Page 1

Agosto 2018 | Ano XXI | Nยบ 91


EXPEDIENTE O AconteLiceu é uma publicação do Colégio Liceu Salesiano Nossa Senhora Auxiliadora com distribuição interna. Diretor: Padre Alexandre Luis de Oliveira Projeto Gráfico: Agência Papagaio Revisão: Profª Margarete Alves Edição: Agência Papagaio Departamento de Marketing: Maria Julia Kassab Curti Patrícia Oliveira Rodrigues

2


PALAVRA DA DIRETORA

Caros(as) leitores(as), Prezadas famílias, que a paz e o amor estejam reinando em nossos corações! Mais um ano letivo está caminhando para sua conclusão e podemos dizer que muitos avanços foram conquistados e muitos ainda serão atingidos... a escola é “viva”. Percebemos que as relações estão se estreitando, que o pedagógico está se qualificando mais e mais, que os alunos estão aprimorando sua dedicação e buscando o conhecimento com autonomia e prazer. A educação hoje está no centro das discussões; muitas teorias, muitos debates sérios e relevantes e outros confusos, contraditórios, conflituosos. É necessário que tenhamos tranquilidade para entender todos os processos que estão por vir e podermos fazer parte deste momento de tantas mudanças e inseguranças com “conhecimento de causa” e, por isso mesmo, mais serenidade. Fala-se tanto em BNCC, novas estruturas, período integral, olimpíadas, novas formas de ingresso ao ensino superior e devemos mesmo falar sobre isso, porém, não podemos esquecer o nosso aluno, o nosso filho, o nosso adolescente que está vivendo “na pele” todas essas transformações sociais, está fazendo história, está fazendo a sua própria história. Continuemos na luta diária em busca da formação técnica, ética, religiosa, moral e sempre em favor das famílias que confiam em nós. Continuemos gratos a Deus a Nossa Senhora Auxiliadora que nunca desamparam seus filhos. “Eu não disse que seria fácil. Apenas disse que valeria a pena” (Dom Bosco).

Diretora Pedagógica 3


MINHA H I S TÓ R I A

Prof. LÚCIA CRISTINA ARTUSI TCHEKMENIAN Fiquei muito feliz ao ser convidada para contar um pouco da minha história no Liceu, primeiro porque amo o que faço e segundo porque amo o Liceu.

gostaria muito de trabalhar no Liceu. Fui orientada para trazer um curriculum e, que posteriormente, iriam entrar em contato para a seleção e a entrevista.

O Liceu sempre foi muito marcante na minha vida, pois, meus tios estudaram aqui. Acompanhei também os estudos da minha irmã que, em 1985, entrou na primeira turma de meninas. E para completar, meus filhos também estudaram a vida toda aqui, do qual tenho muito orgulho.

A minha entrevista foi realizada no final do ano, quando já estavam se encerrando as atividades escolares. Bem próximo do Natal, estava tão ansiosa, que decidi ligar na escola. Passaram a ligação para o Padre Diretor que ao perceber o tamanho da minha ansiedade, me disse: “-Lúcia pode passar o seu Natal muito feliz, pois você irá trabalhar conosco no ano que vem!”. Lembro-me como se fosse hoje, da minha enorme alegria!

Nunca me esquecerei como tudo aconteceu: no final de 1993, ao visitar a escola para matricular meus filhos, fui encaminhada à Educação Infantil. Chegando lá, fui carinhosamente acolhida pela professora Carmem e pela coordenadora Márcia. Conheci todo o espaço e conversamos bastante sobre a Metodologia e a Pedagogia Salesiana. O meu olhar era de uma “mãe professora” e o meu entusiasmo era enorme. Estava muito orgulhosa dos meus filhos estudarem numa escola tão conceituada. Em conversa, disse que eu era professora e que eu 4

Sempre acreditei em que devemos lutar pelos nossos sonhos, pois com empenho e determinação, eles se tornam realidade. O meu sonho era ser professora do Liceu e se realizou em janeiro de 1994, quando comecei a trabalhar como Auxiliar da Educação Infantil. No ano seguinte assumi uma sala de aula do infantil 3 (crianças de 5 anos). Trabalhei na Educação Infantil durante 15 anos.

No ano de 2009, fui para o Ensino Fundamental 1, e desde então, sou professora do 1º ano. É muito gratificante acompanhar todo o processo de construção da escrita das crianças! Amo alfabetizar! Sou muito grata por tudo, só tenho a agradecer a Deus por exercer a profissão que amo, por trabalhar numa escola como o Liceu, que além de ensinar com excelência, é também comprometida com a formação integral dos alunos, transmitindo valores éticos e cristãos, tão importantes para a formação do ser humano. Sou grata por tantas aprendizagens, pelas constantes atualizações, pelas amizades que conquistei. Ao Liceu e a todos com quem trabalho e trabalhei, a minha eterna gratidão. Ser professora é uma grande missão e realizar essa missão no Liceu é ainda mais fascinante!


PA S TO R A L Há dentro de cada jovem o desejo de realizar grandes projetos em sua vida, como ajudar pessoas carentes, ser voluntário em uma ONG, participar de uma missão em um país com alto índice de pobreza, etc. Muitas vezes esses sonhos se tornam distantes, por se tratarem de realidades que exijam tempo, dedicação e capacitação, sem lançar mão dos compromissos básicos do cotidiano, como estudar.

voluntariado

JOVEM

Conhecendo de perto essa bela inspiração contida no coração dos jovens, a Equipe de Pastoral do colégio Liceu Salesiano lançou o projeto Voluntariado Jovem, que consiste na mobilização e articulação dos alunos dispostos a realizarem ações solidárias e de voluntariado em entidades filantrópicas parceiras do Liceu. Neste ano de 2018, já no seu segundo ano, o projeto conta com a participação de 50 alunos do 8º e 9º anos do Fundamental 2 e Ensino médio, que assiduamente participam de encontros formativos os quais promovem o conhecimento e a capacitação do voluntário, como também no planejamento de visitas às entidades e a motivação dos demais alunos nas campanhas solidárias durante o calendário escolar. Os encontros acontecem nas dependências do colégio, quinzenalmente, em contraturno escolar, colaborando para o melhor aproveitamento e crescimento da dimensão educativa/pastoral. Não se pode mensurar os benefícios que o projeto traz para esses alunos, mas só de ver o brilho em seus olhos e o sorriso estampado em cada ação, temos a convicção de que a proposta de Dom Bosco se atualiza a cada dia em nosso colégio. Além disso, a interação dos alunos em situações de vulnerabilidade social no espírito salesiano, certamente, concordará para a educação de “ bons cristãos e honestos cidadãos” (Dom Bosco).

Equipe de Pastoral 5


PA S TO R A L

o que é ser voluntário? Voluntário, segundo a definição da ONU, é o “cidadão que, motivado por valores de participação e solidariedade, doa seu tempo, trabalho e talento, de maneira espontânea e não remunerada, para causas de interesse social e comunitário”. No Brasil, estima-se que 42 milhões de pessoas praticam algum tipo de ação solidária ou trabalho voluntário. Depois da família, a escola é a mais importante instituição socializadora, promovendo cada vez mais cedo na vida das crianças e jovens nas formações de valores. Com esse intuito, a convite da Equipe de Pastoral para dedicarem poucas horas em uma causa nobre, os alunos do Colégio Liceu Salesiano Lucas S. MacFadden Q. Guimarães e Isabela B. Mulato, ambos do Fundamental 2, decidiram participar do Projeto Voluntariado Jovem como uma oportunidade de desempenhar o altruísmo, a vivência da cidadania e solidariedade nas instituições parceiras do Liceu. O potencial transformador que essas atitudes representam para o crescimento interior do próprio indivíduo pode ser observado em seu testemunho, como relata Isabela B. Mulato: “Ser voluntário vai além de ajudar os outros, é um aprendizado que você leva por toda vida e muito mais que isso, pois quem mais te ensina são 6

aqueles que ajudamos. É aprender a se doar, sempre rumo ao desconhecido, ajudar não é escolher quem será beneficiado, mas é estar preparado para servir a todos. Um ponto que é importante como voluntário é aprender a ser humilde e, principalmente atencioso, como por exemplo saber o nome da pessoa que está sendo ajudada. Por mais que pareça um simples ato, isso traz um sentimento de conforto para o interlocutor. Uma experiência concreta que gostaria de compartilhar é a minha ida a Casa Ronald (uma casa que auxilia crianças e jovens em tratamento de câncer), onde realizamos algumas atividades com as crianças. Apesar da triste realidade em que vivem, em decorrência da doença, é perceptível um olhar de alegria e entusiasmo diante da vida. A conclusão que pude tirar foi que podemos enfrentar momentos turbulentos sem perder a alegria e que alguns de nossos problemas não são os maiores do mundo”. Pelo fato de provocar o questionamento de valores e de posturas pessoais, o Projeto Voluntariado propicia ganhos que se revelam extremamente importantes na adolescência e na juventude, como relata Lucas Mac Fadden Q. Guimarães em seu testemunho:

“Entrei no trabalho voluntário no início para ocupar minhas tardes, porém, conforme eu fui acumulando experiência, percebi que o Projeto Voluntariado Jovem era algo enriquecedor com o qual eu poderia ir melhorando. Quando entrei no 8ª ano do Fundamental 2, ficava sempre sozinho na Biblioteca. Porém, a pastoral tinha proposto algo para eu fazer, a ação voluntária, que prontamente decidi praticar. Neste ano, em que estou no 9ª ano, iniciei uma rotina de sempre estar na pastoral ajudando em tudo, tanto que eles (Equipe de Pastoral) estranham quando não estou lá”. Basta olhar com atenção as motivações dos jovens nas ações solidárias para saber que eles querem fazer parte da solução dos problemas, não como uma parte do desenvolvimento que está associada aos problemas. É de suma importância a construção de espaços onde os jovens possam desenvolver suas habilidades em contato com realidades sociais diferentes das suas e, como um organismo vivo, exercer uma influência positiva nos outros e em si mesmo. O Projeto Voluntariado Jovem do Colégio Liceu conta com a participação de mais de 50 alunos do Fundamental 2 e Ensino Médio, apoiados pelos pais e comunidade educativa.


L I C EU PLU R A L

PLURAL PROPORCIONA AULA TEMÁTICA FIGURINHAS DA COPA DO MUNDO Nosso país não é diferente e, em ano de Copa do Mundo, milhares e milhares de pessoas se dispõem a colecionar, nas várias idades, seja adulto ou criança. No entanto, para muitas das crianças é a sua primeira oportunidade de colecionar, assistir e vivenciar essa experiência. Uma oportunidade que, apesar de simples, é uma rica possibilidade cultural, social e cognitivo-motora. Uma vez que as crianças passam a conhecer os jogadores, países e suas características, têm acesso à cultura. Com o objetivo de completarem os álbuns, precisam comprar, trocar e até “bater” figurinha, levando a um convívio social e domínio das emoções, e neste processo, precisam calcular, fazer tabela das figurinhas que faltam e até mesmo negociar aquela figurinha

mais esperada, utilizando o cognitivo para colagem e a função motora para “bater” figurinha. Tendo em vista todos esses aspectos, trouxemos a proposta de uma aula temática, com as figurinhas da Copa, que foi uma grande oportunidade de transmitir as habilidades e estratégias em adquirir figurinhas valiosas, conversarem e negociarem durante a troca, baterem figurinha, outros até de conhecerem o álbum, os países, os jogadores, aumentando a expectativa para os jogos da Copa. De modo geral, foi bastante frutuoso e divertido poder utilizar as figurinhas da Copa como tema da aula. Nós, educadores, mediamos e auxiliamos nesse processo, tornando o momento da aprendizagem saudável e prazeroso. Instrutor de Corpo e Movimento do Liceu Plural: Deivid 7


L I C EU PLU R A L

Artes

projeto de

Plurart 2018 -Tesouros da Arte

A importância da arte na vida das pessoas é algo nítido, afinal ela está em todo lugar, faz parte da nossa cultura e da nossa história. Auxilia-nos na nossa comunicação, no nosso convívio, no nosso crescimento humano e social. Ela é extremamente importante no desenvolvimento, ela nos dá uma nova visão de mundo, de sociedade e expande a nossa criatividade. No Liceu Plural desenvolvemos este ano o Projeto de Artes , Plurart 2018 - Tesouros da Arte. Baseado no livro Tesouros da Arte que apresenta 22 obras de arte de várias partes do mundo, de paisagens lamosas e pinturas com respingos de tinta e desenhos de animais mágicos e esculturas em movimento. Inclui pinturas europeias famosas, delicadas impressões japo-

nesas e máscaras africanas tradicionais.Entre os artistas estão: Van Gogh, Kandinsky, Hokusai, Picasso, Rousseau, Calder, Matisse, Monet, Degas, Giacometti, Hirst, O’keeffe, Pollock, Turner. Dentre as técnicas utilizadas para retratar as obras e artistas estudados, uma que se destacou muito foi a pintura com tinta e bolinhas de gude. Para interpretar a obra “Lavander Mist de Jackson Pollock” onde a pintura é feita com espirros e pingos de tinta salpicada, os alunos realizaram uma obra salpicando a tinta sobre a folha e, dentro de uma caixa de papelão, as quatro bolinhas de gude correram de um lado para o outro e este movimento formou o traçado da obra – um método bagunceiro, mas divertido.

Letícia Pires Arruda Marião Assistente Pedagógica Turma: 2º ano manhã 8


L I C EU PLU R A L

Esportes de Aventura como meio de aprendizagem & diversão

Neste ano de 2018, tivemos o início da atividade de “Esportes de Aventura” no Plural, uma nova proposta de aprendizagem e diversão, que possibilita às crianças superarem desafios, conhecerem novas modalidades de jogos e brincadeiras, conviverem entre si com o meio social e o espaço, sempre com segurança e ordem. A cada novo dia, existem novos desafios, conhecimentos e escolhas, que na grande maioria ainda não conhecemos, mas haveremos de conhecer. Este início de atividades tem sido uma experiência muito enriquecedora, a cada modalidade, há mais envolvimento, cada criança corresponde ao seu modo, conforme o que aprende ou o que está apta a conhecer. É dado a elas encorajamento e, em outros momentos, aconselhamento também sobre a prudência, para que todos os instantes sejam de segurança e alegria. Passamos até o momento pelas atividades de caminhada e escalada, usando novos lugares que foram adaptados na escola, onde há um espaço bastante rico, e que proporciona a imaginação e a diversão às crianças. Na caminhada, percorremos por toda a escola, onde aproveitamos para observar cada detalhe despercebido no cotidiano, caminhamos em grupo e socializamos sobre a visão e percepção de espaço. Com isso, as crianças elaboraram um mapa da escola, desenvolvendo a noção de espaço e localização, de acordo com suas memórias e principais referências.

As crianças foram orientadas também a caminharem para um determinado destino e conhecerem os meios para alcançá-lo, então, através da brincadeira, foram apresentados a elas os pontos cardeais e a importância de saber se orientar. Com as atividades de escalada, parecia que em fim a aventura iria começar. O ato de escalar é um movimento muito conhecido pelas crianças, que, quando bebês, escalavam sofás, bancos e tudo que lhes permitissem apoiar e buscar o equilíbrio, até começarem a andar. A escalada contribui na melhoria da força do tronco e membros superiores, equilíbrio, tomada de decisão e cooperação, através do apoio do grupo e colaboração na segurança. Utilizamos escaladas em alambrados, fizemos um circuito lúdico no parquinho com as mais diversas possibilidades de escaladas, sempre partindo do lugar mais fácil para o mais difícil, onde combinamos o modo de subir e descer, os pontos certos para se locomoverem com estabilidade e finalizamos com uma atividade na parede de escalada adaptada na sala de psicomotricidade da Educação Infantil. A escalada contribui na melhoria da força de tronco e membros superiores, equilíbrio, tomada de decisão e cooperação, através do apoio do grupo e colaboração na segurança. A diversão foi garantida e a aventura explorada! Deivid Vital e Silsi, Instrutores de Esportes de Aventura

REFERÊNCIAS: CASOTTI, Mario. San Giovanni Bosco: il método preventivo com testimonianze ed altri educativi inediti. Brescia: La Scuola, pag. 68, 1958. 9


L I C EU EX TR A

Mostra de Exercícios Teatrais e Aulas

Tivemos, no mês de junho, a 1ª MOSTRA DE EXERCÍCIO TEATRAL, realizada pelos alunos das turmas de teatro do Liceu, no anfiteatro Dom Bosco, para os alunos da Educação Infantil aos 3ºs anos do EF1. No dia 11 de junho, o grupo de teatro apresentou a peça “A Menina da Lanterna” (um texto da Antroposofia). A apresentação encantou a todos que lá estiveram, pais dos atores e alunos dos 1ºs aos 3ºs anos do EF1, pela organização, desenvoltura, expressão de corpo e voz das alunas/ artistas. O texto passou uma mensagem de perseverança e amor de forma lúdica e bela. No elenco as alunas BEATRIZ VAZ ORSI, GABRIELA AKEMI PIRES LOURENÇO, ISABELLE BORGES VECCHI DE SOUSA, LARA LUIZA DA SILVA ANDRADE e VALENTINA MACHADO GOMIDE DE OLIVEIRA. E, no dia 18 de junho, foi a vez da apresentação da peça “Rumpelstiltskim”, uma adaptação do conto coletado pelos Irmãos Grimm. O grupo preparou com todo carinho esta peça direcionada, especialmente, para as crianças do Infantil e foi o maior sucesso! No elenco ANA BEATRIZ REALI DE FREITAS, JULIANA DE SOUZA MAZON, LUIZA CARVALHO SIMONI, MARIANA MAXIMO DURAN, NINA SARAIVA

PEREIRA PONTES e RAFAEL CAPRIO representaram com desenvoltura e alegria seus personagens. As apresentações fizeram parte da 1ª Mostra de Exercícios Teatrais, que foram um momento de aula aberta, porém com a presença de plateia, elemento indispensável do teatro, onde os alunos do grupo de teatro do Liceu exercitaram o fazer teatral, colocando em prática todo o aprendizado. Foi um show de talento, estudo, dedicação, responsabilidade e muita alegria dos nossos atores e familiares. Parabéns a todos! As aulas de teatro acontecem às segundas-feiras, em dois horários: 11h50 e 17h30. Temos também a turma do Liceu Plural do 6º ano do EF2 em atividades um pouco diferenciadas com foco especial na oralidade. Trabalhamos com esses jovens a desinibição, a expressão corporal e vocal, a criatividade e atividades cênicas em grupo, preparando-os para a habilidade de falar e se apresentar em público. As aulas têm sido enriquecedoras e todos estão mostrando crescimento e desenvolvimento individual e coletivo. Luciene Domenicone – Instrutora de teatro

10


EDUCAÇÃO INFANTIL

“ZIP, DE VOLTA PARA CASA”

O início de vida escolar gera inseguranças, expectativas, ansiedades e dúvidas para as crianças e para as famílias. É um perídodo de transição do ambiente familiar para o escolar, momento de conhecer novas pessoas e aprender a confiar em adultos que ainda não são referências em suas vidas. Durante o período de adaptação, é importante que a família demonstre confiança na escola, na professora e na própria criança. Cabe à escola receber as crianças com brincadeiras atrativas, brinquedos, músicas e um ambiente acolhedor. Pensando nisso, as professoras do Infantil Mirim desenvolveram o projeto chamado: “De volta para casa”. Esse projeto busca envolver as crianças em um ambien-

te afetivo e acolhedor. Utilizamos como ferramenta o livro “De volta para casa”, de Nye Ribeiro, ed. Roda e Cia, que conta a história de um lindo caracol que precisa de ajuda para encontrar a sua casa. O enredo se passa em um divertido e encantador passeio pelo parque e jardim da escola. Lá as crianças encontram alguns animais e descobrem como é a casa de cada um deles. Os alunos foram envolvidos na história, despertando a curiosidade de encontrar a casa do caracol Zip. Por fim, o caracolzinho Zip visitou a casa de cada aluno, foi bem cuidado e recebeu o carinho de todos! Mesmo longe de suas casas e do amor da família, aquele sentimento de estar em um lugar amoroso, acolhedor, seguro e divertido está dentro de seus corações e cada um pode transmitir esses sentimentos em outros lugares.

Professoras do Infantil Mirin 11


EDUCAÇÃO INFANTIL

A Galinha Ruiva Na primeira infância, é importante disponibilizar o maior número de experiências possíveis, apresentando um novo mundo cheio de possibilidades. No “universo” da leitura, a criança se relaciona com o meio social, cria novas possibilidades e desenvolve a imaginação. Contar, ler e ouvir histórias fortalecem os vínculos, promovem o contato com a linguagem e ajudam a construir significados. As personagens das histórias narradas na leitura levam ao incrível mundo da imaginação, da criatividade e enriquece ainda mais suas experiências, além de construir um hábito tranquilo, saudável e divertido. Durante o primeiro semestre, o material da Rede Salesiana de Escolas, Caleidoscópio, possibilitou aos alunos do infantil 1 conhecerem o conto “A Galinha Ruiva” e dentro da proposta, as crianças conheceram várias versões, brincaram de Galinha Ruiva, onde as professoras representaram a personagem galinha e os alunos foram os animais, vaca, gato, porco e cachorro. Elaboraram uma lista de palavras com as personagens, e também realizaram o reconto da história, onde cada aluno confeccionou seu próprio livro sendo o ilustrador. Através dessa história, trabalhamos a importância da cooperação, de ajudar o próximo e finalizamos o trabalho com o conto fazendo uma deliciosa culinária, onde todos os alunos ajudaram a preparar, para depois experimentarem o delicioso bolo da Galinha Ruiva. Vale ressaltar a importância do brincar para o crescimento infantil, pensando nisso, as crianças participaram ativamente de todas as atividades, brincando, conhecendo as personagens, realizando a culinária, etc. Foram momentos ricos e significativos de aprendizagens em todas as dimensões. Professoras do Infantil 1

12


EDUCAÇÃO INFANTIL

A MALA VIAJANTE

A maior e melhor lembrança que podemos ter é o convívio com nossos familiares mais velhos, ouvindo suas histórias e imaginando o passado através de fotos, objetos e recordações. Assim, aproveitando o tema da copa do mundo, as crianças da educação infantil estão desenvolvendo o projeto “o mundo dentro do meu Brasil” que apresenta os diferentes imigrantes, europeus, asiáticos e outras tantas nacionalidades que chegaram ao Brasil e que fazem parte da história do nosso país e, consequentemente, dos nossos alunos. Para iniciar o projeto, as turmas do infantil 2 conheceram um pouco mais sobre o país em que moramos, o lugar que ocupam no mundo, a nossa bandeira e o que cada uma de suas cores representa. Ao longo do ano, vários países serão descobertos pelas crianças através de uma mala viajante, que levará as curiosidades e histórias de cada família para serem compartilhadas na sala com os amigos. Vamos celebrar a diversidade cultural! Professoras do Infantil 2

13


EDUCAÇÃO INFANTIL

JOGANDO, BRINCANDO E APRENDENDO

As preocupações com um ensino de Matemática de qualidade, desde as séries iniciais, são cada vez mais frequentes e são inúmeros os estudos que indicam caminhos para fazer com que o aluno dessa faixa escolar tenha oportunidades de iniciar, de modo adequado, seus primeiros contatos com a disciplina e que as ideias matemáticas que as crianças aprendem na educação infantil serão de grande importância em toda a sua vida escolar e cotidiana. Dessa forma, na proposta do material da Rede Salesiana de Escolas que utilizamos na Educação Infantil, o Caleidoscópio, enfatizamos atividades que envolvam a oralidade, a escrita e a representação em forma de desenho, por meio de um trabalho intenso com jogos para as crianças do Infantil 3, possibilitando uma situação de prazer e aprendizagem nas aulas de Matemática. Nesta proposta, há jogos com uso de tabuleiros, cartas e dados. Iniciamos apresentando o jogo à turma através da leitura das regras do jogo em roda de conversa, fazendo experimentações, tentativas, utilizando meios visuais como cartazes, apresentações, deixando-o exposto e disponível para manipulação sem explicação prévia por algum tempo, simulando jogadas com alguns alunos ou com toda a classe, etc.

14

Após essas diferentes formas de exploração do jogo, é o momento de ouvir e fazer sugestões, de dar dicas, de analisar posturas, como a tentativa de não cumprir uma regra, ou de modificá-la durante a partida, e decidir o que fazer para superar as possíveis divergências, ou seja, trata-se de um momento favorável para avaliação também. Seguimos com os registros do jogo, onde as crianças são convidadas a desenhar sobre o jogo, manifestando as aprendizagens, as dúvidas e as opiniões. Outra forma de registro é escrever sobre o jogo, no caso do infantil 3, através de textos coletivos construídos pelo grupo e expostos no ambiente educativo. E, por fim, problematizando... A problematização no ato do jogo favorece sua percepção das aprendizagens, dúvidas, confusões, do envolvimento dos alunos na própria ação de jogar. Uma proposta assim incorpora contextos do mundo real, sem esquecer que a escola deve fazer o aluno ir além do que parece saber, deve tentar compreender como ele pensa, que conhecimentos traz de sua experiência no mundo, e fazer as interferências no sentido de ampliar progressivamente suas noções matemáticas, de forma que as crianças desenvolvam e conservem o prazer e a curiosidade acerca da Matemática. Professoras do Infantil 3


ENSINO FUNDAMENTAL 1

A ALEGRIA DE SER UM “ALUNO AUTOR” DE LIVRO

Em 2017, durante a Semana Esportivo Cultural realizada em outubro, os alunos dos 4os anos do Ensino Fundamental 1 tiveram o prazer de ter uma contação de histórias com a Prof. Regiane Rossi Hilkner (Unisal/Americana). Ela é autora da Coleção Abayomi, composta de 4 livros que favorecem o diálogo entre tradição, história e o cotidiano atual, com o objetivo de minimizar os reflexos do racismo na rotina escolar.

Em março de 2018, o Liceu recebeu a notícia de que 3 histórias foram selecionadas e que comporiam a 8ª edição do livro Letra Viva. • Maria Eduarda Reis Guerra Texto: A descoberta • Sofia Ayumi Brefe Oizumi Texto: A África • Thiago Diaz Goes Texto: Um laço de esperança

A partir desse encontro, como proposta da escola, os alunos escreveram textos relacionando o conteúdo que estavam aprendendo na disciplina Ciências Humanas e da Natureza (história da escravidão no Brasil) e a história contada pela autora da Coleção Abayomi.

Com grande alegria, homenageamos nossos “alunos autores” no Bom Dia / Boa Tarde, com a presença de suas famílias, dos colegas do EF1 e professores, lembrando que os alunos dos textos selecionados foram acompanhados pelas professoras Paula Pondian Tizzei e Roberta C. Vidotto Ortiz dos Santos.

As crianças foram convidadas, então, pela editora Adonis, por intermédio da autora Regiane Rossi Hilkner, a enviarem suas histórias a fim de serem selecionadas para publicação de um livro da Editora (Projeto Como Nasce um livro um dos maiores projetos de incentivo à leitura e à escrita da América Latina).

Assim, já começou uma agenda de compromissos dos “alunos autores”... No dia 19/03, de manhã, fizeram fotos para publicação, escreveram uma pequena biografia para ser colocada no livro, deram depoimento sobre a participação e os sentimentos ao saber que o texto havia sido selecionado... Que sensação gostosa!

Equipe Pedagógica EF1 15

Além disso, no dia 07/05, participaram da solenidade de lançamento do livro, na Unisal (Campus Americana), com a presença de 100 alunos selecionados de algumas escolas da Região Metropolitana de Campinas, familiares e amigos que prestigiaram. Também estiveram lá, com grande orgulho, a Coordenadora Pedagógica Lucinha, a Orientadora Educacional Renata e, representando os professores, a Professora Mônica. Nesta ocasião, os alunos também receberam uma placa de homenagem do Liceu, feita com muito carinho para demonstrar a alegria e o orgulho que toda a equipe pedagógica sente por esta conquista dos nossos “alunos autores”. Para completar as homenagens, os alunos levaram um exemplar do livro à biblioteca do colégio, sendo recebidos e parabenizados pelo Diretor Geral, Pe. Alexandre, e pela Diretora Pedagógica, Rose. Em seguida, autografaram os textos e entregaram o livro à responsável pela biblioteca infantil, Luciana.


ENSINO FUNDAMENTAL 1

Os alunos de 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental iniciaram o ano com muita aprendizagem, adentrando no universo da arte, onde puderam se expressar, trocar ideias e observar um mundo de imagens, contos, brincadeiras, música e teatro. Iniciamos as atividades com o tema Carnaval que é uma das manifestações culturais mais conhecidas no mundo todo. Os alunos criaram máscaras individuais, que usaram para brincar na festa de carnaval, e coletivas, para expor nos espaços do colégio, enfeitando-os. O segundo grande projeto coletivo foi a exposição coletiva “No meu DNA tem Liceu”, resultado da produção artística de cada aluno, representando-se junto ao espaço escolar. Após os projetos coletivos iniciamos o conteúdo de cada turma a partir da leitura dos paradidáticos da Editora Edebê, todos das autoras Edna Ande e Sueli Lemos. Os alunos dos 1os anos, por meio da leitura do livro “Os Chapéus Mágicos de Babi”, foram estimulados a inventar personagens e brincar no jogo do faz de conta com muita liberdade e criatividade. Na decoração do chapéu, utilizaram materiais diferentes e tiveram várias possibilidades de escolhas na montagem com os materiais oferecidos. Desenvolveram o potencial criativo por meio de 16

MUITA ARTE

todas as imagens e apresentações teatrais realizadas em sala de aula para seus colegas de sala. Os 2os anos, com a leitura do livro “A sombra de Meili”, vivenciaram o universo lúdico do teatro de sombras por meio da história de Meili e puderam conhecer um pouquinho da cultura oriental e da linguagem teatral. Inventaram personagens e histórias, apresentaram aos seus colegas de sala com muito entusiasmo e encanto, valorizando suas produções artísticas e as de seus colegas, expressando ideias, sentimentos e percepções. Os 3os anos leram o livro “ Brincadeiras de crianças com Ivan Cruz” e puderam se encantar e se divertir com a história dos personagens do livro. Os alunos reconheceram várias brincadeiras vivenciadas por eles nas reproduções das obras do artista Ivan Cruz, pesquisaram junto aos seus familiares quais eram as brincadeiras favoritas por eles quando eram pequenos, apresentam aos colegas e explicaram algumas que muitos não conheciam. Foi um momento de troca e aprendizado em sala, valorizado por cada um. Criaram um brinquedo com materiais recicláveis e puderam brincar no espaço escolar com muita alegria. As aulas terminaram com gostinho de quero mais e os alunos perceberam a importância do fazer e do brincar! Com muito entusiasmo e concentrados, os alunos dos 4os anos terminaram

a leitura do livro “Os enigmas de Gaudí”. Com os enigmas do livro puderam conhecer a obra do artista espanhol Antoni Gaudí, observaram várias obras arquitetônicas do Parque Guell e a obra Sagrada Família. A orientadora pedagógica Renata compartilhou sua experiência com os alunos, apresentando fotos e duas esculturas feitas com mosaico, contribuindo ainda mais para o aprendizado. Os alunos produziram artisticamente trabalho com papeis coloridos formando um lindo mosaico. Os alunos dos 5os anos estão terminado o livro “Os caminhos de um rio”, encantados com o personagem Wanpu. Estão conhecendo um pouco da história, dos costumes e tradições dos povos indígenas Quíchuas, da cultura Inca. Utilizaram a técnica de aquarela com as cores quentes e frias, representando o dia e a noite. O resultado foi um lindo trabalho! O ensino da arte traz à aprendizagem, entre eles, o desenvolvimento da capacidade de interpretação, como diz a professora Ana Mae Barbosa: “ Ao interpretar, você amplia a sua inteligência e sua capacidade perceptiva, que vai aplicar em qualquer área da vida”. Assim é o ensino das artes nos anos iniciais do Liceu: aprendizagem, envolvimento e muita produção artística!

Equipe Pedagógica EF1


ENSINO FUNDAMENTAL 1

Proerd

Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência As atividades do Proerd com os alunos dos 5os anos iniciaram no dia 05 de março, num esforço cooperativo entre a Polícia Militar, a Escola e a Família. Foram encontros semanais, com duração de 50 minutos, durante as aulas de Educação para o Pensar e/ou das professoras dos 5ºanos.

No dia 14/06, alunos e seus familiares, Equipe Pedagógica e Diretores do Colégio, bem como representantes da Polícia Militar participaram da solenidade de Formatura do Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência), no Coliseu.

Um dos maiores objetivos desse programa, o Proerd (Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência) consiste em conscientizar os alunos, por meio de práticas e dinâmicas interativas, sobre as diversas formas de reconhecer as facetas das drogas e da violência, fortalecendo-os para tomarem decisões seguras, responsáveis e saudáveis.

Todos os alunos receberam o certificado de participação efetiva do treinamento de prevenção às drogas e 5 alunos foram homenageados com uma medalha do Proerd pelas redações que fizeram sobre os encontros, em uma cerimônia presidida pelos Policiais Militares instrutores do Programa, com acompanhamento de seus superiores e da Banda da Polícia Militar. Após a cerimônia, houve uma confraternização.

Essa proposta vem ao encontro dos ensinamentos de Dom Bosco que orientava seus meninos a agir de modo que, pelas suas ações e pelas suas palavras, qualquer pessoa soubesse que eles procuravam o bem das almas.

Dedicamos um sincero agradecimento às instrutoras da Polícia Militar Cida e Fabiana, que demonstraram grande determinação e dedicação.

Representante de classe

Uma escola que busca a participação efetiva de todos os que estão envolvidos na construção de suas ações educacionais e da aprendizagem é aquela que se baseia em princípios democráticos, em especial na democracia participativa, dando direitos de participação igual para estudantes, professores e funcionários. Nessa perspectiva surge a importância do representante de classe. Um aluno da classe escolhido para representá-la nos diferentes momentos da escola, frequentemente recebe funções como dar avisos, ser capaz de ouvir a turma e expressar suas opiniões, eventualmente tendo de auxiliar algum colega e esclarecer mal-entendidos. Assim sendo o projeto Representantes de classe - agente multiplicador com liderança positiva pretende possibilitar a formação da consciência dos alunos para que se comprometam com a cidadania, enquanto sujeitos da construção de uma sociedade mais justa e solidária.

Nos 5ºs anos iniciamos a preparação deste projeto, Representante de Classe, com o programa do PROERD, nas aulas de Educação para Pensar e no bate papo com os vereadores Fabia Ramalho e Luiz Carlos Rossini, que enfatizaram a importância do trabalho em equipe, liderança positiva, responsabilidade e dicas para os candidatos. Foi uma troca de ideias muito valiosa e prazerosa. Próxima etapa deste projeto será a candidatura, apresentação das propostas e a gravação de um vídeo dos candidatos. Aguardem!

Renata Penteado – Orientadora Educacional do EF1 Maria Lúcia Torres Carvalho – Coordenadora Pedagógica do EF1

17


ENSINO FUNDAMENTAL 2

Releitura Com base nos estudos sobre a época do “Renascimento”, conteúdo estudado em História, e produzindo textos com os gêneros “pesquisa” e “entrevista”, estudados em Técnica de Redação, os alunos dos sétimos anos realizaram um trabalho interdisciplinar que evidenciou como aliar conteúdos de sala de aula à criatividade pode resultar em uma produção tão positiva. No “Releituras do Renascimento”, os alunos pesquisaram sobre a vida de grandes artistas desse período tão marcante e realizaram entrevistas como se estivessem frente a frente com eles. Depois desenvolveram a releitura de uma obra famosa, selecionada para cada equipe. Professoras Virgínia Mancilha e Cláudia Tojal Schiavinato

18


ENSINO FUNDAMENTAL 2

Grupo de Estudo OBA Durante o primeiro semestre de 2018 , aconteceu no Liceu uma nova rotina de estudos direcionados à astronomia e astronáutica. Com o apoio irrestrito da coordenação, gestão e professores de geografia (Fabricio e Cesar) foi possível elaborar atividades teóricas e práticas, com o objetivo de preparar nossos alunos para a OBA (Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica) e MOBFOG. Os alunos inscreveram-se e fizeram a prova no dia 18 de maio. Saíram-se muito bem e agora aguardamos o resultado oficial para a divulgação dos resultados. Este projeto conseguiu unir alguns alunos do Ensino Fundamental 2 em um propósito que foi além do universo teórico, uma vez que os alunos foram convidados a elaborar um foguete e, também, efetuar seu lançamento, podendo assim aplicar todo o conhecimento aprendido dentro da sala de aula. Temos a certeza de que esse conhecimento nunca será esquecido, além de ser fundamental na descoberta de novas habilidades. Confiram as fotos.

19


ENSINO FUNDAMENTAL 2

CONHECENDO AS VARIEDADES LINGUÍSTICAS FAMILIARES No 1° trimestre de 2018, os alunos dos 6°s anos do Ensino Fundamental II iniciaram os trabalhos com o conceito “Variedade Linguística”. Nas aulas de Língua Portuguesa e de Técnica de Redação, puderam ler textos em que as várias maneiras de se usar a Língua Portuguesa – de acordo com a região de onde o falante ou o ouvinte provêm, de acordo com sua idade, de acordo com a situação em que se encontram – estiveram presentes. Os estudantes entraram em contato com textos do famoso personagem das culturas portuguesa e brasileira, Pedro Malasartes – conhecido pelo seu jeito astuto e por seu falar regional – e também trabalharam com o duplo sentido causado por palavras pronunciadas de maneiras diferentes, de acordo com a região de onde o falante é proveniente. Por exemplo, a pronúncia da palavra “firme” no lugar da palavra “filme”, algo que possibilita dois entendimentos: “Firmeza”, “Tudo bem” ou “Filme”, significando que a pessoa está falando sobre um filme. O estudo das Variedades Linguísticas é importante, visto

LORENZO CARAMORI (6° ano A)

que os alunos compreendem o porquê de existirem diversas formas de falar a Língua Portuguesa. Compreendem as origens desses diversos falares. Eles também reconhecem a existência de uma Variedade Padrão, correta e de acordo as regras gramaticais, que deve ser aprendida na sala de aula. Segundo o professor Pasquale Cipro Neto, “É preciso reconhecer as variedades linguísticas”1. A partir desse assunto, os alunos desenvolveram pesquisas, com o auxílio de seus familiares, buscando compreender a Língua Portuguesa presente no meio em que vivem. A proposta de pesquisa apresentada aos alunos foi: Você possui familiares que nasceram em outra região? Eles usam palavras diferentes das usadas por você no dia a dia? Pesquise com sua família as Variedades Linguísticas presentes na história de seus familiares. Abaixo apresentamos quatro produções textuais de alunos dos 6°s anos a respeito desse tema. Conhecer a Língua Portuguesa é descobrir e aprender constantemente!

A minha família vem de uma região distante, onde o sotaque é muito característico, carregado de gírias e expressões locais. Estou falando de Porto Alegre, um local colonizado por europeus e que sofre influência de linguagens vindas de países vizinhos. Ao conversar com meus avós, no Natal, logo percebi a diferença: onde eu uso o “você” eles usavam o “tu” e logo depois eu ouvi um “bah”. Tive que perguntar o que significava: minha avó explicou que tinha o mesmo significado de “puxa”. Na hora de dormir, minha mãe falou para minha avó: - Vou lamber a cria. Tive que perguntar, novamente, o que significava. Ela explicou que era como dizer “vou cuidar do meu filho”. E assim passei dias com meus avós, brincando e aprendendo novas expressões.

20


LUCAS DE SOUZA BRAGANÇA (6° ano B)

Meu nome é Lucas, nasci em Campinas, estado de São Paulo. Na minha família há pessoas de regiões diferentes. Minha mãe e meus avós maternos são do estado de Pernambuco. Meu pai e avós paternos, iguais a mim, são da região Sudeste, mas de outro estado, que é Minas Gerais. Eles falam algumas palavras que eu não conhecia e que, às vezes, são até um pouco engraçadas na forma de falar e em seu significado. Essas diferenças na forma de usar a língua é o que aprendemos como “Variedade Linguística Regional”. Alguns exemplos das palavras usadas por minha família são: em Pernambuco, “mainha e painho” significam “mãe e pai”; “oxente” é uma expressão de surpresa e indignação; “macaxeira” significa “mandioca”; “jerimum” é “abóbora”; “mangar” seria “ridicularizar, dentre outros exemplos. Já em Minas Gerais, “trem” se refere a qualquer coisa; “uai” é uma expressão de surpresa ou de indignação; “pão de sal” significa “pão francês”; “pocar” seria “estourar” e “entornar” tem o sentido de “derramar”.

MARIA JULIA SILVA GOES (6° ano B)

Sim, eu mesma nasci em outra região, eu nasci em Criciúma. Minha mãe me disse que lá todo mundo fala “cantando”. Então, quando eu passo as férias lá (no caso, todo ano), ela fala que eu volto para casa com o sotaque “cantado” e prolongando o “a”. Lá em Criciúma, eles falam “tu” ao invés de “você”, falam “pão d’água” ao invés de “pão francês”, também falam “bah” como forma de expressar descontentamento. Por parte de mãe, minha tataravó e minha avó nasceram em Rio Negrinho. Minha bisa e meu biso nasceram em Rodeio e meu avô nasceu em Presidente Getúlio, mas, hoje em dia, todos moram em Criciúma. Já por parte de pai, minha avó nasceu em Siderópolis, mas minha bisa, meu biso e meu avô nasceram em Criciúma. Meu pai, minha mãe e eu nascemos em Criciúma.

HEITOR BUENO SARKIS (6° ano C)

A minha família – eu, meu irmão e meus pais – nascemos no interior de São Paulo. Eu e meu irmão nascemos em Campinas, já os meus pais nasceram em São José do Rio Preto; lá, a Língua Portuguesa possui uma variação na letra “R”, eles puxam o “R” como no dialeto caipira. Os meus avós são do interior paulista, da mesma região dos meus pais. A minha avó conta que seu avô era mineiro e do campo. Ele sempre dizia: “Tô com dor nos quartos!”, referindo-se à dor na coluna e ela, criança, achava graça. O meu pai muito se lembra do seu avô libanês, que modificava a Língua Portuguesa com seu sotaque. Ele dizia: “no minha careca” (na minha careca); “o meu brimo” (o meu primo); “eu leva você na escola” (eu levo você à escola), entre outras peculiaridades, que hoje meu pai se recorda com saudades.

Professora Célia Regina B. Giorgi, Língua Portuguesa – 6°s anos Professora Janaína Fernandes Possati Zagria, Técnica de Redação – 6°s anos

21


ENSINO FUNDAMENTAL 2

MAS LOUCO É QUEM ME DIZ... Nesse segundo trimestre, o trabalho literário para os alunos dos nonos anos, inclui a leitura do livro Alienista, de Machado de Assis. Indicado para muitos vestibulares de grandes faculdades e universidades do país, o Alienista é um conto que questiona, ironicamente, os limites da razão humana. Nessa obra, Machado de Assis, em sua fase realista, faz um retrato do Brasil no século XIX, no que tange ao comportamento social em relação à loucura. Durante a leitura e análise do livro, pudemos observar que História e Literatura estão totalmente relacionadas, uma vez que o fato histórico se amplia com a narrativa, valorizando a temática cientificista e positivista da época, porém sem se comprometer com a veracidade dos fatos. Assim, já na abertura do conto, somos convidados a mergulhar em uma atmosfera de histórias outrora contadas pelos cronistas da cidade machadiana de Itaguaí: “As crônicas da vila de Itaguaí dizem que em tempos remotos vivera ali um certo médico, o Dr. Simão Bacamarte, filho da nobreza da terra e o maior dos médicos do Brasil...” Sob esse aspecto, o protagonista, Dr. Simão Bacamarte, inaugura na cidade a Casa Verde, uma espécie de sanatório para onde eram levadas todas as pessoas que não seguiam o padrão comportamental que a sociedade preconizava como “normal”. Dessa forma, todos os cidadãos que, devido a discursos políticos ou religiosos mais inflamados, eram considerados uma ameaça à ordem eram, portanto, excluídos do convívio social e acabavam recolhidos à Casa Verde, sob os cuidados do Dr. Simão. Paralelo ao discurso científico que opõe sanidade e loucura, o tom irônico que toma conta da narrativa traz também uma crítica contundente às relações de poder e às concessões que, desde épocas imperiais, fazem parte da História do Brasil, como a cobrança de taxas abusivas da população, além da necessidade de buscar o apoio da Igreja e a benção dos clérigos para a instalação da Casa Verde. Obviamente, a leitura do Alienista nos permite ir além dessas poucas considerações. É, com certeza, uma obra atemporal, uma crítica aos saberes dominantes, à fragilidade humana, diante das instâncias sociais de poder, que nos tornam – a todos – loucos, diante de nossas próprias razões.

Aline Soler Parra – Professora de Língua Portuguesa e Técnica de Redação do 9º ano - EF2 MACHADO DE ASSIS, Joaquim Maria. O Alienista. São Paulo: FTD, 1994. Edição Escolar. Livro do Professor. Introdução de Aguinaldo José Gonçalves. 22


ENSINO MÉDIO

LITERATURA E SOCIEDADE: UMA ABORDAGEM INTERDISCIPLINAR

A disciplina Literatura e Sociedade é uma das eletivas que entraram para a grade curricular do Ensino Médio no ano de 2018. Partindo do pressuposto de que a Literatura é produzida por autores específicos em um determinado contexto histórico, a proposta é promover o diálogo entre a esfera social e a esfera estética. Em outras palavras, a ideia é tratar Literatura, História, Geografia, Sociologia e Filosofia de forma interdisciplinar e horizontal, promovendo um debate mais amplo a partir do texto literário. O conteúdo abrange assuntos que estão, em sua maioria, fora do currículo convencional, englobando Literatura latino-americana, Literatura europeia e Literatura africana. Os alunos tiveram contato com a biografia dos principais autores, suas obras e sua importância para os dias atuais. O objetivo é, além de estimular a leitura,

proporcionar o contato com grandes temas da literatura, que podem ser utilizados como argumentos, citações e referências em redações e questões do Vestibular. Além disso, a disciplina também pretende iniciar os alunos nos principais tipos de trabalhos acadêmicos, tais como resumo, resenha, painel e artigo. Promover o diálogo entre diversas áreas do conhecimento só tem a enriquecer o debate e a bagagem cultural dos alunos. Perceber como cada autor tratou determinado contexto histórico ajuda também a compreender o momento atual em todas as suas contradições. Além disso, estimular a leitura é criar um hábito que trará inúmeros benefícios posteriormente, tanto na vida pessoal quanto na vida profissional. Vera Ceccarello Professora de Sociologia

NOVA DISCIPLINA: FUNDAMENTOS SÓCIO-FILOSÓFICOS O ano de 2018 teve uma novidade na área de Humanidades para o Ensino Médio. Ao invés das tradicionais disciplinas de Filosofia e Sociologia, uma nova matéria entrou na grade curricular dos alunos: a disciplina Fundamentos Sócio-Filosóficos. A proposta principal é a de englobar os conhecimentos de ambas as vertentes do pensamento Ocidental, ampliando significativamente as possibilidades didático-pedagógicas. A fusão das duas disciplinas só apresenta vantagens. Em primeiro lugar, o conhecimento é tratado de forma horizontal e conectado. A interdisciplinaridade é fundamental para o desenvolvimento dos alunos e o diálogo unificado entre a Sociologia e a Filosofia só tende a enriquecer esse processo de ensino-aprendizagem. Em segundo lugar, a nova proposta atende à demanda da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) que tem como objetivo a criação de alternativas que superam a fragmentação dos conhecimentos, fomentando o desenvolvimento das competências e habilidades dos componentes curriculares específicos de forma articulada com a Área de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas. A BNCC enfatiza a valorização ao respeito e à diversidade, o desenvolvimento do potencial pessoal, a compreensão do

outro, a utilização das informações e de métodos eficazes de estudo e trabalho, a resolução de problemas, a utilização de criatividade, a comunicação e o exercício do pensamento crítico, todas essas ações serão mais facilmente desenvolvidas com essa fusão. Filosofia e Sociologia nasceram e se desenvolveram em contextos muito diferentes. Uma, na Antiguidade Clássica; a outra, na Sociedade Moderna e Industrial. Porém, as discussões que ambas suscitam, relacionadas às diferentes formas de pensamento, de cultura e organização da sociedade são fundamentais para compreender questões contemporâneas como a ética, a moral e a cidadania. Tratar de temas tão relevantes para a nossa sociedade em constante diálogo com os alunos é um desafio e tanto. Mas tratar disso de forma conjunta e concatenando contextos, conceitos e diferentes propostas é algo que só tende a enriquecer as disciplinas e a formação dos nossos estudantes. Erica Frau – Professora de Filosofia Vera Ceccarello – Professora de Sociologia

23


FESTA JUNINA

PATROCÍNIO:

24


FESTA JUNINA

APOIO:

25


ENSINO MÉDIO

26

Oficinas de Arte

Jogos de Improviso

Prova de Figurinos

Leitura e Adaptação de Texto

Prova de Figurinos

Equipe de Cenário

Análise do Filme O Assasinato no Expresso do Oriente


A proposta da Oficina de Arte como disciplina eletiva tem como objetivo trabalhar simultaneamente várias linguagens artísticas, partindo de uma peça teatral e todos os recursos necessários para a realização da mesma, uma vez que, as aulas regulares de Arte já tratam com maior ênfase, a História da Arte devido aos vestibulares. Assim, o aluno é desafiado a explorar diversas formas de criação artística, que compreendem a adaptação da obra escolhida, a interpretação, o cenário, o figurino, a maquiagem, o som, a iluminação, a divulgação por meio de cartazes e, essencialmente, o desenvolvimento da capacidade de interação e cooperação, tão importantes para o trabalho em equipe. Para este ano, os alunos escolheram fazer uma adaptação da obra O Assassinato no Expresso do Oriente, da escritora Agatha Christie, que será apresentada no final do ano. No primeiro semestre trabalhamos com exercícios e jogos teatrais e atividades de expressão vocal e corporal. Realizamos reuniões

para discutirmos com quais formas de criação artística cada um pretendia trabalhar; realizamos teste de elenco para a definição de alguns personagens, estudos de cenário e figurino, também tivemos uma aula com a professora Vera que falou sobre o personagem Poirrot e, por fim, cada aluno procurou escrever um pouco sobre seu personagem, para que a aluna Julia Macedo, da 2ª. série A escrevesse a adaptação da obra. Terminamos o semestre com os ensaios já em andamento. O teatro é uma linguagem artística que permite ao aluno se expressar, interagir, assumir responsabilidades, entre tantas outras questões. Não pretendemos formar atores, mas, propiciar vivências que permitam o contato com áreas do saber pouco exploradas nas escolas, dando oportunidade para a construção de um sujeito capaz ir além da apreciação estética, com habilidades mais criativas, humanas e expressivas, agentes da própria transformação cultural e social.

Professora Patrícia Cortelazzo

27


Dia das Mães em família

Foi uma alegria a comemoração do Dia das Mães em Família!

As famílias foram recebidas carinhosamente com a belíssima Exposição Coletiva RETRATO DE MÃE, desenhos produzidos nas aulas de Arte da EI e EF1. Iniciamos o dia 19 de maio com a acolhida da Diretora Pedagógica Rose e uma bênção especial do Diretor Geral Padre Alexandre. Em seguida, os alunos da EI e do EF1 homenagearam as mães, cantando a música MÃE DE TODO TIPO. Foi uma manhã recheada de atividades, envolvendo mães/famílias e alunos: “Mãe da quadra” (Voleibol André Heller ), “Femme Style” (Olmos Ballet), Zumba em família (Matéria Academia), além de atividades livres. Maria Lúcia Torres Carvalho – Coordenadora Pedagógica do EF1 Renata Penteado – Orientadora Educacional do EF


ACONTE

Aconteliceu - 1ª Edição  

Fique por dentro de tudo o que rolou esse último semestre em nossa escola ;)

Aconteliceu - 1ª Edição  

Fique por dentro de tudo o que rolou esse último semestre em nossa escola ;)

Advertisement