Page 77

montadora fizessem a Travessia na Ômega; para que fossem a Morath e não vacilassem diante da queda íngreme, mesmo dos níveis mais baixos da Fortaleza. Um vento frio e fétido soprou no rosto da bruxa, entupindo-lhe o nariz. Um grito rouco de súplica veio de dentro de uma daquelas montanhas ocas; em seguida, tudo ficou em silêncio. Hora de ir... se não para encher a barriga, então para fugir da podridão daquele lugar durante algumas horas. Manon prendeu as pernas na lateral cheia de cicatrizes e encouraçada de Abraxos, e as asas reforçadas com Seda de Aranha reluziram como ouro à luz das fogueiras bem abaixo. — Voe, Abraxos — sussurrou ela. O animal inspirou profundamente, encolheu as asas bem junto ao corpo e caiu pela lateral do mastro. Ele gostava de fazer isso; simplesmente se atirar, como se tivesse recebido um golpe mortal. Ao que parecia, a serpente alada tinha um senso de humor pernicioso. Na primeira vez que fizera aquilo, a bruxa berrou com ele. Agora só o fazia para se exibir, pois as serpentes aladas do restante das Treze, com corpos grandes demais para navegarem agilmente entre a queda estreita, precisavam pular para cima e para fora, e depois mergulhar. Manon ficou de olhos abertos conforme desciam, o vento fustigando os dois, o corpo de Abraxos uma massa quente sob a bruxa. Ela gostava de observar cada um dos rostos mortais assombrados e aterrorizados, gostava de ver o quanto o bicho se aproximava das pedras da torre, da rocha montanhosa pontiaguda e negra antes de... Abraxos estendeu as asas e deu uma guinada forte, o mundo girou, depois disparou atrás deles. O animal soltou um grito feroz que reverberou por cada pedra de Morath, ecoado pelos berros das montarias das Treze. Em uma escadaria no exterior de uma torre, um criado carregando um cesto de maçãs gritou e soltou a carga. As frutas desceram uma a uma pelos degraus que serpenteavam a construção, uma cascata de vermelho e verde seguindo o ritmo do latejar das forjas. Então Abraxos bateu as asas para cima e para longe, sobre o exército sombrio, acima dos picos afiados; as Treze se posicionando suavemente atrás. Era um tipo estranho de excitação montar daquela forma, apenas com a própria aliança — uma unidade capaz de saquear, sozinha, cidades inteiras. Abraxos voava com determinação e rapidez, avaliando junto de Manon a terra conforme se libertavam das

Profile for Letícia Lopes dos Santos Pereira da Silva

Trono de Vidro: Rainha das Sombras - Parte1  

Parte um do volume 4 da série Trono de Vidro de Sarah J. Maas

Trono de Vidro: Rainha das Sombras - Parte1  

Parte um do volume 4 da série Trono de Vidro de Sarah J. Maas

Advertisement