Issuu on Google+

ANO 1 . N° 3 . DEZ 2010/FEV 2011 . DISTRIBUIÇÃO DIRIGIDA

negociosindustriais.com

1


Cinco anos transformando conc

INFORMATIVOS PARA EMPRESAS . ASSESSORIA DE IMPRENSA . CRIAÇÃO DE DOSSIÊS DE EMPRESAS . PLANEJAMENTO E CRIAÇÃO PUBLICITÁRIA . CLIPPING DE JORNAIS E REVISTAS . RELACIONAMENTO CO

Cada vez mais a comunicação ganha um espaço estratégico nas organizações. É por meio dela que as empresa seus colaboradores, consumidores, fornecedores, parceiros e comunidade. A comunicação mobiliza, incentiva, Não fique parado enquanto seus concorrentes saem na frente. Fale conosco. 31 3823-1316 . SIGA-NOS @letradeforma

2

negociosindustriais.com


ceitos.

FOTOGRAFIAS . OM COMUNIDADE .

as se relacionam com , explica, faz neg贸cios.

negociosindustriais.com

3


Índice 10 Painel Emalto estuda unidade para Oil & Gas. Leia muito mais.

19 Personagem Raimundo Anício, sócio-fundador da Cipalam e pioneiro de Ipatinga

22 Capa O mercado de construção civil entra em alerta na maior cidade do Vale do Aço

36 Bate-papo Divulgação/Gasmig

Conheça José Maria Facundes, presidente do Sindicomércio Vale do Aço

39 Mercado Mais de 200 empresas realizam o Peiex e vislumbram o mercado externo

42 Eventos

59 Entrevista

Universo Totvs, posse da Confederação Nacional da Indústria e Baile da Asseit

44 Panorama Incertezas na capital do inox, Usiminas crescerá 25% e Vale quer dobrar de tamanho

54 Associativismo Sinpava não representa somente padarias. Indústrias de alimentação aderem ao sindicato

64 Infraestrutura

Márcio Augusto Vasconcelos Nunes: presidente da Gasmig fala sobre o gasoduto Vale do Aço e as perspectivas com a descoberta de novas reservas de gás natural em Minas Gerais

70 Prêmio de qualidade Instituto Qualidade Minas reconhece cinco empresas no Vale do Aço. Disbam e Convaço se destacam e recebem troféu

Coronel Fabriciano prepara Distrito Industrial 2

81 Happy Hour

74 Seu Negócio Perguntas e Respostas sobre a Lei da Aprendizagem

GASTRONOMIA TURISMO VELOCIDADE TECNOLOGIA VIVER BEM

76 Sustentabilidade Faça o dever de casa e tome atitudes realmente sustentáveis

95 Giro

78 Cultura

Saiba o que as entidades que representam a indústria estão fazendo pela sua empresa

Antes de abrigar Fundação ArcelorMittal Acesita, prédio em Timóteo era hotel

4

negociosindustriais.com


negociosindustriais.com

5


A Negócios Industriais® é uma publicação trimestral da Letra de Forma Comunicação ISSN 2178-0706 P2SA COMUNICAÇÃO LTDA | CNPJ 07.291.053/0001-58 Rua Marília, 33 A, Bela Vista, Ipatinga-MG CEP 35160-194 EDITOR Paulo Assis | MG 07169JP paulo@negociosindustriais.com DIRETOR José Geraldo de Assis jgassis@negociosindustriais.com DIRETOR FINANCEIRO Carlos Alberto S. Assis carlos@negociosindustriais.com EDITOR DE ARTE Gabriel Tôrres publicidade@negociosindustriais.com JORNALISMO Aline Alves e Paulo Assis redacao@negociosindustriais.com PARA ANUNCIAR Daniele Assis e Aline Lage daniele@negociosindustriais.com alinelage@negociosindustriais.com (31) 3823-1316 REVISÃO Agna Ferreira Rodrigues e Silva FINANCEIRO financeiro@negociosindustriais.com FOTO DA CAPA Grão Fotografia grao@graofotografia.com CARTAS À REDAÇÃO Comentários sobre o conteúdo editorial, sugestões, releases e críticas às matérias - redacao@negociosindustriais.com ASSINATURAS Para receber a Revista Negócios Industriais entre em contato pelo telefone 31 3823-1316 ou e-mail comercial@negociosindustriais. com. IMPRESSÃO Gráfica Damasceno

As novidades não param A cada edição a Revista Negócios Industriais cresce - em número de páginas, apoiadores e informações - e se desenvolve. O exemplar que está em suas mãos apresenta importantes mudanças editoriais e de conteúdo, sempre buscando tornar a revista mais interessante para o leitor. O “Painel” ganhou mais espaço e resume os principais fatos da indústria do Vale do Aço. Uma nova seção foi criada para homenagear os personagens do setor produtivo. Escolhemos o pioneiro de Ipatinga, Raimundo Anício, sócio-fundador da Cipalam, para estrear o espaço “Personagem”. Em parceria com a Fiemg Regional Vale do Aço, criamos a coluna “Financiamentos”, que vai orientar os empresários com dicas da Assessoria em Financiamentos da Fiemg sobre linhas de crédito do BDMG e BNDES. Não é só. Dois cadernos serão veiculados em todas as edições: “Giro”, com as informações das entidades que representam a indústria no Vale do Aço - Sindivest, Sinduscon e Sinpava estreiam o espaço cedido pela revista - e “Happy Hour - A vida não é só trabalho”, que traz reportagens sobre turismo, tecnologia, gastronomia, automóveis e uma coluna que aborda a saúde, escrita por Carlos Magno, mestre em Educação Física e integrante do Ministério do Esporte. Toda essa evolução para criar um produto de qualidade e que reflita os anseios dos diversos segmentos da indústria regional só é possível com o apoio de nossos parceiros, patrocinadores e colunistas. A eles dedico esta terceira edição. Boa leitura Paulo Assis Editor

ISSN 2178-0706

9 772178 070000

6

negociosindustriais.com


CRESCE A GASMIG, CRESCE O NOSSO ESTADO. EM 7 ANOS, A REDE DA GASMIG CRESCEU 245%. A GASMIG é uma das distribuidoras de gás natural de maior crescimento no país. Nos últimos sete anos, o volume de gás distribuído pela empresa passou de 381,3 milhões para 662,7 milhões de m³/ano. Além disso, a GASMIG mais do que triplicou o tamanho de sua rede de distribuição, que neste ano atingirá 800Km de extensão. Mais de 1 bilhão de reais foram investidos, gerando milhares de empregos e contribuindo diretamente com o desenvolvimento de Minas, que é um dos estados que mais cresce e atrai investimentos no Brasil.

800 KM

232,2 KM

2003

2010

negociosindustriais.com

7


Fotos Grão Fotografia

Colunas

39 Marketing Ronaldo Soares,

assessor da Central de Negócios Metalmecânica e autor do blog Negócio Já

8

49

Contábil Nathaniel Pereira, sócio da NTW Contabilidade e Gestão Empresarial

55

negociosindustriais.com

Gestão Charles Magalhães, diretor da Essentiali Consultoria e Treinamento

67 Ambiental Daniele Lima, engenheira sanitarista e ambiental da Fonte Ambiental


Inox ArcelorMittal: inspiração para grandes ideias e para um futuro melhor.

O aço inox da ArcelorMittal Inox Brasil ajuda a construir o futuro e promover o desenvolvimento em várias áreas. Na arquitetura, ele permite a criação de construções arrojadas e de grande praticidade. O agronegócio também já descobriu suas vantagens, como a qualidade, a durabilidade, a higiene e o excelente custo-benefício. O aço inox ainda marca presença na exploração do petróleo e do pré-sal, com a sua altíssima resistência mecânica e à corrosão. Assim, com grandes projetos para a arquitetura e para o Brasil, a ArcelorMittal segue transformando o amanhã.

www.arcelormittalinoxbrasil.com.br negociosindustriais.com

9


Painel

278 km R$ 700.000.000,00 2.300.000 m3

João Rabelo

GASODUTO ENTRA EM OPERAÇÃO Na foto, Humberto Lopes, Márcio Augusto Vasconcelos Nunes, Djalma Bastos de Morais, Naohiro Doi, Paulo Brant e Sérgio Alair Barroso acionam a chama que marca o início das operações do Gasoduto no Vale do Aço.

O trecho do gasoduto Vale do Aço após João Monlevade e até Belo Oriente entrou, oficialmente, em operação no dia 29 de setembro. A solenidade de início das atividades ocorreu na Cenibra, em Belo Oriente, e contou com a participação do presidente da empresa, Paulo Brant, do secretário de Desenvolvimento de Minas Gerais, Sérgio Barroso, do presidente da Gasmig, Márcio Augusto Nunes, e do presidente da Cemig, Djalma Bastos de Morais. Junto com o prefeito de Belo Oriente, Humberto Martins, e o diretor administrativo e financeiro da Cenibra, Naohiro Doi, eles acionaram o terminal. A obra, que liga Ouro Branco a Belo Oriente, teve um investimento de R$ 700 milhões e 278 quilômetros de extensão. O gasoduto tem uma capacidade de transporte de 2,4 milhões de metros cúbicos de gás natural ao dia. “Onde o gasoduto chega o desenvolvimento industrial e o desenvolvimento econômico também chegam. Não tem lugar nenhum no mundo onde o gás natural chegou e não houve desenvolvimento”, afirmou Sérgio Barroso. De acordo com ele, ainda no primeiro quadrimestre de 2011 será apresentado o projeto para levar a tubulação até a cidade de Governador Valadares. QUEDA NO PREÇO A descoberta de reservas de gás natural na cidade de Morada Nova de Minas, região do Baixo São Francisco, vai permitir uma queda de até 70% no preço da matriz energética em Minas Gerais. Hoje, o valor médio está na casa de 8 dólares por milhão de BTU. A expectativa é que o valor oscile entre 3 e 4 dólares. Segundo estimativas da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico, o produto poderá, inclusive, ser usado para a produção de energia elétrica.

10

negociosindustriais.com


negociosindustriais.com

11


SIANFER atua no mercado de aço inoxidável, metais e sucatas de aço inox, desde sua fundação em 1985, oferecendo sempre os melhores produtos tanto para siderúrgicas quanto para fundições.

SIANFER AÇO INOX

Entre em contato conosco. Tel: (11) 3468-0999 Endereço Av. Industrial, 2.622 Campestre - Santo André - SP CEP- 09080-501 Materiais novos Luiz Antonio (11) 3468-0999 luiz@sianfer.com.br Sucatas Tiago - (11) 3468-0902 tiago@sianfer.com.br

www.sianfer.com.br

Empresa com Licenciamento Ambiental

Compras e vendas de suCatas industriais em geral; ferrosas e não ferrosas. reCiCláveis: pet, plástiCo e aço inox. Compra de Carretéis de plástiCo e suCata de disCos de desbaste e Corte.

12

sucatasgerais20@yahoo.com.br negociosindustriais.com av. getúlio vargas, 1355 - Caravelas - ipatinga - mg telefax: (31) 3822 7911 / 9697 3855 / 8878 8164


PAINEL

Usiminas

Sebrae Ipatinga

Pesquisa para setor naval e de óleo e gás

A Usiminas lançou em novembro, no Parque Tecnológico do Rio/UFRJ, a pedra fundamental do Centro de Tecnologia Usiminas. A siderúrgica ocupará uma área de 3,6 mil metros quadrados no Parque Tecnológico, localizado na Ilha da Cidade Universitária. Em 2011, deverão ser iniciadas as obras do centro. Segundo o vice-presidente de Negócios da Usiminas, Sergio Leite, o objetivo do projeto é desenvolver novas tecnologias de aplicação de aços para os setores de Petróleo e Gás, Naval e Offshore, com foco no atendimento às demandas da exploração da camada pré-sal. O Parque Tecnológico foi inaugurado em 2003 com o objetivo de estimular a interação entre a universidade - seus alunos e corpo acadêmico - e empresas que fazem da inovação o seu cotidiano. São 350 mil metros quadrados, destinados a abrigar empresas de setores intensivos em diferentes áreas de conhecimento.

O Sebrae Minas tem sede nova em Ipatinga. Desde o dia 8 de novembro, a entidade promove suas atividades na avenida Monteiro Lobato, 63, bairro Cidade Nobre, em Ipatinga. No novo ambiente, o Sebrae oferece atendimento expresso com acesso às mídias digitais (consultoria online e chat), salas de atendimento individuais e coletivas e auditório com capacidade para 60 pessoas. A equipe é composta por cinco técnicos, um assistente e dois estagiários. Eles desenvolvem projetos e realizam atendimentos coletivos e individuais. Informações: 3822-4699

Mangueiras e Conexões

A Hitorin Mangueiras e Conexões abriu no final de outubro uma loja na Avenida Cláudio Moura, no Centro de Ipatinga. Há 10 anos no mercado, ela já possui unidade na cidade para atender à demanda das grandes indústrias. Agora, a Hitorin adota a estratégia de também focar o mercado em geral, incluindo pequenas e médias empresas e o consumidor final. Bruna Lage

Prêmio de Sustentabilidade O idealizador do Projeto Xerimbabo Usiminas e supervisor do Zoológico do Centro de Biodiversidade da Usiminas, Lélio Costa e Silva, foi um dos homenageados da primeira edição do Prêmio Hugo Werneck de Sustentabilidade & Amor à Natureza que reuniu os principais nomes da ecologia em Minas Gerais. Para Lélio, a premiação assume uma conotação especial por trazer o nome daquele que fora seu grande mestre. “Pude aprender muito com o Hugo Werneck, que foi um grande admirador do Projeto Xerimbabo e chegou a nos visitar por três vezes. Fiquei bastante emocionado e orgulhoso por receber essa premiação, que soma um compromisso ainda maior ao nosso trabalho”, afirmou. O Projeto Xerimbabo é uma das maiores e mais duradouras iniciativas de educação ambiental do País. Em 2010, chegou a sua 26ª edição e superou a marca de mais de dois milhões de visitantes.

negociosindustriais.com

13


PAINEL Itaú Empresas em Ipatinga

Economia com o coque

A terceira coqueria da Usiminas, em Ipatinga, entrou em funcionamento no final de setembro. A siderúrgica investiu R$ 707 milhões no equipamento que terá capacidade produtiva de 750 mil toneladas de coque por ano. Em nota, a empresa prevê a autossuficiência em coque na usina de Ipatinga até 2013. Com toda a demanda da usina de Ipatinga suprida pela produção própria de coque, a Usiminas prevê uma economia de até R$ 250 milhões por ano, considerando a cotação atual do insumo.

Grão Fotografia

Emalto Oil & Gas

O Grupo Emalto, de Timóteo, estuda a criação de uma terceira unidade exclusiva para atender o setor de petróleo e gás. O investimento estimado é de R$ 30 milhões. De acordo com o diretor administrativo da empresa, Alexandre Torquetti Jr, a nova planta industrial poderia ser em Minas Gerais, Espírito Santo ou Rio de Janeiro. “Ainda estamos na fase de análise de viabilidade do projeto, mas a decisão também vai depender das políticas de incentivo praticadas pelos Estados”, antecipou à Negócios Industriais.

Senai em São Gonçalo

O presidente do Sistema Fiemg, Olavo Machado Jr, e o presidente da Fiemg Regional Vale do Aço, Luciano Araújo, inauguraram no dia 10 de setembro a unidade do Senai em São Gonçalo do Rio Abaixo. Centro de Formação Profissional José Fernando Coura, uma homenagem ao presidente do Sindextra (Sindicato da Indústria Mineral de Minas Gerais), tem capacidade para atender até 450 alunos com cursos de aprendizagem em mecânica e elétrica, curso técnico em mecânica e aperfeiçoamento em hidráulica. A unidade já qualificou 454 pessoas desde o início das atividades e mantém atualmente 208 matriculados.

Mineração Usiminas

A Usiminas e a Sumitomo Corporation assinaram os contratos definitivos para a criação da joint venture Mineração Usiminas. A empresa prevê o desenvolvimento de um projeto integrado que inclui a exploração e operação de ativos minerários na região de Serra Azul-MG, o desenvolvimento de atividades de logística relacionadas ao transporte de minério de ferro e a criação e elaboração de alternativas portuárias para exportação do minério de ferro produzido. O plano da Mineração Usiminas prevê investimentos de R$ 4,1 bilhões até 2015, que serão aplicados em projetos de instalações industriais, equipamentos, barragens e terminais de embarque, dentre outros. As minas fecharão 2010 com 7 milhões de toneladas. Com novos investimentos, em 2015 a produção de minério alcançará 29 milhões de toneladas.

14

negociosindustriais.com

Paulo Assis/Letra de Forma

Nilmar Lage/Usiminas

O Itaú abriu em Ipatinga uma agência exclusiva de atendimento para pequenos e médios empresários. “As pequenas e médias empresas estão desempenhando um papel muito importante no crescimento do País e a tendência é que ganhem ainda mais relevância daqui para frente. Dedicamos um espaço exclusivo para esse público, com profissionais qualificados para atender o cliente em todas as suas necessidades”, explica José Roberto Haym, diretorexecutivo da Área Empresas do Itaú Unibanco. A plataforma de Ipatinga localiza-se na rua Maria J. Selim de Sales, 15.


Mais de 6.000 empresas de manufatura contam com os softwares TOTVS.

TOTVS

A TOTVS é uma das maiores empresas de softwares do mundo. Uma multinacional brasileira que acredita no trabalho de quem faz o país crescer. Por isso, desenvolve soluções que alavancam a gestão da manufatura nacional e de outros nove segmentos de negócio, integrando processos e reduzindo custos, sempre prontas para promover a internacionalização e aumentar sua competitividade no Brasil e no mundo.

Acredite no Brasil. A TOTVS acredita na sua empresa. (31) 3822-5016 | (33) 3271-7010 | totvs.com Agroindústria | Construção e Projetos | Distribuição e Logística | Educacional Financial Services | Jurídico | Manufatura | Saúde | Serviços | negociosindustriais.com Varejo

Igual, sendo sempre diferente.15


Os melhores lubrificantes, filtros e 贸leos industriais ANNEL DISTRIBUIDORA Rua dos Caribas, 165 B. Igua莽u - Ipatinga Telefax: 31 3829.7373 annel@annel.com.br

16

negociosindustriais.com


PAINEL Esporte e Integração

Sérgio Roberto/Agência Cobertura

Sessenta tenistas, entre empresários e colaboradores de indústrias do Vale do Aço, disputaram em setembro a terceira edição do Circuito Sesi de Tênis, no Clube Morro do Pilar, em Ipatinga. O torneio fez parte dos Jogos do Sesi e foi classificatório para a etapa estadual do torneio. Diretor industrial da Usiminas, Francisco Amério ressaltou a importância do momento de lazer numa região industrial. “Esse evento da Fiemg é uma atividade muito importante para todos nós. É um evento de lazer onde estamos junto com as famílias, com os empresários, onde se discutem os problemas da região, mas compartilhando um momento de lazer.”

A Unipac Vale do Aço e RSI Sistemas, empresa com sede em São Paulo, assinaram no final de outubro convênio de cooperação técnica. O documento foi assinado pelo diretor-acadêmico Júlio César Alvim e pelo diretor da RSI, José Roberto Murillo Zamora. A empresa poderá utilizar o Laboratório de Informática da Unipac para desenvolver seus projetos. Em contrapartida, a RSI vai contratar estagiários dos cursos de Ciência da Computação e de Sistemas de Informação para atuação em projetos.

A Cipalam, indústria de perfis laminados com sede em Ipatinga, prevê uma economia de até 20% no consumo de energia com a adoção do gás natural. A empresa, que hoje utiliza óleo diesel, assinou contrato com a Gasmig e espera que o ramal chegue à sede ainda no primeiro bimestre de 2011, conforme o gerente da Cipalam, Morton Ferreira Alves. Já as empresas instaladas nos distritos industriais do Vale do Aço também poderão ser beneficiadas. O presidente da Gasmig, Márcio Augusto Vasconcelos Nunes, disse à NEGÓCIOS INDUSTRIAIS que onde houver volume será possível levar o gás natural. Ele ressaltou, no entanto, que a venda é individualizada.

CEO do Segmento Inox visita Timóteo

O novo CEO do Segmento Inox da ArcelorMittal, Bernard Fontana, visitou a unidade de Timóteo nos dias 14 e 15 de outubro. A vinda dele ao Brasil faz parte de um roteiro de visitas às empresas do segmento como o novo CEO. Além de Timóteo, Fontana visitou no Brasil o Centro de Serviços de Campinas e a ArcelorMittal BioEnergia, em Capelinha. Bernard Fontana substitui Jean-Yves Gilet, que deixou o cargo em setembro deste ano e assumiu o cargo de diretor geral do Fundo estratégico de Investimento Francês (FSI). Edmar Silva

Cooperação na área tecnológica

Gás Natural na Cipalam

negociosindustriais.com

17


PAINEL Novos equipamentos

Indústria de bebidas

Ailton Duarte, diretor da CMI Montagem Industrial, empresa com sede em Ipatinga, esteve na Itália e na China em outubro para buscar novas tecnologias para sua indústria.

ISO 9001:2008

A Soldaloc, locadora de equipamentos para a indústria metalmecânica e construção civil, com sede em Ipatinga, conquistou a certificação ISO 9001:2008 pela DNV.

Grão Fotografia

O verão 2011 promete ser o melhor de todos os tempos para o setor de cervejaria brasileiro. Responsável por 40% do consumo anual, o período é aguardado com otimismo pela Ambev, maior cervejaria do Brasil. A empresa espera um aumento de pelo menos 15% na demanda. No Vale do Aço, a Disbam acredita que o resultado seguirá a tendência nacional, informou à revista Amantino Alves Filho, diretor da empresa.

Controle natural de pragas do eucalipto

Cleber Ribeiro Junior, professor do UnilesteMG, teve um artigo científico sobre controle natural das pragas do eucalipto publicado na revista Pesquisa Agropecuária Brasileira, editada pela Embrapa. Segundo a assessoria de imprensa da Universidade, a pesquisa tem como objetivo observar a ação de vespas como agentes de controle de pragas em agrossistemas, uma vez que estes insetos são predadores de lagartas desfolhadoras de eucalipto, consideradas atualmente uma das principais pragas dessa monocultura. “Chegamos à conclusão que a espécie estudada apresenta potencial como agente controlador biológico, podendo contribuir para a preservação do meio ambiente ao reduzir o uso de produtos químicos como pesticidas”, disse Cleber. O artigo, intitulado Uso da Vespa Social Polistes versicolor no Controle de Desfolhadores de Eucalipto, foi produzido em parceria com os pesquisadores Thiago Elisei e Juliana Vaz e Nunes, da Universidade do Estado do Amazonas; Aluisio José Fernandes Júnior, da Universidade Federal do Rio de Janeiro; e Fábio Prezoto, da Universidade Federal de Juiz de Fora. O conteúdo integral do trabalho pode ser consultado no endereço eletrônico http://webnotes.sct.embrapa. br/pab/pab.nsf/FrAnual.

Projeto Mutum

João Rabelo

Em 20 anos, o Projeto Mutum, realizado na Fazenda Macedônia, em Belo Oriente, já possibilitou a soltura do mutum-do-sudeste (Crax blumembachii), do macuco (Tinamus solitarius), da capoeira (Odontophorus capueira), do jaó (Crytpturellus n. noctivagus), do inhambuaçu (Crytpturellus obsoletus), do jacuaçu (Penelope obscura) e da jacutinga (Pipile jacutinga). Esses são alguns resultados da ação que completou 20 anos. O projeto é realizado por meio de um acordo de cooperação técnicocientífica entre a Cenibra e a Sociedade de Pesquisa do Manejo e da Reprodução da Fauna Silvestre (CRAX), entidade não governamental, sediada em Contagem (MG). De acordo com a empresa, cerca de 20% da população mundial da ave Mutum encontra-se nas áreas da Cenibra. PARTICIPE DO PAINEL: conte-nos o que sua empresa está fazendo: investimentos, aquisições, prêmios, etc. Escreva para redacao@negociosindustriais.com

18

negociosindustriais.com


PERSONAGEM quem faz a indústria

Raimundo Anício

fundador da Cipalam

Grão Fotografia

A

história do empreendedor que estréia a coluna “Personagem” se confunde com a trajetória do Vale do Aço. Raimundo Anício Alves nasceu no dia 7 de dezembro de 1919, poucos anos antes de a estrada de Ferro Vitória-Minas cruzar as terras da região metalúrgica mineira. Natural de Ferros, traçou sua vida com as indústrias. No início da década de 40, atuou pela Companhia Ferro-Brasileiro na fabricação de carvão, produto fornecido para a siderúrgica Belgo-Mineira, em João Monlevade. Já casado com Dona Ita Drumond Andrade, mudou-se para Jaguaraçu, trabalhando no mesmo segmento em sociedade com seu sogro. Mas o trabalho exigia longas caminhadas no lombo de animais, aquilo não fez bem à sua saúde e ele precisou parar.

negociosindustriais.com

Em dezembro, ele completa 91 anos: pioneirismo é a palavra-chave em sua trajetória

19


Em 1953, numa viagem a Salto Grande, uma parada do ônibus no então Distrito de Ipatinga despertou uma oportunidade nova. Um amigo de Raimundo Anício o avistou e, insatisfeito com a atividade no comércio, propôs a venda. Dias depois o negócio foi fechado e, em julho daquele ano, chegou com a esposa e os quatro filhos José Edélcio, Geraldo Éder, Eustáquio e Edilar e os filhos de coração (irmãos mais novos de Raimundo, que vieram com ele após a morte do pai) àquela terra onde havia poucos barracos e mínimos sinais de desenvolvimento. A construção das Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais, a Usiminas, ainda não era uma realidade. As obras começariam cinco anos mais tarde, com a visita do então presidente JK, solenidade da qual nosso personagem também participou. No Distrito de Ipatinga, Raimundo Anício tornou-se comerciante e político (foi vereador de Coronel Fabriciano quando Ipatinga ainda pertencia a hoje cidade vizinha). Quando Ipatinga foi emancipada, foi convidado pelo então governador Magalhães Pinto para ser o primeiro prefeito da cidade. Convite que recusou. “Acreditava eu que só um administrador livre, sem vínculos arraigados e sem um círculo tão grande de amizades, como o meu, poderia iniciar o processo livre de construção da nova cidade”, disse, há algum tempo. A participação na vida pública o levou às causas sociais. A convite do amigo Emílio Gallo iniciou a participação no Lions Clube, entidade da qual foi governador do distrito 27, que à época ia de Santa Bárbara à divisa com a Bahia, e hoje mantém uma fundação que leva seu nome. Por mais de duas décadas, a relação com a indústria foi interrompida. Na década de 80, uma oportuni-

20

Grão Fotografia

PERSONAGEM

dade surgiu para família Drumond Alves. Em dificuldades financeiras, a Companhia Mineira de Laminação foi comprada e transformou-se na Companhia Ipatinguense de Laminação, ou simplesmente Cipalam Indústria e Comércio de Laminados. Em 2001, o empresário foi escolhido para receber a comenda de Mérito Industrial, oferecida pela Fiemg e entregue pelas mãos do então presidente Stefan Bogdan. Localizada no bairro Iguaçu, a fábrica possui 40 mil metros quadrados e gera quase 500 empregos diretos. Uma nova unidade, a Laminados Paraíso, está sendo construída em um terreno de 200 mil metros

negociosindustriais.com

quadrados, em Santana do Paraíso, na saída para Governador Valadares. No ano passado, a Cipalam conquistou o Prêmio Regional de Qualidade Vale do Aço, oferecido pelo Programa Mineiro de Qualidade e Produtividade. Raimundo Anício foi lá, ao lado da família e diretores da empresa, receber o troféu. O prêmio reflete o espírito de inovação da empresa. A história de Raimundo “daria uma novela”, nas palavras dele próprio. Não virou novela, mas um livro. “Nossa Vida, Nossa Gente, Uma feliz trajetória” é a história da cidade, da região, que se confunde com a família Drumond Alves, nas palavras de Dona Ita.


PÓS-graduação Senac Minas

Capacitação Profissional Técnicos

Não dá pra saber se você entrou na sala de aula ou no mundo dos negócios.

vagas limitadas

MATRÍCULAS ABERTAS NO VALE DO AÇO

GESTÃO EMPRESARIAL, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E SAÚDE DA FAMÍLIA

0800 724 4440

www.mg.senac.br

negociosindustriais.com

21


sinal amarelo na construção Segundo empresários, ciclo de crescimento na maior cidade do Vale do Aço está chegando ao fim com incertezas sobre Plano Diretor e restrições impostas em Termo de Ajustamento de Conduta. Estatísticas comprovam que boom do setor é provocado por obras na Usiminas

22

negociosindustriais.com


Wôlmer Ezequiel

Bairros Horto e Santa Mônica: ações na Justiça e reclamação de moradores para impedir a verticalização

negociosindustriais.com

23


CAPA

Grão Fotografia

Walace Barreto: incertezas paralisam investimentos dos construtores

N

em sempre as estatísticas refletem a realidade. Pelo menos é isso que atestam os empresários da construção civil de Ipatinga. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego revelam um ano maravilhoso para o setor: 3.181 novos empregos foram criados entre janeiro e setembro. Logo, a construção imobiliária vive um boom de desenvolvimento. Certo? Errado.

Projetos parados, indefinição e estado de alerta. Esta é a atual situação da construção civil em Ipatinga. Depois de um ano nada favorável ao setor, construtores, arquitetos e fornecedores ouvidos pela “Negócios Industriais” declaram apreensão

24

quanto ao que estar por vir. “Hoje não temos o mercado aquecido como tempos atrás”, declara Wallace Barreto, presidente da Associação dos Profissionais da Construção Civil do Vale do Aço e proprietário da WR Construtora.

negociosindustriais.com

O MOTIVO DAS RECLAMAÇÕES Segundo os próprios construtores ouvidos pela reportagem, a maioria dos lotes disponíveis em Ipatinga possui 360 metros quadrados. Antes do TAC, conforme constatação do Ministério Público, alguns empreendimentos ocupam mais de 100% da área (com invasão sobre a calçada). O TAC determinou limites. Afastamento lateral de 2,5 metros (em cada lado) e de 3 metros na frente e fundos. Logo, um lote de 360 metros quadrados contará com apenas 168 metros.


CAPA Segundo o construtor, enquanto as leis complementares ao Plano Diretor não forem elaboradas e implementadas vão imperar as restrições do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado entre a Prefeitura, e Ministério Público no final de abril de 2010; consequentemente não haverá desenvolvimento e investimentos na construção civil (leia o quadro e entenda a polêmica). Com apenas uma grande obra em andamento, o engenheiro Artur Bolivar Moreira já perdeu três projetos recorrentes ao TAC. Para ele, as restrições impostas pelo Termo deixaram os lotes mais caros e inviáveis para a construção, devido à redução dos coeficientes de aproveitamento e, no caso de prédios, redução no número de pavimentos e recuos (Quadro “O motivo das reclamações”). “A cidade tem que crescer verticalmente e não restritamente, precisamos urgente de uma lei de uso e ocupação do solo, estamos caminhando na contramão da evolução mundial do urbanismo”, afirmou. Indignado, o engenheiro cobra uma postura do Legislativo. “A promotoria nomeou profissionais de Ouro Preto para definir as leis de uso e ocupação do solo da nossa cidade. Isso é totalmente inaceitável, esses profissionais não vivem a nossa realidade, não convivem com as nossas demandas, pelo contrário, vivem em um município muito diferente do nosso”, se referindo ao clima, idade e economia da cidade. Com as restrições, cerca de 150 projetos estão parados na Prefeitura, segundo os próprios empresários. Isso representa emprego de dois anos para pedreiros, serventes e mestres de obras diretamente. A expectativa é de que as leis complementares ao Plano Diretor sejam aprovadas no primeiro semestre de 2011. Enquanto isso não acontece, os construtores se dedicam às obras que

cronograma do atraso OUTUBRO DE 2006 - PLANO DIRETOR É APROVADO No governo de Sebastião Quintão, o plano diretor de Ipatinga foi aprovado em outubro de 2006 pela Câmara Municipal de Ipatinga. O passo seguinte foi a elaboração das Leis Complementares. AGOSTO DE 2007 – FUNDEP É CONTRATADA A Fundep, entidade ligada à UFMG, foi contratada por R$ 748 mil pela Prefeitura Municipal de Ipatinga para elaborar as Leis Complementares ao Plano Diretor, notadamente a Lei de Uso, Ocupação e Parcelamento do Solo; Lei de Obras ou de Edificações; Código de Posturas ou de Polícia Administrativa; Código de Meio Ambiente; Código Sanitário; e Código Tributário. DEZEMBRO DE 2008 – CONTRATO É SUSPENSO Por suspeitas de irregularidades na execução do contrato (subcontratação e plágio de projetos de outras cidades) uma ação civil proposta pelo Ministério Público e acatada em parte pelo Judiciário suspendeu o contrato. O caso ganhou repercussão em fevereiro de 2009, dias antes da cassação, por motivos eleitorais, do ex-prefeito Sebastião Quintão. DEZEMBRO DE 2009 – VETO ÀS CONSTRUÇÕES De acordo com o Ministério Público, o governo provisório de Robson Gomes não tomou medidas consideradas necessárias para elaboração das leis complementares. Em dezembro de 2009, a Justiça determina a proibição da expedição de alvarás para construção de edificações de “grande impacto urbanístico”. JANEIRO DE 2010 – NOVO CONTRATO Governo provisório contrata, por dispensa de licitação, ao custo de R$ 832 mil, Fundação Gorceix, para dar seguimento ao trabalho que caberia à Fundep. ABRIL DE 2010 – TAC É ASSINADO Termo de Ajustamento de Conduta é assinado prevendo restrições às construções até a implementação das leis complementares, prevista para ser concluída em maio de 2011. AGOSTO DE 2010 – GRUPO DE TRABALHO Decreto municipal forma Grupo de Trabalho Ampliado (GTA) e estima conclusão dos trabalhos em 14 meses contados a partir de agosto. NOVEMBRO DE 2010 - OFICINAS Começam, na última semana de novembro, as oficinas para atualização e revisão do Plano Diretor Participativo (PDP) e legislação complementar. Os trabalhos são acompanhados por técnicos da Prefeitura Municipal e da Fundação Gorceix, que presta assessoria ao projeto. Além disso, os Grupos Executivo e de Trabalho Ampliado vão produzir relatório. Os encontros são para esclarecimento à comunidade sobre a revisão do Plano Diretor. Neste mês de dezembro, uma nova rodada de encontros com a comunidade serã realizada. Fontes: Prefeitura Municipal de Ipatinga, Câmara Municipal de Ipatinga, Termo de Ajustamento de Conduta

negociosindustriais.com

25


Sofisticação e bom gosto te esperam no Belvedere

Descubra aqui o seu espaço com conforto e requinte. Mude para o Belvedere

26

negociosindustriais.com


Sala de Estar e Jantar. Detalhes que encantam

3 quartos c/ suĂ­te - Sala para 3 ambientes com varanda

negociosindustriais.com

27


CAPA Grão Fotografia

Josimar, da Damatel, diz acreditar que alternativa é buscar clientes em outras cidades do Vale do Aço

raio-x A realidade atrás dos números

O detalhamento das contratações por empresas de construção em Ipatinga revela que o segmento industrial é o responsável pela maior parte dos empregos gerados, enquanto o imobiliário não tem grande participação. A função de pedreiro, por exemplo, sequer figura entre as dez mais, com apenas 32 vagas criadas em 2010.

Servente de obras Soldador Instalador de tubulações Mecânico de manutenção Alimentador de linha de produção Motorista Auxiliar de escritório Apontador de produção Operador de escavadeira Almoxarife

657 228 209 176 130 98 93 75 70 67

Fonte: Ministério do Trabalho (Jan/Ago 2010)

28

negociosindustriais.com

já estavam em execução. Afinal, o fator incerteza reina em relação à manutenção ou não das restrições. O engenheiro civil Heyder José Dias Franco tem concentrado suas obras fora de Ipatinga. Com projetos na capital mineira, Poços de Caldas, Uberaba e Montes Claros, Heyder, que hoje tem apenas 5% de seus serviços em Ipatinga, lembra que há dois anos tinha 70% de seus projetos no município. “Se eu não gostasse tanto de Ipatinga teria ido embora”, conta. Em seu escritório, ele ainda lembra que esse ano contratou dois desenhistas, mas para atender às demandas de outras cidades. “Aqui em Ipatinga o mercado está muito ruim: enquanto o país incentiva a construção civil, temos um promotor que dá as cartas e não nos dá o mínimo de incentivo”. Há 37 anos no mercado e com um histórico de mais de 100 mil metros quadrados de obras já realizadas, o arquiteto e engenheiro civil Almir Oliveira acredita que os impactos da construção civil ainda serão sentidos nos próximos anos. “Ipatinga terá uma recuperação lenta; depois da definição das leis complementares vem o período de adaptação, nosso mercado deve voltar ao normal daqui a uns 2, 3 anos”, apostou. DECEPÇÃO “Tínhamos uma expectativa boa para esse ano, mas não foi o que aconteceu”. De acordo com Cleidson Gomes Mendes, gerente do Gomes Construção e Utilidades, todos os projetos e investimentos do depósito foram reavaliados e adiados devido à ligeira queda nas vendas e ao momento de instabilidade. “Esse ano não tivemos contratação, pelo contrário, estou segurando para não demitir”, declarou. Para Cleidson, fim do ano não é uma época favorável à venda no ramo da construção devido ao período de chuvas. Com o que ele não contava é que o ano teria um


CAPA

Qualidade com garantia é um compromisso com nossos clientes

www.ferreiracompressores.com.br

Distribuidor Autorizado Compressores Rotativos de Parafuso

SO SO SO SO SO Ao seu lado, sempre.

Ao seu lado, sempre.

Ao seu lado, sempre.

Ao seu lado, sempre.

Ao seu lado, sempre.

Venda e Assistência Técnica

Compressores, hidrolavadoras para uso doméstico e industrial, propulsoras de graxa e óleo e secador de ar comprimido Rua Caetés, 145 - Iguaçu - Ipatinga / MG negociosindustriais.com

31

3821 6362 - 313824 2388

29


CAPA rendimento bem abaixo do esperado. Segundo um dos abaixo do esperado. Segundo um dos maiores distribuidores de cimento do País, houve uma queda de 27% no faturamento com o produto no Vale do Aço. Já Rafael Dias Junior, gerente da Loja Elétrica, filial Ipatinga, resume o ano como bom e de recuperação pós-crise. A loja que está no mercado há apenas três anos em Ipatinga não sentiu tanto a queda nas vendas por ter como principais clientes grandes indústrias da região. Responsável por 30% das vendas da loja, a construção civil deu sua parcela de contribuição para o crescimento do faturamento de aproximadamente 40% em relação ao ano passado. Rafael declara ainda que dobrou o número de funcionários. Mas ele alerta: o resultado positivo se deve aos projetos que já estavam em andamento. “Minha perspectiva para o próximo

ano é de que apesar das dificuldades do setor no município, as obras surjam naturalmente”. Da sua sala Josimar Ferreira de Alvarenga, proprietário da Damatel materiais elétricos, observa e nos justifica a queda das vendas. “Os funcionários de manhã tinham dificuldade em parar para tomar café devido ao fluxo de clientes; hoje caiu muito essa rotatividade”, explica. E completa: “outubro, estimado como um mês muito bom para nosso setor, teve uma retração de 40% em relação ao mesmo período do ano passado”, ressaltou. O empresário diz que 80% de seus clientes são diretamente ligados à construção civil e declara que para fugir da recessão que ronda o município está em busca de novos clientes nas cidades vizinhas. “Espero que essa situação do plano diretor se regularize em breve. Muitos empregos estão em risco”.

Av. Monteiro Lobato . 511 . Cidade Nobre . 35162-394 . Ipatinga . Minas Gerais damatel@damatel.com.br | www.damatel.com.br

30

negociosindustriais.com


CAPA

Só a construção da nova linha CLC gerou 2 mil empregos no pico das obras Rafael Souza/Usiminas

INCOERÊNCIA Mas, afinal, se o número de empregos cresceu, por que os empresários da construção civil estão reclamando? Primeiro, conforme representantes da classe, há uma distorção nas estatísticas. Quando se fala em construção civil, incluem-se as grandes empreiteiras da Usiminas, que tem feito sucessivos investimentos em sua usina de Ipatinga. Em 2010, apenas as obras de construção da terceira coqueria e da nova linhas de aço CLC geraram cerca de 7 mil empregos diretos no pico das atividades, conforme estimativas da própria Usiminas, que investiu R$ 1,2 bilhão. Um segundo ponto, que poucos empresários do Vale do Aço mencionam abertamente, é a intensificação do trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego, que obrigou a regularização de centenas de profissionais.

Projetos e sistemas de Prevenção e combate a incêndios

CO N PR NOS FIR OM SA A OÇ S ÕE S

vetorização e digitaLização de desenHos em cad

tubos de aço gaLvanizado a quente (6 m) e PLacas de sinaLização fotoLuminescente

Studio Cad

31 3091-4141 Soluções em E n |g8647-4183 e n h| 9237-7506 aria Integrada www.studiocadsoLucoes.com

venda de LinHa comPLeta de equiPamentos de Prevenção e combate a incêndio negociosindustriais.com

31


R$ 224 bilhões

Grão Fotografia

CAPA

A conjunção da expansão do crédito imobiliário, o incentivo do governo federal às moradias populares, como o programa Minha Casa, Minha Vida, e os investimentos em infraestrutura, incluídos num grande pacote chamado Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), é responsável pelo melhor momento da construção civil nacional nas últimas duas décadas. Em 2010, segundo analistas do mercado, a construção civil será responsável por 10% do Produto Interno Bruto Brasileiro. No ano passado, segundo estudo da Fundação Getúlio Vargas, a cadeia produtiva do setor somou R$ 224 bilhões, proporcionando 10 milhões de empregos. Atualmente 40% das obras estão no setor imobiliário, 35% em obras pesadas e 25% em construções industriais. Sem grandes obras de infraestrutura na região, os construtores regionais focam no setor imobiliário e no industrial – que tem sustentado os bons resultados nos últimos anos. O problema, segundo os empresários, é a expansão das moradias populares. Em Ipatinga, por exemplo, devido às dificuldades de encontrar terrenos, os projetos ficam engavetados.

32

DEPOIS DO MORRO Quando se passa pelo Morro da Usipa a caminho de Coronel Fabriciano e Timóteo, onde as amarras do TAC da Construção Civil não atingem, e não há obras industriais vultosas que impactam diretamente nas estatísticas do Ministério do Trabalho, a realidade é outra. Em Timóteo, o proprietário da Primus Construtora, Crystian Costa, confirma o bom momento da construção civil e nomeia o Programa Habitacional “Minha Casa, Minha Vida”, criado no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) como o principal responsável. “Com os subsídios do governo as pessoas com renda assalariada têm tido condições de morar melhor, e com isso melhora toda a cadeia produtiva, isso influencia muito na venda de um imóvel”. Mas nem isso foi capaz de manter o nível de empregabilidade. Até setembro, o

negociosindustriais.com

saldo negativo chegou a 687 vagas com carteira assinada. Com um aumento de 20% no faturamento até o momento em relação ao ano passado, Crystian aposta na inovação em seus projetos. “Procuramos trazer novidade e algo de bom para o Vale do Aço. O nosso próximo projeto é lançar um chacreamento em Ipaba e casas geminadas em Timóteo e Santana do Paraíso”, enfatizou. Em Coronel Fabriciano, onde 341 novos empregos foram criados na construção civil entre janeiro e setembro, as opiniões se divergem. Para o empresário Geovane Franco, sócio-proprietário da Franco Maia Construtora, o programa não emplacou na cidade de Coronel Fabriciano devido à falta de investimentos em empreendimentos de menor custo. “O mercado em Fabriciano está aberto, falta oferta”, completou.


CAPA

Geovane Franco afirma que mercado está aquecido para as vendas de imóveis e lotes, não para a construção civil. Esse ano foi um ano razoável.

negociosindustriais.com

33


CAPA

emprego na construção

2835

3884

1227

993

1615

Paulo Assis/Letra de Forma

Saldo de empregos gerados na construção civil em Ipatinga, Coronel Fabriciano e Timóteo entre 2005 e 2010 (até setembro)

FONTE: Instituto do Inox. Evolução a partir do ano 2000 até 2009

“Diria que o problema da mão-de-obra é nacional. Sentimos essa falta na região como um todo. A solução seria investir em treinamento. Com o Senai em Ipatinga, já começamos a resolver parcialmente essa dificuldade, mas ainda é muito pouco. É preciso oferecer muito mais vagas para realmente suprir o problema” Cassius Assis, diretor da Cassen Engenharia Ex-delegado do Sinduscon no Vale do Aço e diretor da Cassen Engenharia, Cassius de Asssis Carvalho, espera manter o nível de crescimento dos últimos seis anos. No entanto, o empresário prevê alguns reflexos negativos oriundos do aumento de demanda em longo prazo, como dificuldade na contratação de mão-de-obra e aumento no valor de equipamentos. “Diria que o problema da mãode-obra é nacional. Sentimos essa falta na região como um todo. A solução seria investir em treinamento. Com o Senai em Ipatinga, já começamos a resolver parcialmente

34

essa dificuldade, mas ainda é muito pouco. É preciso oferecer muito mais vagas para realmente suprir o problema”, ressaltou. “Exportamos muita mão-de-obra para as capitais, o que agravará ainda mais a questão de escassez dela com a Copa do Mundo e as Olimpíadas no Brasil. Sentiremos também o reflexo nos prazos de entrega de equipamentos, ferramentas e materiais, oferta para locação e prováveis aumentos de preços. A indústria ligada ao setor está se preparando para este incremento de demanda, basta saber se ocorrerá no prazo e nas quantidades necessárias”, ques-

negociosindustriais.com

tionou. Apesar da contratação de 30 colaboradores e duas grandes obras em andamento, Geovane Franco discorda que o mercado da construção civil esteja “bombando” no município. “O mercado está aquecido para as vendas de imóveis e lotes, não para a construção civil. Esse ano foi um ano razoável. Sofri uma queda de 30% no faturamento. Espero que o próximo ano seja um ano melhor levando em consideração um novo governo, manutenção das linhas de crédito e desenvolvimento da região”, concluiu.


CAPA

Daniele Lima Engenheira Sanitarista e Ambiental

d a n i e l e @ f o n t e a m b i enegociosindustriais.com nt al.c om

fonte

35


Grão Fotografia

JOSÉ MARIA FACUNDES

presidente do Sindcomércio Nascido em 7 de abril de 1952, o empresário José Maria Facundes mudou-se para Ipatinga e depois para Coronel Fabriciano ainda menino. Casado com Penha e pai de Lizziane, Rhaabibe, Rhinara e Lizziara, atua no ramo de acabamentos, decoração, isolamento término e acústico. Junto com a atividade empresarial veio o interesse pelo sindicalismo patronal. Passou por associações comerciais, câmaras de dirigentes lojistas e atualmente presidente do Sindicato do Comércio Varejista e Atacadista de Bens e Serviços do Vale do Aço (Sindcomércio), entidade que reúne 5 mil empresas. Recentemente também assumiu o posto de vice-presidente na Fecomércio. Como a indústria não vive sem o comércio, e vice-versa, a “Negócios Industriais” abriu espaço e bateu um papo com o dirigente classista. Confira.

36

negociosindustriais.com


bate-papo Quando e por que o senhor decidiu entrar para o sindicalismo empresarial? Toda minha vida foi pautada e voltada para as entidades regionais. Sempre estive envolvido nas diretorias das associações comerciais, câmaras de dirigentes lojistas e outras entidades. Isso impregnou na nossa vida e passamos a amar e defender a entidade e nossos representados, que são empresários. Temos uma diretoria atuante, respeitada, forte e que trabalha com afinco em prol do desenvolvimento. Qual a diferença entre o Sindcomércio e as associações comerciais? Essa é uma pergunta muito boa. Até as pessoas ligadas à entidade não sabem diferenciar. As associações comerciais e CDLs têm uma representação política, enquanto o Sindcomércio tem a representação legal. Quem representa de fato os empresários perante os órgãos públicos municipais, estaduais e federais é o Sindicato do Comércio. Temos representação classista e legal. Hoje, quantas empresas o Sindcomércio representa? São cerca de 5 mil empresas, a maior parte em Ipatinga. Há quanto tempo o Sindcomércio está instalado no Vale do Aço? Há 17 anos no Vale do Aço. Ele nasceu em Coronel Fabriciano. Hoje nossa sede é em Ipatinga e a sede administrativa é em Coronel Fabriciano e a subsede em Timóteo. Apesar de representar um maior número de empresas, o peso econômico do Sindcomércio é menor que o industrial. De que forma isso afeta a atuação da entidade? Não afeta a atuação da entidade. Pelo contrário. A indústria não vive sem o comércio. A indústria quando

produz o seu produto ela precisa do comércio efetivamente. O comércio é muito mais ativo porque está ligado diretamente ao consumidor final. O comércio é a vida da cidade. Ele é entrelaçado com a indústria. É uma roda que não pode parar. Recentemente, o senhor tornouse vice-presidente da Fecomércio mineira. O que a classe empresarial do Vale do Aço pode esperar? Efetivamente já está acontecendo. Antes não tínhamos cursos. Havia carência de cursos para o comércio e serviço e também para os contadores. Cursos quando há uma demanda, como houve recentemente em Ipatinga, quando o promotor de Justiça determinou a apreensão de carnes. Nós fizemos um TAC com o Ministério Público, tomamos a responsabilidade e naquele momento orientamos os comerciantes do segmento sobre as exigências. O que muda na Fecomércio com a nova diretoria? A nova diretoria é muito mais atuante do que a diretoria anterior. Isso porque a presidência da diretoria atual tem uma visão macro e nós estamos notando a Federação vindo para o interior e antes não era assim. A Fecomércio era uma entidade distante e com isso outras entidades cresceram. Não queremos tomar espaço, mas junto atuarmos para que o comércio ganhe muito mais representatividade e força. Sempre se fala em união, representação conjunta, mas é comum no Vale do Aço ver as entidades de classe patronal, seja do comércio ou indústria, trabalharem de maneira isolada. Quando isso vai mudar? Isso já está mudando. Algumas entidades falam que tem 50, 40 e 30 anos, mas quando chega uma Fiemg, chega o Sindcomércio e outras en-

negociosindustriais.com

tidades, quebra-se um paradigma e existe muita rejeição. Mas hoje não tem jeito porque entidades como o Sindcomércio, forte e atuante, só pensam mesmo em avançar e apoiar outras entidades em comum acordo. Por que o Vale do Aço não consegue implantar uma região metropolitana de fato (no papel ela já existe)? Isso é um fator político. Nós nunca conseguimos ter um número de deputados efetivamente fortes, em quantidade. Em segundo lugar nós vemos que aqueles que são eleitos são muito partidários e deveria ser o contrário; após a eleição esquece a questão partidária de lado, vamos Nós nunca conseguimos ter um número de deputados efetivamente fortes, em quantidade. (...) Se tivermos união com os políticos, as entidades representativas e poder público regional, nós vamos avançar muito.

para união e tenho certeza que todas as demandas do Vale do Aço serão atendidas. Se tivermos união com os políticos, as entidades representativas e poder público regional, nós vamos avançar muito. O senhor acredita que a duplicação da BR-381 sai do papel antes de 2020? Sai sim. Tendo em vista que essa questão da BR-381 foi para o Governo Federal. A BR-381 ainda não saiu por causa da fraca força política regional. Sempre a gente vê uma entidade falando aqui, outra falando do outro lado e com isso perde-se força e a unidade.

37


mercado

38

negociosindustriais.com


Grão Fotografia

mercado

Exportação de Mel: com suporte do Peiex, Gustavo, da Brasmel, vai exportar seu produto a partir de janeiro de 2011

Vamos exportar! Peiex oferece consultoria gratuita para quase 250 empresas no Vale do Aço. Dezesseis se preparam para vender ao mercado externo

H

á cinco anos o empresário Gustavo Martins Delfino, 26, começou o negócio de produção de mel ao lado de seu pai, produtor informal há três décadas. Quase a totalidade das 600 toneladas produzidas nas terras de Antônio Dias e Nova Era eram vendidas em tambores para revendedores em São Paulo e Santa Catarina, que as exportavam para os países Árabes, América do Norte e Europa. negociosindustriais.com

39


mercado

40

com 16 empresas”, diz. Em princípio o projeto termina em dezembro, mas a Negócios Industriais apurou que existe uma negociação da Apex Brasil, IEL e Fiemg para a manutenção das ações em 2011. “Os maiores benefícios apresentados foram a troca de conhecimento, melhoria no processo de gestão corporativa, trouxe maior conhecimento ao empresário de sua empresa”, completa Fábio. Mesmo aqueles empresários que não buscam a exportação neste momento, tiveram a oportunidade de promover melhorias em suas empresas e torná-las concorrentes de nível internacional. “Se não fosse o projeto eu demoraria mais tempo e teria um custo maior”, atesta Gustavo. Ele e centenas de outros empresários aproveitaram a oportunidade. Quem não acreditou perdeu uma ótima chance. Agora é esperar e torcer por uma nova etapa.

negociosindustriais.com

TECNOLOGIA

CONSTRUÇÃO

GRÁFICAS

MADEIRA E MÓVEIS

ALIMENTÍCIO

METALMECÂNICO

07

15

20

24

38

45

57

adesão ao peix no vale do aço

CONFECÇÕES

Com a figura do atravessador, a empresa via sua margem de lucro cair e também a competitividade. O cenário começou a mudar quando a Brasmel, empresa com sede em Timóteo, conheceu o Programa de Extensão Industrial Exportadora (Peiex), trazido para o Vale do Aço pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, em parceria com a Apex Brasil e os governos estadual e federal. “Eu achava que não tinha nohall. Faltava um apoio para conseguir exportar. Agora, a partir de janeiro do próximo ano já vou exportar diretamente para os Estados Unidos e Alemanha”, diz, otimista, Gustavo, já pensando em duplicar a capacidade produtiva da empresa. “Quero dobrar a produção e exportar quase tudo, deixando somente 20% para consumo no Brasil.” Encontrar o caminho do mercado externo é questão de sobrevivência para o setor. De acordo com a Confederação Brasileira de Apicultura (CBA), o brasileiro consome somente 120 gramas de mel ao ano, enquanto nos Estados Unidos são 1,5 kg. “Na Alemanha e nos países árabes o volume é ainda maior”, garante o diretor da Brasmel. O Peiex veio em boa hora para Gustavo, mas ele não está só. Lançado no Vale do Aço no segundo semestre de 2009, o Peiex é um projeto nacional que já atendeu mais de 1.500 empresas. O projeto possui núcleos operacionais que atendem gratuitamente micro, pequenas e médias empresas nas áreas de administração e organização, produto e manufatura, finanças e custos, vendas e marketing, recursos humanos e comércio exterior. Fábio Jabour, monitor extensionista do Peiex no Vale do Aço, conta que atualmente 247 empresas participam do projeto. “Em fase de adequação para exportação estamos

O que é?

Consultorias gratuitas através de uma equipe multidisciplinar formada por profissionais graduados nas áreas de administração e organização, produtora e manufatura, finanças e custos, vendas e marketing, recursos humanos e comércio exterior.

Qual o custo?

O trabalho não gera ônus para a empresa, mas o empresário deve disponibilizar parte do seu tempo e motivar seus colaboradores para entrevistas e verificações de procedimentos e controles existentes em todas as áreas da empresa.

Como participar?

O projeto encerra-se em dezembro no Vale do Aço. Para informações sobre ações futuras telefone para 31 3822-2102. Fonte: Fiemg Regional Vale do Aço


Marketing

POR RONALDO WANDERSON SOARES

Administrador, Gestor Executivo da Central de Negócios Metalmecânica do Vale do Aço e autor do Blog do Ronaldo/ Negócios Já (www.blogdoronaldo.com.br)

Uma nova rede está nascendo @ronaldowsoares

Em tudo aquilo que aprendi sobre marketing, sempre consegui identificar, na prática, o quanto são válidas “As Cinco Forças de Porter”. Autor de diversos livros sobre estratégias de competitividade, ele propõe que as forças são determinantes para o direcionamento da estratégia empresarial. Neste texto, compartilho um exemplo que traz duas dessas forças: O poder de negociação dos clientes e o poder de negociação dos fornecedores. O Poder de Negociação dos clientes é quando estes exigem mais qualidade por um menor preço de bens e serviços. Também, competindo com a indústria, força os preços para baixo e, assim, joga os concorrentes uns contra os outros. Já o Poder de Negociação dos fornecedores refere-se aos cenários em que fornecedores de matériasprimas, componentes e serviços para as empresas podem ser uma fonte de poder (fornecedores podem recusar-se a trabalhar com a empresa ou, por exemplo, cobrar preços excessivamente elevados para recursos únicos). Em todo o Brasil e ao longo das duas últimas décadas, movimentos associativos no meio empresarial deflagraram um modelo que possibilita a inversão das forças acima descritas, ou seja, pequenas empresas se unem para elevar ou, pelo menos, equilibrar as forças de negociação para aquisição de insumos, contratação de serviços auxiliares e ações de vendas coletivas a partir da complementaridade. “AS REDES” começaram a se

formar no varejo como reação de pequenas drogarias para fazer face à força dos grandes laboratórios. Os “depósitos” de materiais de construção e até os pequenos merceeiros, quitandeiros e supermercadistas de bairro se uniram para aumentar a competitividade frente aos hipermercados. Há cerca de um ano, as empresas do setor metalmecânico do Vale do Aço se uniram e, apoiadas pelos SEBRAE, lançaram a segunda CENTRAL DE NEGÓCIOS do setor no Brasil. Vinte pequenas e médias indústrias se associaram para adquirir itens estratégicos e de maior valor agregado para aumentar a competitividade de preços. Em sala de aula, a partir do incomensurável apoio da Gerência Regional do SEBRAE, representada pelo Fabrício Fernandes e seus consultores, os empresários estudaram, refletiram, discutiram e hoje processos licitatórios já possibilitam a compra conjunta, apesar das necessárias adaptações e superação de obstáculos representados pelas particularidades do segmento econômico. Aqui cito como exemplos a falta de produtos seriados (somente fabricação sob projeto) e, sobretudo, as dificuldades do processo interno de gestão de suprimentos de cada uma das empresas (não privilegia estoques e funciona quase como um just in time)que apresentam “ruídos” no fluxo da comunicação entre o “chão-de-fábrica”Almoxarifado-departamento de

negociosindustriais.com

compras-Alta direção. Os desafios ainda são imensos até porque, do outro lado, existem resistências e, neste caminho, a baixa qualificação dos pequenos fornecedores industriais ou o desdém dos grandes se somaram aos aqui citados. O próximo passo que está por vir é a transformação da “Central” em “Rede”, onde tanto o seu alcance quanto o seu conceito é ampliado. Os “stakeholders” a reconhecem mais facilmente, a comunicação se fortalece, e as possibilidades se multiplicam. O aumento do número de itens a serem negociados coletivamente, a contratação de serviços comuns, como telefonia móvel, conservação e limpeza, segurança patrimonial, entre outros são ações inexoráveis. Mas o ápice desta mudança é o posicionamento estratégico no mercado de transformação do aço. A imagem de eficiência e qualidade, assim como a padronização de “produtos” a partir da sinergia dos recursos materiais e humanos tornar-se-ão diferencial das empresas que farão parte da “REDE”. A “Rede Metalmecânica”, que está por vir, é o segundo passo de uma estratégia que foi estabelecida pelo SEBRAE/SINDIMIVA e que esperamos ser tão vitoriosa quanto a sua co-irmã, a Central de Negócios do SINDIMETAL-RS no Vale do Rio Sinos, estabelecida na linda cidade de São Leopoldo. A minha contribuição é o que espero poder continuar a oferecer para o êxito desta investida!

41


Jose Barbosa PMI

Kléber Muratori (Sinduscon), Plínio Perruci (Senai) e Marco Aurélio Sena (Prefeitura de Ipatinga), no Sebrae Ipatinga O presidente do Sebrae Minas, Roberto Simões, recebe homenagem do presidente da Federaminas, Wander Luís, durante inauguração da unidade em Ipatinga

Luciano Araújo (Fiemg) e José Maria Facundes (Sindcomércio), no Sebrae

Davi-FEderaminas

Gláucio Campelo (Sindimiva), Aloísio Santos (Sinpava) e Hélcio Muzzi, na inauguração do Senai Ipatinga

O Diretor-Presidente da CENIBRA, Paulo Eduardo Rocha Brant, capa da última edição da Negócios Industriais, recebe a homenagem das mãos do Presidente da Federaminas, Wander Luís Silva e do Presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), José Paulo Dornelles Cairoli.

42

negociosindustriais.com


Luciano Araújo, Fiemg Vale do Aço, e Olavo Machado Jr, presidente do Sistema Fiemg, na posse de Robson Braga na CNI

Paulo Assis

Robson Braga recebe o cargo da presidente da CNI de Armando Monteiro

Jairo Barros, da Totvs, Magno de Souza e Eduardo Costa da Casa do Sorveteiro

Flaviano Gaggiato (Viga/Fiemg), Alexandre Torquetti Jr (Emalto), João Francisco de Almeida, gerente da Asseit, Marcos Santiago, presidente da entidade, e Gilson Ulhôa, diretor financeiro, na posse da nova diretoria da Asseit/Sesi Timóteo

Edmar Silva

CNI

Aloísio Santos (Sinpava), Jeferson Bachour (Sindimiva) e Luciano Araújo (Fiemg Vale do Aço) participam da posse de Robson Braga na CNI

Sebastião Jacinto Junior/Fiemg

Eventos

Victor Reis e Marcos Auad, da Totvs, e Leonardo Pimenta, da Mapel, no Universo Totvs em Ipatinga

negociosindustriais.com

43


panorama

ARCELOR ESTUDA REESTRUTURAÇÃO ArcelorMittal Inox Brasil analisa processo de capitalização. Empresa garante tranquilidade

PRODUÇÃO DA AÇO INOX PLANO

300

331

373

385

371

411

400

315

263

269

De acordo com o Instituto Inox, a produção brasileira de aços inoxidáveis planos em 2009 esteve próxima dos patamares de 2000

FONTE: Instituto do Inox. Evolução a partir do ano 2000 até 2009

M

etalúrgicos, políticos, fornecedores e prestadores de serviços. Todos acompanham atentos e apreensivos o desmembramento dos segmentos de aços especiais e inoxidáveis do grupo ArcelorMittal. A empresa afirma que o controle da unidade de Timóteo, a antiga Acesita, continuará com o grupo, mas a imprensa especializada dá conta de que a siderúrgica estaria sendo negociada. Não é a primeira vez que o grupo siderúrgico cogita a possibilidade de se desfazer dos negócios de inox. Há quatro anos, o então presidente da

44

divisão de inox comentou as especulações do mercado sobre a venda. “Talvez isso aconteça, talvez não”, dissera Jean-Yves Gilet, conforme a agência de notícias Reuters. À época, a produção nacional caía do patamar 450 mil para 400 mil toneladas, segundo o Instituto Inox. No final de outubro, o presidente da ArcelorMittal Inox Brasil, Paulo Magalhães, garantiu que mesmo com o processo de capitalização da empresa de Timóteo, o indiano Lakshmi Mittal continuaria como acionista. Por sua vez, o jornal Diário do Comércio, de Belo Horizonte,

negociosindustriais.com

trouxe reportagem dando conta de que a empresa seria vendida e que a ArcelorMittal não teria mais interesse em participar do segmento. A reportagem da Revista Negócios Industriais entrou em contato com a empresa para falar sobre o tema, mas a assessoria de imprensa da siderúrgica informou que o processo do spin off ainda está em estudo e, portanto, não haveria como responder aos questionamentos feitos pela revista. DIFICULDADES Maior produtora de aços inoxi-


A previsão do Núcleo Inox é de que o Brasil experimentará um crescimento de consumo de aço inox da ordem de 12% ao ano até 2015, o que levará o consumo nacional a 550 mil toneladas/ano.

Divulgação/IABr

desempenho

O volume de vendas caiu entre 2009 e 2007. Já o lucro líquido apresentou recuperação entre 2008 e 2009, quando atingiu R$ 562 milhões. 370 325 266 Volume de vendas em mil toneladas

807 38 562 Valor em milhões de reais

dáveis da América Latina, a antiga Acesita viu suas vendas caírem 28% entre 2007 e 2009, passando de 370 para 266 mil toneladas, conforme relatório de sustentabilidade divulgado pela empresa. A siderúrgica não estava isolada. Em todo o planeta, a produção mundial passou de 27,8 para 24,5 milhões de toneladas anuais. Para piorar, a atual cotação do dólar (que ameaça diversos setores produtivos do Vale do Aço) tornou o mercado interno extremamente atrativo para os principais players internacionais e dificultou as expor-

negociosindustriais.com

tações do inox brasileiro. Hoje, cerca de 25% da produção da Inox Brasil é voltada para o mercado externo, notadamente Américas e Europa. Resultado? Queda na rentabilidade. “A causa desse desequilíbrio está associada à perda de competitividade do Brasil, devido principalmente à contínua valorização do Real frente ao Dólar e ao aumento dos custos decorrentes de uma inflação de cerca de 4,5% ao ano”, disse Paulo Magalhães, no encontro com jornalistas do Vale do Aço, em outubro, como parte das comemorações dos 66 anos da empresa.

45


panorama

Usiminas anuncia novo alto-forno Equipamento permitirá que Usina Intendente Câmara amplie em 25% sua capacidade produtiva

A

Sérgio Roberto/Agência Cobertura

Usiminas vai aumentar em 25% a capacidade produtiva da Usina Intendente Câmara, em Ipatinga. O valor do investimento ainda não foi divulgado, mas inclui a construção do quarto altoforno da siderúrgica, projeto que também foi cogitado há seis anos pelo ex-presidente Rinaldo Campos Soares. De acordo com Wilson Nélio Brumer, atual presidente da empresa e ex-presidente do Conselho na gestão de Campos Soares, o empreendimento terá capacidade produtiva de 3,2 milhões de toneladas de ferro-gusa. Em paralelo, a empresa vai desativar os equipamentos mais antigos, construídos na década de 60, que juntos produzem cerca de 2 milhões de toneladas.

46

Modernização: alto-forno 2 será desativado com equipamento mais moderno negociosindustriais.com


Qualidade e evolução, bases da nossa produção Usinagem em máquinas CNC, Caldeiraria Leve, Média e Pesada Certificação ISO 9001:2008

Evolução faz parte do espírito das Indústrias Globo, empresa especializada em Usinagem, Caldeiraria e Estruturas Metálicas, que há três décadas oferece soluções para os principais setores da indústria brasileira. Com uma ampla fábrica na cidade de Ipatinga, a empresa está capacitada para fabricar e reparar peças até seis metros de comprimento e peso de 8 toneladas. Buscando o aprimoramento contínuo nos processos, produtos, serviços e segurança no ambiente de trabalho, as Indústrias Globo possuem equipamentos modernos e investe na constante qualificação de sua equipe. 55 31 3829-1600 . www.industriasglobo.com.br

negociosindustriais.com

EMPRESA COM CERTIFICADO AMBIENTAL

47


panorama

e agora, como fica? Aeroporto sem a construção da fábrica, não há que se falar em novo aeroporto. A empresa estuda somente melhorias de infraestrutura que deixaram de ser feitas aguardando o desfecho do projeto. Terrenos comprados Em parceria com a Prefeitura Municipal de Santana do Paraíso, a Usiminas vai viabilizar a construção de um Distrito Industrial para fornecedores e clientes.

“Não é um projeto para demorar muito, até porque do ponto de vista ambiental e de sustentabilidade ele melhora, porque vamos desativar dois equipamentos antigos, substituindo-os por um novo, mais moderno”, explicou Brumer. O anúncio da construção de um novo alto-forno para equilibrar a produção em Ipatinga foi feito junto com o cancelamento do projeto da Usina de Santana do Paraíso. Um excedente de 600 milhões de toneladas de aço em todo o planeta, a supervalorização do dólar e o consequente aumento na importação do aço. Em síntese, essa conjunção de fatores levou o Conselho de Administração da Usiminas, maior complexo siderúrgico de aços planos da América Latina, a cancelar, no dia 12 de novembro, o projeto da construção da fábrica de Santana do Paraíso, onde seriam produzidas 5 milhões de toneladas anuais.

De acordo com o presidente da siderúrgica, a Usiminas vai investir na otimização de seu processo produtivo para ganhar mais competitividade frente aos novos players. “Em vez de fazer um novo projeto, vamos otimizar a operação em Ipatinga”, disse o executivo. Para isso, a empresa vai investir R$ 3,2 bilhões em novos equipamentos, tecnologia e eficiência energética e produtiva. Com o saldo de 1,2 milhões – hoje a usina de Ipatinga produz 4,8 milhões de toneladas -, a Usiminas vai atingir o “ponto de equilíbrio”, conforme Wilson Brumer. Hoje, cerca de 1 milhão de toneladas de aço são trazidos da Usina de Cubatão, em São Paulo, para serem laminados na Usina Intendente Câmara, onde há capacidade ociosa do equipamento, o que gera um enorme custo de logística. Para reverter isso, a antiga Cosipa vai receber um novo laminador de

Desde 1994, especializada na fabricação de produtos em fibras e resina. A EME Fibras atua em diferentes serviços como: Revestimento Anticorrosivo com PRFV (Plástico Reforçado com Fibra de Vidro) em Tanques de Decapagem, Peças Industriais, Isolamento Térmico e Acústico, Fabricação de Fossa Séptica e Sumidouros, Lavadores de Gás, Tubulações, Separadores de Água e Óleo, Tanques e Reservatórios de Produtos Químicos com capacidade de até 70.000 L e Revestimento de Fibra de vidro em tanque de aço para o transporte de produtos corrosivos com capacidades variadas, serviço vistoriado e autorizado por órgão credenciado ao INMETRO.

FALE CONOSCO . Tel.: (31) 3842-7280 emefibras@emefibras.com.br . www.emefibras.com.br Av. Presidente Tancredo Neves, nº 2600, Bom Jesus Coronel Fabriciano - MG

48

Veja quem mais utiliza os nossos produtos em www.emefibras.com.br negociosindustriais.com


panorama tiras a quente, com capacidade de 2,3 milhões de toneladas. Segundo a assessoria do grupo siderúrgico, as obras civis já estão em andamento e os principais equipamentos em fase de fabricação. “A previsão é de que a operação tenha início no segundo semestre de 2011, permitindo a ampliação da participação da companhia em mercados estratégicos no segmento industrial.” Enquanto isso a usina de Ipatinga terá um novo alto-forno, para evitar a ociosidade. Desde a década de 70 a Usina Intendente Câmara não recebe um novo alto-forno. EFICIÊNCIA A Usiminas está preocupada com a concorrência externa. Há uma enxurrada de aço importado no País. Segundo o Instituto Aço Brasil, a importação de aços planos alcançou 3 milhões de toneladas em 2010, um crescimento de 160% em relação ao

ano passado. “De qualquer jeito a gente tem que entender que a importação é um novo player que chegou para competir. Se há um excesso de aço no mundo e um país que vem crescendo, com um câmbio extremamente valorizado, isso é um porto natural para as importações de aço. Agora, os níveis atuais são exagerados”, ressaltou Brumer. Na divulgação dos resultados do terceiro trimestre, a empresa já dava sinais de que o ambiente não era favorável. “O mercado brasileiro de aços planos deverá crescer a níveis recordes, cerca de 40%, favorecido pelo bom desempenho de praticamente todos os setores industriais. Entretanto, esse crescimento associado a uma taxa de câmbio supervalorizada cria um cenário altamente favorável às importações, que afeta o crescimento da indústria como um todo e setor siderúrgico”, explica

Soldas em tubulações de PP, PVDF, PEAD; Tanques em PP e PRFV; Limpeza química em tubulações de resfriamento e produtos químicos. Veja mais em www.tecnoservicemg.com.br

“O setor siderúrgico precisa ser cada vez mais competitivo. Para isso, precisamos otimizar e reduzir os nossos custos e melhorar nas várias linhas de operação porque vamos competir com aços produzidos no mundo inteiro”

A Tecnoservice atua como aliada de empresas com conscientização ecológica. Especializada na montagem de projetos de instalação de reservatórios e lavadores de gás, limpeza química, tratamento de água, impermeabilização de lagoas, assistência técnica operacional e decapagem, a Tecnoservice desenvolve projetos e equipamentos que suprem as necessidades dos clientes e facilitam o desenvolvimento de seus serviços. Com o foco em atingir a excelência no tratamento de efluentes e ampliar a linha de produção com credibilidade, a empresa conta com a parceria da EME Fibras, fornecedora de reservatórios de fossas sépticas.

tecnoservicemg@tecnoservicemg.com.br CLIENTES

Rua Itaparica, 1062, Giovanini, Coronel Fabriciano - MG

negociosindustriais.com

FALE CONOSCO Tel.: (31) 3846-1600

49


panorama comunicado feito ao mercado pela Usiminas. Para Brumer, se essa situação se perpetuar, o Brasil corre um sério risco de desindustrialização. “Eu, pessoalmente, tenho colocado que nós corremos um sério risco de desindustrialização se continuarmos com a situação em que haja uma importação sem níveis de competitividade adequada, ou seja, em princípio não somos contra, o que a gente defende é que haja o mesmo nível de controle, de tributação e as mesmas barreiras que encontramos em ou-

160%

crescimento da importação des aços planos entre janeiro e setembro

25%

percentual de aço importado consumido pelo mercado brasileiro no terceiro trimestre de 2010

Os investimentos anunciados Desgaseificador a vácuo: Reforma da coqueria 2: Aço CLC: Nova linha de galvanização: Laminação de Tiras a quente: Mineração: Pelotização:

425 milhões

toneladas de aço produzidas na China até agosto, uma alta de 15%

queda na receita líquida no segmento de siderurgia da Usiminas quando comparamos o terceiro e o segundo trimestre de 2010

Divulgação IABr

6 milhões

50

R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$

168 milhões 823 milhões 530 milhões 914 milhões 2,5 bilhões 550 milhões 1,5 bilhão*

Fonte: usiminas *estimativa

13%

toneladas de aço será a nova capacidade da Usina Intendente Câmara

alíquota de 12% sobre o preço fixado na tabela e não aquele declarado na nota – que estaria abaixo do praticado no mercado internacional. Mas não adianta reclamar e não fazer o dever de casa. As medidas anunciadas pela empresa vão tornar o aço da Usiminas mais competitivo em todo o mercado mundial, acredita o executivo. “O setor siderúrgico precisa ser cada vez mais competitivo. Para isso, precisamos otimizar e reduzir os nossos custos e melhorar nas várias linhas de operação porque vamos

tros países.” As medidas já foram tomadas. A siderúrgica solicitou uma investigação de dumping contra diversos países, Coréia do Norte, Coréia do Sul, México, Ucrânia, Rússia, Espanha e Turquia, e conseguiu que a Receita Federal evitasse a entrada de produto subfaturado. Desde o final de outubro, a Coordenação Geral de Administração Aduaneira (Coana) estabeleceu uma tabela de preço que fixa um valor mínimo para 16 tipos de aços planos e longos, com base em tabela de referência fornecida pelo Instituto Aço Brasil (IABr). Por meio dessa medida, o importador se vê obrigado a pagar uma

negociosindustriais.com

competir com aços produzidos no mundo inteiro”, resumiu. O primeiro passo é buscar o equilíbrio da planta de Ipatinga. Os projetos de otimização incluem ainda a reforma da coqueria 2, um investimento de R$ 800 milhões, a expansão da capacidade produtiva no segmento de mineração (a meta é atingir 29 milhões de toneladas de minério em 2015), o aproveitamento dos gases gerados para produzir energia, bem como a adoção do gás natural (mais econômico) e ainda uma nova unidade de pelotização em Minas (Veja o quadro). Não é aquilo que a região aguardava, mas vai gerar bons negócios.


Contábil

POR NATHANIEL J.V. PEREIRA Sócio-administrador da NTW Contabilidade e Gestão Empresarial e coordenador da Câmara Setorial de Contabilidade do Vale do Aço

Prepara-se para a nova relação com o fisco A partir de 2011 toda a cadeia produtiva está obrigada a emissão da NF-e - Nota Fiscal Eletrônica (inclua-se também a NFS-e - Nota Fiscal Eletrônica de Serviços, atualmente obrigatória nos principais municípios do país). Este passa a ser um marco na relação Empresa X Fisco. A mesma tecnologia que está “empurrando” muitas empresas para a automação do seus principais processos, e com isto gerando um enorme ganho de eficiência administrativa, também está “munindo” o fisco de informações antes impossíveis de se obter. O movimento que teve início em dezembro de 2003, através da Emenda Constitucional 42, onde no seu artigo 37, inciso XXII, se estabeleceu a possibilidade de compartilhamento de cadastros e informações fiscais pelas administrações tributárias da União, dos Estados e dos Municípios, vem se consolidando a partir de janeiro de 2007 com a instituição do SPED – Sistema Público de Escrituração Digital. Hoje, a proposta já é realidade. Com a EFD – Escrituração Fiscal Digital o fisco tem mais informações do que muitas empresas tinham delas próprias há alguns anos atrás. Somente a tabela de registros (utilizada para detalhar as informações do documento e seus produtos) possui mais de 100 tipos diferentes, dado o nível de exigência com relação às informações fiscais solicitadas. O registro 0200, por exemplo, é o detalhamento do produto ou serviço através do NCM – Nomenclatura Comum do Mercosul de cada item da NF-e. Com o NCM o fisco poderá rastrear toda a cadeia produtiva, buscando indícios de fraudes e sonegações. Outro exemplo de dados constantes na EFD são os dados das faturas vinculadas às notas fiscais, bem como dos vencimentos destas faturas. Ou seja, o fisco poderá até projetar o fluxo de caixa das empresas. E não podemos nos esquecer de um detalhe muito importante: as informações vão ASSINADAS (através do certificado digital) pelo contribuinte. Sendo assim, guardadas as devidas proporções, poderíamos dizer que a cada mês a empresa irá “confessar” ao fis-

co toda a movimentação por ela realizada (entradas e saídas). E tem mais, a partir de 2011 as empresas enquadradas no Lucro Real terão uma nova obrigação com o SPED. Os impostos PIS e COFINS também estarão no SPED através do EFD-PIS/COFINS, que deverá ser transmitido para o Sistema Público de Escrituração Digital, até o 5º. dia útil do 2º.(segundo) mês subsequente à sua escrituração. A empresa que não cumprir a exigência dentro do prazo estará sujeita a multa no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) por mês/calendário ou fração. Tudo isso é ainda o início de um processo de fiscalização ainda mais arrojado. Está em desenvolvimento o projeto Brasil-ID, ou Sistema Nacional de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias. Este projeto tem como objetivo a identificação por radiofrequência, a ser utilizado em produtos e documentos fiscais que circulem no Brasil. Em outras palavras, o fisco será capaz de saber quais as NF-e´s que estão associadas a um determinado caminhão para aquela viagem (antes que ele chegue ao Posto Fiscal, com o veículo em velocidade normal de trânsito), e se os itens transportados estão de acordo com os itens descritos nas NF-e´s em questão. Parece coisa de filme de ficção científica? Pois é ... mas já tem um pré-piloto rodando há quase um ano no Brasil em parceria com as empresas Souza Cruz de Uberlândia, Panarello e Teuto de Goiânia, junto com o Posto Fiscal Juscelino Kubitschek. Dentre uma série de outras possibilidades, imagine quanto tempo um fiscal levará para auditar o inventário de uma empresa. E aí ? O que fazer então para manter uma relação saudável e transparente com o fisco ? Bem ... dizem que “a melhor solução é evitar um problema”. Sendo assim, estar bem próximo do seu contador e associado a um bom sistema eletrônico de auditoria fiscal preventiva, pode ser a alternativa mais eficaz e mais econômica. Pense nisso! Porque o Big Brother Fiscal já começou, e você está sendo observado.

negociosindustriais.com

51


panorama

A

Vale, maior mineradora de minério de ferro do planeta, vai investir 24 bilhões de dólares em 2011. Segundo o presidente da empresaa, Roger Agnelli, esse será o maior investimento da história da indústria de mineração. Ele afirmou ainda que os investimentos serão financiados “plenamente” pela geração de caixa da mineradora. De acordo com a empresa, 15,3 bilhões de dólares serão aplicados no Brasil. O minério de ferro ficará com maior parte dos investimentos previstos para 2011, ou 35,5% do total. A produção deve alcançar 522 milhões de toneladas em 2015. A meta da empresa é dobrar a produção de todos os minerais e metais. Em Minas Gerais, os valores contemplam a ampliação da produção das minas Conceição Itabiritos, em Itabira, e Vargem Grande Itabiritos, em Nova Lima. Juntas, as duas operações receberão 767 milhões. Para o Canadá, onde a companhia tem a maior parte de seus projetos de níquel, foi destinada uma verba de US$ 1,959 bilhão. Já a Argentina receberá US$ 1,393 bilhão, seguida pela China, com US$ 663 milhões, e a Austrália, com US$ 436 milhões. A empresa também vai investir na Indonésia, Omã, Malásia, Peru, Colômbia, Libéria e Zâmbia. Outro projeto que beneficia Minas é o Apolo, que terá capacidade de 24 milhões de toneladas anuais. Orçado em R$ 4 bilhões, ele será construído nos municípios de Caeté e Santa Bárbara, com início de operação no primeiro semestre de 2014. O projeto engloba um novo complexo de beneficiamento e mineração e um ramal ferroviário ligando Apolo à Estrada de Ferro Vitória a Minas.

52

José Cruz/Abr

Vale vai dobrar de tamanho orçamento 2011

A mineradora anunciou planos de investimentos de 24 bilhões de dólares. Veja a divisão percentual dos investimentos por setor Minerais ferrosos

35,5 20,9 18

Logística Metais de base Fertilizantes

10,4 6,6

Carvão Energia

3,3

Siderurgia Outros

2,8 2,5

negociosindustriais.com


EP Ru 35 a T 16 uc 2- an 53 uç 0 u, \T 1 el 16 w : 55 4 w w. 31 Vila cm 3 C iip 828 ele a. -8 st co 1 e m 00 .b r Ip

at in ga

M G

-C

chaminé, damper, bocais e juntas de dilatação

montagem de pipe racks e tubulação de COG, vapor de processo e nitrogênio

calandra eletrônica sincronizada negociosindustriais.com de geometria variável 3 rolos HAV 3145

A CMI acredita que “a melhor ferramenta competitiva é ação com qualidade”. Para buscar melhores oportunidades em um mundo globalizado, reavaliamos custos, melhoramos processos e estreitamos as parcerias. Nossa ação agora é de agradecer e fortalecer relacionamentos com aqueles que nos ajudaram a garantir nossa qualidade: colaboradores, clientes, fornecedores e parceiros.

Boas Festas!! Feliz 2011!! 53


Aloísio Santos: fortalecimento da indústria de alimentação no Vale do Aço é prioridade

54

negociosindustriais.com


ASSOCIATIVISMO

Muito além das padarias Cada vez mais indústrias de alimentação associam-se ao Sinpava

H

Grão Fotografia

á 21 anos, um grupo de 10 padarias criou o Sindicato das Indústrias de Alimentação, Panificação, Confeitaria e de Massas Alimentícias do Vale do Aço, o Sinpava. A predominância dos panificadores entre os associados provocou uma distorção. No papel, a entidade representa toda a indústria de alimentação. Na realidade, as padarias. A situação começou a mudar nos últimos anos. “A partir de 2008 a região do Vale do Aço passou a contar com um sindicato representando a classe trabalhadora da alimentação. Então houve uma necessidade de participação maior no sindicato para discutir a convenção coletiva”, explica Aloísio Pinto dos Santos, presidente da entidade desde 2008. No início de novembro, a entidade contava com 66 empresas associadas, das quais sete são indústrias. O número, em princípio, parece pequeno, mas representa 10% dos sócios e um enorme peso econômico. Em geral, as indústrias geram mais empregos, impostos e contribuições compulsórias que financiam os sindicatos patronais. A lista de novos associados é formada por Frigovale, Feijão do Vale, Sensação de Minas, Que Filé Alimentos, Geléia de Mocotó Vitalidade, entre outros. Não foi uma obrigação ou necessidade legal que levou o empresário Gilson Fábio Toledo, 38 anos, da Geléia de Mocotó Vitalidade, a procurar o Sinpava. Ele foi incentivado pela informação correta. Gilson é aluno do curso de Gestão Empresarial promovido pelo Institu-

negociosindustriais.com

to Euvaldo Lodi na Fiemg Regional Vale do Aço. Num bate-papo com o presidente do Sinpava e proprietário da Padaria do Horto, Aloísio Santos, descobriu que o sindicato também representava as indústrias de alimentação. “O próprio nome Sinpava remete a Sindicato dos Panificadores. Também tem o Baile dos Panificadores. A gente acabava se sentindo excluído. A partir do momento que nos filiamos ao sindicato encontramos uma entidade séria e que busca defender toda a classe”, comenta Gilson, comanda a empresa com sede em Águas Claras, na cidade de Santana do Paraíso. Há 17 anos no mercado, a fábrica de geléias, que conta com 27 colaboradores, produz 137 mil unidades todos os meses, que são distribuí-

55


ASSOCIATIVISMO

Gabriel Torres/Letra de Forma

das para o Vale do Aço, Rio Doce, Grande Belo Horizonte, Caratinga e Manhuaçu. A marca é encontrada nas gôndolas de grandes redes, como Bretas, Consul, Epa, Supermercados BH, Coelho Diniz, Garcia, entre outros. Também foi numa conversa com o presidente da entidade que o empresário Marcy Oliveira, 34, diretor da Sensação de Minas, soube que a entidade não representava somente padarias. Ele procurou o Sinpava para patrocinar o Baile dos Panificadores. Numa conversa com Aloísio Santos soube da “novidade”. Desde outubro de 2009, a empresa, que está no mercado desde 2003, é associada ao Sinpava. “Toda a nos“A partir do momento que nos filiamos ao sindicato encontramos uma entidade séria e que busca defender toda a classe” sa família é produtora e na época queríamos algo com a nossa marca”, explica Marcy. Hoje, são 68 colaboradores na produção de 55 mil litros de leite ao dia e 23 na distribuição dos produtos com a marca Sensação de Minas. O portfólio da empresa inclui queijo mussarela, minas frescal, leite pasteurizado e requeijão em barra. Para dezembro deste ano, uma nova linha aprovada pelo Ministério da Agricultura deverá chegar ao mercado: manteiga, margarina, requeijão cremoso, doce de leite. Eles chegarão a todo o Vale do Aço, João Monlevade, Itabira e Governador Valadares. Para o presidente do Sinpava, a adesão das indústrias só promove o crescimento da entidade. “Mas é importante frisar que desde a fundação o Sinpava representa as indústrias de alimentação, massas alimentícias

56

e confeitaria”, diz Aloísio. O grande desafio, reconhecem os associados, é mudar essa imagem, embora as padarias também sejam fábricas de alimentos. BENEFÍCIOS Desde que se associou ao Sinpava, a empresa Sensação de Minas viu seu negócio se fortalecer e crescer. Primeiro, pela proximidade com toda a cadeia de alimentação, inclusive importantes clientes, como padarias e supermercados. Em segundo, a entidade defende os interesses da classe junto aos órgãos oficiais. “Estar associado estreitou nosso relacionamento com todos os associados, que em muitos casos são nossos clientes, e eles puderam visitar nossa fábrica, ver os produtos, equipamentos e nossas certificações. Também foi graças ao Sinpava que

negociosindustriais.com

fomos convidados a partir de uma feira em Governador Valadares, promovida pelo sindicato de lá”, testemunha Marcy Oliveira. A expectativa dos próprios sócios é só crescer a participação das indústrias de alimentação. “Nós precisamos nos unir para identificar nossas oportunidades de melhoria, pois nossos problemas são comuns, como a qualificação profissional, a capacitação empresarial e as próprias negociações coletivas”, reforça Gilson Toledo, da Geléia Vitalidade. “Unidos, temos um poder maior de negociação”. Em janeiro, começa um novo mandato no Sinpava. A eleição será dia 10 de dezembro. Independente de quem seja o novo presidente, esse é um caminho para a entidade, que a indústria de alimentação tem aplaudido.


Gestão

POR CHARLES MAGALHÃES Diretor da Essentiali Consultoria e Treinamento charlesmagalhaes@essentiali.com.br

E a sua marca?

@admcharles

Coca Cola, Gillete, Bombril, GM, Brastemp. Estas são algumas marcas que nos vêm à cabeça quando pensamos em determinados tipos de produtos. Mas o que nos faz lembrar tanto de algumas marcas? O aumento da lembrança de uma marca ocorre através de diversos fatores e, quanto mais o público a vir, ouvi-la, experimentá-la ou pensar nela, maior será a possibilidade de uma marca ficar em sua memória. Em princípio imaginamos que esta lembrança ocorre pela infinidade de propagandas que as empresas colocam em TV, jornais, rádios, outdoors, dentre outros meios de comunicação. Muitas pessoas, erroneamente, Para ser lembrada, a pensam apenas em propaganda quando se fala de marketing. empresa deve estabelecer A finalidade da propaganda é apresentar a empresa e seus produtos ações durante todo o (marcas) ao conhecimento do seu público-alvo, portanto, deve-se ano e não somente fazer escolher o tipo certo de mídia para divulgação. Essa tarefa é do profissional de marketing, que deve ainda verificar onde está o seu propaganda nas principais consumidor, o melhor preço a se praticar em determinada localida- datas comemorativas, de, qual o perfil do consumidor para o produto e quais as estraté- como de costume. O ano é composto de 365 dias, gias para levar este produto até ele. e o que sua empresa está A comunicação é importantíssima para a construção de uma marca forte, mas não é somente ela que garante isso, sendo apenas o pri- fazendo para criar uma meiro passo. Qualidade elevada, amplo mix de produtos e um bom marca forte (ser lembrada) atendimento pós-venda apóiam a comunicação neste processo. Es- nos outros 360 dias? tes fatores são fundamentais para aumentar o nível de confiança do cliente e fazer com que ele volte a comprar, tornando-se leal à sua marca. Ouvindo o público-alvo, através da pesquisa de mercado, e os clientes, com a pesquisa de satisfação, a empresa pode oferecer produtos e serviços que atendam às novas demandas, fazendo com que os clientes caminhem para a lealdade e lembrem-se mais da sua marca. “A Volkswagen é um exemplo que, mesmo na liderança em lembrança na mente das pessoas, triplicou os investimentos em pesquisa nos últimos anos para entender melhor o comportamento do consumidor”, segundo o gerente de marketing da Volkswagen do Brasil, Marcelo Olival. Para ser lembrada, a empresa deve estabelecer ações durante todo o ano e não somente fazer propaganda nas principais datas comemorativas, como de costume. O ano é composto de 365 dias, e o que sua empresa está fazendo para criar uma marca forte (ser lembrada) nos outros 360 dias?

negociosindustriais.com

57


CONSULTORIA E TREINAMENTO EM SISTEMAS DE GESTÃO.

Desde 1998, a Loretus oferece consultoria para a implantação e manutenção em Sistemas de Gestão da Qualidade (ISO 9001), Gestão Ambiental (ISO 14001), Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho (OHSAS 18001) e Gestão da Qualidade na Construção Civil (PBQP-H); Implantação e manutenção em Sistemas Integrados de Gestão (SIG); Realização de auditorias em Sistemas de Gestão; Execução de consultorias e treinamentos em Sistemas de Gestão; e Implantação dos critérios de excelência. (31) 3848-1455 | (31) 9162-0453

58

negociosindustriais.com


entrevista

O “Pré-sal” de minas Descobertas de gás natural na Bacia do Rio São Franscisco aumentam potencial energético de Minas Gerais. Produto que acaba de chegar ao Vale do Aço terá preço competitivo, inclusive para geração de energia. Confira a entrevista com o presidente da Gasmig, Márcio Augusto Vasconcelos Nunes. Engenheiro civil, Nunes presidiu a Copasa, foi funcionário por 28 anos da Eletrobrás, assessor do ministro de Minas e Energia entre 1999 e 2001, e diretor financeiro de Furnas entre 2001 a 2003.

Divulgação/Gasmig

Em setembro, a Gasmig iniciou o fornecimento do gás natural para as indústrias do Vale do Aço. Quais os principais ganhos competitivos para essas empresas? Os principais ganhos estão na economia com a utilização de um combustível com preço competitivo; na diminuição do custo operacional com a manutenção de máquinas, no transporte e na área de armazenamento de combustível; redução de custos para o pagamento de prêmios de seguros; possibilidade de uso de tecnologias mais apuradas para o controle do processo produtivo; otimização do uso de matérias-primas e consequente melhora nos processos de produção. Aumento da segurança, eficiência dos equipamentos e qualidade do produto final, além dos benefícios para o meio ambiente, por ser um combustível de menor emissão de poluentes na atmosfera, já que o gás natural está entre os combustíveis fósseis que apresentam menor emissão de partículas.

negociosindustriais.com

59


entrevista O gasoduto tem capacidade para 2,4 milhões de metros cúbicos diários. Qual o consumo atual e quantas empresas o gasoduto tem capacidade de atender? Atualmente, o Vale do Aço possui 20 clientes com contratos assinados. Na primeira etapa, trecho existente entre São Brás do Suaçuí e Ouro Branco, existem 3 clientes ligados: a Vale Mina de Fábrica, a Gerdau Açominas e um posto de GNV. Na segunda etapa, trecho que segue de Ouro Branco até Belo Oriente e que foi inaugurado em setembro, existem 3 clientes em operação: ArcellorMittal Inox, ArcellorMittal e Cenibra. A VSB e a Usiminas deverão entrar em operação até o final de novembro. Além desses, existem outros 12 clientes com contratos assinados: 9 indústrias e 3 postos de GNV que deverão entrar em operação até o final do ano. Todos esses clientes chegam a aproximadamente 700 mil m³/d de volume de gás contratado. Há ainda outros 13 clientes em negociação. O gasoduto possui capacidade de atendimento para a expansão dos seus clientes atuais e para a captação de muitos outros clientes ainda. Qual tipo de empresa (segmento, tamanho, etc.) pode solicitar o fornecimento do gás natural para a Gasmig? A utilização do gás natural é muito diversa. Ele pode ser utilizado para geração de calor, como fonte de energia elétrica, como combustível de automóveis, para resfriamento por equipamentos de ar condicionado ou como matéria-prima em indústrias de fertilizantes. Portanto, qualquer empresa que tenha algumas dessas necessidades e esteja próxima

60

O Estado estará servido com este energético para atender todos os segmentos com custo mais baixo por muito tempo e sem dependência externa. Além disso, Minas confirmaria seu perfil de exportador de energia, passando ainda a integrar o seleto grupo de Estados produtores de gás natural. à rede de distribuição da Gasmig ou demonstre viabilidade para construção de ramais de distribuição é um consumidor em potencial. Os principais segmentos atendidos hoje são industrial, comercial, automotivo e geração termelétrica. Quais itens e como uma empresa deve analisar a viabilidade de implantação do gás natural em seu empreendimento? A empresa deve observar se seus equipamentos são adequados para receber gás natural, o volume potencial de consumo diário, a que distância da rede de distribuição se localiza e se há outros empreendimentos próximos que viabilizariam a construção de ramais de distribuição. Caso todas essas condições sejam favoráveis, a análise de viabilidade do investimento seguramente será positiva e o projeto poderá ser realizado. A população do Vale do Aço poderá contar com o gás natural para os veículos e em residências? Essa utilização depende de quem e do quê? Sim, poderá contar com essas utilizações. Dependem do interesse de empresas (postos ou empreendimentos imobiliários) ou da popula-

negociosindustriais.com

ção de bairros cuja proximidade da rede de distribuição possa viabilizar o atendimento. O que representa para o Estado e para o País a descoberta das reservas de gás natural no Baixo São Francisco, estimadas em um trilhão de metros cúbicos? Representa a possibilidade de redução do preço do metro cúbico de gás natural, a independência de fontes externas do energético e a garantia de utilização por muitos anos do gás, isto é, a melhoria da relação reservas sobre consumo. Para o país pode representar a autosuficiência no consumo de gás natural e a incorporação de mais um produto na carteira de exportações do país. Em que etapa estão as explorações desse potencial? As explorações estão na etapa de perfuração para confirmação das estimativas de volume e aguardam ainda o início de perfuração por outras empresas vencedoras dos leilões de outros blocos. Com a queda projetada no preço do gás natural para o futuro, quais outras aplicações ele terá? Com as perspectivas que se apresentam devido às descobertas recentes de reservas de gás natural e a disponibilização de volumes adicionais do produto para o mercado interno em preços mais competitivos, associadas à necessidade de se buscar uma matriz energética mais limpa, novos usos se farão presentes. Atualmente, a matriz de utilização do gás natural é pouco explorada pela baixa maturidade do mercado nacional, consequência da pouca abrangência no atendimento. À medida que empreendimentos expansionis-


tas das redes de gasoduto para transporte e distribuição são realizados novas utilizações serão viabilizadas econômica e tecnicamente. Podemos citar, como exemplo, a intensificação do uso de gás natural em cogeração, climatização, transporte pesado (caminhões, trens), geração de energia elétrica em miniturbinas. A Gasmig está se estruturando a fim de ampliar seu atendimento para o segmento residencial, o que demandará alguns ajustes na legislação atual. Além desse segmento, está pronta para desenvolver projetos de cogeração, climatização, dentre outros. Além do Vale do Aço, quais outras regiões do Estado vão receber o Gás Natural? Estão previstas obras para extensão do Vale do Aço até Governador

Valadares, construção do gasoduto de transporte que levará gás natural até o Triângulo Mineiro e respectivas redes de distribuição, ampliação do Sul de Minas até Três Corações, Varginha e construção do Tronco Oeste, que atenderá Itaúna, Divinópolis e região. Podemos dizer que a reserva na região do Baixo São Francisco corresponde ao “pré-sal” mineiro? Em termos eminentemente volumétricos sim. Pois se as estimativas forem confirmadas, o Estado estará servido com este energético para atender todos os segmentos a custo mais baixo por muito tempo e sem dependência externa. Além disso, Minas confirmaria seu perfil de exportador de energia, passando ainda a integrar o seleto grupo de Estados produtores de gás natural.

PÓS-GRADUAÇÃO UNILESTE

VÁRIOS CURSOS. INÚMERAS OPORTUNIDADES. MATRICULE-SE ATÉ 20/12

* CONSULTE O REGULAMENTO NO SITE

Ganhe um netbook e descontos especiais.*

AULAS TAMBÉM EM IPATINGA E TIMÓTEO www.unilestemg.br/posgraduacao

Quem escolhe obter um título de pós-graduação do Unileste, além de encontrar muitas opções de cursos, também se prepara para aproveitar as melhores oportunidades do mercado. São mais de 30 anos de experiência em pós-graduação lato sensu, o único mestrado da região e qualidade de ensino incomparável. Decida agora como vainegociosindustriais.com ser o seu futuro profissional, matricule-se.

61


PREFEITURA D

COMPROMISSO COM O DESENVOLVIMENTO

62

negociosindustriais.com


BIG

DE IPATINGA.

O POR UMA CIDADE MELHOR PARA TODOS.

negociosindustriais.com

63


INFRAESTRUTURA

à espera do terreno

H

á seis décadas Coronel Fabriciano era a cidade central da região hoje conhecida como Vale do Aço. Quando Ipatinga e Timóteo, dois de seus distritos, se emanciparam, em 1964, o município viu a prosperidade calcada no crescimento industrial se transformar numa vocação comercial e de prestação de serviços. Agora, a cidade tem nas mãos uma oportunidade de receber dezenas de indústrias de uma única vez. A administração municipal negocia com ArcelorMittal BioEnergia (antiga CAF) a aquisição de um terreno de 285 hectares (o correspondente a 285 campos de futebol) na região do Horto Baratinha para a instalação do

64

Prefeitura Municipal de Coronel Fabriciano aguarda desfecho de negociação para que a cidade receba seu segundo Distrito Industrial

segundo Distrito Industrial do município. Segundo o prefeito de Coronel Fabriciano, Francisco Simões, a CAF havia assumido o compromisso de vender a área para o município desenvolver empreendimentos empresariais. “Temos duas possibilidades: ou a prefeitura assume e compra a área, ou abrimos mão para que um terceiro a adquira e faça ali um distrito industrial”, explica à Negócios Industriais. A oportunidade de aproveitar a área, até então pouco atraente, surgiu com a construção do contorno rodoviário do Vale do Aço (alça da BR381 que liga a cidade de Timóteo a Ipatinga, evitando o fluxo de veículos

negociosindustriais.com

na área urbana de Timóteo e Coronel Fabriciano). A instalação do gasoduto Vale do Aço, cuja tubulação passa à frente da área, aumentou o interesse pelo local. Hoje, somente a fábrica de alimentos Produtos Plinc, de pipocas doce há três décadas no mercado, é que aproveita o diferencial logístico do local para escoar sua produção em 32 caminhões. De acordo com o secretário de Turismo e Desenvolvimento Econômico de Coronel Fabriciano, Bruno Torres, já existem 89 empresas cadastradas e interessadas em se instalar no Distrito Industrial. “A posição geográfica do Distrito Industrial 2 é ‘sui generis’, pois está em Coronel Fabriciano, mas não está


Chico Simões: área no Horto Baratinha poderá reviver vocação industrial de Coronel Fabriciano

Grão Fotografra

negociosindustriais.com

65


infraestrutura

Habitantes:105.037 PIB: 580 milhões de reais Área: 222,08km2 Localização Região Metropolitana do Vale do Aço. O município possui conurbação urbana com as cidades de Ipatinga e Timóteo Distâncias Belo Horizonte: 211 Km Economia Extração de Minerais; transformação de minerais não metálicos; indústria química; indústria do vestuário, calçados e artefatos de tecido; comércio varejista; comércio atacadista; serviços de transporte; serviços de reparação, manutenção e instalação; agropecuária. Principal economia Comércio e serviços. Infraestrutura básica O município conta com água tratada, energia elétrica, esgoto, limpeza urbana, telefonia fixa e telefonia celular: 93% dos domicílios são atendidos pela rede geral de abastecimento de água, 81% da população possui escoadouro sanitário, existem 6.462 telefones convencionais e 161 telefones públicos. FONTE: IBGE, Prefeitura de Coronel Fabriciano

no Centro e não passa por ele. É um ponto estratégico, pois possui fácil acesso às maiores indústrias, através da BR-381, e está perto do gasoduto e da Estrada de Ferro Vitória-Minas, além da possibilidade de geração de energia elétrica”, avalia Bruno Torres. OPORTUNIDADES Nascida na década de 20, com a passagem da estrada de ferro e a inauguração da Estação Ferroviária do Calado, a cidade de Coronel Fabriciano teve seu crescimento ligado à indústria. Em 1936, a então BelgoMineira instalou um escritório na localidade. Anos mais tarde, em 1944, o distrito de Timóteo recebeu a Acesita. Na década seguinte, a Usiminas iniciou sua construção em Ipatinga, outro distrito. Com a emancipação de Timóteo e Ipatinga, a cidade-mãe, que completa 62 anos em janeiro próximo, focou seu potencial no comércio e na prestação de serviços. Hoje, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 85% do Produto Interno Bruto (PIB) provêm do setor terciário, que gera 23 mil empregos, mais que o dobro da indústria. Na década de 90, as pequenas e médias indústrias da cidade tiveram a oportunidade de ampliar seus negócios sem deixar Coronel Fabriciano com a criação do Distrito Industrial do Belvedere. Distante seis quilômetros do Centro, ele abriga 30 empresas numa área de 182 mil metros quadrados, conforme levantamento feito pela Prefeitura a pedido da revista Negócios Industriais. Só que a área já chegou ao seu limite. De acordo com as autoridades, as expansões são frequentes, mas não há local para novas indústrias. INCENTIVO Além de uma área estratégica, a cidade de Coronel Fabriciano pretende conceder incentivos fiscais e tributá-

66

negociosindustriais.com

“A posição geográfica do Distrito Industrial 2 é ‘sui generis’, pois está em Coronel Fabriciano, mas não está no Centro e não passa por ele. É um ponto estratégico, pois possui fácil acesso às maiores indústrias, através da BR-381, e está perto do gasoduto e da Estrada de Ferro VitóriaMinas, além da possibilidade de geração de energia elétrica”

rios às empresas que se instalarem no município. O benefício não é novo, também foi concedido às empresas do Distrito Industrial I e outros empreendimentos na cidade. Aliás, Coronel Fabriciano possui uma legislação que trata dos incentivos para os empreendedores. “Com certeza vamos dar os incentivos, respeitando a Lei de Responsabilidade Fiscal, para que as empresas se instalem aqui”, antecipa Francisco Simões. O prefeito, contudo, faz uma ressalva: “não podemos dar incentivo para empresa que não gera emprego, renda ou tributos para o município”. Ainda não existe uma data para que o projeto saia do papel. As negociações ainda precisam do aval da ArcelorMittal. Isso não impede o otimismo de Simões. “Todos os condicionantes que temos hoje é para que no curto espaço de tempo tenhamos, além dos serviços, importantes atividades industriais na cidade.” A reportagem da Revista Negócios Industriais solicitou um posicionamento da ArcelorMittal, mas até o fechamento desta edição não houve retorno.


Ambiental

POR DANIELE LIMA Engenheira Sanitarista e Ambiental daniele@fonteambiental.com

Olhe para sua empresa. Você pode fazer O último Guia Exame de Sustentabilidade, que circulou no mês de novembro, mostra que 90% das empresas ouvidas possuem políticas de responsabilidade ambiental. Entre outros números o estudo revelou que 85% das entrevistadas reduziram a geração de resíduo e 54% elaboram inventário das emissões dos gases do efeito estufa. Em todos os quesitos, a pesquisa comprovou que as ações de sustentabilidade nas 143 empresas ouvidas pela publicação da Editora Abril ganham cada vez mais espaço nas organizações. O interessante é notar que a lista inclui as maiores e mais rentáveis corporações brasileiras em diversos segmentos da economia. Parte dos gestores São exemplos a serem seguidos. Parte dos ges- das empresas vê a tores das empresas vê a implantação de práticas implantação de práticas ambientalmente corretas, elaboração de inventá- ambientalmente rios ambientais, entre outras medidas, como um corretas, elaboração de custo excessivo ao negócio. É preciso olhar para inventários ambientais, o outro lado. Sabendo onde e como seus insumos entre outras medidas, e recursos estão sendo gastos, a empresa consegue como um custo otimizar seus custos. excessivo ao negócio. Os pequenos e médios empreendedores não de- É preciso olhar para o vem dizer: “ah! Isso não se aplica à minha em- outro lado. Sabendo presa!” Tamanho não é desculpa. Com menos de onde e como seus 10 colaboradores diretos, a Letra de Forma Co- insumos e recursos estão municação, empresa que edita a Revista Negócios sendo gastos, a empresa Industriais, iniciou o projeto de monitoramento consegue otimizar seus de toda a sua cadeia produtiva. custos. A conclusão será apresentada no final de 2011, mas basta um pouco de tempo para ver que, realmente, os pequenos também devem fazer a sua parte. Você pode pensar: mas uma editora gera pouco resíduo, pois só trabalha com texto, pouco papel, enfim... Errado. Para produzir a revista que você está lendo – apenas um dos produtos da empresa -, a cadeia produtiva envolve gráfica (centenas de quilos de papel, metais, tintas, etc), embalagens (plásticos e papéis adesivos), serviço de entrega (queima de combustível, gasto de pneus, etc). Agora, olhe para o seu negócio e veja o que você pode fazer. Aqui, nós aceitamos o desafio.

negociosindustriais.com

67


DAMAS 68

negociosindustriais.com


SCENO negociosindustriais.com

69


prêmio de qualidade

modelos em gestão Prêmio Regional da Qualidade do Vale do Aço reconhece cinco organizações

C

inco empresas do Vale do Aço e João Monlevade foram reconhecidas pelo Prêmio Regional de Qualidade do Vale do Aço (PRQ-VA) em 2010, promovido pelo Instituto Qualidade Minas (IQM), o Programa Mineiro da Qualidade e Produtividade (PMQP) e o Programa Regional da Qualidade e Produtividade do Vale do Aço (PRQP-VA). A relação das instituições foi anunciada pelo Instituto Qualidade Minas (IQM) no dia 19 de novembro, durante reunião de juízes, no San Diego Suites. A solenidade oficial de entrega do Prêmio deste ano está marcada para o dia 07 de dezembro, às 20 horas, no Centro Cultural Usiminas, no Shopping do Vale do Aço, em Ipatinga. Nesta edição do Prêmio, três organizações foram reconhecidas na Faixa Ouro do PRQ-VA, sendo que a Convaço e a Disbam receberão o Troféu do Prêmio Regional da Qualidade, por apresentarem destaque de desempenho nos seus modelos de gestão. Também foi reconhecido na faixa ouro o Colégio e Faculdade Kennedy. Na faixa prata receberá o reconhecimento a RCM Locação de Máquinas e a faixa bronze terá a Esmetal Ltda. Todas elas de João Monlevade. A banca de juízes do Prêmio Regional da Qualidade do Vale do Aço em 2010 foi formada pelo Chefe de Gabinete da SECTES, Adailton Vieira Pereira; pelo Superintendente de Qualidade e Assistência Técnica da USIMINAS, Eduardo Côrtes Sarmento; pelo Coordenador Técnico de Planejamento e Gestão da Samarco Mineração, Hélio Sérgio de Souza; pelo Coordenador Executivo do Núcleo Estadual do Gespública – MG da Polícia Rodoviária Federal, Edimar Antônio Nunes Júnior; e pelo Diretor Presidente da Caires e Coessens Construções, Ubaldo Caires de Oliveira. Todas as empresas participantes receberão um relatório apresentando os pontos fortes e as oportunidades de melhorias em cada instituição. O PRQ-VA não é uma competição entre as organizações. Utilizando os critérios do MEG® como referência, uma organização pode realizar uma auto-avaliação e obter um diagnóstico da gestão organizacional. O diretor-presidente do IQM, Ricardo Kehdy, destaca que um dos grandes diferenciais do Modelo de Excelência da Gestão® que, por não propor estruturas ou metodologias específicas, é aplicável a organizações de qualquer ramo ou porte. No Vale do

70

negociosindustriais.com

Amantino Alves: empresário distribuidor de bebidas colocou à prova gestão já premiada pela Ambev Grão Fotografia


as reconhecidas O ciclo 2010 do Premio Regional da Qualidade do Vale do Aço reconheceu as seguintes organizações:

Troféu PRQ-VA CONVAÇO DISBAM Faixa Ouro Colégio e Fac. Kennedy CONVAÇO DISBAM Faixa Prata RCM Locação de Máquinas Faixa Bronze Esmetal Ltda.

negociosindustriais.com

71


Sérgio Roberto/Agência Cobertura/Letra de Forma

Aço, é o segundo ano que o Prêmio é realizado. Em 2009, o PRQ-VA reconheceu a Cipalam, Emalto Indústria Mecânica, Brunauer Transportes e Locadora de Máquinas, Colégio Kennedy, e GNV Mecânica e Prestação de Serviços. O IQM foi instituído em 2002 por um grupo de empresas e entidades. Seu objetivo é oferecer o suporte operacional, administrativo e financeiro para viabilizar a realização das diretrizes e metas do PMQP (Programa Mineiro da Qualidade e Produtividade). O IQM é uma associação sem fins lucrativos, certificada como Organização da Sociedade Civil e interesse Público – OSCIP, pela Secretaria Nacional de Justiça e pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão. Rede da Qualidade Para participar do Prêmio, além de adotarem o MEG, as empresas enviaram sua candidatura, descreveram seus processos de gerenciamento através de um Caderno de Avaliação e foram avaliadas presencialmente por examinadores do PRQ, com base em critérios reconhecidos internacionalmente.

72

Litros de excelência Em 1971, o empresário Amantino Alves da Silva começou a vender refrigerantes. Três anos depois, inclui no seu portfólio a cerveja “Ouro Branco”, que daria origem à Skol. O negócio cresceu, deixou o Centro de Ipatinga, indo para a avenida Brasil, no Iguaçu, onde até hoje situa-se a Disbam (Distrituibora de Bebidas Amantino) que em 2006 tornou-se o distribuidor também da Brahma e Antártica. Os números da distribuidora Ambev num raio de 60 quilômetros impressionam. São 26 milhões de garrafas de cerveja, 19 milhões de latas de cerveja e 485.799 quilômetros percorridos todos os anos para atender 5.000 pontos de vendas. Hoje, a empresa conta com 12 carretas para buscar os produtos das fábricas e 35 veículos para distribuílos. Como controlar uma operação tão complexa? A qualidade da gestão faz parte da filosofia da empresa de Amantino Alves há pelo menos 14 anos, quando ingressou no Programa de

negociosindustriais.com

Excelência da Ambev, o PEX. “Nós já participamos de um projeto que mede nossa eficiência. Quando surgiu o Prêmio Regional, que tem a participação de muitas indústrias e prestadoras de serviço, pensei em ver como estaríamos posicionados”, revela. Amantino conta que nesse período a Disbam conquistou prêmios pelo desempenho em vendas, logística e produtividade. Para ele, receber o troféu do Prêmio Regional de Qualidade, por ser destaque entre as empresas da faixa Ouro, é o reconhecimento de um trabalho feito há quase quarenta anos. “Foi um momento oportuno para trocarmos experiências com outros setores. Foram várias horas de encontros, de debates. Foi uma surpresa chegar ao final com o reconhecimento na faixa Ouro e ainda com o destaque”, destacou o empresário que presidiu a Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e de Prestação de Serviços de Ipatinga (Aciapi).


. s e r o l f ! s ê a O. V E o T Ó d n TIM A a S t l ARE o S v O OV o N ã R E Est VERA VEM TRAZ A

MA I R P ESSA

Timóteo agora tem um sistema de limpeza mais organizado e eficiente. A coleta de entulho está sistematizada, associada à implantação de uma frente de limpeza de bueiros, do combate à dengue e de outras ações de saúde. O recolhimento do lixo domiciliar tem seu próprio calendário. Confira os dias e horários do recolhimento do lixo e do entulho no seu bairro. Você pode contribuir, e muito, para que nossa cidade fique ainda melhor.

negociosindustriais.com

73


saiba mais sobre a aprendizagem A lei que obriga as empresas a contratarem aprendizes não é nova. Mas, no Vale do Aço, o rigor na fiscalização por parte do Ministério do Trabalho aumentou a procura dos empresários por informações sobre o tema. A Negócios Industriais traz um resumo da apostila “Aprendizagem: perguntas e respostas”, produzida pelo Senai, que vai auxiliá-lo. A íntegra pode ser conferida no endereço eletrônico: http://www.senai.br/upload/ publicacoes/arq632935890872560955.pdf. APRENDIZAGEM Considera-se a aprendizagem como forma de educação profissional de nível básico ou técnico, destinada à qualificação ou habilitação inicial de jovens aprendizes e caracterizada pela articulação entre formação e trabalho. APRENDIZ Aprendiz é o jovem maior de 14 e menor de 24 anos de idade, que celebra contrato de aprendizagem nos termos do art. 428 da CLT. A condição de aprendiz, portanto, pressupõe formalização do contrato do jovem pela empresa e da sua matrícula em curso ou programa de aprendizagem no SENAI. A idade máxima prevista não se aplica a aprendizes portadores de deficiência (Decreto nº 5.598/2005, art. 2º, parágrafo único). CONTRATO DE APRENDIZAGEM E SUA DURAÇÃO Contrato de Aprendizagem é o contrato de trabalho especial, ajustado por escrito e por prazo determinado, com duração máxima de dois anos, em que o empregador se compromete a assegurar ao maior de 14 e menor de 24 anos, inscrito em programa de aprendizagem, formação técnico-profissional metódica, compatível com o seu desenvolvimento físico, moral e psicológico, e o aprendiz, a executar, com zelo e diligência, as tarefas necessárias a essa formação.

Como formalizar a contratação do aprendiz? A contratação do aprendiz deve ser formalizada por meio de contrato de aprendizagem, anotação na CTPS e no livro de registro/ficha ou sistema eletrônico de registro de empregado. No campo função, deve ser aposta a palavra aprendiz seguida da função constante no programa de aprendizagem. Em anotações gerais, deve ser especificada a data de início e término do contrato de aprendizagem (CLT, art. 29). Quais as funções que devem ser consideradas para efeito do cálculo da cota de aprendizes? Todas as funções que demandem formação profissional, observada a Classificação Brasileira de Ocupações. Como deve ser feita a indicação do aprendiz? O empregador dispõe de liberdade para recrutar e indicar os candidatos a aprendizes, observados os dispositivos legais pertinentes à aprendizagem e às diretrizes institucionais e às especificidades de cada curso ou programa de aprendizagem profissional.

Para a definição das funções que demandam formação profissional deverá ser considerada a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO).

Quais as instituições qualificadas para ministrar cursos de aprendizagem? São qualificadas para ministrar cursos de aprendizagem as seguintes instituições: os Serviços Nacionais de Aprendizagem; as Escolas Técnicas de Educação, inclusive as agropecuárias; as entidades sem fins lucrativos (ESFL) que tenham por objetivos a assistência ao adolescente e a educação profissional, registradas no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente .

O cálculo do número de aprendizes a serem contratados terá por base o total de trabalhadores existentes em cada estabelecimento, cujas funções demandem formação profissional, excluindo-se aquelas que exijam para seu exercício habilitação profissional de nível técnico ou superior; e as funções caracterizadas como cargos de direção, de gerência ou de confiança.

Se não houver curso previsto para iniciar no SENAI, como proceder em caso de fiscalização? O SENAI estará sempre apto a receber jovens aprendizes em seus cursos regulares

COTAS DE APRENDIZES Os estabelecimentos de qualquer natureza – excluindo-se as microempresas e empresas de pequeno porte e as entidades sem fins lucrativos (ESFL), que têm por objetivo a formação profissional – são obrigados a empregar e matricular nos cursos dos Serviços Nacionais de Aprendizagem um número de aprendizes equivalente a 5%, no mínimo, e 15%, no máximo, dos trabalhadores existentes em cada estabelecimento, cujas funções demandem formação profissional. A cota, portanto, corresponde ao número de aprendizes resultantes da aplicação dos referidos percentuais, segundo fatores e critérios estabelecidos pelo poder público.

74

Quais são as formas de contratação de aprendizes? A contratação de aprendizes deve ser feita diretamente pela empresa, e, supletivamente, a contratação poderá ser efetivada por meio das entidades sem fins lucrativos, que tenham por objetivo a assistência ao adolescente e a educação profissional, registradas no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, as quais ficarão encarregadas de ministrar o curso de aprendizagem.

negociosindustriais.com


SEU NEGÓCIO ou desenvolvidos por meio de estratégias flexíveis, de acordo com as necessidades das empresas. No caso de o SENAI não oferecer cursos de interesse de uma empresa, como proceder? A demanda das empresas poderá ser encaminhada, a qualquer momento, para ser analisada pelo SENAI, que está estruturado para desenvolver programas de aprendizagem. O atendimento pode ser realizado através de cursos e programas regulares, ou seja, por meio de estratégias flexíveis, utilizando a sua rede de unidades operacionais. O jovem aprendiz pode ficar na empresa somente meio expediente? E se a empresa aumentar o salário? A jornada de trabalho de aprendiz não deve exceder a 6 horas diárias, nelas incluídas as atividades teóricas e práticas, sendo vedadas a prorrogação e a compensação de jornada. Para os aprendizes que já tiverem completado o ensino fundamental, o limite da jornada poderá ser ampliado para 8 horas, desde que nela estejam incluídas as atividades teóricas. Como se observa, os limites estabelecidos são os máximos, não havendo impedimento legal para jornadas inferiores, definidas em contrato e em consonância com o plano e o regime da aprendizagem. A lei dispõe que ao aprendiz será garantido o salário mínimo/ hora, salvo condição mais favorável. Qual deve ser o salário do aprendiz? O aprendiz tem direito ao salário mínimo/ hora, salvo condição mais favorável, fixado no contrato de aprendizagem ou previsto em convenção ou acordo coletivo de trabalho. A falta ao curso de aprendizagem pode ser descontada do salário? Sim, pois as horas dedicadas ao curso de aprendizagem também integram a jornada do aprendiz, podendo ser descontadas as faltas que não forem legalmente justificadas (CLT, art. 131) ou autorizadas pelo empregador. Qual a jornada de trabalho permitida para o aprendiz? A jornada de trabalho legalmente permitida é de 6 horas diárias, no máximo, para os que ainda não concluíram o ensino fundamental, computadas as horas destinadas às atividades teóricas

e práticas (CLT, art. 432, caput); 8 horas diárias, no máximo, para os que concluíram o ensino fundamental, computadas as horas destinadas às atividades teóricas e práticas. Em qualquer caso, a compensação e a prorrogação da jornada são proibidas (CLT, art. 432, caput). Na fixação da jornada do aprendiz adolescente, na faixa entre 14 e 18 anos, a entidade qualificada em formação técnico-profissional metódica deve também observar os demais direitos assegurados pela Lei nº 8.069/90 – ECA. O aprendiz com idade inferior a 18 anos pode trabalhar em horário noturno? Não, uma vez que a legislação proíbe ao menor de 18 anos o trabalho noturno, considerado este o que for executado no período compreendido entre as 22 horas de um dia e as 5 horas do dia seguinte (CLT, art. 404), para o trabalho urbano. O aprendiz tem direito ao valetransporte? Sim, é assegurado o vale-transporte para o deslocamento da residência, atividades teóricas e práticas (Decreto nº 5.598/05, art. 27). Ao aprendiz são asseguradas integralmente as vantagens e/ou benefícios concedidos aos demais empregados da empresa constantes dos acordos ou convenções coletivas? Sim, desde que haja previsão expressa nos acordos ou convenções coletivas ou por liberalidade do empregador (Decreto nº 5.598/05, art. 26). As férias contratuais do aprendiz com idade inferior a 18 anos deverão sempre coincidir com as férias escolares? Sim, pois assim dispõe o art. 136, § 2°, da CLT. O empregador pode formalizar novo contrato de aprendizagem com o mesmo aprendiz após o término do anterior, mesmo quando o prazo deste for inferior a dois anos? Não, pois a finalidade primordial da aprendizagem é propiciar oportunidade de formação técnico-profissional metódica aos jovens para ingresso no mercado de trabalho. A celebração de dois contratos consecutivos com a mesma pessoa acarreta redução de oportunidade para outros jovens. Ao contratar um aprendiz com deficiência, a empresa está cumprindo

negociosindustriais.com

as duas cotas? Não, pois são duas exigências legais visando a proteger direitos distintos que não se sobrepõem: o direito à aprendizagem, em relação aos aprendizes, e o direito ao vínculo de emprego por tempo indeterminado, em relação aos portadores de deficiência (Nota Técnica nº 121 /DMSC/DEFIT/SIT/MTE, de 1º de setembro de 2004). Quando o cotista completar 24 anos, a empresa é obrigada a contratá-lo? O contrato de aprendizagem se extingue após dois anos ou quando o jovem aprendiz completa 24 anos. Não há obrigatoriedade de contratação dos jovens aprendizes após o término do curso. Quando o aprendiz conclui o curso de aprendizagem, e possui 24 anos ou mais, está apto a ser contratado como empregado da empresa de acordo com as regras da CLT, se a empresa assim o desejar. Uma empresa não contribuinte do SENAI pode cumprir cota de aprendizes no SENAI? Em princípio, os cursos e vagas de aprendizagem oferecidos pelo SENAI destinam-se ao atendimento prioritário das demandas das empresas contribuintes do SENAI. A questão acima, entretanto, tem ocorrido e, sem prejuízo de eventuais diretrizes específicas de cada Departamento Regional sobre o assunto, podem ser formuladas as seguintes hipóteses e orientações: como regra, os aprendizes devem ter assegurada a gratuidade da aprendizagem. E as empresas contribuintes não devem ser constrangidas a custear a aprendizagem, além da contribuição compulsória a que estão sujeitas. Vagas em cursos de aprendizagem do SENAI, não preenchidas e nem programadas para aproveitamento em futuro próximo pelas empresas contribuintes do SENAI, podem, em caráter excepcional, ser preenchidas por aprendizes individualmente encaminhados por empresas contribuintes de outro Serviço Nacional de Aprendizagem. Esse atendimento pode ser considerado como política de reciprocidade e de compensação, pois pode ocorrer o mesmo em sentido inverso. O SENAI tem sido procurado por empresas rurais, de transportes, de comércio e serviços, contribuintes, portanto, de outro Serviço de Aprendizagem.

75


SUSTENTABILIDADE

Primeiro, o dever de casa Empresas que buscam desenvolver ações de responsabilidade social devem olhar dentro e conhecer seus passivos ambientais e sociais

Se a empresa busca a sustentabilidade na gestão, inevitavelmente ela vai passar pela qualidade da gestão. Ela não vai conseguir ser uma empresa que trabalha rumo à sustentabilidade sem trabalhar junto à qualidade. Uma coisa está dentro da outra. Se eu falo em processo sustentável isso tem que ser economicamente viável e a qualidade está aí.” O alerta foi feito por Cristina Fedato, durante o Seminário de Responsabilidade Social promovido pela Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais, em Timóteo, no mês de setembro. Mestre em Administração e consultora de empresas para Sustentabilidade e Responsabilidade Corporativa, ela abordou um ponto crítico no Vale do Aço. Em geral, as empresas buscam desenvolver ações sustentáveis e de responsabilidade social sem, sequer, conhecer os passivos gerados por sua atividade produtiva. “Não deveria se preocupar em ter práticas sustentáveis sem antes se ter consciência do seu próprio impacto”, reforça Moysés Simantob, co-fundador e atual coordenador executivo do Fórum de Inovação da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (FGVEAESP) e co-autor do Guia Valor

76

Econômico de Sustentabilidade nas Empresas, que também esteve no Vale do Aço. Para Simantob, as empresas que não tiverem consciência do seu passivo social e ambiental não terão competitividade no futuro. “As organizações serão pressionadas pela própria mobilização social, e se o empresário não tiver consciência dos seus males, dificilmente ele terá “Não tem como fazer um processo mais limpo, mais ambientalmente correto, mais sustentável sem ter uma ISO 9000. Ela não tem como fugir disso. Quando a empresa chega a obter uma ISO 14000 ela já tem uma ISO 9000. É um processo, uma coisa está dentro da outra”

uma organização com condições de competir de igual para igual com concorrentes que tenham no topo da sua agenda essas questões.” O especialista compara o momento àquele vivido na década de 80, com a busca pela qualidade da gestão, através das certificações ISO 9000. O problema reside justamente aí. Aqui, a gestão da qualidade

negociosindustriais.com

Sustentabilidade: Moysés Simantob, ao lado da Coordenadora do Núcleo de Responsabilidade Social do Sistema Fiemg, Marisa Seoane Resende, em seminário promovido no Vale do Aço


SUSTENTABILIDADE

Sérgio Roberto/Agência Cobertura

não é tão abraçada. Entre os associados do maior sindicato patronal industrial da região, o Sindicato das Indústrias Metalmecânicas, o Sindimiva, somente cerca de 30% das emprsas contam com ISO 9001. “Não tem como fazer um processo mais limpo, mais ambientalmente correto, mais sustentável sem ter uma ISO 9000. Ela não tem como

fugir disso. Quando a empresa chega a obter uma ISO 14000 ela já tem uma ISO 9000. É um processo, uma coisa está dentro da outra”, reforçou Cristina Fedato, em entrevista à Negócios Industriais. MULTIPLICIDADE Uma coisa é saber que se deve fazer, a outra é como. Não existe fór-

negociosindustriais.com

mula mágica e para cada negócio a equipe para desenvolver o projeto é diferente. Uma coisa é certa: a interdisciplinaridade deve predominar. Mas existem algumas coisas das quais a empresa não tem como fugir. Uma indústria que tem alto impacto ambiental vai precisar, por exemplo, de uma pessoa da área ambiental.

77


CULTURA

Hospedaria: Sede da Fundação ArcelorMittal Acesita foi hotel para receber funcionários e visitantes da antiga Acesita

Grão Fotografia

78

negociosindustriais.com


de hotel A centro cultural

O

Hospedaria: Sede da Fundação ArcelorMittal Acesita foi hotel para receber funcionários e visitantes da antiga Acesita

negociosindustriais.com

Centro Cultural da Fundação ArcelorMittal Acesita, em Timóteo, recebe cerca de 260 eventos todos os anos. São milhares de visitantes no imponente prédio na região Centro Norte do município. O que pouca gente sabe é que ali, onde hoje acontece apresentações culturais, seminários e exposições, foi um hotel. Presidente da Fundação desde 2000, Anfilófio Salles Martins conta que o prédio, de estilo arquitetônico eclético, com traços neoclássicos, foi construído pela Acesita em 1953 para ser a Casa de Hóspedes. Com cerca de 60 apartamentos, a hospedaria também primou pela valorização da flora brasileira, com espécies de jatobá, cedro, ipê, árvores nativas da região que até hoje estão no bosque. Na década de 90, com a privatização da Acesita, a diretoria da empresa entendeu, conforme Salles, que era o momento de incentivar o desenvolvimento do setor hoteleiro da cidade. “Um hotel da empresa inibia um empreendedor na região”, avalia. O prédio foi transformado. O restaurante virou o auditório, a cozinha transformou-se em palco, as paredes dos quartos foram derrubadas, abrindo espaço para as exposições. Se você não o conhece, visite as exposições. Saiba mais em http://www.arcelormittalinoxbrasil.com.br/.

79


financiamentos

Regional Vale do Aço

Finame PSI no BDMG vai até 31 de março de 2011

80

Foi prorrogado até 31 de março de 2011 o prazo para contratação de financiamento pelo Finame PSI. Até outubro de 2010, foram desembolsados mais de R$121,4 milhões deste produto. O Finame PSI é destinado à compra de máquinas e equipamentos nacionais credenciados na FINAME. O produto oferece carência de até 2 anos, taxa fixa de 5,5% ao ano para maior parte das máquinas e equipamentos e prazo de até 10 anos para pagar o financiamento. A gerente de Marketing do BDMG, Ana Veryna Leonardo Aguiar, considera o produto uma boa alternativa para as empresas que precisam comprar máquinas e equipamentos com certa urgência: “Temos agilidade na liberação do Finame PSI. Além disso, o produto tem uma boa carência, taxa fixa e prazo adequado para quem quer fazer este tipo de investimento”, disse. Para saber mais detalhes sobre esta e outras linhas de crédito acesse www.bdmg.mg.gov.br . Em Ipatinga, os interessados devem procurar o Posto de Informações BNDES / BDMG situado na sede da Fiemg Regional Vale do Aço através do telefone (31) 3822-1414 e falar com Poliane Gomes para encaminhar seu pedido o quanto antes. A solicitação será encaminhada ao BDMG para análise.

Clientes satisfeitos Fornecedora de serviços de asfalto e terraplenagem para o Alto Paranaíba e Noroeste de Minas, a PAESAN Pavimentação, Engenharia e Saneamento Ltda. , empresa localizada em Patos de Minas, triplicou sua capacidade de atendimento depois que comprou uma nova vibroacabadora – máquina utilizada para dar acabamento ao asfalto - com recursos do Finame PSI, financiados pelo BDMG. “Uma nova máquina era necessidade da empresa e o investimento era alto. Nos ofereceram o Finame PSI e a taxa de juros, a carência e prazo para pagar, nos encorajaram a comprar a nova máquina. Hoje só o seu serviço garante o pagamento do financiamento”, disse Wilson da Silva Soares, gerente administrati-

SERVIÇO Fiemg Financiamentos Poliane Gomes - 31 3822 1414

Este espaço é de responsabilidade da Assessoria Financeira da Fiemg Regional Vale do Aço.

O produto oferece carência de até 2 anos, taxa fixa de 5,5% ao ano para maior parte das máquinas e equipamentos e prazo de até 10 anos para pagar o financiamento.

negociosindustriais.com

vo da empresa. Ele está satisfeito com o produto e muito mais ainda com a nova máquina, que contribuiu para que sua empresa desse um grande salto no atendimento e no faturamento. Com três filiais em Minas – Betim, Varginha e Camanducaia – a Plascar Indústria de Componentes Plásticos também utilizou o Finame PSI para a compra de máquinas e equipamentos. Na opinião do diretor financeiro da empresa, Gordiano Pessoa Filho, o Finame PSI é um “ótimo produto e oferece as melhores condições do mercado” Já que o prazo se estendeu, ele garante que vai negociar com o Banco a compra de outras máquinas. “Nos últimos quatro anos dobramos o nosso número de contratação em Minas graças ao apoio do BDMG” disse Gordiano. Hoje a Plascar tem no Brasil 4.400 empregados e, destes, 2.200 estão nas empresas de Minas. Ele contou que o BDMG - não só pelos produtos que oferece, mas também pelo atendimento - foi um diferencial para que a empresa investisse mais no Estado. A Plascar fabrica painéis, parachoques, painéis de instrumento, lanternas, grades e acionadores de vidros e os fornece para as principais montadoras do Brasil, Mercosul, México, Canadá, EUA, Austrália e Europa.


HAPPY HOUR a vida não é só trabalho

TURISMO

A negócios ou a passeio, Vale do Aço oferece boas opções. Agências começam a explorar o potencial

82

GASTRONOMIA

Dicas para aprender a escolher as bebidas adequadas para sua festa de Natal

86 TECNOLOGIA

Seu celular também pode ser alvo de invasores. Saiba como se proteger dessa praga

VIVERBEM

O esforço das empresas brasileiras para concorrer no mundo globalizado está levando a investimentos que não se limitam às linhas de produção.

Fotolia

88

90

93 Sedan de luxo da Hyundai estreia coluna sobre automotores da “Negócios Industriais”

negociosindustriais.com

Divulgação

81


Gabriel Torres/Letra de Forma

turismo

82

Lagoa do Bispo: beleza natural em meio a grandes indĂşstrias

negociosindustriais.com


CONTATO NATURAL

A negócios ou a passeio, Vale do Aço oferece boas opções. Agências começam a explorar o potencial

C

onsiderada uma das principais cidades do Estado com potencial turístico para negócios, ecoturismo e lazer, Ipatinga está a um passo de conquistar o título de cidade turística, segundo a Secretaria Estadual de Turismo que está realizando, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), um estudo sobre a “Competitividade dos destinos indutores do desenvolvimento turístico regional”. A pesquisa consiste nos destinos já reconhecidos pelo potencial turístico, que possuem infraestrutura básica e turística adequadas, com a capacidade de induzir ao desenvolvimento turístico em seu território e em suas respectivas regiões.

negociosindustriais.com

83


turismo Para Raquel Timbó, pesquisadora da FGV contratada pelo governo estadual para realizar a pesquisa, Ipatinga tem um “bom potencial” para entrar na lista dos principais roteiros de turismo do Estado. “Visitei várias cidades, Ipatinga é a mais bonita, planejada e possui uma boa infraestrutura, com canteiros arborizados e uma taxa de ocupação hoteleira de 95%”, destacou, associando Ipatinga à cidade de Brasília. “O Circuito abrirá um leque de oportunidades para o setor incluindo a possibilidade de Ipatinga se tornar subsede de uma das fases (Team Base Camp), ou seja, ser uma base de treinamento de alguma seleção participante da Copa de 2014, fortalecendo o turismo e consequentemente a economia da região”, destacou Regina Célia Rolla Guerra, vice-presidente do Circuito Mata Atlântica de Minas Gerais e proprietária da Regina Turismo. Ela

84

ainda completa, “esse tipo de evento é uma vitrine para apresentarmos nossa região tanto no turismo nacional quanto internacional”. Recém-chegada do Pantanal, Regina esteve entre as 12 pessoas escolhidas no Brasil pelo Ministério do Turismo para uma visita àquele local, o que possibilitou agrupar diversas informações sobre o ecoturismo para adaptar à nossa região. “O Vale do Aço não é só aço. Temos um potencial turístico enorme e pouco explorado. Nossa região tem lugares lindos, cada qual com sua história e beleza”, acrescentou. Em processo de certificação de qualidade e segurança no turismo pelo Inmetro, a empresa tem o propósito de oferecer aos turistas e também aos moradores da região roteiros e atrativos com total estrutura através do turismo receptivo. No Vale do Aço os roteiros vão desde passeios urbanos, incluindo o

negociosindustriais.com

Responsável por abrigar grandes empresas, o Vale do Aço preenche os requisitos para proporcionar aos seus visitantes além de bons negócios, bons momentos de lazer. Zoobotânico da Usipa, Parque Samambaia, Maria Fumaça e Estação Memória, aos passeios na zona rural, um contato imprescindível com a natureza do Parque das Cachoeiras, Fazendas Centenárias - onde ocorre a fabricação de cachaça e rapadura - Fazenda do Zaca (Reserva Particular do Patrimônio Natural - RPPN) que faz parte do Centro de Educação Ambiental Portal da Mata Atlântica e a Pedra do Leão Deitado. Combinação perfeita Responsável por abrigar grandes


empresas, o Vale do Aço preenche os requisitos para proporcionar aos seus visitantes, além de bons negócios, bons momentos de lazer. Apesar das características industriais, Ipatinga capricha nas opções de lazer com parques, lagoas e fazendas. “Temos um fluxo intenso de profissionais das diversas áreas que atuam não só no setor industrial como na área da educação e saúde. São pessoas que por algum motivo vem aqui a trabalho e nas horas vagas querem conhecer a cidade”, relatou Regina. Procurando atender esses profissionais - visitantes, a agência tem passeios que variam de acordo com o tempo disponível de cada visitante. “Tem pessoas que vêm para ficar dois dias na cidade, mas tem outras que vêm pra ficar um mês e vêm acompanhadas da família, disponibilizamos roteiros de acordo com a necessidade de cada um”.

Opções não faltam. Um dos principais pontos de encontro dos visitantes é o Parque Ipanema, cartão-postal de Ipatinga, no centro da cidade. Dominado por um milhão de metros quadrados de área verde, o parque conta com jardins projetados por Burle Marx, oferece espelho d’água com ilhotas, passarelas de madeira, pista de corrida, playground, quadras poliesportivas, kartódromo, espaço cultural e anfiteatro. Já o Parque das Cachoeiras, mais afastado do centro urbano, proporciona contato direto com a natureza. Entre as atividades estão caminhadas em meio a trilhas e banhos de cachoeiras com piscinas naturais e artificiais. Outra opção é o passeio ambiental na Fazenda do Zaca, com abordagem sobre o meio ambiente, resgate das tradições mineiras como culinária, “causos”, prosa e folclore.

negociosindustriais.com

O potencial do circuito com roteiros integrados a Serra dos Cocais margeia os municípios de Santana do Paraíso, com belíssimas cachoeiras e um trecho da área rural de Ipatinga. Em Coronel Fabriciano, além das trilhas, vales e montanhas da Serra, - local dotado de mirantes naturais, clima agradável de montanhas e inúmeras corredeiras e cachoeiras de água limpa e transparente - os visitantes podem conhecer a ruína da 1ª hidrelétrica do Vale do Aço. A região ainda possui o mais bem estruturado Parque Estadual de Minas Gerais, o Parque Estadual do Rio Doce, com quase 36 mil hectares de mata atlântica preservada, além de um complexo lacustre invejável e ainda área de camping, trilhas interpretativas, circuito de arvorismo, restaurante e meio de hospedagem, com uma vista única do mirante, um verdadeiro presente da natureza.

85


gastronomia

VINHO

PARA CELEBRAR Dezembro chegou e com ele as tradicionais festas de fim de ano. Acompanhando a mesa farta que as ocasiões demandam, bebidas como o vinho se tornam uma boa opção. De acordo com Heli Evangelista, proprietário da Grampian Delicatessen, em Ipatinga, as bebidas mais procuradas nesta época do ano são vinho, espumante e whisky, gerando um aumento de 100% das vendas. “Sem margem de dúvida esse período do ano é muito positivo para nosso segmento. O aumento no consumo principalmente de vinhos e espumantes é notório pelos que buscam celebrar o Natal e Revéillon com bebidas mais sofisticadas”, afirmou. Para apresentar boas opções aos leitores, a revista “Negócios Industriais” conversou com Ricardo Sá, consultor de hospitalidade e instrutor do Senac Minas, e traz dicas de como comprar o vinho ideal e sugestões da bebida que harmonizam com todos os tipos de ceias da entrada à sobremesa. São alternativas que vão desde bebidas de qualidade e com bom preço até vinhos bem qualificados em todo mundo. Os vinhos do Novo Mundo, produzidos na América Latina, podem ser apreciados de forma mais livre e devem anunciar, no rótulo, as variedades de uva utilizadas em sua composição. Quando isso não acontece é sinal de que foram produzidos com matéria-prima de qualidade inferior. Já entre os vinhos europeus, ou do Velho Mundo, o importante é saber a região de origem. Quanto mais detalhada a descrição, maior a probabilidade de que o vinho seja bom. Um rótulo que tem o nome da região, da cidade, do produtor e do vinhedo tende a ser melhor que outro com apenas uma indicação genérica. Para a região do Vale do Aço, onde o clima é quente, Ricardo aconselha o consumo de vinho branco, como o Sauvignon Blanc, que deve estar alguns graus mais fresco que o local onde for servido, acompanhado de peixes, peru ou chester. Outra opção é o vinho espumante Moscatel, variedade mais doce da bebida, servida para acompanhar sobremesas. Boas Festas e Tin-tin!

86

negociosindustriais.com

Como escolher Veja a safra: nos vinhos mais jovens o álcool se destaca. País de origem: naqueles sem “tradição” recomenda-se o consumo entre dois e três anos. Uva: cada tipo produz um resultado de sensibilidade e sabor. Local da compra: influencia na forma de armazenamento. na hora da compra, evite bebidas armazenadas próximas a locais aquecidos, expostas ao sol e perto de produtos de higiene e limpeza. Confira no rótulo o tipo e os componentes da bebida, assim como a origem, o prazo de validade e instruções. Verifique também se não há sujeira no conteúdo da garrafa e se o nível do líquido não está abaixo do normal. Observe se a rolha está em boas condições ou se há manchas no rótulo e dê preferência àquelas que estiverem menos expostas à luz, pois muita luminosidade pode afetar sua qualidade. Caso a compra seja efetuada pela internet é bom que o consumidor conheça bem o produto que deseja comprar, uma vez que não contará com o acompanhamento de um consultor e não poderá analisar o produto pessoalmente. É importante lembrar também que a forma de transporte pode prejudicar as propriedades do vinho. Para boa conservação das bebidas, mantenha as garrafas deitadas, protegidas da umidade, iluminação e calor excessivo, a uma temperatura média de 12 a 14º C. Evite comprar grandes quantidades se não tiver locais adequados para armazenar.


negociosindustriais.com

87


tecnologia

AMEAÇAS

AO CELULAR

FALTA

CONTEÚDO Empenhada em convencer os consumidores a embarcar no 3D, a indústria de eletrônicos começa a investir em outra frente além dos televisores: os notebooks. Um deles, já à venda no Brasil, é o R590 3D, da LG. Como costuma ser praxe entre produtos novidadeiros, o laptop é caro: custa R$ 6.499. Para ver imagens saltitando da tela de 15,6 polegadas, ainda são necessários os indefectíveis óculos especiais - dois pares vêm com o R590. Além do preço alto e do pequeno sacrifício de ter que usar os óculos especiais, os entusiastas de primeira hora do 3D vão se deparar com um terceiro problema: a falta de conteúdo específico. O R590 vem com uma pequena coleção demonstrativa de vídeos curtos e fotografias tridimensionais, e indica o site www.yabazam.com para baixar outras poucas galerias de foto e vídeos 3D (alguns pagos). Outra fonte, ainda escassa, de conteúdo tridimensional para o R590 são filmes em Blu-ray. Entre os potenciais interessados pelas habilidades tridimensionais do R590, os gamers estão mais bem servidos do que os cinéfilos e os amantes da fotografia. O laptop adota a plataforma 3D Vision, da Nvidia, que converte dezenas de jogos para o formato tridimensional automaticamente. Em seu site, a Nvidia mantém uma longa lista de jogos compatíveis ou não com o sistema (bit.ly/jogos nvidia3d).

OLHA A CHUVA!

O verão está chegando e com ele as chuvas constantes e os raios. A instabilidade na rede elétrica leva a uma situação a que as empresas devem ficar atentas: a aquisição de nobreaks. Existem tamanhos e características para todo tipo de negócio. Revendedor autorizado da SMS em Ipatinga, Wemerson Silveira, da Mega Micro, explica que a procura cresce nessa época do ano devido aos piques de energia. “É um risco muito grande perder tudo que se está fazendo por causa da oscilação na rede.”

88

ONDE ENCONTRA? Mega Micro 31 3824-5252

negociosindustriais.com

Suas informações pessoais e financeiras são valiosas para os cibercriminosos, seja lá onde estiverem armazenadas: no celular ou no computador. Já se fala de ameaças e de antivírus para smartphones há tempos. Agora, o problema ganhou contornos mais claros. Um em cada cinco programas do Android Market (loja de aplicativos dos aparelhos que usam o sistema do Google) precisa de permissões para acessar informações privadas ou sigilosas para poder funcionar, segundo estudo sobre o mercado do Android publicado pela empresa SMobile, que faz programas de segurança para aparelhos móveis. Outra estatística preocupante: uma em cada 20 aplicações pode, com os dados captados no aparelho, fazer uma ligação para qualquer número, sem a interação ou a autorização do dono do smartphone. O estudo mapeou 48.694 aplicativos do Android Market, cerca de 68% dos programas disponíveis. PERMISSÕES Ao instalar um aplicativo, o usuário dá ao programa permissão para acessar uma série de dados. Mas essas permissões podem não ter relação nenhuma com a função do programa ou simplesmente explorar dados que o usuário possa não querer revelar. É preciso ficar atento com o que se está autorizando. Entre os exemplos de permissão que são requisitadas estão as que possibilitam ao programa iniciar uma ligação sem ser necessária a autorização do usuário, monitorar chamadas, ler as mensagens de SMS e até gravar áudios do aparelho. Um exemplo de programa suspeito foi o SMS Message Spy Pro, segundo a SMobile, pela quantidade de permissões perigosas que ele solicita ao usuário.


PROTEJA SEUS DADOS Na Era Digital, os documentos das empresas, os arquivos pessoais e toda a infinidade de informações produzidas todos os dias deixaram de estar em meio físico, em geral o papel, armazenados em grandes armários e estantes. Hoje, esse turbilhão de dados está quase invisível nos discos rígidos (HDs) de nossos computadores e notebooks. Como o tamanho dos arquivos só cresce, mídias externas como disquetes (ninguém vê um exemplar mais), CDs, DVDs e até os Pen Drives já não têm capacidade suficiente. Quem está ganhando espaço são os HDs externos. Eles começaram a ganhar o consumidor com 80 Gigabytes e hoje estão nas lojas com 500 GB.

A Samsung, por exemplo, possui uma linha completa com diversas cores, acabamento fino e que cabe no bolso (nos dois sentidos). O Samsung S2 Portable, de 500 GB, usado pela Letra de Forma Comunicação pesa menos de 200 gramas e conta com um aplicativo bacana, o Auto Backup, que auxilia na hora de gravar os arquivos. De acordo com Wemerson Laureano Silveira, da Mega Micro, revendedora em Ipatinga, o produto agrada aos clientes pelo visual e pela praticidade. “É um equipamento elegante, com cantos arredondados, couro sintético. Quem usa nem sente que está carregando um HD”, explica. Mais informações no site www.samsung.com.br.

ONDE ENCONTRA? Mega Micro 31 3824-5252

Contratos de prestação de serviços para empresas, Gerenciamento de Redes, Manutenção de notebooks, Suprimentos e Equipamentos

Venda e Assistência Técnica negociosindustriais.com megamicro@megamicroinfor.com.br - www.megamicroinfor.com.br

89 31 3824-5252


velocidade

ficha técnica . sonata 2.4 16v Aceleração 0-100 km/h Valor Velocidade Máxima Combustível Torque Potência Consumo Urbano Consumo Rodoviário Porta-malas Tanque Comprimento Largura Entreeixos Altura

10,1 s R$ 92.000 195 km/h Gasolina 25,5 kgfm a 4250 rpm 198 cv 8,2 km/l 11,8 km/l 464 litros 70 litros 4820 mm 1840 mm 2800 mm 1470 mm

SONATA

Hyundai lança sedan de luxo no mercado brasileiro

90

negociosindustriais.com

No Vale do Aço: até o fechamento da edição concessionária Vital Hyundai ainda não tinha apresentado previsão de valor e quando o veículo chegaria à região


Fotos Hyundai Brasil

F

ord Fusion e Chevrolet Malibu, que são encontrados nas concessionárias do Vale do Aço e vistos circulando pelas ruas das cidades da região, ganharam um concorrente de peso: durante o Salão do Automóvel de São Paulo, a Hyundai apresentou ao público brasileiro o Sonata. O Sonata tem sido um best-seller na Coréia desde que o primeiro modelo foi lançado em 1985. A Hyundai iniciou o desenvolvimento do atual Sonata em 2005, baseado no conceito ‘YF’. O ousado design do Sonata foi desenvolvido para emocionar. Ele reúne o ‘estado-da-arte’ da tecnologia automotiva e está predestinado a sacudir o mercado mundial de sedans médios. O projeto levou quatro anos do conceito ao produto final. Em sua sexta geração, o veículo está completamente novo. Veja suas características informadas à Negócios Industriais, pela CAOA, distribuidora da marca no Brasil.

negociosindustriais.com

91


happy hour - autos

ESCULTURAS FLUIDAS

O exterior do Sonata é longo, leve e baixo. A linha na altura da cintura resulta num teto muito elegante, acentuado pela terceira janela. Visto de perfil destacam-se as linhas de fluxo laterais. Normalmente, este tipo de corte é encontrado apenas em torno das janelas. No Sonata, esta linha se estende para as lanternas, projeta-se ao longo do capô e através da linha de cintura. Uma grade cromada, faróis grandes e poderosos são detalhes marcantes. As rodas aro 18 completam a postura assertiva. O visual sofisticado continua no interior.

DIMENSÕES

O novo Sonata tem entre-eixos de 2.795 milímetros, sendo 65 milímetros mais longo do que a versão anterior. Com 4.820 milímetros e 1.835 milímetros, também é mais longo e mais largo que seu antecessor (em 20mm e 5mm, respectivamente), melhorando consideravelmente o espaço da cabine interior.

POWERTRAIN

No Brasil, o Sonata está equipado com o motor Theta-II 2.4 178 cv. O motor Theta II com o novo sistema de admissão de ar proporciona mais potência e torque. Para diminuir o consumo de combustível um dos meios utilizados foi a escolha de uma transmissão automática de seis velocidades. O motorista pode acessar o recurso SHIFTRONIC movendo o seletor de velocidades. Um visor LCD no painel de instrumentos mostra a marcha utilizada.

SUSPENSÃO

O Sonata usa suspensão MacPherson na dianteira e Multi-link na parte traseira, com sistemas progressivos para uma viagem mais segura e suave. A suspensão foi otimizada para manter o veículo estável nas curvas e proporcionar uma rápida resposta. A suspensão traseira usa componentes de alumínio para reduzir o peso e melhorar o desempenho.

SEGURANÇA

O Sonata é construído em aço de alta resistência e conta com seis airbags na versão padrão. Além disso, a segurança foi melhorada com Programa Eletrônico de Estabilidade (opcional), incluindo Start-Hill Assist Control e funções Brake Assist System.

92

negociosindustriais.com


ViverBem

POR CARLOS MAGNO Mestre em Educação Física e Consultor da OEI - Organização dos Estados Iberoamericanos/ Ministério do Esporte

Gestão da Informação e do Conhecimento para um “Viver Bem”. Instituições, organizações, empresas e, obviamente, as pessoas estão passando por inúmeras inovações, em diferentes aspectos. Dentre eles, o controle da Informação e do Conhecimento a favor da qualidade de vida. Que implicações sociais esse desenvolvimento tecnológico pode produzir? O processo de globalização impõe fortes pressões às empresas com relação à qualidade e à competitividade de seus produtos e serviços. O esforço das empresas brasileiras, principalmente as grandes e as multinacionais, para concorrer no mundo globalizado está levando a investimentos que não se limitam às linhas de produção. Além de ampliar a estrutura para capacitação e formação de seus profissionais, as empresas estão implantando projetos sociais com o objetivo de, entre outros, fortalecer a imagem, formar uma equipe de colaboradores de qualidade e, assim, garantir melhores resultados na disputa de mercado. O papel social da empresa, o tratamento aos funcionários e as possibilidades de crescimento ganharam força na recuperação do profissional envolvido com os propósitos da companhia. No entanto, como ferramenta fundamental nesta nova sociedade, a tecnologia não pode ser considerada um fenômeno isolado das relações sociais como se tivesse vida própria, mas sim como um elemento de transformação com a participação do homem, determinante para o desenvolvimento e progresso. A gestão do conhecimento é disciplina que busca orientar os esforços da organização para acumular o conhecimento e as informações para o negócio, permitindo o uso destes ativos no desenvolvimento das atividades inerentes aos processos. Ressalta desta ação a busca por melhoria de performance que está diretamente relacionada ao melhor uso dos recursos, bem como à conquista dos melhores resultados considerando os tempos e momentos organizacionais.

Certamente a organização que consegue implementar a gestão do conhecimento está efetivamente tratando do conhecimento produzido por seus atores em tempo de execução das tarefas, de sorte que, é claro, as pessoas são afetadas em sua qualidade de vida, tanto pelo reconhecimento e da importância de sua atividade para implementação da disciplina, bem como, em face dos resultados operacionais conquistados. O homem organizacional é assim beneficiado pelo menor tempo de captação da informação, por ter o conhecimento organizacional necessário às suas atividaUm homem se humilha des, e por se sentir efetivamente responsável pelo mesmo Se castram seu sonho benefício junto aos seus pares. Seu sonho é sua vida Reduzindo o nível de estresse E vida é trabalho em função da possibilidade de E sem o seu trabalho disseminação do conhecimen- Um homem não tem to, argumento da gestão do co- honra nhecimento, podemos orientar E sem a sua honra o ambiente organizacional para Se morre, se mata uma situação de proposição, de ciclos de coordenação de Gonzaguinha ação, e com isso formar times de alta performance, aspectos que fomentam a boa convivência entre os atores organizacionais e melhoram, por conseguinte, a qualidade de vida do indivíduo. Mas, e você? Você está organizando sua informação e usando o seu conhecimento a seu favor? Você conhece os números de sua performance? Você deve lembrar-se da frase: vou melhorar no ano que vem! Os números de sua performance indicam um PROCESSO. Qual é o seu plano de ação para o próximo ano? Avalie a relevância de seus números, controle seus indicadores de desempenho, identifique o quanto você pode melhorar e mire na sua meta! Planejamento + Saúde = Feliz 2011!!!!

negociosindustriais.com

93


94

negociosindustriais.com


giro empresarial

SINDUSCON

Cartilhas que orientam os empresários do setor estão disponíveis na delegacia regional do Sindicato

96

SINPAVA

Aloísio Santos permanece na presidência da entidade

Paulo Assis/Letra de Forma

97

97 negociosindustriais.com

SINDIVEST

Entidades promovem II Vale Têxtil

95


II Vale Têxtil aquece indústria do vestuário Palestras, exposições, cursos e tendências para o inverno 2011 em um só evento. Assim foi a 2ª edição do Vale Têxtil realizado em Ipatinga entre os dias 16 e 19 de novembro no Century Park Hotel. Promovido pelo Sindicato das Indústrias do Vestuário - Sindivest Vale do Aço, Fiemg Regional Vale do Aço, Andrade Máquinas e apoio da Revista Negócios Industriais e diversos parceiros, o evento ofereceu nos dias 18 e 19 palestras sobre Maquiná-

rios Tecnológicos, além de exposições de tecidos, aviamentos, maquinários, serigrafia e mostra técnica que atraiu cerca de 400 pessoas dentre elas empresários, confeccionistas, gerentes de produção, modelistas e estilistas da região. Já os dias 16 e 17 foram destinados exclusivamente ao curso de Mecânico de Máquinas Industriais e Eletrônicas, ministrado pelo Instrutor Richard Gutierrez, técnico Senior da Siruba, fábrica de máquinas industriais e eletrônicas

situada em Miami que na ocasião, compartilhou seus conhecimentos com dezenas de profissionais inscritos no curso. “O objetivo do evento é trazer informações e tecnologia aos empresários do Vale do Aço e aproximar os empresários e fornecedores, uma vez que nossa região é carente de informações desse segmento”, explicou Lucia Almeida, coordenadora do Sindivest Vale do Aço. Segundo estimativas do Sindicato, atualmente exis-

tem aproximadamente 200 empresas de confecção no Vale do Aço, que geram 3.000 empregos diretos. Atuando em diversos segmentos, como industrial e moda, atingindo inclusive o mercado internacional. “Pelo segundo ano consecutivo promovemos o evento. O sucesso da primeira edição foi tamanho que precisamos ampliar o espaço de realização”, frisou a delegada do Sindivest Vale do Aço, Gilvani Rodrigues Ascenção.

CHAPA ÚNICA NO SINPAVA Uma única chapa se registrou para a direção do Sinpava no próximo mandato. Houve consenso e o atual presidente Aloísio Pinto dos Santos permanece no cargo, tendo como vice-presidentes Alcimar Dutra da Silva e Sebastião Fernandes Araújo. Confira abaixo a diretoria completa. A eleição ocorre no dia 10 de dezembro.

96

DIRETORIA Aloísio Pinto dos Santos – PRESIDENTE, Alcimar Dutra da Silva – 1º VICE-PRESIDENTE, Sebastião Fernandes Araújo - 2º VICE-PRESIDENTE, Danielly Pessoa Araújo Augusto – 1º DIRETOR ADMINISTRATIVO, Marci Alvarenga Oliveira – 2º DIRETOR ADMINISTRATIVO, Marco Aurélio Alves – 1º DIRETOR FINANCEIRO, Afonso Braz de Andrade - 2º DIRETOR FINANCEIRO, Orlando Fernandes de Araújo – DIRETOR DE PATRIMÔNIO, Maria Andrade de Almeida – DIRETOR DE EXPANSÃO, Evandro Luis Vallone – DIRETOR DE MARKETING E RELAÇÕES PÚBLICAS, Cristiano Silva Faria – DIRETOR DE PROMOÇÃO E EVENTOS Lívia de Sá Guimarães – DIRETOR DE RH E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL, Antônio Eugênio do Socorro Fernandes – DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E INSTITUCIONAL, CONSELHO FISCAL EFETIVOS Adriano César Oliveira Santos, Jânio Moreira Andrade; SUPLENTES Adilson de Oliveira, Jeanderson Euclides Ferreira DELEGADOS JUNTO AO CONSELHO DE REPRESENTANTES DA FIEMG EFETIVOS Aloísio Pinto dos Santos, Sebastião Fernandes de Araújo; SUPLENTES: Marco Aurélio Alves, Alcimar Dutra da Silva.

negociosindustriais.com


Kit Qualidade traz cartilhas para o construtor O Sinduscon-MG acaba de lançar a quarta edição do seu Kit Qualidade, composto por seis publicações e dois folders. “Encargos Previdenciários e Trabalhistas no Setor da Construção Civil” - a publicação mostra que os custos trabalhistas vão muito além dos valores pagos como salários. Eles envolvem também as despesas com encargos previdenciários e trabalhistas, além de todos os benefícios estabelecidos na Convenção Coletiva de Trabalho, como café da manhã, cesta básica, seguro de vida em grupo, depreciação de ferramentas, dentre outros. Assim, o estudo mostra que a construção civil, cujo custo com a mão-de-obra ultrapassa 40% do custo de uma construção, convive com quase 200% de encargos sociais. “A Construção Civil em Números” apresenta informações gerais sobre o desempenho recente da construção, através de dados e estatísticas como crescimento do Produto Interno Bruto, geração de empregos formais, financiamento imobiliário, produção de materiais de construção, faturamento da indústria de materiais de construção, entre outros. Destaca também a importância socioeconômica do setor e sua contribuição para o desenvolvimento do país. “Contratos de Empreitada na Construção Civil” - apresenta as noções básicas e os cuidados a serem observados num contrato de empreitada. Seu objetivo é despertar, nos profissionais do setor, a consciência para a importância da gestão contratual, uma vez que a eficaz administração dos contratos de obras minimiza os riscos e as perdas financeiras e maximiza o potencial de ganhos.

“O Desempenho do Mercado Imobiliário de Belo Horizonte nos 16 anos do Real” - Através da análise da evolução de variáveis como lançamentos imobiliários, número de unidades vendidas, oferta e velocidade de vendas, o estudo analisa o desenvolvimento do mercado imobiliário da capital mineira desde 1994. O trabalho apresenta, ainda, a evolução do crédito imobiliário no Brasil no período pós-Real.

Guilherme Vilhena

SERVIÇO Interessados nas publicações devem procurar a Delegacia Regional do Sinduscon-MG no Vale do Aço. Telefone: (31) 3824-7990 ou e-mail delegacia@sinduscon-mg.org.br.

“Bonificação e Despesas Indiretas nas Obras Industriais” - traz a reedição de uma cartilha de 2007, que aborda de forma didática o conceito de BDI – uma sigla que remete ao cálculo do valor ou percentual que um proponente ou contratado pretende ganhar ao final de uma prestação de serviço ou fornecimento, somado às mais variadas despesas indiretas envolvidas no negócio imobiliário - e suas implicações nas transações negociais do setor. “Tintas Imobiliárias” - integrante do Programa Qualimat – Qualidade dos Materiais, que consiste na produção de cartilhas que trazem orientações sobre os procedimentos de compra, recebimento e armazenamento de materiais de construção em uma obra. O Kit Qualidade Sinduscon-MG traz também dois folders: um que expõe toda a atuação da entidade na área de meio ambiente e sustentabilidade; e outro do seu Centro de Treinamento, que apresenta os cursos programados para 2011.

negociosindustriais.com

97


Sua imaginação transformada em realidade.

Av. JK . n°1290 - Jardim Panorama - 3827 0369

98

negociosindustriais.com


negociosindustriais.com

99


SISTEMA FIEMG. A ForçA dA IndúSTrIA proMovEndo dESEnvolvIMEnTo pArA A rEGIão. A FIEMG Regional Vale do Aço tem soluções eficientes para você, empresário, continuar crescendo: assessoria e consultoria nas áreas de capitalização, financiamento, comércio exterior, legislação trabalhista e tributária e meio ambiente. São serviços e produtos para a modernização, o crescimento e a competitividade da sua indústria. Sistema Fiemg. Desenvolvimento em constante evolução.

100

Regional Vale Regional do Aço Zona da Mata

www.fiemg.com.br negociosindustriais.com

www.fiemg.com.br


REVISTA NEGÓCIOS INDUSTRIAIS