Page 21

álcool A história é um relato comum e sincero dos problemas domésticos e das pressões sociais exercidas sobre os casais de classe operária no começo dos anos 1960. O desenhista Vic (interpretado por Alan Bates depois que Albert Finney recusou o papel) se apaixona por Ingrid (June Ritchie), de 19 anos, com quem cruza todos os dias no refeitório do trabalho. Os dois começam a namorar e, em determinado momento, ele consegue levá-la para a cama. Ambos são virgens e consideram a experiência tão estranha e ruim que isso acaba com seu relacionamento. Infelizmente, Ingrid engravida e eles são forçados a se casar. Sem dinheiro para manter uma casa só deles, passam a morar com a mãe de Ingrid (Thora Hird), uma mulher insuportável e

que se mete em tudo, e que rapidamente leva Vic à beira da loucura. Abalado, ele abandona Ingrid logo depois que ela perde o bebê. Eles tentam uma segunda vez, com apenas uma condição imposta por Vic: que eles morem em qualquer buraco barato que posam pagar para ficarem longe da mãe dela. Ainda Resta uma Esperança tem muito a ver com os Smiths, com muitos dos temas que Morrissey abordaria em suas primeiras letras: o casamento infeliz e obrigatório (“William, it Was Really Nothing”), a condição financeira ruim de recém-casados (“I Want the One I Can’t Have”) e o medo, a expectativa e a humilhação do sexo (“Miserable Lie”, “Pretty Girls Make Graves”). [184, 227, 518]

“Afternoon Delight”, Canção da Starland Vocal Band de 1976 que chegou ao 1o lugar da parada americana. Morrissey, na época com 17 anos, comprou o disco e o ajudou a alcançar o 18ª lugar na parada britânica. Em contraste total a seu gosto pelo punk mais cacofônico da época, “Afternoon Delight” era uma ode tranquila de soft rock ao sexo durante o dia, repleta de metáforas gráficas: “foguetes em voo – prazer da tarde!”. Morrissey “adorava a música totalmente, apesar de mim mesmo”, e também reconheceu que “algo terrivelmente duvidoso estava se infiltrando, aos poucos, dentro de mim”. Seria o único sucesso da Starland Vocal Band. Ironicamente, quando a fama deles terminou, a dupla formada por marido e mulher, Bill Danoff e Taffy Nivert, logo perdeu o interesse em “aproveitar um pouco de prazer à tarde” e se divorciou. [95] álcool, Como se nota na letra de “These Things Take Time”, dos Smiths, pela referência a tardes de bebedeira, Morrissey gosta de beber. No começo dos Smiths, ele confessou ter “espasmos de vinho” e ficou conhecido por evitar os excessos a que se dedicavam outros membros da banda, dizendo “eu posso passar meses e meses sem beber”. Mais tarde, ele explicou que não bebia muito porque “era importante que eu me lembrasse de todas as letras, por

isso talvez tenha sido cuidadoso demais”. No começo dos anos 1990, ele começou a beber cerveja. “Tenho muito interesse por álcool”, admitiu ele, “e conforme o tempo passa, eu o considero cada vez mais confortante, apesar de eu não ser um alcoólatra”. Por preferir “bares de velhos”, ele já foi visto em diversos estabelecimentos antigos no norte de Londres e no East End, normalmente preferindo cerveja em garrafas a cerveja de barril. Quando se 21

dic_morressey.indb 21

04/10/13 11:11

Mozipedia - A enciclopédia de Morrissey e dos Smiths  

Call me morbid, call me pale, but I spent so many years on your trail… Pare se você acha que já ouviu essa antes. Morrissey gosta mais de ga...

Mozipedia - A enciclopédia de Morrissey e dos Smiths  

Call me morbid, call me pale, but I spent so many years on your trail… Pare se você acha que já ouviu essa antes. Morrissey gosta mais de ga...

Advertisement