Page 1


ร€ memรณria de Joaquim Moreno, meu pai, e de Celso Pedro Luft, mestre e amigo.


Apresentação

Este livro é a narrativa de minha volta para casa – ou, ao menos, para essa casa especial que é a língua que falamos. Assim como, muito tempo depois, voltamos a visitar o lar em que passamos nossos primeiros anos – agora mais velhos e mais sábios –, trato de revisitar aquelas regras que aprendi quando pequeno, na escola, com todos aqueles detalhes que nem eu nem meus professores entendíamos muito bem. Quando, há alguns anos, criei minha página no Portal Terra (www.sualingua.com.br), percebi, com surpresa, que os leitores que me escrevem continuam a ter as mesmas dúvidas e hesitações que eu tinha quando saí do colégio nos turbulentos anos 60. As perguntas que me fazem são as mesmas que eu fazia, quando ainda não tinha toda esta experiência e formação que acumulei ao longo de trinta anos, que me permitem enxergar bem mais claro o desenho da delicada tapeçaria que é a Língua Portuguesa. Por isso, quando respondo a um leitor, faço-o com prazer e entusiasmo, pois sinto que, no fundo, estou respondendo a mim mesmo, àquele jovem idealista e cheio de interrogações que resolveu dedicar sua vida ao estudo do idioma. Por essa mesma razão, este livro, da primeira à última linha, foi escrito no tom de quem conversa com alguém que gosta de sua língua e está interessado em entendê-la. Este interlocutor é você, meu caro leitor, e também todos aqueles que enviaram as perguntas que compõem este volume, reproduzidas na íntegra para dar mais sentido às respostas. Cada unidade está dividida em três níveis: primeiro, vem uma explicação dos princípios mais gerais que você deve conhecer para aproveitar melhor a leitura; em seguida, as perguntas mais significativas, com discussão detalhada; finalmente, uma série de perguntas curtas, pontuais, acompanhadas da respectiva resposta. Devido à extensão do material, decidimos dividi-lo em quatro volumes. O primeiro reúne questões sobre Ortografia (emprego das letras, acentuação, emprego do hífen e pronúncia correta). O segundo, questões sobre Morfologia (flexão dos substantivos e adjetivos, conjugação verbal, formação de novas palavras). O terceiro, questões sobre Sintaxe (regência, concordância, crase e colocação dos pronomes). O quarto, finalmente, será todo dedicado à pontuação. Sempre que, para fins de análise ou de comparação, foi preciso escrever uma forma errada, ela foi antecedida de um asterisco, segundo a praxe de todos os modernos trabalhos em Linguística (por exemplo, “o dicionário registra obcecado, e não *obscecado ou *obsecado”). O que vier indicado entre duas barras inclinadas refere-se exclusivamente à pronúncia e não pode ser considerado como uma indicação da forma correta de grafia (por exemplo: afta


vira, na fala, /á-fi-ta/).

*

Meu caro leitor: no volume 1 deste Guia Prático – Ortografia –, discutimos como devem ser escritos os vocábulos do Português, detalhando o uso dos acentos, do hífen e o emprego das letras. No volume 2 – Morfologia –, descrevemos a formação das palavras de nosso idioma, o gênero e o número dos substantivos e dos adjetivos, a conjugação dos verbos. Neste terceiro volume – Sintaxe –, vamos deixar o âmbito restrito do vocábulo para entrar no âmbito da frase, estudando fenômenos que dependem do relacionamento dos vocábulos entre si, como a concordância, a regência, a crase e a colocação dos pronomes. Além disso, ao lado desses conteúdos de aplicação imediata no seu dia-adia, você também vai se familiarizar com as principais funções sintáticas – sujeito, objeto direto, objeto indireto, adjunto adverbial, etc. São conceitos de presença obrigatória nas provas de Português de todos os vestibulares e concursos públicos do país, mas sua importância vai muito além disso. Sem dominar essas noções, que considero indispensáveis para qualquer pessoa que se interesse pelo estudo do idioma, as decisões sobre crase ou concordância, por exemplo, sempre vão parecer arbitrárias e irracionais. Sem elas, você não vai conseguir responder àquela velha indagação que todos nós compartilhamos: “Por que devemos fazer isto, e não aquilo?”. Sem elas, você não será capaz, sequer, de entender a explicação sobre a primeira estrofe do Hino Nacional Brasileiro.


1. Funções sintáticas

Quando você divide uma frase em suas partes constitutivas (ou sintagmas) e dá um nome a cada uma dessas partes, está fazendo aquilo que chamamos de análise sintática. Exceto por algumas estruturas mais raras ou mais complexas, é muito fácil fazer a análise de uma frase: depois que isolamos o verbo, as demais partes são facilmente reconhecíveis: o sujeito, o objeto direto, o objeto indireto, o predicativo, o adjunto adverbial, o aposto, o vocativo e o agente da passiva. Estas são as oito funções sintáticas reconhecidas pela gramática: 1 – Um atleta brasileiro venceu a prova de salto tríplice. (sujeito) 2 – A TV francesa entrevistou um atleta brasileiro. (obj. direto) 3 – O documentário trata de um atleta brasileiro. (obj. indireto) 4 – O principal astro do documentário é um atleta brasileiro. (predicativo) 5 – Ela sempre viajava com um atleta brasileiro. (adj. adverbial) 6 – A chama olímpica foi acesa por um atleta brasileiro. (agente da passiva) 7 – A testemunha-chave era Antônio, um atleta brasileiro. (aposto) 8 – Você, atleta brasileiro, conhece muito bem nossas dificuldades! (vocativo) No entanto, nossa Nomenclatura Gramatical (conhecida como NGB), que definiu, em 1958, a terminologia gramatical adotada por todos os livros didáticos do país, cometeu o terrível equívoco de incluir o adjunto adnominal e o complemento nominal nessa relação, o que veio complicar desnecessariamente o sistema. Na verdade, eles não são partes da frase, como as outras oito que relacionei acima, mas partes das partes da frase, isto é, aparecem dentro dos sintagmas – dentro do sujeito, do objeto, do predicativo, do aposto, etc., como explico em alguns dos tópicos que você vai ler mais abaixo. Numa frase como “Um atleta brasileiro sente muita saudade de casa”, o elemento grifado é o objeto direto do verbo sentir – e pronto! Agora, se você olhar mais de perto este objeto, verá que o núcleo é saudade; muita é adjunto adnominal, como o são, aliás, todas as palavras que ficam à esquerda do substantivo; de casa é complemento nominal (saudade sempre será saudade de alguma coisa). A diferença entre o adjunto e o complemento vai ficar mais clara nos artigos que seguem, mas isso não importa, desde que você perceba que ambos são elementos internos ao sintagma. Incluí-los entre as oito funções básicas é a mesma aberração que um guia de viagens da América do


Sul que destacasse, como atrações mais importantes, a Argentina, o Peru, Minas Gerais, Uruguai e Brasília – misturando, numa mesma classificação, países, estados e cidades. Nas páginas seguintes, discuto este problema e outros mais, principalmente os vários tipos de sujeito e sua influência nas questões de concordância verbal. classe não é função O Professor adverte: ninguém consegue fazer uma boa análise sintática se não distinguir entre classe e função.

Professor, na frase “visitaremos o museu no sábado”, a função sintática de no sábado é de adjunto adverbial de tempo. Ora, a palavra sábado é um substantivo, mas não sei se, nessa frase, ela se mantém como substantivo (mesmo sendo adjunto adverbial na sintaxe), ou se classifica como advérbio. Por favor, sempre tenho essa dúvida em análises morfossintáticas. Desde já agradeço a atenção. Geraldo R. – Cascavel (PA) Meu caro Geraldo, às vezes um pequeno desvio de raciocínio faz parecer complexo aquilo que, na verdade, é muito simples. A análise que você fez tem uma falha sutil, que já atrapalhou muita gente: função é uma coisa, classe é outra, bem diferente. Em “visitamos o museu naquele sábado ensolarado”, o sintagma destacado é um adjunto adverbial (isso é função, ou seja, isso é sintaxe). Quanto aos vocábulos aí presentes, no entanto, a análise é a seguinte: em (preposição)+ aquele (pron. demonstrativo) + sábado (substantivo) + ensolarado (adjetivo) (isso é classe; isso é morfologia). Para deixar bem claro o que estou tentando explicar, vou dar um exemplo bem significativo: o substantivo menino (classe) pode desempenhar diferentes funções sintáticas, dependendo de suas relações dentro da frase: “o menino saiu” (sujeito); “encontrei o menino” (objeto direto); “ela simpatizou com o menino” (objeto indireto); “ele é um menino” (predicativo) – e assim por diante. Não esqueça que os adjuntos adverbiais (isso é função) aparecem de duas maneiras no Português: ou (1) como um simples advérbio, ou (2) como um


substantivo preposicionado (isso é classe). Veja os exemplos: (1) Ele nasceu ontem. Vamos fugir agora. Ele tombou aqui. (2) Ela chegou no sábado. O velho perdeu os óculos em casa. Eles vieram de carro. Ela estuda Matemática com interesse. Todos os elementos que destaquei são adjuntos adverbiais; todavia, enquanto ontem, agora e aqui são advérbios, sábado, casa, carro e interesse são substantivos. Na minha experiência (que não é pequena), só vamos compreender os princípios da análise sintática quando formos capazes de distinguir entre classe e função; depois, tudo fica mais fácil. viver é verbo de ligação? Conheça uma forma segura de identificar os verbos de ligação.

Caro Professor Moreno, a escola ensina que o verbo viver é intransitivo. Um aluno, porém, perguntou sobre a eventual possibilidade dele funcionar como verbo de ligação na frase “Mário vive cansado” – como é o caso do verbo andar na frase “Mário anda cansado”. Estaria correta a posição dele? Agradecida. Teresinha D. M. – São José dos Campos (SP)

Minha cara Teresinha, o seu aluno tem toda a razão. O verbo viver, no exemplo que você mandou, não é o viver intransitivo; aqui ele é classificado como uma espécie de verbo de ligação – um tanto especial, porque não é tãosomente relacional, mas “traduz uma noção além do estado (predicado verbonominal). Ex.: Eles viviam escondidos no mato. Há aqui noção de vida + estado oculto do sujeito”, diz Celso Pedro Luft, em sua Moderna Gramática Brasileira (aviso a meus leitores: esta gramática só deve ser utilizada por professores ou estudantes de Letras; para o usuário comum, ela é técnica e inovadora demais). O mesmo Luft, no seu utilíssimo Dicionário Prático de Regência Verbal, vai mais


longe, pois já classifica viver, nesta acepção, como verbo de ligação, com o significado de estar sempre (aspecto durativo, continuativo ou permansivo): “Ele vive gripado”; “Vive com dores de cabeça”. Note que aqui está uma boa oportunidade de reformular a maneira de ensinar os verbos de ligação: em vez de fornecer aos alunos uma lista fechada (eu próprio aprendi, no meu tempo, a desfiar, de cor, aquela ladainha do “ser, estar, ficar, permanecer, etc.” – sempre incompleta), é muito melhor ensiná-los a raciocinar. Podemos, por exemplo, levantar a seguinte hipótese: se viver for um verbo de ligação, ele estará ligando o sujeito a seu predicativo; ora, os predicativos têm a propriedade sintática de concordar, em gênero e número, com o sujeito (ela está nervosa, ele está nervoso, eles estão nervosos, elas estão nervosas). Se na sua frase – “Mário vive cansado” – trocarmos Mário por Maria, vamos ter “Maria vive cansada”: a flexão nos assegura que estamos diante de um predicativo. O mesmo vale para frases como “Ele virou delegado”, “O menino saiu vencedor”, “Ela acabou ferida”, em que os verbos virar, sair e acabar funcionam como verbos de ligação, e delegado, vencedor e ferida são predicativos. Quanto a seu aluno curioso, fique de olho nele; ele parece ter uma boa sensibilidade linguística, como se pode ver. Quem sabe não temos aí um futuro colega nosso? sujeito oculto? O sujeito oculto não desapareceu; apenas trocou de nome.

Bom dia, Professor! Um colega de universidade disse que, segundo um antigo professor, poliglota em 23 idiomas e responsável pela formulação das provas de Português numa importante faculdade de Medicina de São Paulo, o sujeito oculto foi abolido das normas gramaticais. Eu gostaria de perguntar: se um sujeito oculto pode ser identificado pela desinência verbal – sendo elíptico ou implícito –, como essa norma pôde ser abolida? Aliás, ela foi realmente abolida? Marcos C. M. – São Paulo (SP) Meu caro Marcos, acho esquisito esse termo que você emprega, “abolido”.


Isso só se usa para uma lei ou regulamento que foi revogado – e jamais existiu uma norma para o sujeito oculto. Essa era apenas uma denominação antiga (bem antiga, aliás) que os gramáticos cunharam para os casos em que o sujeito não aparece expressamente na frase, mas é recuperado pela terminação do verbo (uma das grandes vantagens da nossa conjugação verbal sobre a do Inglês). Não se preocupe, que nada mudou na língua em si mesma, mas apenas no nome que usávamos para designar essas frases em que o sujeito não necessita estar explícito. Por isso, pode continuar criando frases como “Fui ao cinema, m a s volto logo”; “Gosto de cachorro”; “Perdi o melhor da festa”; a única diferença é que não chamamos mais esse sujeito de oculto. No momento em que os professores e gramáticos se deram conta de que esse “oculto” era um nome no mínimo risível, já que todo mundo – até estudantes de 9 anos de idade – descobria o sujeito com facilidade, passaram então, com mais precisão, a chamá-lo de sujeito subentendido, depois de sujeito expresso pela desinência verbal, até chegar ao sujeito elíptico de hoje, a meu ver a denominação mais adequada, pois o processo linguístico que atua nesse caso é justamente a elipse. O que houve, portanto, não foi a eliminação do processo (o que seria impossível, mesmo que todos os gramáticos e linguistas se reunissem para fazer força juntos), mas o abandono de uma terminologia anacrônica. Só isso. O seu colega deve ter entendido mal o que disse o fantástico poliglota de 23 idiomas. Nomenclatura Gramatical Brasileira Por que todas as gramáticas de nosso idioma utilizam a mesma terminologia? Veja como isso aconteceu.

Professor, a gramática de Evanildo Bechara faz diversas referências, nas notas de rodapé, à NGB – Nomenclatura Gramatical Brasileira. Ela não tinha sido revogada? Carlos E. S. – Curitiba (PR) Prezado Carlos, assim como os profissionais da área biomédica confiam na Nomina Anatomica, que é uma nomenclatura internacional da anatomia humana,


assim os professores de Língua Portuguesa confiam na Nomenclatura Gramatical Brasileira (como o nome claramente indica, Portugal não tem nada a ver com ela). Antes dela, vivíamos numa verdadeira selva de terminologias; cada gramático de renome fazia questão de usar denominações próprias para as funções sintáticas, para as orações subordinadas, para as classes gramaticais, o que tornava quase impossível a homogeneidade no ensino gramatical. A partir da NGB, uma comissão formada por notáveis da época (entre eles, Antenor Nascentes, Rocha Lima e Celso Cunha) estabeleceu uma espécie de divisão esquemática dos conteúdos gramaticais, unificando e fixando, para uso escolar, a nomenclatura a ser usada pelos professores; em 1959, no governo JK, uma portaria recomendou sua adoção em todo o território nacional. Dessa data em diante, por exemplo, todos passaram a falar em objeto indireto, e não mais em “complemento terminativo” ou “complemento relativo”, ou quejandos; os adjetivos ficaram restritos aos qualificativos, enquanto os demais (demonstrativos, indefinidos, etc.) passaram a ser classificados como tipos de pronomes; o antigo condicional ganhou o duvidoso nome de futuro do pretérito; e assim por diante – o resto todo mundo sabe, porque todos aprendemos Português já dentro da NGB, usada até hoje. Ocorre que ela foi concebida com base nos conhecimentos de 1958 – quando ainda não funcionava regularmente, por exemplo, a cadeira de Linguística nos cursos de Letras. Os gramáticos da comissão, embora de renome, eram de formação tradicional e obviamente imprimiram nessa nomenclatura as suas concepções pessoais, muitas vezes limitadas. O resultado é conhecido por qualquer professor de Português: os livros mais sérios estão cheios de notas de rodapé, como você percebeu, meu caro leitor, contestando aqui e ali a NGB, que precisa urgentemente ser revisada e reformulada, não só para adequá-la aos avanços registrados nos estudos da língua, nesses últimos quarenta anos, como também para corrigir comezinhos erros de lógica, que tanto prejudicaram (e prejudicam ainda hoje!) o entendimento dos alunos. sujeito oracional Às vezes, o sujeito de uma oração é representado por outra oração.


Caro Professor Moreno, gostaria que o senhor definisse para mim sujeito oracional. Eu tenho dúvidas sobre quando este sujeito surge. Muito obrigado pela atenção! André Luiz – Balneário Camboriú (SC) Prezado André, vou acrescentar à minha explicação alguns detalhes que você não perguntou. Você deve entender que as várias partes da frase ( sujeito, objeto direto, predicativo, etc.) podem ser representadas por uma oração subordinada substantiva. É exatamente por esse motivo que, entre as substantivas, temos uma objetiva direta, uma predicativa, uma subjetiva – nomes que revelam a que parte da frase elas correspondem. Em “Nós esperamos que você volte logo”, a oração principal é “Nós esperamos”. Ora, como esperar é um transitivo direto, onde está o objeto direto exigido por ele? Na oração seguinte – “que você volte logo” –, por isso mesmo classificada como subordinada substantiva objetiva direta. Poderíamos, se quiséssemos, dizer que temos aqui um objeto direto oracional – o que vem dar na mesma. Quando o sujeito da oração principal for a oração subordinada, estamos diante de uma substantiva subjetiva (eis o tal sujeito oracional!). Você deve reconhecer os dois tipos básicos: (1) as que são introduzidas pela conjunção integrante que: Era indispensável que eu voltasse cedo. Convém que todos fiquem sentados. É estranho que o cão esteja latindo. Aqui a oração grifada exerce a função de sujeito (oracional) da oração principal, a qual vai ficar, convenientemente, com o verbo na 3ª do singular. Como ensinava a minha saudosa professora da 5ª série, “o que era indispensável”? Q ue eu voltasse cedo. “O que é que convém?” Q ue todos fiquem sentados. (2) as reduzidas de infinitivo: Estudar é importante. Ficarmos aqui pode trazer sérias consequências. Descobrir o verdadeiro assassino era uma tarefa para Sherlock


Holmes. Aqui a oração grifada também é subjetiva, só que reduzida de infinitivo; “o que é importante”? Estudar. “O que pode trazer sérias consequências”? Ficarmos aqui. O que “era uma tarefa para Sherlock Holmes”? Descobrir o verdadeiro assassino. sujeito do Ouviram do Ipiranga É incrível como muitos cantam compreender sequer a primeira linha!

o Hino Nacional sem

Professor, posso dizer que o sujeito de “Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heroico o brado retumbante” é indeterminado, porque o verbo está na 3a pessoa do plural? Marcelo Costa

Meu caro Marcelo, aqui não se trata de sujeito indeterminado. O início de nosso hino é uma frase na ordem indireta; veja como ela fica na ordem direta: “As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heroico”. Logo, o sujeito é as margens plácidas do Ipiranga – e por isso o verbo está no plural (ouviram). A leitora Larcy, de São Paulo, fez a mesma pergunta que você; ao ser informada sobre qual é o sujeito, voltou a escrever, ainda com dúvida, pois em vários lugares na internet ela encontrou escrito às margens – como se fosse um adjunto adverbial, referindo-se, portanto, ao lugar onde foi proferido o tal brado. Ora, todos nós sabemos que não existe aquele acento de crase; infelizmente, a fonte que ela consultou não era de confiança e trazia um erro muito comum quando reproduzem a letra do Hino Nacional – exatamente porque as pessoas ficam em dúvida quanto à função desse termo. As margens não é adjunto adverbial, não; é sujeito, e por isso Osório Duque-Estrada o escreveu sem acento algum.


fui eu quem fez? É fui eu que fiz ou fui eu quem fez ? Veja como podemos evitar as formas erradas e escolher entre duas estruturas igualmente corretas. Caro Professor, ainda não consegui descobrir a forma correta para a resposta à pergunta “Quem fez isso?”. Seria “Fui eu quem fez” ou “Foi eu que fiz”? Por favor, explique-me qual é a resposta correta; ou quem sabe nenhuma das duas pode ser usada? Helena B. – Campinas (SP) Minha cara Helena, vamos por partes, porque há duas orações na sua frase. Na primeira, não temos escolha: ela será necessariamente “fui eu”. O sujeito está claro (eu) e o verbo precisa concordar com a 1a pessoa; “*foi eu” seria erro brabo. Na segunda oração, contudo, temos duas opções: usar que ou usar quem. Se usarmos que, o seu antecedente será o eu da oração anterior, e a concordância será “que fiz”. Se usarmos quem, um pronome de 3a pessoa, a concordância será obrigatoriamente “quem fez”. Portanto, você pode escolher entre “fui eu que fiz” ou “fui eu quem fez” (da mesma forma que “fomos nós que fizemos” ou “fomos nós quem fez”). A escolha é livre, mas eu recomendo, pessoalmente, a primeira opção, porque está mais de acordo com a fala usual. a hora da onça beber água Está na hora de o sol nascer, ou está na hora do sol nascer? O Professor prefere a segunda e explica por quê.

Prezado Professor, lendo um artigo sobre a língua japonesa, fiquei em dúvida quanto à correção da frase “falavam seu idioma mil anos antes dos portugueses aparecerem por lá”. Nos anos 60, aprendi, com um famoso professor de Português, que era abominável a contração da preposição de com o artigo antes do sujeito, devendo-se usar, portanto, “antes de os portugueses aparecerem”... Gostaria que me esclarecesse se esta regra mudou, ou se se tornou “mais elástica”, como tudo nos dias em que vivemos. Obrigado.


Luiz B. – Médico – Novo Hamburgo (RS) Meu caro Luiz, o seu famoso professor não inventou aquela regra; ele seguia a lição proferida por um gramático do século XIX (Grivet), depois difundida pelo respeitado Eduardo Carlos Pereira e, a partir daí, repetida até hoje por muitos autores de livros escolares e de manuais de redação. Infelizmente eles se enganavam; confundiam a velha análise lógica, em que foram educados, com a a ná lise sintática e fonológica. Como o problema já está suficientemente estudado, limito-me a recorrer ao trabalho de duas autoridades muito significativas para mim, Celso Pedro Luft, meu mestre e amigo, e Evanildo Bechara, o atual gramático-chefe do Brasil. Os argumentos e os exemplos são deles; o que não ficar bem claro deve ser debitado à minha falta de jeito. Podemos dizer que aquela velha regra nasceu de um silogismo que parece inatacável: (1) As preposições sempre subordinam o termo que vem à sua direita (termo regido). (2) O sujeito, assim como o predicado, é um dos termos “nobres” da oração e não pode, por isso mesmo, estar subordinado. (3) Logo, o sujeito jamais poderá vir regido por preposição. Seguindo esse raciocínio, uma frase como “hoje é dia dele voltar para casa” seria inaceitável, porque o sujeito ele estaria regido pela preposição de; a forma adequada seria “hoje é dia de ele voltar para casa”. Tudo parece muito lógico – aliás, era imprescindível que assim fosse, ou a hipótese não teria seduzido tantas boas cabeças brasileiras e portuguesas, como é o caso de Rebelo Gonçalves e de Eduardo Carlos Pereira. Ocorre, no entanto, que eles são gramáticos anteriores até mesmo a Ferdinand de Saussure, considerado o fundador da Linguística Moderna, com o seu Cours publicado em 1916 (e que só veio a ser lido no Brasil muitos anos depois). Se fossem médicos, seriam, mutatis mutandis, como Hipócrates ou Galeno, exercendo a Medicina antes mesmo de surgir Pasteur. Acontece que, em “hoje é dia dele voltar para casa”, o de não está regendo o pronome ele, mas sim toda a oração infinitiva, da qual o pronome é o sujeito: Hoje é dia DE + [ele voltar para casa] Tanto Luft quanto Bechara perceberam que o equívoco dos velhos mestres nasceu da confusão entre sintaxe e fonética. A transformação da frase “a hora de ele voltar” em “a hora dele voltar” é de ordem fonética (é a tradicional elisão), mas não afeta o plano da sintaxe (não houve a subordinação de ele a


dia). Na fala, como já notou Sousa da Silveira, essa elisão é obrigatória; na escrita, foi praticada pelos melhores escritores de nosso idioma (não cito os posteriores à Semana de Arte Moderna de 1922 para que não digam que estou sendo tendencioso): – “São horas DA baronesa dar o seu passeio pela chácara” – Machado de Assis – “Antes DELE avistar o palácio de Porto Alvo” – Camilo Castelo Branco – “Sabia-o antes DO caso suceder” – Alexandre Herculano – “Antes DO sol nascer, já era nascido” – Padre Vieira – “Depois DO enfermo lhe haver contado” – Bernardes – “Apesar DAS couves serem uma só das muitas espécies” – Rui Barbosa Por outro lado, é necessário admitir que também há autores clássicos dos séculos XVII e XVIII que procuram evitar essa combinação da preposição com o artigo ou o pronome, o que não pode ter sido por influência da gramática do Grivet, que é de 1881. Citando Rodrigues Lapa, Evanildo Bechara sugere que aqueles autores estavam valorizando fatores de ordem muito mais estilística do que gramatical, como, em certos casos, o desejo de pôr em relevo a preposição, evitando que ela fique “enfraquecida” pela elisão. Isso ainda vai ser estudado – se é que já não foi. De qualquer forma, recomendo ao amigo o exame do substancioso artigo Está na hora da onça (ou de a onça) beber água?, do professor Bechara, que faz parte da coletânea Na Ponta da Língua – v. 2 (Rio de Janeiro, Lucerna, 2000. p. 176-88). Eu, particularmente, há muito tempo deixei de levar a sério essa regrinha artificial e sempre faço a combinação da preposição com o pronome. adjunto adnominal x predicativo Você consegue enxergar dois significados diferentes na frase “Encontrei o cofre vazio”? Pois eles estão lá.


Gostaria de um esclarecimento. Como saber a diferença entre o adjunto adnominal e o predicativo numa frase como, por exemplo, “Os alunos acharam a prova difícil”? Neste caso, difícil é o adjunto adnominal de prova ou é predicativo d o objeto direto? Por favor, como explicar a diferença neste caso e em muitos outros? Bethânia S. – Salvador (BA) Prezada Bethânia, você não pode esquecer que o predicativo, sendo um sintagma independente (coisa que o adjunto não é...), pode ser deslocado: “Os alunos acharam difícil a prova”. Assim fica muito simples. É claro que nem sempre poderemos decidir com base apenas neste teste de deslocabilidade, porque há muitas frases em que a divisão sintática pode ser feita de duas maneiras diversas, o que vai obrigatoriamente gerar ambiguidade (o leitor pode entender a frase de duas maneiras). É o caso de “a veterinária encontrou o leão ferido”, que pode ser lida de duas formas. Na primeira, decompomos a frase assim:

Pelo que se pode entender, a veterinária estava procurando um leão ferido e o encontrou. Aqui, ferido é apenas o adjunto adnominal de leão. Na segunda, decompomos a frase assim:


Aqui, o objeto direto é apenas leão; ferido é um elemento independente, que funciona como predicativo, ou seja, a veterinária encontrou o leão e ele estava ferido. A primeira versão responde a uma pergunta do tipo “o que ela encontrou?” (o leão ferido que estava procurando); a segunda, “como é que estava o leão quando ela o encontrou?” (ferido). É um dos casos mais famosos de ambiguidade em nosso idioma, que já produziu pérolas como “ele deixou aquela prefeitura totalmente corrompida”, em que não sabemos se ele era um político honesto que renunciou em vista do grau de corrupção da prefeitura, ou se ele era um desses novos políticos que corrompem os partidos e os governos de que fazem parte. adjunto adnominal x complemento nominal Essa distinção, que parecia ser tão difícil quando eu estava na escola, é mais fácil do que parece.

Caro Professor, necessito de sua ajuda. No período “A explicação desses assuntos será dada pelo funcionário”, o elemento desses assuntos é adjunto adnominal ou complemento nominal? Muito obrigado. Pedro Marcelo C. – Uberaba (MG) Meu caro Pedro, quando tivermos um elemento ligado a substantivo por meio de uma preposição – “a explicação desses assuntos” –, a distinção entre o adjunto adnominal e o complemento nominal é automática em três casos bem definidos: (1) Se o elemento preposicionado estiver ligado a um substantivo concreto, só pode ser adjunto (casa de pedra, lápis de Antônio, estante de livros). (2) Se estiver ligado a um adjetivo ou advérbio, só pode ser complemento (capaz de tudo, apto para o serviço, perto de casa).


(3) Se estiver ligado a um substantivo abstrato por qualquer preposição que não sej a DE, só pode ser complemento (obediência às leis, simpatia por crianças, insistência no detalhe). A única situação, portanto, em que se admite dúvida entre adjunto adnominal e complemento nominal é quando o elemento preposicionado estiver ligado a um substantivo abstrato por meio da preposição DE – exatamente como na frase que estamos examinando (a explicação + de + estes assuntos). Nesse caso – repito, que é o único em que se admite a dúvida entre o adjunto e o complemento –, temos de lembrar que explicação é um substantivo que nominaliza o verbo explicar. O princípio é simples: o que era sujeito do verbo passa a ser, nas nominalizações, adjunto adnominal, enquanto o que era objeto passa a ser complemento nominal. Podemos afirmar que a sequência “a construção do engenheiro” proveio da estrutura subjacente “o engenheiro construiu alguma coisa”; como o engenheiro era o sujeito da estrutura primitiva, agora ele é adjunto adnominal de construção. Já a sequência “a construção do edifício” proveio de “alguém construiu o edifício”; o edifício, que era o complemento do verbo construir, agora é complemento do substantivo construção. Da mesma forma, se o exemplo que você mandou fosse “a explicação do funcionário” , funcionário seria adjunto, porque ele é o sujeito da oração subjacente; no entanto, como é “a explicação desses assuntos”, é óbvio que desses assuntos é complemento nominal – já que, na oração subjacente, era complemento verbal. Ficou claro? complemento nominal? Diferentemente dos adjuntos adnominais, que só podem estar ligados a substantivos, os complementos nominais podem ligar-se também a adjetivos e a advérbios.

Prezado Professor, tudo bem? Na frase “Virgínia, moradora na Rua das Acácias, foi assassinada quando saía de casa”, a expressão sublinhada é complemento


nominal ou adjunto adnominal? Aprendi que os complementos nominais completam apenas o sentido de substantivos abstratos – o que não é o caso de moradora, que me parece ser um substantivo concreto. Fernando Bueno Prezado Fernando, houve aqui uma pequena confusão. Quando as gramáticas dizem que o complemento nominal completa apenas substantivos abstratos, elas estão informando, implicitamente, que ele não pode se ligar aos substantivos concretos. Isso apenas define o problema quanto aos substantivos. No entanto, o complemento vai mais adiante: pode ligar-se também a adjetivos (temente a Deus, obediente à lei, apto para o serviço) ou a advérbios (perto da minha casa). Na frase que você menciona, moradora é um adjetivo derivado do verbo morar, que exige um tipo de complemento que o prof. Luft chama de complemento adverbial (mora na floresta, vive no mundo da lua, etc.). Pela transformação clássica, os complementos verbais sempre se transformam em complementos nominais – o que nos autoriza a dizer que na Rua das Acácias é complemento, e não adjunto. Entendo por que você classificou moradora como substantivo: houve aqui aquela substantivação habitual que os adjetivos ligados a seres humanos podem sofrer. Por exemplo, o adjetivo bebedor em “Fulano de tal, bebedor de cerveja” pode aparecer substantivado em “os bebedores de cerveja fazem muito barulho”, mas isso não altera o fato de que de cerveja é um complemento nominal de bebedor. Foi o que ocorreu nesta frase que estamos analisando. Finalmente, em “Virgínia, moradora na Rua das Acácias”, quero chamar sua atenção para um detalhe valioso que não posso deixar de mencionar: a presença da preposição em. Nunca esqueça, amigo: a hesitação entre adjunto adnominal e complemento nominal só existe quando tivermos um sintagma preposicionado com a preposição de, e só com ela; quando você enxergar qualquer outra preposição que não seja esta, pode ter certeza de que está diante de um complemento. complemento adverbial? Conheça o complemento adverbial, uma cruza de objeto indireto com adjunto adverbial.


Professor, qual seria a classificação sintática do elemento no Brasil na frase “Morar no Brasil é bom”? A meu ver, embora o termo indique o local em que se dá a ação, não pode ser considerado como adjunto adverbial, uma vez que o verbo morar parece exigir um objeto indireto (quem mora, mora em algum lugar), não descartável, como seria o adjunto. Sílvia J. – Colatina (ES) Minha prezada Sílvia, no Brasil, na frase “Morar no Brasil é bom”, pode ter três classificações sintáticas, dependendo de como a enquadrarmos: (1) adjunto adverbial – como você mesma percebeu, no Brasil indica o lugar em que ocorre a ação, o que nos levaria a classificá-lo como adjunto adverbial. Um detalhe, porém, despertou (acertadamente) sua suspeita de que esta não seria uma boa classificação: os adjuntos são elementos acessórios, que podem ser eliminados da frase sem que o verbo sofra com isso. Aqui, no entanto, no Brasil parece ser indispensável para completar o sentido do verbo morar, que não pode ser considerado intransitivo – o que nos leva à segunda hipótese: (2) objeto indireto – é o complemento preposicionado que integra o sentido de um verbo transitivo indireto. Como “quem mora, mora em algum lugar”, poderíamos ver em no Brasil um objeto indireto. No entanto, eu e você sabemos que os objetos indiretos não costumam indicar circunstâncias de tempo, lugar ou modo, função atribuída aos adjuntos adverbiais – o que nos leva à terceira hipótese: (3) complemento adverbial – agora, no Brasil seria o complemento adverbial do verbo morar. O complemento adverbial é uma classificação que ficou fora da Nomenclatura Gramatical Brasileira. O complemento adverbial serve exatamente para esses sintagmas que, ao mesmo tempo, exprimem circunstâncias (como fazem os adjuntos adverbiais), mas completam verbos de significação transitiva (como fazem os objetos). É o mesmo caso de “Vivo na roça” ou “Vou à faculdade”, por exemplo. Poucos autores trabalham com esta classificação nas gramáticas escolares; meu grande mestre, Celso Pedro Luft, incluiu-o em sua Moderna Gramática Brasileira (Ed. Globo), mas ele mesmo


adverte que se trata de uma obra para estudiosos de Letras e para professores. Seguindo sua orientação, incluí os complementos adverbiais na descrição sintática que fiz em meu Curso Básico de Redação (editado pela Ática), mas foi recebido com resistência pela maioria dos professores, que têm receio de afastar-se da já vetusta NGB. Não fique assustada, minha cara Sílvia, com a variedade de análises; escolha a que mais lhe aprouver, porque já vi todas as três ser defendidas. Estudar algo em profundidade, você sabe muito bem, é escolher, entre as várias hipóteses viáveis, a que nos parece mais sólida.

Curtas verbos e nomes transitivos

Luís Gustavo V., do Rio de Janeiro, está cismado com uma questão de concurso que, nas expressões “aluguel de filmes” e “locadoras de vídeos”, analisa os termos em destaque como “complementos de verbos anteriores”. Inconformado com o gabarito, o leitor pergunta: “Aluguel é verbo? Locadoras é verbo?”. Meu caro Luís Gustavo, de filmes e de vídeos, nesses dois exemplos, são complementos nominais, oriundos da transformação do complemento verbal (objetos diretos) do verbo alugar e do verbo locar, respectivamente. “Alugar o filme” (compl. verbal) transforma-se em “aluguel do filme” (compl. nominal). É por essa razão que dizemos que é a nominalização dos verbos transitivos que produz esses nomes transitivos, que por isso mesmo necessitam de complemento. Só um detalhe: o componente da banca que elaborou essa questão aí deve ter feito uma boa faculdade de Letras, porque a maioria dos professores não conhece essa consequência da nominalização do verbo. complemento nominal


Cecília, leitora de Petrópolis (RJ), não sabe como responder a uma questão de concurso que pergunta qual o termo que exerce função diferente dos demais: a) ve nda de seus produtos; b) dever de alertar; c) sugestão de amigos; d) fascinação pelo mundo; e) fazer inveja à indústria. “Todos parecem ser complementos nominais, Professor!” Prezada Cecília, na questão acima, a resposta é claramente (c): a “sugestão de amigos” é a sugestão que os amigos fazem (ou fizeram); portanto, de amigos é um adjunto adnominal (correspondendo, na frase antes da transformação, ao sujeito). Compare com “recebi uma sugestão de restaurante” – agora sim, de restaurante é complemento nominal (correspondendo, na frase originária, ao complemento do verbo: “sugeriram um restaurante”). sujeito elíptico

O leitor Francisco procurou no Aurélio a palavra elíptico, mas a simples definição do vocábulo não esclareceu o que é um sujeito elíptico. Prezado Francisco, esse é apenas o nome moderno do velho sujeito oculto. Na frase “Cheguei tarde”, o sujeito é eu, elíptico, isto é, está em elipse. Isso significa que foi suprimido da frase, mas pode ser facilmente recuperado por quem vier a lê-la. sujeito indeterminado


Um leitor anônimo quer saber se o sujeito da frase “Chegaram cansados da viagem” é oculto ou indeterminado. Meu caro Anônimo, quando o verbo está na 3a do plural, é necessário examinar o contexto em que a frase se insere. Se houver referência anterior a seres determinados, dizemos que o sujeito é elíptico (não se usa mais a denominação oculto há trinta anos...): “Ontem surpreendi dois garotos brincando no meu jardim. Deixaram a torneira aberta” – o sujeito é eles, elíptico. Se, no entanto, estivermos apenas falando de um fato ocorrido, sem qualquer referência específica a um sujeito anterior, dizemos que o sujeito é indeterminado: “Deixaram a torneira aberta, e a água inundou a garagem”. sujeito oculto ou simples?

Gabriel M., leitor de Juiz de Fora (MG), aprendeu no cursinho que a denominação sujeito oculto não é mais utilizada e que tudo que antigamente era classificado como tal atualmente passa a ser sujeito simples – com o que não concorda a professora de sua escola. Afinal, qual é a informação correta? Caro Gabriel, pelo que vejo, você está dividido entre duas opiniões igualmente equivocadas (ou, quem sabe, a confusão foi sua, mesmo?): o sujeito pode ser simples ou composto – e ponto! Simples, se tem um só núcleo, e composto, se tem mais de um (exigindo, naturalmente, o verbo no plural). Agora, quanto à sua manifestação concreta, ele pode estar expresso (aparece escrito na frase) ou elíptico (este é o que antigamente se denominava de oculto ou expresso pela terminação verbal). Na frase “Chegamos tarde à festa”, o sujeito é simples (“nós”) e está elíptico. Minha avó diria que ele está oculto.


eram seis galinhas

Silvana, de Ji-Paraná (RO), gostaria de saber qual é o sujeito em “Eram seis galinhas” e como classificá-lo. Minha cara Silvana, o sujeito é seis galinhas. Basta ver como o número do verbo (singular ou plural) varia de Era uma galinha para eram seis galinhas. Em frases como essa, o verbo ser é intransitivo, e não verbo de ligação. objetos diretos preposicionados

Felipe L., João Pessoa (PB), pergunta: “Em Comi do pão e bebi do vinho, temos um caso clássico de objeto direto preposicionado; como distinguir entre casos assim e simples erros de regência?”. Prezado Felipe, os objetos diretos preposicionados são pouco ou quase nada usados, até por sua própria estranheza: puxar da espada, pegar da pena, etc. A escola tende a exagerar sua importância, transformando-o numa espécie de bicho-papão para assombrar os alunos, que ficam inseguros ao saber que os limites entre os objetos diretos e indiretos não são tão precisos como eles imaginavam. Os dois exemplos que você deu são correspondentes a um antigo caso partitivo, que o Português teria conhecido na sua origem e que o Francês até hoje utiliza (manger du pain, boire du vin). Você pode ver que ele não pode ser usado se, em vez de uma parte, o verbo indicar a totalidade: se eu disser que ele comeu o pão e bebeu o vinho, não sobrou nadinha.


2. Sintaxe dos pronomes pessoais

Você provavelmente deve lembrar que os pronomes pessoais do Português se dividem em retos e oblíquos; se você teve um bom professor, vai lembrar também que os retos servem para representar o sujeito, e os oblíquos servem para representar os objetos – mas duvido que você conheça a razão de usarmos aqui esses dois adjetivos, “retos” e “oblíquos”, muito mais familiares à Geometria que à Gramática. Para entender essa denominação, precisamos voltar um pouco na História, remontando ao Latim, a língua-mãe do Português. Quem teve contato com esse idioma deve, com toda a certeza, guardar alguma lembrança das terminações que indicam os casos, um de seus traços mais característicos (e assustadores, para os alunos): enquanto o substantivo de nossa língua ostenta, no final, marcas que especificam o gênero e o número (aluno, aluna, alunos, alunas), o substantivo latino traz marcas que identificam a função sintática que ele está desempenhando numa determinada frase. Simplificando – só para fins de explicação; não me venha algum boi-corneta acusar de estar maltratando o Latim – simplificando, repito, digamos que o Português tivesse a forma cantor para sujeito ou vocativo, cantorum para objeto direto, cantori para objeto indireto e cantoro para adjunto adverbial. Ora, estando as funções sintáticas identificadas por essas terminações, a ordem em que as palavras se sucedem não vai interferir na compreensão do conteúdo. Seguindo o nosso exemplo: se eu usar cantorum no início ou no fim, antes ou depois do verbo, meu leitor saberá que este vocábulo, naquela frase, é um objeto direto. O mesmo não ocorre no Português – como, aliás, na maioria das línguas modernas. Nossa frase segue o padrão S–V–O (Sujeito-Verbo-Objeto), enquanto o Latim, devido às terminações de casos, admite qualquer combinação possível (S-O-V, O-S-V, V-S-O, V-O-S). Para avaliar o que isso significa na prática, tomemos, como exemplo, a frase “O professor contratou o cantor”. No Português, qualquer alteração na ordem dos elementos (“O professor o cantor contratou”, “Contratou o professor o cantor”, etc.) vai gerar ambiguidades, sendo necessário, para manter o sentido original, o emprego daquela preposição “postiça” que todos nós conhecemos: “Ao cantor o professor contratou”, “Contratou o professor ao cantor”. No Latim, no entanto, supondo que a frase fosse “O professor contratou o cantorum” (lembro, mais uma vez, que estamos usando um Latim de mentirinha, para tornar mais clara a explicação), a ordem não faria diferença para o leitor: tanto em “O cantorum o professor contratou”, ou em “Contratou o professor o cantorum”, ou até mesmo em “O cantorum


contratou o professor”, saberíamos que o sujeito da frase é o professor e que o objeto direto é o cantorum. Em outras palavras, a sintaxe da frase transparece na morfologia das palavras. Foi isso, sem dúvida, que permitiu que os escritores latinos, principalmente na poesia, alterassem a ordem da frase a seu bel-prazer, a fim de alcançar os efeitos sonoros (métrica, cadência, etc.) pretendidos. Essa é a maior dificuldade para quem lê Os Lusíadas, do nosso Camões. Como esta é uma epopeia renascentista, baseada, como tantas outras da mesma época, no modelo épico de Roma – mais precisamente, A Eneida, de Virgílio –, o autor submeteu a sintaxe do Português às inversões que eram corriqueiras no Latim, o que tornou seu texto praticamente incompreensível sem um pesado aparato de notas explicativas. Se alguém achar que exagero, lembro as duas primeiras estrofes do poema: As armas e os Barões assinalados Que da Ocidental praia Lusitana Por mares nunca de antes navegados Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo Reino, que tanto sublimaram; E também as memórias gloriosas Daqueles Reis que foram dilatando A Fé, o Império, e as terras viciosas De África e de Ásia andaram devastando, E aqueles que por obras valerosas Se vão da lei da Morte libertando, Cantando ESPALHAREI por toda parte, Se a tanto me ajudar o engenho e arte. Note o leitor que os quatorze primeiros versos são apenas o objeto direto do verbo da oração principal – espalharei –, que só vai aparecer no penúltimo verso da segunda oitava! É essa complexidade sintática que afasta nossos alunos do poema do grande gênio da nossa língua; felizmente a sua vasta e maravilhosa poesia lírica constitui, para o jovem, uma estrada mais amena para ingressar na sua obra. Temos, portanto, que os substantivos latinos apresentavam variações na sua terminação que serviam para assinalar as relações que estes termos mantinham com os demais vocábulos das frase, especialmente o verbo. Friso que não existe


uma equivalência exata entre os casos latinos e as funções sintáticas que usamos na análise do Português, mas, para dar uma ideia aproximada, digamos que o nominativo correspondia ao nosso sujeito, o genitivo ao adjunto adnominal, o dativo ao objeto indireto, o acusativo ao objeto direto e o ablativo ao adjunto adverbial. Numa frase como

imagine que o sujeito, o termo mais próximo do verbo, corresponde a uma linha vertical, perpendicular ao plano. A partir daí, os demais elementos serão vistos como progressivas quedas desta linha em direção ao plano. Os bons professores explicavam isso colocando um lápis na vertical, formando um ângulo de 90° com a mesa: esse é o sujeito. Inclinando o lápis 25°, temos o obj. direto; mais outro tanto, temos o obj. indireto; por último, no fim da frase, temos o adjunto adverbial, o elemento mais distante. Partindo, portanto, da posição considerada normal, em ângulo reto, cada caso representava uma queda dessa linha – e por isso a gramática latina escolheu o termo casus, que vem de cadere (“cair”). A enumeração das várias formas de um vocábulo, em todos os seus casos, era chamada de declinatio (“declinação”), que os latinos foram buscar nos gramáticos gregos, que usavam, para descrever o mesmo fenômeno, o termo klinein (“inclinar-se”). Tudo, portanto, joga com essa diferença entre o lápis ereto e o lápis progressivamente inclinado: o sujeito é o caso reto, e todos os demais são os casos oblíquos. Embora a estrutura de nosso idioma seja diferente da estrutura do Latim, as primeiras gramáticas do Português mantiveram essa denominação de casos, especialmente com relação aos pronomes. Por isso falamos, até hoje, em pronomes pessoais retos e oblíquos, quando muito melhor seria chamá-los de pronomes pessoais sujeito e pronomes pessoais não-sujeito (os demais casos). Isso ajudaria muito o nosso aluno a compreender por que a 1a pessoa do singular, por exemplo, tem três formas – eu, me e mim – e por que devemos escolher a forma adequada para representar determinada função sintática. colocação do pronome


Ao contrário do que a maioria das gramáticas afirma, o brasileiro sempre prefere colocar o pronome oblíquo antes do verbo.

Professor, uma de minhas dúvidas mais frequentes é sobre a posição do pronome: quando usar antes e quando usar depois do verbo? Por exemplo, vejo que o senhor escreveu “uma vida toda como professor de Português me deu...”, enquanto eu escreveria deu-me. Por favor, explique-me (ou me explique) o mistério desse tipo de construção. Viviane – Bibliotecária – Cuiabá (MT)

Prezada Viviane, em princípio, usamos (no Português Brasileiro) sempre o pronome oblíquo antes do verbo (próclise), a não ser nos casos em que o verbo inicie a frase (o que deixaria, é óbvio, o pronome na cabeça da frase). Por isso, você deve preferir “o livro se encontra”, “todos me esperavam, “eu me confundo” – e assim por diante. Tome cuidado, no entanto, com um detalhe importantíssimo: a maioria das regras de colocação do pronome que vamos encontrar nas gramáticas veio de Portugal, país em que nossa língua tem uma pronúncia diversa da que se desenvolveu aqui no Brasil. Bem fez a editora Nova Fronteira, que encomendou a Nova Gramática do Português Contemporâneo a um brasileiro (Celso Cunha) e a um português (Lindley Cintra), a quatro mãos. Não é por nada que, no capítulo sobre a colocação do pronome, eles façam recomendações substancialmente diferentes. a colocação “brasileira” do pronome

Professor Moreno, fiquei espantado com a sua afirmação de que nós, no Brasil, sempre preferiríamos usar o pronome oblíquo antes do verbo. Na verdade, fiquei mesmo é confuso, pois eu tinha aprendido que a posição normal dos pronomes


oblíquos átonos é depois do verbo (ênclise); a próclise só seria usada quando justificada por vários (o senhor bem os conhece) motivos. Além disso, também sabia que não existe língua brasileira; na verdade, a “nossa” língua é apenas uma variação da língua portuguesa, sem no entanto haver diferenças nas regras. E agora? Paulo César – Fortaleza (CE) Meu caro Paulo César, confusas estão as nossas pobres gramáticas, que, com honrosas exceções, reproduzem ingenuamente as regras de colocação usadas em Portugal. Você tem razão em dizer que todos os países lusófonos utilizam o Português, mas temos de distinguir, para fins de estudo sério, o PE (Português Europeu), o PB (Português Brasileiro) e o PA (Português Africano) – da mesma forma que se faz com o Inglês (britânico, americano, australiano, etc.). A colocação do pronome oblíquo átono é uma das claras diferenças entre Brasil e Portugal: enquanto os portugueses vivem usando a ênclise (para eles, os casos de próclise precisam ser motivados objetivamente), os brasileiros só usam a próclise, até mesmo no início da frase – o que exige aquela regrinha indispensável para quem ensina escrita culta: “não se inicia frase com pronome oblíquo” – isso para nós, é claro, simples mortais, porque os escritores já o fazem desde a Semana de Arte Moderna de 22. Você jamais vai ouvir (e a fala precede a escrita, não se esqueça...) um brasileiro correr atrás de sua amada dizendo “Espera-me! Ouve-me! Amo-te!”. Essa diferença entre nós e nossos irmãos lusitanos, neste caso específico, é devida exclusivamente à realização fonológica do pronome; em Portugal, diferentemente daqui, a vogal final se reduz tanto que o pronome praticamente se limita à consoante. O te de devo-te é realizado como u m /t ’ / – o que nos permite entender por que a preferência lusa recai em /devot’/, e não, como no Brasil, /tidevo/. Exatamente por essa diferença prosódica, nós, brasileiros, preferimos a próclise em qualquer situação; só não a utilizamos no início da frase porque há uma regra que o proíbe expressamente (regra que não é observada na fala, em que só se ouve ”te vi, me encontra, nos viram, me pegaram”)*. Se você for, como parece, um interessado em gramáticas, vai ver que elas apresentam uma fantástica teoria para os casos de próclise, detalhando “regras” e mais “regras” para o seu emprego. Havia alguns birutas que falavam até na “atração” que algumas palavras exerceriam sobre os pronomes! Eu próprio, pequenino, lembro de perguntar à professora se tal palavra atraía ou não o pronome, e ela respondia que sim ou que não, compenetrada, honestamente acreditando naquela baboseira! Ora, se você somar todos os “casos que exigem


próclise”, como se diz por aí (em frase negativa, em frase interrogativa, em orações subordinadas, com o sujeito expresso, etc., etc.), vai ver que não sobra nada – exceto aquela já referida estrutura em que a frase inicia pelo verbo – ”devo-te”, “espera-me”. E, ainda assim, insistem em afirmar que a posição normal do pronome é a ênclise? Dá para enxergar o equívoco? Eles não perceberam que trocamos de hemisfério e que, consequentemente, certas verdades precisam ser adaptadas. A água que escoa no ralo da banheira, em Portugal, gira para a esquerda; a nossa, gira no sentido do relógio. Um livro de Física, para ser utilizado aqui e lá, precisaria fazer essa indispensável adaptação. Uma gramática também. * Aqui, em notinha reservada: é daí que vem o mifo, sifo, nusfo (que pronunciamos /mífu/, /sífu/, /núsfu/ e que todos sabemos muito bem o que querem dizer...). mesóclise? O Professor explica como se formou o futuro no Português e por que a famigerada mesóclise não passa de uma ilusão de óptica.

Prezado Professor, estou estudando para um concurso muito importante na minha carreira e empaquei no problema da mesóclise. Eu tinha aprendido que sempre se usa mesóclise com o futuro, mas não me parece mal escrever “Amanhã lhe devolverei o documento”. Pode ser assim mesmo, ou “Amanhã devolver-lhe-ei o documento” fica melhor? Marcelino D. – São Paulo (SP) Meu caro Marcelino, esta é uma pergunta que não pode ser respondida de bate-pronto; a colocação dos pronomes, que deveria ser simples e instintiva, foi prejudicada por uma série de mal-entendidos que fizeram carreira por aí e que preciso desfazer antes de começar minha explicação. Os pronomes oblíquos átonos – me, te, o, se, lhe, nos, etc. – não são voc á bulos independentes. Eles só podem ser usados junto ao verbo (ou im ediatam ente antes, ou imediatamente depois). Se ele estiver antes, dizemos que está em próclise; se estiver depois, dizemos que está em ênclise. Um grande


problema para quem escreve é decidir corretamente quando usar a próclise ou quando usar a ênclise (vamos deixar a mesóclise para depois). Quando falamos, eu e você colocamos com naturalidade o pronome na frase. Quando escrevemos, contudo, devemos obedecer a certas regras tradicionais que contrariam, muitas vezes, nossa fala espontânea. Este é o caso, principalmente, do emprego de pronome no início de frase: apesar de ser esta uma posição normal no Português do Brasil, é ainda condenada pelos gramáticos tradicionais, que tomam por base antigos preceitos dos autores portugueses. Mário de Andrade usa, Drummond usa, Paulo Francis usa, Vinícius usa – mas se você quiser usar, meu caro Marcelino, é bom avaliar bem o contexto e o ambiente. Em provas de concurso, em documentos jurídicos, etc., evite, para não criar polêmica. Para ser feliz, siga o princípio de ouro: use a próclise sempre; você só vai usar a ênclise quando a frase começar pelo verbo. Neste caso, não haveria outra escolha, pois você não pode iniciar a frase pelo pronome: “Entrega-me a pistola”, “Devo-lhe a vida”, e não “*Me entrega a pistola”, “*Lhe devo a vida”. Não esqueci, Marcelino, que sua pergunta foi sobre a mesóclise, e a ela vamos dedicar nossa atenção, agora que ficou mais claro o uso da próclise e da ênclise. Como você mesmo afirmou, a ocorrência deste fenômeno estaria ligada ao futuro do presente – e já vamos ver por quê. Estudos atualizados mostram que este tempo funciona, na verdade, como uma locução verbal disfarçada. Como herança do Latim tardio, que substituiu a forma única do futuro por uma locução (amare habeo), nosso futuro, que à primeira vista parece ser uma forma una, na verdade é uma locução invertida, com o auxiliar haver deslocado para a direita: eu hei de comprar > comprar hei tu hás de comprar > comprar hás ele há de comprar > comprar há Como nosso sistema ortográfico não admite o “H” interno, vamos suprimi-lo e pimba! Lá estão nossos conhecidos comprarei, comprarás, comprará! O que parecia ser uma forma verbal simples é, na verdade, uma forma composta (comprar+ei, comprar+ás, comprar+á). Desse modo, uma forma como compraremos deve ser encarada como um vocábulo composto, do tipo de girassol, passatempo, etc.; a partir de agora, sempre que você vir um verbo no futuro, poderá enxergar os dois verbos que ali estão combinados. Na frase nós o encontraremos amanhã, o pronome O está na posição


normal, que é, como vimos, a próclise. Se retirássemos o nós da frase, contudo, ele já não mais poderia ficar ali, porque estaríamos rompendo o princípio básico: não se inicia frase com pronome oblíquo – o que nos leva à outra opção possível, que é a ênclise. No entanto, acabamos de ver que encontraremos é um conjunto de verbos: encontrar+(h)emos. Para colocar o pronome em ênclise, vamos ter de executar alguns passos ordenados: 1º passo – afastar o verbo auxiliar: encontrar [emos]; 2º passo – colocar o pronome em ênclise ao encontrar: encontrá-lo; 3º passo – recolocar o verbo auxiliar: encontrá-lo-emos. Neste momento, ao ver uma forma como encontrá-lo-emos, os nativos costumam se jogar de joelhos ao chão, exclamando, com respeito quase sagrado: “Mesóclise, mesóclise!”. Não é, não, como você agora sabe: é apenas a ênclise ao futuro. Como a gramática tradicional acreditava que o pronome, neste caso, estava no meio do verbo (na verdade, ele está entre dois verbos), batizou o fenômeno de mesóclise (onde meso = meio). Na frase que você menciona, “Amanhã lhe devolverei o documento”, o pronome está corretamente colocado em próclise, como deve ser em qualquer frase normal do Português Brasileiro. Se, no entanto, deslocarmos o advérbio amanhã para depois de documento, a frase deveria ser reescrita, ficando “Devolver-lhe-ei o documento amanhã”. Antes estava em próclise ao verbo devolver; agora está em ênclise ao mesmo verbo devolver. Você pode continuar chamando isso de mesóclise, se quiser, mas agora sabe realmente do que se trata. pronome solto entre dois verbos As regras de colocação do pronome não passam de uma invenção reacionária de alguns gramáticos brasileiros.

Prezado Professor, faço correção de textos e gostaria de receber resposta sobre a seguinte questão: é necessário empregar o hífen em “tendo-se tornado um líder”, ou posso escrever “tendo se tornado”, sem o hífen? Maria Madalena – Belém (PA)


Minha cara Maria, a sua dúvida bate exatamente em cima de um dos pontos que distinguem o PB (Português Brasileiro) do PE (Português Europeu). Nossos gramáticos mais reacionários exigem o hífen em frases como essa; dizem que o pronome oblíquo não pode ficar solto entre os dois verbos da locução, mas deve estar em ênclise ao primeiro verbo. Segundo a óptica deles, deveríamos escrever pode-se ver (e não pode se ver), vou-te contar (e não vou te contar). É incrível, no entanto, a miopia desses “entendidos”: eles simplesmente não percebem que esse preceito tem clara origem em Portugal, onde a pronúncia (e consequente colocação) dos oblíquos é completamente diversa da nossa, que usamos vou te dizer, quero te avisar, estou te chamando, tinhas me avisado. Na sua cegueira, chegam ao cúmulo de acusar (!) de “brasileira” essa colocação do pronome entre os dois verbos da locução, esquecendo-se, talvez, do país em que ganham seu pão... No fundo, o que eles estão dizendo nas nossas barbas é uma verdadeira pérola: “Onde é que se viu escrever como brasileiro fala? Escreve-se é como fala o português”. Todavia, como o Brasil também tem seus bons cérebros, toda essa bobagem de colocação do pronome vem sendo contestada pelos melhores autores do século XX, entre eles gigantes como Said Ali e Antenor Nascentes. É de autoria deste último, aliás, o belo trecho sempre citado por meu mestre Celso Pedro Luft: “O caso da colocação dos pronomes pessoais oblíquos é invenção dos gramáticos brasileiros. Em todas as línguas os pronomes têm sua colocação natural, que se aprende desde o berço; ninguém precisa na escola fazer aprendizagem especial de colocação de pronomes. Foi isto o que claramente enunciou Silva Ramos ao dizer que não sabia como se colocavam os pronomes, ‘pela razão muito natural de que não sou eu quem os coloca; eles é que se colocam por si mesmos, e onde caem, aí ficam’ ( Pela vida fora, p. 119). Todas as colocações, menos aquelas que aberrarem do bom senso, tornando a frase ininteligível, são pois aceitáveis. Esta questão começou na segunda metade do século XIX. Havendo críticos portugueses estranhado colocações nossas, diferentes das suas, alguns escritores nossos, para fugir a censuras, começaram a pugnar pela colocação à moda portuguesa, considerando errada a colocação natural dos brasileiros. Chegou-se a escrever sobre o assunto um livro de centenas de páginas!” (Antenor Nascentes – O Idioma Nacional na Escola Secundária –1936). No entanto, Maria, como você faz correção de textos, forçosamente algumas das pessoas que vão examinar seu trabalho foram formadas pelas delirantes “regras de colocação do pronome”, sem nunca ter lido esta página, ou Antenor Nascentes, ou Said Ali, ou Celso Pedro Luft. Recomendo-lhe, portanto, cautela e caldo de galinha. Se você usar “tendo se tornado” (que eu prefiro),


estará sujeita a enfrentar a censura de quem sabe menos do que você, mas de cuja avaliação depende o seu sucesso; por isso, tape o nariz e use “tendo-se tornado”. Eu próprio, quando não quero me incomodar (olha só: “quero me incomodar”), capitulo e recorro a uma das duas posições “aceitáveis” do pronome: “quero incomodar-me” (a menos antipática) ou a esquisita “quero-me incomodar”. Contudo, noto, com orgulho, que essa covardia tem sido cada vez menos frequente no que escrevo. mesmo Evite esse mau hábito, tão feio quanto pôr o dedo no nariz.

Prezado Professor, é comum, nos prédios de São Paulo, depararmos com uma placa nos elevadores com a seguinte inscrição: “Antes de entrar no elevador, verifique se o mesmo encontra-se parado neste andar”. Está correto o uso da palavra mesmo como substituto do termo “elevador”, uma vez que se trata de redação oficial de órgão legislativo? Cláudia W. – São Paulo (SP) Prezada Cláudia, errado não está, mas concordo com você: é um Português pedestre. Dos muitos recursos que nosso idioma oferece para a anáfora (referência a algo que já foi mencionado anteriormente – no caso, o elevador), esse emprego do mesmo é talvez o mais pobre e mais confuso. Por que não escrever, em bom vernáculo, “Antes de entrar no elevador, verifique se ele se encontra parado neste andar”? Será que o ouvido da sumidade que redigiu esse texto estranhou a sequência se ele se? Nessa hipótese, nosso legislador teria um ouvido mais sensível (não parece ser o caso...) que o de Machado de Assis e de Eça de Queirós: “A mãe, se ele se demorar muito” (Memorial de Aires); “Não se i se ele se terá lembrado e cumprido a promessa que me fez” (Helena); “afiançaram-lhe todo o apoio de gente, de dinheiro e influência na corte, se ele se pusesse à testa de outro movimento” (O Alienista); “Pergunte-lhe se ele se confessa há seis anos, e peça-lhe os bilhetes da confissão!” (O Crime do Padre Amaro); etc. Para evitar o que não deveria ter evitado, terminou jogando aquele


“mesmo” sobre os indefesos usuários dos elevadores. O velho Napoleão Mendes de Almeida, às vezes tão sábio, às vezes tão equivocado, tem verdadeira ojeriza a esta forma, que combate com fina ironia, ao propor que se troque por mesma o pronome pessoal ela na primeira estrofe do famoso soneto de Camões sobre Jacó e Raquel, que ficaria assim: Sete anos de pastor Jacó servia Labão, pai de Raquel serrana bela, Mas não servia ao pai, servia à mesma, Que a mesma só por prêmio pretendia. Que tal? o eu pode vir primeiro? Quando faço parte de uma relação, está correto colocar o eu em primeiro lugar? “Eu, Fulano e Beltrano” ou “Fulano, Beltrano e Eu”?

Prezado Professor, conversando com amigos, fiz a seguinte afirmação: “Eu, Fulano e Beltrano comemoramos aniversário no mesmo dia”. Fui corrigido, com a afirmação de que deveria colocar o eu no final da oração (“Fulano, Beltrano e eu”). Existe uma ordem correta? F. Malaco – Santos (SP)

Meu caro Malaco: aqui não existe certo ou errado. O que temos é uma convenção de educação (tipo aquela de deixar os mais velhos entrarem primeiro, ou a de oferecer o lugar no ônibus às damas): quando falamos de alguma coisa ruim, colocamos educadamente o eu antes do resto (“Eu, Fulano e Beltrano fomos considerados culpados pela invasão da Reitoria”); quando falamos de alguma coisa boa, é de bom-tom deixar o eu para o fim (“Fulano, Beltrano e eu fomos premiados no concurso”). São regras de urbanidade, não regras gramaticais, que vão ser seguidas por aqueles que quiserem ser polidos. O exemplo que você menciona é particularmente neutro (não é do bem, nem do mal); nesse caso, você pode usar como quiser, e não tinham razão aqueles que chamaram sua atenção.


emprego do lhe Por que certos verbos não aceitam o pronome lhe como objeto indireto? O Professor explica que não são exceções.

Caro Professor, minha dúvida é a respeito do uso do pronome oblíquo lhe com determinados verbos. Consultei várias gramáticas e todas afirmam que os verbos assistir, visar e aspirar, quando transitivos indiretos, não aceitam o pronome oblíquo lhe, mas sim os complementos a ele, a ela, a eles, a elas. Sinceramente não compreendo o motivo de tal regra, já que com a maioria dos verbos transitivos indiretos se usa normalmente o pronome lhe. Gostaria de esclarecimentos a esse respeito. Desde já, agradeço. Marcelo Esteves M. – São Paulo (SP) Meu caro Marcelo, acontece que você acaba de esbarrar em mais um daqueles recifes em que os gramáticos tradicionais costumam naufragar: eles apenas relacionam os fatos (o pronome lhe não pode ser usado com os verbos assistir, visar e aspirar – o que é verdade) sem explicar por que é assim. Essa deficiência dos gramáticos que se formaram antes dos anos 60 é a maior responsável pela opinião, infelizmente generalizada, de que o Português é uma língua complicada, “cheia de regrinhas”, “repleta de exceções”. Eles até hoje dominam o mundo editorial (principalmente dos livros didáticos), e o nosso pobre país sofre com isso. No entanto, a explicação é simplíssima: o lhe (representante do objeto indireto) não é um pronome de uso universal, como é o caso do seu parceiro o (representante do objeto direto). Ele tem uma importantíssima restrição de seleção: só pode ser usado com referência a pessoas (em linguagem mais técnica, diríamos “com substantivos humanos”) – da mesma forma que o pronome relativo quem. Se o antecedente destes dois pronomes não tiver o traço humano, seu emprego fica bloqueado. Ora, esses três verbos que você destacou (assistir, visar e aspirar) nunca têm objeto indireto de pessoa: eu aspiro ao cargo, aspiro à vaga, aspiro ao posto, mas não posso *aspirar a alguém – o que elimina, aqui, o uso do lhe.


Nesses casos, o objeto indireto é representado pelo pronome oblíquo tônico (acompanhado de sua respectiva preposição): a ele, a ela, etc. Para deixar mais claro o que estou tentando explicar, peço-lhe que compare as seis frases abaixo: 1. Obedeço ao professor. 2. Obedeço a ele. 3. Obedeço-lhe. 4. Obedeço ao governo. 5. Obedeço a ele. *6. Obedeço-lhe. Pois a (2) e a (3) são frases sinônimas, e o falante pode decidir livremente se quer substituir o objeto indireto ao professor pelo oblíquo tônico (a ele) ou pelo átono (lhe). A frase (6), contudo, é considerada agramatical, embora pareça idêntica à (3): é que o objeto indireto, aqui, não é uma pessoa, e o falante só pode substituir ao governo por a ele. Como você pode ver, é o sistema do nosso idioma funcionando como um reloginho, e não um punhado de “casos especiais”, como nos fazem crer muitas vezes. o lhe é só para humanos? Nem sempre o lhe vai representar o objeto indireto; às vezes ele é um simples adjunto adnominal.

Professor, li um artigo seu em que explica que o pronome lhe só pode ser usado para representar seres humanos. No entanto, em outro de seus textos, encontrei um trecho em que o senhor usa um lhe relacionado ao substantivo “língua” – que não me parece preencher aquele requisito. Gostaria que me dissesse se está certo. O trecho de que falo é o seguinte: “Por uma dessas regras obscuras do Universo, quanto pior uma pessoa fala a língua portuguesa, mais ferozmente se põe a criticá-la, a apontar-lhe defeitos e (atrevimento típico da ignorância) a sugerir profundas alterações que tornariam ‘melhor’ a língua de Vieira e de Machado...” Ramon – Paranaguá (PR)


Meu caro Ramon, eu poderia dar uma de seboso e responder “se eu usei, é claro que deve estar certo”. Não faço isso porque já dei muita tropeçada ao escrever, como qualquer mortal. No entanto, desta vez eu acho que estou certo. Vejamos: O lhe como objeto indireto só pode ser usado para seres humanos – essa é uma verdade indiscutível. Acontece que você, com um olho clínico, foi pescar justamente um lhe diferente, bastante raro: trata-se daquele caso pouco conhecido em que o pronome oblíquo (me, te, lhe, nos) é usado como substituto de um pronome possessivo: “Bateram-me a carteira” = bateram minha carteira; “Beijo-lhe as mãos, senhora” = beijo suas mãos. Na minha frase, “...a língua portuguesa, mais ferozmente se põe a criticá-la, a apontar-lhe defeitos”, o verbo apontar é um transitivo direto, o que tornaria completamente esquisita a presença do lhe – não fosse ele apenas uma forma clássica de dizer “apontar seus defeitos”. Ao que parece, esta estrutura escapa da restrição que exige o traço +humano para o emprego do lhe – ao menos a frase passou pelo filtro do meu ouvido, que não registrou estranheza nenhuma, o que é significativo: como me ensinou meu mestre Luft, todos os falantes têm sua porção de intuição linguística, mas os professores de Português, pela própria atividade, têm essa intuição mais apurada que os demais (assim como um músico amigo meu se recusa a ouvir gravações em CD porque afirma que elas perdem uma parte dos graves e dos agudos – coisa que eu, é claro, jamais vou perceber). o ou lhe Veja o novo uso que vem sendo dado, pouco a pouco, ao famigerado pronome lhe.

Doutor Moreno, sou professora de Alemão e estou com uma enorme dúvida na gramática portuguesa, com relação ao verbo conhecer. Quando eu converso com uma pessoa e quero dizer que a conheço, qual é a forma correta: “Eu lhe conheço” ou “Eu a conheço”? Existe uma variação do pronome em relação ao tratamento formal? Muito obrigada! I. Schwarz


Minha cara I., a sua “enorme” dúvida é bem pequenina... O verbo conhecer é um transitivo direto, e, portanto, recebe o pronome oblíquo “o”: “Eu o conheço” (homem), “Eu a conheço” (mulher). É claro que estamos falando do registro culto, onde “o” representa especificamente objetos diretos, enquanto “lhe” representa objetos indiretos. No registro popular, no entanto, onde não existe essa consciência da sintaxe (e alguém lá vai saber o que é objeto direto ou indireto?), é natural que o uso desses pronomes tenha sofrido uma enorme alteração. Em primeiro lugar, o Português falado no Brasil simplesmente eliminou o pronome “o”, passando-se a usar “ele” como complemento de verbos transitivos diretos: “Eu vi ele”, “Encontrei ela”, etc., prática ainda inaceitável na linguagem culta. Em segundo lugar, o “lhe” desvinculou-se totalmente de sua função sintática original e passou a ser empregado apenas como forma respeitosa de tratamento. Enquanto se usa “ e u te conheço”, “eu te vi” para uma pessoa íntima, prefere-se “eu lhe conheço”, “eu lhe vi” para uma pessoa de maior hierarquia ou cerimônia – outra prática ainda considerada inaceitável no registro culto, que aqui exigiria “eu o conheço”, “eu o vi”. Se eu estivesse ensinando um estrangeiro a escrever Português, eu insistiria na distinção sintática entre “o” e “lhe”; no entanto, se eu o estivesse ensinando a falar, com certeza eu o acostumaria a alternar entre o “te” (para os mais próximos) e o “lhe” (para os de maior cerimônia), de acordo com a menor ou maior formalidade da situação, porque assim ele estaria perfeitamente integrado com a fala do PBrasileiro. para mim comprar O Professor não cansa de dizer que, em Português, nem tudo o que reluz é ouro, nem tudo o que balança cai. O uso do pronome oblíquo só vem confirmar essas verdades.

Fui criticado por usar o pronome mim supostamente de maneira errada! Eu disse era para mim comprar. Agradeço sua ajuda em me orientar corretamente. Marcos de Sousa


Meu caro Marcos, infelizmente você errou, e bem erradinho. Quando nós, falantes do Português, queremos representar o sujeito por um pronome, usamos o caso reto (eu, tu, ele, etc.). Os pronomes oblíquos tônicos (mim, ti, etc.) são usados como objetos, sempre após uma preposição (de mim, sem mim, por mim, para mim, etc.). Como se vê, a distinção é bem nítida. Contudo, na construção “Era para X comprar”, o pronome que entrar no lugar de X, ao mesmo tempo, (1) é sujeito de comprar e (2) vem depois da preposição para. Em outras palavras: se seguirmos o princípio de que os sujeitos devem ser representados por pronome reto, a escolha é eu; se seguirmos o princípio de que usamos pronomes oblíquos tônicos após preposição, a escolha é mim. A solução é simples: a regra do sujeito tem absoluta precedência sobre a regra da preposição, que só vai agir quando a primeira não estiver vigente: “Ele comprou isso para mim”, mas “Era para eu (sujeito) comprar” ; “Vocês não vão começar sem mim”, mas “Vocês não vão começar sem eu (sujeito) chegar”.

É possível que a frase “É importante para mim saber a verdade” esteja correta, como o professor de minha filha afirmou em aula? Afinal, antes de verbo não se usa sempre eu? Magda Beatriz Minha prezada Magda Beatriz, esta é realmente a forma correta da frase: “É importante para mim saber a verdade”. Se o pronome fosse o sujeito do verbo saber, teríamos de substituí-lo pelo pronome reto, eu – o que não é o caso. A possibilidade de livre mudança na ordem (“Saber a verdade é importante para mim”, ou “Para mim, é importante saber a verdade”) mostra que essa não é aquela famosa estrutura “Isso veio para eu fazer”. Essa frase, aliás, ficaria bem mais fácil de entender se usássemos vírgulas (que aqui, como você sabe, são opcionais): “É importante, para mim, saber a verdade”. Uma frase muito parecida com essa que você enviou causou muita discussão aqui em Porto Alegre, nas últimas eleições: um comercial de TV incentivava o voto consciente com a frase “Pra mim escolher candidato é que nem escolher feijão”. Vários leitores escreveram para dizer que a forma correta


seria “Para eu escolher candidato, é como escolher feijão”. Ironicamente, a frase veiculada na campanha estava correta; errada era a alteração sugerida. Poderíamos discutir se é adequado, ou não, o emprego informal do “pra” e do “que nem” numa campanha institucional; a pontuação também merece reparo, pois, como você viu acima, a frase ficaria bem melhor com vírgulas: “Para mim, escolher candidato é como escolher feijão”. Agora, do ponto de vista da sintaxe dos pronomes, somos obrigados a reconhecer que o uso do oblíquo mim está perfeito. Esses leitores que reclamaram deviam estar fazendo o mesmo raciocínio que você fez: o pronome está antes do verbo... Sei de onde vem esse equívoco: nos manuais e livros didáticos de pouca ciência – infelizmente, a maioria dos que se vendem por aí –, difunde-se essa lenda, disfarçada de regra, de que antes de verbo no infinitivo devemos usar sempre o pronome reto: “Isso veio para eu fazer”, “Ele disse que é para eu levar os ingressos”. Ora, nesses exemplos usamos o pronome reto não por estar antes de verbo, mas por ser sujeito desses verbos. Na frase injustamente condenada, mim está antes do verbo escolher, mas não é o seu sujeito; isso pode ser facilmente verificado se (1) alterarmos a ordem para “Escolher candidato, para mim, é como escolher feijão”, ou (2) trocarmos mim por nós – neste caso, o verbo continua na forma em que está, o que não poderia ocorrer se nós fosse o seu sujeito: “para nós, escolher candidato é como escolher feijão” (e não *escolhermos). É isso, Magda; você pode confiar no professor de sua filha, porque ele parece estar fazendo um bom trabalho. Curtas em memória de mim

Jonas Torres diz estranhar uma construção usada por várias igrejas cristãs: Fazei isto em memória de mim. Acrescenta: “Antigamente se dizia fazei isto em minha memória. Qual das duas estaria mais correta?”. Meu caro Jonas: eu fico com a forma antiga, mil vezes: “Fazei isso em minha memória”. Contudo, se foi alterado, posso imaginar por quê: minha memória, principalmente para pessoas de pouca instrução, é uma expressão


ambígua, pois pode ser interpretada como “a memória que vocês terão de mim” (que é a intenção original), ou “a memória que eu tenho das coisas, na minha mente”. Usando o desajeitado memória de mim (construído no molde de medo de mim, respeito por mim, amor a mim), o texto ficou inegavelmente mais claro. Às vezes temos de sacrificar o estilo, Jonas, para garantir a eficácia da comunicação. É pena, mas é necessário. convidamos-lhes

Pedro da Gama pergunta se a forma “Convidamos-lhes para o evento” está correta. Acrescenta: “Todos a quem perguntei me disseram que não, sugerindo Os convidamos, Convidamo-lhes e até Lhes convidamos. Qual delas eu uso?”. Caro Pedro, se é um convite formal, escrito dentro dos “conformes”, a forma correta seria convidamo-los – combinação formada por convidamos e pelo pronome os, usado encliticamente. Apesar do lhes soar muito melhor, o verbo convidar é transitivo direto e só pode ser completado pelo pronome o. A forma “O convidamos” não é aceitável no Português formal por trazer o pronome oblíquo no início da frase. ambiguidade no pronome oblíquo

Nelma D., de Blumenau, considera que a frase “Matar o vigia do banco para assaltá-lo” dá margem a dupla interpretação.


Seu professor, contudo, diz que a interpretação única é “matar o vigia para então assaltá-lo” (matar o vigia para subtrair-lhe os pertences – latrocínio). Quem está certo? Prezada Nelma, você é que está com a razão. Basta comparar estas três versões: (1) “Matar o vigia da loja para assaltá-la” (assaltar a loja), (2) “Matar o vigia da loja para assaltá-lo” (assaltar o vigia) e (3) “Matar o vigia do banco para assaltá-lo” (ambígua; o pronome pode referir-se tanto a vigia quanto a banco). casar, casar-se

A leitora Natália, de São Paulo, quer saber se a forma correta é “Ela casou com o homem” ou “Ela se casou com o homem”. Acrescenta: “Procurei e encontrei as duas formas. É isso mesmo?”. Sim, minha cara Natália, são frases do mesmo tipo de “ele sentou na cadeira” e “ele se sentou na cadeira”. Sentar e casar são verbos que podem (ou não) ser usados pronominalmente, sem que esse pronome tenha função sintática (é chamado, por isso, de partícula expletiva). nesta

Valene O. quer esclarecer uma dúvida que surgiu em sua empresa: quando


escrevemos, no endereçamento de uma carta comercial, “À Empresa X. Nesta.”, a palavra nesta significa “nesta empresa” ou “nesta correspondência”? Prezada Valene, nesta, em correspondência, significa “Nesta Cidade”. Quando queremos nos referir a um âmbito mais limitado, temos de especificar: “Nesta Universidade”, “Nesta Administração”, etc. cabe a mim tomar

Uma leitora com o apelido eletrônico de “veduchovny ” diz que ficou angustiada ao ouvir seu professor dizer “Cabe a mim tomar uma atitude”. Ela pergunta: nesse caso, mim toma atitude ou não toma? Prezada Veduchovny , a frase “Cabe a mim tomar uma atitude” está correta. Note que ela poderia ser invertida: “Tomar uma atitude cabe a mim”, ou “A mim, cabe tomar uma atitude”. Isso demonstra que aquele pronome mim não é o sujeito do verbo tomar e não deve, por isso, ser substituído por eu. mo, lho

Josiane, uma leitora de Girona, na Espanha, quer saber se podemos substituir, ao mesmo tempo, dois objetos por pronomes oblíquos, à semelhança do que é comum no Espanhol: “Ele deu o livro a Joana”, em castelhano, seria “Él se lo dio”. E no Brasil? “Ele lhe deu o livro”? Minha cara Josiane, o Português tinha uma forma de unir os dois pronomes oblíquos que os autores mais conservadores usaram na literatura até meados do século XX: “Eu entreguei o livro a João = eu lho entreguei”. “Deram-me a notícia = Deram-ma”. Hoje esse processo está morto, mas você pode encontrar


referência a ele nas gramáticas. Sua frase “ele deu o livro a Joana” ficaria “ele lho deu” (lhe, substituindo Joana + o, representando o livro); hoje, no entanto, só admitiríamos a forma que você mesma propôs: “Ele lhe deu o livro”, ou “Ele o deu a ela”. pronomes adjetivos e substantivos

Ana Rosa C., de Taubaté (SP), pergunta por que somente os pronomes adjetivos, e não os pronomes substantivos, podem exercer a função de adjuntos adnominais. Prezada Ana Rosa, não é bem assim como você sugere. Os pronomes substantivos, por definição, são aqueles que ocupam a posição de núcleo do sintagma, enquanto os pronomes adjetivos ficam na posição periférica. Um bom lugar para verificar isso é na lista de pronomes demonstrativos: em “esta casa”, “aquela rua”, a posição dos pronomes adjetivos esta e aquela contrasta com a dos pronomes substantivos aquilo e isso em “estranhei aquilo”, “isso dói”. Nas frases citadas, esta e aquela são adjuntos adnominais, enquanto aquilo e isso são objeto direto e sujeito, respectivamente. No entanto, nada impede que aquilo e isso, por exemplo, venham a desempenhar a função de adjunto adnominal, como em “o cheiro daquilo”, “o preço disso”.


3. Regência verbal

Quando entramos em contato com o Latim, nossa língua-mãe, nosso primeiro espanto é ver que a ordem dos elementos na frase é completamente livre, uma vez que as palavras têm terminações diferentes para indicar se estão funcionando como objeto direto, objeto indireto ou adjunto adverbial. O sujeito, por exemplo, vai ter uma terminação característica que permite que eu o identifique onde quer que ele esteja – no início, no meio ou no fim da frase. Esse seria um ótimo sistema, se não sobrecarregasse o falante com a gigantesca quantidade de dados morfológicos que ele precisa armazenar. Enquanto nós, brasileiros, precisamos guardar apenas quatro formas para aluno (singular e plural, masculino e feminino), no Latim devemos estocar na memória quase vinte (uma para quando ele for o sujeito, outra para quando ele for o objeto direto, outra para quando ele funcionar como vocativo, e assim por diante – um conjunto completo para o masculino singular, outro para o masculino plural, outro para o feminino singular, outro para o feminino plural). Não é de admirar que a maioria das línguas modernas tenha abandonado esse modelo. No Português e nas demais línguas latinas existe uma ordem na frase que pode ser considerada normal: começamos pelo sujeito, acrescentamos o verbo e depois, se houver, o complemento. Embora haja verbos que não precisam de complemento, os famosos verbos intransitivos (“Nós voltaremos”, “O bebê adormeceu”, “Injeção dói”), há verbos que precisam de um complemento que integre o seu significado. Esses são os não menos famosos verbos transitivos (“Nós perdemos a paciência”, “Ele precisa de tempo”, “Quem abriu a gaveta?”); a relação dos transitivos com o seu complemento é o que chamamos habitualmente de regência. De um lado, temos os transitivos indiretos, que se ligam a seu complemento (o objeto indireto) por meio de uma preposição obrigatória – geralmente a, com, de, em e por: “Concordo com todas as cláusulas”, “Obedeça ao meu comando”, “Desconfiamos de tanta generosidade”, “Ela confia naquele trapaceiro”. Do outro, temos os transitivos diretos, que se ligam a um complemento que não inicia por preposição, chamado objeto direto: “Esperamos mais eleitores”, “Ela perdeu duas notas de R$50,00”, “As águas cobriram metade da cidade”. Os transitivos diretos, além disso, têm uma característica única, que pode ser usada para identificá-los: ao contrário dos demais verbos, estes podem passar para a voz passiva: “Metade da cidade foi coberta pelas águas”, “Duas notas de R$50,00 foram perdidas por ela”. Se você tentar fazer o mesmo com transitivos


indiretos, como “Eu me preocupo com os pobres” ou “Ela desconfia de todos os seus colegas”, vai perceber que é simplesmente impossível. Normalmente, você sabe se a regência dos verbos que costuma usar é direta ou indireta; em alguns casos, no entanto, a hesitação é inevitável: o nome consta na lista ou da lista? Ele assistiu o filme ou ao filme? Nós presidimos o encontro ou ao encontro? Ele não lembra o nome ou do nome? No fundo, não chega a fazer diferença a maneira como você soluciona esses pequeninos dilemas na fala de todos os dias; na escrita, no entanto, há uma série de cuidados que deverá observar se você é um daqueles que, como eu, sente-se mais confortável agindo conforme aquela etiqueta que chamamos de norma culta. doa a quem doer Um leitor pergunta se o apresentador Bóris Casoy não deveria dizer “doa EM quem doer”; o Professor explica que não.

Caro Professor, uma dúvida: por que o “doa a quem doer”, como diz o irado Bóris Casoy, não é “doa em quem doer”? Afinal, o que dói, dói em alguém, e não a alguém, não é? Obrigado. Tagore

Meu caro Tagore, eu sempre usei e vi “doa a quem doer”. Todavia, como você levantou a dúvida, fui pesquisar no Google (ele pode não ser científico, mas fornece dados que não são de desprezar) e obtive o seguinte (e surpreendente) resultado: aproximadamente 5.700 ocorrências de “doa a quem doer” contra apenas míseras 100 ocorrências de “doa em quem doer”. Acho que não há dúvida sobre qual delas nós devemos usar; no entanto, isso não pode ser apenas uma questão de estatística. Quem trabalha no ramo, sabe: se a diferença entre as duas opções é tão grande, deve estar atuando aí algum princípio do idioma, acima das opiniões individuais. Basta procurar, e vamos encontrar a explicação. No seu caso, a resposta é muito simples: esta é uma expressão muito antiga, e o verbo doer, como você deve saber, sempre admitiu a preposição “A”. Você deve conhecer construções como “doeu-me ter de fazer isso”, “dói-lhe a visão da


pobreza”, etc. – e aí, como podemos ver, o que dói, dói “A” alguém. Só muito modernamente começamos a usar (em pouquíssimos casos, aliás) a preposição “EM” – até porque, na maioria das frases, usamos doer como intransitivo: “meu braço está doendo”, “quando a luz aumenta, o olho dói”. É um bom exemplo para nos lembrar, Tagore, que nunca – mas nunca, mesmo – vamos descobrir “erros” dentro do que a tradição linguística, inclusive os bons escritores, vem usando há vários séculos. Podemos adotar formas mais modernas, mas não tentar “corrigir” o que nunca esteve errado. pisar na grama “Não pise na grama”, diz a tabuleta espalhada pelas praças e pelos parques. É assim mesmo que se deve escrever?

Professor, tenho uma dúvida cruel; o senhor poderia saná-la? O correto é “não pise NA grama” ou “não pise À grama”? Muito obrigado pela atenção. Marco Alberto G. – Rio Grande (RS)

Meu caro Marco, eu uso “não pise na grama”; alguns professores caturras insistem em dizer que o verbo pisar é transitivo direto, e o correto seria “não pise a grama” (nesse caso, seria sem acento de crase, Marco). Eles estão tentando apenas paralisar a língua na sua evolução. Há mais de cinquenta anos que o uso estabeleceu que também se pode pisar no tapete, na linha amarela, no chão de minha terra. Seria completamente lunático defender, como única forma aceitável, pisar o tapete, a linha amarela ou o chão de minha terra. Celso Pedro Luft, em seu Dicionário Prático de Regência Verbal (Ed. Ática), diz que é normal usar esse pisar em X em vez do primitivo pisar X, e já era prática comum em autores como Gregório de Matos, Camilo, Castilho, Machado (“por saber em que terreno pisa”), Vieira (“pisamos nessas sepulturas). Em expressões como pisar em ovos (“andar de mansinho, agir com cuidado”) ou pisar nos calos (“atingir o ponto sensível de alguém”), já nem conseguimos imaginar a construção sem a preposição. Como sempre acontece nesses casos, as duas regências (ambas estão corretas) entram em competição, e o tempo vai


dizer qual das duas prevalecerá. Eu não tenho a menor dúvida de que a regência deste verbo está sendo trocada. preposições juntas Um leitor estranhou a combinação de duas preposições na frase “chutou por sobre o gol”; veja como isso não é tão raro assim.

Caro Prof. Moreno, outro dia, enquanto assistia a um programa esportivo na televisão, ouvi o narrador dizer “ele chutou por sobre o gol”. Eu gostaria de uma explicação sobre essa expressão, que julgo estar incorreta. É permitido o uso de duas preposições juntas? O que fez aumentar minha dúvida foi o fato de ter encontrado o mesmo “por sobre” em alguns poemas de autores respeitáveis. Obrigado pela atenção. Rafael K. – Miranda (MS) Meu caro Rafael: não consigo alcançar o motivo por que essa combinação parece incorreta a você; será que alguém andou ensinando por aí que não podem existir duas preposições juntas? Se o fez, fez muito mal, porque esses encontros de preposições, embora restritos a alguns poucos casos, têm muita utilidade e já foram usados por muitos escritores clássicos. Euclides da Cunha, por exemplo, fala das nuvens que passam “por sobre os chapadões desnudos”, do valente sertanejo que, “saltando por sobre o cadáver da irmã, arroja-se contra o círculo assaltante”, do combatente que “distribuía, j ogando-os por sobre a cerca, cartuchos”. Machado usa, mas pouco. Em P ortugal, Camilo também usou: Simão, personagem do Amor de Perdição, consegue “saltar ao campo por sobre a pedra dum agueiro”; Eça de Q ueirós descreve o som mole de chinelos que se aproximam “por sobre o tapete”, fala do canto dos muezins “por sobre os terraços adormecidos da muçulmana Alexandria” e se encanta com o sol, que, “sereno como um herói que envelhece, descia para o mar por sobre as palmeiras de Betânia”. Se por sobre é moeda corrente, não é de estranhar que por sob também o seja; o desastrado Teodorico, em A Relíquia, do mesmo Eça, consegue comover a sua odiosa titia: “E pela vez primeira, depois de cinquenta anos de aridez, uma


lágrima breve escorregou no carão da Titi, por sob os seus óculos sombrios”. O nosso Alencar também usa: “O destemido escudeiro, sem se importar com os outros, mergulhou por sob as árvores e apresentou-se arrogante em face do tigre”. Friso que não sou daqueles que só aceitam a autoridade dos autores tradicionais e consagrados; estou apresentando esses exemplos para você ver que há muito tempo essas combinações já eram usadas por pessoas que escreviam muito bem. Posso mencionar ainda por entre, dentre (de+entre) e para com, bastante comuns na escrita culta. Mais interessante ainda é a combinação de até + a, uma locução prepositiva usada com a intenção de aclarar o sentido da frase. O vocábulo até é um conhecido causador de ambiguidades, já que pode ser entendido ora como preposição (o ônibus vai até São Paulo; ele chegou até o topo do monte), ora como partícula de inclusão (todos foram convidados, até eu; o cabrito comia de tudo, até latas e garrafas plásticas). Em frases como “o incêndio na plantação queimou tudo, até o portão”, abre-se a possibilidade de dupla interpretação: o fogo chegou até o portão, e aí parou (o até é visto como preposição), ou o fogo queimou tudo, inclusive o portão? Por esse motivo, costuma-se reforçar a preposição até com a preposição a: “o fogo queimou tudo, até ao portão”; dessa forma, fica eliminada a leitura do até como inclusive. É claro que o uso desse reforço é opcional; lembro apenas que, ao ser usado, pode acontecer um encontro desse A com o artigo feminino, produzindo-se o nosso velho fenômeno da crase: “O incêndio na plantação queimou tudo, até à cerca”, “pintei a sala toda de branco, até à porta”, “vou amar até à morte”. Para concluir, deixo-lhe um exemplo de como a combinação das preposições e a preposição isolada não têm o mesmo valor: compare “O gato pulou sobre a mesa” com “O gato pulou por sobre a mesa”, “Atirei o livro sobre a mesa” com “Atirei o livro por sobre a mesa”. O significado é completamente diferente. preposições nos sobrenomes José Silva ou José da Silva? Existe alguma regra para o emprego das preposições nos sobrenomes?


Caro Professor, minha dúvida é sobre o emprego de preposição e conjunção nos nomes e sobrenomes. Observo que os nomes das famílias Silva e Santos estão sempre acompanhados de preposição (da Silva, dos Santos). Examinando os exemplos (1) José Luís da Silva Lima, (2) José Luís Lima da Silva, (3) Pedro dos Santos Alencar e (4) Pedro Alencar dos Santos, entendo que a preposição deveria ficar entre o prenome e o nome de família, conforme exemplos (1) e (3). Nos exemplos (2) e (4), caberia o uso da conjunção E, ou seja, José Luís de Lima e Silva e Pedro de Alencar e Santos. Rita – Teresina (PI) Minha cara Rita, presumo que você não tenha formação acadêmica em Letras, ou não escreveria “entendo que a preposição deveria...”. A ninguém – nem a você, nem a mim, nem ao Papa – é dado o direito de entender “como deveria” se comportar a língua. Ela é o que é; nós só podemos nos esforçar para tentar compreendê-la, formulando, a partir dessa observação, as regularidades e os padrões que conseguirmos enxergar. Não existe um padrão “linguístico” para a utilização das preposições com os sobrenomes; as pesquisas que se fizeram sobre o assunto terminaram batendo em preconceitos e crenças que datam do tempo em que os nobres faziam questão de usar o “de”, por exemplo, como um símbolo aristocrático. Conheço um Filipe Oliveira e um Filipe de Oliveira;um Rafael dos Santos Silva e um Rafael Santos da Silva; nas minhas listas de chamada, já encontrei Paulo de Sousa Santos, Paulo Sousa Santos e Paulo Sousa dos Santos. Se você descobriu alguma regra sobre isso, em algum livro, pode ter certeza de que ele não vale o dinheiro que você pagou por ele. suicidar-se S e suicídio já quer dizer “matar a si mesmo”, não é uma redundância dizer que ele se suicidou? E se eu não posso suicidarte, por que preciso dizer suicidar-me?

Caro Professor, sabemos que suicídio é o ato de matar-se; suicidar-se é acabar com a própria vida. Para se evitar uma redundância, qual das expressões


deveríamos usar: “o homem se suicidou”, “o homem suicidou-se” ou “o homem cometeu suicídio”? Todas estariam corretas? E mais uma coisinha: por que eu preciso dizer suicidar-me, se eu não posso suicidar-te?. Paulo T. – Salvador (BA)

Em primeiro lugar, Paulo, todas estão corretas. “O homem suicidou-se” e “o homem se suicidou” diferem apenas na preferência por usar o pronome antes ou depois do verbo, mas, no fundo, tanto faz dar na cabeça como na cabeça dar. “Ele cometeu suicídio” também é bom Português. Em segundo lugar, o uso desse “se” não é uma redundância, como pode parecer. É verdade que o verbo suicidar-se nasceu no Latim como um composto d e sui, “a si mesmo”, seguido do elemento cida, “o que mata”; portanto, teoricamente, não precisaria daquele “se”. No entanto, caro leitor, temos no Português um grupo de verbos que sempre são conjugados com o pronome ligado a eles; são, por esse motivo, denominados de verbos pronominais. Este pronome, que aparece em todas as pessoas do singular e do plural, é quase vazio semanticamente (isto é, não tem o seu significado nem o seu valor sintático usuais). Um bom exemplo é orgulhar-se (eu me orgulho, tu te orgulhas, ele/você se orgulha, nós nos orgulhamos, vós vos orgulhais, eles/vocês se orgulham). Jamais aceitaríamos “*eu orgulho”, até mesmo porque esse verbo nunca será transitivo (eu não posso orgulhar alguém; só posso me orgulhar de alguém). É exatamente o caso do suicidar-se. O ato de tirar a própria vida, contudo, é tão chocante que o povo cerca este verbo, às vezes, com tudo o que consegue enfiar na frase, a fim de frisar que a pessoa não foi morta, mas se matou. Não se surpreenda se ouvir, alguma vez, no calor do relato, um “*Ele se suicidou-se a si mesmo” – ao que só faltaria acrescentar, para o circo ficar completo, “tirando a vida com as próprias mãos”. É pleonasmo? É redundância? No uso consciente, caprichado do Português, claro que é. Na força da expressão, contudo, eu garanto que essa repetição deve ter lá as suas razões. Não esqueça: não podemos aplicar princípios da lógica quotidiana a algo muito maior do que ela, que é uma língua natural, como o Português. onde e aonde Durante séculos, onde e aonde foram usados indistintamente, mas há quem defenda uma divisão nítida entre seus territórios.


Prezado Prof. Moreno, existe algum uso específico para aonde e onde? Diego R. C. – Canoas (RS) Meu caro Diego, como meu coração balança entre duas respostas quase antagônicas, vou lhe apresentar ambas, esclarecendo qual o alcance de uma e de outra. (1) Q UANDO FALA A ETIQ UETA – Sim, existe uso específico para os dois termos. Aonde é a soma de dois vocábulos, a preposição A + o advérbio ONDE. Ora, a presença dessa preposição restringe o emprego de aonde àqueles verbos de movimento que naturalmente exigem essa preposição: dirigir-se A, ir A, chegar A, etc. “Aonde te diriges? Aonde vais? Aonde chegou a violência urbana”. Usar aonde com verbos que não exijam o “A” é considerado erro de regência. Nas seguintes frases, o aonde está errado e deveria ser substituído pela forma simples onde: “*Aonde está minha camisa?”; “*Aonde ficou o cachorro?”. “*Encontrei a Fulana. É? Aonde?”. Por outro lado, nada impede que utilizemos onde como forma genérica, válida mesmo nos casos em que se pode usar aonde: “Onde foste ontem?”; “Onde vais?”. ( 2) Q UANDO FALA A CIÊNCIA – Não, não existe diferença no uso desses vocábulos. Os próprios escritores clássicos da língua portuguesa, em que nossa gramática tradicional baseia a maior parte das regras que formula, usam indiferentem ente onde e aonde. No século XVI, Camões encabeça a lista, ao escrever, nos Lusíadas: Dali pera Mombaça logo parte, Aonde as naus estavam temerosas. (Canto II) Viram todos o rosto aonde havia A causa principal do rebuliço: Eis entra um cavaleiro, que trazia Armas, cavalo, ao bélico serviço; (Canto VI) No século XVI, é Vieira quem vem trazer sua contribuição:


“Não navegaram só o mar Índico ou Eritreu, que é um seio ou braço do Oceano, mas domaram o mesmo Oceano na sua maior largueza e profundidade, aonde ele é mais bravo e mais pujante, mais poderoso e mais indômito”. “Aqui, Senhor! Pois aonde estou eu? Não estou metido em uma cova? Não estou retirado do Mundo?” Você quer exemplos do século XVIII? Nossos poetas do Arcadismo fornecem quantos você quiser. Tomás Antônio Gonzaga , na Lira V da Marília de Dirceu, escreve as mimosas estrofes abaixo: Acaso são estes Os sítios formosos Aonde passava Os anos gostosos? São estes os prados,

Aonde brincava Enquanto passava O gordo rebanho, Que Alceu me deixou? São estes os sítios?

Seu infortunado companheiro de Inconfidência, Cláudio Manuel da Costa, vai mais longe: com aquela sensibilidade especial que os verdadeiros poetas têm para a língua, acabou fornecendo um notável exemplo em que a alternância de onde e aonde sugere que a escolha entre as duas formas obedece, na verdade, a um padrão sonoro (e não sintático). Um dos sonetos à sua amada Nise começa assim: Nise? Nise? Onde estás? Aonde espera Achar-te uma alma que por ti suspira, Se quanto a vista se dilata, e gira, Tanto mais de encontrar-te desespera! E termina com o seguinte terceto: Nem ao menos o eco me responde! Ah! Como é certa a minha desventura! Nise? Nise? Onde estás? Aonde? Aonde? No século XIX – para ficar nos clássicos –, Garrett, Eça de Queirós, Castro Alves, Álvares de Azevedo usam aonde nas construções em que os gramáticos prescritivistas hoje recomendam onde. Machado de Assis, é verdade, já parece observar a atual distinção, embora se encontre, aqui e ali, a mesma prática de seus antecessores: “Clarinha estremeceu, e deixou-se ficar aonde estava.”


“Mas ao passar pela Rua do Conde lembrou-se que Madalena lhe dissera morar ali; mas aonde?” Caldas Aulete declara, muito simplesmente, que “os clássicos e o povo não distinguem onde de aonde”. Mestre Aurélio abre uma extensa explicação no verbete aonde, no qual conclui que os melhores autores, dos mais antigos aos mais modernos, não fazem distinção entre as duas formas. Houaiss registra que “é corrente, na linguagem informal, o emprego de aonde em vez de onde, uso encontrado também em escritores clássicos”. Como são bons dicionaristas, não podiam negar a autoridade de todos aqueles escritores que sempre usaram como exemplo. ( 3) E NÓS, COMO FICAMOS? – Olhe, Diego, fica evidente que os autores prescritivistas estão defendendo a existência de um padrão onde não havia nenhum; essa distinção rigorosa entre onde e aonde é coisa recente, de cinquenta anos para cá (para uma língua humana, que vive milênios, isso não passa de um quarto de hora). Só o tempo vai dizer se ela está motivada por uma necessidade de criar uma distinção realmente útil, ou se ela nasce daquela sanha repressiva que caracteriza muita regrinha tola e sem ciência que anda por aí. O diabo, Diego, é o que devemos fazer enquanto as coisas não ficam bem definidas; o conselho que lhe dou é o mesmo que já dei em situações similares: siga a posição (1), que vai deixar as suas frases vestidinhas de acordo com a norma gramatical da moda, mas respeite a posição (2), que descreve o que realmente acontece. Você sabe como é: uma coisa é como as pessoas se vestem, outra é como elas deveriam se vestir. Você não acredita em convenções? Então, vá a um casamento vestido do jeito que preferir. Agora, você tem uma certa preocupação com a opinião dos outros? Então é bom botar uma gravatinha (e ficar invejando o primo que foi de jeans e camisa polo). Assim é com a linguagem. Escolha, e aguente. P.S.: Quer saber como eu faço? Não uso nunca o aonde. implicar “A crise do petróleo vai implicar em aumento nos preços.” – Veja por que esta frase é condenada pela norma culta.


Prezado Professor, aprendi que o verbo implicar no sentido de “trazer como consequência, acarretar”, é verbo transitivo direto: “A assinatura do presente contrato implica a aceitação de todas as suas cláusulas”. No entanto, em “A energia está associada a diferentes processos, o que implica que a natureza das partículas subatômicas seja intrinsecamente dinâmica”, este “que” grifado não está contrariando aquela regra gramatical? Evilásio A. – Anápolis (GO)

Meu caro Evilásio, o verbo implicar, como você corretamente afirmou, é transitivo direto, ou seja, como ensinava a minha saudosa professora da 5a série, “o que implica, implica alguma coisa”. Isso significa que devemos evitar, na forma culta, a regência indireta, com preposição em, muito usada na fala descontraída – “*desistir agora implica em perder tudo”, “*a assinatura do contrato implica na aceitação de todas as suas cláusulas”. Essa preposição em só vai aparecer quando usarmos o verbo no sentido especial de “envolver alguém em ato ilícito”: “No seu depoimento à CPI, ele implicou o deputado no escândalo do Mensalão”. Ora, nos dois exemplos que você apresenta – “o contrato implica a aceitação” e “implica que a natureza...” –, o verbo está competentemente acompanhado de seus objetos diretos. Em “o que implica que a natureza das partículas subatômicas seja intrinsecamente dinâmica”, a oração grifada, como você bem sabe, é apenas uma oração subordinada substantiva objetiva direta. Como vê, são exemplos idênticos da mesma regra. chegar em?

Um leitor anônimo (custava assinar?) desconfia da resposta fornecida pela banca de um concurso vestibular: “Segundo o examinador, na frase O noivo chegou atrasado na igreja houve uma transgressão da norma culta. Gostaria que você apontasse o erro, se houver!”. Meu caro Anônimo, na norma culta, no Português escrito, os verbos de movimento – especialmente ir e chegar – regem a preposição A: quem chega,


chega A (e não EM). De acordo com esse princípio, portanto, a forma “correta” da frase seria “O noivo chegou atrasado À igreja”, com acento de crase e tudo. É evidente que a fala (tanto a popular quanto a culta) está trocando essa preposição por em, mas é um uso ainda condenado em exames e concursos. assistir

Vera Santos Bonfim, da Bahia (com esse nome, só pode ser de Salvador...), pergunta: “Devemos usar o verbo assistir (sentido de ‘atender’) seguido de ao ou de o? É assistir AO trabalhador ou assistir O trabalhador?”. Prezada Vera Lúcia, se entendi bem, você está falando de prestar assistência ao trabalhador, não é? Nesse caso, embora os dicionários digam que podemos optar entre a regência direta e a indireta, a tendência majoritária na língua culta é deixar o verbo assistir como transitivo direto, isto é, sem a preposição: “O Estado deve assistir o trabalhador”, “devemos assisti-lo”, “ele deve ser assistido pelo Estado” (note que, aqui, a possibilidade de usá-lo na voz passiva confirma que ele é transitivo direto). Este mesmo verbo, quando usado com o sentido de “ver, presenciar”, tem regência indireta no Português culto formal: “Nós assistimos à peça”, “Eu não assisti ao jogo”. Com base nisso, muitos autores tradicionais não aceitam que, nesses casos, o verbo seja levado para a passiva (que, como você sabe, é uma característica exclusiva dos transitivos diretos): “*O jogo foi assistido por cem mil espectadores” seria uma versão inaceitável de “Cem mil espectadores assistiram ao jogo”. Somos obrigados a reconhecer, no entanto, que vem ocorrendo, na prática dos escritores modernos, um abandono progressivo dessa regência indireta, sinalizando a clara tendência desse verbo tornar-se exclusivamente transitivo direto; em pouco tempo, os gramáticos serão obrigados a admitir como aceitáveis frases que hoje eles ainda condenam, como “Vou assistir o jogo”, “As peças que assisti”, “Qualquer espetáculo que você assista”, “Vamos assistir a sessão”, etc. O fato desta tendência já vir assinalada no dicionário do Houaiss, por exemplo, só vem confirmar minha suposição.


alguém que lhe queira

Marcelo, de São Paulo, estranhou o trecho “assim ela já vai, achar um cara que lhe queira, como você não quis...”, na música Acima do Sol, do grupo mineiro Skank. “O Skank é um grupo que costuma ser gramaticalmente correto, mas aqui não deveria ser ‘um cara que a queira’?” Meu caro Marcelo, o Skank é bom de letra mesmo! O verbo querer normalmente é transitivo direto: “eu quero o contrato, quero-o”. No entanto, quando tem o significado de gostar de alguém, como é o caso desta música, passa a ser transitivo indireto: “eu quero muito ao meu filho, quero-lhe muito”. atender

Antônio José S., de Guaratinguetá (SP), leu, num artigo escrito por mim, a frase “atende as necessidades básicas do decoro”. Curioso, pergunta: “Atender não é um verbo transitivo indireto? Assim, você não deveria ter escrito ‘atende às necessidades básicas do decoro?’.” Meu caro Antônio José, o Dicionário de Regência Verbal de Celso Pedro Luft, mestre de todos nós, coloca atender como indiferentemente transitivo direto ou indireto, com acentuadíssima tendência a ficar exclusivamente direto. Afinal, ele é um verbo que pode ser passado para a voz passiva (“as necessidades foram atendidas”) – e, como você deve saber, só os transitivos diretos têm o privilégio de apresentar passiva. Em outras palavras: você está certo, eu estou certo – mas prefiro a minha versão. dignar-se de


Há muitos verbos que vêm mudando sua regência ao longo da história de nossa língua; dignar-se é um deles.

Prezado Professor, gostaria de saber se está correta a preposição empregada na frase “Ante o exposto, requer se digne Vossa Excelência em receber os presentes embargos”. João Alcides – Advogado Meu caro João, a sintaxe culta manda escrever “requer se digne Vossa Excelência de receber os presentes embargos”; admite-se, também, a supressão da preposição: “requer se digne Vossa Excelência receber os presentes embargos”, embora a primeira forma seja a preferida pelos autores tradicionais (especialmente os que se ligam ao meio jurídico). Na fala culta, porém, o verbo vai pouco a pouco trocando a sua preposição para “A”: “Não se dignou a recebê-los” – fato que, mais cedo ou mais tarde, modificará também a regência deste verbo no Português escrito. O “dignar-se em” é que não tem defensores. Por isso, faça como eu faço: quando escrevo textos formais, uso “dignar-se de”; quando falo, uso “dignar-se a”. Afinal, quando vou a um banquete oficial (em sonhos...), uso os talheres de um jeito; em casa, mudo um pouquinho o estilo – como qualquer ser humano normal. Curtas produzido com plástico

Alfredo K., de Gravataí (RS), esbarrou numa dúvida na hora de decidir os dizeres de uma embalagem para um acessório de banheiro: “Produzido em, com ou de plásticos de engenharia”? “Pelo que verifiquei na gramática de Evanildo Bechara


e mesmo no Houaiss, parece-me que a preposição de seria a mais adequada”. Prezado Alfredo, sinto dizer que você errou os dois pregos e bateu bem na tábua: de seria exatamente a preposição que eu não usaria com o verbo produzir (se fosse “feito de plástico”, seriam outros quinhentos). “Produzido com” é a preferível; “produzido em” também pode ser usado, mas tem críticos ferozes, que consideram essa expressão um galicismo. constar em

Andrea Teixeira gostaria de saber se o uso da preposição de está correto em expressões como “consta da norma” ou “tenho de ir”. “Não deveria ser consta na e tenho que, respectivamente?” Prezada Andrea, pelo Português culto formal, devemos usar constar em quando nos referirmos à ocorrência de alguma coisa em determinado lugar: “meu nome consta na lista”; “o detalhe não constava no edital”. Constar de é outra coisa: significa “ser composto de” – “O cardápio consta de entrada, prato principal e sobremesa”. Quanto ao verbo ter com o sentido de “dever”, a norma culta escrita, bem formal, prefere a preposição de: “Nós temos de fazer”, “Vocês têm de entender”, e assim por diante. obedecer-lhe

Eduardo B., de São Paulo, gostaria de tirar a seguinte dúvida: “Quando falo com um amigo, está correto dizer “eu te obedeço”; agora, como devo falar a meu diretor? “Eu lhe obedeço” ou “Eu obedeço ao Sr.”?


Prezado Eduardo, você pode usar “Eu lhe obedeço” com seu chefe; esta é a forma correta da 3a pessoa, uma vez que o verbo obedecer é transitivo indireto. No entanto, se quiser ser mais formal, você pode usar, em vez do pronome oblíquo, qualquer uma das várias formas de tratamento para a 3a: “Eu obedeço ao senhor”, “obedeço a V. Senhoria”, “obedeço a V. Majestade ”. Fica ao gosto do freguês. proceder a

Silmara, de Santo André (SP), tem dúvidas quanto à regência do verbo proceder. O certo é “proceder o integral cumprimento da obrigação” ou “proceder ao integral cumprimento da obrigação?” Prezada Silmara, “vamos proceder ao sorteio”, “vamos proceder à escolha” – é transitivo indireto, sempre com a preposição “A”. dentre?

A leitora Angélica ficou intrigada com a palavra dentre, e quer saber se ela existe e onde se aplica. Minha cara Angélica, não é tão raro assim, esse dentre. É a forma combinada de duas preposições, de e entre. Vieira cita vários exemplos da Bíblia: “Escolheu dentre eles doze, que chamou apóstolos” (Lc. 6,13); “Cinco dentre elas eram loucas, e cinco prudentes” (Mt. 25,2);”Sairão os anjos, e separarão os maus dentre os justos” (Mt. 13,49). parabenizá-lo?


A colega Sandra N., professora de Português de Toledo (PR), gostaria de saber se usamos o pronome lhe com o verbo parabenizar, já que, segundo Houaiss, damos parabéns A alguém. Pergunta: “Isso o torna verbo transitivo indireto, cujo pronome deve ser o lhe?”. Minha cara Sandra, dê uma lida mais demorada no Houaiss, e você vai ver que ele classifica parabenizar como transitivo direto. Aliás, assim são os exemplos que ele dá: “parabenizar O patrão”, “parabenizar O Instituto de Filologia”. Não podemos “desenvolver” a regência deste verbo com base em dar parabéns A, como você fez, porque essa é a regência do verbo dar (quem dá, dá alguma coisa [parabéns] A alguém). Portanto, queremos parabenizá-lo. Note que ele é tão transitivo direto que até admite a transformação passiva (“Ele foi parabenizado pelos colegas e amigos”). duplo objeto indireto

O leitor Paulo gostaria de saber se a frase “Falaram de vocês ao diretor” está de acordo com a norma culta e se podemos afirmar que “de vocês” e “ao diretor” são objetos indiretos. Meu caro Paulo, sim, são dois objetos indiretos. Isso não é tão raro quanto possa parecer: concordar com alguém a respeito de algo, conversar com alguém sobre algo, perguntar A alguém por outra pessoa, orar a alguém por alguma coisa ou alguma pessoa, falar de alguém ou alguma coisa a outra pessoa, etc. – todos eles exemplos da gramática de Celso Pedro Luft. gostar que


Gastón Gutiérrez, de Buenos Aires, estudante de Português, pergunta: “Sempre me disseram que o verbo gostar é sempre gostar de. Mas outro dia um colega disse que gostar que é aceito e, nesse caso, não precisa o uso da preposição. Ele tem razão?”. Prezado Gastón, mesmo os verbos transitivos indiretos (gostar de, precisar de, etc.) costumam perder a preposição quando seguidos de uma oração substantiva objetiva indireta: compare “eu gosto de música”, “eu preciso de tempo” com “eu gostaria que o senhor participasse”, “eu preciso que todos colaborem”. Esta supressão da preposição faz com que a frase soe melhor e deixa-a mais fácil de pronunciar – daí a preferência que conquistou. É claro que não estaria errado “eu gostaria de que o senhor participasse”, mas eu particularmente não uso, nem conheço muita gente que o faça. Abraço. Prof. Cláudio Moreno agradeço a Deus

César Marques S. hesita entre “agradeço à Deus”, “agradeço ao Deus” ou ainda “agradeço a Deus”. Conclui: “Penso que a última opção está incorreta, mas encontrei esta forma em dois sites”. Meu caro César, mas que pontaria! A única forma correta é a terceira, exatamente a que você recusou: “Agradeço a Deus”. A primeira está errada porque Deus é masculino, e usar acento de crase antes de um substantivo masculino é simplesmente impossível, mesmo se tratando de tão augusto personagem. A segunda está errada porque não usamos artigo definido antes de Deus: “confio em Deus” (e não “confio no Deus”), “O homem põe, Deus dispõe” (e não “O homem põe, O Deus dispõe). Haveria, é claro, circunstâncias


em que poderíamos usar ao Deus: “Ele se referia ao Deus da misericórdia, não ao Deus do castigo e da punição” – mas acho que não era isso que você tinha em mente. deparar é pronominal?

Karina G., do Rio de Janeiro, estranhou a frase: “e me deparei com um verdadeiro caos”. No sentido de “afrontar”, não seria errado o emprego do pronome me junto ao verbo? Não seria “e deparei com um verdadeiro caos”? Minha prezada Karina, não, não é errado; na verdade, é a regência atual desse verbo. Já se encontra isso em Machado; veja a Clarice Lispector, em exemplo do verbete “deparar”, do Aurélio: “E deparou-se com um jovem forte, alto, de grande beleza”. A regência originária deste verbo (deparar alguma coisa a alguém) já não é mais usada; as duas vigentes são deparar com ou deparar-se com alguma coisa – sempre transitivo indireto, seja pronominal, seja simples. através de

K. Schmidt, de Ribeirão Preto (SP), sempre ouviu os gramáticos reprovarem o uso da expressão através de com o sentido de “por meio de”; porém, Houaiss aceita esse emprego e mostra “educar através de exemplos” e “conseguiu o emprego através de artifícios”. Ela pergunta: “Está correto, afinal? É mais um caso de expressão genuinamente errada, no entanto aceita em decorrência do disseminado emprego?”. Minha prezada K., você sempre ouviu os “pequenos” gramáticos dizerem isso. Os grandes não se preocupavam com essas minúcias, que são artificiais e inexpressivas, e que escritores do século XIX (para não citar os modernos),


como Euclides e Eça de Queirós, não levavam em consideração. Há muitas “autoridades” por aí, com pouco estudo, que ficam batendo em pequeninas regrinhas que nem o público (e, como você está a ver, nem mesmo os dicionários) observa; o pavor delas é ver chegar o dia em que isso for descoberto; nesse dia, elas ficarão sem ter o que “ensinar”, porque não entendem muito além dessas bobagens. domiciliado à rua

Savero S., de Aparecida do Taboado (MS), gostaria de saber se o acento de crase empregado antes de rua está correto na frase “residente e domiciliado à rua XV de Novembro”. Meu caro Savero, não se trata de saber se está ou não correto o acento de crase. O problema é outro: a preposição adequada é em ou a? Para os gramáticos tradicionais, mais rigorosos, o correto é “residente e domiciliado na rua XV de Novembro”. Eles alegam que, tradicionalmente, os verbos de quietação (morar, residir, situar-se, etc.) exigem a preposição em – no que têm razão. No entanto, o uso moderno insiste em substituir esse em pelo a; nesse caso, vão surgir as circunstâncias necessárias para a ocorrência de crase e, consequentemente, o emprego do acento grave: “residente e domiciliado à rua XV de Novembro”. Eu, particularmente, uso sempre o em. morar na rua

A leitora Sunguela escreve do Ceará, perguntando qual é a preposição adequada: “Maria reside à ou na rua Carlos Silva”? Minha cara Sunguela, os gramáticos prescritivistas recomendam, por


unanimidade, “residente na rua tal, morador na rua tal, sito na rua tal”. Se você quiser ficar dentro da etiqueta, use assim também. Alguns mal-humorados professores alegam que isso significaria morar “na” rua, e na rua ninguém mora, mas sim nos prédios e nas casas. É tolice; embora eu também nada veja de mal em usar a preposição a, é a preposição em que vem sendo preferida pelos autores clássicos e modernos de nosso idioma. servir ao Senhor

Mariana B., de Piracicaba (SP), diz que sua mãe comprou um pano de secar louça em que estava escrito “Devemos servir o Senhor com alegria”. O certo não seria ao Senhor? Minha cara Mariana, o verbo servir é transitivo direto, isto é, exige um complemente sem preposição: “Eu sirvo meu reino”, “Sete anos de pastor Jacó servia Labão, pai de Raquel, serrana bela” (Camões). Contudo, por uma idiossincrasia de nossa língua, os verbos transitivos diretos ganham uma preposição “A” quando nos referimos a Deus. Essa preposição é meramente virtual, e o complemento é o esquisitíssimo objeto direto preposicionado, do qual você já deve ter ouvido falar: “Julieta amava Romeu”, mas “Julieta amava a Deus”; “ele respeitava seu amigo”, mas “ele respeitava ao Senhor”. O que você estranhou na frase foi a falta dessa tradicional preposição: “Devemos servir ao Senhor com alegria”. transitivos diretos com preposição?

Ronaldo O. escreve de São Paulo: “Tenho visto em várias publicações frases como ‘A equipe é constituída por dois profissionais’, ‘O grupo é constituído de dois profissionais’. Ocorre que o verbo constituir é transitivo direto, portanto, não


admitindo preposição. Como se explica?”. Meu caro Ronaldo, você está com a razão ao observar que constituir é transitivo direto. Contudo, as duas estruturas que você destacou são frases na voz passiva. Lembro-lhe que uma das propriedades mais características dos transitivos diretos é a possibilidade de ser passados para essa voz (o que é absolutamente impossível com os indiretos). O que está preposicionado aqui é o agente da passiva, que corresponde, na ativa, ao sujeito. “Dois profissionais (sujeito) constituem a equipe” = “a equipe é constituída por dois profissionais (agente da passiva)”. reclamar

Alexandra W., de Ceará-Mirim (RN), não consegue decidir qual a forma correta: “Empresários reclamam atraso dos pagamentos” ou “Empresários reclamam de atraso nos pagamentos”? Minha cara Alexandra, quando eu reclamo o pagamento, estou exigindo que me paguem; se, no entanto, reclamo do pagamento, estou insatisfeito com o que me pagaram. São duas coisas totalmente diferentes. No seu exemplo, os empresários reclamam do atraso (estão fazendo reclamações). indagar

A leitora Cláudia P., de Montevidéu (Uruguai), gostaria de saber qual das duas versões é a melhor: “O rapaz indaga o cientista a respeito de como foi que ele teve tal ideia” ou “O rapaz indaga ao cientista a respeito de como foi que ele teve tal ideia”?


Prezada Cláudia, o seu indagar, nesta frase, atrapalha como uma pedra no sapato. Desculpe a franqueza, mas a primeira forma é errada (“O rapaz indaga o cientista”), e a segunda fica desajeitada (“indaga ao cientista a respeito de como foi”). Eu trocaria, sem hesitação, por perguntar: “O rapaz pergunta ao cientista como ele teve tal ideia”. Bem mais limpo e um pouco mais elegante. Agora, se você fizer questão de usar o indagar, sua frase poderia ficar assim: “O rapaz indagou ao cientista como foi que ele teve tal ideia”.


4. Crase

Todo mundo sabe que a crase é um fenômeno que ocorre quando dois As se encontram no interior de uma frase: a preposição A, que fica à esquerda, encontra outro A, que fica à sua direita. Ora, isso só poderá ocorrer, rigorosamente, em duas situações: (1) ou antes de um substantivo feminino (que tenha o artigo A), (2) ou antes de um pronome demonstrativo que comece por essa vogal (aquele, aquela, aquilo). Fora disso, em qualquer outra situação, é impossível que se encontrem os dois As necessários para esse casamento. Sempre fiquei espantado ao ver a esmagadora maioria dos livros didáticos destacarem os casos em que não pode ocorrer esse encontro de vogais e, consequentemente, o acento grave. Basta sabermos que só nos dois casos acima o enredo começa a ficar interessante, isto é, só nos dois casos acima podemos começar a nos preocupar com a possibilidade – friso: a possibilidade, não ainda a certeza – de que tenhamos de utilizar esse incompreendido acento. Ensinar os casos em que não há crase é o mesmo absurdo e a mesma perda de tempo que o Detran publicar a lista das placas que não foram multadas, ou a universidade divulgar, no vestibular, a lista dos candidatos que não foram aprovados. Não vamos ser ingênuos a ponto de afirmar, entretanto, que esse ensino “ao contrário”, pouco inteligente, seja a causa de nós termos tantos problemas com a crase. Que o mau ensino transforme num mistério o que deveria ser uma coisa relativamente simples, isso nós podemos entender. O fato de que a maioria dos autores didáticos não entendeu muito bem o fenômeno faz com que, ipso facto, a maioria dos brasileiros se atrapalhe com o emprego do acento grave. Até aí, tudo bem. Agora, se isso justifica a hesitação e a dúvida que as pessoas têm, com certeza não é o motivo que as induz ao erro. Certamente não serão essas explicações deficientes das gramáticas o que leva as pessoas ao emprego constante de acento de crase antes de masculinos, verbos, numerais e outras classes de vocábulos que, obviamente, não comportam um artigo antes deles. A Linguística moderna nos explica que todo erro que é cometido por uma extensa faixa de usuários deve ter alguma forte razão subjacente; é muito grande a incidência de erros do tipo *barco à vapor, *escreveu à lápis, *começou à chorar, *entregou à ela, *trafegava à 60km. O mau ensino não pode ser a causa de tantas pessoas quererem pôr o acento aí! Em outras palavras: se posso responsabilizar os maus instrutores de direção pelos maus motoristas que infernizam o trânsito, não poderia responsabilizá-los se um número expressivo de seus alunos resolvessem se atirar, de carro e tudo, pelo penhasco abaixo. De onde vem a


vontade de colocar esses acentos indevidos? Acredito que isso seja apenas a materialização da tendência instintiva (já destacada pelo incomparável Celso Pedro Luft, patrono deste Guia) de trocar o sistema vigente por outro mais simples, que consistiria, à francesa, em acentuar sempre o A quando ali estivesse a preposição presente. Said Ali já tinha demonstrado que os escritores de nosso idioma, desde o século XVI, usavam acentuar também a simples preposição antes de palavra feminina, em expressões como à faca, à espada, à fome, embora expressões equivalentes no masculino deixassem bem claro que não havia aqui o encontro de dois As (a machado, a martelo). Na mesma linha, algo foi ensaiado por José de Alencar, no século XIX, o que lhe valeu a crítica de um dos gramáticos “medalhões” da escola do Rio de Janeiro, que fez um estudo sobre a linguagem alencariana, mostrando que, infelizmente, o autor de Iracema não sabia usar nem a crase... Ele não entendeu que Alencar e muitos escritores de sua época usavam o acento apenas para distinguir o artigo da preposição. Uma advertência final: para indicar a ocorrência da crase, nosso sistema ortográfico escolheu o acento grave; no entanto, no uso corrente, esse acento passou a ser chamado também de crase, o que levou à formação do verbo crasear (já presente no Houaiss e no Aurélio), verbo de que não gosto, mas que está amplamente consagrado. Nas situações em que os professores rigorosos dizem que um determinado “A” leva acento de crase, o falante comum prefere dizer que o “A” é craseado; eu prefiro a primeira hipótese. A ocorrência da crase envolve, portanto, a presença da preposição – que é uma questão de regência – e a presença do artigo. A regência já foi abordada n o capítulo 3; passamos agora a examinar alguns pontos importantes sobre o artigo, antes de entrar na crase propriamente dita. 4.1 O uso do artigo Bahia e Recife Antes de nomes geográficos, o uso do artigo às vezes é obrigatório, em outras, é facultativo.

Prezadíssimo Professor, sem querer abusar de sua santa paciência, trago uma


dúvida que surgiu ao ler sua explicação sobre o uso do artigo definido antes de Recife, no Guia Prático 2, em que o senhor deixa claro que, sendo o nome desta cidade também a designação de um acidente geográfico, pode-se usar tanto “de Recife” quanto “do Recife”. Pergunto: seria essa regra aplicável quando nos referirmos à Bahia? Poderia ser dito “venho de Bahia”? Em caso afirmativo, a crase também seria facultativa, isto é, poderíamos escrever, indiferentemente, “vou à Bahia” ou “vou a Bahia”? David A. – Maceió (CE) Meu caro David, acho que você fez aqui uma pequena confusão, pois o caso de Recife não tem nada a ver com o caso da Bahia. Recife é uma cidade, e o nome das cidades geralmente não é acompanhado do artigo, em Português; como, entretanto, refere-se a um acidente geográfico (os recifes), admite-se também que venha com artigo – “venho de Recife” (seguindo a regra geral) ou “venho do Recife” (seguindo o costume da maior parte dos falantes). Com o nome dos estados, contudo, a coisa é diferente: eles se dividem entre os que não têm artigo (venho de Alagoas, de Minas Gerais, de São Paulo, de Tocantins) e os que têm (venho do Pará, da Paraíba, do Paraná, da Bahia). Enquanto o uso popular (e, muitas vezes, histórico) registra a possibilidade de incluir um artigo antes do nome de certos estados (“as Alagoas”, “as Minas Gerais”), o que você está propondo é exatamente o caminho inverso: excluir o artigo que acompanha a Bahia – possibilidade que a língua não nos oferece. Você pode imaginar alguém dizendo que vem “ de Pará” ou “de Amazonas”? Sempre vai ter de usar o “A” com Bahia; ora, o resto todos nós já sabemos: se este “A” encontrar uma preposição “A”, a crase será inevitável. se vou a e volto da O Professor mostra como o antigo versinho “Se vou a e volto da, crase há” tem muito mais a ver com o artigo do que com a crase.

Caríssimo Professor, escrevo-lhe para partilhar uma velha recordação de infância que foi resgatada de tempos olvidados, ao ler um de seus artigos acerca do


emprego da crase... A minha mestra de Português, perante nossas dúvidas nesse tópico, dizia: “Meus alunos: se vou a e volto da, crase há; mas se vou a e volto de, crase para quê”? Boa mnemônica, não acha? Sandra Lourenço – Coimbra, Portugal Prezada Sandra, eu não sei a idade que você tem, mas deve ser algo geracional: eu também aprendi assim, no tempo em que eu tinha todo o cabelo e todas as esperanças do mundo. Ainda acho muito boa essa rimazinha mnemônica, mas chamo a atenção para um detalhe que me passava despercebido naquela época: ela tem muito menos a ver com a crase do que com o uso do artigo. Explico. Nosso idioma nem sempre usa o artigo antes dos nomes de lugar (países, estados, cidades): moro em Alagoas, mas na Bahia; venho de Portugal, mas do Japão, e assim por diante. Aquele versinho, portanto, serve apenas para saber quais os nomes de lugar que são precedidos de artigo feminino; a crase vai ser apenas uma consequência. Por exemplo, se eu preciso saber como grafar cada “A” na frase “Na minha excursão, fui a Cuba, a Holanda, a Bélgica e a Israel”, aplico a esperta rimazinha e obtenho o seguinte: “Volto de Cuba, da Holanda, da Bélgica e de Israel” – o que me indica que Cuba e Israel não têm artigo e, por consequência, não vai ocorrer a crase (“Fui a Cuba, à Holanda, à Bélgica e a Israel”). É tiro e queda! Contudo – repito – só funciona com esses locativos. Para todos os demais casos em que temos dúvida, só mesmo o miolo resolve. Um abraço, Sandra, e obrigado pela recordação. do ou de Paulo? Devemos ou não usar artigo antes de nomes próprios?

Meu caro Professor, eu gostaria de esclarecer se estão corretas as três formas da seguinte frase: (1) A casa é do Paulo, da Renata e do Marcelo. (2) A casa é do Paulo, Renata e Marcelo. (3) A casa é de Paulo, Renata e Marcelo. Renato de Mendonça


Meu caro Renato, o leque deve ser ampliado para quatro opções: (1) A casa (2) A casa (3) A casa (4) A casa

é é é é

do Paulo, da Renata e do Marcelo. de Paulo, de Renata e de Marcelo. do Paulo, Renata e Marcelo. de Paulo, Renata e Marcelo.

Tanto a primeira quanto a segunda estão corretas; a diferença entre elas está no emprego – ou não – do artigo antes do nome próprio, o que é uma escolha livre para o falante. Podemos optar entre “o carro de Marta” e “o carro da Marta”, “o livro de Pedro” ou “o livro do Pedro”. Em geral, os gaúchos preferem usar o artigo, enquanto o resto do país prefere não fazê-lo. Você deve escolher a forma que mais lhe agrada. A terceira e a quarta também se distinguem nesse mesmo ponto, mas apresentam, além disso, uma peculiaridade considerada “moderna” por alguns: a preposição de vem antes do primeiro item da relação, apenas. Eu não gosto e não uso; prefiro, como nas duas primeiras versões, manter o paralelismo sintático, repetindo a preposição antes de cada item. Embora estas duas últimas formas sejam aceitas, acho que você deveria ficar com as duas primeiras; além de mais formais, são mais elegantes. em França? Luís XV era rei da França ou rei de França? Paris fica na França ou em França?

Caro Professor, voltei a estudar, depois de vários anos afastado dos bancos escolares. Na semana passada, aprendi que, ao me referir à França, devo escrever “em França” e não “na França”. Está correto? É novidade? Isso também se usa para outros países? Jorge Luiz B. – Cuiabá (MT)

Meu caro Jorge, se você estiver em Portugal, vai ouvir muitas vezes “em


França”, “em África”. No Brasil, no entanto, isso é completamente inadequado. As pessoas cultas (e todos os escritores que merecem esse nome, inclusive o supremo Machado de Assis) escrevem “na França”, “na África”, pois esses nomes geográficos são usados, aqui, com artigo. Dizemos que o livro veio “da França”, e não “de França”, como querem alguns (raros) professores equivocados. Além disso, abra o olho: se você não usar artigo antes de França, vai terminar escrevendo “Fomos A França”, sem acento de crase; isso fica bem em Portugal, mas aqui vai ser tachado de erro, mesmo. Em Roma, devemos agir como os romanos; aqui no Brasil é assim. artigo antes de relativos A mais importante diferença entre os pronomes relativos que e qual é que só o segundo pode ser antecedido de artigo definido.

Caro Prof. Moreno, no setor jurídico em que trabalho, costumamos usar a frase “Apelação e remessa oficial a que se nega provimento” para significar que se está negando provimento tanto à apelação quanto à remessa. Para deixar bem claro que estamos negando provimento aos dois elementos, não seria melhor acrescentar o artigo no plural e escrever “Apelação e remessa oficial às que se nega provimento”? Luciana O. – Brasília (DF) Minha cara Luciana, você indicou um bom rumo, mas enganou-se de endereço. A sugestão de usar o artigo é boa, mas não pode ser feita com o relativo que. Este pronome jamais virá antecedido de artigo, a não ser que haja u m substantivo elíptico – mas isso é vinho de outra pipa. Talvez o que você quisesse propor fosse algo como “Apelação e remessa oficial às quais se nega provimento”; aí sim, você teria razão, porque ficaria muito mais fácil para os leitores entenderem do que se trata. Esse comportamento diferente do que e do qual, com relação a artigos, fica bem evidente quando comparamos estruturas como “os filmes a que assisti/aos quais assisti”, “os ideais por que lutamos/pelos quais lutamos”, “a peça a que assisti/à qual assisti”, e assim por diante: qual é sempre antecedido de artigo,


coisa que jamais acontece com o que. Os eventuais casos de crase antes deste pronome se devem à presença de um artigo pertencente a um substantivo elíptico (subentendido): “Essa rua é paralela à [rua] que leva o nome de meu pai” pode ficar “Essa rua é paralela à [...] que leva o nome de meu pai”; “Não me refiro às [alunas] que chegaram cedo, mas às [alunas] que chegaram tarde” pode ficar “Não me refiro às alunas que chegaram cedo, mas às [...] que chegaram tarde”. Por isso, seria agramatical a forma proposta por você, “apelação e remessa oficial *às que...”. A forma como vocês costumam escrever, portanto, está correta. Curtas leve o quanto puder

Francisco F., de Brasília (DF), quer saber se o correto é “aproximei-me O quanto pude” ou “aproximei-me quanto pude”. Meu caro Francisco: “aproximei-me O que pude”, “aproximei-me O máximo que pude”, “leve O quanto puder”, “gastei O mínimo”, etc. – veja como você sempre terá aquele O, que uns interpretam como pronome, outros como artigo – nesse caso, acompanhando um substantivo que está subentendido. Seja ele o que for, sempre deveremos usá-lo. Vamos encontrar autores que o consideram desnecessário em construções como “gaste [o] quanto quiser”, “economize [o] quanto puder”, mas o uso literário parece ter preferido manter este O. todo x todo o (na fala)

A leitora Isabel Fernandes quer saber sobre o uso de todo + o. Segundo ela,


falamos coloquialmente “todo mundo vai querer imitar você”, com o sentido de “todas as pessoas”. Ela pergunta se o certo não seria “todo o mundo vai querer imitar você”. Prezada Isabel, nem você nem eu sabemos como falamos isso, porque dizer “todo o mundo” ou “todo mundo” sempre vai dar na mesma sequência fonológica /todumundu/. Como falam os caipiras, “dizido é uma coisa, escrevido é outra”. Não esqueça que a escrita, com todas as suas regras ortográficas e gramaticais, é uma realidade que não chega a 30% do gigantesco fenômeno que é a língua falada. Agora, para que você não pense que eu desviei da pergunta, informo que o costume é usar todo mundo quando queremos falar de todas as pessoas, reservando todo o mundo para quando queremos falar do planeta inteiro – embora, faço questão de frisar, esta diferença não seja tão rígida como alguns apregoam. Cubatão tem artigo?

José O. L., de São Paulo, pergunta qual é a forma correta (e qual a regra) com relação à cidade de Cubatão: “foi para o Cubatão” (análogo a “foi para o Rio de Janeiro), ou “foi para Cubatão” (análogo a “foi para São Paulo”)? Meu caro José, foi para Cubatão, veio de Cubatão; foi para Sorocaba, veio de Sorocaba – note como não costumamos usar artigo com o nome das cidades. O Rio de Janeiro é um dos raros casos, principalmente por influência do substantivo comum (o rio) e da confusão histórica entre a cidade e o estado do Rio. Secretaria da ou de Saúde?


Washington Cezar A., de Porto Seguro, precisa saber se a forma correta é “Secretaria Municipal de Saúde” ou “Secretaria Municipal da Saúde”. Meu caro Washington, vejamos como se faz no âmbito federal: Ministério da Cultura, Ministério da Saúde, Ministério da Educação, Ministério do Desenvolvimento, Ministério da Integração (nem todos eles existem, mas já existiram). Note que o artigo definido está sempre presente, junto com a preposição. Essa é uma daquelas opções que a língua vai definindo, silenciosamente, em seu curso de séculos. Acho que seria sábio seguir o exemplo e escrever “Secretaria da Saúde”. artigo antes de possessivos

A leitora Gislene pergunta se é correto colocar um artigo antes de um pronome possessivo. Como fica? É “onde você colocou meu casaco” ou “onde você colocou O meu casaco”? Minha cara Gislene, tanto faz um quanto o outro; o uso de artigo antes do possessivo é apenas uma das inúmeras instâncias em que o falante tem todo o direito de optar. Essa flexibilidade no emprego do artigo vai ter, no caso do feminino, repercussões quanto à ocorrência de crase. Dê uma lida no que escrevi a respeito desse assunto em crase com possessivos. artigo antes das siglas

Carmen Rebouças trabalha numa universidade, na Seção de Admissão e Registros Escolares, referida internamente como SEARE. Sua dúvida é simples: “Quando usar a sigla, devo também usar o artigo? Ao despachar um processo para tal setor, o correto seria À SEARE, A SEARE ou AO SEARE?”. Prezada Carmen, no caso de siglas como esta, costumamos atribuir-lhe o


mesmo gênero do núcleo do sintagma. Se é uma “seção”, será feminina; se for um “centro”, por exemplo, será masculino. Nós nos referimos ao MEC (ministério), ao INSS (instituto), ao SERPRO (serviço), à OAB (ordem). No seu caso, portanto, você deve falar da SEARE. No endereçamento de uma carta ou ofício, como está presente a preposição “A”, a crase vai ocorrer: à SEARE. ao/a meu ver

Janaína, de Feira de Santana (BA), quer saber se a expressão correta é a meu ver ou ao meu ver. Prezada Janaína, como você deve saber, é completamente livre, para o falante, usar ou não o artigo antes dos possessivos: aquele é meu carro, aquele é o meu carro; minha mãe está aqui, a minha mãe está aqui. Esta liberdade de escolha vai ter reflexos no caso que você propôs: em meu entender, no meu entender; a meu ver, ao meu ver. Escolha uma e fique em paz. de mamãe, da mamãe

Audri P., de Porto Alegre, escreve: “Uma menina baiana que está morando conosco costuma dizer ‘este livro é de mamãe’, ‘os sapatos de Laurinha’; no Sul, dizemos normalmente ‘este livro é da mamãe’ ou ‘os sapatos da Laurinha’. O que é correto?”. Cara Audri, usar (ou não) o artigo definido nesses casos é uma questão de opção do falante. O quarto do meu filho, o carro do papai, a carta da Maria – ou o quarto de meu filho, o carro de papai, a carta de Maria. A escolha é livre; em geral, o Rio Grande do Sul prefere usar o artigo, enquanto o Nordeste faz o contrário. Note que essa opção tem reflexo no problema da crase: “leve o livro A


papai e a revista A mamãe” (sem artigo), ou “leve o livro AO papai e a revista À mamãe” (com artigo). 4.2 A crase propriamente dita à Maria, a Maria

Saiba por que razão o acento de crase é opcional antes dos nomes próprios.

Professor Moreno, ao escrever uma carta para minha filha, me surgiu uma dúvida. Como devo preencher o destinatário? À Maria ou simplesmente A Maria, sem o acento de crase? Obrigada pela sua atenção. Alessandra – São Paulo (SP) Minha cara Alessandra, escreva como você quiser. Acontece que os falantes do Português se dividem em dois grupos: os que usam e os que não usam artigo antes de nomes próprios. Quando eu falo do meu filho Matias, eu digo “o Matias passou por aqui”, mas sua namorada, que é do Rio de Janeiro, já prefere dizer “Matias passou por aqui”. No feminino, uns dizem “Encontrei Maria no jogo”, outros dizem “Encontrei a Maria no jogo”. A escolha é completamente livre. Ora, como você deve lembrar do tempo de colégio, tudo o que mexe com o artigo feminino tem reflexos no acento de crase. Se você usar o artigo quando falar da sua filha (“estou pensando na Maria”, “o noivo da Maria”), vai escrever “À Maria” (preposição + artigo = crase). Se, por outro lado, você prefere não empregar o artigo (“o quarto de Maria”, “o noivo de Maria”), é evidente que acabará escrevendo apenas a preposição: “A Maria”. Escolha aí um João, escreva uma carta para ele e tudo vai ficar mais claro: ou você escreve “Ao João” ou “A João”. A decisão é sua. devido a medicação Andrea, editora de uma revista de Medicina, escreve:


“Acredito que minha dúvida seja comum a muitos brasileiros: existe uma regra simples para o uso da crase? Por exemplo, devido a medicação errada leva ou não crase?”. Minha cara Andrea, a regra de crase é muito simples; o que pode ser complexo, no entanto, é o contexto em que nós temos de decidir sobre o seu uso. A sua frase – devido a medicação errada – é um bom exemplo dessa complexidade. Por exemplo, (1) imaginemos que o médico X tenha matado um paciente ao prescrever-lhe um remédio inadequado; o paciente morreu devido à medicação errada que o médico lhe prescreveu. Compara com (2): “Muita gente morre no Brasil devido a medicação errada”. Por que em (1) aparece o acento de crase e em (2) não? Posso lhe assegurar que não tem nada a ver com a regra da crase, mas sim com o uso (ou não) do artigo definido, esse pequeno vocábulo cuja importância tanto esquecemos. Em (1), o artigo está presente, pois estamos falando de uma medicação errada definida. Em (2), ele está ausente, pois nos referimos a “medicações erradas”, indefinidamente. Este é o mesmo caso de “o infrator está sujeito a multa (leia-se: a [uma] multa), que é bem diferente de “o infrator está sujeito à multa de R$100,00). a crase da sogra Um desesperado estudante de Letras faz fiasco ao discutir a crase com a sogra; o Professor ensina como devemos nos comportar numa hora dessas.

Caro Professor Moreno, sou um aluno de Letras em desespero: a mãe da minha namorada é daquelas que discute qualquer tópico até o limite da honra. E ontem estava “a dar aulas de gramática” a todos nós, incultos e belos. Disse-nos que quase teve um treco ao ir na lavanderia e ler “lavagem À seco”. Mas, aí, lembrei do caso do “tinta À óleo” em que está implícito “à maneira de” e mencionei tal regra para confirmar o acerto de “lavagem À seco”. Enfim, ficamos por mais de cinco minutos a discutir tal nuance da nossa birrenta Língua Portuguesa. Então,


Professor? Lavagem à seco está correto? Se não estiver, dá para inventar uma emenda à FHC e mudar (mesmo que temporariamente) a constituição dessa regra para salvar um desamparado aluno de Letras? Anônimo – De algum lugar do interior de São Paulo [o nome e a cidade foram omitidos para resguardar a integridade física do autor da mensagem] Meu caro Anônimo, você realmente foi se meter em camisa de onze varas! Sinto dizer que desta vez você se complicou, e feio! Desde quando “tinta a óleo” tem crase, ó Anônimo? Nunca! Nem em “lavagem a seco”! Só pode haver acento de crase antes de palavra feminina, venha ela expressa ou subentendida. É nesse último caso que vemos os “bigodes à Hitler”, o “filé à Santos Dumont”, porque aqui está elíptica a palavra moda. Como em toda elipse, aliás, ela pode simplesmente voltar à frase: “bigodes à moda de Hitler”. Agora, ninguém lava “à moda” de seco, nem tem tinta “à moda” de óleo. Eu sei que é duro, para um estudante de Letras, tropeçar assim em público – e ainda mais diante da sogra! Paciência, meu caro Anônimo: isso pode acontecer com qualquer um. Nesses casos, o melhor remédio é sempre a verdade: você deve voltar ao assunto, dizer que resolveu estudar mais profundamente o problema e acabou concluindo que estava errado. Isso é prova de grandeza intelectual e sempre funciona. Acredite em mim, porque um dia, quando eu era recém-formado, fiz uma dessas com uma turma de segundo grau: errei, teimei, gritei com eles, chamei-os de cabeçudos e ignorantes, e depois, em casa, vi que eles estavam com a razão. Engoli seco, criei coragem e, no dia seguinte, fiz diante deles o meu mea culpa; para a minha surpresa de jovem professor inexperiente, passei a ser muito mais respeitado pela turma! Agora que já se passaram vários dias da sua discussão, volte voluntariamente ao assunto, demonstrando (1) que você dá alguma importância às opiniões da sogra (“A senhora sabe, desde aquele dia eu fiquei intrigado com a sua convicção sobre aquele problema da crase e resolvi me aprofundar no tema” – vá por aí, que irá muito bem) e (2) que você é um estudioso; só os ignorantes não mudam de opinião. à vista A leitora quer saber se uma venda a prazo, além dos juros, também leva acento de crase; o Professor mostra que não. O problema é a venda à vista.


Prezado Doutor, sei que em frases como “vou pagar a vista e não a prazo” não se deve utilizar o acento de crase. Mas, quando for no início de frases ou indicadores, como fica? Por exemplo, devo escrever À vista: R$500 ou A vista: R$500? À prazo: R$515 ou A prazo: R$500?” Cláudia Leite

Minha prezada Cláudia, a prazo jamais vai receber acento indicativo de crase, esteja no início, no meio ou no fim da frase. O motivo é muito simples: é impossível existir, antes desse substantivo masculino, o artigo definido feminino, que, como você bem sabe, é um dos ingredientes indispensáveis para que ocorra o fenômeno da crase. Agora, com a vista o problema é um pouquinho diferente. Pelo simples paralelismo com o a prazo, em que só temos a preposição (mas não o artigo) antes do substantivo, fica evidente que em a vista também só temos a preposição pura. Contudo, por permitir algumas estruturas ambíguas (como, por exemplo, “a vista é melhor”), muitos gramáticos incluem este caso entre aqueles em que o acento grave é utilizado apenas para assinalar a locução adverbial (e não, como seria o comum, o encontro de dois As). O uso deste acento (independentemente da posição em que aparece na frase) é opcional nesses casos, não sendo aceito por alguns autores de renome. Eu uso sempre, se você quer saber. crase antes de Terra Veja por que, na frase “os marcianos voltaram à Terra ”, devemos empregar o acento indicativo de crase.


Professor, gostaria que o senhor esclarecesse o emprego da crase diante da palavra terra, sobretudo nesta oração: “Os marcianos voltaram a Terra”. Afinal, usamos o acento diante do substantivo próprio Terra, referindo-nos ao planeta em que vivemos? Petrúcio Jr. Meu caro Júnior, acho que conheço a origem remota dessa sua dúvida. No (mau) ensino tradicional da crase, relacionavam-se os casos em que “a crase era proibida” [sic!] – e entre eles figurava a palavra terra quando usada por oposição a bordo: “Os marinheiros foram a terra”. Ora, professor de Português que se preze já abandonou, há muito tempo, essa forma jurássica e equivocada de explicar o A acentuado. Como este acento só poderá ocorrer quando houver a crase (fusão) da preposição com o artigo, não é necessário ficar enumerando as dezenas de casos em que tal encontro não acontece, como se fossem regras específicas. Um professor que ensina a seus alunos que “não existe crase antes de verbo” está transmitindo a seus infelizes alunos a ideia errônea e nefasta de que possa existir uma lista de palavras favoráveis e outra de palavras desfavoráveis à crase. O que ele deve fazer é, a partir do princípio geral (não há crase sem a presença do artigo feminino), mostrar ao aluno que ele sequer deveria se preocupar em acentuar um A que esteja antes de um verbo, ou antes de um pronome indefinido, ou antes de uma palavra masculina, etc. – casos esses em que é impensável a presença do artigo feminino “A”. Isso nos traz de volta à sua pergunta: podemos acentuar o A antes de terra? A resposta é simples: desde que a preposição encontre um artigo feminino antes desta palavra. No exemplo acima, dos marinheiros, o vocábulo é usado com um sentido indefinido, que não admite o artigo (definido) (“O navio está em terra”, “O grito veio de terra”). Observe, no entanto, a sequência: a espaçonave deixou a Terra, a espaçonave saiu da Terra, a espaçonave caiu na Terra, a espaçonave voltou à Terra. Como você pode ver, sempre usamos o artigo definido com o nome de nosso planeta. Isso também ocorre quando empregamos terra para indicar o lugar que se opõe ao céu, no sentido místico ou mitológico: “Zeus saiu da vastidão azul do céu e voltou mais uma vez à terra”; “Cristo veio à terra para salvar os homens”. àquele Fique sabendo que não existem, em momento algum, regras que proíbam ou permitam o uso do acento de crase. Tudo é uma questão de destino.


Prof. Moreno, embora não se use o acento grave, indicador da crase, antes de palavra masculina, o uso de àquele (contração da preposição A com o pronome demonstrativo aquele) – “Diga àquele rapaz que não faça tanto barulho” – seria exceção à regra geral? Não o sendo, qual a explicação? Grata. Sílvia P. – Rio de Janeiro (RJ)

Minha cara Sílvia, não há nada de especial quanto ao acento de àquele; acontece que você foi mais uma das vítimas do mau ensino de Português. Não existem regras negativas de crase. Isto é, não existem regras sobre o não-uso do acento grave. A crase ocorre quando um A se encontra com outro, e pronto. Em 90% das vezes, trata-se do encontro [prep. A + artigo A]. Ora, como este precioso artiguinho feminino só pode aparecer antes de substantivos femininos, é um a consequência lógica (não uma proibição!) que isso não ocorra antes de substantivos masculinos. No entanto, nos outros 10%, a crase ocorre quando a preposição A (esta não pode faltar nunca a este baile) se encontra com o “A” inicial dos pronomes dem onstrativos aquele (e suas flexões aquela, aqueles, aquelas) e aquilo. “Não me refiro a este aluno, mas sim àquele”; “Quanto àquilo, posso assegurar-te...” – e assim por diante. Nada de mais. Ocorre que há dezenas de péssimos manuais, usados por professores de formação apressada, que tratam a crase como se fosse um sistema de regras determinadas por alguém – como se fosse uma lei, com artigos e parágrafos e incisos e casos especiais. Por causa disso, muitos se revoltam contra a crase, julgando-a uma imposição arbitrária; não poucos leitores já me escreveram perguntando quando é que vão “revogá-la”! Para piorar o quadro, esses manuais vivem chamando a atenção de seus desafortunados leitores (ou alunos) para os casos em que “a crase é proibida” [sic!]. Não estranho, portanto, que você fique cismada com o acento de àquele. O próprio Millôr – para mim, um dos escritores brasileiros mais conscientes da linguagem que utiliza – vive escrevendo a respeito de àquele e de àquilo, que ele gosta de apontar como exceções à regra que diz só existir crase antes de palavra feminina. O problema, Mestre Millôr, é que essa regra está incompleta, formulada por esses gramatiquinhos que disseminam por aí sua deficiente


compreensão dos fenômenos da língua; eles simplesmente esqueceram a segunda possibilidade, em que a preposição encontra o A inicial do pronome demonstrativo. Agora tenho certeza de que você vai ficar em paz com o acento de àquele. crase com possessivos O Professor explica: acreditar que haja casos em que a crase é opcional é o mesmo que acreditar que, aproximando um fósforo aceso da gasolina, a explosão será opcional.

Prezado Professor Moreno, ao responder a uma pergunta minha, o senhor escreveu: “refiro-me À sua consulta de dezembro do ano passado”. Existe essa crase antes de pronome possessivo? Obrigado mais uma vez. Klein – Novo Hamburgo (RS) Meu caro Klein, eu podia ser chato no bodoque e responder, muito simplesmente: “Se eu usei, é porque tem, ora!”. Mas, como sou um eterno professor, vamos ao problema: antes de mais nada, não se discute a existência ou a não-existência de crase antes dos possessivos. A crase é a aproximação da preposição “A” com o artigo feminino “A” – mais ou menos como aproximar um fósforo da gasolina. Se eles entrarem em contato, nada vai impedir a combustão; da mesma forma, se um “A” encontrar o outro, vai acontecer o fenômeno chamado de crase, assinalado na escrita pelo acento grave. Se você ler o que escrevi em “à Maria, a Maria”, verá que antes dos nomes próprios podemos usar (ou não) artigo; dessa forma, a decisão que tomarmos vai influir na ocorrência (ou não) do artigo necessário para que a crase ocorra. Algo semelhante acontece antes dos possessivos: nosso idioma nos permite optar entre usar – ou não – o artigo antes deles. Uns dizem “a janela de meu quarto”; outros, “do meu quarto”. ”Leve isso a meu filho” ou “ao meu filho”. No feminino, da mesma forma: ou “entregue isso a minha filha” (só preposição) ou “entregue isso à minha filha” (preposição + artigo = bingo!). Temos aí uma crase, que deverá ser indicada, na escrita, pelo acento grave. Tudo depende, como você pode ver, da nossa decisão de empregar ou não o


artigo. Dizer, como o fazem alguns autores, que aqui a crase seria opcional seria o mesmo que dizer que, juntando o fósforo à gasolina, a explosão vai ser opcional. Claro que não é; o que podemos optar é aproximar ou não o maldito fósforo, mas, uma vez tomada a decisão de usar o artigo definido, as consequências fogem a nosso controle. A maior prova disso aparece quando usamos possessivos no plural; aí a trama fica bem visível. “Entregue isso a minhas filhas” (o “A” é preposição pura, sem acento) ou “entregue isso às minhas filhas” (o “s” revela que o artigo está presente, e a acentuação é obrigatória). crase e pronome de tratamento O Professor explica por que nunca haverá acento de crase antes de Vossa Excelência, Vossa Senhoria, etc.

Caro Professor, em “vimos solicitar A Vossa Excelência”, o “A” não leva acento de crase mesmo? E se eu raciocinar que a frase é “vimos solicitar a (a) Vossa Excelência” – não existe aí uma duplicidade de “As”? A propósito, em uma dedicatória, o correto é escrever “À minha amiga Maricota” ou “A minha amiga Maricota”? Obrigado pela força. Afonso – Campo Grande (MS) Meu caro Afonso, você jamais vai encontrar um acento de crase antes de Vossa Excelência (e demais formas de tratamento – incluindo o você) pela simples razão de que o Português não aceita artigo antes dessas formas! “O discurso de Vossa Excelência” (e não da), “Confio em Vossa Excelência” (e não na), “Só penso em você”, etc. Ora, você sabe muito bem que a crase ocorre quando a preposição encontra o artigo; logo... Quanto ao uso de artigo antes de pronomes possessivos, essa é uma daquelas situações em que o falante tem total liberdade de escolher. Eu digo “o carro de (ou do) meu filho”, “eu estava pensando em (ou na) minha filha”. Dessa forma, no caso que você menciona, pode usar o artigo (com o consequente acento de crase: à minha amiga) ou não (nesse caso, o “A” vai ser uma preposição pura: a


minha amiga). A crase não é bicho bravio, não; com jeito, ela se amansa. crase e subentendimento O Professor mostra que na frase A água ferve A cem graus não se pode subentender a palavra temperatura, que justificaria o acento de crase.

Caríssimo Professor, em expressões do tipo “a setenta graus...”, em que se subentende a palavra temperatura, usa-se ou não a crase ? Obrigada pela luz!!! Olga Martins Minha cara Olga, sua pergunta revela que você conhece o princípio fundamental da crase – ela só pode ocorrer antes de uma palavra feminina, esteja ela expressa ou subentendida. Contudo, neste caso não há subentendimento algum; devemos escrever a setenta graus, sem acento de crase, porque aqui o “A” é simples preposição. Vou mostrar uma construção com vocábulo elíptico (o que você chama de subentendido), para vermos a diferença: “A massa fica pastosa à temperatura de cinquenta graus, mas se liquefaz quando chega à de setenta graus”. Se mostrarmos essa construção para qualquer pessoa, ela vai recuperar a palavra temperatura entre o a e o de. Como esse vocábulo subentendido traz consigo o artigo feminino, temos aqui uma crase. Se tomarmos, no entanto, a frase A água ferve a cem graus, o máximo que se poderia subentender (com boa vontade...) seria “a cem graus de temperatura” – no final do sintagma, longe, portanto, daquela preposição “A”. Espero que esta “luz” possa lhe esclarecer. a crase precisa de um artigo! Quatro leitores enviam quatro perguntas diferentes sobre a crase; o Professor mostra que, no fundo, todas se referem à presença do artigo. Da mesma forma que a ocorrência da crase é muito mais limitada do que parece, as dúvidas sobre ela também giram sobre os mesmos pontos de sempre.


Quatro leitores apresentam suas dúvidas sobre o emprego do acento de crase; à primeira vista, podem parecer quatro perguntas diferentes, mas veremos que todas tratam da presença do artigo feminino.

(1) Professor Moreno, qual é a forma correta? “A revista foi feita à muitas mãos” ou “A revista foi feita a muitas mãos”? Ou seja, ocorre crase antes de muitas ou não? Desde já, fico muito agradecida. Geda L. Prezada Geda, é evidente que nesta frase não está presente um dos ingredientes indispensáveis para a crase, que é o artigo feminino. Se ele estivesse na frase, você teria um as antes de muitas. O a que temos aí é simplesmente a preposição e, ipso facto, não pode receber acento de crase.

(2) Caro Professor Moreno, tenho uma dúvida que pode parecer banal, mas que não consigo sanar: em “embalagem a vácuo” e “empacotado a vácuo”, ponho ou não ponho acento de crase? Não se trata de uma maneira de embalar ou empacotar? Muito obrigada. Telma Ferreira Minha cara Telma, para que haja acento de crase, é necessário que a preposição “A” se encontre com o artigo feminino “A”: “entregue isso a (preposição) + a (artigo) diretora” = à diretora. Logo, é impossível encontrar esse segundo “A” (o artigo feminino) antes de um vocábulo masculino como vácuo. É por isso, Telma, que se diz que não ocorre acento de crase antes de masculinos: é


pela absoluta falta do segundo elemento necessário, o artigo. Embalagem a vácuo, motor a diesel, navio a vapor, preencha a lápis – todos sem acento, porque todos são masculinos.

(3) Prezado Professor, em atendimento especial a clientes, o “A” leva acento de crase? Por favor, responda esta, porque a briga interna aqui é grande. Grato. Klein Meu caro Klein, para que haja acento de crase, é necessário que a preposição “A” se encontre com o artigo feminino “A”. Supondo que vocês só tivessem mulheres como clientes (um Centro de Ginecologia, por exemplo – o que não me parece ser o caso de vocês...), o anúncio poderia prometer “Atendimento às clientes”. Note que a presença do “s” final revela claramente que o artigo feminino está ali, junto com a preposição. No caso de “Atendimento a clientes”, no entanto, esse “A” é indiscutivelmente uma preposição isolada; não há hipótese, portanto, de receber o acento de crase.

(4) Caro Professor Moreno, uma dúvida gerou muita confusão entre meus colegas de trabalho: folheado à ouro ou folheado a ouro? Alguns argumentaram que, devido à palavra ouro ser masculina, a crase não se aplica; outros argumentaram que ela se aplica, pois a palavra feminina está implícita. Você pode pode nos ajudar com essa dúvida? Toni Lazaro Prezado Toni, aqui não há como tentar enxergar uma palavra feminina


elíptica (subentendida) antes de ouro. Portanto, não há artigo feminino e, consequentemente, não pode haver acento de crase. E mais: mesmo que fosse “folheado a prata”, também não haveria o acento, porque aqui, em ambos os casos (ouro ou prata), não está sendo empregado o artigo definido; o “A” é apenas a preposição. das oito às doze Um leitor quer saber se a loja abre “das 8h as 12h” ou “das 8h às 12h”, “de segunda a sexta” ou “de segunda à sexta”.

Devemos escrever “das 8h as 12h” ou “das 8h às 12h”? Ou as duas formas são corretas? Nesse caso, o a está substituindo o até ou o para? Da mesma forma, pergunto: é “de segunda a quinta-feira” ou “de segunda à quinta-feira”? Um abraço e muito obrigado. Fábio Cezar M. – Jaraguá do Sul (SC)

Meu caro Fábio, como todos nós estamos cansados de saber, a crase (assinalada, na escrita, pelo acento grave) é o encontro da preposição “A” com o artigo “A”. Na sua pergunta, quando você escreve “das 8h”, fica claro que o artigo está presente (das é formado pela preposição de mais o artigo as); consequentemente, antes de “12h” ele também deverá estar: “das 8h às 12h” – com acento indicativo de crase. Se algum felizardo começa a trabalhar às 8h e encerra o batente às 12h, essa é a única maneira correta de escrever. Outra coisa bem diferente seria “ele trabalha de oito a doze horas por dia”; neste caso, “de oito a doze” não se refere a quando ele começa e termina, mas sim a quantas horas de trabalho são cumpridas. Com os dias da semana é um pouco mais sutil. Vamos examinar primeiro a construção “de segunda a sexta-feira”. O de aqui é apenas a preposição, pois o artigo feminino não está sendo usado antes de segunda; logo, antes de sexta-feira também não estará, o que fica bem claro se trocarmos sexta-feira por um dia da semana masculino: “de segunda a sábado”. Há, no entanto, outra forma de escrever isso, com o mesmo sentido: “da


segunda à sexta-feira”. Aqui é diferente: o da [de+a] sinaliza a presença do artigo, o que vai resultar obrigatoriamente na grafia “da segunda à sexta”. Mais uma vez isso vai ficar bem visível se usarmos um dia da semana masculino: “da segunda ao sábado”. Ambas as construções estão corretas; você pode escolher entre elas, desde que não as misture. P.S.: Um conselho: pare com esse mau hábito de tentar substituir a preposição “A” por outra (até, para, etc.). Eu sei que alguns gramáticos menores vivem recomendando este “recurso”. É charlatanice! Preposições não se substituem; das 600 mil palavras de nossa língua, menos de vinte – repito: menos de vinte! – são preposições. Você acha que haveria a possibilidade de duas delas se equivalerem? Nem em dez milhões de anos. ensino à distância Nem sempre o acento colocado em cima do “A” assinala a ocorrência de uma crase; às vezes, pode ser uma simples preposição.

Prezado Prof. Moreno, por que ensino a distância não leva acento de crase? Discutimos aqui que poderia ser pelo fato de não estar determinada a distância, já que temos o acento em frases como “o carro estava à distância de 100 metros”. É isso? Fui ao Aurélio e vi que são aceitas as duas formas. Um abraço e muito obrigada. Maria G. – Jornalista – Londrina (PR) Minha cara Maria, a maioria dos gramáticos atuais aceita a hipótese de usarmos acento grave numa série de expressões com palavra feminina em que o “A” é simples preposição, isto é, sem que ocorra ali um encontro de dois As. Há casos em que isso tem a clara intenção de desambiguizar a expressão, evitando que a preposição possa vir a ser lida como artigo, o que alteraria o significado: vender à vista (compara com vender a prazo: só a preposição está presente); bater à máquina; fechar à chave; apanhar à mão; pescar à rede; estudar à noite. Em muitos outros, contudo, mesmo sem a possibilidade de leitura ambígua, já ficou tradicional esse acento sobre a preposição: à direita, à esquerda, à força,


etc. Como conclui Luft: “A tendência da língua é acentuar o a inicial das locuções femininas (adverbiais, prepositivas e conjuntivas), mesmo quando não é crase [o grifo é meu]”. Quanto à locução à distância, tanto o Grande Manual de Ortografia Globo (Luft) quanto o Aurélio-XXI e o dicionário Houaiss indicam, expressamente, a dupla possibilidade de grafia; então, Maria, não hesite: use o acento, e estará aderindo ao sentimento da grande maioria dos seus leitores. Curtas crase em data

Luciana M., de Campinas (SP), tradutora, ficou em dúvida na hora de escrever de 1998 a 1999. Diz ela: “Creio que aqui não ocorre crase, pois ambos são anos e, portanto, palavras masculinas; contudo, tenho visto tanto A como esse acentuado em currículos que fiquei insegura”. Minha cara Luciana, é claro que não tem! O A que está presente na expressão “de 1998 a 1999” é apenas uma preposição solitária; jamais poderíamos encontrar o artigo feminino antes de um numeral. baile a fantasia

Vitória gostaria de saber se a expressão baile a fantasia leva ou não o acento de crase, e por quê. Minha cara Vitória, baile a fantasia é como baile a rigor – este A é uma simples preposição, sem a companhia do artigo. Não vamos escrever, portanto, com acento.


a bordo

O leitor Ednaldo Ariani pergunta se existe crase na expressão a bordo. Meu caro Ednaldo, como bordo é um substantivo masculino, não pode existir acento de crase nesta expressão, pois ficará faltando aquele artigo feminino indispensável. Em a bordo (como em a bombordo, a boreste), este “A” é uma simples preposição. Além disso, se ocorresse artigo aqui, seria o masculino “O”. dada à?

Ica S., de São Paulo (SP), comenta uma frase que escrevi: “A tarefa é inglória, dada a descomunal diferença”. Sua dúvida: por que não há acento de crase naquele “A”? Prezada Ica, porque dado não é seguido de preposição. “Dado o mau tempo”, “dados os resultados”, “dada a falta de luz” – não existe ali a preposição indispensável para que ocorra a crase. Diferente seria devido; aí sim: “devido ao mau tempo”, “devido à falta de luz”. a suas ordens, às suas ordens


A leitora Ione M., de Porto Alegre, deparou no jornal de domingo com uma manchete que diz: “O governo A suas ordens”; não deveria ser “O governo AS suas ordens”? Prezada Ione, não, não deveria ser. Ou fica assim como está (“o governo A suas ordens”), ou usamos o artigo (“o governo ÀS suas ordens”). Antes de possessivos, decidimos se queremos ou não usar o artigo definido. Compara, no masculino, “ele estava A seus pés” (só a preposição) com “ele estava AOS seus pés” (prep.+artigo). sujeito a pagamento

O simpático Valtinho pergunta se é correto escrever “Sujeito à pagamento de multa”. Meu caro Valtinho, claro que não! Onde vamos encontrar o artigo feminino (um dos polos indispensáveis da crase) antes de um substantivo masculino como pagamento? Não há dúvida de que aí está apenas a preposição isolada. a granel

Rogério foi ao supermercado e viu um cartaz no balcão que anunciava arroz e feij ão à granel; desconfiado, quer saber se o gênero do substantivo justifica o acento de crase. Meu caro Rogério, granel é um substantivo masculino; como em qualquer outro, não podemos supor, antes dele, um artigo definido feminino, o que nos deixa com uma preposição purinha. “Arroz e feijão a granel” – essa é a forma correta.


voltar a São Paulo

A leitora Telma F., perguntadora habitual, quer saber por que “voltei a São Paulo” não tem acento de crase, enquanto “vou à João Mendes (praça)” tem; existe alguma regra do tipo “antes de cidade” ou “antes de praça”? Minha cara Telma, não tem nada a ver com o fato de ser cidade ou praça. O problema está na presença (ou não) do artigo. Vou a São Paulo, venho de São Paulo – como acontece com 99% dos nomes de cidade, não usamos artigo aqui e, portanto, não se pode pensar em crase, que precisa dele para existir. No caso da praça João Mendes, quer usemos (ou não) a palavra praça, o artigo está ali: venho da [praça] João Mendes, isso aconteceu na [praça] João Mendes. Por isso, “vou à João Mendes”. É bem simples. a frio

Sônia C. escreve dizendo que sabe que não podemos usar crase antes de palavras masculinas, mas pergunta, assim mesmo, se deve usar o acento de crase na expressão a frio. Minha cara Sônia, se você mesma enunciou corretamente, no início de sua mensagem, o princípio fundamental da crase, de onde veio essa insegurança? Se aceitarmos que nunca ocorre crase antes de masculino, por que iria, então, aparecer antes de frio? Aliás, se houvesse um artigo aí, junto com a preposição, seria “O”, e não “A”. Teríamos, então, “ao frio”. P.S.: Inconformada, a leitora voltou a escrever:


“Entendi sua resposta, mas se nós, na frase ‘revestimento à frio’, considerarmos este à frio como adjunto adverbial de modo, mesmo assim o acento de crase está errado?” Minha cara Sônia, eu é que não entendi a sua segunda pergunta. Vou tentar ser mais claro: se você puser essa crase em a frio, rogo-lhe uma praga! Não interessa se a frio é adjunto adverbial ou tenha qualquer outra função sintática; jamais poderá haver ali um artigo definido feminino! Lembre que esses artigos (os femininos) têm o péssimo hábito de aparecer apenas antes de substantivos femininos! O “A” que está na frase é só a preposição. crase antes de sócio

Frederico A. transcreve o título de um documento em que é feita uma proposta de remuneração para os sócios de uma empresa: “Proposta de Remuneração a Sócio Executivo”. Sua dúvida é se o “A” deve ou não levar o acento de crase. Meu caro Frederico, dá para fazer uma cocada sem usar coco? Não? Então também não dá para formar uma crase sem um dos ingredientes básicos, a preposição ou o artigo feminino. Agora me diga, aqui entre nós: como você pretende arranjar um artigo feminino antes de sócio, vocábulo masculino? Aliás, aqui nem o artigo masculino está sendo usado, já que sócio está em sentido genérico: é “proposta a sócio” (qualquer), e não “ao sócio” (um sócio determinado). Se fosse no feminino, também não teria acento: “Proposta a Sócia Executiva”. confusão na regra da crase


Cláudio, de São José do Rio Preto (SP), afirma que seu professor sempre ensinou “que o A deve levar acento de crase quando antecede uma palavra feminina”; no entanto, mais de uma vez ele encontrou um A antes de palavra feminina que ficou sem este acento. Pergunta: “Isso é verdade ou não? O professor também disse que não havia exceção alguma”. Meu prezado Xará, não troque as palavras do seu professor! O que ele disse – tenho absoluta certeza! – foi que “só pode ocorrer crase antes de palavra feminina”, o que é muitíssimo diferente do que você está afirmando. Dito de outra forma: todo “A” com acento de crase deverá estar antes de palavra feminina, o que não significa que todo “A” antes de palavra feminina deva ter acento de crase (todo buldogue é cachorro, mas nem todo cachorro é buldogue). Em centenas de frases, o A antes de uma palavra feminina pode ser mera preposição ou mero artigo. a jornalistas

G. Soares, de Portugal, escreveu a frase “Associação entrega prêmio à jornalistas” e não concorda com os colegas que afirmaram que aquele acento está equivocado. Acrescenta: “Afinal, a palavra jornalista pode ser usada tanto para o homem como para a mulher, não é?”. Meu caro Soares, não se trata de um veredito (ou veredicto, como você usou; ambos estão corretos), mas de uma simples regra de crase. Se escrevermos a jornalistas, jamais poderia haver acento neste “A”, que é, sem dúvida, apenas a preposição isolada. Se tivéssemos aí um “AS”, então a presença do S final revelaria que também ocorre um artigo, tornando obrigatório o uso do acento: “Associação entrega prêmio às jornalistas” – só que me parece que você


não estava se referindo a um grupo de jornalistas femininas, não é? sujeitos a revisão

Roberto Coimbra quer confirmar o seu raciocínio quanto ao uso do acento de crase: na expressão “dados sujeitos a revisão”, não ocorre crase porque o substantivo está empregado em sentido genérico; já em “dados sujeitos à revisão da Diretoria”, o artigo aparece e, com ele, o acento. “Posso pensar assim?” Prezado Roberto, o seu raciocínio está perfeito. Se o substantivo não estiver determinado, não podemos empregar o artigo definido, um dos ingredientes indispensáveis para que ocorra a crase. Você pode encontrar exemplo semelhante comparando “penalidade sujeita a multa” (a uma multa, indefinida) com “penalidade sujeita à multa de dois salários mínimos”. desrespeitar às normas?

L. Ribeiro, de Santa Maria (RS), não entende por que uma banca de concurso considera errado colocar acento de crase em “desrespeitarem as normas de trânsito”. Meu caro Ribeiro, o verbo desrespeitar é transitivo direto (“eu desrespeito o regulamento”, não “ao”) e, como tal, não tem a preposição A que seria necessária para que ocorresse a crase, que é sempre [A + A]). a todas


Carmem V., de Barreiras (BA), prepara um texto para o site de sua empresa e precisa saber se escreve “Nesta seção, você terá acesso a todas as vagas” ou “à todas as vagas”. Prezada Carmen, fica sem acento de crase. Este “A”, antes de todas, é a preposição pura. É natural que não apareça aqui o artigo definido, um dos ingredientes indispensáveis da crase, já que todas é um pronome indefinido e eles nunca vão andar juntos. Se você passar para o masculino, a coisa fica bem evidente: “acesso a todos os níveis”. à parte interessada

Angela G., de Vitória (ES), quer saber se o “A” em “a parte interessada” deve vir com acento indicativo de crase. Minha prezada Ângela, mas como é que eu vou responder à sua pergunta? A crase é o encontro de uma preposição com um artigo definido; você me envia um segmento em que o artigo parece estar presente (“a parte interessada”), mas não sei como essa frase começou! A presença (ou não) da preposição vai depender da regência do verbo que você estiver empregando; por exemplo, “ c onvoque a parte interessada” (transitivo direto), “refiro-me à parte interessada” (transitivo indireto). a meia-voz


Isadora F., de Uruguaiana (RS), quer saber se o A na frase “Ele segredou algo a meia-voz” leva acento de crase. Prezada Isadora, não, não tem acento de crase. Se comparamos esta construção com expressões análogas como a meia-luz, a meio pau, podemos verificar que, nestes casos, o A é apenas a preposição; o artigo não está presente. a laser

André pergunta se deve escrever remoção de tatuagem à laser ou remoção de tatuagem a laser na sua tabuleta. Meu caro André, se laser é um substantivo masculino, como é que você consegue imaginar uma crase ali? É igual a caldeira a óleo, feito a martelo, cortado a facão, e assim por diante – sem o acento. a crase depende do contexto

José R., de Brasília (DF), pergunta se ocorre crase na expressão em relação a. Meu caro José, faltam dados na sua pergunta! Como vamos saber se ocorre crase ou não, se não temos o resto da frase? Tudo depende do que vier depois da expressão: em relação A minhas dívidas (só preposição); em relação AOS


tributos (preposição + artigo masculino); em relação À pesquisa (preposição + artigo feminino). devido à variedade

O leitor Jequitibá (será pseudônimo?) quer saber se na frase “devido a grande variedade e acabamento dos materiais, recomenda-se teste prévio” existe acento de crase. Meu caro Jequitibá, é claro que existe! Veja como ficaria no masculino: “Devido ao grande número...”. Como você sabe, isso indica que tanto o artigo quanto a preposição estão presentes. Logo, por analogia, acontece o mesmo no feminino: “Devido à variedade...”; “Devido à falta de provas”; “Devido às fortes chuvas de ontem”. à la carte

Roberta A., de São Paulo, sempre escreveu a la carte, mas tem visto, na maioria das vezes, à la carte. Como é a forma certa? Minha cara Roberta, o correto é à la carte, porque isso é Francês, e nesse idioma o “A” é sempre acentuado quando for preposição. Não se trata, aqui, de um caso de crase; o acento grave do Francês é um acento extremamente comum e não tem a mesma função que tem no Português. a la antiga


Giselle, de Santos (SP), vem perguntar se não deveria ter acento no A da expressão a la antiga, que encontrou em um artigo de minha autoria. Minha cara Giselle, não, esse A não leva acento, porque é apenas preposição. O la é a forma desusada do nosso artigo definido A, que aparece em muitas expressões cujo sabor arcaizante muito me agrada: a la moda, a lo largo, a la pucha, a las tantas. Não deve ser confundido com a expressão à antiga [à moda antiga] ou com o francês à la mode, por exemplo, em que o a apresenta, inclusive, o acento grave característico da preposição francesa. crase com para?

Michela S. quer esclarecer a dúvida na frase “A reunião está marcada para as 9 horas”. Diz ela: “Acho que não vai acento de crase no as antes das horas por causa da preposição para. Estou correta?”. Minha cara Michela, você está corretíssima; se já temos a preposição para na frase, de que modo poderia ocorrer também a preposição a, presença indispensável para que a crase ocorra? É claro que é “para as nove”. com destino a Sorocaba


José Francisco quer saber se deve empregar o acento de crase na expressão “com destino a Sorocaba”, como defendem os seus colegas de trabalho. “Para mim, ela equivale a ‘com destino para Sorocaba’ (e não ‘* para a Sorocaba’), o que indicaria que a crase não é possível.” Meu caro José Francisco, seu raciocínio está correto. Mas o que desejam esses seus colegas? Desde quando se usa artigo antes de Sorocaba? Vive-se em Sorocaba, gosta-se de Sorocaba... Ora, se não existe o artigo, falta um dos polos indispensáveis para a crase, como todos nós sabemos! com e sem acento de crase

E. Nerone, outro leitor do Paraná, quer saber qual é a forma preferível: (1) Tradição e qualidade à sua mesa; (2) Tradição e qualidade na sua mesa; ou (3) Tradição e qualidade em sua mesa? Prezado Edson, sua dúvida é sobre qual a preposição que você deve usar – se o a, se o em. Como ambas são cabíveis nessa frase, teremos quatro combinações possíveis, já que o emprego do artigo antes do pronome possessivo é de livre escolha do falante: (1) Tradição e (2) Tradição e (3) Tradição e (4) Tradição e

qualidade qualidade qualidade qualidade

à sua mesa (prep.+artigo); a sua mesa (só prep.); na sua mesa (prep.+artigo); em sua mesa (só prep.).

Gosto da (1), da (3) e da (4); talvez pela tradição literária, prefiro a (1). Escolha a sua preferida. a/à Marilda


Maria Eduarda gostaria de saber se o cartaz “Movimento de apoio a Marilda”, visto em uma campanha eleitoral, está correto. “Não utilizamos acento de crase nesse A?” Prezada Maria Eduarda, antes de nomes próprios, podemos decidir livremente se vamos usar (ou não) o artigo definido. Tanto faz “Movimento de apoio a José” quanto “Movimento de apoio ao José”. É claro que isso também acontece no feminino, com as conhecidas consequências quanto ao acento de crase: “Movimento de apoio a Marilda” (só preposição) ou “Movimento de apoio à Marilda” (preposição e artigo). forno a lenha

Andrezza, de Ribeirão Preto (SP), quer saber se deve escrever forno a lenha ou forno à lenha, e por quê. Minha cara Andrezza, forno a lenha, forno a óleo, forno a gás – note que, em todas elas, só temos a preposição a. Se o artigo também estivesse presente, aí sim teríamos “*à lenha”, “*ao óleo”, “*ao gás”. a partir

E. Vieira ficou com dúvidas quanto ao uso do acento de crase em a partir de, ao ver que muitos escrevem com o acento, mas outros escrevem sem ele. Meu caro Vieira, antes de partir, que é verbo, é impossível sequer imaginar a existência de um artigo feminino singular; é claro que este A é apenas preposição e será escrito, portanto, sem o acento de crase.


da primeira à quarta série

Daiane E. gostaria de saber se há crase em “ensino de primeira a quarta séries”, e se a regra válida para este caso também se aplica quando escrevemos a expressão com algarismos (“de 1a a 4a séries”). Minha cara Daiane, enquanto você usar apenas a preposição de, o a vai ser apenas a outra preposição presente na construção paralela e, portanto, sem acento de crase: “de primeira a quarta séries”. Se, no entanto, você decidir usar da [de+a], aí sim vamos ter uma crase: “da primeira à quarta série”. Quanto à segunda pergunta, tanto faz dar na cabeça como na cabeça dar: se você trocar o extenso por algarismos, as duas situações que descrevi acima continuam idênticas: “de 1a a 4a séries” ou “da 1a à 4a série”. contas a pagar

Maria de Lourdes S., de Belo Horizonte (MG), recebeu uma correspondência com a expressão “contas à pagar”; como tinha aprendido que não se usa crase antes de verbo, ficou em dúvida. Prezada Maria, você aprendeu certo; não pode haver aí o artigo feminino, presença indispensável na crase. Eu tive um velho professor irascível que sempre nos rogava a mesma praga: “Quem usar acento de crase antes de verbo, que a mão seque e caia!”; ele teria feito melhor se nos explicasse que verbos não admitem artigos, e pronto – mas, de qualquer forma, o princípio continua o mesmo: é impossível que dois As se encontrem antes de um verbo. crase antes de mês?


O leitor Milton M., de São Paulo (SP), gostaria de saber se só podemos usar a crase antes de palavras femininas. Pergunta: “Posso escrever mês à mês?”. Prezado Milton, você mesmo já disse: só ocorre artigo feminino antes de substantivos femininos. Logo, é impossível haver acento de crase em “mês a mês”. referente à

Ricardo S. gostaria de saber se o “A” depois das palavras pertinente, referente, pertencente, etc. deve receber o acento indicativo de crase. Caro Ricardo, com os vocábulos pertinente, referente e pertencente sempre usaremos a preposição “A”; se este “A” encontrar um artigo feminino singular, aí teremos crase (e usaremos o respectivo acento grave): referente ao item 5; referente à seção 7; pertencente à diretoria; etc. direito à vida

A. Anderson traz uma dúvida sobre a frase “Que direitos todas as crianças do mundo deveriam ter? A educação, a família, a saúde”. Vai acento de crase em cima do “A”? Meu caro Anderson, claro que vamos usar o acento em todos esses “As”.


Em todos eles está elíptico (para evitar a repetição ociosa) o vocábulo “direito”, que rege a preposição a: [direito] à educação, [direito] à família, [direito] à saúde. chegar a/à noite

Vera Lúcia A., de Moji das Cruzes (SP), quer saber se há diferença entre “chegou a noite” e “chegou à noite”. Prezada Vera Lúcia, “chegou à noite” significa que alguém (ou algo) chegou durante a noite; à noite, no caso, é um adjunto adverbial de tempo. “Chegou a noite”, por outro lado, quer dizer apenas que anoiteceu; no caso, a noite é o sujeito da frase. frango a passarinho

Marcos H., de Campinas (SP), quer saber se o tradicional prato é frango a passarinho ou frango à passarinha. “Tenho um amigo, conhecedor da língua, que insiste em dizer que é ‘à passarinha’, no feminino, pois o nome é proveniente de uma parte das vísceras do boi ou do porco, e seria uma estupidez falar ‘a passarinho’, pois como se pode cortar um frango baseado no tamanho do pássaro?” Prezado Marcos, é frango a passarinho. Seu amigo não entende nada de culinária. Neste tipo de prato, o frango é cortado em pedaços pequenos (sem respeitar aquela divisão natural em coxas, peito, etc.), de modo a simular mais ou menos o formato da carcaça de um passarinho inteiro – para os nostálgicos do tempo em que nossos bisavós comiam imensas passarinhadas, feitas com pássaros reais (sabiás, tico-ticos, etc.), prato politicamente incorreto que era muito apreciado nas zonas de colonização italiana.


a crase e o Espanhol

Francisco manda dizer que, em caso de dúvida sobre a crase, passa a frase para o Espanhol. “Se na versão eu obtiver a sequência a la, uso crase no Português; se obtenho apenas a ou la, não uso. Gostaria de saber se esse ‘truque’ funciona sempre ou se apenas tenho tido sorte.” Meu caro Francisco, isso não é “truque”; chama-se, no meu dicionário, tradução. Onde o Espanhol tem a (prep.) + la (art.), no Português nós certamente teremos a (prep.) + a (art.) = bingo! Ocorre aí uma crase, e temos de usar o acento: “Entregue o livro à diretora (a la directora); “Não me refiro a esta mulher (a esta mujer), mas à que (a la que) atende no balcão de informações”. É seguro, sim, e pode ser usado por quem souber Espanhol. a 200 km

Gladis Luiza quer saber, na frase “A cidade de Ilha Solteira fica aproximadamente a 200 km de Araçatuba”, se este a deve ser acentuado ou não. Minha cara Gladis, a resposta é não. Q uilômetro, representado aqui pelo símbolo internacional km, é um substantivo masculino, o que impossibilita a crase, que só ocorre quando está presente na frase um artigo feminino.


5. Concordância verbal

“*Falta só dois reais”, me diz o rapaz da livraria, enquanto procura nos próprios bolsos o troco que não tinha no caixa. Levanto os olhos para ele e hesito; uma vida toda como professor de Português me deu uma grande sem-cerimônia em corrigir o que os outros falam errado, mas a experiência também me ensinou que nem todos aceitam de bom grado uma lição gratuita. Recebo as duas moedas e me afasto, pensando que, ao menos, nem tudo estava perdido, já que ele não disse o “*dois real” de sempre. Eu compreendo o que se passou na mente do balconista; sei que ele sabe (conscientemente ou não, ele sabe) que o verbo deve combinar com o sujeito, nesse fenômeno que chamamos de concordância. Não se trata de caprichar a linguagem que ele está usando; é muito mais profundo. Ele nasceu dentro dessa língua e dentro dela virou gente; logo, este princípio está gravado tão claramente em algum ponto de seu sistema nervoso quanto os comandos que permitem que ele alterne os pés para caminhar para frente. Ora, como é que algo tão elementar e fundamental pôde ser desconsiderado, a ponto de ele usar *falta em vez de faltam? A resposta é muito simples: ele não “enxergou” o sujeito. Talvez esta seja a maior fonte de erros de concordância no Português: a dificuldade, em certas construções, de reconhecer o sujeito. Isso acontece naturalmente, como veremos abaixo, com a discutível voz passiva sintética, a maior responsável pelos erros que os gramáticos do tempo da pomada Minâncora e do Elixir Paregórico chamavam candidamente erro da tabuleta – “*Vende-se terrenos”, “*Aluga-se apartamentos”, etc. – e que hoje figuram nos outdoors (sei que é um diabo de palavra, mas é insubstituível e, o que é pior, imodificável!), nos classificados dos jornais, nos folhetos de publicidade, na TV e na onipresente internet. Isso acontece também com os misteriosos verbos impessoais, os quais, ao contrário dos outros 99,99% dos verbos de nosso idioma, continuam ostentando a estranhíssima característica de não ser atribuídos a sujeito algum. Formam as enigm áticas orações sem sujeito, em que somos obrigados a deixar o verbo sempre no singular – “havia duas pessoas”, “faz três anos” –, ali onde você, instintivamente, preferiria dizer “*haviam duas pessoas” ou “*fazem três anos”. o deslocamento do sujeito Quando passamos o sujeito para depois do verbo, ele parece ter sido coberto pelo manto da invisibilidade.


Caro Professor, puseram um cartaz na entrada da escola dos meus filhos com dizeres que me deixaram em dúvida. Lá está escrito o seguinte: “Pessoal, falta só dez dias para o fim do bimestre”. Eu acho que deveria ser faltam, mas fiquei com vergonha de perguntar, porque a frase foi escrita por uma professora. Teresinha de Jesus W. – Ribeirão Preto (SP) Prezada Teresinha, você está com toda a razão: quem quer que tenha escrito aquela frase foi vítima de uma velha armadilha de concordância. Estamos acostumados a encontrar o sujeito no começo da frase; quando ele é deslocado para uma posição à direita do verbo, é muito provável que o confundamos com os complementos. Quando escrevemos, com todo aquele tempo que temos para refletir e revisar, um exame um pouco mais detalhado da estrutura identificaria o sujeito; a maioria das pessoas, contudo, deixa de fazê-lo, cometendo este tipo de erro. Veja os exemplos abaixo (as expressões em destaque são o sujeito da frase): ERRADO: *No ano passado, teve início as conferências. *Foi anunciado, ontem, os nomes que compõem o Ministério. *Ficou provado, desta forma, as tentativas de suborno. *Espero que seja explicado para todos a razão de sua atitude. CORRETO: No ano passado, tiveram início as conferências. Foram anunciados, ontem, os nomes que compõem o Ministério. Ficaram provadas, desta forma, as tentativas de suborno. Espero que sejam explicadas para todos as razões de sua atitude. Este erro é ainda mais frequente com aquele pequeno grupo de verbos que normalmente têm o sujeito à sua direita: existir, ocorrer, acontecer, faltar, restar, sobrar, bastar, caber. Entre os exemplos a seguir, em que os elementos sublinhados são o sujeito da frase, encontramos o erro do nosso balconista (veja


explicação introdutória logo antes):

Imagino que, a esta altura, não adianta reclamar, porque já se passaram vários meses e o cartaz já deve ter sido retirado. Fica, no entanto, o meu conselho: quando você tiver outra dúvida desse tipo, vá falar delicadamente com a professora responsável. Se o texto estiver correto, você terá aprendido alguma coisa; se houver realmente equívoco, todo mundo vai sair ganhando. concordância com verbos impessoais Havia ou haviam poucos recursos? Haverá ou haverão novas oportunidades? Houve ou houveram dificuldades?

Prezado Professor, tenho uma dúvida cruel: preciso escolher entre “Caso haja” ou “Caso hajam dúvidas ou correções”. Qual é a forma correta? Luís Felipe – São João da Barra (RJ) Prezado Luís, sua dúvida é realmente “cruel” (não sei se você está dando a


este vocábulo o mesmo significado em que o estou empregando): haver, aqui, só poderia ficar mesmo no singular, porque se considera que este verbo, ao contrário dos demais, não tem sujeito. Isso pode parecer um pouco absurdo, mas vou tentar explicar. Para qualquer brasileiro, a frase “não havia dinheiro no cofre” é sinônima de “não existia dinheiro no cofre”. No entanto, se trocarmos dinheiro por cheques em ambas as frases, está armada a confusão: na primeira vamos ter “ nã o havia cheques”, mas na segunda teremos “não existiam cheques”. O responsável por isso é o fato do verbo haver ser considerado impessoal – isto é, um verbo completamente anormal que não tem sujeito algum. Todos os falantes sabem que a regra de ouro de nossa sintaxe é a de que todo verbo concorda com o SUJEITO da frase. O que devemos fazer, contudo, com esses verbos cujo sujeito é inexistente? O uso culto prefere deixá-los imobilizados na 3a pessoa do singular. Felizmente esses verbos formam um grupo extremamente reduzido: 1. HAVER – este verbo, quando usado nos sentidos de existir ou ocorrer, fica sempre na 3a do singular (o elemento em destaque é analisado como objeto direto):

Você já deve ter-se acostumado a ouvir *haviam pessoas, *haverão dúvidas – construções provavelmente inspiradas, por analogia, em existiam pessoas e existirão dúvidas –, mas com certeza ficaria surpreso se soubesse o quanto se discute, entre os estudiosos, a conveniência de considerar, de uma vez por todas, o verbo haver como um verbo comum com sujeito posposto. Há bons


argumentos contra e bons argumentos a favor desse “reenquadramento” de haver, e tanto um quanto o outro lado têm a defendê-los jovens e velhos gramáticos. Aqui se trata, porém, de definir um item do uso culto escrito; portanto, se você quer se sentir seguro, não invente moda e opte por deixar o verbo sempre no singular. Em outras palavras: se você não quer chamar a atenção de todos durante a cerimônia, use gravata (e, de preferência, com um nó clássico). 2. FAZER (e HAVER, também), indicando tempo decorrido:

3. FAZER, indicando condições meteorológicas:


4. PASSAR DE, em expressões de tempo:

Não confunda esta estrutura, que é considerada sem sujeito (note que duas horas, três horas, etc. vêm precedidos da preposição DE), com o verbo passar que aparece nos seguintes exemplos: passam três horas do meio-dia; passavam três minutos das duas (aqui, três horas e três minutos são o sujeito do verbo.)


5. BASTAR DE e CHEGAR DE: Basta de reclamações (e não *bastam de). Chega de pedidos (e não *chegam de). 6. TRATAR-SE DE, com referência a uma afirmação anterior: O clube dispensou Jari e Adão. Trata-se (e não *tratam-se) de dois jogadores sem função na atual equipe. Lá vêm as duas moças. Não esqueça: trata-se (e não *tratam-se) das filhas do prefeito. Portanto, meu caro Luís, o seu haver vai ficar no singular: “Caso haja dúvidas”, “As dúvidas que houver”, “Havia dúvidas”, “Pode haver dúvidas” – e assim por diante. há de haver O Professor esclarece um jovem e interessado leitor que caiu na velha armadilha do verbo haver.

Olá, Professor Moreno! Escrevo para tirar uma dúvida: outro dia usei a forma “hão de haver boas músicas lá”, só para soar original aos ouvidos de um amigo. Este, porém, ficou inconformado, dizendo que ela não existe, mas sim “há de haver boas músicas...”. Afinal, existe ou não? Raciocinei do seguinte modo: não há dúvida de que posso dizer “Eu hei de conseguir isto”, bem como “As músicas hão de existir”. Pode-se substituir o verbo “existir” por “haver”; logo, “Hão de haver músicas”. Se músicas estivesse no singular, aí sim o primeiro verbo haver da locução estaria no singular. Gostaria de saber se o que falei faz sentido. Obrigado. Alexandre D. (17 anos) – Brasília (DF)


Meu caro Alexandre, falando com a franqueza que me caracteriza, respondo-lhe que não, não faz sentido o que você diz – embora o seu empenho (e o seu engenho) em defender o seu ponto de vista mereça toda a minha simpatia. Você está esquecendo, no entanto, a relação que os verbos presentes numa locução verbal mantêm entre si: o da direita é sempre o principal, o da esquerda é sempre o auxiliar. Tudo o que vai acontecer com a locução (inclusive a concordância) dependerá dos traços determinantes do verbo principal, o que explica, aliás, essa denominação. Observe: “podem existir boas músicas”, “devem existir boas músicas”, “hão de existir boas músicas” – os auxiliares podem, devem e hão estão flexionados no plural, seguindo o modelo imposto pelo principal existir, que é um verbo pessoal, normal, que concorda com o sujeito boas músicas. Já em “pode haver boas músicas”, “deve haver boas músicas”, “há de haver boas músicas”, o verbo principal é haver, que transmite sua impessoalidade característica para os seus auxiliares (todos ficam invariáveis). Nessas estruturas, boas músicas é apenas objeto direto. Embora nessas frases os verbos haver e existir sejam sinônimos, seu comportamento sintático sempre será diferente: o primeiro é impessoal, o segundo é um verbo normal. Recomendo-lhe ler o que escrevi em concordância com verbos impessoais; assim você terá bastante base em suas futuras discussões. Um abraço; espero que você mantenha esse vivo interesse pelo Português. haviam ocorrido Nem sempre o verbo haver é impessoal; às vezes ele deve ser conjugado como um verbo comum.

Prezado Professor, li num artigo seu que o senhor considera correta a frase “haviam ocorrido vários acidentes naquele local”. Pois não me conformo; a orientação que me deram na matéria é a seguinte: o verbo haver no sentido de acontecer, ocorrer transmite sua impessoalidade para os demais em uma locução verbal (mesmo sendo auxiliar); portanto, o verbo permanece no singular. Por favor, se discordar indique a fonte. Cláudia G. – Goiânia (GO)


Prezada Cláudia, pelo que depreendo da sua pergunta (“a orientação que me deram ...”), alguém andou atrapalhando o seu estudo aí em Goiânia! Cuidado para não confundir, nas locuções verbais, o verbo auxiliar com o verbo principal. Este é sempre o último da direita e manda na locução; aquele fica à esquerda e obedece. É claro que o verbo haver, no sentido de “acontecer”, é impessoal e impessoaliza também os seus auxiliares. Observe: “houve muitos acidentes”, “pode haver acidentes”, “deve ter havido acidentes” – assim como houve, pode e deve também ficaram impessoalizados. No entanto, estamos falando aqui do verbo ocorrer; haver é um mero auxiliar e deve flexionar como o seu principal faria: “Ocorreram muitos acidentes”, “haviam ocorrido muitos acidentes”. Minha fonte? Todas – repito – todas as gramáticas dignas deste nome, em nosso idioma. Se alguém ensinou aquela barbaridade, não pode ter sido um professor com curso de Letras; se ele cobrava pelas lições, acho que você pode pedir o dinheiro de volta. concordância com a voz passiva sintética O caso mais complicado de concordância – a voz passiva sintética – é um doente terminal, ligado em aparelhos.

Prezado Professor, estranho muito que ainda seja considerado erro deixar no singular o verbo de vende-se casas. A língua não deveria evoluir? Isso já não está ultrapassado? Diva L. – Assis (SP)

Minha prezada Diva, você – como todo falante brasileiro – não sente casas como o sujeito dessa construção, nem vê aí uma equivalência com casas são vendidas. Em qualquer cidade do Brasil, em qualquer estrada, nas páginas dos classificados, nos anúncios da lista telefônica – para onde quer que você olhe, vai enxergar exemplos do famigerado “erro” da passiva sintética. Sem dar a mínima para o que dizem os gramáticos mais tradicionais, as pessoas povoam a paisagem brasileira de grandes cartazes e belos letreiros com *aluga-se casas, *consertase fogões, *faz-se carretos, *aceita-se encomendas, traçados em todas as cores e tamanhos. Por alguma misteriosa razão, os vendedores de terrenos recusam-se


a fazer o verbo vender concordar com os terrenos que eles vendem. Em vez de vendem-se, teimam em escrever vende-se terrenos, assim mesmo, com o verbo no singular. Alguns começam a se perguntar se a voz passiva sintética está ameaçada; eu vejo, simplesmente, que a questão já foi decidida há muito tempo: a sintética deixou de ser uma estrutura viva de nossa língua. Ficou apenas a lenda, contada ainda respeitosamente junto ao fogo dos acampamentos gramaticais mais conservadores. E por que morreu? Porque o que ela teria a oferecer não interessa mais aos falantes, que veem a voz passiva analítica – a verdadeira – atingir as mesmas finalidades, com muito mais vantagem. Vamos ser sinceros: quando eu escrevo vende-se este terreno, pretendo significar que este terreno é vendido (ou está sendo vendido)? Claro que não. É o interesse de não ser identificado (ou, às vezes, um simples pudor) que me leva a não escrever vendo este terreno (o que seria claro, direto e honesto). Ao optar pelo vende-se, quero anunciar algo assim como alguém vende este terreno. Em outras palavras, estou tentando usar, com um verbo transitivo direto, aquela mesma construção que empregamos com os verbos transitivos indiretos quando queremos indeterminar o sujeito (precisa-se de operários, necessita-se de costureiras). Como Celso Pedro Luft nos explicou, usamos o SE sempre que não nos interessa especificar o agente. Em aluga-se uma casa e vende-se este terreno, não interessa saber quem vende ou aluga; interessa a ação e seu objeto. Por isso mesmo, quando o próprio objeto está diante dos olhos do leitor, basta pregar-lhe uma tabuleta com o verbo, e pronto: aluga-se, vende-se. Essa é a realidade; nossa insistência em manter o verbo no singular, a despeito do plural que vem depois, comprova que ninguém sente casas ou terrenos como sujeito dessas frases. Há muito os linguistas brasileiros já sabem que a sintética é pura ficção, mas este é um daqueles tantos itens em que fica evidenciado o imenso (e estranhíssimo!) fosso que separa, de um lado, o que hoje conhecemos sobre a nossa língua e, do outro, o que a disciplina gramatical (sustentada pela maior parte dos livros didáticos) ainda difunde através do ensino. Neste caso, em particular, há um apego ainda mais inexplicável a uma dessas falsas verdades, já que muitos gramáticos “velhos”, dos bons – entre outros, o grande Said Ali (em 1908!), e Evanildo Bechara, seu principal discípulo, e João Ribeiro –, já expressaram sua convicção de que esta estrutura estava morta. Acontece que não são os verdadeiros especialistas quem detém o poder da opinião gramatical no Brasil; este vem sendo exercido, desde o Império, por indivíduos de pouca cultura linguística e magros dotes intelectuais, que ocupam as posições de destaque na imprensa e nas editoras, impondo ao sistema escolar uma língua aprisionada numa estreita moldura teórica – o que é, paradoxalmente, a verdadeira razão de seu sucesso, pois isso dá ao usuário aquela sensação de


segurança que o espírito redutor sempre oferece. Basta comparar a atitude aberta, indagativa, de velhos sábios como Said Ali ou Mário Barreto, com a posição autoritária e estreita da grande maioria dos autores que escrevem hoje, século XXI, sobre Língua Portuguesa. O próprio Said Ali já definia, curto e seco, o problema desses bacharéis gramatiqueiros, com sua mirrada análise linguística: eles “pecam por excesso de raciocínio dentro de limitado círculo de ideias”. Criaram um estreito arcabouço lógico para a língua (que, como sabemos, não é lógica) e nele basearam toda uma “disciplina gramatical” que, como não poderia deixar de ser, não passa de uma entediante arquitetura fantasiosa, sem o imprescindível apoio da realidade. A passiva sintética vive nesse mundo fictício, mas vive. É um mecanismo perverso: mesmo aqueles que já estão convencidos de que ela é uma estrutura artificial não ousam ignorá-la, pelo medo de ser avaliados desfavoravelmente por seus leitores, que provavelmente acreditam nessa versão “oficial” do Português. Eu, por exemplo (que não acredito na sintética), vou escrever vendese casas? Jacaré escreveu? Nem eu! Esse é um dos maiores fatores dessa sobrevivência virtual da sintética: ninguém quer se arriscar a ser o primeiro – isso é mais que humano (além do fato de que, vamos ser sinceros, não se trata de algo tão importante assim que valha o incômodo...). E ela segue vivendo da ilusão dos concursos, dos vestibulares, das petições, dos textos formais e conservadores. O que apresento a seguir é uma suma da concepção tradicional sobre a voz passiva sintética; embora eu dela discorde, friso que ela deve ser conhecida por quem quer que precise demonstrar domínio da Norma Culta Escrita tradicional. A visão tradicional Ao lidar com a voz passiva sintética (também chamada de pronominal, por causa do se, pronome apassivador), nosso maior problema é reconhecer o sujeito da frase. Em estruturas do tipo aceitam-se cheques ou compram-se garrafas, o elemento que vem posposto ao verbo é considerado o sujeito (paciente da ação). Ora, a passiva sintética não é sentida como voz passiva pela maioria dos falantes, que, vendo em cheques e garrafas um simples objeto direto, deixam de concordar o verbo com eles. Nasce aqui o que um antigo gramático chamava de “o erro da tabuleta”: *aceita-se cheques, *compra-se garrafas. Como já disse acima, não vou discutir, aqui, a real existência da passiva sintética; contento-me em explicar como é que a doutrina gramatical escolar a descreve. Não esqueça que ela é ainda encarada como um dos traços que caracterizam o uso culto formal, e você pode ter certeza de que estará presente nas questões de vestibulares e concursos. É necessário, portanto, que você saiba identificá-la e que faça a competente concordância.


Para quem tem uma formação mínima em sintaxe, não é tão difícil reconhecê-la: verbos transitivos diretos seguidos de se (não reflexivo) constituem casos inequívocos dessa estrutura. Se ainda assim persistirem dúvidas, lembre que a frase na passiva sintética tem forma equivalente na passiva analítica: Aceitam-se cheques – Cheques são aceitos Compram-se garrafas – Garrafas são compradas Se o verbo for transitivo indireto, é evidente que a passiva – tanto a sintética quanto a analítica – não pode ocorrer. A construção com verbo transitivo indireto + se é uma das formas do sujeito indeterminado no Português, ficando o verbo sempre na 3a pessoa do singular: Precisa-se de serventes. Falava-se dos últimos acontecimentos. Aqui, serventes e últimos acontecimentos têm a função de objetos indiretos. Em frases como essas, muitas vezes ocorre o erro no sentido inverso: assim como o caipira da anedota, várias vezes admoestado a não dizer *fia e *paia em vez de filha e palha, termina saindo-se com um “as arelhas da pralha”, falantes que se preocupam demais com este erro de concordância com a passiva terminam por flexionar também essas estruturas com verbo transitivo indireto: INACEITÁVEL *Precisam-se de serventes. INACEITÁVEL *Falavam-se dos últimos acontecimentos. A maneira mais indicada para assegurar a concordância correta é, aqui, distinguir a regência do verbo. Se for transitivo indireto, certamente não se tratará de caso de voz passiva. Com isso, contudo, fica impossível lidarmos com essa estrutura se não formos capazes de fazer todas as distinções sintáticas necessárias; nada mais natural, portanto, que o uso da sintética tenha ficado reduzido à escrita de usuários cultos e extremamente cautelosos. Aumenta a preocupação: as locuções verbais Quando o verbo principal de uma locução verbal é transitivo direto, ocorrerá normalmente a voz passiva, flexionando-se (como é característico das locuções) o verbo auxiliar:


(ativa) O rei tinha autorizado as núpcias do poeta. (analítica) As núpcias do poeta tinham sido autorizadas pelo rei. (ativa) A miopia pode estar prejudicando este garoto. (analítica) Este garoto pode estar sendo prejudicado pela miopia. (analítica) Estas terras tinham sido compradas. (sintética) Tinham-se comprado estas terras. (analítica) As condições do tratado devem ser respeitadas. (sintética) Devem-se respeitar as condições do tratado. Nessas construções de passiva sintética com auxiliar, mais facilmente ainda podemos deixar de fazer a concordância com o sujeito posposto: INACEITÁVEL *Tinha-se comprado estas terras. INACEITÁVEL *Deve-se respeitar as condições do tratado. Aqui, no entanto, há um senão: há vários auxiliares que impedem a transformação passiva (analítica ou sintética). Os gramáticos velhos os denominavam de auxiliares volitivos: os que indicam vontade ou intenção – querer, desejar, odiar, etc. – e os que indicam tentativa ou esforço – buscar, pretender, ousar, etc. A frase “O homem tenta desvendar os mistérios da Natureza” não admite a passiva “*Os mistérios da Natureza tentam ser desvendados pelo homem”, da mesma forma que “Eu quero convidar Fulana” não corresponde a “Fulana quer ser convidada por mim”. Numa frase como “Pretende-se importar os componentes”, o auxiliar deixa claro que não se trata de passiva sintética (componentes não pode ser o sujeito de pretender). O que temos aqui, na verdade, é um sujeito oracional (o sujeito das frases abaixo é a oração subjetiva em destaque), e o verbo fica na 3a do singular: Pretende-se importar os componentes.


Busca-se eliminar as diferenças. concordância do verbo ser Afinal, qual é o correto: “Meu problema é os olhos” ou “Meu proble m a são os olhos”? “Tudo é vaidades” ou “Tudo são vaidades”?

Prezado Professor, sempre me confundo com o verbo ser: “As lembranças é tudo o que fica na memória” ou “As lembranças são tudo o que fica na memória”? Quando eu uso é ou são? Tenho de concordar com o que vem antes ou com o que v e m depois do verbo? Para mim, é a maior confusão; já tentaram me explicar, mas nunca entendi. Rubem Paes Meu caro Rubem, se lhe serve de consolo, fique sabendo que determinar o sujeito do verbo ser não é fácil para ninguém. Numa frase como “O pinheiro é muito alto”, não há dúvida alguma quanto às funções sintáticas: o pinheiro é o sujeito e muito alto é o predicativo. No entanto, numa frase como “A responsável é ela”, já não temos certeza de qual dos dois termos em destaque funciona como sujeito (e, portanto, comanda a concordância do verbo). Se nos apegarmos à ideia de que o sujeito é o que fica à esquerda do verbo, diremos que o sujeito é a responsável – o que se revela um palpite infeliz assim que fazemos uma simples alteração na frase: “*A responsável é tu”. Essa frase é inaceitável. No Português culto, o verbo ser deve concordar com tu; a forma correta será “A responsável és tu”. Alguns autores afirmam que, aqui, “o verbo está concordando com o predicativo”! – o que faria do verbo ser uma verdadeira atração de circo: “Vejam! Vejam! O único verbo que consegue concordar com outra coisa que não o sujeito da frase!”. Pelo tom que adotei, você percebe que não julgo ser essa uma boa interpretação do fenômeno. Acho que é muito mais adequado dizer que o sujeito do verbo ser ora pode vir antes, ora depois do verbo; em cada frase específica, você deverá, então, para fazer a concordância, decidir qual é o


sujeito, qual é o predicativo. Para tanto, note que as pessoas que escrevem bem em nossa língua seguem, geralmente, uma ordem de precedência que vai depender dos elementos que estiverem de um lado e do outro do verbo ser – mais ou menos similar àquele código de boa conduta que todo jovem devia seguir, nos anos 70, ao embarcar num ônibus ou qualquer transporte coletivo. Vamos recordar a cena: todos os assentos do ônibus estão tomados, exceto um. Sobem dois passageiros, uma velhinha coroca e um jovem atleta. A quem pertence o assento vago, no código da etiqueta e da educação? É claro que à velhinha. E se os dois novos passageiros forem uma jovem de perna quebrada e uma velhinha de cabelo grisalho? Eu diria que à jovem de perna quebrada, que tem mais dificuldade de se manter de pé (no meu tempo de faculdade, quatro ou cinco dos passageiros que estavam sentados levantariam e começariam a brigar pelo privilégio de ceder o seu lugar à vovozinha; hoje...). E se for uma jovem de perna quebrada e uma jovem grávida de oito meses? E se for uma velhinha de perna quebrada e uma velhinha grávida? E assim por diante, dois a dois, os passageiros iriam subindo neste nosso ônibus virtual, e nós iríamos decidindo de acordo com os códigos não-escritos da grande tribo em que vivemos. Assim é com o nosso verbo ser: para decidir quem vai ocupar o lugar do sujeito, temos de comparar os dois candidatos ao cobiçado assento: ( 1) substantivo humano + ser + substantivo não humano – o sujeito será o substantivo com traço humano, qualquer que seja sua posição na frase: “O pior são os vizinhos”; “O inferno são os outros”; “Minha filha é meus cuidados”. ( 2) substantivo (qualquer) + ser + pronome pessoal reto – o sujeito será o pronome reto, que, como você já viu, sempre exerce a função de sujeito: “A responsável és tu”; “O responsável sou eu”; “Os interessados somos nós”. ( 3) substantivo no singular + ser + substantivo no plural – a preferência é normalmente dada ao substantivo com o traço plural: “Meu problema são os dentes”; “Os tijolos são um material barato”. ( 4) substantivo + ser + pronomes não-pessoais (quem, que, isto, aquilo, tudo, nada) – neste caso, o mais aconselhável é considerar sujeito o substantivo: “Tudo são mentiras”; “Aquilo são invenções”. Isso esclarece a forma correta da frase que você menciona: “As lembranças são tudo o que fica na memória”. Quando se trata de concordar com quantias, distâncias, horas, etc., o verbo


ser deverá concordar com a expressão numérica: se ela for igual ou maior do que 2, use o plural: “São quase duas horas”; “É uma e meia”; “Daqui ao centro são três quilômetros”; “Aqui está a conta: são dois mil reais”. Com datas, alguns autores querem que se mantenha essa concordância com o numeral: “Eram dez de setembro”; “São dois de julho”. O uso moderno, no entanto, não aceita essa forma, preferindo “Era [o dia] dez de setembro”; “É [o dia] dois de julho”. No caso de prestar um concurso público, cabe a você, com um pouco de discernimento, distinguir a qual das duas correntes se filia a banca examinadora. Em caso de dúvida, faça a concordância são, eram, etc., pois esta é uma posição que encontra muitos adeptos entre os gramáticos conservadores, os quais, por uma ironia do destino (ou não?) constituem a bibliografia básica da maioria das bancas. agente somos? “A gente somos inútil” – canta, em tom de brincadeira, o grupo DeFalla (o mesmo que lançou o famigerado “Popozuda”). Mas por que está errado? A gente não é a mesma coisa que nós? Dois leitores fazem perguntas diferentes sobre o mesmo tema.

1) Caro Professor Moreno, a expressão a gente, tão comumente usada hoje em dia, trata-se de um terrível mau uso da língua ou é apenas uma cacofonia, pois dói no ouvido? Grato. Rubens G. – Campinas (SP) Meu caro Rubens, mas que maneira de colocar a questão! Do jeito que você escreveu, ou você mata, ou enforca! A Retórica alertava para esses falsos dilemas, que não deixam saída para o interlocutor: “Você ainda bate na sua avozinha, ou resolveu agora ter pena da pobre velhinha?”. Note que, seja qual for a resposta, você estará admitindo uma atitude lamentável contra a terceira idade. “A gente” é um “terrível mau uso” ou “apenas uma cacofonia”? Deu para sentir a maldade? Pois eu acho que o aparecimento dessa expressão é bom em parte, em parte é ruim, Rubens. A força com que gente entrou no Português quotidiano parece


revelar que temos necessidade de uma forma assim – um indicador de impessoalidade, como o on do Francês, para substituir o nós, que é muito mais particularizado. Note que, do ponto de vista flexional, gente tem a vantagem de usar a 3a pessoa do singular, a mais simples e menos marcada de todas: “a gente decidiu”, “a gente precisa entender”, etc. O problema surge, no entanto, na hora de escolher os pronomes (pessoais e possessivos) que irão fazer companhia ao vocábulo gente: apesar de ser gramaticalmente da 3a pessoa, o seu emprego no lugar do nós levaria a frases como “*a gente trouxe nossos ingressos”, “*a gente precisa entender nosso pai” – aí sim, Rubens, exemplos de mau uso (mas já não sei se tão “terrível” assim...). Vamos ver como o sistema vai resolver essa; entender uma língua é, antes de mais nada, observar as tendências naturais que ela decide seguir. P.S.: Fique atento para um erro que começa a aparecer por aí: andam escrevendo “*agente precisa tomar cuidado”, “*agente não sabia o que estava acontecendo”. Que tal?

2) Caro Professor Moreno, ficaria muito grato se o senhor esclarecesse quem pode fazer uso da silepse. Vou ser mais explícito: de acordo com o que vi nas gramáticas sobre silepse, poderíamos dizer “a gente vamos”, pois o verbo concordaria com o plural implícito no vocábulo “gente”. Seria silepse de número? David A. – Maceió (AL)

Meu caro David, quem pode usar a silepse? Quem quiser, ora. A língua é uma das poucas instâncias democráticas que temos. Se você quer saber quando, aí já é outro departamento. Mas, cuidado: as gramáticas não dizem que podemos usar “*a gente vamos”: isso é erro bravio, do mato cerrado. O que acontece com “gente” é que, às vezes, passamos para o seu conteúdo intrinsecamente plural: “ A gente estava atravessando um momento muito difícil. Depois de três dias, decidimos recorrer ao senhor”. Note que não se trata de “*a gente decidimos”. Estamos em outra oração, com outro verbo; houve a transição natural de a gente para nós. Há uma banda jovem (a que toca “Popozuda”...) que ridiculariza esse erro – aliás, numa bela batida funque: “A gente somos inútil!”.


o povo brasileiro somos

Prezado Professor, eu gostaria de saber se a frase O povo brasileiro somos patriotas está correta. Grato. José Neto – Óbidos (PA) Meu caro José, o processo de concordância verbal é extremamente simples em nosso idioma: sujeito no singular, verbo no singular; sujeito no plural, verbo no plural. Como na sua frase o sujeito é o povo brasileiro – 3a pessoa do singular –, a concordância usual é “O povo brasileiro é patriota” – simples assim. No entanto, podemos, em ocasiões muito especiais (e ponha ênfase nesse “muito”!), quebrar essa correspondência entre a marca de número e pessoa que o sujeito ostenta e a marca de número e pessoa que o verbo dele deve copiar. Nesses casos, desprezamos o que a forma gramatical do sujeito determina e preferimos levar em consideração os traços de número e pessoa que estão implícitos no seu significado. É a velha concordância ad sensum (“pelo sentido”), descrita em nossas gramáticas tradicionais com o nome de silepse ou concordância ideológica. Desta forma, aproveitamos para realçar nosso pertencimento (não está ainda na maioria dos dicionários, mas já tem verbete no incomparável Houaiss) ao povo brasileiro, usando a primeira pessoa do plural: “Os brasileiros somos”. O efeito é muito esquisito, mas a construção aparece em autores clássicos, o que nos assegura que pode ser usada sem grandes reclamações. Todavia, como certas substâncias perigosas, o limite entre a dose adequada e a dose mortal é muito tênue. Sei que você não pediu, mas dou-lhe um conselho de amigo: evite esse recurso! Se alguns (poucos) escritores bons souberam usá-lo com adequação, logo ele passou a ser de gosto extremamente duvidoso, pois os maus escritores (eram tantos!) do final do século XIX e do início do século XX gostavam de exibi-lo como sinal de domínio (!) do idioma – algo assim como andar de bicicleta de ponta-cabeça ou sem usar as mãos. Bem diferente seria se, num texto, começássemos a falar do povo brasileiro e, em seguida, passássemos a usar a 1a pessoa do plural, assumindo nossa


identidade nacional e reforçando nossa inclusão: “O povo brasileiro é tratado com inaceitável desprezo pelo capital estrangeiro. Basta! Não aceitamos mais...” – isso traz vários bons efeitos retóricos. Agora, assim de supetão, “o povo brasileiro somos...” – isso é para aqueles discursadores baratos que falam de cima de um caixotinho de querosene Jacaré. Outra solução seria simplesmente reformular a frase para “Nós, o povo brasileiro, somos...”. Neste caso, o sujeito do verbo é nós, enquanto o povo brasileiro passa a ser apenas um aposto. Também fica bem palatável. os Estados Unidos é? Uma leitora do Japão pergunta se os Estados Unidos é ou são uma potência mundial; não que ela tenha dúvida sobre o poder deste país, mas sim sobre a concordância do verbo ser.

Caro Professor, gostaria de tirar uma dúvida que já causou um pequeno debate entre mim e umas colegas de trabalho. Sabemos que a palavra Estados Unidos é sempre usada no plural. No entanto, gostaria de saber, numa frase, como fica a concordância do verbo: “Os Estados Unidos é ou são uma potência mundial”? Eu tenho a impressão de que, na escola, uma professora muito bem conceituada na minha cidade me ensinou que nesse caso deveríamos usar o verbo no plural – e foi o que defendi na tal discussão. Sheila May umi Y. – Aichi-Ken (Japão) Minha cara Sheila, pelo que vejo, você teve a sorte de ter uma boa professora. Quando o Português faz acompanhar um nome geográfico no plural pelo artigo definido também no plural (os Estados Unidos, os Emirados Árabes, as Antilhas, etc.), isso indica que esse nome terá o comportamento sintático de qualquer substantivo plural. Você pode observar isso em expressões como “ os poderosos Estados Unidos”; “Ele não gostava dos Estados Unidos; respeitava-os, apenas, por seu...”; “Os Estados Unidos se tornaram...”. Compara com Campinas, Manguinhos, Lajes, etc. – embora tenham a marca do plural, entram na sintaxe como vocábulo no singular (“Campinas é...”, “a orgulhosa Campinas”,


etc.). mais sobre Estados Unidos

Caro Professor, vi sua resposta sobre concordância verbal quando o sujeito é Estados Unidos e gostaria de saber, nas frases “os EUA é/são o país mais rico do mundo” e “um país como os EUA não pode/podem deixar de investir nas novas tecnologias”, se os verbos são também conjugados no plural. Muito obrigado pela atenção. Abraço. Marcelo V. – Goiânia (GO)

Meu caro Marcelo, as duas frases são construções diferentes. Na frase “Os EUA são o país mais rico do mundo”, temos a clássica estrutura [sujeito+verbo SER+predicativo]. Ela é similar a “os olhos são seu maior problema”, “os dois excelentes zagueiros são a garantia de nossa defesa”. Como é que posso afirmar que o sujeito da frase, Estados Unidos, é plural? É muito simples; basta ver que o sintagma está assim estruturado: [os+EUA]; ora, como o artigo (“os”) é obrigado a concordar com o núcleo do sintagma (“EUA”), o fato de estar no plural é indício indiscutível de que o núcleo também está. Já a segunda frase tem como sujeito [um país como os EUA], cujo núcleo é “país” (“um” é artigo indefinido; “como os EUA”, exatamente por vir ligado por preposição ao núcleo, país, é um mero elemento periférico). O verbo sempre concorda, você bem sabe, com o núcleo do sujeito; portanto, teremos aqui “um país como os Estados Unidos não pode” – no singular. O mesmo acontece em “um arquipélago como as Antilhas não pode”, “uma potência petrolífera como os Emirados Árabes não pode”. concordância com percentuais Um leitor escreveu, num cartaz, “Serão destinados 20% da renda ...”. Um boi-corneta anônimo riscou e trocou para “Será destinada”. Quem estava com a razão?


Prezado Professor, pediram-me que escrevesse um cartaz em que aparecia a seguinte frase: “20% da renda serão destinados às instituições de caridade...”. Alguns colegas argumentaram que o verbo deveria estar no singular para concordar com renda. Como não chegamos a um consenso, resolvi mudar o cartaz para: “Serão destinados 20% da renda às instituições...”. Um dia depois, alguém riscou a frase no cartaz, colocando o verbo no singular e anexando uma “regra” da gramática do Napoleão Mendes de Almeida explicando o assunto. Mesmo assim, entendo que o verbo no plural não esteja errado. O que o senhor acha? Paulo W. – Jaboatão dos Guararapes (PE) Meu caro Paulo, você estava com a razão desde o início. Na concordância com percentuais, tudo o que for igual ou maior que dois deve ser considerado plural: “2,5% da quota valem muito”, “30% da assembleia votaram...”. É claro que aqui o elemento periférico do sintagma, que se liga ao núcleo por meio de uma preposição (quota, assembleia), exerce uma forte atração semântica, o que leva muitos falantes a fazerem a concordância com o periférico e não com o núcleo: “2,5% da quota vale muito”, “30% da assembleia votou”. Todos os gramáticos também aceitam essa hipótese. Você já deve ter observado o mesmo fenômeno com as expressões partitivas: “a metade dos alunos”, “grande parte dos eleitores”. A concordância normal é com o núcleo: “a metade dos alunos faltou”, “grande parte dos eleitores se absteve”; contudo, é perfeitamente aceitável (e compreensível) “a metade dos alunos faltaram”, “grande parte dos eleitores se abstiveram”. Note o que estou dizendo: é também aceitável; eu não disse preferível. Eu, particularmente, só faço a concordância com o núcleo, por várias razões que não cabe aqui discutir. As duas hipóteses estão corretas; contudo, a primeira é a determinada pela estrutura de nossa língua – a que existe por “licença” de uso é a segunda. Se seus colegas preferem a segunda, tudo bem; você, no entanto, pode ficar com a que escolheu. Quanto ao Napoleão (autor que eu cito algumas vezes, sempre com adjetivos como “folclórico”, “peculiar”, etc.), não concordo com as regras dele sobre este caso de concordância. Entre os especialistas, ele é visto como um autodidata muito experiente, agudo observador dos fatos da linguagem, valente


defensor do bom Português, mas cheio de ideias próprias (e completamente fantasiosas, muitas vezes). Ele às vezes dá no prego, mas muitas vezes dá na tábua. Eu já encontrei ótimas observações, tanto em sua Gramática Metódica quanto em seu Dicionário de Questões Vernáculas , mas já tive várias confirmações de que o leitor leigo não consegue distinguir o que é e o que não é confiável. Achei divertidíssima a mudança que você fez no cartaz: de “20% da renda serão destinados” passou para “serão destinados 20% da renda”! Na verdade, você apenas trocou seis por meia dúzia! A inversão da ordem “sujeito-verbo” para “verbo-sujeito” não tem efeito algum sobre a concordância – embora eu reconheça que, com a inversão introduzida, você deve ter acalmado alguns de seus opositores ao desviar a atenção que antes estava focada no sujeito. fui eu quem começou

Professor, gosto muito das crônicas da Martha Medeiros e acho que ela escreve muito bem. Esses dias, contudo, fiquei cismada com uma frase que ela usou: “Não fui eu que comecei”. Não poderia ser não foi eu quem começou, ou ainda, não foi eu que comecei? Marília T. – Joinville (SC) Minha cara Marília, vamos começar separando as orações que compõem essa frase: não fui eu e que comecei. Na primeira, o verbo ser vai concordar obrigatoriamente com o sujeito, expresso por um pronome pessoal: fui eu. Em hipótese alguma poderíamos ter aquele “*foi eu”, como você escreveu. Na segunda oração, o que é um pronome “vazio”, isto é, ele vai assumir o valor do antecedente que ele representa (que é, obviamente, o sujeito da primeira oração): fui eu que fiz foste tu que fizeste


foi ele que fez fomos nós que fizemos Já o pronome quem é um pronome de 3a pessoa, e assim vai ficar o verbo da segunda oração: fui eu quem fez foste tu quem fez foi ele quem fez fomos nós quem fez Podemos optar pela forma que melhor nos aprouver; o que não podemos fazer é misturar uma com a outra (“*somos nós quem fazemos” ou “*somos nós que faz” são frases absurdas). A frase da Martha, portanto, está correta; ela poderia também ter escrito “Não fui eu quem começou”, mas preferiu (como a maioria de seus leitores o faria) a primeira. a maioria dos homens Uma jovem leitora escreveu “a maioria dos homens fica encabulada”; a professora corrigiu para “ficam encabulados”. Quem está com a razão? O Professor vem serenar os ânimos.

Professor, tenho 12 anos e estou na 7a série. Fiquei indignada com a correção que minha professora de Português fez na minha redação, considerando errada a concordância na frase “A maioria dos homens fica encabulada de fazer os exames de próstata”. Ora, tenho quase certeza de que minha forma está correta. Mas pode haver outra forma para a mesma frase, como, por exemplo, a forma corrigida? Segundo ela, o correto seria “A maioria dos homens ficam encabulados de fazer


os exames de próstata”. Camilla Maciel S. – Jundiaí (SP)

Minha cara Camilla, eu também prefiro a concordância com o núcleo do sintagma (“a maioria dos homens fica”), mas todos os gramáticos prescritivos concordam em admitir também (ou seja: é uma “licença” que aqueles senhores “concedem” por causa do uso) a concordância com o termo periférico: “a maioria dos homens ficam”). Escrevi algo a respeito disso no artigo sobre concordância com percentuais. Só há um complicadorzinho no seu caso específico, que é o adjetivo encabulado. Se optarmos (como você e eu) pela concordância com o núcleo maioria, o adjetivo fica encabulada, como você escreveu – e vamos ter de convir que esse feminino não soa tão bem numa frase que fala de homens. Afinal, homens deveriam ficar encabulados! Talvez por isso a sua professora tenha preferido a concordância opcional com “homens”. De qualquer forma, a redação que você fez está correta; resta saber se ela discordou da concordância por considerá-la “errada” ou por estar apenas aconselhando você a optar por outra forma mais bem-soante – coisa que eu faço a toda hora nas redações de meus alunos. Fale com ela, que eu acho que tudo vai se esclarecer. Curtas notifiquem-se os interessados

Adriana P., de Salvador (BA), quer saber qual é a forma correta: “ notifique-se os interessados” ou “notifiquem-se os interessados”. Minha cara Adriana, interessados é o sujeito dessa frase; logo, notifiquem-se os interessados, ou notifique-se o interessado, se for um só. Recomendo que você dê uma olhada no que escrevi na concordância com a voz passiva sintética. Lá está tudo bem explicadinho. concordância com a maioria


Um leitor que foi batizado com o estranho nome de “Escritório Modelo” quer saber qual a forma correta: “a maioria dos eleitores votaram ou votou neste candidato”? Alega que sempre achou que o verbo deveria concordar com maioria, mas notou que os jornais fazem a concordância utilizando-se do plural votaram. Meu caro Escritório Modelo (já que não veio com nome de gente...), eu prefiro concordar com o núcleo do sujeito: a maioria dos alunos votou, grande parte dos deputados se absteve. Contudo, como a atenção do falante é fortemente atraída pelo modificador do núcleo, é também comum – e aceita pelos gramáticos tradicionais – fazer a concordância com este elemento periférico: a maioria dos alunos votaram. Eu me sinto mais seguro com a primeira, que é sempre indisputável, mas muita gente prefere a segunda. Dê uma lida no que escrevi antes sobre a maioria dos homens, pois lá faço alguns comentários sobre este tópico. é uma e meia

Luís Henrique, um paulistano de 18 anos, tem dúvida quanto à concordância com o número de horas; sabe que é correto dizer “é uma hora” e “são duas horas”, mas hesita quando se trata de “uma e meia”. Meu caro Luís Henrique, o plural, nas línguas ocidentais, começa quando tivermos dois ou mais de dois. Portanto, “É uma hora”, “É uma e meia”, “É uma hora e cinquenta e nove minutos – PLIM! São duas!” concordância do verbo ter


Roselly S., de Caxias do Sul (RS), tem dúvida quanto ao verbo ter. Diz ela: “Na frase ‘a maioria das pessoas tem’, ele permanece no singular. Certo? A minha dúvida é como ele fica na frase ‘Obrigação que qualquer das partes tem ou têm’?”. Minha cara Roselly, são duas situações completamente diferentes, embora com o mesmo resultado. Em “a maioria das pessoas tem”, o verbo está no singular porque concorda com o núcleo do sujeito, maioria. Em “obrigação que qualquer das partes tem”, o verbo concorda com o pronome qualquer (singular de quaisquer). Compare: “Q ualquer um dos alunos sabe”, “Q ualquer um dos candidatos afirma”, e assim por diante. mais de um votou

O leitor que se assina “Pigmeu”, de São Paulo (SP), diz que a namorada quer saber a forma correta: “Isso ocorre nos condutores quando mais do que um nível de tensão for modelado/forem modelados numa estação”. “A dúvida nasceu por causa do mais do que um”, diz Celso, que se declara decidido a manter o saldo positivo com sua garota... Meu prezado Pigmeu, a concordância usual, na linguagem culta, com mais de um é com o verbo no singular: “quando mais de um nível de tensão for modelado”. Na verdade, isso faz parte de uma regra mais ampla: o numeral depois de mais de é que vai decidir se é singular ou plural. “Mais de um deputado votou”, “mais de dois deputados votaram”. fomos nós quem fez


Ruy R. W. pergunta se não está errado escrever “Fomos nós quem fez”. O correto não seria “fomos nós quem fizeram”? É claro que não, meu caro Ruy ; o quem é um pronome que leva sempre o verbo para a 3a pessoa do singular: “fomos nós quem fez”, “foram eles quem fez”. Essas combinações soam tão estranhas que preferimos, em geral, usar o que em vez do quem. Nesse caso, o verbo vai concordar com o antecedente do que: fui eu que fiz, fomos nós que fizemos, foram eles que fizeram. é nestes momentos que...

Lima, de Campina Grande (PB), precisa saber qual a forma correta: (1) “É nestes momentos que me parece difícil dizer palavras de consolo”; (2) “É nestes momentos que me parecem difíceis dizer palavras de consolo”; ou (3)”São nestes momentos que me parecem difíceis dizer palavras de consolo”? Caro Lima, a sua primeira hipótese está correta; as outras duas, completamente erradas. A frase “É nestes momentos que me parece difícil dizer palavras de consolo”, na verdade, assim se decompõe: [dizer palavras de consolo] [é que me parece difícil] nestes momentos. erro de concordância


Ana Célia G. reclama de um cartaz feito pelos alunos da escola em que sua filha estuda: “Não permita que as dificuldades da vida o impeça de florescer”. Ela acha que o verbo deveria estar no plural (não o impeçam), mas a professora alegou que a concordância estava correta. Prezada Ana, você é quem está com a razão. O sujeito do verbo impedir, nesta frase, é as dificuldades da vida, exigindo, necessariamente, a concordância com a 3a pessoa do plural: “Não permita que as dificuldades da vida o impeçam de florescer”. Só espero que a professora que disse que o singular estava correto não seja a de Português; se for, é bom ir pensando numa outra escola para a filha de vocês. quantos dias tem a semana

Aline, de Caxias do Sul (RS), manda uma dúvida que ninguém soube responder na sua sala de aula, nem mesmo o professor: deve-se acentuar o verbo na frase ‘Quantas horas tem uma semana’? Acrescenta: ‘O senhor poderia me enviar coisas que comprovassem essa resposta para mostrar para meu professor’?”. Minha cara Aline: não tenho de enviar nada para comprovar a resposta, já que se trata de uma regra básica de concordância: o verbo sempre vai concordar com o seu sujeito, que, no caso, é obviamente semana: “Quantas horas tem uma semana”, ou, se você quiser, “Quantas horas uma semana tem”. Espero que o professor que você menciona não seja de Português... doam a quem doerem

Teófilo S., de Barbalha (CE), quer saber se a frase “ Doa a quem doer esses fatos” tem algum problema.


Caro Teófilo, o problema é de concordância. O sujeito é “esses fatos”, e a frase correta seria “Doam a quem doerem esses fatos” (entenda-se: “doam esses fatos a quem esses fatos doerem”). Compare com o singular “doa a quem doer esse fato”. aluga-se uma casa

O leitor Edvaldo diz que aprendeu, quando ainda no ginásio, com um professor de Português muito bom, que o certo era alugam-se uma casa. No entanto, como vê constantemente placas com aluga-se uma casa, quer saber qual das duas formas é a correta. Meu caro Edvaldo, acho que a sua memória está lhe pregando uma peça, porque seu professor jamais lhe ensinaria que *alugam-se uma casa está correto. Ou vamos usar aluga-se uma casa (voz passiva sintética; aqui, “uma casa” é o sujeito, e o verbo tem de ficar no singular), ou alugam uma casa (voz ativa, com sujeito indeterminado indicado pelo verbo na 3a pessoa do plural). que horas são?

Édson Dutra Caro quer saber se a forma correta é “que horas são?” ou “que horas é?”. Pergunta ele: “O verbo acompanha o sujeito?”. Meu caro Édson, o verbo sempre vai concordar com o sujeito, que, no caso, é horas. Por isso, a forma correta é “que horas são” (se você usar o plural), ou “que hora é” (se você usar o singular). Note, no entanto, que a primeira é muito mais aconselhável, já que, na grande maioria das vezes, a resposta será “são duas”, “são cinco”, etc. Em outras palavras: há, por razões óbvias, muito mais situações em que a hora vai envolver o plural. O singular aparece


obrigatoriamente com meio-dia, meia-noite e uma hora: “é meio-dia e vinte”, “é meia-noite e quinze”, “é uma e dezesseis”, e assim por diante. o prazo é de 10 dias

Tânia L., leitora de São Paulo (SP), chega a uma conclusão filosófica: “A certeza é quase sempre uma armadilha. Apostei, sem titubear, que o correto seria dizer: ‘O prazo é de 10 dias’, mas parece que também estaria correto ‘O prazo são de 10 dias’. Será que eu perdi a aposta? Estava valendo uma garrafa de uísque...” Prezada Tânia, o que salvou você foi a preposição “de”: “o prazo é de 10 dias”. Se usássemos uma construção em que o sujeito fosse 10 dias, poderíamos defender que também estaria correto “o prazo são 10 dias”. Agora, “*o prazo são de dez dias” é indefensável; sorte a sua. Estados Unidos

Terry S., um leitor americano, escreve para comentar a concordância com Estados Unidos: “Em Inglês, Estados Unidos é sempre usado com o valor de um singular: ‘The United States is a big country. The U.S. is a world power. The U.S.A. has a problem with illegal immigration’. O plural dos verbos (neste caso, “are” ou “have”) não é usado porque Estados Unidos é considerado um nome próprio, não um substantivo/adjetivo. É o nome de um país. Os estados russos, os estados confederativos, os estados europeus, os estados brasileiros, os estados romanos, as ilhas havaianas – esses sim são substantivos/adjetivos, que não começam em letras maiúsculas”. Meu caro Terry, agradeço suas observações. São esclarecedoras quanto ao uso do Inglês, mas nada têm a ver com o Português. “The U.S.A. is”, “people


are”, etc. – são características idiossincráticas do sistema flexional do Inglês, do mesmo modo como “Os Estados Unidos são” caracteriza o sistema do Português. Cada língua com seu uso, cada roca com seu fuso. Um abraço, Terry, e continue meu leitor atento. faz trinta graus

Valério N. F., do Rio de Janeiro (RJ), estranha que os apresentadores de telejornais, nas informações meteorológicas, digam: “Neste momento faz 30 graus na cidade tal”. Sua dúvida: não seria fazem? Prezado Valério, o verbo fazer, quando indicar condições climáticas ou fenômenos meteorológicos, é sempre impessoal, isto é, fica sempre na terceira pessoa do singular: “aqui faz verões quentíssimos”, “fez dias belíssimos durante nossa viagem ao Caribe”, “aqui faz 30 graus à sombra”. concordância do infinitivo

O leitor Pedro Z. quer saber qual é a forma correta: “As bolsas são capazes de ter/terem eficiência nominal”. Meu caro Pedro, as bolsas são capazes de ter, nós somos capazes de ter, tu és capaz de ter – note como só o primeiro verbo varia. Se o segundo também flexionasse, teríamos horrores como “*nós somos capazes de termos”, “*tu és capaz de teres”. leia-se Lula e Serra


Maria Laís P., professora de São Paulo (SP), estranhou um jornal de São Bernardo que escreveu: “Os candidatos à Presidência da República – leiam-se Lula e Serra – estavam empenhados em conquistar apoios”. Não deveria ser leia-se (onde se lê isso, leia-se aquilo)? Não se trata aí da concordância com um falso plural, já que não se quer dizer que Lula e Serra devem ser lidos?”. Prezada Maria Laís, sim, deveria ser leia-se. O que enganou o redator foi outro erro presente na mesma notícia: “Lula e Serra” deveriam ter recebido um tratamento de metalinguagem; como não pertencem ao discurso normal do texto, deveriam vir sublinhados, em itálico ou entre aspas: os candidatos à Presidência da República – leia-se “Lula e Serra”. Um erro levou ao outro. eu sou você

Marcelo Ferreira Lima tem uma “dúvida eterna”: qual a forma correta? “Eu sou você, você sou eu”, ou “Eu sou você, você é eu”? Meu caro Marcelo, vou dar um fim na sua dúvida eterna: “Eu sou você, voc ê é eu”. A frase é clássica, a solução também. Apesar do conhecido comportamento do verbo ser quanto à concordância, considera-se o pronome da esquerda como sujeito. os brasileiros que sabemos?


Marino Novoa, um leitor hispano-falante que está aprendendo português, estranhou uma frase no artigo item, itens, no Guia Prático do Português Correto, v. 1, em que escrevi “... vem sendo transmitido a todos nós, os brasileiros que sabem escrever”. Ele pergunta se o correto não seria “vem sendo transmitido a todos nós, os brasileiros que sabemos escrever”. Meu caro Marino, nesta construção, trocar sabem por sabemos é um recurso literário que soa cada vez mais artificial. “Os brasileiros somos um povo” – isso é gramaticalmente correto, mas só caberia em linguagem erudita e rebuscada. A forma canônica, correta, é “Nós, os brasileiros que sabem”; o sujeito de saber é brasileiros, e não nós. Basta trocar o pronome pelo singular para ficar claro o que estou dizendo: “Eu, o brasileiro que sabe falar trinta línguas” – e nunca “*Eu, o brasileiro que sei falar trinta línguas”. és o que governa

Ana Cláudia, de São Paulo (SP), gostaria de saber se a forma correta seria “És o que governa” ou “És o que governas” – e pergunta, de inhapa, qual seria a função sintática do “O”. Minha cara Ana Cláudia, a forma correta seria “És o que governa”. Análise da oração principal: tu (sujeito elíptico) + és (verbo de ligação) + O (predicativo; “O” aqui é um pronome demonstrativo, equivalente a “aquele”). A oração subordinada adjetiva, “que governa”, tem o pronome relativo que como sujeito; seu antecedente é o “O”, e por isso o verbo vai ficar na 3a pessoa. Se tirássemos o pronome “O” daquela frase, teríamos uma construção bem diferente: “És tu que governas”; neste caso, o antecedente do que é o tu, e o verbo vai naturalmente para a 2a pessoa. hão de ser corrigidos


Júlio César R., de Florianópolis (SC), pergunta se deve escrever hão de ser corrigidos os erros, hão de serem corrigidos os erros ou há de ser corrigidos os erros. Caro Júlio, a única aceitável é hão de ser corrigidos. Compare com havemos de ser entendidos, hás de ser recompensado; note que o verbo ser fica invariável, em qualquer hipótese. Como você sabe, nas locuções verbais só o auxiliar mais à esquerda sofre flexão (tenho de ir, tens de ir, temos de ir, têm de ir); os demais ficam invariáveis. Quanto à terceira versão, ela está errada porque o verbo haver aqui é um simples auxiliar e deve concordar normalmente com o sujeito erros.


6. Tratamento

lhe, te e você Uma leitora suíça estranha o uso do lhe no vídeo da Xuxa.

Na fita de vídeo da Xuxa que comprei para minha filha, em algumas músicas usam o lhe dirigindo-se a alguém que não é mais velho ou que exija tratamento formal; por exemplo, “Eu lhe darei uma chance”. No decorrer desta música, no entanto, a pessoa a quem foi dada a chance é chamada por você. Está correto? Thaís M. – Zurique (Suíça) Minha cara Thaís, percebo que você está fazendo uma pequena confusão entre o lhe do uso culto escrito e o lhe do uso falado. No primeiro, que é naturalmente mais conservador, o lhe é o pronome de 3a pessoa usado para representar os objetos indiretos; a hierarquia de nosso interlocutor não é levada em consideração. Se eu devo um favor ao rei, ou ao jardineiro, ou a você, a frase que eu vou dizer será a mesma: “Eu lhe devo um favor”. Neste sistema, portanto, a escolha entre o ou lhe é feita por critérios exclusivamente sintáticos (se o objeto é direto ou indireto). No uso falado, contudo, desapareceu essa vinculação sintática do lhe ao objeto indireto, e foi-lhe atribuída a função social de expressar um tratamento mais delicado, mais respeitoso. Por isso mesmo, nas regiões do Brasil onde se usa o você (em vez do tu) para o tratamento entre pessoas de igual hierarquia, a forma escolhida para representar o objeto indireto é o te, que é um pronome da 2a pessoa. No Rio de Janeiro, por exemplo, vamos ouvir “Você foi muito gentil; eu te devo um favor”; “Eu te disse que ia dar errado, mas você não acreditou”. Apesar de usual, essa mistura de pessoas gramaticais ainda é considerada como erro pela maioria dos gramáticos. Acho que a produção do disco da Xuxa, por ele ser destinado a crianças, tomou o cuidado de empregar apenas a norma culta – no que, vamos convir, fez muito bem.


tu x você Duas leitoras compartilham a mesma dúvida: qual a diferença na conjugação verbal entre tu e você?

Caro Professor, trabalho com textos traduzidos para a nossa língua. A respeito de verbos na forma imperativa, tenho visto muitos deles usados de forma diferente da que eu aprendi na escola. Por exemplo: olhar, “olhe”; escrever, “escreva”; ligar, “ligue”. Pois bem... frequentemente no rádio e na televisão, ouço “liga agora pra nossa central...”, “escreve aqui para a rádio”. Há um comercial de celular no qual o verbo é usado como “liga”, e até vi na capa de uma revista “olha a postura!”. Espero que o senhor resolva de vez essa minha dúvida, que pode ser a de muitos e que me deixa espantada. Audrey C. – São Paulo (SP) Prezado Prof. Moreno, aprendi, ainda quando pequena, esta oração ao Anjo da Guarda, que penso estar errada na conjugação dos verbos no imperativo. A oração é escrita assim: Santo Anjo do Senhor, Meu zeloso guardador, Se a ti me confiou a piedade divina, Sempre me rege, guarde, governe, ilumine. Como seria a forma correta? Desde já agradeço. Ângela S. – Caxias do Sul (RS) Prezadas leitoras, o que está incomodando vocês é o cruzamento das regras de conjugação do imperativo com a forma de tratamento que está sendo empregada (tu ou você) – uma das misturas mais indigestas para quem hoje ainda tenta escrever corretamente o nosso idioma. Essas duas áreas já são problemáticas de per si; quando se juntam, é natural que o cenário fique ainda mais confuso. Vou esclarecer por partes. O tratamento – quando nos dirigimos a alguém, o Português moderno permite que escolhamos livremente entre tratá-lo por tu ou por você; embora haja certas preferências regionais, qualquer brasileiro, em qualquer parte do


país, é livre para usar a forma de tratamento que lhe aprouver. No jargão das gramáticas tradicionais, portanto, tu e você são duas formas igualmente corretas para tratar a segunda pessoa do discurso (definida como aquela a quem se fala). É importante frisar que, apesar de ambos se referirem à 2a pessoa (do discurso), tu pertence à 2a e você pertence à 3a pessoa gramatical, exigindo as formas verbais e os pronomes respectivos. Comparem “Se você não trouxe seu livro, vai se arrepender” com “Se tu não trouxeste teu livro, vais te arrepender” – ambas corretas. Numa espécie de darwinismo linguístico, as duas formas passaram a disputar a preferência dos falantes. Ambas estão ainda em uso, mas a direção de tendência – ou seja, o rumo inexorável para onde os dados linguísticos apontam – parece ser a supremacia absoluta do você e a retirada de cena do tu, assim como já aconteceu com o vós (lembro apenas que essa disputa vai durar alguns séculos, ao longo dos quais as hesitações vão naturalmente continuar ocorrendo). Nosso quadro verbal, então, vai reduzir-se a quatro pessoas (eu; ele ou você; nós; eles ou vocês). O imperativo – para fazer um convite, uma exortação, ou dar uma ordem – aquilo que a mitologia gramatical denominou de imperativo –, deveríamos usar formas verbais muito diferentes para o tu e para o você. Eu disse “deveríamos”, porque na prática quase nunca isso acontece. A forma que corresponde ao você é idêntica ao presente do subjuntivo, enquanto a que corresponde ao tu é uma forma própria, exclusiva, obtida a partir do presente do indicativo, com a perda do “S” característico:


Pois as formas com que você cismou, minha cara Audrey, são as que correspondem ao tu: “liga agora para nossa central”, “escreve aqui para a rádio”, “olha a postura!”. A julgar por suas palavras, presumo que você preferiria “ligue”, “escreva” e “olhe”, correspondentes ao você. As outras não estão erradas; o que fez você acender a luz de alerta, ao ver aqueles comerciais, foi simplesmente o fato de empregarem o “tu”, com suas formas verbais que já soam estranhas para grande parte dos brasileiros. Quanto a você, minha prezada Ângela, está certa em desconfiar do texto da oração, porque ele realmente está errado. Se a prece se dirige ao Anjo tratando-o por tu (como sugere a frase “se a TI me confiou...”), as formas do imperativo devem ser da segunda pessoa: “...m e rege, guarda, governa e ilumina”. Acho que o “E” de regE terminou influenciando na conjugação errônea dos três outros verbos. se liga Um gaúcho indignado reclama contra o jeito da TV brasileira falar.


Prezado Professor, minha implicância maior é com o colonialismo imposto pela TV do centro do país. Veja o uso do se: “Se liga”, “se cuida”, “se levanta”, etc. O certo não seria “te liga”, “te cuida”, “te levanta”? Nesse caso, o se não representa a 3a pessoa? Elly W. – Passo Fundo (RS)

Meu caro Elly, não há nada contra o emprego do se, pronome correspondente a você; é claro que é 3a pessoa, mas, como bem sabemos, o Brasil se divide em dois territórios: o maior, que usa você, e o menor (Rio Grande do Sul e algumas cidades esparsas no resto do país), que usa tu. Feliz ou infelizmente, o avanço linguístico do você é inexorável, porque ele é o pronome preferido nos estados que produzem a nossa programação de TV e que, ipso facto, dominam os corações e as mentes de nossas crianças. Não sei que idade você tem, mas digo a meu filho (26 anos), gaúcho de quatro costados, que os netinhos dele vão andar de bombachinha, tomando chimarrão e falando você. É brincadeira, é claro, mas expressa mais ou menos o espírito da coisa. Este Guia Prático, por exemplo, tinha sido escrito tratando os leitores por tu; no entanto, por ponderação do editor, troquei tudo para você, dado o alcance nacional das edições da L&PM. Agora, numa coisa você está coberto de razão: “*se liga”, “*se cuida” e “*se levanta” são realmente execráveis, mas por outro motivo: o verbo está mal conjugado, no imperativo. A forma correta seria “se ligue”, “se cuide”, “se levante”. Se preferem o você ao tu, estão no direito deles, mas vão ter de levar o verbo para a 3ª pessoa – e não tem coré-coré. quem é doutor, afinal? Já foi dito que os brasileiros se dividem entre os que são doutores e os que gostariam de sê-lo.


Caro Professor, por que os formados em Medicina, Direito, Odontologia e até mesmo Engenharia (entre outros) são chamados de doutor, enquanto os formados em Letras, Computação, etc. não são? Existe uma regra para tal discriminação? Eu pensava que doutores eram apenas os pós-graduados com doutorado, que defenderam uma tese e receberam tal título. Ailton B. G. – Osasco (SP)

Meu prezado Ailton, o vocábulo doutor vem do Latim docere (“ensinar”). No seu emprego primitivo, na Bíblia, designava aqueles que ensinavam a lei hebraica (os “doutores da lei”); em Lucas 1,46 (na trad. de João Ferreira de Almeida), os pais do Menino Jesus procuraram-no em Jerusalém e “o acharam no templo, assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os”. O uso de doutor como título acadêmico, no entanto, começou nas universidades medievais (Bolonha, Salamanca, Oxford, Cambridge, Sorbonne, Coimbra, Upsala) para designar os que tinham conquistado a autorização para lecionar. Esse direito se limitava, primeiro, à sua própria universidade, mas foi estendido, mais tarde, a qualquer outra (com as indefectíveis rivalidades e picuinhas que duram até hoje). Primeiro houve os doutores em Direito (doctores legum), depois em Direito Canônico (doctores decretorum) e, já no século XIII, em Medicina, Gramática, Lógica e Filosofia; no século XV, Oxford e Cambridge começaram a conferir também o doutorado em Música. Os antigos doutorados em Direito e Medicina certamente explicam o uso popular, tanto no Brasil como em Portugal, do tratamento de doutor para os médicos e advogados. Outro resquício medieval é o título de Doutor Honoris Causa (“por motivo honorífico”), concedido a qualquer personalidade que uma determinada universidade queira homenagear, tenha ou não formação acadêmica. Independentemente do sentido acadêmico (que implica a defesa de uma tese de doutoramento), uma indiscutível aura de respeito e deferência cerca o vocábulo doutor, como podemos ver nos reflexos que deixa no vocábulo douto, que indica o erudito, o sábio, o profundo especialista em determinada área. Por outro lado, o pedantismo e a atitude aristocrática de alguns doutores explica também por que chamamos de “tom doutoral” aquele tom sentencioso, muitas


vezes pedante, de quem pensa que está dando lições de sabedoria. Como vimos até aqui, caro Ailton, para ser doutor, o pobre mortal tem de quebrar muita pedra! Só os que sobreviveram sabem o que isso significa. No mundo acadêmico, só pode ser chamado de doutor quem cumpriu as etapas constantes no curso de doutorado, incluindo a defesa de uma tese original diante de uma banca composta por cinco outros doutores (até bem pouco tempo, no sistema brasileiro, isso só podia ser feito depois de se ter concluído o curso de Mestrado). Quando se ouve, na universidade, alguém anunciado como “Professor Doutor”, é porque ele é doutor mesmo. Saindo um pouco do mundo universitário, tornou-se costume, aqui no Brasil, chamar de doutor também ao médico e ao advogado, havendo, inclusive, esquisitos dispositivos legais que regulavam (e talvez ainda tentem regular) o uso do título. A prática é tão usual que poderíamos dizer que o sentido mais geral da palavra doutor, no Brasil, é o de médico: “Ele foi ao doutor” vai ser interpretado por quase todos os falantes como equivalente a “ele foi ao médico”. Neste caso, no entanto, devemos reconhecer que esse emprego mais tolerante do vocábulo vem facilitar a comunicação direta com esses profissionais: quando me dirijo a um médico ou a um advogado, não preciso dizer “O que o senhor pensa disso, médico Fulano?” ou “Gostaríamos que participasse das negociações, advogado Beltrano”, pois o doutor, usado mais como forma de tratamento do que como título, serve de tratamento genérico. Agora, no imenso mundo não-acadêmico, neste pobre Brasil sem ianalfabeto, doutor já é outra coisa, pois serve para designar qualquer cidadão que teve a sorte de concluir um curso superior: “Ele agora se formou; tenho um filho doutor, de anel no dedo!”. É aqui que os engenheiros, arquitetos, economistas, etc. ganham também a sua fatia. E lá se vai o conceito, alargandose na sua elasticidade infinita, passando finalmente a abranger qualquer pessoa cuja aparência sugira que pertence às classes dominantes. É o doutor usado pelo guardador de carro, pelo porteiro de prédio, pelo vendedor dos semáforos. Todo brasileiro, no fundo, sonha em ser doutor. Portugal, nosso avozinho, resolveu de outra forma esse anseio por um tratamento diferenciado: lá todos são chamados de excelência, para contentamento geral. Eu, pessoalmente, prezo mais o título de professor que o de doutor (a que fiz jus, pela tese que defendi) – exatamente pela indefinição deste último. enfermeiro é doutor?

Professor Moreno, sou enfermeiro e soube que o Conselho Federal de Enfermagem editou uma resolução segundo a qual os enfermeiros também fazem


jus ao título de doutor. Antes de fazer um novo crachá e um novo carimbo, no entanto, gostaria de saber se é legítimo o uso do doutor antes de meu nome. Confesso que até gostaria de ser chamado assim, mas não acho muito honesto com os pacientes. Enfermeiro Atento – Campos (RJ) Meu caro amigo, não sei se ela ainda está em vigor, mas essa resolução é uma das peças mais surrealistas que li sobre este assunto (Resolução COFEN256/2001 – Autoriza o uso do Título de Doutor pelos Enfermeiros). O Conselho de Enfermagem, além de fazer afirmações completamente equivocadas (o título de doutor jamais foi genérico para portadores de diploma de curso superior – só os médicos e os advogados costumam usá-lo, à moda deles, fora do sistema acadêmico de títulos, que só chama de doutor quem fez doutorado), realizou a proeza de atribuir direitos a si mesmo! Por que eles não decidiram, logo, autorizar os enfermeiros a usar o título de rei, ou de bispo, ou ainda de vereador? O disparate seria igual se o Conselho Regional de Engenharia fizesse o mesmo, ou o de Economistas, ou o de Contabilistas! Sua hesitação em usá-lo, amigo, é muito sábia; se você leu o que escrevi em “Quem é doutor, afinal?”, deve conhecer a minha opinião: de um lado, há o doutor quente, com curso de pós-graduação e defesa pública de tese; este é incontestável, seja ele psicólogo, dramaturgo, enfermeiro, cineasta ou matemático, e seu título é reconhecido legalmente no Brasil e no resto do mundo, gerando vários efeitos jurídicos – inclusive a capacidade de postular certas vagas que exigem essa titulação e o direito de receber adicionais na sua remuneração. Do outro, há o doutor popular, forma cerimoniosa de tratamento dos médicos, dos advogados, de pessoas mais ricas, de poderosos em geral, neste país de imensos contrastes que é o nosso querido Brasil. O guardador de carros da minha rua sempre me chama de doutor, não porque conheça o meu trabalho na universidade ou os livros que escrevi, mas porque, na óptica dele, quem tem carro é rico, e quem é rico é doutor. Nesse segundo doutor, teoricamente, cabemos todos nós, porque, se não somos tão poderosos ou ricos quanto um Ermírio de Morais, somos muito mais poderosos ou ricos que o pobre retirante que caça calango para matar a fome. Na pirâmide social, chamaremos de doutor quem está acima de nós, e assim seremos chamados por quem está abaixo – mas isso não se regula com portarias ou resoluções. Depende de uma intrincada rede de fatores sociolinguísticos, na qual intervêm, inclusive, traços de nossa relação subjetiva com nossos interlocutores. Eu trato todos os professores p o r tu ou você; a alguns, no entanto, a quem respeito pela idade ou pela sabedoria, chamo de professor. O mesmo acontece com os médicos: trato-os


sempre na 2a pessoa, exceto aqueles que, pelos mesmos motivos, prefiro chamar de doutor. Vossa Meritíssima? O Professor mostra que essa forma de tratamento é uma cruza de jacaré com cobra-d’água.

Professor Moreno, alguns gramáticos afirmam que Vossa Meritíssima deve ser grafado apenas por extenso; todavia, já vi a forma MM. como referência ao pronome de tratamento em questão. Há ainda gramáticos que insistem em dizer que o vossa não deve ser usado quando associado ao termo Meritíssima. A quem devo seguir? O que devo fazer? Petrúcio

Meu caro Petrúcio, acho que há um engano aqui, pois *Vossa Meritíssima é uma sequência impossível na estrutura do Português. Os nossos pronomes de tratamento sempre têm a estrutura [vossa+substantivo]: Vossa Majestade, Vossa Alteza, Vossa Santidade, Vossa Eminência, Vossa Excelência, Vossa Senhoria – e Meritíssima, como você sabe, é um adjetivo. Outra coisa bem diferente são os adjetivos superlativos que usamos para qualificar certas autoridades – neste caso, sempre antes de um substantivo: Digníssim o Senhor, Ilustríssimo Diretor, Excelentíssimo Presidente – e por aí vai a valsa. Acho que podemos distinguir muito bem entre as duas situações: Vossa Excelência e Vossa Magnificência , de um lado, e Excelentíssimo e Magnificentíssimo, de outro. Como você pode ver, não cabe um *Vossa Meritíssima , assim como não cabe um *Vossa Excelentíssima (como alguns parlamentares andam usando por aí), pois se criaria uma exótica e inaceitável sequência [vossa+adjetivo], que o nosso idioma desconhece. No mundo jurídico, é muito comum (e adequado) usar-se Meritíssimo como adjetivo de tratamento para magistrados. Ao nos dirigirmos diretamente a um juiz, podemos simplesmente utilizar Merítissimo – ou Meritíssima, caso se trate de uma juíza.


Curtas quem é “excelência”?

Maurici L., de Porto Velho (RO), precisa saber quem deve ser tratado como Vossa Excelência e como se abrevia. Acrescenta: “Por exemplo, como devo me referir a uma Procuradora Federal?”. Meu caro Maurici, num país dominado pelas vaidades públicas, como o nosso, use Vossa Excelência (abreviado como V. Ex.a) para todo o mundo, que assim todos ficam satisfeitos. Em Portugal, que é um país extremamente educado, os vendedores de peixe e os porteiros de hotel chamam todo mundo de excelência; ninguém fica ofendido com a honraria. Eu faço assim, e só não uso Vossa Majestade porque as pessoas iriam perceber que é ironia. P.S.: Quando você se dirigir diretamente à autoridade, use Vossa Excelência; quando você falar sobre ela, troque para Sua Excelência. favor limpar os pés antes de entrar

Gorete diz que tem o hábito de empregar tu como forma de tratamento; um dia desses, escreveu em um e-mail a frase “Favor lê o anexo”, e seu chefe ficou furioso. “Ele tinha razão, Professor, ou era só preconceito comigo, porque sou de Teresina?” Prezada Gorete, se você prefere o tu, deveria ter escrito “Por favor, lê o anexo”. Isso é o imperativo afirmativo para a 2a pessoa, como se pode ver em qualquer gramática. No entanto, quando usamos apenas o “Favor”, o normal é usar o infinitivo: “Favor ler o anexo”. É claro que na pronúncia usual brasileira (e não só do Piauí, como indelicadamente afirmou o seu chefe), o /r/ final do


infinitivo muitas vezes não é pronunciado, fazendo com que ler soe como /lê/. Foi isso o que atrapalhou você na hora de escrever. Compare “Por favor, limpe os pés ao entrar” com “Favor limpar os pés ao entrar”. conta ou conte

A leitora Dinah quer saber qual é a forma correta: “Brasil, conte em cantos um pouco da sua história” ou “Brasil, conta em cantos um pouco da tua história”. Minha cara Dinah, se você vai usar conta, deve usar tua; se usar conte, deve usar sua – tudo depende de como você vai se dirigir ao Brasil. Escolha entre tu ou você; o que não pode é “*Brasil, conta a sua história”, porque estaria misturando os dois tratamentos. tratamento para reitores

A leitora Yasmin X., do Rio de Janeiro, quer saber qual a forma de tratamento para Reitor. Ora, minha cara Yasmin, desde a Idade Média o tratamento dispensado aos reitores é Vossa Magnificência – e é por isso que nossos diplomas têm, no texto, “O Magnífico Reitor da Universidade...”. seu ou teu


Carlos M. nos informa que, dirigindo-se ao interlocutor, costumava dizer “isto é um problema seu”, até que um amigo teimou que o pronome correto seria teu, alegando que o tratamento do interlocutor deve ser tu. Pergunta: “Isso é correto, ou podemos dizer seu em referência a você?”. Meu caro Carlos, quem usa tu para se dirigir a seu interlocutor (como eu normalmente faço), vai usar teu; quem usa você, vai usar seu. Compare: “Tu perdeste o ônibus? Isso é problema teu” com “Você perdeu o ônibus? Isso é problema seu”. É fantástico como esses amigos vivem dando palpites furados! tratamento para padre

Luciane F., de Juiz de Fora (MG), pergunta qual é o pronome de tratamento exato para um padre ou religioso. Prezada Luciane, isso não é uma questão de Língua Portuguesa, mas sim de protocolo eclesiástico. O papa é Vossa Santidade , um cardeal é Vossa Eminência. E um bispo? E um padre comum? Se isso realmente é importante para você, deve perguntar a um padre culto (dos antigos), que ele vai saber. faça um 21

Vítor F., de São Paulo (SP), tem dúvida quanto à propaganda da EMBRATEL. Alguns de seus colegas dizem que o correto é “Faz um 21”, enquanto outros defendem “Faça um 21”. Qual é a certa? Meu caro Vítor, quem costuma tratar o interlocutor por você, dirá “faça um 21”; se, contudo, preferir o tratamento de tu (como eu faço), dirá “faz um 21”. É a mesma diferença que existe entre “toma/tome cuidado”, “fica/fique quieto”,


etc. pronomes com Vossa Excelência

Rosa B., de São Paulo (SP), pergunta: “Numa correspondência formal que usa o tratam ento V. Exa , qual o pronome possessivo adequado? É ‘Colocamo-nos à vossa disposição’ ou ‘à sua disposição’?”. Minha cara Rosa, todos os pronomes de tratamento – Vossa Senhoria, Vossa Excelência, Vossa Majestade , Vossa Santidade , etc. –, apesar de ostentarem esse sonoro vossa, não passam de pronomes de 3a pessoa, da mesma forma que você (que, aliás, é uma forma reduzida do antigo Vossa Mercê ). Portanto, “Vossa Excelência vai encontrar seu casaco no banco de trás de seu carro”; “Dirijo-me a Vossa Excelência para convidá- lo”; “Coloco-me à sua inteira disposição”; e assim por diante. tratamento adequado

Acácio Hy polito quer saber qual o tratamento que deve usar quando estiver se dirigindo (1) ao principal executivo/diretor de uma empresa e (2) a um cônsul. Meu caro Acácio, você pode restringir o seu arsenal de pronomes de tratamento a dois, apenas. Para pessoas de destaque no mundo civil, use Vossa Senhoria – é o caso do executivo. Para autoridades (de qualquer tipo, mesmo as que não merecem) use Vossa Excelência – é o caso do cônsul. Assim você nunca vai errar. vós


Luiz A. R., do Rio de Janeiro (RJ), diz que existe uma oração que diz “Oh! Meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos...” – e pergunta se está certa esta concordância. Meu caro Luiz, nessa oração, Jesus está sendo tratado como vós, como era o costume dos textos religiosos tradicionais (hoje se usa o tratamento de 3a pessoa). Como no Pai-Nosso (“Pai Nosso, que estais no céu...). No exemplo que você citou, estamos usando o imperativo: perdoai, fazei, livrai-nos. Não sei por que grifaste o meu – esse pronome possessivo não tem a menor influência no tratamento que está sendo usado. Se ainda houvesse rei no Brasil, poderíamos dizer: “Meu Rei, concedei-nos um aumento”, ou “Meu Senhor, baixai o preço da gasolina”. não faz, não faças

José Nisa gostaria de saber qual é a diferença entre não faz isso e não faças isso. “Quando é que devo utilizar cada uma das formas?” Meu caro José, “não faças isso” é a forma culta da 2a pessoa do singular do imperativo negativo, usada para o tratamento com tu. “Não faça isso” é a 3a pessoa, também do Português Culto, usada para o tratamento com você. Agora, “não faz isso” é a forma popular do imperativo, não importando se estamos tratando o ouvinte por tu ou por você – e esta não deve ser utilizada em situações que exigem a linguagem mais cuidada. você


Natália, leitora de Goiânia (GO), gostaria de saber se o pronome você pode, diferentemente de eu, tu, etc., ser usado como objeto direto, como em “adoro você”. Prezada Natália, você, como qualquer outro pronome de tratamento (se você não percebeu, ele é irmão dos solenes Vossa Senhoria, Vossa Excelência , etc.), só tem uma forma, não dispondo daquelas variações condicionadas sintaticamente (objeto, sujeito) que têm o eu (me e mim) e o tu (te e ti). Por isso, ele pode desempenhar qualquer função.


7. Concordância nominal

Os artigos, os pronomes, os numerais e os adjetivos são como satélites que acompanham o planeta substantivo, e com ele devem concordar em gênero e número. Esse é o princípio básico da concordância nominal, que nosso idioma evidencia de uma maneira quase obsessiva: basta ver quantas vezes assinalamos o gênero (feminino) e o número (plural) na sequência minhas duas camisas amarelas (que no Inglês seria my two yellow shirts, em que a única marca é o plural shirts – numa economia que chega a beirar a avareza). São vários os motivos que nos levam a tropeçar na concordância – uns mais sofisticados, outros nem tanto. O mais elementar consiste em flexionar apenas o vocábulo mais à esquerda da sequência, deixando imóveis todos os demais (inclusive o substantivo): *uns livro velho, *os carro antigo. Depois, pela ordem, vem o desconhecimento do gênero que o uso culto atribui a determinados vocábulos: meu avô, por exemplo, que era um homem honrado e simples, dizia *minha pijama novinha; no frio da serra gaúcha, já ouvi muitas vezes falarem *do chaminé entupido; e não são poucos os leitores perguntando se *a trema não foi abolida... Você que está lendo este Guia, no entanto, já é um usuário mais avançado de nosso idioma e não deve temer esses escorregões tão singelos. O perigo maior que vai encontrar no caminho será, a meu ver, os adjetivos adverbializados, isto é, um adjetivo no masculino, singular, que passa a funcionar como advérbio (em outras palavras, o mesmo vocábulo pode ser adjetivo ou advérbio, dependendo de sua posição na frase. Ora, essa distinção é fundamental para a concordância, pois os advérbios estão no grupo dos vocábulos invariáveis, enquanto os adjetivos concordam em gênero e número com os substantivos que acompanham. Você vai notar a diferença se comparar “estes sapatos são caros” com “estes sapatos custaram caro”; o primeiro é um adjetivo, ligado a sapatos; o segundo é um advérbio, ligado ao verbo custar. É com base nessa diferença que justificamos, como você lerá adiante, a famosa frase publicitária da “cerveja que desce redondo”. a cerveja que desce redondo Afinal, uma boa cerveja deve descer redondo ou descer redonda? Vejam o que realmente está acontecendo na cervejaria Skol.


Uma boa cerveja deve descer redondo ou redonda? Se redondo é adjetivo, não deveria concordar com cerveja? Muitos leitores fazem a mesma pergunta, motivada pela campanha de uma de nossas grandes cervejarias. A frase da cerveja Skol está correta; na minha experiência, contudo, quando um número expressivo de falantes tem dúvida quanto ao emprego de uma determinada forma, é porque, como diziam os latinos, latet anguis sub herba (há uma serpente escondida nessa relva). Em outras palavras, alguma coisa deve estar motivando a estranheza sentida por tanta gente. O que temos aqui é um caso de adverbialização do adjetivo, fenômeno que já se observava no Latim e que se tornou muito comum em nosso idioma. Dito de maneira mais simples: o adjetivo, em Português, pode ser usado como um advérbio: “A águia voava alto”; “Cães de fila custam caro”; “Ela não senta direito”. Dá para notar perfeitamente que esses adjetivos (aqui, no masculino singular – que é, na verdade, a forma neutra dos nomes flexionáveis) estão modificando o verbo, e não o substantivo. A dúvida dos leitores quanto a essa estrutura, como bem diz Celso Cunha, em sua Gramática do Português Contemporâneo, nasce do caráter fronteiriço entre o adjetivo e o advérbio. Nas frases em que predomina o valor de adjetivo, o leitor interpreta o vocábulo como um predicativo do sujeito; somos levados a ler “ela desceu maquilada” ou “eles chegaram tristes” como “ela estava maquilada quando desceu” e “eles estavam tristes quando chegaram”. Notem como, nesses casos, a concordância é uma manifestação concreta da relação sintática sujeito-predicativo. Nas frases em que predomina o valor de advérbio, no entanto, o leitor interpreta o vocábulo como um adjunto adverbial (geralmente de modo). Para mim, “ela desceu rápido” significa “ela desceu rapidamente”. Quando uso baixo em “eles falavam baixo”, estou especificando de que maneira eles falavam. A ausência de flexão de baixo e de rápido confirma o seu valor de advérbio. Se testarmos a frase da cerveja com vários falantes – para captarmos a cor local, pode ser até numa mesa de bar –, tenho certeza de que a maioria entenderá que redondo descreve a maneira como ela desce (até porque redondo, aqui no sentido de “suave, macio”, não é um atributo relacionado normalmente com uma bebida, mas sim com seu trajeto e com sua passagem


por nosso equipamento gustativo). Da mesma forma, não tenho dúvida de que uma frase como “a cerveja desceu gelado” será rejeitada por quase todos, pois aqui “gelado” é nitidamente um atributo do sujeito (“a cerveja estava gelada quando desceu”). Espero ter deixado clara a diferença entre as duas situações. É evidente que meus colegas sintaticistas e semanticistas conseguem, utilizando a linguagem e a metodologia adequadas, descrever com precisão o que está por trás deste problema; o difícil – e este é o principal objetivo deste Guia Prático – é transmitir o resultado dessa análise ao grande número de leitores que, embora não especializados, demonstram um entusiasmado interesse em conhecer melhor o idioma que usam. nacionalidade brasileiroou brasileira? Entenda por que João tem nacionalidade brasileira, mas escreve brasileiro nos formulários que preenche.

Caro Professor, qual a maneira certa de dizer: “A nacionalidade de João é brasileira” ou “A nacionalidade de João é brasileiro”? Muda de homem para mulher? Marcela V. – João Pessoa (PB) Marcela, acho que você se equivocou ao formular a questão. É claro que na construção “a nacionalidade de João é...” só cabe a forma feminina (brasileira), já que é o predicativo da frase e deve forçosamente concordar com nacionalidade. Você vai encontrar muitos exemplos assim na imprensa: “Fulano de Tal, de nacionalidade portuguesa”, “os atletas de nacionalidade alemã”, e assim por diante. Aposto, no entanto, que a sua verdadeira dúvida é outra: quando o João preenche um formulário ou uma ficha de inscrição, no campo “Nacionalidade” ele deve escrever brasileiro ou brasileira? Acertei? Se for esse o problema, a resposta é brasileiro, da mesma forma que a Maria, ao preencher o campo “Estado Civil”, vai escrever casada, não casado. seu(s) próprio(s) umbigo(s)


Como se diz: os nativos usavam turbante na cabeça ou nas cabeças?

Eu e dois colegas escrevemos um texto cuja última frase é a que segue:”Os atuais servidores não devem ficar olhando apenas para seu próprio umbigo”. Um colega nos criticou, dizendo que deveria ser “apenas para seus próprios umbigos”, já que se trata de muita gente. Júlio B. – Porto Alegre (RS)

Prezado Júlio, embora estejamos falando no plural (atuais servidores), é muito adequado usar o singular para umbigo, porque está perfeitamente implícita a ideia de cada um o seu. É uma tradicional construção de nosso idioma: “Os indianos rezavam com a mão na testa”, “Os holandeses dormiam com o olho esquerdo fechado” (os exemplos são besteirol puro, mas dão uma boa ideia do que eu quero dizer). O plural, nesses casos, é desajeitado e desnecessário – o que, aliás, a julgar pela pergunta, vocês também haviam notado. Eu teria escrito a frase exatamente como vocês o fizeram; talvez eu eliminasse o possessivo seu: “ficar olhando apenas para o próprio umbigo”. Peguem os dois exemplos que eu dei acima e introduzam um possessivo – sua mão e seu olho esquerdo – e vão perceber a (pequena) diferença. camisas cinza Uma leitora estranha que algumas cores tenham plural, enquanto outras não. Veja por quê.

Professor Moreno, por que o plural de gravata cinza é gravatas cinza (não ocorre variação quanto à cor), enquanto o plural de terno azul é ternos azuis (aqui ocorre


variação)? Desde já, grata por sua atenção. Renata L. – Santos (SP) Prezada Renata, você deve saber que os adjetivos que exprimem cor são em número muito reduzido para cobrir todos os matizes que nossos olhos e nosso cérebro distinguem: azul, amarelo, branco, vermelho, verde, etc. Por isso, usamos, para denominar as demais cores, uma locução formada de [cor + DE + substantivo], em que o substantivo nomeia algo que tem uma cor característica. Falamos de “cor de vinho, de rosa, de laranja, de pinhão, de tijolo, de telha, de areia, de gelo, de charuto, de champanha”, etc. Naturalmente, essa locução não pode flexionar: “camisa cor de laranja, camisas cor de laranja”; “gravata cor de vinho, gravatas cor de vinho”. No uso, nem sempre precisamos verbalizar esse “cor de”: posso dizer “ ve stido cor de rosa” ou “vestido rosa”, “sapato cor de pinhão” ou simplesmente “sapato pinhão”. Apesar dessa elipse da primeira parte, a locução continua ali, o que mantém invariável o substantivo: “camisas azuis, verdes, amarelas” (são adjetivos e devem concordar com o substantivo que acompanham), mas “camisas vinho, laranja, rosa, champanha” (são substantivos que figuram na expressão “cor de X”). Temos um gato cinzento, dois gatos cinzentos (adjetivo), mas um gato [cor de] cinza, dois gatos [cor de] cinza. anexo ou em anexo? Podemos optar livremente entre anexo e em anexo, ou apenas uma dessas duas formas estará correta? Sérgio M., um de meus leitores mais assíduos, meu crítico implacável e quase colaborador, volta à carga:

Numa de suas respostas, encontrei “quanto ao teu problema, mando-te, em anexo, o que escrevi ...”. O que me intrigou foi a expressão “em anexo”. Sou avesso à preposição “em” no anexo a uma correspondência como a tua. Autores


respeitáveis a condenam. O Sérgio Nogueira, do JB, aceita. Há os que não. Conheço vários, pessoalmente. Durante os meus quase vinte anos de funcionário público estadual, expurguei cuidadosamente os em anexo nos ofícios que redigia, embora pendurasse neles anexos sem conta. Um abraço. Sérgio M. – Belo Horizonte (MG)

Meu caro Sérgio, “A lista vai anexa” ou “a lista vai em anexo”? Qual é a forma correta? Na verdade, ambas são consideradas bem formadas; trata-se, porém, de construções com estruturas sintáticas diferentes, como pretendo demonstrar. Como já ensinava Celso Pedro Luft – meu mestre, a quem dedico este Guia Prático –, há um anexo adjetivo e um anexo substantivo. Em “a lista vai anexa”, “o relatório vai anexo”, “as notas fiscais vão anexas” , anexo é um adjetivo e, como tal, concorda em gênero e número com o substantivo a que se refere. Na segunda estrutura possível – “a lista vai em anexo”, “os relatórios se gue m em anexo” –, anexo é substantivo, regido pela preposição em; a expressão em anexo funciona como adjunto adverbial de lugar, respondendo à pergunta “onde?”: “A lista vai onde?” – “A lista vai em anexo”. É evidente que, não sendo adjetivo, não ocorre aqui a concordância: “Vão em anexo as fotos”. Ora, houve realmente quem condenasse a segunda forma, alegando que essa era uma construção francesa que estava invadindo a nossa sintaxe. Não há dúvida de que a intenção era nobre, mas, como veremos, equivocada. Os críticos d e em anexo alegavam que, em bom Português, a preposição em deve combinar-se com substantivos, para formar locuções adverbiais (em resposta, em represália, em aditamento, em compensação), e nunca com adjetivos, o que seria imitação servil da sintaxe francesa (isso condenaria em absoluto, em definitivo, em separado e, seguindo o mesmo raciocínio, em anexo). Eu sempre achei curiosa essa ideia de “defender” nosso idioma contra invasões estrangeiras, porque acredito que uma língua só incorpora aquilo que a beneficia. No entanto, para fins de argumentação, digamos que eu concordasse em evitar as locuções formadas de [em + adjetivo]: ainda assim, em anexo estaria fora dessa interdição, uma vez que aqui, como vimos acima, anexo é um substantivo (“a lista vai num anexo”, “a lista vai como anexo”). Lembro ao amigo que muitos manuais de redação oficial recomendam que especifiquemos, ao final de um ofício ou carta de encaminhamento, o número de documentos anexados: “Anexos: 4”. Em teses e dissertações, abrimos, muitas vezes, uma seção de “Anexos” e a eles nos referimos como a substantivos: “No Anexo 1, podemos ver ...”; “O Anexo 2 contém ...”; etc. Outro leitor, escrevendo sobre o mesmo


tópico, lembrou ainda que “A lista vai em anexo” é equivalente, semântica e sintaticamente, a “A lista vai em separado”. Podemos, portanto, escolher entre “a lista anexa” e “a lista em anexo”; a soma de nossas escolhas (são milhares, para quem escreve conscientemente) é que vai formar o nosso estilo pessoal. gênero, número e caso O Professor explica por que não se concorda em “gênero, número e grau”.

Professor, posso dizer a alguém que concordo com ele em gênero, número e grau? Robson G. Meu caro Robson, essa expressão, que pretende ser uma forma enfática de manifestar nossa concordância para com alguma coisa, falha por se basear numa concepção gramatical errônea. Explico: a concordância é um mecanismo muito presente no Português (e quase ausente no Inglês): a flexão dos vocábulos subordinados repete os traços de flexão do vocábulo dominante. Dessa forma, a flexão dos adjetivos, dos artigos, dos pronomes possessivos, etc. repete os traços d e gênero e número do substantivo que acompanham. Em “a minha nova jaqueta amarela”, todos os vocábulos sublinhados estão refletindo os traços de jaqueta, que é o núcleo do sintagma; em outras palavras, eles “concordam” em gênero e número com jaqueta. Nossa gramática tradicional, contudo, escrita por autores praticamente sem formação linguística, pensava que o grau também fosse uma forma de flexão. Mattoso Câmara, no entanto, já na década de 60 provava que o grau, no Português, é apenas uma forma particular de derivação, exatamente por não estar inserido em nosso sistema de concordância nominal, que é compulsório: se o substantivo está no masculino singular, o adjetivo fica obrigado a fazer o mesmo. O uso do grau (aumentativo ou diminutivo) é opcional por parte do falante: se o substantivo está no diminutivo, por exemplo, isso não obriga o adjetivo a fazer o mesmo (e vice-versa: se o substantivo estiver no grau normal,


nada impede que o adjetivo venha no diminutivo): ao lado de “um livrinho fininho”, posso ter “um livrinho fino” ou “um livro fininho”. A expressão correta, na verdade, é “concordo em gênero, número e caso” – e quem a usa assim demonstra uma cultura bem acima do comum, pois se refere ao Grego ou ao Latim, em que o caso (nominativo, acusativo, genitivo, etc.) também fazia parte do sistema de concordância. Mesmo se você não teve, Robson, a sorte de estudar um desses idiomas clássicos (o Brasil, numa atitude suicida, eliminou o Latim de seu sistema educacional, ao contrário de países mais adiantados, como a Alemanha, a França, a Itália, os próprios Estados Unidos...), mesmo assim, repito, você deve usar a expressão na sua forma adequada, pois na linguagem também se fazem notar aqueles pequenos sinais de nosso capricho pessoal – ou de nosso desleixo. haja vista Haja vista ou haja visto o aumento da gasolina? Veja como um examinador da banca de um mestrado acabou tropeçando nesta expressão.

Prezado Prof. Moreno, recentemente, ao fazer a defesa de minha dissertação de mestrado, fui corrigido por um membro da banca sobre o uso da expressão haja vista, dizendo que o correto seria haja visto. A frase em questão era “O presente trabalho justifica-se por se tratar de tema relevante, haja vista a preocupação das diversas instituições citadas em atuar no sentido de regulamentar a ...” . O que o Prof. tem a comentar? Grato. Fernando E. – Ribeirão Preto (SP) Meu caro Fernando, o comentário de seu examinador não foi muito feliz. Em primeiro lugar, porque a frase que você usou não merece nenhum reparo; depois, porque inaceitável é a emenda que ele sugeriu. Talvez não haja outra expressão tão discutida quanto haja vista; todo gramático, todo estudioso, todo diletante mais sério (e os outros também...) já andaram escrevendo sobre ela. As interpretações propostas para sua estrutura chegam a meia dúzia: “hajam vista os acontecim entos; haja vista aos acontecimentos; haja vista dos acontecimentos;


hajam-se em vista os acontecimentos; haja vista os acontecimentos”. Por que essa fartura? Sejamos sinceros: ninguém consegue determinar com clareza o que faz aí o verbo haver e o que faz aí o vocábulo vista (é particípio de ver, ou é um substantivo?); consequentemente, cada um de nós vai tratar os elementos dessa expressão de acordo com a leitura que fizer. Nosso grande mestre Celso Pedro Luft considera haja vista uma expressão estereotipada, inanalisável, uma espécie de “fóssil morfossintático”, que deve ser classificada entre aquelas expressões de exemplificação ou explicação do tipo isto é, a saber, por exemplo. Como acontece com todas essas estruturas cristalizadas, a tendência é deixá-la imóvel, sem flexão: haja vista, e pronto. Contudo, como há opiniões discordantes, vou analisar sua frase à luz de cada uma das três correntes majoritárias. A primeira, acima de todas, que eu também defendo, recomenda deixar tudo como está, invariável: “haja vista os acontecimentos”, “haja vista o preço”. Se adotarmos esta, você construiu uma frase tranchã. A segunda admite a flexão do verbo haver, que deverá concordar com o substantivo que vier logo após: “hajam vista os acontecimentos”, “haja vista o acontecimento”. Como você escreveu “haja vista a preocupação”, continua acertando. A terceira, com menos adeptos, deixa o verbo haver imóvel, mas exige a flexão do vista: “haja vistos os acontecimentos”, “haja vistas as provas”, “haja visto o livro”. Na óptica desta última, você deu em cheio no alvo ao escrever “haja vista a preocupação”. Como você pode ver, acertou por todos os costados, enquanto a correção (?) proposta pelo examinador não vai, ironicamente, encontrar apoio em nenhuma das três hipóteses: o masculino singular de “haja visto a preocupação” não tem o menor cabimento. Talvez o ouvido dele tenha sido traído por uma frase que está correta, embora nada tenha a ver com a estrutura que você estava utilizando: “Espero que ele haja visto a carta que deixei em cima da mesa” (“tenha visto”) – mas isso é vinho de outra pipa. Curtas concordância com gêneros diferentes


A leitora Rita gostaria de saber se está correto dizer “O Brasil compra automóveis e frutas argentinos” e “Deparei com fatos e situações inesperadas”. Minha cara Rita, quando um adjetivo está à direita de dois substantivos de gêneros diferentes e a eles se refere, temos duas opções de concordância: ou deixamos o adjetivo no plural masculino, ou concordamos com o substantivo mais próximo. “Automóveis e frutas argentinos” (concorda com os dois; logo, masculino plural), ou “Automóveis e frutas argentinas” (está concordando com o substantivo mais próximo, frutas). O mesmo com “fatos e situações inesperadas” (é a segunda hipótese); estaria correto também “fatos e situações inesperados”. dado o, dada a

Clarice B., de Manaus (MA), quer saber qual é a forma correta: “Dado a/Dada a importância de colocar as pessoas certas nos cargos certos”. Minha prezada Clarice, como dado é um particípio, e os particípios têm geralmente as mesmas características sintáticas dos adjetivos (eram os antigos “adjetivos verbais”), ele vai concordar com o substantivo a que se refere – no caso, importância. Por isso, escrevemos “dada a importância”, “dadas as últimas notícias”, “dado o alto custo dos medicamentos”, “dados os últimos acontecimentos”. concordância com finanças

Patricia M., de Caicó (RN), quer saber como fazemos a concordância com a palavra finanças, que só consta no plural no dicionário: finanças solidárias ou finanças solidária?


Minha cara Patrícia, plural com plural, singular com singular. Se você usa finanças, todos os adjetivos que ligar a esse vocábulo deverão estar também no plural: solidárias, públicas, combalidas, etc. duzentas mil pessoas

A leitora Águeda, de Brasília (DF), diz que seu antigo professor de Gramática afirmava que o correto é falarmos duzentos mil pessoas, já que duzentos combina com mil e não com pessoas. Porém, esse ano, outra professora disse que o certo é falar duzentas mil pessoas, mesmo. Qual é o certo? Minha cara Águeda, acho que você ouviu mal (ou está lembrando mal) o que disse o professor: é indiscutível que duzentos vai concordar obrigatoriamente com o substantivo: “duzentos mil soldados”, “duzentas mil cidadãs”. Onde acontecem problemas é com milhão, que é um substantivo autônomo e atrai a concordância: “dois milhões de pessoas”, “duzentos milhões de crianças”. Não será isso o que você está querendo recordar? federal, federais

A leitora Ana Rosa L. estranha quando os noticiários dizem “As rodovias federais, as faculdades federais, os policiais federais...”. Pergunta: “Isso está correto? Pois que eu saiba, referindo-se ao Brasil, é tudo uma federação só. O certo não seria os policiais federal?”. Minha cara Ana Rosa, federal, aqui, é um adjetivo; deve, portanto, concordar com o substantivo a que se refere: “os policiais federais”, “as faculdades federais” – do mesmo modo como temos “leis municipais”, “impostos estaduais”, etc. O fato de sermos uma só federação não vai influir na


concordância nominal. próximo

Reginaldo, de Goiânia (GO), não consegue escolher entre “a área fica próximo à delegacia” ou “fica próxima à delegacia”. Como ambas lhe parecem muito estranhas, resolveu pedir socorro. Meu caro Reginaldo, próximo pode ser adjetivo (próximo ano, próxima vítima, parentes próximos) ou advérbio (ele mora próximo daqui). Como sua intuição pressentiu, aqui estamos usando próximo como um sinônimo de perto: a área fica próximo (perto) da delegacia. É advérbio e, portanto, invariável. três Pálios

Thásia, de Belo Horizonte (MG), gostaria muito de saber qual a forma correta: “três carros Pálio” ou “três carros Pálios”? Minha cara Thásia, você pode escolher entre “são três Pálios” ou “são três carros Pálio”; neste segundo caso, temos a estrutura elíptica [carros + da marca + Pálio]. por inteira?


Carlos Henrique W. quer saber qual a forma correta: “a empresa comercializou sua produção por inteira”, ou “a empresa comercializou por inteiro sua produção”? Prezado Carlos, escolha entre “comercializou sua produção inteira” ou “comercializou por inteiro sua produção”. Agora, “*comercializou por inteira a sua produção” é cruza de jacaré com cobra-d’água – não existe! concordância do possessivo

Sônia Regina, de Mogi das Cruzes (SP), escreve: “Sei que o pronome possessivo concorda com o objeto de posse, mas, no exemplo a seguir, qual é a forma correta? ‘Duas irmãs estavam indo para a casa de suas vovós’, ‘de suas vovó’ ou ‘de sua vovó’?”. Na sua pergunta, Sônia, você já dá o rumo para solucionar o problema: no Português, o possessivo concorda sempre com o objeto possuído. Os dois irmãos foram ao aniversário de seu pai. As duas irmãs foram para a casa de sua vovó. É simples assim – pressupondo que estamos falando de apenas uma avó. No Natal, as duas irmãs podem ter dado uma passada na casa de suas vovós (visitaram a avó materna e depois a avó paterna). Agora, de onde você foi tirar aquele “*suas vovó”? Credo! rente, rentes

Péricles D., de Curitiba (PR), quer saber qual é a forma correta: “Os resistores devem ser soldados rente/rentes às placas? A palavra rente tem plural?”. Meu caro Péricles, não se trata de saber se rente tem ou não plural, mas


sim como ele fica nessa sua frase. Rente é um adjetivo normal, pluralizável. No entanto, em “Os resistores devem ser soldados rente às placas”, ele é advérbio e não varia. Seria a mesma coisa que “devem ser soldados junto às placas” (e não “*juntos”). numeral no feminino

Alguém (ou algo) chamado Mweti, extremamente gentil, pergunta se o numeral 31.202, na frase “Durante o ataque, 31.202 mulheres foram feridas”, deveria ser lido “trinta e uma mil, duzentas e duas mulheres”. Prezado Mweti, sua intuição está correta; “trinta e uma mil mulheres” + “duzentas e duas mulheres” = “trinta e uma mil, duzentas e duas mulheres”. flexão de bastante

Rogério N. gostaria de saber se a palavra bastante sofre flexão de número em algum momento. Meu caro Rogério, quando bastante for um adjetivo (sinônimo de “suficiente”), ele vai flexionar normalmente: “tenho razões bastantes para supor”, “há recursos bastantes para adquirir”. Fora deste caso, principalmente quando significa “muito”, não deveria (segundo a gramática formal) ser usado antes de substantivos contáveis: tenho bastante tempo (correto), tenho bastante amigos (inadequado e errado), tenho bastantes amigos (inadequado). água fica mais cara


Marcelino, de Uberlândia (MG), discute a manchete publicada em jornal local: A partir de amanhã água fica mais cara. O correto seria caro ou cara, como escreveram? Caro Marcelino, a água ficará mais cara (adjetivo, com função de predicativo), ou a água custará mais caro (advérbio, com função de adjunto adverbial). Agora, “*ficará mais caro” não tem cabimento. mesmo, mesma

Márcia G., de Belo Horizonte (MG), tem dúvida sobre o emprego da palavra mesmo, mesma. Pergunta: “Varia de acordo com o pronome pessoal (da mesma forma que obrigada e obrigado)? Quando ‘ela’ fala, deve dizer ‘Eu mesma cuidei disso’?”. Prezada Márcia, o adjetivo mesmo sempre vai concordar com o ser a que se refere: “nós mesmos” (homens, ou homens e mulheres juntos); “nós mesmas” (apenas mulheres); “eu mesmo” (homem), “eu mesma” (mulher), “tu mesmo”, “tu mesma”, e por aí vai a valsa. É idêntico ao uso do próprio (eu próprio, eu própria, etc.). concordância do particípio


Eliane G., de São Paulo (SP), gostaria de saber se está correta a concordância “Fica absolutamente proibida a afixação de avisos, panfletos e cartazes”. Cara Eliane, está corretíssima. “Ficam absolutamente proibidas as manifestações”, “Ficam absolutamente proibidos os veículos a álcool”, “Fica absolutam ente proibido o ingresso de animais”. Você deve ter percebido que essas frases não estão na ordem normal, que seria “As manifestações ficam absolutamente proibidas”, “Os veículos a álcool ficam absolutamente proibidos”, etc. – proibido é o predicativo e tem de concordar com o sujeito. concordância do numeral

Claudinei A., de Piracicaba (SP), gostaria de saber por que a concordância correta é “compramos dois mil, duzentas e cinquenta folhas”, e não “compramos duas mil, duzentas e cinquenta folhas” ou “dois mil, duzentos e cinquenta folhas”. Ora, Claudinei, o porquê é muito simples: é que essa frase que venderam você está completamente errada. A forma correta é “duas mil, duzentas cinquenta folhas”. Os numerais variáveis devem concordar com o substantivo que se referem (no caso, folhas). Comece com “duas mil folhas” e “duzentas cinquenta folhas” – agora junte tudo e verá o resultado. Abraço.

a e a e

preços sujeitos a alterações

Elias, de Caxias do Sul (RS), envia a seus clientes cotações de preço que variam diariamente. Para encerrar sua correspondência diária, utiliza uma frase que lhe despertou dúvida: “Preços sujeito ou sujeitos a alterações”? Caro Elias, eu estou sujeito a gripes, nós estamos sujeitos a gripes, as


crianças estão sujeitas a gripes. O particípio funciona como uma espécie de adjetivo verbal; aqui, sujeito, do verbo sujeitar, concorda com o termo a que se refere em gênero e número. Logo, “preços sujeitos a alterações”. concordância do adjetivo

Márcio Amaro V. diz estar com uma enorme dúvida: deve escrever que oferece aulas particular ou aulas particulares? “Mesmo que não fossem duas pessoas oferecendo aulas, o particular também flexionaria?” Meu caro Márcio, estamos diante de um simples sintagma, formado por um substantivo e um adjetivo: aula particular. Uma pessoa pode ter uma aula particular ou várias aulas particulares (note bem: se aula varia, o adjetivo particular é obrigado a variar junto); não importa quantos sejam os professores, os alunos ou os porteiros do prédio. quaisquer

Ellen, de Cuiabá (MT), tem dúvida quanto à diferença entre as palavras qualquer e quaisquer. Possuem o mesmo significado? Como devem ser empregadas? Minha cara Ellen, quaisquer é o plural do pronome qualquer, nada mais. Dois exemplos do Machado de Assis: “Q uaisquer que fossem as cores”; “o casamento, quaisquer que sejam as condições, é um antegosto do paraíso”. Esse pronome é célebre por figurar naquela velha pergunta de almanaque: “Qual é o único plural do nosso idioma que termina em R?”. concordância com pronome possessivo


Lígia D. está intrigada: “Se Maria é filha de João, posso dizer que Maria é sua filha, porque o possessivo concorda com o substantivo. Ora, se Paula é assistente de Anselmo, posso também dizer que ela é sua assistente? Ou é seu assistente, para concordar com Anselmo?”. Ora, Lígia, é claro que Paula é sua assistente, Paula é sua colega, Paula é sua amiga. Não esqueça que estamos falando de Português, não de Inglês! Naquele idioma, o possessivo concorda com o possuidor (ele tem um carro: his car; ela tem um carro: her car); no nosso, o possessivo concorda sempre com a coisa possuída (ele tem um carro: seu carro; ela tem um carro: seu carro). Anselmo tem uma caneta: sua caneta; Anselmo tem uma assistente: sua assistente. concordância do particípio

Marta C., de Curitiba (PR), gostaria de saber qual das duas versões é a correta – “terem asseguradas boas condições de aprendizagem” ou “terem assegurado boas condições de aprendizagem”? Minha cara Marta, sem o contexto, é impossível decidir qual das duas é a forma correta. Por exemplo: (1) “Acho que os cidadãos devem ter asseguradas boas condições de aprendizagem” – isso quer dizer que boas condições de aprendizagem devem ser asseguradas aos cidadãos. (2) “Eu admiro aqueles governantes por terem assegurado boas condições de aprendizagem” – isso quer dizer que eu os admiro porque eles asseguraram boas condições de aprendizagem. Em (1), o particípio se comporta como adjetivo, concordando c om boas condições; em (2), ele é o verbo principal da locução verbal (ter + assegurado) e fica, portanto, invariável.


em anexo

Escreve Giseli, de Florianópolis (SC): “No escritório de advocacia em que trabalho, estamos indecisos quanto à forma correta: ‘Seguem em anexo fôlderes’ ou ‘Anexo, fôlders’”. Minha cara Giseli, você pode usar “seguem em anexo os fôlderes”; eles poderiam seguir por malote, ou portador, ou serviço de entregas, etc. – só que estes vão em anexo. Você pode usar também, no fim do documento, uma fórmula mais telegráfica: “Anexos: tantos fôlderes”. concordância com a pessoa

Rose Mary está em dificuldades quanto ao gênero de algumas palavras: “Numa determinada gramática, encontrei uma explicação em relação ao gênero das palavras o cabeça (o chefe), a cabeça (a chefe), o caixa (o funcionário), a caixa (a funcionária): quando essas palavras designarem ofícios, haverá flexão de gênero. Isso está correto?”. É claro, Rose Mary, que nem sempre vai ocorrer essa flexão. Por exemplo, temos o guia Antônio, a guia Maria; o caixa Paulo, a caixa Maria – em casos como esses, somos obrigados a mudar o gênero do artigo para corresponder ao sexo da pessoa mencionada. Diferente, no entanto, seria uma referência genérica, do tipo “ela foi acusada de ser o cabeça da conspiração”. concordância errada


Vander Luís F., de Juazeiro do Norte (CE), estranhou manchete que viu no jornal: “Os benefícios da homeopatia usada em animais”. “Achei estranho, pois o verbo deveria estar concordando com os benefícios, não? O jornalista responsável me garantiu que essa forma está correta, mas não me convenci.” Meu caro Vander, a matéria fala sobre “os benefícios da homeopatia [que é ] usada em animais. A concordância é essa mesma: usada se refere à homeopatia; não são os benefícios que são usados. O repórter tem toda a razão. Da mesma forma, “As consequências do tratado assinado na Alemanha”, “O objetivo das medidas tomadas pelo Congresso” – e assim por diante.


8. Problemas de construção

a persistirem os sintomas O Professor examina a famosa frase que encerra todos os comerciais de medicamentos no Brasil.

Oi, Professor Moreno, estou no meio de uma grande polêmica na agência onde trabalho, pois temos de finalizar um comercial com a mensagem obrigatória do Ministério da Saúde... Os comerciais que estão no ar dizem o seguinte: “Ao persistirem os sintomas, o médico deverá ser consultado” (esse texto consta nas normas da Vigilância Sanitária). Eu acho que o certo é “A persistirem os sintomas, o médico...”. Gostaria de esclarecer definitivamente esse tema. Obrigada. Andréa G. – Porto Alegre (RS) Minha prezada Andréa, o problema é muito simples: trata-se de duas estruturas diferentes, e vocês deverão optar entre elas com base no que pretendem dizer. “A persistirem os sintomas” é uma estrutura condicional; equivale a “se os sintomas persistirem”; comparem com “a continuar assim, vamos falir”. “Ao persistirem os sintomas”, por sua vez, é temporal; equivale a “quando os sintomas persistirem”; comparem com “ao caírem os primeiros raios, todo o sistema elétrico entrou em colapso”. Não entendo de Medicina, mas nessa frase do Ministério da Saúde parece que o significado implícito é “se os sintomas persistirem”, embora o nexo temporal também tenha lá a sua lógica. Aliás, pergunto: por que vocês não usam o se ou o quando, que vai ser entendido por todos? O fato de ter feito esta consulta (e você não foi a primeira, acredite!) indica que a interpretação não está muito clara para o leitor em geral. Por que insistir no a persistirem, que, apesar de correto, vai dar muito pano para manga? Na volta do correio, a leitora respondeu: Oi, Professor Moreno, obrigada pela dica. Concordo que poderíamos evitar uma polêmica maior substituindo o A pelo Se. Já fiz algo parecido... Deu o maior


“bolo”. Não sabia, na época, que o texto era “imexível”. Fomos obrigados a usar o “Ao”, depois obrigados a trocá-lo pelo “A”. Muito obrigada pela ajuda. Abraços. Andréa. Como se depreende da narrativa de nossa leitora, o Ministério da Saúde não quis abrir mão de sua firme indecisão gramatical... dupla negativa Duas negativas numa frase valem por uma afirmativa? Um leitor alega que a pessoa que diz que não está querendo nada, no fundo, está querendo alguma coisa.

Acho estranho o hábito que as pessoas têm de usar duas negativas juntas: “eu não quero nada”, “eu não sou de nada”, “não pedi nada para ninguém”, etc. Apesar de autodidata, acho muito esquisito (ou, como diriam outros, esdrúxulo) falar ou escrever assim; a frase, dita ou escrita dessa maneira, parece perder o seu sentido negativo e ganhar sentido afirmativo. Quem diz “eu não quero nada” alguma coisa está querendo. Gostaria que o Professor me desse uma resposta definitiva sobre este assunto. Muito obrigado! José B. A. – Cruzeiro (SP)

Meu caro José, em primeiro lugar, ninguém pode dar respostas decisivas sobre questões de linguagem; como na Medicina ou na Biologia, as respostas sempre refletem nosso atual estágio de conhecimento. Na Ciência, como você bem sabe, o que vale hoje com certeza vai ser suplantado amanhã. O que eu faço é fornecer a meus leitores o que me parece, no momento, ser a orientação melhor e mais sensata. Em segundo lugar, não existe nada, em Português, que vede a dupla negação (você percebeu o não... nada?). Isso até pode valer para certos ramos da Lógica Formal, onde duas negativas levam a uma afirmativa (como na Matemática, onde menos com menos dá mais). Embora a gramática padrão do Inglês não aceite a dupla negação, a maioria das línguas humanas (que vão muito, mas muito além da Lógica Formal) utiliza tranquilamente essa construção,


multiplicando, na mesma frase, vocábulos negativos que se reforçam uns aos outros; como diz o linguista dinamarquês Otto Jespersen, “os falantes espalham uma fina camada de coloração negativa sobre a frase inteira, em vez de concentrá-la num único lugar”. Vamos encontrar construções como “ Não devo nada a ninguém”, “Não quero saber de nada”, “Nunca vi nada parecido”, e assim por diante, em todos os nossos bons escritores, inclusive no maior de todos eles, o incomparável Machado de Assis. Nos mais antigos, deparamos com formas mais radicais ainda: por volta de 1500, Gil Vicente escrevia “Nem tu não hás de vir cá”; “A ninguém não me descubro”; “Nem de pão não nos fartamos”. Muitas são as situações em que empregamos instintivamente duas ou mais palavras com carga negativa. Para usarmos nenhum, por exemplo, é indispensável que a frase inclua antes um não: embora na posição de sujeito possamos encontrar o pronome nenhum sem o não anterior (“Nenhum jogador quis falar”), nas demais posições sintáticas, contudo, a correlação “não... nenhum” é praticamente obrigatória: “Esta geladeira não é nenhuma Brastemp”; “Não encontrei nenhum defeito”; etc. Além disso, você deve estar familiarizado com frases do tipo “aquilo não vale nada, não”, com esse não adicional que costumamos acrescentar ao final de uma negativa enfática. E não esqueça: no quotidiano, no calor da hora, quando tivermos de negar alguma coisa muito importante mesmo, vamos usar todas as palavras negativas que conseguirmos enfiar numa frase, como ouvi um dia, por cima do muro, um vizinho meu gritar para a mulher: “Já te disse que não tenho nadica de nada a ver com Marina nenhuma!”. absolutamente é negativo?

Caro Prof. Moreno, o uso do advérbio absolutamente não deveria ser restringido apenas a orações que expressem negação? Explico: enquanto lia seus textos, encontrei a frase “O estranho, bizarro, absolutamente insano é dizer um clips”. Bem, enquanto me preparava para um concurso, minha atual professora de Português me informou que o uso do advérbio absolutamente deveria se restringir,


em suma, ao uso de orações que expressassem negação. Ela ainda usou como exemplo um apresentador de televisão daquela época, Jota Silvestre, que dizia “A resposta está absolutamente certa”. Segundo a professora, sendo absolutamente igual a não, o apresentador estava dizendo na verdade que a resposta estava errada, diferentemente do que ele pretendia na prática. Usando esse mesmo raciocínio, posso dizer que o senhor quis dizer não insano quando se referiu a um clips? Davi E. M. – Uberlândia (SP) Prezado Davi, talvez sua memória esteja lhe pregando uma peça quanto aos ensinamentos de sua professora (ou talvez tenha sido mesmo a mestra quem se equivocou). É verdade que nosso absolutamente, usado como resposta, é negativo, enquanto o absolutely do Inglês é positivo. À pergunta “Foi você que fez isso?”, se um brasileiro responder absolutamente, ele estará dizendo que não; se um inglês responder absolutely, ele estará dizendo um sim enfático. Fora desse contexto, no entanto, absolutamente, ao ser usado como advérbio de intensidade (principalmente junto a adjetivos), não traz nenhum sentido negativo. Entre muitos outros, você vai encontrar exemplos em Rui Barbosa (“É absolutamente necessária a sua residência nesta capital”; “Não há, naquela assembleia, um deputado que não esteja absolutamente certo do contrário”) e em Machado de Assis (“Era absolutamente impossível não concordar com esta opinião”; “...o projeto é absolutamente original” – o que, vamos convir, já basta para mostrar que o “Absolutamente certo!” do J. Silvestre estava absolutamente (inteiramente) certo. e nem

Meu caro Moreno, um anúncio de jornal diz: “A internet que não quebra a sua cabeça e nem o seu bolso”. Esse é apenas um exemplo de algo que eu tenho lido bastante por aí e não consigo entender. Por que usar a expressão e nem quando a palavra nem teria exatamente o mesmo significado? Ou não teria?


Giba Assis Brasil Prezado Giba, muito bem observado. A frase do anúncio está equivocada, sem dúvida. Contudo, o problema não é tão simples quanto parece. Há frases em que vai ocorrer, normalmente, a sequência e + nem. Explico. 1 – Só nem Nem é a união de [e+não], como você já observou em sua pergunta. Como o e já está implícito no nem, repeti-lo seria um daqueles erros tão famosos que até nome tem: pleonasmo vicioso. Ele não voltou [e não]/[nem] avisou quando o fará. 1.1 – É muito comum a oração introduzida por nem ser antecedida por uma oração com não ou qualquer outra palavra negativa (ninguém, nunca, jamais, etc.): Nós não comparecemos à audiência, nem fomos citados de novo. Ninguém o ajudou, nem ajudará. Nunca visitavam os pais, nem telefonavam. 1.2 – Pode aparecer repetido (nem... nem...) Nem a polícia recuava, nem os manifestantes se dispersavam. 1.3 – Entra no lugar de não antes de todos, tudo e sempre: Nem sempre teremos essa sorte. Nem tudo que reluz é ouro. Nem todos podem pagar esse preço.


1.4 – Em algumas estruturas tradicionais, vale pôr e sem: História sem pé nem [e sem] cabeça. Ele puxou o revólver, sem quê nem [e sem] para quê. Ele disse isso, sem tirar nem [e sem] pôr. 2 – A sequência e nem Observe os seguintes exemplos, todos corretos: Ele me reconheceu e nem me cumprimentou. Foi visitar o prefeito e nem fez a barba. Devia-lhe muitos favores e nem se propôs a ajudá-lo. O que me parece mais importante é perceber que este e não tem relação alguma com o nem, ou seja, não existe, na verdade, a expressão e nem. O que temos aqui é uma sequência casual de dois vocábulos independentes, sintática e semanticamente. Vejamos: 2.1 – O valor da conjunção e, aqui, não é aditivo, mas adversativo (equivale a mas, como na frase “Ele é bilionário e não ajuda ninguém”). As duas frases abaixo são sinônimas: (a) O professor me reconheceu e nem me cumprimentou. (b) O professor me reconheceu, mas nem me cumprimentou. 2.2 – O nem, por sua vez, está sendo usado para indicar que algo inesperado aconteceu. Compare: (c) O professor me reconheceu e não me cumprimentou. (d) O professor me reconheceu, mas não me cumprimentou.


(e) O professor me reconheceu e nem me cumprimentou. (f) O professor me reconheceu, mas nem me cumprimentou. Embora em todas as frases o nexo adversativo (tanto o mas, quanto o e) indique que eu aguardava o cumprimento que não veio, em (e) e (f) fica implícito que isso era o mínimo que o professor devia ter feito. Percebe-se que nessas frases o nem faz parte de uma expressão maior: nem [ao menos] , nem [mesmo], em que a segunda parte pode vir explícita ou implícita. (g) O professor me reconheceu e nem ao menos me cumprimentou (sequer). (h) O professor me reconheceu, mas nem ao menos me cumprimentou (sequer). É importante frisar, finalmente, que este nem é bem diferente do que aparece na seção 1. Enquanto aquele, por representar [e+não], deve sempre ser antecedido de uma oração negativa, este não tem a mesma exigência. se se Eu tive um professor que condenava qualquer ocorrência de se se em nossas redações: “Cecê é cheiro de axila!”, ele esbravejava. Em parte ele tinha razão.

Prezado Professor, na frase “Quando estou lá fora, sempre aprontam alguma coisa, até mesmo se se trata de país tão amigo e fraterno quanto Portugal”, o se aparece repetido; por que e como é isso? Danilo N. – Pelotas (RS) Meu caro Danilo, a frase está correta, mas, como você mesmo notou, muito desajeitada. O primeiro se é a conjunção condicional (no Inglês, seria o if). O


segundo é o pronome se, que faz parte do verbo tratar-se; infelizmente, ele não pode aqui ficar depois do verbo (em ênclise): seria horripilante um “até mesmo se trata-se de país...”. Examine a frase “quando se trata de dinheiro”, ou “é sério, porque se trata de dinheiro”: aí temos [quando+se] e [porque+se]. O se, em ambos os exemplos, é pronome. Agora imagine a conjunção se entrando no lugar de quando ou de porque: [se+se]. O encontro é perfeitamente possível; eu, contudo, o evitaria, reescrevendo a frase para “até mesmo no caso de um país ...” ou “até mesmo quando se trata de um país...”. Há sempre dezenas de maneiras para dizer a mesma coisa: essa é a grande riqueza da língua. faz com que E m O uso do chuveiro fez com que a conta aumentasse, aquele com é realmente necessário?

Caro Prof. Moreno, tenho combatido a expressão “isto faz com que...”, porém vejo “gente grande” empregando esta muleta (?) sem pensar. Proponho sempre a forma “isto faz que...”. Gostaria de conhecer sua opinião. Marcos B. – Ourinhos (SP) Meu caro Marcos, mesmo que você seja professor de Português (não sei qual a sua profissão), você não deve andar por aí combatendo palavras ou expressões. Defenda as formas que você considera corretas, mas evite atacar as que os outros empregam. Lembre-se das sábias palavras do professor Celso Luft, que abominava, e com razão, o famigerado a nível de: “Eu não uso; mas, e os outros com isso?”. Só podemos exigir fazer que quando a expressão tiver o conhecido significado de “fingir”: “Na escola moderna, o professor faz que ensina, enquanto o aluno faz que aprende”. No sentido de “causar, ocasionar”, no entanto, a escolha é totalmente livre; tanto se escreve “isso fará que ele aprenda” quanto “isso fará com que ele aprenda”. Acho precipitado você chamar de “muleta” uma prática que vem acompanhando o Português desde que ele


começou a ser escrito. Para exemplo (e para nosso divertimento), vou relacionar algumas passagens colhidas na literatura: Na sua História da Província de Santa Cruz (1576), escreve Pero de Magalhães Gandavo: “Mas porque a mãe sabe o fim que hão de dar a esta criança, muitas vezes, quando se sente prenhe, mata-a dentro da barriga e faz com que não venha à luz”. N o Tácito Português, de Francisco Manuel de Melo (1608-1666), vamos encontrar: “A pouca introdução que nos negócios permitia ao duque de Barcelos o duque seu pai fez com que ambos vivessem desconfiados”. Machado de Assis emprega regularmente a preposição: “...o remorso de não haver sufocado aquele grito de seu coração fez com que Estêvão, quase no mesmo instante, murmurasse...” (A Mão e a Luva). “Um anônimo ou anônima que passe na esquina da rua faz com que metamos Sírius dentro de Marte” (D. Casmurro). Ou ainda: “Até aí os conselhos; mas um pouco de glória fez com que Paulo cantarolasse entre os dentes, baixinho, para si, a primeira estrofe da Marselhesa”. Mais adiante: “... a certeza de que podia acender-lhes novamente os ódios fazia com que as opiniões de Pedro e de Paulo ficassem entre os seus amigos pessoais” (Esaú e Jacó). Nos seus contos, aqui e ali encontramos a bendita: “A desgraça porém que o perseguia fez com que o primeiro amigo tivesse de ir no dia seguinte a um casamento e o segundo a um baile”. Outra: “A minha boa fortuna fez com que o senhor me avisasse a tempo...”. E mais outra: “O caiporismo, que o perseguia, fazia com que as dezenove prosperassem, e a vigésima lhe estourasse nas mãos”. Camilo Castelo Branco usa e abusa: “...esta menina disse que o rapaz talvez se ofendesse, e fez com que ele ficasse sem os doze vinténs” (Novelas do Minho); “...porque entendo que é uma imprudência pôr-se em campo o Partido Realista, e isso só fará com que os Cabrais triunfem” (Maria da Fonte); “Disse que não tinha inclinação a viajar, e fez com que o pai inventasse desculpas que dispensassem a filha” (O Romance de um Homem Rico). Eça de Queirós é outro a quem a expressão não desagrada: “Só a porção de Matéria que há no homem faz com que as mulheres se resignem à incorrigível porção de Ideal”; “Talvez o requinte em retardar, que fazia com que La Fontaine, dirigindo-se mesmo para a felicidade, tomasse sempre o caminho mais longo” (Fradique Mendes). E mais: “...aquela alta superioridade que fazia com que madama Recamier se erguesse, ao cumprimentar” (As Farpas). E ainda: “Enfim, a moda é ter só uma mulher – e isto, mais do que tudo, faz com que os haréns do Cairo se vão transformando lentamente no nosso avaro e limitado casamento monógamo” (O Egito).


Como se pode ver, prezado Marcos, não podemos, eu e você, comparar-nos aos nomes que citei. Haveria muitos outros, mas achei que Machado e Eça já bastariam para mudar sua opinião. Você continua tendo o direito de preferir o fazer que, sem o com – acompanhado, aliás, por excelentes escritores –, mas não pode condenar aquilo que a tradição culta aprovou, ao longo dos séculos. P.S.: Por falar nisso: eu só uso fazer com que. muito provavelmente Aprenda a diferença provavelmente.

entre provavelmente

e muito

Prezado Professor, gostaria de saber se posso escrever, nos meus laudos médicos, algo como “As áreas descritas correspondem mais provavelmente a processo degenerativo benigno”. É correto utilizar alguma dessas expressões: mais provavelmente, mais provável, mais frequentemente ou mais frequente? Silvio T. – Médico – São Paulo (SP)

Meu caro Sílvio, mais e menos são dois advérbios intensificadores que podem ser usados com verbos (trabalhou mais, trabalhou menos), com adjetivos (mais feliz, menos feliz) ou mesmo com advérbios (mais longe, mais raramente). Uma coisa pode ser provável, mas outra pode ser ainda mais provável; isso a c onte c e frequentemente, mas pode acontecer mais frequentemente aos sábados. Não sei exatamente a estrutura do parágrafo em que você pretende usar o mais provavelmente; lembro-lhe apenas que o mais deve ser usado quando queremos estabelecer uma relação de comparação entre X e Y: se duas coisas são prováveis, nada impede que uma seja mais provável que a outra. Se você quiser, no entanto, apenas intensificar o provavelmente numa única situação (isto é, sem outro polo de comparação), então o advérbio indicado para isso é muito. Dizer que “a doença se manifesta provavelmente por causa da exposição ao sol” é diferente de afirmar que “a doença se manifesta muito provavelmente por causa da exposição ao sol” – as probabilidades aumentaram. Se você escrever


“As áreas descritas correspondem muito provavelmente a processo degenerativo benigno”, está opinando que as chances de ser exatamente assim são muito grandes. Era isso o que você queria dizer no seu laudo? P.S.: Agora, uma recomendação: quando um usuário treinado, como é o seu caso, sentir soar uma nota falsa ao optar por uma determinada expressão, deve seguir a sua intuição e não usá-la. É mais ou menos como, mutatis mutandis, a pessoa que evita um determinado alimento porque sente que ele vai lhe fazer mal. Se eu me submetesse a uma investigação médica, poderia um dia encontrar uma causa orgânica para a minha repugnância por manteiga; enquanto eu não faço isso, contudo, trato de me manter bem longe da bandida. qual a conjunção adequada?

Prof. Moreno, a professora perguntou qual seria a conjunção adequada para ligar as orações “Nada o impedia de sair” e “Preferiu ficar”. A maioria escolheu “nada o impedia de sair, mas preferiu ficar”. Ela disse que estava errado e que deveria ser “nada o impedia de sair, portanto preferiu ficar”. Será que só a forma da professora está correta? Obrigada pela resposta. Laura R. – Fortaleza (CE) Minha prezada Laura, quando coloco uma conjunção entre duas orações, estou tentando definir qual o nexo – dentro da minha óptica – que elas têm entre si. Dou-lhe um bom exemplo: compare “Ele foi eleito para a Academia; portanto, deve ser um bom escritor”, com “Ele foi eleito para a Academia; entretanto, deve ser um bom escritor”. Na primeira, está manifesta a ideia de que entrar para a Academia é um ponto positivo; na segunda, exatamente o contrário. Escolher entretanto ou portanto vai permitir que eu exprima diferentes relações entre as mesmas ideias. No caso da sua frase, eu – e a grande maioria dos leitores, como você mesma – optaria por uma conjunção adversativa (mas, porém...): “ele tinha tudo para sair, mas (ideia oposta) preferiu ficar”. Já a sua professora optou pelo portanto, o que me sugere a seguinte leitura: discute-se por que ele ficou; alguém alega que “nada o obrigou a ficar; se


ele quisesse, poderia ter saído; se ele ficou, é porque preferiu ficar”. Na fala, haveria um deslizamento do foco da frase para o verbo preferir, acompanhado, inclusive, de uma mudança no tom de voz – similar àquele que usamos em “ele não derrubou um livro; ele derrubou a estante toda” (estamos opondo livro a estante), ou “ele não derrubou a estante; na verdade, ele desmontou a estante” (estamos opondo derrubar a desmontar). Como você vê, ambas as conjunções podem entrar nesse mesmo lugar; a diferença é que 95% dos leitores optariam pela adversativa, enquanto 5% (dentro do contexto e com a intenção que descrevi) ficariam, como a professora, com a conclusiva. Talvez o contexto (o texto que vem antes e depois do trecho que você menciona) traga pistas importantes para resolver o problema. Assim, com o que você me deu, isso é tudo o que posso lhe dizer. muito pouco Um leitor do Acre está estudando para um concurso e ficou intrigado com a expressão muito pouco.

Professor, como se explica o uso da expressão muito pouco numa frase como “falta muito pouco para eu ir embora”? José C. da Silva – Rio Branco (AC) Prezado José, talvez você fique feliz em saber que sua dúvida é compartilhada por Suzana S., de Limeira (SP), e por Rogério L., de Porto Alegre (RS). Feliz também fico eu, que posso esclarecer a três leitores com uma só cajadada; basta que leiam com paciência o que passo a explicar. Todos ouviram dizer que o advérbio é uma palavra invariável que serve para modificar um verbo, um adjetivo ou outro advérbio? Pois não é bem assim; essa afirmativa, presente na maioria dos livros didáticos, só serviu, até hoje, para confundir nosso aluno. O advérbio – o nome está dizendo – modifica mesmo é o verbo; aliás, é por detalhe que ele não se chama adverbo, como é no Francês (adverbe) ou no Inglês (adverb). O que acabo de dizer vale para todos os advérbios comuns – os de modo, os de lugar, os de tempo, etc. –, exceto o grupo


especialíssimo dos advérbios de intensidade: muito, pouco, mais, menos, bastante, assaz, demasiadamente, excessivamente, etc. Estes (e só estes) podem também modificar adjetivos ou outros advérbios: Ele corre muito (modifica o verbo correr). Ele está muito feliz (modifica o adjetivo feliz). Ele mora muito longe (modifica o advérbio longe). É muito comum, portanto, a construção [muito + X ], onde “X” pode ser qualquer advérbio – inclusive alguns de intensidade. “Ele lê mais que o irmão” é diferente de “ele lê muito mais que o irmão”; da mesma forma, uma coisa é “comer pouco”; outra, é “comer muito pouco”, que é uma forma intensificada d e pouco, equivalendo ao superlativo “pouquíssimo”. Nessa mesma posição, o a dvé rbio bem, que funciona normalmente como advérbio de modo, pode também operar como advérbio de intensidade, como sinônimo de muito: “ele come bem pouco”, “ele está bem feliz”. Espero ter sido bem claro. embora Em “vamos embora”, o que está fazendo esse embora junto ao verbo? O Professor explica.

Na expressão “ir embora”, qual é a classificação da palavra embora? Ela faz parte do verbo? É um advérbio? É uma partícula sem classificação? Funciona como preposição? Ou...? Paula G. M. – Natal (RN)

Prezada Paula, a palavra embora é um advérbio formado, historicamente, pela aglutinação dos vocábulos que compõem o adjunto adverbial “em boa hora”. No Aurélio, vem um feliz exemplo do Gil Vicente, do Auto de Mofina Mendes, onde isso fica bem claro: Paio Vaz, se queres gado,


dá ó demo essa pastora: paga-lho seu, vá-se embora ou má hora, e põe o teu em recado. É evidente que hoje ninguém mais enxerga no embora essa ideia de “em boa hora”; no entanto, não concordo com o Aurélio quando diz que, em “vamos em bora”, embora é uma partícula desprovida de significado; prefiro seguir o Houaiss, para quem ele continua sendo o mesmo advérbio, com outro valor semântico; no mesmo sentido, o dicionário da Academia de Ciências de Lisboa considera habitual o emprego deste advérbio “com verbos de movimento, para indicar afastamento de um lugar”. solução de continuidade O Professor explica o que significa essa expressão e recomenda que ela não mais seja empregada.

Prezado Prof. Moreno, tenho uma grande dúvida de sintaxe: qual o significado e como empregar a expressão solução de continuidade? O Aurélio fala em separação, mas não exemplifica! Desde já agradeço a atenção dispensada. Tatiana M. – Blumenau (SC)

Minha cara Tatiana, não se trata de sintaxe, mas do significado de uma expressão – o que fica no âmbito da semântica. Solução de continuidade significa “interrupção”, isto é, a continuidade foi “dissolvida” (este é o sentido aqui de solução; não se trata da solução que vem do verbo resolver, que você vai encontrar na “solução de um problema”). Por exemplo, é indispensável criar escolas de emergência na região assolada pelas enchentes, para que a educação das crianças não sofra solução de continuidade, isto é, não seja interrompida. Esta é uma daquelas expressões que, a meu ver, tornaram-se completamente inúteis, na medida em que as pessoas as entendem das mais diferentes maneiras. há cerca de


Se dói quando corrigem um erro nosso, dói mais ainda quando tacham injustamente de erro uma forma que estamos usando corretamente. Uma leitora sofre na carne essa injustiça ao empregar há cerca.

Fui alvo de gozação por ter escrito a seguinte frase: “Ele mora lá há cerca de 30 anos”. Disseram que cerca era sinônimo de algo cercado e que “há cerca” não existia. Aconselharam-me até a comprar um dicionário ou gramática. Apesar de ter certeza de que esta forma é certa, não consegui dar uma explicação gramatical que fosse convincente o bastante para dissipar qualquer dúvida sobre a controvérsia. Por isso, venho pedir a ajuda do Professor Moreno. Kecia V. Minha cara Kecia, como se costuma dizer, você está coberta de razão. Só não entendi em que meio você se move: quem, no seu são juízo, pode afirmar que há cerca não existe? Essas pessoas que zombaram de você já frequentaram colégio? Vamos por partes. (1) Qualquer pessoa alfabetizada sabe que podemos usar haver para indicar tempo decorrido: há (=faz) dez dias, havia (=fazia) dois anos, etc. Espero que até aqui todos os seus amigos concordem e não comecem suas zombarias. (2) O advérbio cerca é um sinônimo mais ou menos culto para aproximadamente, mais ou menos: “Cerca de duas mil pessoas estiveram no enterro”. Até aqui, também, espero que não haja dúvidas. (3) Pergunto: todos aí aceitam “cheguei aqui há aproximadamente três horas”? Mais uma vez, espero que sim; esta expressão faz parte do Português básico. Ora, muito bem; chegamos ao final da lição: substituam aproximadamente por seus sinônimos, e vamos ter “cheguei aqui há mais ou menos três horas” e – adivinhem! – “cheguei a qui há cerca de três horas”. Pronto, Kecia. Aqui você tem a justificativa gramatical de que necessitava; só me indigno com a inversão de valores: a pessoa que escreve certo é que tem de dar explicações aos demais, a eles que – esses sim! – deviam se aproximar um pouco mais das gramáticas e do nosso querido amansa-burro. Curtas


há mais de dez anos

Elenice Ferro quer saber se o correto seria escrever “...atuando a mais de 10 anos em organizações de grande porte” ou “... atuando há mais de 10 anos em organizações de grande porte”. Minha cara Elenice, trata-se aqui de indicar tempo já decorrido; neste caso, o verbo usado para isso sempre foi o verbo haver. Você deve, portanto, escrever “atuando há mais de 10 anos...”. há dois anos

Tiago C., mecânico de Santo André (SP), quer saber como deve escrever: “Sou pai a ou há dois anos”. Prezado Tiago, você deve escrever “Sou pai há dois anos”. Aqui não se trata da preposição a, mas do verbo haver, usado como um substituto para fazer: “Faz dois anos que eu sou pai”. Ia ser diferente se fosse no futuro: “Vou ser pai daqui a dois meses”. há mais ou menos

Gilson P., de Macaé (RJ), quer saber se está correta a frase “Sou da Bahia, mas


estou vivendo aqui no Rio de Janeiro a mais ou menos 26 anos”. Ou seria “há mais ou menos”? Meu caro Gilson, “Vivo no Rio há mais ou menos vinte anos”. É tempo decorrido, é verbo haver; em outras palavras, “Faz mais ou menos 26 anos que estou vivendo no Rio”. há tempos

Maria do Carmo, de Marília (SP), estranha a forma há usada no lema de uma empresa de transporte urbano de sua cidade: “Há tempos circulando com você”. Prezada Maria do Carmo, a frase está correta; o verbo haver aqui está sendo usado para indicar tempo decorrido. É o mesmo caso de frases como “Há dez anos”, “Isso aconteceu há dois minutos”, “Eu não o vejo há semanas”. a dois mil metros

Telmo D. pergunta qual a expressão correta: “estou há dois mil metros de altura” ou “estou a dois mil metros”? Caro Telmo, o verbo haver é empregado para indicar tempo passado, da mesma forma que fazer: “estamos há dois anos da virada do milênio” é o mesmo que “faz dois anos que entramos no novo milênio” (isto é, já se passaram dois anos). Não é disso que estamos falando na frase que você mandou, pois ela fala de distância; o correto é mesmo “estou a dois mil metros de altura”. há ou a?


Amauri C., de Uberlândia (MG), gostaria de saber se deve usar a ou há em várias frases que caíram numa prova de concurso: (a) Estive em Belo Horizonte ___ quinze dias atrás. (b) ___ dois dias que estou tentando telefonar. (c) Os documentos foram enviados ___ mais de uma semana. (d) Estamos ___ três meses do nascimento e ele ainda não foi ao cartório para registrar o filho. Prezado Amauri, você deve completar todas as lacunas com há, do verbo haver, pois todas elas tratam de tempo decorrido. A última é um pouco mais ardilosa, mas a referência ao cartório deixa claro que já faz três meses que o bebê nasceu.


Cláudio Moreno nasceu na cidade de Rio Grande (RS). No final dos anos 60, concluiu o curso de Letras da UFRGS, com habilitação em Português e Grego. Em 1972 ingressou como docente no Instituto de Letras da mesma universidade, tendo sido responsável por várias disciplinas nos cursos de Letras e de Jornalismo, assim como pela disciplina de Redação para os cursos de Pós-Graduação de Medicina. Em 1977, concluiu o mestrado em Língua Portuguesa com a dissertação Os diminutivos em -inho e -zinho e a delimitação do vocábulo nominal no Português; em 1997, obteve o título de Doutor em Letras com a tese Morfologia nominal do Português. Do jardim-de-infância à universidade, estudou toda sua vida em escolas públicas e gratuitas, razão pela qual, sentindo-se em dívida para com aqueles que indiretamente custearam sua educação, resolveu criar e manter o sítio www.sualingua.com.br como uma pequena retribuição por aquilo que recebeu. Coordena, atualmente, a área de Língua Portuguesa dos colégios Leonardo da Vinci Alfa e Beta, de Porto Alegre, do Sistema Unificado de Ensino. É professor regular das Teleaulas de Língua Portuguesa da Universidade Estácio de Sá, do Rio de Janeiro. Na imprensa, assinou uma coluna mensal sobre etimologia na revista Mundo Estranho, da Abril, e escreve regularmente no jornal Zero Hora, de Porto Alegre, onde mantém uma seção sobre Mitologia Clássica e outra sobre questões de nosso idioma. Publicou, em coautoria, livros sobre a área da redação – Redação técnica (Formação), Curso básico de redação (Ática) e Português para convencer (Ática). Sobre gramática, publicou o Guia prático do Português correto pela L&PM Editores, em quatro volumes: Ortografia (2003), Morfologia (2004), Sintaxe (2005) e Pontuação (2010). Pela mesma editora, lançou O prazer das palavras – v.1 (2007) e v.2 (2008), com artigos sobre etimologia e curiosidades de nosso idioma. Além disso, é o autor do romance Troia (2004) e de dois livros de crônicas sobre Mitologia Clássica, Um rio que vem da Grécia (2004) e 100 lições para viver melhor (2008), todos pela L&PM Editores.


Texto de acordo com a nova ortografia. Projeto gráfico e capa: Ana Cláudia Gruszy nski Revisão: Jó Saldanha, Renato Deitos e Elisângela Rosa dos Santos Revisão final: Cláudio Moreno M843g Moreno, Cláudio Guia prático do Português correto: sintaxe/Cláudio Moreno. – Porto Alegre: L&PM, 2011. (Coleção L&PM POCKETt; v. 471) ISBN 978.85.254.2331-3 1.Português-sintaxe. I.Título. II.Série. CDU 801.3=690(035) Catalogação elaborada por Izabel A. Merlo, CRB 10/329. © Cláudio Moreno, 2005 e-mail do autor: hapax@terra.com.br Todos os direitos desta edição reservados a L&PM Editores Rua Comendador Coruja 314, loja 9 – Floresta – 90220-180 Porto Alegre – RS – Brasil / Fone: 51.3225.5777 – Fax: 51.3221-5380 Pedidos & Depto. Comercial: vendas@lpm.com.br Fale conosco: info@lpm.com.br www.lpm.com.br


Table of Contents Apresentação 1. Funções sintáticas classe não é função viver é verbo de ligação? sujeito oculto? nomenclatura Gramatical Brasileira sujeito oracional sujeito do Ouviram do Ipiranga fui eu quem fez a hora da onça beber água adjunto adnominal x predicativo adjunto adnominal x complemento nominal complemento nominal? complemento adverbial? 2. Sintaxe dos pronomes pessoais colocação do pronome a colocação “brasileira” do pronome mesóclise? pronome solto entre dois verbos mesmo o eu pode vir primeiro? emprego do lhe o lhe é só para humanos? o ou lhe para mim comprar 3. Regência verbal doa quem doer pisar na grama preposições juntas Preposições nos sobrenomes Suicidar-se Onde e aonde implicar chegar em? assistir alguém que lhe queira atender dignar-se de 4. Crase


Bahia e Recife se vou a e volto da do ou de Paulo? em França? artigo antes de relativos crase e pronome de tratamento crase e subentendimento crase precisa de um artigo! as oito às doze ensino à distância 5. Concordância verbal o deslocamento do sujeito concordância com verbos impessoais há de haver haviam ocorrido concordância com a voz passiva sintética concordância do verbo ser a gente somos? o povo brasileiro somos o s Estados Unidos é? mais sobre Estados Unidos concordância com percentuais fui eu quem começou a maioria dos homens 6. Tratamento lhe, te e você tu x você se liga quem é doutor, afinal? enfermeiro é doutor? Vossa Meritíssima? 7. Concordância nominal a cerveja que desce redondo nacionalidade brasileiro ou brasileira? seu(s) próprio(s) umbigo(s) camisas cinza anexo ou em anexo? gênero, número e caso haja vista 8. Problemas de construção a persistirem os sintomas


dupla negativa absolutamente é negativo? nem se se faz com que muito provavelmente qual a conjunção adequada? muito pouco embora solução de continuidade há cerca de Sobre o Autor

Guia Prático do Português Correto _ Sintaxe _ Cláudio Moreno  
Guia Prático do Português Correto _ Sintaxe _ Cláudio Moreno  
Advertisement