Page 182

Talvez ele fosse o tolo. Havia uma dormência no sangue de Chaol ao sair dos esgotos para uma rua silenciosa. Foi a ideia de se sentar em seu apartamento em ruínas, completamente sozinho com aquela sensação, que o fez seguir para o sul, tentando evitar as ruas que ainda fervilhavam com pessoas em pânico. Todos exigiam saber o que acontecera, quem fora morto, quem fizera aquilo. As decorações e os enfeites e os vendedores de comida tinham sido completamente esquecidos. Os sons por fim sumiram, as ruas ficaram mais vazias conforme Chaol chegou ao distrito residencial onde as casas tinham tamanho modesto, mas eram elegantes, bemcuidadas. Córregos e fontes de água do Avery fluíam por ali, acrescentando à decoração de flores primaveris que se abriam em cada portão, parapeito e pequeno gramado. Ele conhecia a casa só pelo cheiro: pão recém-assado, canela e algum outro tempero cujo nome não sabia. Ao pegar o beco entre as duas casas de pedra branca, Chaol se manteve nas sombras enquanto se aproximava da porta dos fundos, olhando pelo painel de vidro para a cozinha do lado de dentro. Farinha cobria uma grande mesa de trabalho, junto a formas de assar, diversas tigelas para misturar massa e... A porta se abriu, e a silhueta esguia de Nesryn preencheu a entrada. — O que está fazendo aqui? Ela estava de novo no uniforme da guarda, uma faca presa atrás da coxa. Sem dúvida vira um intruso chegando perto da casa do pai e se preparou. Chaol tentou ignorar o peso que recaía sobre suas costas, ameaçando parti-lo em dois. Aedion estava livre... Tinham conseguido isso. Mas quantos outros inocentes teriam condenado naquele dia? Nesryn não esperou pela resposta antes de dizer: — Entre.

— Os guardas vieram e se foram. Meu pai os mandou embora com doces. Chaol ergueu o rosto da própria torta de pera e verificou a cozinha. Azulejos de cor forte destacavam as paredes atrás dos balcões com tons bonitos de azul, laranja e turquesa. Ele jamais fora à casa de Sayed Faliq antes, mas sabia onde ficava — caso um dia precisasse. O capitão jamais se deixara considerar o que “caso um dia precisasse” podia

Profile for Letícia Lopes dos Santos Pereira da Silva

Trono de Vidro: Rainha das Sombras - Parte1  

Parte um do volume 4 da série Trono de Vidro de Sarah J. Maas

Trono de Vidro: Rainha das Sombras - Parte1  

Parte um do volume 4 da série Trono de Vidro de Sarah J. Maas

Advertisement