Issuu on Google+

INSTITUTO  DE  RELAÇÕES  INTERNACIONAIS  –  UNIVERSIDADE    DE  SÃO  PAULO     LETICIA  MONTEIRO  RODRIGUES   THAIS  DI  GIOVANNI                  

A  SITUAÇÃO  FEMININA  NO  MUNDO   UMA  AVALIAÇÃO  DA  DESIGUALDADE  DE  GÊNERO                       SÃO  PAULO   2012    

 


A   igualdade   de   gênero   é   o   estágio   de   desenvolvimento   social  

onde   "os   direitos,   responsabilidades   e   oportunidades   de   indivíduos   não   será   determinada   pelo   fato   de   ter   nascido   homem   ou   mulher"1.   As   últimas   três   décadas   foram   marcadas   pelo   aumento   da   consciência   sobre   a   necessidade   de   medidas   que   garantam   o   empoderamento   feminino   à   fim   de   aumentar   a   igualdade   social,   econômica   e   política,     além   de   garantir   o   ampliação   do   acesso   à   direitos   humanos   fundamentais   como   acesso   à   saúde   básica,   educação  e  nutrição.       Este   trabalho   visa   medir   até   que   ponto   as   mulheres   de   58   países  alcaçaram  igualdade  com  os  homens  em  cinco  áreas:       • Participação   Econômica:   a   presença   das   mulheres   no   mercado   de  trabalho  em  termos  quantitativos;     • Oportunidade   Econômica:   a   qualidade   do   envolvimento   econômico   feminino   –   a   oportunidade   de   acesso   à   carreiras   não   tidas  como  femininas  e/ou  cargos  de  liderança;     • Empoderamento   Político:   presença   feminina   nas   instituições   deliberativas  e  o  direito  de  participação  política;     • Oportunidade  Educacional:  nível  do  acesso  à  educação;     • Saúde  e  Bem  Estar:    acesso  à  cuidados  de  saúde  e  direitos  sobre   reprodução,  além  de  segurança  e  integridade.        

Os   países   foram   classificados   de   1   à   58   de   acordo   com   dados  

recolhidos   no   World   Development   Indicators   of   the   World   Bank,                                                                                                                     1  United  Nations  Office  of  the  Special  Advisor  on  Gender  Issues  


Human  Development  Report  of  UND  e  Executive  Opinion  Survey  of  the   World  Economic  Forum.    

 


Não   é   surpreendente   que   os   cinco   primeiros   colocados   sejam  

países   nórdicos,   caracterizados   por   fortes   estados   de   bem-­‐estar   social   e   uma   sociedade   liberal.   Mas   é   interessante   notar   que   apesar   de   claramente   as   mulheres   destes   países   terem   acesso   à   um   amplo   aspectro   de   oportunidades   educacionais,   políticas   e   oportunidades   de   trabalho,   além   de   um   bom   padrão   de   qualidade   de   vida,   as   taxas   de  participação  econômica  feminina  não  são  as  mais  elevadas.  Isso  se   deve   ao   fato   não   da   existência   de   barreiras   a   entrada   feminina   no   mercado   de   trabalho,   mas   à   uma   posição   privilegiada   das   mulheres   desses   países   que   podem   optar   por   não   trabalhar   fora.   Por   outro   lado,   a   Tailândia   –   44º   posição   na   colocação   geral   –   é   o   1º   em   participação   econômica,   esse   alto   índice   de   participação   econômica   não   revela   uma   maior   igualdade   entre   gêneros,   apenas   ocorre   pela   necessidade  forçada  de  trabalho.        

Outro   ponto   importante   é   a   colocação   de   muitos   países   do  

Leste   Europeu   entre   os   25   melhores.   Esses   país,   durante   seu   período   socialista,   fortaleceram   a   ideia   de   valorização   da   mulher   trabalhadora.   Porém,   essa   ideia   não   acompanhou   uma   ideia   de   igualdade   de   gênero   e   valorização   da   mulher   em   um   aspecto   geral.   Isso   se   nota   pois,   apesar   das   boas   colocações   em   termos   de   oportunidades  e  participação  econômica,  eles  estão  bem  atrás  quanto   à  saúde  e  bem-­‐estar.        

Países  europeus  como  Suiça,  Malta,  Itália  e  Grécia  apresentam  

posições   baixas   na   classificação.   A   Suíça,   apesar   do   bom   desempenho   quanto   à   saúde   e   bem   estar,   tem   colocações   ruins   quanto   à   participação   e   oportunidade   econômica,   é   um   péssimo   desempenho  


quanto   à   oportunidades   educacionais   –   é   uma   das   poucas   nações   desenvolvidas   em   que   a   taxa   de   matrícula   feminina   são   consistentemente   menores   que   as   masculinas.   Itália   e   Grécia,   países   de   cultura   patriarcal   bastante   forte   e   enraizada,   apresentarm   desempenho   muito   fraco   quanto   à   participação   e   oportunidade   econômica.      

RESULTADOS  MÉDIOS  POR  REGIÃO    

 

 


GRÁFICO  RADAR    

 


CORRELAÇÕES  

 

 


CONCLUSÕES  

    Analisando   o   quadro   internacional,   percebemos   que   nenhum   país   do   mundo,   até   o   momento,   conseguiu   superar   as   desigualdades   de   gênero.     Os   países   nórdicos,   como   visto,   são   os   que   estão   mais   próximos   de   atingir   essa   equidade.   Alguns   países   possuem   amplas   variações   quanto   à   igualdade   nas   diversar  áreas  abordadas  e  alguns,  ainda,  apresentam  péssimo  desemepnho  nos   cinco  critérios  avaliados.    É  interessante  notar  como  a  ampla  comparação  entre   países  contrária  suposições  recorrentes.        

BIBLIOGRAFIA  

    World   Development   Indicators   of   the   World   Bank   <http://data.worldbank.org/data-­‐catalog/world-­‐development-­‐indicators>       Human  Development  Report  of  UND    <http://hdr.undp.org/en/>     Executive   Opinion   Survey   of   the   World   Economic   Forum   <   http://www.weforum.org/>        


A SITUAÇÃO FEMININA NO MUNDO: UMA AVALIAÇÃO DA DESIGUALDADE DE GÊNERO