Issuu on Google+

Segundo Caderno - 1

Setembro/2011

IDEIA PARA ADOLESCENTE

Setembro/2011 - Ano VI - Nº 73 - www.jornalorion.com - Edição Mensal - Distribuição Gratuita - Não pode ser distribuído separadamente

ATENTADO DE 11 DE SETEMBRO O que mudou no mundo após o maior atentado terrorista da História ! Terça-feira, 11 de setembro de 2001. Era uma manhã comum de trabalho na redação da Casa Publicadora Brasileira. A rotina seguia seu curso: textos para revisar, matérias para escrever, decisões editoriais. Até que alguém gritou da sala de reuniões: “Venham ver isso aqui!” Quando entrei na sala, o relógio marcava nove horas e a TV estava ligada. A imagem que vi parecia a de um desses filmes apocalípticos hollywoodianos, mas o logotipo da emissora norte-americana CNN deixava claro que não se tratava de ficção. Uma das torres gêmeas do World Trade Center em Nova York estava pegando fogo! Assentei-me numa das cadeiras e fiquei sabendo, instantes depois, que um avião da American Airlines (voo 11) havia atingido o

arranha-céu fazia poucos minutos. Nem os repórteres (muito menos nós que estávamos ali naquela sala a mais de oito mil quilômetros de distância) sabiam exatamente o que estava acontecendo. Teria sido um terrível acidente? Às 9h03, com os olhos ainda grudados na tela da TV, tivemos certeza de que aquilo não se tratava de acidente: outro avião, agora da United Airlines (voo 175), acabava de atingir a torre sul. Em duas horas, tudo o que sobrou dos dois edifícios foi uma montanha de entulhos e muita poeira. Meus colegas e eu emudecemos. As imagens eram dramáticas e as informações, escassas. Pairava no ar a sensação de que aquele dia mudaria os rumos da história em nosso planeta. E mudou.

Página 3

“Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” Um episódio em especial do reality show da TV Record, “A Casa da Ana Hickmann”, chamou a atenção do Brasil e especialmente dos adventistas do sétimo dia. A comunicadora adventista Whasti, que competia para ser a nova repórter do programa “Tudo é Possível”, passou os momentos sabáticos a sós, sem envolver-se em qualquer tipo de atividade secular imprópria para o dia de repouso (Ex 20:8-11) e para qualquer outro dia da semana (nesse caso, baladas). !

Página 4

2011: ano recorde de desastres naturais nos EUA Segundo estimativas preliminares, o furacão Irene muito provavelmente será um desastre de 10 bilhões de dólares (16,12 bilhões de reais), quebrando recorde de 2008 para prejuízo de desastres por ano. Entre as enchentes de verão, tornados, tempestades e secas, 2011 já !

acumulou nove desastres naturais que custaram pelo menos 1 bilhão de dólares (1,61 bilhões de reais) cada. Se as estimativas de danos estiverem certas, Irene seria um recordista. Nos EUA, conforme o furacão deixou um rastro que começou nas Carolinas na sex-

ta-feira (26 de agosto), como uma tempestade da categoria 2 com ventos de até 169 quilômetros por hora, matou pelo menos nove pessoas [dados mais recentes dão conta de que 33 pessoas morreram] – cinco na Carolina do Norte, três na Virgínia e uma na Flórida.

Página 8

O CLIENTE SEMPRE TEM RAZÃO? Cabe a você estabelecer um processo de elucidação para gerar um acordo sensato, eficiente e que possa gerar possibilidade de novos negócios. Página 6


Setembro/2011

2 - Segundo Caderno

❘❙ Ideia para Adolescente

Como estudar melhor

M

uitas pessoas veem o estudo como algo complicado, difícil, e até chato, e isso faz com que passamos a ter dificuldades na hora de estudar, como por exemplo, a falta de concentração, mas muitos fatores podem ajudar na hora do estudo, como o horário, o ambiente, e até mesmo uma boa alimentação antes do estudo pode ajudar para que ele se torne mais agradável. ABAIXO TEMOS ALGUMAS SUGESTÕES: ● Primeiramente defina um horário do seu dia para se dedicar aos estudos, não existe um horário melhor ou pior, isso vai variar de pessoa para pessoa, e quem vai descobrir qual o melhor horário é você mesmo. O ideal é fazer isso todos os dias, não deixar tudo para estudar um dia antes da prova, pois assim não irá aprender nada. O tempo ideal para cada dia também dependerá de você, tudo vai depender da sua dedicação, uma dica é em uma hora de estudo, fazer um intervalo de dez minutos. ● No ambiente de estudo é essencial que seja um local calmo,

claro e bem ventilado, e de preferência que seja do seu agrado. Não deve haver nenhum elemento que possa desviar a sua atenção, como rádio, televisão, telefone, computador. Jamais estude deitado, na hora de estudar é importante que esteja sentado, e com a postura correta, para não perder a concentração. ● Os materiais que serão utilizados devem estar organizados próximos de você. Faça também um planejamento de tudo que tem que estudar para não esquecer de nada. ● É importante que na hora de estudar você esteja bem alimentado, a fome prejudica os estudos, o raciocínio, e o entendimento do conteúdo, mas não fique comendo ao mesmo tempo em que estiver estudando, faça as refeições antes e depois dos estudos. Quando fizer refeições muito pesadas, dê um tempo de uma hora para a comida fazer a digestão. ● Tente se concentrar o máximo possível, procure se interessar mais pelo o que você estuda. Mas a concentração tem um limite, e

quando o limite dela é ultrapassado, a pessoa perde totalmente a concentração nos estudos, e neste caso é melhor parar, relaxar, para

❘❙ Educação

depois retomar, se for o caso. ● Deixe o seu sono em dia, durma no mínimo 8 horas por dia.

● Pratique atividades físicas, e mantenha a boa alimentação, pois um corpo saudável reflete em uma mente saudável.

❘❙ Biografia

Entendendo o ensino fundamental de 9 anos De acordo com a lei de número 11.274, a partir de 2007, o Ensino Fundamental brasileiro passou a ter nove anos. A nova série será acrescentada no início do Ensino Fundamental. As crianças, ao invés de entrar com 7 anos de idade, entram com 6. Os Estados e municípios tiveram até 2010 para se adaptarem à nova lei. Segundo o (MEC) Ministério da Educação, o objetivo é colocar mais crianças nas escolas e proporcionar mais tempo de escolaridade aos estudantes brasileiros. Com o aumento do número de anos da Educação Básica obrigatória são vistos como um avanço. “A inclusão dessa clientela é um grande passo para a democratização do acesso escolar. Apenas os filhos das classes mais pobres não estudavam aos 6 anos”, analisa Patrícia Corsino, que leciona Prática de Ensino de Educação Infantil na Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Em outras palavras com o mesmo sentido - Antes a crianças com 6 anos de idade estava matriculada no que chamamos de Pré Escola, último ano da Educação Infantil. Hoje essa Pré Escola passou a ser o 1° ano do Ensino Fundamental. Um dos pontos mais discutidos desde que a lei do novo ensino fundamental entrou em vigor é justamente a antecipação dos conteúdos e atividades da escola que anteriormente faziam parte do currículo da antiga primeira série. O conteúdo do primeiro ano do Ensino Fundamental de nove anos não é o conteúdo trabalhado no último ano

da pré-escola de seis anos. A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, não tem como objetivo preparar crianças para o Ensino Fundamental; tem objetivos próprios que devem ser alcançados na perspectiva do desenvolvimento infantil respeitando, cuidando e educando crianças no tempo singular da primeira infância. No caso do primeiro ano do Ensino Fundamental a criança de seis anos, assim como as demais de sete a dez anos de idade, precisam de uma proposta curricular que atenda suas características, potencialidades e necessidades específicas dessa infância. Faz-se necessário elaborar uma

■ Por outro lado, a decisão permite (forçosamente) que alunos que não teriam acesso à pré-escola, alunos mais carentes, possam ter um ensino um pouco maior. Pois o Ensino Fundamental é obri-

gação do Estado. A Constituição Federal e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional preceituam como dever do Estado, com a educação escolar pública, a garantia de “ensino fundamental,

nova proposta político-pedagógica e curricular coerente com as especificidades não só da criança de seis anos de idade. NOMENCLATURA Não é mais dividido em séries e sim em Ano. Creche - Até 3 anos de idade Educação Infantil - 5 anos de duração - Até 5 anos de idade Pré-Escola - 4 e 5 anos de idade Ensino Fundamental - 9 anos de duração - Até 14 anos de idade Anos iniciais - 5 anos de duração - de 6 a 10 anos de idade Anos finais - 4 anos de duração - de 11 a 14 anos de idade obrigatório e gratuito, inclusive para os que a ele não tiveram acesso na idade própria”. Esse 1° Ano constitui uma possibilidade para qualificar o ensino e a aprendizagem dos conteúdos da alfabetização e do letramento. Mas, não se deve restringir o desenvolvimento das crianças de seis anos de idade exclusivamente à alfabetização. A partir de 2011, os alunos deverão ter 6 anos completos ou a completar até 31 de março do ano letivo para passarem da educação infantil para a próxima fase. É o que determinam o MEC (Ministério da Educação) e o CNE (Conselho Nacional de Educação).

Olá amigos leitores! É com grande satisfação que mais uma vez venho através do Jornal Orion apresentar mais uma biografia nesse veiculo que tem siso de grande valia na vida de muitos. Nessa oportunidade, tive o prazer de está com o Quarteto Athus em uma entrevista descontraída e prazerosa. Confira! O Quarteto Athus surgiu em 1993, no estado de São Paulo, quando estudaram teologia no Unasp (Universidade Adventista de São Paulo). Em 1994, foram para a Cidade de Cuiabá, onde passaram as férias de meio de ano, trabalhando, vendendo LPs dos Arautos do Rei, e geléia real. As vendas desses produtos em Cuiabá, o apoio de “A Voz da Profecia”, foram fatores determinantes da gravação do seu primeiro CD: “O Amor que Pode Tudo” - contendo inovadoras canções inesquecíveis como: Digno é O Cordeiro, Eu ergo as Mãos, O amor que pode Tudo, e muitas outras, que se tornaram Hits em várias Rádios Novo Tempo em Todo o Brasil. No ano de 1995, depois de percorrerem grande parte do território nacional, foram cantar e estudar no Chile, onde passaram o ano todo servindo ao UNACH (Universidad Adventista de Chile) nas Missões Estudantis Evangelísticas. Em 1996, foram morar em Belo Horizonte - MG, onde gravaram vários CDs renovadores, no gênero “quarteto”, e estilo próprio, que influenciaram positivamente a música Nacional Adventista. O que gravaram, foram músicas Infantis; A Cappella; tradicionais; e vários outros estilos. Esta variedade somada à performance, grande expressão e busca de qualidade, foram fatores importantes na disseminação do

trabalho em praticamente todo o Brasil e outros lugares. No ano 2000,eles gravaram o CD Recordações, e se tornaram o primeiro quarteto brasileiro, a gravar um repertório totalmente nacional. Também se tornaram, o primeiro quarteto do Brasil a gravar um CD em Espanhol, quando foram para o Chile, nesse mesmo ano, onde fizeram uma turnê pela região metropolitana de Santiago. Em entrevista, eles enfatizaram que o objetivo do Quarteto é de proclamar as boas novas da salvação em Jesus, por meio de diferentes formas, sem preconceitos com raça, idioma, estilo,classe social... ’’pois cremos que a música é uma ferramenta para se mostrar Jesus” explicam. Por isso que gravaram CDs e músicas, contendo diversas linguagens. A formação atual do quarteto é: Ângelo Meireles, Gilberto Reis, Marden Santos e Neimar Brito. Estão ensaiando e cantando, desde março de 2010. Segundo eles, a história na verdade, está apenas começando... Bom, é isso ai pessoal! Até a próxima!

Luiz Fernando Kastro

Saúde, Sucesso, Amor...

... PARA VOCÊ!


Segundo Caderno - 3

Setembro/2011

Dez anos depois do 11 de Setembro O QUE MUDOU NO MUNDO APÓS O MAIOR ATENTADO TERRORISTA DA HISTÓRIA

T

erça-feira, 11 de setembro de 2001. Era uma manhã comum de trabalho na redação da Casa Publicadora Brasileira. A rotina seguia seu curso: textos para revisar, matérias para escrever, decisões editoriais. Até que alguém gritou da sala de reuniões: “Venham ver isso aqui!” Quando entrei na sala, o relógio marcava nove horas e a TV estava ligada. A imagem que vi parecia a de um desses filmes apocalípticos hollywoodianos, mas o logotipo da emissora norte-americana CNN deixava claro que não se tratava de ficção. Uma das torres gêmeas do World Trade Center em Nova York estava pegando fogo! Assentei-me numa das cadeiras e fiquei sabendo, instantes depois, que um avião da American Airlines (voo 11) havia atingido o arranha-céu fazia poucos minutos. Nem os repórteres (muito menos nós que estávamos ali naquela sala a mais de oito mil quilômetros de distância) sabiam exatamente o que estava acontecendo. Teria sido um terrível acidente? Às 9h03, com os olhos ainda grudados na tela da TV, tivemos certeza de que aquilo não se tratava de acidente: outro avião, agora da United Airlines (voo 175), acabava de atingir a torre sul. Em duas horas, tudo o que sobrou dos dois edifícios foi uma montanha de entulhos e muita poeira. Meus colegas e eu emudecemos. As imagens eram dramáticas e as informações, escassas. Pairava no ar a sensação de que aquele dia mudaria os rumos da história em nosso planeta. E mudou. Conforme ficamos sabendo depois, os atentados de 11 de setembro de 2001 foram, na verdade, uma série de ataques suicidas coordenados pela organização terrorista Al Qaeda. Na manhã daquela terça-feira, 19 terroristas sequestraram quatro aviões comerciais. Além dos dois que foram lançados contra as torres gêmeas, um atingiu o Pentágono, nos arredores de Washington, e o quarto deveria atingir a Casa Branca ou o Capitólio, não tivessem os passageiros se insurgido e tentado retomar o controle da aeronave, que acabou caindo num campo próximo de Shanksville, na Pensilvânia. O total de mortos nos ataques foi de quase três mil pessoas, incluindo os 19 sequestradores. A resposta dos Estados Unidos não demorou muito e ficou conhecida como Guerra ao Terror. O país invadiu o Afeganistão para derrubar o Talibã, que abrigou os terroristas da Al Qaeda, e declarou guerra ao Iraque de Saddam Hussein, com a acusação falsa de que ali havia armas de destruição em massa. Essa ação militar imprópria (para dizer o mínimo) diluiu muito da simpatia mundial com a tragédia americana. Além disso, milhares de vidas e bilhões de dólares foram perdidos na emprei-

tada – mesmo assim, o mundo aceitou tudo. O foco da nação mais poderosa do planeta se tornou a guerra contra o terrorismo e houve descuido em outras áreas, como a econômica. Resultado: o mundo entrou numa época de turbulência econômica sem precedentes e que já dura uma década. TURBULÊNCIA ECONÔMICA Para o analista de sistemas Marco Dourado, de Curitiba, o crescimento da economia desde o pós-guerra incentivou o consumismo e, a partir dos anos 1980, emergiu uma geração de jovens moralmente insensíveis, agressivos e ávidos, obcecados por fazer fortuna a qualquer preço, preferencialmente antes de atingir os 30 anos de idade – os yuppies. A compulsão pelo ganho fabuloso e imediato encontrou sua melhor expressão no mercado de ações das empresas de novas tecnologias, as chamadas pontocom. “A farra durou até o fim do milênio, quando o estouro dessa bolha ameaçou lançar o mundo em gravíssima recessão. A solução, se é que pode ser assim chamada, foi baixar paulatinamente os juros dos papéis da dívida norte-americana para patamares impensáveis. Isso gerou outra bolha de especulação devido ao crédito fácil, sobretudo no mercado imobiliário. Esse crédito acabou sendo diluído cavilosamente para dentro de diversos setores da economia. Pessoas que estavam pagando hipotecas viáveis dentro de suas expectativas financeiras e profissionais refinanciavam suas dívidas passando a comprar imóveis duas e até três vezes mais caros que o valor da hipoteca inicial. A situação perdurou até 2008, quando essa nova bolha estourou”, avalia e relembra Dourado. A “solução” do governo Obama? Aumentar o endividamento americano para além da ionosfera. “Como não existe dinheiro no planeta para desmontar essa

bolha, os aficionados por ETs creem que apenas auxílio alienígena possa reverter o quadro”, brinca Dourado (embora saiba que o assunto é muito sério, conforme demonstra o gráfico comparativo publicado no site da revista Veja). O que se espera para os Estados Unidos é o mesmo que aconteceu com o Japão: lenta decadência causada por endividamento, inflação e queda do PIB. “Os efeitos políticos e sociais desse cenário tendem a ser devastadores”, prevê Dourado. “Isso vai complicar em muito a política externa. Quando o pragmatismo desbanca a diplomacia vale a lei do mais forte sem paliativos, sem concessões. Quando um peixe grande abaixa o padrão, os demais seguem na cola. Tendemos à década de 1930, substituindo o conflito ideológico pela agenda ambiental. Não faltarão atores laterais querendo se aproveitar para aumentar sua influência. O Vaticano já desponta nesse sentido. Alguns fatores agravantes (ex.: desastres naturais), se combinados, certamente acelerarão o quadro”, conclui. O professor de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas, Maurício Santoro, também relaciona os atuais problemas econômicos com o 11/9: “Para evitar uma desaceleração econômica naquela época o governo dos Estados Unidos reduziu os juros e estimulou o consumo da população. Com baixas taxas de retorno, a população começou a consumir e a procurar opções mais rentáveis de investimentos, como a bolsa de valores. Muitos compraram casas com financiamento a juros baixos, pegaram empréstimos colocando imóveis como garantia e foram investir em ações e consumir mais, alimentando o descontrole sobre as finanças pessoais e o sistema financeiro como um todo. Construíram um castelo de cartas que ruiu com a crise financeira de 2008.” Mas os maus ventos não sopraram apenas contra a economia. AMEAÇA À LIBERDADE Em seu artigo “O fim da democracia norte-americana”, o jornalista e professor universitário Ruben Dargã Holdorf mostra que a mídia norte-americana mudou seus valores e que as práticas vigentes enfraquecem cada vez mais o perfil histórico dos Estados Unidos como nação defensora das liberdades de imprensa, expressão e consciência. Holdorf menciona pesquisa segundo a qual apenas 47% das pessoas leem algum jornal nos Estados Unidos. Além disso, “um americano médio investe somente 99 horas anuais na leitura de livros, enquanto torra 1.460 horas em frente a um televisor; e ridículos 11% são os leitores de jornal diário, cujos

quadrinhos e classificados de carros usados se demonstram os prediletos”. Nesse cenário de medo e alienação, fica bem mais fácil para uma elite ditar os rumos da política. Holdorf lembra que a Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos garante que “o Congresso não fará nenhuma lei... que restrinja a liberdade de expressão ou de imprensa”. Mas, para ele, “algo de anormal” ocorre nos bastidores da mídia norte-americana, e isso vem enfraquecendo um sólido fundamento de mais de 200 anos. “A rivalidade entre o governo e a imprensa se iniciou logo após os atentados de 11/9, quando a conselheira nacional de Segurança, Condoleezza Rice, solicitou à imprensa nacional evitar qualquer notícia prejudicial à ordem no país. Os chefes de redação, Ron Gutting e Dan Guthrie, dos jornais City Sun e Daily Courier, respectivamente, ousaram cumprir a Primeira Emenda e criticar o presidente. Amargaram a demissão. Configurava-se aí o princípio da derrocada da Primeira Emenda e o primeiro abalo contra a democracia”, lembra o jornalista. Para Holdorf, outro fator que atenta contra a diversidade de pensamento é o monopólio da informação. “Quando as comunicações se aglutinam sob o comando e orientação de poucos ou somente uma empresa jornalística, ocorre o risco da manipulação. Os Estados Unidos têm hoje apenas seis grandes empresas de comunicação. E já foram cerca de mil. O número de cidades norte-americanas com pelo menos dois jornais concorrentes é de reduzidos 34 locais”, contabiliza. Em seu artigo, Holdorf cita estudiosos segundo os quais a morte da democracia na América começa a partir do momento em que os Estados Unidos justificaram ataques militares e invasões a países suspeitos de terroris-

mo.[1] Após destronarem a democracia, surgiu um Estado fascista e teocrático. E quase ninguém parece se importar, pois talvez não se dê conta de onde isso pode terminar. Segundo matéria publicada na revista Superinteressante de setembro, para combater o terrorismo (ou com essa justificativa), “os Estados Unidos tomaram medidas radicais. O governo passou a grampear secretamente e-mails e telefonemas da população. Criou cadeias à margem da lei (como a de Guantánamo, que não obedece às regras jurídicas do país) e usou tortura contra suspeitos de terrorismo – que podem ser presos por tempo indeterminado, mesmo sem provas ou sequer uma acusação concreta. Por tudo isso, há quem diga que os Estados Unidos se tornaram um Estado policial”. A crescente apatia política do povo norte-americano está abrindo as portas para as ações da Nova Direita, maior movimento religioso dos Estados Unidos, simpatizante do Partido Republicano e que defende a união do Estado com a Igreja. Inclusive a pré-candidata republicana Michele Bachmann chegou a afirmar que o terremoto e o furacão Irene (que atingiram Estados americanos em agosto deste ano) teriam sido provocados por Deus para chamar atenção sobre os problemas da nação. Estariam esses políticos sugerindo o retorno à fé como solução para esses problemas? Mas o retorno a que tipo de fé? Holdorf aponta a consequência dessa mistura entre política e religião: “Se a condição laica de Estado ruir, com certeza a liberdade de imprensa será a próxima vítima desse poder autoritário”, e, “caso essa configuração continue tomando forma, a previsão quanto aos destinos do planeta nas próximas décadas não é nem um pouco otimista. Ao contrário do que se projeta, a ruína da imprensa vai desencadear uma série de fatos que podem conduzir as principais democracias do Ocidente a sua derrocada e ao retrocesso a uma nova ‘Idade Média’”. Nada mais profético! CENÁRIO PROFÉTICO Na opinião do teólogo e blogueiro Sérgio Santeli, de São Paulo, algumas liberdades civis foram atropeladas depois do 11/9. Com a aprovação da Lei Patriótica, o governo americano passou a ter o direito de investigar qualquer cidadão norte-americano ou estrangeiro que resida nos Estados Unidos, sem necessidade de ordem judicial – basta desconfiarem que alguém esteja ajudando os terroristas. “Quem garante que os ‘inimigos políticos’ (ou religiosos) do governo não serão colocados no mesmo barco?”, pergunta Santeli. Ele lembra que, em 2006, foi aprovado também o Ato das Comissões Militares, que dá ao presidente norte-americano autoridade para instituir tribunais militares à parte do sistema judicial, com o propósito de julgar “combatentes inimigos ilegais”. Detalhe: qualquer cidadão americano pode então ser considerado “combatente inimigo ilegal”. Mas, afinal, como o maior ataque terrorista da História se encaixa no cenário profético? Para o criador do blog Minuto Profético, o 11/9 antecipou a chegada do quadro profético de Apocalipse 13:15-17, segundo o qual os “combatentes inimigos ilegais” do governo norte-americano não poderão comprar nem vender se não tiverem o sinal da besta.[2] “O evento também mostrou claramente que, diante de uma tragédia de grandes proporções, as pessoas abrem mão de sua liberdade em troca da promessa de segurança”, avalia o teólogo. “A pergunta é: Não poderia também a lei dominical ser imposta em outro futuro cenário de uma tragédia de grandes proporções, quando a segurança mais uma vez fosse trocada pela liberdade?” Ensaios para essa lei já estão sendo feitos na Europa...

Embora existam muitas teorias conspiratórias relacionadas ao 11/9, algumas parecem ter um fundo de verdade. Para Santeli, o atentado teria sido um evento “falsa bandeira” com o propósito de criar leis para subtrair liberdades civis dos americanos e criar um pretexto para atacar países não alinhados com Washington. “O status quo é mantido pela submissão a uma sociedade e a seus valores. A submissão requer uma causa; uma causa requer um inimigo. O que mudou depois do 11/9 foi a definição de inimigo. Antes eram os comunistas, agora são os ‘terroristas’ e os ‘combatentes inimigos ilegais’. Ao mudar o inimigo, muda-se a causa pela qual lutar, mas a submissão ainda permanece e o status quo continua. Só que agora o mundo está bem mais próximo de cumprir a profecia da crise final”, conclui Santeli. A ATUAÇÃO DA NAÇÃO PROFÉTICA Como a arte imita a vida e dela se alimenta, não faltam exemplos de produções cinematográficas e televisivas que, de certa forma, reproduzem a sombra que paira sobre nossa cabeça. Dois exemplos entre muitos: em “O Cavaleiro das Trevas”, o personagem Batman vai a Hong Kong atrás de um criminoso, captura o bandido e o leva de volta a Gotham (Nova York?) sem dar satisfação a ninguém. Jack Bauer, da série de TV “24 Horas”, é um agente do governo que não se submete a leis internacionais ou a acordos bilaterais entre países. Ele faz o que julga ser necessário para “fazer justiça”. Para o blogueiro português Filipe Reis, em lugar de o ataque ao território americano em 2001 abalar a grande

nação profética, tornou-a, na verdade, mais dominadora, seja de forma visível (agora os americanos invadem qualquer nação sem ser objeto de grandes críticas, pelo menos no Ocidente) ou camuflada (diversas leis e projetos de lei têm sido elaborados para condicionar liberdades). “É engraçado verificar que aqui na Europa, em meio a países profundamente afetados pela crise, os governantes parecem mais concentrados nos esforços para manter a união que supostamente existe entre as nações e se esquecem um pouco dos Estados Unidos”, diz Filipe. É assim que “Bauer” e “Batman” gostam... Além da atuação externa da superpotência do norte, deve-se considerar, também, o que vem acontecendo internamente por lá – ao lado do que já vimos sobre o controle da mídia e o descontrole da economia. Segundo matéria publicada no Último Segundo, do portal iG, “nas últimas semanas, menções negativas ao islamismo foram feitas por Newt Gingrich, Michele Bachmann, Herman Cain e Mitt Romney, os quatro principais concorrentes à nomeação republicana para a disputa contra o atual presidente dos Estados Unidos, o democrata Obama. Cain, por exemplo, disse publicamente que jamais consideraria contratar um muçulmano como parte da sua equipe. Dias depois, foi elogiado e defendido por Gingrich, que comparou os muçulmanos aos nazistas”. Segundo Sherman Jackson, professor de estudos islâmicos da Universidade de Michigan, citado na matéria, a atual crise econômica americana dá combustível aos movimentos conservadores nos Estados Unidos, que tendem a criticar e oprimir as minorias, incluindo os muçulmanos. De 2010 para cá, pelo menos dois Estados norte-americanos, Oklahoma e Tennessee, aprovaram medidas constitucionais para banir o uso das regras islâmicas nos tribunais americanos.

É bom lembrar, também, que, antes de 11/9, ateus militantes como Dawkins, Hitchens e Harris quase não tinham espaço na mídia. Mark Juergensmeyer, em seu livro Terror in the Mind of God, defende a ideia de que a religião naturalmente induz à violência. Livros com esse tipo de conteúdo e ações da militância neoateísta eram raros antes de 2001. Mas, de lá para cá, esse tipo de discurso se tornou comum e surge justamente nesse mar revoltoso contra as religiões (não apenas o Islã). A atitude e os métodos da Al Qaeda são deploráveis, não resta dúvida. Mas, quando analisamos a teologia e as ideologias de seus aderentes, algumas coisas chamam a atenção: (1) existe aversão ao materialismo e ao secularismo da cultura ocidental, (2) a condenação da sensualidade e da imoralidade, (3) um sentimento contrário ao Vaticano e aos Estados Unidos, e (4) o temor de uma possível união entre esses dois poderes. Se nos lembrarmos de que muçulmanos não comercializam bebidas alcoólicas, vestem-se com modéstia e não comem carne de porco, certamente um grupo de cristãos virá à mente e será mais fácil antever a oposição mundial ao remanescente fiel de Apocalipse – à primeira vista, ele se parece muito com um inimigo em comum para boa parte do mundo ocidental (os fundamentalistas islâmicos), embora nada tenha que ver com seus métodos e propósitos. Em matéria especial sobre os dez anos do 11 de Setembro, a revista Veja do dia 7 de setembro abre assim o texto: “Momentos históricos decisivos ocorrem por uma combinação de fatores – mudanças demográficas, decisões políticas e econômicas e desastres naturais, por exemplo podem confluir para que uma sociedade siga por um novo rumo.” Isso me faz lembrar as palavras de Ellen White, no livro Eventos Finais: “As calamidades em terra e mar, as condições sociais agitadas, os rumores de guerra são assombrosos. Prenunciam a proximidade de acontecimentos da maior importância. [...] Grandes mudanças estão prestes a ocorrer no mundo, e os acontecimentos finais serão rápidos” (p. 9). Veja também dá sua definição de “fundamentalismo”: “Assim como outras formas de radicalismo religioso, ele [o fundamentalismo] exige que se viva sob uma interpretação literal e, portanto, originalmente ‘pura’ dos textos sagrados.” Se nos lembrarmos de que, em 2001, um mês antes dos atentados do dia 11 de setembro, a revista Galileu chamou os criacionistas de “fundamentalistas” e que, em 8 de fevereiro de 2006, a revista Veja afirmou que a “tese” bíblica de que Deus criou todos os seres vivos é “treva”, poderemos concluir que a definição geral

de “fundamentalismo” abarca outros grupos religiosos, especialmente aqueles que aceitam a literalidade do relato de Gênesis, a semana literal da criação e a observância do sábado bíblico como memorial dessa criação literal. Diferentemente dos radicais islâmicos, esses cristãos são um grupo pacífico. Mas alguém está interessado em conhecer a diferença? Então, ponha no liquidificar a crise econômica, a apatia política dos norteamericanos, o cerceamento das liberdades individuais, a mídia amordaçada, o fortalecimento de grupos que torcem pela funesta união entre Igreja e Estado e a aversão pelas minorias consideradas “fundamentalistas”, e tente imaginar no que vai dar essa receita... Na opinião da escritora especialista em temas religiosos Karen Armstrong, expressa no primeiro capítulo de seu livro Em Nome de Deus, “fundamentalistas cristãos rejeitam as descobertas da biologia e da física sobre as origens da vida e afirmam que o livro do Gênesis é cientificamente exato em todos os detalhes”. Não é exatamente isso o que os criacionistas defendem? Não é exatamente nisso que creem os guardadores do sábado, mais especificamente?[3] Creio que, finalmente, se cumprirá a profecia segundo a qual “os que honram o sábado bíblico serão denunciados como inimigos da lei e da ordem [combatentes inimigos ilegais?], como que a derribar as restrições morais da sociedade, causando anarquia e corrupção, e atraindo os juízos de Deus sobre a Terra” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 592).[4] Então, como nunca antes visto neste planeta, o cordeiro falará como dragão. MICHELSON BORGES, JORNALISTA E MESTRE EM TEOLOGIA


Setembro/2011

4 - Segundo Caderno

“Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens”

U

m episódio em especial do reality show da TV Record, “A Casa da Ana Hickmann”, chamou a atenção do Brasil e especialmente dos adventistas do sétimo dia. Foi o momento em que a apresentadora gaúcha conversou com uma das participantes para saber o porquê de ela não ter participado da “balada” na sexta-feira à noite e de uma prova classificatória na piscina, no dia de sábado. A comunicadora adventista Whasti, que competia para ser a nova repórter do programa “Tudo é Possível”, passou os momentos sabáticos a sós, sem envolver-se em qualquer tipo de atividade secular imprópria para o dia de repouso (Ex 20:8-11) e para qualquer outro dia da semana (nesse caso, baladas). A princípio, pensei: “por que ela foi a tal programa de TV se sabia que não iria conseguir observar o sábado?” Porém, me dei por satisfeito com a justificativa que deu a Ana Hickmann: “quando a gente quer muito uma coisa… a gente vai atrás”. Ela tem razão: temos que correr atrás dos nossos sonhos, pois, neste mundo de pecado e tristezas, sonhar nos ajuda a levar a vida com mais alegria e mais facilidade, pois, isso é um bálsamo para a emoção. Ela demonstrou estar disposta a correr atrás do sonho dela, mas, o mais importante é que Wasthi compreendeu que os sonhos de

Deus são maiores. Ela entendeu que há recompensa em sacrificarmos nossas vontades, caso elas venham a interferir em nossa lealdade ao Deus Criador que tanto fez (Tt 3:5), faz (1Co 1:18) e fará (Rm 5:9) por nós. QUEM REINA EM SEU CORAÇÃO: A VONTADE DE DEUS OU AS SUAS? No momento não escrevo para defender apologeticamente a doutrina do sábado – tão clara nas Escrituras (Gn 2:1-3; Ez 22:26; Ex 20:8-11; At 16:13; Ap 14:6, 7). O que quero destacar é a atitude da competidora em sacrificar a própria vontade para fazer a vontade de Deus. E isso em rede nacional! Na conversa com a apresentadora da TV Record percebe-se que nossa irmã na fé compreendeu as palavras de Atos 5:29: “[...] Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens.” Confesso que ao ver o vídeo no YouTube me perguntei: “até que ponto eu estaria disposto a sacrificar minhas vontades para fazer a vontade de Deus?” Profanar o sábado não é a minha maior tentação por que nos meus 15 anos de adventismo estou acostumado a observá-lo com minha esposa e filhinha. É algo me dá muito prazer. Minha “angústia” está em olhar para dentro de mim e descobrir se, em outras áreas da minha vida, também estarei disposto a deixar de

lado “o próprio eu” para que Cristo viva em mim (Gl 2:20). Gostaria de saber se, em certos momentos de prova, estarei tão disposto a erguer a bandeira dos bons princípios como estou decidido a erguer a bandeira da guarda do sábado. Porém, de algo tenho certeza: não importa a área da vida em que sejamos mais fracos, pelo poder de Cristo (Fp 2:13) podemos viver como o “sal da terra” e a “luz do mundo” (Mt 5:14-16). Se assim vivermos, inevitavelmente ouviremos das pessoas

o mesmo que Wasthi, ao final de sua conversa com Hickmann: “Você é uma pessoa muito especial e mostrou ser mais especial ainda agora por que acredita nos seus princípios, segue dessa forma… [nesse tipo de] pessoa [...] a gente pode confiar”. OS SONHOS DE DEUS SÃO MAIORES QUE OS NOSSOS Precisamos estar dispostos a crer especialmente numa daquelas frases em que Whasti regou-a com

as próprias lágrimas, e que pode ser a pura expressão da fé e entrega ao Deus que tudo sabe e que tudo pode em favor dos filhos dEle: “Por maior que seja o meu sonho, o sonho de Deus é maior pra mim”. Acredito que também por meio de Ana Hickmann, Deus deu uma mensagem forte a todos aqueles que desejam viver o sonho dEle. “Seja sempre sincera. Nunca esconda de você mesmo e nunca esconda de ninguém aquilo que você acha e aquilo que você é”. Até que ponto somos sinceros e transparentes com respeito aquilo que somos e acreditamos, para que perfumemos a vida das pessoas como bons perfumes de Cristo? “Porque nós somos para com Deus o bom perfume de Cristo, tanto nos que são salvos como nos que se perdem.” (2Co 2:15) Converse com Deus sobre você. Pergunte-Lhe (se já não tiver a resposta) em que área (s) da vida precisa se fortalecer ainda mais para representá-Lo bem diante da sociedade. Faça a mesma oração que Davi, certo (a) de que esse tipo de prece nunca deixará de ser atendida pelo Espírito Santo: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno.” (Sl 139:23-24). Leandro Quadros

❘❙ Psicologia

O LIMITE É O SINTOMA Você está esgotado(a)? Sente que agora é o momento de mudar algo em sua vida para proteger sua saúde? Veja algumas dicas. Sintoma é o que uma pessoa relata ao médico e que não pode ser visto. Por exemplo, dor de cabeça, angústia, cólica menstrual, ardência no estômago, dor nas costas, etc. O sintoma é um aviso de que algo está ameaçando o equilíbrio no corpo e/ou na mente. É possível que você esteja vivendo de uma maneira que esteja esgotante, estressante, e como consequência surgem sintomas. O sintoma é o limite do equilíbrio. Ou seja, o sintoma denuncia que o corpo/mente chegou num ponto máximo de tolerância diante dos agentes estressores. Podemos inverter a frase e dizer que o limite é o sintoma. Em outras palavras, até quando você pode aguentar uma pressão na vida? Qual é o seu limite? Tudo tem um limite. Mesmo Deus chegará a um ponto em breve em que Ele dirá que chega de maldade e corrupção e tomará uma atitude já preparada por Ele para realizar justiça. Se você vem vivendo com fatores estressantes por um tempo longo e vai esgotando as energias e os recursos internos, físicos e emocionais, chega um momento em que o corpo/mente diz: “Não aguento mais!” É quando surge a doença. Ela existirá até o momento em que a

pessoa começar a mudar seu estilo de vida para melhor. O tratamento (medicamento ou cirúrgico) poderá interromper aquele tipo de sintoma, mas se a causa não for tratada, o sintoma voltará, talvez em outro órgão, talvez de uma forma diferente. Acho absurdo se dizer que um paciente está curado de câncer, por exemplo, só porque tirou cirurgicamente o tumor. Câncer é uma doença com fatores múltiplos, inclusive o emocional. Retirar cirurgicamente um tumor é uma parte do tratamento do câncer. Radioterapia e quimioterapia são outros procedimentos. Mas são suficientes para evitar a recidiva (retorno do câncer)? Nem sempre. Veja o que está sendo estressante demais em sua vida e tome uma atitude para mudar, mesmo que você perca dinheiro, mesmo que alguém fique aborrecido com isto (geralmente quem depende de você de maneira doentia), mesmo que você se sinta só. Há muitas pessoas vivendo em famílias de uma maneira muito injusta para elas. Mas elas acostumaram assim. Assumem responsabilidades que não são delas. Por que fazem isto com elas mesmas? Medo de colocar limites e perder o afeto? Sentem culpa de dizer “não”? Querem controlar o ambiente? Aprenderam com seus

❘❙ Ciência e Tecnologia Sony anuncia novo Walkman com sistema Android Aparelho mostra letras das músicas, tem botão lateral para acessar menu e travar o teclado, é touchscreen e tem design agradável Quem não se lembra do antigo e enorme Walkman, que precisava de fitas cassete para tocar os maiores sucessos da época? Pois bem. A Sony acaba de anunciar uma nova versão baseada no sistema Android, totalmente remodelada, chamada de Walkman Mobile Entertainment Player. Shinichiro Torii, engenheiro da empresa, disse na coletiva de lançamento, durante a IFA 2011, que o aparelho “é feito de amantes da música para amantes da música”. O Walkman, além de contar com o sistema de músicas, também oferece acesso aos milhares de aplicativos para Android. Com poucos toques, é possível catalogar seus sons na biblioteca, além de o Walkman classificar automaticamente as músicas como “enérgicas”, “emocionais”, “dançantes”, “relaxantes” ou “extremas”, a partir de um escaneamento delas. O equipamento também habilita as letras se o usuário fizer o upload do arquivo. E com o Music Unlimited,

é possível ter acesso a mais de 10 milhões de faixas para download. Por isso, o usuário paga US$4 (cerca de R$6,50) por mês ou US$10 (cerca de R$16) por mês na conta Premium. O equipamento possui tela de 4,3’’ com resolução de 800x640 e LCD anti-reflexos. A empresa ainda não divulgou detalhes sobre o processador e tempo de duração da bateria. Haverá conexão com outros dispositivos, como fones via Bluetooth e TVs com wireless. Também não foi revelado o preço e data de lançamento. Olhar Digital

pais a forma errada de ajudar e se envolver? Escreva numa folha de papel uma lista de coisas que você está fazendo em sua vida, no relacionamento com os outros (familiares, colegas de trabalho, amigos, com você mesmo). Exemplo de lista: Eu sempre faço compras do supermercado para casa; só eu levo meus parentes ao médico; quando alguém tem algum problema

sou eu que é procurado para resolver o assunto; não me permito descansar pois sempre estou envolvido com alguém que me solicita; etc. Depois de preparar a lista, faça outra lista com os tópicos que para você são demais, ou seja, você não aguenta mais assumir pelos outros. Esta é a “lista negra”. Faça outra lista com coisas que você tem assumido, que deveriam ser compartilhadas por

outros, mas que ainda dá para levar por um tempo. Comece, então, a trabalhar com a “lista negra” para evitar praticar o que está ali, o que significa que você não mais assumirá aquilo que é para outra pessoa assumir. Faça isto, custe o que custar. Não discuta com a pessoa. Faça uma cara de “bobo(a)” como se tivesse esquecido, quando cobrarem o que você não fez, e não discuta. Também não volte atrás para fazer a coisa que você já sabe que é para outro fazer. Não precisa dizer para o outro que ele(a) é que tem que fazer. Fique na sua e deixe que cada um assuma, se assumir, o que é de cada um. Talvez você possa dizer que tem tanta coisa para fazer que não dá para fazer aquilo, sem ter que explicar que está mudando a estratégia. Explicar isto depende da pessoa com quem você estará se relacionando. Há pessoas que terão muita dificuldade para aceitar que você irá mudar. Mas, lembre-se, saúde é sua responsabilidade e o limite é o sintoma. Se você está com sintoma, o limite chegou. Agora é hora de mudar, com ou sem apoio de qualquer pessoa. Vá com calma, mas vá. Dr. Cesar Vasconcellos de Souza


Segundo Caderno - 5

Setembro/2011

❘❙ Vida e Saúde

Saiba o que é proibido e o que é permitido na gravidez

N

a dúvida, é melhor não arriscar. Esta é a regra para as mulheres que querem saber qual a melhor forma de cuidar da beleza durante os nove meses de gestação. A explicação é simples: como os testes de segurança dos cosméticos não são feitos com grávidas, não há como ter a certeza de que um determinado produto não vai fazer mal ao feto. Leia as dicas e saiba o que se pode fazer ou não. Cabelos Nos três primeiros meses, qualquer tipo de tintura, clareamento ou reflexo está proibido. Além da amônia e do iodo, estes produtos costumam conter metais pesados, como chumbo. Alguns dermatologistas permitem, após o primeiro trimestre, reflexos longe da raiz, assim como tonalizantes. E não adianta achar que a henna é natural. Nem todos os produtos são de boa qualidade e podem oferecer riscos à saúde. Alisamentos, escovas progressivas ou inteligentes, relaxamentos e hidratações que contenham formol,

mesmo na quantidade permitida pela Vigilância Sanitária, também estão totalmente proibidos. Rosto Qualquer tipo de creme clareador, rejuvenescedor ou firmador está proibido. Botox ou colágeno, nem pensar. Na gravidez, é preciso evitar os ácidos glicólico, salicílico, retinóico e os derivados de frutas, os antibióticos tópicos, e também qualquer produto com enxofre. Filtros solares são permitidos, mas o ideal é preferir aqueles livres de parabenos e ftalatos. Corpo Hidratantes são recomendados, mas devem ser indicados por um dermatologista e precisam ter uma fórmula especial para gestantes. Por exemplo, as temidas estrias são combatidas com hidratantes com ureia em baixa concentração. Produtos muito concentrados não são recomendados para a grávida, assim como aqueles com vitamina A e hidroquinona, porque podem manchar a pele.

Produtos naturais Além do perigo para o feto, os cosméticos comuns também podem irritar ou causar manchas na pele da futura mãe, que está muito mais sensível neste momento. Por isso, os dermatologistas estão, cada vez mais, indicando produtos bem naturais para as gestantes. As melhores marcas de cosméticos geralmente têm uma linha especial para grávidas. Estes produtos costumam ser livres de uma série de substâncias, não causam alergias e agridem menos a pele. Apenas prevenção Nesta fase, acredita a médica, o ideal é investir apenas na prevenção. Ou seja, nada de tratar rugas, manchas, espinhas, estrias ou celulite. Estes tratamentos só devem ser retomados após o fim da amamentação, já que alguns componentes dos cosméticos, principalmente os ácidos, podem acabar no leite materno. Tratamentos estéticos Os tratamentos estéticos como

Roxo. O único permitido é a drenagem linfática e, mesmo assim, só deve ser feita com aval do obstetra.

❘❙ Culinária

ALIMENTOS DO BEM

PANQUECA COM MASSA DE BATATA RECHEADA COM BRÓCOLIS E RICOTA

Abacate ajuda a chapar a barriga

O

abacate tem fama de vilão das dietas, pois é rico em gordura e é muito calórico (160 calorias em 100 g). Mas você sabia que essa fruta ajuda a combater as gordurinhas extras na barriga? É que esse alimento tem substâncias que auxiliam na redução do volume abdominal! Uma delas é a glutationa. Ela ajuda a controlar os níveis do cortisol, o hormônio do estresse que, em excesso no corpo, dificulta a perda de peso e faz acumular gordura especialmente na barriga. A gordura contida no abacate também ajuda a eliminar os pneuzinhos. Ela é formada basicamente de ácido oleico, que reduz o risco da síndrome metabólica – uma desordem no metabolismo capaz de desencadear diabetes e ganho de peso. E tem mais: a gordura da fruta também aumenta a sensação de saciedade e adia a fome. O ideal é consumi-lo à noite. “Três colheradas antes de dormir intensifica a ação do hormônio GH, que tem o pico de produção à noite. O GH ajuda a formar músculos e faz o organismo usar a gordura estocada no abdômen

peelings, laser e massagens modeladoras também devem ser suspensos, lembra a dermatologista Renata

INGREDIENTES: 4 batatas médias descascadas e raladas; 1 cebola grande ralada; 2 ovos (claras e gemas separadas); 5 colheres (sopa) de amido de milho; 3 colheres (sopa) de óleo de milho; 1 maço pequeno de brócolis cozidos; 150 gramas de ricota amassada ; sal e pimenta a gosto MOLHO: 2 xícaras (chá) de leite ; 1 colher (sopa) de farinha de trigo ; 1 colher (sopa) de margarina ; 3 colheres (sopa) de catchup MODO DE PREPARO: Passe as batatas e a cebola por uma peneira e esprema bem. Coloque numa tigela e misture as gemas, o amido de milho, o sal e a pimenta-do-reino. Acrescente as claras batidas em neve e mexa até ficar homogêneo. Reserve. Com o óleo, unte uma frigideira de 15 cm de diâmetro e leve ao fogo até aquecer. Distribua um pouco da massa, espalhe com uma espátula e deixe fritar até dourar dos dois lados. Retire do fogo e repita a operação, untando a frigideira a cada adição, até usar toda a massa. Misture numa tigela os brócolis, a ricota e o sal e recheie as panquecas. Molho: Em uma panela misture todos os ingredientes e leve ao fogo, mexendo até engrossar. Cubra as panquecas com o molho e leve ao forno para gratinar. Ana Maria

como fonte de energia”, aconselha o consultor em nutrição Alfredo Galebe, de São Paulo. Conclusão: o abacate realmente ajuda a chapar a barriga. Mas atenção: consuma a fruta com moderação. Se exagerar na quantidade, você vai engordar. Mais um detalhe importante: para deixar o abdômen bonito é preci-

so seguir também uma dieta balanceada e praticar atividades físicas. Você pode consumir a fruta de várias formas: pura (sem adoçantes ou açúcar), em pratos salgados ou sobremesas, ex.: guacamole e musse de abacate. Patrícia Giuffrida

E AGORA PASTOR?

Não viaje por aí através da “viagem astral”! Fui motivado a escrever essa resposta por causa da pergunta de um seguidor do “Na Mira da Verdade” no Twitter (twitter.com/namiradaverdade – @namiradaverdade). Abra o seu coração para avaliar as experiências de “viagens astrais” com a Bíblia e não com base nos seus sentimentos ou naquilo que você “sentiu”. A Palavra de Deus é autoridade inclusive sobre nossos sentimentos. A viagem astral (“projeção astral”, “experiência fora do corpo” ou “desprendimento espiritual”) tem como base o falso conceito de “imortalidade natural da alma”. Enquanto que o pensamento grego

crê que a alma “se separa do corpo”, o pensamento hebraico (bíblico) é o de que a “alma” é a “pessoa viva”, o ser integral (Gn 2:7. Leia também Dt 10:22). Sendo que nas Escrituras “alma” não é uma “entidade imaterial que sobrevive fora do corpo”, podemos concluir que a “viagem astral” é um fenômeno produzido sobre influência satânica (ou não. Pode haver causas fisiológicas). A ideia de que nossa “alma” (ou espírito) abandona nossa “casca física” é pagã, originada na mente daquele que enganou Adão e Eva (Gn 3), ou seja: o diabo. Não existe o tal “deslocamento da consciência fora do corpo físico”. A

Bíblia apresenta o ser humano como um todo inseparável para que exista vida (leia sobre isso em 1Ts 5:23, 24, onde todo o ser deve ser preparado para a volta de Cristo). Quando a “consciência sai” do ser humano, isso evidencia que ele deixou de existir, segundo Eclesiastes 9:5, 6, 10 (os justos mortos tornarão a ter consciência por ocasião da ressurreição, na volta de Cristo – 1Ts 4:13-18). A Bíblia orienta-nos a meditarmos em Deus e na Bíblia (Sl 63:6; Sl 119:99). Em nenhum momento ela nos instrui a adotarmos tal prática espiritualista conhecida como “viagem astral”.

Lembremos que, mesmo Deus amando o espírita Ele abomina o espiritismo (Lv 19:31; Dt 18:10-14) e qualquer manifestação desse tipo. Portanto, não somos autorizados a tomarmos parte em tais práticas, mesmo que pessoas de bem as adotem. Infelizmente, muitos cristãos amados, mesmo inconscientemente, têm aceitado a base da filosofia espírita: imoralidade natural da alma, sem o uso da árvore da vida. Que eles recorram à Bíblia é voltem ao holismo bíblico. Dessa maneira, não terão relação alguma com o espiritismo e levarão mais a sério o cuidado com o corpo que, ao invés de ser a “prisão

da alma” como ensinava Platão, é considerado por Deus o Templo do Espírito Santo (1Co 3:16, 17; 6:19, 20). LEANDRO QUADROS


Setembro/2011

6 - Segundo Caderno

❘❙ Alegria da Criança

A Arca de Noé

C

erto dia quando Deus olhou para todo mundo percebeu que as pessoas haviam se distanciado tanto dEle, que haviam se tornado muito más. Isto O deixou muito triste. A maioria das pessoas não queria obedecer a Deus, insistiam em adorar ídolos e cometiam todo o pecado que vocês possam imaginar. Apenas algumas pessoas continuavam obedecendoO, amando-O e adorando-O. Noé era uma dessas pessoas que continuava amando e obedecendo a Deus. Um dia, Deus conversou com Noé e contou do seu plano de destruir a terra e começar tudo de novo. Deus disse que enviaria um grande dilúvio, faria chover bastante até que as águas cobrissem a Terra. “Mas, não se preocupe Noé, disse Deus. Vou salvar você , sua família e todos aquelas pessoas que me amarem e resolverem me obedecer. Para isso, você tem que

construir um grande barco, mas tem que ser um barco bem grande, para abrigar todas as pessoas que quiserem se salvar e para que os animais possam entrar nele. Porém, você deve providenciar comida para as pessoas e os animais”. Noé e sua família trabalharam muito para construir o grande barco, que ficou sendo chamado de arca. Ela era bem grande e tinha três andares. Finalmente o barco ficou pronto. Noé providenciou muitos sacos de comidas para os animais e para as pessoas. De repente, Noé escuta um barulho. Olha, o que é isso? Que barulho é este? Ouço passos de pessoas marchando. Não! não são pessoas, são animais! Os animais começaram a chegar de dois em dois. Os leões, os elefantes , as girafas, etc. As ficaram em silêncio observando, sem entender como isto poderia estar acontecendo.

Depois que todos os animais entraram na arca, Noé entrou com a sua família. Deus então enviou um anjo que fechou a porta da arca. Deus cuidou da família de Noé enquanto durou o dilúvio, porque seus membros escolheram amar e obedecer a Deus. Após sete dias, começou a chuva que ficou cada vez mais forte, até que as águas cobriram a terra. A arca começou a flutuar, mas por todo o tempo que Noé e sua família permaneceram na arca eles foram protegidos por Deus, conforme Ele mesmo prometeu. Crianças, nós podemos confiar em Deus porque Ele sempre cumpre as Suas promessas de proteger e cuidar daqueles que O amam e O obedecem. Não querem vocês hoje prometer ao Senhor que irão sempre obedecê-lO e amá-lO ? Adoração Infantil

O cliente sempre tem razão? “Sem levar em consideração seu cargo dentro da empresa ou experiência, sua tarefa número um sempre será atrair, satisfazer e preservar clientes. E todos têm clientes.” Esta frase de Paul R. Timm extraída do livro “50 ideias poderosas para manter clientes”, nos remete a uma reflexão fundamental: o cliente sempre tem razão? Neste momento de grandes transformações no relacionamento entre empresas e clientes pensar e discutir sobre este paradigma é altamente relevante para a sobrevivência das relações comerciais. Há aqueles que defendem integralmente que sim, o cliente sempre tem razão. Porém, na outra ponta há os radicais do não. Em meio a tudo isso temos a turma do “depende”, que vem crescendo e trazendo uma visão mais ponderada sobre este assunto. Para compreender melhor esta questão é fundamental lembrar como tudo começou. A década de 90 é considerada um marco na difusão do conceito e prática da dedicação total ao cliente. Foi nesta época que surgiu a ideia de que o cliente é rei. Ou seja, o cliente sempre tem razão. Os serviços de atendimento, regras e direitos do consumidor e outras ações foram criadas para garantir um melhor atendimento. Muitas empresas se desdobraram para atender a qualquer custo o cliente. Algumas tiveram prejuízo, outras

até faliram. Confundiram atender bem com satisfazer todas as necessidades do cliente, mesmo quando estas não fossem benéficas para a própria empresa. A padronização do atendimento também veio nesta passagem. O erro de alguns foi exatamente perder a personalização. Nesta balada surgiu o atendimento “robotizado”. Aquele onde o atendente repete frases decoradas e muitas vezes sem perceber a real necessidade do cliente. Felizmente o mercado vem amadurecendo. Os clientes estão mais exigentes e mais informados. Por outro lado, as empresas estão mais sensíveis e atentas a estas transformações. Porém, esta constatação é insuficiente em si, como afirma Jacques Horovitz, em “Qualidade de Serviço – A batalha pela conquista do cliente”: A percepção da qualidade varia de um cliente para outro, e não é a mesma para o comprador e fornecedor. Ademais, a qualidade de um serviço será percebida de maneira diferente se este for novo ou amplamente difundido, se o cliente o estiver descobrindo ou se for um usuário experiente. O fato é que a pergunta inicial sobre o cliente ter sempre razão ou não é, atualmente, uma questão de ponto de vista. O cliente muitas vezes, mesmo sem ter razão, acredita que está certo e, portanto, tem sim razão. Porém, quando a razão do cliente conflita com os interesses,

valores e a razão da empresa não haverá acordo ou satisfação de qualquer parte envolvida. É preciso respeitar os direitos do cliente, mas também os princípios que regem a organização. Se isto não ocorrer a empresa quebra. Atender os anseios do cliente a qualquer custo nunca será um bom negócio. A melhor estratégia comercial é aquela onde todos ganham. Segundo William Ury, especialista em negociação e coautor do livro

“Como Chegar ao Sim – A negociação de acordos sem concessões”, qualquer método de negociação pode ser julgado imparcialmente por três critérios: deve produzir um acordo sensato, se houver possibilidade de acordo; deve ser eficiente; e deve aprimorar, ou, pelo menos, não prejudicar o relacionamento entre as partes. Diante disso, vale refletir sobre os valores fundamentais que regem seu negócio. Até que ponto a em-

presa está preparada para atender os diversos tipos de clientes e produzir relacionamentos duradouros. De que forma os funcionários estão sendo treinados e preparados técnica e comportamentalmente para lidar com este novo perfil de clientela. Em que você acredita: o cliente sempre tem razão ou não? Lembre-se: nem sempre o cliente terá razão, mas poderá acreditar seriamente que sim. Portanto, cabe a você estabelecer um processo de elucidação para gerar um acordo sensato, eficiente e que possa gerar possibilidade de novos negócios. Como fazer? Dois passos são fundamentais. O primeiro e mais importante é ter claramente definidos seus valores, princípios e até onde poderá chegar no relacionamento com o cliente. Isso será sua referência, tanto para a empresa, quanto para si mesmo. E seja firme na defesa destes princípios. O segundo passo é conhecer seu cliente. Quanto mais informações você possuir a respeito de seus clientes melhor será sua negociação. Terá mais condições de atender suas expectativas e até mesmo recusar uma negociação que seja negativa para qualquer das partes. Por fim, vale pensar sobre uma frase que foi estampada no editorial do The Wall Street Journal, em 1992: “Você pode demitir seus clientes”. Sucesso. Rogério Martins

❘❙ Ecologia

Primavera A

Primavera iniciará às 06h04 do dia 23 de setembro de 2011. Com a chegada da nova estação, há uma mudança no regime de chuvas e temperaturas na maior parte do Brasil. Nas Regiões Centro-Oeste e Sudeste, as chuvas passam a ser mais intensas e frequentes, marcando o período de transição entre a estação seca e a estação chuvosa. Durante a primavera, iniciam-se as pancadas de chuva no final da tarde ou noite, devido ao aumento do calor e da umidade que se intensificam gradativamente no decorrer desta estação. Em algumas ocasiões, podem ocorrer raios, ventos fortes e queda de granizo. Na Região Sul, ocorrem poucas alterações nos totais mensais de chuva, sendo o regime praticamente

uniforme ao longo de todo o ano. Contudo, aumenta a ocorrência de raios e de “complexos convectivos”, sistemas que provocam grande quantidade de chuva em períodos relativamente curtos. No trimestre setembro, outubro e novembro, a maior parte da Região Nordeste encontra-se na sua estação seca, exceto no sul dos Estados do Piauí, Maranhão e no oeste da Bahia. No centro-sul da Região Norte, o período chuvoso inicia-se nos meses de outubro e novembro, com o aumento gradativo das pancadas de chuva e trovoadas. Na primavera, as temperaturas aumentam gradativamente nas Regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. No Brasil Central, as temperaturas máximas podem atingir valores muito elevados em função da forte radiação solar e

da maior frequência de dias com céu claro. Contudo, neste período, ainda podem ocorrer incursões de massas de ar frio intensas e que podem causar declínio acentuado da temperatura no centro-sul do País. Nas Regiões Norte e Nordeste do Brasil, há pouca variação de temperatura ao longo do ano.


Segundo Caderno - 7

Setembro/2011

❘❙ Fala Doutor

De olho nos óleos Aquela gordurinha boa que a gente coloca nos alimentos faz bem ou mal? Depende do tipo e de como é usada

D

izem que tudo que é gostoso é ilegal, imoral ou engorda. No que diz respeito aos alimentos gordurosos, a maioria não é ilegal, mas engorda e há quem considere praticamente imoral comer uma coxinha. Ainda assim, não se pode tachar os óleos de maléficos. “As gorduras são fundamentais para a formação das membranas das células e também dos hormônios”, diz Cíntia Cercato, médica do grupo de obesidade do Hospital das Clínicas de São Paulo. Além disso, elas fornecem energia e ácidos graxos essenciais e ajudam na absorção das vitaminas lipossolúvies, como A, D, E e K. Essa não é a desculpa de que você necessitava para comer croquete. “Precisamos consumir gordura, o que não significa que precisamos consumir fritura”, afirma Cíntia. Tudo que é frito em imersão passa a ter quase o dobro de calorias com relação ao alimento cozido, grelhado ou assado. Mesmo que você coma só um bifinho à milanesa, estará consumindo calorias equivalentes a dois bifes. Quando aquecida acima de 180 ºC, a maioria dos óleos se degrada e libera substâncias nocivas ao organismo. A principal delas é a acroleína, que destrói as fibras elásticas das artérias — elas ficam durinhas e não permitem um bom fluxo do sangue — e irritam a mucosa do estômago. Imagine então aquele tacho de fritar pastel na feira, esquentado e requentado. É um tacho de veneno. Para saber se o óleo da fritura está quente demais, use um termostato. Na ausência dele, o olhômetro funciona: se a frigideira estiver liberando uma nuvem de fumaça, é porque a temperatura passou da medida. O ideal é que os óleos sejam usados para refogar e assar alimentos ou regar saladas. E com parcimônia: desde o comunzinho óleo de soja até o pouco

convencional de amêndoa doce, todos têm a mesma quantidade de calorias, 9 por grama. Logo, 1 colher de sopa tem 90 calorias. A despeito da enorme quantidade de calorias, alguns óleos, por contraditório que pareça, ajudam a secar a barriga. Um deles é o azeite de oliva. Um estudo realizado pela Associação Americana de Diabete mostrou que o virgem ou o extravirgem diminuem o depósito de gordura na linha do abdômen. Já o óleo de coco, o queridinho do momento, tem ação termogênica, que acelera a queima de gordura. E todas as versões extraídas de sementes ou de frutas oleaginosas — como linhaça, gergelim e castanhado-pará — ajudam a regular hormônios, o que previne o depósito de gordura por toda parte. Pode-se dizer que, de modo geral, todos os óleos são do bem. A origem deles é sempre uma planta. Animais não produzem óleo, apenas gordura. “As gorduras saturadas, provenientes dos animais, aumentam os riscos de doenças cardiovasculares e podem obstruir os vasos”, diz a nutricionista Cristina Martins, da Clínica Sara Bragança, no Rio de Janeiro. “Já as de origem vegetal contêm gorduras mono e poli-insaturadas, que protegem o coração.” As saturadas costumam ser sólidas e recebem esse nome por possuir o número máximo de átomos de hidrogênio em sua composição. Causam a elevação do colesterol ao atrapalhar o mecanismo por meio do qual ele é retirado do sangue. Já as gorduras mono e poliinsaturadas, normalmente líquidas à temperatura ambiente, auxiliam a reduzir os níveis do LDL, chamado de colesterol ruim. Para obter esses benefícios, não é preciso muito. “O consumo de 1 ou 2 colheres de chá por dia é suficiente”, diz a nutricionista Roseli Rossi, da Equilíbrio Clínica Nutricional, em São Paulo. O ideal é alternar o uso dos tipos de óleo. Se seu conhecimento não vai além do de soja e do de milho, saiba que há um mundo de opções. Você agora vai conhecer cada uma delas e o que cada variedade de óleo tem a oferecer à sua saúde. Bom apetite! Gergelim Benefícios: é conhecido também como óleo de sésamo e pode ser feito com sementinhas de cor diferente

benéficos: 3, 6, 7 e 9. Com que pratos combina: em molhos para salada, misturado com iogurte, no tempero de cottage e ricota. Milho Benefícios: rico em ômega 3 e 6, que aumentam a fluidez sanguínea e reduzem o colesterol. Contém vitamina E, antioxidante, e vitamina A, que protege contra problemas de visão. Como consumir: pode ser aquecido, desde que não se ultrapassem os 180 °C. Com que pratos combina: bolos, doces e tortas.

(branca, amarela, vermelha ou preta). Todos fornecem uma grande quantidade de ômega 6 e ômega 9, protetores do coração, além de serem ótimas fontes de vitamina E. Funciona bem no tratamento de gastrite, úlcera e afta. Como consumir: frio. Pode-se tomar 1 colher de sopa em jejum para melhorar o funcionamento do intestino. Com que pratos combina: saladas de folhas verdes ou de grãos, molhos orientais e massas. Soja Benefícios: esse deve ser seu velho conhecido. Apesar de não levar a medalha de mais saudável, apresenta benefícios. Contém fitoesterois, que reduzem o colesterol, isoflavonas, que previnem arterosclerose, e terpenoides, que têm ação contra os radicais livres. Como consumir: pode ser aquecido até 180 °C. Com que pratos combina: carne assada, refogados, grelhados. Azeite de oliva Benefícios: o extravirgem é o mais nobre deles, obtido por meio da primeira prensagem da azeitona fria. Tem maior quantidade de antioxidantes, que retardam o envelhecimento e protegem contra o câncer. Da segunda ou terceira prensagens surge o azeite virgem, que diminui o depósito de gorduras no abdômen — embora o extravirgem ganhe na proteção ao coração. Já o chamado azeite de oliva costuma ser uma mistura de óleos com acréscimo de azeite virgem. Assim como o vinho,

as versões mais finas são classificadas de acordo com a origem da azeitona. Trata-se do azeite varietal. Como consumir: pode ser aquecido até 180 °C. Com que pratos combina: saladas, massas e carnes

Canola Benefícios: fonte de EPA e DHA, substâncias antioxidantes essenciais ao organismo e consideradas fortalecedoras do sistema imunológico. Contém ômega 3, aliado do coração. Como consumir: pode ser aquecido, desde que não se ultrapassem os 180 °C. Com que pratos combina: saladas de folhas ou legumes, carne moída e legumes refogados.

Margarina Benefícios: é feita com óleos vegetais como o dendê, a soja, o milho, o girassol, misturados com leite em pó desnatado, sal, emulsificante e corante. Durante sua fabricação, as gorduras poli-insaturadas (boas ao coração) dos óleos usados como ingredientes podem se transformar em saturadas. Não traz grandes benefícios à saúde, por isso os fabricantes costumam enriquecê-la com fitoesterois, que reduzem o colesterol. Como consumir: sempre fria, pois sofre modificação em sua estrutura em temperaturas altas. Com que pratos combina: pães, bolos, massas.

Girassol Benefícios: é rico nas vitaminas E, inimiga dos radicais livres, e K, que melhora a coagulação e mantém a saúde dos ossos. Dá um up no humor graças ao aminoácido triptofano, aquele mesmo que faz o chocolate amargo tornar a vida mais doce. Em excesso, ativa substâncias inflamatórias. Consuma no máximo 2 colheres de sopa ao dia. Como consumir: por ser resistente ao calor, pode ser usado durante o cozimento sem perder suas propriedades ou alterar o sabor. Aqueça até 200 °C. Com que pratos combina: legumes e carne refogados e ensopado de peixe.

Linhaça Benefícios: rico em substâncias chamadas lignanas, dá uma força ao coração, além de atuar sobre o metabolismo do estrogênio e da progesterona, prevenindo câncer de mama. O óleo fortalece o sistema imunológico e nervoso. Normalmente é usado pelos vegetarianos para reposição de vitaminas do complexo B, mais presente em proteínas animais. Como consumir: de preferência, frio. Uma boa ideia é associá-lo a outros óleos, como o de macadâmia, para completar a lista de ômegas

Não jogue no lixo óleo velho não faz mal apenas à sua saúde mas também ao ambiente: Mesmo sabendo que fritura faz mal, você preparou uma travessa de bolinhas de queijo. E agora vai jogar o óleo que sobrou na pia — afinal, ele não deve ser reutilizado. Não faça isso. Trata-se de uma ameaça também ao meio ambiente. Coloque o que sobrou em garrafas pet e as entregue em postos que fazem a reciclagem desse material. Ivonete Lucirio

NOVO TEMPO NA EXPOCRISTÃ! E

m setembro, de 20 a 25, a Rede Novo Tempo de Comunicação estará presente na maior feira cristã da América Latina, a Expo Cristã 2011. As principais gravadoras de CDs/DVDs, editoras, lojistas e serviços evangélicos fazem a Expo Cristã ser um sucesso todos os anos. A maior cobertura, ao vivo, desde a sua primeira edição há dez anos, será feita este ano pela TV e Rádio Novo Tempo, que estará com um dos maiores stand da feira. Jornalistas, repórteres, cantores, apresentadores e comunicadores estarão diariamente no stand da Novo Tempo. Mais de cem pessoas estarão envolvidas nesta transmissão para que o ouvinte e telespectador assista

a este grande evento em sua casa. A TV Novo Tempo transmitirá para mais de 70 milhões de pessoas através de canais abertos e por assinatura. Grandes cidades como São Paulo (canal 46), Campinas (canal 34) Rio de Janeiro, Brasília, Goiânia e Curitiba estarão recebendo o sinal em canal aberto e, nacionalmente, pela SKY, canal 17 (141 Vale do Paraíba e Fortaleza) . E a Novo Tempo também quer levar você para a Expo Cristã. Grandes promoções estão em seu site: sorteio diário de 150 convites; participação no concurso cultural gravando um dueto com uma das músicas do CD Duetos NT Volume 3 e, desta forma, tendo o vencedor as despesas de viagem e hotel pagas para a dupla.

Acesse o site www.novotempo. com/gravadora e confira todas as oportunidades para você estar no stand da Novo Tempo. De terça a sexta-feira “pocket show” diários (acústicos) com muito louvor: Terça-feira – dia 20/09 – Jeferson Pillar, Daniel Lüdtke e Dida – Na Mira da Verdade ao vivo. Stand NT Quarta-feira – dia 21/09 – Fernanda Lara, Giordani Vidal e grupo Nova Voz. Está Escrito Adoração com a participação do quarteto Arautos do Rei. Stand NT Quinta-feira – dia 22/09 – Daniel Lüdtke, Fernanda Lara, Giordani Vidal e Jeferson Pillar. Anjos da Esperança ao vivo. Stand NT Sexta-feira – dia 23/09 – À tarde, Mix NT – Tatiana Costa, Fernanda Lara, Daniel Lüdtke, Jeferson Pillar, Dida e Rafaela Pinho. Stand NT Sábado – dia 24/09 – Por do Sol e grande Musical à noite com os cantores da NT e transmissão ao vivo. Stand NT Domingo – dia 25/09 – no grande palco da Expo Cristã Louvor e Adoração NT: Apresentação do quarteto Arautos do Rei, lançando o DVD e Blu Ray O Dia Enfim Chegou , Jeferson Pillar, Daniel Lüdtke, Rafaela Pinho,

Orquestra e Coral Jovem do UNASP Campus 1. Lançamento dos CDs Magnífico Deus – Fernanda Lara e Quem Imaginou – Vagner DIDA. Participação do orador de A Voz da Profecia e Está Escrito, Pastor Ivan Saraiva e Pastor Ronaldo Arco, líder dos

jovens adventistas em São Paulo. Saiba mais detalhes sobre a programação, horários, endereço, como adquirir seu cupom/desconto e participar no site: www.novotempo. com/gravadora. Lúcia H. Cardoso / Marketing e Divulgação


Setembro/2011

8 - Segundo Caderno

2011: ANO RECORDE DE DESASTRES NATURAIS NOS EUA S

egundo estimativas preliminares, o furacão Irene muito provavelmente será um desastre de 10 bilhões de dólares (16,12 bilhões de reais), quebrando recorde de 2008 para prejuízo de desastres por ano. Entre as enchentes de verão, tornados, tempestades e secas, 2011 já acumulou nove desastres naturais que custaram pelo menos 1 bilhão de dólares (1,61 bilhões de reais) cada. Se as estimativas de danos estiverem certas, Irene seria um recordista. Nos EUA, conforme o furacão deixou um rastro que começou nas Carolinas na sexta-feira (26 de agosto), como uma tempestade da categoria 2 com ventos de até 169 quilômetros por hora, matou pelo menos nove pessoas [dados mais recentes dão conta de que 33 pessoas morreram] – cinco na Carolina do Norte, três na Virgínia e uma na Flórida. Até o fim da noite de domingo, passando por Nova York, deveria ser rebaixado à categoria de tempestade tropical, graças a seu contínuo enfraquecimento. Já na quinta-feira,

a agência de notícias Bloomberg informou que o risco estimado que o furacão podia causar custaria 13,9 bilhões de dólares (22,41 bilhões de reais) em perdas seguradas e 20 bilhões de dólares (32,24 bilhões de reais) em perdas econômicas totais, se fatores como horas de trabalho perdidas e interrupção do transporte fossem considerados. O especialista Roger Pielke observou os totais danos causados por tempestades anteriores que seguiram a trilha de Irene e descobriu que os danos variavam de cerca de 4,9 bilhões de dólares (7,9 bilhões de reais – Tempestade 8, 1933) a cerca de 46,2 bilhões de dólares (74,48 bilhões de reais – Tempestade de New England, 1938). Porém, ele diz que nenhuma das tempestades do passado é um bom análogo para Irene. “Devemos esperar danos ao longo da costa leste inteira”, disse Pielke, “assim como uma quantidade considerável de danos causados por inundações no interior, não incluídas nestes números.” [...] Pelos cálculos dos pesquisadores,

a tempestade única mais prejudicial foi a Grande Miami, de 1926, que teria custado até 157 bilhões de dólares (253 bilhões de reais) em 2005. A tempestade foi de categoria 4, que rugiu em terra com ventos de até 201 quilômetros por hora. [...] Junto com o Irene, os danos econômicos de desastres naturais que formaram um recorde nos EUA, de acordo com um relatório do Centro Nacional de Dados Climáticos americano lançado em agosto de 2011, são (em reais): Inundações no centro-oeste (verão): pelo menos 3,22 bilhões a partir de meados de agosto. Enchente do Rio Mississippi (primavera e verão): 3,22 bilhões a 6,45 bilhões em danos. Secas, ondas de calor e incêndios florestais nas planícies do sul e sudoeste (primavera e verão): mais de 8,06 bilhões em danos.

Furacões (22 a 27 de maio): pelo menos 11,28 bilhões em danos nos estados centrais e do sul. Tornados (25 a 30 de abril): pelo menos 14,51 bilhões em danos nos estados centrais e do sul. Furacões (14 a 16 de abril): mais de 3,22 bilhões em danos nos estados centrais e do sul. Furacões (08 a 11 de abril): perdas superiores a 3,55 bilhões nos estados centrais e do sul. Furacões (4 a 5 de abril): mais de 3,71 bilhões em danos nos estados centrais e do sul. Tempestade de inverno: 3,22 bilhões em danos após uma tempestade de inverno maciça que despejou neve em toda a região central, leste e nordeste do país. (Hypescience) NOTA: Não nos esqueçamos, também, do raro terremoto ocorrido poucos dias antes do furacão

Irene. Há mais de um século, Ellen White escreveu: “É chegado o tempo em que haverá no mundo tristeza que nenhum bálsamo humano pode curar. O Espírito de Deus está sendo retirado. Catástrofes por mar e por terra seguem-se umas às outras em rápida sucessão. Quão frequentemente ouvimos de terremotos e furacões, de destruição pelo fogo e inundações, com grandes perdas de vidas e propriedades! Aparentemente essas calamidades são caprichosos desencadeamentos de forças da natureza, desorganizadas e desgovernadas, inteiramente fora do controle do homem; mas em todas elas pode ler-se o propósito de Deus. Elas estão entre os instrumentos pelos quais Ele busca despertar a homens e mulheres para que sintam o perigo” (Profetas e Reis, p. 277). criacionismo.com.br


Jornal Orion