anos visitaram a exposição “Paisagem na coleção do MAM/Museu de Arte Moderna de São Paulo”, no Instituto CPFL/Campinas. Tiveram a oportunidade de apreciar sessenta e nove obras de cinquenta e três artistas de grande relevância no cenário artístico nacional, entre eles Alfredo Volpi, Di Cavalcanti e Tarsila do Amaral. Observaram de forma cronológica a pintura mais antiga “Paisagem” de Quirino da Silva, de 1929 e outras posteriores feitas nas décadas de 1930 e 1940 pelos artistas Aldo Bonadei, Alfredo Volpi, entre outros. Nas décadas de 1960 e 70, viram paisagens mais expressivas dos artistas Iracema Arditi e Fulvio Pennacchi. A partir dos anos 80, perceberam que os artistas transitavam entre obras mais fiéis à realidade e à liberdade inventiva, utilizando outros suportes e materiais em suas criações e os alunos tiveram contato com as obras dos artistas Dudi Maia Rosa, Roberto Feitosa etc.

Ampliaram seu repertório artístico, sua percepção visual e puderam estar diante de grandes obras. Trabalhamos em sala de aula as questões trazidas pelos alunos, uma questão importante abordada foi a importância da arte para retratar paisagens, pessoas em diferentes períodos da história, a importância da conservação das obras e valorização de espaços que conservam essas obras. Discutimos também a importância de criarmos espaços onde seja acessível a quem não tem condições de frequentar, com entrada gratuita. Estimular uma relação direta entre os alunos e exposições de arte, museus ou galerias, contribui para uma experiência rica em aprendizagem e conhecimento. Nossos alunos têm contato com reproduções artísticas em todas as aulas de artes através da lousa digital, porém essa experiência direta permite que as crianças criem possibilidades de ampliar e sensibilizar o seu olhar, além de enriquecer suas experiências, aumentando o entendimento da realidade que as cerca. Marli e Giovana são Professoras de Arte do Ensino Fundamental 1 27


ENSINO FUNDAMENTAL 2

Alunos Liceu no

9° Concurso de Desenho e Redação

da Controladoria Geral da União No segundo semestre deste ano, os alunos do Ensino Fundamental II tiveram a oportunidade de participar do 9° Concurso de Desenho e Redação da Controladoria Geral da União. Desenvolvido todos os anos, o concurso tem como objetivo trabalhar com os alunos temas importantes para o exercício da cidadania, conforme afirma descrição presente no site Criança Cidadã - Portalzinho da CGU: “O objetivo da iniciativa é despertar nos estudantes o interesse por assuntos relacionados ao controle social, à ética e à cidadania, por meio do incentivo à reflexão e ao debate destes assuntos nos ambientes educacionais”. Desta forma, a participação dos alunos – que contribuíram com suas produções na modalidade redação – reflete a importância da atividade de produção textual e o alcance que um texto produzido em sala de aula pode ter.

Para trabalhar com o tema “Todo dia é dia de cidadania”, escolhido pelos organizadores do concurso para o ano de 2017, as professoras de Técnica de Redação discutiram o assunto com os alunos. Por meio de coletâneas textuais, conversas, exibição de filmes, as professoras abordaram o tema, de modo que os estudantes pudessem contribuir com exemplos do próprio cotidiano relacionados aos atos de cidadania, de preocupação e de cuidado com o próximo e com a natureza. Após a correção das redações, foram selecionados quatro textos, um de cada série do Ensino Fundamental II, para que fossem inscritos no concurso. Seguindo as normas do edital, apenas um texto de cada série deveria ser inscrito, porém, parabenizamos todos os participantes, que abraçaram a proposta e se empenharam nas produções textuais. Apresentamos a seguir os textos selecionados e que participaram do concurso: 6° ano C – João Guilherme Sulinscki; 7° ano A – Isabela Bartolomucci Mulato; 8° ano C – Giovanna Santos Pinto Coelho e 9° ano C – Julia Campoli Sacco. Parabenizamos os destaques de cada ano e continuamos na torcida para que o ato de escrever seja sempre um meio de se comunicar com o mundo e de expressar seus próprios pensamentos!

Aline, Célia, Cláudia, Isabel e Janaína são professoras de Técnica de Redação do Ensino Fundamental II 28

29


ENSINO FUNDAMENTAL 2

30

31


ENSINO FUNDAMENTAL 2

32

33


ENSINO FUNDAMENTAL 2 “Quando estamos lendo, nós nos esquecemos de tudo que está ao nosso redor, Nós nos concentramos tanto no drama vivido pelas personagens, que temos a sensação de também estarmos dentro do livro.” Nicole Fredericci do Amaral

O prazer da

“Ler é se colocar no lugar de outra criatura, seja ela concreta ou abstrata. É sentir o que ela sente, é viajar sem sair do lugar. É através dos livros que podemos conhecer o mundo, outras culturas e diferentes pontos de vista. Ao ler posso “viver”, “ver” e ter sensações inexplicáveis.” Maria Paula Viana Araújo

Em tempos tão tecnológicos, em que tantos jogos com alta definição, APPs e redes sociais encantam os jovens educandos, que os livros, com suas tradicionais linhas, mesmo aquelas também dispostas nos modernos e-books, parecem cativar pouco, e é cada vez mais raro encontrar jovens que demonstram paixão pela leitura. Apesar disso, durante o trabalho desenvolvido pelos 8º e 9º anos do EF2, para o qual os alunos puderam escolher obras juvenis que atendessem à proposta do trabalho, foi com muita felicidade que pudemos observar jovens redescobrindo o prazer da leitura, enquanto outros ainda se mostraram verdadeiramente encantados por esse prazer tão antigo. 34

Minha experiência com a leitura não é das melhores, pois não gosto de ler, porém devo admitir que pela primeira vez eu consegui ler com prazer o livro escolhido para o meu trabalho. É muito clichê dizer isso, mas você viaja para outro universo com a leitura e eu consegui realmente “sentir” essa viagem. Entendi o que o protagonista estava sentindo no momento e compreendi seus problemas e emoções. É de suma importância a proposta de trabalhos como esse, pois o aluno pode realmente aprender a gostar de ler.” Paulo José Pereira Brito

Cada título escolhido e aprovado atendeu à proposta, não apenas por ter estimulado a leitura e interpretação dos adolescentes, mas por ter mostrado como o jovem se torna apto à leitura, sem medo ou insatisfação. Ao contrário, seu olhar fica treinado para perceber todos os detalhes do enredo com julgamento crítico, a ponto de terem realizado até mesmo ótimas comparações entre livros e suas adaptações para o cinema com argumentos bem estruturados. Além, é claro, de terem compartilhado conosco desse grande prazer. A criatividade foi marcante em cada etapa desenvolvida, e o resultado foi maravilhoso.

“A literatura é uma arte bela por tocar o emocional, trazendo alegria, tristeza, suspense, entre tantas outras sensações. Pela leitura podemos nos desconectar do mundo, ir a diferentes épocas, viver muitas aventuras. Atualmente as pessoas se esquecem disso, do valor dessa arte; trocam-na pela modernidade dos eletrônicos. Elas dizem que hoje em dia ler é ultrapassado, mas para mim não faz sentido ignorar a riqueza da arte, do sentimento, da criatividade e da paixão implícita em cada palavra, que dá a obra tanta singularidade e nos cativa. Trabalhos como esse mantêm a arte e o amor pelas palavras, mantêm vivo, dentro de nós, o amor pela literatura e pela leitura.” Marianna Brasil Cláudia e Isabel são Professoras de Língua Portuguesa e Técnica de Redação 35


ENSINO FUNDAMENTAL 2

Essa análise foi realizada através de debates, leitura do paradidático “Irmão Negro”- livro infanto juvenil de Walcyr Carrasco e o estudo do meio no museu Afro de São Paulo, sob a supervisão das disciplinas de História, Ensino Religioso e Educação para o pensar. A proposta para os 8º e 9ºanos consistiu na avaliação do filme “O preço do amanhã”, O filme se passa no futuro, em uma realidade onde o tempo é a moeda de troca para sobreviver, ou seja, qualquer tipo de pagamento é feito por tempo, seja em segundos, minutos, horas, anos ou décadas, através de um aparelho que coleta esse tempo. Todo ser humano nasce com um cronômetro no pulso que aos 25 anos dispara uma contagem regressiva e ainda para de envelhecer nessa idade, assim, a riqueza corresponde a quantidade de tempo de vida que cada pessoa tem, então os mais ricos podem viver centenas de anos e colecionar seus bilhões de horas, enquanto os mais pobres trabalham por cada hora a mais de vida. A dinâmica proposta favoreceu um espaço de interação e debates com elementos históricos para análise.

Projeto dos 6ºs aos 9ºs anos sobre

ANÁLISE DE FILMES Educação para o pensar, Ensino Religioso e História O filme “As vantagens de ser invisível”, proposto aos educandos do 6ºano, narra as pequenas, porém grandes batalhas diárias de um adolescente que ao sentir-se invisível, deseja inclusão. De maneira leve alguns temas importantes são abordados, apesar de aparentemente tratarem de problemas simples enfrentados na adolescência, como fazer novos amigos, pertencer à um grupo e até um primeiro amor, o filme aborda ainda temas mais complexos, como traição, preconceito, morte, abuso sexual e distúrbios mentais, bullying e drogadição. O desenvolvimento da exibição é acompanhado das intervenções e debates dos professores responsáveis. Já o longa metragem “Histórias Cruzadas”, direcionados ao público de 7ºano representa a proposta Interdisciplinar: “Brasil/África- História: suas conexões e combate ao preconceito” e cujo filme, narra a produção de uma obra pelo ponto de vista das empregadas domésticas dos anos 60. Essas figuras, sempre negras de baixa renda e moradoras de subúrbio, sofriam ainda mais discriminação que os demais afrodescendentes da cidade. Não só havia regras quanto brancos falarem com negros, mas também como a utilização de transportes públicos e ocupação de demais lugares. Com as domésticas, a discriminação não se encontrava somente na rua, mas também em seu trabalho. Elas mantinham as casas dessas mulheres brancas, limpas, seguras e fartas em comida, além de cuidar de suas crianças. No filme, há um momento no qual uma das personagens levanta a ideia de promover uma lei para proibir que elas utilizem o mesmo banheiro dos demais membros da casa. Segunda ela, as empregadas possuem germes e outros malefícios que não podem ser compartilhados pelo uso do mesmo sanitário. Isso além de outros absurdos particulares que podem ser vistos ao longo do filme. 36

A proposta do projeto Interdisciplinar visa promover uma maior interação dos jovens, a partir de experiências que os possibilitem serem autônomos e fazerem leituras dos diversos contextos em que estão inseridos, através de análises de filmes e debates que contemplem seus desafios. Esses espaços de trocas reforçam a urgência de propostas que efetivamente dialoguem com a juventude, promovam a experimentação e sobretudo a escuta de seus grandes anseios. A metodologia de avaliação consistiu em um simulado eletrônico com a utilização do tablet, e do laboratório de informática sob supervisão da Luciana Navarro do TE (Tecnologia da Educação), com a ferramenta chamada de Google Formulários, cuja mobilidade facilita o trabalho de criação de questionários e de pesquisas personalizadas e, depois, compila os resultados e os lança em uma planilha. Esse processo torna a avaliação de aproveitamento dos educandos simples, rápida sem desvalorizar o conteúdo pretendido. Através desses projetos, pretende-se reforçar e potencializar os valores já inseridos na proposta pedagógica da escola e multiplicar ações cidadãs que promovam o bem estar coletivo, o senso crítico e o altruísmo necessário para significativas transformações sociais. http://educacaointegral.org.br/ reportagens/10-filmes-pararefletir-sobre-juventude/

Professores: Valquíria Marino e Silvana Gracioli (Ensino Religioso), Virginia Mancilha (História) e Marcos Rogerio (Educ. Pensar) são Professores da Coordenação e Orientação do Ensino Fundamental 2 37


ENSINO MÉDIO

ENSINO MÉDIO

Física na Europa

2017 foi um ano especial. Depois de concorrer com inúmeros professores brasileiros de Física, eu, professor Bonato, fui escolhido para ser um dos professores a conhecer o CERN na Suíça, além de participar de um curso internacional. Entre os dias 30/08/2017 e 10/09/2017, a Sociedade Brasileira de Física coordenou a Escola de Física de Partículas, em Língua Portuguesa, no CERN, Suíça. A recepção foi feita pelo professor Pedro Abreu do Laboratório de Instrumentação de Partículas (LIP), em Lisboa. Com ele, tivemos uma breve preparação sobre o curso, os experimentos e as atividades que seriam realizadas no CERN. Já no dia 02 de setembro, iniciamos o curso de física de partículas junto com pesquisadores de renome internacional. O programa envolveu uma forte atualização teórica sobre as pesquisas em física de partículas, focando no modelo padrão, na descoberta do bóson de Higgs (acesse o vídeo do TedEd para entender melhor o que seria o bóson de Higgs - goo.gl/drBw2D) e nos novos desafios, como a teoria da supersimetria. Tivemos visitações aos principais experimentos, destacando o ATLAS e CMS, que são dois grandes detectores operando no LHC (Large Hadron Collider) para comprovar a existências do bóson de Higgs. Outros pontos fortes das visitações foram o LINAC (Linear Particle Acceletor), onde os núcleos de hidrogênio (prótons) são acelerados com o intuito de colidirem 38

e revelarem partículas menores que compõem a matéria. O ELENA (Extra Low ENergy Antiproton), um desacelerador de prótons construído com o objetivo de compreender a interação matéria-antimatéria. E o PS (Proton Synchroton), um detector construído em 1959 que foi determinante para a descoberta de novas partículas e que hoje opera no conjunto LHC. O CERN incentiva a formação de estudantes, com visitas orientadas ao laboratório S’Cool (que lembra a palavra school) onde são feitos experimentos de detecção de partículas cósmicas; visitas ao Globe, museu que explica o processo de extração, aceleração e colisão dos prótons no LHC; e ao microcosmo, uma exposição onde o aluno interage com os detectores utilizados nos grandes experimentos ATLAS e CMS. Essa oportunidade de formação é única e nos permite trazer o que há de mais moderno e atual na pesquisa científica de ponta no mundo. Os professores são certificados como embaixadores do CERN e, assumem um compromisso de divulgação científica nacional. Rafael Bonato é Professor do Ensino Médio

a p a t e a m u o d n a r r e c n E

Sim....estamos quase no fim de uma etapa para os alunos das terceiras séries. Alguns chegaram ao Liceu na Educação Infantil e agora partirão para outras instituições, farão novos amigos, terão outros professores. No entanto, cada um levará dentro de si, um coração salesiano. Nós, equipe pedagógica, sentiremos saudade desses alunos que nos acompanharam nos últimos três anos e fizeram os nossos dias mais alegres e algumas vezes, mais preocupantes. Por isso, durante este ano, propiciamos algumas atividades especiais para eles. Em algumas terças à tarde, os alunos assistiram aos “aulões” interdisciplinares, em setembro foi a Festa da Primavera, bem no início da estação para dar significado a essa nova etapa que está por vir. Esse encontro aconteceu no espaço da Educação Infantil, lugar onde muitos começaram e as lembranças brotaram de forma emocionante.

39


ENSINO MÉDIO

Em outubro, convidamos todos os alunos para a Balada Esportiva que aconteceu à noite, no Coliseu, com muita música, esporte e alegria. No dia 27 de outubro, aconteceu o I D. Bosco de Ouro. Todo o Ensino Médio se envolveu em criar vídeos, montar trabalhos para esse momento tão especial. Encantamo-nos com a apresentação da Banda da segunda série, rimos com o “stand-up” do nosso laboratorista Danilo e nos emocionamos com as palavras ditas pelo aluno da terceira série, Tiago Cappi. Na última semana de outubro, antes da primeira prova do ENEM, os alunos tiveram “aulões” de História e Geografia, Física e Biologia, além de uma aula de Educação Física para dicas de postura e alongamento para aguentarem tantas horas sentados. Depois de tanto estudo, alunos e professores mereceram uma boa dose de descontração e fomos todos ao Outback para compartilharmos juntos algumas horas de conversas, sorrisos e claro, guloseimas.... Enfim, o ano de 2017 está terminando....e já deixa saudade! No entanto, temos todos nós, aquela sensação gostosa de termos feito um bom trabalho...temos, todos, o sentimento de dever cumprido com responsabilidade e amor! Alunos das terceiras séries, sejam felizes! Conquistem tudo o que desejam, mas nunca se esqueçam de que em vocês habita o SER SALESIANO !

40

41


Parabens aos nossos alunos medalhistas XX OBA - OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA E ASTRONÁUTICA

CONCURSO CANGURU DE MATEMÁTICA BRASIL

OURO

PEDRO HENRIQUE DA SILVA PARMEZANI

PRATA

GABRIELA GAGLIARDI DAMASCENO

JOÃO VITOR F. BARROS

JULIA DUARTE

OURO

PEDRO CAMPOLI SACCO

FELIPE VIOTTO BUZZIOL

MARIA PAULA VIANNA ARAUJO

BRONZE

BIANCA PAIVA GUEDES

GIULIA TOMAZ MEDEIROS ZUFFO

PRATA

ARTUR YANO CONTARELLI

CAUÊ TEIXEIRA SCHMITT

BIANCA PAIVA GUEDES

FERNANDO G. COSTA COUTO

HENRIQUE CAMARGO BISCO

RAFAEL CITRON GUARILHA DE ALMEIDA

ISABELA DE QUEIROZ CHOHFI

JULIA CAMPOLI SACCO

GABRIEL VITAL SENISE DA SILVA

GILBERTO UGRAITI MARTINS

LUCAS S. MAC FADDEN DE QUEIROZ GUIMARÃES

FELIPE VIOTTO BUZZIOL

FERNANDO GONÇALVES C.COUTO

PAULO JOSÉ PEREIRA BRITO

BRONZE

GABRIEL VITAL SENISE DA SILVA

GILBERTO UGRAITI MARTINS

DIEGO RABELO SALDANI

MANUELA MARIA S.PATRINHERI

NICOLE ROMANKEVICIUS


ACONTE

ACONTELICEU - 2ª EDIÇÃO  
ACONTELICEU - 2ª EDIÇÃO  

Dezembro 2017 Ano XXI | Nº 91

Advertisement