Issuu on Google+

OPERAÇÃO MATINHOS

PU1 DIAGNÓSTICO

UFC . CT . CAU Prof. André Lopes ____ Alana Dias; Camila Catunda; Camila Matos; Lia Aguiar

Justificativa O Centro do Fortaleza, sendo um dos bairros mais antigos da cidade, possui intenso fluxo de pessoas, concentra diversas atividades comerciais e grande quantidade de serviços. É notório, porém, o descaso no que diz respeito aos recursos naturais dessa região. A arborização pública é, no geral, bastante precária e a maior parte dos corpos d'água encontra-se aterrada ou poluída. Dessa forma, este trabalho tem como objetivo principal a otimização dos espaços públicos do Centro dando ênfase às praças e parques, já que possuem uma relevante área verde. Há interesse que haja conexão entre tais espaços, de modo que não sejam apenas intervenções pontuais, mas que formem um “percurso verde”. Também é proposta a requalificação do riacho Pajeú e das margens de seu percurso, de forma que ele readquira sua identidade. Com este trabalho, pretende-se contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas que moram ou utilizam o centro, criando espaços agradáveis de circulação e lazer, sem nos distanciar dos propósitos de preservação.

Integração das áreas verdes do Centro de Fortaleza, CE


ANÁLISE Diagnóstico geral das praças

01 N

MAR

03

SAM PAIO

AV.

RUA ADO LFO

LEST

E

C AMINHA

RUA

PESSOA

TE

09 GEN

ERAL

RUA

MON

SENH

OR

A

PED

RO

I GUA JACE AV. SAN TO

PRAÇA DA SÉ - Ocupação freqüente por meio de uma feira - Iluminação pública muito alta - Pouco arborizada - Piso e bancos degradados

S D UMO N

OEL MAN DOM

05

Praças

AV.

NDE

VISCO

DUQ UE

DE

DO

Trecho do Riacho Pajeú

C AX

IAS

PRAÇA DOS MÁRTIRES - Bom estado de conservação dos equipamentos - Boa iluminação pública - Vem passando por um processo de requalificação do uso, mas ainda é bastante “temida” no horário da noite, quando vira ponto de prostituição e venda de drogas.

Corpos D’água RIO O

BRANC

01 - Praça do Ferreira 02 - Praça dos Voluntários 03 - Parque da Criança 04 - Praça Coração de Jesus 05 - Parque das Esculturas 06 - Praça Colégio Justiniano Serpa (Filgueiras de Melo) 07 - Bosque Dom Delgado 08 - Praça da Sé 09 - Praça dos Mártires 10 - Praça dos Leões

BOSQUE DOM DELGADO - Em reforma - Mau integrado com o entorno - Ambiente agradável

T

AV.

AV.

PARQUE DAS ESCULTURAS - Mau cheiro provocado pela poluição do Riacho Pajeú - Iluminação pública acima da copa das árvores - Nela funciona uma escola (Alba Frota)

IRAN

06

IRA

03 04

PRAÇA COLÉGIO JUSTINIANO SERPA -Potencialmente integrável - Aparentemente perigosa, em termos de furtos e violência urbana - Iluminação pública acima da copa das árvores

07

RUA

BORGES

02

PERE

PRAÇA CORAÇÃO DE JESUS - Nela funciona um terminal de ônibus - Boa acessibilidade para deficientes físicos - Bom estado de conservação dos equipamentos

ALM

10

PEDRO

PARQUE DA CRIANÇA - Estado de conservação ruim em geral - Má acessibilidade para deficientes físicos ou visuais - Sede da Secretaria de Direitos Humanos - Mau aproveitamento do potencial da praça

TE

RUA CONDE D’ EU

RUA

07

RUA

05

TABO S

08

RUA

04

ANTA

OES

01

PRAÇA DO FERREIRA - Bom estado de conservação dos equipamentos - Pouca arborização - Boa acessibilidade para deficientes físicos e visuais

PRAÇA DOS LEÕES - Bem integrada a estabelecimentos comerciais - Má acessibilidade para deficientes físicos ou visuais - Grande fluxo de pessoas - Recorrentes casos de furtos

10

09

08

06


ZONEAMENTO Zonas especiais e mapeamento dos usos

USO INSTITUCIONAL

MAR

USO CORMECIAL USO MISTO EDUCAÇÃO SAÚDE HABITAÇÃO

A área escolhida para estudo se encontra, quase na sua totalidade, numa Zona de Ocupação Preferencial 1 (ZOP 1), essa caracteriza-se pela presença de imóveis não utilizados e subutilizados e por isso destina-se a uma dinamização e ocupação do solo. Dentro dessa zona prevê-se também a ampliação e recuperação de equipamentos e espaços públicos (que seria o foco deste trabalho). Nesse espaço, integra-se também uma Zona Especial de Dinamização Urbanística e Socioeconômica (ZEDUS). Elas procuram promover a utilização de terrenos subutilizados no território em questão com o objetivo econômico, em áreas adequadas em infraestrutura urbana e mobilidade. Com isso propõe-se a elaboração de projetos que tenham o objetivo de melhorar as condições de mobilidade e acessibilidade à zona. Boa parte dos sítios escolhidos encontrase numa Zona Especial de Preservação do Patrimônio Paisagístico, Histórico, Cultural e Arqueológico. Dentro dessas áreas procurase preservar, valorizar, proteger e monitorar o patrimônio. Procura-se incentivar essas áreas para o lazer, turismo, serviços, etc. de forma que estimule o valor cultural desses lugares pela população. É primordial garantir, também, que o patrimônio tenha uso compatível com as edificações e o paisagismo no seu entorno.

PRAÇAS E PARQUES INDUSTRIAL

N MAR

PAIO

AV.

RUA ADO LFO

LEST

E

CAMINHA

RUA

OES

SAM

TE

TABO S

A

UAI JACE G ALM

IRAN

TE

RUA CONDE D’E U BORGES

RUA

PEDRO

RUA

S D UMO

PED

RO

NT

PERE

MAN OEL

VISCO

AV.

DUQ UE

NDE

AV.

DE

DO

N

DOM

AV. C AX

IAS

RIO O BRANC

ZEDUS

OR

AV. SAN TO

SÍTIOS ESCOLHIDOS

ZOP 1

SENH

RUA

RUA

MACROZONA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL

CORPOS D’ÁGUA

MON

GEN

ERAL

RUA

IRA

ZEPH - CENTRO

ANTA

PESSOA

Através do mapa é possível perceber que a maior parte da área escolhida tem como principal uso o comercial, que identifica atividades econômicas que tem como função específica a troca de bens. Áreas de uso misto também são constantes e identificam atividades econômicas que tenham como função específica a prestação de serviços de qualquer natureza, podendo servir também como moradia. Em toda a área encontram-se alguns pontos de usos institucionais, sendo em sua maioria, edifícios com atividades voltadas para o aspecto social, cultural, artístico e de lazer. Da mesma forma é possível encontrar alguns pontos de uso educacional e de saúde. Quase não há áreas com uso habitacional. Os pontos marcados como praças e parques são os que nos focamos nesse trabalho. Com a nossa proposta alguns dos usos apresentados no mapa seriam modificados, todos com a intenção de uma melhoria na qualidade da vida nessa área, tornando os espaços mais agradáveis e saneados.


MOBILIDADE Vias, fluxos e concentração

MAR

MAR

RUA ADO

LFO C AM

I JACE

ALM IOR JUN

INA

VIN

DON

A

DOM PED

RO I

C AX

IAS

O

RUA

RUA

DO

BRANC

RUA

RIN

DE

MET ON

QUE

BRANC

N

DO

RIO

RUA

IROZ

DE

O

Via arterial 1

Via coletora

Via para tráfico exclusivo de pedestres

ALE

T

LEO POL D

ES

TÁV ORA

RUA

NDE

RIO

DUQ UE

CLA

Via para tráfico exclusivo de pedestres

ON

IGU

E

EIRA

AV.

DO

I

AV.

DE

Imagem indicando as vias de pedestres existentes em trechos das ruas Guilherme Rocha, Gen. Bezerril, Liberato Barroso e Pedro Borges.

DUM

IN

MAD

RUA

AV.

RO

IAS

ROS

NKL

PED

C AX

TE

DE CIN

. CEL

FRA

PINTO

RUA

AS

BAR

CO

FERR

AZ

TA

TE

RUA

UEIR

AV. SAN TOS

RUA

IRA

GUA

ÇO MAR

JOSÉ RUA

COS

RUA

PERE

FILG

ROD R

DOM

RO

VISCO

DE

N

PED

AV.

DUQ UE

NDE

VISCO

AV.

RUA

MAN

OEL

IRA

IRA

DOR

NT

PERE

PERE

SÃO

SAMPAIO

U

BORGES

PEDRO

A

IRAN

BE ZE RR IL

PEIX OTO L

O

ERA GEN

PAU LO

TABO S

CAR

RUA

S D UMO

OR

DE ALEN

RUA

GOVERNA

RUA

RUA

SENH

RUA

RUA CONDE D’ E

ÃO BAR

ALM

RUA

FLO

RUA

IRAN

SÃO

RUFINO

RUA

AVELINO

MON

EIRA

RUA

BORGES

R

DO

RUA

JACE G TE

U

RUA CONDE D’E

AV.

SILVA

RIAN

ALE

NCA

RUA

PEDRO

FAC UND O

OR

SEN

.

RO

RUA

MOR

R

RUA

A

E

MAJO

TABO S

TRO RIO

OR

C AS

RUA

SENH

SENA D

MON

GEN ERAL

RUA

PED

JOSÉ

O

RUA

AV. SAN TO RUA

RUA

JOÃ

TE

RUA

TE

RUA

OES

AV.

Apesar de haver um intenso uso do Centro por pedestres, apenas em pouquíssimos casos este tipo de fluxo é orientado. Sendo assim, a mobilidade destes é prejudicada à medida em que os percursos, demasiadamente orgânicos, provocam, dentre outros problemas, a falta de legibilidade dos caminhos e prejudicam a permeabilidade das diferentes regiões.

RIBE

DR.

UAI

Percurso ideal de integração das áreas

OES

JAGU A

RUA

ANTA

PESSOA

ANTA

PESSOA

RUA

OEL

RUA

GEN ERAL

Massas verdes

E

CAMINHA

INHA

RUA

SAM PAIO

LEST

.

E

BRA

RUA ADO LFO

AV.

SEN

LEST

MAN

Área de concentração de pessoas

RUA

POM PEU

SAM PAIO

AV.

NCO

N

NCA

R


PATRIMÔNIO Levantamento histórico-cultural do Centro

Parque das Crianças

Gráficos e imagens Gill Sans regular 10pt com espaçamento 1. Parágrafo justificado pela esquerda. Vista do Hotel Excelsior a partir da Praça do Ferreira

Praça do Colégio Justiniano Serpa

Praça dos Leões

Theatro José de Alencar

N 1. Parque das Crianças 2. PMF / Secretaria das Finanças 3. Praça da Polícia (dos Voluntários) 4. Delegacia de Polícia 5. Praça do Ferreira 6. Farmácia Oswaldo Cruz 7. Cine São Luís 8. Hotel Excelsior 9. Caixa Econômica Federal (Palacete Ceará) 10. Academia Cearense de Letras (Palácio da Luz) 11. Igreja do Rosário 12. Le Escale (antiga APLUB) 13. Museu do Ceará (antiga Assembléia Provincial) 14. Praça dos Leões 15. Centro de Referência do Professor 16. Praça da Sé 17. COELCE (Soc. União Cearense / Correios) 18. Associação Comercial (antigo Palace Hotel) 19. Passeio Público (Praça dos Mártires) 20. Muralhas da Fortaleza de N. S. da Assunção 21. Restaurante da FEBEMCE (antigo Hotel Central) 22. PMF - Palácio do Bispo 23. Teatro São José


DIRETRIZES Orientação geral do projeto

N

MAR

Este projeto tem como premissa favorecer a integAV. PAIO

ração das principais áreas verdes do Centro, facil-

RUA ADO

LFO C AM

LEST

E

RUA

ANTA

PESSOA

OES

TE

SAM

itando a navegabilidade dos pedestres e a legibili-

INHA

09

RUA

MON

SENH

OR

TABO S

A

GEN

ERAL

dade do espaço.

RUA

julgado necessário para a manter a padronização RUA

PED

RO

PEDRO

GUA TE ALM BORGES

RUA

01

também a criação de novos espaços onde for

IRAN

D’E

10 RUA CONDE

tinuidade visual, quanto pela de linguagem. Haverá

dos percursos.

07

U

conexão entre eles, que ocorrerá tanto pela con-

JACE

08

RUA

ampliação de parques e praças já existentes e da

I

A criação de “percursos verdes” se dará através da

06

02

PERE

DUQ UE

ON

T

MAN DOM

DE

DO

talecer não apenas sua identidade mas a da região

AV.

DUM

AV.

por uma série de melhorias, com o objetivo de for-

05

NDE VISCO

áreas de interferência é o riacho Pajeú, que passará

03 04

AV.

Outro elemento que terá grande relevância nas

TOS

OEL

IRA

AV. SAN

Praças

C AX

IAS

como um todo. RIO

Trecho do Riacho Pajeú a céu aberto

O

BRANC

Vias com traffic calming


TÓPICOS Desenvolvimento das diretrizes de projeto

N

MAR

1. Alterações nas vias: converter vias asfaltadas em de calçamento ou limitar a passagem de veículos automotores no chamado “percurso verde”, de forma a priorizar os pedestres. AV.

LFO C AM

LEST

E

SAM

09 AL

MON

SENH

OR

TABO S

JACE

GUA

I

A

06

02

PERE

AV.

AV. SAN TOS

DUM

ON

T

03 04 DUQ UE

MAN

OEL

IRA

05 DOM

RO

BORGES

Vias onde aplicaremos traffic calming Praça que será criada em integração com o Parque das Esculturas e o Riacho Pajeú

AV.

PED

PEDRO

RUA

RUA

ALM

RUA CONDE

10

01 RUA

IRAN

D’E

TE

U

07

NDE DE

DO

Ponte

C AX

IAS

Estacionamento recuado

RIO

Percursos verdes

O

BRANC

8. Homogeneização da linguagem dos corredores de ligação: uniformizar os mobiliários urbanos e as espécies arbóreas dos “percursos verdes”, com a finalidade de manter um padrão que leve a um rápido reconhecimento dos locais.

ANTA

PESSOA

GEN ER

08

VISCO

7. Arborização das margens: promover a continuidade visual do riacho e protegê-lo contra a poluição.

RUA

AV.

6. Tentativa de deixar o riacho Pajeú a céu aberto na área de intervenção: fortalecer a identidade do riacho através do aumento de sua visibilidade e da criação de corredores verdes.

RUA

TE

4. Despropriação de mercados e estacionamentos / Criação de um único estacionamento. 5. Operação de limpeza do riacho Pajeú: despoluir o riacho e recuperar a sua fauna original.

INHA

OES

RUA

3. Criação de “percursos verdes”: caminhos arborizados que produzem um ambiente agradável, tanto de estar quanto de circulação, a ser utilizado por moradores e frequentadores do Centro e que conecta alguns dos principais espaços públicos da região.

PAIO

2. Novo projeto de sinalização: facilitar a localização dos espaços, identificando-os, indicando seus acessos e apontando seus equipamentos. Adaptação das praças e calçadas às novas leis de acessibilidade: implementação de rampas e pisos táteis, nivelamento e alargamento das calçadas, utilização de recursos que facilitem a locomoção, desde que de acordo com as normas.

RUA ADO

Corredores verdes às margens do Riacho


MASTERPLAN Etapas da intervenção com foco na primeira

1ª etapa da intervenção: estacionamento quiosques anfiteatro

N

pista de ciclismo

quadras poliesportivas pça. de alimentação

pista de corrida

bicicletário 1ª etapa - praça das pontes. 2ª etapa - 25 de março. 3ª etapa - bosque dom delgado. 4ª etapa - sé.

riacho Pajeú

5ª etapa - voluntários. praças

biblioteca ao ar livre

percurso verde

O projeto de intervenção envolve as principais praças do Centro e tem como principal intenção interliga-las de maneira a melhorar a permeabilidade e a navegabilidade da área. A intervenção foi dividida em 5 etapas, dentre as quais, a primeira é um grande parque no centro das praças que cria um ambiente agradável e com vários equipamentos destinados tanto às pessoas que ali frequentam como as que esperamos atrair com a implantação deste parque. Para dividir o parque em áreas relativamente iguais, transferimos a Rua Melvin Jones e utilizamos, tanto ela quanto a Rua dos Pocinhos, em ‘traffic calming’ , usando paralelepipedos e reduzindo o espaço para transição de carros a um por rua. Foi criado em todo um parque um percurso de passeio às margens do riacho Pajeú, com bastante arborização e bancos dispostos embaixo das árvores. Além do parque, nessa etapa, temos também a criação de um percurso verde que interliga às praças.


ÁREA APROXIMADA zonas e detalhes

detalhe ponte

N

detalhe ponte (planta e corte)

zona de entretenimento zona de esportes zona cultural O Parque das Pontes é dividido em três zonas diferentes, sendo uma delas mais voltada aos esportes, com equipamentos como quadras poliesportivas e pistas de ciclismo e de corrida. A outra zona é mais voltada ao entretenimento com um anfiteatro, uma praça de alimentação, alguns quiosques de suporte e um estacionamento com capacidade para mais ou menos 100 carros. Já a zona cultural tem como principal equipamento uma biblioteca ao ar livre, com quiosques que guardam os livros. e alguns outros de suporte.

detalhe percurso verde

detalhe percurso verde (planta e corte)


DETALHAMENTO dos equipamentos

detalhamento: banco

detalhamento: poste de iluminação pública

detalhamento: quiosque


PU01 - operacao matinhos.