Page 1

PORTFÓLIO DE ARQUITETURA Letícia de Carvalho Ferolla


MUSEO DO SÉCULO XX Projeto Universidade Politécnica de Madri | 2017 Professor: Emílio Tuñon

Em um vazio indefinido localizado no Kulturforum, fórum cultural no coração de Berlim, um novo elemento é proposto, o Museu do século XX. Esse novo edifício que emerge na paisagem deve complementar um conjunto importante de edficações já existentes no local e resolver urbanisticamente a área em que se insere. Na concepção do Museu, a relação com a cidade e o entorno representaram fatores chave de seu desenvolvimento refletindo, entre outras coisas, na concepção de sua geometria: uma caixa neutra em seu exterior e complexa em seu interior.


Volume neutro articula melhor com um entorno complexo.

Geometria deve também fazer referência ao movimento e a complexidade que são reflexos do século XX.

Rua Peatonal Parada de ônibus Parada de metrô Fluxos peatonais

Integração das duas concepções.

Conexão Tiergarten/ Kulturforum

Mantém-se a visão da National Galerie à Philharmonie. Rua Peatonal Conexões

União das partes do museu mantendo sua continuidade interior.

Acesso ao edifício Conexão Mies/ Philharmonie Recuo frontal Relação de alturas


St. Matthäus-Kirche Kammermusiksaal

Philharmonie

Gemäldegalerie

Tiergarten

National Galerie

Potsdamer Platz Staatsbibliothek


NÍVEL 2

NÍVEL -1

17- Pietzsch 18- Art Library 19- Desenhos e gravuras 20- Audiovisuais

3- Marzona II 4- Marzona I 5- Marzona III

NÍVEL 0 NÍVEL 1 13- Hall 14- Marx 15- Educação 16- Administração

NÍVEL -2 6- Vestíbulo 7- Eventos 8- Restaurante 9- Loja

10- Carga e descarga 11- Restauração de objetos 12- Exposições Temporárias

1- Instalações 2- Depósito


Alternância de pés-direitos originam um jogo de cheios e vazios o qual proporciona integração visual entre os distintos pavimentos

Passarelas possibilitam a conexão entre as partes nos níveis superiores e propiciam uma privilegiada visão do grande vão central.


AGÊNCIA DE PUBLICIDADE Projeto Universidade Presbiteriana Mackezie | 2016 Professor: Mário Durão

Em uma sala comercial localizada no edifício Rochaverá Corporate Towers, importante complexo de escritórios de luxo em São Paulo, propõe-se a implantação de uma agência de publicidade. A relação de proximidade entre os diferentes espaços internos e a definição da comunicação entre esses são fatores relevantes a serem considerados, uma vez que influenciam na fluidez dos trabalhos desenvolvidos. Em geral, os espaços estabelecidos procuram refletir um ambiente mais informal e descontraído, onde a criação possa ocorrer de maneira natural.


DIVISÓRIA A Painel módulo Yn1 (Abatex)

DIVISÓRIA C Painel módulo Xn1 (Abatex) DIRETOR FINANCEIRO

COPA/CAFÉ TREINAMENTO FINANCEIRO

REUNIÃO

REUNIÃO DESCOMPRESSÃO

RECEPÇÃO

REUNIÃO

CRIAÇÃO + MARKETING

DIRETOR MARKETING

DIVISÓRIA A Painel módulo Yn1 (Abatex)

EDIFÍCIO ROCHAVERÁ - TORRE A - NÍVEL 7 PLANTA LAYOUT

CORTE A-A

DIRETOR CRIAÇÃO

DIRETOR PRESIDENTE

PISO Piso elevado com revestimento de manta vinílica Tarket Fademac - Absolute Stone (2,00x20,00 m)


LUMINÁRIAS 1) Luminária industrial

5) Luminária pendente oval

2) Luminária embutir 6) Luminária penaletada para 4 fluores- dente redonda centes

3) Luminária spot dupla 7) Luminária penembutir dente cônica

4) Luminária pendente 8) Fita led (ilumiretangular nação sanca).

FORROS Forro metálico colmeia (0,625 x 0,625)

EDIFÍCIO ROCHAVERÁ - TORRE A - NÍVEL 7 PLANTA FORRO E ILUMINAÇÃO

Forro aparente Forro de gesso liso

Ar-condicionado

CORTE B-B


PERCURSO DE PUBLICIDADE Projeto Universidade Presbiteriana Mackezie | 2015 Professor: Márcio Lupion

A partir de um eixo de 100 m propõemse um percurso, composto por estrutura metálica e alvenaria, o qual conecta dois museus existentes na clareira de um parque. Em sua concepção, a estrutura foi concebida para ser muito mais do que uma simples conexão: afirma-se como um elemento a ser experimentado. A possibilidade de que uma intervenção em um ambiente pré-consolidado possa gerar novas experiências e descobertas é a idéia central da proposta.


A estrutura gerada pelos traços curvilíneos perfura a passarela através da qual o visitante se desloca, em um movimento que lhe permite ser cobertura e estrutura de apoio simultaneamente. Este movimento de surgir e ocultar-se da estrutura junto ao jogo de cheios e vazios são os principais recursos utilizados a fim de alcançar a interatividade e experimentação desejadas.

ELEVAÇÕES

GEOMETRIA DA ONDULAÇÃO A

GEOMETRIA DA ONDULAÇÃO B


As duas materialidades escolhidas atuam de maneiras diferentes na composição do percurso. A metálica, domindante no conjunto, compõe as ondulações do tipo A. Nestas, joga-se com os fechamentos da estrutura que, ao mesmo tempo que serve de cobertura, também revela e oculta o caminho, induzindo o visitante a fazer suas próprias descobertas ao longo do trajeto. A alvenaria, materialidade que compõe a ondulação do tipo B, surge como um destaque visual, em uma organização sólida e inteiriça, servindo mais uma vez como cobertura.

ESTRUTURA PASSARELA

SOLO METÁLICO EM CORTE FIXADOR VIGA-SOLO METÁLICO

FIXADORES METÁLICOS ENTRE VIGAS

VIGAS METÁLICAS (PERFIL I)

DETALHE 01

CHAPA METÁLICA DOBRADA DET 04

CONEXÃO TIRANTE-PISO METÁLICO

DET 02

DET 03

DET 01

DET 05

FIXADOR METÁLICO

DETALHE 02

TIRANTE

DETALHE 03


ESTRUTURA ONDULAÇÃO A

CHAPA METÁLICA DOBRADA

ESTRUTURA ONDULAÇÃO B

MODULAÇÃO FERRAGENS-ALVENARIA

TIRANTE RÍGIDO

CHAPA METÁLICA DE AMARRAÇÃO

TITANTE RÍGIDO FIXADOR TIRANTE PONTO DE TRAVAMENTO

SOLDA

DETALHE 05

TRAVAMENTO REFORÇO DE CHAPA

CHAPA METÁLICA DOBRADA (ESTRUTURA SECUNDÁRIA)

DETALHE 04

CHAPA METÁLICA DOBRADA (ESTRUTURA PRINCIPAL)


Portfólio Letícia de Carvalho Ferolla  
Portfólio Letícia de Carvalho Ferolla  
Advertisement