Page 169

Se sobrevivesse até então. Se Vernon não decidisse que tinha mesmo algum propósito maligno ao arrastar a sobrinha até ali. Se Elide não acabasse junto àquelas pobres pessoas, enjauladas dentro das montanhas ao redor, gritando por salvação toda noite. Ela ouvira os outros criados sussurrando a respeitos das coisas sombrias e desumanas que aconteciam sob aquelas montanhas: pessoas eram abertas em altares de pedra preta, então eram transformadas em algo novo, algo diferente. Com qual propósito desprezível, Elide ainda não descobrira e, piedosamente além dos gritos, jamais encontrara o que quer que estivesse sendo partido e remontado sob a terra. As bruxas já eram ruins o bastante. A criada estremeceu ao dar mais um passo para a ampla câmara. O esmagar do feno sob os sapatos pequenos demais e o clangor das correntes eram seus únicos ruídos. — L-líder Ala... Um rugido irrompeu pelo ar, pelas pedras, pelo chão, tão alto que a cabeça de Elide ficou zonza e ela gritou. Ao cambalear para trás, suas correntes se enroscaram, fazendo-a escorregar no feno. Mãos firmes, com as pontas de ferro, se cravaram em seus ombros e a mantiveram de pé. — Se não é uma espiã — ronronou uma voz cruel ao ouvido da jovem —, o que está fazendo aqui, Elide Lochan? A menina não fingia quando a mão estremeceu ao estender a carta, sem ousar se mover. A Líder Alada deu a volta por ela, circundando-a como uma presa, a longa trança branca se destacava contra o equipamento de voo de couro. Os detalhes atingiram-na como pedras: olhos como ouro queimado; um rosto tão impossivelmente lindo que Elide ficou hipnotizada; um corpo esguio e escultural; e uma graciosidade firme, fluida em cada movimento, cada fôlego, que sugeria que a Líder Alada poderia facilmente usar a variedade de lâminas que levava. Humana apenas na forma; imortal e predatória em todos os outros sentidos. Felizmente, a Líder Alada estava sozinha. Infelizmente, aqueles olhos dourados estampavam apenas morte. Elide falou: — I-isto chegou para você. — O gaguejar... esse era falso. As pessoas em geral mal podiam esperar para se afastar quando a menina gaguejava, embora ela duvidasse de que as pessoas que comandavam aquele lugar se importariam com o gaguejar caso

Profile for Letícia Lopes dos Santos Pereira da Silva

Trono de Vidro: Rainha das Sombras - Parte1  

Parte um do volume 4 da série Trono de Vidro de Sarah J. Maas

Trono de Vidro: Rainha das Sombras - Parte1  

Parte um do volume 4 da série Trono de Vidro de Sarah J. Maas