Page 350

liberdade, a habilidade de derrubar homens como Aedion Ashryver com poucos golpes. E tudo o que recebo em troca é desprezo. Aelin fechou os dedos, sentindo o peso das pedras que carregara naquela manhã para o túmulo de Sam. — Então, o que mais tem reservado para mim, Magnânima Rainha? Devo poupar o trabalho e contar de que outra forma poderia continuar a ser um espinho em meu pé? — Você sabe que a dívida não está nem perto de ser paga. — Dívida? Pelo quê? Por tentar libertar você de Endovier? E, quando isso não funcionou, fiz o melhor que pude. Subornei aqueles guardas e oficiais com dinheiro de meus cofres pessoais para que não ferissem você de um jeito que não tivesse volta. Durante todo o tempo, tentei encontrar formas de tirá-la de lá, por um ano inteiro. Mentiras e verdades, como Arobynn sempre ensinara. Sim, subornara os oficiais e os guardas para se certificar de que ela ainda estaria funcional quando por fim a libertasse. Mas a carta de Wesley explicara com detalhes quão pouco esforço o rei dos Assassinos fizera depois que ficou claro que Aelin iria para Endovier. Como ajustara os planos, acolhendo a ideia de que o espírito dela seria destruído pelas minas. — E quanto a Sam? — sussurrou ela. — Sam foi assassinado por um sádico, que meu guarda-costas inútil colocou na cabeça que precisava ser morto. Sabe que eu não poderia deixar isso sem punição, não quando precisávamos que o novo lorde do crime continuasse trabalhando para nós. Verdades e mentiras, mentiras e verdades. Aelin balançou a cabeça, então olhou pela janela, sempre a confusa e conflituosa protegida, caindo nas palavras envenenadas do mestre. — Diga o que preciso fazer para que entenda — pediu ele. — Sabe por que fiz com que capturasse aquele demônio? Para que nós pudéssemos obter o conhecimento dele. Para que você e eu pudéssemos derrotar o rei, descobrir o que ele sabe. Por que acha que eu a deixei ficar naquele quarto? Juntos, derrotaremos aquele monstro juntos, antes que todos estejamos usando aqueles anéis. Seu amigo, o capitão, pode até se juntar a nós, sem cobranças. — Espera que eu acredite em uma palavra sua? — Tive muito, muito tempo para pensar nas coisas desprezíveis que fiz a você, Celaena. — Aelin — disparou ela. — Meu nome é Aelin. E pode começar a provar que se regenerou me devolvendo a porcaria do amuleto da minha família. Então pode provar

Profile for Letícia Lopes dos Santos Pereira da Silva

Trono de Vidro: Rainha das Sombras - Parte1  

Parte um do volume 4 da série Trono de Vidro de Sarah J. Maas

Trono de Vidro: Rainha das Sombras - Parte1  

Parte um do volume 4 da série Trono de Vidro de Sarah J. Maas

Advertisement