Page 67

feita, e havia um bilhete na cômoda ao lado da porta. O capitão disse que eu poderia ficar aqui um tempo. Desculpe por tentar matar você no último inverno. Eu era aquele com as espadas gêmeas. Nada pessoal. — Ren A jovem xingou. Ren ficara ali? E... e ainda achava que ela era a campeã do rei. Na noite em que os rebeldes tinham mantido Chaol refém em um galpão, Aelin tentara matá-lo, e tinha ficado surpresa quando o jovem lorde se defendeu. Ah, ela se lembrava dele. Pelo menos estava seguro no norte. Aelin se conhecia bem o bastante para admitir que o alívio era, em parte, aquele de uma covarde — por não precisar encarar Ren e ver como ele reagiria a quem ela era e o que tinha feito com o sacrifício de Marion. Considerando a reação do próprio Chaol, “não muito bem” parecia um bom palpite. Ela caminhou de volta ao salão escuro, acendendo velas conforme seguia. A grande mesa de jantar, que ocupava metade do espaço, ainda estava posta com seus pratos elegantes. O sofá e as duas poltronas de veludo vermelho diante da lareira ornamentada pareciam um pouco surrados, mas limpos. Por alguns momentos, apenas encarou a lareira. Um lindo relógio certa vez estivera sobre ela; até o dia em que Aelin havia descoberto que Sam fora torturado e morto por Rourke Farran. Que a tortura durara horas enquanto ela estivera sentada naquele apartamento, fazendo malas que agora não se viam em lugar algum. E, quando Arobynn fora dar a notícia, Aelin pegara aquele lindo relógio e o atirara contra a parede, partindo-o. A jovem não voltara desde então, embora alguém tivesse limpado o vidro. Ren ou Arobynn. Um olhar para as muitas prateleiras de livros lhe deu a resposta. Cada livro que havia empacotado para a viagem sem volta ao continente sul, para aquela nova vida com Sam, fora recolocado no lugar. Exatamente onde Aelin os mantivera um dia. E havia apenas uma pessoa que saberia aqueles detalhes — que usaria os baús desfeitos como uma provocação e um presente e um lembrete silencioso do quanto custaria para ela deixá-lo. O que significava que Arobynn sem dúvida soubera que Aelin voltaria ali. Em algum momento. Ela caminhou até o quarto. Não ousou verificar se as roupas de Sam tinham sido tiradas das malas para as prateleiras... ou jogadas fora.

Profile for Letícia Lopes dos Santos Pereira da Silva

Trono de Vidro: Rainha das Sombras - Parte1  

Parte um do volume 4 da série Trono de Vidro de Sarah J. Maas

Trono de Vidro: Rainha das Sombras - Parte1  

Parte um do volume 4 da série Trono de Vidro de Sarah J. Maas

Advertisement